PLANO ESTRATÉGICO PETROBRAS 2015 PLANO DE NEGÓCIOS

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "PLANO ESTRATÉGICO PETROBRAS 2015 PLANO DE NEGÓCIOS 2006-2010"

Transcrição

1 PLANO ESTRATÉGICO PETROBRAS 2015 PLANO DE NEGÓCIOS

2 MISSÃO Atuar de forma segura e rentável, com responsabilidade social e ambiental, nas atividades da indústria de óleo, gás e energia, nos mercados nacional e internacional, fornecendo produtos e serviços adequados às necessidades dos seus clientes e contribuindo para o desenvolvimento do Brasil e dos países onde atua.

3 VISÃO 2015 A Petrobras será uma empresa integrada de energia com forte presença internacional e líder na América Latina, atuando com foco na rentabilidade e na responsabilidade social e ambiental.

4 Plano de Investimentos

5 Plano de Investimentos O Plano de Negócios totaliza investimentos de US$ 56,4 bilhões Brasil 87% (US$ 49,3 bilhões) Exterior 13% (US$ 7,1 bilhões)

6 Plano de Investimentos Investimentos por negócio Período Total: US$ 56,4 bilhões E&P 60% (US$ 34,1 bi) Corporativo 2% (US$ 1,1 bi) RTC 20% (US$ 11,4 bi) Distribuição 2% (US$ 1 bi) Petroquímica 4% (US$ 2,1 bi) G&E 12% (US$ 6,7 bi) Nota: Inclui investimentos da Área Internacional

7 Plano de Investimentos Investimentos em SMS, TI, Tecnologia e Telecomunicações: US$ 4,7 bilhões Período SMS 41% (US$ 1,9 bi) Tecnologia da Informação 26% (US$ 1,2 bi) Telecomunicações 6% (US$ 0,3 bi) Tecnologia 27% (US$ 1,3 bi)

8 E&P

9 O crescimento da Produção de Óleo e LGN no Brasil proporcionará a auto-suficiência do País a partir de 2006 Mil bpd AUTO-SUFICIÊNCIA A PARTIR DE 2006 Produção de Óleo e LGN PN Demanda dos Derivados

10 Abastecimento

11 Produção x Venda de Derivados x Carga Processada - Produção de óleo no Brasil excederá a carga processada a partir de 2006 Mil bpd Produção de Óleo Venda de Derivados Carga Processada

12 Investimentos no Abastecimento: US$ 12,9 bilhões Transporte Marítimo 8% (US$ 1 bi) Petroquímica 16% (US$ 2 bi) Refino 61% (US$ 8 bi) Transporte D&T 15% (US$ 1,9 bi)

13 Investimentos no Refino: US$ 8 bilhões Qualidade diesel e gasolina 41% (US$ 3,3 bi) Outros 8% (US$ 0,6 bi) Ampliação 14% (US$ 1,1 bi) Manutenção e SMS 12% (US$ 1 bi) Conversão 25% (US$ 2 bi)

14 Gás e Energia

15 Gás Natural - Investimentos em Gasodutos de US$ 4,5 bilhões para o período Gasodutos existentes Gasodutos novos

16 ENERGIA Investimentos de US$ 1,3 bilhão para o período A meta para 2010 de capacidade instalada de termelétricas e de co-geração é de MW.

17 ENERGIA RENOVÁVEL Serão destinados investimentos priorizando projetos das seguintes fontes: Energia Eólica; Energia de Biomassa; Fotovoltaica; Produção de Biodiesel. Principais metas para 2010: Disponibilizar 169 MW; Produzir bpd de biodiesel.

18 Internacional

19 Produção Internacional em mil boed Gás Natural Óleo e LGN 339

20 Investimentos internacionais: US$ 7,1 bilhões E&P 87% Gás e Energia 3% Refino e Marketing 7% Petroquímica 1% Distribuição 1% Corporativo 1%

21 Investimentos internacionais por região África 19,6% (US$ 1,4 bi) América Latina 44% (US$ 3,1 bi) América do Norte 19,6% (US$1,4 bi) Outros 16,8 % (US$1,2 bi)

22 Efeitos da atuação da Petrobras na economia brasileira

23 Efeitos da atuação da Petrobras na economia brasileira Conteúdo Nacional Área de Negócio Investimentos em projetos no Brasil (US$ bilhões) Aquisição de materiais e serviços no mercado brasileiro (US$ bilhões) Conteúdo Nacional (%) E&P 28,0 14,3 51% Abastecimento 12,9 10,6 82% G&E 6,5 5,4 83% Distribuição 0,9 0,8 92% Áreas Corporativas 1,0 0,8 80% Total 49,3 32,0 65%

24 Efeitos da atuação da Petrobras na economia brasileira Demanda por Postos de Trabalho Postos de Trabalho (mil) Média Anual Total: 662 mil 502 mil 160 mil Diretos Indiretos

25 Efeitos da atuação da Petrobras na economia brasileira Média Anual do Valor Adicionado (R$ bilhões) R$ 176 bilhões, o equivalente a 10% do PIB brasileiro Petrobras no país Cadeia Produtiva dos Gastos Operacionais Cadeia Produtiva dos Investimentos TOTAL DO VALOR ADICIONADO

26 Conclusões

27 A Petrobras mantém como vetores-chave do seu desempenho corporativo o crescimento, a rentabilidade e a responsabilidade social e ambiental. Contínuo e expressivo crescimento da produção de petróleo no Brasil, inclusive após 2010, com autosuficiência sustentável em óleo a partir de Estão contemplados, no plano, recursos para a busca dos padrões de excelência nas áreas de segurança, meio ambiente e saúde.

28 Expansão seletiva no setor petroquímico Investimentos no parque de refino para melhorar qualidade de produtos e valorizar petróleo nacional O Plano prevê um programa de renovação da frota

29 Na busca da liderança em todos os segmentos do mercado consumidor do setor de distribuição, merece destaque a consolidação da Petrobras, por meio da Petrobras Distribuidora, no mercado de GLP com a aquisição da Liquigás. Na área internacional, 82% dos investimentos irão para os países das áreas foco e 87% serão no segmento de E&P.

30 Consolidação da infra-estrutura para o desenvolvimento do mercado de gás natural. O Plano possibilita a operação concomitante de todas as térmicas autorizadas, no horizonte Consolidação da posição da Petrobras no mercado brasileiro de energias renováveis.

