Sintaxe e Semântica. Fases da Compilação. programa fonte

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Sintaxe e Semântica. Fases da Compilação. programa fonte"

Transcrição

1 Sintaxe e Semântica Fases da Compilação programa fonte tokens parse tree árvore anotada ou outra forma intermediária código intermediário código objeto código objeto otimizado scanner (análise léxica) parser (análise sintática) análise semântica e geração de código intermediário otimização de código (independente da máquina) geração de código objeto otimização de código (dependente da máquina)

2 Sintaxe Sintaxe é um conjunto de regras que define a forma de uma linguagem, estabelecendo como são compostas as suas estruturas básicas (palavras). A sintaxe de uma LP é formada por regras léxicas e regras sintáticas: As regras lexicas descrevem as combinações válidas de caracteres que formam os tokens da LP (palavras reservadas, identificadores, operadores, etc). As regras sintáticas descrevem como os tokens podem ser combinados para formar instruções válidas (comandos, expressões, subrotinas, etc). 3 Sintaxe - Diagramas Sintáticos Um método simples de descrever a sintaxe de uma LP. Permite visualizar facilmente suas construções sintáticas. Foi usado inicialmente na definição da linguagem Pascal. 4

3 Sintaxe - BNF A sintaxe de uma LP usualmento é definida através de um conjunto de regras representadas através de uma gramática livre de contexto. A notação utilizada é conhecida como Backus-Naur Form (BNF). Esta notação utiliza dois conjuntos de símbolos: terminais representam os símbolos da linguagem que está sendo definida, por exemplo: while, for,, =, [. não terminias são abstrações utilizadas para representar as construções da linguagem, e são apresentadas sempre entre <>, como por exemplo: <expressão>, <declaração>, etc. São utilizados ainda dois meta-símbolos: ::= significa é definido como." significa ou." 5 Sintaxe - BNF Regras léxicas: <digit>::= <number>::= <digit> <digit><number> -<number> <identifier>::= <letter> <identifier><letter> <identifier><digit> <letter>::= a b c... z <operator>::= + - * / <relation>::= <= >= == > <!= 6

4 Sintaxe - BNF Regras sintáticas: <program>::= program <identifier> ; <block> <block>::= <declaration seq> begin <command seq> end. ` <declaration seq>::= ε <declaration><declaration seq> <declaration> ::= var <variable list> : <type>; <type>::= boolean integer real string <command seq>::= <command> <command><command seq> <commmand>::= <variable>=<expression> if <boolean expr> then <command seq> end while <boolean expr> do <command seq> end... 7 Sintaxe - BNF As regras léxicas de uma LP são verificadas através de um scanner, que a partir do programa fonte gera uma lista de palavras (tokens) válidos. As regras sintáticas são verificadas através de um parser, que tenta validar a estrutura do programa através da derivação de uma árvore (parse tree) que obedece a descrição (BNF) da LP. 8

5 Sintaxe - Exemplo Como derivar a parse tree para a expressão a*x+b : <expression>::= indentifier number -<expression> <expression> <operator> <expression> <expression>::= <expression> <operator> <expression> <expression>::= <expression> <operator> indentifier <expression>::= <expression> + indentifier <expression>::= <expression> <operator> <expression> + indentifier <expression>::= <expression> <operator> indentifier + indentifier <expression>::= <expression> * indentifier + indentifier <expression>::= indentifier(a) * indentifier(x) + indentifier(b) 9 Sintaxe - Exemplo Parse Tree expression expression operator + expression identifier (b) expression identifier (a) operator * expression identifier (x) 0

6 Sintaxe Uma parse tree contém informações importantes para validar a estrutura sintática do programa, mas que não são efetivamente necessárias para a sua representação. Uma forma mais simples de representar a estrutura sintática de um programa utiliza árvores sintáticas (abstract syntax tree ou simplesmente syntax tree). Sintaxe - Exemplo Syntax Tree + * identifier (b) identifier (a) identifier (x)

7 Sintaxe - EBNF Uma variação bastante utilizada da notação BNF é conhecida como Extended BNF (EBNF), que incorpora alguns símbolos usados na definição de expressões regulares como * (0 ou mais) e + ( ou mais). <programa>:: = {<comandos> * } A partir da descrição sintática de uma LP em BNF ou EBNF pode-se gerar automaticamente parsers e scanners usando aplicativos como yacc, lex, flex e bison. 3 Semântica A semântica descreve o significado de construções sintáticas válidas. Não existe uma notação padrão equivalente a BNF para a descrição da semântica de LPs. Diferentes formalismos foram desenvolvidos para atender a diferentes objetivos. Geralmente uma LP é descrita informalmente, utilizando-se linguagem natural (inglês, português, etc). 4

8 Semânticas Formais Semânticas fomais são usadas principalmente para provar propriedades de LPs, construções semânticas e algoritmos. Semântica Operacional - Tem como objetivo descrever como uma computação é processada. Geralmente faz uso de uma máquina abstrata e de regras que descrevem as mudanças de estado associadas a cada comando. Semântica Denotacional - Descreve um programa através de objetos matemáticos como conjuntos, funções, valores e as relações entre estes. Semântica Axiomática Baseada em métodos de dedução lógica, descreve uma linguagem através de axiomas. Usualmente é utilizada para provar propriedades de algoritmos. 5 Structural Operational Semantics (SOS) Exemplo de semântica formal que permite provar propriedades de programas ou de estruturas de uma LP. A semântica operacional tradicional especifica uma LP em termos da execução de um programa em uma máquina abstrata. Em SOS o processamento da máquina abstrata segue regras de dedução com a forma: premissa premissa... premissa n condição conclusão 6

9 SOS - Exemplo Sintaxe n N = b conjunto dos números inteiros { true, false} id Id = conjunto dos identificadores inteiros bid Bid = conjunto dos identificadores boolenanos iop rop { +, -,*, /} { <, <=, =, >, >=, =!} ie Iexp = conjunto das expressões inteiras be Bexp = conjunto das expressões booleanas cmd Cmd = conjunto dos comandos n : iexp n Num id : iexp id Id ie : iexp ie : iexp ie : iexp ie : iexp iop Iop ie iop ie : iexp ie : iexp ie : iexp rop Rop ie rop ie : bexp be : bexp be : bexp rop Rop be rop be : bexp ie : iexp id Id id : = ie : cmd c : cmd c : cmd c ;c : cmd be : bexp c : cmd c : cmd if be then c else ce : cmd be : bexp c : cmd while be do c : cmd 7 SOS - Exemplo Semântica das expressões A memória da máquina abstrata é representada por uma estrutura de dados (sto( sto). Os diferentes estados são representados entre < > e as transições de estado são indicadas por A máquina abstrata possui apenas três funções: applysto(sto,x) recupera o valor da variável x; updatesto(sto,x, n) atualiza o valor da variável x (x=n); compute (op, num, num) calcula o valor da expressão (num op num) 8

