Plano de Desenvolvimento Social do Concelho de Soure

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Plano de Desenvolvimento Social do Concelho de Soure"

Transcrição

1 / Ano 1

2 ÍNDICE 1 - Introdução 3 Pág. 2- Plano de Acção dos Projectos Estruturantes Transversais do Concelho de Projecto Estruturante Apoio na Dependência Projecto Estruturante Criar para Inserir Projecto Estruturante Pontes para a Vida Programa do Concelho de Acções Desenvolvidas Plano de Acção da Comissão de Freguesia (CSF) de Plano de Acção - Avaliação do Programa 28 / Ano 2

3 1- INTRODUÇÃO Após a elaboração do Plano de Desenvolvimento (PDS), onde estão definidas as linhas estratégicas de intervenção por um prazo de 3/5 anos, é necessário proceder à preparação de um documento de planeamento anual, o Plano de Acção. Este documento é composto pela identificação dos projectos e intervenções previstos para um ano, que surgem devidamente enquadrados nas estratégias definidas no Plano de Desenvolvimento. O Plano de Acção deverá ser um documento exequível e não uma mera manifestação de intenções, o que implicará uma dimensão de contratualização entre os parceiros e exige um processo participado, em sintonia com um dos princípios do Programa Rede a Participação. As principais componentes de um Plano de Acção a implementar são, as seguintes: 1 - Definição das Acções 2 - Cronograma/ Calendário 3 - Definição dos responsáveis pela concretização dessas acções 4 - Parceiros intervenientes 5 - Recursos necessários / Ano 3

4 2 - PLANO DE ACÇÃO DOS PROJECTOS ESTRUTURANTES TRANSVERSAIS DO CONCELHO DE SOURE / Ano 4

5 / Ano 5

6 PLANO DE ACÇÃO PROJECTO ESTRUTURANTE: Apoio na Dependência OBJECTIVO GERAL: Em 2008 está acessível aos idosos/dependentes uma rede de respostas diferenciadas de acordo com as necessidades específicas Objectivo Estratégico 1: Em 2007 os idosos/dependentes têm acesso a respostas domiciliárias adequadas integradas ACÇÕES CRONOGRAMA RESPONSÁVEL PARCEIROS RECURSOS 1 - Constituição do grupo de trabalho 2 - Reunião para determinação de regras no apoio domiciliário e definição do tipo de respostas 3 - Reunião para uniformização de documentos relativos aos serviços prestados pelas IPSS s 4 - Reunião de apresentação de proposta de documentos/instrumentos comuns aos serviços prestados pelas IPSS s 15 de Março 29 de Abril 10 de Maio Outubro Segurança Centro de Saúde IPSS S: - ARSDOP; - Centro de Alfarelos; - Centro de Fig. do Campo; - Fundação Maria Luísa Ruas; - Centro de Assistência Paroquial da Granja do Ulmeiro; - Associação Cultural, Recreativa e de Samuel; - APPACDM; - Santa Casa da Misericórdia de ; - Casa do Povo de Vila Nova de Anços; - Ass. Cultural, Desportiva e de Sol. da Freguesia da Vinha da Rainha - Legislação sobre Apoio Domiciliário - Programas/Projectos - Técnicos do Gabinete de Acção da Câmara Municipal de - Técnico da Segurança - Técnicos das IPSS s - IPSS s / Ano 6

7 PLANO DE ACÇÃO PROJECTO ESTRUTURANTE: Apoio na Dependência OBJECTIVO GERAL: Em 2008 está acessível aos idosos/dependentes uma rede de respostas diferenciadas de acordo com as necessidades específicas Objectivo Estratégico 2: Em 2008 existem respostas de suporte domiciliário intermédias ACÇÕES CRONOGRAMA RESPONSÁVEL PARCEIROS RECURSOS 1 - Constituição do grupo de trabalho 2 - Definição do Plano de Trabalho 3 - Implementação de candidaturas e acordos com a Segurança 15 de Março Junho Durante /2006 e Grupo de Trabalho Segurança Centro de Saúde IPSS S: - ARSDOP; - Centro de Alfarelos; - Centro de Fig. do Campo; - Fundação Maria Luísa Ruas; - Centro de Assistência Paroquial da Granja do Ulmeiro; - Ass. Cultural, Recreativa e de Samuel; - APPACDM; - Santa Casa da Misericórdia de ; - Casa do Povo de Vila Nova de Anços; - Ass. Cultural, Desportiva e de Sol. da Freguesia da Vinha da Rainha - Dossiers de legislação de suporte - Programas/Projectos - Técnicos do Gabinete de Acção da Câmara Municipal de - Técnicos das IPSS s - Técnico da Segurança / Ano 7

8 PLANO DE ACÇÃO PROJECTO ESTRUTURANTE: Apoio na Dependência OBJECTIVO GERAL: Em 2008 está acessível aos idosos/dependentes uma rede de respostas diferenciadas de acordo com as necessidades específicas Objectivo Estratégico 3: Em 2008 existe resposta para grandes dependentes, cuidados paliativos e cuidados continuados ACÇÕES CRONOGRAMA RESPONSÁVEL PARCEIROS RECURSOS 1 - Constituição do grupo de trabalho 2 - Levantamento do número de técnicos para a constituição das equipas multidisciplinares 3 - Levantamento do número de técnicos e de equipamentos disponíveis 4 - Elaboração de candidaturas 15 Março Novembro Novembro Durante /2006 da da da da Segurança Centro de Saúde IPSS S: - ARSDOP; - Centro de Alfarelos; - Centro de Fig. do Campo; - Fundação Maria Luísa Ruas; - Centro de Assistência Paroquial da Granja do Ulmeiro; - Associação Cultural, Recreativa e de Samuel; - APPACDM; - Santa Casa da Misericórdia de ; - Casa do Povo Vila N. de Anços; - Ass. Cultural, Desportiva e de Solidariedade da Freguesia da Vinha da Rainha - Legislação sobre Grandes Dependentes - Programas/Projectos - Técnicos do Gabinete de Acção da Câmara Municipal de - Técnicos das IPSS s - Técnico da Segurança - IPSS s / Ano 8

9 / Ano 9

10 PLANO DE ACÇÃO PROJECTO ESTRUTURANTE: Criar para Inserir OBJECTIVO GERAL: Em 2008 o Concelho tem uma resposta organizada de empregabilidade nas Empresas de Inserção Objectivo Estratégico 1: Em 2007 o Concelho aumenta o n.º de empresas de inserção ACÇÕES CRONOGRAMA RESPONSÁVEL PARCEIROS RECURSOS 1 - Constituição do grupo de trabalho 2 - Recolha e disponibilização de legislação sobre Empresas de Inserção 3 - Recolha de dados sobre Empresas de Inserção existentes no Concelho 4 - Elaboração de candidaturas ao Instituto de Emprego e Formação Profissional 29 de Março Julho Maio Durante /2006 Gabinete de Acção da Câmara Municipal de Juntas de Freguesia do Concelho ADS IPSS S: - ARSDOP; - Centro de Alfarelos; - Centro de Figueiró do Campo; - Fundação Maria Luísa Ruas; - Centro de Assistência Paroquial da Granja do Ulmeiro; - Associação Cultural, Recreativa e de Samuel; - APPACDM; - Santa Casa da Misericórdia de ; - Casa da Criança Município de - Casa do Povo de Vila Nova de Anços; - Ass. Cultural, Desportiva e de Solidariedade da Freguesia da Vinha da Rainha -Instalações/Equipamentos das Juntas de Freguesia e das Instituições - Legislação sobre Empresas de Inserção - Instituto de Emprego e Formação Profissional / Ano 10

11 PLANO DE ACÇÃO PROJECTO ESTRUTURANTE: Criar para Inserir OBJECTIVO GERAL: Em 2008 o Concelho tem uma resposta organizada de empregabilidade nas Empresas de Inserção Objectivo Estratégico 2: Em 2008 as empresas de inserção abrangem áreas diversificadas ACÇÕES CRONOGRAMA RESPONSÁVEL PARCEIROS RECURSOS 1 - Constituição do grupo de trabalho 2 - Diagnóstico de possíveis áreas de novas Empresas de Inserção 3 - Apresentação de propostas para organização de novas Empresas de Inserção 29 de Março Novembro Durante /2006 Gabinete de Acção da Câmara Municipal de Juntas de Freguesia do Concelho ADS IPSS S: - ARSDOP; - Centro de Alfarelos; - Centro de Figueiró do Campo; - Fundação Maria Luísa Ruas; - Centro de Assistência Paroquial da Granja do Ulmeiro; - Associação Cultural, Recreativa e de Samuel; - APPACDM; - Santa Casa da Misericórdia de ; - Casa do Povo de Vila Nova de Anços; - Ass. Cultural, Desportiva e de Solidariedade. da Freguesia da Vinha da Rainha - Juntas de Freguesia - IPSS s - Legislação sobre Empresas de Inserção - Instituto de Emprego e Formação Profissional / Ano 11

