Plano de Acção

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Plano de Acção"

Transcrição

1

2 - 2 -

3 Nota Prévia A Rede Social afirmou-se ao longo da sua criação como uma medida inovadora e com capacidade de produzir alterações positivas na intervenção social. Esta medida assumiu-se, desde início, como um agente capaz de produzir respostas articuladas de combate à pobreza e exclusão social, tentando assim, intervir de forma eficiente sem desperdício dos recursos existentes no concelho. Com a Rede Social consolidaram-se duas estratégias orientadoras: 1. Constituição de uma parceria estratégica, que deveria ser a única existente em cada concelho/território, composta por dirigentes das entidades aderentes à Rede Social, dinamizada pela Câmara Municipal. Esta estratégia veio criar condições para pensar/desenvolver a intervenção social centrando-as nos problemas identificados no concelho; 2. Promover um planeamento integrado e sistemático da intervenção do conjunto dos agentes locais, planeamento obrigatoriamente participado, implicando a definição das prioridades de intervenção e servindo de base à articulação dos diferentes parceiros da rede; A elaboração do teve como documentos base de trabalho o Diagnóstico Social aprovado em Janeiro de 2014 e o Plano de Desenvolvimento Social 2014/2017. Na elaboração do Plano de Desenvolvimento Social foram identificados 4 eixos de intervenção prioritária, que serviram de base para a elaboração do Plano de Acção

4 Promover o Desenvolvimento Social através da Coesão Social Acções Entidade Indicadores de Cronograma Parcerias Promotora Execução Conclusão do Núcleo Aprovação do J F M A M J J A S O N D Diagnóstico Executivo do Diagnostico Núcleo Executivo CLAS Social CLAS Social em Plenário Elaboração do Núcleo Aprovação do J F M A M J J A S O N D Plano de Executivo do Plano de Núcleo Executivo CLAS Desenvolvimento CLAS Desenvolvimento Social Social em Plenário Elaboração do Núcleo Aprovação do J F M A M J J A S O N D Plano de Acção Executivo do plano de Acção Núcleo Executivo CLAS 2014 CLAS 2014 em plenário. Elaboração do Núcleo Aprovação do J F M A M J J A S O N D Plano de Acção Executivo do Plano de Acção Núcleo Executivo CLAS 2015 CLAS 2015 em plenário - 4 -

5 Objectivo Geral Objectivo Especifico 1 Acções 1. Acções de sensibilização para empresários, instituições e potenciais empregadores Entidade Promotora Eixo 1 Educação, emprego e formação Promover o desenvolvimento social através da coesão territorial Objectivo Especifico 1ª Até Dezembro de 2016 integrar 2% da população desempregada em medidas de apoio ao emprego Indicadores de Cronograma Avaliação Parcerias Execução acções J F M A M J J A S O N D Mensal Trimestral Semestral Anual desenvolvidas empregadores envolvidos 2. Divulgação das ofertas de J F M A M J J A S O N D Mensal Trimestral Semestral Anual ofertas/políticas GIP s emprego e GIP s activas de emprego oportunidades Avaliação Ongoing e oportunidades de de trabalho trabalho divulgadas - 5 -

6 3. Apoio ao acções J F M A M J J A S O N D Mensal Trimestral Semestral Anual desenvolvimento GIP s desenvolvidas GIP s de atitudes de % de Avaliação Ongoing procura activa de desempregados emprego envolvidos 4. Informação acções J F M A M J J A S O N D Mensal Trimestral Semestral Anual sobre medidas GIP s desenvolvidas GIP s activas de emprego % de e oportunidades de desempregados inserção envolvidos 5. Apoio ao sessões J F M A M J J A S O N D Mensal Trimestral Semestral Anual enquadramento de de projectos de auto- esclarecimento; emprego e de projectos empreendorismo apoiados. 6.Estimulação das colóquios J F M A M J J A S O N D Mensal Trimestral Semestral Anual capacidades realizados; empreendedoras dos alunos do ensino secundário - 6 -

7 Objectivo Geral Objectivo Especifico 2 Acções 1. Sinalização, encaminhamento e Orientação dos Jovens que abandonam ou concluam a escolaridade obrigatória Entidade Promotora Eixo 1 Educação, emprego e formação Promover o desenvolvimento social através da coesão territorial Objectivo Especifico 2ª Até Dezembro de 2016 aumentar o acompanhamento psico-social para 10% de alunos a partir do 2º ciclo Indicadores de Cronograma Avaliação Parcerias Execução J F M A M J J A S O N D Avaliação ongoing Município inscrições; Agrupamento de escolas Participantes; % de Jovens envolvidos - 7 -

8 Objectivo Geral Objectivo Especifico 3 Acções 1. Informação sobre as oportunidades de qualificação e encaminhamento Eixo 1 Educação, emprego e formação Promover o desenvolvimento social através da coesão territorial Objectivo Especifico 3ª Até Dezembro 2016 envolver 20% da população desempregada em acções de formação e capacitação profissional Entidade Indicadores de Cronograma Avaliação Parcerias Promotora Execução IEFP % da população J F M A M J J A S O N D Avaliação Ongoing IEFP desempregada GIP s envolvida GIP s formadoras formadoras - 8 -

9 Objectivo Geral Objectivo Especifico 1 Acções 1. Realização de um programa de competências parentais dirigido às famílias Entidade Promotora CLDS + Eixo 2 Família, Comunidade e Cidadania Promover o desenvolvimento social através da coesão territorial Objectivo Especifico 1ª Até Dezembro 2016 envolver os pais de 40% de alunos na vida educacional dos filhos em idade escolar Indicadores de Cronograma Avaliação Parcerias Execução J F M A M J J A S O N D Mensal Trimestral Semestral Anual Participantes - 9 -

10 Objectivo Geral Objectivo Especifico 2 Acções 1. Programa de promoção da autonomia e integração na vida activa 2. Integração de indivíduos com dependência de álcool num grupo de auto ajuda 3. Diminuir a violência doméstica Eixo 2 Família, Comunidade e Cidadania Promover o desenvolvimento social através da coesão territorial Objectivo Especifico 2 Até Dezembro de 2016 desenvolver competências sociais e pessoais em % dos indivíduos sinalizados pelas entidades competentes Entidade Indicadores Cronograma Avaliação Parcerias Promotora de Execução Acções J F M A M J J A S O N D Mensal Trimestral Semestral Anual desenvolvidas; Avaliação ongoing ; % das famílias envolvidas J F M A M J J A S O N D Mensal Trimestral Semestral Anual ; parceiras parceiras CPCJ acções J F M A M J J A S O N D Avaliação ongoing CPCJ desenvolvidas

11 e promover a Parceiras Parceiras igualdade de género % de famílias envolvidas 4. Divulgação das Município acções J F M A M J J A S O N D Mensal Trimestral Semestral Anual Município medidas de desenvolvidas protecção social à Parceiras Parceiras criança / família % de famílias envolvidas 5. Sinalização e Nº indivíduos J F M A M J J A S O N D Mensal Trimestral Semestral Anual acompanhamento UCC acompanhados UCC de indivíduos dependentes do álcool 6. Realização de sessões J F M A M J J A S O N D Mensal Trimestral Semestral Anual sessões de realizada; informação ao nível da saúde, ; formação, desporto

