SINTOMAS E ORALIDADE NOS TRANSTORNOS SOMATOFORMES 1

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "SINTOMAS E ORALIDADE NOS TRANSTORNOS SOMATOFORMES 1"

Transcrição

1 SINTOMAS E ORALIDADE NOS TRANSTORNOS SOMATOFORMES 1 Júlia Catani 2 Se o inconsciente se dá a ouvir no que o discurso cala, O corpo se dá a ver no que no olhar do Outro falta (Jerusalinsky, 1999, p.70.) Neste primeiro momento, gostaria de retomar o nome desta mesa, mas a partir de uma circunscrição específica e limitar a reflexão a: quando o maltratado retorna à superfície. Trata-se de uma proposta de configurar o maltratado, por duas vias: a primeira, quando um ou mais sintomas não foram elaborados na infância e retornam na idade adulta por meio de condensação e deslocamento e uma segunda possibilidade que seria a do individuo que sofreu violência, agressão e privação, e portanto, um sujeito que foi maltratado. Estas questões remetem justamente à historia de vida de muitos pacientes diagnosticados pela psiquiatria com Transtornos Somatoformes (TS), caracterizam-se por queixas físicas que não podem ser totalmente explicadas por uma condição médica geral ou qualquer outro transtorno psiquiátrico. O grupo é bastante heterogêneo do ponto de vista psicopatológico e etiológico, uma vez que o critério básico para seu agrupamento no DSM-IV (2000) é a presença de queixas físicas como principal sintoma. Para o diagnóstico faz-se necessária a exclusão de doenças orgânicas, ou seja, qualquer condição médica não considerada neurológica ou psiquiátrica. Nesses transtornos, os sintomas devem causar sofrimento significativo ou prejuízo no funcionamento social, ocupacional ou em outras áreas importantes. De acordo com a CID-10 (1992), os TS consistem nas repetições de sintomas físicos associados à busca incessante de cuidados médicos. Ao se fazer uma escuta mais apurada, é possível perceber neste tipo de pacientes a repetição de algumas características na vida destes, dentre elas, dificuldades econômicas, violência física e/ou verbal e privação de afeto. Ao que tudo indica estes fatores estariam presentes desde cedo na vida destes pacientes e permaneceriam por 1 O texto aqui apresentado decorre do projeto de pesquisa que conta com apoio do CNPq e está sob orientação da Prof. Dra. Maria Abigail de Souza. 2 Mestranda em Psicologia Clínica no Instituto de Psicologia (IP) da USP. Especialista em Psicologia Hospitalar pelo Curso Avançado de Formação Continuada em Psicologia Hospitalar: Saúde, Subjetividade e Instituição, do Centro de Estudos em Psicologia da Saúde (CEPSIC). Aluna do curso de Psicanálise no Instituto Sedes Sapentiae. 1

2 muitos anos na infância, bem como, na idade adulta e possivelmente contribuiriam muito na participação dos sintomas e na maneira como aqueles sujeitos se organizam e estruturam a sua subjetividade. É importante ressaltar que as menções a tais características referem-se às observações do trabalho acompanhado no Ambulatório de Transtornos Somatoformes, do Instituto de Psiquiatria do Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo (IPq-HCFMUSP). Portanto, seria leviano afirmar que isto ocorre com todos os pacientes com este diagnóstico em qualquer local, ainda que possamos supor uma forte tendência a semelhanças de história de vida entre estas pessoas. A experiência de atender estes pacientes revela muitas vezes que a histeria, assim como era vista no Hospital da Salpêtrière no final do século XIX, pouco mudou quanto às suas manifestações no corpo, vemos doenças não explicadas totalmente manifestas da mesma forma que outrora, o que se modifica é o mecanismo que inclui a cultura, ou seja, a época e contexto, pois assim a expressão clínica torna-se sempre única e temporal. A histeria, na atualidade, não possui a mesma denotação psicopatológica encontrada nos trabalhos psicanalíticos e resenhas médicas. Entretanto, é possível observar que os textos de Freud não caíram em desuso. No que diz respeito às manifestações clínicas ou à composição de seus mecanismos psíquicos, o estatuto etiológico da histeria como elemento central, para a psicanálise, continua sendo o afeto sexual recalcado, portanto, da ordem do inconsciente. O que se observa é que os sintomas marcadamente físicos hoje aparecem, por vezes, minimizados. Mas, ainda é possível observar histéricos em instituições psiquiátricas, clínicas de reabilitação e consultórios particulares. A concepção da histeria se aproveita de uma determinada fraqueza do sujeito para se apresentar e se instalar mantém-se na atualidade, como nos exemplos aventados. A desordem física encontrada hoje, parece se localizar na ordem do ideal, do imaginário, ou seja, está ancorada aos processos identificatórios, que se deslocam, de forma particular a cada paciente ou sujeito, em manifestações patológicas físicas ou em doenças psicogênicas (ALONSO & FUKS, 2004 / ISRAËL, 1995). O sintoma foi um tema bastante desenvolvido ao longo da obra freudiana e continua sendo objeto de atenção de diversos psicanalistas. Como bem apresentado no 2

3 trabalho de Maria Cristina Ocariz (2003), o conceito de sintoma sofre diversas mudanças ao longo da produção teórica de Freud, tanto que a autora propõe um desenvolvimento do conceito da seguinte forma: os artigos do primeiro período até 1900, a produção de 1900 a 1915 em que se funda a psicanálise e por fim, as últimas reformulações influenciadas devido à nova leitura da constituição do inconsciente (segunda tópica). Deste modo, o sintoma pode ser abordado a partir de diversas perspectivas entre as quais, destacam-se: a expressão de um conflito psíquico, a mensagem do inconsciente e a satisfação pulsional (MAIA, MEDEIROS & FONTES, 2012). A definição freudiana de sintoma é o marco inicial para as construções do patológico e normal para a psicanálise e configura-se como constructo que ocasiona o rompimento com a psiquiatria moderna. Diferentemente do que vinha sendo discutido até o inicio do século XIX, Freud propõe a noção de uma dimensão subjetiva que se caracteriza para além do que incomoda, atrapalha, desestabiliza, provoca desprazer, isto porque segundo a concepção freudiana de sintoma, ela pode estar sim, vinculada a todos estes elementos e de inicio é isto que oferece ao paciente a possibilidade de uma procura por análise, mas para nós psicanalistas, isto diz respeito também a uma formação de compromisso oriunda do recalcamento (OCARIZ, 2003). A partir das demarcações oferecidas na teoria freudiana se torna possível afirmar que esta não parte do fato de que o sintoma seria a ausência de saúde doença mental, mas sim, como sendo uma linguagem que se inscreve e solicita uma interpretação e um deciframento. Ou seja, os sintomas dizem respeito a uma verdade particular. Ainda que existam sintomas semelhantes, por exemplo, diversos pacientes que vomitem, percam os dentes ou deixem de falar, o motivo pelo qual isto acontece, o momento, o endereçamento, dependem de cada sujeito e será ele que poderá oferecer os seus significados. Portanto, é preciso pensar o sofrimento do sujeito incluído em uma história e em uma rede de significações e de um real. Isto porque, é possível que algo que pareça incomodo a outro sujeito não o seja para o agente que sofre, em decorrência disto faz-se necessário que o paciente diga do que ele sofre. Tendo em vista que o sofrimento do sujeito está articulado aos acontecimentos de seu cotidiano, Freud (1915) oferece a definição do conceito de pulsão de dois modos: 3

