Manipulação, Armazenamento, Comercialização e Utilização de Gás Liquefeito de Petróleo (GLP)

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Manipulação, Armazenamento, Comercialização e Utilização de Gás Liquefeito de Petróleo (GLP)"

Transcrição

1 É ESTADO DE GOIÁS SECRETARIA DA SEGURANÇA PÚBLICA CORPO DE BOMBEIROS MILITAR COMANDO DE OPERAÇÕES DE DEFESA CIVIL Departaento de Proteção Contra Incêndio, Explosão e Pânico NORMA TÉCNICA n. 28/2008 Manipulação, Arazenaento, Coercialização e Utilização de Gás Liquefeito de Petróleo (GLP) Parte 2 Área de arazenaento de recipientes transportáveis de gás liquefeito de petróleo (GLP) destinados ou não à coercialização Critérios de Segurança SUMÁRIO 6 Condições gerais de arazenage 7 Área de arazenaento de apoio 8 Veículos transportadores de recipientes de GLP e outros veículos de apoio 9 Parede resistente ao fogo 10 Classificação de área perigosa para equipaentos elétricos 11 Sistea de cobate a incêndio 12 Arazenaento de recipientes transportáveis de GLP e centro de destroca, oficina de requalificação e/ou anutenção e oficina de inutilização de recipientes transportáveis de GLP 13 Arazenaento e ovientação de recipientes transportáveis de GLP e paletes 14 Arazenaento de recipientes transportáveis de GLP e balsas ou pontões ANEXOS A Tabela 1 Classificação das Áreas de Arazenaento B Tabela 2 Epilhaento de Recipientes Transportáveis de GLP C Tabela 3 Distâncias ínias de segurança D Tabela 4 Extintores e capacidade E Tabela 5 Recipientes e Paletes

2 Nora Técnica n. 28/2008 Manipulação, Arazenaento, Coercialização e Utilização de Gás Liquefeito de Petróleo (GLP), destinados ou não à coercialização Critérios de Segurança Parte 2 6 CONDIÇÕES GERAIS DE ARMAZENAGEM 6.1 Os recipientes transportáveis de GLP pode ser classificados confore a 6.1.5: Novos: Quando ainda não recebera nenhua carga de GLP Cheios: Quando contê quantidade de GLP igual à assa líquida, observadas as tolerâncias da legislação etrológica vigente Parcialente Utilizados: Quando contê quantidade de GLP abaixo da assa líquida E Uso: Quando apresenta e sua válvula de saída de GLP qualquer conexão diferente do lacre da distribuidora, tapão, plugue ou protetor de rosca Vazios: Quando os recipientes, depois de utilizados, não contê GLP ou contê quantidade residual de GLP se condições de sair dos recipientes por pressão interna. 6.2 Para locais que arazene, para consuo próprio, cinco ou enos recipientes transportáveis, co assa líquida de até 13 kg de GLP, cheios, parcialente cheios ou vazios, deve ser observados os seguintes requisitos: a) possuir ventilação natural; b) preferencialente protegido do sol, da chuva e da uidade; c) estar afastado de outros produtos inflaáveis, de fontes de calor e de faíscas; d) estar afastado no ínio 1,5 ralos, caixas de gordura e de esgotos, be coo de galerias subterrâneas e siilares. 6.3 As áreas de arazenaento de recipientes transportáveis de GLP serão classificadas pela capacidade de arazenaento, e quilograas de GLP, confore o Anexo A na Tabela A capacidade de arazenaento, e quilograas de GLP, de ua área deve ser liitada pela soa da assa líquida total dos recipientes transportáveis cheios, parcialente utilizados e vazios. 6.5 Soente será peritida a instalação de área de arazenaento de recipientes transportáveis de GLP e ióvel tabé utilizado coo oradia ou residência particular desde que haja separação física e alvenaria entre estes e acessos independentes, co rotas de fuga distintas e caso de acidente, sendo respeitadas as distâncias ínias de segurança estabelecidas nesta Nora Técnica e observadas as posturas estadual e unicipal. 6.6 Os recipientes transportáveis de GLP deve ser arazenados sobre piso plano e nivelado, concretado ou pavientado, de odo a peritir ua superfície que suporte carga e descarga, e local ventilado, ao ar livre, podendo ou não a (s) área (s) de arazenaento ser encoberta (s). 6.7 A área de arazenaento, quando coberta, deve ter no ínio 2,60 de pé-direito e possuir u espaço livre, peranente de no ínio 1,20 entre o topo da pilha de botijões cheios e a cobertura. A estrutura e a cobertura deve ser construídas co produto resistente ao fogo, tendo a cobertura enor resistência ecânica do que a estrutura que a suporta. 6.8 Não é peritida a arazenage de outros ateriais na área de arazenaento dos recipientes transportáveis de GLP, excetuando-se aqueles exigidos pela legislação vigente, tais coo: balança, aterial para teste de vazaento, extintor (es) e placa (s). 6.9 Quando os recipientes transportáveis de GLP estivere arazenados sobre platafora elevada, esta deve ser construída co ateriais resistentes ao fogo, possuir ventilação natural, podendo ser coberta ou não, e atender aos requisitos de As operações de carga e descarga de recipientes transportáveis de GLP deve ser realizadas co cuidado, evitando-se que esses recipientes seja jogados contra o solo ou a platafora elevada, para que não seja danificados, constituindo-se risco potencial para a (s) área (s) de arazenaento, a (s) construção (ões) no ióvel ou nos ióveis vizinhos e o público e geral A deliitação da área de arazenaento deve ser através de pintura no piso ou por eio de cerca de tela etálica, gradil etálico ou eleento vazado de concreto, cerâica ou outro aterial resistente ao fogo, para assegurar apla ventilação. Para áreas de arazenaento superiores à classe III, tabé dearcar co pintura no piso, o local para os lotes de recipientes Os recipientes transportáveis de GLP cheios deve ser arazenados dentro da(s) área(s) de arazenaento, separados dos recipientes parcialente utilizados ou vazios Os expositores que deliita ua área de arazenaento de recipientes transportáveis de 1

3 Nora Técnica n. 28/2008 Manipulação, Arazenaento, Coercialização e Utilização de Gás Liquefeito de Petróleo (GLP), destinados ou não à coercialização Critérios de Segurança Parte 2 GLP soente pode ser classificados coo classe I ou II, ainda que no eso lote Fica liitada a ua única área de arazenaento, classe I ou II, quando instalada e Postos Revendedores de cobustíveis líquidos-pr As áreas de arazenaento classes I, II e III, quando deliitadas por cerca de tela etálica, gradil etálico, eleento vazado de concreto, cerâica ou outro aterial resistente ao fogo, deve possuir acesso através de ua ou ais aberturas de no ínio 1,20 de largura e 2,10 de altura, que abra de dentro para fora. As áreas de arazenaento classe IV ou superior, quando deliitadas pelos esos tipos de ateriais citados neste ite, deve possuir acesso através de duas ou ais aberturas de no ínio 1,20 de largura e 2,10 de altura, que abra de dentro para fora e fique localizadas no eso lado nas extreidades ou e lados adjacentes ou opostos As áreas de arazenaento de qualquer classe, quando não deliitadas por cerca de tela etálica, gradil etálico, eleento vazado de concreto, cerâica ou outro aterial resistente ao fogo, deve estar situadas e ióveis cercados de uros ou qualquer outro tipo de cercaento. O ióvel deve possuir no ínio ua abertura, co diensões ínias de 1,20 de largura e 2,10 de altura, abrindo de dentro para fora, para peritir a evasão de pessoas e caso de acidentes. Adicionalente, o ióvel pode possuir outros acessos co diensões quaisquer e co qualquer tipo de abertura, co passagens totalente desobstruídas Não é peritida a circulação de pessoas estranhas ao anuseio dos recipientes transportáveis de GLP na área de arazenaento A distância áxia a ser percorrida, de qualquer ponto dentro da área de arazenaento, quando cercada, até ua das aberturas, não pode ser superior a 25, confore ABNT NBR Na área de arazenaento soente é peritido o epilhaento de recipientes transportáveis de GLP, co assa líquida igual ou inferior a 13 kg de GLP O arazenaento de recipientes transportáveis de GLP, e pilhas, deve obedecer aos liites do Anexo B na Tabela Recipientes de assa líquida superior a 13 kg deve obrigatoriaente ser arazenados na posição vertical, não podendo ser epilhados Os recipientes de GLP cheios, vazios ou parcialente utilizados deve ser dispostos e lotes. Os lotes de recipientes cheios pode conter até 480 recipientes de assa líquida igual a 13 kg, e pilhas de até quatro unidades e os lotes de recipientes vazios ou parcialente utilizados até 600 recipientes de assa líquida igual a 13 kg, e pilhas de até cinco unidades. Entre os lotes de recipientes e entre esses lotes e os liites da área de arazenaento deve haver corredores de circulação co no ínio 1,00 de largura. Soente as áreas de arazenaento classes I e II não necessita de corredores de circulação As áreas de arazenaento definidas nesta Nora deve obedecer às distâncias ínias de segurança, e relação aos seus liites, estabelecidas no Anexo C na Tabela Co a construção de paredes resistentes ao fogo, as distâncias ínias de segurança definidas no Anexo C na Tabela 3 pode ser reduzidas pela etade, desde que observado o descrito no ite 9. A distância da área de arazenaento às aberturas para captação de águas pluviais, canaletas, ralos, rebaixos ou siilares deve ser de no ínio 1, Os recipientes transportáveis de GLP cheios, parcialente utilizados ou vazios não pode ser arazenados fora da área de arazenaento, co exceção dos casos citados e 7b), Na entrada do ióvel onde está(ão) localizada(s) a(s) área(s) de arazenaento de recipientes transportáveis de GLP, deve ser exibida placa que indique no ínio a(s) classe(s) de arazenaento existente(s) e a capacidade de arazenaento de GLP, e quilograas, de cada classe Exibir placa (s) e locais visíveis, a ua altura de 1,80, edida do piso acabado à base da placa, distribuída (s) ao longo do períetro da(s) área(s) de arazenaento, co os seguintes dizeres: a) PERIGO INFLAMÁVEL b) PROIBIDO O USO DE FOGO E DE QUALQUER INSTRUMENTO QUE PRODUZA FAÍSCA e, nas seguintes quantidades ínias: a) Classes I e II ua placa b) Classes III e superiores duas placas As diensões das placas deve ser tais que a 2

