Análise de custo-efetividade do uso da 18 FDG-PET/TC na detecção de recorrência hepática metastática do câncer de cólon e reto

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Análise de custo-efetividade do uso da 18 FDG-PET/TC na detecção de recorrência hepática metastática do câncer de cólon e reto"

Transcrição

1 Análise de custo-efetividade do uso da 18 FDG-PET/TC na detecção de recorrência hepática metastática do câncer de cólon e reto Autores: Cláudia Regina Garcia Bastos 1,2, Aline Navega Biz 1, Rondineli Mendes da Silva 1,3, Osvaldo Ulises Garay 4, Ione Ayala Gualandi de Oliveira 1, Luciene Schluckebier 5, Rosângela Caetano 1. Resumo O câncer de colón e reto (CCR) é uma das neoplasias mais incidente. A ressecção de CCR recorrente limitado ao fígado mostra-se como uma intervenção cirúrgica benéfica, resultando em sobrevida potencialmente livre de doença por 20 anos ou mais. Entretanto, devido à avaliação pré-cirúrgica inacurada, cerca de 40 a 50% dos pacientes inicialmente classificados como possuindo doença hepática ressecável apresentam doença irressecável na cirurgia. Pacientes submetidos a cirurgias desnecessárias incorrem em risco de complicação, morte e em custos médicos significativos e evitáveis. Objetivos Analisou-se a custo-efetividade da adição da 18 FDG-PET/TC aos métodos convencionais utilizados para seleção de pacientes candidatos à ressecção cirúrgica de metástases hepáticas metacrônicas do câncer coloretal. Método Análise de decisão foi utilizada para comparar as seguintes estratégias diagnósticas: (1) procedimento convencional, baseado em TC contrastada de tórax, abdômen e pelve; (2) PET-TC de corpo inteiro para todos os pacientes; (3) PET-TC restrita a pacientes com resultados negativos à TC. A população de referência foi composta de pacientes adultos submetidos à ressecção do CCR primário, identificados como suspeitos de recorrência metastática por níveis crescentes de antígeno carcinoembrionário (CEA). O desfecho de interesse foi a redução do número de cirurgias desnecessárias, considerando a potencialidade da 18 FDG-PET em detectar doença irressecável e metástases extrahepáticas não suspeitadas pela TC. Condutas clínicas basearam-se em protocolos internacionais de manuseio da condição presentes na literatura e em consulta a especialistas. Parâmetros clínicos e de acurácia das tecnologias diagnósticas foram obtidos da literatura. A perspectiva adotada foi a do SUS como financiador do sistema. Foram considerados os custos médicos diretos associados com a detecção da recorrência metastática com os métodos convencionais e 18 FDG PET-TC, bem como os custos dos procedimentos cirúrgicos e não cirúrgicos, estabelecidos conforme o desfecho em tela. Custos dos procedimentos PET-TC, ainda não presentes nas tabelas de procedimentos do SUS, foram estimados em estudo específico pela técnica de microcustos; valores de outros procedimentos diagnóstico-terapêuticos foram obtidos do Sistema de 1 Instituto de Medicina Social, Universidade do Estado do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro-Brasil. 2 Conselho Regional de Farmácia do estado do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro-Brasil. 3 Escola Nacional de Saúde Pública Sérgio Arouca, Fundação Oswaldo Cruz, Rio de Janeiro-Brasil. 4 Instituto de Efectividad Clinica Y Sanitária, Buenos Aires, Argentina. 5 Coordenação de Pesquisa Clínica e Incorporação Tecnológica, Instituto Nacional de Câncer José de Alencar Gomes da Silva, Rio de Janeiro- Brasil.

2 Gerenciamento da Tabela de Procedimentos, Medicamentos e OPM do SUS (SIGTAP), considerando valores de abril/2013. Análises de sensibilidade determinística univariada e probabilística, considerando os principais parâmetros clínicos, de acurácia das tecnologias e de alguns itens de custo, foram realizadas. Resultados A adição da PET-CT na seleção cirúrgica de pacientes para ressecção hepática elimina procedimentos cirúrgicos desnecessários decorrentes de doença extra-hepática não diagnosticada e representa modalidade de imagem custo-efetiva em comparação com a abordagem tradicional baseada em TC contrastada. Entretanto, os valores por procedimento operatório desnecessário evitado são bastante elevados. Em comparação a estratégia convencional, o uso restrito da PET-TC a pacientes com resultados negativos à TC apresenta-se como mais custo-efetiva (R$ ,70/cirurgia desnecessária evitada) que a PET-TC para todos (R$ ,13). Os parâmetros que produziram maior impacto nas análises de sensibilidade foram a redução do custo da PET-TC, menor especificidade da TC hepática e diminuição dos custos associados ao tratamento paliativo. Conclusões Embora efetiva, os elevados custos por procedimento cirúrgico desnecessário evitado com o uso da PET-TC dificultam significativamente sua incorporação para uso em larga escala no SUS. Palavras-Chave: Tomografia por Emissão de Pósitrons. PET-TC. Neoplasias do Cólon. Custo-Efetividade. Sistema Único de Saúde (SUS)

3 Introdução O uso da tomografia de emissão de pósitrons (PET) é ainda relativamente recente no Brasil e sua incorporação às tabelas de procedimentos do Sistema Único de Saúde (SUS) vem sendo demandada para diversas indicações oncológicas, uma das quais o câncer de colon e reto (CCR). O CCR é uma das neoplasias mais incidentes no mundo. No Brasil, para o ano de 2014, são estimados casos novos em homens e em mulheres, correspondendo a um risco estimado de, respectivamente, 15,4 e 17,2 casos/ homens e mulheres (BRASIL/INCA, 2014). Segundo dados do Atlas de mortalidade por Câncer do INCA, a taxa de bruta de mortalidade por CCR atingiu, em 2011, 7,24 por homens e 7,33/ mulheres. A sobrevida dos pacientes com CCR é boa para a doença diagnosticada em fase inicial. Entretanto, somente 41% desses tumores são diagnosticados e tratados em estadio localizado, sem envolvimento linfático (RIBEIRO et al, 2012). O fígado é o principal local de metástases extraganglionares de CCR, porque é o primeiro órgão maior atingido pela drenagem venosa da região. Mais da metade dos pacientes com CCR desenvolvem metástases hepáticas, que são a principal causa de morte nestes indivíduos. Estas metástases são identificadas tanto à época do diagnóstico da lesão primária metástases sincrônicas, presentes em cerca de 20% dos casos quanto durante os anos seguintes à ressecção do tumor intestinal, isto é, metástases metacrônicas (STEWART et al, 2004). Em cerca de um terço dos pacientes com lesões hepáticas sincrônicas ou metacrônicas, o fígado é o único sítio de doença metastática (STEELE et al, 1991). A ressecção de CCR recorrente limitado ao fígado tem se mostrado como uma intervenção cirúrgica benéfica, resultando em sobrevida potencialmente livre de doença por muitos anos (TAYLOR et al, 2010). Entretanto, devido à avaliação pré-cirúrgica inacurada, muitos pacientes inicialmente classificados como possuindo doença hepática ressecável apresentam doença irressecável na cirurgia; em outros, submetidos à ressecção hepática avaliada como curativa, doença recorrente hepática ou extra-hepática é detectada no primeiro ano após a cirurgia, sugerindo focos tumorais não reconhecidos (TOPAL et al, 2003; ABDALLA et al, 2004). Nenhum benefício, em termos de sobrevida, é encontrado se doença residual persiste após hepatectomia.

4 Embora, nos últimos anos, avanços nas técnicas diagnósticas e estratégias de tratamento tenham aumentado as taxas de ressecabilidade e os resultados cirúrgicos, muitos pacientes com metástases hepáticas de CCR permanecem inelegíveis para cirurgia potencialmente curativa. Estima-se que apenas 20-30% dos pacientes com recorrência hepática tem doença potencialmente ressecável (BRUSH et al, 2011; MISIAKOS et al, 2011). Prognóstico favorável depende da adequada seleção dos candidatos à cirurgia hepática. Os critérios de ressecabilidade se alteraram nos últimos tempos; fatores relevantes para a ressecção incluem: o grau de extensão do comprometimento hepático, ausência de envolvimento vascular maior; ausência ou doença extra-hepática limitada, e suficiente reserva funcional do órgão (MSAC, 2007). Em alguns casos, uso de agentes quimioterápicos sistêmicos (QMT) tem sido recomendado para converter lesões hepáticas irressecáveis em ressecáveis, no que é denominado de QMT de conversão ( downsizing chemoteraphy ). O principal objetivo dessa QMT é conseguir condições de ressecabilidade das lesões, bem como permitir ressecções menores (potencial de preservar o parênquima hepático) e aumentar a probabilidade de obter margens de ressecção livres (ADAM et al, 2004). Como a cuidadosa seleção dos pacientes é crucial para obtenção de bons resultados clínicos com a ressecção de lesões metastáticas hepáticas, re-estadiamento inacurado pode se associar a intervenções cirúrgicas fúteis, que se associam a risco de complicações, morte e em custos médicos significativos e evitáveis. O uso da 18 FDG- PET tem sido proposto em adição aos métodos convencionais para a seleção de candidatos à ressecção cirúrgica de recorrência hepática do CCR após tratamento do tumor primário (NCCN, 2013). Melhor seleção de pacientes com doença não ressecável pela adição da PET aos métodos tradicionais permitiria reduzir procedimentos cirúrgicos não curativos e sem benefícios aos pacientes. Pawlick (2009), em uma série com 461 pacientes, relatou uma diferença estatisticamente significativa nas taxas de laparotomias não terapêuticas entre pacientes submetidos à estadiamento com PET (5,6%) e os que não receberam a técnica (12,4%); 44% das cirurgias fúteis se deveram a presença de lesões extra-hepáticas. Estudo randomizado de Ruers (2009) sugeriu importante redução na laparotomias fúteis (45% para 28%), quando 18 FDG-PET era adicionado à estratégia de imagem préoperatória em candidatos à cirurgia potencialmente curativa das metástases hepáticas de CCR.

