Plataforma Supraconcelhia do Tâmega

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Plataforma Supraconcelhia do Tâmega"

Transcrição

1 Regulamento da Plataforma Supraconcelhia do Tâmega Artigo 1º Objecto O presente regulamento define o processo de organização e funcionamento da Plataforma supraconcelhia do Tâmega, abreviadamente designada por, PSC do Tâmega, Artigo 2º Conceito e Finalidade A PSC do Tâmega, é uma instância de âmbito territorial equivalente à NUT III, que funciona como um espaço privilegiado de debate e análise dos problemas sociais dos concelhos que a compõem, de articulação dos instrumentos de planeamento locais respectivos com os planos, medidas, programas e acções nacionais, com vista à promoção de um planeamento concertado supraconcelhio, que permita uma melhor organização da intervenção, das respostas e dos equipamentos sociais, a partir da rentabilização dos recursos do conjunto dos territórios que a integram. Artigo 3º Âmbito Territorial O âmbito territorial da PSC do Tâmega, equivale à actual NUT III de Tâmega, abrangendo os concelhos de Amarante, Baião, Castelo de Paiva, Celorico de Basto, Cinfães, Felgueiras, Lousada, Marco de Canaveses, Paços de Ferreira, Paredes, Penafiel, Resende. Artigo 4º Princípios e Objectivos 1

2 1) As acções desenvolvidas no âmbito da PSC do Tâmega, enquanto estrutura supraconcelhia da (bem como o funcionamento dos órgãos que no âmbito destas venham a ser criados), orientam-se pelos princípios da subsidiariedade, integração, articulação, participação, inovação e igualdade de género, de acordo com o disposto nos artigos 4º, 5º, 6º, 7º, 8º, 9º e 10º do Decreto- Lei nº 115/2006, de 14 de Junho. 2) São objectivos da PSC do Tâmega: a) Combater a pobreza e a exclusão social, promovendo a inclusão e a coesão sociais; b) Promover o desenvolvimento social integrado através da implementação do planeamento integrado e sistemático, que potencie sinergias, competências e os recursos dos concelhos/território da PSC do Tâmega; c) Contribuir para a concretização, acompanhamento e avaliação dos objectivos do Plano Nacional de Acção para a Inclusão (PNAI); d) Garantir a integração dos objectivos da promoção para a igualdade de género, constantes do Plano Nacional para a Igualdade (PNI), nos instrumentos de planeamento; e) Garantir uma maior eficácia e uma melhor cobertura e organização do conjunto de respostas e equipamentos ao nível dos concelhos/território da PSC do Tâmega; f) Criar canais regulares de comunicação e informação entre os parceiros e a população dos concelhos/território da PSC do Tâmega. Artigo 5º Composição da Plataforma Supraconcelhia A PSC do Tâmega integra: a) Os representantes dos Centros Distritais de Aveiro, Braga, Porto e Viseu. b) Os representantes dos governadores civis de Aveiro, Braga, Porto e Viseu; c) Os dirigentes das Entidades e serviços relevantes da Administração Pública de Aveiro, Braga, Porto e Viseu; 2

3 d) Os presidentes dos CLAS de Amarante, Baião, Castelo de Paiva, Celorico de Basto, Cinfães, Felgueiras, Lousada, Marco de Canaveses, Paços de Ferreira, Paredes, Penafiel, Resende. e) Os representantes das Instituições Particulares de Solidariedade Social, organizações não governamentais e Associações Empresariais e Sindicais com expressão nacional e com delegações em Aveiro, Braga, Porto e Viseu. Artigo 6º Processo de Constituição da Plataforma Supraconcelhia 1) A constituição da PSC do Tâmega é feita na primeira reunião, ficando registada em acta assinada por todos os representantes das instituições que a integram. 2. Para efeitos de informação e organização, aquando da constituição da plataforma, é preenchida por cada membro que a integra uma ficha de identificação. Artigo7º Coordenação da Plataforma Supraconcelhia 1. A PSC do Tâmega é coordenada pelo Director do Centro Distrital do Porto, ou em quem ele delegar. 2. Compete à coordenação da plataforma supraconcelhia: a) Convocar e presidir, no mínimo, a quatro reuniões anuais; b) Assegurar o apoio logístico e administrativo destas reuniões. c) Debater estratégias para a concretização do PNAI no seu território; d) Garantir a harmonização e articulação das iniciativas desenvolvidas pelas diferentes parcerias dos concelhos que a integram, e que actuam no plano social; e) Promover reuniões temáticas sectoriais para aprofundar o conhecimento e análise dos problemas sociais do território, tendo em conta a dimensão do género; 3

4 f) Analisar e promover a resolução ou o encaminhamento para o nível nacional dos problemas que lhe forem apresentados pelos diferentes CLAS da plataforma, concretizando o princípio da subsidiariedade; g) Promover a circulação de informação pertinente pelas entidades que compõem a plataforma. Artigo 8º Funcionamento da Plataforma Supraconcelhia 1) A PSC do Tâmega funciona em quatro reuniões anuais, a realizar em Março, Junho, Setembro e Dezembro. 2) Na 1ª reunião de cada ano será definida a calendarização das reuniões seguintes. 3) A PSC do Tâmega poderá reunir-se extraordinariamente, por iniciativa da coordenação da plataforma ou quando solicitado por um terço dos membros que a compõem, devendo para o efeito ser remetida uma convocatória da coordenação, com uma antecedência mínima de quinze dias, e com a indicação do assunto que se deseja ver tratado. 4) As convocatórias são sempre feitas pela coordenação da plataforma e remetidas com, pelo menos, quinze dias de antecedência, por correio electrónico, salvaguardando-se os casos excepcionais das entidades que não possuem endereço electrónico, para as quais a convocatória será enviada por correio postal. 5) Das convocatórias deve constar a ordem de trabalhos, as propostas a apreciar e a documentação de suporte. 6) Os trabalhos da PSC do Tâmega iniciam-se à hora marcada com a presença de mais de metade dos membros ou quinze minutos depois da hora inicialmente marcada, com o número de membros presentes. 7) As deliberações são tomadas por maioria dos votos dos membros presentes, tendo cada entidade representada direita a um voto. 8) Em caso de empate na votação, o Coordenador tem voto de qualidade. 4

5 Artigo 9º Estrutura Orgânica da Plataforma Supraconcelhia Para a prossecução dos seus objectivos e competências, é constituído um Grupo Operativo da PSC do Tâmega que apoie a sua actividade, a qual funcionará na dependência do Coordenador da Plataforma. Artigo 10º Local de Funcionamento 1. A PSC do Tâmega funciona nas instalações do Centro Distrital de Segurança Social do Porto, sito na Rua António Patrício, nº porto. 2. Por deliberação da Assembleia, as reuniões podem ser realizadas alternadamente nos concelhos que compõem a PSC do Tâmega. Artigo 11º Actas e Registos de Presenças 1. Os actos da PSC do Tâmega são inscritos em acta, sob a forma de propostas, resoluções ou informações, devidamente numeradas e datadas. 2. De cada reunião é lavrada uma acta, onde se registam os assuntos tratados, à qual será anexada a folha de presenças, que será apreciada e aprovada na reunião seguinte. 3. A responsabilidade de elaboração da acta cabe por inerência à entidade que detém a coordenação da plataforma supraconcelhia. 4. As actas deverão ser enviadas ao Presidente do Conselho Directivo do ISS, I.P., a quem compete apoiar o MTSS na dinamização, acompanhamento e avaliação da rede social no território continental. 5

