Analisadores Sintáticos. Análise Recursiva com Retrocesso. Análise Recursiva Preditiva. Análise Recursiva Preditiva 05/04/2010

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Analisadores Sintáticos. Análise Recursiva com Retrocesso. Análise Recursiva Preditiva. Análise Recursiva Preditiva 05/04/2010"

Transcrição

1 Anlisdores intáticos Análise Descendente (Top-down) Anlisdores sintáticos descendentes: Recursivo com retrocesso (bcktrcking) Recursivo preditivo Tbulr preditivo Análise Redutiv (Bottom-up) Anlisdores de precedênci d operdores Anlisdores LR(k) Análise Recursiv com Retrocesso Exemplo 3.6 Pssos de um nlisdor descendente entenç ou progrm: [] Grmátic: e L ; L [ ] $ [ ] $ [ ] $ [ ] $ [ ] $ [ ] $ ucesso! ; L ; L ; L Expndir L Fonte: Implementção de Lingugens de Progrmção: Compildores. An Mri Price & imão. Toscni. Ed. gr Luzztto, Expndir ucesso! Flh! ucesso! Exemplo 3.7 Implementção Exemplo 3.1 sem bcktrcking begin /* min */ token := LETOKEN; if then if token = $ then write( sucesso ) else write( erro1 ) else write( erro2 ) end function ; if token = then { } else if token = [ then if L then if token = ] then { } function L; MARCA_PONTO; if then if token = ; then { if L then } else { RETROCEDE; if then } begin /* min */ token := LETOKEN; if then if token = $ then write( sucesso ) else write( erro ) else write( erro ) end function ; if token = then { } else if token = [ then if L then if token = ] then { } function L; if then if token = ; then { if L then } else Análise Recursiv Preditiv Exigêncis: Grmátic sem recursividde à esquerd Grmátic estej ftord à esquerd Pr os não-terminis com mis de um regr de produção, os primeiros terminis deriváveis devem ser cpzes de identificr, univocmente, regr de produção ser plicd Exemplo 1: Comndo if Expr then Comndo while Expr do Comndo repet List until Expr id := Expr Análise Recursiv Preditiv Exemplo 2: Comndo Condicionl Itertivo Atribuição Condicionl if Expr then Comndo Itertivo while Expr do Comndo repet List until Expr Atribuição id := Expr FIRT(β): e β * ε então ε é um elemento de FIRT(β); e β * δ então é um elemento de FIRT(β), sendo um símbolo terminl e δ um form sentencil qulquer, podendo ser vzi 1

2 Exemplo 3.8 Anlisdor recursivo preditivo: implementção function Comndo; if token = if then if Condicionl then else if token = while or token = repet then if Itertivo then else if token = id then if Atribuição then Análise Preditiv Tbulr O nlisdor busc produção ser plicd n tbel de nálise, levndo em cont o nãoterminl no topo d pilh e o token sob o cbeçote de leitur Pilh X Y Z $ Fit de entrd + b $ Anlisdor preditivo Tbel de Análise Exemplo 3.10 Pssos de um nlisdor tbulr preditivo Considere grmátic não-mbígu que ger expressões lógics: E E T T T T & F F Eliminndo-se recursividde à esquerd, tem-se: E TE E TE ε T FT T &FT ε Tbel de nálise preditiv: id & $ E E TE E TE E E TE E ε T T FT F FT T T ε T &FT T ε F F id F F Pssos de um nlisdor: Pilh Entrd Ação $E id id&id$ E TE $E T id id&id$ F FT $E T F id id&id$ F id $E T id id id&id$ $E T id&id$ T ε $E id&id$ E TE $E T id&id$ $E T id&id$ T FT Algoritmo do Anlisdor Preditivo Tbulr Entrd: Um sentenç s e um tbel de nálise M pr grmátic G Resultdo: Um derivção mis à esquerd de s, se s está em L(G), ou um erro, cso contrário Método: Configurção inicil: pilh=$ e fit=s$ Posicion o cbeçote sobre o primeiro símbolo de s$; ej X o símbolo do topo d pilh e o símbolo sob o cbeçote. Repete e X é um terminl Então e X = Então desempilhe X e vnç o cbeçote enão ERRO enão /* X é um símbolo não-terminl */ e M[X,] = X Y 1 Y 2...Y k Então desempilh X; empilh Y k Y k-1...y 1 com Y 1 no topo; enão ERRO Até que X = $ /* pilh vzi */ Algoritmo do Anlisdor Preditivo Tbulr A mior dificuldde está n construção d tbel de nálise. FIRT(α) é o conj. de terminis que inicim forms sentenciis derivds prtir de α (se α ==>* ε, então plvr vzi tmbém fz prte do conjunto) FOLLOW(A) é o conj. de terminis que podem precer imeditmente à direit de A em lgum form sentencil. Isto é, o conj. de terminis, tl que existe um derivção d form ==>* αaβ pr α e β quisquer. 2

3 Algoritmo pr clculr FIRT(X) 1) e é terminl, então FIRT() = {} 2) e X ε é um produção, então dicione ε FIRT(X) 3) e X Y 1 Y 2...Y k é um produção e, pr lgum i, todos Y 1,Y 2,...,Y i-1 derivm ε, então FIRT(Y i ) está em FIRT(X). e todo Y j (j=1,2,...,k) deriv ε,, então ε está em FIRT(X) Algoritmo pr clculr FOLLOW(X) 1) e é o símbolo inicil d grmátic e $ é o mrcdor de fim de sentenç, então $ está em FOLLOW() 2) e existe produção do tipo A αxβ, então todos os terminis de FIRT(β) fzem prte de FOLLOW(X) 3) e existe produção do tipo A αx, ou A αxβ, sendo que β ==>* ε, então todos os terminis que estiverem em FOLLOW(A) fzem prte de FOLLOW(X) Exemplo 3.11 Determinção ds funções FIRT e FOLLOW Considere grmátic de expressões lógics: E TE E TE ε T FT T &FT ε FIRT(F) = {, id} FIRT(T ) = {&, ε} FIRT(E ) = {, ε} FIRT(T) = FIRT(F) = {, id} FIRT{E} = FIRT(T) = {, id} FOLLOW(E) = {$} regr 1 FOLLOW(E ) = FOLLOW(E) = {$} regr 3, prod. 1 FOLLOW(T) = FIRT(E ) FOLLOW(E ) = {, $} regrs 2 e 3, prod. 2 e 3 FOLLOW(T ) = FOLLOW(T) = {, $} regr 3, prod. 4 FOLLOW{F} = FIRT(T ) FOLLOW(T ) = {&,, $} regrs 2 e 3, prod.5 Algoritmo pr construir um tbel de nálise preditiv Entrd: Um grmátic G Resultdo: Tbel de nálise M Método: 1) Pr cd produção A α de G, execute os pssos 2 e 3 (pr cd linh A d tbel M) 2) Pr cd terminl de FIRT(α), dicione produção A α M[A,] 3) e FIRT(α) inclui plvr vzi, então dicione A α M[A,b] pr cd b em FOLLOW(A) Def Grmátic LL(1) Um grmátic não recursiv à esquerd é LL(1) ssse, sempre que A αe A β são produções, ocorre que: 1) FIRT(α) FIRT(β) = 2) No máximo um dos dois, α ou β, deriv plvr vzi 3) e β ==>* ε, então FIRT(α) FOLLOW(A) = Análise Redutiv (Bottom-up) Os nlisdores redutivos são chmdos empilh-reduz e são implementdos por utômtos de pilh, com controle dirigido por um tbel de nálise. e, em cd entrd d Tbel de Análise, existe pens um produção, então grmátic é do tipo LL(1). Left to right, Leftmost derivtion, com 1 símbolo de entrd 3

