A moeda é algo que é aceito pela coletividade para desempenhar as funções: a) meio de troca; b) unidade de conta; e c) reserva de valor.

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "A moeda é algo que é aceito pela coletividade para desempenhar as funções: a) meio de troca; b) unidade de conta; e c) reserva de valor."

Transcrição

1 DEPARTAMENTO...: ENGENHARIA CURSO...: PRODUÇÃO DISCIPLINA...: ENGENHARIA ECONÔMICA / MATEMÁTICA FINANCEIRA PROFESSORES...: WILLIAM FRANCINI PERÍODO...: NOITE SEMESTRE/ANO: 2º/2008 Aula 3 - parte 2 CONTEÚDO RESUMIDO DA AULA 3. Taxa de juros. Inflação, taxa nominal e taxa efetiva de juros. Índices de inflação. Fonte: Adaptado de HAZZAN, S. E POMPEO, J.N. Matemática Financeira, 6ª Edição, Ed. Saraiva, São Paulo, 2007; Vieira Sobrinho, J. D., Matemática Financeira, Ed. Atlas, São Paulo, 7ª. Ed.; MILONE, G. Matemática Financeira. Ed. Thomson, São Paulo, 2006; PINHO, D. B. e VASCONCELOS, M. A. Organizadores, Manual de Economia, Equipe de Professores da USP, 5ª. Edição, Ed. Saraiva, São Paulo, 2006; FORTUNA, E. Mercado Financeiro, 16ª Ed., Qualitymark Ed., Rio de Janeiro, HIRSCHFELD, H. Engenharia Econômica e Análise de Custos. Ed. Atlas, São Paulo, 7ª. Ed EHRLICH, P. e MORAES, E. Engenharia Econômica Avaliação e Seleção de Projetos de Investimentos. Ed. Atlas, São Paulo, 6ª. Ed Introdução A moeda é algo que é aceito pela coletividade para desempenhar as funções: a) meio de troca; b) unidade de conta; e c) reserva de valor. O meio de troca permite que bens serviços sejam trocados por moeda, a qual pode ser reutilizada para aquisições ou vendas de outros bens e serviços. A unidade de conta, ou unidade de medida, serve para a comparação de valores de diversas mercadorias. A reserva de valor significa que o indivíduo que recebe a moeda não tem a necessidade de gastá-la imediatamente; ela pode ser guardada para uso futuro. Isso significa que a moeda serve como reserva de valor. Porém, para cumprir bem essa função, deve ter um valor estável, de forma que quem a possuir tenha uma idéia precisa de quanto pode obter em troca. A inflação é normalmente conceituada como um aumento contínuo e generalizado no nível dos preços. Isto é, os movimentos inflacionários representam elevações contínuas em todos os bens produzidos pela economia e não meramente o aumento de um determinado preço. Pode-se dizer que a inflação representa um conflito distributivo na economia mal administrada (adaptado de PINHO e VASCONCELOS, 2006). O exemplo mais típico refere-se ao desequilíbrio financeiro do setor público, gerando déficits orçamentários, que induz a uma elevação do estoque de moeda em taxas acima do crescimento do produto é a emissão descontrolada de dinheiro, isto é, sem lastro quando o governo gasta sem a contra-partida em receitas. Também pode resultar de conflitos entre salários e preços. Uma terceira possível causa é a inflação de preços internacionais, como as crises de petróleo nos anos Existem diversas outras causas, tais como inflação por elevações de custos, por pressões de demanda agregada e inflação provocada pelo desequilíbrio na balança de pagamentos. Uma das conseqüências da inflação é a perda do poder aquisitivo daqueles que não conseguem reposição de renda. Quando se diz que a taxa anual de inflação foi de 5%, isto significa que a média ponderada dos aumentos de preços dos produtos que estão sendo estudados, em termos de seus preços, foi de 5%. Alguns terão subido possivelmente 10%, 15% ou até mais, enquanto outros poderão ter subido menos do que 5%, ou mesmo permanecido com preços estáveis (adaptado de HAZZAN e POMPEO, 2007)

2 Em momentos de inflação exagerada e fora do controle, quando a alta de um preço leva automaticamente à de outros, a inflação é denominada de hiperinflação. Em termos financeiros, a inflação tende a provocar a chamada ilusão monetária, isto é, os cidadãos mais ingênuos podem acreditar que os altos ganhos nominais das operações financeiras sejam reais, quando, de fato, podem ser pouco lucrativas ou mesmo negativas. Ademais, dada a incerteza do ambiente econômico, a inflação tende a inibir negócios em geral, a colocação de títulos da dívida pública, a negociação de bens duráveis móveis e imóveis, os quais são (mais) viáveis com financiamentos de longo prazo. Dinâmica do Mercado (FORTUNA, 2006) Envolvimento do Tesouro Nacional Recolhimento de Tributos Federais É através do mercado financeiro como captador, via instituições bancárias, de tributos taxas e contribuições federais que o Tesouro Nacional recebe parte dos recursos necessários à execução financeira das conas do governo. Inevitavelmente, por representar uma parcela significativa de recursos transferidos dos agentes econômicos (pessoas físicas e jurídicas) para o Tesouro Nacional, sua movimentação tem uma participação ativa na execução da política monetária do governo. Envolvimento do Tesouro Nacional Administração da Dívida Pública A Secretaria do Tesouro Nacional, com caixa do governo, capta recursos no mercado financeiro via emissão primária de títulos, para execução e financiamento das dívidas internas do governo, inicialmente via ORTN e LTN, após o Plano Cruzado via OTN, depois, via BTN e LFT e, atualmente, via LTN, LFT e NTN uma série infindável de siglas que identificam títulos com características diferentes de prazo e remuneração, mas que, na sua essência, cumprem a missão básica de rolagem da dívida interna pelo Tesouro Nacional. Correção Monetária (adaptado de MILONE, 2007). O mecanismo de correção monetária foi instituído com o intuito de minimizar a perda do poder aquisitivo da moeda nacional causada pela inflação. Correção monetária significa reajustar valores monetários a partir de algum índice que expresse a variação média de preços de dada época e local. Em julho de 1964, o governo brasileiro cria a Obrigação Reajustável do Tesouro Nacional, destinada a viabilizar alguns programas de investimentos e a cobrir eventuais déficits públicos. A ORTN por ter seu valor nominal corrigido primeiro por coeficiente estabelecido pelo Conselho Nacional de Economia e depois por índice calculado pela Fundação Getúlio Vargas, assume ares da moeda estável e, portanto, de indexador. Porém, o resultado final da correção generalizada de preços de bens e serviços foi o que se convencionou chamar de inflação inercial. Desta forma, a decisão tomada para eliminar este problema foi eliminar a indexação de preços. Em 1986, o Plano Cruzado transforma a ORTN em OTN, não mais reajustável. Passados os Planos Bresser (1987) e Verão (1989), em 1991 o Plano Collor troca o O por B, e o que era obrigação vira mero Bônus do Tesouro Nacional (BTN); por outro lado, institui simultaneamente a Unidade de Referência Fiscal (UFIR), como parâmetro de atualização monetária de tributos. Mirando a inflação inercial, aquele plano ainda cria a Taxa Referencial (TR), taxa que, além de indexador da poupança e de financiamentos do Sistema Financeiro de Habitação, pretendia direcionar a inflação futura e não simplesmente medir a passada. A sistemática de definição da taxa referencial de juros consistia em eliminar o juro real embutido nas taxas médias de aplicações financeiras pré-fixadas, e especial nos CDBs. A TR, determinada pela autoridade monetária de plantão e variando ao sabor das circunstâncias, era usada como indexador de vários títulos, da poupança o dos financiamentos do SFH. E fechando as tentativas, em 1994 o Plano Real define condições mais razoáveis de combate à inflação, acelerando a

