Trabalho apresentado no III Congresso Ibero-americano de Psicogerontologia, sendo de total responsabilidade de seu(s) autor(es).

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Trabalho apresentado no III Congresso Ibero-americano de Psicogerontologia, sendo de total responsabilidade de seu(s) autor(es)."

Transcrição

1 A QUALIDADE DE VIDA SOB A ÓTICA DAS DINÂMICAS DE MORADIA: A IDADE ENQUANTO UM FATOR DE ACÚMULO DE ATIVOS E CAPITAL PESSOAL DIFERENCIADO PARA O IDOSO TRADUZIDO NAS CONDIÇÕES DE MORADIA E MOBILIDADE SOCIAL RESUMO Fabio Roberto Bárbolo Alonso NEPO/UNICAMP, Campinas, Brasil A pesquisa em questão está vinculada ao Projeto Vulnerabilidade, desenvolvido pelo Núcleo de Estudos de População/NEPO da UNICAMP, com financiamento FAPESP/CNPQ. Este trabalho estabelece uma análise comparativa entre os idosos e os demais grupos etários em relação às condições de moradia e aos fatores determinantes das mudanças residenciais empreendidas por estes sujeitos ao longo de sua vida. Observando aspectos como o número de mudanças dentro do Município e entre Municípios, os motivos que levam um indivíduo a residir em um bairro, assim como se mudarem para outros, é possível observar determinantes diferenciados entre os grupos etários. A partir daí, buscamos compreender se os idosos possuem condições vantajosas de moradia devido a um acúmulo de capital pessoal que os mais jovens ainda não possuem, fazendo com que realizem suas escolhas orientados pela busca por uma maior qualidade de vida oferecida em cada região. Já os mais jovens, ao contrário, ainda não atingiram o mesmo nível de recursos e disponibilidade, fazendo com que estejam ligados aos imperativos do mercado de trabalho e tenham suas possibilidades de escolha restringidas. Consequentemente, a qualidade de vida é uma realidade para os idosos e um sonho de consumo para os mais jovens. Os indicadores utilizados são relativos ao Município de Santos-SP, que apresenta um acelerado processo de envelhecimento populacional, ilustrando assim as características específicas das populações que vivenciam tal processo. Foram utilizadas as informações censitárias a partir de 1970 e a pesquisa de campo domiciliar do Projeto Vulnerabilidade envolvendo 1455 domicílios para a construção dos indicadores. PALAVRAS-CHAVE: ENVELHECIMENTO QUALIDADE DE VIDA - MORADIA

2 Este trabalho tem como objetivo analisar alguns indicadores que ilustrem a dinâmica espacial da população idosa sob o ponto de vista da mobilidade social, sendo o objeto de investigação aqui utilizado os deslocamentos realizados pelos indivíduos ao longo de sua vida, e algumas observações em relação à qualidade e à motivação de tais deslocamentos. Procuramos assim extrair de tais indicadores possíveis relações existentes entre o envelhecimento e uma evolução positiva no que diz respeito às condições de moradia e qualidade de vida. Esta hipótese de trabalho é fundamentada na observação dos resultados da pesquisa domiciliar realizada em junho de 2007 pelo Projeto Vulnerabilidade, desenvolvido pelo NEPO/UNICAMP. Questionados acerca dos motivos que os levaram ao município de Santos-SP, os entrevistados não naturais ali residentes apresentaram resultados diferenciados de acordo com o seu grupo etário, como se pode constatar abaixo: Tabela 1: Motivo de Mudança de Município (Responsáveis pelo Domicílio): Santos-SP Motivo de Mudança do Município (RDs) Adultos (15 a 59 anos) Grupo etário Idosos (60 anos ou mais) Compra de imóveis / Imóveis mais baratos 4,24 2,26 Trabalhar ou procurar trabalho na região 47,27 35,34 Buscou tratamento médico no município 0,00 1,50 Estudar na região 0,61 0,75 Tinha parente no município / Acompanhar a Família 17,58 26,32 Casou-se com um residente do município 5,45 3,76 Lugar mais tranqüilo 3,64 6,77 Aproveitar os benefícios oferecidos pela região 6,67 12,03 Outros 10,91 11,28 Não sabe ou não quer responder 3,64 0,00 Total 100,00 100,00

3 Dentre as variadas opções de resposta, os resultados mostram uma proporção bem mais elevada de adultos nos 2 primeiros itens, que são relativos à aquisição de imóveis e oferta de emprego, fatores que podemos classificar como característicos de uma fase intermediária no curso de vida, marcada pela busca de qualidade de vida e pela consolidação da estabilidade econômica. Inversamente, os idosos se apresentam em uma proporção superior nos itens relativos às motivações determinadas por aspectos orientados para as relações familiares e pelos benefícios oferecidos pela região, o que indicaria uma etapa de vida posterior àquela vivenciada pelos adultos mais jovens. Esta etapa poderia ser definida como uma fase em que estes indivíduos estariam buscando usufruir dos recursos conquistados ao longo de sua vida, recursos estes que os adultos ainda buscam conquistar, daí as motivações dos mais velhos em relação à escolha do município em questão apresentarem um enfoque bem diferente daquela observada dentre os mais jovens. A mesma tendência de comportamento pode ser constatada quando observamos as motivações que levaram os indivíduos a optar pelo bairro em que residem no momento da pesquisa, onde podemos constatar a mesma orientação para cada grupo etário destacada anteriormente: Tabela 2: Motivo de Escolha do bairro (Responsáveis pelo Domicílio): Santos- SP Motivo de escolha do Bairro (RDs) Grupo etário Idosos (60 anos ou Adultos (15 a 59 anos) mais) O bairro é mais barato para morar 27,10 21,40 Proximidade com o local de trabalho 10,10 7,90 Proximidade da escola dos filhos 3,40 0,80 Proximidade de parentes 12,60 7,90 Maior infra-estrutura 27,50 28,60 Melhor qualidade de vida 16,40 32,50 Outros 2,90 0,80 Total 100,00 99,90 Podemos observar uma maior concentração de adultos em relação aos idosos nos itens relacionados à moradia e trabalho, enquanto que para os mais

4 velhos sobressai uma elevada proporção nas motivações orientadas pela infraestrutura e qualidade de vida do bairro. A Pesquisa ainda buscou informações relativas ao bairro de residência anterior do entrevistado, com o objetivo de captar a qualidade do deslocamento empreendido pelos indivíduos de forma comparada ao bairro de residência atual. Tabela 3: Comparação com o bairro de residência anterior (Responsáveis pelo Domicílio) : Santos-SP Melhor Igual Pior Comparação com o Adultos Idosos Adultos Idosos Adultos Idosos Bairro de residência (15 a 59 (60 anos (15 a 59 (60 anos (15 a 59 (60 anos anterior (RDs) anos) ou mais) anos) ou mais) anos) ou mais) Atendimento da 50,70 45,20 44,00 53,20 5,30 1,60 Prefeitura Infra-estrutura 72,20 64,30 23,00 32,50 4,80 3,20 Saúde 51,70 43,70 42,60 54,80 5,70 1,60 Segurança 67,50 58,70 28,70 39,70 3,80 1,60 Qualidade do Ar 60,80 69,80 33,00 26,20 6,20 4,00 Analisando os resultados obtidos, podemos observar que os idosos apresentaram proporções mais elevadas no item igual, proporção esta ligeiramente superior à daqueles que afirmaram que o bairro atual seria melhor do que o anterior. Por outro lado, os adultos apresentam resultados inversos, estando concentrados em maioria naqueles que consideram seu bairro atual como melhor, proporção ligeiramente superior à daqueles que classificaram esta condição como igual. Porém, observamos para este grupo uma proporção considerável de indivíduos respondentes do item pior, o que não é observado entre os idosos, que se apresentam em uma proporção mínima neste grupo. As características observadas para os adultos mais jovens reforçam o argumento de que este grupo ainda se encontra em busca da tal estabilidade sócioeconômica, tendo em vista que seus deslocamentos foram motivados primordialmente por questões relacionadas às possibilidades de condições materiais e ao mercado de trabalho, e muito menos motivadas por questões relacionadas ao desfrute de recursos e à qualidade de vida.