12 / Ano 12

13 PLANO DE ACÇÃO PROJECTO ESTRUTURANTE: Pontes para a Vida OBJECTIVO GERAL: Até 2008 os jovens têm acesso a oferta educativa nos cursos de Educação e Formação. Objectivo Estratégico1: Em 2006 os jovens com idade inferior a 15 anos têm acesso a cursos de Educação e Formação ACÇÕES CRONOGRAMA RESPONSÁVEL PARCEIROS RECURSOS 1 - Constituição do grupo de trabalho 2 - Recolha de informação sobre cursos de Educação e Formação 3 - Organização de um dossier sobre legislação dos cursos de Educação e Formação 4 - Elaboração de candidaturas 14 de Abril Maio/Junho Maio/Junho Durante /2006 Gabinete de Acção da Câmara Municipal de - Câmara Municipal de - Instituto de Segurança - Direcção Regional de Educação do Centro - Agrupamento de Escolas de - Escola Secundária Martinho Árias de - Instituto Tecnológico e Prof. Da Fig. Da Foz/ - Instituto Pedro Hispano da Granja do Ulmeiro - Associações de Pais e Encarregados de Educação - Dossiers de legislação de suporte sobre Cursos de Educação e Formação - Dossiers com dados sobre as entidades empregadoras Do Concelho de - Programas / Projectos / Ano 13

14 PLANO DE ACÇÃO PROJECTO ESTRUTURANTE: Pontes para a Vida OBJECTIVO GERAL: Até 2008 os jovens têm acesso a oferta educativa nos cursos de Educação e Formação. Objectivo Estratégico 2: Em 2006 existe articulação entre oferta formativa e as entidades empregadoras ACÇÕES CRONOGRAMA RESPONSÁVEL PARCEIROS RECURSOS 1 - Constituição do grupo de trabalho 2 - Recolha e sistematização da informação sobre as entidades empregadoras do Concelho de 3- Definição de regras e momentos de articulação entre entidades educativas 14 de Abril Agosto Junho/Setembro Núcleo Executivo da Gabinete de Acção da Câmara Municipal de - Câmara Municipal de - Instituto de Segurança - Direcção Regional de Educação do Centro - Agrupamento de Escolas de - Escola Secundária Martinho Árias de - Instituto Tecnológico e Prof. da Figueira da Foz/ - Instituto Pedro Hispano da Granja do Ulmeiro - Associações de Pais e Encarregados de Educação - Dossiers de legislação de suporte sobre Cursos de Educação e Formação - Dossiers com dados sobre as entidades empregadoras Do Concelho de - Programas / Projectos / Ano 14

15 3 - PROGRAMA DA REDE SOCIAL DO CONCELHO DE SOURE - ACÇÕES DESENVOLVIDAS - / Ano 15

16 PROGRAMA DA REDE SOCIAL DO CONCELHO DE SOURE ACÇÕES DESENVOLVIDAS ACÇÕES CRONOGRAMA RESPONSÁVEL PARCEIROS RECURSOS Apresentação da candidatura ao Programa Aprovação da candidatura - Sessão de Informação - Constituição do Grupo Dinamizador Formação: «Desenvolvimento e Planificação Estratégica Territorial Nível 1 Elaboração da proposta de Regulamento Interno Novembro 2002 Janeiro de Junho ,27, 30 de Junho e 01 Julho de de Julho 2003 Câmara Municipal de Câmara Municipal de Instituto de Segurança e Câmara Municipal de Inst. de Segurança Centro de Competências para a Formação Grupo Dinamizador - Juntas de Freguesia, IPSS s, Seg., DREC, IEFP, Associação Empresarial de, Centro de Saúde de, Ministério Público, AHBV de, GNR de e ADS - Segurança - Legislação do Programa Rede - Biblioteca Municipal de - Retroprojector - Datashow - Legislação do Programa Rede - DREC - Material de - Representante das Apoio IPSS s no CLAS de CLAS de - Regulamento Interno / Ano 16

17 ACÇÕES CRONOGRAMA RESPONSÁVEL PARCEIROS RECURSOS Reunião Inter CLAS 2.º Encontro Nacional da Reunião do Plenário do CLAS - Sessão de Constituição do CLAS - Eleição do - Aprovação do Regulamento Interno do CLAS 23 de Outubro de Novembro de Dezembro 2003 Instituto de Segurança Centro de Competências para a Formação Instituto de Segurança Centro de Competências para a Formação Grupo Dinamizador da Técnicos da Rede Técnicos da Rede CLAS de - Material de Apoio - Material de Apoio - Ficha de Adesão ao CLAS - Ficha de Registo ao Núcleo Executivo - Regulamento Interno Reunião Consultor 05 de Março da - Legislação sobre Programa Rede / Ano 17

18 ACÇÕES CRONOGRAMA RESPONSÁVEL PARCEIROS RECURSOS Reunião - Elaboração do Plano de Trabalho - Elaboração do Pré-Diagnóstico Sessão Temática Inter CLAS Reunião Elaboração do Plano de Trabalho e Elaboração do Pré-Diagnóstico (continuação) Reunião com as IPSS s Ficha de caracterização das IPSS s 22 de Março 13 de Abril 15 de Abril 28 de Abril Instituto de Segurança Centro de Competências para a Formação CLAS de Técnicos da Rede CLAS de IPSS s do Concelho - Documentação de Apoio - Material de Apoio - Documentação de Apoio - Ficha de caracterização Reunião com os Presidentes das Juntas de Freguesia Ficha de caracterização das Juntas de Freguesia 05 de Maio Juntas de Freguesias do Concelho - Ficha de caracterização Acção de Formação: «Desenvolvimento e Planificação Estratégica Territorial Nível 2» 11,12,13 e 14 de Maio Instituto de Segurança Centro de Competências para a Formação - Câmara Municipal de - Segurança - DREC - Material de Apoio / Ano 18

19 ACÇÕES CRONOGRAMA RESPONSÁVEL PARCEIROS RECURSOS Reunião do Plenário do CLAS - Aprovação do Plano de Trabalho - Aprovação do Pré-Diagnóstico Reunião de trabalho com o Consultor Reunião Inter CLAS Reunião Consultor Reunião Elaboração do Diagnóstico Reunião Elaboração do Diagnóstico (continuação) Reunião de trabalho com o Consultor Sessão Temática Inter CLAS 06 de Maio 01 de Julho Técnica da Rede Instituto de Segurança 05 de Julho Centro de Competências para a Formação 21 de Julho 26 de Agosto 01 de Setembro 14 de Setembro 27 de Setembro Técnica da Rede Técnica da Rede Técnica da Rede Técnica da Rede I. de Segurança Centro de Compet. para a Formação CLAS de Técnicos da Rede do Distrito de Coimbra Técnicos da Rede - Plano de Trabalho - Pré Diagnóstico - Computador - Documentação Diversa - Material de Apoio - Diagnóstico (em elaboração) - Diagnóstico (em elaboração) - Diagnóstico (em elaboração) - Computador - Documentação Diversa - Material de Apoio / Ano 19

20 ACÇÕES CRONOGRAMA RESPONSÁVEL PARCEIROS RECURSOS Jornadas Políticas Sociais Activas Redes Sociais no Distrito de Coimbra Workshop de Diagnóstico: - Respostas Sociais - Respostas Territoriais Workshop de Diagnóstico: - Comunidade Educativa - Planeamento e Avaliação «Encontro Regional da Região Centro» Reunião de trabalho com o Consultor Reunião do Plenário do CLAS - Emissão de Parecer 12 de Outubro 21 de Outubro 28 de Outubro 10 de Novembro 11 de Novembro 23 de Novembro REAPN Núcleo Distrital de Coimbra da Rede Europeia Anti-Pobreza da da Instituto da Segurança, e a ANIMAR Técnica da Rede da - Técnicos da Rede - Parceiros do CLAS E Outros Parceiros do CLAS E Outros Parceiros do CLAS do Distrito de Coimbra CLAS de - Material de Apoio - Quadro Branco - Máquina fotográfica - Quadro Branco - Máquina fotográfica - Material de Apoio - Computador - Material de Apoio - Doc. de Apoio à Emissão de Pareceres Técnicos por parte do CLAS (ISS) / Ano 20