REGULAMENTO DA PLATAFORMA SUPRACONCELHIA DA BEIRA INTERIOR NORTE

REGULAMENTO DA PLATAFORMA SUPRACONCELHIA DA BEIRA INTERIOR NORTE REGULAMENTO DA PLATAFORMA SUPRACONCELHIA DA BEIRA INTERIOR NORTE O presente regulamento destina-se a dar a conhecer os princípios a que obedecem a organização e a articulação da Rede Social ao nível supraconcelhio,

Leia mais

Plataformas Supraconcelhias Centro Atualizado em:

Plataformas Supraconcelhias Centro Atualizado em: SEGURANÇA SOCIAL Plataformas Supraconcelhias Centro Atualizado em: 17-11-2014 Plataformas Supraconcelhias As Plataformas Territoriais, como órgão da Rede Social, foram criadas com o objetivo de reforçar

Leia mais

Regulamento Interno Do Conselho Local de Acção Social Capitulo I

Regulamento Interno Do Conselho Local de Acção Social Capitulo I Regulamento Interno Do Conselho Local de Acção Social Capitulo I DISPOSIÇÕES GERAIS Artigo 1º Objecto O presente regulamento interno destina-se a definir e dar a conhecer os princípios a que obedece a

Leia mais

Plataformas Supraconcelhias Norte Atualizado em:

Plataformas Supraconcelhias Norte Atualizado em: SEGURANÇA SOCIAL Plataformas Supraconcelhias Norte Atualizado em: 17-11-2014 Plataformas Supraconcelhias As Plataformas Territoriais, como órgão da Rede Social, foram criadas com o objetivo de reforçar

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO CONSELHO LOCAL DE ACÇÃO SOCIAL DE OLHÃO PROGRAMA REDE SOCIAL

REGULAMENTO INTERNO CONSELHO LOCAL DE ACÇÃO SOCIAL DE OLHÃO PROGRAMA REDE SOCIAL REGULAMENTO INTERNO CONSELHO LOCAL DE ACÇÃO SOCIAL DE OLHÃO PROGRAMA REDE SOCIAL JANEIRO DE 2007 REGULAMENTO INTERNO CAPITULO I DISPOSIÇÕES GERAIS Artigo 1º Objecto O presente regulamento interno destina-se

Leia mais

CONSELHO LOCAL DE ACÇÃO SOCIAL DE BOTICAS REGULAMENTO INTERNO. Rede Social de Boticas CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS. Artigo 1.

CONSELHO LOCAL DE ACÇÃO SOCIAL DE BOTICAS REGULAMENTO INTERNO. Rede Social de Boticas CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS. Artigo 1. CONSELHO LOCAL DE ACÇÃO SOCIAL DE BOTICAS REGULAMENTO INTERNO CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS Artigo 1.º OBJECTO O presente regulamento interno destina-se a definir os princípios a que obedece a constituição,

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO DO CONSELHO LOCAL DE ACÇÃO SOCIAL DA GOLEGÃ

REGULAMENTO INTERNO DO CONSELHO LOCAL DE ACÇÃO SOCIAL DA GOLEGÃ REGULAMENTO INTERNO DO CONSELHO LOCAL DE ACÇÃO SOCIAL DA GOLEGÃ PREÂMBULO A Rede Social foi criada pela Resolução do Conselho de Ministros nº197/97, de 18 de Novembro. Pretende-se através deste programa

Leia mais

Conselho Local de Acão Social

Conselho Local de Acão Social Conselho Local de Acão Social Regulamento Interno CAPITULO I DISPOSIÇÕES GERAIS Artigo 1º Objecto O presente regulamento interno destina-se a definir e dar a conhecer os princípios a que obedece a constituição,

Leia mais

CAPITULO I DISPOSIÇÕES GERAIS. Artigo 1º Objecto

CAPITULO I DISPOSIÇÕES GERAIS. Artigo 1º Objecto CAPITULO I DISPOSIÇÕES GERAIS Artigo 1º Objecto O presente regulamento interno destina-se a definir e dar a conhecer os princípios a que obedece a constituição, organização e funcionamento do Concelho

Leia mais

REDE SOCIAL CONSELHO LOCAL DE AÇÃO SOCIAL DO CONCELHO DE CORUCHE REGULAMENTO INTERNO. Coruche, fevereiro de 2007

REDE SOCIAL CONSELHO LOCAL DE AÇÃO SOCIAL DO CONCELHO DE CORUCHE REGULAMENTO INTERNO. Coruche, fevereiro de 2007 REDE SOCIAL CONSELHO LOCAL DE AÇÃO SOCIAL DO CONCELHO DE CORUCHE REGULAMENTO INTERNO Coruche, fevereiro de 2007 CLASC Conselho Local de Ação Social de Coruche 1 REGULAMENTO INTERNO DO CLAS DE CORUCHE CAPÍTULO

Leia mais

CAPITULO I DISPOSIÇÕES GERAIS DO CONSELHO LOCAL DE ACÇÃO SOCIAL (CLAS)

CAPITULO I DISPOSIÇÕES GERAIS DO CONSELHO LOCAL DE ACÇÃO SOCIAL (CLAS) Preâmbulo A Resolução do Conselho de Ministros nº197/97 de 18 de Novembro, visa a criação e implementação do Programa. Esta é uma mediada da política social activa, que tem como objectivo desenvolver parcerias

Leia mais

Regulamento Interno CSIF-A

Regulamento Interno CSIF-A Regulamento Interno Comissão Social Inter Freguesia - A Capítulo I Disposições Gerais Artigo 1º Enquadramento A Comissão Social Inter Freguesia de Alcofra, Cambra, Campia, Carvalhal de Vermilhas e Paços

Leia mais

CAPÍTULO I. Artigo 1º Definição do Conselho de Parceiros

CAPÍTULO I. Artigo 1º Definição do Conselho de Parceiros CAPÍTULO I Artigo 1º Definição do Conselho de Parceiros 1. O Conselho de Parceiros é um órgão de participação, representação e dinamização das diferentes entidades que constituem o Conselho, sendo também,

Leia mais

Experiência Supraconcelhia do Tâmega e Sousa

Experiência Supraconcelhia do Tâmega e Sousa Experiência Supraconcelhia do Tâmega e Sousa conjunto de ações e comportamentos estabelecidos através da interação social que permite aos parceiros, a capacidade de agir, participar e provocar mudança