4 Exemplo 3.13: Movimentos de um Anlisdor Redutivo ej grmátic que ger lists: e L L ; Pr sentenç: [ ; ], tem-se os movimentos: Pilh Entrd Ação $ [ ; ]$ Empilh [ $[ ; ]$ Empilh $[ ; ]$ Reduz $[ ; ]$ Reduz L $[L ; ]$ Empilh ; $[L; ]$ Empilh $[L; ]$ Reduz $[L; ]$ Reduz L L ; $[L ]$ Empilh ] $[L] $ Reduz [L] $ $ Aceit! Análise Redutiv: Hndle ão sequêncis de símbolos que são ldos direitos de produção, tis que sus reduções levm, no finl, à redução pr o símbolo inicil d grmátic, trvés do reverso de um derivção mis à direit. e grmátic G é não-mbígu, então tod form sentencil gerd por G tem extmente um hndle. Reconhecedor empilh-reduz: ções Empilh: coloc no topo d pilh o símbolo que está sendo lido e vnç o cbeçote de leitur; Reduz: substitui o hndle do topo d pilh pelo não-terminl correspondente; Aceit: reconhece que sentenç de entrd foi gerd pel grmátic; Erro: ocorrendo erro de sintxe, chm um subrotin de tendimento erros. Anlisdores de precedênci de operdores Atum sobre clsse ds grmátics de operdores Bstnte eficiente e é plicdo no reconhecimento de expressões Dificuldde em lidr com operdores iguis que tenh significdos distintos ão plicdos um clsse restrit de grmátics Grmátics de Operdores Os não-terminis precem sempre seprdos por símbolos terminis (nunc precem dois terminis djcentes) As produções não derivm plvr vzi E E O E ( E ) id O + - * / ^ E E T T T T & F F F ( E ) id Anlisdores LR(k): (Left to right with Rightmost derivtion) ão cpzes de reconhecer prticmente tods s estruturs sintátics definids por um GLC É um método mis gerl que o precedênci de operdores e pode ser implementdo com o mesmo gru de eficiênci ão cpzes de descobrir erros sintáticos em um momento mis cedo Dificuldde de implementção 4

5 Anlisdores LR(k): (Left to right with Rightmost derivtion) LR (imple LR) fáceis de plicr, porém plicáveis um clsse restrit de grmátics; LR Cnônicos mis poderosos e plicdos um grnde número de LLC; LALR (Look Ahed LR) nível intermediário e implementção eficiente, que funcion pr miori de lingugens de progrmção. O YACC ger esse tipo de nlisdor. Funcionmento de Anlisdores LR Pilh E m X m : : X 1 E 0 Fit de entrd 1... i... n $ Anlisdor Tbel de Análise A pilh rmzen símbolos d grmátic (X j ) intercldos com estdos (E j ) do nlisdor Estrutur d Tbel de Análise E TA DO AÇÃO TERMINAI empilh reduz ceit erro TRANIÇÃO NÃO-TERMINAI E TA DO 5

Aula 8: Gramáticas Livres de Contexto

Aula 8: Gramáticas Livres de Contexto Teori d Computção Segundo Semestre, 2014 ul 8: Grmátics Livres de Contexto DINF-UTFPR Prof. Ricrdo Dutr d Silv Veremos gor mneir de gerr s strings de um tipo específico de lingugem, conhecido como lingugem

Leia mais

Compiladores Aula 5. Celso Olivete Júnior. olivete@fct.unesp.br

Compiladores Aula 5. Celso Olivete Júnior. olivete@fct.unesp.br Aula 5 Celso Olivete Júnior olivete@fct.unesp.br Na aula passada Conjuntos Primeiro(First) e Seguidor(Follow) 2 Na aula de hoje Análise Sintática Análise Sintática Descendente Recursividade Fatoração 3

Leia mais

Análise Sintática. Análise Sintática. Tipos de Analisadores Gramáticais: PARSERS

Análise Sintática. Análise Sintática. Tipos de Analisadores Gramáticais: PARSERS Análise Sintática Tipos de Analisadores Gramáticais: PARSERS * Analisadores TOP-DOWN: Árvore de derivação começa pela raiz indo para as folhas => Análise Descendente Tipo LL(1): Left to right / Leftmost

Leia mais

Análise Sintática Descendente

Análise Sintática Descendente Análise Sintática Descendente Uma tentativa de construir uma árvore de derivação da esquerda para a direita Cria a raiz e, a seguir, cria as subárvores filhas. Produz uma derivação mais à esquerda da sentença

Leia mais

Capítulo 3. Autómatos e respectivas linguagens

Capítulo 3. Autómatos e respectivas linguagens Cpítulo 3. Neste estudo, os utómtos serão considerdos principlmente como dispositivos de ceitção d lingugem, e respectiv estrutur intern será discutid pens n medid em que se relcione com lingugem ceite.

Leia mais

Analisadores Ascendentes ou Empilha-Reduz. Mais um exemplo... Mais um exemplo... Top-Down x Bottom Up. Conteúdo da aula. Analisadores Ascendentes

Analisadores Ascendentes ou Empilha-Reduz. Mais um exemplo... Mais um exemplo... Top-Down x Bottom Up. Conteúdo da aula. Analisadores Ascendentes Conteúdo da aula Analisadores Ascendentes ou mpilha-reduz Marcelo Johann Analisadores Ascendentes uncionamento Analisadores de Precedência de Operadores Analisadores LR(k) SLR - Simple LR (estudaremos

Leia mais

Análise Sintática I: Analisadores Descendentes com Retrocesso

Análise Sintática I: Analisadores Descendentes com Retrocesso Análise intátic I: Anlisdores Descendentes com Retrocesso Definição A nálise sintátic é o processo de determinr se um cdei de átomos (tokens), isto é, o progrm já nlisdo pelo nlisdor léxico, pode ser gerdo

