Mercado de Energia e Custos

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Mercado de Energia e Custos"

Transcrição

1 Mercado de Energia e Custos Seminário Energia Soluções para o Futuro AC Minas

2 CMU Energia Atua no mercado desde Gerencia mais de 800 MWmédios. Montante suficiente para suprir aproximadamente 8 milhões de pessoas. Uma empresa mineira com atuação nacional. Carteira de clientes: Atuação 2

3 CMU Energia 3

4 1 Mercado Livre

5 Mercado Livre No Brasil, quem pode ser consumidor livre: Compra de energia convencional: Demanda Mínima 3 MW Compra de energia incentivada: energia proveniente de Pequenas Centrais Hidrelétricas (PCH), Usinas Solares, Usinas a Biomassa ou Usinas Eólicas. Demanda Mínima 0,5 MW 5

6 Mercado Livre O que é o mercado livre fora do Brasil? União Européia: todos os consumidores são livres. Nova Zelândia, Austrália: todos os consumidores são livres. Califórnia, PJM, New England: maioria dos consumidores são livres. Peru: entre 0,2 MW e 2,5 MW podem optar; acima de 2,5 MW são necessariamente livres. Chile: entre 0,5 MW e 2,0 MW podem optar; acima de 2 MW são necessariamente livres. 6

7 Mercado Livre Negociação bilateral: venda de contratos de energia. GERADORES COMERCIALIZADORA CONSUMIDOR LIVRE Contratos registrados na CCEE (1) e ANEEL (2) (1) Câmara de Comercialização de Energia Elétrica (2) Agência Nacional de Energia Elétrica 7

8 Mercado Livre Mercado lastreado por contratos bilaterais. Maioria é de longo prazo. Fonte: CCEE 8

9 Mercado Livre Distribuição do Volume de Contratos por Duração (jan/2014) 0,8% 1,8% 43,1% 23,5% 12,5% 18,3% 1 mês 2 a 5 meses 6 meses a 1 ano de 1 a 2 anos de 2 a 4 anos acima de 4 anos Fonte: InfoMercado - CCEE mar/2014 9

10 Mercado Livre Mercado lastreado por contratos bilaterais. Maioria é de longo prazo. Mercado de curto prazo (spot) é marginal. Sobras e déficits contratuais são liquidados pela CCEE ao Preço de Liquidação das Diferenças (PLD). PLD é calculado com base nas condições de abastecimento dos reservatórios das usinas e na previsão de afluências. 10

11 Liquidação no Mercado de Curto Prazo Preço de Liquidação das Diferenças (PLD) Historicamente um valor bastante volátil! PLD Médio (R$/MWh) - Histórico Submercado SE/CO 822,83 413,95 344,84 331,07 192,70 260,99 137,78 67,70 49,59 12,91 31,80 21,18 23,14 121,29 91, SE/CO Fontes: CCEE e CMU No período: Média: R$ 164,46 /MWh Desvio padrão: R$ 177,91 /MWh = 108,18% 11

12 Mercado Livre Para evitar exposição ao mercado spot, os contratos de energia devem ter boa flexibilidade, atendendo ao perfil de carga do consumidor. Consumo e Contrato Livre (MWmédios) 0,40 0,35 0,30 0,25 0,20 0,15 0,10 0,05 0,00 Jan Fev Mar Abr Mai Jun Jul Ago Set Out Nov Dez Contrato Sazonalizado Flexibilidade Superior Flexibilidade Inferior Consumo verificado Fonte: CMU 12

13 Mercado Livre Contratos de energia de longo prazo: ,91 67,70 PLD Médio (R$/MWh) - Histórico Submercado SE/CO Preço do contrato = R$ 118,02/MWh 137,78 Ganho com venda (liquidação) de excedentes ou perda com compra de déficits 49,59 31,80 21,18 23,14 192,70 91,24 413,95 344,84 121,29 331,07 260, SE/CO 822,83 Ganho com compra de déficits ou perda com venda (liquidação) de excedentes 13

14 Mercado Livre Participação do Mercado Livre no Consumo Total Brasileiro 24,87% 27,55% 28,05% 26,80% 23,96% 25,75% 26,28% 26,36% 26,84% Em média 27% da energia do SIN é comercializada no Mercado Livre Quase a totalidade dos consumidores de grande porte está no Mercado Livre. Aproximadamente 60% do PIB brasileiro está no Mercado Livre. Fonte: Abraceel 14

15 Benefícios do Mercado Livre nos EUA Fonte: EIA e The Bureau of Labor Statistics 15

16 2 Matriz Elétrica Brasileira

17 Matriz Elétrica no Mundo 2014 Aproximadamente 63% da geração mundial é de energia fóssil Fonte: ExonMobil

18 Matriz Elétrica Brasileira HIDRÁULICA Fonte: IEA Predominantemente hídrica 18

19 Matriz Elétrica Brasileira Percentual Utilizado do Potencial Hidrelétrico Tecnicamente Aproveitável Congo 1% Indonésia Peru 4% 6% Rússia 11% China Colômbia Índia Brasil Canadá 16% 18% 21% 28% 37% Itália Suécia 45% 55% Estados 60% Noruega Japão 61% 64% Alemanha 83% França 100% Fonte: MME Apresentação ABRAGE ENASE

20 Matriz Elétrica Brasileira Potencial Hidrelétrico do Brasil: Norte Potencial: MW Explorado: 8,9% Nordeste Potencial: MW Explorado: 40,4% Sudeste / Centro-Oeste Potencial: MW Explorado: 41,0% BRASIL Potencial: MW Explorado: 28,2% Sul Potencial: MW Explorado: 47,8% Fonte: MME Apresentação ABRAGE ENASE % do potencial a ser explorado do Brasil está no Norte (101 GW). 20

21 Matriz Elétrica Brasileira Contudo, esse potencial não tem sido bem explorado: O licenciamento ambiental de empreendimentos hidrelétricos no Brasil é um grande obstáculo. Não se constroem usinas com reservatórios. 21

22 Matriz Elétrica Brasileira Expansão da matriz hídrica brasileira de 2000 a 2017: Crescimento da potência instalada: 71% Crescimento da capacidade de regularização: 11% Fonte: Canal Energia 22/05/

23 Fonte: Apresentação ONS (Hermes Chipp) - ENASE 2013 Matriz Elétrica Brasileira

24 Matriz Elétrica Brasileira O exemplo de Belo Monte 24

25 Matriz Elétrica Brasileira O projeto de aproveitamento do Rio Xingu tinha potência maior que a atual de Belo Monte. Fonte: 1 - Blog Belo Monte 25

26 Matriz Elétrica Brasileira Aproveitamento inventariado do Rio Xingu em Aproveitamento Nível da água (m) Área (km 2 ) Potência (MW) Jarina Kokraimoro Ipixuna Babaquara Kararaô Totais Fonte: Eletronorte

27 Matriz Elétrica Brasileira O projeto de aproveitamento do Rio Xingu tinha potência maior que atual de Belo Monte. Projeto inicial 1 : Garantia física: MW km 2 (reservatório) km 2 (leito do rio) km 2 (área alagada) Pressões de ambientalistas para diminuição da área alagada. Projeto atual 2 : Garantia física: MW 502,8 km 2 (reservatório) km 2 (leito do rio) 274,8 km 2 (área alagada) Fontes: 1 Eletronorte Blog Belo Monte 27

28 Matriz Elétrica Brasileira Perdeu-se uma Itaipu! 28

29 Matriz Elétrica Brasileira Segundo o Ministério do Meio Ambiente, o desmatamento ilegal na Amazônia entre agosto de 2011 e agosto de 2012 foi de km 2. 29

30 Matriz Elétrica Brasileira O projeto de aproveitamento do Rio Xingu tinha potência maior que atual de Belo Monte. Projeto inicial 1 : Garantia física: MW km 2 (reservatório) km 2 (leito do rio) km 2 (área alagada) Pressões de ambientalistas para diminuição da área alagada. 1,12% da área do PA 3 anos de desmatamento Projeto atual 2 : Garantia física: MW 502,8 km 2 (reservatório) km 2 (leito do rio) 274,8 km 2 (área alagada) 0,02% da área do PA 20 dias de desmatamento Fontes: 1 Eletronorte Blog Belo Monte 30

31 Matriz Elétrica Brasileira Índices de produção (razão entre a área alagada e a potência instalada) de diversas usinas hidrelétricas no Brasil: Hidrelétrica Sobradinho Tucuruí Itaipu Belo Monte Projeto Antigo Projeto Atual Índice de Produção 4,01 km 2 /MW 0,29 km 2 /MW 0,10 km 2 /MW 0,72 km 2 /MW 0,02 km 2 /MW Fontes: 1 Home Page Itaipu 2 - Blog Belo Monte 31