4 o limite entre o somático e o psíquico e o representante psíquico dos estímulos que se originam no organismo para posteriormente alcançar o mental, deste modo, estes processos aparecem como sendo indissociáveis. Não é possível pensar que um determinado órgão recebe uma maior representação ou carga afetiva sem que isto esteja relacionado com a sua história. Entretanto, mesmo que ocorram tais ações, trata-se de um caráter transitório da pulsão, isto é, não há um componente direto com a linguagem, mas seus efeitos são produzidos na relação entre mente e corpo, e entre o sujeito e o outro. Por meio das pulsões o sujeito constitui sua subjetividade. Ainda no que se referem às pulsões, os seus efeitos são produzidos constantemente, não sendo possível o sujeito se desvencilhar. Vale ressaltar ainda que a maneira como as pulsões se manifestam no corpo podem ser bastante distintas. No texto Projeto para uma psicologia científica (1950[1895]) não se encontra a palavra pulsão, Freud anuncia alguns trechos e ideias que nos permitem supor que aí se encontraria um esboço. O autor relata que no encontro do sujeito com o seu semelhante o aparelho psíquico produz marcas psíquicas que orientam a sua vida. Em meio a estes encontros e ao contato com este outro, aparecem elementos que não podem ser representados e ficam fora do campo da significação, seria o que ele chamará de a coisa. Entretanto, apesar desta marginalidade que se constrói, estes elementos não deixarão de se manifestar, pelo contrário, eles continuarão exercendo influência em todos os momentos na vida desta pessoa e orientando inclusive suas escolhas objetais. A partir da pulsão, o sujeito é levado ao encontro com o objeto e será por meio disto que ocorrerá parte da satisfação, pois mesmo que exista uma aproximação objetal, não se torna possível satisfazer-se por completo. O resultado deste processo é a origem de novos significantes que tentam dar conta da experiência vivida, entretanto, parte desta ação não pôde ser digerida e assimilada pelo sujeito e acaba sendo expulsa do circuito. Nesta expulsão a pessoa nega parte do que foi vivido, mas não se torna capaz de compreender este processo e de modo a tentar significá-lo o sujeito se torna um ser falante fornecendo assim, uma ampliação do aparato psíquico e chegando ao seu objetivo, transformar a pulsão em linguagem. Isto é, na tentativa de nomear o que foi vivido e representado no nível pulsional, o individuo utiliza-se da linguagem. (BRUDER & BRAUER, 2007). Frente a estes elementos é possível pensar que o sujeito estaria para além da subjetividade e que esta também é fundada em um processo 4

5 orgânico. Assim, diante da interação destas duas instâncias, a psíquica e a orgânica é que se produz a linguagem, capaz de lidar com a sublimação. Em 1905, no texto Três ensaios sobre a sexualidade, Freud apresenta o primeiro momento na constituição do sujeito nomeado de auto-erotismo, uma etapa anterior ao narcisismo e comum a todos. O auto-erotismo se configura como um estado inicial em que o corpo é vivenciado como fragmentado, deste modo, não existe uma unidade. Neste período, também nomeado de narcisismo primário, se configura o estado inicial da libido, o bebê se satisfaz de maneira parcial, ainda não há uma procura por um objeto externo que possa lhe proporcionar prazer. Alguns anos depois, em 1914, Freud em Introdução ao Narcisismo sugeriu que haveria um processo intermediário entre o auto-erotismo e o amor objetal, a este processo ele nomeou de narcisismo secundário, seria neste momento que o bebê começaria a tomar consciência de se seu próprio corpo e foi com base nisto que o autor afirmou que o eu é antes de tudo corporal. O narcisismo seria a união das partes disfusionadas na perversão polimorfa, neste momento da organização psíquica da criança esta pode experienciar o outro e reconhecer a satisfação provinda do ambiente. Nesta etapa, já existe o investimento objetal e o retorno do investimento para o próprio ego. Ou seja, o sujeito se percebe como sendo capaz de diferenciar o seu corpo do mundo, quais são as suas necessidades e onde é possível buscar satisfação. Portanto, o narcisismo consiste em um dos possíveis destinos encontrados pela libido, podendo assim, oferecer um caráter protetor ao psiquismo (LAPLANCHE & PONTALIS, 2001). Como se sabe, os primeiros anos de vida são essenciais para o desenvolvimento e estruturação subjetiva de uma criança. Deste modo, a presença da mãe e a interação desta com o bebê se constituem como fatores decisivos para o psiquismo. Será a presença e a nomeação que esta mãe oferece ao seu bebê que permitirão no futuro que ele possa adquirir repertório e linguagem para expressar e configurar suas representações mentais. É a partir da presença deste outro que a criança pode elaborar e organizar as suas pulsões libidinais, agressivas e instaurar o representante simbólico. Estas relações iniciais também servem como base para que a criança possa lidar com o convívio social (ALBORNOZ & NUNES, 2004). 5

6 É possível pensarmos a partir de Jacques Lacan, Françoise Dolto e Juan-David Nasio, na questão dos estágios do espelho como fundadores da constituição subjetiva. Pautado nesta abordagem, podemos pensar nos elementos determinantes e no que teria se passado com os pacientes portadores de Transtornos Somatoformes. Lacan ( /1995) afirma: [...] o estádio do espelho está bem longe de apenas conotar um fenômeno que se apresenta no desenvolvimento da criança. Ele ilustra o caráter de conflito da relação dual. (p. 15). Os Transtornos Somatoformes vêm como uma resposta aos determinantes provindos das etapas da constituição subjetiva destes pacientes, uma vez que, o sujeito possui uma identidade unificada e no encontro com o outro, esta mesma unidade se desestrutura, pois o outro a invade, divide seu corpo e suas pulsões no nível do real. Ou seja, seu corpo é maltratado pelo encontro dual e assim, os elementos de seu próprio narcisismo retornam em sintomas, no caso, sintomas arraigados à fixação pulsional: um transbordamento da oralidade aparece no perder os dentes, no vomitar, na palavra que não comunica e na satisfação com o sofrimento por vias orais. Seria isto o que teria se passado com pessoas atendidas em um hospital terciário universitário da rede pública, por exemplo, com o paciente que não consegue parar de vomitar para separar-se de seus pais e estabelecer um freio nesta relação. Ou da paciente que diante de uma enfermeira que não acredita em sua doença, tem os sintomas intensificados e se vê impossibilitada de falar. Ou de uma paciente que ao reencontrar o seu irmão biológico até então desconhecido acaba por perder os dentes uma vez que não é capaz de verbalizar sua agressividade e insatisfação com sua família. É possível verificar que o posicionamento do outro atua de forma desorganizadora, sendo capaz de atingir estas pessoas em sua oralidade, por exemplo, e as impedirem de utilizarem o recurso da palavra para se posicionar. A boca se cala, mas a pulsão oral ainda tem muito a nos dizer. Poderíamos pensar, portanto, que o outro lhe mostrou a significativa diferença entre a imagem com que a pessoa se vê e a que o espelho lhe devolve, ou seja, o encontro, a violência, os maus tratos advindos da relação com o mundo, remetem a todo o momento, às fases da constituição subjetiva e à fixação na oralidade destes sujeitos. Tal incompatibilidade, para Dolto (apud Nasio, 2009) provocaria um abalo importante no psiquismo e se configuraria como um evento traumático. 6

7 Se nos remetermos a Freud (1917), para quem o sintoma diz respeito à fixação em alguma fase do desenvolvimento sexual, isto nos oferece elementos para entender estes pacientes como fixados na oralidade, ou na ótica freudiana a representação se mantêm ligada na fase oral, na qual a libido se satisfaz por meio das formas mais primitivas: o comer e o gritar; em que não só a boca atua como via de satisfação pulsional, mas também seus significantes: os dentes, a fala, e as mucosas do aparelho digestivo. Para Dolto (apud Nasio, 2009), há três imagens inconscientes do corpo, a imagem básica, a imagem funcional e a imagem erógena. A primeira, e, portanto a imagem básica, seria a que fornece a criança elementos de amparo e segurança que se referem aos cuidados iniciais oferecidos pela mãe. Na imagem funcional o corpo busca satisfazer suas necessidades e seus desejos de modo ávido e voraz e procura objetos simbólicos e imaginários. E por fim, a imagem erógena seriam as cavidades anal e oral que a partir da contração e dilatação obtém o prazer. Voltemos a imaginar uma criança agredida, ela imediatamente busca retornar à imagem básica na tentativa de obter segurança. O mesmo já apontava Freud nas fixações. Entretanto, este retorno lhe ocasiona também sofrimento, isto porque este sujeito viveu uma desestabilização, retornou a uma fase anterior, mas isto não condiz com a sua realidade atual. Do mesmo modo que ela se protege, ela acaba por isolar-se do mundo. Nos Transtornos Somatoformes, isto pode ser ilustrado pelo desamparo vivido e relatado por estes pacientes no momento em que os seus sintomas emergem no corpo, na regressão que ocasiona uma posição muitas vezes infantilizada, no isolamento, no abandono. E frente a incapacidades provenientes de sua doença orgânica, deixam de trabalhar, estudar, sair, diminuem muito o convívio social na busca por uma segurança que lhe exige um alto preço. Isto leva a que se questione o seguinte: se é o outro que produz a satisfação pulsional, por que este mesmo ocasiona o sofrimento pela via do sintoma? A partir do texto de Nasio em seu livro Meu corpo e suas imagens (2009), podemos indagar acerca de como se configurou a imagem básica para estes pacientes quando eram crianças. Formulo esta questão, pois muitas vezes as mães destes pacientes também se mostram bastante incapacitadas, posto que, também foram privadas de afetos e cuidados no início da vida. Ou tal como já foi observado, sofreram também os maus 7

