A Rede Social é definida como um fórum de articulação e congregação de esforços baseado na adesão livre por parte das autarquias e das entidades

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "A Rede Social é definida como um fórum de articulação e congregação de esforços baseado na adesão livre por parte das autarquias e das entidades"

Transcrição

1 1

2 A Rede Social é definida como um fórum de articulação e congregação de esforços baseado na adesão livre por parte das autarquias e das entidades públicas ou privadas sem fins lucrativos que nela queiram participar. Estas Entidades deverão concertar os seus esforços com vista à erradicação ou atenuação da pobreza e da exclusão social e à promoção do desenvolvimento social. 2

3 Índice Enquadramento pag.4 e 5 Quadro pag.6 Quadro pag.7 Eixo pag.8 Eixo pag.9 a 15 Eixo pag.16 a 24 PNAI Plano de Acção pag.25 e 26 3

4 Enquadramento do Plano de Acção do CLAS de Castelo de Vide A Rede Social de Castelo de Vide é um fórum de articulação e congregação de esforços baseado na adesão por parte das entidades públicas ou privadas do concelho tendo em vista a erradicação ou atenuação da pobreza e exclusão, pela promoção do desenvolvimento social. Pretende-se fomentar uma consciência colectiva dos problemas sociais e contribuir para a activação dos meios e agentes de resposta e para a optimização possível dos meios de acção no concelho. Propõe-se através de formas de conjugação de esforços regulares a definição das prioridades do planeamento concertado, em particular das acções desenvolvidas pelos diferentes agentes da comunidade. O Plano de Acção que agora se apresenta consigna, para além dos documentos de carácter concelhio, as determinações do Plano Nacional para a Acção, Crescimento e Emprego (PNACE), do Plano Nacional de Acção para a Inclusão (PNAI), do Plano Nacional de Emprego (PNE), do Plano Nacional de Saúde (PNS), do Plano Nacional para a Igualdade (PNI) e do Plano Nacional de Combate à Violência Doméstica (PNCVD), entre outros. O Plano de Acção para o ano, à semelhança dos anteriores, foi construído de forma realista tendo por base os recursos das instituições locais e a implicação actual dos parceiros. O grande objectivo deste Plano de Acção é a implementação de actividades que 4

5 Quadro 1: Composição do Conselho Local de Acção Social de Castelo de Vide vão ao encontro das reais necessidades da população concelhia, para assim reduzir a pobreza e vulnerabilidade face à exclusão social, contribuindo simultaneamente para o reforço da coesão social. Através dele pretende-se dar sequência a algumas das acções já implementadas e simultaneamente iniciar novos projectos que visem uma melhor resposta social, respeitando o Plano de Desenvolvimento Social e o Diagnóstico Social do Concelho. A concretização das acções programadas para cada eixo prioritário definido, depende em grande parte, das sinergias das diversas entidades locais envolvidas, e fundamentalmente, do seu desenvolvimento concertado e coordenado entre os parceiros do CLAS. Convém salientar que foi do entendimento do Núcleo Executivo que o cronograma das Acções referentes a este Plano se reporte ao início do seu desenvolvimento e não à data da aprovação deste Plano de Acção (Setembro de ). 5

6 Câmara Municipal de Castelo de Vide Centro de Saúde de Castelo de Vide Equipa de Intervenção Precoce de Castelo de Vide Associação de Pais das Escolas do Concelho de Castelo de Vide Casa do Povo de Castelo de Vide Centro de Reabilitação e Formação Profissional Direcção Regional de Educação do Alentejo Fundação Nossa Senhora da Esperança Grupo de Folclore e Cultura de Póvoa e Meadas Centro de Emprego de Portalegre Junta de Freguesia de Santa Maria da Devesa Junta de Freguesia de são João Batista OCRE associação para a Valorização do Ambiente, Cultura, Património e Lazer Santa Casa da Misericórdia de Castelo de Vide Centro Distrital de Segurança Social de Portalegre Agrupamento de Escolas de Castelo de Vide Associação de Jovens Terras de Vide Banda União Artística Centro Paroquial de Assistência de Castelo de Vide Cooperativa Sintra do Alentejo Fábrica da Igreja de Castelo de Vide Grupo de Amigos de Castelo de Vide Guarda Nacional Republicana Junta de Freguesia de Póvoa e Meadas Junta de Freguesia de Santiago Maior Lar da 3ª. Idade de Nossa Senhora da Graça Ranchos Folclóricos Castelo de Vide e Póvoa e Meadas Sociedade Recreativa 1º. de Dezembro de Castelo de Vide 6

7 Câmara Municipal de Castelo de Vide Quadro 2: Núcleo Executivo do CLAS Centro Distrital de Segurança de Segurança Social de Portalegre Centro de Saúde de Castelo de Vide Agrupamento de Escolas de Castelo de Vide Junta de Freguesia de Santa Maria da Devesa Lar da 3ª. Idade de Nossa Senhora da Graça Santa Casa da Misericórdia de Castelo de Vide 7

8 O Plano de Acção do Concelho de Castelo de Vide para o ano consolida-se em 2 eixos: Eixo 1 Fazer face ao Impacto das alterações Demográficas Eixo 2 Promoção da Inclusão Social 8

9 EIXO 1 Fazer face ao Impacto das Alterações Demográficas Apoiar a Natalidade e a Infância Apoiar a conciliação entre a actividade profissional e a vida pessoal e familiar Promover o envelhecimento activo com qualidade e prevenir e apoiar a dependência Objectivo Geral Melhorar a qualidade de vida e o bem-estar da população idosa, das crianças e jovens do Concelho, através do alargamento, diversificação e melhoria da rede de equipamentos, serviços e instrumentos de apoio social. Objectivos Específicos Aumentar, readaptar e diversificar as respostas de apoio social à 3.ª Idade, Crianças e Jovens do Concelho 9

10 Objectivos/Enquadramentos Acções Cronograma Parcerias/Promotores Indicadores de Execução Comparticipação nas despesas de saúde dos Idosos pertencentes a estratos sociais desfavorecidos, através do Cartão Social. Comparticipação de medicamentos a idosos em situação sócio - económica desfavorável e com elevados encargos com despesas de Saúde. Julho a Dezembro de - Técnicos do Município - Orçamento Municipal Município de Castelo de Vide possuidores do Cartão Social usufrutuários da comparticipação nas despesas de saúde -Volume total da comparticipação em despesas de saúde 10

11 Objectivos/Enquadramentos Acções Cronograma Parcerias/Promotores Indicadores de Execução Desenvolver Programas de Apoio à Habitação Degradada Dar continuidade ao processo de implementação do Programa de Conforto Habitacional (PCHI) iniciado no ano 2008 Janeiro a Dezembro de - Técnicos da Divisão de Planeamento e Projectos do Município - Técnicos de Acção Social do Município - Município de Castelo de Vide - ISS,IP Centro Distrital de Portalegre candidaturas apresentadas aos Programas de Apoio à Habitação; Realizar as intervenções nas habitações dos Idosos que apresentaram as respectivas candidaturas -Técnicos do ISS, IP Centro Distrital de Portalegre intervenções concluídas. 11

12 Objectivos/Enquadramentos Acções Cronograma Parcerias/Promotores Indicadores de Execução Concertação de espaços com a Cooperativa de Habitação tendo em vista a construção de habitação a custos controlados Cedência de terreno Municipal à cooperativa de habitação Sintra do Alentejo. Agosto a Dezembro de Técnicos da Divisão de Planeamento e Projectos do Município. - Município de Castelo de Vide - Cooperativa de Habitação Sintra do Alentejo Taxa de Cobertura (%) = Fogos X100 Cooperadores - IHRV 12

