FUCAPE - FUNDAÇÃO INSTITUTO CAPIXABA DE PESQUISA EM CONTABILIDADE, ECONOMIA E FINANÇAS CARLOS AUGUSTO DIAS MATTOS

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "FUCAPE - FUNDAÇÃO INSTITUTO CAPIXABA DE PESQUISA EM CONTABILIDADE, ECONOMIA E FINANÇAS CARLOS AUGUSTO DIAS MATTOS"

Transcrição

1 FUCAPE - FUNDAÇÃO INSTITUTO CAPIXABA DE PESQUISA EM CONTABILIDADE, ECONOMIA E FINANÇAS CARLOS AUGUSTO DIAS MATTOS OS ATRIBUTOS GERADORES DE NOVOS SERVIÇOS EM EMPRESAS DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO VITÓRIA 2013

2 CARLOS AUGUSTO DIAS MATTOS OS ATRIBUTOS GERADORES DE NOVOS SERVIÇOS EM EMPRESAS DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO Dissertação apresentada ao programa de Pósgraduação em Administração de Empresas, Fundação Instituto Capixaba de Pesquisa em Contabilidade, Economia e Finanças (FUCAPE), como requisito parcial para obtenção do título de Mestre em Administração de Empresas Nível Acadêmico, na área de Marketing de Serviços. Orientador: Prof. Dr. Emerson W. Mainardes VITÓRIA 2013

3 CARLOS AUGUSTO DIAS MATTOS OS ATRIBUTOS GERADORES DE NOVOS SERVIÇOS EM EMPRESAS DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO Dissertação apresentada ao programa de Pós-graduação em Administração de Empresas, Fundação Instituto Capixaba de Pesquisa em Contabilidade, Economia e Finanças (FUCAPE), como requisito parcial para obtenção do título de Mestre em Administração de Empresas Nível Acadêmico, na área de Marketing de Serviços. Aprovada em 03 de Dezembro de COMISSÃO EXAMINADORA PROF. DR. EMERSON W. MAINARDES Fundação Instituto Capixaba de Pesquisas em Contabilidade, Economia e Finanças (FUCAPE) Orientador PROFª. DRª. ELIANE PEREIRA ZAMITH BRITO Fundação Getúlio Vargas São Paulo (FGV-SP) PROFª. DRª. ARILDA MAGNA CAMPAGNARO TEIXEIRA Fundação Instituto Capixaba de Pesquisas em Contabilidade, Economia e Finanças (FUCAPE)

4 AGRADECIMENTOS Gostaria de agradecer primeiramente a Deus. Agradeço à Antoinette, minha querida esposa, aos meus filhos e familiares pelo apoio, incentivo e compreensão. Agradeço aos meus Pais, que infelizmente não podem estar ao meu lado, comemorando esta conquista, mais que, com certeza estariam muito orgulhosos. Agradeço aos professores e colaboradores da FUCAPE pelas imensas contribuições durante todo o curso. Agradeço a todos os meus amigos de turma pela convivência e troca de experiências nestes últimos anos, em especial ao Robson Aioffi, Huermerson Xavier e Tarciane Roldão que estiveram mais próximos a mim em cada passo desta jornada. Agradeço também a Formalis Informática e seus colabores pelo apoio que me deram durante esta conquista, especialmente ao Cleber Zippinotti Filho, Francesca Spinelli e Jaqueline Conde. E principalmente, agradeço ao meu orientador Prof. Dr. Emerson W. Mainardes, pela sua disponibilidade, compreensão, cobrança, incentivos, direção e contribuições. Professor, muito obrigado.

5 Às vezes, quando você inova, comete erros. É melhor admiti-los rapidamente e continuar a melhorar suas outras inovações (Steven Paul Jobs)

6 RESUMO Embora existam vários estudos sobre inovação e desenvolvimento de novos serviços (NSD), são poucas as investigações sobre a inovação em empresas de tecnologia da informação e comunicação (TIC), em especial os que identifiquem os atributos geradores de NSD em empresas de TIC em um único estudo. Assim, o objetivo geral desta pesquisa foi identificar os atributos geradores de novos serviços em empresas de TIC. Como objetivo específico, buscou-se desenvolver e validar um diagrama explicativo dos fatores geradores de NSD em empresas de TIC. Para alcançar esses objetivos, a partir da literatura, foi proposto um diagrama geral dos atributos geradores de NSD em empresas de TIC. Para testar empiricamente o diagrama proposto, foi realizada uma pesquisa do tipo survey com 269 profissionais de empresas de TIC instaladas em todos os estados do Brasil. As análises dos dados indicaram que atributos de marketing (pesquisa de mercado, política de preços, estratégia de venda e canal de vendas), do meio ambiente (ambiente legal e regulatório, ações dos concorrentes e ações dos fornecedores) e da estrutura organizacional (competências e habilidades, know-how, processos internos, comunicação interdepartamental e velocidade de produção) influenciam o NSD nas empresas de TIC. A principal contribuição acadêmica desta pesquisa foi à proposição e teste de um modelo explicativo inicial do fenômeno NSD especificamente em empresas de TIC no contexto brasileiro. Palavras-chave: NSD em empresas de TIC, Inovação em empresas de TIC, Knowledge Intensive Business Services (KIBS), e Desenvolvimento de Novos Serviços (NSD).

7 ABSTRACT Although there are several studies on innovation and new service development (NSD), are few investigations about innovation in information technology and communication companies (ITC), especially those that identify the attributes generators of NSD in ITC companies in a single study. Thus, the objective of this research was identify the generators attributes of new services in ITC companies. As a specific goal, the target was develop and validate an explanatory diagram of the factors generating NSD in ITC companies. To achieve these goals, from the literature, was proposed a general diagram of the generators attributes NSD in ITC companies. To test empirically the proposed diagram, was performed survey research with 269 professional ITC companies installed in all states of Brazil. Data analysis indicated that marketing attributes (market research, pricing, sales strategy and sales channel), Environment, (legal and regulatory environment, actions of competitors and suppliers' actions), and organizational structure (skills and abilities, know-how, internal processes, interdepartmental communication and production speed) influence the NSD in ITC companies. The main academic contribution of this research was to propose and test an initial explanatory model of phenomenon NSD specifically in ITC companies in the Brazilian context. Keywords: NSD in ITC companies, Innovation in ITC companies, Knowledge Intensive Business Services (KIBS), and New Service Development (NSD).

8 LISTA DE FIGURAS Figura 1: Proposta de diagrama geral dos atributos geradores de NSD em empresas de TIC Figura 2: Proposta de modelo geral dos fatores geradores de NSD em empresas de TIC Figura 3: Proposta de modelo dos atributos geradores de NSD em empresas de TIC relativos à Marketing Figura 4: Proposta de modelo dos atributos geradores de NSD em empresas de TIC relacionados ao Meio Ambiente Figura 5: Proposta de modelo dos atributos geradores de NSD em empresas de TIC relativos à Estrutura Organizacional Figura 6: Modelo geral dos fatores geradores de NSD em empresas de TIC Figura 7: Modelo dos atributos geradores de NSD em empresas de TIC, relativos à Marketing Figura 8: Modelo dos atributos geradores de NSD em empresas de TIC, relacionados ao Meio Ambiente Figura 9: Modelo dos atributos geradores de NSD em empresas de TIC, relativos à Estrutura Organizacional Figura 10: Diagrama geral dos atributos geradores de NSD em empresas de TIC... 73

9 LISTA DE TABELAS TABELA 1: RESUMO DA CARACTERIZAÇÃO DA AMOSTRA TABELA 2: ESTATÍSTICA DESCRITIVA GERAL TABELA 3: ESTATÍSTICA DESCRITIVA DO MODELO 1 FATORES GERADORES DE NSD EM TIC TABELA 4: ESTATÍSTICA DESCRITIVA DO MODELO 2 ATRIBUTOS DE MARKETING TABELA 5: ESTATÍSTICA DESCRITIVA DO MODELO 3 ATRIBUTOS DE MEIO AMBIENTE TABELA 6: ESTATÍSTICA DESCRITIVA DO MODELO 4 ATRIBUTOS DE ESTRUTURA ORGANIZACIONAL TABELA 7: MATRIZ DE CORRELAÇÃO DE PEARSON DO MODELO 1 FATORES GERADORES DE NSD EM TIC TABELA 8: MATRIZ DE CORRELAÇÃO DE PEARSON DO MODELO 2 ATRIBUTOS DE MARKETING TABELA 9: MATRIZ DE CORRELAÇÃO DE PEARSON DO MODELO 3 ATRIBUTOS DE MEIO AMBIENTE TABELA 10: MATRIZ DE CORRELAÇÃO DE PEARSON DO MODELO 4 ATRIBUTOS DE ESTRUTURA ORGANIZACIONAL TABELA 11: REGRESSÃO MÚLTIPLA DO MODELO 1 FATORES GERADORES DE NSD EM TIC TABELA 12: COEFICIENTES ESTIMADOS DO MODELO 1 FATORES GERADORES DE NSD EM TIC TABELA 13: REGRESSÃO MÚLTIPLA DO MODELO 2 ATRIBUTOS DE MARKETING TABELA 14: COEFICIENTES ESTIMADOS DO MODELO 2 ATRIBUTOS DE MARKETING TABELA 15: REGRESSÃO MÚLTIPLA DO MODELO 3 ATRIBUTOS DE MEIO AMBIENTE... 62

10 TABELA 16: COEFICIENTES ESTIMADOS DO MODELO 3 ATRIBUTOS DE MEIO AMBIENTE TABELA 17: REGRESSÃO MÚLTIPLA DO MODELO 4 ATRIBUTOS DE ESTRUTURA ORGANIZACIONAL TABELA 18: COEFICIENTES ESTIMADOS DO MODELO 4 ATRIBUTOS DE ESTRUTURA ORGANIZACIONAL... 65

