Compiladores. A seção das regras. Especificação (F)lex. Plano da aula. Escolha das regras. Compilação típica com FLEX

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Compiladores. A seção das regras. Especificação (F)lex. Plano da aula. Escolha das regras. Compilação típica com FLEX"

Transcrição

1 Compilação típica com FLX Compiladores Análise sintática (1) Noções sobre Gramáticas Livres de conteto dição do teto de especificação No arquivo minhas_regras.l 3 partes: Declarações Regras (Rs -> Ação) Procedimentos aneos. fle minha_regras.l O programa C resultado se encontra em le.yy.c Contém a rotina yyle() que efetua a análise leical. gcc o o analisador le.yy.c lfl Compila e amarra o analisador com a biblioteca libfl.a O eecutável se encontra em analisador specificação (F)le Definições %% Regras %% Subrotinas opcionais(código C) Le define várias variáveis globais: yytet e yyleng Leema corrente e seu tamanho yylval De tipo YYSTYP, a partir de #defines Depende do parser, você escolhe A seção das regras Consiste de linhas do tipo: R { ação } A R é especificada conforma a sintae de LX, ou pode ser uma variável. { } é a ação nula não faz nada. Retorna para o yyle() que analisará o próimo token! Usado para detectar os brancos. { printf( é isso aí\n );} é a ação que consiste em imprimir uma mensagem na tela. scolha das regras Quando há ambigüidade entre regras, o LX escolhe a que provê o leema maior. A ação default é copiar para a saída o teto de entrada. A regra r1/r2 reconhece r1 somente se r2 aparece após (aceitação condicional). Quando se encontra o leema r1r2, o r2 é descartado e colocado de volta no buffer de entrada. r1 é reconhecido. Plano da aula Introdução: porque a análise sintática? Noções sobre Gramáticas Livres de Conteto: Definição Propriedades Derivações Árvore de derivação Transformações de GLC liminação de ε liminação da recursividade à esquerda Fatoração 1

2 programa fonte Analisador Léico rros Léicos Análise Sintática token yyle() Analisador Sintático rros Sintáticos Árvore de derivação Próimos stágios Os erros típicos são sintáticos Ripley e Druseikis [78] rros em uma amostra de programas Pascal de estudantes 60% semântica e sintaticamente corretos rros: 60% erros de pontuação (uso incorreto do ;) 20% operadores 15% palavras-chave 5% outros 1. program prma(input, output) ; 2. var 3., y : integer; 4. function ma (i: integer, j: integer) : integer 5. { return maimum of integers i and j } 6. begin 7. if i > j then ma = i; 8. else ma := j 9. end; 10. begin 11. readln (, y); 12. writeln (ma (, y)) 13. end. Usando Gramáticas Muitas construções de linguagens de programação são recursivas se S 1 e S 2 são enunciados e é uma epressão, então: if then S 1 else S 2 é um enunciado emplo de definição graças a gramática: cmd if epr then cmd else cmd epr ( bool ) epr && epr epr epr bool true false Gramática Formal G := {S, P, N, T} S: Símbolo Inicial (S N) P: Conjunto de produções Notação e Definições T: conjunto de terminais Palavras ou tokens da linguagem N: conjunto de não terminais Símbolos que podem ser substituídos Vocabulário: V: alfabeto V = N T (N T = ) u: string pertencente a V Símbolo Vazio ε BNF: Backus-Naur form <u> ::= <v> <w> Igual a { u v, u w } em P u v Derivações Seja A N, p = { A v } P, e w, z quaisquer. ntão waz wvz derivação em um passo usando p Se w 1 w 2 w 3 w n então podemos dizer w 1 * w n derivação em múltiplos (0 ou mais) passos ; também + (um ou mais) Definição da Linguagem Gerada A linguagem gerada G (L(G)): Conjunto formado por todos os strings de símbolos terminais deriváveis a partir do símbolo inicial S L(G) = {s s é um elemento de T* e S + s} quivalência: G 1 e G 2 são equivalentes se L(G 1 ) = L(G 2 ) Todos strings gerados estão em L Todos strings w L podem ser gerados Convenções Símbolos que representam terminais em minúsculos: u, v,, y,... Símbolos que representam não-terminais em maiúsculos: X, Y, TRM, S,... Símbolos que representam formas sentenciais (seqüências de terminais e não-terminais): letras gregas ou sublinhadas: α, β, ω, w, z 2

3 Definição de Gramática Regular Gramática regular: produções eclusivamente da forma: A wb A w, onde w T* e A, B N (gramática linear à direita) A linguagem gerada por uma gramática regular é regular. N = {S, B, C, D} T = {0, 1} S -> 0B 1C B -> 1S C -> 0C 0D 1 D -> 0 S emplo G={N,T,P,S} Fornecer epressão regular para a gramática acima? (01)*10*(00 1) Hierarquia de Chomsky Árvore de derivação (Parse Tree) Tipo 0 Tipo 1 Tipo 2 Sem restrição recur. enum. Sensível ao conteto Livre do conteto Qualquer u v desde que u seja não vazio waz wvz (w,z são o conteto) A v (1 símbolo a esquerda) Árvore de derivação: representação gráfica de uma derivação de sentença estrutura hierárquica que originou a sentença A raiz da árvore representa o símbolo inicial Os vértices interiores são não-terminais Os símbolos terminais e a palavra vazia são folhas Tipo 3 regular A a ab ε (derivações a direita) Árvore de derivação eemplo 1 Derivação mais à esquerda e mais à direita Gramática G = ( {NUMRO, NUM, DIGITO}, {0,1,2,...,9}, P, NUMRO ) P (regras) = NUMRO NUM NUM NUM DIGITO DIGITO DIGITO NUMRO NUM NUM DIGITO DIGITO 5 4 Árvore de derivação para a sentença 45 Derivação mais à esquerda de uma sentença: seqüência de formas sentenciais que se obtém derivando sempre o símbolo nãoterminal mais à esquerda. Derivação mais à direita de uma sentença: seqüência de formas sentenciais que se obtém derivando sempre o símbolo nãoterminal mais à direita. 3