21 ACÇÕES CRONOGRAMA RESPONSÁVEL PARCEIROS RECURSOS Reunião de trabalho com o consultor 11 de Janeiro Técnica da Rede - Computador - Material de Apoio Reunião Conclusão do Diagnóstico 09 de Fevereiro Técnica da Rede - Diagnóstico Reunião do Plenário do CLAS - Aprovação do Diagnóstico 11 de Fevereiro CLAS de - Diagnóstico Reunião de trabalho com o consultor Reunião Consultor Reunião de sensibilização para Constituição da Comissão da Freguesia de Plano de Desenvolvimento (PDS) /Workshop Respostas Sociais Reunião de Trabalho com o Consultor 18 de Fevereiro de 04 de Março 15 de Março Técnica da Rede CLAS de E Outros Parceiros do CLAS - Computador - Documentação Diversa - Ficha de Adesão à CSF - Quadro Branco - Máquina fotográfica / Ano 21

22 ACÇÕES CRONOGRAMA RESPONSÁVEL PARCEIROS RECURSOS Plano de Desenvolvimento (PDS) /Workshop Respostas Territoriais Sessão de constituição da Comissão da Freguesia de Plano de Desenvolvimento (PDS) /Workshop Comunidade Educativa Reunião Consultor Plano de Desenvolvimento (PDS) Reunião de Trabalho Elaboração de proposta de documentos/instrumentos comuns aos serviços prestados pelas IPSS s Sessão Temática Inter CLAS 29 de Março 07 de Abril 14 de Abril 29 de Abril 02 de Maio Instituto da Segurança Centro de Competências para a Formação da E Outros Parceiros do CLAS Parceiros do CLAS e outras entidades da e outros Parceiros do CLAS da IPSS s Técnicos da Rede - Quadro Branco - Máquina fotográfica - Regulamento Interno da CSF - Ficha de Adesão à CSF - Quadro Branco - Máquina fotográfica - Legislação - Material de Apoio / Ano 22

23 ACÇÕES CRONOGRAMA RESPONSÁVEL PARCEIROS RECURSOS Sessão Temática Inter CLAS Reunião de trabalho com o Consultor Plano de Desenvolvimento (PDS) Reunião de Trabalho Grupo do Apoio Domiciliário Reunião de trabalho com o Consultor Acção de Formação: «Desenvolvimento e Planeamento Estratégico Territorial Nível 3» 02 de Maio Instituto da Segurança Centro de Competências para a Formação 06 de Maio da 10 de Maio da 31 de Maio da 27, 28 e 29 de Junho Instituto da Segurança Centro de Competências para a Formação Técnicos da Rede - IPSS s: Ass. Cult., Recreativa e de Samuel, Fundação Maria Luísa Ruas e Santa Casa da Misericórdia de - Segurança - Câmara Municipal de - Centro de Saúde - Material de Apoio - Computador - Documentação Diversa - Material de Apoio - Computador - Documentação Diversa - Material de Apoio / Ano 23

24 ACÇÕES CRONOGRAMA RESPONSÁVEL PARCEIROS RECURSOS Plano de Desenvolvimento Reunião Núcleo Executivo Plano de Desenvolvimento Reunião Núcleo Executivo e IPSS s Reunião do Plenário do CLAS - Apreciação do Plano de Desenvolvimento e do Plano de Acção 22 de Julho da 01 de Agosto da 29 de Agosto da IPSS s CLAS de - Material de Apoio - Material de Apoio - Plano de Desenvolvimento - Plano de Acção Reuniões do Bimestrais Câmara Municipal de - Material de Apoio Reuniões do Plenário do CLAS Semestrais Câmara Municipal de CLAS de - Material de Apoio Relatório de Acompanhamento do Programa Anual Câmara Municipal de Gabinete de Acção CLAS de - Material de Apoio / Ano 24

25 ACÇÕES CRONOGRAMA RESPONSÁVEL PARCEIROS RECURSOS Técnicos da Sessão Temática Inter CLAS A definir - Material de Apoio Acções de Formação no âmbito A definir Instituto da Segurança, IP Centro de Competências para a Formação Técnicos da - Material de Apoio Elaboração do Plano de Acção para o ano de 2006/2007 A definir Câmara Municipal de Gabinete de Acção Técnicos da - Material de Apoio / Ano 25

26 4 - PLANO DE ACÇÃO DA COMISSÃO SOCIAL DA FREGUESIA DE SOURE / Ano 26

27 PLANO DE ACÇÃO COMISSÃO SOCIAL DA FREGUESIA DE SOURE ACÇÕES CRONOGRAMA RESPONSÁVEL PARCEIROS RECURSOS Reunião com Presidentes de Junta de Freguesia para constituição das CSF Reunião de sensibilização para constituição da Comissão da Freguesia de Sessão de Formalização da CSF de e definição do funcionamento da CSF Identificação de Casos Sociais Realização de Visitas Domiciliárias Reunião da CSF de Núcleo Maio Juntas de Freguesia do Concelho - Computador Executivo da de - Legislação 04 de Março 07 de Abril Durante Durante Outubro Núcleo Executivo da Núcleo Executivo da Comissão Executiva da CSF de CSF de Presidente da Comissão da Freguesia de - Junta de Freguesia de - APPACDM de - Casa da Criança de Município de - Santa Casa da Misericórdia de - Grupo Sócio-Caritativo da Paróquia de - Centro de Saúde de - Associação Humanitária dos Bombeiros Voluntários de - Associação de Desenvolvimento de - Banda de - Grupo de Folclore do Melriçal - Rancho Típico de Paleão - Rancho Folclórico da Ass. Cultural e Recreativa da Pouca Pena - Rancho Folclórico do Centro do Sobral - Legislação CSF - Ficha de Adesão à CSF - Regulamento Interno da CSF de - Máquina Fotográfica - Parceiros do CLAS - Junta de Freguesia / Ano 27

28 5 - PLANO DE ACÇÃO AVALIAÇÃO DO PROGRAMA REDE SOCIAL / Ano 28

29 PLANO DE ACÇÃO AVALIAÇÃO DO PROGRAMA REDE SOCIAL ACÇÕES CRONOGRAMA RESPONSÁVEL PARCEIROS RECURSOS Sessão de trabalho para a definição das fases do planeamento e critérios de Avaliação Novembro Gabinete de Acção da Câmara Municipal de da PDS Modelo de Avaliação Sessão de trabalho para a elaboração dos instrumentos de recolha e sistematização da informação Dezembro Gabinete de Acção da Câmara Municipal de da Sessão de trabalho para sistematização dos instrumentos e técnicas de Avaliação a utilizar Janeiro de 2006 a Março de 2006 Gabinete de Acção da Câmara Municipal de da Projectos e intervenções sociais do concelho Realização de Workshops de Avaliação intermédia Maio a Julho 2006 da CLAS de Consultor Elaboração do Relatório de Avaliação Novembro 2006 da CLAS de Apresentação do relatório de Avaliação no CLAS Dezembro 2006 da CLAS de / Ano 29

30 / Ano 30

Plano de Acção

Plano de Acção - 2 - Nota Prévia A Rede Social afirmou-se ao longo da sua criação como uma medida inovadora e com capacidade de produzir alterações positivas na intervenção social. Esta medida assumiu-se, desde início,

Leia mais

PROTOCOLO. Núcleo de Planeamento e Intervenção Sem-Abrigo de Setúbal

PROTOCOLO. Núcleo de Planeamento e Intervenção Sem-Abrigo de Setúbal PROTOCOLO Núcleo de Planeamento e Intervenção Sem-Abrigo de Setúbal Preâmbulo A criação da Estratégia Nacional para a Integração de Pessoas Sem-Abrigo (ENIPSA) 2009-2015 decorreu fundamentalmente da necessidade

Leia mais

Rede Social. O que é a rede Social. Estrutura orgânica Metodologia Documentos produzidos

Rede Social. O que é a rede Social. Estrutura orgânica Metodologia Documentos produzidos Rede Social O que é a rede Social Estrutura orgânica Metodologia Documentos produzidos Rede Social O que é a rede Social O Programa REDE SOCIAL foi criado pela Resolução do Conselho de Ministros n.º 197/97

Leia mais

PLANO DE ACÇÃO DA REDE SOCIAL DE LISBOA ANO DE 2010 PRORROGAÇÃO PARA Aprovado em sede de CLAS a 04 de Julho de 2011

PLANO DE ACÇÃO DA REDE SOCIAL DE LISBOA ANO DE 2010 PRORROGAÇÃO PARA Aprovado em sede de CLAS a 04 de Julho de 2011 PLANO DE ACÇÃO DA REDE SOCIAL DE LISBOA ANO DE 2010 PRORROGAÇÃO PARA 2011 Aprovado em sede de CLAS a 04 de Julho de 2011 PLANO DE ACÇÃO PARA 2010 PRORROGAÇÃO PARA 2011 OBJECTIVO ESTRATÉGICO OBJECTIVO ESPECÍFICO

