PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA Controladoria-Geral da União Ouvidoria-Geral da União PARECER

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA Controladoria-Geral da União Ouvidoria-Geral da União PARECER"

Transcrição

1 Referência: Assunto: PARECER Recurso contra decisão ao pedido de acesso à informação requerido à Empresa Brasileira de Correios e Telégrafos - ECT Senhor Ministro de Estado Chefe da, 1. O presente Parecer trata de solicitação de acesso à informação pública, com base na Lei nº /2011, formulada em 18/02/2013, o qual requereu à Empresa Brasileira de Correios e Telégrafos, doravante ECT, o que se segue: 1. Gostaria de saber, em cada Unidade da Federação, o nome, CNPJ, endereço e nome dos donos das lojas franqueadas dos Correios. 2. Quero saber tambem o faturamento anual de cada uma das franquias -- ou quanto elas repassam aos Correios e quanto ficam para elas. 3. Qual o critério usado para a escolha dos franqueados? Da Cronologia dos fatos FASE Data Teor Pedido 18/02/13 Nos termos do ponto 1. A ECT prestou a seguinte informação: Resposta Inicial 26/02/13 1. Considerando a grande quantidade de agências, as informações solicitadas seguem em arquivo eletrônico (por ) com a relação das Agências de Correios Franqueadas (ACF/AGF) de todos os estados brasileiros. Não foram disponibilizados os dados com os nomes dos donos das franquias, apenas a Razão Social, CNPJ e Endereço, visto que se trata de informação sigilosa, classificada no art. 32, IV, da Lei /11; 2. Os dados de faturamento anual de cada franquia não foram disponibilizados, por se tratar de informações sigilosas, classificada no Art. 6º, Inciso I, do Decreto nº 7.724/2012 c/c art. 155 e parágrafo único da Lei nº 6.404/76 e Art. 21-A, do Decreto- Lei nº 509/69 (sigilo empresarial). 3. As Unidades Franqueadas (AGF), que realizam atividades auxiliares de prestação de serviços postais e vendas de produtos comercializados pela ECT, operam mediante Contrato de Franquia Postal, por pessoa jurídica de direito privado e são selecionadas por meio de procedimento licitatório Superior 27/02/13 A cidadã alega em seu recurso à autoridade superior da ECT o seguinte: O nome dos donos das franquias pode ser obtido nas juntas comerciais por qualquer pessoa, o que prova que a informação não deve ser classificada como sigilosa. Diante disso, peço, novamente, o nome dos donos das franquias.

2 Resposta do Superior 04/03/13 A ECT apresenta os seguintes argumentos em sua decisão: O acesso à informação é direito de toda pessoa e é assegurado pela Constituição Federal e regulamentado pela Lei n /11. Entretanto, há algumas informações que devem ser protegidas e não podem ser divulgadas ao público por serem consideradas sigilosas ou de caráter pessoal, conforme o art. 6º, III, da Lei /11, abaixo: Art. 6º Cabem aos órgãos e entidades do poder público, observadas as normas e procedimentos específicos aplicáveis, assegurar a: I - gestão transparente da informação, propiciando amplo acesso a ela e sua divulgação; II - proteção da informação, garantindo-se sua disponibilidade, autenticidade e integridade; e III - proteção da informação sigilosa e da informação pessoal, observada a sua disponibilidade, autenticidade, integridade e eventual restrição de acesso. Nesse sentido, cabe destacar que as informações sigilosas são aquelas submetidas temporariamente à restrição de acesso público em razão de sua imprescindibilidade para a segurança da sociedade e do Estado, nos termos do art. 4, III, da Lei /11. Além do mais, tais informações devem ser classificadas em ultrassecretas, secretas ou reservadas, com prazos máximos de restrição ao acesso de acordo com a sua classificação com base no art. 24 da referida lei. O esclarecimento sobre o que seria uma informação pessoal pode ser encontrado no art. 4, inciso IV, da Lei em questão que conceitua o termo como sendo aquela relacionada à pessoa natural identificada ou identificável. É imperioso destacar que o nome do proprietário da pessoa jurídica franqueada da ECT (ou de um de seus sócios) enquadra-se no referido conceito, sendo forçoso caracterizá-lo como uma informação pessoal, vez que relativa à intimidade, vida privada, honra e imagem da pessoa. Nesse sentido, cabe esclarecer que o nome do proprietário da pessoa jurídica franqueada da ECT não deve ser classificado como informação sigilosa. Na verdade, essa informação é estritamente de caráter pessoal e por tal fato deve ter seu acesso restrito por 100 anos, independentemente de classificação, e só podem ser acessadas pela própria pessoa, por agentes públicos legalmente autorizados ou por terceiros autorizados por previsão legal ou pelo consentimento da pessoa, conforme o disposto na Cartilha Acesso à Informação Pública, página 16, disponibilizada no sítio eletrônico Neste aspecto, cumpre informar que os agentes da Administração Pública não estão autorizados a divulgar informações pessoais de terceiros sem sua prévia autorização, sob pena de cometer uma conduta ilícita e incorrer nas responsabilidades previstas na própria Lei /11. Nessa esteira cabe destacar o disposto no art. 32, IV, da Lei

3 12.527/11: Art. 32. Constituem condutas ilícitas que ensejam responsabilidade do agente público ou militar: (...) IV - divulgar ou permitir a divulgação ou acessar ou permitir acesso indevido à informação sigilosa ou informação pessoal; No que tange à alegação de que as Juntas Comerciais fornecem o nome dos proprietários das franqueadas a qualquer pessoa e que, por isso, as informações não são classificadas como sigilosas, é importante frisar que a relação que a ECT mantém com os franqueados é contratual, inclusive contendo cláusulas de sigilo. Essa relação é fruto de um contrato firmado entre a ECT e a pessoa jurídica (direito das obrigações) e não entre a ECT e a pessoa física proprietária da pessoa jurídica, portanto não é lícito divulgar informações a pessoas estranhas ao contrato. Máxima Resposta do Máxima Por todo o exposto, não é possível e nem permitido a divulgação do nome completo dos proprietários de todas as franquias dos Correios por ser esta uma informação de caráter pessoal relativa à intimidade, vida privada, honra e imagem dos sujeitos titulares dos direitos aqui comentados. Insurge-se a cidadã contra a informação recorrendo à autoridade máxima da ECT com os seguintes argumentos: O nome do proprietário da pessoa jurídica franqueada da ECT (e de seus sócios) não se enquadra no conceito mencionada para justificar o sigilo, uma vez que trata-se de pessoa explorando uma concessão/autorização pública. A divulgação da informação 11/03/13 não fere a intimidade, vida privada, honra ou imagem da pessoa. Mais uma vez, destaco que a informação é pública já que pode ser obtida nas juntas comerciais dos estados e municípios. Certa de que este órgão cumpre a lei, requeiro novamente o nome dos franqueados da ECT. 09/04/13 Assim responde a ETC em segunda instância: O Recorrente, em seu recurso de 2ª instância, alega que a informação sobre o nome do proprietário de agencia franqueada não pode ser negada pelo fato de tratar-se de uma concessão pública. Assiste razão ao solicitante pelas razões a seguir: A Lei de Acesso à Informação (Lei nº /2011), elege como regra a publicidade e como exceção o sigilo de informações, senão vejamos: Art. 3o Os procedimentos previstos nesta Lei destinam-se a assegurar o direito fundamental de acesso à informação e devem ser executados em conformidade com os princípios básicos da administração pública e com as seguintes diretrizes: I - observância da publicidade como preceito geral e do sigilo como exceção Portanto, uma vez considerada como regra a disponibilização de informação, sua recusa passa ser a exceção. Por sua vez, a Lei nº 8.934/1994, que dispõe acerca do Registro Público de Empresas Mercantis e Atividades Afins, garante a publicidade de seus registros nos termos do artigo 29 a seguir transcrito: Art. 29. Qualquer pessoa, sem necessidade de provar interesse, poderá consultar os

