Termodinâmica Aplicada

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Termodinâmica Aplicada"

Transcrição

1 TERMODINÂMICA Disciplina: Terodinâica Professor: Caruso APLICAÇÕES I Motores de autoóveis Turbinas Bobas e Copressores Usinas Téricas (nucleares, cobustíveis fósseis, bioassa ou qualquer outra fonte térica) Sisteas de propulsão para aviões e foguetes

2 APLICAÇÕES II Sisteas de cobustão Sisteas criogênicos, separação de gases e liquefação Aqueciento, ventilação e ar condicionado Refrigeração (por copressão de vapor, absorção ou adsorção) Bobas de calor APLICAÇÕES III Sisteas de aproveitaento da energia Solar para aqueciento, refrigeração e produção de energia elétrica Sisteas energéticos alternativos Células de cobustível Dispositivos teroelétricos e tero iônicos Conversores agneto hidrodinâicos (MHD) 2

3 APLICAÇÕES I Sisteas Geotéricos Aproveitaento da energia dos oceanos (térica, das ondas, e das arés) Aproveitaento da energia dos ventos (energia eólica) Aplicações bioédicas Sisteas de suporte à vida Órgãos artificiais CALOR E TEMPERATURA Calor é energia e trânsito devido a ua diferença de teperatura. Sepre que existir ua diferença de teperatura e u eio ou entre eios ocorrerá transferência de calor. Está iplícito na definição que u corpo nunca conté calor, as calor é identificado co tal quando cruza a fronteira de u sistea. O calor é portanto u fenôeno transitório, que cessa quando não existe ais ua diferença de teperatura. 3

4 TRANSFERÊNCIA DE CALOR I Condução Quando a transferência de energia ocorrer e u eio estacionário, que pode ser u sólido ou u fluido, e virtude de u gradiente de teperatura TRANSFERÊNCIA DE CALOR II Convecção Quando a transferência de energia ocorrer entre ua superfície e u fluido e oviento e virtude da diferença de teperatura entre eles, usaos o tero transferência de calor por convecção. 4

5 TRANSFERÊNCIA DE CALOR III Radiação Quando, na ausência de u eio interveniente, existe ua troca líquida de energia (eitida na fora de ondas eletroagnéticas) entre duas superfícies a diferentes teperaturas TERMODINÂMICA - OBJETIO A Terodinâica trata da relação entre o calor e as outras foras de energia A energia pode ser transferida através de interações entre o sistea e suas vizinhanças. Estas interações são denoinadas calor e trabalho 5

6 TEMPERATURA I Propriedade difícil de se definir Inicialente foi definida a partir da sensibilidade do Hoe Pode-se distinguir que o corpo está ais quente (ou frio) que o corpo 2 e este ais quente que o corpo 3, etc. A quantificação da diferença soente é possível através de instruentos (terôetros) TEMPERATURA II Assi coo Massa, Copriento e Tepo, é difícil dar ua definição de Teperatura e teros de conceitos independentes ou aceitos coo priários. No entanto é possível se chegar a u entendiento objetivo da IGUALDADE de teperaturas usando o fato de que quando a teperatura de u corpo uda, outras propriedades tabé uda. 6

7 TEMPERATURA III A edida de ua dessas propriedades, coo volue, resistência elétrica, pode ser associada a ua dada teperatura. O dispositivo que efetua essa edida é o terôetro. Se toaros dois blocos de cobre, u ais quente que o outro e colocaros os dois e contato, haverá interação entre eles e o bloco ais quente irá esfriar e o ais frio irá se aquecer. Quando as interações cessare as quantidades ensuráveis pararão de variar e os blocos estarão e equilíbrio térico e portanto à esa teperatura. TEMPERATURA I Lei Zero da Terodinâica Quando dois corpos estão e equilíbrio co u terceiro corpo eles estarão tabé e equilíbrio entre si. 7

8 TERMÔMETROS São dispositivos que eprega ua substância ("teroétrica") que possui pelo enos ua propriedade variável co a teperatura. de líquido e bulbo (volue): uito preciso; de gás a volue constante (hidrogênio ou hélio) (pressão): padrão internacional para deterinadas faixas de teperatura; teropares (fe - força eletrootriz); teristores (resistência elétrica); pirôetros (radiação térica). ESCALA DE TEMPERATURA Escala Kelvin (SI) Ponto fixo padrão: ponto triplo da água (equilíbrio entre gelo, água e vapor d'água) = 273,6 K (pressão = 0,63 Pa = 0,006 at). Estabelecido por acordo internacional - facilente reprodutível. Ponto de gelo (equilíbrio entre gelo, água e ar a atosfera): 273,5 K. Ponto de vapor (equilíbrio entre a água líquida e seu vapor a at): 373,5K. Intervalo entre ponto de gelo e ponto de vapor = 00 K. 8

9 OUTRAS ESCALAS CELSIUS: T( o C) = T(K) - 273,5 RANKINE: T( o R) = 9/5 T (K) FAHRENHEIT: T( o F) = T( o R) - 459,67 T ( F) = 9/5 T( C) + 32 Exercício Ebora pareça ipossível atingir-se o zero absoluto, teperaturas tão baixas quanto 0, K fora alcançadas e laboratórios. Isso seria suficiente para todos os fins práticos? Por quê os físicos deveria (coo o faze) tentar obter teperaturas ainda ais baixas? 9

10 Exercício Solução Porque a teperaturas uito baixas os ateriais exibe propriedades não observadas a teperaturas usuais. A supercondutividade é u exeplo dessas propriedades A otivação desse tipo de pesquisa está no fato de se poder encontrar novos fenôenos nas propriedades físicas dos ateriais A tentativa de se reduzir os liites físicos conduz ao desenvolviento de instruentos ais sofisticados Exercício 2 U teropar é forado por dois etais diferentes, conectados e dois pontos, de odo que ua pequena tensão é produzida quando as duas juntas estão e teperaturas diferentes. Nu teropar de ferro-constantan, co ua junção antida a 0 o C, a tensão varia linearente de 0 a 28 à edida que a outra teperatura varia entre 0 e 50 O C. Deterinar a teperatura da junta variável quando a tensão edida for 0,2 0

11 Exercício 2 Solução Coo a tensão de saída varia linearente co a teperatura T, podeos escrever: = a + b T () ( a e b são constantes) Os pontos fornecidos perite deterinar as constantes: = 0 quando T = 0 o C; substituindo na (), ve que a = 0 = 28 quando T = 50 o C portanto b = 0,0549 / o C Para = 0,2, T = 85,8 o C Exercício 3 A que teperatura os seguintes pares de escalas serão nuericaente iguais: Fahrenheit e Celsius Fahrenheit e Kelvin Celsius e Kelvin

12 Exercício 3 Solução Fahrenheit e Celsius T F = 9/5 T C + 32 Coo T F = T C T F = 9/5 T F + 32 ou T F = - 40 Fahrenheit e Kelvin T = 9/5 (T 273,5) + 32 T = 574,5875 Celsius e Kelvin Coo as duas escalas se relaciona linearente confore a lei T C = T 273,5, não há teperatura e que as leituras seja nuericaente iguais **** 2

13 Definições Sistea Identifica o objeto da análise Corpo livre Tanque de paredes rígidas Tubulação onde u fluido escoa Refinaria inteira izinhança Tudo o que é externo ao sistea Fronteira Lugar real ou iaginário que separa o Sistea de sua izinhança Definições Sistea fechado Há ua quantidade fixa de atéria A assa sob análise não entra, ne sai Fronteira GÁS W Q izinhança olue de controle Região do espaço através da qual ocorre fluxo de assa 3

