PANORAMA ENERGÉTICO NACIONAL

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "PANORAMA ENERGÉTICO NACIONAL"

Transcrição

1 MINISTÉRIO DE MINAS E ENERGIA PANORAMA ENERGÉTICO NACIONAL CONDICIONANTES PARA OS INVESTIMENTOS E PERSPECTIVAS DE ATENDIMENTO DO MERCADO II Seminário Energia e Meio Ambiente Perspectivas Legais Manaus, junho de 2006

2 FUNDAMENTOS DA POLÍTICA ENERGÉTICA SEGURANÇA DO FORNECIMENTO MODICIDADE TARIFÁRIA UNIVERSALIZAÇÃO DO SERVIÇO

3 MATRIZ ENERGÉTICA BRASILEIRA FONTES RENOVÁVEIS 44,7 % Madeira e Outras Biomassas 13,1% Cana-de-Açúcar 13,9% Outras Renováveis 2,7% Hidroeletricidade 15,0% 218,6 milhões de TEP Urânio 1,2% Carvão Mineral 6,4% Gás Natural 9,3% Derivados de Petróleo 38,4% Fonte: MME, BEN 2005

4 PETRÓLEO E GÁS

5 PETRÓLEO: AUTO-SUFICIÊNCIA Relação Produção/Consumo Mil barris por dia % 71% 96% Auto-Suficiência Auto-Suficiência com com a Plataforma Plataforma P-50 P Produção de Petróleo Consumo de Derivados + Derivado Deslocado Consumo de derivados Derivado Deslocado = volume de derivados de petróleo cujo consumo foi substituído por álcool e gás natural

6 MATRIZ DE COMBUSTÍVEIS VEICULARES Óleo diesel 54,5% 55,7% (2004) Gasolina A 25,6% 26,5% (2004) Gasolina C 25,6 + 8,5 = 34,1% 35,3% (2004) Álcool Anidro 8,5% 8,8% (2004) Frota estimada Álcool Hidratado 8,4% 6,6% (2004) Veículo Flex-Fuel Gasolina: 17 milhões Álcool: 2 milhões Flex: 1,3 milhão GNV 2,9% 2,4% (2004) Álcool Total 8,5 + 8,4 = 16,9% 15,4% (2004)

7 AGROENERGIA - ETANOL 10 6 BEP DEMANDA DE COMBUSTÍVEL PARA VEÍCULOS CICLO OTTO DEMANDA TOTAL COMB CICLO OTTO PRODUÇÃO DE GASOLINA CONSUMO GASOLINA Economia Quanto acumulada o País necessitaria de 1,09 dispor bilhão para de bep ou 22 atender meses à demanda produção por combustíveis nacional para veículos ciclo-otto caso o Etanol não existisse de petróleo hoje NO PERÍODO, COM A UTILIZAÇÃO DO ÁLCOOL, FOI EVITADA A EMISSÃO DE 615 MILHÕES DE TONELADAS DE CO ANO Fonte: Ministério de Minas e Energia Balanço Energético Nacional Laura Tetti 2002

8 AGROENERGIA - BIODIESEL 2005 a a em diante Produtores em Operação e Previstos (*) Mamona Babaçú - Palma 2% Autorizativo 2% Obrigatório 5% Obrigatório Palma -Soja Norte Nordeste Algodão - Soja Girassol Centro-Oeste Soja Algodão - Girassol Quantidade de Usinas CAPACIDADE (MM L/Ano) Sudeste EM OPERAÇÃO 5 49 EM FASE FINAL DE REGULARIZAÇÃO 5 61 Sul EM CONSTRUÇÃO OU PROJETO TOTAL milhões de litros/ano (*) Quadro elaborado com base em informações obtidas de potenciais produtores e investidores. Óleo: 650 kg/ha Soja Algodão - Girassol Região Sul

9

10 ALTERNATIVAS PARA INTEGRAÇÃO DA MALHA DE TRANSPORTE DE GN NA AMÉRICA DO SUL Equador Colômbia Venezuela PROJETO - GASODUTO INTEGRAÇÃO SUL AMERICANA Extensão km Diâmetro 30 a 58 Capacidade MMm³/d Peru Brasil PROJETO GASODUTO NOROESTE DA ARGENTINA (GNEA) Entrada Operação: 2009 Extensão km Diâmetro 30 a 36 Capacidade MMm³/d Chile Bolívia Paraguai PROJETO GASODUTO URUGUAIANA PORTO ALEGRE Entrada Operação: jan/09 Extensão 565 km; Diâmetro 24 Capacidade 12 MMm³/d PROJETO GASODUTO SUL AMERICANO (Proposta de Traçado) Argentina Outros Projetos Malha existente

11 ENERGIA ELÉTRICA

12 SISTEMA ELÉTRICO CARACTERÍSTICAS GERAIS Capacidade Instalada = MW Hidro = MW 76.3 % Térmica = MW 21,6 % Nuclear = MW 2,1 % Eólica = 28 MW - 0,0 % Unidades Consumidoras= 57,0 milhões Produção de Energia = 420,0 TWh/ano (58% da América do Sul) Ponta = MW (EQUIVALENTE AO REINO UNIDO OU ITÁLIA) Linhas de Transmissão = km Amazonas Pará Mato Grosso Brasília Paraná Argentina Rio Grande do Sul Uruguai Maranhão Ceará João Pessoa Paraíba Recife Maceió Aracajú Salvador Vitória Rio de Janeiro São Paulo Geração : 85% Setor público 15% Setor Privado Transmissão: 26 empresas (15 privadas) Distribuição: 64 empresas (80% setor privado) Fonte : MME Abril

13

14 CONSOLIDAÇÃO DO MODELO SETOR ELÉTRICO Arcabouço Legal Leis /2004 e / Decretos de Regulamentação Segurança do abastecimento Comitê de Monitoramento do Setor Elétrico Obrigatoriedade de Contrataçào no Mercado Regulado Modicidade Tarifaria Leilões de energia e de transmissão pelo menor preço Retomada do Planejamento no MME Secretaria de Planejamento Energético Planejamento e Mercado Empresa de Pesquisa Energética EPE Câmara de Comercialização de Energia Elétrica CCEE Planejamento de longo prazo participativo

15 PRODUÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA 2005 Derivados Petróleo 3,2% Carvão e Gás Coqueria Biomas s a 1,8% Outros 4,0% 1,2% Gás Natural 4,1% Fontes Renováveis 89,3% Nucle ar 2,2% 441,6 TWh Inclui a importação de Itaipu. Hidráulica 85,4% Fonte: MME, 2005

16 PRINCIPAIS FONTES PARA GERAÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA HIDRÁULICA BIOMASSA CARVÃO MINERAL NUCLEAR PETRÓLEO Vantagem competitiva do país Recurso renovável Potencial de energia elétrica de 260 GW (28% aproveitado) Potencial expressivo para geração de energia elétrica (bioeletricidade) Recurso renovável Potencial de oferta superior a 500 MW/ano GÁS Importantes reservas de carvão mineral 32 bilhões toneladas (90% Rio Grande do Sul) Potencial de MW durante 100 anos (considerando utilizar 50% para geração de energia elétrica) 6ª maior reserva de urânio do planeta 32 bilhões de toneladas (equivale a 1,2 bilhão de tep ) Alto potencial na geração de energia elétrica Reservas de 306 bilhões m3 (equivale a 0,3 bilhão de tep) Produção 48 milhões m3/dia (2005) 50% do mercado de Gás Natural é atendido com produção nacional (2005) Reservas de 11,8 bilhões de barris Produção 1,8 milhões barris/dia Auto suficiência: Abril/2006 Geração de energia elétrica com derivados MW(Abril)

