Aluísio Eustáquio da Silva

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Aluísio Eustáquio da Silva"

Transcrição

1 1 Aluísio Eustáquio da Silva SciLab Programável Material didático usado em aulas de Programação de Computadores, Algoritmos e Lógica de Programação Betim Maio de 2012

2 2 PROGRAMAÇÃO O SciLab permite que se criem programas, que são algoritmos escritos numa linguagem que o computador possa enter e executar. Programa de computador é um conjunto de instruções que são codificadas em linguagem de máquina, a linguagem do computador, por um outro programa, e depois executadas. Existem dois tipos de programas para se criar programas: Compiladores: codificam todo o programa para depois executá-lo Interpretadores: codificam e executam instrução por instrução O SciLab está na categoria dos interpretadores. SCRIPTS São arquivos do tipo texto com um conjunto de instruções a serem executadas. Esses arquivos podem ser gravados e usados toda vez que for necessário, sem necessidade de nova digitação. Os scripts são executadas em ordem sequencial, de cima para baixo. Pode-se acrescentar em um programas estruturas que são executadas depo de certas condições e estruturas que se repetem um número finito de vezes. Para criar um script usaremos o próprio editor de scripts do SciLab que apresenta uma série de facilidades, como por exemplo, a convenção de cores abaixo: Azul claro comandos da linguagem Azul escuro funções da linguagem Verde comentários Marrom strings Rosa parênteses Preto variáveis

3 3 ESTRUTURA DE UM PROGRAMA Exemplo: Adotaremos alguns padrões, não obrigatórios, para tornar os programas simples, legíveis e funcionais: Todo Programa começará com um comentário onde ficará expresso de forma bem clara qual é o objetivo do mesmo, quem o desenvolveu e a data de confecção. Os comandos (instruções) de um programa serão delimitados em uma função com as palavras chaves do SciLab function e function. As instruções do programa serão escritas, uma por linha Cada linha será alinhada à esquerda, com espaços, entações, nas estruturas de um mesmo nível. As palavras chaves do programa serão obrigatoriamente escritas com letras minúsculas Todo identificador de variável que tiver mais de um caractere se iniciará com letra maiúscula Os identificadores compostos terão cada palavra se iniciando com letra maiúscula e separados por travessão (underline). //EXEMPLO 1 //PROGRAMA PARA CONVERTER POLEGADAS EM MILÍMETROS function Polegadas_Milimetros() //inteiro Numerador_Polegada, Denominador_Polegada //real Milimetros printf("************************************************************"); printf("\nprograma para converter polegadas em milímetros"); printf("\n**********************************************************\n"); //ENTRADA DE DADOS Numerador_Polegada = input("digite o numerador de uma medida em polegadas: "); Denominador_Polegada = input("digite o denominador de uma medida em polegadas: "); //PROCESSAMENTO Milimetros = (Numerador_Polegada / Denominador_Polegada) * 25.4; //SAIDA DE RESULTADOS printf("\npolegadas: %d / %d ", Numerador_Polegada, Denominador_Polegada); printf(" = %4.2f ", Milimetros); return; //RETORNA À FUNÇÃO CHAMADORA function Polegadas_Milimetros(); //FIM PROGRAMA PRINCIPAL

4 4 ESTRUTURAS SEQUENCIAIS De acordo com a sequência das ações executadas por um programa, suas estruturas podem ser classificadas em: Estrutura Sequencial, Condicional ou de Repetição. Nas estruturas sequenciais os comandos serão executados na ordem em que aparecem. Nas estruturas condicionais os comandos são executados ou não, depo de certas condições verdadeiras ou falsas. E nas estruturas de repetição, sequências de comandos serão repetidas depo de condições verdadeiras ou falsas. Para facilitar o desenvolvimento de programas, escreveremos todos os comandos em uma rotina que em SciLab é denominada function. Depois criaremos um programa que chama essa rotina. Esse programa será chamado de programa principal, apesar desse termo não existir em SciLab. //EXEMPLO 2 //PROGRAMA PARA TRANSFORMAR GRAUS FAHRENHEIT EM GRAUS CELSIUS // PROGRAMA PARA TRANSFORMAR GRAUS CELSIUS EM GRAUS FAHRENHEIT function Fahrenheit_Celsius() //real Fahrenheit, Celsius printf("****************************************************"); printf("\nprograma para converter graus Fahrenheit em Celsius"); printf("\n e"); printf("\nprograma para converter graus Celsius em Fahrenheit"); printf("\n***************************************************\n"); //ENTRADA DE DADOS Fahrenheit = input("digite uma temperatura em graus Fahrenheit: "); //PROCESSAMENTO Celsius =(5/9)*( Fahrenheit -32); //SAÍDA DE RESULTADOS printf("\nfahrenhit: %3.1f ", Fahrenheit); printf("\ncelsius: %3.1f ", Celsius); printf("\n\n"); Celsius = input("digite uma temperatura em graus Celsius --> "); Fahrenheit = 9 * Celsius / ; printf("\ncelsius: %3.1f ", Celsius); printf("\nfahrenhit: %3.1f ", Fahrenheit); return; //RETORNA À FUNÇÃO CHAMADORA function // function Fahrenheit_Celsius() Fahrenheit_Celsius(); //FIM PROGRAMA PRINCIPAL

5 5 ESTRUTURAS CONDICIONAIS Os programas anteriores executaram apenas uma sequência de ações, uma após a outra, em uma ordem pré-estabelecida seguindo o padrão: Declaração de variáveis Entrada de dados pelo teclado, sem validação dos mesmos Processamento sequencial (sem desvios ou repetições) Impressão de valores na tela Nos próximos programas introduziremos comandos para controlar a ordem e o número de vezes que uma tarefa deve ser executa. OPERADORES RELACIONAIS São operadores que estabelecem uma relação entre dois operandos, gerando um resultado verdadeiro ou falso. Matemática Significado SciLab = igual a == diferente de <> ou ~= > maior que > < menor que < menor ou igual a <= maior ou igual a >= OPERADORES LÓGICOS São operadores que estabelecem uma conexão entre expressões lógicas. Utilizaremos três operadores lógicos: NÃO ~ OU E & O operador NÃO (~) tem apenas um operando, o OU ( ) e o E (&) têm dois operandos. Esses operadores produzem um resultado lógico ( True = verdadeiro ou False = falso).