12 e educação para a cidadania com crianças 7. Execução de sessões J F M A M J J A S O N D Mensal Trimestral Semestral Anual actividades, realizadas; desportivas, culturais e recreativas com crianças até aos 12 anos. 8 Realização de J F M A M J J A S O N D Mensal Trimestral Semestral Anual um programa de competências sociais com jovens com idades compreendidas entre os 13 e os 16 anos Efectuar o CLAS J F M A M J J A S O N D Mensal Trimestral Semestral Anual IPSS levantamento da indivíduos UCC

13 população com deficiência no Concelho sinalizados Segurança Social parceiras

14 Objectivo Geral Objectivo Especifico 1 Acções 1. (Promoção de envelhecimento Activo) Especificamente: Universidade Sénior Caminhadas Actividades das Ipss s ou juntas de freguesia 2. Divulgação das medidas de protecção social ao Entidade Promotora UCC Associações locais Juntas de Freguesia Segurança Social Eixo 3 Envelhecimento Promover o desenvolvimento social através da coesão territorial Objectivo Especifico 1 Até Dezembro de 2016 envolver 5% da população em práticas de envelhecimento activo Indicadores Cronograma Avaliação Parcerias de Execução % da J F M A M J J A S O N D Avaliação ongoing aplicação UCC acções Associações desenvolvidas Locais Juntas de Freguesia acções J F M A M J J A S O N D Mensal Trimestral Semestral Anual Segurança desenvolvidas Social

15 idoso através dos meios de comunicação e dos sites das entidades locais Parceiras Parceiras

16 Objectivo Geral Objectivo Especifico 2 Acções 2a. Criação de uma associação de cuidadores informais 2b. Criação de uma rede virtual Entidade Promotora Centro Paroquial e Social de Fornelos Centro Paroquial e Eixo 3 Envelhecimento Promover o desenvolvimento social através da coesão territorial Objectivo Especifico 2a Até Dezembro de 2014 criar uma associação de cuidadores Objectivo Especifico 2b Até Dezembro de 2014 criar uma rede virtual (linha telefónica de apoio aos cuidadores informais) Objectivo Especifico 2c Até Dezembro de 2014 criar uma rede entre directores técnicos IPSS Indicadores de Cronograma Avaliação Parcerias Execução cuidadores J F M A M J J A S O N D Relatório final sobre adesão à UCC informais associação Centro Paroquial e envolvidos Social de Fornelos Segurança Social na constituição da associação cuidadores J F M A M J J A S O N D Relatório de avaliação sobre o UCC informais funcionamento da linha Centro Paroquial e

17 (linha telefónica de Social de aderentes à linha Social de Fornelos apoio a cuidadores Fornelos telefónica Segurança Social informais) chamadas/pedidos de apoio 3c. Criação de Centro IPSS J F M A M J J A S O N D Relatório final sobre adesão à UCC uma rede entre Paroquial e envolventes rede Centro Paroquial e directores técnicos Social de Social de Fornelos de IPSS Fornelos Segurança Social

18 Objectivo Geral Objectivo Especifico 1 Acções 1. Capacitação e mobilização das dinâmicas associativas locais Entidade Promotora Eixo 4 Respostas Sociais Promover o desenvolvimento social através da coesão territorial Objectivo Especifico 1ª Ate Dezembro 2016 envolver activamente 50% das IPSS s em dinâmicas de rede Indicadores Cronograma Avaliação Parcerias de Execução acções J F M A M J J A S O N D Avaliação ongoing desenvolvidas 2. Estimular e CLAS acções J F M A M J J A S O N D Mensal Trimestral Semestral Anual CLAS Apoiar a criação de desenvolvidas Respostas Sociais parceiras Parceiras para prioridades emergentes % de associações envolvidas

19 3.Garantir / CLAS acções J F M A M J J A S O N D Avaliação ongoing CLAS Aumentar a taxa de desenvolvidas cobertura das Parceiras Parceiras respostas sociais a grupos vulneráveis % de associações envolvidas 4. Capacitação e Segurança acções J F M A M J J A S O N D Mensal Trimestral Semestral Anual Segurança apoio dos técnicos Social desenvolvidas Social cuidadores formais Centro Centro / informais e Paroquial e Paroquial e voluntários através Social de % de Social de de acções de Fornelos associações Fornelos formação envolvidas 5. Publicar Município J F M A M J J A S O N D Mensal Trimestral Semestral Anual Município informações, Publicações, notícias e eventos noticias e relacionados com a Parceiras eventos Parceiras Acção Social do % de Concelho, nos sites Associações

20 das Instituições e do Município envolvidas

AGIR PARA SOLUCIONAR PLANO DE ACÇÃO PARA 2010

AGIR PARA SOLUCIONAR PLANO DE ACÇÃO PARA 2010 PLANO DE DESENVOLVIMENTO SOCIAL DO MUNICÍPIO DE ARMAMAR AGIR PARA SOLUCIONAR PLANO DE ACÇÃO PARA 2010 Plano de Acção 20010 1 Após elaboração do Plano de Desenvolvimento Social, onde estão definidas as

Leia mais

Plano de Formação Sensibilização / Informação 2010

Plano de Formação Sensibilização / Informação 2010 Plano de Sensibilização / 2010 Acção de / Eixo de Direitos e Cidadania 1.º 1.º e 4.º Janeiro e Fevereiro e Dezembro Fevereiro Centro Nós do 115 Famílias do básico (2.º e 3.º ciclos) e (Acção 8. Nós Pais

Leia mais

Rede Social de Vila Pouca de Aguiar

Rede Social de Vila Pouca de Aguiar Introdução... 3 Plano de Desenvolvimento Social... 4 O que é o Plano de Desenvolvimento Social?... 4 Para que serve o Plano de Desenvolvimento Social?... 4 O Plano de Desenvolvimento Social como processo

Leia mais

Câmara Municipal de Elvas. Plano de Acção. Conselho Local de Acção Social de Elvas

Câmara Municipal de Elvas. Plano de Acção. Conselho Local de Acção Social de Elvas Câmara Municipal de Elvas Plano de Acção 2007 Julho de 2006 Conselho Local de Acção Social de Elvas PROGRAMA REDE SOCIAL Co-financiado pelo Estado Português, Ministério da Segurança Social PLANO DE ACÇÃO

Leia mais

Plano de Desenvolvimento Social de Ponte de Lima 2014-2017

Plano de Desenvolvimento Social de Ponte de Lima 2014-2017 Plano de Desenvolvimento Social de Ponte de Lima 2014-2017 Página 2 de 29 Plano de Desenvolvimento Social de Ponte de Lima 2014-2017 Índice Índice de Siglas. 4 Nota Prévia... 5 Exposição e Explicação dos

