Peroxidases (POD) (EC ) são enzimas que pertencem à classe. das oxidoredutases, cuja função é catalisar a oxidação de componentes

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Peroxidases (POD) (EC.1.11.1.7) são enzimas que pertencem à classe. das oxidoredutases, cuja função é catalisar a oxidação de componentes"

Transcrição

1 1. INTRODUÇÃO Peroxidases (POD) (EC ) são enzimas que pertencem à classe das oxidoredutases, cuja função é catalisar a oxidação de componentes celulares, tais como peróxido de hidrogênio (H 2 O 2 ) ou peróxidos orgânicos (KVARATSKHELIA et al., 1997). Elas são largamente distribuídas nos reinos animal e vegetal, assim como em microrganismos (BILES & MARTYN, 1993). Os estudos preliminares com as peroxidases deram início em 1809, devido à variação na coloração de tecidos vegetais e leite, na presença de peróxidos; no entanto o nome peroxidase só foi usado um século depois, em pesquisa de enzimas de raiz forte (Armoracia lapathifolia). Estes estudos mostraram uma atividade oxidativa durante o amadurecimento de frutos, que levaram ao descobrimento da presença do guaiacol e peróxido de hidrogênio para determinar a atividade da peroxidase (ROBINSON, 1991). As peroxidases extraídas de plantas têm sido objetos de estudo de muitos pesquisadores, por se tratar de uma enzima com vasta área de aplicação. São amplamente usadas em kits de diagnóstico laboratorial, como teste ELISA e Western-Blot, e na determinação de glicose (MC CLEAR & GLENNIE-HOLMES,1985; CASELLA et al., 1989); também na autenticidade de alimentos (ANGUITA et al., 1997), ensaios de higiene (CHANG & HUANG, 1994) e determinação de componentes de alimentos (ARNAO et al., 1996). A fonte comercial mais utilizada de POD é a raiz forte, que é geralmente cultivada e colhida em países de clima frio. Assim novas fontes de POD precisam ser obtidas para atender a crescente demanda, em países tropicais, como o Brasil.

2 2 Zizyphus joazeiro Martius, espécie vegetal vulgarmente conhecida como juazeiro ou juá, ocorre em todos os Estados do nordeste do Brasil, inclusive no polígono da seca (BARROS et al., 1970). A POD de folhas de Zizyphus joazeiro M., nova fonte dessa enzima é obtida por extração simples do material de origem, juazeiro, amplamente distribuído no nordeste brasileiro como planta nativa, produzindo folhas durante todo o ano.

3 3 2. OBJETIVOS 2.1. Geral Avaliar a presença de oxidoredutases em folhas e frutos do juazeiro (Zizyphus joazeiro Martius) e caracterizar bioquimicamente aquela de maior atividade Específicos Identificar a presença de oxidoredutases, polifenoloxidase e peroxidase, em folhas e frutos do juazeiro. Isolar e semipurificar a oxidoredutase de maior atividade pelo uso de precipitação fracionada com sulfato de amônio. Caracterizar bioquimicamente a oxidoredutase semipurificada, de maior atividade, quanto ao ph e temperatura ótimos, sua inativação e estabilidade térmicas. Avaliar a inibição da oxidoredutase de maior atividade com o uso em várias concentrações de ácido ascórbico, metabissulfito de sódio e hexametafosfato de sódio.

4 4 3. REVISÃO BIBLIOGRÁFICA 3.1. Peroxidase Considerações gerais A peroxidase (POD) ou peróxido de hidrogênio óxido-redutase (E.C ), pertence às oxidoredutases. É capaz de catalisar a transferência do hidrogênio de um doador para o H 2 O 2 (SIEGEL, 1993) e foi inicialmente observada em raiz forte e no leite há mais de um século pela produção de cor na presença de guaiacol. Os primeiros estudos indicaram uma atividade oxidativa durante o amadurecimento dos frutos, que levaram ao descobrimento da presença do guaiacol e peróxido de hidrogênio para determinar a atividade de peroxidases. As enzimas de raiz forte têm sido estudadas de forma mais intensa por apresentarem notadamente maior atividade (ROBINSON, 1991). A oxidação fenólica mediada pela POD parece estar associada com a deterioração da qualidade nutricional, sabor, cor e textura de alimentos processados (ROBINSON, 1991). A atividade da peroxidase tem sido relacionada com a existência de isoenzimas catiônicas e/ou aniônicas (VAN HUYSTEE, 1987), além do que, uma dada fruta pode ter ambos tipos de isoenzimas (FILS et al., 1985). Os extratos preparados de plantas para verificar a atividade enzimática da peroxidase e polifenoloxidase têm mostrado que essas enzimas podem ocorrer tanto na forma solúvel como também na forma ionicamente ligada à parede celular (CLEMENTE, 1998; CLEMENTE & PASTORE, 1998).

5 5 Por um longo tempo a peroxidase tem atraído atenção por causa do nível de atividade residual depois do branqueamento em processos de conservação de alimentos, sendo usada como um indicador de sua efetividade. Altas correlações entre o desenvolvimento de off-flavour em vegetais congelados durante o armazenamento e a atividade residual da peroxidase têm mostrado proveitosa utilidade da mesma como um índice para a qualidade do branqueamento (SERVANT et al., 1986). As peroxidases têm sido correlacionadas em plantas com: resistência a doenças, lignificação e suberização, proteção contra H 2 O 2 e outros oxidantes, com tolerância à seca, à degradação da clorofila e à senescência. Também têm sido relacionadas com atividades antifúngicas (ABELES & BILES, 1991; PENG & KUC, 1992; REUVENI et al., 1992). Os substratos da peroxidase mais comumente usados são: guaiacol, o- dianisidina, o-toluidina e benzidina. Um dos grandes inconvenientes de alguns destes é sua natureza mutagênica e cancerígena, com conseqüente risco na hora do seu manejo (HERZOG & FAHIMI, 1973) Mecanismo de ação A ação catalítica da POD consiste inicialmente em uma reação com H 2 O 2, transferindo dois elétrons para o grupo prostético de ferro heme. Dolphin et al. (1971) compararam os espectros óticos de absorção da oxidação de dois elétrons de cobalto octaetilporfirina, que resultou em um π-cátion radical estável, com o do composto I de HRP (Horseradish Peroxidase) e concluíram que este último também contém um π-cátion radical no grupo heme,

6 6 explicando, portanto o alto nível de oxidação, estabilidade e espectro ótico do composto I. Convencionalmente é aceito que o composto I reage com um doador de H +, descendo um grau de sua oxidação, transformando-se no composto II, formando radical livre a partir do doador de H +. O composto II, por conseguinte reage com outro doador de H +, retornando ao estado inicial de oxidação de Fe 3+, e produzindo mais um radical livre e uma molécula de água. Os radicais livres formados na oxidação do H 2 O 2 a partir dos doadores de H +, reagirão de acordo com sua natureza química. Reed (1975) definiu peroxidase como uma enzima catalisando a reação geral: ROOH + AH 2 H 2 O + ROH + A Uma versão mais simples foi dada por Dutcher et al. (1951): H 2 O 2 + peroxidase H 2 O + O Reed (1975) declarou que a sua é a reação peroxidásica verdadeira e geralmente a reação considerada de maior importância. Na sua reação, ROOH pode ser HOOH ou algum outro peróxido orgânico. O complexo doador de hidrogênio e dois passos da oxidação estão envolvidos. Na equação seguinte, AH 2 representa o doador de H e A o doador oxidado: POD + H 2 O 2 Composto I (1) Composto I + AH 2 Composto II + AH (2) Composto II + AH POD + A (3) Estudos mostram que o índice de perda de atividade de POD parece seguir cinética de primeira ordem (LU & WHITAKER, 1974). O passo 3 do mecanismo proposto parece ser o limite.

7 7 O doador de hidrogênio para POD não é específico com respeito a compostos orgânicos (REED, 1975). Para algumas peroxidases o número de diferentes doadores de hidrogênio é pequeno. Por exemplo, HRP usa somente peróxido de hidrogênio, peróxido de metil-hidrogênio e peróxido de etilhidrogênio. Peroxidase também oxida iodetos, libertando o iodo (SUMNER & SOMERS, 1947) Importância das peroxidases Em plantas, peroxidases são apresentadas como glicoproteínas envolvidas em muitos processos: crescimento e desenvolvimento de plantas (RIQUELME & CARDEMIL, 1993); biossíntese de lignina (BRUCE & WEST, 1989); enrijecimento de parede (FRY, 1980). A ação da peroxidase em plantas constitui proteção antioxidativa. A atividade desta enzima pode aumentar em plantas submetidas a diversos tipos de estresse. Sob condições de estresse, as plantas tendem a aumentar a atividade da peroxidase e às vezes, é a primeira enzima a ter atividade alterada, independentemente do substrato utilizado ou do estresse aplicado (SIEGEL, 1993). Rossi & Lima (2001) analisaram a POD como indicador de estresse causado pelo cádmio durante a germinação de sementes de feijão. A POD está relacionada a qualidade e processamento de alimentos, particularmente quanto ao flavour de alimentos crus e produtos processados (VAMOS-VIGYÁZÓ, 1981). Robinson (1991) revisou as funções fisiológicas da POD na pós-colheita em frutas e vegetais e atribuiu muitas delas a oxidação fenólica, incluindo biossíntese da lignina. De fato, a oxidação fenólica, mediada

8 8 pela POD pode estar associada com deterioração de flavour, cor e textura e qualidade nutricional de alimentos processados. Clemente & Pastore (1998) relataram que peroxidase e polifenoloxidase nos alimentos vegetais são responsáveis pela alteração de cor e flavour em enlatados ou congelados, cujo controle dessas enzimas mantém a qualidade desses alimentos. Tais enzimas desempenham papel fisiológico, como degradação da clorofila e amadurecimento de frutos (YAMAUCHI & HASHINAGA, 1992). Kahn (1977) mostrou que o sabor amargo e adstringente de algumas bebidas de origem vegetal está relacionado com ação dessas enzimas. A oxidação altera a cor do vinho, conferindo aparência escurecida e turva causada pela deterioração e é responsável pela perda de qualidade e aspecto indesejável (ODEBODE & OSO, 1995). Todos estes processos são de vital importância para produção de alimentos, tanto para o fabricante como para o vendedor e consumidor do produto, principalmente pela perda do valor nutricional. Por isso as peroxidases são de grande importância na qualidade e processamento dos alimentos, podendo ser responsáveis pelo sabor de alimentos crus ou produtos processados (VÁMOS-VIGYÁZÓ, 1981) o que ocorre de forma complexa e não bem conhecida. O Brasil é um grande produtor de frutas tropicais, a maioria delas não é comercializada e estudos destas enzimas nestes frutos tropicais são de grande importância para indústria alimentícia.