4 Árvore de derivação eemplo 2 emplo Gramática G = ({}, {+, -, *, /, (, ), }, P, ) sendo P = { + * / () } A mesma árvore pode + representar mais de uma derivação para uma mesma sentença Possíveis derivações para a árvore: * + * + * + + * + * + * + * + Árvore + de * derivação + * para a + sentença * + + * * Problemas: 1- baio desempenho para compiladores porque as derivações não são unívocas 2- e se há uma semântica associada? * OP ( ) OP * / + - Considere 5 3 * * * 2 Análise Top-Down vs. Bottom Up Gramática: S A B A c ε B cbb ca Top-Down S AB cb ccbb ccbca S AB A c B cbb B ca Bottom-Up String: ccbca ccbca Acbca AcbB AB S A c B ca B cbb S AB Outras Classificações de Gramáticas Gramática sem ciclos: Gramática sem ciclos é uma GLC que não possui derivações da forma A + A para algum A N Gramática ε-livre : GLC que não possui produções do tipo A ε ceto a produção S ε (S é o símbolo inicial). Outras Classificações de Gramáticas Gramática fatorada à esquerda: GLC que não possui produções do tipo A αβ 1 αβ 2 para alguma forma sentencial α. Gramática recursiva à esquerda: GLC que permite a derivação A + Aα para algum A N OBS: RCONHCDOR TOP-DOWN não aceita gramáticas recursivas O não terminal à esquerda A deriva ele mesmo, de forma direta ou indireta, como símbolo mais à esquerda de uma subpalavra gerada. Transformações de GLCs liminação de produções vazias liminação de recursividade à esquerda: recursão direta recursão indireta Fatoração de uma gramática 4

5 liminação de produções vazias (1) Objetivo: eliminar produções da forma A ε. Algoritmo: seja G = (N,T,P,S) uma GLC tapa 1: construir N ε, o conjunto de não-terminais que geram a palavra vazia: N ε = {A A ε }; Repita N ε = N ε {X X X 1...X n P tq X 1,...,X n N ε } Até que o cardinal de N ε não aumente. liminação de produções vazias (2) tapa 2: construir o conjunto de produções sem produções vazias: gera G 1 = (N,T,P 1,S), onde P 1 é construído como segue: P 1 = {A α α ε}; Repita Para toda A α P 1 e X N ε tal que α = α 1 Xα 2 e α 1 α 2 ε Faça P 1 = P 1 {A α 1 α 2 } Até que o cardinal de P 1 não aumente liminação de produções vazias (3) tapa 3: incluir geração da palavra vazia, se necessário. Se a palavra vazia pertence à linguagem, então a gramática resultante é G 2 = (N,T,P 2,S), onde P 2 = P 1 {S ε} liminação de recursividade à esquerda emplo A Aa b Com a palavra vazia A bx X ax ε Sem a palavra vazia A b bx X a ax Obs: pode ainda haver recursão indireta! -> +T T T -> T*F F F -> () Id emplo A regra -> +T T se torna: -> T -> +T ε A regra T- > T*F F se torna: T -> FT T -> *FT ε Fatoração de uma gramática limina indecisão de qual produção aplicar quando duas ou mais produções iniciam com a mesma forma sentencial A αβ 1 αβ 2 Se torna: A αx X β 1 β 2 5

6 emplo de Fatoração a squerda Cmd if pr then Cmd else Cmd Cmd if pr then Cmd Cmd Outro Fatorando a esquerda: Cmd if pr then Cmd lseopc Cmd Outro lseopc else Cmd ε Próima aula Análise sintática... Como reconhecer uma sentença de uma GLC? 6

Plano da aula. Compiladores. Os erros típicos são sintáticos. Análise Sintática. Usando Gramáticas. Os erros típicos são sintáticos

Plano da aula. Compiladores. Os erros típicos são sintáticos. Análise Sintática. Usando Gramáticas. Os erros típicos são sintáticos Plano da aula Compiladores Análise sintática (1) Revisão: Gramáticas Livres de Contexto 1 Introdução: porque a análise sintática? Noções sobre Gramáticas Livres de Contexto: Definição Propriedades Derivações

Leia mais

Revisão de GLC e Analisadores Descendentes

Revisão de GLC e Analisadores Descendentes Conteúdo da aula 1. xemplos de Gramáticas Revisão de GLC e Analisadores Descendentes Marcelo Johann 2. Propriedades: Ambíguas, sem ciclos, ε-livres, fatoradas à esquerda, recursivas à esquerda, simplificadas

Leia mais

Plano da aula. Compiladores. Top-Down x Bottom Up. Redução Exemplo 1. Redução Exemplo 1. Redução Exemplo 1. A Abc b B d.

Plano da aula. Compiladores. Top-Down x Bottom Up. Redução Exemplo 1. Redução Exemplo 1. Redução Exemplo 1. A Abc b B d. Plano da aula Compiladores Análise bottom-up AKA: Analisador ascendente Analisador empilhar/reduzir Análise sintática (4) Análise Bottom-Up Autômatos mpilhar/reduzir xemplos Handle Operações básicas IQuestões

Leia mais

Compiladores Aula 5. Celso Olivete Júnior. olivete@fct.unesp.br

Compiladores Aula 5. Celso Olivete Júnior. olivete@fct.unesp.br Aula 5 Celso Olivete Júnior olivete@fct.unesp.br Na aula passada Conjuntos Primeiro(First) e Seguidor(Follow) 2 Na aula de hoje Análise Sintática Análise Sintática Descendente Recursividade Fatoração 3

Leia mais

Gramáticas Livres de Contexto

Gramáticas Livres de Contexto Conteúdo da aula Gramáticas Livres de Contexto Marcelo Johann Trabalho - primeira etapa Definição, código e estrutura Mais elementos e detalhes de lex GLCs Gramática, produção, derivações, árvores Ambíguas,

Leia mais

Sintaxe e Semântica. Fases da Compilação. programa fonte

Sintaxe e Semântica. Fases da Compilação. programa fonte Sintaxe e Semântica mleal@inf.puc-rio.br Fases da Compilação programa fonte tokens parse tree árvore anotada ou outra forma intermediária código intermediário código objeto código objeto otimizado scanner

Leia mais

Analisadores Ascendentes ou Empilha-Reduz. Mais um exemplo... Mais um exemplo... Top-Down x Bottom Up. Conteúdo da aula. Analisadores Ascendentes

Analisadores Ascendentes ou Empilha-Reduz. Mais um exemplo... Mais um exemplo... Top-Down x Bottom Up. Conteúdo da aula. Analisadores Ascendentes Conteúdo da aula Analisadores Ascendentes ou mpilha-reduz Marcelo Johann Analisadores Ascendentes uncionamento Analisadores de Precedência de Operadores Analisadores LR(k) SLR - Simple LR (estudaremos

Leia mais

Linguagens Formais e Compilação Ficha de exercícios

Linguagens Formais e Compilação Ficha de exercícios Linguagens Formais e Compilação Ficha de exercícios Simão Melo de Sousa 1 Linguagens Formais: Construir Frases Exercício 1 Para cada uma das gramáticas G seguintes, (a) descreva a linguagem L(G) gerada

Leia mais

Análise semântica. Análise Semântica. Estrutura de um compilador. Anotação da árvore sintática. Tipos de comunicação de atributos?

