Plano de Acção 2006/2007. Rede Social Concelho da Lourinhã

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Plano de Acção 2006/2007. Rede Social Concelho da Lourinhã"

Transcrição

1 Plano de Acção 2006/2007 Rede Social Concelho da Lourinhã

2 E I X O I Intervenção Dirigida a Grupos Específicos

3 EIXO I : INTERVENÇÃO DIRIGIDA A GRUPOS ESPECIFICOS OBJECTIVO GERAL: Até Dezembro de 2007 existem no concelho respostas que promovem a integração da comunidade imigrante. Em Dezembro de 2006 está constituída uma associação de imigrantes no concelho. Actividades ( com responsáveis ) : A - Criação de uma Comissão Instaladora (Centro Local de Apoio ao Imigrante da Lourinhã; Associação de Freguesias e Juntas de Freguesia) B- Constituição de Direcção e Associados (Centro Local de Apoio ao Imigrante da Lourinhã; Associação de Freguesias e Juntas de Freguesia) C- Elaboração de estatutos, Criação de Regulamento e Publicação em Diário da República. D- Elaboração e Aprovação de um Plano de Actividades. A,B, C e D- Decorrer do ano de 2006 Indicadores de Avaliação - Nº total de interessados em constituir a Comissão instaladora - Nº de associados - Plano de Actividades aprovado

4 EIXO I : INTERVENÇÃO DIRIGIDA A GRUPOS ESPECIFICOS OBJECTIVO GERAL: Até Dezembro de 2007 existem no concelho respostas que promovem a integração da comunidade imigrante. Em Agosto de 2007 funcionaram dois cursos de português para estrangeiros. Actividades (com responsáveis ) : - Curso de Português para estrangeiros (Organizador Local de Educação e Formação de Adultos, Centro Local de Apoio ao Imigrante da Lourinhã e Associação de Freguesias) Ano Lectivo 2006/2007 Indicadores de Avaliação: - Nº de Inscrições - Nº de formandos - Nº de formandos que acabaram o curso com sucesso

5 EIXO I : INTERVENÇÃO DIRIGIDA A GRUPOS ESPECIFICOS OBJECTIVO GERAL: Até Dezembro de 2007 interveio-se junto das famílias socioeconomicamente desfavorecidas no sentido de promover a sua capacitação Em Dezembro de 2007 foi promovido um Curso de Gestão Doméstica Actividades (com responsáveis ) : - Promoção de um Curso de gestão doméstica (Câmara Municipal da Lourinhã, Instituto de Emprego e Formação Profissional e Juntas de Freguesia). - 1º Semestre de 2007 Indicadores de Avaliação: - Nº de Formandos

6 EIXO I : INTERVENÇÃO DIRIGIDA A GRUPOS ESPECIFICOS OBJECTIVO GERAL: Até Dezembro de 2007 interveio-se junto das famílias socioeconomicamente desfavorecidas no sentido de promover a sua capacitação. Em Dezembro de 2007 encontra-se em funcionamento uma micro-empresa no concelho. Actividades (com responsáveis ) : A- Acção de formação sobre o Microcrédito dirigida a técnicos de Intervenção Social ( Associação Nacional de Direito ao Crédito e Câmara Municipal da Lourinhã) B Sinalização de indivíduos que reúnam o perfil exigido e pré-selecção para a frequência da acção de formação( ( Associação Nacional de Direito ao Crédito, Câmara Municipal da Lourinhã e Instituições particulares de Solidariedade Social concelhias); C- Promoção de acção de formação sobre microcrédito (Instituto de Emprego e Formação Profissional, Associação Nacional de Direito ao Crédito e Câmara Municipal da Lourinhã); D- Encaminhamento de potenciais interessados para a Associação Nacional de Direito ao Crédito. A- Janeiro de 2006 B- Fevereiro a Abril de 2006 C- Março a Abril de 2006 D- Dezembro de 2006 Indicadores de Avaliação: - Nº de técnicos participantes; - Nº de indivíduos com perfil exigido; - Nº de participantes na acção; - Nº de casos encaminhamentos.

7 EIXO I : INTERVENÇÃO DIRIGIDA A GRUPOS ESPECIFICOS OBJECTIVO GERAL: Até Dezembro de 2007 é fomentado e promovido o envelhecimento activo da população concelhia Até Dezembro de 2006 é fomentada a participação da população idosa em acções de índole comunitário. Actividades (com responsáveis ) : A - Acção de Formação sobre voluntariado para técnicos de intervenção social (Câmara Municipal da Lourinhã, Instituições Particulares de Solidariedade Social concelhias e Conselho Português para a Promoção do Voluntariado); B - Implementação de um Banco Local de Voluntariado ( Câmara Municipal da Lourinhã e Conselho Português para a Promoção do Voluntariado); A Janeiro e Fevereiro de 2006 B - Maio de 2006 Indicadores de Avaliação: - Nº de técnicos participantes - Nº de Voluntários e Instituições que aderiram ao Banco Local de Voluntariado

8 EIXO I : INTERVENÇÃO DIRIGIDA A GRUPOS ESPECIFICOS OBJECTIVO GERAL: Até Dezembro de 2007 é fomentado e promovido o envelhecimento activo da população concelhia. Até Junho de 2007 encontra-se em funcionamento um curso dirigido à Terceira Idade Actividades (com responsáveis ) : A Desenhar um projecto para constituir uma academia cultural Sénior ( Câmara Municipal da Lourinhã e Centro Social e Paroquial da Lourinhã) B Regulamentar parcerias ( Câmara Municipal da Lourinhã e Centro Social e Paroquial da Lourinhã) C- Implementar a Academia Cultural Sénior ( Câmara Municipal da Lourinhã e Centro Social e Paroquial da Lourinhã) A- Abril e Maio de 2006 B- Julho a Dezembro de 2006 C- Junho de 2007 Indicadores de Avaliação: - Projecto elaborado; - Nº de parceiros interessados; - Regulamento elaborado; - Nº de formandos inscritos

9 EIXO I : INTERVENÇÃO DIRIGIDA A GRUPOS ESPECIFICOS OBJECTIVO GERAL: Até Dezembro de 2007 é disponibilizado apoio às vitimas de violência doméstica Em Dezembro de 2007 definiu-se e implementou-se uma estratégia de sensibilização e prevenção à comunidade em geral e aos agentes locais intervenientes e actuantes. Actividades (com responsáveis ) : A Desenhar um projecto, em parceria, para a criação de um Gabinete de apoio à vitima de violência doméstica ( Câmara Municipal da Lourinhã, Guarda Nacional Republicana, Segurança Social de Torres Vedras, Juntas de Freguesia, Centro de Saúde e Instituições de Solidariedade Social concelhias); B- Elaboração de um Protocolo entre parceiros; C- Implementação do Gabinete de Apoio à Vitima de Violência Doméstica A- Janeiro de 2006 B- Abril a Novembro de 2006 C- Maio de 2007 Indicadores de Avaliação: - Projecto elaborado; - Nº de parceiros interessados; - Regulamento elaborado; - Nº de formandos inscritos

10 E I X O I I Qualificação Sócio-Educativa

11 EIXO: II QUALIFICAÇÃO SÓCIO - EDUCATIVA OBJECTIVO GERAL: Até 2007 diminui-se 50% da taxa de abandono e Insucesso escolar Em Setembro de 2006 encontra-se em funcionamento um espaço de avaliação, apoio e encaminhamento de famílias e jovens em situação de abandono escolar. Actividades ( com responsáveis ) : Criação de um Gabinete de apoio a crianças e jovens do concelho. Espaço Cedido pela Câmara Municipal da Lourinhã Equipa de Técnicos: - Psicólogo Câmara Municipal da Lourinhã - Técnico da Educação Câmara Municipal da Lourinhã - Professores de vários locais para fazer o acompanhamento dos alunos e a sinalização dos casos ** Esta equipa faz o atendimento com um carácter de itinerância. Estar a funcionar o espaço e a respectiva equipa no início do ano lectivo de 2006/2007 (Setembro) Indicadores de Avaliação - Nº de alunos acompanhados pelos técnicos - Ficha de avaliação de cada aluno durante o processo de acompanhamento

