REDE SOCIAL DIAGNÓSTICO SOCIAL

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "REDE SOCIAL DIAGNÓSTICO SOCIAL"

Transcrição

1 REDE SOCIAL INQUÉRITOS POR QUESTIONÁRIO CENTRO DE SAÚDE

2 INQUÉRITO POR QUESTIONÁRIO AO CENTRO DE SAÚDE A pobreza e a exclusão social embora não sendo fenómenos recentes, têm vindo a surgir nas nossas vidas a um ritmo acelerado. Tendo plena consciência que estes fenómenos sociais podem resultar de vários factores e que tocam diferentes sectores da sociedade como o económico, o social, o cultural, o ambiental torna-se cada vez mais premente, articular e compatibilizar todas as políticas sectoriais de nível local, regional e nacional de forma combatê-los eficiente e eficazmente. A consciencialização para a necessidade de agir e lutar contra estas epidemias que atingem de diferentes maneiras cada um de nós, desencadeou um especial interesse por parte do Ministério de Segurança Social e do Trabalho, e em particular do Instituto de Solidariedade e Segurança Social, para a criação de um projecto que permitisse atenuar estes problemas socais, assim como apelar para a activação de agentes de resposta e solução na concretização destes problemas. É neste plano que surge o Programa Rede Social. Este programa assume-se essencialmente como meio de racionalizar formas de intervenção social e de articulação das diferentes instituições (podendo ser elas públicas ou privadas) e parcerias locais, dentro de uma perspectiva territorializada.

3 Sendo um dos objectivos principais dente programa a criação de uma Plano de Desenvolvimento Social (PDS) e um Plano de Acção, trona-se premente proceder a realização do Diagnóstico Social Concelhio, este vai permitir uma compreensão da realidade social, que inclui a identificação das necessidades e a detecção dos problemas prioritários e respectivas causalidades, assim como dos recursos e das potencialidades locais, que constituem reais oportunidades de desenvolvimento. É tendo por base o conhecimento das potencialidades e fragilidades do concelho que realizamos este Inquérito por Questionário. Agradecemos desde já a sua disponibilidade e colaboração.

4 1. Designação:. 2. Morada:. 3. Director(a):. 4. Contacto:. 5. Data:. I RECURSOS HUMANOS Médicos de Clínica Geral Médicos de Saúde Pública Médicos Especialistas Enfermeiros Pessoal Administrativo Pessoal Auxiliar Pessoal Técnico Superior Pessoal Técnico Contratados No quadro Vagos Médico Especialistas Qual?. Pessoal Técnico Superior Qual?.

5 Pessoal Técnico Qual?. II ESTRUTURA Ano de Construção. Ano de Abertura. Ano das últimas obras. Número de Total de quartos. Em funcionamento Não Funcionamento Número de Total de Enfermarias Em funcionamento Não Funcionamento Número de consultórios Médicos Em funcionamento Não Funcionamento II FUNCIONAMENTO Horário de Funcionamento. Horário de Atendimento.

6 Freguesias abrangidas. Número de utentes por Médico. Número de utentes Sem Médico. III SERVIÇOS Serviço de Atendimento Permanente SIM NÃO Serviço de Internamento SIM NÃO Consultas de Clínica Geral SIM NÃO Consultas de Planeamento Familiar SIM NÃO Consultas de Saúde Infantil SIM NÃO Consultas de especialidade SIM NÃO Consultas de Enfermagem SIM NÃO Número de Camas.

7 Especialidade Nº de dias por semana Nº de médio de utente/mês IV EQUIPAMENTOS/INSTALAÇÕES Equipamentos Médicos N.º de Equipamentos Raios X Electrocardiografico Desfibrilador Nebulizador Aparelho de Hemograma Ecocardiotacografo Oximetro Aparelho de Química Seca Telemedicina Aparelho de Medir a Tensão Arterial Dx Glicemia Capilar Outros:

8 V GRELHA DE OBSERVAÇÃO Os seguintes Itens tem como objectivo recolher opinião acerca da instituição, utilizando as seguinte escala: 0 Não existe/não responde 1 Mau 2 Deficiente 3 Razoável 4 Bom 5 Muito bom

9 Espaço Exterior Espaços Verdes Acessos à instituição Vedação do espaço circundante Adaptação do espaço a deficientes Estacionamento Observações Espaço Interior Número de consultórios Dimensão do número de consultórios Luminosidade Aquecimento Arejamento Organização do Espaço Casa de Banho Sala de Espera Observações Equipamentos Equipamento Médico Equipamento Informático Observações

10 Recursos Humanos Número de médicos Número de Enfermeiros Número de Pessoal Administrativo Número de Pessoal Auxiliar Número de Pessoal Técnico Observações Apoio/Relacionamento com outras Entidades Município de Ribeira de Pena Juntas de Freguesias Colectividades/Associações Centro de Emprego Escolas Igreja Segurança Social Outras Instituições Observações

11 VI 1. Indique por ordem decrescente os Problemas/Fragilidades/Carências que no seu entender acontecem com maior intensidade no concelho de Ribeira de Pena. Alcoolismo Analfabetismo Doenças/Deficiência Desemprego Envelhecimento da população Falta de habitação Marginalidade/ Delinquência Crianças/Jovens em Risco Pobreza

12 Prostituição Habitação degradada Baixos Níveis de Instrução Violência Doméstica Carência de Redes Viárias Rede de Transportes Deficitária Desertificação Solidão Carência de determinados serviços/ equipamentos Isolamento 2. No seu entender do conjunto de possíveis causas que se apresentam em baixo quais são aquelas que melhor justificam os problemas expostos na tabela. a) Falta de recursos por parte das autarquias; b) Falta de recursos por parte das famílias; c) Pouca oferta de emprego; d) Problemas sócio-psicológicos; e) Fracas habilitações literárias/formação f) Baixa taxa de natalidade g) Quebra de laços familiares h) E/migração i) Apega a uma cultura/hábito de pobreza j) Falta de Informação PROBLEMAS CAUSAS Alcoolismo Analfabetismo

13 Doenças/Deficiência Desemprego Envelhecimento da população Falta de habitação Marginalidade/ Delinquência Crianças/Jovens em Risco Pobreza Prostituição Habitação degradada Baixos Níveis de Instrução Violência Doméstica Carência de Redes Viárias Rede de Transportes Deficitária Desertificação Solidão Carência de determinados serviços/ equipamentos Isolamento 3. Quais os grupos Sociais que considera mais vulneráveis a situações de Exclusão Social, actualmente, na sua área geográfico de Intervenção? (Indique os três mais significativos) Idosos Pensionistas Mulheres Famílias Monoparentais Famílias Extensas (n.º significativo de membros)