13 Objectivos/Enquadramentos Promover o Envelhecimento Activo Acções Implementação e Dinamização de actividades regulares de ocupação dos tempos livres dos Idosos; Desenvolvimento de actividades de entretenimento pontual (festividades tradicionais, Carnaval, Santos Populares, dia do Idoso, São Martinho); Impulsionar a dinamização de actividades nas respostas sociais para a comunidade em geral. Actividades para um envelhecimento activo. Cronograma Janeiro a Dezembro de -Técnicos de Acção Social do Município - Gabinete de Desporto do Município - IPSS do Concelho - Técnicos de Saúde -Divulgação das Actividades Financiamento para a execução das actividades pelo Município Parcerias - Município de Castelo de Vide - Lar da 3ª. Idade de Nossa Senhora da Graça de Póvoa e Meadas - Santa Casa da Misericórdia de Castelo de Vide - Fundação Nossa Senhora da Esperança - Juntas de Freguesia do Concelho - Centro de Saúde Indicadores de Execução Actividades executadas 13

14 Objectivos/Enquadramentos Acções Cronograma Parcerias Indicadores de Execução Dotar o Concelho de respostas de Cuidados Integrados de forma a responder as necessidades de Saúde e Reabilitação da População Idosa do Concelho Promover o alargamento da resposta social (lar) existente e/ ou implementar novas respostas sociais Promover candidaturas a Programas nacionais e Comunitários que visem o apoio à Construção/remodelação de infra-estruturas de natureza social Janeiro a Dezembro de - Técnicos dos;iss,ip - Centro Distrital de Portalegre - IPSS do Concelho - Outras instituições do CLAS - IPSS do Concelho - Município de Castelo de Vide - ISS,IP - Centro Distrital de Portalegre - Outras instituições do CLAS candidaturas a Programas Nacionais 14

15 Objectivos/Enquadramentos Acções Cronograma Parceria/Promotoras Indicadores de Execução Promover os enquadramentos, apoios e políticas dirigidas à Infância e Juventude entre os elementos do CLAS Colaborar com os enquadramentos responsáveis/promotores de Acções dirigidas à Infância e Juventude Facilitar o desenvolvimento pleno das inerências das Entidades CPCJ, GAJ, equipa de Saúde Escolar; Comemoração do Dia Mundial da Criança. Janeiro a Dezembro de - Equipa de Saúde Escolar - Membros da CPCJ - Responsáveis pelo Gabinete de Apoio aos Jovens - Agrupamento de Escolas - Comissão de Protecção de Crianças e Jovens - Centro de Saúde - Município de Castelo de Vide actividades desenvolvidas elementos envolvidos - Outras entidades do CLAS 15

16 Eixo 2 Promoção da Inclusão Social (Redução de desigualdades) Promover a inclusão social activa Melhorar as condições de vida em território e habitats mais vulneráveis Favorecer a inclusão social de grupos específicos, nomeadamente Pessoas com deficiências ou incapacidades, Imigrantes e minorias étnicas, pessoas sem-abrigo Objectivo Geral Elevar qualitativamente e quantitativamente os níveis de escolaridade da população jovem com vista ao desenvolvimento pessoal e à inclusão social Objectivos Específicos Desenvolver uma parceria efectiva com o objectivo de combater o absentismo e o abandono escolar. Aumentar os níveis de literacia e o sucesso escolar. Aumentar e diversificar a oferta de oportunidades que fomentem a inserção dos cidadãos na vida activa. 16

17 Objectivos/Enquadramentos Acções Cronograma Parcerias/Promotores Indicadores de Execução Atribuição de Bolsas de Estudo a alunos carenciados Atribuição de Bolsas de Estudo a alunos carenciados do Ensino Secundário e do Ensino Superior. Janeiro a Junho Setembro a Dezembro - Equipa Técnica do Município e Juntas de Freguesia do Concelho - Orçamento disponível para a actividade Município de Castelo de Vide Bolsas atribuídas famílias apoiadas - % de apoiados com sucesso escolar 17

18 Objectivos/Enquadramentos Acções Cronograma Parcerias/Promotores Indicadores de Execução Currículos Alternativos Proporcionar aos jovens com dificuldades de aprendizagem currículos escolares alternativos de forma a terem a possibilidade de usufruir de actividades alternativas às existentes nos seus Centros Escolares. Janeiro a Junho de Setembro a Dezembro de - Alunos do Agrupamento de Escolas de Castelo de Vide - Professores - Transportes do Município - Agrupamento de Escolas de Castelo de Vide - Município de Castelo de Vide Actividades realizadas alunos envolvidos 18

19 Objectivos/Enquadramentos Acções Cronograma Parcerias/Promotores Indicadores de Execução Alfabetização de Adultos Criação de uma turma Sénior de Alfabetização de Adultos no Agrupamento de Escolas de Castelo de Vide Janeiro a Junho de Setembro a Dezembro de - Professores do 1º. Ciclo do Ensino Básico - Alunos Seniores - Espaços Físicos - Agrupamento de Escolas de Castelo de Vide - Município de Castelo de Vide - Juntas de Freguesia do Concelho alunos em Castelo de Vide alunos em Póvoa e Meadas alfabetizados reprovados -Numero de desistentes 19

20 Objectivos/Enquadramentos Acções Cronograma Promotores/Parcerias Indicadores de Execução Cursos de Formação e Educação de Adultos Curso de empreendedorismo: Mulheres em acção; Curso de Informática para activos; Curso de qualificação de comerciantes; Cursos de qualificação de técnicos associativos em Job shadowing. Junho a Dezembro - Técnicos e formadores OCRE - Salas do Centro de Interpretação OCRE, CNO, ICNB inscritos aprovados - Taxa de assiduidade deslocados em formação técnica 20

21 Objectivos/Enquadramentos Promover os Percursos Escolares Alternativos Acções - Reconhecimento e validação de competências adquiridas (RVCC); -Constituição de turmas de Percursos Escolares Alternativos com equivalência à escolaridade mínima obrigatória. Ensino recorrente nocturno com equivalência ao 12º. Ano de escolaridade e a formação profissional com equivalência ao 9º. Ano e 12º. Anos de escolaridade; - Cursos EFA; - Curso de Português para EstrangeirosE Cronograma Janeiro a Dezembro de - Agrupamento de Escolas - Alunos Técnicos do Centro de Novas Oportunidades - Técnicos e formadores adstritos à OCRE - Espaços Físicos - POPH Parcerias/Promotores - Agrupamento de Escolas de Castelo de Vide (Centro Novas Oportunidades) - Município de Castelo de Vide - OCRE -Associação para a Valorização do Ambiente Cultura Património e Lazer Indicadores de Execução inscritos; alunos com competências validadas; - Taxa de Abandono Escolar; alunos com carteira profissional; alunos que concluíram o ciclo de formação 21

22 Objectivos/ Enquadramentos Acções Cronograma Parcerias/Promotores Indicadores de Execução Dinamizar a Unidade de Inserção na Vida Activa (UNIVA) a nível concelhio Estas Unidades passam a GIP em Informação acolhimento, colocação, coordenação e gestão de projectos de Integração de Jovens no mundo do trabalho; - Apoio à procura activa de emprego; - Divulgação de ofertas de emprego e actividades de colocação; - Captação de ofertas de entidades empregadoras Janeiro a Abril GIP Maio a Dezembro - Técnica da Univa - Técnica do GIP - Técnicos do Centro de Emprego - Outros Técnicos de entidades do CLAS - Material Informático - Instituto do Emprego e Formação Profissional - Entidades do CLAS - Município de Castelo de Vide inscritos na Univa Local/GIP inseridos em Formação parceiros envolvidos no Projecto 22

23 Objectivos/Enquadramentos Acções Cronograma Parceria/Promotores Indicadores de Execução Programa Estágios Profissionais na Administração Local (Pepal) Promover a abertura de estágios em entidades Inserção dos estagiários no mercado de trabalho Janeiro a Junho de Outubro a Dezembro de - Técnicos da Autarquia - Estagiários - POPH - Câmara Municipal de Castelo de Vide - Direcção Geral da Administração Autarquica Estagiários 23