12 EIXO: II QUALIFICAÇÃO SÓCIO - EDUCATIVA OBJECTIVO GERAL: Até 2007 diminui-se 50% da taxa de abandono e Insucesso escolar Em Dezembro de 2007 realizaram-se 10 sessões temáticas de formação parental dirigida a pais de jovens em situação de abandono escolar Actividades ( com responsáveis ) : Curso de Formação Parental: Técnico superior de psicologia (CML) Formador externo (Rede Europeia Anti Pobreza de Portugal) 1º semestre de sessões 2º semestre de sessões Indicadores de Avaliação: Nº de famílias identificadas Nº de famílias acompanhadas

13 EIXO: II QUALIFICAÇÃO SÓCIO EDUCATIVA OBJECTIVO GERAL: Até 2007 diminui-se 50% da taxa de abandono e Insucesso escolar Em Dezembro de 2007 realizaram-se actividades destinadas a jovens entre os 6-13 anos com vista à promoção de competências pessoais e sociais. Actividades (com responsáveis ) : Esta actividade encontra-se contemplada na Candidatura ao Ser Criança promovido pelo Ministério do Trabalho e Segurança Social, projecto local designado por Percursos Parceiros: ADAPECIL Associação de Freguesias da Lourinhã Associação Juvenil Tá Mexer Centro de Saúde Agrupamento de Escolas do Litoral E.B.2, 3 de Ribamar Escola Dr. João das Regras Agrupamento de Escolas do Interior Escola Dr. Afonso Rodrigues Pereira 1º e 2º Semestre de º e 2º Semestre de 2007 Indicadores de Avaliação: - Nº de crianças e jovens que frequentaram a actividade.

14 EIXO: II QUALIFICAÇÃO SÓCIO EDUCATIVA OBJECTIVO GERAL: Em Dezembro de 2007 aumentam-se os níveis de escolaridade da população Em Dezembro de 2007 diminui-se a taxa de analfabetismo da população concelhia. Actividades ( com responsáveis ) : A- Campanha de Divulgação dos Cursos (Juntas de Freguesia e Agrupamentos de Escolas) B- Curso de Alfabetização para Adultos (Câmara Municipal da Lourinhã e Organizador Local de Educação e Formação de Adultos) A- ( 1º semestre de 2006) B Ano lectivo de 2006/2007 Indicadores de Avaliação - Nº de indivíduos inscritos no Curso - Nº de indivíduos que finalizaram o curso com sucesso

15 EIXO: II QUALIFICAÇÃO SÓCIO EDUCATIVA OBJECTIVO GERAL: Em Dezembro de 2007 aumentam-se os níveis de escolaridade da população Em Dezembro de 2007, a taxa de sucesso dos cursos do ensino recorrente é mais elevada. Actividades ( com responsáveis ) : A - Campanha de Divulgação dos Cursos (Juntas de Freguesia e Agrupamentos de Escolas) B- Curso de formação para Adultos (Câmara Municipal da Lourinhã e Organizador Local de Educação e Formação de Adultos) A- ( 1º semestre de 2006) B- Ano lectivo de 2006/2007 Indicadores de Avaliação - Nº de indivíduos inscritos no Curso - Nº de indivíduos que finalizaram o curso com sucesso

16 E I X O I I I Promoção de Saúde

17 EIXO: III Promoção da Saúde OBJECTIVO GERAL: Até Dezembro de 2007 é implementada uma estratégia uma estratégia de sensibilização e prevenção no que concerne aos consumos tóxicos. Em Dezembro de 2007 realizaram-se acções de prevenção e sensibilização sobre a temática das adições junto dos alunos do 2ºciclo das escolas do concelho. Actividades ( com responsáveis ) : - Acções de sensibilização para professores, com vista à sustentabilidade da informação (CAT de Torres Vedras, Câmara Municipal da Lourinhã, Centro de Saúde e Agrupamento de escolas). A funcionar no ano lectivo de 2006/2007 Indicadores de Avaliação - Nº de professores inscritos. - Nº de turmas abrangidas.

18 EIXO: III Promoção da Saúde OBJECTIVO GERAL: Até Dezembro de 2007 é implementada uma estratégia uma estratégia de sensibilização e prevenção no que concerne aos consumos tóxicos. Em Dezembro de 2006 elaborou-se um levantamento e caracterização dos indivíduos em situação de adição que recorrem ao serviço de acção social do Centro de Saúde. Actividades ( com responsáveis ) : - Levantamento de dados (Centro de Saúde, CAT de Torres Vedras, Centro regional de Alcoologia do Sul; GNR da Lourinhã, Alcoólicos Anónimos) No decorrer do ano de 2006 Indicadores de Avaliação - Nº de respostas dadas pelos diferentes serviços às solicitações.

19 EIXO: III Promoção da Saúde OBJECTIVO GERAL: Até Dezembro de 2007 é implementada uma estratégia uma estratégia de sensibilização e prevenção no que concerne aos consumos tóxicos Em Dezembro de 2007, 20% do total da população identificada com problemas de adição iniciou tratamento. Actividades (com responsáveis) : - Criação de uma Unidade Móvel de redução de danos para o concelho (CAT de Torres Vedras, Centro de Saúde da Lourinhã e Câmara Municipal da Lourinhã). 2º semestre de 2006 Indicadores de Avaliação: - Nº de casos diagnosticados e encaminhados.

20 EIXO: III Promoção da Saúde OBJECTIVO GERAL: Até Dezembro de 2007 é disponibilizado apoio na área da Saúde Mental Em Dezembro de 2006 está elaborado um diagnóstico de indivíduos com necessidade de apoio na área da saúde mental. Actividades (com responsáveis) : A- Criação de uma ficha de sinalização (Centro de Saúde) B- Definição de circuitos de referenciarão ( Centro de Saúde e Câmara Municipal da Lourinhã) C- Recolha e tratamento da informação (Centro de saúde da Lourinhã, Câmara Municipal da Lourinhã e Associação Juvenil Tá Mexer ) A,B e C- 1º semestre de 2006 Indicadores de Avaliação: - Reuniões de grupo de trabalho

21 EIXO: III Promoção da Saúde OBJECTIVO GERAL: Até Dezembro de 2007 é disponibilizado apoio na área da Saúde Mental Em Setembro de 2007 é delineado um plano de intervenção no âmbito da saúde mental. Actividades (com responsáveis) : - Criação de uma equipa de Saúde Mental (Técnico da Rede Social da Lourinhã). - Contactos formais com administração Regional de Saúde de Lisboa e Vale do Tejo para pedido de afectação de um técnico da área (Grupo de trabalho da Promoção da Saúde). No decorrer do ano de 2007 Indicadores de Avaliação: - Plano de Intervenção no âmbito da saúde Mental.

22 E I X O I V Qualificação/Inserção Sócio-Profissional

23 EIXO: IV Qualificação e Inserção Sócio-profissional OBJECTIVO GERAL: Até Dezembro de 2007 reduz-se o desemprego e a precariedade em meio laboral Em Dezembro de 2007 houve um aumento da Formação/ Qualificação da população activa. Actividades ( com responsáveis ) : Promover cursos para a população activa A - IEFP Cursos de Educação e Formação de jovens / Cursos de Educação e Formação de Adultos B - OLEFA Cursos Sócio-Profissionais / Cursos de actualização C - Escola Agrícola Rio Grande Cursos de Educação e Formação para Jovens / cursos de formação Inicial D - Câmara Municipal da Lourinhã Cursos de Qualificação Inicial E- ACIRO Formação em contexto de Trabalho A,B,C,D e E /2007 Indicadores de Avaliação - Nº de inscritos (divididos por faixas etárias). - Nº de indivíduos que finalizaram os cursos com sucesso.