6 6 Para facilitar o entimento, usa-se fazer uma tabela, chamada tabela verdade, com esses operadores. Sejam duas proposições quaisquer p e q p q ~p p q p & q T T F T T T F F T F F T T T F F F T F F ESTRUTURAS CONDICIONAIS SIMPLES if (condição) then bloco de comandos_1 bloco de comandos_2 Funcionamento Se a condição, entre parênteses, for verdadeira será executado o bloco de comandos_1, e posteriormente o bloco de comandos_2, senão (condição falsa) a execução passará diretamente para o bloco de comandos_2. Exemplo: //EXEMPLO 3 //PROGRAMA PARA VERIFICAR SE UM VALOR É MAIOR OU MENOR QUE OUTRO function Maior_Menor() //real Valor_1, Valor_2 //LÊ UM VALOR DA VARIÁVEL Valor_1 Valor_1 = input ("Digite o primeiro valor: "); //LÊ UM VALOR DA VARIÁVEL Valor_2 Valor_2 = input ("Digite o primeiro valor"); //VERIFICA SE Valor_1 É MAIOR QUE Valor_2 if (Valor_1 > Valor_2) then printf("valor_1 é maior que Valor_2"); //SE A CONDIÇÃO ACIMA É VERDADEIRA //FIM DA ESTRUTURA CONDICIONAL //VERIFICA SE Valor_1 É MENOR QUE Valor_2 if (Valor_1 < Valor_2) then printf("valor_1 é menor que Valor_2 "); //SE A CONDIÇÃO ACIMA É VERDADEIRA //FIM DA ESTRUTURA CONDICIONAL return; function //FIM DO FUNÇÃO Maior_Menor Maior_Menor();

7 7 ESTRUTURA CONDICIONAL DUPLA if (condição) then Bloco de comandos_1 else Bloco de comandos_2 Funcionamento Se a condição, entre parênteses, for verdadeira será executado o bloco de comandos_1, se for falsa será executado o bloco de comandos_2. Exemplo: //EXEMPLO 4 //PROGRAMA PARA VERIFICAR SE UM VALOR É MAIOR OU MENOR QUE OUTRO //VERSÃO 2 function Maior_Menor2() //inteiro Valor_1, Valor_2 //LÊ O VALOR DA VARIÁVEL Valor_1 Valor_1 = input("digite o primeiro valor: ") //LÊ O VALOR DA VARIÁVEL Valor_2 Valor_2 = input("digite o segundo valor:") //VERIFICA SE Valor_1 É MAIOR QUE Valor_2 if (Valor_1 > Valor_2) then printf("valor_1 é maior que Valor_2") //SE A CONDIÇÃO ACIMA É VERDADEIRA else printf("valor_1 é menor que Valor_2") //SE A CONDIÇÃO ACIMA É FALSA //FIM DA ESTRUTURA CONDICIONAL function Maior_Menor2(); //FIM DO PROGRAMA

8 8 EXEMPLOS Alguns problemas com estruturas condicionais. Programa para ler um número inteiro e escrevê-lo, caso seja número negativo. Um número é negativo se é menor que zero. //EXEMPLO 5 //FUNÇÃO PARA VERIFICAR SE UM NÚMERO É NEGATIVO, POSITIVO OU NULO function Sinal() //real Numero //ENTRADA DE DADOS Numero = input("digite um número"); //PROCESSAMENTO E SAÍDA DE RESULTADOS printf ("%f é ", Numero) if (Numero < 0) then printf (" é negativo"); else if (Numero > 0) then printf (" positivo"); else printf (" nulo"); return; function Sinal(); //FIM PROGRAMA PRINCIPAL

9 9 Programa para ler a idade de uma pessoa e verificar se ela é ou não, maior de idade. Uma pessoa é maior de idade se possui 18 anos ou mais. //EXEMPLO 6 //PROGRAMA PARA VERIFICAR SE UMA PESSOA É MAIOR DE IDADE OU NÃO function Maioridade() //inteiro Idade //ENTRADA DE DADOS Idade = input("digite idade :") //PROCESSAMENTO E SAÍDA DE RESULTADOS if (Idade < 18) then printf ("Não é maior de idade"); else printf ("É maior de idade"); return; function Programa Maioridade(); para resolver equação do primeiro grau //FIM DO PROGRAMA PRINCIPAL

10 10 Programa para resolver equação do primeiro grau //EXEMPLO 7 // PROGRAMA PARA RESOLVER EQUAÇÃO DO PRIMEIRO GRAU function Equacao_Primeiro_Grau() //real a, b, x //ENTRADA DE DADOS a = input("digite o coeficiente a "); b = input("digite o coeficiente b"); //PROCESSAMENTO E SAÍDA DE RESULTADOS if (a <> 0) then x = -b / a; printf("\nx = %4.2f é raiz da equação do primeiro grau %2.1fx + %2.1f = 0", x, a, b); else printf ("Impossível resolver equação com a = 0"); return; function Equacao_Primeiro_Grau(); //FIM PROGRAMA PRINCIPAL 2 ESTRUTURAS DE REPETIÇÃO Uma estrutura de repetição é utilizada quando um comando ou uma sequência de comandos de um programa deve ser repetida. Cada linguagem de programação tem suas estruturas específicas de repetição. Os programas em SciLab oferecem duas estruturas de repetição REPETIÇÕES DEPENDENTES DE CONDIÇÃO NO INÍCIO ESTRUTURA while NOTAÇÃO while (condição) bloco de comandos_1 bloco de comandos_2

11 11 Funcionamento Enquanto a condição entre parênteses for verdadeira o bloco de comandos_1 será executado e quando for falsa o processamento passará ao bloco de comandos_2. Exemplo Trecho de programa para escrever na tela os números inteiros de 0 a x = 0 //Valor inicial de x 2. while (x < 10) //Verifica se x é menor que printf( %f, x) //Se a condição é verdadeira escreve x 4. x = x + 1 //Aumenta x em uma unidade 5. //Termina a repetição quando x = //Novos comandos Para facilitar o entimento numeramos as linhas de comandos. Comentários: 1) Atribui o valor inicial (0 zero) à variável x. 2) Comando que verifica o valor da variável x, gerando um valor verdadeiro ou falso, que indicará se o processamento continuará na próxima linha de comandos (linha 3) ou se desviará para a linha 6. 3) escreve o valor de x: 0, 1, 2, 3, 4, 5, 6, 7,8, 9 4) aumenta uma unidade na variável x e coloca o resultado na própria variável x que passará a ser: 1, 2, 3, 4, 5, 6, 7, 8, 9, 10 (último valor que será o responsável pelo encerramento da estrutura de repetição). 5) limita os comandos da estrutura de repetição. 6) próximos comandos do programa, fora da estrutura de repetição.

12 12 PROGRAMAS EXEMPLOS DE ESTRUTURAS DE REPETIÇÃO Programa para escrever na tela os números ímpares de 7 a 15. //EXEMPLO 8 //PROGRAMA PARA ESCREVER NA TELA OS NÚMEROS POSITIVOS ÍMPARES, //MENORES QUE N (lido do teclado) function Impares() //inteiro Numero, N //ENTRADA DE DADOS E VALOR INICIAL Numero = 1; N = input ("Digite um inteiro positivo"); //PROCESSAMENTO E SAÍDA DE RESULTADOS while (Numero <= N) printf("%d\t", Numero); Numero = Numero + 2; function // Impares() Impares(); //FIM DO PROGRAMA PRINCIPAL

13 13 Programa para escrever as letras maiúsculas de F a Q. //EXEMPLO 9 //PROGRAMA PARA ESCREVER AS LETRAS MAIÚSCULAS DE F A Q. function Escreve_Letras() //literal Letra //inteiro x //VALOR INICIAL ( INICIALIZAÇÃO ) Letra = 'F'; //PROCESSAMENTO E SAÍDA DE RESULTADOS x = ascii(letra); //CODIGO ASCII DA LETRA while (x <= ascii('q') ) printf("%s ", ascii(x)); x = x + 1; //REPETE ENQUANTO LETRA <= Q //ESCREVE LETRA //SOMA 1 NO CODIGO DA LETRA function EscreveLetras(); //FIM DO PROGRAMA PRINCIPAL