11 LISTA DE QUADROS QUADRO 1: FATORES GERADORES DE NSD EM EMPRESAS DE TIC QUADRO 2: ATRIBUTOS GERADORES DE NSD EM EMPRESAS DE TIC QUADRO 3: ESCALA PROPOSTA PARA IDENTIFICAR OS ATRIBUTOS GERADORES DE NSD EM EMPRESAS DE TIC... 37

12 SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO REFERENCIAL TEÓRICO INOVAÇÃO EM SERVIÇOS INOVAÇÃO EM KIBS INOVAÇÃO EM EMPRESAS DE TIC NSD ATRIBUTOS GERADORES DE NSD EM EMPRESAS DE TIC MODELO PROPOSTO FATORES GERADORES DE NSD ATRIBUTOS DE MARKETING ATRIBUTOS DO MEIO AMBIENTE ATRIBUTOS DA ESTRUTURA ORGANIZACIONAL PROPOSIÇÃO DE ESCALA METODOLOGIA MÉTODO POPULAÇÃO E AMOSTRA TÉCNICA DE COLETA DE DADOS TÉCNICA DE ANÁLISE DE DADOS ANÁLISE DE DADOS...46

13 5.1 CARACTERIZAÇÃO DA AMOSTRA ESTATÍSTICA DESCRITIVA CORRELAÇÃO DE PEARSON REGRESSÃO MULTIVARIADA ANÁLISE FINAL DOS MODELOS MODELO GERAL DOS FATORES GERADORES DE NSD MODELO DOS ATRIBUTOS DE MARKETING MODELO DOS ATRIBUTOS DO MEIO AMBIENTE MODELO DOS ATRIBUTOS DA ESTRUTURA ORGANIZACIONAL DIAGRAMA GERAL DOS ATRIBUTOS GERADORES DE NSD EM TIC CONCLUSÕES REFERÊNCIAS APÊNDICES APÊNDICE I QUESTIONÁRIO APLICADO NA PESQUISA... 87

14 1 INTRODUÇÃO Desde a década de 1960, vem se constatando um grande crescimento da literatura sobre a inovação em serviços, conjuntamente com a ascensão da economia de serviços, que levam a mudanças nos processos de inovação em geral. Isto se deve ao crescimento da economia de serviços, que é gerado em grande parte pelo crescimento da demanda de consumo (MILES, 2001). Considerando que toda atividade de inovação tem como objetivo final a melhoria do desempenho da empresa, a inovação se torna o ponto central para o crescimento da produtividade, aumentando assim a competitividade da empresa (OECD, 2005). Segundo Santamaría, Nieto e Miles (2012), o mercado de serviços tornou-se o principal motor da economia e é um dos principais contribuintes para o aumento da produtividade, especialmente pelo substancial crescimento da utilização da tecnologia da informação e comunicação (TIC). Portanto, nas últimas décadas, houve uma evolução crescente do papel do setor de serviços na economia, não só devido à importância que este setor assume na inovação, mas também na competitividade, na criação de emprego e no crescimento econômico (DE JONG et al., 2003; HOWELLS e TETHER, 2004; TETHER, 2005). Com a globalização, a concorrência internacional força as empresas a aumentarem a sua eficiência, a desenvolver novos produtos e a mudar sua estrutura. A internet favoreceu muito as oportunidades de realização de negócios com empresas de outros países e as empresas multinacionais foram agentes centrais no processo de globalização, pois suas atividades transcendem as

15 15 fronteiras nacionais à medida que envolve transferências internacionais de capital, conhecimento e tecnologia (OECD, 2005). Levando-se em conta o papel desempenhado mundialmente pelas empresas de serviços, a inovação está se tornando cada vez mais importante, pois é uma vantagem competitiva fundamental no setor de serviços (TETHER, 2005). O manual de Oslo (OECD, 2005) completa a questão acima, concluindo que ao aumentar a produtividade, as empresas adquirem uma vantagem de custo sobre as demais e dependendo da elasticidade da demanda, estas empresas podem ganhar novas fatias de mercado e aumentar os seus lucros. Caso haja inovação de produto, as empresas poderão ganhar uma vantagem competitiva, por meio da criação de novos produtos, possibilitando assim maiores demandas e maiores margens de lucro. Barras (1986) argumentou em seu estudo que a aplicação da tecnologia da informação em uma ampla variedade de serviço pré-industrial irá fornecer o motor para a próxima grande onda de expansão da produção nas economias industrializadas avançadas, e que a compreensão desta nova fonte de crescimento econômico exige o desenvolvimento de uma teoria específica da inovação em serviços, dado a sua importância futura no âmbito mundial. Barras (1986), Moore e Benbasat (1991), Edvardsson e Olsson (1996), Froehle et al. (2000), Bettencourt et al. (2005), Menor e Roth (2007), Santamaría, Nieto e Miles (2012) apresentaram a TI como uma ferramenta dentro do processo de desenvolvimento de novos serviços (NSD). Mesmo no âmbito mundial, são raros os estudos que tratam de NSD dentro das empresas de TI ou TIC. Esta constatação, aliada ao fato de que, segundo Santamaría, Nieto e Miles (2012), existem inúmeros

16 16 fatores que podem ser determinantes importantes da inovação de serviços, dá origem a seguinte questão de pesquisa: quais são os atributos geradores de novos serviços em empresas de TIC? Assim, esta pesquisa buscou responder a questão acima e teve como objetivo geral identificar os atributos geradores de novos serviços em empresas de TIC. Como objetivo específico, buscou-se desenvolver e validar um diagrama explicativo dos fatores geradores de NSD em empresas de TIC. Gallouj (2002) afirmou que os estudos que abordam a inovação em empresas de serviços sugerem vários fatores que influenciam a capacidade de inovação desse tipo de empresa. No entanto, para que as ações organizacionais e políticas públicas sejam eficientes, é necessário reduzir a quantidade de fatores a um conjunto que, na verdade, representa um estímulo para a capacidade de inovação de uma empresa de serviços. Um dos fatores que justificaram a realização desta pesquisa foi o fato de serem poucos os estudos que pesquisem os atributos geradores de NSD em empresas classificadas como Knowledge Intensive Business Services (KIBS), especificamente as de TIC. Assim, esta pesquisa busca contribuir para está discussão, tendo em vista a carência na literatura de estudos que sintetizassem os atributos geradores de NSD em empresas de TIC. Adicionalmente está pesquisa procurou contribuir para uma melhor gestão de NSD em empresas TIC, já que, segundo o manual de Oslo (OECD, 2005), as atividades de inovação de uma empresa dependem da variedade e da estrutura de suas relações com as fontes de informação, conhecimento, tecnologias, práticas, recursos humanos e financeiros. Além disso, os fatores regionais podem influenciar

17 17 a capacidade inovadora das empresas, e os sistemas nacionais de inovação fundamentam-se na ideia de que os fatores institucionais, culturais e os de percepção de valor influenciam as atividades de inovação. Tais fatos levam a um aumento na quantidade de pesquisas sobre inovação no âmbito regional. É importante saber identificar as formas de implementação dos diferentes tipos de inovação, bem como seus impactos, já que estes impactos sobre o desempenho da empresa e sobre a mudança econômica são dependentes dos tipos específicos de inovação (OECD, 2005). Para alcançar os objetivos de identificar os atributos geradores de novos serviços em empresas de TIC, desenvolver e validar um diagrama explicativo dos fatores geradores de NSD em empresas de TIC, inicialmente estudou-se a inovação em serviços, a inovação em KIBS, a inovação em empresas de TIC, o NSD e os atributos geradores de NSD em empresas de TIC. Em seguida, foram desenvolvidos os modelos propostos. Posteriormente, foi explicada a metodologia utilizada seguida da análise dos dados coletados. Por fim, foram expostas as discussões dos modelos propostos, as conclusões, contribuições e limitações do estudo realizado.

18 18 2 REFERENCIAL TEÓRICO 2.1 INOVAÇÃO EM SERVIÇOS A literatura sobre os serviços registrou uma grande evolução a partir de 1960 (MILES, 2001). Isto se deve ao fato da inovação no setor de serviço apresentar um crescimento acima da média (MILES, 2005; DE JONG et al., 2003), ocorrendo uma crescente consciência em recentes anos sobre a importância da indústria de serviços dentro das economias industrializadas, acarretando um aumento do número de empregos (BARRAS, 1986). Mesmo as indústrias de serviços sendo diferentes umas das outras, a pesquisa de Sundbo e Gallouj (2000) indicou a existência de algumas características comuns no processo de inovação, devido à natureza específica da produção de serviço, que é comum a todas as indústrias de serviço. Em 1934, Schumpeter propôs a classificação da inovação em cinco tipos: introdução de novos produtos; introdução de novos métodos de produção; criação de novos mercados; desenvolvimento de novas fontes provedoras de matériasprimas e outros insumos; criação de novas estruturas de mercado. Já em 2000, Sundbo e Gallouj (2000) dividiram a inovação em serviços em cinco categorias: inovação de produto; inovação de processo; inovação organizacional; inovação de marketing; e inovação Ad Hoc, que é a solução para um problema específico de um cliente. Em 2005, a terceira edição do manual de Oslo (OECD, 2005) foi desenvolvida utilizando as quatro primeiras categorias apresentadas por Sundbo e Gallouj (2000): inovação de produto (um novo produto ou serviço que, quando vendido, envolve a prestação de serviços); inovação de processo (mudança de um ou mais procedimentos executados durante a produção ou fornecimento de um serviço);

