A Rede Social é definida como um fórum de articulação e congregação de esforços baseado na adesão livre por parte das autarquias e das entidades

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "A Rede Social é definida como um fórum de articulação e congregação de esforços baseado na adesão livre por parte das autarquias e das entidades"

Transcrição

1 1

2 A Rede Social é definida como um fórum de articulação e congregação de esforços baseado na adesão livre por parte das autarquias e das entidades públicas ou privadas sem fins lucrativos que nela queiram participar. Estas Entidades deverão concertar os seus esforços com vista à erradicação ou atenuação da pobreza e da exclusão social e à promoção do desenvolvimento social. 2

3 Índice Enquadramento pag.4 e 5 Quadro pag.6 Quadro pag.7 Eixo pag.8 Eixo pag.9 a 15 Eixo pag.16 a 24 PNAI Plano de Acção pag.25 e 26 3

4 Enquadramento do Plano de Acção do CLAS de Castelo de Vide A Rede Social de Castelo de Vide é um fórum de articulação e congregação de esforços baseado na adesão por parte das entidades públicas ou privadas do concelho tendo em vista a erradicação ou atenuação da pobreza e exclusão, pela promoção do desenvolvimento social. Pretende-se fomentar uma consciência colectiva dos problemas sociais e contribuir para a activação dos meios e agentes de resposta e para a optimização possível dos meios de acção no concelho. Propõe-se através de formas de conjugação de esforços regulares a definição das prioridades do planeamento concertado, em particular das acções desenvolvidas pelos diferentes agentes da comunidade. O Plano de Acção que agora se apresenta consigna, para além dos documentos de carácter concelhio, as determinações do Plano Nacional para a Acção, Crescimento e Emprego (PNACE), do Plano Nacional de Acção para a Inclusão (PNAI), do Plano Nacional de Emprego (PNE), do Plano Nacional de Saúde (PNS), do Plano Nacional para a Igualdade (PNI) e do Plano Nacional de Combate à Violência Doméstica (PNCVD), entre outros. O Plano de Acção para o ano, à semelhança dos anteriores, foi construído de forma realista tendo por base os recursos das instituições locais e a implicação actual dos parceiros. O grande objectivo deste Plano de Acção é a implementação de actividades que 4

5 Quadro 1: Composição do Conselho Local de Acção Social de Castelo de Vide vão ao encontro das reais necessidades da população concelhia, para assim reduzir a pobreza e vulnerabilidade face à exclusão social, contribuindo simultaneamente para o reforço da coesão social. Através dele pretende-se dar sequência a algumas das acções já implementadas e simultaneamente iniciar novos projectos que visem uma melhor resposta social, respeitando o Plano de Desenvolvimento Social e o Diagnóstico Social do Concelho. A concretização das acções programadas para cada eixo prioritário definido, depende em grande parte, das sinergias das diversas entidades locais envolvidas, e fundamentalmente, do seu desenvolvimento concertado e coordenado entre os parceiros do CLAS. Convém salientar que foi do entendimento do Núcleo Executivo que o cronograma das Acções referentes a este Plano se reporte ao início do seu desenvolvimento e não à data da aprovação deste Plano de Acção (Setembro de ). 5

6 Câmara Municipal de Castelo de Vide Centro de Saúde de Castelo de Vide Equipa de Intervenção Precoce de Castelo de Vide Associação de Pais das Escolas do Concelho de Castelo de Vide Casa do Povo de Castelo de Vide Centro de Reabilitação e Formação Profissional Direcção Regional de Educação do Alentejo Fundação Nossa Senhora da Esperança Grupo de Folclore e Cultura de Póvoa e Meadas Centro de Emprego de Portalegre Junta de Freguesia de Santa Maria da Devesa Junta de Freguesia de são João Batista OCRE associação para a Valorização do Ambiente, Cultura, Património e Lazer Santa Casa da Misericórdia de Castelo de Vide Centro Distrital de Segurança Social de Portalegre Agrupamento de Escolas de Castelo de Vide Associação de Jovens Terras de Vide Banda União Artística Centro Paroquial de Assistência de Castelo de Vide Cooperativa Sintra do Alentejo Fábrica da Igreja de Castelo de Vide Grupo de Amigos de Castelo de Vide Guarda Nacional Republicana Junta de Freguesia de Póvoa e Meadas Junta de Freguesia de Santiago Maior Lar da 3ª. Idade de Nossa Senhora da Graça Ranchos Folclóricos Castelo de Vide e Póvoa e Meadas Sociedade Recreativa 1º. de Dezembro de Castelo de Vide 6

7 Câmara Municipal de Castelo de Vide Quadro 2: Núcleo Executivo do CLAS Centro Distrital de Segurança de Segurança Social de Portalegre Centro de Saúde de Castelo de Vide Agrupamento de Escolas de Castelo de Vide Junta de Freguesia de Santa Maria da Devesa Lar da 3ª. Idade de Nossa Senhora da Graça Santa Casa da Misericórdia de Castelo de Vide 7

8 O Plano de Acção do Concelho de Castelo de Vide para o ano consolida-se em 2 eixos: Eixo 1 Fazer face ao Impacto das alterações Demográficas Eixo 2 Promoção da Inclusão Social 8

9 EIXO 1 Fazer face ao Impacto das Alterações Demográficas Apoiar a Natalidade e a Infância Apoiar a conciliação entre a actividade profissional e a vida pessoal e familiar Promover o envelhecimento activo com qualidade e prevenir e apoiar a dependência Objectivo Geral Melhorar a qualidade de vida e o bem-estar da população idosa, das crianças e jovens do Concelho, através do alargamento, diversificação e melhoria da rede de equipamentos, serviços e instrumentos de apoio social. Objectivos Específicos Aumentar, readaptar e diversificar as respostas de apoio social à 3.ª Idade, Crianças e Jovens do Concelho 9

10 Objectivos/Enquadramentos Acções Cronograma Parcerias/Promotores Indicadores de Execução Comparticipação nas despesas de saúde dos Idosos pertencentes a estratos sociais desfavorecidos, através do Cartão Social. Comparticipação de medicamentos a idosos em situação sócio - económica desfavorável e com elevados encargos com despesas de Saúde. Julho a Dezembro de - Técnicos do Município - Orçamento Municipal Município de Castelo de Vide possuidores do Cartão Social usufrutuários da comparticipação nas despesas de saúde -Volume total da comparticipação em despesas de saúde 10

11 Objectivos/Enquadramentos Acções Cronograma Parcerias/Promotores Indicadores de Execução Desenvolver Programas de Apoio à Habitação Degradada Dar continuidade ao processo de implementação do Programa de Conforto Habitacional (PCHI) iniciado no ano 2008 Janeiro a Dezembro de - Técnicos da Divisão de Planeamento e Projectos do Município - Técnicos de Acção Social do Município - Município de Castelo de Vide - ISS,IP Centro Distrital de Portalegre candidaturas apresentadas aos Programas de Apoio à Habitação; Realizar as intervenções nas habitações dos Idosos que apresentaram as respectivas candidaturas -Técnicos do ISS, IP Centro Distrital de Portalegre intervenções concluídas. 11

12 Objectivos/Enquadramentos Acções Cronograma Parcerias/Promotores Indicadores de Execução Concertação de espaços com a Cooperativa de Habitação tendo em vista a construção de habitação a custos controlados Cedência de terreno Municipal à cooperativa de habitação Sintra do Alentejo. Agosto a Dezembro de Técnicos da Divisão de Planeamento e Projectos do Município. - Município de Castelo de Vide - Cooperativa de Habitação Sintra do Alentejo Taxa de Cobertura (%) = Fogos X100 Cooperadores - IHRV 12