14 Deficientes Desempregados Desempregados de longa duração Jovens com Abandono Precoce Escolar Jovens à Procura do 1º Emprego Emigrantes Outros: Quais? 4. Indique quais os recursos que deveriam ser criados na sua área geográfica de intervenção: Sociais Educativos Culturais Desportivos Outros: Quais? 5. Indique por ordem decrescente os problemas que merecem uma intervenção prioritária? Alcoolismo

15 Analfabetismo Doenças/Deficiência Desemprego Envelhecimento da população Falta de habitação Marginalidade/ Delinquência Crianças/Jovens em Risco Pobreza Habitação degradada Baixos níveis de instrução Violência doméstica Rede de Transportes Deficitária Desertificação Solidão Carência de determinados serviços/ equipamentos Isolamento Rede de transportes deficitária MUITO OBRIGADO PELA SUA COLABORAÇÃO

16 REDE SOCIAL

REDE SOCIAL DIAGNÓSTICO SOCIAL

REDE SOCIAL DIAGNÓSTICO SOCIAL REDE SOCIAL INQUÉRITOS POR QUESTIONÁRIO IPSS INQUÉRITO POR QUESTIONÁRIO ÀS IPSS A pobreza e a exclusão social embora não sendo fenómenos recentes, têm vindo a surgir nas nossas vidas a um ritmo acelerado.

Leia mais

REDE SOCIAL DIAGNÓSTICO SOCIAL

REDE SOCIAL DIAGNÓSTICO SOCIAL REDE SOCIAL INQUÉRITOS POR QUESTIONÁRIO ASSOCIAÇÕES INQUÉRITO POR QUESTIONÁRIO ÁS ASSOCIAÇÕES DO CONCELHO DE A pobreza e a exclusão social embora não sendo fenómenos recentes, têm vindo a surgir nas nossas

Leia mais

INQUÉRITO POR QUESTIONÁRIO

INQUÉRITO POR QUESTIONÁRIO Programa Rede Social Promotor INQUÉRITO POR QUESTIONÁRIO I Dados Demográficos 1.- Elementos relativos ao inquirido: 1.1. Concelho 1.2. Freguesia 1.3. Localidade/lugar 2.- Sexo Feminino Masculino 3.- Escalões

Leia mais

DIAGNÓSTICO SOCIAL DO CONCELHO DE MONTALEGRE

DIAGNÓSTICO SOCIAL DO CONCELHO DE MONTALEGRE DIAGNÓSTICO SOCIAL DO CONCELHO DE MONTALEGRE Dinâmicas Demográficas e Socio- Familiares A - Desertificação e envelhecimento da população Decréscimo populacional na ordem dos 17.5%; Jovens diminuíram para

Leia mais

Base de dados I. Questionário de levantamento de recursos institucionais/ 2009

Base de dados I. Questionário de levantamento de recursos institucionais/ 2009 Base de dados I Nº de referência da instituição Nº de registo Questionário de levantamento de recursos institucionais/ 2009 Este questionário tem como objectivo proceder à actualização do Diagnóstico Social,

Leia mais

REDE SOCIAL DIAGNÓSTICO SOCIAL

REDE SOCIAL DIAGNÓSTICO SOCIAL REDE SOCIAL INQUÉRITOS POR QUESTIONÁRIO SEGURANÇA SOCIAL DE VILA REAL INQUÉRITO POR QUESTIONÁRIO A SEGURANÇA SOCIAL DE VILA REAL A pobreza e a exclusão social embora não sendo fenómenos recentes, têm vindo

Leia mais

DIAGNÓSTICO DAS NECESSIDADES FORMATIVAS INSTITUCIONAIS DA REDE CRC

DIAGNÓSTICO DAS NECESSIDADES FORMATIVAS INSTITUCIONAIS DA REDE CRC DIAGNÓSTICO DAS NECESSIDADES FORMATIVAS INSTITUCIONAIS DA REDE CRC Este questionário destina-se a efectuar um levantamento das necessidades formativas nas Organizações do território nacional que integram

Leia mais

SAÚDE Diagnóstico Social do Concelho de Cadaval

SAÚDE Diagnóstico Social do Concelho de Cadaval SAÚDE 54 A nível de equipamentos de saúde no concelho existem, um Centro de Saúde, uma Delegação de Saúde Pública e seis Extensões do Centro de Saúde, distribuídas pelas freguesias de Cadaval, Figueiros,

Leia mais

O Perfil do Psicólogo na Administração Local

O Perfil do Psicólogo na Administração Local CATEGORIA AUTORIA JANEIRO 15 Perfis do Psicólogo Gabinete de Estudos Técnicos O Perfil do Psicólogo na Administração Local Sugestão de Citação Ordem dos Psicólogos Portugueses (2015). O Perfil do Psicólogo

Leia mais

PLANO DE ACÇÃO JANEIRO 2008 / DEZEMBRO 2008

PLANO DE ACÇÃO JANEIRO 2008 / DEZEMBRO 2008 PLAN DE ACÇÃ JANEIR 2008 / DEZEMBR 2008 Janeiro de 2008 PLAN DE ACÇÃ 2008 1 ÍNDICE Plano de Acção Introdução Eixos de Intervenção Educação Formação / Qualificação Formação Profissional / Emprego Envelhecimento/

Leia mais

DIAGNÓSTICO DE SITUAÇÃO DO CONCELHO DE BRAGA CARACTERIZAÇÃO DA ÁREA DE INTERVENÇÃO DA UNIDADE DE SAÚDE PÚBLICA DE BRAGA

DIAGNÓSTICO DE SITUAÇÃO DO CONCELHO DE BRAGA CARACTERIZAÇÃO DA ÁREA DE INTERVENÇÃO DA UNIDADE DE SAÚDE PÚBLICA DE BRAGA DIAGNÓSTICO DE SITUAÇÃO DO CONCELHO DE BRAGA CARACTERIZAÇÃO DA ÁREA DE INTERVENÇÃO DA UNIDADE DE SAÚDE PÚBLICA DE BRAGA Pedro Domingos Cunha Gomes Pereira 2009 DIAGNÓSTICO DE SITUAÇÃO DO CONCELHO DE BRAGA

Leia mais

REDE SOCIAL POEFDS. UNIÃO EUROPEIA Fundo Social Europeu

REDE SOCIAL POEFDS. UNIÃO EUROPEIA Fundo Social Europeu REDE SOCIAL POEFDS UNIÃO EUROPEIA Fundo Social Europeu Vila Nova ÍNDICE Nota Introdutória ----------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------3

Leia mais

Câmara Municipal de Elvas. Plano de Acção. Conselho Local de Acção Social de Elvas

Câmara Municipal de Elvas. Plano de Acção. Conselho Local de Acção Social de Elvas Câmara Municipal de Elvas Plano de Acção 2007 Julho de 2006 Conselho Local de Acção Social de Elvas PROGRAMA REDE SOCIAL Co-financiado pelo Estado Português, Ministério da Segurança Social PLANO DE ACÇÃO

Leia mais

Comportamentos Autodestrutivos

Comportamentos Autodestrutivos Comportamentos Autodestrutivos Pág 2 TRABALHO Exclusão do tipo por comportamentos auto-destrutivos "ComTacto na rua" Projecto para a prevenção da toxicodependência e combate à exclusão social 13-04-2010

Leia mais

Projecto co-financiado pelo FSE

Projecto co-financiado pelo FSE CLAS DE MONDIM DE BASTO PLANO DE AÇÃO 2013 REDE SOCIAL DE MONDIM DE BASTO Projecto co-financiado pelo FSE ÍNDICE ÍNDICE DE TABELAS... 3 CAPÍTULO I... 4 INTRODUÇÃO... 4 CAPÍTULO II... 7 PLANO DE ACÇÃO 2013...