Leia mais

Núcleo Executivo do CLAS de Mafra, 28 Maio de

Núcleo Executivo do CLAS de Mafra, 28 Maio de Plano de Ação Rede Social Mafra Eixo I - DEMOGRAFIA E EQUIPAMENTOS (INFRA-ESTRUTURAS DE APOIO) Objectivo geral 1. Reforçar as estruturas de apoio ao idoso Objectivo Específico 1. Aumentar a capacidade

Leia mais

Plano de Ação do CLAS de Cascais

Plano de Ação do CLAS de Cascais Plano de Ação do CLAS de Cascais 2016 1 Introdução No quadro das competências do Conselho Local de Ação Social (CLAS) 1 a ação do seu Núcleo Executivo em 2016 vai desenvolver-se em 4 eixos de atuação:

Leia mais

REDE SOCIAL DE SOBRAL DE MONTE AGRAÇO PLANO DE ACÇÃO PARA 2010

REDE SOCIAL DE SOBRAL DE MONTE AGRAÇO PLANO DE ACÇÃO PARA 2010 REDE SOCIAL DE SOBRAL DE MONTE AGRAÇO PLANO DE ACÇÃO PARA 2010 EIXO I Promoção da Inclusão das famílias com especial enfoque às necessidades dos idosos OBJECTIVO GERAL Melhorar as condições de vida de

Leia mais

Plano de Ação Plano de Ação 2012

Plano de Ação Plano de Ação 2012 Plano de Ação PLANO DE AÇÃO DOCUMENTO ELABORADO PELO: da Rede Social do Concelho do CONTACTOS: Câmara Municipal do Rede Social do Concelho do Av. Dr. Francisco Sá Carneiro 2550-103 Tel. 262 690 100/262

Leia mais

CAPITULO I DISPOSIÇÕES GERAIS DO CONSELHO LOCAL DE ACÇÃO SOCIAL (CLAS)

CAPITULO I DISPOSIÇÕES GERAIS DO CONSELHO LOCAL DE ACÇÃO SOCIAL (CLAS) Preâmbulo A Resolução do Conselho de Ministros nº197/97 de 18 de Novembro, visa a criação e implementação do Programa. Esta é uma mediada da política social activa, que tem como objectivo desenvolver parcerias

Leia mais

EIXO I ATRACTIVIDADE TERRITORIAL

EIXO I ATRACTIVIDADE TERRITORIAL Plano de Acção para 2007 1 Um Plano de Acção, mais do que um documento, pretende-se que seja um instrumento de trabalho manuseável, flexível, ajustável à realidade e útil. Neste sentido, considerou-se

Leia mais

Rede Social CLAS Fornos de Algodres C.L.A.S. CONSELH0 LOCAL DE ACÇÃO SOCIAL DO MUNICIPIO DE FORNOS DE ALGODRES

Rede Social CLAS Fornos de Algodres C.L.A.S. CONSELH0 LOCAL DE ACÇÃO SOCIAL DO MUNICIPIO DE FORNOS DE ALGODRES C.L.A.S. CONSELH0 LOCAL DE ACÇÃO SOCIAL DO MUNICIPIO DE FORNOS DE ALGODRES ABRIL DE 2009 NOTA INTRODUTÓRIA No documento aqui apresentado estão identificados os projectos e intervenções a realizar no Município

Leia mais

Índice. Índice de Quadros. Índice de Siglas

Índice. Índice de Quadros. Índice de Siglas 2016 Plano de Ação Índice Índice de Quadros... 2 Índice de Siglas... 2 Sumário Executivo... 4 1. Plano Operacional... 5 2. Monitorização / Avaliação... 11 Índice de Quadros Quadro 1 - Planificação da de

Leia mais

PROGRAMA REDE SOCIAL PLANO DE ACÇÃO 2006/2007 CONCELHO DE ARRUDA DOS VINHOS

PROGRAMA REDE SOCIAL PLANO DE ACÇÃO 2006/2007 CONCELHO DE ARRUDA DOS VINHOS PLANO DE ACÇÃO 2006/2007 CONCELHO DE ARRUDA DOS VINHOS PROGRAMA REDE SOCIAL PROJECTO FINANCIADO PELO ESTADO PORTUGUÊS MINISTÉRIO DA SEGURANÇA SOCIAL E DO TRABALHO Junho 2006 Conselho Local de Acção Social

Leia mais

ESTRUTURA ORGANIZATIVA DA ISCMPSA

ESTRUTURA ORGANIZATIVA DA ISCMPSA ESTRUTURA ORGANIZATIVA DA ISCMPSA Este documento visa dar corpo á orgânica dos serviços da Santa Casa, ou seja, definir competências, hierarquias e formas de actuação. Como a Santa Casa da Póvoa de Santo

Leia mais

União das Freguesias de Lagoa e Carvoeiro

União das Freguesias de Lagoa e Carvoeiro I Informação do Presidente acerca da sua atividade e da Junta de Freguesia (período compreendido entre 28 de Dezembro de 2013 e 22 de Abril de 2014) SERVIÇOS ADMINISTRATIVOS Atendimento dos fregueses duas

Leia mais

Conselho Local de Ação Social

Conselho Local de Ação Social Conselho Local de Ação Social Relatório de Avaliação do Plano de Ação 2015 Índice 1. Introdução 6 2. Avaliação da Execução do Plano de Ação de 2015.7 3.1. Eixo 1 - Demografia...8 3.2. Eixo 2 - Educação/Nível

Leia mais

EDITORIAL O QUE É A REDE SOCIAL

EDITORIAL O QUE É A REDE SOCIAL EDITORIAL A Rede Social de Estarreja constitui a maior concertação de parcerias no Concelho. De entre os seus objectivos, compete-lhe criar canais regulares de comunicação e informação entre os parceiros

Leia mais

CONSELHO LOCAL DE ACÇÃO SOCIAL DE BOTICAS REGULAMENTO INTERNO. Rede Social de Boticas CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS. Artigo 1.

CONSELHO LOCAL DE ACÇÃO SOCIAL DE BOTICAS REGULAMENTO INTERNO. Rede Social de Boticas CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS. Artigo 1. CONSELHO LOCAL DE ACÇÃO SOCIAL DE BOTICAS REGULAMENTO INTERNO CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS Artigo 1.º OBJECTO O presente regulamento interno destina-se a definir os princípios a que obedece a constituição,

Leia mais

Plano de Ação da Rede Social de Mafra 2017

Plano de Ação da Rede Social de Mafra 2017 EIXO I DEMOGRAFIA Objetivo Geral/Estratégico 1: Fortalecer as estruturas formais de apoio à Família OE1. Promover o alargamento da capacidade da resposta social Creche, nas Instituições onde já existe.

Leia mais

PLATAFORMA TERRITORIAL SUPRA CONCELHIA DE ALENTEJO LITORAL

PLATAFORMA TERRITORIAL SUPRA CONCELHIA DE ALENTEJO LITORAL Documento de trabalho PLATAFORMA TERRITORIAL SUPRA CONCELHIA DE ALENTEJO LITORAL RELATÓRIO DE ACTIVIDADES 2007/2009 Janeiro 2010 ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO 2. COMPETÊNCIAS DA PSC 3. PARTICIPAÇÃO DAS ENTIDADES

Leia mais

REDE SOCIAL Câmara Municipal de Barcelos Divisão de Acção Social

REDE SOCIAL Câmara Municipal de Barcelos Divisão de Acção Social EMISSÃO DE PARECERES TÉCNICOS Aprovado em Reunião do Conselho Local de Acção Social (CLAS) de Maio de 6 Critérios de avaliação para emissão de pareceres Para que se conheça em CLAS, o posicionamento dos

Leia mais

Guia de Apoio ao Funcionamento das Comissões Sociais de Freguesia

Guia de Apoio ao Funcionamento das Comissões Sociais de Freguesia Guia de Apoio ao Funcionamento das Comissões Sociais de Freguesia ÍNDICE NOTA INTRODUTÓRIA....2 1. PROGRAMA DA REDE SOCIAL... 5 1.1 Objectivos do Programa... 6 1.2 Impactos esperados do Programa... 6 1.3

Leia mais

Regulamento. Modelo de Intervenção Integrada do Concelho de Ourique (MII)

Regulamento. Modelo de Intervenção Integrada do Concelho de Ourique (MII) Regulamento Modelo de Intervenção Integrada do Concelho de Ourique (MII) Regulamento Modelo de Intervenção Integrada Nota justificativa O Modelo de Intervenção Integrada surge no âmbito da Rede Social,

Leia mais

Rede Social de Coimbra

Rede Social de Coimbra Divisão de Acção Social e Família Boletim Informativo Nº. 12 22/07/2009 NOVIDADES: 7, 8, 9 e 10 de Setembro Projecto EluSIDA na Escola Casa Municipal da Cultura Rede Social de Coimbra EDITORIAL A Rede