13 Objectivos/Enquadramentos Promover o Envelhecimento Activo Acções Implementação e Dinamização de actividades regulares de ocupação dos tempos livres dos Idosos; Desenvolvimento de actividades de entretenimento pontual (festividades tradicionais, Carnaval, Santos Populares, dia do Idoso, São Martinho); Impulsionar a dinamização de actividades nas respostas sociais para a comunidade em geral. Actividades para um envelhecimento activo. Cronograma Janeiro a Dezembro de -Técnicos de Acção Social do Município - Gabinete de Desporto do Município - IPSS do Concelho - Técnicos de Saúde -Divulgação das Actividades Financiamento para a execução das actividades pelo Município Parcerias - Município de Castelo de Vide - Lar da 3ª. Idade de Nossa Senhora da Graça de Póvoa e Meadas - Santa Casa da Misericórdia de Castelo de Vide - Fundação Nossa Senhora da Esperança - Juntas de Freguesia do Concelho - Centro de Saúde Indicadores de Execução Actividades executadas 13

14 Objectivos/Enquadramentos Acções Cronograma Parcerias Indicadores de Execução Dotar o Concelho de respostas de Cuidados Integrados de forma a responder as necessidades de Saúde e Reabilitação da População Idosa do Concelho Promover o alargamento da resposta social (lar) existente e/ ou implementar novas respostas sociais Promover candidaturas a Programas nacionais e Comunitários que visem o apoio à Construção/remodelação de infra-estruturas de natureza social Janeiro a Dezembro de - Técnicos dos;iss,ip - Centro Distrital de Portalegre - IPSS do Concelho - Outras instituições do CLAS - IPSS do Concelho - Município de Castelo de Vide - ISS,IP - Centro Distrital de Portalegre - Outras instituições do CLAS candidaturas a Programas Nacionais 14

15 Objectivos/Enquadramentos Acções Cronograma Parceria/Promotoras Indicadores de Execução Promover os enquadramentos, apoios e políticas dirigidas à Infância e Juventude entre os elementos do CLAS Colaborar com os enquadramentos responsáveis/promotores de Acções dirigidas à Infância e Juventude Facilitar o desenvolvimento pleno das inerências das Entidades CPCJ, GAJ, equipa de Saúde Escolar; Comemoração do Dia Mundial da Criança. Janeiro a Dezembro de - Equipa de Saúde Escolar - Membros da CPCJ - Responsáveis pelo Gabinete de Apoio aos Jovens - Agrupamento de Escolas - Comissão de Protecção de Crianças e Jovens - Centro de Saúde - Município de Castelo de Vide actividades desenvolvidas elementos envolvidos - Outras entidades do CLAS 15

16 Eixo 2 Promoção da Inclusão Social (Redução de desigualdades) Promover a inclusão social activa Melhorar as condições de vida em território e habitats mais vulneráveis Favorecer a inclusão social de grupos específicos, nomeadamente Pessoas com deficiências ou incapacidades, Imigrantes e minorias étnicas, pessoas sem-abrigo Objectivo Geral Elevar qualitativamente e quantitativamente os níveis de escolaridade da população jovem com vista ao desenvolvimento pessoal e à inclusão social Objectivos Específicos Desenvolver uma parceria efectiva com o objectivo de combater o absentismo e o abandono escolar. Aumentar os níveis de literacia e o sucesso escolar. Aumentar e diversificar a oferta de oportunidades que fomentem a inserção dos cidadãos na vida activa. 16

17 Objectivos/Enquadramentos Acções Cronograma Parcerias/Promotores Indicadores de Execução Atribuição de Bolsas de Estudo a alunos carenciados Atribuição de Bolsas de Estudo a alunos carenciados do Ensino Secundário e do Ensino Superior. Janeiro a Junho Setembro a Dezembro - Equipa Técnica do Município e Juntas de Freguesia do Concelho - Orçamento disponível para a actividade Município de Castelo de Vide Bolsas atribuídas famílias apoiadas - % de apoiados com sucesso escolar 17

18 Objectivos/Enquadramentos Acções Cronograma Parcerias/Promotores Indicadores de Execução Currículos Alternativos Proporcionar aos jovens com dificuldades de aprendizagem currículos escolares alternativos de forma a terem a possibilidade de usufruir de actividades alternativas às existentes nos seus Centros Escolares. Janeiro a Junho de Setembro a Dezembro de - Alunos do Agrupamento de Escolas de Castelo de Vide - Professores - Transportes do Município - Agrupamento de Escolas de Castelo de Vide - Município de Castelo de Vide Actividades realizadas alunos envolvidos 18

19 Objectivos/Enquadramentos Acções Cronograma Parcerias/Promotores Indicadores de Execução Alfabetização de Adultos Criação de uma turma Sénior de Alfabetização de Adultos no Agrupamento de Escolas de Castelo de Vide Janeiro a Junho de Setembro a Dezembro de - Professores do 1º. Ciclo do Ensino Básico - Alunos Seniores - Espaços Físicos - Agrupamento de Escolas de Castelo de Vide - Município de Castelo de Vide - Juntas de Freguesia do Concelho alunos em Castelo de Vide alunos em Póvoa e Meadas alfabetizados reprovados -Numero de desistentes 19

20 Objectivos/Enquadramentos Acções Cronograma Promotores/Parcerias Indicadores de Execução Cursos de Formação e Educação de Adultos Curso de empreendedorismo: Mulheres em acção; Curso de Informática para activos; Curso de qualificação de comerciantes; Cursos de qualificação de técnicos associativos em Job shadowing. Junho a Dezembro - Técnicos e formadores OCRE - Salas do Centro de Interpretação OCRE, CNO, ICNB inscritos aprovados - Taxa de assiduidade deslocados em formação técnica 20

21 Objectivos/Enquadramentos Promover os Percursos Escolares Alternativos Acções - Reconhecimento e validação de competências adquiridas (RVCC); -Constituição de turmas de Percursos Escolares Alternativos com equivalência à escolaridade mínima obrigatória. Ensino recorrente nocturno com equivalência ao 12º. Ano de escolaridade e a formação profissional com equivalência ao 9º. Ano e 12º. Anos de escolaridade; - Cursos EFA; - Curso de Português para EstrangeirosE Cronograma Janeiro a Dezembro de - Agrupamento de Escolas - Alunos Técnicos do Centro de Novas Oportunidades - Técnicos e formadores adstritos à OCRE - Espaços Físicos - POPH Parcerias/Promotores - Agrupamento de Escolas de Castelo de Vide (Centro Novas Oportunidades) - Município de Castelo de Vide - OCRE -Associação para a Valorização do Ambiente Cultura Património e Lazer Indicadores de Execução inscritos; alunos com competências validadas; - Taxa de Abandono Escolar; alunos com carteira profissional; alunos que concluíram o ciclo de formação 21

22 Objectivos/ Enquadramentos Acções Cronograma Parcerias/Promotores Indicadores de Execução Dinamizar a Unidade de Inserção na Vida Activa (UNIVA) a nível concelhio Estas Unidades passam a GIP em Informação acolhimento, colocação, coordenação e gestão de projectos de Integração de Jovens no mundo do trabalho; - Apoio à procura activa de emprego; - Divulgação de ofertas de emprego e actividades de colocação; - Captação de ofertas de entidades empregadoras Janeiro a Abril GIP Maio a Dezembro - Técnica da Univa - Técnica do GIP - Técnicos do Centro de Emprego - Outros Técnicos de entidades do CLAS - Material Informático - Instituto do Emprego e Formação Profissional - Entidades do CLAS - Município de Castelo de Vide inscritos na Univa Local/GIP inseridos em Formação parceiros envolvidos no Projecto 22

23 Objectivos/Enquadramentos Acções Cronograma Parceria/Promotores Indicadores de Execução Programa Estágios Profissionais na Administração Local (Pepal) Promover a abertura de estágios em entidades Inserção dos estagiários no mercado de trabalho Janeiro a Junho de Outubro a Dezembro de - Técnicos da Autarquia - Estagiários - POPH - Câmara Municipal de Castelo de Vide - Direcção Geral da Administração Autarquica Estagiários 23