3 desindexação da economia e progredindo no corte da correção monetária, especialmente dos tributos, dívida pública e títulos públicos federais, que a partir de 1995, passam a ser garantidos pelas Letras Financeiras do Tesouro (LFT) e remunerados pela taxa referencial do Sistema Especial de Liquidação e de Custódia (Selic). Em janeiro de 1996, extingue-se a correção monetária dos balanços das empresas e dos valores previstos na legislação tributária federal, que passam a ser simplesmente expressos em reais. Na prática, porém, muitos preços e contratos são corrigidos em data definida e por índices diversos, sendo o mais comum o IGP-M/FGV. Do conceito de correção monetária decorrem as definições de taxas de juros nominais (aparente) e real uma explicita o ganho total; a outra, o ganho ou perda estritamente financeiros (acima ou abaixo da inflação). Investimentos com taxa nominal superior à inflação têm rendimento positivo; aqueles com taxa nominal inferior à inflação têm rendimento negativo. O mercado financeiro, para evitar perdas inesperadas, opera em dois sistemas de taxas: pré-fixado e pós-fixado. Quando a inflação é estável e previsível, o mercado tende a prefixar as taxas; quando instável e imprevisível, os investidores não sabem o que agregar à taxa (real) de juros e isso os faz preferir taxas pós-fixadas. Nesse último caso, os contratos definem a taxa real de juros e o indexador que corrige o capital inicialmente aplicado, o valor sobre o qual incidirá a taxa real pactuada. Obs.: A expressão taxa efetiva neste contexto leva em consideração a correção monetária e a taxa real de juros. Período de Capitalização Taxa Nominal e Taxa Efetiva de Juros (Hirschfeld, p. 23) Período de capitalização, conforme comentado em aula anterior, é um período em que uma quantia rende uma taxa de juros i, após o qual, os valores resultantes dos juros são somados à quantia acumulada até então. Se uma quantia de $ ,00 for aplicada por um período de 1 ano, a juros de 10% a.a. e sendo o período de capitalização igual a 1 ano, ter-se-ia no final de 1 ano: % = Como a taxa de juros é anual e o período de capitalização também é anual, dizemos que a taxa nominal de juros coincide com a taxa efetiva. Poderia acontecer que a quantia de $ ,00, aplicada por um período de 1 ano, rendesse juros de 10% ao ano e que o período de capitalização fosse igual a 1 semestre (em lugar de um ano). Neste caso, os juros anuais de 10% seriam apenas nominais e não efetivos. No período de capitalização, que é de 1 semestre (metade de um ano), ter-se-ia uma taxa igual a 5% (metade de 10%). Após o 1º semestre, ter-se-ia: % = ,00 Tais $ ,00 renderão novamente no 2º semestre juros de 5% e, após os 2 semestres, isto é, após 1 ano, ter-se-ia: % = ,00 Comparando-se os $ ,00 anteriores com tais $ ,00, notamos que a quantia inicial sofreu, após 1 ano, uma valorização de 10% no primeiro caso e 10,25 no segundo caso. Tal taxa de juros (10,25%) vem a ser a taxa efetiva de juros. Neste caso, a taxa nominal de juros anuais é igual a 10%, enquanto a taxa efetiva de juros é de 10,25%.

4 Exemplo 1 (Hazzan e Pompeo, p. 92) Um indivíduo comprou um terreno pagando uma pequena entrada mais três prestações anuais de $ ,00 cada (as prestações já embutem um juro real), corrigidas monetariamente pelas taxas de indexação entre a data de compra e a data do pagamento. Consideremos que as taxas de indexação sejam de 10% no primeiro ano, 15% no segundo ano e 20% no terceiro. Quais os valores das prestações corrigidas monetariamente? Resposta 1ª prestação corrigida: (1,10) = ª prestação corrigida: (1,10) (1,15) = ª prestação corrigida: (1,10) (1,15) (1,20) = Inflacionamento e Deflacionamento de Valores Monetários Uma das maneiras de eliminar o efeito inflacionário consiste em expressar todos os valores em moeda de valor aquisitivo constante, denominadas Unidades de Referência (UR). Dizemos que os valores assim obtidos estão expressos em valores reais. Se, na data 0, o valor da UR for $ 1,00, os valores estarão expressos em valores reais se forem colocados no valor da moeda corrente ($) da data 0. Exemplo 2 (Adaptado de Hazzan e Pompeo, p. 93) Em janeiro, fevereiro, março e abril de 1999, um indivíduo recebia uma salário de $ por mês, ao final de cada mês. Qual a variação do salário neste período, em termos de valores monetários e percentual, comparando-se janeiro e abril, sendo as taxas de inflação equivalentes a 3,41%, 2,53 e 0,51%? Resposta Começamos considerando a UR, no final de janeiro, igual a $ 1,00. Teremos: 1º mês janeiro = base: 1,00 2º mês fevereiro = 1,00 (1,0341) = 1,0341 3º mês março = 1,00 (1,0341)(1,0253) = 1, º mês abril = 1,00 (1,0341)(1,0253)(1,0051) = 1, Por último, dividimos cada salário nominal ($ 3.000,00) pelo valor da UR e teremos o salário em UR, denominado salário real. janeiro = / 1,00 = $ fevereiro = / 1,0341 = $ 2.907,07 março = / 1, = $ 2.829,49 abril = / 1, = $ 2.815,13 A variação do salário real neste período, em termos de valores monetários e percentual, é de, respectivamente, $ 184,87 e 6,16%

5 Índice de Preços Define-se índice de preços de um produto aquele que no instante 0 (época base ou data base), tenha um preço p 0 e que no instante t (t > 0), tenha um preço p t. Define-se o índice de preços desse produto entre os instantes 0 e t (e indica-se por p 0,t ) a número: p 0,t = p 1 / p 0 A variação percentual de preços (em relação à época base) é o número j, tal que: j = p / p 0 = (p 1 p 0 ) / p 0 = (p 1 / p 0 ) 1 A variação percentual de preços de um produto é a razão entre o preço final e o inicial menos um. Por convenção, o índice é dado na forma percentual, com dois dígitos. Exemplo 3 No início de setembro de certo ano, o preço de um produto era $30,00 e, no início de outubro do mesmo ano, era $ 31,00. a) Qual o índice de preços: 31/30 = 1,0333 b) Variação porcentual de preços: 1, = 0,3333 = 3,33% Taxa Acumulada (adaptado de Hazzan e Pompeo, p. 83; abordado em aula 4: em Capitalização Composta com Taxas de Juros Variáveis) Consideremos três instantes de tempo a, b e c, tais que a < b < c. Seja j 1 a variação e preços entre a e b, e j 2 a varaiação e preços entre b e c. A taxa acumulada de variação de preços é a variação porcentual de preços entre a data final c e a data inicial a, e será indicada por j AC. É válida a seguinte relação: j AC = (1 + j 1 )(1 + j 2 ) - 1 Demonstração j AC = P c / P a - 1 j AC = (P b / P a ) (P c / P b ) - 1 (multiplicamos a fração P c / P a, tanto o numerador quanto o denominador, por P b ). Como j 1 = P b / P a - 1 ; P b / P a = 1 + j 1 e j 2 = P c / P b - 1 ; P c / P b = 1 + j 2 Assim, j AC = (1 + j 1 )(1 + j 2 ) - 1 Exemplo 4 Em dois anos sucessivos, um determinado produto aumentou 10% e 12%, respectivamente. Qual a taxa de aumento acumulada no período? j AC = (1 + j 1 )( 1 + j 2 ) - 1; j AC = (1 + 0,10)(1 + 0,12) - 1 = 0,232 = 23,2%

6 A propriedade dada pela relação j AC = (1 + j 1 )( 1 + j 2 ) - 1 pode ser generalizada. Consideremos j n a variação percentual de preços entre t n-1 e t n. A taxa acumulada entre a data inicial t 0 e a data final t n é dada por: j AC = (1 + j 1 )( 1 + j 2 )( 1 + j 3 )... ( 1 + j n ) - 1 Principais Índices Agregados de Preços Medidas de Inflação (HAZZAN, p ) Normalmente, um índice agregado de preços é construído baseando-se na evolução mensal de preços de uma cesta básica, previamente definida com base nas quantidades físicas de seus componentes. Por exemplo: uma cesta básica pode conter 1 kg de arroz e 1kg feijão, dentre outros inúmeros itens. A taxa de inflação de um dado mês reflete a variação percentual do preço médio da cesta básica naquele período mensal em relação ao preço médio da mesma cesta no mês anterior. O mês tomado como base de referência ou de comparação é denominado mês base. Em um mês qualquer, o índice é igual ao preço médio da cesta básica desse mês dividido pelo preço médio da cesta básica no mês base, o qual é, geralmente, o mais antigo. Exemplo 5 Consideremos que, no mês base, o preço médio de uma cesta básica seja $ 500,00 e, nos meses subseqüentes, seja $ 510,00, $ 520,00 e $ 540,00. Obter as taxas de inflação de cada mês, em relação ao mês anterior, e os respectivos índices. Resposta Mês Preço médio da Taxa de inflação Índice de inflação cesta básica (510 / 500) 1 = 2% (510 / 500) = 1,02 = 102% (520 / 510) 1 = 1,96% (520 / 500) = 1,04 = 104% (540 / 520) 1 = 3,85% (540 / 500) = 1,08 = 108% Índice de Preços por Atacado (IPA) É um índice calculado mensalmente pela FGV, objetivando medir variações de preços de produtos negociados por atacado. São disponibilizados em duas versões: IPA conceito oferta global (engloba produtos destinados à exportação) e IPA conceito disponibilidade interna, referente ao mercado nacional. Índice de Preços ao Consumidor (IPC) e Índice de Custo de Vida (ICV) Estes índices objetivam medir variações de preços de produtos de consumo de famílias com características bem definidas. Os órgãos que calculam estes índices dependem da região do país. Em São Paulo, há o IPC da Fundação Instituto de Pesquisas Econômicas da USP (Fipe), o ICV apurado pelo Departamento Intersindical de Estatísticas e Estudos Sócio-Econômicos (Deise), o Índice de Custo de Vida da Classe Média (ICVM) apurado pela Ordem dos Economistas de São Paulo e o IPC da FGV. Índice Nacional de Preços ao Consumidor (INPC)