14 Definições Propriedade É qualquer característica ensurável da substância estudada Propriedade intensiva É a que independe da quantidade de assa e estudo Ex.: teperatura, pressão, densidade Propriedade extensiva É a que depende da quantidade de assa e estudo Ex.: Entalpia, energia interna, volue, entropia Obs: Ua propriedade extensiva vira intensiva, quando expressa por unidade de assa Definições Fase Ua fase é definida coo ua quantidade de atéria totalente hoogênea A água está na fase líquida tal coo ela sai de ua torneira. Ela está na fase sólida tal coo se apresenta e cubos de gelo e na fase vapor (gasosa), tal coo sai da válvula de ua panela de pressão Estado É a condição terodinâica de u sistea. E cada fase podeos ter ua infinidade de estados E cada fase a substância pode existir subetida a diversos valores de pressão, teperatura, volue, energia interna, entalpia e etc. O conjunto de duas ou três dessas propriedades define o estado 4

15 Definições Processo é o cainho definido pela sucessão de estados através do quais a substância passa ao sair de u estado inicial e chegar a u estado final. Quando uda ua ou ais propriedade de ua substância, dizeos que ocorreu ua udança de estado. CICLO U sistea executa u ciclo quando sai de u deterinado estado inicial, passa por diversos outros estados ou processos e finalente retorna ao estado inicial. OBS: Ua propriedade de ua substância te valor único e cada estado que se encontra e independe do cainho que percorreu até se encontrar naquele estado d d 2 2 dh H ds S 2 2 H S Definições Trabalho Força produzindo o deslocaento de u corpo, sendo que o deslocaento acontece da direção da força W 2 2 FdX F p A W d AdX W p AdX 2 pd 5

16 Definições Energia interna (U) É a soa de todas as foras de energia icroscópicas tais coo energia cinética e potencial das oléculas que copõe u sistea U = u Onde: assa u energia interna por unidade de assa Definições Entalpia (H) Ao analisar certos processos terodinâicos, freqüenteente encontraos a cobinação da propriedade Energia Interna (U) co o produto (P) que tabé é ua propriedade energética da substância Esta cobinação de propriedades foi denoinada de Entalpia H U + P h u + Pv H = h 6

17 Definições ENTROPIA (S) É a edida do grau de desorde das oléculas de ua substância O grau de desorde está relacionado co os ovientos de translação, rotação e vibração dos átoos e oléculas das substâncias Conseqüência S gás > S líquido > S sólido Definições Título (x) Propriedade terodinâica intensiva definida pela razão entre a assa de vapor pela assa de istura vaporlíquido quando ua substância está e estado de saturação Líquido : x = 0 apor : x = x T v L v v L v T 7

18 8 Exercício 4 Dado que Mostrar que L t v x v x v L T x Exercício 4 Solução L T T L L T T L L T L L T T L T L T v x v x v v v v v v v v v x

19 Definições Propriedades específicas u, h, s, u, u L, h, h L, s e s L são obtidas das tabelas de propriedades terodinâicas das substâncias que constitue o fluido operante do sistea térico e estudo. Tabelas Exercício 5 Deterinar o volue específico do vapor a 00 o F, tendo-se u título de 70%, no SI v T = v L + x v L v T = 6, ,7 349,984 v T = 245,005 ft 3 /lb v T = 5,295 3 /kg Tabelas 9

20 Exercício 6 Deterinar: teperatura de saturação, volue específico, entalpia, energia interna e a entropia do vapor a 3,75 bar, tendo-se u título de 00% Exercício 6 Solução I Note-se que a tabela não traz os valores procurados (3,75 bar), daí a necessidade de se interpolar os valores: 3,5 38,9 0, ,4 2546,9 6, ,6 0, ,6 2553,6 6,8959 x 0 f 0 x f p x f A interpolação é conseguida considerando-se (f 0 e f são os valores tabulados consecutivos): fazendo : p f p x x f 0 x0 x te se : p p f 0 20

21 Exercício 6 Solução II Deterinação da teperatura de saturação: x 0 = 3,5 f 0 = 38,9 x = 3,75 f p =? x = 4 f = 43,6 p = 0,5 f p = 4,7 o C Deterinação do valores restantes: v v = 0, /kg h v = 2735,5 kj/kg u v = 2550,25 kj/kg s v = 6,982 kj/(kg K) o Princípio Princípio da conservação da energia A variação da energia interna de u sistea é dada pela diferença entre o calor trocado (Q) co o eio externo e o trabalho () realizado. U = Q - 2

22 Transforação isobárica Nas expansões gasosas o volue do gás auenta, ele próprio epurra o êbolo ou pistão, realizando trabalho positivo. Nas copressões gasosas o volue do gás diinui, o eio externo epurra o êbolo ou pistão contra o gás, realizando trabalho negativo. OUTRAS TRANSFORMAÇÕES GASOSAS Isoétrica, isocórica, isovoluétrica = p. = 0 J, pois o volue é constante Q = U Isotérica Lebrando que: U = 3/2. n. R. T U = 0 joules, pois a teperatura é constante Q = 22

23 OUTRAS TRANSFORMAÇÕES GASOSAS Cíclica A pressão varia, então só é possível calcular o trabalho através da área do gráfico (pressão x volue). Se o ciclo for horário: trabalho positivo; trabalho realizado pelo gás (o volue auenta). Se o ciclo for anti-horário: trabalho negativo; trabalho realizado sobre o gás (o volue diinui). U = 0 J: pois o ciclo retorna para o eso ponto de partida, ou seja, para a esa teperatura. 23

24 2 Princípio da Terodinâica Lord Kelvin enunciou o 2 Princípio da Terodinâica, tabé conhecido coo Princípio da Degradação da Energia É ipossível construir ua áquina que, operando e ciclos, retire calor de ua fonte quente e o transfore integralente e trabalho. Máquina 00% 24

25 Prieiro autoóvel Locoobile 900 otor a vapor de dois cilindros 25

26 Motor de 4 tepos : A aioria dos autoóveis. Motor de 4 tepos : A aioria dos autoóveis. 26

27 Motor de dois tepos Ciclo de Carnot No início do século XlX, Sandi Carnot preocupava-se co o rendiento das áquinas téricas, e sua obra Reflexões sobre a força otriz do fogo afirava que o rendiento de ua áquina térica era função única das teperaturas das fontes frias e quente. O ciclo para a obtenção do áxio rendiento de ua áquina térica proposto por Carnot, é constituído de duas transforações isotéricas, intercaladas co duas transforações adiabáticas. 27

28 Ciclo de Carnot E seus estudos, Carnot deonstrou que as quantidades de calor trocadas pelas fontes e o eio externo são proporcionais às respectivas teperaturas absolutas ( e Kelvin ) das fontes. Toda áquina que puder operar obedecendo o ciclo de Carnot terá rendiento aior que qualquer outra que esteja operando entre as esas fontes, poré nunca igual a 00 %. Geladeira São áquinas téricas cujo funcionaento consiste e retirar calor da fonte fria (congelador) e rejeitá-lo à fonte quente ( eio abiente ). Tal dispositivo não contraria o enunciado da espontaneidade do fluxo de calor enunciado por Clausius, pois a passage não é espontânea, ocorrendo à custa de u trabalho realizador por u copressor elétrico. 28

29 Degradação da energia - entropia É u fato observado que, através do Universo, que a energia tende a ser dissipada de tal odo que a energia total utilizável se torna cada vez ais desordenada e ais difícil de captar e utilizar. À edida que ocorre os processos naturais, apesar da a energia total se conservar, ocorre ua diinuição na possibilidade de se obter energia útil. Ou seja, a energia utilizável degrada-se para ua fora enos nobre de energia, a energia de agitação olecular (energia térica). Degradação da energia - entropia A energia de agitação olecular é considerada ua energia pouco nobre, pois é desordenada ou desorganizada. Sendo assi, a evolução do Universo leva a u auento na desorde, ou seja, os processos naturais tende a auentar a desorde no Universo. 29

30 Degradação da energia - entropia E 860, Clausius criou o conceito de entropia ( palavra de orige grega que significa udança de fora ) visando caracterizar essa tendência natural de evolução do Universo. O fato de a entropia do Universo auentar continuaente, leva alguns autores a sugerir que o Universo cainha para ua espécie de orte pelo calor, u estado de entropia áxia quando toda energia existente não seria utilizável, pois estaria sob a fora de energia de agitação olecular (energia térica). Degradação da energia - entropia Exeplo de Entropia: Quando conduzios u autoóvel a energia arazenada na gasolina é convertida e calor por cobustão e, depois, e energia ecânica, no otor. A energia ecânica, ordenada, assi produzida, dá orige ao oviento controlado e ordenado do carro. Parte dessa energia foi irrevogavelente dissipada sob a fora de calor, na estrada, coo resultado do atrito dos pneus, no aqueciento do ar por eio da exaustão de gases e para vencer a resistência do vento, e jaais será aproveitada. 30

