Conselho Local de Ação Social

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Conselho Local de Ação Social"

Transcrição

1 Conselho Local de Ação Social

2 Índice Introdução... 6 Eixo I - Demografia... 7 Eixo II Educação/Nível de Instrução... 8 Eixo III Economia Eixo IV Grupos Vulneráveis Avaliação.26 2

3 Ficha Técnica Titulo: Entidades que colaboraram para a execução do documento: Conselho Local de Ação Social Núcleo Executivo da Rede Social O Plano de Ação de 2016 foi aprovado por unanimidade na Reunião Plenária de 30 de Março de 2016 Coordenação: Dr.ª Sílvia Silva Presidente do Conselho Local de Ação Social 3

4 Apresentação do Núcleo Executivo Rede Social Rua dos Combatentes Santa Marta de Telefone: / Fax: Núcleo executivo Instituição Representante Função de Santa Marta de Centro Distrital de Solidariedade e Segurança Social de Vila Real Agrupamento de Escolas de Santa Marta de Associação 2000 de Apoio ao Desenvolvimento A2000 Centro de Saúde de Santa Marta de Centro Social e Paroquial de Santa Eulália da Cumieira Representante das Juntas Freguesia Dr.ª Sílvia Silva Dr.ª Armandina Cruz Professor Hermínio Cardoso Dr.ª Marina Teixeira Dr.ª Sónia Pinto Dr.ª Alexandra Marta António Júlio Almeida Vice-Presidente Assistente Social Adjunto do Diretor Diretora Técnica Assistente Social Diretora Técnica Presidente de Junta da Freguesia de Sever 4

5 Composição do Concelho Local de Ação Social Associação Comercial e Industrial dos concelhos de Peso da Régua, Santa Marta de e Mesão Frio - ACIR Associação Golfinhos da Paz Agrupamento de Escolas Agrupamento 687 do CNE Escuteiros de Fontes Associação de Pais e Encarregados de Educação dos Alunos do Agrupamento de Escolas de Santa Marta de Associação 2000 de Apoio ao Desenvolvimento Bombeiros Voluntários de Fontes Bombeiros Voluntários Caves Santa Marta de Centro Distrital de Solidariedade e Segurança Social de Vila Real Centro de Saúde Centro Social e Paroquial de São Miguel de Lobrigos Centro Social e Paroquial de Santa Eulália da Cumieira Centro de Respostas Integradas de Vila Real Cruz Vermelha Portuguesa Núcleo EAPN: Núcleo Distrital de Vila Real Fundação Luís Vicente Fundação Dr. Carneiro Mesquita Guarda Nacional Republicana Posto Junta de Freguesia de Alvações do Corgo Junta de Freguesia da Cumieira Junta de Freguesia de Fontes Junta de Freguesia de Medrões Junta de Freguesia de Sever Núcleo Local de Inserção União de Freguesias de Lobrigos (S. Miguel e S. João Batista) e Sanhoane União de Freguesias de Louredo e Fornelos 5

6 Introdução O pretende ser um documento de operacionalização do Plano de Desenvolvimento Social 2015/2017, para o ano civil em referência. Dele constam os quatro eixos de intervenção que foram considerados como prioritários (Demografia, Educação, Economia, Grupos Vulneráveis), bem como as atividades a desenvolver, a sua calendarização, e a(s) entidade(s) parceira(s) pela sua execução, com vista a atingir os objetivos propostos. Este documento não deve ser entendido como um instrumento fechado, mas como um registo presente de intervenções propostas. A Rede Social pretende globalmente integrar políticas e medidas aos vários níveis, racionalizar e adequar os recursos e iniciativas locais existentes, rentabilizar os saberes e o conhecimento de terreno das organizações/entidades locais, bem como encontrar soluções inovadoras para as problemáticas emergentes, fruto de uma realidade dinâmica e multidimensional. Nunca é de mais relembrar que se trata de um Plano de Ação cuja execução é essencial para o desenvolvimento do concelho, como tal, é de extrema importância a corresponsabilização e a mobilização de todos os parceiros na execução das diferentes ações que se apresentam, e que foram delineadas com a participação de todos. 6

7 Eixo I Demografia Conselho Local de Ação Social Eixo I - Demografia Programa Anual Objetivo Geral: Promover a integração profissional de jovens no concelho. Elaborar um Programa de Apoio a Famílias CLAS De Janeiro a Nº de proposta de Numerosas regulamento realizadas; Nº de contributos dos parceiros do CLAS Inserir no mercado de trabalho, jovens que Empresas; IPSS s; IEFP De Janeiro a Nº de jovens integrados no estejam desempregados, através das medidas de Entidades públicas mercado de trabalho; incentivo ao emprego do IEFP Nº de medidas de incentivo ao emprego do IEFP abrangidas; Nº de parceiros envolvidos 7

8 Eixo II Educação/Nível de Instrução Conselho Local de Ação Social Eixo II Educação/Nível de Instrução Programa Anual Objetivo Geral: Promover a elevação dos níveis de educação e formação da população do concelho, combater o insucesso escolar, o absentismo e prevenir o abandono escolar. Atribuição de bolsas de estudo a jovens De Fevereiro a Maio Nº de bolsas de estudo universitários de 2016 atribuídas Atribuição de prémios de mérito aos alunos Agrupamento de De Outubro a Nº de prémios de mérito do 2º e 3º Ciclo do Agrupamento de Escolas de Santa atribuídos Escolas Marta de 8

9 Eixo II Educação/Nível de Instrução Conselho Local de Ação Social Eixo II Educação/Nível de Instrução Programa Anual Objetivo Geral: Promover a elevação dos níveis de educação e formação da população do concelho, combater o insucesso escolar, o absentismo e prevenir o abandono escolar. Divulgação do projeto de Férias Santa Marta em CLAS De Abril a Maio de Nº de divulgações e Movimento a fim de se ocupar os jovens no 2016 partilhas na página do período de férias escolares facebook do município; Nº de divulgações dos parceiros do CLAS Implementação do projeto de Férias Santa Equipa do CLDS 3G De Julho a Agosto de Nº de participantes no Marta em Movimento 2016 campo de férias 9

10 Eixo II Educação/Nível de Instrução Conselho Local de Ação Social Eixo II Educação/Nível de Instrução Programa Anual Objetivo Geral: Promover a elevação dos níveis de educação e formação da população do concelho, combater o insucesso escolar, o absentismo e prevenir o abandono escolar. Implementar cursos de formação profissional Agrupamento de De Janeiro a Nº de pessoas a com equivalência escolar ao 9º e 12º ano. Escolas; frequentar as ações de GIP formação profissional; Nº de cursos de formação profissional abrangidos 10

11 Eixo III Economia Conselho Local de Ação Social Eixo III Economia Programa Anual Objetivo Geral: Criar e dinamizar uma estrutura de promoção e apoio ao desenvolvimento económico do concelho. - Fomentar o empreendedorismo e a aproximação às empresas. Criação de um Gabinete de Apoio ao Equipa CLDS 3G GIP; IEFP; Câmara De Abril a Dezembro Nº de Gabinetes criados; Empreendedorismo Municipal de Santa de 2016 Nº de atendimentos. Marta de Implementar uma ação de formação sobre Equipa CLDS 3G GIP; IEFP; Câmara De Abril a Dezembro Nº de ações realizadas; empreendedorismo para empresários locais. Municipal de Santa de 2016 Nº de participantes. Marta de Promover a realização de pelo menos uma IPSS s; De Junho a Dezembro Realização da feira; feira anual com vista a dinamizar/promover os Empresas; Juntas de de 2016 Nº de empresários locais produtos locais Freguesia; CLDS 3G que participam na feira 11

12 Eixo III Economia Conselho Local de Ação Social Eixo III Economia Programa Anual Objetivo Geral: Criar e dinamizar uma estrutura de promoção e apoio ao desenvolvimento económico do concelho. - Fomentar o empreendedorismo e a aproximação às empresas. Criação de um Gabinete de Apoio ao Associativismo Equipa CLDS 3G De Abril a Dezembro de 2016 Nº de gabinetes de apoio ao associativismo criados; Nº de atendimentos; Nº de atendimentos por freguesia. 12