Leia mais

Programa Operacional Emprego Formação e Desenvolvimento Social. Eixo 5 Promoção do Desenvolvimento Social. Medida 5.1. Apoio ao Desenvolvimento Social

Programa Operacional Emprego Formação e Desenvolvimento Social. Eixo 5 Promoção do Desenvolvimento Social. Medida 5.1. Apoio ao Desenvolvimento Social Programa Operacional Emprego Formação e Desenvolvimento Social Eixo 5 Promoção do Desenvolvimento Social Medida 5.1. Apoio ao Desenvolvimento Social 1 Entidade Promotora Entidade Formadora MultiAveiro,

Leia mais

1 INTRODUÇÃO O PLANO DE ACÇÃO AVALIAÇÃO...14 PLANO DE ACÇÃO DE 2009 PÁGINA 1 DE 15

1 INTRODUÇÃO O PLANO DE ACÇÃO AVALIAÇÃO...14 PLANO DE ACÇÃO DE 2009 PÁGINA 1 DE 15 ÍNDICE 1 INTRODUÇÃO...2 2 O PLANO DE ACÇÃO 2009... 3 3 AVALIAÇÃO....14 PLANO DE ACÇÃO DE 2009 PÁGINA 1 DE 15 INTRODUÇÃO Depois de elaborado o diagnóstico social e o plano de desenvolvimento social surge

Leia mais

SISTEMA DE INFORMAÇÃO REDE SOCIAL MIRANDELA SISTEMA DE INFORMAÇÃO

SISTEMA DE INFORMAÇÃO REDE SOCIAL MIRANDELA SISTEMA DE INFORMAÇÃO SISTEMA DE INFORMAÇÃO 1 TERRITÓRIO Número de Freguesias Tipologia das Freguesias (urbano, rural, semi urbano) Área Total das Freguesias Cidades Estatísticas Total (2001, 2008, 2009) Freguesias Área Média

Leia mais

Instituto da Segurança Social, I.P. Centro Distrital da Guarda

Instituto da Segurança Social, I.P. Centro Distrital da Guarda PLANEAMENTO ESTRATÉGICO SUPRACONCELHIO Plataforma Supraconcelhia * Beira Interior Norte (PSCBIN) Diagnóstico Social (DS) e Plano de Desenvolvimento Social (PDS) 11 / Dezembro / 2009 Instituto da Segurança

Leia mais

ÍNDICE. Índice de quadros...i Índice de gráficos...ii Índice de figuras... III

ÍNDICE. Índice de quadros...i Índice de gráficos...ii Índice de figuras... III ÍNDICE Pág. de quadros...i de gráficos...ii de figuras... III 1. Introdução...1 1.1. Preâmbulo...1 1.2. Conceito e finalidade...3 1.3. Conteúdo da Carta Educativa...6 1.4. Intervenientes e metodologia

Leia mais

A assiduidade dos nossos utentes tem sido a maior prova de que este serviço é importante na vida da população residente do concelho de Sernancelhe.

A assiduidade dos nossos utentes tem sido a maior prova de que este serviço é importante na vida da população residente do concelho de Sernancelhe. INQUÉRITO SOBRE A UNIDADE MÓVEL DE SAÚDE A assiduidade dos nossos utentes tem sido a maior prova de que este serviço é importante na vida da população residente do concelho de Sernancelhe. Ao longo dos

Leia mais

Programa 2012 FICHA DE CANDIDATURA. Refª: 009 "Ajuda no Bairro"

Programa 2012 FICHA DE CANDIDATURA. Refª: 009 Ajuda no Bairro Programa 2012 FICHA DE CANDIDATURA Refª: 009 "Ajuda no Bairro" Grupo de Trabalho dos Bairros e Zonas de Intervenção Prioritária (BIP/ZIP) Rua Nova do Almada, nº 2-3º Andar 1100-060 Lisboa Telefone: 21

Leia mais

27 de junho de Domingos Lopes

27 de junho de Domingos Lopes 27 de junho de 2016 Domingos Lopes Objetivos Temáticos OT 8. Promover a sustentabilidade e a qualidade do emprego e apoiar a mobilidade dos trabalhadores assumindo como meta nacional, até 2020, o aumento

Leia mais

RELATÓRIO DE MONITORIZAÇÃO CLDS MARINHA SOCIAL

RELATÓRIO DE MONITORIZAÇÃO CLDS MARINHA SOCIAL RELATÓRIO DE MONITORIZAÇÃO CLDS MARINHA SOCIAL O presente relatório reflecte a actividade do CLDS Marinha Social, desde o inicio da sua actividade, em Julho de 2009 até Junho de 2010, analisando-se 2 momentos

Leia mais

Plano de Acção

Plano de Acção - 2 - Nota Prévia A Rede Social afirmou-se ao longo da sua criação como uma medida inovadora e com capacidade de produzir alterações positivas na intervenção social. Esta medida assumiu-se, desde início,

Leia mais

Programa Rede Social Nisa PLANO DE AÇÃO Câmara Municipal de Nisa. Praça do Município Nisa Telefone

Programa Rede Social Nisa PLANO DE AÇÃO Câmara Municipal de Nisa. Praça do Município Nisa Telefone PLANO DE AÇÃO 2017 NOTA PRÉVIA Decorrente do processo de atualização do diagnóstico social e do plano de desenvolvimento social, da Rede Social do Concelho de Nisa e numa perspetiva de continuidade em

Leia mais

Lisboa 2015 FICHA DE CANDIDATURA

Lisboa 2015 FICHA DE CANDIDATURA Lisboa 2015 Refª: 038 DE JOVEM A LIDER Grupo de Trabalho dos Bairros e Zonas de Intervenção Prioritária (BIP/ZIP) Rua Nova do Almada, nº 2-3º Andar 1100-060 Lisboa Telefone: 21 322 73 60 Email - bip.zip@cm-lisboa.pt

