PLANO DE ACÇÃO JANEIRO 2008 / DEZEMBRO 2008

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "PLANO DE ACÇÃO JANEIRO 2008 / DEZEMBRO 2008"

Transcrição

1 PLAN DE ACÇÃ JANEIR 2008 / DEZEMBR 2008 Janeiro de 2008 PLAN DE ACÇÃ

2 ÍNDICE Plano de Acção Introdução Eixos de Intervenção Educação Formação / Qualificação Formação Profissional / Emprego Envelhecimento/ Desertificação Grelha de articulação do Plano de Desenvolvimento Social de com o Plano Nacional de Acção para a Inclusão Conclusão PLAN DE ACÇÃ

3 PLAN DE ACÇÃ Plano de Acção a realizar anualmente, é elaborado a partir da relação entre os objectivos, os meios e a estratégia de implementação da Rede Social em cada concelho. Importa que o Plano de Acção descreva as actividades a realizar, fundamente e priorize as actividades e acções, em função das necessidades e expectativas expressas no local, bem como os recursos existentes. Trata-se de um instrumento que tem que ser elaborado por todos os parceiros, com responsabilidade na sua execução. Podemos então dizer que o Plano de Acção pretende responder a questões como: que fazer( escolha de actividades, acções e tarefas a realizar); Quando fazer( calendarização das actividades, acções e tarefas anteriormente definidas); Quem faz o quê (implica responsabilizar os respectivos parceiros pela execução das diversas actividades, de acordo com os seus recursos e disponibilidades; Como fazer (implica definir os meios e os métodos a utilizar); nde fazer (definição dos locais nos quais as actividades, acções e tarefas se realizam. PLAN DE ACÇÃ

4 Introdução Após a elaboração do Plano de Desenvolvimento Social do concelho de, no qual se definiu as linhas orientadoras de intervenção, procede-se à elaboração do Plano de Acção para o primeiro ano Janeiro de 2008 a Dezembro de No Plano de Acção identifica-se possíveis projectos e formas de intervenção de acordo com as estratégias definidas no PDS. Plano de Acção enquanto produto traduz-se num documento temporalmente finalizado, enquadrador de uma política de desenvolvimento social concelhia, sustentado pelo Plano de Desenvolvimento Social, de contornos participados; enquanto processo, encerra um conjunto de acções/actividades em torno de objectivos comuns, de forma a optimizar os recursos e responder às necessidades que foram diagnosticadas. Plano de Acção promove a qualidade das parcerias, através da mobilização e coordenação dos recursos, e a promoção e valorização local através da educação formação / qualificação ; formação profissional / emprego; envelhecimento / desertificação; acção social / instituições. PLAN DE ACÇÃ

5 Plano de Acção tem a seguinte estrutura: Eixo de Intervenção; Problema diagnosticado; bjectivo (s) Específico (s); Resultados; Projecto; Actividades; Acções; Cronograma; Recursos; rçamento ( Fonte); Entidade Responsável pelo Projecto PLAN DE ACÇÃ

6 Plano de Acção do concelho de, tem os seguintes Eixos de Intervenção: Educação Formação/ Qualificação Formação Profissional / Emprego Envelhecimento / Desertificação Acção Social / Instituições PLAN DE ACÇÃ

7 EIX DE INTERVENÇÃ: EDUCAÇÃ FRMAÇÃ / QUALIFICAÇÃ Problema Diagnosticado Baixa taxa de escolarização da população bjectivo Estratégico bjectivo (s) Especifico (s) Resultados Acções para a promoção da escolarização da população Até utubro de 2010 eliminar situações de absentismo ou abandono escola r Até utubro de 2010 aumentar a taxa de escolarização Até Junho de 2010 promover actividades de prevenção no âmbito da educação para a saúde Publicação / Divulgação dos resultados, na vertente quantitativa, relativo a : a) Sucesso / Insucesso b) Casos de abandono escolar PLAN DE ACÇÃ

8 Plano de Acção / Programação Projecto Actividades Acções Cronograma Recursos rçamento (Fonte) Entidade Responsável pelo Projecto C o M P N E N T E E D U C T I ; Divulgar o «Projecto Curricular do Agrupamento de Escolas e Jardins de Infância de». Elaboração de um relatório Promover hábitos de vida saudável: Fomentar práticas de alimentação saudável na escola e em casa; Promover o combate à inactividade física, concretamente na luta contra a obesidade; Promover o conhecimento do corpo, dos afectos e da sexualidade; Promover informação sobre a toxicodependência e o alcoolismo Criação de Cursos EFA B1, EFA B2 e EFA B3 Diagnóstico das problemáticas que levam ao insucesso Implementar o Plano de Promoção e de Educação para a Saúde Durante o ano de vigência do projecto Comunidade escolar; alunos, pessoal não docente, pais e encarregados de educação Autarquia Agrupamento de escolas de Intervenção Precoce CPCJ Associação de pais Centro de Saúde GNR A definir Agrupamento de Escolas de Câmara Municipal de PLAN DE ACÇÃ

9 EIX DE INTERVENÇÃ: EDUCAÇÃ FRMAÇÃ / QUALIFICAÇÃ Problema Diagnosticado Falta de formação da comunidade educativa bjectivo Estratégico bjectivo (s) Especifico (s) Resultados Promover a formação da comunidade educativa Até Junho de 2008 diagnosticar necessidades formativas Até Dezembro de 2010 promover acções de formação de acordo com as necessidades Publicação / Divulgação dos resultados na vertente quantitativa, relativo a: a)sucesso/ Insucesso PLAN DE ACÇÃ

10 Projecto Actividades Acções Cronograma Recursos C o M P N E N T E F R M A T I V A Criação de uma equipa de trabalho para preparação da acção Preparação de um plano de formação para a comunidade educativa Diagnóstico das necessidades de formação Aplicação do inquérito/ entrevista Tratamento dos dados apurados e elaboração do relatório Promoção de Acções de Formação Junho de 2008 Dezembro de 2008 Agrupamento de Escolas de Câmara Municipal de Centro de Emprego de Elvas Associação de Pais rçamento (Fonte) A definir Entidade Responsável pelo Projecto Agrupamento de Escolas de PLAN DE ACÇÃ

11 EIX DE INTERVENÇÃ: FRMAÇÃ PRFISSINAL / EMPREG Problema Diagnosticado Trabalho e inserção profissional bjectivo Estratégico bjectivo (s) Especifico (s) Resultados Diminuir a taxa de desemprego Até Dezembro de 2008 promover um Seminário para a disseminação de boas práticas Até Dezembro de 2009, realizar acções na área das estratégias e técnicas de procura de emprego e criação de novas empresas Mais postos de trabalho Aumento do poder de compra PLAN DE ACÇÃ

12 Projecto Actividades Acções Cronograma Recursos T R A B A L H rçamento (Fonte) Entidade Responsável pelo Projecto E I N S E R Ç Ã P R F I S S I N A L Acções de sensibilização Técnicas de Procura de Emprego e de criação do Próprio Emprego (Acção de sensibilização) Seminário sobre «Boas Práticas Empresariais na área da Integração Social e Responsabilid ade Social» utubro de 2008 Centro de Emprego de Elvas Juntas de Freguesias Câmara Municipal de A definir Centro de Emprego de Elvas PLAN DE ACÇÃ

13 EIX DE INTERVENÇÃ: FRMAÇÃ PRFISSINAL / EMPREG Problema Diagnosticado Necessidade de formação ajustada ao mercado de trabalho bjectivo Estratégico bjectivo (s) Especifico (s) Resultados Promover acções de formação ajustadas as necessidades de trabalho Até Dezembro de 2008, sinalizar as necessidades de formação profissional das entidades empregadoras do concelho Até Dezembro de 2010 realizar acções de formação direccionadas ao desenvolvimento de competências das pessoas e do mercado de trabalho Aumento do desempenho PLAN DE ACÇÃ