19 19 inovação organizacional (mudança na forma de gestão e/ou organização); inovação de marketing (desenvolvimento de novos métodos de marketing, seja no produto, promoção, distribuição ou estabelecimento de preço). As atividades de inovação em serviços normalmente são um processo contínuo e constituem uma série de mudanças incrementais e planejadas em produtos e processos com o intuito de melhorar seu desempenho. São pautadas pela incerteza, investimento, transbordamentos de conhecimento gerados a partir de outras inovações, utilização de conhecimento novo ou um novo uso para o conhecimento existente e pela busca de vantagens competitivas ou melhora no desempenho (OECD, 2005). 2.2 INOVAÇÃO EM KIBS A importância do conhecimento e da inovação nas economias modernas justifica o crescente interesse dos pesquisadores em estudar os KIBS, gerando, a partir de meados de 1990, um aumento significativo na atenção aos KIBS, seus papéis e funções em sistemas de inovação (MULLER e DOLOREUX, 2007). Podem ser encontradas várias definições KIBS na literatura, dentre elas se destacam a de Miles et al. (1995), ao definir KIBS como sendo os serviços que envolvem as atividades econômicas que objetivam a criação, acumulação e a difusão do conhecimento. Já em 2006, Toivonen (2006) definiu KIBS como sendo as empresas especializadas que prestam serviços a outras empresas e organizações, embora a definição apresentada por Hertog (2000) seja mais precisa, ao descrever KIBS como sendo as empresas privadas ou organizações que dependem fortemente do

20 20 conhecimento profissional. Isto é, conhecimento ou experiência relacionada a uma disciplina específica, seja ela técnica ou técnica-funcional, objetivando fornecer produtos e serviços intermediários e que são baseados no conhecimento. A definição mais completa foi a de Bettencourt et al. (2005), que definiu KIBS como sendo as empresas cujo valor agregado na atividade primária consiste na acumulação, criação ou divulgação do conhecimento com a finalidade de desenvolver um serviço personalizado ou uma solução de produto para satisfazer as necessidades do cliente. De posse destas definições, Muller e Doloreux (2007) derivaram três elementos fundamentais: serviços empresariais", que estão relacionados aos serviços especializados exigidos pelas empresas e organizações públicas e não produzidos para o consumo privado (STRAMBACH, 2001); "conhecimento intensivo" interpretado tanto em termos da qualificação do trabalho (MILES, 2005) ou em termos das condições das transações entre o prestador de serviços e o usuário do serviço (HAUKNES e ANTONELLI, 1999) e "empresas de conhecimento intensivo", que referem-se às empresas que realizam operações complexas de natureza intelectual, onde o capital humano é o fator dominante (ALVESSON, 1995), e tem-se como exemplo, as empresas de TIC e instituições de ensino. Segundo Miles et al. (1995), os KIBS apresentam três características principais: possuem forte dependência do conhecimento profissional; são fontes primárias de informação e conhecimento; usam o conhecimento para produzir serviços intermediários para os processos de produção de seus clientes, que são de importância competitiva e são fornecidos principalmente para os negócios.

21 21 Neste sentido, Muller e Doloreux (2007) sugerem a utilização do termo KIBS para se referir às empresas de serviços que são categorizadas por sua alta intensidade de conhecimento e orientação dos seus serviços a outras empresas e organizações, ou seja, os serviços que predominantemente são compostos de atividades não rotineiras. No entanto, deve ser observado que alguns setores de atividades correspondentes aos serviços, exibem características semelhantes às de KIBS, tais como elevados níveis de mão de obra qualificada e o uso de novas tecnologias, porém geralmente estas não são consideradas como KIBS. Como exemplo de serviços que não são identificados como KIBS, podem ser observados os serviços relacionados aos cuidados à saúde e os serviços relacionados aos setores baseados em recursos (agricultura, silvicultura, mineração e extração de gás). Miles et al. (1995) dividiu KIBS em dois grupos: "traditional professional services (P-KIBS)" and "new-technology-based services (T-KIBS)". Os P-KIBS (serviços profissionais tradicionais) são os serviços que utilizam intensivamente as novas tecnologias como, por exemplo, os serviços empresariais, os de gestão, os de contabilidade, as pesquisas de mercado, dentre outras. Já os T-KIBS (serviços baseados em novas tecnologias) estão relacionadas principalmente às tecnologias da informação e comunicação, bem como as atividades técnicas, tais como os serviços de TIC, engenharia, consultoria, dentre outras. No início da década de 1990, Wood, Bryson e Keeble (1993) referenciaram a influência inovadora que os KIBS podem ter sobre seus clientes ao citar em seu trabalho que o setor de serviços exerce uma influência independente e significativamente inovadora quando estas se baseiam no conhecimento.

22 22 Hertog (2000) descreveu em seu estudo a inovação como novos conceitos de serviços, interfaces de cliente e sistemas de prestação de serviços e como resultado do seu estudo dividiu KIBS em três grupos: as facilitadoras, as transportadoras, e as fontes de inovação. Já Larsen (2001) encontrou evidências empíricas em seu artigo, mostrando que KIBS são, dentre as empresas de todos os setores de serviços, as que mais inovam, e que há uma relação que considera KIBS com altos níveis de atividades de inovação. 2.3 INOVAÇÃO EM EMPRESAS DE TIC Muller e Doloreux (2007) apresentaram que existem um certo consenso sobre os ramos de empresas pertencentes ao KIBS, e normalmente a nomenclatura destas seguem o CAE (Classificação das atividades económicas na Comunidade Europeia) que apresenta dentro do setor de TIC e atividades conexas, os subsetores: consultoria de hardware e software; informática; atividades de base de dados; manutenção e reparos de hardware; e outras atividades relacionadas a informática. Já, segundo a Classificação Nacional de Atividades Econômicas CNAE Versão 2.0 (IBGE, 2007), apresenta dentro das atividades dos serviços de TIC os setores: desenvolvimento de programas de computador; consultoria em tecnologia da informação; suporte técnico, manutenção e outros serviços em tecnologia da informação; Tratamento de dados, provedores de serviços de aplicação e serviços de hospedagem na internet; Reparação e manutenção de computadores e de equipamentos periféricos e Telecomunicações.

23 23 A TIC, desde o seu surgimento, constitui-se em um permanente processo de inovação (LAUDON, 1985). A inovação em TIC tem sido caracterizada como um processo de movimento de três fases que se sobrepõem: invenção, inovação e difusão (ENOS, 1962; MANSFIELD 1988). Uma invenção é uma nova ideia ou produto que pode ou não ter um valor econômico. A inovação é o processo pelo qual as invenções tomam forma e se tornam utilizáveis. A difusão é a propagação da capacidade para produzir e/ou usar uma inovação e seu uso na prática (KING et al., 1994). O desenvolvimento da indústria de TIC a partir de 1960 se deve principalmente às inovações em serviços nos diversos setores que, ao serem geradas, acabam por adotar novas tecnologias da informação (BARRAS, 1986). As Pesquisas sobre inovação em TIC tornaram-se cada vez mais populares, pois a própria inovação tem assumido maior importância como fator de competitividade organizacional (HAMEL, 1998). Segundo Clark e Guy (1998) e Nadler e Tushman (1999), a TIC passou a não ser apenas vantajoso, mas de fato essencial para a saúde de longo prazo das organizações, indústrias e sociedades. Durante as últimas quatro décadas, a TIC está entre os setores que apresentam o maior crescimento do número de inovações, e as perspectivas de crescimento futuro parecem igualmente positivas (FREEMAN e PEREZ, 1988). Embora a TIC tenha prometido ganhos organizacionais em termos de eficiência e eficácia por várias décadas, o previsto aumento substancial na produtividade tem sido lento. Essa relação paradoxal entre o investimento em tecnologia e os ganhos de produtividade da informação tem gerado preocupação entre as comunidades acadêmicas e profissionais (AGARWAL E PRASAD, 1997).

24 24 Porém, Fichman (2004) descreveu os benefícios da produtividade que flui de investimentos em inovações de TIC, e segundo Ives et al. (2003), a recente aceleração do crescimento da produtividade nos Estados Unidos decorreu do efeito acumulado dos grandes investimentos em TIC. Os países sem a mínima capacidade educacional, de gestão, P&D e de design podem sofrer com as desvantagens competitivas internacionais (FREEMAN e PEREZ, 1988). Isto se confirma ao se verificar que, na busca de sustentar o seu poder competitivo, os países do terceiro mundo estão enfrentando dificuldades no desenvolvimento de novas indústrias de TIC, (FREEMAN e PEREZ, 1988). Já em países desenvolvidos, a inovação em TIC está bem estabelecida, o que não ocorre nas nações recém-industrializadas e em desenvolvimento, que buscam criar intervenções não governamentais, para acelerar as inovações em TIC dentro de suas fronteiras (KING et al., 1994). Fichman (2004) discute que existem organizações possuidoras de atributos específicos, que as permitem gerar uma maior quantidade de inovação de TIC. Tais organizações podem se encaixar em um perfil inovador. A lógica subjacente é que empresas que se encaixam nesse perfil terão maiores retornos para a inovação, pois elas podem inovar mais facilmente, economicamente, efetivamente, ou ainda, terem uma maior oportunidade de aproveitar os benefícios que a inovação lhe proporciona. Licht e Moch (1999) observaram em sua pesquisa que a maioria das empresas do setor de TIC, esperavam que suas atividades inovadoras gerassem um grande impacto sobre a produtividade de seus clientes, fortalecendo desta forma a capacidade destes para aumentar sua produção. Desta forma, o efeito produtividade de inovações na indústria de TIC deve ser esperado para seus clientes e não para a

25 25 própria indústria de TIC. Está é uma das principais características da inovação em empresas de TIC é o NSD. 2.4 NSD A contribuição de estudiosos de gestão para o estudo da NSD tem sido limitada a quadros conceituais (BITRAN e PEDROSA, 1998; VOSS et al., 1992). Porém, alguns estudos são baseados nas práticas de NSD (FROEHLE et al., 2000; NOORI et al., 1997). O NSD é um importante condutor da competitividade de serviço, entretanto, ainda necessita-se de mais estudos sobre este tema, para melhorar a compreensão a respeito de quais são os recursos e as atividades necessárias para se desenvolver novos serviços. Até recentemente, o princípio geralmente aceito era que novos serviços simplesmente acontecem e não são gerados por meio de processos de desenvolvimento formais (MENOR, TATIKONDA e SAMPSON, 2002). Evidências sugerem que os esforços de inovação de serviços são normalmente realizados de forma não sistemática (THOMKE, 2003; GRIFFIN, 1997; ROTH, CHASE e VOSS, 1997). Porém, o estudo de Mainardes et al. (2010) ressaltou a importância de se determinar os processos de NSD ofertados pelas empresas, de modo estruturado, gerando um aumento da probabilidade de sucesso do novo serviço desenvolvido. O estudo de Menor e Roth (2007) também apresentou a importância do processo de NSD, pois, ao focar no processo de NSD, observam-se indicações da existência de um processo formalizado para a realização de esforços de NSD, o que permite a simplicidade e repetição, que promove maior eficiência e eficácia no NSD.