Petrobras aprova Plano de Negócios 2010-2014

Petrobras aprova Plano de Negócios 2010-2014 1 Petrobras aprova Plano de Negócios 2010-2014 O Conselho de Administração aprovou o Plano de Negócios 2010-2014, com investimentos totais de US$ 224 bilhões, representando a média de US$ 44,8 bilhões

Leia mais

Plano Estratégico Petrobras 2030 e Plano de Negócios e Gestão 2014 2018

Plano Estratégico Petrobras 2030 e Plano de Negócios e Gestão 2014 2018 Plano Estratégico Petrobras 2030 e Plano de Negócios e Gestão 2014 2018 A Petrobras comunica que seu Conselho de Administração aprovou o Plano Estratégico Petrobras 2030 (PE 2030) e o Plano de Negócios

Leia mais

FÓRUM REGIONAL ESPÍRITO SANTO

FÓRUM REGIONAL ESPÍRITO SANTO FÓRUM REGIONAL ESPÍRITO SANTO PLANO ESTRATÉGICO 2015 Missão Atuar de forma segura e rentável, com responsabilidade social e ambiental, nas atividades da indústria de óleo, gás e energia, nos mercados nacional

Leia mais

Top de Marketing 2005

Top de Marketing 2005 Top de Marketing 2005 :: Introdução :: Responsabilidade Social e Ambiental :: Imagem :: Investimentos Introdução Cadeia da Petrobras - Resumo Cliente (ex.: Posto) Organograma Missão e Visão MISSÃO Atuar

Leia mais

ATUAÇÃO INTERNACIONAL DA PETROBRAS E AS OPORTUNIDADES PARA A INDÚSTRIA BRASILEIRA

ATUAÇÃO INTERNACIONAL DA PETROBRAS E AS OPORTUNIDADES PARA A INDÚSTRIA BRASILEIRA PROMINP - 2o WORKSHOP NACIONAL ATUAÇÃO INTERNACIONAL DA PETROBRAS E AS OPORTUNIDADES PARA A INDÚSTRIA BRASILEIRA ÁREA DE NEGÓCIO INTERNACIONAL Cláudio Castejon Vitória, 28 de outubro de 2004 O portfolio

Leia mais

Implantação da Refinaria Premium II: desafios e oportunidades

Implantação da Refinaria Premium II: desafios e oportunidades Implantação da Refinaria Premium II: desafios e oportunidades RAIMUNDO LUTIF Gerente Estruturação Negócio Fortaleza Ceará Fortaleza, 13 / setembro/ 2011. 1 AVISO Estas apresentações podem conter previsões

Leia mais

Willis Latin American Energy Conference

Willis Latin American Energy Conference Willis Latin American Energy Conference Planejamento Financeiro e Gestão de Riscos outubro 2012 Cátia Diniz Gerente Setorial de Seguros Internacionais Estas apresentações podem conter previsões acerca

Leia mais

Plano de Negócios e Gestão 2013-2017

Plano de Negócios e Gestão 2013-2017 PETRÓLEO BRASILEIRO S.A. - PETROBRAS Companhia Aberta FATO RELEVANTE Plano de Negócios e Gestão 2013-2017 Rio de Janeiro, 15 de março de 2013 Petróleo Brasileiro S.A. Petrobras comunica que seu Conselho

Leia mais

PLANO DE NEGÓCIOS 2010 2014 Webcast. José Sergio Gabrielli Presidente Almir Barbassa Diretor Financeiro e de Relações com Investidores

PLANO DE NEGÓCIOS 2010 2014 Webcast. José Sergio Gabrielli Presidente Almir Barbassa Diretor Financeiro e de Relações com Investidores PLANO DE NEGÓCIOS 2010 2014 Webcast José Sergio Gabrielli Presidente Almir Barbassa Diretor Financeiro e de Relações com Investidores 1 AVISO Estas apresentações podem conter previsões acerca de eventos

Leia mais

Lucro líquido de R$ 5 bilhões 816 milhões no 1º trimestre de 2009

Lucro líquido de R$ 5 bilhões 816 milhões no 1º trimestre de 2009 Nota à Imprensa 11 de maio de 2009 Lucro líquido de R$ 5 bilhões 816 milhões no 1º trimestre de 2009 O preço médio do barril do petróleo tipo Brent caiu 55%, passando de US$ 97 no 1º trimestre de 2008

Leia mais

PLANO DE NEGÓCIOS 2010-2014

PLANO DE NEGÓCIOS 2010-2014 PLANO DE NEGÓCIOS 2010-2014 1 AVISO As apresentações podem conter previsões acerca de eventos futuros. Tais previsões refletem apenas expectativas dos administradores da Companhia. Os termos antecipa",

Leia mais

Lucro líquido da Petrobras foi de R$ 10 bilhões 352 milhões no 1º semestre de 2014

Lucro líquido da Petrobras foi de R$ 10 bilhões 352 milhões no 1º semestre de 2014 Nota à Imprensa 8 de agosto de 2014 Lucro líquido da Petrobras foi de R$ 10 bilhões 352 milhões no 1º semestre de 2014 O lucro bruto no 1º semestre de 2014 foi de R$ 38,5 bilhões, 2% superior ao 1º semestre

Leia mais

A gestão das empresas estatais: contribuições para agências governamentais. Augusto José Mendes Riccio Gerente de Práticas de Gestão Petrobras

A gestão das empresas estatais: contribuições para agências governamentais. Augusto José Mendes Riccio Gerente de Práticas de Gestão Petrobras A gestão das empresas estatais: contribuições para agências governamentais Augusto José Mendes Riccio Gerente de Práticas de Gestão Petrobras Visão e Missão da Petrobras Visão 2020 Ser uma das cinco maiores

Leia mais

Plano de Negócios 2011-2015

Plano de Negócios 2011-2015 PETRÓLEO BRASILEIRO S.A. - PETROBRAS Companhia Aberta FATO RELEVANTE Plano de Negócios 2011-2015 Rio de Janeiro, 22 de julho de 2011 Petróleo Brasileiro S.A. Petrobras comunica que seu Conselho de Administração

Leia mais

Desenvolvimento da Cadeia de Fornecedores e Sustentabilidade. Augusto Riccio Coordenador de Organização Gestão &Governança

Desenvolvimento da Cadeia de Fornecedores e Sustentabilidade. Augusto Riccio Coordenador de Organização Gestão &Governança Desenvolvimento da Cadeia de Fornecedores e Sustentabilidade Augusto Riccio Coordenador de Organização Gestão &Governança Destaques Petrobras --------------------------------------------------------------------------