24 Objectivos/Enquadramentos Programa Estágios Qualificação-Emprego Apoiar a transição entre o sistema de qualificação e emprego; Apoiar a melhoria das qualificações e a reconversão da estrutura produtiva de Mercado de trabalho Programa Estágios Profissionais Acções - Desenvolvimento de competências de população desempregada de forma a facilitar o seu recrutamento e integração; - Apoio à inserção na vida activa de desempregados que obtiveram qualificações em áreas distintas da sua formação de origem; - Promover o acesso à informação / recursos por parte de empregadores; Cronograma Agosto de a Dezembro de - Técnicos da Autarquia - Técnicos do Instituto de Emprego e Formação Profissional - Estagiários - Entidades sem fins lucrativos Parcerias/Promotores - Instituto do Emprego e Formação Profissional - Município de Castelo de Vide - Entidades sem fins lucrativos Indicadores de Execução - Números de estagiários estagiários com pós colocação em mercado de trabalho. - Facilitar a criação de emprego em novas áreas. 24

25 PNAI/PLANO DE ACÇÃO PNAI ACÇÕES e ENQUADRAMENTOS Eixo 1 Fazer face ao Impacto das alterações Demográficas Promover os enquadramentos apoios, e políticas dirigidas à Infância e Juventude Apoiar a natalidade e a Infância Apoiar a conciliação entre a actividade profissional e a vida pessoal e familiar Promover o Envelhecimento Activo com qualidade e prevenir e apoiar a dependência Promover o Envelhecimento Activo Desenvolver Programas de Apoio à Habitação Degradada Dotar o concelho de respostas de Cuidados Continuados Integrados de forma a responder às necessidades de Saúde e Reabilitação da População Idosa do Concelho Promover o alargamento da resposta social (lar) existentes e /ou implementar novas respostas sociais 25

26 PNAI/PLANO DE ACÇÃO PNAI ACÇÕES e ENQUADRAMENTOS Eixo 2 Promoção da inclusão social (redução de desigualdades) Promover a inclusão social activa Melhorar as condições de vida em territórios e Atribuir bolsas de estudo a alunos carenciados do Ensino Secundário e do Ensino Superior Promover Currículos alternativos Incentivar Cursos de Educação e Formação de adultos Desenvolver a Alfabetização de adultos habitats mais vulneráveis Promover os Percursos Escolares Alternativos Favorecer a inclusão social de grupos específicos, nomeadamente Pessoas com deficiências ou incapacidades, Imigrantes e minorias étnicas, Pessoas sem-abrigo Dinamizar a Unidade de Inserção na vida activa (Univa) e o Gabinete de Inserção Profissional (GIP) a nível concelhio Implementar Estágios Profissionais na Administração Local (Pepal) e Programa Estágios Qualificação - Emprego 26

Plano de Acção

Plano de Acção - 2 - Nota Prévia A Rede Social afirmou-se ao longo da sua criação como uma medida inovadora e com capacidade de produzir alterações positivas na intervenção social. Esta medida assumiu-se, desde início,

Leia mais

Núcleo Executivo do CLAS de Mafra, 28 Maio de

Núcleo Executivo do CLAS de Mafra, 28 Maio de Plano de Ação Rede Social Mafra Eixo I - DEMOGRAFIA E EQUIPAMENTOS (INFRA-ESTRUTURAS DE APOIO) Objectivo geral 1. Reforçar as estruturas de apoio ao idoso Objectivo Específico 1. Aumentar a capacidade

Leia mais

EIXO 1: EMPREGO, QUALIFICAÇÃO, EMPREENDEDORISMO E INICIATIVA LOCAL

EIXO 1: EMPREGO, QUALIFICAÇÃO, EMPREENDEDORISMO E INICIATIVA LOCAL EIXO 1: EMPREGO, QUALIFICAÇÃO, EMPREENDEDORISMO E INICIATIVA LOCAL Desenvolver as condições facilitadoras da criação de emprego, combate ao desemprego e incentivo à iniciativa local referente ao empreendedorismo

Leia mais

1 INTRODUÇÃO O PLANO DE ACÇÃO AVALIAÇÃO...14 PLANO DE ACÇÃO DE 2009 PÁGINA 1 DE 15

1 INTRODUÇÃO O PLANO DE ACÇÃO AVALIAÇÃO...14 PLANO DE ACÇÃO DE 2009 PÁGINA 1 DE 15 ÍNDICE 1 INTRODUÇÃO...2 2 O PLANO DE ACÇÃO 2009... 3 3 AVALIAÇÃO....14 PLANO DE ACÇÃO DE 2009 PÁGINA 1 DE 15 INTRODUÇÃO Depois de elaborado o diagnóstico social e o plano de desenvolvimento social surge

Leia mais

27 de junho de Domingos Lopes

27 de junho de Domingos Lopes 27 de junho de 2016 Domingos Lopes Objetivos Temáticos OT 8. Promover a sustentabilidade e a qualidade do emprego e apoiar a mobilidade dos trabalhadores assumindo como meta nacional, até 2020, o aumento

Leia mais

2008 Concelho de Ourique

2008 Concelho de Ourique Plano de Acção 2008 Concelho de Rede Social Programa Rede Social Conselho Local de Acção Social de Janeiro 2008 Ficha Técnica Título: Plano de Acção 2008 do Concelho de Autoria: Núcleo Executivo da Rede

Leia mais

Plano de Ação Índice Sumário Executivo A Rede Social no concelho de Alenquer O Plano de Ação...

Plano de Ação Índice Sumário Executivo A Rede Social no concelho de Alenquer O Plano de Ação... PLANO DE AÇÃO 2014 Índice 1. - Sumário Executivo... 1 Pág. 2. - A Rede Social no concelho de Alenquer... 2 2.1. - O Plano de Ação...2 3. - Análise de Eixos de Intervenção... 3 Eixo I.- Deficiência... 4

Leia mais

PLANO DE ACÇÃO JANEIRO 2008 / DEZEMBRO 2008

PLANO DE ACÇÃO JANEIRO 2008 / DEZEMBRO 2008 PLAN DE ACÇÃ JANEIR 2008 / DEZEMBR 2008 Janeiro de 2008 PLAN DE ACÇÃ 2008 1 ÍNDICE Plano de Acção Introdução Eixos de Intervenção Educação Formação / Qualificação Formação Profissional / Emprego Envelhecimento/

Leia mais

Câmara Municipal de Elvas. Plano de Acção. Conselho Local de Acção Social de Elvas

Câmara Municipal de Elvas. Plano de Acção. Conselho Local de Acção Social de Elvas Câmara Municipal de Elvas Plano de Acção 2007 Julho de 2006 Conselho Local de Acção Social de Elvas PROGRAMA REDE SOCIAL Co-financiado pelo Estado Português, Ministério da Segurança Social PLANO DE ACÇÃO

Leia mais

DO CONCELHO DE PROENÇA-A-NOVA

DO CONCELHO DE PROENÇA-A-NOVA PLANO DE DESENVOLVIMENTO SOCIAL E PLANO DE AÇÃO DO CONCELHO DE PROENÇA-A-NOVA JUNHO DE 2015 A DEZEMBRO 2017 1 NOTA INTRODUTÓRIA Atualmente torna-se cada vez mais evidente a necessidade de adequar o crescimento

Leia mais

Constituição do Núcleo Executivo:

Constituição do Núcleo Executivo: Índice Constituição do Núcleo Executivo Pág. 2 Constituição do Conselho Local de Ação Social de Sousel Pág. 3 Enquadramento Pág. 4 Introdução Pág. 5 Metodologia Pág. 6 Linhas Orientadoras Pág. 7 Eixo 1

Leia mais

ESTRATÉGIA DE DESENVOLVIMENTO LOCAL. GAL Eu Também Conto!

