Apresentação Corporativa Outubro de 2014

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Apresentação Corporativa Outubro de 2014"

Transcrição

1 Apresentação Corporativa Outubro de 2014

2 Grupo Light Estrutura diversificada com atuação nos segmentos de distribuição, geração e comercialização de energia 2

3 Light em números Distribuição Estado RJ Área de Concessão População¹ 16 MM 11 MM 68% Área¹ 44 mil Km² 11 mil Km² 25% PIB¹ R$ 407 Bi R$ 207 Bi 51% Nº de Consumidores 7 MM 4 MM 57% Nº de Municípios % 1 IBGE (2010) % Geração 1 2 Amazônia Energia Renova 4 3 Guanhães Energia 6 Complexo de Lajes UHE Ilha dos Pombos 7 UHE Santa Branca 7 5 PCH Paracambi 3

4 Rankings Entre os maiores players no Brasil INTEGRADAS¹ Receita Líquida 2013* R$ Bilhões DISTRIBUIDORAS 2 Energia Consumida na Área de Concessão** (GWh) ,6 14,6 10,6 9,2 7,4 7, GERADORAS PRIVADAS¹ Capacidade Instalada de Geração Hidráulica (MW) Fonte: Relatório das Companhias 2 Fonte: Relatório do Sistema de Apoio a ANEEL *Inclui receita de construção **Mercado Cativo ***Considera 9 MW das PCH s da Renova e 19MW de Brasil PCH *** 4

5 Estrutura Acionária Combinação estratégica entre agentes com perfil operacional e financeiro 11 membros do conselho: 8 do grupo de controle, 2 independentes e 1 representante dos empregados Quorum qualificado de 7 membros para aprovação de propostas relevantes, tais como: M&A e política de dividendos. 5

6 Governança Corporativa Processo decisório assegura transparência e criação de valor Assembléia Geral Conselho de Administração Conselho Fiscal Comitê de Finanças Comitê de Recursos Humanos Comitê de Auditoria Comitê de Governança e Sustentabilidade Comitê de Gestão Presidente Paulo Roberto R. Pinto Diretor de Finanças e Rel. com Investidores Diretor de Distribuição Diretor de Energia Diretor de Gente João B. Zolini Carneiro Ricardo Cesar C. Rocha Evandro L. Vasconcelos Andreia Ribeiro Junqueira Diretor Jurídico Diretor de Gestão Empresarial Diretor de Desenvolvimento de Negócios Fernando Antônio F.Reis Paulo Carvalho Filho Evandro L. Vasconcelos* Diretor de Comunicação Luiz Otavio Ziza Valadares LGSXY ADR-OTC Interino* 6

7 Consumo de Energia Distribuição - Acumulado MERCADO TOTAL (GWh) ¹ +5,1% a.a. +5,5% Outros Cativos 13,6% Livre 18,6% Industrial Cativo 5,1% 25,1ºC 25,2ºC 25,1ºC 25,7ºC Residencial 35,2% Comercial Cativo 27,6% 1S S S Nota: Em razão de preservar a comparabilidade com o mercado homologado pela Aneel no processo de Revisão Tarifária, a energia consumida pela CSN voltou a ser considerada. 7

8 Mercado Total CONSUMO DE ENERGIA ELÉTRICA (GWh) MERCADO TOTAL - SEMESTRE +5,5% ,1% ,7% ,6% ,2% S S13 RESIDENCIAL 14 1S S S COMERCIAL INDUSTRIAL OUTROS TOTAL CATIVO LIVRE 8

9 Arrecadação e Perdas EVOLUÇÃO DAS PERDAS (12 Meses) TAXA DE ARRECADAÇÃO 12 MESES 44,2% 43,7% -2,3p.p. 42,2% 42,4% 41,9% 99,5% 98,7% Jun-13 Jun PCLD/ROB FORNECIMENTO FATURADO TRIMESTRE ,4% 2,5% -0,8 p.p. Jun/13 Set/13 Dez/13 Mar/14 Jun/14 1,7% Perda Não Técnica GWh Perda Técnica GWh % Perda Não Técnica/ Mercado BT 2T12 2T13 2T1 4 9

10 Combate às Perdas Combinação eficiente de tecnologia e gestão CLIENTES ENERGIA E STATUS MEDIDORES ELETRÔNICOS INSTALADOS (Unidades Mil) Grandes Clientes (alta e med volt.) Baixa Tensão Grandes Clientes GWh (48%) 100% Concluído GWh (11%) 1/3 instalados até Clientes comerciais e residenciais (Baixa tensão) GWh (41%) APZ Comunidades Fora de comunidades Jun-14 10

11 Tecnologia: Medição Centralizada Uso de novas tecnologias em áreas com altos níveis de perdas Display 11

12 Gestão: Áreas de Perda Zero (APZ) Projeto: Light Legal Aplicado em áreas de aproximadamente 10 mil a 20 mil clientes com elevados índices de perdas e inadimplência; Equipes de técnicos e agentes de relacionamento comercial com dedicação exclusiva; Resultados precisos, monitorados constantemente pela Light; Remuneração do funcionário atrelada ao resultado obtido; 29 unidades implementadas com 505 mil clientes (12% do total dos clientes); Aproximadamente 200 mil clientes adicionais por ano. MEDIDORES ELETRÔNICOS FORÇA DE TRABALHO PARCERIA COM O GOVERNO DO ESTADO 12

13 50,2 % Antes 23,6% Resultados nas APZs Redução significativa das perdas e aumento da arrecadação PERDAS NAS APZs TAXA DE ARRECADAÇÃO DAS APZs 98,2% 97,9% 98,3% 89,2% 22,5% 21,2% 20,7% Antes 95,9% 96,0% 13 Mar/13 Mar/14-30,2% 99,5% +6,8% 20,3% Jun/13 Set/13 Dez/13 Mar/14 Jun/14 Mar/13 Jun/13 Set/13 Dez/13 Jun/14 20,0%

14 Curva de Perdas Regulatórias Não-Técnicas Maior reconhecimento de perdas na tarifa, porém vinculado a metas; Receita adicional investida no combate as perdas e classificada como Obrigações Especiais (fora da BRR) Perdas Regulatórias Meta (agosto de cada ano) Proposta Final (de acordo com a metodologia) Perdas Regulatórias com Penalidade 14

15 Geração

16 Capacidade Instalada: 855 MW Prazo de concessão até % 100% Rio Paraiba do Sul UHE Santa Branca 56 MW RJ UHE Ilhados Pombos UHE Ilha dos Pombos 187 MW UHE Santa Branca SP 100% 100% 100% UHE Fontes Nova 132 MW UHE Usina Subterrânea Nilo Peçanha MW UHE Pereira Passos 100 MW ISO Gestão da qualidade Gestão ambiental OHSAS Gestão da segurança e saúde ocupacional 16

17 Garantia Física: 549 MWmédios Comercialização da energia focada no mercado livre Energia contratada (ACL) Energia disponível para comercialização Hedge hidrológico Preço médio de venda de : R$ 163/MWh (Data-base jan/14) 17

18 Expansão da Geração Projetos de geração de energia renovável, principalmente em parcerias Projeto Capacidade Instalada (MW) Energia Assegurada (MW médios) Início Operacional Participação Paracambi % Renova 425 (em operação) (já contratados) 235 (em operação) 921 (já contratados) ,86% Belo Monte ,49% Guanhães % Lajes % 18

19 Expansão da Geração Capacidade Instalada (MW) Participação Proporcional da Light +74,3% Renova: +37 Guanhães: +5 Renova: +55 Guanhães: +17 B.Monte: +3 Renova: +78 B.Monte: +3 Renova: +5 B.Monte: +30 Renova: +44 B.Monte: +46 Renova: +26 B.Monte: +46 B.Monte: +46 B.Monte: +46 Renova: +78 B.Monte: +46 Renova: +74 B.Monte: +15 ¹ 51% Light ² 21.86% Light ³ 2.49% Light 19