Análise semântica. Análise Semântica. Estrutura de um compilador. Anotação da árvore sintática. Tipos de comunicação de atributos? Estrutura de um compilador Análise semântica Tradução orientada pela sintaxe 1 2 Análise Semântica Anotação da árvore sintática Análise semântica: Tipos (& Declarações) Escopo Checagens estáticas: Idéia:

Leia mais

Descrição Formal de Linguagens -Sumário - Descrição Formal de Linguagens. -Overview- -Overview- - Fundamentos das Linguagens de Programação -

Descrição Formal de Linguagens -Sumário - Descrição Formal de Linguagens. -Overview- -Overview- - Fundamentos das Linguagens de Programação - Descrição Formal de Linguagens Linguagens de Programação Ciência da Computação DIN UEM CTC Prof. Jucimar Aula 4 Descrição Formal de Linguagens -Sumário - 1. Fundamentos de Linguagens de Programação 2.

Leia mais

Compiladores. Análise léxica. Plano da aula. Vocabulário básico. Motivação para análise léxica. Estrutura de um compilador

Compiladores. Análise léxica. Plano da aula. Vocabulário básico. Motivação para análise léxica. Estrutura de um compilador Estrutura de um compilador Compiladores Análise lexical (1) Expressões Regulares 1 2 Plano da aula 1. Motivação do uso de E.R. e definições Linguagens, tokens, lexemas... 2. Regras de formação e exemplos

Leia mais

1. Estrutura de seleção. Seleção: algumas etapas (passos) do algoritmo são executadas dependendo do resultado de uma condição

1. Estrutura de seleção. Seleção: algumas etapas (passos) do algoritmo são executadas dependendo do resultado de uma condição 1 Estrutura de seleção Seleção: algumas etapas (passos) do algoritmo são executadas dependendo do resultado de uma condição - Necessário quando mais de uma ação deve ser tomada se uma condição for satisfeita

Leia mais

Definição 2.2 (Palavra) As sequências finitas de letras são designadas por palavras sobre o alfabeto V.

Definição 2.2 (Palavra) As sequências finitas de letras são designadas por palavras sobre o alfabeto V. Capítulo 2 Definição de Linguagens 2.1 Linguagens Formais Definição 2.1 (Alfabeto) Um conjunto finito e não vazio de símbolos arbitrários é designado por um alfabeto, e é denotado por V. Os elementos de

Leia mais

Gramáticas Livres de Contexto

Gramáticas Livres de Contexto Gramáticas Livres de Contexto 25 de novembro de 2011 Definição 1 Uma Regra (ou produção) é um elemento do conjunto V (V Σ). Sendo que V é um conjunto finito de elementos chamados de variáveis e Σ um conjunto

Leia mais

Resumo da Introdução de Prática de Programação com C. A Linguagem C

Resumo da Introdução de Prática de Programação com C. A Linguagem C Resumo da Introdução de Prática de Programação com C A Linguagem C O C nasceu na década de 70. Seu inventor, Dennis Ritchie, implementou-o pela primeira vez usando um DEC PDP-11 rodando o sistema operacional

Leia mais

Representação de Algoritmos - Linguagens de Programação

Representação de Algoritmos - Linguagens de Programação Representação de Algoritmos - Linguagens de Programação A representação de algoritmos em uma pseudo-linguagem mais próxima às pessoas é bastante útil principalmente quando o problema a ser tratado envolve

Leia mais

PROGRAMAÇÃO II 4. ÁRVORE

PROGRAMAÇÃO II 4. ÁRVORE 4. ÁRVORE PROGRAMAÇÃO II Prof. Jean Eduardo Glazar Uma árvore impõe uma estrutura hierárquica em uma coleção de itens. Um exemplo familiar é a árvore genealógica. Árvores despontam de forma natural em

Leia mais

Resumo da última aula. Compiladores. Tipos. Regras semânticas. Expressões de tipos. Análise Semântica e checagem de tipos.

Resumo da última aula. Compiladores. Tipos. Regras semânticas. Expressões de tipos. Análise Semântica e checagem de tipos. Resumo da última aula Compiladores Análise semântica Verificação de tipos 1 Implementação: Esquemas S-atribuídos: Mecanismo bottom-up direto Esquemas L-atribuídos: Mecanismo top-down: Necessita gramática

Leia mais

6.3 Equivalência entre Autômatos com Pilha Não-Determinísticos e Gramáticas Livre do Contexto

6.3 Equivalência entre Autômatos com Pilha Não-Determinísticos e Gramáticas Livre do Contexto Capítulo 6. Autômatos com Pilha 6.3 Equivalência entre Autômatos com Pilha Não-Determinísticos e Gramáticas Livre do Contexto Nos exemplos da seção anterior, vimos que os autômatos com pilha existem para

Leia mais

Conceitos de Linguagens de Programação

Conceitos de Linguagens de Programação Conceitos de Linguagens de Programação Aula 07 Nomes, Vinculações, Escopos e Tipos de Dados Edirlei Soares de Lima Introdução Linguagens de programação imperativas são abstrações

Leia mais

Compiladores Aula 1. Celso Olivete Júnior. olivete@fct.unesp.br

Compiladores Aula 1. Celso Olivete Júnior. olivete@fct.unesp.br Aula 1 Celso Olivete Júnior olivete@fct.unesp.br Tópicos da disciplina Introdução à compilação Analisador léxico Analisador sintático descendente Analisador sintático ascendente Análise semântica Geração

Leia mais

Compiladores - Análise Preditiva

Compiladores - Análise Preditiva Compiladores - Análise Preditiva Fabio Mascarenhas - 203. http://www.dcc.ufrj.br/~fabiom/comp Wednesday, May 8, 3 Retrocesso Local Podemos definir o processo de construção de um parser recursivo com retrocesso

