Fórmula do Montante. - Valor Futuro após 1 período: F 1 = P + Pi = P(1 + i) - Valor Futuro após 2 períodos:

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Fórmula do Montante. - Valor Futuro após 1 período: F 1 = P + Pi = P(1 + i) - Valor Futuro após 2 períodos:"

Transcrição

1 DEPARTAMENTO...: ENGENHARIA CURSO...: PRODUÇÃO DISCIPLINA...: ENGENHARIA ECONÔMICA / MATEMÁTICA FINANCEIRA PROFESSORES...: WILLIAM FRANCINI PERÍODO...: NOITE SEMESTRE/ANO: 2º/2008 Aula 3 CONTEÚDO RESUMIDO DA AULA 3. Juros Compostos. Fórmula do Montante. Taxas Equivalentes. Valor atual. Juros compostos com taxas variáveis. Uso da Calculadora HP 12C. Aplicações Fonte: Adaptado de HAZZAN, S. E POMPEO, J.N. Matemática Financeira 6ª Edição Editora Saraiva, São Paulo, 2007 e de Vieira Sobrinho, J. D., Matemática Financeira, Edit. Atlas, 7ª. Ed., por William S. Francini. Fórmula do Montante Conforme visto na aula 1, no regime de capitalização composto, os juros gerados em cada período são adicionados ao valor futuro do período anterior, de forma que este novo valor futuro se torna a nova base de cálculo de juros para o período seguinte. Assim, partindo de um capital P, uma taxa de juros i, o cálculo do valor futuro a juros compostos, após n períodos de tempo (expresso na unidade de tempo da taxa): - Valor Futuro após 1 período: F 1 = P + Pi = P(1 + i) - Valor Futuro após 2 períodos: F 2 = F 1 + F 1 i = F 1 (1 + i) = P(1 + i)(1 + i) = P(1 + i) 2 - Valor Futuro após 3 períodos: F 3 = F 2 + F 2 i = F 2 (1 + i) = P(1 + i) 2 (1 + i) = P(1 + i) 3 - Valor Futuro após n períodos: F n = F n-1 + F n-1 i = F n-1 (1 + i) = P(1 + i) n-1 (1 + i) = P(1 + i) n Podemos omitir o índice n e escrever simplesmente: F = P(1 + i) n

2 Observações: O fator P(1 + i) n, chamado de fator de acumulação de capital para pagamento único, pode ser calculado diretamente com uma calculadora, ou, ainda, pode ser obtido em tabelas financeiras como as que constam no final dos livros texto indicados. É importantíssimo ressaltar que n deve ser expresso sempre na unidade de tempo estipulada na taxa. O procedimento de se alterar a taxa para que ela fique de acordo com a unidade de tempo n será visto adiante (taxas equivalentes). Na maioria das calculadoras, os valores de PV e FV aparecem com sinais inversos, isto é, um com sinal positivo e outro com sinal negativo. Nas teclas financeiras, uma entrada de caixa é representada por um valor positivo, ao passo que uma saída é representada por um número negativo. 1 - Um capital de $ 6.000,00 foi aplicado a juros compostos, durante 3 meses, à taxa de 2,0% a.m. a) Obtenha o montante. b) Obtenha o total de juros auferidos. a) P = 6.000; i = 2%a.m.; n = 3 meses F = P(1 + i) n = 6.000(1 + 0,02) 3 = 6.000(1 + 0,02) 3 = 6.367,25 Na calculadora financeira: 3 n 2 i 6.000(1 + 0,02) 3 = FV = , PV b) J = 6.367, = 367,25. 2 Que capital,aplicado a juros compostos à taxa de 2,5% a.m., produz um montante de $ 3.500,00 após um ano? F = $ 3.500; i = 2,5% a.m.; n = 12 meses (1 ano, porém, expresso na mesma unidade da taxa). Desta forma: F = P(1 + i) n = = P(1 + 0,025) 12 ; = P(1,025) 12 ; = P(1,3449); P = / 1,3449 = 2.602,42. Obs.: Resolver o exercício acima na calculadora financeira.

3 3 Um capital, $ 2.500,00 foi aplicado a juros compostos durante quatro meses, produzindo um montante de $ 3.500,00. Qual a taxa mensal de juros? P = $ 2.500; F = $ 3.500; n = 4 meses F = P(1 + i) n = (1 + i) 4 ; (1 + i) 4 = / 2.500; (1 + i) 4 = 1,4 Elevando-se os dois membros da equação ao inverso do expoente (1/4), teremos: ((1 + i) 4 ) 1 / 4 = (1,4) 1 / i = (1,4) 0,25 i = 1, i = 0,0878 = 8,78% a.m. Obs.: Resolver o exercício acima na calculadora financeira. 4 Durante quanto tempo um capital de $ 1.000,00 deve ser aplicado a juros compostos à taxa de 10% a.a. para resultar em um montante de $ 1.610,51? P = 1.000; i = 10% a.a.; F = 1.610,51; n =? F = P(1 + i) n 1.610,51 = (1 + 0,10) n (1,10) n = 1,61051 Aplicando a fórmula do logaritmo natural (conforme arquivo Aula 2) em ambos os lados, teremos: LN(1,10) n = LN(1,61051) nln(1,10) = LN(1,61051) n = LN(1,61051) / LN(1,10) = 0, / 0,09531 n = 5 anos. Obs.: Resolver o exercício acima na calculadora financeira.

4 Exercícios: 1) Qual o montante de uma aplicação de $ a juros compostos, pelo prazo de seis meses, à taxa de 2% a.m.? 2) Obtenha o montante das aplicações a seguir, considerando o regime de juros compostos: Capital Taxa Prazo a) $ ,00 36% a.a. 2 anos b) $ ,00 3% a.m. 1 ano c) $ ,00 7% a.t. 1 ano e meio 3) Uma pessoa aplica hoje $ 4.000,00 e aplicará $12.000,00 daqui a três meses em um fundo que rende juros compostos à taxa de 2,6% a.m. Qual seu montante daqui a seis meses? 4) Um capital de $ 3.000,00 foi aplicado a juros compostos, durante dez meses, gerando um montante de $ ,00. Qual a taxa mensal? 5) Um capital foi aplicado a juros compostos, durante nove meses, rendendo um montante igual ao triplo do capital aplicado. Qual a taxa trimestral da aplicação? 6) Um fogão é vendido à vista por $ 600,00, ou então, a prazo, sendo 20% do preço à vista como entrada, mais uma parcela de $ 550,00 dois meses após a compra. Qual a taxa mensal de juros compostos do financiamento? 7) Durante quanto tempo um capital de $ 5.000,00, deve ser aplicado a juros compostos, à taxa de 1,8% a.m., para gerar um montante de $ 5.767,00? 8) Alberto aplicou $ 6.000,00 a juros compostos, durante um ano, à taxa de 24% a.a. a) Qual o montante? b) Qual a taxa mensal de juros da aplicação? c) Qual a taxa semestral de juros da aplicação? 9) Gisele aplicou $ 6.000,00 a juros compostos, sendo uma parte no banco A, à taxa de 2% a.m., e outra no banco B, à taxa de 1,5% a.m. O prazo das duas aplicações foi de seis meses. Calcule quanto foi aplicado em cada banco, sabendo-se que os montantes gerados foram iguais. 10) Aplique hoje $ ,00 e receba após seis meses $ ,00. Qual a taxa mensal de rendimento desta aplicação, considerando o regime de juros compostos?

5 Períodos não inteiros Vimos que na parte 1 da aula 4 que fórmula do montante é F = P(1 + i) n., onde n era um número inteiro não negativo. A mesma fórmula é geralmente estendida para valores n positivos e não inteiros, e esta convenção é conhecida como convenção exponencial. Teoricamente, há uma outra convenção, chamada linear, que consiste em calcular o montante a juros compostos durante a parte inteira do período e, sobre o montante assim obtido, aplicar juros simples durante a parte não inteira do período considerado. Esta última é raramente utilizada na prática (HAZZAN e POMPEO, p. 50). Exemplo 1 (adaptado) Um capital de $ 1.000, 00 foi aplicado a juros compostos, durante três meses e meio, à taxa de 9% a.m. a) Qual o montante pela convenção exponencial? b) Qual o montante pela convenção linear? a) Exponencial = F = (1,09) 3,5 = * 1, = $ 1.352,05 b) Linear = 1ºpasso: F = (1,09) 3,0 = * 1, = $ 1.295,03 2º passo: F = 1.295, ,03 (0,09)0,5 = 1.295, ,28 = $ 1.353,31 ou 2º passo: F = (1,09) 3, (1,09) 3,0 (0,09) (3,5 3) = 1.295, ,28 = $ 1.353,31 Exemplo 2 (adaptado) Um capital de $ , 00 foi aplicado a juros compostos, durante cento e cinco dias, à taxa de 8% a.m. a) Qual o montante pela convenção exponencial? b) Qual o montante pela convenção linear? a) Convenção exponencial n = 105 dias; (1,08) 105/30 = (1,08) 3,5 = ,00 (1,309131) = $ ,56 b) Convenção linear 1ºpasso: calcular o valor futuro a juros compostos durante a parte inteira do período: n = 105 dias 15 dias = 90 dias ou 3 meses (inteiros); F = (1,08) 90/30 = (1,08) 3 = ,00 (1,259712) = ,60 2º passo: sobre o valor futuro calculado a juros compostos durante a parte inteira do período, aplicar juros simples sobre o período não inteiro: F = , ,60 (0,08)0,5 = , ,42 = $ ,02 Diferença entre os juros simples e juros compostos, convenção exponencial e linear Exemplo 3 Calcular o montante de um capital de R$ ,00, aplicado à taxa de 8% ao mês, para 29 dias, 30 dias, 31 dias e 105 dias, pelos regimes de juros simples e juros compostos, estes com cálculo em convenção exponencial e convenção linear. Juros Simples a) n = 29 dias; FV = (1 + 0,08 x 29) = R$ ,67 30 b) n = 30 dias; FV = (1 + 0,08 x 30) = R$ ,00 30 c) n = 31 dias; FV = (1 + 0,08 x 31) = R$ ,33 30

