Regras de Comercialização Apresentação no InfoPLD

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Regras de Comercialização 2013. Apresentação no InfoPLD 25.02.2013"

Transcrição

1 Regras de Comercialização 2013 Apresentação no InfoPLD

2 Agenda Alterações aprovadas Contribuições acatadas 2

3 Alterações Aprovadas 1) Regime de Cotas de Garantia Física 2) Sazonalização de Garantia Física 3) Cessão de Energia de Reserva 4) Realocação de geração do ACL para o ACR com lastro associado 5) Penalidade de Energia de Reserva 6) 3º e 4º leilão de energia de reserva (biomassa, eólica e hidráulica) 7) Multa por não instalação da Medição Anemométrica (ventos) 8) Energia de Reserva - demais alterações 9) 2º leilão de fontes alternativas (biomassa e eólica) 3

4 Regime de Cotas de Garantia Física A quem se destina: Concessionários de empreendimentos de geração que tiveram concessão renovada conforme Lei nº /2013 e distribuidoras cotistas. Nova modalidade contratual: Contratos de cota de garantia física - CCGF. Nova atribuição da CCEE: liquidação centralizada dos contratos de cotas de garantia física 4 4

5 Regime de Cotas de Garantia Física Características gerais do Contrato de Cota de Garantia Física - CCGF: Registrado no submercado da usina, entre o agente detentor da concessão da usina e a distribuidora cotista. A usina, assim como os contratos de cotas, são modelados em perfil específico para o vendedor. A sazonalização do contrato será realizada conforme perfil do SIMPLES do cotista, limitados à faixa de 85% a 115% (idem critério definido para CCEARs na modalidade quantidade). A modulação do contrato seguirá o perfil de geração final da usina (acrescidos de efeitos de MRE). Os riscos hidrológicos, financeiros e sistêmicos serão atribuídos ao comprador: Alocações de resultados do mercado de curto prazo ( SPOT ) Resultados envolvidos no mecanismo de realocação de energia - MRE. Alivio de exposições devidas ao MRE e ao CCGF. Resultados de serviço de compensação síncrona prestado pelo empreendimento. 5 5

6 Regime de Cotas de Garantia Física Características gerais da Liquidação dos Contratos de Cota de Garantia Física: liquidação específica e centralizada, coordenada pela CCEE. Os faturamentos entre as partes serão bilaterais. Os riscos de inadimplência serão compartilhados entre os agentes credores (vendedores). Distribuidoras deverão constituir garantias por meio de CCGs. Pagamento realizado em parcela única. A receita de venda do gerador inclui a CFURH e as despesas operacionais da CCEE. 6 6

7 Alterações Aprovadas 1) Regime de Cotas de Garantia Física 2) Sazonalização de Garantia Física 3) Cessão de Energia de Reserva 4) Realocação de geração do ACL para o ACR com lastro associado 5) Penalidade de Energia de Reserva 6) 3º e 4º leilão de energia de reserva (biomassa, eólica e hidráulica) 7) Multa por não instalação da Medição Anemométrica (ventos) 8) Energia de Reserva - demais alterações 9) 2º leilão de fontes alternativas (biomassa e eólica) 7

8 Sazonalização de Garantia Física A quem se destina: Usinas de fonte não hidráulica vendedoras de CCEARs por disponibilidade e CERs PCHs vendedoras de CCEARs por quantidade Objetivo Restabelecer a abordagem anteriormente utilizada nos condomínios virtuais do Sinercom. As Regras do CliqCCEE não faria corretamente o rateio do resultado da usina entre os compradores de CCEARs sem o limite mínimo. Vincular o montante de garantia física comprometida com o CCEAR e CER por meio da utilização de limites mínimos de sazonalização da garantia física do empreendimento. A Para PCHs com CCEARs, o objetivo é eliminar a possibilidade de gaming com o lastro, onde a garantia física da usina seria 100% comercializada no ACL e o compromisso do ACR seria lastreado com compra de energia convencional. 8 8

9 Alterações Aprovadas 1) Regime de Cotas de Garantia Física 2) Sazonalização de Garantia Física 3) Cessão de Energia de Reserva 4) Realocação de geração do ACL para o ACR com lastro associado 5) Penalidade de Energia de Reserva 6) 3º e 4º leilão de energia de reserva (biomassa, eólica e hidráulica) 7) Multa por não instalação da Medição Anemométrica (ventos) 8) Energia de Reserva - demais alterações 9) 2º leilão de fontes alternativas (biomassa e eólica) 9

10 Cessão de Energia de Reserva usinas a Biomassa P G GF Usina parcialmente comprometida com CER Jan Safra Dez P P G livre G CER GF livre CER Jan Safra Dez Jan Safra Dez Parcela comercializável em Cessões 10 10

11 Cessão de Energia de Reserva usinas a Biomassa P G G ano = GF ano GF 2 Jan Safra Dez P G livre Recursos disponíveis para Cessão: Jan m 1 m 2 m 3 GF livre Dez 1. CEL - Cessão de energia com lastro associado. 2. CE - Cessão de energia gerada acima da Garantia Física de placa. (não vincula lastro) 11 11

12 Cessão de Energia de Reserva usinas a Biomassa P Entrada operação G GF Jan Safra Dez Requisitos passiveis de serem supridos por cessão: P 1. Geração entregue abaixo da quantidade prevista. CER 2. Garantia física própria inferior à comprometida com o CER (atrasos, revisão GF) Jan Safra G CER 12 Dez 12

13 Cessão de Energia de Reserva usinas a Biomassa R$ Cada cessão realizada é valorada ao PLD do submercado do cedente. Retira o efeito do spot do cedente no MCP. R$ R$ R$ R$ Cedente R$ R$ R$ R$ CONER Mês do Ressarcimento do Cessionário Cessões Cessão R$ R$ R$ R$ Geração CER Cessionário Período de apuração No mês do ressarcimento, serão repassados ao cessionário os montantes financeiros associados às eventuais sobras de cessão de acordo com os montantes mensais, sem atualização monetária

14 Cessão de Energia de Reserva usinas a Biomassa 1. Após cada contabilização do MCP, será divulgado para cada usina biomassa comprometida com CER, o montantes passível de Cessão de Energia (CE) e Cessão de Energia Com Lastro Associado (CEL) 2. Será estabelecido prazo para que os agentes registrem as cessões firmadas, em processo análogo ao registro de transações de Potência 3. Os efeitos das cessões firmadas serão refletidos na aferição de penalidades de energia e potência, desconto e energia de reserva. Há impacto, portanto, nas datas de divulgação desses resultados. MCP CESSÃO DE ER Penalidades Desconto Energia Reserva 14

15 Alterações Aprovadas 1) Regime de Cotas de Garantia Física 2) Sazonalização de Garantia Física 3) Cessão de Energia de Reserva 4) Realocação de geração do ACL para o ACR com lastro associado 5) Penalidade de Energia de Reserva 6) 3º e 4º leilão de energia de reserva (biomassa, eólica e hidráulica) 7) Multa por não instalação da Medição Anemométrica (ventos) 8) Energia de Reserva - demais alterações 9) 2º leilão de fontes alternativas (biomassa e eólica) 15

16 Realocação de geração do ACL para o ACR com lastro associado A quem se destina: Agentes proprietários de usinas a biomassa comprometidas com Leilões de Energia Nova. Objetivo: Implementar o mecanismo de autocessão, de mesma forma adotada para usinas comprometidas com Energia de Reseerva. dar tratamento isonômico para usinas movidas a biomassa no remanejamento de recursos disponíveis no ACL para atendimento de CCEARs. 16

17 Realocação de geração do ACL para o ACR com lastro associado Geração da Usina Garantia Física da Usina Geração destinada ao ACL Geração destinada ao CCEAR ou CER GF destinada ao ACL Garantia Física destinada ao CCEAR ou CER Destinação de geração com Garantia Física 17

18 Realocação de geração do ACL para o ACR com lastro associado GF destinada ao ACL Geração da Usina Garantia Física da Usina Geração destinada ao CCEAR ou CER Garantia Física destinada ao CCEAR ou CER 18