10 SOS - Exemplo < ie, sto > < ie ', sto > () < ie iop ie, sto > < ie ' iop ie, sto > < ie, sto > < ie', sto > () < n iop ie, sto > < n iop ie ', sto > (3) < n iop n, sto > < compute(iop, n, n ), sto > (4) < id, sto > < applysto( sto, id), sto > Usando estas regras podemos deduzir a semântica da expressão x + y + 6 onde y = 5 e x = 7 ( a) < y, sto > < 5, sto > já que usando (4) temos applysto( sto, y) = 5 ( b) < y + 6, sto > < 5 + 6, sto > usando () ( c) < 5 + 6, sto > < 3, sto > já ( d) < x, sto > < 7, sto > já que usando (4) temos applysto( sto, x) = 7 ( e) < x + y + 6, sto > < 7 + 3, sto > usando () (f) < 7 + 3, sto > < 48, sto > já ( g) < x + y + 6, sto > < 48, sto > que usando (3) temos que usando (3) temos compute( +,5,6) = 3 compute( +,7,3) = 48 9 SOS - Exemplo Semântica dos comandos Para definir a semântica de comandos expandimos a máquina abstrata utilizando duas novas estruturas (in( e out) ) para representar a entrada e a saída de dados. Os estados da máquina abstrata correspondem portanto a tuplas com a forma <in, out, sto>. 0

11 Gramática de Atributos Uma gramática de atributos pode ser informalmente definida como uma gramática livre de contexto estendida através do uso de atributos, condições e regras de avaliação. Associa atributos aos diferentes símbolos de uma gramática a partir das produções. Permite definir o significado de produções e impor regras semânticas. Introduz sensibilidade ao contexto, e pode ser usada, por exemplo, para checar o tipo das variáveis e validar expressões. Usualmente é utilizada conjuntamente com rotinas de ação (action routines).

12 Gramática de Atributos (+3)* 3 Gramática de Atributos <delcaration>::= var <identifier> <type> ; if <identifier> not in <var-list> then <var-list> (<identifier>, <type>) else error( duplicate variable ) <int expression>::= <identifier> <operator> <number> if gettype(<varlist>, <identifier>) integer then error( wrong type ) 4

13 Rotinas de Ações Definem rotinas que são invocadas pelo compilador sempre que uma produção é prevista. Muitos analisadores semânticos são implementados automaticamente através destas construções. <declaration)::= var <identifier>: <type>; {declare_name(identifier, type)}... <expr>::= <expr> <operator> <expr3> {check_types(expr, expr, expr3); expr.val = calc(operator, expr, expr3} 5 Semântica Estática X Dinâmica As regras semânticas podem ser classificadas em estáticas ou dinâmicas dependendo do momento em que são checadas (compilação ou em tempo de execução). Exemplos de regras estáticas: Todo identificador deve ser declarado antes de ser usado; Os parâmetros utilizados na chamada de uma função têm o tipo correto. Exemplos de regras dinâmicas: O índice de um array está dentro do limite correto; Variáveis nunca são utilizadas antes de serem inicializadas; Divisão por zero. 6

Síntese. Compiladores. Geração de código intermediário. Linguagens Intermediárias. Modelo Clássico. Linguagens Intermediárias. Código intermediário

Síntese. Compiladores. Geração de código intermediário. Linguagens Intermediárias. Modelo Clássico. Linguagens Intermediárias. Código intermediário Síntese Compiladores Código intermediário 1 Os assuntos apresentados trazem respostas às perguntas seguintes: 1. Pode a memória ser alocada dinamicamente? 2. Pode a memória ser liberada explicitamente?

Leia mais

Descrição Formal de Linguagens -Sumário - Descrição Formal de Linguagens. -Overview- -Overview- - Fundamentos das Linguagens de Programação -

Descrição Formal de Linguagens -Sumário - Descrição Formal de Linguagens. -Overview- -Overview- - Fundamentos das Linguagens de Programação - Descrição Formal de Linguagens Linguagens de Programação Ciência da Computação DIN UEM CTC Prof. Jucimar Aula 4 Descrição Formal de Linguagens -Sumário - 1. Fundamentos de Linguagens de Programação 2.

Leia mais

Introdução. A verificação de tipos pode ser estática e dinâmica

Introdução. A verificação de tipos pode ser estática e dinâmica Análise Semântica Introdução Verifica se as construções sintaticamente corretas possuem significado lógico dentro da linguagem Verifica a consistência da declaração e uso dos identificadores Além disso,

Leia mais

Compiladores. A seção das regras. Especificação (F)lex. Plano da aula. Escolha das regras. Compilação típica com FLEX

Compiladores. A seção das regras. Especificação (F)lex. Plano da aula. Escolha das regras. Compilação típica com FLEX Compilação típica com FLX Compiladores Análise sintática (1) Noções sobre Gramáticas Livres de conteto dição do teto de especificação No arquivo minhas_regras.l 3 partes: Declarações Regras (Rs -> Ação)

Leia mais

Compiladores - Análise Preditiva

Compiladores - Análise Preditiva Compiladores - Análise Preditiva Fabio Mascarenhas - 203. http://www.dcc.ufrj.br/~fabiom/comp Wednesday, May 8, 3 Retrocesso Local Podemos definir o processo de construção de um parser recursivo com retrocesso

Leia mais

Compiladores Aula 5. Celso Olivete Júnior. olivete@fct.unesp.br

Compiladores Aula 5. Celso Olivete Júnior. olivete@fct.unesp.br Aula 5 Celso Olivete Júnior olivete@fct.unesp.br Na aula passada Conjuntos Primeiro(First) e Seguidor(Follow) 2 Na aula de hoje Análise Sintática Análise Sintática Descendente Recursividade Fatoração 3