4 Nora Técnica n. 28/2008 Manipulação, Arazenaento, Coercialização e Utilização de Gás Liquefeito de Petróleo (GLP), destinados ou não à coercialização Critérios de Segurança Parte 2 ua distância ínia de 3,0 seja possível a visualização e a identificação da sinalização. As placas deve estar distanciadas entre si e no áxio Manter no ióvel líquido, equipaento e/ou outro aterial necessário para teste de vazaento de GLP dos recipientes As áreas de arazenaento de recipientes transportáveis de GLP não pode estar situadas e locais fechados se ventilação natural Os recipientes transportáveis de GLP que apresente defeitos ou vazaentos deve ser arazenados separadaente, dentro da área de arazenaento, e local ventilado, devidaente identificado, sendo obrigatória a sua reoção iediata pelo distribuidor ou revendedor responsável pela coercialização, para a base do distribuidor detentor da arca Para que ais de ua área de arazenaento de recipientes transportáveis de GLP localizadas nu eso ióvel seja consideradas separadas, para efeito de aplicação dos liites de distâncias ínias de segurança previstos no Anexo C na Tabela 3, estas deve estar afastadas entre si da soa das distâncias ínias de segurança, previstas para os liites do ióvel, co ou se uros, dependendo da situação. O soatório da capacidade de arazenaento de todas as áreas de arazenaento não pode ser superior à capacidade da classe iediataente superior à da aior classe existente no ióvel. 7 ÁREA DE ARMAZENAMENTO DE APOIO O local utilizado coo área de arazenaento de apoio à(s) área(s) de arazenaento de recipientes transportáveis de GLP existente(s) no ióvel deve observar ua das seguintes condições: a) Ser considerada ua área de arazenaento de recipientes transportáveis de GLP independente, devendo, neste caso, obedecer ao descrito e 6.31, alé de todos os deais critérios de segurança e distanciaentos previstos nesta Nora; b) Ser considerada coo copleento da(s) área(s) de arazenaento de recipientes transportáveis de GLP existente(s) no ióvel, devendo, neste caso, arazenar ua quantidade áxia de recipientes transportáveis de GLP, de tal fora que a capacidade de arazenaento não ultrapasse o liite de ua área de arazenaento classe I e obedecer a todos os critérios de segurança e distanciaentos exigidos nesta Nora para ua área de arazenaento classe I. Alé disso, tais recipientes deve ser parte integrante da capacidade de arazenaento da(s) área(s) existente(s) no ióvel. 8 VEÍCULOS TRANSPORTADORES DE RECIPIENTES DE GLP E OUTROS VEÍCULOS DE APOIO 8.1 Deve ter acesso restrito e controlado ao ióvel, podendo se aproxiar da(s) área(s) de arazenaento para as operações de carga e/ou descarga, sendo obrigatório que durante essas operações o otor do veículo e seus equipaentos elétricos auxiliares (rádio etc.) esteja desligados e a co a chave de partida na ignição. 8.2 Quando os veículos necessitare peranecer estacionados no interior do ióvel, não pode estar a ua distância enor do que 3,0, contada a partir do bocal de descarga do otor aos liites da (s) área (s) de arazenaento. 9 PAREDE RESISTENTE AO FOGO 9.1 As paredes resistentes ao fogo deve ser totalente fechadas (se aberturas) e construídas e alvenarias sólidas, concretos ou construção siilar, co tepo de resistência ao fogo (TRF) ínio de 2 h, confore ABNT NBR As paredes resistentes ao fogo, deve possuir no ínio 2,6 de altura. 9.3 As paredes resistentes ao fogo, quando existentes, deve ser construídas e posicionadas de aneira que se interponha entre o(s) recipiente(s) de GLP e o ponto considerado, isolando o risco entre estes e podendo reduzir pela etade os afastaentos constantes no Anexo C na Tabela 3, observando sepre a garantia de abiente ventilado. A distância ínia entre as paredes resistentes ao fogo e o liite dos lotes de recipientes é de 1, As paredes resistentes ao fogo não pode ser construídas entre os lotes de recipientes. 9.5 Quando a área de arazenaento de recipientes transportáveis de GLP for parcialente cercada por paredes resistentes ao fogo, essas não pode ser adjacentes e o copriento total dessas paredes não deve 3

5 Nora Técnica n. 28/2008 Manipulação, Arazenaento, Coercialização e Utilização de Gás Liquefeito de Petróleo (GLP), destinados ou não à coercialização Critérios de Segurança Parte 2 ultrapassar 60 % do períetro da área de arazenaento, de fora a peritir apla ventilação. O restante do períetro que deliita a área de arazenaento deve obedecer ao que deterina o descrito e O copriento total da parede resistente ao fogo deve ser igual ao copriento do lado paralelo da área de arazenaento, acrescido de no ínio 1 ou no áxio de 3 e cada extreidade. 9.7 O copriento da parede resistente ao fogo entre áreas de arazenaento de classes distintas localizadas no eso ióvel, confore 6.31, deve obedecer ao taanho referente à aior classe, observando os deais requisitos do Ite Os uros de deliitação da propriedade, construídos confore as especificações de paredes resistentes ao fogo, pode ser considerados coo tal, quando atendere a todas as considerações estipuladas nesta Nora para este eleento, não considerando a liitação de CLASSIFICAÇÃO DE ÁREA PERIGOSA PARA EQUIPAMENTOS ELÉTRICOS As áreas de arazenaento de recipientes transportáveis de GLP e seu entorno até ua distância de 3,0, edidos a partir dos liites do lote de recipientes e do topo das pilhas de arazenaento, deve ser classificadas coo zona 2, e os equipaentos elétricos instalados dentro desta zona deve estar e conforidade co as ABNT NBR 5410 e ABNT NBR SISTEMA DE COMBATE A INCÊNDIO 11.1 Os equipaentos utilizados no cobate a eergências deve ser locados de fora a garantir acesso rápido e seguro. Estes equipaentos destina se exclusivaente a cobater princípio de incêndio, protegendo os recipientes de radiações téricas provenientes de fogo próxio As áreas de arazenaento de recipientes transportáveis de GLP deve dispor de extintores de carga de pó co capacidade extintora ínia do tipo BC, de acordo co o Anexo D na Tabela As áreas de arazenaento de classe VI, VII e as classificadas coo especiais deve ter sistea de hidrantes e angotinhos Extintores de incêndio co carga de pó que encontra-se dentro do eso ióvel e e locais diferentes, poré nu raio áxio de 10 da(s) área(s) de arazenaento, tabé serão considerados unidades extintoras desta(s) área(s). 12 ARMAZENAMENTO DE RECIPIENTES TRANSPORTÁVEIS DE GLP EM CENTRO DE DESTROCA, OFICINA DE REQUALIFICAÇÃO E/OU MANUTENÇÃO E OFICINA DE INUTILIZAÇÃO DE RECIPIENTES TRANSPORTÁVEIS DE GLP 12.1 Os centros de destroca, oficinas de requalificação e/ou anutenção e de inutilização de recipientes transportáveis de GLP não pode arazenar recipientes cheios de GLP. Distribuidor que tabé possua oficina de requalificação e seu estabeleciento não poderá arazenar recipientes cheios de GLP na área onde serão realizados os serviços de requalificação Pelo fato de estes locais não arazenare e/ou ovientare recipientes cheios de GLP, os critérios ínios de segurança adotados para os centros de destroca serão aqueles estabelecidos para a classe III, deterinados nesta Nora, e para as oficinas de requalificação e/ou anutenção e de inutilização serão os estabelecidos para a classe II caso receba os recipientes já decantados e desgaseificados ou para a classe III caso tenha que decantar e desgaseificar os recipientes Nos centros de destroca, oficinas de requalificação e/ou anutenção e oficinas de inutilização de recipientes transportáveis de GLP, é peritido que o piso seja apenas copactado, desde que obedecidas às deterinações de Nos centros de destroca, a platafora elevada pode ser construída de estrutura de etal resistente ao fogo co piso de adeira, atendendo aos deais requisitos de ARMAZENAMENTO E MOVIMENTAÇÃO DE RECIPIENTES TRANSPORTÁVEIS DE GLP EM PALETES 13.1 A quantidade áxia de recipientes e paletes be coo o epilhaento dos paletes no arazenaento e transporte deve estar de 4

6 Nora Técnica n. 28/2008 Manipulação, Arazenaento, Coercialização e Utilização de Gás Liquefeito de Petróleo (GLP), destinados ou não à coercialização Critérios de Segurança Parte 2 acordo co o Anexo E na Tabela ARMAZENAMENTO DE RECIPIENTES TRANSPORTÁVEIS DE GLP EM BALSAS OU PONTÕES 14.1 A área de arazenaento dos recipientes transportáveis de GLP não pode ter paredes ou siilares que ipeça a apla ventilação A fileira externa do lote de recipientes deve distar no ínio 1 da borda do flutuante. ua única área de arazenaento, classe I ou II, e sepre e expositor para proteção dos recipientes As áreas de arazenaento de recipientes transportáveis de GLP situadas sobre balsa ou pontão deve obedecer às condições de segurança e afastaento descritas nesta Nora, não se aplicando aquelas referentes aos liites do ióvel e a passeios públicos Quando da instalação e pontão, os recipientes de GLP deve ser arazenados e 5

