A FORMAÇÃO DO PROFESSOR DE EDUCAÇÃO INFANTIL PARA A IDENTIFICAÇÃO PRECOCE DE CRIANÇAS RESPIRADORAS ORAIS

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "A FORMAÇÃO DO PROFESSOR DE EDUCAÇÃO INFANTIL PARA A IDENTIFICAÇÃO PRECOCE DE CRIANÇAS RESPIRADORAS ORAIS"

Transcrição

1 A FORMAÇÃO DO PROFESSOR DE EDUCAÇÃO INFANTIL PARA A IDENTIFICAÇÃO PRECOCE DE CRIANÇAS RESPIRADORAS ORAIS JULIANA GODOI KAZAKEVICH 1 JULIANA AMAZILIA NEVES 2 OLINDA TERUKO KAJIHARA 3 Introdução A Constituição Federal de 1988 reconheceu o atendimento educacional em creches e préescolas como um direito da criança e um dever do Estado. O texto constitucional garantiu a toda criança o direito à educação, independentemente de sua origem, raça, sexo, cor ou necessidades educacionais especiais (BRASIL, 2006b). Com a Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional, de 1996, a Educação Infantil foi incluída no sistema educacional brasileiro, e passou a constituir a primeira etapa da Educação Básica (BRASIL, 2006a). A Educação Infantil objetiva assegurar uma formação integral para a criança, desde o nascimento até a entrada no Ensino Fundamental, nos aspectos físico, psicológico, intelectual e social. Assim sendo, as instituições devem promover práticas de cuidado e de educação, levando em consideração as necessidades da criança de alimentação, saúde, higiene, proteção e de acesso ao conhecimento (BRASIL, 2006b). A melhoria da qualidade da educação nas instituições de Educação Infantil demanda uma remuneração adequada, condições de trabalho apropriadas e formação dos profissionais (BRASIL, 2005). A formação exigida para atuar na Educação Infantil é o curso de Pedagogia ou a formação mínima, em nível médio, na modalidade Normal (BRASIL, 2006b). O professor de Educação Infantil, para realizar com qualidade sua função de cuidar e de educar (BRASIL, 1998), deve ter oportunidade de acesso a conhecimentos variados, como, por exemplo, os fatores que interferem na saúde, no desenvolvimento e na aprendizagem da criança. De forma geral, a formação inicial e continuada dos docentes em relação à questão da educação e saúde é superficial, e por isso muitas crianças com necessidades especiais acabam não sendo atendidas adequadamente. Este estudo teve como objetivo investigar o nível de conhecimento dos educadores infantis sobre um dos fatores orgânicos que interfere no desenvolvimento infantil e na aprendizagem escolar, ou seja, a respiração oral decorrente de doenças obstrutivas das vias aéreas superiores. 1 Acadêmica do Curso de Pedagogia da UEM. 2 Acadêmica do Curso de Pedagogia da UEM. 3 Profa Dra do Departamento de Teoria e Prática da Educação e do Programa de Pós- Graduação em Educação da Universidade Estadual de Maringá

2 Respiração oral: causas e consequências A respiração oral é um problema que precisa ser conhecido pelos educadores, pois prejudica o desenvolvimento e diminui a qualidade de vida das crianças. A respiração nasal garante que o ar chegue limpo, úmido e aquecido aos pulmões (MORALES; BOETT, 2003). Nem sempre é possível respirar pelo nariz: isso ocorre quando uma obstrução nasal passa a impedir a passagem aérea, o que obriga a pessoa a respirar pela boca (CARVALHO, 1996). As causas mais frequentes de respiração oral são as doenças obstrutivas das vias aéreas superiores, como, por exemplo, a rinite alérgica e a hipertrofia das tonsilas faríngeas (GANANÇA et al., 2000). A rinite alérgica é uma doença respiratória muito frequente atualmente. Acredita-se que de 15 a 20% da população apresente essa doença, que consiste na inflamação da mucosa nasal decorrente de fatores ambientais como, por exemplo, a mudança de temperatura e a exposição aos ácaros, polens de flores e pelos de animais (GALVÃO; CASTRO, 1999; SOLÉ et al., 2006). Os sintomas clássicos da rinite alérgica são: obstrução nasal, espirros, prurido nasal e coriza (SOLÉ et al., 2006). A criança com rinite alérgica pode apresentar olheiras, porque a congestão nasal impede a circulação do sangue na região dos olhos (KING, 1993). A hipertrofia das tonsilas faríngeas (adenóides) também é causa frequente de respiração oral na infância. As tonsilas atuam na defesa do organismo contra vírus e bactérias. As tonsilas palatinas podem se tornar hipertróficas por causa de infecções recorrentes e obstruir a passagem aérea (ALMEIDA; REZENDE; BUTUGAN, 1998). As tonsilas faríngeas são constituídas por tecido linfóide, e crescem entre os dois e dez anos de idade. Em casos de infecções repetitivas, esse tecido aumenta muito de tamanho e causa obstrução nasal; nesses casos, é recomendado tratamento cirúrgico, ou seja, a adenoidectomia (PORTINHO, 1999). Os sintomas da hipertrofia das tonsilas faríngeas são: obstrução nasal, ronco, respiração ruidosa, sono agitado, sialorréia (baba) e enurese (NUNES, 2002). A obstrução nasal decorrente da rinite alérgica e da hipertrofia das tonsilas provoca mudança do padrão respiratório, de nasal para oral, o que acarreta modificações no organismo que prejudicam o desenvolvimento da criança (ARAGÃO, 1988). Para que o ar chegue mais rápido aos pulmões, o respirador oral é obrigado a projetar os ombros e a cabeça para frente, o que altera sua postura e seu equilíbrio corporal. A sua capacidade pulmonar também é comprometida, porque o tórax é comprimido pela nova postura; dessa forma, o respirador oral não tem muita disposição física para praticar exercícios, pois se cansa mais rápido do que as outras crianças (ARAGÃO, 1988; CARVALHO, 2000). A respiração nasal e a mastigação correta dos alimentos estimulam adequadamente os maxilares e a musculatura do rosto, e promovem o desenvolvimento harmônico da face. Entretanto, no caso do respirador oral, a boca constantemente entreaberta e a dificuldade de mastigar alimentos sólidos e fibrosos levam a um desenvolvimento desarmônico da face, que se torna alongada e estreita, e alteram as funções de fonação (KRAKAUER, 1995). A hipotonia dos músculos do rosto confere à criança respiradora oral uma expressão de tristeza e de mau humor (CARVALHO, 2000). A falta de ressonância dos seios faciais e a diminuição da corrente de ar pelas cavidades nasais tornam a fala da criança anasalada e prejudicam a pronúncia de fonemas que exigem o uso da ponta da língua como, por exemplo, /t/, /d/, /n/, /l/, /s/, e o /z/ (SÁ FILHO, 1994; 197

3 WECKX; WECKX, 1988). A língua do respirador oral e hipotônica, e por isso não pressiona o palato e fica posicionada no assoalho da boca. A falta de pressão da língua no palato faz com que ele se torne ogival, e com isso a arcada dentária superior se desloca para dentro e para frente, causando má-oclusão. O respirador oral também apresenta cáries, pois a saliva espessa prejudica a limpeza dos dentes (SÁ FILHO, 1994). Sorriso gengival, lábios ressecados, lábios superior fino e inferior evertido, narinas estreitas por causa de desuso também fazem parte das características faciais típicas do respirador oral (CARVALHO, 2000; CINTRA; CASTRO; CINTRA, 2000; RIBEIRO; SOARES, 2003). O sono também é alterado pela mudança do padrão respiratório. Agitação noturna, enurese, sialorréia (baba), ronco e respiração ruidosa são problemas frequentemente observados no respirador oral (NUNES, 2002). Geralmente a criança dorme em decúbito ventral ou lateral para facilitar a respiração (CARVALHO, 1998). A má qualidade do sono leva à fadiga diurna e sonolência, o que acaba prejudicando a aprendizagem escolar. A criança pode, também, apresentar ansiedade, impaciência e agressividade ao tentar manter-se acordada (ABREU; MORALES; BALLO, 2003). Nas disciplinas escolares, observa-se baixo desempenho na aritmética e na cópia de texto, provavelmente por causa da desatenção (GODOY, 2003). O tratamento precoce da respiração oral pode impedir a ocorrência dessas alterações estruturais e funcionais no organismo da criança respiradora oral for tratado (CARVALHO, 2000). Nos casos de respiração oral crônica, a criança poderá necessitar de atendimento especializado, realizado por alergologista, otorrinolaringologista, ortodontista, fonoaudiólogo, fisioterapeuta e pedagogo, para que suas necessidades especiais sejam atendidas. Método O estudo foi realizado com 41 educadores infantis de cinco Centros de Educação Infantil de uma pequena cidade do noroeste do Paraná. Os educadores responderam a um questionário, composto por 20 questões formuladas para avaliar o nível de conhecimento desses profissionais sobre os sintomas, tratamentos e consequências da rinite alérgica, da hipertrofia das adenóides e da respiração oral. Todos os participantes assinaram o Termo de Consentimento Livre e Esclarecido, e os Centros de Educação Infantil autorizaram a coleta de dados. A pesquisa foi aprovada pelo Comitê de Ética da instituição de ensino superior onde os pesquisadores atuam. Resultados e discussão Em relação ao nível de escolaridade, entre os 41 educadores infantis, 16 (39%) profissionais cursaram apenas o Magistério, sendo 13 (31,7%) em instituição pública e 03 (7,3%) em instituição privada. Portanto, a maioria dos educadores (n = 25), ou seja, 61% concluiu ou está cursando o ensino superior, sendo que três profissionais (7,3%) possuem, também, curso de especialização na área da Educação. Em relação à experiência profissional, a maioria dos educadores infantis (95,15%) possui experiência somente na rede pública de ensino. Assim sendo, o grupo apresenta um dos critérios necessários para a qualidade da educação, ou seja, um nível mínimo de escolaridade para atuar nos Centros de Educação Infantil. A primeira doença investigada foi a rinite alérgica: 44% dos educadores infantis disseram que já tiveram alunos com rinite alérgica em suas turmas; 44% responderam não e 12% não 198