Leia mais

Construção de Compiladores. Construção de Compiladores. Motivação. Motivação. Contexto Histórico. Classificações: Gerações 09/03/2010

Construção de Compiladores. Construção de Compiladores. Motivação. Motivação. Contexto Histórico. Classificações: Gerações 09/03/2010 Construção de Compiladores Prof. Raimundo Santos Moura (http://www.ufpi.br/rsm) Construção de Compiladores Livro-Texto: AHO, Alfred V.; ULLMAN, Jeffrey D.; SETHI, R. Compiladores: princípios, técnicas

Leia mais

Interpretação e Compilação de Linguagens de Programação Sintaxe e Semântica

Interpretação e Compilação de Linguagens de Programação Sintaxe e Semântica Interpretação e Compilação de Linguagens de Programação Sintaxe e Semântica 28 de Fevereiro de 2013 Nesta aula apresentam-se dois dos aspetos fundamentais das linguagens de programação, sintaxe e semântica.

Leia mais

Compiladores. Análise léxica. Plano da aula. Vocabulário básico. Motivação para análise léxica. Estrutura de um compilador

Compiladores. Análise léxica. Plano da aula. Vocabulário básico. Motivação para análise léxica. Estrutura de um compilador Estrutura de um compilador Compiladores Análise lexical (1) Expressões Regulares 1 2 Plano da aula 1. Motivação do uso de E.R. e definições Linguagens, tokens, lexemas... 2. Regras de formação e exemplos

Leia mais

Análise semântica. Análise Semântica. Estrutura de um compilador. Anotação da árvore sintática. Tipos de comunicação de atributos?

Análise semântica. Análise Semântica. Estrutura de um compilador. Anotação da árvore sintática. Tipos de comunicação de atributos? Estrutura de um compilador Análise semântica Tradução orientada pela sintaxe 1 2 Análise Semântica Anotação da árvore sintática Análise semântica: Tipos (& Declarações) Escopo Checagens estáticas: Idéia:

Leia mais

Compiladores Aula 1. Celso Olivete Júnior. olivete@fct.unesp.br

Compiladores Aula 1. Celso Olivete Júnior. olivete@fct.unesp.br Aula 1 Celso Olivete Júnior olivete@fct.unesp.br Tópicos da disciplina Introdução à compilação Analisador léxico Analisador sintático descendente Analisador sintático ascendente Análise semântica Geração

Leia mais

UMA BREVE INTRODUÇÃO AO ESTUDO E IMPLEMENTAÇÃO DE COMPILADORES

UMA BREVE INTRODUÇÃO AO ESTUDO E IMPLEMENTAÇÃO DE COMPILADORES UMA BREVE INTRODUÇÃO AO ESTUDO E IMPLEMENTAÇÃO DE COMPILADORES 1 BRANCO; Guido Aparecido Junior, 2 TAMAE, Rodrigo Yoshio 1-Discente do Curso Sistemas de Informação FAEG/Garça 2-Docente do Curso Sistemas

Leia mais

Estrutura de Dados. Introdução a Ponteiros. Prof. Gerson Borges Estrutura de Dados I 1

Estrutura de Dados. Introdução a Ponteiros. Prof. Gerson Borges Estrutura de Dados I 1 Estrutura de Dados Introdução a Ponteiros Prof. Gerson Borges Estrutura de Dados I 1 Sumário è Explicação da importância do planejamento de ensino; è Métodos e técnicas que iremos trabalhar durante o semestre;

Leia mais

Curso: Ciência da Computação Disciplina: Construção de Compiladores Período: 2010-1 Prof. Dr. Raimundo Moura

Curso: Ciência da Computação Disciplina: Construção de Compiladores Período: 2010-1 Prof. Dr. Raimundo Moura UFPI CCN DIE Curso: Ciência da Computação Disciplina: Construção de Compiladores Período: 2010-1 Prof. Dr. Raimundo Moura O projeto Desenvolver um compilador de um subconjunto básico da linguagem PORTUGOL.

Leia mais

Pratica JFlex. Prática criando o primeiro analisador léxico

Pratica JFlex. Prática criando o primeiro analisador léxico UNIVERSIDADE DO OESTE DE SANTA CATARINA CAMPUS DE SÃO MIGUEL DO OESTE CURSO: CIÊNCIAS DA COMPUTAÇÃO DISCIPLINA: COMPILADORES PROFESSOR: JOHNI DOUGLAS MARANGON Pratica JFlex JFlex é uma ferramenta que permite

Leia mais

Geração de código. Ivan Ricarte INTRODUÇÃO À COMPILAÇÃO

Geração de código. Ivan Ricarte INTRODUÇÃO À COMPILAÇÃO Geração de código Ivan Ricarte 2008 Sumário Geração de código intermediário Código de três endereços Notação pós-fixa Otimização de código Heurísticas de otimização Geração de código em linguagem simbólica

Leia mais

Tabela de Símbolos. Análise Semântica A Tabela de Símbolos. Principais Operações. Estrutura da Tabela de Símbolos. Declarações 11/6/2008

Tabela de Símbolos. Análise Semântica A Tabela de Símbolos. Principais Operações. Estrutura da Tabela de Símbolos. Declarações 11/6/2008 Tabela de Símbolos Análise Semântica A Tabela de Símbolos Fabiano Baldo Após a árvore de derivação, a tabela de símbolos é o principal atributo herdado em um compilador. É possível, mas não necessário,

Leia mais

AMBIENTE PARA AUXILIAR O DESENVOLVIMENTO DE PROGRAMAS MONOLÍTICOS

AMBIENTE PARA AUXILIAR O DESENVOLVIMENTO DE PROGRAMAS MONOLÍTICOS UNIVERSIDADE REGIONAL DE BLUMENAU CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E NATURAIS CURSO DE CIÊNCIAS DA COMPUTAÇÃO BACHARELADO AMBIENTE PARA AUXILIAR O DESENVOLVIMENTO DE PROGRAMAS MONOLÍTICOS Orientando: Oliver Mário

Leia mais

Projeto de Compiladores. FIR Faculdade Integrada do Recife João Ferreira joaoferreira@fir.br 5 e 6 de março de 2007