5 Número de Municípios onde morou Número de Municípios onde morou Número de Mudanças dentro do Município atual Número de Mudanças dentro do Município atual Trabalho apresentado no III Congresso Ibero-americano de Psicogerontologia, sendo de total Porém, a população idosa não pode ser considerada heterogênea em relação às suas características. Além das diferenças sempre destacadas entre os sexos, as próprias condições de moradia e as oportunidades de deslocamento também se apresentam como um fator de diferenciação interna do grupo. A pesquisa domiciliar desenvolvida pelo Projeto Vulnerabilidade classificou a região metropolitana da Baixada Santista segundo 3 estratos espaciais, orientados por um nível decrescente de vulnerabilidade, ou seja, estariam alocados no estrato 3 os domicílios que possuíssem uma infraestrutura de maior qualidade no entorno, assim como os próprios indivíduos ali residentes apresentariam uma melhor condição sócio-econômica que lhes permitiria uma maior proteção contra qualquer tipo de risco ou ameaça na vida em sociedade. O município de Santos não apresenta nenhum domicílio no estrato 1, que inversamente ao descrito anteriormente, seria aqueles estratos em que os domicílios apresentariam um menor potencial de capitais e recursos para enfrentar os riscos a que estariam sujeitos, sendo portanto, mais vulneráveis. Neste caso, os idosos podem ser observados de acordo com a classificação relativa à vulnerabilidade dos domicílios em que residem, onde o estrato 3 representaria um nível de vulnerabilidade inferior àqueles domicílios classificados no estrato 2. Observando os deslocamentos empreendidos pela população idosa no Município de Santos-SP segundo os estratos utilizados pela pesquisa, obtemos os seguintes indicadores: Gráfico 1: Mobilidade da População Idosa segundo o Estrato do Domicílio: Santos-SP Responsáveis do Domicílio com 60 anos ou mais de Idade: Estrato 2 Responsáveis pelo Domicílio com 60 anos ou mais de Idade: Estrato 3 53,85 43,59 40,65 58,06 74,36 25,64 69,68 30,33 Até 2 3 ou mais Até 2 3 ou mais

6 Podemos perceber diferenças em relação à mobilidade do grupo em ambos os quesitos investigados. Em relação ao número de municípios em que o responsável residiu, observamos uma tendência semelhante em ambos os estratos, onde aqueles que residiram em no máximo 2 municípios se apresentam em uma proporção bem mais elevada. Porém, os resultados da investigação acerca do número de mudanças dentro do município de Santos-SP apresenta tendências opostas, onde os respondentes do estrato 2, no caso mais vulneráveis, se apresentam em uma proporção ligeiramente maior dentre aqueles com um menor número de mudanças, enquanto que no estrato 3 aqueles com uma maior número de mudanças se apresentam em uma proporção mais elevada. Esta observação nos leva a pensar se existiria alguma relação entre o status social, aqui representado pela condição privilegiada de residência pelo estrato 3, e uma evolução positiva de deslocamento, onde uma sucessão de mudanças qualitativas de residência levaria à uma condição privilegiada, mudanças estas viabilizadas graças ao acumulo de ativos por parte dos sujeitos em questão ao longo de suas vidas. Observando ainda o motivo de mudança do município anterior para o município atual, obtemos os seguintes indicadores: Gráfico 2: Motivo de mudança do Município: Responsáveis do Domicílio com 60 anos ou mais de idade segundo o Estrato do Domicílio de residência: Santos- SP 14% 8% Motivo de mudança do Município: Responsáveis pelo Domicílio com 60 nos ou mais de idade do estrato 3 10% Compra de imóveis / Imóveis mais baratos Trabalhar ou procurar trabalho na região Buscou tratamento médico no 34% município Estudar na região 23% Tinha parente no município / Acompanhar a Família Casou-se com um residente do município Lugar mais tranquilo Aproveitar os benefícios oferecidos pela região Outros Motivo de mudança do Município: Responsáveis pelo Domicílio com 60 nos ou mais de idade do estrato 2 15% Compra de imóveis / Imóveis mais baratos Trabalhar ou procurar trabalho na região Buscou tratamento médico no município Estudar na região 38% 43% Tinha parente no município / Acompanhar a Família Casou-se com um residente do município Lugar mais tranquilo Aproveitar os benefícios oferecidos pela região Outros

7 Os dados mostram que os idosos do estrato 3 se apresentam em uma elevada proporção nas motivações relacionadas aos benefícios vislumbrados na região, somando mais de 22% do total, enquanto este percentual para os residentes do estrato 2 atinge apenas 3,8 % do total. Por outro lado, uma proporção bem mais elevada de indivíduos deste estrato se apresenta dentre aqueles que ali estão por motivos de trabalho e por acompanhamento de familiares, o que poderia indicar uma situação de dependência por parte dos mais velhos em relação aos familiares mais jovens. A diferença se torna bem mais evidente quando se trata do bairro em que residem, onde cerca mais de 70% dos respondentes do estrato 3 afirmam que ali estão por questões relativas à melhor qualidade de vida e à infra-estrutura oferecida pelo bairro. Mostrando uma tendência motivacional completamente diversa, os respondentes do estrato 2 somam apenas cerca de 22% que compartilham desta visão, enquanto que, por outro lado, mais de 70% afirmam que ali residem por questões financeiras, proximidade do trabalho, e proximidade de parentes. Esses indicadores nos levam à uma conclusão primária de que realmente existem diferenças significativas entre a população idosa residente nos estratos 2 e 3, fazendo com que as condições de vida e a qualidade do estrato em que residem estejam diretamente relacionadas aos recursos e aos capitais que cada indivíduo dispõe. Na medida em que estes recursos e capitais são desiguais, as possibilidades de evolução e os determinantes da condição e da qualidade de vida de cada indivíduo se torna igualmente diferenciada, fazendo com que as necessidades e obstáculos limitantes prevaleçam para os menos privilegiados, enquanto oportunidades de evolução e melhoria de qualidade de vida prevalecem para os mais favorecidos. BIBLIOGRAFIA: FIBGE (Fundação Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística) - Censo Demográfico, Rio de Janeiro, Censo Demográfico, Rio de Janeiro, 1991.