4 souberam informar. É possível, sim, que quase a metade do grupo já tenha ministrado aulas para uma criança com rinite alérgica, visto que, em 2002, a prevalência dessa doença foi de 25,5% nos escolares brasileiros de 6 a 7 anos, e de 29,6% nos de 13 a 14 anos (SOLÉ et al., 2006). Entretanto, esse alto número de profissionais que respondeu afirmativamente contrasta com a superficialidade das definições de rinite alérgica fornecida pelo grupo: 42% dos educadores somente associaram a doença a algum agente alérgeno. Por exemplo: São crianças que tenham ( sic ) alergias por alguns objetos (cobertores, ursos de pelúcia, poeira, etc.). Alergia a poeira. Em relação aos sintomas da doença, os mais citados pelos professores foram: espirros (61%) e coriza (34%). Apenas 22% do grupo citaram obstrução nasal, ou seja, poucos conhecem o fator que obriga a criança a modificar o padrão respiratório, de nasal para oral. Questionados quanto às formas de tratamento da rinite alérgica, os educadores citaram: evitar contato com os agentes alérgenos (39%) e uso de medicamentos (36,5%), os quais, de fato, são formas importantes de controle da doença. Os professores responderam, também, à seguinte questão: você acredita que a rinite alérgica por prejudicar a aprendizagem escolar? A maioria (76%) respondeu sim, e a justificativa mais frequente (24%) foi que os sintomas da doença (coriza, espirros) atrapalham a concentração da criança em sala de aula. A segunda doença obstrutiva pesquisada foi a hipertrofia das adenóides: 51% disseram que já tiveram alunos com essa doença em suas turmas, e apenas 12% não souberam responder. Novamente, o alto número de respostas afirmativas contrasta com o grande número de definições superficiais da hipertrofia das adenóides, que foi definida como uma carne crescida ou esponjosa por 83% dos participantes deste estudo. Em relação à forma de identificação do aluno com hipertrofia das adenóides, os sintomas mais citados pelos professores foram: dificuldade para respirar (39%) e ronco (29,2%). Outros dois sintomas clássicos da doença foram citados por apenas uma pequena parcela do grupo: obstrução nasal (7%) e respiração oral (27%). Isso sugere que os professores desconhecem a relação entre hipertrofia das adenóides, obstrução nasal e respiração oral. Os educadores desconhecem os demais sintomas da hipertrofia das adenóides, ou seja, fala hiponasal, hiposmia, diminuição do apetite, respiração ruidosa durante o sono, sensação de sufocamento, dificuldade de respiração, sono agitado, sonambulismo, terror noturno, transpiração excessiva, enurese e fala durante o sono (WETMORE, 2007). Considerando que a definição predominante de hipertrofia das adenóides tenha sido carne crescida ou esponjosa, é compreensível que a maioria do grupo (85%) tenha apontado a cirurgia como forma de tratamento para a doença. Em relação à influência da doença na aprendizagem, 46% forneceram respostas superficiais, disseram não haver relação ou não souberam responder; entre os que responderam afirmativamente, a justificativa mais frequente (24%) foi que os sintomas da doença prejudicam o desempenho escolar. De acordo com Blunden et al. (2000) parece haver uma associação entre ronco habitual e reduzida capacidade de atenção. Entretanto, ainda não é possível saber se o distúrbio respiratório do sono tem um efeito direto sobre a aprendizagem ou se o baixo desempenho escolar é um fenômeno secundário. Os educadores infantis foram inquiridos, também, sobre o tema respiração oral : 44% disseram que já tiveram alunos respiradores orais, e 56% responderam negativamente ou não 199

5 souberam responder. As definições de respiração oral também foram muito superficiais: a maioria (88%) limitou-se a afirmar que é respirar pela boca. Questionados sobre as características do aluno respirador oral, os educadores infantis citaram: boca entreaberta (24,3%), dificuldade para respirar (19,5%) e respiração oral (14,6%). Em relação ao tratamento da respiração oral, mais da metade do grupo (58,5%) respondeu orientação e/ou tratamento médico. Poucos educadores conhecem a influência da respiração oral na aprendizagem, pois 35,5% forneceram respostas superficiais, e 14,6% não souberam responder. Conclusão Os resultados deste estudo demonstraram que os educadores infantis possuem poucos conhecimentos sobre a rinite alérgica, a hipertrofia das adenóides e a respiração oral. O grupo desconhece que a rinite alérgica consiste na inflamação da mucosa nasal; entretanto, sabe que a doença é provocada pelo contato com alérgenos ambientais e consegue identificar dois sintomas clássicos da enfermidade, ou seja, espirros e coriza. A definição de hipertrofia das adenóides foi extremamente superficial: os educadores forneceram uma explicação muito comum entre o público leigo, ou seja, disseram que trata-se de uma carne crescida ou esponjosa. Entre os sintomas clássicos dessa doença, somente ronco é conhecida pelo grupo. Os professores desconhecem que as duas doenças apresentam um sintoma em comum, ou seja, a obstrução nasal, assim como as suas consequências no organismo infantil. O conhecimento dos professores sobre a respiração oral é extremamente superficial. Os educadores se limitaram a repetir que respiração oral é respirar pela boca, e citaram o sintoma boca entreaberta. O grupo desconhece a relação entre doenças obstrutivas e respiração oral, assim como as consequências da modificação do modo respiratório nasal na aprendizagem escolar. Portanto, os educadores que participaram deste estudo não estão preparados para identificar, em suas salas de aula, crianças respiradoras orais. O reconhecimento precoce é fundamental para evitar que a respiração oral crônica provoque alterações no crescimento crânio-facial, na oclusão dentária, na postura, na alimentação, no sono, na atenção e no desempenho escolar. O pouco conhecimento dos educadores infantis sobre o assunto pesquisado neste estudo decorre da superficialidade com que o tema educação e saúde tem sido tratado nos cursos de Pedagogia e, em nível médio, na modalidade Normal. Referências ABREU, A. C. B; MORALES, D. A; BALLO, M. B. J. F. A respiração oral influencia o rendimento escolar? Revista CEFAC - Atualização Científica em Fonoaudiologia, São Paulo, v. 5, n. 1, p ,

6 ALMEIDA, E. R.; REZENDE, V. A.; BUTUGAN, O. Anel linfático de Waldeyer: aspectos imunológicos. Revista Brasileira de Otorrinolaringologia, São Paulo, v. 64, p , ARAGÃO, W. Respirador bucal. Jornal de Pediatria, Rio de Janeiro, v. 64, n. 8, p , BLUNDEN, S. et al. Behavior and neurocognitive performance in children aged 5-10 years who snore compared to controls. Journal of Clinical and Experimental Neuropsychology, Lisse, v. 22, p , BRASIL. Ministério da Educação e do Desporto. Secretaria de Educação Fundamental. Referencial curricular nacional para a educação infantil. Brasília: MEC/SEF, Disponível em: < Acesso em: 26 ago BRASIL. Ministério da Educação. Secretaria de Educação Básica. Proinfantil: programa de formação inicial para professores em exercício na educação infantil: diretrizes gerais. Brasília: MEC, Disponível em: < seb/arquivos/pdf/educinf /diretrizes.pdf>. Acesso em: 28 out BRASIL. Ministério da Educação. Secretaria de Educação Básica. Política nacional de educação infantil: pelo direito das crianças de zero a seis anos à Educação. Brasília: MEC, 2006a. Disponível em: < pdf>. Acesso em: 26 ago BRASIL. Ministério da Educação. Secretaria de Educação Básica. Parâmetros nacionais de qualidade para a educação infantil. Brasília: MEC, 2006b. Disponível em: < Acesso em: 28 out CARVALHO, G. D. de. Síndrome do respirador bucal ou insuficiente respirador nasal. Revista Secretários de Saúde, São Paulo, n. 18, p , CARVALHO, G. D. de. Síndrome do respirador bucal: abordagem ortodôntica. In: SIH, T. (Coord.). Otorrinolaringologia pediátrica. Rio de Janeiro: Revinter, p CARVALHO, M. P. Respiração bucal: uma visão fonoaudiológica na atuação multidisciplinar. Revista Brasileira de Otorrinolaringologia, São Paulo, v. 7, n. 2, p , CINTRA, C. F. S. C.; CASTRO, F. F. M.; CINTRA, P. P. V. C. As alterações oro-faciais apresentadas em pacientes respiradores bucais. Revista Brasileira de Alergia e Imunopatologia, São Paulo, v. 23, n. 2, p ,

