Plano da aula. Compiladores. Top-Down x Bottom Up. Redução Exemplo 1. Redução Exemplo 1. Redução Exemplo 1. A Abc b B d.

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Plano da aula. Compiladores. Top-Down x Bottom Up. Redução Exemplo 1. Redução Exemplo 1. Redução Exemplo 1. A Abc b B d."

Transcrição

1 Plano da aula Compiladores Análise bottom-up AKA: Analisador ascendente Analisador empilhar/reduzir Análise sintática (4) Análise Bottom-Up Autômatos mpilhar/reduzir xemplos Handle Operações básicas IQuestões a serem tratadas Gramática LR 1 Tabelas LR. 2 Top-Down x Bottom Up ε Top-Down AB cb ccbb ccbca AB A c B cbb B ca Bottom-Up ccbca Acbca AcbB AB A c B ca B cbb AB

2 7 8 aabe aabe

3 + id + id id id id + id id Análise bottom-up Handle Considerando uma leitura da esquerda para a direita, a análise bottom-up procura a encontrar o inverso da derivação mais a direita. Deve-se identicar a forma sentencial corrente a ser reduzida para sua forma sentencial anterior. Noção de Handle Definição Um handle de uma forma sentencial mais a direita é uma produção A e uma posição de, onde o string pode ser encontrado e substituido por A para produzir a forma sentencial de. Ou seja: se A w 17 Handles: Análise bottom-up Handle É uma subcadeia que reconhece o lado direito de uma produção e cuja redução ao não terminal do lado esquerdo da produção representa um passo ao longo do percurso de uma derivação mais a direita. xemplo: = A w 18

4 Analisador bottom-up strutura Básica A análise Bottom-Up vai necessitar: Uma pilha para guardar os símbolos Um buffer de entrada para a sentença w a ser reconhecida. Cadeia de tokens de entrada a 1... a i... a n s m X m s m-1 X m-1. s 0 tc topo Análise LR Tabela sintática (ações e desvios) aída 19 Operações lícitas: empilha (sht): coloca no topo da pilha o símbolo que está sendo lido e avança o cabeçote de leitura na string reduz (reduce): substitui o handle no topo da pilha pelo não terminal correspondente aceita: reconhece que a sentença foi gerada pela gramática erro: ocorrendo erro de sintaxe, chama uma subrotina de atendimento a erros 20 ht-reduce Problemas na análise Motivados por: A gramática é ambígua e a entrada aponta uma situação A entrada não é ambígua, mas não é possível determinar a seqüencia da análise pela entrada dada. 21 Ocorre quando um handle foi obtido, mas o conteúdo da pilha e o próximo símbolo de entrada não permitem identicar a produção a ser utilizada na redução. xemplo: sintaxe similar para chaa de procedimentos e acesso arrays proccall id ( parlist ) parlist parlist, par par par id arrayexp id ( explist ) explist explist, exp exp exp id Produções elegíveis ntrada: id ( id, id ) id, id ) ( id ntrada 22 Ocorre quando um handle foi obtido, mas o conteúdo da pilha e o próximo símbolo de entrada não permitem identicar a produção a ser utilizada na redução. xemplo: sintaxe similar para chaa de procedimentos e acesso arrays proccall id ( parlist ) parlist parlist, procpar procpar procpar id arrayexp id ( explist ) explist explist, exp exp exp id ntrada: id ( id, id ) id, id ) ( ntrada ht-reduce Não é possível determinar se deve ser executada um sht ou uma redução. xemplo: --else else id Alternativa else... ntrada

5 ht-reduce Não é possível determinar se deve ser executada um sht ou uma redução. xemplo: --else else Resolução do conflito mpilhar, associando o else ao sem else mais interno. Note que não é uma solução genérica. else... ntrada 25 xemplo de operação ntrada Ação sht Reduce id () sht id + id id sht ntrada: +id id Reduce id + id Reduce id sht id sht id Reduce id Reduce ACITA 26 Algoritmo Reduz e: está na pilha A existe um T tal que A ntão: Pode-se remover o handle ; Reduz-se para A na pilha é um prefixo viável le pode derivar numa seqüência de terminais ht (empilha) mpilhar o terminal, avançar entrada rro Livro do dragão, eção 4.5 Bibliografia Atenção, na edição em português há um erro. Na página 87, primeira coluna, no parágrafo que começa com Formalmente, um handle de uma forma... aparece: A w b w mas o correto é: A w w Price & Toscani, eção 3.3 (até página 58) Aceitar 27 28

Analisadores Ascendentes ou Empilha-Reduz. Mais um exemplo... Mais um exemplo... Top-Down x Bottom Up. Conteúdo da aula. Analisadores Ascendentes

Analisadores Ascendentes ou Empilha-Reduz. Mais um exemplo... Mais um exemplo... Top-Down x Bottom Up. Conteúdo da aula. Analisadores Ascendentes Conteúdo da aula Analisadores Ascendentes ou mpilha-reduz Marcelo Johann Analisadores Ascendentes uncionamento Analisadores de Precedência de Operadores Analisadores LR(k) SLR - Simple LR (estudaremos

Leia mais

Compiladores. A seção das regras. Especificação (F)lex. Plano da aula. Escolha das regras. Compilação típica com FLEX

Compiladores. A seção das regras. Especificação (F)lex. Plano da aula. Escolha das regras. Compilação típica com FLEX Compilação típica com FLX Compiladores Análise sintática (1) Noções sobre Gramáticas Livres de conteto dição do teto de especificação No arquivo minhas_regras.l 3 partes: Declarações Regras (Rs -> Ação)

Leia mais

Revisão de GLC e Analisadores Descendentes

Revisão de GLC e Analisadores Descendentes Conteúdo da aula 1. xemplos de Gramáticas Revisão de GLC e Analisadores Descendentes Marcelo Johann 2. Propriedades: Ambíguas, sem ciclos, ε-livres, fatoradas à esquerda, recursivas à esquerda, simplificadas

Leia mais

Análise semântica. Análise Semântica. Estrutura de um compilador. Anotação da árvore sintática. Tipos de comunicação de atributos?