9 Aplicação das peroxidases Atualmente tem aumentado o interesse em pesquisas bioquímicas relacionadas à aplicação e função de biomoléculas, em novas fontes de enzimas, bem como métodos de menor custo, como as peroxidases, que têm aplicações em análise de qualidade de alimentos, em diagnósticos clínicos, na medicina (SERGEYEVA et al., 1999), no estudo de processos patológicos e preservação do meio ambiente (PODGORNIK et al., 1999), em análises de formulações farmacêuticas e outros estudos que envolvem a presença ou formação de peróxidos (VIEIRA et al., 1999). Muitas pesquisas relacionadas ao uso da POD na medicina têm sido feitas, no auxílio de diagnósticos indiretos ou em análises diretas do nível de peróxidos formados em processos patológicos inflamatórios e análise em medicina ortomolecular para detectar a atividade de radicais livres (BURTON & INGOLD, 1984; McDOWELL, 1989). Nos alimentos o peróxido é agente determinante de contaminação e largamente utilizado na análise de processo esterilizante, cuja presença pode levar a perda do valor nutricional, aparência indesejável e formação de compostos tóxicos como hidroperóxidos, lipoperóxidos, epóxidos e aldeídos (SIMIC & KAREL, 1979). Fatibello-Filho & Vieira (2000) utilizaram eletrodos com POD como biossensores através de métodos eletroquímicos de análise em formulações farmacêuticas, cosméticos e dosagem de hidroquinona em revelação fotográfica. A aplicação das peroxidases em formulações farmacêuticas é de

10 10 grande importância para controle de qualidade, utilizando o princípio dessas enzimas em oxidar doadores de H + na presença de H 2 O 2. Sergeyeva et al. (1999) mostraram aplicações de peroxidases e dentre elas a capacidade dessas enzimas em determinar peróxidos liberados no meio ambiente, originados de processos industriais. Em análises clínicas as peroxidases podem se ligar a anticorpos ou proteínas específicas (AIDS, câncer), sendo por isso utilizadas em kits de diagnóstico laboratorial com atividade de biossensor ou detector químico para testes de alta sensibilidade como ELISA e Western-blot (McCLEAR & GLENNIE-HOLMES, 1985; CASELLA et al., 1989) Termo-estabilidade e inativação térmica de peroxidase de vegetais Peroxidase é considerada uma enzima estável quando submetida a tratamento térmico. Por isso a redução da sua atividade tem sido usada como medida de avaliação do processo térmico de branqueamento. Contudo, a resistência para o tratamento depende da fonte da enzima. Além disso, em uma dada fonte, esses parâmetros podem variar de uma isoenzima para outra (LEE et al., 1984). Os tratamentos térmicos comercialmente usados para o processamento de extratos de frutas e vegetais, por exemplo: temperatura elevada por curto tempo (HTST), é pouco efetiva para uma inativação irreversível da peroxidase (KHAN & ROBINSON, 1993). Farkas et al. (1956), anunciaram que para inativar peroxidase em ervilhas verdes é preciso 6 minutos a 121 C.

11 11 Segundo Baardseth & Slinde (1980), a inativação térmica da peroxidase de cenoura (Daucus carota), broto sueco (Brassica napus) e couve-de-bruxelas (Brassica oleracea) a 70 C durante 1,5 minuto apresenta uma atividade residual de 45%. A peroxidase do broto sueco mostra ser mais estável termicamente que a peroxidase da couve-de-bruxelas e da cenoura. O tratamento térmico aplicado a um produto alimentício particular por uma duração maior que a usual é preciso para evitar a regeneração da atividade da peroxidase em alimentos (REED, 1975). Alguma regeneração que possa ocorrer é provavelmente devido à enzima não ter sido completamente ou irreversivelmente inativada pelo calor. Alguns fatores contribuem para regeneração da atividade da peroxidase como o rigor do tratamento térmico combinado com o tempo de tratamento e as condições de armazenamento da enzima inativada antes da regeneração. A termo-estabilidade da atividade da peroxidase tem sido investigada em nabos, repolhos, maçãs, pêras, uvas e produtos cítricos. Lourenço et al. (1995) narraram que a inativação térmica das peroxidases purificadas solúvel e ionicamente ligada de mamão (Carica papaia) mostraram comportamento bifásico entre 50 e 80 C. A peroxidase solúvel foi termolábil; o aquecimento a 70 C durante 1 minuto inativou a enzima em 94%. A peroxidase ionicamente ligada reteve 45% de sua atividade inicial após tratamento idêntico. Robinson et al. (1989) examinaram a estabilidade térmica de peroxidase de uva Ohane. A inativação da enzima seguiu padrão não-linear com 90% de inativação de peroxidase após 10 minutos a 80 C.

12 12 As peroxidases da casca de pêra, tanto as solúveis, quanto as ionicamente ligadas, mostraram-se termorresistentes. A recuperação da atividade, após inativação térmica, foi observada para peroxidase da casca e para peroxidase solúvel da polpa. A inativação térmica seguiu padrão nãolinear (MOULDING et al., 1989). Segundo Lourenço & Neves (1997), a inativação térmica da POD de pêssego seguiu padrão não-linear e foi rápida em temperaturas acima dos 70 C, com perda praticamente total da atividade com tratamento a 80 C durante 30 segundos Peroxidase em folhas Sakharov et al. (2001) pesquisaram peroxidase em folhas de palmeira real (Roystonea regia). A nova peroxidase foi caracterizada tendo como atividade específica 6170 U / mg de proteína, peso molecular de 51 kda e ponto isoelétrico (PI) 3,5. A especificidade ao substrato da peroxidase da palmeira real é distinta de outras peroxidases de plantas, tendo como melhores substratos o ácido-ferrúlico e 2,2 -azino-bis-(3-etilbenzotiazolino-6- ácido-sulfônico). Takahama & Egashira (1991) localizaram uma peroxidase básica em vacúolos de células mesófilas de folhas de Vicia faba, a qual foi isolada por precipitação em sulfato de amônio, cromatografia de troca iônica e filtração em gel. A peroxidase obteve ph ótimo 5 e absorção máxima em comprimentos de onda 404, 510 e 635 nm na forma oxidada.

13 13 Uma peroxidase catiônica em folhas de Vitis pseudoreticulata foi purificada usando cromatografia de troca iônica e em coluna zeólita. Características da peroxidase catiônica purificada foram parcialmente analisadas. Os resultados mostraram que a peroxidase tem absorção máxima em 450nm de comprimento de onda e um PI maior que 8. O valor do ph ótimo foi 5,76, quando guaiacol foi utilizado como substrato (LIAO et al., 1999). Lin et al. (1996) pesquisaram POD em folhas de Ipomoea cairica e a purificaram usando precipitação em sulfato de amônio, fracionamento em acetona e filtração em gel. A enzima foi purificada 51 vezes com 84% de recuperação e estável em 60 C e na faixa de ph Pode ser usada como reagente diagnóstico em testes de glicose em lugar de POD de raiz forte disponível comercialmente. Maciel (2002) investigou POD em folhas de Copaifera lansdorffii e verificou que a mesma tem alta atividade, fácil extração, boa estabilidade e alta concentração na forma bruta. As condições ótimas da enzima bruta foram encontradas na faixa de ph 5-7 e temperatura ótima de C e de acordo com a sua estabilidade em relação a ph e temperatura, revelou ser uma enzima muito estável com possível utilização em aplicações diversas para as quais têm sido usadas outras peroxidases. Srinivas et al. (1999) extraíram a peroxidase das folhas de Ipomoea palmetta e verificaram que a mesma apresentou atividade ótima em ph 6,0 e 50 C. A peroxidase foi parcialmente purificada por extração usando sistema aquoso de dupla fase polietilenoglicol / sulfato de amônio, seguido por filtração em gel em coluna Sephadex G-100.

14 14 Trevisan et al. (2003) estudaram a atividade da peroxidase em folhas de Humulus lupulus L., usando como substrato o guaiacol. Infestação das folhas pelas aranhas vermelhas (Tetranychus urticae) mostrou ocasionar um aumento da atividade da POD nas folhas mais altas e mais baixas. Peroxidases foram extraídas de folhas frescas de tamareira (Phoenix dactylifera L.) colhidas de 90 árvores masculinas não-produtoras de frutos e 75 plantas adultas femininas todas crescidas em Marrakech (Marrocos). Duas frações enzimáticas foram obtidas por um método de solubilidade progressivo conduzindo à peroxidases solúveis e peroxidases ionicamente ligadas (MAJOURHAT et al., 2002) Peroxidases em frutas Peroxidase de carambola (Averrhoa carambola) Baldini et al. (1982), pesquisando a carambola, extraíram atividade peroxidásica da fruta usando tampão fosfato de potássio 0,05 M ph 6,2 na proporção de uma parte de polpa para 1,5 partes de tampão, contendo 1 M de cloreto de potássio e 5% de PVP (polivinilpirrolidona). Os autores relataram 34,8 unidades de peroxidase por mg de proteína. A eletroforese nativa do extrato revelou apenas uma banda com atividade de POD. Holschuh (2000), avaliando carambola, concluiu que o melhor tampão para extração da POD e o melhor meio de reação foram respectivamente, tampão fosfato de potássio 0,2 M, ph 8,0 e tampão citrato-fosfato 0,1 M, ph 5,5 e temperatura ótima de 50 C. A localização histoquímica mostrou que a

15 15 peroxidase da carambola está mais concentrada junto aos feixes vasculares, ao talo central e ao gineceu, portanto ligada a tecidos mais fibrosos. Em carambolas sobremaduras houve extravasamento do tetraguaiacol, produto da reação da peroxidase com guaiacol e peróxido de hidrogênio, para o meio reativo, indicando a presença de maior quantidade de peroxidase solúvel Peroxidase de coco (Cocos nucifera) Mujer et al. (1983) extraíram peroxidase do endosperma congelado de coco normal e coco mutante. A peroxidase de coco normal foi purificada 14,6 vezes com 44% de recuperação e a de coco mutante 12,8 vezes com 40% de recuperação após filtração em Sephadex G-200. A atividade da peroxidase foi determinada com o-dianisidina como doador de H + e a absorvância acompanhada a 420 nm. A eletroforese em gel de poliacrilamida dessa proteína resultou em uma única banda com peso molecular (PM) de 55 kda e foi identificada como subunidade do tetrâmero que constitui a enzima nativa com PM de 196 kda Peroxidase de kiwi (Actinidia chinensis) Soda et al. (1991) purificaram peroxidase da polpa de kiwi. A precipitação fracionada foi realizada com sulfato de amônio entre 50 e 85% da saturação. A peroxidase de kiwi foi cerca de vezes purificada com 5,3% da enzima recuperada, apresentando atividade ótima em ph 5,5 e 50 C e tendo alta afinidade com os substratos guaiacol, pirogalol e o-dianisidina, mas