13 Eixo IV Grupos Vulneráveis Conselho Local de Ação Social Eixo IV Grupos Vulneráveis Programa Anual Objetivo Geral: Fomentar uma estratégia de sensibilização e prevenção relativamente aos comportamentos de risco (consumo de álcool, tabaco e toxicodependência. Desenvolver palestras sobre formas de vida Unidade de Agrupamento de Janeiro a Dezembro Nº de participantes saudáveis a toda a comunidade escolar Cuidados na Escolas de Santa de 2016 Comunidade Marta de Implementação de consultas de motivação Unidade de Agrupamento de Janeiro a Dezembro Nº de Cuidados na Escolas de Santa de 2016 atendimentos; Comunidade Marta de Nº de pessoas sinalizadas por cada parceiro do CLAS 13

14 Eixo IV Grupos Vulneráveis Conselho Local de Ação Social Eixo IV Grupos Vulneráveis Programa Anual Objetivo Geral: Promover a melhoria da qualidade de vida das pessoas com deficiência ou incapacidade. Implementar um serviço de Apoio, A2000 De Janeiro a Nº de atendimentos; Informação e Mediação para pessoas Nº de pessoas apoiadas; com deficiência ou incapacidade. Nº de freguesias abrangidas; Tipologia de pessoas apoiadas. Inserir no mercado de trabalho, pessoas CLAS Todas as Entidades De Janeiro a Nº de pessoas com deficiência com deficiência ou incapacidade, sediadas no concelho inseridas no mercado de através das medidas de incentivo ao trabalho; emprego do IEFP Nº de medidas de incentivo ao emprego do IEFP abrangidas; Nº de parceiros envolvidos; Tipologia de parceiros. 14

15 Eixo IV Grupos Vulneráveis Conselho Local de Ação Social Eixo IV Grupos Vulneráveis Programa Anual Objetivo Geral: Promover a melhoria da qualidade de vida das pessoas com deficiência ou incapacidade. Criar equipa multidisciplinar para a A2000 De Janeiro a Nº de equipas realização de um Diagnóstico Social multidisciplinares criadas; sobre as necessidades das pessoas com ; UCC, Nº de pessoas referenciadas; deficiência ou incapacidade. Juntas de Freguesia; Nº de acompanhamentos Segurança Social efetuados; Nº de sinalizações da parte dos parceiros. 15

16 Eixo IV Grupos Vulneráveis Conselho Local de Ação Social Eixo IV Grupos Vulneráveis Programa Anual Objetivo Geral: Sensibilizar as famílias em situação de vulnerabilidade na elaboração e desenvolvimento do seu processo de mudança. Criação do Espaço Família Feliz Equipa CLDS 3G CLAS De Junho a Dezembro de 2016 Nº de espaços Família Feliz criados Realização de uma ação de formação sobre parentalidade positiva CPCJ Abril de 2016 Nº de ações realizadas; Nº de participantes Realização da ação Escola de Pais Equipa CLDS 3G; CLAS De Maio a Dezembro Nº de ações realizadas; (blocos de formação parental assentes em UCC de 2016 Nº de participantes. dinâmicas de grupo, workshops, entre outros). 16

17 Eixo IV Grupos Vulneráveis Conselho Local de Ação Social Eixo IV Grupos Vulneráveis Programa Anual Objetivo Geral: Sensibilizar as famílias em situação de vulnerabilidade na elaboração e desenvolvimento do seu processo de mudança. Comemoração do Dia Internacional para a Erradicação da Pobreza EAPN CLAS Outubro de 2016 Nº de participantes envolvidos; Nº de parceiros do CLAS envolvidos; Nº de notícias publicadas na imprensa e instrumentos de comunicação como facebook e páginas institucionais Comemoração do Dia Internacional do CPCJ Novembro de 2016 Nº de entidades aderentes Pijama Nº de crianças inscritas ; IPSS s; Agrupamento de Escolas 17

18 Eixo IV Grupos Vulneráveis Conselho Local de Ação Social Eixo IV Grupos Vulneráveis Programa Anual Objetivo Geral: Sensibilizar as famílias em situação de vulnerabilidade na elaboração e desenvolvimento do seu processo de mudança. Comemoração do dia do Laço Azul CPCJ Agrupamento de Escolas de Santa Marta de ; IPSS s; CLDS 3G Abril Nº de participantes 18

19 Eixo IV Grupos Vulneráveis Conselho Local de Ação Social Eixo IV Grupos Vulneráveis Programa Anual Objetivo Geral: Sensibilizar as famílias em situação de vulnerabilidade na elaboração e desenvolvimento do seu processo de mudança. Ação de informação, divulgação e CPCJ Agrupamento de De Abril a Dezembro Nº de Logotipos criados; sensibilização sobre a CPCJ através de um Escolas de Santa de 2016 Nº de propostas concurso de desenho Marta de apresentadas. 19

20 Eixo IV Grupos Vulneráveis Conselho Local de Ação Social Eixo IV Grupos Vulneráveis Programa Anual Objetivo Geral: Promover a melhoria das condições de vida dos agregados familiares carenciados. Implementar uma ação de formação sobre GIP IEFP De Janeiro a Nº de ações de formação técnicas de procura de emprego Centro Social e realizadas; Paroquial de Santa Nº de Participantes. Eulália Realização de uma feira das profissões CLDS 3G CLAS De Abril a Dezembro de 2016 Nº de feiras realizadas; Nº de expositores; Nº de participantes Reuniões de sensibilização junto dos Equipa CLDS 3G De Abril a Dezembro Nº de reuniões realizadas; moradores dos bairros da habitação social de 2016 Nº de propostas apresentadas para a Constituição de Associação de pelos moradores: Moradores Nº de documentos produzidos Nº de participantes 20

21 Eixo IV Grupos Vulneráveis Conselho Local de Ação Social Eixo IV Grupos Vulneráveis Programa Anual Objetivo Geral: Promover a melhoria das condições de vida dos agregados familiares carenciados. Apresentação do trabalho desenvolvido Núcleo Local de CLAS De Janeiro a Nº de participantes; pela equipa do NLI ao longo do ano de Inserção Nº de contributos/dúvidas 2016 e informação/divulgação das dos membros do CLAS alterações na medida do RSI Apresentação das atividades realizadas pela equipa do CLDS 3G CLDS 3G CLAS Junho e Dezembro de 2016 Nº de participantes; Nº de contributos/dúvidas dos membros do CLAS 21

22 Eixo IV Grupos Vulneráveis Conselho Local de Ação Social Eixo IV Grupos Vulneráveis Programa Anual Objetivo Geral: Criar as condições necessárias à melhoria da qualidade de vida da população idosa no concelho. Efetuar o acompanhamento/encaminhamento Comissão CLAS De Abril a Dezembro Nº de visitas realizadas; dos idosos identificados como estando em Municipal de de 2016 Nº de idosos acompanhados; situação de isolamento social e geográfico Apoio ao Idoso Nº de visitas por freguesia; Nº de parceiros do CLAS envolvidos; Nº de sinalizações dos parceiros do CLAS. Dinamização de espaços convívio/lúdicos nas A2000; De Janeiro a Nº de espaços de convívio; freguesias do Concelho Equipa CLDS Nº de idosos a frequentar os 3G ; espaços de convívio. Juntas de Freguesia. 22

