A FORMAÇÃO DO PEDAGOGO PARA O ATENDIMENTO DE ALUNOS RESPIRADORES ORAIS

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "A FORMAÇÃO DO PEDAGOGO PARA O ATENDIMENTO DE ALUNOS RESPIRADORES ORAIS"

Transcrição

1 A FORMAÇÃO DO PEDAGOGO PARA O ATENDIMENTO DE ALUNOS RESPIRADORES ORAIS JULIANA AMAZILIA NEVES 1 JULIANA GODOI KAZAKEVICH 2 OLINDA TERUKO KAJIHARA 3 Introdução A aprendizagem escolar pode ser prejudicada por vários fatores, como, por exemplo, os orgânicos, que são responsáveis por transtornos no desenvolvimento neurológico da criança que comprometem a aprendizagem da leitura (dislexia), da escrita (disgrafia), da aritmética (discalculia) ou da atenção (transtorno de déficit de atenção com ou sem hiperatividade). Outros fatores orgânicos, não relacionados ao funcionamento do sistema nervoso central, também interferem no desempenho escolar, como, por exemplo, a obstrução das vias aéreas superiores, provocada pela rinite alérgica e pela hipertrofia das tonsilas faríngeas (adenóides). Essas doenças obstrutivas levam a criança a modificar o seu padrão respiratório, de nasal para oral. A rinite alérgica é, atualmente, uma doença muito frequente. Em 2007, foram registrados, nos EUA, 7,4 milhões de casos de crianças com rinite alérgica (BLOOM; COHEN, 2009). O impacto financeiro da rinite alérgica é enorme: em 2002, o custo direto da rinite alérgica nos EUA foi de 7,3 bilhões de dólares, e o indireto (perda de produtividade), de 4,28 bilhões (WALLACE et al., 2008). A cirurgia para a extração das tonsilas (faríngeas e palatinas) é um dos procedimentos cirúrgicos mais realizados em crianças (VAN DEN AKKER et al., 2004). Apesar da alta prevalência dessas duas doenças e do forte impacto que elas provocam no desenvolvimento infantil, a rinite alérgica e a hipertrofia das adenóides são pouco conhecidas pelos professores do Ensino Fundamental, conforme demonstraram Kajihara e Blanco (2007), em pesquisa realizada no Paraná. O pouco espaço que tem sido dado ao tema educação e saúde nos Cursos de Licenciatura em Pedagogia têm contribuído para o baixo nível de conhecimento dos professores sobre os fatores orgânicos que interferem na aprendizagem. Este estudo teve como objetivo avaliar o nível de conhecimento dos alunos de Pedagogia sobre as consequências, no desenvolvimento infantil e no desempenho escolar, das doenças obstrutivas e da respiração oral. O problema da respiração oral na infância: causas e consequências O nariz desempenha funções que são de extrema importância para a manutenção da qualidade de vida: a umidificação, o aquecimento e a filtração do ar inspirado (SANCHEZ, 2004). Entretanto, em algumas situações, o nariz não consegue realizar adequadamente essas funções. Isso ocorre quando alguma doença nas vias áreas superiores passa a obstruir a passagem do ar, como, por exemplo, a rinite alérgica, a hipertrofia das tonsilas faríngeas 1 Acadêmica do Curso de Pedagogia da UEM. 2 Acadêmica do Curso de Pedagogia da UEM. 3 Profa Dra do Departamento de Teoria e Prática da Educação e do Programa de Pós- Graduação em Educação da Universidade Estadual de Maringá

2 (adenóides), a hipertrofia das tonsilas palatinas (amídalas), o desvio do septo nasal e os pólipos nasais (FERREIRA, 1999). A rinite alérgica é a principal causa de respiração oral em crianças (SOLÉ et al, 2006). Ela pode ser definida como uma reação inflamatória da mucosa nasal que é desencadeada pela exposição aos agentes alérgenos (MEYER, 2006), como a poeira, os ácaros, os fungos, o pólen, o epitélio de animais etc. (GALVÃO; CASTRO, 1999). Essa doença é caracterizada pelos seguintes sintomas: prurido nasal, espirros, rinorréia e congestão nasal. Além desses sintomas clássicos, a pessoa pode apresentar, também, distúrbios do sono e fadiga diurna (MEYER, 2006). A rinite é mais frequente entre pessoas com antecedentes familiares de alergia, sem preferência por sexo ou raça, e pode iniciar em qualquer faixa etária, mas é mais comum na infância e adolescência (GALVÃO; CASTRO, 1999). O aumento das tonsilas faríngeas ocorre principalmente na infância, a partir dos 4 anos, pois nessa fase há um maior desenvolvimento do tecido linfóide (MOCELLIN; MAIR, 2007). Em algumas crianças, ocorre o crescimento exagerado das tonsilas. A hipertrofia das tonsilas faríngeas é a segunda causa de respiração oral em crianças (DIFRANCESCO, 1999) e suas principais características são: respiração oral, rinorréia, voz anasalada, sialorréia, ronco noturno e sono agitado (MOCELLIN; MAIR, 2007). Em alguns casos, o aumento excessivo das tonsilas faríngeas leva à apnéia obstrutiva do sono (REILLY, 2003), caracterizada por episódios de obstrução total ou parcial das vias aéreas superiores por períodos de 6 a 15 segundos (NUNES, 2002). As tonsilas palatinas estão localizadas na entrada do trato respiratório e alimentar (PORTINHO, 1999). Em algumas pessoas, elas aumentam exageradamente de tamanho e passam a obstruir toda a porção superior da orofaringe, o que exige tratamento cirúrgico. É grande o número de crianças com obstrução nasal decorrente de desvio de septo (MOCELLIN; MAIR, 2007). Uma das principais causas desse problema é o traumatismo no parto, que se não for diagnosticado nos primeiros anos de vida, poderá acentuar-se e provocar obstrução nasal (SANCHEZ, 2004). Os pólipos nasais são mais frequentes na adolescência (MOCELLIN; MAIR, 2007). Eles consistem em tumores localizados na parede lateral do nariz, e que dificultam a passagem do ar pelas vias aéreas superiores (SLAVIN, 1998). A constante inflamação das vias aéreas superiores contribui para a ocorrência de otite média, doença que afeta a orelha média, o osso mastóide e a tuba auditiva. A otite média aguda (OMA) consiste em infecção da orelha média, e seus sintomas são: otalgia, otorréia e febre. Na otite média secretora (OMS), ocorre efusão na orelha média. Essa doença ocorre no adulto depois de uma gripe, e pode provocar perda auditiva. Já na criança, essa enfermidade pode persistir por até três meses, após uma otite média aguda. A pessoa com otite média crônica (OMC) pode apresentar alterações histológicas irreversíveis da orelha média e, em quase todos os casos, perfuração da membrana timpânica. Essa doença pode ser causada pela repetição da OMA, ou por um único caso de OMA neocrotizante (FIGUEIREDO; WECKX; PIGNATARI, 1997). A obstrução nasal aumenta muito a resistência ao fluxo nasal, e por isso a criança é forçada a respirar pela boca (MOCELLIN; MAIR, 2007). O fato de a respiração ser uma das funções vitais do organismo faz com que, quando a criança é obrigada a mudar o seu padrão respiratório, de nasal para oral, ocorram alterações em vários órgãos e sistemas do corpo (LUSVARGHI, 1999). A respiração oral torna a face da criança alongada e estreita (KRAKAUER, 1995). Os músculos faciais ficam hipotônicos e dão uma aparência de tristeza ao respirador oral. A 182

3 cabeça é estendida para frente para facilitar a entrada do ar (CARVALHO, 2000). A boca constantemente entreaberta faz com que a língua deixe de pressionar o palato, que se torna ogival. A arcada dentária superior tende a se deslocar para frente e para dentro, provocando má oclusão dentária (CINTRA; CASTRO; CINTRA, 2000), e dificuldade de produção dos fonemas /p/, /b/, /m/, /t/, /d/, /n/, /l/, /s/, /z/, /f/ e /v/ (CUNHA et al., 2003). A anteriorização dos ombros e da cabeça modifica a postura corporal, torna as escápulas aladas e comprime a região do tórax, o que compromete a capacidade pulmonar da criança. Ao anteriorizar a cabeça, o respirador oral é obrigado a inclinar o seu corpo para frente; para garantir o equilíbrio, os braços são posicionados para trás, e os pés para dentro (ARAGÃO, 1988). A respiração oral também prejudica o olfato da criança: a diminuição dessa função prejudica o paladar e reduz o apetite da criança. Talvez isso possa explicar as taxas nutricionais alteradas do respirador oral (ROCHA; PINTO; SILVA, 2003). Ele sofre pressão familiar e social para comer de boca fechada, associa alimentação à sensação de sufocação, e por isso desiste de comer. Outros respiradores orais, ao serem pressionados para comer de boca fechada, não mastigam e deglutem o alimento inteiro, empurrando-o com água, sucos ou refrigerantes. Os lábios da criança não realizam vedamento adequado, são secos e com fissuras. O lábio inferior apresenta-se hipotônico e evertido, e o lábio superior torna-se hipertônico e curto (CARVALHO, 1996). Normalmente a criança respiradora oral dorme em decúbito ventral ou lateral, para facilitar a respiração (CARVALHO, 1996). Ela também ronca ou apresenta respiração ruidosa, sono agitado, sialorréia (baba) e enurese (NUNES, 2002). As noites mal dormidas favorecem a fadiga e sonolência diurnas, os quais acabam prejudicando a aprendizagem escolar (ABREU; MORALES; BALLO, 2003). Em relação à aprendizagem escolar, estudos (GODOY, 2003; LEAL, 2004; SILVA, 2005; GOMES 2006) realizados pelo Grupo de Pesquisa Ensino, Aprendizagem e Avaliação Escolar, da Universidade Estadual de Maringá, têm demonstrado que os alunos respiradores do Ensino Fundamental apresentam dificuldade de cópia de texto e de resolução de operações e de problema de matemática decorrentes de desatenção. Método Participaram do estudo 108 acadêmicos do período matutino de um curso de Pedagogia do Paraná, divididos por série em 4 grupos: 1º ano (G1 = 38 alunos), 2º ano (G2 = 24 alunos), 3º ano (G3 = 27 anos) e 4º ano (G4 = 19 alunos). Os acadêmicos responderam, em sala de aula, a um questionário contendo questões abertas sobre rinite alérgica, hipertrofia das tonsilas faríngeas e respiração oral. Participaram da pesquisa apenas os alunos que assinaram o Termo de Consentimento Livre e Esclarecido. O projeto foi aprovado pelo Comitê de Ética da universidade onde os pesquisadores atuam. Resultados e discussão Uma pequena porcentagem dos alunos do 1º (10,53%), do 2º (8,34%), do 3º (3,71%) e do 4º anos (10,53%) possui formação, em nível médio, na modalidade Normal. Os acadêmicos responderam, primeiramente, questões sobre rinite alérgica. Em relação aos alunos que apresentam histórico dessa doença, foram registradas as seguintes porcentagens: 18,42% no 1º 183

