Instituto da Segurança Social, I.P. Centro Distrital da Guarda

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Instituto da Segurança Social, I.P. Centro Distrital da Guarda"

Transcrição

1 PLANEAMENTO ESTRATÉGICO SUPRACONCELHIO Plataforma Supraconcelhia * Beira Interior Norte (PSCBIN) Diagnóstico Social (DS) e Plano de Desenvolvimento Social (PDS) 11 / Dezembro / 2009 Instituto da Segurança Social, I.P. Centro Distrital da Guarda

2 área: km² ConcelhoS: 9 freguesias: de Janeiro de

3 A Plataforma Supraconcelhia da Beira Interior Norte (PSCBIN) é uma instância de âmbito territorial que funciona como espaço privilegiado de debate e análise dos problemas sociais dos concelhos que a compõem. Procura articular instrumentos de planeamento locais com os planos, medidas, programas e acções nacionais com vista à promoção de um planeamento concertado, e que permita uma melhor organização da intervenção a partir da rentabilização dos recursos do conjunto dos concelhos que a integram. 14 de Janeiro de

4 Do Diagnóstico Social (DS) ao Plano de Desenvolvimento Social (PDS) Neste ponto pretende estabelecer-se o elo de ligação entre o Diagnóstico Social (identificação e hierarquização dos problemas) e o Plano de Desenvolvimento Social (intervenção sobre os problemas considerados prioritários). O PDS resulta do Diagnóstico Social. Ambos são componentes do mesmo processo, complementando-se e retroalimentando-se já que o Diagnóstico Social traduz os problemas e prioridades de intervenção advindo, através desta análise, grandes estratégias e orientações. 14 de Janeiro de

5 DIAGNÓSTICO SOCIAL (ds) 14 de Janeiro de

6 Grupo Operativo Centro Distrital da Guarda CLAS de Almeida; CLAS de Celorico da Beira; CLAS de Figueira de Castelo Rodrigo; CLAS da Guarda; CLAS de Manteigas; CLAS de Meda; CLAS de Pinhel; CLAS de Sabugal; CLAS de Trancoso REAPN 14 de Janeiro de

7 Caracterização da plataforma por áreas ( Análise documental e estatísticas sticas oficiais) Demografia Educação Emprego Saúde Respostas Sociais Protecção Social 14 de Janeiro de

8 demografia Plataform a Supraconcelhia BIN População Residente HM População Residente H População Residente M Plataform a Supraconcelhia BIN População Residente HM População Residente H População Residente M ALMEIDA CELORICO DA BEIRA FIGUEIRA CAST RODRIGO GUARDA MANTEIGAS MEDA PINHEL SABUGAL TRANCOSO ALMEIDA CELORICO DA BEIRA FIGUEIRA CAST RODRIGO GUARDA MANTEIGAS MEDA PINHEL SABUGAL TRANCOSO INE INE 2008 (Estimativas) de Janeiro de

9 demografia - Faixa etária 13,5 % 61 % 25,5 % Plataforma Supraconcelhia BIN População Residente 0 a 14 anos População Residente 15 a 24 anos População Residente 25 a 64 anos População Residente 65 ou mais anos ALMEIDA CELORICO DA BEIRA FIGUEIRA CAST RODRIGO GUARDA MANTEIGAS MEDA PINHEL SABUGAL TRANCOSO Fonte: INE de Janeiro de

10 demografia - Faixa etária 12 % População Residente 0 a 14 anos População Residente 15 a 24 anos 63 % População Residente 25 a 64 anos 25 % População Residente 65 ou mais anos ALMEIDA CELORICO DA BEIRA FIGUEIRA CAST RODRIGO GUARDA MANTEIGAS MEDA PINHEL SABUGAL TRANCOSO INE 2008 (Estimativas) de Janeiro de

11 demografia - Índice de envelhecimento Plataform a Supraconcelhia BIN Indice de Envelhecimento (INE 2001) 188,6 Indice de Envelhecimento (INE 2008) 217 ALMEIDA 270,9 320,3 CELORICO DA BEIRA 196,7 216,8 FIGUEIRA CAST RODRIGO 243,9 282,2 GUARDA 119,9 144,4 MANTEIGAS 142,6 188,3 MEDA 241,1 294,5 PINHEL 216,6 275,3 SABUGAL 378,2 423,4 TRANCOSO 191,0 225,5 14 de Janeiro de

12 Desemprego (Género, Tempo Inscrição, Situação Face à Procura de Emprego) Plataforma Supraconcelhia Beira Interior Norte (Out/2009) Fonte: IEFP-Estatisticas Estatisticas Mensais Concelhos, Out./2009 Desempregados HOM MUL Inscritos < 1 ano Inscritos 1 ano e + 1º Emprego Novo Emprego TOTAL ALMEIDA CELORICO DA BEIRA FIGUEIRA CAST RODRIGO GUARDA MANTEIGAS MEDA PINHEL SABUGAL TRANCOSO Taxa de Desemprego Taxa de Desemprego ,4% ,4% 14 de Janeiro de

13 Desemprego (Grupo Etário) Plataforma Supraconcelhia Beira Interior Norte (Out/2009) Grupo Etário < 25 Anos Grupo Etário Anos Grupo Etário Anos Grupo Etário 55 Anos e + TOTAL ALMEIDA CELORICO DA BEIRA FIGUEIRA CAST RODRIGO GUARDA MANTEIGAS MEDA PINHEL SABUGAL TRANCOSO Fonte: IEFP-Estatisticas Estatisticas Mensais Concelhos, Out./ de Janeiro de

14 EDUCAÇÃO (Alunos) Alunos Plataform a Supraconcelhia Beira Interior Norte (Nov./2009) Fonte: Agrupamentos de Escolas Educação Pré- Escolar Ensino Básico 1º Ciclo 2º Ciclo 3º Ciclo Ensino Secundário CEF = 3º Ciclo Curso Profissional Nível Secundário de Janeiro de

15 EDUCAÇÃO ( ÃO (Professores) Professores Plataforma Supraconcelhia Beira Interior Norte (Nov./2009) Educação Pré- Escolar Ensino Básico 1º Ciclo 2º Ciclo 3º Ciclo Ensino Secundário CEF = 3º Ciclo Curso Profissional Nível Secundário Fonte: Agrupamentos de Escolas de Janeiro de

16 EDUCAÇÃO (Funcion( Funcionários) Funcionários 644 Plataforma Supraconcelhia Beira Interior Norte (Nov./2009) Educação Pré- Escolar Ensino Básico 1º Ciclo 2º Ciclo 3º Ciclo Ensino Secundário CEF = 3º Ciclo Curso Profissional Nível Secundário Fonte: Agrupamentos de Escolas de Janeiro de

17 Educação abandono escolar Plataforma Supraconcelhia BIN Taxa Abandono Escolar ALMEIDA 1,31 CELORICO DA BEIRA 2,66 FIGUEIRA CAST RODRIGO 7,14 GUARDA 1,76 MANTEIGAS 1,32 MEDA 4,40 PINHEL 3,11 SABUGAL 2,44 TRANCOSO 3,33 Fonte: INE ,6 % 14 de Janeiro de

18 Educação analfabetismo Fonte: INE 2001 Plataforma Supraconcelhia BIN Taxa Analfabetismo ALMEIDA 14,65 CELORICO DA BEIRA 17,82 FIGUEIRA CAST RODRIGO 15,51 GUARDA 10,14 MANTEIGAS 12,77 MEDA 19,19 PINHEL 16,66 SABUGAL 22,07 TRANCOSO 17,00 14,9 % 14 de Janeiro de

19 SAÚDE Plataform a Supraconcelhia Beira Interior Norte Hospitais (2009) Centros de Saúde (2009) Médicos (2009) Enfermeiros (por 1000 Habitantes ) Farmácias e postos farmacêuticos (2007) Fonte: ULS Jun./ de Janeiro de

20 Respostas sociais IPSS e Pessoas em acordo Plataform a Supraconcelhia BIN IPSS C/ Acordo Pessoas abrangidas C/ Acordo ALMEIDA CELORICO DA BEIRA FIGUEIRA CAST RODRIGO GUARDA MANTEIGAS MEDA PINHEL SABUGAL TRANCOSO Fonte: CDist Guarda - Abril de Janeiro de