7 GANANÇA, F. F. et al. Obstrução nasal. Revista Brasileira de Medicina, São Paulo, v. 57, p. 6-42, GODOY, M. A. B. Problemas de aprendizagem e de atenção em alunos com obstrução das vias aéreas superiores f. Dissertação (Mestrado em Educação) Universidade Estadual de Maringá, Maringá, KING, H. C. Guia de alergia para o otorrinolaringologista. São Paulo: Livraria Santos, KRAKAUER, L. H. Alterações de funções orais nos diversos tipos faciais. IN: MARCHESAN, I. Q.; BOLAFFI, C.; GOMES, I. C. D. Tópicos em fonoaudiologia. Curitiba: Lovise, v. 2. p MORALES, T. M.; BOETT, L. M. A. Obstrução nasal e suas repercussões. In: SIH, T.; CHINSKI, A.; EAVEY, R. III Manual de otorrinolaringologia pediátrica da IAPO. São Paulo: International Association of Pediatric Otorhinolaryngology, p NUNES, M. L. Distúrbios do sono. Jornal de Pediatria, Rio de Janeiro, v. 78, p , PORTINHO, F. Principais problemas otorrinolaringológicos na criança. In: LIMA, J. Pediatria essencial. 5 ed. Rio de Janeiro: Atheneu, p RIBEIRO, E. C.; SOARES, L. M. Avaliação espirométrica de crianças portadoras de respiração bucal antes e após intervenção fisioterapêutica. Fisioterapia Brasil, v. 4, n. 3, p , SÁ FILHO, F. P. G. Síndrome do respirador bucal. In: SÁ FILHO, F. P. G. As bases fisiológicas da ortopedia maxilar. São Paulo: Santos, p SOLÉ, D. et al. II Consenso brasileiro sobre rinites Revista Brasileira de Alergia e Imunopatologia, São Paulo, v. 29, n. 1, p , WECKX, L. L. M.; WECKX, L. Y. Amigdalites. Revista Brasileira de Medicina, São Paulo, v. 45, p , WETMORE, R. F. Tonsils and adenoids. In: KLIEGMAN, R. M. et al. Nelson textbook of pediatrics. 18. ed. Philadelphia: Saunders, cap

RESPIRAÇÃO ORAL, APRENDIZAGEM ESCOLAR E DESENVOLVIMENTO INFANTIL

RESPIRAÇÃO ORAL, APRENDIZAGEM ESCOLAR E DESENVOLVIMENTO INFANTIL RESPIRAÇÃO ORAL, APRENDIZAGEM ESCOLAR E DESENVOLVIMENTO INFANTIL KAZAKEVICH, Juliana Godói (UEM) KAJIHARA, Olinda Teruko (Orientadora/UEM) Agência Financiadora CAPES INTRODUÇÃO A respiração nasal, condição

Leia mais

A FORMAÇÃO DO PEDAGOGO PARA O ATENDIMENTO DE ALUNOS RESPIRADORES ORAIS

A FORMAÇÃO DO PEDAGOGO PARA O ATENDIMENTO DE ALUNOS RESPIRADORES ORAIS A FORMAÇÃO DO PEDAGOGO PARA O ATENDIMENTO DE ALUNOS RESPIRADORES ORAIS JULIANA AMAZILIA NEVES 1 JULIANA GODOI KAZAKEVICH 2 OLINDA TERUKO KAJIHARA 3 Introdução A aprendizagem escolar pode ser prejudicada

Leia mais

RESPIRAÇÃO ORAL: UM PROBLEMA A SER ENFRENTADO PELO PROFESSOR NA ATUALIDADE

RESPIRAÇÃO ORAL: UM PROBLEMA A SER ENFRENTADO PELO PROFESSOR NA ATUALIDADE 238 RESPIRAÇÃO ORAL: UM PROBLEMA A SER ENFRENTADO PELO PROFESSOR NA ATUALIDADE Juliana Amazilia Neves (PIC-UEM) julianaamazilia@hotmail.com Juliana Godoi Kazakevich (PIC-UEM) Profa Dra Olinda Teruko Kajihara

Leia mais

PROBLEMAS DE VOZ EM ALUNOS RESPIRADORES ORAIS: REVISÃO INICIAL DA LITERATURA NACIONAL

PROBLEMAS DE VOZ EM ALUNOS RESPIRADORES ORAIS: REVISÃO INICIAL DA LITERATURA NACIONAL 1 PROBLEMAS DE VOZ EM ALUNOS RESPIRADORES ORAIS: REVISÃO INICIAL DA LITERATURA NACIONAL NISHIMURA, Cintia Megumi KAJIHARA, Olinda Teruko INTRODUÇÃO A respiração é uma função vital que interfere no funcionamento

Leia mais

Palavras-chave: Respiração oral. Problemas de Aprendizagem. Educação.

Palavras-chave: Respiração oral. Problemas de Aprendizagem. Educação. 1 O PROBLEMA DA OBSTRUÇÃO NASAL NA INFÂNCIA Profa Dra Olinda Teruko Kajihara (DTP- UEM) Juliana Godoi Kazakevich (PIC- UEM) Juliana Amazilia Neves (PIC-UEM) RESUMO Doenças que ocorrem na infância, como,

Leia mais

RESPIRAÇÃO ORAL: UM TEMA QUE PRECISA SER DISCUTIDO PELOS PROFESSORES RESUMO

RESPIRAÇÃO ORAL: UM TEMA QUE PRECISA SER DISCUTIDO PELOS PROFESSORES RESUMO 1 RESPIRAÇÃO ORAL: UM TEMA QUE PRECISA SER DISCUTIDO PELOS PROFESSORES Prof a Dr a Olinda T. Kajihara (UEM/DTP) * Paula Meneguetti Blanco (Bolsista do PIBIC/CNPq-UEM)* Prof a Ms Miriam A. B. Godoy (UEPG/DEMET)*

Leia mais

FORMAÇÃO DE PROFESSORES: NÍVEL DE CONHECIMENTO DOS DOCENTES SOBRE RESPIRAÇÃO ORAL

FORMAÇÃO DE PROFESSORES: NÍVEL DE CONHECIMENTO DOS DOCENTES SOBRE RESPIRAÇÃO ORAL FORMAÇÃO DE PROFESSORES: NÍVEL DE CONHECIMENTO DOS DOCENTES SOBRE RESPIRAÇÃO ORAL Resumo GODOY, Miriam A. B. NRE/PG miriamadalgisa@terra.com.br KAJIHARA, Olinda T. UEM/DTP olindakajihara@hotmail.com Área

Leia mais

FORMAÇÃO DE PROFESSORES: INTERFACE ENTRE EDUCAÇÃO E SAÚDE

FORMAÇÃO DE PROFESSORES: INTERFACE ENTRE EDUCAÇÃO E SAÚDE FORMAÇÃO DE PROFESSORES: INTERFACE ENTRE EDUCAÇÃO E SAÚDE Resumo GODOY, Miriam Adalgisa Bedim KAJIHARA, Olinda Teruko Eixo Temático: Formação de Professores e Profissionalização Docente Agência Financiadora:

Leia mais

AVALIAÇÃO DA APRENDIZAGEM DE CRIANÇAS RESPIRADORAS ORAIS

AVALIAÇÃO DA APRENDIZAGEM DE CRIANÇAS RESPIRADORAS ORAIS AVALIAÇÃO DA APRENDIZAGEM DE CRIANÇAS RESPIRADORAS ORAIS NISHIMURA, Cintia Megumi (UEM) KAJIHARA, Olinda Teruko (Orientadora/UEM) INTRODUÇÃO A respiração é uma função vital que interfere no funcionamento

Leia mais

Londrina, 29 a 31 de outubro de 2007 ISBN 978-85-99643-11-2

Londrina, 29 a 31 de outubro de 2007 ISBN 978-85-99643-11-2 1 AVALIAÇÃO DE PROBLEMAS POSTURAIS EM RESPIRADORAS ORAIS: UM ESTUDO COM ALUNOS DE 5ª SÉRIE Josiane Fujisawa Filus Universidade Adventista de São Paulo (UNASP) Olinda Teruko Kajihara Programa de Pós-graduação

Leia mais

Doenças Respiratórias O QUE SÃO E COMO AS PREVENIR?