24 EIXO: IV Qualificação e Inserção Sócio-profissional OBJECTIVO GERAL: Até Dezembro de 2007 reduz-se o desemprego e a precariedade em meio laboral Em Dezembro de 2007 foi promovida e implementada formação adequada ao mercado de trabalho. Actividades ( com responsáveis ) : A - Promover cursos para os activos empregados - ACIRO Formação em Contexto Local de Trabalho - Escola secundária da Lourinhã - Inspecção Geral do Trabalho Cursos de sensibilização de Higiene e Segurança no Trabalho B- Criação de um Observatório do Mercado de Trabalho - Câmara Municipal da Lourinhã - IEFP - ACIRO A- 1º semestre de 2007 B- 2º semestre de 2007 Indicadores de Avaliação - Nº de trabalhadores de cada empresa que concluíram a formação

25 EIXO: IV Qualificação e Inserção Sócio-profissional OBJECTIVO GERAL: Até Dezembro de 2007 promovem-se e reforçam-se condições para o investimento empresarial do concelho Em Dezembro de 2007 a população activa concelhia encontra-se motivada para a criação do auto-emprego. Actividades ( com responsáveis ) : A - Câmara Municipal da Lourinhã e ACIRO Curso de Empreendedorismo B- criação de um Gabinete de Apoio ao Empreendedor C- Câmara Municipal da Lourinhã e ACIRO Sessão de Esclarecimento sobre a temática do Microcrédito A- 2º semestre de 2006 B- 1º semestre de 2007 C- 2º semestre de 2007 Indicadores de Avaliação - Nº de formandos do curso - Nº de público do seminário

26 EIXO: IV Qualificação e Inserção Sócio-profissional OBJECTIVO GERAL: Até Dezembro de 2007 promovem-se e reforçam-se condições para o investimento empresarial do concelho Em Dezembro de 2007 as empresas encontram-se mais motivadas para o desenvolvimento e renovação. Actividades ( com responsáveis ) : A- Seminário de Responsabilidade Social das Empresas ( Câmara Municipal da Lourinhã e ACIRO) B- Curso de Responsabilidade Social para as Empresas ( Câmara Municipal da Lourinhã e ACIRO) A- 2º semestre de 2006 B- 1º Semestre de 2007 Indicadores de Avaliação: Nº de participantes no seminário e no curso

27 Financiado pelo Estado Português

Plano de Desenvolvimento Social

Plano de Desenvolvimento Social Plano de Desenvolvimento Social 65 6. Planear para Intervir Objectivos e Estratégias Numa fase seguinte, após a consequente identificação das vulnerabilidades concelhias /eixos estratégicos de intervenção

Leia mais

Câmara Municipal de Elvas. Plano de Acção. Conselho Local de Acção Social de Elvas

Câmara Municipal de Elvas. Plano de Acção. Conselho Local de Acção Social de Elvas Câmara Municipal de Elvas Plano de Acção 2007 Julho de 2006 Conselho Local de Acção Social de Elvas PROGRAMA REDE SOCIAL Co-financiado pelo Estado Português, Ministério da Segurança Social PLANO DE ACÇÃO

Leia mais

Objectivos Específicos Acções Principais Resultados a Atingir

Objectivos Específicos Acções Principais Resultados a Atingir Núcleo Executivo / Secretariado Técnico Rede Social Loures Aprovado na reunião de CLAS de 19.Fevereiro.2009 Objectivo Superior Objectivos Específicos Acções Principais Resultados a Atingir Monitorização

Leia mais

2008 Concelho de Ourique

2008 Concelho de Ourique Plano de Acção 2008 Concelho de Rede Social Programa Rede Social Conselho Local de Acção Social de Janeiro 2008 Ficha Técnica Título: Plano de Acção 2008 do Concelho de Autoria: Núcleo Executivo da Rede

Leia mais

Conselho Local de Ação Social

Conselho Local de Ação Social Conselho Local de Ação Social Índice Introdução... 6 Eixo I - Demografia... 7 Eixo II Educação/Nível de Instrução... 8 Eixo III Economia... 11 Eixo IV Grupos Vulneráveis... 13 Avaliação.26 2 Ficha Técnica

Leia mais

Plano de Ação Rede Social de Alter do Chão

Plano de Ação Rede Social de Alter do Chão Plano de Ação Rede Social de Alter do Chão Conselho Local de Ação Social de Alter do Chão Câmara Municipal de Alter do Chão Centro Distrital de Portalegre, ISS, I.P. Santa Casa da Misericórdia de Alter

Leia mais

Plano de Acção

Plano de Acção - 2 - Nota Prévia A Rede Social afirmou-se ao longo da sua criação como uma medida inovadora e com capacidade de produzir alterações positivas na intervenção social. Esta medida assumiu-se, desde início,

Leia mais

GRUPO DE TRABALHO (INCLUINDO ALTERAÇÃO): COMISSÃO DE PROTECÇÃO DE CRIANÇAS E JOVENS EM RISCO

GRUPO DE TRABALHO (INCLUINDO ALTERAÇÃO): COMISSÃO DE PROTECÇÃO DE CRIANÇAS E JOVENS EM RISCO GRUPO DE TRABALHO (INCLUINDO ALTERAÇÃO): COMISSÃO DE PROTECÇÃO DE CRIANÇAS E JOVENS EM RISCO CRIANÇAS E JOVENS EM RISCO Índice: DIAGNÓSTICO... 51 OBJECTIVO GERAL: PROMOVER OS DIREITOS DA CRIANÇA JUNTO

Leia mais

Relatório de Actividades. Ano 2006. Rede Social de Lagos

Relatório de Actividades. Ano 2006. Rede Social de Lagos Relatório de Actividades Ano 2006 Rede Social de Lagos Núcleo Executivo e CLAS- Conselho Local de Acção Social Núcleo Executivo - 27 Reuniões de Trabalho Actividades (Trabalho de planificação, concepção,

Leia mais

Núcleo Executivo do CLAS de Mafra, 28 Maio de

Núcleo Executivo do CLAS de Mafra, 28 Maio de Plano de Ação Rede Social Mafra Eixo I - DEMOGRAFIA E EQUIPAMENTOS (INFRA-ESTRUTURAS DE APOIO) Objectivo geral 1. Reforçar as estruturas de apoio ao idoso Objectivo Específico 1. Aumentar a capacidade

Leia mais

A ORIENTAÇÃO PROFISSIONAL NO ENSINO BÁSICO

A ORIENTAÇÃO PROFISSIONAL NO ENSINO BÁSICO A ORIENTAÇÃO PROFISSIONAL NO ENSINO BÁSICO Comissão Europeia A ORIENTAÇÃO PROFISSIONAL NO ENSINO BÁSICO PORTUGAL Ano lectivo 2008/09 O ensino básico em Portugal é obrigatório, universal, gratuito e compreende

Leia mais

REGULAMENTO DO VOLUNTARIADO DE APOIO SOCIAL DO MUNICÍPIO DE VIDIGUEIRA

REGULAMENTO DO VOLUNTARIADO DE APOIO SOCIAL DO MUNICÍPIO DE VIDIGUEIRA REGULAMENTO DO VOLUNTARIADO DE APOIO SOCIAL DO MUNICÍPIO DE VIDIGUEIRA Nota justificativa A Câmara Municipal de Vidigueira assume o papel de agente fundamental na aplicação de políticas de protecção social,

Leia mais

Projecto MIMAR O SOLAR

Projecto MIMAR O SOLAR Equipa Star Wars 1 Projecto MIMAR O SOLAR 2 Projecto Mimar o Solar Apresentação O Projecto MIMAR O SOLAR surge como iniciativa promovida pelo Solar do Mimo Centro de Acolhimento Temporário de Crianças

Leia mais

Programa 2012 FICHA DE CANDIDATURA. Refª: 073 GASP - Gabinete de Acção Social e Psicológica

Programa 2012 FICHA DE CANDIDATURA. Refª: 073 GASP - Gabinete de Acção Social e Psicológica Programa 2012 FICHA DE CANDIDATURA Refª: 073 GASP - Gabinete de Acção Social e Psicológica Grupo de Trabalho dos Bairros e Zonas de Intervenção Prioritária (BIP/ZIP) Rua Nova do Almada, nº 2-3º Andar 1100-060