31 Tabelas: vapor d água (sist. Inglês) Teperatura Pressão olue específico Entalpia Energia interna Entropia t pa v L x0 3 v L ν h L h L h u L u s L s ft 3 /lb BTU/lb BTU/lb BTU/(lb x R) F psia Líquido Líquido & vapor apor Líquido Líquido & vapor apor Líquido apor Líquido apor 32,08 0, , , ,0 075,4 075,4 0,00 02,2 0, , ,266 6, , ,02 070,9 078,9 8,02 023,9 0,067 2, ,2563 6, , ,9 28,08 059,6 087,7 28,08 030,4 0, , ,5073 6, , ,8 48,09 048,3 096,4 48,08 037,0 0, , ,9503 6,30 349, ,05 037,0 05,0 68,04 043,5 0,2963,9822 Pressão Teperatura olue específico Entalpia Energia interna Entropia pa t v L x0 3 v L ν h L h L h u L u s L s ft 3 /lb BTU/lb BTU/lb BTU/(lb x R) psia F Líquido Líquido & vapor apor Líquido Líquido & vapor apor Líquido apor Líquido apor 0,70 6,36 333, ,60 69,7 036,0 05,8 69,7 044,0 0,3266, ,2 6,407 73,54 73,53 30,2 000,9 3,0 30,2 063,0 0,23486, ,9 6,590 38,403 38,42 6,2 982, 43,3 6,2 072,2 0,28358,7877 4,696 2,99 6,75 26,783 26,80 80,2 970,4 50,5 80, 077,6 0,322, ,96 6,830 20,073 20,09 96,3 960, 56,4 96,2 082,0 0,33580,7320 Tabela: vapor d água (SI) Pressão Teperatura olue específico Entalpia Energia interna Entropia pa t v L x0 3 v L ν h L h L h u L u s L s 3 /kg kj/kg kj/kg kj/kg x K bar,abs o C Líquido Líquido & vapor apor Líquido Líquido & vapor apor Líquido apor Líquido apor 2,5 27,4,0672 0,776 0, ,37 28,5 276,9 535, 2537,2,6072 7, ,6,0732 0,6047 0, ,47 263,8 2725,3 56,5 2543,6,678 6,999 3,5 38,9,0786 0,5232 0, ,33 248, 2732,4 583, ,9,7275 6, ,6,0836 0,464 0, ,74 233,8 2738,6 604,3 2553,6,7766 6,8959 4,5 47,9,0882 0,429 0, ,25 220,7 2743,9 622, ,6,8207 6,8565 3

THERME - CALOR ramo da Física e da Engenharia DYNAMIS - FORÇA

THERME - CALOR ramo da Física e da Engenharia DYNAMIS - FORÇA CAPITULO 2 DEFINIÇÕES E CONCEITOS TERMODINÂMICOS Notas de aula preparadas a partir do livro FUNDAMENTALS OF ENGINEERING THERMODINAMICS Michael J. MORAN & HOWARD N. SHAPIRO. 2.1 INTRODUÇÃO TERMODINÂMICA

Leia mais

:: Física :: é percorrida antes do acionamento dos freios, a velocidade do automóvel (54 km/h ou 15 m/s) permanece constante.

:: Física :: é percorrida antes do acionamento dos freios, a velocidade do automóvel (54 km/h ou 15 m/s) permanece constante. Questão 01 - Alternativa B :: Física :: Coo a distância d R é percorrida antes do acionaento dos freios, a velocidade do autoóvel (54 k/h ou 15 /s) peranece constante. Então: v = 15 /s t = 4/5 s v = x

Leia mais

TERMODINÂMICA CONCEITOS FUNDAMENTAIS. Sistema termodinâmico: Demarcamos um sistema termodinâmico em. Universidade Santa Cecília Santos / SP

TERMODINÂMICA CONCEITOS FUNDAMENTAIS. Sistema termodinâmico: Demarcamos um sistema termodinâmico em. Universidade Santa Cecília Santos / SP CONCEITOS FUNDAMENTAIS Sistema termodinâmico: Demarcamos um sistema termodinâmico em Universidade função do que Santa desejamos Cecília Santos estudar / SP termodinamicamente. Tudo que se situa fora do

Leia mais

Aula 6 Primeira Lei da Termodinâmica

Aula 6 Primeira Lei da Termodinâmica Aula 6 Prieira Lei da Terodinâica 1. Introdução Coo vios na aula anterior, o calor e o trabalho são foras equivalentes de transferência de energia para dentro ou para fora do sistea. 2. A Energia interna

Leia mais

a) Qual a pressão do gás no estado B? b) Qual o volume do gás no estado C

a) Qual a pressão do gás no estado B? b) Qual o volume do gás no estado C Colégio Santa Catarina Unidade XIII: Termodinâmica 89 Exercícios de Fixação: a) PV = nr T b)pvn = RT O gráfico mostra uma isoterma de uma massa c) PV = nrt d) PV = nrt de gás que é levada do e) PV = nrt

Leia mais

Questão 46. Questão 48. Questão 47. alternativa E. alternativa A. gasto pela pedra, entre a janela do 12 o piso e a do piso térreo, é aproximadamente:

Questão 46. Questão 48. Questão 47. alternativa E. alternativa A. gasto pela pedra, entre a janela do 12 o piso e a do piso térreo, é aproximadamente: Questão 46 gasto pela pedra, entre a janela do 1 o piso e a do piso térreo, é aproxiadaente: A figura ostra, e deterinado instante, dois carros A e B e oviento retilíneo unifore. O carro A, co velocidade

Leia mais

Programa de Pós-Graduação em Eng. Mecânica. Introdução aos ciclos de refrigeração

Programa de Pós-Graduação em Eng. Mecânica. Introdução aos ciclos de refrigeração Nov/03 Prograa de Pós-Graduação e Eng. Mecânica Disciplina: Siulação de Sisteas Téricos Introdução aos ciclos de refrigeração Organização: Ciclo de Carnot Ciclo padrão de u estágio de copressão Refrigerantes

Leia mais

Módulo VIII - 1ª Lei da Termodinâmica Aplicada a Volume de Controle: Regime Permanente, Dispositivos de Engenharia com Escoamento e Regime Transiente.

Módulo VIII - 1ª Lei da Termodinâmica Aplicada a Volume de Controle: Regime Permanente, Dispositivos de Engenharia com Escoamento e Regime Transiente. Módulo VIII - 1ª Lei da Termodinâmica Aplicada a Volume de Controle: Regime Permanente, Dispositivos de Engenharia com Escoamento e Regime Transiente. Bocais e Difusores São normalmente utilizados em motores

Leia mais

PADRÃO DE RESPOSTA - FÍSICA - Grupos H e I

PADRÃO DE RESPOSTA - FÍSICA - Grupos H e I PDRÃO DE RESPOST - FÍSC - Grupos H e a UESTÃO: (, pontos) valiador Revisor Íãs são frequenteente utilizados para prender pequenos objetos e superfícies etálicas planas e verticais, coo quadros de avisos

Leia mais

Simulado 2 Física AFA/EFOMM 2012. B)30 2 m. D)50 2 m. 1 P r o j e t o F u t u r o M i l i t a r w w w. f u t u r o m i l i t a r. c o m.