4 CGU Informações Adicionais e Negociações 14/04/13 23/07/13 a 13/08/13 assentamentos existentes nas juntas comerciais e obter certidões, mediante pagamento do preço devido. São razões mais que suficientes para justificar a concessão da referida informação que para ser negada, ensejaria a necessidade de fundamentação que justificasse o risco para a pessoa ou para o negócio. Conheço portanto do Recurso para lhe dar provimento, determinando a disponibilização das informações solicitadas ( nome dos franqueados ) ao Recorrente, no prazo de 5 dias úteis. Recorre a cidadã à CGU sob o seguinte argumento: Apesar de o meu recurso ter sido deferido pelo presidente da ECT (pelo menos foi isso que eu entendi) ainda não recebi a lista com os nomes dos franqueados. O que devo fazer? Após questionamento da CGU, informa a ECT que a informação foi disponibilizada em 22/04/13, remetendo cópias dos s enviados em 13/08/13. Contudo, verificou-se que as informações disponibilizadas estavam incompletas. Somente no dia 02 de setembro de 2013 a ECT enviou para a cidadã, por , a lista completa dos sócios das lojas franqueadas pela ECT. 2. É o relatório, Análise 3. Registre-se que o Recurso foi apresentado perante a CGU de forma tempestiva, no dia 14/04/2013, dado que a decisão do Recurso de 2ª Instância foi expedida no dia 09/04/2013. O Recurso foi recebido na esteira do disposto no caput e 1º do art. 16 da Lei nº /2012, bem como em respeito ao prazo de 10 (dez) dias previsto no art. 23 do Decreto nº 7724/2012, in verbis: Lei nº /2012 Art. 16. Negado o acesso a informação pelos órgãos ou entidades do Poder Executivo Federal, o requerente poderá recorrer à, que deliberará no prazo de 5 (cinco) dias se: (...) 1o O recurso previsto neste artigo somente poderá ser dirigido à Controladoria Geral da União depois de submetido à apreciação de pelo menos uma autoridade hierarquicamente superior àquela que exarou a decisão impugnada, que deliberará no prazo de 5 (cinco) dias. Decreto nº 7724/2012 Art. 23. Desprovido o recurso de que trata o parágrafo único do art. 21 ou infrutífera a reclamação de que trata o art. 22, poderá o requerente apresentar recurso no prazo de dez dias, contado da ciência da decisão, à, que deverá se manifestar no prazo de cinco dias, contado do recebimento do recurso.

5 4. Quanto ao cumprimento do art. 21 do Decreto n.º 7.724/2012, observa-se que não consta da resposta que a autoridade que proferiu a decisão denegatória, em primeira instância, era a hierarquicamente superior à que adotou a decisão, assim como também consta que a autoridade que proferiu a decisão de provimento, em segunda instância, foi o dirigente máximo do órgão/entidade. 5. Passando à análise do mérito, verifica-se que o recorrente vem por meio de recurso à CGU requerer o cumprimento da decisão de provimento do Presidente da ETC em relação ao seu pedido de acesso. 6. Na fase de esclarecimento, a CGU foi informada de que, em 22 de abril, a empresa havia entregue à cidadã a informação objeto do recurso. Na verdade, a entrega somente ocorreu no dia 02 de setembro deste ano. 7. Assim, verifica-se que o processo encontra-se prejudicado por fato superveniente (perda do objeto), pois houve entrega da informação. 8. Importante ressaltar que, da data em que o recurso foi deferido (9 de abril) até seu efetivo cumprimento (02 de setembro), decorreram aproximadamente 5 meses. Dessa forma, recomenda-se à empresa que adote providências para cumprimento tempestivo de decisões em grau recursal, o que deve se dar no mesmo ato decisório, uma vez que a opção contida na alínea I do parágrafo 1º do artigo 11 da Lei /2011 não se aplicaria a situações em que o acesso a informação não requeira, pelo recorrente, consulta, efetuar a reprodução ou obter a certidão. No caso sob análise, à cidadã foi encaminhada planilha, em formato PDF, contendo o nome dos sócios das empresas detentoras de agências franqueadas. Conclusão 8. De todo o exposto, opina-se pela perda do objeto do recurso, diante da entrega da informação no curso da instrução processual. DANIEL RIBEIRO BARCELOS Analista de Finanças e Controle

6 D E C I S Ã O No exercício das atribuições a mim conferidas pela Portaria n da Controladoria-Geral da União, de 22 de agosto de 2013, adoto, como fundamento deste ato, o parecer acima, para decidir pela perda do objeto do recurso interposto, nos termos do art. 23 do referido Decreto, no âmbito do pedido de informação nº , direcionado à Empresa Brasileira de Correios e Telégrafos - ECT.

7 Folha de Assinaturas Documento: PARECER nº 2199 de 06/09/2013 Referência: PROCESSO nº / Assunto: Parecer sobre Acesso à Informação Signatário(s): JOSE EDUARDO ELIAS ROMAO Ouvidor-Geral Assinado Digitalmente em 06/09/2013 Este despacho foi expedido eletronicamente pelo SGI. O código para verificação da autenticidade deste documento é: eff24d06_8d07946b1bca7c2

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA Controladoria-Geral da União Ouvidoria-Geral da União DESPACHO

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA Controladoria-Geral da União Ouvidoria-Geral da União DESPACHO DESPACHO Referência: 00190.008628-2013-96 Assunto: Recurso interposto por cidadão à CGU contra decisão denegatória de acesso à informação, com fundamento no art. 23 do Decreto n. 7.724, de 16 de maio de

Leia mais

Controladoria-Geral da União Ouvidoria-Geral da União PARECER. Recurso contra omissão do órgão quanto ao pedido de acesso. --

Controladoria-Geral da União Ouvidoria-Geral da União PARECER. Recurso contra omissão do órgão quanto ao pedido de acesso. -- Controladoria-Geral da União Ouvidoria-Geral da União PARECER Referência: 46800.000623/2014-71 Assunto: Restrição de acesso: Ementa: Órgão ou entidade recorrido (a): Recurso contra omissão do órgão quanto

Leia mais

P A R E C E R Controladoria-Geral da União Ouvidoria-Geral da União

P A R E C E R Controladoria-Geral da União Ouvidoria-Geral da União P A R E C E R Controladoria-Geral da União Ouvidoria-Geral da União Referência: 99902.001642/2013-52 Assunto: Recurso contra decisão denegatória ao pedido de acesso à informação. Recorrente: Órgão ou Caixa

Leia mais

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA Controladoria-Geral da União Ouvidoria-Geral da União DESPACHO

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA Controladoria-Geral da União Ouvidoria-Geral da União DESPACHO DESPACHO Referência: 23480.019961/2012-80 Assunto: Recurso contra decisão denegatória ao pedido de acesso à informação requerido ao Ministério da Educação MEC pela. Senhor Ministro de Estado Chefe da,

Leia mais

Controladoria-Geral da União Ouvidoria-Geral da União PARECER. Recurso contra decisão denegatória ao pedido de acesso à informação.