5 Estudos realizados no exterior têm examinado a custo-efetividade da adição da 18 FDG- PET para essa indicação, tanto através de modelagens (PARK et al, 2001; LEJEUNE et al, 2005; ZUBELDIA et al, 2005) como em paralelo a ensaios clínicos (RUERS et al, 2009; WIERING et al, 2010). Seus resultados sinalizam que a acurácia da PET resulta em benefícios para o paciente e para o sistema de saúde, principalmente no que se refere à redução do número de hepatectomias desnecessárias no seguimento pós-tratamento do CCR. Objetivos Estimar, na perspectiva do Sistema Único de Saúde, a custo-efetividade da 18 FDG-PET adicionada aos métodos convencionais de detecção de metástases com vistas à seleção de candidatos à cirurgia em pacientes com suspeita de recaída hepática do câncer de colon e reto. Metodologia Foi realizada uma análise de custo-efetividade do uso da 18 FDG-PET/TC em comparação ao método convencional utilizado para seleção de pacientes candidatos à ressecção de metástases hepáticas metacrônicas. A população de referência foi constituída de uma coorte hipotética de pacientes adultos, de ambos os sexos, submetidos à ressecção cirúrgica do CCR primário e que, no seguimento de rotina (envolvendo exame clínico e dosagem sérica de CEA), apresentavam níveis crescentes do marcador tumoral e eram identificados como suspeitos de recorrência metastática em fígado. Construiu-se um modelo de decisão analítico, em que as árvores de decisão ilustravam as opções alternativas de detecção da doença metastática e suas possíveis consequências em termos de diagnóstico e tratamento. Foram comparadas as seguintes estratégias diagnósticas: (1) procedimento convencionalmente utilizado, baseado em TC contrastada de tórax, abdômen e pelve; (2) uso de PET-TC de corpo inteiro para todos os pacientes; e (3) uso de PET-TC apenas nos pacientes com resultados negativos à TC contrastada. Esta alternativa contemplava os resultados das duas técnicas de imagem e poderia permitir um uso mais seletivo da PET-TC, considerado como relevante de ser avaliada em decorrência das potenciais dificuldades de acesso à nova tecnologia, em virtude de seu alto custo e ainda baixa disponibilidade no país (figura 1).

6 Figura 1: Estratégias sob comparação utilizadas no estudo de custo-efetividade TC contrastada de tórax, abdômen e pelve Estratégia 1 (Convencional) Paciente com suspeita de Metástases PET-TC para todos Hepáticas Metacrônicas de CCR Estratégia 2 TC contrastada + PET-TC em TC negativa Estratégia 3 O desfecho de interesse foi a redução do número de cirurgias desnecessárias, considerando a potencialidade da 18 FDG-PET em detectar doença irressecável e metástases hepáticas e extra-hepáticas previamente não suspeitadas pela técnica convencional. Cirurgias desnecessárias incluíam: (i) cirurgias hepáticas sem potencial curativo, devido à presença de lesões extra-hepáticas não diagnosticadas previamente pelas técnicas de imagem; (ii) laparotomias sem cirurgia hepática ( abrir e fechar, pela detecção de inoperabilidade só detectada durante o procedimento); (iii) pacientes sem recorrência ou com recorrência restrita a outros órgãos classificados erroneamente pelas técnicas de imagem como tendo comprometimento hepático que não se comprovava à cirurgia (isto é, laparotomias desnecessárias). A época da pesquisa, não existiam publicadas diretrizes nacionais acerca do manuseio das metástases hepáticas do CCR. As condutas clínicas e desfechos modelados nas árvores de decisão tomaram por base o disposto em protocolos internacionais de manuseio da condição presentes na literatura (NCCN, 2013; SIGN, 2011; NICE, 2011; GARDEN et al, 2006; ADAM et al, 2012) e em consulta a especialistas (oncologistas e cirurgiões oncológicos) nacionais. O estudo partiu do suposto que a ausência de doença extra-hepática era o mais importante fator que influenciava a ressecabilidade e assumiu que pacientes classificados como tendo metástases extra-hepáticas eram considerados como não candidatos à cirurgia hepática curativa e encaminhados à quimioterapia paliativa (QMTP) com 5-fluoroecil + acido folínico + oxaliplatina (FOLFOX), por 12 ciclos/6 meses, esquema coberto pelo SUS como opção de QMT paliativa para cólon e reto estágio IV 1ª linha. Cirurgias para tratamento de metástases em outros órgãos diferentes do fígado não foram modeladas. Pacientes com doença restrita ao fígado e considerados primariamente ressecáveis pelas técnicas de imagem eram direcionados à cirurgia. Como protocolos de manuseio das metástases hepáticas sugerem que alguns casos irressecáveis podem ser transformados

7 em candidatos à terapia cirúrgica curativa com uso de quimioterapia de conversão (QMTConv.), esta alternativa foi também incluída nas árvores. Probabilidade de uso de QMTConv. foi alimentada como sendo de 30% no caso de referência, tomando por base a literatura e opinião dos especialistas consultados. Pacientes submetidos à quimioterapia (QMTP ou QMTconv.) eram monitorados ao longo do tratamento, a partir de controle clínico com especialista e avaliação laboratorial (hemograma completo + plaquetas, escórias urinárias; provas de função hepática) antes do início de cada ciclo, em função dos eventos adversos associados aos quimioterápicos. Foi assumido que os pacientes que não apresentavam recorrência metastática às imagens eram tratados com uma conduta expectante e reciclados na árvore, com a mesma estratégia de manuseio (isto é, voltavam a ser reavaliados com CEA e TC ou CEA + PET-TC) dentro de seis meses, quando podiam ser acuradamente estadiados ou não, com as condutas reproduzindo as mesmas possibilidades diagnósticas e terapêuticas já mencionadas. Ao final de duas reavaliações, se eles ainda se mostravam negativos para recorrência, nenhuma outra investigação ou tratamento era realizado. Diversos tipos de técnicas cirúrgicas são passíveis de serem empregadas na ressecção de lesões hepáticas metastáticas, dependendo do número, localização e tipo de lesão encontrada no fígado. O tipo de cirurgia pode impactar nos custos e, também, na taxa de mortalidade. Não foi identificada estimativa da frequência dos tipos de técnicas cirúrgicas empregadas no país na literatura nacional, sendo as frequências dos procedimentos estimadas a partir dos especialistas nacionais consultados. Alguns pacientes, mesmo com recorrência limitada ao fígado, podem não ter suas lesões passíveis de ressecção por dificuldades anatômicas só descobertas no ato operatório, que impedem tecnicamente a cirurgia (SCHEELE et al, 1991; BENNETT et al, 2005). Irressecabilidade técnica em pacientes com status de doença restrita ao fígado foi estimada em 10%, derivada da literatura (JARNAGIN et al, 1999; BENNETT et al, 2005; BICKENBACH et al, 2012). Esses pacientes eram submetidos apenas a laparotomias exploratórias. A taxa de mortalidade cirúrgica associada às ressecções hepáticas vem decaindo na última década e foi utilizada a mediana encontrada no estudo de Mayo (2011). Por fim, dada à ausência de consenso nos guidelines, não foi considerado o uso de laparoscopia pré-cirurgia (PAWLIK e CHOTI, 2007, ADAM et al, 2012). Da mesma

8 forma, o uso do ultrassom intraoperatório não foi incluido nas árvores de decisão porque a tecnologia não se encontra presente nas tabelas de pagamento do SUS A perspectiva utilizada no estudo foi a do sistema público de saúde, sendo a análise realizada considerando o SUS como financiador do sistema. Foram considerados todos os custos médicos diretos associados com a detecção com os métodos convencionais e com a 18 FDG PET-TC, bem como o custo da assistência médica, estabelecidos conforme o desfecho em tela. Os custos diretos foram subdivididos em custos do diagnóstico da recorrência metastática, dos procedimentos cirúrgicos e do tratamento não cirúrgico. Os custos dos procedimentos de PET-TC, ainda não presentes nas tabelas de reembolso do SUS, foram estimados em estudo específico pela técnica de microcustos, tomando por base a perspectiva de um provedor público de saúde e tendo o INCA como lócus de estudo (CAETANO et al, 2014). Valores de outros procedimentos diagnósticos e terapêuticos presentes nas tabelas de pagamento do SUS foram obtidos do Sistema de Gerenciamento da Tabela de Procedimentos, Medicamentos e OPM do SUS (SIGTAP), considerando as tabelas vigentes em abril de A eficiência comparativa das estratégias alternativas de estadiamento foram medidas pela relação incremental de custo-efetividade, definida, para uma estratégia específica, como o custo adicional de cada modalidade de estadiamento dividido pelo benefício adicional em saúde alcançado, medido pela redução no número de cirurgias desnecessárias. Para examinar o impacto das incertezas do modelo, foram realizadas análises de sensibilidade determinística univariada e probabilística, considerando os principais parâmetros clínicos, de acurácia das tecnologias e de alguns itens de custo. Para as análises de sensibilidade determinísticas, foram construídos diagramas de Tornado, que permitem comparar a importância relativa dos parâmetros e trazem as dez variáveis que representam os itens que mais contribuem para variabilidade no resultado, possibilitando que os decisores se concentrem nos elementos de maior impacto. Cada variável incerta foi modelada como um valor que flutuava dentro dos limites estabelecidos, enquanto todas as demais eram mantidas em seus valores de base. No caso da análise de sensibilidade probabilística, foi atribuída uma distribuição normal aos parâmetros clínicos e epidemiológicos e de custos, sendo rodadas simulações.