19 Alterações Aprovadas 1) Regime de Cotas de Garantia Física 2) Sazonalização de Garantia Física 3) Cessão de Energia de Reserva 4) Realocação de geração do ACL para o ACR com lastro associado 5) Penalidade de Energia de Reserva 6) 3º e 4º leilão de energia de reserva (biomassa, eólica e hidráulica) 7) Multa por não instalação da Medição Anemométrica (ventos) 8) Energia de Reserva - demais alterações 9) 2º leilão de fontes alternativas (biomassa e eólica) 19

20 Penalidade de Energia de Reserva - Fonte Biomassa A quem se destina: Agentes proprietários de usinas a biomassa que venderam nos Leilões de Energia de Reserva Período de apuração da penalidade: Apuração anual, sempre no mês de janeiro, considerando os dados do ano civil anterior; A verificação será baseada na comparação entre a garantia física da usina e o montante contratado. Cessões de energia com lastro associado serão consideradas no processo de verificação. As penalidades pagas devido à insuficiência de lastro de venda (no âmbito da Energia de Reserva) serão destinadas à CONER

21 Alterações Aprovadas 1) Regime de Cotas de Garantia Física 2) Sazonalização de Garantia Física 3) Cessão de Energia de Reserva 4) Realocação de geração do ACL para o ACR com lastro associado 5) Penalidade de Energia de Reserva 6) 3º e 4º leilão de energia de reserva (biomassa, eólica e hidráulica) 7) Multa por não instalação da Medição Anemométrica (ventos) 8) Energia de Reserva - demais alterações 9) 2º leilão de fontes alternativas (biomassa e eólica) 10) Contribuições acatadas 21

22 3 e 4 Leilões de Energia de Reserva A quem se destina: Agentes proprietários de usinas a biomassa, eólica ou PCHs que venderam nos 3º ou 4º Leilões de Energia de Reserva 3 Leilão de Energia de Reserva: Fonte PCH: A Regra é idêntica à Regra de fonte biomassa, exceto que as usinas PCHs não participam do mecanismo de cessões A parcela da usina comprometida com Energia de Reserva não participa do MRE Ano de apuração de 12 meses Fonte Eólica: A regra é idêntica à Regra de fonte eólica do 2 LER. 4 Leilão de Energia de Reserva (suprimento a partir de 01/07/2014): Fonte Biomassa e Eólica: a regra trata apenas de antecipação de início de suprimento. A antecipação não interfere na data final do suprimento. A Regra é idêntica à implementada para leilões anteriores 22 22

23 Alterações Aprovadas 1) Regime de Cotas de Garantia Física 2) Sazonalização de Garantia Física 3) Cessão de Energia de Reserva 4) Realocação de geração do ACL para o ACR com lastro associado 5) Penalidade de Energia de Reserva 6) 3º e 4º leilão de energia de reserva (biomassa, eólica e hidráulica) 7) Multa por não instalação da Medição Anemométrica (ventos) 8) Energia de Reserva - demais alterações 9) 2º leilão de fontes alternativas (biomassa e eólica) 23

24 Multa de não instalação da Medição Anemométrica Energia de Reserva A quem se destina: Agentes proprietários de usinas de fonte eólica que venderam nos Leilões de Energia de Reserva Destino da multa: CONER Valoração: 1% da Receita Fixa Anual por mês de atraso a cobrança observará o limite da receita de venda do mês O valor remanescente será cobrado no mês seguinte ou no mês de ressarcimento 24 24

25 Alterações Aprovadas 1) Regime de Cotas de Garantia Física 2) Sazonalização de Garantia Física 3) Cessão de Energia de Reserva 4) Realocação de geração do ACL para o ACR com lastro associado 5) Penalidade de Energia de Reserva 6) 3º e 4º leilão de energia de reserva (biomassa, eólica e hidráulica) 7) Multa por não instalação da Medição Anemométrica (ventos) 8) Energia de Reserva - demais alterações 9) 2º leilão de fontes alternativas (biomassa e eólica) 25

26 Momento do lançamento do Ressarcimento Fonte biomassa Fonte biomassa Descasamento de 2 meses entre MCP e Apuração de Reserva Para apuração do ressarcimento são necessários todos os dados contabilizados e liquidados do período de apuração Adiantamos 1 mês o momento do cálculo do ressarcimento Benefícios: Antecipação de 1 mês da liberação da Receita Retida 26 26

27 Momento do lançamento da Apuração Anual/ Quadrienal Fonte Eólica Fonte Eólica Descasamento de 2 meses entre MCP e Apuração de Reserva Para apuração do ressarcimento são necessários todos os dados contabilizados e liquidados do período de apuração Foi corrigido o momento da Apuração Anual/Quadrienal para eólica como sendo o segundo mês de apuração e não mais o primeiro

28 Liberação da Receita Retida Fonte eólica Liberação da Receita Retida de empreendimento eólico na Apuração Anual Correção para liberação da Receita Retida no momento do cálculo da Apuração Anual (ressarcimento) e não na entrada em operação comercial Equiparação com o conceito aplicado para fonte biomassa dos Leilões de Energia de Reserva 28 28

29 Alterações Aprovadas 1) Regime de Cotas de Garantia Física 2) Sazonalização de Garantia Física 3) Cessão de Energia de Reserva 4) Realocação de geração do ACL para o ACR com lastro associado 5) Penalidade de Energia de Reserva 6) 3º e 4º leilão de energia de reserva (biomassa, eólica e hidráulica) 7) Multa por não instalação da Medição Anemométrica (ventos) 8) Energia de Reserva - demais alterações 9) 2º leilão de fontes alternativas (biomassa e eólica) 29

30 2 Leilão de Fontes Alternativas (fonte eólica e biomassa) A quem se destina: Agentes proprietários de usinas a biomassa ou eólica que venderam no 2º Leilão de Fontes Alternativas CCEAR de Fonte Eólica: Contratação por Quadriênios: 30

31 2 Leilão de Fontes Alternativas (fonte eólica e biomassa) Saldo Acumulado: Antecipação da entrega de energia do ano seguinte dentro do quadriênio: 1º ano de cada quadriênio: 30% da Energia Contratada 2º ano de cada quadriênio: 20% da Energia Contratada 3º ano de cada quadriênio: 10% da Energia Contratada 4º ano de cada quadriênio: 00% da Energia Contratada Ressarcimento Anual e Quadrienal: Pagamento: 12 parcelas mensais no ano contratual subsequente Ressarcimento Anual: Devolução da Receita Fixa Anual correspondente a energia não suprida anual inferior a 90% da energia contratada; Ressarcimento Quadrienal: Devolução da Receita Fixa Quadrienal correspondente a energia não suprida quadrienal, considerando a geração média anual do contrato no mínimo de 90% da energia contratada; 31 31

32 Saldo de Conta de Energia CCEAR Fonte Eólica Saldo de 30% Contrato (distribuidor) Gerador 100% 30% S P O T 1 Ano Contratual Conta de Energia 30% SPOT (vendedor) Energia no 2 LFA Conta de Energia 32 32

33 Ressarcimentos CCEAR Fonte Eólica Exemplo Conta de Energia Receita Fixa Anual Receita Fixa Anual 30% 10% 100% 30% 10% 10% 90% 130% 100% 10% 50% 90% 30% 120% 100% 40% 90% 40% 10% 1 Ano 2 Ano 3 Ano 4 Ano Geração destinada ao 2 LFA Conta de Energia Montante para ressarcimento anual Energia considerada na apuração quadrienal Montante para ressarcimento anual SPOT (vendedor) 33 33

34 100% Ressarcimentos CCEAR Fonte Eólica 5% Receita Fixa Quadrienal 90% % 95% 100% 90% 90% Geração destinada ao 2 LFA 1 Ano 2 Ano 3 Ano 4 Ano Energia Montante para Montante para Conta de considerada na SPOT ressarcimento ressarcimento Energia apuração (vendedor) anual quadrienal quadrienal 34 34

35 2 LFA Leilão de Fontes Alternativas Fonte Biomassa Contemplada na Regra de CCEAR D Biomassa já implementada Energia Indisponível: Em caso de atraso da entrada em operação comercial das instalações de transmissão ou distribuição, não será considerada indisponível a energia não gerada no período de atraso. Ressarcimento ( cláusula 14 ): Não há cláusula de ressarcimento adicional devido pelo vendedor referente à indisponibilidade verificada no ano anterior permanece a devolução da receita ao PLD médio pela energia não gerada Recomposição de Lastro e Geração dos meses de Janeiro e Fevereiro: Não há possibilidade de compra de contrato para recomposição de lastro Não verifica a geração dos meses de janeiro e fevereiro do ano anterior pois não há ressarcimento 35 35