8 tratos que se mostram característicos na história de pacientes com este tipo de diagnóstico. Para responder a estas questões podemos pensar que: Não somos nosso corpo em carne e osso, somos o que sentimos e vemos de nosso corpo: sou o corpo que sinto e o corpo que vejo, (...) isto é, a representação mental de nossas sensações corporais, representação mutante e incessantemente influenciada por nossa imagem no espelho (Nasio, 2009, p.54). Somos o sintoma de nossa constituição subjetiva, por isto, no caso dos Transtornos Somatoformes, os sintomas da oralidade se apresentam de forma primitiva e podem ser o apelo ao outro com base em um narcisismo que busca no outro o que não se tem ou como recusa deste por nunca ter sido formada uma unidade do eu. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS ALBORNOZ, A.C.G & NUNES, M. L.T. A dor e a constituição psíquica. In: Psico-USF, v.9, n.2 p , jul./dez ALONSO, Silvia. L.; FUKS, Mario. P. Histeria. São Paulo, Casa do Psicólogo, AMERICAN PSYCHIATRIC ASSOCIATION APA DSM-IV-TR (2000). Diagnostic and statistical manual of mental disorders (4ªed.). Washington (DC). BRUDER, Maria Cristina Ricotta; BRAUER, Jussara Falek. A constituição do sujeito na psicanálise lacaniana: impasses na separação. Psicol. estud., Maringá, v. 12, n. 3, Dec FREUD, S. (1950[1895]) Projeto para uma psicologia científica. In: Edição Standard Brasileira das Obras Psicológicas Completas de Sigmund Freud, vol. I. Rio de Janeiro: Imago, 1990, p (1905) Três ensaios sobre a sexualidade. In: Edição Standard Brasileira das Obras Psicológicas Completas de Sigmund Freud, vol. VII. Rio de Janeiro: Imago, 1989, p

9 (1914). Introdução ao narcisismo. In: Edição Standard Brasileira das Obras Psicológicas Completas de Sigmund Freud, vol. XIV. Rio de Janeiro: Imago, 1974, p (1915). Os instintos e suas vicissitudes. In: Edição Standard Brasileira das Obras Psicológicas Completas de Sigmund Freud, vol. IV. Rio de Janeiro: Imago, 1974, pp (1917). Conferência XXIII: Os caminhos da formação dos sintomas. In: Edição Standard Brasileira das Obras Psicológicas Completas de Sigmund Freud, vol. XVI. Rio de Janeiro: Imago, 1976, pp ISRAËL, Lucien. A histérica, o sexo e o médico. São Paulo: Editora Escuta, JERUSALINSKY, A. Psicanálise e desenvolvimento infantil. 2ª ed. (D. Lichtenstein et al, Trad.). Porto Alegre: Artes e Ofícios, LACAN, J. O Seminário. Livro 4: a relação de objeto. Rio de Janeiro: J. Zahar, LAPLANCHE, J. & PONTALIS, J.B. Vocabulário de Psicanálise. São Paulo: Martins Fontes, MAIA, A.B; MEDEIROS, C. de P. & FONTES, F. O conceito de sintoma na psicanálise: uma introdução. In: Estilos da Clínica, 2012, 17 (1), NASIO, J. D. Meu corpo e suas imagens (tradução André Telles). Rio de Janeiro: Jorge Zahar Ed., OCARIZ, M.C. O sintoma e a clínica psicanalítica: o curável e o que não tem cura. São Paulo: Via Lettetra Editora e Livraria, WORLD HEALTH ORGANIZATION. (1993). Classificação de Transtornos Mentais e de Comportamento da CID-10. (10ªed.). Porto Alegre: Artes Médicas. 9

Feminilidade e Violência

Feminilidade e Violência Feminilidade e Violência Emilse Terezinha Naves O tema sobre a violência e a feminilidade apresenta-se, nas mais diversas áreas do conhecimento, como um tema de grande interesse, quando encontramos uma

Leia mais

UMA CRIANÇA E EX-PANCADA: RELAÇÃO DO MASOQUISMO INFANTIL AO SADISMO ADULTO

UMA CRIANÇA E EX-PANCADA: RELAÇÃO DO MASOQUISMO INFANTIL AO SADISMO ADULTO UMA CRIANÇA E EX-PANCADA: RELAÇÃO DO MASOQUISMO INFANTIL AO SADISMO ADULTO 2015 Marcell Felipe Alves dos Santos Psicólogo Clínico - Graduado pela Centro Universitário Newton Paiva (MG). Pós-graduando em

Leia mais

O AUTISMO NA PSICANÁLISE E A QUESTÃO DA ESTRUTURA Germano Quintanilha Costa 1

O AUTISMO NA PSICANÁLISE E A QUESTÃO DA ESTRUTURA Germano Quintanilha Costa 1 O AUTISMO NA PSICANÁLISE E A QUESTÃO DA ESTRUTURA Germano Quintanilha Costa 1 I Introdução O objetivo deste trabalho é pensar a questão do autismo pelo viés da noção de estrutura, tal como compreendida

Leia mais

Violência Simbólica: possíveis lugares subjetivos para uma criança diante da escolha materna

Violência Simbólica: possíveis lugares subjetivos para uma criança diante da escolha materna Violência Simbólica: possíveis lugares subjetivos para uma criança diante da escolha materna Henrique Figueiredo Carneiro Liliany Loureiro Pontes INTRODUÇÃO Esse trabalho apresenta algumas considerações,

Leia mais

"Crise ou tentativa de cura? - desafios para uma clínica do sujeito numa enfermaria psiquiátrica". 1

Crise ou tentativa de cura? - desafios para uma clínica do sujeito numa enfermaria psiquiátrica. 1 V Congresso de Psicopatologia Fundamental "Crise ou tentativa de cura? - desafios para uma clínica do sujeito numa enfermaria psiquiátrica". 1 Autora: Lorenna Figueiredo de Souza. Resumo: O trabalho apresenta

Leia mais

A função da alteridade frente ao desamparo nos primórdios da vida psíquica

A função da alteridade frente ao desamparo nos primórdios da vida psíquica A função da alteridade frente ao desamparo nos primórdios da vida psíquica Natália De Toni Guimarães dos Santos O humano só advém a partir de outros humanos. O filho do homem é um ser absolutamente dependente

Leia mais

FREUD: IMPASSE E INVENÇÃO

FREUD: IMPASSE E INVENÇÃO FREUD: IMPASSE E INVENÇÃO Denise de Fátima Pinto Guedes Roberto Calazans Freud ousou dar importância àquilo que lhe acontecia, às antinomias da sua infância, às suas perturbações neuróticas, aos seus sonhos.

Leia mais

A sua revista eletrônica CONTEMPORANEIDADE E PSICANÁLISE 1

A sua revista eletrônica CONTEMPORANEIDADE E PSICANÁLISE 1 A sua revista eletrônica CONTEMPORANEIDADE E PSICANÁLISE 1 Patrícia Guedes 2 Comemorar 150 anos de Freud nos remete ao exercício de revisão da nossa prática clínica. O legado deixado por ele norteia a

Leia mais

TOCAR E VER: O CORPO TORNANDO-SE SUJEITO

TOCAR E VER: O CORPO TORNANDO-SE SUJEITO TOCAR E VER: O CORPO TORNANDO-SE SUJEITO Iraquitan de Oliveira Caminha 1 O objetivo desse estudo é analisar a experiência de tocar e de ver, considerando a pulsão de domínio, concebida por Freud, e a motricidade

Leia mais

5. Referências bibliográficas:

5. Referências bibliográficas: 82 5. Referências bibliográficas: ASSOUN, P. Lecciones Psicoanalíticas sobre Hermanos y Hermanas., Buenos Aires: Ediciones Nueva Visión, 1998. BENGHOZI, P. E FERÉS- CARNEIRO, T. Laço frátrio e continente

Leia mais

PROVA ESPECÍFICA Cargo 39

PROVA ESPECÍFICA Cargo 39 11 PROVA ESPECÍFICA Cargo 39 QUESTÃO 26 Alguns dos desafios às novas formas de acolher e tratar os doentes mentais, a partir das reformas psiquiátricas, são, EXCETO: a) O risco de se tratar dos sintomas,

Leia mais

O papel do corpo na contemporaneidade, as novas patologias e a escuta analítica.