8 - Censo Demográfico, Rio de Janeiro, Núcleo de Estudos de População/UNICAMP (2007) Pesquisa Domiciliar do ProjetoVulnerabilidade FAPESP/CNPQ Campinas, Brasil. AUTOR: Fabio Roberto Bárbolo Alonso Doutorando e Pesquisador CNPQ em Demografia junto ao Núcleo de Estudos de População da UNICAMP/SP; Mestre em Ciências Jurídicas e Sociais pela UFF/RJ; Bacharel em Ciências Sociais pela UERJ/RJ. Endereço eletrônico:

A agenda demográfica e de políticas públicas do Estado de São Paulo

A agenda demográfica e de políticas públicas do Estado de São Paulo A agenda demográfica e de políticas públicas do Estado de São Paulo Projeções da Fundação Seade para a trajetória até 2050 indicam que o grupo populacional com mais de 60 anos será triplicado e o com mais

Leia mais

Caracterização do território

Caracterização do território Perfil do Município de Santos, SP 30/07/2013 - Pág 1 de 14 Caracterização do território Área 281,35 km² IDHM 2010 0,840 Faixa do IDHM Muito Alto (IDHM entre 0,8 e 1) (Censo 2010) 419400 hab. Densidade

Leia mais

Análise dos fatores associados à migração recente na RM de Campinas

Análise dos fatores associados à migração recente na RM de Campinas Análise dos fatores associados à migração recente na RM de Campinas Resumo Ednelson Mariano Dota Os resultados em termos de organização socioespacial das grandes cidades tornam-se cada vez mais complexos

Leia mais

ÍNDICE PAULISTA DE VULNERABILIDADE SOCIAL

ÍNDICE PAULISTA DE VULNERABILIDADE SOCIAL ÍNDICE PAULISTA DE VULNERABILIDADE SOCIAL O Estado de São Paulo, especialmente nos grandes centros urbanos, apresenta enormes desigualdades sociais, com áreas de alto padrão de qualidade de vida e outras

Leia mais

3. POPULAÇÃO E INDICADORES DEMOGRÁFICOS

3. POPULAÇÃO E INDICADORES DEMOGRÁFICOS 3. POPULAÇÃO E INDICADORES DEMOGRÁFICOS 37 38 3.1. Introdução Para a interpretação dos dados de saúde, quer de morbilidade quer de mortalidade, e nomeadamente para, com base nesses dados, se fazer o planeamento

Leia mais

O QUE ESTÃO FAZENDO OS JOVENS QUE NÃO ESTUDAM, NÃO TRABALHAM E NÃO PROCURAM TRABALHO?

O QUE ESTÃO FAZENDO OS JOVENS QUE NÃO ESTUDAM, NÃO TRABALHAM E NÃO PROCURAM TRABALHO? O QUE ESTÃO FAZENDO OS JOVENS QUE NÃO ESTUDAM, NÃO TRABALHAM E NÃO PROCURAM TRABALHO? Ana Amélia Camarano* Solange Kanso** 1 INTRODUÇÃO As fases da vida são marcadas tanto por eventos biológicos, como

Leia mais

Caracterização do território

Caracterização do território Perfil do Município de Areado, MG 29/07/2013 - Pág 1 de 14 Caracterização do território Área 282,6 km² IDHM 2010 0,727 Faixa do IDHM Alto (IDHM entre 0,700 e 0,799) (Censo 2010) 13731 hab. Densidade demográfica

Leia mais

CENSO DEMOGRÁFICO DE 2010: MUDANÇAS METODOLÓGICAS E RESULTADOS PRELIMINARES DO UNIVERSO

CENSO DEMOGRÁFICO DE 2010: MUDANÇAS METODOLÓGICAS E RESULTADOS PRELIMINARES DO UNIVERSO Suzana Cavenaghi José Eustáquio Diniz Alves Escola Nacional de Ciências Estatísticas (ENCE) Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). CENSO DEMOGRÁFICO DE 2010: MUDANÇAS METODOLÓGICAS E RESULTADOS

Leia mais

na região metropolitana do Rio de Janeiro

na região metropolitana do Rio de Janeiro O PERFIL DOS JOVENS EMPREENDEDORES na região metropolitana do Rio de Janeiro NOTA CONJUNTURAL MARÇO DE 2013 Nº21 PANORAMA GERAL Segundo a Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (PNAD/IBGE) de 2011,

Leia mais

ESTUDO TÉCNICO N.º 03/2015

ESTUDO TÉCNICO N.º 03/2015 ESTUDO TÉCNICO N.º 03/2015 Ações de Inclusão Produtiva segundo Censo SUAS 2013: uma análise sob diversos recortes territoriais. MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO SOCIAL E COMBATE À FOME SECRETARIA DE AVALIAÇÃO

Leia mais

Caracterização do território

Caracterização do território Perfil do Município de Botelhos, MG 29/07/2013 - Pág 1 de 14 Caracterização do território Área 335,24 km² IDHM 2010 0,702 Faixa do IDHM Alto (IDHM entre 0,700 e 0,799) (Censo 2010) 14920 hab. Densidade

Leia mais

Caracterização do território

Caracterização do território Perfil do Município de Alto Boa Vista, MT 01/08/2013 - Pág 1 de 14 Caracterização do território Área 2248,35 km² IDHM 2010 0,651 Faixa do IDHM Médio (IDHM entre 0,6 e 0,699) (Censo 2010) 5247 hab. Densidade

Leia mais

Ao dormir, todos somos vulneráveis. William Shakespeare NOTA TÉCNICA. Adma Figueiredo. Eloisa Domingues. Ivete Rodrigues

Ao dormir, todos somos vulneráveis. William Shakespeare NOTA TÉCNICA. Adma Figueiredo. Eloisa Domingues. Ivete Rodrigues Ao dormir, todos somos vulneráveis. William Shakespeare NOTA TÉCNICA Tipologia da Vulnerabilidade Social na Bacia Hidrográfica do São Francisco, Brasil Adma Figueiredo Geógrafa IBGE Eloisa Domingues Geógrafa

Leia mais

Caracterização do território

Caracterização do território Perfil do Município de Sorriso, MT 02/08/2013 - Pág 1 de 14 Caracterização do território Área 9382,37 km² IDHM 2010 0,744 Faixa do IDHM Alto (IDHM entre 0,700 e 0,799) (Censo 2010) 66521 hab. Densidade

Leia mais

Caracterização do território

Caracterização do território Perfil do Município de Novo Mundo, MT 02/08/2013 - Pág 1 de 14 Caracterização do território Área 5826,18 km² IDHM 2010 0,674 Faixa do IDHM Médio (IDHM entre 0,6 e 0,699) (Censo 2010) 7332 hab. Densidade

Leia mais

Caracterização do território

Caracterização do território Perfil do Município de São José do Rio Claro, MT 02/08/2013 - Pág 1 de 14 Caracterização do território Área 5074,56 km² IDHM 2010 0,682 Faixa do IDHM Médio (IDHM entre 0,6 e 0,699) (Censo 2010) 17124 hab.