Análise semântica. Análise Semântica. Estrutura de um compilador. Anotação da árvore sintática. Tipos de comunicação de atributos? Estrutura de um compilador Análise semântica Tradução orientada pela sintaxe 1 2 Análise Semântica Anotação da árvore sintática Análise semântica: Tipos (& Declarações) Escopo Checagens estáticas: Idéia:

Leia mais

Compiladores Aula 5. Celso Olivete Júnior. olivete@fct.unesp.br

Compiladores Aula 5. Celso Olivete Júnior. olivete@fct.unesp.br Aula 5 Celso Olivete Júnior olivete@fct.unesp.br Na aula passada Conjuntos Primeiro(First) e Seguidor(Follow) 2 Na aula de hoje Análise Sintática Análise Sintática Descendente Recursividade Fatoração 3

Leia mais

Compiladores. Top-Down x Bottom Up. Plano da aula. Redução exemplo 1. Redução exemplo 1. Lembrando: construir a tabela de análise LL(1) A Abc b B d

Compiladores. Top-Down x Bottom Up. Plano da aula. Redução exemplo 1. Redução exemplo 1. Lembrando: construir a tabela de análise LL(1) A Abc b B d Compiladores Análise sintática ) Análise ascendente Autômatos Empilhar/Reduzir Lembrando: construir a tabela de análise LL) Como fazer? Re-escrever gramática para satisfazer condições de LL) Calcular conjuntos

Leia mais

6.3 Equivalência entre Autômatos com Pilha Não-Determinísticos e Gramáticas Livre do Contexto

6.3 Equivalência entre Autômatos com Pilha Não-Determinísticos e Gramáticas Livre do Contexto Capítulo 6. Autômatos com Pilha 6.3 Equivalência entre Autômatos com Pilha Não-Determinísticos e Gramáticas Livre do Contexto Nos exemplos da seção anterior, vimos que os autômatos com pilha existem para

Leia mais

Compiladores. Análise léxica. Plano da aula. Vocabulário básico. Motivação para análise léxica. Estrutura de um compilador

Compiladores. Análise léxica. Plano da aula. Vocabulário básico. Motivação para análise léxica. Estrutura de um compilador Estrutura de um compilador Compiladores Análise lexical (1) Expressões Regulares 1 2 Plano da aula 1. Motivação do uso de E.R. e definições Linguagens, tokens, lexemas... 2. Regras de formação e exemplos

Leia mais

Plano da aula. Compiladores. Os erros típicos são sintáticos. Análise Sintática. Usando Gramáticas. Os erros típicos são sintáticos

Plano da aula. Compiladores. Os erros típicos são sintáticos. Análise Sintática. Usando Gramáticas. Os erros típicos são sintáticos Plano da aula Compiladores Análise sintática (1) Revisão: Gramáticas Livres de Contexto 1 Introdução: porque a análise sintática? Noções sobre Gramáticas Livres de Contexto: Definição Propriedades Derivações

Leia mais

Análise sintática. Análise sintática ascendente. Parte-se dos símbolos terminais em direção ao símbolo inicial da gramática. Derivação mais à direita

Análise sintática. Análise sintática ascendente. Parte-se dos símbolos terminais em direção ao símbolo inicial da gramática. Derivação mais à direita Análise sintática Função, interação com o compilador Análise descendente e ascendente Especificação e reconhecimento de cadeias de tokens válidas Implementação Tratamento de erros Prof. Thiago A. S. Pardo

Leia mais

Tabela de Símbolos. Análise Semântica A Tabela de Símbolos. Principais Operações. Estrutura da Tabela de Símbolos. Declarações 11/6/2008

Tabela de Símbolos. Análise Semântica A Tabela de Símbolos. Principais Operações. Estrutura da Tabela de Símbolos. Declarações 11/6/2008 Tabela de Símbolos Análise Semântica A Tabela de Símbolos Fabiano Baldo Após a árvore de derivação, a tabela de símbolos é o principal atributo herdado em um compilador. É possível, mas não necessário,

Leia mais

Compiladores - Análise Ascendente

Compiladores - Análise Ascendente Compiladores - Análise Ascendente Fabio Mascarenhas - 2013.1 http://www.dcc.ufrj.br/~fabiom/comp Análise Descendente vs. Ascendente As técnicas de análise que vimos até agora (recursiva com retrocesso,

Leia mais

Compiladores - Análise Ascendente

Compiladores - Análise Ascendente Compiladores - Análise Ascendente Fabio Mascarenhas - 2013.2 http://www.dcc.ufrj.br/~fabiom/comp Análise Descendente vs. Ascendente As técnicas de análise que vimos até agora (recursiva com retrocesso,

Leia mais

Análise Sintática (Cap. 04) Analisador Sintático LR canônico e LALR

Análise Sintática (Cap. 04) Analisador Sintático LR canônico e LALR Análise Sintática (Cap. 04) Analisador Sintático LR canônico e LALR Análise Sintática LR O método LR (canônico LR) usa símbolos de lookahead para tomar decisões de shift reduce O método LALR (LR com lookahead)

Leia mais

Análise Sintática Bottom-up

Análise Sintática Bottom-up MAB 471 2011.2 Análise Sintática Bottom-up http://www.dcc.ufrj.br/~fabiom/comp Recapitulando parsers top-down Constróem árvore sintática da raiz até as folhas Recursão à esquerda faz parsers entrarem em

Leia mais

Autômatos a pilha. UFRN/DIMAp/DIM0330 Linguagens formais. David Déharbe. http://www.consiste.dimap.ufrn.br/ david/enseignement/2003.