17 QUE MATRIZ ENERGÉTICA QUEREMOS??

18 PROJEÇÃO DA MATRIZ DE ENERGIA ELÉTRICA 2023 Cenário 1 HIDRÁULICA 77,62% GÁS NATURAL 11,29% CARVÃO BIOMASSA 1,47% 4,94% EÓLICA 1,62% OUTROS 0,44% NUCLEAR 2,63% Cenário 2 GÁS NATURAL 19,68% CARVÃO 3,66% BIOMASSA 4,87% EÓLICA 1,60% HIDRÁULICA 67,15% NUCLEAR 2,60% OUTROS 0,43% Total 2023: MWmédios Fonte: MME, Matriz Energética Nacional 2023

19 ENERGIA RENOVÁVEL: BRASIL E O MUNDO Mundo Brasil RENOVÁVEL NÃO RENOVÁVEL Fonte: MME, 2006

20

21 POTENCIAL HIDROELÉTRICO Norte Potencial: MW Nordeste Potencial : MW SE/CO Potencial: MW Sul Potencial: MW Brasil Potencial : MW Faixa de custo de 25 a 45 US$/MWh

22 POTENCIAL HIDROELÉTRICO EXPLORADO % Potencial Hidrelétrico Explorado Congo Indonésia Peru Rússia China Colômbia Índia BRASIL Canadá Itália Suécia EUA Noruega Japão Alemanha França ~ MW Fonte: World Energy Council (1999);ANEEL (2002)

23 EXPANSÃO DA GERAÇÃO Energia Renovável Viabilização do AHE Rio Madeira Rio Madeira (4.243 MW médios) MW médios : UHE Santo Antônio 3.150MW MW médios : UHE Jirau MW AHE Rio Madeira AHE Santo Antônio BOLIVIA Madeira River AHE Jirau Projeto AHE JIRAU Fonte: MME, PDEE

24 EXPANSÃO DA GERAÇÃO Energia Renovável Belo Monte Viabilização do AHE Belo Monte MW (4.782 MW médios) Autorização Legislativa para os estudos AHE Belo Monte Rio Xingu Projeto do AHE BELO MONTE Fonte: MME, PDEE

25

26 PROCEDIMENTOS DO LICENCIAMENTO AMBIENTAL Licenciamento Ambiental Prévio LP Antecede o processo licitatório para atestar a viabilidade ambiental do empreendimento Considera aspectos técnicos, sócio-econômicos e energéticos Instrução Normativa 65/05 do IBAMA Estabelece procedimentos para o licenciamento de hidrelétricas (etapas e prazos de análise) Cria Sistema Informatizado de Licenciamento Ambiental Federal visando acompanhamento público

27 NOVO INSTRUMENTO DE PLANEJAMENTO Avaliação Ambiental Integrada AAI Identifica e avalia os efeitos sinérgicos e cumulativos resultantes do conjunto de aproveitamentos hidrelétricos, em planejamento, construção e operação, situados em uma mesma bacia hidrográfica Define diretrizes para novos aproveitamentos

28 O PROCESSO DE PLANEJAMENTO ENERGÉTICO Visão Estratégica Estudos de Longo Prazo (até 30 anos) Plano Nacional de Energia (30/5) Matriz Energética Nacional (23/30/5) Estudos de Médio Prazo (15 anos) Referências Diretrizes Visão de Programação Estudos de Curto Prazo (até 10 anos) PLANO DECENAL DE EXPANSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA (10/1)

29 PLANO DECENAL DE EXPANSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA PDEE CENÁRIO DE REFERÊNCIA CRESCIMENTO CAPACIDADE INSTALADA MW MW REQUISITOS DE ENERGIA MW med MW med REQUISITOS DE DEMANDA MWh/h MWh/h REDE BÁSICA km km PIB = 4,2% POPULAÇÃO = 2 MILHÕES/ano CONSUMO = 5,1%/ano MW DE CAPACIDADE A SER INSTALADA EM 10 ANOS km DE LINHAS DE TRANSMISSÃO EM 10 ANOS INVESTIMENTOS US$ 56 BILHÕES EM 10 ANOS Fonte: MME, PDEE

30 AFINAL, QUEREMOS ENERGIA ELÉTRICA??

31 UNIVERSALIZAÇÃO DO ACESSO A ENERGIA ELÉTRICA Exclusão elétrica x IDH

32 UNIVERSALIZAÇÃO DO ACESSO A ENERGIA ELÉTRICA Meta: Garantir o acesso a energia elétrica para 12 milhões de pessoas Até o momento: mais de 3 milhões de pessoas atendidas 277 mil em assentamentos rurais 27 mil em comunidades quilombolas 12 mil em terras indígenas 100 mil empregos indiretos 1 milhão de postes instalados 150 mil transformadores Assentamento 17 de abril - Horto Boa Sorte Restinga (SP) 90 mil Km de rede (equivalente a 2 voltas em torno da terra)

33

Energia Competitiva para o Nordeste: Energia Limpa e Renovável

Energia Competitiva para o Nordeste: Energia Limpa e Renovável MINISTÉRIO DE MINAS E ENERGIA Energia Competitiva para o Nordeste: Energia Limpa e Renovável Gilberto Hollauer Secretaria de Planejamento e Desenvolvimento Energético Abril de 2015 1 Sumário Política Energética

Leia mais

ESCOLA DE COMANDO E ESTADO-MAIOR DO EXÉRCITO (ECEME) 4º Congresso de Ciências Militares

ESCOLA DE COMANDO E ESTADO-MAIOR DO EXÉRCITO (ECEME) 4º Congresso de Ciências Militares ESCOLA DE COMANDO E ESTADO-MAIOR DO EXÉRCITO (ECEME) 4º Congresso de Ciências Militares Ciências Militares no Século XXI Situação Atual e Desafios Futuros Geopolítica dos Recursos Naturais Fontes Alternativas

Leia mais

WORKSHOP PERSPECTIVAS E DESAFIOS DA ENERGIA NUCLEAR NA MATRIZ ELÉTRICA DO BRASIL

WORKSHOP PERSPECTIVAS E DESAFIOS DA ENERGIA NUCLEAR NA MATRIZ ELÉTRICA DO BRASIL WORKSHOP PERSPECTIVAS E DESAFIOS DA ENERGIA NUCLEAR NA MATRIZ ELÉTRICA DO BRASIL GESEL / SINERGIA / EDF A OPÇÃO NUCLEAR PARA GERAÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA NO BRASIL Altino Ventura Filho Secretário de Planejamento

Leia mais

II SEMINÁRIO NACIONAL PEQUENAS CENTRAIS HIDRELÉTRICAS E MICROGERAÇÃO

II SEMINÁRIO NACIONAL PEQUENAS CENTRAIS HIDRELÉTRICAS E MICROGERAÇÃO MINISTÉRIO DE MINAS E ENERGIA II SEMINÁRIO NACIONAL PEQUENAS CENTRAIS HIDRELÉTRICAS E MICROGERAÇÃO Luiz Eduardo Barata Secretário-Executivo CÂMARA DOS DEPUTADOS Brasília, 22 de setembro de 2015 Energia