Leia mais

Aluísio Eustáquio da Silva

Aluísio Eustáquio da Silva 1 Aluísio Eustáquio da Silva SciLab Programável Material didático usado em aulas de Programação de Computadores, Algoritmos e Lógica de Programação Betim Maio de 2012 2 PROGRAMAÇÃO O SciLab permite que

Leia mais

BNF (Backus-Naur Form) Gramática Livres de Contexto / Estruturas Recursivas

BNF (Backus-Naur Form) Gramática Livres de Contexto / Estruturas Recursivas Sintae => Usualmente Gramática Livre do Conteto (GLC) BNF (Backus-Naur Form) Gramática Livres de Conteto / struturas Recursivas comando => IF epressao THN epressao LS epressao epressao => (epressao) OR

Leia mais

e à Linguagem de Programação Python

e à Linguagem de Programação Python Introdução a Algoritmos, Computação Algébrica e à Linguagem de Programação Python Curso de Números Inteiros e Criptografia Prof. Luis Menasché Schechter Departamento de Ciência da Computação UFRJ Agosto

Leia mais

Teoria da Computação Linguagens e Expressões Regulares, Autómatos de Estados Finitos

Teoria da Computação Linguagens e Expressões Regulares, Autómatos de Estados Finitos Teoria da Computação Linguagens e Expressões Regulares, Autómatos de Estados Finitos Simão Melo de Sousa 12 de Outubro de 2011 Conteúdo 1 Linguagens e Expressões Regulares 2 2 Autómatos de Estados Finitos

Leia mais

A Linguagem Pascal e o Ambiente de Programação Dev-Pascal. Introdução à Ciência da Computação I

A Linguagem Pascal e o Ambiente de Programação Dev-Pascal. Introdução à Ciência da Computação I A Linguagem Pascal e o Ambiente de Programação Dev-Pascal Introdução à Ciência da Computação I Março/2004 Introdução (1 de 3) Homenagem a Blaise Pascal, filósofo e matemático do século XVII. Desenvolvida

Leia mais

Identificação das variáveis de entrada; resultados/variáveis de saída e método ou solução. (procedimentos e funções)

Identificação das variáveis de entrada; resultados/variáveis de saída e método ou solução. (procedimentos e funções) Aulas anteriores... Formulação adequada do problema Identificação das variáveis de entrada; resultados/variáveis de saída e método ou solução Definição do algoritmo Método de decomposição hierárquica utilizando

Leia mais

Aula Prática 1: Introdução ao Ambiente de Programação Dev-C++

Aula Prática 1: Introdução ao Ambiente de Programação Dev-C++ Aula Prática 1: Introdução ao Ambiente de Programação Dev-C++ 1. Introdução Em nossa primeira aula prática de programação em linguagem C iremos escrever e testar programas de computador básicos. Mas antes,

Leia mais

Gramática. Gramática. Gramática

Gramática. Gramática. Gramática Prof. Yandre Maldonado - 1 Prof. Yandre Maldonado e Gomes da Costa yandre@din.uem.br Prof. Yandre Maldonado - 2 Mecanismo gerador que permite definir formalmente uma linguagem; Através de uma gramática

Leia mais

Variáveis Compostas Heterogêneas. Variável Composta Heterogênea. Variável Composta Heterogênea

Variáveis Compostas Heterogêneas. Variável Composta Heterogênea. Variável Composta Heterogênea Variáveis Compostas Heterogêneas Variável Composta Heterogênea Conjunto de dados logicamente relacionados, mas de tipos diferentes. Também chamada de registro. Variável Composta Heterogênea 1 Declaração

Leia mais

Conceitos básicos da linguagem C

Conceitos básicos da linguagem C Conceitos básicos da linguagem C 2 Em 1969 Ken Thompson cria o Unix. O C nasceu logo depois, na década de 70. Dennis Ritchie, implementou-o pela primeira vez usando o sistema operacional UNIX criado por

Leia mais

MC102 Algoritmos e programação de computadores Aula 3: Variáveis

MC102 Algoritmos e programação de computadores Aula 3: Variáveis MC102 Algoritmos e programação de computadores Aula 3: Variáveis Variáveis Variáveis são locais onde armazenamos valores na memória. Toda variável é caracterizada por um nome, que a identifica em um programa,

Leia mais

Algumas notas sobre PASCAL

Algumas notas sobre PASCAL Algumas notas sobre PASCAL PARTE I Anjolina Grisi de Oliveira 1 Um programa em PASCAL Esse texto inclui algumas notas sobre a linguagem PASCAL. As diferenças existentes entre os diversos compiladores não

Leia mais

Construção de Compiladores Aula 16 - Análise Sintática

Construção de Compiladores Aula 16 - Análise Sintática Construção de Compiladores Aula 16 - Análise Sintática Bruno Müller Junior Departamento de Informática UFPR 25 de Setembro de 2014 1 Introdução Hierarquia de Chomsky Reconhecedores Linguagens Livres de

Leia mais

Algoritmos e Estrutura de Dados. Introdução a Linguagem Python (Parte I) Prof. Tiago A. E. Ferreira

Algoritmos e Estrutura de Dados. Introdução a Linguagem Python (Parte I) Prof. Tiago A. E. Ferreira Algoritmos e Estrutura de Dados Aula 1 Introdução a Linguagem Python (Parte I) Prof. Tiago A. E. Ferreira Linguagem a ser Utilizada? Nossa disciplina é de Algoritmos e Estrutura de Dados, e não de linguagem

Leia mais

PROTÓTIPO DE GERADOR DE CÓDIGO EXECUTÁVEL A PARTIR DO AMBIENTE FURBOL

PROTÓTIPO DE GERADOR DE CÓDIGO EXECUTÁVEL A PARTIR DO AMBIENTE FURBOL UNIVERSIDADE REGIONAL DE BLUMENAU CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E NATURAIS CURSO DE CIÊNCIAS DA COMPUTAÇÃO (Bacharelado) PROTÓTIPO DE GERADOR DE CÓDIGO EXECUTÁVEL A PARTIR DO AMBIENTE FURBOL TRABALHO DE CONCLUSÃO

Leia mais

Interpretação e Compilação de Linguagens de Programação Sintaxe e Semântica

Interpretação e Compilação de Linguagens de Programação Sintaxe e Semântica Interpretação e Compilação de Linguagens de Programação Sintaxe e Semântica 28 de Fevereiro de 2013 Nesta aula apresentam-se dois dos aspetos fundamentais das linguagens de programação, sintaxe e semântica.