24 Objectivos/Enquadramentos Programa Estágios Qualificação-Emprego Apoiar a transição entre o sistema de qualificação e emprego; Apoiar a melhoria das qualificações e a reconversão da estrutura produtiva de Mercado de trabalho Programa Estágios Profissionais Acções - Desenvolvimento de competências de população desempregada de forma a facilitar o seu recrutamento e integração; - Apoio à inserção na vida activa de desempregados que obtiveram qualificações em áreas distintas da sua formação de origem; - Promover o acesso à informação / recursos por parte de empregadores; Cronograma Agosto de a Dezembro de - Técnicos da Autarquia - Técnicos do Instituto de Emprego e Formação Profissional - Estagiários - Entidades sem fins lucrativos Parcerias/Promotores - Instituto do Emprego e Formação Profissional - Município de Castelo de Vide - Entidades sem fins lucrativos Indicadores de Execução - Números de estagiários estagiários com pós colocação em mercado de trabalho. - Facilitar a criação de emprego em novas áreas. 24

25 PNAI/PLANO DE ACÇÃO PNAI ACÇÕES e ENQUADRAMENTOS Eixo 1 Fazer face ao Impacto das alterações Demográficas Promover os enquadramentos apoios, e políticas dirigidas à Infância e Juventude Apoiar a natalidade e a Infância Apoiar a conciliação entre a actividade profissional e a vida pessoal e familiar Promover o Envelhecimento Activo com qualidade e prevenir e apoiar a dependência Promover o Envelhecimento Activo Desenvolver Programas de Apoio à Habitação Degradada Dotar o concelho de respostas de Cuidados Continuados Integrados de forma a responder às necessidades de Saúde e Reabilitação da População Idosa do Concelho Promover o alargamento da resposta social (lar) existentes e /ou implementar novas respostas sociais 25

26 PNAI/PLANO DE ACÇÃO PNAI ACÇÕES e ENQUADRAMENTOS Eixo 2 Promoção da inclusão social (redução de desigualdades) Promover a inclusão social activa Melhorar as condições de vida em territórios e Atribuir bolsas de estudo a alunos carenciados do Ensino Secundário e do Ensino Superior Promover Currículos alternativos Incentivar Cursos de Educação e Formação de adultos Desenvolver a Alfabetização de adultos habitats mais vulneráveis Promover os Percursos Escolares Alternativos Favorecer a inclusão social de grupos específicos, nomeadamente Pessoas com deficiências ou incapacidades, Imigrantes e minorias étnicas, Pessoas sem-abrigo Dinamizar a Unidade de Inserção na vida activa (Univa) e o Gabinete de Inserção Profissional (GIP) a nível concelhio Implementar Estágios Profissionais na Administração Local (Pepal) e Programa Estágios Qualificação - Emprego 26

2008 Concelho de Ourique

2008 Concelho de Ourique Plano de Acção 2008 Concelho de Rede Social Programa Rede Social Conselho Local de Acção Social de Janeiro 2008 Ficha Técnica Título: Plano de Acção 2008 do Concelho de Autoria: Núcleo Executivo da Rede

Leia mais

APRESENTAÇÃO DO PROGRAMA

APRESENTAÇÃO DO PROGRAMA APRESENTAÇÃO DO PROGRAMA AGENDA AS 5 MARCAS DO POPH I EIXOS PRIORITÁRIOS II ARRANQUE DO PROGRAMA III I AS 5 MARCAS DO POPH AS 5 MARCAS DO POPH 1 O MAIOR PROGRAMA OPERACIONAL DE SEMPRE 8,8 mil M 8,8 Mil

Leia mais

Constituição do Núcleo Executivo:

Constituição do Núcleo Executivo: Índice Constituição do Núcleo Executivo Pág. 2 Constituição do Conselho Local de Ação Social de Sousel Pág. 3 Enquadramento Pág. 4 Introdução Pág. 5 Metodologia Pág. 6 Linhas Orientadoras Pág. 7 Eixo 1

Leia mais

Conselho Local de Ação Social

Conselho Local de Ação Social Conselho Local de Ação Social Índice Introdução... 6 Eixo I - Demografia... 7 Eixo II Educação/Nível de Instrução... 8 Eixo III Economia... 11 Eixo IV Grupos Vulneráveis... 13 Avaliação.26 2 Ficha Técnica

Leia mais

Plano de Acção 2006/2007. Rede Social Concelho da Lourinhã

Plano de Acção 2006/2007. Rede Social Concelho da Lourinhã Plano de Acção 2006/2007 Rede Social Concelho da Lourinhã E I X O I Intervenção Dirigida a Grupos Específicos EIXO I : INTERVENÇÃO DIRIGIDA A GRUPOS ESPECIFICOS OBJECTIVO GERAL: Até Dezembro de 2007 existem

Leia mais

Plano de Ação para 2012

Plano de Ação para 2012 Área da Ação Plano de Ação para 2012 CRONOGRAMA ÁREA DE INTERVENÇÃO ATIVIDADES 2012 Recursos Humanos Janeiro Fevereiro Março Abril Maio Junho Julho Agosto Setembro Outubro Novembro Dezembro O atendimento

Leia mais

Objectivos Específicos Acções Principais Resultados a Atingir

Objectivos Específicos Acções Principais Resultados a Atingir Núcleo Executivo / Secretariado Técnico Rede Social Loures Aprovado na reunião de CLAS de 19.Fevereiro.2009 Objectivo Superior Objectivos Específicos Acções Principais Resultados a Atingir Monitorização

Leia mais

Conselho Local de Ação Social de Figueira de Castelo Rodrigo

Conselho Local de Ação Social de Figueira de Castelo Rodrigo REDE SOCIAL Conselho Local de Ação Social de Figueira de Castelo Rodrigo Regulamento Interno [9/04/2014] REGULAMENTO INTERNO DO CONSELHO LOCAL DE ACÇÃO SOCIAL DO CONCELHO DE FIGUEIRA DE CASTELO RODRIGO

Leia mais

GUIA PRÁTICO RESPOSTAS SOCIAIS INFÂNCIA E JUVENTUDE CRIANÇAS E JOVENS EM SITUAÇÃO DE PERIGO

GUIA PRÁTICO RESPOSTAS SOCIAIS INFÂNCIA E JUVENTUDE CRIANÇAS E JOVENS EM SITUAÇÃO DE PERIGO Manual de GUIA PRÁTICO RESPOSTAS SOCIAIS INFÂNCIA E JUVENTUDE CRIANÇAS E JOVENS EM SITUAÇÃO DE PERIGO INSTITUTO DA SEGURANÇA SOCIAL, I.P ISS, I.P. Departamento/Gabinete Pág. 1/11 FICHA TÉCNICA TÍTULO Guia

Leia mais

Plano de Desenvolvimento Social de Almodôvar 2015/2017

Plano de Desenvolvimento Social de Almodôvar 2015/2017 Plano de Desenvolvimento Social de FICHA TÉCNICA Título: Plano de Desenvolvimento Social do Concelho de Coordenação Técnica: Câmara Municipal de Divisão de Intervenção Social, Educação, Cultura, Desporto

Leia mais

PROGRAMA PARA A INCLUSÃO E DESENVOLVIMENTO PROGRIDE

PROGRAMA PARA A INCLUSÃO E DESENVOLVIMENTO PROGRIDE PROGRAMA PARA A INCLUSÃO E DESENVOLVIMENTO PROGRIDE RELATÓRIO ANUAL DE EXECUÇÃO MEDIDA / MEDIDA 009/00 INSTITUTO DA SEGURANÇA SOCIAL, I.P. Programa para a Inclusão e Desenvolvimento Relatório Anual de

Leia mais

SESSÃO DE ESCLARECIMENTO

SESSÃO DE ESCLARECIMENTO SESSÃO DE ESCLARECIMENTO AGENDA AS 5 MARCAS DO POPH I EIXOS PRIORITÁRIOS II ARRANQUE DO PROGRAMA III I AS 5 MARCAS DO POPH AS 5 MARCAS DO POPH 1 O MAIOR PROGRAMA OPERACIONAL DE SEMPRE 8,8 mil M 8,8 Mil

Leia mais

Programa Operacional Regional Alentejo 2014/2020

Programa Operacional Regional Alentejo 2014/2020 Programa Operacional Regional Alentejo 2014/2020 Évora, 9 de setembro de 2015 Identidade, Competitividade, Responsabilidade Lezíria do Tejo Alto Alentejo Alentejo Central Alentejo Litoral Baixo Alentejo