14 14 Leia o nome e a altura de três pessoas. Determine e escreva o nome e a altura da pessoa mais alta //EXEMPLO 10 //LER O NOME E A ALTURA DE TRÊS PESSOAS. //DETERMINAR E ESCREVER O NOME E A ALTURA DA PESSOA //MAIS ALTA function Maior_Altura() //real Altura, Maior_Altura //literal Nome, Nome_do_mais_Alto //inteiro Contador Maior_Altura = 0; Contador = 1; //PROCESSAMENTO E SAÍDA DE RESULTADOS while (Contador <= 3) //ENTRADA DE DADOS printf("%dª pessoa de 3", Contador); Nome = input("digite nome", "string"); Altura = input("digite altura : "); if (Altura > Maior_Altura) Maior_Altura = Altura Nome_do_mais_Alto = Nome; Contador = Contador + 1; //WHILE printf("%s é o mais alto dos 3 e mede %f", Nome_do_mais_Alto, Maior_Altura); function Maior_Altura(); //FIM DO PROGRAMA PRINCIPAL

15 15 ESTRUTURA DE REPETIÇÃO COM VARIÁVEL DE CONTROLE Quando o número de repetições é conhecido, pode-se usar a estrutura: for (Variável = Valor_Inicial: Passo: Valor_Final) Bloco de comandos_1 Bloco de comandos_2 So Variável uma variável cujo valor inicial é Valor_Inicial e cujo valor final é Valor_Final, e Passo é o acréscimo dado a essa variável. O bloco de comandos_1 será executado para cada valor de Variável. Variável sofre um acréscimo Passo, positivo ou negativo, podo ser omitido se a variável aumenta de 1 em 1 Alguns problemas anteriores podem ser resolvidos usando-se essa estrutura. EXEMPLOS Faça um programa para imprimir a tabuada de multiplicação do número inteiro 9. //EXEMPLO 11 //IMPRIMIR A TABUADA DE 9 (MULTIPLICAÇÃO) function Tabuada_9() //inteiro Multiplicador, Fator_Fixo, Produto //Valor inicial Fator_Fixo = 9; //PROCESSAMENTO E SAÍDA DE RESULTADOS for (Multiplicador = 0: 1: 9) Produto = Multiplicador * Fator_Fixo; printf("\n%d * %d = %d ", Multiplicador, Fator_Fixo, Produto); ; function Tabuada_9(); //FIM DO PROGRAMA PRINCIPAL Escreva um programa para escrever todos os números inteiros palíndromos de 4 algarismos. Um número palíndromo ou frase palíndroma é aquela que é idêntica se lida da direita para a esquerda ou da esquerda para a direita.

16 16 Exemplos: luz azul, acaiaca, ovo, Ana, arara, socorram-me subi no onibus em marrocos 12321, 2002 Para os números palíndromos de 4 algarismos temos o padrão X Y Y X, onde X é um número inteiro de 1 a 9 e Y um número inteiro de 0 a 9. Assim cada número inteiro palíndromo de 4 algarismos será da forma: 1000 X Y + 10 Y + X //EXEMPLO 12 //ESCREVER OS NÚMEROS PALÍNDROMOS DE 4 ALGARISMOS function Palindromo() //inteiro Numero, X, Y //PROCESSAMENTO E SAÍDA DE RESULTADOS for (X = 1: 9) for (Y = 0: 9) Numero = 1000 * X * Y + 10 * Y + X; printf("\t%8d", Numero); ; ; //X = 1 até 9 function Palindromo(); //FIM DO PROGRAMA PRINCIPAL

17 17 Programa que: Leia um número inteiro e positivo N. Calcule e escreva a soma dos N primeiros termos da seqüência: 1/2, 2/5, 3/8, 4/11, 5/14, 6/17,... //EXEMPLO 13 //PROGRAMA QUE: //LER UM NÚMERO INTEIRO E POSITIVO N. //CALCULAR E ESCREVER A SOMA DOS N PRIMEIROS TERMOS DA //SEQÜÊNCIA: //1/2, 2/5, 3/8, 4/11, 5/14, 6/17,... function SomaSequencia() //inteiro Contador, Numerador, Denominador, N //real Soma Soma =0; Numerador = 1; Denominador = 2; //ENTRADA DE DADOS N = input("numero de termos") //PROCESSAMENTO for (Contador = 1: N) Soma = Soma + Numerador / Denominador; Numerador = Numerador + 1; Denominador = Denominador + 3; ; //FIM FOR //E SAÍDA DE RESULTADOS printf ("%f", Soma); function SomaSequencia(); //FIM DO PROGRAMA PRINCIPAL

e à Linguagem de Programação Python

e à Linguagem de Programação Python Introdução a Algoritmos, Computação Algébrica e à Linguagem de Programação Python Curso de Números Inteiros e Criptografia Prof. Luis Menasché Schechter Departamento de Ciência da Computação UFRJ Agosto

Leia mais

Resolução de problemas e desenvolvimento de algoritmos

Resolução de problemas e desenvolvimento de algoritmos SSC0101 - ICC1 Teórica Introdução à Ciência da Computação I Resolução de problemas e desenvolvimento de algoritmos Prof. Vanderlei Bonato Prof. Cláudio Fabiano Motta Toledo Sumário Análise e solução de

Leia mais

AULA 2: INTRODUÇÃO A LINGUAGEM DE C. Curso: Ciência da Computação Profª.: Luciana Balieiro Cosme

AULA 2: INTRODUÇÃO A LINGUAGEM DE C. Curso: Ciência da Computação Profª.: Luciana Balieiro Cosme AULA 2: INTRODUÇÃO A LINGUAGEM DE C Curso: Ciência da Computação Profª.: Luciana Balieiro Cosme Agenda Introdução a linguagem C Compiladores Variáveis IDEs Exemplos Exercícios Introdução A Linguagem C

Leia mais

Linguagem algorítmica: Portugol

Linguagem algorítmica: Portugol Programação de Computadores I Aula 03 Linguagem algorítmica: Portugol José Romildo Malaquias Departamento de Computação Universidade Federal de Ouro Preto 2011-1 1/34 Introdução I Lógica A lógica é usada

Leia mais

Os objetivos indicados aplicam-se a duas linguagens de programação: C e PHP

Os objetivos indicados aplicam-se a duas linguagens de programação: C e PHP AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE SANTA COMBA DÃO CURSO PROFISSIONAL DE TÉCNICO DE GESTÃO E PROGRAMAÇÃO DE SISTEMAS INFORMÁTICOS 2012-2015 PROGRAMAÇÃO E SISTEMAS DE INFORMAÇÃO MÓDULO 2 Mecanismos de Controlo de

Leia mais

UFOP PC-I Prof. Guilherme / Anderson. Operadores Relacionais e Lógicos, Comandos For e While e String

UFOP PC-I Prof. Guilherme / Anderson. Operadores Relacionais e Lógicos, Comandos For e While e String Operadores Relacionais e Lógicos, Comandos For e While e String 1 Operadores Relacionais > maior que >= maior ou igual a < menor que