Leia mais

EIXO 1: EMPREGO, QUALIFICAÇÃO, EMPREENDEDORISMO E INICIATIVA LOCAL

EIXO 1: EMPREGO, QUALIFICAÇÃO, EMPREENDEDORISMO E INICIATIVA LOCAL EIXO 1: EMPREGO, QUALIFICAÇÃO, EMPREENDEDORISMO E INICIATIVA LOCAL Desenvolver as condições facilitadoras da criação de emprego, combate ao desemprego e incentivo à iniciativa local referente ao empreendedorismo

Leia mais

APRESENTAÇÃO DO PROGRAMA

APRESENTAÇÃO DO PROGRAMA APRESENTAÇÃO DO PROGRAMA AGENDA AS 5 MARCAS DO POPH I EIXOS PRIORITÁRIOS II ARRANQUE DO PROGRAMA III I AS 5 MARCAS DO POPH AS 5 MARCAS DO POPH 1 O MAIOR PROGRAMA OPERACIONAL DE SEMPRE 8,8 mil M 8,8 Mil

Leia mais

Projecto co-financiado pelo FSE

Projecto co-financiado pelo FSE CLAS DE MONDIM DE BASTO PLANO DE AÇÃO 2013 REDE SOCIAL DE MONDIM DE BASTO Projecto co-financiado pelo FSE ÍNDICE ÍNDICE DE TABELAS... 3 CAPÍTULO I... 4 INTRODUÇÃO... 4 CAPÍTULO II... 7 PLANO DE ACÇÃO 2013...

Leia mais

Capítulo I Disposições Gerais

Capítulo I Disposições Gerais Regulamento Municipal do Banco Local de Voluntariado de Marco de Canaveses Preâmbulo A Lei n.º 71/98, de 3 de Novembro, estabelece as bases do enquadramento jurídico do voluntariado, visando promover e

Leia mais

PROGRAMA PARA A INCLUSÃO E DESENVOLVIMENTO PROGRIDE

PROGRAMA PARA A INCLUSÃO E DESENVOLVIMENTO PROGRIDE PROGRAMA PARA A INCLUSÃO E DESENVOLVIMENTO PROGRIDE RELATÓRIO ANUAL DE EXECUÇÃO MEDIDA / MEDIDA 009/00 INSTITUTO DA SEGURANÇA SOCIAL, I.P. Programa para a Inclusão e Desenvolvimento Relatório Anual de

Leia mais

PARCEIROS NACIONAIS DO PROJECTO ASPIRE

PARCEIROS NACIONAIS DO PROJECTO ASPIRE PARCEIROS NACIONAIS DO PROJECTO ASPIRE Conselho Português para os Refugiados (CPR) O CPR, associação de solidariedade social e organização não governamental para o desenvolvimento (ONGD), foi constituído

Leia mais

REDE SOCIAL DE SOBRAL DE MONTE AGRAÇO PLANO DE ACÇÃO PARA 2010

REDE SOCIAL DE SOBRAL DE MONTE AGRAÇO PLANO DE ACÇÃO PARA 2010 REDE SOCIAL DE SOBRAL DE MONTE AGRAÇO PLANO DE ACÇÃO PARA 2010 EIXO I Promoção da Inclusão das famílias com especial enfoque às necessidades dos idosos OBJECTIVO GERAL Melhorar as condições de vida de

Leia mais

REGULAMENTO DA ORGANIZAÇÃO E CONCESSÃO TRANSPORTES ESCOLARES NOTA JUSTIFICATIVA

REGULAMENTO DA ORGANIZAÇÃO E CONCESSÃO TRANSPORTES ESCOLARES NOTA JUSTIFICATIVA REGULAMENTO DA ORGANIZAÇÃO E CONCESSÃO TRANSPORTES ESCOLARES NOTA JUSTIFICATIVA Considerando - Que a Educação é um direito de todos, cabendo ao Estado promover a sua democratização, bem como as condições

Leia mais

PLANO DESENVOLVIMENTO SOCIAL MAFRA 2013-2015

PLANO DESENVOLVIMENTO SOCIAL MAFRA 2013-2015 PLANO DESENVOLVIMENTO SOCIAL MAFRA 2013-2015 APROVADO EM SESSÃO PLENÁRIA DO CLAS 21 DE MAIO DE 2013 1 NOTA INTRODUTÓRIA O Diagnóstico Social constituiu a base de trabalho da ação dos Parceiros Locais.

Leia mais

PROGRAMA REDE SOCIAL PLANO DE ACÇÃO 2006/2007 CONCELHO DE ARRUDA DOS VINHOS

PROGRAMA REDE SOCIAL PLANO DE ACÇÃO 2006/2007 CONCELHO DE ARRUDA DOS VINHOS PLANO DE ACÇÃO 2006/2007 CONCELHO DE ARRUDA DOS VINHOS PROGRAMA REDE SOCIAL PROJECTO FINANCIADO PELO ESTADO PORTUGUÊS MINISTÉRIO DA SEGURANÇA SOCIAL E DO TRABALHO Junho 2006 Conselho Local de Acção Social

Leia mais

PLANO DE DESENVOLVIMENTO SOCIAL DO CONCELHO DE TORRES VEDRAS

PLANO DE DESENVOLVIMENTO SOCIAL DO CONCELHO DE TORRES VEDRAS PARTE III PLANO DE DESENVOLVIMENTO SOCIAL DO CONCELHO DE TORRES VEDRAS Financiado pelo Estado Português Ministério do Trabalho e Solidariedade Social 2005-2008 Rede Social PARTE III 100 CAPÍTULO V PLANO

Leia mais

Relatório Anual da Comissão de Acompanhamento e Monitorização das Medidas de Apoio Social

Relatório Anual da Comissão de Acompanhamento e Monitorização das Medidas de Apoio Social Relatório Anual da Comissão de Acompanhamento e Monitorização das Medidas de Apoio Social ANO 2010 MEDIDAS DE APOIO A ESTRATOS SOCIAIS MAIS DESFAVORECIDOS a) Apoio à actividade das Instituições de Solidariedade

Leia mais

INICIATIVA NOVAS OPORTUNIDADES. Ministério do Trabalho e da Solidariedade Social Ministério da Educação

INICIATIVA NOVAS OPORTUNIDADES. Ministério do Trabalho e da Solidariedade Social Ministério da Educação INICIATIVA NOVAS OPORTUNIDADES Ministério do Trabalho e da Solidariedade Social Ministério da Educação INDICE 1. OBJECTIVO 2. PORQUÊ A INICIATIVA? 3. PARA OS JOVENS: UMA OPORTUNIDADE NOVA 4. PARA OS ADULTOS:

Leia mais

RELATÓRIO DE ACTIVIDADES 2013

RELATÓRIO DE ACTIVIDADES 2013 RELATÓRIO DE ACTIVIDADES 2013 I. Introdução O ano de 2013 foi um ano marcado por grandes investimentos na Comunidade Terapêutica, por forma a criar condições estruturais que possibilitem a formação e integração

Leia mais

Ficha de Actividade. Conteúdos: Os diferentes processos e serviços do Arquivo Municipal.

Ficha de Actividade. Conteúdos: Os diferentes processos e serviços do Arquivo Municipal. Ficha de Actividade Tipo: Visitas de Estudo Tema: Faz de conta que somos de papel Público-alvo: Alunos Pré-escolar e 1º ciclo Equipa: Serviço Educativo Arquivo Municipal Calendarização: Todo o ano. Agendadas

Leia mais

Plano Concelhio Para a Integração de Pessoas Sem Abrigo (Plano)

Plano Concelhio Para a Integração de Pessoas Sem Abrigo (Plano) Plano Concelhio Para a Integração de Pessoas Sem Abrigo (Plano) 2010-2013 RELATÓRIO DE EXECUÇÃO E AVALIAÇÃO - 2012 CMC/DIPS Ricardo Caldeira - Coordenador do Grupo de Planeamento da Intervenção com os

Leia mais

Instituto da Segurança Social, I.P. Centro Distrital da Guarda

Instituto da Segurança Social, I.P. Centro Distrital da Guarda PLANEAMENTO ESTRATÉGICO SUPRACONCELHIO Plataforma Supraconcelhia * Beira Interior Norte (PSCBIN) Diagnóstico Social (DS) e Plano de Desenvolvimento Social (PDS) 11 / Dezembro / 2009 Instituto da Segurança