6 d) n = 105 dias; FV = (1+ 0,08 x 105) = R$ ,00 30 Juros Compostos Convenção Exponencial a) n = 29 dias; FV = (1,08) 29/30 = R$ ,65 b) n = 30 dias; FV = (1,08) 30/30 = R$ ,00 c) n = 31 dias; FV = (1,08) 31/30 = R$ ,70 d) n = 105 dias; FV = (1,08) 105/30 = R$ ,56 Juros Compostos Convenção Linear a) n = 29 dias; Não se aplica, pois n é menor que 1 (considerando-se a unidade de medida dos juros, ao mês), e, portanto não existe a parte inteira do período a ser calculada separadamente. b) n = 30 dias; FV = (1,08) 30/30 = R$ ,00 Não se aplica a convenção linear, pois n é inteiro (1). c) n = 31 dias; 1ºpasso: calcular o valor futuro a juros compostos durante a parte inteira do período: n = 31 dias 1 dia = 30 dias ou 1 mês (períodos inteiros); F = (1,08) 30/30 = (1,08) 1 = ,00 (1,08) = R$ ,00 2º passo: sobre o valor futuro calculado a juros compostos durante a parte inteira do período, aplicar juros simples sobre o período não inteiro: F = , ,00 (0,08)1/30 = , ,00 = R$ ,00 d) n = 105 dias; 1ºpasso: calcular o valor futuro a juros compostos durante a parte inteira do período: n = 105 dias 15 dias = 90 dias ou 3 meses (inteiros); F = (1,08) 90/30 = (1,08) 3 = ,00 (1,259712) = ,60 2º passo: sobre o valor futuro calculado a juros compostos durante a parte inteira do período, aplicar juros simples sobre o período não inteiro (15 dias / 30 = 0,5 mês) : F = , ,60 (0,08)0,5 = , ,42 = $ ,02 A maioria das calculadoras financeiras está programada para funcionar de acordo com a convenção exponencial. A HP12c efetua o cálculo por ambas as convenções: acionando-se a seqüência de teclas [STO] [EEX] (endereços 44 e 26, respectivamente), aparecerá no visor da calculadora HP 12C a letra C. Desta forma, a calculadora estará operando pela convenção exponencial. Para desativar a convenção exponencial, e passar a operar pela convenção linear, basta repetir a seqüência de teclas [STO] [EEX], e a letra C será desativada do visor. Portanto, se a letra C não estiver aparecendo no visor, a HP- 12C faz esse cálculo de juros com base na chamada convenção linear, em que os juros são calculados de acordo com o regime de capitalização composta para períodos inteiros e de acordo com o regime de capitalização simples para períodos fracionários.

7 Exemplo 4 (Hazzan e Pompeo, p. 53, adaptado). Um cliente recebeu um empréstimo bancário de $ ,00 e pagou após 72 dias um montante de $ ,77. Qual a taxa mensal, considerando-se que existe um float de quatro dias para o dinheiro entrar na conta após a assinatura do contrato do empréstimo? F = ,77; P = ,00; n = 72 4 = 68; i =? i = 3,18% a.m. Exemplo 5 (Hazzan e Pompeo, p. 53/54). Um banco cobra, em certa linha de crédito, juros compostos à taxa de 30% a.a. Se for feito um empréstimo por 75 dias a uma empresa, que taxa de abertura de crédito (TAC) o banco deverá cobrar para que resulte em uma taxa efetiva de juros de 35% a.a.? Como não é mencionado o valor do empréstimo solicitado, adotemos para ele o valor de $ 100 (ou qualquer outro valor). Assim, o montante após 75 dias será: F = 100(1,30) 75/360 = 105,62 Para que a taxa efetiva resulte em 35% a.a., o banco efetivamente emprestar um capital P, tal que: P(1,35) 75/360 = 105,62 1,06545P = 105,62 P = 99,22 Assim, para este empréstimo de $100,00, a TAC deverá ser ,22 = 0,78. Isto é, para cada $ 100,00 de empréstimo, o banco deverá cobrar $ 0,78. Portanto, a TAC deverá ser de 0,78/100 = 0,78%. Exemplo 6 (Hazzan e Pompeo, p. 54). Um banco pretende ganhar uma taxa efetiva juros compostos de 36% a.a. em operações de desconto de duplicatas com prazo de 45 dias. Que taxa mensal de desconto deverá utilizar? Adotemos para a duplicata o valor $ 100 (qualquer outro valor poderá ser utilizado). O valor atual líquido VA recebido pela empresa deverá ser tal que: VA(1,36) 45/360 = 100 VA(1,0392) = 100 VA = 96,23 Conseqüentemente, o valor do desconto será DS = ,23 = 3,77. Lembrando que a fórmula do desconto é D = VNdn, e que desejamos a taxa de desconto mensal, podemos escrever:

8 3,77 = 100 d (45/30). d = (3,77)(30) / = 0,0251 = 2,51% a.m. Exercícios adaptados (Hazzan e Pompeo p. 54)1) Mário fez uma aplicação de $ 6.000,00, por 18 meses à taxa de 22% a.a.. a) Qual o montante pela convenção exponencial? RESPOSTA: $ 8.085,20 b) Qual o montante pela convenção linear? RESPOSTA: $ 8.125,20 2) Em um empréstimo a juros compostos de $ ,00, a taxa foi de 2% a.m. e o prazo de 90 dias. No entanto, havia uma cláusula contratual estabelecendo a convenção linear caso o pagamento fosse feito com atraso. Se o pagamento foi feito com um atraso de 17 dias, qual o valor do montante? RESPOSTA: $ ,50 3) Resolva o exercício anterior considerando a convenção exponencial. RESPOSTA: $ ,34 4) Uma empresa tomou um empréstimo para capital de giro no valor de $ por 30 dias, à taxa de 75% a.a. Qual o montante? RESPOSTA: $ ,39 5) resolva o exercício anterior considerando um prazo de 37 dias. RESPOSTA: $ ,02 6) Uma empresa tem duas opções para levantar um empréstimo: descontar uma duplicata com prazo de vencimento de 30 dias a uma taxa de desconto de 4% a.m. ou, então, tomar um empréstimo de capital de giro pelo mesmo prazo, com valor igual ao valor líquido da duplicata, a juros compostos com taxa de 4% a.m.. Qual sua melhor opção? RESPOSTA: $ ,39 Taxas equivalentes: Vimos que, considerando-se a fórmula de juros compostos, normalmente expressamos o prazo n de acordo com a unidade de tempo da taxa. Porém, podemos expressar a taxa de acordo com a unidade usada para n. As taxas são equivalentes se, quando aplicadas a um mesmo capital, por um mesmo período, geram o mesmo valor futuro. Por vezes, teremos que decidir entre alternativas de taxas expressas em diferentes unidades de tempo, tais como uma informação expressa em taxa mensal i a.m. e uma taxa anual i a.a.. Dizemos que são equivalentes quando: F(1 + i aa ) = F(1 + i am ) 12 Daí temos: (1 + i aa ) = (1 + i am ) 12 ; i aa = (1 + i am ) 12-1, para determinar a taxa anual, conhecida a taxa mensal; i am = 12 (1 + i aa ) - 1, para determinar a taxa mensal, conhecida a taxa anual Nas capitalizações simples e composta, presumindo que se tem a taxa i 1 e se quer encontrar a i 2 equivalente a ela, faz-se:

9 Capitalização simples Capitalização composta i 2 = (n 2 / n 1 ) i 1 i 2 = (1 + i 1 ) n2 / n1-1 Observe-se que na capitalização simples as taxas proporcionais a determinado prazo são sempre equivalentes entre si. Com relação à capitalização composta, no dia a dia, os períodos a que se referem a taxas que temos e as taxa que queremos são muito variados. Por isto, vamos apresentar uma fórmula genérica. Adotando a nomenclatura convencional de i q para a taxa i 2, a que se quer, e i t, a que se tem, e representando os respectivos prazos de vigência por q e t, isto é, fazendo n 2 = q e n 1 = t, a equivalência de capitalização composta é alternativamente expressa por: i eq = {( 1 + i c ) Q/T 1} x 100 Onde: Onde: i eq = Taxa Equivalente; i c = Taxa Conhecida; Q = Quanto Quero; T = Quanto Tenho. Evidentemente, está pressuposto que os prazos Q e T estejam na mesma unidade temporal, isto é, ambos devem estar expressos em meses, bimestres, trimestres, semestres, anos, etc. Demonstração A fórmula das taxas equivalentes acima está expressa em função dos prazos (em dias) de cada taxa. Sendo o prazo padrão de um ano, temos: n 1 = 360 / Q n 2 = 360 / T (1 + i q ) 360/Q = (1 + i t ) 360/T ((1 + i q ) 360/Q ) Q/360 = ((1 + i t ) 360/T ) Q/360 (1 + i q ) = (1 + i t ) Q/ T i q = (1 + i t ) Q/ T - 1 Exemplo 7 (Hazzan e Pompeo, p. 57). Em juros compostos, qual a taxa anual equivalente a 2% a.m.? i eq =?; i c = 2% a.m.; Q = 1 ano ou 12 meses; T = 1 mês. i eq = {( 1 + i c ) Q/T 1} x 100 = i eqa.a. = {( 1 + 0,02) 12/1 1} x 100 = 26,82% a.a. Exemplo 8 (Hazzan e Pompeo, p. 57/58). Em juros compostos, qual a taxa trimestral equivalente a 15% a.a.? i eqa.t. =?; i c = 15% a.a.; Q = 1 trimestre ou 3 meses; T = 1 ano, ou 12 meses. i eq = {( 1 + i c ) Q/T 1} x 100 = i eqa.t. = {( 1 + 0,15) 3/12 1} x 100 = {(1,15) 0,25 1} x 100 = 3,56% a.t.

