UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA FACULDADE DE MEDICINA DA BAHIA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM SAÚDE, AMBIENTE E TRABALHO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA FACULDADE DE MEDICINA DA BAHIA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM SAÚDE, AMBIENTE E TRABALHO"

Transcrição

1 UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA FACULDADE DE MEDICINA DA BAHIA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM SAÚDE, AMBIENTE E TRABALHO CONDIÇÕES DE TRABALHO E RISCOS À SAÚDE ASSOCIADOS AO USO DE SOFTWARE EM TELEOPERADORES DE UMA CENTRAL DE REGULAÇÃO MÉDICA DE URGÊNCIA Tarciso de Figueiredo Palma Dissertação de Mestrado Salvador (Bahia), 2011 i

2 P171c Palma, Tarciso de Figueiredo Condições de trabalho e riscos à saúde associados ao uso de software em teleoperadores de uma central de regulação médica de urgência / Tarciso de Figueiredo Palma Salvador: T. de F. Palma, Viii, 167 p.: il. Orientador: Prof. Dr. Paulo Gilvane Lopes Pena. Dissertação (Mestrado) Programa de Pós-Graduação em Saúde, Ambiente e Trabalho da Faculdade de Medicina da Bahia da Universidade Federal da Bahia. 1. Ergonomia de Software; 2. Análise Ergonômica do Trabalho; 3. Telemarketing; 4. Teleoperadores. CDU: 614 (043.3) ii

3 UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA FACULDADE DE MEDICINA DA BAHIA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM SAÚDE, AMBIENTE E TRABALHO CONDIÇÕES DE TRABALHO E RISCOS À SAÚDE ASSOCIADOS AO USO DE SOFTWARE EM TELEOPERADORES DE UMA CENTRAL DE REGULAÇÃO MÉDICA DE URGÊNCIA Tarciso de Figueiredo Palma Orientador: Prof. Paulo Gilvane Lopes Pena Dissertação apresentada ao Programa de Pós- Graduação em Saúde, Ambiente e Trabalho da Faculdade de Medicina da Bahia da Universidade Federal da Bahia, para obtenção do grau de Mestre em Saúde, Ambiente e Trabalho. Salvador (Bahia), 2011 iii

4 COMISSÃO EXAMINADORA Francisco José de Castro Moura Duarte, doutor em Engenharia de Produção pela Universidade Federal do Rio de Janeiro, Brasil (1994) e professor Adjunto da Universidade Federal do Rio de Janeiro, Brasil. Rita de Cássia Pereira Fernandes, doutora em Saúde Coletiva pela Universidade Federal da Bahia, Brasil (2005) e professora adjunto da Universidade Federal da Bahia, Brasil. Paulo Gilvane Lopes Pena, doutor em Sócio Economia do Desenvolvimento pela École des Hautes Études en Sciences Sociales, França (2000) e professor adjunto I da Universidade Federal da Bahia, Brasil. Salvador, 31 de março de iv

5 FONTE DE FINANCIAMENTO Bolsa de estudo da Fundação de Amparo a Pesquisa do Estado da Bahia (FAPESB). v

6 AGRADECIMENTOS Aos teleoperadores da Central de Regulação Médica do SAMU 192, TARMs, Médicos, Rádio Operadores e Supervisores que disponibilizaram seu tempo e paciência para participar da pesquisa. Espero que tenha alcançado de alguma forma, pelo menos parte dos objetivos que foram traçados e que eu vos apresentei. À própria Central Municipal de Regulação do Serviço Móvel de Urgência (SAMU 192), chefiados por Doutor Ivan e com participação efetiva de Doutor Osvaldo. Pessoas que abriram as portas para o desenvolvimento desse estudo e que são envolvidas com ideais de respeito ao trabalhador e à vida. Ao meu querido orientador e amigo, professor Paulo Pena, cuja integridade e honestidade me estimularam a tentar ser uma pessoa melhor, e em sua sabedoria me mostrou que a humildade e a determinação podem fazer de mim um bom pesquisador. À professora Rita Fernandes que se preocupou com a viabilidade de campo do meu estudo e intermediou nossa aproximação com o SAMU, através da Dra. Aleciane. Dos conselhos que me permitiram progredir com a pesquisa, além de também me apresentar ao professor Francisco Duarte, grande estudioso da ergonomia. Ao professor Francisco Duarte, que mesmo não me conhecendo, foi muito solicito e me ajudou, orientando e me dando um norte no processo do desenvolvimento da pesquisa. Ao professor Fernando Carvalho, pessoa que com certeza teve papel fundamental durante minha jornada no mestrado. Mostrando-me caminhos, me dando conselhos e oportunidades, e com seu jeito provocador, típico de quem nasceu pra ensinar, me ajudou a tornar-me mais sensível ao universo da saúde, do ambiente e do trabalho. À maravilhosa e eficiente Solange, que se preocupou comigo como se eu fosse um filho, me dando puxões de orelha que me fizeram voltar ao caminho certo. A todos os outros professores do mestrado que contribuíram com meu crescimento: professora Rita Rêgo pela determinação, ao professor Moraes pela paixão, à professora Mônica pela perspicácia, ao professor Marco pela didática, à professora Carminha pela sensibilidade, ao professor Jacobina pela história, à professora Tânia pela vi

7 Maré Vermelha e à professora Verônica por não me fazer sentir um estranho no ninho. Agradeço também aos meus amigos e colegas de mestrado: Poly, Amanda, André, Josi, David, Silvana, Pio, Rubiela, Fátima, Francesca, Denise, Nágila, Denismar, Gerfson e Edriene; pelo companheirismo, conselhos, discussões, grupos de estudo, à descontração regados à caranguejo e cervejinha e principalmente pela força que cada um me deu de seu jeito. Agradeço também aos meus amigos que não são do mestrado e tiveram a paciência de entender minha ausência nesses tempos de concentração e estudos: Clovinho, Luciana`s, Miguim, Will, Guga, Vivi, Júnior, Norberto, Netinho, Mauricio, Vanessa, Carol, Camila, Laurinha, Raulzito, entre tantos outros. Agradeço especialmente a Polyana, pessoa que aprendi a amar e admirar por tudo que ela é e representa pra mim. Por sua história de vida, sua paciência, sua sabedoria, seus ensinamentos, suas orientações, puxões de orelha, por seu abraço, por seu carinho, por seu olhar, por seu amor. E por fim, a minha família. Meus pais que me deram condição de chegar onde estou hoje, com educação, carinho, paciência e amor de pai e de mãe. Ao meu irmão, pessoa incrível que soube perceber minhas dificuldades e me deu apoio no dia a dia, com palavras e por muitas vezes com o silêncio, em todos os momentos de dificuldade que eu passei nesse caminho, e que não foram poucos. Não sou nada sem vocês. Tudo isso não seria possível sem a presença de Deus em nossa vida. Senhor, guarda meus avós contigo; eles começaram minha história. Obrigado pela: oportunidade, pelos professores, pelos colegas, pelos amigos, pelo amor e pela família. Tenho fé que vou retribuir toda dádiva que o Senhor me deu, tentando transformar o mundo em um lugar mais justo; sendo uma pessoa decente e melhor a cada dia. vii

8 Aos meus pais, Marcos e Tarcisa, os quais eu devo tudo que conquistei até hoje; a meu irmão, Tiago, pelo apoio e compreensão diários; a Polyana, pessoa que eu dividi minha vida nesse período, que me ajudou bastante a crescer como pessoa e que me dá muito orgulho de saber que fez e faz parte de mim; e por fim e não menos importante, eu dedico esse trabalho a essa categoria de trabalhadores que são carentes de respeito e atenção. viii

9 SUMÁRIO RESUMO...10 INTRODUÇÃO...11 ARTIGO 1: A INSUFICIÊNCIA DO SOFTWARE NO TELEATENDIMENTO DE UM SERVIÇO DE ATENDIMENTO MÉDICO DE URGÊNCIA...15 ARTIGO 2: CONDIÇÕES DE TRABALHO E RISCOS À SAÚDE EM UMA CENTRAL DE REGULAÇÃO MÉDICA DE URGÊNCIA: O CASO DOS TARM...48 RELATÓRIO DE ANÁLISE DAS INTERFACES DO SOFTWARE SAMU 192, SALVADOR VERSÃO 2.708, (MÓDULO DO TARM)...85 CONCLUSÃO DA DISSERTAÇÃO PERSPECTIVAS FUTURAS SUMMARY REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS ANEXOS ANEXO 1 - PARECER 080/2010 PARA O PROJETO DE DISSERTAÇÃO SUBMETIDO AO COMITÊ DE ÉTICA EM PESQUISA DA SSCRETARIA DE SAÚDE DO ESTADO DA BAHIA SESAB ANEXO 2 - PROJETO DE DISSERTAÇÃO SUBMETIDO AO COMITÊ DE ÉTICA EM PESQUISA DA SSCRETARIA DE SAÚDE DO ESTADO DA BAHIA SESAB

10 RESUMO A presente pesquisa intitulada Condições de trabalho e riscos à saúde associados ao uso de software em teleoperadores de uma central de regulação médica de urgência, teve como objetivo descrever o trabalho e suas condições organizacionais, centrados no software de gestão do trabalho. O estudo foi realizado em uma Central de Regulação Médica do SAMU 192. Utilizou-se para tal a Análise Ergonômica do Trabalho (AET) e uma análise específica do software, baseada em critérios ergonômicos. Essa análise, através de um check list ergonômico, revelou problemas de concepção nas interfaces do software. Esses defeitos de fabricação colaboram com os diversos conflitos que foram descortinados pela AET. Tais resultados estão dispostos em dois artigos que tratam, respectivamente, da análise global do trabalho com ênfase no software e seus problemas, e o segundo descreve o trabalho em seus ciclos, oferecendo sugestões de modificação do trabalho centrado, principalmente, em tecnologia da informação. Além dos artigos, foi elaborado um relatório de análise ergonômica do software, que forneceu subsídios para os artigos. Como perspectiva futura, espera-se que este estudo estimule mais pesquisas, representando maiores avanços no âmbito da inclusão tecnológica na organização do trabalho e seus impactos na saúde do trabalhador. Unitermos: Ergonomia de software; Serviço de Urgências; Call Center; teleoperador; Análise Ergonômica do Trabalho; Avaliação preditiva; Lista de Verificação Ergonômica; Riscos Ergonomicos. 10