20 RESULTADOS

21 Destaques Financeiros (R$ Milhões) 2T14 2T13 1S13 RECEITA OPERACIONAL LÍQUIDA 1.815, , , ,9 DESPESA OPERACIONAL (1.673,4) (1.574,3) (3.599,0) (3.234,8) Gerenciáveis (249,9) (305,4) (541,6) (563,7) Não Gerenciáveis (1.423,5) (1.268,9) (3.057,4) (2.671,0) RESULTADO OPERACIONAL 142,4 180,8 499,0 442,1 EQUIVALÊNCIA PATRIMONIAL (4,0) (0,5) (6,8) (1,1) 239,3 277,9 692,3 633,1 RESULTADO FINANCEIRO (111,8) (95,5) (190,6) (234,3) RESULTADO ANTES DOS IMPOSTOS E JUROS 26,5 84,8 301,3 206,7 LUCRO LÍQUIDO 15,3 58,2 195,8 136,9 21

22 Receita Líquida RECEITA LÍQUIDA (R$MM) RECEITA LÍQUIDA POR SEGMENTO (2T14)* Geração 7,5% +11,5% Distribuição 80,5%** Comercialização 12,0% +3,5% * Não considera eliminações ** Não considera Receita de Construção T13 2T14 1S13 RECEITA LÍQUIDA DISTRIBUIÇÃO (2T14) Comercial Cativo 42,6% Receita de Construção Industrial Cativo 5,9% Receita sem receita de construção Outros Cativo 12,2% Residencial 31,5% Uso da Rede (TUSD) (Livres + Concessionárias) 7,8% 22

23 Custos e Despesas Operacionais Geração e Comercialização: R$ 249 (15,2%) Gerenciáveis (distribuição): R$ 309 (18 18,8%) CUSTOS (R$MM)* 2T14 Não gerenciáveis (distribuição distribuição**) **): R$ (66,1 66,1%) CUSTOS DE PMSO DA DISTRIBUIDORA (R$MM) -0,1% -2,3% CUSTOS (R$MM)* Não gerenciáveis (distribuição distribuição**): R$ (66,0 66,0%) 2T13 2T14 1S R$ MM 2T14 2T13 Var. 1S13 Var. PMSO (207,1) (212,0) -2,3% (412,3) (412,7) -0,1% Provisões (14,1) (66,6) -78,8% (79,4) (111,8) -29,0% PCLD (36,1) (48,4) -25,5% (61,4) (77,4) -20,8% Contingências 21,9 (18,2) - (18,0) (34,4) -47,5% Geração e Comercialização: R$ 506 (14,6%) *Não considera eliminações ** Não considera custo de construção Gerenciáveis (distribuição): R$ 677 (19 19,5%) Depreciação (86,2) (83,8) 2,8% (171,6) (164,5) 4,3% Outras Rec./Desp. Operacionais (1,2) (5,7) -79,5% (13,3) (12,9) 2,6% Total (308,5) (368,0) -16,2% (676,6) (701,9) -3,6% 23

24 Déficit Tarifário A exposição ao mercado de curto prazo conjugada com os altos preços deste mercado, que refletem o baixo nível dos reservatórios e o maior despacho de usinas térmicas, causaram um déficit expressivo nas distribuidoras Decretos (jan/14) e 8221 (abr/14) CONTA ACR -1S 14 (R$ MM) Exp. Involuntária mercado SPOT Contratos por Disponibilidade com usinas térmicas Risco Hidrológico (1.635) ,7% do déficit coberto Contrato Leilão A-1 30 Contrato Leilão A-0 28 (250) TOTAL Déficit Tarifário Fundo CDE Total Saldo O saldo remanescente de R$ 250 MM refere-se à parcela de itens não cobertos pelos Decretos, com destaque para: (i) contratos por disponibilidade de janeiro; (ii) energia contratada no Leilão A-1; (iii) parte da energia contratada no Leilão A-0, risco hidrológico, receita com risco hidrológico deduzida dos aportes de janeiro e fevereiro e glosa no aporte de abril/14 24

25 POR SEGMENTO (R$ MM) +9,3% CONSOLIDADO 2T14 2T13 Var. 1S13 Var. -13,9 13,9% 36,7% 44,7% Distribuição 132,3 174,5-24,2% 387,1 402,6-3,9% Margem (%) 9,2% 12,5% -3,3 p.p. 12,2% 13,5% -1,3 p.p Geração 88,0 100,1-12,1% 270,8 219,4 23,4% 37,4% 45,8% 63,3% 3% 55,3% Margem (%) 66,0% 75,9% -9,9 p.p. 78,6% 79,1% -0,6 p.p. 62,6% 54,2% Comercialização 23,9 4,4 449,3% 41,5 14,3 190,6% 2T13 2T14 1S13 ¹Desconsidera eliminações. Geração e Comercialização Margem (%) 11,1% 2,8% 8,3 p.p. 9,2% 4,6% 4,6 p.p. Others and eliminations (4,9) (1,1) 360,2% (7,1) (3,3) 118,9% Total 239,3 277,9-13,9% 692,3 633,1 9,3% Distribuição Margem (%) 14,9% 17,6% -2,7 p.p. 18,6% 18,9% -0,3 p.p. 25

26 POR SEGMENTO (R$ MM) +9,9% CONSOLIDADO 2T14 2T13 Var. 1S13 Var ,5% 36,7% 44,7% Distribuição 132,3 174,5-24,2% 402,6 387,1-3,9% Margem (%) 9,2% 12,5% -3,3 p.p. 13,5% 12,2% -1,3 p.p Geração 88,0 100,1-12,1% 219,4 270,8 23,4% 37,4% 45,8% 63,3% 3% 55,3% Margem (%) 66,0% 75,9% -9,9 p.p. 79,1% 78,6% -0,6 p.p. 62,6% 54,2% Comercialização 23,9 4,4 449,3% 14,3 41,5 190,6% 2T13 2T14 1S13 Margem (%) 11,1% 2,8% 8,3 p.p. 4,6% 9,2% 4,6 p.p. ¹Desconsidera eliminações. Geração e Comercialização Outros e eliminações (4,9) (1,1) 360,2% (3,3) (7,1) 118,9% Total 239,3 277,9-13,9% 692,3 633,1 9,3% Distribuição Margem (%) 14,9% 17,6% -2,7 p.p. 18,6% 18,9% -0,3 p.p. 26

27 Ajustado pela CVA 1S 1S 1S 1S S 1S 1S Receita Receita Receita Receita Líquida Líquida Líquida Líquida Ativos Ativos Ativos Ativos e Passivos Passivos Passivos Passivos Regulatórios Regulatórios Regulatórios Regulatórios (CVA) (CVA) (CVA) (CVA) Ativos Ativos Ativos Ativos e Passivos Passivos Passivos Passivos Regulatórios Regulatórios Regulatórios Regulatórios (CVA) (CVA) (CVA) (CVA) Ajustado Ajustado Ajustado Ajustado 1S 1S 1S 1S Ajustado Ajustado Ajustado Ajustado 1S 1S 1S S13 / (R$ MM) Custos Custos Custos Custos Não Não Não Não Gerenciáveis Gerenciáveis Gerenciáveis Gerenciáveis Custos Custos Custos Custos Gerenciáveis Gerenciáveis Gerenciáveis Gerenciáveis (PMSO) (PMSO) (PMSO) (PMSO) Provisões Provisões Provisões Provisões Outros Outros Outros Outros Aportes Aportes Aportes Aportes CDE CDE CDE CDE 27-6,9% +9,3% (328) (10) (6) 32 (6)