4 ano, 29,17% no 2º ano; 14,82% no 3º ano; e 36,84% no 4º ano. A maioria dos alunos tem algum familiar com rinite alérgica (G1, 52,63%; G2, 54,15%; G3, 66,67%; e G4, 47,37%). Foi solicitado aos acadêmicos que definissem rinite alérgica. No 1º e no 2º anos, 50% e 33,34%, respectivamente, disseram que a rinite é uma alergia causada por agentes alérgenos. No 3º ano, 29,63% informaram que a doença obstrui o nariz, faz com que a pessoa respire pela boca, e consiste em uma alergia causada por agentes alérgenos. No 4º ano, 31,58% indicaram que a rinite é uma inflamação e o local onde ela ocorre. De acordo com os alunos do 1º ano, é possível identificar uma criança com rinite alérgica por meio dos seguintes sintomas: espirros (65,79%), congestão nasal (21,05%), prurido nasal nariz e dificuldade de respirar (15,79%). No 2º ano foram citados espirros, congestão nasal e coriza (33,34%); no 3º ano, espirros (70,37%), coriza (33,34%) e congestão nasal (22,22%); e no 4º ano, espirros e prurido nasal (42,11%) e coriza (31,58%). Quanto à forma de tratamento da rinite alérgica, a resposta mais frequente foi medicamentosa (G1, 60,53%; G2 ano, 45,84%; G3, 44,45%; e G4, 52,63%). Em todas as séries, os alunos explicaram que a rinite alérgica prejudica a aprendizagem escolar porque a criança não consegue prestar atenção às aulas (G1, 21,05%; G2, 20,84%; G3, 29,63%; e G4, 26,32%). Questionados sobre o meio como adquiriram os conhecimentos que possuem de rinite alérgica, a resposta mais observada foi por meio de parentes e amigos (G1, 71,05%; G2, 37,5%; G3, 77,78%; e G4, 73,69%). O segundo tema investigado neste estudo foi hipertrofia das tonsilas faríngeas: entre os alunos do 1º ano, apenas 10,53% possuem histórico dessa doença, sendo que o problema foi resolvido ainda na infância ou na adolescência por meio de cirurgia. No grupo do 2º ano, uma pequena porcentagem teve a doença na infância (5,26%) ou na adolescência (4,17%), que foi tratada de forma cirúrgica ou medicamentosa. No grupo do 3º ano, 11,11% tiveram adenóides na infância e foram submetidos à cirurgia. Entre os acadêmicos do 4º ano, 10,53% apresentaram essa doença na infância e realizaram adenoidectomia. A definição mais observada de hipertrofia das tonsilas faríngeas foi uma carne crescida ou esponjosa (G1, 10,53%; G2, 29,17%; e G3, 59,26%). Os alunos do 4º ano responderam inflamação das glândulas nasais que prejudica a respiração (31,58%) e massa esponjosa alterada (21,05%). O pouco conhecimento sobre essa doença foi confirmado pelo pequeno número de sintomas citados pelos participantes: dificuldade de respiração (G1, 21,05%), respiração oral e fala anasalada (G2, 37,5%); e respiração oral (G3, 48,15%; G4, 26,32%). Quanto à forma de tratamento, predominou a resposta cirurgia (G1, 31,58%; G2, 79,17%; G3 77,78%; G4 47,37%), o que é coerente com a noção de que a pessoa tem uma carne ou massa no nariz. Em relação à influência da doença na aprendizagem escolar, 50% dos alunos do 1º ano não souberam responder, e 26,32% forneceram respostas superficiais. No grupo do 2º ano, 20,84% associaram hipertrofia das adenóides com desatenção, má qualidade do sono com desatenção e/ou prejuízo no comportamento diurno. Os grupos do 3º ano (22,22%) e do 4º anos (26,32%) justificaram que os sintomas da enfermidade prejudicam o rendimento escolar. Questionados sobre a forma como adquiriram os conhecimentos sobre a hipertrofia das adenóides, 55,26% do 1º ano não responderam à questão; nas demais séries, a resposta mais observada foi com amigos ou parentes (G2, 62,5%; G3, 81,48%; e G4, 68,42%). O terceiro tema investigado na pesquisa foi respiração oral : apenas 10,52% dos alunos do 1º ano têm esse problema, que se iniciou na infância e ainda não foi resolvido, embora tenham 184

5 recorrido, por exemplo, ao uso de aparelho ortodôntico. No 2º ano, 16,67% disseram que têm respiração oral, e que ela começou na infância. Nos grupos do 3º e do 4º anos, 7,41% e 10,53%, respectivamente, informaram que respiram pela boca e não realizaram nenhum tipo de tratamento. As definições de respiração oral foram muitos superficiais, ou seja, a resposta mais frequente foi é respirar pela boca (G1, 73,68%; G2, 70,84%; G3, 70,37%; e G4, 63,16%). Os participantes conhecem poucas características da criança respiradora oral: em todas as séries, a resposta mais observada foi respira pela boca (G1, 36,84%; G2, 50%; G3, 37,04%; e G4, 21,05%). Em relação à forma de tratamento do problema, 34,21% do 1º ano, 29,17% do 2º ano e 31,58% do 4º ano não souberam informar; 22,22% do 3º ano acreditam que a criança necessita de acompanhamento médico. Os alunos possuem poucos conhecimentos sobre a influência da respiração oral na aprendizagem escolar: no 1º e no 2º anos, 23,68% e 46%, respectivamente, não souberam responder ou deram respostas superficiais. Os alunos do 3º (29,63%) e do 4º (42,11%) anos associaram respiração oral com dificuldade de atenção. A maioria dos 181 participantes do estudo não respondeu à questão sobre a forma como adquiriram os conhecimentos que possuem sobre respiração oral (G1, 34,21%; G2, 41,67%; G3, 66,67%; e G4, 68,42%). Conclusão De forma geral, os alunos do curso de Pedagogia têm um nível de conhecimento sobre a rinite alérgica um pouco maior do que sobre os outros dois temas investigados. Os participantes associam rinite com os agentes que a desencadeiam, assim como reconhecem alguns de seus sintomas clássicos: obstrução nasal, coriza, espirros e prurido nasal. Em relação à hipertrofia das tonsilas faríngeas (adenóides) e à respiração oral, o grupo não possui conhecimentos científicos, visto que as consideram, respectivamente, uma carne crescida ou esponjosa e respirar pela boca. Um ponto em comum nos três temas investigados é que os acadêmicos do curso de Pedagogia desconhecem as consequências das doenças obstrutivas e da respiração oral na aprendizagem oral, assim como a relação entre essas doenças e modificação do padrão respiratório. Portanto, o estudo demonstra que a formação dos pedagogos na área da educação e saúde é muito superficial. Na grade curricular do curso de Pedagogia da instituição onde estudam as participantes desta pesquisa, não há nenhuma disciplina que aborde as conseqüências, no desenvolvimento infantil e na aprendizagem escolar, da respiração oral decorrente de obstrução nasal. Considerando a alta prevalência da rinite alérgica e da hipertrofia das adenóides na população infantil, e que somente é possível evitar as alterações estruturais e funcionais no organismo da criança por meio de identificação e tratamento precoces d respiração oral, é importante que o estudo desses fatores orgânicos que interferem na aprendizagem escolar sejam contemplados no Curso de Licenciatura de Pedagogia. Referências ABREU, A. C. B; MORALES, D. A; BALLO, M. B. J. F. A respiração oral influencia o rendimento escolar? Revista CEFAC - Atualização Científica em Fonoaudiologia, São Paulo, v. 5, n. 1, p ,