7 É um índice calculado pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), utilizando-se de dados de 11 regiões metropolitanas do país, com dados de consumo de faixas de renda de um a oito salários mínimos. Sua variante é o IPC-Amplo ou IPCA, que é baseado em dados de consumo na faixa de 1 a 40 salários mínimos. Em ambos os casos, os dados de preços são coletados do dia 1º ao 30º de cada mês. Índice Geral de Preços (IGP) É um dos mais populares índices dentre os utilizados no Brasil, calculado pela FGV. É dado pela média ponderada dos seguintes índices: IPA com peso 0,6 (60%); IPC do Rio de Janeiro com peso 0,3 (30%); Índice Nacional do Custo de Construção (INCC) com peso 0,1 (10%). O IGP pode ser no conceito de oferta global ou no conceito de disponibilidade interna (DI). Exercícios (adaptados de Hazzan e Pompeo, p. 88) 1) Em 1º de março de certo ano, o preço de um produto era de $60,00 e, em 1º de dezembro do mesmo ano, o preço era $75,00. Qual o aumento percentual de preço? Resposta: 16,67% 2) Em 3/1/2006, o preço de uma ação era de $103,20 e, em 1/2/2006, o preço desta ação era $ 99,90. Qual a variação percentual no preço? Resposta: - 3,19% 3) Em janeiro, o preço médio de uma cesta básica era $350,00 e, em fevereiro, o preço médio era de $359,00. Qual a taxa de inflação de fevereiro? Resposta: 2,5714% 4) Em janeiro, fevereiro e março de um certo ano, as taxas de inflação foram, respectivamente, 1,4%, 0,56% e 0,72%. Qual a taxa acumulada de inflação no trimestre? Resposta: 1,02702% 5) A taxa de inflação acumulada em cinco meses foi de 7,5%. Qual deverá ser a taxa de inflação no sexto mês para que a taxa acumulada no semestre seja 9,5%? Resposta: 1,860465% 6) Em março, abril e maio de um certo ano, uma carteira de ações desvalorizou-se 11%, 8% e 3,5%, respectivamente. a) Qual a taxa de desvalorização acumulada no trimestre? Resposta: 20,98589% b) Que taxa de valorização deverá ocorrer em junho do mesmo ano para recuperar a perda no trimestre? Resposta: 26,5595% Taxa Real de Juros A taxa real juro equivale à apuração de ganho ou perda em relação a uma taxa de inflação ou custo de oportunidade. Em outras palavras, podemos dizer que a taxa real de juros equivale à taxa bruta excluída a inflação ou o custo de oportunidade. O custo de oportunidade de uma decisão é o valor da melhor alternativa preterida em favor da alternativa escolhida. i r = [(1 + i juros ) / ( 1 + i inflação )] 1 x 100

8 Demonstração Sabemos que se um capital P é aplicado durante certo período de tempo, à taxa i por período, o montante será: F 1 = P(1 + i) 1 Se no mesmo período, a taxa de inflação for j, o capital P corrigido monetariamente pela inflação será: F 2 = P + jp = P(1 + j) Se F 1 = F 2, dizemos que a taxa de juros i apenas recompôs o poder aquisitivo do capital P; se F 1 > F 2 então houve um ganho real em relação à inflação, e vice-versa, se F 1 < F 2 então houve uma perda real em relação à inflação. Chamamos de taxa real de juros (e indicamos por i r ) o ganho real expresso como percentagem do capital corrigido. Portanto: i r = (F 1 F 2 ) / F 2 A expressão acima pode ser simplificada: i r = (F 1 / F 2 ) ( F 2 / F 2 ) = (F 1 / F 2 ) 1; i r = P(1 + i) / P(1 + j) 1; 1 + i r = (1 + i) / (1 + j) Esta última relação é conhecida como fórmula da taxa real de juros. É fácil notar que: Se i = j, então, r = 0 (taxa real nula). Se i > j, então, r > 0 (taxa real positiva). Se i < j, então, r < 0 (taxa real negativa). Exemplo 6 Um capital foi aplicado, por um ano, à taxa de juros igual a 22% a.a. No mesmo período, a taxa de inflação foi de 12%. Qual a taxa real de juros? Resposta Temos: i = 22% j = 12% Logo: 1 + i r = 1,22 / 1,12 = i r = 0,0893 = 8,93% a.a. Sendo assim, a taxa real de inflação foi de 8,93% a.a. Custo de Oportunidade (Ehrlich e Moraes, p. 4) Se os bancos estiverem pagando 20% a. a. de juros, manter uma quantia qualquer de dinheiro em casa, no colchão, faz incorrer num custo de oportunidade de 20% ao ano, que este dinheiro deixa de render. Se, entretanto, eistir a possibilidade de investir este dinheiro de modo que ele renda 50% em um ano, o custo de oportunidade de manter o dinheiro no colchão será de 50%, e o de pôr o dinheiro no banco será de 30%.

9 Exercícios (adaptados de Hazzan e Pompeo, p. 95) 7) A taxa de juros para aplicações em 60 dias em um banco é de 4,2% a.b. Que taxa real de juros recebe um aplicador nas seguintes hipóteses de inflação no período: a) 3% c) 5% Respostas: a) 1,17% ; b) 0,19% a.b.; c) -0,76% b) 4% 8) A taxa anual de juros cobrada por uma loja é de 40% a.a. Qual taxa real de juros, se a taxa de inflação resultar em 15% no mesmo período? Respostas: 21,74 9) Um investidor aplicou em um CDB e recebeu um montante de $ um mês depois. No mesmo período, a taxa de inflação foi de 1,2%. Qual a taxa real de juros auferida no período? Respostas: 0,7905% 10) Um indivíduo aplicou $ ,00 por três meses. No mesmo período, a taxa de inflação foi de 2,4%. Qual o valor de resgate para que a taxa real no período seja nula? Respostas: ,25 11) Um investidor aplicou $ por um ano e resgatou um montante de $ ,00. Na data de aplicação, um certo índice de preços valia 123,34 e, na data do resgate, valia 140,61. Qual a taxa anual auferida na aplicação? 12) Um investidor aplicou $ por dois anos sucessivos às taxas de 21% a.a. e 23% a.a. No primeiro ano, a taxa de inflação foi de 17% e, no segundo, 19,5%. Qual sua taxa no período? 13) Uma dívida de $ ,00 deve ser atualizada monetariamente, por dois meses, às seguintes taxas mensais de correção: 2,35% e 1,89%. Qual o valor corrigido? 14) Um imposto municipal é cobrado de uma pessoa em três parcelas mensais de $ 600,00 cada, pagas em 30/60/90 dias e atualizadas monetariamente. Qual o valor de cada parcela após a correção, considerando as seguintes taxas de atualização: 0,9% no primeiro mês, 1,5% no segundo mês e 1,2% no terceiro? 15) Supondo uma taxa mensal constante de inflação de 0,8% a.m., obtenha uma unidade de referência para finais de julho, agosto, setembro, outubro, novembro e dezembro, considerando o valor inicial desta unidade no final de junho igual a $ 1,00. Cadernetas de Poupança (adaptado de Hazzan e Pompeo, p ) As cadernetas de poupança foram criadas em 1964 para captação de recursos destinados basicamente para o financiamento de imóveis, quando os depósitos rendiam juros reais de 6% ao ano mais correção monetária equivalente à variação das ORTNs; as capitalizações eram trimestrais, sendo os juros e correção creditados no primeiro dia de cada trimestre civil. Hoje em dia a capitalização é mensal, e equivale e juros reais de 0,5% a.m., mais a correção monetária dada pela TR do período, sendo estes rendimentos isentos de tributação. Os juros são calculados sobre o menor saldo do período. Sendo P o capital, j a taxa de correção e i a taxa de juros do período, o montante F = P(1 + i) deverá considerar a taxa de correção j. Como 1 + i r = (1 + i) / (1 + j), teremos: (1 + i) = (1 + i r )(1 + j), e F = P(1 + i r )(1 + j). Considerando i r = 0,5% a.m.:

10 F = P(1,005)(1 + j) Exemplo 7 Uma pessoa aplicou $ 5.000,00 em uma caderneta de poupança. a) Qual seu valor futuro 30 dias depois, sabendo-se que a TR neste período foi de 0,7%? b) Qual seu montante de 60 dias após a aplicação inicial, sabendo-se que a TR dos últimos 30 dias foi de 0,4%? c) Qual a taxa efetiva de juros no período de 60 dias? Resposta a) F = P(1,005)(1 + j); F = 5.000(1,005)(1 + 0,007) = 5.060,18 b) F = 5.060,18(1,005) (1 + 0,004) = 5.105,82 c) F = (5.105,82 / 5.000) - 1 = 0,0211 = 2,11% Exercícios (adaptados de Hazzan e Pompeo, p. 99) 16) Uma pessoa abriu uma caderneta de poupança com $ ,00. Obtenha o montante um mês depois, supondo ausência de saques e admitindo as seguintes taxas de correção: a) 0,35% b) 0,50% c) 0,8% 17) Calcule a taxa efetiva de juros em cada caso do exercício anterior. 18) Uma pessoa abriu uma caderneta de poupança com $ ,00. Quinze dias depois efetuou um saque de $ 3.500, 00. Qual seu montante um mês após a aplicação, sabendo-se que a taxa de correção no período foi de 0,97%? 19) Um investidor abriu uma caderneta de poupança com $ 9.000,00. Qual seu montante três meses depois, sabendo-se que as taxas mensais de correção monetária foram de 1,5%m 1,15% e 0,87%? 20) Em três meses consecutivos, as taxas de correção monetária da caderneta de poupança foram de 0,86%, 0,99% e 1,27%. Qual a taxa efetiva de rendimento no período?

Matemática Financeira. Aula 03 Taxa Real de Juros

Matemática Financeira. Aula 03 Taxa Real de Juros Matemática Financeira Aula 03 Taxa Real de Juros Inflação É o fenômeno conhecido como o aumento persistente dos preços de bens e serviços Fatores: Escassez de produtos, déficit orçamentário, emissão descontrolada

Leia mais

Elementos de Análise Financeira Matemática Financeira e Inflação Profa. Patricia Maria Bortolon

Elementos de Análise Financeira Matemática Financeira e Inflação Profa. Patricia Maria Bortolon Elementos de Análise Financeira Matemática Financeira e Inflação O que é Inflação? Inflação É a elevação generalizada dos preços de uma economia O que é deflação? E a baixa predominante de preços de bens

Leia mais

UNIDADE Correção monetária

UNIDADE Correção monetária UNIDADE 5 Correção monetária Correção monetária Curso de Graduação em Administração a Distância Objetivo Nesta Unidade, você vai estudar: o conceito de inflação, bem como o conceito de correção monetária;

Leia mais

FINANÇAS CORPORATIVAS 2a. Aula 09/04/2011 3a. Aula 30/04/2011

FINANÇAS CORPORATIVAS 2a. Aula 09/04/2011 3a. Aula 30/04/2011 FINANÇAS CORPORATIVAS 2a. Aula 09/04/2011 3a. Aula 30/04/2011 Prof. Ms. Wagner Ismanhoto Economista M.B.A. em Engenharia Econômica Universidade São Judas São Paulo-SP Mestrado em Economia Rural UNESP Botucatu-SP

Leia mais

Fórmula do Montante. - Valor Futuro após 1 período: F 1 = P + Pi = P(1 + i) - Valor Futuro após 2 períodos:

Fórmula do Montante. - Valor Futuro após 1 período: F 1 = P + Pi = P(1 + i) - Valor Futuro após 2 períodos: DEPARTAMENTO...: ENGENHARIA CURSO...: PRODUÇÃO DISCIPLINA...: ENGENHARIA ECONÔMICA / MATEMÁTICA FINANCEIRA PROFESSORES...: WILLIAM FRANCINI PERÍODO...: NOITE SEMESTRE/ANO: 2º/2008 Aula 3 CONTEÚDO RESUMIDO

Leia mais

FATORES DE ATUALIZAÇÃO MONETÁRIA E TAXAS DE JUROS REFERENCIAIS

FATORES DE ATUALIZAÇÃO MONETÁRIA E TAXAS DE JUROS REFERENCIAIS FATORES DE ATUALIZAÇÃO MONETÁRIA E TAXAS DE JUROS REFERENCIAIS 7 Capítulo I Fatores de atualização monetária Bônus do Tesouro Nacional (BTN) Legislação básica: Leis nº 7.777, de 19.6.1989 (instituição);

Leia mais

Mercado Financeiro e de Capitais Prof. Cleber Rentroia MBA em Finanças e Banking

Mercado Financeiro e de Capitais Prof. Cleber Rentroia MBA em Finanças e Banking 1. Quando o IPCA tende a subir além das metas de inflação, qual medida deve ser tomada pelo COPOM: a) Abaixar o compulsório b) Reduzir taxa do redesconto c) Aumentar o crédito d) Elevar a taxa de juros

Leia mais

Administração Financeira II

Administração Financeira II Administração Financeira II Calculo Financeiro Professor: Roberto César CÁLCULO FINANCEIRO Dinheiro no Tempo Capitalização (Juros) (Montante) Valor Futuro R$ 100,00 R$ 110,00 0 1 (Capital) Valor Presente

Leia mais

ANÁLISE 2 APLICAÇÕES FINANCEIRAS EM 7 ANOS: QUEM GANHOU E QUEM PERDEU?

ANÁLISE 2 APLICAÇÕES FINANCEIRAS EM 7 ANOS: QUEM GANHOU E QUEM PERDEU? ANÁLISE 2 APLICAÇÕES FINANCEIRAS EM 7 ANOS: QUEM GANHOU E QUEM PERDEU? Toda decisão de aplicação financeira está ligada ao nível de risco que se deseja assumir, frente a uma expectativa de retorno futuro.

Leia mais

Matemática Financeira

Matemática Financeira Matemática Financeira Aula 02 Juros Simples, Descontos Simples e Juros Compostos Prof.Dr. Edmilson J.T. Manganote Juros Simples Fórmula do Juros Simples e Montante S P 1 i n Taxas Equivalentes i i 1 2

Leia mais

Semana Nacional de Educação Financeira Tema. Opções de investimentos em um cenário de juros em elevação

Semana Nacional de Educação Financeira Tema. Opções de investimentos em um cenário de juros em elevação Tema Opções de investimentos em um cenário de juros em elevação Apresentação JOCELI DA SILVA SILVA Analista Administrativo/Gestão Pública Lotado na Assessoria de Coordenação 3ª CCR Especialização UNB Clube

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS Julgue os itens a seguir, a respeito da Lei n.º 6.404/197 e suas alterações, da legislação complementar e dos pronunciamentos do Comitê de Pronunciamentos Contábeis (CPC). 71 Os gastos incorridos com pesquisa

Leia mais

Juros Simples. www.siteadministravel.com.br

Juros Simples. www.siteadministravel.com.br Juros Simples Juros simples é o acréscimo percentual que normalmente é cobrado quando uma dívida não foi pago na data do vencimento. Financiamento de casa própria A casa própria é o sonho de muitas famílias,

Leia mais

Caderneta de Poupança

Caderneta de Poupança Caderneta de Poupança A Caderneta de Poupança é uma das mais antigas e populares formas de aplicação financeira existente no Brasil e foi concebida para atender poupadores de baixa renda, com reduzida

Leia mais

PRINCIPAIS ÍNDICES DE INFLAÇÃO NO BRASIL

PRINCIPAIS ÍNDICES DE INFLAÇÃO NO BRASIL PRINCIPAIS ÍNDICES DE INFLAÇÃO NO BRASIL Belo Horizonte, 17 de dezembro de 2009 2 SUMÁRIO PÁGINA 3 IPC (FIPE) PÁGINA 4 IPCA (IBGE) PÁGINA 5 INPC (IBGE) PÁGINA 6 IGP-DI (FGV) PÁGINA 7 IGP-M (FGV) PÁGINA

Leia mais

Título : B2 Matemática Financeira. Conteúdo :

Título : B2 Matemática Financeira. Conteúdo : Título : B2 Matemática Financeira Conteúdo : A maioria das questões financeiras é construída por algumas fórmulas padrão e estratégias de negócio. Por exemplo, os investimentos tendem a crescer quando

Leia mais

captação de recursos empréstimos financiamento.

captação de recursos empréstimos financiamento. Instrumentos utilizados pelas instituições financeiras para captação de recursos (funding) que serão utilizados nas operações de empréstimos e financiamento. 1 O cliente entrega os recursos ao banco, sendo

Leia mais

Curso Preparatório ANBIMA - CPA-10 Curso Preparatório ANBIMA - CPA-20

Curso Preparatório ANBIMA - CPA-10 Curso Preparatório ANBIMA - CPA-20 Solange Honorato Curso Preparatório ANBIMA - CPA-10 Curso Preparatório ANBIMA - CPA-20 E 3. Noções de Economia e Finanças pg 26 5 a 7 questões 3.1 Conceitos Básicos de Economia 3.2 Conceitos Básicos de

Leia mais

Disciplina: Economia ECN001. Macroeconomia

Disciplina: Economia ECN001. Macroeconomia Disciplina: Economia ECN001 Macroeconomia Orçamento do Setor Público É a previsão de receitas e a estimativa de despesas a serem realizadas por um Governo em um determinado exercício (geralmente um ano).