10 Exercícios (Hazzan e Pompeo p. 59 / 60) 7) Em juros compostos, qual a taxa anual equivalente às seguintes taxas: a) 1,8% a.m. c) 4,5% a.t. b) 2,5% a.b. d) 18% a.s. 8) Em juros compostos, qual a taxa mensal equivalente às seguintes taxas: a) 75% a.a. d) 6,5% a.b. b) 5o% a.s. e) 0,12% a.d. c) 21% a.t. 9) Em juros compostos, qual a taxa em 40 dias equivalentes a 2,5% a.m.? 10) Em juros compostos, o que é preferível: aplicar um capital por um ano a taxa de 26% a.a. ou a taxa de 2,1% a.m.? 11) O que é melhor: aplicar um capital a juros compostos por seis meses à taxa de 4,5% a.t. ou à taxa de 6% a.q. (ao quadrimestre)? CDB s e RDB s Os Certificados de Depósito Bancário (CDB s) e os Recibos de Depósito Bancário (RDB s) são títulos emitidos pelos bancos em geral, destinados a prover recursos para seus financiamentos. Os CDB s sao nominativos endossáveis (podem ser transferidos por endosso), os RDB s não o são. Ambos contam com duas formas de remuneração: a prefixada e a pós-fixada. A prefixada informa ao aplicador, antecipadamente à aplicação, a taxa de remuneração. A pós-fixada considera uma correção monetária sobre o capital aplicado e sobre este valor corrigido é aplicado uma taxa, calculando-se assim o montante fnal, usando-se a fórmula de juros compostos. Em ambos os casos, os ganhos sofrem tributação (imposto de renda), cujo cálculo e alíquota sofrem constantes alterações em 2005, o IR era variável segundo o prazo da operação, de acordo com a tabela a seguir: Prazo Alíquota Até 6 meses 22,5 % De 6 a 12 meses 20 % De 12 a 24 meses 17,5% Mais de 24 meses 15 % Para a análise do ganho efetivo do investidor, calcula-se a taxa de juros da operação, levando-se em consideração o imposto de renda pago. A taxa assim obtida é chamada de taxa líquida, enquanto aquela anunciada pelas instituições financeiras e que não considera o IR chama-se taxa bruta. Exemplo 9 (Hazzan e Pompeo, p. 61). Um investidor aplicou $ ,00 em um CDB prefixado de 30 dias em uma insitituição financeira. A taxa bruta da operação foi de 18% a.a. Pede-se: a) O montante bruto ao resgate.

11 b) O IR, sabendo-se que é igual a 22,5% do juro auferido. c) O valor futuro líquido. d) A taxa líquida da operação no período considerado. P = i = 18% a.a. n = 30 / 360 IR = 22,5% a) F = (1,18) 30/360 = ,33 b) IR = 0,225(15.208, ) = 46,87 c) F liq = ,33 46,87 = ,46 d) i liq = (15.161,46 / ) 1 = 0,0108 = 1,08 a.p. (ao período) Exemplo 10 (Hazzan e Pompeo, p. 61/62). Um investidor aplicou $ ,00 em um RDB pós-fixado de 120 dias, cuja remuneração era dada por CM + 15% a.a. (correção monetária mais 15% a.a.). Pede-se: a) O montante bruto, sabendo-se que a taxa de correção monetária fi de 4% no período. b) O IR, sabendo-se que é igual a 22,5% do juro. c) O valor futuro líquido. d) A taxa líquida da operação. P = CM = 4% no período i = 15% a.a. n = 120 / 360 ano (ou 120 dias) IR = 22,5% a) capital corrigido = (0,04) = Valor Futuro Bruto = (1,15) 120 / 360 = ,15 b) IR = 0,225(13.075, ) = 241,91 c) Valor Futuro Líquido = F liq = ,15 241,91 = ,26 d) i liq = (12.833,26 / ) 1 = 0,0694 = 6,94% a.p. (ao período) Exercícios 12) Um investidor aplicou $ 8.000,00 em um CDB prefixado de 30 dias. Sabendo-se que a taxa bruta da operação foi de 16% a.a., pede-se: a) O montante bruto. b) O IR, sabendo-se que é igual a 22,5% do juro. c) O valor futuro líquido. d) A taxa líquida da operação no período.

12 13) Resolva o exercício anterior considerando um prazo de 60 dias. 14) Resolva o exercício 12 considerando um prazo de 33 dias. 15) Um investidor pretende aplicar um capital em um RDB prefixado de 30 dias. Sabendo-se que ele pretende ganhar uma taxa líquida de 1,25% no período e que o imposto de renda é igual a 22,5% do juro, que taxa bruta anual deverá aceitar? 16) Resolva o exercício anterior considerando um prazo de 62 dias e uma taxa líquida de 1,8% no período. Valor Atual e Nominal em Juros Compostos Estes conceitos são análogos aos vistos em juros simples, e também sobre Descontos. Valor nominal (VN) de um compromisso é o valor do compromisso na data de seu vencimento. Valor atual (V) do compromisso (ou valor presente), em uma data anterior ao vencimento, é o valor que, aplicado a juros compostos a partir desta data até a data do vencimento, produz um montante igual ao valor nominal N. Chamando de 0 a data focal e sendo a data de vencimento do compromisso igual a n, teremos VN VA 0 Valor nominal e valor atual VA(1 + i) n = VN; VA = VN / (1 + i) n n Exemplo 11 Uma pessoa tem uma divida de $ ,00 vencível daqui a três meses. Qual seu valor atual hoje, considerando uma taxa de juros de 1,5% a.m.? VA = / (1,015) 3 = 9.563,17 Assim, se ela aplicar $ 9.563,17 hoje a 1,5% a.m., daqui a três meses terá um montante de $ ,00. Compra à Vista e Compra à Prazo Uma importante aplicação do conceito de valor atual é a análise da melhor decisão para um comprador frente à alternativas de pagamento à vista e à prazo. O procedimento consiste em calcular o valor atual do pagamento à prazo e compará-lo com o preço à vista. A melhor alternativa é a que produz o mínimo entre os valores comparados (também chamado preço econômico).

13 Exemplo 12 O que é melhor para um comprador: pagar um terreno por $ ,00 daqui a 50 dias ou pagar à vista com 3% de desconto sobre aquele preço? Suponha que o comprador consiga aplicar seu dinheiro à taxa de 1,4% a.m. no regime de juros compostos. Preço á vista = ,03(50.000) = Valor presente do pagamento a prazo = VA = / (1,014) 50/30 = ,74 Portanto, a melhor alternativa é pagar à vista - dado que < ,74. Exercícios (Hazzan e Pompeo, p. 65) 17) Uma dívida de $ ,00 vence daqui a cinco meses. Considerando uma taxa de juros de 1,3% a.m., obtenha seu valor atual nas seguintes datas: a) Hoje. b) Daqui a dois meses. c) Dois meses antes do vencimento. 18) Um equipamento é vendido por $ ,00 para pagamento daqui a dois meses. À vista há um desconto de 3,5%. Qual a melhor opção de pagamento para um comprador que consegue aplicar seu dinheiro à taxa de 1,8% a.m.? 19) Resolva o exercício anterior considerando a taxa de 1,4% a.m. Capitalização Composta com Taxas de Juros Variáveis Neste caso, a taxa varia a cada período, diferentemente das situações anteriores, onde a taxa era constante. A taxa acumulada de juros, correção monetária ou ambos com taxas variáveis é frequentemente aplicada para correções de valores de contratos, tais como a atualização do saldo devedor da casa própria, de aluguéis, etc. A fórmula do valor futuro quando a taxa varia em cada período é generalizada da seguinte forma: Considerando-se um capital P, aplicado a juros compostos e às seguintes taxas: i 1 no 1º período; i 2 no 2º período, i 3 no 3º período... i n no n-ésimo período Ao final do 1º período, o valor futuro será: F 1 = P + Pi 1 = P(1 + i 1 ) Ao final do 2º período, o valor futuro será: F 2 = F 1 + F 1 i 2 = F 1 (1 + i 2 ) = P(1 + i 1 )(1 + i 2 ) Ao final do 3º período, o valor futuro será: F 3 = F 2 + F 2 i 3 = F 2 (1 + i 3 ) = P(1 + i 1 )(1 + i 2 )(1 + i 3 ) Após n períodos, o valor futuro será F n = P(1 + i 1 )(1 + i 2 )(1 + i 3 )... (1 + i n )

14 A taxa acumulada no período é dada por: i AC = F n - 1 P Isto é: i AC = (1 + i 1 )(1 + i 2 )(1 + i 3 )... (1 + i n ) - 1 Exemplo 13 - (adaptado de Hazzan e Pompeo, p. 67) Em três anos consecutivos, um fundo de renda fixa rendeu 1,4%, 1,6% e 2,0%, respectivamente. Se o capital aplicado no início do primeiro mês foi de $10.000, pede-se: a) o valor futuro ao final do terceiro mês. b) A taxa de rentabilidade acumulada deste fundo no trimestre. a) F = (1,014)(1,016)(1,020) = ,28 b) i AC = (10.508,28 / ) 1 = 0, = 5,08% A taxa acumulada também poderia ser obtida por meio da fórmula i AC = (1,014)(1,016)(1,020) 1 = 0, = 5,08% MILONE (Matemática Financeira, Thomson, 2006, p. 119) destaca que há situações em que se convenciona que o capital será corrigido, mas os juros incidirão exclusivamente sobre o capital inicialmente aplicado, sem correção monetária. Nesse caso, tem-se: Montante ou valor futuro com juros sobre o capital histórico Capitalização simples Capitalização composta F = P (1 + j + in) F = P [ j + (1 + i) n ] onde F é o montante resgatado, P é o capital inicialmente aplicado, i é a taxa real de juros e j é a correção monetária do período. Exemplo 14 - (adaptado de Milone, p. 119/120) Qual o montante recebido em uma aplicação de $ ,00 por três meses à taxa de 2% a.m., além da variação do IPC do período, que foi respectivamente de 0,51%, 0,68% e 0,59%? Taxa de correção do período: j = 1,0051 x 1,0068 x 1, = 0, = 1,790510%