Leia mais

Comentários sobre o. Plano Decenal de Expansão. de Energia (PDE 2008-2017)

Comentários sobre o. Plano Decenal de Expansão. de Energia (PDE 2008-2017) Comentários sobre o Plano Decenal de Expansão de Energia (PDE 2008-2017) PAULO CÉSAR RIBEIRO LIMA JANEIRO/2009 Paulo César Ribeiro Lima 2 Comentários sobre o Plano Decenal de Expansão de Energia (PDE 2008-2017)

Leia mais

4º Congresso Internacional de Bioenergia e 1º Congresso Brasileiro de GD e ER

4º Congresso Internacional de Bioenergia e 1º Congresso Brasileiro de GD e ER 4º Congresso Internacional de Bioenergia e 1º Congresso Brasileiro de GD e ER Painel II BIOMASSA: Disponibilidade Energética para uma Civilização Sustentável Departamento de Desenvolvimento Energético

Leia mais

Política Energética Brasileira Panorama da Biomassa

Política Energética Brasileira Panorama da Biomassa Política Energética Brasileira Panorama da Biomassa MME Secretaria de Planejamento Energético Brasília Março de 2010 Roteiro 1. Cenário da Expansão 2. Características 3. Políticas Energéticas 4. Leilões

Leia mais

MUDANÇAS CLIMÁTICAS E A MATRIZ ENERGÉTICA BRASILEIRA COMISSÃO MISTA PERMANENTE SOBRE MUDANÇAS CLIMÁTICAS

MUDANÇAS CLIMÁTICAS E A MATRIZ ENERGÉTICA BRASILEIRA COMISSÃO MISTA PERMANENTE SOBRE MUDANÇAS CLIMÁTICAS Brasília, 09/JUNHO/2009 Ministério de Minas e Energia MUDANÇAS CLIMÁTICAS E A MATRIZ ENERGÉTICA BRASILEIRA COMISSÃO MISTA PERMANENTE SOBRE MUDANÇAS CLIMÁTICAS Altino Ventura Filho Secretário de Planejamento

Leia mais

Ministério de Minas e Energia CENÁRIO ENERGÉTICO BRASILEIRO, PLANO DECENAL E PLANEJAMENTO ENERGÉTICO 2030

Ministério de Minas e Energia CENÁRIO ENERGÉTICO BRASILEIRO, PLANO DECENAL E PLANEJAMENTO ENERGÉTICO 2030 Ministério de Minas e Energia CENÁRIO ENERGÉTICO BRASILEIRO, PLANO DECENAL E PLANEJAMENTO ENERGÉTICO 2030 Associação Brasileira do Carvão Mineral Marcio Pereira Zimmermann Secretário de Planejamento e

Leia mais

A ENERGIA ALTERNATIVA RENOVÁVEL NO BRASIL

A ENERGIA ALTERNATIVA RENOVÁVEL NO BRASIL Ministério de Minas de Energia ORGANIZAÇÃO RENOVE UNEP Risoe Centre on Energy (B-REED Programme) A ENERGIA ALTERNATIVA RENOVÁVEL NO BRASIL Programas de Energias Renováveis no Brasil: Perspectivas para

Leia mais

APROVEITAMENTO DO POTENCIAL HIDRELÉTRICO NACIONAL : Alternativas Após o Seu Esgotamento

APROVEITAMENTO DO POTENCIAL HIDRELÉTRICO NACIONAL : Alternativas Após o Seu Esgotamento Altino Ventura Filho Secretário de Planejamento e Desenvolvimento Energético - Ministério de Minas e Energia APROVEITAMENTO DO POTENCIAL HIDRELÉTRICO NACIONAL : Alternativas Após o Seu Esgotamento Sumário

Leia mais

ALEXANDRE UHLIG Instituto Acende Brasil. EXPANSÃO DA GERAÇÃO NA ERA PÓS- HIDRELÉTRICA Guia para debates

ALEXANDRE UHLIG Instituto Acende Brasil. EXPANSÃO DA GERAÇÃO NA ERA PÓS- HIDRELÉTRICA Guia para debates ALEXANDRE UHLIG Instituto Acende Brasil EXPANSÃO DA GERAÇÃO NA ERA PÓS- HIDRELÉTRICA Guia para debates QUESTÕES PARA REFLEXÃO 1 2 Qual o padrão atual da oferta de eletricidade no Brasil? Qual o padrão

Leia mais

GrandAmazon. Energia para o futuro Os desafios da sustentabilidade. Wilson Ferreira Jr. e Miguel Saad 16/03/2012

GrandAmazon. Energia para o futuro Os desafios da sustentabilidade. Wilson Ferreira Jr. e Miguel Saad 16/03/2012 GrandAmazon Energia para o futuro Os desafios da sustentabilidade Wilson Ferreira Jr. e Miguel Saad 16/03/2012 A alta complexidade do sistema elétrico brasileiro traz 3 grandes desafios para a política

Leia mais

Disponibilização e consumo de energia: implicações sobre o meio ambiente

Disponibilização e consumo de energia: implicações sobre o meio ambiente Disponibilização e consumo de energia: implicações sobre o meio ambiente Ipea Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada Gesmar Rosa dos Santos Antenor Lopes Conteúdo Características gerais da Oferta Interna

Leia mais

RELOP III Reunião Anual Rio de Janeiro, 04 de novembro de 2010

RELOP III Reunião Anual Rio de Janeiro, 04 de novembro de 2010 Os Biocombustíveis no Brasil RELOP III Reunião Anual Rio de Janeiro, 04 de novembro de 2010 SUMÁRIO 1. Alguns dados d sobre o Brasil e a ANP 2. Os biocombustíveis no Brasil 3. O etanol 4. O biodiesel PANORAMA

Leia mais

"Políticas para la diversificación de la matriz energéticainiciativas

Políticas para la diversificación de la matriz energéticainiciativas "Políticas para la diversificación de la matriz energéticainiciativas no Brasil " Evento regional ONU de alto nivel sobre "Crisis Energética y Crisis Alimentaria: desafíos y oportunidades Santiago, Chile,

Leia mais

ENERGIAS ALTERNATIVAS E TECNOLOGIAS DE PRODUÇÃO LIMPAS: DESAFIOS E OPORTUNIDADES

ENERGIAS ALTERNATIVAS E TECNOLOGIAS DE PRODUÇÃO LIMPAS: DESAFIOS E OPORTUNIDADES ENERGIAS ALTERNATIVAS E TECNOLOGIAS DE PRODUÇÃO LIMPAS: DESAFIOS E OPORTUNIDADES FONTES DE ENERGIA Hídrica Eólica Biomassa Solar POTENCIAL HÍDRICO Fonte: Eletrobras, 2011. APROVEITAMENTO DO POTENCIAL HIDRELÉTRICO

Leia mais

Galvão Energia Evolução das Fontes de Energia Renováveis no Brasil. V Conferência Anual da RELOP

Galvão Energia Evolução das Fontes de Energia Renováveis no Brasil. V Conferência Anual da RELOP Galvão Energia Evolução das Fontes de Energia Renováveis no Brasil V Conferência Anual da RELOP Lisboa, 01.Jun.2012 Agenda O Acionista Grupo Galvão 03 A Empresa Galvão Energia 04 A evolução das fontes

