Plano de Acção 2010 Concelho de Ourique

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Plano de Acção 2010 Concelho de Ourique"

Transcrição

1 Plano de Acção 200 Concelho de Rede Social Programa Rede Social Conselho Local de Acção Social de Janeiro 2009

2 Ficha Técnica Título: Plano de Acção 200 do Concelho de Autoria: Núcleo Executivo da Rede Social de Vertical de Escolas de Centro de Saúde de ESDIME Agência para o Desenvolvimento Local no Alentejo Sudoeste I.E.F.P. Centro de Emprego de Instituto Segurança Social, IP Centro Distrital de Beja Santa Casa da Misericórdia de Redacção / Concepção: A Equipa Técnica da Rede Social Edição: CMO / CLASO Aprovado em CLASO a / / Agradecimentos: A CMO enquanto entidade que preside ao CLASO agradece a todas as entidades do Concelho de, que amavelmente disponibilizaram as informações para a concepção do Diagnóstico Social, Plano de Desenvolvimento Social e Plano de Acção. Agradece igualmente aos membros da Mesa do Plenário que directa ou indirectamente colaboram / participaram na concepção do documento.

3 Entidades do Conselho Local de Acção Social Rede Social do Concelho de Vertical de Escolas de ; Associação Cultural e Juvenil dos Grand aços; Associação de Cultura e Recreio A NOIVA ; Associação Humanitária dos Bombeiros Voluntários de ; Associação Lendias D Encantar; Associação Recreativa Desportiva e Cultural de Conceição Casa do Povo de Panóias Centro de Dia; Casa do Povo de Santana da Serra; Castro da Cola Associação de Desenvolvimento Local; Centro Cultural e Recreativo de Santana da Serra; Centro de Saúde de ; Centro Social Cultura e Recreio Casa do Povo de Garvão; CERCICOA Cooperativa de Educação e Reabilitação de Crianças Inadaptadas - e Almodôvar; Castro Verde, Clube Desportivo e Cultural de Panóias; CPCJ de ; ESDIME Agência para o Desenvolvimento Local no Alentejo Sudoeste; Futuro de Garvão Associação de Solidariedade Social;

4 Grupo de Dadores de Sangue; Guarda Nacional Republicana de ; I.E.F.P. Centro de Emprego de ; Instituto Segurança Social, IP Centro Distrital de Segurança Social de Beja; Junta de Freguesia da Conceição Junta de Freguesia de Garvão; Junta de Freguesia de Panóias; Junta de Freguesia de ; Junta de Freguesia de Santa Luzia; Junta de Freguesia de Santana da Serra; ; ORIK Associação de Defesa do Património de ; Desportos Clube; Fabrica da Igreja Paroquial da Freguesia de ; Santa Casa da Misericórdia de.

5 Entidades do Núcleo Executivo Vertical de Escolas de ; Centro de Saúde de ; ESDIME Agência para o Desenvolvimento Local no Alentejo Sudoeste; I.E.F.P. Centro de Emprego de ; Instituto Segurança Social, IP Centro Distrital de Beja; ; Santa Casa da Misericórdia de.

6 Enquadramento Após a aprovação do PDS Supra - Concelhio e posterior aprovação do PDS Concelhio em Novembro último, no qual se definiram as linhas estratégicas para o concelho a 3 anos, de acordo com as linhas orientadoras do PNAI e respectivo PDS Supra Concelhio, cumpre-nos agora traçar os Planos de Acção Anuais, respectivos, que são documentos mais operacionais, minuciosos e com um horizonte temporal limitado a uma ano. Neste documento que aqui se apresenta estão identificados os projectos e intervenções previstas para o 2º Ano (Janeiro 2009). Assim e tendo como referência o Plano de Desenvolvimento do Concelho de o presente Plano de acção, apresenta-se, à semelhança do anterior plano de ação, de acordo com as prioridades definidas no mesmo. Prioridade : Combater a pobreza das crianças, dos idosos e das famílias, Prioridade 2: Corrigir as desvantagens na educação e formação Dentro de cada uma das prioridades são apresentadas as acções, actividades, calendarização, recursos humanos e financeiros e por último os Parceiros Envolvidos em cada uma das estratégias delineadas.

7 Abreviaturas e Siglas IEFP Instituto de Emprego e Formação Profissional CNO Centro de Novas Oportunidades RVCC Reconhecimento, Validação e Certificação de Competências IPSS Instituições particulares de Solidariedade Social NLI Núcleo Local de Inserção SCMO Santa Casa da Misericórdia de ESDIME Agência de desenvolvimento local no Alentejo Sudoeste RSI Rendimento Social de Inserção PCHI Programa Conforto Habitacional para Idosos NEE- Necessidades Educativas Especiais EFA Educação e Formação de Adultos ONG Organização não Governamental POC Programa ocupacional para carenciados PPE Plano Pessoal de Emprego ANDC Associação Nacional de direito ao crédito

8 Prioridade

9 Conselho Local de Acção Social de. Prioridade Combater a pobreza das crianças, dos idosos e das famílias através de Medidas que assegurem os seus direitos básicos de cidadania.. Objectivo Geral Promover a melhoria das condições de vida das famílias... Medida Rendimento Social de Inserção... Objectivo Especifico Garantir que os beneficiários de RSI estabelecem acordos de inserção Garantir que 00% dos beneficiários de RSI estabelecem acordos de inserção, até final de 200 de agregados beneficiários de Acordos de inserção assinados Início Conc. Assinatura de acordos de inserção com os beneficiários de RSI Coordenador do Núcleo Local de Inserção Segurança social I.E.F.P. Centro de saúde Vertical de Escolas Representante das IPSS s (SCMO) Representante das ONG s (ESDIME)

10 Conselho Local de Acção Social de. Prioridade Combater a pobreza das crianças, dos idosos e das famílias através de Medidas que assegurem os seus direitos básicos de cidadania.. Objectivo Geral Promover a melhoria das condições de vida das famílias... Medida Rendimento Social de Inserção...2 Objectivo Especifico Garantir a presença dos representantes nas reuniões realizadas no ano Garantir a presença dos representantes das entidades em 95% das reuniões realizadas, até final de 200 de presenças dos representantes entidades na reunião de NLI Nº de reuniões realizadas Início Conc. Sensibilização dos técnicos que pertencem ao NLI Coordenador do Núcleo Local de Inserção Segurança social I.E.F.P. Centro de saúde Vertical de Escolas Representante das IPSS s (SCMO) Representante das ONG s (ESDIME

11 Conselho Local de Acção Social de Plano de Acção 200- Rede Social. Prioridade Combater a pobreza das crianças, dos idosos e das famílias através de Medidas que assegurem os seus direitos básicos de cidadania.. Objectivo Geral Promover a melhoria das condições de vida das famílias... Medida Rendimento Social de Inserção...3. Objectivo Especifico Garantir a avaliação em instrumentos próprios das acções de cada uma das áreas de inserção Garantir a avaliação em instrumentos próprios de 00%das acções de cada uma das áreas de inserção, até 200 de avaliações efectuadas Nº de acordos assinados Início Conc. Avaliação das acções dos acordos de inserção Coordenador do Núcleo Local de Inserção Segurança social I.E.F.P. Centro de saúde Vertical de Escolas Representante das IPSS s (SCMO) Representante das ONG s (ESDIME)

12 Conselho Local de Acção Social de. Prioridade Combater a pobreza das crianças, dos idosos e das famílias através de Medidas que assegurem os seus direitos básicos de cidadania.. Objectivo Geral Promover a melhoria das condições de vida das famílias..2. Medida Apoio Integrado às Famílias..2.. Objectivo Especifico Garantir a Intervenção Integrada às Famílias do Concelho de Criação de um procedimento/metodologia de articulação de intervenção, até ao final de 200 Criação do procedimento /metodologia Nº de processos identifficados Início Conc. Formação para técnicos Segurança social I.E.F.P. 3-Jan 2 Identificação de processos acompanhados por mais de um Técnico Centro de saúde 0-Fev 28-Fev 3 Identificar as problemáticas das Famílias Núcleo Executivo da Rede Social Vertical de Escolas Representante das IPSS s (SCMO) 0-Fev 28-Fev 4 (ESDIME) Concepção e Utilização de instrumentos comuns das fases da Representante intervenção integrada que permita o multiacesso institucional das ONG s 0-Mar 3-Jan

13 Conselho Local de Acção Social de. Prioridade Combater a pobreza das crianças, dos idosos e das famílias através de Medidas que assegurem os seus direitos básicos de cidadania.. Objectivo Geral Promover a melhoria das condições de vida das famílias..2. Medida Apoio Integrado às Famílias Objectivo Especifico Garantir a Intervenção Integrada às Famílias do Concelho de Metodologia de apoio psicossocial prestada às familias, até final de 200 de formandas de pessoas em acompanhamento Psicossocial Início Conc. 2 Formação para a inclusão Apoio Psicossocial individualizado Segurança social I.E.F.P. Centro de saúde Vertical de Escolas Representante das IPSS s (SCMO) Representante das ONG s (ESDIME) 0-Mar