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO DA ASSEMBLEIA DE PARCEIROS DO GRUPO DE ACÇÃO LOCAL CASTELOS DO COA

REGULAMENTO INTERNO DA ASSEMBLEIA DE PARCEIROS DO GRUPO DE ACÇÃO LOCAL CASTELOS DO COA REGULAMENTO INTERNO DA ASSEMBLEIA DE PARCEIROS DO GRUPO DE ACÇÃO LOCAL CASTELOS DO COA PRINCÍPIOS GERAIS O presente regulamento define as normas de funcionamento da Assembleia de Parceiros do Grupo de

Leia mais

PROGRAMA REDE SOCIAL

PROGRAMA REDE SOCIAL PROGRAMA REDE SOCIAL Valongo CONSELHO LOCAL DE ACÇÃO SOCIAL DE VALONGO - CLAS - REGULAMENTO INTERNO Aprovado em reunião do Conselho Local de Acção Social de Valongo a 02 de Julho de 2003 CAPÍTULO l Âmbito

Leia mais

Regulamento Interno do Conselho Local de Ação Social de Vila Verde

Regulamento Interno do Conselho Local de Ação Social de Vila Verde Regulamento Interno do Conselho Local de Ação Social de Vila Verde PREÂMBULO A Rede Social criada na sequência da Resolução do Conselho de Ministros n.º 197/97, de 18 de novembro, assenta no trabalho de

Leia mais

COMISSÃO SOCIAL INTERFREGUESIAS DO OESTE

COMISSÃO SOCIAL INTERFREGUESIAS DO OESTE COMISSÃO SOCIAL INTERFREGUESIAS DO OESTE REGULAMENTO PREÂMBULO O regulamento interno estabelece a constituição, organização e funcionamento da Comissão Social Interfreguesias do Oeste, tendo por base os

Leia mais

Conselho Local de Ação Social de Figueira de Castelo Rodrigo

Conselho Local de Ação Social de Figueira de Castelo Rodrigo REDE SOCIAL Conselho Local de Ação Social de Figueira de Castelo Rodrigo Regulamento Interno [9/04/2014] REGULAMENTO INTERNO DO CONSELHO LOCAL DE ACÇÃO SOCIAL DO CONCELHO DE FIGUEIRA DE CASTELO RODRIGO

Leia mais

Programa Rede Social. Regulamento Interno. Do Conselho Local de Acção Social de Arruda dos Vinhos

Programa Rede Social. Regulamento Interno. Do Conselho Local de Acção Social de Arruda dos Vinhos Programa Rede Social Regulamento Interno Do Conselho Local de Acção Social de Arruda dos Vinhos Regulamento Interno Preâmbulo Tendo por base o Decreto-lei nº 115/2006 de 14 de Junho e no âmbito de uma

Leia mais

Regulamento Interno Conselho Local de Acção Social de Setúbal. CAPITULO I. Artigo 1.º Objecto. Artigo 2.º Âmbito

Regulamento Interno Conselho Local de Acção Social de Setúbal. CAPITULO I. Artigo 1.º Objecto. Artigo 2.º Âmbito Regulamento Interno. CAPITULO I DISPOSIÇÕES GERAIS Artigo 1.º Objecto O presente regulamento interno tem como objectivo e fins definir, reger e disciplinar a organização e funcionamento do Conselho Local

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO REDE SOCIAL. Preâmbulo

REGULAMENTO INTERNO REDE SOCIAL. Preâmbulo Preâmbulo No âmbito de uma política social que visa a eficácia social das medidas de intervenção, a partir da estreita articulação com prioridades globais e especificidades locais, de incentivo a uma mais

Leia mais

PROTOCOLO. Núcleo de Planeamento e Intervenção Sem-Abrigo de Setúbal

PROTOCOLO. Núcleo de Planeamento e Intervenção Sem-Abrigo de Setúbal PROTOCOLO Núcleo de Planeamento e Intervenção Sem-Abrigo de Setúbal Preâmbulo A criação da Estratégia Nacional para a Integração de Pessoas Sem-Abrigo (ENIPSA) 2009-2015 decorreu fundamentalmente da necessidade

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO Página 1

REGULAMENTO INTERNO Página 1 REGULAMENTO INTERNO DO CONSELHO LOCAL DE AÇÃO SOCIAL DE ALMODÔVAR Página 1 REGULAMENTO INTERNO DO CONSELHO LOCAL DE ACÇÃO SOCIAL DE ALMODÔVAR PREÂMBULO Considerando a necessidade de uma maior articulação

Leia mais

REDE SOCIAL REGULAMENTO INTERNO. Introdução

REDE SOCIAL REGULAMENTO INTERNO. Introdução REGULAMENTO INTERNO Introdução A Rede Social criada pela Resolução do Conselho de Ministros n 197/97, de 18 de Novembro, insere-se no âmbito de uma política social activa potenciando a eficácia das medidas

Leia mais

PROJETO DE DECRETO LEGISLATIVO REGIONAL REDE SOCIAL NA REGIÃO AUTÓNOMA DOS AÇORES

PROJETO DE DECRETO LEGISLATIVO REGIONAL REDE SOCIAL NA REGIÃO AUTÓNOMA DOS AÇORES PROJETO DE DECRETO LEGISLATIVO REGIONAL REDE SOCIAL NA REGIÃO AUTÓNOMA DOS AÇORES A Rede Social, surge no contexto de uma necessidade de implementação de políticas sociais ativas, com base na responsabilização

Leia mais

PLATAFORMA TERRITORIAL SUPRA CONCELHIA DE ALENTEJO LITORAL

PLATAFORMA TERRITORIAL SUPRA CONCELHIA DE ALENTEJO LITORAL Documento de trabalho PLATAFORMA TERRITORIAL SUPRA CONCELHIA DE ALENTEJO LITORAL RELATÓRIO DE ACTIVIDADES 2007/2009 Janeiro 2010 ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO 2. COMPETÊNCIAS DA PSC 3. PARTICIPAÇÃO DAS ENTIDADES

Leia mais

REGIMENTO DA COMISSÃO MUNICIPAL DE DEFESA DA FLORESTA CONTRA INCÊNDIOS DO CONCELHO DE ALJUSTREL. Preâmbulo

REGIMENTO DA COMISSÃO MUNICIPAL DE DEFESA DA FLORESTA CONTRA INCÊNDIOS DO CONCELHO DE ALJUSTREL. Preâmbulo REGIMENTO DA COMISSÃO MUNICIPAL DE DEFESA DA FLORESTA CONTRA INCÊNDIOS DO CONCELHO DE ALJUSTREL Preâmbulo A Lei n.º 14/2004, de 8 de Maio, actualmente revogada pelo Decreto-lei n.º17/209, de 14 de Janeiro,

Leia mais

Artigo 1º. Composição. 1. Integram o Conselho Municipal de Segurança de Braga: a) O Presidente da Câmara Municipal de Braga;