Controladoria-Geral da União Ouvidoria-Geral da União PARECER. Recurso contra decisão denegatória ao pedido de acesso à informação. Controladoria-Geral da União Ouvidoria-Geral da União PARECER Referência: 99936.000057/2015-18 Assunto: Restrição de acesso: Ementa: Órgão ou entidade recorrido (a): Recorrente: Recurso contra decisão

Leia mais

CGU Controladoria-Geral da União OGU Ouvidoria-Geral da União Coordenação-Geral de Recursos de Acesso à Informação

CGU Controladoria-Geral da União OGU Ouvidoria-Geral da União Coordenação-Geral de Recursos de Acesso à Informação Controladoria-Geral da União OGU Ouvidoria-Geral da União Coordenação-Geral de Recursos de Acesso à Informação PARECER Referência: 23480.013283/2015-94 Assunto: Restrição de acesso: Recurso contra decisão

Leia mais

TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO DISTRITO FEDERAL. Órgão: 3ª Turma Cível. Processo N.: Apelação Cível APC. Apelante(s): JOSÉ VIEIRA DE SÁ

TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO DISTRITO FEDERAL. Órgão: 3ª Turma Cível. Processo N.: Apelação Cível APC. Apelante(s): JOSÉ VIEIRA DE SÁ TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO DISTRITO FEDERAL Órgão: 3ª Turma Cível Processo N.: Apelação Cível 20080510067475APC Apelante(s): JOSÉ VIEIRA DE SÁ Apelado(s): BRADESCO SEGUROS S/A Relator: Desembargador JOÃO MARIOSI

Leia mais

EXERCÍCIO DA ATIVIDADE DE INTERMEDIAÇÃO DE MEDICAMENTOS DE USO HUMANO REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA

EXERCÍCIO DA ATIVIDADE DE INTERMEDIAÇÃO DE MEDICAMENTOS DE USO HUMANO REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA EXERCÍCIO DA ATIVIDADE DE INTERMEDIAÇÃO DE MEDICAMENTOS DE USO HUMANO REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA A intermediação de medicamentos é qualquer atividade ligada à venda ou compra de medicamentos, com exceção

Leia mais

DESTAQUE PARA OS EXEMPLOS PRÁTICOS ENVOLVENDO AS EMPRESAS E O GOVERNO

DESTAQUE PARA OS EXEMPLOS PRÁTICOS ENVOLVENDO AS EMPRESAS E O GOVERNO DESTAQUE PARA OS EXEMPLOS PRÁTICOS ENVOLVENDO AS EMPRESAS E O GOVERNO ACESSO À INFORMAÇÃO PÚBLICA NO BRASIL A Lei 12.527, sancionada em 18 de novembro de 2011, pela Presidenta da República, Dilma Rousseff,

Leia mais

PROC-IBR-GER 010/2016 Análise do Reajustamento

PROC-IBR-GER 010/2016 Análise do Reajustamento INSTITUTO BRASILEIRO DE AUDITORIA DE OBRAS PÚBLICAS IBRAOP INSTITUTO RUI BARBOSA IRB / COMITÊ OBRAS PÚBLICAS PROC-IBR-GER 010/2016 Análise do Reajustamento Primeira edição válida a partir de: / / www.ibraop.org.br

Leia mais

ARGUIÇÃO DE DESCUMPRIMENTO DE PRECEITO FUNDAMENTAL 46-7 DISTRITO FEDERAL

ARGUIÇÃO DE DESCUMPRIMENTO DE PRECEITO FUNDAMENTAL 46-7 DISTRITO FEDERAL JURISPRUDÊNCIA A seguir são apresentados quatro julgados do Supremo Tribunal Federal STF os quais representam importantes conquistas jurídicas para a ECT. ARGUIÇÃO DE DESCUMPRIMENTO DE PRECEITO FUNDAMENTAL

Leia mais

Aos clientes VISÃO CONSULTORIA Tarumã,SP, 09 de Janeiro de MEMO nº 01/2017.

Aos clientes VISÃO CONSULTORIA Tarumã,SP, 09 de Janeiro de MEMO nº 01/2017. Aos clientes VISÃO CONSULTORIA Tarumã,SP, 09 de Janeiro de 2017. MEMO nº 01/2017. Assunto: DECRETO QUE ALTERA O DECRETO Nº 6.170 DE 5 DE JULHO DE 2007. Prezados (as) Senhores (as): Dispõe sobre as normas

Leia mais

Conselho Nacional de Justiça

Conselho Nacional de Justiça Conselho Nacional de Justiça Gabinete do Conselheiro Ney José de Freitas PROCEDIMENTO DE CONTROLE ADMINISTRATIVO Nº 0001180-61.2012.2.00.0000 Requerente: André Luís Alves de Melo Requerido: Tribunal de

Leia mais

Declaração de Prestadores de Outros Municípios - Protocolo de Inscrição

Declaração de Prestadores de Outros Municípios - Protocolo de Inscrição Dados da Empresa CNPJ: Razão Social: CEP do Estabelecimento: Data de Início das Atividades neste Endereço: Logradouro: Número: Complemento Bairro: Município: Estado: Inscrição do ISS no município de origem

Leia mais

Normatizar o procedimento para contratação de mão-de-obra terceirizada ou demais serviços de duração de 12 ou 60 meses

Normatizar o procedimento para contratação de mão-de-obra terceirizada ou demais serviços de duração de 12 ou 60 meses Unidade Universidade Federal da Bahia Pró-Reitoria de Administração Sistema de Desenvolvimento Institucional PO - Procedimento Operacional Processo Nº de folhas 1 de 7 Glossário de Siglas e Termos CCF

Leia mais

COMUNICAÇÃO INTERNA 01/2015

COMUNICAÇÃO INTERNA 01/2015 COMUNICAÇÃO INTERNA 01/2015 O diretor do SAAE - Serviço Autônomo de Água e Esgoto do Município de Xique-Xique Estado da Bahia, no uso de suas atribuições legais, solicita ao departamento de licitação,

Leia mais

pedido de portabilidade e denúncia do contrato

pedido de portabilidade e denúncia do contrato pedido de portabilidade e denúncia do contrato ORIGINAL (tmn) 2. INFORMAÇÃO DE CONTACTO Morada Telemóvel contacto E-mail 3. DADOS DE PORTABILIDADE MÓVEL Para efeitos de portabilidade, procede-se à denúncia

Leia mais

Assim, fica revogada a Portaria nº 550, de 12/03/2010 que, até então, Estabelecia as instruções para prorrogação do contrato de Trabalho temporário.

Assim, fica revogada a Portaria nº 550, de 12/03/2010 que, até então, Estabelecia as instruções para prorrogação do contrato de Trabalho temporário. DEPARTAMENTO JURÍDICO ORIENTAÇÃO CONTRATO DE TRABALHO TEMPORÁRIO FOI PUBLICADO NO DIÁRIO OFICIAL DA UNIÃO DE 03/07/14 A PORTARIA Nº 789 DO MINISTÉRIO DO TRABALHO E EMPREGO que Estabelece Instruções para

Leia mais

MINISTÉRIO PÚBLICO DA UNIÃO MINISTÉRIO PÚBLICO DO DISTRITO FEDERAL E TERRITÓRIOS MINUTA DE TERMO DE AJUSTAMENTO DE CONDUTA Nº 1

MINISTÉRIO PÚBLICO DA UNIÃO MINISTÉRIO PÚBLICO DO DISTRITO FEDERAL E TERRITÓRIOS MINUTA DE TERMO DE AJUSTAMENTO DE CONDUTA Nº 1 Procedimento Preparatório nº. 08190.025738/13-07 TERMO DE AJUSTAMENTO DE CONDUTA Nº 717/2014 O Ministério Público do Distrito Federal e Territórios (MPDFT), por sua Primeira Promotoria de Justiça de Defesa

Leia mais

Supremo Tribunal Federal

Supremo Tribunal Federal Ementa e Acórdão Inteiro Teor do Acórdão - Página 1 de 6 05/04/2016 SEGUNDA TURMA AG.REG. NO RECURSO EXTRAORDINÁRIO COM AGRAVO 940.470 BAHIA RELATORA AGTE.(S) PROC.(A/S)(ES) AGDO.(A/S) : MIN. CÁRMEN LÚCIA

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO. Gabinete do Desembargador Orloff Neves Rocha PRIMEIRA CÂMARA CÍVEL AGRAVO DE INSTRUMENTO Nº ( )