14 Conselho Local de Acção Social de. Prioridade Combater a pobreza das crianças, dos idosos e das famílias através de Medidas que assegurem os seus direitos básicos de cidadania.. Objectivo Geral Promover a melhoria das condições de vida das famílias..2. Medida Apoio Integrado às Famílias Objectivo Especifico Garantir a Intervenção Integrada às Famílias do Concelho de Criação da Loja Solidária até ao final de 200 Criação do Serviço Início Conc. Realização de obras de requalificação do espaço Segurança social 0-Abr 30-Set I.E.F.P. Centro de saúde 2 Realização de campanhas de recolha de artigos diversos CLDS Vertical de 0-Fev Escolas Representante das IPSS s (SCMO) 3 Criação da loja Solidária Representante das ONG s (ESDIME) 0-Set

15 Conselho Local de Acção Social de. Prioridade Combater a pobreza das crianças, dos idosos e das famílias através de Medidas que assegurem os seus direitos básicos de cidadania.. Objectivo Geral Promover a melhoria das condições de vida das famílias..3. Medida Promover melhorias na área da saúde..3.. Objectivo Especifico Alargar a taxa de cobertura na área da Saúde Oral Garantir a 00% da população - alvo a prevenção na área da Saúde Oral, até 200 Total da população alvo abrangida Início Conc. 2 Divulgação Junto dos Encarregados de Educação Entrega aso Pais das crianças do cheque dentista Centro de Saúde Vertical de Escolas Enfermeira Chefe do Centro de Saúde 3 Entrega às Grávidas que recorrem ao serviço do cheque dentista Centro de Saúde 4 Entrega aos idosos ( com CSI) que recorrem ao serviço do cheque dentista

16 Conselho Local de Acção Social de. Prioridade Combater a pobreza das crianças, dos idosos e das famílias através de Medidas que assegurem os seus direitos básicos de cidadania.. Objectivo Geral Promover a melhoria das condições de vida das famílias..3. Medida Promover melhorias na área da saúde Objectivo Especifico Alargar a taxa de cobertura na área da Vacinação de crianças e adultos Garantir a 90% da população - alvo a prevenção na área da Vacinação de crianças, até 200 Total de crianças vacinadas Total de crianças inscritas Início Conc. Convocatórias às crianças para Vacinação Centro de Saúde 2 Vacinação Ambulatória Enfermeira Chefe do Centro de Saúde Centro de Saúde

17 Conselho Local de Acção Social de. Prioridade Combater a pobreza das crianças, dos idosos e das famílias através de Medidas que assegurem os seus direitos básicos de cidadania.. Objectivo Geral Promover a melhoria das condições de vida das famílias..4 Medida Voluntariado..4.. Objectivo Especifico Garantir a Integração de Voluntários nas Instituições Locais do concelho Integração de 9 voluntários nas Instituições Locais do Concelho, até ao final de 200 Nº de pessoas abrangidas/ano Início Conc. Elaboração de projectos no âmbito do Voluntariado 2 Acções de Sensibilização para a prática do Voluntariado à população em geral Núcleo Executivo Segurança social Centro de saúde Vertical de Escolas Representante das IPSS s (SCMO) Representante das Municipio de ourique ONG s (ESDIME) 3 Formação para Voluntários 0-Abr 3-Mai 0-Fev 30-Abr

18 Conselho Local de Acção Social de. Prioridade Combater a pobreza das crianças, dos idosos e das famílias através de Medidas que assegurem os seus direitos básicos de cidadania.. Objectivo Geral Promover a melhoria das condições de vida das famílias..5. Medida Parentalidade Positiva..5.. Objectivo Especifico Reforçar a protecção de crianças e jovens Formar e qualificar famílias com crianças e jovens abrangidas por medidas de promoção e protecção 00% das famílias, até ao final de 200 Total de familias abrangidas Total de processos com acordos de promoção Início Conc. Acção de Formação 2 Entrevista Individual Presidente da Comissão de Protecção Crianças e Jovens de Segurança Social Centro de Saúde SCMO Vertical de Escolas

19 Conselho Local de Acção Social de. Prioridade Combater a pobreza das crianças, dos idosos e das famílias através de Medidas que assegurem os seus direitos básicos de cidadania.2. Objectivo Geral Ajustar o ensino e as escolas através de programas específicos às necessidades das famílias.2.. Medida Programa de Generalização do Fornecimento de Refeições Escolares aos alunos do º Ciclo do Ensino Básico.2... Objectivo Especifico Garantir que as escolas do º Ciclo do ensino básico do Concelho de oferecem a todas as crianças uma refeição escolar Garantir que 00% das escolas do º ciclo do ensino básico oferecem a todas as crianças uma refeição escolar equilibrada, até 200 Nº de escolas no concelho a fornecer refeição Nº de crianças abrangidas Taxa de cobertura Início Conc. Fornecimento de refeições escolares em todos os estabelecimentos de ensino básico no ano lectivo 2009/ Jan 20-Jun Vertical de 2 Fornecimento de refeições escolares em todos os estabelecimentos de Escolas ensino básico no ano 200/20 5-Set 3-Dez

20 Conselho Local de Acção Social de. Prioridade Combater a pobreza das crianças, dos idosos e das famílias através de Medidas que assegurem os seus direitos básicos de cidadania.3. Objectivo Geral Reforçar a rede de equipamentos e serviços sociais de apoio.3.. Medida Alargamento da Rede de Equipamentos Sociais.3... Objectivo Especifico Garantir uma Rede de Cuidados Continuados Integrados Criar a Unidade de Cuidados Continuados Integrados de Longa Duração, até ao final de 200 Criação do Serviço de lugares criadas por tipo de resposta Início Conc. Associação Futuro Construção da Unidade de Cuidados Continuados integrados de longa de Garvão Duração ARSA 30-Set Associação Futuro de Garvão Junta de Freguesia 2 Candidaturas a programas Nacionais no âmbito do QREN de Garvão Entidades Privadas

21 Conselho Local de Acção Social de. Prioridade Combater a pobreza das crianças, dos idosos e das famílias através de Medidas que assegurem os seus direitos básicos de cidadania.3. Objectivo Geral Reforçar a rede de equipamentos e serviços sociais de apoio.3.2. Medida Programa de Requalificação e de Segurança de Equipamentos Sociais Objectivo Especifico Requalificação dos espaços físicos edificados e zonas circundantes do Centro Comunitário para a 3ª idade e Infantário de Requalificação dos espaços físicos do Centro comunitário para a 3ª idade e Infantário de, até ao final de 200 Equipamento requalificado Início Conc. Obras de beneficiação no Centro comunitário para a 3ª idade de 2 3 Implementação do sistema de protecção contra incêndios no Infantário de Obras de beneficiação no Infantário Santa Casa da Misericórdia de Santa Casa da Mísericórdia de Segurança Social ESDIME União da Misericórdias Portuguesas 4 Candidaturas a Programas Nacionais no âmbito do QREN

22 Conselho Local de Acção Social de. Prioridade Combater a pobreza das crianças, dos idosos e das famílias através de Medidas que assegurem os seus direitos básicos de cidadania.3. Objectivo Geral Reforçar a rede de equipamentos e serviços sociais de apoio.3.2. Medida Programa de Requalificação e de Segurança de Equipamentos Sociais Objectivo Especifico Requalificação e Alargamento do Espaço Fisíco da Casa do Povo de Santana da Serra Requalificação e Alargamento da Casa do Povo de Santana da Serra, até ao final de 200 Requalificação do espaço fisíco Acções Responsável Parceiros Início Conc. [O quê?] [Quem?] [Quando?] Conclusão da implementação do sistema de protecção contra incêndios 3-Mar 2 Conclusão das obras de beneficiação da Casa do Povo de Santana da Casa do Povo de Serra Casa do Povo de Santana da Serra 30-Set 3 Santana da Serra Segurança Social Iniciação da ª fase das obras de Alargamento do edifício da Casa do Povo ESDIME de Santana da Serra 0-Out 4 Candidaturas a Programas Nacionais no âmbito do QREN

23 Conselho Local de Acção Social de. Prioridade Combater a pobreza das crianças, dos idosos e das famílias através de Medidas que assegurem os seus direitos básicos de cidadania.3. Objectivo Geral Reforçar a rede de equipamentos e serviços sociais de apoio.3.2. Medida Programa de Requalificação e de Segurança de Equipamentos Sociais Objectivo Especifico Requalificação do Espaço Fisíco da Casa do Povo de Panóias - Centro Dia Concluir em 50% as obras de Requalificação Casa do Povo de Panóias - Centro Dia, até ao final de 200 Requalificação do espaço fisíco Início Conc. Conclusão da Implementação do sistema de protecção contra incêndios 30-Abr 2 Conclusão da implementação do sistema de HACCP Casa do Povo de 0-Jun Casa do Povo de Panóias - Centro Panóias- Centro de Dia Dia Segurança Social 3 Obras de beneficiação da Cozinha ESDIME 4 Candidaturas a programas nacionais no âmbito do QREN

24 Conselho Local de Acção Social de. Prioridade Combater a pobreza das crianças, dos idosos e das famílias através de Medidas que assegurem os seus direitos básicos de cidadania.4. Objectivo Geral Melhorar o rendimento das famílias mais fragilizadas.4.. Medida Complemento Solidário para Idosos.4... Objectivo Especifico Garantir o acesso a todos os idosos com idade prevista na lei o Complemento Solidário para Idosos Garantir o acesso a 00% dos idosos com idade prevista na lei o Complemento Solidário para Idosos, até 200 de beneficiários por sexo, idade e tipologia familiar Início Conc. 2 Acções de Sensibilização a todos os idosos das diferentes Freguesias do Concelho com idade superior a 65 anos e rendimentos abaixo dos definidos na Lei Dinamização do Programa Jovens Solidários para o CSI no Centro de Saúde de e respectivas extensões Coordenadora do NLI Segurança Social Juntas de Freguesia