9 Resultados O estudo demonstrou que a adição da PET-TC na seleção cirúrgica de pacientes para ressecção hepática é mais acurada e elimina procedimentos cirúrgicos desnecessários decorrentes de doença extra-hepática não diagnosticada em comparação com a abordagem tradicional baseada em TC. A redução absoluta do risco de cirurgias desnecessárias com o uso da PET-TC restrita aos casos TC negativa é da ordem de 4,1%, enquanto com o uso da PET-TC situa-se em 2,6%, em comparação a detecção tradicional com a TC. Isso representa reduções nas cirurgias não curativas da ordem de, respectivamente, 73% e 46%. Entretanto, os valores por procedimento operatório desnecessário evitado são bastante elevados. Em comparação a estratégia convencional baseada em TC contrastada de tórax, abdômen e pelve, a utilização restrita da PET-TC a pacientes com resultados negativos à TC contrastada apresenta-se mais custo-efetiva (R$ ,70 por cirurgia desnecessária evitada) que o uso da PET-TC para todos (R$ ,13) (Tabela 1). Tabela 1: Custo-efetividade das estratégias de detecção de doença metastática do CCR em relação ao estadiamento convencional Estratégias de Detecção Custos (em R$) Δ Custos (em R$) Cirurgias desnecessárias evitadas Δ Cirurgias desnecessárias evitadas RCEI (em R$/cirurgia desnecessária evitada) TC contrastada para todos , PET-TC para todos , , ,13 PET-TC em TC negativa , , ,61 Legenda: Δ Diferencial; PET-TC Tomografia de emissão de pósitrons conjugada a Tomografia computadorizada; RCEI Razão de custo-efetividade incremental; TC Tomografia computadorizada de tórax, abdômen e pelve. Foram também estimados os custos esperados, as cirurgias desnecessárias prevenidas e os resultados de custo-efetividade das estratégias entre si, buscando identificar o custo incremental entre as duas estratégias que se utilizam da PET-TC. O uso da PET-TC restrita aos pacientes que se apresentam negativos ao exame com a TC continuou sendo a estratégia mais custo-efetiva e a RCEI sofreu redução para valores de R$72.782,00 por cirurgia desnecessária evitada. Em relação à estratégia que se mostrou mais custo-efetiva uso da PET-TC restrita aos casos que eram negativos a TC contrastada os parâmetros que produziram maior redução na razão de custo-efetividade incremental, estimada para o caso de referência em R$ ,61, foram a redução do custo da PET-TC (RCEI de R$ ,27),

10 menor especificidade da TC hepática (R$ ,00), diminuição do custo associado ao tratamento paliativo (R$ ,79), bem como o aumento na probabilidade de uso da quimioterapia de conversão (R$ ,92). Por outro lado, o aumento na especificidade da TC para lesões hepáticas produziu uma elevação da RCEI para R$ ,49 por cirurgia desnecessária evitada, seguida da redução da prevalência de recorrência metastática (R$ ,67) e aumento do custo do tratamento paliativo (R$ ,12, como pode ser visualizado no gráfico 1 a seguir. Gráfico 1: Diagrama de Tornado representando a análise de sensibilidade univariada das variáveis com impacto no custo por cirurgia hepática desnecessária com o uso da estratégia PET-TC para casos com resultados negativos de TC contrastada de tórax, abdômen e pelve Legenda: QMT Quimioterapia; PET-TC Tomografia de emissão de pósitrons conjugada a Tomografia computadorizada; RCEI Razão de custo-efetividade incremental; TC Tomografia computadorizada de tórax, abdômen e pelve. Análises de sensibilidade probabilística envolvendo simulações corroboraram os resultados apresentados. O uso da PET-TC restrita aos casos com TC negativa (gráfico 2), estratégia que apresentou melhor razão de custo-efetividade incremental, apresenta uma distribuição de pontos sugerindo custo mais elevado que o emprego da PET-TC para todos, como também resultados em termos de cirurgias desnecessárias evitadas mais difusos mas que se colocam sempre no quadrante de maior efetividade.

11 Gráfico 2: Plano de custo-efetividade para a estratégia utilizando PET-TC detecção de recorrência hepática pós-ressecção do CCR nos casos com resultados negativos de TC contrastada de tórax, abdômen e pelve, em relação a detecção convencional Observação: A reta delimita um valor de três vezes o PIB per capita = R$ /desfecho, correspondendo a R$6.810/0.1 desfecho. Discussão Os resultados do estudo apontam que a inclusão da 18 FDG-PET-TC para detecção de doença metastática hepática metacrônica passível de ressecção cirúrgica é efetiva, em comparação ao estadiamento com TC contrastada apenas, como convencionalmente utilizado. Ambas as estratégias utilizando PET produzem redução no número de cirurgias desnecessárias evitadas, sendo esta diminuição maior com a opção que utilizava a imagem PET em sequência a um resultado negativo da TC contrastada de tórax, abdômen e pelve. Neste caso, mais indivíduos são diagnosticados com doença extrahepática, em parte pela TC e em parte pela imagem PET aplicada aos casos de TC negativa, evitando-se seu encaminhamento a uma ressecção sem potencial curativo ou impacto significativo posterior na sobrevida. Considerando a maior efetividade dessa estratégia em termos de diminuição de cirurgias fúteis, esta opção seria preferida em relação ao uso da PET-TC para todos, ainda que o uso desta última também se reflita em menor quantidade de procedimentos cirúrgicos que a TC.

12 O número de indivíduos direcionados ao tratamento paliativo, por conta do diagnóstico de lesão extra-hepática isolada ou associada a comprometimento do fígado, também é maior no caso da estratégia PET de uso mais restrito. Como consequência, os custos dessa estratégia são mais elevados que as outras duas estratégias comparadas, em virtude principalmente do maior número de pacientes encaminhados à quimioterapia, procedimento de custo elevado, como também pelos acréscimos dos custos de realização de TC contrastada prévia em todos os pacientes. A despeito disso e por conta do maior número de cirurgias desnecessárias evitadas, o uso da imagem com 18 FDG-PET restrito aos pacientes negativos para doença extrahepática à TC foi a estratégia que se mostrou mais custo-efetiva. Entretanto, isso se faz a um valor alto, de R$ ,61 por cirurgia desnecessária evitada. No caso do uso da PET-TC para todos, o valor da razão de custo-efetividade incremental, em relação à TC, é ainda mais elevado, atingindo aproximadamente 118 mil reais. Ou seja, embora efetivas, os custos por procedimento cirúrgico desnecessário evitado dificultam (e, quiçá, inviabilizam) seu uso em larga escala, especialmente no SUS. Os custos das cirurgias desnecessárias não se limitam aos valores financeiros pagos pelo sistema de saúde com sua preparação e realização, dado que implicam também em mortalidade e morbidade associadas ao procedimento operatório e que não necessitariam ser incorridas por pacientes usualmente de mais idade e já debilitados por uma doença grave. Mesmo com a mortalidade cirúrgica se reduzindo nos últimos anos para valores inferiores a 5%, as taxas de morbidade perioperatória decorrentes principalmente de sangramento, abcessos peri-hepáticos, fistula ou vazamento biliares, e falência hepática permanecem na faixa de 20% (PAWLIK e CHOTI, 2007). Ainda assim e considerando o desfecho intermediário examinado (cirurgia desnecessária evitada), é importante ter em mente que, pelo SUS, os valores de tabela do procedimento operatório situam-se em R$ 2.125,44, para a cirurgia de maior porte (lobectomia/hepatectomia parcial), o qual ainda se mantém relativamente baixo mesmo que acrescidos das diárias de UTI e da investigação pré-operatória. Dos demais procedimentos cirurgicos, o valor pago é ainda menor. Algumas variáveis mostraram impacto significativo nos resultados encontrados, ainda que nenhuma delas tenha conseguido tornar as estratégias utilizando PET-TC menos custo-efetivas que a TC. Variações nos parâmetros de três variáveis tiveram poder de, nas análises determinísticas univariadas, inverter a RCEI a favor da estratégia de PET-

13 TC para todos: custo do procedimento PET-TC, custos da quimioterapia paliativa e especificidade da PET-TC. A mais importante destas foi o custo do procedimento PET; sua redução produzia diminuição significativa nos custos de ambas as opções que empregavam esta tecnologia. Para melhor contextualizar a importância da incerteza que ronda esta variável, deve ser lembrado que, no Brasil, a PET é uma tecnologia ainda sem grande difusão e não se encontrava coberta pelo SUS à época dessa pesquisa. A análise empregando o limite inferior do intervalo reduz custos e torna a PET-TC para todos mais custo-efetiva (RCEI de R$ ,09) que seu uso restrito aos pacientes com resultados de TC negativos (RCEI de R$ ,27), em comparação a estratégia convencional. Isso se deve ao fato de que os custos do tratamento quimioterápico, que não se modificaram, têm influência maior nesta última. Nessa situação, inclusive, os custos por cirurgia desnecessária evitada se tornam inferiores a R$ ,00, ainda assim muito elevados. A distribuição de pontos obtidos nas análises de sensibilidade probabilística realizadas situa-se prioritariamente no quadrante I do plano de custo-efetividade, indicando que as estratégias com uso da PET-TC se associam a maiores chances destas terem custo mais elevado e também maior efetividade que a detecção baseada em TC contrastada de tórax, pelve e abdômen. Entretanto, no caso do uso da PET-TC para todos existe incerteza sobre sua maior efetividade em relação à opção hoje tradicionalmente utilizada. Algumas limitações deste estudo merecem ser assinaladas. Modelos analíticos de decisão representam simplificações da realidade e nem todos os fatores podem ser expressos em termos de modelagens de efetividade e custos (BRIGGS et al, 2007). Ainda assim, seus resultados podem servir como mais um subsídio aos processos de decisão, na medida em que estimam os efeitos sobre as consequências e custos de uma intervenção e revelam conexões entre os pressupostos e dados e os resultados do modelo (RODRÍGUEZ BARRIOS, 2004), ajudando a identificar a via preferível entre dois ou mais cenários clínicos/possibilidades de intervenção. A extensa gama de variáveis e pressupostos testados nas análises de sensibilidade, por sua vez, ajuda na compreensão das incertezas e de seus impactos nos resultados obtidos, facilitando a apropriação dos resultados pelos decisores e outros interessados. Uma análise de custo-efetividade compara intervenções alternativas usando custos e uma medida comum de eficácia, que no estudo em tela correspondeu à redução no

14 número de cirurgias desnecessárias. Em todos os cenários, e mormente no nosso, intervenções que permitam o uso mais racional dos recursos escassos, selecionando melhor os pacientes efetivamente candidatos a se beneficiar das cirurgias, evitando procedimentos fúteis e sem o valor curativo pretendido, pode não apenas economizar custos mas potencialmente otimizar no funcionamento do sistema de saúde e os resultados em saúde. O uso deste desfecho intermediário escolhido não pode ser facilmente traduzido em resultados finalísticos em saúde, como mortes evitadas ou ganho em sobrevida, ou em acréscimos na qualidade de vida. Entretanto, é perfeitamente razoável supor que evitar procedimentos sem potencial curativo induz a impactos na morbimortalidade associada ao procedimento operatório e a melhorias na qualidade de vida dos pacientes. As faixas etárias de maior incidência do CCR (dos 50 a 70 anos, aumentando diretamente com a idade), o fato de o paciente ser submetido a uma cirurgia de porte pelo menos médio, e as taxas de mortalidade (1 a 5%) e de complicações cirúrgicas associadas ao procedimento operatório são elementos que reforçam essa suposição. A falta de estimativas nacionais precisas sobre a sobrevida associada aos diferentes estados de saúde componentes da árvore de decisão e de dados sobre as preferências dos pacientes e a qualidade de vida não estão disponíveis em nosso meio contribuíram para a opção por uma análise de custo-efetividade e pelo desfecho utilizado. O modelo desenvolvido é passível de adaptações futuras que incorpore estes elementos e reitera-se a importância de realização de investigações econômicas posteriores que utilizem desfechos refletindo estas medidas finalísticas. Conclusões Embora efetivas, os elevados custos por procedimento cirúrgico desnecessário evitado com o uso da PET na indicação explorada são um elemento importante a ser considerado na sua incorporação para uso em larga escala no SUS. Recomenda-se o desenvolvimento futuro de outras avaliações econômicas explorando o impacto da adição do procedimento PET-TC em termos de desfechos finalísticos em saúde, de modo a explorar potenciais ganhos e custos relacionados à sobrevida e a qualidade de vida dos pacientes com a neoplasia em tela, bem como a realização de análise que estime o impacto econômico da incorporação da tecnologia no orçamento do SUS.