Autômatos a pilha. UFRN/DIMAp/DIM0330 Linguagens formais. David Déharbe. http://www.consiste.dimap.ufrn.br/ david/enseignement/2003. UFRN/DIMAp/DIM0330 Linguagens formais http://www.consiste.dimap.ufrn.br/ david/enseignement/2003.1/dim0330 1/36 Autômatos a pilha David Déharbe UFRN/DIMAp Campus Universitário, Lagoa Nova, 59072-970 Natal,

Leia mais

Resumo da última aula. Compiladores. Tipos. Regras semânticas. Expressões de tipos. Análise Semântica e checagem de tipos.

Resumo da última aula. Compiladores. Tipos. Regras semânticas. Expressões de tipos. Análise Semântica e checagem de tipos. Resumo da última aula Compiladores Análise semântica Verificação de tipos 1 Implementação: Esquemas S-atribuídos: Mecanismo bottom-up direto Esquemas L-atribuídos: Mecanismo top-down: Necessita gramática

Leia mais

Linguagens Livres de Contexto e Autômatos a Pilha (Push- Down) Um Modelo de Computação de Força Intermediária. Gramática Livre de Contexto

Linguagens Livres de Contexto e Autômatos a Pilha (Push- Down) Um Modelo de Computação de Força Intermediária. Gramática Livre de Contexto LFA - PARTE 2 Linguagens Livres de Contexto e Autômatos a Pilha (Push- Down) Um Modelo de Computação de Força Intermediária João Luís Garcia Rosa LFA-FEC-PUC-Campinas 2002 R. Gregory Taylor: http://starbase.cs.trincoll.edu/~rtaylor/thcomp/

Leia mais

V Análise Sintática. V.1.1 Gramáticas Livres de Contexto Definições de GLC

V Análise Sintática. V.1.1 Gramáticas Livres de Contexto Definições de GLC V Análise Sintática V.1 Fundamentos Teóricos V.1.1 G.L.C V.1.2 Teoria de Parsing V.2 Especificação Sintática de Ling. de Prog. V.3 - Implementação de PARSER s V.4 - Especificação Sintática da Linguagem

Leia mais

Linguagens Formais e Compilação Ficha de exercícios

Linguagens Formais e Compilação Ficha de exercícios Linguagens Formais e Compilação Ficha de exercícios Simão Melo de Sousa 1 Linguagens Formais: Construir Frases Exercício 1 Para cada uma das gramáticas G seguintes, (a) descreva a linguagem L(G) gerada

Leia mais

Compiladores I. Caracterizar um método de análise bottom-up. Compreender os mecanismos básicos envolvidos no processo de análise LR.

Compiladores I. Caracterizar um método de análise bottom-up. Compreender os mecanismos básicos envolvidos no processo de análise LR. Compiladores I Gerson Geraldo Homrich Cavalheiro Caracterizar um método de análise bottom-up Compreender oecanismos básicos envolvidos no processo de análise LR Oferecer as bases para utilização de uma

Leia mais

Sintaxe e Semântica. Fases da Compilação. programa fonte

Sintaxe e Semântica. Fases da Compilação. programa fonte Sintaxe e Semântica mleal@inf.puc-rio.br Fases da Compilação programa fonte tokens parse tree árvore anotada ou outra forma intermediária código intermediário código objeto código objeto otimizado scanner

Leia mais

Geração de código. Ivan Ricarte INTRODUÇÃO À COMPILAÇÃO

Geração de código. Ivan Ricarte INTRODUÇÃO À COMPILAÇÃO Geração de código Ivan Ricarte 2008 Sumário Geração de código intermediário Código de três endereços Notação pós-fixa Otimização de código Heurísticas de otimização Geração de código em linguagem simbólica

Leia mais

Reduce: reduz o que está imediatamente à esquerda do foco usando uma produção

Reduce: reduz o que está imediatamente à esquerda do foco usando uma produção Shift e reduce Shift: move o foco uma posição à direita A B C x y z A B C x y z é uma ação shift Reduce: reduz o que está imediatamente à esquerda do foco usando uma produção Se A x y é uma produção, então

Leia mais

Compiladores - Análise Preditiva

Compiladores - Análise Preditiva Compiladores - Análise Preditiva Fabio Mascarenhas - 203. http://www.dcc.ufrj.br/~fabiom/comp Wednesday, May 8, 3 Retrocesso Local Podemos definir o processo de construção de um parser recursivo com retrocesso

Leia mais

Síntese. Compiladores. Geração de código intermediário. Linguagens Intermediárias. Modelo Clássico. Linguagens Intermediárias. Código intermediário

Síntese. Compiladores. Geração de código intermediário. Linguagens Intermediárias. Modelo Clássico. Linguagens Intermediárias. Código intermediário Síntese Compiladores Código intermediário 1 Os assuntos apresentados trazem respostas às perguntas seguintes: 1. Pode a memória ser alocada dinamicamente? 2. Pode a memória ser liberada explicitamente?