Doenças Respiratórias O QUE SÃO E COMO AS PREVENIR? Doenças Respiratórias O QUE SÃO E COMO AS PREVENIR? O NÚMERO DE PESSOAS AFETADAS POR DOENÇAS RESPIRATÓRIAS EVITÁVEIS NÃO PÁRA DE AUMENTAR. AS CRIANÇAS E OS MAIS VELHOS SÃO OS MAIS ATINGIDOS. SÃO DOENÇAS

Leia mais

ASSOCIAÇÃO CULTURAL EDUCACIONAL DE ITAPEVA FACULDADE DE CIÊNCIAS SOCIAIS E AGRÁRIAS DE ITAPEVA

ASSOCIAÇÃO CULTURAL EDUCACIONAL DE ITAPEVA FACULDADE DE CIÊNCIAS SOCIAIS E AGRÁRIAS DE ITAPEVA ASSOCIAÇÃO CULTURAL EDUCACIONAL DE ITAPEVA FACULDADE DE CIÊNCIAS SOCIAIS E AGRÁRIAS DE ITAPEVA SIMPÓSIO APNEIA OBSTRUTIVA DO SONO EM CRIANÇAS Itapeva São Paulo Brasil ASSOCIAÇÃO CULTURAL EDUCACIONAL DE

Leia mais

o Ressonar e a Apneia de Sono

o Ressonar e a Apneia de Sono o Ressonar e a Apneia de Sono sintomas diagnóstico tratamento O ressonar apesar de ser comum, fonte de brincadeiras e aceite como normal na população em geral é de facto uma perturbação que não deve ser

Leia mais

DISTÚRBIOS RESPIRATÓRIOS DO SONO OBJETIVOS CLASSIFICAÇÃO INTERNACIONAL DOS DISTÚRBIOS DO SONO AASM 2006 CARLOS A A VIEGAS UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA

DISTÚRBIOS RESPIRATÓRIOS DO SONO OBJETIVOS CLASSIFICAÇÃO INTERNACIONAL DOS DISTÚRBIOS DO SONO AASM 2006 CARLOS A A VIEGAS UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA DISTÚRBIOS RESPIRATÓRIOS DO SONO CARLOS A A VIEGAS UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA OBJETIVOS Classificação dos distúrbios do sono Classificação dos distúrbios respiratórios do sono Definições: ronco, ravas (rera),

Leia mais

Prefeitura Municipal de Porto Alegre Secretaria Municipal de Saúde Coordenação da Rede de Atenção Primária em Saúde (CGRAPS) Área Técnica de Saúde

Prefeitura Municipal de Porto Alegre Secretaria Municipal de Saúde Coordenação da Rede de Atenção Primária em Saúde (CGRAPS) Área Técnica de Saúde Prefeitura Municipal de Porto Alegre Secretaria Municipal de Saúde Coordenação da Rede de Atenção Primária em Saúde (CGRAPS) Área Técnica de Saúde Bucal HIGIENE BUCAL NA PRIMEIRA INFÂNCIA A finalidade

Leia mais

Cirurgia Ortognática e Estética Facial: Qual sua importância na Odontologia Integrada?

Cirurgia Ortognática e Estética Facial: Qual sua importância na Odontologia Integrada? Cirurgia Ortognática e Estética Facial: Qual sua importância na Odontologia Integrada? A avaliação da estética facial, bem como sua relação com a comunicação e expressão da emoção, é parte importante no

Leia mais

PUCPR - O.R.T.O.D.O.N.T.I.A - GRADUAÇÃO E PÓS-GRADUAÇÃO F I C H A C L Í N I C A Nome do/a Paciente: Número: 1.0 IDENTIFICAÇÃO DO PACIENTE 1.1 Nome: 1.2 Data de Nascimento: Sexo: F M Idade: 1.3 Peso: Kg

Leia mais

www.cpsol.com.br TEMA 003 CONHEÇA E PREVINA AS DOENÇAS DO INVERNO

www.cpsol.com.br TEMA 003 CONHEÇA E PREVINA AS DOENÇAS DO INVERNO TEMA 003 CONHEÇA E PREVINA AS DOENÇAS DO INVERNO 1/8 O inverno chegou e junto com ele maiores problemas com as doenças respiratórias entre outras Isso não ocorre por acaso já que pé nesta estação onde

Leia mais

FUNDAMENTOS LEGAIS, PRINCÍPIOS E ORIENTAÇÕES GERAIS PARA A EDUCAÇÃO INFANTIL

FUNDAMENTOS LEGAIS, PRINCÍPIOS E ORIENTAÇÕES GERAIS PARA A EDUCAÇÃO INFANTIL FUNDAMENTOS LEGAIS, PRINCÍPIOS E ORIENTAÇÕES GERAIS PARA A EDUCAÇÃO INFANTIL I - Fundamentos legais A Constituição de 1988, inciso IV do artigo 208, afirma: O dever do Estado com a educação será efetivado

Leia mais

Reabilitação cirúrgica dos Fissurados de lábio e palato. M.Sc.Viviane Marques

Reabilitação cirúrgica dos Fissurados de lábio e palato. M.Sc.Viviane Marques Reabilitação cirúrgica dos Fissurados de lábio e palato M.Sc.Viviane Marques DIAGNÓSTICO 1º diagnóstico: Através da ultrasonografia (Entre a 12ª e 14ª semana de gestação). O diagnóstico das fissuras submucosa

Leia mais

DOCENTES DO CURSO DE JORNALISMO: CONHECIMENTO SOBRE SAÚDE VOCAL

DOCENTES DO CURSO DE JORNALISMO: CONHECIMENTO SOBRE SAÚDE VOCAL DOCENTES DO CURSO DE JORNALISMO: CONHECIMENTO SOBRE SAÚDE VOCAL Rayné Moreira Melo Santos (CESMAC) raynefono@yahoo.com.br Rozana Machado Bandeira de Melo (CESMAC) rmbmelo@ig.com.br Zelita Caldeira Ferreira

Leia mais

O Papel da Hipertrofia Adenotonsilar na Síndrome do Respirador Bucal

O Papel da Hipertrofia Adenotonsilar na Síndrome do Respirador Bucal O Papel da Hipertrofia Adenotonsilar na Síndrome do Respirador Bucal Mesa Redonda Moderador: Paulo L. Pontes Participantes: Ana Tereza Britto, Gabriela D. de Carvalho, Marcos Mocellin e Ricardo Godinho

Leia mais

Ficha Informativa da Área dos Conhecimentos

Ficha Informativa da Área dos Conhecimentos Ficha Informativa da Área dos Conhecimentos 1 Organização das Aulas Uma aula de Educação Física é composta por três partes sequenciais, cada uma com objetivos específicos. 1.1 Parte Inicial A parte inicial

Leia mais

CIRURGIAS ORTOGNÁTICAS

CIRURGIAS ORTOGNÁTICAS CIRURGIAS ORTOGNÁTICAS Informações ao paciente Contém: 1. Explicação geral sobre cirurgias ortognáticas, 2. Perguntas e respostas, A cirurgia ortognática, também chamada de ortodontia cirúrgica, é um tipo

Leia mais

OTRABALHO NOTURNO E A SAÚDE DO TRABALHADOR: ESTUDO EXPLORATÓRIO EM TAUBATÉ E SÃO JOSÉ DOS CAMPOS

OTRABALHO NOTURNO E A SAÚDE DO TRABALHADOR: ESTUDO EXPLORATÓRIO EM TAUBATÉ E SÃO JOSÉ DOS CAMPOS OTRABALHO NOTURNO E A SAÚDE DO TRABALHADOR: ESTUDO EXPLORATÓRIO EM TAUBATÉ E SÃO JOSÉ DOS CAMPOS Tatiane Paula de Oliveira 1, Adriana Leonidas de Oliveira (orientadora) 2 1 Universidade de Taubaté/ Departamento

Leia mais

A Importância da Saúde Bucal. na Saúde Geral

A Importância da Saúde Bucal. na Saúde Geral PALESTRA A Importância da Saúde Bucal na Saúde Geral A saúde começa pela boca Os dentes são importantes na mastigação dos alimentos, fala, e estética, influenciando diretamente na auto-estima do indivíduo

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA ODONTOLOGIA NO ALEITAMENTO MATERNO

A IMPORTÂNCIA DA ODONTOLOGIA NO ALEITAMENTO MATERNO A IMPORTÂNCIA DA ODONTOLOGIA NO ALEITAMENTO MATERNO FLÁVIA PEDREIRA CIRURGIÃ DENTISTA DO HOSPITAL E MATERNIDADE PÚBLICA DONA REGINA 20 DE FEVEREIRO DE 2014 Se pretendermos que as crianças tenham uma qualidade

Leia mais

Programa RespirAr. Asma e bronquite sem crise. RespirAr

Programa RespirAr. Asma e bronquite sem crise. RespirAr Programa RespirAr. Asma e bronquite sem crise. RespirAr Prevenir é o melhor remédio para uma boa saúde, evitando-se as doenças e suas complicações. Problemas respiratórios, por exemplo, podem se tornar

Leia mais

O ESTADO DO CONHECIMENTO DO DESEMPRENHO ESCOLAR DE ALUNOS COM OBSTRUÇÃO NASAL RESPIRAÇÃO ORAL

O ESTADO DO CONHECIMENTO DO DESEMPRENHO ESCOLAR DE ALUNOS COM OBSTRUÇÃO NASAL RESPIRAÇÃO ORAL O ESTADO DO CONHECIMENTO DO DESEMPRENHO ESCOLAR DE ALUNOS COM OBSTRUÇÃO NASAL RESPIRAÇÃO ORAL Resumo Rosângela Aparecida Paoletto 1 - UNICENTRO Miriam Adalgisa Bedim Godoy 2 - UNICENTRO Grupo de Trabalho

