Cenários de Preço Futuro de Energia

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Cenários de Preço Futuro de Energia"

Transcrição

1 Cenários de Preço Futuro de Energia Novembro/2010 Tractebel Energia GDF SUEZ - todos os direitos reservados 1

2 Aviso importante Este material pode incluir declarações que representem expectativas sobre eventos ou resultados futuros de acordo com a regulamentação de valores mobiliários brasileira e internacional. Essas declarações estão baseadas em certas suposições e análises feitas pela Tractebel Energia, de acordo com a sua experiência e o ambiente econômico, nas condições de mercado e nos eventos futuros esperados, muitos dos quais estão fora do controle da Tractebel Energia. Fatores importantes que podem levar a diferenças significativas entre os resultados reais e as declarações de expectativas sobre eventos ou resultados futuros incluem a estratégia de negócios da Tractebel Energia, as condições econômicas brasileira e internacional, tecnologia, estratégia financeira, desenvolvimentos da indústria de serviços públicos, condições hidrológicas, condições do mercado financeiro, incerteza a respeito dos resultados de suas operações futuras, planos, objetivos, expectativas e intenções e outros fatores. Em razão desses fatores, os resultados reais da Tractebel Energia podem diferir significativamente daqueles indicados ou implícitos nas declarações de expectativas sobre eventos ou resultados futuros. As informações e opiniões aqui contidas não devem ser entendidas como recomendação a potenciais investidores e nenhuma decisão de investimento deve se basear na veracidade, atualidade ou completude dessas informações ou opiniões. Nenhum dos assessores da Tractebel Energia ou partes a eles relacionadas ou seus representantes terá qualquer responsabilidade por quaisquer perdas que possam decorrer da utilização ou do conteúdo desta apresentação. Este material inclui declarações sobre eventos futuros sujeitas a riscos e incertezas, as quais baseiam-se nas atuais expectativas e projeções sobre eventos futuros e tendências que podem afetar os negócios da Tractebel Energia. Essas declarações incluem projeções de crescimento econômico e demanda e fornecimento de energia, além de informações sobre posição competitiva, ambiente regulatório, potenciais oportunidades de crescimento e outros assuntos. Inúmeros fatores podem afetar adversamente as estimativas e suposições nas quais essas declarações se baseiam. 2

3 Agenda Ambientes de Contratação da Energia Histórico Principais variáveis que impactam o preço Balanço entre oferta e demanda Drivers: expansão da oferta e crescimento da demanda Custo (preço) da oferta Drivers: composição da oferta em expansão e administração da energia existente (concessões) Preço Spot É uma referência de preço no curto e médio prazos e impacta as tarifas reguladas (leilões de disponibilidade) 3

4 Os Canais de Contratação ACL - Ambiente de Contratação Livre ACR - Ambiente de Contratação Regulada Consumidores Livres Comercializadores Geradores Privados Geradores Estatais Leilão Distribuidores Privados e/ou Estatais Negociação Bilateral Leilão Processo Transparente (leilão/oferta pública/chamada pública) 4

5 Breakdown jan/05 jul/05 (MWmed) jan/06 jul/06 jan/07 jul/07 jan/08 jul/08 jan/09 jul/09 jan/10 jul/10 Reflexo da crise na indústria Mercado Não Cativo Mercado Cativo Retomada da demanda Fonte: CCEE

6 Histórico da Demanda 15% Crescimento do Mercado Faturado acumulado em 12 meses (12Mo12M) 10% 5% 0% -5% -10% Total Mercado Cativo Mercado Não Cativo -15% Fonte: CCEE 6

7 Histórico do PLD Mercado [MWmed] PLD Sudeste [R$/MWh] Crescimento pujante da demanda Sazonalidade típica do consumo Pânico devido ao atraso do período úmido 0 Fonte: ONS, CCEE 7 jan/07 jul/07 jan/08 jul/08 jan/09 jul/09 jan/10 jul/10

8 Histórico do PLD Mercado [MWmed] PLD Sudeste [R$/MWh] Crescimento da demanda Escassez de lastro Comportamento sazonal do PLD é esperado 0 Fonte: ONS, CCEE 8 jan/07 jul/07 jan/08 jul/08 jan/09 jul/09 jan/10 jul/10

9 Histórico do PLD Mercado [MWmed] PLD Sudeste [R$/MWh] Efeito da crise mundial Demanda cai drasticamente puxada pelo setor industrial Patamar do PLD diminui 0 Fonte: ONS, CCEE 9 jan/07 jul/07 jan/08 jul/08 jan/09 jul/09 jan/10 jul/10

10 Histórico do PLD Mercado [MWmed] PLD Sudeste [R$/MWh] Recuperação gradual da economia Mercado reage e aumenta consumo, mas excedente de oferta e afluências favoráveis levam PLD ao mínimo 0 Fonte: ONS, CCEE 10 jan/07 jul/07 jan/08 jul/08 jan/09 jul/09 jan/10 jul/10

11 Histórico do PLD Mercado [MWmed] PLD Sudeste [R$/MWh] Demanda plenamente recuperada O crescimento médio entre 2008 e 2010 será de 4,2% a.a Enxugamento das sobras no mercado Afluências em 2010 abaixo da média PLD em elevação e possibilidade de aumento do despacho fora do mérito 0 Fonte: ONS, CCEE 11 jan/07 jul/07 jan/08 jul/08 jan/09 jul/09 jan/10 jul/10

12 Balanço entre oferta e demanda Custo (preço) da oferta Preço Spot 12

13 Projeção da Demanda de Eletricidade* Cenário Econômico Base: PIB (bilhões de R$ de 2009) PIB per capita (R$ de 2009) ,7% a.a ,9% a.a Crescimento esperado de 4,8% a.a até 2019 Demanda de Eletricidade: O crescimento da demanda é de MWmed por ano, equivalente à necessidade de construir: - uma usina de Itaipu a cada dois anos, ou - cinco usinas do tamanho do Complexo Jorge Lacerda a cada ano! * Plano Decenal 2019 / EPE 13

14 Oferta Contratada Energia Nova e Energia de Reserva Contratadas no ACR Em 2013, a participação termelétrica na matriz energética será 24% Em 2008, era 8% MWmed Ano de Entrega Termelétrica Hidrelétrica Fontes Alternativas Fonte: TBLE 14

15 Balanço entre Oferta Contratada e Demanda Prevista ,8% a.a MWmed O fechamento do balanço do ano depende da expansão contratada para o próprio ano Não há sobra significativa de energia em Oferta em Operação em Nov/2010 Expansão Energia de Reserva Demanda EPE/ONS Fonte: ONS, EPE 15

16 Balanço entre Oferta Contratada e Demanda Prevista Atrasos em alguns projetos Em 2017, destaca-se a motorização de Belo Monte Como será a expansão da oferta? 4,8% a.a MWmed Apesar do balanço global estar fechado até 2016, a estratégia e posição comercial individual de cada Distribuidora poderá resultar em necessidades de compra nos leilões A-3 e A-5 futuros Oferta em Operação em Nov/2010 Expansão MC2 + Multiner Energia de Reserva Demanda EPE/ONS Fonte: ONS, EPE 16