15 Referências Abdalla EK, et al. Recurrence and outcomes following hepatic resection, radiofrequency ablation, and combined resection/ablation for colorectal liver metastases. Ann Surg 2004; 239(6): Adam R, et al. Rescue surgery for unresectable colorectal liver metastases downstaged by chemotherapy: a model to predict long-term survival. Ann Surg. 2004;240(4): Adam R, et al. The Oncosurgery Approach to Managing Liver Metastases from Colorectal Cancer: A Multidisciplinary International Consensus. Oncologist. 2012;17(10): Bennett JJ, Cao D, Posner MC. Determinants of unresectability and outcome of patients with occult colorectal hepatic metastases. J Surg Oncol. 2005;92(1):64-9. Bickenbach KA, et al. Risk of occult irresectable disease at liver resection for hepatic colorectal cancer metastases: a contemporary analysis. Ann Surg Oncol. 2013;20(6): Brasil. Instituto Nacional de Câncer José Alencar Gomes da Silva. Estimativa 2014: incidência de câncer no Brasil. Rio de Janeiro: Inca, Briggs A, Sculpher M, Claxton K. Decision Modelling for Health Economic Evaluation. Oxford, U.K.: Oxford University Press; 2007 Brush J, et al. The value of FDG positron emission tomography/computerised tomography (PET/CT) in pre-operative staging of colorectal cancer: a systematic review and economic evaluation. Health Technol Assess. 2011;15(35):1-192, iii-iv. Caetano R, et al. Análise dos custos do procedimento PET-TC com 18 F-FDG na perspectiva do SUS provedor: estudo em uma unidade pública de saúde do Rio de Janeiro, Brasil. Cad. Saúde Pública 2014; 30(2): Garden OJ, Rees M, Poston GJ, Mirza D, Saunders M, Ledermann J, et al. Guidelines for resection of colorectal cancer liver metastases. Gut 2006;55(Suppl III):iii1 iii8. Jarnagin WR, et al. Liver resection for metastatic colorectal cancer: assessing the risk of occult irresectable disease. J Am Coll Surg. 1999;188(1):33-42.

16 Lejeune C, et al. Use of a decision analysis model to assess the cost-effectiveness of 18F-FDG PET in the management of metachronous liver metastases of colorectal cancer. J Nucl Med 2005;46(12): Mayo SC, et al. Shifting trends in liver-directed management of patients with colorectal liver metastasis: a population-based analysis. Surgery 2011;150(2): Misiakos EP, Karidis NP, Kouraklis G. Current treatment for colorectal liver metastases. World J Gastroenterol 2011;17(36): MSAC.Medicare Services Advisory Committee. Positron emission tomography for recurrent colorectal cancer. Austrália: The Medical Services Advisory Committee (MSAC): Assessment report # MSAC reference 35a, Assessment report, 2007 August. National Comprehensive Cancer Network (NCCN). NCCN Clinical Practice Guidelines in Oncology for Colon Cancer and for Rectal Cancer.Version Disponível in: acessado em National Institute for Health and Clinical Excellence (NICE).Colorectal cancer: the diagnosis and management of colorectal cancer. Clinical guidelines, CG131, November Disponível in: acessado em Park KC, et al. Decision analysis for the cost-effective management of recurrent colorectal cancer. Ann Surg 2001;233(3): Pawlik TM, et al.: Trends in nontherapeutic laparotomy rates in patients undergoing surgical therapy for hepatic colorectal metastases. Ann Surg Oncol 2009;16(2): Pawlik TM, Choti MA. Surgical Therapy for Colorectal Metastases to the Liver. J Gastrointest Surg 2007;11(8): Ribeiro HS, et al. Prognostic factors for survival in patients with colorectal liver metastases: experience of a single Brazilian cancer center. Arq Gastroenterol. 2012;49(4): Rodríguez Barrios JM. Papel de los modelos en las evaluaciones económicas en el campo sanitário. Farm Hosp (Madrid) 2004;28(4):

17 Ruers TJ, et al. Improved selection of patients for hepatic surgery of colorectal liver metastases with 18F-FDG PET: A randomized study. J Nucl Med 2009;50(7): Scheele J, et al. Resection of colorectal liver metastases. World J Surg 1995; 19(1): Scottish Intercollegiate Guidelines Network (SIGN). Diagnosis and management of colorectal cancer. Edinburgh: SIGN; [December 2011]. Disponível in: acessado em Steele G Jr, et al. A prospective evaluation of hepatic resection for colorectal carcinoma metastases to the liver: Gastrointestinal Tumor Study Group Protocol J Clin Oncol 1991;9(7): Stewart GD, et al. The extent of resection influences outcome following hepatectomy for colorectal liver metastases. Eur J Surg Oncol. 2004;30(4): Taylor A, Kanas G, Langeberg W et al. Survival after surgical resection of hepatic metastases from colorectal cancer: A systematic review and meta-analysis. Ann Oncol 2010;21(suppl 8):632P. Topal B, et al. Patterns of failure following curative resection of colorectal liver metastases. Eur J Surg Oncol 2003;29(3): Wiering B, et al. Added value of positron emission tomography imaging in the surgical treatment of colorectal liver metastases. Nucl Med Commun. 2010;31(11): Zubeldia JM, et al. The economic impact of 18 FDG positron emission tomography in the surgical management of colorectal cancer with hepatic metastases. Cancer Biother Radiopharm 2005;20(4):450-6.

Tema: Uso do pet scan em pacientes portadores de câncer

Tema: Uso do pet scan em pacientes portadores de câncer Data: 27/11/2012 Nota Técnica 23/2012 Medicamento Material Procedimento X Cobertura Solicitante: Bruna Luísa Costa de Mendonça Assessora do Juiz da 2ª Vara Cível Numeração Única: 052512020931-3 Tema: Uso

Leia mais

Departamento de Cirurgia da Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa de São Paulo

Departamento de Cirurgia da Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa de São Paulo Departamento de Cirurgia da Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa de São Paulo TRATAMENTO CIRÚRGICO DAS METÁSTASES HEPÁTICAS Carcinoma Metastático do Fígado METÁSTASES HEPÁTICAS Neoplasia primeira

Leia mais

PECOGI A.C.Camargo Cancer Center PROGRAMA 2014

PECOGI A.C.Camargo Cancer Center PROGRAMA 2014 PECOGI A.C.Camargo Cancer Center PROGRAMA 2014 21/08 QUINTA-FEIRA 7:50 8:00 Abertura 8:00 9:30 Mesa Redonda: CEC de Esôfago 8:00 8:15 Ferramentas de estadiamento na neoplasia esofágica. É possível individualizar

Leia mais

Atualidades na doença invasiva do colo uterino: Seguimento após tratamento. Fábio Russomano IFF/Fiocruz Trocando Idéias 29 a 31 de agosto de 2013

Atualidades na doença invasiva do colo uterino: Seguimento após tratamento. Fábio Russomano IFF/Fiocruz Trocando Idéias 29 a 31 de agosto de 2013 Atualidades na doença invasiva do colo uterino: Seguimento após tratamento Fábio Russomano IFF/Fiocruz Trocando Idéias 29 a 31 de agosto de 2013 Objetivos do seguimento após tratamento de Câncer Detecção

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO PAULO Escola Paulista de Medicina Departamento de Diagnóstico por Imagem Adenocarcinoma de Pâncreas Bruno Sérgio de Souza Bernardes Sólidos: Tumores do Pâncreas Classificação

Leia mais

Câncer do pâncreas. Orlando Jorge Martins Torres Professor Livre-Docente UFMA

Câncer do pâncreas. Orlando Jorge Martins Torres Professor Livre-Docente UFMA Câncer do pâncreas Orlando Jorge Martins Torres Professor Livre-Docente UFMA Diagnóstico A tomografia helicoidal com dupla fase é o melhor exame de imagem para diagnosticar e estadiar uma suspeita de carcinoma

Leia mais

Impacto orçamentário da incorporação da PET-TC para estadiamento do câncer de pulmão de células não-pequenas na perspectiva do SUS financiador

Impacto orçamentário da incorporação da PET-TC para estadiamento do câncer de pulmão de células não-pequenas na perspectiva do SUS financiador Impacto orçamentário da incorporação da PET-TC para estadiamento do câncer de pulmão de células não-pequenas na perspectiva do SUS financiador Aline Navega Biz 1, Rosângela Caetano 2 Resumo Na introdução

Leia mais

EMENTA: Câncer urológico - Critérios de alta para pacientes com câncer CONSULTA

EMENTA: Câncer urológico - Critérios de alta para pacientes com câncer CONSULTA PARECER Nº 2422/2013 CRM-PR PROCESSO CONSULTA N.º 11/2013 PROTOCOLO N. º 10115/2013 ASSUNTO: CRITÉRIOS DE ALTA DE SERVIÇOS DE CANCEROLOGIA PARECERISTA: CONS. JOSÉ CLEMENTE LINHARES EMENTA: Câncer urológico

Leia mais

André Salazar e Marcelo Mamede CANCER PATIENTS: CORRELATION WITH PATHOLOGY. Instituto Mário Penna e HC-UFMG. Belo Horizonte-MG, Brasil.