21 Respostas sociais Por Concelho Plataforma Supraconcelhia BIN Creches Creche Familiar Pré-Escolar CATL Centro Lar Infância Intervenção Acolhimento e Juventude Precoce Temporário Centro Actividades Ocupacionais Lar Apoio Lar Residencial Centro Apoio À Vida Centro de Convivio Centro de Dia Centro de Noite SAD Apoio Domiciliário Integrado Lar Idosos Unidade Apoio Integrado Refeitório/C antina Social Centro Recursos Alcoolismo Atendimento/ Acompanha mento Social ALMEIDA CELORICO DA BEIRA FIGUEIRA CAST RODRIGO GUARDA MANTEIGAS MEDA PINHEL SABUGAL TRANCOSO Fonte: CDist Guarda - Abril de Janeiro de

22 Protecção social rsi / CSI Plataform a Supraconcelhia Beira Interior Norte RSI Famílias RSI Beneficiários CSI ALMEIDA CELORICO DA BEIRA FIGUEIRA CAST RODRIGO GUARDA MANTEIGAS MEDA PINHEL SABUGAL TRANCOSO Fonte: CDist Guarda Out./ de Janeiro de

23 - Demografia - Educação - Habitação - Saúde - Empregabilidade - Respostas Sociais - Emprego e Formação Profissional - Estrutura Económica - Saúde - Habitação - Educação - IPSS s - Minorias Étnicas - Pessoas Portadoras de Deficiência - Associativismo - Educação / Formação - Cuidados de Saúde - Empregabilidade / Actividade Económica - Acção Social - Cultura Associativa - Turismo - Ambiente - Empregabilidade - Escolarização - Alcoolismo - Cultura de Parceria - Demografia - Economia - Educação - Saúde - Acção Social -Habitaçã; -- Acessibilidades - Empregabilidade - Apoio Social - Promoção da Fixação da População - Promoção da Saúde - Acção Social - Formação e Educação - Saúde - Habitação - Turismo - Envelhecimento e Desertificação Populacional - Dificuldades de Acesso a Serviços de Saúde - Fraco Dinamismo Económico - Dificuldade de Mobilidade no Interior do Concelho - Equipamentos e Serviços de Apoio à Infância e Juventude Insuficientes - Fraco Dinamismo Sócio-Cultural - Território, População e Demografia - Habitação - Educação no concelho - Saúde - Acção Social - Acessibilidades, Infra-estruturas e Serviços de Transporte - Associativismo - Segurança, Justiça e Criminalidade - Ambiente e Turismo Mapa com Àreas-Problema na PSCBIN de Janeiro de

24 Problemáticas / Eixos de Intervenção Eixo 1: Promoção da Qualidade de Vida da População Idosa; Eixo 2: Emprego / Formação e Qualificação Profissional; Eixo 3: Intervenção ao Nível da Habitação; Eixo 4: Apoio a Grupos em Situação de Fragilidade Social (situações de pobreza, toxicodependências, imigrantes, minorias étnicas, deficiência, crianças e jovens); 14 de Janeiro de

25 PLANO DESENVOLVIMENTO SOCIAL (pds) de Janeiro de

26 Eixo 1: Promoção da Qualidade de Vida da População Idosa; 14 de Janeiro de

27 Eixo 1: Promoção da Qualidade de Vida da População Idosa; Plano de Desenvolvimento Social Eixo de Intervenção 1 - Promoção da Qualidade de Vida da População Idosa NUT III - Beira Interior Norte Nº OBJECTIVO GERAL PROPOSTA DE INTERVENÇÃO INDICADOR META DADOS A MONITORIZAR RESPONSÁVEL PARCEIROS CRONOGRAMA Início Fim MEDIDA DE POLÍTICA DE APOIO 1 Garantir um aumento de 75 % do n.º de beneficiários de CSI, em relação ao ano 2008 (4.081) % de aumento do n.º de beneficiários CSI 75% N.º de benficiários CSI em 2011 /N.º de benficiários CSI em 2008 Segurança Social Parceiros locais Complemento Solidário para Idosos (CSI) 2 3 Promover a melhoria das condições de vida da população idosa Promover o reforço/alargamento de equipamentos sociais para Idosos, criando novos lugares Garantir a requalificação de equipamentos sociais. (equipamentos antigos, cujas condições físicas estão deterioradas ou ultrapassadas face às novas regras de construção e segurança) Nº de equipamentos sociais criados Nº de equipamentos requalificados Nº de equipamentos sociais criados, por tipo de resposta/concelho Nº de equipamentos requalificados, por tipo de resposta/concelho Instituições Locais Instituições Locais Segurança Social * Municípios Segurança Social * Municípios Programa de Alargamento da Rede de Equipamentos Sociais (PARES) * Programa Operacional Potencial Humano (POPH) Medida de Apoio à Segurança dos Equipamentos Sociais (MASES) 4 Promover a realização de Encontros/Convívios/Actividades de ocupação para os idosos Actividades promovidas Nº de actividades promovidas/concelho Instituições Locais * Municípios Segurança Social Programas/projectos específicos dos Intervenientes 5 Melhorar as condições básicas de habitabilidade e acessibilidade dos idosos Nº de melhorias de habitação 289 Nº de melhorias de habitação Municípios Segurança Social Programa Conforto Habitacional para Pessoas Idosos (PCHI) 6 Criar Unidades de Cuidados Continuados para idosos e pessoas em situação de dependência Nº Unidades criadas 4 Nº de Unidades Criadas por tipologia/concelho Instituições Locais Segurança Social * Saúde Rede Nacional de Cuidados Continuados Integrados (RNCCI) 14 de Janeiro de

28 Eixo 2: Emprego / Formação e Qualificação Profissional 14 de Janeiro de

29 Eixo 2: Emprego / Formação e Qualificação Profissional Plano de Desenvolvimento Social Eixo de Intervenção 2 - Emprego / Formação e Qualificação Profissional NUT III - Beira Interior Norte Nº OBJECTIVO GERAL PROPOSTA DE INTERVENÇÃO INDICADOR META DADOS A MONITORIZAR RESPONSÁVEL PARCEIROS CRONOGRAMA Início Fim MEDIDA DE POLÍTICA DE APOIO 1 Abranger os beneficiários de RSI em Programas Ocupacionais para Carenciados N.º de pessoas integradas em Programas Ocupacionais para Carenciados 137 (274x5 0%) N.º total de pessoas integradas em Programas Ocupacionais para Carenciados IEFP NLI / Segurança Social Programa Ocupacional para Carenciados 2 Encaminhar e integrar desempregados e benficiários de RSI em Contratos Emprego Inserção (CEI ) N.º de pessoas integradas em Contratos Emprego Inserção (CEI ) N.º total de pessoas integradas em Contratos Emprego Inserção (CEI ) IEFP NLI / Segurança Social Contratos Emprego Inserção Reforçar o acesso ao Emprego e à Formação e Qualificação Profissional Encaminhar e integrar desempregados e benficiários de RSI em Contratos Emprego Inserção + (CEI + ) Integraçãode Jovens em Estágios Profissionais Criar / Dinamizar Gabinetes de Inserção Profissional (GIP) Descentralizar "Balcão " do Centro de Emprego (Mêda e sabugal) Promover a formação profissional no âmbito da Iniciativa Novas Oportunidades N.º de pessoas integradas em Contratos Emprego Inserção + (CEI + ) Nº de Jovens integrados em Estágios Profissionais 137 (274x5 0%) N.º total de pessoas integradas em Contratos Emprego Inserção + (CEI + ) Nº total de Jovens integrados em Estágios Profissionais IEFP IEFP Nº de Gabinetes criados 2 Nº total de Gabinetes criados IEFP Nº de Balcões descentralizados Nº de pessoas certificadas 2 Nº total de Balcões descentralizados Nº total de pessoas certificadas IEFP IEFP NLI / Segurança Social Contratos Emprego Inserção + Entidades Locais Entidades Locais * Municipio Entidades Locais * Municipio Entidades Locais Iniciativa Novas Oportunidades 14 de Janeiro de