23 Eixo IV Grupos Vulneráveis Conselho Local de Ação Social Eixo IV Grupos Vulneráveis Programa Anual Objetivo Geral: Criar as condições necessárias à melhoria da qualidade de vida da população idosa no concelho. Assegurar que todos os idosos que reúnam Farmácia Douro; De Janeiro a Nº de pessoas a beneficiar do condições para terem acesso ao Programa de Farmácia Santa PAMS; Apoio ao Medicamento Solidarius tenham Eulália Nº de pessoas a beneficiar do acesso à medida. PAMS por freguesia; Tipologia do público beneficiário Assegurar que todos os idosos que reúnam UCC; De Janeiro a Nº de idosos a beneficiar do condições para terem acesso ao Programa UCSP PVC e CMI Viver com Conforto e Cartão Municipal do Nº de pessoas a beneficiar do Idoso tenham acesso às medidas. PVC E CMI por freguesia; Tipologia do público beneficiário. 23

24 Eixo IV Grupos Vulneráveis Conselho Local de Ação Social Eixo IV Grupos Vulneráveis Programa Anual Objetivo Geral: Criar as condições necessárias à melhoria da qualidade de vida da população idosa no concelho. Comemoração do Dia Azul UCC Novembro de 2016 Nº de participantes envolvidos; Nº de parceiros do CLAS envolvidos; Nº de notícias publicadas na imprensa e instrumentos de comunicação como facebook e páginas institucionais. 24

25 Eixo IV Grupos Vulneráveis Conselho Local de Ação Social Eixo IV Grupos Vulneráveis Programa Anual Objetivo Geral: Criar as condições necessárias à melhoria da qualidade de vida da população idosa no concelho. Encontro Envelhecimento: Compreender Centro Social e De Janeiro a Nº de entidades públicas e para Intervir Paroquial de Santa privadas; Eulália ; EAPN Nº total de participantes; - Nº de notícias publicadas na imprensa e instrumentos de comunicação como facebook e site; Nº de membros do CLAS Realização de Encontros Intergeracionais CLDS 3G CLAS De Janeiro a Nº de encontros Intergeracionais realizados; Nº de participantes total e por freguesia; Nº de parceiros envolvidos. 25

26 Avaliação A avaliação do Plano de Ação é um instrumento fundamental para um acompanhamento regular da execução dos objetivos, estratégias e ações definidas nos instrumentos de trabalho da Rede Social. Neste contexto, a avaliação é utilizada para medir os resultados das ações; ajudar nas tomadas de decisão; identificar as condições de sucesso e os aspetos críticos das intervenções ajudando a melhorá-las; otimizar a utilização de recursos; aprofundar a cidadania, ajudando a divulgar resultados, a assumir compromissos e a atribuir responsabilidades. 26

Conselho Local de Ação Social

Conselho Local de Ação Social Conselho Local de Ação Social Relatório de Avaliação do Plano de Ação 2015 Índice 1. Introdução 6 2. Avaliação da Execução do Plano de Ação de 2015.7 3.1. Eixo 1 - Demografia...8 3.2. Eixo 2 - Educação/Nível

Leia mais

Núcleo Executivo do CLAS de Mafra, 28 Maio de

Núcleo Executivo do CLAS de Mafra, 28 Maio de Plano de Ação Rede Social Mafra Eixo I - DEMOGRAFIA E EQUIPAMENTOS (INFRA-ESTRUTURAS DE APOIO) Objectivo geral 1. Reforçar as estruturas de apoio ao idoso Objectivo Específico 1. Aumentar a capacidade

Leia mais

Plano de Ação Rede Social de Alter do Chão

Plano de Ação Rede Social de Alter do Chão Plano de Ação Rede Social de Alter do Chão Conselho Local de Ação Social de Alter do Chão Câmara Municipal de Alter do Chão Centro Distrital de Portalegre, ISS, I.P. Santa Casa da Misericórdia de Alter

Leia mais

2008 Concelho de Ourique

2008 Concelho de Ourique Plano de Acção 2008 Concelho de Rede Social Programa Rede Social Conselho Local de Acção Social de Janeiro 2008 Ficha Técnica Título: Plano de Acção 2008 do Concelho de Autoria: Núcleo Executivo da Rede

Leia mais

Plano de Acção

Plano de Acção - 2 - Nota Prévia A Rede Social afirmou-se ao longo da sua criação como uma medida inovadora e com capacidade de produzir alterações positivas na intervenção social. Esta medida assumiu-se, desde início,

Leia mais

Plano de Acção 2006/2007. Rede Social Concelho da Lourinhã

Plano de Acção 2006/2007. Rede Social Concelho da Lourinhã Plano de Acção 2006/2007 Rede Social Concelho da Lourinhã E I X O I Intervenção Dirigida a Grupos Específicos EIXO I : INTERVENÇÃO DIRIGIDA A GRUPOS ESPECIFICOS OBJECTIVO GERAL: Até Dezembro de 2007 existem

Leia mais

Centro de Recursos TEIA

Centro de Recursos TEIA Quem somos O Contrato Local Desenvolvimento Social 3ª Geração do Concelho Ourém (CLDS 3G) Centro de Recursos TEIA - iniciou a sua atividade a 2 de Novembro de 2015, tem como Entidade Coordenadora Local

Leia mais

Lucília Espanhol Serviço Local de Borba da Segurança Social

Lucília Espanhol Serviço Local de Borba da Segurança Social 2017 PLANO DE AÇÃO Elaborado no âmbito do Programa Rede Social Plano de Ação do Concelho de 2017 s parceiras (Núcleo Executivo do CLASB): António Anselmo - Sofia Alexandra Dias - Crispim Francisco Lopes

Leia mais

Instituto da Segurança Social, I.P. Centro Distrital da Guarda

Instituto da Segurança Social, I.P. Centro Distrital da Guarda PLANEAMENTO ESTRATÉGICO SUPRACONCELHIO Plataforma Supraconcelhia * Beira Interior Norte (PSCBIN) Diagnóstico Social (DS) e Plano de Desenvolvimento Social (PDS) 11 / Dezembro / 2009 Instituto da Segurança

Leia mais

Plano de Ação para 2012

Plano de Ação para 2012 Área da Ação Plano de Ação para 2012 CRONOGRAMA ÁREA DE INTERVENÇÃO ATIVIDADES 2012 Recursos Humanos Janeiro Fevereiro Março Abril Maio Junho Julho Agosto Setembro Outubro Novembro Dezembro O atendimento

Leia mais

Projecto co-financiado pelo FSE

Projecto co-financiado pelo FSE CLAS DE MONDIM DE BASTO PLANO DE AÇÃO 2013 REDE SOCIAL DE MONDIM DE BASTO Projecto co-financiado pelo FSE ÍNDICE ÍNDICE DE TABELAS... 3 CAPÍTULO I... 4 INTRODUÇÃO... 4 CAPÍTULO II... 7 PLANO DE ACÇÃO 2013...

Leia mais

Introdução Página 2 A CPCJ de Boticas Página 3 Plano de Ação Página 4

Introdução Página 2 A CPCJ de Boticas Página 3 Plano de Ação Página 4 1 Índice Introdução Página 2 A CPCJ de Boticas Página 3 Plano de Ação Página 4 2 Introdução O objetivo do Plano de Atividades da CPCJ de Boticas para 2015 é planear as atividades, procurando manter, aprofundar

Leia mais

REDE SOCIAL DO CONCELHO DE BEJA

REDE SOCIAL DO CONCELHO DE BEJA PLANODEAÇÃO DA REDE SOCIAL DO CONCELHO DE BEJA'15 Estrutura Resumida REDE SOCIAL DO CONCELHO DE BEJA Ficha Técnica Responsáveis Técnicos: - Nélia Silva - Fundação S. Barnabé - Graça Loução Centro Distrital

Leia mais

Introdução Página 2 A CPCJ de Boticas Página 3 Plano de Atividades Página 4

Introdução Página 2 A CPCJ de Boticas Página 3 Plano de Atividades Página 4 Índice Introdução Página 2 A CPCJ de Boticas Página 3 Plano de Atividades Página 4 Introdução O objetivo do Plano de Atividades da CPCJ de Boticas para 2016 é planear as atividades, procurando manter,