15 Supondo capitalização simples: F = P (1 + j + in) F = x (1 + 0, x 0,02) = $ ,05 Supondo capitalização composta: F = P [ j + (1 + i) n ] F = [0, (1 + 0,02) 3 ] = $ ,13 Taxa Acumulada de Empréstimos com Hot Money Sendo P o capital inicial, i 1, i 2, i 3..., i k as taxas vigentes em cada dia útil, e k o número de dias úteis considerados, queremos saber qual a taxa acumulada da operação no período considerado. Dado que as taxas são dadas mensalmente e a capitalização é diária, as taxas efetivas aos dias úteis considerados são: i 1 ; i 2 ; i 3... ; i k Conforme vimos anteriormente, a taxa acumulada da operação, no período considerado, é dada por: i AC = (1 + i 1 ) (1 + i 2 ) (1 + i 3 )... (1 + i n ) Exemplo 15 - (adaptado de Hazzan e Pompeo, p. 68) Em três dias úteis consecutivos, vigoraram as seguintes taxas em operações com hot money: 2,5%, 3,25% e 3,5%. Qual a taxa acumulada no período? i AC = (1 + 0,025) (1 + 0,0325) (1 + 0,035) - 1 = 0, = 0,3086% Exercícios adaptados (Hazzan e Pompeo p. 68) 20) Em janeiro e fevereiro, um fundo de renda fixa rendeu 2,1% e 2,3%, respectivamente. Se um investidor aplicou $ ,00 no início de janeiro: a) Qual seu montante dois meses depois? b) Qual a taxa de rentabilidade acumulada ao final do período? 21) Em janeiro, fevereiro e março, um fundo tipo carteira livre rendeu 2,7%, 1,9% e 0,98%, respectivamente. a) Qual a rentabilidade acumulada no período? b) Qual deveria ser a taxa de rentabilidade de abril para que o acumulado no quadrimestre fosse igual a 8%?

16 22) Se a taxa de 3,2% a.m. de uma operação de hot money vigorar por dez dias úteis consecutivos, qual a taxa acumulada no período? 23) Resolva o exercício anterior considerando que a taxa vigore por 22 dias úteis. 24) Uma taxa de hot money de 2,3% a.m., vigorando por 25 dias úteis, acumula que taxa? Operações em Dias Úteis e Taxa Over De acordo com Hazzan e Pompeo, muitos títulos públicos tem sua rentabilidade avaliada por dia útil; também os fundos de investimento em geral têm suas cotas divulgadas em dias úteis. As aplicações de dinheiro feitas entre instituições financeiras por meio de Certificados de Depósitos Interbancários CDI s, são realizadas considerando prazos em dias úteis; neste caso as taxas são fornecidas em termos anuais sendo convenção que o número de dias úteis do ano é equivalente a 252 (desde de 2000), ou 21 dias úteis ao mês. A taxa over mensal, por definição, é igual a 30 vezes a taxa por dia útil; esta é uma ampliação da taxa por dia útil, e serve para comparações entre rentabilidades e custos de empréstimos. Exemplo 16 (adaptado de Hazzan e Pompeo, p. 70) Uma LTN Letra do Tesouro Nacional, título com rendimento prefixado com valor de face (ou de resgate) igual a $ 1.000,00 é adquirido por um banco 25 dias antes de seu vencimento por $ 983,00. a) Qual a taxa de rendimento do título no período? b) Qual a taxa de rendimento do papel por dia útil, sabendo-se que há no período, 18 dias úteis? c) Qual a taxa over mensal de rentabilidade do papel? a) a taxa de rendimento no período é: i = / = 0,0173 = 1,73% a.p. b) Sendo i a taxa por dia útil, o prazo n deve ser dado em dias úteis (no caso, n = 18). Temos: = 983(1 + i) 18 (1 + i) 18 = 1, (1 + i) = (1,017294) 1/18 i = (1,017294) 1/18-1 = 0, = 0,0953% a.d.u (ao dia útil) c) taxa over mensal: 30 (0,0953%) = 2,859% a.m. Exemplo 17 (Hazzan e Pompeo, p. 71) Uma instituição financeira aplicou $ em um CDI de outra instituição por um dia útil à taxa de 19% a.a. (ano de 252 dias úteis). a) Qual o montante? b) Qual a taxa efetiva por dia útil e qual a taxa over mensal correspondente?

17 a) F = (1,19) 1/252 = ,58 b) i = ( ,58 / ) - 1 = 0, = 0,0691% a.d.u. (ao dia útil) Taxa over mensal = 30(0,0691%) = 2,073% a.m. Taxa Over SELIC O Sistema Especial de Liquidação e Custódia (Selic) foi criado para registrar e controlar eletronicamente as operações com títulos públicos federais, os quais são vendidos em leilões formais realizados pelo Banco Central em um chamado mercado primário, no qual participam Bancos Comerciais e Múltiplos, Corretoras, Distribuidoras, Financeiras e Bancos de Investimento. A liquidação financeira é realizada no mesmo dia na conta de Reservas Bancárias. Também existe o mercado secundário, onde as insitituições financerias negociam entre si os títulos adquiridos no mercado primário. A taxa Selic é a taxa média dessas operações. É dada diariamente (em dias úteis) e expressa ao ano com base em 252 dias úteis. Exemplo Se o valor de um LFT (Letra Financeira do Tesouro) for de $ 1.175,48 em um determinado dia e a taxa Selic for de 15,25% a.a. (ano de 252 dias úteis), qual o valor da LFT no dia seguinte? O valor da LFT será dado por 1.175,48(1,1525) 1/252 = 1.176,14

Matemática Financeira

Matemática Financeira Matemática Financeira Aula 02 Juros Simples, Descontos Simples e Juros Compostos Prof.Dr. Edmilson J.T. Manganote Juros Simples Fórmula do Juros Simples e Montante S P 1 i n Taxas Equivalentes i i 1 2

Leia mais

MATEMÁTICA FINANCEIRA PROF. DANIEL DE SOUZA INTRODUÇÃO:

MATEMÁTICA FINANCEIRA PROF. DANIEL DE SOUZA INTRODUÇÃO: 1 MATEMÁTICA FINANCEIRA PROF. DANIEL DE SOUZA INTRODUÇÃO: O PRINCIPAL CONCEITO QUE ORIENTARÁ TODO O NOSSO RACIOCÍNIO AO LONGO DESTE CURSO É O CONCEITO DO VALOR DO DINHEIRO NO TEMPO. EMPRÉSTIMOS OU INVESTIMENTOS

Leia mais

MATEMÁTICA FINANCEIRA Professor Fábio Maia. AULA 1 - Juros Simples. Formulário: Juros Simples: j = C.i.n e Montante: M = C. (1 + i.

MATEMÁTICA FINANCEIRA Professor Fábio Maia. AULA 1 - Juros Simples. Formulário: Juros Simples: j = C.i.n e Montante: M = C. (1 + i. MATEMÁTICA FINANCEIRA Professor Fábio Maia AULA 1 - Juros Simples Juros Simples é o processo financeiro onde apenas o principal rende juros, isto é, os juros são diretamente proporcionais ao capital empregado.

Leia mais

FACULDADE DE TECNOLOGIA DE MOCOCA. Av. Dr. Américo Pereira Lima, S/Nº Jardim Lavínia Mococa/SP CEP 13736-260 (19) 3656-5559

FACULDADE DE TECNOLOGIA DE MOCOCA. Av. Dr. Américo Pereira Lima, S/Nº Jardim Lavínia Mococa/SP CEP 13736-260 (19) 3656-5559 FACULDADE DE TECNOLOGIA DE MOCOCA Curso: Informática Informática Gestão de Negócios. Disciplina: Administração Financeira e Orçamentária. Professor(a): Darlan Marcelo Delgado. Lista de Exercícios:. Conteúdo

Leia mais

UNIDADE Capitalização composta

UNIDADE Capitalização composta UNIDADE 2 Capitalização composta Capitalização composta Curso de Graduação em Administração a Distância Objetivo Nesta Unidade, você vai ser levado a: calcular o montante, taxas equivalentes, nominal e

Leia mais

mat fin 2008/6/27 13:15 page 53 #50

mat fin 2008/6/27 13:15 page 53 #50 mat fin 2008/6/27 13:15 page 53 #50 Aula 4 DESCONTO NA CAPITALIZAÇ ÃO SIMPLES O b j e t i v o s Ao final desta aula, você será capaz de: 1 entender o conceito de desconto; 2 entender os conceitos de valor

Leia mais

UNIDADE Correção monetária

UNIDADE Correção monetária UNIDADE 5 Correção monetária Correção monetária Curso de Graduação em Administração a Distância Objetivo Nesta Unidade, você vai estudar: o conceito de inflação, bem como o conceito de correção monetária;

Leia mais

Elementos de Análise Financeira Juros Compostos Profa. Patricia Maria Bortolon

Elementos de Análise Financeira Juros Compostos Profa. Patricia Maria Bortolon Elementos de Análise Financeira Juros Compostos Juros Compostos Os juros formados em cada período são acrescidos ao capital formando o montante (capital mais juros) do período. Este montante passará a

Leia mais

O mercado monetário. Mercado Financeiro - Prof. Marco Arbex. Os mercados financeiros são subdivididos em quatro categorias (ASSAF NETO, 2012):

O mercado monetário. Mercado Financeiro - Prof. Marco Arbex. Os mercados financeiros são subdivididos em quatro categorias (ASSAF NETO, 2012): O mercado monetário Prof. Marco A. Arbex marco.arbex@live.estacio.br Blog: www.marcoarbex.wordpress.com Os mercados financeiros são subdivididos em quatro categorias (ASSAF NETO, 2012): Mercado Atuação

Leia mais

22.5.1. Data de Equivalência no Futuro... 22.5.2. Data de Equivalência no Passado... 2. 22.5. Equivalência de Capitais Desconto Comercial...