Leia mais

RECURSOS HÍDRICOS DISPONÍVEIS NO BRASIL PARA GERAÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA

RECURSOS HÍDRICOS DISPONÍVEIS NO BRASIL PARA GERAÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ CENTRO DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA AGRÍCOLA RECURSOS HÍDRICOS DISPONÍVEIS NO BRASIL PARA GERAÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA Deodato do Nascimento Aquino Técnico

Leia mais

Prospectivas da Matriz Energética Nacional 2030

Prospectivas da Matriz Energética Nacional 2030 Prospectivas da Matriz Energética Nacional 2030 Gilberto Hollauer Departamento de Planejamento Energético SECRETARIA DE PLANEJAMENTO E DESENVOLVIMENTO ENERGÉTICO Brasília, Brasília, 13 de 5 setembro de

Leia mais

O PLANEJAMENTO NO SETOR ELÉTRICO

O PLANEJAMENTO NO SETOR ELÉTRICO O PLANEJAMENTO NO SETOR ELÉTRICO Mario Veiga mario@psr-inc.com Seminário FBDS - Desafios Ambientais no Novo Modelo do Setor Elétrico Rio, 01 de Abril de 2005 1 Temário Visão geral do sistema elétrico Perspectivas

Leia mais

Biocombustíveis. Também chamados de agrocombustíveis

Biocombustíveis. Também chamados de agrocombustíveis Biocombustíveis Também chamados de agrocombustíveis Biomassa É o combustível obtido a partir da biomassa: material orgânico vegetal ou animal Uso tradicional: lenha, excrementos Etanol: álcool combustível.

Leia mais

ETENE. Energias Renováveis

ETENE. Energias Renováveis Escritório Técnico de Estudos Econômicos do Nordeste ETENE Fonte: http://www.noticiasagronegocios.com.br/portal/outros/1390-america-latina-reforca-lideranca-mundial-em-energias-renovaveis- 1. Conceito

Leia mais

Bioeletricidade no Setor Sucroenergético: uma pauta para o desenvolvimento de seu potencial

Bioeletricidade no Setor Sucroenergético: uma pauta para o desenvolvimento de seu potencial Bioeletricidade no Setor Sucroenergético: uma pauta para o desenvolvimento de seu potencial Zilmar José de Souza, Assessor em Bioeletricidade, UNICA, SP, Brasil Agenda - Situação atual da bioeletricidade

Leia mais

Soluções energéticas para o Brasil: principais desafios

Soluções energéticas para o Brasil: principais desafios Comissão de Serviços de Infraestrutura do Senado Federal Energia: Recursos Energéticos e Desafios Estratégicos Soluções energéticas para o Brasil: principais desafios 24 de agosto de 2009 Nelson Hubner

Leia mais

A Suframa e o desenvolvimento do setor energético regional Manaus Novembro de 2009

A Suframa e o desenvolvimento do setor energético regional Manaus Novembro de 2009 Interligação Tucuruí Macapá Manaus: integração da Amazônia ao SIN A Suframa e o desenvolvimento do setor energético regional Manaus Novembro de 2009 Objetivos do modelo do Setor Elétrico Segurança no Modicidade

Leia mais

Diversificação da Matriz Elétrica Nacional. João Mello A&C Energia

Diversificação da Matriz Elétrica Nacional. João Mello A&C Energia Diversificação da Matriz Elétrica Nacional João Mello A&C Energia Agenda 1. O Momento Atual 2. O Efeito Tarifário 3. As Perspectivas com Novas Fontes 4. Considerações Finais Agenda 1. O Momento Atual 2.

Leia mais

Matriz elétrica brasileira Eólica

Matriz elétrica brasileira Eólica 1 Matriz elétrica brasileira Eólica UEE VOLTA DO RIO Lívio Teixeira de Andrade Filho Coordenação-Geral de Fontes Alternativas Departamento de Desenvolvimento Energético 2 PRINCÍPIOS E OBJETIVOS DA POLÍTICA

Leia mais

Dinâmica Empresarial e Mecanismo de Formação de Preço Seminário Internacional de Integração Energética Brasil Colômbia

Dinâmica Empresarial e Mecanismo de Formação de Preço Seminário Internacional de Integração Energética Brasil Colômbia Dinâmica Empresarial e Mecanismo de Formação de Preço Seminário Internacional de Integração Energética Brasil Colômbia Antônio Carlos Fraga Machado Presidente do Conselho de Administração da CCEE 15 de

Leia mais

Ministério de Minas de Energia ENERGIA EÓLICA. por Francisco Romário. Secretário-Adjunto de Planejamento e Desenvolvimento Energético

Ministério de Minas de Energia ENERGIA EÓLICA. por Francisco Romário. Secretário-Adjunto de Planejamento e Desenvolvimento Energético Ministério de Minas de Energia ENERGIA EÓLICA por Francisco Romário Secretário-Adjunto de Planejamento e Desenvolvimento Energético MATRIZ ENERGÉTICA NACIONAL - 2005 FONTES RENOVÁVEIS : 44,7 % Madeira

Leia mais

O Brasil no Contexto Energético Mundial

O Brasil no Contexto Energético Mundial O Brasil no Contexto Energético Mundial Altino Ventura Filho NAIPPE/USP Apoio: CNPq NAIPPE Conselho Editorial Eduardo Massad Professor Titular do Departamento de Patologia e Chefe da Disciplina Informática

Leia mais

Apresentação CEI. Perspectivas no mercado de energia fotovoltaica

Apresentação CEI. Perspectivas no mercado de energia fotovoltaica Apresentação CEI Perspectivas no mercado de energia fotovoltaica A CEI é produtora independente de energia em MG, com 9 usinas em operação, 15 empreendimentos hidrelétricos em desenvolvimento (130MW) e

Leia mais

POLÍTICA ENERGÉTICA DO BRASIL BIOGÁS

POLÍTICA ENERGÉTICA DO BRASIL BIOGÁS MINISTÉRIO DE MINAS E ENERGIA POLÍTICA ENERGÉTICA DO BRASIL BIOGÁS Roberto Meira Junior Diretor-Substituto Coordenador-Geral de Fontes Alternativas outubro de 2012 Princípios do Modelo Energético 2 Princípios

Leia mais

Anexo 4 - Projeção de Demanda de Energia e da Geração Elétrica em Unidades de Serviço Público (Resultados)

Anexo 4 - Projeção de Demanda de Energia e da Geração Elétrica em Unidades de Serviço Público (Resultados) Anexo 4: Demanda de Eletricidade 1 Anexo 4 - de Demanda de Energia e da Geração Elétrica em Unidades de Serviço Público (Resultados) O Conceito de Energia Equivalente As fontes energéticas classificadas

Leia mais

São Paulo, 28 de abril de 2006. Ref.: Contribuição à Consulta Pública Plano Decenal de Energia Elétrica PDEE 2006/2015

São Paulo, 28 de abril de 2006. Ref.: Contribuição à Consulta Pública Plano Decenal de Energia Elétrica PDEE 2006/2015 São Paulo, 28 de abril de 2006 CT/301/2006 Excelentíssimo Senhor Silas Rondeau Ministério de Minas e Energia Brasília DF CC: Ministério de Minas e Energia Secretaria de Planejamento e Desenvolvimento Energético