Leia mais

PLANO DE ATIVIDADES CLAS VISEU 2014

PLANO DE ATIVIDADES CLAS VISEU 2014 PLANO DE ATIVIDADES CLAS VISEU 2014 AÇÃO ATIVIDADES INTERVENIENTES Calendarização das Atividades J F M A M J J A S O N D 1) Realizar quatro reuniões plenárias durante o ano de 2014 1.1) Realização de uma

Leia mais

Plano de Desenvolvimento Social do Concelho de Peniche 2016-2020

Plano de Desenvolvimento Social do Concelho de Peniche 2016-2020 Plano de Desenvolvimento Social aprovado na reunião plenária do Conselho Local de Ação Social de Peniche de 24 de novembro de 2015 Índice Índice... 1 1. Introdução... 2 2. Finalidade do Plano de Desenvolvimento

Leia mais

Lucília Espanhol Serviço Local de Borba da Segurança Social

Lucília Espanhol Serviço Local de Borba da Segurança Social 2016 PLANO DE AÇÃO Elaborado no âmbito do Programa Rede Social Plano de Ação do Concelho de 2016 s parceiras (Núcleo Executivo do CLASB): António Anselmo - Sofia Alexandra Dias - Crispim Francisco Lopes

Leia mais

Rede Social de Vila Pouca de Aguiar

Rede Social de Vila Pouca de Aguiar Introdução... 3 Plano de Desenvolvimento Social... 4 O que é o Plano de Desenvolvimento Social?... 4 Para que serve o Plano de Desenvolvimento Social?... 4 O Plano de Desenvolvimento Social como processo

Leia mais

Entidades. Coordenadora ACM - Associação Cristã da Mocidade de Setúbal

Entidades. Coordenadora ACM - Associação Cristã da Mocidade de Setúbal CLDS Setúbal Entidades Coordenadora ACM - Associação Cristã da Mocidade de Setúbal Executoras ACM - Associação Cristã da Mocidade de Setúbal (Bela Vista e zona envolvente) APACCF - Associação de Professores

Leia mais

GRUPO DE TRABALHO (INCLUINDO ALTERAÇÃO): COMISSÃO DE PROTECÇÃO DE CRIANÇAS E JOVENS EM RISCO

GRUPO DE TRABALHO (INCLUINDO ALTERAÇÃO): COMISSÃO DE PROTECÇÃO DE CRIANÇAS E JOVENS EM RISCO GRUPO DE TRABALHO (INCLUINDO ALTERAÇÃO): COMISSÃO DE PROTECÇÃO DE CRIANÇAS E JOVENS EM RISCO CRIANÇAS E JOVENS EM RISCO Índice: DIAGNÓSTICO... 51 OBJECTIVO GERAL: PROMOVER OS DIREITOS DA CRIANÇA JUNTO

Leia mais

Constituição do Núcleo Executivo:

Constituição do Núcleo Executivo: Índice Constituição do Núcleo Executivo Pág. 2 Constituição do Conselho Local de Ação Social de Sousel Pág. 3 Enquadramento Pág. 4 Introdução Pág. 5 Metodologia Pág. 6 Linhas Orientadoras Pág. 7 Eixo 1

Leia mais

PLANO DE AÇÃO 2016 COMISSÃO SOCIAL DE FREGUESIA DE ENCOSTA DO SOL

PLANO DE AÇÃO 2016 COMISSÃO SOCIAL DE FREGUESIA DE ENCOSTA DO SOL PLANO DE AÇÃO 2016 COMISSÃO SOCIAL DE FREGUESIA DE ENCOSTA DO SOL Ficha Técnica: Titulo: Plano Ação 2016 Documento Elaborado Por: Núcleo Executivo da CSF de Encosta do Sol Coordenação Geral: Armando Jorge

Leia mais

ATA Nº 01/17 Reunião Plenária do Conselho Local de Ação Social (CLAS)

ATA Nº 01/17 Reunião Plenária do Conselho Local de Ação Social (CLAS) ATA Nº 01/17 Reunião Plenária do Conselho Local de Ação Social (CLAS) Data: 26-01-2017 Local: Auditório do Edifício Cultural da Câmara Municipal de Peniche Hora de início: 21h15m Hora do fecho: 00h45m

Leia mais

Conselho Local de Ação Social de Figueira de Castelo Rodrigo

Conselho Local de Ação Social de Figueira de Castelo Rodrigo REDE SOCIAL Conselho Local de Ação Social de Figueira de Castelo Rodrigo Regulamento Interno [9/04/2014] REGULAMENTO INTERNO DO CONSELHO LOCAL DE ACÇÃO SOCIAL DO CONCELHO DE FIGUEIRA DE CASTELO RODRIGO

Leia mais

FORMULÁRIO DE INSCRIÇÃO. Setor de Atividade Atividades de apoio social para pessoas idosas, com alojamento.

FORMULÁRIO DE INSCRIÇÃO. Setor de Atividade Atividades de apoio social para pessoas idosas, com alojamento. FORMULÁRIO DE INSCRIÇÃO Organização Centro Social Paroquial de Dornelas Diretor(a) Dra. Ana Lopes Fernandes Setor de Atividade 87301 Atividades de apoio social para pessoas idosas, com alojamento. Número

Leia mais

DO CONCELHO DE PROENÇA-A-NOVA

DO CONCELHO DE PROENÇA-A-NOVA PLANO DE DESENVOLVIMENTO SOCIAL E PLANO DE AÇÃO DO CONCELHO DE PROENÇA-A-NOVA JUNHO DE 2015 A DEZEMBRO 2017 1 NOTA INTRODUTÓRIA Atualmente torna-se cada vez mais evidente a necessidade de adequar o crescimento

Leia mais

CLDS 3G REDONDO. Gerar Evolução

CLDS 3G REDONDO. Gerar Evolução CLDS 3G REDONDO Gerar Evolução Enquadramento: A presente síntese do projeto CLDS 3G Redondo GERAR EVOLUÇÃO, da responsabilidade Entidade Coordenadora Local (Centro Infantil Nossa Senhora da Saúde de Redondo),

Leia mais

Plano Municipal Contra a Violência Doméstica Prolongamento

Plano Municipal Contra a Violência Doméstica Prolongamento Plano Municipal Contra a Violência Doméstica 2011-14 Prolongamento Plano Municipal Contra a Violência 2011 2013 Prolongamento O Plano Municipal Contra a Violência 2011/13, teve por objetivo estruturar

Leia mais

Plano de Ação 2013 Autoria:

Plano de Ação 2013 Autoria: Supraconcelhia BAIXO VOUGA (Cf. Dec- Lei n.º 115/2006 de 14 Junho) Plano de Ação Autoria: julho Introdução Corresponde o presente documento à proposta de Plano de Ação de da Territorial Supra concelhia

Leia mais

REDE SOCIAL CONSELHO LOCAL DE AÇÃO SOCIAL DE MANGUALDE

REDE SOCIAL CONSELHO LOCAL DE AÇÃO SOCIAL DE MANGUALDE REDE SOCIAL CONSELHO LOCAL DE AÇÃO SOCIAL DE MANGUALDE PLANO DE AÇÃO 2014-1 ENTIDADES QUE CONSTITUEM O CLASM (CONSELHO LOCAL DE AÇÃO SOCIAL DE MANGUALDE) Câmara Municipal de Mangualde Centro Distrital

Leia mais

EIXO 1: EMPREGO, QUALIFICAÇÃO, EMPREENDEDORISMO E INICIATIVA LOCAL

EIXO 1: EMPREGO, QUALIFICAÇÃO, EMPREENDEDORISMO E INICIATIVA LOCAL EIXO 1: EMPREGO, QUALIFICAÇÃO, EMPREENDEDORISMO E INICIATIVA LOCAL Desenvolver as condições facilitadoras da criação de emprego, combate ao desemprego e incentivo à iniciativa local referente ao empreendedorismo