26 26 O NSD tem sido considerado por pesquisadores e gestores como uma importante necessidade competitiva em muitos serviços (MILES, 2005). Menor e Roth (2007) identificaram cinco dimensões complementares, refletindo a competência de uma empresa em NSD: o processo de NSD, o mercado, a estratégia de NSD, a cultura de NSD, e a experiência em tecnologia da informação. Coates e McDermott (2002) conceituaram que as competências de NSD são antecedentes fundamentais para o desempenho da inovação. Para muitas empresas o NSD é um processo Ad Hoc, ou seja, ele simplesmente acontece, e apenas um número limitado de setores desenvolve uma abordagem formal. De Jong et al. (2003) citaram como consequência os seguintes fatos: a inovação não poder ser reconhecida, principalmente pelo fato da empresa não reconhecer que um NSD pode ser vendido para outros clientes; o NSD pode ser imitado e isso requer que as empresas de serviços estejam preparadas para apresentar respostas rápidas quando do lançamento das inovações dos concorrentes; e a rescisão de projetos de NSD tende a ser fácil e são comumente considerados um processo de tentativa e erro. De Jong et al. (2003) também apresentaram que as inovações em serviços podem ser divididas em 2 tipos de processos: os processos de NSD, que são formalmente gerenciados em grande escala e que se parecem como os projetos de P&D da indústria transformadora, e esses são comumente utilizados para o inovações radicais; e os que adotam uma abordagem menos formal para desenvolver as melhorias incrementais. Para esses tipos de inovações, os setores de serviços tendem a não adotar sistemas formais para gerenciar o processo de

O DESENVOLVIMENTO DE NOVOS SERVIÇOS EM EMPRESAS DE TECNOLOGIA DE INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO

O DESENVOLVIMENTO DE NOVOS SERVIÇOS EM EMPRESAS DE TECNOLOGIA DE INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO O DESENVOLVIMENTO DE NOVOS SERVIÇOS EM EMPRESAS DE TECNOLOGIA DE INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO Autoria: Carlos Mattos, Emerson Wagner Mainardes RESUMO Esta pesquisa objetivou identificar e testar os indicadores

Leia mais

Núcleo de Pós Graduação Pitágoras

Núcleo de Pós Graduação Pitágoras Referências Núcleo de Pós Graduação Pitágoras MBA Gestão em TI Tópicos Especiais Alinhamento Estratégico TI e Negócios Professor: Fernando Zaidan 1 JAMIL, George Leal. Tecnologia e Sistemas de Informação.

Leia mais

Unidade II GERENCIAMENTO DE SISTEMAS. Prof. Roberto Marcello

Unidade II GERENCIAMENTO DE SISTEMAS. Prof. Roberto Marcello Unidade II GERENCIAMENTO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Prof. Roberto Marcello SI Sistemas de gestão A Gestão dos Sistemas Integrados é uma forma organizada e sistemática de buscar a melhoria de resultados.

Leia mais

A evolução da tecnologia da informação nos últimos 45 anos

A evolução da tecnologia da informação nos últimos 45 anos A evolução da tecnologia da informação nos últimos 45 anos Denis Alcides Rezende Do processamento de dados a TI Na década de 1960, o tema tecnológico que rondava as organizações era o processamento de

Leia mais

Por que estudar sistemas de informação?

Por que estudar sistemas de informação? Por que estudar sistemas de informação? Por que estudar sistemas de informação? Isto é o mesmo que perguntar por que alguém deve estudar contabilidade, finanças, as, marketing, RH ou qualquer outra grande

Leia mais

Aula 15. Tópicos Especiais I Sistemas de Informação. Prof. Dr. Dilermando Piva Jr.

Aula 15. Tópicos Especiais I Sistemas de Informação. Prof. Dr. Dilermando Piva Jr. 15 Aula 15 Tópicos Especiais I Sistemas de Informação Prof. Dr. Dilermando Piva Jr. Site Disciplina: http://fundti.blogspot.com.br/ Conceitos básicos sobre Sistemas de Informação Conceitos sobre Sistemas

Leia mais

TÍTULO: A IMPORTÂNCIA DA APLICAÇÃO DA GESTÃO DE PROCESSOS EM UMA INSTITUIÇÃO DE ENSINO SUPERIOR

TÍTULO: A IMPORTÂNCIA DA APLICAÇÃO DA GESTÃO DE PROCESSOS EM UMA INSTITUIÇÃO DE ENSINO SUPERIOR TÍTULO: A IMPORTÂNCIA DA APLICAÇÃO DA GESTÃO DE PROCESSOS EM UMA INSTITUIÇÃO DE ENSINO SUPERIOR CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS SUBÁREA: CIÊNCIAS DA INFORMAÇÃO INSTITUIÇÃO: FACULDADE

Leia mais

Sistemas Empresariais. Capítulo 3: Sistemas de Negócios. Colaboração SPT SIG

Sistemas Empresariais. Capítulo 3: Sistemas de Negócios. Colaboração SPT SIG Capítulo 3: Sistemas de Negócios Colaboração SPT SIG Objetivos do Capítulo Explicar como os SI empresariais podem apoiar as necessidades de informação de executivos, gerentes e profissionais de empresas.

Leia mais

Colaboração nas Empresas SPT SIG Aplicações Empresariais

Colaboração nas Empresas SPT SIG Aplicações Empresariais Capítulo 3: Sistemas de Apoio Gerenciais Colaboração nas Empresas SPT SIG Aplicações Empresariais Objetivos do Capítulo Explicar como os SI empresariais podem apoiar as necessidades de informação de executivos,

Leia mais

INOVAÇÃO TECNOLÓGICA E ATIVIDADES DE PESQUISA E DESENVOLVIMENTO NAS INDÚSTRIAS BRASILEIRAS

INOVAÇÃO TECNOLÓGICA E ATIVIDADES DE PESQUISA E DESENVOLVIMENTO NAS INDÚSTRIAS BRASILEIRAS INOVAÇÃO TECNOLÓGICA E ATIVIDADES DE PESQUISA E DESENVOLVIMENTO NAS INDÚSTRIAS BRASILEIRAS Max Naytan Rinaldi dos Santos Faculdade de Administração CEA Centro de Economia e Administração max_naytan_n10@hotmail.com

Leia mais

INOVAÇÃO DE PRODUTO, PROCESSO, ORGANIZACIONAL E DE MARKETING NAS INDÚSTRIAS BRASILEIRAS

INOVAÇÃO DE PRODUTO, PROCESSO, ORGANIZACIONAL E DE MARKETING NAS INDÚSTRIAS BRASILEIRAS INOVAÇÃO DE PRODUTO, PROCESSO, ORGANIZACIONAL E DE MARKETING NAS INDÚSTRIAS BRASILEIRAS Fábio Luiz Papaiz Gonçalves Faculdade de Administração CEA Centro de Economia e Administração fabiopapaiz@gmail.com

Leia mais

A PERCEPÇÃO DOS GESTORES EM RELAÇÃO À IMPLANTAÇÃO DO E-LEARNING: UM ESTUDO EM EMPRESAS EM DIFERENTES ESTÁGIOS DE IMPLANTAÇÃO

A PERCEPÇÃO DOS GESTORES EM RELAÇÃO À IMPLANTAÇÃO DO E-LEARNING: UM ESTUDO EM EMPRESAS EM DIFERENTES ESTÁGIOS DE IMPLANTAÇÃO 1 A PERCEPÇÃO DOS GESTORES EM RELAÇÃO À IMPLANTAÇÃO DO E-LEARNING: UM ESTUDO EM EMPRESAS EM DIFERENTES ESTÁGIOS DE IMPLANTAÇÃO Porto Alegre RS Abril 2010 Bianca Smith Pilla Instituto Federal de Educação,

Leia mais

O PROCESSO DE APRENDIZAGEM A DISTÂNCIA NA EDUCAÇÃO CORPORATIVA: A EFETIVIDADE DO TREINAMENTO

O PROCESSO DE APRENDIZAGEM A DISTÂNCIA NA EDUCAÇÃO CORPORATIVA: A EFETIVIDADE DO TREINAMENTO 1 O PROCESSO DE APRENDIZAGEM A DISTÂNCIA NA EDUCAÇÃO CORPORATIVA: A EFETIVIDADE DO TREINAMENTO CURITIBA PR MAIO DE 2014 Margarete Teresinha Fabbris de Oliveira Santos Faculdade de Administração, Educação,

Leia mais

A Comunicação no Modelo de Excelência da Gestão (MEG) 1

A Comunicação no Modelo de Excelência da Gestão (MEG) 1 A Comunicação no Modelo de Excelência da Gestão (MEG) 1 Narjara Bárbara Xavier Silva 2 Patrícia Morais da Silva 3 Resumo O presente trabalho é resultado do Projeto de Extensão da Universidade Federal da

Leia mais

BACHARELADOS INTERDISCIPLINARES

BACHARELADOS INTERDISCIPLINARES BACHARELADOS INTERDISCIPLINARES Bacharelados Interdisciplinares (BIs) e similares são programas de formação em nível de graduação de natureza geral, que conduzem a diploma, organizados por grandes áreas

Leia mais

FINANÇAS AS EM PROJETOS DE TI

FINANÇAS AS EM PROJETOS DE TI FINANÇAS AS EM PROJETOS DE TI 2012 Material 2.1 Prof. Luiz Carlos Valeretto Jr. 1 Fundamentos de Risco e Retorno Se todos soubessem com antecedência qual seria o preço futuro de uma ação, o investimento

Leia mais

Conceitos. - Sistema de Informação, Estruturas e Classificação. - Dados x Informações. Edson Almeida Junior www.edsonalmeidajunior.com.