7 Nora Técnica n. 28/2008 Manipulação, Arazenaento, Coercialização e Utilização de Gás Liquefeito de Petróleo (GLP), destinados ou não à coercialização Critérios de Segurança Parte 2 Classe ANEXO A Tabela 1 Classificação das Áreas de Arazenaento Capacidade de Arazenaento kg de GLP Capacidade de Arazenaento (equivalente a botijões cheios co 13kg de GLP)* I Até 520 Até 40 II Até Até 120 III Até Até 480 IV Até Até 960 V Até Até VI Até Até VII Até Até Especial Mais de Mais de * Apenas para referência. A capacidade de arazenaento deve sepre ser edida e quilograas de GLP. Massa Líquida dos Recipientes ANEXO B Tabela 2 Epilhaento de Recipientes Transportáveis de GLP Recipientes Cheios Recipientes vazios ou parcialente utilizados Inferior a 5kg Altura Máxia da Pilha = 1,5 Altura Máxia da Pilha = 1,5 Igual ou Superior a 5kg até inferior a 13kg Até cinco recipientes Até cinco recipientes Igual a 13Kg Até quatro recipientes Até cinco recipientes 6

8 Nora Técnica n. 28/2008 Manipulação, Arazenaento, Coercialização e Utilização de Gás Liquefeito de Petróleo (GLP), destinados ou não à coercialização Critérios de Segurança Parte 2 Classe Liite do ióvel inclusive co passeios públicos (co uros de, no ínio, 1,80 de altura) Liite do ióvel exceto co passeios públicos (se uros ou co uros de enos de 1,80 de altura) ANEXO C Tabela 3 Distâncias ínias de segurança Liite do ióvel co passeios públicos (se uros ou co uros de enos de 1,80 de altura) Equipaentos e áquinas que produza calor Bobas de cobustíveis, descargas de otores à explosão não instalados e veículos, bocais e tubos de ventilação de tanques de cobustíveis e outras fontes de ignição Locais de Reunião de Público Edificação I 1,0 1,5 1,3 5,0 1,5 10,0 1,0 II 2,0 3,0 2,5 7,5 3,0 15,0 2,0 III 3,0 4,5 3,5 14,0 3,0 40,0 3,0 IV 3,5 5,0 4,0 14,0 3,0 45,0 3,0 V 4,0 6,0 5,0 14,0 3,0 50,0 3,0 VI 5,0 7,5 6,0 14,0 3,0 75,0 3,0 VII 7,0 10,0 8,0 14,0 3,0 90,0 3,0 Especial 10,0 15,0 15,0 15,0 3,0 90,0 3,0 Classe da área de arazenaento ANEXO D Tabela 4 Extintores e capacidade Quantidade ínia Capacidade extintora individual ínia I 2 Extintor de 20-BC II 2 Extintor de 20-BC III 3 Extintor de 20-BC IV 3 Extintor de 20-BC V 4 Extintor de 20-BC VI 6 Extintor de 20-BC VII 6 Extintor de 20-BC Especial Confore projeto aprovado pelo Corpo de Bobeiros Descrição Núero áxio de paletes epilhados no arazenaento Núero áxio de paletes no transporte e na ovientação Núero áxio de recipientes cheios, vazios ou parcialente utilizados por palete ANEXO E Tabela 5 Recipientes e Paletes Massa líquida de GLP dos recipientes 5 kg 13 kg 20 kg 45 kg 2 paletes 6 paletes 2 paletes 2 paletes 1 palete 4 paletes 1 palete 1 palete

NORMA BRASILEIRA ABNT NBR 15514

NORMA BRASILEIRA ABNT NBR 15514 NORMA BRASILEIRA ABNT NBR 15514 Primeira edição 06.08.2007 Válida a partir de 06.09.2007 Versão corrigida 11.08.2008 Área de armazenamento de recipientes transportáveis de gás liquefeito de petróleo (GLP),

Leia mais

NORMA TÉCNICA 28/2014

NORMA TÉCNICA 28/2014 É ESTADO DE GOIÁS SECRETARIA DA SEGURANÇA PÚBLICA CORPO DE BOMBEIROS MILITAR NORMA TÉCNICA 28/2014 Gás Liquefeito de Petróleo (GLP) Parte 2 Área de Arazenaento de Recipientes Transportáveis de GLP Destinados

Leia mais

PORTARIA DNC Nº 27, DE 16.9.1996 - DOU 17.9.1996

PORTARIA DNC Nº 27, DE 16.9.1996 - DOU 17.9.1996 PORTARIA DNC Nº 27, DE 16.9.1996 - DOU 17.9.1996 Estabelece condições mínimas de segurança das instalações de armazenamento de recipientes transportáveis de GLP. O DIRETOR DO DEPARTAMENTO NACIONAL DE COMBUSTÍVEIS,

Leia mais

NORMAS DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIOS INSTRUÇÃO NORMATIVA (IN 029/DAT/CBMSC) POSTOS DE REVENDA DE GLP (PRGLP)

NORMAS DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIOS INSTRUÇÃO NORMATIVA (IN 029/DAT/CBMSC) POSTOS DE REVENDA DE GLP (PRGLP) ESTADO DE SANTA CATARINA SECRETARIA DE ESTADO DA SEGURANÇA PÚBLICA CORPO DE BOMBEIROS MILITAR DIRETORIA DE ATIVIDADES TÉCNICAS - DAT NORMAS DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIOS INSTRUÇÃO NORMATIVA (IN 029/DAT/CBMSC)

Leia mais

LEI Nº 5628/99 O PREFEITO MUNICIPAL DO SALVADOR, CAPITAL DO ESTADO DA BAHIA, Faço saber que a Câmara Municipal decreta e eu sanciono a seguinte Lei:

LEI Nº 5628/99 O PREFEITO MUNICIPAL DO SALVADOR, CAPITAL DO ESTADO DA BAHIA, Faço saber que a Câmara Municipal decreta e eu sanciono a seguinte Lei: LEI Nº 5628/99 Altera disposições da Lei nº 3.377, de 23 de julho de 1984, referentes à implantação de postos de revenda de Gás Liquefeito de Petróleo GLP e dá outras providências. O PREFEITO MUNICIPAL

Leia mais

(TEXTO DESCARACTERIZADO)

(TEXTO DESCARACTERIZADO) ABNT NBR 15514:2007 versão corrigida de 2008 Área de arazenaento de recipientes transportáveis de gás liquefeito de petróleo (GLP), destinados ou não à coercialização Critérios de segurança (TEXTO DESCARACTERIZADO)

Leia mais

Manual de segurança. para o posto. revendedor de GLP. Normas para o Armazenamento de Recipientes Transportáveis de Gás Liquefeito de Petróleo

Manual de segurança. para o posto. revendedor de GLP. Normas para o Armazenamento de Recipientes Transportáveis de Gás Liquefeito de Petróleo Manual de segurança para o posto revendedor de GLP Normas para o Armazenamento de Recipientes Transportáveis de Gás Liquefeito de Petróleo Manual de segurança para o posto revendedor de GLP Normas para

Leia mais

Comando do Corpo de Bombeiros. Prevenção de Incêndios (Novo CSCIP) Mód 6 Central e Armazenamento de GLP Asp. Of. BM Ericka Ramos

Comando do Corpo de Bombeiros. Prevenção de Incêndios (Novo CSCIP) Mód 6 Central e Armazenamento de GLP Asp. Of. BM Ericka Ramos Comando do Corpo de Bombeiros Prevenção de Incêndios (Novo CSCIP) Mód 6 Central e Armazenamento de GLP Asp. Of. BM Ericka Ramos Central e Armazenamento de GLP Introdução Central de GLP Conceitos e Aplicações

Leia mais

CRITÉRIOS DE SEGURANÇA PARA ÁREA DE ARMAZENAMENTO DE RECIPIENTES TRANSPORTÁVEIS DE GLP

CRITÉRIOS DE SEGURANÇA PARA ÁREA DE ARMAZENAMENTO DE RECIPIENTES TRANSPORTÁVEIS DE GLP Módulo 8 - Critérios de Segurança para Área de Armazenamento de Recipientes Transportáveis de GLP. Edição nº 2 - Maio/2010 MANUAL DO REVENDEDOR AUTORIZADO FOGÁS Módulo 8 CRITÉRIOS DE SEGURANÇA PARA ÁREA

Leia mais

NBR 15514/07 e a Resolução 05/08 da ANP, entenda o que mudou. Marcelo Macedo

NBR 15514/07 e a Resolução 05/08 da ANP, entenda o que mudou. Marcelo Macedo NBR 15514/07 e a Resolução 05/08 da ANP, entenda o que mudou. Marcelo Macedo Legislação Anterior Portaria DNC nº n 27/96 - Condições mínimas m de segurança das instalações de armazenamento de recipientes

Leia mais

NPT 029 COMERCIALIZAÇÃO, DISTRIBUIÇÃO E UTILIZAÇÃO DE GÁS NATURAL

NPT 029 COMERCIALIZAÇÃO, DISTRIBUIÇÃO E UTILIZAÇÃO DE GÁS NATURAL Outubro 2011 Vigência: 08 Janeiro 2012 NPT 029 Comercialização, distribuição e utilização de gás natural CORPO DE BOMBEIROS BM/7 Versão: 01 Norma de Procedimento Técnico 5 páginas SUMÁRIO 1 Objetivo 2