6 ARAGÃO, W. Respirador bucal. Jornal de Pediatria, Rio de Janeiro, v. 64, n. 8, p , BLOOM, B.; COHEN. R. A. Summary health statistics for U.S. children: National Health Interview Survey, National Center for Health Statistics. Vital and Health Statistics, Washington, v. 10, n. 239, p. 1-88, CARVALHO, G. D. de. Síndrome do respirador bucal ou insuficiente respirador nasal. Revista Secretários de Saúde, São Paulo, n. 18, p , CARVALHO, M. P. Respiração bucal: uma visão fonoaudiológica na atuação multidisciplinar. Revista de Otorrinolaringologia, São Paulo, v. 7, n. 2, p , CINTRA, C. F. S. C.; CASTRO, F. F. M.; CINTRA, P. P. V. C. As alterações oro-faciais apresentadas em pacientes respiradores bucais. Revista Brasileira de Alergia e Imunopatologia, São Paulo, v. 23, n. 2, p , CUNHA, S. A. da.; JUSTINO, H. da S.; FONTES, M. L.; PAIXÃO, C. Como as alterações do sistema estomatognático podem comprometer a fonoarticulação. Jornal Brasileiro de Fonoaudiologia, Curitiba, v. 4, n. 15, p , DIFRANCESCO, R. C. Respirador bucal: a visão do otorrinolaringologista. Jornal Brasileiro de Fonoaudiologia, Curitiba, n. 1, p , FERREIRA, M. L. A incidência de respiradores bucais em indivíduos com oclusão Classe II. Jornal Brasileiro de Ortodontia e Ortopedia Facial, Curitiba, n. 21, p , FIGUEIREDO, C. R.; WECKX, L. L. M.; PIGNATARI, S. S. N. Otite Média. Revista Brasileira de Medicina, São Paulo, v. 54, p , GALVÃO, C. E. S.; CASTRO, F. M. Rinite alérgica. Revista Brasileira de Medicina, São Paulo, v. 56, n. 12, p , GODOY, M. A. B. Problemas de aprendizagem e de atenção em alunos com obstrução das vias aéreas superiores f. Dissertação (Mestrado em Educação) Universidade Estadual de Maringá, Maringá, GOMES, T. de S. Avaliação do desenvolvimento escolar de alunos respiradores orais f. Dissertação (Mestrado em Educação) - Universidade Estadual de Maringá, Maringá, KAJIHARA, O. T.; BLANCO, P. M. Obstrução nasal e respiração oral: um tema pouco discutido pela educação. In: SEMANA DE PEDAGOGIA DA UEM: VIOLÊNCIA NA ESCOLA E DA ESCOLA, 14., Maringá. Anais... Maringá: Universidade Estadual de Maringá, p

7 KRAKAUER, L. H. Alterações de funções orais nos diversos tipos faciais. IN: MARCHESAN, I. Q.; BOLAFFI, C.; GOMES, I. C. D. Tópicos em fonoaudiologia. Curitiba: Lovise, v. 2. p LEAL, L. D. A hipertrofia das tonsilas faríngeas e suas repercussões na atenção e na aprendizagem escolar f. Dissertação (Mestrado em Educação) Universidade Estadual de Maringá, Maringá, LUSVARGHI, L. Identificando o respirador bucal. Revista da Associação Paulista de Cirurgiões Dentistas, São Paulo, v. 53, n. 4, p , MEYER, A. S. Rinite alérgica. In: LEMOS, C. V. S. (Org.) Manual de terapêutica: pediatria. Blumenau: Nova Letra, p MOCELLIN, M.; MAIR, A. S. Respiração bucal na infância. In: SOCIEDADE BRASILEIRA DE PEDIATRIA. Tratado de pediatria. Barueri: Manole, p NUNES, M. L. Distúrbios do sono. Jornal de Pediatria, Rio de Janeiro, v. 78, p , PORTINHO, F. Principais problemas otorrinolaringológicos na criança. In: LIMA, J. Pediatria essencial. 5. ed. Rio de Janeiro: Atheneu, p REILLY, J. S. Apnéia obstrutiva do sono e roncos em crianças: noções gerais. In: In: SIH, T.; CHINSKI, A.; EAVEY, R. III Manual de otorrinolaringologia pediátrica da IAPO. São Paulo: International Association of Pediatric Otorhinolaryngology, p RIBEIRO, E. C.; SOARES, L. M. Avaliação espirométrica de crianças portadoras de respiração bucal antes e após intervenção fisioterapêutica. Fisioterapia Brasil. v. 4, n. 3, p , ROCHA, F. P.; PINTO, M. M. de A.; SILVA, H. J. da. A diminuição do olfato como uma consequência da respiração oral. Jornal Brasileiro de Fonoaudiologia, Curitiba, v. 14, p , SANCHEZ, T. G. Obstrução nasal na infância. In: MARCONDES, E.; VAZ, F. A. C.; RAMOS, J. L. A.; OKAY, Y. Pediatria básica: pediatria clínica especializada. São Paulo: Sarvier, 2004, p SILVA, M. D. dos S. Problemas de aprendizagem em escolares com rinite alérgica f. Dissertação (Mestrado) - Programa de Pós-Graduação em Educação - Universidade Estadual de Maringá, SLAVIN, R. G. Pólipos nasais e sinusites. JAMA Brasil, Rio de Janeiro, v. 2, n. 5, p ,

8 SOLÉ, D. et al. II Consenso brasileiro sobre rinites Revista Brasileira de Alergia e Imunopatologia, São Paulo, v. 29, n. 1, p , VAN DEN AKKER, E. H. et al. Large internacional differences in (adeno)tonsillectomy rates. Clinical Otolaryngology, Malden, v. 29, p , WALLACE, D. et al. The diagnosis and management of rhinitis: An updated pratice parameter. Journal of Allergy and Clinnical Immunology, New York, v. 122, n. 2, p. S1- S83, Suplemment

RESPIRAÇÃO ORAL, APRENDIZAGEM ESCOLAR E DESENVOLVIMENTO INFANTIL

RESPIRAÇÃO ORAL, APRENDIZAGEM ESCOLAR E DESENVOLVIMENTO INFANTIL RESPIRAÇÃO ORAL, APRENDIZAGEM ESCOLAR E DESENVOLVIMENTO INFANTIL KAZAKEVICH, Juliana Godói (UEM) KAJIHARA, Olinda Teruko (Orientadora/UEM) Agência Financiadora CAPES INTRODUÇÃO A respiração nasal, condição

Leia mais

A FORMAÇÃO DO PROFESSOR DE EDUCAÇÃO INFANTIL PARA A IDENTIFICAÇÃO PRECOCE DE CRIANÇAS RESPIRADORAS ORAIS

A FORMAÇÃO DO PROFESSOR DE EDUCAÇÃO INFANTIL PARA A IDENTIFICAÇÃO PRECOCE DE CRIANÇAS RESPIRADORAS ORAIS A FORMAÇÃO DO PROFESSOR DE EDUCAÇÃO INFANTIL PARA A IDENTIFICAÇÃO PRECOCE DE CRIANÇAS RESPIRADORAS ORAIS JULIANA GODOI KAZAKEVICH 1 JULIANA AMAZILIA NEVES 2 OLINDA TERUKO KAJIHARA 3 Introdução A Constituição

Leia mais

PROBLEMAS DE VOZ EM ALUNOS RESPIRADORES ORAIS: REVISÃO INICIAL DA LITERATURA NACIONAL

PROBLEMAS DE VOZ EM ALUNOS RESPIRADORES ORAIS: REVISÃO INICIAL DA LITERATURA NACIONAL 1 PROBLEMAS DE VOZ EM ALUNOS RESPIRADORES ORAIS: REVISÃO INICIAL DA LITERATURA NACIONAL NISHIMURA, Cintia Megumi KAJIHARA, Olinda Teruko INTRODUÇÃO A respiração é uma função vital que interfere no funcionamento

Leia mais

RESPIRAÇÃO ORAL: UM PROBLEMA A SER ENFRENTADO PELO PROFESSOR NA ATUALIDADE

RESPIRAÇÃO ORAL: UM PROBLEMA A SER ENFRENTADO PELO PROFESSOR NA ATUALIDADE 238 RESPIRAÇÃO ORAL: UM PROBLEMA A SER ENFRENTADO PELO PROFESSOR NA ATUALIDADE Juliana Amazilia Neves (PIC-UEM) julianaamazilia@hotmail.com Juliana Godoi Kazakevich (PIC-UEM) Profa Dra Olinda Teruko Kajihara

Leia mais

Palavras-chave: Respiração oral. Problemas de Aprendizagem. Educação.