Leia mais

Energia e Desenvolvimento na Amazônia

Energia e Desenvolvimento na Amazônia UNIVERSIDADE FEDERAL DO AMAZONAS CENTRO DE DESENVOLVIMENTO ENERGÉTICO AMAZÔNICO V FEIRA INTERNACIONAL DA AMAZÔNIA Energia e Desenvolvimento na Amazônia Prof. Dr. Rubem Cesar Rodrigues Souza CONQUISTAS

Leia mais

DESAFIOS DO SETOR ENERGÉTICO NO RIO GRANDE DO SUL

DESAFIOS DO SETOR ENERGÉTICO NO RIO GRANDE DO SUL DESAFIOS DO SETOR ENERGÉTICO NO RIO GRANDE DO SUL Humberto César Busnello A SITUAÇÃO ENERGÉTICA DO RIO GRANDE DO SUL TEM QUE SER VISTA NO CONTEXTO DO MODELO DO SETOR ELÉTRICO BRASILEIRO, ESPECIALMENTE

Leia mais

Fortaleza, junho de 2015

Fortaleza, junho de 2015 Fortaleza, junho de 2015 All About Energy 2015 Política de Energia e Mudança Climática Luiz Pinguelli Rosa Diretor da COPPE UFRJ * Secretário do Fórum Brasileiro de Mudanças Climáticas Membro da Academia

Leia mais

José do Carmo Ferraz Filho Superintendente de Energia. Cuiabá Maio de 2012

José do Carmo Ferraz Filho Superintendente de Energia. Cuiabá Maio de 2012 José do Carmo Ferraz Filho Superintendente de Energia Cuiabá Maio de 2012 Missão: Promover e fomentar a Política Energética, com apoio institucional às ações que visem o desenvolvimento tecnológico, social,

Leia mais

Geração Elétrica Total. Cenário de Referência (2007)

Geração Elétrica Total. Cenário de Referência (2007) Geração Elétrica Total Cenário de Referência (2007) Greenpeace Brasil Somos uma organização global e independente que atua para defender o meio ambiente e promover a paz, inspirando as pessoas a mudarem

Leia mais

POLÍTICA DE ESTADO PARA O CARVÃO MINERAL

POLÍTICA DE ESTADO PARA O CARVÃO MINERAL POLÍTICA DE ESTADO PARA O CARVÃO MINERAL Política energética sustentável: objetivos Segurança de suprimentos Compatibilidade ambiental Mix energético balanceado Eficiência econômica Carvão mineral no mundo

Leia mais

Luiz Pinguelli Rosa. SEMINÁRIO Florianópolis, junho de 2015. O Setor Elétrico no Contexto da Política de Energia e Mudança Climática

Luiz Pinguelli Rosa. SEMINÁRIO Florianópolis, junho de 2015. O Setor Elétrico no Contexto da Política de Energia e Mudança Climática SEMINÁRIO Florianópolis, junho de 2015 O Setor Elétrico no Contexto da Política de Energia e Mudança Climática Luiz Pinguelli Rosa Diretor da COPPE UFRJ * Secretário do Fórum Brasileiro de Mudanças Climáticas

Leia mais

Mercados Energéticos: Los Desafíos del Nuevo Milenio. Extensión NEA

Mercados Energéticos: Los Desafíos del Nuevo Milenio. Extensión NEA Mercados Energéticos: Los Desafíos del Nuevo Milenio. Extensión NEA Seminario 18 o Congreso Mundial de la Energía Extensión NEA Posadas 22 y 23 de agosto de 2002 Integração Energética Antonio Otélo Cardoso

Leia mais

Papel da Energia Alternativa na Política Energética do Brasil

Papel da Energia Alternativa na Política Energética do Brasil Seminário Internacional Fontes Alternativas de Energia e Eficiência Energética Papel da Energia Alternativa na Política Energética do Brasil Por Laura Porto Brasília, Junho de 2002 BRASIL CAPACIDADE INSTALADA

Leia mais

O Mercado de Energias Renováveis e o Aumento da Geração de Energia Eólica no Brasil. Mario Lima Maio 2015

O Mercado de Energias Renováveis e o Aumento da Geração de Energia Eólica no Brasil. Mario Lima Maio 2015 O Mercado de Energias Renováveis e o Aumento da Geração de Energia Eólica no Brasil Mario Lima Maio 2015 1 A Matriz Energética no Brasil A base da matriz energética brasileira foi formada por recursos

Leia mais

INSERÇÃO NO CONTEXTO DO PLANEJAMENTO DO SISTEMA ELÉTRICO NACIONAL LAS/ANS

INSERÇÃO NO CONTEXTO DO PLANEJAMENTO DO SISTEMA ELÉTRICO NACIONAL LAS/ANS INSERÇÃO NO CONTEXTO DO PLANEJAMENTO DO SISTEMA ELÉTRICO NACIONAL LAS/ANS 9 1, 3 % 6, 2 % 2, 5 % MATRIZ DE ENERGIA ELÉTRICA Fonte Capacidade instalada (status: agosto/2005) Geração (setembro/2004 - agosto/2005)

Leia mais

DEPARTAMENTO DE INFRA-ESTRUTURA E LOGÍSTICA

DEPARTAMENTO DE INFRA-ESTRUTURA E LOGÍSTICA Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento DEPARTAMENTO DE INFRA-ESTRUTURA E LOGÍSTICA Produção e Demanda de Transporte Hidrovia Teles Pires - Tapajós Brasília (DF), 01 de março de 2007. Fatores

Leia mais

Planejamento Integrado no Setor elétrico

Planejamento Integrado no Setor elétrico 2ª REUNIÃO ORDINÁRIA DEINFRA ENERGIA FIESP Planejamento Integrado no Setor elétrico Prof. Nivalde J. de Castro Coordenador do GESEL 12 de março de 2012 Sumário I. Planejamento no setor elétrico. II. Fontes

Leia mais

Perspectivas para o Setor Elétrico em 2014

Perspectivas para o Setor Elétrico em 2014 Perspectivas para o Setor Elétrico em 2014 BNDES - Escritórios Subsidiária BNDES PLC Londres (2009) Recife Brasília 2.857 empregados (Maio/14) São Paulo Rio de Janeiro Escritórios BNDES Uruguai Montevidéu

Leia mais

Matriz energética e emissão de gases de efeito estufa Fatos sobre o Brasil

Matriz energética e emissão de gases de efeito estufa Fatos sobre o Brasil Confederação Nacional da Indústria Matriz energética e emissão de gases de efeito estufa Fatos sobre o Brasil Edição revisada Brasília, 2008 Nota técnica Os gráficos desta cartilha foram elaborados a partir

Leia mais

Energia e Meio Ambiente Política de Energia e Mudança Climática: Histórico, Perspectivas e Alternativas. Luiz Pinguelli Rosa

Energia e Meio Ambiente Política de Energia e Mudança Climática: Histórico, Perspectivas e Alternativas. Luiz Pinguelli Rosa Luiz Pinguelli Rosa O BRASIL NO CONTEXTO DA AMÉRICA LATINA E A QUESTÃO DA ESQUERDA NO GOVERNO Superar a identificação da esquerda estritamente com o socialismo de tipo soviético O QUADRO POLÍTICO NACIONAL,

Leia mais

Energia, Riqueza e População

Energia, Riqueza e População Energia, Riqueza e População Legenda - Colunas à Esquerda: Crescimento relativo da oferta total de energia - Colunas Centrais: Crescimento relativo do Produto Interno Bruto (PIB) - Colunas à Direita: :