36 Agenda Alterações aprovadas Contribuições acatadas 36

37 Contribuições acatadas Forma de cálculo do ressarcimento da energia indisponível - previsto na cláusula 14º do CCEAR Argumentação: Análise: A aferição de TEIF e TEIP ocorrem somente a partir da entrada em operação, logo, aplicar a taxa sobre toda a GF, inclusive a parcela da garantia física que ainda não entrou em operação comercial, onera a usina indevidamente. O ressarcimento por energia indisponível deve incidir somente na parcela em operação comercial. A parcela fora de operação comercial deve ser tratada com base nas regras de atraso. 37

38 Contribuições acatadas Incoerência no valor de CVU utilizado para captação de ESS e o utilizado para pagamento da parcela variável. Argumentação: O CVU utilizado para fins de ressarcimento por geração abaixo do despacho por ordem de mérito deve ser idêntico ao utilizado no pagamento de parcela variável. Análise: Este tema já havia sido identificado pela CCEE, contudo o tratamento algébrico é complexo e demanda estudos e simulações. Essa correção está prevista para a próxima versão de Regras. 38

39 Contribuições acatadas Recomposição de lastro parcial com parcela não comprometida da GF da própria usina. Argumentação: Em caso de atraso, a regra vigente permite que o agente utilize parcela da garantia física livre para recomposição de lastro, com repasse integral (REN 165/05). Quando a GF livre não é suficiente para atender todo o requisito regulado, a mesma não está sendo utilizada proporcionalmente. Análise: A Receita Fixa deve ser paga proporcionalmente à recomposição de lastro com recursos livres da própria usina. O tratamento algébrico desse tema é complexo e demanda estudos e simulações, por essa razão a correção está prevista para a próxima versão de Regras. 39

40 Contribuições acatadas Forma de valoração da recomposição de lastro (REN 165) quando obtida de outras usinas do mesmo agente. Argumentação: Permitir, ao gerador detentor de usina atrasada, utilizar sobra proveniente de outras usinas de seu parque gerador (Ajuste na REN nº 165/05) Análise: Os mecanismos atuais (REN 165/2005) não preveem a origem sem preço de negociação. É necessário contemplar a situação acima descrita. Existem impactos algébricos e de modelagem de ativos para tratar essa questão. Essa correção está prevista para a próxima versão de Regras. 40

41 Contribuições acatadas Não exigir limite mínimo de sazonalização para UHEs comprometidas com CCEARs de energia nova. Argumentação: Penalidade de Energia já é suficiente para punir quem faz má gestão da Garantia Física / Penalidade de Energia não precisaria existir caso a Sazonalização Mínima entrar em vigor. Na época que foi realizado o leilão, não havia tal exigência e o empreendedor contava com sazonalização livre para a maximização de seus resultados e, portanto, oferecer o menor preço. Mudança muito brusca sem haver tempo para maior discussão, afetando já para janeiro de 2013 a posição de lastro do gerador sem que haja tempo de adaptação. 41

42 Contribuições acatadas Não exigir limite mínimo de sazonalização para UHEs comprometidas com CCEARs de energia nova. Análise: Contribuição da CCEE na AP 105/12: Vínculo da Garantia Física Sazonalizada com a Quantidade Contratada Sazonalizada estabelecida em contrato. Possibilidade a utilização da Garantia Física comprometida para aumentar os ganhos provenientes do MRE, afetando a tarifa de Itaipu e os efeitos financeiros das Cotas de Garantia Física, impactando o distribuidor e, portanto, a modicidade tarifária. A quantidade comprometida de Garantia Física com o Ambiente Regulado não pode ser alvo de manipulações que envolva risco ao agente vendedor. 42

43 Contribuições acatadas Sazonalização das Garantias Físicas das Usinas Hidrelétricas 2013 MW médios Ajuste de MRE em jan/13: 0,74 Jan Fev Mar Abr Mai Jun Jul Ago Set Out Nov Dez 43

44 Obrigado

PROPOSTA DE NOVA VERSÃO DAS REGRAS

PROPOSTA DE NOVA VERSÃO DAS REGRAS PROPOSTA DE NOVA VERSÃO DAS REGRAS DE COMERCIALIZAÇÃO AP Nº 56/2014 VERSÃO 2015.1.0 Regras de Comercialização Versão 2015.1.0 Vigência a partir de Janeiro/2015 Audiência Pública nº 056/2014 Período de

Leia mais

Riscos e Garantias para a Comercialização de Energia de PCHs Encontro Nacional de Operadores e Investidores em Pequenas Centrais Hidrelétricas

Riscos e Garantias para a Comercialização de Energia de PCHs Encontro Nacional de Operadores e Investidores em Pequenas Centrais Hidrelétricas Riscos e Garantias para a Comercialização de Energia de PCHs Encontro Nacional de Operadores e Investidores em Pequenas Centrais Hidrelétricas Luciano Macedo Freire Conselho de Administração 07 de abril

Leia mais

Seminário Internacional Portugal Brasil Visão Geral das Operações da CCEE. Luiz Eduardo Barata Ferreira Presidente do Conselho de Administração

Seminário Internacional Portugal Brasil Visão Geral das Operações da CCEE. Luiz Eduardo Barata Ferreira Presidente do Conselho de Administração Seminário Internacional Portugal Brasil Visão Geral das Operações da CCEE Luiz Eduardo Barata Ferreira Presidente do Conselho de Administração Fevereiro de 2012 Visão Geral das Operações da CCEE Mercado

Leia mais

Consolidação de Resultados. Versão 2015.1.0

Consolidação de Resultados. Versão 2015.1.0 Consolidação de Resultados ÍNDICE CONSOLIDAÇÃO DE RESULTADOS 4 1. Introdução 4 1.1. Lista de Termos 5 1.2. Conceitos Básicos 6 2. Detalhamento das Etapas de Consolidação de Resultados 12 2.1. Determinação

Leia mais

Leilões de Energia Elétrica Mercado Regulado Brasileiro Visão Panorâmica

Leilões de Energia Elétrica Mercado Regulado Brasileiro Visão Panorâmica Leilões de Energia Elétrica Mercado Regulado Brasileiro Visão Panorâmica Reunião Técnica da ABINEE Associação Brasileira da Indústria Elétrica e Eletrônica 19 de novembrode 2013 Alexandre Viana Gerência

Leia mais

CONTRIBUIÇÕES REFERENTE À AUDIÊNCIA PÚBLICA Nº 039/2011

CONTRIBUIÇÕES REFERENTE À AUDIÊNCIA PÚBLICA Nº 039/2011 at CONTRIBUIÇÕES REFERENTE À AUDIÊNCIA PÚBLICA Nº 039/2011 NOME DA INSTITUIÇÃO: CCEE AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL ATO REGULATÓRIO: (Especificar Nome/Tipo, nº e data, caso existam) EMENTA

Leia mais

Caderno Algébrico Contratos Contratos Versão 1.0

Caderno Algébrico Contratos Contratos Versão 1.0 Caderno Algébrico Contratos Contratos Versão 1.0 Versão 1.0 ÍNDICE CONTRATOS 3 1. O Esquema Geral 3 2. Etapas dos Contratos no Ambiente de Contratação Livre 5 2.1. Contratos no Ambiente de Contratação

Leia mais

EDP Energias do Brasil

EDP Energias do Brasil EDP Energias do Brasil Contribuição à Audiência Pública ANEEL nº 42/2015: Obter subsídios acerca da solicitação da Enguia Gen PI Ltda. e da Enguia Gen CE Ltda. para rescisão amigável de seus Contratos

Leia mais

Nota Técnica n o 136/2013-SEM/ANEEL. Em 4 de outubro de 2013.