Leia mais

REDE SOCIAL DE SOBRAL DE MONTE AGRAÇO PLANO DE ACÇÃO PARA 2010

REDE SOCIAL DE SOBRAL DE MONTE AGRAÇO PLANO DE ACÇÃO PARA 2010 REDE SOCIAL DE SOBRAL DE MONTE AGRAÇO PLANO DE ACÇÃO PARA 2010 EIXO I Promoção da Inclusão das famílias com especial enfoque às necessidades dos idosos OBJECTIVO GERAL Melhorar as condições de vida de

Leia mais

Núcleo Executivo do CLAS de Mafra, 28 Maio de

Núcleo Executivo do CLAS de Mafra, 28 Maio de Plano de Ação Rede Social Mafra Eixo I - DEMOGRAFIA E EQUIPAMENTOS (INFRA-ESTRUTURAS DE APOIO) Objectivo geral 1. Reforçar as estruturas de apoio ao idoso Objectivo Específico 1. Aumentar a capacidade

Leia mais

EIXO 1: EMPREGO, QUALIFICAÇÃO, EMPREENDEDORISMO E INICIATIVA LOCAL

EIXO 1: EMPREGO, QUALIFICAÇÃO, EMPREENDEDORISMO E INICIATIVA LOCAL EIXO 1: EMPREGO, QUALIFICAÇÃO, EMPREENDEDORISMO E INICIATIVA LOCAL Desenvolver as condições facilitadoras da criação de emprego, combate ao desemprego e incentivo à iniciativa local referente ao empreendedorismo

Leia mais

Ficha de Caracterização de Entidade/Projecto CLDS - ESPIRAL

Ficha de Caracterização de Entidade/Projecto CLDS - ESPIRAL Ficha de Caracterização de Entidade/Projecto CLDS - ESPIRAL 2 A. IDENTIFICAÇÃO GERAL DA ENTIDADE Projecto(s) Projecto Espiral - Contrato Local de Desenvolvimento Promotor(es): CESIS - Centro de Estudos

Leia mais

Plano de Desenvolvimento Social do Concelho de Soure

Plano de Desenvolvimento Social do Concelho de Soure / Ano 1 ÍNDICE 1 - Introdução 3 Pág. 2- Plano de Acção dos Projectos Estruturantes Transversais do Concelho de 4 2.1. Projecto Estruturante Apoio na Dependência 5 2.2. Projecto Estruturante Criar para

Leia mais

DICAS - Dinâmicas Comunitárias de Ativação Social

DICAS - Dinâmicas Comunitárias de Ativação Social ADILO PLANO DE AÇÃO CLDS 3G Lordelo do Ouro e Massarelos DICAS - Dinâmicas Comunitárias de Ativação Social 2016-2018 Eixo de Intervenção Objetivos Gerais por Eixo de Intervenção N.º Objetivo Descrição

Leia mais

Plano de Acção

Plano de Acção Plano de Acção 2016-2017 COORDENAÇÃO: Núcleo Executivo da Rede Social do Fundão () DIRECÇÃO TÉCNICA: Município do Fundão Fundão Novembro 2015 1 A Rede Social tem vindo a afirmar-se como a medida política

Leia mais

PLANO DE ACÇÃO DA REDE SOCIAL DE LISBOA ANO DE 2010 PRORROGAÇÃO PARA Aprovado em sede de CLAS a 04 de Julho de 2011

PLANO DE ACÇÃO DA REDE SOCIAL DE LISBOA ANO DE 2010 PRORROGAÇÃO PARA Aprovado em sede de CLAS a 04 de Julho de 2011 PLANO DE ACÇÃO DA REDE SOCIAL DE LISBOA ANO DE 2010 PRORROGAÇÃO PARA 2011 Aprovado em sede de CLAS a 04 de Julho de 2011 PLANO DE ACÇÃO PARA 2010 PRORROGAÇÃO PARA 2011 OBJECTIVO ESTRATÉGICO OBJECTIVO ESPECÍFICO

Leia mais

RELATÓRIO DE MONITORIZAÇÃO CLDS MARINHA SOCIAL

RELATÓRIO DE MONITORIZAÇÃO CLDS MARINHA SOCIAL RELATÓRIO DE MONITORIZAÇÃO CLDS MARINHA SOCIAL O presente relatório reflecte a actividade do CLDS Marinha Social, desde o inicio da sua actividade, em Julho de 2009 até Junho de 2010, analisando-se 2 momentos

Leia mais

Projecto GPS Gabinete de Proximidade para a Sustentabilidade

Projecto GPS Gabinete de Proximidade para a Sustentabilidade Projecto GPS Gabinete de Proximidade para a Sustentabilidade Actividade Formativa - Intervenção Comunitária Data 17 de Junho de 2009 Local Auditório do Edifício Cultural Município de Peniche Participação:

Leia mais

Conselho Local de Ação Social

Conselho Local de Ação Social Conselho Local de Ação Social Índice Introdução... 6 Eixo I - Demografia... 7 Eixo II Educação/Nível de Instrução... 8 Eixo III Economia... 11 Eixo IV Grupos Vulneráveis... 13 Avaliação.26 2 Ficha Técnica

Leia mais

Plano Bienal de Desenvolvimento de Marvila (Março de 2014 a Março de 2016)

Plano Bienal de Desenvolvimento de Marvila (Março de 2014 a Março de 2016) 1. - Ação de Team Building - Nº de ações realizadas; Trabalho em - Consolidar - Realizar 1 ação em - ATM - Nº de entidades presentes por ação Rede parcerias conjunto. - Criar plano de comunicação da CSF;

Leia mais

CONSELHO LOCAL DE ACÇÃO SOCIAL DE SÃO BRÁS DE ALPORTEL. Plano de Desenvolvimento Social de São Brás de Alportel 2006/2010

CONSELHO LOCAL DE ACÇÃO SOCIAL DE SÃO BRÁS DE ALPORTEL. Plano de Desenvolvimento Social de São Brás de Alportel 2006/2010 CONSELHO LOCAL DE ACÇÃO SOCIAL DE SÃO BRÁS DE ALPORTEL Plano de Desenvolvimento Social de São Brás de Alportel 2006/2010 PLANO DE ACÇÃO 2010 LISTA DE SIGLAS APEASBA Associação de País e Encarregados de

Leia mais

Desenvolvimento Local de Base Comunitária Cascais DesEnvolve Alcabideche e S. Domingos de Rana. 3ª Reunião do GAL

Desenvolvimento Local de Base Comunitária Cascais DesEnvolve Alcabideche e S. Domingos de Rana. 3ª Reunião do GAL Desenvolvimento Local de Base Comunitária Cascais DesEnvolve Alcabideche e S. Domingos de Rana 3ª Reunião do GAL Alcabideche, DNA Cascais 07 de julho de 2015 ORDEM DE TRABALHOS Ponto de situação sobre

Leia mais

2008 Concelho de Ourique

2008 Concelho de Ourique Plano de Acção 2008 Concelho de Rede Social Programa Rede Social Conselho Local de Acção Social de Janeiro 2008 Ficha Técnica Título: Plano de Acção 2008 do Concelho de Autoria: Núcleo Executivo da Rede