Leia mais

Caracterização do território

Caracterização do território Perfil do Município de Vera, MT 02/08/2013 - Pág 1 de 14 Caracterização do território Área 2962,4 km² IDHM 2010 0,680 Faixa do IDHM Médio (IDHM entre 0,6 e 0,699) (Censo 2010) 10235 hab. Densidade demográfica

Leia mais

RESULTADOS DO PROJETO PILOTO

RESULTADOS DO PROJETO PILOTO RESULTADOS DO PROJETO PILOTO 1. INTRODUÇÃO O projeto piloto organizado pelo Centro de Pesquisas Rachid Mohamd Chibib sob a direção do Prof. Msc. Wagner Cardozo teve por objetivo analisar a composição de

Leia mais

Caracterização do território

Caracterização do território Perfil do Município de Peruíbe, SP 30/07/2013 - Pág 1 de 14 Caracterização do território Área 323,17 km² IDHM 2010 0,749 Faixa do IDHM Alto (IDHM entre 0,700 e 0,799) (Censo 2010) 59773 hab. Densidade

Leia mais

Caracterização do território

Caracterização do território Perfil do Município de Porto Alegre do Norte, MT 02/08/2013 - Pág 1 de 14 Caracterização do território Área 3994,51 km² IDHM 2010 0,673 Faixa do IDHM Médio (IDHM entre 0,6 e 0,699) (Censo 2010) 10748 hab.

Leia mais

Caracterização do território

Caracterização do território Perfil do Município de Cabo Verde, MG 29/07/2013 - Pág 1 de 14 Caracterização do território Área 368,15 km² IDHM 2010 0,674 Faixa do IDHM Médio (IDHM entre 0,6 e 0,699) (Censo 2010) 13823 hab. Densidade

Leia mais

Melhor Idade Oficinas de Produção 1

Melhor Idade Oficinas de Produção 1 Melhor Idade Oficinas de Produção 1 Patrícia da Silva Fonseca. Economista Doméstica e estudante não-vinculado do Programa de Pós-Graduação em Economia Doméstica da Universidade Federal de Viçosa. Endereço:

Leia mais

Caracterização do território

Caracterização do território Perfil do Município de Guaranésia, MG 29/07/2013 - Pág 1 de 14 Caracterização do território Área 294,28 km² IDHM 2010 0,701 Faixa do IDHM Alto (IDHM entre 0,700 e 0,799) (Censo 2010) 18714 hab. Densidade

Leia mais

TEMA: POPULAÇÃO JOVEM DE 16 A 24 ANOS

TEMA: POPULAÇÃO JOVEM DE 16 A 24 ANOS Em 5 de agosto de 2013 foi sancionado o Estatuto da Juventude que dispõe sobre os direitos da população jovem (a Cidadania, a Participação Social e Política e a Representação Juvenil, a Educação, a Profissionalização,

Leia mais

Pnad: Um em cada cinco brasileiros é analfabeto funcional

Pnad: Um em cada cinco brasileiros é analfabeto funcional 08/09/2010-10h00 Pesquisa visitou mais de 150 mil domicílios em 2009 Do UOL Notícias A edição 2009 da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (Pnad), realizada pelo IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia

Leia mais

Brasil: O consumo de carnes passado a limpo! Contagem da população brasileira pelo IBGE em 2007

Brasil: O consumo de carnes passado a limpo! Contagem da população brasileira pelo IBGE em 2007 Brasil: O consumo de carnes passado a limpo! Contagem da população brasileira pelo IBGE em 2007 revela um número menor de habitantes do que se esperava e mostra um maior consumo per capita de carnes. Luciano

Leia mais

A MULHER EMPREENDEDORA DA REGIÃO METROPOLITANA DE MARINGÁ

A MULHER EMPREENDEDORA DA REGIÃO METROPOLITANA DE MARINGÁ A MULHER EMPREENDEDORA DA REGIÃO METROPOLITANA DE MARINGÁ 1.0 Introdução Prof. Dr. Joilson Dias Assistente Científica: Cássia Kely Favoretto Costa Departamento de Economia Universidade Estadual de Maringá

Leia mais

PORTO ALEGRE EM ANÁLISE 2013

PORTO ALEGRE EM ANÁLISE 2013 PORTO ALEGRE EM ANÁLISE 2013 Na data em que Porto Alegre comemora seus 241 anos de fundação, o Observatório da Cidade apresenta o Porto Alegre em Análise 2013. Trata-se de um espaço que tem como desafio

Leia mais

Comentários. Programa saúde da família

Comentários. Programa saúde da família Comentários levantamento suplementar de saúde da Pesquisa Nacional por O Amostra de Domicílios PNAD 2008 trouxe informações detalhadas sobre a saúde da população residente em domicílios particulares no

Leia mais

Censo Demográfico 2010. Trabalho e Rendimento Educação e Deslocamento

Censo Demográfico 2010. Trabalho e Rendimento Educação e Deslocamento Censo Demográfico 2010 Trabalho e Rendimento Educação e Deslocamento Rio de Janeiro, 19 de dezembro de 2012 As presentes publicações dão continuidade à divulgação dos resultados do Censo Demográfico 2010

Leia mais

AS CARACTERÍSTICAS DO TRABALHO DOMÉSTICO REMUNERADO NOS MERCADOS DE TRABALHO METROPOLITANOS

AS CARACTERÍSTICAS DO TRABALHO DOMÉSTICO REMUNERADO NOS MERCADOS DE TRABALHO METROPOLITANOS A MULHER NOS MERCADOS DE TRABALHO METROPOLITANOS MARÇO 2008 Especial - Abril 2011 AS CARACTERÍSTICAS DO TRABALHO DOMÉSTICO REMUNERADO NOS MERCADOS DE TRABALHO METROPOLITANOS Em homenagem ao Dia Nacional

Leia mais

VOLUME 3. Projeção Demográfica; Projeção de Matrículas, Taxas de Atendimento e Taxas de Transição; Indicadores do Censo Escolar.

VOLUME 3. Projeção Demográfica; Projeção de Matrículas, Taxas de Atendimento e Taxas de Transição; Indicadores do Censo Escolar. VOLUME 3 Projeção Demográfica; Projeção de Matrículas, Taxas de Atendimento e Taxas de Transição; Indicadores do Censo Escolar. 69 PARTE I PROJEÇÃO DEMOGRÁFICA 70 1 Introdução A atualização de projeções

Leia mais

Aula5 POPULAÇÃO E DEMOGRAFIA NO BRASIL. Debora Barbosa da Silva

Aula5 POPULAÇÃO E DEMOGRAFIA NO BRASIL. Debora Barbosa da Silva Aula5 POPULAÇÃO E DEMOGRAFIA NO BRASIL META Refletir sobre as características da população brasileira como fundamento para a compreensão da organização do território e das políticas de planejamento e desenvolvimento

Leia mais

FUNDO DE PARTICIPAÇÃO DOS MUNICÍPIOS - FPM

FUNDO DE PARTICIPAÇÃO DOS MUNICÍPIOS - FPM FUNDO DE PARTICIPAÇÃO DOS MUNICÍPIOS - FPM PROPOSTA DE UM MODELO DE NOVOS COEFICIENTES DE DISTRIBUIÇÃO DO FPM PARA OS MUNICÍPIOS DO INTERIOR IBGE - Abril/2008 OBJETIVOS Proposta de criação de novos coeficientes