Artigo 1º. Composição. 1. Integram o Conselho Municipal de Segurança de Braga: a) O Presidente da Câmara Municipal de Braga; REGULAMENTO DO CONSELHO MUNICIPAL DE SEGURANÇA DE BRAGA A lei n.º 33/98, de 18 de Julho veio criar os conselhos municipais de segurança que, segundo a terminologia utilizada pelo legislador, são entidades

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO DO CONSELHO LOCAL DE AÇÃO SOCIAL DA REDE SOCIAL DE PENAFIEL

REGULAMENTO INTERNO DO CONSELHO LOCAL DE AÇÃO SOCIAL DA REDE SOCIAL DE PENAFIEL REGULAMENTO INTERNO DO CONSELHO LOCAL DE AÇÃO SOCIAL DA REDE SOCIAL DE PENAFIEL Fevereiro 2014 PREÂMBULO A Rede Social, criada pela Resolução de Ministros (RCM) nº 197/97, de 18 de novembro e, posteriormente,

Leia mais

Conselho Local de Ação Social de Portimão

Conselho Local de Ação Social de Portimão Conselho Local de Ação Social de Portimão REGULAMENTO INTERNO Preâmbulo A Rede Social criada na sequência da Resolução do Conselho de Ministros nº 197/97, de 18 de Novembro, impulsionou um trabalho de

Leia mais

Conselho Local de Acção Social de Pampilhosa da Serra REGULAMENTO

Conselho Local de Acção Social de Pampilhosa da Serra REGULAMENTO Conselho Local de Acção Social de Pampilhosa da Serra REGULAMENTO PREÂMBULO A REDE SOCIAL criada pela Resolução do Conselho de Ministros nº. 197/97, de 18 de Novembro, traduz-se numa estratégia de abordagem

Leia mais

REDE SOCIAL REGULAMENTO INTERNO CONSELHO LOCAL DE ACÇÃO SOCIAL (CLAS) DE ALJUSTREL

REDE SOCIAL REGULAMENTO INTERNO CONSELHO LOCAL DE ACÇÃO SOCIAL (CLAS) DE ALJUSTREL REDE SOCIAL REGULAMENTO INTERNO CONSELHO LOCAL DE ACÇÃO SOCIAL (CLAS) DE ALJUSTREL Introdução As alterações inerentes à evolução da sociedade actual, evidenciaram problemas e necessidades que exigem uma

Leia mais

Regulamento Interno do Conselho Local de Ação Social de Viana do Castelo. Artigo Primeiro. Âmbito e Denominação. Artigo Segundo. Natureza e Objetivos

Regulamento Interno do Conselho Local de Ação Social de Viana do Castelo. Artigo Primeiro. Âmbito e Denominação. Artigo Segundo. Natureza e Objetivos Regulamento Interno do Conselho Local de Ação Social de Viana do Castelo Artigo Primeiro Âmbito e Denominação O conselho Local de Ação Social de Viana do Castelo, adiante designado por CLAS, rege-se pelo

Leia mais

PLATAFORMA SUPRACONCELHIA DO BAIXO ALENTEJO

PLATAFORMA SUPRACONCELHIA DO BAIXO ALENTEJO PLATAFORMA SUPRACONCELHIA DO BAIXO ALENTEJO ACTA NÚMERO UM Aos 15 dias do mês de Dezembro de 2006, reuniu nas instalações cedidas pelo Instituto Português da Juventude Delegação de Beja, às 15 horas, depois

Leia mais

Escola Básica e Secundária de Vale de Ovil. Regimento do Departamento de Ciências Experimentais

Escola Básica e Secundária de Vale de Ovil. Regimento do Departamento de Ciências Experimentais Escola Básica e Secundária de Vale de Ovil Regimento do Departamento de Ciências Experimentais 2013/2016 CAPÍTULO I - DISPOSIÇÕES GERAIS Artigo 1.º Identificação 1. Este Departamento Curricular adota a

Leia mais

REGULAMENTO PROVISÓRIO DO CONSELHO MUNICIPAL DE SEGURANÇA

REGULAMENTO PROVISÓRIO DO CONSELHO MUNICIPAL DE SEGURANÇA REGULAMENTO PROVISÓRIO DO CONSELHO MUNICIPAL DE SEGURANÇA PREÂMBULO A Lei nº. 33/98, de 18 de Julho, veio criar os Conselhos Municipais de Segurança, qualificando-os de entidades de natureza consultiva,

Leia mais

Regulamento Interno do Conselho Local de Acção Social de Mafra

Regulamento Interno do Conselho Local de Acção Social de Mafra Regulamento Interno do Conselho Local de Acção Social de Mafra Capítulo I (Disposições gerais) Artigo 1º Objecto O presente regulamento interno destina-se a definir e dar a conhecer os princípios a que

Leia mais

Comissão Municipal de Proteção de Idosos de Carregal do Sal. Introdução

Comissão Municipal de Proteção de Idosos de Carregal do Sal. Introdução REGULAMENTO INTERNO Comissão Municipal de Proteção de Idosos de Carregal do Sal Introdução Ao longo das últimas décadas no Concelho de Carregal do Sal tem-se constatado ao aumento da população idosa, com

Leia mais

Capítulo I Disposições Gerais. Artigo 1.º

Capítulo I Disposições Gerais. Artigo 1.º Conselho Local de Acção Social de Ponte de Sor Regullamento Interno Ouuttuubbrroo ddee 22000088 Capítulo I Disposições Gerais Artigo 1.º Objectivo Este regulamento tem como finalidade definir e dar a conhecer

Leia mais

Deliberação n.º 83 /2015. Regulamento Interno da CIC Portugal 2020

Deliberação n.º 83 /2015. Regulamento Interno da CIC Portugal 2020 Deliberação n.º 83 /2015 Regulamento Interno da CIC Portugal 2020 A CIC Portugal 2020, na reunião ordinária de 21 de dezembro de 2015, deliberou, nos temos da alínea q) do n.º 2 do artigo 10.º do Decreto-Lei

Leia mais

REGULAMENTO DO PREÂMBULO

REGULAMENTO DO PREÂMBULO REGULAMENTO DO CONSELHO MUNICIPAL DE SEGURANÇA DA PÓVOA DE VARZIM PREÂMBULO A Lei n.º 33/98 de 18 de Julho institui os Conselhos Municipais de Segurança, os quais deverão ser criados no âmbito dos Municípios

Leia mais

PROGRAMA OPERACIONAL DA REGIÃO DO ALGARVE CRESC ALGARVE 2020

PROGRAMA OPERACIONAL DA REGIÃO DO ALGARVE CRESC ALGARVE 2020 REGULAMENTO INTERNO DA PLATAFORMA PARA O DESENVOLVIMENTO E COESÃO TERRITORIAL DO ALGARVE PROGRAMA OPERACIONAL DA REGIÃO DO ALGARVE CRESC ALGARVE 2020 O Programa Operacional do Algarve procurou encontrar