22.5.1. Data de Equivalência no Futuro... 22.5.2. Data de Equivalência no Passado... 2. 22.5. Equivalência de Capitais Desconto Comercial... Aula 22 Juros Simples. Montante e juros. Descontos Simples. Equivalência Simples de Capital. Taxa real e taxa efetiva. Taxas equivalentes. Capitais equivalentes. Descontos: Desconto racional simples e

Leia mais

Administração - UniFAI

Administração - UniFAI CENTRO UNIVERSITÁRIO ASSUNÇÃO UniFAI Matemática Financeira Exercícios - Parte II Desconto de Títulos de Crédito Desconto de um Conjunto de Títulos 1 Desconto de Títulos de Crédito 1) Calcular o desconto

Leia mais

Banco do Brasil + BaCen

Banco do Brasil + BaCen 1. TAXA Taxa [ i ] é um valor numérico de referência, informado por uma das notações: Forma percentual, p.ex. 1%. Forma unitária, p.ex. 0,01 Forma fracionária centesimal, p.ex. 1/100. Ambos representam

Leia mais

Título : B2 Matemática Financeira. Conteúdo :

Título : B2 Matemática Financeira. Conteúdo : Título : B2 Matemática Financeira Conteúdo : A maioria das questões financeiras é construída por algumas fórmulas padrão e estratégias de negócio. Por exemplo, os investimentos tendem a crescer quando

Leia mais

JUROS SIMPLES. Onde: n é o número de períodos (number of periods) ou prazo em dias; i é o índice da taxa de juros (index) anual;

JUROS SIMPLES. Onde: n é o número de períodos (number of periods) ou prazo em dias; i é o índice da taxa de juros (index) anual; curso completo de CALCULADORA HP-12C - 3 JUROS SIMPLES Além dos registradores X (visor), Y, Z e W, discutidos no capítulo anterior, vimos também que a calculadora HP-12C apresenta os registradores financeiros,

Leia mais

Lista de Exercícios 1

Lista de Exercícios 1 Universidade Federal do Paraná Curso de Engenharia Elétrica Disciplina de Engenharia Econômica TE142 2º Semestre de 2011 Professor James Alexandre Baraniuk Lista de Exercícios 1 1. Um jovem de 20 anos

Leia mais

MATEMÁTICA FINANCEIRA - ADMINISTRAÇÃO

MATEMÁTICA FINANCEIRA - ADMINISTRAÇÃO MATEMÁTICA FINANCEIRA - ADMINISTRAÇÃO DESCONTO 1) Determinar o desconto por fora sofrido por uma letra de R$ 5.000,00 à taxa de 5% aa, descontada 5 anos antes de seu vencimento. Resp: R$ 1.250,00 2) Uma

Leia mais

UNIDADE DESCENTRALIZADA NOVA IGUAÇU - RJ ENGENHARIA ECONÔMICA E FINANCEIRA

UNIDADE DESCENTRALIZADA NOVA IGUAÇU - RJ ENGENHARIA ECONÔMICA E FINANCEIRA PARTE I 1 1) Calcular a taxa de juros trimestral proporcional às seguintes taxas: a) 24% ao ano. b) 36% ao biênio c) 6% ao semestre 2) Determinar a taxa de juros anual proporcional, das as seguintes taxas:

Leia mais

captação de recursos empréstimos financiamento.

captação de recursos empréstimos financiamento. Instrumentos utilizados pelas instituições financeiras para captação de recursos (funding) que serão utilizados nas operações de empréstimos e financiamento. 1 O cliente entrega os recursos ao banco, sendo

Leia mais

Prof. Diogo Miranda. Matemática Financeira

Prof. Diogo Miranda. Matemática Financeira 1. Uma alternativa de investimento possui um fluxo de caixa com um desembolso de R$ 10.000,00, no início do primeiro mês, Outro desembolso, de R$ 5.000,00, ao final do primeiro mês, e duas entradas líquidas

Leia mais

Pra que serve a Matemática Financeira? AVALIAÇÃO DE PROJETOS DE INVESTIMENTOS MATEMÁTICA FINANCEIRA 20/01/2016. Danillo Tourinho Sancho da Silva, MSc

Pra que serve a Matemática Financeira? AVALIAÇÃO DE PROJETOS DE INVESTIMENTOS MATEMÁTICA FINANCEIRA 20/01/2016. Danillo Tourinho Sancho da Silva, MSc AVALIAÇÃO DE PROJETOS DE INVESTIMENTOS Danillo Tourinho Sancho da Silva, MSc MATEMÁTICA FINANCEIRA Danillo Tourinho Sancho da Silva, MSc Pra que serve a Matemática Financeira? 1 NOÇÕES GERAIS SOBRE A MATEMÁTICA

Leia mais

Aula 04 Matemática Financeira. Equivalência de Capitais a Juros Compostos

Aula 04 Matemática Financeira. Equivalência de Capitais a Juros Compostos Aula 04 Matemática Financeira Equivalência de Capitais a Juros Compostos Introdução O conceito de equivalência permite transformar formas de pagamentos (ou recebimentos) em outras equivalentes e, consequentemente,

Leia mais

Capital = 100 Juros simples Juros compostos Nº de anos Montante simples Montante composto

Capital = 100 Juros simples Juros compostos Nº de anos Montante simples Montante composto Juros compostos Cada período, os juros são incorporados ao principal e passam, por sua vez, a render juros. Também conhecido como juros sobre juros. Vamos ilustrar a diferença entre os crescimentos de

Leia mais

MATEMÁTICA FINANCEIRA

MATEMÁTICA FINANCEIRA MATEMÁTICA FINANCEIRA AUTORIA: Prof Edgar Abreu CONTEÚDOS DE MATEMÁTICA FINANCEIRA EDITAL 2010 DA CEF 1. Funções exponenciais e logarítmicas. 2. Noções de probabilidade e estatística. Juros simples e compostos:

Leia mais

GABARITO DOS EXERCÍCIOS EXERCÍCIOS PROPOSTOS (Fator de Acumulação de Capital Pagamento Simples)

GABARITO DOS EXERCÍCIOS EXERCÍCIOS PROPOSTOS (Fator de Acumulação de Capital Pagamento Simples) Bertolo MATEMÁTICA FINANCEIRA Gab_fin2 1 GABARITO DOS EXERCÍCIOS EXERCÍCIOS PROPOSTOS (Fator de Acumulação de Capital Pagamento Simples) 1. Uma pessoa toma R$ 30.000,00 emprestados, a juros de 3% ao mês,

Leia mais

CAIXA ECONOMICA FEDERAL

CAIXA ECONOMICA FEDERAL JUROS SIMPLES Juros Simples comercial é uma modalidade de juro calculado em relação ao capital inicial, neste modelo de capitalização, os juros de todos os períodos serão sempre iguais, pois eles serão

Leia mais

AFC/2005 Resolução da prova de Matemática Financeira

AFC/2005 Resolução da prova de Matemática Financeira 12/02/2006 AFC/2005 Resolução da prova de Matemática Financeira Questão 11. Marcos descontou um título 45 dias antes de seu vencimento e recebeu R$370.000,000. A taxa de desconto comercial simples foi

Leia mais

MATEMÁTICA FINANCEIRA E ANÁLISE DE INVESTIMENTO AULA 02: CAPITALIZAÇÃO, DESCONTO E FLUXO DE CAIXA TÓPICO 01: CAPITALIZAÇÃO SIMPLES E COMPOSTA CAPITALIZAÇÃO SIMPLES CONCEITO Na capitalização simples, os

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA MATEMÁTICA FINANCEIRA MAT 191 PROFESSORES: ENALDO VERGASTA, GLÓRIA MÁRCIA, JODÁLIA ARLEGO

UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA MATEMÁTICA FINANCEIRA MAT 191 PROFESSORES: ENALDO VERGASTA, GLÓRIA MÁRCIA, JODÁLIA ARLEGO UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA MATEMÁTICA FINANCEIRA MAT 191 PROFESSORES: ENALDO VERGASTA, GLÓRIA MÁRCIA, JODÁLIA ARLEGO LISTA 2 1) Um título, com valor de face igual a $1.000,00,

Leia mais

Títulos de Crédito títulos de crédito formalizar dívidas que serão pagas no futuro prazo previamente estipulado ativos financeiros vendê-los por

Títulos de Crédito títulos de crédito formalizar dívidas que serão pagas no futuro prazo previamente estipulado ativos financeiros vendê-los por Desconto Simples Títulos de Crédito Os títulos de crédito são instrumentos legais previstos no direito comercial (contratos) e são usados para formalizar dívidas que serão pagas no futuro, em prazo previamente

Leia mais

Os juros podem ser capitalizados segundo dois regimes: simples ou compostos.

Os juros podem ser capitalizados segundo dois regimes: simples ou compostos. 1/7 3. Modelos de capitalização simples 4. Modelos de capitalização composta Conceitos básicos A Matemática Financeira é uma ferramenta útil na análise de algumas alternativas de investimentos ou financiamentos

Leia mais

MATEMÁTICA FINANCEIRA BÁSICA

MATEMÁTICA FINANCEIRA BÁSICA UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS - UNICAMP INSTITUTO DE FILOSOFIA E CIÊNCIAS HUMANAS - IFCH DEPARTAMENTO DE ECONOMIA E PLANEJAMENTO ECONÔMICO - DEPE CENTRO TÉCNICO ECONÔMICO DE ASSESSORIA EMPRESARIAL

Leia mais

INTRODUÇÃO: JURO FATOR DE FORMAÇÃO DE JURO. VJ = VA x j. *Taxa de juro na forma unitária j=10% => j= 10/100 => j= 0,1

INTRODUÇÃO: JURO FATOR DE FORMAÇÃO DE JURO. VJ = VA x j. *Taxa de juro na forma unitária j=10% => j= 10/100 => j= 0,1 2 INTRODUÇÃO: O principal conceito que orientará todo o nosso raciocínio ao longo deste curso é o conceito do valor do dinheiro no tempo. Empréstimos ou investimentos realizados no presente terão seu valor

Leia mais

Investtop www.investtop.com.br

Investtop www.investtop.com.br 1 Conteúdo Introdução... 4 CDB... 6 O que é CDB?...6 Liquidez...6 Tributação...6 Riscos...7 Dicas...7 Vantagens...7 Letra de Crédito do Imobiliário (LCI)... 9 O que é LCI?...9 Liquidez...9 Tributação...9

Leia mais

MINICURSO DE MATEMÁTICA FINANCEIRA NO DIA A DIA

MINICURSO DE MATEMÁTICA FINANCEIRA NO DIA A DIA PORCENTAGEM MINICURSO DE MATEMÁTICA FINANCEIRA NO DIA A DIA Quando é dito que 40% das pessoas entrevistadas votaram no candidato A, esta sendo afirmado que, em média, de cada pessoas, 40 votaram no candidato