Projeto de Compiladores. FIR Faculdade Integrada do Recife João Ferreira joaoferreira@fir.br 5 e 6 de março de 2007 Projeto de Compiladores FIR Faculdade Integrada do Recife João Ferreira joaoferreira@fir.br 5 e 6 de março de 2007 Agenda da Aula Resposta exercício da aula passada Revisão As Fases de Um Compilador Analisador

Leia mais

IES-300. Tecnologia em Análise e Desenvolvimento de Sistemas Prof. Me. Álvaro d Arce alvaro@darce.com.br

IES-300. Tecnologia em Análise e Desenvolvimento de Sistemas Prof. Me. Álvaro d Arce alvaro@darce.com.br IES-300 Tecnologia em Análise e Desenvolvimento de Sistemas Prof. Me. Álvaro d Arce alvaro@darce.com.br Teste de Caixa Branca 2 Teste de Componentes: Caixa Branca Teste de Caixa Branca Grafo de Fluxo de

Leia mais

Representação de Algoritmos - Linguagens de Programação

Representação de Algoritmos - Linguagens de Programação Representação de Algoritmos - Linguagens de Programação A representação de algoritmos em uma pseudo-linguagem mais próxima às pessoas é bastante útil principalmente quando o problema a ser tratado envolve

Leia mais

e à Linguagem de Programação Python

e à Linguagem de Programação Python Introdução a Algoritmos, Computação Algébrica e à Linguagem de Programação Python Curso de Números Inteiros e Criptografia Prof. Luis Menasché Schechter Departamento de Ciência da Computação UFRJ Agosto

Leia mais

Geração de código intermediário. Novembro 2006

Geração de código intermediário. Novembro 2006 Geração de código intermediário Novembro 2006 Introdução Vamos agora explorar as questões envolvidas na transformação do código fonte em uma possível representação intermediária Como vimos, nas ações semânticas

Leia mais

1.2 Uma linguagem de programação muito simples

1.2 Uma linguagem de programação muito simples 1 Representando programas como dados 1.1 Introdução Os processadores de linguagem sempre fazem alguma manipulação com programas. Normalmente a entrada para o processador é um programa apresentado na forma

Leia mais

1.6. Tratamento de Exceções

1.6. Tratamento de Exceções Paradigmas de Linguagens I 1 1.6. Tratamento de Exceções Uma exceção denota um comportamento anormal, indesejado, que ocorre raramente e requer alguma ação imediata em uma parte do programa [GHE 97, DER

Leia mais

Compiladores INTRODUÇÃO. www.pedrofreire.com

Compiladores INTRODUÇÃO. www.pedrofreire.com Compiladores INTRODUÇÃO www.pedrofreire.com Este documento tem alguns direitos reservados: Atribuição-Uso Não-Comercial-Não a Obras Derivadas 2.5 Portugal http://creativecommons.org/licenses/by-nc-nd/2.5/pt/

Leia mais

A Linguagem Pascal e o Ambiente de Programação Dev-Pascal. Introdução à Ciência da Computação I

A Linguagem Pascal e o Ambiente de Programação Dev-Pascal. Introdução à Ciência da Computação I A Linguagem Pascal e o Ambiente de Programação Dev-Pascal Introdução à Ciência da Computação I Março/2004 Introdução (1 de 3) Homenagem a Blaise Pascal, filósofo e matemático do século XVII. Desenvolvida

Leia mais

Programação Básica em Arduino Aula 2

Programação Básica em Arduino Aula 2 Programação Básica em Arduino Aula 2 Execução: Laboratório de Automação e Robótica Móvel Variáveis são lugares (posições) na memória principal que servem para armazenar dados. As variáveis são acessadas

Leia mais

Resumo da última aula. Compiladores. Tipos. Regras semânticas. Expressões de tipos. Análise Semântica e checagem de tipos.

Resumo da última aula. Compiladores. Tipos. Regras semânticas. Expressões de tipos. Análise Semântica e checagem de tipos. Resumo da última aula Compiladores Análise semântica Verificação de tipos 1 Implementação: Esquemas S-atribuídos: Mecanismo bottom-up direto Esquemas L-atribuídos: Mecanismo top-down: Necessita gramática

Leia mais

Métodos Os métodos de uma classe podem ser classificados como construtores, destrutores, funções ou procedimentos.

Métodos Os métodos de uma classe podem ser classificados como construtores, destrutores, funções ou procedimentos. Métodos Os métodos de uma classe podem ser classificados como construtores, destrutores, funções ou procedimentos. Construtor: método executado por uma CLASSE (e não por um objeto, instância da classe)

Leia mais

ALGOL 68 FUNDAMENTOS DA LINGUAGEM

ALGOL 68 FUNDAMENTOS DA LINGUAGEM ALGOL 68 FUNDAMENTOS DA LINGUAGEM Aldo Ventura da Silva 1 RESUMO Na década de 60, as linguagens estruturadas imperativas de certa forma atendiam às necessidades da época. Com o tempo e a evolução tecnológica,

Leia mais

QUALIFICAÇÃO TÉCNICA EM DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS

QUALIFICAÇÃO TÉCNICA EM DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS Desenvolvimento De Sistemas - Lógica De Programação. 1. Lógica de Programação I 1.1 Introdução á Lógica de Programação 1.2 O que é lógica? 1.3 Lógica Matemática 1.4 Lógica de Programação 1.5 Seqüência

Leia mais

Aula 11 Introdução ao Pseudocódigo. Disciplina: Fundamentos de Lógica e Algoritmos Prof. Bruno Gomes http://www3.ifrn.edu.

Aula 11 Introdução ao Pseudocódigo. Disciplina: Fundamentos de Lógica e Algoritmos Prof. Bruno Gomes http://www3.ifrn.edu. Aula 11 Introdução ao Pseudocódigo Disciplina: Fundamentos de Lógica e Algoritmos Prof. Bruno Gomes http://www3.ifrn.edu.br/~brunogomes Agenda da Aula Representação de Algoritmos em Pseudocódigo: Sintaxe;

Leia mais

INE5317 Linguagens Formais e Compiladores. AULA 2: Es trutura geral dos Compiladores

INE5317 Linguagens Formais e Compiladores. AULA 2: Es trutura geral dos Compiladores INE5317 Linguagens Formais e Compiladores AULA 2: Es trutura geral dos Compiladores bas eado em material produzido pelo prof Olinto Jos é Varela Furtado Ricardo Azambuja Silveira INE-CTC-UFSC E-Mail: silveira@inf.ufsc.br

Leia mais

JSP - ORIENTADO A OBJETOS

JSP - ORIENTADO A OBJETOS JSP Orientação a Objetos... 2 CLASSE:... 2 MÉTODOS:... 2 Método de Retorno... 2 Método de Execução... 2 Tipos de Dados... 3 Boolean... 3 Float... 3 Integer... 4 String... 4 Array... 4 Primeira:... 4 Segunda:...