Leia mais

Excelência em Gestão. PETROBRAS - Abastecimento

Excelência em Gestão. PETROBRAS - Abastecimento Excelência em Gestão PETROBRAS - Abastecimento Programação Visão Geral da Companhia A construção de um novo Modelo de Gestão Práticas de Gestão para a Excelência Resultados Visão Geral da Companhia Panorama

Leia mais

A PETROBRAS E SUA ATUAÇÃO NA REGIÃO DE PAULÍNIA. Claudio Pimentel Gerente Geral da Refinaria de Paulínia

A PETROBRAS E SUA ATUAÇÃO NA REGIÃO DE PAULÍNIA. Claudio Pimentel Gerente Geral da Refinaria de Paulínia A PETROBRAS E SUA ATUAÇÃO NA REGIÃO DE PAULÍNIA Claudio Pimentel Gerente Geral da Refinaria de Paulínia VISÃO E MISSÃO Seremos uma das cinco maiores empresas integradas de energia do mundo e a preferida

Leia mais

PLANO DE NEGÓCIOS DA PETROBRAS PROJETOS DA BACIA DE SANTOS. José Luiz Marcusso E&P / UN-BS. São Paulo, 11 de maio de 2010

PLANO DE NEGÓCIOS DA PETROBRAS PROJETOS DA BACIA DE SANTOS. José Luiz Marcusso E&P / UN-BS. São Paulo, 11 de maio de 2010 PLANO DE NEGÓCIOS DA PETROBRAS PROJETOS DA BACIA DE SANTOS José Luiz Marcusso E&P / UN-BS São Paulo, 11 de maio de 2010 1 1 AVISO As apresentações podem conter previsões acerca de eventos futuros. Tais

Leia mais

PROGRAMAS PARA CONSOLIDAR E EXPANDIR A LIDERANÇA PETRÓLEO, GÁS NATURAL E PETROQUÍMICA

PROGRAMAS PARA CONSOLIDAR E EXPANDIR A LIDERANÇA PETRÓLEO, GÁS NATURAL E PETROQUÍMICA Programas para consolidar e expandir a liderança PROGRAMAS PARA CONSOLIDAR E EXPANDIR A LIDERANÇA PETRÓLEO, GÁS NATURAL E PETROQUÍMICA 1 Petróleo, Gás Natural e Petroquímica Estratégias: liderança mundial

Leia mais

Responsabilidade Social e Ambiental na Petrobras

Responsabilidade Social e Ambiental na Petrobras Responsabilidade Social e Ambiental na Petrobras Carlos Alberto Ribeiro de Figueiredo Janice Dias PETROBRAS - Comunicação Nacional RESPONSABILIDADE SOCIAL SOCIAL CORPORATIVA Necessidade Assistencialismo

Leia mais

1. Informações Institucionais

1. Informações Institucionais 1. Informações Institucionais Nossa Empresa Líder mundial em eventos de negócios e consumo, a Reed Exhibitions atua na criação de contatos, conteúdo e comunidades com o poder de transformar negócios Números

Leia mais

Convênio Petrobras & Sebrae

Convênio Petrobras & Sebrae Inserção competitiva e sustentável das micro e pequenas empresas na cadeia produtiva do petróleo, gás e energia. PROMINP (Programa de Mobilização da Industria de Petróleo e Gás Natural) Projeto Ind P&

Leia mais

Comentários sobre o. Plano Decenal de Expansão. de Energia (PDE 2008-2017)

Comentários sobre o. Plano Decenal de Expansão. de Energia (PDE 2008-2017) Comentários sobre o Plano Decenal de Expansão de Energia (PDE 2008-2017) PAULO CÉSAR RIBEIRO LIMA JANEIRO/2009 Paulo César Ribeiro Lima 2 Comentários sobre o Plano Decenal de Expansão de Energia (PDE 2008-2017)

Leia mais

ANEXO XII ATIVIDADES NÃO REALIZADAS POR RESTRIÇÃO DE PESSOAL E DE ORÇAMENTO

ANEXO XII ATIVIDADES NÃO REALIZADAS POR RESTRIÇÃO DE PESSOAL E DE ORÇAMENTO ANEXO XII ATIVIDADES NÃO REALIZADAS POR RESTRIÇÃO DE PESSOAL E DE ORÇAMENTO ANEXO XII ATIVIDADES NÃO REALIZADAS POR RESTRIÇÃO DE PESSOAL E DE ORÇAMENTO QUADRO 1 Atividades a não serem realizadas por restrição

Leia mais

GÁS NATURAL A PREÇO JUSTO!

GÁS NATURAL A PREÇO JUSTO! GÁS NATURAL A PREÇO JUSTO! 14º Encontro de Energia FIESP Matriz Segura e Competitiva Luis Henrique Guimarães São Paulo, 5 de agosto de 2013 1 AGENDA Princípios que norteiam a apresentação O que é Preço

Leia mais

Lucro líquido da Petrobras em 2010 alcança valor recorde de R$ 35 bilhões 189 milhões

Lucro líquido da Petrobras em 2010 alcança valor recorde de R$ 35 bilhões 189 milhões Nota à Imprensa 25 de fevereiro de 2011 Lucro líquido da Petrobras em 2010 alcança valor recorde de R$ 35 bilhões 189 milhões O lucro líquido aumentou 17% em relação a 2009 e EBITDA atingiu de R$ 60 bilhões

Leia mais

Reflexões sobre a Ética em Empresas de Tecnologia O Caso Petrobras. Heitor Chagas de Oliveira Gerente Executivo Recursos Humanos

Reflexões sobre a Ética em Empresas de Tecnologia O Caso Petrobras. Heitor Chagas de Oliveira Gerente Executivo Recursos Humanos Reflexões sobre a Ética em Empresas de Tecnologia O Caso Petrobras Heitor Chagas de Oliveira Gerente Executivo Recursos Humanos Sustentabilidade e Competitividade SUSTENTABILIDADE pode ser entendida como

Leia mais

PRÓXIMO NÚMERO 2, 10, 12, 16, 17, 18, 19, {..?..}

PRÓXIMO NÚMERO 2, 10, 12, 16, 17, 18, 19, {..?..} SISTEMA DE GESTÃO REFLEXÃO INICIAL PRÓXIMO NÚMERO 2, 10, 12, 16, 17, 18, 19, {..?..} PARADIGMA É um quadro de referência mental através do qual as pessoas pensam e agem. - Karl Albrecht QUAL É O NOSSO

Leia mais

Estrutura de Refino: até quando o Brasil importará derivados de petróleo?