Leia mais

Relatório de Actividades. Ano 2006. Rede Social de Lagos

Relatório de Actividades. Ano 2006. Rede Social de Lagos Relatório de Actividades Ano 2006 Rede Social de Lagos Núcleo Executivo e CLAS- Conselho Local de Acção Social Núcleo Executivo - 27 Reuniões de Trabalho Actividades (Trabalho de planificação, concepção,

Leia mais

RELATÓRIO DE ACTIVIDADES 2013

RELATÓRIO DE ACTIVIDADES 2013 RELATÓRIO DE ACTIVIDADES 2013 I. Introdução O ano de 2013 foi um ano marcado por grandes investimentos na Comunidade Terapêutica, por forma a criar condições estruturais que possibilitem a formação e integração

Leia mais

Contracepção e Saúde Reprodutiva no. Duarte Vilar Director Executivo da APF

Contracepção e Saúde Reprodutiva no. Duarte Vilar Director Executivo da APF Melhores Escolhas Melhor Saúde Contracepção e Saúde Reprodutiva no Contexto da Formação Profissional Duarte Vilar Director Executivo da APF Antecedentes Desde 1983: colaboração entre a APF e diversos CFP

Leia mais

Capítulo I Disposições Gerais

Capítulo I Disposições Gerais Regulamento Municipal do Banco Local de Voluntariado de Marco de Canaveses Preâmbulo A Lei n.º 71/98, de 3 de Novembro, estabelece as bases do enquadramento jurídico do voluntariado, visando promover e

Leia mais

REDE SOCIAL DE ALANDROAL

REDE SOCIAL DE ALANDROAL REDE SOCIAL DE ALANDROAL CONSELHO LOCAL DE ACÇÃO SOCIAL (MAIO ) Área de Intervenção: Equipamentos e Respostas Sociais e Serviços Objetivo Geral Objetivos Específicos Ação População - Alvo Entidades/ Parceiros

Leia mais

Plano Concelhio Para a Integração de Pessoas Sem Abrigo (Plano)

Plano Concelhio Para a Integração de Pessoas Sem Abrigo (Plano) Plano Concelhio Para a Integração de Pessoas Sem Abrigo (Plano) 2010-2013 RELATÓRIO DE EXECUÇÃO E AVALIAÇÃO - 2012 CMC/DIPS Ricardo Caldeira - Coordenador do Grupo de Planeamento da Intervenção com os

Leia mais

PROJECTO FUNDAMENTAÇÃO

PROJECTO FUNDAMENTAÇÃO PROJECTO FUNDAMENTAÇÃO No seguimento das propostas apresentadas por esta Direcção Regional de Educação para o Plano de Acompanhamento dos Centros de Recursos TIC (CRTIC) no ano de 2011, com uma linha orientadora

Leia mais

PLANO DE ACTIVIDADES 2009 CAO SÃO VICENTE - ÂNGELA MILHO 1.5 - FICHA DE ACTIVIDADE INSERIDA EM PROGRAMAS E PROJECTOS DESIGNAÇÃO DA ACTIVIDADE: DINAMIZAÇÃO DE ACÇÕES DE FORMAÇÃO /SENSIBILIZAÇÃO CÓDIGO:

Leia mais

Plano de Desenvolvimento Social de Ponte de Lima 2014-2017

Plano de Desenvolvimento Social de Ponte de Lima 2014-2017 Plano de Desenvolvimento Social de Ponte de Lima 2014-2017 Página 2 de 29 Plano de Desenvolvimento Social de Ponte de Lima 2014-2017 Índice Índice de Siglas. 4 Nota Prévia... 5 Exposição e Explicação dos

Leia mais

Comissão avalia o impacto do financiamento para as regiões e lança um debate sobre a próxima ronda da política de coesão

Comissão avalia o impacto do financiamento para as regiões e lança um debate sobre a próxima ronda da política de coesão IP/07/721 Bruxelas, 30 de Maio de 2007 Comissão avalia o impacto do financiamento para as regiões e lança um debate sobre a próxima ronda da política de coesão A política de coesão teve um efeito comprovado

Leia mais

CONCURSO DE IDEIAS 2014-2015 JOVENS CRIATIVOS, EMPREENDEDORES PARA O SÉCULO XXI

CONCURSO DE IDEIAS 2014-2015 JOVENS CRIATIVOS, EMPREENDEDORES PARA O SÉCULO XXI 0 REGULAMENTO DO CONCURSO DE IDEIAS 2014-2015 1. OBJETIVOS Através de um concurso de ideias, a iniciativa INOVA! visa: Estimular o espírito empreendedor, criativo e inovador das crianças e dos jovens;

Leia mais

Casa de Saúde São João de Deus

Casa de Saúde São João de Deus Casa de Saúde São João de Deus Funchal Outubro 2013 Manuel Freitas CSSJD Funchal Caminho percorrido SGQ- Situação atual CSSJD Funchal CSSJD Inaugurada 10/08/1924 OHSJD Província Portuguesa ISJD Fins de

Leia mais

Liga Nacional Contra a Fome

Liga Nacional Contra a Fome Liga Nacional Contra a Fome IPSS de Utilidade Pública PLANO DE ATIVIDADES 2016-2019 E ORÇAMENTO 2016 NOVEMBRO 2015 Liga Nacional Contra a Fome IPSS de Utilidade Pública A Liga Nacional Contra a Fome é

Leia mais

ACORDO DE PARCERIA 2014-2020 PORTUGAL 2020

ACORDO DE PARCERIA 2014-2020 PORTUGAL 2020 ACORDO DE PARCERIA 2014-2020 PORTUGAL 2020 1 Portugal 2020, o Acordo de Parceria (AP) que Portugal irá submeter à Comissão Europeia estrutura as intervenções, os investimentos e as prioridades de financiamento

Leia mais

ÓRGÃO: PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA

ÓRGÃO: PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA ÓRGÃO: PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA Programa: 0252 - CAPTAÇÃO E DIFUSÃO DE NOTÍCIAS Objetivo: Divulgar material jornalístico sobre os atos governamentais nos campos social, político, econômico, educativo,

Leia mais

ENQUADRAMENTO DO VOLUNTARIADO NA UNIVERSIDADE DE AVEIRO

ENQUADRAMENTO DO VOLUNTARIADO NA UNIVERSIDADE DE AVEIRO ENQUADRAMENTO DO VOLUNTARIADO NA UNIVERSIDADE DE AVEIRO Considerando: O relevo formativo, social, cultural e cívico do voluntariado e o papel importante que a Universidade de Aveiro (UA) pode desempenhar

Leia mais

Município da Samba - Província de Luanda

Município da Samba - Província de Luanda Ficha de Projecto Dezembro/2006 Designação Projecto Integrado para o Desenvolvimento Sociocomunitário na Missão da Corimba - Município da Samba (Província de Luanda) Missão da Corimba - Sede Localização

Leia mais

Memórias do trabalho

Memórias do trabalho Universidade Popular do Porto Candidatura de projecto à Porto 2001 SA, Capital da Cultura Memórias do trabalho testemunhos do Porto laboral no sé culo XX Agosto de 1999 (reformulação em Setembro de 2000)

Leia mais

RAMPOLIM/ Progride, Medida 1

RAMPOLIM/ Progride, Medida 1 I - Rede Social O processo REFERÊNCIAS CRONOLÓGICAS 1997 Resolução do Conselho de Ministros 197/97, de 18 de Novembro Tem início ao Programa Piloto da Rede Social. FÓRUM DE ARTICULAÇÃO E CONJUGAÇÃO DE

Leia mais

Câmara Municipal de Almeida PROGRAMA REDE SOCIAL CONSELHO LOCAL DE ACÇÃO SOCIAL DE ALMEIDA

Câmara Municipal de Almeida PROGRAMA REDE SOCIAL CONSELHO LOCAL DE ACÇÃO SOCIAL DE ALMEIDA Câmara Municipal de PROGRAMA REDE SOCIAL CONSELHO LOCAL DE ACÇÃO SOCIAL DE ALMEIDA 2016 Plano de Ação do Concelho de 2016 Este documento resulta da compilação de todos os contributos enviados pelos parceiros