Leia mais

Faculdade de Computação

Faculdade de Computação UNIVERIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA Fculdde de Computção Disciplin : Teori d Computção Professor : ndr de Amo Revisão de Grmátics Livres do Contexto (1) 1. Fzer o exercicio 2.3 d págin 128 do livro texto

Leia mais

Resumo da última aula. Compiladores. Conjuntos de itens LR(0) Exercício SLR(1) Análise semântica

Resumo da última aula. Compiladores. Conjuntos de itens LR(0) Exercício SLR(1) Análise semântica Resumo d últim ul Compildores Verificção de tipos (/2) Análise semântic Implementção: Esquems -tribuídos: Mecnismo bottom-up direto Esquems -tribuídos: Mecnismo top-down: Necessit grmátic não recursiv

Leia mais

Revisão de GLC e Analisadores Descendentes

Revisão de GLC e Analisadores Descendentes Conteúdo da aula 1. xemplos de Gramáticas Revisão de GLC e Analisadores Descendentes Marcelo Johann 2. Propriedades: Ambíguas, sem ciclos, ε-livres, fatoradas à esquerda, recursivas à esquerda, simplificadas

Leia mais

BNF (Backus-Naur Form) Gramática Livres de Contexto / Estruturas Recursivas

BNF (Backus-Naur Form) Gramática Livres de Contexto / Estruturas Recursivas Sintae => Usualmente Gramática Livre do Conteto (GLC) BNF (Backus-Naur Form) Gramática Livres de Conteto / struturas Recursivas comando => IF epressao THN epressao LS epressao epressao => (epressao) OR

Leia mais

Teoria da Computação. Unidade 3 Máquinas Universais (cont.) Referência Teoria da Computação (Divério, 2000)

Teoria da Computação. Unidade 3 Máquinas Universais (cont.) Referência Teoria da Computação (Divério, 2000) Teori d Computção Unidde 3 Máquins Universis (cont.) Referênci Teori d Computção (Divério, 2000) 1 Máquin com Pilhs Diferenci-se ds MT e MP pelo fto de possuir memóri de entrd seprd ds memóris de trblho

Leia mais

URICER Universidade Regional Integrada do Alto Uruguai e das Missões Campus de Erechim Apostila de COMPILADORES

URICER Universidade Regional Integrada do Alto Uruguai e das Missões Campus de Erechim Apostila de COMPILADORES URICR Universidde Regionl Integrd do Alto Urugui e ds Missões Cmpus de rechim Apostil de COMPILADORS rechim, gosto de 2001. -2- SUMÁRIO 1 CONCIOS BÁSICOS (revisão)... 4 2 LINGUAGNS SUAS RPRSNAÇÕS... 6

Leia mais

Faculdade de Computação

Faculdade de Computação UNIVERIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA Fculdde de Computção Disciplin : Lingugens Formis e Autômtos - 0 emestre 2006 Professor : ndr Aprecid de Amo List de Exercícios n o - 4/08/2006 Observção : os exercícios

Leia mais

COMPILADORES. Análise sintática. Prof. Geovane Griesang Universidade de Santa Cruz do Sul UNISC Departamento de informática

COMPILADORES. Análise sintática. Prof. Geovane Griesang Universidade de Santa Cruz do Sul UNISC Departamento de informática Universidade de Santa Cruz do Sul UNISC Departamento de informática COMPILADORES Análise sintática Parte 02 Prof. geovanegriesang@unisc.br Data Conteúdo 23/09/2013 3. Análise Sintática: 3.1 analisadores

Leia mais

COMPILADORES. Análise sintática. Prof. Geovane Griesang Universidade de Santa Cruz do Sul UNISC Departamento de informática

COMPILADORES. Análise sintática. Prof. Geovane Griesang Universidade de Santa Cruz do Sul UNISC Departamento de informática Universidade de Santa Cruz do Sul UNISC Departamento de informática COPILADORES Análise sintática Parte 03 Prof. geovanegriesang@unisc.br Analisador sem recursão Analisador sintático sem recursão pode

Leia mais

Alocação sequencial - Pilhas

Alocação sequencial - Pilhas Alocção seqüencil - pilhs Alocção sequencil - Pilhs Pilhs A estrutur de ddos Pilh é bstnte intuitiv. A nlogi é um pilh de prtos. Se quisermos usr um pilh de prtos com máxim segurnç, devemos inserir um

Leia mais

Plano da aula. Compiladores. Top-Down x Bottom Up. Redução Exemplo 1. Redução Exemplo 1. Redução Exemplo 1. A Abc b B d.

Plano da aula. Compiladores. Top-Down x Bottom Up. Redução Exemplo 1. Redução Exemplo 1. Redução Exemplo 1. A Abc b B d. Plano da aula Compiladores Análise bottom-up AKA: Analisador ascendente Analisador empilhar/reduzir Análise sintática (4) Análise Bottom-Up Autômatos mpilhar/reduzir xemplos Handle Operações básicas IQuestões

Leia mais

Compiladores. A seção das regras. Especificação (F)lex. Plano da aula. Escolha das regras. Compilação típica com FLEX

Compiladores. A seção das regras. Especificação (F)lex. Plano da aula. Escolha das regras. Compilação típica com FLEX Compilação típica com FLX Compiladores Análise sintática (1) Noções sobre Gramáticas Livres de conteto dição do teto de especificação No arquivo minhas_regras.l 3 partes: Declarações Regras (Rs -> Ação)

Leia mais

Compiladores. Prof. Bruno Moreno Aula 11 20/05/2011

Compiladores. Prof. Bruno Moreno Aula 11 20/05/2011 Compiladores Prof. Bruno Moreno Aula 11 20/05/2011 2- Recursivo preditivo Análise Recursiva Preditiva O símbolo sobre o cabeçote de leitura determina exatamente qual produção deve ser aplicada na expansão

Leia mais

Aula 4: Autômatos Finitos 2. 4.1 Autômatos Finitos Não-Determinísticos

Aula 4: Autômatos Finitos 2. 4.1 Autômatos Finitos Não-Determinísticos Teori d Computção Primeiro Semestre, 25 Aul 4: Autômtos Finitos 2 DAINF-UTFPR Prof. Ricrdo Dutr d Silv 4. Autômtos Finitos Não-Determinísticos Autômtos Finitos Não-Determinísticos (NFA) são um generlizção

Leia mais

Compiladores. Exemplo. Caraterísticas de Gramáticas. A αβ 1 αβ 2. A αx X β 1 β 2. Lembrando... Gramáticas Livres de Contexto

Compiladores. Exemplo. Caraterísticas de Gramáticas. A αβ 1 αβ 2. A αx X β 1 β 2. Lembrando... Gramáticas Livres de Contexto Compiladores Análise sintática (2) Análise Top-Down Lembrando... Gramáticas Livres de Contexto Análise sintática = parsing. Baseada em GLCs Gramática: S A B Top-Down Bottom-Up S AB cb ccbb ccbca S AB A

