1 INTRODUÇÃO O PLANO DE ACÇÃO AVALIAÇÃO...14 PLANO DE ACÇÃO DE 2009 PÁGINA 1 DE 15

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "1 INTRODUÇÃO O PLANO DE ACÇÃO AVALIAÇÃO...14 PLANO DE ACÇÃO DE 2009 PÁGINA 1 DE 15"

Transcrição

1 ÍNDICE 1 INTRODUÇÃO O PLANO DE ACÇÃO AVALIAÇÃO PLANO DE ACÇÃO DE 2009 PÁGINA 1 DE 15

2 INTRODUÇÃO Depois de elaborado o diagnóstico social e o plano de desenvolvimento social surge a necessidade de elaborar o plano de acção para A elaboração do plano de acção é fundamental, uma vez que define um conjunto de actividades a desenvolver no terreno, pelos diferentes parceiros do CLASB, de forma a combater os problemas sociais identificados no diagnóstico social e no PDS. O PDS define as grandes linhas de orientação, enquanto que o plano de acção visa operacionalizar as linhas estratégias e linhas de orientação. O PDS deve contemplar duas dimensões de planificação elementares: uma dimensão corresponde à definição das grandes linhas de orientação, de natureza estratégia e outra dimensão corresponde à elaboração do plano de acção. PLANO DE ACÇÃO DE 2009 PÁGINA 2 DE 15

3 O PLANO DE ACÇÃO 2009 O plano de acção situa-se a um nível de planeamento mais restrito, uma vez que se refere às actividades a desenvolver pelos diferentes parceiros. O plano de acção corresponde assim, à implementação do PDS e constitui um instrumento fundamental para a boa prossecução dos objectivos definidos no PDS. O plano de acção deve ser coerente com as linhas de orientação mencionadas no PDS, o que pressupõe uma articulação com as estratégias e recursos identificados e deve ser realista quanto à mobilização de recursos. A elaboração do plano de acção de 2009 teve em consideração a avaliação dos planos de acção anteriores, uma vez que se dará continuidade a algumas actividades consideradas fundamentais. No plano de acção são definidas as actividades para cada eixo de intervenção devidamente articuladas com os objectivos gerais e específicos do PDS. PLANO DE ACÇÃO DE 2009 PÁGINA 3 DE 15

4 EIXO I PROMOVER A ATRACÇÃO E FIXAÇÃO DE POPULAÇÃO NO CONCELHO OBJECTIVOS GERAIS OBJECTIVOS ESPECÍFICOS ACTIVIDADES ORGANIZAÇÃO CRONOGRAMA RESPONSÁVEL - Criar condições a nível social, familiar e de - Dinamizar e fomentar o mercado de trabalho - Ninho de empresas do concelho de Boticas trabalho, de forma a promover a atracção e local - Ninho de empresas do fixação da população - Atribuição do Subsídio de Natalidade; concelho - Atribuição do Subsidio do Enxoval do Bebe - Redução de 50% do valor das taxas de publicidade - Redução de 50% do valor das taxas de ocupação da via publica (para esplanadas); - Isenção de pagamento do valor das taxas devidas no licenciamento das operações urbanísticas relativas a obras de reconstrução e reabilitação de edifícios antigos, desde que usados materiais tradicionais; PLANO DE ACÇÃO DE 2009 PÁGINA 4 DE 15

5 - Redução de 50% no valor das taxas devidas para a construção de habitação própria, financiada com recursos a credito bancário à habitação para jovens desde que: a) o casal tenha uma média de idade não superior a 35 anos; b) Jovens com idade não superior a 35 anos; - Redução de 50% das taxas devidas do licenciamento de armazéns, estábulos, vacarias ou outras construções para jovens agricultores, desde que financiados por fundos comunitários; - Isenção de pagamento dos primeiros 3m3 (três metros cúbicos) a todos os titulares de contrato de fornecimento que tenham mais de 65 anos de idade, inclusive; - Redução de 10% no valor das taxas de ligação de agua e saneamento. PLANO DE ACÇÃO DE 2009 PÁGINA 5 DE 15

6 - Facilitar a aquisição de habitação a custos controlados - Criação de um Observatório Social do Concelho. PLANO DE ACÇÃO DE 2009 PÁGINA 6 DE 15

7 EIXO II MELHORAR OS NÍVEIS DE QUALIFICAÇÃO ESCOLAR E PROFISSIONAL, AUMENTANDO AS COMPETÊNCIAS DE EMPREGABILIDADE OBJECTIVOS GERAIS OBJECTIVOS ESPECÍFICOS ACTIVIDADES ORGANIZAÇÃO CRONOGRAMA RESPONSÁVEL - Combater o abandono e insucesso escolar - Diagnosticar situações de abandono e - Identificar situações de abandono - Agrupamento de Escolas insucesso escolar e insucesso escolar - Santa Casa -Sessões de psicologia e orientação escolar - Agrupamento de Escolas - Santa Casa de Boticas - Cursos EFA -Agrupamento de Escolas - Atribuição de bolsas de estudo a alunos do ensino superior - Acção Social Escolar 1.º ciclo - Atribuição do Prémio aos - Dezembro Melhores Alunos do 2.º e 3.º - Promover actividades de carácter cultural e ciclos recreativa que diversifiquem as actividades escolares - Realização da Feira do Livro - 2.º Semestre PLANO DE ACÇÃO DE 2009 PÁGINA 7 DE 15

8 - Realização da Festa de Natal - Agrupamento de Escolas - Dezembro - Desfile de Carnaval -Agrupamento de Escolas - Fevereiro - Passeio de Finalistas do 1.º Ciclo - Actividades de Apoio Social ás famílias do Ensino Pré-Escolar - Actividades de Enriquecimento - Aumentar a oferta formativa para jovens, - Valorizar a via profissionalizante a nível Curricular 1.º Ciclo - Informação/Divulgação de CEF - IEFP para activos e desempregados secundário, através de CEF junto dos alunos - Agrupamento de Escolas - Organização e funcionamento de cursos profissionalizantes a nível secundário, no âmbito da Iniciativa Novas Oportunidades - Centro de Emprego de Chaves - Agrupamento de Escolas - Valorizar os dispositivos de educação e formação ao longo da vida, através do CRVCC - Informação e divulgação de formação profissional - Centro de Emprego - Centro de Formação Profissional e de cursos EFA PLANO DE ACÇÃO DE 2009 PÁGINA 8 DE 15

9 - Organização de cursos de formação para activos desempregados, no âmbito da iniciativa Novas oportunidades - Centro de Emprego - Centro de Formação Profissional - UNIVA - Criar/Dinamizar mecanismo de apoio à - Dinamizar estruturas de informação e a apoio - Candidatura Gabinete de Inserção população desempregada e jovens à procura a população que procura emprego ou formação Profissional - Centro de Emprego do 1.º emprego profissional - Centro de Formação Profissional - Candidatura ao Programa Contrato, Emprego Inserção + - Centro de Emprego - Contrato Emprego - Inserção - Candidatura no âmbito do POPH - Candidatura a Estágios Profissionais PLANO DE ACÇÃO DE 2009 PÁGINA 9 DE 15