Estrutura de Refino: até quando o Brasil importará derivados de petróleo? Estrutura de Refino: até quando o Brasil importará derivados de petróleo? 14º Encontro Internacional de Energia Carlos Alberto Lopes 06/08/2013 Gas Energy Quem Somos A GAS ENERGY S.A. é uma empresa brasileira

Leia mais

ÍNDICE HISTÓRICO BAHIA EM NÚMEROS INCENTIVOS MERCADO INFRA-ESTRUTURA NOVOS PROJETOS. Seminário Jurídico-Fiscal Brasil Round 6

ÍNDICE HISTÓRICO BAHIA EM NÚMEROS INCENTIVOS MERCADO INFRA-ESTRUTURA NOVOS PROJETOS. Seminário Jurídico-Fiscal Brasil Round 6 Seminário Jurídico-Fiscal Brasil Round 6 INFRA- ESTRUTURA PARA E&P NO ESTADO DA BAHIA Rio de Janeiro, 18 de março de 2004 ÍNDICE 1 HISTÓRICO 2 BAHIA EM NÚMEROS 3 INCENTIVOS 4 MERCADO 5 INFRA-ESTRUTURA

Leia mais

Painel Inovação Aberta Colaborativa. Inovação na Petrobras

Painel Inovação Aberta Colaborativa. Inovação na Petrobras Painel Inovação Aberta Colaborativa Inovação na Petrobras São Paulo, 23 de agosto de 2012 Maria Cristina Espinheira Saba Gerente de Estratégia Tecnológica do Centro de Pesquisas e Desenvolvimento (PETROBRAS/CENPES)

Leia mais

Células de combustível

Células de combustível Células de combustível A procura de energia no Mundo está a aumentar a um ritmo alarmante. A organização WETO (World Energy Technology and Climate Policy Outlook) prevê um crescimento anual de 1,8 % do

Leia mais

Introdução da fase P7 para veículos pesados no Brasil. - Desafios do mercado de diesel -

Introdução da fase P7 para veículos pesados no Brasil. - Desafios do mercado de diesel - Introdução da fase P7 para veículos pesados no Brasil - Desafios do mercado de diesel - Nos últimos anos, os limites de poluentes tem sofrido redução através da legislação de emissões Evolução dos padrões

Leia mais

Copyright 2015 Accenture. Todos os direitos reservados. 1

Copyright 2015 Accenture. Todos os direitos reservados. 1 Copyright 2015 Accenture. Todos os direitos reservados. 1 Análise macro setorial e a necessidade de ampliação dos investimentos no downstream brasileiro. Copyright 2015 Accenture. Todos os direitos reservados.

Leia mais

Seminário O papel do combustíveis fósseis na. Ações de mitigação das mudanças climáticas na PETROBRAS. Beatriz Nassur Espinosa

Seminário O papel do combustíveis fósseis na. Ações de mitigação das mudanças climáticas na PETROBRAS. Beatriz Nassur Espinosa Seminário O papel do combustíveis fósseis na sustentabilidade e segurança energética Ações de mitigação das mudanças climáticas na PETROBRAS Beatriz Nassur Espinosa Gerente Geral Segurança, Meio Ambiente

Leia mais

Almir Guilherme Barbassa Diretor Financeiro e de Relações com Investidores 18 de Agosto de 2009

Almir Guilherme Barbassa Diretor Financeiro e de Relações com Investidores 18 de Agosto de 2009 Teleconferência / Webcast DIVULGAÇÃO DOS RESULTADOS 2 o trimestre de 2009 (Legislação Societária) Almir Guilherme Barbassa Diretor Financeiro e de Relações com Investidores 18 de Agosto de 2009 Reservatório

Leia mais

Resultados do Exercício de 2014 Auditados

Resultados do Exercício de 2014 Auditados Nota à Imprensa 22 de abril de 2015 Resultados do Exercício de 2014 Auditados A Petrobras apresentou prejuízo de R$ 21,6 bilhões no ano de 2014, em função, principalmente, da perda por desvalorização de

Leia mais

Disponibilização e consumo de energia: implicações sobre o meio ambiente

Disponibilização e consumo de energia: implicações sobre o meio ambiente Disponibilização e consumo de energia: implicações sobre o meio ambiente Ipea Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada Gesmar Rosa dos Santos Antenor Lopes Conteúdo Características gerais da Oferta Interna

Leia mais

Refinaria Duque de Caxias - REDUC

Refinaria Duque de Caxias - REDUC Refinaria Duque de Caxias - REDUC Refinarias no Brasil 239.000 *Considerando Processamento de GN e LGN, a carga passa a ser 267.300 bbl/dia. Refinaria Duque de Caxias - REDUC Localização : Duque de Caxias

Leia mais

Superintendência de Desenvolvimento Industrial Setembro, 2011

Superintendência de Desenvolvimento Industrial Setembro, 2011 Integração de Cadeias Produtivas Superintendência de Desenvolvimento Industrial Setembro, 2011 Agenda 1. Crescimento do Mercado Consumidor e Ascensão da Classe Média 1. Áreas de Investimento e Adensamento

Leia mais

Prospectivas da Matriz Energética Nacional 2030

Prospectivas da Matriz Energética Nacional 2030 Prospectivas da Matriz Energética Nacional 2030 Gilberto Hollauer Departamento de Planejamento Energético SECRETARIA DE PLANEJAMENTO E DESENVOLVIMENTO ENERGÉTICO Brasília, Brasília, 13 de 5 setembro de

Leia mais

Iniciativas de Produção Mais Limpa na Indústria de Petróleo e Gás. Daniela Machado Zampollo Lucia de Toledo Camara Neder

Iniciativas de Produção Mais Limpa na Indústria de Petróleo e Gás. Daniela Machado Zampollo Lucia de Toledo Camara Neder Iniciativas de Produção Mais Limpa na Indústria de Petróleo e Gás Daniela Machado Zampollo Lucia de Toledo Camara Neder Sumário A Empresa - Petrobras A Exploração e Produção de Óleo e Gás Gestão Ambiental

Leia mais

Desenvolvimento de Competências Alinhadas com as Estratégias Empresariais: O caso Petrobras

Desenvolvimento de Competências Alinhadas com as Estratégias Empresariais: O caso Petrobras Desenvolvimento de Competências Alinhadas com as Estratégias Empresariais: O caso Petrobras Sumário A Petrobras Os Desafios O Alinhamento Estratégico - Gestão por Competências - A Concepção da Universidade