Leia mais

Análise Sintáctica Descendente

Análise Sintáctica Descendente Cpítulo 4 nálise intáctic Descendente Os utomátos finitos presentdos no cpítulo nterior são suficientes pr trtr os elementos léxicos de um lingugem de progrmção, o trtmento d estrutur sintáctic de um lingugem

Leia mais

Linguagens Regulares e Autômatos de Estados Finitos. Linguagens Formais. Linguagens Formais (cont.) Um Modelo Fraco de Computação

Linguagens Regulares e Autômatos de Estados Finitos. Linguagens Formais. Linguagens Formais (cont.) Um Modelo Fraco de Computação LFA - PARTE 1 Lingugens Regulres e Autômtos de Estdos Finitos Um Modelo Frco de Computção João Luís Grci Ros LFA-FEC-PUC-Cmpins 2002 R. Gregory Tylor: http://strse.cs.trincoll.edu/~rtylor/thcomp/ 1 Lingugens

Leia mais

Análise Sintática II: Analisadores Descendentes Preditivos

Análise Sintática II: Analisadores Descendentes Preditivos Análise Sintática II: Analisadores Descendentes Preditivos Exercícios LL(1) = Left to right, Left-most derivation, 1 símbolo look-ahead 1. LL(1): definição 2. Para toda produção A -> α β Se β =>* λ, então

Leia mais

Linguagens Formais e Autômatos (LFA)

Linguagens Formais e Autômatos (LFA) PU-Rio Lingugens Formis e Autômtos (LFA) omplemento d Aul de 21/08/2013 Grmátics, eus Tipos, Algums Proprieddes e Hierrqui de homsky lrisse. de ouz, 2013 1 PU-Rio Dic pr responder Pergunts finis d ul lrisse.

Leia mais

Compiladores. Transformações de GLCs. Plano da aula. Análise Top-Down. Análise Top-Down Exemplo. Gramáticas Livres de Contexto.

Compiladores. Transformações de GLCs. Plano da aula. Análise Top-Down. Análise Top-Down Exemplo. Gramáticas Livres de Contexto. Gramáticas Livres de Contexto Análise Top-Down Compiladores ε Análise sintática (2) Análise Top-Down Top-Down AB AB cb A c ccbb B cbb ccbca B ca 2 Transformações de GLCs Eliminação de produções vazias

Leia mais

Análise Sintática Bottom-up

Análise Sintática Bottom-up MAB 471 2011.2 Análise Sintática Bottom-up http://www.dcc.ufrj.br/~fabiom/comp Recapitulando parsers top-down Constróem árvore sintática da raiz até as folhas Recursão à esquerda faz parsers entrarem em

Leia mais

Análise semântica. Análise Semântica. Estrutura de um compilador. Anotação da árvore sintática. Tipos de comunicação de atributos?

Análise semântica. Análise Semântica. Estrutura de um compilador. Anotação da árvore sintática. Tipos de comunicação de atributos? Estrutura de um compilador Análise semântica Tradução orientada pela sintaxe 1 2 Análise Semântica Anotação da árvore sintática Análise semântica: Tipos (& Declarações) Escopo Checagens estáticas: Idéia:

Leia mais

Apostila 02 - Linguagens Regulares Exercícios

Apostila 02 - Linguagens Regulares Exercícios Cursos: Bchreldo em Ciênci d Computção e Bchreldo em Sistems de Informção Disciplins: (1493A) Teori d Computção e Lingugens Formis, (4623A) Teori d Computção e Lingugens Formis e (1601A) Teori d Computção

Leia mais

Compiladores Analisador Sintático. Prof. Antonio Felicio Netto Ciência da Computação

Compiladores Analisador Sintático. Prof. Antonio Felicio Netto Ciência da Computação Compiladores Analisador Sintático Prof. Antonio Felicio Netto antonio.felicio@anhanguera.com Ciência da Computação 1 Análise Sintática - A Análise Sintática constitui a segunda fase de um tradutor de uma

Leia mais

Análise Sintática (Cap. 04) Análise Sintática Descendente

Análise Sintática (Cap. 04) Análise Sintática Descendente (Cap. 04) Análise Sintática Descendente Análise Sintática Análise sintática descendente Constrói a árvore de derivação de cima para baixo, da raíz para as folhas, criando os nós da árvore em pré ordem

Leia mais

Algoritmos de Busca de Palavras em Texto

Algoritmos de Busca de Palavras em Texto Revisdo 08Nov12 A busc de pdrões dentro de um conjunto de informções tem um grnde plicção em computção. São muits s vrições deste problem, desde procurr determinds plvrs ou sentençs em um texto té procurr

Leia mais

Compiladores I. Caracterizar um método de análise bottom-up. Compreender os mecanismos básicos envolvidos no processo de análise LR.

Compiladores I. Caracterizar um método de análise bottom-up. Compreender os mecanismos básicos envolvidos no processo de análise LR. Compiladores I Gerson Geraldo Homrich Cavalheiro Caracterizar um método de análise bottom-up Compreender oecanismos básicos envolvidos no processo de análise LR Oferecer as bases para utilização de uma

Leia mais

Acoplamento. Tipos de acoplamento. Acoplamento por dados. Acoplamento por imagem. Exemplo. É o grau de dependência entre dois módulos.

Acoplamento. Tipos de acoplamento. Acoplamento por dados. Acoplamento por imagem. Exemplo. É o grau de dependência entre dois módulos. Acoplmento É o gru de dependênci entre dois módulos. Objetivo: minimizr o coplmento grndes sistems devem ser segmentdos em módulos simples A qulidde do projeto será vlid pelo gru de modulrizção do sistem.

Leia mais

LRE LSC LLC. Autômatos Finitos são reconhecedores para linguagens regulares. Se não existe um AF a linguagem não é regular.

LRE LSC LLC. Autômatos Finitos são reconhecedores para linguagens regulares. Se não existe um AF a linguagem não é regular. Lingugens Formis Nom Chomsky definiu que s lingugens nturis podem ser clssificds em clsses de lingugens. egundo Hierrqui de Chomsky, s lingugens podem ser dividids em qutro clsses, sendo els: Regulres

Leia mais

Linguagens Formais Capítulo 5: Linguagens e gramáticas livres de contexto

Linguagens Formais Capítulo 5: Linguagens e gramáticas livres de contexto Lingugens ormis Cpítulo 5: Lingugens e grmátics livres de contexto José Lucs Rngel, mio 1999 5.1 - Introdução Vimos no cpítulo 3 definição de grmátic livre de contexto (glc) e de lingugem livre de contexto

Leia mais

Compilação: Erros. Detecção de Erros: * Analisadores Top-Down - Preditivo Tabular (LL) - Feito a mão. * Analisadores Botton-Up: - Shift-Reduce (SLR)