Leia mais

MATEMÁTICA FINANCEIRA COM O USO DA CALCULADORA HP 12.C CADERNO DE EXERCÍCIOS

MATEMÁTICA FINANCEIRA COM O USO DA CALCULADORA HP 12.C CADERNO DE EXERCÍCIOS MATEMÁTICA FINANCEIRA COM O USO DA CALCULADORA HP 12.C CADERNO DE EXERCÍCIOS Parte integrante do curso Conhecendo a Calculadora HP 12C Prof. Geraldo Peretti. Página 1 Cálculos aritméticos simples. A) (3

Leia mais

Matemática Financeira

Matemática Financeira A Matemática Financeira é uma ferramenta útil na análise de algumas alternativas de investimentos ou financiamentos de bens de consumo. Consiste em empregar procedimentos matemáticos para simplificar a

Leia mais

Prof. Luiz Felix. Unidade I

Prof. Luiz Felix. Unidade I Prof. Luiz Felix Unidade I MATEMÁTICA FINANCEIRA Matemática financeira A Matemática Financeira estuda o comportamento do dinheiro ao longo do tempo. Do ponto de vista matemático, um determinado valor a

Leia mais

GABARITO DOS EXERCÍCIOS

GABARITO DOS EXERCÍCIOS Bertolo 18/2/2006 MATEMÁTICA FINANCEIRA Gab_fin1 PAG.1 GABARITO DOS EXERCÍCIOS EXERCÍCIOS PROPOSTOS (Juros Simples) 1.Calcule o montante de uma aplicação de R$ 50.000,00, à taxa de 2,5% ao mês, durante

Leia mais

Prof. Eugênio Carlos Stieler

Prof. Eugênio Carlos Stieler http://www.unemat.br/eugenio DESCONTOS CONCEITO A chamada operação de desconto normalmente é realizada quando se conhece o valor futuro de um título (valor nominal, valor de face ou valor de resgate) e

Leia mais

i ano = 2 x i semestre = 4 x i trimestre = 6 x i bimestre = 12 x i mês = 360 x i dia

i ano = 2 x i semestre = 4 x i trimestre = 6 x i bimestre = 12 x i mês = 360 x i dia que se aplicado a uma taxa de juros de 60% ao ano, por um período de um ano. Podemos representá-las da seguinte forma: MATEMÁTICA FINANCEIRA BANRISUL PEDRÃO AULA 05/10 Taxas de juros Antes de iniciarmos

Leia mais

Comentário Geral: Prova dentro dos padrões da banca examinadora. Questões fáceis: 6 Questões medianas: 2 Questões difíceis: 0

Comentário Geral: Prova dentro dos padrões da banca examinadora. Questões fáceis: 6 Questões medianas: 2 Questões difíceis: 0 Comentário Geral: Prova dentro dos padrões da banca examinadora. Questão passível de anulação: 27 Porém, não acredito que a banca anulará, veja o comentário Questões fáceis: 6 Questões medianas: 2 Questões

Leia mais

Disciplina de Matemática Financeira Curso Técnico em Finanças Profª Valéria Espíndola Lessa APOSTILA 1

Disciplina de Matemática Financeira Curso Técnico em Finanças Profª Valéria Espíndola Lessa APOSTILA 1 Disciplina de Matemática Financeira Curso Técnico em Finanças Profª Valéria Espíndola Lessa APOSTILA 1 Juros Simples Juros Compostos Desconto Simples Desconto Composto Erechim, 2014 INTRODUÇÃO A MATEMÁTICA

Leia mais

Existe uma diferença entre o montante (S) e a aplicação (P) que é denominada de remuneração, rendimento ou juros ganhos.

Existe uma diferença entre o montante (S) e a aplicação (P) que é denominada de remuneração, rendimento ou juros ganhos. Módulo 3 JUROS SIMPLES 1. Conceitos Iniciais 1.1. Juros Juro é a remuneração ou aluguel por um capital aplicado ou emprestado, o valor é obtido pela diferença entre dois pagamentos, um em cada tempo, de

Leia mais

Conceitos de: juro, capital, taxa de juros, montante e capitalização simples

Conceitos de: juro, capital, taxa de juros, montante e capitalização simples UFS FM DEPARTAMENTO DE MATEMÁTIA MTM 5151 MATEMÁTIA FINAEIRA I PROF. FERNANDO GUERRA. UNIDADE 1 JUROS SIMPLES onceitos de: juro, capital, taxa de juros, montante e capitalização simples Juro j É uma compensação

Leia mais

CIÊNCIAS CONTÁBEIS MATEMATICA FINANCEIRA JUROS SIMPLES

CIÊNCIAS CONTÁBEIS MATEMATICA FINANCEIRA JUROS SIMPLES DEFINIÇÕES: CIÊNCIAS CONTÁBEIS MATEMATICA FINANCEIRA JUROS SIMPLES Taxa de juros: o juro é determinado através de um coeficiente referido a um dado intervalo de tempo. Ele corresponde à remuneração da

Leia mais

JUROS SIMPLES - EXERCÍCIOS PARA TREINAMENTO - LISTA 02

JUROS SIMPLES - EXERCÍCIOS PARA TREINAMENTO - LISTA 02 JUROS SIMPLES - EXERCÍCIOS PARA TREINAMENTO - LISTA 0 01. Calcular a taxa mensal proporcional de juros de: a) 14,4% ao ano; b) 6,8% ao quadrimestre; c) 11,4% ao semestre; d) 110,4% ao ano e) 54,7% ao biênio.

Leia mais

Para o cálculo dos juros siga corretamente este roteiro:

Para o cálculo dos juros siga corretamente este roteiro: Juro Simples Juro: é a remuneração do capital emprestado, podendo ser entendido, de forma simplificada, como sendo o aluguel pago pelo uso do dinheiro. Capital: qualquer valor expresso em moeda e disponível

Leia mais

MATEMÁTICA FINANCEIRA

MATEMÁTICA FINANCEIRA Roberto César Faria e Silva MATEMÁTICA FINANCEIRA Aluno: SUMÁRIO 1. CONCEITOS 2 2. JUROS SIMPLES 3 Taxa Efetiva e Proporcional 10 Desconto Simples 12 Desconto Comercial, Bancário ou Por Fora 13 Desconto

Leia mais

F=1.038,50. F = P. (1+i) n F=1.000(1+0,12) 4/12. F = P. (1+i) n J=F-P J=1.000(1+0,02) 12 1.000 = 268,24

F=1.038,50. F = P. (1+i) n F=1.000(1+0,12) 4/12. F = P. (1+i) n J=F-P J=1.000(1+0,02) 12 1.000 = 268,24 1 Quais serão os juros pagos pelo empréstimo de $1. durante um ano a uma taxa de 2% am? P=1. i=2%am n=1 ano(=12meses) F = P. (1+i) n J=F-P J=1.(1+,2) 12 1. = 268,24 3 Qual será o montante pago pelo empréstimo

Leia mais

Matemática Régis Cortes JURO SIMPLES

Matemática Régis Cortes JURO SIMPLES JURO SIMPLES 1 Juros é o rendimento de uma aplicação financeira, valor referente ao atraso no pagamento de uma prestação ou a quantia paga pelo empréstimo de um capital. Atualmente, o sistema financeiro

Leia mais

DISCIPLINA: ECONOMIA DA ENGENHARIA I Professor JORGE JUNIOR E.MAIL: jjuniorsan@ceunes.ufes.br

DISCIPLINA: ECONOMIA DA ENGENHARIA I Professor JORGE JUNIOR E.MAIL: jjuniorsan@ceunes.ufes.br UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO CENTRO UNIVERSITÁRIO NORTE DO ESPÍRITO SANTO DISCIPLINA: ECONOMIA DA ENGENHARIA I Professor JORGE JUNIOR E.MAIL: jjuniorsan@ceunes.ufes.br Apostila integralmente

Leia mais

Matemática Régis Cortes. JURO composto

Matemática Régis Cortes. JURO composto JURO composto 1 O atual sistema financeiro utiliza o regime de juros compostos, pois ele oferece uma maior rentabilidade se comparado ao regime de juros simples, onde o valor dos rendimentos se torna fixo,

Leia mais

JURO COMPOSTO. Juro composto é aquele que em cada período financeiro, a partir do segundo, é calculado sobre o montante relativo ao período anterior.

JURO COMPOSTO. Juro composto é aquele que em cada período financeiro, a partir do segundo, é calculado sobre o montante relativo ao período anterior. JURO COMPOSTO No regime de capitalização simples, o juro produzido por um capital é sempre o mesmo, qualquer que seja o período financeiro, pois ele é sempre calculado sobre o capital inicial, não importando

Leia mais

RESOLUÇÃO DAS QUESTÕES. Disponibilizo abaixo a resolução resumida das questões dos cargos 4 e 5 da prova da ANTAQ.