Leia mais

MICROBIOTA OU FLORA NORMAL DO CORPO HUMANO

MICROBIOTA OU FLORA NORMAL DO CORPO HUMANO MICROBIOTA OU FLORA NORMAL DO CORPO HUMANO Disciplina: Microbiia e Parasitia Patrícia de Lima Martins INTRODUÇÃO O que é Microbiota? MICROBIOTA São os microrganismos (bactérias, fungos, vírus e protozoários)

Leia mais

As disfunções respiratórias são situações que necessitam de intervenções rápidas e eficazes, pois a manutenção da função

As disfunções respiratórias são situações que necessitam de intervenções rápidas e eficazes, pois a manutenção da função As disfunções respiratórias são situações que necessitam de intervenções rápidas e eficazes, pois a manutenção da função respiratória é prioritária em qualquer situação de intercorrência clínica. O paciente

Leia mais

SINTOMATOLOGIA DO RESPIRADOR ORAL MOUTH BREATHING SYMPTOMS CHRISTHIANE BLANCO PAULO

SINTOMATOLOGIA DO RESPIRADOR ORAL MOUTH BREATHING SYMPTOMS CHRISTHIANE BLANCO PAULO 1 SINTOMATOLOGIA DO RESPIRADOR ORAL MOUTH BREATHING SYMPTOMS CHRISTHIANE BLANCO PAULO Especialização em Motricidade Oral pelo Centro de Especialização em Fonoaudiologia Clínica (CEFAC) Fonoaudióloga Formada

Leia mais

Cuidando dos ouvidos,

Cuidando dos ouvidos, Tania Sih Ricardo Godinho Cuidando dos ouvidos, nariz e garganta das crianças Guia de orientação São Paulo 2009 2008 Tania Sih, Ricardo Godinho PROJETO GRÁFICO E CAPA: João Baptista da Costa Aguiar ILUSTRAÇÕES:

Leia mais

Fique atento ao abuso de antibióticos na pediatria

Fique atento ao abuso de antibióticos na pediatria Fique atento ao abuso de antibióticos na pediatria Criado em 22/04/15 10h50 e atualizado em 22/04/15 11h27 Por Sociedade Brasileira de Pediatria Para se ter sucesso no tratamento da criança alérgica ou

Leia mais

COLÉGIO ALEXANDER FLEMING SISTEMA RESPIRATÓRIO. Profª Fernanda Toledo

COLÉGIO ALEXANDER FLEMING SISTEMA RESPIRATÓRIO. Profª Fernanda Toledo COLÉGIO ALEXANDER FLEMING SISTEMA RESPIRATÓRIO Profª Fernanda Toledo RECORDAR Qual a função do alimento em nosso corpo? Por quê comer????? Quando nascemos, uma das primeiras atitudes do nosso organismo

Leia mais

Placa bacteriana espessa

Placa bacteriana espessa A IMPORTÂNCIA DA SAÚDE BUCAL A saúde bucal é importante porque a maioria das doenças e a própria saúde começam pela boca. Por exemplo, se você não se alimenta bem, não conseguirá ter uma boa saúde bucal,

Leia mais

QUALIDADE DE VIDA RELACIONADA À SAÚDE E SUA ASSOCIAÇÃO COM EXCESSO DE PESO EM CRIANÇAS E ADOLESCENTES

QUALIDADE DE VIDA RELACIONADA À SAÚDE E SUA ASSOCIAÇÃO COM EXCESSO DE PESO EM CRIANÇAS E ADOLESCENTES QUALIDADE DE VIDA RELACIONADA À SAÚDE E SUA ASSOCIAÇÃO COM EXCESSO DE PESO EM CRIANÇAS E ADOLESCENTES Sandra Fiorelli de Almeida Penteado Simeão e-mail: ssimeao@usc.br; Márcia Aparecida Nuevo Gatti e-mail:

Leia mais

Proposta de inserção da Cronobiologia na educação infantil

Proposta de inserção da Cronobiologia na educação infantil Proposta de inserção da Cronobiologia na educação infantil 1. Apresentação 2.Inserção da Cronobiologia na pré-escola 3.Inserção da Cronobiologia no fundamental ciclo I 4.Referências. 1. Apresentação Este

Leia mais

MELHORA NO PADRÃO DE TONICIDADE MUSCULAR DE PACIENTES COM SÍNDROME DE DOWN ESTIMULADOS PRECOCEMENTE

MELHORA NO PADRÃO DE TONICIDADE MUSCULAR DE PACIENTES COM SÍNDROME DE DOWN ESTIMULADOS PRECOCEMENTE MELHORA NO PADRÃO DE TONICIDADE MUSCULAR DE PACIENTES COM SÍNDROME DE DOWN ESTIMULADOS PRECOCEMENTE Karla Larissa Vas Estero 1, Lizzie Ramos Moretti 1, Luciana Manzotti de Marchi 2, Maria Paula Jacobucci

Leia mais

CURSOS PRECISAM PREPARAR PARA A DOCÊNCIA

CURSOS PRECISAM PREPARAR PARA A DOCÊNCIA Fundação Carlos Chagas Difusão de Idéias novembro/2011 página 1 CURSOS PRECISAM PREPARAR PARA A DOCÊNCIA Elba Siqueira de Sá Barretto: Os cursos de Pedagogia costumam ser muito genéricos e falta-lhes um

Leia mais

Doenças Respiratórias Crônicas. Caderno de Atenção Básica 25

Doenças Respiratórias Crônicas. Caderno de Atenção Básica 25 Doenças Respiratórias Crônicas Caderno de Atenção Básica 25 PREVALÊNCIA O Asma (acomete cerca de 300 milhões de indivíduos no mundo) O Rinite Alérgica (afeta cerca de 20 25% da população) O DPOC (afeta

Leia mais

SUMÁRIO. Sobre o curso Pág. 3. Etapas do Processo Seletivo Pág. 5. Cronograma de Aulas Pág. 8. Coordenação Programa e metodologia; Investimento

SUMÁRIO. Sobre o curso Pág. 3. Etapas do Processo Seletivo Pág. 5. Cronograma de Aulas Pág. 8. Coordenação Programa e metodologia; Investimento 1 SUMÁRIO Sobre o curso Pág. 3 Coordenação Programa e metodologia; Investimento 3 3 5 Etapas do Processo Seletivo Pág. 5 Matrícula 7 Cronograma de Aulas Pág. 8 2 PÓS-GRADUAÇÃO EM DOR Unidade Dias e Horários

Leia mais

PROGRAMA SAÚDE NA ESCOLA. Orientações Gerais sobre as ações de Saúde Bucal no Programa Saúde na Escola

PROGRAMA SAÚDE NA ESCOLA. Orientações Gerais sobre as ações de Saúde Bucal no Programa Saúde na Escola PROGRAMA SAÚDE NA ESCOLA Orientações Gerais sobre as ações de Saúde Bucal no Programa Saúde na Escola A avaliação e promoção de saúde bucal é ação essencial que integra o Componente I do Programa Saúde

Leia mais

MATRIZ CURRICULAR CURRÍCULO PLENO

MATRIZ CURRICULAR CURRÍCULO PLENO MATRIZ CURRICULAR Curso: Graduação: Habilitação: Regime: Duração: PEDAGOGIA LICENCIATURA FORMAÇÃO PARA O MAGISTÉRIO EM EDUCAÇÃO INFANTIL SERIADO ANUAL - NOTURNO 4 (QUATRO) ANOS LETIVOS Integralização:

Leia mais

Lembrete: Antes de começar a copiar cada unidade, coloque o cabeçalho da escola e a data! CIÊNCIAS - UNIDADE 4 RESPIRAÇÃO E EXCREÇÃO

Lembrete: Antes de começar a copiar cada unidade, coloque o cabeçalho da escola e a data! CIÊNCIAS - UNIDADE 4 RESPIRAÇÃO E EXCREÇÃO Lembrete: Antes de começar a copiar cada unidade, coloque o cabeçalho da escola e a data! Use canetas coloridas ou escreva palavras destacadas, para facilitar na hora de estudar. E capriche! Não se esqueça

Leia mais

CONHECIMENTO DO PROFESSOR SOBRE TDAH E SUA RELAÇÃO COM O DESEMPENHO ESCOLAR DO ALUNO HIPERATIVO

CONHECIMENTO DO PROFESSOR SOBRE TDAH E SUA RELAÇÃO COM O DESEMPENHO ESCOLAR DO ALUNO HIPERATIVO CONHECIMENTO DO PROFESSOR SOBRE TDAH E SUA RELAÇÃO COM O DESEMPENHO ESCOLAR DO ALUNO HIPERATIVO ALINE OLIVEIRA SALGUEIRO* CLÁUDIA ROBERTA GASPARETTO NÁDIA HARUMI INUMARU RESUMO: O presente trabalho investiga

Leia mais

RESPIRADOR ORAL. Raquel Pitchon dos Reis e Departamento de Alergia e Imunologia da SBP

RESPIRADOR ORAL. Raquel Pitchon dos Reis e Departamento de Alergia e Imunologia da SBP RESPIRADOR ORAL Raquel Pitchon dos Reis e Departamento de Alergia e Imunologia da SBP Especialista em Pediatria Especialista em Alergia e Imunologia Especialista em Alergia e Imunologia Pediátrica Coordenadora

Leia mais

O que o fonoaudiólogo pode realizar nas duas áreas novas: Disfagia e Fonoeducacional?