Simulado 2 Física AFA/EFOMM 2012. B)30 2 m. D)50 2 m. 1 P r o j e t o F u t u r o M i l i t a r w w w. f u t u r o m i l i t a r. c o m. Prof. André otta - ottabip@hotail.co Siulado 2 Física AFA/EFO 2012 1- Os veículos ostrados na figura desloca-se co velocidades constantes de 20 /s e 12/s e se aproxia de u certo cruzaento. Qual era a distância

Leia mais

TEORIA ELETRÔNICA DA MAGNETIZAÇÃO

TEORIA ELETRÔNICA DA MAGNETIZAÇÃO 113 17 TEORA ELETRÔNCA DA MANETZAÇÃO Sabeos que ua corrente elétrica passando por u condutor dá orige a u capo agnético e torno deste. A este capo daos o noe de capo eletro-agnético, para denotar a sua

Leia mais

07. Obras célebres da literatura brasileira foram ambientadas em regiões assinaladas neste mapa:

07. Obras célebres da literatura brasileira foram ambientadas em regiões assinaladas neste mapa: 6 FUVEST 09/0/202 Seu é Direito nas Melhores Faculdades 07. Obras célebres da literatura brasileira fora abientadas e regiões assinaladas neste apa: Co base nas indicações do apa e e seus conhecientos,

Leia mais

APOSTILA DE FÍSICA II BIMESTRE

APOSTILA DE FÍSICA II BIMESTRE LICEU DE ESUDOS INEGRADOS Aluno:... Data:... Série: º ano do ENSINO MÉDIO Professor: Marcos Antônio APOSILA DE FÍSICA II BIMESRE ERMODINÂMICA É a ciência que estuda as relações entre o calor o trabalho,

Leia mais

F. Jorge Lino Módulo de Weibull MÓDULO DE WEIBULL. F. Jorge Lino

F. Jorge Lino Módulo de Weibull MÓDULO DE WEIBULL. F. Jorge Lino MÓDULO DE WEIBULL F. Jorge Lino Departaento de Engenharia Mecânica e Gestão Industrial da Faculdade de Engenharia da Universidade do Porto, Rua Dr. Roberto Frias, 4200-465 Porto, Portugal, Telf. 22508704/42,

Leia mais

CAPITULO 1 INTRODUÇÃO ÀS CIÊNCIAS TÉRMICAS 1.1 CIÊNCIAS TÉRMICAS

CAPITULO 1 INTRODUÇÃO ÀS CIÊNCIAS TÉRMICAS 1.1 CIÊNCIAS TÉRMICAS CAPITULO 1 INTRODUÇÃO ÀS CIÊNCIAS TÉRMICAS 1.1 CIÊNCIAS TÉRMICAS Este curso se restringirá às discussões dos princípios básicos das ciências térmicas, que são normalmente constituídas pela termodinâmica,

Leia mais

DISCIPLINA : BIOFÍSICA CAPÍTULO 2 TERMODINÂMICA Prof.a Érica Muniz

DISCIPLINA : BIOFÍSICA CAPÍTULO 2 TERMODINÂMICA Prof.a Érica Muniz CURSO DE MEDICINA VETERINÁRIA DISCIPLINA : BIOFÍSICA CAPÍTULO 2 TERMODINÂMICA Prof.a Érica Muniz TERMODINÂMICA Abrange toda e qualquer mudança que ocorre no Universo. Sistema: (ambiente) Pode variar: porção

Leia mais

Centro Universitário Anchieta Engenharia Química Físico Química I Prof. Vanderlei I Paula Nome: R.A. Gabarito 4 a lista de exercícios

Centro Universitário Anchieta Engenharia Química Físico Química I Prof. Vanderlei I Paula Nome: R.A. Gabarito 4 a lista de exercícios Engenharia Quíica Físico Quíica I. O abaixaento da pressão de vapor do solvente e soluções não eletrolíticas pode ser estudadas pela Lei de Raoult: P X P, onde P é a pressão de vapor do solvente na solução,

Leia mais

FÍSICA DADOS. 10 v som = 340 m/s T (K) = 273 + T( o C) s = 38) 27) Q = mc T = C T 39) i = 30) U = Q τ 42) 31) Instruções:

FÍSICA DADOS. 10 v som = 340 m/s T (K) = 273 + T( o C) s = 38) 27) Q = mc T = C T 39) i = 30) U = Q τ 42) 31) Instruções: FÍSICA DADOS 9 N. g = 0 k 0 = 9,0 0 s C 8 c = 3,0 0 v so = 340 /s T (K) = 73 + T( o C) s 0) d = d 0 + v 0 t + at 4) E p = gh 6) 0) v = v 0 + at 5) E c = v 03) v = 04) T= f 05) 0 PV P V = 38) T T V = k0

Leia mais

Módulo I Segunda Lei da Termodinâmica e Ciclos

Módulo I Segunda Lei da Termodinâmica e Ciclos Módulo I Segunda Lei da Termodinâmica e Ciclos Limites da Primeira Lei No estudo da termodinâmica básica vimos que a energia deve ser conservar e que a Primeira Lei enuncia essa conservação. Porém, o cumprimento

Leia mais

IMPULSO E QUANTIDADE DE MOVIMENTO

IMPULSO E QUANTIDADE DE MOVIMENTO IMPULSO E QUNTIDDE DE MOVIMENTO 1. Ua bolinha se choca contra ua superfície plana e lisa co velocidade escalar de 10 /s, refletindo-se e seguida, confore a figura abaixo. Considere que a assa da bolinha

Leia mais

Janine Coutinho Canuto

Janine Coutinho Canuto Janine Coutinho Canuto Termologia é a parte da física que estuda o calor. Muitas vezes o calor é confundido com a temperatura, vamos ver alguns conceitos que irão facilitar o entendimento do calor. É a

Leia mais

Objetivo: converter um comando de posição de entrada em uma resposta de posição de saída.

Objetivo: converter um comando de posição de entrada em uma resposta de posição de saída. Prof. Celso Módulo 0 83 SISTEMAS DE CONTOLE DE POSIÇÃO Objetivo: converter u coando de posição de entrada e ua resposta de posição de saída. Aplicações: - antenas - braços robóticos - acionadores de disco

Leia mais

Módulo I Conceitos Fundamentais e Sistemas de Unidades

Módulo I Conceitos Fundamentais e Sistemas de Unidades Módulo I Conceitos Fundamentais e Sistemas de Unidades Introdução A termodinâmica é a ciência que trata da energia. Apesar de facilmente podermos entender a energia é difícil defini-la com exatidão. Podemos

Leia mais

Lista de Exercícios - Unidade 10 Entropia e a segunda lei da termodinâmica

Lista de Exercícios - Unidade 10 Entropia e a segunda lei da termodinâmica Lista de Exercícios - Unidade 10 Entropia e a segunda lei da termodinâmica Segunda Lei da Termodinâmica 1. (UECE 2009) Imagine um sistema termicamente isolado, composto por cilindros conectados por uma

Leia mais

Simulado ENEM. a) 75 C b) 65 C c) 55 C d) 45 C e) 35 C

Simulado ENEM. a) 75 C b) 65 C c) 55 C d) 45 C e) 35 C 1. Um trocador de calor consiste em uma serpentina, pela qual circulam 18 litros de água por minuto. A água entra na serpentina à temperatura ambiente (20 C) e sai mais quente. Com isso, resfria-se o líquido

Leia mais

Propriedades de uma Substância Pura

Propriedades de uma Substância Pura Propriedades de uma Substância Pura A substância pura Composição química invariável e homogênea. Pode existir em mais de uma fase, porém sua composição química é a mesma em todas as fases. Equilíbrio Vapor-líquido-sólido

Leia mais

CALORIMETRIA. Relatório de Física Experimental III 2004/2005. Engenharia Física Tecnológica

CALORIMETRIA. Relatório de Física Experimental III 2004/2005. Engenharia Física Tecnológica Relatório de Física Experiental III 4/5 Engenharia Física ecnológica ALORIMERIA rabalho realizado por: Ricardo Figueira, nº53755; André unha, nº53757 iago Marques, nº53775 Grupo ; 3ªfeira 6-h Lisboa, 6