Leia mais

Programação Elementar de Computadores Jurandy Soares

Programação Elementar de Computadores Jurandy Soares Programação Elementar de Computadores Jurandy Soares Básico de Computadores Computador: dispositivos físicos + programas Dispositivos físicos: hardware Programas: as instruções que dizem aos dispositivos

Leia mais

Conceitos de Linguagens de Programação

Conceitos de Linguagens de Programação Conceitos de Linguagens de Programação Aula 07 Nomes, Vinculações, Escopos e Tipos de Dados Edirlei Soares de Lima Introdução Linguagens de programação imperativas são abstrações

Leia mais

Resumo da Introdução de Prática de Programação com C. A Linguagem C

Resumo da Introdução de Prática de Programação com C. A Linguagem C Resumo da Introdução de Prática de Programação com C A Linguagem C O C nasceu na década de 70. Seu inventor, Dennis Ritchie, implementou-o pela primeira vez usando um DEC PDP-11 rodando o sistema operacional

Leia mais

COMPILADORES E INTERPRETADORES

COMPILADORES E INTERPRETADORES Aula 16 Arquitetura de Computadores 12/11/2007 Universidade do Contestado UnC/Mafra Curso Sistemas de Informação Prof. Carlos Guerber COMPILADORES E INTERPRETADORES Um compilador transforma o código fonte

Leia mais

Paradigmas e Histórico de

Paradigmas e Histórico de Paradigmas e Histórico de Linguagens de Programação Linguagens de Programação Departamento de Computação Universidade Federal de Sergipe Influências sobre o projeto de linguagens Arquitetura do computador

Leia mais

Variáveis Compostas Heterogêneas. Variável Composta Heterogênea. Variável Composta Heterogênea

Variáveis Compostas Heterogêneas. Variável Composta Heterogênea. Variável Composta Heterogênea Variáveis Compostas Heterogêneas Variável Composta Heterogênea Conjunto de dados logicamente relacionados, mas de tipos diferentes. Também chamada de registro. Variável Composta Heterogênea 1 Declaração

Leia mais

IFTO TÉCNICO EM INFORMÁTICA DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS AULA 01

IFTO TÉCNICO EM INFORMÁTICA DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS AULA 01 IFTO TÉCNICO EM INFORMÁTICA DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS AULA 01 Prof. Manoel Campos da Silva Filho Tecnólogo em Processamento de Dados / Unitins Mestre em Engenharia Elétrica / UnB http://lab.ifto.edu.br/~mcampos

Leia mais

Paradigmas de Programação

Paradigmas de Programação Paradigmas de Programação Tipos de Dados Aula 5 Prof.: Edilberto M. Silva http://www.edilms.eti.br Prof. Edilberto Silva / edilms.eti.br Tipos de Dados Sistema de tipos Tipos de Dados e Domínios Métodos

Leia mais

Banco de Dados Profa. Dra. Cristina Dutra de Aguiar Ciferri. Banco de Dados Processamento e Otimização de Consultas

Banco de Dados Profa. Dra. Cristina Dutra de Aguiar Ciferri. Banco de Dados Processamento e Otimização de Consultas Processamento e Otimização de Consultas Banco de Dados Motivação Consulta pode ter sua resposta computada por uma variedade de métodos (geralmente) Usuário (programador) sugere uma estratégia para achar

Leia mais

Programação de Computadores III

Programação de Computadores III Programação de Computadores III Introdução a Linguagens de Programação Professor Leandro Augusto Frata Fernandes laffernandes@ic.uff.br Material disponível em http://www.ic.uff.br/~laffernandes/teaching/2013.1/tcc-00.157

Leia mais

INTRODUÇÃO OBJECT PASCAL/DELPHI

INTRODUÇÃO OBJECT PASCAL/DELPHI Introdução Object Pascal/Delphi 1 INTRODUÇÃO OBJECT PASCAL/DELPHI Objetivo Demonstrar a sintaxe e a semântica do Object Pascal e a forma como esse linguagem de programação será aplicada na disciplina de

Leia mais

Linguagens Formais e Compilação Ficha de exercícios

Linguagens Formais e Compilação Ficha de exercícios Linguagens Formais e Compilação Ficha de exercícios Simão Melo de Sousa 1 Linguagens Formais: Construir Frases Exercício 1 Para cada uma das gramáticas G seguintes, (a) descreva a linguagem L(G) gerada

Leia mais

Protótipo tipo de um gerador de analisador léxicol

Protótipo tipo de um gerador de analisador léxicol Protótipo tipo de um gerador de analisador léxicol Michel Nogueira Rebelo Orientando Joyce Martins Orientadora Roteiro Introdução Fundamentação teórica Desenvolvimento Considerações finais Introdução Origem/Motiva

Leia mais

PROGRAMA DE DISCIPLINA

PROGRAMA DE DISCIPLINA PROGRAMA DE DISCIPLINA Disciplina: Introdução à Programação Carga horária total: 60 Carga horária teórica: 0 Carga horária prática: 60 Código da Disciplina: CCMP0041 Período de oferta: 2010.2 Turma: CA

Leia mais

4 Criação de macros e introdução à linguagem VBA

4 Criação de macros e introdução à linguagem VBA 4 Criação de macros e introdução à linguagem VBA Vinicius A. de Souza va.vinicius@gmail.com São José dos Campos, 2011. 1 Sumário Tópicos em Microsoft Excel 2007 Introdução à criação de macros...3 Gravação

Leia mais

Algumas notas sobre PASCAL

Algumas notas sobre PASCAL Algumas notas sobre PASCAL PARTE I Anjolina Grisi de Oliveira 1 Um programa em PASCAL Esse texto inclui algumas notas sobre a linguagem PASCAL. As diferenças existentes entre os diversos compiladores não