Leia mais

José Romildo Malaquias 2011-1

José Romildo Malaquias 2011-1 Programação de Computadores I Aula 08 Programação: Estruturas de Repetição José Romildo Malaquias Departamento de Computação Universidade Federal de Ouro Preto 2011-1 1/58 Motivação Como imprimir os três

Leia mais

Estruturas de entrada e saída

Estruturas de entrada e saída capa Estruturas de entrada e saída - A linguagem C utiliza de algumas funções para tratamento de entrada e saída de dados. - A maioria dessas funções estão presentes na biblioteca . - As funções

Leia mais

Algoritmos com VisuAlg

Algoritmos com VisuAlg Algoritmos com VisuAlg Prof Gerson Volney Lagemann Depto Eng de Produção e Sistemas UDESC - CCT Algoritmos com VisuAlg Introdução A linguagem VisuAlg é simples, seu objetivo é disponibilizar um ambiente

Leia mais

Resumo da Matéria de Linguagem de Programação. Linguagem C

Resumo da Matéria de Linguagem de Programação. Linguagem C Resumo da Matéria de Linguagem de Programação Linguagem C Vitor H. Migoto de Gouvêa 2011 Sumário Como instalar um programa para executar o C...3 Sintaxe inicial da Linguagem de Programação C...4 Variáveis

Leia mais

2. OPERADORES... 6 3. ALGORITMOS, FLUXOGRAMAS E PROGRAMAS... 8 4. FUNÇÕES... 10

2. OPERADORES... 6 3. ALGORITMOS, FLUXOGRAMAS E PROGRAMAS... 8 4. FUNÇÕES... 10 1. TIPOS DE DADOS... 3 1.1 DEFINIÇÃO DE DADOS... 3 1.2 - DEFINIÇÃO DE VARIÁVEIS... 3 1.3 - VARIÁVEIS EM C... 3 1.3.1. NOME DAS VARIÁVEIS... 3 1.3.2 - TIPOS BÁSICOS... 3 1.3.3 DECLARAÇÃO DE VARIÁVEIS...

Leia mais

Capítulo 2: Introdução à Linguagem C

Capítulo 2: Introdução à Linguagem C Capítulo 2: Introdução à Linguagem C INF1005 Programação 1 Pontifícia Universidade Católica Departamento de Informática Programa Programa é um algoritmo escrito em uma linguagem de programação. No nosso

Leia mais

Programação de Computadores I Pseudocódigo PROFESSORA CINTIA CAETANO

Programação de Computadores I Pseudocódigo PROFESSORA CINTIA CAETANO Programação de Computadores I Pseudocódigo PROFESSORA CINTIA CAETANO Pseudocódigo Pseudocódigo é uma forma genérica de escrever um algoritmo, utilizando uma linguagem simples (nativa a quem o escreve,

Leia mais

Algoritmo. Prof. Anderson Almeida Ferreira. Agradeço ao prof. Guilherme Tavares de Assis por fornecer slides que fazem parte desta apresentação

Algoritmo. Prof. Anderson Almeida Ferreira. Agradeço ao prof. Guilherme Tavares de Assis por fornecer slides que fazem parte desta apresentação 1 Algoritmo Prof. Anderson Almeida Ferreira Agradeço ao prof. Guilherme Tavares de Assis por fornecer slides que fazem parte desta apresentação Desenvolvimento de programas 2 Análise do problema Desenvolvimento

Leia mais

Universidade Federal de Minas Gerais Instituto de Ciências Agrárias

Universidade Federal de Minas Gerais Instituto de Ciências Agrárias Universidade Federal de Minas Gerais Instituto de Ciências Agrárias Professor: Renato Dourado Maia Disciplina: Programação de Computadores Curso: Engenharia de Alimentos Turma: Terceiro Período 1 Introdução

Leia mais

Introdução à Lógica de Programação

Introdução à Lógica de Programação Sistemas Operacionais e Introdução à Programação Introdução à Lógica de Programação 1 Estruturas de dados Representação computacional das informações do problema ser resolvido Informações podem ser de

Leia mais

INF 1005 Programação I

INF 1005 Programação I INF 1005 Programação I Aula 12 Cadeia de Caracteres (Strings) Edirlei Soares de Lima Caracteres Até o momento nós somente utilizamos variáveis que armazenam números (int, float ou

Leia mais

INF 1005 Programação I

INF 1005 Programação I INF 1005 Programação I Aula 03 Introdução a Linguagem C Edirlei Soares de Lima Estrutura de um Programa C Inclusão de bibliotecas auxiliares: #include Definição de constantes:

Leia mais

Linguagem C: Estruturas de Controle. Prof. Leonardo Barreto Campos 1

Linguagem C: Estruturas de Controle. Prof. Leonardo Barreto Campos 1 Linguagem C: Estruturas de Controle Prof. Leonardo Barreto Campos 1 Sumário Estrutura de Controle e de Fluxo Comandos de Seleção: O comando if; Ifs Aninhados; A escada if-else-if; A expressão condicional;

Leia mais

Algoritmo e Programação

Algoritmo e Programação Algoritmo e Programação Professor: José Valentim dos Santos Filho Colegiado: Engenharia da Computação Prof.: José Valentim dos Santos Filho 1 Ementa Noções básicas de algoritmo; Construções básicas: operadores,

Leia mais

ISCAP. Algoritmia. Pág. 1. Ana Paula Teixeira

ISCAP. Algoritmia. Pág. 1. Ana Paula Teixeira Algoritmia Pág. 1 Os Computadores e a resolução de Problemas PROBLEMA Fase de Resolução do Problema Pág. 2 Passo difícil Solução como um PROGRAMA de Computador Solução em forma de Algoritmo Fase de Implementação

Leia mais

Programação de Computadores I Fluxogramas PROFESSORA CINTIA CAETANO

Programação de Computadores I Fluxogramas PROFESSORA CINTIA CAETANO Programação de Computadores I Fluxogramas PROFESSORA CINTIA CAETANO Problemas & Algoritmos Para resolver um problema através dum computador é necessário encontrar em primeiro lugar uma maneira de descrevê-lo

Leia mais

Programação de Computadores I BCC 701 2015-2 Simulado da Segunda Avaliação 17/12/2015 Valor (10,0) Duração: 110 minutos

Programação de Computadores I BCC 701 2015-2 Simulado da Segunda Avaliação 17/12/2015 Valor (10,0) Duração: 110 minutos Programação de Computadores I BCC 701 2015-2 Simulado da Segunda Avaliação 17/12/2015 Valor (10,0) Duração: 110 minutos ATENÇÃO: Leia com atenção as questões da prova. A interpretação do enunciado faz

Leia mais

Algoritmos em Javascript

Algoritmos em Javascript Algoritmos em Javascript Sumário Algoritmos 1 O que é um programa? 1 Entrada e Saída de Dados 3 Programando 4 O que é necessário para programar 4 em JavaScript? Variáveis 5 Tipos de Variáveis 6 Arrays

Leia mais

Vetores. Vetores. Figura 1 Exemplo de vetor com 10 elementos

Vetores. Vetores. Figura 1 Exemplo de vetor com 10 elementos Vetores Nos capítulos anteriores estudamos as opções disponíveis na linguagem C para representar: Números inteiros em diversos intervalos. Números fracionários com várias alternativas de precisão e magnitude.