32 Matriz Elétrica Brasileira Por que construir reservatório? 32

33 Matriz Elétrica Brasileira Vazões (m 3 /s) UHE Belo Monte - Séries de Vazões Naturais Médias Mensais Relatório da ELETROBRÁS (1931 a 2001) e Extensão EPE (2002 a 2007) Projeto Atual Potência Instalada: MW Garantia Física: MW 5%! jan fev mar abr mai jun jul ago set out nov dez Vazão Máxima Vazão Média Vazão Mínima jan fev mar abr mai jun jul ago set out nov dez Máxima Média Mínima Fonte: Estudo de Viabilidade UHE Belo Monte - EPE 33

34 3 Cenário Atual

35 Cenário Atual Portaria 455 de ago/12: Acabou com os contratos ex-post e estabeleceu registros de contratos semanais. Lei de jan/13: MP 579 foi revertida em lei Medida Provisória 579 de set/12: Renovação das concessões de geração e transmissão. Resolução CNPE 03 de mar/13: Mudou a base de cálculo do PLD e o rateio do ESS. 35

36 Portaria MME nº 455/2012 Cenário Atual O MME publicou a portaria, alterando as regras de comercialização de energia, sem diálogo prévio com a Aneel e os agentes do mercado. O que mudará a partir de 1º de junho de 2014: Contratações de energia semanais e não mais mensais. Aumento do volume de operações para registro. Registro de contratos da CCEE ex-ante e não mais ex-post. Aproximadamente 60 mil contratos deverão ser revisados. Sobrecontratação dos consumidores. Aumento de custos. A Associação Brasileira dos Comercializadores de Energia (ABRACEEL) conseguiu liminar suspendendo os efeitos da Portaria nº 455/2012. Criação de indicador de preço de mercado. Interferência do governo, pois os contratos são acordados bilateralmente e são confidenciais. Dúvidas quanto à credibilidade do índice, pois os produtos não são idênticos. 36

37 Cenário Atual Portaria 455 de agosto/12: Acabou com os contratos ex-post e estabeleceu registros de contratos semanais. Lei de jan/13: MP 579 convertida em lei Medida Provisória 579 de set/12: Renovação das concessões de geração e transmissão. Resolução CNPE 03 de mar/13: Mudou a base de cálculo do PLD e o rateio do ESS. 37

38 Cenário Atual Medida Provisória 579/Lei Medida Provisória nº 579 de 2012, convertida na Lei nº em 2013: Não foi isonômica, pois alocou o benefício da renovação das concessões de geração exclusivamente para o mercado cativo por meio da alocação de cotas às distribuidoras. Todos os consumidores (cativos e livres) pagaram pelo investimento das concessões vincendas. O governo forneceu um sinal equivocado de preço aos consumidores >> a energia foi entregue de graça * aos consumidores cativos. Por outro lado, o risco hidrológico passou a ser do consumidor. Estima-se que o Mercado Livre foi privado de um benefício em VPL de R$ 45 bilhões, em 30 anos, devido à não alocação de cotas. * Paga-se apenas o custo do serviço de geração de energia. 38

39 Cenário Atual Valor das cotas para a Indústria Benefício Negado ao Mercado Livre Consumo (MWmédios) Consumo Anual (MWh) Preço no Mercado Livre (R$/MWh) 1º ano 600 Preço no Mercado Livre (R$/MWh) 2º ano 300 Preço no Mercado Livre (R$/MWh) demais anos 130 Valor da cota (R$/MWh) 30 % da energia em regime de cotas 20% Taxa de desconto (a.a.) 8% Valor Presente Líquido (VPL) da cota (R$) Aproximadamente 60% do PIB brasileiro está no Mercado Livre! R$ 45 bilhões de reais! 39

40 Cenário Atual Portaria 455 de agosto/12: Acabou com os contratos ex-post e estabeleceu registros de contratos semanais. Lei de jan/13: MP 579 foi revertida em lei Medida Provisória 579 de set/12: Renovação das concessões de geração e transmissão. Resolução CNPE 03 de mar/13: Mudou a base de cálculo do PLD e o rateio do ESS. 40

41 Resolução CNPE nº 3/2013 Regra antiga: Cenário Atual 41

42 CVU (R$/MWh) Cenário Atual Despacho Térmico (Jan/2013) PLD: R$ 413,95/MWh = CVU da usina mais cara operando por ordem de mérito CVU da térmica mais cara operando = R$ 646,65/MWh Despacho por ordem de mérito MWmédios Despacho térmico (MWmédios) Despacho por razão energética MWmédios Custo Variável Unitário-CVU (R$/MWh) Fonte: CMU *Dados de Janeiro de 2013 e PLD do SE/CO 42

43 CVU (R$/MWh) Cenário Atual 700 Despacho Térmico (Jan/2013) CVU da térmica mais cara operando = R$ 646,65/MWh PLD: R$ 413,95/MWh = CVU da usina mais cara operando por ordem de mérito Custo ESS: R$ 548 milhões rateado entre os consumidores: R$ 13,00 por MWh sobre o consumo Despacho por ordem de mérito MWmédios Despacho térmico (MWmédios) Despacho por razão energética MWmédios Geração remunerada via encargo (ESS Segurança Energética) Geração remunerada pelo PLD CVU (R$/MWh) Fonte: CMU *Dados de Janeiro de 2013 e PLD do SE/CO 43

44 Resolução CNPE nº 3/2013 Regra nova: Cenário Atual A Resolução CNPE nº 3 determinou que o ESS Segurança Energética passasse a ser rateado entre todos os agentes de mercado, incluindo geradores e comercializadores. Os geradores de energia limpa passaram a custear a geração de energia térmica fóssil. Impactos nos investimentos. A ABRACEEL e outras associações do Setor Elétrico conseguiram liminares suspendendo os efeitos da Resolução CNPE nº 03/

45 Cenário Atual Portaria 455 de agosto/12: Acabou com os contratos ex-post e estabeleceu registros de contratos semanais. Lei de jan/13: MP 579 foi revertida em lei Medida Provisória 579 de set/12: Renovação das concessões de geração e transmissão. Resolução CNPE 03 de mar/13: Mudou a base de cálculo do PLD e o rateio do ESS. 45

46 Cenário Atual Cenário foi um ano de hidrologia normal para o Setor Elétrico, mas os reservatórios terminaram o ano com baixos níveis de armazenamento. 46

47 Cenário Atual 2 Cenário Atual Fonte: Instituto Acende Brasil

48 Cenário Atual Problema Adicional! 90% 80% 70% 60% 50% 40% 30% 20% 10% 79% 75% Esvaziamento dos reservatórios (% do máximo) 80% 81% 80% 77% 75% 73% 2 Cenário Atual 47% 60% 60% 33% Verificado (ONS) Simulação (PSR) 0% jan/10 fev/10 abr/10 jun/10 set/10 nov/10 Fonte: PSR 48

49 Cenário Atual Cenário foi um ano de hidrologia normal para o Setor Elétrico, mas os reservatórios terminaram o ano com baixos níveis de armazenamento. Térmicas precisaram operar mais intensamente para acumular água nos reservatórios. PLD elevado durante 2013, em relação a anos anteriores: R$ 263,09/MWh¹. Aumento nos custos das distribuidoras com geração térmica. O mercado das distribuidoras para 2013 não estava plenamente contratado. O Governo realizou 4 leilões de energia existente para atender as distribuidoras em 2013, mas não obteve sucesso: 1) Média anual do PLD do Sudeste/Centro-Oeste. 49

50 Cenário Atual 14º Leilão de Ajuste de set/12: Suprimento: º Leilão de Energia Existente de jun/13: Suprimento: jul/13 a jun/14 Preço teto: R$ 161,94/MWh Não houve contratação. PLD mar/13: R$ 339,75/MWh Preço teto: R$ 171,80/MWh Não houve contratação. PLD ago/13: R$ 163,38/MWh PLD set/12: R$ 182,94/MWh 15º Leilão de Ajuste de mar/13: Suprimento: abr/13 a dez/13 Preço teto: R$ 163,04/MWh Não houve contratação. PLD jun/13: R$ 207,62/MWh 17º Leilão de Ajuste de ago/13: Suprimento: out/13 a dez/13 Preço teto: R$ 163,04/MWh Não houve contratação. Obs: valores médios mensais de PLD de SE/CO. 50