Leia mais

FUNDAÇÃO EDUCACIONAL DE ITUIUTABA

FUNDAÇÃO EDUCACIONAL DE ITUIUTABA FUNDAÇÃO EDUCACIONAL DE ITUIUTABA ASSOCIADA À UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MINAS GERAIS CURSO DE SISTEMA DE INFORMAÇÃO PILHA E FILA Prof. Walteno Martins Parreira Júnior www.waltenomartins.com.br waltenomartins@yahoo.com

Leia mais

Automata e Linguagens Formais

Automata e Linguagens Formais Automata e Linguagens Formais 6 Prof. Carlos H. C. Ribeiro carlos@ita.br Análise Sintática (Parsing) GLCs ambíguas Grafos de GLCs Estratégias para parsing Exemplos de parsers Análise Sintática (Parsing)

Leia mais

V Teoria de Parsing. Termos Básicos: Parser Analisador Sintático Parsing Analise Sintática Parse Representação da analise efetuada

V Teoria de Parsing. Termos Básicos: Parser Analisador Sintático Parsing Analise Sintática Parse Representação da analise efetuada V Teoria de Parsing Termos Básicos: Parser Analisador Sintático Parsing Analise Sintática Parse Representação da analise efetuada Ascendentes: S + x (* Seq. Invertida Reducao *) dir Exemplo: Descendentes:

Leia mais

Análise Sintática II. Eduardo Ferreira dos Santos. Outubro, Ciência da Computação Centro Universitário de Brasília UniCEUB 1 / 34

Análise Sintática II. Eduardo Ferreira dos Santos. Outubro, Ciência da Computação Centro Universitário de Brasília UniCEUB 1 / 34 Análise Sintática II Eduardo Ferreira dos Santos Ciência da Computação Centro Universitário de Brasília UniCEUB Outubro, 2016 1 / 34 Sumário 1 Introdução 2 Ambiguidade 3 Análise sintática descendente 4

Leia mais

Identificação das variáveis de entrada; resultados/variáveis de saída e método ou solução. (procedimentos e funções)

Identificação das variáveis de entrada; resultados/variáveis de saída e método ou solução. (procedimentos e funções) Aulas anteriores... Formulação adequada do problema Identificação das variáveis de entrada; resultados/variáveis de saída e método ou solução Definição do algoritmo Método de decomposição hierárquica utilizando

Leia mais

Geração de código intermediário. Novembro 2006

Geração de código intermediário. Novembro 2006 Geração de código intermediário Novembro 2006 Introdução Vamos agora explorar as questões envolvidas na transformação do código fonte em uma possível representação intermediária Como vimos, nas ações semânticas

Leia mais

Construção de Compiladores Aula 16 - Análise Sintática

Construção de Compiladores Aula 16 - Análise Sintática Construção de Compiladores Aula 16 - Análise Sintática Bruno Müller Junior Departamento de Informática UFPR 25 de Setembro de 2014 1 Introdução Hierarquia de Chomsky Reconhecedores Linguagens Livres de

Leia mais

Compiladores. Exemplo. Caraterísticas de Gramáticas. A αβ 1 αβ 2. A αx X β 1 β 2. Lembrando... Gramáticas Livres de Contexto

Compiladores. Exemplo. Caraterísticas de Gramáticas. A αβ 1 αβ 2. A αx X β 1 β 2. Lembrando... Gramáticas Livres de Contexto Compiladores Análise sintática (2) Análise Top-Down Lembrando... Gramáticas Livres de Contexto Análise sintática = parsing. Baseada em GLCs Gramática: S A B Top-Down Bottom-Up S AB cb ccbb ccbca S AB A

Leia mais

Estruturas de Dados Pilhas, Filas e Deques

Estruturas de Dados Pilhas, Filas e Deques Estruturas de Dados Pilhas, Filas e Deques Prof. Eduardo Alchieri Estruturas de Dados Pilhas Pilhas Lista LIFO (Last In, First Out) Os elementos são colocados na estrutura (pilha) e retirados em ordem

Leia mais

LL Parser ( TOP-DOWN)

LL Parser ( TOP-DOWN) LL Parser ( TOP-DOWN) CT-200 Thiago Silva de Oliveira Duarte Marcus Kimura Lopes TOP DOWN x BOTTON UP PARSER TOP DOWN Algoritmo começa do símbolo de início aplicando produções até alcançar a string desejada

Leia mais

Linguagem algorítmica: Portugol

Linguagem algorítmica: Portugol Programação de Computadores I Aula 03 Linguagem algorítmica: Portugol José Romildo Malaquias Departamento de Computação Universidade Federal de Ouro Preto 2011-1 1/34 Introdução I Lógica A lógica é usada

Leia mais

Exemplo: programa --> regra; fato. Muito utilizada para definir gramáticas e para processamento de linguagem natural.

Exemplo: programa --> regra; fato. Muito utilizada para definir gramáticas e para processamento de linguagem natural. istemas Inteligentes, 2011-2 1 Utilização de DCGs DCG: Gramática de Cláusulas Definidas (Definite Clause Grammar) é uma linguagem formal para definicção de outras linguagens. Baseada em cláusulas de Horn.

Leia mais

Análise sintática. Prof. Thiago A. S. Pardo. Análise sintática ascendente

Análise sintática. Prof. Thiago A. S. Pardo. Análise sintática ascendente Análise sintática Função, interação com o compilador Análise descendente e ascendente Especificação e reconhecimento de cadeias de tokens válidas Implementação Tratamento de erros Prof. Thiago A. S. Pardo

Leia mais

Teoria da Computação Linguagens e Expressões Regulares, Autómatos de Estados Finitos

Teoria da Computação Linguagens e Expressões Regulares, Autómatos de Estados Finitos Teoria da Computação Linguagens e Expressões Regulares, Autómatos de Estados Finitos Simão Melo de Sousa 12 de Outubro de 2011 Conteúdo 1 Linguagens e Expressões Regulares 2 2 Autómatos de Estados Finitos

Leia mais

Capítulo 5. Linguagens livres de contexto

Capítulo 5. Linguagens livres de contexto Capítulo 5 Linguagens livres de contexto 5.1. Gramáticas livres de contexto 5.2. Parsing e ambiguidade 5.3. CFG e linguagens de programação 221 5.1. 1Gramáticas ái livres de contexto na parte esquerda

Leia mais

Analisadores Sintáticos. Análise Recursiva com Retrocesso. Análise Recursiva Preditiva. Análise Recursiva Preditiva 05/04/2010

Analisadores Sintáticos. Análise Recursiva com Retrocesso. Análise Recursiva Preditiva. Análise Recursiva Preditiva 05/04/2010 Anlisdores intáticos Análise Descendente (Top-down) Anlisdores sintáticos descendentes: Recursivo com retrocesso (bcktrcking) Recursivo preditivo Tbulr preditivo Análise Redutiv (Bottom-up) Anlisdores

Leia mais

Introdução à Lógica de Programação (cont.)