O papel do corpo na contemporaneidade, as novas patologias e a escuta analítica. O papel do corpo na contemporaneidade, as novas patologias e a escuta analítica. Silvana Maria de Barros Santos Entre o século XVI a XIX, as transformações políticas, sociais, culturais e o advento da

Leia mais

Megalomania: amor a si mesmo Raquel Coelho Briggs de Albuquerque 1

Megalomania: amor a si mesmo Raquel Coelho Briggs de Albuquerque 1 Megalomania: amor a si mesmo Raquel Coelho Briggs de Albuquerque 1 Alfredo estava na casa dos 30 anos. Trabalhava com gesso. Era usuário de drogas: maconha e cocaína. Psicótico, contava casos persecutórios,

Leia mais

Fome de quê? Daniela Goulart Pestana

Fome de quê? Daniela Goulart Pestana Fome de quê? Daniela Goulart Pestana O trabalho a seguir fruto de um Cartel sobre sintomas alimentares, propõe a ser uma reflexão dos transtornos alimentares mais comuns de nossa contemporaneidade. O eixo

Leia mais

CORPO, IMAGEM, ORIFÍCIO: PONTUAÇÕES SOBRE O CORPO EM PSICANÁLISE. O valor do corpo como imagem, como suporte imaginário e consistência, por

CORPO, IMAGEM, ORIFÍCIO: PONTUAÇÕES SOBRE O CORPO EM PSICANÁLISE. O valor do corpo como imagem, como suporte imaginário e consistência, por CORPO, IMAGEM, ORIFÍCIO: PONTUAÇÕES SOBRE O CORPO EM PSICANÁLISE Regina Cibele Serra dos Santos Jacinto Ana Maria Medeiros da Costa Podemos afirmar que o interesse de Lacan pela questão do corpo esteve

Leia mais

4.59.1. Tema: Sinais de risco nas clínicas mãe-bebê 4.59.2. Coordenadora: Sonia Pereira Pinto da Motta

4.59.1. Tema: Sinais de risco nas clínicas mãe-bebê 4.59.2. Coordenadora: Sonia Pereira Pinto da Motta Mesa: 4.59.1. Tema: Sinais de risco nas clínicas mãe-bebê 4.59.2. Coordenadora: Sonia Pereira Pinto da Motta OS RISCOS NA CONSTITUIÇÃO PSÍQUICA Autora: CRISTINA HOYER Breve Nota Curricular da Autora -

Leia mais

IV Congresso Internacional de Psicopatologia Fundamental X Congresso Brasileiro de Psicopatologia Fundamental. Curitiba, de 04 a 07 de Julho de 2010.

IV Congresso Internacional de Psicopatologia Fundamental X Congresso Brasileiro de Psicopatologia Fundamental. Curitiba, de 04 a 07 de Julho de 2010. IV Congresso Internacional de Psicopatologia Fundamental X Congresso Brasileiro de Psicopatologia Fundamental. Curitiba, de 04 a 07 de Julho de 2010. Os nomes dos modos de sofrimentos atuais, ou, Transtornos

Leia mais

Márcio Peter de Souza Leite 4 de abril de 1997 PUC

Márcio Peter de Souza Leite 4 de abril de 1997 PUC O Pai em Freud 1997 O Pai em Freud Márcio Peter de Souza Leite 4 de abril de 1997 PUC Conteudo: Pais freudianos... 3 O pai de Dora... 3 O pai de Schreber.... 4 O pai castrador, que é o terceiro em Freud,

Leia mais

FANTASIAS SEXUAIS INFANTIS, AS CRIANÇAS FALAM. A intenção deste trabalho foi escutar crianças pequenas a respeito da

FANTASIAS SEXUAIS INFANTIS, AS CRIANÇAS FALAM. A intenção deste trabalho foi escutar crianças pequenas a respeito da FANTASIAS SEXUAIS INFANTIS, AS CRIANÇAS FALAM Maria Elisa França Rocha A intenção deste trabalho foi escutar crianças pequenas a respeito da sexualidade, bem como conhecer suas fantasias e as teorias que

Leia mais

Do Sofrimento ao Sintoma nas Doenças Crônicas

Do Sofrimento ao Sintoma nas Doenças Crônicas Do Sofrimento ao Sintoma nas Doenças Crônicas Selma Correia da Silva Damiana Avila Carvalho Moema dos Santos Duberley Introdução O presente trabalho tem como ponto de partida a nossa experiência clínica

Leia mais

IDENTIFICAÇÃO MASCULINA E SUAS ARTICULAÇÕES COM O RECALCAMENTO. o processo de constituição do psiquismo. A discussão será feita à luz das idéias

IDENTIFICAÇÃO MASCULINA E SUAS ARTICULAÇÕES COM O RECALCAMENTO. o processo de constituição do psiquismo. A discussão será feita à luz das idéias IDENTIFICAÇÃO MASCULINA E SUAS ARTICULAÇÕES COM O RECALCAMENTO Cristiana de Amorim Mazzini 1 O presente trabalho discorrerá sobre a identificação masculina ocorrida durante o processo de constituição do

Leia mais

Quando a cirurgia falha - as implicações da melancolia no tratamento cirúrgico da obesidade

Quando a cirurgia falha - as implicações da melancolia no tratamento cirúrgico da obesidade Quando a cirurgia falha - as implicações da melancolia no tratamento cirúrgico da obesidade Camila Chudek Ribeiro 1 Maria Virginia Filomena Cremasco 2 A obesidade tem atingido níveis epidêmicos na atualidade.

Leia mais

Psicologia Educacional

Psicologia Educacional O que é psicanálise? Psicologia Educacional Pedagogia 1º semestre PSICANÁLISE Professora Miriam E. Araújo Uma área do conhecimento científico que busca compreender o psiquismo humano com um método e um

Leia mais

A ética do tratamento psicanalítico: diagnóstico diferencial.

A ética do tratamento psicanalítico: diagnóstico diferencial. A ética do tratamento psicanalítico: diagnóstico diferencial. Claudia Wunsch. Psicóloga. Pós-graduada em Psicanálise Clínica (Freud/Lacan) Unipar - Cascavel- PR. Docente do curso de Psicologia da Faculdade

Leia mais

Reflexões sobre Impasses e Possibilidades da Psicanálise no Hospital Público

Reflexões sobre Impasses e Possibilidades da Psicanálise no Hospital Público Reflexões sobre Impasses e Possibilidades da Psicanálise no Hospital Público Ludmila Stalleikem Sebba 1 e Ademir Pacelli Ferreira 2 Resumo A partir do referencial da psicanálise procura-se apontar elementos

Leia mais

O SUPEREU NA DEMANDA DE AMOR INSACIÁVEL DAS MULHERES

O SUPEREU NA DEMANDA DE AMOR INSACIÁVEL DAS MULHERES O SUPEREU NA DEMANDA DE AMOR INSACIÁVEL DAS MULHERES Daniela de Oliveira Martins Mendes Daibert Mestranda do Programa de Pós-Graduação em Psicanálise da Universidade Estadual do Rio de Janeiro (UERJ);

Leia mais

Diagnóstico: um sintoma? O diagnóstico em psiquiatria tem uma história. Sua principal função é de ser um instrumento

Diagnóstico: um sintoma? O diagnóstico em psiquiatria tem uma história. Sua principal função é de ser um instrumento Diagnóstico: um sintoma? Larissa de Figueiredo Rolemberg Mendonça e Manoel Tosta Berlinck (Pontifícia Universidade Católica de São Paulo PUC/SP) O diagnóstico em psiquiatria tem uma história. Sua principal

Leia mais

FUNÇÃO MATERNA. Luiza Bradley Araújo 1

FUNÇÃO MATERNA. Luiza Bradley Araújo 1 FUNÇÃO MATERNA Luiza Bradley Araújo 1 Entendemos por função materna a passagem ou a mediação da Lei que a mãe opera. Nós falamos de uma função e não da pessoa da mãe, função de limite entre o somático

Leia mais

Autismo e Deficiência Intelectual.