51 Cenário Atual Cenário foi um ano de hidrologia normal para o Setor Elétrico, mas os reservatórios terminaram o ano com baixos níveis de armazenamento. Térmicas precisaram operar mais intensamente para acumular água nos reservatórios. PLD elevado durante 2013, em relação a anos anteriores: R$ 263,09/MWh¹. Aumento nos custos das distribuidoras com geração térmica. O mercado das distribuidoras para 2013 não estava plenamente contratado. O Governo realizou 4 leilões de energia existente para atender as distribuidoras em 2013, mas não obteve sucesso: Distribuidoras ficaram descontratadas em MWmédios. Déficits de energia das distribuidoras foram adquiridos ao PLD. Para evitar elevados aumentos nas tarifas das distribuidoras, já nos reajustes de 2013, o Governo fez aportes de 9,8 bilhões via Tesouro Nacional. 1) Média anual do PLD do Sudeste/Centro-Oeste. 51

52 Cenário Atual Cenário 2014 Para 2014, o volume descontratado das distribuidoras era ainda maior: MWmédios. Durante 2013, o Governo realizou três leilões para tentar contratar essa demanda. 52

53 Cenário Atual º Leilão de Energia Existente de jun/13: Suprimento: jul/13 a jun/14 Preço teto: R$ 171,80/MWh Não houve contratação. PLD ago/13: R$ 188,04/MWh 17º Leilão de Energia Existente de dez/13: Suprimento: 2014 Preço teto: R$ 192,00/MWh Resultado: MWmédios contratados a R$ 177,22/MWh¹. Apenas 43% da necessidade das distribuidoras para PLD jun/13: R$ 207,62/MWh 17º Leilão de Ajuste de ago/13: Suprimento: 2014 Preço teto: R$ 108,72/MWh Não houve contratação. PLD dez/13: R$ 209,72/MWh Obs: valores médios mensais de PLD de SE/CO. 1) Preço médio da energia negociada de janeiro a dezembro de

54 Cenário Atual Cenário 2014 Para 2014, o volume descontratado das distribuidoras era ainda maior: MWmédios. Durante 2013, o Governo realizou três leilões para tentar contratar essa demanda. Apenas 43% do mercado de 2014 das distribuidoras foi contratado MWmédios continuam descontratados e expostos ao PLD. Exposição involuntária das distribuidoras. O cenário hidrológico está se mostrando pior que o do ano passado: Reservatórios atingiram os piores níveis em 80 anos. PLD médio em 2014¹: R$ 708,01/MWh. PLD desde fevereiro no valor máximo legal de R$ 822,83/MWh. 1) Média do PLD do Sudeste/Centro-Oeste, considerando que o valor se manterá no máximo legal até o final de abril. 54

55 Cenário Atual Energia Natural Afluente no SIN (MWmédios) Cenário Atual Jan Fev Mar Abr Mai Jun Jul Ago Set Out Nov Dez MLT ENA 2014 ENA 2013 ENA 2012 Fonte: CMU/ONS MLT: Média de Longo Termo. Corresponde à média histórica das afluências registradas desde

56 Cenário Atual Energia Natural Afluente no SIN (MWmédios) Cenário Atual Jan Fev Mar Abr Mai Jun Jul Ago Set Out Nov Dez MLT ENA 2014 Fonte: CMU/ONS MLT: Média de Longo Termo. Corresponde à média histórica das afluências registradas desde

57 Cenário Atual Relação - Energia Armazenada e PLD (SE/CO) R$ 822,83/MWh MWmês MWmês R$ 23,14/MWh Energia Armazenada (MWmês) PLD (R$/MWh) Fonte: CMU/ONS 57

58 Cenário Atual Os modelos computacionais indicam um risco de déficit de energia elevadíssimo no SIN (principalmente no Sudeste/Centro-Oeste). Fonte: Deck Newave Abril/

59 Cenário Atual O custo do fracasso dos leilões: Se os preços-teto dos três leilões tivessem sido mais atrativos, R$ 200,00/MWh por exemplo, e todo o atual déficit das distribuidoras tivesse sido contratado, teríamos: Custo evitado de janeiro a abril de 2014: R$ 708,01/MWh¹ R$ 200,00/MWh = R$ 508,01/MWh MWmédios x 730 horas x 4 meses x R$ 508,01/MWh = R$ ,00 4,9 bilhões de reais! 1) Média do PLD do Sudeste/Centro-Oeste, considerando que o valor se manterá no máximo legal até o final de abril. 59

60 Cenário Atual Financiamento dos custos das distribuidoras A CCEE irá captar recursos para remunerar as seguintes despesas das distribuidoras: exposição involuntária ao PLD; e diferença entre o custo da energia das termelétricas e o valor coberto pelas tarifas. Valor do financiamento previsto em R$ 11,2 bilhões¹: operação deverá envolver 13 bancos; e se for insuficiente, em dezembro será negociado um empréstimo complementar. O financiamento evitará reajustes ainda maiores nas tarifas em 2014, mas: será pago, via aumentos nas tarifas, em 2015 e 2016¹. Nova postergação Em 2013, pelos mesmos motivos, foram aportados pelo Tesouro Nacional R$ 9,8 bilhões: Valor deverá ser cobrado, também via aumento de tarifas, de 2015 a ) Previsões da CCEE. 60

61 Financiamento dos custos das distribuidoras Resumo: Cenário Atual R$ 21 bilhões financiados em 2013 e 2014¹, que serão pagos, via aumentos nas tarifas de energia, de 2015 à Postergação Solução 1) Se confirmadas as previsões da CCEE. 61

62 Cenário Atual Leilão de Energia Existente A-0 (abr/14) Leilão de emergência para cobrir a exposição involuntária das distribuidoras. Prazo de fornecimento de 5 anos e 8 meses: maio de 2014 à dezembro de leilões anteriores de energia existente (A-1) tinham prazos de até 2 anos. prazo maior visa reduzir o preço médio da energia. Preço-teto: R$ 271,00/MWh mesmo com o prazo dilatado o preço-teto ficou alto, se comparado aos dos leilões anteriores, tendo em vista a expectativa de PLD elevado para o restante de Será um bom negócio? 62

63 Será um bom negócio? Cenário Atual Preço-teto x Preços de mercado (R$/MWh) Preço mercado¹ Preço-teto Leilão A-0 1) Preço mercado: curva de preços futuros formada por projeções independentes de 39 empresas (Curva Dcide de 15/04/14). 63

64 Será um bom negócio? Cenário Atual Preço-teto x Preços de mercado (R$/MWh) Redução de até R$ 5,6 bilhões no custo da energia em Resultado final: Aumento de R$ 10,4 bilhões em todo o período! Aumento de mais de R$ 16 bilhões no custo da energia de 2015 a Redução Aumento Preço mercado¹ Preço-teto Leilão A-0 1) Preço mercado: curva de preços futuros formada por projeções independentes de 39 empresas (Curva Dcide de 15/04/14). 64

65 Conclusão O que fazer para reverter a atual situação? 65

66 Conclusão Curto prazo: É necessário procurar uma reação da demanda: implementar as bandeiras tarifárias; incentivar a racionalização do consumo de energia; e negociar cortes seletivos de carga. 66

67 Conclusão Médio e longo prazos: Enfrentar a questão ambiental para: voltarmos a construir usinas hidrelétricas com reservatórios. A energia deve ser precificada pelo seu valor real: nos leilões de energia; e também para os consumidores cativos. As distribuidoras não podem ficar expostas. Cabe ao Governo: praticar preços-teto realistas, condizentes com o mercado; e não comprometer o custo da energia nos próximos anos. 67

68 Conclusão Obrigado CMU Comercializadora de Energia Avenida Brasil, , Bairro Funcionários - BH Fone: (31)

4º Encontro Nacional de Agentes do Setor Elétrico - ENASE 2007

4º Encontro Nacional de Agentes do Setor Elétrico - ENASE 2007 4º Encontro Nacional de Agentes do Setor Elétrico - ENASE 2007 O Papel da Hidreletricidade no Equilíbrio da Oferta com a Demanda, no Horizonte do Plano Decenal Flávio Antônio Neiva Presidente da ABRAGE

Leia mais

Aspectos Regulatórios e de Mercado. Março de 2010

Aspectos Regulatórios e de Mercado. Março de 2010 Aspectos Regulatórios e de Mercado Março de 21 Mercado de Energia no Brasil 2 Marco Regulatório Atual Geradores Competição entre geradores (estatais e privados) Todos os geradores podem vender eletricidade

Leia mais

Medidas divulgadas pelo Governo Federal para o fortalecimento do setor elétrico nacional

Medidas divulgadas pelo Governo Federal para o fortalecimento do setor elétrico nacional Medidas divulgadas pelo Governo Federal para o fortalecimento do setor elétrico nacional Perguntas e Respostas Perguntas mais frequentes sobre as medidas divulgadas pelo Governo Federal Março 2014 Apresentação