Compilação: Erros. Detecção de Erros: * Analisadores Top-Down - Preditivo Tabular (LL) - Feito a mão. * Analisadores Botton-Up: - Shift-Reduce (SLR) Compilação: Erros Detecção de Erros: * Analisadores Top-Down - Preditivo Tabular (LL) - Feito a mão * Analisadores Botton-Up: - Shift-Reduce (SLR) * Erros no Lex * Erros no Yacc * Erros na Definição da

Leia mais

Linguagens Formais e Autômatos (LFA)

Linguagens Formais e Autômatos (LFA) Lingugens Formis e Autômtos (LFA) Aul de 11/09/2013 Conjuntos Regulres, Expressões Regulres, Grmátics Regulres e Autômtos Finitos 1 Conjuntos Regulres Conjuntos regulres sobre um lfbeto finito são LINGUAGENS

Leia mais

Compiladores - Análise SLR

Compiladores - Análise SLR Compiladores - Análise SLR Fabio Mascarenhas - 2013.1 http://www.dcc.ufrj.br/~fabiom/comp Um exemplo que funciona Todo estado com um item de redução e algum outro item causa conflito LR(0)! A técnica LR(0)

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO CATÓLICA DE SANTA CATARINA Pró-Reitoria Acadêmica Setor de Pesquisa

CENTRO UNIVERSITÁRIO CATÓLICA DE SANTA CATARINA Pró-Reitoria Acadêmica Setor de Pesquisa FORMULÁRIO PARA INSCRIÇÃO DE PROJETO DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA. Coordenção/Colegido o(s) qul(is) será vinculdo: Engenhris Curso (s) : Engenhris Nome do projeto: MtLb Aplicdo n Resolução de Sistems Lineres.

Leia mais

Análise Sintática - Final

Análise Sintática - Final MAB 471 2011.2 Análise Sintática - Final http://www.dcc.ufrj.br/~fabiom/comp LR(k ) vs LL(k ) Encontrando o próximo passo em uma derivação LR(k) Cada redução na análise detectável com o contexto esquerdo

Leia mais

3. Seja Σ um alfabeto. Explique que palavras pertencem a cada uma das seguintes linguagens:

3. Seja Σ um alfabeto. Explique que palavras pertencem a cada uma das seguintes linguagens: BCC244-Teori d Computção Prof. Lucíli Figueiredo List de Exercícios DECOM ICEB - UFOP Lingugens. Liste os strings de cd um ds seguintes lingugens: ) = {λ} ) + + = c) {λ} {λ} = {λ} d) {λ} + {λ} + = {λ}

Leia mais

1 Fórmulas de Newton-Cotes

1 Fórmulas de Newton-Cotes As nots de ul que se seguem são um compilção dos textos relciondos n bibliogrfi e não têm intenção de substitui o livro-texto, nem qulquer outr bibliogrfi. Integrção Numéric Exemplos de problems: ) Como

Leia mais

Compiladores: P ASCAL jr

Compiladores: P ASCAL jr Compiladores: P ASCAL jr Rogério Eduardo da Silva, M.Sc. 2005/2 Sumário 1 Introdução 1 1.1 Evolução das Linguagens de Programação.................. 1 1.2 Introdução à Compilação............................

Leia mais

Analisadores Sintáticos LR

Analisadores Sintáticos LR FACULDADE ANGLO AMERICANO FOZ DO IGUAÇU Curso de Ciência da Computação 7º Periodo Disciplina: Compiladores Prof. Erinaldo Sanches Nascimento Analisadores Sintáticos LR SLR LR Canônicos LALR Analisadores

Leia mais

COMPILADORES. Análise sintática. Prof. Geovane Griesang Universidade de Santa Cruz do Sul UNISC Departamento de informática

COMPILADORES. Análise sintática. Prof. Geovane Griesang Universidade de Santa Cruz do Sul UNISC Departamento de informática Universidade de Santa Cruz do Sul UNISC Departamento de informática COMPILADORES Análise sintática Parte 04 Prof. geovanegriesang@unisc.br Data Conteúdo 23/09/2013 3. Análise Sintática: 3.1 analisadores

Leia mais

Parsing Preditivo. Antes de ser abordado o Parsing Preditivo, será apresentado o Analisador Sintático Descendente Recursivo.

Parsing Preditivo. Antes de ser abordado o Parsing Preditivo, será apresentado o Analisador Sintático Descendente Recursivo. UPE Caruaru Sistemas de Informação Disciplina: Compiladores Prof.: Paulemir G. Campos Parsing Preditivo Antes de ser abordado o Parsing Preditivo, será apresentado o Analisador Sintático Descendente Recursivo.

Leia mais

Compiladores - Análise Ascendente

Compiladores - Análise Ascendente Compiladores - Análise Ascendente Fabio Mascarenhas - 2013.1 http://www.dcc.ufrj.br/~fabiom/comp Análise Descendente vs. Ascendente As técnicas de análise que vimos até agora (recursiva com retrocesso,

Leia mais

Avaliação de Expressões

Avaliação de Expressões valiação de Expressões valiação de Expressões - Como efetuar o cálculo de uma expressão em um computador? Exemplo: / B C D + E Regras usuais da matemática. Os parênteses alteram a ordem das expressões:

Leia mais

Construção de Compiladores Aula 16 - Análise Sintática

Construção de Compiladores Aula 16 - Análise Sintática Construção de Compiladores Aula 16 - Análise Sintática Bruno Müller Junior Departamento de Informática UFPR 25 de Setembro de 2014 1 Introdução Hierarquia de Chomsky Reconhecedores Linguagens Livres de

Leia mais

ntexto finição presentação áfica ilização TempMed(input,output); Var Var Begin Begin readln(t1); readln(t1); readln(t2); readln(t2);

ntexto finição presentação áfica ilização TempMed(input,output); Var Var Begin Begin readln(t1); readln(t1); readln(t2); readln(t2); Arrys (tbels) Co (1) Imgine-se que é necessário efectur o cálculo d médi do primeiro trimestre do no. Com os conhecimentos presentdos té qui o progrm senvolver seri proximdmente Progrm Progrm TempMed(input,output);

Leia mais

EXAME DE INGRESSO 2014 3º Período

EXAME DE INGRESSO 2014 3º Período PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA ELÉTRICA ÁREA DE ENGENHARIA DE COMPUTAÇÃO (141) ESCOLA POLITÉCNICA DA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO EXAME DE INGRESSO 2014 º Período NOME: Oservções Importntes: 1. Não

Leia mais

Análise sintática. Análise sintática. Top-down ou descendente. Com retrocesso: por tentativa e erro. Preditiva: para gramáticas LL(1) 09/04/2012

Análise sintática. Análise sintática. Top-down ou descendente. Com retrocesso: por tentativa e erro. Preditiva: para gramáticas LL(1) 09/04/2012 Análise sintática Função, interação com o compilador Análise descendente e ascendente Especificação e reconhecimento de cadeias de tokens válidas Implementação Tratamento de erros Prof. Thiago A. S. Pardo