Leia mais

Município da Samba - Província de Luanda

Município da Samba - Província de Luanda Ficha de Projecto Dezembro/2006 Designação Projecto Integrado para o Desenvolvimento Sociocomunitário na Missão da Corimba - Município da Samba (Província de Luanda) Missão da Corimba - Sede Localização

Leia mais

CLUBE DE EMPREGO SOCIOHABITAFUNCHAL PLANO DE ACTIVIDADES

CLUBE DE EMPREGO SOCIOHABITAFUNCHAL PLANO DE ACTIVIDADES PLANO DE ACTIVIDADES 2010 2011 Identificação Entidade: Sociohabitafunchal, E.M Animadora: Célia Dantas Localização: Centro Cívico de Santo António Designação O Clube de Emprego é um serviço promovido pelo

Leia mais

AGIR PARA SOLUCIONAR PLANO DE ACÇÃO PARA 2010

AGIR PARA SOLUCIONAR PLANO DE ACÇÃO PARA 2010 PLANO DE DESENVOLVIMENTO SOCIAL DO MUNICÍPIO DE ARMAMAR AGIR PARA SOLUCIONAR PLANO DE ACÇÃO PARA 2010 Plano de Acção 20010 1 Após elaboração do Plano de Desenvolvimento Social, onde estão definidas as

Leia mais

Plano de Ação da Rede Social de Mafra 2017

Plano de Ação da Rede Social de Mafra 2017 EIXO I DEMOGRAFIA Objetivo Geral/Estratégico 1: Fortalecer as estruturas formais de apoio à Família OE1. Promover o alargamento da capacidade da resposta social Creche, nas Instituições onde já existe.

Leia mais

III. Sistema de Monitorização

III. Sistema de Monitorização III. Sistema de Monitorização 159 De acordo com as orientações elaboradas para a execução das Cartas Educativas, na Carta Educativa do Concelho de Almeida prevê-se a concepção e operacionalização de um

Leia mais

CONSELHO LOCAL DE ACÇÃO SOCIAL DE MACEDO DE CAVALEIROS

CONSELHO LOCAL DE ACÇÃO SOCIAL DE MACEDO DE CAVALEIROS ACTA N.º 03/2008 Âmbito da Reunião: Reunião Extraordinária de Plenário do CLASMC Assuntos debatidos: 1. Leitura da acta n.º 2/2008 do Plenário de 03 de Julho A acta foi aprovada por unanimidade. 2. Concertação

Leia mais

ATA Nº 01/17 Reunião Plenária do Conselho Local de Ação Social (CLAS)

ATA Nº 01/17 Reunião Plenária do Conselho Local de Ação Social (CLAS) ATA Nº 01/17 Reunião Plenária do Conselho Local de Ação Social (CLAS) Data: 26-01-2017 Local: Auditório do Edifício Cultural da Câmara Municipal de Peniche Hora de início: 21h15m Hora do fecho: 00h45m

Leia mais

27 de junho de Domingos Lopes

27 de junho de Domingos Lopes 27 de junho de 2016 Domingos Lopes Objetivos Temáticos OT 8. Promover a sustentabilidade e a qualidade do emprego e apoiar a mobilidade dos trabalhadores assumindo como meta nacional, até 2020, o aumento

Leia mais

Centro de Recursos TEIA

Centro de Recursos TEIA Quem somos O Contrato Local Desenvolvimento Social 3ª Geração do Concelho Ourém (CLDS 3G) Centro de Recursos TEIA - iniciou a sua atividade a 2 de Novembro de 2015, tem como Entidade Coordenadora Local

Leia mais

Apoios ao Empreendedorismo

Apoios ao Empreendedorismo Apoios ao Empreendedorismo IAPMEI Instituto de Apoio às Pequenas e Médias Empresas e à Inovação, I.P.MEI - Ministério da Economia e da Inovação Objetivos: Facilitar o acesso a soluções de financiamento

Leia mais

Sistema de ensino. Formação Profissional. Trabalho/emprego

Sistema de ensino. Formação Profissional. Trabalho/emprego Sistema de ensino Insucesso, absentismo e abandono escolar precoce; Escassas habilitações dos pais; Desmotivação face ao percurso escolar; Mobilidade entre escolas; Visibilidade e acesso a carreiras desviantes.

Leia mais

DADOS PESSOAIS HABILITAÇÕES ACADÉMICAS

DADOS PESSOAIS HABILITAÇÕES ACADÉMICAS DADOS PESSOAIS Nome: Catarina Isabel Pimpão Lucas Residência: Rua Afonso de Albuquerque, nº 33-37. 2025-394 Amiais de Baixo Contacto: 934 259 376 E-mail: catarinapimpao@gmail.com Data de Nascimento: 10

Leia mais

Iniciativa Novas Oportunidades. Julho de Av. 24 de Julho, nº Lisboa Telf.: Fax:

Iniciativa Novas Oportunidades. Julho de Av. 24 de Julho, nº Lisboa Telf.: Fax: Iniciativa Novas Oportunidades Julho de 2010 1 Índice A. Iniciativa Novas Oportunidades...3 B. A rede nacional de Centros Novas Oportunidades...4 C. Protocolos de cooperação no âmbito da Iniciativa Novas

Leia mais

Plano de Actividades e Orçamento 2010

Plano de Actividades e Orçamento 2010 Plano de Actividades e Orçamento 2010 1 2 1. Missão A CooLabora é uma cooperativa de consultoria e intervenção social criada em 2008. Tem por missão contribuir para a inovação social no desenvolvimento

Leia mais

Unidade de Inserção na Vida Activa UNIVA. Unidade de Inserção na Vida Activa

Unidade de Inserção na Vida Activa UNIVA. Unidade de Inserção na Vida Activa Unidade de Inserção na Vida Activa TEN/PSI Elsa Casal 508 532 crm.univa@emfa.pt Objectivo da Sessão Informar e clarificar sobre o enquadramento legal, a finalidade, os destinatários e os procedimentos

Leia mais

Casa do Povo de Vilarandelo. Plano de Ação 2015-2018

Casa do Povo de Vilarandelo. Plano de Ação 2015-2018 Plano de Ação 2015-2018 Eixo de Intervenção 1 Emprego, Formação e Qualificação a) Estabelecimento da Parceria com o Instituto de Emprego e Formação Profissional, I.P., com o objetivo de facilitar os processos

Leia mais

Plano desenvolvimento social

Plano desenvolvimento social Plano desenvolvimento social 2014-2016 Área Intervenção I FAMÍLIA (HABITAÇÃO/EDUCAÇÃO) - Problemas ao nível do parque habitacional; - Falta de expetativas/ objetivos ao nível educativo; - Défice de competências

Leia mais

Seminário: FORMAÇÃO DE FORMADORES NO ÂMBITO DO USO SUSTENTÁVEL DE PRODUTOS FITOFARMACÊUTICOS. 1 de Abril de 2016 quina@dgadr.pt

Seminário: FORMAÇÃO DE FORMADORES NO ÂMBITO DO USO SUSTENTÁVEL DE PRODUTOS FITOFARMACÊUTICOS. 1 de Abril de 2016 quina@dgadr.pt Seminário: FORMAÇÃO DE FORMADORES NO ÂMBITO DO USO SUSTENTÁVEL DE PRODUTOS FITOFARMACÊUTICOS Santarém, Auditório da ESAS Joaquina Fonseca 1 de Abril de 2016 quina@dgadr.pt PAINEL I : REGULAMENTAÇÃO RELATIVA

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE ESTARREJA 2º ANO DE ESCOLARIDADE / FORMAÇÃO CÍVICA Educação para a Solidariedade e para os Direitos Humanos

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE ESTARREJA 2º ANO DE ESCOLARIDADE / FORMAÇÃO CÍVICA Educação para a Solidariedade e para os Direitos Humanos EDUCAÇÃO PARA A SOLIDARIEDADE E PARA OS DIREITOS HUMANOS 1. CONTEXTUALIZAÇAO DO PROJECTO Ao abrigo do Despacho nº 19308/2008 1, no âmbito das ANC e no que diz respeito à Formação Cívica, a Coordenação