Leia mais

Programas simples em C

Programas simples em C Programas simples em C Problema 1. Escreve um programa em C que dados dois inteiros indique se são iguais ou qual o maior. Utilizar a construção em 5 etapas... quais? 1. Perceber o problema 2. Ideia da

Leia mais

Introdução a Algoritmos Parte 04

Introdução a Algoritmos Parte 04 Universidade Federal do Vale do São Francisco Curso de Engenharia de Computação Introdução a Algoritmos Parte 04 Prof. Jorge Cavalcanti jorge.cavalcanti@univasf.edu.br www.univasf.edu.br/~jorge.cavalcanti

Leia mais

Algoritmos Computacionais ( Programas )

Algoritmos Computacionais ( Programas ) Algoritmos Computacionais ( Programas ) A partir deste tópico, consideramos a utilização do universo Computacional na solução de problemas. Para tanto devemos lembrar que a transposição de problemas do

Leia mais

Para testar seu primeiro código utilizando PHP, abra um editor de texto (bloco de notas no Windows) e digite o código abaixo:

Para testar seu primeiro código utilizando PHP, abra um editor de texto (bloco de notas no Windows) e digite o código abaixo: Disciplina: Tópicos Especiais em TI PHP Este material foi produzido com base nos livros e documentos citados abaixo, que possuem direitos autorais sobre o conteúdo. Favor adquiri-los para dar continuidade

Leia mais

Conceitos básicos da linguagem C

Conceitos básicos da linguagem C Conceitos básicos da linguagem C 2 Em 1969 Ken Thompson cria o Unix. O C nasceu logo depois, na década de 70. Dennis Ritchie, implementou-o pela primeira vez usando o sistema operacional UNIX criado por

Leia mais

Sumário. INF01040 Introdução à Programação. Elaboração de um Programa. Regras para construção de um algoritmo

Sumário. INF01040 Introdução à Programação. Elaboração de um Programa. Regras para construção de um algoritmo INF01040 Introdução à Programação Introdução à Lógica de Programação s Seqüenciais Sumário Elaboração de um programa/algoritmo Formas de representação de um algoritmo Elementos manipulados em um programa/algoritmo

Leia mais

Nesta aula serão apresentados alguns comandos de condição, repetição e gráficos.

Nesta aula serão apresentados alguns comandos de condição, repetição e gráficos. 3 COMANDOS CONDICIONAIS E DE LAÇO Nesta aula serão apresentados alguns comandos de condição, repetição e gráficos. 3.1 COMANDOS CONDICIONAIS 3.1.1 Comando IF Como o próprio nome já indica, estes comandos

Leia mais

AULA 12 FUNÇÕES Disciplina: Algoritmos e POO Professora: Alba Lopes alba.lopes@ifrn.edu.br http://docente.ifrn.edu.br/albalopes

AULA 12 FUNÇÕES Disciplina: Algoritmos e POO Professora: Alba Lopes alba.lopes@ifrn.edu.br http://docente.ifrn.edu.br/albalopes AULA 12 FUNÇÕES Disciplina: Algoritmos e POO Professora: Alba Lopes alba.lopes@ifrn.edu.br http://docente.ifrn.edu.br/albalopes FUNÇÕES E PROCEDIMENTOS Também chamados de subalgoritmos São trechos de algoritmos

Leia mais

Algoritmos e Estrutura de Dados. Introdução a Linguagem Python (Parte I) Prof. Tiago A. E. Ferreira

Algoritmos e Estrutura de Dados. Introdução a Linguagem Python (Parte I) Prof. Tiago A. E. Ferreira Algoritmos e Estrutura de Dados Aula 1 Introdução a Linguagem Python (Parte I) Prof. Tiago A. E. Ferreira Linguagem a ser Utilizada? Nossa disciplina é de Algoritmos e Estrutura de Dados, e não de linguagem

Leia mais

Estruturas de Repetição. Programação em Java 2006-2007. Estruturas de Repetição

Estruturas de Repetição. Programação em Java 2006-2007. Estruturas de Repetição Aula 4 Estruturas de Repetição Programação em Java 2006-2007 Estruturas de Repetição As estruturas repetitivas ou ciclos permitem repetir um conjunto de uma ou mais instruções O Java apresenta três variantes

Leia mais

Estruturas de Repetição Parte II PARA-ATÉ

Estruturas de Repetição Parte II PARA-ATÉ Estruturas de Repetição Parte II PARA-ATÉ Prof. Dr. Edson Pimentel Centro de Matemática, Computação e Cognição Objetivos Aprender a sintaxe da Estrutura de Repetição PARA-ATÉ na linguagem PORTUGOL Aprender

Leia mais

Algoritmos e Programação de Computadores

Algoritmos e Programação de Computadores Algoritmos e Programação de Computadores Algoritmos Estrutura Sequencial Parte 1 Professor: Victor Hugo L. Lopes Agenda Etapas de ação do computador; TDP Tipos de Dados Primitivos; Variáveis; Constantes;

Leia mais

Python Condicionais e Loops. Introdução à Programação SI1

Python Condicionais e Loops. Introdução à Programação SI1 Python Condicionais e Loops Introdução à Programação SI1 Conteúdo Comando de Decisão Comandos de Repetição Exercícios 13/06/2013 2 Condicional Controle de fluxo É muito comum em um programa que certos

Leia mais

Introdução à Lógica de Programação

Introdução à Lógica de Programação Introdução à Lógica de Programação Sistemas Numéricos As informações inseridas em um computador são traduzidos em dados, ou seja, em sinais que podem ser manipulados pelo computador. O computador trabalha

Leia mais

CURSO BÁSICO DE PROGRAMAÇÃO AULA 7

CURSO BÁSICO DE PROGRAMAÇÃO AULA 7 CURSO BÁSICO DE PROGRAMAÇÃO AULA 7 Revisão para prova: Comandos de Entrada e Saída Estruturas de Decisão (Se, caso (escolha)) Laços de Repetição (Enquanto, Repita, Para) Relembrando Trabalho 1 Prazo de

Leia mais

ESTRUTURA DE UM PROGRAMA EM C++ Estrutura de um Programa em C++

ESTRUTURA DE UM PROGRAMA EM C++ Estrutura de um Programa em C++ ESTRUTURA DE UM PROGRAMA EM C++ Estrutura de um Programa em C++ #include { Este trecho é reservado para o corpo da função, com a declaração de suas variáveis locais, seus comandos e funções

Leia mais

Arquivos. Em relação ao Scilab, existem alguns tipos de arquivos que podem ser lidos, criados ou modificados.