Leia mais

As estimativas recentes para a população infantil no município do Rio de Janeiro e o atendimento na rede escolar municipal

As estimativas recentes para a população infantil no município do Rio de Janeiro e o atendimento na rede escolar municipal ISSN 1984-7203 C O L E Ç Ã O E S T U D O S C A R I O C A S As estimativas recentes para a população infantil no município do Rio de Janeiro e o atendimento na rede escolar municipal Nº 20080701 Julho -

Leia mais

MAIOR POPULAÇÃO NEGRA DO PAÍS

MAIOR POPULAÇÃO NEGRA DO PAÍS MAIOR POPULAÇÃO NEGRA DO PAÍS A população brasileira foi estimada em 184,4 milhões de habitantes, em 2005, segundo a PNAD, sendo que 91 milhões de pessoas se declararam de cor/raça parda ou preta, aproximando-se

Leia mais

Vínculos entre a Migração Internacional e a Migração Interna : o caso dos bolivianos no Brasil

Vínculos entre a Migração Internacional e a Migração Interna : o caso dos bolivianos no Brasil Taller Nacional sobre Migración Interna y Desarrollo en Brasil: diagnóstico, perspectivas y políticas Sessión 3 : Migración y Desarrollo en Brasil : investigaciones recientes Vínculos entre a Migração

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PANANÁ EDISON FERREIRA BRUM

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PANANÁ EDISON FERREIRA BRUM UNIVERSIDADE FEDERAL DO PANANÁ EDISON FERREIRA BRUM ANÁLISE DE MERCADO IMOBILIÁRIO DE CURITIBA NO PERÍODO TRANSCORRIDO ENTRE 2005 E 2012 CURITIBA 2012 UNIVERSIDADE FEDERAL DO PANANÁ EDISON FERREIRA BRUM

Leia mais

Envelhecimento populacional e a composição etária de beneficiários de planos de saúde

Envelhecimento populacional e a composição etária de beneficiários de planos de saúde Envelhecimento populacional e a composição etária de beneficiários de planos de saúde Luiz Augusto Carneiro Superintendente Executivo Francine Leite Apresentação Este trabalho introduz o tema Envelhecimento

Leia mais

Domicílios e ocupação no Rio

Domicílios e ocupação no Rio ISSN 1984-7203 C O L E Ç Ã O E S T U D O S C A R I O C A S Domicílios e ocupação no Rio Nº 20010505 Maio - 2001 Alcides Carneiro - IPP/Prefeitura da Cidade do Rio de Janeiro PREFEITURA DA CIDADE DO RIO

Leia mais

Panorama dos Territórios UPP FORMIGA

Panorama dos Territórios UPP FORMIGA Panorama dos Territórios UPP FORMIGA 0 Sumário 1. LOCALIZAÇÃO E CARACTERIZAÇÃO GERAL... 2 2. DADOS CENSITÁRIOS 2010: DEMOGRAFIA E ÁREA OCUPADA... 3 3. DADOS CENSITÁRIOS 2010: SOCIOECONÔMICOS... 5 3.1.

Leia mais

O MERCADO IMOBILIÁRIO NO INTERIOR

O MERCADO IMOBILIÁRIO NO INTERIOR O MERCADO IMOBILIÁRIO NO INTERIOR O MERCADO IMOBILIÁRIO NO INTERIOR INTERIOR DE SÃO PAULO Flavio Amary Vice-presidente do Interior do Secovi-SP e Diretor Regional em Sorocaba e Região PARTICIPAÇÃO % DO

Leia mais

População, riscos, vulnerabilidades e desastres: conceitos básicos

População, riscos, vulnerabilidades e desastres: conceitos básicos População, riscos, vulnerabilidades e desastres: conceitos básicos Roberto Luiz do Carmo O objeto de estudos da Demografia são as populações humanas, e os componentes básicos da dinâmica demográfica são

Leia mais

Aumento da participação de mulheres no mercado de trabalho: mudança ou reprodução da desigualdade?

Aumento da participação de mulheres no mercado de trabalho: mudança ou reprodução da desigualdade? Aumento da participação de mulheres no mercado de trabalho: mudança ou reprodução da desigualdade? Natália de Oliveira Fontoura * Roberto Gonzalez ** A taxa de participação mede a relação entre a população

Leia mais

Opinião do. brasileiro sobre Voluntariado. Fundação Itaú Social Resultados em outubro de 2014

Opinião do. brasileiro sobre Voluntariado. Fundação Itaú Social Resultados em outubro de 2014 Opinião do brasileiro sobre Voluntariado Fundação Itaú Social Resultados em outubro de 2014 Índice 2 Objetivo e Metodologia Perfil demográfico da população brasileira Exercício da Atividade Voluntária

Leia mais

MAIS DE 70% NÃO SABEM DENUNCIAR UMA OBRA IRREGULAR

MAIS DE 70% NÃO SABEM DENUNCIAR UMA OBRA IRREGULAR MAIS DE 70% NÃO SABEM DENUNCIAR UMA OBRA IRREGULAR Emmanuelle Serrano Queiroz O tema fiscalização de obras está bastante estampado na mídia devido aos vários acontecimentos. Pelo fato de o assunto ter

Leia mais

Panorama Municipal. Município: Aliança / PE. Aspectos sociodemográficos. Demografia

Panorama Municipal. Município: Aliança / PE. Aspectos sociodemográficos. Demografia Município: Aliança / PE Aspectos sociodemográficos Demografia A população do município ampliou, entre os Censos Demográficos de 2000 e 2010, à taxa de 0,06% ao ano, passando de 37.188 para 37.415 habitantes.

Leia mais

13. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1

13. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 13. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ISSN 2238-9113 ÁREA TEMÁTICA: DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA GRUPOS E CENTROS DE CONVIVÊNCIA DE PONTA GROSSA: PERFIL E DEMANDAS DA PESSOA IDOSA Fabiana Vosgerau

Leia mais

Ficha Técnica dos indicadores de saúde disponibilizados por meio do aplicativo Statplanet. Mortalidade

Ficha Técnica dos indicadores de saúde disponibilizados por meio do aplicativo Statplanet. Mortalidade Secretaria Municipal da Saúde Coordenação de Epidemiologia e Informação - CEInfo Ficha Técnica dos indicadores de saúde disponibilizados por meio do aplicativo Statplanet Mortalidade Taxa ou Coeficiente

Leia mais

Estado da motorização individual no Brasil Relatório 2015. Coordenação: Juciano Martins Rodrigues. Observatório das Metrópoles

Estado da motorização individual no Brasil Relatório 2015. Coordenação: Juciano Martins Rodrigues. Observatório das Metrópoles Estado da motorização individual no Brasil Relatório 2015 Estado da motorização individual no Brasil Relatório 2015 Coordenação: Juciano Martins Rodrigues Observatório das Metrópoles Luiz Cesar de Queiroz

Leia mais

O CENSO 2010: BREVE APRESENTAÇÃO E RELEVÂNCIA PARA A GEOGRAFIA

O CENSO 2010: BREVE APRESENTAÇÃO E RELEVÂNCIA PARA A GEOGRAFIA O CENSO 2010: BREVE APRESENTAÇÃO E RELEVÂNCIA PARA A GEOGRAFIA BRUNO DE OLIVEIRA SOUZA 1 e RÚBIA GOMES MORATO 2 brunooliveira_souza@hotmail.com, rubiagm@gmail.com 1 Aluno do curso de Geografia Unifal-MG