Leia mais

NPT 024 SISTEMA DE CHUVEIROS AUTOMÁTICOS PARA ÁREAS DE DEPÓSITOS

NPT 024 SISTEMA DE CHUVEIROS AUTOMÁTICOS PARA ÁREAS DE DEPÓSITOS Outubro 2011 Vigência: 08 Janeiro 2012 NPT 024 Sistea de chuveiros autoáticos para áreas de depósitos CORPO DE BOMBEIROS BM/7 Versão: 01 Nora de Procediento Técnico 104páginas SUMÁRIO 1 2 3 4 5 Objetivo

Leia mais

Armazenagem de Líquidos Inflamáveis e Combustíveis

Armazenagem de Líquidos Inflamáveis e Combustíveis SECRETARIA DE ESTADO DOS NEGÓCIOS DA SEGURANÇA PÚBLICA POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE SÃO PAULO Corpo de Bobeiros INSTRUÇÃO TÉCNICA Nº 27/2004 Arazenage de Líquidos Inflaáveis e Cobustíveis SUMÁRIO ANEXOS

Leia mais

Armazenagem de Líquidos Inflamáveis e Combustíveis

Armazenagem de Líquidos Inflamáveis e Combustíveis SECRETARIA DE ESTADO DOS NEGÓCIOS DA SEGURANÇA PÚBLICA POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE SÃO PAULO Corpo de Bobeiros INSTRUÇÃO TÉCNICA Nº 27/2004 Arazenage de Líquidos Inflaáveis e Cobustíveis SUMÁRIO ANEXOS

Leia mais

NORMA TÉCNICA N o 16 SISTEMAS DE PROTEÇÃO POR EXTINTORES DE INCÊNDIO

NORMA TÉCNICA N o 16 SISTEMAS DE PROTEÇÃO POR EXTINTORES DE INCÊNDIO ANEXO XVI AO DECRETO N o 3.950, de 25 de janeiro de 2010. NORMA TÉCNICA N o 16 SISTEMAS DE PROTEÇÃO POR EXTINTORES DE INCÊNDIO 1. OBJETIVO Esta Norma Técnica estabelece critérios para proteção contra incêndio

Leia mais

Documento sujeito a revisões periódicas CEP 59056-450 Tel: (84) 3232-2102 / 3232-2118 / 3232-1975 / 0800-281-1975

Documento sujeito a revisões periódicas CEP 59056-450 Tel: (84) 3232-2102 / 3232-2118 / 3232-1975 / 0800-281-1975 Governo do Estado do Rio Grande do Norte Secretaria de Estado do Meio Ambiente e dos Recursos Hídricos Instruções Técnicas para Apresentação de Projetos de Armazenamento e Revenda de Recipientes Transportáveis

Leia mais

IT - 16 SISTEMA DE PROTEÇÃO POR EXTINTORES DE INCÊNDIO

IT - 16 SISTEMA DE PROTEÇÃO POR EXTINTORES DE INCÊNDIO IT - 16 SISTEMA DE PROTEÇÃO POR EXTINTORES DE INCÊNDIO SUMÁRIO 1 Objetivo 2 Aplicação 3 Referências Normativas 4 Definições 5 Generalidades gerais 6- Procedimentos 7 Certificação e validade/garantia INSTRUÇÃO

Leia mais

http://www81.dataprev.gov.br/sislex/paginas/05/mtb/20.htm

http://www81.dataprev.gov.br/sislex/paginas/05/mtb/20.htm Page 1 of 5 20.1 Líquidos combustíveis. NR 20 - Líquidos combustíveis e inflamáveis (120.000-3) 20.1.1 Para efeito desta Norma Regulamentadora - NR fica definido "líquido combustível" como todo aquele

Leia mais

IT - 22 ARMAZENAGEM DE LÍQUIDOS INFLAMÁVEIS E COMBUSTÍVEIS

IT - 22 ARMAZENAGEM DE LÍQUIDOS INFLAMÁVEIS E COMBUSTÍVEIS IT - 22 ARMAZENAGEM DE LÍQUIDOS INFLAMÁVEIS E COMBUSTÍVEIS SUMÁRIO ANEXO 1 Objetivo A - Tabelas de distanciaentos 2 Aplicação B - Detalhe de arruação de arazenage fracionada 3 Referências Norativas e Bibliográficas

Leia mais

NPT 028 MANIPULAÇÃO, ARMAZENAMENTO, COMERCIALIZAÇÃO E UTILIZAÇÃO DE G.L.P.

NPT 028 MANIPULAÇÃO, ARMAZENAMENTO, COMERCIALIZAÇÃO E UTILIZAÇÃO DE G.L.P. Outubro 2014 Vigência: 08 outubro 2014 NPT 028 Manipulação, armazenamento, comercialização e utilização de gás liquefeito de petróleo (GLP) CORPO DE BOMBEIROS BM/7 Versão: 03 Norma de Procedimento Técnico

Leia mais

NORMA TÉCNICA DO CORPO DE BOMBEIROS Nº 18/2015 SISTEMA DE PROTEÇÃO POR EXTINTORES DE INCÊNDIO - PROPOSTA

NORMA TÉCNICA DO CORPO DE BOMBEIROS Nº 18/2015 SISTEMA DE PROTEÇÃO POR EXTINTORES DE INCÊNDIO - PROPOSTA ESTADO DE MATO GROSSO SECRETARIA DE ESTADO E SEGURANÇA PÚBLICA CORPO DE BOMBEIROS MILITAR DIRETORIA DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO E PÂNICO NORMA TÉCNICA DO CORPO DE BOMBEIROS Nº 18/2015 SISTEMA DE PROTEÇÃO

Leia mais

4 ESCOLHA O BOTIJÃO CERTO 2

4 ESCOLHA O BOTIJÃO CERTO 2 1 COMPRE DE REVENDEDOR AUTORIZADO 3 CUIDADOS COM A ENTREGA EM CASA Só o comerciante que tiver autorização (em dia) da ANP pode vender gás de botijão (GLP, gás liquefeito de petróleo). O Código de Defesa

Leia mais

Sistema de proteção por extintores de incêndio

Sistema de proteção por extintores de incêndio Outubro 2011 Vigência: 08 Janeiro 2012 NPT 021 Sistema de proteção por extintores de incêndio CORPO DE BOMBEIROS BM/7 Versão:01 Norma de Procedimento Técnico 5 páginas SUMÁRIO 1 Objetivo 2 Aplicação 3

Leia mais

Sistema de Proteção por Extintores de Incêndio

Sistema de Proteção por Extintores de Incêndio SECRETARIA DE ESTADO DOS NEGÓCIOS DA SEGURANÇA PÚBLICA POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE SÃO PAULO Corpo de Bombeiros SUMÁRIO 1 Objetivo 2 Aplicação 3 Referências normativas 4 Definições 5 Procedimentos Instrução

Leia mais

TABELA A DISTÂNCIA MÍNIMA DO TANQUE À LINHA DE DIVISA DA PROPRIEDADE ADJACENTE

TABELA A DISTÂNCIA MÍNIMA DO TANQUE À LINHA DE DIVISA DA PROPRIEDADE ADJACENTE NR 20 - Líquidos combustíveis e inflamáveis Publicação D.O.U. Portaria GM n.º 3.214, de 08 de junho de 1978 06/07/78 20.1 Líquidos combustíveis. 20.1.1 Para efeito desta Norma Regulamentadora - NR fica

Leia mais

Manipulação, Armazenamento, Comercialização e Utilização de Gás Liquefeito de Petróleo (GLP)

Manipulação, Armazenamento, Comercialização e Utilização de Gás Liquefeito de Petróleo (GLP) SECRETARIA DE ESTADO DOS NEGÓCIOS DA SEGURANÇA PÚBLICA POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE SÃO PAULO Corpo de Bombeiros INSTRUÇÃO TÉCNICA Nº 28/2004 Manipulação, Armazenamento, Comercialização e Utilização de

Leia mais

IT - 23 MANIPULAÇÃO, ARMAZENAMENTO, COMERCIALIZAÇÃO E UTILIZAÇÃO DE GÁS LIQUEFEITO DE PETRÓLEO (GLP)

IT - 23 MANIPULAÇÃO, ARMAZENAMENTO, COMERCIALIZAÇÃO E UTILIZAÇÃO DE GÁS LIQUEFEITO DE PETRÓLEO (GLP) IT - 23 MANIPULAÇÃO, ARMAZENAMENTO, COMERCIALIZAÇÃO E UTILIZAÇÃO DE GÁS LIQUEFEITO DE PETRÓLEO (GLP) SUMÁRIO ANEXOS 1 Objetivo A Tabela de afastamentos de segurança para as áreas de amarzenamento de recipientes

Leia mais

DISTÂNCIA MÍNIMA DO TANQUE À LINHA DE DIVISA DA PROPRIEDADE ADJACENTE. DISTÂNCIA MÍNIMA DO TANQUE ÀS VIAS PÚBLICAS Acima de 250 até 1.