Arquivos. Em relação ao Scilab, existem alguns tipos de arquivos que podem ser lidos, criados ou modificados. Arquivos Arquivos correspondem a unidades de armazenamento, tipicamente gravados em unidades de memória secundária. Sistemas operacionais, como Linux ou Windows, permitem que arquivos sejam criados e recuperados

Leia mais

O Processo de Programação

O Processo de Programação Programação de Computadores I Aula 04 O Processo de Programação José Romildo Malaquias Departamento de Computação Universidade Federal de Ouro Preto 2011-1 1/23 Algoritmo Um algoritmo é uma seqüência de

Leia mais

4 Criação de macros e introdução à linguagem VBA

4 Criação de macros e introdução à linguagem VBA 4 Criação de macros e introdução à linguagem VBA Vinicius A. de Souza va.vinicius@gmail.com São José dos Campos, 2011. 1 Sumário Tópicos em Microsoft Excel 2007 Introdução à criação de macros...3 Gravação

Leia mais

Prof. Esp. Adriano Carvalho

Prof. Esp. Adriano Carvalho Prof. Esp. Adriano Carvalho O que é um Programa? Um arquivo contendo uma sequência de comandos em uma linguagem de programação especifica Esses comandosrespeitam regras de como serem escritos e quais

Leia mais

Revisão: Variáveis, Expressões, Matrizes, Comandos de Desvio

Revisão: Variáveis, Expressões, Matrizes, Comandos de Desvio Programação de Computadores I UFOP DECOM 2013 2 Aula prática 5 Revisão: Variáveis, Expressões, Matrizes, Comandos de Desvio Tarefa 1: Lei de Gravitação Universal A Lei de Gravitação Universal de Newton,

Leia mais

13 Números Reais - Tipo float

13 Números Reais - Tipo float 13 Números Reais - Tipo float Ronaldo F. Hashimoto e Carlos H. Morimoto Até omomentonoslimitamosaouso do tipo inteiro para variáveis e expressões aritméticas. Vamos introduzir agora o tipo real. Ao final

Leia mais

Aula 01. - Bibliografia - Definições - Operadores - Criação de um algoritmo - Exercícios. Algoritmo e Programação. Prof. Fábio Nelson.

Aula 01. - Bibliografia - Definições - Operadores - Criação de um algoritmo - Exercícios. Algoritmo e Programação. Prof. Fábio Nelson. - Bibliografia - Definições - Operadores - Criação de um algoritmo - Exercícios Aula 01 Slide 1 BIBLIOGRAFIA SCHILDT H. C Completo e Total, Makron Books. SP, 1997. Curso de linguagem C da UFMG. ZIVIANI,

Leia mais

1. Fazer um programa em C que pergunta um valor em metros e imprime o correspondente em decímetros, centímetros e milímetros.

1. Fazer um programa em C que pergunta um valor em metros e imprime o correspondente em decímetros, centímetros e milímetros. Lista de exercícios: Grupo I - programa seqüênciais simples 1. Fazer um programa em C que pergunta um valor em metros e imprime o correspondente em decímetros, centímetros e milímetros. 2. Fazer um programa

Leia mais

Java Como Programar, 8/E

Java Como Programar, 8/E Capítulo 2 Introdução aos aplicativos Java Java Como Programar, 8/E (C) 2010 Pearson Education, Inc. Todos os 2.1 Introdução Programação de aplicativo Java. Utilize as ferramentas do JDK para compilar

Leia mais

Unidade 3: Linguagem de programação

Unidade 3: Linguagem de programação Unidade 3: Linguagem de programação 3.7. Elaborando programas: scripts e funções No programa Scilab podemos criar arquivos contendo comandos que serão executados posteriormente dentro do seu ambiente.

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL INSTITUTO DE INFORMÁTICA INFORMÁTICA APLICADA

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL INSTITUTO DE INFORMÁTICA INFORMÁTICA APLICADA Responda 1) Quem desenvolveu a linguagem C? Quando? 2) Existe alguma norma sobre a sintaxe da linguagem C? 3) Quais são os tipos básicos de dados disponíveis na linguagem C? 4) Quais são as principais

Leia mais

Programação. Folha Prática 3. Lab. 3. Departamento de Informática Universidade da Beira Interior Portugal 2015. Copyright 2010 All rights reserved.

Programação. Folha Prática 3. Lab. 3. Departamento de Informática Universidade da Beira Interior Portugal 2015. Copyright 2010 All rights reserved. Programação Folha Prática 3 Lab. 3 Departamento de Informática Universidade da Beira Interior Portugal 2015 Copyright 2010 All rights reserved. LAB. 3 3ª semana EXPRESSÕES E INSTRUÇÕES 1. Revisão de conceitos

Leia mais

Desenvolvido por: Juarez A. Muylaert Filho - jamf@estacio.br Andréa T. Medeiros - andrea@iprj.uerj.br Adriana S. Spallanzani - spallanzani@uol.com.

Desenvolvido por: Juarez A. Muylaert Filho - jamf@estacio.br Andréa T. Medeiros - andrea@iprj.uerj.br Adriana S. Spallanzani - spallanzani@uol.com. UAL é uma linguagem interpretada para descrição de algoritmos em Português. Tem por objetivo auxiliar o aprendizado do aluno iniciante em programação através da execução e visualização das etapas de um

Leia mais

A lógica de programação ajuda a facilitar o desenvolvimento dos futuros programas que você desenvolverá.

A lógica de programação ajuda a facilitar o desenvolvimento dos futuros programas que você desenvolverá. INTRODUÇÃO A lógica de programação é extremamente necessária para as pessoas que queiram trabalhar na área de programação, seja em qualquer linguagem de programação, como por exemplo: Pascal, Visual Basic,

Leia mais

Apostila Básica de Lógica e Programação para Game Maker por Giosepe Luiz 1

Apostila Básica de Lógica e Programação para Game Maker por Giosepe Luiz 1 Apostila Básica de Lógica e Programação para Game Maker por Giosepe Luiz 1 Sumário 1. Introdução a Lógica... 03 2. Verdadeiro e Falso... 03 3. Conectivo E e OU... 03 4. Negação... 04 5. Introdução a Programação...

Leia mais

Javascript 101. Parte 2

Javascript 101. Parte 2 Javascript 101 Parte 2 Recapitulando O Javascript é uma linguagem de programação funcional Os nossos scripts são executados linha a linha à medida que são carregados. O código que está dentro de uma função

Leia mais

compreender a importância de cada estrutura de controle disponível na Linguagem C;

compreender a importância de cada estrutura de controle disponível na Linguagem C; Aula 3 Estruturas de controle Objetivos Esperamos que, ao final desta aula, você seja capaz de: compreender a importância de cada estrutura de controle disponível na Linguagem C; construir programas em

Leia mais

CONVENÇÃO DE CÓDIGO JAVA

CONVENÇÃO DE CÓDIGO JAVA CONVENÇÃO DE CÓDIGO JAVA Eligiane Ceron - Abril de 2012 Versão 1.0 Conteúdo Considerações iniciais... 2 Introdução... 2 Extensão de arquivos... 2 Arquivos de código Java... 2 Comentários iniciais... 2

Leia mais

3. INTRODUÇÃO À LINGUAGEM C 3.1. CONCEITOS BÁSICOS. Lógica de Programação

3. INTRODUÇÃO À LINGUAGEM C 3.1. CONCEITOS BÁSICOS. Lógica de Programação Lógica de Programação 3. INTRODUÇÃO À LINGUAGEM C Caro Aluno Vamos iniciar o terceiro capítulo da nossa disciplina. Agora vamos começar a aplicar os conceitos vistos nos capítulos anteriores em uma linguagem

Leia mais

APOSTILA PHP PARTE 1

APOSTILA PHP PARTE 1 APOSTILA PHP PARTE 1 1. Introdução O que é PHP? PHP significa: PHP Hypertext Preprocessor. Realmente, o produto foi originalmente chamado de Personal Home Page Tools ; mas como se expandiu em escopo, um