PODER JUDICIÁRIO. Gabinete do Desembargador Orloff Neves Rocha PRIMEIRA CÂMARA CÍVEL AGRAVO DE INSTRUMENTO Nº ( ) PRIMEIRA CÂMARA CÍVEL AGRAVO DE INSTRUMENTO Nº 222331-78.2014.8.09.0000 (201492223310) COMARCA AGRAVANTE AGRAVADO RELATOR :GOIÂNIA :BANCO BRADESCO FINANCIAMENTOS S/A :JESSYCA DE ALMEIDA SILVA :Desembargador

Leia mais

Tribunal de Contas da União

Tribunal de Contas da União Tribunal de Contas da União Dados Materiais: Decisão 289/97 - Primeira Câmara - Ata 40/97 Processo nº TC 003.390/95-0 Interessado: Sacha Calmon Navarro Coelho. Órgão: Justiça Federal de Primeiro Grau da

Leia mais

ANÁLISE DO RECURSO INTERPOSTO PELA EMPRESA RC DE LA ROCQUE MEZZALUNA BAR E RESTAURANTE EPP

ANÁLISE DO RECURSO INTERPOSTO PELA EMPRESA RC DE LA ROCQUE MEZZALUNA BAR E RESTAURANTE EPP ANÁLISE DO RECURSO INTERPOSTO PELA EMPRESA RC DE LA ROCQUE MEZZALUNA BAR E RESTAURANTE EPP CONCORRÊNCIA N.º 003/2016 Objeto da Licitação: CONCESSÃO ONEROSA DE USO DE ÁREA DESTINADA À EXPLORAÇÃO COMERCIAL,

Leia mais

D.O.U. de 05/10/1992. INSTRUÇÃO NORMATIVA DpRF Nº 109, DE 2 DE OUTUBRO DE 1992

D.O.U. de 05/10/1992. INSTRUÇÃO NORMATIVA DpRF Nº 109, DE 2 DE OUTUBRO DE 1992 D.O.U. de 05/10/1992 INSTRUÇÃO NORMATIVA DpRF Nº 109, DE 2 DE OUTUBRO DE 1992 O Diretor do Departamento da Receita Federal, no uso de suas atribuições, e tendo em vista a necessidade de uniformizar os

Leia mais

Supremo Tribunal Federal

Supremo Tribunal Federal Ementa e Acórdão Inteiro Teor do Acórdão - Página 1 de 5 RELATOR AGTE.(S) AGDO.(A/S) : MINISTRO PRESIDENTE :ÂNGELA GISELDA RUSSO PUCCIA DE LIMA : ANDRÉ RENATO JERÔNIMO E OUTRO(A/S) :MUNICÍPIO DE JARDINÓPOLIS

Leia mais

CGU Controladoria-Geral da União OGU Ouvidoria-Geral da União Coordenação-Geral de Recursos de Acesso à Informação

CGU Controladoria-Geral da União OGU Ouvidoria-Geral da União Coordenação-Geral de Recursos de Acesso à Informação PARECER Referência: 00077.000690/20-06 Assunto: Restrição de acesso: Ementa: Órgão ou entidade recorrido (a): Recorrente: Recurso contra decisão denegatória ao pedido de acesso à informação. Sem restrição.

Leia mais

Supremo Tribunal Federal

Supremo Tribunal Federal Ementa e Acórdão Inteiro Teor do Acórdão - Página 1 de 6 20/04/2017 PLENÁRIO AG.REG. NO RECURSO EXTRAORDINÁRIO COM AGRAVO 1.002.739 SÃO PAULO RELATOR AGTE.(S) AGDO.(A/S) PROC.(A/S)(ES) : MINISTRO PRESIDENTE

Leia mais

SUPERIOR TRIBUNAL DE JUSTIÇA PRESIDÊNCIA RESOLUÇÃO Nº 20, DE 25 DE NOVEMBRO DE 2004

SUPERIOR TRIBUNAL DE JUSTIÇA PRESIDÊNCIA RESOLUÇÃO Nº 20, DE 25 DE NOVEMBRO DE 2004 RESOLUÇÃO Nº 20, DE 25 DE NOVEMBRO DE 2004 Fixa o valor a ser recolhido para o pagamento do porte de remessa e retorno de autos. O PRESIDENTE DO SUPERIOR TRIBUNAL DE JUSTIÇA, no uso de suas atribuições

Leia mais

DEPARTAMENTO JURÍDICO TRABALHISTA BOLETIM 093/2014

DEPARTAMENTO JURÍDICO TRABALHISTA BOLETIM 093/2014 DEPARTAMENTO JURÍDICO TRABALHISTA ADM 207/2014-14/11/2014 BOLETIM 093/2014 Trabalho temporário tem novas normas de fiscalização definidas pelo Ministério do Trabalho e Emprego (MTE) Por meio da norma em

Leia mais

Solicito o envio de notificações, no decorrer deste processo, para o endereço eletrónico indicado. 15 Situação profissional atual:...

Solicito o envio de notificações, no decorrer deste processo, para o endereço eletrónico indicado. 15 Situação profissional atual:... Exmo.º Senhor Presidente da Câmara Municipal de Odemira NINHO DE EMPRESAS FORMULÁRIO DE CANDIDATURA A Identificação do Promotor Despacho Registo de Entrada NIPG:... Data:... Processo nº:... Pagamento:...

Leia mais

COAF - RESOLUÇÃO Nº 14, DE 23 DE OUTUBRO DE 2006

COAF - RESOLUÇÃO Nº 14, DE 23 DE OUTUBRO DE 2006 COAF - RESOLUÇÃO Nº 14, DE 23 DE OUTUBRO DE 2006 Dispõe sobre os procedimentos a serem observados pelas pessoas jurídicas que exerçam atividades de promoção imobiliária ou compra e venda de imóveis. O

Leia mais

Conferência Livre para Dados Abertos

Conferência Livre para Dados Abertos Conferência Livre para Dados Abertos Conferência Livre é uma das etapas da 1ª Consocial 1 Etapa Nacional * 2 Etapas Preparatórias Conferências Municipais / Regionais * Conferências Estaduais / Distrital

Leia mais

REQUERIMENTO DE CADASTRO DE FORNECEDOR PESSOA JURÍDICA

REQUERIMENTO DE CADASTRO DE FORNECEDOR PESSOA JURÍDICA REQUERIMENTO DE CADASTRO DE FORNECEDOR PESSOA JURÍDICA Solicitamos o Cadastro de Fornecedores da UniRV - Universidade de Rio Verde, nos termos da Lei nº 8666/93 Art. 27,28 e 29 atualizada, conforme informações

Leia mais

Declaração de Prestadores de Outros Municípios - Protocolo de Inscrição

Declaração de Prestadores de Outros Municípios - Protocolo de Inscrição Dados da Empresa CNPJ: Razão Social: CEP do Estabelecimento: Data de Início das Atividades neste Endereço: Logradouro: Número: Complemento Bairro: Município: Estado: Inscrição do ISS no município de origem

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL REGIONAL FEDERAL DA PRIMEIRA REGIÃO SEÇÃO JUDICIÁRIA DO DISTRITO FEDERAL DECISÃO

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL REGIONAL FEDERAL DA PRIMEIRA REGIÃO SEÇÃO JUDICIÁRIA DO DISTRITO FEDERAL DECISÃO DECISÃO Cuida-se de ação ordinária ajuizada pela ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE FRANQUIAS POSTAIS em face da EMPRESA BRASILEIRA DE CORREIOS E TELÉGRAFOS ECT, com pedido de tutela de urgência para que se abstenha

Leia mais

Lei Nº12.527/2011 Acesso à Informação Pública Principais pontos da lei brasileira e desafios para sua implementação

Lei Nº12.527/2011 Acesso à Informação Pública Principais pontos da lei brasileira e desafios para sua implementação Lei Nº12.527/2011 Acesso à Informação Pública Principais pontos da lei brasileira e desafios para sua implementação Diretoria de Prevenção da Corrupção Controladoria-Geral da União Lei 12.527/2011 Abrangência:

Leia mais

esse instrumento tem que ser formal, já que a via administrativa, por onde terá tramitação, se sujeita ao princípio da publicidade e do formalismo, em

esse instrumento tem que ser formal, já que a via administrativa, por onde terá tramitação, se sujeita ao princípio da publicidade e do formalismo, em DIREITO ADMINISTRATIVO AULA 6: CONTROLE DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA TÓPICO 03: PROCESSO ADMINISTRATIVO FUNDAMENTOS E RECURSOS PROCESSO ADMINISTRATIVO A Lei nº 9.784 de 29/01/1999 disciplinou o processo administrativo

Leia mais

Ministério da Fazenda SECRETARIA DA RECEITA FEDERAL. Instrução Normativa nº 632, de 17 de março de 2006

Ministério da Fazenda SECRETARIA DA RECEITA FEDERAL. Instrução Normativa nº 632, de 17 de março de 2006 Ministério da Fazenda SECRETARIA DA RECEITA FEDERAL Instrução Normativa nº 632, de 17 de março de 2006 DOU de 20.3.2006 Aprova o Programa Gerador de Documentos do Cadastro Nacional da Pessoa Jurídica -

Leia mais

UNIDADE 4 SOCIEDADE EM CONTA DE PARTICIPAÇÃO

UNIDADE 4 SOCIEDADE EM CONTA DE PARTICIPAÇÃO UNIDADE 4 SOCIEDADE EM CONTA DE PARTICIPAÇÃO 1 Profª Roberta Siqueira/ Direito Empresarial II ATENÇÃO: Este material é meramente informativo e não exaure a matéria. Foi retirado da bibliografia do curso

Leia mais

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO RELATÓRIO DE AUDITORIA ANUAL DE CONTAS TIPO DE AUDITORIA : AUDITORIA DE GESTÃO EXERCÍCIO : 2007 PROCESSO Nº

Leia mais

CONTRATO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS EDUCACIONAIS. Contrato de prestação de serviços técnicos de profissional autônomo, que entre si fazem:

CONTRATO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS EDUCACIONAIS. Contrato de prestação de serviços técnicos de profissional autônomo, que entre si fazem: CONTRATO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS EDUCACIONAIS Contrato de prestação de serviços técnicos de profissional autônomo, que entre si fazem: CONTRATADA: INGRID BERGAMO ME, pessoa jurídica de direito privado

Leia mais

Freguesia de Penela da Beira

Freguesia de Penela da Beira EDITAL Alexandre Rui Lopes Escudeiro, Presidente da Junta de Freguesia de Penela da Beira: Torna público que esta Junta de Freguesia em reunião extraordinária de 17 de Setembro de 2010, aprovou o seguinte

Leia mais

Requerimento de Manutenção e Inspeção de Ascensores, Monta-Cargas, Escadas Mecânicas e Tapetes Rolantes. Identificação do Requerente.

Requerimento de Manutenção e Inspeção de Ascensores, Monta-Cargas, Escadas Mecânicas e Tapetes Rolantes. Identificação do Requerente. Exmo.(a) Senhor(a) Presidente da Câmara Municipal de Odivelas (A preencher pelos serviços) Processo n.º Requerimento de Manutenção e Inspeção de Ascensores, Monta-Cargas, Escadas Mecânicas e Tapetes Rolantes

Leia mais

REQUERIMENTO PARA: PEDIDO DE CARTOGRAFIA PEDIDO DE INFORMAÇÃO GEOGRÁFICA

REQUERIMENTO PARA: PEDIDO DE CARTOGRAFIA PEDIDO DE INFORMAÇÃO GEOGRÁFICA 1/5 REQUERIMENTO PARA: PEDIDO DE CARTOGRAFIA PEDIDO DE INFORMAÇÃO GEOGRÁFICA Despacho: Espaço reservado aos serviços Nº Reg. DUR Data: / / Nº Guia: Valor: Rubrica: Exm.º Sr. Presidente da Câmara Municipal

Leia mais

PORTARIA N 126, DE 30 DE JULHO DE 1999

PORTARIA N 126, DE 30 DE JULHO DE 1999 PORTARIA N 126, DE 30 DE JULHO DE 1999 Estabelece a regulamentação para a atividade de produção ou importação de óleo lubrificante acabado a ser exercida por pessoa jurídica sediada no País, organizada

Leia mais

ESTADO DA PARAÍBA PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA GABINETE DE DESEMBARGADOR

ESTADO DA PARAÍBA PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA GABINETE DE DESEMBARGADOR ( Agravo de Instrumento no. 041.2007.002068-4/001 Relator: Des. José Di Lorenzo Serpa Agravante: Município de Conde, representado por seu Prefeito Adv. Marcos Antônio Leite Ramalho Junior e outros Agravado:

Leia mais

DIREITO PROCESSUAL CIVIL

DIREITO PROCESSUAL CIVIL DIREITO PROCESSUAL CIVIL Reinaldo Branco de Moraes (Juiz do Trabalho do TRT12) -------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Leia mais

PROCESSO DE DISPENSA DE LICITAÇÃO PARA CONTRATAÇÃO DE SERVIÇO PINTURA EXTERNA DA CÂMARA MUNICIPAL DE TERRA BOA

PROCESSO DE DISPENSA DE LICITAÇÃO PARA CONTRATAÇÃO DE SERVIÇO PINTURA EXTERNA DA CÂMARA MUNICIPAL DE TERRA BOA PROCESSO Nº. 001/2014 PROCESSO DE DISPENSA DE LICITAÇÃO PARA CONTRATAÇÃO DE SERVIÇO PINTURA EXTERNA DA CÂMARA MUNICIPAL DE TERRA BOA O Processo em epígrafe contém 08 folhas, numeradas e rubricadas pelo

Leia mais

Supremo Tribunal Federal

Supremo Tribunal Federal Ementa e Acórdão Inteiro Teor do Acórdão - Página 1 de 6 20/04/2017 PLENÁRIO AG.REG. NO RECURSO EXTRAORDINÁRIO 1.008.181 BAHIA RELATOR AGTE.(S) ADV.(A/S) AGDO.(A/S) PROC.(A/S)(ES) : MINISTRO PRESIDENTE

Leia mais

Aula 38. Convencionais ou contratuais. Fixados por arbitramento. Sucumbenciais

Aula 38. Convencionais ou contratuais. Fixados por arbitramento. Sucumbenciais Turma e Ano: Direito Processual Civil - NCPC (2016) Matéria / Aula: Honorários Advocatícios (Parte II) / 38 Professor: Edward Carlyle Monitora: Laryssa Marques Aula 38 Honorários advocatícios (Parte II)

Leia mais

OS DIREITOS E OBRIGAÇÕES DOS SÓCIOS

OS DIREITOS E OBRIGAÇÕES DOS SÓCIOS OS DIREITOS E OBRIGAÇÕES DOS SÓCIOS O contrato social é o regulador das relações obrigacionais entre os sócios, alicerçada na Constituição Federal, nas leis e nos princípios gerais do Direito, sendo os

Leia mais

REGULAMENTO ELEITORAL PARA A ELEIÇÃO DO PRESIDENTE DO INSTITUTO POLITÉCNICO DO PORTO

REGULAMENTO ELEITORAL PARA A ELEIÇÃO DO PRESIDENTE DO INSTITUTO POLITÉCNICO DO PORTO CONSELHO GERAL REGULAMENTO ELEITORAL PARA A ELEIÇÃO DO PRESIDENTE DO INSTITUTO POLITÉCNICO DO PORTO Artigo 1.º Âmbito Visa o presente regulamento definir o procedimento a seguir para a eleição do Presidente

Leia mais

A CeasaMinas iniciou suas operações em 28 de fevereiro de 1974;