Leia mais

PLANO DE ACÇÃO JANEIRO 2008 / DEZEMBRO 2008

PLANO DE ACÇÃO JANEIRO 2008 / DEZEMBRO 2008 PLAN DE ACÇÃ JANEIR 2008 / DEZEMBR 2008 Janeiro de 2008 PLAN DE ACÇÃ 2008 1 ÍNDICE Plano de Acção Introdução Eixos de Intervenção Educação Formação / Qualificação Formação Profissional / Emprego Envelhecimento/

Leia mais

PLANO DE DESENVOLVIMENTO SOCIAL DO CONCELHO DE TORRES VEDRAS

PLANO DE DESENVOLVIMENTO SOCIAL DO CONCELHO DE TORRES VEDRAS PARTE III PLANO DE DESENVOLVIMENTO SOCIAL DO CONCELHO DE TORRES VEDRAS Financiado pelo Estado Português Ministério do Trabalho e Solidariedade Social 2005-2008 Rede Social PARTE III 100 CAPÍTULO V PLANO

Leia mais

1.3.Formação da Equipa de Qualidade Constituição definitiva. 1.4.Sensibilização para a Qualidade

1.3.Formação da Equipa de Qualidade Constituição definitiva. 1.4.Sensibilização para a Qualidade Implementação do Sistema de Gestão de Qualidade da Segurança Social Nível C 1.1.Reflexão sobre o que significa um processo de Qualidade Pertinência / Oportunidade para o CST IPSS Reunião Técnica 5 de Fevereiro

Leia mais

RELATÓRIO DE MONITORIZAÇÃO CLDS MARINHA SOCIAL

RELATÓRIO DE MONITORIZAÇÃO CLDS MARINHA SOCIAL RELATÓRIO DE MONITORIZAÇÃO CLDS MARINHA SOCIAL O presente relatório reflecte a actividade do CLDS Marinha Social, desde o inicio da sua actividade, em Julho de 2009 até Junho de 2010, analisando-se 2 momentos

Leia mais

Plano de Ação 2013 Autoria:

Plano de Ação 2013 Autoria: Supraconcelhia BAIXO VOUGA (Cf. Dec- Lei n.º 115/2006 de 14 Junho) Plano de Ação Autoria: julho Introdução Corresponde o presente documento à proposta de Plano de Ação de da Territorial Supra concelhia

Leia mais

Comissão Nacional. de Protecção das Crianças. e Jovens em Risco (CNPCJR) Que actividade em dois anos. de existência? Junho de 2000

Comissão Nacional. de Protecção das Crianças. e Jovens em Risco (CNPCJR) Que actividade em dois anos. de existência? Junho de 2000 Comissão Nacional de Protecção das Crianças e Jovens em Risco (CNPCJR) Que actividade em dois anos de existência? Junho de 2000 Decorridos dois anos na existência da Comissão Nacional de Protecção das

Leia mais

DO CONCELHO DE PROENÇA-A-NOVA

DO CONCELHO DE PROENÇA-A-NOVA PLANO DE DESENVOLVIMENTO SOCIAL E PLANO DE AÇÃO DO CONCELHO DE PROENÇA-A-NOVA JUNHO DE 2015 A DEZEMBRO 2017 1 NOTA INTRODUTÓRIA Atualmente torna-se cada vez mais evidente a necessidade de adequar o crescimento

Leia mais

Plataforma Supraconcelhia do Tâmega

Plataforma Supraconcelhia do Tâmega Regulamento da Plataforma Supraconcelhia do Tâmega Artigo 1º Objecto O presente regulamento define o processo de organização e funcionamento da Plataforma supraconcelhia do Tâmega, abreviadamente designada

Leia mais

Conselho Local de Acção Social de Pampilhosa da Serra REGULAMENTO

Conselho Local de Acção Social de Pampilhosa da Serra REGULAMENTO Conselho Local de Acção Social de Pampilhosa da Serra REGULAMENTO PREÂMBULO A REDE SOCIAL criada pela Resolução do Conselho de Ministros nº. 197/97, de 18 de Novembro, traduz-se numa estratégia de abordagem

Leia mais

REDE SOCIAL REGULAMENTO INTERNO. Introdução

REDE SOCIAL REGULAMENTO INTERNO. Introdução REGULAMENTO INTERNO Introdução A Rede Social criada pela Resolução do Conselho de Ministros n 197/97, de 18 de Novembro, insere-se no âmbito de uma política social activa potenciando a eficácia das medidas

Leia mais

Plataformas Supraconcelhias Centro Atualizado em:

Plataformas Supraconcelhias Centro Atualizado em: SEGURANÇA SOCIAL Plataformas Supraconcelhias Centro Atualizado em: 17-11-2014 Plataformas Supraconcelhias As Plataformas Territoriais, como órgão da Rede Social, foram criadas com o objetivo de reforçar

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO DA PROVA DE APTIDÃO PROFISSIONAL 2014/2015 Artigo 1º ÂMBITO E DEFINIÇÃO

REGULAMENTO INTERNO DA PROVA DE APTIDÃO PROFISSIONAL 2014/2015 Artigo 1º ÂMBITO E DEFINIÇÃO REGULAMENTO INTERNO DA PROVA DE APTIDÃO PROFISSIONAL 2014/2015 Artigo 1º ÂMBITO E DEFINIÇÃO A Prova de Aptidão Profissional, designada abreviadamente por PAP, faz parte integrante da avaliação. 1 - A PAP

Leia mais

CAPITULO I DISPOSIÇÕES GERAIS. Artigo 1º Objecto

CAPITULO I DISPOSIÇÕES GERAIS. Artigo 1º Objecto CAPITULO I DISPOSIÇÕES GERAIS Artigo 1º Objecto O presente regulamento interno destina-se a definir e dar a conhecer os princípios a que obedece a constituição, organização e funcionamento do Concelho

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO CONSELHO LOCAL DE ACÇÃO SOCIAL DE OLHÃO PROGRAMA REDE SOCIAL

REGULAMENTO INTERNO CONSELHO LOCAL DE ACÇÃO SOCIAL DE OLHÃO PROGRAMA REDE SOCIAL REGULAMENTO INTERNO CONSELHO LOCAL DE ACÇÃO SOCIAL DE OLHÃO PROGRAMA REDE SOCIAL JANEIRO DE 2007 REGULAMENTO INTERNO CAPITULO I DISPOSIÇÕES GERAIS Artigo 1º Objecto O presente regulamento interno destina-se

Leia mais

Plano de Ação Índice Sumário Executivo A Rede Social no concelho de Alenquer O Plano de Ação...

Plano de Ação Índice Sumário Executivo A Rede Social no concelho de Alenquer O Plano de Ação... PLANO DE AÇÃO 2014 Índice 1. - Sumário Executivo... 1 Pág. 2. - A Rede Social no concelho de Alenquer... 2 2.1. - O Plano de Ação...2 3. - Análise de Eixos de Intervenção... 3 Eixo I.- Deficiência... 4

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO DO CONSELHO LOCAL DE ACÇÃO SOCIAL DA GOLEGÃ

REGULAMENTO INTERNO DO CONSELHO LOCAL DE ACÇÃO SOCIAL DA GOLEGÃ REGULAMENTO INTERNO DO CONSELHO LOCAL DE ACÇÃO SOCIAL DA GOLEGÃ PREÂMBULO A Rede Social foi criada pela Resolução do Conselho de Ministros nº197/97, de 18 de Novembro. Pretende-se através deste programa

Leia mais

Nada mais havendo a tratar, se deu por encerrada esta reunião, cuja Acta vai ser assinada pela Presidente do CLAS. A Presidente do CLAS de Valongo,

Nada mais havendo a tratar, se deu por encerrada esta reunião, cuja Acta vai ser assinada pela Presidente do CLAS. A Presidente do CLAS de Valongo, ACTA N.º 17 Aos vinte dias do mês de Janeiro do ano de dois mil e dez, no Museu Municipal de Valongo, reuniu o Conselho Local de Acção Social de Valongo em sessão plenária ordinária. Estiveram presentes

Leia mais

PLANO DE ATIVIDADES 2016

PLANO DE ATIVIDADES 2016 Modalidade Destinatários Calendarização Obs. Divulgar e Promover a Comissão junto da população Promover a Comissão e Informar a Comunidade através de ações específicas. Aumentar competências no âmbito

Leia mais

COMISSÃO DE PROTECÇÃO DE CRIANÇAS E JOVENS DE MONÇÃO PLANO DE AÇÃO 2017

COMISSÃO DE PROTECÇÃO DE CRIANÇAS E JOVENS DE MONÇÃO PLANO DE AÇÃO 2017 COMISSÃO DE PROTECÇÃO DE CRIANÇAS E JOVENS DE MONÇÃO PLANO DE AÇÃO 2017 Largo de Camões 4950 444 Monção Tel. 251 649 000 Fax. 251 649 010 Tlm. 962 124 622 cpcj@cm-moncao.pt Composição da Comissão de Proteção