O que o fonoaudiólogo pode realizar nas duas áreas novas: Disfagia e Fonoeducacional? O que o fonoaudiólogo pode realizar nas duas áreas novas: Disfagia e Fonoeducacional? Apresentadoras: Julia Speranza Zabeu Ana Paula Corrêa Orientadora: Profa. Dra. Andrea Cintra Lopes O que é a fonoaudiologia?

Leia mais

Balanço Social UNINORTE 2015

Balanço Social UNINORTE 2015 Balanço Social UNINORTE 2015 Diretora Acadêmica Vanessa Voglio Igami Diretora Administra va Ká a Cris na Do o Gasparini Diretora Comercial Indira Maria Kitamura Diretor Financeiro Fábio Ricardo Leite Secretária

Leia mais

Gripe Proteja-se! Faça Chuva ou faça Sol, vacine-se a partir de Outubro e até ao final do Inverno. Consulte o seu médico

Gripe Proteja-se! Faça Chuva ou faça Sol, vacine-se a partir de Outubro e até ao final do Inverno. Consulte o seu médico Gripe Proteja-se! Faça Chuva ou faça Sol, vacine-se a partir de Outubro e até ao final do Inverno. Consulte o seu médico Gripe Perguntas Frequentes Perguntas frequentes sobre a gripe sazonal O que é a

Leia mais

FONOAUDIOLOGIA E EDUCAÇÃO INFANTIL: UMA PROPOSTA DE FORMAÇÃO A PROFESSORES. Ana Claudia Tenor. Secretaria Municipal de Educação de Botucatu

FONOAUDIOLOGIA E EDUCAÇÃO INFANTIL: UMA PROPOSTA DE FORMAÇÃO A PROFESSORES. Ana Claudia Tenor. Secretaria Municipal de Educação de Botucatu II Congresso Nacional de Formação de Professores XII Congresso Estadual Paulista sobre Formação de Educadores FONOAUDIOLOGIA E EDUCAÇÃO INFANTIL: UMA PROPOSTA DE FORMAÇÃO A PROFESSORES Ana Claudia Tenor

Leia mais

FORMAÇÃO PLENA PARA OS PROFESSORES

FORMAÇÃO PLENA PARA OS PROFESSORES Fundação Carlos Chagas Difusão de Idéias dezembro/2006 página 1 FORMAÇÃO PLENA PARA OS PROFESSORES Bernardete Gatti: o país enfrenta uma grande crise na formação de seus professores em especial, de alfabetizadores.

Leia mais

Apresentadoras: Francine Ramos (3º ano) Isabela Alves de Quadros (2º ano)

Apresentadoras: Francine Ramos (3º ano) Isabela Alves de Quadros (2º ano) Apresentadoras: Francine Ramos (3º ano) Isabela Alves de Quadros (2º ano) Orientadora: Profa. Dra. Aline Aceituno da Costa Fga. Géssyka Gomes Marcandal (mestranda Saúde Coletiva) Data: 08/08/2012 Horário:

Leia mais

DIMENSÕES DO TRABAHO INFANTIL NO MUNICÍPIO DE PRESIDENTE PRUDENTE: O ENVOLVIMENTO DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES EM SITUAÇÕES DE TRABALHO PRECOCE

DIMENSÕES DO TRABAHO INFANTIL NO MUNICÍPIO DE PRESIDENTE PRUDENTE: O ENVOLVIMENTO DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES EM SITUAÇÕES DE TRABALHO PRECOCE Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 18 a 22 de outubro, 2010 337 DIMENSÕES DO TRABAHO INFANTIL NO MUNICÍPIO DE PRESIDENTE PRUDENTE: O ENVOLVIMENTO DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES EM

Leia mais

Deficiência auditiva parcial. Annyelle Santos Franca. Andreza Aparecida Polia. Halessandra de Medeiros. João Pessoa - PB

Deficiência auditiva parcial. Annyelle Santos Franca. Andreza Aparecida Polia. Halessandra de Medeiros. João Pessoa - PB 1 UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA COMITÊ DE INCLUSÃO E ACESSIBILIDADE MATERIAL DIDÁTICO- ORIENTAÇÕES AOS DOCENTES Deficiência auditiva parcial Annyelle Santos Franca Andreza Aparecida Polia Halessandra

Leia mais

A Importância do Sono

A Importância do Sono 1 A Importância do Sono Dra. Regeane Trabulsi Cronfli É um total contra-senso o fato de que, num mundo em que cerca de 16 a 40% das pessoas em geral sofrem de insônia, haja aquelas que, iludidas pelos

Leia mais

MATRIZ CURRICULAR 1.ª SÉRIE DE OFERTA 99-8791-04 DIDÁTICA 160 0 160 99-8792-04

MATRIZ CURRICULAR 1.ª SÉRIE DE OFERTA 99-8791-04 DIDÁTICA 160 0 160 99-8792-04 Curso: Graduação: Regime: Duração: PEDAGOGIA LICENCIATURA PLENA MATRIZ CURRICULAR SERIADO ANUAL - NOTURNO 4 (QUATRO) ANOS LETIVOS Integralização: A) TEMPO TOTAL - MÍNIMO = 04 (QUATRO) ANOS LETIVOS - MÁXIMO

Leia mais

A EDUCAÇÃO FÍSICA NAS ESCOLAS MUNICIPAIS DE PONTA GROSSA/PR: ANÁLISE DO ENCAMINHAMENTO METODOLÓGICO DAS AULAS

A EDUCAÇÃO FÍSICA NAS ESCOLAS MUNICIPAIS DE PONTA GROSSA/PR: ANÁLISE DO ENCAMINHAMENTO METODOLÓGICO DAS AULAS A EDUCAÇÃO FÍSICA NAS ESCOLAS MUNICIPAIS DE PONTA GROSSA/PR: ANÁLISE DO ENCAMINHAMENTO METODOLÓGICO DAS AULAS Daniela Luz Almeida Santos (PIBIC/ARAUCÁRIA), Silvia Christina Madrid Finck (Orientadora),

Leia mais

Introdução. Renata Loretti Ribeiro - Enfermeira

Introdução. Renata Loretti Ribeiro - Enfermeira Introdução A função do sistema respiratório é facilitar ao organismo uma troca de gases com o ar atmosférico, assegurando permanente concentração de oxigênio no sangue, necessária para as reações metabólicas,

Leia mais

:: Legislação. Unidade: Câmara de Educação Básica. Número: 79/2009 Ano: 2009. Ementa:

:: Legislação. Unidade: Câmara de Educação Básica. Número: 79/2009 Ano: 2009. Ementa: :: Legislação Unidade: Câmara de Básica Número: 79/2009 Ano: 2009 Ementa: Estabelece normas para a Especial, na Perspectiva da Inclusiva para todas as etapas e Modalidades da Básica no Sistema Estadual

Leia mais

A respiração ocorre dia e noite, sem parar. Nós podemos sobreviver determinado tempo sem alimentação, mas não conseguimos ficar sem respirar por mais

A respiração ocorre dia e noite, sem parar. Nós podemos sobreviver determinado tempo sem alimentação, mas não conseguimos ficar sem respirar por mais PROFESSORA NAIANE A respiração ocorre dia e noite, sem parar. Nós podemos sobreviver determinado tempo sem alimentação, mas não conseguimos ficar sem respirar por mais de alguns poucos minutos. Você sabe

Leia mais

FACULDADE CAMPO REAL CURSO DE NUTRIÇÃO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO

FACULDADE CAMPO REAL CURSO DE NUTRIÇÃO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO FACULDADE CAMPO REAL CURSO DE NUTRIÇÃO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO Caracterização A elaboração do Trabalho de Curso fundamenta-se nas Diretrizes Curriculares Nacionais do Curso de Graduação em Nutrição,

Leia mais

A INCLUSÃO DOS PORTADORES DE NECESSIDADES ESPECIAIS EDUCATIVAS NAS SÉRIES INICIAIS SOB A VISÃO DO PROFESSOR.

A INCLUSÃO DOS PORTADORES DE NECESSIDADES ESPECIAIS EDUCATIVAS NAS SÉRIES INICIAIS SOB A VISÃO DO PROFESSOR. A INCLUSÃO DOS PORTADORES DE NECESSIDADES ESPECIAIS EDUCATIVAS NAS SÉRIES INICIAIS SOB A VISÃO DO PROFESSOR. Autores: FRANCISCO MACHADO GOUVEIA LINS NETO e CELIA MARIA MARTINS DE SOUZA Introdução Atualmente,

Leia mais

Apnéia do Sono e Ronco Guia Rápido

Apnéia do Sono e Ronco Guia Rápido Homehealth provider Apnéia do Sono e Ronco Guia Rápido Ronco: atrás do barulho, um problema de saúde mais sério www.airliquide.com.br O que é Apnéia do Sono? Apnéia do sono é uma síndrome que pode levar

Leia mais

RESOLUÇÃO. Artigo 2º - O Currículo, ora alterado, será implantado no início do ano 2000, para os matriculados no 1º semestre.