16 16 não com ácido ascórbico, NADH, NADPH e glutationa. A atividade da enzima foi totalmente inibida por KCN 1mM e os autores sugeriram que peroxidase de kiwi tem um grupo proto-heme em seu sítio ativo Peroxidase de manga (Mangifera indica) A peroxidase de manga foi extraída por precipitação com acetona e re - dissolução em tampão fosfato seguida de centrifugação e o sobrenadante foi usado na determinação da atividade peroxidásica. A irradiação de mangas com raios γ resultou em ativação da atividade da peroxidase, a qual aumentou progressivamente durante o amadurecimento. Os autores consideraram o aumento da atividade da peroxidase à produção de peróxidos pela irradiação (FRYLINCK et al., 1987) Peroxidase de morango (Fragaria ananassa) Civello et al. (1995) purificaram parcialmente a peroxidase de morango e determinaram algumas de suas propriedades. A precipitação da enzima foi feita com sulfato de amônio a 85% de saturação. A atividade da peroxidase diminuiu consideravelmente durante o amadurecimento do fruto e foi encontrada principalmente na forma ligada à membrana. Os frutos verdes apresentaram maior atividade de peroxidase. A atividade máxima alcançada pela enzima foi em ph 6,0 e 30 C. A enzima demonstrou baixa estabilidade térmica, mas manteve atividades acima de 50% na faixa de ph 4 a 11. Duas isoenzimas

17 17 foram detectadas, ambas básicas, com PI 9,5 e 10,0 e com peso molecular de 58,1 e 65,5 kda Peroxidase de pêssego (Prunus persica) Abeles & Biles (1991) relataram que peroxidases ácidas de endocarpo de pêssegos em lignificação foram similares àquelas do mesocarpo carnudo. O endocarpo teve alta quantidade e número de peroxidases básicas que o mesocarpo. O ph ótimo situou-se entre 4 e 5. Lourenço & Neves (1997) verificaram em eletroforese em gel de poliacrilamida da enzima 28,9 vezes purificada revelou duas isoenzimas: uma termo-resistente e outra termo-sensível, mas que não foram separadas pela metodologia empregada. A atividade ótima da enzima foi a ph 5,0 e 40 C Juazeiro (Zizyphus joazeiro) Considerações gerais O juazeiro é uma árvore de médio porte (5-14 m de altura por de diâmetro), dotada de tronco curto, geralmente tortuoso e canelado, armado de fortes espinhos, com ramos flexuosos, subdivididos, que freqüentemente se esgalham a partir da base do caule e revestido por casca um tanto áspera de cor cinza-clara (Figura 1). Possui copa baixa, arredondada e densa, muito ramificada, que jamais perde suas folhas. Estas folhas são pecioladas, largo ovais, cordiformes na base, agudas ou meio acuminadas, levemente coriáceas,

18 18 lisas, meio reluzentes, serrilhadas, glabras, mas pubescentes nas nervuras da face dorsal, com cor verde forte, largura de 3 a 5 centímetros e de 5 a 10 centímetros de comprimento (Figura 2). Seus ramos mais finos são dotados de espinhos agudos de até 4 cm de comprimento. As flores são pequenas, de cor amarelada, reunidas em inflorescências cimosas axilares. Os frutos são globosos de cor amarelada de até 2 cm de diâmetro, constituídos de uma massa carnosa adocicada externa contendo em seu interior uma única semente muito dura (Figura 3) (CORRÊA, 1984). É uma árvore originária das caatingas do nordeste brasileiro, desde o Piauí até o norte de Minas Gerais. É particularmente freqüente no Vale do Rio São Francisco, onde se encontram os maiores exemplares. Têm como nomes populares: joá, juá, juá-espinho, juá-fruta e laranjeira-de-vaqueiro. É uma das plantas arbóreas típicas dos sertões nordestinos, prefere os solos aluviais argilosos, mas cresce por toda parte, inclusive nos tabuleiros mais áridos e pedregosos. Conserva-se sempre verde, nunca se despe de toda folhagem, que se renova durante o mês de outubro, mesmo nas mais rigorosas secas, graças ao amplo e profundo sistema radicular. Frutifica a partir de junho, podendo estender-se até agosto. O juazeiro fornece madeira moderadamente pesada, de boa resistência mecânica e moderadamente durável quando exposta ao tempo. É empregado em construções rurais para moirões, estruturas de pontes, confecções de móveis rústicos e como lenha. A sua cinza contém muito potássio, outrora muito usada como lixívia e na produção de sabão. Sua entrecasca é rica em saponina e contém um princípio anticárie, aproveitada atualmente na formulação de dentrifícios. Os frutos, ricos em vitamina C, são comestíveis e muito apreciados pelas populações locais, além

19 19 de muito procurados por animais em geral. É uma planta perenifólia, ou seja, não perde totalmente as folhas durante o ano, adaptada ao crescimento a pleno sol, com nítida preferência por solos férteis de várzeas e beira de rios. O fato de não perder as folhas durante o período de seca não significa que seja tão resistente a falta de água, mas geralmente onde cresce pode-se encontrar água a pequena profundidade (FERREIRA, 2003). Figura 1: Juazeiro (Zizyphus joazeiro) na caatinga nordestina.

20 Uso farmacológico e medicinal Infusões da casca de Zizyphus joazeiro Martius têm sido empregadas no nordeste brasileiro como remédio contra a febre. Um estudo investigou a atividade antipirética de um extrato aquoso da planta em coelhos febris pela injeção intravenosa de endotoxina de Escherichia coli. A febre foi significativamente diminuída pela administração da infusão da casca de Zizyphus joazeiro (NUNES et al., 1987). No estudo químico das cascas do caule de Zizyphus joazeiro foram identificados o lupeol, ácido betulínico, cafeína e estearato de glicerila através de técnicas espectroscópicas usuais (KATO & ALVARENGA, 1997). Em pesquisa brasileira, cientistas validaram o uso do Zizyphus joazeiro para o combate às cáries. Um decocto da casca demonstrou atividade forte contra bactérias comuns que formam placa dentária e cárie. Além disso, o juazeiro conduz a diminuição da inflamação provocada pela cárie. Proporciona o alívio da dor, promove cura e reduz infecções bacterianas secundárias causadas por filárias (maior parasita tecidual que afeta humanos) (FABIYI et al., 1993). Juazeiro é uma boa fonte de ácido betulínico, assim como três novos ésteres derivados deste ácido, os quais têm sido encontrados apenas nesta espécie. Ácido betulínico tem sido longamente documentado com atividade antibiótica moderada, contudo, cientistas descobriram que os três derivados demonstraram extraordinária atividade contra bactérias Gram positivas (SCHÜHLY et al., 1999).

21 21 Figura 2: Folhas e flores de juazeiro (Zyziphus joazeiro). Figura 3: Frutos do juazeiro (Zizyphus joazeiro).

22 22 4. MATERIAL E MÉTODOS 4.1. Material Folhas e frutos do juazeiro (Zizyphus joazeiro) foram utilizados nesta pesquisa como fonte de oxidoredutases (Figuras 2 e 3, respectivamente). As amostras foram colhidas no mês de junho (época da frutificação), à tarde na Fazenda Lagoa do Canto, município de Mulungú, Estado da Paraíba, acondicionadas em sacos plásticos e transportadas ao Laboratório de Análises de Alimentos da UFPB Preparo do material biológico Chegando ao Laboratório de Análises de Alimentos da UFPB, em João Pessoa, as folhas e os frutos foram higienizados por imersão em água destilada, secas ao ar livre em local sem raios solares incidindo diretamente sobre eles e em seguida submetidas à extração, para se obter o extrato bruto enzimático.

23 Métodos Extração de peroxidase A extração de peroxidase de folhas do juazeiro foi realizada em ph 7,2 (MACIEL, 2002) e ph 8,0 (HOLSCHUH, 2000). As folhas do juazeiro foram triturados (separadamente) na presença de tampão fosfato de potássio 0,1 M, nos phs acima, previamente resfriado a 4 C na proporção de 1 g de amostra para 5 ml (p/v), em liquidificador doméstico durante 3 minutos a velocidade máxima. O material triturado foi filtrado em gaze com cinco dobras, sendo recolhido em banho de gelo e centrifugado a 5000 rpm em três períodos de 10 minutos e intervalos de banho de gelo para manter a temperatura baixa (Figura 4). O sobrenadante, denominado extrato bruto, foi submetido à determinação de atividade enzimática e teor de proteína. O ph que resultou em maior atividade foi adotado no restante do trabalho Determinação da atividade da peroxidase (POD) A atividade da POD foi determinada segundo Khan & Robinson (1994) com modificações. A solução reativa foi constituída de 0,1 ml de extrato bruto enzimático, 1,5 ml de solução de guaiacol a 1% em solução alcoólica a 50%, 0,4 ml de solução de H 2 O 2 0,1 M em tampão fosfato de potássio 0,05 M, ph 6,0 e 1 ml do mesmo tampão (total de 3 ml). O aumento da absorvância a 480 nm foi monitorado durante 5 minutos à temperatura ambiente. A atividade da

24 24 peroxidase foi calculada usando os dados relativos à porção linear da curva. Todas as leituras foram feitas em triplicata. Uma unidade (U) de enzima foi definida como a quantidade que provoca aumento de absorvância em 0,001 unidade por minuto e por ml da solução enzimática a 480 nm, tendo guaiacol como doador de H +. A atividade específica da peroxidase foi expressa em unidades de enzima por mg de proteína. 100g de amostra ml de tampão fosfato de potássio 0,1 M, ph 7,2 Trituração com liquidificador doméstico por 3 minutos Filtração com gaze (5 dobras) Centrifugação (5000 rpm) Sobrenadante (extrato enzimático bruto) Precipitado (descartado) Figura 4: Fluxograma de extração da peroxidase de folha ou fruto de juazeiro.