Leia mais

Clube da Proteção Civil

Clube da Proteção Civil Agrupamento de Escolas das Taipas Clube da Proteção Civil 1. Estrutura organizacional Coordenadora: Paula Ribeiro da Silva Grupo de Recrutamento: 620 Departamento: Expressões Composição do grupo de trabalho:

Leia mais

INFORMAÇÃO PESSOAL. Teresa Isabel Oliveira Neto

INFORMAÇÃO PESSOAL. Teresa Isabel Oliveira Neto M O D E L O E U R O P E U D E C U R R I C U L U M V I T A E INFORMAÇÃO PESSOAL Nome Teresa Isabel Oliveira Neto Morada Rua 25 de Abril, 21 Casais Lagartos, 2070-366 Pontével Telefone 966384535 Correio

Leia mais

2008 Concelho de Ourique

2008 Concelho de Ourique Plano de Acção 2008 Concelho de Rede Social Programa Rede Social Conselho Local de Acção Social de Janeiro 2008 Ficha Técnica Título: Plano de Acção 2008 do Concelho de Autoria: Núcleo Executivo da Rede

Leia mais

Apresentação de Resultados CAF

Apresentação de Resultados CAF Apresentação de Resultados CAF Sumário Introdução Ponto de situação do projeto Fases do Projeto Resultados CAF Modelo CAF Resultados da(s) Grelha(s) de Autoavaliação Resultados dos questionários Plano

Leia mais

Programa BIP/ZIP de Lisboa

Programa BIP/ZIP de Lisboa Programa BIP/ZIP de Lisboa Objectivos e âmbito O Programa BIP-ZIP Bairros e Zonas de Intervenção prioritária de Lisboa é criado pela Câmara Municipal de Lisboa, no quadro do Programa Local de Habitação

Leia mais

ANEXO IV MAPA DE INICIATIVAS / ACÇÕES

ANEXO IV MAPA DE INICIATIVAS / ACÇÕES MAPA DE S / 01. Dotar os responsáveis pela gestão escolar de formação técnica em Balanced Scorecard; 01.1. Dotar os Orgãos de Gestão de formação em BSC. Acção 1. Sensibilizar os órgãos de gestão para a

Leia mais

Regulamento Interno do Conselho Local de Ação Social de Vila Verde

Regulamento Interno do Conselho Local de Ação Social de Vila Verde Regulamento Interno do Conselho Local de Ação Social de Vila Verde PREÂMBULO A Rede Social criada na sequência da Resolução do Conselho de Ministros n.º 197/97, de 18 de novembro, assenta no trabalho de

Leia mais

Regulamento Interno Gabinete de Atendimento e Acompanhamento Social /Protocolo de RSI

Regulamento Interno Gabinete de Atendimento e Acompanhamento Social /Protocolo de RSI Regulamento Interno Gabinete de Atendimento e Acompanhamento Social /Protocolo de RSI Rua do Formigoso N.º 103 Polvoreira 4835-168 Guimarães Telefone: 253 557 128 - Telemóvel: 91 051 36 36 rsipolvoreira@gmail.com

Leia mais

Introdução Página 2 A CPCJ de Boticas Página 3 Plano de Atividades Página 4

Introdução Página 2 A CPCJ de Boticas Página 3 Plano de Atividades Página 4 Índice Introdução Página 2 A CPCJ de Boticas Página 3 Plano de Atividades Página 4 Introdução O objetivo do Plano de Atividades da CPCJ de Boticas para 2016 é planear as atividades, procurando manter,

Leia mais

CENTRO de SAÚDE de SANTA MARIA da FEIRA PROJECTO. COM PESO e MEDIDA. Enfermeira. Lara F. C. Monteiro

CENTRO de SAÚDE de SANTA MARIA da FEIRA PROJECTO. COM PESO e MEDIDA. Enfermeira. Lara F. C. Monteiro CENTRO de SAÚDE de SANTA MARIA da FEIRA PROJECTO COM PESO e MEDIDA Enfermeira Lara F. C. Monteiro Março, 2008 0. Sumário 1. Introdução... Pág. 02 2. Justificação do projecto... Pág. 03 3. Nome do projecto...

Leia mais

CLUBE DE EMPREGO SOCIOHABITAFUNCHAL PLANO DE ACTIVIDADES

CLUBE DE EMPREGO SOCIOHABITAFUNCHAL PLANO DE ACTIVIDADES PLANO DE ACTIVIDADES 2010 2011 Identificação Entidade: Sociohabitafunchal, E.M Animadora: Célia Dantas Localização: Centro Cívico de Santo António Designação O Clube de Emprego é um serviço promovido pelo

Leia mais

Plano Municipal Contra a Violência Doméstica Prolongamento

Plano Municipal Contra a Violência Doméstica Prolongamento Plano Municipal Contra a Violência Doméstica 2011-14 Prolongamento Plano Municipal Contra a Violência 2011 2013 Prolongamento O Plano Municipal Contra a Violência 2011/13, teve por objetivo estruturar

Leia mais

Plano Nacional de Leitura

Plano Nacional de Leitura 2012-2014 Plano Nacional de Leitura 1 I. O que motivou o projeto? Centralidade da leitura Leitura como ponto de partida para: - Aprender (competência transversal ao currículo) - Colaborar - Interagir /

Leia mais

Plano de Desenvolvimento Social

Plano de Desenvolvimento Social Plano de Desenvolvimento Social 65 6. Planear para Intervir Objectivos e Estratégias Numa fase seguinte, após a consequente identificação das vulnerabilidades concelhias /eixos estratégicos de intervenção

Leia mais

Capítulo I Disposições Gerais. Artigo 1.º

Capítulo I Disposições Gerais. Artigo 1.º Conselho Local de Acção Social de Ponte de Sor Regullamento Interno Ouuttuubbrroo ddee 22000088 Capítulo I Disposições Gerais Artigo 1.º Objectivo Este regulamento tem como finalidade definir e dar a conhecer

Leia mais

REDE SOCIAL POEFDS. UNIÃO EUROPEIA Fundo Social Europeu

REDE SOCIAL POEFDS. UNIÃO EUROPEIA Fundo Social Europeu REDE SOCIAL POEFDS UNIÃO EUROPEIA Fundo Social Europeu Vila Nova ÍNDICE Nota Introdutória ----------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------3

Leia mais

CONSELHO LOCAL DE ACÇÃO SOCIAL DE SÃO BRÁS DE ALPORTEL. Acta N.º12

CONSELHO LOCAL DE ACÇÃO SOCIAL DE SÃO BRÁS DE ALPORTEL. Acta N.º12 CONSELHO LOCAL DE ACÇÃO SOCIAL DE SÃO BRÁS DE ALPORTEL Acta N.º12 Aos vinte e oito dias do mês de Outubro do ano de dois mil e nove, pelas quinze horas, no Salão Nobre da Câmara Municipal de São Brás de

Leia mais

Plano de Actividades e Orçamento 2010

Plano de Actividades e Orçamento 2010 Plano de Actividades e Orçamento 2010 1 2 1. Missão A CooLabora é uma cooperativa de consultoria e intervenção social criada em 2008. Tem por missão contribuir para a inovação social no desenvolvimento

Leia mais

Base de dados I. Questionário de levantamento de recursos institucionais/ 2009

Base de dados I. Questionário de levantamento de recursos institucionais/ 2009 Base de dados I Nº de referência da instituição Nº de registo Questionário de levantamento de recursos institucionais/ 2009 Este questionário tem como objectivo proceder à actualização do Diagnóstico Social,

Leia mais

EDUCAÇÃO ESPECIAL RESPOSTAS EDUCATIVAS

EDUCAÇÃO ESPECIAL RESPOSTAS EDUCATIVAS INSPEÇÃO-GERAL DA EDUCAÇÃO E CIÊNCIA PROGRAMA ACOMPANHAMENTO EDUCAÇÃO ESPECIAL RESPOSTAS EDUCATIVAS RELATÓRIO Agrupamento de Escolas de Fajões 2014-2015 RELATÓRIO DE ESCOLA Agrupamento de Escolas de Fajões

Leia mais

Estratégias para a Saúde

Estratégias para a Saúde Estratégias para a Saúde V.1) Cadernos do PNS Acções e Recomendações Promoção da Cidadania em Saúde (Versão Discussão) ESTRATÉGIAS PARA A SAÚDE V.1) CADERNOS DO PNS - ACÇÕES E RECOMENDAÇÕES PROMOÇÃO DA

Leia mais

ASSOCIAÇÃO TODOS PELOS OUTROS - TPO PLANO DE ATIVIDADES

ASSOCIAÇÃO TODOS PELOS OUTROS - TPO PLANO DE ATIVIDADES PLANO DE ATIVIDADES 2014 1. Introdução A ASSOCIAÇÃO TODOS PELOS OUTROS - TPO, é uma Associação sem fins lucrativos, com sede na Rua D. Duarte Nuno, nº 50, 3025-582 São Silvestre, na freguesia de São Silvestre,