30 Eixo 3: Intervenção ao Nível da Habitação 14 de Janeiro de

31 Eixo 3: Intervenção ao Nível da Habitação Plano de Desenvolvimento Social Eixo de Intervenção 3 - Intervenção ao Nível da Habitação NUT III - Beira Interior Norte Nº OBJECTIVO GERAL PROPOSTA DE INTERVENÇÃO CRONOGRAMA INDICADOR META DADOS A MONITORIZAR RESPONSÁVEL PARCEIROS MEDIDA DE POLÍTICA DE APOIO Início Fim 1 Garantir que todos os concelhos promovem Programas Locais de Apoio à Habitação de famílias carenciadas Nº de concelhos com Programas Locais de Apoioà Habitação de famílias carenciadas 9 Nº de concelhos com Programas Locais de Apoio à Habitação de famílias carenciadas Municipios Grupo de Trabalho para as Familias Carenciadas (Segurança Social /NLI / Municípios 2 Intervenção ao Nível da Habitação Garantir que todos os municipios são parceiros do Programa SOLARH Nº de municipios parceiros do Programa 9 Nº de municipios parceiros do Programa Municípios IHRU SOLARH 3 Garantir às famílias RSI, que vivam em habitações precárias, pequenas intervenções que permitam a melhoria de condições de habitabilidade e aquisição de equipamento Nº de famílias apoiadas Nº de famílias apoiadas NLI Segurança Social * Municípios Rendimento Social de Inserção (RSI) * SOLARH 14 de Janeiro de

32 Eixo 4: Apoio a Grupos em Situação de Fragilidade Social 14 de Janeiro de

33 Eixo 4: Apoio a Grupos em Situação de Fragilidade Social Plano de Desenvolvimento Social Eixo de Intervenção 4 - Apoio a Grupos em Situação de Fragilidade Social: (situações de pobreza, toxicodependências, imigrantes, minorias étnicas, deficiência, crianças e jovens); NUT III - Beira Interior Norte Nº OBJECTIVO GERAL PROPOSTA DE INTERVENÇÃO INDICADOR META DADOS A MONITORIZAR RESPONSÁVEL PARCEIROS CRONOGRAMA Início Fim MEDIDA DE POLÍTICA DE APOIO 1.1 Promover a desinstitucionalização de crianças e jovens em tempo útil, trabalhando os seus projectos de vida Taxa anual de desinstitucionalização 12,5% N.º de crianças desinstitucionalizadas / N.º de crianças institucionalizadas Segurança Social Parceiros locais Plano DOM (Desafios, Oportunidades e Mudanças) Reforçar a protecção de crianças e jovens em risco Garantir a constituição de CPCJ em todos os concelhos Criar um Centro Apoio Familiar e Aconselhamento Parental (CAFAP) Criar Centros de Acolhimento Temporário (CAT) Comissões de protecção de crianças e jovens criadas por concelho 9 Nº de CPCJ existentes Nº de CAFAP criados 1 Nº de CAFAP criados/concelho Nº de CAT criados 2 Nº de CAT criados/concelho Municípios Instituições Locais (Figueira Castelo Rodrigo) Instituições Locais Parceiros locais Segurança Social * Municipio Parceiros locais 1.5 Criar Apartamentos de autonomização Reforçar a rede de equipamentos e serviços sociais de apoio à deficiência Abranger todos os concelhos com equipas de Intervenção Precoce Nº deapartamentos de autonomização criados Equipas de Intervenção Precoce criadas por concelho Promover o reforço/alargamento de equipamentos sociais para pessoas com deficiência garantindo uma Nº de equipamentos sociais resposta em todos os concelho (CAO, criados/concelho Lar Residêncial, Residência Autónoma) Nº deapartamentos de autonomização criados/concelho Nº de actividades promovidas/concelho Nº de equipamentos sociais criados, por tipo de resposta/concelho Instituições Locais Instituições Locais * Municípios Instituições Locais Parceiros locais Segurança Social Segurança Social * Municípios Programas/projectos específicos dos Intervenientes Programa de Alargamento da Rede de Equipamentos Sociais (PARES) * Programa Operacional Potencial Humano (POPH) 14 de Janeiro de

34 Eixo 4: Apoio a Grupos em Situação de Fragilidade Social Plano de Desenvolvimento Social Eixo de Intervenção 4 - Apoio a Grupos em Situação de Fragilidade Social: (situações de pobreza, toxicodependências, imigrantes, minorias étnicas, deficiência, crianças e jovens); NUT III - Beira Interior Norte Nº OBJECTIVO GERAL PROPOSTA DE INTERVENÇÃO INDICADOR META DADOS A MONITORIZAR RESPONSÁVEL PARCEIROS CRONOGRAMA Início Fim MEDIDA DE POLÍTICA DE APOIO Promover iniciativas de enfoque territorial dirigidas a grupos e territórios em risco e/ou situação de exclusão/social mente desfavorecidos Conseguir a aprovação de 2 projectos cujo âmbito de abrangência são descendentes minorias etnicas e imigrantes Implementar os Contratos Locais de Desenvolvimento Social (CLDS) Nº de Projectos aprovados 2 Nº de Projectos implementados 2 Nº de Projectos aprovados/concelho Nº de Projectos implementados/concelho Instituições Locais Segurança Social Parceiros locais Municípios * Parceiros locais Programa Escolhas CLDS/MTSS 4 Promover a Prevençao, Reinserção e Redução de Danos no âmbito das Toxicodependên cias Implementar projectos de ambito concelhio Nº de Projectos implementados 5 Nº de Projectos implementados, por tipologia /concelho Instituições Locais Parceiros locais * CRI / IDT Programa Operacional Respostas Integradas (PORI - CRI/IDT) 14 de Janeiro de

SISTEMA DE INFORMAÇÃO REDE SOCIAL MIRANDELA SISTEMA DE INFORMAÇÃO

SISTEMA DE INFORMAÇÃO REDE SOCIAL MIRANDELA SISTEMA DE INFORMAÇÃO SISTEMA DE INFORMAÇÃO 1 TERRITÓRIO Número de Freguesias Tipologia das Freguesias (urbano, rural, semi urbano) Área Total das Freguesias Cidades Estatísticas Total (2001, 2008, 2009) Freguesias Área Média

Leia mais

Plano de Acção

Plano de Acção - 2 - Nota Prévia A Rede Social afirmou-se ao longo da sua criação como uma medida inovadora e com capacidade de produzir alterações positivas na intervenção social. Esta medida assumiu-se, desde início,

Leia mais

2008 Concelho de Ourique

2008 Concelho de Ourique Plano de Acção 2008 Concelho de Rede Social Programa Rede Social Conselho Local de Acção Social de Janeiro 2008 Ficha Técnica Título: Plano de Acção 2008 do Concelho de Autoria: Núcleo Executivo da Rede

Leia mais

PLATAFORMA TERRITORIAL SUPRACONCELHIA DE PENÍNSULA DE SETÚBAL PLANO DE DESENVOLVIMENTO SOCIAL 2008/2010

PLATAFORMA TERRITORIAL SUPRACONCELHIA DE PENÍNSULA DE SETÚBAL PLANO DE DESENVOLVIMENTO SOCIAL 2008/2010 PLATAFORMA TERRITORIAL SUPRACONCELHIA DE PENÍNSULA DE SETÚBAL PLANO DE DESENVOLVINTO SOCIAL / APROVADO EM SETÚBAL A 13 DE NOVEMBRO DE 2009 Prioridade 1: Combater a pobreza das crianças, dos idosos e das

Leia mais

3,11% 3,03% 2,82% 2,76% 2,56% 1,92% 1,62% 1,52% 1,48% 0,00% 1,00% 2,00% 3,00% 4,00% 5,00% 6,00%

3,11% 3,03% 2,82% 2,76% 2,56% 1,92% 1,62% 1,52% 1,48% 0,00% 1,00% 2,00% 3,00% 4,00% 5,00% 6,00% Problemáticas Especificas e Respostas Sociais Famílias e comunidade Rendimento Social de Inserção População Beneficiária de RSI (%) Barreiro Montijo Almada Setúbal Peninsula de Setúbal Portugal Continental