DISTÂNCIA MÍNIMA DO TANQUE À LINHA DE DIVISA DA PROPRIEDADE ADJACENTE. DISTÂNCIA MÍNIMA DO TANQUE ÀS VIAS PÚBLICAS Acima de 250 até 1. NR 20 - Líquidos combustíveis e inflamáveis (120.000-3) 20.1 Líquidos combustíveis. 20.1.1 Para efeito desta Norma Regulamentadora - NR fica definido "líquido combustível" como todo aquele que possua ponto

Leia mais

Instrução Técnica nº 28/2011 - Manipulação, armazenamento, comercialização e utilização de gás liquefeito de petróleo (GLP) 655

Instrução Técnica nº 28/2011 - Manipulação, armazenamento, comercialização e utilização de gás liquefeito de petróleo (GLP) 655 Instrução Técnica nº 28/2011 - Manipulação, armazenamento, comercialização e utilização de gás liquefeito de petróleo (GLP) 655 SECRETARIA DE ESTADO DOS NEGÓCIOS DA SEGURANÇA PÚBLICA POLÍCIA MILITAR DO

Leia mais

Instrução Técnica nº 28/2011 - Manipulação, armazenamento, comercialização e utilização de gás liquefeito de petróleo (GLP) 655

Instrução Técnica nº 28/2011 - Manipulação, armazenamento, comercialização e utilização de gás liquefeito de petróleo (GLP) 655 Instrução Técnica nº 28/2011 - Manipulação, armazenamento, comercialização e utilização de gás liquefeito de petróleo (GLP) 655 SECRETARIA DE ESTADO DOS NEGÓCIOS DA SEGURANÇA PÚBLICA POLÍCIA MILITAR DO

Leia mais

Norma Regulamentadora 20 - NR 20

Norma Regulamentadora 20 - NR 20 Norma Regulamentadora 20 - NR 20 Líquidos combustíveis e inflamáveis 20.1. Líquidos combustíveis. 20.1.1. Para efeito desta Norma Regulamentadora - NR fica definido "líquido combustível" como todo aquele

Leia mais

INSTRUÇÃO TÉCNICA Nº 23 2ª EDIÇÃO

INSTRUÇÃO TÉCNICA Nº 23 2ª EDIÇÃO INSTRUÇÃO TÉCNICA Nº 23 2ª EDIÇÃO MANIPULAÇÃO, ARMAZENAMENTO, COMERCIALIZAÇÃO E UTILIZAÇÃO DE GÁS LIQUEFEITO DE PETRÓLEO (GLP) SUMÁRIO ANEXOS 1 Objetivo A - Afastamento de segurança para recipientes estacionários

Leia mais

Participação audiência ANP em 11/01/08, confirmação presença até 09/11/08? Curso MOPE Brigada de Incêndio Alexandre Ramos

Participação audiência ANP em 11/01/08, confirmação presença até 09/11/08? Curso MOPE Brigada de Incêndio Alexandre Ramos ASMIRG Associação Mineira dos Revendedores de Gás Liquefeito de Petróleo Reunião Extraordinária 012/08-07 janeiro 2008 Programação: I - Motofrete x BHTRANS Resolução CONTRAN 219 Convidado especial - Sr.

Leia mais

INSTRUÇÃO TÉCNICA Nº 16 2ª EDIÇÃO

INSTRUÇÃO TÉCNICA Nº 16 2ª EDIÇÃO INSTRUÇÃO TÉCNICA Nº 16 2ª EDIÇÃO SISTEMA DE PROTEÇÃO POR EXTINTORES DE INCÊNDIO SUMÁRIO 1 Objetivo 2 Aplicação 3 Referências normativas 4 Definições 5 Generalidades 6 Características e critérios para

Leia mais

6As áreas de abastecimento representam uma possível fonte de poluição ao meio

6As áreas de abastecimento representam uma possível fonte de poluição ao meio ÁREA DE ABASTECIMENTO E ARMAZENAMENTO DE COMBUSTÍVEL 6As áreas de abastecimento representam uma possível fonte de poluição ao meio ambiente e seu manuseio e armazenagem também apresentam considerável grau

Leia mais

IT - 35 SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO EM EDIFICAÇÕES HISTÓRICAS

IT - 35 SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO EM EDIFICAÇÕES HISTÓRICAS IT - 35 SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO EM EDIFICAÇÕES HISTÓRICAS SUMÁRIO 1 - Objetivo 7 - Exposição ao risco de incêndio 2 - Referências normativas 8 - Risco de incêndio 3 - Símbolos 9 - Fatores de segurança

Leia mais

Instrução Técnica nº 25/2011 - Segurança contra incêndio para líquidos combustíveis e inflamáveis - Parte 3 Armazenamento... 625

Instrução Técnica nº 25/2011 - Segurança contra incêndio para líquidos combustíveis e inflamáveis - Parte 3 Armazenamento... 625 Instrução Técnica nº 25/2011 - Segurança contra incêndio para líquidos combustíveis e inflamáveis - Parte 3 Armazenamento... 625 SECRETARIA DE ESTADO DOS NEGÓCIOS DA SEGURANÇA PÚBLICA POLÍCIA MILITAR DO

Leia mais

CARTILHA DE ORIENTAÇÕES PARA A INSTALAÇÃO DE MEDIDAS DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO EM PEQUENOS ESTABELECIMENTOS

CARTILHA DE ORIENTAÇÕES PARA A INSTALAÇÃO DE MEDIDAS DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO EM PEQUENOS ESTABELECIMENTOS CORPO DE BOMBEIROS MILITAR DO PARÁ CENTRO DE ATIVIDADES TÉCNICAS CARTILHA DE ORIENTAÇÕES PARA A INSTALAÇÃO DE MEDIDAS DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO EM PEQUENOS ESTABELECIMENTOS Belém 2014 / Versão 1.0 1

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA SUMÁRIO CONTEÚDO PG.. Cabos Elétricos e Acessórios 02.1. Geral 02.2. Noras 02.3. Escopo de Forneciento 02 T-.1. Tabela 02.4. Características Construtivas 04.4.1. Aplicação 04.4.2. Diensionaento 04.4.3.

Leia mais

NPT 033 COBERTURA DE SAPÉ, PIAÇAVA E SIMILARES

NPT 033 COBERTURA DE SAPÉ, PIAÇAVA E SIMILARES Janeiro 2012 Vigência: 08 Janeiro 2012 NPT 033 Cobertura de sapé, piaçava e similares CORPO DE BOMBEIROS BM/7 Versão: 02 Norma de Procedimento Técnico 5 páginas SUMÁRIO 1 Objetivo 2 Aplicação 3 Referências

Leia mais

FORMULÁRIO DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO PROJETO TÉCNICO

FORMULÁRIO DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO PROJETO TÉCNICO ESTADO DA PARAÍBA SECRETARIA DE ESTADO DA SEGURANÇA E DA DEFESA SOCIAL CORPO DE BOMBEIROS MILITAR DIRETORIA DE ATIVIDADES TÉCNICAS DAT/1 SEÇÃO DE ANÁLISE DE PROJETOS FORMULÁRIO DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO

Leia mais

TRANSPORTADOR DE PRODUTOS PERIGOSOS GLP EXIGÊNCIAS

TRANSPORTADOR DE PRODUTOS PERIGOSOS GLP EXIGÊNCIAS CONDUTOR VEÍCULO CARGA TRANSPORTADOR DE PRODUTOS PERIGOSOS GLP EIGÊNCIAS CNH Carteira Nacional de Habilitação Comprovante de Curso Específico MOPP (Certificado) CRLV Certificado de Registro e Licenciamento

Leia mais

NPT 028 MANIPULAÇÃO, ARMAZENAMENTO, COMERCIALIZAÇÃO E UTILIZAÇÃO DE G.L.P.

NPT 028 MANIPULAÇÃO, ARMAZENAMENTO, COMERCIALIZAÇÃO E UTILIZAÇÃO DE G.L.P. Janeiro 2012 Vigência: 08 Janeiro 2012 NPT 028 Manipulação, armazenamento, comercialização e utilização de gás liquefeito de petróleo (GLP) CORPO DE BOMBEIROS BM/7 Versão: 02 Norma de Procedimento Técnico

Leia mais

Simulado 2 Física AFA/EFOMM 2012. B)30 2 m. D)50 2 m. 1 P r o j e t o F u t u r o M i l i t a r w w w. f u t u r o m i l i t a r. c o m.

Simulado 2 Física AFA/EFOMM 2012. B)30 2 m. D)50 2 m. 1 P r o j e t o F u t u r o M i l i t a r w w w. f u t u r o m i l i t a r. c o m. Prof. André otta - ottabip@hotail.co Siulado 2 Física AFA/EFO 2012 1- Os veículos ostrados na figura desloca-se co velocidades constantes de 20 /s e 12/s e se aproxia de u certo cruzaento. Qual era a distância

Leia mais

:: Física :: é percorrida antes do acionamento dos freios, a velocidade do automóvel (54 km/h ou 15 m/s) permanece constante.