Leia mais

Mesa Redonda - Perspectivas de Suprimento e Preços da Energia Elétrica para a Indústria

Mesa Redonda - Perspectivas de Suprimento e Preços da Energia Elétrica para a Indústria Mesa Redonda - Perspectivas de Suprimento e Preços da Energia Elétrica para a Indústria Sílvio Roberto Areco Gomes ABRAGE São Paulo 05 de junho de 2008 ROTEIRO A ABRAGE Situação Atual do Armazenamento

Leia mais

Ministério de Minas e Energia POTENCIAL DA BIOMASSA E DOS BIO-COMBUSTÍVEIS NO BRASIL: EXPERIÊNCIAS DE SUCESSO

Ministério de Minas e Energia POTENCIAL DA BIOMASSA E DOS BIO-COMBUSTÍVEIS NO BRASIL: EXPERIÊNCIAS DE SUCESSO Ministério de Minas e Energia Secretaria de Planejamento e Desenvolvimento Energético POTENCIAL DA BIOMASSA E DOS BIO-COMBUSTÍVEIS NO BRASIL: EXPERIÊNCIAS DE SUCESSO Reunión Ministerial Iberoamericana

Leia mais

Balanço Energético Nacional 2014

Balanço Energético Nacional 2014 Balanço Energético Nacional 2014 Relatório Síntese ano base 2013 Empresa de Pesquisa Energética - EPE Rio de Janeiro, RJ Maio de 2014 BEN 2014 Relatório Síntese ano base 2013 Ministério de Minas e Energia

Leia mais

Há que considerar 3 escalas de tempo

Há que considerar 3 escalas de tempo Há que considerar 3 escalas de tempo 1. HOJE (2001 2011) Gestão segura do SIN num cenário de geração de 2.000 MWmédios térmicos na base e mais 8.000 MWmédios térmicos complementares 2. AMANHÃ (2011 2020)

Leia mais

Agenda Elétrica Sustentável 2020

Agenda Elétrica Sustentável 2020 Congresso Eficiência Energética Casa Alemã A Casa Ecoeficiente São Paulo, 14 de Abril de 2010 Agenda Elétrica Sustentável 2020 Estudo de Cenários para um Setor Elétrico Brasileiro Eficiente, Seguro e Competitivo

Leia mais

Objetivo. Introdução COMO O BRASIL PODE SE TORNAR INDEPENDENTE DO GÁS BOLIVIANO

Objetivo. Introdução COMO O BRASIL PODE SE TORNAR INDEPENDENTE DO GÁS BOLIVIANO Objetivo COMO O BRASIL PODE SE TORNAR INDEPENDENTE DO GÁS BOLIVIANO O objetivo do trabalho é o de propor soluções técnicas e de logística, viáveis para a continuidade do fornecimento de gás natural à população,

Leia mais

Energias Renováveis Tecnologias Integradas com o Sistema Nacional

Energias Renováveis Tecnologias Integradas com o Sistema Nacional Energias Renováveis Tecnologias Integradas com o Sistema Nacional Fimai/Simai/ Câmara Ítalo - Brasileira Elaborada por: Eng. Marcio Takata Novembro/ 2010 Contexto Fonte: Apresentação Solvis Energia - Tendências

Leia mais

USO DO GÁS NATURAL DE PETRÓLEO NA GERAÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA

USO DO GÁS NATURAL DE PETRÓLEO NA GERAÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ CENTRO DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA AGRÍCOLA PÓS - GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA AGRÍCOLA ADP8088 - SEMINÁRIOS EM ENGENHARIA AGRÍCOLA II USO DO GÁS NATURAL DE

Leia mais

A CRISE ENERGÉTICA NO BRASIL: HISTÓRICO E SITUAÇÃO ATUAL

A CRISE ENERGÉTICA NO BRASIL: HISTÓRICO E SITUAÇÃO ATUAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA AGRÍCOLA DISCIPLINA: SEMINÁRIO IA A CRISE ENERGÉTICA NO BRASIL: HISTÓRICO E SITUAÇÃO ATUAL KENYA GONÇALVES NUNES ENGENHEIRA AGRÔNOMA

Leia mais

. Reafirmar a importância do etanol como tema estratégico para a economia, o meio-ambiente, a geração de empregos e o futuro do País

. Reafirmar a importância do etanol como tema estratégico para a economia, o meio-ambiente, a geração de empregos e o futuro do País o que é O QUE É. Lançado em Brasília em dezembro de 2011, o Movimento Mais Etanol visa detalhar e disseminar políticas públicas e privadas indispensáveis para: w O restabelecimento da competitividade do

Leia mais

INFOSUCRO Perspectivas do Mercado de Etanol e Açúcar

INFOSUCRO Perspectivas do Mercado de Etanol e Açúcar INFOSUCRO Perspectivas do Mercado de Etanol e Açúcar Marcello Cuoco Rio de Janeiro, 28/11/11 AGENDA Overview dos mercados de Energia e Açúcar Perspectivas do mercado de Etanol ETH AGENDA Overview dos mercados

Leia mais

VI SIMPÓSIO BRASILEIRO sobre Pequenas e Médias Centrais Hidrelétricas

VI SIMPÓSIO BRASILEIRO sobre Pequenas e Médias Centrais Hidrelétricas VI SIMPÓSIO BRASILEIRO sobre Pequenas e Médias Centrais Hidrelétricas Mesa Redonda: O Papel das PCH e Fontes Alternativas de Energia na Matriz Energética Brasileira Amilcar Guerreiro Diretor de Estudos

Leia mais

Papel dos biocombustíveis na matriz energética brasileira

Papel dos biocombustíveis na matriz energética brasileira Papel dos biocombustíveis na matriz energética brasileira Agenda Arcabouço Legal Panorama Brasil o Matriz Energética Brasileira o Biodiesel o Etanol o Novos Biocombustíveis Comentários Finais Arcabouço

Leia mais

Comercialização de Energia Elétrica no Brasil III Seminário: Mercados de Eletricidade e Gás Natural Investimento, Risco e Regulação

Comercialização de Energia Elétrica no Brasil III Seminário: Mercados de Eletricidade e Gás Natural Investimento, Risco e Regulação Comercialização de Energia Elétrica no Brasil III Seminário: Mercados de Eletricidade e Gás Natural Investimento, Risco e Regulação Élbia Melo 12/02/2010 Agenda O Setor Elétrico Brasileiro Comercialização

Leia mais

ENERGIA RENOVÁVEIS & EFICIÊNCIA ENERGÉTICA

ENERGIA RENOVÁVEIS & EFICIÊNCIA ENERGÉTICA ENERGIA RENOVÁVEIS & EFICIÊNCIA ENERGÉTICA SUPERINTENDÊNCIA DE PROJETOS DE GERAÇÃO (SPG) CHESF 1 TEMAS ABORDADOS PERFIL DA CHESF MATRIZ ENERGÉTICA FONTES DE ENERGIA RENOVÁVEIS & NUCLEAR ASPECTOS ECONÔMICOS

Leia mais

Riscos e Oportunidades do Mercado de Energia Elétrica

Riscos e Oportunidades do Mercado de Energia Elétrica PwC Energy Day 1º Seminário sobre aspectos de energia elétrica Riscos e Oportunidades do Mercado de Energia Elétrica Claudio J. D. Sales Rio de Janeiro, 20 de setembro de 2011 O conteúdo deste relatório

Leia mais

em números Ministério da Agricultura Pecuária e Abastecimento

em números Ministério da Agricultura Pecuária e Abastecimento agronegócio brasileiro em números Ministério da Agricultura Pecuária e Abastecimento 2010 ranking Ranking Brasileiro da Produção e Exportação Fonte: USDA e Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento

Leia mais

Alguns desafios no Brasil Biodiesel e Pré-Sal. Paulo César Ribeiro Lima Consultor Legislativo

Alguns desafios no Brasil Biodiesel e Pré-Sal. Paulo César Ribeiro Lima Consultor Legislativo Alguns desafios no Brasil Biodiesel e Pré-Sal Paulo César Ribeiro Lima Consultor Legislativo Biodiesel BIODIESEL no Brasil Jatropha Lei nº 11.097 / 2005 - Introduziu o biodiesel na matriz energética brasileira

Leia mais

Responsabilidade Social, Preservação Ambiental e Compromisso com a Vida: -Sustentabilidade - Energia Renovável e Limpa!