Introdução à Lógica de Programação (cont.) Operadores Introdução à Programação (cont.) Luis Otavio Alvares Adaptado de slides das profas. Vania Bogorny, Patrícia Jaques e Mônica Py Usados para incrementar, decrementar, comparar e avaliar dados,

Leia mais

BNF (Backus-Naur Form) Gramática Livres de Contexto / Estruturas Recursivas

BNF (Backus-Naur Form) Gramática Livres de Contexto / Estruturas Recursivas Sintae => Usualmente Gramática Livre do Conteto (GLC) BNF (Backus-Naur Form) Gramática Livres de Conteto / struturas Recursivas comando => IF epressao THN epressao LS epressao epressao => (epressao) OR

Leia mais

COMPILADORES E INTERPRETADORES

COMPILADORES E INTERPRETADORES Aula 16 Arquitetura de Computadores 12/11/2007 Universidade do Contestado UnC/Mafra Curso Sistemas de Informação Prof. Carlos Guerber COMPILADORES E INTERPRETADORES Um compilador transforma o código fonte

Leia mais

1.2 Uma linguagem de programação muito simples

1.2 Uma linguagem de programação muito simples 1 Representando programas como dados 1.1 Introdução Os processadores de linguagem sempre fazem alguma manipulação com programas. Normalmente a entrada para o processador é um programa apresentado na forma

Leia mais

Compiladores. Análise Sintática

Compiladores. Análise Sintática Compiladores Análise Sintática Análise Sintática Vejamos um exemplo, seja a seguinte instrução de atribuição: posicao = inicial + incremento * 60 Na análise sintática tenta-se construir uma frase correta

Leia mais

Curso de C. Introdução. Copyright @ 2005 by Arnaldo V. Moura e Daniel F. Ferber

Curso de C. Introdução. Copyright @ 2005 by Arnaldo V. Moura e Daniel F. Ferber Curso de C Introdução Introdução Roteiro: Recordando Algoritmos Linguagem de Programação O computador Instruções de Máquina Níveis de Abstração Compilação Algoritmos Recordando: Algoritmo: conjunto finito

Leia mais

Introdução à Programação. João Manuel R. S. Tavares

Introdução à Programação. João Manuel R. S. Tavares Introdução à Programação João Manuel R. S. Tavares Sumário 1. Ciclo de desenvolvimento de um programa; 2. Descrição de algoritmos; 3. Desenvolvimento modular de programas; 4. Estruturas de controlo de

Leia mais

Compiladores. Bruno Lopes. Bruno Lopes Compiladores 1 / 30. Instituto de C

Compiladores. Bruno Lopes. Bruno Lopes Compiladores 1 / 30. Instituto de C ompiladores Análise Sintática Bruno Lopes Bruno Lopes ompiladores 1 / 30 Front-end Lida com a linguagem de entrada Teste de pertinência: código fonte linguagem fonte? Programa está bem formado? Sintaticamente?

Leia mais

Compiladores. Bruno Lopes. Bruno Lopes Compiladores 1 / 12. Instituto de C

Compiladores. Bruno Lopes. Bruno Lopes Compiladores 1 / 12. Instituto de C ompiladores Análise Sintática Bruno Lopes Bruno Lopes ompiladores 1 / 12 Front-end Lida com a linguagem de entrada Teste de pertinência: código fonte linguagem fonte? Programa está bem formado? Sintaticamente?

Leia mais

ESTRUTURA DE DADOS PILHA

ESTRUTURA DE DADOS PILHA ESTRUTURA DE DADOS PILHA CONCEITO DE PILHAS - Pilhas são listas lineares onde a inserção de um novo item ou a remoção de um item já existente se dá em uma única extremidade, no topo. Pilha vazia Insere(A)

Leia mais

Linguagem C: Estruturas de Controle. Prof. Leonardo Barreto Campos 1

Linguagem C: Estruturas de Controle. Prof. Leonardo Barreto Campos 1 Linguagem C: Estruturas de Controle Prof. Leonardo Barreto Campos 1 Sumário Estrutura de Controle e de Fluxo Comandos de Seleção: O comando if; Ifs Aninhados; A escada if-else-if; A expressão condicional;

Leia mais

Compiladores - Análise SLR

Compiladores - Análise SLR Compiladores - Análise SLR Fabio Mascarenhas - 2013.1 http://www.dcc.ufrj.br/~fabiom/comp Um exemplo que funciona Todo estado com um item de redução e algum outro item causa conflito LR(0)! A técnica LR(0)

Leia mais

Compiladores - Análise LL(1)

Compiladores - Análise LL(1) Compiladores - Análise LL(1) Fabio Mascarenhas - 2013.1 http://www.dcc.ufrj.br/~fabiom/comp Gramáticas LL(1) Uma gramática é LL(1) se toda predição pode ser feita examinando um único token à frente Muitas

Leia mais

Problemas decidíveis para LICs

Problemas decidíveis para LICs Problemas decidíveis para LICs Dada uma gramática independente de contexto G, L(G) =? Dada uma gramática independente de contexto G, L(G) é finita? Dada uma gramática independente de contexto G, L(G) é

Leia mais

Compiladores - Análise LL(1)