RESOLUÇÃO DAS QUESTÕES. Disponibilizo abaixo a resolução resumida das questões dos cargos 4 e 5 da prova da ANTAQ. RESOLUÇÃO DAS QUESTÕES Caro aluno, Disponibilizo abaixo a resolução resumida das questões dos cargos 4 e 5 da prova da ANTAQ. Caso você entenda que cabe recurso em relação a alguma questão, não hesite

Leia mais

Elementos de Análise Financeira Reciprocidade Bancária e Taxas Over Profa. Patricia Maria Bortolon

Elementos de Análise Financeira Reciprocidade Bancária e Taxas Over Profa. Patricia Maria Bortolon Elementos de Análise Financeira Reciprocidade Bancária e Taxas Over Fonte: Assaf Neto (2009), Matemática Financeira e Suas Aplicações, Cap. 6 Reciprocidade Bancária São exigências estabelecidas pelas instituições

Leia mais

MATEMÁTICA FINANCEIRA

MATEMÁTICA FINANCEIRA MATEMÁTICA FINANCEIRA Conceitos básicos A Matemática Financeira é uma ferramenta útil na análise de algumas alternativas de investimentos ou financiamentos de bens de consumo. Consiste em empregar procedimentos

Leia mais

MATEMÁTICA FINANCEIRA COM HP 12C E EXCEL

MATEMÁTICA FINANCEIRA COM HP 12C E EXCEL MATEMÁTICA FINANCEIRA COM HP 12C E EXCEL SOLUÇÕES COMPLETAS DE QUESTÕES E EXERCÍCIOS ADRIANO LEAL BRUNI E RUBENS FAMÁ 5ª EDIÇÃO ATLAS 2010 1 APRESENTAÇÃO Este texto apresenta as respostas da questões e

Leia mais

Matemática Financeira Aplicada. www.adrianoparanaiba.com.br

Matemática Financeira Aplicada. www.adrianoparanaiba.com.br Matemática Financeira Aplicada www.adrianoparanaiba.com.br Conceitos Básicos - Juros Simples - Juros Composto Juros Simples: J = C x i x n M = C + J Juros Compostos M = C x (1 + i) n J = M C Exemplo: Aplicação

Leia mais

PRINCIPAIS DÚVIDAS SOBRE TESOURO DIRETO 4ª EDIÇÃO

PRINCIPAIS DÚVIDAS SOBRE TESOURO DIRETO 4ª EDIÇÃO AS 10 PRINCIPAIS DÚVIDAS SOBRE TESOURO DIRETO 4ª EDIÇÃO Olá, Investidor. Esse projeto foi criado por Bruno Lacerda e Rafael Cabral para te ajudar a alcançar mais rapidamente seus objetivos financeiros.

Leia mais

UNIDADE. Noções de análise de investimentos

UNIDADE. Noções de análise de investimentos UNIDADE 6 Noções de análise de investimentos Curso de Graduação em Administração a Distância Objetivo Nesta Unidade, você vai descrever e aplicar os dois mais importantes métodos de avaliação de projetos

Leia mais

INTRODUÇÃO À MATEMÁTICA FINANCEIRA

INTRODUÇÃO À MATEMÁTICA FINANCEIRA INTRODUÇÃO À MATEMÁTICA FINANCEIRA SISTEMA MONETÁRIO É o conjunto de moedas que circulam num país e cuja aceitação no pagamento de mercadorias, débitos ou serviços é obrigatória por lei. Ele é constituído

Leia mais

Prof. Cid Roberto. Spread. Operações passivas. Operações ativas. Operações acessórias. Conhecimentos Bancários e Atualidades do Mercado Financeiro

Prof. Cid Roberto. Spread. Operações passivas. Operações ativas. Operações acessórias. Conhecimentos Bancários e Atualidades do Mercado Financeiro Conhecimentos Bancários e Atualidades do Mercado Financeiro Mercado Financeiro Prof. Cid Roberto Grupo Conhecimentos Bancários no Google http://goo.gl/gbkij Comunidade Conhecimentos Bancários (orkut) http://goo.gl/4a6y7

Leia mais

NOTAS DE AULA. Introdução à Matemática Financeira. Prof. Dr. Silvio Alexandre de Araujo

NOTAS DE AULA. Introdução à Matemática Financeira. Prof. Dr. Silvio Alexandre de Araujo NOTAS DE AULA Introdução à Matemática Financeira Prof. Dr. Silvio Alexandre de Araujo 2 CONTEÚDO PROGRAMÁTICO 1. Juros simples 2. Juros compostos 3. Séries periódicas uniformes 4. Planos de amortização

Leia mais

Por juros entende-se toda e qualquer remuneração de um capital.

Por juros entende-se toda e qualquer remuneração de um capital. 2 Por juros entende-se toda e qualquer remuneração de um capital. Pode ser entendido também como o pagamento de um indivíduo pelo uso do capital de outro. O uso do capital pode ser realizado através de

Leia mais

Por juros entende-se toda e qualquer remuneração de um capital.

Por juros entende-se toda e qualquer remuneração de um capital. Por juros entende-se toda e qualquer remuneração de um capital. Pode ser entendido também como o pagamento de um indivíduo pelo uso do capital de outro. O uso do capital pode ser realizado através de um

Leia mais

Juros APOSTILA DE MATEMÁTICA FINANCEIRA: PROF. ALBERTO. APOSTILA ESPECIAL DE MATEMÁTICA FINANCEIRA Profº Alberto CONSIDERAÇÕES INICIAIS

Juros APOSTILA DE MATEMÁTICA FINANCEIRA: PROF. ALBERTO. APOSTILA ESPECIAL DE MATEMÁTICA FINANCEIRA Profº Alberto CONSIDERAÇÕES INICIAIS APOSTILA DE MATEMÁTICA FINANCEIRA: PROF. ALBERTO Taxa de juros: relação percentual entre os juros cobrados, por unidade de tempo, e o capital [principal] emprestado. CONSIDERAÇÕES INICIAIS Montante: capital

Leia mais

Matemática Profª Valéria Lanna

Matemática Profª Valéria Lanna Matemática Profª Valéria Lanna Para responder a questão 01, utilize os dados da tabela abaixo, que apresenta as freqüências acumuladas das notas de 20 alunos entre 14 e 20 pontos. Notas (em pontos) Frequência

Leia mais

REGIME DE CAPTALIZAÇÃO COMPOSTA

REGIME DE CAPTALIZAÇÃO COMPOSTA REGIME DE CAPTALIZAÇÃO COMPOSTA No regime de Capitalização Composta, os juros prodzidos ao final de um dado período n se agregam ao capital, passando ambos a integrar a nova base de cálculo para o período

Leia mais

Resolução da prova de Matemática Financeira AFRF/2005 Prova 1-Tributária e Aduaneira-Inglês

Resolução da prova de Matemática Financeira AFRF/2005 Prova 1-Tributária e Aduaneira-Inglês 19/12/2005 Resolução da prova de Matemática Financeira AFRF/2005 Prova 1-Tributária e Aduaneira-Inglês Questão 31. Ana quer vender um apartamento por R$400.000,00 à vista ou financiado pelo sistema de

Leia mais

Amilton Dalledone Filho Glower Lopes Kujew

Amilton Dalledone Filho Glower Lopes Kujew 1 Matemática Financeira Amilton Dalledone Filho Glower Lopes Kujew O mundo globalizado nos mostra cada vez mais a necessidade de informações e, para tanto, é necessário o conhecimento básico que possibilita

Leia mais

ADM020 Matemática Financeira

ADM020 Matemática Financeira Sumário 1. Objetivo da Aula 13 ADM020 Matemática Financeira 2. CDB e RDB 3. Debêntures 4. Obrigações Produtos do mercado financeiro ADM020 Matemática Financeira Aula 13 29/11/2009 2 2. Objetivo da Aula

Leia mais

TÍTULOS PÚBLICOS. Tesouro Direto

TÍTULOS PÚBLICOS. Tesouro Direto TÍTULOS PÚBLICOS Tesouro Direto Tesouro Direto Conheça esta alternativa de investimento em renda fixa. O produto O Tesouro Direto é uma alternativa de investimento em que o investidor sabe, no momento

Leia mais

Gabarito das Autoatividades MATEMÁTICA FINANCEIRA (ADMINISTRAÇÃO/CIÊNCIAS CONTÁBEIS) 2010/2 Módulo II

Gabarito das Autoatividades MATEMÁTICA FINANCEIRA (ADMINISTRAÇÃO/CIÊNCIAS CONTÁBEIS) 2010/2 Módulo II Gabarito das utoatividades (DSÇÃO/ÊS OBS) 2010/2 ódulo USSLV D GBO DS UOVDDS GBO DS UOVDDS D 3 UDD 1 ÓPO 1 1 Defina a atemática inanceira..: atemática inanceira é uma disciplina que estuda o valor do

Leia mais

3. JUROS SIMPLES. i 100

3. JUROS SIMPLES. i 100 Matemática Financeira com a Calculadora HP -12C 23 3. JUROS SIMPLES 3.1 INTRODUÇÃO 5 10 15 20 Como vimos no Capítulo 1, juros simples apresentam uma grande vantagem operacional sobre os compostos. Isso

Leia mais

O USO DO EXCEL PARA RESOLVER PROBLEMAS DE OPERAÇÕES FINANCEIRAS

O USO DO EXCEL PARA RESOLVER PROBLEMAS DE OPERAÇÕES FINANCEIRAS CINTED-UFRGS Novas Tecnologias na Educação O USO DO EXCEL PARA RESOLVER PROBLEMAS DE OPERAÇÕES FINANCEIRAS Maria Lucia Pozzatti Flores* Mestre em Engenharia de Produção. Professora da Ulbra-SM. Aluna especial

Leia mais

Componente Curricular: Matemática Financeira Professor: Jarbas Thaunahy

Componente Curricular: Matemática Financeira Professor: Jarbas Thaunahy Componente Curricular: Matemática Financeira Professor: Jarbas Thaunahy 1. (MDIC 2002 ESAF) Um contrato prevê que aplicações iguais sejam feitas mensalmente em uma conta durante doze meses com o objetivo

Leia mais

JUROS SIMPLES 23/08/2015. Módulo II Capitalização Simples. CAPITALIZAÇÃO SIMPLES Juro Fórmulas Derivadas. Danillo Tourinho S. da Silva, M.Sc.