Responsabilidade Social, Preservação Ambiental e Compromisso com a Vida: -Sustentabilidade - Energia Renovável e Limpa! Responsabilidade Social, Preservação Ambiental e Compromisso com a Vida: -Sustentabilidade - Energia Renovável e Limpa! Programa de Comunicação Social e Educação Ambiental Sonora-MS Outubro/2012 ONDE ESTAMOS?

Leia mais

Apimec RJ. Energias Renováveis. Gustavo Estrella Diretor de Relações com Investidores

Apimec RJ. Energias Renováveis. Gustavo Estrella Diretor de Relações com Investidores Apimec RJ Energias Renováveis Gustavo Estrella Diretor de Relações com Investidores Agenda Oferta de energia Brasil x Mundo Perspectiva de Expansão da oferta de energia no Brasil Fontes renováveis com

Leia mais

BB Votorantim Energia Sustentável I, II e III*

BB Votorantim Energia Sustentável I, II e III* Fundos de Investimento em Participações em Infraestrutura BB Votorantim Energia Sustentável I, II e III* Fotomeramenteilustrativa. Trata-se dapch Buritido GrupoAtiaiaEnergiaS.A., que não faz parte do produto

Leia mais

Oportunidades de Mercado na Visão do Serviço Florestal Brasileiro

Oportunidades de Mercado na Visão do Serviço Florestal Brasileiro Oportunidades de Mercado na Visão do Serviço Florestal Brasileiro - 2º Congresso Florestal do Tocantins - André Luiz Campos de Andrade, Me. Gerente Executivo de Economia e Mercados do Serviço Florestal

Leia mais

POWER FUTURE PROINFA: POLÍTICA PÚBLICA DE ENERGIA RENOVÁVEL LAURA PORTO

POWER FUTURE PROINFA: POLÍTICA PÚBLICA DE ENERGIA RENOVÁVEL LAURA PORTO POWER FUTURE PROINFA: POLÍTICA PÚBLICA DE ENERGIA RENOVÁVEL LAURA PORTO Diretora do Departamento de Desenvolvimento Energético Secretaria de Planejamento e Desenvolvimento Energético Fortaleza, 18 de setembro

Leia mais

MATRIZ ENERGÉTICA SISTEMA ELÉTRICO BRASILEIRO Planejamento e Racionalidade

MATRIZ ENERGÉTICA SISTEMA ELÉTRICO BRASILEIRO Planejamento e Racionalidade MATRIZ ENERGÉTICA SISTEMA ELÉTRICO BRASILEIRO Planejamento e Racionalidade Instituto de Engenharia Miracyr Assis Marcato Panorama energético mundial Em 2010 o mundo, com 6,8 bilhões de habitantes e 150

Leia mais

PANORAMA ENERGÉTICO INTERNACIONAL

PANORAMA ENERGÉTICO INTERNACIONAL SENADO FEDERAL COMISSÃO DE RELAÇÕES EXTERIORES E DEFESA NACIONAL AGENDA RUMOS DA POLÍTICA EXTERNA BRASILEIRA 2011-2012 PANORAMA ENERGÉTICO INTERNACIONAL Prof. Dr. Rex Nazaré Alves 19 de setembro de 2011

Leia mais

Parte A - Questões Múltipla Escolha

Parte A - Questões Múltipla Escolha Matriz Energética Professor: Marcio Luiz Magri Kimpara Parte A - Questões Múltipla Escolha LISTA DE EXERCÍCIOS 1 1) Uso de fontes renováveis de energia no mundo. Fonte: Rio de Janeiro: IBGE, 21 O uso de

Leia mais

Economia de Baixo de Carbono, onde estamos? para onde vamos?

Economia de Baixo de Carbono, onde estamos? para onde vamos? Seminário sobre Sustentabilidade no Setor Elétrico Brasileiro Economia de Baixo de Carbono, onde estamos? para onde vamos? 21 de novembro de 2014 Aneel Brasília O conteúdo deste relatório foi produzido

Leia mais

Bioeletricidade >> Energia Positiva para o Desenvolvimento Sustentável. Tecnologia => disponível com eficiência crescente

Bioeletricidade >> Energia Positiva para o Desenvolvimento Sustentável. Tecnologia => disponível com eficiência crescente Cana de Açúcar => oferta crescente matéria prima energética Bagaço + Palha => disponibilidade existente e assegurada Bioeletricidade >> Energia Positiva para o Desenvolvimento Sustentável Tecnologia =>

Leia mais

COMISSÃO DA AMAZÔNIA, INTEGRAÇÃO NACIONAL E DE DESENVOLVIMENTO REGIONAL

COMISSÃO DA AMAZÔNIA, INTEGRAÇÃO NACIONAL E DE DESENVOLVIMENTO REGIONAL COMISSÃO DA AMAZÔNIA, INTEGRAÇÃO NACIONAL E DE DESENVOLVIMENTO REGIONAL PROJETO DE DECRETO LEGISLATIVO N o 2.349, DE 2006 (MENSAGEM N o 489, DE 2006) Aprova o texto do Acordo sobre o Fortalecimento da

Leia mais

ITAIPU E SUA IMPORTÂNCIA NA MATRIZ ENERGÉTICA BRASILEIRA

ITAIPU E SUA IMPORTÂNCIA NA MATRIZ ENERGÉTICA BRASILEIRA ITAIPU E SUA IMPORTÂNCIA NA MATRIZ ENERGÉTICA BRASILEIRA Fórum Internacional A Sustentabilidade no Século XXI Joel de Lima - Diretoria Geral Brasileira Pelotas, 11 de novembro de 2010 RETROSPECTO HISTÓRICO:

Leia mais

CONDIÇÕES DE MERCADO, REGULAÇÃO E OPERAÇÃO DE USINAS SOLARES

CONDIÇÕES DE MERCADO, REGULAÇÃO E OPERAÇÃO DE USINAS SOLARES CONDIÇÕES DE MERCADO, REGULAÇÃO E OPERAÇÃO DE USINAS SOLARES Fábio Sales Dias São Paulo, 14 de agosto de 2012 RESUMO Aspectos Regulatórios e Institucionais Aspectos de Mercado Competitividade Aspectos