Leia mais

PLANO DESENVOLVIMENTO SOCIAL MAFRA AVALIAÇÃO

PLANO DESENVOLVIMENTO SOCIAL MAFRA AVALIAÇÃO PLANO DESENVOLVIMENTO SOCIAL MAFRA 2013 2015 AVALIAÇÃO O Plano de Desenvolvimento Social constitui um documento estratégico concelhio em matéria social, e integra, a um nível local, os problemas prioritários

Leia mais

Projecto GPS Gabinete de Proximidade para a Sustentabilidade

Projecto GPS Gabinete de Proximidade para a Sustentabilidade Projecto GPS Gabinete de Proximidade para a Sustentabilidade Actividade Formativa - Intervenção Comunitária Data 13 e 14 de Maio de 2009 Local Auditório do Edifício Cultural Município de Peniche Participação:

Leia mais

REGULAMENTO DAS FÉRIAS DESPORTIVAS DA JUNTA DE FREGUESIA DE PARANHOS

REGULAMENTO DAS FÉRIAS DESPORTIVAS DA JUNTA DE FREGUESIA DE PARANHOS REGULAMENTO DAS FÉRIAS DESPORTIVAS DA JUNTA DE FREGUESIA DE PARANHOS PREÂMBULO No uso da competência prevista pelos artigos 112º, n.º. 8, e 241º da Constituição da República Portuguesa, e conferida pela

Leia mais

Resultados-Chave Relatório de Bolonha do ISCTE-IUL (2010/2011)

Resultados-Chave Relatório de Bolonha do ISCTE-IUL (2010/2011) Resultados-Chave Relatório de Bolonha do ISCTE-IUL (2010/2011) 1. O relatório sobre o grau de concretização do processo de Bolonha no Instituto Universitário de Lisboa (ISCTE-IUL) relativo ao ano lectivo

Leia mais

Programa Operacional Regional Alentejo 2014/2020

Programa Operacional Regional Alentejo 2014/2020 Programa Operacional Regional Alentejo 2014/2020 Évora, 9 de setembro de 2015 Identidade, Competitividade, Responsabilidade Lezíria do Tejo Alto Alentejo Alentejo Central Alentejo Litoral Baixo Alentejo

Leia mais

EMPREENDEDO- RISMO E EMPREGABILIDADE

EMPREENDEDO- RISMO E EMPREGABILIDADE EMPREENDEDO- RISMO E EMPREGABILIDADE Programa de Ocupação de Jovens (POJ) Descrição: Programa que proporciona a jovens experiências iniciais de contacto com o mercado de trabalho facilitando o desenvolvimento

Leia mais

SISTEMA DE INFORMAÇÃO REDE SOCIAL MIRANDELA SISTEMA DE INFORMAÇÃO

SISTEMA DE INFORMAÇÃO REDE SOCIAL MIRANDELA SISTEMA DE INFORMAÇÃO SISTEMA DE INFORMAÇÃO 1 TERRITÓRIO Número de Freguesias Tipologia das Freguesias (urbano, rural, semi urbano) Área Total das Freguesias Cidades Estatísticas Total (2001, 2008, 2009) Freguesias Área Média

Leia mais

CONSELHO LOCAL DE ACÇÃO SOCIAL DE SÃO BRÁS DE ALPORTEL. Plano de Desenvolvimento Social de São Brás de Alportel 2006/2010

CONSELHO LOCAL DE ACÇÃO SOCIAL DE SÃO BRÁS DE ALPORTEL. Plano de Desenvolvimento Social de São Brás de Alportel 2006/2010 CONSELHO LOCAL DE ACÇÃO SOCIAL DE SÃO BRÁS DE ALPORTEL Plano de Desenvolvimento Social de São Brás de Alportel 2006/2010 PLANO DE ACÇÃO 2010 LISTA DE SIGLAS APEASBA Associação de País e Encarregados de

Leia mais

PERA Programa Escolar de Reforço Alimentar

PERA Programa Escolar de Reforço Alimentar PERA Programa Escolar de Reforço Alimentar 2012/2013 e 2013/2014 COORDENAÇÃO NACIONAL Setembro de 2012 ÍNDICE INTRODUÇÃO 1. APRESENTAÇÃO DO PERA 2. ENQUADRAMENTO DO PROGRAMA. 3. QUESTÕES ORGANIZACIONAIS

Leia mais

Ficha de Caracterização de Entidade/Projecto CLDS - ESPIRAL

Ficha de Caracterização de Entidade/Projecto CLDS - ESPIRAL Ficha de Caracterização de Entidade/Projecto CLDS - ESPIRAL 2 A. IDENTIFICAÇÃO GERAL DA ENTIDADE Projecto(s) Projecto Espiral - Contrato Local de Desenvolvimento Promotor(es): CESIS - Centro de Estudos

Leia mais

REDE SOCIAL DE ALANDROAL

REDE SOCIAL DE ALANDROAL REDE SOCIAL DE ALANDROAL CONSELHO LOCAL DE ACÇÃO SOCIAL (MAIO ) Área de Intervenção: Equipamentos e Respostas Sociais e Serviços Objetivo Geral Objetivos Específicos Ação População - Alvo Entidades/ Parceiros

Leia mais

Plano de Ação para 2012

Plano de Ação para 2012 Área da Ação Plano de Ação para 2012 CRONOGRAMA ÁREA DE INTERVENÇÃO ATIVIDADES 2012 Recursos Humanos Janeiro Fevereiro Março Abril Maio Junho Julho Agosto Setembro Outubro Novembro Dezembro O atendimento

Leia mais

Conheça as quatro candidaturas ganhas pelo Município do Seixal ao QREN - Quadro Comunitário de Apoio 2007/2013.

Conheça as quatro candidaturas ganhas pelo Município do Seixal ao QREN - Quadro Comunitário de Apoio 2007/2013. Conheça as quatro candidaturas ganhas pelo Município do Seixal ao QREN - Quadro Comunitário de Apoio 2007/2013. PORLisboa Politica de Cidades: Parcerias para a Regeneração Urbana Programa Integrados de

Leia mais

Plano de Ação Índice Sumário Executivo A Rede Social no concelho de Alenquer O Plano de Ação...

Plano de Ação Índice Sumário Executivo A Rede Social no concelho de Alenquer O Plano de Ação... PLANO DE AÇÃO 2014 Índice 1. - Sumário Executivo... 1 Pág. 2. - A Rede Social no concelho de Alenquer... 2 2.1. - O Plano de Ação...2 3. - Análise de Eixos de Intervenção... 3 Eixo I.- Deficiência... 4

Leia mais

A Rede Social é definida como um fórum de articulação e congregação de esforços baseado na adesão livre por parte das autarquias e das entidades

A Rede Social é definida como um fórum de articulação e congregação de esforços baseado na adesão livre por parte das autarquias e das entidades 1 A Rede Social é definida como um fórum de articulação e congregação de esforços baseado na adesão livre por parte das autarquias e das entidades públicas ou privadas sem fins lucrativos que nela queiram

Leia mais

Projeto - PraiaDoc. Ficha de Inscrição de Participante Jovem (14-17 anos)

Projeto - PraiaDoc. Ficha de Inscrição de Participante Jovem (14-17 anos) Projeto - PraiaDoc Ficha de Inscrição de Participante Jovem (14-17 anos) A. Participante (Anexe a Fotocópia do BI/CC) Nome: Morada Código Postal - Telefone/Telemóvel Data Nascimento Correio Electrónico

Leia mais

A EAPN Portugal Rede Europeia Anti-Pobreza, em parceria com o Departamento de Sociologia da

A EAPN Portugal Rede Europeia Anti-Pobreza, em parceria com o Departamento de Sociologia da A EAPN Portugal Rede Europeia Anti-Pobreza, em parceria com o Departamento de Sociologia da respeita desenvolver Universidade INQUÉRITO a práticas um da estudo Beira ITO À de EMPREGABILIDADE empregabilidade,