André Salazar e Marcelo Mamede CANCER PATIENTS: CORRELATION WITH PATHOLOGY. Instituto Mário Penna e HC-UFMG. Belo Horizonte-MG, Brasil. F-FDG PET/CT AS A PREDICTOR OF INVASIVENESS IN PENILE CANCER PATIENTS: CORRELATION WITH PATHOLOGY André Salazar e Marcelo Mamede Instituto Mário Penna e HC-UFMG. Belo Horizonte-MG, Brasil. 2014 CÂNCER

Leia mais

RELATÓRIO PARA A. SOCIEDADE informações sobre recomendações de incorporação de medicamentos e outras tecnologias no SUS

RELATÓRIO PARA A. SOCIEDADE informações sobre recomendações de incorporação de medicamentos e outras tecnologias no SUS RELATÓRIO PARA A SOCIEDADE informações sobre recomendações de incorporação de medicamentos e outras tecnologias no SUS RELATÓRIO PARA A SOCIEDADE Este relatório é uma versão resumida do relatório técnico

Leia mais

Diretrizes ANS para realização do PET Scan / PET CT. Segundo diretrizes ANS

Diretrizes ANS para realização do PET Scan / PET CT. Segundo diretrizes ANS Diretrizes ANS para realização do PET Scan / PET CT Segundo diretrizes ANS Referencia Bibliográfica: Site ANS: http://www.ans.gov.br/images/stories/a_ans/transparencia_institucional/consulta_despachos_poder_judiciari

Leia mais

Juíz de Direito do 3º JESP do Juizado Especial da Comarca de Pouso Alegre

Juíz de Direito do 3º JESP do Juizado Especial da Comarca de Pouso Alegre NT 40/2013 Solicitante: NAPOLEÃO DA SILVA CHAVES Juíz de Direito do 3º JESP do Juizado Especial da Comarca de Pouso Alegre Data: 04/04/2013 Medicamento Material Procedimento x Cobertura Numeração: 004561-6/13

Leia mais

13. CONEX Pôster Resumo Expandido 1 O PROJETO DE EXTENSÃO CEDTEC COMO GERADOR DE FERRAMENTAS PARA A PESQUISA EM CÂNCER DE MAMA

13. CONEX Pôster Resumo Expandido 1 O PROJETO DE EXTENSÃO CEDTEC COMO GERADOR DE FERRAMENTAS PARA A PESQUISA EM CÂNCER DE MAMA 13. CONEX Pôster Resumo Expandido 1 ISSN 2238-9113 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE (X ) SAÚDE ( ) TRABALHO

Leia mais

Quimioterapia de Conversão no Câncer Colorretal: Qual a melhor estratégia?

Quimioterapia de Conversão no Câncer Colorretal: Qual a melhor estratégia? Quimioterapia de Conversão no Câncer Colorretal: Qual a melhor estratégia? Marcelo R. S. Cruz Oncologia Clínica Hospital São José Beneficência Protuguesa de São Paulo Invetigador Principal: Lilly, Roche

Leia mais

INSTITUTO DE PREVIDÊNCIA DO ESTADO DO RS PORTARIA 13/2014

INSTITUTO DE PREVIDÊNCIA DO ESTADO DO RS PORTARIA 13/2014 PORTARIA 13/2014 Dispõe sobre os parâmetros do exame PET-CT Dedicado Oncológico. O DIRETOR-PRESIDENTE DO INSTITUTO DE PREVIDÊNCIA DO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL-IPERGS, no uso de suas atribuições conferidas

Leia mais

TEMA: Temozolomida para tratamento de glioblastoma multiforme

TEMA: Temozolomida para tratamento de glioblastoma multiforme NOTA TÉCNICA 2014 Solicitante Dr. Renato Martins Prates Juiz Federal da 8ª Vara Data: 19/02/2014 Medicamento X Material Procedimento Cobertura TEMA: Temozolomida para tratamento de glioblastoma multiforme

Leia mais

O Que solicitar no estadiamento estádio por estádio. Maria de Fátima Dias Gaui CETHO

O Que solicitar no estadiamento estádio por estádio. Maria de Fátima Dias Gaui CETHO O Que solicitar no estadiamento estádio por estádio Maria de Fátima Dias Gaui CETHO Introdução Objetivo: Definir a extensão da doença: Estadiamento TNM (American Joint Committee on Cancer ). 1- Avaliação

Leia mais

CAMPANHA PELA INCLUSÃO DA ANÁLISE MOLECULAR DO GENE RET EM PACIENTES COM CARCINOMA MEDULAR E SEUS FAMILIARES PELO SUS.

CAMPANHA PELA INCLUSÃO DA ANÁLISE MOLECULAR DO GENE RET EM PACIENTES COM CARCINOMA MEDULAR E SEUS FAMILIARES PELO SUS. Laura S. W ard CAMPANHA PELA INCLUSÃO DA ANÁLISE MOLECULAR DO GENE RET EM PACIENTES COM CARCINOMA MEDULAR E SEUS FAMILIARES PELO SUS. Nódulos da Tiróide e o Carcinoma Medular Nódulos da tiróide são um

Leia mais

Data: 07/12/2012. Medicamento X Material Procedimento Cobertura. TEMA: Pet CT no câncer de colon e no câncer gástrico

Data: 07/12/2012. Medicamento X Material Procedimento Cobertura. TEMA: Pet CT no câncer de colon e no câncer gástrico NT 43/2012 Solicitante: Ilma Dra Jacqueline de Souza Toledo e Dutra Juíza de Direito do 2º JESP do Juizado Especial da Comarca de Pouso Alegre Numeração: 0162231-94.2012.8.13.0525 Data: 07/12/2012 Medicamento

Leia mais

Tratamento do câncer no SUS

Tratamento do câncer no SUS 94 Tratamento do câncer no SUS A abordagem integrada das modalidades terapêuticas aumenta a possibilidade de cura e a de preservação dos órgãos. O passo fundamental para o tratamento adequado do câncer

Leia mais

Seminário de Residência Médica de Cancerologia Clínica Seminar of Residence in Clinical Oncology

Seminário de Residência Médica de Cancerologia Clínica Seminar of Residence in Clinical Oncology RESIDÊNCIA MÉDICA Seminário de Residência Médica de Cancerologia Clínica Seminar of Residence in Clinical Oncology José Luiz Miranda Guimarães* Neste número estamos divulgando o resultado parcial do Seminário

Leia mais

TEMA: Temozolomida para tratamento de glioblastoma multiforme

TEMA: Temozolomida para tratamento de glioblastoma multiforme NOTA TÉCNICA 256/2013 Solicitante Dr. Carlos Renato de Oliveira Corrêa Juiz de Direito São Domingos do Prata Data: 19/12/2013 Medicamento X Material Procedimento Cobertura Processo número: 0610.13.002372-0

Leia mais

Registro Hospitalar de Câncer de São Paulo:

Registro Hospitalar de Câncer de São Paulo: Registro Hospitalar de Câncer de São Paulo: Análise dos dados e indicadores de qualidade 1. Análise dos dados (jan ( janeiro eiro/2000 a setembro/201 /2015) Apresenta-se aqui uma visão global sobre a base

Leia mais

Numeração Única: 0112.14.001131-6 TEMA: TAMOXIFENO NO TRATAMENTO ADJUVANTE DO CANCER DE MAMA

Numeração Única: 0112.14.001131-6 TEMA: TAMOXIFENO NO TRATAMENTO ADJUVANTE DO CANCER DE MAMA NT 38/2013 Solicitante: Dra. Renata Abranches Perdigão do JESP da Fazenda Pública de Campo Belo Data: 22/02/2014 Medicamento X Material Procedimento Cobertura Numeração Única: 0112.14.001131-6 TEMA: TAMOXIFENO

Leia mais

BOLETIM ELETRÔNICO DO GRUPO TÉCNICO DE AVALIAÇÃO E INFORMAÇÕES DE SAÚDE

BOLETIM ELETRÔNICO DO GRUPO TÉCNICO DE AVALIAÇÃO E INFORMAÇÕES DE SAÚDE GAI informa junho/2009 ano 1 nº2 BOLETIM ELETRÔNICO DO GRUPO TÉCNICO DE AVALIAÇÃO E INFORMAÇÕES DE SAÚDE Editorial Neste segundo número do Boletim Gais Informa apresenta-se um resumo das principais discussões

Leia mais

Diagnóstico do câncer

Diagnóstico do câncer UNESC FACULDADES ENFERMAGEM - ONCOLOGIA FLÁVIA NUNES Diagnóstico do câncer Evidenciado: Investigação diagnóstica por suspeita de câncer e as intervenções de enfermagem no cuidado ao cliente _ investigação

Leia mais

Controle loco-regional na doença metastática

Controle loco-regional na doença metastática Câncer de pâncreas Controle loco-regional na doença metastática Fabio Kater Centro Paulista de Oncologia Hospital Nove de Julho Não tenho conflitos de interesse FIGURE 1 Ten Leading Cancer Types for the

Leia mais

Desigualdades no Acesso à Tecnologia: Relevância para Grupos de Pacientes

Desigualdades no Acesso à Tecnologia: Relevância para Grupos de Pacientes Desigualdades no Acesso à Tecnologia: Relevância para Grupos de Pacientes Capacitação ACS /FEMAMA 2012 Eduardo Cronemberger Oncologia em 120 anos Willian Halsted Aqui está minha sequencia! Mastectomia

Leia mais

como intervir Héber Salvador de Castro Ribeiro Departamento de Cirurgia Abdominal A.C. Camargo Cancer Center

como intervir Héber Salvador de Castro Ribeiro Departamento de Cirurgia Abdominal A.C. Camargo Cancer Center Esôfago de Barrett: quando acompanhar e como intervir Héber Salvador de Castro Ribeiro Departamento de Cirurgia Abdominal A.C. Camargo Cancer Center Não possuo conflitos de interesse; Esôfago de Barrett

Leia mais

CAPÍTULO 2 CÂNCER DE MAMA: AVALIAÇÃO INICIAL E ACOMPANHAMENTO. Ana Flavia Damasceno Luiz Gonzaga Porto. Introdução

CAPÍTULO 2 CÂNCER DE MAMA: AVALIAÇÃO INICIAL E ACOMPANHAMENTO. Ana Flavia Damasceno Luiz Gonzaga Porto. Introdução CAPÍTULO 2 CÂNCER DE MAMA: AVALIAÇÃO INICIAL E ACOMPANHAMENTO Ana Flavia Damasceno Luiz Gonzaga Porto Introdução É realizada a avaliação de um grupo de pacientes com relação a sua doença. E através dele

Leia mais

Analisar a sobrevida em cinco anos de mulheres. que foram submetidas a tratamento cirúrgico, rgico, seguida de quimioterapia adjuvante.

Analisar a sobrevida em cinco anos de mulheres. que foram submetidas a tratamento cirúrgico, rgico, seguida de quimioterapia adjuvante. Estudo de sobrevida de mulheres com câncer de mama não metastático tico submetidas à quimioterapia adjuvante Maximiliano Ribeiro Guerra Jane Rocha Duarte Cintra Maria Teresa Bustamante Teixeira Vírgilio

Leia mais

Tumor Desmoplásico de Pequenas Células Redondas: Relato de um caso.