25 Determinação da atividade da polifenoloxidase (PPO) A atividade da polifenoloxidase (PPO) foi determinada usando mistura de reação constituída de: 0,1 ml de extrato bruto, 1,2 ml de solução de catecol 0,015 M em tampão fosfato de potássio 0,05 M (ph 7,0) e 1,7 ml do mesmo tampão fosfato de potássio 0,05 M (ph 7,0), perfazendo um total de 3,0 ml. A atividade da enzima foi calculada pela inclinação da curva no intervalo de pelo menos dois minutos na parte mais linear. Uma unidade de polifenoloxidase foi definida como a quantidade da enzima que ocasiona um aumento na absorvância a 420 nm de 0,001 unidade por minuto e por ml de solução enzimática, usando catecol como substrato (OKTAY et al., 1995) Determinação de proteínas dos extratos enzimáticos Para cada procedimento da extração e da purificação parcial, o teor de proteína de cada fração foi determinado de acordo com o método descrito por Lowry et al. (1951), usando albumina de soro bovino (BSA) como padrão Precipitação fracionada Ao sobrenadante obtido da centrifugação do extrato (item ) foram adicionadas subseqüentemente quantidades tabeladas por Collowick & Kaplan (1951), de sulfato de amônio - (NH 4 ) 2 SO 4 - sólido (previamente macerado em gral com pistilo), perfazendo 20, 40, 60, 80 e 90% da saturação daquele sal em

EXTRAÇÃO DE DNA (3) A EXTRAÇÃO DE DNA A PRÁTICA NO LABORATÓRIO DE ENSINO BIBLIOGRAFIA

EXTRAÇÃO DE DNA (3) A EXTRAÇÃO DE DNA A PRÁTICA NO LABORATÓRIO DE ENSINO BIBLIOGRAFIA EXTRAÇÃO DE DNA (3) A EXTRAÇÃO DE DNA Muitas pesquisas de Biologia Molecular começam com a extração de ácidos nucleicos. A lise celular libera as moléculas em uma fase aquosa que é separada dos restos

Leia mais

Atividades das enzimas peroxidase (POD) e polifenoloxidase (PPO) nas uvas das cultivares benitaka e rubi e em seus sucos e geléias

Atividades das enzimas peroxidase (POD) e polifenoloxidase (PPO) nas uvas das cultivares benitaka e rubi e em seus sucos e geléias ISSN 0101-2061 Ciência e Tecnologia de Alimentos Atividades das enzimas peroxidase (POD) e polifenoloxidase (PPO) nas uvas das cultivares benitaka e rubi e em seus sucos e geléias Effect of peroxidase

Leia mais

ISOLAMENTO E CARACTERÍSTICAS CINÉTICAS DA POLIFENOLOXIDASE EM DIFERENTES TIPOS DE AMOSTRAS DE GRÃOS DE COFFEA ARABICA

ISOLAMENTO E CARACTERÍSTICAS CINÉTICAS DA POLIFENOLOXIDASE EM DIFERENTES TIPOS DE AMOSTRAS DE GRÃOS DE COFFEA ARABICA ISOLAMENTO E CARACTERÍSTICAS CINÉTICAS DA POLIFENOLOXIDASE EM DIFERENTES TIPOS DE AMOSTRAS DE GRÃOS DE COFFEA ARABICA 1 Patrícia de F. P. Goulart VITORINO, vitorino@ufla.br 2 José Donizeti ALVES, 3 Marcelo

Leia mais

PREPARO DE EXTRATO CELULOLÍTICO DO BAGAÇO DE CAJU in natura E SEU USO NA HIDROLISE ENZIMÁTICA DA PALMA FORRAGEIRA RESUMO

PREPARO DE EXTRATO CELULOLÍTICO DO BAGAÇO DE CAJU in natura E SEU USO NA HIDROLISE ENZIMÁTICA DA PALMA FORRAGEIRA RESUMO I CONGRESSO QUÍMICO DO BRASIL PREPARO DE EXTRATO CELULOLÍTICO DO BAGAÇO DE CAJU in natura E SEU USO NA HIDROLISE ENZIMÁTICA DA PALMA FORRAGEIRA Josefa Sandra A. Silva 1, Ramdayal Swarnakar 2 RESUMO O objetivo

Leia mais

Enzimas. Reações baratas e seguras; São altamente eficientes, acelerando a velocidade das reações (10 8 a 10 11 + rápida);

Enzimas. Reações baratas e seguras; São altamente eficientes, acelerando a velocidade das reações (10 8 a 10 11 + rápida); Enzimas Enzimas Enzimas - são proteínas de alta massa molecular (MM > 15000 Da) produzidas por células vivas e que têm a capacidade de aumentar a velocidade das reações biológicas por ativação específica

Leia mais

FRUTAS E DERIVADOS. Profa. Flávia Meneses

FRUTAS E DERIVADOS. Profa. Flávia Meneses Maturação e metabolismo pós-colheita Fonte de vida: Fotossíntese CO 2 + H 2 O + energia solar Glicose + H 2 O + O 2 Respiração Glicose + O 2 CO 2 + H 2 O + energia Após a colheita: transformações químicas

Leia mais

EXTRAÇÃO DE DNA (2) A EXTRAÇÃO DE DNA A PRÁTICA NO LABORATÓRIO DE ENSINO BIBLIOGRAFIA

EXTRAÇÃO DE DNA (2) A EXTRAÇÃO DE DNA A PRÁTICA NO LABORATÓRIO DE ENSINO BIBLIOGRAFIA EXTRAÇÃO DE DNA (2) A EXTRAÇÃO DE DNA Muitas pesquisas de Biologia Molecular começam com a extração de ácidos nucleicos. A lise celular libera as moléculas em uma fase aquosa que é separada dos restos

Leia mais

TEOR DE COMPOSTOS FENÓLICOS E ATIVIDADE ANTIOXIDANTE DA SEMENTE DE JABUTICABA (Myrciaria cauliflora)

TEOR DE COMPOSTOS FENÓLICOS E ATIVIDADE ANTIOXIDANTE DA SEMENTE DE JABUTICABA (Myrciaria cauliflora) TEOR DE COMPOSTOS FENÓLICOS E ATIVIDADE ANTIOXIDANTE DA SEMENTE DE JABUTICABA (Myrciaria cauliflora) Adriana Antunes de CARVALHO 1, Eduardo Ramirez ASQUIERI 2 Faculdade de Nutrição Universidade Federal

Leia mais

Elaborado por: Karina Salvador Revisado por: Hilda Helena Wolff Aprovado por: Andréa Cauduro

Elaborado por: Karina Salvador Revisado por: Hilda Helena Wolff Aprovado por: Andréa Cauduro ANTI- 1 Manual CAMBRIDGE BIOTECH -1 POP: BM 05 Página 1 de 7 1. Sinonímia ANTI, TESTE CONFIRMATÓRIO. 2. Aplicabilidade Aos bioquímicos e técnicos do setor de imunologia. 3. Aplicação clínica Os testes

Leia mais

PRODUÇÃO DE AMOSTRAS DE AMIDO CATIÔNICO E REALIZAÇÃO DE TESTES DE FLOCULAÇÃO

PRODUÇÃO DE AMOSTRAS DE AMIDO CATIÔNICO E REALIZAÇÃO DE TESTES DE FLOCULAÇÃO PRODUÇÃO DE AMOSTRAS DE AMIDO CATIÔNICO E REALIZAÇÃO DE TESTES DE FLOCULAÇÃO José Carlos Trindade Filho. IC-Fecilcam, Engenharia de Produção Agroindustrial, Fecilcam, jctf_epa@hotmail.com Me. Nabi Assad

Leia mais

UNIVERSIDADE ABERTA DO BRASIL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAIBA - UFPB VIRTUAL LICENCIATURA EM CIÊNCIAS BIOLÓGICAS A DISTÂNCIA

UNIVERSIDADE ABERTA DO BRASIL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAIBA - UFPB VIRTUAL LICENCIATURA EM CIÊNCIAS BIOLÓGICAS A DISTÂNCIA UNIVERSIDADE ABERTA DO BRASIL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAIBA - UFPB VIRTUAL LICENCIATURA EM CIÊNCIAS BIOLÓGICAS A DISTÂNCIA DISCIPLINA BIOQUÍMICA ESTRUTURAL Ministrante: Prof. Dr. Carlos Alberto de Almeida

Leia mais

FOSFATO DISSÓDICO DE DEXAMETASONA

FOSFATO DISSÓDICO DE DEXAMETASONA FSFAT DISSÓDIC DE DEXAMETASNA Dexamethasoni natrii phosphas H H H P Na Na F H C 22 H 28 FNa 2 8 P 516,41 02821 Fosfato dissódico de 9-fluoro-11β,17 diidroxi-16α-metil-3, 20- dioxopregna- 1,4 dieno-21-il

Leia mais

3 METODOLOGIA EXPERIMENTAL

3 METODOLOGIA EXPERIMENTAL 43 3 METODOLOGIA EXPERIMENTAL 3. 1 METODOLOGIAS DE ANÁLISES 3.1.1 Método de Quantificação de Surfactantes (MBAS) em Águas 3.1.2 Princípio e aplicabilidade Os surfactantes aniônicos SLS (Lauril Sulfato

Leia mais

Palmito de pupunha (Bactris gasipaes Kunth.) composição mineral e cinética de enzimas oxidativas

Palmito de pupunha (Bactris gasipaes Kunth.) composição mineral e cinética de enzimas oxidativas ISSN 0101-2061 Ciência e Tecnologia de Alimentos Palmito de pupunha (Bactris gasipaes Kunth.) composição mineral e cinética de enzimas oxidativas Heart of palm (Bactris gasipaes Kunth.): mineral composition

Leia mais

SELEÇÃO DE CLONES DE ELITE DE Stevia rebaudiana (Bert.) BERTONI COM ÊNFASE NO TEOR DO REBAUDIOSÍDEO A E ATIVIDADE ANTIOXIDANTE

SELEÇÃO DE CLONES DE ELITE DE Stevia rebaudiana (Bert.) BERTONI COM ÊNFASE NO TEOR DO REBAUDIOSÍDEO A E ATIVIDADE ANTIOXIDANTE 25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 SELEÇÃO DE CLONES DE ELITE DE Stevia rebaudiana (Bert.) BERTONI COM ÊNFASE NO TEOR DO REBAUDIOSÍDEO A E ATIVIDADE ANTIOXIDANTE Thatiane Rodrigues Mota

Leia mais

16/04/2015. Aldeídos, cetonas, ácidos, alcoóis e peróxidos.