14 Projecto Actividades Acções Cronograma Recursos F R M A Ç Ã P R F I S S I N A L Constituição de um grupo de trabalho para elaboração de inquérito entrevista Aplicação do inquérito / entrevista Tratamento dos dados apurados e elaboração do relatório Levantamento das necessidades de formação das entidades empregadoras do concelho Aposta numa divulgação mais eficaz da oferta formativa Divulgação para a dupla certificação (qualificação e habilitação profissional) Durante o ano de vigência do projecto Câmara Municipal de Centro de Emprego de Elvas Agrupamento de Escolas EPNA-Escola Profissional do Norte Alentejano Juntas de Freguesias rçamento (Fonte) A definir Entidade Responsável pelo Projecto Centro de Emprego de Elvas PLAN DE ACÇÃ

15 EIX DE INTERVENÇÃ: ENVELHECIMENT / DESERTIFICAÇÃ Problema Diagnosticado Apoio domiciliário bjectivo Estratégico bjectivo (s) Especifico (s) Resultados Qualificar as respostas ao nível do apoio domiciliário Até Dezembro de 2008 criar o apoio domiciliário 24 horas Até Dezembro de 2008 criar uma Rede de Voluntariado estruturada de apoio á População idosa e dependente Até Dezembro de 2010 promover acções de informação / formação para técnicos e auxiliares que intervêm na área do social Proporcionar serviços adequados aos idosos mantendo-os no seu domicilio, retardando assim a sua institucionalização Aumentar as qualificações / competências dos funcionários PLAN DE ACÇÃ

16 Projecto Actividades Acções Cronograma Recursos A P I D M I C I L I Á R I Sensibilizar e informar as famílias Apoiar a população idosa e dependente Contacto efectivo com as IPSS Criar o Apoio Domiciliário 24 horas Criar uma Rede de Voluntariado ferta de formação profissional as IPSS do concelho Durante o ano de vigência do Plano IPSS Câmara Municipal de Centro Distrital de Segurança Social de Portalegre GNR Centro de Emprego de Elvas Centro de saúde Paróquia rçamento (Fonte) A definir Entidade Responsável pelo Projecto Câmara Municipal de PLAN DE ACÇÃ

17 EIX DE INTERVENÇÃ: ENVELHECIMENT / DESERTIFICAÇÃ Problema Diagnosticado Habitação degradada e com barreiras arquitectónicas bjectivo Estratégico bjectivo (s) Especifico (s) Resultados Identificar o número de habitações degradadas Promover a recuperação da habitação degradada no seu contexto arquitectónico Desenvolver Programas de recuperação de habitação degradada Até Julho de 2008 identificar habitações degradadas no concelho de Até Dezembro de 2010 recuperar habitações no concelho de Até Junho de 2008 implementar o Cartão Municipal do idoso Até Dezembro de 2008 criar a oficina Móvel e sensibilizar para a importância da mesma Recuperar o edificado Melhorar as condições de habitabilidade Melhorar as condições de vida dos idosos PLAN DE ACÇÃ

18 Projecto Actividades Acções Cronograma Recursos Habitação degradada e com Barreiras Arquitectó nicas Reuniões com os presidentes das juntas de freguesias do concelho Reuniões com os técnicos das instituições Identificar as famílias com carências Realizar visitas domiciliárias às famílias identificadas Implementar o Cartão Municipal do Idoso Identificar as habitações carenciadas a nível habitacional no concelho de Elaboração e distribuição de folhetos de divulgação Dinamizar a oficina móvel Funcionament o do Cartão do Idoso Durante o ano de vigência do Plano Junho de 2008 Câmara Municipal de Juntas de freguesias IPSS Segurança Social rçamento (Fonte) A definir Entidade Responsável pelo Projecto Câmara Municipal de PLAN DE ACÇÃ

19 EIX DE INTERVENÇÃ: ACÇÃ SCIAL / INSTITUIÇÕES Problema Diagnosticado Necessidade de aumentar / qualificar os equipamentos e respostas sociais existentes no concelho de bjectivo Estratégico bjectivo (s) Especifico (s) Resultados Até Dezembro de 2010 procurar criar um lar temporário para crianças e jovens em risco no concelho de Até Dezembro de 2008 criar um Centro de Convívio nas freguesias da Esperança e Mosteiros Aumentar / Qualificar os equipamentos e respostas sociais existentes no concelho de Até Dezembro de 2009 criar famílias de acolhimento no concelho de e um Serviço de Amas Até Dezembro de 2010 alargar as valências existentes nas instituições ligadas ao sector social no concelho de Até Dezembro de 2010 executar algumas obras de ampliação /remodelação nalgumas instituições do concelho nomeadamente: na Santa Casa da Misericórdia de, no Lar Bom Jesus de Esperança, no Centro Social dos Mosteiros Proporcionar ao idoso, uma resposta atempada cupar o tempo livre dos idosos na freguesia da Esperança Proporcionar a crianças institucionalizadas a integração numa família PLAN DE ACÇÃ

20 EIX DE INTERVENÇÃ: ACÇÃ SCIAL / INSTITUIÇÕES Problema Diagnosticado Necessidade de aumentar / qualificar os equipamentos e respostas sociais existentes no concelho de bjectivo Estratégico bjectivo (s) Especifico (s) Resultados Aumentar / Qualificar os equipamentos e respostas sociais existentes no concelho de Até Janeiro de 2008 apresentar uma candidatura a uma 2ªFase de construção da Unidade de Cuidados Continuados da Santa Casa da Misericórdia de Até Dezembro de 2010 incentivar a formação dos diferentes profissionais da área social Até Dezembro de 2010 criar residências para idosos na freguesia da Esperança Proporcionar ao idoso, uma resposta atempada cupar o tempo livre dos idosos na freguesia da Esperança Proporcionar a crianças institucionalizadas a integração numa família PLAN DE ACÇÃ

21 Projecto Actividades Acções Cronograma Recursos Aumentar / Melhorar a rede de equipamentos e respostas sociais existentes no concelho Elaboração de candidaturas Construção do Lar Temporário para crianças e jovens em risco Ampliação/re modelação do Lar da Santa Casa da Misericórdia de do Lar Bom Jesus da Esperança e do Centro Social dos Mosteiros Candidatura a uma 2ª Fase de Construção da Unidade de Cuidados Continuados de Longa Duração da Santa casa da Misericórdia de Criação de um Centro de Convívio em Esperança e Mosteiros Durante o ano de vigência do Plano Janeiro de 2008 utubro de 2008 IPSS Câmara Municipal de Centro Distrital de Segurança Social de Portalegre rçamento (Fonte) A definir Entidade Responsável pelo Projecto Câmara Municipal de PLAN DE ACÇÃ

22 GRELHA DE ARTICULAÇÃ D PLAN DE DESENVLVIMENT SCIAL DE ARRNCHES CM PLAN NACINAL DE ACÇÃ PARA INCLUSÃ Prioridades PNAI Eixo de Intervenção PDS Metas Instrumentais do PNAI bjectivos Estratégicos do PDS bjectivos Específicos do PDS Acções do Plano de Acção Prioridade 1 Combater a pobreza das crianças e dos idosos, através de medidas que assegurem os seus direitos básicos de cidadania Acção Social / Instituições Envelhecimento / Desertificação Reforçar os equipamentos sociais para idosos criando novas vagas até 2009 Disponibilizar cerca lugares equipamentos da rede de cuidados continuados integrados até camas em unidades para a prestação de serviços de apoio e internamento de longa duração Garantir a intervenção organizada em pelo menos metade dos concelhos do país, até 2008 Aumentar / Qualificar os equipamentos e respostas sociais existentes no concelho de Qualificar as respostas ao nível do apoio domiciliário Identificar o número de habitações degradadas Promover acções de formação ajustadas as necessidades do mercado de trabalho Até Janeiro de 2008 apresentar uma candidatura a uma 2ª Fase de construção da Unidade de Cuidados Continuados de Longa Duração da Santa Casa da Misericórdia de Até Dezembro de 2008 criar o apoio domiciliário 24 horas Até Dezembro de 2008 criar uma rede de voluntariado estruturada de apoio a população idosa e dependente Até Julho de 2008 identificar habitações degradadas no concelho de Com necessidade de mais tempo 2008 PLAN DE ACÇÃ