25 Prioridade 2

26 Conselho Local de Acção Social de 2. Prioridade 2 Corrigir as desvantagens na educação e formação/qualificação 2.. Objectivo Geral Ajustar o ensino e as escolas através de programas específicos, às necessidades das famílias 2... Medida Rede de equipamentos pré-escolar 2... Objectivo Especifico Alargar as taxas de cobertura no pré escolar Alargar em 00% as taxas de cobertura do pré-escolar, até 2000 Taxa de Cobertura Início Conc. 2 Acordos com os encarregados de educação para garantir o funcionamento do pré-escolar para além das 25 horas semanais ( Apoio à Família) Actividades de animação fora do espaço lectivo Vertical de Escolas Associação de Pais

27 Conselho Local de Acção Social de 2. Prioridade 2 Corrigir as desvantagens na educação e formação/qualificação 2.. Objectivo Geral Ajustar o ensino e as escolas através de programas específicos, às necessidades das famílias Medida Escola a tempo inteiro actividades de enriquecimento curricular (.º ciclo do ensino básico) Objectivo Especifico Alargar o horário escolar até às 7h30 nas escolas do.º ciclo do ensino básico com oferta de actividades de enriquecimento curricular Garantir a 00% das escolas do º ciclo ensino básico actividades de enriquecimento curricular, até 200 de escolas abrangidas, por tipo de actividade ; de alunos abrangidos ; Taxa de cobertura; Nº de alunos por tipo de actividade; de Concelhos abrangidos; de protocolos estabelecidos; de Professores abrangidos Início Conc. 4 Inicio de Actividades de Enriquecimento Curricular do Ano lectivo 2009/200 2 Elaboração do Acordo de Colaboração do Programa de Generalização de Actividades de Enriquecimento Curricular do º Ciclo do Ensino Básico para o ano lectivo 200/20 Vertical de Escolas Envio de Acordo de Colaboração para a DREA Contratação de Docentes para leccionar as Actividades de Enriquecimento Curricular no ano lectivo 200/ Divulgação pelas EB's do Concelho das Actividades de Enriquecimento Curricular Inicio de Actividades de Enriquecimento Curricular do Ano lectivo Vertical de 200/20 Escolas

28 Conselho Local de Acção Social de 2. Prioridade 2 Corrigir as desvantagens na educação e formação/qualificação 2.2. Objectivo Geral Reforçar o acesso à educação, com vista à promoção da igualdade de oportunidades Medida Percursos Curriculares Alternativos Objectivo Especifico Assegurar que os alunos com dificuldades de apresndizagem ou em situação de risco concluem o 2º ciclo do ensino básico Assegurar a 00% dos alunos com insucesso escolar repetido a conclusão do 2º ciclo do ensino básico no ano lectivo 2009/200 de alunos com insucesso Início Conc. Dinamização do Gabinete de apoio ao aluno e à familia Vertical de 2 Aplicação de programas de competências sociais Escolas Vertical de Municipio de Escolas CPCJ 3 Articulação em actuação interinstitucional

29 Conselho Local de Acção Social de 2. Prioridade 2 Corrigir as desvantagens na educação e formação/qualificação 2.2. Objectivo Geral Medida Reforçar o acesso à educação, com vista à promoção da igualdade de oportunidades Educação/Formação para Jovens Objectivo Especifico Prevenir o Absentismo e abandono escolar Assegurar a 00% dos alunos o cumprimento da escolaridade obrigatória no ano lecticvo 2009/200 Nº de alunos abrangidos por sexo Nº de alunos abrangidos por ano de escolaridade de casos sinalizados Início Conc. Dinamização de acções de prevenção de situações de risco no Gabinete de apoio ao aluno Vertical de Escolas Vertical de Escolas

30 Conselho Local de Acção Social de 2. Prioridade 2 Corrigir as desvantagens na educação e formação/qualificação 2.2. Objectivo Geral Reforçar o acesso à educação, com vista à promoção da igualdade de oportunidades Medida Educação/Formação para Jovens Objectivo Especifico Diversificar a oferta formativa no âmbito da formação profissional No ano lectivo 2009/200 aumentar a oferta formativa de formação profissional Nº de alunos abrangidos por sexo Nº de alunos abrangidos por ano de escolaridade Nº de ofertas formativas Início Conc. Actividades de orientação e Aconselhamento Vocacional Vertical de Escolas Vertical de Escolas Municipio de 0-Mar

31 Conselho Local de Acção Social de 2. Prioridade 2 Corrigir as desvantagens na educação e formação/qualificação 2.2. Objectivo Geral Reforçar o acesso à educação, com vista à promoção da igualdade de oportunidades Medida Iniciativa Novas Oportunidades Objectivo Especifico Garantir a oferta formativa de cariz Vocacional Alargar a oferta de formativa de cariz vocacional, até ao final de 200 de jovens abrangidos/ano Início Conc. 2 Divulgação do Programa de Orientação Vocacional Dinamização do Programa de Desenvolvimento de carreiras Vertical de Escolas Vertical de Escolas 0-Mar 28-Fev 0-Jun 3 Divulgação do Plano de formação do I.E.F.P e outras Entidades Formadoras 4 Informação e Orientação Profissional para o Mercado Inclusivo I.E.F.P. I.E.F.P CNO Entidades formadoras certificadas 0-Dez

32 Conselho Local de Acção Social de 2. Prioridade 2 Corrigir as desvantagens na educação e formação/qualificação 2.2. Objectivo Geral Reforçar o acesso à educação, com vista à promoção da igualdade de oportunidades Medida Iniciativa Novas Oportunidades Objectivo Especifico Garantir a certificação de competências através de processo de RVCC Até 200 garantir o encaminhamento de 200 pessoas para o processo de RVCC de adultos encaminhados para o processo RVCC Início Conc. Sessões de divulgação do processo de RVCC 2 Diagnóstico e encaminhamento dos inscritos 3 Balanço de Competências do processo de RVCC 4 Formação Complementar do Processo de RVCC 5 Jurí de Validação ESDIME CNO de Mértola Centro de formação profissional de Aljustrel Segurança social I.E.F.P. Centro de saúde Vertical de Escolas Representante das IPSS s (SCMO) ESDIME CNO de Mértola Centro de formação profissional de Aljustrel

33 Conselho Local de Acção Social de 2. Prioridade 2 Corrigir as desvantagens na educação e formação/qualificação 2.3. Objectivo Geral Reforçar o acesso à formação e ao emprego Medida Programa de Intervenção no Mercado de Trabalho Inclusivo Objectivo Especifico Integração anual de pessoas em acções de formação no Programa Ocupacional Carenciados Até 200 garantir a integração anual de 5 pessoas em acções de formação e 60 em Programa Ocupacional para Carenciados de pessoas em acções de formação de pessoas colocadas no POC Início Conc. 2 3 Sessões de Informação colectiva Acções de Divulgação com as Parcerias Atendimento Individualizado I.E.F.P. Segurança social I.E.F.P. Centro de saúde Representante das IPSS s (SCMO) Representante das ONG s (ESDIME)

34 Conselho Local de Acção Social de 2. Prioridade 2 Corrigir as desvantagens na educação e formação/qualificação 2.3. Objectivo Geral Reforçar o acesso à formação e ao emprego Medida Programa de Intervenção no Mercado de Trabalho Inclusivo Objectivo Especifico Garantir a definição articulada Plano Pessoal de Emprego (PPE) para os beneficiários de RSI em idade activa com acordo na área de formação e emprego Garantir a definição articulada Plano Pessoal de Emprego (PPE) para 00% dos beneficiários de RSI em idade activa com acordo na área de formação e emprego, até ao final de 200 de beneficiários de PPE com acordo na área do emprego Nº de beneficiários de RSI Início Conc. [O quê?] [Quem?] [Quando?] Sessões de informação I.E.F.P. I.E.F.P. 2 Atendimento Individualizado

35 Conselho Local de Acção Social de 2. Prioridade 2 Corrigir as desvantagens na educação e formação/qualificação 2.3. Objectivo Geral Reforçar o acesso à formação e ao emprego Medida Programa de Intervenção no Mercado de Trabalho Inclusivo Objectivo Especifico Desenvolver competências pessoais e sociais de TIC associadas aos percursos de inserção profissional para os beneficiários de RSI em idade activa Garantir a execução de acções de competências pessoais e sociais e nas TIC associadas aos percursos de inserção profissional para 20% dos beneficiários de RSI em idade activa, de beneficiários de RSI em idade activa integrados nas acções de famílias abrangidas Início Conc. [O quê?] [Quem?] [Quando?] 2 Sessões de informação colectiva Acções de Divulgação I.E.F.P. Segurança social I.E.F.P. Centro de saúde Representante das IPSS s (SCMO) Representante das ONG s (ESDIME)