Leia mais

APRENDIZAGEM, EDUCAÇÃO e CIDADANIA Um Caminho de Sucesso

APRENDIZAGEM, EDUCAÇÃO e CIDADANIA Um Caminho de Sucesso Plano Plurianual de Melhoria APRENDIZAGEM, EDUCAÇÃO e CIDADANIA Um Caminho de Sucesso 1 18 de setembro de 2015 26 de abril de 2013 Organização do Agrupamento de Escolas da Caparica - AEC Secundária do

Leia mais

Casa do Povo de Vilarandelo. Plano de Ação 2015-2018

Casa do Povo de Vilarandelo. Plano de Ação 2015-2018 Plano de Ação 2015-2018 Eixo de Intervenção 1 Emprego, Formação e Qualificação a) Estabelecimento da Parceria com o Instituto de Emprego e Formação Profissional, I.P., com o objetivo de facilitar os processos

Leia mais

APRESENTAÇÃO DO PROGRAMA

APRESENTAÇÃO DO PROGRAMA APRESENTAÇÃO DO PROGRAMA AGENDA AS 5 MARCAS DO POPH I EIXOS PRIORITÁRIOS II ARRANQUE DO PROGRAMA III I AS 5 MARCAS DO POPH AS 5 MARCAS DO POPH 1 O MAIOR PROGRAMA OPERACIONAL DE SEMPRE 8,8 mil M 8,8 Mil

Leia mais

Plano desenvolvimento social

Plano desenvolvimento social Plano desenvolvimento social 2014-2016 Área Intervenção I FAMÍLIA (HABITAÇÃO/EDUCAÇÃO) - Problemas ao nível do parque habitacional; - Falta de expetativas/ objetivos ao nível educativo; - Défice de competências

Leia mais

Plano Local de Promoção dos Direitos da Criança

Plano Local de Promoção dos Direitos da Criança Plano Local de Promoção dos Direitos da Criança Breve Enquadramento O Plano Local de Promoção dos Direitos da Criança constitui o resultado do Projeto Tecer a, promovido pela Comissão Nacional de Promoção

Leia mais

Relatório de Actividades. Ano 2006. Rede Social de Lagos

Relatório de Actividades. Ano 2006. Rede Social de Lagos Relatório de Actividades Ano 2006 Rede Social de Lagos Núcleo Executivo e CLAS- Conselho Local de Acção Social Núcleo Executivo - 27 Reuniões de Trabalho Actividades (Trabalho de planificação, concepção,

Leia mais

GUIA PRÁTICO RESPOSTAS SOCIAIS INFÂNCIA E JUVENTUDE CRIANÇAS E JOVENS EM SITUAÇÃO DE PERIGO

GUIA PRÁTICO RESPOSTAS SOCIAIS INFÂNCIA E JUVENTUDE CRIANÇAS E JOVENS EM SITUAÇÃO DE PERIGO Manual de GUIA PRÁTICO RESPOSTAS SOCIAIS INFÂNCIA E JUVENTUDE CRIANÇAS E JOVENS EM SITUAÇÃO DE PERIGO INSTITUTO DA SEGURANÇA SOCIAL, I.P ISS, I.P. Departamento/Gabinete Pág. 1/11 FICHA TÉCNICA TÍTULO Guia

Leia mais

RELATÓRIO DE MONITORIZAÇÃO CLDS MARINHA SOCIAL

RELATÓRIO DE MONITORIZAÇÃO CLDS MARINHA SOCIAL RELATÓRIO DE MONITORIZAÇÃO CLDS MARINHA SOCIAL O presente relatório reflecte a actividade do CLDS Marinha Social, desde o inicio da sua actividade, em Julho de 2009 até Junho de 2010, analisando-se 2 momentos

Leia mais

PLANO DE AÇÃO DA COMISSÃO DE PROTEÇÃO DE CRIANÇAS E JOVENS DE PENAFIEL 2015

PLANO DE AÇÃO DA COMISSÃO DE PROTEÇÃO DE CRIANÇAS E JOVENS DE PENAFIEL 2015 PLANO DE AÇÃO DA COMISSÃO DE PROTEÇÃO DE CRIANÇAS E JOVENS DE PENAFIEL 2015 INTRODUÇÃO Pretende-se com a apresentação do plano de ação 2015 da Comissão de Proteção de Crianças e Jovens de Penafiel delimitar

Leia mais

Câmara Municipal de Almeida PROGRAMA REDE SOCIAL CONSELHO LOCAL DE ACÇÃO SOCIAL DE ALMEIDA

Câmara Municipal de Almeida PROGRAMA REDE SOCIAL CONSELHO LOCAL DE ACÇÃO SOCIAL DE ALMEIDA Câmara Municipal de PROGRAMA REDE SOCIAL CONSELHO LOCAL DE ACÇÃO SOCIAL DE ALMEIDA 2016 Plano de Ação do Concelho de 2016 Este documento resulta da compilação de todos os contributos enviados pelos parceiros

Leia mais

Plano Concelhio Para a Integração de Pessoas Sem Abrigo (Plano)

Plano Concelhio Para a Integração de Pessoas Sem Abrigo (Plano) Plano Concelhio Para a Integração de Pessoas Sem Abrigo (Plano) 2010-2013 RELATÓRIO DE EXECUÇÃO E AVALIAÇÃO - 2012 CMC/DIPS Ricardo Caldeira - Coordenador do Grupo de Planeamento da Intervenção com os

Leia mais

Plano de Ação Plano de Ação 2012

Plano de Ação Plano de Ação 2012 Plano de Ação PLANO DE AÇÃO DOCUMENTO ELABORADO PELO: da Rede Social do Concelho do CONTACTOS: Câmara Municipal do Rede Social do Concelho do Av. Dr. Francisco Sá Carneiro 2550-103 Tel. 262 690 100/262

Leia mais

Plano de Desenvolvimento Social de Almodôvar 2015/2017

Plano de Desenvolvimento Social de Almodôvar 2015/2017 Plano de Desenvolvimento Social de FICHA TÉCNICA Título: Plano de Desenvolvimento Social do Concelho de Coordenação Técnica: Câmara Municipal de Divisão de Intervenção Social, Educação, Cultura, Desporto

Leia mais

Plano de Desenvolvimento Social Concelho de Vila Viçosa

Plano de Desenvolvimento Social Concelho de Vila Viçosa Plano de Desenvolvimento Social 2014-2016 Concelho de Vila Viçosa Enquadramento Plano de Desenvolvimento Social Concelho de Vila Viçosa 2014-2016 O Plano de Desenvolvimento Social (PDS) é um instrumento

Leia mais

Plano de Desenvolvimento Social. Plano de Desenvolvimento

Plano de Desenvolvimento Social. Plano de Desenvolvimento Plano de Desenvolvimento Social Índice 1-Introdução... 6 2-Enquadramento Metodológico... 8 3-Articulação do Plano de Desenvolvimento com as Politicas e Medidas Nacionais... 9 4. Eixos de Intervenção...

Leia mais

ASSOCIAÇÃO TODOS PELOS OUTROS - TPO PLANO DE ATIVIDADES

ASSOCIAÇÃO TODOS PELOS OUTROS - TPO PLANO DE ATIVIDADES PLANO DE ATIVIDADES 2014 1. Introdução A ASSOCIAÇÃO TODOS PELOS OUTROS - TPO, é uma Associação sem fins lucrativos, com sede na Rua D. Duarte Nuno, nº 50, 3025-582 São Silvestre, na freguesia de São Silvestre,

Leia mais

PLANO DE ACÇÃO Comissão Social de Freguesia de Odivelas. Aderentes à Comissão Social de Freguesia de Odivelas

PLANO DE ACÇÃO Comissão Social de Freguesia de Odivelas. Aderentes à Comissão Social de Freguesia de Odivelas Um Plano de Acção consiste num instrumento componente do Plano de Desenvolvimento Social, que define sistematicamente, as acções a desenvolver, o cronograma, os parceiros responsáveis e os recursos. 1

Leia mais

Plano de Ação da Rede Social de Mafra 2017

Plano de Ação da Rede Social de Mafra 2017 EIXO I DEMOGRAFIA Objetivo Geral/Estratégico 1: Fortalecer as estruturas formais de apoio à Família OE1. Promover o alargamento da capacidade da resposta social Creche, nas Instituições onde já existe.