Leia mais

Compiladores - Análise Preditiva

Compiladores - Análise Preditiva Compiladores - Análise Preditiva Fabio Mascarenhas - 203. http://www.dcc.ufrj.br/~fabiom/comp Wednesday, May 8, 3 Retrocesso Local Podemos definir o processo de construção de um parser recursivo com retrocesso

Leia mais

Regras. Resumo do Jogo Resumo do Jogo. Conteúdo. Conteúdo. Objetivo FRENTE do Jogo

Regras. Resumo do Jogo Resumo do Jogo. Conteúdo. Conteúdo. Objetivo FRENTE do Jogo Resumo do Jogo Resumo do Jogo Regrs -Qundo for seu turno, você deve jogr um de sus crts no «ponto n linh do tempo» que estej correto. -Se você jogr crt corretmente, terá um crt menos à su frente. -Se você

Leia mais

Compiladores. Bruno Lopes. Bruno Lopes Compiladores 1 / 30. Instituto de C

Compiladores. Bruno Lopes. Bruno Lopes Compiladores 1 / 30. Instituto de C ompiladores Análise Sintática Bruno Lopes Bruno Lopes ompiladores 1 / 30 Front-end Lida com a linguagem de entrada Teste de pertinência: código fonte linguagem fonte? Programa está bem formado? Sintaticamente?

Leia mais

Simbolicamente, para. e 1. a tem-se

Simbolicamente, para. e 1. a tem-se . Logritmos Inicilmente vmos trtr dos ritmos, um ferrment crid pr uilir no desenvolvimento de cálculos e que o longo do tempo mostrou-se um modelo dequdo pr vários fenômenos ns ciêncis em gerl. Os ritmos

Leia mais

ESTRUTURA DE DADOS PILHA

ESTRUTURA DE DADOS PILHA ESTRUTURA DE DADOS PILHA CONCEITO DE PILHAS - Pilhas são listas lineares onde a inserção de um novo item ou a remoção de um item já existente se dá em uma única extremidade, no topo. Pilha vazia Insere(A)

Leia mais

UFU Universidade Federal de Uberlândia Faculdade de Computação Apostila de Lógica Proposicional (Fundamentos Básicos)

UFU Universidade Federal de Uberlândia Faculdade de Computação Apostila de Lógica Proposicional (Fundamentos Básicos) UFU Universidde Federl de Uberlândi Fculdde de Computção Apostil de Lógic Proposicionl (Fundmentos Básicos) Prof. Luiz Gustvo Almeid Mrtins UFU - Fculdde de Computção Lógic Proposicionl Fundmentos Básicos

Leia mais

Linguagens Formais e Compilação Ficha de exercícios

Linguagens Formais e Compilação Ficha de exercícios Linguagens Formais e Compilação Ficha de exercícios Simão Melo de Sousa 1 Linguagens Formais: Construir Frases Exercício 1 Para cada uma das gramáticas G seguintes, (a) descreva a linguagem L(G) gerada

Leia mais

QUESTÃO 1 (0,6 ponto) Classifique os processadores de linguagens com relação aos tipos das linguagens-fonte e objeto.

QUESTÃO 1 (0,6 ponto) Classifique os processadores de linguagens com relação aos tipos das linguagens-fonte e objeto. COMPILADORES Prof. Marcus Ramos Prova 1 07 de março de 2012 QUESTÃO 1 (0,6 ponto) Classifique os processadores de linguagens com relação aos tipos das linguagens-fonte e objeto. Tanto a linguagem-fonte

Leia mais

push (c) pop () retorna-se c topo b a topo Figura 10.1: Funcionamento da pilha.

push (c) pop () retorna-se c topo b a topo Figura 10.1: Funcionamento da pilha. 11. Pilhs W. Celes e J. L. Rngel Um ds estruturs de ddos mis simples é pilh. Possivelmente por ess rzão, é estrutur de ddos mis utilizd em progrmção, sendo inclusive implementd diretmente pelo hrdwre d

Leia mais

FACIN-PPGCC. Teoria da Computabilidade Parte II - Autômatos de Pilha e Máquinas de Turing. Sumário. Ney Laert Vilar Calazans. 12.

FACIN-PPGCC. Teoria da Computabilidade Parte II - Autômatos de Pilha e Máquinas de Turing. Sumário. Ney Laert Vilar Calazans. 12. FACIN-PPGCC Teori d Computbilidde Prte II - Autômtos de Pilh e Máquins de Turing Ney Lert Vilr Clzns clzns@inf.pucrs.br 2 Sumário 12. GRAMÁTICAS LIVRES DO CONTEXTO 14. AUTÔMATOS DE PILHA 19. MÁQUINAS DE

Leia mais

Característica de Regulação do Gerador de Corrente Contínua com Excitação em Derivação

Característica de Regulação do Gerador de Corrente Contínua com Excitação em Derivação Experiênci I Crcterístic de egulção do Gerdor de Corrente Contínu com Excitção em Derivção 1. Introdução Neste ensio máquin de corrente contínu ANEL trblhrá como gerdor utoexcitdo, não sendo mis necessári

Leia mais

Semelhança e áreas 1,5

Semelhança e áreas 1,5 A UA UL LA Semelhnç e áres Introdução N Aul 17, estudmos o Teorem de Tles e semelhnç de triângulos. Nest ul, vmos tornr mis gerl o conceito de semelhnç e ver como se comportm s áres de figurs semelhntes.

Leia mais

EXERCÍCIOS RESOLVIDOS DE TEORIA DOS GRAFOS

EXERCÍCIOS RESOLVIDOS DE TEORIA DOS GRAFOS EXERCÍCIOS RESOLVIDOS DE TEORIA DOS GRAFOS.) Considere tbel de trefs seguir pr construção de um cs de mdeir: TAREFAS PRÉ-REQUISITOS DIAS. Limpez do terreno Nenhum. Produção e colocção d fundção. Produção

Leia mais

CT-234. Estruturas de Dados, Análise de Algoritmos e Complexidade Estrutural. Carlos Alberto Alonso Sanches

CT-234. Estruturas de Dados, Análise de Algoritmos e Complexidade Estrutural. Carlos Alberto Alonso Sanches CT-234 Estruturs de Ddos, Análise de Algoritmos e Complexidde Estruturl Crlos Alberto Alonso Snches CT-234 7) Busc de pdrões Knuth-Morris-Prtt, Boyer-Moore, Krp-Rbin Pdrões e lfbetos Pdrões (ptterns ou

Leia mais

IES-300. Tecnologia em Análise e Desenvolvimento de Sistemas Prof. Me. Álvaro d Arce alvaro@darce.com.br