Leia mais

Elementos básicos das linguagens de programação

Elementos básicos das linguagens de programação Elementos básicos das linguagens de programação Objetivos: Apresentar os últimos elementos básicos das linguagens de programação Elementos básicos já estudados Entrada (read, readln) Saída (write, writeln)

Leia mais

UNIVERSIDADE DO VALE DO ITAJAÍ. Juliano de Souza Gaspar PROTÓTIPO DE UMA FERRAMENTA DE APOIO AO ENSINO DE LINGUAGENS LIVRE DE CONTEXTO

UNIVERSIDADE DO VALE DO ITAJAÍ. Juliano de Souza Gaspar PROTÓTIPO DE UMA FERRAMENTA DE APOIO AO ENSINO DE LINGUAGENS LIVRE DE CONTEXTO UNIVERSIDADE DO VALE DO ITAJAÍ Juliano de Souza Gaspar PROTÓTIPO DE UMA FERRAMENTA DE APOIO AO ENSINO DE LINGUAGENS LIVRE DE CONTEXTO São José 2006 JULIANO DE SOUZA GASPAR PROTÓTIPO DE UMA FERRAMENTA DE

Leia mais

Geração de código intermediário. Novembro 2006

Geração de código intermediário. Novembro 2006 Geração de código intermediário Novembro 2006 Introdução Vamos agora explorar as questões envolvidas na transformação do código fonte em uma possível representação intermediária Como vimos, nas ações semânticas

Leia mais

Compiladores Analisador Sintático. Prof. Antonio Felicio Netto Ciência da Computação

Compiladores Analisador Sintático. Prof. Antonio Felicio Netto Ciência da Computação Compiladores Analisador Sintático Prof. Antonio Felicio Netto antonio.felicio@anhanguera.com Ciência da Computação 1 Análise Sintática - A Análise Sintática constitui a segunda fase de um tradutor de uma

Leia mais

Programação I. Departamento de Engenharia Rural Centro de Ciências Agrárias

Programação I. Departamento de Engenharia Rural Centro de Ciências Agrárias Departamento de Engenharia Rural Centro de Ciências Agrárias Programação I Prof. Bruno Vilela Oliveira bruno@cca.ufes.br http://www.brunovilela.webnode.com.br Aula 08 Programação em pascal Pascal Pascal

Leia mais

Projeto de Compiladores. FIR Faculdade Integrada do Recife João Ferreira joaoferreira@fir.br 5 e 6 de março de 2007

Projeto de Compiladores. FIR Faculdade Integrada do Recife João Ferreira joaoferreira@fir.br 5 e 6 de março de 2007 Projeto de Compiladores FIR Faculdade Integrada do Recife João Ferreira joaoferreira@fir.br 5 e 6 de março de 2007 Agenda da Aula Resposta exercício da aula passada Revisão As Fases de Um Compilador Analisador

Leia mais

MAB Análise Sintática. Wednesday, August 31, 11

MAB Análise Sintática.  Wednesday, August 31, 11 MAB 471 2011.2 Análise Sintática http://www.dcc.ufrj.br/~fabiom/comp O Front End Código fonte Scanner tokens Parser IR Erros Parser Verifica a corretude gramatical da sequência de palavras e categorias

Leia mais

Lista n 0 1 de Exercícios de Teoria da Computação

Lista n 0 1 de Exercícios de Teoria da Computação Lista n 0 1 de Exercícios de Teoria da Computação UFU-Curso de Bacharelado em Ciência da Computação - 7 0 período Profa. Sandra de Amo Exercícios de Revisão : Autômatos e Gramáticas 1. Mostre que a linguagem

Leia mais

Linguagens, Gramáticas e Máquinas

Linguagens, Gramáticas e Máquinas Linguagens, Gramáticas e Máquinas 1 INTRODUÇÃO Pode-se olhar um computador como uma máquina M que tem as propriedades descritas a seguir. A cada instante, M tem um "estado interno", M lê alguma "entrada",

Leia mais

JavaScript (ou JScript)

JavaScript (ou JScript) 1. Introdução JavaScript (ou JScript) Uma linguagem como o JavaScript permite criar interfaces interativas na web (permite a interação do usuário). Para desenvolver web sites interativos precisamos de

Leia mais

O que queremos. Processamento Estatístico da Linguagem Natural. Parsing Morfológico. Regras Simples. Adicionando palavras. Regras Derivacionais

O que queremos. Processamento Estatístico da Linguagem Natural. Parsing Morfológico. Regras Simples. Adicionando palavras. Regras Derivacionais Processamento Estatístico da Linguagem Natural Aula 5 Professora Bianca (Sala 302 Bloco E) bianca@ic.uff.br http://www.ic.uff.br/~bianca/peln/ O que queremos Algo que faça automaticamente um mapeamento

Leia mais

INTRODUÇÃO OBJECT PASCAL/DELPHI

INTRODUÇÃO OBJECT PASCAL/DELPHI Introdução Object Pascal/Delphi 1 INTRODUÇÃO OBJECT PASCAL/DELPHI Objetivo Demonstrar a sintaxe e a semântica do Object Pascal e a forma como esse linguagem de programação será aplicada na disciplina de

Leia mais

1) Digitar o código-fonte no editor do compilador Turbo Pascal para windows, exatamente como apresentado a seguir:

1) Digitar o código-fonte no editor do compilador Turbo Pascal para windows, exatamente como apresentado a seguir: Introdução à Informática 1 de 6 Data: 29/05/04 1) Digitar o código-fonte no editor do compilador Turbo Pascal para windows, exatamente como apresentado a seguir: program eq2grau; uses WinCrt, Strings;

Leia mais

Universidade Federal de Uberlândia Faculdade de Computação. Conceitos básicos de algoritmos

Universidade Federal de Uberlândia Faculdade de Computação. Conceitos básicos de algoritmos Universidade Federal de Uberlândia Faculdade de Computação Conceitos básicos de algoritmos Prof. Renato Pimentel 1 Computação Dados Informações vindas de usuários ou de outras máquinas; Processamento transformação

Leia mais

Como construir um compilador utilizando ferramentas Java

Como construir um compilador utilizando ferramentas Java Como construir um compilador utilizando ferramentas Java p. 1/3 Como construir um compilador utilizando ferramentas Java Aula 5 Análise Léxica com JavaCC Prof. Márcio Delamaro delamaro@icmc.usp.br Como