23 Prioridades PNAI Eixo de Intervenção PDS Metas Instrumentais do PNAI bjectivos Estratégicos do PDS bjectivos Específicos do PDS Acções do Plano de Acção Prioridade 2. Corrigir as desvantagens na educação e formação / qualificação Formação Profissional / Emprego Educação Formação / Qualificação Abranger de pessoas em idade activa em acções de formação e integração profissional Alargar a oferta formativa de cariz vocacional nas escolas profissionais e secundárias públicas abrangendo até 2007, jovens (->15 anos ) e, até 2010, cerca de Promover acções de formação ajustadas as necessidades de trabalho Acções para a promoção da escolarização da população Até Dezembro de 2008, sinalizar as necessidades de formação profissional das entidades empregadoras do concelho de Até Dezembro de 2010 eliminar situações de absentismo ou abandono escolar Com necessidade de mais tempo 2008 PLAN DE ACÇÃ

24 Conclusão : Plano de Acção que aqui se apresenta é uma proposta anual que tem em vista a racionalização e rentabilização dos recursos existentes, de modo a colmatar as necessidades locais diagnosticadas. De salientar que algumas das acções acima calendarizadas terão continuidade nos próximos Planos de Acção e que a semelhança do Diagnóstico Social e do Plano de Desenvolvimento Social, o Plano de Acção não se apresenta como um instrumento estanque, poderá vir a ser alterado sempre que se justifique, o que permite a inclusão de novas iniciativas, metodologias e parcerias. Espera-se conseguir, com a colaboração activa de todos os parceiros, atingir os objectivos fundamentais da Rede Social e alcançar o desenvolvimento proposto e desejável para o concelho de, o que irá demonstrar que o trabalho em parceria é o caminho a seguir para um concelho onde todos têm um papel decisivo nas opções estratégicas para o futuro. PLAN DE ACÇÃ

Câmara Municipal de Elvas. Plano de Acção. Conselho Local de Acção Social de Elvas

Câmara Municipal de Elvas. Plano de Acção. Conselho Local de Acção Social de Elvas Câmara Municipal de Elvas Plano de Acção 2007 Julho de 2006 Conselho Local de Acção Social de Elvas PROGRAMA REDE SOCIAL Co-financiado pelo Estado Português, Ministério da Segurança Social PLANO DE ACÇÃO

Leia mais

EIXO 1: EMPREGO, QUALIFICAÇÃO, EMPREENDEDORISMO E INICIATIVA LOCAL

EIXO 1: EMPREGO, QUALIFICAÇÃO, EMPREENDEDORISMO E INICIATIVA LOCAL EIXO 1: EMPREGO, QUALIFICAÇÃO, EMPREENDEDORISMO E INICIATIVA LOCAL Desenvolver as condições facilitadoras da criação de emprego, combate ao desemprego e incentivo à iniciativa local referente ao empreendedorismo

Leia mais

Plano de Acção

Plano de Acção - 2 - Nota Prévia A Rede Social afirmou-se ao longo da sua criação como uma medida inovadora e com capacidade de produzir alterações positivas na intervenção social. Esta medida assumiu-se, desde início,

Leia mais

1 INTRODUÇÃO O PLANO DE ACÇÃO AVALIAÇÃO...14 PLANO DE ACÇÃO DE 2009 PÁGINA 1 DE 15

1 INTRODUÇÃO O PLANO DE ACÇÃO AVALIAÇÃO...14 PLANO DE ACÇÃO DE 2009 PÁGINA 1 DE 15 ÍNDICE 1 INTRODUÇÃO...2 2 O PLANO DE ACÇÃO 2009... 3 3 AVALIAÇÃO....14 PLANO DE ACÇÃO DE 2009 PÁGINA 1 DE 15 INTRODUÇÃO Depois de elaborado o diagnóstico social e o plano de desenvolvimento social surge

Leia mais

REDE SOCIAL DE SOBRAL DE MONTE AGRAÇO PLANO DE ACÇÃO PARA 2010

REDE SOCIAL DE SOBRAL DE MONTE AGRAÇO PLANO DE ACÇÃO PARA 2010 REDE SOCIAL DE SOBRAL DE MONTE AGRAÇO PLANO DE ACÇÃO PARA 2010 EIXO I Promoção da Inclusão das famílias com especial enfoque às necessidades dos idosos OBJECTIVO GERAL Melhorar as condições de vida de

Leia mais

Plano de Ação Índice Sumário Executivo A Rede Social no concelho de Alenquer O Plano de Ação...

Plano de Ação Índice Sumário Executivo A Rede Social no concelho de Alenquer O Plano de Ação... PLANO DE AÇÃO 2014 Índice 1. - Sumário Executivo... 1 Pág. 2. - A Rede Social no concelho de Alenquer... 2 2.1. - O Plano de Ação...2 3. - Análise de Eixos de Intervenção... 3 Eixo I.- Deficiência... 4

Leia mais

DO CONCELHO DE PROENÇA-A-NOVA

DO CONCELHO DE PROENÇA-A-NOVA PLANO DE DESENVOLVIMENTO SOCIAL E PLANO DE AÇÃO DO CONCELHO DE PROENÇA-A-NOVA JUNHO DE 2015 A DEZEMBRO 2017 1 NOTA INTRODUTÓRIA Atualmente torna-se cada vez mais evidente a necessidade de adequar o crescimento

Leia mais

Núcleo Executivo do CLAS de Mafra, 28 Maio de

Núcleo Executivo do CLAS de Mafra, 28 Maio de Plano de Ação Rede Social Mafra Eixo I - DEMOGRAFIA E EQUIPAMENTOS (INFRA-ESTRUTURAS DE APOIO) Objectivo geral 1. Reforçar as estruturas de apoio ao idoso Objectivo Específico 1. Aumentar a capacidade

Leia mais

RELATÓRIO DE MONITORIZAÇÃO CLDS MARINHA SOCIAL

RELATÓRIO DE MONITORIZAÇÃO CLDS MARINHA SOCIAL RELATÓRIO DE MONITORIZAÇÃO CLDS MARINHA SOCIAL O presente relatório reflecte a actividade do CLDS Marinha Social, desde o inicio da sua actividade, em Julho de 2009 até Junho de 2010, analisando-se 2 momentos

Leia mais

Programa Rede Social Nisa PLANO DE AÇÃO Câmara Municipal de Nisa. Praça do Município Nisa Telefone

Programa Rede Social Nisa PLANO DE AÇÃO Câmara Municipal de Nisa. Praça do Município Nisa Telefone PLANO DE AÇÃO 2017 NOTA PRÉVIA Decorrente do processo de atualização do diagnóstico social e do plano de desenvolvimento social, da Rede Social do Concelho de Nisa e numa perspetiva de continuidade em

Leia mais

2008 Concelho de Ourique

2008 Concelho de Ourique Plano de Acção 2008 Concelho de Rede Social Programa Rede Social Conselho Local de Acção Social de Janeiro 2008 Ficha Técnica Título: Plano de Acção 2008 do Concelho de Autoria: Núcleo Executivo da Rede

Leia mais

INTRODUÇÃO. Escola. Comunidade/ Território Local

INTRODUÇÃO. Escola. Comunidade/ Território Local INTRODUÇÃO Este documento foi concetualizado como uma ferramenta para a construção de um território Educador, em que a educação e a formação podem acontecer dentro e fora da escola, através da promoção