RESOLUÇÃO. Artigo 2º - O Currículo, ora alterado, será implantado no início do ano 2000, para os matriculados no 1º semestre. RESOLUÇÃO CONSEPE 51/99 ALTERA O PLANO CURRICULAR E O REGIME DO CURSO DE ODONTOLOGIA, DO CÂMPUS DE BRAGANÇA PAULISTA. O Presidente do Conselho de Ensino, Pesquisa e Extensão - CONSEPE, no uso da atribuição

Leia mais

DOENÇAS RESPIRATÓRIAS. Professora: Sabrina Cunha da Fonseca

DOENÇAS RESPIRATÓRIAS. Professora: Sabrina Cunha da Fonseca DOENÇAS RESPIRATÓRIAS Professora: Sabrina Cunha da Fonseca Os locais de trabalho têm oferecido, cada vez mais, ambientes poluídos por diversos elementos, gasosos e sólidos, presentes no ar como gases e

Leia mais

Estes artigos estão publicados no sítio do Consultório de Pediatria do Dr. Paulo Coutinho. http://www.paulocoutinhopediatra.pt

Estes artigos estão publicados no sítio do Consultório de Pediatria do Dr. Paulo Coutinho. http://www.paulocoutinhopediatra.pt Estes artigos estão publicados no sítio do Consultório de Pediatria do Dr. Paulo Coutinho. Pág. 01 A bronquiolite é uma infeção respiratória causada por vírus, ocorrendo em crianças com menos de 2 anos.

Leia mais

Formadora: Dr.ª Maria João Marques Formandas: Anabela Magno; Andreia Sampaio; Paula Sá; Sónia Santos

Formadora: Dr.ª Maria João Marques Formandas: Anabela Magno; Andreia Sampaio; Paula Sá; Sónia Santos Formadora: Dr.ª Maria João Marques Formandas: Anabela Magno; Andreia Sampaio; Paula Sá; Sónia Santos 1 O que é? A bronquiolite é uma doença que se carateriza por uma inflamação nos bronquíolos e que, geralmente,

Leia mais

O Ensino a Distância nas diferentes Modalidades da Educação Básica

O Ensino a Distância nas diferentes Modalidades da Educação Básica O Ensino a Distância nas diferentes Modalidades da Educação Básica Francisco Aparecido Cordão Conselheiro da Câmara de Educação Básica do CNE facordao@uol.com.br 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13 14 15 16

Leia mais

EDUCAÇÃO INFANTIL. COORDENADORA Ângela Maria Soares Ferreira amsoares@ufv.br

EDUCAÇÃO INFANTIL. COORDENADORA Ângela Maria Soares Ferreira amsoares@ufv.br EDUCAÇÃO INFANTIL COORDENADORA Ângela Maria Soares Ferreira amsoares@ufv.br UFV Catálogo de Graduação 2009 327 Currículo do Curso de Licenciatura ATUAÇÃO O Licenciado em é formado para atender as exigências

Leia mais

EXPLICAÇÕES SOBRE A ELABORAÇÃO DO RELATÓRIO FINAL DE ESTÁGIO

EXPLICAÇÕES SOBRE A ELABORAÇÃO DO RELATÓRIO FINAL DE ESTÁGIO EXPLICAÇÕES SOBRE A ELABORAÇÃO DO RELATÓRIO FINAL DE ESTÁGIO Elementos Textuais: INTRODUÇÃO: Introduzir significa apresentar. Descrever o trabalho baseando-se nas seguintes colocações: o quê fez, por que

Leia mais

Vídeo Caseiro para Avaliação da Criança que Ronca

Vídeo Caseiro para Avaliação da Criança que Ronca Vídeo Caseiro para Avaliação da Criança que Ronca Federico Murillo González Giselle, cinco anos de idade, ronca e acorda constantemente à noite, tem respiração bucal durante o dia, precisa interromper

Leia mais

SISTEMA RESPIRATÓRIO

SISTEMA RESPIRATÓRIO ANATOMIA HUMANA I SISTEMA RESPIRATÓRIO Prof. Me. Fabio Milioni Roteiro Sistema Respiratório Conceito Função Divisão Estruturas Nariz Faringe Laringe Traquéia e Brônquios Pulmão Bronquíolos e Alvéolos 1

Leia mais

LEI N. 1397/2013, de 03 de dezembro de 2013.

LEI N. 1397/2013, de 03 de dezembro de 2013. LEI N. 1397/2013, de 03 de dezembro de 2013. REESTRUTURA O SISTEMA MUNICIPAL DE ENSINO, O CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE FAZENDA VILANOVA E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS. PEDRO ANTONIO DORNELLES, PREFEITO

Leia mais

RELAÇÃO ENTRE ALEITAMENTO MATERNO, MODO RESPIRATÓRIO E POSTURA CORPORAL

RELAÇÃO ENTRE ALEITAMENTO MATERNO, MODO RESPIRATÓRIO E POSTURA CORPORAL ISBN 978-85-61091-05-7 Encontro Internacional de Produção Científica Cesumar 27 a 30 de outubro de 2009 RELAÇÃO ENTRE ALEITAMENTO MATERNO, MODO RESPIRATÓRIO E POSTURA CORPORAL Patrícia Tiemi Kikuti Orita

Leia mais

RESUMO DE TRABALHO PARA APRESENTAÇÃO NO CONPEX

RESUMO DE TRABALHO PARA APRESENTAÇÃO NO CONPEX RESUMO DE TRABALHO PARA APRESENTAÇÃO NO CONPEX -Título: Dor dentária e hábitos de higiene bucal em escolares de instituições com e sem programa de promoção de saúde. -Projeto de pesquisa apresentado ao

Leia mais

SISTEMA RESPIRATÓRIO. Prof.: Lazaro Antonio dos Santos

SISTEMA RESPIRATÓRIO. Prof.: Lazaro Antonio dos Santos SISTEMA RESPIRATÓRIO Prof.: Lazaro Antonio dos Santos SISTEMA RESPIRATÓRIO CONCEITO Conjunto de órgãos que nutrem o organismo por meio de alimentos no estado gasoso, completando a função do Sistema Digestório.

Leia mais

Palavras chave: voz, prevenção, criança

Palavras chave: voz, prevenção, criança AÇÕES DE PREVENÇÃO DE DISFONIA INFANTIL EM CENÁRIOS EDUCACIONAIS: ANÁLISE DA CONSTRUÇÃO DE CONHECIMENTOS SOBRE VOZ A PARTIR DE DESENHOS DE ALUNOS DE EDUCAÇÃO INFANTIL. Palavras chave: voz, prevenção, criança

Leia mais

PROJETO DE LEI N.º 3.394, DE 2012 (Do Sr. Manoel Junior)

PROJETO DE LEI N.º 3.394, DE 2012 (Do Sr. Manoel Junior) CÂMARA DOS DEPUTADOS PROJETO DE LEI N.º 3.394, DE 2012 (Do Sr. Manoel Junior) Dispõe sobre o diagnóstico e o tratamento da dislexia na educação básica. DESPACHO: ÀS COMISSÕES DE: SEGURIDADE SOCIAL E FAMÍLIA;

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE VITÓRIA ESTADO DO ESPÍRITO SANTO SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO RESOLUÇÃO Nº 06/99

PREFEITURA MUNICIPAL DE VITÓRIA ESTADO DO ESPÍRITO SANTO SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO RESOLUÇÃO Nº 06/99 RESOLUÇÃO Nº 06/99 Fixa normas para educação infantil no Sistema Municipal de Ensino do Município de Vitória O DE VITÓRIA (ES) no uso de suas atribuições legais, RESOLVE: CAPÍTULO I DA EDUCAÇÃO INFANTIL

Leia mais

MANTENHA SEU SORRISO FAZENDO A HIGIENE BUCAL CORRETAMENTE

MANTENHA SEU SORRISO FAZENDO A HIGIENE BUCAL CORRETAMENTE MANTENHA SEU SORRISO FAZENDO A HIGIENE BUCAL CORRETAMENTE SAÚDE BUCAL Para ter um sorriso bonito, saudável e com hálito bom, é preciso: Escovar os dentes, utilizando uma escova de dente de tamanho adequado

Leia mais

TERMO DE CONSENTIMENTO LIVRE E ESCLARECIDO

TERMO DE CONSENTIMENTO LIVRE E ESCLARECIDO TERMO DE CONSENTIMENTO LIVRE E ESCLARECIDO O(A) paciente, ou seu responsável, declara, para todos os fins legais, especialmente do disposto no artigo 39, VI, da Lei, 8.078/90 que dá plena autorização ao

Leia mais

DOS FINS E PRINCÍPIOS DA EDUCAÇÃO INFANTIL

DOS FINS E PRINCÍPIOS DA EDUCAÇÃO INFANTIL MUNICÍPIO DE RIO VERDE - GOIÁS SISTEMA MUNICIPAL DE ENSINO CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO COMERV RESOLUÇÃO Nº 23/ 04 COMERV, DE 24 DE NOVEMBRO DE 2004 Dá nova redação à Resolução n.º. 001/99 que normatiza