17 Como o Governo planeja atender a essa demanda?* Expansão baseada em hidrelétricas, principalmente da região amazônica Uma usina nuclear já definida (Angra 3) e será contratada como energia de reserva (Portaria MME 586/2010) não forma lastro e paga por todos os consumidores - R$ 148,65/MWh Complementação com fontes alternativas PCHs Biomassa Eólica Atualmente, o planejamento não contempla a contratação de usinas termelétricas com combustível fóssil a efetividade desse plano dependerá da viabilidade e da competitividade das fontes renováveis A forma como a matriz será expandida afetará o preço futuro da energia Usinas hidrelétricas a serem leiloadas até 2019: Água Limpa (320 MW) Barra do Pomba (80 MW) Cachoeira (63 MW) Cachoeira do Caí (802 MW) Cachoeira dos Patos (528 MW) Cachoeirinha (45 MW) Castelhano (64 MW) Davinópolis (107 MW) Foz do Apiacás (275 MW) Itapiranga (725 MW) Jamanxim (881 MW) Jardim do Ouro (227 MW) Jatobá (2.336 MW) Marabá (2.160 MW) Mirador (80 MW) Ribeiro Gonçalves (113 MW) Salto Grande Chopim (53 MW) São Luiz do Tapajós (6.133 MW) São Manoel (746 MW) São Miguel (65 MW) São Roque (214 MW) Serra Quebrada (1.328 MW) Sinop (461 MW) Telêmaco Borba (120 MW) Teles Pires (1.820 MW) Toricoejo (76 MW) Torixoréu (408 MW) Traira II (60 MW) Uruçui (134 MW) * Plano Decenal 2019 / EPE 17

18 Balanço entre oferta e demanda Custo (preço) da oferta Preço Spot 18

19 Competitividade das fontes nos leilões realizados no ACR Biomassa 716 MWmed 161,0 Preço médio do mix contratado de R$ 127,5/MWh Termelétrica MWmed 157,4 PCH 116 MWmed 149,3 Usinas hidrelétricas com preço abaixo do mix Eólica MWmed 139,9 Usinas eólicas se tornaram competitivas Hidrelétrica * MWmed 104,7 Térmicas a combustíveis fósseis e a biomassa com preços acima do mix Média * MWmed , R$/MWh Angra III com preço teto em torno de R$ 150/MWh (energia de reserva) * Inclui a energia reservada pelos projetos para o mercado livre, ao preço de R$ 130/MWh Preços: nov/2010 Fonte: CCEE 19

20 Preço Médio da Energia Contratada nos Leilões do ACR Incertezas: Mix da expansão (MWmed) ,5 81,1 Energia Existente Energia Nova * Preço Médio CCEARs 103,5 96,2 87,3 83,0 107,2 110,6 127,8 138,7 138,3 136,5 132,2 131,9 131,9 131,9 A tarifa final da energia do ACR considera adicionalmente: Itaipu, Bilaterais, geração distribuída e ESS (R$/MWh) ~ 21 GWmed Recontratação da A tarifa final da energia existente do (concessões) ACR considera adicionalmente: Itaipu, Bilaterais, geração distribuída e ESS ~ 19 GWmed * Preço médio não considera volumes que encerram a partir de 2013 Preços: out/2010 Fonte: CCEE 20

21 Concessões Vincendas e Recontratação da Energia Existente A forma como o Governo tratará as concessões vincendas afetará diretamente o preço futuro da energia e, conseqüentemente, o valor dos ativos de geração O problema: Quase 20% ( MW) da capacidade instalada do sistema brasileiro com concessões de geração expirando em 2015, sem possibilidade legal de renovação ou prorrogação Necessidade de recontratação da energia existente no ACR, a partir de MWmed em MWmed em MWmed em 2015 Atual arcabouço legal prevê explicitamente a existência do ACL e do ACR (Lei 9.074/95) A definição de dois ambientes de atuação econômica pressupõe que existirão elementos e condições para que esses ambientes coexistam A solução necessariamente deve assegurar a continuidade do ACL, fundamental para a sustentação dos produtores independentes e dos clientes livres 21

22 Balanço entre oferta e demanda Custo (preço) da oferta Preço Spot 22

23 Preço Spot O preço spot é uma referência de preço no curto e médio prazos É o comprador de última instância de um gerador Tem forte impacto nas negociações de curto prazo (PLD + Margem) Impacta diretamente no custo da energia elétrica das distribuidoras que compraram energia termelétrica por disponibilidade Custo do combustível das térmicas despachadas e custo de exposição ao PLD das usinas não despachadas As distribuidoras com maior participação nos leilões de energia térmica (de 2008) terão suas tarifas fortemente aumentadas em caso de PLD elevado de forma sustentada O aumento da participação termelétrica, a construção de usinas hidrelétricas sem grandes reservatórios e de usinas eólicas aumentará a volatilidade do preço spot Despacho fora do mérito distorce preço real Custo entra como encargo e não forma PLD 23

24 Preço Spot: impacto nos leilões de disponibilidade 200 Custo percebido pelas Distribuidoras ,4 177,8 182,1 179,6 Custo estimado nos Leilões (ICB corrigido pelo IPCA) R$ / MWh ,4 151,8 155,0 153,5 158,7 156,5 156,5 155,8 Custo real para PLD de R$ 80/MWh Custo real para PLD de R$ 120/MWh Ano de Entrega Fonte: TBLE 24

25 Típico Preço Spot na Nova Matriz 200 Preço baixo no primeiro semestre e elevado no segundo, bastante sujeito às afluências 150 R$/MWh Mês Fonte: CCEE 25

26 Conclusões 26

27 Conclusões (1) Sobre a oferta e a demanda Retomada de crescimento da economia com conseqüente aumento da demanda Efeitos da crise já superados (do ponto de vista do consumo) Retomada do Mercado Livre Nova matriz energética Aumento da geração termelétrica Aumento da geração alternativa e da geração distribuída Maior excursionamento dos reservatórios Maior volatilidade do PLD Balanço Energético Depende da concreta implementação das usinas não há mais folga Balanço globalmente fechado até 2015 Estratégias e posições individuais das distribuidoras podem demandar novos contratos 27

28 Conclusões (2) Sobre o custo da oferta Planejamento da expansão baseado em hidrelétricas, que apresentaram os menores preços médios nos leilões recentes A viabilidade ambiental dos projetos ainda não está definida Usinas de fontes alternativas apresentam preços mais competitivos e devem continuar sendo contratadas em volumes significativos Na visão do planejamento, a contratação de usinas a combustíveis fósseis deve surgir como última alternativa O maior fator de risco ao preço do mercado livre é a renovação das concessões Tendência do novo governo é opção pela redução das tarifas 28

29 Conclusões (3) Sobre o preço spot Maior volatilidade devido à nova matriz energética Impacto direto nas tarifas da distribuidoras que compraram energia termelétrica por disponibilidade Despacho fora do mérito distorce preço real e aumenta encargos 29

30 Conclusões (4) Expectativa de preço futuros (projeção da tarifa de 18 distribuidoras) Além das variáveis globais anteriormente descritas, a tarifa de cada distribuidora depende do seu mix de contratação [R$/MWh] Em condições de liquidez A tarifa da distribuidora é o cap de preço para o mercado livre (máxima disposição a pagar) O PLD é o piso de preço (comprador de última instância do gerador) A concorrência entre os vendedores (geradores e comercializadores) determinará o preço de mercado Fonte: CCEE 30