Nota Técnica n o 136/2013-SEM/ANEEL. Em 4 de outubro de 2013. Nota Técnica n o 136/2013-SEM/ANEEL Em 4 de outubro de 2013. Processo: 48500.004241/2013-46 Assunto: Instauração de Audiência Pública para colher subsídios para aprovação das minutas dos Contratos de Comercialização

Leia mais

3 Comercialização de energia elétrica

3 Comercialização de energia elétrica 3 Comercialização de energia elétrica As relações comerciais 4 entre os Agentes participantes da CCEE são regidas predominantemente por contratos de compra e venda de energia, e todos os contratos celebrados

Leia mais

PdC Versão 1 PdC Versão 2

PdC Versão 1 PdC Versão 2 Procedimento de Comercialização Controle de Alterações PdC Glossário de Termos da CCEE PdC Versão 1 PdC Versão 2 METODOLOGIA DO CONTROLE DE ALTERAÇÕES Texto em realce refere-se à inserção de nova redação.

Leia mais

A G Ê N C I A N A C I O N A L D E E N E R G I A E L É T R I C A. Módulo 6.8: Bandeiras Tarifárias. S u b m ó d u l o 6. 8

A G Ê N C I A N A C I O N A L D E E N E R G I A E L É T R I C A. Módulo 6.8: Bandeiras Tarifárias. S u b m ó d u l o 6. 8 A G Ê N C I A N A C I O N A L D E E N E R G I A E L É T R I C A Módulo 6.8: Bandeiras Tarifárias S u b m ó d u l o 6. 8 B A N D E I R A S T A R I F Á R I A S Revisão Motivo da revisão Instrumento de aprovação

Leia mais

Módulo 3 Contratação de Energia e Potência

Módulo 3 Contratação de Energia e Potência Submódulo3.1 Contratos do ambiente livre Módulo 3 Contratação de Energia e Potência Submódulo 3.1 Contratos do Ambiente Livre Revisão 1.0 Vigência 12/11/2012 1 ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO 2. OBJETIVO 3. PREMISSAS

Leia mais

Ricardo Lima Conselheiro de Administração

Ricardo Lima Conselheiro de Administração XVII Simpósio Jurídico ABCE Riscos e Tendências do Ambiente de Contratação Livre Ricardo Lima Conselheiro de Administração 19 de setembro de 2011 Estrutura Legal da Comercialização Visão Geral das Operações

Leia mais

Módulo 7 Energia de Reserva

Módulo 7 Energia de Reserva Submódulo3.1 Contratos do ambiente livre Módulo 7 Energia de Reserva Submódulo 7.3 Cessões de energia de reserva Revisão 1.0 Vigência 12/11/2012 1 ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO 2. OBJETIVO 3. PREMISSAS 4. LISTA

Leia mais

Simpósio Brasileiro sobre Pequenas e Médias Centrais Hidrelétrica. Comercialização 1/20. DCM Diretoria Comercial

Simpósio Brasileiro sobre Pequenas e Médias Centrais Hidrelétrica. Comercialização 1/20. DCM Diretoria Comercial Legislação de Geração de Energia Elétrica Comercialização 1/20 AGENDA: 1. Geração de serviço público, produtores independentes e autoprodução de energia elétrica; 2. Incentivos para a autoprodução de energia

Leia mais

Simpósio sobre Estratégias de Gestão de Comercialização de Energia e Eficiência Energética SIBGECE3

Simpósio sobre Estratégias de Gestão de Comercialização de Energia e Eficiência Energética SIBGECE3 Simpósio sobre Estratégias de Gestão de Comercialização de Energia e Eficiência Energética SIBGECE3 Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro - 28 a 30nov12 Comercialização de Energia Elétrica

Leia mais

Submódulo 1.1 Adesão à CCEE. Módulo 6 Penalidades. Submódulo 6.1 Penalidades de medição e multas

Submódulo 1.1 Adesão à CCEE. Módulo 6 Penalidades. Submódulo 6.1 Penalidades de medição e multas Submódulo 1.1 Adesão à CCEE Módulo 6 Penalidades Submódulo 6.1 Penalidades de medição Revisão 1.0 Vigência 16/10/2012 1 ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO 2. OBJETIVO 3. PREMISSAS 4. LISTA DE DOCUMENTOS 5. FLUXO DE

Leia mais

&RQWUDWRVGH&RPSUDH9HQGDGH(QHUJLD

&RQWUDWRVGH&RPSUDH9HQGDGH(QHUJLD Contratos de Compra e Venda de Energia 36 &RQWUDWRVGH&RPSUDH9HQGDGH(QHUJLD Como visto no capítulo anterior a receita de um agente gerador no mercado de curto prazo é extremamente volátil. Essa incerteza

Leia mais

CONTRIBUIÇÕES AUDIÊNCIA PÚBLICA 032/2015. Discusssão conceitual do Generation Scaling Factor (GSF) ELEKTRO ELETRICIDADE E SERVIÇOS S/A

CONTRIBUIÇÕES AUDIÊNCIA PÚBLICA 032/2015. Discusssão conceitual do Generation Scaling Factor (GSF) ELEKTRO ELETRICIDADE E SERVIÇOS S/A CONRIBUIÇÕES AUDIÊNCIA PÚBLICA 032/2015 Discusssão conceitual do Generation Scaling Factor (GSF) ELEKRO ELERICIDADE E SERVIÇOS S/A 1. Introdução Inicialmente, cumpre ressaltar a qualidade do material disponibilizado

Leia mais

ENERGIAS RENOVÁVEIS NO BRASIL MAIO 2010

ENERGIAS RENOVÁVEIS NO BRASIL MAIO 2010 ENERGIAS RENOVÁVEIS NO BRASIL MAIO 2010 Índice Conceito de Energia Renovável Energias Renováveis no Brasil Aspectos Gerais de Projetos Eólicos, a Biomassa e PCHs Outorga de Autorização de Projetos Incentivos

Leia mais

www.ccee.org.br Nº 011 Novembro/2014 0800 10 00 08 Nº de usinas

www.ccee.org.br Nº 011 Novembro/2014 0800 10 00 08 Nº de usinas Introdução O Boletim de Operação das Usinas é uma publicação mensal que apresenta os principais resultados consolidados de capacidade, garantia física e geração das usinas, tendo como referência a contabilização

Leia mais

Nota Técnica nº 47/2015-CEL/ANEEL. Em 7 de dezembro de 2015. Processo nº: 48500.004029/2015-41

Nota Técnica nº 47/2015-CEL/ANEEL. Em 7 de dezembro de 2015. Processo nº: 48500.004029/2015-41 Nota Técnica nº 47/2015-CEL/ANEEL Em 7 de dezembro de 2015. Processo nº: 48500.004029/2015-41 Assunto: Instauração de Audiência Pública, exclusivamente por intercâmbio documental, para subsidiar o processo

Leia mais

Versão: 2 Início de Vigência: 27.11.2006 Instrumento de Aprovação: Despacho ANEEL nº 2.773, de 27 de novembro de 2006

Versão: 2 Início de Vigência: 27.11.2006 Instrumento de Aprovação: Despacho ANEEL nº 2.773, de 27 de novembro de 2006 Procedimento de Comercialização Versão: 2 Início de Vigência: Instrumento de Aprovação: Despacho ANEEL nº 2.773, de 27 de novembro de 2006 ÍNDICE 1. APROVAÇÃO... 3 2. HISTÓRICO DE REVISÕES... 3 3. PROCESSO

Leia mais

Aspectos Regulatórios e de Mercado. Março de 2010

Aspectos Regulatórios e de Mercado. Março de 2010 Aspectos Regulatórios e de Mercado Março de 21 Mercado de Energia no Brasil 2 Marco Regulatório Atual Geradores Competição entre geradores (estatais e privados) Todos os geradores podem vender eletricidade

Leia mais

Mercado de Energia: O Futuro dos Ambientes de Contratação Livre e Regulado Rui Altieri Presidente do Conselho de Administração da CCEE

Mercado de Energia: O Futuro dos Ambientes de Contratação Livre e Regulado Rui Altieri Presidente do Conselho de Administração da CCEE Richard Lee Hochstetler Instituto Acende Brasil Mercado de Energia: O Futuro dos Ambientes de Contratação Livre e Regulado Rui Altieri Presidente do Conselho de Administração da CCEE MERCADO DE ENERGIA:

Leia mais

SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA

SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA GEC 8 14 a 17 Outubro de 27 Rio de Janeiro - RJ GRUPO VI GRUPO DE ESTUDO DE COMERCIALIZAÇÃO, ECONOMIA E REGULAÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA

Leia mais

Glossário de Termos/Interpretações e Relação de Acrônimos. Versão 1.0

Glossário de Termos/Interpretações e Relação de Acrônimos. Versão 1.0 Glossário de Termos/Interpretações e Relação de Acrônimos ÍNDICE Glossário de Termos/Interpretações e Relação de Acrônimos 4 1. Termos 4 2. Definições 15 3. Dimensões 16 4. Conjuntos 19 5. Acrônimos 34

Leia mais

INFORMAÇÕES AO MERCADO

INFORMAÇÕES AO MERCADO Panorama 2014 1 índice Panorama 2014 Governança do setor elétrico brasileiro A comercialização de energia A CCEE A CCEE Principais atividades Conta-ACR A CCEE em números Quem pode se associar à CCEE? DADOS

Leia mais

Em 13 de janeiro de 2012.