Leia mais

CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EDUCAÇÃO INCLUSIVA 400h. Estrutura Curricular do Curso Disciplinas

CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EDUCAÇÃO INCLUSIVA 400h. Estrutura Curricular do Curso Disciplinas CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EDUCAÇÃO INCLUSIVA 400h Ética profissional na Educação Fundamentos históricos, conceitos, sociais e legais na Educação Inclusiva Legislação Aplicável na Educação Inclusiva Fundamentos

Leia mais

ORIENTAÇÕES PÓS-OPERATÓRIAS ADENOIDECTOMIA:

ORIENTAÇÕES PÓS-OPERATÓRIAS ADENOIDECTOMIA: ORIENTAÇÕES PÓS-OPERATÓRIAS ADENOIDECTOMIA: essa é uma cirurgia feita através da boca, onde se remove a adenóide, dessa forma desobstruindo as vias respiratórias altas. Há um folclore em se dizer que há

Leia mais

Doenças Periodontais. Tratamento e Prevenção. 1º e-book - COS - Clínica Odontológica Soares

Doenças Periodontais. Tratamento e Prevenção. 1º e-book - COS - Clínica Odontológica Soares Doenças Periodontais Tratamento e Prevenção 1º e-book - COS - Clínica Odontológica Soares Gengivite e Periodontite Guia para o paciente Aprenda mais sobre as Doenças Periodontais (de gengiva) As doenças

Leia mais

QUEIXAS E SINTOMAS VOCAIS PRÉ FONOTERAPIA EM GRUPO

QUEIXAS E SINTOMAS VOCAIS PRÉ FONOTERAPIA EM GRUPO QUEIXAS E SINTOMAS VOCAIS PRÉ FONOTERAPIA EM GRUPO [ALMEIDA, Anna Alice Figueirêdo de; SILVA, Priscila Oliveira Costa; FERNANDES, Luana Ramos; SOUTO, Moama Araújo; LIMA-SILVA, Maria Fabiana Bonfim] Centro

Leia mais

CUIDADOS DE SAÚDE DESDE O NASCIMENTO ATÉ À ADOLESCENCIA

CUIDADOS DE SAÚDE DESDE O NASCIMENTO ATÉ À ADOLESCENCIA CUIDADOS DE SAÚDE DESDE O NASCIMENTO ATÉ À ADOLESCENCIA A MALO CLINIC cuida da saúde e bem-estar de bebés, crianças e adolescentes. Acreditamos no indivíduo como um todo e por isso mesmo desenvolvemos

Leia mais

Estabelece, ainda, excepcionalmente, em seu artigo 4.º que:

Estabelece, ainda, excepcionalmente, em seu artigo 4.º que: INTERESSADO: Secretaria Municipal de Educação SEMED ASSUNTO: Apreciação de Exposição de Motivos para o não cumprimento, em caráter excepcional, da Resolução n. 010/2010-CME/MANAUS RELATOR: Paulo Sérgio

Leia mais

PROGRAMA DE SAÚDE VOCAL MANUAL DA VOZ

PROGRAMA DE SAÚDE VOCAL MANUAL DA VOZ PROGRAMA DE SAÚDE VOCAL MANUAL DA VOZ Rio de Janeiro Maio/2014 Professor, bem vindo ao Programa de Saúde Vocal Nós, fonoaudiólogas, a equipe de Valorização do servidor e toda a equipe educação somos parceiras

Leia mais

CEFAC Centro de Especialização em Fonoaudiologia Clínica. Motricidade Oral. Os Efeitos da Respiração Bucal No Sistema Estomatognático

CEFAC Centro de Especialização em Fonoaudiologia Clínica. Motricidade Oral. Os Efeitos da Respiração Bucal No Sistema Estomatognático CEFAC Centro de Especialização em Fonoaudiologia Clínica Motricidade Oral Os Efeitos da Respiração Bucal No Sistema Estomatognático Annita dos Reis Kibrit Monografia de conclusão do Curso de Especialização

Leia mais

ITINERÁRIOS FORMATIVOS: CAMINHOS POSSÍVEIS NA EDUCAÇÃO PROFISSIONAL

ITINERÁRIOS FORMATIVOS: CAMINHOS POSSÍVEIS NA EDUCAÇÃO PROFISSIONAL ITINERÁRIOS FORMATIVOS: CAMINHOS POSSÍVEIS NA EDUCAÇÃO PROFISSIONAL Resumo Gabriel Mathias Carneiro Leão1 - IFPR, UFPR Rosane de Fátima Batista Teixeira2 - IFPR Grupo de Trabalho Cultura, Currículo e Saberes

Leia mais

SINOPSE ESTATÍSTICA EDUCAÇÃO BÁSICA

SINOPSE ESTATÍSTICA EDUCAÇÃO BÁSICA SINOPSE ESTATÍSTICA EDUCAÇÃO BÁSICA CENSO ESCOLAR 2006 Presidente da República Federativa do Brasil Luís Inácio Lula da Silva Ministro da Educação Fernando Haddad Secretário Executivo José Henrique Paim

Leia mais

OS INSTRUMENTOS DE AVALIAÇÃO DO SINAES - DA IMPLANTAÇÃO DO SINAES AO FINAL DO SEGUNDO CICLO AVALIATIVO 2004/2012

OS INSTRUMENTOS DE AVALIAÇÃO DO SINAES - DA IMPLANTAÇÃO DO SINAES AO FINAL DO SEGUNDO CICLO AVALIATIVO 2004/2012 OS INSTRUMENTOS DE AVALIAÇÃO DO SINAES DA IMPLANTAÇÃO DO SINAES AO FINAL DO SEGUNDO CICLO AVALIATIVO 2004/2012 Profa. Ms. Fernanda de Cássia Rodrigues Pimenta UNICID 1 fernanda@educationet.com.br Prof.

Leia mais

2. REVISÃO DE LITERATURA 2.1 RESPIRAÇÃO BUCAL

2. REVISÃO DE LITERATURA 2.1 RESPIRAÇÃO BUCAL 17 1. INTRODUÇÃO O padrão de respiração bucal em crianças pode gerar repercussões sistêmicas, levando a consequências negativas na qualidade de vida dos indivíduos devido ao seu impacto pessoal, físico,

Leia mais

21/6/2011. eduardoluizaph@yahoo.com.br

21/6/2011. eduardoluizaph@yahoo.com.br A imagem não pode ser exibida. Talvez o computador não tenha memória suficiente para abrir a imagem ou talvez ela esteja corrompida. Reinicie o computador e abra o arquivo novamente. Se ainda assim aparecer

Leia mais

O Lugar da Educação Infantil nas Políticas para a Primeira Infância. Rio de Janeiro/RJ Setembro/2015

O Lugar da Educação Infantil nas Políticas para a Primeira Infância. Rio de Janeiro/RJ Setembro/2015 SEMINÁRIO NACIONAL CURRÍCULO E AVALIAÇÃO NA EDUCAÇÃO INFANTIL: POLÍTICAS PARA A PRIMEIRA INFÂNCIA O Lugar da Educação Infantil nas Políticas para a Primeira Infância Rio de Janeiro/RJ Setembro/2015 Secretaria

Leia mais

disponibilidade do proprietário. Em geral, a melhor forma de profilaxia consiste na escovação dentária diária em animais de pequeno porte e, três

disponibilidade do proprietário. Em geral, a melhor forma de profilaxia consiste na escovação dentária diária em animais de pequeno porte e, três Perfil do proprietário de cães e gatos da cidade de Jataí GO em relação aos cuidados odontológicos de seus animais RESENDE, Lara Gisele¹; PAIVA, Jacqueline de Brito¹; ARAÚJO, Diego Pereira¹; CARVALHO,

Leia mais

COMUNICADO n o 001/2012 ÁREA DE ENSINO ORIENTAÇÕES PARA NOVOS APCNS 2012 Brasília, 22 de maio de 2012

COMUNICADO n o 001/2012 ÁREA DE ENSINO ORIENTAÇÕES PARA NOVOS APCNS 2012 Brasília, 22 de maio de 2012 COMUNICADO n o 001/2012 ÁREA DE ENSINO ORIENTAÇÕES PARA NOVOS APCNS 2012 Brasília, 22 de maio de 2012 IDENTIFICAÇÃO ÁREA DE AVALIAÇÃO: Ensino PERÍODO DE AVALIAÇÃO: 2012 ANO DE PUBLICAÇÃO DESTE DOCUMENTO:

Leia mais

Curso de Especialização Educação Infantil 2ª Edição EMENTA DAS DISCIPLINAS

Curso de Especialização Educação Infantil 2ª Edição EMENTA DAS DISCIPLINAS Curso de Especialização Educação Infantil 2ª Edição EMENTA DAS DISCIPLINAS Psicologia do Desenvolvimento e Aprendizagem da Criança de 0 a 5 anos Docente do Curso Gilza Maria Zauhy Garms Total da Carga

Leia mais