Leia mais

1 INTRODUÇÃO O PLANO DE ACÇÃO AVALIAÇÃO...14 PLANO DE ACÇÃO DE 2009 PÁGINA 1 DE 15

1 INTRODUÇÃO O PLANO DE ACÇÃO AVALIAÇÃO...14 PLANO DE ACÇÃO DE 2009 PÁGINA 1 DE 15 ÍNDICE 1 INTRODUÇÃO...2 2 O PLANO DE ACÇÃO 2009... 3 3 AVALIAÇÃO....14 PLANO DE ACÇÃO DE 2009 PÁGINA 1 DE 15 INTRODUÇÃO Depois de elaborado o diagnóstico social e o plano de desenvolvimento social surge

Leia mais

AGIR PARA SOLUCIONAR PLANO DE ACÇÃO PARA 2010

AGIR PARA SOLUCIONAR PLANO DE ACÇÃO PARA 2010 PLANO DE DESENVOLVIMENTO SOCIAL DO MUNICÍPIO DE ARMAMAR AGIR PARA SOLUCIONAR PLANO DE ACÇÃO PARA 2010 Plano de Acção 20010 1 Após elaboração do Plano de Desenvolvimento Social, onde estão definidas as

Leia mais

Base de dados I. Questionário de levantamento de recursos institucionais/ 2009

Base de dados I. Questionário de levantamento de recursos institucionais/ 2009 Base de dados I Nº de referência da instituição Nº de registo Questionário de levantamento de recursos institucionais/ 2009 Este questionário tem como objectivo proceder à actualização do Diagnóstico Social,

Leia mais

PLANO DE ACÇÃO JANEIRO 2008 / DEZEMBRO 2008

PLANO DE ACÇÃO JANEIRO 2008 / DEZEMBRO 2008 PLAN DE ACÇÃ JANEIR 2008 / DEZEMBR 2008 Janeiro de 2008 PLAN DE ACÇÃ 2008 1 ÍNDICE Plano de Acção Introdução Eixos de Intervenção Educação Formação / Qualificação Formação Profissional / Emprego Envelhecimento/

Leia mais

Conselho Local de Ação Social

Conselho Local de Ação Social Conselho Local de Ação Social Índice Introdução... 6 Eixo I - Demografia... 7 Eixo II Educação/Nível de Instrução... 8 Eixo III Economia... 11 Eixo IV Grupos Vulneráveis... 13 Avaliação.26 2 Ficha Técnica

Leia mais

REGULAMENTO DA PLATAFORMA SUPRACONCELHIA DA BEIRA INTERIOR NORTE

REGULAMENTO DA PLATAFORMA SUPRACONCELHIA DA BEIRA INTERIOR NORTE REGULAMENTO DA PLATAFORMA SUPRACONCELHIA DA BEIRA INTERIOR NORTE O presente regulamento destina-se a dar a conhecer os princípios a que obedecem a organização e a articulação da Rede Social ao nível supraconcelhio,

Leia mais

Núcleo Executivo do CLAS de Mafra, 28 Maio de

Núcleo Executivo do CLAS de Mafra, 28 Maio de Plano de Ação Rede Social Mafra Eixo I - DEMOGRAFIA E EQUIPAMENTOS (INFRA-ESTRUTURAS DE APOIO) Objectivo geral 1. Reforçar as estruturas de apoio ao idoso Objectivo Específico 1. Aumentar a capacidade

Leia mais

Câmara Municipal de Elvas. Plano de Acção. Conselho Local de Acção Social de Elvas

Câmara Municipal de Elvas. Plano de Acção. Conselho Local de Acção Social de Elvas Câmara Municipal de Elvas Plano de Acção 2007 Julho de 2006 Conselho Local de Acção Social de Elvas PROGRAMA REDE SOCIAL Co-financiado pelo Estado Português, Ministério da Segurança Social PLANO DE ACÇÃO

Leia mais

EIXO 1: EMPREGO, QUALIFICAÇÃO, EMPREENDEDORISMO E INICIATIVA LOCAL

EIXO 1: EMPREGO, QUALIFICAÇÃO, EMPREENDEDORISMO E INICIATIVA LOCAL EIXO 1: EMPREGO, QUALIFICAÇÃO, EMPREENDEDORISMO E INICIATIVA LOCAL Desenvolver as condições facilitadoras da criação de emprego, combate ao desemprego e incentivo à iniciativa local referente ao empreendedorismo

Leia mais

RELATÓRIO DE MONITORIZAÇÃO CLDS MARINHA SOCIAL

RELATÓRIO DE MONITORIZAÇÃO CLDS MARINHA SOCIAL RELATÓRIO DE MONITORIZAÇÃO CLDS MARINHA SOCIAL O presente relatório reflecte a actividade do CLDS Marinha Social, desde o inicio da sua actividade, em Julho de 2009 até Junho de 2010, analisando-se 2 momentos

Leia mais

Rede Social. Quadro I - População residente activa e empregada segunda seguindo o sexo e o ramo de actividade taxas de actividades em 1991 e 2001.

Rede Social. Quadro I - População residente activa e empregada segunda seguindo o sexo e o ramo de actividade taxas de actividades em 1991 e 2001. Emprego e Formação Profissional Alguns dos dados constantes nesta área do Pré-diagnóstico foram fornecidos pelo Centro de Emprego de Pinhel e os restantes retirados do XVI Recenseamento geral da População

Leia mais

REDE SOCIAL DO CONCELHO DE BEJA

REDE SOCIAL DO CONCELHO DE BEJA PLANODEAÇÃO DA REDE SOCIAL DO CONCELHO DE BEJA'15 Estrutura Resumida REDE SOCIAL DO CONCELHO DE BEJA Ficha Técnica Responsáveis Técnicos: - Nélia Silva - Fundação S. Barnabé - Graça Loução Centro Distrital

Leia mais

Plano de Desenvolvimento Social

Plano de Desenvolvimento Social Plano de Desenvolvimento Social 65 6. Planear para Intervir Objectivos e Estratégias Numa fase seguinte, após a consequente identificação das vulnerabilidades concelhias /eixos estratégicos de intervenção

Leia mais

27 de junho de Domingos Lopes

27 de junho de Domingos Lopes 27 de junho de 2016 Domingos Lopes Objetivos Temáticos OT 8. Promover a sustentabilidade e a qualidade do emprego e apoiar a mobilidade dos trabalhadores assumindo como meta nacional, até 2020, o aumento

Leia mais

Plataformas Supraconcelhias Centro Atualizado em:

Plataformas Supraconcelhias Centro Atualizado em: SEGURANÇA SOCIAL Plataformas Supraconcelhias Centro Atualizado em: 17-11-2014 Plataformas Supraconcelhias As Plataformas Territoriais, como órgão da Rede Social, foram criadas com o objetivo de reforçar

Leia mais

DIAGNÓSTICO SOCIAL DO CONCELHO DE MONTALEGRE

DIAGNÓSTICO SOCIAL DO CONCELHO DE MONTALEGRE DIAGNÓSTICO SOCIAL DO CONCELHO DE MONTALEGRE Dinâmicas Demográficas e Socio- Familiares A - Desertificação e envelhecimento da população Decréscimo populacional na ordem dos 17.5%; Jovens diminuíram para

Leia mais

EIXO I ATRACTIVIDADE TERRITORIAL

EIXO I ATRACTIVIDADE TERRITORIAL Plano de Acção para 2007 1 Um Plano de Acção, mais do que um documento, pretende-se que seja um instrumento de trabalho manuseável, flexível, ajustável à realidade e útil. Neste sentido, considerou-se

Leia mais

Entidade responsável pela Execução

Entidade responsável pela Execução Eixo Estratégico I - Parcerias e Economia Solidária 2009, 3 acções de sensibilização/formação para dirigentes Associativos com vista à melhoria do seu desempenho. 2009, 3 acções de formação para técnicos

Leia mais

Plano de Ação 2013 Autoria:

Plano de Ação 2013 Autoria: Supraconcelhia BAIXO VOUGA (Cf. Dec- Lei n.º 115/2006 de 14 Junho) Plano de Ação Autoria: julho Introdução Corresponde o presente documento à proposta de Plano de Ação de da Territorial Supra concelhia

Leia mais

Anexo 1. Objectivo Central, Objectivos Estratégicos (OE) e Linhas de Orientação do PEGC OBJECTIVO CENTRAL

Anexo 1. Objectivo Central, Objectivos Estratégicos (OE) e Linhas de Orientação do PEGC OBJECTIVO CENTRAL ANEXOS Anexo 1. Objectivo Central, Objectivos Estratégicos (OE) e Linhas de Orientação do PEGC OBJECTIVO CENTRAL Desenvolver e criar um espaço dinâmico a nível económico, social e cultural, actuando ao

Leia mais

Entidades. Coordenadora ACM - Associação Cristã da Mocidade de Setúbal

Entidades. Coordenadora ACM - Associação Cristã da Mocidade de Setúbal CLDS Setúbal Entidades Coordenadora ACM - Associação Cristã da Mocidade de Setúbal Executoras ACM - Associação Cristã da Mocidade de Setúbal (Bela Vista e zona envolvente) APACCF - Associação de Professores

Leia mais

Programa de Emergência Social

Programa de Emergência Social 2012 Programa de Emergência Social Câmara Municipal de Condeixa Coordenação: Margarida Guedes Equipa Técnica do Serviço de Ação Social e Saúde Índice Página Capítulo I 1. Introdução. 3 2. Enquadramento

Leia mais

Continente e Regiões Autónomas. Agosto/2014. Instituto de Informática, I.P.