Leia mais

SONDAGEM DE OPINIÃO Consumidores RMR ANO X Nº 45 2013

SONDAGEM DE OPINIÃO Consumidores RMR ANO X Nº 45 2013 SONDAGEM DE OPINIÃO Consumidores RMR ANO X Nº 45 2013 Dia da s Cria nças s a d n e v s a o b e d o Previsã Sondagem de Opinião RMR Ano VI - Nº 11 - Julho/2013 3 Dia das Crianças será mais comemorado em

Leia mais

A participação do Idoso na econômia das famílias da Região do Grande ABC

A participação do Idoso na econômia das famílias da Região do Grande ABC A participação do Idoso na econômia das famílias da Região do Grande ABC Não podemos acrescentar dias em nossas vidas, mas podemos acrescentar vida em nossos dias Cora Coralina 1 - Introdução Este trabalho

Leia mais

UPP FALLET-FOGUETEIRO E COROA

UPP FALLET-FOGUETEIRO E COROA UPP FALLET-FOGUETEIRO E COROA 09/2014 0 Sumário 1. LOCALIZAÇÃO E CARACTERIZAÇÃO GERAL... 2 2. DADOS CENSITÁRIOS 2010: DEMOGRAFIA E ÁREA OCUPADA... 4 3. DADOS CENSITÁRIOS 2010: SOCIOECONÔMICOS... 7 3.1.

Leia mais

CENÁRIOS DA POPULAÇÃO PAULISTA dos anos 90 ao futuro

CENÁRIOS DA POPULAÇÃO PAULISTA dos anos 90 ao futuro SÃO PAULO EM PERSPECTIVA, 13(1-2) 1999 CENÁRIOS DA POPULAÇÃO PAULISTA dos anos 90 ao futuro BERNADETTE CUNHA WALDVOGEL Estatística e Demógrafa, Gerente de Indicadores e Estudos Populacionais da Fundação

Leia mais

Aluno: Antero Vinicius Portela Firmino Pinto Orientadora: Regina Célia de Mattos. Considerações Iniciais

Aluno: Antero Vinicius Portela Firmino Pinto Orientadora: Regina Célia de Mattos. Considerações Iniciais AS TRANSFORMAÇÕES ESPACIAIS NA ZONA OESTE DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO A PARTIR DOS INVESTIMENTOS EM INFRAESTRUTURA PARA COPA DO MUNDO EM 2014 E AS OLIMPÍADAS DE 2016 Aluno: Antero Vinicius Portela Firmino

Leia mais

RETRATOS DA SOCIEDADE BRASILEIRA: SAÚDE PÚBLICA JANEIRO/2012

RETRATOS DA SOCIEDADE BRASILEIRA: SAÚDE PÚBLICA JANEIRO/2012 RETRATOS DA SOCIEDADE BRASILEIRA: SAÚDE PÚBLICA JANEIRO/2012 Pesquisa CNI-IBOPE CONFEDERAÇÃO NACIONAL DA INDÚSTRIA - CNI Robson Braga de Andrade Presidente Diretoria Executiva - DIREX José Augusto Coelho

Leia mais

População jovem no Brasil: a dimensão demográfica

População jovem no Brasil: a dimensão demográfica População jovem no Brasil: a dimensão demográfica Introdução O conhecimento detalhado dos aspectos demográficos, sociais, culturais, econômicos, de saúde, entre tantos outros, que dizem respeito a segmentos

Leia mais

Apesquisa suplementar sobre acesso à Internet e posse de telefone

Apesquisa suplementar sobre acesso à Internet e posse de telefone Análise dos resultados Apesquisa suplementar sobre acesso à Internet e posse de telefone móvel celular para uso pessoal ampliou a investigação rotineira da PNAD, que restringe o levantamento sobre o assunto

Leia mais

seguinte discurso: Senhor Presidente, Senhoras e das últimas décadas, uma significativa mudança na sua composição populacional. O povo brasileiro está

seguinte discurso: Senhor Presidente, Senhoras e das últimas décadas, uma significativa mudança na sua composição populacional. O povo brasileiro está O Sr. LUIZ BITTENCOURT (PMDB-GO) pronuncia o seguinte discurso: Senhor Presidente, Senhoras e Senhores Deputados, o Brasil vem apresentando, ao longo das últimas décadas, uma significativa mudança na sua

Leia mais

Estatísticas de Gênero Uma análise dos resultados do Censo Demográfico 2010. Sistema Nacional de Informações de Gênero SNIG

Estatísticas de Gênero Uma análise dos resultados do Censo Demográfico 2010. Sistema Nacional de Informações de Gênero SNIG Diretoria de Pesquisas - Coordenação de População e Indicadores Sociais Gerência de Indicadores Sociais Estatísticas de Gênero Uma análise dos resultados do Censo Demográfico 2010 Sistema Nacional de Informações

Leia mais

MATRIZ DOS INDICADORES

MATRIZ DOS INDICADORES MATRIZ DOS INDICADORES 1. DEMOGRAFIA Indicador: População infantojuvenil, de 0 a 19 anos, por sexo e cor/raça, residente nos setores urbano e rural. Definição: apresenta o número total de crianças e adolescentes,

Leia mais

O envelhecimento nas diferentes regiões do Brasil: uma discussão a partir do censo demográfico 2010

O envelhecimento nas diferentes regiões do Brasil: uma discussão a partir do censo demográfico 2010 O envelhecimento nas diferentes regiões do Brasil: uma discussão a partir do censo demográfico 2010 Simone Caldas Tavares Mafra - Professora do Departamento de Economia Doméstica (UFV) sctmafra@ufv.br

Leia mais

O Acesso à Casa Própria como principal motivo da mudança de endereço e ratificador da estrutura urbana em Belo Horizonte

O Acesso à Casa Própria como principal motivo da mudança de endereço e ratificador da estrutura urbana em Belo Horizonte O Acesso à Casa Própria como principal motivo da mudança de endereço e ratificador da estrutura urbana em Belo Horizonte David Jose A. V. de Magalhães 1 Elisa Araujo de Salvo Brito 2 Iara Almeida Silva

Leia mais

O que é a estatística?

O que é a estatística? Elementos de Estatística Prof. Dr. Clécio da Silva Ferreira Departamento de Estatística - UFJF O que é a estatística? Para muitos, a estatística não passa de conjuntos de tabelas de dados numéricos. Os

Leia mais

Nº 74 Fevereiro de 2014. O Uso de Drogas Ilícitas entre Estudantes do Ensino Fundamental em Fortaleza e demais Capitais Brasileiras - 2012.