Leia mais

O SETOR DE ENERGIA ELÉTRICA NO BRASIL HOJE. Evandro Leite Vasconcelos Diretor de Energia e de Desenvolvimento de Negócios

O SETOR DE ENERGIA ELÉTRICA NO BRASIL HOJE. Evandro Leite Vasconcelos Diretor de Energia e de Desenvolvimento de Negócios 1 O SETOR DE ENERGIA ELÉTRICA NO BRASIL HOJE Evandro Leite Vasconcelos Diretor de Energia e de Desenvolvimento de Negócios ESTRUTURA SETORIAL CARACTERIZAÇÃO DO SISTEMA ELÉTRICO BRASILEIRO 3 PRINCIPAIS

Leia mais

Cenário Energético. Seminário Eficiência no Uso de Recursos Naturais

Cenário Energético. Seminário Eficiência no Uso de Recursos Naturais Cenário Energético Seminário Eficiência no Uso de Recursos Naturais Marco Antonio Siqueira marco@psr-inc.com S, Paulo, 12 de fevereiro de 2015 1 Agenda A estrutura de oferta e demanda do setor elétrico

Leia mais

Escalada Tarifária do Setor Elétrico

Escalada Tarifária do Setor Elétrico Escalada Tarifária do Setor Elétrico Priscila Lino priscila@psr-inc.com FIESP São Paulo, 19 de agosto de 2015 1 Retrospectiva 2012 Set/12: Edição da MP n o 579 que trata da renovação das concessões: Anúncio

Leia mais

Seminário Internacional Portugal Brasil Visão Geral das Operações da CCEE. Luiz Eduardo Barata Ferreira Presidente do Conselho de Administração

Seminário Internacional Portugal Brasil Visão Geral das Operações da CCEE. Luiz Eduardo Barata Ferreira Presidente do Conselho de Administração Seminário Internacional Portugal Brasil Visão Geral das Operações da CCEE Luiz Eduardo Barata Ferreira Presidente do Conselho de Administração Fevereiro de 2012 Visão Geral das Operações da CCEE Mercado

Leia mais

II SEMINÁRIO NACIONAL PEQUENAS CENTRAIS HIDRELÉTRICAS E MICROGERAÇÃO

II SEMINÁRIO NACIONAL PEQUENAS CENTRAIS HIDRELÉTRICAS E MICROGERAÇÃO MINISTÉRIO DE MINAS E ENERGIA II SEMINÁRIO NACIONAL PEQUENAS CENTRAIS HIDRELÉTRICAS E MICROGERAÇÃO Luiz Eduardo Barata Secretário-Executivo CÂMARA DOS DEPUTADOS Brasília, 22 de setembro de 2015 Energia

Leia mais

Energia Competitiva para o Nordeste: Energia Limpa e Renovável

Energia Competitiva para o Nordeste: Energia Limpa e Renovável MINISTÉRIO DE MINAS E ENERGIA Energia Competitiva para o Nordeste: Energia Limpa e Renovável Gilberto Hollauer Secretaria de Planejamento e Desenvolvimento Energético Abril de 2015 1 Sumário Política Energética

Leia mais

Preço Futuro da Energia Elétrica" Paulo Cezar C. Tavares Presidente da SOLenergias

Preço Futuro da Energia Elétrica Paulo Cezar C. Tavares Presidente da SOLenergias Preço Futuro da Energia Elétrica" Paulo Cezar C. Tavares Presidente da SOLenergias ÍNDICE 1. Antecedentes 2. Eventos relevantes para formação do Preço 2.1 MP 579 (lei 12.783 ) 2.2 CNPE 03 2.3 PRT 455 2.4

Leia mais

INFORMATIVO MENSAL FEV.2015

INFORMATIVO MENSAL FEV.2015 JAN MAR ABR MAI JUN JUL AGO SET OUT NOV DEZ JAN MAR ABR MAI JUN JUL AGO SET OUT NOV DEZ JAN INFORMATIVO MENSAL.215 Preço de Liquidação das Diferenças 45, 4, 35, 3, 25, 2, PLD Médio /215 PLD TETO 388,48

Leia mais

Clique para adicionar um título. Setor Elétrico Brasileiro: Cenário atual e perspectivas

Clique para adicionar um título. Setor Elétrico Brasileiro: Cenário atual e perspectivas Clique para adicionar um título Setor Elétrico Brasileiro: Cenário atual e perspectivas Clique Agendapara adicionar um título O Atual Modelo de Comercialização A MP 579 e a Lei 12.783 O Risco de suprimento

Leia mais

Riscos e Garantias para a Comercialização de Energia de PCHs Encontro Nacional de Operadores e Investidores em Pequenas Centrais Hidrelétricas

Riscos e Garantias para a Comercialização de Energia de PCHs Encontro Nacional de Operadores e Investidores em Pequenas Centrais Hidrelétricas Riscos e Garantias para a Comercialização de Energia de PCHs Encontro Nacional de Operadores e Investidores em Pequenas Centrais Hidrelétricas Luciano Macedo Freire Conselho de Administração 07 de abril

Leia mais

Comercialização de Energia Elétrica no Brasil III Seminário: Mercados de Eletricidade e Gás Natural Investimento, Risco e Regulação

Comercialização de Energia Elétrica no Brasil III Seminário: Mercados de Eletricidade e Gás Natural Investimento, Risco e Regulação Comercialização de Energia Elétrica no Brasil III Seminário: Mercados de Eletricidade e Gás Natural Investimento, Risco e Regulação Élbia Melo 12/02/2010 Agenda O Setor Elétrico Brasileiro Comercialização

Leia mais

Perspectivas do Suprimento de Energia Elétrica

Perspectivas do Suprimento de Energia Elétrica Perspectivas do Suprimento de Energia Elétrica Manoel Arlindo Zaroni Torres Diretor-Presidente UHE Itá - Novembro de 2007 1 Aviso Importante Este material pode incluir declarações que representem expectativas

Leia mais

O Novo Ciclo do Mercado Livre de Energia Elétrica

O Novo Ciclo do Mercado Livre de Energia Elétrica O Novo Ciclo do Mercado Livre de Energia Elétrica PAINEL 2 ENTRE DOIS MUNDOS: O REGULADO E O LIVRE Flávio Antônio Neiva Presidente da ABRAGE Belo Horizonte 16 de outubro de 2008 Entre dois mundos: o regulado

Leia mais

Cenários de Preço Futuro de Energia

Cenários de Preço Futuro de Energia Cenários de Preço Futuro de Energia Novembro/2010 Tractebel Energia GDF SUEZ - todos os direitos reservados 1 Aviso importante Este material pode incluir declarações que representem expectativas sobre

Leia mais

Situação Energética no País

Situação Energética no País Situação Energética no País Comissão de Serviços de Infraestrutura do Senado Março de 2014 A situação energética atual Robustez do abastecimento: A segurança de suprimento em 2014 dependerá da hidrologia

Leia mais

BOLETIM DE NOTÍCIAS. Janela de Negócios. Market News. Edital do Leilão de Geração A-1 entra em audiência pública. 5 de outubro de 2015

BOLETIM DE NOTÍCIAS. Janela de Negócios. Market News. Edital do Leilão de Geração A-1 entra em audiência pública. 5 de outubro de 2015 BOLETIM DE NOTÍCIAS Janela de Negócios Demanda de Energia I5: Períodos de Suprimento Montante em (MW médios) Ideia de preço (NÃO É PROPOSTA) 1º trimestre 2016 Até 5 R$185/MWm Demanda de Energia Convencional:

Leia mais

Resultados. 2T14 Junho, 2014

Resultados. 2T14 Junho, 2014 Resultados Junho, 2014 Destaques Operacional & Comercial Rebaixamento da garantia física de 6,2%, em linha com as projeções da Companhia Comercialização de ~100 MWm com prazo e preço médios de 4,5 anos

Leia mais

INFORMATIVO MENSAL JUN.2011

INFORMATIVO MENSAL JUN.2011 Preço de Liquidação das Diferenças 4, 35, PLD Médio MAI/211 JUN/211 5 PLD Médio Anual - Seco x Úmido 35, 3, 3, 25, 25, 2, 2, 15, 15, 1, 1, 5, 4 3 2 1, NORTE MÉDIA SEMANA 11 SEMANA 2 2 SEMANA 33 SEMANA

Leia mais

COMERCIALIZAÇÃO DE ENERGIA NO MERCADO LIVRE

COMERCIALIZAÇÃO DE ENERGIA NO MERCADO LIVRE COMERCIALIZAÇÃO DE ENERGIA NO MERCADO LIVRE AGENDA CARACTERISTICAS CONSUMIDOR LIVRE ESPECIAL; CUSTO DE OPORTUNIDADE ENTRE MERCADO LIVRE E MERCADO CATIVO; ESTUDOS DE CASO; HISTÓRICO E VOLATILIDADE DOS PREÇOS