ESTRATÉGIA DE DESENVOLVIMENTO LOCAL. GAL Eu Também Conto! ESTRATÉGIA DE DESENVOLVIMENTO LOCAL GAL Eu Também Conto! ESTRATÉGIA DE DESENVOLVIMENTO LOCAL 1 ESTRATÉGIA DE DESENVOLVIMENTO LOCAL (EDL) A EDL incide em traços gerais nas seguintes problemáticas: Acesso

Leia mais

AGIR PARA SOLUCIONAR PLANO DE ACÇÃO PARA 2010

AGIR PARA SOLUCIONAR PLANO DE ACÇÃO PARA 2010 PLANO DE DESENVOLVIMENTO SOCIAL DO MUNICÍPIO DE ARMAMAR AGIR PARA SOLUCIONAR PLANO DE ACÇÃO PARA 2010 Plano de Acção 20010 1 Após elaboração do Plano de Desenvolvimento Social, onde estão definidas as

Leia mais

Conselho Local de Ação Social de. Pinhel. Plano de Ação 2014

Conselho Local de Ação Social de. Pinhel. Plano de Ação 2014 Conselho Local de Ação Social de Pinhel Plano de Ação 2014 Plano de Ação 2014 Enquadramento Legal Objetivo Geral Área Geográfica de Intervenção Eixos de Intervenção Resolução do Conselho de Ministros nº

Leia mais

REDE SOCIAL DE SOBRAL DE MONTE AGRAÇO PLANO DE ACÇÃO PARA 2010

REDE SOCIAL DE SOBRAL DE MONTE AGRAÇO PLANO DE ACÇÃO PARA 2010 REDE SOCIAL DE SOBRAL DE MONTE AGRAÇO PLANO DE ACÇÃO PARA 2010 EIXO I Promoção da Inclusão das famílias com especial enfoque às necessidades dos idosos OBJECTIVO GERAL Melhorar as condições de vida de

Leia mais

Desenvolvimento Local de Base Comunitária Cascais DesEnvolve Alcabideche e S. Domingos de Rana. 3ª Reunião do GAL

Desenvolvimento Local de Base Comunitária Cascais DesEnvolve Alcabideche e S. Domingos de Rana. 3ª Reunião do GAL Desenvolvimento Local de Base Comunitária Cascais DesEnvolve Alcabideche e S. Domingos de Rana 3ª Reunião do GAL Alcabideche, DNA Cascais 07 de julho de 2015 ORDEM DE TRABALHOS Ponto de situação sobre

Leia mais

APRESENTAÇÃO DO PROGRAMA

APRESENTAÇÃO DO PROGRAMA APRESENTAÇÃO DO PROGRAMA AGENDA AS 5 MARCAS DO POPH I EIXOS PRIORITÁRIOS II ARRANQUE DO PROGRAMA III I AS 5 MARCAS DO POPH AS 5 MARCAS DO POPH 1 O MAIOR PROGRAMA OPERACIONAL DE SEMPRE 8,8 mil M 8,8 Mil

Leia mais

Promover a inserção social de pessoas e grupos mais vulneráveis; Estimular o desenvolvimento de projectos de vida;

Promover a inserção social de pessoas e grupos mais vulneráveis; Estimular o desenvolvimento de projectos de vida; São nossos objectivos: 1ª fase: Promover a inserção social de pessoas e grupos mais vulneráveis; Alargar e consolidar a rede de parcerias de forma a fomentar e a criar novos recursos, propiciando condições

Leia mais

Regulamento Interno Do Conselho Local de Acção Social Capitulo I

Regulamento Interno Do Conselho Local de Acção Social Capitulo I Regulamento Interno Do Conselho Local de Acção Social Capitulo I DISPOSIÇÕES GERAIS Artigo 1º Objecto O presente regulamento interno destina-se a definir e dar a conhecer os princípios a que obedece a

Leia mais

REDE SOCIAL REGULAMENTO INTERNO CONSELHO LOCAL DE ACÇÃO SOCIAL (CLAS) DE ALJUSTREL

REDE SOCIAL REGULAMENTO INTERNO CONSELHO LOCAL DE ACÇÃO SOCIAL (CLAS) DE ALJUSTREL REDE SOCIAL REGULAMENTO INTERNO CONSELHO LOCAL DE ACÇÃO SOCIAL (CLAS) DE ALJUSTREL Introdução As alterações inerentes à evolução da sociedade actual, evidenciaram problemas e necessidades que exigem uma

Leia mais

Actividades de dinamização social e melhoria da qualidade de vida

Actividades de dinamização social e melhoria da qualidade de vida Actividades de dinamização social e melhoria da qualidade de vida O EXEMPLO DA CÂMARA MUNICIPAL DE VALONGO EUNICE NEVES OBJECTIVOS Igualdade Direitos Humanos Cidadania Activa e Inclusiva Conciliação Novas

Leia mais

Rede Social CLAS Fornos de Algodres C.L.A.S. CONSELH0 LOCAL DE ACÇÃO SOCIAL DO MUNICIPIO DE FORNOS DE ALGODRES

Rede Social CLAS Fornos de Algodres C.L.A.S. CONSELH0 LOCAL DE ACÇÃO SOCIAL DO MUNICIPIO DE FORNOS DE ALGODRES C.L.A.S. CONSELH0 LOCAL DE ACÇÃO SOCIAL DO MUNICIPIO DE FORNOS DE ALGODRES ABRIL DE 2009 NOTA INTRODUTÓRIA No documento aqui apresentado estão identificados os projectos e intervenções a realizar no Município

Leia mais

Conselho Local de Ação Social

Conselho Local de Ação Social Conselho Local de Ação Social Índice Introdução... 6 Eixo I - Demografia... 7 Eixo II Educação/Nível de Instrução... 8 Eixo III Economia... 11 Eixo IV Grupos Vulneráveis... 13 Avaliação.26 2 Ficha Técnica

Leia mais

Plano Nacional de Acção para a Inclusão 2008 > de Março 2009

Plano Nacional de Acção para a Inclusão 2008 > de Março 2009 Plano Nacional de Acção para a Inclusão 2008 > 2010 27 de Março 2009 Plano Nacional de Acção para a Inclusão 2008 > 2010 1. Os pilares da Estratégia Nacional para a Protecção Social e Inclusão Social (ENPSIS)

Leia mais

O Perfil do Psicólogo na Administração Local

O Perfil do Psicólogo na Administração Local CATEGORIA AUTORIA JANEIRO 15 Perfis do Psicólogo Gabinete de Estudos Técnicos O Perfil do Psicólogo na Administração Local Sugestão de Citação Ordem dos Psicólogos Portugueses (2015). O Perfil do Psicólogo

Leia mais

Plano de Desenvolvimento Social do Concelho de Soure

Plano de Desenvolvimento Social do Concelho de Soure / Ano 1 ÍNDICE 1 - Introdução 3 Pág. 2- Plano de Acção dos Projectos Estruturantes Transversais do Concelho de 4 2.1. Projecto Estruturante Apoio na Dependência 5 2.2. Projecto Estruturante Criar para

Leia mais

Rede Social. O que é a rede Social. Estrutura orgânica Metodologia Documentos produzidos

Rede Social. O que é a rede Social. Estrutura orgânica Metodologia Documentos produzidos Rede Social O que é a rede Social Estrutura orgânica Metodologia Documentos produzidos Rede Social O que é a rede Social O Programa REDE SOCIAL foi criado pela Resolução do Conselho de Ministros n.º 197/97

Leia mais

EIXO I ATRACTIVIDADE TERRITORIAL

EIXO I ATRACTIVIDADE TERRITORIAL Plano de Acção para 2007 1 Um Plano de Acção, mais do que um documento, pretende-se que seja um instrumento de trabalho manuseável, flexível, ajustável à realidade e útil. Neste sentido, considerou-se

Leia mais

EDITORIAL O QUE É A REDE SOCIAL

EDITORIAL O QUE É A REDE SOCIAL EDITORIAL A Rede Social de Estarreja constitui a maior concertação de parcerias no Concelho. De entre os seus objectivos, compete-lhe criar canais regulares de comunicação e informação entre os parceiros

Leia mais

Portugal APOIOS COMUNITÁRIOS às entidades da economia social. Versão de 11/jun/2015

Portugal APOIOS COMUNITÁRIOS às entidades da economia social. Versão de 11/jun/2015 Portugal 2020 APOIOS COMUNITÁRIOS às entidades da economia social Versão de 11/jun/2015 1 Regulamento FSE Através da Portaria nº 97-A/2015, de 30 de março, da Presidência do Conselho de Ministros e Ministério

Leia mais

CONSELHO LOCAL DE ACÇÃO SOCIAL DE BOTICAS REGULAMENTO INTERNO. Rede Social de Boticas CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS. Artigo 1.