Leia mais

Anexo Único. Estrutura e modelo de funcionamento de Co- Governação para os Gabinetes de Apoio aos Bairros de Intervenção Prioritária

Anexo Único. Estrutura e modelo de funcionamento de Co- Governação para os Gabinetes de Apoio aos Bairros de Intervenção Prioritária Anexo Único Estrutura e modelo de funcionamento de Co- Governação para os Gabinetes de Apoio aos Bairros de Intervenção Prioritária Artigo 1º - Definição Um GABIP é uma estrutura de iniciativa municipal,

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO DEPARTAMENTO DA EDUCAÇÃO PRÉ-ESCOLAR

REGIMENTO INTERNO DO DEPARTAMENTO DA EDUCAÇÃO PRÉ-ESCOLAR REGIMENTO INTERNO DO DEPARTAMENTO DA EDUCAÇÃO PRÉ-ESCOLAR Quadriénio 2009/2013 ÍNDICE PREÂMBULO...3 Artigo 1º OBJECTO E ÂMBITO...4 Artigo 2º -COMPOSIÇÃO...4 Artigo 3º -QUADRO DE COMPETÊNCIAS...4 Artigo

Leia mais

REGIMENTO DO CONSELHO DE ESCOLA DA FACULDADE DE MOTRICIDADE HUMANA

REGIMENTO DO CONSELHO DE ESCOLA DA FACULDADE DE MOTRICIDADE HUMANA REGIMENTO DO CONSELHO DE ESCOLA DA FACULDADE DE MOTRICIDADE HUMANA Artigo 1º (Definição, objectivos e composição do Conselho de Escola) 1. O Conselho de Escola da FMH é o órgão de decisão estratégica e

Leia mais

CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE ALMADA. (Regimento aprovado reunião 08_07_2014)

CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE ALMADA. (Regimento aprovado reunião 08_07_2014) CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE ALMADA ( aprovado reunião 08_07_2014) A Lei de Bases do Sistema Educativo (Lei nº 46/86, de 14 de outubro, com a redação que lhe foi dada pela Lei nº 115/97, de 19 de

Leia mais

REGULAMENTO DA COMISSÃO MUNICIPAL DE TRÂNSITO DO CONCELHO DE PRAIA DA VITÓRIA

REGULAMENTO DA COMISSÃO MUNICIPAL DE TRÂNSITO DO CONCELHO DE PRAIA DA VITÓRIA REGULAMENTO DA COMISSÃO MUNICIPAL DE TRÂNSITO DO CONCELHO DE PRAIA DA VITÓRIA NOTA JUSTIFICATIVA Atendendo que compete aos Órgãos Municipais, de acordo com a Lei nº 159/99, de 15 de setembro, o planeamento

Leia mais

REGULAMENTO DA SECÇÃO DE ENERGIA DO CONSELHO CIENTÍFICO DO LNEG. Preâmbulo. Artigo nº 1. (Funcionamento da Secção) Artigo nº 2

REGULAMENTO DA SECÇÃO DE ENERGIA DO CONSELHO CIENTÍFICO DO LNEG. Preâmbulo. Artigo nº 1. (Funcionamento da Secção) Artigo nº 2 REGULAMENTO DA SECÇÃO DE ENERGIA DO CONSELHO CIENTÍFICO DO LNEG Preâmbulo A Secção de Energia é um dos órgãos do Conselho Científico do LNEG previstos no Artigo 5º do Regulamento do Conselho Científico,

Leia mais

Regulamento do Conselho Pedagógico do ISPAJ

Regulamento do Conselho Pedagógico do ISPAJ Regulamento do Conselho Pedagógico do ISPAJ Versão aprovada em Conselho de Direcção de 9 de Julho de 2015 Documento Regulamento do Conselho Pedagógico do ISPAJ Data 05/07/2015 Conselho de Direcção 09/07/2015

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE MOGADOURO REGIMENTO INTERNO DO DEPARTAMENTO DE LÍNGUAS

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE MOGADOURO REGIMENTO INTERNO DO DEPARTAMENTO DE LÍNGUAS AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE MOGADOURO REGIMENTO INTERNO DO DEPARTAMENTO DE LÍNGUAS Quadriénio 2009-2013 Segundo o artigo 68º do Regulamento Interno, aprovado em 4 de Janeiro de 2011, para o quadriénio 2009/2013,

Leia mais

REGULAMENTO DA COMISSÃO MUNICIPAL DE TRÂNSITO DO CONCELHO DE NORDESTE

REGULAMENTO DA COMISSÃO MUNICIPAL DE TRÂNSITO DO CONCELHO DE NORDESTE REGULAMENTO DA COMISSÃO MUNICIPAL DE TRÂNSITO DO CONCELHO DE NORDESTE A Câmara Municipal ao abrigo do artigo 241º da Constituição da República Portuguesa e no âmbito das competências previstas na Lei n.º

Leia mais

Regimento do Departamento Curricular do 1º Ciclo

Regimento do Departamento Curricular do 1º Ciclo Regimento do Departamento Curricular do 1º Ciclo 2013-2017 O departamento curricular do 1º ciclo, nos termos do Regulamento Interno, aprova o seguinte regimento, definindo as respetivas regras de organização

Leia mais

Regulamento Interno do Conselho Local de Ação Social de Évora (CLASE) Preâmbulo

Regulamento Interno do Conselho Local de Ação Social de Évora (CLASE) Preâmbulo Regulamento Interno do Conselho Local de Ação Social de Évora (CLASE) Preâmbulo A implementação do Programa da Rede Social, prevista na Resolução do Conselho de Ministros nº 197/97, de 18 de novembro,

Leia mais

Deliberação n.º 690/2013, de 7 de fevereiro (DR, 2.ª série, n.º 44, de 4 de março de 2013)

Deliberação n.º 690/2013, de 7 de fevereiro (DR, 2.ª série, n.º 44, de 4 de março de 2013) (DR, 2.ª série, n.º 44, de 4 de março de 2013) Aprova o Regulamento de Funcionamento da Comissão Nacional de Farmácia e Terapêutica Pelo Despacho n.º 2061-C/2013, de 1 de fevereiro de 2013, do Secretário

Leia mais

ESCOLA E. B. 2,3 DE CADAVAL. Regimento do Departamento de Línguas. Artigo 1º Objecto. Artigo 2º Aplicação

ESCOLA E. B. 2,3 DE CADAVAL. Regimento do Departamento de Línguas. Artigo 1º Objecto. Artigo 2º Aplicação ESCOLA E. B. 2,3 DE CADAVAL Regimento do Departamento de Línguas Artigo 1º Objecto O presente regimento define a composição e as normas de funcionamento do Departamento de Línguas. Artigo 2º Aplicação

Leia mais

a. O Conselho Pedagógico é composto por docentes e discentes, eleitos pelos membros de cada um dos respectivos cursos.