Leia mais

OS BIOCOMBUSTÍVEIS E A

OS BIOCOMBUSTÍVEIS E A OS BIOCOMBUSTÍVEIS E A INDÚSTRIA DO PETRÓLEO Ricardo de Gusmão Dornelles Diretor do Departamento de Combustíveis Renováveis Jun/2009 MATRIZ ENERGÉTICA MUNDIAL E NACIONAL - 2008 54,9 45,1 Brasil (2008)

Leia mais

FUNDOS DO SETOR ELÉTRICO ADMINISTRADOS PELA ELETROBRÁS 2009

FUNDOS DO SETOR ELÉTRICO ADMINISTRADOS PELA ELETROBRÁS 2009 4.7 - FUNDOS DO SETOR ELÉTRICO A Centrais Elétricas Brasileiras S.A. - Eletrobrás é a responsável pela gestão de recursos setoriais que atendem às diversas áreas do Setor Elétrico, representados pelos

Leia mais

POLÍTICA DE PREÇOS PARA O GÁS NATURAL NO BRASIL

POLÍTICA DE PREÇOS PARA O GÁS NATURAL NO BRASIL POLÍTICA DE PREÇOS PARA O GÁS NATURAL NO BRASIL GRUPO DE TRABALHO Coordenação: GEOBERTO ESPÍRITO SANTO VICE-PRESIDENTE DE PLANEJAMENTO ENERGÉTICO Rio de Janeiro, 1 de junho de 2012. PLANO DECENAL DE EXPANSÃO

Leia mais

Aula 6 Balanço Energético

Aula 6 Balanço Energético AULA Fundação 6 BALANÇO Universidade Federal de Mato Grosso do Sul 1 Matriz Energética Aula 6 Balanço Energético Universidade Federal de Mato Grosso do Sul FAENG / Engenharia Elétrica Campo Grande MS 2

Leia mais

Energia no Bloco dos BRICS Ano de referência: 2013

Energia no Bloco dos BRICS Ano de referência: 2013 Parâmetros Macroeconômicos O Produto Interno Bruto dos BRICS foi 9,1 trilhões dólares em 1 (PPP constante 11), mostrando crescimento 5,6% sobre 1. No mesmo ano, o mundial cresceu,1%. Em 1, os BRICS apresentaram

Leia mais

Águas de Minas e Energia a Contribuição de Minas para o Sistema Elétrico Importância dos Reservatórios de Cabeceira.

Águas de Minas e Energia a Contribuição de Minas para o Sistema Elétrico Importância dos Reservatórios de Cabeceira. Águas de Minas e Energia a Contribuição de Minas para o Sistema Elétrico Importância dos Reservatórios de Cabeceira. 1 Sumário Produção de Energia Elétrica no Brasil e o no Mundo Características de Usinas

Leia mais

A Política Energética do Brasil

A Política Energética do Brasil 121 A Política Energética do Brasil Altino Ventura Filho 1. Introdução Este artigo apresenta as Políticas e Diretrizes do Ministério de Minas e Energia para a expansão do Sistema Energético Nacional. Para

Leia mais

A inserção das fontes de energia renováveis no processo de desenvolvimento da matriz energética do país: A participação da Energia Eólica

A inserção das fontes de energia renováveis no processo de desenvolvimento da matriz energética do país: A participação da Energia Eólica A inserção das fontes de energia renováveis no processo de desenvolvimento da matriz energética do país: A participação da Energia Eólica Elbia Melo 1 No ano de 2012, o Brasil figurou no cenário internacional

Leia mais

Eficiência energética nas políticas nacionais das maiores economias mundiais

Eficiência energética nas políticas nacionais das maiores economias mundiais Agenda 1 2 3 4 5 Panorama sobre eficiência energética Eficiência energética nas políticas nacionais das maiores economias mundiais Políticas brasileiras de eficiência energética Eficiência energética na

Leia mais

Seminário: Energia e Meio Ambiente A origem hídrica da crise de energia

Seminário: Energia e Meio Ambiente A origem hídrica da crise de energia Seminário: Energia e Meio Ambiente A origem hídrica da crise de energia José Henrique R. Cortez Câmara de Cultura José Henrique Cortez 1 Energia e Meio Ambiente Crise Energética? José Henrique Cortez 2

Leia mais

BALANÇO ENERGÉTICO NACIONAL. I Relatório Síntese I ano base 2012

BALANÇO ENERGÉTICO NACIONAL. I Relatório Síntese I ano base 2012 BALANÇO ENERGÉTICO NACIONAL 2013 I Relatório Síntese I ano base 2012 Brasil. Empresa de Pesquisa Energética. Balanço Energético Nacional 2013 Ano base 2012: Relatório Síntese Rio de Janeiro: EPE, 2013

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA PLANO NACIONAL DE ENERGIA 2030 PNE 2030

TERMO DE REFERÊNCIA PLANO NACIONAL DE ENERGIA 2030 PNE 2030 TERMO DE REFERÊNCIA PLANO NACIONAL DE ENERGIA 2030 PNE 2030 AGOSTO DE 2005 SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO 1 2 OBJETIVOS E JUSTIFICATIVA 2 3 CONTEÚDO DO TRABALHO 2 3.1 ESTUDOS DE FUNDAMENTAÇÃO SOBRE ECONOMIA E ENERGIA

Leia mais

CARACTERÍSTICAS DO SISTEMA INTERLIGADO NACIONAL SIN

CARACTERÍSTICAS DO SISTEMA INTERLIGADO NACIONAL SIN 2 CARACTERÍSTICAS DO SISTEMA INTERLIGADO NACIONAL SIN 2.1 VOCAÇÃO À HIDROELETRICIDADE O sistema de produção e transmissão de energia elétrica do Brasil Sistema Interligado Nacional (SIN) pode ser classificado

Leia mais

XX SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA GRUPO VII GRUPO DE ESTUDO DE PLANEJAMENTO DE SISTEMAS ELÉTRICOS - GPL

XX SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA GRUPO VII GRUPO DE ESTUDO DE PLANEJAMENTO DE SISTEMAS ELÉTRICOS - GPL XX SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA Versão 1.0 GPL VII 22 a 25 Novembro de 2009 Recife - PE GRUPO VII GRUPO DE ESTUDO DE PLANEJAMENTO DE SISTEMAS ELÉTRICOS - GPL

Leia mais

Políticas Governamentais para Biocombustíveis

Políticas Governamentais para Biocombustíveis Ministério de Minas e Energia Secretaria de Petróleo, Gás Natural e Combustíveis Renováveis Departamento de Combustíveis Renováveis Políticas Governamentais para Biocombustíveis Ricardo B. Gomide ricardo.gomide@mme.gov.br

Leia mais

V Conferência da RELOP - Associação de Reguladores de Energia dos Países de Língua Oficial Portuguesa

V Conferência da RELOP - Associação de Reguladores de Energia dos Países de Língua Oficial Portuguesa V Conferência da RELOP - Associação de Reguladores de Energia dos Países de Língua Oficial Portuguesa Aspetos regulatórios da energia renovável no Brasil Fernando Colli Munhoz Assessor Sup. de Regulação

Leia mais

ERSE. Inserção da energia eólica na matriz elétrica brasileira

ERSE. Inserção da energia eólica na matriz elétrica brasileira ERSE Mesa Redonda Energia Eólica Inserção da energia eólica na matriz elétrica brasileira Prof. Nivalde J. de Castro Roberto Brandão 1 Sumário 1. Matriz de geração brasileira: perfil e tendências. 2. O

Leia mais