Autismo e Deficiência Intelectual. Autismo e Deficiência Intelectual. Wagner Ranna. Pediatra. Psiquiatra. Psicanalista. Professor de Psicossomática Psicanalítica do SEDES. Psiquiatra CAPS Infantil da Lapa/PMSP/CRSCO/STS Lapa. Ex-professor

Leia mais

O Escutar através do Desenho

O Escutar através do Desenho 1 O Escutar através do Desenho Neide M.A.Corgosinho 1 RESUMO: O artigo aqui apresentado baseia-se em algumas experiências de trabalho na internação pediátrica do Hospital Militar de Minas Gerais no período

Leia mais

A CONSTRUÇÃO DO AMOR MATERNO NA RELAÇÃO MÃE-BEBÊ: REFLEXÕES A PARTIR DA PSICANÁLISE.

A CONSTRUÇÃO DO AMOR MATERNO NA RELAÇÃO MÃE-BEBÊ: REFLEXÕES A PARTIR DA PSICANÁLISE. A CONSTRUÇÃO DO AMOR MATERNO NA RELAÇÃO MÃE-BEBÊ: REFLEXÕES A PARTIR DA PSICANÁLISE. Cléa Maria Ballão Lopes 1 Nos últimos tempos venho trabalhando com gestantes e puérperas, diretamente via atendimento

Leia mais

Laboratório de Ensino PULSÕES E SEUS DESTINOS (1915)

Laboratório de Ensino PULSÕES E SEUS DESTINOS (1915) Laboratório de Ensino PULSÕES E SEUS DESTINOS (1915) Flávia Lana Garcia de Oliveira (Doutoranda em Teoria Psicanalítica pela UFRJ Bolsa CAPES no Brasil e Bolsa doutorado sanduíche FAPERJ Université Paris-Diderot

Leia mais

a justifique. Em resumo, a IASP reconhece que a dor poderia existir apenas no plano do vivido e na queixa que a exprime.

a justifique. Em resumo, a IASP reconhece que a dor poderia existir apenas no plano do vivido e na queixa que a exprime. No livro A DOR FÍSICA, Nasio se preocupa com as origens psicológicas da dor corporal, mais claramente falando, se preocupa com aquela parte enigmática que vem descrita nos artigos médicos como o fator

Leia mais

Feminilidade e Angústia 1

Feminilidade e Angústia 1 Feminilidade e Angústia 1 Claudinéia da Cruz Bento 2 Freud, desde o início de seus trabalhos, declarou sua dificuldade em abordar o tema da feminilidade. Após um longo percurso de todo o desenvolvimento

Leia mais

DO DESENVOLVIMENTO DA TEORIA PULSIONAL FREUDIANA PARA UMA REFLEXÃO SOBRE A RELAÇÃO ENTRE AMOR E ÓDIO. Ligia Maria Durski

DO DESENVOLVIMENTO DA TEORIA PULSIONAL FREUDIANA PARA UMA REFLEXÃO SOBRE A RELAÇÃO ENTRE AMOR E ÓDIO. Ligia Maria Durski DO DESENVOLVIMENTO DA TEORIA PULSIONAL FREUDIANA PARA UMA REFLEXÃO SOBRE A RELAÇÃO ENTRE AMOR E ÓDIO. Ligia Maria Durski Iniciemos este texto fazendo uma breve retomada de alguns momentos importantes da

Leia mais

Aproximação do tema da Transferência na obra de Freud e sua pertinência para o estudo das psicoses

Aproximação do tema da Transferência na obra de Freud e sua pertinência para o estudo das psicoses Aproximação do tema da Transferência na obra de Freud e sua pertinência para o estudo das psicoses Palavras-chave: Transferência; Neurose de Transferência; Tratamento da Psicose; Psicanálise com crianças.

Leia mais

A CRIANÇA, O ADULTO E O INFANTIL NA PSICANÁLISE. Desde a inauguração da psicanálise, através dos estudos de seu criador Sigmund

A CRIANÇA, O ADULTO E O INFANTIL NA PSICANÁLISE. Desde a inauguração da psicanálise, através dos estudos de seu criador Sigmund A CRIANÇA, O ADULTO E O INFANTIL NA PSICANÁLISE Germano Quintanilha Costa Desde a inauguração da psicanálise, através dos estudos de seu criador Sigmund Freud, a infância se difundiu e se impôs à cultura

Leia mais

A função especular da fala materna e suas referências. ao psiquismo e à constituição do si mesmo.

A função especular da fala materna e suas referências. ao psiquismo e à constituição do si mesmo. A função especular da fala materna e suas referências ao psiquismo e à constituição do si mesmo. Alexandre Socha No artigo O papel de espelho da mãe e da família no desenvolvimento infantil (1967), Winnicott

Leia mais

DESENVOLVIMENTO SOCIAL E DA PERSONALIDADE

DESENVOLVIMENTO SOCIAL E DA PERSONALIDADE Rede7 Mestrado em Ensino do Inglês e Francês no Ensino Básico ÁREAS DE DESENVOLVIMENTO: DESENVOLVIMENTO SOCIAL E DA PERSONALIDADE Teorias Psicodinâmicas A Psicanálise de Sigmund Freud A perspectiva de

Leia mais

A FUNÇÃO DO PAGAMENTO EM ANÁLISE: LIMITES E POSSIBILIDADES NA INSTITUIÇÃO

A FUNÇÃO DO PAGAMENTO EM ANÁLISE: LIMITES E POSSIBILIDADES NA INSTITUIÇÃO A FUNÇÃO DO PAGAMENTO EM ANÁLISE: LIMITES E POSSIBILIDADES NA INSTITUIÇÃO Fernanda de Souza Borges feborges.psi@gmail.com Prof. Ms. Clovis Eduardo Zanetti Na praça Clóvis Minha carteira foi batida, Tinha

Leia mais

MOURA, Marisa Decat de (ORG). Psicanálise e hospital 3 Tempo e morte: da urgência ao ato analítico. Revinter: Rio de Janeiro, 2003.

MOURA, Marisa Decat de (ORG). Psicanálise e hospital 3 Tempo e morte: da urgência ao ato analítico. Revinter: Rio de Janeiro, 2003. MOURA, Marisa Decat de (ORG). Psicanálise e hospital 3 Tempo e morte: da urgência ao ato analítico. Revinter: Rio de Janeiro, 2003. Prefácio Interessante pensar em um tempo de começo. Início do tempo de

Leia mais

VÊ SE ME DESIMBAÇA : UMA ALUSÃO AO ESQUEMA ÓPTICO E AO GRAFO DO DESEJO

VÊ SE ME DESIMBAÇA : UMA ALUSÃO AO ESQUEMA ÓPTICO E AO GRAFO DO DESEJO VÊ SE ME DESIMBAÇA : UMA ALUSÃO AO ESQUEMA ÓPTICO E AO GRAFO DO DESEJO Paula Cristina Monteiro de Barros Nanette Zmeri Frej Maria de Fátima Vilar de Melo Era mais um dia de grupo operativo. Como de costume,

Leia mais

A atuação do Residente de Psicologia nos Grupos de Pré-consulta *

A atuação do Residente de Psicologia nos Grupos de Pré-consulta * ARTIGOS A atuação do Residente de Psicologia nos Grupos de Pré-consulta * Raquel Moreira Pádova ** Introdução A questão que analiso neste trabalho, se refere à atuação do psicólogo nos grupos de pré-consulta

Leia mais

O investimento narcísico da mãe e suas repercussões na reverie e na preocupação materna primária

O investimento narcísico da mãe e suas repercussões na reverie e na preocupação materna primária O investimento narcísico da mãe e suas repercussões na reverie e na preocupação materna primária Renata de Leles Rodrigues Eliana Rigotto Lazzarini Resumo do trabalho: A proposta deste trabalho é articular

Leia mais

E-mail: gracielabessa@yahoo.com.br.