28 Lucro Líquido Ajustado pela CVA 1S13 / (R$ MM) - 6,8% + 43,1% (36) (8) LL Ajustado 1S13 13 Ativos e Passivos Regulatórios (CVA) 1S13 13 Resultado Impostos Outros 14 Financeiro Ativos e Passivos Regulatórios (CVA) LL Ajustado 14 28

29 Dividendos Payout médio de 86% nos últimos 5 anos 29

30 Endividamento IPCA 11,0% CDI 74,5% U$/Euro * 2,7% TJLP 13,3% Outros 3,7% AMORTIZAÇÃO* (R$ MM) Prazo médio: 3,9 anos , , * Montante sem Hedge EVOLUÇÃO DO CUSTO DA DÍVIDA * Somente principal DÍVIDA LÍQUIDA Com fundo de pensão 11,03% 9,68% 8,21% 4,25% 3,55% 2,24% 10,49% 3,87% 2,62 2,90 2, T14 Custo Nominal Custo Real Jun/13 Mar/14 Jun/14 Dívida Líquida / (cálculo covenants) 30

31 Investimentos INVESTIMENTOS (R INVESTIMENTOS (R INVESTIMENTOS (R INVESTIMENTOS (R$ MM $ MM $ MM $ MM) Geração Geração Geração Geração 8,4 8,4 8,4 8,4 Administração Administração Administração Administração ,2,2,2,2 Outros Outros Outros Outros 5,0 5,0 5,0 5,0 Reforço Reforço Reforço Reforço da da da da rede rede rede rede e expansão expansão expansão expansão ,5,5,5,5 Combate Combate Combate Combate às às às às Perdas Perdas Perdas Perdas 119,7 119,7 119,7 119,7 Comerc Comerc Comerc Comerc././././ Eficiência Eficiência Eficiência Eficiência Energética Energética Energética Energética 5, 5, 5, 5,0 INVESTIMENTOS INVESTIMENTOS INVESTIMENTOS INVESTIMENTOS R$ MM R$ MM R$ MM R$ MM Investimentos Investimentos Investimentos Investimentos em em em em Ativos Ativos Ativos Ativos Elétricos Elétricos Elétricos Elétricos (Distribuição Distribuição Distribuição Distribuição) ,5 +9,5 +9,5 +9,5% S13 1S13 1S13 1S

32 Razões para investir na Light Transformação Econômica da Área de Concessão Rio como sede de grandes eventos Pacificação das comunidades Ambiente pró-negócios Polo de atração de investimentos Crescimento do mercado de energia Foco em comercialização de energia no mercado livre Fim dos contratos regulados (dez/13) Novos contratos de venda em 2014 Disponibilidade de energia para comercialização Redução da Perda de Energia Evolução do programa de novas tecnologias (Smart Grid) Incorporação de novos consumidores nas áreas pacificadas Implantação das Áreas de Perda Zero (APZ) Melhores Práticas de Governança Corporativa Listada no Novo Mercado Comitês de assessoramento ao Conselho com participação ativa no processo decisório Inserida no ISE pelo sétimo ano consecutivo Crescimento em Geração Projetos em construção com parcerias: Renova, Belo Monte e Guanhães (total de 697 MW) Construção da PCH Lajes (17MW) Histórico de Dividendos Política de payout mínimo de 50% do Lucro Líquido; Payout médio desde 2009: 86%. 32

33 Aviso Importante Esta apresentação pode incluir declarações que representem expectativas sobre eventos ou resultados futuros de acordo com a regulamentação de valores mobiliários brasileira e internacional. Essas declarações estão baseadas em certas suposições e análises feitas pela Companhia de acordo com a sua experiência e o ambiente econômico e nas condições de mercado e nos eventos futuros esperados, muitos dos quais estão fora do controle da Companhia. Fatores importantes que podem levar a diferenças significativas entre os resultados reais e as declarações de expectativas sobre eventos ou resultados futuros incluem a estratégia de negócios da Companhia, as condições econômicas brasileira e internacional, tecnologia, estratégia financeira, desenvolvimentos da indústria de serviços públicos, condições hidrológicas, condições do mercado financeiro, incerteza a respeito dos resultados de suas operações futuras, planos, objetivos, expectativas e intenções, entre outros. Em razão desses fatores, os resultados reais da Companhia podem diferir significativamente daqueles indicados ou implícitos nas declarações de expectativas sobre eventos ou resultados futuros. As informações e opiniões aqui contidas não devem ser entendidas como recomendação a potenciais investidores e nenhuma decisão de investimento deve se basear na veracidade, atualidade ou completude dessas informações ou opiniões. Nenhum dos assessores da Companhia ou partes a eles relacionadas ou seus representantes terá qualquer responsabilidade por quaisquer perdas que possam decorrer da utilização ou do conteúdo desta apresentação. Este material inclui declarações sobre eventos futuros sujeitas a riscos e incertezas, as quais baseiam-se nas atuais expectativas e projeções sobre eventos futuros e tendências que podem afetar os negócios da Companhia. Essas declarações incluem projeções de crescimento econômico e demanda e fornecimento de energia, além de informações sobre posição competitiva, ambiente regulatório, potenciais oportunidades de crescimento e outros assuntos. Inúmeros fatores podem afetar adversamente as estimativas e suposições nas quais essas declarações se baseiam. 33

34 Contatos João Batista Zolini Carneiro Diretor Financeiro e de Relações com Investidores Gustavo Werneck Superintendente de Finanças e Relações com Investidores Mariana da Silva Rocha Gerente de Relações com Investidores twitter.com/lightri 34

LIGHT ENERGIA S.A. 1º TRIMESTRE DE 2013

LIGHT ENERGIA S.A. 1º TRIMESTRE DE 2013 Rio de Janeiro, 10 de maio de 2013. LIGHT ENERGIA S.A. 1º TRIMESTRE DE 2013 Desempenho Operacional LIGHT ENERGIA (GWh) 1T13 1T12 % Venda no Ambiente de Contratação Regulada 263,7 1.052,0-74,9% Venda no

Leia mais

Teleconferência de Resultados 3º trimestre de 2008

Teleconferência de Resultados 3º trimestre de 2008 Teleconferência de Resultados 3º trimestre de 2008 Destaques 3T08 MERCADO Crescimento do consumo na área de concessão de 3,3% no trimestre Redução de 0,30 p.p nas perdas não-técnicas de energia no ano

Leia mais

EDP Energias do Brasil. Novembro de 2009

EDP Energias do Brasil. Novembro de 2009 EDP Energias do Brasil Novembro de 2009 Disclaimer Esta apresentação pode incluir declarações que representem expectativas sobre eventos ou resultados futuros de acordo com a regulamentação de valores

Leia mais

EDP Energias do Brasil. Novembro de 2009

EDP Energias do Brasil. Novembro de 2009 EDP Energias do Brasil Novembro de 2009 Disclaimer Esta apresentação pode incluir declarações que representem expectativas sobre eventos ou resultados futuros de acordo com a regulamentação de valores

Leia mais

LIGHT ENERGIA S.A. 1º TRIMESTRE DE 2014

LIGHT ENERGIA S.A. 1º TRIMESTRE DE 2014 Rio de Janeiro, 15 de maio de 2014. LIGHT ENERGIA S.A. 1º TRIMESTRE DE 2014 Desempenho Operacional O total de venda, líquida da compra de energia, no primeiro trimestre de 2014 foi equivalente a 1.264,1

Leia mais

Mercado de energia elétrica: condições atuais de atendimento à carga e tendências para 2015. Manoel Arlindo Zaroni Torres