a. O Conselho Pedagógico é composto por docentes e discentes, eleitos pelos membros de cada um dos respectivos cursos. Regulamento Interno do Conselho Pedagógico da ESAP (Nº de Membros para o biénio 2013/2015: 14) Aprovado por unanimidade na reunião de 27.02.2014 1. Funcionamento a. O Conselho Pedagógico é composto por

Leia mais

ENTIDADE REGULADORA DA SAÚDE

ENTIDADE REGULADORA DA SAÚDE ENTIDADE REGULADORA DA SAÚDE REGULAMENTO DO CONSELHO CONSULTIVO 10 DE SETEMBRO DE 2014 R u a S. J o ã o d e B r i t o, 6 2 1 L 3 2, 4 1 0 0-4 5 5 P O R T O e-mail: g e r a l @ e r s. p t telef.: 222 092

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE MOGADOURO REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO DE DOCENTES DO PRÉ - ESCOLAR

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE MOGADOURO REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO DE DOCENTES DO PRÉ - ESCOLAR AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE MOGADOURO REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO DE DOCENTES DO PRÉ - ESCOLAR Ano Letivo: 2012 / 2013 ÍNDICE CAPÍTULO I PÁG. ÂMBITO 3 CAPÍTULO I I Conselho de Docentes 3 CAPÍTULO III Competências

Leia mais

Regulamento do Conselho Municipal de Segurança. Capítulo I Princípios Gerais. Artigo 1.º Conselho Municipal de Segurança

Regulamento do Conselho Municipal de Segurança. Capítulo I Princípios Gerais. Artigo 1.º Conselho Municipal de Segurança Regulamento do Conselho Municipal de Segurança Capítulo I Princípios Gerais Artigo 1.º Conselho Municipal de Segurança O Conselho Municipal de Segurança do Porto, adiante designado por conselho, é urna

Leia mais

REDE DE BIBLIOTECAS DE OVAR. Protocolo de Cooperação

REDE DE BIBLIOTECAS DE OVAR. Protocolo de Cooperação REDE DE BIBLIOTECAS DE OVAR Protocolo de Cooperação 2009 Protocolo de Cooperação Preâmbulo - 3 CAPÍTULO I - Da Natureza, Objecto e Objectivos da RBO - 4 Artigo 1.º - 4 Artigo 2.º - 4 Artigo 3.º - 4 CAPÍTULO

Leia mais

Regulamento de Cooperação CAPÍTULO I. Da Natureza, Objecto e Objectivos da RBA. Artigo 1º. Natureza. Artigo 2º. Objecto. Artigo 3º.

Regulamento de Cooperação CAPÍTULO I. Da Natureza, Objecto e Objectivos da RBA. Artigo 1º. Natureza. Artigo 2º. Objecto. Artigo 3º. Regulamento de Cooperação A rede de Bibliotecas de Arraiolos adiante designada RBA, foi criada pelo acordo de cooperação número oitenta e cinco de dois mil e onze e pelo protocolo assinado entre a Câmara

Leia mais

Regulamento Interno Conselho Local de Ação Social de Santa Maria da Feira

Regulamento Interno Conselho Local de Ação Social de Santa Maria da Feira Regulamento Interno Conselho Local de Ação Social de Santa Maria da Feira Preâmbulo O presente regulamento estabelece a organização e o funcionamento do Conselho Local de Ação Social de Santa Maria da

Leia mais

Aprova o Regulamento interno de funcionamento da Comissão de Gestão de Albufeiras

Aprova o Regulamento interno de funcionamento da Comissão de Gestão de Albufeiras Despacho Conjunto 660/99. DR 184/99 SÉRIE II de 1999-08-09 Ministérios da Administração Interna, da Agricultura, do Desenvolvimento Rural e das Pescas e do Ambiente Aprova o Regulamento interno de funcionamento

Leia mais

Conselho Municipal de Educação de Coimbra. Regimento

Conselho Municipal de Educação de Coimbra. Regimento de Coimbra Regimento A Lei 159/99, de 14 de Setembro estabelece no seu artigo 19, n. 2, alínea b), a competência dos órgãos municipais para criar os conselhos locais de educação. A Lei 169/99, de 18 de

Leia mais

Departamento de Matemática e Ciências Experimentais. Regimento Interno

Departamento de Matemática e Ciências Experimentais. Regimento Interno Departamento de Matemática e Ciências Experimentais Regimento Interno O Departamento Curricular é uma estrutura de gestão intermédia com o Conselho Pedagógico e com a Direção, que promove a articulação

Leia mais

REGIMENTO DO DEPARTAMENTO

REGIMENTO DO DEPARTAMENTO DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS SOCIAIS E HUMANAS REGIMENTO DO DEPARTAMENTO Preâmbulo De acordo com a legislação em vigor e com o Regulamento Interno, o presente Regimento define as regras de organização e de

Leia mais

REGULAMENTO MUNICIPAL DA COMISSÃO MUNICIPAL DE PROTEÇÃO DE IDOSOS E ADULTOS DEPENDENTES DE SANTO TIRSO. Preâmbulo

REGULAMENTO MUNICIPAL DA COMISSÃO MUNICIPAL DE PROTEÇÃO DE IDOSOS E ADULTOS DEPENDENTES DE SANTO TIRSO. Preâmbulo REGULAMENTO MUNICIPAL DA COMISSÃO MUNICIPAL DE PROTEÇÃO DE IDOSOS E ADULTOS DEPENDENTES DE SANTO TIRSO Preâmbulo A solidão em que vivem muitos idosos e adultos dependentes constitui uma situação dramática

Leia mais

ESCOLA SUPERIOR DE SAÚDE DE PORTALEGRE CONSELHO PEDAGÓGICO REGULAMENTO INTERNO

ESCOLA SUPERIOR DE SAÚDE DE PORTALEGRE CONSELHO PEDAGÓGICO REGULAMENTO INTERNO ESCOLA SUPERIOR DE SAÚDE DE PORTALEGRE CONSELHO PEDAGÓGICO REGULAMENTO INTERNO PORTALEGRE FEVEREIRO 2010 ESCOLA SUPERIOR DE SAÚDE DE PORTALEGRE CONSELHO PEDAGÓGICO REGULAMENTO INTERNO Artigo 1º (Disposições

Leia mais

REGULAMENTO, CONSTITUIÇÃO E CRIAÇÃO DO CONSELHO MUNICIPAL DO DESPORTO PREÂMBULO

REGULAMENTO, CONSTITUIÇÃO E CRIAÇÃO DO CONSELHO MUNICIPAL DO DESPORTO PREÂMBULO REGULAMENTO, CONSTITUIÇÃO E CRIAÇÃO DO CONSELHO MUNICIPAL DO DESPORTO PREÂMBULO As Autarquias, devido à sua proximidade com a população, são os órgãos de poder que mais facilmente poderão desenvolver condições

Leia mais

Categoria profissional/cargo Dirigente 0 0% Técnico Superior 13 87% Outro 1 7% Género (sexo) Masculino 12 80% Feminino 2 13%