Nº 74 Fevereiro de 2014. O Uso de Drogas Ilícitas entre Estudantes do Ensino Fundamental em Fortaleza e demais Capitais Brasileiras - 2012. Nº 74 Fevereiro de 2014 O Uso de Drogas Ilícitas entre Estudantes do Ensino Fundamental em Fortaleza e demais Capitais Brasileiras - 2012. GOVERNO DO ESTADO DO CEARÁ Cid Ferreira Gomes Governador Domingos

Leia mais

PROXIMIDADE AEROPORTUÁRIA: CONTRIBUTOS PARA UMA LEITURA SÓCIO-ECOLÓGICA

PROXIMIDADE AEROPORTUÁRIA: CONTRIBUTOS PARA UMA LEITURA SÓCIO-ECOLÓGICA PROXIMIDADE AEROPORTUÁRIA: CONTRIBUTOS PARA UMA LEITURA SÓCIO-ECOLÓGICA João Craveiro, Margarida Rebelo, Marluci Menezes, Paulo Machado Laboratório Nacional de Engenharia Civil Departamento de Edifícios

Leia mais

Família, trabalho e renda: mudanças na primeira década do século XXI 1

Família, trabalho e renda: mudanças na primeira década do século XXI 1 MONTALI, L.; LIMA, T.. Família, trabalho e renda: mudanças na primeira década do século XXI. Artigo aprovado para ser publicado como capítulo de livro sobre a Região Metropolitana de São Paulo que integra

Leia mais

Tendências Recentes da Migração nas Regiões Administrativas do Estado de São Paulo

Tendências Recentes da Migração nas Regiões Administrativas do Estado de São Paulo Resenha de Estatísticas Vitais do Estado de São Paulo Ano 11 nº 7 Novembro 2011 Tendências Recentes da Migração nas Regiões Administrativas do Estado de São Paulo Esta edição do SP Demográfico, que complementa

Leia mais

QUADRO 1 - COMPOSIÇÃO DA REGIÃO METROPOLITANA DE CURITIBA COMPOSIÇÃO ORIGINAL (1) MUNICÍPIOS DESMEMBRADOS INCLUÍDOS POR LEGISLAÇÕES ESTADUAIS (2) Almirante Tamandaré Araucária Balsa Nova Bocaiúva do Sul

Leia mais

PED - PESQUISA DE EMPREGO E DESEMPREGO NA CIDADE DE SANTOS

PED - PESQUISA DE EMPREGO E DESEMPREGO NA CIDADE DE SANTOS PED - PESQUISA DE EMPREGO E DESEMPREGO NA CIDADE DE SANTOS MARÇO-2007 OBJETIVO Os principais objetivos desta pesquisa são: Conhecer e divulgar a situação do emprego e desemprego na cidade de Santos, de

Leia mais

NOTA TÉCNICA Nº 19/2015

NOTA TÉCNICA Nº 19/2015 NOTA TÉCNICA Nº 19/2015 Brasília, 3 de Novembro de 2015. ÁREA: Planejamento Territorial e Habitação TÍTULO: Novidades na operacionalização do Programa Minha Casa, Minha Vida (PMCMV) em sua Terceria Fase

Leia mais

CÂNCER DE MAMA Complementar ao documento já disponibilizado em 2007: NEOPLASIAS 2006

CÂNCER DE MAMA Complementar ao documento já disponibilizado em 2007: NEOPLASIAS 2006 Comentários sobre a mortalidade por CÂNCER DE MAMA Complementar ao documento já disponibilizado em 2007: NEOPLASIAS 2006 Porto Alegre 2007 1 Prefeitura Municipal de Porto Alegre Prefeito José Fogaça Secretaria

Leia mais

RESULTADOS DO ÍNDICE DE VULNERABILIDADE SOCIAL DO PARANÁ - 2010 *

RESULTADOS DO ÍNDICE DE VULNERABILIDADE SOCIAL DO PARANÁ - 2010 * RESULTADOS DO ÍNDICE DE VULNERABILIDADE SOCIAL DO PARANÁ - 2010 * Os resultados aqui apresentados foram extraídos do Atlas da Vulnerabilidade Social nos Municípios Brasileiros, elaborado pelo Instituto

Leia mais

26/4/2012. Inquéritos Populacionais Informações em Saúde. Dados de Inquéritos Populacionais. Principais Características. Principais Características

26/4/2012. Inquéritos Populacionais Informações em Saúde. Dados de Inquéritos Populacionais. Principais Características. Principais Características Inquéritos Populacionais Informações em Saúde Dados de Inquéritos Populacionais Zilda Pereira da Silva Estudos de corte transversal, únicos ou periódicos, onde são coletadas informações das pessoas que

Leia mais

7ºano 2º período vespertino 25 de abril de 2014

7ºano 2º período vespertino 25 de abril de 2014 GEOGRAFIA QUESTÃO 1 A Demografia é a ciência que estuda as características das populações humanas e exprime-se geralmente através de valores estatísticos. As características da população estudadas pela

Leia mais

Evolução demográfica 1950-2010

Evolução demográfica 1950-2010 Evolução demográfica 195-1 37 A estrutura etária da população brasileira em 1 reflete as mudanças ocorridas nos parâmetros demográficos a partir da segunda metade do século XX. Houve declínio rápido dos

Leia mais

Ministério da Educação Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Diretoria de Estatísticas Educacionais

Ministério da Educação Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Diretoria de Estatísticas Educacionais Ministério da Educação Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Diretoria de Estatísticas Educacionais RESULTADO DO CENSO DA EDUCAÇÃO BÁSICA 2009 O Censo Escolar, realizado anualmente pelo

Leia mais

MIGRAÇÃO MIGRAÇÃO INTERNA

MIGRAÇÃO MIGRAÇÃO INTERNA MIGRAÇÃO Os resultados da migração interna e internacional apresentados foram analisados tomando por base a informação do lugar de residência (Unidade da Federação ou país estrangeiro) há exatamente cinco

Leia mais

Envelhecimento da população residente em Portugal e na União Europeia

Envelhecimento da população residente em Portugal e na União Europeia Dia Mundial da População 11 julho de 15 1 de julho de 15 Envelhecimento da população residente em e na União Europeia Para assinalar o Dia Mundial da População (11 de julho), o Instituto Nacional de Estatística

Leia mais

Taxa de ocupação e. no consumo per capita. As cidades representam demandas. Conexão

Taxa de ocupação e. no consumo per capita. As cidades representam demandas. Conexão 46 Hydro Janeiro 2013 Conexão Taxa de ocupação e o consumo per capita O crescimento da população urbana, o aumento do consumo per capita e a perspectiva de redução da oferta de água impõem a necessidade

Leia mais

Imóveis de 2 dormitórios lideram lançamentos e vendas na Baixada Santista

Imóveis de 2 dormitórios lideram lançamentos e vendas na Baixada Santista Imóveis de 2 dormitórios lideram lançamentos e vendas na Baixada Santista A Baixada Santista apresentou, nos últimos 12 meses, estabilidade no número de lançamentos de imóveis novos, segundo levantamento

Leia mais

FACETAS DA MULHER BRASILEIRA: INTERESSES, DESEJOS E INFLUÊNCIA NO MERCADO DE CONSUMO

FACETAS DA MULHER BRASILEIRA: INTERESSES, DESEJOS E INFLUÊNCIA NO MERCADO DE CONSUMO FACETAS DA MULHER BRASILEIRA: INTERESSES, DESEJOS E INFLUÊNCIA NO MERCADO DE CONSUMO Fevereiro 2016 PERFIL DA MULHER BRASILEIRA 68,0% das entrevistadas dão nota igual ou maior que SETE para a própria felicidade