10 EIXO III MELHORAR AS CONDIÇÕES DE HABITABILIDADE E SEGURANÇA OBJECTIVOS GERAIS OBJECTIVOS ESPECÍFICOS ACTIVIDADES ORGANIZAÇÃO CRONOGRAMA RESPONSÁVEL - Combater o envelhecimento e a degradação - Identificar situações em que as condições de - Realização de visitas domiciliárias do parque habitacional do concelho, habitabilidade e segurança não estão garantidas para identificar e diagnosticar combatendo situações de pobreza e exclusão situações de vulnerabilidade social habitacional - Promover a requalificação do parque habitacional - Implementação do Regulamento Apoio à Conservação de Habitações Degradadas de Pessoas Carenciadas -Município - 2.º semestre do Município de Boticas - Programa Conforto Habitacional -Município - Segurança Social PLANO DE ACÇÃO DE 2009 PÁGINA 10 DE 15

11 EIXO IV DINAMIZAR/PROMOVER RESPOSTAS SOCIAIS ADEQUADAS ÀS NECESSIDADES ESPECÍFICAS DE VÁRIOS GRUPOS SOCIAIS (CRIANÇAS, IDOSOS, DEFICIENTES, BENEFICIÁRIOS DO RSI, CONSUMO DE SUBSTÂNCIAS ADITIVAS) OBJECTIVOS GERAIS OBJECTIVOS ESPECÍFICOS ACTIVIDADES ORGANIZAÇÃO CRONOGRAMA RESPONSÁVEL - Melhorar as condições de vida da - Melhorar/aumentar os rendimentos da - Divulgar e atribuir o Subsídio de -Segurança Social população idosa população idosa Complemento Solidário - Inverter situações de fragilidade social de - Desenvolver programas de inserção no âmbito -Atribuição do RSI -Segurança Social agregados familiares do RSI - Elaboração de programas de Inserção com agregados familiares -Segurança Social fragilizados - Agrupamento de Escolas - Centro de Saúde - Centro de Emprego - Promover a interacção e integração social - Dinamizar actividades de lazer para os idosos - Realização de acções lúdicas e de -Santa Casa dos idosos entretenimento Recordar as tradições - Realização de Convívios e Viagens de lazer para os idosos - Santa Casa PLANO DE ACÇÃO DE 2009 PÁGINA 11 DE 15

12 - Organizar espaços que permitam às crianças - Dinamizar actividades de ocupação dos tempos - Realização de acções lúdicas e -Município e jovens o desenvolvimento de competências livres e de enriquecimento social e cultural desportivas (Páscoa e Verão) sociais e culturais - Santa Casa da - CATL Misericórdia de Boticas - Aumentar a cobertura de equipamentos - Aumentar/Melhorar a rede de equipamentos - Alargamento da Rede de Apoio sociais dirigidos a crianças, idosos e pessoas sociais no concelho Domiciliário - Santa Casa com deficiência - Segurança Social - Alargamento das respostas sociais dirigidas às crianças - Alargamento das respostas sociais dirigidas aos idosos - Santa Casa - Segurança Social - Remodelação e adaptação do Lar N.ª Sra. Da Livração - Criação de novas respostas sociais - Desenvolver iniciativas no âmbito da saúde, - Desenvolver acções de sensibilização junto da - Realização de acções de - Centro de Saúde de forma a actuar junto de grupos em situação população consumidora de substâncias aditivas sensibilização e informação sobre o de risco consumo de substâncias aditivas - Proporcionar oportunidades de tratamento - Encaminhamento e tratamento de consumidores -Centro de Saúde - Sensibilização sobre alimentação PLANO DE ACÇÃO DE 2009 PÁGINA 12 DE 15

13 saudável, especialmente junto da população jovem - sensibilização sobre saúde oral/ Tratamentos de cáries Sensibilização sobre higiene oral PLANO DE ACÇÃO DE 2009 PÁGINA 13 DE 15

14 EIXO V PROMOVER OS RECURSOS E POTENCIALIDADES TURÍSTICAS DO CONCELHO OBJECTIVOS GERAIS OBJECTIVOS ESPECÍFICOS ACTIVIDADES ORGANIZAÇÃO CRONOGRAMA RESPONSÁVEL - Promover e divulgar a imagem do concelho, através da dinamização do sector turístico - Divulgação dos produtos regionais - Exposição e venda de artesanato no Posto de Turismo - Realização de Desportos Radicais - Boticas Lazer - Promoção e divulgação das Feiras Gastronómicas - Dinamização de actividades turísticas e desportivas - Realização de percursos pedestres - Organizar actividades desportivas e lúdicas valorizando os recursos naturais do concelho - Elaboração da Agenda Cultural - Realização de percursos da Rota dos Moinhos PLANO DE ACÇÃO DE 2009 PÁGINA 14 DE 15

15 AVALIAÇÃO O plano de acção deverá contemplar um plano de avaliação. Este plano de avaliação é um instrumento fundamental para um acompanhamento regular da execução dos objectivos, estratégias e acções definidas nos instrumentos de trabalho da Rede Social. A avaliação é um instrumento de reflexão e de aprendizagem para a parceria. É um instrumento imprescindível para o planeamento das intervenções subsequentes, identificando pontos de reorientação ou reforço das acções. Só com um acompanhamento regular é possível ter conhecimento do trabalho que está a ser realizado, se os objectivos estão ou não a ser atingidos, e se há necessidades de fazer alterações ou reajustamento. Assim para se fazer a avaliação será utilizada a seguinte grelha de avaliação: Actividades Calendarização Indicadores Observações Previsto Realizado PLANO DE ACÇÃO DE 2009 PÁGINA 15 DE 15

1. Fomentar a prestação de cuidados básicos e de saúde, assim como a interação e inclusão social dos Idosos

1. Fomentar a prestação de cuidados básicos e de saúde, assim como a interação e inclusão social dos Idosos Conselho Local de Ação Social de Boticas ÍNDICE Introdução Resumo do Eixo I Melhoria da Qualidade de Vida de Grupos Vulneráveis Eixo II Promoção da Educação e Formação Eixo III Empreendedorismo e Fixação

Leia mais

REDE SOCIAL DE SOBRAL DE MONTE AGRAÇO PLANO DE ACÇÃO PARA 2010

REDE SOCIAL DE SOBRAL DE MONTE AGRAÇO PLANO DE ACÇÃO PARA 2010 REDE SOCIAL DE SOBRAL DE MONTE AGRAÇO PLANO DE ACÇÃO PARA 2010 EIXO I Promoção da Inclusão das famílias com especial enfoque às necessidades dos idosos OBJECTIVO GERAL Melhorar as condições de vida de

Leia mais

PLANO DE ACÇÃO JANEIRO 2008 / DEZEMBRO 2008

PLANO DE ACÇÃO JANEIRO 2008 / DEZEMBRO 2008 PLAN DE ACÇÃ JANEIR 2008 / DEZEMBR 2008 Janeiro de 2008 PLAN DE ACÇÃ 2008 1 ÍNDICE Plano de Acção Introdução Eixos de Intervenção Educação Formação / Qualificação Formação Profissional / Emprego Envelhecimento/