Leia mais

Plano de Desenvolvimento Social do Concelho de Soure

Plano de Desenvolvimento Social do Concelho de Soure / Ano 1 ÍNDICE 1 - Introdução 3 Pág. 2- Plano de Acção dos Projectos Estruturantes Transversais do Concelho de 4 2.1. Projecto Estruturante Apoio na Dependência 5 2.2. Projecto Estruturante Criar para

Leia mais

Escrito por Administrador Quinta, 05 Fevereiro :48 - Actualizado em Terça, 10 Novembro :11

Escrito por Administrador Quinta, 05 Fevereiro :48 - Actualizado em Terça, 10 Novembro :11 Plano de Ação e Plano Estratégico do Agrupamento 1.Plano de Ação Para dar consecução à missão e aos valores, pretende o Agrupamento desenvolver uma ação educativa alicerçada num conjunto de princípios

Leia mais

PLANO DE ATIVIDADES 2016

PLANO DE ATIVIDADES 2016 Modalidade Destinatários Calendarização Obs. Divulgar e Promover a Comissão junto da população Promover a Comissão e Informar a Comunidade através de ações específicas. Aumentar competências no âmbito

Leia mais

PROGRAMA REDE SOCIAL PLANO DE ACÇÃO 2006/2007 CONCELHO DE ARRUDA DOS VINHOS

PROGRAMA REDE SOCIAL PLANO DE ACÇÃO 2006/2007 CONCELHO DE ARRUDA DOS VINHOS PLANO DE ACÇÃO 2006/2007 CONCELHO DE ARRUDA DOS VINHOS PROGRAMA REDE SOCIAL PROJECTO FINANCIADO PELO ESTADO PORTUGUÊS MINISTÉRIO DA SEGURANÇA SOCIAL E DO TRABALHO Junho 2006 Conselho Local de Acção Social

Leia mais

A Taxa de Insucesso Escolar verificada no Concelho, revela-se bastante elevada quando comparada com a registada a nível nacional. De referir também,

A Taxa de Insucesso Escolar verificada no Concelho, revela-se bastante elevada quando comparada com a registada a nível nacional. De referir também, A Taxa de Insucesso Escolar verificada no Concelho, revela-se bastante elevada quando comparada com a registada a nível nacional. De referir também, o facto de o insucesso escolar aumentar à medida que

Leia mais

CLUBE DE EMPREGO SOCIOHABITAFUNCHAL PLANO DE ACTIVIDADES

CLUBE DE EMPREGO SOCIOHABITAFUNCHAL PLANO DE ACTIVIDADES PLANO DE ACTIVIDADES 2010 2011 Identificação Entidade: Sociohabitafunchal, E.M Animadora: Célia Dantas Localização: Centro Cívico de Santo António Designação O Clube de Emprego é um serviço promovido pelo

Leia mais

EIXO I ATRACTIVIDADE TERRITORIAL

EIXO I ATRACTIVIDADE TERRITORIAL Plano de Acção para 2007 1 Um Plano de Acção, mais do que um documento, pretende-se que seja um instrumento de trabalho manuseável, flexível, ajustável à realidade e útil. Neste sentido, considerou-se

Leia mais

O estado de saúde depende em muito de comportamentos saudáveis, como não utilizar drogas (licitas ou ilícitas), alimentar-se correctamente, praticar

O estado de saúde depende em muito de comportamentos saudáveis, como não utilizar drogas (licitas ou ilícitas), alimentar-se correctamente, praticar O estado de saúde depende em muito de comportamentos saudáveis, como não utilizar drogas (licitas ou ilícitas), alimentar-se correctamente, praticar exercício físico, entre outras. No entanto, e o nosso

Leia mais

Plano Integrado de Combate à Exclusão Social na Escola e de Prevenção do Abandono Escolar

Plano Integrado de Combate à Exclusão Social na Escola e de Prevenção do Abandono Escolar SECRETARIA REGIONAL DA EDUCAÇÃO E CULTURA DIREÇÃO REGIONAL DA EDUCAÇÃO ESCOLA BÁSICA INTEGRADA DE RIBEIRA GRANDE Equipa Multidisciplinar da EBI de Ribeira Grande Plano Integrado de Combate à Exclusão Social

Leia mais

Plano Local de Promoção dos Direitos da Criança

Plano Local de Promoção dos Direitos da Criança Plano Local de Promoção dos Direitos da Criança Breve Enquadramento O Plano Local de Promoção dos Direitos da Criança constitui o resultado do Projeto Tecer a, promovido pela Comissão Nacional de Promoção

Leia mais

Introdução Página 2 A CPCJ de Boticas Página 3 Plano de Atividades Página 4

Introdução Página 2 A CPCJ de Boticas Página 3 Plano de Atividades Página 4 Índice Introdução Página 2 A CPCJ de Boticas Página 3 Plano de Atividades Página 4 Introdução O objetivo do Plano de Atividades da CPCJ de Boticas para 2016 é planear as atividades, procurando manter,

Leia mais

Biblioteca de Escola Secundária/3ºC de Vendas Novas. Plano de acção Nota introdutória

Biblioteca de Escola Secundária/3ºC de Vendas Novas. Plano de acção Nota introdutória Biblioteca de Escola Secundária/3ºC de Vendas Novas Plano de acção 2009-2013 Nota introdutória O plano de acção é um documento orientador onde se conceptualizam e descrevem as metas a atingir num período

Leia mais

Rede Social CLAS Fornos de Algodres C.L.A.S. CONSELH0 LOCAL DE ACÇÃO SOCIAL DO MUNICIPIO DE FORNOS DE ALGODRES

Rede Social CLAS Fornos de Algodres C.L.A.S. CONSELH0 LOCAL DE ACÇÃO SOCIAL DO MUNICIPIO DE FORNOS DE ALGODRES C.L.A.S. CONSELH0 LOCAL DE ACÇÃO SOCIAL DO MUNICIPIO DE FORNOS DE ALGODRES ABRIL DE 2009 NOTA INTRODUTÓRIA No documento aqui apresentado estão identificados os projectos e intervenções a realizar no Município

Leia mais

AGIR PARA SOLUCIONAR PLANO DE ACÇÃO PARA 2010

AGIR PARA SOLUCIONAR PLANO DE ACÇÃO PARA 2010 PLANO DE DESENVOLVIMENTO SOCIAL DO MUNICÍPIO DE ARMAMAR AGIR PARA SOLUCIONAR PLANO DE ACÇÃO PARA 2010 Plano de Acção 20010 1 Após elaboração do Plano de Desenvolvimento Social, onde estão definidas as

Leia mais

ESTRUTURA ORGANIZATIVA DA ISCMPSA

ESTRUTURA ORGANIZATIVA DA ISCMPSA ESTRUTURA ORGANIZATIVA DA ISCMPSA Este documento visa dar corpo á orgânica dos serviços da Santa Casa, ou seja, definir competências, hierarquias e formas de actuação. Como a Santa Casa da Póvoa de Santo

Leia mais

Rede Social de Coimbra

Rede Social de Coimbra Divisão de Acção Social e Família Boletim Informativo Nº. 12 22/07/2009 NOVIDADES: 7, 8, 9 e 10 de Setembro Projecto EluSIDA na Escola Casa Municipal da Cultura Rede Social de Coimbra EDITORIAL A Rede

Leia mais

Plano de Desenvolvimento Social

Plano de Desenvolvimento Social Plano de Desenvolvimento Social 65 6. Planear para Intervir Objectivos e Estratégias Numa fase seguinte, após a consequente identificação das vulnerabilidades concelhias /eixos estratégicos de intervenção

Leia mais

Promover a inserção social de pessoas e grupos mais vulneráveis; Estimular o desenvolvimento de projectos de vida;

Promover a inserção social de pessoas e grupos mais vulneráveis; Estimular o desenvolvimento de projectos de vida; São nossos objectivos: 1ª fase: Promover a inserção social de pessoas e grupos mais vulneráveis; Alargar e consolidar a rede de parcerias de forma a fomentar e a criar novos recursos, propiciando condições