CONSELHO LOCAL DE ACÇÃO SOCIAL DE BOTICAS REGULAMENTO INTERNO. Rede Social de Boticas CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS. Artigo 1. CONSELHO LOCAL DE ACÇÃO SOCIAL DE BOTICAS REGULAMENTO INTERNO CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS Artigo 1.º OBJECTO O presente regulamento interno destina-se a definir os princípios a que obedece a constituição,

Leia mais

REDE SOCIAL DO CONCELHO DE BEJA

REDE SOCIAL DO CONCELHO DE BEJA PLANODEAÇÃO DA REDE SOCIAL DO CONCELHO DE BEJA'15 Estrutura Resumida REDE SOCIAL DO CONCELHO DE BEJA Ficha Técnica Responsáveis Técnicos: - Nélia Silva - Fundação S. Barnabé - Graça Loução Centro Distrital

Leia mais

Plano de Ação da Rede Social de Mafra 2017

Plano de Ação da Rede Social de Mafra 2017 EIXO I DEMOGRAFIA Objetivo Geral/Estratégico 1: Fortalecer as estruturas formais de apoio à Família OE1. Promover o alargamento da capacidade da resposta social Creche, nas Instituições onde já existe.

Leia mais

PROGRAMA OPERACIONAL TEMÁTICO POTENCIAL HUMANO

PROGRAMA OPERACIONAL TEMÁTICO POTENCIAL HUMANO PROGRAMA OPERACIONAL TEMÁTICO POTENCIAL HUMANO 2007-201 Apresentação da Proposta ÍNDICE 1 O PROBLEMA 2 A ESTRATÉGIA 4 PLANO DE FINANCIAMENTO 1 1 O PROBLEMA Taxa de emprego Emprego em média e alta tecnologia

Leia mais

PROGRAMA REDE SOCIAL

PROGRAMA REDE SOCIAL PROGRAMA REDE SOCIAL Valongo CONSELHO LOCAL DE ACÇÃO SOCIAL DE VALONGO - CLAS - REGULAMENTO INTERNO Aprovado em reunião do Conselho Local de Acção Social de Valongo a 02 de Julho de 2003 CAPÍTULO l Âmbito

Leia mais

CLUBE DE EMPREGO SOCIOHABITAFUNCHAL PLANO DE ACTIVIDADES

CLUBE DE EMPREGO SOCIOHABITAFUNCHAL PLANO DE ACTIVIDADES PLANO DE ACTIVIDADES 2010 2011 Identificação Entidade: Sociohabitafunchal, E.M Animadora: Célia Dantas Localização: Centro Cívico de Santo António Designação O Clube de Emprego é um serviço promovido pelo

Leia mais

Seminário. Centros Para a Qualificação e o Ensino Profissional (CQEP) Orientação que modelo de funcionamento?

Seminário. Centros Para a Qualificação e o Ensino Profissional (CQEP) Orientação que modelo de funcionamento? Seminário A Indústria e o Sistema de Educação e Formação: contributos para a Estratégia Europa 2020 22 de março de 2013 Centros Para a Qualificação e o Ensino Profissional (CQEP) Orientação que modelo

Leia mais

Plano de Acção 2007/2008. Eixo I Promover as competências sócio-educativas da população do Concelho

Plano de Acção 2007/2008. Eixo I Promover as competências sócio-educativas da população do Concelho Plano de Acção 2007/2008 Eixo I Promover as competências sócio-educativas da população do Concelho Projecto: Formação da População Adulta - Dinamização do Centro RVC (Iniciativa Novas Oportunidades) -

Leia mais

REDE SOCIAL REGULAMENTO INTERNO. Introdução

REDE SOCIAL REGULAMENTO INTERNO. Introdução REGULAMENTO INTERNO Introdução A Rede Social criada pela Resolução do Conselho de Ministros n 197/97, de 18 de Novembro, insere-se no âmbito de uma política social activa potenciando a eficácia das medidas

Leia mais

Entidade responsável pela Execução

Entidade responsável pela Execução Eixo Estratégico I - Parcerias e Economia Solidária 2009, 3 acções de sensibilização/formação para dirigentes Associativos com vista à melhoria do seu desempenho. 2009, 3 acções de formação para técnicos

Leia mais

OS FUNDOS E A COESÃO SOCIAL

OS FUNDOS E A COESÃO SOCIAL OS FUNDOS E A COESÃO SOCIAL Exmo. Senhor Ministro da Solidariedade e da Segurança Social Exma. Senhora Ministra da Agricultura, do Mar, do Ambiente e do Ordenamento do Território Exmo. Senhor Secretário

Leia mais

www.algarve.portugal2020.pt Região Competitiva, Resiliente, Empreendedora e Sustentável com base na valorização do Conhecimento CAPACITAR Fundo Social Europeu (FSE) Eixos Prioritários Prioridades de Investimento

Leia mais

Plano de Actividades e Orçamento 2010

Plano de Actividades e Orçamento 2010 Plano de Actividades e Orçamento 2010 1 2 1. Missão A CooLabora é uma cooperativa de consultoria e intervenção social criada em 2008. Tem por missão contribuir para a inovação social no desenvolvimento

Leia mais

Programa Rede Social Nisa PLANO DE AÇÃO Câmara Municipal de Nisa. Praça do Município Nisa Telefone

Programa Rede Social Nisa PLANO DE AÇÃO Câmara Municipal de Nisa. Praça do Município Nisa Telefone PLANO DE AÇÃO 2017 NOTA PRÉVIA Decorrente do processo de atualização do diagnóstico social e do plano de desenvolvimento social, da Rede Social do Concelho de Nisa e numa perspetiva de continuidade em

Leia mais

OBJECTIVOS: Prevenção Participação Associativismo Reflexão LINHAS DE ACTUAÇÃO:

OBJECTIVOS: Prevenção Participação Associativismo Reflexão LINHAS DE ACTUAÇÃO: LINHAS DE ACTUAÇÃO: OBJECTIVOS: Incentivar a criação das associações de pais e EE, do ensino não superior; Intervir e defender os interesses dos educandos, fomentando a colaboração entre pais, alunos e

Leia mais

PLANO DE ATIVIDADES 2016

PLANO DE ATIVIDADES 2016 Modalidade Destinatários Calendarização Obs. Divulgar e Promover a Comissão junto da população Promover a Comissão e Informar a Comunidade através de ações específicas. Aumentar competências no âmbito

Leia mais

POLÍTICAS DE SOLIDARIEDADE SOCIAL PLANO E ORÇAMENTO PARA 2014

POLÍTICAS DE SOLIDARIEDADE SOCIAL PLANO E ORÇAMENTO PARA 2014 POLÍTICAS DE SOLIDARIEDADE SOCIAL PLANO E ORÇAMENTO PARA 2014 As políticas sociais no âmbito da Solidariedade e Segurança Social implementadas pelo Partido Socialista e o atual Governo, na proposta de

Leia mais

Rede Social de Vila Pouca de Aguiar

Rede Social de Vila Pouca de Aguiar Introdução... 3 Plano de Desenvolvimento Social... 4 O que é o Plano de Desenvolvimento Social?... 4 Para que serve o Plano de Desenvolvimento Social?... 4 O Plano de Desenvolvimento Social como processo