Leia mais

POLÍTICAS DE SOLIDARIEDADE SOCIAL PLANO E ORÇAMENTO PARA 2014

POLÍTICAS DE SOLIDARIEDADE SOCIAL PLANO E ORÇAMENTO PARA 2014 POLÍTICAS DE SOLIDARIEDADE SOCIAL PLANO E ORÇAMENTO PARA 2014 As políticas sociais no âmbito da Solidariedade e Segurança Social implementadas pelo Partido Socialista e o atual Governo, na proposta de

Leia mais

EIXO 1: EMPREGO, QUALIFICAÇÃO, EMPREENDEDORISMO E INICIATIVA LOCAL

EIXO 1: EMPREGO, QUALIFICAÇÃO, EMPREENDEDORISMO E INICIATIVA LOCAL EIXO 1: EMPREGO, QUALIFICAÇÃO, EMPREENDEDORISMO E INICIATIVA LOCAL Desenvolver as condições facilitadoras da criação de emprego, combate ao desemprego e incentivo à iniciativa local referente ao empreendedorismo

Leia mais

Plano desenvolvimento social

Plano desenvolvimento social Plano desenvolvimento social 2014-2016 Área Intervenção I FAMÍLIA (HABITAÇÃO/EDUCAÇÃO) - Problemas ao nível do parque habitacional; - Falta de expetativas/ objetivos ao nível educativo; - Défice de competências

Leia mais

ALMADA FICHA TÉCNICA. Título Território e População Retrato de Almada segundo os Censos 2011

ALMADA FICHA TÉCNICA. Título Território e População Retrato de Almada segundo os Censos 2011 DMPATO DPU Divisão de Estudos e Planeamento A ALMADA FICHA TÉCNICA Título Território e População Retrato de Almada segundo os Censos 2011 Serviço Divisão de Estudos e Planeamento Departamento de Planeamento

Leia mais

ATIVIDADES DO SPO A - Apoio de natureza psicológica e/ou psicopedagógica a alunos e aos agentes educativos

ATIVIDADES DO SPO A - Apoio de natureza psicológica e/ou psicopedagógica a alunos e aos agentes educativos ATIVIDADES DO SPO A - Apoio de natureza psicológica e/ou psicopedagógica a alunos e aos agentes educativos. - individual - em grupo - consultoria a professores, encarregados de educação e pais B - Participação

Leia mais

PROGRAMA DE INICIATIVA COMUNITÁRIA URBAN II LISBOA (VALE DE ALCÂNTARA) rodoviárias Avenida de Ceuta, Acessos à Ponte 25 de Abril,

PROGRAMA DE INICIATIVA COMUNITÁRIA URBAN II LISBOA (VALE DE ALCÂNTARA) rodoviárias Avenida de Ceuta, Acessos à Ponte 25 de Abril, 1. INTRODUÇÃO 1.1. OBJECTIVOS DO RELATÓRIO DE EXECUÇÃO DE 2005 Nos termos do artigo 37º do Regulamento (CE) n.º 1260/99 do Conselho, de 21 de Junho, que estabelece as disposições gerais sobre os Fundos

Leia mais

3,11% 3,03% 2,82% 2,76% 2,56% 1,92% 1,62% 1,52% 1,48% 0,00% 1,00% 2,00% 3,00% 4,00% 5,00% 6,00%

3,11% 3,03% 2,82% 2,76% 2,56% 1,92% 1,62% 1,52% 1,48% 0,00% 1,00% 2,00% 3,00% 4,00% 5,00% 6,00% Problemáticas Especificas e Respostas Sociais Famílias e comunidade Rendimento Social de Inserção População Beneficiária de RSI (%) Barreiro Montijo Almada Setúbal Peninsula de Setúbal Portugal Continental

Leia mais

Indicadores para avaliação do PDM em vigor

Indicadores para avaliação do PDM em vigor para avaliação do PDM em vigor Primeiro Objectivo Desenvolver, Diversificar e Modernizar a base produtiva Segundo Objectivo Reforço das Acessibilidades Intra-concelhias e Promover o Desenvolvimento Equilibrado

Leia mais

EIXO I ATRACTIVIDADE TERRITORIAL

EIXO I ATRACTIVIDADE TERRITORIAL Plano de Acção para 2007 1 Um Plano de Acção, mais do que um documento, pretende-se que seja um instrumento de trabalho manuseável, flexível, ajustável à realidade e útil. Neste sentido, considerou-se

Leia mais

Documento de Suporte ao PDS do Concelho de Arganil ( ) Indicadores. Conselho Local de Ação Social de Arganil

Documento de Suporte ao PDS do Concelho de Arganil ( ) Indicadores. Conselho Local de Ação Social de Arganil Documento de Suporte ao PDS do Concelho de Arganil (2015-2020) Indicadores Conselho Local de Ação Social de Arganil 2015 1 ÍNDICE TABELAS Tabela 1.1. Indicadores Território/Demografia.. 3 Tabela 1.2. Indicadores

Leia mais

SAÚDE COMUNITÁRIA E EQUIDADE EM PARCERIA NO MUNICÍPIO DO SEIXAL. Susana Santos, Unidade de Cuidados na Comunidade do Seixal

SAÚDE COMUNITÁRIA E EQUIDADE EM PARCERIA NO MUNICÍPIO DO SEIXAL. Susana Santos, Unidade de Cuidados na Comunidade do Seixal SAÚDE COMUNITÁRIA E EQUIDADE EM PARCERIA NO MUNICÍPIO DO SEIXAL Susana Santos, Unidade de Cuidados na Comunidade do Seixal Coimbra, 13 de novembro de 2014 Plano Nacional Saúde 2012-2016 2º Eixo: Equidade

Leia mais

Diagnóstico Social do Concelho do Barreiro _. Anexos Do Diagnóstico Social Do Concelho do Barreiro

Diagnóstico Social do Concelho do Barreiro _. Anexos Do Diagnóstico Social Do Concelho do Barreiro Anexos Do Diagnóstico Social Do Concelho do Barreiro Anexo I Interlocutores sociais Entrevistados INTERLOCUTORES SOCIAIS ENTREVISTADOS 1. Câmara Municipal do Barreiro Chefe do Sector da Educação 2. Junta

Leia mais

ENCONTRO DE TRABALHOS DO MINISTÉRIO DA SAÚDE E DA SEGURANÇA SOCIAL CIDADE VELHA 8 A12 AGOSTO DE 2016

ENCONTRO DE TRABALHOS DO MINISTÉRIO DA SAÚDE E DA SEGURANÇA SOCIAL CIDADE VELHA 8 A12 AGOSTO DE 2016 ENCONTRO DE TRABALHOS DO MINISTÉRIO DA SAÚDE E DA SEGURANÇA SOCIAL CIDADE VELHA 8 A12 AGOSTO DE 2016 O PAPEL DA ENFERMAGEM NA ABORDAGEM DAS DOENÇAS CRÓNICAS O Concelho Dos Mosteiros Estende-se por uma

Leia mais

Migrações e coesão social:

Migrações e coesão social: Conferência Horizontes para uma Área Metropolitana de Lisboa inteligente, sustentável e inclusiva 4 5 Julho 2013 Migrações e coesão social: contexto AML Maria Lucinda Fonseca CEG/IGOT UL Contexto: dinâmicas

Leia mais

PROPOSTA DE ESTRUTURA DE PERFIL DE SAÚDE MUNICIPAL

PROPOSTA DE ESTRUTURA DE PERFIL DE SAÚDE MUNICIPAL PROPOSTA DE ESTRUTURA DE PERFIL DE SAÚDE MUNICIPAL Grelha de Indicadores Área Cidades Saudáveis TERRITÓRIO Área Usos do Solo identificados nos PMOT - Urbano - Equipamentos e parques urbanos - Industrial

Leia mais

Rede Social CLAS Fornos de Algodres C.L.A.S. CONSELH0 LOCAL DE ACÇÃO SOCIAL DO MUNICIPIO DE FORNOS DE ALGODRES

Rede Social CLAS Fornos de Algodres C.L.A.S. CONSELH0 LOCAL DE ACÇÃO SOCIAL DO MUNICIPIO DE FORNOS DE ALGODRES C.L.A.S. CONSELH0 LOCAL DE ACÇÃO SOCIAL DO MUNICIPIO DE FORNOS DE ALGODRES ABRIL DE 2009 NOTA INTRODUTÓRIA No documento aqui apresentado estão identificados os projectos e intervenções a realizar no Município

Leia mais

Resultados da Avaliação do Grau de Satisfação das Partes Interessadas 2012

Resultados da Avaliação do Grau de Satisfação das Partes Interessadas 2012 Resultados da Avaliação do Grau de Satisfação das Partes Interessadas 2012 Utentes, Familiares/ Pessoa significativa, Profissionais Voluntários e Entidades Parcerias Março / 2013 Índice 1. Introdução 2.

Leia mais

UNIVERSIDADE TÉCNICA DE LISBOA FACULDADE DE MOTRICIDADE HUMANA

UNIVERSIDADE TÉCNICA DE LISBOA FACULDADE DE MOTRICIDADE HUMANA UNIVERSIDADE TÉCNICA DE LISBOA FACULDADE DE MOTRICIDADE HUMANA QUESTIONÁRIO AOS TREINADORES DE FUTEBOL Este questionário faz parte de um estudo sobre a Análise do perfil de competências e das necessidades

Leia mais

Documento de Trabalho

Documento de Trabalho AGRUPAMENTO DE CENTROS DE SAÚDE UNIDADE DE CUIDADOS NA COMUNIDADE Documento de Trabalho O Decreto-Lei nº 28/2008 de 22 de Fevereiro cria os agrupamentos de centros de saúde (ACES) do Serviço Nacional de

Leia mais

Rede Social. Quadro I - População residente activa e empregada segunda seguindo o sexo e o ramo de actividade taxas de actividades em 1991 e 2001.

Rede Social. Quadro I - População residente activa e empregada segunda seguindo o sexo e o ramo de actividade taxas de actividades em 1991 e 2001. Emprego e Formação Profissional Alguns dos dados constantes nesta área do Pré-diagnóstico foram fornecidos pelo Centro de Emprego de Pinhel e os restantes retirados do XVI Recenseamento geral da População

Leia mais

Centro Comunitário...1. Índice...1. Centro Comunitário...3. Capítulo I...3. O Estabelecimento: Natureza e Objectivos...3

Centro Comunitário...1. Índice...1. Centro Comunitário...3. Capítulo I...3. O Estabelecimento: Natureza e Objectivos...3 REGULAMENTO INTERNO CENTRO COMUNITÁRIO ÍNDICE Centro Comunitário...1 Índice...1 Centro Comunitário...3 Capítulo I...3 O Estabelecimento: Natureza e Objectivos...3 Artigo 1º - Caracterização e Localização...3

Leia mais

(LAR * CENTRO DE DIA * SERVIÇO DE APOO DOMICILIÁRIO * RESIDÊNCIA TEMPORÁRIA * CRECHE/INFANTÁRIO/ATL)

(LAR * CENTRO DE DIA * SERVIÇO DE APOO DOMICILIÁRIO * RESIDÊNCIA TEMPORÁRIA * CRECHE/INFANTÁRIO/ATL) - CENTRO DE SOCIAL DE APOIO - (LAR * CENTRO DE DIA * SERVIÇO DE APOO DOMICILIÁRIO * RESIDÊNCIA TEMPORÁRIA * CRECHE/INFANTÁRIO/ATL) PROJECTO DE ARQUITECTURA Memória Descritiva e Justificativa LIGA DOS COMBATENTES

Leia mais

MUNICÍPIO DE OLIVEIRA DE AZEMÉIS

MUNICÍPIO DE OLIVEIRA DE AZEMÉIS REDE SOCIAL MUNICÍPIO DE OLIVEIRA DE AZEMÉIS Diagnóstico Social Freguesia: S. Roque CARACTERIZAÇÃO GEOGRÁFICA DA FREGUESIA INDICADORES FREGUESIA S. Roque Km2 6,8 Lugares 5 480 Vias de unicação EN 227,

Leia mais

Diagnóstico Social de Oeiras Anexos

Diagnóstico Social de Oeiras Anexos Diagnóstico Social de Oeiras 2013 Anexos Fevereiro de 2014 SAÚDE POPULAÇÃO Anexo 1 INDICADORES Densidade populacional (hab./km 2 ) 3766,6 População residente, segundo os grandes grupos etários e sexo (nº):

Leia mais

Unidade de Cuidados na Comunidade -1º Ano de Vida -

Unidade de Cuidados na Comunidade -1º Ano de Vida - Unidade de Cuidados na Comunidade -1º Ano de Vida - CUIDADOS DE SUPORTE: Saúde Mental na Comunidade SANDRA MOREIRA Enf.ª ULSM - Coordenadora UCCSMI Título de Especialista em Enfermagem de Saúde Mental

Leia mais

Rede Social de Vila Nova de Famalicão 2013 Ano Europeu dos Cidadãos Famalicão promove Fóruns Comunitários nas Comissões Sociais Inter- Freguesias

Rede Social de Vila Nova de Famalicão 2013 Ano Europeu dos Cidadãos Famalicão promove Fóruns Comunitários nas Comissões Sociais Inter- Freguesias Rede Social de Valongo Pais, Mães & Companhia Rede Social de Aveiro Sessões de Sensibilização entre pares na área das demências Rede Social da Covilhã Efemérides e Atividades Atividades 2013 Ano Europeu

Leia mais

Plano de Desenvolvimento Social

Plano de Desenvolvimento Social Plano de Desenvolvimento Social 65 6. Planear para Intervir Objectivos e Estratégias Numa fase seguinte, após a consequente identificação das vulnerabilidades concelhias /eixos estratégicos de intervenção