:: Física :: é percorrida antes do acionamento dos freios, a velocidade do automóvel (54 km/h ou 15 m/s) permanece constante. Questão 01 - Alternativa B :: Física :: Coo a distância d R é percorrida antes do acionaento dos freios, a velocidade do autoóvel (54 k/h ou 15 /s) peranece constante. Então: v = 15 /s t = 4/5 s v = x

Leia mais

Questão 46. Questão 48. Questão 47. alternativa E. alternativa A. gasto pela pedra, entre a janela do 12 o piso e a do piso térreo, é aproximadamente:

Questão 46. Questão 48. Questão 47. alternativa E. alternativa A. gasto pela pedra, entre a janela do 12 o piso e a do piso térreo, é aproximadamente: Questão 46 gasto pela pedra, entre a janela do 1 o piso e a do piso térreo, é aproxiadaente: A figura ostra, e deterinado instante, dois carros A e B e oviento retilíneo unifore. O carro A, co velocidade

Leia mais

Nota Técnica. Requisitos Gerais para a armazenagem de óleos usados:

Nota Técnica. Requisitos Gerais para a armazenagem de óleos usados: Nota Técnica ARMAZENAGEM DE ÓLEOS USADOS Para efeitos do presente documento, considera-se a definição de óleos usados constante na alínea b) do artigo 2.º do Decreto-lei n.º 153/2003. Define-se reservatório

Leia mais

NORMA TÉCNICA N o 25 MEDIDAS DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO EM SUBESTAÇÕES ELÉTRICAS

NORMA TÉCNICA N o 25 MEDIDAS DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO EM SUBESTAÇÕES ELÉTRICAS ANEXO XXV AO DECRETO N o 3.950, de 25 de janeiro de 2010. NORMA TÉCNICA N o 25 MEDIDAS DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO EM SUBESTAÇÕES ELÉTRICAS 1. OBJETIVO Esta Norma Técnica estabelece as medidas de segurança

Leia mais

Incêndios e Explosões Baseado no original do Instituto Nacional de Seguridad e Higiene en el Trabajo - da Espanha) - www.mtas.

Incêndios e Explosões Baseado no original do Instituto Nacional de Seguridad e Higiene en el Trabajo - da Espanha) - www.mtas. Incêndios e Explosões Baseado no original do Instituto Nacional de Seguridad e Higiene en el Trabajo - da Espanha) - www.mtas.es/insht/ INTRODUÇÃO Os incêndios e explosões, ainda que representem uma porcentagem

Leia mais

Cobertura de Sapé, Piaçava e Similares

Cobertura de Sapé, Piaçava e Similares SECRETARIA DE ESTADO DOS NEGÓCIOS DA SEGURANÇA PÚBLICA POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE SÃO PAULO Corpo de Bombeiros INSTRUÇÃO TÉCNICA Nº 33/2004 Cobertura de Sapé, Piaçava e Similares SUMÁRIO ANEXO 1 Objetivo

Leia mais

Prevenção de Acidentes com GLP.

Prevenção de Acidentes com GLP. Prevenção de Acidentes com GLP. Data de Publicação: 06/03/2008 Convidamos o nosso visitante, a ler e responder as perguntas abaixo. Ao término desta visita temos a certeza que um dia estas informações

Leia mais

REQUISITOS E CONSIDERAÇÕES GERAIS REF. NBR 13434 DA ABNT

REQUISITOS E CONSIDERAÇÕES GERAIS REF. NBR 13434 DA ABNT ELABORAÇÃO E APRESENTAÇÃO DE PROJETOS DE SINALIZAÇÃO DE EMERGÊNCIA JUNTO A DGST REQUISITOS E CONSIDERAÇÕES GERAIS REF. NBR 13434 DA ABNT ANÁLISE E VISTORIA DOS SISTEMAS DE SINALIZAÇÃO DE EMERGÊNCIA Objetivo

Leia mais

ECV 5644 Instalações II

ECV 5644 Instalações II SISTEMA DE GÁS CENTRALIZADO Fonte: ETFSC Este Sistema também é conhecido como SISTEMA DE GÁS COMBUSTIVEL CENTRALIZADO, é constituído basicamente das seguintes instalações: 1. Central de Gás (Central de

Leia mais

XRV 1000 SD5 XRW 1000 SD5 XRXS 566 XRYS 557 / 577 OEM OILTRONIX. Atlas Copco Compressores de Ar Portáteis Maior produtividade em todas as situações

XRV 1000 SD5 XRW 1000 SD5 XRXS 566 XRYS 557 / 577 OEM OILTRONIX. Atlas Copco Compressores de Ar Portáteis Maior produtividade em todas as situações Atlas Copco Copressores de Ar Portáteis Maior produtividade e todas as situações XRV 1000 SD5 XRW 1000 SD5 XRXS 566 XRYS 557 / 577 OEM OILTRONIX A Atlas Copco é líder undial e copressores de ar portáteis,

Leia mais

ORIENTAÇÕES PARA O USO DE GÁS LIQUEFEITO DE PETRÓLEO (GLP) EM EDIFICAÇÕES CLASSIFICADAS COMO PROCEDIMENTO SIMPLIFICADO

ORIENTAÇÕES PARA O USO DE GÁS LIQUEFEITO DE PETRÓLEO (GLP) EM EDIFICAÇÕES CLASSIFICADAS COMO PROCEDIMENTO SIMPLIFICADO CORPO DE BOMBEIROS MILITAR DO PARÁ CENTRO DE ATIVIDADES TÉCNICAS ORIENTAÇÕES PARA O USO DE GÁS LIQUEFEITO DE PETRÓLEO (GLP) EM EDIFICAÇÕES CLASSIFICADAS COMO PROCEDIMENTO SIMPLIFICADO Belém 2014 / Versão

Leia mais

Recomendações para instalação de rede interna e de equipamentos a gás.

Recomendações para instalação de rede interna e de equipamentos a gás. Recomendações para instalação de rede interna e de equipamentos a gás. USO DE GÁS NATURAL CANALIZADO NORMAS E LEGISLAÇÃO: ABNT NBR 14570 ABNT NBR 13103 COSCIP código de segurança - decreto estadual nº

Leia mais

IT - 32 SUBESTAÇÕES ELÉTRICAS

IT - 32 SUBESTAÇÕES ELÉTRICAS IT - 32 SUBESTAÇÕES ELÉTRICAS SUMÁRIO ANEXO 1 Objetivo - Figuras, separações e afastamentos entre equipamentos e edificações. 2 Aplicação 3 Referências normativas e bibliográficas 4 Definições 5 Procedimentos

Leia mais

RESOLUÇÃO TÉCNICA CBMRS Nº 14 EXTINTORES DE INCÊNDIO 2014

RESOLUÇÃO TÉCNICA CBMRS Nº 14 EXTINTORES DE INCÊNDIO 2014 ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL SECRETARIA DA SEGURANÇA PÚBLICA COMANDO DO CORPO DE BOMBEIROS DIVISÃO TÉCNICA DE PREVENÇÃO DE INCÊNDIO E INVESTIGAÇÃO RESOLUÇÃO TÉCNICA CBMRS Nº 14 EXTINTORES DE INCÊNDIO 2014

Leia mais

ESTADO DE GOIÁS SECRETARIA DA SEGURANÇA PÚBLICA CORPO DE BOMBEIROS MILITAR

ESTADO DE GOIÁS SECRETARIA DA SEGURANÇA PÚBLICA CORPO DE BOMBEIROS MILITAR ESTADO DE GOIÁS SECRETARIA DA SEGURANÇA PÚBLICA CORPO DE BOMBEIROS MILITAR DIRETORIA DE DEFESA CIVIL Gerência de Segurança Contra Incêndio e Pânico NORMA TÉCNICA n. 24, de 05/03/07 Sistema de Resfriamento

Leia mais

ESTADO DE MATO GROSSO DO SUL SECRETARIA DE ESTADO DE JUSTIÇA E SEGURANÇA PÚBLICA CORPO DE BOMBEIROS MILITAR NORMA TÉCNICA N 25

ESTADO DE MATO GROSSO DO SUL SECRETARIA DE ESTADO DE JUSTIÇA E SEGURANÇA PÚBLICA CORPO DE BOMBEIROS MILITAR NORMA TÉCNICA N 25 ESTADO DE MATO GROSSO DO SUL SECRETARIA DE ESTADO DE JUSTIÇA E SEGURANÇA PÚBLICA CORPO DE BOMBEIROS MILITAR NORMA TÉCNICA N 25 Segurança contra incêndio para líquidos combustíveis e inflamáveis Parte 3

Leia mais

PROJETO EXECUTIVO MEMORIAL DESCRITIVO

PROJETO EXECUTIVO MEMORIAL DESCRITIVO PROJETO EXECUTIVO MEMORIAL DESCRITIVO DAS INSTALAÇÕES HIDRÁULICAS DO RESTAURANTE E VESTIÁRIOS Rev. 0: 09/01/13 1. INTRODUÇÃO Este memorial visa descrever os serviços e especificar os materiais do projeto

Leia mais

Unidade: Instalações prediais de proteção contra incêndio e de gás

Unidade: Instalações prediais de proteção contra incêndio e de gás Unidade: Instalações prediais de proteção contra incêndio e de gás Nesta Unidade da Disciplina tentaremos compreender a questão da problemática envolvida nos tratos dos assuntos atinentes a prevenção e

Leia mais

Memorial Descritivo CHUVEIROS AUTOMÁTICOS

Memorial Descritivo CHUVEIROS AUTOMÁTICOS 1/8 GOVERNO DO ESTADO DO AMAPÁ CORPO DE BOMBEIROS MILITAR DO ESTADO DO AMAPÁ DIVISÃO DE SERVIÇOS TÉCNICOS SEÇÃO DE ANÁLISE DE PROJETOS 1. Normas de referência: NBR 10.897-ABNT 1.1. Outras normas: 2. Nome

Leia mais

Conheça nossos produtos e soluções hidráulicas. Conte com a nossa parceria.