Leia mais

Plano de Formação Sensibilização / Informação 2010

Plano de Formação Sensibilização / Informação 2010 Plano de Sensibilização / 2010 Acção de / Eixo de Direitos e Cidadania 1.º 1.º e 4.º Janeiro e Fevereiro e Dezembro Fevereiro Centro Nós do 115 Famílias do básico (2.º e 3.º ciclos) e (Acção 8. Nós Pais

Leia mais

Ficha de Caracterização de Entidade/Projecto CLDS - ESPIRAL

Ficha de Caracterização de Entidade/Projecto CLDS - ESPIRAL Ficha de Caracterização de Entidade/Projecto CLDS - ESPIRAL 2 A. IDENTIFICAÇÃO GERAL DA ENTIDADE Projecto(s) Projecto Espiral - Contrato Local de Desenvolvimento Promotor(es): CESIS - Centro de Estudos

Leia mais

REGULAMENTO DA PLATAFORMA SUPRACONCELHIA DA BEIRA INTERIOR NORTE

REGULAMENTO DA PLATAFORMA SUPRACONCELHIA DA BEIRA INTERIOR NORTE REGULAMENTO DA PLATAFORMA SUPRACONCELHIA DA BEIRA INTERIOR NORTE O presente regulamento destina-se a dar a conhecer os princípios a que obedecem a organização e a articulação da Rede Social ao nível supraconcelhio,

Leia mais

RELATÓRIO DE MONITORIZAÇÃO CLDS MARINHA SOCIAL

RELATÓRIO DE MONITORIZAÇÃO CLDS MARINHA SOCIAL RELATÓRIO DE MONITORIZAÇÃO CLDS MARINHA SOCIAL O presente relatório reflecte a actividade do CLDS Marinha Social, desde o inicio da sua actividade, em Julho de 2009 até Junho de 2010, analisando-se 2 momentos

Leia mais

ACTA Nº. 2/2008. Reunião do Conselho Local de Acção Social de Castelo de Vide realizada no dia vinte e um de Outubro de dois mil e oito.

ACTA Nº. 2/2008. Reunião do Conselho Local de Acção Social de Castelo de Vide realizada no dia vinte e um de Outubro de dois mil e oito. ACTA Nº. 2/2008 Reunião do Conselho Local de Acção Social de Castelo de Vide realizada no dia vinte e um de Outubro de dois mil e oito. - - - - Aos vinte e um dias do mês de Outubro do ano dois mil e oito,

Leia mais

Plano de Desenvolvimento Social

Plano de Desenvolvimento Social Plano de Desenvolvimento Social 65 6. Planear para Intervir Objectivos e Estratégias Numa fase seguinte, após a consequente identificação das vulnerabilidades concelhias /eixos estratégicos de intervenção

Leia mais

REDE SOCIAL CONSELHO LOCAL DE AÇÃO SOCIAL DE MANGUALDE

REDE SOCIAL CONSELHO LOCAL DE AÇÃO SOCIAL DE MANGUALDE REDE SOCIAL CONSELHO LOCAL DE AÇÃO SOCIAL DE MANGUALDE PLANO DE AÇÃO 2014-1 ENTIDADES QUE CONSTITUEM O CLASM (CONSELHO LOCAL DE AÇÃO SOCIAL DE MANGUALDE) Câmara Municipal de Mangualde Centro Distrital

Leia mais

ANEXO C. Guia Rápido dos Fundamentos da Rede Social

ANEXO C. Guia Rápido dos Fundamentos da Rede Social ANEXO C Guia Rápido dos Fundamentos da Rede Social Guia Rápido dos Fundamentos da Rede Social O trabalho em parceria é um conceito que só se materializa e operacionaliza quando as pessoas e entidades se

Leia mais

3,11% 3,03% 2,82% 2,76% 2,56% 1,92% 1,62% 1,52% 1,48% 0,00% 1,00% 2,00% 3,00% 4,00% 5,00% 6,00%

3,11% 3,03% 2,82% 2,76% 2,56% 1,92% 1,62% 1,52% 1,48% 0,00% 1,00% 2,00% 3,00% 4,00% 5,00% 6,00% Problemáticas Especificas e Respostas Sociais Famílias e comunidade Rendimento Social de Inserção População Beneficiária de RSI (%) Barreiro Montijo Almada Setúbal Peninsula de Setúbal Portugal Continental

Leia mais

Lucília Espanhol Serviço Local de Borba da Segurança Social

Lucília Espanhol Serviço Local de Borba da Segurança Social 2017 PLANO DE AÇÃO Elaborado no âmbito do Programa Rede Social Plano de Ação do Concelho de 2017 s parceiras (Núcleo Executivo do CLASB): António Anselmo - Sofia Alexandra Dias - Crispim Francisco Lopes

Leia mais

Plano desenvolvimento social

Plano desenvolvimento social Plano desenvolvimento social 2014-2016 Área Intervenção I FAMÍLIA (HABITAÇÃO/EDUCAÇÃO) - Problemas ao nível do parque habitacional; - Falta de expetativas/ objetivos ao nível educativo; - Défice de competências

Leia mais

Fórum Concelhio Para a Promoção da Saúde

Fórum Concelhio Para a Promoção da Saúde Fórum Concelhio Para a Promoção da Saúde CASCAIS SAUDÁVEL 1. Contexto SÓCIO-POLÍTICO: Saúde na ordem do dia Envelhecimento da população Sustentabilidade do SNS Transferência de competências para as Autarquias

Leia mais

Conselho Local de Acção Social de Pampilhosa da Serra REGULAMENTO

Conselho Local de Acção Social de Pampilhosa da Serra REGULAMENTO Conselho Local de Acção Social de Pampilhosa da Serra REGULAMENTO PREÂMBULO A REDE SOCIAL criada pela Resolução do Conselho de Ministros nº. 197/97, de 18 de Novembro, traduz-se numa estratégia de abordagem

Leia mais

Regulamento Programa AnimaSénior

Regulamento Programa AnimaSénior Nota Justificativa O Município de Vouzela, ao longo dos anos, tem vindo a implementar programas e atividades destinados à população sénior residente no concelho, no âmbito do programa AnimaSénior, tendo

Leia mais

Plano de Desenvolvimento Social 2016/2020

Plano de Desenvolvimento Social 2016/2020 Plano de Desenvolvimento Social 2016/2020 O que é o PDS? Documento orientador de planeamento integrado e participado do desenvolvimento social para os próximos cinco anos. Pretende traçar o caminho a seguir

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO CONSELHO LOCAL DE ACÇÃO SOCIAL DE OLHÃO PROGRAMA REDE SOCIAL

REGULAMENTO INTERNO CONSELHO LOCAL DE ACÇÃO SOCIAL DE OLHÃO PROGRAMA REDE SOCIAL REGULAMENTO INTERNO CONSELHO LOCAL DE ACÇÃO SOCIAL DE OLHÃO PROGRAMA REDE SOCIAL JANEIRO DE 2007 REGULAMENTO INTERNO CAPITULO I DISPOSIÇÕES GERAIS Artigo 1º Objecto O presente regulamento interno destina-se

Leia mais

CONSELHO LOCAL DE AÇÃO SOCIAL DE PORTIMÃO

CONSELHO LOCAL DE AÇÃO SOCIAL DE PORTIMÃO 1 A Rede Social foi criada através da Resolução do Conselho de Ministros nº197/97, de 18 de Novembro, com regulamentação pelo Decreto Lei n.º 115/06, de 14 de Junho. O que é a Rede Social? É um programa

Leia mais

Plataforma Supraconcelhia do Tâmega

Plataforma Supraconcelhia do Tâmega Regulamento da Plataforma Supraconcelhia do Tâmega Artigo 1º Objecto O presente regulamento define o processo de organização e funcionamento da Plataforma supraconcelhia do Tâmega, abreviadamente designada