Leia mais

A Rede Social é definida como um fórum de articulação e congregação de esforços baseado na adesão livre por parte das autarquias e das entidades

A Rede Social é definida como um fórum de articulação e congregação de esforços baseado na adesão livre por parte das autarquias e das entidades 1 A Rede Social é definida como um fórum de articulação e congregação de esforços baseado na adesão livre por parte das autarquias e das entidades públicas ou privadas sem fins lucrativos que nela queiram

Leia mais

Plano Municipal Contra a Violência Doméstica Prolongamento

Plano Municipal Contra a Violência Doméstica Prolongamento Plano Municipal Contra a Violência Doméstica 2011-14 Prolongamento Plano Municipal Contra a Violência 2011 2013 Prolongamento O Plano Municipal Contra a Violência 2011/13, teve por objetivo estruturar

Leia mais

EIXO I ATRACTIVIDADE TERRITORIAL

EIXO I ATRACTIVIDADE TERRITORIAL Plano de Acção para 2007 1 Um Plano de Acção, mais do que um documento, pretende-se que seja um instrumento de trabalho manuseável, flexível, ajustável à realidade e útil. Neste sentido, considerou-se

Leia mais

Plano desenvolvimento social

Plano desenvolvimento social Plano desenvolvimento social 2014-2016 Área Intervenção I FAMÍLIA (HABITAÇÃO/EDUCAÇÃO) - Problemas ao nível do parque habitacional; - Falta de expetativas/ objetivos ao nível educativo; - Défice de competências

Leia mais

Plano de Ação Plano de Ação 2012

Plano de Ação Plano de Ação 2012 Plano de Ação PLANO DE AÇÃO DOCUMENTO ELABORADO PELO: da Rede Social do Concelho do CONTACTOS: Câmara Municipal do Rede Social do Concelho do Av. Dr. Francisco Sá Carneiro 2550-103 Tel. 262 690 100/262

Leia mais

FORMULÁRIO DE INSCRIÇÃO. Setor de Atividade Atividades de apoio social para pessoas idosas, com alojamento.

FORMULÁRIO DE INSCRIÇÃO. Setor de Atividade Atividades de apoio social para pessoas idosas, com alojamento. FORMULÁRIO DE INSCRIÇÃO Organização Centro Social Paroquial de Dornelas Diretor(a) Dra. Ana Lopes Fernandes Setor de Atividade 87301 Atividades de apoio social para pessoas idosas, com alojamento. Número

Leia mais

PLANO DE ATIVIDADES CLAS VISEU 2014

PLANO DE ATIVIDADES CLAS VISEU 2014 PLANO DE ATIVIDADES CLAS VISEU 2014 AÇÃO ATIVIDADES INTERVENIENTES Calendarização das Atividades J F M A M J J A S O N D 1) Realizar quatro reuniões plenárias durante o ano de 2014 1.1) Realização de uma

Leia mais

DO CONCELHO DE PROENÇA-A-NOVA

DO CONCELHO DE PROENÇA-A-NOVA PLANO DE DESENVOLVIMENTO SOCIAL E PLANO DE AÇÃO DO CONCELHO DE PROENÇA-A-NOVA JUNHO DE 2015 A DEZEMBRO 2017 1 NOTA INTRODUTÓRIA Atualmente torna-se cada vez mais evidente a necessidade de adequar o crescimento

Leia mais

Programa BIP/ZIP 2016

Programa BIP/ZIP 2016 Programa BIP/ZIP 2016 FICHA DE CANDIDATURA Refª: 051 BOUTIQUE DO BAIRRO Grupo de Trabalho dos Bairros e Zonas de Intervenção Prioritária (BIP/ZIP) Rua Nova do Almada, nº 2-3º Andar 1100-060 Lisboa Telefone:

Leia mais

Rede Social CLAS Fornos de Algodres C.L.A.S. CONSELH0 LOCAL DE ACÇÃO SOCIAL DO MUNICIPIO DE FORNOS DE ALGODRES

Rede Social CLAS Fornos de Algodres C.L.A.S. CONSELH0 LOCAL DE ACÇÃO SOCIAL DO MUNICIPIO DE FORNOS DE ALGODRES C.L.A.S. CONSELH0 LOCAL DE ACÇÃO SOCIAL DO MUNICIPIO DE FORNOS DE ALGODRES ABRIL DE 2009 NOTA INTRODUTÓRIA No documento aqui apresentado estão identificados os projectos e intervenções a realizar no Município

Leia mais

REDE SOCIAL CONSELHO LOCAL DE AÇÃO SOCIAL DE MANGUALDE

REDE SOCIAL CONSELHO LOCAL DE AÇÃO SOCIAL DE MANGUALDE REDE SOCIAL CONSELHO LOCAL DE AÇÃO SOCIAL DE MANGUALDE PLANO DE AÇÃO 2014-1 ENTIDADES QUE CONSTITUEM O CLASM (CONSELHO LOCAL DE AÇÃO SOCIAL DE MANGUALDE) Câmara Municipal de Mangualde Centro Distrital

Leia mais

Plano de Ação da Rede Social de Mafra 2017

Plano de Ação da Rede Social de Mafra 2017 EIXO I DEMOGRAFIA Objetivo Geral/Estratégico 1: Fortalecer as estruturas formais de apoio à Família OE1. Promover o alargamento da capacidade da resposta social Creche, nas Instituições onde já existe.

Leia mais

Entidades. Coordenadora ACM - Associação Cristã da Mocidade de Setúbal

Entidades. Coordenadora ACM - Associação Cristã da Mocidade de Setúbal CLDS Setúbal Entidades Coordenadora ACM - Associação Cristã da Mocidade de Setúbal Executoras ACM - Associação Cristã da Mocidade de Setúbal (Bela Vista e zona envolvente) APACCF - Associação de Professores

Leia mais

CLDS 3G REDONDO. Gerar Evolução

CLDS 3G REDONDO. Gerar Evolução CLDS 3G REDONDO Gerar Evolução Enquadramento: A presente síntese do projeto CLDS 3G Redondo GERAR EVOLUÇÃO, da responsabilidade Entidade Coordenadora Local (Centro Infantil Nossa Senhora da Saúde de Redondo),

Leia mais

Plano de Desenvolvimento Social

Plano de Desenvolvimento Social Plano de Desenvolvimento Social 65 6. Planear para Intervir Objectivos e Estratégias Numa fase seguinte, após a consequente identificação das vulnerabilidades concelhias /eixos estratégicos de intervenção

Leia mais

21 de Outubro de

21 de Outubro de 21 de Outubro de 2008 1 Conceito e Finalidade Sistema de articulação de diferentes parceiros públicos e privados que tem por objectivos: Criar um ambiente institucional favorável à expansão de um voluntariado

Leia mais

Centro de Recursos TEIA

Centro de Recursos TEIA Quem somos O Contrato Local Desenvolvimento Social 3ª Geração do Concelho Ourém (CLDS 3G) Centro de Recursos TEIA - iniciou a sua atividade a 2 de Novembro de 2015, tem como Entidade Coordenadora Local