Aspectos Regulatórios e de Mercado. Março de 2010

Aspectos Regulatórios e de Mercado. Março de 2010 Aspectos Regulatórios e de Mercado Março de 21 Mercado de Energia no Brasil 2 Marco Regulatório Atual Geradores Competição entre geradores (estatais e privados) Todos os geradores podem vender eletricidade

Leia mais

Deutsche Bank CEO Day São Paulo Junho de 2011. Tractebel Energia GDF SUEZ - todos os direitos reservados

Deutsche Bank CEO Day São Paulo Junho de 2011. Tractebel Energia GDF SUEZ - todos os direitos reservados Deutsche Bank CEO Day São Paulo Junho de 2011 Tractebel Energia GDF SUEZ - todos os direitos reservados 1 Aviso importante Este material pode incluir declarações que representem expectativas sobre eventos

Leia mais

Perspectivas do Suprimento de Energia Elétrica

Perspectivas do Suprimento de Energia Elétrica Perspectivas do Suprimento de Energia Elétrica Manoel Arlindo Zaroni Torres Diretor-Presidente UHE Itá - Novembro de 2007 1 Aviso Importante Este material pode incluir declarações que representem expectativas

Leia mais

Mercado de energia elétrica: condições atuais de atendimento à carga e tendências para 2015. Manoel Arlindo Zaroni Torres

Mercado de energia elétrica: condições atuais de atendimento à carga e tendências para 2015. Manoel Arlindo Zaroni Torres Mercado de energia elétrica: condições atuais de atendimento à carga e tendências para 2015 Manoel Arlindo Zaroni Torres São Paulo, 1 de outubro de 2014 Aviso importante Este material pode incluir declarações

Leia mais

Panorama do Mercado Livre de Energia Elétrica

Panorama do Mercado Livre de Energia Elétrica Panorama do Mercado Livre de Energia Elétrica Aspectos Regulatórios Luiz Fernando Leone Vianna 08.08.2011 A Apine Perfil dos Sócios geradores privados de energia elétrica concessionárias de geração estaduais

Leia mais

Transferência da UHE Estreito para a Tractebel Energia

Transferência da UHE Estreito para a Tractebel Energia Transferência da UHE Estreito para a Tractebel Energia Conference Call 221 de dezembro de 2009 Aviso importante Este material pode incluir declarações que representem expectativas sobre eventos ou resultados

Leia mais

Diversificação da Matriz Elétrica Nacional. João Mello A&C Energia

Diversificação da Matriz Elétrica Nacional. João Mello A&C Energia Diversificação da Matriz Elétrica Nacional João Mello A&C Energia Agenda 1. O Momento Atual 2. O Efeito Tarifário 3. As Perspectivas com Novas Fontes 4. Considerações Finais Agenda 1. O Momento Atual 2.

Leia mais

O Novo Ciclo do Mercado Livre de Energia Elétrica

O Novo Ciclo do Mercado Livre de Energia Elétrica O Novo Ciclo do Mercado Livre de Energia Elétrica PAINEL 2 ENTRE DOIS MUNDOS: O REGULADO E O LIVRE Flávio Antônio Neiva Presidente da ABRAGE Belo Horizonte 16 de outubro de 2008 Entre dois mundos: o regulado

Leia mais

Riscos e Garantias para a Comercialização de Energia de PCHs Encontro Nacional de Operadores e Investidores em Pequenas Centrais Hidrelétricas

Riscos e Garantias para a Comercialização de Energia de PCHs Encontro Nacional de Operadores e Investidores em Pequenas Centrais Hidrelétricas Riscos e Garantias para a Comercialização de Energia de PCHs Encontro Nacional de Operadores e Investidores em Pequenas Centrais Hidrelétricas Luciano Macedo Freire Conselho de Administração 07 de abril

Leia mais

Seminário Internacional Portugal Brasil Visão Geral das Operações da CCEE. Luiz Eduardo Barata Ferreira Presidente do Conselho de Administração

Seminário Internacional Portugal Brasil Visão Geral das Operações da CCEE. Luiz Eduardo Barata Ferreira Presidente do Conselho de Administração Seminário Internacional Portugal Brasil Visão Geral das Operações da CCEE Luiz Eduardo Barata Ferreira Presidente do Conselho de Administração Fevereiro de 2012 Visão Geral das Operações da CCEE Mercado

Leia mais

APRESENTAÇÃO DE RESULTADOS 4T07. Março de 2008

APRESENTAÇÃO DE RESULTADOS 4T07. Março de 2008 APRESENTAÇÃO DE RESULTADOS 4T07 Março de 2008 Aviso Importante Este material pode incluir declarações que representem expectativas sobre eventos ou resultados futuros de acordo com a regulamentação de

Leia mais

ENERGIAS RENOVÁVEIS NO BRASIL MAIO 2010

ENERGIAS RENOVÁVEIS NO BRASIL MAIO 2010 ENERGIAS RENOVÁVEIS NO BRASIL MAIO 2010 Índice Conceito de Energia Renovável Energias Renováveis no Brasil Aspectos Gerais de Projetos Eólicos, a Biomassa e PCHs Outorga de Autorização de Projetos Incentivos

Leia mais

Workshop Andrade & Canellas 2010 Mercado de Energia Práticas e Expectativa. A Visão dos Geradores

Workshop Andrade & Canellas 2010 Mercado de Energia Práticas e Expectativa. A Visão dos Geradores Workshop Andrade & Canellas 2010 Mercado de Energia Práticas e Expectativa A Visão dos Geradores Edson Luiz da Silva Diretor de Regulação A Apine Perfil dos Sócios Geradores privados de energia elétrica

Leia mais

Perspectivas do Suprimento de Energia Elétrica. Manoel Arlindo Zaroni Torres Diretor-Presidente

Perspectivas do Suprimento de Energia Elétrica. Manoel Arlindo Zaroni Torres Diretor-Presidente Perspectivas do Suprimento de Energia Elétrica Manoel Arlindo Zaroni Torres Diretor-Presidente UHE Itá - Novembro de 2007 1 Aviso Importante Este material pode incluir declarações que representem expectativas

Leia mais

Comercialização de Energia Elétrica no Brasil III Seminário: Mercados de Eletricidade e Gás Natural Investimento, Risco e Regulação

Comercialização de Energia Elétrica no Brasil III Seminário: Mercados de Eletricidade e Gás Natural Investimento, Risco e Regulação Comercialização de Energia Elétrica no Brasil III Seminário: Mercados de Eletricidade e Gás Natural Investimento, Risco e Regulação Élbia Melo 12/02/2010 Agenda O Setor Elétrico Brasileiro Comercialização

Leia mais

Visita à UTE PecémI. 23 de setembro de 2013 23 de setembro de 2013 Fortaleza (CE)

Visita à UTE PecémI. 23 de setembro de 2013 23 de setembro de 2013 Fortaleza (CE) Visita à UTE PecémI 23 de setembro de 2013 23 de setembro de 2013 Fortaleza (CE) Disclaimer Esta apresentação pode incluir declarações que representem expectativas sobre eventos ou resultados futuros de