Compiladores - Análise LL(1) Compiladores - Análise LL(1) Fabio Mascarenhas 2017.1 http://www.dcc.ufrj.br/~fabiom/comp Gramáticas LL(1) Uma gramática é LL(1) se toda predição pode ser feita examinando um único token à frente Muitas

Leia mais

Compiladores. Análise Sintática

Compiladores. Análise Sintática Compiladores Análise Sintática Cristiano Lehrer, M.Sc. Introdução (1/3) A análise sintática constitui a segunda fase de um tradutor. Sua função é verificar se as construções usadas no programa estão gramaticalmente

Leia mais

Programação de Computadores

Programação de Computadores Programação de Computadores INTRODUÇÃO AOS ALGORITMOS E À PROGRAMAÇÃO DE COMPUTADORES PARTE 1 Renato Dourado Maia Instituto de Ciências Agrárias Universidade Federal de Minas Gerais Programas e Programação

Leia mais

Árvores Binárias de Busca

Árvores Binárias de Busca Árvores Binárias de Busca Definição Uma Árvore Binária de Busca possui as mesmas propriedades de uma AB, acrescida da seguinte propriedade: Para todo nó da árvore, se seu valor é X, então: Os nós pertencentes

Leia mais

Problemas decidíveis para LICs

Problemas decidíveis para LICs Problemas decidíveis para LICs Dada uma gramática independente de contexto G, L(G) =? Dada uma gramática independente de contexto G, L(G) é finita? Dada uma gramática independente de contexto G, L(G) é

Leia mais

Análise Sintática (Cap. 04) Análise Sintática Ascendente Analisador Sintático LR

Análise Sintática (Cap. 04) Análise Sintática Ascendente Analisador Sintático LR Análise Sintática (Cap. 04) Análise Sintática Ascendente Analisador Sintático LR Análise Sintática LR Analisadores sintáticos LR(k): L, verificação da entrada da esquerda para direita R, constrói a derivação

Leia mais

Algoritmos e Linguagem de Programação I

Algoritmos e Linguagem de Programação I Algoritmos e Linguagem de Programação I Roberto Ferreira roberto.ferreira@lapa.ifbaiano.edu.br 2014.1 Módulo I Aula 4 Introdução ao C Linguagem de Programação É um conjunto de regras sintáticas e semânticas

Leia mais

Excel Básico e Avançado. Aula 3

Excel Básico e Avançado. Aula 3 Excel Básico e Avançado Aula 3 Prof. Dr. Marco Antonio Leonel Caetano Mudanças Abruptas www.mudancasabruptas.com.br Fórmulas Se distinguem das células de texto por serem iniciadas pelo símbolo = Calculando

Leia mais

Banco de Dados II Apresentação da Disciplina

Banco de Dados II Apresentação da Disciplina Banco de Dados II Apresentação da Disciplina Prof. Moser Fagundes Curso TSI Instituto Federal Sul-Rio-Grandense (IFSul) Campus Charqueadas Agenda Aulas: Quarta-feira 19:00 20:30 LINF2 Atendimento: Quinta-feira

Leia mais

Vantagens de uma Gramática. Sintaxe de uma Linguagem. Analisador Sintático - Parser. Papel do Analisador Sintático. Tiposde Parsers para Gramáticas

Vantagens de uma Gramática. Sintaxe de uma Linguagem. Analisador Sintático - Parser. Papel do Analisador Sintático. Tiposde Parsers para Gramáticas Sintaxe de uma Linguagem Cada LP possui regras que descrevem a estrutura sintática dos programas. specificada através de uma gramática livre de contexto, BNF (Backus-Naur Form). 1 Vantagens de uma Gramática

Leia mais

Pilhas. Profa Morganna Diniz

Pilhas. Profa Morganna Diniz Pilhas Profa Morganna Diniz Pilhas Geralmente pilhas são úteis em situações em que dados devem ser recuperados em ordem inversa a do armazenamento É uma estrutura de dados linear que permite acesso por

Leia mais

Projeto de Compiladores. FIR Faculdade Integrada do Recife João Ferreira joaoferreira@fir.br 5 e 6 de março de 2007

Projeto de Compiladores. FIR Faculdade Integrada do Recife João Ferreira joaoferreira@fir.br 5 e 6 de março de 2007 Projeto de Compiladores FIR Faculdade Integrada do Recife João Ferreira joaoferreira@fir.br 5 e 6 de março de 2007 Agenda da Aula Resposta exercício da aula passada Revisão As Fases de Um Compilador Analisador

Leia mais

Compilação: Erros. Detecção de Erros: * Analisadores Top-Down - Preditivo Tabular (LL) - Feito a mão. * Analisadores Botton-Up: - Shift-Reduce (SLR)

Compilação: Erros. Detecção de Erros: * Analisadores Top-Down - Preditivo Tabular (LL) - Feito a mão. * Analisadores Botton-Up: - Shift-Reduce (SLR) Compilação: Erros Detecção de Erros: * Analisadores Top-Down - Preditivo Tabular (LL) - Feito a mão * Analisadores Botton-Up: - Shift-Reduce (SLR) * Erros no Lex * Erros no Yacc * Erros na Definição da

Leia mais

Estruturas de Dados. Parte dos slides a seguir são adaptações, extensões e traduções para C dos originais:

Estruturas de Dados. Parte dos slides a seguir são adaptações, extensões e traduções para C dos originais: Estruturas de Dados Pilhas Prof. Ricardo J. G. B. Campello Créditos Parte dos slides a seguir são adaptações, extensões e traduções para C dos originais: disponíveis em http://ww3.datastructures.net/ cedidos

Leia mais

Sumário. INF01040 Introdução à Programação. Elaboração de um Programa. Regras para construção de um algoritmo