Leia mais

2- TRABALHO NUMA TRANSFORMAÇÃO GASOSA 4-1ª LEI DA TERMODINÂMICA

2- TRABALHO NUMA TRANSFORMAÇÃO GASOSA 4-1ª LEI DA TERMODINÂMICA AULA 07 ERMODINÂMICA GASES 1- INRODUÇÃO As variáveis de estado de um gás são: volume, pressão e temperatura. Um gás sofre uma transformação quando pelo menos uma das variáveis de estado é alterada. Numa

Leia mais

Problemas de termologia e termodinâmica vestibular UA (1984)

Problemas de termologia e termodinâmica vestibular UA (1984) Problemas de termologia e termodinâmica vestibular UA (1984) 1 - Um corpo humano está a 69 0 numa escala X. Nessa mesma escala o ponto do gelo corresponde a 50 graus e o ponto a vapor 100 0. Este corpo:

Leia mais

TERMODINÂMICA EXERCÍCIOS RESOLVIDOS E TABELAS DE VAPOR

TERMODINÂMICA EXERCÍCIOS RESOLVIDOS E TABELAS DE VAPOR TERMODINÂMICA EXERCÍCIOS RESOLVIDOS E TABELAS DE VAPOR Prof. Humberto A. Machado Departamento de Mecânica e Energia DME Faculdade de Tecnologia de Resende - FAT Universidade do Estado do Rio de Janeiro

Leia mais

QUÍMICA PRISE II SOLUÇÕES 4.1 FENÔMENO DE SATURAÇÃO DE UMA SOLUÇÃO. Sal (soluto) Água (solvente) 1. INTRODUÇÃO

QUÍMICA PRISE II SOLUÇÕES 4.1 FENÔMENO DE SATURAÇÃO DE UMA SOLUÇÃO. Sal (soluto) Água (solvente) 1. INTRODUÇÃO 1. INTRODUÇÃO QUÍMICA PRISE II SOLUÇÕES 4.1 FENÔMENO DE SATURAÇÃO DE UMA SOLUÇÃO Quando a istura apresenta as esas características e toda a extensão do recipiente teos ua istura hoogênea e, se tiver ais

Leia mais

Termodinâmica. Prof. Agostinho Gomes da Silva

Termodinâmica. Prof. Agostinho Gomes da Silva Termodinâmica Prof. Agostinho Gomes da Silva Substância pura Substância pura: Composição química invariável e homogênea Pode existir em mais de uma fase (mas todas fases têm a mesma composição química).

Leia mais

4. Introdução à termodinâmica

4. Introdução à termodinâmica 4. Introdução à termodinâmica 4.1. Energia interna O estabelecimento do princípio da conservação da energia tornou-se possível quando se conseguiu demonstrar que junto com a energia mecânica, os corpos

Leia mais

T (K) T (K) S (kj/kg K) S (kj/kg K)

T (K) T (K) S (kj/kg K) S (kj/kg K) Termodinâmica I Ano Lectivo 2007/08 1º Ciclo-2ºAno/2º semestre (LEAmb LEAN MEAer MEMec) 2º Exame, 11/Julho /2008 P1 Nome: Nº Sala Problema 1 (2v+2v+1v) Considere um sistema fechado constituído por um êmbolo

Leia mais

FÍSICA: CONCEITOS E EXERCÍCIOS DE FÍSICA TÉRMICA

FÍSICA: CONCEITOS E EXERCÍCIOS DE FÍSICA TÉRMICA FÍSICA: CONCEITOS E EXERCÍCIOS DE FÍSICA TÉRMICA 1 SOBRE Apanhado de exercícios sobre física térmica selecionados por segrev. O objetivo é que com esses exercícios você esteja preparado para a prova, mas

Leia mais

Curso Profissional de Técnico de Energias Renováveis 1º ano. Módulo Q 2 Soluções.

Curso Profissional de Técnico de Energias Renováveis 1º ano. Módulo Q 2 Soluções. Curso Profissional de Técnico de Energias Renováveis 1º ano Docuento de apoio Módulo Q 2 Soluções. 1. Dispersões 1.1. Disperso e dispersante Dispersão Ua dispersão é ua istura de duas ou ais substâncias,

Leia mais

Disciplina : Termodinâmica. Aula 5 ANÁLISE DA MASSA E ENERGIA APLICADAS A VOLUMES DE CONTROLE

Disciplina : Termodinâmica. Aula 5 ANÁLISE DA MASSA E ENERGIA APLICADAS A VOLUMES DE CONTROLE Curso: Engenharia Mecânica Disciplina : Aula 5 ANÁLISE DA MASSA E ENERGIA APLICADAS A VOLUMES DE CONTROLE Prof. Evandro Rodrigo Dário, Dr. Eng. Vazão mássica e vazão volumétrica A quantidade de massa que

Leia mais

1ª LISTA DE DINÂMICA E ESTÁTICA. está inicialmente em repouso nas coordenadas 2,00 m, 4,00 m. (a) Quais são as componentes da

1ª LISTA DE DINÂMICA E ESTÁTICA. está inicialmente em repouso nas coordenadas 2,00 m, 4,00 m. (a) Quais são as componentes da Universidade do Estado da Bahia UNEB Departaento de Ciências Exatas e da Terra DCET I Curso de Engenharia de Produção Civil Disciplina: Física Geral e Experiental I Prof.: Paulo Raos 1 1ª LISTA DE DINÂMICA

Leia mais

Manipulação, Armazenamento, Comercialização e Utilização de Gás Liquefeito de Petróleo (GLP)

Manipulação, Armazenamento, Comercialização e Utilização de Gás Liquefeito de Petróleo (GLP) É ESTADO DE GOIÁS SECRETARIA DA SEGURANÇA PÚBLICA CORPO DE BOMBEIROS MILITAR COMANDO DE OPERAÇÕES DE DEFESA CIVIL Departaento de Proteção Contra Incêndio, Explosão e Pânico NORMA TÉCNICA n. 28/2008 Manipulação,

Leia mais

3.3. O Ensaio de Tração

3.3. O Ensaio de Tração Capítulo 3 - Resistência dos Materiais 3.1. Definição Resistência dos Materiais é u rao da Mecânica plicada que estuda o coportaento dos sólidos quando estão sujeitos a diferentes tipos de carregaento.

Leia mais

Ciclos de Potência a vapor. Ciclo Rankine

Ciclos de Potência a vapor. Ciclo Rankine Ciclos de Potência a vapor Ciclo Rankine BOILER q in 3 TURBINE w out 2 4 CONDENSER w in 1 PUMP q out Ciclo de Carnot T T H 2 3 T H < T C Compressor e turbina trabalham na região bifásica! 1 T L 4 s Ciclo

Leia mais

Transformadores e bobinas de alta frequência

Transformadores e bobinas de alta frequência Transforadores e bobinas de alta frequência 007 Profª Beatriz Vieira Borges 1 Transforadores e bobinas de alta frequência ideal v 1 v úcleo de ferrite i 1 i + + v 1 v - - v 1 1 1 v i 1 i 007 Profª Beatriz

Leia mais

FISICA PARA ENSINO MÉDIO: EJA EDUCAÇÃO de JOVENS e ADULTOS PARTE-3: TERMOLOGIA: Termodinâmica

FISICA PARA ENSINO MÉDIO: EJA EDUCAÇÃO de JOVENS e ADULTOS PARTE-3: TERMOLOGIA: Termodinâmica FISICA PARA ENSINO MÉDIO: EJA EDUCAÇÃO de JOVENS e ADULTOS PARTE-3: TERMOLOGIA: Termodinâmica TERMODINÂMICA 1. Definiçoes: Parte da Física que estuda as relações entre calor e trabalho em dado sistema.