Conheça nossos produtos e soluções hidráulicas. Conte com a nossa parceria. Hydro Z Unikap atua na construção civil, e instalações hidráulicas prediais, residenciais, coerciais e industriais, co ais de il itens produzidos confore as noras vigentes, garantindo total segurança na

Leia mais

A SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIOS NAS EDIFICAÇÕES

A SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIOS NAS EDIFICAÇÕES A SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIOS NAS EDIFICAÇÕES 1 OBJETIVOS DO PROJETO DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO A proteção da vida humana A proteção do patrimônio A continuidade do processo produtivo 2 O CÍRCULO DE PROTEÇÃO

Leia mais

100m. aprox. 5m. Legenda. Detalhes croquis / anotações. Desenhos: PLANTA DO TÉRREO ELEVAÇÃO DOS EDIFÍCIOS PLANTA TÉRREO

100m. aprox. 5m. Legenda. Detalhes croquis / anotações. Desenhos: PLANTA DO TÉRREO ELEVAÇÃO DOS EDIFÍCIOS PLANTA TÉRREO Térreo: Meça e desenhe as diensões principais e eleentos que observar na planta. Preste atenção no edifício e divisão de lotes, entradas, canteiros, obiliário urbano, diensões livres do passeio, etc. Elevação

Leia mais

F. Jorge Lino Módulo de Weibull MÓDULO DE WEIBULL. F. Jorge Lino

F. Jorge Lino Módulo de Weibull MÓDULO DE WEIBULL. F. Jorge Lino MÓDULO DE WEIBULL F. Jorge Lino Departaento de Engenharia Mecânica e Gestão Industrial da Faculdade de Engenharia da Universidade do Porto, Rua Dr. Roberto Frias, 4200-465 Porto, Portugal, Telf. 22508704/42,

Leia mais

NORMAS DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIOS INSTRUÇÃO NORMATIVA (IN 013/DAT/CBMSC) SINALIZAÇÃO PARA ABANDONO DE LOCAL

NORMAS DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIOS INSTRUÇÃO NORMATIVA (IN 013/DAT/CBMSC) SINALIZAÇÃO PARA ABANDONO DE LOCAL ESTADO DE SANTA CATARINA SECRETARIA DE ESTADO DA SEGURANÇA PÚBLICA CORPO DE BOMBEIROS MILITAR DIRETORIA DE ATIVIDADES TÉCNICAS - DAT NORMAS DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIOS INSTRUÇÃO NORMATIVA (IN 013/DAT/CBMSC)

Leia mais

Instrução Técnica nº 43/2011 - Adaptação às normas de segurança contra incêndio edificações existentes 779

Instrução Técnica nº 43/2011 - Adaptação às normas de segurança contra incêndio edificações existentes 779 Instrução Técnica nº 43/2011 - Adaptação às normas de segurança contra incêndio edificações existentes 779 SECRETARIA DE ESTADO DOS NEGÓCIOS DA SEGURANÇA PÚBLICA POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE SÃO PAULO

Leia mais

Aprova Alterações na Norma Técnica nº 005/2000-CBMDF, sobre a Central Predial de Gás Liqüefeito de Petróleo do Distrito Federal, que especificam.

Aprova Alterações na Norma Técnica nº 005/2000-CBMDF, sobre a Central Predial de Gás Liqüefeito de Petróleo do Distrito Federal, que especificam. DODF Nº 237 de 14 de dezembro de 2000. CORPO DE BOMBEIROS MILITAR DO DISTRITO FEDERAL PORTARIA Nº 68/2002-CBMDF, DE 27 DE DEZEMBRO DE 2002 Aprova Alterações na Norma Técnica nº 005/2000-CBMDF, sobre a

Leia mais

Fire Prevention STANDARD. LME-12:001905 Upt Rev A

Fire Prevention STANDARD. LME-12:001905 Upt Rev A STANDARD LME-12:001905 Upt Rev A Índice 1 Introdução... 3 2 Requisitos... 3 3 Normas de Operação Segura... 4 3.1 Procedimentos de Evacuação em Incêndio... 4 3.2 Caminhos de Escape Designados... 4 3.3 Pontos

Leia mais

DECRETO Nº 37.380, DE 28 DE ABRIL DE 1997. *(Com as Alterações Introduzidas pelo Decreto nº 38.273/98, pub. DOE 10.03.98)

DECRETO Nº 37.380, DE 28 DE ABRIL DE 1997. *(Com as Alterações Introduzidas pelo Decreto nº 38.273/98, pub. DOE 10.03.98) 1 de 7 05/02/2013 11:03 DECRETO Nº 37.380, DE 28 DE ABRIL DE 1997. *(Com as Alterações Introduzidas pelo Decreto nº 38.273/98, pub. DOE 10.03.98) Aprova as Normas Técnicas de Prevenção de Incêndios e determina

Leia mais

SECRETARIA DE ESTADO DOS NEGÓCIOS DA SEGURANÇA PÚBLICA POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE SÃO PAULO. Corpo de Bombeiros INSTRUÇÃO TÉCNICA Nº 04/2011

SECRETARIA DE ESTADO DOS NEGÓCIOS DA SEGURANÇA PÚBLICA POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE SÃO PAULO. Corpo de Bombeiros INSTRUÇÃO TÉCNICA Nº 04/2011 Instrução Técnica nº 04/2011 - Símbolos gráficos para projeto de segurança contra incêndio 149 SECRETARIA DE ESTADO DOS NEGÓCIOS DA SEGURANÇA PÚBLICA POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE SÃO PAULO Corpo de Bombeiros

Leia mais

Art. 1 Aprovar e colocar em vigor a NORMA TÉCNICA N 03/2015-CBMDF, na forma do anexo a presente Portaria.

Art. 1 Aprovar e colocar em vigor a NORMA TÉCNICA N 03/2015-CBMDF, na forma do anexo a presente Portaria. Sistema Integrado de Normas Jurídicas do Distrito Federal SINJ-DF PORTARIA N 09, DE 20 DE MARÇO DE 2015. Aprova a Norma Técnica N 03/2015- CBMDF - Sistema de Proteção por Extintores de Incêndio. O COMANDANTE-GERAL

Leia mais

Símbolos Gráficos Para Projeto de Segurança Contra Incêndio

Símbolos Gráficos Para Projeto de Segurança Contra Incêndio Outubro 2011 Vigência: 08 Janeiro 2012 NPT 004 Símbolos Gráficos Para Projeto de Segurança Contra Incêndio CORPO DE BOMBEIROS BM/7 Versão: 01 Norma de Procedimento Técnico 17 páginas SUMÁRIO 1 Objetivo

Leia mais

16.1. São consideradas atividades e operações perigosas as constantes dos Anexos números 1 e 2 desta Norma Regulamentadora-NR.

16.1. São consideradas atividades e operações perigosas as constantes dos Anexos números 1 e 2 desta Norma Regulamentadora-NR. NR 16 - Atividades e Operações Perigosas (116.000-1) 16.1. São consideradas s e operações perigosas as constantes dos Anexos números 1 e 2 desta Norma Regulamentadora-NR. 16.2. O exercício de trabalho

Leia mais

NR 16 - ATIVIDADES E OPERAÇÕES PERIGOSAS (116.000-1)

NR 16 - ATIVIDADES E OPERAÇÕES PERIGOSAS (116.000-1) NR 16 - ATIVIDADES E OPERAÇÕES PERIGOSAS (116.000-1) 16.1. São consideradas atividades e operações perigosas as constantes dos Anexos números 1 e 2 desta Norma Regulamentadora-NR. 16.2. O exercício de

Leia mais

UNEMAT Universidade do Estado de Mato Grosso. INSTALAÇÕES HIDRÁULICAS E PREDIAIS Professora: Engª Civil Silvia Romfim

UNEMAT Universidade do Estado de Mato Grosso. INSTALAÇÕES HIDRÁULICAS E PREDIAIS Professora: Engª Civil Silvia Romfim UNEMAT Universidade do Estado de Mato Grosso INSTALAÇÕES HIDRÁULICAS E PREDIAIS Professora: Engª Civil Silvia Romfim INSTALAÇÕES PREDIAIS DE GÁS 2 Objetivo: Fornecer Gás Combustível com segurança e sem

Leia mais

Cores na segurança do trabalho PRODUTOR > CABRAL VERÍSSIMO

Cores na segurança do trabalho PRODUTOR > CABRAL VERÍSSIMO Cores na segurança do trabalho PRODUTOR > CABRAL VERÍSSIMO DESCRIÇÃO: 26.1.5 As cores aqui adotadas serão as seguintes: - vermelho; - amarelo; - branco; - preto; - azul; - verde; - laranja; - púrpura;

Leia mais

DODF Nº 237 14 de dezembro de 2000 CORPO DE BOMBEIROS MILITAR DO DISTRITO FEDERAL PORTARIA Nº 49/2000-CBMDF, DE 7 DE DEZEMBRO DE 2000

DODF Nº 237 14 de dezembro de 2000 CORPO DE BOMBEIROS MILITAR DO DISTRITO FEDERAL PORTARIA Nº 49/2000-CBMDF, DE 7 DE DEZEMBRO DE 2000 DODF Nº 237 14 de dezembro de 2000 CORPO DE BOMBEIROS MILITAR DO DISTRITO FEDERAL PORTARIA Nº 49/2000-CBMDF, DE 7 DE DEZEMBRO DE 2000 Aprova a Norma Técnica nº 004/2000-CBMDF, sobre o Sistema de Proteção

Leia mais

CORPO DE BOMBEIROS MILITAR PORTARIA Nº 013 GCG/2012-CG NORMA TÉCNICA N.º 003/2012 CBMPB HIDRANTE URBANO

CORPO DE BOMBEIROS MILITAR PORTARIA Nº 013 GCG/2012-CG NORMA TÉCNICA N.º 003/2012 CBMPB HIDRANTE URBANO CORPO DE BOMBEIROS MILITAR PORTARIA Nº 013 GCG/2012-CG NORMA TÉCNICA N.º 003/2012 CBMPB HIDRANTE URBANO SUMÁRIO 1 Objetivo 2 Aplicação 3 Referências normativas e bibliográficas 4 Procedimento 5 Anexos

Leia mais

Instalações de Gás. Objetivo: Fornecer Gás Combustível com segurança e sem interrupções para residências.