Leia mais

O POTENCIAL HUMANO PARA de NOVEMBRO 2012

O POTENCIAL HUMANO PARA de NOVEMBRO 2012 O POTENCIAL HUMANO PARA 2013 28 de NOVEMBRO 2012 O POTENCIAL HUMANO PARA 2013 ORIENTAÇÕES ESTRATÉGICAS PARA O FUTURO - CAPITAL HUMANO PARA O CRESCIMENTO E O EMPREGO CONTRIBUTO DO POPH (ANOS 2013 E 2014)

Leia mais

ESTRUTURA ORGANIZATIVA DA ISCMPSA

ESTRUTURA ORGANIZATIVA DA ISCMPSA ESTRUTURA ORGANIZATIVA DA ISCMPSA Este documento visa dar corpo á orgânica dos serviços da Santa Casa, ou seja, definir competências, hierarquias e formas de actuação. Como a Santa Casa da Póvoa de Santo

Leia mais

AS POLÍTICAS DE RESPOSTA À CONJUTURA

AS POLÍTICAS DE RESPOSTA À CONJUTURA AS POLÍTICAS DE RESPOSTA À CONJUTURA Aumentar a liquidez / crédito Política monetária Normalização sistema financeiro Expandir a procura Apoiar o emprego Investimento público Investimento privado Políticas

Leia mais

Programa Operacional Regional Alentejo 2014/2020. Identidade, Competitividade, Responsabilidade

Programa Operacional Regional Alentejo 2014/2020. Identidade, Competitividade, Responsabilidade Programa Operacional Regional Alentejo 2014/2020 Identidade, Competitividade, Responsabilidade Lezíria do Tejo Alto Alentejo Alentejo Central Alentejo Litoral Baixo Alentejo Planeamento Estratégico Regional

Leia mais

www.algarve.portugal2020.pt Região Competitiva, Resiliente, Empreendedora e Sustentável com base na valorização do Conhecimento Roteiro Regional CRESC ALGARVE 2020 Fundo Social Europeu (FSE) Eixos Prioritários

Leia mais

ÍNDICE. Índice de quadros...i Índice de gráficos...ii Índice de figuras... III

ÍNDICE. Índice de quadros...i Índice de gráficos...ii Índice de figuras... III ÍNDICE Pág. de quadros...i de gráficos...ii de figuras... III 1. Introdução...1 1.1. Preâmbulo...1 1.2. Conceito e finalidade...3 1.3. Conteúdo da Carta Educativa...6 1.4. Intervenientes e metodologia

Leia mais

E N T I D A D E DATA : 2014/03/31 EXECUÇÃO DO PLANO DE ACTIVIDADES MUNICIPAL ANO CONTABILÍSTICO 2013 MUNICIPIO DE BEJA HORA : 09:47:45

E N T I D A D E DATA : 2014/03/31 EXECUÇÃO DO PLANO DE ACTIVIDADES MUNICIPAL ANO CONTABILÍSTICO 2013 MUNICIPIO DE BEJA HORA : 09:47:45 PERÍODO JANEIRO A DEZEMBRO - 2013/12/31 Pagina : 1 1. Funções gerais 692.793,77 700.893,77 502.238,97 494.714,37 442.264,06 425.619,24 425.619,24 198.654,80 69.095,13 60.73 60.73 100.00 1.1. Serviços gerais

Leia mais

Proposta de Revisão do Programa

Proposta de Revisão do Programa Proposta de Revisão do 31 Dezembro 2010 Identificação Objectivos: Convergência e Competitividade e do Emprego PROGRAMA OPERACIONAL Período de programação: 2007-2013 Número do programa (CCI): 2007PT05UPO001

Leia mais

Programa BIP/ZIP de Lisboa

Programa BIP/ZIP de Lisboa Programa BIP/ZIP de Lisboa Objectivos e âmbito O Programa BIP-ZIP Bairros e Zonas de Intervenção prioritária de Lisboa é criado pela Câmara Municipal de Lisboa, no quadro do Programa Local de Habitação

Leia mais

PLANO DE ACÇÃO REGIONAL ALENTEJO 2020

PLANO DE ACÇÃO REGIONAL ALENTEJO 2020 FORUM REGIONAL ALENTEJO 2020 DESAFIOS E OPORTUNIDADES PLANO DE ACÇÃO REGIONAL ALENTEJO 2020 COMISSÃO DE COORDENAÇÃO E DESENVOLVIMENTO REGIONAL DO ALENTEJO Joaquim Fialho joaquim.fialho@ccdr-a.gov.pt Vendas

Leia mais

Lisboa 2015 FICHA DE CANDIDATURA

Lisboa 2015 FICHA DE CANDIDATURA Lisboa 2015 Refª: 038 DE JOVEM A LIDER Grupo de Trabalho dos Bairros e Zonas de Intervenção Prioritária (BIP/ZIP) Rua Nova do Almada, nº 2-3º Andar 1100-060 Lisboa Telefone: 21 322 73 60 Email - bip.zip@cm-lisboa.pt

Leia mais

O QUE SÃO OS BIP/ZIP?

O QUE SÃO OS BIP/ZIP? Bairros e Zonas de Intervenção Prioritária (BIP/ZIP) de Lisboa O QUE SÃO OS BIP/ZIP? Sessão de Capacitação Apoios financeiros para a área social 27 de Maio Miguel BRITO, Maio 2013 COMO SURGE A CARTA BIP/ZIP?

Leia mais

PLANO DE ACÇÃO, DO ANO DE 2005

PLANO DE ACÇÃO, DO ANO DE 2005 PLANO DE ACÇÃO, DO ANO DE 2005 O ano de 2005 é o último ano de vigência do I Plano Estratégico para o Desenvolvimento da. Assim sendo, este Plano de Acção constitui, de certa forma, o encerrar de um ciclo

Leia mais

Plano de Ação Rede Social. Ourique

Plano de Ação Rede Social. Ourique Plano de Ação 204 Rede Social Ourique Conselho Local de Acção Social de Ourique Janeiro 204 Ficha Técnica Título: Plano de Acção 204 do Concelho de Ourique Autoria: Núcleo Executivo da Rede Social de Ourique

Leia mais

Projecto GPS Gabinete de Proximidade para a Sustentabilidade

Projecto GPS Gabinete de Proximidade para a Sustentabilidade Projecto GPS Gabinete de Proximidade para a Sustentabilidade Actividade Formativa - Intervenção Comunitária Data 17 de Junho de 2009 Local Auditório do Edifício Cultural Município de Peniche Participação:

Leia mais

Plano Municipal Contra a Violência Doméstica Prolongamento

Plano Municipal Contra a Violência Doméstica Prolongamento Plano Municipal Contra a Violência Doméstica 2011-14 Prolongamento Plano Municipal Contra a Violência 2011 2013 Prolongamento O Plano Municipal Contra a Violência 2011/13, teve por objetivo estruturar

Leia mais

Revisão do regime de renda apoiada

Revisão do regime de renda apoiada Revisão do regime de renda apoiada Conselho Municipal de Habitação Lisboa, 24 de Setembro de 2012 Helena Roseta Enquadramento Durante 20 anos, a prioridade da política de habitação em Lisboa foi erradicação

Leia mais

FAMALICÃO INCLUSIVO. 1º Encontro do Grupo de Auto Representantes de Vila Nova de Famalicão

FAMALICÃO INCLUSIVO. 1º Encontro do Grupo de Auto Representantes de Vila Nova de Famalicão FAMALICÃO INCLUSIVO 1º Encontro do Grupo de Auto Representantes de Vila Nova de Famalicão FAMALICÃO INCLUSIVO Reuniões com os Serviços de Psicologia e Orientação FAMALICÃO INCLUSIVO Diagnóstico Local no