Leia mais

1 INTRODUÇÃO O PLANO DE ACÇÃO AVALIAÇÃO...14 PLANO DE ACÇÃO DE 2009 PÁGINA 1 DE 15

1 INTRODUÇÃO O PLANO DE ACÇÃO AVALIAÇÃO...14 PLANO DE ACÇÃO DE 2009 PÁGINA 1 DE 15 ÍNDICE 1 INTRODUÇÃO...2 2 O PLANO DE ACÇÃO 2009... 3 3 AVALIAÇÃO....14 PLANO DE ACÇÃO DE 2009 PÁGINA 1 DE 15 INTRODUÇÃO Depois de elaborado o diagnóstico social e o plano de desenvolvimento social surge

Leia mais

Concurso de fotografia Somos todos peões REGULAMENTO 1. ENQUADRAMENTO

Concurso de fotografia Somos todos peões REGULAMENTO 1. ENQUADRAMENTO Concurso de fotografia Somos todos peões REGULAMENTO 1. ENQUADRAMENTO O concurso de fotografia Somos todos peões decorre por ocasião da Segunda Semana Mundial de Segurança Rodoviária, promovida pelas Nações

Leia mais

27 de junho de Domingos Lopes

27 de junho de Domingos Lopes 27 de junho de 2016 Domingos Lopes Objetivos Temáticos OT 8. Promover a sustentabilidade e a qualidade do emprego e apoiar a mobilidade dos trabalhadores assumindo como meta nacional, até 2020, o aumento

Leia mais

A Rede Social é definida como um fórum de articulação e congregação de esforços baseado na adesão livre por parte das autarquias e das entidades

A Rede Social é definida como um fórum de articulação e congregação de esforços baseado na adesão livre por parte das autarquias e das entidades 1 A Rede Social é definida como um fórum de articulação e congregação de esforços baseado na adesão livre por parte das autarquias e das entidades públicas ou privadas sem fins lucrativos que nela queiram

Leia mais

CRONOGRAMA DE EXECUÇÃO DO PROJECTO Ano de 2005

CRONOGRAMA DE EXECUÇÃO DO PROJECTO Ano de 2005 Ano de 2005 Ano 2005 Nome da acção Janeiro Fevereiro Março Abril Maio Junho Julho Agosto Setembro Outubro Novembro Dezembro Acção n.º 3 5 Espaços de convívio idosos X X Acção n.º 4 Gabinete de Apoio à

Leia mais

Plano de Desenvolvimento Social do Concelho de Soure

Plano de Desenvolvimento Social do Concelho de Soure / Ano 1 ÍNDICE 1 - Introdução 3 Pág. 2- Plano de Acção dos Projectos Estruturantes Transversais do Concelho de 4 2.1. Projecto Estruturante Apoio na Dependência 5 2.2. Projecto Estruturante Criar para

Leia mais

Distrito Datas Locais Tipo de evento Aveiro Entre 1 e 17 Outubro

Distrito Datas Locais Tipo de evento Aveiro Entre 1 e 17 Outubro A t i v i d a d e s n o â m b i t o d o 1 7 d e O u t u b r o - 2 0 1 5 - Distrito Datas Locais Tipo de evento Aveiro Entre 1 e 17 Outubro Concelhos do distrito de Aveiro Lançamento de um inquérito (mais

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE MOURÃO - Ano Letivo 2015/ 2016 PLANO PLURIANUAL DE ATIVIDADES ( ) Eixo I - APOIO À MELHORIA DAS APRENDIZAGENS

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE MOURÃO - Ano Letivo 2015/ 2016 PLANO PLURIANUAL DE ATIVIDADES ( ) Eixo I - APOIO À MELHORIA DAS APRENDIZAGENS PLANO PLURIANUAL DE ATIVIDADES (2015-2017) Eixo I - APOIO À MELHORIA DAS APRENDIZAGENS Designação da Ativida Calendarização Dinamizadores Público Alvo Oficina Gramática e leitura Oficina da escrita Plano

Leia mais

Plano Integrado de Combate à Exclusão Social na Escola e de Prevenção do Abandono Escolar

Plano Integrado de Combate à Exclusão Social na Escola e de Prevenção do Abandono Escolar SECRETARIA REGIONAL DA EDUCAÇÃO E CULTURA DIREÇÃO REGIONAL DA EDUCAÇÃO ESCOLA BÁSICA INTEGRADA DE RIBEIRA GRANDE Equipa Multidisciplinar da EBI de Ribeira Grande Plano Integrado de Combate à Exclusão Social

Leia mais

REGULAMENTO DO VOLUNTARIADO DE APOIO SOCIAL DO MUNICÍPIO DE VIDIGUEIRA

REGULAMENTO DO VOLUNTARIADO DE APOIO SOCIAL DO MUNICÍPIO DE VIDIGUEIRA REGULAMENTO DO VOLUNTARIADO DE APOIO SOCIAL DO MUNICÍPIO DE VIDIGUEIRA Nota justificativa A Câmara Municipal de Vidigueira assume o papel de agente fundamental na aplicação de políticas de protecção social,

Leia mais

Comissão Municipal de Proteção de Idosos de Carregal do Sal. Introdução

Comissão Municipal de Proteção de Idosos de Carregal do Sal. Introdução REGULAMENTO INTERNO Comissão Municipal de Proteção de Idosos de Carregal do Sal Introdução Ao longo das últimas décadas no Concelho de Carregal do Sal tem-se constatado ao aumento da população idosa, com

Leia mais

www.mpassos-advogados.com

www.mpassos-advogados.com INFORMAÇÃO PESSOAL Márcia Passos C. Escritórios Fórum Maia, R. Barão S. Januário, 33, escritório 46, 4470-473 Maia, Portugal Av. D. João II, n.º 50, 4.º andar, Ed. Mar Vermelho Parque das Nações 1990-095

Leia mais

INTRODUÇÃO. Escola. Comunidade/ Território Local

INTRODUÇÃO. Escola. Comunidade/ Território Local INTRODUÇÃO Este documento foi concetualizado como uma ferramenta para a construção de um território Educador, em que a educação e a formação podem acontecer dentro e fora da escola, através da promoção

Leia mais

Ficha de Caracterização de Entidade/Projecto CLDS - ESPIRAL

Ficha de Caracterização de Entidade/Projecto CLDS - ESPIRAL Ficha de Caracterização de Entidade/Projecto CLDS - ESPIRAL 2 A. IDENTIFICAÇÃO GERAL DA ENTIDADE Projecto(s) Projecto Espiral - Contrato Local de Desenvolvimento Promotor(es): CESIS - Centro de Estudos

Leia mais

AGIR PARA SOLUCIONAR PLANO DE ACÇÃO PARA 2010

AGIR PARA SOLUCIONAR PLANO DE ACÇÃO PARA 2010 PLANO DE DESENVOLVIMENTO SOCIAL DO MUNICÍPIO DE ARMAMAR AGIR PARA SOLUCIONAR PLANO DE ACÇÃO PARA 2010 Plano de Acção 20010 1 Após elaboração do Plano de Desenvolvimento Social, onde estão definidas as

Leia mais

FAMALICÃO INCLUSIVO. 1º Encontro do Grupo de Auto Representantes de Vila Nova de Famalicão

FAMALICÃO INCLUSIVO. 1º Encontro do Grupo de Auto Representantes de Vila Nova de Famalicão FAMALICÃO INCLUSIVO 1º Encontro do Grupo de Auto Representantes de Vila Nova de Famalicão FAMALICÃO INCLUSIVO Reuniões com os Serviços de Psicologia e Orientação FAMALICÃO INCLUSIVO Diagnóstico Local no

Leia mais

Resultados do Projeto de Melhoria 5ª Edição da Semana Aberta. Um Espaço Aberto à Comunidade

Resultados do Projeto de Melhoria 5ª Edição da Semana Aberta. Um Espaço Aberto à Comunidade Resultados do Projeto de Melhoria 5ª Edição da Semana Aberta Um Espaço Aberto à Comunidade Fevereiro / 2015 INDÍCE Semana Aberta Um Espaço Aberto à Comunidade Relatório Anual I. Introdução II. III. IV.