Palavras-chave: Respiração oral. Problemas de Aprendizagem. Educação. 1 O PROBLEMA DA OBSTRUÇÃO NASAL NA INFÂNCIA Profa Dra Olinda Teruko Kajihara (DTP- UEM) Juliana Godoi Kazakevich (PIC- UEM) Juliana Amazilia Neves (PIC-UEM) RESUMO Doenças que ocorrem na infância, como,

Leia mais

RESPIRAÇÃO ORAL: UM TEMA QUE PRECISA SER DISCUTIDO PELOS PROFESSORES RESUMO

RESPIRAÇÃO ORAL: UM TEMA QUE PRECISA SER DISCUTIDO PELOS PROFESSORES RESUMO 1 RESPIRAÇÃO ORAL: UM TEMA QUE PRECISA SER DISCUTIDO PELOS PROFESSORES Prof a Dr a Olinda T. Kajihara (UEM/DTP) * Paula Meneguetti Blanco (Bolsista do PIBIC/CNPq-UEM)* Prof a Ms Miriam A. B. Godoy (UEPG/DEMET)*

Leia mais

FORMAÇÃO DE PROFESSORES: NÍVEL DE CONHECIMENTO DOS DOCENTES SOBRE RESPIRAÇÃO ORAL

FORMAÇÃO DE PROFESSORES: NÍVEL DE CONHECIMENTO DOS DOCENTES SOBRE RESPIRAÇÃO ORAL FORMAÇÃO DE PROFESSORES: NÍVEL DE CONHECIMENTO DOS DOCENTES SOBRE RESPIRAÇÃO ORAL Resumo GODOY, Miriam A. B. NRE/PG miriamadalgisa@terra.com.br KAJIHARA, Olinda T. UEM/DTP olindakajihara@hotmail.com Área

Leia mais

AVALIAÇÃO DA APRENDIZAGEM DE CRIANÇAS RESPIRADORAS ORAIS

AVALIAÇÃO DA APRENDIZAGEM DE CRIANÇAS RESPIRADORAS ORAIS AVALIAÇÃO DA APRENDIZAGEM DE CRIANÇAS RESPIRADORAS ORAIS NISHIMURA, Cintia Megumi (UEM) KAJIHARA, Olinda Teruko (Orientadora/UEM) INTRODUÇÃO A respiração é uma função vital que interfere no funcionamento

Leia mais

Londrina, 29 a 31 de outubro de 2007 ISBN 978-85-99643-11-2

Londrina, 29 a 31 de outubro de 2007 ISBN 978-85-99643-11-2 1 AVALIAÇÃO DE PROBLEMAS POSTURAIS EM RESPIRADORAS ORAIS: UM ESTUDO COM ALUNOS DE 5ª SÉRIE Josiane Fujisawa Filus Universidade Adventista de São Paulo (UNASP) Olinda Teruko Kajihara Programa de Pós-graduação

Leia mais

FORMAÇÃO DE PROFESSORES: INTERFACE ENTRE EDUCAÇÃO E SAÚDE

FORMAÇÃO DE PROFESSORES: INTERFACE ENTRE EDUCAÇÃO E SAÚDE FORMAÇÃO DE PROFESSORES: INTERFACE ENTRE EDUCAÇÃO E SAÚDE Resumo GODOY, Miriam Adalgisa Bedim KAJIHARA, Olinda Teruko Eixo Temático: Formação de Professores e Profissionalização Docente Agência Financiadora:

Leia mais

Doenças Respiratórias O QUE SÃO E COMO AS PREVENIR?

Doenças Respiratórias O QUE SÃO E COMO AS PREVENIR? Doenças Respiratórias O QUE SÃO E COMO AS PREVENIR? O NÚMERO DE PESSOAS AFETADAS POR DOENÇAS RESPIRATÓRIAS EVITÁVEIS NÃO PÁRA DE AUMENTAR. AS CRIANÇAS E OS MAIS VELHOS SÃO OS MAIS ATINGIDOS. SÃO DOENÇAS

Leia mais

DISTÚRBIOS RESPIRATÓRIOS DO SONO OBJETIVOS CLASSIFICAÇÃO INTERNACIONAL DOS DISTÚRBIOS DO SONO AASM 2006 CARLOS A A VIEGAS UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA

DISTÚRBIOS RESPIRATÓRIOS DO SONO OBJETIVOS CLASSIFICAÇÃO INTERNACIONAL DOS DISTÚRBIOS DO SONO AASM 2006 CARLOS A A VIEGAS UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA DISTÚRBIOS RESPIRATÓRIOS DO SONO CARLOS A A VIEGAS UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA OBJETIVOS Classificação dos distúrbios do sono Classificação dos distúrbios respiratórios do sono Definições: ronco, ravas (rera),

Leia mais

SINTOMATOLOGIA DO RESPIRADOR ORAL MOUTH BREATHING SYMPTOMS CHRISTHIANE BLANCO PAULO

SINTOMATOLOGIA DO RESPIRADOR ORAL MOUTH BREATHING SYMPTOMS CHRISTHIANE BLANCO PAULO 1 SINTOMATOLOGIA DO RESPIRADOR ORAL MOUTH BREATHING SYMPTOMS CHRISTHIANE BLANCO PAULO Especialização em Motricidade Oral pelo Centro de Especialização em Fonoaudiologia Clínica (CEFAC) Fonoaudióloga Formada

Leia mais

Evidências em Otorrinolaringologia. Índice Temático 2014

Evidências em Otorrinolaringologia. Índice Temático 2014 Evidências em Otorrinolaringologia Temático 2014 Temático OTOLOGIA 3 RINOLOGIA 4 BUCO-FARINGO-LARINGOLOGIA 5 MEDICINA DO SONO 6 CIRURGIA DE CABEÇA E PESCOÇO 7 MEDICINA GERAL 8 http://www.evidenciasemorl.com.br

Leia mais

PUCPR - O.R.T.O.D.O.N.T.I.A - GRADUAÇÃO E PÓS-GRADUAÇÃO F I C H A C L Í N I C A Nome do/a Paciente: Número: 1.0 IDENTIFICAÇÃO DO PACIENTE 1.1 Nome: 1.2 Data de Nascimento: Sexo: F M Idade: 1.3 Peso: Kg

Leia mais

O ESTADO DO CONHECIMENTO DO DESEMPRENHO ESCOLAR DE ALUNOS COM OBSTRUÇÃO NASAL RESPIRAÇÃO ORAL

O ESTADO DO CONHECIMENTO DO DESEMPRENHO ESCOLAR DE ALUNOS COM OBSTRUÇÃO NASAL RESPIRAÇÃO ORAL O ESTADO DO CONHECIMENTO DO DESEMPRENHO ESCOLAR DE ALUNOS COM OBSTRUÇÃO NASAL RESPIRAÇÃO ORAL Resumo Rosângela Aparecida Paoletto 1 - UNICENTRO Miriam Adalgisa Bedim Godoy 2 - UNICENTRO Grupo de Trabalho

Leia mais

o Ressonar e a Apneia de Sono

o Ressonar e a Apneia de Sono o Ressonar e a Apneia de Sono sintomas diagnóstico tratamento O ressonar apesar de ser comum, fonte de brincadeiras e aceite como normal na população em geral é de facto uma perturbação que não deve ser

Leia mais

Cuidando dos ouvidos,

Cuidando dos ouvidos, Tania Sih Ricardo Godinho Cuidando dos ouvidos, nariz e garganta das crianças Guia de orientação São Paulo 2009 2008 Tania Sih, Ricardo Godinho PROJETO GRÁFICO E CAPA: João Baptista da Costa Aguiar ILUSTRAÇÕES:

Leia mais

ASSOCIAÇÃO CULTURAL EDUCACIONAL DE ITAPEVA FACULDADE DE CIÊNCIAS SOCIAIS E AGRÁRIAS DE ITAPEVA

ASSOCIAÇÃO CULTURAL EDUCACIONAL DE ITAPEVA FACULDADE DE CIÊNCIAS SOCIAIS E AGRÁRIAS DE ITAPEVA ASSOCIAÇÃO CULTURAL EDUCACIONAL DE ITAPEVA FACULDADE DE CIÊNCIAS SOCIAIS E AGRÁRIAS DE ITAPEVA SIMPÓSIO APNEIA OBSTRUTIVA DO SONO EM CRIANÇAS Itapeva São Paulo Brasil ASSOCIAÇÃO CULTURAL EDUCACIONAL DE

Leia mais

www.cpsol.com.br TEMA 003 CONHEÇA E PREVINA AS DOENÇAS DO INVERNO

www.cpsol.com.br TEMA 003 CONHEÇA E PREVINA AS DOENÇAS DO INVERNO TEMA 003 CONHEÇA E PREVINA AS DOENÇAS DO INVERNO 1/8 O inverno chegou e junto com ele maiores problemas com as doenças respiratórias entre outras Isso não ocorre por acaso já que pé nesta estação onde

Leia mais

SISTEMA RESPIRATÓRIO

SISTEMA RESPIRATÓRIO ANATOMIA HUMANA I SISTEMA RESPIRATÓRIO Prof. Me. Fabio Milioni Roteiro Sistema Respiratório Conceito Função Divisão Estruturas Nariz Faringe Laringe Traquéia e Brônquios Pulmão Bronquíolos e Alvéolos 1

Leia mais

O Papel da Hipertrofia Adenotonsilar na Síndrome do Respirador Bucal

O Papel da Hipertrofia Adenotonsilar na Síndrome do Respirador Bucal O Papel da Hipertrofia Adenotonsilar na Síndrome do Respirador Bucal Mesa Redonda Moderador: Paulo L. Pontes Participantes: Ana Tereza Britto, Gabriela D. de Carvalho, Marcos Mocellin e Ricardo Godinho

Leia mais

Otite média aguda em crianças Resumo de diretriz NHG M09 (segunda revisão, fevereiro 2013)

Otite média aguda em crianças Resumo de diretriz NHG M09 (segunda revisão, fevereiro 2013) Otite média aguda em crianças Resumo de diretriz NHG M09 (segunda revisão, fevereiro 2013) Damoiseaux RAMJ, Van Balen FAM, Leenheer WAM, Kolnaar BGM traduzido do original em holandês por Luiz F.G. Comazzetto

Leia mais

Prefeitura Municipal de Porto Alegre Secretaria Municipal de Saúde Coordenação da Rede de Atenção Primária em Saúde (CGRAPS) Área Técnica de Saúde

Prefeitura Municipal de Porto Alegre Secretaria Municipal de Saúde Coordenação da Rede de Atenção Primária em Saúde (CGRAPS) Área Técnica de Saúde Prefeitura Municipal de Porto Alegre Secretaria Municipal de Saúde Coordenação da Rede de Atenção Primária em Saúde (CGRAPS) Área Técnica de Saúde Bucal HIGIENE BUCAL NA PRIMEIRA INFÂNCIA A finalidade