Leia mais

Capítulo 2. A 1ª Lei da Termodinâmica

Capítulo 2. A 1ª Lei da Termodinâmica Capítulo 2. A 1ª Lei da Termodinâmica Parte 1: trabalho, calor e energia; energia interna; trabalho de expansão; calor; entalpia Baseado no livro: Atkins Physical Chemistry Eighth Edition Peter Atkins

Leia mais

Se um sistema troca energia com a vizinhança por trabalho e por calor, então a variação da sua energia interna é dada por:

Se um sistema troca energia com a vizinhança por trabalho e por calor, então a variação da sua energia interna é dada por: Primeira Lei da Termodinâmica A energia interna U de um sistema é a soma das energias cinéticas e das energias potenciais de todas as partículas que formam esse sistema e, como tal, é uma propriedade do

Leia mais

Capítulo 14. Fluidos

Capítulo 14. Fluidos Capítulo 4 luidos Capítulo 4 - luidos O que é u luido? Massa Especíica e ressão luidos e Repouso Medindo a ressão rincípio de ascal rincípio de rquiedes luidos Ideais e Moviento Equação da continuidade

Leia mais

Temperatura & lei zero

Temperatura & lei zero Temperatura & lei zero Termodinâmica : estudo da energia térmica ( energia interna ) dos sistemas Conceito central: temperatura Temperatura é um conceito de uso cotidiano e portanto seu entendimento é

Leia mais

CORTESIA Prof. Renato Brito

CORTESIA Prof. Renato Brito INSTITUTO TECNOÓGICO DE AERONÁUTICA VESTIBUAR 987/988 PROVA DE FÍSICA 0. (ITA- 88 ) U disco gira, e torno do seu eixo, sujeito a u torque constante. Deterinando-se a velocidade angular édia entre os instante

Leia mais

física GREF leituras de

física GREF leituras de versão preliinar leituras de física GREF Física Térica. para ler, fazer e pensar 3 14. Terra: Planeta Ägua. 15. Os ateriais e as técnicas. 16. Mudanças sob pressão. 17. O ais frio dos frios. 18. Transfornações

Leia mais

UFRPE: Física Geral II Márcio Cabral de Moura 1

UFRPE: Física Geral II Márcio Cabral de Moura 1 URPE: ísica Geral II Márcio Cabral de Moura 1 1. Calor 2 aulas, 4 horas: Capítulos 19 e 2 do undamentos de ísica 2, de D. Halliday, R. Resnick e J. Walker, 4ª edição. 1.1 Calor, temperatura e princípio

Leia mais

Módulo VII - 1ª Lei da Termodinâmica Aplicada a Volume de Controle: Princípio de Conservação da Massa. Regime Permanente.

Módulo VII - 1ª Lei da Termodinâmica Aplicada a Volume de Controle: Princípio de Conservação da Massa. Regime Permanente. Módulo VII - 1ª Lei da Termodinâmica Aplicada a Volume de Controle: Princípio de Conservação da Massa. Regime Permanente. Conservação da Massa A massa, assim como a energia, é uma propriedade que se conserva,

Leia mais

CAPÍTULO 6 Termologia

CAPÍTULO 6 Termologia CAPÍTULO 6 Termologia Introdução Calor e Temperatura, duas grandezas Físicas bastante difundidas no nosso dia-a-dia, e que estamos quase sempre relacionando uma com a outra. Durante a explanação do nosso

Leia mais

Prova 3 Física QUESTÕES APLICADAS A TODOS OS CANDIDATOS QUE REALIZARAM A PROVA ESPECÍFICA DE FÍSICA. QUESTÕES OBJETIVAS GABARITO 3

Prova 3 Física QUESTÕES APLICADAS A TODOS OS CANDIDATOS QUE REALIZARAM A PROVA ESPECÍFICA DE FÍSICA. QUESTÕES OBJETIVAS GABARITO 3 Prova 3 QUESTÕES OBJETIVAS QUESTÕES APLICADAS A TODOS OS CANDIDATOS QUE REALIZARAM A PROVA ESPECÍFICA DE FÍSICA. UEM Comissão Central do Vestibular Unificado FÍSICA 01 O diagrama abaixo mostra um brinquedo

Leia mais

Estudo da viabilidade económica da implementação de uma microturbina

Estudo da viabilidade económica da implementação de uma microturbina Departaento de Engenharia Mecânica Rao de Terodinâica e fluidos Gestão da Energia Estudo da viabilidade econóica da ipleentação de ua icroturbina Coordenação do trabalho: Professor Fausto Freire André

Leia mais

Termodinâmica. Podemos aquecer a volume constante ou a pressão constante. Definimos para cada um dos casos,

Termodinâmica. Podemos aquecer a volume constante ou a pressão constante. Definimos para cada um dos casos, ermodinâmica André Silva ranco Calor: Calor é energia térmica em transito, e vai espontaneamente de uma região mais quente (maior temperatura) para uma mais fria (menor temperatura). Equação undamental

Leia mais

Caloria (símbolo: cal) é uma unidade de medida de ENERGIA não pertencente ao Sistema Internacional de Unidade.

Caloria (símbolo: cal) é uma unidade de medida de ENERGIA não pertencente ao Sistema Internacional de Unidade. TERMODINÂMICA E TRANSFERÊNCIA DE CALOR Profa. Dra. Maria Laura Goes Silva da Luz 206 UNIDADE I - PROPRIEDADES TERMODINÂMICAS Terodinâica: do grego THÉRME + DÝNAMIS calor força Terodinâica é a ciência que

Leia mais

Resumo com exercícios resolvidos do assunto: Sistemas de Partículas

Resumo com exercícios resolvidos do assunto: Sistemas de Partículas www.engenhariafacil.weebly.co Resuo co exercícios resolvidos do assunto: Sisteas de Partículas (I) (II) (III) Conservação do Moento Centro de Massa Colisões (I) Conservação do Moento Na ecânica clássica,

Leia mais

P.V 0, 248 kg R.T 4,12412.10. 273,15 20

P.V 0, 248 kg R.T 4,12412.10. 273,15 20 Um tanque rígido com 0,5 m contém hidrogênio à 20 º C e 600 kpa esta conectado com outro tanque rígido com 0,5 m também com hidrogênio. A pressão e a temperatura nesse segundo tanque são de 0 º C e 150

Leia mais

Módulo VIII Princípios da Psicrometria. Bulbo Seco e Úmido. Cartas Psicrométricas.

Módulo VIII Princípios da Psicrometria. Bulbo Seco e Úmido. Cartas Psicrométricas. Módulo VIII Princípios da Psicrometria. Bulbo Seco e Úmido. Cartas Psicrométricas. Ar Úmido Ar úmido significa uma mistura de ar seco (substância pura) mais vapor d água. É assumida que essa mistura comporta-se

Leia mais

Ernesto entra numa fria!

Ernesto entra numa fria! A UU L AL A Ernesto entra numa fria! Segunda-feira, 6 horas da tarde, Cristiana e Roberto ainda não haviam chegado do trabalho. Mas Ernesto, filho do casal, já tinha voltado da escola. Chamou a gangue

Leia mais

Exercícios de Termodinâmica

Exercícios de Termodinâmica Exercícios de Termodinâmica 1-Uma massa gasosa, inicialmente num estado A, sofre duas transformações sucessivas e passa para um estado C. A partir do estado A esse gás sofre uma transformação isobárica

Leia mais

F.x. P.A.x. U nrt PV AULAS 12 A 16

F.x. P.A.x. U nrt PV AULAS 12 A 16 Física Frente III CAPÍTULO 5 - TERMODINÂMICA AULAS 1 A 16 Introdução A Termodinâmica é o ramo da física que estuda as relações entre calor, temperatura, trabalho e energia. Todo estudo na termodinâmica

Leia mais

Linguagem da Termodinâmica

Linguagem da Termodinâmica Linguagem da Termodinâmica Termodinâmica N A = 6,022 10 23 Ramo da Física que estuda sistemas que contêm um grande nº de partículas constituintes (átomos, moléculas, iões,...), a partir da observação das

Leia mais

Ano. p. 59-68 USO DE PROGRAMA ORIENTADO A OBJETOS EM VIBRAÇÕES MECÂNICAS P. 1. Cláudio Sérgio SARTORI

Ano. p. 59-68 USO DE PROGRAMA ORIENTADO A OBJETOS EM VIBRAÇÕES MECÂNICAS P. 1. Cláudio Sérgio SARTORI N., Março Ano Cláudio Sérgio SARTORI n. USO DE PROGRAMA ORIENTADO A OBJETOS EM VIBRAÇÕES MECÂNICAS p. 59-68 Instituto de Engenharia Arquitetura e Design INSEAD Centro Universitário Nossa Senhora do Patrocínio