Leia mais

ORÇAMENTO DE INVESTIMENTO DAS EMPRESAS ESTATAIS - 2006. Principais Grupos

ORÇAMENTO DE INVESTIMENTO DAS EMPRESAS ESTATAIS - 2006. Principais Grupos Principais Grupos Empresas correntes 2003 2004 2005 2006 Realizado Realizado Realizado LOA Setor Produtivo Estatal 17.301 18.285 20.554 31.404 - Grupo PETROBRAS (No País) 13.839 14.960 16571 24.095 - Grupo

Leia mais

A Indústria naval e offshore no Estado do Rio De Janeiro

A Indústria naval e offshore no Estado do Rio De Janeiro A Indústria naval e offshore no Estado do Rio De Janeiro Rio de Janeiro Localização Sudeste do Brasil (56% do PIB nacional) Área 43.90 km 2 (0,5% do território brasileiro) População 5,4 Mi (8,4% do total)

Leia mais

ESCOLA DE COMANDO E ESTADO-MAIOR DO EXÉRCITO (ECEME) 4º Congresso de Ciências Militares

ESCOLA DE COMANDO E ESTADO-MAIOR DO EXÉRCITO (ECEME) 4º Congresso de Ciências Militares ESCOLA DE COMANDO E ESTADO-MAIOR DO EXÉRCITO (ECEME) 4º Congresso de Ciências Militares Ciências Militares no Século XXI Situação Atual e Desafios Futuros Geopolítica dos Recursos Naturais Fontes Alternativas

Leia mais

Atuação do BNDES no Financiamento à Cogeração. e às s Fontes Alternativas de Energia. Alternativas de Energia. Raquel Batissaco Duarte

Atuação do BNDES no Financiamento à Cogeração. e às s Fontes Alternativas de Energia. Alternativas de Energia. Raquel Batissaco Duarte Atuação do BNDES no Financiamento à Cogeração e às s Fontes Alternativas de Energia Raquel Batissaco Duarte Gerente Departamento de Gás, Petróleo, Cogeração e Fontes Alternativas de Energia Belo Horizonte,

Leia mais

Investimentos da AES Brasil crescem 32% e atingem R$ 641 milhões nos primeiros nove meses do ano

Investimentos da AES Brasil crescem 32% e atingem R$ 641 milhões nos primeiros nove meses do ano Investimentos da AES Brasil crescem 32% e atingem R$ 641 milhões nos primeiros nove meses do ano Valor faz parte de plano de investimentos crescentes focado em manutenção, modernização e expansão das operações

Leia mais

El desarrollo del galvanizado general em Brasil em los últimos 5 años. Ulysses Nunes, Mangels - Brasil

El desarrollo del galvanizado general em Brasil em los últimos 5 años. Ulysses Nunes, Mangels - Brasil El desarrollo del galvanizado general em Brasil em los últimos 5 años Ulysses Nunes, Mangels - Brasil Mercado Galvanização Mercado Galvanização Mercado Galvanização Mercado Galvanização Desenvolvimento

Leia mais

Impacto Potencial da Atividade da Industria de O&G na Sociedade. Eloi Fernández y Fernández Diretor Geral

Impacto Potencial da Atividade da Industria de O&G na Sociedade. Eloi Fernández y Fernández Diretor Geral Impacto Potencial da Atividade da Industria de O&G na Sociedade Brasileira Eloi Fernández y Fernández Diretor Geral Novembro de 2008 Sumário Cenário Atual do Setor Impactos Sociais Cenário Atual do Setor

Leia mais

Resumo Técnico: Avaliação técnica e econômica do mercado potencial de co-geração a Gás Natural no Estado de São Paulo

Resumo Técnico: Avaliação técnica e econômica do mercado potencial de co-geração a Gás Natural no Estado de São Paulo Resumo Técnico: Avaliação técnica e econômica do mercado potencial de co-geração a Gás Natural no Estado de São Paulo São Paulo 2008 1. Introdução. Este estudo tem como finalidade demonstrar a capacidade

Leia mais

crescimento nos últimos cinco anos. Desde 1995, as vendas cresceram num total de 85%. A maior parte das vendas da GE no ano 2000 ocorreram em seu

crescimento nos últimos cinco anos. Desde 1995, as vendas cresceram num total de 85%. A maior parte das vendas da GE no ano 2000 ocorreram em seu GENERAL ELECTRIC A General Electric Company é uma empresa diversificada, atuando em vários segmentos, sempre com o compromisso declarado de alcançar liderança mundial em cada um de seus negócios. Atualmente,

Leia mais

José Sergio Gabrielli de Azevedo Presidente. Brasília Março 2009

José Sergio Gabrielli de Azevedo Presidente. Brasília Março 2009 José Sergio Gabrielli de Azevedo Presidente Brasília Março 2009 Plano de Negócios 2009-2013 PERSPECTIVAS: NECESSIDADE DE NOVOS INVESTIMENTOS NA PRODUÇÃO DE PETRÓLEO DESAFIO DA OFERTA GLOBAL DE LÍQUIDOS

Leia mais

ENERGIA RENOVÁVEIS & EFICIÊNCIA ENERGÉTICA

ENERGIA RENOVÁVEIS & EFICIÊNCIA ENERGÉTICA ENERGIA RENOVÁVEIS & EFICIÊNCIA ENERGÉTICA SUPERINTENDÊNCIA DE PROJETOS DE GERAÇÃO (SPG) CHESF 1 TEMAS ABORDADOS PERFIL DA CHESF MATRIZ ENERGÉTICA FONTES DE ENERGIA RENOVÁVEIS & NUCLEAR ASPECTOS ECONÔMICOS

Leia mais

O desenvolvimento da indústria fornecedora de bens e serviços para petróleo e gás no Brasil e o BNDES

O desenvolvimento da indústria fornecedora de bens e serviços para petróleo e gás no Brasil e o BNDES Conselho de Desenvolvimento Econômico e Social O desenvolvimento da indústria fornecedora de bens e serviços para petróleo e gás no Brasil e o BNDES 20.10.2009 Luciano Coutinho Mensagem Inicial Pré-sal:

Leia mais

Perspectivas para o Setor de petróleo e gás natural no Brasil

Perspectivas para o Setor de petróleo e gás natural no Brasil Perspectivas para o Setor de petróleo e gás natural no Brasil Comissão de Minas e Energia Comissão de Desenvolvimento Econômico, Indústria e Comércio Câmara dos Deputados João Carlos de Luca Presidente

Leia mais

Biocombustíveis. Também chamados de agrocombustíveis

Biocombustíveis. Também chamados de agrocombustíveis Biocombustíveis Também chamados de agrocombustíveis Biomassa É o combustível obtido a partir da biomassa: material orgânico vegetal ou animal Uso tradicional: lenha, excrementos Etanol: álcool combustível.