Leia mais

DOENÇAS RESPIRATÓRIAS. Professora: Sabrina Cunha da Fonseca

DOENÇAS RESPIRATÓRIAS. Professora: Sabrina Cunha da Fonseca DOENÇAS RESPIRATÓRIAS Professora: Sabrina Cunha da Fonseca Os locais de trabalho têm oferecido, cada vez mais, ambientes poluídos por diversos elementos, gasosos e sólidos, presentes no ar como gases e

Leia mais

Otite externa Resumo de diretriz NHG M49 (primeira revisão, dezembro 2005)

Otite externa Resumo de diretriz NHG M49 (primeira revisão, dezembro 2005) Otite externa Resumo de diretriz NHG M49 (primeira revisão, dezembro 2005) Rooijackers-Lemmens E, Van Balen FAM, Opstelten W, Wiersma Tj traduzido do original em holandês por Luiz F.G. Comazzetto 2014

Leia mais

Lembrete: Antes de começar a copiar cada unidade, coloque o cabeçalho da escola e a data! CIÊNCIAS - UNIDADE 4 RESPIRAÇÃO E EXCREÇÃO

Lembrete: Antes de começar a copiar cada unidade, coloque o cabeçalho da escola e a data! CIÊNCIAS - UNIDADE 4 RESPIRAÇÃO E EXCREÇÃO Lembrete: Antes de começar a copiar cada unidade, coloque o cabeçalho da escola e a data! Use canetas coloridas ou escreva palavras destacadas, para facilitar na hora de estudar. E capriche! Não se esqueça

Leia mais

SISTEMA RESPIRATÓRIO. Prof. Me. Leandro Parussolo

SISTEMA RESPIRATÓRIO. Prof. Me. Leandro Parussolo SISTEMA RESPIRATÓRIO Prof. Me. Leandro Parussolo SISTEMA RESPIRATÓRIO Permite o transporte de O2 para o sangue (a fim de ser distribuído para as células); Remoção de do CO2 (dejeto do metabolismo celular)

Leia mais

ORIENTAÇÕES PÓS-OPERATÓRIAS ADENOIDECTOMIA:

ORIENTAÇÕES PÓS-OPERATÓRIAS ADENOIDECTOMIA: ORIENTAÇÕES PÓS-OPERATÓRIAS ADENOIDECTOMIA: essa é uma cirurgia feita através da boca, onde se remove a adenóide, dessa forma desobstruindo as vias respiratórias altas. Há um folclore em se dizer que há

Leia mais

Aula 12: Doenças do sistema respiratório

Aula 12: Doenças do sistema respiratório Aula 12: Doenças do sistema respiratório Doenças do sistema respiratório Doenças respiratórias são aquelas que atingem órgãos do sistema respiratório (pulmões, boca, faringe, fossas nasais, laringe, brônquios,

Leia mais

Introdução. ATB na infância. ( Schappert, 1992 ). Primeiros anos de vida. ( Alho; Koivu; Sorri, 1991). Aleitamento materno. Creches e berçários.

Introdução. ATB na infância. ( Schappert, 1992 ). Primeiros anos de vida. ( Alho; Koivu; Sorri, 1991). Aleitamento materno. Creches e berçários. Introdução ATB na infância. ( Schappert, 1992 ). Primeiros anos de vida. ( Alho; Koivu; Sorri, 1991). Aleitamento materno. Creches e berçários. Definições Otite média aguda(oma): É a presença de secreção

Leia mais

Ficha Informativa da Área dos Conhecimentos

Ficha Informativa da Área dos Conhecimentos Ficha Informativa da Área dos Conhecimentos 1 Organização das Aulas Uma aula de Educação Física é composta por três partes sequenciais, cada uma com objetivos específicos. 1.1 Parte Inicial A parte inicial

Leia mais

XIII Encontro de Iniciação Científica IX Mostra de Pós-graduação 06 a 11 de outubro de 2008 BIODIVERSIDADE TECNOLOGIA DESENVOLVIMENTO

XIII Encontro de Iniciação Científica IX Mostra de Pós-graduação 06 a 11 de outubro de 2008 BIODIVERSIDADE TECNOLOGIA DESENVOLVIMENTO XIII Encontro de Iniciação Científica IX Mostra de Pós-graduação 06 a 11 de outubro de 2008 BIODIVERSIDADE TECNOLOGIA DESENVOLVIMENTO EPB0576 ALTERAÇÕES DO SONO E TRANSTORNO DÉFICIT DE ATENÇÃO E HIPERATIVIDADE

Leia mais

Estes artigos estão publicados no sítio do Consultório de Pediatria do Dr. Paulo Coutinho. http://www.paulocoutinhopediatra.pt

Estes artigos estão publicados no sítio do Consultório de Pediatria do Dr. Paulo Coutinho. http://www.paulocoutinhopediatra.pt Estes artigos estão publicados no sítio do Consultório de Pediatria do Dr. Paulo Coutinho. Pág. 01 A bronquiolite é uma infeção respiratória causada por vírus, ocorrendo em crianças com menos de 2 anos.

Leia mais

TERMO DE CONSENTIMENTO LIVRE E ESCLARECIDO

TERMO DE CONSENTIMENTO LIVRE E ESCLARECIDO TERMO DE CONSENTIMENTO LIVRE E ESCLARECIDO O(A) paciente, ou seu responsável, declara, para todos os fins legais, especialmente do disposto no artigo 39, VI, da Lei, 8.078/90 que dá plena autorização ao

Leia mais

Doenças Respiratórias Crônicas. Caderno de Atenção Básica 25

Doenças Respiratórias Crônicas. Caderno de Atenção Básica 25 Doenças Respiratórias Crônicas Caderno de Atenção Básica 25 PREVALÊNCIA O Asma (acomete cerca de 300 milhões de indivíduos no mundo) O Rinite Alérgica (afeta cerca de 20 25% da população) O DPOC (afeta

Leia mais

OTRABALHO NOTURNO E A SAÚDE DO TRABALHADOR: ESTUDO EXPLORATÓRIO EM TAUBATÉ E SÃO JOSÉ DOS CAMPOS

OTRABALHO NOTURNO E A SAÚDE DO TRABALHADOR: ESTUDO EXPLORATÓRIO EM TAUBATÉ E SÃO JOSÉ DOS CAMPOS OTRABALHO NOTURNO E A SAÚDE DO TRABALHADOR: ESTUDO EXPLORATÓRIO EM TAUBATÉ E SÃO JOSÉ DOS CAMPOS Tatiane Paula de Oliveira 1, Adriana Leonidas de Oliveira (orientadora) 2 1 Universidade de Taubaté/ Departamento

Leia mais

Cirurgia Ortognática e Estética Facial: Qual sua importância na Odontologia Integrada?

Cirurgia Ortognática e Estética Facial: Qual sua importância na Odontologia Integrada? Cirurgia Ortognática e Estética Facial: Qual sua importância na Odontologia Integrada? A avaliação da estética facial, bem como sua relação com a comunicação e expressão da emoção, é parte importante no

Leia mais

MELHORA NO PADRÃO DE TONICIDADE MUSCULAR DE PACIENTES COM SÍNDROME DE DOWN ESTIMULADOS PRECOCEMENTE

MELHORA NO PADRÃO DE TONICIDADE MUSCULAR DE PACIENTES COM SÍNDROME DE DOWN ESTIMULADOS PRECOCEMENTE MELHORA NO PADRÃO DE TONICIDADE MUSCULAR DE PACIENTES COM SÍNDROME DE DOWN ESTIMULADOS PRECOCEMENTE Karla Larissa Vas Estero 1, Lizzie Ramos Moretti 1, Luciana Manzotti de Marchi 2, Maria Paula Jacobucci

Leia mais

www.drapriscilaalves.com.br [COMPLEXO RESPIRATÓRIO VIRAL FELINO]

www.drapriscilaalves.com.br [COMPLEXO RESPIRATÓRIO VIRAL FELINO] [COMPLEXO RESPIRATÓRIO VIRAL FELINO] 2 Complexo Respiratório Viral Felino É um conjunto de sintomas causado pelas doenças Rinotraqueíte Felina e Calicivirose Felina. São doenças virais cujos sinais clínicos

Leia mais

As disfunções respiratórias são situações que necessitam de intervenções rápidas e eficazes, pois a manutenção da função

As disfunções respiratórias são situações que necessitam de intervenções rápidas e eficazes, pois a manutenção da função As disfunções respiratórias são situações que necessitam de intervenções rápidas e eficazes, pois a manutenção da função respiratória é prioritária em qualquer situação de intercorrência clínica. O paciente

Leia mais

SISTEMA RESPIRATÓRIO. Prof.: Lazaro Antonio dos Santos

SISTEMA RESPIRATÓRIO. Prof.: Lazaro Antonio dos Santos SISTEMA RESPIRATÓRIO Prof.: Lazaro Antonio dos Santos SISTEMA RESPIRATÓRIO CONCEITO Conjunto de órgãos que nutrem o organismo por meio de alimentos no estado gasoso, completando a função do Sistema Digestório.