Leia mais

Mercado de Energia e Custos

Mercado de Energia e Custos Mercado de Energia e Custos Seminário Energia Soluções para o Futuro AC Minas 24.04.2014 CMU Energia Atua no mercado desde 2003. Gerencia mais de 800 MWmédios. Montante suficiente para suprir aproximadamente

Leia mais

Perspectivas e Estratégias da SUEZ no Brasil

Perspectivas e Estratégias da SUEZ no Brasil Perspectivas e Estratégias da SUEZ no Brasil Mauricio Bähr Diretor-Presidente, SUEZ Energy Brasil julho de 2008 Aviso importante Este material pode incluir declarações que representem expectativas sobre

Leia mais

Leilões de Energia Elétrica Mercado Regulado Brasileiro Visão Panorâmica

Leilões de Energia Elétrica Mercado Regulado Brasileiro Visão Panorâmica Leilões de Energia Elétrica Mercado Regulado Brasileiro Visão Panorâmica Reunião Técnica da ABINEE Associação Brasileira da Indústria Elétrica e Eletrônica 19 de novembrode 2013 Alexandre Viana Gerência

Leia mais

2T08 Apresentação dos Resultados Utilities Day 2008 - UBS Pactual São Paulo, 8 de outubro de 2008 Manoel Zaroni Torres - CEO

2T08 Apresentação dos Resultados Utilities Day 2008 - UBS Pactual São Paulo, 8 de outubro de 2008 Manoel Zaroni Torres - CEO 2T08 Apresentação dos Resultados Utilities Day 2008 - UBS Pactual São Paulo, 8 de outubro de 2008 Manoel Zaroni Torres - CEO Aviso Importante Este material pode incluir declarações que representem expectativas

Leia mais

EDP Energias do Brasil

EDP Energias do Brasil EDP Energias do Brasil III BTG Pactual Utilities Day outubro, 2014 0 Disclaimer Esta apresentação pode incluir declarações que representem expectativas sobre eventos ou resultados futuros de acordo com

Leia mais

São Paulo, 28 de abril de 2006. Ref.: Contribuição à Consulta Pública Plano Decenal de Energia Elétrica PDEE 2006/2015

São Paulo, 28 de abril de 2006. Ref.: Contribuição à Consulta Pública Plano Decenal de Energia Elétrica PDEE 2006/2015 São Paulo, 28 de abril de 2006 CT/301/2006 Excelentíssimo Senhor Silas Rondeau Ministério de Minas e Energia Brasília DF CC: Ministério de Minas e Energia Secretaria de Planejamento e Desenvolvimento Energético

Leia mais

Perspectivas da Contratação de Energia no Mercado Livre

Perspectivas da Contratação de Energia no Mercado Livre Perspectivas da Contratação de Energia no Mercado Livre 19 de Agosto de 2008 ABRACEEL www.abraceel.com.br Venda de Energia Leilão de Energia de Reserva Mercado Livre de Fontes Incentivadas CCEE O Papel

Leia mais

Apresentação de Resultados 1T09

Apresentação de Resultados 1T09 Apresentação de Resultados 1T09 Aviso importante Este material pode incluir declarações que representem expectativas sobre eventos ou resultados futuros de acordo com a regulamentação de valores mobiliários

Leia mais

Dinâmica Empresarial e Mecanismo de Formação de Preço Seminário Internacional de Integração Energética Brasil Colômbia

Dinâmica Empresarial e Mecanismo de Formação de Preço Seminário Internacional de Integração Energética Brasil Colômbia Dinâmica Empresarial e Mecanismo de Formação de Preço Seminário Internacional de Integração Energética Brasil Colômbia Antônio Carlos Fraga Machado Presidente do Conselho de Administração da CCEE 15 de

Leia mais

EDP Energias do Brasil

EDP Energias do Brasil EDP Energias do Brasil Contribuição à Audiência Pública ANEEL nº 42/2015: Obter subsídios acerca da solicitação da Enguia Gen PI Ltda. e da Enguia Gen CE Ltda. para rescisão amigável de seus Contratos

Leia mais

Energia Competitiva para o Nordeste: Energia Limpa e Renovável

Energia Competitiva para o Nordeste: Energia Limpa e Renovável MINISTÉRIO DE MINAS E ENERGIA Energia Competitiva para o Nordeste: Energia Limpa e Renovável Gilberto Hollauer Secretaria de Planejamento e Desenvolvimento Energético Abril de 2015 1 Sumário Política Energética

Leia mais

Energia nossa de cada dia

Energia nossa de cada dia Semana Estado de Jornalismo Ambiental Energia nossa de cada dia Alexandre Uhlig São Paulo, 4 de junho de 2014 O conteúdo deste relatório foi produzido pelo Instituto Acende Brasil. Sua reprodução total

Leia mais

Escalada Tarifária do Setor Elétrico

Escalada Tarifária do Setor Elétrico Escalada Tarifária do Setor Elétrico Priscila Lino priscila@psr-inc.com FIESP São Paulo, 19 de agosto de 2015 1 Retrospectiva 2012 Set/12: Edição da MP n o 579 que trata da renovação das concessões: Anúncio

Leia mais

Cenário Energético. Seminário Eficiência no Uso de Recursos Naturais

Cenário Energético. Seminário Eficiência no Uso de Recursos Naturais Cenário Energético Seminário Eficiência no Uso de Recursos Naturais Marco Antonio Siqueira marco@psr-inc.com S, Paulo, 12 de fevereiro de 2015 1 Agenda A estrutura de oferta e demanda do setor elétrico

Leia mais

Preço Futuro da Energia Elétrica" Paulo Cezar C. Tavares Presidente da SOLenergias

Preço Futuro da Energia Elétrica Paulo Cezar C. Tavares Presidente da SOLenergias Preço Futuro da Energia Elétrica" Paulo Cezar C. Tavares Presidente da SOLenergias ÍNDICE 1. Antecedentes 2. Eventos relevantes para formação do Preço 2.1 MP 579 (lei 12.783 ) 2.2 CNPE 03 2.3 PRT 455 2.4

Leia mais

V Conferência da RELOP - Associação de Reguladores de Energia dos Países de Língua Oficial Portuguesa

V Conferência da RELOP - Associação de Reguladores de Energia dos Países de Língua Oficial Portuguesa V Conferência da RELOP - Associação de Reguladores de Energia dos Países de Língua Oficial Portuguesa Aspetos regulatórios da energia renovável no Brasil Fernando Colli Munhoz Assessor Sup. de Regulação

Leia mais

4º Encontro Nacional de Agentes do Setor Elétrico - ENASE 2007

4º Encontro Nacional de Agentes do Setor Elétrico - ENASE 2007 4º Encontro Nacional de Agentes do Setor Elétrico - ENASE 2007 O Papel da Hidreletricidade no Equilíbrio da Oferta com a Demanda, no Horizonte do Plano Decenal Flávio Antônio Neiva Presidente da ABRAGE