Leia mais

Ciência sem Fronteiras: construindo redes internacionais para inovação

Ciência sem Fronteiras: construindo redes internacionais para inovação Ciência sem Fronteiras: construindo redes internacionais para inovação Recursos Humanos Universidade Petrobras Brasil 12 a 14 de novembro Hotel Transamérica São Paulo. 2 Petrobras A PETROBRAS Atua como

Leia mais

A Petrobras e o Desenvolvimento do Mercado de Gás Natural no Brasil

A Petrobras e o Desenvolvimento do Mercado de Gás Natural no Brasil XII Congresso Nacional de Estudantes de Engenharia Mecânica (CREEM-2005) A Petrobras e o Desenvolvimento do Mercado de Gás Natural no Brasil Antonio Carlos Pereira Maia Gerente Desenvolvimento de Mercado

Leia mais

I Simpósio de Inovação Tecnológica e Soluções para o Meio Ambiente A CONTRIBUIÇÃO DA PETROBRAS PARA A MITIGAÇÃO DA MUDANÇA DO CLIMA

I Simpósio de Inovação Tecnológica e Soluções para o Meio Ambiente A CONTRIBUIÇÃO DA PETROBRAS PARA A MITIGAÇÃO DA MUDANÇA DO CLIMA I Simpósio de Inovação Tecnológica e Soluções para o Meio Ambiente A CONTRIBUIÇÃO DA PETROBRAS PARA A MITIGAÇÃO DA MUDANÇA DO CLIMA Leonardo Mitidiero Mansor Gerente Setorial de Articulação e Contingência

Leia mais

Apoio para fornecedores do setor de Petróleo & Gás em São Paulo

Apoio para fornecedores do setor de Petróleo & Gás em São Paulo Apoio para fornecedores do setor de Petróleo & Gás em São Paulo Ubirajara Sampaio de Campos Subsecretário de Petróleo e Gás Secretaria de Energia do Estado de São Paulo Santos Offshore 09 Abril 2014 Indústria

Leia mais

O Mercado de Energias Renováveis e o Aumento da Geração de Energia Eólica no Brasil. Mario Lima Maio 2015

O Mercado de Energias Renováveis e o Aumento da Geração de Energia Eólica no Brasil. Mario Lima Maio 2015 O Mercado de Energias Renováveis e o Aumento da Geração de Energia Eólica no Brasil Mario Lima Maio 2015 1 A Matriz Energética no Brasil A base da matriz energética brasileira foi formada por recursos

Leia mais

Papel dos biocombustíveis na matriz energética brasileira

Papel dos biocombustíveis na matriz energética brasileira Papel dos biocombustíveis na matriz energética brasileira Agenda Arcabouço Legal Panorama Brasil o Matriz Energética Brasileira o Biodiesel o Etanol o Novos Biocombustíveis Comentários Finais Arcabouço

Leia mais

Financiamento do BNDES às Pequenas Centrais Hidrelétricas (PCHs) Foto: PCH Cotiporã

Financiamento do BNDES às Pequenas Centrais Hidrelétricas (PCHs) Foto: PCH Cotiporã Financiamento do BNDES às Pequenas Centrais Hidrelétricas (PCHs) Ludmila Carvalho Colucci 06/04/2009 Foto: PCH Cotiporã 1 Agenda BNDES Carteira do BNDES Políticas Operacionais Operações Estruturadas Foto:

Leia mais

Inteligência Tecnológica na Petrobras

Inteligência Tecnológica na Petrobras Inteligência Tecnológica na Petrobras Maio/2012 CENPES/GTEC/EST Informações Institucionais Sistema Tecnológico Petrobras Processos de Gestão da Tecnologia Monitoração e Prospecção Tecnológica Informações

Leia mais

Perspectivas da Oferta de Gás Natural no Brasil. Hugo Repsold Junior Gerente Executivo Corporativo Petrobras - Gás & Energia outubro/2012

Perspectivas da Oferta de Gás Natural no Brasil. Hugo Repsold Junior Gerente Executivo Corporativo Petrobras - Gás & Energia outubro/2012 Perspectivas da Oferta de Gás Natural no Brasil Hugo Repsold Junior Gerente Executivo Corporativo Petrobras - Gás & Energia outubro/2012 Essa apresentação pode conter previsões acerca de eventos futuros.

Leia mais

Principais Projetos da Petrobras no Plano de Aceleração do Crescimento (PAC)

Principais Projetos da Petrobras no Plano de Aceleração do Crescimento (PAC) Principais Projetos da Petrobras no Plano de Aceleração do Crescimento (PAC) Rio de Janeiro, 23 de janeiro de 2007 PETRÓLEO BRASILEIRO S/A - PETROBRAS, [Bovespa: PETR3/PETR4, NYSE: PBR/PBRA, Latibex: XPBR/XPBRA,

Leia mais

Plano de Negócios e Gestão 2013 2017

Plano de Negócios e Gestão 2013 2017 Plano de Negócios e Gestão 2013 2017 1 Plano de Negócios e Gestão 2013 2017 Webcast 19 de março de 2013 2 Aviso Estas apresentações podem conter previsões acerca de eventos futuros. Tais previsões refletem

Leia mais

Fusões e Aquisições no Setor Sucroalcooleiro e a Promoção da Bioeletricidade

Fusões e Aquisições no Setor Sucroalcooleiro e a Promoção da Bioeletricidade Fusões e Aquisições no Setor Sucroalcooleiro e a Promoção da Bioeletricidade Nivalde J. de Castro 1 Guilherme de A. Dantas 2 A indústria sucroalcooleira brasileira passa por um intenso processo de fusões

Leia mais

Título da Apresentação

Título da Apresentação Título da Apresentação Financiadora de Estudos e Projetos Agência Brasileira de Inovação Ciência, Tecnologia e Inovação no Brasil 2º Workshop Platec E&P Onshore - Sondas de Perfuração e Workover - Equipamentos

Leia mais

Análise do Plano Decenal de Energia (2012-2021)

Análise do Plano Decenal de Energia (2012-2021) Análise do Plano Decenal de Energia (2012-2021) Em 24 de setembro, foi colocada para consulta pública a nova versão do Plano Decenal de Energia. O plano é atualizado anualmente e prevê os rumos energéticos