11 INTRODUÇÃO A "revolução micro-eletrônica" é marco fundamental na passagem do segundo milênio, no que concerne aos debates acerca da reconceituação do trabalho. O processo de globalização da economia nessa era da Comunicação define as metamorfoses do trabalho e, nesse cenário, surgem os operários da informação (FERREIRA, 1997). Com a automação da telefonia e a sua integração ao mundo digital, aliadas às novas necessidades e novos serviços para satisfazê-los, foram criadas as condições para a emergência do Telemarketing. A característica que deu forma a essa nova tendência foi a economia de tempo para o cliente que queria ganhar tempo e a redução das distâncias (ASSUNÇÃO & SOUZA, 2000). A Associação Brasileira de Telesserviços (ABT) (ABT, 2009) define o Telemarketing como: [...] toda e qualquer atividade desenvolvida através de sistemas de telemática e múltiplas mídias, objetivando ações padronizadas e contínuas de marketing. Outras vertentes, que não sejam o telemarketing propriamente dito, foram incorporadas a esse mecanismo de trabalho. Uma delas foi absorvida pelo serviço público, onde quanto às áreas de atividade, segundo o Ministério do Trabalho e Emprego (MTE), o telemarketing se subdivide em itens e dentre eles existe o Prestar Serviços Técnicos e Especializados. Dentro de suas competências ele realiza serviços técnicos a usuários de serviços de saúde e aciona serviços emergenciais (BRASIL, 2010), onde se enquadram as Centrais de Regulação Médicas do SAMU 192, locus desse estudo. A Central Municipal de Regulação Médica do SAMU 192, em Salvador, Bahia, apresenta um trabalho organizado segundo características peculiares que propiciam o adoecimento do trabalhador, ou seja, oferece riscos à saúde (ALMEIDA, 2009). Em 2008, o setor de Telesserviços, com seus 750 mil trabalhadores, transformou-se no maior empregador na área de serviços (ABT, 2009). Atualmente, existem mais um milhão de trabalhadores neste ramo produtivo, em sua maioria jovem, em busca de seu primeiro emprego (ABT, 2011). Nessa categoria profissional, vislumbra-se um panorama de pessoas em idade produtiva, acometidas por diversas doenças relacionadas ao telesserviço, como patologias 11

12 da voz (laringopatias - disfonias com lesões de cordas vocais); distúrbios psíquicos e manifestações neuróticas diversas; alterações psicorgânicas relacionadas ao estresse; alterações gastro-intestinais diversas; distúrbios miccionais e vesiculares; fadiga psíquica, alterações psicoendócrinas e de ciclos menstruais; ergoftalmia e mudança de hábitos alimentares. Além destas, esperam-se muitos casos da patologia mais prevalente no mundo do trabalho, a LER/DORT (Lesão por Esforço Repetitivo/Doenças Osteoarticulares Relacionadas ao Trabalho) que incapacita o ser humano para o trabalho (ALMEIDA, 2009; LE GUILLANT et al., 1954; PARAGUAY, 2005; VENCO, 2006). Isso pode representar redução considerável de mão-de-obra jovem, gerando indivíduos sem atividade, o que sobrecarregará a Previdência Social. Informações como as apresentadas acima motivaram esta pesquisa. Políticas de proteção ao trabalhador do ramo de telesserviço precisam ser revistas, almejando, assim, evitar a concretização de tal panorama. Alguns autores (BURKHARDT apud FALZON, 2007; SPERANDIO, 1987; SPERANDIO, 1993; SPERANDIO, 1995 apud FALZON, 2007), BASTIEN & SCAPIN, 2001 apud DUARTE, 2002; CIBIS et al. 2007; THIBAULT, 2002 apud DUARTE, 2002; DUARTE & SANTOS, 2002) trazem para a ciência da ergonomia a temática da inclusão tecnológica nos processos de trabalho, em especial os softwares (BURKHARDT, 2003; BASTIEN & SCAPIN, 2001; THIBAULT apud DUARTE, 2002; SPERANDIO & BURKHARDT apud FALZON, 2007). Estes trabalhos introduzem a idéia da ergonomia informática que diz respeito às atividades realizadas por intermédio de um computador, física ou remotamente (SPERANDIO & BURKHARDT apud FALZON, 2007). O presente estudo objetivou descrever o trabalho de uma função específica do trabalhador, no Call Center de uma Central de Regulação Médica de um Serviço de Atendimento Médico de Urgência, identificar os riscos à saúde para o trabalhador presentes nesse contexto laboral e propor estratégias para transformar este trabalho. Foi analisado o software de gestão do trabalho na Central de Regulação Médica. Utilizou-se uma lista de verificação ergonômica no processo de avaliação desse software (CYBIS et al., 2007). A análise buscou descortinar problemas nas interfaces que não atendiam às necessidades dos trabalhadores, gerando conflitos e problemas de saúde. 12

13 Foi realizada um estudo baseado na abordagem da Análise Ergonômica do Trabalho (AET) (GUÉRIN et al., 2001) para compreender e descrever o trabalho no Call Center da Central de Regulação Médica. Toda a investigação foi centrada em uma função específica, a do Técnico Auxiliar de Regulação Médica, ou TARM. Isto devido a este trabalhador representar melhor o perfil dos trabalhadores em telemarketing hoje no país, normalmente jovens, mulheres e em busca de seu primeiro emprego (ALMEIDA, 2009; ABT, 2011). Esta dissertação teve como produto dois artigos e um relatório de análise ergonômica do software. O primeiro artigo teve como objetivo geral analisar as condições de trabalho e riscos à saúde associados ao uso do software de gestão do trabalho pelos teleoperadores na Central de Regulação do SAMU 192 (Serviço de Atendimento Médico de Urgência) em Salvador, Bahia. Riscos atribuídos ao modo de organização do trabalho nesse setor e também à insuficiência de práticas que assegurassem o recurso à ergonomia na concepção desse software. Ou seja, a interação do trabalhador com sua ferramenta, o software, foi o foco de atenção do estudo, onde a AET subsidiou como abordagem metodológica para sua avaliação. O software foi descrito e suas telas foram analisadas minuciosamente. A partir delas, e das interações com o trabalhador, situações críticas foram apresentadas, seguido de propostas para transformação dessas situações. Os problemas e conflitos relacionados à organização do trabalho e ao funcionamento do software propriamente dito foram subdivididos em: A organização do trabalho com insuficiência do software; Conflitos originários da demanda; e Conflitos oriundos do TARM. No primeiro, foram descortinadas situações conflituosas geradas a partir de deficiências nas interfaces do software, tanto presentes, como telas repletas de informações desnecessárias, quanto ausentes, como o problema da distribuição das ocorrências. Os conflitos originários da demanda, como os trotes telefônicos, foram descritos e analisados. 13

14 Por fim, problemas relacionados ao universo do TARM, como o uso de pseudônimos e os diversos riscos à saúde do trabalhador que podem ser relacionados ao trabalho. A AET também foi o cerne do segundo artigo, sendo o software abordado como uma estratégia colaborativa para a transformação do trabalho. Num primeiro momento, foi descrito o trabalho da Central de Regulação, suas demandas e contexto. Foram levantadas características da população, da produção e indicativos relativos à eficácia e saúde. Estabeleceram-se, assim, algumas situações a serem analisadas inicialmente. Essas situações foram mais aprofundadas, segundo um planejamento da observação. Foram feitas análises das tarefas, com a determinação dos modos operatórios em observações sistemáticas de situações como o dos trotes, das chamadas por engano e orientações e das chamadas de emergência. O ambiente de trabalho também foi analisado, pautado pela norma regulamentadora número 17, em seu anexo II. E por fim, através das observações, se descortinou estratégias de auto-preservação e proteção criadas pelos trabalhadores, dentre elas o uso dos pseudônimos e a questão da satisfação no trabalho e sua influência no processo de adoecimento. Como terceiro produto desta pesquisa, foi elaborado um relatório fruto da análise do software. Esse checklist ergonômico revelou problemas nas interfaces segundo critérios pré-estabelecidos e apresentou propostas para sua modificação. O método utilizado nesta pesquisa está detalhadamente abordado nos artigos apresentados a seguir. No item Anexo segue o projeto de dissertação que foi submetido e aprovado pelo Comitê de Ética em Pesquisa da Secretaria de Saúde do Estado da Bahia, o SESAB, bem como seu parecer. 14

15 ARTIGO 1: A INSUFICIÊNCIA DO SOFTWARE NO TELEATENDIMENTO DE UM SERVIÇO DE ATENDIMENTO MÉDICO DE URGÊNCIA TARCISO DE FIGUEIREDO PALMA 15

16 Resumo O presente estudo tem como objetivo principal analisar as condições de trabalho e riscos à saúde associados ao uso do software de gestão do trabalho pelos teleoperadores na Central de Regulação do SAMU 192 (Serviço de Atendimento Médico de Urgência) em Salvador, Bahia. Esses riscos podem ser atribuídos ao modo de organização do trabalho nesse setor, além de, supostamente, haver insuficiência de práticas que assegurem o recurso à ergonomia na concepção desse software. Como estratégia metodológica, o projeto teve como base a Análise Ergonômica do Trabalho (AET). Foi realizada uma análise global do trabalho do Call Center do SAMU 192, descrevendo as diferentes funções dos teleoperadores. Foram utilizadas técnicas qualitativas, identificando os significados atribuídos pelos teleoperadores às exigências cognitivas e de habilidades, intrínsecas às interfaces do software gestor do trabalho. Foram determinadas as reais demandas do trabalho, estipuladas hipóteses in loco, seguidas por uma observação sistemática, visando elucidar questões sobre a dinâmica de trabalho de uma forma geral e, mais especificamente, sobre o software. Este teve sua avaliação respaldada em conhecimentos provenientes da Ciência da Computação e suas interfaces foram submetidas a uma lista de verificação ergonômica. Essa abordagem, ou avaliação preditiva, permitiu o conhecimento de detalhes mais técnicos do software que foram fundamentais para a compreensão de suas interações com o ser humano. Como resultado, esses detalhes demonstraram problemas nas interfaces do sistema, como de densidade informacional, carga de trabalho, entre outros, que por si só configuram uma concepção não adequada às diretrizes e critérios ergonômicos, e que, assim, colaboram com os conflitos existentes descortinados pela AET, revelando o trote como sendo um dos principais problemas na Central de Regulação. Essa pesquisa pode trazer subsídios para a elaboração de softwares adequados à condição humana de trabalho que visem salvaguardar a integridade física e psicológica do teleoperador. Contribuiu também como uma crítica à organização do trabalho, definida pela introdução massiva da tecnologia de controle comportamental nos diversos setores organizacionais da sociedade. Unitermos: Ergonomia de software; Serviço de Urgências; Call Center; teleoperador; Análise Ergonômica do Trabalho; Avaliação preditiva; Lista de Verificação Ergonômica; Riscos Ergonomicos. 16