Leia mais

UFSM Introdução ao Dev-C++ Profa. Patrícia Pitthan. Introdução ao Dev-C++

UFSM Introdução ao Dev-C++ Profa. Patrícia Pitthan. Introdução ao Dev-C++ Introdução ao Dev-C++ O Dev-C++ oferece um ambiente que integra um editor de textos a um compilador para linguagem C. O compilador usado pelo Dev-C++ é o gcc (Gnu C Compiler). 1) Primeiro programa Para

Leia mais

Programação de Computadores. Professor Ilaim Costa Junior ilaim@ic.uff.br Www.ic.uff.br/~ilaim

Programação de Computadores. Professor Ilaim Costa Junior ilaim@ic.uff.br Www.ic.uff.br/~ilaim Programação de Computadores Professor Ilaim Costa Junior ilaim@ic.uff.br Www.ic.uff.br/~ilaim Roteiro da Aula de Hoje Introdução ao FORTRAN (Parte I) Organização de programas Tipos de dados Variáveis Programação

Leia mais

Pratica JFlex. Prática criando o primeiro analisador léxico

Pratica JFlex. Prática criando o primeiro analisador léxico UNIVERSIDADE DO OESTE DE SANTA CATARINA CAMPUS DE SÃO MIGUEL DO OESTE CURSO: CIÊNCIAS DA COMPUTAÇÃO DISCIPLINA: COMPILADORES PROFESSOR: JOHNI DOUGLAS MARANGON Pratica JFlex JFlex é uma ferramenta que permite

Leia mais

Ambigüidade em gramáticas livre de contexto: Um problema não-solucionável

Ambigüidade em gramáticas livre de contexto: Um problema não-solucionável UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL INSTITUTO DE INFORMÁTICA CURSO DE CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO CÉSAR GARCIA DAUDT GABRIEL BARUFI VERAS Ambigüidade em gramáticas livre de contexto: Um problema não-solucionável

Leia mais

Introdução à Lógica de Programação

Introdução à Lógica de Programação Introdução à Lógica de Programação Sistemas Numéricos As informações inseridas em um computador são traduzidos em dados, ou seja, em sinais que podem ser manipulados pelo computador. O computador trabalha

Leia mais

Linguagens Livres de Contexto e Autômatos a Pilha (Push- Down) Um Modelo de Computação de Força Intermediária. Gramática Livre de Contexto

Linguagens Livres de Contexto e Autômatos a Pilha (Push- Down) Um Modelo de Computação de Força Intermediária. Gramática Livre de Contexto LFA - PARTE 2 Linguagens Livres de Contexto e Autômatos a Pilha (Push- Down) Um Modelo de Computação de Força Intermediária João Luís Garcia Rosa LFA-FEC-PUC-Campinas 2002 R. Gregory Taylor: http://starbase.cs.trincoll.edu/~rtaylor/thcomp/

Leia mais

Linguagem algorítmica: Portugol

Linguagem algorítmica: Portugol Programação de Computadores I Aula 03 Linguagem algorítmica: Portugol José Romildo Malaquias Departamento de Computação Universidade Federal de Ouro Preto 2011-1 1/34 Introdução I Lógica A lógica é usada

Leia mais

COMPILADORES E INTERPRETADORES

COMPILADORES E INTERPRETADORES Aula 16 Arquitetura de Computadores 12/11/2007 Universidade do Contestado UnC/Mafra Curso Sistemas de Informação Prof. Carlos Guerber COMPILADORES E INTERPRETADORES Um compilador transforma o código fonte

Leia mais

Conjunto (set) O tipo estruturado set representa, em Pascal, um conjunto de objectos de um dado tipo;

Conjunto (set) O tipo estruturado set representa, em Pascal, um conjunto de objectos de um dado tipo; Conjunto (set) O tipo estruturado set representa, em Pascal, um conjunto de objectos de um dado tipo; O tipo de dados tem por base um tipo simples (enumerável); Na verdade, um set representa o conjunto

Leia mais

PROGRAMAÇÃO ESTRUTURADA. CC 2º Período

PROGRAMAÇÃO ESTRUTURADA. CC 2º Período PROGRAMAÇÃO ESTRUTURADA CC 2º Período PROGRAMAÇÃO ESTRUTURADA Aula 07: Funções O comando return Protótipo de funções O tipo void Arquivos-cabeçalho Escopo de variáveis Passagem de parâmetros por valor

Leia mais

IFTO TÉCNICO EM INFORMÁTICA DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS AULA 01

IFTO TÉCNICO EM INFORMÁTICA DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS AULA 01 IFTO TÉCNICO EM INFORMÁTICA DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS AULA 01 Prof. Manoel Campos da Silva Filho Tecnólogo em Processamento de Dados / Unitins Mestre em Engenharia Elétrica / UnB http://lab.ifto.edu.br/~mcampos

Leia mais

- UNIVERSIDADE DO VALE DO RIO DOS SINOS CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLÓGICAS (C6/6) Curso: Informática

- UNIVERSIDADE DO VALE DO RIO DOS SINOS CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLÓGICAS (C6/6) Curso: Informática Laboratório I Prof. Osório Balanceamento de Árvores Binárias Pag.: - UNIVERSIDADE DO VALE DO RIO DOS SINOS CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLÓGICAS (C6/6) Curso: Informática LABORATÓRIO II AULA : Balanceamento

Leia mais

Síntese. Compiladores. Geração de código intermediário. Linguagens Intermediárias. Modelo Clássico. Linguagens Intermediárias. Código intermediário

Síntese. Compiladores. Geração de código intermediário. Linguagens Intermediárias. Modelo Clássico. Linguagens Intermediárias. Código intermediário Síntese Compiladores Código intermediário 1 Os assuntos apresentados trazem respostas às perguntas seguintes: 1. Pode a memória ser alocada dinamicamente? 2. Pode a memória ser liberada explicitamente?