Leia mais

DESAFIOS DO SETOR ENERGÉTICO NO RIO GRANDE DO SUL

DESAFIOS DO SETOR ENERGÉTICO NO RIO GRANDE DO SUL DESAFIOS DO SETOR ENERGÉTICO NO RIO GRANDE DO SUL Humberto César Busnello A SITUAÇÃO ENERGÉTICA DO RIO GRANDE DO SUL TEM QUE SER VISTA NO CONTEXTO DO MODELO DO SETOR ELÉTRICO BRASILEIRO, ESPECIALMENTE

Leia mais

Leilões de Energia. Eng. José Jurhosa Junior ANEEL

Leilões de Energia. Eng. José Jurhosa Junior ANEEL Leilões de Energia Eng. José Jurhosa Junior ANEEL Cidade do México, D.F. Jan/ 2013 Conteúdo Visão geral Leilões e contratos Processo e sistemáticas 2 Modelo Setor Elétrico Brasileiro Ambiente de contratação

Leia mais

WORKSHOP PERSPECTIVAS E DESAFIOS DA ENERGIA NUCLEAR NA MATRIZ ELÉTRICA DO BRASIL

WORKSHOP PERSPECTIVAS E DESAFIOS DA ENERGIA NUCLEAR NA MATRIZ ELÉTRICA DO BRASIL WORKSHOP PERSPECTIVAS E DESAFIOS DA ENERGIA NUCLEAR NA MATRIZ ELÉTRICA DO BRASIL GESEL / SINERGIA / EDF A OPÇÃO NUCLEAR PARA GERAÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA NO BRASIL Altino Ventura Filho Secretário de Planejamento

Leia mais

COMERCIALIZAÇÃO DE ENERGIA NO MERCADO LIVRE

COMERCIALIZAÇÃO DE ENERGIA NO MERCADO LIVRE COMERCIALIZAÇÃO DE ENERGIA NO MERCADO LIVRE AGENDA CARACTERISTICAS CONSUMIDOR LIVRE ESPECIAL; CUSTO DE OPORTUNIDADE ENTRE MERCADO LIVRE E MERCADO CATIVO; ESTUDOS DE CASO; HISTÓRICO E VOLATILIDADE DOS PREÇOS

Leia mais

3 Comercialização de energia elétrica

3 Comercialização de energia elétrica 3 Comercialização de energia elétrica As relações comerciais 4 entre os Agentes participantes da CCEE são regidas predominantemente por contratos de compra e venda de energia, e todos os contratos celebrados

Leia mais

Comentários sobre o. Plano Decenal de Expansão. de Energia (PDE 2008-2017)

Comentários sobre o. Plano Decenal de Expansão. de Energia (PDE 2008-2017) Comentários sobre o Plano Decenal de Expansão de Energia (PDE 2008-2017) PAULO CÉSAR RIBEIRO LIMA JANEIRO/2009 Paulo César Ribeiro Lima 2 Comentários sobre o Plano Decenal de Expansão de Energia (PDE 2008-2017)

Leia mais

ENERGIAS ALTERNATIVAS E TECNOLOGIAS DE PRODUÇÃO LIMPAS: DESAFIOS E OPORTUNIDADES

ENERGIAS ALTERNATIVAS E TECNOLOGIAS DE PRODUÇÃO LIMPAS: DESAFIOS E OPORTUNIDADES ENERGIAS ALTERNATIVAS E TECNOLOGIAS DE PRODUÇÃO LIMPAS: DESAFIOS E OPORTUNIDADES FONTES DE ENERGIA Hídrica Eólica Biomassa Solar POTENCIAL HÍDRICO Fonte: Eletrobras, 2011. APROVEITAMENTO DO POTENCIAL HIDRELÉTRICO

Leia mais

Seminário Crise Energética e Desenvolvimento

Seminário Crise Energética e Desenvolvimento Seminário Crise Energética e Desenvolvimento Painel 2 - Desafios técnicos e socioeconômicos da oferta de energia Flávio Antônio Neiva Presidente da ABRAGE Porto Alegre, 18 de junho de 2015 * Associadas

Leia mais

&RQWUDWRVGH&RPSUDH9HQGDGH(QHUJLD

&RQWUDWRVGH&RPSUDH9HQGDGH(QHUJLD Contratos de Compra e Venda de Energia 36 &RQWUDWRVGH&RPSUDH9HQGDGH(QHUJLD Como visto no capítulo anterior a receita de um agente gerador no mercado de curto prazo é extremamente volátil. Essa incerteza

Leia mais

Mercado de Energia Elétrica

Mercado de Energia Elétrica Centro Universitário Fundação Santo André MBA Gestão de Energia Mercado de Energia Elétrica Prof. Eduardo Matsudo AULA 07 Santo André, 13 de junho de 2011 Gestor de Energia - Mercado Objetivos ótica da

Leia mais

Apresentação Corporativa Outubro de 2014

Apresentação Corporativa Outubro de 2014 Apresentação Corporativa Outubro de 2014 Grupo Light Estrutura diversificada com atuação nos segmentos de distribuição, geração e comercialização de energia 2 Light em números Distribuição Estado RJ Área

Leia mais

Energia Alternativa - Uma Opção Viável para Equilíbrio da Oferta de Energia. Ricardo Pigatto Presidente São Paulo, 12 de setembro de 2007

Energia Alternativa - Uma Opção Viável para Equilíbrio da Oferta de Energia. Ricardo Pigatto Presidente São Paulo, 12 de setembro de 2007 Energia Alternativa - Uma Opção Viável para Equilíbrio da Oferta de Energia Ricardo Pigatto Presidente São Paulo, 12 de setembro de 2007 Resumo Leilões de Fontes Alternativas de Energia: avaliação de resultados

Leia mais

Ricardo Lima Conselheiro de Administração

Ricardo Lima Conselheiro de Administração XVII Simpósio Jurídico ABCE Riscos e Tendências do Ambiente de Contratação Livre Ricardo Lima Conselheiro de Administração 19 de setembro de 2011 Estrutura Legal da Comercialização Visão Geral das Operações

Leia mais

Medidas divulgadas pelo Governo Federal para o fortalecimento do setor elétrico nacional

Medidas divulgadas pelo Governo Federal para o fortalecimento do setor elétrico nacional Medidas divulgadas pelo Governo Federal para o fortalecimento do setor elétrico nacional Perguntas e Respostas Perguntas mais frequentes sobre as medidas divulgadas pelo Governo Federal Março 2014 Apresentação

Leia mais

Formação de Preço de Energia Elétrica no Mercado Livre. Dr. José Wanderley Marangon Lima Universidade Federal de Itajubá - UNIFEI

Formação de Preço de Energia Elétrica no Mercado Livre. Dr. José Wanderley Marangon Lima Universidade Federal de Itajubá - UNIFEI Formação de Preço de Energia Elétrica no Mercado Livre Dr. José Wanderley Marangon Lima Universidade Federal de Itajubá - UNIFEI São Paulo, Agosto de 2013 Agenda Visão Geral do Setor Planejamento da Operação

Leia mais

A inserção das fontes de energia renováveis no processo de desenvolvimento da matriz energética do país: A participação da Energia Eólica

A inserção das fontes de energia renováveis no processo de desenvolvimento da matriz energética do país: A participação da Energia Eólica A inserção das fontes de energia renováveis no processo de desenvolvimento da matriz energética do país: A participação da Energia Eólica Elbia Melo 1 No ano de 2012, o Brasil figurou no cenário internacional