JUROS SIMPLES 23/08/2015. Módulo II Capitalização Simples. CAPITALIZAÇÃO SIMPLES Juro Fórmulas Derivadas. Danillo Tourinho S. da Silva, M.Sc. Módulo II Capitalização Simples Danillo Tourinho S. da Silva, M.Sc. CAPITALIZAÇÃO SIMPLES Juro Fórmulas Derivadas JUROS SIMPLES O regime de juros será simples quando o percentual de juros incidir apenas

Leia mais

Conceitos Básicos 09/10/2015. Módulo IV Capitalização Composta. CAPITALIZAÇÃO COMPOSTA Montante e Juro Fórmulas Derivadas

Conceitos Básicos 09/10/2015. Módulo IV Capitalização Composta. CAPITALIZAÇÃO COMPOSTA Montante e Juro Fórmulas Derivadas Módulo IV Capitalização Composta Danillo Tourinho S. da Silva, M.Sc. CAPITALIZAÇÃO COMPOSTA Montante e Juro Fórmulas Derivadas Conceitos Básicos No sistema de juros compostos (regime de capitalização composta),

Leia mais

www.concurseiro10.com.br

www.concurseiro10.com.br 1) Um capital de R$ 18.000,00, aplicados a 6% ao ano, durante 8 anos, qual o juros produzido? a) 7.640,00 b) 6.460,00 c) 8.640,00 d) 9.000,00 2) Um investidor aplicou R$10.000,00, à taxa de 13% ao mês

Leia mais

Exercícios. Matemática Financeira

Exercícios. Matemática Financeira Exercícios de Matemática Financeira SUMÁRIO - Apresentação... 01-01 ª Série - Taxas Equivalentes...... 02-02 ª Série - Planos de Amortização...... 05-03 ª Série - Exercícios Extras...... 09-04 ª Série

Leia mais

MATEMÁTICA FINANCEIRA

MATEMÁTICA FINANCEIRA MATEMÁTICA FINANCEIRA A Matemática Financeira é uma ferramenta útil na análise de algumas alternativas de investimentos ou financiamentos de bens de consumo. Consiste em empregar procedimentos matemáticos

Leia mais

Matemática Financeira

Matemática Financeira Matemática Financeira Sumário 2 JUROS SIMPLES (Capitalização Simples) 5 JUROS COMPOSTOS (Capitalização Composta) 7 TAXAS SIMPLES 8 TAXAS COMPOSTAS 10 TAXAS SIMPLES EXATO 11 PRAZO, TAXA E CAPITAL MÉDIO

Leia mais

prestação. Resp. $93.750,00 e $5.625,00.

prestação. Resp. $93.750,00 e $5.625,00. UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA DISCIPLINA MAT191 - MATEMÁTICA FINANCEIRA PROFESSORES: ENALDO VERGASTA, GLÓRIA MÁRCIA, JODÁLIA ARLEGO LISTA 3 1) Um bem é vendido a vista por $318.000,00

Leia mais

Desconto Simples Racional e Comercial - Parte 3... 30 Equivalência de descontos... 31 Equivalência de capitais - Parte 1... 32 Equivalência de

Desconto Simples Racional e Comercial - Parte 3... 30 Equivalência de descontos... 31 Equivalência de capitais - Parte 1... 32 Equivalência de 1 Sumário Razão... 4 Proporção - Parte 1... 4 Proporção - Parte 2... 5 Proporção - Parte 3... 6 Proporção - Parte 4... 6 Média Aritmética... 7 Média Aritmética Ponderada... 8 Grandezas Proporcionais...

Leia mais

Taxas: Proporcional e Equivalente

Taxas: Proporcional e Equivalente Taxas: Proporcional e Equivalente Taxa Proporcional Considere duas taxas de juros arbitrárias i 1 e i 2, relacionadas respectivamente aos períodos n 1 e n 2, referidos à unidade comum de tempo das taxas.

Leia mais

FACULDADE CARLOS DRUMMOND DE ANDRADE

FACULDADE CARLOS DRUMMOND DE ANDRADE FACULDADE CARLOS DRUMMOND DE ANDRADE DISCIPLINA: Matemática Financeira e Engenharia Econômica TÓPICO: Sistemas de Amortização Prof: Khalil Conceito: O valor de uma prestação de um financiamento ou empréstimo

Leia mais

Lista de exercício nº 4* Fluxos de caixa não uniformes, inflação, juros reais e nominais

Lista de exercício nº 4* Fluxos de caixa não uniformes, inflação, juros reais e nominais Lista de exercício nº 4* Fluxos de caixa não uniformes, inflação, juros reais e nominais 1. Calcule o Valor Presente Líquido do fluxo de caixa que segue, para as taxas de desconto de 8% a.a., 10% a.a.

Leia mais

METODOLOGIA DE CÁLCULO DOS TÍTULOS PÚBLICOS OFERTADOS NO TESOURO DIRETO

METODOLOGIA DE CÁLCULO DOS TÍTULOS PÚBLICOS OFERTADOS NO TESOURO DIRETO METODOLOGIA DE CÁLCULO DOS TÍTULOS PÚBLICOS OFERTADOS NO TESOURO DIRETO Letras do Tesouro Nacional LTN Características Gerais: Juros: Não há, estão implícitos no deságio do título. Modalidade: Escritural,

Leia mais

ORIENTAÇÕES BÁSICAS PARA COMPRA DE TÍTULOS NO TESOURO DIRETO

ORIENTAÇÕES BÁSICAS PARA COMPRA DE TÍTULOS NO TESOURO DIRETO ORIENTAÇÕES BÁSICAS PARA COMPRA DE TÍTULOS NO TESOURO DIRETO Um título público consiste, de maneira simplificada, um empréstimo ao governo federal, ou seja, o governo fica com uma dívida com o comprador

Leia mais

EXERCÍCIOS IV SÉRIES DE PAGAMENTOS IGUAIS E CONSECUTIVOS 1. Calcular o montante, no final de 2 anos, correspondente à aplicação de 24 parcelas iguais

EXERCÍCIOS IV SÉRIES DE PAGAMENTOS IGUAIS E CONSECUTIVOS 1. Calcular o montante, no final de 2 anos, correspondente à aplicação de 24 parcelas iguais IGUAIS E CONSECUTIVOS 1. Calcular o montante, no final de 2 anos, correspondente à aplicação de 24 parcelas iguais e mensais de $ 1.000,00 cada uma, dentro do conceito de termos vencidos, sabendo-se que

Leia mais

Lista de exercício nº 3* VPL, TIR e Equivalência de fluxos de caixa

Lista de exercício nº 3* VPL, TIR e Equivalência de fluxos de caixa Lista de exercício nº 3* VPL, TIR e Equivalência de fluxos de caixa 1. Calcule o valor presente do fluxo de caixa indicado a seguir, para uma taxa de desconto de 1 % ao mês, no Resposta: $13.147,13 2.

Leia mais

Centro Universitário Católico Salesiano Auxilium. Séries Uniformes de Pagamento

Centro Universitário Católico Salesiano Auxilium. Séries Uniformes de Pagamento Centro Universitário Católico Salesiano Auxilium Disciplina: Matemática Financeira I Prof.: Marcos José Ardenghi Séries Uniformes de Pagamento As séries uniformes de pagamentos, anuidades ou rendas são

Leia mais

Raciocínio Lógico-Matemático para Banco do Brasil

Raciocínio Lógico-Matemático para Banco do Brasil Aula 00 Raciocínio Lógico-Matemático Professor: Guilherme Neves www.pontodosconcursos.com.br 1 Aula 00 Aula Demonstrativa Apresentação... 3 Juros Simples - Introdução... 5 Juros... 5 Formas de Representação

Leia mais

Capítulo 9: Análise de Projectos de Investimento. 9.1. A dimensão temporal e o cálculo financeiro

Capítulo 9: Análise de Projectos de Investimento. 9.1. A dimensão temporal e o cálculo financeiro Capítulo 9: Análise de Projectos de Investimento Conteúdo Temático 1. A dimensão temporal e o cálculo financeiro 2. Critérios de análise da rendibilidade de projectos de investimento 9.1. A dimensão temporal

Leia mais

CALCULADORA HP 12C A calculadora HP 12C usa o chamado sistema de pilha, também designado por Notação Polonesa Reversa (RPN).

CALCULADORA HP 12C A calculadora HP 12C usa o chamado sistema de pilha, também designado por Notação Polonesa Reversa (RPN). A Matemática Financeira tem como objetivo estudar o valor do dinheiro no tempo. CALCULADORA HP 12C A calculadora HP 12C usa o chamado sistema de pilha, também designado por Notação Polonesa Reversa (RPN).

Leia mais

MATEMÁTICA FINANCEIRA

MATEMÁTICA FINANCEIRA Professor: Luis Guilherme Magalhães professor@luisguiherme.adm.br www.luisguilherme.adm.br (62) 9607-2031 DESCONTO É uma compensação recebida pelo tomador do empréstimo, pelo pagamento adiantado da dívida

Leia mais

Capítulo 6 Série Uniforme Prestações Iguais

Capítulo 6 Série Uniforme Prestações Iguais Capítulo 6 Série Uniforme Prestações Iguais Juros Compostos Fórmulas - 1 RELAÇÃO ENTRE PMT E FV FV = PMT [ ( 1 + i ) n-1 + ( 1 + i ) n-2 + + ( 1 + i ) + 1 ] (A) Multiplicando por (1+i): FV = PMT [(1 +

Leia mais

LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS SOBRE O SANTANDER ESTRUTURADO BOLSA EUROPEIA 3 MULTIMERCADO 11.714.787/0001-70 Informações referentes a Maio de 2016

LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS SOBRE O SANTANDER ESTRUTURADO BOLSA EUROPEIA 3 MULTIMERCADO 11.714.787/0001-70 Informações referentes a Maio de 2016 LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS SOBRE O SANTANDER ESTRUTURADO BOLSA EUROPEIA 3 MULTIMERCADO 11.714.787/0001-70 Informações referentes a Maio de 2016 Esta lâmina contém um resumo das informações essenciais

Leia mais

Princípios de Finanças. Prof. José Roberto Frega, Dr. jose.frega@ufpr.br

Princípios de Finanças. Prof. José Roberto Frega, Dr. jose.frega@ufpr.br Princípios de Finanças Prof. José Roberto Frega, Dr. jose.frega@ufpr.br Material didático e acesso Site da disciplina http://frega.net Login: UFPRPRINCFIN 2 Prof. José Roberto Frega, Dr. Graduado em Engenharia

Leia mais

Elementos de Análise Financeira Matemática Financeira e Inflação Profa. Patricia Maria Bortolon

Elementos de Análise Financeira Matemática Financeira e Inflação Profa. Patricia Maria Bortolon Elementos de Análise Financeira Matemática Financeira e Inflação O que é Inflação? Inflação É a elevação generalizada dos preços de uma economia O que é deflação? E a baixa predominante de preços de bens

Leia mais