Leia mais

Representa o efeito funcional de uma doença e do seu tratamento sobre o paciente, como é percebido pelo próprio paciente (Schipper, 1990)

Representa o efeito funcional de uma doença e do seu tratamento sobre o paciente, como é percebido pelo próprio paciente (Schipper, 1990) Representa o efeito funcional de uma doença e do seu tratamento sobre o paciente, como é percebido pelo próprio paciente (Schipper, 1990) < 10% 10 to < 20% 20% Inflamação mucosa nasal Sintomas Consequências

Leia mais

CADEIAS MUSCULARES CADEIAS MUSCULARES CADEIAS MUSCULARES CADEIAS MUSCULARES. Dra. Adriana Tessitore. CADEIAS MUSCULARES aplicada à

CADEIAS MUSCULARES CADEIAS MUSCULARES CADEIAS MUSCULARES CADEIAS MUSCULARES. Dra. Adriana Tessitore. CADEIAS MUSCULARES aplicada à aplicada à 1 MOTRICIDADE OROFACIAL 2 MOTRICIDADE OROFACIAL Motricidade Orofacial é o campo da Fonoaudiologia voltado para o estudo/pesquisa, prevenção, avaliação, diagnóstico, desenvolvimento, habilitação,

Leia mais

Mau desempenho escolar

Mau desempenho escolar Mau desempenho escolar Dra Juliana Gurgel Giannetti Neuropediatra Professora Associada do Depto. de Pediatria - UFMG Coordenadora da Residência de Neuropediatria do Hospital das Clínicas / UFMG Mau desempenho

Leia mais

QUEIXAS E SINTOMAS VOCAIS PRÉ FONOTERAPIA EM GRUPO

QUEIXAS E SINTOMAS VOCAIS PRÉ FONOTERAPIA EM GRUPO QUEIXAS E SINTOMAS VOCAIS PRÉ FONOTERAPIA EM GRUPO [ALMEIDA, Anna Alice Figueirêdo de; SILVA, Priscila Oliveira Costa; FERNANDES, Luana Ramos; SOUTO, Moama Araújo; LIMA-SILVA, Maria Fabiana Bonfim] Centro

Leia mais

Educação e Saúde Profa Vânia Vieira Costa

Educação e Saúde Profa Vânia Vieira Costa Educação e Saúde Profa Vânia Vieira Costa Aula IV 15/05/2012 AULA DE HOJE Saúde Bucal Saúde Ocular TDAH Google imagens A boca não apenas como um órgão http://www.fotosearch.com.br/ www.mesarubra.blogger.com.br/boca.jpg

Leia mais

O que o fonoaudiólogo pode realizar nas duas áreas novas: Disfagia e Fonoeducacional?

O que o fonoaudiólogo pode realizar nas duas áreas novas: Disfagia e Fonoeducacional? O que o fonoaudiólogo pode realizar nas duas áreas novas: Disfagia e Fonoeducacional? Apresentadoras: Julia Speranza Zabeu Ana Paula Corrêa Orientadora: Profa. Dra. Andrea Cintra Lopes O que é a fonoaudiologia?

Leia mais

SUMÁRIO. Sobre o curso Pág. 3. Etapas do Processo Seletivo Pág. 5. Cronograma de Aulas Pág. 8. Coordenação Programa e metodologia; Investimento

SUMÁRIO. Sobre o curso Pág. 3. Etapas do Processo Seletivo Pág. 5. Cronograma de Aulas Pág. 8. Coordenação Programa e metodologia; Investimento 1 SUMÁRIO Sobre o curso Pág. 3 Coordenação Programa e metodologia; Investimento 3 3 5 Etapas do Processo Seletivo Pág. 5 Matrícula 7 Cronograma de Aulas Pág. 8 2 PÓS-GRADUAÇÃO EM DOR Unidade Dias e Horários

Leia mais

Vídeo Caseiro para Avaliação da Criança que Ronca

Vídeo Caseiro para Avaliação da Criança que Ronca Vídeo Caseiro para Avaliação da Criança que Ronca Federico Murillo González Giselle, cinco anos de idade, ronca e acorda constantemente à noite, tem respiração bucal durante o dia, precisa interromper

Leia mais

SECRETARIA ESTADUAL DA SAÚDE HOSPITAL INFANTIL JOANA DE GUSMÃO RESPONSÁVEL: DRA MARIA CRISTINA DE SOUZA NETO ALTERADA: 10/07/2013

SECRETARIA ESTADUAL DA SAÚDE HOSPITAL INFANTIL JOANA DE GUSMÃO RESPONSÁVEL: DRA MARIA CRISTINA DE SOUZA NETO ALTERADA: 10/07/2013 SECRETARIA ESTADUAL DA SAÚDE HOSPITAL INFANTIL JOANA DE GUSMÃO PROTOCOLO DE ATENDIMENTO ROTINA: NUMERO 02 2013 TÍTULO: OTITE MÉDIA AGUDA FLUXOGRAMA IMPLANTAÇÃO: SETOR: EMERGÊNCIA EXTERNA HIJG VERSÃO: 02

Leia mais

Paralisia facial periférica Resumo de diretriz NHG M93 (agosto 2010)

Paralisia facial periférica Resumo de diretriz NHG M93 (agosto 2010) Paralisia facial periférica Resumo de diretriz NHG M93 (agosto 2010) Klomp MA, Striekwold MP, Teunissen H, Verdaasdonk AL traduzido do original em holandês por Luiz F.G. Comazzetto 2014 autorização para

Leia mais

AMAMENTAÇÃO NA SÍNDROME DE DOWN: O CONHECIMENTO DAS MÃES SOBRE A POSTURA MÃE/BEBÊ

AMAMENTAÇÃO NA SÍNDROME DE DOWN: O CONHECIMENTO DAS MÃES SOBRE A POSTURA MÃE/BEBÊ ISBN 978-85-61091-05-7 V EPCC Encontro Internacional de Produção Científica Cesumar 27 a 30 de outubro de 2009 AMAMENTAÇÃO NA SÍNDROME DE DOWN: O CONHECIMENTO DAS MÃES SOBRE A POSTURA MÃE/BEBÊ Camila de

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE MARINGÁ PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM EDUCAÇÃO: MESTRADO Área de Concentração: Educação

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE MARINGÁ PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM EDUCAÇÃO: MESTRADO Área de Concentração: Educação UNIVERSIDADE ESTADUAL DE MARINGÁ PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM EDUCAÇÃO: MESTRADO Área de Concentração: Educação AVALIAÇÃO AUDIOLÓGICA E ESCOLAR DE CRIANÇAS RESPIRADORAS ORAIS PAULA FABIANA ANGELI BELASQUE

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE VIÇOSA PRÓ-REITORIA DE ENSINO DEPARTAMENTO DE MEDICINA E ENFERMAGEM SELEÇÃO DE MONITOR NÍVEL I EDITAL Nº 02/2014/DEM

UNIVERSIDADE FEDERAL DE VIÇOSA PRÓ-REITORIA DE ENSINO DEPARTAMENTO DE MEDICINA E ENFERMAGEM SELEÇÃO DE MONITOR NÍVEL I EDITAL Nº 02/2014/DEM UNIVERSIDADE FEDERAL DE VIÇOSA PRÓ-REITORIA DE ENSINO DEPARTAMENTO DE MEDICINA E ENFERMAGEM SELEÇÃO DE MONITOR NÍVEL I EDITAL Nº 02/2014/DEM 1. A Universidade Federal de Viçosa, através do presente edital,

Leia mais

A investigação da dor no paciente idoso e ardência bucal. Paulo Pimentel

A investigação da dor no paciente idoso e ardência bucal. Paulo Pimentel A investigação da dor no paciente idoso e ardência bucal Paulo Pimentel Sistema Estomatognático Mastigação, fala, digestão e deglutição Paladar, respiração Defesa e reconhecimento imunológico Estética,

Leia mais

Apnéia do Sono e Ronco Guia Rápido

Apnéia do Sono e Ronco Guia Rápido Homehealth provider Apnéia do Sono e Ronco Guia Rápido Ronco: atrás do barulho, um problema de saúde mais sério www.airliquide.com.br O que é Apnéia do Sono? Apnéia do sono é uma síndrome que pode levar

Leia mais

AUTISMO E TDAH: O DESAFIO DA INCLUSÃO. Prof. Dr. Carlo Schmidt. Prof. Adjunto da CE/UFSM Depto. Educação Especial

AUTISMO E TDAH: O DESAFIO DA INCLUSÃO. Prof. Dr. Carlo Schmidt. Prof. Adjunto da CE/UFSM Depto. Educação Especial AUTISMO E TDAH: O DESAFIO DA INCLUSÃO Prof. Dr. Carlo Schmidt Prof. Adjunto da CE/UFSM Depto. Educação Especial INTRODUÇÃO Caracterização: Do que estamos falando? TDAH Autismo O que essas condições têm

Leia mais

CAPACIDADE PULMONAR E FORÇA MUSCULAR RESPIRATÓRIA EM OBESOS

CAPACIDADE PULMONAR E FORÇA MUSCULAR RESPIRATÓRIA EM OBESOS 25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 CAPACIDADE PULMONAR E FORÇA MUSCULAR RESPIRATÓRIA EM OBESOS Diego de Faria Sato 1 ; Sonia Maria Marques Gomes Bertolini 2 RESUMO: A obesidade é considerada

Leia mais

RESPIRADOR ORAL. Raquel Pitchon dos Reis e Departamento de Alergia e Imunologia da SBP

RESPIRADOR ORAL. Raquel Pitchon dos Reis e Departamento de Alergia e Imunologia da SBP RESPIRADOR ORAL Raquel Pitchon dos Reis e Departamento de Alergia e Imunologia da SBP Especialista em Pediatria Especialista em Alergia e Imunologia Especialista em Alergia e Imunologia Pediátrica Coordenadora

Leia mais

Transtorno de Déficit de Atenção e Hiperatividade (TDAH) em sala de aula

Transtorno de Déficit de Atenção e Hiperatividade (TDAH) em sala de aula Transtorno de Déficit de Atenção e Hiperatividade (TDAH) em sala de aula Quem são estas crianças? SISTEMA NERVOSO SISTEMA NERVOSO ORDENADOR QUE ASSEGURA A INTEGRAÇÃO RECEBIDA DO MUNDO EXTERIOR E DO PRÓPRIO