16/04/2015. Aldeídos, cetonas, ácidos, alcoóis e peróxidos. Causas da degradação de lipídeos: oxidação, hidrólise, pirólise e absorção de sabores e odores estranhos. Profa: Nádia Fátima Gibrim A oxidação é a principal causa de deterioração e altera diversas propriedades:

Leia mais

APLICAÇÃO DE EXTRATO DE AÇAÍ NO ENSINO DE QUÍMICA.

APLICAÇÃO DE EXTRATO DE AÇAÍ NO ENSINO DE QUÍMICA. APLICAÇÃO DE EXTRATO DE AÇAÍ NO ENSINO DE QUÍMICA. Deangelis Damasceno 1,3 ; Juliana Correa de Oliveira 1;3 ; Pollyana Godoy Pinto 1;3 ; Geralda G. Lemes 2,3 ; Vanessa Carneiro Leite 2,3 1 Voluntário Iniciação

Leia mais

HIDROPONIA Qualidade da água. Prof. Dr. Osmar Souza dos Santos UFSM

HIDROPONIA Qualidade da água. Prof. Dr. Osmar Souza dos Santos UFSM HIDROPONIA Qualidade da água Prof. Dr. Osmar Souza dos Santos UFSM CURIOSIDADES DA ÁGUA 75% da terra está coberta com água Terra plana: cobertura de 2,5 km de água 0,005% se move por dia no ciclo hidrológico

Leia mais

II Seminário Iniciação Científica IFTM, Campus Uberaba, MG. 20 de outubro de 2009.

II Seminário Iniciação Científica IFTM, Campus Uberaba, MG. 20 de outubro de 2009. CARACTERIZAÇÃO FÍSICA E ENZIMÁTICA EM DIFERENTES ESTÁDIOS DE DESENVOLVIMENTO DA FRUTA DE UVAIEIRA (EUGENIA PYRIFORMIS CAMBESS), CULTIVADA NO TRIÂNGULO MINEIRO AZEVEDO, K.P. 1 ; GONÇALVES, C.A. 2 ; CIABOTTI,

Leia mais

NOZ-DE-COLA Colae semen

NOZ-DE-COLA Colae semen NOZ-DE-COLA Colae semen Cola nítida (Vent.) A.Chev. - STERCULIACEAE A droga vegetal consiste dos cotilédones dessecados de Cola nítida (Vent.) A. Chev. contendo, no mínimo, 1,7% de taninos totais e 2,0%

Leia mais

Aplicação de enzimas na indústria de sucos e vinhos. Prof.Raquel Grando de Oliveira rgrando@gmail.com

Aplicação de enzimas na indústria de sucos e vinhos. Prof.Raquel Grando de Oliveira rgrando@gmail.com Aplicação de enzimas na indústria de sucos e vinhos Prof.Raquel Grando de Oliveira rgrando@gmail.com Tipos de sucos Naturais: frutas espremidas, maceradas Em pó: desidratação Concentrados: redução do volume,

Leia mais

ORBITAIS DE ELÉTRONS, FLUORESCÊNCIA E FOTOSSÍNTESE.

ORBITAIS DE ELÉTRONS, FLUORESCÊNCIA E FOTOSSÍNTESE. Atividade didático-experimental ORBITAIS DE ELÉTRONS, FLUORESCÊNCIA E FOTOSSÍNTESE. O objetivo desta atividade é proporcionar contato com alguns fenômenos e conceitos físicos e químicos que permitem avançar

Leia mais

Degradação Fotoquímica

Degradação Fotoquímica Degradação de Polímeros e Corrosão Prof. Hamilton Viana Prof. Renato Altobelli Antunes 1. Introdução Os efeitos da radiação em polímeros de engenharia, tornaram-se objeto de consideração de importância

Leia mais

ENSAIO DE ENDOTOXINAS BACTERIANAS

ENSAIO DE ENDOTOXINAS BACTERIANAS ENSAIO DE ENDOTOXINAS BACTERIANAS O ensaio de endotoxinas bacterianas (EEB) é um ensaio para detectar ou quantificar endotoxinas de bactérias gram negativas usando um lisado de amebócitos de caranguejo

Leia mais

Bioquímica. Purificação de proteínas

Bioquímica. Purificação de proteínas Bioquímica Purificação de proteínas Estratégia geral - Liberação da proteína do material biológico - Podem ser separados por fracionamento celular - Pode-se separar proteínas por características: Solubilidade

Leia mais

REDUÇÃO DA ATIVIDADE DE ÁGUA EM MAÇÃS FUJI COMERCIAL E INDUSTRIAL OSMO-DESIDRATADAS

REDUÇÃO DA ATIVIDADE DE ÁGUA EM MAÇÃS FUJI COMERCIAL E INDUSTRIAL OSMO-DESIDRATADAS REDUÇÃO DA ATIVIDADE DE ÁGUA EM MAÇÃS FUJI COMERCIAL E INDUSTRIAL OSMO-DESIDRATADAS Marina Massarollo (UNICENTRO), Vivian Buriol (UNICENTRO), Katielle R. V. Córdova (Orientadora), e-mail: kvcordova@hotmail.com

Leia mais

Envelhecimento Cutâneo e Uso de Antioxidantes

Envelhecimento Cutâneo e Uso de Antioxidantes Envelhecimento Cutâneo e Uso de Antioxidantes Nutr. Ana Luísa Kremer Faller Doutora em Ciências Nutricionais - UFRJ Profª Adjunto Departamento de Nutrição e Dietética Instituto de Nutrição Josué de Castro

Leia mais

ESTUDO COMPARATIVO DA FLOCULAÇÃO ENTRE AMIDO CATIÔNICO E AMIDO INTERLIGADO CATIÔNICO

ESTUDO COMPARATIVO DA FLOCULAÇÃO ENTRE AMIDO CATIÔNICO E AMIDO INTERLIGADO CATIÔNICO XXX ENCONTRO NACIONAL DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO Maturidade e desafios da Engenharia de Produção: competitividade das empresas, condições de trabalho, meio ambiente. São Carlos, SP, Brasil, 12 a15 de outubro

Leia mais

TÍTULO: SCREENING PARA GLICOGÊNIO MUSCULAR EM AMOSTRA DE CARNES EM ARMAZENAMENTO FRIGORÍFICO CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E SAÚDE

TÍTULO: SCREENING PARA GLICOGÊNIO MUSCULAR EM AMOSTRA DE CARNES EM ARMAZENAMENTO FRIGORÍFICO CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E SAÚDE TÍTULO: SCREENING PARA GLICOGÊNIO MUSCULAR EM AMOSTRA DE CARNES EM ARMAZENAMENTO FRIGORÍFICO CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E SAÚDE SUBÁREA: BIOMEDICINA INSTITUIÇÃO: UNIVERSIDADE ANHEMBI

Leia mais

EFEITO DA APLICAÇÃO DE PULSO DE AMIDO NO CULTIVO DE Bacillus firmus CEPA 37 PARA A PRODUÇÃO DA ENZIMA CICLOMALTODEXTRINA-GLUCANO-TRANSFERASE (CGTASE)

EFEITO DA APLICAÇÃO DE PULSO DE AMIDO NO CULTIVO DE Bacillus firmus CEPA 37 PARA A PRODUÇÃO DA ENZIMA CICLOMALTODEXTRINA-GLUCANO-TRANSFERASE (CGTASE) 25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 EFEITO DA APLICAÇÃO DE PULSO DE AMIDO NO CULTIVO DE Bacillus firmus CEPA 37 PARA A PRODUÇÃO DA ENZIMA CICLOMALTODEXTRINA-GLUCANO-TRANSFERASE (CGTASE) Jéssica

Leia mais

Prova Experimental Física, Química, Biologia

Prova Experimental Física, Química, Biologia Prova Experimental Física, Química, Biologia Complete os espaços: Nomes dos estudantes: Número do Grupo: País: BRAZIL Assinaturas: A proposta deste experimento é extrair DNA de trigo germinado e, posteriormente,

Leia mais

Processamento Geral de Alimentos Módulo II

Processamento Geral de Alimentos Módulo II Processamento Geral de Alimentos Módulo II TRABALHO REALIZADO POR: Diana Ventura, nº20603005 Joana Rufino, nº20803006 Cláudia Nunes, nº20803008 Nuno Mendes, nº20803054 Fontes de radiação de ionização;

Leia mais

Extração de DNA. Prof. Silmar Primieri

Extração de DNA. Prof. Silmar Primieri Extração de DNA Prof. Silmar Primieri Conceitos Prévios O que é DNA? Onde se localiza o DNA na célula? Do que são formadas as membranas celulares? Qual a estrutura do DNA? O que é DNA? Unidade básica informacional

Leia mais

Extração de β -caroteno por cromatografia em coluna em cenouras (daucus carota l.).

Extração de β -caroteno por cromatografia em coluna em cenouras (daucus carota l.). Extração de β -caroteno por cromatografia em coluna em cenouras (daucus carota l.). Professor Doutor Paulo Cesar Dantas Esteves (Curso de Nutrição UNIFOA) pcesteves@hotmail.com Professora Doutora Anete

Leia mais

EXRAÇÃO AQUOSA DE PECTINA DE BAGAÇO DE LARANJA. Caroline Maria Calliari1, Marciane Magnani2 e Raúl Jorge Hernan Castro Gómez3

EXRAÇÃO AQUOSA DE PECTINA DE BAGAÇO DE LARANJA. Caroline Maria Calliari1, Marciane Magnani2 e Raúl Jorge Hernan Castro Gómez3 EXRAÇÃO AQUOSA DE PECTINA DE BAGAÇO DE LARANJA Caroline Maria Calliari1, Marciane Magnani2 e Raúl Jorge Hernan Castro Gómez3 RESUMO Visando desenvolver um processo alternativo de extração de pectina a

Leia mais

RANCIDEZ OXIDATIVA ALIMENTOS

RANCIDEZ OXIDATIVA ALIMENTOS A RANCIDEZ OXIDATIVA EM ALIMENTOS Os lipídios ocorrem em quase todas as matérias-primas alimentícias, sendo as principais classes os triglicérides (também conhecidos como triacilgliceróis), que ocorrem

Leia mais

4/8/2007. Análise de vitaminas

4/8/2007. Análise de vitaminas Métodos ensaios biológicos em animais e humanos apenas usados quando não existem métodos alternativos ensaios microbiológicos com protozoários, bactérias e leveduras requerem passos de extracção da vitamina

Leia mais

EXTRAÇÃO DE DNA EM GENÓTIPOS DE ACEROLA NO DISTRITO DE IRRIGAÇÃO DO PIAUÍ-DITALPI.