Leia mais

CESPA IMPACTOS DA ATIVIDADE

CESPA IMPACTOS DA ATIVIDADE NOVEMBRO 2016 CESPA IMPACTOS DA ATIVIDADE Caros amigos, É com muita alegria que vos dirijo a palavra em nome desta Instituição a que presido enquanto responsável da paróquia da Abóboda. Neste documento,

Leia mais

AGENDA 21 LOCAL DE MOGADOURO

AGENDA 21 LOCAL DE MOGADOURO AGENDA 21 LOCAL DE MOGADOURO Resultados da primeira reunião do Fórum Participativo Realizada no dia 2 de Junho de 2006 4 de Agosto de 2006 Versão para o Grupo Coordenador Equipa Técnica Na realização do

Leia mais

AGENDA 21 LOCAL DE ALFÂNDEGA DA FÉ

AGENDA 21 LOCAL DE ALFÂNDEGA DA FÉ AGENDA 21 LOCAL DE ALFÂNDEGA DA FÉ Resultados da primeira reunião do Fórum Participativo Realizada no dia 5 de Junho de 2006 20 de Novembro de 2006 Versão para o Grupo Coordenador Equipa Técnica Na realização

Leia mais

Gráfico 1 População residente no distrito de Castelo Branco. (Fonte: INE, e 2007)

Gráfico 1 População residente no distrito de Castelo Branco. (Fonte: INE, e 2007) O Centro Social Padre Tomás D Aquino Vaz de Azevedo (CSPTAVA) é uma Instituição Particular de Solidariedade Social que desenvolve a sua actividade na área do apoio à Terceira Idade nas valências de Lar

Leia mais

AEC - ACTIVIDADES DE ENRIQUECIMENTO CURRICULAR

AEC - ACTIVIDADES DE ENRIQUECIMENTO CURRICULAR «Instrumento de notação do Sistema Estatístico Nacional (Lei 6/89, de 15 de Abril) de RESPOSTA OBRIGATÓRIA, registado no INE sob o n.º 9761, válido até 31/08/2007» AEC - ACTIVIDADES DE ENRIQUECIMENTO CURRICULAR

Leia mais

Rede Social de Vila Pouca de Aguiar

Rede Social de Vila Pouca de Aguiar Introdução... 3 Plano de Desenvolvimento Social... 4 O que é o Plano de Desenvolvimento Social?... 4 Para que serve o Plano de Desenvolvimento Social?... 4 O Plano de Desenvolvimento Social como processo

Leia mais

APOIO DOMICILIÁRIO AOS DOENTES DA CONSULTA DE HIPOCOAGULAÇÃO DO CHCB, E.P.E.

APOIO DOMICILIÁRIO AOS DOENTES DA CONSULTA DE HIPOCOAGULAÇÃO DO CHCB, E.P.E. APOIO DOMICILIÁRIO AOS DOENTES DA CONSULTA DE HIPOCOAGULAÇÃO DO CHCB, E.P.E. Centro Hospitalar Cova da Beira, E.P.E. Covilhã/Fundão Manuela Santos; Jorge Martínez Marcos Serviço de Imunohemoterapia, Centro

Leia mais

Estás grávida? Podemos ajudar-te.

Estás grávida? Podemos ajudar-te. Estás grávida? Podemos ajudar-te. QUEM SOMOS? O Apoio à Vida é uma Instituição Particular de Solidariedade Social (IPSS) nascida em 1998 com a finalidade de ajudar, acolher e formar adolescentes e mulheres

Leia mais

Promover a inserção social de pessoas e grupos mais vulneráveis; Estimular o desenvolvimento de projectos de vida;

Promover a inserção social de pessoas e grupos mais vulneráveis; Estimular o desenvolvimento de projectos de vida; São nossos objectivos: 1ª fase: Promover a inserção social de pessoas e grupos mais vulneráveis; Alargar e consolidar a rede de parcerias de forma a fomentar e a criar novos recursos, propiciando condições

Leia mais

AGENDA 21 LOCAL DE MIRANDA DO DOURO

AGENDA 21 LOCAL DE MIRANDA DO DOURO AGENDA 21 LOCAL DE MIRANDA DO DOURO Resultados da primeira reunião do Fórum Participativo Realizada no dia 1 de Junho de 2006 16 de Novembro de 2006 Versão para o Grupo Coordenador Equipa Técnica Na realização

Leia mais

PROVEDOR DO IDOSO PROTOCOLO

PROVEDOR DO IDOSO PROTOCOLO PROVEDOR DO IDOSO PROTOCOLO As alterações demográficas que se têm verificado na população portuguesa e que se traduzem num envelhecimento populacional, coloca às instituições, às famílias e à comunidade

Leia mais

Plano de Acção 2006/2007. Rede Social Concelho da Lourinhã

Plano de Acção 2006/2007. Rede Social Concelho da Lourinhã Plano de Acção 2006/2007 Rede Social Concelho da Lourinhã E I X O I Intervenção Dirigida a Grupos Específicos EIXO I : INTERVENÇÃO DIRIGIDA A GRUPOS ESPECIFICOS OBJECTIVO GERAL: Até Dezembro de 2007 existem

Leia mais

REDE SOCIAL DE SOBRAL DE MONTE AGRAÇO PLANO DE ACÇÃO PARA 2010

REDE SOCIAL DE SOBRAL DE MONTE AGRAÇO PLANO DE ACÇÃO PARA 2010 REDE SOCIAL DE SOBRAL DE MONTE AGRAÇO PLANO DE ACÇÃO PARA 2010 EIXO I Promoção da Inclusão das famílias com especial enfoque às necessidades dos idosos OBJECTIVO GERAL Melhorar as condições de vida de

Leia mais

Designação do Curso: Técnica Auxiliar de Ação Educativa

Designação do Curso: Técnica Auxiliar de Ação Educativa Designação do Curso: Área de Formação: 761 Serviços de Apoio a Crianças e Jovens Carga Horária: 100 horas presenciais + 160 horas estágio em contexto real de trabalho (facultativo) Descrição do curso:

Leia mais

III. Sistema de Monitorização

III. Sistema de Monitorização III. Sistema de Monitorização 159 De acordo com as orientações elaboradas para a execução das Cartas Educativas, na Carta Educativa do Concelho de Almeida prevê-se a concepção e operacionalização de um

Leia mais

CAPÍTULO VI SAÚDE 54

CAPÍTULO VI SAÚDE 54 CAPÍTULO VI SAÚDE 54 Toxicodependência Número de Toxicodependentes por Sexo e Escalão Etário em Acompanhamento no CAT Escalão Etário Masculino Feminino % Total 0-14 anos 0 0 0 0 15-29 anos 2 3 1,2 5 20-24