Leia mais

27 de junho de Domingos Lopes

27 de junho de Domingos Lopes 27 de junho de 2016 Domingos Lopes Objetivos Temáticos OT 8. Promover a sustentabilidade e a qualidade do emprego e apoiar a mobilidade dos trabalhadores assumindo como meta nacional, até 2020, o aumento

Leia mais

1 INTRODUÇÃO O PLANO DE ACÇÃO AVALIAÇÃO...14 PLANO DE ACÇÃO DE 2009 PÁGINA 1 DE 15

1 INTRODUÇÃO O PLANO DE ACÇÃO AVALIAÇÃO...14 PLANO DE ACÇÃO DE 2009 PÁGINA 1 DE 15 ÍNDICE 1 INTRODUÇÃO...2 2 O PLANO DE ACÇÃO 2009... 3 3 AVALIAÇÃO....14 PLANO DE ACÇÃO DE 2009 PÁGINA 1 DE 15 INTRODUÇÃO Depois de elaborado o diagnóstico social e o plano de desenvolvimento social surge

Leia mais

Índice. Índice de Quadros. Índice de Siglas

Índice. Índice de Quadros. Índice de Siglas 2016 Plano de Ação Índice Índice de Quadros... 2 Índice de Siglas... 2 Sumário Executivo... 4 1. Plano Operacional... 5 2. Monitorização / Avaliação... 11 Índice de Quadros Quadro 1 - Planificação da de

Leia mais

Lisboa 2012 FICHA DE CANDIDATURA

Lisboa 2012 FICHA DE CANDIDATURA Lisboa 2012 Refª: 047 Reajustar Grupo de Trabalho dos Bairros e Zonas de Intervenção Prioritária (BIP/ZIP) Rua Nova do Almada, nº 2-3º Andar 1100-060 Lisboa Telefone: 21 322 73 60 Email - bip.zip@cm-lisboa.pt

Leia mais

Plano Local de Promoção dos Direitos da Criança

Plano Local de Promoção dos Direitos da Criança Plano Local de Promoção dos Direitos da Criança Breve Enquadramento O Plano Local de Promoção dos Direitos da Criança constitui o resultado do Projeto Tecer a, promovido pela Comissão Nacional de Promoção

Leia mais

INTRODUÇÃO. Escola. Comunidade/ Território Local

INTRODUÇÃO. Escola. Comunidade/ Território Local INTRODUÇÃO Este documento foi concetualizado como uma ferramenta para a construção de um território Educador, em que a educação e a formação podem acontecer dentro e fora da escola, através da promoção

Leia mais

Rede Social de Vila Nova de Famalicão 2013 Ano Europeu dos Cidadãos Famalicão promove Fóruns Comunitários nas Comissões Sociais Inter- Freguesias

Rede Social de Vila Nova de Famalicão 2013 Ano Europeu dos Cidadãos Famalicão promove Fóruns Comunitários nas Comissões Sociais Inter- Freguesias Rede Social de Valongo Pais, Mães & Companhia Rede Social de Aveiro Sessões de Sensibilização entre pares na área das demências Rede Social da Covilhã Efemérides e Atividades Atividades 2013 Ano Europeu

Leia mais

Plano de Ação 2013 Autoria:

Plano de Ação 2013 Autoria: Supraconcelhia BAIXO VOUGA (Cf. Dec- Lei n.º 115/2006 de 14 Junho) Plano de Ação Autoria: julho Introdução Corresponde o presente documento à proposta de Plano de Ação de da Territorial Supra concelhia

Leia mais

Plano de Ação Índice Sumário Executivo A Rede Social no concelho de Alenquer O Plano de Ação...

Plano de Ação Índice Sumário Executivo A Rede Social no concelho de Alenquer O Plano de Ação... PLANO DE AÇÃO 2014 Índice 1. - Sumário Executivo... 1 Pág. 2. - A Rede Social no concelho de Alenquer... 2 2.1. - O Plano de Ação...2 3. - Análise de Eixos de Intervenção... 3 Eixo I.- Deficiência... 4

Leia mais

Lisboa 2015 FICHA DE CANDIDATURA

Lisboa 2015 FICHA DE CANDIDATURA Lisboa 2015 Refª: 070 Gabinete de Apoio Jovem Futuro + Grupo de Trabalho dos Bairros e Zonas de Intervenção Prioritária (BIP/ZIP) Rua Nova do Almada, nº 2-3º Andar 1100-060 Lisboa Telefone: 21 322 73 60

Leia mais

Ficha de Caracterização de Entidade/Projecto. Vale de Alcântara CLDS +

Ficha de Caracterização de Entidade/Projecto. Vale de Alcântara CLDS + Ficha de Caracterização de Entidade/Projecto Vale de Alcântara CLDS + 1 A. IDENTIFICAÇÃO GERAL DA ENTIDADE Projecto(s) K'CIDADE para a Inclusão - Vale de Alcântara Entidade Coordenadora da Parceria Fundação

Leia mais

Lucília Espanhol Serviço Local de Borba da Segurança Social

Lucília Espanhol Serviço Local de Borba da Segurança Social 2017 PLANO DE AÇÃO Elaborado no âmbito do Programa Rede Social Plano de Ação do Concelho de 2017 s parceiras (Núcleo Executivo do CLASB): António Anselmo - Sofia Alexandra Dias - Crispim Francisco Lopes

Leia mais

Instituto da Segurança Social, I.P. Centro Distrital da Guarda

Instituto da Segurança Social, I.P. Centro Distrital da Guarda PLANEAMENTO ESTRATÉGICO SUPRACONCELHIO Plataforma Supraconcelhia * Beira Interior Norte (PSCBIN) Diagnóstico Social (DS) e Plano de Desenvolvimento Social (PDS) 11 / Dezembro / 2009 Instituto da Segurança

Leia mais

PLANO DE ACÇÃO Comissão Social de Freguesia de Odivelas. Aderentes à Comissão Social de Freguesia de Odivelas

PLANO DE ACÇÃO Comissão Social de Freguesia de Odivelas. Aderentes à Comissão Social de Freguesia de Odivelas Um Plano de Acção consiste num instrumento componente do Plano de Desenvolvimento Social, que define sistematicamente, as acções a desenvolver, o cronograma, os parceiros responsáveis e os recursos. 1

Leia mais

Programa 2012 FICHA DE CANDIDATURA. Refª: 073 GASP - Gabinete de Acção Social e Psicológica

Programa 2012 FICHA DE CANDIDATURA. Refª: 073 GASP - Gabinete de Acção Social e Psicológica Programa 2012 FICHA DE CANDIDATURA Refª: 073 GASP - Gabinete de Acção Social e Psicológica Grupo de Trabalho dos Bairros e Zonas de Intervenção Prioritária (BIP/ZIP) Rua Nova do Almada, nº 2-3º Andar 1100-060

Leia mais

PLANO DE ATIVIDADES 2016

PLANO DE ATIVIDADES 2016 Modalidade Destinatários Calendarização Obs. Divulgar e Promover a Comissão junto da população Promover a Comissão e Informar a Comunidade através de ações específicas. Aumentar competências no âmbito