17 Abstract The present study has as the main objective to analyze the work conditions and risks to the health associated to the usage of work management software to the phone operators in the Central Regulation Office of SAMU 192 (Service of Medical Urgency Attendance) in Salvador, Bahia. These risks can be attributed to the way the work is organized in this sector, beyond, supposedly, having insufficient practices to assure the resource to ergonomics in the conception of this software. As the strategic methodological, the research project had as the basis the Ergonomic Analysis of the Work (EAW). It was realized a global analysis of the work of in a Call Center at SAMU 192 describing the different functions of the phone operators. It was used qualitative techniques, identifying the meanings attributed by phone operators to the cognitive and skills requirements, intrinsic to the interfaces of the work management software. It was determined thee real work demands followed by a systematic observation just after the hypothesis been stipulated in loco, elucidating queries raised about the work dynamics in general and more specifically in regards to software. This, core of this study, had its specific evaluation endorsed by knowledge from Computer Science and the software had its interfaces submitted to an ergonomic check-list. This approach, or anticipated evaluation, allowed the detailed technical knowledge of the software which was fundamental to comprehend its interactions with the human being. As results, these details had demonstrated problems in the interfaces of the system, like informational density, overload work, amongst others, that by itself configure a not adequate conception to the lines of direction and ergonomic criteria, and that, thus, they collaborate with the existing conflicts unmasked by the EAW, disclosing the trot being one of the main problems of the Central Regulation Office. This research contributed with the creation of subsidies for software implementation adjusted to the human work conditions which aimed to safeguard the physical and psychological integrity of the phone operator. It also contributed as critical to the organization of the work, defined for the large-scale introduction of mannering control technology in the diverse organizacionais sectors of the society. Keywords: Software Ergonomic; Urgency Services; Call Center; phone operator; Ergonomic analysis of the Work; Anticipated evaluation; Ergonomic checklist; Ergonomic risks. 17

18 Introdução A "revolução micro-eletrônica" é marco fundamental nessa passagem do milênio no que concerne a re-conceituação do trabalho, e os debates acerca desse tema. O processo de globalização da economia nessa era comunicacional define as metamorfoses do trabalho, e nesse cenário surgem os operários da informação. O trabalho tem e terá sempre conceitos mutantes e polissêmicos que tangem diferentes campos científicos (FERREIRA, 1997). Com a automação da telefonia e a sua integração ao mundo digital, aliadas às novas necessidades e novos serviços para satisfazê-los, foram criadas as condições que emergiram o Telemarketing. Característica que deu forma a essa nova tendência era a economia de tempo para o cliente que queria ganhar tempo e a redução das distâncias (ASSUNÇÃO & SOUZA, 2000). A Associação Brasileira de Telesserviços (ABT) (ABT, 2009) define o Telemarketing como: [...] toda e qualquer atividade desenvolvida através de sistemas de telemática e múltiplas mídias, objetivando ações padronizadas e contínuas de marketing. Segundo dados da Associação Brasileira de Telesserviços, no início de 2008, com 750 mil trabalhadores, essa categoria se transformou no maior empregador na área de serviços (ABT, 2009). Atualmente se tem um panorama de mais um milhão de trabalhadores neste ramo produtivo (ABT, 2011). Um contraponto importante a essa crescente atividade, é que ela apresenta um modo de produção já consolidado para os cientistas do trabalho como intensamente danoso à saúde dos seus trabalhadores, pois nela evidencia-se características tayloristas, onde a intensificação dos ritmos, o forte controle desse trabalho, as tarefas em repetição e a monotonia são observados (ARGOLO, 2005; BRAGA, 2006; NOGUEIRA, 2006; VENCO, 2006; OLIVEIRA, 2007; DEL BONO & BULLONI, 2008). Tais condições propiciam o surgimento ou agravamento de doenças do trabalho (ALMEIDA, 2009). Outros call centers, que não sejam de telemarketing propriamente dito, foram incorporadas a esse contexto de trabalho. Um deles foi absorvida pelo serviço público, dentre suas áreas de atividade, segundo o MTE (Ministério do Trabalho e Emprego), o telemarketing se subdivide em como o de Prestar Serviços Técnicos e Especializados. O 18

19 telemarketing abrange serviços técnicos a usuários de serviços de saúde e Aciona Serviços Emergenciais (BRASIL, 2010), onde se enquadra os Call centers do SAMU 192, ou as Centrais de Regulação Médicas, lócus desse estudo. Os call centers podem ser definidos como unidade de produção do serviço de telemarketing (ALMEIDA, 2009). Estas centrais podem ser conceituadas como: fábricas de comunicação e gestão de informação que nascem dos processos de flexibilização do trabalho e digitalização das tecnologias de informação e comunicação (THIRIÓN, 2005 apud ALMEIDA, 2009). Com relação à organização do trabalho em call centers, um aspecto preponderante que define produtividade é o tempo. A atividade do trabalho se desenvolve no tempo: nele se inscreve e por ele está condicionada (GUÉRIN et al., 2001). Essa regulação do tempo define o controle do trabalho. O capital, através dessa nova organização parcelada das tarefas absorveu e reteve o saber fazer operário. Essa forma de trabalhar foi componente primordial para a consolidação desse controle do trabalho. Esse controle define para o trabalhador seu aprisionamento, ou cárcere, onde o capital, em sua lógica produtiva, manipula todo o processo de produção através da imposição dos ritmos de trabalho. Ou seja, o trabalhador é visto como uma engrenagem de um sistema. No momento em que o trabalhador é trazido ao status de ser humano novamente, ele se encontra num processo de degradação física/mental, onde diminuído através da obliteração intelectual resultante dessa organização do trabalho ele padece (MARX, 1968). Dentro do contexto histórico em que surge a Saúde do Trabalhador, a que mais interessa nesse estudo tem a ver com a informatização nos processos de controle de trabalho. Profundas modificações na organização do trabalho foram introduzidas com o processo de automação pela informatização. São exemplos o fato de que o capital diminuiu sua dependência dos trabalhadores ao mesmo tempo em que aumentou a intensidade do trabalho e o seu controle sobre eles, ressurgindo como uma espécie de neo-taylorismo (MENDES et al., 1991). Na relação de interação homem-computador, o trabalhador no seu processo de trabalho lida com sistemas computacionais que definem algum objetivo no âmbito de sua função. Esses sistemas computacionais, que servem para gerir o processo de trabalho, 19

20 oferecendo o controle e automação da sua produção, bem como auxiliando no processo de tomada de decisão são definidos como software, que em linguagem técnica nada mais é do que um algoritmo binário, ou um conjunto de instruções, sem ambigüidades, que em execução produzem a função desejada (REZENDE, 2005). Segundo Abrahão e colaboradores (2002), a emergência de uma abordagem distinta nos processos de informatização do trabalho é salientada por diversos autores da corrente de Interação Homem-Computador (IHC). Eles apontam que se deve considerar como fontes de subsídios dos projetos de sistemas informatizados a pesquisa comportamental em situação real, verificando a compatibilidade cognitiva entre a representação das estruturas do sistema e as do usuário, obtendo a compreensão das situações em que os sistemas serão aplicados, sua compatibilidade com os processos decisórios envolvidos e as estratégias dos usuários. Greif, em 1991, já propunha que o processo de concepção das máquinas deve estar inserido no projeto conjunto da definição do trabalho (GREIF, 1991 apud ABRAHÂO et al., 2002). A preocupação com essa nova formulação trabalhista, onde se inserem os processos de informatização, com o advento tecnológico e todas suas nuances, traz também a disciplina da Ergonomia como uma característica inerente aos novos tempos. A interação do homem com sua ferramenta de trabalho deve ser interdisciplinar para uma compreensão do seu contexto, das particularidades humanas e da objetividade de suas funções, realizando assim um processo de adaptação do trabalho ao homem e não do homem ao seu trabalho. Partindo para um âmbito mais específico, alguns autores, como Burkhardt (2003 apud FALZON, 2007), Sperandio (1987; 1993; 1995 apud FALZON, 2007), Bastien e Scapin (2001 apud DUARTE, 2002), Cybis e colaboradores (2007), Thibault (2002 apud DUARTE, 2002), Duarte e Santos (2002), trazem para a ciência da ergonomia a temática da inclusão tecnológica nos processos de trabalho, em especial os softwares (BURKHARDT, 2003; BASTIEN & SCAPIN, 2001; THIBAULT apud DUARTE, 2002; SPERANDIO & BURKHARDT apud FALZON, 2007). Seus trabalhos introduzem a idéia da ergonomia no universo da informática, dos meios digitais; que diz respeito às atividades realizadas por intermédio de um computador, física ou remotamente (SPERANDIO & BURKHARDT apud FALZON, 2007). 20