Leia mais

EVOLUÇÃO DO CUSTO DA ENERGIA ELÉTRICA NO BRASIL

EVOLUÇÃO DO CUSTO DA ENERGIA ELÉTRICA NO BRASIL EVOLUÇÃO DO CUSTO DA ENERGIA ELÉTRICA NO BRASIL Mario Veiga mario@psr-inc.com ENASE Rio de Janeiro, 29 de setembro de 2009 Temário Evolução histórica da tarifa de fornecimento Evolução dos preços de energia

Leia mais

Energia Complementar e Seus Ganhos

Energia Complementar e Seus Ganhos Energia Complementar e Seus Ganhos Engº José da Costa Carvalho Neto Arcadis Logos Energia Apresentação na FIIEE, em 23/09/04 Belo Horizonte/MG Setembro/04 Índice 1 Introdução 2 Geração Térmica Flexível

Leia mais

II SEMINÁRIO NACIONAL PEQUENAS CENTRAIS HIDRELÉTRICAS E MICROGERAÇÃO

II SEMINÁRIO NACIONAL PEQUENAS CENTRAIS HIDRELÉTRICAS E MICROGERAÇÃO MINISTÉRIO DE MINAS E ENERGIA II SEMINÁRIO NACIONAL PEQUENAS CENTRAIS HIDRELÉTRICAS E MICROGERAÇÃO Luiz Eduardo Barata Secretário-Executivo CÂMARA DOS DEPUTADOS Brasília, 22 de setembro de 2015 Energia

Leia mais

Resultados 2014 Fevereiro, 2015

Resultados 2014 Fevereiro, 2015 Resultados Fevereiro, 2015 Destaques do e Afluência na região SE/CO em de 69% da MLT 1 (vs. 102% em ) Hidrologia Nível de reservatórios das usinas da AES Tietê encerraram em 34,7% vs. 51,1% em Rebaixamento

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA ENERGIA EÓLICA NA OFERTA DE ENERGIA DO SISTEMA INTERLIGADO NACIONAL

A IMPORTÂNCIA DA ENERGIA EÓLICA NA OFERTA DE ENERGIA DO SISTEMA INTERLIGADO NACIONAL A IMPORTÂNCIA DA ENERGIA EÓLICA NA OFERTA DE ENERGIA DO SISTEMA INTERLIGADO NACIONAL São Paulo, 03 de junho de 2008 Sistema Elétrico Brasileiro e o Sistema ELETROBRÁS Linhas de Transmissão SIN Capacidade

Leia mais

Apresentação de 1 Resultados - 2T09

Apresentação de 1 Resultados - 2T09 Apresentação de 1 Resultados - 2T09 Aviso importante Este material pode incluir declarações que representem expectativas sobre eventos ou resultados futuros de acordo com a regulamentação de valores mobiliários

Leia mais

Resultados. 2T14 Junho, 2014

Resultados. 2T14 Junho, 2014 Resultados Junho, 2014 Destaques Operacional & Comercial Rebaixamento da garantia física de 6,2%, em linha com as projeções da Companhia Comercialização de ~100 MWm com prazo e preço médios de 4,5 anos

Leia mais

Regras de Comercialização 2013. Apresentação no InfoPLD 25.02.2013

Regras de Comercialização 2013. Apresentação no InfoPLD 25.02.2013 Regras de Comercialização 2013 Apresentação no InfoPLD 25.02.2013 Agenda Alterações aprovadas Contribuições acatadas 2 Alterações Aprovadas 1) Regime de Cotas de Garantia Física 2) Sazonalização de Garantia

Leia mais

Nota Técnica nº 47/2015-CEL/ANEEL. Em 7 de dezembro de 2015. Processo nº: 48500.004029/2015-41

Nota Técnica nº 47/2015-CEL/ANEEL. Em 7 de dezembro de 2015. Processo nº: 48500.004029/2015-41 Nota Técnica nº 47/2015-CEL/ANEEL Em 7 de dezembro de 2015. Processo nº: 48500.004029/2015-41 Assunto: Instauração de Audiência Pública, exclusivamente por intercâmbio documental, para subsidiar o processo

Leia mais

Novos Investimentos em Geração de Energia e o Mercado Livre Roberto Wainstok Diretor de Compra e Venda de Energia CPFL Energia

Novos Investimentos em Geração de Energia e o Mercado Livre Roberto Wainstok Diretor de Compra e Venda de Energia CPFL Energia Novos Investimentos em Geração de Energia e o Mercado Livre Roberto Wainstok Diretor de Compra e Venda de Energia CPFL Energia 5 de Outubro de 2007 Objetivos 1. Modelo vigente de financiamento à expansão

Leia mais

Resultados 3T14. CPFL Energia 2014. Todos os direitos reservados.

Resultados 3T14. CPFL Energia 2014. Todos os direitos reservados. Resultados CPFL Energia 2014. Todos os direitos reservados. Disclaimer Esta apresentação pode incluir declarações que representem expectativas sobre eventos ou resultados futuros de acordo com a regulamentação

Leia mais

Apresentação de Resultados 2T10. Tractebel Energia GDF SUEZ - Todos os Direitos Reservados 1

Apresentação de Resultados 2T10. Tractebel Energia GDF SUEZ - Todos os Direitos Reservados 1 Apresentação de Resultados 2T10 Tractebel Energia GDF SUEZ - Todos os Direitos Reservados 1 Aviso importante Este material pode incluir declarações que representem expectativas sobre eventos ou resultados

Leia mais

Resultados 1T15 Maio, 2015

Resultados 1T15 Maio, 2015 Resultados Maio, 2015 Destaques Afluência no SIN no de 62% da MLT 1 (vs. 64% no ) Hidrologia Nível de reservatórios do SIN encerraram em 30,1% vs. 40,5% em Rebaixamento médio do MRE de 20,7% no vs. 3,9%

Leia mais

APROVEITAMENTO DO POTENCIAL HIDRELÉTRICO NACIONAL : Alternativas Após o Seu Esgotamento

APROVEITAMENTO DO POTENCIAL HIDRELÉTRICO NACIONAL : Alternativas Após o Seu Esgotamento Altino Ventura Filho Secretário de Planejamento e Desenvolvimento Energético - Ministério de Minas e Energia APROVEITAMENTO DO POTENCIAL HIDRELÉTRICO NACIONAL : Alternativas Após o Seu Esgotamento Sumário

Leia mais

EDP Energias do Brasil. Novembro de 2009

EDP Energias do Brasil. Novembro de 2009 EDP Energias do Brasil Novembro de 2009 Disclaimer Esta apresentação pode incluir declarações que representem expectativas sobre eventos ou resultados futuros de acordo com a regulamentação de valores

Leia mais

CONDIÇÕES DE MERCADO, REGULAÇÃO E OPERAÇÃO DE USINAS SOLARES

CONDIÇÕES DE MERCADO, REGULAÇÃO E OPERAÇÃO DE USINAS SOLARES CONDIÇÕES DE MERCADO, REGULAÇÃO E OPERAÇÃO DE USINAS SOLARES Fábio Sales Dias São Paulo, 14 de agosto de 2012 RESUMO Aspectos Regulatórios e Institucionais Aspectos de Mercado Competitividade Aspectos