Leia mais

CORREÇÃO MONETÁRIA. Prof. M. Sc. Jarbas Thaunahy Santos de Almeida

CORREÇÃO MONETÁRIA. Prof. M. Sc. Jarbas Thaunahy Santos de Almeida CORREÇÃO MONETÁRIA 1 Prof. M. Sc. Jarbas Thaunahy Santos de Almeida Roteiro 2 Roteiro 3 Introdução 4 Introdução 5 Introdução 1. Em maio de 2008, João emprestou R$ 20.000,00 a Pedro, à taxa de juros compostos

Leia mais

TAXA PROPORCIONAL. O conceito de Taxas Proporcionais é um conceito próprio do regime simples.

TAXA PROPORCIONAL. O conceito de Taxas Proporcionais é um conceito próprio do regime simples. TAXA PROPORCIONAL Taxas proporcionais são definidas como sendo aquelas cujos quocientes entre elas e seus respectivos períodos de capitalização, colocados na mesma unidade de tempo, são iguais. O conceito

Leia mais

Como investir em 2012 Entenda como funciona cada produto financeiro : O Globo 2/fev/2012

Como investir em 2012 Entenda como funciona cada produto financeiro : O Globo 2/fev/2012 Como investir em 2012 Entenda como funciona cada produto financeiro : O Globo 2/fev/2012 Analistas indicam quais cuidados tomar no mercado financeiro em 2012 e quais investimentos oferecem menor probabilidade

Leia mais

Boletim Econômico Edição nº 73 junho de 2014 Organização: Maurício José Nunes Oliveira Assessor econômico

Boletim Econômico Edição nº 73 junho de 2014 Organização: Maurício José Nunes Oliveira Assessor econômico Boletim Econômico Edição nº 73 junho de 2014 Organização: Maurício José Nunes Oliveira Assessor econômico Planos econômicos x cadernetas de poupança: uma batalha árdua (Cartilha do IDEC Instituto Brasileiro

Leia mais

Conhecimentos Bancários. Item 2.1.2- Caderneta de Poupança

Conhecimentos Bancários. Item 2.1.2- Caderneta de Poupança Conhecimentos Bancários Item 2.1.2- Caderneta de Poupança Conhecimentos Bancários Item 2.1.2- Caderneta de Poupança DAV Custo ZERO (IF) Não há remuneração Cliente Superavitário RENTABILIDADE Conhecimentos

Leia mais

Conceitos básicos; Liquidez Inflação Rentabilidade Juros Risco

Conceitos básicos; Liquidez Inflação Rentabilidade Juros Risco QUEM SOMOS 2 Conceitos básicos; 3 Liquidez Inflação Rentabilidade Juros Risco Liquidez: Capacidade de transformar um ativo em dinheiro. Ex. Se você tem um carro ou uma casa e precisa vendê-lo, quanto tempo

Leia mais

ENTENDENDO COMO FUNCIONA A RENDA FIXA. Renda Fixa Plano B 124,0 % 10,0 % Renda Fixa Plano C 110,0 % 9,1 % Selic 71,0 % 6,5 %

ENTENDENDO COMO FUNCIONA A RENDA FIXA. Renda Fixa Plano B 124,0 % 10,0 % Renda Fixa Plano C 110,0 % 9,1 % Selic 71,0 % 6,5 % ENTENDENDO COMO FUNCIONA A RENDA FIXA A partir de 2005 foi iniciado um processo de alongamento dos prazos das carteiras de renda fixa da PSS, que propiciou bons ganhos por oito anos seguidos até o final

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos LEI N o 8.088, DE 31 DE OUTUBRO DE 1990. Mensagem de veto Dispõe sobre a atualização do Bônus do Tesouro Nacional e dos depósitos de

Leia mais

Guia de Renda Fixa. 1. Principais Características

Guia de Renda Fixa. 1. Principais Características Guia de Renda Fixa Os títulos de renda fixa se caracterizam por possuírem regras definidas de remuneração. Isto é, são aqueles títulos cujo rendimento é conhecido previamente (juro prefixado) ou que depende

Leia mais

Estudo sobre Investimentos World One Julho 2014

Estudo sobre Investimentos World One Julho 2014 Introdução, perguntas e respostas que vão te ajudar a conseguir dialogar com clientes que tenham dúvidas sobre os investimentos que estão fazendo, ou alguma outra pessoa que realmente entenda do mercado

Leia mais

Nosso presente é cuidar do seu futuro

Nosso presente é cuidar do seu futuro Nosso presente é cuidar do seu futuro Quem quer ser um milionário? Investimento Mensal - R$ 1.000,00 R$ 1.200.000,00 Evolução Patrimonial R$ 1.000.000,00 R$ 800.000,00 R$ 600.000,00 R$ 400.000,00 R$ 200.000,00

Leia mais

Números índices. Luiz Carlos Terra

Números índices. Luiz Carlos Terra Luiz Carlos Terra Nesta aula, você conhecerá as principais aplicações de números índices, como subsídios para análises e pesquisas de dados mercadológicos. (Luiz Carlos Terra) 1 Objetivos Nesta aula, você

Leia mais

Prof. Dr. João Muccillo Netto

Prof. Dr. João Muccillo Netto Prof. Dr. João Muccillo Netto INTRODUÇÃO 1. Juros Segundo a Teoria Econômica, o homem combina Terra Trabalho Capital Aluguel Salário Juro para produzir os bens de que necessita. Juro é a remuneração do

Leia mais

Aula 04 Matemática Financeira. Equivalência de Capitais a Juros Compostos

Aula 04 Matemática Financeira. Equivalência de Capitais a Juros Compostos Aula 04 Matemática Financeira Equivalência de Capitais a Juros Compostos Introdução O conceito de equivalência permite transformar formas de pagamentos (ou recebimentos) em outras equivalentes e, consequentemente,

Leia mais

André Proite. Novembro de 2012

André Proite. Novembro de 2012 Tesouro Direto André Proite Rio de Janeiro, Novembro de 2012 Princípios da Gestão da Dívida Visão Geral do Programa Vantagens do Tesouro Direto Entendendo o que altera o preço Simulador do Tesouro Direto

Leia mais

Ministério da Fazenda

Ministério da Fazenda Ministério da Fazenda Belo Horizonte, outubro de 2006 Visão Geral do Programa Vantagens do Tesouro Direto Entendendo o que altera o preço Calculadora do Tesouro Direto O que é Tesouro Direto? Em 07 de

Leia mais

Módulo III Noções de Economia e Finanças

Módulo III Noções de Economia e Finanças Certificação Profissional ANBIMA CPA-10 Módulo III Copyright 2011-2012 BMI Brazilian Management Institute 1 Índice 10% a 15% da prova 1. 4 1.1 Indicadores econômicos 4 1.1.1 PIB 4 1.1.2 Índices de Inflação:

Leia mais

INDICADORES ECONÔMICOS E ÍNDICES FINANCEIROS

INDICADORES ECONÔMICOS E ÍNDICES FINANCEIROS INDICADORES ECONÔMICOS E ÍNDICES FINANCEIROS Os indicadores econômicos e índices financeiros são utilizados para medir e calcular taxas de juros, inflação, rentabilidade de investimentos, alugueis e valores

Leia mais

M = C. (1 + (i. T)) Juros compostos:- Como calcular juros compostos: montante, capital inicial, fórmula, taxa, tempo, etc.

M = C. (1 + (i. T)) Juros compostos:- Como calcular juros compostos: montante, capital inicial, fórmula, taxa, tempo, etc. Material de Estudo para Recuperação 9 ano. Juros Simples O regime de juros será simples quando o percentual de juros incidirem apenas sobre o valor principal. Sobre os juros gerados a cada período não

Leia mais

Informe Econômico N 3

Informe Econômico N 3 Conjuntura Econômica Gerente Legislativa: Sheila Tussi da Cunha Barbosa Analista Legislativa: Cláudia Fernanda Silva Almeida Assistente Administrativa: Quênia Adriana Camargo Ferreira Estagiário: Tharlen

Leia mais

Alterações na Poupança

Alterações na Poupança PRODUTOS E SERVIÇOS FINANCEIROS INVESTIMENTOS POUPANÇA A conta de poupança foi criada para estimular a economia popular e permite a aplicação de pequenos valores que passam a gerar rendimentos mensalmente.