Leia mais

REDE SOCIAL CONSELHO LOCAL DE AÇÃO SOCIAL DO CONCELHO DE CORUCHE REGULAMENTO INTERNO. Coruche, fevereiro de 2007

REDE SOCIAL CONSELHO LOCAL DE AÇÃO SOCIAL DO CONCELHO DE CORUCHE REGULAMENTO INTERNO. Coruche, fevereiro de 2007 REDE SOCIAL CONSELHO LOCAL DE AÇÃO SOCIAL DO CONCELHO DE CORUCHE REGULAMENTO INTERNO Coruche, fevereiro de 2007 CLASC Conselho Local de Ação Social de Coruche 1 REGULAMENTO INTERNO DO CLAS DE CORUCHE CAPÍTULO

Leia mais

Conselho Local de Ação Social

Conselho Local de Ação Social Conselho Local de Ação Social Índice Introdução... 6 Eixo I - Demografia... 7 Eixo II Educação/Nível de Instrução... 8 Eixo III Economia... 11 Eixo IV Grupos Vulneráveis... 13 Avaliação.26 2 Ficha Técnica

Leia mais

O estado de saúde depende em muito de comportamentos saudáveis, como não utilizar drogas (licitas ou ilícitas), alimentar-se correctamente, praticar

O estado de saúde depende em muito de comportamentos saudáveis, como não utilizar drogas (licitas ou ilícitas), alimentar-se correctamente, praticar O estado de saúde depende em muito de comportamentos saudáveis, como não utilizar drogas (licitas ou ilícitas), alimentar-se correctamente, praticar exercício físico, entre outras. No entanto, e o nosso

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS ELIAS GARCIA CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO EDUCAÇÃO PRÉ-ESCOLAR

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS ELIAS GARCIA CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO EDUCAÇÃO PRÉ-ESCOLAR AGRUPAMENTO DE ESCOLAS ELIAS GARCIA CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO EDUCAÇÃO PRÉ-ESCOLAR 2016/2017 A AVALIAÇÃO EM EDUCAÇÃO PRÉ-ESCOLAR 1 INTRODUÇÃO Enquadramento Normativo Avaliar o processo e os efeitos, implica

Leia mais

Protocolo de Cooperação Rede de Bibliotecas Escolares e Municipais do Conselho de Almeida

Protocolo de Cooperação Rede de Bibliotecas Escolares e Municipais do Conselho de Almeida Página1 Protocolo de Cooperação 2010 Rede de Bibliotecas Escolares e Municipais do Conselho de Almeida Página2 A Rede de Bibliotecas de Almeida, adiante designada RBA, foi criada por protocolo assinado

Leia mais

Manual Técnico Das Equipas Locais de Intervenção

Manual Técnico Das Equipas Locais de Intervenção Manual Técnico Das Equipas Locais de Intervenção pág. 1/18 Índice 1 - Enquadramento do SNIPI 1.1 - Objectivos do SNIPI 1.2 Competências dos 3 Ministérios 1.3 Organização do Sistema 2 - Legislação 3 - Regulamento

Leia mais

Europass-Curriculum Vitae

Europass-Curriculum Vitae Europass-Curriculum Vitae Informação pessoal Apelido(s) / Nome(s) próprio(s) Morada Correio(s) electrónico(s) Maria Neves Rua do Passal, Nº 46, 1º D, 9500-096 Ponta Delgada Telemóvel 936602762 / 926592751

Leia mais

BIBLIOTECAS ESCOLARES AUTO-AVALIAÇÃO BIBLIOTECA ESCOLAR DE MARRAZES 2009/2010

BIBLIOTECAS ESCOLARES AUTO-AVALIAÇÃO BIBLIOTECA ESCOLAR DE MARRAZES 2009/2010 BIBLIOTECAS ESCOLARES AUTO-AVALIAÇÃO BIBLIOTECA ESCOLAR DE MARRAZES 2009/2010 ONTEM... tendo magníficas colecções de informação, um ambiente físico inspirador ou uma rede avançada de tecnologia de informação.

Leia mais

Programa Rede Social. Regulamento Interno. Do Conselho Local de Acção Social de Arruda dos Vinhos

Programa Rede Social. Regulamento Interno. Do Conselho Local de Acção Social de Arruda dos Vinhos Programa Rede Social Regulamento Interno Do Conselho Local de Acção Social de Arruda dos Vinhos Regulamento Interno Preâmbulo Tendo por base o Decreto-lei nº 115/2006 de 14 de Junho e no âmbito de uma

Leia mais

REDE SOCIAL CONSELHO LOCAL DE AÇÃO SOCIAL DE MANGUALDE

REDE SOCIAL CONSELHO LOCAL DE AÇÃO SOCIAL DE MANGUALDE REDE SOCIAL CONSELHO LOCAL DE AÇÃO SOCIAL DE MANGUALDE PLANO DE AÇÃO 2014-1 ENTIDADES QUE CONSTITUEM O CLASM (CONSELHO LOCAL DE AÇÃO SOCIAL DE MANGUALDE) Câmara Municipal de Mangualde Centro Distrital

Leia mais

Plano de Acção 2006/2007. Rede Social Concelho da Lourinhã

Plano de Acção 2006/2007. Rede Social Concelho da Lourinhã Plano de Acção 2006/2007 Rede Social Concelho da Lourinhã E I X O I Intervenção Dirigida a Grupos Específicos EIXO I : INTERVENÇÃO DIRIGIDA A GRUPOS ESPECIFICOS OBJECTIVO GERAL: Até Dezembro de 2007 existem

Leia mais

EESTÁGIO PROFISSIONAL

EESTÁGIO PROFISSIONAL CAPÍTULO I Artigo 1.º Regime aplicável 1. O presente regulamento refere-se aos procedimentos de regulação do Estágio do 1.º ano do ramo de Design, da licenciatura do Curso de Arte e Design da Escola Superior

Leia mais

BIBLIOGRAFIA 6. BIBLIOGRAFIA

BIBLIOGRAFIA 6. BIBLIOGRAFIA 6. BIBLIOGRAFIA Bento, J. (1991). Desporto, Saúde; Vida. Em Defesa do Desporto. Cultura Física. Livros Horizonte, Lisboa.. Branco, P. (1994). O Município e o Desporto: Contributo para a Definição de um

Leia mais

Uma Escola de Cidadania Uma Escola de Qualidade RIA - AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DR. FRANCISCO SANCHES

Uma Escola de Cidadania Uma Escola de Qualidade RIA - AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DR. FRANCISCO SANCHES REGULAMENTO INTERNO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DR. FRANCISCO SANCHES JANEIRO 2014 Índice Capítulo I... 1 Disposições Gerais... 1 Introdução... 1 Artigo 1.º --------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Leia mais

Conselho Local de Acção Social de Odivelas

Conselho Local de Acção Social de Odivelas Conselho Local de Acção Social de Odivelas 8ª Reunião 12 de Outubro de 2006 No dia 12 de Outubro de 2006, pelas quinze horas e trinta minutos, reuniu-se o Conselho Local de Acção Social de Odivelas (CLAS),

Leia mais

Guião orientador Manual de Qualidade da Actividade Formativa

Guião orientador Manual de Qualidade da Actividade Formativa Guião orientador Manual de Qualidade da Actividade Formativa I. INTRODUÇÃO A orientação para a qualidade deve constituir um pressuposto fundamental na actividade das entidades formadoras, traduzida na

Leia mais

COMISSÃO DE PROTECÇÃO DE CRIANÇAS E JOVENS DE VISEU

COMISSÃO DE PROTECÇÃO DE CRIANÇAS E JOVENS DE VISEU COMISSÃO DE PROTECÇÃO DE CRIANÇAS E JOVENS DE VISEU ANO EUROPEU DA IGUALDADE DE OPORTUNIDADE PARA TODOS Projecto de Actividades para Alunos do 1º CEB VISEU, 2007 INDICE Introdução:...3 Objectivos:...3

Leia mais

REGULAMENTO DE FUNCIONAMENTO DO PROGRAMA DE NATAÇÃO DO 1.º CICLO DO ENSINO BÁSICO

REGULAMENTO DE FUNCIONAMENTO DO PROGRAMA DE NATAÇÃO DO 1.º CICLO DO ENSINO BÁSICO REGULAMENTO DE FUNCIONAMENTO DO PROGRAMA DE NATAÇÃO DO 1.º CICLO DO ENSINO BÁSICO Deliberado pela Câmara Municipal de Sintra em 25 de janeiro de 2012 Aprovado pela Assembleia Municipal de Sintra em 26