Leia mais

Plano de Ação do CLAS de Cascais

Plano de Ação do CLAS de Cascais Plano de Ação do CLAS de Cascais 2016 1 Introdução No quadro das competências do Conselho Local de Ação Social (CLAS) 1 a ação do seu Núcleo Executivo em 2016 vai desenvolver-se em 4 eixos de atuação:

Leia mais

Agrupamento de Escolas de Alhandra, Sobralinho e S. João dos Montes

Agrupamento de Escolas de Alhandra, Sobralinho e S. João dos Montes Missão do Agrupamento de Escolas de Alhandra, Sobralinho e S. João dos Montes Assegurar a prestação de um serviço público de qualidade na educação, partindo do reconhecimento das condições objectivas do

Leia mais

Objectivos e metas do Projecto Educativo 2010 / 2013

Objectivos e metas do Projecto Educativo 2010 / 2013 Objectivos e metas do Projecto Educativo 2010 / 2013 Objectivos Metas Indicadores 1. Promover a Educação Intercultural/ Melhorar valências da escola Inclusiva. a) Reduzir a taxa de desistência escolar

Leia mais

Lisboa 2015 FICHA DE CANDIDATURA

Lisboa 2015 FICHA DE CANDIDATURA Lisboa 2015 Refª: 070 Gabinete de Apoio Jovem Futuro + Grupo de Trabalho dos Bairros e Zonas de Intervenção Prioritária (BIP/ZIP) Rua Nova do Almada, nº 2-3º Andar 1100-060 Lisboa Telefone: 21 322 73 60

Leia mais

ASSOCIAÇÃO TODOS PELOS OUTROS - TPO PLANO DE ATIVIDADES

ASSOCIAÇÃO TODOS PELOS OUTROS - TPO PLANO DE ATIVIDADES PLANO DE ATIVIDADES 2014 1. Introdução A ASSOCIAÇÃO TODOS PELOS OUTROS - TPO, é uma Associação sem fins lucrativos, com sede na Rua D. Duarte Nuno, nº 50, 3025-582 São Silvestre, na freguesia de São Silvestre,

Leia mais

Programa 2012 FICHA DE CANDIDATURA. Refª: 073 GASP - Gabinete de Acção Social e Psicológica

Programa 2012 FICHA DE CANDIDATURA. Refª: 073 GASP - Gabinete de Acção Social e Psicológica Programa 2012 FICHA DE CANDIDATURA Refª: 073 GASP - Gabinete de Acção Social e Psicológica Grupo de Trabalho dos Bairros e Zonas de Intervenção Prioritária (BIP/ZIP) Rua Nova do Almada, nº 2-3º Andar 1100-060

Leia mais

Comissão de Protecção de Crianças e Jovens de Arganil. Plano de Actividades para Efectuar levantamento das iniciativas de

Comissão de Protecção de Crianças e Jovens de Arganil. Plano de Actividades para Efectuar levantamento das iniciativas de ACÇÃO Nº I NOVOS (PER)CURSOS DE VIDA Caracterização da Acção Recursos a Afectar Calendarização Público-Alvo Grupo de Trabalho - Efectuar levantamento das iniciativas de 1. Estimular a participação dos

Leia mais

Plano de Desenvolvimento Social 2016/2020

Plano de Desenvolvimento Social 2016/2020 Plano de Desenvolvimento Social 2016/2020 O que é o PDS? Documento orientador de planeamento integrado e participado do desenvolvimento social para os próximos cinco anos. Pretende traçar o caminho a seguir

Leia mais

Entidades. Coordenadora ACM - Associação Cristã da Mocidade de Setúbal

Entidades. Coordenadora ACM - Associação Cristã da Mocidade de Setúbal CLDS Setúbal Entidades Coordenadora ACM - Associação Cristã da Mocidade de Setúbal Executoras ACM - Associação Cristã da Mocidade de Setúbal (Bela Vista e zona envolvente) APACCF - Associação de Professores

Leia mais

PROJECTO EDUCATIVO OBJECTIVOS

PROJECTO EDUCATIVO OBJECTIVOS PROJECTO EDUCATIVO OBJECTIVOS 2011/2012 OBJECTIVOS PEA 2011/2012 PROMOÇÃO DE HÁBITOS DE CIDADANIA 1. CLIMA E AMBIENTE ESCOLAR 1. Desenvolver estruturas e processos de gestão de qualidade, participativa,

Leia mais

Comissão de Protecção De Crianças e Jovens De Arganil. Plano de Acção. Ano 2011 ACÇÃO Nº I SABER SER, SABER ESTAR

Comissão de Protecção De Crianças e Jovens De Arganil. Plano de Acção. Ano 2011 ACÇÃO Nº I SABER SER, SABER ESTAR Comissão de Protecção De Crianças e Jovens De Arganil Plano de Ano 2011 ACÇÃO Nº I SABER SER, SABER ESTAR ACÇÃO N.º I CONFERÊNCIA: Os Direitos das Crianças Gerais Específico Recursos a Afectar Calendarização

Leia mais

Entidade responsável pela Execução

Entidade responsável pela Execução Eixo Estratégico I - Parcerias e Economia Solidária 2009, 3 acções de sensibilização/formação para dirigentes Associativos com vista à melhoria do seu desempenho. 2009, 3 acções de formação para técnicos

Leia mais

Conselho Local de Ação Social de. Pinhel. Plano de Ação 2014

Conselho Local de Ação Social de. Pinhel. Plano de Ação 2014 Conselho Local de Ação Social de Pinhel Plano de Ação 2014 Plano de Ação 2014 Enquadramento Legal Objetivo Geral Área Geográfica de Intervenção Eixos de Intervenção Resolução do Conselho de Ministros nº

Leia mais

Desenvolvimento Local de Base Comunitária Cascais DesEnvolve Alcabideche e S. Domingos de Rana. 3ª Reunião do GAL

Desenvolvimento Local de Base Comunitária Cascais DesEnvolve Alcabideche e S. Domingos de Rana. 3ª Reunião do GAL Desenvolvimento Local de Base Comunitária Cascais DesEnvolve Alcabideche e S. Domingos de Rana 3ª Reunião do GAL Alcabideche, DNA Cascais 07 de julho de 2015 ORDEM DE TRABALHOS Ponto de situação sobre

Leia mais

27 de junho de Domingos Lopes

27 de junho de Domingos Lopes 27 de junho de 2016 Domingos Lopes Objetivos Temáticos OT 8. Promover a sustentabilidade e a qualidade do emprego e apoiar a mobilidade dos trabalhadores assumindo como meta nacional, até 2020, o aumento

Leia mais

PLATAFORMA TERRITORIAL Baixo Mondego

PLATAFORMA TERRITORIAL Baixo Mondego Prioridades - Família e Comunidade Mortágua Mealhada Prioridade 1 assegurem os seus Prioridade 1 assegurem os seus Criação de mais serviços de apoio à família (refeição e animação de actividades de tempos

Leia mais

PLANO DE INTERVENÇÃO

PLANO DE INTERVENÇÃO DEPARTAMENTO DE EXPRESSÕES EQUIPA INTERDISCIPLINAR PLANO DE INTERVENÇÃO ANOS LECTIVOS 2009/2010 e 2010/2011 ÍNDICE Nota Introdutória.. 3 Parte I - Caracterização..4 1.1 Caracterização do Ambiente Interno.4

Leia mais

PROGRAMA OPERACIONAL TEMÁTICO POTENCIAL HUMANO

PROGRAMA OPERACIONAL TEMÁTICO POTENCIAL HUMANO PROGRAMA OPERACIONAL TEMÁTICO POTENCIAL HUMANO 2007-201 Apresentação da Proposta ÍNDICE 1 O PROBLEMA 2 A ESTRATÉGIA 4 PLANO DE FINANCIAMENTO 1 1 O PROBLEMA Taxa de emprego Emprego em média e alta tecnologia