IES-300. Tecnologia em Análise e Desenvolvimento de Sistemas Prof. Me. Álvaro d Arce alvaro@darce.com.br IES-300 Tecnologia em Análise e Desenvolvimento de Sistemas Prof. Me. Álvaro d Arce alvaro@darce.com.br Teste de Caixa Branca 2 Teste de Componentes: Caixa Branca Teste de Caixa Branca Grafo de Fluxo de

Leia mais

XEROX BOLETIM DE SEGURANÇA XRX07-001

XEROX BOLETIM DE SEGURANÇA XRX07-001 XEROX BOLETIM DE SEGURANÇA XRX07-001 XEROX Boletim de Segurnç XRX07-001 Há vulnerbiliddes n ESS/Controldor de Rede que, se forem explords, podem permitir execução remot de softwre rbitrário, flsificção

Leia mais

Plano da aula. Compiladores. Os erros típicos são sintáticos. Análise Sintática. Usando Gramáticas. Os erros típicos são sintáticos

Plano da aula. Compiladores. Os erros típicos são sintáticos. Análise Sintática. Usando Gramáticas. Os erros típicos são sintáticos Plano da aula Compiladores Análise sintática (1) Revisão: Gramáticas Livres de Contexto 1 Introdução: porque a análise sintática? Noções sobre Gramáticas Livres de Contexto: Definição Propriedades Derivações

Leia mais

MAB Análise Sintática. Wednesday, August 31, 11

MAB Análise Sintática.  Wednesday, August 31, 11 MAB 471 2011.2 Análise Sintática http://www.dcc.ufrj.br/~fabiom/comp O Front End Código fonte Scanner tokens Parser IR Erros Parser Verifica a corretude gramatical da sequência de palavras e categorias

Leia mais

Relações em triângulos retângulos semelhantes

Relações em triângulos retângulos semelhantes Observe figur o ldo. Um escd com seis degrus está poid em num muro de m de ltur. distânci entre dois degrus vizinhos é 40 cm. Logo o comprimento d escd é 80 m. distânci d bse d escd () à bse do muro ()

Leia mais

VETORES. Com as noções apresentadas, é possível, de maneira simplificada, conceituar-se o

VETORES. Com as noções apresentadas, é possível, de maneira simplificada, conceituar-se o VETORES INTRODUÇÃO No módulo nterior vimos que s grndezs físics podem ser esclres e vetoriis. Esclres são quels que ficm perfeitmente definids qundo expresss por um número e um significdo físico: mss (2

Leia mais

6.1 Recursos de Curto Prazo ADMINISTRAÇÃO DO CAPITAL DE GIRO. Capital de giro. Capital circulante. Recursos aplicados em ativos circulantes (ativos

6.1 Recursos de Curto Prazo ADMINISTRAÇÃO DO CAPITAL DE GIRO. Capital de giro. Capital circulante. Recursos aplicados em ativos circulantes (ativos ADMINISTRAÇÃO DO CAPITAL DE GIRO 6.1 Recursos de curto przo 6.2 Administrção de disponibiliddes 6.3 Administrção de estoques 6.4 Administrção de conts 6.1 Recursos de Curto Przo Administrção Finnceir e

Leia mais

Compiladores - Análise Preditiva

Compiladores - Análise Preditiva Compiladores - Análise Preditiva Fabio Mascarenhas 205.2 http://www.dcc.ufrj.br/~fabiom/comp Analisador Preditivo Uma simplificação do parser recursivo com retrocesso que é possível para muitas gramáticas

Leia mais

Análise Bottom-Up. Compiladores. Parsing LR. Tabela Ações/Transições. Análise LR. Construindo tabelas LR

Análise Bottom-Up. Compiladores. Parsing LR. Tabela Ações/Transições. Análise LR. Construindo tabelas LR Análise Bottom-Up Compiladores Análise sintática 5) Gramáticas SLR), LR) e LALR String Entrada -> Símbolo Inicial Regras aplicadas em reverso adiar decisões mais poderoso Noção de handle, redução, uso

Leia mais

Fluxo de execução e blocos básicos

Fluxo de execução e blocos básicos Otimizção Fluxo de execução e blocos básicos Compildores II Melhorr código mke it better, não mke it best Não deve lterr semântic originl do progrm Tipos locis ou globis Precoce Constnt folding 6-6 0 Simplificções

Leia mais

3.3 Autómatos finitos não determinísticos com transições por ε (AFND-ε)

3.3 Autómatos finitos não determinísticos com transições por ε (AFND-ε) TRANSIÇÕES POR (AFND-) 43 3.3 Autómtos finitos não determinísticos com trnsições por (AFND-) Vmos gor considerr utómtos finitos que podem mudr de estdo sem consumir qulquer símbolo, isto é, são utómtos

Leia mais

Sintaxe e Semântica. Fases da Compilação. programa fonte

Sintaxe e Semântica. Fases da Compilação. programa fonte Sintaxe e Semântica mleal@inf.puc-rio.br Fases da Compilação programa fonte tokens parse tree árvore anotada ou outra forma intermediária código intermediário código objeto código objeto otimizado scanner

Leia mais

Autômatos a pilha. UFRN/DIMAp/DIM0330 Linguagens formais. David Déharbe. http://www.consiste.dimap.ufrn.br/ david/enseignement/2003.

Autômatos a pilha. UFRN/DIMAp/DIM0330 Linguagens formais. David Déharbe. http://www.consiste.dimap.ufrn.br/ david/enseignement/2003. UFRN/DIMAp/DIM0330 Linguagens formais http://www.consiste.dimap.ufrn.br/ david/enseignement/2003.1/dim0330 1/36 Autômatos a pilha David Déharbe UFRN/DIMAp Campus Universitário, Lagoa Nova, 59072-970 Natal,

Leia mais

PROGRAMAÇÃO II 3. PILHA DINÂMICA

PROGRAMAÇÃO II 3. PILHA DINÂMICA 3. PILHA DINÂMICA PROGRAMAÇÃO II Prof. Jean Eduardo Glazar Uma pilha é um tipo especial de Pilha na quais todas as inserções e remoções são feitas na primeira posição, que é chamada de topo. Outro nome

Leia mais

Unidimensional pois possui apenas uma única dimensão

Unidimensional pois possui apenas uma única dimensão Vetores e Mtrizes José Augusto Brnusks Deprtmento de Físic e Mtemátic FFCLRP-USP Sl 6 Bloco P Fone (6) 60-6 Nest ul veremos estruturs de ddos homogênes: vetores (ou rrys) e mtrizes Esss estruturs de ddos

Leia mais

TÓPICOS. Equação linear. Sistema de equações lineares. Equação matricial. Soluções do sistema. Método de Gauss-Jordan. Sistemas homogéneos.