Leia mais

REGIME DE CAPTALIZAÇÃO COMPOSTA

REGIME DE CAPTALIZAÇÃO COMPOSTA REGIME DE CAPTALIZAÇÃO COMPOSTA No regime de Capitalização Composta, os juros prodzidos ao final de um dado período n se agregam ao capital, passando ambos a integrar a nova base de cálculo para o período

Leia mais

Brasília 22 de Junho 0

Brasília 22 de Junho 0 Brasília 22 de Junho 0 Princípios da Gestão da Dívida Visão Geral do Programa Vantagens do Tesouro Direto Entendendo o que altera o preço Perfil do Investidor Código de Ética STN Mudanças Recentes 1 O

Leia mais

Impactos do Plano Verão para as instituições financeiras

Impactos do Plano Verão para as instituições financeiras Impactos do Plano Verão para as instituições financeiras Roberto Luis Troster* São Paulo, novembro de 2008 *Roberto Luis Troster é economista e doutor em economia pela USP Universidade de São Paulo e pósgraduado

Leia mais

CONTRATOS DERIVATIVOS. Futuro de IGP-M

CONTRATOS DERIVATIVOS. Futuro de IGP-M CONTRATOS DERIVATIVOS Futuro de IGP-M Futuro de IGP-M Ferramenta de gerenciamento de risco contra a variação do nível de preços de diversos setores da economia O produto Para auxiliar o mercado a se proteger

Leia mais

MATEMÁTICA FINANCEIRA

MATEMÁTICA FINANCEIRA Roberto César Faria e Silva MATEMÁTICA FINANCEIRA Aluno: SUMÁRIO 1. CONCEITOS 2 2. JUROS SIMPLES 3 Taxa Efetiva e Proporcional 10 Desconto Simples 12 Desconto Comercial, Bancário ou Por Fora 13 Desconto

Leia mais

Lista de exercício nº 4* Fluxos de caixa não uniformes, inflação, juros reais e nominais

Lista de exercício nº 4* Fluxos de caixa não uniformes, inflação, juros reais e nominais Lista de exercício nº 4* Fluxos de caixa não uniformes, inflação, juros reais e nominais 1. Calcule o Valor Presente Líquido do fluxo de caixa que segue, para as taxas de desconto de 8% a.a., 10% a.a.

Leia mais

JUROS E TAXAS INTRODUÇÃO

JUROS E TAXAS INTRODUÇÃO JUROS E TAXAS MARCOS CARRARD CARRARD@GMAIL.COM INTRODUÇÃO A Matemática Financeira teve seu início exatamente quando o homem criou os conceitos de Capital, Juros, Taxas e Montante. Daí para frente, os cálculos

Leia mais

Banco do Brasil + BaCen

Banco do Brasil + BaCen 1. TAXA Taxa [ i ] é um valor numérico de referência, informado por uma das notações: Forma percentual, p.ex. 1%. Forma unitária, p.ex. 0,01 Forma fracionária centesimal, p.ex. 1/100. Ambos representam

Leia mais

Renda fixa e Tesouro Direto

Renda fixa e Tesouro Direto Renda fixa e Tesouro Direto Classificação de investimentos Collor CDB Renda fixa Caderneta de poupança Fundos DI Imóveis Renda variável Ações Liquidez Liquidez Liquidez Segurança Segurança Segurança Rentabilidade

Leia mais

Lista de Exercícios 1

Lista de Exercícios 1 Universidade Federal do Paraná Curso de Engenharia Elétrica Disciplina de Engenharia Econômica TE142 2º Semestre de 2011 Professor James Alexandre Baraniuk Lista de Exercícios 1 1. Um jovem de 20 anos

Leia mais

Unidade II. Mercado Financeiro e de. Prof. Maurício Felippe Manzalli

Unidade II. Mercado Financeiro e de. Prof. Maurício Felippe Manzalli Unidade II Mercado Financeiro e de Capitais Prof. Maurício Felippe Manzalli Mercados Financeiros Definição do mercado financeiro Representa o Sistema Financeiro Nacional Promove o fluxo de recursos através

Leia mais

Plano de Contribuição Definida

Plano de Contribuição Definida Plano de Contribuição Definida Gerdau Previdência CONHEÇA A PREVIDÊNCIA REGIME DE PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR Oferecido pelo setor privado, com adesão facultativa, tem a finalidade de proporcionar uma proteção

Leia mais

OPERAÇÕES FINANCEIRAS DE CURTO PRAZO - PARTE II

OPERAÇÕES FINANCEIRAS DE CURTO PRAZO - PARTE II OPERAÇÕES FINANCEIRAS DE CURTO PRAZO - PARTE II COMO FUNCIONAM AS OPERAÇÕES EM MOEDA NACIONAL COM JUROS PÓS FIXADOS EM CDI? COMO FUNCIONAM AS OPERAÇÕES EM MOEDA ESTRANGEIRA? O QUE SÃO OPERAÇÕES DE ACC

Leia mais

INDICADORES ECONÔMICOS PARA ANÁLISE DE CONJUNTURA. Fernando J. Ribeiro Grupo de Estudos de Conjuntura (GECON) - DIMAC

INDICADORES ECONÔMICOS PARA ANÁLISE DE CONJUNTURA. Fernando J. Ribeiro Grupo de Estudos de Conjuntura (GECON) - DIMAC INDICADORES ECONÔMICOS PARA ANÁLISE DE CONJUNTURA Fernando J. Ribeiro Grupo de Estudos de Conjuntura (GECON) - DIMAC FORTALEZA, Agosto de 2013 SUMÁRIO 1. Fundamentos da Análise de Conjuntura. 2. Tipos

Leia mais

UNIVERSIDADE DE SANTO AMARO MERCADO DE CAPITAIS PRINCIPAIS PRODUTOS BANCARIOS Prof. Esp. Tomás de Aquino Salomão e-mail tomassalomao@gmail.

UNIVERSIDADE DE SANTO AMARO MERCADO DE CAPITAIS PRINCIPAIS PRODUTOS BANCARIOS Prof. Esp. Tomás de Aquino Salomão e-mail tomassalomao@gmail. UNIVERSIDADE DE SANTO AMARO MERCADO DE CAPITAIS PRINCIPAIS PRODUTOS BANCARIOS Prof. Esp. Tomás de Aquino Salomão e-mail tomassalomao@gmail.com Caderneta de Poupança A caderneta de poupança foi criada em

Leia mais

Fundo de Investimento Imobiliário Península (Administrado pelo Banco Ourinvest S.A.) Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2009 e de 2008 e

Fundo de Investimento Imobiliário Península (Administrado pelo Banco Ourinvest S.A.) Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2009 e de 2008 e Fundo de Investimento Imobiliário Península Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2009 e de 2008 e parecer dos auditores independentes 2 3 Balanços patrimoniais em 31 de dezembro Ativo 2009 2008

Leia mais

Componente Curricular: Matemática Financeira Professor: Jarbas Thaunahy

Componente Curricular: Matemática Financeira Professor: Jarbas Thaunahy Componente Curricular: Matemática Financeira Professor: Jarbas Thaunahy 1. (MDIC 2002 ESAF) Um contrato prevê que aplicações iguais sejam feitas mensalmente em uma conta durante doze meses com o objetivo

Leia mais

CONTABILIDADE GERENCIAL

CONTABILIDADE GERENCIAL CONTABILIDADE GERENCIAL PROF. DANIEL VIEGAS RIBAS FILHO 1º SEMESTRE/2014 APOSTILA DESENVOLVIDA COM BASE NA PRODUÇÃO DA PROF. MARISA GOMES DA COSTA Caracterização da contabilidade gerencial A contabilidade

Leia mais

ADM020 Matemática Financeira

ADM020 Matemática Financeira Sumário 1. Objetivo da Aula 13 ADM020 Matemática Financeira 2. CDB e RDB 3. Debêntures 4. Obrigações Produtos do mercado financeiro ADM020 Matemática Financeira Aula 13 29/11/2009 2 2. Objetivo da Aula

Leia mais

Cartilha de Poupança

Cartilha de Poupança Cartilha depoupança Poupança O que é?... 2 Segurança... 2 Modalidades de poupança do BB... 3 Reajuste Monetário... 4 Juros... 4 Imposto de renda... 4 Valor mínimo... 5 Abertura... 5 Aniversário da poupança...

Leia mais

RISCOS DE INVESTIMENTO. Proibida a reprodução.