Mercado de energia elétrica: condições atuais de atendimento à carga e tendências para 2015. Manoel Arlindo Zaroni Torres Mercado de energia elétrica: condições atuais de atendimento à carga e tendências para 2015 Manoel Arlindo Zaroni Torres São Paulo, 1 de outubro de 2014 Aviso importante Este material pode incluir declarações

Leia mais

LIGHT SERVIÇOS DE ELETRICIDADE S.A. 3º TRIMESTRE DE 2015

LIGHT SERVIÇOS DE ELETRICIDADE S.A. 3º TRIMESTRE DE 2015 Rio de Janeiro, 12 de novembro de 2015. LIGHT SERVIÇOS DE ELETRICIDADE S.A. 3º TRIMESTRE DE 2015 1. Desempenho Operacional O consumo total de energia na área de concessão da Light SESA (clientes cativos

Leia mais

Resultados do 1T15 Maio, 2015

Resultados do 1T15 Maio, 2015 Resultados do Maio, 2015 Destaques Operacional e Qualidade do Serviço Redução de 0,83 p.p. nas perdas totais no vs., totalizando 9,3% FEC de 3,21 vezes, 26,5% menor do que no ; DEC de 9,08 horas, 7,8%

Leia mais

Transferência da UHE Estreito para a Tractebel Energia

Transferência da UHE Estreito para a Tractebel Energia Transferência da UHE Estreito para a Tractebel Energia Conference Call 221 de dezembro de 2009 Aviso importante Este material pode incluir declarações que representem expectativas sobre eventos ou resultados

Leia mais

LIGHT SERVIÇOS DE ELETRICIDADE S.A. 3º TRIMESTRE DE 2013

LIGHT SERVIÇOS DE ELETRICIDADE S.A. 3º TRIMESTRE DE 2013 Rio de Janeiro, 08 de novembro de 2013. LIGHT SERVIÇOS DE ELETRICIDADE S.A. 3º TRIMESTRE DE 2013 1. Desempenho Operacional Consumo de Energia Total (GWh) (Cativo + Livre) - Trimestre 1,7% 5.486 840 5.581

Leia mais

Consumo total no trimestre sobe 2,5% em relação ao 3T14 PCLD se mantém em 1,0% do faturamento em 12 meses

Consumo total no trimestre sobe 2,5% em relação ao 3T14 PCLD se mantém em 1,0% do faturamento em 12 meses Rio de Janeiro, 12 de novembro de 2015. Consumo total no trimestre sobe 2,5% em relação ao 3T14 PCLD se mantém em 1,0% do faturamento em 12 meses Consolidado A receita líquida consolidada no 3T15, desconsiderando

Leia mais

Perspectivas do Suprimento de Energia Elétrica

Perspectivas do Suprimento de Energia Elétrica Perspectivas do Suprimento de Energia Elétrica Manoel Arlindo Zaroni Torres Diretor-Presidente UHE Itá - Novembro de 2007 1 Aviso Importante Este material pode incluir declarações que representem expectativas

Leia mais

Resultados 3T11. Teleconferência de Resultados 18 de Novembro de 2011

Resultados 3T11. Teleconferência de Resultados 18 de Novembro de 2011 Resultados 3T11 Teleconferência de Resultados 18 de Novembro de 2011 Agenda Perfil Coelce e Conquistas 1 Mercado de Energia 2 Resultados Operacionais 3 Resultados Econômico-Financeiros 4 Perguntas e Respostas

Leia mais

Resultados 1T15 Maio, 2015

Resultados 1T15 Maio, 2015 Resultados Maio, 2015 Destaques Afluência no SIN no de 62% da MLT 1 (vs. 64% no ) Hidrologia Nível de reservatórios do SIN encerraram em 30,1% vs. 40,5% em Rebaixamento médio do MRE de 20,7% no vs. 3,9%

Leia mais

Cenários de Preço Futuro de Energia

Cenários de Preço Futuro de Energia Cenários de Preço Futuro de Energia Novembro/2010 Tractebel Energia GDF SUEZ - todos os direitos reservados 1 Aviso importante Este material pode incluir declarações que representem expectativas sobre

Leia mais

Destaques Destaq 3T15 5,3% -5,1% -2,9% -7,4% R$ 219 milhões R$ 931 milhões CPFL Piratininga 5,31% R$ 475 milhões

Destaques Destaq 3T15 5,3% -5,1% -2,9% -7,4% R$ 219 milhões R$ 931 milhões CPFL Piratininga 5,31% R$ 475 milhões Resultados Disclaimer Esta apresentação pode incluir declarações que representem expectativas sobre eventos ou resultados futuros de acordo com a regulamentação de valores mobiliários brasileira e internacional.

Leia mais

Resultados 2014 Fevereiro, 2015

Resultados 2014 Fevereiro, 2015 Resultados Fevereiro, 2015 Destaques do e Afluência na região SE/CO em de 69% da MLT 1 (vs. 102% em ) Hidrologia Nível de reservatórios das usinas da AES Tietê encerraram em 34,7% vs. 51,1% em Rebaixamento

Leia mais

Visita à UTE PecémI. 23 de setembro de 2013 23 de setembro de 2013 Fortaleza (CE)

Visita à UTE PecémI. 23 de setembro de 2013 23 de setembro de 2013 Fortaleza (CE) Visita à UTE PecémI 23 de setembro de 2013 23 de setembro de 2013 Fortaleza (CE) Disclaimer Esta apresentação pode incluir declarações que representem expectativas sobre eventos ou resultados futuros de

Leia mais

Apresentação APIMEC. Agosto 2007 1

Apresentação APIMEC. Agosto 2007 1 Apresentação APIMEC Agosto 2007 1 Aviso Importante Esta apresentação pode incluir declarações que representem expectativas sobre eventos ou resultados futuros de acordo com a regulamentação de valores

Leia mais

Resultados. 2T14 Junho, 2014

Resultados. 2T14 Junho, 2014 Resultados Junho, 2014 Destaques Operacional & Comercial Rebaixamento da garantia física de 6,2%, em linha com as projeções da Companhia Comercialização de ~100 MWm com prazo e preço médios de 4,5 anos

Leia mais

Empresa de Distribuição de Energia Vale Paranapanema S/A Resultados do 3º trimestre de 2015

Empresa de Distribuição de Energia Vale Paranapanema S/A Resultados do 3º trimestre de 2015 Resultados do 3º trimestre de 2015 São Paulo, 13 de novembro de 2015 A Administração da Empresa de Distribuição de Energia do Vale Paranapanema ( EDEVP ou Companhia ) apresenta os resultados do terceiro

Leia mais

EARNINGS RELEASE 1º SEMESTRE 2007

EARNINGS RELEASE 1º SEMESTRE 2007 Geração e Transmissão S.A. Cemig Geração e Transmissão S.A CNPJ 06.981.176/0001-58 EARNINGS RELEASE 1º SEMESTRE 2007 1 ---------- Lucro Líquido A Cemig Geração e Transmissão apresentou, no primeiro semestre

Leia mais

EDP Energias do Brasil

EDP Energias do Brasil EDP Energias do Brasil III BTG Pactual Utilities Day outubro, 2014 0 Disclaimer Esta apresentação pode incluir declarações que representem expectativas sobre eventos ou resultados futuros de acordo com

Leia mais

Resultados 4T15 / 2015

Resultados 4T15 / 2015 Resultados / 2015 Disclaimer Esta apresentação pode incluir declarações que representem expectativas sobre eventos ou resultados futuros de acordo com a regulamentação de valores mobiliários brasileira

Leia mais

INDICADORES OPERACIONAIS - DISTRIBUIÇÃO 1T15 1T14

INDICADORES OPERACIONAIS - DISTRIBUIÇÃO 1T15 1T14 Rio de Janeiro, 23 de abril de 2015 - A Light S.A. (BMF&BOVESPA: LIGT3) divulga informações prévias operacionais dos segmentos de distribuição, geração e comercialização/serviços de energia do primeiro

Leia mais

Resultados 3T14. CPFL Energia 2014. Todos os direitos reservados.