EXTRAÇÃO DE DNA EM GENÓTIPOS DE ACEROLA NO DISTRITO DE IRRIGAÇÃO DO PIAUÍ-DITALPI. EXTRAÇÃO DE DNA EM GENÓTIPOS DE ACEROLA NO DISTRITO DE IRRIGAÇÃO DO PIAUÍ-DITALPI. Antonia Cardoso Almeida ( ICV/ UFPI); Francilene Leonel Campos(orientadora, Curso de Licenciatura em Ciências Biológicas/

Leia mais

REAÇÃO EM CADEIA DA POLIMERASE (PCR)

REAÇÃO EM CADEIA DA POLIMERASE (PCR) Área de Ciências da Saúde Curso de Medicina Módulo: Saúde do Adulto e Idoso II GENÉTICA HUMANA Professora: Dra. Juliana Schmidt REAÇÃO EM CADEIA DA POLIMERASE (PCR) A molécula de DNA é um longo polímero

Leia mais

FISIOLOGIA ANIMAL II

FISIOLOGIA ANIMAL II DEPARTAMENTO DE ZOOLOGIA FACULDADE DE CIÊNCIAS E TECNOLOGIA UNIVERSIDADE DE COIMBRA FISIOLOGIA ANIMAL II AULAS e 3 DETERMINAÇÃO DA CONCENTRAÇÃO DE GLICOSE E LÍPIDOS NO SANGUE POR COLORIMETRIA CAETANA CARVALHO,

Leia mais

Extração de DNA e Amplificação por PCR

Extração de DNA e Amplificação por PCR Universidade Federal de São Carlos Departamento de Genética e Evolução Disciplina Práticas de Genética Extração de DNA e Amplificação por PCR Érique de Castro 405523, Victor Martyn 405612, Wilson Lau Júnior

Leia mais

ELETROOXIDAÇÃO DOS CORANTES REATIVOS AZUL BF-5G E VERMELHO BF-4B UTILIZANDO ELETRODOS DE TITÂNIO PLATINADO

ELETROOXIDAÇÃO DOS CORANTES REATIVOS AZUL BF-5G E VERMELHO BF-4B UTILIZANDO ELETRODOS DE TITÂNIO PLATINADO ELETROOXIDAÇÃO DOS CORANTES REATIVOS AZUL BF-5G E VERMELHO BF-4B UTILIZANDO ELETRODOS DE TITÂNIO PLATINADO R. S. CUNHA 1, G. P. SILVA 1, R. H. L. LEITE 1 1 Universidade Federal Rural do Semiárido, Departamento

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ DEPARTAMENTO DE BIOQUÍMICA E BIOLOGIA MOLECULAR DISCIPLINA: CI0906 FISIOLOGIA VEGETAL SEMESTRE: 2015.

UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ DEPARTAMENTO DE BIOQUÍMICA E BIOLOGIA MOLECULAR DISCIPLINA: CI0906 FISIOLOGIA VEGETAL SEMESTRE: 2015. UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ DEPARTAMENTO DE BIOQUÍMICA E BIOLOGIA MOLECULAR DISCIPLINA: CI0906 FISIOLOGIA VEGETAL SEMESTRE: 2015.1 TRABALHO DE PESQUISA OBJETIVOS: Promover a aplicação dos conhecimentos

Leia mais

Elaboração e aceitabilidade sensorial de licor de pitanga com morango

Elaboração e aceitabilidade sensorial de licor de pitanga com morango VII Semana de Ciência e Tecnologia IFMG - campus Bambuí VII Jornada Científica e I Mostra de Extensão 21 a 23 de outubro de 2014 Elaboração e aceitabilidade sensorial de licor de pitanga com morango Lays

Leia mais

A ÁGUA COMO REAGENTE PURA PURA PURA Destilação - Deionização Osmose Reversa - Filtração através de Carvão Ativado Ultrafiltração -

A ÁGUA COMO REAGENTE PURA PURA PURA Destilação - Deionização Osmose Reversa - Filtração através de Carvão Ativado  Ultrafiltração - 1 A ÁGUA COMO REAGENTE A água é o suprimento do Laboratório Clínico de menor custo. Talvez, por este motivo, sua qualidade seja tão negligenciada, apesar de ser um reagente importante e o mais utilizado.

Leia mais

Helem Fernandes Naves Peixoto 1,3 Severino de Paiva Sobrinho 2,3 Mariane de Carvalho Vidal 2,4. Voluntário Iniciação Científica PVIC/UEG

Helem Fernandes Naves Peixoto 1,3 Severino de Paiva Sobrinho 2,3 Mariane de Carvalho Vidal 2,4. Voluntário Iniciação Científica PVIC/UEG 1 AVALIAÇÃO DO POTENCIAL ALELOPÁTICO DO ADUBO VERDE (CROTALARIA SPECTABILIS) SOBRE O DESENVOLVIMENTO DE TOMATE (LYCOPERSICON ESCULENTUM MILL) E POSTERIOR DESENVOLVIMENTO EM CAMPO Helem Fernandes Naves

Leia mais

b) Calcule o número de oxidação do fósforo e as cargas formais dos átomos de fósforo, oxigênio e hidrogênio na estrutura.

b) Calcule o número de oxidação do fósforo e as cargas formais dos átomos de fósforo, oxigênio e hidrogênio na estrutura. QUÍMICA 01. ácido sulfúrico, assim como o íon hidrogenossulfato, reage com bases fortes, como hidróxido de sódio, liberando calor para as vizinhanças. Dados: M (g.mol-1) H = 1,008; = 15,999; S = 32,06;

Leia mais

ANÁLISE DAS ENZIMAS PEROXIDASE E FOSFATASE EM AMOSTRAS DE LEITE CRU, PASTEURIZADO E LONGA VIDA

ANÁLISE DAS ENZIMAS PEROXIDASE E FOSFATASE EM AMOSTRAS DE LEITE CRU, PASTEURIZADO E LONGA VIDA Vol. 1, No. 1, Outubro-Dezembro de 2011 ARTIGO ORIGINAL ANÁLISE DAS ENZIMAS PEROXIDASE E FOSFATASE EM AMOSTRAS DE LEITE CRU, PASTEURIZADO E LONGA VIDA Bruno Souza Franco ¹, Susana Rubert Manfio 1, Cristiano

Leia mais

PROVA DE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS

PROVA DE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS VESTIBULAR 2007 2.ª FASE 15 DE SETEMBRO DE 2007 VESTIBULAR 2007 2.ª FASE 15 DE SETEMBRO DE 2007 PROVA DE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS INSTRUÇÕES Para a realização desta prova, você recebeu este caderno contendo

Leia mais

Experiência 11. SÍNTESE DO ALÚMEN DE ALUMÍNIO E POTÁSSIO

Experiência 11. SÍNTESE DO ALÚMEN DE ALUMÍNIO E POTÁSSIO Experiência 11. SÍNTESE DO ALÚMEN DE ALUMÍNIO E POTÁSSIO 1. Objetivos Ao final desta atividade experimental deseja-se que o aluno seja capaz de: - Elaborar processos para a transformação de materiais,

Leia mais

Lista de Exercícios 4 Indústrias Químicas Resolução pelo Monitor: Rodrigo Papai de Souza

Lista de Exercícios 4 Indústrias Químicas Resolução pelo Monitor: Rodrigo Papai de Souza Lista de Exercícios 4 Indústrias Químicas Resolução pelo Monitor: Rodrigo Papai de Souza 1) a-) Calcular a solubilidade do BaSO 4 em uma solução 0,01 M de Na 2 SO 4 Dissolução do Na 2 SO 4 : Dado: BaSO

Leia mais

MÉTODOS DE CORREÇÃO DO SOLO

MÉTODOS DE CORREÇÃO DO SOLO MÉTODOS DE CORREÇÃO DO SOLO O laudo (Figura 1) indica os valores determinados no laboratório para cada camada do perfil do solo, servindo de parâmetros para direcionamento de métodos corretivos. Figura

Leia mais

Qualidade dos alimentos: novas desafios. Braganc;:a, 2012 16-19 Setembro ISBN 978-972-745-141-8

Qualidade dos alimentos: novas desafios. Braganc;:a, 2012 16-19 Setembro ISBN 978-972-745-141-8 Qualidade dos alimentos: novas desafios Braganc;:a, 2012 16-19 Setembro ISBN 978-972-745-141-8 Caracterização nutricional e propriedades bioativas de quatro variedades tradicionais de tomate (Lycopersicon

Leia mais

IDENTIFICAÇÃO E CONFIRMAÇÃO DE GRUPOS FUNCIONAIS: Parte 1: ALDEÍDOS E CETONAS

IDENTIFICAÇÃO E CONFIRMAÇÃO DE GRUPOS FUNCIONAIS: Parte 1: ALDEÍDOS E CETONAS PRÁTICA N o. 02 IDENTIFICAÇÃO E CONFIRMAÇÃO DE GRUPOS FUNCIONAIS: Parte 1: ALDEÍDOS E CETONAS OBJETIVOS: Esta prática tem como objetivo a identificação e confirmação de grupos funcionais de aldeídos e

Leia mais

QIE0001 Química Inorgânica Experimental Prof. Fernando R. Xavier. Prática 03 Síntese do Oxalato de Bário

QIE0001 Química Inorgânica Experimental Prof. Fernando R. Xavier. Prática 03 Síntese do Oxalato de Bário UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA CENTRO DE CIÊNCIAS TECNOLÓGICAS CCT DEPARTAMENTO DE QUÍMICA DQMC QIE0001 Química Inorgânica Experimental Prof. Fernando R. Xavier Prática 03 Síntese do Oxalato

Leia mais

MAPA DE PREFERÊNCIA INTERNO DE GELEIAS MISTAS DE MAMÃO COM ARAÇÁ-BOI

MAPA DE PREFERÊNCIA INTERNO DE GELEIAS MISTAS DE MAMÃO COM ARAÇÁ-BOI MAPA DE PREFERÊNCIA INTERNO DE GELEIAS MISTAS DE MAMÃO COM ARAÇÁ-BOI Eliseth de Souza Viana 1, Jaciene Lopes de Jesus 2, Ronielli Cardoso Reis 1, Mercia Damasceno Fonseca 4, Célio Kersul do Sacramento

Leia mais

04/06/2009. 1. Introdução. Esterilização: É a destruição de todas as formas de vida microbiana, incluindo endosporos.