36 Conselho Local de Acção Social de 2. Prioridade 2 Corrigir as desvantagens na educação e formação/qualificação 2.4. Objectivo Geral Promover iniciativas de enfoque territorial dirigidas a grupos e territórios em risco e/ou situação de exclusão Medida Micro-crédito Objectivo Especifico Garantir que em todas as freguesias do Concelho existe uma divulgação do Micro-crédito Garantir a divulgação do micro crédito a 00% das freguesias do concelho Nº de pessoas abrangidas/ano de freguesias abrangidas Acções Responsável Parceiros Início Conc. Realização de seis sessões de divulgação para as seis Freguesias do Concelho Núcleo Executivo da Rede Social Segurança social IEFP Centro de saúde Representante das IPSS s (SCMO) Representante das ONG s (ESDIME) Juntas de Freguesia

37 Conselho Local de Acção Social de 2. Prioridade 2 Corrigir as desvantagens na educação e formação/qualificação 2.4. Objectivo Geral Promover iniciativas de enfoque territorial dirigidas a grupos e territórios em risco e/ou situação de exclusão Medida Micro-crédito Objectivo Especifico Garantir que no Concelho existe pelo menos o inicio de dois projectos Micro-crédito Garantir que existe pelo menos o inicio de um projectos Micro-crédito, até ao final de 200 Nº de negócios Identificados/criados com Micro-crédito Início Conc. [O quê?] [Quem?] [Quando?] Identificação de beneficiários (micro-empresários) 0-Fev 2 3 Sinalização de ideias de projecto Articulação com a A.N.D.C. para apoio à elaboração de projectos Entidade Interlocutora Entidade Interlocutora A.N.D.C. 0-Mai 4 Acompanhamento de projectos 0-Mai

38 Conselho Local de Acção Social de 2. Prioridade 2 Corrigir as desvantagens na educação e formação/qualificação 2.5. Objectivo Geral Promover a melhoria das acessibilidades e informação Medida Espaços Internet nos Concelhos Objectivo Especifico Garantir espaços públicos de acesso à Internet nas freguesias do concelho Até 200 criar em 80 % das freguesias um espaço público de acesso à Internet de espaços NET de Freguesias abrangidas Início Conc. Criação de espaços Internet nas freguesias de Panóias, Santana da Serra, Santa-luzia, Conceição e ourique ( Favela, Aldeia de Palheiros, Grandaços) Juntas de Freguesia 0-Abr 30-Jun

2008 Concelho de Ourique

2008 Concelho de Ourique Plano de Acção 2008 Concelho de Rede Social Programa Rede Social Conselho Local de Acção Social de Janeiro 2008 Ficha Técnica Título: Plano de Acção 2008 do Concelho de Autoria: Núcleo Executivo da Rede

Leia mais

Plano de Acção 2013 Concelho de Ourique

Plano de Acção 2013 Concelho de Ourique Plano de Acção 203 Concelho de Ourique Rede Social Ourique Programa Rede Social Conselho Local de Acção Social de Ourique Janeiro 20 Ficha Técnica Título: Plano de Acção 203 do Concelho de Ourique Autoria:

Leia mais

Plano de Ação Rede Social. Ourique

Plano de Ação Rede Social. Ourique Plano de Ação 204 Rede Social Ourique Conselho Local de Acção Social de Ourique Janeiro 204 Ficha Técnica Título: Plano de Acção 204 do Concelho de Ourique Autoria: Núcleo Executivo da Rede Social de Ourique

Leia mais

Plano de Acção

Plano de Acção - 2 - Nota Prévia A Rede Social afirmou-se ao longo da sua criação como uma medida inovadora e com capacidade de produzir alterações positivas na intervenção social. Esta medida assumiu-se, desde início,

Leia mais

PLATAFORMA TERRITORIAL SUPRACONCELHIA DE PENÍNSULA DE SETÚBAL PLANO DE DESENVOLVIMENTO SOCIAL 2008/2010

PLATAFORMA TERRITORIAL SUPRACONCELHIA DE PENÍNSULA DE SETÚBAL PLANO DE DESENVOLVIMENTO SOCIAL 2008/2010 PLATAFORMA TERRITORIAL SUPRACONCELHIA DE PENÍNSULA DE SETÚBAL PLANO DE DESENVOLVINTO SOCIAL / APROVADO EM SETÚBAL A 13 DE NOVEMBRO DE 2009 Prioridade 1: Combater a pobreza das crianças, dos idosos e das

Leia mais

Nota Introdutória Desenvolvimento Social

Nota Introdutória Desenvolvimento Social Nota Introdutória Desenvolvimento Social, esta noção surgiu a partir de criticas a outros modelos de desenvolvimento que valorizavam o crescimento económico de cima para baixo. Partia-se de uma visão funcionalista

Leia mais

1 INTRODUÇÃO O PLANO DE ACÇÃO AVALIAÇÃO...14 PLANO DE ACÇÃO DE 2009 PÁGINA 1 DE 15

1 INTRODUÇÃO O PLANO DE ACÇÃO AVALIAÇÃO...14 PLANO DE ACÇÃO DE 2009 PÁGINA 1 DE 15 ÍNDICE 1 INTRODUÇÃO...2 2 O PLANO DE ACÇÃO 2009... 3 3 AVALIAÇÃO....14 PLANO DE ACÇÃO DE 2009 PÁGINA 1 DE 15 INTRODUÇÃO Depois de elaborado o diagnóstico social e o plano de desenvolvimento social surge

Leia mais

Entidades. Coordenadora ACM - Associação Cristã da Mocidade de Setúbal

Entidades. Coordenadora ACM - Associação Cristã da Mocidade de Setúbal CLDS Setúbal Entidades Coordenadora ACM - Associação Cristã da Mocidade de Setúbal Executoras ACM - Associação Cristã da Mocidade de Setúbal (Bela Vista e zona envolvente) APACCF - Associação de Professores

Leia mais

1. Prioridade 1 Combater a pobreza das crianças, dos idosos e das famílias através de Medidas que assegurem os seus direitos básicos de cidadania

1. Prioridade 1 Combater a pobreza das crianças, dos idosos e das famílias através de Medidas que assegurem os seus direitos básicos de cidadania 1. Prioridade 1 Combater a pobreza das crianças, dos idosos e das famílias através de Medidas que assegurem os seus direitos básicos de cidadania 1.1. Objectivo Geral 1.1.1. Medida Promover a melhoria

Leia mais

Câmara Municipal de Elvas. Plano de Acção. Conselho Local de Acção Social de Elvas

Câmara Municipal de Elvas. Plano de Acção. Conselho Local de Acção Social de Elvas Câmara Municipal de Elvas Plano de Acção 2007 Julho de 2006 Conselho Local de Acção Social de Elvas PROGRAMA REDE SOCIAL Co-financiado pelo Estado Português, Ministério da Segurança Social PLANO DE ACÇÃO

Leia mais

rede social do município de castro verde

rede social do município de castro verde . Prioridade Combater a pobreza das crianças, dos idosos e das famílias através de medidas que assegurem os seus direitos básicos de cidadania.. Objectivo Geral Promover melhoria das condições de vida

Leia mais

REDE SOCIAL DE SOBRAL DE MONTE AGRAÇO PLANO DE ACÇÃO PARA 2010

REDE SOCIAL DE SOBRAL DE MONTE AGRAÇO PLANO DE ACÇÃO PARA 2010 REDE SOCIAL DE SOBRAL DE MONTE AGRAÇO PLANO DE ACÇÃO PARA 2010 EIXO I Promoção da Inclusão das famílias com especial enfoque às necessidades dos idosos OBJECTIVO GERAL Melhorar as condições de vida de

Leia mais

AGIR PARA SOLUCIONAR PLANO DE ACÇÃO PARA 2010

AGIR PARA SOLUCIONAR PLANO DE ACÇÃO PARA 2010 PLANO DE DESENVOLVIMENTO SOCIAL DO MUNICÍPIO DE ARMAMAR AGIR PARA SOLUCIONAR PLANO DE ACÇÃO PARA 2010 Plano de Acção 20010 1 Após elaboração do Plano de Desenvolvimento Social, onde estão definidas as

Leia mais

APRESENTAÇÃO DO PROGRAMA

APRESENTAÇÃO DO PROGRAMA APRESENTAÇÃO DO PROGRAMA AGENDA AS 5 MARCAS DO POPH I EIXOS PRIORITÁRIOS II ARRANQUE DO PROGRAMA III I AS 5 MARCAS DO POPH AS 5 MARCAS DO POPH 1 O MAIOR PROGRAMA OPERACIONAL DE SEMPRE 8,8 mil M 8,8 Mil

Leia mais

21 de Outubro de

21 de Outubro de 21 de Outubro de 2008 1 Conceito e Finalidade Sistema de articulação de diferentes parceiros públicos e privados que tem por objectivos: Criar um ambiente institucional favorável à expansão de um voluntariado

Leia mais

Rede Social CLAS Fornos de Algodres C.L.A.S. CONSELH0 LOCAL DE ACÇÃO SOCIAL DO MUNICIPIO DE FORNOS DE ALGODRES

Rede Social CLAS Fornos de Algodres C.L.A.S. CONSELH0 LOCAL DE ACÇÃO SOCIAL DO MUNICIPIO DE FORNOS DE ALGODRES C.L.A.S. CONSELH0 LOCAL DE ACÇÃO SOCIAL DO MUNICIPIO DE FORNOS DE ALGODRES ABRIL DE 2009 NOTA INTRODUTÓRIA No documento aqui apresentado estão identificados os projectos e intervenções a realizar no Município