Sumário. INF01040 Introdução à Programação. Elaboração de um Programa. Regras para construção de um algoritmo INF01040 Introdução à Programação Introdução à Lógica de Programação s Seqüenciais Sumário Elaboração de um programa/algoritmo Formas de representação de um algoritmo Elementos manipulados em um programa/algoritmo

Leia mais

AMBIENTE PARA AUXILIAR O DESENVOLVIMENTO DE PROGRAMAS MONOLÍTICOS

AMBIENTE PARA AUXILIAR O DESENVOLVIMENTO DE PROGRAMAS MONOLÍTICOS UNIVERSIDADE REGIONAL DE BLUMENAU CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E NATURAIS CURSO DE CIÊNCIAS DA COMPUTAÇÃO BACHARELADO AMBIENTE PARA AUXILIAR O DESENVOLVIMENTO DE PROGRAMAS MONOLÍTICOS Orientando: Oliver Mário

Leia mais

Análise Sintática I. Eduardo Ferreira dos Santos. Abril, Ciência da Computação Centro Universitário de Brasília UniCEUB 1 / 42

Análise Sintática I. Eduardo Ferreira dos Santos. Abril, Ciência da Computação Centro Universitário de Brasília UniCEUB 1 / 42 Análise Sintática I Eduardo Ferreira dos Santos Ciência da Computação Centro Universitário de Brasília UniCEUB Abril, 2017 1 / 42 Sumário 1 Introdução 2 Derivações 3 Ambiguidade 4 Análise sintática descendente

Leia mais

Árvores. Algoritmos e Estruturas de Dados 2005/2006

Árvores. Algoritmos e Estruturas de Dados 2005/2006 Árvores Algoritmos e Estruturas de Dados 2005/2006 Árvores Conjunto de nós e conjunto de arestas que ligam pares de nós Um nó é a raiz Com excepção da raiz, todo o nó está ligado por uma aresta a 1 e 1

Leia mais

COMPILADORES. Análise sintática. Prof. Geovane Griesang Universidade de Santa Cruz do Sul UNISC Departamento de informática

COMPILADORES. Análise sintática. Prof. Geovane Griesang Universidade de Santa Cruz do Sul UNISC Departamento de informática Universidade de Santa Cruz do Sul UNISC Departamento de informática COMPILADORES Análise sintática Parte 04 Prof. geovanegriesang@unisc.br Data Conteúdo 23/09/2013 3. Análise Sintática: 3.1 analisadores

Leia mais

ES-II. Diagrama de Fluxo de Dados. Elementos do DFD. Níveis de representação do DFD. Convenções para ES-II. TE p/ análise orient.

ES-II. Diagrama de Fluxo de Dados. Elementos do DFD. Níveis de representação do DFD. Convenções para ES-II. TE p/ análise orient. TE p/ análise orient. a processos ES-II - Análise Estruturada - Gerson Prando As Técnicas Estruturadas para análise orientada a processos são: Diagrama de Fluxo de Ferramentas para especificação de processos:

Leia mais

Prática 6 ActionScript

Prática 6 ActionScript Prática 6 ActionScript 1. Objetivos Se familiarizar com o ActionScript. Usar comandos e funções básicas. 2. Recursos Necessários Computador com o programa Macromedia Flash MX ou superior. 3. Conceitos

Leia mais

Avaliação de Expressões

Avaliação de Expressões valiação de Expressões valiação de Expressões - Como efetuar o cálculo de uma expressão em um computador? Exemplo: / B C D + E Regras usuais da matemática. Os parênteses alteram a ordem das expressões:

Leia mais

FERRAMENTA DE APOIO A REESTRUTURAÇÃO DE CÓDIGO FONTE EM LINGUAGEM PL/SQL BASEADO EM PADRÕES DE LEGIBILIDADE

FERRAMENTA DE APOIO A REESTRUTURAÇÃO DE CÓDIGO FONTE EM LINGUAGEM PL/SQL BASEADO EM PADRÕES DE LEGIBILIDADE FERRAMENTA DE APOIO A REESTRUTURAÇÃO DE CÓDIGO FONTE EM LINGUAGEM PL/SQL BASEADO EM PADRÕES DE LEGIBILIDADE Formando: Dyckson Dyorgio Dolla Orientador: Prof. Everaldo Artur Grahl Julho / 2001 ROTEIRO DA

Leia mais

PYTHON LISTAS. Introdução à Programação SI2

PYTHON LISTAS. Introdução à Programação SI2 PYTHON LISTAS Introdução à Programação SI2 3 Sequências Sequências! Podem ser indexados por algum valor ordinal posicional Algumas operações são aplicadas a todos os tipos de sequências. Listas li = [1,2,3,

Leia mais

Curso: Ciência da Computação Disciplina: Construção de Compiladores Período: 2010-1 Prof. Dr. Raimundo Moura

Curso: Ciência da Computação Disciplina: Construção de Compiladores Período: 2010-1 Prof. Dr. Raimundo Moura UFPI CCN DIE Curso: Ciência da Computação Disciplina: Construção de Compiladores Período: 2010-1 Prof. Dr. Raimundo Moura O projeto Desenvolver um compilador de um subconjunto básico da linguagem PORTUGOL.