04/06/2009. 1. Introdução. Esterilização: É a destruição de todas as formas de vida microbiana, incluindo endosporos. CONTROLE DO CRESCIMENTO MICROBIANO Verônica Ortiz Alvarenga 1. Introdução Esterilização: É a destruição de todas as formas de vida microbiana, incluindo endosporos. Esterilização comercial: É o tratamento

Leia mais

DURAÇÃO DA PROVA: 03 HORAS

DURAÇÃO DA PROVA: 03 HORAS INSTRUÇÕES: PRCESS SELETIV 2013/2 - CPS PRVA DISCURSIVA DE QUÍMICA CURS DE GRADUAÇÃ EM MEDICINA 1. Só abra a prova quando autorizado. 2. Veja se este caderno contém 5 (cinco) questões discursivas. Caso

Leia mais

Reações de biorreduções utilizando Morinda citrifoli, Cucurbita Pepo e Psidium guajava

Reações de biorreduções utilizando Morinda citrifoli, Cucurbita Pepo e Psidium guajava Reações de biorreduções utilizando Morinda citrifoli, Cucurbita Pepo e Psidium guajava Miguel de C. Silva, Luiza Márcia B. da Silva, Antônia Maria das Graças Lopes Citó, Iara Samara de A. Silva, Erinete

Leia mais

QUESTÕES DE CARACTERIZAÇÃO E ANÁLISE AMBIENTAL. O 2(g) O 2(aq)

QUESTÕES DE CARACTERIZAÇÃO E ANÁLISE AMBIENTAL. O 2(g) O 2(aq) QUESTÕES DE CARACTERIZAÇÃO E ANÁLISE AMBIENTAL Questão 01 O agente oxidante mais importante em águas naturais é, sem a menor dúvida, o oxigênio molecular dissolvido, O 2. O equilíbrio entre o oxigênio

Leia mais

Esterilização e desinfecção

Esterilização e desinfecção Esterilização e desinfecção História 1683 Leeuwenhoek 1857 Pasteur Ignatz Semmelweis (1816-1865) Joseph Lister (1827-1912) Introduz a higienização hospitalar: - Lavagem de mãos - Lavagem de material cirúrgico

Leia mais

1. Introdução ao trabalho em Laboratório... 1.1. Observações... 2. Programa da Disciplina Bioquímica Básica... 2.1. Ementa... 2.2. Objetivos... 2.3.

1. Introdução ao trabalho em Laboratório... 1.1. Observações... 2. Programa da Disciplina Bioquímica Básica... 2.1. Ementa... 2.2. Objetivos... 2.3. 1. Introdução ao trabalho em Laboratório... 1.1. Observações... 2. Programa da Disciplina Bioquímica Básica... 2.1. Ementa.... 2.2. Objetivos... 2.3. Avaliação... 2.4. Conteúdo... 3. Como elaborar um Relatório...

Leia mais

QUÍMICA CELULAR NUTRIÇÃO TIPOS DE NUTRIENTES NUTRIENTES ENERGÉTICOS 4/3/2011 FUNDAMENTOS QUÍMICOS DA VIDA

QUÍMICA CELULAR NUTRIÇÃO TIPOS DE NUTRIENTES NUTRIENTES ENERGÉTICOS 4/3/2011 FUNDAMENTOS QUÍMICOS DA VIDA NUTRIÇÃO QUÍMICA CELULAR PROFESSOR CLERSON CLERSONC@HOTMAIL.COM CIESC MADRE CLÉLIA CONCEITO CONJUNTO DE PROCESSOS INGESTÃO, DIGESTÃO E ABSORÇÃO SUBSTÂNCIAS ÚTEIS AO ORGANISMO ESPÉCIE HUMANA: DIGESTÃO ONÍVORA

Leia mais

CONCURSO DE ADMISSÃO AO CURSO DE FORMAÇÃO E GRADUAÇÃO QUÍMICA CADERNO DE QUESTÕES 2014/2015

CONCURSO DE ADMISSÃO AO CURSO DE FORMAÇÃO E GRADUAÇÃO QUÍMICA CADERNO DE QUESTÕES 2014/2015 Informações de Tabela Periódica CONCURSO DE ADMISSÃO AO CURSO DE FORMAÇÃO E GRADUAÇÃO QUÍMICA CADERNO DE QUESTÕES 2014/2015 Folha de Dados Elemento H C N O F Al Cl Zn Sn I Massa atômica (u) 1,00 12,0 14,0

Leia mais

3. Materiais e Métodos

3. Materiais e Métodos 59 3. Materiais e Métodos Os experimentos foram realizados nos Laboratórios de Metalurgia e Meio Ambiente do DEMa da Puc-Rio. 3.1. Equipamentos de medição 3.1.1. Carbono orgânico total (COT) Os métodos

Leia mais

Crescimento Microbiano

Crescimento Microbiano Crescimento Microbiano Fatores que influem no crescimento Temperatura ph Oxigênio Agitação Pressão osmótica Temperatura Para todos os microrganismos existem três temperaturas cardeais: Temperatura mínima

Leia mais

Óleo coco líquido. GAMMA COMÉRCIO, IMPORTAÇÃO & EXPORTAÇÃO LTDA. Avenida Santa Catarina, 66 - Aeroporto- 04635-000 - São Paulo SP - Brasil

Óleo coco líquido. GAMMA COMÉRCIO, IMPORTAÇÃO & EXPORTAÇÃO LTDA. Avenida Santa Catarina, 66 - Aeroporto- 04635-000 - São Paulo SP - Brasil Óleo coco líquido Nome científico: Cocus nucifera Com ação antioxidante, colabora na diminuição da produção de radicais livres devido a presença da vitamina E. Considerado termogênico, ou seja, capaz de

Leia mais

BRANQUEAMENTO BRANQUEAMENTO. Branqueamento 24/3/2011. As finalidades básicas do branqueamento são : REAÇÕES DE ESCURECIMENTO ENZIMÁTICO

BRANQUEAMENTO BRANQUEAMENTO. Branqueamento 24/3/2011. As finalidades básicas do branqueamento são : REAÇÕES DE ESCURECIMENTO ENZIMÁTICO Curso de Nutrição ALM024- Processamento de Alimentos PRINCÍPIOS DE PROCESSAMENTO TÉRMICO BRANQUEAMENTO Accácia Júlia Guimarães Pereira Messano 2011 BRANQUEAMENTO É o tratamento térmico aplicado à frutas

Leia mais

3 METODOLOGIA EXPERIMENTAL E MATERIAIS UTILIZADOS

3 METODOLOGIA EXPERIMENTAL E MATERIAIS UTILIZADOS 51 3 METODOLOGIA EXPERIMENTAL E MATERIAIS UTILIZADOS 3.1. Biocidas utilizados Os compostos químicos utilizados nos experimentos de corrosão e análise microbiológica foram o hipoclorito de sódio e o peróxido

Leia mais

ANTI HUMANO. Anti IgG Anti C 3 d Poliespecífico

ANTI HUMANO. Anti IgG Anti C 3 d Poliespecífico ANTI HUMANO Anti IgG Anti C 3 d Poliespecífico PROTHEMO Produtos Hemoterápicos Ltda. PARA TESTES EM LÂMINA OU TUBO SOMENTE PARA USO DIAGNÓSTICO IN VITRO Conservar entre: 2º e 8ºC Não congelar Conservante:

Leia mais

TECNOLOGIA DO SÊMEN ANÁLISE DO SÊMEN

TECNOLOGIA DO SÊMEN ANÁLISE DO SÊMEN TECNOLOGIA DO SÊMEN ANÁLISE DO SÊMEN Características físicas c) Motilidade (progressiva) % de sptz viáveis uma gota de sêmen em aumento de 100 a 400x na propriedade: 50% para doação de sêmen: 70% para

Leia mais

Treinamento Conservas de frutas 382

Treinamento Conservas de frutas 382 Para que haja boa conservação dos alimentos é importante que os produtos conservados mantenham suas qualidades nutritivas, seu aroma, sabor e que se eliminem as causas das alterações. As várias maneiras

Leia mais

CONTROLE DA GERMINAÇÃO DE SEMENTES DE SOJA EM TESTES DE SANIDADE PELO USO DA RESTRIÇÃO HÍDRICA 1

CONTROLE DA GERMINAÇÃO DE SEMENTES DE SOJA EM TESTES DE SANIDADE PELO USO DA RESTRIÇÃO HÍDRICA 1 RESTRIÇÃO HÍDRICA EM GERMINAÇÃO DE SEMENTES DE SOJA 77 CONTROLE DA GERMINAÇÃO DE SEMENTES DE SOJA EM TESTES DE SANIDADE PELO USO DA RESTRIÇÃO HÍDRICA 1 JOSÉ DA CRUZ MACHADO 2 ; JOÃO ALMIR DE OLIVEIRA 3

Leia mais

PRODUÇÃO SUSTENTÁVEL DE BIOSSURFACTANTES: INTEGRANDO PROCESSOS PARA A COPRODUÇÃO DE BIOMASSA, BIOSSURFACTANTES E ALFA-AMILASE

PRODUÇÃO SUSTENTÁVEL DE BIOSSURFACTANTES: INTEGRANDO PROCESSOS PARA A COPRODUÇÃO DE BIOMASSA, BIOSSURFACTANTES E ALFA-AMILASE PRODUÇÃO SUSTENTÁVEL DE BIOSSURFACTANTES: INTEGRANDO PROCESSOS PARA A COPRODUÇÃO DE BIOMASSA, BIOSSURFACTANTES E ALFA-AMILASE Marília Rossi Maretti Faculdade de Química CEATEC ma.maretti@gmail.com Augusto

Leia mais

Determinação colorimétrica de fósforo total em produtos de origem animal

Determinação colorimétrica de fósforo total em produtos de origem animal Página 1 de 8 1 Escopo Este método tem por objetivo determinar o teor de fósforo de produtos de origem animal. 2 Fundamentos O método se baseia na conversão do fósforo presente na amostra em ortofosfato.