Tumor Desmoplásico de Pequenas Células Redondas: Relato de um caso. Everton Pereira D. Lopes² Eduardo M Pracucho¹ Ricardo de Almeida Campos² Karla Thaiza Thomal¹ Celso Roberto Passeri¹ Renato Morato Zanatto¹ 1-Departamento de Cirurgia Oncológica Aparelho Digestivo Alto

Leia mais

TITULO: TEMPO DE PERMANÊNCIA E MORTALIDADE HOSPITALAR COMPARAÇÃO ENTRE HOSPITAIS PÚBLICOS E PRIVADOS

TITULO: TEMPO DE PERMANÊNCIA E MORTALIDADE HOSPITALAR COMPARAÇÃO ENTRE HOSPITAIS PÚBLICOS E PRIVADOS TITULO: TEMPO DE PERMANÊNCIA E MORTALIDADE HOSPITALAR COMPARAÇÃO ENTRE HOSPITAIS PÚBLICOS E PRIVADOS Autores: Mônica Martins Departamento de Administração e Planejamento em Saúde, Escola Nacional de Saúde

Leia mais

Journal of Thoracic Oncology Volume 3, Number 12, December 2008

Journal of Thoracic Oncology Volume 3, Number 12, December 2008 R1 CIT Vinícius Journal of Thoracic Oncology Volume 3, Number 12, December 2008 Prolongamento na sobrevida em pacientes com Câncer avançado não-pequenas células (CPNPC) Recentemente, 2 estudos randomizados,

Leia mais

Estamos prontos para guiar o tratamento com base no status do HPV?

Estamos prontos para guiar o tratamento com base no status do HPV? Controvérsias no Tratamento de Câncer de Cabeça e Pescoço Localmente Avançado Estamos prontos para guiar o tratamento com base no status do HPV? Igor A. Protzner Morbeck, MD, MSc Oncologista Clínico Onco-Vida,

Leia mais

Diretrizes Assistenciais

Diretrizes Assistenciais Diretrizes Assistenciais Protocolo de tratamento adjuvante e neoadjuvante do câncer de mama Versão eletrônica atualizada em Fevereiro 2009 Tratamento sistêmico adjuvante A seleção de tratamento sistêmico

Leia mais

CÂNCER GÁSTRICO PRECOCE

CÂNCER GÁSTRICO PRECOCE CÂNCER GÁSTRICO PRECOCE Hospital Municipal Cardoso Fontes Serviço de Cirurgia Geral Chefe do serviço: Dr. Nelson Medina Coeli Expositor: Dra. Ana Carolina Assaf 16/09/04 René Lambert DEFINIÇÃO Carcinoma

Leia mais

Linfadenectomia em câncer de próstata. Marcos Tobias Machado Setor de Uro-oncologia

Linfadenectomia em câncer de próstata. Marcos Tobias Machado Setor de Uro-oncologia Linfadenectomia em câncer de próstata Marcos Tobias Machado Setor de Uro-oncologia Diagnóstico do acometimento linfonodal em câncer de próstata Tomografia VPP:50% e VPN: 33% Ressonância magnética = TC

Leia mais

A Evolução da Morbidade e Mortalidade por Câncer de Mama entre a População Feminina de Minas Gerais 1995 a 2001 *

A Evolução da Morbidade e Mortalidade por Câncer de Mama entre a População Feminina de Minas Gerais 1995 a 2001 * A Evolução da Morbidade e Mortalidade por Câncer de Mama entre a População Feminina de Minas Gerais 1995 a 2001 * Andréa Branco Simão UFMG/Cedeplar Luiza de Marilac de Souza UFMG/Cedeplar Palavras Chave:

Leia mais

Câmara Técnica de Medicina Baseada em Evidências. Avaliação de Tecnologias em Saúde. Sumário das Evidências e Recomendações sobre o uso

Câmara Técnica de Medicina Baseada em Evidências. Avaliação de Tecnologias em Saúde. Sumário das Evidências e Recomendações sobre o uso Câmara Técnica de Medicina Baseada em Evidências Avaliação de Tecnologias em Saúde Sumário das Evidências e Recomendações sobre o uso do PET Scan no diagnóstico, e r do câncer de pulmão pequenas células

Leia mais

Gaudencio Barbosa R4 CCP HUWC Serviço de Cirurgia de Cabeça e Pescoço 02-2012

Gaudencio Barbosa R4 CCP HUWC Serviço de Cirurgia de Cabeça e Pescoço 02-2012 Gaudencio Barbosa R4 CCP HUWC Serviço de Cirurgia de Cabeça e Pescoço 02-2012 Abordagens combinadas envolvendo parotidectomia e ressecção do osso temporal as vezes são necessárias como parte de ressecções

Leia mais

Setor de PET/CT & Medicina Nuclear PET/CT (FDG) Agradecimento a Dra. Carla Ono por ceder material científico

Setor de PET/CT & Medicina Nuclear PET/CT (FDG) Agradecimento a Dra. Carla Ono por ceder material científico PET/CT (FDG) Agradecimento a Dra. Carla Ono por ceder material científico EMENTA 1. PET/CT com FDG: Conceitos básicos 2. PET/CT-FDG no CA de Pulmão e NPS: a. Indicações aprovadas pela ANS b. Bases científicas

Leia mais

2ª. PARTE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS

2ª. PARTE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS 2ª. PARTE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS CANCEROLOGIA 21. O melhor esquema terapêutico para pacientes com neoplasia maligna de bexiga, os quais são clinicamente inelegíveis para cirurgia radical, é: a) Ressecção

Leia mais

Carcinoma do pénis. La Fuente de Carvalho, Ph.D MD

Carcinoma do pénis. La Fuente de Carvalho, Ph.D MD Carcinoma do pénis La Fuente de Carvalho, Ph.D MD Epidemiologia - idade > 50 anos - 550 novos casos / ano (Reino Unido) - 1250 novos casos / ano (EUA) - Centro Registo California - entre 1988 2004 2.870

Leia mais

NLST: estamos prontos para o rastreamento do câncer de pulmão?

NLST: estamos prontos para o rastreamento do câncer de pulmão? NLST: estamos prontos para o rastreamento do câncer de pulmão? Vladmir Cláudio Cordeiro de Lima, MD, PhD Hospital A.C. Camargo São Paulo - Brasil Rastreamento do Câncer de Pulmão Fonte: World Health Organization.

Leia mais

Revisão Sistemática e Análise Econômica: TAVI para pacientes com estenose aórtica grave e inoperáveis. Otávio Clark otavio.clark@evidencias.com.

Revisão Sistemática e Análise Econômica: TAVI para pacientes com estenose aórtica grave e inoperáveis. Otávio Clark otavio.clark@evidencias.com. Revisão Sistemática e Análise Econômica: TAVI para pacientes com estenose aórtica grave e inoperáveis Otávio Clark otavio.clark@evidencias.com.br Declaração de conflitos de interesses Sócio da Evidências

Leia mais

PET/CT no estadiamento do câncer de esôfago e gástrico. Quando indicar?

PET/CT no estadiamento do câncer de esôfago e gástrico. Quando indicar? PET/CT no estadiamento do câncer de esôfago e gástrico. Quando indicar? ESÔFAGO ESÔFAGO - AVALIAÇÃO DO TUMOR PRIMÁRIO ULTRASSONOGRAFIA ENDOSCÓPICA É o método de escolha ESTADIAMENTO TUMORAL extensão do

Leia mais

Ilmo Senhor. Vereador Cesar Paulo Mossini. M.D Presidente da Câmara de Vereadores

Ilmo Senhor. Vereador Cesar Paulo Mossini. M.D Presidente da Câmara de Vereadores Ilmo Senhor Vereador Cesar Paulo Mossini M.D Presidente da Câmara de Vereadores O Vereador Jose Carlos Patricio, integrante da bancada do Partido da Social Democracia Brasileira, com assento nesta casa,

Leia mais

CIRURGIA CITORREDUTORA E NO TRATAMENTO DA CARCINOMATOSE PERITONEAL. Ademar Lopes

CIRURGIA CITORREDUTORA E NO TRATAMENTO DA CARCINOMATOSE PERITONEAL. Ademar Lopes CIRURGIA CITORREDUTORA E QUIMIOTERAPIA INTRAPERITONEAL HIPERTÉRMICA NO TRATAMENTO DA CARCINOMATOSE PERITONEAL Ademar Lopes CÂNCER COLORRETAL SOB mediana em doença avançada versus tratamento sistêmico Meyerhardt

Leia mais

VaIN II II e III há indicação para tratamentos não- excisionais?

VaIN II II e III há indicação para tratamentos não- excisionais? Trocando Idéias XIV - 2009 VaIN II II e III há indicação para tratamentos não- excisionais? Walquíria Quida Salles Pereira Primo Doutorado e Mestrado UnB Professora da Pós-graduação UnB Unidade de Ginecologia

Leia mais

Prostatectomia para doença localmente avançada. José Milfont Instituto de Urologia do Rio de Janeiro

Prostatectomia para doença localmente avançada. José Milfont Instituto de Urologia do Rio de Janeiro Prostatectomia para doença localmente avançada José Milfont Instituto de Urologia do Rio de Janeiro Apesar dos esforços para detecção precoce do câncer de próstata: 10% dos homens ainda são diagnosticados

Leia mais

TUMOR DE HIPOFARINGE. Serviço de Cirurgia de Cabeça e Pescoço HUWC. Mário Sérgio R. Macêdo

TUMOR DE HIPOFARINGE. Serviço de Cirurgia de Cabeça e Pescoço HUWC. Mário Sérgio R. Macêdo TUMOR DE HIPOFARINGE Serviço de Cirurgia de Cabeça e Pescoço HUWC Mário Sérgio R. Macêdo Anatomia Epidemiologia, Quadro Clínico, Diagnóstico e Estadiamento Tratamento Anatomia Epidemiologia O sítio mais

Leia mais

Capítulo 7 Estudos sobre Causalidade e Etiologia

Capítulo 7 Estudos sobre Causalidade e Etiologia L E I T u R A C R í T I C A D E A R T I G O S C I E N T í F I CO S 105 Capítulo 7 Estudos sobre Causalidade e Etiologia 7.1 Introdução Relembrando o que foi dito no capítulo 1 os estudos randomizados,

Leia mais

Módulo: Câncer de Rim Localizado

Módulo: Câncer de Rim Localizado Módulo: Câncer de Rim Localizado Caso 1 CAL, 56 anos, masculino Paciente médico, obeso (IMC = 41; peso 120 kg) Antecedentes clínicos: nefrolitíase Antecedentes cirúrgicos: Laparotomia mediana por divertículo