Leia mais

Plano de Acção

Plano de Acção - 2 - Nota Prévia A Rede Social afirmou-se ao longo da sua criação como uma medida inovadora e com capacidade de produzir alterações positivas na intervenção social. Esta medida assumiu-se, desde início,

Leia mais

CLUBE DE EMPREGO SOCIOHABITAFUNCHAL PLANO DE ACTIVIDADES

CLUBE DE EMPREGO SOCIOHABITAFUNCHAL PLANO DE ACTIVIDADES PLANO DE ACTIVIDADES 2010 2011 Identificação Entidade: Sociohabitafunchal, E.M Animadora: Célia Dantas Localização: Centro Cívico de Santo António Designação O Clube de Emprego é um serviço promovido pelo

Leia mais

Plano de Acção 2007/2008. Eixo I Promover as competências sócio-educativas da população do Concelho

Plano de Acção 2007/2008. Eixo I Promover as competências sócio-educativas da população do Concelho Plano de Acção 2007/2008 Eixo I Promover as competências sócio-educativas da população do Concelho Projecto: Formação da População Adulta - Dinamização do Centro RVC (Iniciativa Novas Oportunidades) -

Leia mais

2008 Concelho de Ourique

2008 Concelho de Ourique Plano de Acção 2008 Concelho de Rede Social Programa Rede Social Conselho Local de Acção Social de Janeiro 2008 Ficha Técnica Título: Plano de Acção 2008 do Concelho de Autoria: Núcleo Executivo da Rede

Leia mais

RELATÓRIO DE MONITORIZAÇÃO CLDS MARINHA SOCIAL

RELATÓRIO DE MONITORIZAÇÃO CLDS MARINHA SOCIAL RELATÓRIO DE MONITORIZAÇÃO CLDS MARINHA SOCIAL O presente relatório reflecte a actividade do CLDS Marinha Social, desde o inicio da sua actividade, em Julho de 2009 até Junho de 2010, analisando-se 2 momentos

Leia mais

AGIR PARA SOLUCIONAR PLANO DE ACÇÃO PARA 2010

AGIR PARA SOLUCIONAR PLANO DE ACÇÃO PARA 2010 PLANO DE DESENVOLVIMENTO SOCIAL DO MUNICÍPIO DE ARMAMAR AGIR PARA SOLUCIONAR PLANO DE ACÇÃO PARA 2010 Plano de Acção 20010 1 Após elaboração do Plano de Desenvolvimento Social, onde estão definidas as

Leia mais

Câmara Municipal de Elvas. Plano de Acção. Conselho Local de Acção Social de Elvas

Câmara Municipal de Elvas. Plano de Acção. Conselho Local de Acção Social de Elvas Câmara Municipal de Elvas Plano de Acção 2007 Julho de 2006 Conselho Local de Acção Social de Elvas PROGRAMA REDE SOCIAL Co-financiado pelo Estado Português, Ministério da Segurança Social PLANO DE ACÇÃO

Leia mais

DO CONCELHO DE PROENÇA-A-NOVA

DO CONCELHO DE PROENÇA-A-NOVA PLANO DE DESENVOLVIMENTO SOCIAL E PLANO DE AÇÃO DO CONCELHO DE PROENÇA-A-NOVA JUNHO DE 2015 A DEZEMBRO 2017 1 NOTA INTRODUTÓRIA Atualmente torna-se cada vez mais evidente a necessidade de adequar o crescimento

Leia mais

Núcleo Executivo do CLAS de Mafra, 28 Maio de

Núcleo Executivo do CLAS de Mafra, 28 Maio de Plano de Ação Rede Social Mafra Eixo I - DEMOGRAFIA E EQUIPAMENTOS (INFRA-ESTRUTURAS DE APOIO) Objectivo geral 1. Reforçar as estruturas de apoio ao idoso Objectivo Específico 1. Aumentar a capacidade

Leia mais

Projecto co-financiado pelo FSE

Projecto co-financiado pelo FSE CLAS DE MONDIM DE BASTO PLANO DE AÇÃO 2013 REDE SOCIAL DE MONDIM DE BASTO Projecto co-financiado pelo FSE ÍNDICE ÍNDICE DE TABELAS... 3 CAPÍTULO I... 4 INTRODUÇÃO... 4 CAPÍTULO II... 7 PLANO DE ACÇÃO 2013...

Leia mais

Rede Social: Conselho Local de Acção Social de Campo Maior

Rede Social: Conselho Local de Acção Social de Campo Maior 1 Prioridade: Combater a pobreza das crianças, dos idosos e das famílias, através de medidas que assegurem os seus direitos básicos de cidadania Mercado de Emprego Promover a melhoria das condições de

Leia mais

Actividades de dinamização social e melhoria da qualidade de vida

Actividades de dinamização social e melhoria da qualidade de vida Actividades de dinamização social e melhoria da qualidade de vida O EXEMPLO DA CÂMARA MUNICIPAL DE VALONGO EUNICE NEVES OBJECTIVOS Igualdade Direitos Humanos Cidadania Activa e Inclusiva Conciliação Novas

Leia mais

A Rede Social é definida como um fórum de articulação e congregação de esforços baseado na adesão livre por parte das autarquias e das entidades

A Rede Social é definida como um fórum de articulação e congregação de esforços baseado na adesão livre por parte das autarquias e das entidades 1 A Rede Social é definida como um fórum de articulação e congregação de esforços baseado na adesão livre por parte das autarquias e das entidades públicas ou privadas sem fins lucrativos que nela queiram

Leia mais

Instituto da Segurança Social, I.P. Centro Distrital da Guarda

Instituto da Segurança Social, I.P. Centro Distrital da Guarda PLANEAMENTO ESTRATÉGICO SUPRACONCELHIO Plataforma Supraconcelhia * Beira Interior Norte (PSCBIN) Diagnóstico Social (DS) e Plano de Desenvolvimento Social (PDS) 11 / Dezembro / 2009 Instituto da Segurança

Leia mais

Enquadramento dos Apoios Sociais concedidos pelo Município de Bragança

Enquadramento dos Apoios Sociais concedidos pelo Município de Bragança Enquadramento dos Apoios Sociais concedidos pelo Município de Bragança Cartão de Munícipe Escalões progressivos no pagamento do passe dos Serviços de Transportes Urbanos de Bragança, na utilização das

Leia mais

Plano de Ação Índice Sumário Executivo A Rede Social no concelho de Alenquer O Plano de Ação...