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE MARINGÁ PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM EDUCAÇÃO: MESTRADO Área de Concentração: Educação Escolar

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE MARINGÁ PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM EDUCAÇÃO: MESTRADO Área de Concentração: Educação Escolar UNIVERSIDADE ESTADUAL DE MARINGÁ PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM EDUCAÇÃO: MESTRADO Área de Concentração: Educação Escolar ESTUDO DE PROBLEMAS POSTURAIS E DE APRENDIZAGEM EM ALUNOS RESPIRADORES ORAIS JOSIANE

Leia mais

A respiração ocorre dia e noite, sem parar. Nós podemos sobreviver determinado tempo sem alimentação, mas não conseguimos ficar sem respirar por mais

A respiração ocorre dia e noite, sem parar. Nós podemos sobreviver determinado tempo sem alimentação, mas não conseguimos ficar sem respirar por mais PROFESSORA NAIANE A respiração ocorre dia e noite, sem parar. Nós podemos sobreviver determinado tempo sem alimentação, mas não conseguimos ficar sem respirar por mais de alguns poucos minutos. Você sabe

Leia mais

RESPIRAÇÃO ORAL: UM PROBLEMA QUE PODE COMPROMETER O DESENVOLVIMENTO INFANTIL

RESPIRAÇÃO ORAL: UM PROBLEMA QUE PODE COMPROMETER O DESENVOLVIMENTO INFANTIL RESPIRAÇÃO ORAL: UM PROBLEMA QUE PODE COMPROMETER O DESENVOLVIMENTO INFANTIL FURTUOSO, Patrícia (UEM) KAJIHARA, Olinda Teruko (Orientadora/UEM) Introdução A respiração é a função vital que possibilita

Leia mais

NOVEMBRO DOURADO VIVA ESTA IDEIA! VENHA PARTICIPAR!

NOVEMBRO DOURADO VIVA ESTA IDEIA! VENHA PARTICIPAR! NOVEMBRO DOURADO VIVA ESTA IDEIA! VENHA PARTICIPAR! Serviço de OncoHematologia do HIJG DIA NACIONAL DE COMBATE AO CÂNCER NA CRIANÇA E NO ADOLESCENTE O Dia Nacional de Combate ao Câncer Infantojuvenil (lei

Leia mais

Infecções de Vias Aéreas Superiores

Infecções de Vias Aéreas Superiores Infecções de Vias Aéreas Superiores As infecções das vias aéreas superiores (IVAS) são um dos problemas mais comuns encontrados em serviços de atendimento médico pediátricos, resultando em uma morbidade

Leia mais

RELAÇÃO DA POSTURA ADOTADA PARA DORMIR E A QUEIXA DE LOMBALGIA

RELAÇÃO DA POSTURA ADOTADA PARA DORMIR E A QUEIXA DE LOMBALGIA ISBN 978-85-61091-05-7 V EPCC Encontro Internacional de Produção Científica Cesumar 27 a 30 de outubro de 2009 RELAÇÃO DA POSTURA ADOTADA PARA DORMIR E A QUEIXA DE LOMBALGIA Fernanda Cristina Pereira 1

Leia mais

COLÉGIO ALEXANDER FLEMING SISTEMA RESPIRATÓRIO. Profª Fernanda Toledo

COLÉGIO ALEXANDER FLEMING SISTEMA RESPIRATÓRIO. Profª Fernanda Toledo COLÉGIO ALEXANDER FLEMING SISTEMA RESPIRATÓRIO Profª Fernanda Toledo RECORDAR Qual a função do alimento em nosso corpo? Por quê comer????? Quando nascemos, uma das primeiras atitudes do nosso organismo

Leia mais

A NATAÇÃO E OS OUVIDOS

A NATAÇÃO E OS OUVIDOS A NATAÇÃO E OS OUVIDOS Colaboração Dr. Clemente Isnard Ribeiro de Almeida A natação é sem dúvida o esporte mais completo e menos sujeito a acidentes, entretanto o nariz e os ouvidos estão predispostos

Leia mais

Fique atento ao abuso de antibióticos na pediatria

Fique atento ao abuso de antibióticos na pediatria Fique atento ao abuso de antibióticos na pediatria Criado em 22/04/15 10h50 e atualizado em 22/04/15 11h27 Por Sociedade Brasileira de Pediatria Para se ter sucesso no tratamento da criança alérgica ou

Leia mais

DOCENTES DO CURSO DE JORNALISMO: CONHECIMENTO SOBRE SAÚDE VOCAL

DOCENTES DO CURSO DE JORNALISMO: CONHECIMENTO SOBRE SAÚDE VOCAL DOCENTES DO CURSO DE JORNALISMO: CONHECIMENTO SOBRE SAÚDE VOCAL Rayné Moreira Melo Santos (CESMAC) raynefono@yahoo.com.br Rozana Machado Bandeira de Melo (CESMAC) rmbmelo@ig.com.br Zelita Caldeira Ferreira

Leia mais

2. REVISÃO DE LITERATURA 2.1 RESPIRAÇÃO BUCAL

2. REVISÃO DE LITERATURA 2.1 RESPIRAÇÃO BUCAL 17 1. INTRODUÇÃO O padrão de respiração bucal em crianças pode gerar repercussões sistêmicas, levando a consequências negativas na qualidade de vida dos indivíduos devido ao seu impacto pessoal, físico,

Leia mais

A AMAMENTAÇÃO PODE PREVENIR A OTITE EM LACTENTES?

A AMAMENTAÇÃO PODE PREVENIR A OTITE EM LACTENTES? 26 a 29 de outubro de 2010 ISBN 978-85-61091-69-9 A AMAMENTAÇÃO PODE PREVENIR A OTITE EM LACTENTES? Francis Farias de Oliveira 1 ; Raquel Colombo Tixiliski Karolkievicz 1 ; Cristiane Faccio Gomes 2 RESUMO:

Leia mais

21/6/2011. eduardoluizaph@yahoo.com.br

21/6/2011. eduardoluizaph@yahoo.com.br A imagem não pode ser exibida. Talvez o computador não tenha memória suficiente para abrir a imagem ou talvez ela esteja corrompida. Reinicie o computador e abra o arquivo novamente. Se ainda assim aparecer

Leia mais

RESPOSTAS para FREQUENTES

RESPOSTAS para FREQUENTES RESPOSTAS para PERGUNTAS FREQUENTES NA ÁREA de motricidade orofacial A Motricidade Orofacial á a área da Fonoaudiologia que estuda a musculatura dos lábios, língua, bochechas e face e as funções a elas

Leia mais

Londrina, 29 a 31 de outubro de 2007 ISBN 978-85-99643-11-2

Londrina, 29 a 31 de outubro de 2007 ISBN 978-85-99643-11-2 CORRELAÇÃO ENTRE RESPIRAÇÃO ORAL E DISTÚRBIO DE LEITURA ESCRITA EM CRIANÇAS DE SEGUNDA E TERCEIRA SÉRIE Maquielli Salanti Universidade Estadual do Centro-Oeste Patrícia Aspilicueta - Universidade Estadual

Leia mais

TERMO DE CONSENTIMENTO LIVRE E ESCLARECIDO

TERMO DE CONSENTIMENTO LIVRE E ESCLARECIDO TERMO DE CONSENTIMENTO LIVRE E ESCLARECIDO O(A) paciente, ou seu responsável, declara, para todos os fins legais, especialmente do disposto no artigo 39, VI, da Lei, 8.078/90 que dá plena autorização ao

Leia mais

Reabilitação cirúrgica dos Fissurados de lábio e palato. M.Sc.Viviane Marques

Reabilitação cirúrgica dos Fissurados de lábio e palato. M.Sc.Viviane Marques Reabilitação cirúrgica dos Fissurados de lábio e palato M.Sc.Viviane Marques DIAGNÓSTICO 1º diagnóstico: Através da ultrasonografia (Entre a 12ª e 14ª semana de gestação). O diagnóstico das fissuras submucosa

Leia mais

Mitos e Verdades sobre Alergia Alimentar e Otites e Sinusites

Mitos e Verdades sobre Alergia Alimentar e Otites e Sinusites Mitos e Verdades sobre Alergia Alimentar e Otites e Sinusites Dr. Manoel de Nóbrega Alergia alimentar Leite de vaca Alergia ao leite de vaca afeta 2 a 3% das crianças até 34 meses de idade. Ampla variedade

Leia mais

Ronco e Apneia Riscos, Diagnóstico e Tratamentos

Ronco e Apneia Riscos, Diagnóstico e Tratamentos Ronco e Apneia Riscos, Diagnóstico e Tratamentos 2016 Jorge Machado Caram Ronco e Apneia Riscos, Diagnóstico e Tratamentos Jorge Machado Caram Belo Horizonte MG www.drjorgecaram.com.br EditoraA Contagem

Leia mais

Quinta Edição/2015 Quinta Região de Polícia Militar - Quarta Companhia Independente

Quinta Edição/2015 Quinta Região de Polícia Militar - Quarta Companhia Independente GRIPE X RESFRIADO GRIPE e RESFRIADO são as mesmas coisas? Não. A gripe é uma doença grave, contagiosa, causada pelo vírus Influenza (tipos A,B e C) e o resfriado é menos agressivo e de menor duração, causado