Leia mais

Rede Social de Vila Nova de Famalicão 2013 Ano Europeu dos Cidadãos Famalicão promove Fóruns Comunitários nas Comissões Sociais Inter- Freguesias

Rede Social de Vila Nova de Famalicão 2013 Ano Europeu dos Cidadãos Famalicão promove Fóruns Comunitários nas Comissões Sociais Inter- Freguesias Rede Social de Valongo Pais, Mães & Companhia Rede Social de Aveiro Sessões de Sensibilização entre pares na área das demências Rede Social da Covilhã Efemérides e Atividades Atividades 2013 Ano Europeu

Leia mais

PLANO DE ATIVIDADES 2016

PLANO DE ATIVIDADES 2016 Modalidade Destinatários Calendarização Obs. Divulgar e Promover a Comissão junto da população Promover a Comissão e Informar a Comunidade através de ações específicas. Aumentar competências no âmbito

Leia mais

DICAS - Dinâmicas Comunitárias de Ativação Social

DICAS - Dinâmicas Comunitárias de Ativação Social ADILO PLANO DE AÇÃO CLDS 3G Lordelo do Ouro e Massarelos DICAS - Dinâmicas Comunitárias de Ativação Social 2016-2018 Eixo de Intervenção Objetivos Gerais por Eixo de Intervenção N.º Objetivo Descrição

Leia mais

SISTEMA DE INFORMAÇÃO REDE SOCIAL MIRANDELA SISTEMA DE INFORMAÇÃO

SISTEMA DE INFORMAÇÃO REDE SOCIAL MIRANDELA SISTEMA DE INFORMAÇÃO SISTEMA DE INFORMAÇÃO 1 TERRITÓRIO Número de Freguesias Tipologia das Freguesias (urbano, rural, semi urbano) Área Total das Freguesias Cidades Estatísticas Total (2001, 2008, 2009) Freguesias Área Média

Leia mais

Plano Bienal de Desenvolvimento de Marvila (Março de 2014 a Março de 2016)

Plano Bienal de Desenvolvimento de Marvila (Março de 2014 a Março de 2016) 1. - Ação de Team Building - Nº de ações realizadas; Trabalho em - Consolidar - Realizar 1 ação em - ATM - Nº de entidades presentes por ação Rede parcerias conjunto. - Criar plano de comunicação da CSF;

Leia mais

Projeto Educativo 2013-2017

Projeto Educativo 2013-2017 Projeto Educativo 2013-2017 A Escola A CONSTRUIR Qualidade dos Recursos Recursos humanos Serviços e equipamentos Instalações Qualidade da Interação com a comunidade Família Comunidade educativa Qualidade

Leia mais

Projeto Solidariedade Ativa

Projeto Solidariedade Ativa Projeto Solidariedade Ativa Coordenador: Paulo Fernando Correia Lopes 2014/2015 1 Caracterização do Projeto O projeto dinamizado pelo Clube de Solidariedade Ativa tem por base o objetivo estratégico 2

Leia mais

Conselho Local de Ação Social de. Pinhel. Plano de Ação 2014

Conselho Local de Ação Social de. Pinhel. Plano de Ação 2014 Conselho Local de Ação Social de Pinhel Plano de Ação 2014 Plano de Ação 2014 Enquadramento Legal Objetivo Geral Área Geográfica de Intervenção Eixos de Intervenção Resolução do Conselho de Ministros nº

Leia mais

REDE SOCIAL DE ALANDROAL

REDE SOCIAL DE ALANDROAL REDE SOCIAL DE ALANDROAL CONSELHO LOCAL DE ACÇÃO SOCIAL (MAIO ) Área de Intervenção: Equipamentos e Respostas Sociais e Serviços Objetivo Geral Objetivos Específicos Ação População - Alvo Entidades/ Parceiros

Leia mais

CONCURSO DE IDEIAS 2014-2015 JOVENS CRIATIVOS, EMPREENDEDORES PARA O SÉCULO XXI

CONCURSO DE IDEIAS 2014-2015 JOVENS CRIATIVOS, EMPREENDEDORES PARA O SÉCULO XXI 0 REGULAMENTO DO CONCURSO DE IDEIAS 2014-2015 1. OBJETIVOS Através de um concurso de ideias, a iniciativa INOVA! visa: Estimular o espírito empreendedor, criativo e inovador das crianças e dos jovens;

Leia mais

Plano de Ação de 2017

Plano de Ação de 2017 1/10 Plano de Ação de Programação do CLAS - Realização de Sessões Plenárias Ordinário 04-mai PLENARIO / Núcleo Executivo CLAS de Ordinário 11-dez PLENARIO / Núcleo Executivo CLAS de Rede Social Ação de

Leia mais

Designação do Projeto: Divida Zero

Designação do Projeto: Divida Zero Designação do Projeto: Divida Zero Objetivo Geral C5 (PDS) Objetivos Prevenir e apoiar situações de sobre endividamento pessoal e social. Reduzir o peso percentual de utentes com processos em anos anteriores.

Leia mais

Plano de Ação Índice Sumário Executivo A Rede Social no concelho de Alenquer O Plano de Ação...

Plano de Ação Índice Sumário Executivo A Rede Social no concelho de Alenquer O Plano de Ação... PLANO DE AÇÃO 2014 Índice 1. - Sumário Executivo... 1 Pág. 2. - A Rede Social no concelho de Alenquer... 2 2.1. - O Plano de Ação...2 3. - Análise de Eixos de Intervenção... 3 Eixo I.- Deficiência... 4

Leia mais

PROGRAMA PARA A INCLUSÃO E DESENVOLVIMENTO PROGRIDE

PROGRAMA PARA A INCLUSÃO E DESENVOLVIMENTO PROGRIDE PROGRAMA PARA A INCLUSÃO E DESENVOLVIMENTO PROGRIDE RELATÓRIO ANUAL DE EXECUÇÃO MEDIDA / MEDIDA 009/00 INSTITUTO DA SEGURANÇA SOCIAL, I.P. Programa para a Inclusão e Desenvolvimento Relatório Anual de

Leia mais

FAMALICÃO INCLUSIVO. Município de Vila Nova de Famalicão

FAMALICÃO INCLUSIVO. Município de Vila Nova de Famalicão FAMALICÃO INCLUSIVO Município de Vila Nova de Famalicão FAMALICÃO INCLUSIVO O grupo temático Famalicão Inclusivo surge no âmbito das atividades desenvolvidas pela Rede Social de Vila Nova de Famalicão

Leia mais

1. Prioridade 1 Combater a pobreza das crianças, dos idosos e das famílias através de Medidas que assegurem os seus direitos básicos de cidadania

1. Prioridade 1 Combater a pobreza das crianças, dos idosos e das famílias através de Medidas que assegurem os seus direitos básicos de cidadania 1. Prioridade 1 Combater a pobreza das crianças, dos idosos e das famílias através de Medidas que assegurem os seus direitos básicos de cidadania 1.1. Objectivo Geral 1.1.1. Medida Promover a melhoria

Leia mais

Programa Rede Social Nisa PLANO DE AÇÃO Câmara Municipal de Nisa. Praça do Município Nisa Telefone

Programa Rede Social Nisa PLANO DE AÇÃO Câmara Municipal de Nisa. Praça do Município Nisa Telefone PLANO DE AÇÃO 2017 NOTA PRÉVIA Decorrente do processo de atualização do diagnóstico social e do plano de desenvolvimento social, da Rede Social do Concelho de Nisa e numa perspetiva de continuidade em