Leia mais

MELANOMA EM CABEÇA E PESCOÇO

MELANOMA EM CABEÇA E PESCOÇO UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ CIRURGIA DE CABEÇA E PESCOÇO MELANOMA EM CABEÇA E PESCOÇO COMPLICAÇÕES EM ESVAZIAMENTO CERVICAL UBIRANEI O. SILVA INTRODUÇÃO Incidência melanoma cutâneo: 10% a 25% Comportamento

Leia mais

ACADEMIA NACIONAL DE MEDICINA

ACADEMIA NACIONAL DE MEDICINA ACADEMIA NACIONAL DE MEDICINA PESQUISA DE LINFONODO SENTINELA NA CIRURGIA DO CÂNCER GÁSTRICO PRECOCE Guilherme Pinto Bravo Neto, TCBC-RJ Prof. Adjunto Departamentoamento de Cirurgia FM UFRJ Coordenador

Leia mais

Terapia hormonal prévia e adjuvante à radioterapia externa no tratamento do câncer de próstata

Terapia hormonal prévia e adjuvante à radioterapia externa no tratamento do câncer de próstata Terapia hormonal prévia e adjuvante à radioterapia externa no tratamento do câncer de próstata N o 145 Março/2015 2015 Ministério da Saúde. É permitida a reprodução parcial ou total desta obra, desde que

Leia mais

NORMA ATUARIAL Nº. 1

NORMA ATUARIAL Nº. 1 NORMA ATUARIAL Nº. 1 SELEÇÃO DE HIPÓTESES DEMOGRÁFICAS, BIOMÉTRICAS E OUTRAS NÃO-ECONÔMICAS PARA MENSURAÇÃO DE OBRIGAÇÕES DE UM PLANO DE BENEFÍCIOS Versão 001 PARA: Atuários MIBAS e CIBAS e outras Pessoas

Leia mais

Tomografia por Emissão de Pósitrons (PET-CT)

Tomografia por Emissão de Pósitrons (PET-CT) Universidade Federal do Rio Grande do Sul Instituto de Biociências Departamento de Biofísica Biofísica Biomédica III BIO10016 Tomografia por Emissão de Pósitrons (PET-CT) Franciele Giongo e Luíza Fortes

Leia mais

TEMA: Octreotida LAR no tratamento de tumor neuroendócrino

TEMA: Octreotida LAR no tratamento de tumor neuroendócrino NTRR 31/2013 Solicitante: Juiz Juarez Raniero Número do processo:0479.13.003726-6 Reu: Secretaria de Saúde de Passos Data: 25/03/2013 Medicamento x Material Procedimento Cobertura TEMA: Octreotida LAR

Leia mais

Declaração da OMS sobre Taxas de Cesáreas

Declaração da OMS sobre Taxas de Cesáreas Declaração da OMS sobre Taxas de Cesáreas Os esforços devem se concentrar em garantir que cesáreas sejam feitas nos casos em que são necessárias, em vez de buscar atingir uma taxa específica de cesáreas.

Leia mais

Estudos de Coorte: Definição

Estudos de Coorte: Definição Estudos de Coorte: Definição São estudos observacionais onde os indivíduos são classificados (ou selecionados) segundo o status de exposição, sendo seguidos para avaliar a incidência de doença. São conduzidos

Leia mais

Numeração Única: 112.13.008257-4 TEMA: TAMOXIFENO NO TRATAMENTO ADJUVANTE DO CANCER DE MAMA

Numeração Única: 112.13.008257-4 TEMA: TAMOXIFENO NO TRATAMENTO ADJUVANTE DO CANCER DE MAMA NT 209/2013 Solicitante: Dra. Renata Abranches Perdigão do JESP da Fazenda Pública de Campo Belo Data: 01/11/2013 Medicamento X Material Procedimento Cobertura Numeração Única: 112.13.008257-4 TEMA: TAMOXIFENO

Leia mais

TRATAMENTO PÓS OPERATÓRIO NO SEMINOMA E NÃO SEMINOMA DE ESTÁGIO I DE ALTO RISCO Daniel Fernandes Saragiotto

TRATAMENTO PÓS OPERATÓRIO NO SEMINOMA E NÃO SEMINOMA DE ESTÁGIO I DE ALTO RISCO Daniel Fernandes Saragiotto TRATAMENTO PÓS OPERATÓRIO NO SEMINOMA E NÃO SEMINOMA DE ESTÁGIO I DE ALTO RISCO Daniel Fernandes Saragiotto Médico Assistente do Instituto do Câncer do Estado de São Paulo (ICESP) FMUSP Médico Titular

Leia mais

Adenocarcinoma de Esôfago como conseqüência de Esôfago de Barret

Adenocarcinoma de Esôfago como conseqüência de Esôfago de Barret Adenocarcinoma de Esôfago como conseqüência de Esôfago de Barret Serviço de Cirurgia Geral III Dr Antônio Borges Campos Denissa F. G. Mesquita Extensionista da Cir. do Ap. Digestório Samuel Luz Moreno

Leia mais

Nefrectomia citorredutora

Nefrectomia citorredutora Nefrectomia citorredutora no câncer de rim metastático Gustavo Lemos Junho 2012 Carcinoma de células renais 1/3 metastáticos no diagnóstico 20 a 30% dos Ptscom tumor localizado irão desenvolver metástases.

Leia mais

II Curso de Atualização em Coloproctologia

II Curso de Atualização em Coloproctologia II Curso de Atualização em Coloproctologia Estratégias de Prevenção de Câncer nas Doenças Inflamatórias Intestinais Dr. Marco Zerôncio LIGA NRCC Considerações Iniciais As DII (RCUI e colite por Crohn)

Leia mais

Nota referente às unidades de dose registradas no prontuário eletrônico radiológico:

Nota referente às unidades de dose registradas no prontuário eletrônico radiológico: Nota referente às unidades de dose registradas no prontuário eletrônico radiológico: Frente aos potenciais riscos envolvidos na exposição à radiação ionizante e com a reocupação de manter um controle transparente

Leia mais

Câncer de Testículo Não Seminomatoso

Câncer de Testículo Não Seminomatoso Câncer de Testículo Não Seminomatoso Estágio Clínico II Estado da Arte Fabio Kater Centro Paulista de Oncologia / Hospital Nove de Julho Introdução Incidência maior que no começo do século passado Idade

Leia mais

Prevalência, Conhecimento, Tratamento e Controle da Hipertensão em Adultos dos Estados Unidos, 1999 a 2004.

Prevalência, Conhecimento, Tratamento e Controle da Hipertensão em Adultos dos Estados Unidos, 1999 a 2004. Artigo comentado por: Dr. Carlos Alberto Machado Prevalência, Conhecimento, Tratamento e Controle da Hipertensão em Adultos dos Estados Unidos, 1999 a 2004. Kwok Leung Ong, Bernard M. Y. Cheung, Yu Bun

Leia mais

Dra Adriana de Freitas Torres

Dra Adriana de Freitas Torres Dra Adriana de Freitas Torres 2020 15 milhões de novos casos 12 milhões de mortes 2002 10 milhões de casos novos 6 milhões de mortes Mundo cerca 1 milhão de novos casos de CM Fonte: União Internacional

Leia mais

Diretrizes Assistenciais

Diretrizes Assistenciais Diretrizes Assistenciais Câncer de Vias Biliares Versão eletrônica atualizada em Julho 2009 Os colangiocarcinomas e carcinomas de vesícula biliar são tumores originários do epitélio dos ductos biliares

Leia mais

Para pacientes portadores de carcinoma de esôfago em boas condições clínica

Para pacientes portadores de carcinoma de esôfago em boas condições clínica Toracoscopia no tratamento do câncer de esôfago Rubens Antonio Aissar Sallum, Flavio Roberto Takeda, Ivan Cecconello Para pacientes portadores de carcinoma de esôfago em boas condições clínica e com estadiamento

Leia mais

O acesso a um tratamento integral e seu custo: A Experiência do ICESP. Prof. Dr. Paulo M. Hoff Diretor Clínico ICESP Faculdade de Medicina da USP

O acesso a um tratamento integral e seu custo: A Experiência do ICESP. Prof. Dr. Paulo M. Hoff Diretor Clínico ICESP Faculdade de Medicina da USP O acesso a um tratamento integral e seu custo: A Experiência do ICESP Prof. Dr. Paulo M. Hoff Diretor Clínico ICESP Faculdade de Medicina da USP Potenciais Conflitos de Interesse Resolução CFM nº 1.595/2000

Leia mais

HM Cardoso Fontes Serviço o de Cirurgia Geral Sessão Clínica

HM Cardoso Fontes Serviço o de Cirurgia Geral Sessão Clínica HM Cardoso Fontes Serviço o de Cirurgia Geral Sessão Clínica 22/07/04 Anastomoses Bilio-digestivas Intra-hep hepáticas em Tumores da Convergência Diego Teixeira Alves Rangel Tratamento Paliativo em 10

Leia mais

Lesões císticas do pâncreas: abordagem diagnóstica e terapêutica

Lesões císticas do pâncreas: abordagem diagnóstica e terapêutica Lesões císticas do pâncreas: abordagem diagnóstica e terapêutica Gustavo Rêgo Coêlho (TCBC) Serviço de Cirurgia e Transplante de Fígado Hospital das Clínicas - UFC Tumores Cís+cos do Pâncreas Poucos tópicos

Leia mais

Atualização do Congresso Americano de Oncologia 2014. Fabio Kater

Atualização do Congresso Americano de Oncologia 2014. Fabio Kater Atualização do Congresso Americano de Oncologia 2014 Fabio Kater Multivitaminas na prevenção do câncer de mama, próstata e pulmão: caso fechado! Revisão da literatura para tipos específicos de câncer

Leia mais

20/12/2012 NOTA TÉCNICA

20/12/2012 NOTA TÉCNICA Data: 20/12/2012 NOTA TÉCNICA 56/2012 Medicamento X Material Solicitante Procedimento Juiz Almir Prudente dos Santos Cachoeira de Cobertura Minas Refere-se ao Processo nº. 009712001663-5 TEMA: interferon

Leia mais

PET-CT na detecção de metástase hepática exclusiva potencialmente ressecável de câncer colorretal

PET-CT na detecção de metástase hepática exclusiva potencialmente ressecável de câncer colorretal Ministério da Saúde Secretaria de Ciência, Tecnologia e Insumos Estratégicos Departamento de Gestão e Incorporação de Tecnologias em Saúde PET-CT na detecção de metástase hepática exclusiva potencialmente