Leia mais

Mercado de energia elétrica: condições atuais de atendimento à carga e tendências para 2015. Manoel Arlindo Zaroni Torres

Mercado de energia elétrica: condições atuais de atendimento à carga e tendências para 2015. Manoel Arlindo Zaroni Torres Mercado de energia elétrica: condições atuais de atendimento à carga e tendências para 2015 Manoel Arlindo Zaroni Torres São Paulo, 1 de outubro de 2014 Aviso importante Este material pode incluir declarações

Leia mais

Resultados 1T15 Maio, 2015

Resultados 1T15 Maio, 2015 Resultados Maio, 2015 Destaques Afluência no SIN no de 62% da MLT 1 (vs. 64% no ) Hidrologia Nível de reservatórios do SIN encerraram em 30,1% vs. 40,5% em Rebaixamento médio do MRE de 20,7% no vs. 3,9%

Leia mais

ENERGIAS RENOVÁVEIS NO BRASIL MAIO 2010

ENERGIAS RENOVÁVEIS NO BRASIL MAIO 2010 ENERGIAS RENOVÁVEIS NO BRASIL MAIO 2010 Índice Conceito de Energia Renovável Energias Renováveis no Brasil Aspectos Gerais de Projetos Eólicos, a Biomassa e PCHs Outorga de Autorização de Projetos Incentivos

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA ENERGIA EÓLICA NA OFERTA DE ENERGIA DO SISTEMA INTERLIGADO NACIONAL

A IMPORTÂNCIA DA ENERGIA EÓLICA NA OFERTA DE ENERGIA DO SISTEMA INTERLIGADO NACIONAL A IMPORTÂNCIA DA ENERGIA EÓLICA NA OFERTA DE ENERGIA DO SISTEMA INTERLIGADO NACIONAL São Paulo, 03 de junho de 2008 Sistema Elétrico Brasileiro e o Sistema ELETROBRÁS Linhas de Transmissão SIN Capacidade

Leia mais

DESAFIOS DO SETOR ENERGÉTICO NO RIO GRANDE DO SUL

DESAFIOS DO SETOR ENERGÉTICO NO RIO GRANDE DO SUL DESAFIOS DO SETOR ENERGÉTICO NO RIO GRANDE DO SUL Humberto César Busnello A SITUAÇÃO ENERGÉTICA DO RIO GRANDE DO SUL TEM QUE SER VISTA NO CONTEXTO DO MODELO DO SETOR ELÉTRICO BRASILEIRO, ESPECIALMENTE

Leia mais

Seminário Crise Energética e Desenvolvimento

Seminário Crise Energética e Desenvolvimento Seminário Crise Energética e Desenvolvimento Painel 2 - Desafios técnicos e socioeconômicos da oferta de energia Flávio Antônio Neiva Presidente da ABRAGE Porto Alegre, 18 de junho de 2015 * Associadas

Leia mais

Mesa Redonda - Perspectivas de Suprimento e Preços da Energia Elétrica para a Indústria

Mesa Redonda - Perspectivas de Suprimento e Preços da Energia Elétrica para a Indústria Mesa Redonda - Perspectivas de Suprimento e Preços da Energia Elétrica para a Indústria Sílvio Roberto Areco Gomes ABRAGE São Paulo 05 de junho de 2008 ROTEIRO A ABRAGE Situação Atual do Armazenamento

Leia mais

ENERGIAS ALTERNATIVAS E TECNOLOGIAS DE PRODUÇÃO LIMPAS: DESAFIOS E OPORTUNIDADES

ENERGIAS ALTERNATIVAS E TECNOLOGIAS DE PRODUÇÃO LIMPAS: DESAFIOS E OPORTUNIDADES ENERGIAS ALTERNATIVAS E TECNOLOGIAS DE PRODUÇÃO LIMPAS: DESAFIOS E OPORTUNIDADES FONTES DE ENERGIA Hídrica Eólica Biomassa Solar POTENCIAL HÍDRICO Fonte: Eletrobras, 2011. APROVEITAMENTO DO POTENCIAL HIDRELÉTRICO

Leia mais

&RQWUDWRVGH&RPSUDH9HQGDGH(QHUJLD

&RQWUDWRVGH&RPSUDH9HQGDGH(QHUJLD Contratos de Compra e Venda de Energia 36 &RQWUDWRVGH&RPSUDH9HQGDGH(QHUJLD Como visto no capítulo anterior a receita de um agente gerador no mercado de curto prazo é extremamente volátil. Essa incerteza

Leia mais

Soluções energéticas para o Brasil: principais desafios

Soluções energéticas para o Brasil: principais desafios Comissão de Serviços de Infraestrutura do Senado Federal Energia: Recursos Energéticos e Desafios Estratégicos Soluções energéticas para o Brasil: principais desafios 24 de agosto de 2009 Nelson Hubner

Leia mais

ENASE 2009. Operando uma Matriz Elétrica Segura Impactos para o Setor e a Sociedade. 6º Encontro Nacional de Agentes do Setor Elétrico.

ENASE 2009. Operando uma Matriz Elétrica Segura Impactos para o Setor e a Sociedade. 6º Encontro Nacional de Agentes do Setor Elétrico. ENASE 2009 6º Encontro Nacional de Agentes do Setor Elétrico Operando uma Matriz Elétrica Segura Impactos para o Setor e a Sociedade Rio de Janeiro, 29.09.2009 Hermes Chipp 1 Sumário 1. Características

Leia mais

Perspectivas para o Mercado de Energia Elétrica Manoel Arlindo Zaroni Torres

Perspectivas para o Mercado de Energia Elétrica Manoel Arlindo Zaroni Torres Perspectivas para o Mercado de Energia Elétrica Manoel Arlindo Zaroni Torres São Paulo, 10 de fevereiro de 2015 Conjuntura hidrológica bastante adversa 2014 foi 10º ano mais seco da história (84 anos)

Leia mais

2 Características do mercado brasileiro de energia elétrica

2 Características do mercado brasileiro de energia elétrica 2 Características do mercado brasileiro de energia elétrica Nesta seção, serão descritas as características do mercado brasileiro de energia elétrica, a fim de que se possa compreender a modelagem realizada

Leia mais

Novos Investimentos em Geração de Energia e o Mercado Livre Roberto Wainstok Diretor de Compra e Venda de Energia CPFL Energia

Novos Investimentos em Geração de Energia e o Mercado Livre Roberto Wainstok Diretor de Compra e Venda de Energia CPFL Energia Novos Investimentos em Geração de Energia e o Mercado Livre Roberto Wainstok Diretor de Compra e Venda de Energia CPFL Energia 5 de Outubro de 2007 Objetivos 1. Modelo vigente de financiamento à expansão

Leia mais

3 Comercialização de energia elétrica

3 Comercialização de energia elétrica 3 Comercialização de energia elétrica As relações comerciais 4 entre os Agentes participantes da CCEE são regidas predominantemente por contratos de compra e venda de energia, e todos os contratos celebrados

Leia mais

Simpósio Brasileiro sobre Pequenas e Médias Centrais Hidrelétrica. Comercialização 1/20. DCM Diretoria Comercial

Simpósio Brasileiro sobre Pequenas e Médias Centrais Hidrelétrica. Comercialização 1/20. DCM Diretoria Comercial Legislação de Geração de Energia Elétrica Comercialização 1/20 AGENDA: 1. Geração de serviço público, produtores independentes e autoprodução de energia elétrica; 2. Incentivos para a autoprodução de energia

Leia mais

Resultados 2014 Fevereiro, 2015

Resultados 2014 Fevereiro, 2015 Resultados Fevereiro, 2015 Destaques do e Afluência na região SE/CO em de 69% da MLT 1 (vs. 102% em ) Hidrologia Nível de reservatórios das usinas da AES Tietê encerraram em 34,7% vs. 51,1% em Rebaixamento

Leia mais

V Conferência da RELOP - Associação de Reguladores de Energia dos Países de Língua Oficial Portuguesa

V Conferência da RELOP - Associação de Reguladores de Energia dos Países de Língua Oficial Portuguesa V Conferência da RELOP - Associação de Reguladores de Energia dos Países de Língua Oficial Portuguesa Aspetos regulatórios da energia renovável no Brasil Fernando Colli Munhoz Assessor Sup. de Regulação