Leia mais

Programa Rede Social Nisa PLANO DE AÇÃO Câmara Municipal de Nisa. Praça do Município Nisa Telefone

Programa Rede Social Nisa PLANO DE AÇÃO Câmara Municipal de Nisa. Praça do Município Nisa Telefone PLANO DE AÇÃO 2017 NOTA PRÉVIA Decorrente do processo de atualização do diagnóstico social e do plano de desenvolvimento social, da Rede Social do Concelho de Nisa e numa perspetiva de continuidade em

Leia mais

Entidade responsável pela Execução

Entidade responsável pela Execução Eixo Estratégico I - Parcerias e Economia Solidária 2009, 3 acções de sensibilização/formação para dirigentes Associativos com vista à melhoria do seu desempenho. 2009, 3 acções de formação para técnicos

Leia mais

Projecto GPS Gabinete de Proximidade para a Sustentabilidade

Projecto GPS Gabinete de Proximidade para a Sustentabilidade Projecto GPS Gabinete de Proximidade para a Sustentabilidade Actividade Formativa - Intervenção Comunitária Data 13 e 14 de Maio de 2009 Local Auditório do Edifício Cultural Município de Peniche Participação:

Leia mais

Programa BIP/ZIP 2016

Programa BIP/ZIP 2016 Programa BIP/ZIP 2016 FICHA DE CANDIDATURA Refª: 081 HÁ VIDA NO PAÇO Grupo de Trabalho dos Bairros e Zonas de Intervenção Prioritária (BIP/ZIP) Rua Nova do Almada, nº 2-3º Andar 1100-060 Lisboa Telefone:

Leia mais

Portugal APOIOS COMUNITÁRIOS às entidades da economia social. Versão de 11/jun/2015

Portugal APOIOS COMUNITÁRIOS às entidades da economia social. Versão de 11/jun/2015 Portugal 2020 APOIOS COMUNITÁRIOS às entidades da economia social Versão de 11/jun/2015 1 Regulamento FSE Através da Portaria nº 97-A/2015, de 30 de março, da Presidência do Conselho de Ministros e Ministério

Leia mais

CLUBE DE EMPREGO SOCIOHABITAFUNCHAL PLANO DE ACTIVIDADES

CLUBE DE EMPREGO SOCIOHABITAFUNCHAL PLANO DE ACTIVIDADES PLANO DE ACTIVIDADES 2010 2011 Identificação Entidade: Sociohabitafunchal, E.M Animadora: Célia Dantas Localização: Centro Cívico de Santo António Designação O Clube de Emprego é um serviço promovido pelo

Leia mais

Plano de Acção 2006/2007. Rede Social Concelho da Lourinhã

Plano de Acção 2006/2007. Rede Social Concelho da Lourinhã Plano de Acção 2006/2007 Rede Social Concelho da Lourinhã E I X O I Intervenção Dirigida a Grupos Específicos EIXO I : INTERVENÇÃO DIRIGIDA A GRUPOS ESPECIFICOS OBJECTIVO GERAL: Até Dezembro de 2007 existem

Leia mais

Plano de Ação do CLAS de Cascais

Plano de Ação do CLAS de Cascais Plano de Ação do CLAS de Cascais 2017 1 Introdução No quadro das competências do Conselho Local de Ação Social (CLAS) 1, a ação do seu Núcleo Executivo em 2017 vai desenvolver-se em 3 eixos de atuação:

Leia mais

A Taxa de Insucesso Escolar verificada no Concelho, revela-se bastante elevada quando comparada com a registada a nível nacional. De referir também,

A Taxa de Insucesso Escolar verificada no Concelho, revela-se bastante elevada quando comparada com a registada a nível nacional. De referir também, A Taxa de Insucesso Escolar verificada no Concelho, revela-se bastante elevada quando comparada com a registada a nível nacional. De referir também, o facto de o insucesso escolar aumentar à medida que

Leia mais

REGULAMENTO DA PLATAFORMA SUPRACONCELHIA DA BEIRA INTERIOR NORTE

REGULAMENTO DA PLATAFORMA SUPRACONCELHIA DA BEIRA INTERIOR NORTE REGULAMENTO DA PLATAFORMA SUPRACONCELHIA DA BEIRA INTERIOR NORTE O presente regulamento destina-se a dar a conhecer os princípios a que obedecem a organização e a articulação da Rede Social ao nível supraconcelhio,

Leia mais

ESTRATÉGIA DE DESENVOLVIMENTO LOCAL. GAL Eu Também Conto!

ESTRATÉGIA DE DESENVOLVIMENTO LOCAL. GAL Eu Também Conto! ESTRATÉGIA DE DESENVOLVIMENTO LOCAL GAL Eu Também Conto! ESTRATÉGIA DE DESENVOLVIMENTO LOCAL 1 ESTRATÉGIA DE DESENVOLVIMENTO LOCAL (EDL) A EDL incide em traços gerais nas seguintes problemáticas: Acesso

Leia mais

Lisboa 2015 FICHA DE CANDIDATURA

Lisboa 2015 FICHA DE CANDIDATURA Lisboa 2015 Refª: 038 DE JOVEM A LIDER Grupo de Trabalho dos Bairros e Zonas de Intervenção Prioritária (BIP/ZIP) Rua Nova do Almada, nº 2-3º Andar 1100-060 Lisboa Telefone: 21 322 73 60 Email - bip.zip@cm-lisboa.pt

Leia mais

PROPOSTA DE PLANO DE DESENVOLVIMENTO SOCIAL DE CONDEIXA 2013 I 2016

PROPOSTA DE PLANO DE DESENVOLVIMENTO SOCIAL DE CONDEIXA 2013 I 2016 NÚCLEO EXECUTIVO DO CLAS-C PROPOSTA DE PLANO DE DESENVOLVIMENTO SOCIAL DE CONDEIXA 2013 I 2016 Rede de Setembro de 2013 Proposta de Plano de Desenvolvimento de 1 Índice I - Parte 1- Introdução..... 3 2-

Leia mais

Lucília Espanhol Serviço Local de Borba da Segurança Social

Lucília Espanhol Serviço Local de Borba da Segurança Social 2016 PLANO DE AÇÃO Elaborado no âmbito do Programa Rede Social Plano de Ação do Concelho de 2016 s parceiras (Núcleo Executivo do CLASB): António Anselmo - Sofia Alexandra Dias - Crispim Francisco Lopes

Leia mais

Plano de Acção 2010 Concelho de Ourique

Plano de Acção 2010 Concelho de Ourique Plano de Acção 200 Concelho de Rede Social Programa Rede Social Conselho Local de Acção Social de Janeiro 2009 Ficha Técnica Título: Plano de Acção 200 do Concelho de Autoria: Núcleo Executivo da Rede

Leia mais

Plano de Desenvolvimento Social 2016/2020

Plano de Desenvolvimento Social 2016/2020 Plano de Desenvolvimento Social 2016/2020 O que é o PDS? Documento orientador de planeamento integrado e participado do desenvolvimento social para os próximos cinco anos. Pretende traçar o caminho a seguir