Leia mais

Projetos - Vales Vocacionado para apoiar as PME. Apresentação de Candidaturas 2ª fase até 31 d Agosto 2015. Se precisa de:

Projetos - Vales Vocacionado para apoiar as PME. Apresentação de Candidaturas 2ª fase até 31 d Agosto 2015. Se precisa de: Apresentação de Candidaturas 2ª fase até 31 d Agosto 2015 Projetos - Vales Vocacionado para apoiar as PME Se precisa de: Prospetar novos Clientes em mercados externos Elaborar um plano de negócios para

Leia mais

Educador Ambiental. Curso de Formação. Eng.ª Mariana Cruz Mariana.cruz@biorumo.com

Educador Ambiental. Curso de Formação. Eng.ª Mariana Cruz Mariana.cruz@biorumo.com 1 Curso de Formação Educador Ambiental 2009 Eng.ª Mariana Cruz Mariana.cruz@biorumo.com 2 Curso de Formação: Educador Ambiental Índice: 1 Apresentação da entidade formadora e de Coordenação do Curso 2

Leia mais

Orçamento Participativo de Vila Nova de Cerveira

Orçamento Participativo de Vila Nova de Cerveira Orçamento Participativo de Vila Nova de Cerveira PREÂMBULO Os Orçamentos Participativos são símbolos de importância da participação dos cidadãos na sociedade democrática, neste sentido a Câmara Municipal

Leia mais

Resultados do Serviço Preparação para o Primeiro Emprego

Resultados do Serviço Preparação para o Primeiro Emprego Resultados do Serviço Preparação para o Primeiro Emprego Ano 2014 Administração: Rodrigo Antônio de Agostinho Mendonça Secretária do Bem Estar Social: Darlene Martin Tendolo Diretora de Departamento: Silmaire

Leia mais

Pág. 19 Pág. 20 Pág. 21 Pág. 22-23

Pág. 19 Pág. 20 Pág. 21 Pág. 22-23 1 Indice Implementação do Cartão Social..... Pág. 3 Implementação da Oficina Doméstica.. Pág. 4 Promover o Envelhecimento com Qualidade de Vida.. Pág. 5 Promover o Envelhecimento com Qualidade de Vida...

Leia mais

PARCEIROS NACIONAIS DO PROJECTO ASPIRE

PARCEIROS NACIONAIS DO PROJECTO ASPIRE PARCEIROS NACIONAIS DO PROJECTO ASPIRE Conselho Português para os Refugiados (CPR) O CPR, associação de solidariedade social e organização não governamental para o desenvolvimento (ONGD), foi constituído

Leia mais

PLANO MUNICIPAL DE ATRAÇÃO DE INVESTIMENTO

PLANO MUNICIPAL DE ATRAÇÃO DE INVESTIMENTO PLANO MUNICIPAL DE 1. CONSELHO ESTRATÉGICO ECONÓMICO DE PENAFIEL Criação de um conselho consultivo capaz de agregar agentes económicos do concelho, parceiros estratégicos e personalidades de reconhecido

Leia mais

MANDATOS DECORRENTES DA SEXTA CÚPULA DAS AMÉRICAS. As Chefes e os Chefes de Estado e de Governo das Américas nos comprometemos a:

MANDATOS DECORRENTES DA SEXTA CÚPULA DAS AMÉRICAS. As Chefes e os Chefes de Estado e de Governo das Américas nos comprometemos a: SEXTA CÚPULA DAS AMÉRICAS OEA/Ser.E 14 a 15 de abril de 2012 CA-VI/doc.6/12 Rev.2 Cartagena das Índias, Colômbia 23 maio 2012 Original: espanhol MANDATOS DECORRENTES DA SEXTA CÚPULA DAS AMÉRICAS As Chefes

Leia mais

Prioridades de capacitação em saúde da comunidade nos cuidados de saúde primários: um estudo com os ACES de Almada Seixal e Cascais

Prioridades de capacitação em saúde da comunidade nos cuidados de saúde primários: um estudo com os ACES de Almada Seixal e Cascais Prioridades de capacitação em saúde da comunidade nos cuidados de saúde primários: um estudo com os ACES de Almada Seixal e Cascais Capacitação em saúde como prioridade A capacitação dos cidadãos em saúde

Leia mais

GRUPO DE TRABALHO (INCLUINDO ALTERAÇÃO): COMISSÃO DE PROTECÇÃO DE CRIANÇAS E JOVENS EM RISCO

GRUPO DE TRABALHO (INCLUINDO ALTERAÇÃO): COMISSÃO DE PROTECÇÃO DE CRIANÇAS E JOVENS EM RISCO GRUPO DE TRABALHO (INCLUINDO ALTERAÇÃO): COMISSÃO DE PROTECÇÃO DE CRIANÇAS E JOVENS EM RISCO CRIANÇAS E JOVENS EM RISCO Índice: DIAGNÓSTICO... 51 OBJECTIVO GERAL: PROMOVER OS DIREITOS DA CRIANÇA JUNTO

Leia mais

O QUE ORIENTA O PROGRAMA

O QUE ORIENTA O PROGRAMA O QUE ORIENTA O PROGRAMA A Secretaria Especial de Políticas para as Mulheres estabeleceu um diálogo permanente com as mulheres brasileiras por meio de conferências nacionais que constituíram um marco na

Leia mais

Projeto Educativo 2013-2017

Projeto Educativo 2013-2017 Projeto Educativo 2013-2017 A Escola A CONSTRUIR Qualidade dos Recursos Recursos humanos Serviços e equipamentos Instalações Qualidade da Interação com a comunidade Família Comunidade educativa Qualidade

Leia mais

PROJECTO DE RESOLUÇÃO N.º 95/VIII COMBATE À INSEGURANÇA E VIOLÊNCIA EM MEIO ESCOLAR

PROJECTO DE RESOLUÇÃO N.º 95/VIII COMBATE À INSEGURANÇA E VIOLÊNCIA EM MEIO ESCOLAR PROJECTO DE RESOLUÇÃO N.º 95/VIII COMBATE À INSEGURANÇA E VIOLÊNCIA EM MEIO ESCOLAR A preocupação com o aumento e as características dos múltiplos episódios de violência vividos na e pela comunidade escolar

Leia mais

UNIAO VITORIOSA PLANO DE GOVERNO SAUDE

UNIAO VITORIOSA PLANO DE GOVERNO SAUDE UNIAO VITORIOSA PLANO DE GOVERNO 2013 2016 SAUDE A saúde publica centra sua ação a partir da ótica do Estado com os interesses que ele representa nas distintas formas de organização social e politica das

Leia mais

ELEIÇÕES 2012 DIRETRIZES DO PROGRAMA DE GOVERNO DO CANDIDATO JOSÉ SIMÃO DE SOUSA PARA A PREFEITURA DE MANAÍRA/PB ZÉ SIMÃO 45 - PREFEITO

ELEIÇÕES 2012 DIRETRIZES DO PROGRAMA DE GOVERNO DO CANDIDATO JOSÉ SIMÃO DE SOUSA PARA A PREFEITURA DE MANAÍRA/PB ZÉ SIMÃO 45 - PREFEITO ELEIÇÕES 2012 DIRETRIZES DO PROGRAMA DE GOVERNO DO CANDIDATO JOSÉ SIMÃO DE SOUSA PARA A PREFEITURA DE MANAÍRA/PB ZÉ SIMÃO 45 - PREFEITO OBJETIVOS DO GOVERNO: Consolidar e aprofundar os projetos e ações

Leia mais

Matriz estratégica do PEE

Matriz estratégica do PEE MEC02-000 MEC02-001 MEC02-002 MEC02-003 Matriz estratégica do PEE Ensino (Pré-) Primário MEC02 Ensino Primário Objectivo Geral Assegurar que todas as crianças tenham oportunidade de concluir uma educação