E-mail: gracielabessa@yahoo.com.br. Título: A incidência do narcisismo na esquizofrenia e na histeria Autora: Graciela Bessa Psicanalista, Doutora em Teoria Psicanalítica (UFRJ). E-mail: gracielabessa@yahoo.com.br. RESUMO: No texto Sobre

Leia mais

DEIXA VIR... ASSOCIAÇÃO LIVRE E RESISTÊNCIA NA PSICOTERAPIA CORPORAL

DEIXA VIR... ASSOCIAÇÃO LIVRE E RESISTÊNCIA NA PSICOTERAPIA CORPORAL DEIXA VIR... ASSOCIAÇÃO LIVRE E RESISTÊNCIA NA PSICOTERAPIA CORPORAL Ricardo Rego RESUMO Apresento aqui uma proposta em que a postura do psicoterapeuta corporal varia conforme o grau de resistência. Nos

Leia mais

6 REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

6 REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS 117 6 REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS ANZIEU, Didier. O Eu-pele. São Paulo: Casa do Psicólogo, 1989. ASSOUN, Paul-Laurent. O Corpo: o Outro metapsicológico. In:. Metapsicologia freudiana: uma introdução. Rio

Leia mais

PSICANÁLISE: UM SOBREVÔO SOBRE A HISTÓRIA DE SIGMUND FREUD E DE SUAS IDÉIAS

PSICANÁLISE: UM SOBREVÔO SOBRE A HISTÓRIA DE SIGMUND FREUD E DE SUAS IDÉIAS 1 PSICANÁLISE: UM SOBREVÔO SOBRE A HISTÓRIA DE SIGMUND FREUD E DE SUAS IDÉIAS Sandra Mara Volpi 1856: Nasce Sigmund Freud, onde hoje localiza-se a Tchecoslováquia, em uma família de origem judaica em que

Leia mais

RETIFICAÇÃO SUBJETIVA: OS CONTRAPONTOS ENTRE A CLÍNICA PSICANALÍTICA E A EPISTEMOLOGIA HISTÓRICA

RETIFICAÇÃO SUBJETIVA: OS CONTRAPONTOS ENTRE A CLÍNICA PSICANALÍTICA E A EPISTEMOLOGIA HISTÓRICA RETIFICAÇÃO SUBJETIVA: OS CONTRAPONTOS ENTRE A CLÍNICA PSICANALÍTICA E A EPISTEMOLOGIA HISTÓRICA Marcio Luiz Ribeiro Bacelar Wilson Camilo Chaves A expressão retificação subjetiva está presente tanto nas

Leia mais

IV Congresso Internacional de Psicopatologia Fundamental X Congresso Brasileiro de Psicopatologia Fundamental -2010. Trabalho para Mesa-redonda

IV Congresso Internacional de Psicopatologia Fundamental X Congresso Brasileiro de Psicopatologia Fundamental -2010. Trabalho para Mesa-redonda IV Congresso Internacional de Psicopatologia Fundamental X Congresso Brasileiro de Psicopatologia Fundamental -2010 Trabalho para Mesa-redonda TÍTULO: Amor e ódio na neurose obsessiva: a questão do domínio

Leia mais

ASPECTOS EPISTEMOLÓGICOS DA CONSTITUIÇÃO DA PRIMEIRA TÓPICA DO APARELHO PSÍQUICO EM FREUD

ASPECTOS EPISTEMOLÓGICOS DA CONSTITUIÇÃO DA PRIMEIRA TÓPICA DO APARELHO PSÍQUICO EM FREUD ASPECTOS EPISTEMOLÓGICOS DA CONSTITUIÇÃO DA PRIMEIRA TÓPICA DO APARELHO PSÍQUICO EM FREUD Eloy San Carlo Maximo Sampaio- IP-USP Psicólogo, mestrando em Psicologia Clínica IP- USP, Bolsista FAPESP 2011/2013

Leia mais

A descoberta freudiana da fantasia fundamental* Palavras-chave: fantasia, clínica, neurose, realidade psíquica

A descoberta freudiana da fantasia fundamental* Palavras-chave: fantasia, clínica, neurose, realidade psíquica A descoberta freudiana da fantasia fundamental* Palavras-chave: fantasia, clínica, neurose, realidade psíquica Laureci Nunes A fantasia fundamental, aspecto central da vida psíquica, orienta a clínica

Leia mais

A clínica da anorexia no hospital, um caso. Aline Martins 1. Selma Correia da Silva 2

A clínica da anorexia no hospital, um caso. Aline Martins 1. Selma Correia da Silva 2 A clínica da anorexia no hospital, um caso. Aline Martins 1 Selma Correia da Silva 2 Neste trabalho pretendemos discutir a articulação do discurso da Psicanálise com o discurso da Medicina, destacando

Leia mais

Psicose e autismo: Discussão sobre a diferença entre as duas estruturas 1

Psicose e autismo: Discussão sobre a diferença entre as duas estruturas 1 Psicose e autismo: Discussão sobre a diferença entre as duas estruturas 1 Rogério Isotton 2 Permito-me iniciar este trabalho apresentando algumas perguntas. Será possível conceber a psicose e o autismo

Leia mais

INIBIÇÃO, SINTOMA E FPS Cristiane Elael

INIBIÇÃO, SINTOMA E FPS Cristiane Elael 1 INIBIÇÃO, SINTOMA E FPS Cristiane Elael Sabemos que, antes dos 6 meses, o bebê ainda tem de seu corpo a idéia de uma imagem despedaçada. Suas relações com um outro diferenciado dela mesma, ou seja, suas

Leia mais

PRÁTICAS ADAPTATIVAS, POLÍTICAS PÚBLICAS E O LUGAR DA PSICANÁLISE NO TRATAMENTO DO AUTISMO

PRÁTICAS ADAPTATIVAS, POLÍTICAS PÚBLICAS E O LUGAR DA PSICANÁLISE NO TRATAMENTO DO AUTISMO PRÁTICAS ADAPTATIVAS, POLÍTICAS PÚBLICAS E O LUGAR DA PSICANÁLISE NO TRATAMENTO DO AUTISMO Ana Elizabeth Araujo Luna Roseane Freitas Nicolau O presente trabalho é fruto de uma experiência realizada no

Leia mais

Transformações na intimidade no século XXI

Transformações na intimidade no século XXI Transformações na intimidade no século XXI Sissi Vigil Castiel* A clínica de anos atrás era freqüentada principalmente por mulheres que vinham por desventuras amorosas, por não entenderem o que os homens

Leia mais

Resumos. Seminário de Pesquisa do Programa de Pós-Graduação em Teoria Psicanalítica

Resumos. Seminário de Pesquisa do Programa de Pós-Graduação em Teoria Psicanalítica Seminário de Pesquisa do Programa de Pós-Graduação em Teoria Psicanalítica Inovação em psicanálise: rumos e perspectivas na contemporaneidade Quarta-feira 10/6 10h30-12h Mesa-redonda Saúde mental e psicanálise

Leia mais

Clínica Psicanalítica e Ambulatório de Saúde Mental

Clínica Psicanalítica e Ambulatório de Saúde Mental Clínica Psicanalítica e Ambulatório de Saúde Mental Trabalho apresentado na IV Jornada de Saúde Mental e Psicanálise na PUCPR em 21/11/2009. A prática da psicanálise em ambulatório de saúde mental pode

Leia mais

Por que repetimos os mesmos erros

Por que repetimos os mesmos erros J.-D. Nasio Por que repetimos os mesmos erros Tradução: André Telles Neste livro, eu gostaria de mostrar como a minha experiência de psicanalista me levou a concluir que o inconsciente é a repetição. Normalmente,

Leia mais

A prova da devastação Daniela Goulart Pestana

A prova da devastação Daniela Goulart Pestana A prova da devastação Daniela Goulart Pestana A comunicação que segue procura pensar algumas especificidades constitucionais do feminino a partir do aforismo lacaniano: Não há relação sexual. Para dizer

Leia mais

CASO ERICK: NASCER, DEPOIS VIVER

CASO ERICK: NASCER, DEPOIS VIVER CASO ERICK: NASCER, DEPOIS VIVER Vera Pollo Márcia Pourchet A psicanálise permite afirmar que, do ponto de vista subjetivo, não se nasce homem ou mulher, já que os seres falantes, antes de se afirmarem

Leia mais

ISSO NÃO ME FALA MAIS NADA! (SOBRE A POSIÇÃO DO ANALISTA NA DIREÇÃO DA CURA) 1

ISSO NÃO ME FALA MAIS NADA! (SOBRE A POSIÇÃO DO ANALISTA NA DIREÇÃO DA CURA) 1 ISSO NÃO ME FALA MAIS NADA! (SOBRE A POSIÇÃO DO ANALISTA NA DIREÇÃO DA CURA) 1 Arlete Mourão 2 Essa frase do título corresponde à expressão utilizada por um ex-analisando na época do final de sua análise.