Leia mais

INSERÇÃO NO CONTEXTO DO PLANEJAMENTO DO SISTEMA ELÉTRICO NACIONAL LAS/ANS

INSERÇÃO NO CONTEXTO DO PLANEJAMENTO DO SISTEMA ELÉTRICO NACIONAL LAS/ANS INSERÇÃO NO CONTEXTO DO PLANEJAMENTO DO SISTEMA ELÉTRICO NACIONAL LAS/ANS 9 1, 3 % 6, 2 % 2, 5 % MATRIZ DE ENERGIA ELÉTRICA Fonte Capacidade instalada (status: agosto/2005) Geração (setembro/2004 - agosto/2005)

Leia mais

Dinâmica Empresarial e Mecanismo de Formação de Preço Seminário Internacional de Integração Energética Brasil Colômbia

Dinâmica Empresarial e Mecanismo de Formação de Preço Seminário Internacional de Integração Energética Brasil Colômbia Dinâmica Empresarial e Mecanismo de Formação de Preço Seminário Internacional de Integração Energética Brasil Colômbia Antônio Carlos Fraga Machado Presidente do Conselho de Administração da CCEE 15 de

Leia mais

Possíveis Aprimoramentos na Formação do PLD Preço de Liquidação das Diferenças no Mercado Brasileiro

Possíveis Aprimoramentos na Formação do PLD Preço de Liquidação das Diferenças no Mercado Brasileiro Possíveis Aprimoramentos na Formação do PLD Preço de Liquidação das Diferenças no Mercado Brasileiro Brasilia, 23 de setembro de 2008 Roberto Castro Assessor da VP Gestão de Energia CPFL Energia Agenda

Leia mais

Águas de Minas e Energia a Contribuição de Minas para o Sistema Elétrico Importância dos Reservatórios de Cabeceira.

Águas de Minas e Energia a Contribuição de Minas para o Sistema Elétrico Importância dos Reservatórios de Cabeceira. Águas de Minas e Energia a Contribuição de Minas para o Sistema Elétrico Importância dos Reservatórios de Cabeceira. 1 Sumário Produção de Energia Elétrica no Brasil e o no Mundo Características de Usinas

Leia mais

Índice Setorial Comerc (junho 2013)

Índice Setorial Comerc (junho 2013) PLD (Preço de Liquidação das Diferenças) PLD - ª Semana de Agosto de 203 Agosto (27.07.203 a 02.08.203) PLD médio PLD médio 2 R$/MWh Sudeste Sul Nordeste Norte Sudeste 53,22 53,05 Pesada 55,55 55,55 55,55

Leia mais

A Evolução do Mercado Livre de Energia

A Evolução do Mercado Livre de Energia A Evolução do Mercado Livre de Energia 4º ENASE Antonio Carlos Fraga Machado Presidente do Conselho de Administração 13 de setembro de 2007 Agenda Evolução do Mercado Livre de Energia O Mercado de Energia

Leia mais

Inserção da energia eólica na

Inserção da energia eólica na Inserção da energia eólica na matriz de geração brasileira Prof. Nivalde J. de Castro Roberto Brandão 1 Sumário 1. Matriz de geração brasileira: perfil e tendências. 2. O papel das energias renováveis

Leia mais

Perspectivas para o Mercado de Energia Elétrica

Perspectivas para o Mercado de Energia Elétrica Perspectivas para o Mercado de Energia Elétrica Tractebel Energia GDF SUEZ - todos os direitos reservados São Paulo, 04 de Abril de 2013 1 Tractebel Energia 2 Tractebel Energia: Portfólio Balanceado de

Leia mais

Formação de Preço de Energia Elétrica no Mercado Livre. Dr. José Wanderley Marangon Lima Universidade Federal de Itajubá - UNIFEI

Formação de Preço de Energia Elétrica no Mercado Livre. Dr. José Wanderley Marangon Lima Universidade Federal de Itajubá - UNIFEI Formação de Preço de Energia Elétrica no Mercado Livre Dr. José Wanderley Marangon Lima Universidade Federal de Itajubá - UNIFEI São Paulo, Agosto de 2013 Agenda Visão Geral do Setor Planejamento da Operação

Leia mais

Contribuições da AES Brasil para a Consulta Pública 009/2014

Contribuições da AES Brasil para a Consulta Pública 009/2014 Contribuições da AES Brasil para a Consulta Pública 009/2014 Metodologia de cálculo dos valores máximo e mínimo do Preço de Liquidação das Diferenças PLD Primeiramente, a AES Brasil gostaria de externar

Leia mais

Galvão Energia Evolução das Fontes de Energia Renováveis no Brasil. V Conferência Anual da RELOP

Galvão Energia Evolução das Fontes de Energia Renováveis no Brasil. V Conferência Anual da RELOP Galvão Energia Evolução das Fontes de Energia Renováveis no Brasil V Conferência Anual da RELOP Lisboa, 01.Jun.2012 Agenda O Acionista Grupo Galvão 03 A Empresa Galvão Energia 04 A evolução das fontes

Leia mais

XX SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA GRUPO VII GRUPO DE ESTUDO DE PLANEJAMENTO DE SISTEMAS ELÉTRICOS - GPL

XX SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA GRUPO VII GRUPO DE ESTUDO DE PLANEJAMENTO DE SISTEMAS ELÉTRICOS - GPL XX SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA Versão 1.0 GPL VII 22 a 25 Novembro de 2009 Recife - PE GRUPO VII GRUPO DE ESTUDO DE PLANEJAMENTO DE SISTEMAS ELÉTRICOS - GPL

Leia mais

Ricardo Lima Conselheiro de Administração

Ricardo Lima Conselheiro de Administração XVII Simpósio Jurídico ABCE Riscos e Tendências do Ambiente de Contratação Livre Ricardo Lima Conselheiro de Administração 19 de setembro de 2011 Estrutura Legal da Comercialização Visão Geral das Operações

Leia mais

Valor Setorial Energia (Valor Econômico) 15/04/2015 Garantia para o sistema

Valor Setorial Energia (Valor Econômico) 15/04/2015 Garantia para o sistema Valor Setorial Energia (Valor Econômico) 15/04/2015 Garantia para o sistema Duas importantes medidas foram anunciadas no fim de março pela Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) para tornar mais

Leia mais

Regras de Comercialização 2013. Apresentação no InfoPLD 25.02.2013

Regras de Comercialização 2013. Apresentação no InfoPLD 25.02.2013 Regras de Comercialização 2013 Apresentação no InfoPLD 25.02.2013 Agenda Alterações aprovadas Contribuições acatadas 2 Alterações Aprovadas 1) Regime de Cotas de Garantia Física 2) Sazonalização de Garantia

Leia mais

VI ENCONTRO NACIONAL DA ABRAPCH A importância da Geração Distribuída num momento de crise energética

VI ENCONTRO NACIONAL DA ABRAPCH A importância da Geração Distribuída num momento de crise energética VI ENCONTRO NACIONAL DA ABRAPCH A importância da Geração Distribuída num momento de crise energética Copel Distribuição S.A Vlademir Daleffe 25/03/2015 1 VI ENCONTRO NACIONAL DA ABRAPCH 1. Composição tarifária

Leia mais

www.ccee.org.br Nº 011 Novembro/2014 0800 10 00 08 Nº de usinas

www.ccee.org.br Nº 011 Novembro/2014 0800 10 00 08 Nº de usinas Introdução O Boletim de Operação das Usinas é uma publicação mensal que apresenta os principais resultados consolidados de capacidade, garantia física e geração das usinas, tendo como referência a contabilização

Leia mais

ESCOLA DE COMANDO E ESTADO-MAIOR DO EXÉRCITO (ECEME) 4º Congresso de Ciências Militares

ESCOLA DE COMANDO E ESTADO-MAIOR DO EXÉRCITO (ECEME) 4º Congresso de Ciências Militares ESCOLA DE COMANDO E ESTADO-MAIOR DO EXÉRCITO (ECEME) 4º Congresso de Ciências Militares Ciências Militares no Século XXI Situação Atual e Desafios Futuros Geopolítica dos Recursos Naturais Fontes Alternativas

Leia mais

Política Energética Brasileira Panorama da Biomassa

Política Energética Brasileira Panorama da Biomassa Política Energética Brasileira Panorama da Biomassa MME Secretaria de Planejamento Energético Brasília Março de 2010 Roteiro 1. Cenário da Expansão 2. Características 3. Políticas Energéticas 4. Leilões

Leia mais

Leilões de Energia Elétrica Mercado Regulado Brasileiro Visão Panorâmica

Leilões de Energia Elétrica Mercado Regulado Brasileiro Visão Panorâmica Leilões de Energia Elétrica Mercado Regulado Brasileiro Visão Panorâmica Reunião Técnica da ABINEE Associação Brasileira da Indústria Elétrica e Eletrônica 19 de novembrode 2013 Alexandre Viana Gerência