Conceitos. - Sistema de Informação, Estruturas e Classificação. - Dados x Informações. Edson Almeida Junior www.edsonalmeidajunior.com. Conceitos - Sistema de Informação, Estruturas e Classificação - Dados x Informações Edson Almeida Junior www.edsonalmeidajunior.com.br Definição de Sistema Uma coleção de objetos unidos por alguma forma

Leia mais

Soluções Simples www.designsimples.com.br solucoes@designsimples.com.br

Soluções Simples www.designsimples.com.br solucoes@designsimples.com.br Soluções Simples www.designsimples.com.br solucoes@designsimples.com.br C1 Introdução Este guia traz noções essenciais sobre inovação e foi baseado no Manual de Oslo, editado pela Organização para a Cooperação

Leia mais

AS PERSPECTIVAS DA ECONOMIA CRIATIVA NO BRASIL PARA GERAÇÃO DE EMPREGO E RENDA

AS PERSPECTIVAS DA ECONOMIA CRIATIVA NO BRASIL PARA GERAÇÃO DE EMPREGO E RENDA AS PERSPECTIVAS DA ECONOMIA CRIATIVA NO BRASIL PARA GERAÇÃO DE EMPREGO E RENDA Miranda Aparecida de Camargo luckcamargo@hotmail.com Acadêmico do Curso de Ciências Econômicas/UNICENTRO Luana Sokoloski sokoloski@outlook.com

Leia mais

COBIT (CONTROL OBJECTIVES FOR INFORMATION AND RELATED TECHNOLOGY)

COBIT (CONTROL OBJECTIVES FOR INFORMATION AND RELATED TECHNOLOGY) Universidade Federal de Santa Catarina Departamento de Informática e Estatística INE Curso: Sistemas de Informação Disciplina: Projetos I Professor: Renato Cislaghi Aluno: Fausto Vetter Orientadora: Maria

Leia mais

Governança de TI. Por que a Governança de TI é vista como fator chave para criação de valor para o Negócio? Conhecimento em Tecnologia da Informação

Governança de TI. Por que a Governança de TI é vista como fator chave para criação de valor para o Negócio? Conhecimento em Tecnologia da Informação Conhecimento em Tecnologia da Informação Governança de TI Por que a Governança de TI é vista como fator chave para criação de valor para o Negócio? 2010 Bridge Consulting Apresentação A Governança de Tecnologia

Leia mais

3 Metodologia. 3.1. Introdução

3 Metodologia. 3.1. Introdução 3 Metodologia 3.1. Introdução Este capítulo é dedicado à forma de desenvolvimento da pesquisa. Visa permitir, através da exposição detalhada dos passos seguidos quando da formulação e desenvolvimento do

Leia mais

Visão Geral dos Sistemas de Informação

Visão Geral dos Sistemas de Informação Visão Geral dos Sistemas de Informação Existem muitos tipos de sistemas de informação no mundo real. Todos eles utilizam recursos de hardware, software, rede e pessoas para transformar os recursos de dados

Leia mais

Aula 03 CLASSIFICAÇÃO DOS SISTEMAS DE INFORMAÇÃO

Aula 03 CLASSIFICAÇÃO DOS SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Aula 03 CLASSIFICAÇÃO DOS SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Na prática, não existe uma classificação rígida, permitindo aos autores e principalmente as empresas classificar seus sistemas de diversas maneiras. A ênfase

Leia mais

Estratégias em Tecnologia da Informação. Posição e Vantagem Competitiva Aplicações integradas Aplicações Web

Estratégias em Tecnologia da Informação. Posição e Vantagem Competitiva Aplicações integradas Aplicações Web Estratégias em Tecnologia da Informação Capítulo 09 Posição e Vantagem Competitiva Aplicações integradas Aplicações Web Material de apoio 2 Esclarecimentos Esse material é de apoio para as aulas da disciplina

Leia mais

FATORES DE INOVAÇÃO DAS EMPRESAS CAPIXABAS INNOVATION FACTORS FOR ESPIRITO SANTO S COMPANIES

FATORES DE INOVAÇÃO DAS EMPRESAS CAPIXABAS INNOVATION FACTORS FOR ESPIRITO SANTO S COMPANIES FATORES DE INOVAÇÃO DAS EMPRESAS CAPIXABAS INNOVATION FACTORS FOR ESPIRITO SANTO S COMPANIES Daniela Almeida de Oliveira Botelho - Fucape Business School Vitória/ ES Brasil danielaabotelho@hotmail.com;

Leia mais

UNIVERSIDADE PAULISTA

UNIVERSIDADE PAULISTA UNIVERSIDADE PAULISTA CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA Projeto Integrado Multidisciplinar III e IV Marketing Manual de orientações - PIM Curso Superior de Tecnologia em Marketing. 1. Introdução Os Projetos

Leia mais

Docente do Curso Superior de Tecnologia em Gestão Comercial UNOESTE. E mail: joselia@unoeste.br

Docente do Curso Superior de Tecnologia em Gestão Comercial UNOESTE. E mail: joselia@unoeste.br Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 22 a 25 de outubro, 2012 141 A LOGÍSTICA COMO DIFERENCIAL COMPETITIVO Douglas Fernandes 1, Josélia Galiciano Pedro 1 Docente do Curso Superior

Leia mais

Ministério do Desenvolvimento Agrário Secretaria de Desenvolvimento Territorial. Sistema de Gestão Estratégica. Documento de Referência

Ministério do Desenvolvimento Agrário Secretaria de Desenvolvimento Territorial. Sistema de Gestão Estratégica. Documento de Referência Ministério do Desenvolvimento Agrário Secretaria de Desenvolvimento Territorial Sistema de Gestão Estratégica Brasília - 2010 SUMÁRIO I. APRESENTAÇÃO 3 II. OBJETIVOS DO SGE 4 III. MARCO DO SGE 4 IV. ATORES

Leia mais

Comportamento do Consumidor em Relação à Educação a Distância: Abordagem Funcional das Atitudes Aplicada ao Marketing

Comportamento do Consumidor em Relação à Educação a Distância: Abordagem Funcional das Atitudes Aplicada ao Marketing André Luis Canedo Lauria Comportamento do Consumidor em Relação à Educação a Distância: Abordagem Funcional das Atitudes Aplicada ao Marketing Dissertação de Mestrado Dissertação apresentada ao Programa

Leia mais

Sumário. Parte l. 1. Introdução à pesquisa qualitativa e quantitativa em marketing 1 1.1 Pesquisa qualitativa 1 1.2 Pesquisa quantitativa 3

Sumário. Parte l. 1. Introdução à pesquisa qualitativa e quantitativa em marketing 1 1.1 Pesquisa qualitativa 1 1.2 Pesquisa quantitativa 3 Sumário Parte l 1. Introdução à pesquisa qualitativa e quantitativa em marketing 1 1.1 Pesquisa qualitativa 1 1.2 Pesquisa quantitativa 3 2. Entrevistas 5 2.1 Tipos de entrevistas 8 2.2 Preparação e condução

Leia mais

A EVOLUÇÃO DOS PROFISSIONAIS DE TI PARA ATENDER AS NECESSIDADES EMPRESARIAIS

A EVOLUÇÃO DOS PROFISSIONAIS DE TI PARA ATENDER AS NECESSIDADES EMPRESARIAIS INSTITUTO DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA PÓS-GRADUAÇÃO Gestão e Tecnologia da Informação IFTI1402 T25 A EVOLUÇÃO DOS PROFISSIONAIS DE TI PARA ATENDER AS NECESSIDADES EMPRESARIAIS Marcelo Eustáquio dos Santos

Leia mais

6 Modelo proposto: projeto de serviços dos sites de compras coletivas

6 Modelo proposto: projeto de serviços dos sites de compras coletivas 6 Modelo proposto: projeto de serviços dos sites de compras coletivas A partir do exposto, primeiramente apresentam-se as fases discriminadas no modelo proposto por Mello (2005), porém agora direcionadas

Leia mais

Construindo a interação entre universidade e empresas: O que os atores pensam sobre isso?

Construindo a interação entre universidade e empresas: O que os atores pensam sobre isso? i n o v a ç ã o 8 Construindo a interação entre universidade e empresas: O que os atores pensam sobre isso? Carla Conti de Freitas Yara Fonseca de Oliveira e Silva Julia Paranhos Lia Hasenclever Renata

Leia mais

A CONTRIBUIÇÃO DA PESQUISA-AÇÃO PARA OBTENÇÃO DA INOVAÇÃO TECNOLÓGICA

A CONTRIBUIÇÃO DA PESQUISA-AÇÃO PARA OBTENÇÃO DA INOVAÇÃO TECNOLÓGICA A CONTRIBUIÇÃO DA PESQUISA-AÇÃO PARA OBTENÇÃO DA INOVAÇÃO TECNOLÓGICA Daniela GIBERTONI 1 RESUMO A inovação tecnológica continua a ser um desafio para as empresas e para o desenvolvimento do país. Este

Leia mais

Competindo com Tecnologia da Informação. Objetivos do Capítulo

Competindo com Tecnologia da Informação. Objetivos do Capítulo Objetivos do Capítulo Identificar as diversas estratégias competitivas básicas e explicar como elas podem utilizar a tecnologia da informação para fazer frente às forças competitivas que as empresas enfrentam.