Leia mais

QUALIFICAÇÃO TÉCNICA EM DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS

QUALIFICAÇÃO TÉCNICA EM DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS Desenvolvimento De Sistemas - Lógica De Programação. 1. Lógica de Programação I 1.1 Introdução á Lógica de Programação 1.2 O que é lógica? 1.3 Lógica Matemática 1.4 Lógica de Programação 1.5 Seqüência

Leia mais

MC-102 Aula 17 Strings e Matrizes

MC-102 Aula 17 Strings e Matrizes MC-102 Aula 17 Strings e Matrizes Instituto de Computação Unicamp 5 de Maio de 2015 Roteiro 1 Strings Strings: Exemplos 2 Matrizes Exemplos com Matrizes 3 Exercícios (Instituto de Computação Unicamp) MC-102

Leia mais

Resumo da Introdução de Prática de Programação com C. A Linguagem C

Resumo da Introdução de Prática de Programação com C. A Linguagem C Resumo da Introdução de Prática de Programação com C A Linguagem C O C nasceu na década de 70. Seu inventor, Dennis Ritchie, implementou-o pela primeira vez usando um DEC PDP-11 rodando o sistema operacional

Leia mais

O código JavaScript deve ser colocado entre tags de comentário para ficar escondido no caso de navegadores antigos que não reconhecem a linguagem.

O código JavaScript deve ser colocado entre tags de comentário para ficar escondido no caso de navegadores antigos que não reconhecem a linguagem. 1 - O que é JAVASCRIPT? É uma linguagem de script orientada a objetos, usada para aumentar a interatividade de páginas Web. O JavaScript foi introduzido pela Netscape em seu navegador 2.0 e posteriormente

Leia mais

Fundamentos de Programação. Turma CI-240-EST. Josiney de Souza. josineys@inf.ufpr.br

Fundamentos de Programação. Turma CI-240-EST. Josiney de Souza. josineys@inf.ufpr.br Fundamentos de Programação Turma CI-240-EST Josiney de Souza josineys@inf.ufpr.br Agenda do Dia Aula 2 (07/08/15) Introdução ao Python História Características Estrutura dos código-fonte Primeiros elementos

Leia mais

Cap.2.5: Design de Algoritmos e Programação Estruturada. Algoritmos, fluxogramas e pseudo-código

Cap.2.5: Design de Algoritmos e Programação Estruturada. Algoritmos, fluxogramas e pseudo-código Cap.2.5: Design de Algoritmos e Programação Estruturada Algoritmos, fluxogramas e pseudo-código 1 Sumário Problemas e algoritmos Desenho de algoritmos/programas Passos na construção de algoritmos Método

Leia mais

Algoritmos e Programação Estruturada

Algoritmos e Programação Estruturada Algoritmos e Programação Estruturada Virgínia M. Cardoso Linguagem C Criada por Dennis M. Ritchie e Ken Thompson no Laboratório Bell em 1972. A Linguagem C foi baseada na Linguagem B criada por Thompson.

Leia mais

Sistemas Operacionais e Introdução à Programação. Programação com linguagem C

Sistemas Operacionais e Introdução à Programação. Programação com linguagem C Sistemas Operacionais e Introdução à Programação Programação com linguagem C 1 Variáveis na linguagem C: tipo char O tipo char representa um caractere ASCII (ocupa só 1 byte) int main(int argc, char **

Leia mais

17 - Funções e Procedimentos em C Programação Modular

17 - Funções e Procedimentos em C Programação Modular 17 - Funções e Procedimentos em C Programação Modular Unesp Campus de Guaratinguetá Curso de Programação Computadores Prof. Aníbal Tavares Profa. Cassilda Ribeiro Ministrado por: Prof. André Amarante 17

Leia mais

Prof. Dr. Abel Gomes (agomes@di.ubi.pt) Cap.4: Design de Algoritmos e Programação Estruturada. Algoritmos, fluxogramas e pseudo-código

Prof. Dr. Abel Gomes (agomes@di.ubi.pt) Cap.4: Design de Algoritmos e Programação Estruturada. Algoritmos, fluxogramas e pseudo-código Prof. Dr. Abel Gomes (agomes@di.ubi.pt) Cap.4: Design de Algoritmos e Programação Estruturada Algoritmos, fluxogramas e pseudo-código 1 Sumário Problemas e algoritmos Desenho de algoritmos/programas Passos

Leia mais

20 Caracteres - Tipo char

20 Caracteres - Tipo char 0 Caracteres - Tipo char Ronaldo F. Hashimoto e Carlos H. Morimoto Até agora vimos como o computador pode ser utilizado para processar informação que pode ser quantificada de forma numérica. No entanto,

Leia mais

Estruturas de Controle A Tomada de Decisões

Estruturas de Controle A Tomada de Decisões Estruturas de Controle A Tomada de Decisões Foi visto anteriormente como trabalhar com entrada, processamento e saída utilizando variáveis, constantes e operadores aritméticos. Apesar de já se conseguir

Leia mais

Estrutura de Repetição Simples

Estrutura de Repetição Simples Instituto de Ciências Eatas e Biológicas ICEB Lista de Eercícios Básicos sobre Laço Estrutura de Repetição Simples Eercício 01 Escreva um programa que imprima todos os números inteiros de 0 a 50. A seguir,

Leia mais

Material Didático Proposto

Material Didático Proposto Universidade Federal de Ouro Preto - UFOP Departamento de Computação - DECOM Comissão para Coordenação das Atividades Pedagógicas da Disciplina BCC701 CAP-BCC701 www.decom.ufop.br/bcc701 2014-1 Material

Leia mais

Programação Estruturada Comandos Condicionais (Decisão) Operadores Relacionais

Programação Estruturada Comandos Condicionais (Decisão) Operadores Relacionais Universidade Federal de Ouro Preto - UFOP Departamento de Computação - DECOM Comissão para Coordenação das Atividades Pedagógicas da Disciplina BCC701 CAP-BCC701 www.decom.ufop.br/bcc701 2014-1 Material

Leia mais

OPERADORES E ESTRUTURAS DE CONTROLE

OPERADORES E ESTRUTURAS DE CONTROLE OPERADORES E ESTRUTURAS DE CONTROLE 3.1 Operadores Os operadores indicam o tipo de operação matemática que será executada gerando novos valores a partir de um ou mais operadores. São muito utilizados em

Leia mais

BC0501 Linguagens de Programação

BC0501 Linguagens de Programação BC0501 Linguagens de Programação Aula Prática: 03 Assunto: Comandos de Seleção 1. Introdução Um comando de seleção define uma condição em um programa, que permite que grupos de comandos sejam executados

Leia mais

ALGORITMOS PARTE 01. Fabricio de Sousa Pinto

ALGORITMOS PARTE 01. Fabricio de Sousa Pinto ALGORITMOS PARTE 01 Fabricio de Sousa Pinto Algoritmos: Definição 2 É uma sequência de instruções finita e ordenada de forma lógica para a resolução de uma determinada tarefa ou problema. Algoritmos 3

Leia mais

MC102 Algoritmos e programação de computadores Aula 3: Variáveis

MC102 Algoritmos e programação de computadores Aula 3: Variáveis MC102 Algoritmos e programação de computadores Aula 3: Variáveis Variáveis Variáveis são locais onde armazenamos valores na memória. Toda variável é caracterizada por um nome, que a identifica em um programa,