Em 13 de janeiro de 2012. Nota Técnica nº 003/2012-SEM/ANEEL Em 13 de janeiro de 2012. Processo: 48500.005140/2011-21 Assunto: Instauração de Audiência Pública, na modalidade Intercâmbio Documental, para subsidiar o processo de

Leia mais

Audiência Pública nº 006/2015

Audiência Pública nº 006/2015 Audiência Pública nº 006/2015 Aprimoramento do sistema de Bandeiras Tarifárias e da regulamentação da Conta Centralizadora dos Recursos de Bandeiras Tarifária Contribuições do Grupo Energisa Rio de Janeiro,

Leia mais

Regras de Comercialização Glossário de Termos / Interpretações e Relação de Acrônimos (Anexo)

Regras de Comercialização Glossário de Termos / Interpretações e Relação de Acrônimos (Anexo) Glossário de Termos / Interpretações e Relação de Acrônimos Regras de Comercialização Glossário de Termos / Interpretações e Relação de Acrônimos (Anexo) 1 Versão 1.0 Glossário de Termos / Interpretações

Leia mais

Leilões de Energia. Eng. José Jurhosa Junior ANEEL

Leilões de Energia. Eng. José Jurhosa Junior ANEEL Leilões de Energia Eng. José Jurhosa Junior ANEEL Cidade do México, D.F. Jan/ 2013 Conteúdo Visão geral Leilões e contratos Processo e sistemáticas 2 Modelo Setor Elétrico Brasileiro Ambiente de contratação

Leia mais

Comercialização de Energia Elétrica no Brasil III Seminário: Mercados de Eletricidade e Gás Natural Investimento, Risco e Regulação

Comercialização de Energia Elétrica no Brasil III Seminário: Mercados de Eletricidade e Gás Natural Investimento, Risco e Regulação Comercialização de Energia Elétrica no Brasil III Seminário: Mercados de Eletricidade e Gás Natural Investimento, Risco e Regulação Élbia Melo 12/02/2010 Agenda O Setor Elétrico Brasileiro Comercialização

Leia mais

Comercialização de Energia Elétrica: Gerador de Fonte Alternativa X Consumidor ou Conjunto de Consumidores com Carga > 500 kw.

Comercialização de Energia Elétrica: Gerador de Fonte Alternativa X Consumidor ou Conjunto de Consumidores com Carga > 500 kw. Comercialização de Energia Elétrica: Gerador de Fonte Alternativa X Consumidor ou Conjunto de Consumidores com Carga > 500 kw. AP 033 - Sugestões Proposta da AP 033: Possibilidade de retorno do Consumidor

Leia mais

Reajuste da Receita de Venda de CCEAR por Disponibilidade - RRV. Versão 1.0.1

Reajuste da Receita de Venda de CCEAR por Disponibilidade - RRV. Versão 1.0.1 Reajuste da Receita de Venda de CCEAR por Disponibilidade - RRV ÍNDICE REAJUSTE DA RECEITA DE VENDA DE CCEAR POR DISPONIBILIDADE - RRV 4 1. Introdução 4 1.1. Lista de Termos 7 1.2. Conceitos Básicos 8

Leia mais

Panorama do Mercado Livre de Energia Elétrica

Panorama do Mercado Livre de Energia Elétrica Panorama do Mercado Livre de Energia Elétrica Aspectos Regulatórios Luiz Fernando Leone Vianna 08.08.2011 A Apine Perfil dos Sócios geradores privados de energia elétrica concessionárias de geração estaduais

Leia mais

AUDIÊNCIA PÚBLICA ANEEL nº 006/2015 Regulamentação da Conta Centralizadora dos Recursos de Bandeiras Tarifárias

AUDIÊNCIA PÚBLICA ANEEL nº 006/2015 Regulamentação da Conta Centralizadora dos Recursos de Bandeiras Tarifárias AUDIÊNCIA PÚBLICA ANEEL nº 006/2015 Regulamentação da Conta Centralizadora dos Recursos de Bandeiras Tarifárias Contribuição da AES Brasil à AP 006/2015, relativa à Conta Centralizadora dos Recursos de

Leia mais

Relação dos Dados e Informações a serem fornecidos pelo ONS à CCEE

Relação dos Dados e Informações a serem fornecidos pelo ONS à CCEE Anexo I ao Acordo Operacional entre o ONS e CCEE Relação dos Dados e Informações a serem fornecidos pelo ONS à CCEE 1. Objetivo O presente Anexo tem por objetivo estabelecer a relação dos dados e informações

Leia mais

O Novo Ciclo do Mercado Livre de Energia Elétrica

O Novo Ciclo do Mercado Livre de Energia Elétrica O Novo Ciclo do Mercado Livre de Energia Elétrica PAINEL 2 ENTRE DOIS MUNDOS: O REGULADO E O LIVRE Flávio Antônio Neiva Presidente da ABRAGE Belo Horizonte 16 de outubro de 2008 Entre dois mundos: o regulado

Leia mais

Novos Investimentos em Geração de Energia e o Mercado Livre Roberto Wainstok Diretor de Compra e Venda de Energia CPFL Energia

Novos Investimentos em Geração de Energia e o Mercado Livre Roberto Wainstok Diretor de Compra e Venda de Energia CPFL Energia Novos Investimentos em Geração de Energia e o Mercado Livre Roberto Wainstok Diretor de Compra e Venda de Energia CPFL Energia 5 de Outubro de 2007 Objetivos 1. Modelo vigente de financiamento à expansão

Leia mais

Entenda a Indústria. energia elétrica

Entenda a Indústria. energia elétrica ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE DISTRIBUIDORES DE ENERGIA ELÉTRICA Entenda a Indústria de Energia Elétrica Módulo 6 O mercado de energia elétrica Entenda a Indústria de Energia Elétrica Módulo 6 5 A geração e

Leia mais

Dinâmica Empresarial e Mecanismo de Formação de Preço Seminário Internacional de Integração Energética Brasil Colômbia

Dinâmica Empresarial e Mecanismo de Formação de Preço Seminário Internacional de Integração Energética Brasil Colômbia Dinâmica Empresarial e Mecanismo de Formação de Preço Seminário Internacional de Integração Energética Brasil Colômbia Antônio Carlos Fraga Machado Presidente do Conselho de Administração da CCEE 15 de

Leia mais

Simulador de Custos de Contratação de Energia para Grandes Consumidores

Simulador de Custos de Contratação de Energia para Grandes Consumidores Simulador de Custos de Contratação de Energia para Grandes Consumidores Aluno: Bruna dos Guaranys Martins Orientador: Delberis Araújo Lima Projeto: 1011 Introdução No Brasil, existem diferentes tipos de

Leia mais

Perspectivas da Contratação de Energia no Mercado Livre

Perspectivas da Contratação de Energia no Mercado Livre Perspectivas da Contratação de Energia no Mercado Livre 19 de Agosto de 2008 ABRACEEL www.abraceel.com.br Venda de Energia Leilão de Energia de Reserva Mercado Livre de Fontes Incentivadas CCEE O Papel

Leia mais

Clique para adicionar um título. Setor Elétrico Brasileiro: Cenário atual e perspectivas

Clique para adicionar um título. Setor Elétrico Brasileiro: Cenário atual e perspectivas Clique para adicionar um título Setor Elétrico Brasileiro: Cenário atual e perspectivas Clique Agendapara adicionar um título O Atual Modelo de Comercialização A MP 579 e a Lei 12.783 O Risco de suprimento

Leia mais

A Evolução do Mercado Livre de Energia

A Evolução do Mercado Livre de Energia A Evolução do Mercado Livre de Energia 4º ENASE Antonio Carlos Fraga Machado Presidente do Conselho de Administração 13 de setembro de 2007 Agenda Evolução do Mercado Livre de Energia O Mercado de Energia

Leia mais

VI ENCONTRO NACIONAL DA ABRAPCH A importância da Geração Distribuída num momento de crise energética

VI ENCONTRO NACIONAL DA ABRAPCH A importância da Geração Distribuída num momento de crise energética VI ENCONTRO NACIONAL DA ABRAPCH A importância da Geração Distribuída num momento de crise energética Copel Distribuição S.A Vlademir Daleffe 25/03/2015 1 VI ENCONTRO NACIONAL DA ABRAPCH 1. Composição tarifária

Leia mais

Mecanismo de Realocação de Energia. Versão 2013.1.0

Mecanismo de Realocação de Energia. Versão 2013.1.0 Mecanismo de Realocação de Energia ÍNDICE MECANISMO DE REALOCAÇÃO DE ENERGIA 4 1. Introdução 4 1.1. Lista de Termos 6 1.2. Conceitos Básicos 7 2. Detalhamento das Etapas do Mecanismo de Realocação de Energia

Leia mais

AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL RESOLUÇÃO NORMATIVA Nº 531, DE 21 DE DEZEMBRO DE 2012.

AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL RESOLUÇÃO NORMATIVA Nº 531, DE 21 DE DEZEMBRO DE 2012. AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL RESOLUÇÃO NORMATIVA Nº 531, DE 21 DE DEZEMBRO DE 2012. Altera a metodologia de cálculo das garantias financeiras associadas ao mercado de curto prazo, estabelece

Leia mais

Leilão de Venda de Energia Elétrica ANEXO III DAS DEFINIÇÕES

Leilão de Venda de Energia Elétrica ANEXO III DAS DEFINIÇÕES EDITAL Nº: 25/2015_lp AGENTES Leilão de Venda de Energia Elétrica ANEXO III DAS DEFINIÇÕES Objetivando o perfeito entendimento e a precisão da terminologia técnica empregada no EDITAL 25/2015_LPe n o CONTRATO,

Leia mais

Formação do Preço de Liquidação das Diferenças (PLD) (Anexo)

Formação do Preço de Liquidação das Diferenças (PLD) (Anexo) Formação do Preço de Liquidação das Diferenças (PLD) Regras de Comercialização Formação do Preço de Liquidação das Diferenças (PLD) (Anexo) Versão 1.0 1 versão 1.0 Formação do Preço de Liquidação das Diferenças

Leia mais

Texto de Discussão do Setor Elétrico n.º 25 Contratação de Energia Elétrica: Aspectos Regulatórios e Econômicos

Texto de Discussão do Setor Elétrico n.º 25 Contratação de Energia Elétrica: Aspectos Regulatórios e Econômicos Texto de Discussão do Setor Elétrico n.º 25 Contratação de Energia Elétrica: Aspectos Regulatórios e Econômicos Christiano Vieira da Silva CONTRATAÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA: ASPECTOS REGULATÓRIOS E ECONÔMICOS

Leia mais

Regime de Cotas de Garantia Física. Versão 2013.3.0

Regime de Cotas de Garantia Física. Versão 2013.3.0 Regime de Cotas de Garantia Física ÍNDICE REGIME DE COTAS DE GARANTIA FÍSICA 4 1. Introdução 4 1.1. Lista de Termos 5 1.2. Conceitos Básicos 6 2. Detalhamento das Etapas da Determinação da Receita de Venda

Leia mais

Mercado de energia elétrica: condições atuais de atendimento à carga e tendências para 2015. Manoel Arlindo Zaroni Torres

Mercado de energia elétrica: condições atuais de atendimento à carga e tendências para 2015. Manoel Arlindo Zaroni Torres Mercado de energia elétrica: condições atuais de atendimento à carga e tendências para 2015 Manoel Arlindo Zaroni Torres São Paulo, 1 de outubro de 2014 Aviso importante Este material pode incluir declarações

Leia mais

Comercialização de Energia Elétrica. Nara Rúbia de Souza Assessora da Diretoria

Comercialização de Energia Elétrica. Nara Rúbia de Souza Assessora da Diretoria Comercialização de Energia Elétrica Nara Rúbia de Souza Assessora da Diretoria ENCONSEL Novembro de 2011 Visão Geral Setor Elétrico Brasileiro Reestruturação do SEB Evolução das alterações no SEB Modelo

Leia mais

Regime de Cotas de Garantia Física. Versão 2013.1.2

Regime de Cotas de Garantia Física. Versão 2013.1.2 Regime de Cotas de Garantia Física ÍNDICE REGIME DE COTAS DE GARANTIA FÍSICA 4 1. Introdução 4 1.1. Lista de Termos 5 1.2. Conceitos Básicos 6 2. Detalhamento das Etapas da Determinação da Receita de Venda

Leia mais

Nota Técnica nº 150/2013 SEM/ANEEL. Em 21 de novembro de 2014.

Nota Técnica nº 150/2013 SEM/ANEEL. Em 21 de novembro de 2014. Nota Técnica nº 150/2013 SEM/ANEEL Em 21 de novembro de 2014. Processo: 48500.006423/2013-51 Assunto: Alterações nas Regras de Comercialização de Energia Elétrica aplicáveis ao Novo Sistema de Contabilização

Leia mais

Workshop Andrade & Canellas 2010 Mercado de Energia Práticas e Expectativa. A Visão dos Geradores

Workshop Andrade & Canellas 2010 Mercado de Energia Práticas e Expectativa. A Visão dos Geradores Workshop Andrade & Canellas 2010 Mercado de Energia Práticas e Expectativa A Visão dos Geradores Edson Luiz da Silva Diretor de Regulação A Apine Perfil dos Sócios Geradores privados de energia elétrica

Leia mais

Resultados. 2T14 Junho, 2014

Resultados. 2T14 Junho, 2014 Resultados Junho, 2014 Destaques Operacional & Comercial Rebaixamento da garantia física de 6,2%, em linha com as projeções da Companhia Comercialização de ~100 MWm com prazo e preço médios de 4,5 anos

Leia mais

Preço de Liquidação de Diferenças. Versão 1.0

Preço de Liquidação de Diferenças. Versão 1.0 Preço de Liquidação de Diferenças ÍNDICE PREÇO DE LIQUIDAÇÃO DE DIFERENÇAS (PLD) 4 1. Introdução 4 1.1. Lista de Termos 6 1.2. Conceitos Básicos 7 2. Detalhamento das Etapas da Formação do PLD 10 2.1.

Leia mais

AUDIÊNCIA PÚBLICA Nº 001/2014 - Leilão A de 2014

AUDIÊNCIA PÚBLICA Nº 001/2014 - Leilão A de 2014 NOME DA INSTITUIÇÃO: NEOENERGIA AUDIÊNCIA PÚBLICA Nº 001/2014 - Leilão A de 2014 AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA - ANEEL OBJETO: obter subsídios ao aperfeiçoamento do Edital Nº 05/2014-ANEEL do 13º

Leia mais

Assinatura Digital. Contratos de Comercialização de Energia Elétrica no Ambiente Regulado - CCEARs

Assinatura Digital. Contratos de Comercialização de Energia Elétrica no Ambiente Regulado - CCEARs Assinatura Digital Contratos de Comercialização de Energia Elétrica no Ambiente Regulado - CCEARs Agenda O papel da CCEE Visão geral da comercialização de energia elétrica no Brasil Processo de Assinatura

Leia mais

Preço Futuro da Energia Elétrica" Paulo Cezar C. Tavares Presidente da SOLenergias

Preço Futuro da Energia Elétrica Paulo Cezar C. Tavares Presidente da SOLenergias Preço Futuro da Energia Elétrica" Paulo Cezar C. Tavares Presidente da SOLenergias ÍNDICE 1. Antecedentes 2. Eventos relevantes para formação do Preço 2.1 MP 579 (lei 12.783 ) 2.2 CNPE 03 2.3 PRT 455 2.4

Leia mais

Medidas divulgadas pelo Governo Federal para o fortalecimento do setor elétrico nacional

Medidas divulgadas pelo Governo Federal para o fortalecimento do setor elétrico nacional Medidas divulgadas pelo Governo Federal para o fortalecimento do setor elétrico nacional Perguntas e Respostas Perguntas mais frequentes sobre as medidas divulgadas pelo Governo Federal Março 2014 Apresentação

Leia mais

Cálculo do Desconto Aplicado à TUSD/TUST

Cálculo do Desconto Aplicado à TUSD/TUST Regras de Comercialização Cálculo do Desconto Aplicado à TUSD/TUST 1 versão Versão 1.0 - Minuta 1.0 Índice Cálculo de Descontos TUSD/TUST 3 1 Introdução 3 1.1 Lista de Termos 5 1.2 Conceitos Básicos 6

Leia mais

Não Aceita 4. Contribuições Recebidas Contribuição: ABRADEE Justificativa Avaliação ANEEL: Parcialmente Aceita Art. 1º

Não Aceita 4. Contribuições Recebidas Contribuição: ABRADEE Justificativa Avaliação ANEEL: Parcialmente Aceita Art. 1º COMPLEMENTO AO Anexo I da Nota Técnica n o Nota Técnica no 077/2015-SRM-SRD-SRG-SGT-SFF-SCG/ANEEL de 08/05/2015 (Análise de contribuições que não constaram do RAC Minuta de Resolução, Anexo I da NT 08/05/2015)

Leia mais

Eólica Faísa V Geração e Comercialização de Energia Elétrica S.A.