Leia mais

DGE- Direção-Geral de Educação Fátima Matos 27 de janeiro de 2015

DGE- Direção-Geral de Educação Fátima Matos 27 de janeiro de 2015 A Mediação como instrumento de promoção do sucesso escolar DGE- Direção-Geral de Educação 27 de janeiro de 2015 Definição de Mediação Escolar: A mediação escolar é o conjunto de estratégias e medidas,

Leia mais

Comissão de Protecção de Crianças e Jovens de Arganil. Plano de Actividades para Efectuar levantamento das iniciativas de

Comissão de Protecção de Crianças e Jovens de Arganil. Plano de Actividades para Efectuar levantamento das iniciativas de ACÇÃO Nº I NOVOS (PER)CURSOS DE VIDA Caracterização da Acção Recursos a Afectar Calendarização Público-Alvo Grupo de Trabalho - Efectuar levantamento das iniciativas de 1. Estimular a participação dos

Leia mais

GRUPO DE TRABALHO (INCLUINDO ALTERAÇÃO): COMISSÃO DE PROTECÇÃO DE CRIANÇAS E JOVENS EM RISCO

GRUPO DE TRABALHO (INCLUINDO ALTERAÇÃO): COMISSÃO DE PROTECÇÃO DE CRIANÇAS E JOVENS EM RISCO GRUPO DE TRABALHO (INCLUINDO ALTERAÇÃO): COMISSÃO DE PROTECÇÃO DE CRIANÇAS E JOVENS EM RISCO CRIANÇAS E JOVENS EM RISCO Índice: DIAGNÓSTICO... 51 OBJECTIVO GERAL: PROMOVER OS DIREITOS DA CRIANÇA JUNTO

Leia mais

Programa BIP/ZIP 2015

Programa BIP/ZIP 2015 Programa BIP/ZIP 2015 FICHA DE CANDIDATURA Refª: 086 Ensaio HD Grupo de Trabalho dos Bairros e Zonas de Intervenção Prioritária (BIP/ZIP) Rua Nova do Almada, nº 2-3º Andar 1100-060 Lisboa Telefone: 21

Leia mais

EDITORIAL O QUE É A REDE SOCIAL

EDITORIAL O QUE É A REDE SOCIAL EDITORIAL A Rede Social de Estarreja constitui a maior concertação de parcerias no Concelho. De entre os seus objectivos, compete-lhe criar canais regulares de comunicação e informação entre os parceiros

Leia mais

Actividades de dinamização social e melhoria da qualidade de vida

Actividades de dinamização social e melhoria da qualidade de vida Actividades de dinamização social e melhoria da qualidade de vida O EXEMPLO DA CÂMARA MUNICIPAL DE VALONGO EUNICE NEVES OBJECTIVOS Igualdade Direitos Humanos Cidadania Activa e Inclusiva Conciliação Novas

Leia mais

Conselho Local de Ação Social

Conselho Local de Ação Social Conselho Local de Ação Social Relatório de Avaliação do Plano de Ação 2015 Índice 1. Introdução 6 2. Avaliação da Execução do Plano de Ação de 2015.7 3.1. Eixo 1 - Demografia...8 3.2. Eixo 2 - Educação/Nível

Leia mais

Programa 2012 FICHA DE CANDIDATURA. Refª: 123 Oficina do Sabão - "Mais Emprego, Mais Sustentabilidade"

Programa 2012 FICHA DE CANDIDATURA. Refª: 123 Oficina do Sabão - Mais Emprego, Mais Sustentabilidade Programa 2012 FICHA DE CANDIDATURA Refª: 123 Oficina do Sabão - "Mais Emprego, Mais Sustentabilidade" Grupo de Trabalho dos Bairros e Zonas de Intervenção Prioritária (BIP/ZIP) Rua Nova do Almada, nº 2-3º

Leia mais

www.algarve.portugal2020.pt Região Competitiva, Resiliente, Empreendedora e Sustentável com base na valorização do Conhecimento CAPACITAR Fundo Social Europeu (FSE) Eixos Prioritários Prioridades de Investimento

Leia mais

Estratégias para a Saúde

Estratégias para a Saúde Estratégias para a Saúde V.1) Cadernos do PNS Acções e Recomendações Promoção da Cidadania em Saúde (Versão Discussão) ESTRATÉGIAS PARA A SAÚDE V.1) CADERNOS DO PNS - ACÇÕES E RECOMENDAÇÕES PROMOÇÃO DA

Leia mais

Programa 2012 FICHA DE CANDIDATURA. Refª: 110 Movimento Low Cost

Programa 2012 FICHA DE CANDIDATURA. Refª: 110 Movimento Low Cost Programa 2012 FICHA DE CANDIDATURA Refª: 110 Movimento Low Cost Grupo de Trabalho dos Bairros e Zonas de Intervenção Prioritária (BIP/ZIP) Rua Nova do Almada, nº 2-3º Andar 1100-060 Lisboa Telefone: 21

Leia mais

PROTOCOLO. Núcleo de Planeamento e Intervenção Sem-Abrigo de Setúbal

PROTOCOLO. Núcleo de Planeamento e Intervenção Sem-Abrigo de Setúbal PROTOCOLO Núcleo de Planeamento e Intervenção Sem-Abrigo de Setúbal Preâmbulo A criação da Estratégia Nacional para a Integração de Pessoas Sem-Abrigo (ENIPSA) 2009-2015 decorreu fundamentalmente da necessidade

Leia mais

AS POLÍTICAS DE RESPOSTA À CONJUTURA

AS POLÍTICAS DE RESPOSTA À CONJUTURA AS POLÍTICAS DE RESPOSTA À CONJUTURA Aumentar a liquidez / crédito Política monetária Normalização sistema financeiro Expandir a procura Apoiar o emprego Investimento público Investimento privado Políticas

Leia mais

PROGRAMA REDE SOCIAL

PROGRAMA REDE SOCIAL PROGRAMA REDE SOCIAL Valongo CONSELHO LOCAL DE ACÇÃO SOCIAL DE VALONGO - CLAS - REGULAMENTO INTERNO Aprovado em reunião do Conselho Local de Acção Social de Valongo a 02 de Julho de 2003 CAPÍTULO l Âmbito

Leia mais

Experiência Supraconcelhia do Tâmega e Sousa

Experiência Supraconcelhia do Tâmega e Sousa Experiência Supraconcelhia do Tâmega e Sousa conjunto de ações e comportamentos estabelecidos através da interação social que permite aos parceiros, a capacidade de agir, participar e provocar mudança

Leia mais

Saúde Para Todos Outubro 2016

Saúde Para Todos Outubro 2016 Saúde Para Todos Outubro Projeto Saúde para Todos ÍNDICE 1. Introdução... 3 2. Estratégia... 3 3. Objetivos... 4 4. População-alvo... 4 5. Metodologia... 4 6. Recursos... 5 7. Avaliação... 5 8. Cronograma...