Resultados 3T14. CPFL Energia 2014. Todos os direitos reservados. Resultados CPFL Energia 2014. Todos os direitos reservados. Disclaimer Esta apresentação pode incluir declarações que representem expectativas sobre eventos ou resultados futuros de acordo com a regulamentação

Leia mais

Receita Operacional Líquida no trimestre de R$ 1.559,7 milhões (+7,0%) e acumulada de R$ 5.656,2 milhões (+11,3%)

Receita Operacional Líquida no trimestre de R$ 1.559,7 milhões (+7,0%) e acumulada de R$ 5.656,2 milhões (+11,3%) Resultados 4º Trimestre e Acumulado 2006 Web Conference Xx de Março de 2007 Erik Breyer Diretor Financeiro e de Relações com Investidores DESTAQUES Receita Operacional Líquida no trimestre de R$ 1.559,7

Leia mais

EARNINGS RELEASE 2008 e 4T08 Cemig D

EARNINGS RELEASE 2008 e 4T08 Cemig D EARNINGS RELEASE 2008 e 4T08 Cemig D (Em milhões de reais, exceto se indicado de outra forma) --------- Lucro do Período A Cemig Distribuição apresentou, no exercício de 2008, um lucro líquido de R$709

Leia mais

Renova Energia. Investimento da Light na Renova Energia

Renova Energia. Investimento da Light na Renova Energia Renova Energia Investimento da Light na Renova Energia Descrição da Operação Acordo estratégico resultará em investimento na Renova para transformá-la no veículo de crescimento da Light no segmento de

Leia mais

CPFL RENOVÁVEIS Março, 2016

CPFL RENOVÁVEIS Março, 2016 CPFL RENOVÁVEIS Março, 2016 1 Disclaimer Esta apresentação pode incluir declarações que representem expectativas sobre eventos ou resultados futuros de acordo com a regulamentação de valores mobiliários

Leia mais

Resultados 4T12. Fevereiro, 2013

Resultados 4T12. Fevereiro, 2013 Resultados 4T12 Fevereiro, 2013 Principais destaques de 2012 Operacional Geração de energia 27% superior à garantia física e 3% acima da registrada em 2011 - Exposição ao mercado spot de 4,4% de setembro

Leia mais

Perspectivas e Estratégias da SUEZ no Brasil

Perspectivas e Estratégias da SUEZ no Brasil Perspectivas e Estratégias da SUEZ no Brasil Mauricio Bähr Diretor-Presidente, SUEZ Energy Brasil julho de 2008 Aviso importante Este material pode incluir declarações que representem expectativas sobre

Leia mais

na Light S.A. Janeiro/2010

na Light S.A. Janeiro/2010 Aumento de participação na Light S.A. Janeiro/2010 Termo de Renúncia Algumas declarações constantes nesta apresentação são projeções contidas no conceito da Lei de Valores Mobiliários Americanos e estão

Leia mais

Expo Money São Paulo. Setembro, 2013

Expo Money São Paulo. Setembro, 2013 Expo Money São Paulo Setembro, 2013 1 Perfil da AES Tietê 12 usinas hidrelétricas em São Paulo Contrato de concessão de 30 anos válido até 2029 Capacidade instalada de 2.658 MW, com garantia física 1

Leia mais

Apresentação de Resultados

Apresentação de Resultados Apresentação 3T08 Apresentação de Resultados José Carlos Aguilera (Diretor Presidente e de RI) Eduardo de Come (Diretor Financeiro) Marcos Leite (Gerente de RI) Destaques do Período Contexto de crise no

Leia mais

APRESENTAÇÃO DE RESULTADOS 4T07. Março de 2008

APRESENTAÇÃO DE RESULTADOS 4T07. Março de 2008 APRESENTAÇÃO DE RESULTADOS 4T07 Março de 2008 Aviso Importante Este material pode incluir declarações que representem expectativas sobre eventos ou resultados futuros de acordo com a regulamentação de

Leia mais

RESULTADOS 2T15 Teleconferência 10 de agosto de 2015

RESULTADOS 2T15 Teleconferência 10 de agosto de 2015 RESULTADOS 2T15 Teleconferência 10 de agosto de 2015 AVISO Nesta apresentação nós fazemos declarações prospectivas que estão sujeitas a riscos e incertezas. Tais declarações têm como base crenças e suposições

Leia mais

Destaques do Resultado Consolidado

Destaques do Resultado Consolidado Aviso Esta apresentação pode incluir declarações que representem expectativas sobre eventos ou resultados futuros de acordo com a regulamentação de valores mobiliários brasileira e internacional. Essas

Leia mais

VI ENCONTRO NACIONAL DA ABRAPCH A importância da Geração Distribuída num momento de crise energética

VI ENCONTRO NACIONAL DA ABRAPCH A importância da Geração Distribuída num momento de crise energética VI ENCONTRO NACIONAL DA ABRAPCH A importância da Geração Distribuída num momento de crise energética Copel Distribuição S.A Vlademir Daleffe 25/03/2015 1 VI ENCONTRO NACIONAL DA ABRAPCH 1. Composição tarifária

Leia mais

REVISÃO DO GUIDANCE 2006-2010

REVISÃO DO GUIDANCE 2006-2010 REVISÃO DO GUIDANCE 2006-2010 Diretoria de Finanças, Participações e de Relações com Investidores NOVEMBRO/06 Termo de Renúncia Algumas declarações constantes nesta apresentação são projeções contidas

Leia mais

Apimec Florianópolis. Dezembro 2013

Apimec Florianópolis. Dezembro 2013 Apimec Florianópolis Dezembro 2013 Exoneração de Responsabilidades Esta apresentação não constitui uma oferta, convite ou pedido de qualquer forma, para a subscrição ou compra de ações ou qualquer outro

Leia mais

Deutsche Bank CEO Day São Paulo Junho de 2011. Tractebel Energia GDF SUEZ - todos os direitos reservados

Deutsche Bank CEO Day São Paulo Junho de 2011. Tractebel Energia GDF SUEZ - todos os direitos reservados Deutsche Bank CEO Day São Paulo Junho de 2011 Tractebel Energia GDF SUEZ - todos os direitos reservados 1 Aviso importante Este material pode incluir declarações que representem expectativas sobre eventos

Leia mais

Destaques do Trimestre

Destaques do Trimestre Resultados do 2T12 Disclaimer Esta apresentação pode incluir declarações que representem expectativas sobre eventos ou resultados futuros de acordo com a regulamentação de valores mobiliários brasileira

Leia mais

Teleconferência de Resultados 3T08 18 de Novembro de 2008

Teleconferência de Resultados 3T08 18 de Novembro de 2008 Teleconferência de Resultados 18 de Novembro de 2008 Palestrantes Abel Rochinha Presidente da Coelce Luiz Carlos Bettencourt Diretor Financeiro e de RI da Endesa Brasil 1 1 Destaques 2 Mercado AGENDA s

Leia mais

Seminário sobre Sustentabilidade

Seminário sobre Sustentabilidade APIMEC Seminário sobre Sustentabilidade JW Marriott Rio de Janeiro Setembro/2015 1 /31 Noticiário econômico... Ao mesmo tempo, representaria as atividades de negócios em termos mais amplos que os frios

Leia mais

Banco Santander (Brasil) S.A.