Leia mais

Ação Social e Inclusão

Ação Social e Inclusão Ação Social e Inclusão Ação Social O campo de actuação da Ação Social compreende, em primeira instância, a promoção do bem estar e qualidade de vida da população e a promoção duma sociedade coesa e inclusiva,

Leia mais

Qual emprego, qual trabalho para as pessoas com perturbação do espetro do autismo (PEA)? José Miguel Nogueira - FPDA

Qual emprego, qual trabalho para as pessoas com perturbação do espetro do autismo (PEA)? José Miguel Nogueira - FPDA Qual emprego, qual trabalho para as pessoas com perturbação do espetro do autismo (PEA)? José Miguel Nogueira - FPDA Estrutura: i) O direito ao emprego versus o direito a uma atividade socio-ocupacional

Leia mais

Plano de Desenvolvimento Social do Concelho de Peniche 2016-2020

Plano de Desenvolvimento Social do Concelho de Peniche 2016-2020 Plano de Desenvolvimento Social aprovado na reunião plenária do Conselho Local de Ação Social de Peniche de 24 de novembro de 2015 Índice Índice... 1 1. Introdução... 2 2. Finalidade do Plano de Desenvolvimento

Leia mais

Apoio ao Transporte Escolar para a Educação Básica - Caminho da Escola. Concessão de Bolsa de Iniciação à Docência - PIBID

Apoio ao Transporte Escolar para a Educação Básica - Caminho da Escola. Concessão de Bolsa de Iniciação à Docência - PIBID Programa 1448 Qualidade na Escola Ações Orçamentárias Número de Ações 16 0E530000 Apoio ao Transporte Escolar para a Educação Básica - Caminho da Escola Veículo adquirido Unidade de Medida: unidade UO:

Leia mais

Licenciatura em Serviço Social. Intervenção Social na Infância, Adolescência e Velhice. Ano letivo 2014/2015

Licenciatura em Serviço Social. Intervenção Social na Infância, Adolescência e Velhice. Ano letivo 2014/2015 A INSTITUCIONALIZAÇÃO DE CRIANÇAS E JOVENS Licenciatura em Serviço Social Intervenção Social na Infância, Adolescência e Velhice Ano letivo 2014/2015 O acolhimento institucional constitui uma medida de

Leia mais

Formação-ação no domínio da competitividade e internacionalização -Portugal 2020- Maria José Caçador 15.abril.2016

Formação-ação no domínio da competitividade e internacionalização -Portugal 2020- Maria José Caçador 15.abril.2016 Formação-ação no domínio da competitividade e internacionalização -Portugal 2020- Maria José Caçador 15.abril.2016 ENQUADRAMENTO SISTEMA DE INCENTIVOS ÀS EMPRESAS Inovação Empresarial e Empreendedorismo

Leia mais

Objetivos. Prioridades de temáticos. investimento

Objetivos. Prioridades de temáticos. investimento 1. Reforço da investigação, do desenvolvimento tecnológico e da inovação (objetivo I&D) n.º 1 do artigo 9.º) Todas as prioridades de ao abrigo do objetivo temático n.º 1 1.1. Investigação e inovação: Existência

Leia mais

CONSELHO LOCAL DE ACÇÃO SOCIAL DE CASTELO DE VIDE

CONSELHO LOCAL DE ACÇÃO SOCIAL DE CASTELO DE VIDE CONSELHO LOCAL DE ACÇÃO SOCIAL DE CASTELO DE VIDE ACTA Nº. 4 Ao dia nove de Setembro do ano dois mil e nove, nesta Vila de Castelo de Vide, reuniu na Biblioteca Municipal pelas 10,00 horas, o Conselho

Leia mais

Lar das Criancinhas da Horta Instituição Particular de Solidariedade Social

Lar das Criancinhas da Horta Instituição Particular de Solidariedade Social PROGRAMA DE AÇÃO PARA 2015 Em cumprimento do estabelecido das alíneas b) do Artigo 34.º e c) do Artigo 38º dos Estatutos do Lar das Criancinhas da Horta, vem esta Direção apresentar à Assembleia Geral,

Leia mais

3. BENEFICIÁRIOS Podem ser beneficiários dos apoios previstos na acção 3.1.3, Pessoas singulares ou colectivas de direito privado.

3. BENEFICIÁRIOS Podem ser beneficiários dos apoios previstos na acção 3.1.3, Pessoas singulares ou colectivas de direito privado. 1. OBJECTIVOS DAS INTERVENÇÕES Os apoios previstos no âmbito do presente regulamento visam desenvolver o turismo e outras actividades de lazer como forma de potenciar a valorização dos recursos endógenos

Leia mais

REGULAMENTO DO VOLUNTARIADO DE APOIO SOCIAL DO MUNICÍPIO DE VIDIGUEIRA

REGULAMENTO DO VOLUNTARIADO DE APOIO SOCIAL DO MUNICÍPIO DE VIDIGUEIRA REGULAMENTO DO VOLUNTARIADO DE APOIO SOCIAL DO MUNICÍPIO DE VIDIGUEIRA Nota justificativa A Câmara Municipal de Vidigueira assume o papel de agente fundamental na aplicação de políticas de protecção social,

Leia mais

PESSOAS, DIREITOS E TERRITÓRIOS

PESSOAS, DIREITOS E TERRITÓRIOS PESSOAS, DIREITOS E TERRITÓRIOS 1 2 EIXO 1 - Respostas e Medidas de Protecção Objectivo Geral - 1.1 - Desenvolver e qualificar o sistema de respostas e medidas para a melhoria das condições de vida dos

Leia mais

União das Freguesias de Aljustrel e Rio de Moinhos

União das Freguesias de Aljustrel e Rio de Moinhos União das Freguesias de Aljustrel e Rio de Moinhos Regulamento Do Serviço Vamos até Si 2014. Regulamento do serviço Vamos Até Si 1 Regulamento do Serviço Vamos até Si Preâmbulo Vamos até si é um serviço

Leia mais

CONSELHO LOCAL DE ACÇÃO SOCIAL DE MACEDO DE CAVALEIROS

CONSELHO LOCAL DE ACÇÃO SOCIAL DE MACEDO DE CAVALEIROS ACTA N.º 03/2008 Âmbito da Reunião: Reunião Extraordinária de Plenário do CLASMC Assuntos debatidos: 1. Leitura da acta n.º 2/2008 do Plenário de 03 de Julho A acta foi aprovada por unanimidade. 2. Concertação

Leia mais

Ministério da Educação Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Acre Pró-Reitoria de Extensão - PROEX

Ministério da Educação Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Acre Pró-Reitoria de Extensão - PROEX ANEXO 1 FORMULÁRIO DE INSTITUCIONALIZAÇÃO DE PROJETO DE EXTENSÃO 1. IDENTIFICAÇÃO DA PROPOSTA DO PROJETO 1.1 Área temática (ver Anexo 1.1) 1.2 Linha de extensão (informar em qual (is) linha(s) se enquadra

Leia mais

Cidades Analíticas. das Cidades Inteligentes em Portugal

Cidades Analíticas. das Cidades Inteligentes em Portugal Cidades Analíticas Acelerar o desenvolvimento das Cidades Inteligentes em Portugal Programa Operacional Regional Programa Operacional Regional do Centro 2014-2020 PROGRAMA OPERACIONAL REGIONAL DO CENTRO

Leia mais

LEI N 878, DE 12 DE AGOSTO DE 1997

LEI N 878, DE 12 DE AGOSTO DE 1997 LEI N 878, DE 12 DE AGOSTO DE 1997 DISPÕE SOBRE O PLANO PLURIANUAL DO MUNICÍPIO DE CIRÍACO, PARA O PERÍODO DE 1998 A 2001. O PREFEITO MUNICIPAL DE CIRÍACO, Estado do Rio Grande do Sul, FAÇO SABER que a

Leia mais

MEDIDAS E RESPOSTAS DE APOIO SOCIAL PARA A INFÂNCIA E JUVENTUDE

MEDIDAS E RESPOSTAS DE APOIO SOCIAL PARA A INFÂNCIA E JUVENTUDE Licenciatura em Serviço Social Intervenção Social na Infância, Adolescência e Velhice Ano letivo 2014/2015 MEDIDAS E RESPOSTAS DE APOIO SOCIAL PARA A INFÂNCIA E JUVENTUDE Programas de inserção social e