Leia mais

Ô MÃE, ME EXPLICA, ME ENSINA, ME DIZ O QUE É FEMININA? nossos tempos não foge à regra. As mulheres, afetadas pela condição de não-todas,

Ô MÃE, ME EXPLICA, ME ENSINA, ME DIZ O QUE É FEMININA? nossos tempos não foge à regra. As mulheres, afetadas pela condição de não-todas, Ô MÃE, ME EXPLICA, ME ENSINA, ME DIZ O QUE É FEMININA? Fernanda Samico Küpper É notória a contribuição que as mulheres sempre deram à engrenagem da psicanálise enquanto campo teórico. Desde Anna O., passando

Leia mais

Psicanálise. Boa Tarde! Psicanálise 26/09/2015. Pontifícia Universidade Católica de Goiás Psicologia Jurídica Prof.ª Ms.

Psicanálise. Boa Tarde! Psicanálise 26/09/2015. Pontifícia Universidade Católica de Goiás Psicologia Jurídica Prof.ª Ms. Boa Tarde! 1 Psicanálise Pontifícia Universidade Católica de Goiás Psicologia Jurídica Prof.ª Ms. Otília Loth Psicanálise Fundada por Sigmund Freud, é uma teoria que estabelece uma complexa estrutura mental

Leia mais

As vicissitudes da repetição

As vicissitudes da repetição As vicissitudes da repetição As vicissitudes da repetição Breno Ferreira Pena Resumo O objetivo deste trabalho é explorar o conceito de repetição em psicanálise. Para tanto, o autor faz uma investigação

Leia mais

A Sublimação e a Clínica em Lacan. Eliane Mendlowicz

A Sublimação e a Clínica em Lacan. Eliane Mendlowicz A Sublimação e a Clínica em Lacan Eliane Mendlowicz O conceito de sublimação aparece na obra freudiana em 1897, nas cartas a Fliess (manuscrito L), quando Freud se perguntando sobre a histérica, descobre

Leia mais

O DE SEJO QUE (LHE ) RESTA. Adriana Grosman

O DE SEJO QUE (LHE ) RESTA. Adriana Grosman O DE SEJO QUE (LHE ) RESTA Adriana Grosman Pretendo tratar de um caso clinico que coloca em evidencia que não é só a questão fálica que está em jogo na maternidade se não o resto do desejo, algo que escapa

Leia mais

Entre o insuportável da recusa e o excesso da orexia: a ética da oralidade e as queixas alimentares na clínica psicanalítica com crianças.

Entre o insuportável da recusa e o excesso da orexia: a ética da oralidade e as queixas alimentares na clínica psicanalítica com crianças. Entre o insuportável da recusa e o excesso da orexia: a ética da oralidade e as queixas alimentares na clínica psicanalítica com crianças. Dione de Medeiros Lula Zavaroni Renata de Leles Rodrigues Ana

Leia mais

NEUROSE OBSESSIVA: O INÍCIO DE UMA INVESTIGAÇÃO METAPSICOLÓGICA A PARTIR DE SUAS BASES PRÉ-PSICANALÍTICAS

NEUROSE OBSESSIVA: O INÍCIO DE UMA INVESTIGAÇÃO METAPSICOLÓGICA A PARTIR DE SUAS BASES PRÉ-PSICANALÍTICAS NEUROSE OBSESSIVA: O INÍCIO DE UMA INVESTIGAÇÃO METAPSICOLÓGICA A PARTIR DE SUAS BASES PRÉ-PSICANALÍTICAS Joselene Monteiro Silva Eduardo Silva Taveira Clarissa Maia Esmeraldo Barreto Henrique Riedel Nunes

Leia mais

CORPOLINGUAGEM E MOVIMENTO: UMA PROPOSTA DE TRABALHO CORPORAL PARA CRIANÇAS À LUZ DA PSICANÁLISE

CORPOLINGUAGEM E MOVIMENTO: UMA PROPOSTA DE TRABALHO CORPORAL PARA CRIANÇAS À LUZ DA PSICANÁLISE CORPOLINGUAGEM E MOVIMENTO: UMA PROPOSTA DE TRABALHO CORPORAL PARA CRIANÇAS À LUZ DA PSICANÁLISE Nathalia Leite Gatto Nota-se que as disciplinas ligadas ao movimento na educação infantil, tanto curriculares

Leia mais

Freud, S. Inibições, sintomas e ansiedade (1925). Em: Obras completas. Rio de Janeiro: Imago, 1969. 2

Freud, S. Inibições, sintomas e ansiedade (1925). Em: Obras completas. Rio de Janeiro: Imago, 1969. 2 DAR CORPO AO SINTOMA NO LAÇO SOCIAL Maria do Rosário do Rêgo Barros * O sintoma implica necessariamente um corpo, pois ele é sempre uma forma de gozar, forma substitutiva, como Freud bem indicou em Inibição,

Leia mais

das duas estruturas mencionadas verdadeiras irmãs de sangue. Quando Freud (1905/1970) introduz o aforismo que a neurose é o negativo da

das duas estruturas mencionadas verdadeiras irmãs de sangue. Quando Freud (1905/1970) introduz o aforismo que a neurose é o negativo da O GOZO E SEUS DESDOBRAMENTOS NA CLÍNICA DA HISTERIA E DA PERVERSÃO Marco Aurélio de Carvalho Silva Vivian Ligeiro Partindo da relação de parentesco entre a histeria e a perversão, resolvemos abordar a

Leia mais

Histeria e Corporalidade: O Corpo histérico através dos tempos

Histeria e Corporalidade: O Corpo histérico através dos tempos Histeria e Corporalidade: O Corpo histérico através dos tempos Este trabalho tem por intuito verificar quais as transformações sofridas pelos sintomas histéricos ao longo dos anos. Esta indagação se deve

Leia mais

UNIVERSIDAD ARGENTINA JOHN F. KENNEDY. Mestranda em Psicanálise Joana S. Oliveira Psicóloga CRP 06/114168

UNIVERSIDAD ARGENTINA JOHN F. KENNEDY. Mestranda em Psicanálise Joana S. Oliveira Psicóloga CRP 06/114168 UNIVERSIDAD ARGENTINA JOHN F. KENNEDY Mestranda em Psicanálise Joana S. Oliveira Psicóloga CRP 06/114168 Considerações psicanalíticas sobre a imagem corporal, algumas conseqüências após intervenções sobre

Leia mais

A Estrutura na Psicanálise de criança

A Estrutura na Psicanálise de criança A Estrutura na Psicanálise de criança Maria de Lourdes T. R. Sampaio O que está na cabeça do filho depende de seu desejo 1 Esta frase de Alfredo Jerusalinsky, que se refere à ilusão de alguns pais de que

Leia mais

O IMAGINÁRIO E O SIMBÓLICO NA CONSTITUIÇÃO DO SUJEITO

O IMAGINÁRIO E O SIMBÓLICO NA CONSTITUIÇÃO DO SUJEITO O IMAGINÁRIO E O SIMBÓLICO NA CONSTITUIÇÃO DO SUJEITO Maria Melania Wagner Pokorski 1 Resumo Nosso artigo objetiva descrever alguns conceitos psicanalíticos implicados na constituição do sujeito. Pretendemos

Leia mais

MOVIMENTO PSICANALÍTICO

MOVIMENTO PSICANALÍTICO MOVIMENTO PSICANALÍTICO Sigmund Freud (1856-1939) Psicanálise: escola psicológica que busca penetrar na dimensão profunda do psiquismo humano. Objeto de Estudo: o inconsciente Métodos: 1. Hipno-catártico

Leia mais

A RELAÇÃO HOMEM-TRABALHO DE PORTADORES DE HIV, DOENTES OU NÃO DE AIDS

A RELAÇÃO HOMEM-TRABALHO DE PORTADORES DE HIV, DOENTES OU NÃO DE AIDS A RELAÇÃO HOMEM-TRABALHO DE PORTADORES DE HIV, DOENTES OU NÃO DE AIDS Mariana Tironi de Camargo Mariana Gonçales Gerzeli Francisco Hashimoto Resumo: A presente pesquisa tem por objetivo compreender como

Leia mais

Sobre a intimidade na clínica contemporânea

Sobre a intimidade na clínica contemporânea Sobre a intimidade na clínica contemporânea Flávia R. B. M. Bertão * Francisco Hashimoto** Faculdade de Ciências e Letras de Assis, UNESP. Doutorado Psicologia frbmbertao@ibest.com.br Resumo: Buscou-se

Leia mais

PÓS-GRADUAÇÃO EM TRANSTORNO DO ESPECTRO AUTISTA

PÓS-GRADUAÇÃO EM TRANSTORNO DO ESPECTRO AUTISTA PÓS-GRADUAÇÃO EM TRANSTORNO DO ESPECTRO AUTISTA Instituição Certificadora: FALC Faculdade da Aldeia de Carapicuíba Amparo Legal: Resolução CNE CES 1 2001/ 2007 Carga Horária: 600h (sendo 150h para estágio)

Leia mais

... e a Colagem Surrealista.