Leia mais

Atividade de Reforço2

Atividade de Reforço2 Professor(a): Eliane Korn Disciplina: Física Aluno(a): Ano: 1º Nº: Bimestre: 2º Atividade de Reforço2 INSTRUÇÕES GERAIS PARA A ATIVIDADE I. Leia atentamente o resumo da teoria. II. Imprima a folha com

Leia mais

Leonnardo Cruvinel Furquim TERMOQUÍMICA

Leonnardo Cruvinel Furquim TERMOQUÍMICA Leonnardo Cruvinel Furquim TERMOQUÍMICA Termoquímica Energia e Trabalho Energia é a habilidade ou capacidade de produzir trabalho. Mecânica; Elétrica; Calor; Nuclear; Química. Trabalho Trabalho mecânico

Leia mais

TRANSFERINDO ENERGIA: MÁQUINAS E MOVIMENTO

TRANSFERINDO ENERGIA: MÁQUINAS E MOVIMENTO Escola Secundária de Odivelas Ensino Recorrente de Nível Secundário Curso Tecnológico de Informática 10º 2ª - Física e Química B Módulo 3 Transferindo energia: máquinas e movimento. TRANSFERINDO ENERGIA:

Leia mais

TURMA DE ENGENHARIA - FÍSICA

TURMA DE ENGENHARIA - FÍSICA Prof Cazuza 1 (Uff 2012) O ciclo de Stirling é um ciclo termodinâmico reversível utilizado em algumas máquinas térmicas Considere o ciclo de Stirling para 1 mol de um gás ideal monoatônico ilustrado no

Leia mais

Prof. André Motta - mottabip@hotmail.com_ C) O calor contido em cada um deles é o mesmo. D) O corpo de maior massa tem mais calor que os outros dois.

Prof. André Motta - mottabip@hotmail.com_ C) O calor contido em cada um deles é o mesmo. D) O corpo de maior massa tem mais calor que os outros dois. Exercícios de Termometria 1-Calor é: A) Energia que aumenta em um corpo quando ele se aquece. B) Energia que sempre pode ser convertida integralmente em trabalho. C) O agente físico responsável pelo aquecimento

Leia mais

Notas de Aula de Física

Notas de Aula de Física Versão preliinar 7 de setebro de 00 Notas de Aula de ísica 05. LEIS DE NEWON... ONDE ESÃO AS ORÇAS?... PRIMEIRA LEI DE NEWON... SEGUNDA LEI DE NEWON... ERCEIRA LEI DE NEWON... 4 APLICAÇÕES DAS LEIS DE

Leia mais

Física. Setor B. Índice-controle de Estudo. Prof.: Aula 9 (pág. 102) AD TM TC. Aula 10 (pág. 102) AD TM TC. Aula 11 (pág.

Física. Setor B. Índice-controle de Estudo. Prof.: Aula 9 (pág. 102) AD TM TC. Aula 10 (pág. 102) AD TM TC. Aula 11 (pág. Física Setor B Prof.: Índice-controle de Estudo Aula 9 (pág. 102) AD TM TC Aula 10 (pág. 102) AD TM TC Aula 11 (pág. 104) AD TM TC Aula 12 (pág. 106) AD TM TC Aula 13 (pág. 107) AD TM TC Aula 14 (pág.

Leia mais

Equações e diagramas T-dS

Equações e diagramas T-dS Equações e diagramas T-dS A segunda lei da termodinâmica 2 S=S S 2 1 1 δq T A Expressão matemática da segunda lei (para um sistema fechado). A entropia é uma propriedade que não é conservativa! Entropia

Leia mais

Preencha a tabela a seguir, de acordo com as informações do texto.

Preencha a tabela a seguir, de acordo com as informações do texto. 1. Uma amostra de um gás está contida em um cilindro ao qual se adapta um êmbolo. A figura a seguir mostra o diagrama pressão X volume das transformações sofridas pelo gás. A energia interna do gás no

Leia mais

Exercícios. setor 1302. Aulas 39 e 40. 1L (mar) 30 g x 60 10 3 g x = 2 10 3 L ou m 1 C = V 60 10. τ = m 1 V = 2 10 3 L

Exercícios. setor 1302. Aulas 39 e 40. 1L (mar) 30 g x 60 10 3 g x = 2 10 3 L ou m 1 C = V 60 10. τ = m 1 V = 2 10 3 L setor 1302 13020508 Aulas 39 e 40 CONCENTRAÇÃO COMUM, PORCENTAGEM EM MASSA DE SOLUTO E NOÇÃO DE PPM (PARTES POR MILHÃO) Concentração Concentração Cou (C) C 1 Densidade (d) g/l; g/ 3, etc d 1+ 2 g/c 3,

Leia mais

b) Dalton proporções definidas. c) Richter proporções recíprocas. d) Gay-Lussac transformação isobárica. e) Proust proporções constantes.

b) Dalton proporções definidas. c) Richter proporções recíprocas. d) Gay-Lussac transformação isobárica. e) Proust proporções constantes. APRFUDAMET QUÍMIA 2012 LISTA 9 Leis ponderais e voluétricas, deterinação de fórulas, cálculos quíicos e estudo dos gases. Questão 01) A Lei da onservação da Massa, enunciada por Lavoisier e 1774, é ua

Leia mais

CONCEITOS BÁSICOS DA TERMODINÂMICA

CONCEITOS BÁSICOS DA TERMODINÂMICA CAPÍTULO 1 1 CAPÍTULO 1 CONCEITOS BÁSICOS DA TERMODINÂMICA SUMÁRIO Cada ciência tem um vocabulário próprio e a Termodinâmica não é excepção. Definições precisas dos conceitos básicos no desenvolvimento

Leia mais

O mundo da energia...9 1. Uma presença universal... 10

O mundo da energia...9 1. Uma presença universal... 10 S UNIDADE 1 U M Á R I O O mundo da energia...9 1. Uma presença universal... 10 ENERGIA, SEMPRE MUDANDO DE FORMA...11 ENERGIA AO LONGO DA HISTÓRIA...16 NA VIDA MODERNA...18 Buscando a sustentabilidade...20

Leia mais

ESTADOS DA MATÉRIA. O átomo é composto por outras partículas ainda menores.

ESTADOS DA MATÉRIA. O átomo é composto por outras partículas ainda menores. ESTADOS DA MATÉRIA A matéria que temos a nossa volta é formada de moléculas que são constituídas por átomos. Uma combinação destes átomos forma as substâncias que conhecemos, porém, devemos salientar que

Leia mais

= C. (1) dt. A Equação da Membrana

= C. (1) dt. A Equação da Membrana A Equação da Mebrana Vaos considerar aqui ua aproxiação e que a célula nervosa é isopotencial, ou seja, e que o seu potencial de ebrana não varia ao longo da ebrana. Neste caso, podeos desprezar a estrutura

Leia mais

WWW.escoladoeletrotecnico.com.br

WWW.escoladoeletrotecnico.com.br CURSO PREPARATÓRO PARA COCURSOS EM ELETROTÉCCA CPCE ELETRCDADE AULA TRASFORMADOR: Polaridade de u enrolaento Enrolaento e série e e paralelo Ensaio a vazio e e curto-circuito Ligações de u transforador

Leia mais

Para pressões superiores a 7620 Pa: compressores ou sopradores.