21 Em conformidade com esses referenciais, este estudo buscou analisar o processo interativo entre o trabalhador e o software de gestão desse trabalho em uma função específica, bem como as situações de conflito e risco para a saúde numa Central de Regulação Médica do SAMU 192. Método O Projeto foi desenvolvido com o apoio da Central Municipal de Regulação Médica do SAMU 192, no 16 Centro, no Complexo Hospitalar Cezar Araújo, na Rua Marquês de Maricá, bairro do Pau Miúdo, Salvador-BA, junto ao corpo de trabalhadores teleoperadores, entre os meses de abril e setembro de Este foi aprovado pelo Comitê de Ética em Pesquisa da SESAB (Secretaria de Saúde do Estado da Bahia), por atender aos requisitos éticos com pesquisas em seres humanos previstos na Resolução 196/96. Contemplando todo o quadro de funcionários, desde a Central de Regulação em todos os turnos, aos trabalhadores das Unidades Móveis (ambulâncias), o SAMU conta com 103 profissionais por turno de plantão, totalizando 748 profissionais, num custo mensal de R$ ,40. Os sujeitos da pesquisa, os TARMs (Técnico Auxiliar de Regulação Médica) representam a maioria dentro da Central de Regulação, num total de 14 profissionais por turno (BAHIA, 2010). Cerca de 12 TARMs participaram de forma variada da pesquisa, sendo que apenas 6 destes foram entrevistados. Nesse projeto, utilizou-se uma abordagem metodológica baseada na Análise Ergonômica do Trabalho (AET). Foi realizada uma análise global do trabalho de um Call Center do SAMU 192, descrevendo as diferentes funções dos teleoperadores. Foram utilizadas técnicas qualitativas, partindo da observação livre num primeiro momento para determinação das reais demandas do trabalho, seguido por uma observação sistemática, logo após serem estipuladas as hipóteses in loco, seguido então de verbalizações e entrevistas semi-estruturadas com os teleoperadores, buscando elucidar questões levantadas sobre a dinâmica de trabalho de um forma geral e mais especificamente com relação ao software que é utilizado por eles. A todo momento o diário de campo fez parte do processo de investigação, como ferramenta auxiliar para a AET (GUÉRIN et al., 2001; ASSUNÇÃO, 2001; FERNANDES et al.,2010). 21

As Etapas da Pesquisa D R. G U A N I S D E B A R R O S V I L E L A J U N I O R

As Etapas da Pesquisa D R. G U A N I S D E B A R R O S V I L E L A J U N I O R As Etapas da Pesquisa D R. G U A N I S D E B A R R O S V I L E L A J U N I O R INTRODUÇÃO A pesquisa é um procedimento reflexivo e crítico de busca de respostas para problemas ainda não solucionados. O

Leia mais

PROJETO DE LEI N o, DE 2007

PROJETO DE LEI N o, DE 2007 PROJETO DE LEI N o, DE 2007 (Dos Srs. JORGE BITTAR e LUIZ SÉRGIO) Altera a Consolidação das Leis do Trabalho - CLT-, aprovada pelo Decreto-lei n.º 5452, de 1º de maio de 1945, para dispor sobre as condições

Leia mais

PROCESSO SIMPLIFICADO PARA CONTRATAÇÃO DE PESSOAL PARA O SERVIÇO DE ATENDIMENTO MÓVEL DE URGÊNCIA SAMU EDITAL 1/2008

PROCESSO SIMPLIFICADO PARA CONTRATAÇÃO DE PESSOAL PARA O SERVIÇO DE ATENDIMENTO MÓVEL DE URGÊNCIA SAMU EDITAL 1/2008 Condutor-Socorrista 1. Conduzir veículo terrestre de urgência destinado ao atendimento e transporte de pacientes; 2. Conhecer integralmente o veículo e realizar manutenção básica do mesmo; 3. Estabelecer

Leia mais

Fatores psicossociais e organização do trabalho. Romildo G. Brusiquese

Fatores psicossociais e organização do trabalho. Romildo G. Brusiquese Fatores psicossociais e organização do trabalho Romildo G. Brusiquese São Paulo, 23 de outubro de 2012 Há relação entre fatores psicossociais e organização do trabalho?????????? Teoria Organização do Trabalho:

Leia mais

PROCESSO SELETIVO SIMPLIFICADO PARA PROVIMENTO DE CARGOS PARA SERVIÇO DE ATENDIMENTO MÓVEL DE URGÊNCIA SAMU OESTE EDITAL Nº 007, DE 15/07/2015.

PROCESSO SELETIVO SIMPLIFICADO PARA PROVIMENTO DE CARGOS PARA SERVIÇO DE ATENDIMENTO MÓVEL DE URGÊNCIA SAMU OESTE EDITAL Nº 007, DE 15/07/2015. PROCESSO SELETIVO SIMPLIFICADO PARA PROVIMENTO DE CARGOS PARA SERVIÇO DE ATENDIMENTO MÓVEL DE URGÊNCIA SAMU OESTE EDITAL Nº 007, DE 15/07/2015. ANEXO II ATRIBUIÇÕES DOS CARGOS CARGO: CONDUTOR SOCORRISTA

Leia mais

SISTEMA INFORMATIZADO DE REGULAÇÃO E AVALIAÇÃO DO SAMU NO ESTADO DE SANTA CATARINA

SISTEMA INFORMATIZADO DE REGULAÇÃO E AVALIAÇÃO DO SAMU NO ESTADO DE SANTA CATARINA Centro de Ciências da Saúde Departamento de Enfermagem GIATE Grupo de Pesquisa em Tecnologias, Informações e Informática em Saúde SISTEMA INFORMATIZADO DE REGULAÇÃO E AVALIAÇÃO DO SAMU NO ESTADO DE SANTA

Leia mais

ANEXO II ATRIBUIÇÕES DOS CARGOS

ANEXO II ATRIBUIÇÕES DOS CARGOS CONCURSO PÚBLICO PARA SAMU CENTRO-SUL Edital nº 11/2010, de 22/07/2010 ANEXO II ATRIBUIÇÕES DOS CARGOS CARGO: CONDUTOR-SOCORRISTA Atuar na Central Radioperador e controlador de frota e nas Unidades Móveis

Leia mais

Grasiela - Bom à gente pode começar a nossa conversa, você contando para a gente como funciona o sistema de saúde na Inglaterra?

Grasiela - Bom à gente pode começar a nossa conversa, você contando para a gente como funciona o sistema de saúde na Inglaterra? Rádio Web Saúde dos estudantes de Saúde Coletiva da UnB em parceria com Rádio Web Saúde da UFRGS em entrevista com: Sarah Donetto pesquisadora Inglesa falando sobre o NHS - National Health Service, Sistema

Leia mais

Sumário. Apresentação O que é o Centro de Gerenciamento de Serviços (CGS) NTI? Terminologia Status do seu chamado Utilização do Portal Web

Sumário. Apresentação O que é o Centro de Gerenciamento de Serviços (CGS) NTI? Terminologia Status do seu chamado Utilização do Portal Web Sumário Apresentação O que é o Centro de Gerenciamento de Serviços (CGS) NTI? Terminologia Status do seu chamado Utilização do Portal Web Fazendo Login no Sistema Tela inicial do Portal WEB Criando um

Leia mais

AvaliaçãodaUsabilidadedeum SoftwaredeAuditoria EvaluationofUsabilityofaSoftwareofAuditing

AvaliaçãodaUsabilidadedeum SoftwaredeAuditoria EvaluationofUsabilityofaSoftwareofAuditing AvaliaçãodaUsabilidadedeum SoftwaredeAuditoria EvaluationofUsabilityofaSoftwareofAuditing AlianaPereiraSimões Pós-graduadaemErgonomia,UsabilidadeeInteraçãoHumano-Computador PUC-RIO aliana@aliana.com.br

Leia mais

ORGANIZAÇÃO CURRICULAR

ORGANIZAÇÃO CURRICULAR ORGANIZAÇÃO CURRICULAR O curso Técnico em Informática, em Nível Médio Subseqüente, será organizado de forma semestral, com aulas presenciais, compostos por disciplinas, com conteúdos estabelecidos, tendo

Leia mais

MANUAL DO SISTEMA GT WEB CALL. Teledata

MANUAL DO SISTEMA GT WEB CALL. Teledata MANUAL DO SISTEMA GT WEB CALL Teledata Indíce analítico 1. Prefácio...3 2. Funcionalidades...3 3. Abrir chamados...7 4. Atribuir chamados...9 5. Consultar chamados...10 6. Fechar chamados...12 7. Relatórios...15

Leia mais

CONSELHO DE CLASSE. A visão dos professores sobre educação no Brasil

CONSELHO DE CLASSE. A visão dos professores sobre educação no Brasil CONSELHO DE CLASSE A visão dos professores sobre educação no Brasil INTRODUÇÃO Especificações Técnicas Data do Campo 19/06 a 14/10 de 2014 Metodologia Técnica de coleta de dados Abrangência geográfica

Leia mais

Introdução à Avaliação de Interfaces

Introdução à Avaliação de Interfaces Universidade Federal do Vale do São Francisco -UNIVASF Colegiado de Engenharia de Computação Introdução à Avaliação de Interfaces Prof. Jorge Cavalcanti jorge.cavalcanti@univasf.edu.br www.twitter.com/jorgecav

Leia mais

Estado do Rio Grande do Sul Secretaria da Saúde Complexo Regulador Estadual Central de Regulação das Urgências/SAMU. Nota Técnica nº 04

Estado do Rio Grande do Sul Secretaria da Saúde Complexo Regulador Estadual Central de Regulação das Urgências/SAMU. Nota Técnica nº 04 Estado do Rio Grande do Sul Secretaria da Saúde Complexo Regulador Estadual Central de Regulação das Urgências/SAMU Nota Técnica nº 04 MANUAL DE PROCEDIMENTOS DO TARM 1 - ACESSANDO O COMPUTADOR: 1.1 -

Leia mais

Manual do usuário - Service Desk SDM - COPASA. Service Desk

Manual do usuário - Service Desk SDM - COPASA. Service Desk Manual do usuário - Service Desk SDM - COPASA Service Desk Sumário Apresentação O que é o Service Desk? Terminologia Status do seu chamado Utilização do Portal Web Fazendo Login no Sistema Tela inicial

Leia mais

Leonardo Pereira Rodrigues dos Santos

Leonardo Pereira Rodrigues dos Santos Leonardo Pereira Rodrigues dos Santos Desenvolvimento de serviços na área de educação: uma aplicação de análise conjunta nos cursos de mestrado em administração de empresas DISSERTAÇÃO DE MESTRADO DEPARTAMENTO

Leia mais

Mensuração do Desempenho do Gerenciamento de Portfólio de Projetos: Proposta de Modelo Conceitual

Mensuração do Desempenho do Gerenciamento de Portfólio de Projetos: Proposta de Modelo Conceitual Pedro Bruno Barros de Souza Mensuração do Desempenho do Gerenciamento de Portfólio de Projetos: Proposta de Modelo Conceitual Dissertação de Mestrado Dissertação apresentada ao Programa de Pósgraduação

Leia mais

Interface Homem- Computador

Interface Homem- Computador Interface Homem- Computador (IHC) Profª. Leticia Lopes Leite Software Educacional I Interface Deve ser entendida como sendo a parte de um sistema computacional com a qual uma pessoa entra em contato física,

Leia mais

Terceira Idade: Perfil de uso do cartão de crédito

Terceira Idade: Perfil de uso do cartão de crédito Elias Dias Lopes Filho Terceira Idade: Perfil de uso do cartão de crédito Dissertação de Mestrado Dissertação apresentada ao Programa de Pósgraduação em Administração de Empresas da PUC- Rio como requisito

Leia mais

Aviso. O conteúdo deste documento é de propriedade intelectual exclusiva da GVDASA Sistemas e está sujeito a alterações sem aviso prévio.