Leia mais

EDP Energias do Brasil

EDP Energias do Brasil EDP Energias do Brasil Contribuição à Audiência Pública ANEEL nº 42/2015: Obter subsídios acerca da solicitação da Enguia Gen PI Ltda. e da Enguia Gen CE Ltda. para rescisão amigável de seus Contratos

Leia mais

Dep. Fabio Garcia PSB/MT. O Preço da Energia No Brasil

Dep. Fabio Garcia PSB/MT. O Preço da Energia No Brasil Dep. Fabio Garcia PSB/MT O Preço da Energia No Brasil Entenda a sua fatura de energia elétrica - Tarifa para Consumidor Residencial (tarifa B1) Parcela A Custos não gerenciáveis, ou seja, que não dependem

Leia mais

ERSE. Inserção da energia eólica na matriz elétrica brasileira

ERSE. Inserção da energia eólica na matriz elétrica brasileira ERSE Mesa Redonda Energia Eólica Inserção da energia eólica na matriz elétrica brasileira Prof. Nivalde J. de Castro Roberto Brandão 1 Sumário 1. Matriz de geração brasileira: perfil e tendências. 2. O

Leia mais

Perspectivas do Suprimento de Energia Elétrica. Manoel Arlindo Zaroni Torres Diretor-Presidente

Perspectivas do Suprimento de Energia Elétrica. Manoel Arlindo Zaroni Torres Diretor-Presidente Perspectivas do Suprimento de Energia Elétrica Manoel Arlindo Zaroni Torres Diretor-Presidente UHE Itá - Novembro de 2007 1 Aviso Importante Este material pode incluir declarações que representem expectativas

Leia mais

SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA

SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA GEC 8 14 a 17 Outubro de 27 Rio de Janeiro - RJ GRUPO VI GRUPO DE ESTUDO DE COMERCIALIZAÇÃO, ECONOMIA E REGULAÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA

Leia mais

Simpósio sobre Estratégias de Gestão de Comercialização de Energia e Eficiência Energética SIBGECE3

Simpósio sobre Estratégias de Gestão de Comercialização de Energia e Eficiência Energética SIBGECE3 Simpósio sobre Estratégias de Gestão de Comercialização de Energia e Eficiência Energética SIBGECE3 Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro - 28 a 30nov12 Comercialização de Energia Elétrica

Leia mais

9,2 (+) O&M (Fixo e Variável)

9,2 (+) O&M (Fixo e Variável) Setembro de 2012 Edição Especial 1 OPINIÃO IMPACTO TARIFÁRIO DA RENOVAÇÃO DAS CONCESSÕES Os benefícios para os consumidores provêm da redução de três componentes tarifários: 1. Custo de geração; 2. Custo

Leia mais

PANORAMA ENERGÉTICO NACIONAL

PANORAMA ENERGÉTICO NACIONAL MINISTÉRIO DE MINAS E ENERGIA PANORAMA ENERGÉTICO NACIONAL CONDICIONANTES PARA OS INVESTIMENTOS E PERSPECTIVAS DE ATENDIMENTO DO MERCADO II Seminário Energia e Meio Ambiente Perspectivas Legais Manaus,

Leia mais

Bioeletricidade >> Energia Positiva para o Desenvolvimento Sustentável. Tecnologia => disponível com eficiência crescente

Bioeletricidade >> Energia Positiva para o Desenvolvimento Sustentável. Tecnologia => disponível com eficiência crescente Cana de Açúcar => oferta crescente matéria prima energética Bagaço + Palha => disponibilidade existente e assegurada Bioeletricidade >> Energia Positiva para o Desenvolvimento Sustentável Tecnologia =>

Leia mais

Impactos da Polí.ca de Preços de Eletricidade e Derivados. Luciano Losekann

Impactos da Polí.ca de Preços de Eletricidade e Derivados. Luciano Losekann Impactos da Polí.ca de Preços de Eletricidade e Derivados Luciano Losekann Introdução Úl$mos três anos foram marcados pela u$lização dos preços de energia para controlar a inflação. Derivados de Petróleo

Leia mais

APROVEITAMENTO DO POTENCIAL HIDRELÉTRICO NACIONAL : Alternativas Após o Seu Esgotamento

APROVEITAMENTO DO POTENCIAL HIDRELÉTRICO NACIONAL : Alternativas Após o Seu Esgotamento Altino Ventura Filho Secretário de Planejamento e Desenvolvimento Energético - Ministério de Minas e Energia APROVEITAMENTO DO POTENCIAL HIDRELÉTRICO NACIONAL : Alternativas Após o Seu Esgotamento Sumário

Leia mais

Mercado de Energia Elétrica

Mercado de Energia Elétrica Centro Universitário Fundação Santo André MBA Gestão de Energia Mercado de Energia Elétrica Prof. Eduardo Matsudo AULA 07 Santo André, 13 de junho de 2011 Gestor de Energia - Mercado Objetivos ótica da

Leia mais

CARACTERÍSTICAS DO SISTEMA INTERLIGADO NACIONAL SIN

CARACTERÍSTICAS DO SISTEMA INTERLIGADO NACIONAL SIN 2 CARACTERÍSTICAS DO SISTEMA INTERLIGADO NACIONAL SIN 2.1 VOCAÇÃO À HIDROELETRICIDADE O sistema de produção e transmissão de energia elétrica do Brasil Sistema Interligado Nacional (SIN) pode ser classificado

Leia mais

Assinatura Digital. Contratos de Comercialização de Energia Elétrica no Ambiente Regulado - CCEARs

Assinatura Digital. Contratos de Comercialização de Energia Elétrica no Ambiente Regulado - CCEARs Assinatura Digital Contratos de Comercialização de Energia Elétrica no Ambiente Regulado - CCEARs Agenda O papel da CCEE Visão geral da comercialização de energia elétrica no Brasil Processo de Assinatura

Leia mais

Comentários sobre o. Plano Decenal de Expansão. de Energia (PDE 2008-2017)

Comentários sobre o. Plano Decenal de Expansão. de Energia (PDE 2008-2017) Comentários sobre o Plano Decenal de Expansão de Energia (PDE 2008-2017) PAULO CÉSAR RIBEIRO LIMA JANEIRO/2009 Paulo César Ribeiro Lima 2 Comentários sobre o Plano Decenal de Expansão de Energia (PDE 2008-2017)

Leia mais

SETOR ELÉTRICO BRASILEIRO Situação atual, perspectivas e propostas

SETOR ELÉTRICO BRASILEIRO Situação atual, perspectivas e propostas SETOR ELÉTRICO BRASILEIRO Situação atual, perspectivas e propostas Mario Veiga mario@psr-inc.com LIGHT, 3 de dezembro de 2014 1 Provedora de ferramentas analíticas e serviços de consultoria (estudos econômicos,

Leia mais

Apresentação CEI. Perspectivas no mercado de energia fotovoltaica

Apresentação CEI. Perspectivas no mercado de energia fotovoltaica Apresentação CEI Perspectivas no mercado de energia fotovoltaica A CEI é produtora independente de energia em MG, com 9 usinas em operação, 15 empreendimentos hidrelétricos em desenvolvimento (130MW) e

Leia mais

2 Características do Sistema Interligado Nacional

2 Características do Sistema Interligado Nacional 2 Características do Sistema Interligado Nacional O Sistema Elétrico Brasileiro (SEB) evoluiu bastante ao longo do tempo em termos de complexidade e, consequentemente, necessitando de um melhor planejamento

Leia mais

Perspectivas da Contratação de Energia no Mercado Livre

Perspectivas da Contratação de Energia no Mercado Livre Perspectivas da Contratação de Energia no Mercado Livre 19 de Agosto de 2008 ABRACEEL www.abraceel.com.br Venda de Energia Leilão de Energia de Reserva Mercado Livre de Fontes Incentivadas CCEE O Papel

Leia mais

APRESENTAÇÃO DE RESULTADOS 4T07. Março de 2008

APRESENTAÇÃO DE RESULTADOS 4T07. Março de 2008 APRESENTAÇÃO DE RESULTADOS 4T07 Março de 2008 Aviso Importante Este material pode incluir declarações que representem expectativas sobre eventos ou resultados futuros de acordo com a regulamentação de

Leia mais

O Mercado Livre de Energia Elétrica Cleber Mosquiara

O Mercado Livre de Energia Elétrica Cleber Mosquiara Usina Hidrelétrica Ourinhos O Mercado Livre de Energia Elétrica Cleber Mosquiara Usina Hidrelétrica Barra Agenda Grupo Votorantim Votorantim Energia Análise do Setor Elétrico e o Mercado Livre Contatos

Leia mais

Amilcar Guerreiro Diretor de Estudos Econômico-Energéticos e Ambientais Empresa de Pesquisa Energética - EPE