A CeasaMinas iniciou suas operações em 28 de fevereiro de 1974; REGULARIZAÇÃO DE CONTRATOS DAS CENTRAIS DE ABASTECIMENTO DE MINAS GERAIS S/A A CeasaMinas iniciou suas operações em 28 de fevereiro de 1974; Termos de Permissão Remunerada de Uso TPRU, com duas características

Leia mais

STF, ECONOMIA E SEGURANÇA JURÍDICA: A ADPF 46 (MONOPÓLIO DOS CORREIOS) 1

STF, ECONOMIA E SEGURANÇA JURÍDICA: A ADPF 46 (MONOPÓLIO DOS CORREIOS) 1 STF, ECONOMIA E SEGURANÇA JURÍDICA: A ADPF 46 (MONOPÓLIO DOS CORREIOS) 1 Bruno Ramos Pereira Mestre em Direito do Estado pela USP e assessor da diretoria da SABESP Recentemente, o Supremo Tribunal Federal

Leia mais

SERVIÇO AUTONOMO DE AGUA E ESGOTO DE URUCARÁ

SERVIÇO AUTONOMO DE AGUA E ESGOTO DE URUCARÁ Serviço Autônomo de Água e Esgoto PROCESSO N. º 001/2013. INTERESSADO: SERVIÇO AUTONOMO DE AGUA E ESGOTO DE URUCARÁ ASSUNTO: SOLICITA A POSSIBILIDADE DE REALIZAÇÃO DE LICITAÇÃO, NA MODALIDADE DE DISPENSA,

Leia mais

PROVIMENTO Nº 016/2017-CGJ. Processo nº / Porto Alegre, 29 de maio de 2017.

PROVIMENTO Nº 016/2017-CGJ. Processo nº / Porto Alegre, 29 de maio de 2017. PROVIMENTO Nº 016/2017-CGJ DISPONIBILIZADO NO DJE Nº 6039, PÁG. 05, DE 31/05/2017 Processo nº 0010-16/000541-5 Porto Alegre, 29 de maio de 2017. Determina aos Tabeliães de Protestos de Títulos o procedimento

Leia mais

Provimento Nº 172/2016

Provimento Nº 172/2016 Provimento Nº 172/2016 Altera o art. 5º do Provimento n. 91/2000, o inciso "g" do art. 2º e o 3º do art. 3º do Provimento n. 94/2000, o parágrafo único do art. 2º, o caput do art. 3º e o 5º do art. 4º

Leia mais

[ESCLARECIMENTOS SOBRE A

[ESCLARECIMENTOS SOBRE A [ESCLARECIMENTOS SOBRE A ATRIBUIÇÃO DE BENEFÍCIOS FISCAIS NA ARU DA HORTA] ARU da Horta = Área de Reabilitação Urbana do centro Histórico da Cidade da Horta delimitada em sede de Assembleia Municipal do

Leia mais

Turminha da CGU em. Os poderes da Turminha

Turminha da CGU em. Os poderes da Turminha Turminha da CGU em Os poderes da Turminha Controladoria-Geral da União (CGU) Jorge Hage Sobrinho Ministro de Estado Chefe da Controladoria-Geral da União Carlos Higino Ribeiro de Alencar Secretário-Executivo

Leia mais

ESTADO DO AMAZONAS PREFEITURA MUNICIPAL DE EIRUNEPÉ

ESTADO DO AMAZONAS PREFEITURA MUNICIPAL DE EIRUNEPÉ Solicitação nº. 011/2013 ESTADO DO AMAZONAS À Sua Excelência Joaquim Neto Cavalcante Monteiro DD. Prefeito Municipal de Eirunepé Através da presente solicitação me dirijo a Vossa Excelência para requerer

Leia mais

ESTADO DE PERNAMBUCO PREFEITURA MUNICIPAL DE LAGOA DO OURO CNPJ: / Fone/Fax: (0XX87)

ESTADO DE PERNAMBUCO PREFEITURA MUNICIPAL DE LAGOA DO OURO CNPJ: / Fone/Fax: (0XX87) DECRETO Nº 028/2014 EMENTA: Regulamenta o acesso a Informação Pública pelo Cidadão (Lei Federal Nº 12.527/2011), no âmbito do Poder Executivo Municipal, cria normas e procedimentos e da outras O Prefeito

Leia mais

Edital de Convocação DC Nº 04/2016

Edital de Convocação DC Nº 04/2016 Edital de Convocação DC Nº 04/2016 Brasília, 28 de novembro de 2016. O MINISTÉRIO DAS RELAÇÕES EXTERIORES (MRE), por intermédio da Divisão de Temas Educacionais (DCE), convoca as Instituições de Ensino

Leia mais

AUXÍLIO TRANSPORTE ORIENTAÇÕES E PERGUNTAS FREQUENTES

AUXÍLIO TRANSPORTE ORIENTAÇÕES E PERGUNTAS FREQUENTES AUXÍLIO TRANSPORTE ORIENTAÇÕES E PERGUNTAS FREQUENTES Definição: É o benefício de natureza indenizatória, concedido em pecúnia pela União, destinado ao custeio parcial das despesas realizadas com transporte

Leia mais

EIRELI - Empresa Individual de Responsabilidade Limitada. Matéria elaborada com base na legislação vigente em: 02/01/2012.

EIRELI - Empresa Individual de Responsabilidade Limitada. Matéria elaborada com base na legislação vigente em: 02/01/2012. EIRELI - Empresa Individual de Responsabilidade Limitada Matéria elaborada com base na legislação vigente em: 02/01/2012. Sumário: 1 - INTRODUÇÃO 2 - EXIGÊNCIAS PARA CONSTITUIÇÃO 2.1 - Nome Empresarial

Leia mais

A C Ó R D Ã O. ACORDA, em Turma, a Terceira Câmara Civil do Tribunal de Alçada do Estado de Minas Gerais, NEGAR PROVIMENTO.

A C Ó R D Ã O. ACORDA, em Turma, a Terceira Câmara Civil do Tribunal de Alçada do Estado de Minas Gerais, NEGAR PROVIMENTO. EMENTA: PROCESSUAL CIVIL - AGRAVO DE INSTRUMENTO AÇÃO CAUTELAR PREPARATÓRIA DÉBITO CONTRAÍDO COM INSTITUIÇÃO FINANCEIRA DESCONTO EM CONTA CORRENTE VENCIMENTOS DEBITADOS EM CONTA LIMINAR QUE REDUZIU O PERCENTUAL

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO JUSTIÇA DO TRABALHO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 9ª REGIÃO

PODER JUDICIÁRIO JUSTIÇA DO TRABALHO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 9ª REGIÃO EXECUÇÃO - INCLUSÃO DE SÓCIO NO POLO PASSIVO - SOCIEDADE DE FATO - DEMONSTRAÇÃO - PROVA ATÍPICA - DOCUMENTO EXTRAÍDO DE PÁGINA DE SÍTIO DE RELACIONAMENTO NA INTERNET - ADMISSIBILIDADE - DIREITO FUNDAMENTAL

Leia mais

VERITAE TRABALHO PREVIDÊNCIA SOCIAL SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO ARTIGOS O SISTEMA SIRETT E O CONTRATO DE TRABALHO TEMPORÁRIO

VERITAE TRABALHO PREVIDÊNCIA SOCIAL SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO ARTIGOS O SISTEMA SIRETT E O CONTRATO DE TRABALHO TEMPORÁRIO TRABALHO PREVIDÊNCIA SOCIAL SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO ARTIGOS Orientador Empresarial O SISTEMA SIRETT E O CONTRATO DE TRABALHO TEMPORÁRIO *José Carlos Batista Em Abril/2010. RESUMO O Sistema Eletrônico

Leia mais

Controladoria-Geral da União Ouvidoria-Geral da União

Controladoria-Geral da União Ouvidoria-Geral da União Controladoria-Geral da União Ouvidoria-Geral da União PARECER Referência: 60502.002619/2014-33 Assunto: Restrição de acesso: Ementa: Órgão ou entidade recorrido (a): Recorrente: Recurso contra decisão

Leia mais

Coordenação-Geral de Tributação

Coordenação-Geral de Tributação Fls. 1 Coordenação-Geral de Tributação Solução de Consulta nº 177 - Data 14 de março de 2017 Processo Interessado CNPJ/CPF ASSUNTO: NORMAS DE ADMINISTRAÇÃO TRIBUTÁRIA DESPACHO DE EXPORTAÇÃO. DOCUMENTAÇÃO.