Leia mais

QUESTIONÁRIO SOBRE ANALGESIA DE TRABALHO DE PARTO

QUESTIONÁRIO SOBRE ANALGESIA DE TRABALHO DE PARTO Comissão Nacional para o Controlo da Dor 1 Identificação da Unidade Hospitalar. 1.1 Designação da Unidade Hospitalar 1.2 Designação do Centro Hospitalar (se aplicável) 1.3 Localização da Unidade Hospitalar

Leia mais

AUTOAVALIAÇÃO DO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DR. FRANCISCO SANCHES (AvAEFS) ANO LETIVO 2015/2016

AUTOAVALIAÇÃO DO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DR. FRANCISCO SANCHES (AvAEFS) ANO LETIVO 2015/2016 AUTOAVALIAÇÃO DO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DR. FRANCISCO SANCHES (AvAEFS) ANO LETIVO 2015/2016 I - Enquadramento legal Definição do âmbito da Autoavaliação do AEFS Decreto-Lei n.º 137/2012 de 2 de julho (alteração

Leia mais

Plano de Desenvolvimento Social e Plano de Acção do Concelho de Mondim de Basto

Plano de Desenvolvimento Social e Plano de Acção do Concelho de Mondim de Basto CLAS de Mondim de Basto Plano de Desenvolvimento Social e Plano de Acção do Concelho de Mondim de Basto Mondim de Basto, Maio de 2006 Fundo Social Europeu Projecto co-financiado pelo FSE Índice Câmara

Leia mais

Plano de Desenvolvimento Social 2016/2020

Plano de Desenvolvimento Social 2016/2020 Plano de Desenvolvimento Social 2016/2020 O que é o PDS? Documento orientador de planeamento integrado e participado do desenvolvimento social para os próximos cinco anos. Pretende traçar o caminho a seguir

Leia mais

Plano Integrado de Combate à Exclusão Social na Escola e de Prevenção do Abandono Escolar

Plano Integrado de Combate à Exclusão Social na Escola e de Prevenção do Abandono Escolar SECRETARIA REGIONAL DA EDUCAÇÃO E CULTURA DIREÇÃO REGIONAL DA EDUCAÇÃO ESCOLA BÁSICA INTEGRADA DE RIBEIRA GRANDE Equipa Multidisciplinar da EBI de Ribeira Grande Plano Integrado de Combate à Exclusão Social

Leia mais

MUNICIPIO DE FORNOS DE ALGODRES PLANO GERONTOLÓGICO

MUNICIPIO DE FORNOS DE ALGODRES PLANO GERONTOLÓGICO MUNICIPIO DE FORNOS DE ALGODRES PLANO GERONTOLÓGICO Fornos de Algodres, março de 2017 NOTA INTRODUTÓRIA A evolução demográfica concelhia é caracterizada pelo envelhecimento populacional, traduzido no aumento

Leia mais

Plano de Desenvolvimento Social. do Concelho de Vila do Bispo

Plano de Desenvolvimento Social. do Concelho de Vila do Bispo União Europeia Fundo Social Europeu Plano de Desenvolvimento Social do Concelho de Vila do Bispo Ficha Técnica Entidade Promotora: Câmara Municipal de Vila do Bispo Co-Financiado Fundo Social Europeu e

Leia mais

Plano Regional de Saúde Lisboa e

Plano Regional de Saúde Lisboa e Plano Regional de Saúde Lisboa e Vale do Tejo Um Futuro para as Nossas Crianças Plano Regional de Saúde Lisboa e Vale do Tejo 2010 2012 Rui Portugal Presidente da ARSLVT António Tavares Director do Departamento

Leia mais

Regulamento Interno Gabinete de Atendimento e Acompanhamento Social /Protocolo de RSI

Regulamento Interno Gabinete de Atendimento e Acompanhamento Social /Protocolo de RSI Regulamento Interno Gabinete de Atendimento e Acompanhamento Social /Protocolo de RSI Rua do Formigoso N.º 103 Polvoreira 4835-168 Guimarães Telefone: 253 557 128 - Telemóvel: 91 051 36 36 rsipolvoreira@gmail.com

Leia mais

Os problemas sociais e as respostas disponíveis no concelho de Aveiro *

Os problemas sociais e as respostas disponíveis no concelho de Aveiro * Os problemas sociais e as respostas disponíveis no concelho de Aveiro * Sofia Rodrigues, Susana Pires, Cláudia Ribeiro, Sílvia Pereira, Pedro Hespanha Introdução O debate levantado pela crise do Estado-Providência

Leia mais

ASSOCIAÇÃO TODOS PELOS OUTROS - TPO PLANO DE ATIVIDADES

ASSOCIAÇÃO TODOS PELOS OUTROS - TPO PLANO DE ATIVIDADES PLANO DE ATIVIDADES 2014 1. Introdução A ASSOCIAÇÃO TODOS PELOS OUTROS - TPO, é uma Associação sem fins lucrativos, com sede na Rua D. Duarte Nuno, nº 50, 3025-582 São Silvestre, na freguesia de São Silvestre,

Leia mais

FORMULÁRIO DE INSCRIÇÃO. Setor de Atividade Atividades de apoio social para pessoas idosas, com alojamento.

FORMULÁRIO DE INSCRIÇÃO. Setor de Atividade Atividades de apoio social para pessoas idosas, com alojamento. FORMULÁRIO DE INSCRIÇÃO Organização Santa Casa da Misericórdia de Seia Diretor(a) Dra. Claúdia Lopes Setor de Atividade 87301 Atividades de apoio social para pessoas idosas, com alojamento. Número de Efetivos

Leia mais

A Rede Social é definida como um fórum de articulação e congregação de esforços baseado na adesão livre por parte das autarquias e das entidades

A Rede Social é definida como um fórum de articulação e congregação de esforços baseado na adesão livre por parte das autarquias e das entidades 1 A Rede Social é definida como um fórum de articulação e congregação de esforços baseado na adesão livre por parte das autarquias e das entidades públicas ou privadas sem fins lucrativos que nela queiram

Leia mais

Ficha de Caracterização de Entidade/Projecto CLDS - ESPIRAL

Ficha de Caracterização de Entidade/Projecto CLDS - ESPIRAL Ficha de Caracterização de Entidade/Projecto CLDS - ESPIRAL 2 A. IDENTIFICAÇÃO GERAL DA ENTIDADE Projecto(s) Projecto Espiral - Contrato Local de Desenvolvimento Promotor(es): CESIS - Centro de Estudos

Leia mais

7.1. Estruturas de Saúde no Concelho de Rio Maior. No que concerne às infra-estruturas de Saúde, o Concelho de Rio

7.1. Estruturas de Saúde no Concelho de Rio Maior. No que concerne às infra-estruturas de Saúde, o Concelho de Rio 7. Saúde 7.1. Estruturas de Saúde no Concelho de Rio Maior No que concerne às infra-estruturas de Saúde, o Concelho de Rio Maior dispõe de um Centro de Saúde com 10 extensões distribuídas pelas Freguesias