Leia mais

com níveis ótimos de Brand Equity, os interesses organizacionais são compatíveis com as expectativas dos consumidores.

com níveis ótimos de Brand Equity, os interesses organizacionais são compatíveis com as expectativas dos consumidores. Brand Equity O conceito de Brand Equity surgiu na década de 1980. Este conceito contribuiu muito para o aumento da importância da marca na estratégia de marketing das empresas, embora devemos ressaltar

Leia mais

UNIÃO DE ENSINO SUPERIOR DE CAMPINA GRANDE FACULDADE DE CAMPINA GRANDE-FAC-CG

UNIÃO DE ENSINO SUPERIOR DE CAMPINA GRANDE FACULDADE DE CAMPINA GRANDE-FAC-CG UNIÃO DE ENSINO SUPERIOR DE CAMPINA GRANDE FACULDADE DE CAMPINA GRANDE-FAC-CG CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM MARKETING MÓDULO I 304101 FUNDAMENTOS DE MARKETING Fundamentos do Marketing. Processo de Marketing.

Leia mais

Metodologias COBIT e ITIL e as perspectivas do Modelo de Alinhamento Estratégico de TI

Metodologias COBIT e ITIL e as perspectivas do Modelo de Alinhamento Estratégico de TI Metodologias COBIT e ITIL e as perspectivas do Modelo de Alinhamento Estratégico de TI Gilberto Zorello (USP) gilberto.zorello@poli.usp.br Resumo Este artigo apresenta o Modelo de Alinhamento Estratégico

Leia mais

CARACTERÍSTICAS DE UM PROJETO

CARACTERÍSTICAS DE UM PROJETO CARACTERÍSTICAS DE UM PROJETO Temporário: significa que cada projeto tem um início e um fim muito bem definidos. Um projeto é fundamentalmente diferente: porque ele termina quando seus objetivos propostos

Leia mais

TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E GESTÃO DO CONHECIMENTO EM BIBLIOTECAS UNIVERSITÁRIAS BRASILEIRAS E PORTUGUESAS

TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E GESTÃO DO CONHECIMENTO EM BIBLIOTECAS UNIVERSITÁRIAS BRASILEIRAS E PORTUGUESAS 1 TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E GESTÃO DO CONHECIMENTO EM BIBLIOTECAS UNIVERSITÁRIAS BRASILEIRAS E PORTUGUESAS São Carlos SP Abril 2011 Euro Marques Júnior USP eurojr@uol.com.br Educação Universitária Serviços

Leia mais

decisões tomadas. Euchner e Ries (2013) argumentam, entretanto, que é difícil implementar o planejamento tradicional e a previsão de resultados em

decisões tomadas. Euchner e Ries (2013) argumentam, entretanto, que é difícil implementar o planejamento tradicional e a previsão de resultados em 1 Introdução Não é recente a preocupação das empresas em buscar uma vantagem competitiva, de forma a gerar mais valor para os seus clientes do que os concorrentes por meio da oferta de produtos ou serviços

Leia mais

Marcos Paulo Garrido Bittencourt de Oliveira. O uso de mídias sociais como ferramentas para criação de novos negócios: Estudo de caso

Marcos Paulo Garrido Bittencourt de Oliveira. O uso de mídias sociais como ferramentas para criação de novos negócios: Estudo de caso Marcos Paulo Garrido Bittencourt de Oliveira O uso de mídias sociais como ferramentas para criação de novos negócios: Estudo de caso Dissertação de Mestrado Dissertação apresentada ao Programa de Pósgraduação

Leia mais

APLICABILIDADE DA ESPECIFICAÇÃO PAS 99:2006 COMO MODELO INTEGRADO DE GESTÃO - UM ESTUDO DE CASO

APLICABILIDADE DA ESPECIFICAÇÃO PAS 99:2006 COMO MODELO INTEGRADO DE GESTÃO - UM ESTUDO DE CASO ! "#$ " %'&)(*&)+,.- /10.2*&4365879&4/1:.+58;.2*=?5.@A2*3B;.- C)D 5.,.5FE)5.G.+ &4- (IHJ&?,.+ /?=)5.KA:.+5MLN&OHJ5F&4E)2*EOHJ&)(IHJ/)G.- D - ;./);.& APLICABILIDADE DA ESPECIFICAÇÃO PAS 99:2006 COMO

Leia mais

ESTUDO DO PROCESSO DE INOVAÇÃO UTILIZADO PELA ÁREA INDUSTRIAL METALÚRGICA DE BENTO GONÇALVES EM SEU PROCESSO, GERENCIAMENTO E LOGÍSTICA

ESTUDO DO PROCESSO DE INOVAÇÃO UTILIZADO PELA ÁREA INDUSTRIAL METALÚRGICA DE BENTO GONÇALVES EM SEU PROCESSO, GERENCIAMENTO E LOGÍSTICA ESTUDO DO PROCESSO DE INOVAÇÃO UTILIZADO PELA ÁREA INDUSTRIAL METALÚRGICA DE BENTO GONÇALVES EM SEU PROCESSO, GERENCIAMENTO E LOGÍSTICA W.L.MOURA 1 ; L.FILIPETTO 2 ; C.SOAVE 3 RESUMO O assunto sobre inovação

Leia mais

Segurança e Auditoria de Sistemas. Profº.: Daniel Gondim

Segurança e Auditoria de Sistemas. Profº.: Daniel Gondim Segurança e Auditoria de Sistemas Profº.: Daniel Gondim Roteiro Auditoria de Sistemas Conceitos; Tipos de Auditorias; Objetivos e Importância; Etapas; Segurança da Informação Conceitos; Ameaças; Algumas

Leia mais

CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO MBA ADMINISTRAÇÃO DA INFORMAÇÃO PROGRAMA GERAL. Módulo I Sociedade da informação 30 h. Módulo II Teoria das organizações 30 h

CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO MBA ADMINISTRAÇÃO DA INFORMAÇÃO PROGRAMA GERAL. Módulo I Sociedade da informação 30 h. Módulo II Teoria das organizações 30 h CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO MBA ADMINISTRAÇÃO DA INFORMAÇÃO PROGRAMA GERAL Módulos Disciplinas Carga Horária Módulo I Sociedade da informação 30 h Módulo II Teoria das organizações 30 h Módulo III Redes sociais

Leia mais

APÊNDICE A QUESTIONÁRIO APLICADO AOS GESTORES

APÊNDICE A QUESTIONÁRIO APLICADO AOS GESTORES 202 INSTRUÇÕES DE PREENCHIMENTO ALGUNS COMENTÁRIOS ANTES DE INICIAR O PREENCHIMENTO DO QUESTIONÁRIO: a) Os blocos a seguir visam obter as impressões do ENTREVISTADO quanto aos processos de gestão da Policarbonatos,

Leia mais

REPROJETO DA ORGANIZAÇÃO COM SISTEMAS DE INFORMAÇÃO

REPROJETO DA ORGANIZAÇÃO COM SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Capítulo 12 REPROJETO DA ORGANIZAÇÃO COM SISTEMAS DE INFORMAÇÃO 12.1 2003 by Prentice Hall OBJETIVOS De que forma o desenvolvimento de um novo sistema poderia mudar a maneira de uma organização trabalhar?

Leia mais

CURSO DE ADMINISTRAÇÃO

CURSO DE ADMINISTRAÇÃO 1 CURSO DE EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS 2010.2 A BRUSQUE (SC) 2014 2 SUMÁRIO 1ª FASE... 4 01 INFORMÁTICA APLICADA À... 4 02 MATEMÁTICA APLICADA À I... 4 03 METODOLOGIA CIENTÍFICA... 4 04 PSICOLOGIA... 5 05

Leia mais

Ementário do Curso de Administração Grade 2010-2 1 Administração da Produção I Fase: Carga Horária: Créditos: Ementa:

Ementário do Curso de Administração Grade 2010-2 1 Administração da Produção I Fase: Carga Horária: Créditos: Ementa: 1 da Produção I Ementário do Curso de Introdução à administração da produção; estratégias para definição do sistema de produção; estratégias para o planejamento do arranjo físico; técnicas de organização,

Leia mais

Leonardo Pereira Rodrigues dos Santos

Leonardo Pereira Rodrigues dos Santos Leonardo Pereira Rodrigues dos Santos Desenvolvimento de serviços na área de educação: uma aplicação de análise conjunta nos cursos de mestrado em administração de empresas DISSERTAÇÃO DE MESTRADO DEPARTAMENTO

Leia mais

Sistema produtivo e inovativo de software e serviços de TI brasileiro: Dinâmica competitiva e Política pública

Sistema produtivo e inovativo de software e serviços de TI brasileiro: Dinâmica competitiva e Política pública Conferência Internacional LALICS 2013 Sistemas Nacionais de Inovação e Políticas de CTI para um Desenvolvimento Inclusivo e Sustentável 11 e 12 de Novembro, 2013 - Rio de Janeiro, Brasil Sistema produtivo

Leia mais

José Benedito Alves Junior

José Benedito Alves Junior 1 José Benedito Alves Junior Gerenciamento de Projetos de TI: Uma análise sobre a possibilidade de aplicação da estrutura motivacional sugerida pelo Project Management Body of Knowledge - PMBOK - em uma

Leia mais

COBIT. Governança de TI. Juvenal Santana, PMP tecproit.com.br

COBIT. Governança de TI. Juvenal Santana, PMP tecproit.com.br COBIT Governança de TI Juvenal Santana, PMP tecproit.com.br Sobre mim Juvenal Santana Gerente de Projetos PMP; Cobit Certified; ITIL Certified; OOAD Certified; 9+ anos de experiência em TI; Especialista

Leia mais

TECNOLOGIA E SISTEMAS DE INFORMAÇÃO UM ESTUDO DE CASO NA EMPRESA POSTO DOURADÃO LTDA RESUMO

TECNOLOGIA E SISTEMAS DE INFORMAÇÃO UM ESTUDO DE CASO NA EMPRESA POSTO DOURADÃO LTDA RESUMO TECNOLOGIA E SISTEMAS DE INFORMAÇÃO UM ESTUDO DE CASO NA EMPRESA POSTO DOURADÃO LTDA Hewerton Luis P. Santiago 1 Matheus Rabelo Costa 2 RESUMO Com o constante avanço tecnológico que vem ocorrendo nessa