Aviso. O conteúdo deste documento é de propriedade intelectual exclusiva da GVDASA Sistemas e está sujeito a alterações sem aviso prévio. Guia de Utilização 2015 Aviso O conteúdo deste documento é de propriedade intelectual exclusiva da GVDASA Sistemas e está sujeito a alterações sem aviso prévio. Nenhuma parte desta publicação pode ser

Leia mais

LIÇÕES DE ANÁLISES DE ACIDENTES APOIADAS NO MODELO DE ANÁLISE E PREVENÇÃO DE ACIDENTES - MAPA

LIÇÕES DE ANÁLISES DE ACIDENTES APOIADAS NO MODELO DE ANÁLISE E PREVENÇÃO DE ACIDENTES - MAPA LIÇÕES DE ANÁLISES DE ACIDENTES APOIADAS NO MODELO DE ANÁLISE E PREVENÇÃO DE ACIDENTES - MAPA Ildeberto Muniz de Almeida São Paulo, 27 a 29 de Agosto de 2014 O QUE É O MAPA? O Que é o MAPA Ferramenta de

Leia mais

UNIVERSIDADE CATÓLICA DE PELOTAS CENTRO POLITÉCNICO TECNÓLOGO EM ANALISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS

UNIVERSIDADE CATÓLICA DE PELOTAS CENTRO POLITÉCNICO TECNÓLOGO EM ANALISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS UNIVERSIDADE CATÓLICA DE PELOTAS CENTRO POLITÉCNICO TECNÓLOGO EM ANALISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS Sistema de Controle de Viaturas por Pablo Wasculewsky de Matos Orientador: Prof. Me. André Vinicius

Leia mais

HMR Marketing Receptivo. 12.1.x. abril de 2015. Versão: 2.0

HMR Marketing Receptivo. 12.1.x. abril de 2015. Versão: 2.0 HMR Marketing Receptivo 12.1.x abril de 2015 Versão: 2.0 1 Sumário 1 Objetivo... 3 2 Papéis e Usuários... 3 3 Fluxo Geral do HMR... 6 4 Manter Parâmetros Marketing Receptivo... 7 5 Manter Categoria de

Leia mais

TREINAMENTO OPERADOR DE TELEMARKETING

TREINAMENTO OPERADOR DE TELEMARKETING TREINAMENTO OPERADOR DE TELEMARKETING AULA 1 Treinamento em Operador de Telemarketing O que é Telemarketing? Será que TELEMARKETING é a mesma atividade de TELEVENDAS? Entendendo Marketing É um processo

Leia mais

SANDRA MARY ALMEIDA MATTJIE CRENÇAS DE PROFESSORES E ALUNOS DE ESCOLAS DE COMUNIDADE BILÍNGUE SOBRE O PROCESSO DE ENSINO E APRENDIZAGEM DE INGLÊS

SANDRA MARY ALMEIDA MATTJIE CRENÇAS DE PROFESSORES E ALUNOS DE ESCOLAS DE COMUNIDADE BILÍNGUE SOBRE O PROCESSO DE ENSINO E APRENDIZAGEM DE INGLÊS SANDRA MARY ALMEIDA MATTJIE CRENÇAS DE PROFESSORES E ALUNOS DE ESCOLAS DE COMUNIDADE BILÍNGUE SOBRE O PROCESSO DE ENSINO E APRENDIZAGEM DE INGLÊS PORTO ALEGRE 2010 SANDRA MARY ALMEIDA MATTJIE CRENÇAS DE

Leia mais

SOFTWARE PARA GERENCIAMENTO DE REBANHOS BOVINOS: SELEÇÃO E AVALIAÇÃO PELO PECUARISTA

SOFTWARE PARA GERENCIAMENTO DE REBANHOS BOVINOS: SELEÇÃO E AVALIAÇÃO PELO PECUARISTA SOFTWARE PARA GERENCIAMENTO DE REBANHOS BOVINOS: SELEÇÃO E AVALIAÇÃO PELO PECUARISTA Marcos Aurélio Lopes Email: malopes@ufla.br Vínculo: Professor do Depto de Medicina Veterinária da Universidade Federal

Leia mais

TRANSTORNO DO AUTISTA NA EDUCAÇÃO INFANTIL

TRANSTORNO DO AUTISTA NA EDUCAÇÃO INFANTIL FACULDADE MÉTODO DE SÃO PAULO LICENCIATURA EM PEDAGOGIA ERIKA DE SOUZA NOGUEIRA JENIFFER OLIVEIRA RODRIGUES COSTA JESSICA PRISCILLA TESLENCO MARTINS PINHEIRO TRANSTORNO DO AUTISTA NA EDUCAÇÃO INFANTIL

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DE INTERFACE WEB MULTIUSUÁRIO PARA SISTEMA DE GERAÇÃO AUTOMÁTICA DE QUADROS DE HORÁRIOS ESCOLARES. Trabalho de Graduação

DESENVOLVIMENTO DE INTERFACE WEB MULTIUSUÁRIO PARA SISTEMA DE GERAÇÃO AUTOMÁTICA DE QUADROS DE HORÁRIOS ESCOLARES. Trabalho de Graduação DESENVOLVIMENTO DE INTERFACE WEB MULTIUSUÁRIO PARA SISTEMA DE GERAÇÃO AUTOMÁTICA DE QUADROS DE HORÁRIOS ESCOLARES Trabalho de Graduação Orientando: Vinicius Stein Dani vsdani@inf.ufsm.br Orientadora: Giliane

Leia mais

Sistema Integrado de Gerenciamento ARTESP MANUAL DO USUÁRIO SIGA EXTRANET - FRETAMENTO

Sistema Integrado de Gerenciamento ARTESP MANUAL DO USUÁRIO SIGA EXTRANET - FRETAMENTO Sistema Integrado de Gerenciamento ARTESP MANUAL DO USUÁRIO SIGA EXTRANET - FRETAMENTO Versão 1.0 Julho/2012 ÍNDICE 1 REQUISITOS MÍNIMOS PARA INSTALAÇÃO... 4 1.1 Equipamento e Sistemas Operacionais 4 1.1.1

Leia mais

Distribuição Eletrônica na Hotelaria: Desenvolvimento de Serviços para a Internet

Distribuição Eletrônica na Hotelaria: Desenvolvimento de Serviços para a Internet Leonardo Pimenta de Mello Distribuição Eletrônica na Hotelaria: Desenvolvimento de Serviços para a Internet Dissertação de Mestrado Dissertação apresentada como requisito parcial para obtenção do título

Leia mais

O quê avaliação? Unidade IV - Avaliação de Interfaces. Quem deve avaliar um produto de software? Técnicas de Avaliação

O quê avaliação? Unidade IV - Avaliação de Interfaces. Quem deve avaliar um produto de software? Técnicas de Avaliação Unidade IV - Avaliação de Interfaces O quê avaliação? O quê avaliação? Técnicas de Avaliação Tipos de Avaliação com Usuários Paradigmas de avaliação com usuários Avaliação rápida e suja Testes de Usabilidade

Leia mais

Manual Ilustrado Marketing Receptivo - HMR

Manual Ilustrado Marketing Receptivo - HMR Manual Ilustrado Marketing Receptivo - HMR Agosto/2014 Índice Título do documento 1. Objetivo... 3 2. Papéis e Usuários... 3 3. Fluxo Geral do HMR... 5 4. Manter Parâmetros Marketing Receptivo... 5 5.

Leia mais

II Congresso Nacional de Formação de Professores XII Congresso Estadual Paulista sobre Formação de Educadores

II Congresso Nacional de Formação de Professores XII Congresso Estadual Paulista sobre Formação de Educadores II Congresso Nacional de Formação de Professores XII Congresso Estadual Paulista sobre Formação de Educadores ALUNOS COM DEFICIÊNCIA NA ESCOLA REGULAR: UM ESTUDO SOBRE A VISAO DE PROFESSORES SOBRE A INCLUSÃO

Leia mais

de sistemas para recuperação de informação em interfaces de bibliotecas online.

de sistemas para recuperação de informação em interfaces de bibliotecas online. 1 Introdução Na época atual, as certezas definitivas já deram sinais de cansaço e à medida que avança a tecnologia, a sociedade se reformula. O conhecimento estabelecido durante séculos antes confinados

Leia mais

Sistema de Automação Comercial de Pedidos

Sistema de Automação Comercial de Pedidos Termo de Abertura Sistema de Automação Comercial de Pedidos Cabana - Versão 1.0 Iteração 1.0- Release 1.0 Versão do Documento: 1.5 Histórico de Revisão Data Versão do Documento Descrição Autor 18/03/2011

Leia mais

Instrução de Trabalho Registro de chamado no sistema OCOMON

Instrução de Trabalho Registro de chamado no sistema OCOMON Aprovado por Comitê da Qualidade Analisado Chefe do Departamento de Atendimento ao Usuário criticamente por 1. OBJETIVOS Orientar os atendentes que usam o sistema de controle e registro de ocorrências

Leia mais

WF Processos. Manual de Instruções

WF Processos. Manual de Instruções WF Processos Manual de Instruções O WF Processos é um sistema simples e fácil de ser utilizado, contudo para ajudar os novos usuários a se familiarizarem com o sistema, criamos este manual. Recomendamos

Leia mais

PESQUISA DIAGNÓSTICA - SISTEMATIZAÇÃO. - Sim, estou gostando dessa organização sim, porque a gente aprende mais com organização das aulas.