Leia mais

TEMA: Sunitinibe (Sutent ) para o tratamento do cancer renal

TEMA: Sunitinibe (Sutent ) para o tratamento do cancer renal Nota Técnica 90/2013 Data: 18/05/2014 Solicitante: Dr. Daniel da Silva Ulhoa Juíz de Direito Comarca de Timóteo Medicamento Material Procedimento Cobertura x Número do processo: 0009774-08.2014.8.13.0667

Leia mais

Impacto orçamentário da incorporação da tomografia de emissão de pósitrons tomografia computadorizada para estadiamento de câncer pulmonar

Impacto orçamentário da incorporação da tomografia de emissão de pósitrons tomografia computadorizada para estadiamento de câncer pulmonar Rev Saúde Pública 2015;49:57 Prática de Saúde Pública Artigos Originais DOI:10.1590/S0034-8910.2015049005447 Aline Navega Biz I Rosângela Caetano II Impacto orçamentário da incorporação da tomografia de

Leia mais

André Luís Montagnini Disciplina de Cirurgia do Aparelho Digestivo - HC/FMUSP

André Luís Montagnini Disciplina de Cirurgia do Aparelho Digestivo - HC/FMUSP PODE A RADIOQUIMIOTERAPIA SUBSTITUIR A DISSECÇÃO LINFONODAL ESTENDIDA NO CÂNCER GÁSTRICO? André Luís Montagnini Disciplina de Cirurgia do Aparelho Digestivo - HC/FMUSP http://www.cancerresearchuk.org/home/

Leia mais

TEMA: Abiraterona (Zytiga ) para tratamento de câncer de próstata avançado sem quimioterapia prévia.

TEMA: Abiraterona (Zytiga ) para tratamento de câncer de próstata avançado sem quimioterapia prévia. NTRR 158/2014 Solicitante: Juíz: Dra. Solange Maria de Lima Oliveira Juiza da 1ª Vara Cível de Itaúna. Data: 04/07/2014 Medicamento X Material Procedimento Cobertura Número do processo: 0338.14.006.873-9

Leia mais

Câmara Técnica de Medicina Baseada em Evidências. Avaliação de Tecnologias em Saúde

Câmara Técnica de Medicina Baseada em Evidências. Avaliação de Tecnologias em Saúde Câmara Técnica de Medicina Baseada em Evidências Avaliação de Tecnologias em Saúde Sumário das Evidências e Recomendações sobre o uso do PET Scan no diagnóstico de nódulo pulmonar solitário Canoas, junho

Leia mais

VI Workshop Internacional de Atualização em Hepatologia 2012 Pólipos de Vesícula Biliar Diagnóstico e Conduta

VI Workshop Internacional de Atualização em Hepatologia 2012 Pólipos de Vesícula Biliar Diagnóstico e Conduta VI Workshop Internacional de Atualização em Hepatologia 2012 Pólipos de Vesícula Biliar Diagnóstico e Conduta Júlio Coelho Universidade Federal do Paraná Pólipo de Vesícula Biliar Estudos Científicos Ausência

Leia mais

Tumor Estromal Gastrointestinal

Tumor Estromal Gastrointestinal Tumor Estromal Gastrointestinal Pedro Henrique Barros de Vasconcellos Hospital Cardoso Fontes Serviço de Cirurgia Geral Introdução GIST é o tumor mesenquimal mais comum do TGI O termo foi desenvolvido

Leia mais

É possível omitir Radioterapia adjuvante em mulheres idosas com Receptor Hormonal positivo?

É possível omitir Radioterapia adjuvante em mulheres idosas com Receptor Hormonal positivo? É possível omitir Radioterapia adjuvante em mulheres idosas com Receptor Hormonal positivo? Rosangela Correa Villar Radioterapia Beneficência Portuguesa- Hospital São Jose FMUSP villardias@uol.com.br INTRODUÇÃO

Leia mais

OF/AMUCC-043/2013 - ADV Florianópolis, 02 de maio de 2013.

OF/AMUCC-043/2013 - ADV Florianópolis, 02 de maio de 2013. OF/AMUCC-043/2013 - ADV Florianópolis, 02 de maio de 2013. Exmo Sr. Dr. Maurício Pessutto MD Procurador da República Procuradoria da República em Santa Catarina Rua Pascoal Apóstolo Pitsica, nº 4876, torre

Leia mais

PROGRAMA DE RASTREAMENTO DO CÂNCER DE MAMA EM MULHERES DA REGIÃO DO CARIRI OCIDENTAL, ESTADO DA PARAÍBA

PROGRAMA DE RASTREAMENTO DO CÂNCER DE MAMA EM MULHERES DA REGIÃO DO CARIRI OCIDENTAL, ESTADO DA PARAÍBA PROGRAMA DE RASTREAMENTO DO CÂNCER DE MAMA EM MULHERES DA REGIÃO DO CARIRI OCIDENTAL, ESTADO DA PARAÍBA Eulina Helena Ramalho de Souza 1 Telma Ribeiro Garcia 2 INTRODUÇÃO O câncer de mama é uma neoplasia

Leia mais

Escrito por Prof. Dr. Sabas Carlos Vieira Sex, 18 de Junho de 2010 14:48 - Última atualização Qui, 15 de Julho de 2010 14:30

Escrito por Prof. Dr. Sabas Carlos Vieira Sex, 18 de Junho de 2010 14:48 - Última atualização Qui, 15 de Julho de 2010 14:30 Prof. Dr. Sabas Carlos Vieira INTRODUÇÃO Para o ano de 2010, o INCA estima que ocorrerão cerca de 500mil novos casos de câncer no Brasil. Hoje cerca de 60% destes pacientes terão seus tumores controlados

Leia mais

Protocolo de Tratamento do Câncer de Mama Metastático. Versão eletrônica atualizada em Dezembro 2009

Protocolo de Tratamento do Câncer de Mama Metastático. Versão eletrônica atualizada em Dezembro 2009 Protocolo de Tratamento do Câncer de Mama Metastático Versão eletrônica atualizada em Dezembro 2009 Protocolo de Tratamento do Câncer de Mama Metastático O tratamento de pacientes com câncer de mama metastático

Leia mais

Everton Nunes Sabino da Silva Pôrto Junior www.ufrgs.br/economiadasaude. Abril/2008

Everton Nunes Sabino da Silva Pôrto Junior www.ufrgs.br/economiadasaude. Abril/2008 Introdução à Economia da Saúde Everton Nunes Sabino da Silva Pôrto Junior www.ufrgs.br/economiadasaude Abril/2008 Tópicos Introdução à Economia da Saúde : Definição de Economia da Saúde; Gasto em Saúde;

Leia mais

Vitor Daniel Nasciben

Vitor Daniel Nasciben CUSTO-EFETIVIDADE DE BROMETO DE TIOTRÓPIO VERSUS SALMETEROL PARA O TRATAMENTO DA DOENÇA PULMONAR OBSTRUTIVA CRÔNICA NA PERSPECTIVA DO SISTEMA DE SAÚDE PÚBLICO: PAPEL DO TRATAMENTO DE MANUTENÇÃO NA PREVENÇÃO

Leia mais

S R E V R I V Ç I O D E E C IR I URGIA I A T O T RÁCIC I A

S R E V R I V Ç I O D E E C IR I URGIA I A T O T RÁCIC I A Neoadjuvância Julio Espinel R2 CIT Cristiano Feijó Andrade Outubro 2009 Importância Estadiamento linfonodal Unificar para discutir e poder propor modificações; Selecionar tratamento multimodais; Discordâncias

Leia mais

ADENDO MODIFICADOR DO EDITAL N.º 13/2015-IEP/HCB

ADENDO MODIFICADOR DO EDITAL N.º 13/2015-IEP/HCB ADENDO MODIFICADOR DO EDITAL N.º 13/2015-IEP/HCB Por este instrumento o Conselho de Pós-Graduação (CPG) do Programa de Pós-Graduação em Oncologia do Hospital de Câncer de Barretos Fundação Pio XII, torna

Leia mais

PELE - MELANOMA PREVENÇÃO

PELE - MELANOMA PREVENÇÃO PREVENÇÃO Use sempre um filtro solar com fator de proteção solar (FPS) igual ou superior a 15, aplicando-o generosamente pelo menos 20 minutos antes de se expor ao sol e sempre reaplicando-o após mergulhar

Leia mais

DETECÇÃO, DIAGNÓSTICO E ESTADIAMENTO DO CÂNCER DE MAMA

DETECÇÃO, DIAGNÓSTICO E ESTADIAMENTO DO CÂNCER DE MAMA RESSONÂNCIA NUCLEAR MAGNÉTICA DAS MAMAS DETECÇÃO, DIAGNÓSTICO E ESTADIAMENTO DO CÂNCER DE MAMA A crescente experiência com a Ressonância Nuclear Magnética (RNM) vem trazendo dúvidas pertinentes quanto

Leia mais

I Seminário de Controvérsias rsias em Aparelho Digestivo I Encontro Norte-Nordeste Nordeste de Videocirurgia no Aparelho Digestivo

I Seminário de Controvérsias rsias em Aparelho Digestivo I Encontro Norte-Nordeste Nordeste de Videocirurgia no Aparelho Digestivo I Seminário de Controvérsias rsias em Aparelho Digestivo I Encontro Norte-Nordeste Nordeste de Videocirurgia no Aparelho Digestivo Câncer do pâncreas: tratamento paliativo Orlando Jorge Martins Torres

Leia mais

Rede Nacional de Câncer Familial: Sub-rede de Epidemiologia

Rede Nacional de Câncer Familial: Sub-rede de Epidemiologia Fórum INCA-ASCO sobre Câncer Hereditário Predisposição Genética ao Câncer 21 e 22 de novembro de 2011 Hotel Novo Mundo Flamengo Rio de Janeiro Brasil Rede Nacional de Câncer Familial: Sub-rede de Epidemiologia

Leia mais

PROJETO DE APERFEIÇOAMENTO DO MODELO DE REMUNERAÇÃO DE SERVIÇOS HOSPITALARES

PROJETO DE APERFEIÇOAMENTO DO MODELO DE REMUNERAÇÃO DE SERVIÇOS HOSPITALARES PROJETO DE APERFEIÇOAMENTO DO MODELO DE REMUNERAÇÃO DE SERVIÇOS HOSPITALARES ESCOPO DO PROJETO o PLANO E METODOLOGIA DE TRABALHO o DIAGNÓSTICO E ANÁLISE DO MIX DE PROCEDIMENTOS HOSPITALARES o FORMATAÇÃO

Leia mais