Leia mais

5 CONSIDERAÇÕES FINAIS. 5.1 Conclusão

5 CONSIDERAÇÕES FINAIS. 5.1 Conclusão 97 5 CONSIDERAÇÕES FINAIS 5.1 Conclusão Este estudo teve como objetivo final elaborar um modelo que explique a fidelidade de empresas aos seus fornecedores de serviços de consultoria em informática. A

Leia mais

1 Introdução 1.1. Problema de Pesquisa

1 Introdução 1.1. Problema de Pesquisa 1 Introdução 1.1. Problema de Pesquisa A motivação, satisfação e insatisfação no trabalho têm sido alvo de estudos e pesquisas de teóricos das mais variadas correntes ao longo do século XX. Saber o que

Leia mais

INFORMAÇÃO E VANTAGEM COMPETITIVA EM ORGANIZAÇÃO DE MÓVEIS E ELETROS

INFORMAÇÃO E VANTAGEM COMPETITIVA EM ORGANIZAÇÃO DE MÓVEIS E ELETROS INFORMAÇÃO E VANTAGEM COMPETITIVA EM ORGANIZAÇÃO DE MÓVEIS E ELETROS Elane de Oliveira, UFRN 1 Max Leandro de Araújo Brito, UFRN 2 Marcela Figueira de Saboya Dantas, UFRN 3 Anatália Saraiva Martins Ramos,

Leia mais

PESQUISA, DESENVOLVIMENTO E INOVAÇÃO

PESQUISA, DESENVOLVIMENTO E INOVAÇÃO 1 Paulo Bastos Tigre Professor titular Instituto de Economia da UFRJ Seminário Implementando uma cultura de inovação em P&D. São Paulo, 8 julho 2010 PESQUISA, DESENVOLVIMENTO E INOVAÇÃO Conceitos de inovação

Leia mais

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO FACULDADE DE ECONOMIA, ADMINISTRAÇÃO E CONTABILIDADE

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO FACULDADE DE ECONOMIA, ADMINISTRAÇÃO E CONTABILIDADE UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO FACULDADE DE ECONOMIA, ADMINISTRAÇÃO E CONTABILIDADE. DEPARTAMENTO DE CONTABILIDADE E ATUÁRIA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CONTABILIDADE E CONTROLADORIA Projeto de Tese Influência

Leia mais

1º SEMESTRE 2º SEMESTRE

1º SEMESTRE 2º SEMESTRE 1º SEMESTRE 7ECO003 ECONOMIA DE EMPRESAS I Organização econômica e problemas econômicos. Demanda, oferta e elasticidade. Teoria do consumidor. Teoria da produção e da firma, estruturas e regulamento de

Leia mais

http://www.portaldaindustria.com.br/senai/iniciativas-senai/programas/edital-de-inovacao/2015/04/1,60050/glossario.html

http://www.portaldaindustria.com.br/senai/iniciativas-senai/programas/edital-de-inovacao/2015/04/1,60050/glossario.html www.cni.org.br http://www.portaldaindustria.com.br/senai/iniciativas-senai/programas/edital-de-inovacao/2015/04/1,60050/glossario.html Glossário A Atividades - Ações que os executores realizam para alcançar

Leia mais

1. PRÁTICA EFICAZ DE GESTÃO EDUCACIONAL Gestão do ciclo completo de relacionamento com o aluno SRM da Universidade Feevale

1. PRÁTICA EFICAZ DE GESTÃO EDUCACIONAL Gestão do ciclo completo de relacionamento com o aluno SRM da Universidade Feevale RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO 1. PRÁTICA EFICAZ DE GESTÃO EDUCACIONAL Gestão do ciclo completo de relacionamento com o aluno SRM da Universidade Feevale 1.1 Histórico da Prática Eficaz Por meio do Departamento

Leia mais

REDES DE PEQUENAS EMPRESAS

REDES DE PEQUENAS EMPRESAS REDES DE PEQUENAS EMPRESAS As micro, pequenas e médias empresas, em decorrência da globalização e suas imposições,vêm buscando alcançar vantagem competitiva para sua sobrevivência no mercado. CONTEXTO

Leia mais

Resenha. Inovação: repensando as organizações (BAUTZER, Daise. São Paulo: Atlas, 2009.)

Resenha. Inovação: repensando as organizações (BAUTZER, Daise. São Paulo: Atlas, 2009.) Resenha Inovação: repensando as organizações (BAUTZER, Daise. São Paulo: Atlas, 2009.) Patrícia Morais da Silva 1 Superar as expectativas do mercado atendendo de forma satisfatória as demandas dos clientes

Leia mais

Como vai a Governança de TI no Brasil? Resultados de pesquisa com 652 profissionais

Como vai a Governança de TI no Brasil? Resultados de pesquisa com 652 profissionais Fórum de Governança Tecnologia e Inovação LabGTI/UFLA Como vai a Governança de TI no Brasil? Resultados de pesquisa com 652 profissionais Pamela A. Santos pam.santos91@gmail.com Paulo H. S. Bermejo bermejo@dcc.ufla.br

Leia mais

A Gestão do Conhecimento vai, no entanto, muito além, do investimento em tecnologia ou o gerenciamento da inovação.

A Gestão do Conhecimento vai, no entanto, muito além, do investimento em tecnologia ou o gerenciamento da inovação. Aponta a Gestão do Conhecimento como uma estratégia central para desenvolver a competitividade de empresas e países, discute o investimento em pesquisa e desenvolvimento, e os avanços da tecnologia gerencial

Leia mais

1 Introdução 2 Comportamento do Consumidor e Diferenciação para Estratégia e para o Marketing

1 Introdução  2 Comportamento do Consumidor e Diferenciação para Estratégia e para o Marketing Diferenciação Informada: um Estudo sobre os Efeitos da Informação sobre a Disposição a Pagar João Roberto Lo Turco Martinez joaoadm01@yahoo.com.br UFG Lorena Estrela Peixoto lorenapeixoto18@yahoo.com.br

Leia mais

O papel dos sistemas de informação no ambiente de negócios contemporâneo

O papel dos sistemas de informação no ambiente de negócios contemporâneo O papel dos sistemas de informação no ambiente de negócios contemporâneo Mestrado em Gestão estratégicas de Organizações Disciplina: Sistemas de Informação e Novas Tecnologias Organizacionais Professor:

Leia mais

Laudon & Laudon MIS, 7th Edition. Pg. 1.1

Laudon & Laudon MIS, 7th Edition. Pg. 1.1 Laudon & Laudon MIS, 7th Edition. Pg. 1.1 12 OBJETIVOS OBJETIVOS REPROJETO DA ORGANIZAÇÃO COM SISTEMAS DE INFORMAÇÃO 12.1 De que forma o desenvolvimento de um novo sistema poderia mudar a maneira de uma

Leia mais

MBA EXECUTIVO DA INDÚSTRIA FARMACÊUTICA

MBA EXECUTIVO DA INDÚSTRIA FARMACÊUTICA MBA EXECUTIVO DA INDÚSTRIA FARMACÊUTICA 2012.1 FUNDAÇÃO GETULIO VARGAS É uma instituição de direito privado, sem fins lucrativos, fundada em 20 de dezembro de 1944, com o objetivo de ser um centro voltado

Leia mais

INFORMAÇÃO EM RELAÇÕES PÚBLICAS a pesquisa empírica em Portais Corporativos

INFORMAÇÃO EM RELAÇÕES PÚBLICAS a pesquisa empírica em Portais Corporativos INFORMAÇÃO EM RELAÇÕES PÚBLICAS a pesquisa empírica em Portais Corporativos Cláudia Peixoto de Moura Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul PUCRS E-mail: cpmoura@pucrs.br Resumo do Trabalho:

Leia mais

A Importância do Gerenciamento da Cadeia de Abastecimento Integrada como um Fator de Vantagem Competitiva para as Organizações.

A Importância do Gerenciamento da Cadeia de Abastecimento Integrada como um Fator de Vantagem Competitiva para as Organizações. A Importância do Gerenciamento da Cadeia de Abastecimento Integrada como um Fator de Vantagem Competitiva para as Organizações. Nathan de Oliveira Paula nathan_paula@hotmail.com IFSudesteMG Marylaine de

Leia mais

Gestão de Propriedade Intelectual aplicada ao Desenvolvimento de Inovações e Aceleração de Empresas de Base Tecnológica

Gestão de Propriedade Intelectual aplicada ao Desenvolvimento de Inovações e Aceleração de Empresas de Base Tecnológica Gestão de Propriedade Intelectual aplicada ao Desenvolvimento de Inovações e Aceleração de Empresas de Base Tecnológica Resumo As experiências vivenciadas pela equipe da Accelera IP evidenciam a dificuldade

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 039/2004-COU/UNICENTRO

RESOLUÇÃO Nº 039/2004-COU/UNICENTRO RESOLUÇÃO Nº 039/2004-COU/UNICENTRO REVOGADA PELA RESOLUÇÃO Nº 128/2014- COU/UNICENTRO. DISPOSITIVOS DO PROJETO PEDAGÓGICO APROVADO POR ESTA RESOLUÇÃO, ESTÃO ALTERADOS PELA RESOLUÇÃO Nº 26/2009-COU/UNICENTRO.