Leia mais

COMISSÃO DE PROTECÇÃO DE CRIANÇAS E JOVENS DE VISEU

COMISSÃO DE PROTECÇÃO DE CRIANÇAS E JOVENS DE VISEU COMISSÃO DE PROTECÇÃO DE CRIANÇAS E JOVENS DE VISEU ANO EUROPEU DA IGUALDADE DE OPORTUNIDADE PARA TODOS Projecto de Actividades para Alunos do 1º CEB VISEU, 2007 INDICE Introdução:...3 Objectivos:...3

Leia mais

Plano de Ação Rede Social. Ourique

Plano de Ação Rede Social. Ourique Plano de Ação 204 Rede Social Ourique Conselho Local de Acção Social de Ourique Janeiro 204 Ficha Técnica Título: Plano de Acção 204 do Concelho de Ourique Autoria: Núcleo Executivo da Rede Social de Ourique

Leia mais

Promover a inserção social de pessoas e grupos mais vulneráveis; Estimular o desenvolvimento de projectos de vida;

Promover a inserção social de pessoas e grupos mais vulneráveis; Estimular o desenvolvimento de projectos de vida; São nossos objectivos: 1ª fase: Promover a inserção social de pessoas e grupos mais vulneráveis; Alargar e consolidar a rede de parcerias de forma a fomentar e a criar novos recursos, propiciando condições

Leia mais

SERVIÇOS DE PSICOLOGIA E ORIENTAÇÃO SPO

SERVIÇOS DE PSICOLOGIA E ORIENTAÇÃO SPO SERVIÇOS DE PSICOLOGIA E ORIENTAÇÃO SPO DECRETO-LEI Nº190/1991 DE 17 MAIO DECRETO-LEI Nº300/1997 DE 31 OUTUBRO / PORTARIA Nº 63 / 2001 DE 30 DE JANEIRO A escola e seus actores Agrupamento de Escolas de

Leia mais

Programa BIP/ZIP 2016

Programa BIP/ZIP 2016 Programa BIP/ZIP 2016 FICHA DE CANDIDATURA Refª: 018 Laços entre nós Grupo de Trabalho dos Bairros e Zonas de Intervenção Prioritária (BIP/ZIP) Rua Nova do Almada, nº 2-3º Andar 1100-060 Lisboa Telefone:

Leia mais

Plano de Acção 2013 Concelho de Ourique

Plano de Acção 2013 Concelho de Ourique Plano de Acção 203 Concelho de Ourique Rede Social Ourique Programa Rede Social Conselho Local de Acção Social de Ourique Janeiro 20 Ficha Técnica Título: Plano de Acção 203 do Concelho de Ourique Autoria:

Leia mais

Biblioteca de Escola Secundária/3ºC de Vendas Novas. Plano de acção Nota introdutória

Biblioteca de Escola Secundária/3ºC de Vendas Novas. Plano de acção Nota introdutória Biblioteca de Escola Secundária/3ºC de Vendas Novas Plano de acção 2009-2013 Nota introdutória O plano de acção é um documento orientador onde se conceptualizam e descrevem as metas a atingir num período

Leia mais

Rede Social. O que é a rede Social. Estrutura orgânica Metodologia Documentos produzidos

Rede Social. O que é a rede Social. Estrutura orgânica Metodologia Documentos produzidos Rede Social O que é a rede Social Estrutura orgânica Metodologia Documentos produzidos Rede Social O que é a rede Social O Programa REDE SOCIAL foi criado pela Resolução do Conselho de Ministros n.º 197/97

Leia mais

Plano de Ação do CLAS de Cascais

Plano de Ação do CLAS de Cascais Plano de Ação do CLAS de Cascais 2016 1 Introdução No quadro das competências do Conselho Local de Ação Social (CLAS) 1 a ação do seu Núcleo Executivo em 2016 vai desenvolver-se em 4 eixos de atuação:

Leia mais

PLANO DE ACÇÃO JANEIRO 2008 / DEZEMBRO 2008

PLANO DE ACÇÃO JANEIRO 2008 / DEZEMBRO 2008 PLAN DE ACÇÃ JANEIR 2008 / DEZEMBR 2008 Janeiro de 2008 PLAN DE ACÇÃ 2008 1 ÍNDICE Plano de Acção Introdução Eixos de Intervenção Educação Formação / Qualificação Formação Profissional / Emprego Envelhecimento/

Leia mais

PROGRAMA REDE SOCIAL PLANO DE ACÇÃO 2006/2007 CONCELHO DE ARRUDA DOS VINHOS

PROGRAMA REDE SOCIAL PLANO DE ACÇÃO 2006/2007 CONCELHO DE ARRUDA DOS VINHOS PLANO DE ACÇÃO 2006/2007 CONCELHO DE ARRUDA DOS VINHOS PROGRAMA REDE SOCIAL PROJECTO FINANCIADO PELO ESTADO PORTUGUÊS MINISTÉRIO DA SEGURANÇA SOCIAL E DO TRABALHO Junho 2006 Conselho Local de Acção Social

Leia mais

3,11% 3,03% 2,82% 2,76% 2,56% 1,92% 1,62% 1,52% 1,48% 0,00% 1,00% 2,00% 3,00% 4,00% 5,00% 6,00%

3,11% 3,03% 2,82% 2,76% 2,56% 1,92% 1,62% 1,52% 1,48% 0,00% 1,00% 2,00% 3,00% 4,00% 5,00% 6,00% Problemáticas Especificas e Respostas Sociais Famílias e comunidade Rendimento Social de Inserção População Beneficiária de RSI (%) Barreiro Montijo Almada Setúbal Peninsula de Setúbal Portugal Continental

Leia mais

Conselho Local de Acção Social de Pampilhosa da Serra REGULAMENTO

Conselho Local de Acção Social de Pampilhosa da Serra REGULAMENTO Conselho Local de Acção Social de Pampilhosa da Serra REGULAMENTO PREÂMBULO A REDE SOCIAL criada pela Resolução do Conselho de Ministros nº. 197/97, de 18 de Novembro, traduz-se numa estratégia de abordagem

Leia mais

Câmara Municipal de Grândola Divisão de Desenvolvimento Social Setor de Envelhecimento Ativo Programa Viver Solidário

Câmara Municipal de Grândola Divisão de Desenvolvimento Social Setor de Envelhecimento Ativo Programa Viver Solidário Câmara Municipal de Divisão de Desenvolvimento Social Setor de Envelhecimento Ativo Programa Viver Solidário De Janeiro a Dezembro de 2013 1 1. Breve Caracterização do Programa Viver Solidário : O Programa

Leia mais

Plano Estratégico para a Terceira Idade do Concelho de Santa Maria da Feira ( ) Programa

Plano Estratégico para a Terceira Idade do Concelho de Santa Maria da Feira ( ) Programa Seminário: Os desafios do Envelhecimento Activo Inovar no presente e planear o futuro Plano Estratégico para a Terceira Idade do Concelho de Santa Maria da Feira (2008-2011) Programa e-mili@ Cristina Ribeiro

Leia mais