PESQUISA DIAGNÓSTICA - SISTEMATIZAÇÃO. - Sim, estou gostando dessa organização sim, porque a gente aprende mais com organização das aulas. ESCOLA MUNICIPAL BUENA VISTA Goiânia, 19 de junho de 2013. - Turma: Mestre de Obras e Operador de computador - 62 alunos 33 responderam ao questionário Orientador-formador: Marilurdes Santos de Oliveira

Leia mais

TRABALHO EM TELEATENDIMENTO

TRABALHO EM TELEATENDIMENTO Associação Paulista de Medicina Associação Paulista de Medicina do Trabalho Reunião Técnica TRABALHO EM TELEATENDIMENTO João Silvestre Jr joaossj@gmail.com twitter.com/joaosilvestrejr São Paulo, maio de

Leia mais

Unidade 4: Contextualização de Objetos de Aprendizagem

Unidade 4: Contextualização de Objetos de Aprendizagem Coordenação: Juliana Cristina Braga Autoria: Rita Ponchio Você aprendeu na unidade anterior a importância da adoção de uma metodologia para a construção de OA., e também uma descrição geral da metodologia

Leia mais

CRENÇAS DISCENTES SOBRE A FORMAÇÃO EM LETRAS E A DOCÊNCIA EM LÍNGUA INGLESA

CRENÇAS DISCENTES SOBRE A FORMAÇÃO EM LETRAS E A DOCÊNCIA EM LÍNGUA INGLESA Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 22 a 25 de outubro, 2012 761 CRENÇAS DISCENTES SOBRE A FORMAÇÃO EM LETRAS E A DOCÊNCIA EM LÍNGUA INGLESA Fabiana Gonçalves Monti 1, Sérgio

Leia mais

ANEXO II ATRIBUIÇÕES DOS EMPREGOS PÚBLICOS

ANEXO II ATRIBUIÇÕES DOS EMPREGOS PÚBLICOS PROCESSO SELETIVO PÚBLICO SIMPLIFICADO PARA PROVIMENTO DE EMPREGOS PÚBLICOS PARA O SERVIÇO DE ATENDIMENTO MÓVEL DE URGÊNCIA SAMU 192 CISTRI - MACRORREGIÃO TRIÂNGULO DO NORTE EDITAL 001, DE 20/11/2015 ANEXO

Leia mais

MANUAL DE UTILIZAÇÃO DO SISTEMA DE DIÁRIAS DA MGS. Versão 1.0

MANUAL DE UTILIZAÇÃO DO SISTEMA DE DIÁRIAS DA MGS. Versão 1.0 MANUAL DE UTILIZAÇÃO DO SISTEMA DE DIÁRIAS DA MGS Versão 1.0 SUMÁRIO 1. Descrição do Local de Acesso... 1 2. Módulo Registrar Diárias... 3 3. Módulo Aprovar Diárias... 11 4. Registrar Prestação de Contas...

Leia mais

ANTONIO ROBINSON GONÇALVES IVANA DOS REIS LIMA JOSÉ RODOLFO ABREU VIEIRA

ANTONIO ROBINSON GONÇALVES IVANA DOS REIS LIMA JOSÉ RODOLFO ABREU VIEIRA UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA ESCOLA DE ADMINISTRAÇÃO NÚCLEO DE PÓS - GRADUAÇÃO NPGA CAPACITAÇÃO PROFISSIONAL AVANÇADA - CPA CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO ANTONIO ROBINSON GONÇALVES IVANA DOS

Leia mais

Arquitetura da Informação. A relação da Arquitetura da Informação com a Usabilidade na era do conhecimento

Arquitetura da Informação. A relação da Arquitetura da Informação com a Usabilidade na era do conhecimento A relação da Arquitetura da Informação com a Usabilidade na era do conhecimento Rodrigo Medeiros Tecnólogo em Sistema para Internet Faculdade Marista Especialista em arquitetura da Informação pela Jump

Leia mais

RELACIONAMENTO TERAPÊUTICO ENTRE ENFERMEIRO E PACIENTE TRANSPLANTADO CARDÍACO: FORÇA VITAL PARA A HUMANIZAÇÃO

RELACIONAMENTO TERAPÊUTICO ENTRE ENFERMEIRO E PACIENTE TRANSPLANTADO CARDÍACO: FORÇA VITAL PARA A HUMANIZAÇÃO RELACIONAMENTO TERAPÊUTICO ENTRE ENFERMEIRO E PACIENTE TRANSPLANTADO CARDÍACO: FORÇA VITAL PARA A HUMANIZAÇÃO O transplante cardíaco é uma forma de tratamento para os pacientes com insuficiência cardíaca

Leia mais

PLANO DE CARGOS & SALÁRIOS UNIMED ANÁPOLIS

PLANO DE CARGOS & SALÁRIOS UNIMED ANÁPOLIS PLANO DE CARGOS & SALÁRIOS UNIMED ANÁPOLIS 1 ÍNDICE APRESENTAÇÃO... 02 1 OBJETIVO DO MANUAL... 03 2 CONCEITOS UTILIZADOS... 04 3 POLÍTICA DE CARGOS E SALÁRIOS... 06 4 POLÍTICA DE CARREIRA... 07 5 AVALIAÇÃO

Leia mais

1998-2011 Domínio Sistemas Ltda. Todos os direitos reservados.

1998-2011 Domínio Sistemas Ltda. Todos os direitos reservados. Saiba que este documento não poderá ser reproduzido, seja por meio eletrônico ou mecânico, sem a permissão expressa por escrito da Domínio Sistemas Ltda. Nesse caso, somente a Domínio Sistemas poderá ter

Leia mais

Transformar o trabalho ponos em trabalho ergon. Profa. Linda Nice Gama

Transformar o trabalho ponos em trabalho ergon. Profa. Linda Nice Gama Transformar o trabalho ponos em trabalho ergon Profa. Linda Nice Gama segurança, conforto, bem-estar e a eficácia das atividades humanas Ergonomia de Concepção: projeto posto, instrumento, máquina, sistemas

Leia mais

José Benedito Alves Junior

José Benedito Alves Junior 1 José Benedito Alves Junior Gerenciamento de Projetos de TI: Uma análise sobre a possibilidade de aplicação da estrutura motivacional sugerida pelo Project Management Body of Knowledge - PMBOK - em uma

Leia mais

Nathalia Tavares Barbosa. Gestão da Mudança Organizacional: O Caso da Empresa GAMA. Dissertação de Mestrado

Nathalia Tavares Barbosa. Gestão da Mudança Organizacional: O Caso da Empresa GAMA. Dissertação de Mestrado Nathalia Tavares Barbosa Gestão da Mudança Organizacional: O Caso da Empresa GAMA Dissertação de Mestrado Dissertação apresentada ao Programa de Pós- Graduação em Administração PUC-Rio como requesito parcial

Leia mais

SOFTWARE PARA GERENCIAMENTO DE REBANHOS BOVINOS: DESENVOLVIMENTO E AVALIAÇÃO PELA SOFTHOUSE

SOFTWARE PARA GERENCIAMENTO DE REBANHOS BOVINOS: DESENVOLVIMENTO E AVALIAÇÃO PELA SOFTHOUSE SOFTWARE PARA GERENCIAMENTO DE REBANHOS BOVINOS: DESENVOLVIMENTO E AVALIAÇÃO PELA SOFTHOUSE Marcelo Pereira Barbosa Email: mpbbarbosa@bol.com.br Vínculo: Professor da Escola Técnica Estadual "Lauro Gomes"

Leia mais

METODOLOGIA RESULTADOS E DISCUSSÃO

METODOLOGIA RESULTADOS E DISCUSSÃO ATENDIMENTO DE ENFERMAGEM A SAÚDE DO HOMEM NA ESTRATÉGIA SAÚDE DA FAMÍLIA Ingrid Mikaela Moreira de Oliveira Enfermeira Mestranda em Bioprospecção Molecular da Universidade Regional do Cariri-URCA ingrid_lattes@hotmail.com

Leia mais

MODELAGEM NA EDUCAÇÃO MATEMÁTICA: ABORDAGEM CRÍTICA DE TEMAS LIGADOS A SUSTENTABILIDADE

MODELAGEM NA EDUCAÇÃO MATEMÁTICA: ABORDAGEM CRÍTICA DE TEMAS LIGADOS A SUSTENTABILIDADE 1 PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO Programa de Bolsa Institucional de Ensino e Aprendizagem Submodalidade Ensino Licenciatura em Matemática (Turno Noturno) MODELAGEM NA EDUCAÇÃO MATEMÁTICA: ABORDAGEM CRÍTICA

Leia mais

RSS REFLEXÃO SEMANAL DE SEGURANÇA

RSS REFLEXÃO SEMANAL DE SEGURANÇA RSS REFLEXÃO SEMANAL DE SEGURANÇA Autores Fábio de Oliveira Lana Luiz Cláudio Soares Costa Paulo Gonçalves Vanelli CEMIG DISTRIBUIÇÃO S.A. RESUMO O programa RSS- Reflexão Semanal de Segurança, é uma ferramenta

Leia mais

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE MINAS GERAIS Programa de Pós-Graduação em Administração Mestrado Profissional em Administração

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE MINAS GERAIS Programa de Pós-Graduação em Administração Mestrado Profissional em Administração 11 PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE MINAS GERAIS Programa de Pós-Graduação em Administração Mestrado Profissional em Administração UNIVERSIDADES CORPORATIVAS - DO SONHO DA IMPLANTAÇÃO AO DESAFIO DA

Leia mais

Profa. Gislaine Stachissini. Unidade III GOVERNANÇA DE TI

Profa. Gislaine Stachissini. Unidade III GOVERNANÇA DE TI Profa. Gislaine Stachissini Unidade III GOVERNANÇA DE TI Information Technology Infrastructure Library ITIL Criado pelo governo do Reino Unido, tem como objetivo a criação de um guia com as melhores práticas