Leia mais

PLANO DE ACÇÃO JANEIRO 2008 / DEZEMBRO 2008

PLANO DE ACÇÃO JANEIRO 2008 / DEZEMBRO 2008 PLAN DE ACÇÃ JANEIR 2008 / DEZEMBR 2008 Janeiro de 2008 PLAN DE ACÇÃ 2008 1 ÍNDICE Plano de Acção Introdução Eixos de Intervenção Educação Formação / Qualificação Formação Profissional / Emprego Envelhecimento/

Leia mais

Núcleo Executivo do CLAS de Mafra, 28 Maio de

Núcleo Executivo do CLAS de Mafra, 28 Maio de Plano de Ação Rede Social Mafra Eixo I - DEMOGRAFIA E EQUIPAMENTOS (INFRA-ESTRUTURAS DE APOIO) Objectivo geral 1. Reforçar as estruturas de apoio ao idoso Objectivo Específico 1. Aumentar a capacidade

Leia mais

Plano Integrado de Combate à Exclusão Social na Escola e de Prevenção do Abandono Escolar

Plano Integrado de Combate à Exclusão Social na Escola e de Prevenção do Abandono Escolar SECRETARIA REGIONAL DA EDUCAÇÃO E CULTURA DIREÇÃO REGIONAL DA EDUCAÇÃO ESCOLA BÁSICA INTEGRADA DE RIBEIRA GRANDE Equipa Multidisciplinar da EBI de Ribeira Grande Plano Integrado de Combate à Exclusão Social

Leia mais

REDE SOCIAL DO CONCELHO DE BEJA

REDE SOCIAL DO CONCELHO DE BEJA PLANODEAÇÃO DA REDE SOCIAL DO CONCELHO DE BEJA'15 Estrutura Resumida REDE SOCIAL DO CONCELHO DE BEJA Ficha Técnica Responsáveis Técnicos: - Nélia Silva - Fundação S. Barnabé - Graça Loução Centro Distrital

Leia mais

Rede Social. Ourique

Rede Social. Ourique Rede Social Ourique Ficha Técnica Título: Plano de Desenvolvimento Social do Concelho de Ourique Autoria: Núcleo Executivo da Rede Social de Ourique Agrupamento Vertical de Escolas de Ourique Centro de

Leia mais

Plano de Acção 2007/2008. Eixo I Promover as competências sócio-educativas da população do Concelho

Plano de Acção 2007/2008. Eixo I Promover as competências sócio-educativas da população do Concelho Plano de Acção 2007/2008 Eixo I Promover as competências sócio-educativas da população do Concelho Projecto: Formação da População Adulta - Dinamização do Centro RVC (Iniciativa Novas Oportunidades) -

Leia mais

CONSELHO LOCAL DE ACÇÃO SOCIAL DE SÃO BRÁS DE ALPORTEL. Plano de Desenvolvimento Social de São Brás de Alportel 2006/2010

CONSELHO LOCAL DE ACÇÃO SOCIAL DE SÃO BRÁS DE ALPORTEL. Plano de Desenvolvimento Social de São Brás de Alportel 2006/2010 CONSELHO LOCAL DE ACÇÃO SOCIAL DE SÃO BRÁS DE ALPORTEL Plano de Desenvolvimento Social de São Brás de Alportel 2006/2010 PLANO DE ACÇÃO 2010 LISTA DE SIGLAS APEASBA Associação de País e Encarregados de

Leia mais

Ficha de Caracterização de Entidade/Projecto CLDS - ESPIRAL

Ficha de Caracterização de Entidade/Projecto CLDS - ESPIRAL Ficha de Caracterização de Entidade/Projecto CLDS - ESPIRAL 2 A. IDENTIFICAÇÃO GERAL DA ENTIDADE Projecto(s) Projecto Espiral - Contrato Local de Desenvolvimento Promotor(es): CESIS - Centro de Estudos

Leia mais

3,11% 3,03% 2,82% 2,76% 2,56% 1,92% 1,62% 1,52% 1,48% 0,00% 1,00% 2,00% 3,00% 4,00% 5,00% 6,00%

3,11% 3,03% 2,82% 2,76% 2,56% 1,92% 1,62% 1,52% 1,48% 0,00% 1,00% 2,00% 3,00% 4,00% 5,00% 6,00% Problemáticas Especificas e Respostas Sociais Famílias e comunidade Rendimento Social de Inserção População Beneficiária de RSI (%) Barreiro Montijo Almada Setúbal Peninsula de Setúbal Portugal Continental

Leia mais

Oferta Formativa da UDIPSS Aveiro

Oferta Formativa da UDIPSS Aveiro Oferta Formativa da UDIPSS Aveiro Cursos: Formação Pedagógica Inicial de Formadores em Gerontologia homologado pelo IEFP Licenciados Destinatários: Legislação Laboral Contrato Colectivo de Trabalho Direcção

Leia mais

Conselho Local de Ação Social

Conselho Local de Ação Social Conselho Local de Ação Social Índice Introdução... 6 Eixo I - Demografia... 7 Eixo II Educação/Nível de Instrução... 8 Eixo III Economia... 11 Eixo IV Grupos Vulneráveis... 13 Avaliação.26 2 Ficha Técnica

Leia mais

Plano Municipal Contra a Violência Doméstica Prolongamento

Plano Municipal Contra a Violência Doméstica Prolongamento Plano Municipal Contra a Violência Doméstica 2011-14 Prolongamento Plano Municipal Contra a Violência 2011 2013 Prolongamento O Plano Municipal Contra a Violência 2011/13, teve por objetivo estruturar

Leia mais

EIXO 1: EMPREGO, QUALIFICAÇÃO, EMPREENDEDORISMO E INICIATIVA LOCAL

EIXO 1: EMPREGO, QUALIFICAÇÃO, EMPREENDEDORISMO E INICIATIVA LOCAL EIXO 1: EMPREGO, QUALIFICAÇÃO, EMPREENDEDORISMO E INICIATIVA LOCAL Desenvolver as condições facilitadoras da criação de emprego, combate ao desemprego e incentivo à iniciativa local referente ao empreendedorismo

Leia mais

Plano de Acção 2006/2007. Rede Social Concelho da Lourinhã

Plano de Acção 2006/2007. Rede Social Concelho da Lourinhã Plano de Acção 2006/2007 Rede Social Concelho da Lourinhã E I X O I Intervenção Dirigida a Grupos Específicos EIXO I : INTERVENÇÃO DIRIGIDA A GRUPOS ESPECIFICOS OBJECTIVO GERAL: Até Dezembro de 2007 existem

Leia mais

Instituto da Segurança Social, I.P. Centro Distrital da Guarda

Instituto da Segurança Social, I.P. Centro Distrital da Guarda PLANEAMENTO ESTRATÉGICO SUPRACONCELHIO Plataforma Supraconcelhia * Beira Interior Norte (PSCBIN) Diagnóstico Social (DS) e Plano de Desenvolvimento Social (PDS) 11 / Dezembro / 2009 Instituto da Segurança

Leia mais

CLUBE DE EMPREGO SOCIOHABITAFUNCHAL PLANO DE ACTIVIDADES

CLUBE DE EMPREGO SOCIOHABITAFUNCHAL PLANO DE ACTIVIDADES PLANO DE ACTIVIDADES 2010 2011 Identificação Entidade: Sociohabitafunchal, E.M Animadora: Célia Dantas Localização: Centro Cívico de Santo António Designação O Clube de Emprego é um serviço promovido pelo

Leia mais

Plano Local de Promoção dos Direitos da Criança

Plano Local de Promoção dos Direitos da Criança Plano Local de Promoção dos Direitos da Criança Breve Enquadramento O Plano Local de Promoção dos Direitos da Criança constitui o resultado do Projeto Tecer a, promovido pela Comissão Nacional de Promoção

Leia mais

Plano de Desenvolvimento Social do Concelho de Soure

Plano de Desenvolvimento Social do Concelho de Soure / Ano 1 ÍNDICE 1 - Introdução 3 Pág. 2- Plano de Acção dos Projectos Estruturantes Transversais do Concelho de 4 2.1. Projecto Estruturante Apoio na Dependência 5 2.2. Projecto Estruturante Criar para

Leia mais

Plano de Desenvolvimento Social

Plano de Desenvolvimento Social Plano de Desenvolvimento Social 65 6. Planear para Intervir Objectivos e Estratégias Numa fase seguinte, após a consequente identificação das vulnerabilidades concelhias /eixos estratégicos de intervenção

Leia mais

PROGRAMA REDE SOCIAL PLANO DE ACÇÃO 2006/2007 CONCELHO DE ARRUDA DOS VINHOS

PROGRAMA REDE SOCIAL PLANO DE ACÇÃO 2006/2007 CONCELHO DE ARRUDA DOS VINHOS PLANO DE ACÇÃO 2006/2007 CONCELHO DE ARRUDA DOS VINHOS PROGRAMA REDE SOCIAL PROJECTO FINANCIADO PELO ESTADO PORTUGUÊS MINISTÉRIO DA SEGURANÇA SOCIAL E DO TRABALHO Junho 2006 Conselho Local de Acção Social

Leia mais

RELATÓRIO DE MONITORIZAÇÃO CLDS MARINHA SOCIAL

RELATÓRIO DE MONITORIZAÇÃO CLDS MARINHA SOCIAL RELATÓRIO DE MONITORIZAÇÃO CLDS MARINHA SOCIAL O presente relatório reflecte a actividade do CLDS Marinha Social, desde o inicio da sua actividade, em Julho de 2009 até Junho de 2010, analisando-se 2 momentos

Leia mais

A Rede Social é definida como um fórum de articulação e congregação de esforços baseado na adesão livre por parte das autarquias e das entidades

A Rede Social é definida como um fórum de articulação e congregação de esforços baseado na adesão livre por parte das autarquias e das entidades 1 A Rede Social é definida como um fórum de articulação e congregação de esforços baseado na adesão livre por parte das autarquias e das entidades públicas ou privadas sem fins lucrativos que nela queiram

Leia mais

1.1.1.1. Objectivo Especifico Garantir que os alunos de 1.º e 2.º Ciclo assistam a acções de prevenção primária da toxicodependência.