Leia mais

ANEXO I EQUIPAMENTOS MUNICIPAIS AFETOS À AÇÃO SOCIAL SETORES /ATIVIDADES /VALÊNCIAS

ANEXO I EQUIPAMENTOS MUNICIPAIS AFETOS À AÇÃO SOCIAL SETORES /ATIVIDADES /VALÊNCIAS ANEXO I EQUIPAMENTOS MUNICIPAIS AFETOS À AÇÃO SOCIAL SETORES /ATIVIDADES /VALÊNCIAS I COMPLEXO MULTIFUNCIONAL DE COUROS Endereço: Travessa de Vila Verde, São Sebastião, 4800 430 Guimarães Tipologia: Espaço

Leia mais

PLANO DE AÇÃO. CLAS/ Mesão Frio

PLANO DE AÇÃO. CLAS/ Mesão Frio PLANO DE AÇÃO CLAS/ 2012 Índice Introdução. 3 Enquadramento das Ações 4 Eixo I Promover Competências de Empregabilidade e a Transição para a Vida Ativa. 5 Eixo II Intervir Ativa e Preventivamente sobre

Leia mais

3,11% 3,03% 2,82% 2,76% 2,56% 1,92% 1,62% 1,52% 1,48% 0,00% 1,00% 2,00% 3,00% 4,00% 5,00% 6,00%

3,11% 3,03% 2,82% 2,76% 2,56% 1,92% 1,62% 1,52% 1,48% 0,00% 1,00% 2,00% 3,00% 4,00% 5,00% 6,00% Problemáticas Especificas e Respostas Sociais Famílias e comunidade Rendimento Social de Inserção População Beneficiária de RSI (%) Barreiro Montijo Almada Setúbal Peninsula de Setúbal Portugal Continental

Leia mais

COMISSÃO DE PROTECÇÃO DE CRIANÇAS E JOVENS DE MONÇÃO PLANO DE AÇÃO 2017

COMISSÃO DE PROTECÇÃO DE CRIANÇAS E JOVENS DE MONÇÃO PLANO DE AÇÃO 2017 COMISSÃO DE PROTECÇÃO DE CRIANÇAS E JOVENS DE MONÇÃO PLANO DE AÇÃO 2017 Largo de Camões 4950 444 Monção Tel. 251 649 000 Fax. 251 649 010 Tlm. 962 124 622 cpcj@cm-moncao.pt Composição da Comissão de Proteção

Leia mais

Enquadramento dos Apoios Sociais concedidos pelo Município de Bragança

Enquadramento dos Apoios Sociais concedidos pelo Município de Bragança Enquadramento dos Apoios Sociais concedidos pelo Município de Bragança Cartão de Munícipe Escalões progressivos no pagamento do passe dos Serviços de Transportes Urbanos de Bragança, na utilização das

Leia mais

Rede Social. O que é a rede Social. Estrutura orgânica Metodologia Documentos produzidos

Rede Social. O que é a rede Social. Estrutura orgânica Metodologia Documentos produzidos Rede Social O que é a rede Social Estrutura orgânica Metodologia Documentos produzidos Rede Social O que é a rede Social O Programa REDE SOCIAL foi criado pela Resolução do Conselho de Ministros n.º 197/97

Leia mais

REGULAMENTO Orçamento Participativo de Águeda

REGULAMENTO Orçamento Participativo de Águeda REGULAMENTO Orçamento Participativo de Águeda PREÂMBULO A Democracia Participativa não se reduz a um mero sistema político e social, mas a um modo de ser, agir e pensar que abrange a totalidade da pessoa.

Leia mais

PLANO DE DESENVOLVIMENTO SOCIAL DO CONCELHO DE TORRES VEDRAS

PLANO DE DESENVOLVIMENTO SOCIAL DO CONCELHO DE TORRES VEDRAS PARTE III PLANO DE DESENVOLVIMENTO SOCIAL DO CONCELHO DE TORRES VEDRAS Financiado pelo Estado Português Ministério do Trabalho e Solidariedade Social 2005-2008 Rede Social PARTE III 100 CAPÍTULO V PLANO

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE MOURÃO

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE MOURÃO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE MOURÃO Plano Plurianual de Atividades (2013-2017) Plano Anual de Atividades (2015-2016) ÍNDICE Introdução... 2 Planeamento e organização escolar Calendário escolar 2015-2016...

Leia mais

Plano de Acção 2010 Concelho de Ourique

Plano de Acção 2010 Concelho de Ourique Plano de Acção 200 Concelho de Rede Social Programa Rede Social Conselho Local de Acção Social de Janeiro 2009 Ficha Técnica Título: Plano de Acção 200 do Concelho de Autoria: Núcleo Executivo da Rede

Leia mais

Liga Nacional Contra a Fome

Liga Nacional Contra a Fome Liga Nacional Contra a Fome IPSS de Utilidade Pública PLANO DE ATIVIDADES 2016-2019 E ORÇAMENTO 2016 NOVEMBRO 2015 Liga Nacional Contra a Fome IPSS de Utilidade Pública A Liga Nacional Contra a Fome é

Leia mais

REGIMENTO DO CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE VILA FLOR

REGIMENTO DO CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE VILA FLOR REGIMENTO DO CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE VILA FLOR PREÂMBULO A Lei n.º 75/2013, de 12 de Setembro, diploma que estabelece, entre outros, o regime jurídico das autarquias locais, veio atribuir, no

Leia mais

REDE SOCIAL DE SOBRAL DE MONTE AGRAÇO PLANO DE ACÇÃO PARA 2010

REDE SOCIAL DE SOBRAL DE MONTE AGRAÇO PLANO DE ACÇÃO PARA 2010 REDE SOCIAL DE SOBRAL DE MONTE AGRAÇO PLANO DE ACÇÃO PARA 2010 EIXO I Promoção da Inclusão das famílias com especial enfoque às necessidades dos idosos OBJECTIVO GERAL Melhorar as condições de vida de

Leia mais

ACES Almada Seixal Plano de Contingência local para Vagas de Frio 2015-2016

ACES Almada Seixal Plano de Contingência local para Vagas de Frio 2015-2016 ACES Almada Seixal Plano de Contingência local para Vagas de Frio 2015-2016 Índice Pág 1. Plano de Contingência para Vagas de Frio (PCVF)... 4 2. Grupos Vulneráveis. 4 3. Objetivos. 5 3.1 Objetivos gerais.

Leia mais

Plano de Formação Sensibilização / Informação 2010

Plano de Formação Sensibilização / Informação 2010 Plano de Sensibilização / 2010 Acção de / Eixo de Direitos e Cidadania 1.º 1.º e 4.º Janeiro e Fevereiro e Dezembro Fevereiro Centro Nós do 115 Famílias do básico (2.º e 3.º ciclos) e (Acção 8. Nós Pais

Leia mais

INOVA Jovens Criativos, Empreendedores para o século XXI. Concurso de Ideias INOVA 2014/2015

INOVA Jovens Criativos, Empreendedores para o século XXI. Concurso de Ideias INOVA 2014/2015 INOVA Jovens Criativos, Empreendedores para o século XXI Concurso de Ideias INOVA 2014/2015 O que é o INOVA! e quem pode concorrer? O INOVA! é um concurso de ideias, destinado a estimular o empreendedorismo

Leia mais

Programa 2012 FICHA DE CANDIDATURA. Refª: 073 GASP - Gabinete de Acção Social e Psicológica

Programa 2012 FICHA DE CANDIDATURA. Refª: 073 GASP - Gabinete de Acção Social e Psicológica Programa 2012 FICHA DE CANDIDATURA Refª: 073 GASP - Gabinete de Acção Social e Psicológica Grupo de Trabalho dos Bairros e Zonas de Intervenção Prioritária (BIP/ZIP) Rua Nova do Almada, nº 2-3º Andar 1100-060

Leia mais