Leia mais

ESCOLA DE COMANDO E ESTADO-MAIOR DO EXÉRCITO (ECEME) 4º Congresso de Ciências Militares

ESCOLA DE COMANDO E ESTADO-MAIOR DO EXÉRCITO (ECEME) 4º Congresso de Ciências Militares ESCOLA DE COMANDO E ESTADO-MAIOR DO EXÉRCITO (ECEME) 4º Congresso de Ciências Militares Ciências Militares no Século XXI Situação Atual e Desafios Futuros Geopolítica dos Recursos Naturais Fontes Alternativas

Leia mais

Mesa Redonda - Perspectivas de Suprimento e Preços da Energia Elétrica para a Indústria

Mesa Redonda - Perspectivas de Suprimento e Preços da Energia Elétrica para a Indústria Mesa Redonda - Perspectivas de Suprimento e Preços da Energia Elétrica para a Indústria Sílvio Roberto Areco Gomes ABRAGE São Paulo 05 de junho de 2008 ROTEIRO A ABRAGE Situação Atual do Armazenamento

Leia mais

Bioeletricidade >> Energia Positiva para o Desenvolvimento Sustentável. Tecnologia => disponível com eficiência crescente

Bioeletricidade >> Energia Positiva para o Desenvolvimento Sustentável. Tecnologia => disponível com eficiência crescente Cana de Açúcar => oferta crescente matéria prima energética Bagaço + Palha => disponibilidade existente e assegurada Bioeletricidade >> Energia Positiva para o Desenvolvimento Sustentável Tecnologia =>

Leia mais

SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA

SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA GEC 8 14 a 17 Outubro de 27 Rio de Janeiro - RJ GRUPO VI GRUPO DE ESTUDO DE COMERCIALIZAÇÃO, ECONOMIA E REGULAÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA

Leia mais

No atual modelo, os contratos bilaterais

No atual modelo, os contratos bilaterais A comercialização de energia elétrica no Brasil Dilcemar de Paiva Mendes* Aenergia elétrica pode ser comercializada por intermédio de contratos de compra e venda ou no mercado de balcão (também chamado

Leia mais

Renovação de Concessões de Geração e Oportunidades de Maximização da Energia Assegurada

Renovação de Concessões de Geração e Oportunidades de Maximização da Energia Assegurada Desenhando o futuro... Renovação de Concessões de Geração e Oportunidades de Maximização da Energia Assegurada Flávio Antônio Neiva Presidente da ABRAGE Uberlândia, 29 de maio de 2009 1 Empresas Associadas

Leia mais

PROGRAMA DE ACELERAÇÃO DO CRESCIMENTO

PROGRAMA DE ACELERAÇÃO DO CRESCIMENTO PROGRAMA DE ACELERAÇÃO DO CRESCIMENTO Perspectivas, Impactos e Desafios, na Visão dos Agentes do Setor Elétrico PAC e os Aspectos Regulatórios da Geração Luiz Fernando Leone Vianna Quem é APINE? Constituída

Leia mais

2 Características do mercado brasileiro de energia elétrica

2 Características do mercado brasileiro de energia elétrica 2 Características do mercado brasileiro de energia elétrica Nesta seção, serão descritas as características do mercado brasileiro de energia elétrica, a fim de que se possa compreender a modelagem realizada

Leia mais

Em 13 de janeiro de 2012.

Em 13 de janeiro de 2012. Nota Técnica nº 003/2012-SEM/ANEEL Em 13 de janeiro de 2012. Processo: 48500.005140/2011-21 Assunto: Instauração de Audiência Pública, na modalidade Intercâmbio Documental, para subsidiar o processo de

Leia mais

9,2 (+) O&M (Fixo e Variável)

9,2 (+) O&M (Fixo e Variável) Setembro de 2012 Edição Especial 1 OPINIÃO IMPACTO TARIFÁRIO DA RENOVAÇÃO DAS CONCESSÕES Os benefícios para os consumidores provêm da redução de três componentes tarifários: 1. Custo de geração; 2. Custo

Leia mais

Perspectivas para o Mercado de Energia Elétrica Manoel Arlindo Zaroni Torres

Perspectivas para o Mercado de Energia Elétrica Manoel Arlindo Zaroni Torres Perspectivas para o Mercado de Energia Elétrica Manoel Arlindo Zaroni Torres São Paulo, 10 de fevereiro de 2015 Conjuntura hidrológica bastante adversa 2014 foi 10º ano mais seco da história (84 anos)

Leia mais

EDP Energias do Brasil. Novembro de 2009

EDP Energias do Brasil. Novembro de 2009 EDP Energias do Brasil Novembro de 2009 Disclaimer Esta apresentação pode incluir declarações que representem expectativas sobre eventos ou resultados futuros de acordo com a regulamentação de valores

Leia mais

Mercado de Energia: O Futuro dos Ambientes de Contratação Livre e Regulado Rui Altieri Presidente do Conselho de Administração da CCEE

Mercado de Energia: O Futuro dos Ambientes de Contratação Livre e Regulado Rui Altieri Presidente do Conselho de Administração da CCEE Richard Lee Hochstetler Instituto Acende Brasil Mercado de Energia: O Futuro dos Ambientes de Contratação Livre e Regulado Rui Altieri Presidente do Conselho de Administração da CCEE MERCADO DE ENERGIA:

Leia mais

Impactos da MP nº 579

Impactos da MP nº 579 Impactos da MP nº 579 José Rosenblatt jrosenb@psr-inc.com Agência Dinheiro Vivo São Paulo, 10 de dezembro de 2012 1 Sumário Resumo das medidas e questões Geração Transmissão Encargos Impactos da MP Tarifas

Leia mais

As PCHs no contexto energético futuro no Brasil

As PCHs no contexto energético futuro no Brasil As PCHs no contexto energético futuro no Brasil Campinas, 29 de Outubro de 2013. Charles Lenzi Agenda de Hoje Conjuntura Atual Desafios da Competitividade Nossas propostas Conclusões A ABRAGEL Associação

Leia mais

Valor Setorial Energia (Valor Econômico) 15/04/2015 Garantia para o sistema

Valor Setorial Energia (Valor Econômico) 15/04/2015 Garantia para o sistema Valor Setorial Energia (Valor Econômico) 15/04/2015 Garantia para o sistema Duas importantes medidas foram anunciadas no fim de março pela Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) para tornar mais

Leia mais

Reservatórios: queda nos estoques Aumento das restrições ambientais para UHEs reduz volume de armazenamento para menos de um ano

Reservatórios: queda nos estoques Aumento das restrições ambientais para UHEs reduz volume de armazenamento para menos de um ano Page 1 of 5 Reservatórios: queda nos estoques Aumento das restrições ambientais para UHEs reduz volume de armazenamento para menos de um ano Carolina Medeiros, da Agência CanalEnergia, Reportagem Especial

Leia mais

Programa Energia Transparente Monitoramento Permanente dos Cenários de Oferta e do Risco de Racionamento