Leia mais

Universidade Federal de Uberlândia Faculdade de Computação. A Linguagem C

Universidade Federal de Uberlândia Faculdade de Computação. A Linguagem C Universidade Federal de Uberlândia Faculdade de Computação A Linguagem C Prof. Renato Pimentel 1 Programação Quando queremos criar ou desenvolver um software para realizar determinado tipo de processamento

Leia mais

Estrutura de Dados. Introdução a Ponteiros. Prof. Gerson Borges Estrutura de Dados I 1

Estrutura de Dados. Introdução a Ponteiros. Prof. Gerson Borges Estrutura de Dados I 1 Estrutura de Dados Introdução a Ponteiros Prof. Gerson Borges Estrutura de Dados I 1 Sumário è Explicação da importância do planejamento de ensino; è Métodos e técnicas que iremos trabalhar durante o semestre;

Leia mais

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS Curso Superior de Tecnologia em Análise e Desenvolvimento de Sistemas

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS Curso Superior de Tecnologia em Análise e Desenvolvimento de Sistemas PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS Curso Superior de Tecnologia em Análise e Desenvolvimento de Sistemas CMP1132 Processo e qualidade de software II Prof. Me. Elias Ferreira Sala: 402 E Quarta-Feira:

Leia mais

Algoritmos e Programação

Algoritmos e Programação Universidade Federal do Vale do São Francisco Curso de Engenharia da Produção / Elétrica Algoritmos e Programação Parte 05 Prof. Jorge Cavalcanti jorge.cavalcanti@univasf.edu.br www.univasf.edu.br/~jorge.cavalcanti

Leia mais

Introdução ao FORTRAN (Parte I)

Introdução ao FORTRAN (Parte I) Programação de Computadores III Aula 7 Professor Leandro Augusto Frata Fernandes laffernandes@ic.uff.br Material disponível em http://www.ic.uff.br/~laffernandes/teaching/2011.1/tcc-03.063 Roteiro da Aula

Leia mais

Análise Sintática. Fabiano Baldo

Análise Sintática. Fabiano Baldo Compiladores Análise Sintática Fabiano Baldo Gramáticas Livre de Contexto (GLC) É utilizada na especificação formal lda sintaxe de uma linguagem de programação. É um conjunto de produções ou regras gramaticais

Leia mais

Introdução. A verificação de tipos pode ser estática e dinâmica

Introdução. A verificação de tipos pode ser estática e dinâmica Análise Semântica Introdução Verifica se as construções sintaticamente corretas possuem significado lógico dentro da linguagem Verifica a consistência da declaração e uso dos identificadores Além disso,

Leia mais

Paradigmas de Programação

Paradigmas de Programação Paradigmas de Programação Tipos de Dados Aula 5 Prof.: Edilberto M. Silva http://www.edilms.eti.br Prof. Edilberto Silva / edilms.eti.br Tipos de Dados Sistema de tipos Tipos de Dados e Domínios Métodos

Leia mais

Árvores Binárias de Busca

Árvores Binárias de Busca Árvores Binárias de Busca Definição Uma Árvore Binária de Busca possui as mesmas propriedades de uma AB, acrescida da seguinte propriedade: Para todo nó da árvore, se seu valor é X, então: Os nós pertencentes

Leia mais

1.2 Uma linguagem de programação muito simples

1.2 Uma linguagem de programação muito simples 1 Representando programas como dados 1.1 Introdução Os processadores de linguagem sempre fazem alguma manipulação com programas. Normalmente a entrada para o processador é um programa apresentado na forma

Leia mais

UMA BREVE INTRODUÇÃO AO ESTUDO E IMPLEMENTAÇÃO DE COMPILADORES

UMA BREVE INTRODUÇÃO AO ESTUDO E IMPLEMENTAÇÃO DE COMPILADORES UMA BREVE INTRODUÇÃO AO ESTUDO E IMPLEMENTAÇÃO DE COMPILADORES 1 BRANCO; Guido Aparecido Junior, 2 TAMAE, Rodrigo Yoshio 1-Discente do Curso Sistemas de Informação FAEG/Garça 2-Docente do Curso Sistemas

Leia mais

Apostila 03 Linguagens Livres de Contexto

Apostila 03 Linguagens Livres de Contexto Cursos: Bacharelado em Ciência da Computação e Bacharelado em Sistemas de Informação Disciplinas: (1493A) Teoria da Computação e Linguagens Formais, (4623A) Teoria da Computação e Linguagens Formais e

Leia mais

Processamento da Informação Teoria. Algoritmos e Tipos de dados

Processamento da Informação Teoria. Algoritmos e Tipos de dados Processamento da Informação Teoria Algoritmos e Tipos de dados Semana 01 Prof. Jesús P. Mena-Chalco 24/04/2013 (*) Slides adaptados das aulas do Prof. Harlen Costa Batagelo Algumas definições de algoritmo

Leia mais

Construção de Compiladores. Construção de Compiladores. Motivação. Motivação. Contexto Histórico. Classificações: Gerações 09/03/2010

Construção de Compiladores. Construção de Compiladores. Motivação. Motivação. Contexto Histórico. Classificações: Gerações 09/03/2010 Construção de Compiladores Prof. Raimundo Santos Moura (http://www.ufpi.br/rsm) Construção de Compiladores Livro-Texto: AHO, Alfred V.; ULLMAN, Jeffrey D.; SETHI, R. Compiladores: princípios, técnicas

Leia mais

INF 1005 Programação I

INF 1005 Programação I INF 1005 Programação I Aula 12 Cadeia de Caracteres (Strings) Edirlei Soares de Lima Caracteres Até o momento nós somente utilizamos variáveis que armazenam números (int, float ou

Leia mais

PROGRAMA DE DISCIPLINA

PROGRAMA DE DISCIPLINA PROGRAMA DE DISCIPLINA Disciplina: Introdução à Programação Carga horária total: 60 Carga horária teórica: 0 Carga horária prática: 60 Código da Disciplina: CCMP0041 Período de oferta: 2010.2 Turma: CA

Leia mais

Linguagens Formais e Autômatos. Alfabetos, Palavras, Linguagens e Gramáticas

Linguagens Formais e Autômatos. Alfabetos, Palavras, Linguagens e Gramáticas Linguagens Formais e Autômatos Alfabetos, Palavras, Linguagens e Gramáticas Cristiano Lehrer, M.Sc. Introdução (1/3) A Teoria das Linguagens Formais foi originariamente desenvolvida na década de 1950 com

Leia mais

FERRAMENTA DE APOIO A REESTRUTURAÇÃO DE CÓDIGO FONTE EM LINGUAGEM PL/SQL BASEADO EM PADRÕES DE LEGIBILIDADE

FERRAMENTA DE APOIO A REESTRUTURAÇÃO DE CÓDIGO FONTE EM LINGUAGEM PL/SQL BASEADO EM PADRÕES DE LEGIBILIDADE FERRAMENTA DE APOIO A REESTRUTURAÇÃO DE CÓDIGO FONTE EM LINGUAGEM PL/SQL BASEADO EM PADRÕES DE LEGIBILIDADE Formando: Dyckson Dyorgio Dolla Orientador: Prof. Everaldo Artur Grahl Julho / 2001 ROTEIRO DA