Leia mais

Qualidade de Vegetais Congelados. Novas Técnicas de Avaliação

Qualidade de Vegetais Congelados. Novas Técnicas de Avaliação . Novas Técnicas de Avaliação Elsa Gonçalves Ano 2003 Objectivos Revisão crítica do estado de conhecimento sobre: A influência do processo de congelação na qualidade dos produtos vegetais; Novas técnicas

Leia mais

CONSERVAÇÃO DE ALIMENTOS PELO CALOR

CONSERVAÇÃO DE ALIMENTOS PELO CALOR CONSERVAÇÃO DE ALIMENTOS PELO CALOR Prof. ª Elessandra da Rosa Zavareze elessandrad@yahoo.com.br 1 Estratégias para controlar os agentes de alteração dos alimentos 2 Conhecimento dos seguintes fatores:

Leia mais

Unha-de-gato. Uncaria tomentosa (Willd. ex Roem. & Schult.) D.C. e Uncaria guianensis (Aubl.) J.F. Gmel.

Unha-de-gato. Uncaria tomentosa (Willd. ex Roem. & Schult.) D.C. e Uncaria guianensis (Aubl.) J.F. Gmel. Unha-de-gato Unha-de-gato Uncaria tomentosa (Willd. ex Roem. & Schult.) D.C. e Uncaria guianensis (Aubl.) J.F. Gmel. Elias Melo de Miranda Foram os indígenas peruanos que descobriram o uso medicinal da

Leia mais

Armazenamento de Grãos de Café (coffea arabica L.) em dois tipos de Embalagens e dois tipos de Processamento RESUMO

Armazenamento de Grãos de Café (coffea arabica L.) em dois tipos de Embalagens e dois tipos de Processamento RESUMO Armazenamento de Grãos de Café (coffea arabica L.) em dois tipos de Embalagens e dois tipos de Processamento 87 Felipe Carlos Spneski Sperotto 1, Fernando João Bispo Brandão 1, Magnun Antonio Penariol

Leia mais

Matéria e Estados da Matéria

Matéria e Estados da Matéria Matéria e Estados da Matéria A matéria é o material físico do universo. Matéria é tudo que tem massa e ocupa certo lugar no espaço. Na antiguidade, o homem chegou a acreditar que toda matéria existente

Leia mais

Doses de adubo para produção de mudas de tomate (Solanum lycopersicum)

Doses de adubo para produção de mudas de tomate (Solanum lycopersicum) Doses de adubo para produção de mudas de tomate (Solanum lycopersicum) Dinael Henrique Rocha 1 ; Vinicius Samuel Martins 1 ; Rafael Antônio Cavalcante Carvalho 1 ; Jakeline Aparecida Greiver Ribeiro Ferreira

Leia mais

DETERMINAÇÃO DO TEOR DE VITAMINA C EM ALIMENTOS 1 INTRODUÇÃO

DETERMINAÇÃO DO TEOR DE VITAMINA C EM ALIMENTOS 1 INTRODUÇÃO DETERMINAÇÃO DO TEOR DE VITAMINA C EM ALIMENTOS 1 INTRODUÇÃO A maioria das vitaminas não pode ser fabricada pelo corpo, por isso é necessário obtê-las a partir dos alimentos. A vitamina D é uma exceção,

Leia mais

Determinação quantitativa de amido em produtos cárneos por espectrometria

Determinação quantitativa de amido em produtos cárneos por espectrometria Página 1 de 7 1 Escopo Este método tem por objetivo quantificar amido em produtos cárneos por espectrometria molecular no. 2 Fundamentos Baseia-se na determinação espectrofotométrica a 620 nm do composto

Leia mais

Ensaio de Proficiência

Ensaio de Proficiência Ensaio de Proficiência Cromatografia de Íons - Variações de Cátions e Ânions - Bruno César Diniz Metrohm Pensalab bcd@metrohm.com.br IC - Ânions e Cátions Conteúdo Precisão X Exatidão Qualificação de Operação

Leia mais

ANTI IgG (Soro de Coombs)

ANTI IgG (Soro de Coombs) ANTI IgG (Soro de Coombs) Soro Anti Gamaglobulinas Humanas PROTHEMO Produtos Hemoterápicos Ltda. PARA TESTES EM LÂMINA OU TUBO SOMENTE PARA USO DIAGNÓSTICO IN VITRO Conservar entre: 2º e 8ºC Não congelar

Leia mais

Universidade Federal do Pampa. Cadeia Produtiva da Laranja

Universidade Federal do Pampa. Cadeia Produtiva da Laranja Universidade Federal do Pampa Cadeia Produtiva da Laranja Acadêmicos: Aline Alóy Clarice Gonçalves Celmar Marques Marcos Acunha Micheli Gonçalves Virginia Gonçalves A laranja é uma fruta cítrica produzida

Leia mais

Palavras-chave: Beterraba, Betalaínas, Atividade antioxidante.

Palavras-chave: Beterraba, Betalaínas, Atividade antioxidante. Cultivando o Saber 195 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13 14 15 16 17 18 19 20 21 22 23 24 25 26 27 28 29 30 31 32 33 34 35 36 37 38 39 40 Avaliação do potencial antioxidante do extrato obtido a partir da beterraba

Leia mais

Enzimas. Profª Eleonora Slide de aula

Enzimas. Profª Eleonora Slide de aula Enzimas Profª Eleonora Slide de aula Enzimas São proteínas capazes de promover catálise de reações biológicas. Possuem alta especificidade e grande poder catalítico. Especificidade: o substrato sofre ação

Leia mais

IMUNO ENSAIOS USANDO CONJUGADOS

IMUNO ENSAIOS USANDO CONJUGADOS IMUNO ENSAIOS USANDO CONJUGADOS REAÇÕES USANDO REAGENTES MARCADOS Conjugado: molécula constituída por duas substâncias ligadas covalentemente e que mantêm as propriedades funcionais de ambas Ex: globulina

Leia mais

Separação de Misturas

Separação de Misturas 1. Introdução Separação de Misturas As misturas são comuns em nosso dia a dia. Como exemplo temos: as bebidas, os combustíveis, e a própria terra em que pisamos. Poucos materiais são encontrados puros.

Leia mais

Desencolagem / Desengomagem

Desencolagem / Desengomagem Desencolagem / Desengomagem Encolagem - 1-5 1 - Encolagem: Tem por objetivo conferir maior resistência contra abrasão, proteger as fibras e evitar que estas se projetem para fora do fio/tecido. 1.1 - Pastas

Leia mais

Controle de populações microbianas: eficácia da ação de desinfetantes sobre superfícies inertes

Controle de populações microbianas: eficácia da ação de desinfetantes sobre superfícies inertes Departamento de Microbiologia Instituto de Ciências Biológicas Universidade Federal de Minas Gerais http://www.icb.ufmg.br/mic Controle de populações microbianas: eficácia da ação de desinfetantes sobre

Leia mais

Plásticos para Cultivo Celular

Plásticos para Cultivo Celular Linha Cultivo de Células e Tecidos Fabricada em poliestireno cristal virgem (GPPS), oferece produtos com alta transparência para ótima visualização e sem presença de contaminantes, assegurando integridade

Leia mais

MEIOS DE CULTURA DESENVOLVIMENTO OU PRODUÇÃO DE MEIOS DE CULTURA. Necessidade Bactérias Leveduras

MEIOS DE CULTURA DESENVOLVIMENTO OU PRODUÇÃO DE MEIOS DE CULTURA. Necessidade Bactérias Leveduras MEIOS DE CULTURA Associação equilibrada de agentes químicos (nutrientes, ph, etc.) e físicos (temperatura, viscosidade, atmosfera, etc) que permitem o cultivo de microorganismos fora de seu habitat natural.

Leia mais

XXII CONGRESSO DE PÓS-GRADUAÇÃO DA UFLA

XXII CONGRESSO DE PÓS-GRADUAÇÃO DA UFLA ATIVIDADE QUELANTE DE FERRO DE CHÁS COMERCIAIS FERNANDA PAOLA DE PÁDUA GANDRA 1, NATHÁLIA SOUZA LARA 2, FERNANDA REZENDE ABRAHÃO 3, MAÍSA MANCINI MATIOLI DE SOUSA 4, ROSEMARY GUALBERTO FONSECA ALVARENGA

Leia mais

BIOQUÍMICA EXPERIMENTAL

BIOQUÍMICA EXPERIMENTAL Departamento de Bioquímica Instituto de Química USP Apostila de protocolos BIOQUÍMICA EXPERIMENTAL QBQ 06N 0 Professores Carlos T. Hotta Ronaldo B. Quaggio Eduardo M. Reis Esta apostila foi desenvolvida

Leia mais

ÁGUA REAGENTE NO LABORATÓRIO CLÍNICO

ÁGUA REAGENTE NO LABORATÓRIO CLÍNICO ÁGUA REAGENTE NO LABORATÓRIO RIO CLÍNICO Água reagente no laboratório rio clínico Água de grau reagente (água( pura); Processos de purificação: destilação e deionização (+ usado atualmente). Especificações

Leia mais

Tampões biológicos. Tampões comuns em biologia molecular. Misturas de tampões processos de disrupção celular. Processameto de extractos

Tampões biológicos. Tampões comuns em biologia molecular. Misturas de tampões processos de disrupção celular. Processameto de extractos Preparação e Conservação de Amostras Biológicas Em qualquer ensaio bioquímico a conservação das amostras em estudo é de extrema importância poi,s em última análise, é do correcto acondicionamento das mesmas

Leia mais

Tecnologia de Alimentos. QUALIDADE DE PÊSSEGOS cv. Eldorado MINIMAMENTE PROCESSADOS E TRATADOS COM DIFERENTES ANTIOXIDANTES

Tecnologia de Alimentos. QUALIDADE DE PÊSSEGOS cv. Eldorado MINIMAMENTE PROCESSADOS E TRATADOS COM DIFERENTES ANTIOXIDANTES p. 1/5 Tecnologia de Alimentos QUALIDADE DE PÊSSEGOS cv. Eldorado MINIMAMENTE PROCESSADOS E TRATADOS COM DIFERENTES ANTIOXIDANTES 1 Rufino Fernando Flores Cantillano, 2 Maurício Seifert*, 2 Jardel Araujo

Leia mais

P2 - PROVA DE QUÍMICA GERAL - 11/10/08

P2 - PROVA DE QUÍMICA GERAL - 11/10/08 P2 - PROVA DE QUÍMICA GERAL - 11/10/08 Nome: Gabarito Nº de Matrícula: Turma: Assinatura: Questão Valor Grau Revisão 1 a 2,5 2 a 2,5 3 a 2,5 4 a 2,5 Total 10,0 Constantes: R 8,314 J mol -1 K -1 0,0821

Leia mais