Leia mais

Árvores e Árvores Binárias

Árvores e Árvores Binárias MAC 5710 - Estruturas de Dados - 2008 Referência bibliográfica Os slides sobre este assunto são parcialmente baseados nas seções sobre árvores do capítulo 4 do livro N. Wirth. Algorithms + Data Structures

Leia mais

Figura 1 Busca Linear

Figura 1 Busca Linear ----- Evidentemente, possuir os dados não ajuda o programador ou o usuário se eles não souberem onde os dados estão. Imagine, por exemplo, uma festa de casamento com cem convidados na qual não se sabe

Leia mais

EAD Árvore - representação usando listas ligadas

EAD Árvore - representação usando listas ligadas 4.1. Definição É uma árvore binária em que os seus nodos têm associado uma chave, que - determina a sua posição de colocação na árvore e - obedece às seguintes regras: a chave de um nodo é - maior do que

Leia mais

Análise sintática. Análise sintática. Top-down ou descendente. Com retrocesso: por tentativa e erro. Preditiva: para gramáticas LL(1) 09/04/2012

Análise sintática. Análise sintática. Top-down ou descendente. Com retrocesso: por tentativa e erro. Preditiva: para gramáticas LL(1) 09/04/2012 Análise sintática Função, interação com o compilador Análise descendente e ascendente Especificação e reconhecimento de cadeias de tokens válidas Implementação Tratamento de erros Prof. Thiago A. S. Pardo

Leia mais

Pontifícia Universidade Católica de São Paulo Departamento de Ciência da Computação

Pontifícia Universidade Católica de São Paulo Departamento de Ciência da Computação Pontifícia Universidade Católica de São Paulo Departamento de Ciência da Computação LP: Laboratório de Programação Apontamento 7 Prof. ISVega Março de 2004 Controle de Execução: Seleção Simples CONTEÚDO

Leia mais

Árvore Binária de Busca

Árvore Binária de Busca Árvore Binária de Busca 319 Árvore Binária de Busca! construída de tal forma que, para cada nó:! nós com chaves menores estão na sub-árvore esquerda! nós com chaves maiores (ou iguais) estão na subárvore

Leia mais

Análise sintática. Questão. E se a análise sintática pudesse ser modelada por autômatos?

Análise sintática. Questão. E se a análise sintática pudesse ser modelada por autômatos? Análise sintática Função, interação com o compilador Análise descendente e ascendente Especificação e reconhecimento de cadeias de tokens válidas Implementação Tratamento de erros Prof. Thiago A. S. Pardo

Leia mais

Curso Técnico em Redes

Curso Técnico em Redes Curso Técnico em Redes Prof. Airton Ribeiro - 2012 Histórico das Linguagens de Programação O que é? É um método padronizado para expressar instruções para um computador. É um conjunto de regras sintáticas

Leia mais

ANÁLISE DE CIRCUITOS RESISTIVO DC (03/12/2013)

ANÁLISE DE CIRCUITOS RESISTIVO DC (03/12/2013) Governo do Estado de Pernambuco Secretaria de Educação Secretaria Executiva de Educação Profissional Escola Técnica Estadual Professor Agamemnon Magalhães ETEPAM Aluno: Avaliação do Prof. (N5): ANÁLISE

Leia mais

INE5317 Linguagens Formais e Compiladores. AULA 2: Es trutura geral dos Compiladores

INE5317 Linguagens Formais e Compiladores. AULA 2: Es trutura geral dos Compiladores INE5317 Linguagens Formais e Compiladores AULA 2: Es trutura geral dos Compiladores bas eado em material produzido pelo prof Olinto Jos é Varela Furtado Ricardo Azambuja Silveira INE-CTC-UFSC E-Mail: silveira@inf.ufsc.br

Leia mais

Capítulo 2. VARIÁVEIS DO TIPO INTEIRO

Capítulo 2. VARIÁVEIS DO TIPO INTEIRO Capítulo 2. VARIÁVEIS DO TIPO INTEIRO OBJETIVOS DO CAPÍTULO Conceitos de: variáveis do tipo inteiro, atribuição, avisos e erros de compilação, erros de execução, comentários dentro do programa-fonte Operadores

Leia mais

Um Compilador Simples. Definição de uma Linguagem. Estrutura de Vanguarda. Gramática Livre de Contexto. Exemplo 1

Um Compilador Simples. Definição de uma Linguagem. Estrutura de Vanguarda. Gramática Livre de Contexto. Exemplo 1 Definição de uma Linguagem Linguagem= sintaxe + semântica Especificação da sintaxe: gramática livre de contexto, BNF (Backus-Naur Form) Especificação Semântica: informal (textual), operacional, denotacional,

Leia mais

ESTRUTURAS DE DADOS II MSc. Daniele Carvalho Oliveira

ESTRUTURAS DE DADOS II MSc. Daniele Carvalho Oliveira ESTRUTURAS DE DADOS II MSc. Daniele Carvalho Oliveira ÁRVORES ED2: MSc. Daniele Oliveira 2 Introdução Filas, pilhas» Estruturas Lineares Um dos exemplos mais significativos de estruturas não-lineares são

Leia mais

Ligação com Sage Retail XDPEOPLE

Ligação com Sage Retail XDPEOPLE Ligação com Sage Retail XDPEOPLE Introdução A partir da versão 2014.26 o software XD passa a incluir sincronização de dados com o Sage Retail para todos os clientes com Active Protection, sendo possível

Leia mais

Planificação. Apreender conceitos sobre a lógica de programação. Aplicar instruções e sequências lógicas na resolução de problemas

Planificação. Apreender conceitos sobre a lógica de programação. Aplicar instruções e sequências lógicas na resolução de problemas MÓDULO 1 INTRODUÇÃO À PROGRAMAÇÃO E ALGORITMIA 1. Introdução à Lógica de Programação 1.1. Lógica 1.2. Sequência Lógica 1.3. Instruções 1.4. Algoritmos 2. Desenvolvimento de Algoritmos 2.1. Pseudocódigo

Leia mais

Programação de Computadores I Pseudocódigo PROFESSORA CINTIA CAETANO

Programação de Computadores I Pseudocódigo PROFESSORA CINTIA CAETANO Programação de Computadores I Pseudocódigo PROFESSORA CINTIA CAETANO Pseudocódigo Pseudocódigo é uma forma genérica de escrever um algoritmo, utilizando uma linguagem simples (nativa a quem o escreve,

Leia mais