Plano de Ação Índice Sumário Executivo A Rede Social no concelho de Alenquer O Plano de Ação... PLANO DE AÇÃO 2014 Índice 1. - Sumário Executivo... 1 Pág. 2. - A Rede Social no concelho de Alenquer... 2 2.1. - O Plano de Ação...2 3. - Análise de Eixos de Intervenção... 3 Eixo I.- Deficiência... 4

Leia mais

Programa Rede Social Nisa PLANO DE AÇÃO Câmara Municipal de Nisa. Praça do Município Nisa Telefone

Programa Rede Social Nisa PLANO DE AÇÃO Câmara Municipal de Nisa. Praça do Município Nisa Telefone PLANO DE AÇÃO 2017 NOTA PRÉVIA Decorrente do processo de atualização do diagnóstico social e do plano de desenvolvimento social, da Rede Social do Concelho de Nisa e numa perspetiva de continuidade em

Leia mais

EIXO 1: EMPREGO, QUALIFICAÇÃO, EMPREENDEDORISMO E INICIATIVA LOCAL

EIXO 1: EMPREGO, QUALIFICAÇÃO, EMPREENDEDORISMO E INICIATIVA LOCAL EIXO 1: EMPREGO, QUALIFICAÇÃO, EMPREENDEDORISMO E INICIATIVA LOCAL Desenvolver as condições facilitadoras da criação de emprego, combate ao desemprego e incentivo à iniciativa local referente ao empreendedorismo

Leia mais

Ficha de Caracterização de Entidade/Projecto CLDS - ESPIRAL

Ficha de Caracterização de Entidade/Projecto CLDS - ESPIRAL Ficha de Caracterização de Entidade/Projecto CLDS - ESPIRAL 2 A. IDENTIFICAÇÃO GERAL DA ENTIDADE Projecto(s) Projecto Espiral - Contrato Local de Desenvolvimento Promotor(es): CESIS - Centro de Estudos

Leia mais

Lucília Espanhol Serviço Local de Borba da Segurança Social

Lucília Espanhol Serviço Local de Borba da Segurança Social 2017 PLANO DE AÇÃO Elaborado no âmbito do Programa Rede Social Plano de Ação do Concelho de 2017 s parceiras (Núcleo Executivo do CLASB): António Anselmo - Sofia Alexandra Dias - Crispim Francisco Lopes

Leia mais

Regulamento para a Atribuição de Apoio a Estratos Sociais Desfavorecidos. Nota justificativa (art. 116º do Código do Procedimento Administrativo)

Regulamento para a Atribuição de Apoio a Estratos Sociais Desfavorecidos. Nota justificativa (art. 116º do Código do Procedimento Administrativo) APÊNDICE N.º 60 II SÉRIE N.º 114 17 de Maio de 2002 Aviso n.º 4113/2002 Regulamento para a Atribuição de Apoio a Estratos Sociais Desfavorecidos Nota justificativa (art. 116º do Código do Procedimento

Leia mais

ACOLHER, REPARAR E PROMOVER

ACOLHER, REPARAR E PROMOVER GESTÃO E ORGANIZAÇÃO INTERNA Planificação e organização; Elaboração do Plano Anual de Atividades 2016-2017; Definição de calendário de reuniões ordinárias 2016-2017: EE (mensal); ET (semanal), Funcionários

Leia mais

Plano de Acção 2010 Concelho de Ourique

Plano de Acção 2010 Concelho de Ourique Plano de Acção 200 Concelho de Rede Social Programa Rede Social Conselho Local de Acção Social de Janeiro 2009 Ficha Técnica Título: Plano de Acção 200 do Concelho de Autoria: Núcleo Executivo da Rede

Leia mais

Conselho Local de Ação Social de. Pinhel. Plano de Ação 2014

Conselho Local de Ação Social de. Pinhel. Plano de Ação 2014 Conselho Local de Ação Social de Pinhel Plano de Ação 2014 Plano de Ação 2014 Enquadramento Legal Objetivo Geral Área Geográfica de Intervenção Eixos de Intervenção Resolução do Conselho de Ministros nº

Leia mais

Projecto GPS Gabinete de Proximidade para a Sustentabilidade

Projecto GPS Gabinete de Proximidade para a Sustentabilidade Projecto GPS Gabinete de Proximidade para a Sustentabilidade Actividade Formativa - Intervenção Comunitária Data 13 e 14 de Maio de 2009 Local Auditório do Edifício Cultural Município de Peniche Participação:

Leia mais

REDE SOCIAL POEFDS. UNIÃO EUROPEIA Fundo Social Europeu

REDE SOCIAL POEFDS. UNIÃO EUROPEIA Fundo Social Europeu REDE SOCIAL POEFDS UNIÃO EUROPEIA Fundo Social Europeu Vila Nova ÍNDICE Nota Introdutória ----------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------3

Leia mais

EIXO I ATRACTIVIDADE TERRITORIAL

EIXO I ATRACTIVIDADE TERRITORIAL Plano de Acção para 2007 1 Um Plano de Acção, mais do que um documento, pretende-se que seja um instrumento de trabalho manuseável, flexível, ajustável à realidade e útil. Neste sentido, considerou-se

Leia mais

PLANO DE ACTIVIDADES PARA O ANO FINANCEIRO DE 2007

PLANO DE ACTIVIDADES PARA O ANO FINANCEIRO DE 2007 PARA O ANO FINANCEIRO 2007 SCRIÇÃO DA CLASSIFICAÇÃO FINIDA 01 EDUCAÇÃO 01 01 EDUCAÇÃO PRÉ-ESCOLAR 01 02 ENSINO BÁSICO - 1º CICLO DO PROGRAMA 01 0 0 0 56 Refeitórios escolares 0701-020104/05/06-04050102-040701-05010102

Leia mais

PLANO DE ACTIVIDADES 2010/2011

PLANO DE ACTIVIDADES 2010/2011 PLANO DE ACTIVIDADES 2010/2011 O Plano Anual de Actividades deve ser entendido como o instrumento da planificação das actividades es, para um ano lectivo, no qual estão plasmadas as decisões sobre os objectivos

Leia mais

Rede Social de Vila Pouca de Aguiar

Rede Social de Vila Pouca de Aguiar Introdução... 3 Plano de Desenvolvimento Social... 4 O que é o Plano de Desenvolvimento Social?... 4 Para que serve o Plano de Desenvolvimento Social?... 4 O Plano de Desenvolvimento Social como processo

Leia mais

!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!

!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!! ÍNDICE Introdução Pág. 2 Plano de Desenvolvimento Social Pág. 3 Metodologia Pág. 4 Eixos de IntervençãoI Pág. 5 Eixo I Melhoria da Qualidade de Vida de Grupos Vulneráveis Pág. 10 Eixo II Promoção da Educação

Leia mais

Programa BIP/ZIP 2017

Programa BIP/ZIP 2017 Programa BIP/ZIP 217 FICHA DE CANDIDATURA Refª: 1 Novas GerAções Grupo de Trabalho dos Bairros e Zonas de Intervenção Prioritária (BIP/ZIP) Rua Nova do Almada, nº 2-3º Andar 11-6 Lisboa Telefone: 21 322

Leia mais

E N T I D A D E DATA : 2014/03/31 EXECUÇÃO DO PLANO DE ACTIVIDADES MUNICIPAL ANO CONTABILÍSTICO 2013 MUNICIPIO DE BEJA HORA : 09:47:45

E N T I D A D E DATA : 2014/03/31 EXECUÇÃO DO PLANO DE ACTIVIDADES MUNICIPAL ANO CONTABILÍSTICO 2013 MUNICIPIO DE BEJA HORA : 09:47:45 PERÍODO JANEIRO A DEZEMBRO - 2013/12/31 Pagina : 1 1. Funções gerais 692.793,77 700.893,77 502.238,97 494.714,37 442.264,06 425.619,24 425.619,24 198.654,80 69.095,13 60.73 60.73 100.00 1.1. Serviços gerais