Leia mais

POSTO ECOTECNOLÓGICO

POSTO ECOTECNOLÓGICO POSTO ECOTECNOLÓGICO CONCEITO Posto de serviços para teste e demonstração de novas tecnologias em equipamentos para abastecimento de GNV, novos combustíveis e geração de energia As premissas de sustentabilidade

Leia mais

Programa Temático 2053 Petróleo e Gás

Programa Temático 2053 Petróleo e Gás Programa Temático 2053 Petróleo e Gás Objetivo 0057 Implantar sistemas coordenados de exploração, produção e processamento de petróleo e gás natural, em terra e mar, com conteúdo local, bem como de transporte

Leia mais

Desenvolvimento de Fornecedores para o Setor Petróleo e Gás

Desenvolvimento de Fornecedores para o Setor Petróleo e Gás Desenvolvimento de Fornecedores para o Setor Petróleo e Gás Santos Offshore Alfredo Renault Santos, 10 de abril de 2014. Sumário I PERSPECTIVAS E INVESTIMENTOS DO SETOR II A CADEIA DE FORNECEDORES III

Leia mais

INOVAR E INVESTIR PARA SUSTENTAR O CRESCIMENTO Fórum do Planalto 03/07/2008

INOVAR E INVESTIR PARA SUSTENTAR O CRESCIMENTO Fórum do Planalto 03/07/2008 INOVAR E INVESTIR PARA SUSTENTAR O CRESCIMENTO Fórum do Planalto 03/07/2008 O momento e as tendências Fundamentos macroeconômicos em ordem Mercados de crédito e de capitais em expansão Aumento do emprego

Leia mais

AGENDA DE INDICADORES

AGENDA DE INDICADORES INFORME DIÁRIO 23 DE JUNHO DE 2010 AGENDA DE INDICADORES Analistas responsáveis: Ricardo Faria e Júlio Hegedus Netto Nesta quarta-feira a FGV divulgará a Sondagem do Consumidor em junho, cujo índice de

Leia mais

Papel da Energia Alternativa na Política Energética do Brasil

Papel da Energia Alternativa na Política Energética do Brasil Seminário Internacional Fontes Alternativas de Energia e Eficiência Energética Papel da Energia Alternativa na Política Energética do Brasil Por Laura Porto Brasília, Junho de 2002 BRASIL CAPACIDADE INSTALADA

Leia mais

4º Congresso Internacional de Bioenergia e 1º Congresso Brasileiro de GD e ER

4º Congresso Internacional de Bioenergia e 1º Congresso Brasileiro de GD e ER 4º Congresso Internacional de Bioenergia e 1º Congresso Brasileiro de GD e ER Painel II BIOMASSA: Disponibilidade Energética para uma Civilização Sustentável Departamento de Desenvolvimento Energético

Leia mais

PROGRAMAS ESTRUTURANTES DEFINEM METAS PARA 24 SETORES PRODUTIVOS

PROGRAMAS ESTRUTURANTES DEFINEM METAS PARA 24 SETORES PRODUTIVOS PROGRAMAS ESTRUTURANTES DEFINEM METAS PARA 24 SETORES PRODUTIVOS Os Programas Estruturantes um dos níveis da Política de Desenvolvimento Produtivo estão divididos em três eixos: os Programas Mobilizadores

Leia mais

4 O CASO PETROBRAS 4.1 HISTÓRICO DA PETROBRAS

4 O CASO PETROBRAS 4.1 HISTÓRICO DA PETROBRAS 4 O CASO PETROBRAS 4.1 HISTÓRICO DA PETROBRAS A Petrobras foi criada em 3 de outubro de 1953, pela Lei 2.004, assinada pelo então presidente Getúlio Vargas, em meio a um ambiente de descrédito em relação

Leia mais

EXPLORAÇÃO & PRODUÇÃO EXPLORAÇÃO & PRODUÇÃO

EXPLORAÇÃO & PRODUÇÃO EXPLORAÇÃO & PRODUÇÃO Objetivo Maximizar a participação da indústria nacional de bens e serviços, em bases competitivas e sustentáveis, na implantação de projetos de óleo e gás no Brasil e no exterior. 1 Desafios Históricos:

Leia mais

RELOP III Reunião Anual Rio de Janeiro, 04 de novembro de 2010

RELOP III Reunião Anual Rio de Janeiro, 04 de novembro de 2010 Os Biocombustíveis no Brasil RELOP III Reunião Anual Rio de Janeiro, 04 de novembro de 2010 SUMÁRIO 1. Alguns dados d sobre o Brasil e a ANP 2. Os biocombustíveis no Brasil 3. O etanol 4. O biodiesel PANORAMA

Leia mais

Painel I: Os investimentos necessários para seguirmos crescendo

Painel I: Os investimentos necessários para seguirmos crescendo Painel I: Os investimentos necessários para seguirmos crescendo José Sergio Gabrielli de Azevedo Presidente da Petrobras São Paulo, 24 de novembro de 2010 1 Plano de Negócios 2010-2014 Grandes Oportunidades

Leia mais

POLÍTICA DE PREÇOS PARA O GÁS NATURAL NO BRASIL

POLÍTICA DE PREÇOS PARA O GÁS NATURAL NO BRASIL POLÍTICA DE PREÇOS PARA O GÁS NATURAL NO BRASIL GRUPO DE TRABALHO Coordenação: GEOBERTO ESPÍRITO SANTO VICE-PRESIDENTE DE PLANEJAMENTO ENERGÉTICO Rio de Janeiro, 1 de junho de 2012. PLANO DECENAL DE EXPANSÃO

Leia mais

Luciano Coutinho Presidente

Luciano Coutinho Presidente Como Financiar os Investimentos em Infraestrutura no Brasil? FÓRUM ESTADÃO BRASIL COMPETITIVO - OS NÓS DA INFRAESTRUTURA São Paulo, 13 de setembro de 2012 Luciano Coutinho Presidente No longo prazo, economia

Leia mais

{ 2 } Parque Tecnológico Capital Digital

{ 2 } Parque Tecnológico Capital Digital { 2 } Parque Tecnológico Capital Digital { 3 } 1. INTRODUÇÃO: PARQUE TECNOLÓGICO CAPITAL DIGITAL - PTCD Principal polo de desenvolvimento Científico, Tecnológico e de Inovação do Distrito Federal, o PTCD