Leia mais

PLANO DE ACÇÃO Comissão Social de Freguesia de Odivelas. Aderentes à Comissão Social de Freguesia de Odivelas

PLANO DE ACÇÃO Comissão Social de Freguesia de Odivelas. Aderentes à Comissão Social de Freguesia de Odivelas Um Plano de Acção consiste num instrumento componente do Plano de Desenvolvimento Social, que define sistematicamente, as acções a desenvolver, o cronograma, os parceiros responsáveis e os recursos. 1

Leia mais

REGULAMENTO DO PREÂMBULO

REGULAMENTO DO PREÂMBULO REGULAMENTO DO CONSELHO MUNICIPAL DE SEGURANÇA DA PÓVOA DE VARZIM PREÂMBULO A Lei n.º 33/98 de 18 de Julho institui os Conselhos Municipais de Segurança, os quais deverão ser criados no âmbito dos Municípios

Leia mais

Lisboa 2015 FICHA DE CANDIDATURA

Lisboa 2015 FICHA DE CANDIDATURA Lisboa 2015 Refª: 038 DE JOVEM A LIDER Grupo de Trabalho dos Bairros e Zonas de Intervenção Prioritária (BIP/ZIP) Rua Nova do Almada, nº 2-3º Andar 1100-060 Lisboa Telefone: 21 322 73 60 Email - bip.zip@cm-lisboa.pt

Leia mais

1 INTRODUÇÃO O PLANO DE ACÇÃO AVALIAÇÃO...14 PLANO DE ACÇÃO DE 2009 PÁGINA 1 DE 15

1 INTRODUÇÃO O PLANO DE ACÇÃO AVALIAÇÃO...14 PLANO DE ACÇÃO DE 2009 PÁGINA 1 DE 15 ÍNDICE 1 INTRODUÇÃO...2 2 O PLANO DE ACÇÃO 2009... 3 3 AVALIAÇÃO....14 PLANO DE ACÇÃO DE 2009 PÁGINA 1 DE 15 INTRODUÇÃO Depois de elaborado o diagnóstico social e o plano de desenvolvimento social surge

Leia mais

REGULAMENTO, CONSTITUIÇÃO E CRIAÇÃO DO CONSELHO MUNICIPAL DO DESPORTO PREÂMBULO

REGULAMENTO, CONSTITUIÇÃO E CRIAÇÃO DO CONSELHO MUNICIPAL DO DESPORTO PREÂMBULO REGULAMENTO, CONSTITUIÇÃO E CRIAÇÃO DO CONSELHO MUNICIPAL DO DESPORTO PREÂMBULO As Autarquias, devido à sua proximidade com a população, são os órgãos de poder que mais facilmente poderão desenvolver condições

Leia mais

Biblioteca de Escola Secundária/3ºC de Vendas Novas. Plano de acção Nota introdutória

Biblioteca de Escola Secundária/3ºC de Vendas Novas. Plano de acção Nota introdutória Biblioteca de Escola Secundária/3ºC de Vendas Novas Plano de acção 2009-2013 Nota introdutória O plano de acção é um documento orientador onde se conceptualizam e descrevem as metas a atingir num período

Leia mais

Comissão de Protecção de Crianças e Jovens de Arganil. Plano de Actividades para Efectuar levantamento das iniciativas de

Comissão de Protecção de Crianças e Jovens de Arganil. Plano de Actividades para Efectuar levantamento das iniciativas de ACÇÃO Nº I NOVOS (PER)CURSOS DE VIDA Caracterização da Acção Recursos a Afectar Calendarização Público-Alvo Grupo de Trabalho - Efectuar levantamento das iniciativas de 1. Estimular a participação dos

Leia mais

Consultoria para o planeamento do Sistema de Informação sobre Trabalho e Emprego de Cabo Verde

Consultoria para o planeamento do Sistema de Informação sobre Trabalho e Emprego de Cabo Verde Termos de Referência Consultoria para o planeamento do Sistema de Informação sobre Trabalho e Emprego de Cabo Verde Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD) Título: Consultoria para o planeamento

Leia mais

SERVIÇOS DE PSICOLOGIA E ORIENTAÇÃO SPO

SERVIÇOS DE PSICOLOGIA E ORIENTAÇÃO SPO SERVIÇOS DE PSICOLOGIA E ORIENTAÇÃO SPO DECRETO-LEI Nº190/1991 DE 17 MAIO DECRETO-LEI Nº300/1997 DE 31 OUTUBRO / PORTARIA Nº 63 / 2001 DE 30 DE JANEIRO A escola e seus actores Agrupamento de Escolas de

Leia mais

PLATAFORMA SUPRACONCELHIA DO BAIXO ALENTEJO

PLATAFORMA SUPRACONCELHIA DO BAIXO ALENTEJO PLATAFORMA SUPRACONCELHIA DO BAIXO ALENTEJO ACTA NÚMERO UM Aos 15 dias do mês de Dezembro de 2006, reuniu nas instalações cedidas pelo Instituto Português da Juventude Delegação de Beja, às 15 horas, depois

Leia mais

PLANO ANUAL DE ACTIVIDADES DA COMISSÃO DE PROTECÇÃO DE CRIANÇAS E JOVENS DO BARREIRO ANO 2009

PLANO ANUAL DE ACTIVIDADES DA COMISSÃO DE PROTECÇÃO DE CRIANÇAS E JOVENS DO BARREIRO ANO 2009 PLANO ANUAL DE ACTIVIDADES DA COMISSÃO DE PROTECÇÃO DE CRIANÇAS E JOVENS DO BARREIRO ANO 2009 Introdução A Comissão de Protecção de Crianças e Jovens do Barreiro (adiante designada CPCJ do Barreiro) é

Leia mais

MUNICÍPIO DE AZAMBUJA REGULAMENTO DO SERVIÇO MUNICIPAL DE PROTECÇÃO CIVIL

MUNICÍPIO DE AZAMBUJA REGULAMENTO DO SERVIÇO MUNICIPAL DE PROTECÇÃO CIVIL MUNICÍPIO DE AZAMBUJA REGULAMENTO DO SERVIÇO MUNICIPAL DE PROTECÇÃO CIVIL Edital n.º 82/2000 (2.ª série). AP. Carlos Alberto Pinto de Oliveira, presidente da Câmara Municipal da Azambuja: Torna público

Leia mais

PROTOCOLO DE COOPERAÇÃO

PROTOCOLO DE COOPERAÇÃO PROTOCOLO DE COOPERAÇÃO Grupo de Trabalho Concelhio [Novembro de 2008] ÍNDICE CAPÍTULO I Da Natureza, Objecto e Objectivos da RBMPC 3 ARTIGO 1.º Natureza 3 ARTIGO 2.º Objecto 4 ARTIGO 3.º Objectivos 4

Leia mais

Plano Bienal de Desenvolvimento de Marvila (Março de 2014 a Março de 2016)

Plano Bienal de Desenvolvimento de Marvila (Março de 2014 a Março de 2016) 1. - Ação de Team Building - Nº de ações realizadas; Trabalho em - Consolidar - Realizar 1 ação em - ATM - Nº de entidades presentes por ação Rede parcerias conjunto. - Criar plano de comunicação da CSF;

Leia mais

MODELO DE AVALIAÇÃO DA QUALIDADE. 9 de Janeiro de

MODELO DE AVALIAÇÃO DA QUALIDADE. 9 de Janeiro de MODELO DE AVALIAÇÃO DA QUALIDADE 9 de Janeiro de 2010 1 Modelo CRITÉRIOS RIOS MEIOS CRITÉRIO 1. LIDERANÇA, PLANEAMENTO E ESTRATÉGIA Como a gestão desenvolve e prossegue a missão, a visão e os valores da

Leia mais

FAMALICÃO INCLUSIVO. 1º Encontro do Grupo de Auto Representantes de Vila Nova de Famalicão

FAMALICÃO INCLUSIVO. 1º Encontro do Grupo de Auto Representantes de Vila Nova de Famalicão FAMALICÃO INCLUSIVO 1º Encontro do Grupo de Auto Representantes de Vila Nova de Famalicão FAMALICÃO INCLUSIVO Reuniões com os Serviços de Psicologia e Orientação FAMALICÃO INCLUSIVO Diagnóstico Local no

Leia mais

Regulamento Interno Conselho Local de Acção Social de Setúbal. CAPITULO I. Artigo 1.º Objecto. Artigo 2.º Âmbito

Regulamento Interno Conselho Local de Acção Social de Setúbal. CAPITULO I. Artigo 1.º Objecto. Artigo 2.º Âmbito Regulamento Interno. CAPITULO I DISPOSIÇÕES GERAIS Artigo 1.º Objecto O presente regulamento interno tem como objectivo e fins definir, reger e disciplinar a organização e funcionamento do Conselho Local

Leia mais