Categoria profissional/cargo Dirigente 0 0% Técnico Superior 13 87% Outro 1 7% Género (sexo) Masculino 12 80% Feminino 2 13% 15 responses Summary See complete responses Município 1 7% Amarante 0 0% Baião 1 7% Castelo de Paiva 2 13% Celorico de Basto 0 0% Cinfães 1 7% Felgueiras 2 13% Lousada 1 7% Marco de Canaveses 3 20% Paços

Leia mais

Regulamento da Comissão Municipal de Protecção Civil

Regulamento da Comissão Municipal de Protecção Civil Regulamento da Comissão Municipal de Protecção Civil PREÂMBULO A Lei n.º 27/2006, de 3 de Julho, que aprova a Lei de Bases da Protecção Civil, bem como a Lei n.º 65/2007 de 12 de Novembro (que define o

Leia mais

Regulamento da Comissão Municipal de Protecção Civil

Regulamento da Comissão Municipal de Protecção Civil Regulamento da Comissão Municipal de Protecção Civil Preâmbulo A Acção Social constitui uma das cinco áreas prioritárias de intervenção da Câmara Municipal de Ílhavo no mandato 2009/2013. Não obstante

Leia mais

CONSELHO MUNICIPAL DE SEGURANÇA DE MANGUALDE

CONSELHO MUNICIPAL DE SEGURANÇA DE MANGUALDE REGULAMENTO CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS Artigo l.º Noção A Lei n.º 33/98, de 18/7, alterada pela Lei n.º 106/2015, de 25/8, criou os Conselhos Municipais de Segurança, sendo estes entidades de âmbito

Leia mais

21 de Outubro de

21 de Outubro de 21 de Outubro de 2008 1 Conceito e Finalidade Sistema de articulação de diferentes parceiros públicos e privados que tem por objectivos: Criar um ambiente institucional favorável à expansão de um voluntariado

Leia mais

Regimento do Conselho Pedagógico

Regimento do Conselho Pedagógico Regimento do Conselho Pedagógico CAPÍTULO I - DISPOSIÇÕES GERAIS Artigo 1º Finalidades O Conselho Pedagógico é o órgão de coordenação e supervisão pedagógica e orientação educativa do Agrupamento de escolas,

Leia mais

Capítulo I. Definição, Objecto e Objectivos da RBAL. Cláusula 1.ª. Definição. Cláusula 2.ª. Objecto. Cláusula 3.ª. Objectivos

Capítulo I. Definição, Objecto e Objectivos da RBAL. Cláusula 1.ª. Definição. Cláusula 2.ª. Objecto. Cláusula 3.ª. Objectivos PROTOCOLO DE COOPERAÇÃO Preâmbulo A Rede de Bibliotecas de Alcochete, adiante designada RBAL, visa a prossecução de uma dinâmica de trabalho colaborativo quer ao nível da organização, gestão e disponibilização

Leia mais

Agrupamento de Escolas do Vale de Ovil. Escola Básica de Campelo [REGIMENTO DO CONSELHO DE DOCENTES]

Agrupamento de Escolas do Vale de Ovil. Escola Básica de Campelo [REGIMENTO DO CONSELHO DE DOCENTES] 2012 Agrupamento de Escolas do Vale de Ovil Escola Básica de Campelo [REGIMENTO DO CONSELHO DE DOCENTES] Artigo 1º Âmbito e Aplicação 1. O presente Regimento regulamenta a atividade do Departamento do

Leia mais

CONSELHO MUNICIPAL DE JUVENTUDE DE GONDOMAR

CONSELHO MUNICIPAL DE JUVENTUDE DE GONDOMAR APROVADO PELA CÂMARA MUNICIPAL DE GONDOMAR EM 26/03/1998 APROVADO PELA ASSEMBLEIA MUNICIPAL DE GONDOMAR EM 28/04/1998 A valorização da participação da população no processo de desenvolvimento do concelho

Leia mais

Capítulo I. Composição/eleição do Delegado. Artº 1º. Definição

Capítulo I. Composição/eleição do Delegado. Artº 1º. Definição Regimento do Grupo de Recrutamento 530 Secretariado Capítulo I Composição/eleição do Delegado Artº 1º Definição O Grupo de Recrutamento 530 é uma estrutura pertencente ao Departamento Curricular de Ciências

Leia mais

Comissão Técnica Amianto Regulamento Interno

Comissão Técnica Amianto Regulamento Interno Comissão Técnica Amianto Regulamento Interno Portaria nº 40/2014, de 17 de fevereiro Aprovado na 1ª reunião da Comissão Técnica Amianto realizada em 20.05.2014 Regulamento Interno da Comissão Técnica Amianto

Leia mais

Grupo de Recrutamento 530/540 Electrotecnia/Electrónica

Grupo de Recrutamento 530/540 Electrotecnia/Electrónica Grupo de Recrutamento 530/540 Electrotecnia/Electrónica Cabe ao Grupo Disciplinar, tendo em consideração o número total de elementos, estabelecer as suas próprias regras de funcionamento de acordo com

Leia mais

REGULAMENTO DO CONSELHO PEDAGÓGICO DA ESA/IPB

REGULAMENTO DO CONSELHO PEDAGÓGICO DA ESA/IPB REGULAMENTO DO CONSELHO PEDAGÓGICO DA ESA/IPB SECÇÃO I Definições Artigo 1.º Objecto O presente Regulamento define as normas de organização e funcionamento do Conselho Pedagógico da Escola Superior Agrária

Leia mais

Centro de Estudos Filosóficos e Humanísticos

Centro de Estudos Filosóficos e Humanísticos Centro de Estudos Filosóficos e Humanísticos REGULAMENTO Artigo 1.º (Âmbito e natureza) 1. O Centro de Estudos Filosóficos e Humanísticos (CEFH) é uma Unidade de Investigação e Desenvolvimento da Faculdade

Leia mais

REGIMENTO DOS CONSELHOS DE DIRETORES DE TURMA DO 2º e 3º CICLOS DO ENSINO BÁSICO GERAL E DO ENSINO SECUNDÁRIO (CURSOS CIENTIFICO-HUMANÍSTICOS)

REGIMENTO DOS CONSELHOS DE DIRETORES DE TURMA DO 2º e 3º CICLOS DO ENSINO BÁSICO GERAL E DO ENSINO SECUNDÁRIO (CURSOS CIENTIFICO-HUMANÍSTICOS) REGIMENTO DOS CONSELHOS DE DIRETORES DE TURMA DO 2º e 3º CICLOS DO ENSINO BÁSICO GERAL E DO ENSINO SECUNDÁRIO (CURSOS CIENTIFICO-HUMANÍSTICOS) Preâmbulo De acordo com a legislação em vigor e o regulamento

Leia mais

Protocolo de Cooperação Rede de Bibliotecas Escolares e Municipais do Conselho de Almeida

Protocolo de Cooperação Rede de Bibliotecas Escolares e Municipais do Conselho de Almeida Página1 Protocolo de Cooperação 2010 Rede de Bibliotecas Escolares e Municipais do Conselho de Almeida Página2 A Rede de Bibliotecas de Almeida, adiante designada RBA, foi criada por protocolo assinado