Leia mais

Plano Municipal Contra a Violência Doméstica Prolongamento

Plano Municipal Contra a Violência Doméstica Prolongamento Plano Municipal Contra a Violência Doméstica 2011-14 Prolongamento Plano Municipal Contra a Violência 2011 2013 Prolongamento O Plano Municipal Contra a Violência 2011/13, teve por objetivo estruturar

Leia mais

Auto-Regulação e Melhoria das Escolas. Auto-avaliação - uma PRIORIDADE. Auto-avaliação do Agrupamento de Escolas de Gil Vicente

Auto-Regulação e Melhoria das Escolas. Auto-avaliação - uma PRIORIDADE. Auto-avaliação do Agrupamento de Escolas de Gil Vicente Agrupamento de Escolas de Auto-Regulação e Melhoria das Escolas Auto-avaliação - uma PRIORIDADE Equipa de Avaliação Interna 2009/2010 1 Agrupamento de Escolas de Enquadramento legal Justificação Novo Paradigma

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE ALHANDRA, SOBRALINHO E SÃO JOÃO DOS MONTES PLANO DE MELHORIA IGEC

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE ALHANDRA, SOBRALINHO E SÃO JOÃO DOS MONTES PLANO DE MELHORIA IGEC AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE ALHANDRA, SOBRALINHO E SÃO JOÃO DOS MONTES PLANO DE MELHORIA IGEC SETEMBRO DE 2013 FUNDAMENTOS DO PLANO DE MELHORIA 2013/2015 O Agrupamento assume-se como construtor de uma visão

Leia mais

PLANO DE ACÇÃO Comissão Social de Freguesia de Odivelas. Aderentes à Comissão Social de Freguesia de Odivelas

PLANO DE ACÇÃO Comissão Social de Freguesia de Odivelas. Aderentes à Comissão Social de Freguesia de Odivelas Um Plano de Acção consiste num instrumento componente do Plano de Desenvolvimento Social, que define sistematicamente, as acções a desenvolver, o cronograma, os parceiros responsáveis e os recursos. 1

Leia mais

INICIATIVA NOVAS OPORTUNIDADES. Ministério do Trabalho e da Solidariedade Social Ministério da Educação

INICIATIVA NOVAS OPORTUNIDADES. Ministério do Trabalho e da Solidariedade Social Ministério da Educação INICIATIVA NOVAS OPORTUNIDADES Ministério do Trabalho e da Solidariedade Social Ministério da Educação INDICE 1. OBJECTIVO 2. PORQUÊ A INICIATIVA? 3. PARA OS JOVENS: UMA OPORTUNIDADE NOVA 4. PARA OS ADULTOS:

Leia mais

Plano desenvolvimento social

Plano desenvolvimento social Plano desenvolvimento social 2014-2016 Área Intervenção I FAMÍLIA (HABITAÇÃO/EDUCAÇÃO) - Problemas ao nível do parque habitacional; - Falta de expetativas/ objetivos ao nível educativo; - Défice de competências

Leia mais

Actividades de dinamização social e melhoria da qualidade de vida

Actividades de dinamização social e melhoria da qualidade de vida Actividades de dinamização social e melhoria da qualidade de vida O EXEMPLO DA CÂMARA MUNICIPAL DE VALONGO EUNICE NEVES OBJECTIVOS Igualdade Direitos Humanos Cidadania Activa e Inclusiva Conciliação Novas

Leia mais

PROJETO DE DESPORTO ESCOLAR

PROJETO DE DESPORTO ESCOLAR PROJETO DE DESPORTO ESCOLAR 2013 2017 1. INTRODUÇÃO O Programa do Desporto Escolar para o quadriénio de 2013-2017 visa aprofundar as condições para a prática desportiva regular em meio escolar, como estratégia

Leia mais

Projecto GPS Gabinete de Proximidade para a Sustentabilidade

Projecto GPS Gabinete de Proximidade para a Sustentabilidade Projecto GPS Gabinete de Proximidade para a Sustentabilidade Actividade Formativa - Intervenção Comunitária Data 17 de Junho de 2009 Local Auditório do Edifício Cultural Município de Peniche Participação:

Leia mais

PLANO DE ACÇÃO DA REDE SOCIAL DE LISBOA ANO DE 2010 PRORROGAÇÃO PARA Aprovado em sede de CLAS a 04 de Julho de 2011

PLANO DE ACÇÃO DA REDE SOCIAL DE LISBOA ANO DE 2010 PRORROGAÇÃO PARA Aprovado em sede de CLAS a 04 de Julho de 2011 PLANO DE ACÇÃO DA REDE SOCIAL DE LISBOA ANO DE 2010 PRORROGAÇÃO PARA 2011 Aprovado em sede de CLAS a 04 de Julho de 2011 PLANO DE ACÇÃO PARA 2010 PRORROGAÇÃO PARA 2011 OBJECTIVO ESTRATÉGICO OBJECTIVO ESPECÍFICO

Leia mais

PROTOCOLO DE COOPERAÇÃO ENTRE O MINISTÉRIO DO TRABALHO E DA SOLIDARIEDADE SOCIAL E O MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO

PROTOCOLO DE COOPERAÇÃO ENTRE O MINISTÉRIO DO TRABALHO E DA SOLIDARIEDADE SOCIAL E O MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO PROTOCOLO DE COOPERAÇÃO ENTRE O MINISTÉRIO DO TRABALHO E DA SOLIDARIEDADE SOCIAL E O MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO A Lei de Protecção de Crianças e Jovens em Perigo, lei 147/99, de 1 de Setembro, consagra um

Leia mais

Plano de Desenvolvimento Social. do Concelho de Vila do Bispo

Plano de Desenvolvimento Social. do Concelho de Vila do Bispo União Europeia Fundo Social Europeu Plano de Desenvolvimento Social do Concelho de Vila do Bispo Ficha Técnica Entidade Promotora: Câmara Municipal de Vila do Bispo Co-Financiado Fundo Social Europeu e

Leia mais

Rede Social: Conselho Local de Acção Social de Campo Maior

Rede Social: Conselho Local de Acção Social de Campo Maior 1 Prioridade: Combater a pobreza das crianças, dos idosos e das famílias, através de medidas que assegurem os seus direitos básicos de cidadania Mercado de Emprego Promover a melhoria das condições de

Leia mais

REDE SOCIAL DIAGNÓSTICO SOCIAL

REDE SOCIAL DIAGNÓSTICO SOCIAL REDE SOCIAL INQUÉRITOS POR QUESTIONÁRIO IPSS INQUÉRITO POR QUESTIONÁRIO ÀS IPSS A pobreza e a exclusão social embora não sendo fenómenos recentes, têm vindo a surgir nas nossas vidas a um ritmo acelerado.

Leia mais

PLANO DE DESENVOLVIMENTO SOCIAL DO CONCELHO DE TORRES VEDRAS

PLANO DE DESENVOLVIMENTO SOCIAL DO CONCELHO DE TORRES VEDRAS PARTE III PLANO DE DESENVOLVIMENTO SOCIAL DO CONCELHO DE TORRES VEDRAS Financiado pelo Estado Português Ministério do Trabalho e Solidariedade Social 2005-2008 Rede Social PARTE III 100 CAPÍTULO V PLANO

Leia mais

Plano de Ação da Rede Social de Mafra 2017

Plano de Ação da Rede Social de Mafra 2017 EIXO I DEMOGRAFIA Objetivo Geral/Estratégico 1: Fortalecer as estruturas formais de apoio à Família OE1. Promover o alargamento da capacidade da resposta social Creche, nas Instituições onde já existe.