1.1.1.1. Objectivo Especifico Garantir que os alunos de 1.º e 2.º Ciclo assistam a acções de prevenção primária da toxicodependência. Conselho Local de Acção Social de de Ourique Cuba Plano de Acção 2008 - Rede Social Programação Anual. Prioridade Promover a melhoria das condições de vida das crianças, dos idosos e das famílias através

Leia mais

Rede Social de Vila Pouca de Aguiar

Rede Social de Vila Pouca de Aguiar Introdução... 3 Plano de Desenvolvimento Social... 4 O que é o Plano de Desenvolvimento Social?... 4 Para que serve o Plano de Desenvolvimento Social?... 4 O Plano de Desenvolvimento Social como processo

Leia mais

Caracterização da comunidade escolar

Caracterização da comunidade escolar 1. Corpo discente Caracterização da comunidade escolar O Agrupamento de Escolas de Amareleja é frequentado por um total de 709 alunos, assim distribuídos: Quadro 1: Número de alunos por ciclo/ estabelecimento

Leia mais

ACOLHER, REPARAR E PROMOVER

ACOLHER, REPARAR E PROMOVER GESTÃO E ORGANIZAÇÃO INTERNA Planificação e organização; Elaboração do Plano Anual de Atividades 2016-2017; Definição de calendário de reuniões ordinárias 2016-2017: EE (mensal); ET (semanal), Funcionários

Leia mais

PLANO DE ATIVIDADES CLAS VISEU 2014

PLANO DE ATIVIDADES CLAS VISEU 2014 PLANO DE ATIVIDADES CLAS VISEU 2014 AÇÃO ATIVIDADES INTERVENIENTES Calendarização das Atividades J F M A M J J A S O N D 1) Realizar quatro reuniões plenárias durante o ano de 2014 1.1) Realização de uma

Leia mais

27 de junho de Domingos Lopes

27 de junho de Domingos Lopes 27 de junho de 2016 Domingos Lopes Objetivos Temáticos OT 8. Promover a sustentabilidade e a qualidade do emprego e apoiar a mobilidade dos trabalhadores assumindo como meta nacional, até 2020, o aumento

Leia mais

Actividades de dinamização social e melhoria da qualidade de vida

Actividades de dinamização social e melhoria da qualidade de vida Actividades de dinamização social e melhoria da qualidade de vida O EXEMPLO DA CÂMARA MUNICIPAL DE VALONGO EUNICE NEVES OBJECTIVOS Igualdade Direitos Humanos Cidadania Activa e Inclusiva Conciliação Novas

Leia mais

Programa Rede Social Nisa PLANO DE AÇÃO Câmara Municipal de Nisa. Praça do Município Nisa Telefone

Programa Rede Social Nisa PLANO DE AÇÃO Câmara Municipal de Nisa. Praça do Município Nisa Telefone PLANO DE AÇÃO 2017 NOTA PRÉVIA Decorrente do processo de atualização do diagnóstico social e do plano de desenvolvimento social, da Rede Social do Concelho de Nisa e numa perspetiva de continuidade em

Leia mais

REDE SOCIAL REGULAMENTO INTERNO CONSELHO LOCAL DE ACÇÃO SOCIAL (CLAS) DE ALJUSTREL

REDE SOCIAL REGULAMENTO INTERNO CONSELHO LOCAL DE ACÇÃO SOCIAL (CLAS) DE ALJUSTREL REDE SOCIAL REGULAMENTO INTERNO CONSELHO LOCAL DE ACÇÃO SOCIAL (CLAS) DE ALJUSTREL Introdução As alterações inerentes à evolução da sociedade actual, evidenciaram problemas e necessidades que exigem uma

Leia mais

Experiência Supraconcelhia do Tâmega e Sousa

Experiência Supraconcelhia do Tâmega e Sousa Experiência Supraconcelhia do Tâmega e Sousa conjunto de ações e comportamentos estabelecidos através da interação social que permite aos parceiros, a capacidade de agir, participar e provocar mudança

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE MOURÃO - Ano Letivo 2015/ 2016 PLANO PLURIANUAL DE ATIVIDADES ( ) Eixo I - APOIO À MELHORIA DAS APRENDIZAGENS

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE MOURÃO - Ano Letivo 2015/ 2016 PLANO PLURIANUAL DE ATIVIDADES ( ) Eixo I - APOIO À MELHORIA DAS APRENDIZAGENS PLANO PLURIANUAL DE ATIVIDADES (2015-2017) Eixo I - APOIO À MELHORIA DAS APRENDIZAGENS Designação da Ativida Calendarização Dinamizadores Público Alvo Oficina Gramática e leitura Oficina da escrita Plano

Leia mais

Agrupamento de Escolas José Maria dos Santos

Agrupamento de Escolas José Maria dos Santos Agrupamento de Escolas José Maria dos Santos Carta de Missão 2013/2017 Maria Guilhermina Cruz de Pina Madeira Barros Ramos Compromissos Objetivos Estratégias Metas/Critérios de sucesso C1 Sucesso escolar

Leia mais

Projecto GPS Gabinete de Proximidade para a Sustentabilidade

Projecto GPS Gabinete de Proximidade para a Sustentabilidade Projecto GPS Gabinete de Proximidade para a Sustentabilidade Actividade Formativa - Intervenção Comunitária Data 13 e 14 de Maio de 2009 Local Auditório do Edifício Cultural Município de Peniche Participação:

Leia mais

A Taxa de Insucesso Escolar verificada no Concelho, revela-se bastante elevada quando comparada com a registada a nível nacional. De referir também,

A Taxa de Insucesso Escolar verificada no Concelho, revela-se bastante elevada quando comparada com a registada a nível nacional. De referir também, A Taxa de Insucesso Escolar verificada no Concelho, revela-se bastante elevada quando comparada com a registada a nível nacional. De referir também, o facto de o insucesso escolar aumentar à medida que

Leia mais

Centro de Recursos TEIA

Centro de Recursos TEIA Quem somos O Contrato Local Desenvolvimento Social 3ª Geração do Concelho Ourém (CLDS 3G) Centro de Recursos TEIA - iniciou a sua atividade a 2 de Novembro de 2015, tem como Entidade Coordenadora Local

Leia mais

Rede Social de Coimbra

Rede Social de Coimbra Divisão de Acção Social e Família Boletim Informativo Nº. 12 22/07/2009 NOVIDADES: 7, 8, 9 e 10 de Setembro Projecto EluSIDA na Escola Casa Municipal da Cultura Rede Social de Coimbra EDITORIAL A Rede

Leia mais

Plano de Ação Índice Sumário Executivo A Rede Social no concelho de Alenquer O Plano de Ação...

Plano de Ação Índice Sumário Executivo A Rede Social no concelho de Alenquer O Plano de Ação... PLANO DE AÇÃO 2014 Índice 1. - Sumário Executivo... 1 Pág. 2. - A Rede Social no concelho de Alenquer... 2 2.1. - O Plano de Ação...2 3. - Análise de Eixos de Intervenção... 3 Eixo I.- Deficiência... 4

Leia mais

Índice. Índice de Quadros. Índice de Siglas

Índice. Índice de Quadros. Índice de Siglas 2016 Plano de Ação Índice Índice de Quadros... 2 Índice de Siglas... 2 Sumário Executivo... 4 1. Plano Operacional... 5 2. Monitorização / Avaliação... 11 Índice de Quadros Quadro 1 - Planificação da de

Leia mais

PLANO DE ACÇÃO Comissão Social de Freguesia de Odivelas. Aderentes à Comissão Social de Freguesia de Odivelas

PLANO DE ACÇÃO Comissão Social de Freguesia de Odivelas. Aderentes à Comissão Social de Freguesia de Odivelas Um Plano de Acção consiste num instrumento componente do Plano de Desenvolvimento Social, que define sistematicamente, as acções a desenvolver, o cronograma, os parceiros responsáveis e os recursos. 1

Leia mais

INICIATIVA NOVAS OPORTUNIDADES. Ministério do Trabalho e da Solidariedade Social Ministério da Educação

INICIATIVA NOVAS OPORTUNIDADES. Ministério do Trabalho e da Solidariedade Social Ministério da Educação INICIATIVA NOVAS OPORTUNIDADES Ministério do Trabalho e da Solidariedade Social Ministério da Educação INDICE 1. OBJECTIVO 2. PORQUÊ A INICIATIVA? 3. PARA OS JOVENS: UMA OPORTUNIDADE NOVA 4. PARA OS ADULTOS:

Leia mais

REUNIÃO DE TRABALHO PI 10.i 30 de setembro, Coimbra

REUNIÃO DE TRABALHO PI 10.i 30 de setembro, Coimbra REUNIÃO DE TRABALHO PI 10.i 30 de setembro, Coimbra CENTRO 2020 POR EIXOS Eixo 1 Investigação, Desenvolvimento e Inovação (IDEIAS) 7,8% 169 M 2,5% 54 M Eixo 10 Assistência Técnica Eixo 2 Competitividade

Leia mais

CLDS 3G REDONDO. Gerar Evolução

CLDS 3G REDONDO. Gerar Evolução CLDS 3G REDONDO Gerar Evolução Enquadramento: A presente síntese do projeto CLDS 3G Redondo GERAR EVOLUÇÃO, da responsabilidade Entidade Coordenadora Local (Centro Infantil Nossa Senhora da Saúde de Redondo),

Leia mais

PLATAFORMA TERRITORIAL Baixo Mondego

PLATAFORMA TERRITORIAL Baixo Mondego Prioridades - Família e Comunidade Mortágua Mealhada Prioridade 1 assegurem os seus Prioridade 1 assegurem os seus Criação de mais serviços de apoio à família (refeição e animação de actividades de tempos

Leia mais

PROGRAMA DE ACÇÃO SAÚDE. - Advocacia junto ao Ministério da Saúde para criação de mais centros de testagem voluntária.