Banco Santander (Brasil) S.A. Banco Santander (Brasil) S.A. Resultados em BR GAAP 4T14 3 de Fevereiro de 2015 INFORMAÇÃO 2 Esta apresentação pode conter certas declarações prospectivas e informações relativas ao Banco Santander (Brasil)

Leia mais

Com entrada em funcionamento de três novas usinas hidrelétricas nos próximos anos, a Light vai ampliar em 230 MW sua produção de energia

Com entrada em funcionamento de três novas usinas hidrelétricas nos próximos anos, a Light vai ampliar em 230 MW sua produção de energia Relatório Sustainability de Sustentabilidade Report 2010 2010 Geração Com entrada em funcionamento de três novas usinas hidrelétricas nos próximos anos, a Light vai ampliar em 230 MW sua produção de energia

Leia mais

Agenda. A Companhia. Nossa Operação. 3 Nossa Performance Financeira

Agenda. A Companhia. Nossa Operação. 3 Nossa Performance Financeira APIMEC RIO Resultados do 1T12 Diretoria Econômico-Financeira e de Relações com Investidores Aviso Esta apresentação pode conter considerações futuras referentes às perspectivas do negócio, estimativas

Leia mais

Fitch Rebaixa Ratings da Light e de Suas Subsidiárias Para A+(bra) ; Perspectiva Estável

Fitch Rebaixa Ratings da Light e de Suas Subsidiárias Para A+(bra) ; Perspectiva Estável Fitch Rebaixa Ratings da Light e de Suas Subsidiárias Para A+(bra) ; Perspectiva Estável Fitch Ratings Rio de Janeiro, 19 de dezembro de 2014: A Fitch Ratings rebaixou, hoje, o Rating Nacional de Longo

Leia mais

Crescimento com Sustentabilidade

Crescimento com Sustentabilidade Crescimento com Sustentabilidade Djalma Bastos de Morais Diretor Presidente Maio de 2008 1/XX Investimentos asseguram agregação de valor Nossa política de investimentos garante crescimento sustentável:

Leia mais

Prolagos S.A. Companhia Aberta CNPJ nº 02.382.073/0001-10 NIRE: 33.300.167.285 Código CVM 2346-9. Destaques

Prolagos S.A. Companhia Aberta CNPJ nº 02.382.073/0001-10 NIRE: 33.300.167.285 Código CVM 2346-9. Destaques Prolagos S.A. Companhia Aberta CNPJ nº 02.382.073/0001-10 NIRE: 33.300.167.285 Código CVM 2346-9 Receita Líquida¹ no 1T16 atinge R$69,6 milhões, alta de 24,8% em comparação ao mesmo período do ano anterior

Leia mais

Destaques do Trimestre

Destaques do Trimestre Resultados do 1T12 Disclaimer Esta apresentação pode incluir declarações que representem expectativas sobre eventos ou resultados futuros de acordo com a regulamentação de valores mobiliários brasileira

Leia mais

Teleconferência de resultados

Teleconferência de resultados Teleconferência de resultados 2 Aviso importante Este material foi preparado pela Linx S.A. ( Linx ou Companhia ) e pode incluir declarações que representem expectativas sobre eventos ou resultados futuros.

Leia mais

ENERGIAS RENOVÁVEIS NO BRASIL MAIO 2010

ENERGIAS RENOVÁVEIS NO BRASIL MAIO 2010 ENERGIAS RENOVÁVEIS NO BRASIL MAIO 2010 Índice Conceito de Energia Renovável Energias Renováveis no Brasil Aspectos Gerais de Projetos Eólicos, a Biomassa e PCHs Outorga de Autorização de Projetos Incentivos

Leia mais

Companhia Energética de Minas Gerais - Cemig

Companhia Energética de Minas Gerais - Cemig Companhia Energética de Minas Gerais - Cemig Companhia Aberta - CNPJ 17.155.730/0001-64 CEMIG ANUNCIA LUCRO LÍQUIDO DE R$ 922 MILHÕES NO 1º SEMESTRE 2007 Belo Horizonte, Brasil, 14 de agosto de 2007 Companhia

Leia mais

Contato analítico adicional: Marcelo Schwarz, CFA, São Paulo, 55 (11) 3039?7782, marcelo.schwarz@standardandpoors.com

Contato analítico adicional: Marcelo Schwarz, CFA, São Paulo, 55 (11) 3039?7782, marcelo.schwarz@standardandpoors.com Data de Publicação: 26 de junho de 2014 Comunicado à Imprensa Standard & Poor's reafirma ratings 'BB+' na escala global e 'braa' na Escala Nacional Brasil atribuídos à Ampla Energia e Serviços; Rating

Leia mais

Divulgação de Resultados do 2T10. 4 de agosto de 2010

Divulgação de Resultados do 2T10. 4 de agosto de 2010 Divulgação de Resultados do 4 de agosto de 2010 Aviso Importante Esse material pode conter previsões de eventos futuros.tais previsões refletem apenas expectativas dos administradores da Companhia, e envolve

Leia mais

CSU CARDSYSTEM SA. investidorescsu@csu.com.br

CSU CARDSYSTEM SA. investidorescsu@csu.com.br CSU CARDSYSTEM SA investidorescsu@csu.com.br 2 Considerações Iniciais Esta apresentação pode incluir declarações que representem expectativas sobre eventos ou resultados futuros de acordo com a regulamentação

Leia mais

APIMEC 1T10. 27 de maio 2010

APIMEC 1T10. 27 de maio 2010 APIMEC 1T10 27 de maio 2010 Aviso Importante O material que segue é uma apresentação de informações gerais de Multiplus S.A. ( Multiplus" ou "Companhia") na data desta apresentação. Este material foi preparado

Leia mais

Seminário sobre Recuperação de Empresas. 10 de Outubro de 2007

Seminário sobre Recuperação de Empresas. 10 de Outubro de 2007 Seminário sobre Recuperação de Empresas 10 de Outubro de 2007 1 Aviso Importante Esta apresentação pode incluir declarações que representem expectativas sobre eventos ou resultados futuros de acordo com

Leia mais

Associação de Reguladores de Energia dos Países de Língua Oficial Portuguesa

Associação de Reguladores de Energia dos Países de Língua Oficial Portuguesa II Conferência RELOP Associação de Reguladores de Energia dos Países de Língua Oficial Portuguesa AES SUL - Concessionária de Distribuição de Energia Elétrica da Região Sul do Brasil Estratégias Empresariais:

Leia mais

EDP Investor Day. 5 Anos de IPO EDP no Brasil

EDP Investor Day. 5 Anos de IPO EDP no Brasil EDP Investor Day 5 Anos de IPO EDP no Brasil Disclaimer Esta apresentação pode incluir declarações que representem expectativas sobre eventos ou resultados futuros de acordo com a regulamentação de valores

Leia mais

DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS REGULATÓRIAS. Período findo em 31 de Dezembro de 2011, 2010 e 2009. Valores expressos em milhares de reais

DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS REGULATÓRIAS. Período findo em 31 de Dezembro de 2011, 2010 e 2009. Valores expressos em milhares de reais DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS REGULATÓRIAS Período findo em 31 de Dezembro de 2011, 2010 e 2009. Valores expressos em milhares de reais SUMÁRIO Demonstrações Contábeis Regulatórias Balanços Patrimoniais Regulatórios...3

Leia mais

INVESTCO S.A. PROPOSTA DA ADMINISTRAÇÃO

INVESTCO S.A. PROPOSTA DA ADMINISTRAÇÃO INVESTCO S.A. PROPOSTA DA ADMINISTRAÇÃO Aos Srs. Acionistas Investco S.A. Anexo I - Comentários dos Diretores da Companhia Contas dos Administradores referentes ao exercício social encerrado em 31.12.2012.