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE MELGAÇO. Plano Plurianual de Atividades

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE MELGAÇO. Plano Plurianual de Atividades AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE MELGAÇO Plano Plurianual de Atividades 2014/2017 0 Índice Índice... 1 Introdução... 2 DIMENSÃO PEDAGÓGICA... 3 DIMENSÃO CÍVICA... 7 DIMENSÃO ESCOLA, FAMÍLIA, COMUNIDADE... 9 DIMENSÃO

Leia mais

Plano desenvolvimento social

Plano desenvolvimento social Plano desenvolvimento social 2014-2016 Área Intervenção I FAMÍLIA (HABITAÇÃO/EDUCAÇÃO) - Problemas ao nível do parque habitacional; - Falta de expetativas/ objetivos ao nível educativo; - Défice de competências

Leia mais

Rede Social CLAS Fornos de Algodres C.L.A.S. CONSELH0 LOCAL DE ACÇÃO SOCIAL DO MUNICIPIO DE FORNOS DE ALGODRES

Rede Social CLAS Fornos de Algodres C.L.A.S. CONSELH0 LOCAL DE ACÇÃO SOCIAL DO MUNICIPIO DE FORNOS DE ALGODRES C.L.A.S. CONSELH0 LOCAL DE ACÇÃO SOCIAL DO MUNICIPIO DE FORNOS DE ALGODRES ABRIL DE 2009 NOTA INTRODUTÓRIA No documento aqui apresentado estão identificados os projectos e intervenções a realizar no Município

Leia mais

Câmara Municipal de Grândola Divisão de Desenvolvimento Social Setor de Envelhecimento Ativo Programa Viver Solidário

Câmara Municipal de Grândola Divisão de Desenvolvimento Social Setor de Envelhecimento Ativo Programa Viver Solidário Câmara Municipal de Divisão de Desenvolvimento Social Setor de Envelhecimento Ativo Programa Viver Solidário De Janeiro a Dezembro de 2013 1 1. Breve Caracterização do Programa Viver Solidário : O Programa

Leia mais

1. Animar Sénior 2 2. Refrescar Sénior 3 3. Movimentar Sénior 4. PROJECTOS SUPRAMUNICIPAIS Cuidar de Quem Cuida e cidades Amigas das Pessoas Idosas 9

1. Animar Sénior 2 2. Refrescar Sénior 3 3. Movimentar Sénior 4. PROJECTOS SUPRAMUNICIPAIS Cuidar de Quem Cuida e cidades Amigas das Pessoas Idosas 9 PLANO DE ACÇÃO DE GERONTOLOGIA 2011 1 ÍNDICE PROJECTOS CONCELHIOS Lazer, Cultura e Desporto 2 1. Animar Sénior 2 2. Refrescar Sénior 3 3. Movimentar Sénior 4 Intergeracionalidade 5 4. Troca de Saberes

Leia mais

DAP DINÂMICAS DE ACÇÃO-PREVENÇÃO

DAP DINÂMICAS DE ACÇÃO-PREVENÇÃO DAP DINÂMICAS DE ACÇÃO-PREVENÇÃO Apresentação do Projecto Escola E.B 2,3 Passos José OBJECTIVOS GERAIS Fomentar a integração dos alunos no contexto escolar, promovendo o sucesso educativo Agir preventiva

Leia mais

APRENDIZAGEM, EDUCAÇÃO e CIDADANIA Um Caminho de Sucesso

APRENDIZAGEM, EDUCAÇÃO e CIDADANIA Um Caminho de Sucesso Plano Plurianual de Melhoria APRENDIZAGEM, EDUCAÇÃO e CIDADANIA Um Caminho de Sucesso 1 18 de setembro de 2015 26 de abril de 2013 Organização do Agrupamento de Escolas da Caparica - AEC Secundária do

Leia mais

Plano Local de Promoção dos Direitos da Criança

Plano Local de Promoção dos Direitos da Criança Plano Local de Promoção dos Direitos da Criança Breve Enquadramento O Plano Local de Promoção dos Direitos da Criança constitui o resultado do Projeto Tecer a, promovido pela Comissão Nacional de Promoção

Leia mais

Câmara Municipal de Grândola Divisão de Desenvolvimento Social Setor de Envelhecimento Ativo Programa Viver Solidário

Câmara Municipal de Grândola Divisão de Desenvolvimento Social Setor de Envelhecimento Ativo Programa Viver Solidário Câmara Municipal de Divisão de Desenvolvimento Social Setor de Envelhecimento Ativo Programa De Janeiro a Dezembro de 2012 1 1. Breve Caracterização do Programa : O Programa é um Programa que tem como

Leia mais

Sessão de Divulgação PDR DLBC Terras de Basto

Sessão de Divulgação PDR DLBC Terras de Basto Sessão de Divulgação PDR 2020 - DLBC Terras de Basto Operação 10.2.1.1 - Pequenos investimentos nas explorações agrícolas Promover a melhoria das condições de vida, de trabalho e de produção dos agricultores;

Leia mais

Plano de Ação para 2012

Plano de Ação para 2012 Área da Ação Plano de Ação para 2012 CRONOGRAMA ÁREA DE INTERVENÇÃO ATIVIDADES 2012 Recursos Humanos Janeiro Fevereiro Março Abril Maio Junho Julho Agosto Setembro Outubro Novembro Dezembro O atendimento

Leia mais

Lucília Espanhol Serviço Local de Borba da Segurança Social

Lucília Espanhol Serviço Local de Borba da Segurança Social 2016 PLANO DE AÇÃO Elaborado no âmbito do Programa Rede Social Plano de Ação do Concelho de 2016 s parceiras (Núcleo Executivo do CLASB): António Anselmo - Sofia Alexandra Dias - Crispim Francisco Lopes

Leia mais

ANEXO I EQUIPAMENTOS MUNICIPAIS AFETOS À AÇÃO SOCIAL SETORES /ATIVIDADES /VALÊNCIAS

ANEXO I EQUIPAMENTOS MUNICIPAIS AFETOS À AÇÃO SOCIAL SETORES /ATIVIDADES /VALÊNCIAS ANEXO I EQUIPAMENTOS MUNICIPAIS AFETOS À AÇÃO SOCIAL SETORES /ATIVIDADES /VALÊNCIAS I COMPLEXO MULTIFUNCIONAL DE COUROS Endereço: Travessa de Vila Verde, São Sebastião, 4800 430 Guimarães Tipologia: Espaço

Leia mais

Lisboa 2015 FICHA DE CANDIDATURA

Lisboa 2015 FICHA DE CANDIDATURA Lisboa 2015 Refª: 038 DE JOVEM A LIDER Grupo de Trabalho dos Bairros e Zonas de Intervenção Prioritária (BIP/ZIP) Rua Nova do Almada, nº 2-3º Andar 1100-060 Lisboa Telefone: 21 322 73 60 Email - bip.zip@cm-lisboa.pt