Leia mais

Minicurso Desenho instrucional de projetos em EaD Profa. Andrea Filatro

Minicurso Desenho instrucional de projetos em EaD Profa. Andrea Filatro avaliação implementação desenvolvimento design análise Minicurso Desenho instrucional de projetos em EaD Profa. Andrea Filatro Design instrucional Unidades Conteúdos Interface Interação Ambientes Avaliação

Leia mais

O PAINEL OUVIDORIA COMO PRÁTICA DE GESTÃO DAS RECLAMAÇÕES NA CAIXA

O PAINEL OUVIDORIA COMO PRÁTICA DE GESTÃO DAS RECLAMAÇÕES NA CAIXA PRÁTICA 1) TÍTULO O PAINEL OUVIDORIA COMO PRÁTICA DE GESTÃO DAS RECLAMAÇÕES NA CAIXA 2) DESCRIÇÃO DA PRÁTICA - limite de 8 (oito) páginas: A Ouvidoria da Caixa, responsável pelo atendimento, registro,

Leia mais

A Cadeia de Ajuda para Manter a Estabilidade Produtiva

A Cadeia de Ajuda para Manter a Estabilidade Produtiva A Cadeia de Ajuda para Manter a Estabilidade Produtiva Sergio Kamada* Este artigo tem como objetivo descrever a importância da Cadeia de Ajuda no processo de estabilização produtiva e apresentar métodos

Leia mais

MINISTÉRIO DO PLANEJAMENTO, ORÇAMENTO E GESTÃO SECRETARIA DE LOGÍSTICA E TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO DEPARTAMENTO DE LOGÍSTICA E SERVIÇOS GERAIS

MINISTÉRIO DO PLANEJAMENTO, ORÇAMENTO E GESTÃO SECRETARIA DE LOGÍSTICA E TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO DEPARTAMENTO DE LOGÍSTICA E SERVIÇOS GERAIS MINISTÉRIO DO PLANEJAMENTO, ORÇAMENTO E GESTÃO SECRETARIA DE LOGÍSTICA E TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO DEPARTAMENTO DE LOGÍSTICA E SERVIÇOS GERAIS DIVULGAÇÃO DE COMPRAS COTAÇÃO ELETRÔNICA MANUAL DO USUÁRIO

Leia mais

CENTRO DE ESTUDOS E APERFEIÇOAMENTO FUNCIONAL

CENTRO DE ESTUDOS E APERFEIÇOAMENTO FUNCIONAL CENTRO DE ESTUDOS E APERFEIÇOAMENTO FUNCIONAL Plano de Capacitação para o exercício de 2005 Evento Objetivos Local Público-Alvo Modalidade Período Carga Horária MISSÃO E VALORES INSTITUCIONAIS Ministério

Leia mais

Produtos ehealth. Desenvolvimento de negócios ehealth Diretoria P&S Verticais

Produtos ehealth. Desenvolvimento de negócios ehealth Diretoria P&S Verticais Produtos ehealth Desenvolvimento de negócios ehealth Diretoria P&S Verticais 1 Participação da Telefônica Vivo nas Instituições de Saúde TIC TIC TIC TIC Telemedicina TIC Telemedicina Desenvolvimento de

Leia mais

Conceitos. - Sistema de Informação, Estruturas e Classificação. - Dados x Informações. Edson Almeida Junior www.edsonalmeidajunior.com.

Conceitos. - Sistema de Informação, Estruturas e Classificação. - Dados x Informações. Edson Almeida Junior www.edsonalmeidajunior.com. Conceitos - Sistema de Informação, Estruturas e Classificação - Dados x Informações Edson Almeida Junior www.edsonalmeidajunior.com.br Definição de Sistema Uma coleção de objetos unidos por alguma forma

Leia mais

ATIVIDADES PRÁTICAS SUPERVISIONADAS

ATIVIDADES PRÁTICAS SUPERVISIONADAS ATIVIDADES PRÁTICAS SUPERVISIONADAS 4ª Série Informática Industrial CST em Mecatrônica Industrial A atividade prática supervisionada (ATPS) é um método de ensinoaprendizagem desenvolvido por meio de um

Leia mais

ORÇAMENTO DE OBRAS Ângelo Augusto Gomes Carneiro 1 Rogério Santos Teixeira 2 Prof. Ricardo Antonio Pereira da Silva 3

ORÇAMENTO DE OBRAS Ângelo Augusto Gomes Carneiro 1 Rogério Santos Teixeira 2 Prof. Ricardo Antonio Pereira da Silva 3 ORÇAMENTO DE OBRAS Ângelo Augusto Gomes Carneiro 1 Rogério Santos Teixeira 2 Prof. Ricardo Antonio Pereira da Silva 3 RESUMO Este trabalho de pesquisa busca identificar os principais problemas encontrados

Leia mais

Oficina 3. 29 de Novembro de 2008

Oficina 3. 29 de Novembro de 2008 Palestrante: Seminário Nacional de Saúde Mental e Trabalho São Paulo, 28 e 29 de novembro de 2008 Oficina 3 SAÚDE MENTAL E TRABALHADORES DE BANCOS E TELEATENDIMENTO Débora Raab Glina 29 de Novembro de

Leia mais

GESTÃO DA SAÚDE E SEGURANÇA NO TRABALHO COM FOCO NO ESTRESSE OCUPACIONAL: UM BREVE ESTUDO DE CASO NA CHESF

GESTÃO DA SAÚDE E SEGURANÇA NO TRABALHO COM FOCO NO ESTRESSE OCUPACIONAL: UM BREVE ESTUDO DE CASO NA CHESF GESTÃO DA SAÚDE E SEGURANÇA NO TRABALHO COM FOCO NO ESTRESSE OCUPACIONAL: UM BREVE ESTUDO DE CASO NA CHESF Autor(a): Karla Theonila Vidal Maciel Freitas 1 Introdução As empresas estão dando, cada vez mais,

Leia mais

QUESTIONÁRIO DO PROGRAMA BOLSA FAMÍLIA MUNICÍPIO: ESTADO: DATA: / / PROGRAMA BOLSA FAMÍLIA

QUESTIONÁRIO DO PROGRAMA BOLSA FAMÍLIA MUNICÍPIO: ESTADO: DATA: / / PROGRAMA BOLSA FAMÍLIA QUESTIONÁRIO DO PROGRAMA BOLSA FAMÍLIA Este questionário tem por objetivo fazer com que a sociedade participe da gestão pública, exercendo controle sobre as despesas efetuadas e orientando aos órgãos do

Leia mais

A Utilização das Tecnologias da Informação e Comunicação nas Escolas Públicas Estaduais e Municipais de Maceió

A Utilização das Tecnologias da Informação e Comunicação nas Escolas Públicas Estaduais e Municipais de Maceió A Utilização das Tecnologias da Informação e Comunicação nas Escolas Públicas Estaduais e Municipais de Maceió Lívia Maria Omena da Silva liviamariaomena@gmail.com CESMAC Alexa Luiza Santos Farias alexafarias1@hotmail.com

Leia mais

Sistematic Tecnologia e Sistemas de Informação LTDA

Sistematic Tecnologia e Sistemas de Informação LTDA Manual do Usuário SisCommercePDV NFC-e Sistematic Tecnologia e Sistemas de Informação LTDA MANUAL DO USUÁRIO SisCommercePDV Emissor de Nota Fiscal do Consumidor Eletrônica (NFC-e) *Manual em desenvolvimento

Leia mais

Cartilha Ponto Eletrônico

Cartilha Ponto Eletrônico Divisão de Gestão de Pessoas Unidade de Desenvolvimento de Pessoas Cartilha Ponto Eletrônico Procedimentos Importantes APRESENTAÇÃO Esta cartilha tem como objetivo esclarecer as principais dúvidas ou questionamentos

Leia mais

1. Objetivos do curso 2. 2 Comunicação Interna (CI) 13 3 Ofício 18 4 DEFINIÇÕES GERAIS 23 5 CONCLUSÃO 27

1. Objetivos do curso 2. 2 Comunicação Interna (CI) 13 3 Ofício 18 4 DEFINIÇÕES GERAIS 23 5 CONCLUSÃO 27 1. Objetivos do curso 2 Introdução 2 Funções do Sistema: 2 Da Comunicação Interna: 3 o Enviadas: 3 o Recebidas: 3 o Com Cópia Pessoal: 3 Ofícios 4 o Enviados: 4 o Recebidas com Cópia: 5 Contatos Externos:

Leia mais

Projeto de Serviços: proposta de modelo teórico para sites de compras coletivas

Projeto de Serviços: proposta de modelo teórico para sites de compras coletivas Iris Campos Martins Projeto de Serviços: proposta de modelo teórico para sites de compras coletivas Dissertação de Mestrado Dissertação apresentada como requisito parcial para obtenção do grau de Mestre

Leia mais

SISTEMA INTEGRADO DE GESTÃO

SISTEMA INTEGRADO DE GESTÃO SISTEMA INTEGRADO DE GESTÃO RM Agilis Manual do Usuário Ouvidoria, Correspondência Interna, Controle de Processos, Protocolo Eletrônico, Solicitação de Manutenção Interna, Solicitação de Obras em Lojas,

Leia mais

PROGRAMA DE QUALIFICAÇÃO DE COLABORADORES PQC ESPECIALIZAÇÃO EM GESTÃO DE INSTITUIÇÕES DE ENSINO SUPERIOR MÓDULO 1: GESTÃO ACADÊMICA DE IES

PROGRAMA DE QUALIFICAÇÃO DE COLABORADORES PQC ESPECIALIZAÇÃO EM GESTÃO DE INSTITUIÇÕES DE ENSINO SUPERIOR MÓDULO 1: GESTÃO ACADÊMICA DE IES MÓDULO 1: GESTÃO ACADÊMICA DE IES Educação Superior no Brasil: cenários e tendências Conceitos e concepções de universidade; aspectos históricos da educação superior no Brasil; a reforma da educação superior

Leia mais

Como implantar um Help Desk

Como implantar um Help Desk 7 Passos Como implantar um Oito passos usando Software Sumário Passo 1 - Cadastros Básicos...3 Passo 2 Catálogo de Serviços...4 Passo 3 Base de Conhecimento...5 Passo 4 Níveis de Suporte Técnico...6 Passo

Leia mais

INFOGAB 3.0. Sistema de Automação de Gabinetes. Manual do Usuário V 2.1

INFOGAB 3.0. Sistema de Automação de Gabinetes. Manual do Usuário V 2.1 INFOGAB 3.0 Sistema de Automação de Gabinetes Manual do Usuário V 2.1 1. Descrição do Sistema O Sistema de Automação de Gabinetes da Câmara dos Deputados (Infogab) tem por finalidade apoiar as atividades

Leia mais

CLIENTE MAL ATENDIDO, DE QUEM É A CULPA?