Leia mais

Lei Nº12.527/2011 Acesso à Informação Pública Principais pontos da lei brasileira e desafios para sua implementação. Controladoria-Geral da União

Lei Nº12.527/2011 Acesso à Informação Pública Principais pontos da lei brasileira e desafios para sua implementação. Controladoria-Geral da União Lei Nº12.527/2011 Acesso à Informação Pública Principais pontos da lei brasileira e desafios para sua implementação Controladoria-Geral da União Acesso a informação: Conceito Transparência Ativa ACESSO

Leia mais

PARECER SOBRE A NECESSIDADE DE TORNAR OBRIGATÓRIA A DATA EFETIVA DO TRÂNSITO EM JULGADO DE SENTENÇAS EM CERTIDÕES CARTORÁRIAS DA JUSTIÇA FEDERAL.

PARECER SOBRE A NECESSIDADE DE TORNAR OBRIGATÓRIA A DATA EFETIVA DO TRÂNSITO EM JULGADO DE SENTENÇAS EM CERTIDÕES CARTORÁRIAS DA JUSTIÇA FEDERAL. PARECER SOBRE A NECESSIDADE DE TORNAR OBRIGATÓRIA A DATA EFETIVA DO TRÂNSITO EM JULGADO DE SENTENÇAS EM CERTIDÕES CARTORÁRIAS DA JUSTIÇA FEDERAL. Considerando a necessidade de orientar e padronizar os

Leia mais

Bolsa de Espaços Livres - Parque de Campismo da Praia da Areia Branca

Bolsa de Espaços Livres - Parque de Campismo da Praia da Areia Branca Bolsa de Espaços Livres - Parque de Campismo da Praia da Areia Branca Coordenação de Turismo e Competitividade Bolsa de Espaços Livres Esta base de dados disponibiliza informação sobre espaços e/ou equipamentos

Leia mais

SERVIÇOS DE VALOR ACRESCENTADO BASEADOS NO ENVIO DE MENSAGEM

SERVIÇOS DE VALOR ACRESCENTADO BASEADOS NO ENVIO DE MENSAGEM SERVIÇOS DE VALOR ACRESCENTADO BASEADOS NO ENVIO DE MENSAGEM REGISTO PARA O EXERCÍCIO DA ATIVIDADE Pessoa Singular matriculada como Comerciante em Nome Individual (Decreto-Lei n.º 177/99, de 21 de maio,

Leia mais

PROPOSTA DA ADMINISTRAÇÃO

PROPOSTA DA ADMINISTRAÇÃO PROPOSTA DA ADMINISTRAÇÃO Assembleia Geral Extraordinária de 30 de junho de 2011 Anexo 23: PEDIDO DE PROCURAÇÃO (Instrução CVM 481) 1 Índice Página Proposta da Administração... 3 Anexo 23: Pedido de Procuração...

Leia mais

Coordenação-Geral de Tributação

Coordenação-Geral de Tributação Fls. 1 0 Coordenação-Geral de Tributação Solução de Consulta nº 102 - Data 30 de junho de 2016 Processo Interessado CNPJ/CPF ASSUNTO: IMPOSTO SOBRE A IMPORTAÇÃO - II IMPORTAÇÃO POR ENCOMENDA. EMPRESA ENCOMENDADA.

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA / IPG N.º 02/2013

INSTRUÇÃO NORMATIVA / IPG N.º 02/2013 INSTRUÇÃO NORMATIVA / IPG N.º 02/2013 DEFINE OS MODELOS E FORMAS DE REQUERIMENTOS DOS BENEFÍCIOS PREVIDENCIÁRIOS. Considerando que a Controladoria Geral do Município aprovou a edição desta Instrução Normativa.

Leia mais

Regulamento para a Eleição do Diretor da Faculdade de Farmácia da Universidade do Porto,

Regulamento para a Eleição do Diretor da Faculdade de Farmácia da Universidade do Porto, Regulamento para a Eleição do Diretor da Faculdade de Farmácia da Universidade do Porto, Artigo 1º Objetivo Este regulamento organiza o procedimento para a eleição do Diretor da Faculdade de Farmácia da

Leia mais

0c D-1 ILMA. SENHORA CORDENADORA DA COMISSÃO DE LICITAÇÃO DO CONSELHO

0c D-1 ILMA. SENHORA CORDENADORA DA COMISSÃO DE LICITAÇÃO DO CONSELHO 0c29.0.2.D-1 ILMA. SENHORA CORDENADORA DA COMISSÃO DE LICITAÇÃO DO CONSELHO FEDERAL DE NUTRICIONISTAS (CFN) CFN PROTOCOLOS- DATA5J..J25.JZI$ RESPONSAVEL REF.: CONCORRÊNCIA CFN N 1/2015 SANTA CLARA ENGENHARIA

Leia mais

CONTRATO INDIVIDUAL DE TRABALHO

CONTRATO INDIVIDUAL DE TRABALHO CONTRATO INDIVIDUAL DE TRABALHO Contrato individual de trabalho é o acordo, tácito ou expresso, correspondente à relação de emprego. Relação de emprego entre EMPREGADOR e EMPREGADO. DEFINIÇÃO LEGAL: O

Leia mais

DOU 23/12/16, SEÇÃO 1, PÁG SECRETARIA DA RECEITA FEDERAL DO BRASIL INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 1.678, DE 22 DE DEZEMBRO DE 2016

DOU 23/12/16, SEÇÃO 1, PÁG SECRETARIA DA RECEITA FEDERAL DO BRASIL INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 1.678, DE 22 DE DEZEMBRO DE 2016 DOU 23/12/16, SEÇÃO 1, PÁG. 154. SECRETARIA DA RECEITA FEDERAL DO BRASIL INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 1.678, DE 22 DE DEZEMBRO DE 2016 Altera a Instrução Normativa SRF nº 228, de 21 de outubro de 2002, que dispõe

Leia mais

UNIDADE 6 SOCIEDADE EM NOME COLETIVO

UNIDADE 6 SOCIEDADE EM NOME COLETIVO UNIDADE 6 SOCIEDADE EM NOME COLETIVO 1 Profª Roberta Siqueira Direito Empresarial II ATENÇÃO: Este material é meramente informativo e não exaure a matéria. Foi retirado da bibliografia do curso constante

Leia mais

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL MUNICÍPIO DE CANOAS

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL MUNICÍPIO DE CANOAS Mensagem nº 75, de 2011 Canoas, 13 de outubro de 2011. A Sua Excelência o Senhor Vereador César Augusto Ribas Moreira Presidente da Câmara Municipal de Canoas Canoas - RS Senhor Presidente, Na forma da

Leia mais

BuscaLegis.ccj.ufsc.br

BuscaLegis.ccj.ufsc.br BuscaLegis.ccj.ufsc.br A multa do art. 538, parágrafo único, do CPC, e a interposição de recursos no processo do trabalho Dennis José Martins* A multa do art. 538, parágrafo único, do CPC, e a interposição