Leia mais

Plano de Ação 2013 Autoria:

Plano de Ação 2013 Autoria: Supraconcelhia BAIXO VOUGA (Cf. Dec- Lei n.º 115/2006 de 14 Junho) Plano de Ação Autoria: julho Introdução Corresponde o presente documento à proposta de Plano de Ação de da Territorial Supra concelhia

Leia mais

CONSELHO NACIONAL DE CULTURA SECÇÃO ESPECIALIZADA DO CINEMA E DO AUDIOVISUAL

CONSELHO NACIONAL DE CULTURA SECÇÃO ESPECIALIZADA DO CINEMA E DO AUDIOVISUAL 1 CONSELHO NACIONAL DE CULTURA SECÇÃO ESPECIALIZADA DO CINEMA E DO AUDIOVISUAL O Conselho Nacional de Cultura, órgão consultivo do Governo para a área da cultura, foi criada pelo então Ministério da Cultura,

Leia mais

REGULAMENTO PROVISÓRIO DO CONSELHO MUNICIPAL DE SEGURANÇA DE ESPINHO

REGULAMENTO PROVISÓRIO DO CONSELHO MUNICIPAL DE SEGURANÇA DE ESPINHO REGULAMENTO PROVISÓRIO DO CONSELHO MUNICIPAL DE SEGURANÇA DE ESPINHO A Lei n.º 33/98, de 18 de Julho, instituiu a figura jurídica dos Conselhos Municipais de Segurança, qualificando-os de entidades de

Leia mais

CENTRO DE INVESTIGAÇÃO DO CHL MAPA DE REVISÕES REGULAMENTO. Destinatários. Data Palavras-Chave: REGULAMENTO; INVESTIGAÇÃO

CENTRO DE INVESTIGAÇÃO DO CHL MAPA DE REVISÕES REGULAMENTO. Destinatários. Data Palavras-Chave: REGULAMENTO; INVESTIGAÇÃO Palavras-Chave: REGULAMENTO; INVESTIGAÇÃO Destinatários Todos Profissionais do CHL Elaboração Centro de Investigação do CHL Aprovação Conselho de Administração Assinatura (s) Responsável (eis) pela Aprovação

Leia mais

CONSELHO NACIONAL DE SAÚDE MENTAL. Regulamento Interno

CONSELHO NACIONAL DE SAÚDE MENTAL. Regulamento Interno Aprovadoo na Reunião de 24.set.2014 Por unanimidade dos presentes CONSELHO NACIONAL DE SAÚDE MENTAL Regulamento Interno Artigo 1º Composição do Conselho Nacional de Saúde Mental 1 O Conselho Nacional de

Leia mais

CIRCULAR INFORMATIVA

CIRCULAR INFORMATIVA CIRCULAR INFORMATIVA Nº. 01 Data: 2013/01/04 Para conhecimento de: Pessoal docente, discente e não docente ASSUNTO: - Regulamento do Conselho Consultivo da Escola Superior de Tecnologia da Saúde de Lisboa

Leia mais

REGULAMENTO DO CONSELHO MUNICIPAL DE SEGURANÇA PREÂMBULO

REGULAMENTO DO CONSELHO MUNICIPAL DE SEGURANÇA PREÂMBULO CÂMARA MUNICIPAL DE ALPIARÇA REGULAMENTO DO CONSELHO MUNICIPAL DE SEGURANÇA PREÂMBULO A Lei nº 33/98, de 18 de Julho, veio criar os Conselhos Municipais de Segurança, qualificando-os de entidades de natureza

Leia mais

Regulamento Interno do Conselho Local de Ação Social de Barrancos (Proposta - 4ª Alteração) Introdução

Regulamento Interno do Conselho Local de Ação Social de Barrancos (Proposta - 4ª Alteração) Introdução Regulamento Interno do Conselho Local de Ação Social de Barrancos (Proposta - 4ª Alteração) Introdução O CLAS de Barrancos, depois da 3ª alteração em abril de 2013, é composto por 19 entidades, sendo sete

Leia mais

Agrupamento de Escolas de Vouzela. Regimento Interno da Equipa de Autoavaliação

Agrupamento de Escolas de Vouzela. Regimento Interno da Equipa de Autoavaliação Regimento Interno da Equipa de Autoavaliação 2013/2014 Artigo 1.º Enquadramento Legal 1. Nos termos do artigo 55º, do Decreto-Lei nº 75/2008, com as alterações introduzidas pelo Decreto-Lei 137/2012 de

Leia mais

s. R. TRIBUNAL DA COMARCA DE LISBOA Rua Marquês de Fronteira - Palácio da Justiça de Lisboa - Edifício Norte (Piso 4) Lisboa

s. R. TRIBUNAL DA COMARCA DE LISBOA Rua Marquês de Fronteira - Palácio da Justiça de Lisboa - Edifício Norte (Piso 4) Lisboa s. R. Regulamento do Conselho de Gestão da Comarca de Lisboa \0~ I'~, - ~.... J.. a->: Preâmbulo A Lei 62/2013, de 26 de Agosto, que estabelece as normas de enquadramento e de organização do sistema judiciário,

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO DO CONSELHO LOCAL DE AÇÃO SOCIAL DA LOURINHÃ

REGULAMENTO INTERNO DO CONSELHO LOCAL DE AÇÃO SOCIAL DA LOURINHÃ REGULAMENTO INTERNO DO CONSELHO LOCAL DE AÇÃO SOCIAL DA LOURINHÃ (Atualização aprovada pelo Conselho Local de Ação Social da Lourinhã em 21 de junho de 2016) Preâmbulo A Rede Social criada pela Resolução

Leia mais

CONSELHO LOCAL DE AÇÃO SOCIAL DE VILA REAL

CONSELHO LOCAL DE AÇÃO SOCIAL DE VILA REAL REGULAMENTO INTERNO CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS Artigo 1º Enquadramento O Conselho Local de Ação Social de Vila Real, adiante designado CLASVR, rege-se nos termos da Resolução n.º197/97 do Conselho de

Leia mais

Olho Vivo - Associação para a Defesa do Património, Ambiente e Direitos Humanos

Olho Vivo - Associação para a Defesa do Património, Ambiente e Direitos Humanos Olho Vivo - Associação para a Defesa do Património, Ambiente e Direitos Humanos Estatutos Capítulo I (Princípios Gerais) Art.º1 (Denominação, Natureza e Duração) É constituída por tempo indeterminado,

Leia mais

Conselho Local de Ação Social do Concelho de Sintra

Conselho Local de Ação Social do Concelho de Sintra Conselho Local de Ação Social do Concelho de Sintra REGULAMENTO INTERNO PREÂMBULO A criação do Conselho Local de Ação Social do concelho de Sintra, adiante designado por CLAS, surgiu no contexto do Programa

Leia mais