Leia mais

MITIGAÇÃO DAS EMISSÕES DE GASES DE EFEITO ESTUFA NA PETROBRAS E NO DESENVOLVIMENTO DA PRODUÇÃO DO POLO PRÉ-SAL

MITIGAÇÃO DAS EMISSÕES DE GASES DE EFEITO ESTUFA NA PETROBRAS E NO DESENVOLVIMENTO DA PRODUÇÃO DO POLO PRÉ-SAL COMISSÃO MISTA PERMANENTE SOBRE MUDANÇAS CLIMÁTICAS SENADO FEDERAL MITIGAÇÃO DAS EMISSÕES DE GASES DE EFEITO ESTUFA NA PETROBRAS E NO DESENVOLVIMENTO DA PRODUÇÃO DO POLO PRÉ-SAL Beatriz Nassur Espinosa

Leia mais

Foto: PCH São Joaquim Ana Raquel Paiva Martins 24/04/2008

Foto: PCH São Joaquim Ana Raquel Paiva Martins 24/04/2008 Modelos de Financiamento do BNDES para Projetos de Geração de Energia e Condições de Acesso às Linhas Foto: PCH São Joaquim Ana Raquel Paiva Martins 24/04/2008 1 Agenda BNDES Carteira do BNDES Políticas

Leia mais

Desafios para a energia eólica e outras fontes alternativas. Deputado Federal Paulo Teixeira

Desafios para a energia eólica e outras fontes alternativas. Deputado Federal Paulo Teixeira Desafios para a energia eólica e outras fontes alternativas Deputado Federal Paulo Teixeira Energias renováveis no Brasil e no mundo Fonte: Coordenação-Geral de Fontes Alternativas do Ministério de Minas

Leia mais

PLANO DE NEGÓCIOS E GESTÃO Contribuição da Unidade de Operações de Exploração e Produção da Bacia de Santos (UO-BS)

PLANO DE NEGÓCIOS E GESTÃO Contribuição da Unidade de Operações de Exploração e Produção da Bacia de Santos (UO-BS) PLANO DE NEGÓCIOS E GESTÃO 2012 2016 Contribuição da Unidade de Operações de Exploração e Produção da Bacia de Santos (UO-BS) PLANO ESTRATÉGICO PETROBRAS 2020 Santos, 23 de outubro de 2012 MERCADO DE DERIVADOS

Leia mais

ENERGIA Fontes e formas de energia Impactos ambientais. Prof. Dra. Carmen Luisa Barbosa Guedes

ENERGIA Fontes e formas de energia Impactos ambientais. Prof. Dra. Carmen Luisa Barbosa Guedes ENERGIA Fontes e formas de energia Impactos ambientais Prof. Dra. Carmen Luisa Barbosa Guedes Disciplina: - 2014 A energia esta envolvida em todas as ações que ocorrem no UNIVERSO FONTES DE ENERGIA FONTES

Leia mais

COP 2013 COMMUNICATION ON PROGRESS PACTO GLOBAL DAS NAÇÕES UNIDAS

COP 2013 COMMUNICATION ON PROGRESS PACTO GLOBAL DAS NAÇÕES UNIDAS COP 2013 COMMUNICATION ON PROGRESS PACTO GLOBAL DAS NAÇÕES UNIDAS 2003 É criada a G-COMEX ÓLEO & GÁS com o objetivo de prover soluções logísticas sob medida para o mercado de óleo, gás, energia e indústria

Leia mais

OPORTUNIDADES NO ESPÍRITO SANTO

OPORTUNIDADES NO ESPÍRITO SANTO OPORTUNIDADES NO ESPÍRITO SANTO Seminário A competitividade do comércio exterior capixaba: infraestrutura logística e controle aduaneiro Cristina Vellozo Santos Subsecretária de Estado de Desenvolvimento

Leia mais

CRESCIMENTO DE VOLUME

CRESCIMENTO DE VOLUME CRESCIMENTO DE VOLUME 12% EM 2009 42 A Oxiteno iniciou 2009 com uma escala significativamente maior, como resultado do programa de investimentos em ampliação de sua capacidade produtiva conduzido nos últimos

Leia mais

O Mercado de Energia Eólica E e no Mundo. Brasil: vento, energia e investimento. São Paulo/SP 23 de novembro de 2007

O Mercado de Energia Eólica E e no Mundo. Brasil: vento, energia e investimento. São Paulo/SP 23 de novembro de 2007 O Mercado de Energia Eólica E no Brasil e no Mundo Brasil: vento, energia e investimento São Paulo/SP 23 de novembro de 2007 Energia: importância e impactos A energia é um dos principais insumos da indústria

Leia mais

Energia, Riqueza e População

Energia, Riqueza e População Energia, Riqueza e População Legenda - Colunas à Esquerda: Crescimento relativo da oferta total de energia - Colunas Centrais: Crescimento relativo do Produto Interno Bruto (PIB) - Colunas à Direita: :

Leia mais

Fortaleza, junho de 2015

Fortaleza, junho de 2015 Fortaleza, junho de 2015 All About Energy 2015 Política de Energia e Mudança Climática Luiz Pinguelli Rosa Diretor da COPPE UFRJ * Secretário do Fórum Brasileiro de Mudanças Climáticas Membro da Academia

Leia mais

Novo Marco Regulatório do Etanol Combustível no Brasil. Rita Capra Vieira Superintendência de Biocombustíveis e Qualidade de Produtos - ANP

Novo Marco Regulatório do Etanol Combustível no Brasil. Rita Capra Vieira Superintendência de Biocombustíveis e Qualidade de Produtos - ANP Novo Marco Regulatório do Etanol Combustível no Brasil Rita Capra Vieira Superintendência de Biocombustíveis e Qualidade de Produtos - ANP Novembro de 2011 Evolução dos Biocombustíveis no Brasil 1973 Primeira

Leia mais

WORKSHOP PERSPECTIVAS E DESAFIOS DA ENERGIA NUCLEAR NA MATRIZ ELÉTRICA DO BRASIL

WORKSHOP PERSPECTIVAS E DESAFIOS DA ENERGIA NUCLEAR NA MATRIZ ELÉTRICA DO BRASIL WORKSHOP PERSPECTIVAS E DESAFIOS DA ENERGIA NUCLEAR NA MATRIZ ELÉTRICA DO BRASIL GESEL / SINERGIA / EDF A OPÇÃO NUCLEAR PARA GERAÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA NO BRASIL Altino Ventura Filho Secretário de Planejamento

Leia mais