Leia mais

Emissão de NFS-e. Nota Legal Porto Alegre

Emissão de NFS-e. Nota Legal Porto Alegre Emissão de NFS-e Nota Legal Porto Alegre Apresentação: Foi publicada em 31/05/2015 a Instrução Normativa SMF 04/2016, que incluiu o parágrafo 10 ao artigo 3º da Instrução Normativa SMF 09/2014, trazendo

Leia mais

Supremo Tribunal Federal

Supremo Tribunal Federal Ementa e Acórdão Inteiro Teor do Acórdão - Página 1 de 6 14/10/2016 PLENÁRIO AG.REG. NO RECURSO EXTRAORDINÁRIO COM AGRAVO 910.568 SÃO PAULO RELATOR AGTE.(S) AGDO.(A/S) : MINISTRO PRESIDENTE :DALLAS RENT

Leia mais

SECRETARIA REGIONAL DA EDUCAÇÃO E RECURSOS HUMANOS (SRE)

SECRETARIA REGIONAL DA EDUCAÇÃO E RECURSOS HUMANOS (SRE) SECRETARIA REGIONAL DA EDUCAÇÃO E RECURSOS HUMANOS (SRE) GABINETE DO SECRETÁRIO REGIONAL PROGRAMA DE CONCURSO REF. Nº CPU01/SRE/2013 CONCURSO PÚBLICO URGENTE LOCAÇÃO DE PLATAFORMA DE APOIO À GESTÃO ESCOLAR

Leia mais

❸ PRINCIPAIS ALTERAÇÕES a pensar nos consumidores. ❹ Livro de Reclamações no formato eletrónico

❸ PRINCIPAIS ALTERAÇÕES a pensar nos consumidores. ❹ Livro de Reclamações no formato eletrónico jurídico do Livro de Reclamações foi ❶ Com a entrada em vigor do regime do Livro de Reclamações (Decreto-Lei n.º 156/2005, de 15 de setembro), alargou-se à generalidade dos fornecedores de bens e prestadores

Leia mais

Coordenação-Geral de Tributação

Coordenação-Geral de Tributação Fls. 2 1 Coordenação-Geral de Tributação Solução de Consulta nº 160 - Data 17 de junho de 2015 Processo Interessado CNPJ/CPF ASSUNTO: OBRIGAÇÕES ACESSÓRIAS SOCIEDADE COOPERATIVA DE CRÉDITO. EXTINÇÃO POR

Leia mais

CREDENCIAMENTO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR. PORTARIA No- 354, DE 14 DE MARÇO DE 2008

CREDENCIAMENTO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR. PORTARIA No- 354, DE 14 DE MARÇO DE 2008 CREDENCIAMENTO 12 ISSN 1677-7042 1 Nº 53, terça-feira, 18 de março de 2008 SECRETARIA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR PORTARIA No- 354, DE 14 DE MARÇO DE 2008 O MINISTRO DE ESTADO DA EDUCAÇÃO, no uso de suas atribuições,

Leia mais

OCEANAIR LINHAS AÉREAS LTDA.

OCEANAIR LINHAS AÉREAS LTDA. DECISÃO Agência Nacional de Aviação Civil - Brasil RELATÓRIO Trata-se de recurso interposto pela OCEANAIR LINHAS AÉREAS LTDA. face à decisão proferida em primeira instância desta Agência, nos autos do

Leia mais

o Identificação do medicamento (nome comercial, DCI, n.º de lote, tamanho de embalagem);

o Identificação do medicamento (nome comercial, DCI, n.º de lote, tamanho de embalagem); Requisitos e condições necessários à obtenção de autorização para dispensa de medicamentos ao domicílio e através da Internet por parte das farmácias, ao abrigo da Portaria n.º 1427/2007, de 2 de novembro

Leia mais

Manual para emissão do CPF na CRC Nacional versão 1.0

Manual para emissão do CPF na CRC Nacional versão 1.0 Normatização: Manual para emissão do CPF na CRC Nacional versão 1.0 Instrução Normativa Receita Federal Brasileira nº 1548/2015 Art. 3º Estão obrigadas a inscrever-se no CPF as pessoas físicas: V - registradas

Leia mais

COMPANHIA CATARINENSE DE ÁGUAS E SANEAMENTO - CASAN

COMPANHIA CATARINENSE DE ÁGUAS E SANEAMENTO - CASAN COMPANHIA CATARINENSE DE ÁGUAS E SANEAMENTO - CASAN, sociedade de economia mista estadual, inscrita no C.N.P.J. sob o nº 82.508.433/0001-17, constituída em 02 de julho de 1971, em conformidade com a Lei

Leia mais

ENTIDADES DE FISCALIZAÇÃO DO EXERCÍCIO DAS PROFISSÕES LIBERAIS CONSELHO FEDERAL DE ADMINISTRAÇÃO RESOLUÇÃO NORMATIVA Nº 464, DE 22 DE ABRIL DE 2015

ENTIDADES DE FISCALIZAÇÃO DO EXERCÍCIO DAS PROFISSÕES LIBERAIS CONSELHO FEDERAL DE ADMINISTRAÇÃO RESOLUÇÃO NORMATIVA Nº 464, DE 22 DE ABRIL DE 2015 ENTIDADES DE FISCALIZAÇÃO DO EXERCÍCIO DAS PROFISSÕES LIBERAIS CONSELHO FEDERAL DE ADMINISTRAÇÃO RESOLUÇÃO NORMATIVA Nº 464, DE 22 DE ABRIL DE 2015 Dispõe sobre a criação de Acervos Técnicos de Pessoas

Leia mais

NOTA TÉCNICA Nº 83/2012/CGNOR/DENOP/SEGEP/MP ASSUNTO:

NOTA TÉCNICA Nº 83/2012/CGNOR/DENOP/SEGEP/MP ASSUNTO: Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão Secretaria de Gestão Pública Departamento de Normas e Procedimentos Judiciais de Pessoal Coordenação-Geral de Elaboração, Orientação e Consolidação das Normas

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça RELATOR RECORRENTE PROCURADOR RECURSO ESPECIAL Nº 876.931 - RJ (2006/0115752-8) : MINISTRO MAURO CAMPBELL MARQUES : ASSOCIAÇÃO DE MORADORES E AMIGOS DO JARDIM BOTÂNICO AMAJB : PAULO ROBSON PEREIRA : ASSOCIAÇÃO

Leia mais

Coordenação-Geral de Tributação

Coordenação-Geral de Tributação Fls. 2 1 Coordenação-Geral de Tributação Solução de Consulta nº 207 - Data 5 de agosto de 2015 Processo Interessado CNPJ/CPF ASSUNTO: NORMAS DE ADMINISTRAÇÃO TRIBUTÁRIA REINTEGRA - NÃO INCLUSÃO DO BENEFÍCIO

Leia mais

PROCEDIMENTO DE CONTROLE ADMINISTRATIVO

PROCEDIMENTO DE CONTROLE ADMINISTRATIVO PROCEDIMENTO DE CONTROLE ADMINISTRATIVO 0000547-84.2011.2.00.0000 Requerente: Ordem dos Advogados do Brasil - Seção do Estado do Rio de Janeiro Requerido: Corregedoria Geral da Justiça Federal da 2a Região

Leia mais

Lei de Acesso à Informação Nº , de 18 de novembro de 2011

Lei de Acesso à Informação Nº , de 18 de novembro de 2011 Lei de Acesso à Informação Nº 12.527, de 18 de novembro de 2011 Abrangência órgãos e entidades públicas de todos os poderes edetodos os entes federativos entidades privadas sem fins lucrativos que recebem

Leia mais

DESPACHO DE HOMOLOGAÇÃO

DESPACHO DE HOMOLOGAÇÃO DESPACHO DE HOMOLOGAÇÃO PROCESSO LICITATÓRIO: 01.100.208/2016 MODALIDADE: CONVITE Nº 01.100.208/2016 OBJETO: Contratação de empresa para prestação de serviço de coquetel para a Câmara Municipal, pelo período

Leia mais