Eólica Faísa V Geração e Comercialização de Energia Elétrica S.A. Balanço patrimonial em 31 de dezembro Ativo 2012 2011 Passivo e patrimônio líquido 2012 2011 (Não auditado) (Não auditado) Circulante Circulante Caixa e equivalentes de caixa (Nota 4) 415 7 Fornecedores

Leia mais

4º Encontro Nacional de Agentes do Setor Elétrico - ENASE 2007

4º Encontro Nacional de Agentes do Setor Elétrico - ENASE 2007 4º Encontro Nacional de Agentes do Setor Elétrico - ENASE 2007 O Papel da Hidreletricidade no Equilíbrio da Oferta com a Demanda, no Horizonte do Plano Decenal Flávio Antônio Neiva Presidente da ABRAGE

Leia mais

PROCEDIMENTOS PARA APURAÇÃO DOS DADOS NECESSÁRIOS A CONTABILIZAÇÃO E FATURAMENTO DA ENERGIA EXPORTADA PARA A ARGENTINA E O URUGUAI.

PROCEDIMENTOS PARA APURAÇÃO DOS DADOS NECESSÁRIOS A CONTABILIZAÇÃO E FATURAMENTO DA ENERGIA EXPORTADA PARA A ARGENTINA E O URUGUAI. PROCEDIMENTOS PARA APURAÇÃO DOS DADOS NECESSÁRIOS A CONTABILIZAÇÃO E FATURAMENTO DA ENERGIA EXPORTADA PARA A ARGENTINA E O URUGUAI. 1 Sumário Conteúdo 1. INTRODUÇÃO... 3 2. OBJETIVO... 4 3. PREMISSAS OPERACIONAIS...

Leia mais

Visão Geral da Comercialização de Energia Elétrica no Brasil 2º Fórum de Bio Energias do Mercado Livre

Visão Geral da Comercialização de Energia Elétrica no Brasil 2º Fórum de Bio Energias do Mercado Livre Visão Geral da Comercialização de Energia Elétrica no Brasil 2º Fórum de Bio Energias do Mercado Livre Riomar Merino Jorge 21/11/2011 Agenda Comercialização de Energia no Brasil Adesão à CCEE Sistema de

Leia mais

Contribuições da ABRAGE à Audiência Pública 015/2006

Contribuições da ABRAGE à Audiência Pública 015/2006 Contribuições da ABRAGE à Audiência Pública 015/2006 1 Introdução O presente documento tem o objetivo de apresentar as contribuições da ABRAGE à Audiência Pública 015/2006. Esta Audiência possui o objetivo

Leia mais

Geração de Energia Elétrica por Biomassa Aspectos Comerciais e Regras de Contabilização nos Contratos

Geração de Energia Elétrica por Biomassa Aspectos Comerciais e Regras de Contabilização nos Contratos Geração de Energia Elétrica por Biomassa Aspectos Comerciais e Regras de Contabilização nos Contratos 1 Direitos Reservados : SealEnergy Seal Energy 2010 - Seal Energy inicia suas atividades no setor elétrico

Leia mais

Mercado de Energia e Custos

Mercado de Energia e Custos Mercado de Energia e Custos Seminário Energia Soluções para o Futuro AC Minas 24.04.2014 CMU Energia Atua no mercado desde 2003. Gerencia mais de 800 MWmédios. Montante suficiente para suprir aproximadamente

Leia mais

XVIII SEPEF - Seminário de Planejamento Econômico-Financeiro do Setor Elétrico. Rio de Janeiro - RJ - Brasil

XVIII SEPEF - Seminário de Planejamento Econômico-Financeiro do Setor Elétrico. Rio de Janeiro - RJ - Brasil XVIII SEPEF - Seminário de Planejamento Econômico-Financeiro do Setor Elétrico Rio de Janeiro - RJ - Brasil Comercialização de Energia, Aspectos Regulatórios, e/ou Viabilidade de Fontes Alternativas de

Leia mais

2 Características do mercado brasileiro de energia elétrica

2 Características do mercado brasileiro de energia elétrica 2 Características do mercado brasileiro de energia elétrica Nesta seção, serão descritas as características do mercado brasileiro de energia elétrica, a fim de que se possa compreender a modelagem realizada

Leia mais

Contribuições da Energia Sustentável do Brasil ESBR para a Audiência Pública 32/2015 4ª Fase

Contribuições da Energia Sustentável do Brasil ESBR para a Audiência Pública 32/2015 4ª Fase Contribuições da Energia Sustentável do Brasil ESBR para a Audiência Pública 32/2015 4ª Fase Energia Sustentável do Brasil S.A, ESBR, concessionária de uso de bem público para exploração da Usina Hidrelétrica

Leia mais

VOTO EM SEPARADO. RELATOR DO VOTO EM SEPARADO: Diretor-Geral Romeu Donizete Rufino

VOTO EM SEPARADO. RELATOR DO VOTO EM SEPARADO: Diretor-Geral Romeu Donizete Rufino VOTO EM SEPARADO PROCESSOS: 48500.006210/2014-19 INTERESSADO: Agentes do setor elétrico brasileiro. RELATOR: Diretor Tiago de Barros Correa RELATOR DO VOTO EM SEPARADO: Diretor-Geral Romeu Donizete Rufino

Leia mais

Arbitragem: contratos de energia elétrica

Arbitragem: contratos de energia elétrica Arbitragem: contratos de energia elétrica 23/10/2015 Seminário Arbitragem e Poder Público Solange David Vice-presidente do Conselho de Administração Agenda 1. Comercialização de energia elétrica Câmara

Leia mais

COMERCIALIZAÇÃO DE ENERGIA NO MERCADO LIVRE

COMERCIALIZAÇÃO DE ENERGIA NO MERCADO LIVRE COMERCIALIZAÇÃO DE ENERGIA NO MERCADO LIVRE AGENDA CARACTERISTICAS CONSUMIDOR LIVRE ESPECIAL; CUSTO DE OPORTUNIDADE ENTRE MERCADO LIVRE E MERCADO CATIVO; ESTUDOS DE CASO; HISTÓRICO E VOLATILIDADE DOS PREÇOS

Leia mais

Impactos e Adaptações do Mercado para. Alexandre Nunes Zucarato Gerente de Inteligência de Mercado Câmara de Comercialização de Energia Elétrica

Impactos e Adaptações do Mercado para. Alexandre Nunes Zucarato Gerente de Inteligência de Mercado Câmara de Comercialização de Energia Elétrica Impactos e Adaptações do Mercado para Implantação da Portaria MME 455/2012 Alexandre Nunes Zucarato Gerente de Inteligência de Mercado Câmara de Comercialização de Energia Elétrica Agenda Objetivos gerais

Leia mais

INTERESSADAS: Distribuidoras, Geradores, Comercializadores e Consumidores Livres.