RISCOS DE INVESTIMENTO. Proibida a reprodução. Proibida a reprodução. A Planner oferece uma linha completa de produtos financeiros e nossa equipe de profissionais está preparada para explicar tudo o que você precisa saber para tomar suas decisões com

Leia mais

Este texto não substitui o publicado no DOU e no Sisbacen.

Este texto não substitui o publicado no DOU e no Sisbacen. 1 RESOLUÇÃO Nº 530 O BANCO CENTRAL DO BRASIL, na forma do art. 9º da Lei nº 4.595, de 31.12.64, torna público que o CONSELHO MONETÁRIO NACIONAL, em sessão realizada nesta data, tendo em vista o disposto

Leia mais

MATEMÁTICA FINANCEIRA

MATEMÁTICA FINANCEIRA MATEMÁTICA FINANCEIRA Conceitos básicos A Matemática Financeira é uma ferramenta útil na análise de algumas alternativas de investimentos ou financiamentos de bens de consumo. Consiste em empregar procedimentos

Leia mais

Conselho de Regulação e Melhores Práticas de Negociação de Instrumentos Financeiros

Conselho de Regulação e Melhores Práticas de Negociação de Instrumentos Financeiros Conselho de Regulação e Melhores Práticas de Negociação de Instrumentos Financeiros DELIBERAÇÃO Nº 03 O Conselho de Regulação e Melhores Práticas de Negociação de Instrumentos Financeiros, no exercício

Leia mais

MATEMÁTICA FINANCEIRA - ADMINISTRAÇÃO

MATEMÁTICA FINANCEIRA - ADMINISTRAÇÃO MATEMÁTICA FINANCEIRA - ADMINISTRAÇÃO DESCONTO 1) Determinar o desconto por fora sofrido por uma letra de R$ 5.000,00 à taxa de 5% aa, descontada 5 anos antes de seu vencimento. Resp: R$ 1.250,00 2) Uma

Leia mais

Fundos de Investimento

Fundos de Investimento Gestão Financeira Prof. Marcelo Cruz Fundos de Investimento 3 Uma modalide de aplicação financeira Decisão de Investimento 1 Vídeo: CVM Um fundo de investimento é um condomínio que reúne recursos de um

Leia mais

Introdução à Matemática Financeira e Análise de Investimentos

Introdução à Matemática Financeira e Análise de Investimentos Introdução à Matemática Financeira e Análise de Investimentos Aula 3: Inflação e Juro real, Preço nominal/real, Risco e Retorno de Investimentos Site: tinyurl.com/matfinusp Prof. Adriano Azevedo Filho,

Leia mais

Material Explicativo sobre Títulos Públicos

Material Explicativo sobre Títulos Públicos Material Explicativo sobre 1. Definições Gerais Os são emitidos pelo Tesouro Nacional, servindo como um instrumento de captação do Governo Federal para execução e financiamento de suas dívidas internas,

Leia mais

ACADEMIA DO CONCURSO PÚBLICO AULÃO DE MATEMÁTICA FINANCEIRA PROF PIO mjpio12@gmail.com REGIME DE CAPITALIZAÇÃO SIMPLES

ACADEMIA DO CONCURSO PÚBLICO AULÃO DE MATEMÁTICA FINANCEIRA PROF PIO mjpio12@gmail.com REGIME DE CAPITALIZAÇÃO SIMPLES ACADEMIA DO CONCURSO PÚBLICO AULÃO DE MATEMÁTICA FINANCEIRA PROF PIO mjpio12@gmail.com REGIME DE CAPITALIZAÇÃO SIMPLES 01) (TCM/RJ Técnico de Controle Externo FJG 2003) Guilherme utilizou o limite de crédito

Leia mais

2) Um equipamento de valor R$ 640,00 tem aumento de 15%. Qual o valor do novo preço?

2) Um equipamento de valor R$ 640,00 tem aumento de 15%. Qual o valor do novo preço? Porcentagem 1) Calcular 15% de 640. 2) Um equipamento de valor R$ 640,00 tem aumento de 15%. Qual o valor do novo preço? 3) Um equipamento de valor R$ 640,00 pode ser adquirido com um desconto de 15%.

Leia mais

NBC TSP 10 - Contabilidade e Evidenciação em Economia Altamente Inflacionária

NBC TSP 10 - Contabilidade e Evidenciação em Economia Altamente Inflacionária NBC TSP 10 - Contabilidade e Evidenciação em Economia Altamente Inflacionária Alcance 1. Uma entidade que prepara e apresenta Demonstrações Contábeis sob o regime de competência deve aplicar esta Norma

Leia mais

Os conteúdos estão apresentados de forma didática e por meio de exemplos. Sugerese, como complemento, a utilização de outras bibliografias.

Os conteúdos estão apresentados de forma didática e por meio de exemplos. Sugerese, como complemento, a utilização de outras bibliografias. MATEMÁTICA COMERCIAL APRESENTAÇÃO Caro aluno, A partir de agora, iremos começar os estudos de matemática comercial. O objetivo deste curso é propiciar uma introdução dinâmica sobre o assunto, de maneira

Leia mais

Os fundos referenciados identificam em seu nome o indicador de desempenho que sua carteira tem por objetivo acompanhar.

Os fundos referenciados identificam em seu nome o indicador de desempenho que sua carteira tem por objetivo acompanhar. FUNDO REFERENCIADO DI Os fundos referenciados identificam em seu nome o indicador de desempenho que sua carteira tem por objetivo acompanhar. Para tal, investem no mínimo 80% em títulos públicos federais

Leia mais

QUAL A DIFERENÇA ENTRE O CÁLCULO DA TAXA CDI E TAXA OVER DE JUROS?

QUAL A DIFERENÇA ENTRE O CÁLCULO DA TAXA CDI E TAXA OVER DE JUROS? QUAL A DIFERENÇA ENTRE O CÁLCULO DA TAXA CDI E TAXA OVER! Como se calcula a taxa de juros Over?! Como se calcula a taxa de juros CDI?! Como a taxa de juros CDI e Over se comparam? Francisco Cavalcante(francisco@fcavalcante.com.br)

Leia mais

Existe uma diferença entre o montante (S) e a aplicação (P) que é denominada de remuneração, rendimento ou juros ganhos.

Existe uma diferença entre o montante (S) e a aplicação (P) que é denominada de remuneração, rendimento ou juros ganhos. Módulo 3 JUROS SIMPLES 1. Conceitos Iniciais 1.1. Juros Juro é a remuneração ou aluguel por um capital aplicado ou emprestado, o valor é obtido pela diferença entre dois pagamentos, um em cada tempo, de

Leia mais

Cap. V Produtos Financeiros

Cap. V Produtos Financeiros 5.1 CDB/RDB Cap. V Produtos Financeiros Prof. Uérito Cruz Um banco anuncia pagar 22,6% a.a. para aplicação em CDB de sua emissão. É projetada uma inflação de 7,2% a.a. e o mercado trabalha como taxa referencial

Leia mais

Precificação de Títulos Públicos

Precificação de Títulos Públicos Precificação de Títulos Públicos Precificação de Títulos Públicos > Componentes do preço > Entendendo o que altera o preço Componentes do preço Nesta seção você encontra os fatores que compõem a formação

Leia mais

Fundo de Investimento Imobiliário Península (Administrado pelo Banco Ourinvest S.A.)

Fundo de Investimento Imobiliário Península (Administrado pelo Banco Ourinvest S.A.) Balanço patrimonial em 31 de dezembro Ativo 2008 2007 Passivo e patrimônio líquido 2008 2007 Circulante Circulante Bancos 3 14 Rendimentos a distribuir 3.599 2.190 Aplicações financeiras de renda fixa

Leia mais

PERFIL DO INVESTIDOR. Uma das principais vantagens do Tesouro Direto é a possibilidade do investidor

PERFIL DO INVESTIDOR. Uma das principais vantagens do Tesouro Direto é a possibilidade do investidor PERFIL DO INVESTIDOR Uma das principais vantagens do Tesouro Direto é a possibilidade do investidor montar sua carteira de acordo com os seus objetivos, adequando prazos de vencimento e indexadores às

Leia mais

Juro é a remuneração do capital emprestado, podendo ser entendido, de forma simplificada, como sendo o aluguel pago pelo uso do dinheiro.