Leia mais

MARKETING: UMA FERRAMENTA DA ADMINISTRAÇÃO APLICADA EM UMA ESCOLA DE INFORMÁTICA DE PEQUENO PORTE

MARKETING: UMA FERRAMENTA DA ADMINISTRAÇÃO APLICADA EM UMA ESCOLA DE INFORMÁTICA DE PEQUENO PORTE Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 22 a 25 de outubro, 2012 118 MARKETING: UMA FERRAMENTA DA ADMINISTRAÇÃO APLICADA EM UMA ESCOLA DE INFORMÁTICA DE PEQUENO PORTE Diogo Xavier

Leia mais

REPROJETO DA ORGANIZAÇÃO COM SISTEMAS DE INFORMAÇÃO

REPROJETO DA ORGANIZAÇÃO COM SISTEMAS DE INFORMAÇÃO REPROJETO DA ORGANIZAÇÃO COM SISTEMAS DE INFORMAÇÃO 1 OBJETIVOS 1. De que forma o desenvolvimento de um novo sistema poderia mudar a maneira de uma organização trabalhar? 2. Como uma empresa pode certificar-se

Leia mais

Estratégias de Pesquisa

Estratégias de Pesquisa Estratégias de Pesquisa Ricardo de Almeida Falbo Metodologia de Pesquisa Departamento de Informática Universidade Federal do Espírito Santo Agenda Survey Design e Criação Estudo de Caso Pesquisa Ação Experimento

Leia mais

Etapa Descrição Atividades

Etapa Descrição Atividades 1 Introdução A auditoria e o monitoramento contínuo visam melhorar a eficiência das operações na empresa, identificando e avaliando riscos de maneira tempestiva e provendo rapidamente informações críticas

Leia mais

Poucas inovações na história da humanidade reúnem tantos benefícios potenciais quanto o Comércio Eletrônico (também conhecido como e-commerce).

Poucas inovações na história da humanidade reúnem tantos benefícios potenciais quanto o Comércio Eletrônico (também conhecido como e-commerce). Poucas inovações na história da humanidade reúnem tantos benefícios potenciais quanto o Comércio Eletrônico (também conhecido como e-commerce). A natureza global da tecnologia, a oportunidade de atingir

Leia mais

Vantagens competitivas e estratégicas no uso de operadores logísticos. Prof. Paulo Medeiros

Vantagens competitivas e estratégicas no uso de operadores logísticos. Prof. Paulo Medeiros Vantagens competitivas e estratégicas no uso de operadores logísticos Prof. Paulo Medeiros Introdução nos EUA surgiram 100 novos operadores logísticos entre 1990 e 1995. O mercado para estas empresas que

Leia mais

PLANO DE AÇÃO ESTRATÉGICO ANEXO

PLANO DE AÇÃO ESTRATÉGICO ANEXO PLANO DE AÇÃO ESTRATÉGICO ANEXO Plano de Ação Estratégico Estratégias empresariais Anexo Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas SEBRAE Unidade de Capacitação Empresarial Estratégias

Leia mais

ISO 9000 ISO 9001:2008

ISO 9000 ISO 9001:2008 ISO 9001:2008 QUALIDADE II ISO 9000 A ISO 9000 - Qualidade é o nome genérico utilizado pela série de normas da família 9000 (ISO) que estabelece as diretrizes para implantação de Sistemas de Gestão da

Leia mais

Síntese Dinamizando Sistemas Nacionais De Inovação

Síntese Dinamizando Sistemas Nacionais De Inovação Síntese Dinamizando Sistemas Nacionais De Inovação Overview Dynamising National Innovation Systems As Sínteses constituem-se em excertos de publicações da OCDE. Elas são disponíveis livremente na biblioteca

Leia mais

3 METODOLOGIA DA PESQUISA

3 METODOLOGIA DA PESQUISA 3 METODOLOGIA DA PESQUISA O objetivo principal deste estudo, conforme mencionado anteriormente, é identificar, por meio da percepção de consultores, os fatores críticos de sucesso para a implementação

Leia mais

ABNT NBR ISO 9001:2008

ABNT NBR ISO 9001:2008 ABNT NBR ISO 9001:2008 Introdução 0.1 Generalidades Convém que a adoção de um sistema de gestão da qualidade seja uma decisão estratégica de uma organização. O projeto e a implementação de um sistema de

Leia mais

SATISFAÇÃO DOS USUÁRIOS DE SISTEMAS DE INFORMAÇÕES: UM ESTUDO DO SISTEMA DE INFORMAÇÕES GERENCIAS ACADÊMICAS (SIGA)

SATISFAÇÃO DOS USUÁRIOS DE SISTEMAS DE INFORMAÇÕES: UM ESTUDO DO SISTEMA DE INFORMAÇÕES GERENCIAS ACADÊMICAS (SIGA) XXVIENANGRAD SATISFAÇÃO DOS USUÁRIOS DE SISTEMAS DE INFORMAÇÕES: UM ESTUDO DO SISTEMA DE INFORMAÇÕES GERENCIAS ACADÊMICAS (SIGA) Ana Clara Cavalcanti de Miranda José Eduardo de Melo Barros Alessandra Carla

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DOS SISTEMAS DE INFORMAÇÃO CONTÁBIL COMO FONTE DE TOMADA DE DECISÕES GERENCIAS

A IMPORTÂNCIA DOS SISTEMAS DE INFORMAÇÃO CONTÁBIL COMO FONTE DE TOMADA DE DECISÕES GERENCIAS A IMPORTÂNCIA DOS SISTEMAS DE INFORMAÇÃO CONTÁBIL COMO FONTE DE TOMADA DE DECISÕES GERENCIAS Linha de pesquisa: Sistema de informação gerencial Pâmela Adrielle da Silva Reis Graduanda do Curso de Ciências

Leia mais

Mensuração do Desempenho do Gerenciamento de Portfólio de Projetos: Proposta de Modelo Conceitual

Mensuração do Desempenho do Gerenciamento de Portfólio de Projetos: Proposta de Modelo Conceitual Pedro Bruno Barros de Souza Mensuração do Desempenho do Gerenciamento de Portfólio de Projetos: Proposta de Modelo Conceitual Dissertação de Mestrado Dissertação apresentada ao Programa de Pósgraduação

Leia mais

DIS ISO 9001:2015 Publicado em Maio de 2014

DIS ISO 9001:2015 Publicado em Maio de 2014 DIS ISO 9001:2015 Publicado em Maio de 2014 Abordagem de Processos Risk-based thinking (Pensamento baseado em Risco) Anexo SL (Estrutura de Alto Nível) Anexo SL (Estrutura de Alto Nível) 1 - Escopo 2 -

Leia mais

MBA Executivo em Logística e Supply Chain Management

MBA Executivo em Logística e Supply Chain Management ISCTE BUSINESS SCHOOL INDEG_GRADUATE CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU ESPECIALIZAÇÃO MBA Executivo em Logística e Supply Chain Management www.strong.com.br/alphaville - www.strong.com.br/osasco - PABX:

Leia mais

MBA Gestão de Negócios e Pessoas

MBA Gestão de Negócios e Pessoas PROJETO PEDAGÓGICO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU Nome do Curso MBA Gestão de Negócios e Pessoas Área de Conhecimento Ciências Sociais Aplicadas Nome do Coordenador do Curso e Breve Currículo: Prof.

Leia mais

Ementário do Curso de Administração Grade 2008-1 1 Administração da Produção I Fase: Carga Horária: Créditos: Ementa:

Ementário do Curso de Administração Grade 2008-1 1 Administração da Produção I Fase: Carga Horária: Créditos: Ementa: 1 da Produção I Ementário do Curso de Introdução à administração da produção; estratégias para definição do sistema de produção; estratégias para o planejamento do arranjo físico; técnicas de organização,

Leia mais

GESTÃO POR COMPETÊNCIAS

GESTÃO POR COMPETÊNCIAS GESTÃO POR COMPETÊNCIAS STM ANALISTA/2010 ( C ) Conforme legislação específica aplicada à administração pública federal, gestão por competência e gestão da capacitação são equivalentes. Lei 5.707/2006

Leia mais

Síntese Usando o Conhecimento para o Desenvolvimento

Síntese Usando o Conhecimento para o Desenvolvimento Síntese Usando o Conhecimento para o Desenvolvimento A Experiência Brasileira Overview Using Knowledge for Development The Brazilian Experience As Sínteses constituem-se em excertos de publicações da OCDE.

Leia mais

Utilize o roteiro abaixo como mapa para elaboração do projeto. Organizado o conjunto, amplie as partes que requerem detalhamento.

Utilize o roteiro abaixo como mapa para elaboração do projeto. Organizado o conjunto, amplie as partes que requerem detalhamento. Utilize o roteiro abaixo como mapa para elaboração do projeto. Organizado o conjunto, amplie as partes que requerem detalhamento. ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO DE PROJETO DE PESQUISA Título provisório (uma expressão

Leia mais

Aula 12 Tecnologia da Informação e a Gestão de Pessoas

Aula 12 Tecnologia da Informação e a Gestão de Pessoas Aula 12 Tecnologia da Informação e a Gestão de Pessoas Objetivos da aula: Os objetivos desta aula visam permitir com que você compreenda melhor a relação da área de recursos humanos com a tecnologia da

Leia mais

ÊNFASE EM GESTÃO DO CONHECIMENTO E INTELIGÊNCIA EMPRESARIAL

ÊNFASE EM GESTÃO DO CONHECIMENTO E INTELIGÊNCIA EMPRESARIAL MBA DESENVOLVIMENTO AVANÇADO DE EXECUTIVOS ÊNFASE EM GESTÃO DO CONHECIMENTO E INTELIGÊNCIA EMPRESARIAL O MBA Desenvolvimento Avançado de Executivos possui como característica atender a um mercado altamente

Leia mais

Análise de Mercado. Análise da Indústria/Setor. Descrição do Segmento de Mercado. Artigos de PN Como fazer Análise de Mercado. josedornelas.com.

Análise de Mercado. Análise da Indústria/Setor. Descrição do Segmento de Mercado. Artigos de PN Como fazer Análise de Mercado. josedornelas.com. Artigos de PN Como fazer Análise de Mercado Análise de Mercado A análise de mercado é um dos componentes do plano de negócios que está relacionado ao marketing da organização. Ela apresenta o entendimento

Leia mais