Leia mais

Natália de Oliveira Fontoura. Diretoria de Estudos e Políticas Sociais Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada. Brasília, março de 2014

Natália de Oliveira Fontoura. Diretoria de Estudos e Políticas Sociais Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada. Brasília, março de 2014 Natália de Oliveira Fontoura Diretoria de Estudos e Políticas Sociais Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada Brasília, março de 2014 Apesar das conquistas das mulheres, são ainda observadas muitas desigualdades

Leia mais

Município de Freixo de Espada à Cinta PLANO DE ACÇÃO (2009-2010) Conselho Local de Acção Social de Freixo de Espada à Cinta

Município de Freixo de Espada à Cinta PLANO DE ACÇÃO (2009-2010) Conselho Local de Acção Social de Freixo de Espada à Cinta Município de Freixo de Espada à Cinta PLANO DE ACÇÃO (2009-2010) Conselho Local de Acção Social de Freixo de Espada à Cinta FICHA TÉCNICA Relatório do Plano de Acção de Freixo de Espada à Cinta Conselho

Leia mais

PLANO DE ACTIVIDADES DA BIBLIOTECA ESCOLAR. Ano lectivo de 2013 2014

PLANO DE ACTIVIDADES DA BIBLIOTECA ESCOLAR. Ano lectivo de 2013 2014 PLANO DE ACTIVIDADES DA BIBLIOTECA ESCOLAR Ano lectivo de 2013 2014 A Biblioteca Escolar / Centro de Recursos Educativos, de acordo com o que está definido no Projecto educativo, deste agrupamento (...)

Leia mais

Sustentabilidade transversal

Sustentabilidade transversal Galp Voluntária 1 Galp Voluntária A Galp Voluntária é o programa estruturado de voluntariado da Galp Energia que procura facilitar, concretizar e potenciar iniciativas de voluntariado empresarial destinadas

Leia mais

CARTA DA PLENÁRIA ESTADUAL DE ECONOMIA POPULAR SOLIDÁRIA DE PERNAMBUCO AO MOVIMENTO DE ECONOMIA SOLIDÁRIA, AOS MOVIMENTOS SOCIAIS E À SOCIEDADE

CARTA DA PLENÁRIA ESTADUAL DE ECONOMIA POPULAR SOLIDÁRIA DE PERNAMBUCO AO MOVIMENTO DE ECONOMIA SOLIDÁRIA, AOS MOVIMENTOS SOCIAIS E À SOCIEDADE FORUM DE ECONOMIA POPULAR SOLIDÁRIA DE PERNAMBUCO CARTA DA PLENÁRIA ESTADUAL DE ECONOMIA POPULAR SOLIDÁRIA DE PERNAMBUCO AO MOVIMENTO DE ECONOMIA SOLIDÁRIA, AOS MOVIMENTOS SOCIAIS E À SOCIEDADE Recife,

Leia mais

Projecto de Voluntariado do CSPA

Projecto de Voluntariado do CSPA Projecto de Voluntariado do CSPA Centro Social Paroquial de Atalaia, designado por Organização Promotora, tem por fim a promoção de respostas diversificadas no âmbito da acção social adequadas às necessidades

Leia mais

Projeto Movimento ODM Brasil 2015 Título do Projeto

Projeto Movimento ODM Brasil 2015 Título do Projeto Título do Projeto Desenvolvimento de capacidades, de justiça econômica sustentável e promoção de boas práticas para alcance dos Objetivos de Desenvolvimento do Milênio no Brasil. Concepção Estabelecimento

Leia mais

Plano de Acção 2014. Rede Social

Plano de Acção 2014. Rede Social Plano de Acção 2014 Rede Social Março/2014 Elaborado por: Núcleo Executivo do Conselho Local de Acção Social de Avis - Agrupamento de - Centro de Emprego e Formação Profissional de Portalegre/Serviço de

Leia mais

Briefing Laboral # 18 1

Briefing Laboral # 18 1 Briefing Laboral # 18 1 CRIAÇÃO DA MEDIDA ESTÍMULO EMPREGO E ALTERAÇÃO ÀS MEDIDAS ESTÁGIO EMPREGO Portaria n.º 149-A/2014, de 24 de Julho Concessão de Apoio Financeiro à celebração de contrato de Trabalho

Leia mais

Governação dos laboratórios: papel da regulação

Governação dos laboratórios: papel da regulação Governação dos laboratórios: papel da regulação César Carneiro Director do Departamento de Estudos e Regulação Económica Lisboa, 20 de Maio de 2016 Agenda 1. A Entidade Reguladora da Saúde 2. As actividades

Leia mais

Projeto de Incentivo à Vigilância e Prevenção de Doenças e Agravos Não Transmissíveis e Promoção da Saúde

Projeto de Incentivo à Vigilância e Prevenção de Doenças e Agravos Não Transmissíveis e Promoção da Saúde Projeto de Incentivo à Vigilância e Prevenção de Doenças e Agravos Não Transmissíveis e Promoção da Saúde PROJETO SAÚDE É O QUE INTERESSA Guarantã do Norte - Mato Grosso Estado de Mato Grosso Município

Leia mais

1. Prioridade 1 Combater a pobreza das crianças, dos idosos e das famílias através de Medidas que assegurem os seus direitos básicos de cidadania

1. Prioridade 1 Combater a pobreza das crianças, dos idosos e das famílias através de Medidas que assegurem os seus direitos básicos de cidadania 1. Prioridade 1 Combater a pobreza das crianças, dos idosos e das famílias através de Medidas que assegurem os seus direitos básicos de cidadania 1.1. Objectivo Geral 1.1.1. Medida Promover a melhoria

Leia mais

PROGRAMA PARA A VALORIZAÇÃO DE INICIATIVAS CULTURAIS VAI SECRETARIA MUNICIPAL DA CULTURA São Paulo, Janeiro de 2012.

PROGRAMA PARA A VALORIZAÇÃO DE INICIATIVAS CULTURAIS VAI SECRETARIA MUNICIPAL DA CULTURA São Paulo, Janeiro de 2012. PROGRAMA PARA A VALORIZAÇÃO DE INICIATIVAS CULTURAIS VAI SECRETARIA MUNICIPAL DA CULTURA São Paulo, Janeiro de 2012 Design D Kebrada 2. Dados do projeto 2.1 Nome do projeto Design D Kebrada 2.2 Data e

Leia mais

Adenda ao Diagnóstico Social do Concelho de Castelo de Vide

Adenda ao Diagnóstico Social do Concelho de Castelo de Vide Adenda ao Diagnóstico Social do Concelho de Castelo de Vide Outubro 2010 Nota Introdutória O presente documento é uma adenda ao Diagnóstico Social do Concelho de Castelo de Vide. No âmbito do Programa

Leia mais

1 093 225 Receitas Próprias

1 093 225 Receitas Próprias - Programação Plurianual do 213 Investimento por Programas e Medidas Página 1 Anos anteriores 213 214 215 Anos Seguintes TOTAL VICE PRESIDÊNCIA DO GOVERNO 41 - INOVAÇAO E QUALIDADE 1 - PROMOÇAO DA INOVAÇAO

Leia mais

Unidade Gestora...: CONSOLIDADO Orgao...: 01 CAMARA MUNICIPAL Unidade Orcamentaria: 01.01 Camara Municipal

Unidade Gestora...: CONSOLIDADO Orgao...: 01 CAMARA MUNICIPAL Unidade Orcamentaria: 01.01 Camara Municipal Orgao...: 01 CAMARA MUNICIPAL Unidade Orcamentaria: 01.01 Camara Municipal 01.000.0000.0.000.000 Legislativa 2.159.894,63 2.159.894,63 01.031.0000.0.000.000 Acao Legislativa 2.159.894,63 2.159.894,63 01.031.0001.0.000.000

Leia mais

POLITICADERESPONSABILIDADESOCIALDATHYSSENKRUPPELEVADORESBRASIL

POLITICADERESPONSABILIDADESOCIALDATHYSSENKRUPPELEVADORESBRASIL POLITICADERESPONSABILIDADESOCIALDATHYSSENKRUPPELEVADORESBRASIL 1. PoliticadoGrupoThyssenKrupp Esta política trata-se de um complemento à Politica «Group Policy on Corporate Citizenship Activities,MembershipsandTicketsPurchases(últimamodificaçãoJaneiro2013)».