Leia mais

PROTOCOLO. Núcleo de Planeamento e Intervenção Sem-Abrigo de Setúbal

PROTOCOLO. Núcleo de Planeamento e Intervenção Sem-Abrigo de Setúbal PROTOCOLO Núcleo de Planeamento e Intervenção Sem-Abrigo de Setúbal Preâmbulo A criação da Estratégia Nacional para a Integração de Pessoas Sem-Abrigo (ENIPSA) 2009-2015 decorreu fundamentalmente da necessidade

Leia mais

Novas Oportunidades

Novas Oportunidades Qualificar os Portugueses: Uma Prioridade no Presente e no Futuro Novas Oportunidades 2011-2015 Luís Capucha (luis.capucha@anq.gov.pt) Agência Nacional para a Qualificação, IP Guimarães, 30 de Novembro

Leia mais

Universidade Técnica de Lisboa

Universidade Técnica de Lisboa Anexo 1 Inquérito por questionário aplicado às Directoras Técnicas dos organismos de apoio social do concelho de Caldas da Rainha INSTITUTO SUPERIOR DE CIÊNCIAS SOCIAIS E POLÍTICAS Universidade Técnica

Leia mais

REDE SOCIAL POEFDS. UNIÃO EUROPEIA Fundo Social Europeu

REDE SOCIAL POEFDS. UNIÃO EUROPEIA Fundo Social Europeu REDE SOCIAL POEFDS UNIÃO EUROPEIA Fundo Social Europeu Vila Nova ÍNDICE Nota Introdutória ----------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------3

Leia mais

Rede Social. O que é a rede Social. Estrutura orgânica Metodologia Documentos produzidos

Rede Social. O que é a rede Social. Estrutura orgânica Metodologia Documentos produzidos Rede Social O que é a rede Social Estrutura orgânica Metodologia Documentos produzidos Rede Social O que é a rede Social O Programa REDE SOCIAL foi criado pela Resolução do Conselho de Ministros n.º 197/97

Leia mais

REDE SOCIAL DIAGNÓSTICO SOCIAL

REDE SOCIAL DIAGNÓSTICO SOCIAL REDE SOCIAL INQUÉRITOS POR QUESTIONÁRIO CENTRO DE SAÚDE INQUÉRITO POR QUESTIONÁRIO AO CENTRO DE SAÚDE A pobreza e a exclusão social embora não sendo fenómenos recentes, têm vindo a surgir nas nossas vidas

Leia mais

REDE SOCIAL DO CONCELHO DE BEJA

REDE SOCIAL DO CONCELHO DE BEJA PLANODEAÇÃO DA REDE SOCIAL DO CONCELHO DE BEJA'15 Estrutura Resumida REDE SOCIAL DO CONCELHO DE BEJA Ficha Técnica Responsáveis Técnicos: - Nélia Silva - Fundação S. Barnabé - Graça Loução Centro Distrital

Leia mais

Proposta de Revisão do Programa

Proposta de Revisão do Programa Proposta de Revisão do 31 Dezembro 2010 Identificação Objectivos: Convergência e Competitividade e do Emprego PROGRAMA OPERACIONAL Período de programação: 2007-2013 Número do programa (CCI): 2007PT05UPO001

Leia mais

(Portaria nº266/2012, de 30 de agosto)

(Portaria nº266/2012, de 30 de agosto) (Portaria nº266/2012, de 30 de agosto) dezembro, 2013 CARTA DE MISSÃO (Portaria n.º 266/2012, de 30 de agosto) Nome do Diretor Carlos Alberto Martins Carvalho Escalão 9º Unidade Orgânica : Agrupamento

Leia mais

Plano de melhoria (2015/16)

Plano de melhoria (2015/16) Plano de melhoria (2015/16) Introdução Agrupamento Vertical de Portel Escola EB 2,3 de D. João de Portel Quatro domínios de ação da Biblioteca Escolar: A. Currículo, literacias e aprendizagem B. Leitura

Leia mais

DAP DINÂMICAS DE ACÇÃO-PREVENÇÃO

DAP DINÂMICAS DE ACÇÃO-PREVENÇÃO DAP DINÂMICAS DE ACÇÃO-PREVENÇÃO Apresentação do Projecto Escola E.B 2,3 Passos José OBJECTIVOS GERAIS Fomentar a integração dos alunos no contexto escolar, promovendo o sucesso educativo Agir preventiva

Leia mais

PROJECTO INTEGRADO SOCIAL E SAÚDE DE SESIMBRA

PROJECTO INTEGRADO SOCIAL E SAÚDE DE SESIMBRA PROJECTO INTEGRADO SOCIAL E SAÚDE DE SESIMBRA PRESSUPOSTOS 1. INFRA-ESTRUTURAS E EQUIPAMENTOS Lares sem Condições. Edifício Deteriorado sem utilização. Centro de Dia e ATL sem condições. Inexistência de

Leia mais

APRENDIZAGEM, EDUCAÇÃO e CIDADANIA Um Caminho de Sucesso

APRENDIZAGEM, EDUCAÇÃO e CIDADANIA Um Caminho de Sucesso Plano Plurianual de Melhoria APRENDIZAGEM, EDUCAÇÃO e CIDADANIA Um Caminho de Sucesso 1 18 de setembro de 2015 26 de abril de 2013 Organização do Agrupamento de Escolas da Caparica - AEC Secundária do

Leia mais

Base de dados I. Questionário de levantamento de recursos institucionais/ 2009

Base de dados I. Questionário de levantamento de recursos institucionais/ 2009 Base de dados I Nº de referência da instituição Nº de registo Questionário de levantamento de recursos institucionais/ 2009 Este questionário tem como objectivo proceder à actualização do Diagnóstico Social,

Leia mais

Plano de Ação Plano de Ação 2012

Plano de Ação Plano de Ação 2012 Plano de Ação PLANO DE AÇÃO DOCUMENTO ELABORADO PELO: da Rede Social do Concelho do CONTACTOS: Câmara Municipal do Rede Social do Concelho do Av. Dr. Francisco Sá Carneiro 2550-103 Tel. 262 690 100/262

Leia mais

Constituição do Núcleo Executivo:

Constituição do Núcleo Executivo: Índice Constituição do Núcleo Executivo Pág. 2 Constituição do Conselho Local de Ação Social de Sousel Pág. 3 Enquadramento Pág. 4 Introdução Pág. 5 Metodologia Pág. 6 Linhas Orientadoras Pág. 7 Eixo 1

Leia mais

DICAS - Dinâmicas Comunitárias de Ativação Social

DICAS - Dinâmicas Comunitárias de Ativação Social ADILO PLANO DE AÇÃO CLDS 3G Lordelo do Ouro e Massarelos DICAS - Dinâmicas Comunitárias de Ativação Social 2016-2018 Eixo de Intervenção Objetivos Gerais por Eixo de Intervenção N.º Objetivo Descrição

Leia mais

1.3.Formação da Equipa de Qualidade Constituição definitiva. 1.4.Sensibilização para a Qualidade

1.3.Formação da Equipa de Qualidade Constituição definitiva. 1.4.Sensibilização para a Qualidade Implementação do Sistema de Gestão de Qualidade da Segurança Social Nível C 1.1.Reflexão sobre o que significa um processo de Qualidade Pertinência / Oportunidade para o CST IPSS Reunião Técnica 5 de Fevereiro

Leia mais

Gabinete de Apoio à Criação de Emprego e Captação de Investimentos

Gabinete de Apoio à Criação de Emprego e Captação de Investimentos Estudo de Caracterização do Tecido Empresarial do Concelho de Almada Observatório sobre Emprego, Empresas e Formação Gabinete de Apoio à Criação de Emprego e Captação de Investimentos 1 O Objecto da presente

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA COM 3.º CICLO DE FERREIRA DIAS METAS EDUCATIVAS