Leia mais

Fundamentos Garantem Crescimento Sustentável

Fundamentos Garantem Crescimento Sustentável Fundamentos Garantem Crescimento Sustentável Resultados do 1º Semestre de 2006 2 Termo de Renúncia Algumas declarações contidas nesta apresentação são projeções contidas no conceito da Lei de Valores Mobiliários

Leia mais

RESULTADOS E DESEMPENHO - 1º SEMESTRE DE 2014

RESULTADOS E DESEMPENHO - 1º SEMESTRE DE 2014 RESULTADOS E DESEMPENHO - 1º SEMESTRE DE 2014 Resultados Econômico-Financeiros (R$ milhões) 1S 2014 1S 2013 Variação (1) Variação % Receita Líquida 1.993,3 1.670,4 322,9 19,3% EBITDA 145,4 224,8-79,4-35,3%

Leia mais

2T08 Apresentação dos Resultados Utilities Day 2008 - UBS Pactual São Paulo, 8 de outubro de 2008 Manoel Zaroni Torres - CEO

2T08 Apresentação dos Resultados Utilities Day 2008 - UBS Pactual São Paulo, 8 de outubro de 2008 Manoel Zaroni Torres - CEO 2T08 Apresentação dos Resultados Utilities Day 2008 - UBS Pactual São Paulo, 8 de outubro de 2008 Manoel Zaroni Torres - CEO Aviso Importante Este material pode incluir declarações que representem expectativas

Leia mais

Light Serviços de Eletricidade S.A. Demonstrações contábeis regulatórias referentes ao exercício findo em 31 de dezembro de 2013

Light Serviços de Eletricidade S.A. Demonstrações contábeis regulatórias referentes ao exercício findo em 31 de dezembro de 2013 Light Serviços de Eletricidade S.A. Demonstrações contábeis regulatórias referentes ao exercício findo em 31 de dezembro de 2013 Balanços Patrimoniais Regulatório e Societário Nota Societário Ajustes CPCs

Leia mais

IFRS: adequação às normas internacionais de contabilidade no Grupo EDP Energias do Brasil

IFRS: adequação às normas internacionais de contabilidade no Grupo EDP Energias do Brasil IFRS: adequação às normas internacionais de contabilidade no Grupo EDP Energias do Brasil São Paulo, 17 de Janeiro de 2011 Rio de Janeiro, 18 de Janeiro de 2011 Disclaimer Esta apresentação pode incluir

Leia mais

LIGHT ENERGIA S.A. 3º TRIMESTRE DE 2015

LIGHT ENERGIA S.A. 3º TRIMESTRE DE 2015 Rio de Janeiro, 12 de novembro de 2015. 1. Desempenho Operacional LIGHT ENERGIA S.A. 3º TRIMESTRE DE 2015 O total de venda, líquida da compra de energia, no terceiro trimestre de 2015 foi equivalente a

Leia mais

DESAFIOS DO SETOR ENERGÉTICO NO RIO GRANDE DO SUL

DESAFIOS DO SETOR ENERGÉTICO NO RIO GRANDE DO SUL DESAFIOS DO SETOR ENERGÉTICO NO RIO GRANDE DO SUL Humberto César Busnello A SITUAÇÃO ENERGÉTICA DO RIO GRANDE DO SUL TEM QUE SER VISTA NO CONTEXTO DO MODELO DO SETOR ELÉTRICO BRASILEIRO, ESPECIALMENTE

Leia mais

Apresentação de Resultados 1T09

Apresentação de Resultados 1T09 Apresentação de Resultados 1T09 Aviso importante Este material pode incluir declarações que representem expectativas sobre eventos ou resultados futuros de acordo com a regulamentação de valores mobiliários

Leia mais

Gestão dos Negócios. Desempenho da Economia. Consumo de Energia Elétrica GWh

Gestão dos Negócios. Desempenho da Economia. Consumo de Energia Elétrica GWh Desempenho da Economia Em 2005, o PIB do Brasil teve crescimento de 2,6 %, segundo estimativas do Banco Central. A taxa de desemprego registrou leve recuo, cedendo de 10,2 % em janeiro/05 para 9,6 % em

Leia mais

MENSAGEM DA ADMINISTRAÇÃO A QGEP Participações iniciou o ano de 2011 com uma sólida posição financeira. Concluímos com sucesso a nossa oferta pública inicial de ações em fevereiro, com uma captação líquida

Leia mais

Medidas divulgadas pelo Governo Federal para o fortalecimento do setor elétrico nacional

Medidas divulgadas pelo Governo Federal para o fortalecimento do setor elétrico nacional Medidas divulgadas pelo Governo Federal para o fortalecimento do setor elétrico nacional Perguntas e Respostas Perguntas mais frequentes sobre as medidas divulgadas pelo Governo Federal Março 2014 Apresentação

Leia mais

Apresentação de Resultados 3T14

Apresentação de Resultados 3T14 Apresentação de Resultados 3T14 Destaques do Período Início da operação comercial dos parques do LER 2009 Maior complexo de energia eólica da América Latina: 14 parques, 184 aerogeradores, 294,4 MW de

Leia mais

1. Resumo operacional

1. Resumo operacional PRÉVIA OPERACIONAL Rio de Janeiro, 29 de janeiro de 2016 - A Light S.A. (BMF&BOVESPA: LIGT3) divulga informações prévias operacionais dos segmentos de distribuição, geração e comercialização/serviços de

Leia mais

Resultados do 1T14 09 de Maio de 2014

Resultados do 1T14 09 de Maio de 2014 Resultados do T4 09 de Maio de 204 Destaques do T4 x T3 FINANCEIROS Receita Bruta: R$ 287,6 milhões 7,6% Lucro Líquido Ajustado (cash earnings): R$ 33,3 milhões 4,7% Unidade de Títulos e Valores Mobiliários:

Leia mais

Assinatura Digital. Contratos de Comercialização de Energia Elétrica no Ambiente Regulado - CCEARs

Assinatura Digital. Contratos de Comercialização de Energia Elétrica no Ambiente Regulado - CCEARs Assinatura Digital Contratos de Comercialização de Energia Elétrica no Ambiente Regulado - CCEARs Agenda O papel da CCEE Visão geral da comercialização de energia elétrica no Brasil Processo de Assinatura

Leia mais

ITR - Informações Trimestrais - 30/06/2012 - NEOENERGIA S.A Versão : 1. Composição do Capital 1. Proventos em Dinheiro 2. Balanço Patrimonial Ativo 3

ITR - Informações Trimestrais - 30/06/2012 - NEOENERGIA S.A Versão : 1. Composição do Capital 1. Proventos em Dinheiro 2. Balanço Patrimonial Ativo 3 ITR Informações Trimestrais 30/06/2012 NEOENERGIA S.A Versão : 1 Índice Dados da Empresa Composição do Capital 1 Proventos em Dinheiro 2 DFs Individuais Balanço Patrimonial Ativo 3 Balanço Patrimonial

Leia mais

Grupo Energisa Apresentação Institucional 2º trimestre de 2014

Grupo Energisa Apresentação Institucional 2º trimestre de 2014 Grupo Energisa Apresentação Institucional 2º trimestre de 2014 Apresentação Grupo Energisa Aspectos Técnicos e Comerciais Aspectos financeiros Crescimento 2 Grupo Energisa 3 Aquisição do Grupo Rede Em

Leia mais

Luiz Fernando Rolla. Diretor de Finanças, Relações com Investidores e Controle de Participações

Luiz Fernando Rolla. Diretor de Finanças, Relações com Investidores e Controle de Participações Luiz Fernando Rolla Diretor de Finanças, Relações com Investidores e Controle de Participações Nossa base de acionistas assegura liquidez América do Norte Canadá Estados Unidos México Europa Luxemburgo