Leia mais

Gabinete de Apoio à Criação de Emprego e Captação de Investimentos

Gabinete de Apoio à Criação de Emprego e Captação de Investimentos Estudo de Caracterização do Tecido Empresarial do Concelho de Almada Observatório sobre Emprego, Empresas e Formação Gabinete de Apoio à Criação de Emprego e Captação de Investimentos 1 O Objecto da presente

Leia mais

Plano de Ação para 2012

Plano de Ação para 2012 Área da Ação Plano de Ação para 2012 CRONOGRAMA ÁREA DE INTERVENÇÃO ATIVIDADES 2012 Recursos Humanos Janeiro Fevereiro Março Abril Maio Junho Julho Agosto Setembro Outubro Novembro Dezembro O atendimento

Leia mais

A RESPONSABILIDADE SOCIAL E AMBIENTAL PARA UMA INCLUSÃO SUSTENTÁVEL

A RESPONSABILIDADE SOCIAL E AMBIENTAL PARA UMA INCLUSÃO SUSTENTÁVEL A RESPONSABILIDADE SOCIAL E AMBIENTAL PARA UMA INCLUSÃO SUSTENTÁVEL Seminário 19.Novembro.2012 Amadora, Agência Portuguesa do Ambiente PERCURSOS PELO AMBIENTE Organização: CESIS & COOPERACTIVA Autoras:

Leia mais

PROPOSTA DE PLANO DE DESENVOLVIMENTO SOCIAL DE CONDEIXA 2013 I 2016

PROPOSTA DE PLANO DE DESENVOLVIMENTO SOCIAL DE CONDEIXA 2013 I 2016 NÚCLEO EXECUTIVO DO CLAS-C PROPOSTA DE PLANO DE DESENVOLVIMENTO SOCIAL DE CONDEIXA 2013 I 2016 Rede de Setembro de 2013 Proposta de Plano de Desenvolvimento de 1 Índice I - Parte 1- Introdução..... 3 2-

Leia mais

CAPITULO I DISPOSIÇÕES GERAIS. Artigo 1º Objecto

CAPITULO I DISPOSIÇÕES GERAIS. Artigo 1º Objecto CAPITULO I DISPOSIÇÕES GERAIS Artigo 1º Objecto O presente regulamento interno destina-se a definir e dar a conhecer os princípios a que obedece a constituição, organização e funcionamento do Concelho

Leia mais

PROJECTO INTEGRADO SOCIAL E SAÚDE DE SESIMBRA

PROJECTO INTEGRADO SOCIAL E SAÚDE DE SESIMBRA PROJECTO INTEGRADO SOCIAL E SAÚDE DE SESIMBRA PRESSUPOSTOS 1. INFRA-ESTRUTURAS E EQUIPAMENTOS Lares sem Condições. Edifício Deteriorado sem utilização. Centro de Dia e ATL sem condições. Inexistência de

Leia mais

DIREÇÃO REGIONAL DE QUALIFICAÇÃO PROFISSIONAL DIVISÃO DE ENCAMINHAMENTO E CERTIFICAÇÃO DE COMPETÊNCIAS

DIREÇÃO REGIONAL DE QUALIFICAÇÃO PROFISSIONAL DIVISÃO DE ENCAMINHAMENTO E CERTIFICAÇÃO DE COMPETÊNCIAS DIREÇÃO REGIONAL DE QUALIFICAÇÃO PROFISSIONAL DIVISÃO DE ENCAMINHAMENTO E CERTIFICAÇÃO DE COMPETÊNCIAS O que são? Centros para a Qualificação e o Ensino Profissional Os CQEP são estruturas do Sistema Nacional

Leia mais

Programa Rede Social. Regulamento Interno. Do Conselho Local de Acção Social de Arruda dos Vinhos

Programa Rede Social. Regulamento Interno. Do Conselho Local de Acção Social de Arruda dos Vinhos Programa Rede Social Regulamento Interno Do Conselho Local de Acção Social de Arruda dos Vinhos Regulamento Interno Preâmbulo Tendo por base o Decreto-lei nº 115/2006 de 14 de Junho e no âmbito de uma

Leia mais

Programa BIP/ZIP 2016

Programa BIP/ZIP 2016 Programa BIP/ZIP 2016 FICHA DE CANDIDATURA Refª: 051 BOUTIQUE DO BAIRRO Grupo de Trabalho dos Bairros e Zonas de Intervenção Prioritária (BIP/ZIP) Rua Nova do Almada, nº 2-3º Andar 1100-060 Lisboa Telefone:

Leia mais

PROGRAMA REDE SOCIAL PLANO DE ACÇÃO 2006/2007 CONCELHO DE ARRUDA DOS VINHOS

PROGRAMA REDE SOCIAL PLANO DE ACÇÃO 2006/2007 CONCELHO DE ARRUDA DOS VINHOS PLANO DE ACÇÃO 2006/2007 CONCELHO DE ARRUDA DOS VINHOS PROGRAMA REDE SOCIAL PROJECTO FINANCIADO PELO ESTADO PORTUGUÊS MINISTÉRIO DA SEGURANÇA SOCIAL E DO TRABALHO Junho 2006 Conselho Local de Acção Social

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO Página 1

REGULAMENTO INTERNO Página 1 REGULAMENTO INTERNO DO CONSELHO LOCAL DE AÇÃO SOCIAL DE ALMODÔVAR Página 1 REGULAMENTO INTERNO DO CONSELHO LOCAL DE ACÇÃO SOCIAL DE ALMODÔVAR PREÂMBULO Considerando a necessidade de uma maior articulação

Leia mais

ESTÁGIOS PROFISSIONAIS APOIOS AO EMPREGO EMPREENDEDORISM O

ESTÁGIOS PROFISSIONAIS APOIOS AO EMPREGO EMPREENDEDORISM O ESTÁGIOS PROFISSIONAIS APOIOS AO EMPREGO EMPREENDEDORISM O ESTÁGIOS PROFISSION AIS ESTÁGIOS PROFISSIONAIS Desenvolvimento de uma experiência prática em contexto de trabalho com o Objeto objetivo de promover

Leia mais

Plano de Acção 2013 Concelho de Ourique

Plano de Acção 2013 Concelho de Ourique Plano de Acção 203 Concelho de Ourique Rede Social Ourique Programa Rede Social Conselho Local de Acção Social de Ourique Janeiro 20 Ficha Técnica Título: Plano de Acção 203 do Concelho de Ourique Autoria:

Leia mais

Programa 2012 FICHA DE CANDIDATURA. Refª: 073 GASP - Gabinete de Acção Social e Psicológica

Programa 2012 FICHA DE CANDIDATURA. Refª: 073 GASP - Gabinete de Acção Social e Psicológica Programa 2012 FICHA DE CANDIDATURA Refª: 073 GASP - Gabinete de Acção Social e Psicológica Grupo de Trabalho dos Bairros e Zonas de Intervenção Prioritária (BIP/ZIP) Rua Nova do Almada, nº 2-3º Andar 1100-060

Leia mais

PLANO DE ACTIVIDADES PARA O ANO FINANCEIRO DE 2007

PLANO DE ACTIVIDADES PARA O ANO FINANCEIRO DE 2007 PARA O ANO FINANCEIRO 2007 SCRIÇÃO DA CLASSIFICAÇÃO FINIDA 01 EDUCAÇÃO 01 01 EDUCAÇÃO PRÉ-ESCOLAR 01 02 ENSINO BÁSICO - 1º CICLO DO PROGRAMA 01 0 0 0 56 Refeitórios escolares 0701-020104/05/06-04050102-040701-05010102

Leia mais

PROJECTO EDUCATIVO OBJECTIVOS

PROJECTO EDUCATIVO OBJECTIVOS PROJECTO EDUCATIVO OBJECTIVOS 2011/2012 OBJECTIVOS PEA 2011/2012 PROMOÇÃO DE HÁBITOS DE CIDADANIA 1. CLIMA E AMBIENTE ESCOLAR 1. Desenvolver estruturas e processos de gestão de qualidade, participativa,

Leia mais