CLIENTE MAL ATENDIDO, DE QUEM É A CULPA? CLIENTE MAL ATENDIDO, DE QUEM É A CULPA? Por: Roberto Pessoa Madruga Todos nós sabemos o quanto as empresas estão preocupadas em atender seus clientes de maneira mais profissional e prioritária. Na estrada

Leia mais

DROGAS E FAMÍLIA: SOBRECARGA. Silvana C. Maciel UFPB

DROGAS E FAMÍLIA: SOBRECARGA. Silvana C. Maciel UFPB DROGAS E FAMÍLIA: SOBRECARGA Silvana C. Maciel UFPB CONCEITO DE DROGA Droga é qualquer substância que, não sendo produzida pelo organismo, tem a propriedade de atuar sobre um ou mais de seus sistemas,

Leia mais

ATRIBUIÇÕES DA ENFERMAGEM NA SAÚDE DO TRABALHADOR

ATRIBUIÇÕES DA ENFERMAGEM NA SAÚDE DO TRABALHADOR ATRIBUIÇÕES DA ENFERMAGEM NA SAÚDE DO TRABALHADOR Carolina Uesato Tamassiro 1, Nubia Karen Goulart Mendes 2, Rosemeire Gamarra Medeiros Monticelli 3, Rosilene Rocha Palasson 4 Introdução: Promoção da saúde

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO CENTRO BIOMÉDICO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ATENÇÃO À SAÚDE COLETIVA

UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO CENTRO BIOMÉDICO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ATENÇÃO À SAÚDE COLETIVA UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO CENTRO BIOMÉDICO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ATENÇÃO À SAÚDE COLETIVA GERUZA RIOS PESSANHA TAVARES O PROCESSO DE INSTITUCIONALIZAÇÃO DAS PRÁTICAS DO MÉDICO DE FAMÍLIA-

Leia mais

Luiz Fernando Fernandes de Albuquerque. Avaliação de algoritmos online para seleção de links patrocinados. Dissertação de Mestrado

Luiz Fernando Fernandes de Albuquerque. Avaliação de algoritmos online para seleção de links patrocinados. Dissertação de Mestrado Luiz Fernando Fernandes de Albuquerque Avaliação de algoritmos online para seleção de links patrocinados Dissertação de Mestrado Dissertação apresentada como requisito parcial para obtenção do grau de

Leia mais

Usabilidade e Acessibilidade na Web: Uma análise destes conceitos do ponto de vista de um deficiente visual

Usabilidade e Acessibilidade na Web: Uma análise destes conceitos do ponto de vista de um deficiente visual Usabilidade e Acessibilidade na Web: Uma análise destes conceitos do ponto de vista de um deficiente visual Gláucio Brandão de MATOS 1 ; Alisson RIBEIRO 2 ; Gabriel da SILVA 2 1 Ex-aluno do Curso Superior

Leia mais

pesquisadores submetam seus projetos na Plataforma Brasil.

pesquisadores submetam seus projetos na Plataforma Brasil. Como submeter meu projeto pela Plataforma Brasil? Este documento tem como principal objetivo oferecer orientações básicas para que os pesquisadores submetam seus projetos na Plataforma Brasil. O sistema

Leia mais

MÓDULO 7 Ferramentas da Qualidade

MÓDULO 7 Ferramentas da Qualidade MÓDULO 7 Ferramentas da Qualidade Os modelos de Qualidade Total apresentam uma estrutura teórica bem consistente, pois: não há contradições entre as suas afirmações básicas; há uma estrutura bem definida

Leia mais

Capítulo 6 Resolução de problemas com sistemas de informação

Capítulo 6 Resolução de problemas com sistemas de informação Capítulo 6 Resolução de problemas com sistemas de informação RESUMO DO CAPÍTULO Este capítulo trata do processo de resolução de problemas empresariais, pensamento crítico e etapas do processo de tomada

Leia mais

Um produto para jogar um conteúdo matemático e estudar um jogo social

Um produto para jogar um conteúdo matemático e estudar um jogo social Um produto para jogar um conteúdo matemático e estudar um jogo social 1 2 SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO... 3 2 OBJETIVOS... 4 3 DESENVOLVIMENTO... 5 4 CONCLUSÃO... 11 5 REFERÊNCIA... 11 TABELA DE FIGURAS Figura

Leia mais

A IMPORTÂNCIA EM IMPLANTAR UM DEPARTAMENTO DE TELEMARKETING EM UMA EMPRESA DE MÉDIO PORTE 1. Vera Lucia Lima de Oliveira. FAAG Faculdade de Agudos

A IMPORTÂNCIA EM IMPLANTAR UM DEPARTAMENTO DE TELEMARKETING EM UMA EMPRESA DE MÉDIO PORTE 1. Vera Lucia Lima de Oliveira. FAAG Faculdade de Agudos A IMPORTÂNCIA EM IMPLANTAR UM DEPARTAMENTO DE TELEMARKETING EM UMA EMPRESA DE MÉDIO PORTE 1 Vera Lucia Lima de Oliveira FAAG Faculdade de Agudos RESUMO Este artigo teve como objetivo sugerir a implantação

Leia mais

F U N D A Ç Ã O E D U C A C I O N A L S Ã O J O S É. MODELOS DE MATURIDADE CMMI Capability Maturity Model Integration (CMMI)

F U N D A Ç Ã O E D U C A C I O N A L S Ã O J O S É. MODELOS DE MATURIDADE CMMI Capability Maturity Model Integration (CMMI) 1 MODELOS DE MATURIDADE CMMI Capability Maturity Model Integration (CMMI) Teresinha Moreira de Magalhães 1 Lúcia Helena de Magalhães 2 Fernando Machado da Rocha 3 Resumo Este trabalho visa apresentar uma

Leia mais

Manual do Sistema de Demandas da FUNDEPAG

Manual do Sistema de Demandas da FUNDEPAG 2015 Manual do Sistema de Demandas da FUNDEPAG Manual do Sistema de Demandas da FUNDEPAG Cliente Institucional e Atualizado em: 11 de setembro de 2015 Sumário 1. Conceito do software... 1 2. Abertura de

Leia mais

FOZ$DO$IGUAÇU,$2015$!

FOZ$DO$IGUAÇU,$2015$! FOZDOIGUAÇU,2015 XXVIENANGRAD A CONTRIBUIÇÃO DOS FATORES MOTIVACIONAIS PARA O SUCESSO DAS ORGANIZAÇÕES ANDREA FERREIRA DA COSTA rafaela modolo de pinho EDINALVA DELL ARMI MAROTTO ACONTRIBUIÇÃODOSFATORESMOTIVACIONAISPARAOSUCESSODASORGANIZAÇÕES

Leia mais

Usabilidade e Ergonomia. Usabilidade de Software. Ergonomia. Usabilidade. Ergonomia (International Ergonomics Association em 2000)

Usabilidade e Ergonomia. Usabilidade de Software. Ergonomia. Usabilidade. Ergonomia (International Ergonomics Association em 2000) Usabilidade e Ergonomia Usabilidade de Software INF01043 Interação Homem-Computador 2006/2 Ergonomia (International Ergonomics Association em 2000) Ergonomics (or human factors) is the scientific discipline

Leia mais

Formulário de Avaliação de Desempenho

Formulário de Avaliação de Desempenho Formulário de Avaliação de Desempenho Objetivos da Avaliação de Desempenho: A avaliação de desempenho será um processo anual e sistemático que, enquanto processo de aferição individual do mérito do funcionário

Leia mais

Área de Distribuição e Comercialização Identificação do Trabalho: BR-13 São Paulo, Brasil, Setembro de 2002.

Área de Distribuição e Comercialização Identificação do Trabalho: BR-13 São Paulo, Brasil, Setembro de 2002. COMISSÃO DE INTEGRAÇÃO ENERGÉTICA REGIONAL IV CIERTEC SEMINÁRIO INTERNACIONAL SOBRE AUTOMAÇÃO DE REDES DE DISTRIBUIÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA E CENTROS DE CONTROLE Área de Distribuição e Comercialização Identificação

Leia mais

CADASTRO NACIONAL DE ADOÇÃO

CADASTRO NACIONAL DE ADOÇÃO CADASTRO NACIONAL DE ADOÇÃO MANUAL DE SERVIDORES DE CORREGEDORIA Versão 1.2 1 ÍNDICE APRESENTAÇÃO... 4 USUÁRIOS... 5 1. ACESSO AO SISTEMA... 6 2. TELA DE LOGIN DO CADASTRO NACIONAL DE ADOÇÃO:... 8 2.0

Leia mais

IMPLANTAÇÃO DE COMITÊ DE ACOMPANHAMENTO DE TRABALHADORES COM RESTRIÇÕES LABORAIS E RESULTADOS INICIAIS

IMPLANTAÇÃO DE COMITÊ DE ACOMPANHAMENTO DE TRABALHADORES COM RESTRIÇÕES LABORAIS E RESULTADOS INICIAIS IMPLANTAÇÃO DE COMITÊ DE ACOMPANHAMENTO DE TRABALHADORES COM RESTRIÇÕES LABORAIS E RESULTADOS INICIAIS Autores Fernanda Cabral Schveitzer ITAIPU BINACIONAL RESUMO Introdução: Em 2009 a ITAIPU Binacional

Leia mais

Agendamento de Produtos de Uso Contínuo

Agendamento de Produtos de Uso Contínuo Agendamento de Produtos de Uso Contínuo Os usuários do Call Center do ASAsys agora podem agendar ligações para os clientes de produtos de uso contínuo para oferecer o produto do cliente antes que ele acabe.

Leia mais