PROGRAMA DE ACÇÃO SAÚDE. - Advocacia junto ao Ministério da Saúde para criação de mais centros de testagem voluntária. PROGRAMA DE ACÇÃO A diversidade e complexidade dos assuntos integrados no programa de acção da OMA permitirá obter soluções eficazes nos cuidados primários de saúde, particularmente na saúde reprodutiva

Leia mais

PLANO DE FORMACÃO PARA A PRÁTICA DE VOLUNTARIADO

PLANO DE FORMACÃO PARA A PRÁTICA DE VOLUNTARIADO BANCO DE VOLUNTARIADO PLANO DE FORMACÃO PARA A PRÁTICA DE VOLUNTARIADO 1 ORGANIZAÇÃO FACULDADE DE PSICOLOGIA E DE CIÊNCIAS DA EDUCAÇÃO OBSERVATÓRIO DA CIDADANIA E INTERVENÇÃO SOCIAL 1 ABRIL 2014 10 JULHO

Leia mais

Plano desenvolvimento social

Plano desenvolvimento social Plano desenvolvimento social 2014-2016 Área Intervenção I FAMÍLIA (HABITAÇÃO/EDUCAÇÃO) - Problemas ao nível do parque habitacional; - Falta de expetativas/ objetivos ao nível educativo; - Défice de competências

Leia mais

Comissão de Protecção de Crianças e Jovens de Arganil. Plano de Actividades para Efectuar levantamento das iniciativas de

Comissão de Protecção de Crianças e Jovens de Arganil. Plano de Actividades para Efectuar levantamento das iniciativas de ACÇÃO Nº I NOVOS (PER)CURSOS DE VIDA Caracterização da Acção Recursos a Afectar Calendarização Público-Alvo Grupo de Trabalho - Efectuar levantamento das iniciativas de 1. Estimular a participação dos

Leia mais

PLANO DE INTERVENÇÃO

PLANO DE INTERVENÇÃO DEPARTAMENTO DE EXPRESSÕES EQUIPA INTERDISCIPLINAR PLANO DE INTERVENÇÃO ANOS LECTIVOS 2009/2010 e 2010/2011 ÍNDICE Nota Introdutória.. 3 Parte I - Caracterização..4 1.1 Caracterização do Ambiente Interno.4

Leia mais

DAP DINÂMICAS DE ACÇÃO-PREVENÇÃO

DAP DINÂMICAS DE ACÇÃO-PREVENÇÃO DAP DINÂMICAS DE ACÇÃO-PREVENÇÃO Apresentação do Projecto Escola E.B 2,3 Passos José OBJECTIVOS GERAIS Fomentar a integração dos alunos no contexto escolar, promovendo o sucesso educativo Agir preventiva

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO Página 1

REGULAMENTO INTERNO Página 1 REGULAMENTO INTERNO DO CONSELHO LOCAL DE AÇÃO SOCIAL DE ALMODÔVAR Página 1 REGULAMENTO INTERNO DO CONSELHO LOCAL DE ACÇÃO SOCIAL DE ALMODÔVAR PREÂMBULO Considerando a necessidade de uma maior articulação

Leia mais

Rede Social: Conselho Local de Acção Social de Campo Maior

Rede Social: Conselho Local de Acção Social de Campo Maior 1 Prioridade: Combater a pobreza das crianças, dos idosos e das famílias, através de medidas que assegurem os seus direitos básicos de cidadania Mercado de Emprego Promover a melhoria das condições de

Leia mais

PLANO DO DEPARTAMENTO DE LÍNGUAS

PLANO DO DEPARTAMENTO DE LÍNGUAS PLANO DO DEPARTAMENTO DE LÍNGUAS ANO LECTIVO 2010/2011 Introdução O Plano do Departamento de Línguas tem como pressupostos o Projecto Educativo em vigor da Escola Secundária da Baixa da Banheira cujos

Leia mais

REGULAMENTO DA PLATAFORMA SUPRACONCELHIA DA BEIRA INTERIOR NORTE

REGULAMENTO DA PLATAFORMA SUPRACONCELHIA DA BEIRA INTERIOR NORTE REGULAMENTO DA PLATAFORMA SUPRACONCELHIA DA BEIRA INTERIOR NORTE O presente regulamento destina-se a dar a conhecer os princípios a que obedecem a organização e a articulação da Rede Social ao nível supraconcelhio,

Leia mais

ASSSSUNTTO Cria Agência Nacional para a gestão das 2ªs fases dos programas de acção comunitária: Leonardo da Vinci e Socrates

ASSSSUNTTO Cria Agência Nacional para a gestão das 2ªs fases dos programas de acção comunitária: Leonardo da Vinci e Socrates DIÁRIOS DA REPUBLLI ICA DEESSI IGNAÇÇÃO: : PPrrooggrraamaass EEMI ITTI IDO PPOR: : Ministério do Emprego e da Segurança Social ASSSSUNTTO Aprova o regime de apoio técnico e financeiro a programas de reabilitação

Leia mais

A RESPONSABILIDADE SOCIAL E AMBIENTAL PARA UMA INCLUSÃO SUSTENTÁVEL

A RESPONSABILIDADE SOCIAL E AMBIENTAL PARA UMA INCLUSÃO SUSTENTÁVEL A RESPONSABILIDADE SOCIAL E AMBIENTAL PARA UMA INCLUSÃO SUSTENTÁVEL Seminário 19.Novembro.2012 Amadora, Agência Portuguesa do Ambiente PERCURSOS PELO AMBIENTE Organização: CESIS & COOPERACTIVA Autoras:

Leia mais

Promover condições de empregabilidade das pessoas com deficiências e incapacidades, visando a consagração do direito de exercício pleno da cidadania.

Promover condições de empregabilidade das pessoas com deficiências e incapacidades, visando a consagração do direito de exercício pleno da cidadania. Formação Profissional para Pessoas ou Grupos com Necessidades Especiais Práticas do Centro de Reabilitação Profissional da CERCIPENICHE Cooperativa de Educação e Reabilitação de Cidadãos Inadaptados de

Leia mais

Plano de Ações de Melhoria

Plano de Ações de Melhoria Plano de Ações de Escola Básica Elias Garcia Escola Básica Miquelina Pombo J. I. da Sobreda 2014/2015 1 INTRODUÇÃO O presente plano de ações de melhoria 2014/15 - resulta da avaliação do plano de ações

Leia mais

GABINETE DE APOIO AO ALUNO E À FAMÍLIA

GABINETE DE APOIO AO ALUNO E À FAMÍLIA MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO GABINETE DE APOIO AO ALUNO E À FAMÍLIA Relatório de Actividades do 1º Período Técnica Superior de Educação: Catarina Miranda Oliveira 2010/2011 E S C O L A S E C U N D Á R I A D

Leia mais

Escola Secundária 3EB Dr. Jorge Correia Tavira Direcção Regional de Educação do Algarve CENTRO NOVAS OPORTUNIDADES

Escola Secundária 3EB Dr. Jorge Correia Tavira Direcção Regional de Educação do Algarve CENTRO NOVAS OPORTUNIDADES Regulamento Artigo 1º Definição O Centro Novas Oportunidades é uma estrutura que tem como missão proporcionar a todos os adultos uma oportunidade de qualificação e de certificação, de nível básico ou secundário,

Leia mais

DIREÇÃO REGIONAL DE QUALIFICAÇÃO PROFISSIONAL DIVISÃO DE ENCAMINHAMENTO E CERTIFICAÇÃO DE COMPETÊNCIAS

DIREÇÃO REGIONAL DE QUALIFICAÇÃO PROFISSIONAL DIVISÃO DE ENCAMINHAMENTO E CERTIFICAÇÃO DE COMPETÊNCIAS DIREÇÃO REGIONAL DE QUALIFICAÇÃO PROFISSIONAL DIVISÃO DE ENCAMINHAMENTO E CERTIFICAÇÃO DE COMPETÊNCIAS O que são? Centros para a Qualificação e o Ensino Profissional Os CQEP são estruturas do Sistema Nacional

Leia mais

União das Freguesias de Lagoa e Carvoeiro

União das Freguesias de Lagoa e Carvoeiro I Informação do Presidente acerca da sua atividade e da Junta de Freguesia (período compreendido entre 28 de Dezembro de 2013 e 22 de Abril de 2014) SERVIÇOS ADMINISTRATIVOS Atendimento dos fregueses duas

Leia mais

Entidade responsável pela Execução

Entidade responsável pela Execução Eixo Estratégico I - Parcerias e Economia Solidária 2009, 3 acções de sensibilização/formação para dirigentes Associativos com vista à melhoria do seu desempenho. 2009, 3 acções de formação para técnicos

Leia mais

P L A N O D E D E S E N V L V I M E N T C I A L. Rede Social de Arganil

P L A N O D E D E S E N V L V I M E N T C I A L. Rede Social de Arganil P L A N O D E D E S E N V O L V I M E N T O Rede Social de Arganil 2010-2013 S O C I A L Plano Desenvolvimento Social 2010-2013 O Plano de Desenvolvimento Social deverá assumir-se como instrumento de definição

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE MOURÃO

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE MOURÃO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE MOURÃO Plano Plurianual de Atividades (2013-2017) Plano Anual de Atividades (2015-2016) ÍNDICE Introdução... 2 Planeamento e organização escolar Calendário escolar 2015-2016...