ESCOLA SECUNDÁRIA COM 3.º CICLO DE FERREIRA DIAS METAS EDUCATIVAS ESCOLA SECUNDÁRIA COM 3.º CICLO DE FERREIRA DIAS METAS EDUCATIVAS ANO LECTIVO: 2012/2013 INTRODUÇÃO O PROGRAMA EDUCAÇÃO 2015 lançado pelo Ministério da Educação a partir do ano lectivo de 2010-2011 pretende,

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA COM 3.º CICLO DE FERREIRA DIAS METAS EDUCATIVAS

ESCOLA SECUNDÁRIA COM 3.º CICLO DE FERREIRA DIAS METAS EDUCATIVAS ESCOLA SECUNDÁRIA COM 3.º CICLO DE FERREIRA DIAS METAS EDUCATIVAS ANO LECTIVO: 2011/2012 INTRODUÇÃO O PROGRAMA EDUCAÇÃO 2015 lançado pelo Ministério da Educação a partir do ano lectivo de 2010-2011 pretende,

Leia mais

INSTITUTO DE FORMAÇÃO PARA O COMÉRCIO, TURISMO E SERVIÇOS

INSTITUTO DE FORMAÇÃO PARA O COMÉRCIO, TURISMO E SERVIÇOS INSTITUTO DE FORMAÇÃO PARA O COMÉRCIO, TURISMO E SERVIÇOS ACTO FUNDACIONAL Acordo entre a: Associação Comercial de Braga Comércio, Turismo e Serviços; Casa Santos de Vila Verde; Instituto de Negociação

Leia mais

Rede Social de Gouveia. Conselho Local de Ação Social. Plano de Ação 2015

Rede Social de Gouveia. Conselho Local de Ação Social. Plano de Ação 2015 Conselho Local Ação Social Plano Ação Aprovado em reunião plenário 02-03- Eixo I : Intervenção com Famílias e Comunida Finalida Objetivo (s) Ação Desenvolver ações que permitam melhorar a qualida vida

Leia mais

SISTEMA DE INFORMAÇÃO REDE SOCIAL MIRANDELA SISTEMA DE INFORMAÇÃO

SISTEMA DE INFORMAÇÃO REDE SOCIAL MIRANDELA SISTEMA DE INFORMAÇÃO SISTEMA DE INFORMAÇÃO 1 TERRITÓRIO Número de Freguesias Tipologia das Freguesias (urbano, rural, semi urbano) Área Total das Freguesias Cidades Estatísticas Total (2001, 2008, 2009) Freguesias Área Média

Leia mais

Uma iniciativa da câmara municipal do porto e da fundação da juventude.

Uma iniciativa da câmara municipal do porto e da fundação da juventude. Uma iniciativa da câmara municipal do porto e da fundação da juventude. ÍNDICE NOTA INTRODUTÓRIA PROGRAMA EMPREENDE JOVEM Objetivos Para quem Iniciativas PLATAFORMA EMPREENDEJOVEM MOVE YOUR WAY @ PORTO

Leia mais

ATIVIDADES DO SPO A - Apoio de natureza psicológica e/ou psicopedagógica a alunos e aos agentes educativos

ATIVIDADES DO SPO A - Apoio de natureza psicológica e/ou psicopedagógica a alunos e aos agentes educativos ATIVIDADES DO SPO A - Apoio de natureza psicológica e/ou psicopedagógica a alunos e aos agentes educativos. - individual - em grupo - consultoria a professores, encarregados de educação e pais B - Participação

Leia mais

ANO LETIVO 2013/2014 CALENDARIZAÇÃO DAS ATIVIDADES DE INÍCIO DO ANO LETIVO

ANO LETIVO 2013/2014 CALENDARIZAÇÃO DAS ATIVIDADES DE INÍCIO DO ANO LETIVO 3-set. (3ª feira) Agrupamento de Escolas Cidade do Entroncamento - 170586 ANO LETIVO 2013/2014 CALENDARIZAÇÃO DAS ATIVIDADES DE INÍCIO DO ANO LETIVO Dia Hora Atividades Local/Sala Observações Lançamento

Leia mais

Ficha de Caracterização de Entidade/Projecto CLDS - ESPIRAL

Ficha de Caracterização de Entidade/Projecto CLDS - ESPIRAL Ficha de Caracterização de Entidade/Projecto CLDS - ESPIRAL 2 A. IDENTIFICAÇÃO GERAL DA ENTIDADE Projecto(s) Projecto Espiral - Contrato Local de Desenvolvimento Promotor(es): CESIS - Centro de Estudos

Leia mais

Rede Social. Quadro I - População residente activa e empregada segunda seguindo o sexo e o ramo de actividade taxas de actividades em 1991 e 2001.

Rede Social. Quadro I - População residente activa e empregada segunda seguindo o sexo e o ramo de actividade taxas de actividades em 1991 e 2001. Emprego e Formação Profissional Alguns dos dados constantes nesta área do Pré-diagnóstico foram fornecidos pelo Centro de Emprego de Pinhel e os restantes retirados do XVI Recenseamento geral da População

Leia mais

Plano Anual de Atividades

Plano Anual de Atividades Plano Anual de Atividades 2014 / 2015 APAEA Índice 1. NOTA INTRODUTÓRIA... 1 2. RELAÇÃO COM OS PAIS/ENCARREGADOS DE EDUCACAÇÃO E SOCIOS... 2 3. REPRESENTAÇÃO NOS ORGÃOS DO AGRUPAMENTO... 3 4. MELHORIA

Leia mais

Plano de Ações de Melhoria

Plano de Ações de Melhoria Plano de Ações de Escola Básica Elias Garcia Escola Básica Miquelina Pombo J. I. da Sobreda 2014/2015 1 INTRODUÇÃO O presente plano de ações de melhoria 2014/15 - resulta da avaliação do plano de ações

Leia mais

PLANO DE ACÇÃO DA BIBLIOTECA ESCOLAR

PLANO DE ACÇÃO DA BIBLIOTECA ESCOLAR AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE ÁGUEDA PLANO DE ACÇÃO DA BIBLIOTECA ESCOLAR / a / Dezembro de Profª Bibliotecária: Maria Clara Nogueira de Almeida DEFINIÇÃO Documento que apresenta as linhas orientadoras para

Leia mais

Fórum Concelhio Para a Promoção da Saúde

Fórum Concelhio Para a Promoção da Saúde Fórum Concelhio Para a Promoção da Saúde CASCAIS SAUDÁVEL 1. Contexto SÓCIO-POLÍTICO: Saúde na ordem do dia Envelhecimento da população Sustentabilidade do SNS Transferência de competências para as Autarquias

Leia mais

Plano de Actividades Ano lectivo 2008/2009 Tema: A aventura dos livros

Plano de Actividades Ano lectivo 2008/2009 Tema: A aventura dos livros Plano de Actividades Ano 2008/2009 Tema: A aventura dos livros 1 ACTIVIDADES DE ORGANIZAÇÃO Actividades Objectivos Intervenientes Calendarização Proceder à gestão de colecções. Organização e gestão do

Leia mais

Índice Sumário Executivo A Rede Social no concelho de Alenquer O Plano de Ação Opções metodológicas...

Índice Sumário Executivo A Rede Social no concelho de Alenquer O Plano de Ação Opções metodológicas... Índice Pág. 1. - Sumário Executivo... 1 2. - A Rede Social no concelho de Alenquer...2 2.1. - O Plano de Ação... 2 3. - Opções metodológicas...4 4.- Análise de Eixos de Intervenção... 5 Eixo I.- Deficiência...

Leia mais

Plano de Acção do Departamento do 1.º Ciclo 2010 / 2011

Plano de Acção do Departamento do 1.º Ciclo 2010 / 2011 Plano Agrupamento Plano de Acção do Departamento do 1.º Ciclo 2010 / 2011 Prioridades Objectivos Estratégias ACÇÕES METAS AVALIAÇÃO P.1. Obj. 1 E.1 Ao 3.º dia de ausência do aluno, efectuar contacto telefónico,

Leia mais