Juro é a remuneração do capital emprestado, podendo ser entendido, de forma simplificada, como sendo o aluguel pago pelo uso do dinheiro. Juros simples Juros simples Juro é a remuneração do capital emprestado podendo ser entendido de forma simplificada como sendo o aluguel pago pelo uso do dinheiro. Quem possui recursos pode utilizá-lo na

Leia mais

INFORMAÇÕES IMPORTANTES,

INFORMAÇÕES IMPORTANTES, INFORMAÇÕES IMPORTANTES, que devem ser lidas, todas elas, na íntegra, por todos e por cada um dos alunos que estejam matriculados na disciplina TT 007 Economia de Engenharia I ou na disciplina TT 080 Economia

Leia mais

Perfis de Investimento. GEBSA Prev

Perfis de Investimento. GEBSA Prev Perfis de Investimento GEBSA Prev 2 GEBSA-PREV INTRODUÇÃO Esta cartilha reúne as principais informações relacionadas aos Perfis de Investimento da GEBSA PREV e vai lhe ajudar a identificar alguns aspectos

Leia mais

Tesouro Direto. Rentabilidade Segurança Comodidade Diversidade Baixo risco

Tesouro Direto. Rentabilidade Segurança Comodidade Diversidade Baixo risco Tesouro Direto Rentabilidade Segurança Comodidade Diversidade Baixo risco TesouroDireto.indd 1 2/21/11 3:30 PM 1Conheça o Tesouro Direto Criado pelo Tesouro Nacional em 2002, em parceria com a BM&FBOVESPA,

Leia mais

Calcular o montante de um capital de $1.000,00, aplicado à taxa de 4 % ao mês, durante 5 meses.

Calcular o montante de um capital de $1.000,00, aplicado à taxa de 4 % ao mês, durante 5 meses. JUROS COMPOSTOS Capitalização composta é aquela em que a taxa de juros incide sobre o capital inicial, acrescido dos juros acumulados até o período de montante anterior. Neste regime de capitalização a

Leia mais

República Federativa do Brasil Ministério da Fazenda PRECIFICAÇÃO DE TÍTULOS PÚBLICOS

República Federativa do Brasil Ministério da Fazenda PRECIFICAÇÃO DE TÍTULOS PÚBLICOS PRECIFICAÇÃO DE TÍTULOS PÚBLICOS PRECIFICAÇÃO DE TÍTULOS PÚBLICOS Componentes do Preço; Entendendo o que altera o preço. Componentes do Preço O objetivo desta seção é apresentar ao investidor: os fatores

Leia mais

MATEMÁTICA FINANCEIRA Professor Fábio Maia. AULA 1 - Juros Simples. Formulário: Juros Simples: j = C.i.n e Montante: M = C. (1 + i.

MATEMÁTICA FINANCEIRA Professor Fábio Maia. AULA 1 - Juros Simples. Formulário: Juros Simples: j = C.i.n e Montante: M = C. (1 + i. MATEMÁTICA FINANCEIRA Professor Fábio Maia AULA 1 - Juros Simples Juros Simples é o processo financeiro onde apenas o principal rende juros, isto é, os juros são diretamente proporcionais ao capital empregado.

Leia mais

DIAGNÓSTICO SOBRE O CRESCIMENTO DA DÍVIDA INTERNA A PARTIR DE 1/1/95

DIAGNÓSTICO SOBRE O CRESCIMENTO DA DÍVIDA INTERNA A PARTIR DE 1/1/95 DIAGNÓSTICO SOBRE O CRESCIMENTO DA DÍVIDA INTERNA A PARTIR DE 1/1/95 JOÃO RICARDO SANTOS TORRES DA MOTTA Consultor Legislativo da Área IX Política e Planejamento Econômicos, Desenvolvimento Econômico,

Leia mais

Tesouro Direto. Rentabilidade Segurança Comodidade Diversidade Baixo risco

Tesouro Direto. Rentabilidade Segurança Comodidade Diversidade Baixo risco Tesouro Direto Rentabilidade Segurança Comodidade Diversidade Baixo risco 1Conheça o Tesouro Direto Criado pelo Tesouro Nacional em 2002, em parceria com a BM&FBOVESPA, o Tesouro Direto é um programa de

Leia mais

UNIDADE Capitalização composta

UNIDADE Capitalização composta UNIDADE 2 Capitalização composta Capitalização composta Curso de Graduação em Administração a Distância Objetivo Nesta Unidade, você vai ser levado a: calcular o montante, taxas equivalentes, nominal e

Leia mais

TRATAMENTO POR FATORES NA AVALIAÇÃO DE IMÓVEIS URBANOS

TRATAMENTO POR FATORES NA AVALIAÇÃO DE IMÓVEIS URBANOS TRATAMENTO POR FATORES NA AVALIAÇÃO DE IMÓVEIS URBANOS O tratamento por fatores tem por objetivo tornar comparáveis os dados coletados na pesquisa. É a parte mais trabalhosa da avaliação. O tratamento

Leia mais

CIÊNCIAS CONTÁBEIS MATEMATICA FINANCEIRA JUROS SIMPLES

CIÊNCIAS CONTÁBEIS MATEMATICA FINANCEIRA JUROS SIMPLES DEFINIÇÕES: CIÊNCIAS CONTÁBEIS MATEMATICA FINANCEIRA JUROS SIMPLES Taxa de juros: o juro é determinado através de um coeficiente referido a um dado intervalo de tempo. Ele corresponde à remuneração da

Leia mais

Conhecimentos Bancários. Item 2.1.3- CDB / RDB

Conhecimentos Bancários. Item 2.1.3- CDB / RDB Conhecimentos Bancários Item 2.1.3- CDB / RDB Conhecimentos Bancários Item 2.1.3- CDB / RDB CDB Certificado de Depósito Bancário São títulos nominativos emitidos pelos bancos e vendidos ao público como

Leia mais

Matemática Régis Cortes JURO SIMPLES

Matemática Régis Cortes JURO SIMPLES JURO SIMPLES 1 Juros é o rendimento de uma aplicação financeira, valor referente ao atraso no pagamento de uma prestação ou a quantia paga pelo empréstimo de um capital. Atualmente, o sistema financeiro

Leia mais

Curso CPA-10 Certificação ANBID Módulo 6 Demais Produtos de Investimento

Curso CPA-10 Certificação ANBID Módulo 6 Demais Produtos de Investimento Pág: 1/45 Curso CPA-10 Certificação ANBID Módulo 6 Demais Produtos de Investimento Pág: 2/45 Módulo 6 - Demais Produtos de Investimento Este módulo apresenta as principais características de algumas das

Leia mais

5ky MATEMÁTICA FINANCEIRA - Prof. Edison Küster CONTEÚDO RESUMIDO

5ky MATEMÁTICA FINANCEIRA - Prof. Edison Küster CONTEÚDO RESUMIDO 1 CONTEÚDO RESUMIDO Elaboração e Apresentação Professor: Edison Küster MST. KÜSTER, Edison; Fabiane Christina Küster; Projetos Empresariais - Elaboração e Análise de Viabilidade - Editora Juruá, Curitiba

Leia mais

ANHANGUERA EDUCACIONAL ANHANGUERA - PÓS-GRADUAÇÃO

ANHANGUERA EDUCACIONAL ANHANGUERA - PÓS-GRADUAÇÃO ANHANGUERA EDUCACIONAL ANHANGUERA - PÓS-GRADUAÇÃO ANHANGUERA EDUCACIONAL 5 Aula Disciplina : GESTÃO FINANCEIRA Prof.: Carlos Nogueira Agenda 19h00-20h15: Matemática Financeira 20h15-20h30: Métodos de Avaliação

Leia mais

Índice de Variação Geral de Preços Departamento de Economia

Índice de Variação Geral de Preços Departamento de Economia Índice de Variação Geral de Preços Departamento de Economia FEVEREIRO 2007 Índices de preços são números que agregam e representam os preços de uma determinada cesta de produtos. Sua variação mede, portanto,

Leia mais

MATEMÁTICA FINANCEIRA 216 questões com gabarito

MATEMÁTICA FINANCEIRA 216 questões com gabarito 216 questões com gabarito FICHA CATALOGRÁFICA (Catalogado na fonte pela Biblioteca da BM&F BOVESPA Bolsa de Valores, Mercadorias e Futuros) MATEMÁTICA FINANCEIRA: 216 questões com gabarito. São Paulo:

Leia mais

PRAZOS E RISCOS DE INVESTIMENTO. Proibida a reprodução.

PRAZOS E RISCOS DE INVESTIMENTO. Proibida a reprodução. Proibida a reprodução. A Planner oferece uma linha completa de produtos financeiros e nossa equipe de profissionais está preparada para explicar tudo o que você precisa saber para tomar suas decisões com

Leia mais

TIPOS DE INVESTIMENTO

TIPOS DE INVESTIMENTO TIPOS DE INVESTIMENTO CDB O Certificado de Depósito Bancário (CDB) e o Recibo de Depósito Bancário, (RDB) são os mais antigos e utilizados títulos de captação do setor privado. São oficialmente conhecidos

Leia mais