Continente e Regiões Autónomas. Agosto/2014. Instituto de Informática, I.P. SEGURANÇA SOCIAL Continente e Regiões Autónomas Agosto/2014 Direção-Geral da Segurança Social Instituto de Informática, I.P. Í NDICE PÁGINA Pirâmide etária da população residente em e 2060 3 Alguns indicadores

Leia mais

DO CONCELHO DE PROENÇA-A-NOVA

DO CONCELHO DE PROENÇA-A-NOVA PLANO DE DESENVOLVIMENTO SOCIAL E PLANO DE AÇÃO DO CONCELHO DE PROENÇA-A-NOVA JUNHO DE 2015 A DEZEMBRO 2017 1 NOTA INTRODUTÓRIA Atualmente torna-se cada vez mais evidente a necessidade de adequar o crescimento

Leia mais

Plano de Acção 2006/2007. Rede Social Concelho da Lourinhã

Plano de Acção 2006/2007. Rede Social Concelho da Lourinhã Plano de Acção 2006/2007 Rede Social Concelho da Lourinhã E I X O I Intervenção Dirigida a Grupos Específicos EIXO I : INTERVENÇÃO DIRIGIDA A GRUPOS ESPECIFICOS OBJECTIVO GERAL: Até Dezembro de 2007 existem

Leia mais

REDE SOCIAL DE SOBRAL DE MONTE AGRAÇO PLANO DE ACÇÃO PARA 2010

REDE SOCIAL DE SOBRAL DE MONTE AGRAÇO PLANO DE ACÇÃO PARA 2010 REDE SOCIAL DE SOBRAL DE MONTE AGRAÇO PLANO DE ACÇÃO PARA 2010 EIXO I Promoção da Inclusão das famílias com especial enfoque às necessidades dos idosos OBJECTIVO GERAL Melhorar as condições de vida de

Leia mais

Plano de Ação da Rede Social de Mafra 2017

Plano de Ação da Rede Social de Mafra 2017 EIXO I DEMOGRAFIA Objetivo Geral/Estratégico 1: Fortalecer as estruturas formais de apoio à Família OE1. Promover o alargamento da capacidade da resposta social Creche, nas Instituições onde já existe.

Leia mais

PLANO DE ACÇÃO DA REDE SOCIAL DE LISBOA ANO DE 2010 PRORROGAÇÃO PARA Aprovado em sede de CLAS a 04 de Julho de 2011

PLANO DE ACÇÃO DA REDE SOCIAL DE LISBOA ANO DE 2010 PRORROGAÇÃO PARA Aprovado em sede de CLAS a 04 de Julho de 2011 PLANO DE ACÇÃO DA REDE SOCIAL DE LISBOA ANO DE 2010 PRORROGAÇÃO PARA 2011 Aprovado em sede de CLAS a 04 de Julho de 2011 PLANO DE ACÇÃO PARA 2010 PRORROGAÇÃO PARA 2011 OBJECTIVO ESTRATÉGICO OBJECTIVO ESPECÍFICO

Leia mais

Plano de Desenvolvimento Social 2016/2020

Plano de Desenvolvimento Social 2016/2020 Plano de Desenvolvimento Social 2016/2020 O que é o PDS? Documento orientador de planeamento integrado e participado do desenvolvimento social para os próximos cinco anos. Pretende traçar o caminho a seguir

Leia mais

PLATAFORMA SUPRACONCELHIA

PLATAFORMA SUPRACONCELHIA PLATAFORMA SUPRACONCELHIA PLANO DE DESENVOLVIMENTO SOCIAL contributos para o desenvolvimento integrado região do entre douro e vouga santa maria da feira são joão da madeira oliveira de azeméis arouca

Leia mais

Plano de Ação Rede Social. Ourique

Plano de Ação Rede Social. Ourique Plano de Ação 204 Rede Social Ourique Conselho Local de Acção Social de Ourique Janeiro 204 Ficha Técnica Título: Plano de Acção 204 do Concelho de Ourique Autoria: Núcleo Executivo da Rede Social de Ourique

Leia mais

Programa BIP/ZIP 2015

Programa BIP/ZIP 2015 Programa BIP/ZIP 215 FICHA DE CANDIDATURA Refª: 35 Lavandaria solidária Grupo de Trabalho dos Bairros e Zonas de Intervenção Prioritária (BIP/ZIP) Rua Nova do Almada, nº 2-3º Andar 11-6 Lisboa Telefone:

Leia mais

ÍNDICE. Índice de quadros...i Índice de gráficos...ii Índice de figuras... III

ÍNDICE. Índice de quadros...i Índice de gráficos...ii Índice de figuras... III ÍNDICE Pág. de quadros...i de gráficos...ii de figuras... III 1. Introdução...1 1.1. Preâmbulo...1 1.2. Conceito e finalidade...3 1.3. Conteúdo da Carta Educativa...6 1.4. Intervenientes e metodologia

Leia mais

Plano desenvolvimento social

Plano desenvolvimento social Plano desenvolvimento social 2014-2016 Área Intervenção I FAMÍLIA (HABITAÇÃO/EDUCAÇÃO) - Problemas ao nível do parque habitacional; - Falta de expetativas/ objetivos ao nível educativo; - Défice de competências

Leia mais

Plataforma Supra Concelhia do Douro

Plataforma Supra Concelhia do Douro Ficha Técnica: Autoria: Instituto de Segurança Social, Centro Distrital de Viseu Núcleo Operativo da Plataforma Supra Concelhia do Douro - Centro Distrital de Viseu - CLAS de Armamar - CLAS de Peso da

Leia mais

Plano de Desenvolvimento Social

Plano de Desenvolvimento Social Plano de Desenvolvimento Social 2008-2010 Plataforma Supraconcelhia do Pinhal Litoral Trabalho realizado pelo Núcleo Operativo Núcleo Distrital de Leiria Março de 2009 Índice 1. Pobreza e exclusão social

Leia mais

Rede Social CLAS Fornos de Algodres C.L.A.S. CONSELH0 LOCAL DE ACÇÃO SOCIAL DO MUNICIPIO DE FORNOS DE ALGODRES

Rede Social CLAS Fornos de Algodres C.L.A.S. CONSELH0 LOCAL DE ACÇÃO SOCIAL DO MUNICIPIO DE FORNOS DE ALGODRES C.L.A.S. CONSELH0 LOCAL DE ACÇÃO SOCIAL DO MUNICIPIO DE FORNOS DE ALGODRES ABRIL DE 2009 NOTA INTRODUTÓRIA No documento aqui apresentado estão identificados os projectos e intervenções a realizar no Município

Leia mais

Programa Rede Social Nisa PLANO DE AÇÃO Câmara Municipal de Nisa. Praça do Município Nisa Telefone

Programa Rede Social Nisa PLANO DE AÇÃO Câmara Municipal de Nisa. Praça do Município Nisa Telefone PLANO DE AÇÃO 2017 NOTA PRÉVIA Decorrente do processo de atualização do diagnóstico social e do plano de desenvolvimento social, da Rede Social do Concelho de Nisa e numa perspetiva de continuidade em