... e a Colagem Surrealista. ... e a Colagem Surrealista. Hugo Leonardo Goes Bento 1 A montagem da pulsão é uma montagem que, de saída, se apresenta como não tendo nem pé nem cabeça - no sentido em que se fala de montagem numa colagem

Leia mais

Considerações acerca da transferência em Lacan

Considerações acerca da transferência em Lacan Considerações acerca da transferência em Lacan Introdução Este trabalho é o resultado um projeto de iniciação científica iniciado em agosto de 2013, no Serviço de Psicologia Aplicada do Instituto de Psicologia

Leia mais

Como tem sido seus estudos? Tem conseguido manter a disciplina necessária para assegurar o nível de aprendizado exigido?

Como tem sido seus estudos? Tem conseguido manter a disciplina necessária para assegurar o nível de aprendizado exigido? Saudações concurseiro, Como tem sido seus estudos? Tem conseguido manter a disciplina necessária para assegurar o nível de aprendizado exigido? É muito importante estabelecer uma frequência no estudo,

Leia mais

Durante toda sua vida, Anna Freud ocupou-se com a psicanálise, dando especial

Durante toda sua vida, Anna Freud ocupou-se com a psicanálise, dando especial 30 1. 3. Anna Freud: o analista como educador Durante toda sua vida, Anna Freud ocupou-se com a psicanálise, dando especial ênfase ao desenvolvimento teórico e terapêutico da psicanálise de crianças. Sua

Leia mais

O SIGNIFICANTE NA NEUROSE OBSESSIVA: O SINTOMA E SUA RELAÇÃO COM O DESEJO RILMA DO NASCIMENTO MEDEIROS E MARGARIDA ELIA ASSAD - UFPB

O SIGNIFICANTE NA NEUROSE OBSESSIVA: O SINTOMA E SUA RELAÇÃO COM O DESEJO RILMA DO NASCIMENTO MEDEIROS E MARGARIDA ELIA ASSAD - UFPB O SIGNIFICANTE NA NEUROSE OBSESSIVA: O SINTOMA E SUA RELAÇÃO COM O DESEJO RILMA DO NASCIMENTO MEDEIROS E MARGARIDA ELIA ASSAD - UFPB É a verdade do que esse desejo foi em sua história que o sujeito grita

Leia mais

PSICANÁLISE E A QUESTÃO RELIGIOSA: A INSIGNIFICÂNCIA DO TRIUNFO

PSICANÁLISE E A QUESTÃO RELIGIOSA: A INSIGNIFICÂNCIA DO TRIUNFO PSICANÁLISE E A QUESTÃO RELIGIOSA: A INSIGNIFICÂNCIA DO TRIUNFO 2014 Matheus Henrique de Souza Silva Psicólogo pela Faculdade Pitágoras de Ipatinga-MG. Especializando em Clínica Psicanalítica na atualidade:

Leia mais

Patologias narcísicas e doenças auto-imunes: a questão da transferência [1]

Patologias narcísicas e doenças auto-imunes: a questão da transferência [1] Patologias narcísicas e doenças auto-imunes: a questão da transferência [1] Teresa Pinheiro [2] Este trabalho é um desdobramento da nossa participação na pesquisa clínico-teórica, Patologias narcísicas

Leia mais

Título: Uma mãe adolescente e seu bebê no abrigo: quando o laço está ameaçado 1 Autora: Maria Lacombe Pires

Título: Uma mãe adolescente e seu bebê no abrigo: quando o laço está ameaçado 1 Autora: Maria Lacombe Pires Título: Uma mãe adolescente e seu bebê no abrigo: quando o laço está ameaçado 1 Autora: Maria Lacombe Pires No cotidiano dos abrigos são muitos aqueles que circulam na instituição: bebês, crianças, adolescentes,

Leia mais

MECANISMOS DE DEFESA

MECANISMOS DE DEFESA 1 MECANISMOS DE DEFESA José Henrique Volpi O Ego protege a personalidade contra a ameaça ruim. Para isso, utilizase dos chamados mecanismos de defesa. Todos estes mecanismos podem ser encontrados em indivíduos

Leia mais

Os impasses na vida amorosa e as novas configurações da tendência masculina à depreciação

Os impasses na vida amorosa e as novas configurações da tendência masculina à depreciação Os impasses na vida amorosa e as novas configurações da tendência masculina à depreciação Maria José Gontijo Salum Em suas Contribuições à Psicologia do Amor, Freud destacou alguns elementos que permitem

Leia mais

1 Hospital Universitário Lauro Wanderley, UFPB.

1 Hospital Universitário Lauro Wanderley, UFPB. TÍTULO:TRABALHO CRIATIVO NUMA EXPERIÊNCIA EM UM AMBULATÓRIO PSIQUIÁTRICo AUTORES: Margarida Maria Elia Assad 1 Cleide Pereira Monteiro 2 João Mendes de Lima Júnior 3 Alzira Edjane da Nóbrega Xavier, Elizabeth

Leia mais

A dor física: uma teoria psicanalítica da dor corporal *

A dor física: uma teoria psicanalítica da dor corporal * A dor física: uma teoria psicanalítica da dor corporal * Nasio, Juan-David. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Editor, 2008, 127 p. Luiz Carlos de Oliveira Marinho** Neste seu pequeno livro, A Dor Física, Nasio

Leia mais

CONTEMPORANEIDADE. Palavras-chave: pai, interdição do incesto, Lei, complexo de Édipo, contemporaneidade, psicanálise.

CONTEMPORANEIDADE. Palavras-chave: pai, interdição do incesto, Lei, complexo de Édipo, contemporaneidade, psicanálise. A FUNÇÃO DO PAI NA INTERDIÇÃO E NA LEI: UMA REFLEXÃO SOBRE IDENTIFICAÇÃO E VIOLÊNCIA NA CONTEMPORANEIDADE. Jamille Mascarenhas Lima Psicóloga, Universidade Federal da Bahia. Especialista em psicomotricidade,

Leia mais

Wertheimer pode provar experimentalmente que diferentes formas de organização perceptiva são percebidas de forma organizada e com significado

Wertheimer pode provar experimentalmente que diferentes formas de organização perceptiva são percebidas de forma organizada e com significado Wertheimer pode provar experimentalmente que diferentes formas de organização perceptiva são percebidas de forma organizada e com significado distinto por cada pessoa. o conhecimento do mundo se obtém

Leia mais

O sujeito e o sexual: no contado já está o contador

O sujeito e o sexual: no contado já está o contador O sujeito e o sexual: no contado já está o contador Nilda Martins Sirelli Psicanalista, doutoranda em Memória Social pela UNIRIO, professora do curso de graduação em Psicologia da Universidade Estácio

Leia mais

TÍTULO: A RESPOSTA DO PSICANALISTA UMA VIA DO AMOR E DA VERDADE. que esse trabalho se refere. Apesar do tema do trabalho não abordar esse conceito,

TÍTULO: A RESPOSTA DO PSICANALISTA UMA VIA DO AMOR E DA VERDADE. que esse trabalho se refere. Apesar do tema do trabalho não abordar esse conceito, 1 TÍTULO: A RESPOSTA DO PSICANALISTA UMA VIA DO AMOR E DA VERDADE Marisa De Costa Martinez i Tiago Ravanello ii Nem só a Arte e a Ciência servem; No trabalho há que mostrar paciência 1 São a fome e o amor

Leia mais

VI Congresso Internacional de Psicopatologia Fundamental e XII Congresso Brasileiro de Psicopatologia Fundamental 2014

VI Congresso Internacional de Psicopatologia Fundamental e XII Congresso Brasileiro de Psicopatologia Fundamental 2014 VI Congresso Internacional de Psicopatologia Fundamental e XII Congresso Brasileiro de Psicopatologia Fundamental 2014 Mesa Redonda: Expressões do masoquismo na clinica contemporânea: o adoecimento do

Leia mais