Para pressões superiores a 7620 Pa: compressores ou sopradores. DEFIIÇÃO: É ua áquina que produz fluxo de gás co duas ou ais pás fixadas a u eixo rotativo. Converte energia ecânica rotacional, aplicada ao seu eixo, e auento de pressão total do gás e oviento. Confore

Leia mais

Aplicação da conservação da energia mecânica a movimentos em campos gravíticos

Aplicação da conservação da energia mecânica a movimentos em campos gravíticos ª aula Suário: licação da conservação da energia ecânica a ovientos e caos gravíticos. nergia oteial elástica. Forças não conservativas e variação da energia ecânica. licação da conservação da energia

Leia mais

CAPíTULO 10 - ACELERAÇÃO DE CORIOL\S E CORRENTES GEOSTRÓFICAS

CAPíTULO 10 - ACELERAÇÃO DE CORIOL\S E CORRENTES GEOSTRÓFICAS 1 CAPíTULO 10 - ACELERAÇÃO DE CORIOL\S E CORRENTES GEOSTRÓFICAS 1. Introdução Seja u vetor à nu sistea de coordenadas (x, y, z), co os versores T,], k, de odo que - - - A = A 1 i + A 2 j + A 3 k. A derivada

Leia mais

Curso de Farmácia. Operações Unitárias em Indústria Prof.a: Msd Érica Muniz 6 /7 Período DESTILAÇÃO

Curso de Farmácia. Operações Unitárias em Indústria Prof.a: Msd Érica Muniz 6 /7 Período DESTILAÇÃO Curso de Farmácia Operações Unitárias em Indústria Prof.a: Msd Érica Muniz 6 /7 Período DESTILAÇÃO 1 Introdução A destilação como opção de um processo unitário de separação, vem sendo utilizado pela humanidade

Leia mais

Liquido saturado é aquele que está numa determinada temperatura e pressão eminente de iniciar a transformação para o estado vapor.

Liquido saturado é aquele que está numa determinada temperatura e pressão eminente de iniciar a transformação para o estado vapor. Módulo IV Propriedades de Substâncias Puras: Relações P-V-T e Diagramas P-V, P-T e T-V, Título, Propriedades Termodinâmicas, Tabelas Termodinâmicas, Energia Interna, Entalpia, Calores Espercíficos c v

Leia mais

Questão 57. Questão 59. Questão 58. alternativa D. alternativa C

Questão 57. Questão 59. Questão 58. alternativa D. alternativa C OBSERVAÇÃO (para todas as questões de Física): o valor da aceleração da gravidade na superfície da Terra é representada por g. Quando necessário adote: para g, o valor de 10 m/s 2 ; para a massa específica

Leia mais

TERMODINÂMICA Exercícios

TERMODINÂMICA Exercícios Escola Superior de Tecnologia de Abrantes TERMODINÂMICA Exercícios Professor: Eng. Flávio Chaves Ano lectivo 2003/2004 ESCALAS DE PRESSÃO Problema 1 Um óleo com uma massa específica de 0,8 kg/dm 3 está

Leia mais

ATIVIDADES DE RECUPERAÇÃO PARALELA 3º TRIMESTRE 8º ANO DISCIPLINA: FÍSICA

ATIVIDADES DE RECUPERAÇÃO PARALELA 3º TRIMESTRE 8º ANO DISCIPLINA: FÍSICA ATIVIDADES DE RECUPERAÇÃO PARALELA 3º TRIMESTRE 8º ANO DISCIPLINA: FÍSICA Observações: 1- Antes de responder às atividades, releia o material entregue sobre Sugestão de Como Estudar. 2 - Os exercícios

Leia mais

3. Calorimetria. 3.1. Conceito de calor

3. Calorimetria. 3.1. Conceito de calor 3. Calorimetria 3.1. Conceito de calor As partículas que constituem um corpo estão em constante movimento. A energia associada ao estado de movimento das partículas faz parte da denominada energia intera

Leia mais

Transformações físicas de substâncias puras Aula 1

Transformações físicas de substâncias puras Aula 1 Transformações físicas de substâncias puras Aula 1 Físico-Química 2 Termodinâmica Química 2 Profa. Claudia de Figueiredo Braga Diagramas de Fases Diagramas de fases: Uma das formas mais compactas de exibir

Leia mais

Estudo da Resistividade Elétrica para a Caracterização de Rejeitos de Minério de Ferro

Estudo da Resistividade Elétrica para a Caracterização de Rejeitos de Minério de Ferro Estudo da Resistividade Elétrica para a Caracterização de Rejeitos de Minério de Ferro Hector M. O. Hernandez e André P. Assis Departaento de Engenharia Civil & Abiental, Universidade de Brasília, Brasília,

Leia mais

Módulo VI - Processos Isentrópicos Eficiência Isentrópica em Turbinas, Bombas, Bocais e Compressores.

Módulo VI - Processos Isentrópicos Eficiência Isentrópica em Turbinas, Bombas, Bocais e Compressores. Módulo VI - Processos Isentrópicos Eficiência Isentrópica em Turbinas, Bombas, Bocais e Compressores. Processos Isentrópicos O termo isentrópico significa entropia constante. Eficiência de Dispositivos

Leia mais

PROVA DE FÍSICA 2º ANO - 2ª MENSAL - 1º TRIMESTRE TIPO A

PROVA DE FÍSICA 2º ANO - 2ª MENSAL - 1º TRIMESTRE TIPO A PROVA DE FÍSICA 2º ANO - 2ª MENSAL - 1º TRIMESTRE TIPO A 01) Baseado no que foi visto no laboratório sobre transmissão de calor, analise as alternativas abaixo. I. A convecção térmica só ocorre nos fluidos,

Leia mais

4. O Ciclo das Substancias na Termoelétrica Convencional De uma maneira geral todas as substâncias envolvidas na execução do trabalho são o

4. O Ciclo das Substancias na Termoelétrica Convencional De uma maneira geral todas as substâncias envolvidas na execução do trabalho são o 1.Introdução O fenômeno da corrente elétrica é algo conhecido pelo homem desde que viu um raio no céu e não se deu conta do que era aquilo. Os efeitos de uma descarga elétrica podem ser devastadores. Há

Leia mais

MÁQUINAS TÉRMICAS AT-101

MÁQUINAS TÉRMICAS AT-101 Universidade Federal do Paraná Curso de Engenharia Industrial Madeireira MÁQUINAS TÉRMICAS AT-101 Dr. Alan Sulato de Andrade alansulato@ufpr.br 1 HISTÓRICO: O desenvolvimento inicial das turbinas, ocorreu

Leia mais

2.1 Calor, trabalho e a 1ª lei da termodinâmica Swallin cap2

2.1 Calor, trabalho e a 1ª lei da termodinâmica Swallin cap2 2.1 Calor, trabalho e a 1ª lei da termodinâmica Swallin cap2 Há uma diferença fundamental entre as funções de estado, como T, P e U, e as variáveis de processo, como Q (calor) e W (trabalho), que são transientes

Leia mais

Departamento de Física - ICE/UFJF Laboratório de Física II

Departamento de Física - ICE/UFJF Laboratório de Física II CALORIMETRIA 1 Objetivos Gerais: Determinação da capacidade térmica C c de um calorímetro; Determinação do calor específico de um corpo de prova; *Anote a incerteza dos instrumentos de medida utilizados:

Leia mais

Seu sonho, nossa meta Pa. Resposta da questão 1: [B]

Seu sonho, nossa meta Pa. Resposta da questão 1: [B] RESOSTAS CAÍTULO 6-GASES Resposta da questão 1: [B] A pressão parcial do gás oxigênio ao nível do ar é igual a 1% da pressão atosférica do ar, assi teos: O 0,1100000 po 1000O 0,1100000 po 1000 a O E La

Leia mais

Motores Térmicos. 9º Semestre 5º ano

Motores Térmicos. 9º Semestre 5º ano Motores Térmicos 9º Semestre 5º ano 19 Sistema de Refrigeração - Tópicos Introdução Meios refrigerantes Tipos de Sistemas de Refrigeração Sistema de refrigeração a ar Sistema de refrigeração a água Anticongelantes

Leia mais

Soluções das Questões de Física do Processo Seletivo de Admissão à Escola Preparatória de Cadetes do Exército EsPCEx

Soluções das Questões de Física do Processo Seletivo de Admissão à Escola Preparatória de Cadetes do Exército EsPCEx Soluções das Questões de Física do Processo Seletivo de dmissão à Escola Preparatória de Cadetes do Exército EsPCEx Questão Concurso 009 Uma partícula O descreve um movimento retilíneo uniforme e está

Leia mais