Leia mais

Aula 4 Pseudocódigo Tipos de Dados, Expressões e Variáveis

Aula 4 Pseudocódigo Tipos de Dados, Expressões e Variáveis 1. TIPOS DE DADOS Todo o trabalho realizado por um computador é baseado na manipulação das informações contidas em sua memória. Estas informações podem ser classificadas em dois tipos: As instruções, que

Leia mais

CAPÍTULO 3 - TIPOS DE DADOS E IDENTIFICADORES

CAPÍTULO 3 - TIPOS DE DADOS E IDENTIFICADORES CAPÍTULO 3 - TIPOS DE DADOS E IDENTIFICADORES 3.1 - IDENTIFICADORES Os objetos que usamos no nosso algoritmo são uma representação simbólica de um valor de dado. Assim, quando executamos a seguinte instrução:

Leia mais

ENG1000 Introdução à Engenharia

ENG1000 Introdução à Engenharia ENG1000 Introdução à Engenharia Aula 04 Introdução a Linguagem Lua Edirlei Soares de Lima Linguagem Lua Lua é uma linguagem de programação projetada para dar suporte à programação

Leia mais

Geração de Código Intermediário. Tradução dirigida por sintaxe. Código de três endereços - exemplo. Código de Três Endereços

Geração de Código Intermediário. Tradução dirigida por sintaxe. Código de três endereços - exemplo. Código de Três Endereços Geração de Código Intermediário Tradução dirigida por sintaxe Vantagens do uso de uma notação intermediária: facilidade de retargetting: geração de código para vários processadores diferentes, reusando

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE

DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE VARIAÁ VEL Antes de iniciarmos os comandos referentes a Banco de Dados, precisamos de uma breve descrição técnica sobre Variáveis que serão uma constante em programação seja qual for sua forma de leitura.

Leia mais

INF 1005 Programação I

INF 1005 Programação I INF 1005 Programação I Aula 03 Introdução a Linguagem C Edirlei Soares de Lima Estrutura de um Programa C Inclusão de bibliotecas auxiliares: #include Definição de constantes:

Leia mais

Parte II Introdução a Linguagens de Programação

Parte II Introdução a Linguagens de Programação Programação de Computadores III Aula 1 Professor Leandro Augusto Frata Fernandes laffernandes@ic.uff.br Material disponível em http://www.ic.uff.br/~laffernandes/teaching/2011.1/tcc-03.063 Roteiro da Aula

Leia mais

UNIVERSIDADE DO OESTE DE SANTA CATARINA CAMPUS DE SÃO MIGUEL DO OESTE

UNIVERSIDADE DO OESTE DE SANTA CATARINA CAMPUS DE SÃO MIGUEL DO OESTE UNIVERSIDADE DO OESTE DE SANTA CATARINA CAMPUS DE SÃO MIGUEL DO OESTE CURSO: CIÊNCIAS DA COMPUTAÇÃO DISCIPLINA: COMPILADORES PROFESSOR: JOHNI DOUGLAS MARANGON Back-End Compilação 1. Compilação etapa Back-end

Leia mais

Introdução à Lógica de Programação

Introdução à Lógica de Programação Introdução à Lógica de Programação Sistemas Numéricos As informações inseridas em um computador são traduzidos em dados, ou seja, em sinais que podem ser manipulados pelo computador. O computador trabalha

Leia mais

Conceitos de Linguagens de Programação

Conceitos de Linguagens de Programação Conceitos de Linguagens de Programação Aula 04 Sintaxe e Semântica Edirlei Soares de Lima Sintaxe e Semântica A descrição de uma linguagem de programação envolve dois aspectos principais:

Leia mais

Tutorial de Matlab Francesco Franco

Tutorial de Matlab Francesco Franco Tutorial de Matlab Francesco Franco Matlab é um pacote de software que facilita a inserção de matrizes e vetores, além de facilitar a manipulação deles. A interface segue uma linguagem que é projetada

Leia mais

Pragmática das Linguagens de Programação 2004/2005

Pragmática das Linguagens de Programação 2004/2005 Instituto Superior Técnico Pragmática das Linguagens de Programação 2004/2005 Segundo Exame 11/2/2005 Número: Turma: Nome: Escreva o seu número em todas as folhas do teste. O tamanho das respostas deve

Leia mais

Programação de Computadores

Programação de Computadores Programação de Computadores INTRODUÇÃO AOS ALGORITMOS E À PROGRAMAÇÃO DE COMPUTADORES PARTE 1 Renato Dourado Maia Instituto de Ciências Agrárias Universidade Federal de Minas Gerais Programas e Programação

Leia mais

Curso de C. Introdução. Copyright @ 2005 by Arnaldo V. Moura e Daniel F. Ferber

Curso de C. Introdução. Copyright @ 2005 by Arnaldo V. Moura e Daniel F. Ferber Curso de C Introdução Introdução Roteiro: Recordando Algoritmos Linguagem de Programação O computador Instruções de Máquina Níveis de Abstração Compilação Algoritmos Recordando: Algoritmo: conjunto finito

Leia mais

Algoritmos e Programação Conceitos e Estruturas básicas (Variáveis, constantes, tipos de dados)

Algoritmos e Programação Conceitos e Estruturas básicas (Variáveis, constantes, tipos de dados) Algoritmos e Programação Conceitos e Estruturas básicas (Variáveis, constantes, tipos de dados) Os algoritmos são descritos em uma linguagem chamada pseudocódigo. Este nome é uma alusão à posterior implementação

Leia mais

Algoritmos em Javascript

Algoritmos em Javascript Algoritmos em Javascript Sumário Algoritmos 1 O que é um programa? 1 Entrada e Saída de Dados 3 Programando 4 O que é necessário para programar 4 em JavaScript? Variáveis 5 Tipos de Variáveis 6 Arrays

Leia mais

Geração e Otimização de Código

Geração e Otimização de Código Geração e Otimização de Código Representação de código intermediária Código de três endereços, P-código Técnicas para geração de código Otimização de código Prof. Thiago A. S. Pardo 1 Estrutura geral de