Leia mais

SAÚDE Diagnóstico Social do Concelho de Cadaval

SAÚDE Diagnóstico Social do Concelho de Cadaval SAÚDE 54 A nível de equipamentos de saúde no concelho existem, um Centro de Saúde, uma Delegação de Saúde Pública e seis Extensões do Centro de Saúde, distribuídas pelas freguesias de Cadaval, Figueiros,

Leia mais

Programa BIP/ZIP 2014

Programa BIP/ZIP 2014 Programa BIP/ZIP 2014 FICHA DE CANDIDATURA Refª: 004 Lavandaria Social Grupo de Trabalho dos Bairros e Zonas de Intervenção Prioritária (BIP/ZIP) Rua Nova do Almada, nº 2-3º Andar 1100-060 Lisboa Telefone:

Leia mais

Indicadores para avaliação do PDM em vigor

Indicadores para avaliação do PDM em vigor para avaliação do PDM em vigor Primeiro Objectivo Desenvolver, Diversificar e Modernizar a base produtiva Segundo Objectivo Reforço das Acessibilidades Intra-concelhias e Promover o Desenvolvimento Equilibrado

Leia mais

Plano de Desenvolvimento Social do Concelho de Soure

Plano de Desenvolvimento Social do Concelho de Soure / Ano 1 ÍNDICE 1 - Introdução 3 Pág. 2- Plano de Acção dos Projectos Estruturantes Transversais do Concelho de 4 2.1. Projecto Estruturante Apoio na Dependência 5 2.2. Projecto Estruturante Criar para

Leia mais

CLDS 3G REDONDO. Gerar Evolução

CLDS 3G REDONDO. Gerar Evolução CLDS 3G REDONDO Gerar Evolução Enquadramento: A presente síntese do projeto CLDS 3G Redondo GERAR EVOLUÇÃO, da responsabilidade Entidade Coordenadora Local (Centro Infantil Nossa Senhora da Saúde de Redondo),

Leia mais

Plano de Acção 2013 Concelho de Ourique

Plano de Acção 2013 Concelho de Ourique Plano de Acção 203 Concelho de Ourique Rede Social Ourique Programa Rede Social Conselho Local de Acção Social de Ourique Janeiro 20 Ficha Técnica Título: Plano de Acção 203 do Concelho de Ourique Autoria:

Leia mais

Plano de Ação Índice Sumário Executivo A Rede Social no concelho de Alenquer O Plano de Ação...

Plano de Ação Índice Sumário Executivo A Rede Social no concelho de Alenquer O Plano de Ação... PLANO DE AÇÃO 2014 Índice 1. - Sumário Executivo... 1 Pág. 2. - A Rede Social no concelho de Alenquer... 2 2.1. - O Plano de Ação...2 3. - Análise de Eixos de Intervenção... 3 Eixo I.- Deficiência... 4

Leia mais

Desenvolvimento Local de Base Comunitária Cascais DesEnvolve Alcabideche e S. Domingos de Rana. 3ª Reunião do GAL

Desenvolvimento Local de Base Comunitária Cascais DesEnvolve Alcabideche e S. Domingos de Rana. 3ª Reunião do GAL Desenvolvimento Local de Base Comunitária Cascais DesEnvolve Alcabideche e S. Domingos de Rana 3ª Reunião do GAL Alcabideche, DNA Cascais 07 de julho de 2015 ORDEM DE TRABALHOS Ponto de situação sobre

Leia mais

PROGRAMA REDE SOCIAL PLANO DE ACÇÃO 2006/2007 CONCELHO DE ARRUDA DOS VINHOS

PROGRAMA REDE SOCIAL PLANO DE ACÇÃO 2006/2007 CONCELHO DE ARRUDA DOS VINHOS PLANO DE ACÇÃO 2006/2007 CONCELHO DE ARRUDA DOS VINHOS PROGRAMA REDE SOCIAL PROJECTO FINANCIADO PELO ESTADO PORTUGUÊS MINISTÉRIO DA SEGURANÇA SOCIAL E DO TRABALHO Junho 2006 Conselho Local de Acção Social

Leia mais

Plataforma Supraconcelhia do Tâmega

Plataforma Supraconcelhia do Tâmega Regulamento da Plataforma Supraconcelhia do Tâmega Artigo 1º Objecto O presente regulamento define o processo de organização e funcionamento da Plataforma supraconcelhia do Tâmega, abreviadamente designada

Leia mais

INTRODUÇÃO. Escola. Comunidade/ Território Local

INTRODUÇÃO. Escola. Comunidade/ Território Local INTRODUÇÃO Este documento foi concetualizado como uma ferramenta para a construção de um território Educador, em que a educação e a formação podem acontecer dentro e fora da escola, através da promoção

Leia mais

Plano de Desenvolvimento Social Concelho de Vila Viçosa

Plano de Desenvolvimento Social Concelho de Vila Viçosa Plano de Desenvolvimento Social 2014-2016 Concelho de Vila Viçosa Enquadramento Plano de Desenvolvimento Social Concelho de Vila Viçosa 2014-2016 O Plano de Desenvolvimento Social (PDS) é um instrumento

Leia mais

Plano Local de Promoção dos Direitos da Criança

Plano Local de Promoção dos Direitos da Criança Plano Local de Promoção dos Direitos da Criança Breve Enquadramento O Plano Local de Promoção dos Direitos da Criança constitui o resultado do Projeto Tecer a, promovido pela Comissão Nacional de Promoção

Leia mais

Índices Introdução e Metodologia Capitulo A Território Capitulo B Demografia Capitulo C Habitação

Índices Introdução e Metodologia Capitulo A Território Capitulo B Demografia Capitulo C Habitação Índices..1 Introdução e Metodologia. 15 Capitulo A Território.23 1. Enquadramento geográfico e administrativo do Concelho.24 2. História do Concelho de Estarreja Algumas referências.28 3. Acessibilidades

Leia mais

Plano de Ação para 2012

Plano de Ação para 2012 Área da Ação Plano de Ação para 2012 CRONOGRAMA ÁREA DE INTERVENÇÃO ATIVIDADES 2012 Recursos Humanos Janeiro Fevereiro Março Abril Maio Junho Julho Agosto Setembro Outubro Novembro Dezembro O atendimento

Leia mais

Condeixa-a-Nova. Plano de Desenvolvimento Social. Plano de Acção do Concelho de Condeixa-a-Nova. Agosto 2006

Condeixa-a-Nova. Plano de Desenvolvimento Social. Plano de Acção do Concelho de Condeixa-a-Nova. Agosto 2006 Plano de Desenvolvimento Social e Plano de Acção do Concelho de Condeixa-a-Nova Agosto 2006 FICHA TÉCNICA DO Plano de Desenvolvimento e Plano de Acção de Condeixa-a-Nova Elaborador pelo Núcleo Executivo

Leia mais

Índice. Indicadores Emprego

Índice. Indicadores Emprego NUT III Península de Índice População Residente Empregada Setor Primário (%)...3 População Residente Empregada Setor Secundário (%)...3 População Residente Empregada Setor Terciário (%)...4 População em

Leia mais

Gráfico 1 População residente no distrito de Castelo Branco. (Fonte: INE, e 2007)

Gráfico 1 População residente no distrito de Castelo Branco. (Fonte: INE, e 2007) O Centro Social Padre Tomás D Aquino Vaz de Azevedo (CSPTAVA) é uma Instituição Particular de Solidariedade Social que desenvolve a sua actividade na área do apoio à Terceira Idade nas valências de Lar

Leia mais

Relatório de Actividades. Ano 2006. Rede Social de Lagos

Relatório de Actividades. Ano 2006. Rede Social de Lagos Relatório de Actividades Ano 2006 Rede Social de Lagos Núcleo Executivo e CLAS- Conselho Local de Acção Social Núcleo Executivo - 27 Reuniões de Trabalho Actividades (Trabalho de planificação, concepção,

Leia mais

REDE SOCIAL DIAGNÓSTICO SOCIAL

REDE SOCIAL DIAGNÓSTICO SOCIAL REDE SOCIAL INQUÉRITOS POR QUESTIONÁRIO IPSS INQUÉRITO POR QUESTIONÁRIO ÀS IPSS A pobreza e a exclusão social embora não sendo fenómenos recentes, têm vindo a surgir nas nossas vidas a um ritmo acelerado.