Leia mais

ASSOCIAÇÃO TODOS PELOS OUTROS - TPO PLANO DE ATIVIDADES

ASSOCIAÇÃO TODOS PELOS OUTROS - TPO PLANO DE ATIVIDADES PLANO DE ATIVIDADES 2014 1. Introdução A ASSOCIAÇÃO TODOS PELOS OUTROS - TPO, é uma Associação sem fins lucrativos, com sede na Rua D. Duarte Nuno, nº 50, 3025-582 São Silvestre, na freguesia de São Silvestre,

Leia mais

SISTEMA DE INFORMAÇÃO REDE SOCIAL MIRANDELA SISTEMA DE INFORMAÇÃO

SISTEMA DE INFORMAÇÃO REDE SOCIAL MIRANDELA SISTEMA DE INFORMAÇÃO SISTEMA DE INFORMAÇÃO 1 TERRITÓRIO Número de Freguesias Tipologia das Freguesias (urbano, rural, semi urbano) Área Total das Freguesias Cidades Estatísticas Total (2001, 2008, 2009) Freguesias Área Média

Leia mais

PROGRAMA REDE SOCIAL

PROGRAMA REDE SOCIAL PROGRAMA REDE SOCIAL Valongo CONSELHO LOCAL DE ACÇÃO SOCIAL DE VALONGO - CLAS - REGULAMENTO INTERNO Aprovado em reunião do Conselho Local de Acção Social de Valongo a 02 de Julho de 2003 CAPÍTULO l Âmbito

Leia mais

Iniciativa Novas Oportunidades. Julho de Av. 24 de Julho, nº Lisboa Telf.: Fax:

Iniciativa Novas Oportunidades. Julho de Av. 24 de Julho, nº Lisboa Telf.: Fax: Iniciativa Novas Oportunidades Julho de 2010 1 Índice A. Iniciativa Novas Oportunidades...3 B. A rede nacional de Centros Novas Oportunidades...4 C. Protocolos de cooperação no âmbito da Iniciativa Novas

Leia mais

Rede Social. O que é a rede Social. Estrutura orgânica Metodologia Documentos produzidos

Rede Social. O que é a rede Social. Estrutura orgânica Metodologia Documentos produzidos Rede Social O que é a rede Social Estrutura orgânica Metodologia Documentos produzidos Rede Social O que é a rede Social O Programa REDE SOCIAL foi criado pela Resolução do Conselho de Ministros n.º 197/97

Leia mais

M U N I C Í P I O D E O L I V E I R A D O H O S P I T A L. Normas Regulamentares do Programa Férias + Solidárias

M U N I C Í P I O D E O L I V E I R A D O H O S P I T A L. Normas Regulamentares do Programa Férias + Solidárias Normas Regulamentares do Programa Férias + Solidárias Proposta de Normas Regulamentares do Programa Férias + Solidárias Preâmbulo Cabendo às autarquias locais um papel importante na promoção dos tempos

Leia mais

ESTRATÉGIA DE DESENVOLVIMENTO LOCAL. GAL Eu Também Conto!

ESTRATÉGIA DE DESENVOLVIMENTO LOCAL. GAL Eu Também Conto! ESTRATÉGIA DE DESENVOLVIMENTO LOCAL GAL Eu Também Conto! ESTRATÉGIA DE DESENVOLVIMENTO LOCAL 1 ESTRATÉGIA DE DESENVOLVIMENTO LOCAL (EDL) A EDL incide em traços gerais nas seguintes problemáticas: Acesso

Leia mais

CONSELHO LOCAL DE ACÇÃO SOCIAL DE BOTICAS REGULAMENTO INTERNO. Rede Social de Boticas CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS. Artigo 1.

CONSELHO LOCAL DE ACÇÃO SOCIAL DE BOTICAS REGULAMENTO INTERNO. Rede Social de Boticas CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS. Artigo 1. CONSELHO LOCAL DE ACÇÃO SOCIAL DE BOTICAS REGULAMENTO INTERNO CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS Artigo 1.º OBJECTO O presente regulamento interno destina-se a definir os princípios a que obedece a constituição,

Leia mais

Regulamento. Modelo de Intervenção Integrada do Concelho de Ourique (MII)

Regulamento. Modelo de Intervenção Integrada do Concelho de Ourique (MII) Regulamento Modelo de Intervenção Integrada do Concelho de Ourique (MII) Regulamento Modelo de Intervenção Integrada Nota justificativa O Modelo de Intervenção Integrada surge no âmbito da Rede Social,

Leia mais

Plano de Ação 2013 Autoria:

Plano de Ação 2013 Autoria: Supraconcelhia BAIXO VOUGA (Cf. Dec- Lei n.º 115/2006 de 14 Junho) Plano de Ação Autoria: julho Introdução Corresponde o presente documento à proposta de Plano de Ação de da Territorial Supra concelhia

Leia mais

Regulamento Interno Do Conselho Local de Acção Social Capitulo I

Regulamento Interno Do Conselho Local de Acção Social Capitulo I Regulamento Interno Do Conselho Local de Acção Social Capitulo I DISPOSIÇÕES GERAIS Artigo 1º Objecto O presente regulamento interno destina-se a definir e dar a conhecer os princípios a que obedece a

Leia mais

Lisboa 2015 FICHA DE CANDIDATURA

Lisboa 2015 FICHA DE CANDIDATURA Lisboa 2015 Refª: 038 DE JOVEM A LIDER Grupo de Trabalho dos Bairros e Zonas de Intervenção Prioritária (BIP/ZIP) Rua Nova do Almada, nº 2-3º Andar 1100-060 Lisboa Telefone: 21 322 73 60 Email - bip.zip@cm-lisboa.pt

Leia mais

EDITORIAL O QUE É A REDE SOCIAL

EDITORIAL O QUE É A REDE SOCIAL EDITORIAL A Rede Social de Estarreja constitui a maior concertação de parcerias no Concelho. De entre os seus objectivos, compete-lhe criar canais regulares de comunicação e informação entre os parceiros

Leia mais

Plataforma Supraconcelhia do Tâmega

Plataforma Supraconcelhia do Tâmega Regulamento da Plataforma Supraconcelhia do Tâmega Artigo 1º Objecto O presente regulamento define o processo de organização e funcionamento da Plataforma supraconcelhia do Tâmega, abreviadamente designada

Leia mais

ESTRUTURA ORGANIZATIVA DA ISCMPSA

ESTRUTURA ORGANIZATIVA DA ISCMPSA ESTRUTURA ORGANIZATIVA DA ISCMPSA Este documento visa dar corpo á orgânica dos serviços da Santa Casa, ou seja, definir competências, hierarquias e formas de actuação. Como a Santa Casa da Póvoa de Santo

Leia mais

Planificação de Actividades do Serviço de Psicologia e Orientação Ano Lectivo 2011/2012

Planificação de Actividades do Serviço de Psicologia e Orientação Ano Lectivo 2011/2012 Planificação de Actividades do Serviço de Psicologia e Orientação Ano Lectivo 2011/2012 Psicóloga Ana Rita Antunes (Pré-escolar e 1º Ciclo) C.P. nº 5148 Psicóloga Filipa Braamcamp Sobral (2º e 3º Ciclos

Leia mais

Comissão de Protecção De Crianças e Jovens De Arganil. Plano de Acção. Ano 2011 ACÇÃO Nº I SABER SER, SABER ESTAR

Comissão de Protecção De Crianças e Jovens De Arganil. Plano de Acção. Ano 2011 ACÇÃO Nº I SABER SER, SABER ESTAR Comissão de Protecção De Crianças e Jovens De Arganil Plano de Ano 2011 ACÇÃO Nº I SABER SER, SABER ESTAR ACÇÃO N.º I CONFERÊNCIA: Os Direitos das Crianças Gerais Específico Recursos a Afectar Calendarização

Leia mais

Regulamento Interno Gabinete de Atendimento e Acompanhamento Social /Protocolo de RSI

Regulamento Interno Gabinete de Atendimento e Acompanhamento Social /Protocolo de RSI Regulamento Interno Gabinete de Atendimento e Acompanhamento Social /Protocolo de RSI Rua do Formigoso N.º 103 Polvoreira 4835-168 Guimarães Telefone: 253 557 128 - Telemóvel: 91 051 36 36 rsipolvoreira@gmail.com

Leia mais