Leia mais

Impactos da MP nº 579

Impactos da MP nº 579 Impactos da MP nº 579 José Rosenblatt jrosenb@psr-inc.com Agência Dinheiro Vivo São Paulo, 10 de dezembro de 2012 1 Sumário Resumo das medidas e questões Geração Transmissão Encargos Impactos da MP Tarifas

Leia mais

Participação da Cemig no Projeto Usina Hidrelétrica de Santo Antônio Localizada no Rio Madeira Estado de Rondônia

Participação da Cemig no Projeto Usina Hidrelétrica de Santo Antônio Localizada no Rio Madeira Estado de Rondônia Participação da Cemig no Projeto Usina Hidrelétrica de Santo Antônio Localizada no Rio Madeira Estado de Rondônia Leilão ANEEL 005/2007, realizado em 10 de Dezembro de 2007 Comunicamos que realizaremos

Leia mais

AQUISIÇÃO DA DEVELOPER Maio 2008

AQUISIÇÃO DA DEVELOPER Maio 2008 AQUISIÇÃO DA DEVELOPER Maio 2008 Aviso Esta apresentação foi preparada com o propósito exclusivo de informar sobre os objetivos e estrutura da transação realizada entre JHSF Participações S.A. ("JHSF")

Leia mais

Índice. RS no Brasil Nossa Empresa Governança Corporativa Nossos Números Análise Comparativa Sustentabilidade Projeções e Estimativas

Índice. RS no Brasil Nossa Empresa Governança Corporativa Nossos Números Análise Comparativa Sustentabilidade Projeções e Estimativas CICLO APIMEC 2010 Índice RS no Brasil Nossa Empresa Governança Corporativa Nossos Números Análise Comparativa Sustentabilidade Projeções e Estimativas 3 RS no Brasil DADOS DEMOGRÁFICOS RS BRASIL População

Leia mais

O Custo da Energia. Novembro de 2015

O Custo da Energia. Novembro de 2015 O Custo da Energia Novembro de 2015 1 Lajeado Energia/ Investco UHE Luiz Eduardo Magalhães 902,5 MW (73%) Enerpeixe UHE Peixe Angical 498,75 MW (60%) Emp. Energia São Manoel UHE São Manoel 700 MW (33,34%)

Leia mais

Apresentação da Companhia. Setembro de 2010

Apresentação da Companhia. Setembro de 2010 Apresentação da Companhia Setembro de 2010 Comprovada capacidade de execução Visão geral da Inpar Empreendimentos por segmento (1) Modelo de negócios integrado (incorporação, construção e venda) Comercial

Leia mais

Diversificação da Matriz Elétrica Nacional. João Mello A&C Energia

Diversificação da Matriz Elétrica Nacional. João Mello A&C Energia Diversificação da Matriz Elétrica Nacional João Mello A&C Energia Agenda 1. O Momento Atual 2. O Efeito Tarifário 3. As Perspectivas com Novas Fontes 4. Considerações Finais Agenda 1. O Momento Atual 2.

Leia mais

Smart Grid e Net Metering no Brasil

Smart Grid e Net Metering no Brasil Smart Grid e Net Metering no Brasil Daniel Vieira Superintendência de Regulação dos Serviços de Distribuição SRD/ANEEL Cidade do México 30/01/2013 Sistema de Distribuição 63 concessionárias de distribuição

Leia mais

COPASA COMPANHIA DE SANEAMENTO DE MINAS GERAIS

COPASA COMPANHIA DE SANEAMENTO DE MINAS GERAIS COPASA COMPANHIA DE SANEAMENTO DE MINAS GERAIS Apresentação A Companhia de Saneamento de Minas Gerais, COPASA, criada em 1963, é uma empresa vinculada à Secretaria de Desenvolvimento Regional e Política

Leia mais

Divulgação de resultados 3T13

Divulgação de resultados 3T13 Brasil Brokers divulga seus resultados do 3º Trimestre do ano de 2013 Rio de Janeiro, 13 de novembro de 2013. A Brasil Brokers Participações S.A. (BM&FBovespa: BBRK3) uma empresa com foco e atuação no

Leia mais

APIMEC 3T10 Novembro de 2010

APIMEC 3T10 Novembro de 2010 APIMEC Novembro de 2010 Aviso Importante Esse material pode conter previsões de eventos futuros.tais previsões refletem apenas expectativas dos administradores da Companhia, e envolve riscos ou incertezas

Leia mais

Apresentação Investidores

Apresentação Investidores Apresentação Investidores Setembro de 2010 Aviso Importante Esse material pode conter previsões de eventos futuros.tais previsões refletem apenas expectativas dos administradores da Companhia, e envolve

Leia mais

Cumprindo Metas Agregando Valor para os Acionistas. Demonstrações Financeiras 2º Trimestre de 2004

Cumprindo Metas Agregando Valor para os Acionistas. Demonstrações Financeiras 2º Trimestre de 2004 Cumprindo Metas Agregando Valor para os Acionistas Demonstrações Financeiras 2º Trimestre de 2004 Agosto 2004 2 Termo de Renúncia Algumas declarações contidas nesta apresentação são projeções contidas

Leia mais

ANEXO III. Nota Técnica nº 250/2007-SRE/ANEEL Brasília, 21 de agosto de 2007 METODOLOGIA E CÁLCULO DO FATOR X

ANEXO III. Nota Técnica nº 250/2007-SRE/ANEEL Brasília, 21 de agosto de 2007 METODOLOGIA E CÁLCULO DO FATOR X ANEXO III Nota Técnica nº 250/2007-SRE/ANEEL Brasília, 2 de agosto de 2007 METODOLOGIA E CÁLCULO DO FATOR X ANEXO III Nota Técnica n o 250/2007 SRE/ANEEL Em 2 de agosto de 2007. Processo nº 48500.004295/2006-48

Leia mais

Teleconferência de Resultados 2014 e 4T14. 27 de fevereiro de 2015. Magazine Luiza

Teleconferência de Resultados 2014 e 4T14. 27 de fevereiro de 2015. Magazine Luiza Teleconferência de Resultados 2014 e 4T14 27 de fevereiro de 2015 Magazine Luiza Destaques 2014 Vendas E-commerce Despesas Operacionais EBITDA Ajustado Luizacred Lucro Líquido Ajustado Crescimento da receita

Leia mais

ITR - Informações Trimestrais - 31/03/2011 - LIGHT SERVIÇOS DE ELETRICIDADE SA Versão : 1. Composição do Capital 1. Balanço Patrimonial Ativo 2

ITR - Informações Trimestrais - 31/03/2011 - LIGHT SERVIÇOS DE ELETRICIDADE SA Versão : 1. Composição do Capital 1. Balanço Patrimonial Ativo 2 Índice Dados da Empresa Composição do Capital 1 DFs Individuais Balanço Patrimonial Ativo 2 Balanço Patrimonial Passivo 3 Demonstração do Resultado 5 Demonstração do Fluxo de Caixa 6 Demonstração das Mutações

Leia mais

As PCHs no contexto energético futuro no Brasil

As PCHs no contexto energético futuro no Brasil As PCHs no contexto energético futuro no Brasil Campinas, 29 de Outubro de 2013. Charles Lenzi Agenda de Hoje Conjuntura Atual Desafios da Competitividade Nossas propostas Conclusões A ABRAGEL Associação

Leia mais

Apresentação de 1 Resultados - 2T09

Apresentação de 1 Resultados - 2T09 Apresentação de 1 Resultados - 2T09 Aviso importante Este material pode incluir declarações que representem expectativas sobre eventos ou resultados futuros de acordo com a regulamentação de valores mobiliários

Leia mais