Leia mais

Programação Básica em Arduino Aula 2

Programação Básica em Arduino Aula 2 Programação Básica em Arduino Aula 2 Execução: Laboratório de Automação e Robótica Móvel Variáveis são lugares (posições) na memória principal que servem para armazenar dados. As variáveis são acessadas

Leia mais

ALGORITMO I ESTRUTURA DE CONTROLE REPETIÇÃO PARA / ENQUANTO;

ALGORITMO I ESTRUTURA DE CONTROLE REPETIÇÃO PARA / ENQUANTO; ALGORITMO I ESTRUTURA DE CONTROLE REPETIÇÃO PARA / ENQUANTO; Jaime Evaristo (http://professor.ic.ufal.br/jaime/) Slide 1 ALGORITMO I ESTRUTURA DE REPETIÇÃO - Utilizando PARA Na repetição uma sequência

Leia mais

Algoritmia e Programação APROG. Linguagem JAVA. Básico. Nelson Freire (ISEP DEI-APROG 2012/13) 1/31

Algoritmia e Programação APROG. Linguagem JAVA. Básico. Nelson Freire (ISEP DEI-APROG 2012/13) 1/31 APROG Algoritmia e Programação Linguagem JAVA Básico Nelson Freire (ISEP DEI-APROG 2012/13) 1/31 Linguagem Java Estrutura de um Programa Geral Básica Estruturas de Dados Variáveis Constantes Tipos de Dados

Leia mais

Faça um Site PHP 5.2 com MySQL 5.0 Comércio Eletrônico

Faça um Site PHP 5.2 com MySQL 5.0 Comércio Eletrônico Editora Carlos A. J. Oliviero Faça um Site PHP 5.2 com MySQL 5.0 Comércio Eletrônico Orientado por Projeto 1a Edição 2 Reimpressão São Paulo 2011 Érica Ltda. Noções Livrarse Preparação muitas muita Sumário

Leia mais

Algoritmos e Estruturas de Dados I 01/2013. Estruturas Condicionais e de Repetição (parte 2) Pedro O.S. Vaz de Melo

Algoritmos e Estruturas de Dados I 01/2013. Estruturas Condicionais e de Repetição (parte 2) Pedro O.S. Vaz de Melo Algoritmos e Estruturas de Dados I 01/2013 Estruturas Condicionais e de Repetição (parte 2) Pedro O.S. Vaz de Melo Problema 1 Suponha que soma (+) e subtração (-) são as únicas operações disponíveis em

Leia mais

Introdução à Programação

Introdução à Programação Introdução à Programação Introdução a Linguagem C Construções Básicas Programa em C #include int main ( ) { Palavras Reservadas } float celsius ; float farenheit ; celsius = 30; farenheit = 9.0/5

Leia mais

Curso de Programação Computadores

Curso de Programação Computadores 3 O Primeiro Programa em C Unesp Campus de Guaratinguetá Curso de Programação Computadores Prof. Aníbal Tavares Profa. Cassilda Ribeiro 3 O Primeiro Programa em C 3.1 - Introdução Depois dos conceitos

Leia mais

Comandos de repetição while

Comandos de repetição while Programação de Computadores I UFOP DECOM 2014 2 Aula prática 6 Comandos de repetição while Resumo Nesta aula vamos trabalhar com problemas cuja solução envolve realizar um cálculo ou tarefa repetidas vezes,

Leia mais

ENG1000 Introdução à Engenharia

ENG1000 Introdução à Engenharia ENG1000 Introdução à Engenharia Aula 04 Introdução a Linguagem Lua Edirlei Soares de Lima Linguagem Lua Lua é uma linguagem de programação projetada para dar suporte à programação

Leia mais

www.netcopsecurity.com datalock@linuxmail.org Security BREAK DOWN

www.netcopsecurity.com datalock@linuxmail.org Security BREAK DOWN www.netcopsecurity.com datalock@linuxmail.org Security BREAK DOWN 0x1. Por Quê o PERL? Perl (Practical Extraction and Report Language) começou como um aplicativo UNIX. Hoje Perl é usado em quase todos

Leia mais

LP II Estrutura de Dados. Introdução e Linguagem C. Prof. José Honorato F. Nunes honorato.nunes@ifbaiano.bonfim.edu.br

LP II Estrutura de Dados. Introdução e Linguagem C. Prof. José Honorato F. Nunes honorato.nunes@ifbaiano.bonfim.edu.br LP II Estrutura de Dados Introdução e Linguagem C Prof. José Honorato F. Nunes honorato.nunes@ifbaiano.bonfim.edu.br Resumo da aula Considerações Gerais Introdução a Linguagem C Variáveis e C Tipos de

Leia mais

Estruturas de Repetição

Estruturas de Repetição Estruturas de Repetição Introdução No capítulo anterior verificamos que a execução seqüencial dos comandos da função main nos limita a programação de algoritmos muito simples. Passamos, então, a dedicar

Leia mais

Algoritmos I Aula 13 Java: Tipos básicos, variáveis, atribuições e expressões

Algoritmos I Aula 13 Java: Tipos básicos, variáveis, atribuições e expressões Algoritmos I Aula 13 Java: Tipos básicos, variáveis, atribuições e expressões Professor: Max Pereira http://paginas.unisul.br/max.pereira Ciência da Computação Primeiro Programa em Java public class OlaPessoal

Leia mais

Universidade da Beira Interior Cursos: Matemática /Informática e Ensino da Informática

Universidade da Beira Interior Cursos: Matemática /Informática e Ensino da Informática Folha 1-1 Introdução à Linguagem de Programação JAVA 1 Usando o editor do ambiente de desenvolvimento JBUILDER pretende-se construir e executar o programa abaixo. class Primeiro { public static void main(string[]

Leia mais

ERROS MAIS COMUNS COMETIDOS EM PROGRAMAS E ALGORITMOS

ERROS MAIS COMUNS COMETIDOS EM PROGRAMAS E ALGORITMOS ERROS MAIS COMUNS COMETIDOS EM PROGRAMAS E ALGORITMOS Compilação dos erros mais comuns cometidos por estudantes de Introdução a Algoritmos Marcos Portnoi Edição 19.4.2007 Universidade Salvador UNIFACS

Leia mais

VisuALG Estruturas de Repetição. Professores: Vilson Heck Junior vilson.junior@ifsc.edu.br Felipe Schneider Costa felipe.costa@ifsc.edu.

VisuALG Estruturas de Repetição. Professores: Vilson Heck Junior vilson.junior@ifsc.edu.br Felipe Schneider Costa felipe.costa@ifsc.edu. VisuALG Estruturas de Repetição Professores: Vilson Heck Junior vilson.junior@ifsc.edu.br Felipe Schneider Costa felipe.costa@ifsc.edu.br O Problema. Estruturas de Repetição: Introdução; Repita ate; Exemplo;

Leia mais

Programação WEB I Estruturas de controle e repetição

Programação WEB I Estruturas de controle e repetição Programação WEB I Estruturas de controle e repetição Operadores de Incremento Operadores de incremento servem como expressões de atalho para realizar incrementos em variáveis Operadores de Incremento Vamos

Leia mais