Leia mais

Conselho Local de Ação Social de Figueira de Castelo Rodrigo

Conselho Local de Ação Social de Figueira de Castelo Rodrigo REDE SOCIAL Conselho Local de Ação Social de Figueira de Castelo Rodrigo Regulamento Interno [9/04/2014] REGULAMENTO INTERNO DO CONSELHO LOCAL DE ACÇÃO SOCIAL DO CONCELHO DE FIGUEIRA DE CASTELO RODRIGO

Leia mais

Formação-ação no domínio da competitividade e internacionalização -Portugal 2020- Maria José Caçador 15.abril.2016

Formação-ação no domínio da competitividade e internacionalização -Portugal 2020- Maria José Caçador 15.abril.2016 Formação-ação no domínio da competitividade e internacionalização -Portugal 2020- Maria José Caçador 15.abril.2016 ENQUADRAMENTO SISTEMA DE INCENTIVOS ÀS EMPRESAS Inovação Empresarial e Empreendedorismo

Leia mais

GRUPO 4 MOBILIDADE E TRANSPORTES

GRUPO 4 MOBILIDADE E TRANSPORTES GRUPO 4 MOBILIDADE E TRANSPORTES Medidas Propostas Impacto no Município Plano de mobilidade sustentável para os funcionários da autarquia Formação em eco-condução para os gestores de frotas, motoristas

Leia mais

Plano de Desenvolvimento Social do Concelho de Soure

Plano de Desenvolvimento Social do Concelho de Soure / Ano 1 ÍNDICE 1 - Introdução 3 Pág. 2- Plano de Acção dos Projectos Estruturantes Transversais do Concelho de 4 2.1. Projecto Estruturante Apoio na Dependência 5 2.2. Projecto Estruturante Criar para

Leia mais

SISTEMA DE INFORMAÇÃO CONSELHO LOCAL DE ACÇÃO SOCIAL DE SINES DEMOGRAFIA E INDICADORES DEMOGRÁFICOS

SISTEMA DE INFORMAÇÃO CONSELHO LOCAL DE ACÇÃO SOCIAL DE SINES DEMOGRAFIA E INDICADORES DEMOGRÁFICOS DEMOGRAFIA E INDICADORES DEMOGRÁFICOS 1 INDICADOR: População residente e taxa de variação, 1991 e 2001 População Variação 1991 2001 Portugal 9867147 10356117 5,0 Alentejo 782331 776585-0,7 Alentejo Litoral

Leia mais

DAP DINÂMICAS DE ACÇÃO-PREVENÇÃO

DAP DINÂMICAS DE ACÇÃO-PREVENÇÃO DAP DINÂMICAS DE ACÇÃO-PREVENÇÃO Apresentação do Projecto Escola E.B 2,3 Passos José OBJECTIVOS GERAIS Fomentar a integração dos alunos no contexto escolar, promovendo o sucesso educativo Agir preventiva

Leia mais

Constituição do Núcleo Executivo:

Constituição do Núcleo Executivo: Índice Constituição do Núcleo Executivo Pág. 2 Constituição do Conselho Local de Ação Social de Sousel Pág. 3 Enquadramento Pág. 4 Introdução Pág. 5 Metodologia Pág. 6 Linhas Orientadoras Pág. 7 Eixo 1

Leia mais

1 INTRODUÇÃO O PLANO DE ACÇÃO AVALIAÇÃO...14 PLANO DE ACÇÃO DE 2009 PÁGINA 1 DE 15

1 INTRODUÇÃO O PLANO DE ACÇÃO AVALIAÇÃO...14 PLANO DE ACÇÃO DE 2009 PÁGINA 1 DE 15 ÍNDICE 1 INTRODUÇÃO...2 2 O PLANO DE ACÇÃO 2009... 3 3 AVALIAÇÃO....14 PLANO DE ACÇÃO DE 2009 PÁGINA 1 DE 15 INTRODUÇÃO Depois de elaborado o diagnóstico social e o plano de desenvolvimento social surge

Leia mais

RELATÓRIO DE MONITORIZAÇÃO CLDS MARINHA SOCIAL

RELATÓRIO DE MONITORIZAÇÃO CLDS MARINHA SOCIAL RELATÓRIO DE MONITORIZAÇÃO CLDS MARINHA SOCIAL O presente relatório reflecte a actividade do CLDS Marinha Social, desde o inicio da sua actividade, em Julho de 2009 até Junho de 2010, analisando-se 2 momentos

Leia mais

FORMULÁRIO DE INSCRIÇÃO. Setor de Atividade Atividades de apoio social para pessoas idosas, com alojamento.

FORMULÁRIO DE INSCRIÇÃO. Setor de Atividade Atividades de apoio social para pessoas idosas, com alojamento. FORMULÁRIO DE INSCRIÇÃO Organização Centro Social Paroquial de Dornelas Diretor(a) Dra. Ana Lopes Fernandes Setor de Atividade 87301 Atividades de apoio social para pessoas idosas, com alojamento. Número

Leia mais

CLDS 3G REDONDO. Gerar Evolução

CLDS 3G REDONDO. Gerar Evolução CLDS 3G REDONDO Gerar Evolução Enquadramento: A presente síntese do projeto CLDS 3G Redondo GERAR EVOLUÇÃO, da responsabilidade Entidade Coordenadora Local (Centro Infantil Nossa Senhora da Saúde de Redondo),

Leia mais

GUIA PRÁTICO RESPOSTAS SOCIAIS INFÂNCIA E JUVENTUDE CRIANÇAS E JOVENS EM SITUAÇÃO DE PERIGO

GUIA PRÁTICO RESPOSTAS SOCIAIS INFÂNCIA E JUVENTUDE CRIANÇAS E JOVENS EM SITUAÇÃO DE PERIGO Manual de GUIA PRÁTICO RESPOSTAS SOCIAIS INFÂNCIA E JUVENTUDE CRIANÇAS E JOVENS EM SITUAÇÃO DE PERIGO INSTITUTO DA SEGURANÇA SOCIAL, I.P ISS, I.P. Departamento/Gabinete Pág. 1/11 FICHA TÉCNICA TÍTULO Guia

Leia mais

Rede Social CLAS Fornos de Algodres C.L.A.S. CONSELH0 LOCAL DE ACÇÃO SOCIAL DO MUNICIPIO DE FORNOS DE ALGODRES

Rede Social CLAS Fornos de Algodres C.L.A.S. CONSELH0 LOCAL DE ACÇÃO SOCIAL DO MUNICIPIO DE FORNOS DE ALGODRES C.L.A.S. CONSELH0 LOCAL DE ACÇÃO SOCIAL DO MUNICIPIO DE FORNOS DE ALGODRES ABRIL DE 2009 NOTA INTRODUTÓRIA No documento aqui apresentado estão identificados os projectos e intervenções a realizar no Município

Leia mais

Contracepção e Saúde Reprodutiva no. Duarte Vilar Director Executivo da APF

Contracepção e Saúde Reprodutiva no. Duarte Vilar Director Executivo da APF Melhores Escolhas Melhor Saúde Contracepção e Saúde Reprodutiva no Contexto da Formação Profissional Duarte Vilar Director Executivo da APF Antecedentes Desde 1983: colaboração entre a APF e diversos CFP

Leia mais

E A NECESSIDADE DE UM VERDADEIRO PLANO ESTRATÉGICO PARA A EDUCAÇÃO NO CONCELHO DA LOURINHÃ

E A NECESSIDADE DE UM VERDADEIRO PLANO ESTRATÉGICO PARA A EDUCAÇÃO NO CONCELHO DA LOURINHÃ CARTA EDUCATIVA E A NECESSIDADE DE UM VERDADEIRO PLANO ESTRATÉGICO PARA A EDUCAÇÃO NO CONCELHO DA LOURINHÃ CONTRIBUTOS ASSOCIAÇÃO DE PAIS E ENCARREGADOS DE EDUCAÇÃO DO AGRUPAMENTO D. LOURENÇO VICENTE -FEVEREIRO

Leia mais

ENQUADRAMENTO DO VOLUNTARIADO NA UNIVERSIDADE DE AVEIRO

ENQUADRAMENTO DO VOLUNTARIADO NA UNIVERSIDADE DE AVEIRO ENQUADRAMENTO DO VOLUNTARIADO NA UNIVERSIDADE DE AVEIRO Considerando: O relevo formativo, social, cultural e cívico do voluntariado e o papel importante que a Universidade de Aveiro (UA) pode desempenhar