Leia mais

CLDS 3G REDONDO. Gerar Evolução

CLDS 3G REDONDO. Gerar Evolução CLDS 3G REDONDO Gerar Evolução Enquadramento: A presente síntese do projeto CLDS 3G Redondo GERAR EVOLUÇÃO, da responsabilidade Entidade Coordenadora Local (Centro Infantil Nossa Senhora da Saúde de Redondo),

Leia mais

AS POLÍTICAS DE RESPOSTA À CONJUTURA

AS POLÍTICAS DE RESPOSTA À CONJUTURA AS POLÍTICAS DE RESPOSTA À CONJUTURA Aumentar a liquidez / crédito Política monetária Normalização sistema financeiro Expandir a procura Apoiar o emprego Investimento público Investimento privado Políticas

Leia mais

DEPARTAMENTO PRÉ-ESCOLAR - PLANIFICAÇÃO DAS ATIVIDADES

DEPARTAMENTO PRÉ-ESCOLAR - PLANIFICAÇÃO DAS ATIVIDADES 0 DEPARTAMENTO PRÉ-ESCOLAR - PLANIFICAÇÃO DAS ATIVIDADES Na planificação das atividades daremos continuidade ao projeto Crescer, Brincar e Aprender, do Departamento Pré Escolar que se concretizará também

Leia mais

Promover a inserção social de pessoas e grupos mais vulneráveis; Estimular o desenvolvimento de projectos de vida;

Promover a inserção social de pessoas e grupos mais vulneráveis; Estimular o desenvolvimento de projectos de vida; São nossos objectivos: 1ª fase: Promover a inserção social de pessoas e grupos mais vulneráveis; Alargar e consolidar a rede de parcerias de forma a fomentar e a criar novos recursos, propiciando condições

Leia mais

PLANO DE ACÇÃO REGIONAL ALENTEJO 2020

PLANO DE ACÇÃO REGIONAL ALENTEJO 2020 FORUM REGIONAL ALENTEJO 2020 DESAFIOS E OPORTUNIDADES PLANO DE ACÇÃO REGIONAL ALENTEJO 2020 COMISSÃO DE COORDENAÇÃO E DESENVOLVIMENTO REGIONAL DO ALENTEJO Joaquim Fialho joaquim.fialho@ccdr-a.gov.pt Vendas

Leia mais

PROJETO DE REGULAMENTO PROGRAMA VIVER SOLIDÁRIO

PROJETO DE REGULAMENTO PROGRAMA VIVER SOLIDÁRIO PROJETO DE REGULAMENTO PROGRAMA VIVER SOLIDÁRIO PROGRAMA VIVER SOLIDÁRIO PROJETO DE REGULAMENTO 1.INTRODUÇÃO A prática regular e sistemática de atividades de animação gera significativas melhorias quer

Leia mais

Conselho Local de Ação Social

Conselho Local de Ação Social Conselho Local de Ação Social Índice Introdução... 6 Eixo I - Demografia... 7 Eixo II Educação/Nível de Instrução... 8 Eixo III Economia... 11 Eixo IV Grupos Vulneráveis... 13 Avaliação.26 2 Ficha Técnica

Leia mais

Plano de Desenvolvimento Social

Plano de Desenvolvimento Social Plano de Desenvolvimento Social 65 6. Planear para Intervir Objectivos e Estratégias Numa fase seguinte, após a consequente identificação das vulnerabilidades concelhias /eixos estratégicos de intervenção

Leia mais

Introdução Página 2 A CPCJ de Boticas Página 3 Plano de Ação Página 4

Introdução Página 2 A CPCJ de Boticas Página 3 Plano de Ação Página 4 1 Índice Introdução Página 2 A CPCJ de Boticas Página 3 Plano de Ação Página 4 2 Introdução O objetivo do Plano de Atividades da CPCJ de Boticas para 2015 é planear as atividades, procurando manter, aprofundar

Leia mais

Plano Anual de Atividades. Resposta Social: ERPI

Plano Anual de Atividades. Resposta Social: ERPI 2015 CENTRO SOCIAL DA SÉ CATEDRAL DO PORTO Plano Anual de Atividades Resposta Social: ERPI Porto, 2015 Introdução O presente Plano de Atividades tem como objetivo principal implementar um conjunto de ações

Leia mais

Programa 2012 FICHA DE CANDIDATURA. Refª: 073 GASP - Gabinete de Acção Social e Psicológica

Programa 2012 FICHA DE CANDIDATURA. Refª: 073 GASP - Gabinete de Acção Social e Psicológica Programa 2012 FICHA DE CANDIDATURA Refª: 073 GASP - Gabinete de Acção Social e Psicológica Grupo de Trabalho dos Bairros e Zonas de Intervenção Prioritária (BIP/ZIP) Rua Nova do Almada, nº 2-3º Andar 1100-060

Leia mais

PLANO DE ATIVIDADES CLAS VISEU 2014

PLANO DE ATIVIDADES CLAS VISEU 2014 PLANO DE ATIVIDADES CLAS VISEU 2014 AÇÃO ATIVIDADES INTERVENIENTES Calendarização das Atividades J F M A M J J A S O N D 1) Realizar quatro reuniões plenárias durante o ano de 2014 1.1) Realização de uma

Leia mais

Entidades. Coordenadora ACM - Associação Cristã da Mocidade de Setúbal

Entidades. Coordenadora ACM - Associação Cristã da Mocidade de Setúbal CLDS Setúbal Entidades Coordenadora ACM - Associação Cristã da Mocidade de Setúbal Executoras ACM - Associação Cristã da Mocidade de Setúbal (Bela Vista e zona envolvente) APACCF - Associação de Professores

Leia mais

ASSOCIAÇÃO TODOS PELOS OUTROS - TPO PLANO DE ATIVIDADES

ASSOCIAÇÃO TODOS PELOS OUTROS - TPO PLANO DE ATIVIDADES PLANO DE ATIVIDADES 2014 1. Introdução A ASSOCIAÇÃO TODOS PELOS OUTROS - TPO, é uma Associação sem fins lucrativos, com sede na Rua D. Duarte Nuno, nº 50, 3025-582 São Silvestre, na freguesia de São Silvestre,

Leia mais

Centro Social Monsenhor Júlio Martins

Centro Social Monsenhor Júlio Martins Centro Social Monsenhor Júlio Martins Plano Anual de Atividades 2014/2015 Tema do Projeto Educativo: Brincar a Aprender Tema do Projeto Curricular de Turma: Descobrir com as emoções Sala dos 3,4 e 5 anos

Leia mais

Introdução Página 2 A CPCJ de Boticas Página 3 Plano de Atividades Página 4

Introdução Página 2 A CPCJ de Boticas Página 3 Plano de Atividades Página 4 Índice Introdução Página 2 A CPCJ de Boticas Página 3 Plano de Atividades Página 4 Introdução O objetivo do Plano de Atividades da CPCJ de Boticas para 2016 é planear as atividades, procurando manter,