Leia mais

SECRETARIA DE ESTADO DE ASSISTÊNCIA SOCIAL - SEAS

SECRETARIA DE ESTADO DE ASSISTÊNCIA SOCIAL - SEAS SECRETARIA DE ESTADO DE ASSISTÊNCIA SOCIAL - SEAS VISÃO Ser referência na região norte na efetivação de políticas sociais que promovam o desenvolvimento regional com inclusão social. MISSÃO Contribuir

Leia mais

III Conferência Municipal de Política Urbana ESTUDOS URBANOS Transformações recentes na estrutura urbana

III Conferência Municipal de Política Urbana ESTUDOS URBANOS Transformações recentes na estrutura urbana III Conferência Municipal de Política Urbana ESTUDOS URBANOS Transformações recentes na estrutura urbana PBH/SMURBE Núcleo de Planejamento Urbano da Secretaria Municipal de Políticas Urbanas de Belo Horizonte

Leia mais

Emprego doméstico na Região Metropolitana de Porto Alegre em 2013

Emprego doméstico na Região Metropolitana de Porto Alegre em 2013 EMPREGO DOMÉSTICO NO MERCADO DE TRABALHO DA REGIÃO METROPOLITANA DE PORTO ALEGRE ABRIL 2014 Emprego doméstico na Região Metropolitana de Porto Alegre em Em, diminuiu o número de empregadas domésticas na

Leia mais

Consórcio. Imobiliário. na prática. Por que o consórcio é muito mais interessante do que o financiamento? Livre-se dos Juros!

Consórcio. Imobiliário. na prática. Por que o consórcio é muito mais interessante do que o financiamento? Livre-se dos Juros! Consórcio Imobiliário na prática Por que o consórcio é muito mais interessante do que o financiamento? Livre-se dos Juros! 1 Sobre a empresa A A+ Consórcios iniciou suas atividades com o objetivo de gerir

Leia mais

ÍNDICE DE BEM-ESTAR URBANO DA REGIÃO METROPOLITANA DE FLORIANÓPOLIS

ÍNDICE DE BEM-ESTAR URBANO DA REGIÃO METROPOLITANA DE FLORIANÓPOLIS ÍNDICE DE BEM-ESTAR URBANO DA REGIÃO METROPOLITANA DE FLORIANÓPOLIS Gustavo Henrique P. Costa INTRODUÇÃO Recentemente o INCT Observatório das Metrópoles divulgou o livro e também e-book intitulado Índice

Leia mais

O uso do gvsig na Identificação de locais estratégicos para instalação de uma loja de confecções

O uso do gvsig na Identificação de locais estratégicos para instalação de uma loja de confecções O uso do gvsig na Identificação de locais estratégicos para instalação de uma loja de confecções Dionísio Costa Cruz Junior dionisiojunior@iquali.com.br (orientador) Ismael Fiuza Ramos maelfiuza@gmail.com

Leia mais

Caraterização da Área de Reabilitação Urbana Edificado e População Fonte: Censos 2011

Caraterização da Área de Reabilitação Urbana Edificado e População Fonte: Censos 2011 Caraterização da Área de Reabilitação Urbana Edificado e População Fonte: Censos 211 Cristina Maria Magalhães Dinis Técnica Superior de Sociologia Julho de 213 Gabinete de Reabilitação Urbana Departamento

Leia mais

Por que fazer o Censo de 2010?

Por que fazer o Censo de 2010? Por que fazer o Censo de 2010? Diretoria de Pesquisas 18.08.2010 Introdução...2 Para acompanhar evolução da ocupação do território e planejar o seu desenvolvimento sustentável....2 Para avaliar, planejar

Leia mais

Comunidade de Países de Língua Portuguesa: breve retrato estatístico

Comunidade de Países de Língua Portuguesa: breve retrato estatístico Estatísticas da CPLP 23-21 12 de julho de 213 Comunidade de Países de Língua Portuguesa: breve retrato estatístico A população residente no conjunto dos oito países 1 da Comunidade de Países de Língua

Leia mais

Construção e análise de indicadores locais para a vigilância da transmissão vertical da Aids em Porto Alegre, Brasil

Construção e análise de indicadores locais para a vigilância da transmissão vertical da Aids em Porto Alegre, Brasil Construção e análise de indicadores locais para a vigilância da transmissão vertical da Aids em Porto Alegre, Brasil Christovam Barcellos Departamento de Informações em Saúde, Fundação Oswaldo Cruz, Ministério

Leia mais

ENVELHECIMENTO DA POPULAÇÃO MÉDICA: UM ESTUDO NA CIDADE DE JOÃO PESSOA/PB.

ENVELHECIMENTO DA POPULAÇÃO MÉDICA: UM ESTUDO NA CIDADE DE JOÃO PESSOA/PB. ENVELHECIMENTO DA POPULAÇÃO MÉDICA: UM ESTUDO Introdução NA CIDADE DE JOÃO PESSOA/PB. MsC. Elídio Vanzella Professor da Estácio e Ensine Faculdades Email: evanzella@yahoo.com.br O crescimento da população

Leia mais

Ano: 7º Turma: 7.1 e 7.2

Ano: 7º Turma: 7.1 e 7.2 COLÉGIO NOSSA SENHORA DA PIEDADE Programa de Recuperação Paralela 2ª Etapa 2014 Disciplina: Geografia Professor (a): Fernando Parente Ano: 7º Turma: 7.1 e 7.2 Caro aluno, você está recebendo o conteúdo

Leia mais

CONDOMÍNIOS VERTICAIS RESIDENCIAIS NA CIDADE DE SÃO PAULO (2000-2008): CONDOMÍNIOS - CLUBE

CONDOMÍNIOS VERTICAIS RESIDENCIAIS NA CIDADE DE SÃO PAULO (2000-2008): CONDOMÍNIOS - CLUBE O gráfico das porcentagens do grau de importância da característica para a compra do imóvel revela que os consumidores levam em conta fatores diversos para efetuação desta. Gráfico 9: Percentual do grau

Leia mais

Censo Demográfico 2010. Características Gerais dos Indígenas: Resultados do Universo

Censo Demográfico 2010. Características Gerais dos Indígenas: Resultados do Universo Censo Demográfico 2010 Características Gerais dos Indígenas: Resultados do Universo Rio de Janeiro, 10 de agosto de 2012 Identificação da população indígena nos Censos Demográficos do Brasil 1991 e 2000

Leia mais

Baixada Santista: imóveis de 2 e 3 dormitórios lideram lançamentos

Baixada Santista: imóveis de 2 e 3 dormitórios lideram lançamentos Baixada Santista: imóveis de 2 e 3 dormitórios lideram lançamentos A Região Metropolitana da Baixada Santista tem uma extensão territorial de 2.422 km² e é a terceira maior do Estado em termos populacionais,

Leia mais

Cenários Econômicos e Demográficos

Cenários Econômicos e Demográficos 1 Cenários Econômicos e Demográficos Neste capítulo apresentamos os cenários prováveis nos quesitos que influenciam diretamente a política habitacional, em especial os cenários tendenciais de desenvolvimento

Leia mais