Leia mais

Programa RespirAr. Asma e bronquite sem crise. RespirAr

Programa RespirAr. Asma e bronquite sem crise. RespirAr Programa RespirAr. Asma e bronquite sem crise. RespirAr Prevenir é o melhor remédio para uma boa saúde, evitando-se as doenças e suas complicações. Problemas respiratórios, por exemplo, podem se tornar

Leia mais

A Importância da Saúde Bucal. na Saúde Geral

A Importância da Saúde Bucal. na Saúde Geral PALESTRA A Importância da Saúde Bucal na Saúde Geral A saúde começa pela boca Os dentes são importantes na mastigação dos alimentos, fala, e estética, influenciando diretamente na auto-estima do indivíduo

Leia mais

CLASSIFICAÇÃO INTERNACIONAL DOS DISTÚRBIOS DO SONO AASM 2006

CLASSIFICAÇÃO INTERNACIONAL DOS DISTÚRBIOS DO SONO AASM 2006 SOCIEDADE BRASILEIRA DE PNEUMOLOGIA E TISIOLOGIA I Curso de Pneumologia na Graduação DISTÚRBIOS RESPIRATÓRIOS DO SONO Carlos Alberto de Assis Viegas Universidade de Brasília Faculdade de Medicina da Bahia

Leia mais

Sonolência Excessiva Diurna (SED)

Sonolência Excessiva Diurna (SED) Sonolência Excessiva Diurna (SED) A sonolência é queixa comum, principalmente, entre adolescentes, quase sempre por não desfrutarem de sono satisfatório. Eles dormem poucas horas à noite e, no dia seguinte,

Leia mais

Influenza. João Pedro Marins Brum Brito da Costa (Instituto ABEL) Orientador: André Assis (UFRJ Medicina)

Influenza. João Pedro Marins Brum Brito da Costa (Instituto ABEL) Orientador: André Assis (UFRJ Medicina) Influenza João Pedro Marins Brum Brito da Costa (Instituto ABEL) Orientador: André Assis (UFRJ Medicina) O que éinfluenza Também conhecida como gripe, a influenza éuma infecção do sistema respiratório

Leia mais

Esalerg gotas. Aché Laboratórios Farmacêuticos S.A. solução oral 1,25 mg/ml

Esalerg gotas. Aché Laboratórios Farmacêuticos S.A. solução oral 1,25 mg/ml Esalerg gotas Aché Laboratórios Farmacêuticos S.A. solução oral 1,25 mg/ml BULA PARA PACIENTE Bula de acordo com a Resolução-RDC nº 47/2009 I- IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO ESALERG GOTAS (desloratadina)

Leia mais

TRABALHOS CIENTÍFICOS 23 DE NOVEMBRO DE 2013 09H30 ÀS 10H30 TV 01

TRABALHOS CIENTÍFICOS 23 DE NOVEMBRO DE 2013 09H30 ÀS 10H30 TV 01 TRABALHOS CIENTÍFICOS 23 DE NOVEMBRO DE 2013 09H30 ÀS 10H30 TV 01 5304 ALTERAÇÕES OFTALMOLÓGICAS EM PORTADORES DE SAOS 5305 PERFIL DOS PACIENTES ENCAMINHADOS AO INSTITUTO DO SONO DE CUIABÁ/MT PARA REALIZAÇÃO

Leia mais

SONS ORAIS: P, B T, D, C, G, F, V, S, Z, CH/X, J, L, LH, R, RR e as vogais A, Ê, É, I, Ô, Ó, U

SONS ORAIS: P, B T, D, C, G, F, V, S, Z, CH/X, J, L, LH, R, RR e as vogais A, Ê, É, I, Ô, Ó, U 1 COMO PRODUZIMOS OS SONS DA FALA? Quando falamos, o ar que vem dos pulmões, passa pela laringe (garganta) onde a voz é produzida e sobe em direção à boca. Dependendo dos movimentos dos lábios, da língua,

Leia mais

PLANEJAMENTO DO TRATAMENTO DA ASMA BRÔNQUICA

PLANEJAMENTO DO TRATAMENTO DA ASMA BRÔNQUICA PLANEJAMENTO DO TRATAMENTO DA ASMA BRÔNQUICA O estudo do sistema imune (proteção) surgiu no início do século 20, com futuro muito promissor, mas isto não se confirmou de imediato. Os fenômenos imunológicos

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA ODONTOLOGIA NO ALEITAMENTO MATERNO

A IMPORTÂNCIA DA ODONTOLOGIA NO ALEITAMENTO MATERNO A IMPORTÂNCIA DA ODONTOLOGIA NO ALEITAMENTO MATERNO FLÁVIA PEDREIRA CIRURGIÃ DENTISTA DO HOSPITAL E MATERNIDADE PÚBLICA DONA REGINA 20 DE FEVEREIRO DE 2014 Se pretendermos que as crianças tenham uma qualidade

Leia mais

O que fazer. Gesso e fraturas.

O que fazer. Gesso e fraturas. DOUTOR,POSSO VOAR? (extraído de http://www.orkut.com.br/main#commmsgs?cmm=17111880&tid=5625830708854803828, em 15/05/2012) Posso viajar de avião se estou com conjuntivite ou depois de me recuperar de um

Leia mais

RESPIRAÇÃO BUCAL, SUAS CAUSAS E CONSEQÜÊNCIAS

RESPIRAÇÃO BUCAL, SUAS CAUSAS E CONSEQÜÊNCIAS CEFAC CENTRO DE ESPECIALIZAÇÃO EM FONOAUDIOLOGIA CLÍNICA MOTRICIDADE ORAL RESPIRAÇÃO BUCAL, SUAS CAUSAS E CONSEQÜÊNCIAS EMÍLIA JOSEFINA GUERRER LONDRINA 2000 RESUMO Esta pesquisa tem como objetivo compreender

Leia mais

ANEXO. CONTEÚDO PROGRAMÁTICO Para candidatos que desejam entrar na 4ª etapa do curso

ANEXO. CONTEÚDO PROGRAMÁTICO Para candidatos que desejam entrar na 4ª etapa do curso ANEXO CONTEÚDO PROGRAMÁTICO Para candidatos que desejam entrar na 4ª etapa do curso Células e Tecidos do Sistema Imune Anatomia do sistema linfático Inflamação aguda e crônica Mecanismos de agressão por

Leia mais

AVALIAÇÃO DA QUALIDADE DE VIDA EM CRIANÇAS ASMÁTICAS NA FAIXA ETÁRIA DE 7 A 10 ANOS ATRAVÉS DO QUESTIONÁRIO SF-36

AVALIAÇÃO DA QUALIDADE DE VIDA EM CRIANÇAS ASMÁTICAS NA FAIXA ETÁRIA DE 7 A 10 ANOS ATRAVÉS DO QUESTIONÁRIO SF-36 AVALIAÇÃO DA QUALIDADE DE VIDA EM CRIANÇAS ASMÁTICAS NA FAIXA ETÁRIA DE 7 A 10 ANOS ATRAVÉS DO QUESTIONÁRIO SF-36. INTRODUÇÃO Autora: Gláucia Golono Salvador G INESUL FISIOTERAPIA LONDRINA PR Orientadora:

Leia mais

Hospital IPO. Atenção

Hospital IPO. Atenção Hospital IPO O Hospital IPO é especializado em atendimento clínico e cirúrgico para adultos e crianças (inclusive urgências e emergências) de nariz, ouvidos, garganta e Cirurgia Estética de Face, que oferece

Leia mais

Gripe A (H1N1) de origem suína

Gripe A (H1N1) de origem suína Gripe A (H1N1) de origem suína A gripe é caracterizada como uma doença infecciosa com alto potencial de contagio causado pelo vírus Influenza. Este vírus apresenta três tipos, sendo eles o A, B e C. Observam-se

Leia mais

CONHECIMENTO DO PROFESSOR SOBRE TDAH E SUA RELAÇÃO COM O DESEMPENHO ESCOLAR DO ALUNO HIPERATIVO

CONHECIMENTO DO PROFESSOR SOBRE TDAH E SUA RELAÇÃO COM O DESEMPENHO ESCOLAR DO ALUNO HIPERATIVO CONHECIMENTO DO PROFESSOR SOBRE TDAH E SUA RELAÇÃO COM O DESEMPENHO ESCOLAR DO ALUNO HIPERATIVO ALINE OLIVEIRA SALGUEIRO* CLÁUDIA ROBERTA GASPARETTO NÁDIA HARUMI INUMARU RESUMO: O presente trabalho investiga

Leia mais

FOLHETO INFORMATIVO. RHINOSPRAY, 1,18 mg/ml, solução para pulverização nasal Tramazolina HCl. Descongestionante nasal

FOLHETO INFORMATIVO. RHINOSPRAY, 1,18 mg/ml, solução para pulverização nasal Tramazolina HCl. Descongestionante nasal FOLHETO INFORMATIVO RHINOSPRAY, 1,18 mg/ml, solução para pulverização nasal Tramazolina HCl Descongestionante nasal Este folheto contém informações importantes para si. Leia-o atentamente. Este medicamento

Leia mais

CUIDADOS DE SAÚDE DESDE O NASCIMENTO ATÉ À ADOLESCENCIA

CUIDADOS DE SAÚDE DESDE O NASCIMENTO ATÉ À ADOLESCENCIA CUIDADOS DE SAÚDE DESDE O NASCIMENTO ATÉ À ADOLESCENCIA A MALO CLINIC cuida da saúde e bem-estar de bebés, crianças e adolescentes. Acreditamos no indivíduo como um todo e por isso mesmo desenvolvemos

Leia mais