Leia mais

PROGRAMA DE DISCIPLINA

PROGRAMA DE DISCIPLINA PROGRAMA DE DISCIPLINA Disciplina: INTRODUÇÃO À PROGRAMAÇÃO Carga horária total: 60 h Carga horária teórica: 30 h Carga horária prática: 30 h Código da Disciplina: CCMP0041 Período de oferta: 2015.2 Turma:

Leia mais

Revisão de GLC e Analisadores Descendentes

Revisão de GLC e Analisadores Descendentes Conteúdo da aula 1. xemplos de Gramáticas Revisão de GLC e Analisadores Descendentes Marcelo Johann 2. Propriedades: Ambíguas, sem ciclos, ε-livres, fatoradas à esquerda, recursivas à esquerda, simplificadas

Leia mais

Capítulo 2: Introdução à Linguagem C

Capítulo 2: Introdução à Linguagem C Capítulo 2: Introdução à Linguagem C INF1005 Programação 1 Pontifícia Universidade Católica Departamento de Informática Programa Programa é um algoritmo escrito em uma linguagem de programação. No nosso

Leia mais

Aula teórica 3. Tema 3.Computadores e linguagens Linguagens de Programação Compilação e linkagem LP Java. Preparado por eng.

Aula teórica 3. Tema 3.Computadores e linguagens Linguagens de Programação Compilação e linkagem LP Java. Preparado por eng. Aula teórica 3 Tema 3.Computadores e linguagens Linguagens de Programação Compilação e linkagem LP Java Preparado por eng.tatiana Kovalenko Linguagens de Programação Para escrever programas é necessário

Leia mais

Expressões. Prof. Alberto Costa Neto alberto@ufs.br. Linguagens de Programação. Departamento de Computação Universidade Federal de Sergipe

Expressões. Prof. Alberto Costa Neto alberto@ufs.br. Linguagens de Programação. Departamento de Computação Universidade Federal de Sergipe Linguagens de Programação Departamento de Computação Universidade Federal de Sergipe Expressão é uma frase de um programa que ao ser avaliada retorna um valor Tipos Literais Agregados Chamadas de Função

Leia mais

Os objetivos indicados aplicam-se a duas linguagens de programação: C e PHP

Os objetivos indicados aplicam-se a duas linguagens de programação: C e PHP AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE SANTA COMBA DÃO CURSO PROFISSIONAL DE TÉCNICO DE GESTÃO E PROGRAMAÇÃO DE SISTEMAS INFORMÁTICOS 2012-2015 PROGRAMAÇÃO E SISTEMAS DE INFORMAÇÃO MÓDULO 2 Mecanismos de Controlo de

Leia mais

Breve Tutorial de JavaCC

Breve Tutorial de JavaCC Breve Tutorial de JavaCC O que é? Instalação: http://javacc.dev.java.net Exemplos usados de: http://w3.msi.vxu.se/users/jonasl/javacc http://www.cs.nmsu.edu/~rth/cs/cs471/interpretersjavacc.html http://www.engr.mun.ca/~theo/javacc-tutorial/javacc-tutorial.pdf

Leia mais

RAFF Um Compilador para Facilitar o Aprendizado de Algoritmos

RAFF Um Compilador para Facilitar o Aprendizado de Algoritmos RAFF Um Compilador para Facilitar o Aprendizado de Algoritmos Almir Joaquim de Sousa 1, Fábio Silveira Vidal 1, Fredson Vieira Costa 1, Ranildo Costa Santana 1 Curso de Bacharelado em Ciência da Computação

Leia mais

Protótipo de Gerador de Código Executável no Ambiente FURBOL

Protótipo de Gerador de Código Executável no Ambiente FURBOL Protótipo de Gerador de Código Executável no Ambiente FURBOL Acadêmico: Geovânio Batista André Orientador: José Roque Voltolini da Silva Trabalho de Conclusão de Curso Área/SubÁrea Compiladores/Geração

Leia mais

- UNIVERSIDADE DO VALE DO RIO DOS SINOS CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLÓGICAS Curso: Informática / Ciência da Computação

- UNIVERSIDADE DO VALE DO RIO DOS SINOS CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLÓGICAS Curso: Informática / Ciência da Computação Programação 1I Prof. Osório Árvores Genéricas Pag.: 1 - UNIVERSIDADE DO VALE DO RIO DOS SINOS CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLÓGICAS Curso: Informática / Ciência da Computação Programação II Disciplina: Linguagem

Leia mais

Curso Adonai QUESTÕES Disciplina Linguagem JAVA

Curso Adonai QUESTÕES Disciplina Linguagem JAVA 1) Qual será o valor da string c, caso o programa rode com a seguinte linha de comando? > java Teste um dois tres public class Teste { public static void main(string[] args) { String a = args[0]; String

Leia mais

Sua resposta deve conter entre 50 a 100 palavras, incluindo o exemplo.

Sua resposta deve conter entre 50 a 100 palavras, incluindo o exemplo. MT-1 Explique como efeitos colaterais podem levar a comportamentos indesejados em um programa. Apresente um exemplo. Sua resposta deve conter entre 50 a 100 palavras, incluindo o exemplo. Esboço de resposta:

Leia mais

Implementação de um analisador léxico: a primeira etapa na construção do compilador Marvel

Implementação de um analisador léxico: a primeira etapa na construção do compilador Marvel Implementação de um analisador léxico: a primeira etapa na construção do compilador Marvel Cláudio Lopes (peso 0.3), Gildo Leonel (peso 0.3), Sérgio Rossini (peso 0.3) 1. Visão Geral Departamento de Ciência

Leia mais

Análises Geração RI (representação intermediária) Código Intermediário

Análises Geração RI (representação intermediária) Código Intermediário Front-end Análises Geração RI (representação intermediária) Código Intermediário Back-End Geração de código de máquina Sistema Operacional? Conjunto de Instruções do processador? Ambiente de Execução O

Leia mais

A Linguagem Algorítmica Estrutura de Repetição. Ex. 2

A Linguagem Algorítmica Estrutura de Repetição. Ex. 2 Estrutura de Repetição. Ex. 2 A ESTRUTURA Enquanto faça{} É MELHOR UTILIZADA PARA SITUAÇÕES ONDE O TESTE DE CONDIÇÃO (V OU F) PRECISA SER VERIFICADO NO INÍCIO DA ESTRUTURA DE REPETIÇÃO.