TÓPICOS. Equação linear. Sistema de equações lineares. Equação matricial. Soluções do sistema. Método de Gauss-Jordan. Sistemas homogéneos. Note bem: leitur destes pontmentos não dispens de modo lgum leitur tent d bibliogrfi principl d cdeir ÓPICOS Equção liner. AUA 4 Chm-se tenção pr importânci do trblho pessol relizr pelo luno resolvendo

Leia mais

Construção de Compiladores Aula 18 - Análise Sintática Ascendente

Construção de Compiladores Aula 18 - Análise Sintática Ascendente Construção de Compiladores Aula 18 - Análise Sintática Ascendente Bruno Müller Junior Departamento de Informática UFPR 10 de Novembro de 2014 Bruno Müller 5 Implementação Junior Departamento de Informática

Leia mais

Aula 10 Estabilidade

Aula 10 Estabilidade Aul 0 Estbilidde input S output O sistem é estável se respost à entrd impulso 0 qundo t Ou sej, se síd do sistem stisfz lim y(t) t = 0 qundo entrd r(t) = impulso input S output Equivlentemente, pode ser

Leia mais

Material envolvendo estudo de matrizes e determinantes

Material envolvendo estudo de matrizes e determinantes E. E. E. M. ÁREA DE CONHECIMENTO DE MATEMÁTICA E SUAS TECNOLOGIAS PROFESSORA ALEXANDRA MARIA º TRIMESTRE/ SÉRIE º ANO NOME: Nº TURMA: Mteril envolvendo estudo de mtrizes e determinntes INSTRUÇÕES:. Este

Leia mais

Comprimento de arco. Universidade de Brasília Departamento de Matemática

Comprimento de arco. Universidade de Brasília Departamento de Matemática Universidde de Brsíli Deprtmento de Mtemátic Cálculo Comprimento de rco Considerefunçãof(x) = (2/3) x 3 definidnointervlo[,],cujográficoestáilustrdo bixo. Neste texto vmos desenvolver um técnic pr clculr

Leia mais

Busca Digital (Trie e Árvore Patrícia) Estrutura de Dados II Jairo Francisco de Souza

Busca Digital (Trie e Árvore Patrícia) Estrutura de Dados II Jairo Francisco de Souza Busc Digitl (Trie e Árvore Ptríci) Estrutur de Ddos II Jiro Frncisco de Souz Introdução No prolem de usc, é suposto que existe um conjunto de chves S={s 1,, s n } e um vlor x correspondente um chve que

Leia mais

FUNDAÇÃO EDUCACIONAL DE ITUIUTABA

FUNDAÇÃO EDUCACIONAL DE ITUIUTABA FUNDAÇÃO EDUCACIONAL DE ITUIUTABA ASSOCIADA À UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MINAS GERAIS CURSO DE SISTEMA DE INFORMAÇÃO PILHA E FILA Prof. Walteno Martins Parreira Júnior www.waltenomartins.com.br waltenomartins@yahoo.com

Leia mais

Exemplos de autómatos finitos

Exemplos de autómatos finitos Exemplos de utómtos finitos s s 2 reconhece lingugem: {x {, } x termin em e não têm s consecutivos} s s 2 reconhece lingugem {x x {, } e tem como suplvr} Deprtmento de Ciênci de Computdores d FCUP MC Aul

Leia mais

Gramáticas LR. Simão Melo de Sousa. Computer Science Department University of Beira Interior, Portugal

Gramáticas LR. Simão Melo de Sousa. Computer Science Department University of Beira Interior, Portugal Gramáticas LR Simão Melo de Sousa Computer Science Department University of Beira Interior, Portugal Plano Princípios Gerais 1 Princípios Gerais Considerações sobre as Gramáticas Livres de Contexto Motivação

Leia mais

PROGRAMAÇÃO II 4. ÁRVORE

PROGRAMAÇÃO II 4. ÁRVORE 4. ÁRVORE PROGRAMAÇÃO II Prof. Jean Eduardo Glazar Uma árvore impõe uma estrutura hierárquica em uma coleção de itens. Um exemplo familiar é a árvore genealógica. Árvores despontam de forma natural em

Leia mais

Operadores momento e energia e o Princípio da Incerteza

Operadores momento e energia e o Princípio da Incerteza Operdores momento e energi e o Princípio d Incertez A U L A 5 Mets d ul Definir os operdores quânticos do momento liner e d energi e enuncir o Princípio d Incertez de Heisenberg. objetivos clculr grndezs

Leia mais

Como construir um compilador utilizando ferramentas Java

Como construir um compilador utilizando ferramentas Java Como construir um compilador utilizando ferramentas Java p. 1/2 Como construir um compilador utilizando ferramentas Java Aula 6 Análise Sintática Prof. Márcio Delamaro delamaro@icmc.usp.br Como construir

Leia mais

Um Compilador Simples. Definição de uma Linguagem. Estrutura de Vanguarda. Gramática Livre de Contexto. Exemplo 1

Um Compilador Simples. Definição de uma Linguagem. Estrutura de Vanguarda. Gramática Livre de Contexto. Exemplo 1 Definição de uma Linguagem Linguagem= sintaxe + semântica Especificação da sintaxe: gramática livre de contexto, BNF (Backus-Naur Form) Especificação Semântica: informal (textual), operacional, denotacional,

Leia mais

CPV O cursinho que mais aprova na GV

CPV O cursinho que mais aprova na GV O cursinho que mis prov n GV FGV Administrção 04/junho/006 MATEMÁTICA 0. Pulo comprou um utomóvel fle que pode ser bstecido com álcool ou com gsolin. O mnul d montdor inform que o consumo médio do veículo

Leia mais

CONJUNTOS NUMÉRICOS Símbolos Matemáticos

CONJUNTOS NUMÉRICOS Símbolos Matemáticos CONJUNTOS NUMÉRICOS Símolos Mtemáticos,,... vriáveis e prâmetros igul A, B,... conjuntos diferente pertence > mior que não pertence < menor que está contido mior ou igul não está contido menor ou igul

Leia mais

LFA Aula 09. Gramáticas e Linguagens Livres de Contexto 18/01/2016. Linguagens Formais e Autômatos. Celso Olivete Júnior.

LFA Aula 09. Gramáticas e Linguagens Livres de Contexto 18/01/2016. Linguagens Formais e Autômatos. Celso Olivete Júnior. LFA Aula 09 Gramáticas e Linguagens Livres de Contexto (Hopcroft, 2002) 18/01/2016 Celso Olivete Júnior olivete@fct.unesp.br www.fct.unesp.br/docentes/dmec/olivete/lfa 1 Classes Gramaticais Linguagens

Leia mais

Teorema Fundamental do Cálculo - Parte 2

Teorema Fundamental do Cálculo - Parte 2 Universidde de Brsíli Deprtmento de Mtemátic Cálculo Teorem Fundmentl do Cálculo - Prte 2 No teto nterior vimos que, se F é um primitiv de f em [,b], então f()d = F(b) F(). Isto reduz o problem de resolver

Leia mais