Instalações de Gás. Objetivo: Fornecer Gás Combustível com segurança e sem interrupções para residências. Instalações de Gás Objetivo: Fornecer Gás Combustível com segurança e sem interrupções para residências. Tipos de Gases: Os gases combustíveis oferecidos no Brasil são: GLP (Gás Liquefeito de Petróleo)

Leia mais

Prismas, Cubos e Paralelepípedos

Prismas, Cubos e Paralelepípedos Prisas, Cubos e Paralelepípedos 1 (Ufpa 01) Ua indústria de cerâica localizada no unicípio de São Miguel do Guaá no estado do Pará fabrica tijolos de argila (barro) destinados à construção civil Os tijolos

Leia mais

NORMA TÉCNICA N. O 004/2008

NORMA TÉCNICA N. O 004/2008 ESTADO DO CEARÁ SECRETARIA DA SEGURANÇA PÚBLICA E DEFESA SOCIAL CORPO DE BOMBEIROS MILITAR COORDENADORIA DE ATIVIDADES TÉCNICAS NORMA TÉCNICA N. O 004/2008 SISTEMA DE PROTEÇÃO POR APARELHOS EXTINTORES

Leia mais

Procedimentos administrativos Parte 5 Plano de Segurança Simplificado

Procedimentos administrativos Parte 5 Plano de Segurança Simplificado Março 2015 Vigência: 15 de março de 2015 NPT 001. Procedimentos administrativos Parte 5 Plano de Segurança Simplificado CORPO DE BOMBEIROS BM/7 Versão: 02 Norma de Procedimento Técnico 6 páginas SUMÁRIO

Leia mais

Capítulo VII. Por Sérgio Feitoza Costa*

Capítulo VII. Por Sérgio Feitoza Costa* 44 Equipaentos para subestações de T&D Capítulo VII Distâncias de segurança de subestações e sisteas de proteção contra incêndios e subestações Este fascículo ve apresentando conceitos de engenharia para

Leia mais

NPT 025 SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO PARA LÍQUIDOS COMBUSTÍVEIS E INFLAMÁVEIS PARTE 3

NPT 025 SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO PARA LÍQUIDOS COMBUSTÍVEIS E INFLAMÁVEIS PARTE 3 Janeiro 2012 Vigência: 08 Janeiro 2012 NPT 025 Segurança contra incêndio para líquidos combustíveis e inflamáveis Parte 3 Armazenamento Fracionado CORPO DE BOMBEIROS BM/7 Versão: 02 Norma de Procedimento

Leia mais

Módulo 2 - Sistemas básicos de proteção passiva contra incêndio

Módulo 2 - Sistemas básicos de proteção passiva contra incêndio Módulo 2 - Sistemas básicos de proteção passiva contra incêndio Apresentação do módulo Os sistemas de proteção contra incêndio e pânico são classificados em duas categorias distintas: proteção passiva

Leia mais

FICHAS DE PROCEDIMENTO PREVENÇÃO DE RISCOS

FICHAS DE PROCEDIMENTO PREVENÇÃO DE RISCOS PP. 1/7 FICHAS DE PROCEDIMENTO PREVENÇÃO DE RISCOS 1 TAREFA ARMAZENAGEM DE MATERIAIS, EQUIPAMENTOS E RESÍDUOS 2 DESCRIÇÃO O trabalho preventivo no armazenamento de produtos perigosos, visa não só a protecção

Leia mais

SECRETARIA DE ESTADO DOS NEGÓCIOS DA SEGURANÇA PÚBLICA POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE SÃO PAULO. Corpo de Bombeiros INSTRUÇÃO TÉCNICA Nº.

SECRETARIA DE ESTADO DOS NEGÓCIOS DA SEGURANÇA PÚBLICA POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE SÃO PAULO. Corpo de Bombeiros INSTRUÇÃO TÉCNICA Nº. SECRETARIA DE ESTADO DOS NEGÓCIOS DA SEGURANÇA PÚBLICA POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE SÃO PAULO Corpo de Bombeiros INSTRUÇÃO TÉCNICA Nº. 43/2011 às normas de segurança contra incêndio edificações existentes

Leia mais

NPT 002 ADAPTAÇÃO ÀS NORMAS DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO EDIFICAÇÕES EXISTENTES E ANTIGAS

NPT 002 ADAPTAÇÃO ÀS NORMAS DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO EDIFICAÇÕES EXISTENTES E ANTIGAS Janeiro 2012 Vigência: 08 Janeiro 2012 NPT 002 Adaptação às normas de segurança contra incêndio edificações existentes e antigas CORPO DE BOMBEIROS BM/7 Versão: 02 Norma de Procedimento Técnico 9 páginas

Leia mais

SECRETARIA DE ESTADO DOS NEGÓCIOS DA SEGURANÇA PÚBLICA POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE SÃO PAULO. Corpo de Bombeiros INSTRUÇÃO TÉCNICA Nº.

SECRETARIA DE ESTADO DOS NEGÓCIOS DA SEGURANÇA PÚBLICA POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE SÃO PAULO. Corpo de Bombeiros INSTRUÇÃO TÉCNICA Nº. SECRETARIA DE ESTADO DOS NEGÓCIOS DA SEGURANÇA PÚBLICA POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE SÃO PAULO Corpo de Bombeiros INSTRUÇÃO TÉCNICA Nº. 35/2011 Túnel rodoviário SUMÁRIO 1 Objetivo 2 Aplicação 3 Referências

Leia mais

Normas para o Projeto das Estradas de Rodagem

Normas para o Projeto das Estradas de Rodagem MINISTÉRIO DOS TRANSPORTES DEPARTAMENTO NACIONAL DE ESTRADAS DE RODAGEM Noras para o Projeto das Estradas de Rodage Aprovadas pelo Senhor Ministro da Viação e Obras Públicas consoante Portarias núeros

Leia mais

Sistema de Gestão de Segurança e Saúde Ocupacional Identificação: PROSHISET 06

Sistema de Gestão de Segurança e Saúde Ocupacional Identificação: PROSHISET 06 Extintores de Incêndio Portáteis. Revisão: 00 Folha: 1 de 7 1. Objetivo Assegurar que todos os canteiros de obras atendam as exigências para utilização dos extintores de incêndio portáteis de acordo com

Leia mais

Sistema de Resfriamento para Líquidos e Gases Inflamáveis e Combustíveis

Sistema de Resfriamento para Líquidos e Gases Inflamáveis e Combustíveis SECRETARIA DE ESTADO DOS NEGÓCIOS DA SEGURANÇA PÚBLICA SUMÁRIO 1 Objetivo 2 Aplicação POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE SÃO PAULO Corpo de Bombeiros INSTRUÇÃO TÉCNICA Nº 24/2004 Sistema de Resfriamento para

Leia mais

Normas Regulamentadoras

Normas Regulamentadoras 1 de 10 6/5/2013 08:39 CLT DINÂMICA Normas Regulamentadoras NR 16 - Atividades e Operações Perigosas (116.000-1) 16.1. São consideradas atividades e operações perigosas as constantes dos Anexos números

Leia mais

NPT 002 ADAPTAÇÃO ÀS NORMAS DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO EDIFICAÇÕES EXISTENTES E ANTIGAS. Versão: 03 Norma de Procedimento Técnico 8 páginas

NPT 002 ADAPTAÇÃO ÀS NORMAS DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO EDIFICAÇÕES EXISTENTES E ANTIGAS. Versão: 03 Norma de Procedimento Técnico 8 páginas Outubro 2014 Vigência: 08 outubro 2014 NPT 002 Adaptação às normas de segurança contra incêndio edificações existentes e antigas CORPO DE BOMBEIROS BM/7 Versão: 03 Norma de Procedimento Técnico 8 páginas

Leia mais

PREFEITURA DO MUNICÍPIO DE SÃO PAULO SECRETARIA DA HABITAÇÃO E DESENVOLVIMENTO URBANO

PREFEITURA DO MUNICÍPIO DE SÃO PAULO SECRETARIA DA HABITAÇÃO E DESENVOLVIMENTO URBANO PREFEITURA DO MUNICÍPIO DE SÃO PAULO SECRETARIA DA HABITAÇÃO E DESENVOLVIMENTO URBANO DEPARTAMENTO DE CONTROLE DO USO DE IMÓVEL - CONTRU () - 1 - PROCEDIMENTOS E CUIDADOS 1. Verifique no lacre, no rótulo

Leia mais

Material do curso PPRA EXPERT Apostila do aluno

Material do curso PPRA EXPERT Apostila do aluno PPRA MANUAL PRÁTICO PARA ELABORAÇÃO FORMULÁRIO PARA RECONHECIMENTO DOS RISCOS AMBIENTAIS Material do curso PPRA EXPERT Apostila do aluno RECONHECIMENTO DOS RISCOS AMBIENTAIS Esse Formulário deve ser aplicado

Leia mais

REFORMA SALA DO NÚCLEO DE SEGURANÇA PROJETO PREVENTIVO CONTRA INCÊNDIO

REFORMA SALA DO NÚCLEO DE SEGURANÇA PROJETO PREVENTIVO CONTRA INCÊNDIO REFORMA SALA DO NÚCLEO DE SEGURANÇA MEMORIAL DESCRITIVO PROJETO PREVENTIVO CONTRA INCÊNDIO Responsabilidade e Compromisso com o Meio Ambiente 2 110766_MEMPCI_REFORMA_SALA_MOTORISTAS_R00 MEMORIAL DESCRITIVO

Leia mais