Leia mais

Projecto GPS Gabinete de Proximidade para a Sustentabilidade

Projecto GPS Gabinete de Proximidade para a Sustentabilidade Projecto GPS Gabinete de Proximidade para a Sustentabilidade Actividade Formativa - Intervenção Comunitária Data 17 de Junho de 2009 Local Auditório do Edifício Cultural Município de Peniche Participação:

Leia mais

Plano Anual de Atividades. Resposta Social: Serviço de Apoio Domiciliário

Plano Anual de Atividades. Resposta Social: Serviço de Apoio Domiciliário 2016 CENTRO SOCIAL DA SÉ CATEDRAL DO PORTO Plano Anual de Atividades Resposta Social: Serviço de Apoio Domiciliário Porto, 2016 1 Índice Introdução 3 Plano de Ação /Intervenção 4 Desenvolvimento /Planificação

Leia mais

Região do Médio Tejo. Características e Desafios

Região do Médio Tejo. Características e Desafios Região do Médio Tejo Características e Desafios 09 março 2015 A Comunidade Intermunicipal do Médio Tejo Território e Municípios A Comunidade Intermunicipal do Médio Tejo Atribuições e Competências das

Leia mais

Objectivos, Orientações Estratégicas e Medidas para a Educação e Formação

Objectivos, Orientações Estratégicas e Medidas para a Educação e Formação III. 3. POTENCIAL HUMANO E COESÃO SOCIAL Objectivos, Orientações Estratégicas e Medidas para a Educação e Formação Sendo objectivamente reconhecidos os resultados e os impactos alcançados na Região Autónoma

Leia mais

Programa BIP/ZIP 2015

Programa BIP/ZIP 2015 Programa BIP/ZIP 215 FICHA DE CANDIDATURA Refª: 35 Lavandaria solidária Grupo de Trabalho dos Bairros e Zonas de Intervenção Prioritária (BIP/ZIP) Rua Nova do Almada, nº 2-3º Andar 11-6 Lisboa Telefone:

Leia mais

Nota Introdutória Desenvolvimento Social

Nota Introdutória Desenvolvimento Social Nota Introdutória Desenvolvimento Social, esta noção surgiu a partir de criticas a outros modelos de desenvolvimento que valorizavam o crescimento económico de cima para baixo. Partia-se de uma visão funcionalista

Leia mais

Lisboa 2016 FICHA DE CANDIDATURA

Lisboa 2016 FICHA DE CANDIDATURA Lisboa 2016 Refª: 049 BAIRRO DAS ARTES Grupo de Trabalho dos Bairros e Zonas de Intervenção Prioritária (BIP/ZIP) Rua Nova do Almada, nº 2-3º Andar 1100-060 Lisboa Telefone: 21 322 73 60 Email - bip.zip@cm-lisboa.pt

Leia mais

Plano de Formação Sensibilização / Informação 2010

Plano de Formação Sensibilização / Informação 2010 Plano de Sensibilização / 2010 Acção de / Eixo de Direitos e Cidadania 1.º 1.º e 4.º Janeiro e Fevereiro e Dezembro Fevereiro Centro Nós do 115 Famílias do básico (2.º e 3.º ciclos) e (Acção 8. Nós Pais

Leia mais

Plano de Acção 2006/2007. Rede Social Concelho da Lourinhã

Plano de Acção 2006/2007. Rede Social Concelho da Lourinhã Plano de Acção 2006/2007 Rede Social Concelho da Lourinhã E I X O I Intervenção Dirigida a Grupos Específicos EIXO I : INTERVENÇÃO DIRIGIDA A GRUPOS ESPECIFICOS OBJECTIVO GERAL: Até Dezembro de 2007 existem

Leia mais

Plano Integrado de Combate à Exclusão Social na Escola e de Prevenção do Abandono Escolar

Plano Integrado de Combate à Exclusão Social na Escola e de Prevenção do Abandono Escolar SECRETARIA REGIONAL DA EDUCAÇÃO E CULTURA DIREÇÃO REGIONAL DA EDUCAÇÃO ESCOLA BÁSICA INTEGRADA DE RIBEIRA GRANDE Equipa Multidisciplinar da EBI de Ribeira Grande Plano Integrado de Combate à Exclusão Social

Leia mais

O POTENCIAL HUMANO PARA de NOVEMBRO 2012

O POTENCIAL HUMANO PARA de NOVEMBRO 2012 O POTENCIAL HUMANO PARA 2013 28 de NOVEMBRO 2012 O POTENCIAL HUMANO PARA 2013 ORIENTAÇÕES ESTRATÉGICAS PARA O FUTURO - CAPITAL HUMANO PARA O CRESCIMENTO E O EMPREGO CONTRIBUTO DO POPH (ANOS 2013 E 2014)

Leia mais

PLANO DE ATIVIDADES 2016

PLANO DE ATIVIDADES 2016 Modalidade Destinatários Calendarização Obs. Divulgar e Promover a Comissão junto da população Promover a Comissão e Informar a Comunidade através de ações específicas. Aumentar competências no âmbito

Leia mais

ESTRUTURA ORGANIZATIVA DA ISCMPSA

ESTRUTURA ORGANIZATIVA DA ISCMPSA ESTRUTURA ORGANIZATIVA DA ISCMPSA Este documento visa dar corpo á orgânica dos serviços da Santa Casa, ou seja, definir competências, hierarquias e formas de actuação. Como a Santa Casa da Póvoa de Santo

Leia mais

ÍNDICE página 2 página 3 página 7 página 13 página 15 página 17

ÍNDICE página 2 página 3 página 7 página 13 página 15 página 17 CLAS de Boticas ÍNDICE Introdução página 2 Resumo do página 3 Eixo I Promoção da Qualidade de Vida de Grupos Vulneráveis página 7 Eixo II Qualificação e Empreendedorismo página 13 Eixo III Dinamização

Leia mais

PLANO DE ATIVIDADES SÓCIO CULTURAIS.

PLANO DE ATIVIDADES SÓCIO CULTURAIS. PLANO DE ATIVIDADES SÓCIO CULTURAIS 2017 www.scmbaiao.com O Plano de Actividades Sócio-culturais para o ano de 2017, foi direccionado essencialmente para as valências sociais da Instituição: Terceira Idade

Leia mais

Programa 2013 FICHA DE CANDIDATURA. Refª: 092 Escolinha Crescer na Maior

Programa 2013 FICHA DE CANDIDATURA. Refª: 092 Escolinha Crescer na Maior Programa 2013 FICHA DE CANDIDATURA Refª: 092 Escolinha Crescer na Maior Grupo de Trabalho dos Bairros e Zonas de Intervenção Prioritária (BIP/ZIP) Rua Nova do Almada, nº 2-3º Andar 1100-060 Lisboa Telefone:

Leia mais

Regulamento Interno Gabinete de Atendimento e Acompanhamento Social /Protocolo de RSI

Regulamento Interno Gabinete de Atendimento e Acompanhamento Social /Protocolo de RSI Regulamento Interno Gabinete de Atendimento e Acompanhamento Social /Protocolo de RSI Rua do Formigoso N.º 103 Polvoreira 4835-168 Guimarães Telefone: 253 557 128 - Telemóvel: 91 051 36 36 rsipolvoreira@gmail.com