Amilcar Guerreiro Diretor de Estudos Econômico-Energéticos e Ambientais Empresa de Pesquisa Energética - EPE WORKSHOP Integração de mercados de energia elétrica e formação de preços PAINEL IV Harmonização dos mercados TEMA Impacto da ampliação das fontes renováveis na integração dos mercados Amilcar Guerreiro

Leia mais

Informativo de Energia 31 de março de 2014

Informativo de Energia 31 de março de 2014 Informativo de Energia 31 de março de 2014 Setor Elétrico: da MP 579 ao pacote financeiro Clara Costellini Lavinia Hollanda O setor elétrico vem sendo alvo de diversas discussões e debates, principalmente

Leia mais

São Paulo, 28 de abril de 2006. Ref.: Contribuição à Consulta Pública Plano Decenal de Energia Elétrica PDEE 2006/2015

São Paulo, 28 de abril de 2006. Ref.: Contribuição à Consulta Pública Plano Decenal de Energia Elétrica PDEE 2006/2015 São Paulo, 28 de abril de 2006 CT/301/2006 Excelentíssimo Senhor Silas Rondeau Ministério de Minas e Energia Brasília DF CC: Ministério de Minas e Energia Secretaria de Planejamento e Desenvolvimento Energético

Leia mais

SETOR ELÉTRICO BRASILEIRO Situação atual e o que vem por aí

SETOR ELÉTRICO BRASILEIRO Situação atual e o que vem por aí SETOR ELÉTRICO BRASILEIRO Situação atual e o que vem por aí Marco Antonio Siqueira marco@psr-inc.com Belo Horizonte, 5 de março de 2015 1 Agenda A estrutura de oferta e demanda do setor elétrico As condições

Leia mais

XVII ENERJ. A Importância da Termoeletricidade na Matriz Elétrica Brasileira para os próximos 5 e 10 anos. Cenário de uso reduzido de reservatórios

XVII ENERJ. A Importância da Termoeletricidade na Matriz Elétrica Brasileira para os próximos 5 e 10 anos. Cenário de uso reduzido de reservatórios XVII ENERJ A Importância da Termoeletricidade na Matriz Elétrica Brasileira para os próximos 5 e 10 anos. Cenário de uso reduzido de reservatórios 27 de novembro de 2015 1 Considerações Iniciais Cenário

Leia mais

Comissão de Minas e Energia da Câmara dos Deputados O suprimento de energia no Brasil e o seu impacto nas tarifas de energia

Comissão de Minas e Energia da Câmara dos Deputados O suprimento de energia no Brasil e o seu impacto nas tarifas de energia Comissão de Minas e Energia da Câmara dos Deputados O suprimento de energia no Brasil e o seu impacto nas tarifas de energia Brasília, 26 de março de 2015. A Abraceel Única Independente Livre Atua desde

Leia mais

Energia Eólica Maio / 2015

Energia Eólica Maio / 2015 Energia Eólica Maio / 2015 Cenário Atual 2 Posicionamento Mundial 10º no mundo 5,96 GW capacidade instalada acumulada 4º no mundo 2,50 GW nova capacidade instalada 2º no mundo atratividade Fonte: GWEC

Leia mais

GERAÇÃO A Copel opera 27 usinas próprias, sendo 18 hidrelétricas, uma termelétrica e 8 eólicas

GERAÇÃO A Copel opera 27 usinas próprias, sendo 18 hidrelétricas, uma termelétrica e 8 eólicas GERAÇÃO A Copel opera 27 usinas próprias, sendo 18 hidrelétricas, uma termelétrica e 8 eólicas TRANSMISSÃO O sistema de transmissão de energia é responsável pela operação e manutenção de 32 subestações

Leia mais

Contribuição ABRADEE AP 046 Garantias Mercado de Curto Prazo CCEE

Contribuição ABRADEE AP 046 Garantias Mercado de Curto Prazo CCEE Contribuição ABRADEE AP 046 Garantias Mercado de Curto Prazo CCEE 06 de agosto de 2008 1. Simulações das regras propostas pela Aneel e CCEE Empresa Garantia Metodologia Atual (fev 08) R$ mil Garantia Metodologia

Leia mais

Situação Energética no País e Propostas de Aprimoramento

Situação Energética no País e Propostas de Aprimoramento Situação Energética no País e Propostas de Aprimoramento Abinee Março de 2014 A situação energética atual Robustez do abastecimento: A segurança de suprimento em 2014 dependerá da hidrologia nos próximos

Leia mais

3 CONTRATOS A TERMO E CONTRATOS DE OPÇÃO

3 CONTRATOS A TERMO E CONTRATOS DE OPÇÃO CONTRATOS A TERMO E CONTRATOS DE OPÇÃO 3 CONTRATOS A TERMO E CONTRATOS DE OPÇÃO Este capítulo discute a importância dos contratos de energia como mecanismos que asseguram a estabilidade do fluxo de caixa

Leia mais

TRANSPOSIÇÃO DO RIO SÃO FRANCISCO. Professor Afonso Henriques Moreira Santos, D.Sc.

TRANSPOSIÇÃO DO RIO SÃO FRANCISCO. Professor Afonso Henriques Moreira Santos, D.Sc. TRANSPOSIÇÃO DO RIO SÃO FRANCISCO Professor Afonso Henriques Moreira Santos, D.Sc. Bacia do Rio São Francisco Reservatório de Furnas Bacia do São Francisco TRÊS MARIAS ITAPARICA SOBRADINHO MOXOTÓ PAULO

Leia mais

Leilão da UHE Três Irmãos 002/2014

Leilão da UHE Três Irmãos 002/2014 1 Leilão da UHE Três Irmãos 002/2014 Realização: 28/03/2014 Análise Pré-leilão Análise Pós-leilão (Esta análise foi distribuída às 17:00 do dia 27/03/2014) No dia 28 de março de 2014 será realizado o leilão

Leia mais

GERAÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA HIDRELÉTRICA-SISTEMA ELÉTRICO

GERAÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA HIDRELÉTRICA-SISTEMA ELÉTRICO GERAÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA HIDRELÉTRICA-SISTEMA ELÉTRICO HIDRELÉTRICAS Definição Originada a partir da energia solar, responsável pela evaporação da água; A água que precipita é armazenada na forma de

Leia mais

Energia Solar Regulação & Oportunidades de Negócios

Energia Solar Regulação & Oportunidades de Negócios Energia Solar Regulação & Oportunidades de Negócios SOL Maior fonte de energia da Terra... um novo e sustentável ciclo de produção descentralizada de energia 16/07/2015 COGEN Associação da Indústria de

Leia mais

GrandAmazon. Energia para o futuro Os desafios da sustentabilidade. Wilson Ferreira Jr. e Miguel Saad 16/03/2012

GrandAmazon. Energia para o futuro Os desafios da sustentabilidade. Wilson Ferreira Jr. e Miguel Saad 16/03/2012 GrandAmazon Energia para o futuro Os desafios da sustentabilidade Wilson Ferreira Jr. e Miguel Saad 16/03/2012 A alta complexidade do sistema elétrico brasileiro traz 3 grandes desafios para a política

Leia mais

XVIII SEPEF - Seminário de Planejamento Econômico-Financeiro do Setor Elétrico. Rio de Janeiro - RJ - Brasil

XVIII SEPEF - Seminário de Planejamento Econômico-Financeiro do Setor Elétrico. Rio de Janeiro - RJ - Brasil XVIII SEPEF - Seminário de Planejamento Econômico-Financeiro do Setor Elétrico Rio de Janeiro - RJ - Brasil Comercialização de Energia, Aspectos Regulatórios, e/ou Viabilidade de Fontes Alternativas de

Leia mais

ALEXANDRE UHLIG Instituto Acende Brasil. EXPANSÃO DA GERAÇÃO NA ERA PÓS- HIDRELÉTRICA Guia para debates

ALEXANDRE UHLIG Instituto Acende Brasil. EXPANSÃO DA GERAÇÃO NA ERA PÓS- HIDRELÉTRICA Guia para debates ALEXANDRE UHLIG Instituto Acende Brasil EXPANSÃO DA GERAÇÃO NA ERA PÓS- HIDRELÉTRICA Guia para debates QUESTÕES PARA REFLEXÃO 1 2 Qual o padrão atual da oferta de eletricidade no Brasil? Qual o padrão

Leia mais

Panorama do Mercado Livre de Energia Elétrica

Panorama do Mercado Livre de Energia Elétrica Panorama do Mercado Livre de Energia Elétrica Aspectos Regulatórios Luiz Fernando Leone Vianna 08.08.2011 A Apine Perfil dos Sócios geradores privados de energia elétrica concessionárias de geração estaduais

Leia mais