Leia mais

Conjunto (set) O tipo estruturado set representa, em Pascal, um conjunto de objectos de um dado tipo;

Conjunto (set) O tipo estruturado set representa, em Pascal, um conjunto de objectos de um dado tipo; Conjunto (set) O tipo estruturado set representa, em Pascal, um conjunto de objectos de um dado tipo; O tipo de dados tem por base um tipo simples (enumerável); Na verdade, um set representa o conjunto

Leia mais

Programas simples em C

Programas simples em C Programas simples em C Problema 1. Escreve um programa em C que dados dois inteiros indique se são iguais ou qual o maior. Utilizar a construção em 5 etapas... quais? 1. Perceber o problema 2. Ideia da

Leia mais

Capítulo 1. Introdução. 1.1 Linguagens. OBJETIVOS DO CAPÍTULO Ao final deste capítulo você deverá ser capaz de:

Capítulo 1. Introdução. 1.1 Linguagens. OBJETIVOS DO CAPÍTULO Ao final deste capítulo você deverá ser capaz de: i Sumário 1 Introdução 1 1.1 Linguagens....................................... 1 1.2 O que é um Compilador?................................ 2 1.3 Processadores de Programas: Compiladores, Interpretadores

Leia mais

APLICATIVO PARA CÁLCULO DE MÉTRICA DE SOFTWARE EM CÓDIGO-FONTE PL/SQL

APLICATIVO PARA CÁLCULO DE MÉTRICA DE SOFTWARE EM CÓDIGO-FONTE PL/SQL APLICATIVO PARA CÁLCULO DE MÉTRICA DE SOFTWARE EM CÓDIGO-FONTE PL/SQL Karine Trevisani Cunha Alexander Roberto Valdameri - Orientador Roteiro Introdução Objetivos Motivação Fundamentação Teórica Desenvolvimento

Leia mais

PROGRAMAÇÃO II 3. PILHA DINÂMICA

PROGRAMAÇÃO II 3. PILHA DINÂMICA 3. PILHA DINÂMICA PROGRAMAÇÃO II Prof. Jean Eduardo Glazar Uma pilha é um tipo especial de Pilha na quais todas as inserções e remoções são feitas na primeira posição, que é chamada de topo. Outro nome

Leia mais

1. Estrutura de seleção. Seleção: algumas etapas (passos) do algoritmo são executadas dependendo do resultado de uma condição

1. Estrutura de seleção. Seleção: algumas etapas (passos) do algoritmo são executadas dependendo do resultado de uma condição 1 Estrutura de seleção Seleção: algumas etapas (passos) do algoritmo são executadas dependendo do resultado de uma condição - Necessário quando mais de uma ação deve ser tomada se uma condição for satisfeita

Leia mais

App Inventor 2 - programação divertida para Android

App Inventor 2 - programação divertida para Android App Inventor 2 - programação divertida para Android 1 APP INVENTOR 2 O App Inventor é um ambiente de programação desenvolvido pelo MIT (Massachusetts Institute of Technology), especialmente desenhado para

Leia mais

Expressões Lógicas Comandos de Seleção

Expressões Lógicas Comandos de Seleção Expressões Lógicas e Comandos de Seleção Prof. de Algoritmos IA Expressões Lógicas São expressões que resultam em valores lógicos : verdadeiro ou falso. Em VB: a constante True representa verdadeiro a

Leia mais

Oracle PL/SQL Overview

Oracle PL/SQL Overview Faculdades Network Oracle PL/SQL Overview Prof. Edinelson PL/SQL Linguagem de Programação Procedural Language / Structured Query Language Une o estilo modular de linguagens de programação à versatilidade

Leia mais

Árvores e Árvores Binárias

Árvores e Árvores Binárias MAC 5710 - Estruturas de Dados - 2008 Referência bibliográfica Os slides sobre este assunto são parcialmente baseados nas seções sobre árvores do capítulo 4 do livro N. Wirth. Algorithms + Data Structures

Leia mais

Programação Orientada a Objetos em java. Polimorfismo

Programação Orientada a Objetos em java. Polimorfismo Programação Orientada a Objetos em java Polimorfismo Polimorfismo Uma característica muito importante em sistemas orientados a objetos Termo proveniente do grego, e significa muitas formas Em POO, significa

Leia mais

PROTÓTIPO DE GERADOR DE CÓDIGO EXECUTÁVEL A PARTIR DO AMBIENTE FURBOL

PROTÓTIPO DE GERADOR DE CÓDIGO EXECUTÁVEL A PARTIR DO AMBIENTE FURBOL UNIVERSIDADE REGIONAL DE BLUMENAU CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E NATURAIS CURSO DE CIÊNCIAS DA COMPUTAÇÃO (Bacharelado) PROTÓTIPO DE GERADOR DE CÓDIGO EXECUTÁVEL A PARTIR DO AMBIENTE FURBOL TRABALHO DE CONCLUSÃO

Leia mais

Técnicas de Teste de Software

Técnicas de Teste de Software Técnicas de Teste de Software Fabrício Sousa fabricio@uesb.br Projeto de Caso de Teste Conjunto de técnicas para criação de casos de testes Série de casos de testes que tem grande probabilidade de encontrar

Leia mais

Identificação das variáveis de entrada; resultados/variáveis de saída e método ou solução. (procedimentos e funções)

Identificação das variáveis de entrada; resultados/variáveis de saída e método ou solução. (procedimentos e funções) Aulas anteriores... Formulação adequada do problema Identificação das variáveis de entrada; resultados/variáveis de saída e método ou solução Definição do algoritmo Método de decomposição hierárquica utilizando

Leia mais

Algoritmos Computacionais ( Programas )

Algoritmos Computacionais ( Programas ) Algoritmos Computacionais ( Programas ) A partir deste tópico, consideramos a utilização do universo Computacional na solução de problemas. Para tanto devemos lembrar que a transposição de problemas do

Leia mais

Definição 2.2 (Palavra) As sequências finitas de letras são designadas por palavras sobre o alfabeto V.

Definição 2.2 (Palavra) As sequências finitas de letras são designadas por palavras sobre o alfabeto V. Capítulo 2 Definição de Linguagens 2.1 Linguagens Formais Definição 2.1 (Alfabeto) Um conjunto finito e não vazio de símbolos arbitrários é designado por um alfabeto, e é denotado por V. Os elementos de

Leia mais