Leia mais

27 de junho de Domingos Lopes

27 de junho de Domingos Lopes 27 de junho de 2016 Domingos Lopes Objetivos Temáticos OT 8. Promover a sustentabilidade e a qualidade do emprego e apoiar a mobilidade dos trabalhadores assumindo como meta nacional, até 2020, o aumento

Leia mais

Agrupamento de Escolas nº4 de Évora Escola Sede: Escola Secundária André de Gouveia 1. ÁREAS DE INTERVENÇÃO

Agrupamento de Escolas nº4 de Évora Escola Sede: Escola Secundária André de Gouveia 1. ÁREAS DE INTERVENÇÃO 1. ÁREAS DE INTERVENÇÃO 1.1. IMPLEMENTAR A ORGANIZAÇÃO E DESENVOLVIMENTO CURRICULAR - Aprimorar ação educativa. Otimizar o desempenho de funções de coordenação. Valorizar a centralidade da escola e do

Leia mais

Agrupamento de Escolas de Eugénio de Castro Bibliotecas Escolares

Agrupamento de Escolas de Eugénio de Castro Bibliotecas Escolares grupamento de Escolas de Eugénio de Castro ibliotecas Escolares Professoras bibliotecárias: Paula Fidalgo e Maria João Olaio Plano de acção 2009- Página 0 grupamento de Escolas de Eugénio de Castro ibliotecas

Leia mais

DICAS - Dinâmicas Comunitárias de Ativação Social

DICAS - Dinâmicas Comunitárias de Ativação Social ADILO PLANO DE AÇÃO CLDS 3G Lordelo do Ouro e Massarelos DICAS - Dinâmicas Comunitárias de Ativação Social 2016-2018 Eixo de Intervenção Objetivos Gerais por Eixo de Intervenção N.º Objetivo Descrição

Leia mais

Plano de Desenvolvimento Social. 1º Plano de Acção

Plano de Desenvolvimento Social. 1º Plano de Acção Plano de Desenvolvimento Social 1º Plano de Acção Conselho Local de Acção Social de 2004 ÍNDICE 1 - Introdução...1 2 Diagnóstico e Plano de Desenvolvimento...3 3 Enquadramento dos objectivos e estratégias

Leia mais

Responsabilidade Social Interna. Porque queremos ir mais longe, chegando MAIS PERTO

Responsabilidade Social Interna. Porque queremos ir mais longe, chegando MAIS PERTO Porque queremos ir mais longe, chegando MAIS PERTO No Município de Oeiras é entendida como: Um agente facilitador do desenvolvimento socioprofissional dos colaboradores Um Instrumento de Criação de Valor

Leia mais

Experiência Supraconcelhia do Tâmega e Sousa

Experiência Supraconcelhia do Tâmega e Sousa Experiência Supraconcelhia do Tâmega e Sousa conjunto de ações e comportamentos estabelecidos através da interação social que permite aos parceiros, a capacidade de agir, participar e provocar mudança

Leia mais

REUNIÃO DE TRABALHO PI 10.i 30 de setembro, Coimbra

REUNIÃO DE TRABALHO PI 10.i 30 de setembro, Coimbra REUNIÃO DE TRABALHO PI 10.i 30 de setembro, Coimbra CENTRO 2020 POR EIXOS Eixo 1 Investigação, Desenvolvimento e Inovação (IDEIAS) 7,8% 169 M 2,5% 54 M Eixo 10 Assistência Técnica Eixo 2 Competitividade

Leia mais

Ficha de Caracterização de Entidade/Projecto. Vale de Alcântara CLDS +

Ficha de Caracterização de Entidade/Projecto. Vale de Alcântara CLDS + Ficha de Caracterização de Entidade/Projecto Vale de Alcântara CLDS + 1 A. IDENTIFICAÇÃO GERAL DA ENTIDADE Projecto(s) K'CIDADE para a Inclusão - Vale de Alcântara Entidade Coordenadora da Parceria Fundação

Leia mais

Plano de Actividades do STSEDP Do Ano 2007

Plano de Actividades do STSEDP Do Ano 2007 Plano de Actividades do STSEDP Do Ano 2007 I Nota Introdutória e II Objectivos e Estratégias Com a elaboração do presente plano de actividades do Serviço Técnico Sócio Educativo de Deficientes Profundos

Leia mais

Programa BIP/ZIP 2016

Programa BIP/ZIP 2016 Programa BIP/ZIP 2016 FICHA DE CANDIDATURA Refª: 018 Laços entre nós Grupo de Trabalho dos Bairros e Zonas de Intervenção Prioritária (BIP/ZIP) Rua Nova do Almada, nº 2-3º Andar 1100-060 Lisboa Telefone:

Leia mais

PLATAFORMA TERRITORIAL Baixo Mondego

PLATAFORMA TERRITORIAL Baixo Mondego Prioridades - Família e Comunidade Mortágua Mealhada Prioridade 1 assegurem os seus Prioridade 1 assegurem os seus Criação de mais serviços de apoio à família (refeição e animação de actividades de tempos

Leia mais

Plano de atividades CATL 2016/2017

Plano de atividades CATL 2016/2017 CATL 2016_2017 Centro Social Paróquia Nossa Senhora da Ajuda, Porto Página 1 Índice Introdução 3 Descrição da valência 4 Plano de atividades 7 Centro Social Paróquia Nossa Senhora da Ajuda, Porto Página

Leia mais

Financiamento de Candidaturas. Regulamento

Financiamento de Candidaturas. Regulamento Financiamento de Candidaturas A Junta de Freguesia de Benfica (JFB), no âmbito da sua responsabilidade social e no âmbito da Comissão Social de Freguesia (CSF), irá apoiar financeiramente candidaturas

Leia mais

Desafios da Reabilitação Urbana Sustentável: o caso do Centro Histórico do Porto. Álvaro Santos Presidente Executivo do Conselho de Administração

Desafios da Reabilitação Urbana Sustentável: o caso do Centro Histórico do Porto. Álvaro Santos Presidente Executivo do Conselho de Administração Desafios da Reabilitação Urbana Sustentável: o caso do Centro Histórico do Porto Álvaro Santos Presidente Executivo do Conselho de Administração Funchal, 22 de maio de 2015 Cidade do Porto, Diagnóstico

Leia mais

Programa BIP/ZIP 2014

Programa BIP/ZIP 2014 Programa BIP/ZIP 2014 FICHA DE CANDIDATURA Refª: 004 Lavandaria Social Grupo de Trabalho dos Bairros e Zonas de Intervenção Prioritária (BIP/ZIP) Rua Nova do Almada, nº 2-3º Andar 1100-060 Lisboa Telefone:

Leia mais

Lisboa 2015 FICHA DE CANDIDATURA

Lisboa 2015 FICHA DE CANDIDATURA Lisboa 2015 Refª: 070 Gabinete de Apoio Jovem Futuro + Grupo de Trabalho dos Bairros e Zonas de Intervenção Prioritária (BIP/ZIP) Rua Nova do Almada, nº 2-3º Andar 1100-060 Lisboa Telefone: 21 322 73 60

Leia mais