Programa Energia Transparente Monitoramento Permanente dos Cenários de Oferta e do Risco de Racionamento Programa Energia Transparente Monitoramento Permanente dos Cenários de Oferta e do Risco de Racionamento 2ª Edição Julho de 2007 Realização Disponível em www.acendebrasil.com.br Instituto Acende Brasil

Leia mais

Simpósio Brasileiro sobre Pequenas e Médias Centrais Hidrelétrica. Comercialização 1/20. DCM Diretoria Comercial

Simpósio Brasileiro sobre Pequenas e Médias Centrais Hidrelétrica. Comercialização 1/20. DCM Diretoria Comercial Legislação de Geração de Energia Elétrica Comercialização 1/20 AGENDA: 1. Geração de serviço público, produtores independentes e autoprodução de energia elétrica; 2. Incentivos para a autoprodução de energia

Leia mais

BOLETIM DE NOTÍCIAS. Janela de Negócios. Market News. Edital do Leilão de Geração A-1 entra em audiência pública. 5 de outubro de 2015

BOLETIM DE NOTÍCIAS. Janela de Negócios. Market News. Edital do Leilão de Geração A-1 entra em audiência pública. 5 de outubro de 2015 BOLETIM DE NOTÍCIAS Janela de Negócios Demanda de Energia I5: Períodos de Suprimento Montante em (MW médios) Ideia de preço (NÃO É PROPOSTA) 1º trimestre 2016 Até 5 R$185/MWm Demanda de Energia Convencional:

Leia mais

Atraso afeta as obras de geração e distribuição no País

Atraso afeta as obras de geração e distribuição no País Atraso afeta as obras de geração e distribuição no País SETEMBRO 23, 2014 by ABEGAS REDACAO in NOTÍCIAS Auditoria do Tribunal de Contas da União (TCU) constatou grandes atrasos nas obras de geração e transmissão

Leia mais

LIGHT ENERGIA S.A. 1º TRIMESTRE DE 2013

LIGHT ENERGIA S.A. 1º TRIMESTRE DE 2013 Rio de Janeiro, 10 de maio de 2013. LIGHT ENERGIA S.A. 1º TRIMESTRE DE 2013 Desempenho Operacional LIGHT ENERGIA (GWh) 1T13 1T12 % Venda no Ambiente de Contratação Regulada 263,7 1.052,0-74,9% Venda no

Leia mais

Simpósio sobre Estratégias de Gestão de Comercialização de Energia e Eficiência Energética SIBGECE3

Simpósio sobre Estratégias de Gestão de Comercialização de Energia e Eficiência Energética SIBGECE3 Simpósio sobre Estratégias de Gestão de Comercialização de Energia e Eficiência Energética SIBGECE3 Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro - 28 a 30nov12 Comercialização de Energia Elétrica

Leia mais

REFORMA ELÉTRICA A Experiência Brasileira

REFORMA ELÉTRICA A Experiência Brasileira REFORMA ELÉTRICA A Experiência Brasileira Professor Adilson de Oliveira Instituto de Economia Universidade Federal do Rio de Janeiro/Brasil Por que Reformar? Depois de um longo período de expansão (1945-1985),

Leia mais

Clique para adicionar um título. Setor Elétrico Brasileiro: Cenário atual e perspectivas

Clique para adicionar um título. Setor Elétrico Brasileiro: Cenário atual e perspectivas Clique para adicionar um título Setor Elétrico Brasileiro: Cenário atual e perspectivas Clique Agendapara adicionar um título O Atual Modelo de Comercialização A MP 579 e a Lei 12.783 O Risco de suprimento

Leia mais

A Evolução do Mercado Livre de Energia

A Evolução do Mercado Livre de Energia A Evolução do Mercado Livre de Energia 4º ENASE Antonio Carlos Fraga Machado Presidente do Conselho de Administração 13 de setembro de 2007 Agenda Evolução do Mercado Livre de Energia O Mercado de Energia

Leia mais

Inserção da energia eólica na

Inserção da energia eólica na Inserção da energia eólica na matriz de geração brasileira Prof. Nivalde J. de Castro Roberto Brandão 1 Sumário 1. Matriz de geração brasileira: perfil e tendências. 2. O papel das energias renováveis

Leia mais

Meio Ambiente e Geração Distribuída

Meio Ambiente e Geração Distribuída Meio Ambiente e Geração Distribuída Paulo Arbex 25 de Marco de 2015 Introdução 2 Ü Oriundo do mercado financeiro, ha 7 anos no setor; Ü PROPRIO OTARIO minoritário de empresa de CGHs e PCHs; Ü Orgulho da

Leia mais

GERAÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA HIDRELÉTRICA-SISTEMA ELÉTRICO

GERAÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA HIDRELÉTRICA-SISTEMA ELÉTRICO GERAÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA HIDRELÉTRICA-SISTEMA ELÉTRICO HIDRELÉTRICAS Definição Originada a partir da energia solar, responsável pela evaporação da água; A água que precipita é armazenada na forma de

Leia mais

Entenda a Indústria. energia elétrica

Entenda a Indústria. energia elétrica ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE DISTRIBUIDORES DE ENERGIA ELÉTRICA Entenda a Indústria de Energia Elétrica Módulo 6 O mercado de energia elétrica Entenda a Indústria de Energia Elétrica Módulo 6 5 A geração e

Leia mais

Uma introdução ao setor elétrico

Uma introdução ao setor elétrico Uma introdução ao setor elétrico No Brasil, as hidrelétricas respondem por aproximadamente 80% da eletricidade. Isso significa que, se por um lado, o país conta com a fonte mais barata para produção de

Leia mais

Perspectivas para o Mercado de Energia Elétrica

Perspectivas para o Mercado de Energia Elétrica Perspectivas para o Mercado de Energia Elétrica Tractebel Energia GDF SUEZ - todos os direitos reservados São Paulo, 04 de Abril de 2013 1 Tractebel Energia 2 Tractebel Energia: Portfólio Balanceado de

Leia mais

Galvão Energia Evolução das Fontes de Energia Renováveis no Brasil. V Conferência Anual da RELOP

Galvão Energia Evolução das Fontes de Energia Renováveis no Brasil. V Conferência Anual da RELOP Galvão Energia Evolução das Fontes de Energia Renováveis no Brasil V Conferência Anual da RELOP Lisboa, 01.Jun.2012 Agenda O Acionista Grupo Galvão 03 A Empresa Galvão Energia 04 A evolução das fontes

Leia mais

Águas de Minas e Energia a Contribuição de Minas para o Sistema Elétrico Importância dos Reservatórios de Cabeceira.

Águas de Minas e Energia a Contribuição de Minas para o Sistema Elétrico Importância dos Reservatórios de Cabeceira. Águas de Minas e Energia a Contribuição de Minas para o Sistema Elétrico Importância dos Reservatórios de Cabeceira. 1 Sumário Produção de Energia Elétrica no Brasil e o no Mundo Características de Usinas

Leia mais

Desenhos de mercados de energia com alta participação de renováveis

Desenhos de mercados de energia com alta participação de renováveis Desenhos de mercados de energia com alta participação de renováveis ERSE, 4/3/11 Nivalde José de Castro Roberto Brandão Simona Marcu Sumário Comportamento dos preços spot com o aumento da participação

Leia mais