Leia mais

SOCIAL DO CONCELHO DE FIGUEIRA DE CASTELO RODRIGO

SOCIAL DO CONCELHO DE FIGUEIRA DE CASTELO RODRIGO Diagnóstico Social de Figueira de Castelo Rodrigo 1 Índice Capítulo I Introdução ------------------------------------------------------------------------------------------3 Programa Rede Social -----------------------------------------------------------------------------4

Leia mais

Conselho Local de Ação Social de Figueira de Castelo Rodrigo

Conselho Local de Ação Social de Figueira de Castelo Rodrigo REDE SOCIAL Conselho Local de Ação Social de Figueira de Castelo Rodrigo Regulamento Interno [9/04/2014] REGULAMENTO INTERNO DO CONSELHO LOCAL DE ACÇÃO SOCIAL DO CONCELHO DE FIGUEIRA DE CASTELO RODRIGO

Leia mais

Criatividade e Inovação Chaves do Sucesso

Criatividade e Inovação Chaves do Sucesso Criatividade e Inovação Chaves do Sucesso Uma resposta à crise no Distrito de Castelo Branco Promotor do Projecto: Execução do Projecto: 1. O retrato da crise no Distrito 2. A economia social no Distrito

Leia mais

Praça da República - Apartado 47, Setúbal

Praça da República - Apartado 47, Setúbal Ficha Técnica: Versão: Data: Autor: Responsável: Morada: Email: 1.0 10-03-2016 ISS,IP - Centro Distrital de Setúbal - UAD-NAGPGI (JL, CN) ISS,IP - Centro Distrital de Setúbal - UAD-NAGPGI (JR) Praça da

Leia mais

Proposta de Revisão do Programa

Proposta de Revisão do Programa Proposta de Revisão do 31 Dezembro 2010 Identificação Objectivos: Convergência e Competitividade e do Emprego PROGRAMA OPERACIONAL Período de programação: 2007-2013 Número do programa (CCI): 2007PT05UPO001

Leia mais

Plataforma Territorial do Baixo Mondego. Plano de Desenvolvimento Social. Grupo Operativo Julho 2008

Plataforma Territorial do Baixo Mondego. Plano de Desenvolvimento Social. Grupo Operativo Julho 2008 Plataforma Territorial do Baixo Mondego Plano de Desenvolvimento Social 2008 2010 Grupo Operativo Julho 2008 SIGLAS NUT Unidade Territorial PDS Plano de Desenvolvimento Social PNAI Plano Nacional para

Leia mais

Plano de Desenvolvimento Social do Concelho de Peniche 2016-2020

Plano de Desenvolvimento Social do Concelho de Peniche 2016-2020 Plano de Desenvolvimento Social aprovado na reunião plenária do Conselho Local de Ação Social de Peniche de 24 de novembro de 2015 Índice Índice... 1 1. Introdução... 2 2. Finalidade do Plano de Desenvolvimento

Leia mais

REGULAMENTO DE APOIOS SOCIAIS

REGULAMENTO DE APOIOS SOCIAIS REGULAMENTO DE APOIOS SOCIAIS NOTA JUSTIFICATIVA (art.º 116.º do Código do Procedimento Administrativo) Considerando que: Cada vez mais é imprescindível a intervenção da freguesia no âmbito da Acção Social,

Leia mais

Lucília Espanhol Serviço Local de Borba da Segurança Social

Lucília Espanhol Serviço Local de Borba da Segurança Social 2017 PLANO DE AÇÃO Elaborado no âmbito do Programa Rede Social Plano de Ação do Concelho de 2017 s parceiras (Núcleo Executivo do CLASB): António Anselmo - Sofia Alexandra Dias - Crispim Francisco Lopes

Leia mais

Projecto GPS Gabinete de Proximidade para a Sustentabilidade

Projecto GPS Gabinete de Proximidade para a Sustentabilidade Projecto GPS Gabinete de Proximidade para a Sustentabilidade Actividade Formativa - Intervenção Comunitária Data 17 de Junho de 2009 Local Auditório do Edifício Cultural Município de Peniche Participação:

Leia mais

APRESENTAÇÃO DO PROGRAMA

APRESENTAÇÃO DO PROGRAMA APRESENTAÇÃO DO PROGRAMA AGENDA AS 5 MARCAS DO POPH I EIXOS PRIORITÁRIOS II ARRANQUE DO PROGRAMA III I AS 5 MARCAS DO POPH AS 5 MARCAS DO POPH 1 O MAIOR PROGRAMA OPERACIONAL DE SEMPRE 8,8 mil M 8,8 Mil

Leia mais

Regulamento para a Atribuição de Apoio a Estratos Sociais Desfavorecidos. Nota justificativa (art. 116º do Código do Procedimento Administrativo)

Regulamento para a Atribuição de Apoio a Estratos Sociais Desfavorecidos. Nota justificativa (art. 116º do Código do Procedimento Administrativo) APÊNDICE N.º 60 II SÉRIE N.º 114 17 de Maio de 2002 Aviso n.º 4113/2002 Regulamento para a Atribuição de Apoio a Estratos Sociais Desfavorecidos Nota justificativa (art. 116º do Código do Procedimento

Leia mais

Fenómenos de pobreza e exclusão social no contexto atual Palmela, 6 de dezembro de 2013

Fenómenos de pobreza e exclusão social no contexto atual Palmela, 6 de dezembro de 2013 Fenómenos de pobreza e exclusão social no contexto atual Palmela, 6 de dezembro de 2013 Maria José Domingos Objetivos Sobre a Estratégia 2020 A pobreza e a exclusão social na Europa em números A pobreza

Leia mais

Plano de Ação do Programa Rede Social de Tondela

Plano de Ação do Programa Rede Social de Tondela Eixo de Intervenção: Educação, Emprego, Formação e Qualificação Objetivo Estratégico Ações Destinatários Parcerias Dinamização Calendarização Promoção de ações de formação para proporcionar a construção

Leia mais

Projecto GPS Gabinete de Proximidade para a Sustentabilidade

Projecto GPS Gabinete de Proximidade para a Sustentabilidade Projecto GPS Gabinete de Proximidade para a Sustentabilidade Actividade Formativa - Intervenção Comunitária Data 13 e 14 de Maio de 2009 Local Auditório do Edifício Cultural Município de Peniche Participação:

Leia mais

P L A N O D E D E S E N V L V I M E N T C I A L. Rede Social de Arganil

P L A N O D E D E S E N V L V I M E N T C I A L. Rede Social de Arganil P L A N O D E D E S E N V O L V I M E N T O Rede Social de Arganil 2010-2013 S O C I A L Plano Desenvolvimento Social 2010-2013 O Plano de Desenvolvimento Social deverá assumir-se como instrumento de definição

Leia mais

Diagnóstico Social de Oeiras Anexos

Diagnóstico Social de Oeiras Anexos Diagnóstico Social de Oeiras 2013 Anexos Fevereiro de 2014 SAÚDE POPULAÇÃO Anexo 1 INDICADORES Densidade populacional (hab./km 2 ) 3766,6 População residente, segundo os grandes grupos etários e sexo (nº):

Leia mais

PROJETO BANDEIRA DA COMUNIDADE DO FUNDÃO. TICs ao Serviço da Inovação Social

PROJETO BANDEIRA DA COMUNIDADE DO FUNDÃO. TICs ao Serviço da Inovação Social PROJETO BANDEIRA DA COMUNIDADE DO FUNDÃO TICs ao Serviço da Inovação Social Comunidade IEC Fundão ADXTUR Agrupamento Escolar do Fundão / Gardunha e Xisto Centro Hospitalar Cova da Beira 11 Empresas Escola

Leia mais

ATA ORGÃO DELIBERATIVO (ASSEMBLEIA GERAL/CONSELHO ADMINISTRAÇÃO) PARECER ORGÃO FISCALIZADOR (CONSELHO FISCAL) Outro REMUNERADOS NÃO REMUNERADO

ATA ORGÃO DELIBERATIVO (ASSEMBLEIA GERAL/CONSELHO ADMINISTRAÇÃO) PARECER ORGÃO FISCALIZADOR (CONSELHO FISCAL) Outro REMUNERADOS NÃO REMUNERADO DGCF 1 IDENTIFICAÇÃO IPSS DESIGNAÇÃO União Distrital das Instituições Particulares de Solidariedade Social NIF/NIPC 506449742 NISS 20016463885 TIPO Outra MORADA DA SEDE Rua Brancanes, nº 62, 2900-185 -