Leia mais

COMPROMISSO COM A FAMILIA

COMPROMISSO COM A FAMILIA Rua Bela Vista, 220 Vila Camisão COMPROMISSO COM A FAMILIA A família é o objetivo central da Democracia Cristã, ação politica inspirada nos ideais do Cristianismo. Fomos nós, Social-Democrata-Cristãos,

Leia mais

PROGRAMA ACOMPANHAMENTO. Jardins de Infância da Rede Privada Instituições Particulares de Solidariedade Social RELATÓRIO DO JARDIM DE INFÂNCIA

PROGRAMA ACOMPANHAMENTO. Jardins de Infância da Rede Privada Instituições Particulares de Solidariedade Social RELATÓRIO DO JARDIM DE INFÂNCIA PROGRAMA ACOMPANHAMENTO Jardins de Infância da Rede Privada Instituições Particulares de Solidariedade Social RELATÓRIO DO JARDIM DE INFÂNCIA Designação: Centro Social de Azurva Endereço: Rua Professor

Leia mais

PROGRAMA DE CANDIDADURA

PROGRAMA DE CANDIDADURA PROGRAMA DE CANDIDADURA Corpos Directivos Região dos Açores da Ordem dos Engenheiros! 1 de 7! COMPOSIÇÃO DA LISTA RA REGIÃO AÇORES MANDATÁRIOS Duarte Manuel Melo Amorim da Cunha Manuel Carvalho Cansado

Leia mais

Resultados do Projeto de Melhoria 5ª Edição da Semana Aberta. Um Espaço Aberto à Comunidade

Resultados do Projeto de Melhoria 5ª Edição da Semana Aberta. Um Espaço Aberto à Comunidade Resultados do Projeto de Melhoria 5ª Edição da Semana Aberta Um Espaço Aberto à Comunidade Fevereiro / 2015 INDÍCE Semana Aberta Um Espaço Aberto à Comunidade Relatório Anual I. Introdução II. III. IV.

Leia mais

Piraí é mais Cultura. Categoria do projeto: I Projetos em andamento (projetos em execução atualmente)

Piraí é mais Cultura. Categoria do projeto: I Projetos em andamento (projetos em execução atualmente) Piraí é mais Cultura Mostra Local de: Piraí do Sul Categoria do projeto: I Projetos em andamento (projetos em execução atualmente) Nome da Instituição/Empresa: Secretaria de Cultura de Piraí do Sul Cidade:

Leia mais

APRESENTAÇÃO E DIVULGAÇÃO

APRESENTAÇÃO E DIVULGAÇÃO APRESENTAÇÃO E DIVULGAÇÃO Serviço destinado às pessoas com deficiência e/ou incapacidade onde se pretende: üapoiar na tomada de decisões vocacionais adequadas; üdisponibilizar a informação necessária à

Leia mais

PLANO DE ACTIVIDADES 2015 Associação de Pais e Amigos do Cidadão

PLANO DE ACTIVIDADES 2015 Associação de Pais e Amigos do Cidadão Objectivo Geral Objectivo Especifico Meta Indicador Atividades a desenvolver pela - Elaborar candidaturas a fundos do estado Adquirir e instalar - Pedir orçamentos e analisar as propostas 2 Estufas adquiridas

Leia mais

REGIMENTO DO CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE VILA FLOR

REGIMENTO DO CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE VILA FLOR REGIMENTO DO CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE VILA FLOR PREÂMBULO A Lei n.º 75/2013, de 12 de Setembro, diploma que estabelece, entre outros, o regime jurídico das autarquias locais, veio atribuir, no

Leia mais

DIAGNÓSTICO SOCIAL CONSELHO LOCAL DE AÇÃO SOCIAL DE MARVÃO MARÇO 2015 INTRODU

DIAGNÓSTICO SOCIAL CONSELHO LOCAL DE AÇÃO SOCIAL DE MARVÃO MARÇO 2015 INTRODU DIAGNÓSTICO SOCIAL CONSELHO LOCAL DE AÇÃO SOCIAL DE MARVÃO MARÇO 2015 INTRODU ÍNDICE GERAL INTRODUÇÃO 7 PROGRAMA REDE SOCIAL..8 1. Enquadramento.9 2. Metodologia 10 3. Órgãos da Rede Social 11 1. TERRITÓRIO

Leia mais

Financiamento e Empreendedorismo Cultural

Financiamento e Empreendedorismo Cultural Financiamento e Empreendedorismo Cultural Instrumentos e Soluções de Investimento Porto, 2 de Julho 2009 Financiamento e Empreendedorismo Cultural 1 Programa Financiamentos ao Sector Cultural Soluções

Leia mais

SISTEMA DE INFORMAÇÃO CONSELHO LOCAL DE ACÇÃO SOCIAL DE SINES DEMOGRAFIA E INDICADORES DEMOGRÁFICOS

SISTEMA DE INFORMAÇÃO CONSELHO LOCAL DE ACÇÃO SOCIAL DE SINES DEMOGRAFIA E INDICADORES DEMOGRÁFICOS DEMOGRAFIA E INDICADORES DEMOGRÁFICOS 1 INDICADOR: População residente e taxa de variação, 1991 e 2001 População Variação 1991 2001 Portugal 9867147 10356117 5,0 Alentejo 782331 776585-0,7 Alentejo Litoral

Leia mais

FEDERAÇÃO PORTUGUESA DE TÉNIS DE MESA

FEDERAÇÃO PORTUGUESA DE TÉNIS DE MESA PLANO DE ATIVIDADES 2012 FEDERAÇÃO PORTUGUESA DE TÉNIS DE MESA DESENVOLVIMENTO DA PRÁTICA DESPORTIVA ALTO RENDIMENTO E SELEÇÕES NACIONAIS FORMAÇÃO DE RECURSOS HUMANOS MARKETING, COMUNICAÇÃO & IMAGEM 1.-

Leia mais

EIXO 1 - Empreendedorismo, Empregabilidade e Educação

EIXO 1 - Empreendedorismo, Empregabilidade e Educação PLANO DE DESENVOLVIMENTO SOCIAL de ODEMIRA 2014-2015 EIXO 1 - Empreendedorismo, Empregabilidade e Educação Promover o conhecimento e o acesso dos empresários aos apoios e incentivos no âmbito do empreendedorismo

Leia mais

CPCJ P E N A C O V A C O M I S S Ã O D E P R O T E C Ç Ã O D E C R I A N Ç A S E J O V E N S REGULAMENTO INTERNO

CPCJ P E N A C O V A C O M I S S Ã O D E P R O T E C Ç Ã O D E C R I A N Ç A S E J O V E N S REGULAMENTO INTERNO Aprovado em: 24-11-2006 Alterado em: 04-12-2007 (Introduzidas alterações alínea e), artigo 9º) REGULAMENTO INTERNO Capítulo I Disposições Gerais Artigo 1º 1. A Lei de Protecção de Crianças e Jovens em

Leia mais

Regulamento de Estágios da ESTBarreiro/IPS

Regulamento de Estágios da ESTBarreiro/IPS Regulamento de Estágios da ESTBarreiro/IPS Artigo 1.º Objeto 1. O presente regulamento define o regime de estágios curriculares aplicável aos cursos: a) De Especialização Tecnológica; b) De Licenciatura;

Leia mais

DIRETRIZES PARA O PROGRAMA DE GOVERNO

DIRETRIZES PARA O PROGRAMA DE GOVERNO DIRETRIZES PARA O PROGRAMA DE GOVERNO Formular e implementar estratégias de gestão com participação, transparência, compromisso, responsabilidade e efetividade, potencializando a administração pública

Leia mais