INTERESSADAS: Distribuidoras, Geradores, Comercializadores e Consumidores Livres. VOTO PROCESSO: 48500.006210/2014-19. INTERESSADAS: Distribuidoras, Geradores, Comercializadores e Consumidores Livres. RELATOR: Diretor Tiago de Barros Correia RESPONSÁVEL: Superintendência de Regulação

Leia mais

As PCHs no contexto energético futuro no Brasil

As PCHs no contexto energético futuro no Brasil As PCHs no contexto energético futuro no Brasil Campinas, 29 de Outubro de 2013. Charles Lenzi Agenda de Hoje Conjuntura Atual Desafios da Competitividade Nossas propostas Conclusões A ABRAGEL Associação

Leia mais

4 Os Contratos de Comercialização de Energia em Ambiente Regulado

4 Os Contratos de Comercialização de Energia em Ambiente Regulado 4 Os Contratos de Comercialização de Energia em Ambiente Regulado A escolha de um determinado tipo de proeto ou tecnologia termelétrica está intimamente relacionada com os contratos de comercialização

Leia mais

Contribuições da AES Brasil para a Consulta Pública 009/2014

Contribuições da AES Brasil para a Consulta Pública 009/2014 Contribuições da AES Brasil para a Consulta Pública 009/2014 Metodologia de cálculo dos valores máximo e mínimo do Preço de Liquidação das Diferenças PLD Primeiramente, a AES Brasil gostaria de externar

Leia mais

ENTENDENDO A FATURA DE ENERGIA ENTENDA COMO É FORMADA A FATURA DE ENERGIA ELÉTRICA E DESCUBRA POR QUE VOCÊ PAGA TÃO CARO

ENTENDENDO A FATURA DE ENERGIA ENTENDA COMO É FORMADA A FATURA DE ENERGIA ELÉTRICA E DESCUBRA POR QUE VOCÊ PAGA TÃO CARO ENTENDENDO A FATURA DE ENERGIA ENTENDA COMO É FORMADA A FATURA DE ENERGIA ELÉTRICA E DESCUBRA POR QUE VOCÊ PAGA TÃO CARO 1. APRESENTAÇÃO O Grupo Genergia, em total sinergia com o pensamento mundial, aliando

Leia mais

Cenários de Preço Futuro de Energia

Cenários de Preço Futuro de Energia Cenários de Preço Futuro de Energia Novembro/2010 Tractebel Energia GDF SUEZ - todos os direitos reservados 1 Aviso importante Este material pode incluir declarações que representem expectativas sobre

Leia mais

CÂMARA DE COMERCIALIZAÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA CCEE Módulo 3: Contratação de Energia e Potência. Submódulo 3.2 CONTRATOS DO AMBIENTE REGULADO

CÂMARA DE COMERCIALIZAÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA CCEE Módulo 3: Contratação de Energia e Potência. Submódulo 3.2 CONTRATOS DO AMBIENTE REGULADO CÂMARA DE COMERCIALIZAÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA CCEE Módulo 3: Contratação de Energia e Potência Submódulo 3.2 AMBIENTE REGULADO CÂMARA DE COMERCIALIZAÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA CCEE Módulo 3: Contratação de

Leia mais

FÓRUM ABRAGEF A Importância da Geração Flexível no Setor Elétrico Brasileiro GERAÇÃO DE RESERVA. Guilherme Velho 14 / Março / 2007

FÓRUM ABRAGEF A Importância da Geração Flexível no Setor Elétrico Brasileiro GERAÇÃO DE RESERVA. Guilherme Velho 14 / Março / 2007 FÓRUM ABRAGEF A Importância da Geração Flexível no Setor Elétrico Brasileiro GERAÇÃO DE RESERVA Guilherme Velho 14 / Março / 2007 Riscos do Setor Elétrico Risco de Déficit (tradicional); Importação de

Leia mais

2 Características do Sistema Interligado Nacional

2 Características do Sistema Interligado Nacional 2 Características do Sistema Interligado Nacional O Sistema Elétrico Brasileiro (SEB) evoluiu bastante ao longo do tempo em termos de complexidade e, consequentemente, necessitando de um melhor planejamento

Leia mais

CONTRIBUIÇÕES PARA A AUDIÊNCIA PÚBLICA Nº 36/2009

CONTRIBUIÇÕES PARA A AUDIÊNCIA PÚBLICA Nº 36/2009 NOME DA INSTITUIÇÃO: ABRADEE CONTRIBUIÇÕES PARA A AUDIÊNCIA PÚBLICA Nº 36/2009 AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL ATO REGULATÓRIO: Contratos de Comercialização de Energia Elétrica no Ambiente Regulado

Leia mais

2 O Novo Modelo e os Leilões de Energia

2 O Novo Modelo e os Leilões de Energia 2 O Novo Modelo e os Leilões de Energia 2.1. Breve Histórico da Reestruturação do Setor Elétrico Brasileiro No início da década de 90, o setor elétrico brasileiro apresentava uma estrutura predominantemente

Leia mais

V Conferência da RELOP - Associação de Reguladores de Energia dos Países de Língua Oficial Portuguesa

V Conferência da RELOP - Associação de Reguladores de Energia dos Países de Língua Oficial Portuguesa V Conferência da RELOP - Associação de Reguladores de Energia dos Países de Língua Oficial Portuguesa Aspetos regulatórios da energia renovável no Brasil Fernando Colli Munhoz Assessor Sup. de Regulação

Leia mais

A Distribuidora do Futuro e a Expansão do Mercado Livre

A Distribuidora do Futuro e a Expansão do Mercado Livre A Distribuidora do Futuro e a Expansão do Mercado Livre Luiz Barroso luiz@psr-inc.com 7º Encontro Anual do Mercado Livre, Novembro de 2015 1 Temário Contexto e propostas Solucionando o passado: Passivos

Leia mais

Diretoria de Planejamento Energético

Diretoria de Planejamento Energético Conceitos e Práticas São Paulo, 9 de Fevereiro de 2009. Objetivos 1 Apresentar alguns conceitos fundamentais referentes ao Mercado de Energia Elétrica Brasileiro. 2 Apresentar a atuação da Diretoria de

Leia mais

II SEMINÁRIO NACIONAL PEQUENAS CENTRAIS HIDRELÉTRICAS E MICROGERAÇÃO

II SEMINÁRIO NACIONAL PEQUENAS CENTRAIS HIDRELÉTRICAS E MICROGERAÇÃO MINISTÉRIO DE MINAS E ENERGIA II SEMINÁRIO NACIONAL PEQUENAS CENTRAIS HIDRELÉTRICAS E MICROGERAÇÃO Luiz Eduardo Barata Secretário-Executivo CÂMARA DOS DEPUTADOS Brasília, 22 de setembro de 2015 Energia

Leia mais

Resultados 2014 Fevereiro, 2015

Resultados 2014 Fevereiro, 2015 Resultados Fevereiro, 2015 Destaques do e Afluência na região SE/CO em de 69% da MLT 1 (vs. 102% em ) Hidrologia Nível de reservatórios das usinas da AES Tietê encerraram em 34,7% vs. 51,1% em Rebaixamento

Leia mais

AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL RESOLUÇÃO NORMATIVA Nº 514, DE 30 DE OUTUBRO DE 2012.

AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL RESOLUÇÃO NORMATIVA Nº 514, DE 30 DE OUTUBRO DE 2012. AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL RESOLUÇÃO NORMATIVA Nº 514, DE 30 DE OUTUBRO DE 2012. Texto Compilado Voto Estabelece as condições para a contratação de Cotas de Garantia Física de Energia e

Leia mais

Leilões no Setor Elétrico Brasileiro: Análises e Recomendações

Leilões no Setor Elétrico Brasileiro: Análises e Recomendações 7 White Paper INSTITUTO ACENDE BRASIL Edição nº 7 / MAIO de 2012 o observatório Do setor elétrico BRAsILeIRo Os White Papers do Instituto Acende Brasil consolidam análises e recomendações aprofundadas

Leia mais

Nova Abordagem da Formação do Preço do Mercado de Curto Prazo de Energia Elétrica. XIV Simpósio Jurídico ABCE Élbia Melo 23/09/2008

Nova Abordagem da Formação do Preço do Mercado de Curto Prazo de Energia Elétrica. XIV Simpósio Jurídico ABCE Élbia Melo 23/09/2008 Nova Abordagem da Formação do Preço do Mercado de Curto Prazo de Energia Elétrica XIV Simpósio Jurídico ABCE Élbia Melo 23/09/2008 Agenda O Conceito de Preço em um Mercado Qualquer O Conceito de Preço

Leia mais