Leia mais

ORDEM DOS MÉDICOS COLÉGIO DE ESPECIALIDADE DE PEDIATRIA

ORDEM DOS MÉDICOS COLÉGIO DE ESPECIALIDADE DE PEDIATRIA ORDEM DOS MÉDICOS COLÉGIO DE ESPECIALIDADE DE PEDIATRIA Inquérito para avaliação da Idoneidade e da Capacidade Formativa dos Serviços de Pediatria Ano: Hospital: O internato de Pediatria deve ser realizado

Leia mais

Programa de Emergência Social

Programa de Emergência Social 2012 Programa de Emergência Social Câmara Municipal de Condeixa Coordenação: Margarida Guedes Equipa Técnica do Serviço de Ação Social e Saúde Índice Página Capítulo I 1. Introdução. 3 2. Enquadramento

Leia mais

CENSOS 2011 DADOS DEFINITIVOS

CENSOS 2011 DADOS DEFINITIVOS Município de CENSOS 2011 DADOS DEFINITIVOS (Concelho de ) Índice População Residente.. 3 Densidade Populacionais. 4 Variação da População..5 Jovens e Idosos...6 Índice de Envelhecimento...7 Desemprego..8

Leia mais

AGENDA 21 LOCAL DE CARRAZEDA DE ANSIÃES

AGENDA 21 LOCAL DE CARRAZEDA DE ANSIÃES AGENDA 21 LOCAL DE CARRAZEDA DE ANSIÃES Resultados da primeira reunião do Fórum Participativo Realizada no dia 6 de Junho de 2006 16 de Novembro de 2006 Versão para o Grupo Coordenador Equipa Técnica Na

Leia mais

AGIR PARA SOLUCIONAR PLANO DE ACÇÃO PARA 2010

AGIR PARA SOLUCIONAR PLANO DE ACÇÃO PARA 2010 PLANO DE DESENVOLVIMENTO SOCIAL DO MUNICÍPIO DE ARMAMAR AGIR PARA SOLUCIONAR PLANO DE ACÇÃO PARA 2010 Plano de Acção 20010 1 Após elaboração do Plano de Desenvolvimento Social, onde estão definidas as

Leia mais

Índice CAPÍTULO I NOTAS INTRODUTÓRIAS 1. Sobre pobreza, exclusão social, grupos de vulnerabilidade social e políticas sociais activas

Índice CAPÍTULO I NOTAS INTRODUTÓRIAS 1. Sobre pobreza, exclusão social, grupos de vulnerabilidade social e políticas sociais activas Índice CAPÍTULO I NOTAS INTRODUTÓRIAS 1. Sobre pobreza, exclusão social, grupos de vulnerabilidade social e políticas sociais activas 7 2. Sobre o Programa Rede Social.. 14 3. Sobre o Diagnóstico Social...

Leia mais

APRESENTAÇÃO DAS ESCOLAS MUNICIPAIS DE DESPORTO. 3 de Janeiro de 2007

APRESENTAÇÃO DAS ESCOLAS MUNICIPAIS DE DESPORTO. 3 de Janeiro de 2007 APRESENTAÇÃO DAS ESCOLAS MUNICIPAIS DE DESPORTO 3 de Janeiro de 2007 Há todo um conjunto de instituições e agentes sociais que assume preocupações e responsabilidades pela prática desportiva de crianças

Leia mais

CANDIDATURA AO PROGRAMA

CANDIDATURA AO PROGRAMA CANDIDATURA AO PROGRAMA CIDADES AMIGAS DAS CRIANÇAS Modelo de Caracterização do Município O documento deve ser preenchido em PDF, utilizando a funcionalidade de preenchimento de campos do presente formulário.

Leia mais

Programa 2012 FICHA DE CANDIDATURA. Refª: 073 GASP - Gabinete de Acção Social e Psicológica

Programa 2012 FICHA DE CANDIDATURA. Refª: 073 GASP - Gabinete de Acção Social e Psicológica Programa 2012 FICHA DE CANDIDATURA Refª: 073 GASP - Gabinete de Acção Social e Psicológica Grupo de Trabalho dos Bairros e Zonas de Intervenção Prioritária (BIP/ZIP) Rua Nova do Almada, nº 2-3º Andar 1100-060

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO DO CENTRO COMUNITÁRIO PORTA ABERTA

REGULAMENTO INTERNO DO CENTRO COMUNITÁRIO PORTA ABERTA REGULAMENTO INTERNO DO CENTRO COMUNITÁRIO PORTA ABERTA ARTIGO 1º (ÂMBITO) O presente regulamento interno aplica-se ao Centro Comunitário Porta Aberta, resposta social do âmbito da Intervenção Comunitária,

Leia mais

DAP DINÂMICAS DE ACÇÃO-PREVENÇÃO

DAP DINÂMICAS DE ACÇÃO-PREVENÇÃO DAP DINÂMICAS DE ACÇÃO-PREVENÇÃO Apresentação do Projecto Escola E.B 2,3 Passos José OBJECTIVOS GERAIS Fomentar a integração dos alunos no contexto escolar, promovendo o sucesso educativo Agir preventiva

Leia mais

Consultoria para o planeamento do Sistema de Informação sobre Trabalho e Emprego de Cabo Verde

Consultoria para o planeamento do Sistema de Informação sobre Trabalho e Emprego de Cabo Verde Termos de Referência Consultoria para o planeamento do Sistema de Informação sobre Trabalho e Emprego de Cabo Verde Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD) Título: Consultoria para o planeamento

Leia mais

INQUÉRITO POR QUESTIONÁRIO

INQUÉRITO POR QUESTIONÁRIO INQUÉRITO POR QUESTIONÁRIO Este Inquérito destina-se aos Professores do Ensino Regular, do 1º Ciclo, que leccionam turmas com alunos portadores de NEE`s. Pretende-se recolher informação que permita elaborar

Leia mais

ALTERAÇÃO AO REGULAMENTO DO CARTÃO MUNICIPAL DO IDOSO

ALTERAÇÃO AO REGULAMENTO DO CARTÃO MUNICIPAL DO IDOSO A CÂMARA MUNICIPAL DE ALENQUER Praça Luís de Camões -2580-318 ALENQUER - Telef. 263730900. Fax 263 711 504. e-mau: aerai6~cm-a eflaue.dt ALTERAÇÃO AO REGULAMENTO DO CARTÃO MUNICIPAL DO IDOSO r Proposta

Leia mais

ATENDIMENTO/ACOMPANHAMENTO SOCIAL REGULAMENTO INTERNO

ATENDIMENTO/ACOMPANHAMENTO SOCIAL REGULAMENTO INTERNO ATENDIMENTO/ACOMPANHAMENTO SOCIAL REGULAMENTO INTERNO Setembro/2009 CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS NORMA I Âmbito de Aplicação O Complexo Social de Apoio à Pessoa Idosa designado por Misericórdia da Freguesia

Leia mais