Leia mais

PROPOSTA DE PLANO DE DESENVOLVIMENTO SOCIAL DE CONDEIXA 2013 I 2016

PROPOSTA DE PLANO DE DESENVOLVIMENTO SOCIAL DE CONDEIXA 2013 I 2016 NÚCLEO EXECUTIVO DO CLAS-C PROPOSTA DE PLANO DE DESENVOLVIMENTO SOCIAL DE CONDEIXA 2013 I 2016 Rede de Setembro de 2013 Proposta de Plano de Desenvolvimento de 1 Índice I - Parte 1- Introdução..... 3 2-

Leia mais

Lucília Espanhol Serviço Local de Borba da Segurança Social

Lucília Espanhol Serviço Local de Borba da Segurança Social 2016 PLANO DE AÇÃO Elaborado no âmbito do Programa Rede Social Plano de Ação do Concelho de 2016 s parceiras (Núcleo Executivo do CLASB): António Anselmo - Sofia Alexandra Dias - Crispim Francisco Lopes

Leia mais

PROGRAMA PARA A INCLUSÃO E DESENVOLVIMENTO PROGRIDE

PROGRAMA PARA A INCLUSÃO E DESENVOLVIMENTO PROGRIDE PROGRAMA PARA A INCLUSÃO E DESENVOLVIMENTO PROGRIDE RELATÓRIO ANUAL DE EXECUÇÃO MEDIDA / MEDIDA 009/00 INSTITUTO DA SEGURANÇA SOCIAL, I.P. Programa para a Inclusão e Desenvolvimento Relatório Anual de

Leia mais

Plano de Desenvolvimento Social de Almodôvar 2015/2017

Plano de Desenvolvimento Social de Almodôvar 2015/2017 Plano de Desenvolvimento Social de FICHA TÉCNICA Título: Plano de Desenvolvimento Social do Concelho de Coordenação Técnica: Câmara Municipal de Divisão de Intervenção Social, Educação, Cultura, Desporto

Leia mais

CLUBE DE EMPREGO SOCIOHABITAFUNCHAL PLANO DE ACTIVIDADES

CLUBE DE EMPREGO SOCIOHABITAFUNCHAL PLANO DE ACTIVIDADES PLANO DE ACTIVIDADES 2010 2011 Identificação Entidade: Sociohabitafunchal, E.M Animadora: Célia Dantas Localização: Centro Cívico de Santo António Designação O Clube de Emprego é um serviço promovido pelo

Leia mais

Seminário Ibérico: "Pobreza e estratégias para a sua erradicação" SANTA CASA DA MISERICÓRDIA FERREIRA DO ALENTEJO

Seminário Ibérico: Pobreza e estratégias para a sua erradicação SANTA CASA DA MISERICÓRDIA FERREIRA DO ALENTEJO Seminário Ibérico: "Pobreza e estratégias para a sua erradicação" SANTA CASA DA MISERICÓRDIA FERREIRA DO ALENTEJO Abril 2016 A História da Instituição Os Serviços disponíveis FEAC Cantinas Sociais Pontos

Leia mais

Rede Social de Gouveia. Conselho Local de Ação Social. Plano de Ação 2015

Rede Social de Gouveia. Conselho Local de Ação Social. Plano de Ação 2015 Conselho Local Ação Social Plano Ação Aprovado em reunião plenário 02-03- Eixo I : Intervenção com Famílias e Comunida Finalida Objetivo (s) Ação Desenvolver ações que permitam melhorar a qualida vida

Leia mais

Portugal APOIOS COMUNITÁRIOS às entidades da economia social. Versão de 11/jun/2015

Portugal APOIOS COMUNITÁRIOS às entidades da economia social. Versão de 11/jun/2015 Portugal 2020 APOIOS COMUNITÁRIOS às entidades da economia social Versão de 11/jun/2015 1 Regulamento FSE Através da Portaria nº 97-A/2015, de 30 de março, da Presidência do Conselho de Ministros e Ministério

Leia mais

REDE SOCIAL DIAGNÓSTICO SOCIAL

REDE SOCIAL DIAGNÓSTICO SOCIAL REDE SOCIAL INQUÉRITOS POR QUESTIONÁRIO CENTRO DE SAÚDE INQUÉRITO POR QUESTIONÁRIO AO CENTRO DE SAÚDE A pobreza e a exclusão social embora não sendo fenómenos recentes, têm vindo a surgir nas nossas vidas

Leia mais

Índice. Indicadores Emprego

Índice. Indicadores Emprego Índice População Residente Empregada Setor Primário (%)... 3 População Residente Empregada Setor Secundário (%)... 3 População Residente Empregada Setor Terciário (%)... 4 População em idade ativa por

Leia mais

Ficha de Caracterização de Entidade/Projecto CLDS - ESPIRAL

Ficha de Caracterização de Entidade/Projecto CLDS - ESPIRAL Ficha de Caracterização de Entidade/Projecto CLDS - ESPIRAL 2 A. IDENTIFICAÇÃO GERAL DA ENTIDADE Projecto(s) Projecto Espiral - Contrato Local de Desenvolvimento Promotor(es): CESIS - Centro de Estudos

Leia mais

Plano Nacional de Acção para a Inclusão 2008 > de Março 2009

Plano Nacional de Acção para a Inclusão 2008 > de Março 2009 Plano Nacional de Acção para a Inclusão 2008 > 2010 27 de Março 2009 Plano Nacional de Acção para a Inclusão 2008 > 2010 1. Os pilares da Estratégia Nacional para a Protecção Social e Inclusão Social (ENPSIS)

Leia mais

PLATAFORMA TERRITORIAL Baixo Mondego

PLATAFORMA TERRITORIAL Baixo Mondego Prioridades - Família e Comunidade Mortágua Mealhada Prioridade 1 assegurem os seus Prioridade 1 assegurem os seus Criação de mais serviços de apoio à família (refeição e animação de actividades de tempos

Leia mais

Rede Social de Cantanhede

Rede Social de Cantanhede Município de Cantanhede Rede Social de Cantanhede PLANO DE ACÇÃO 2010 (PA6) Proposta de implementação Gerar Inovação, Gerir Mudança, Promover Cidadania Cantanhede Janeiro, 2010 1 PLANO DE ACÇÃO 2010 (PA6)

Leia mais

Manteigas em Números. Designação do indicador Valor Unidade Ano Fonte. Território. População

Manteigas em Números. Designação do indicador Valor Unidade Ano Fonte. Território. População Designação do indicador Valor Unidade Ano Fonte Território Área total 122 km 2 2012 INE Anuário Estatístico da Região Centro - 2012 Perímetro 65 km2 2012 INE Anuário Estatístico da Região Centro - 2012

Leia mais

PROTOCOLO. Núcleo de Planeamento e Intervenção Sem-Abrigo de Setúbal

PROTOCOLO. Núcleo de Planeamento e Intervenção Sem-Abrigo de Setúbal PROTOCOLO Núcleo de Planeamento e Intervenção Sem-Abrigo de Setúbal Preâmbulo A criação da Estratégia Nacional para a Integração de Pessoas Sem-Abrigo (ENIPSA) 2009-2015 decorreu fundamentalmente da necessidade

Leia mais

CANDIDATURA AO PROGRAMA

CANDIDATURA AO PROGRAMA CANDIDATURA AO PROGRAMA CIDADES AMIGAS DAS CRIANÇAS Modelo de Caracterização do Município O documento deve ser preenchido em PDF, utilizando a funcionalidade de preenchimento de campos do presente formulário.

Leia mais

PROTOCOLO DE COOPERAÇÃO ENTRE O MINISTÉRIO DO TRABALHO E DA SOLIDARIEDADE SOCIAL E O MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO

PROTOCOLO DE COOPERAÇÃO ENTRE O MINISTÉRIO DO TRABALHO E DA SOLIDARIEDADE SOCIAL E O MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO PROTOCOLO DE COOPERAÇÃO ENTRE O MINISTÉRIO DO TRABALHO E DA SOLIDARIEDADE SOCIAL E O MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO A Lei de Protecção de Crianças e Jovens em Perigo, lei 147/99, de 1 de Setembro, consagra um

Leia mais