Leia mais

Algoritmo. Prof. Anderson Almeida Ferreira. Agradeço ao prof. Guilherme Tavares de Assis por fornecer slides que fazem parte desta apresentação

Algoritmo. Prof. Anderson Almeida Ferreira. Agradeço ao prof. Guilherme Tavares de Assis por fornecer slides que fazem parte desta apresentação 1 Algoritmo Prof. Anderson Almeida Ferreira Agradeço ao prof. Guilherme Tavares de Assis por fornecer slides que fazem parte desta apresentação Desenvolvimento de programas 2 Análise do problema Desenvolvimento

Leia mais

Algoritmos e Técnicas de

Algoritmos e Técnicas de INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO RIO GRANDE DO NORTE Algoritmos e Técnicas de Programação Docente: Éberton da Silva Marinho e-mail: ebertonsm@gmail.com eberton.marinho@ifrn.edu.br

Leia mais

Aula 01. - Bibliografia - Definições - Operadores - Criação de um algoritmo - Exercícios. Algoritmo e Programação. Prof. Fábio Nelson.

Aula 01. - Bibliografia - Definições - Operadores - Criação de um algoritmo - Exercícios. Algoritmo e Programação. Prof. Fábio Nelson. - Bibliografia - Definições - Operadores - Criação de um algoritmo - Exercícios Aula 01 Slide 1 BIBLIOGRAFIA SCHILDT H. C Completo e Total, Makron Books. SP, 1997. Curso de linguagem C da UFMG. ZIVIANI,

Leia mais

Capítulo 5. Linguagens livres de contexto

Capítulo 5. Linguagens livres de contexto Capítulo 5 Linguagens livres de contexto 5.1. Gramáticas livres de contexto 5.2. Parsing e ambiguidade 5.3. CFG e linguagens de programação 221 5.1. 1Gramáticas ái livres de contexto na parte esquerda

Leia mais

Orientação a Objetos. Conceitos Iniciais Introdução a Linguagem Java. Gil Eduardo de Andrade

Orientação a Objetos. Conceitos Iniciais Introdução a Linguagem Java. Gil Eduardo de Andrade Orientação a Objetos Conceitos Iniciais Introdução a Linguagem Java Gil Eduardo de Andrade Conceitos: Orientação a Objeto Introdução Abordagem típica no desenvolvimento de sistemas complexos; Consiste

Leia mais

Teoria da Computação - Programação OCaml Ficha de exercícios

Teoria da Computação - Programação OCaml Ficha de exercícios Teoria da Computação - Programação OCaml Ficha de exercícios Simão Melo de Sousa Em parte, estes exercícios baseam-se nas fichas práticas retiradas do site OCaml Hump 1 Aritmética Exercício 1 (Fibbonacci)

Leia mais

Nesta aula serão apresentados alguns comandos de condição, repetição e gráficos.

Nesta aula serão apresentados alguns comandos de condição, repetição e gráficos. 3 COMANDOS CONDICIONAIS E DE LAÇO Nesta aula serão apresentados alguns comandos de condição, repetição e gráficos. 3.1 COMANDOS CONDICIONAIS 3.1.1 Comando IF Como o próprio nome já indica, estes comandos

Leia mais

Acadêmico: Fabiano Bender. Orientadora: Joyce Martins FURB 2012/2

Acadêmico: Fabiano Bender. Orientadora: Joyce Martins FURB 2012/2 Acadêmico: Fabiano Bender Orientadora: Joyce Martins FURB 2012/2 Introdução Objetivos Fundamentação teórica Desenvolvimento do aplicativo Resultados Conclusão Extensões Ampla utilização dos SGBDs Dificuldades

Leia mais

2. OPERADORES... 6 3. ALGORITMOS, FLUXOGRAMAS E PROGRAMAS... 8 4. FUNÇÕES... 10

2. OPERADORES... 6 3. ALGORITMOS, FLUXOGRAMAS E PROGRAMAS... 8 4. FUNÇÕES... 10 1. TIPOS DE DADOS... 3 1.1 DEFINIÇÃO DE DADOS... 3 1.2 - DEFINIÇÃO DE VARIÁVEIS... 3 1.3 - VARIÁVEIS EM C... 3 1.3.1. NOME DAS VARIÁVEIS... 3 1.3.2 - TIPOS BÁSICOS... 3 1.3.3 DECLARAÇÃO DE VARIÁVEIS...

Leia mais

Introdução ao IDE Netbeans (Programação Java)

Introdução ao IDE Netbeans (Programação Java) Universidade Federal do ABC (UFABC) Disciplina: Processamento da Informação (BC-0505) Assunto: Java e Netbeans Introdução ao IDE Netbeans (Programação Java) Conteúdo 1. Introdução... 1 1.1. Programas necessários...

Leia mais

Árvores e Árvores Binárias

Árvores e Árvores Binárias MAC 5710 - Estruturas de Dados - 2008 Referência bibliográfica Os slides sobre este assunto são parcialmente baseados nas seções sobre árvores do capítulo 4 do livro N. Wirth. Algorithms + Data Structures

Leia mais

PROGRAMA DE DISCIPLINA

PROGRAMA DE DISCIPLINA PROGRAMA DE DISCIPLINA Disciplina: INTRODUÇÃO À PROGRAMAÇÃO Carga horária total: 60 h Carga horária teórica: 30 h Carga horária prática: 30 h Código da Disciplina: CCMP0041 Período de oferta: 2015.2 Turma:

Leia mais

Fundamentos de Programação. Turma CI-240-EST. Josiney de Souza. josineys@inf.ufpr.br

Fundamentos de Programação. Turma CI-240-EST. Josiney de Souza. josineys@inf.ufpr.br Fundamentos de Programação Turma CI-240-EST Josiney de Souza josineys@inf.ufpr.br Agenda do Dia Aula 2 (07/08/15) Introdução ao Python História Características Estrutura dos código-fonte Primeiros elementos

Leia mais

Métodos Os métodos de uma classe podem ser classificados como construtores, destrutores, funções ou procedimentos.

Métodos Os métodos de uma classe podem ser classificados como construtores, destrutores, funções ou procedimentos. Métodos Os métodos de uma classe podem ser classificados como construtores, destrutores, funções ou procedimentos. Construtor: método executado por uma CLASSE (e não por um objeto, instância da classe)

Leia mais