Leia mais

Lisboa 2015 FICHA DE CANDIDATURA

Lisboa 2015 FICHA DE CANDIDATURA Lisboa 2015 Refª: 038 DE JOVEM A LIDER Grupo de Trabalho dos Bairros e Zonas de Intervenção Prioritária (BIP/ZIP) Rua Nova do Almada, nº 2-3º Andar 1100-060 Lisboa Telefone: 21 322 73 60 Email - bip.zip@cm-lisboa.pt

Leia mais

REGIMENTO DO CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE VILA FLOR

REGIMENTO DO CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE VILA FLOR REGIMENTO DO CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE VILA FLOR PREÂMBULO A Lei n.º 75/2013, de 12 de Setembro, diploma que estabelece, entre outros, o regime jurídico das autarquias locais, veio atribuir, no

Leia mais

Programa BIP/ZIP 2015

Programa BIP/ZIP 2015 Programa BIP/ZIP 2015 FICHA DE CANDIDATURA Refª: 086 Ensaio HD Grupo de Trabalho dos Bairros e Zonas de Intervenção Prioritária (BIP/ZIP) Rua Nova do Almada, nº 2-3º Andar 1100-060 Lisboa Telefone: 21

Leia mais

BOLSAS SOCIAIS EPIS - ESCOLAS DE FUTURO Regulamento para atribuição de bolsas sociais a alunos do Ensino Secundário em 2011/2012

BOLSAS SOCIAIS EPIS - ESCOLAS DE FUTURO Regulamento para atribuição de bolsas sociais a alunos do Ensino Secundário em 2011/2012 BOLSAS SOCIAIS EPIS - ESCOLAS DE FUTURO Regulamento para atribuição de bolsas sociais a alunos do Ensino Secundário em 2011/2012 A Associação EPIS Empresários Pela Inclusão Social foi criada em 2006 por

Leia mais

Comissão de Protecção De Crianças e Jovens De Arganil. Plano de Acção. Ano 2011 ACÇÃO Nº I SABER SER, SABER ESTAR

Comissão de Protecção De Crianças e Jovens De Arganil. Plano de Acção. Ano 2011 ACÇÃO Nº I SABER SER, SABER ESTAR Comissão de Protecção De Crianças e Jovens De Arganil Plano de Ano 2011 ACÇÃO Nº I SABER SER, SABER ESTAR ACÇÃO N.º I CONFERÊNCIA: Os Direitos das Crianças Gerais Específico Recursos a Afectar Calendarização

Leia mais

SERVIÇOS DE PSICOLOGIA E ORIENTAÇÃO SPO

SERVIÇOS DE PSICOLOGIA E ORIENTAÇÃO SPO SERVIÇOS DE PSICOLOGIA E ORIENTAÇÃO SPO DECRETO-LEI Nº190/1991 DE 17 MAIO DECRETO-LEI Nº300/1997 DE 31 OUTUBRO / PORTARIA Nº 63 / 2001 DE 30 DE JANEIRO A escola e seus actores Agrupamento de Escolas de

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE REAL REGULAMENTO OFERTAS EDUCATIVAS ALTERNATIVAS AO ENSINO REGULAR ANEXO II

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE REAL REGULAMENTO OFERTAS EDUCATIVAS ALTERNATIVAS AO ENSINO REGULAR ANEXO II Ofertas Educativas Artigo 1.º Âmbito O presente regulamento estabelece as diretrizes essenciais ao funcionamento do curso vocacional, adequando, esclarecendo e integrando as normas legais presentes na

Leia mais

REDE SOCIAL POEFDS. UNIÃO EUROPEIA Fundo Social Europeu

REDE SOCIAL POEFDS. UNIÃO EUROPEIA Fundo Social Europeu REDE SOCIAL POEFDS UNIÃO EUROPEIA Fundo Social Europeu Vila Nova ÍNDICE Nota Introdutória ----------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------3

Leia mais

Concurso de fotografia Somos todos peões REGULAMENTO 1. ENQUADRAMENTO

Concurso de fotografia Somos todos peões REGULAMENTO 1. ENQUADRAMENTO Concurso de fotografia Somos todos peões REGULAMENTO 1. ENQUADRAMENTO O concurso de fotografia Somos todos peões decorre por ocasião da Segunda Semana Mundial de Segurança Rodoviária, promovida pelas Nações

Leia mais

Programa 2012 FICHA DE CANDIDATURA. Refª: 009 "Ajuda no Bairro"

Programa 2012 FICHA DE CANDIDATURA. Refª: 009 Ajuda no Bairro Programa 2012 FICHA DE CANDIDATURA Refª: 009 "Ajuda no Bairro" Grupo de Trabalho dos Bairros e Zonas de Intervenção Prioritária (BIP/ZIP) Rua Nova do Almada, nº 2-3º Andar 1100-060 Lisboa Telefone: 21

Leia mais

Actividades de dinamização social e melhoria da qualidade de vida

Actividades de dinamização social e melhoria da qualidade de vida Actividades de dinamização social e melhoria da qualidade de vida O EXEMPLO DA CÂMARA MUNICIPAL DE VALONGO EUNICE NEVES OBJECTIVOS Igualdade Direitos Humanos Cidadania Activa e Inclusiva Conciliação Novas

Leia mais

INTRODUÇÃO. Escola. Comunidade/ Território Local

INTRODUÇÃO. Escola. Comunidade/ Território Local INTRODUÇÃO Este documento foi concetualizado como uma ferramenta para a construção de um território Educador, em que a educação e a formação podem acontecer dentro e fora da escola, através da promoção

Leia mais

BOMBEIROS VOLUNTÁRIOS DE ALJEZUR

BOMBEIROS VOLUNTÁRIOS DE ALJEZUR ALJEZUR, 4 DE DEZEMBRO DE 7 INTRODUÇÃO Desde a sua criação até aos dias de hoje, a formação interna dos elementos que constituem o Corpo de Bombeiros Voluntários de Aljezur, tem sido uma constante, na

Leia mais

ÍNDICE. Índice de quadros...i Índice de gráficos...ii Índice de figuras... III

ÍNDICE. Índice de quadros...i Índice de gráficos...ii Índice de figuras... III ÍNDICE Pág. de quadros...i de gráficos...ii de figuras... III 1. Introdução...1 1.1. Preâmbulo...1 1.2. Conceito e finalidade...3 1.3. Conteúdo da Carta Educativa...6 1.4. Intervenientes e metodologia

Leia mais

PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS. Proposta de Lei n.º 18/XII. Exposição de Motivos

PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS. Proposta de Lei n.º 18/XII. Exposição de Motivos Proposta de Lei n.º 18/XII Exposição de Motivos Nos últimos anos, os serviços e órgãos da administração directa e indirecta do Estado, bem como as Regiões Autónomas e as autarquias locais, têm, no âmbito

Leia mais

Programa 2012 FICHA DE CANDIDATURA. Refª: 010 Espaço de (Re) Encontro Familiar Pais-Filhos

Programa 2012 FICHA DE CANDIDATURA. Refª: 010 Espaço de (Re) Encontro Familiar Pais-Filhos Programa 2012 FICHA DE CANDIDATURA Refª: 010 Espaço de (Re) Encontro Familiar Pais-Filhos Grupo de Trabalho dos Bairros e Zonas de Intervenção Prioritária (BIP/ZIP) Rua Nova do Almada, nº 2-3º Andar 1100-060

Leia mais

PLANO DE AÇÃO 2016 COMISSÃO SOCIAL DE FREGUESIA DE ENCOSTA DO SOL

PLANO DE AÇÃO 2016 COMISSÃO SOCIAL DE FREGUESIA DE ENCOSTA DO SOL PLANO DE AÇÃO 2016 COMISSÃO SOCIAL DE FREGUESIA DE ENCOSTA DO SOL Ficha Técnica: Titulo: Plano Ação 2016 Documento Elaborado Por: Núcleo Executivo da CSF de Encosta do Sol Coordenação Geral: Armando Jorge

Leia mais