Bárbara Regina Vieira Lopes

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Bárbara Regina Vieira Lopes"

Transcrição

1 IGEPRI Monografias Políticas Públicas nos anos 90: um Panorama sobre o Incentivo ao Setor Tecnológico no Brasil durante o Primeiro Mandato de FHC ( ) Bárbara Regina Vieira Lopes Volume 3 Ano

2 Nota: Todo conteúdo publicado pela Monografias Igepri é de total responsabilidade de seu(s) autor (es). As opiniões expressadas nesse caderno não representam as opiniões do periódico, nem do Conselho Editorial e nem dos órgãos filiados a este caderno. Lopes, Bárbara Regina Vieira. L864p Políticas públicas dos anos 90: um panorama sobre o incentivo ao setor tecnológico no Brasil durante o primeiro mandato de FHC ( ) / Bárbara Regina Vieira Lopes. Marília, f. ; 30 cm. Trabalho de Conclusão de Curso (Graduação em Relações Internacionais) Faculdade de Filosofia e Ciências, Universidade Estadual Paulista, Orientador: Francisco Luiz Corsi. 1. Globalização. 2. Neoliberalismo. 3. Políticas públicas. 4. Desenvolvimento tecnológico. 5. Tecnologia da informação. 6. Brasil Política e governo. 7. Brasil. Presidente ( : Fernando Henrique Cardoso). I. Autor. II. Título. CDD

3 IGEPRI Monografias Monografias IGEPRI é uma publicação bimestral do Instituto de Gestão Pública e Relações Internacionais (IGEPRI). Sua missão é servir de espaço alternativo à publicação de pesquisas científicas elaboradas por jovens acadêmicos dedicados ao estudo e ao debate de temas relativos à Gestão Pública e às Relações Internacionais no Brasil e no mundo. Com potencial de influenciar e intervir no processo decisório governamental nas suas diversas esferas, contribuindo com novas propostas para a elaboração de políticas públicas, efetivação de controle social, suporte à advocacia de idéias e a busca de transparência no trato dos assuntos públicos. Conselho Editorial Cristina Soreanu Pecequilo (UNIFESP - Osasco) Heloísa Pait (UNESP Marília) Janina Onuki (USP Instituto de Relações Internacionais) José Blanes Sala (UFABC) Karina Lilia Pasquarielo Mariano (UNESP Araraquara) Lidia Maria Vianna Possas (UNESP Marília) Luis Antônio Francisco de Souza (UNESP Marília) Luis Francisco Corsi (UNESP Marília) Marcelo Fernandes de Oliveira (UNESP Marília) Editor Marcelo Passini Mariano (UNESP Franca) Miriam Cláudia Simoneti Lourenção (UNESP Marília) Tullo Vigevani (UNESP Marília)

4 Políticas Públicas nos anos 90: um Panorama sobre o Incentivo no Setor Tecnológico... UNESP - Universidade Estadual Paulista Bárbara Regina Vieira Lopes POLÍTICAS PÚBLICAS DOS ANOS 90: UM PANORAMA SOBRE O INCENTIVO AO SETOR TECNOLÓGICO NO BRASIL DURANTE O PRIMEIRO MANDATO DE FHC ( ) MARÍLIA - SP

5 Barbara Regina Vieira Lopes UNESP - Universidade Estadual Paulista Bárbara Regina Vieira Lopes POLÍTICAS PÚBLICAS DOS ANOS 90: UM PANORAMA SOBRE O INCENTIVO AO SETOR TECNOLÓGICO NO BRASIL DURANTE O PRIMEIRO MANDATO DE FHC ( ) Trabalho de Conclusão de Curso apresentado ao Conselho de Curso de Relações Internacionais da Faculdade de Filosofia e Ciências, da Universidade Estadual Paulista- UNESP como parte dos requisitos para a obtenção do título de bacharel em Relações Internacionais, sob orientação do Professor Doutor Francisco Luiz Corsi. Área de Concentração: Política Externa BANCA EXAMINADORA Orientador: Prof. Dr. Francisco Luiz Corsi (Orientador) Departamento de Ciências Políticas e Econômicas FFC UNESP/Marília 2º Examinador: Prof. Dr. Marcelo Fernandes de Oliveira Departamento de Ciências Políticas e Econômicas FFC UNESP/Marília 3º Examinador: Prof. Dr. Luis Antonio Paulino Departamento de Ciências Políticas e Econômicas FFC UNESP/Marília Marília, 28 de junho de

6 Políticas Públicas nos anos 90: um Panorama sobre o Incentivo no Setor Tecnológico... Lopes, Bárbara Regina Vieira. L864p Políticas públicas dos anos 90: um panorama sobre o incentivo ao setor tecnológico no Brasil durante o primeiro mandato de FHC ( ) / Bárbara Regina Vieira Lopes. Marília, f. ; 30 cm. Trabalho de Conclusão de Curso (Graduação em Relações Internacionais) Faculdade de Filosofia e Ciências, Universidade Estadual Paulista, Orientador: Francisco Luiz Corsi. 1. Globalização. 2. Neoliberalismo. 3. Políticas públicas. 4. Desenvolvimento tecnológico. 5. Tecnologia da informação. 6. Brasil Política e governo. 7. Brasil. Presidente ( : Fernando Henrique Cardoso). I. Autor. II. Título. CDD

7 Barbara Regina Vieira Lopes Aos meus pais, Renato e Sylvia, pelo amor, por todo o esforço e pela apreciável compreensão em todos os caminhos e escolhas, mesmo que difíceis e longos. 4

8 Políticas Públicas nos anos 90: um Panorama sobre o Incentivo no Setor Tecnológico... AGRADECIMENTOS Ao CNPq (agosto 2010/outubro 2010) e à FAPESP (novembro 2010/outubro 2011), pelo suporte financeiro e credibilidade confiada ao projeto de Iniciação Científica, que permitiu meu desenvolvimento intelectual e, posteriormente, a elaboração deste trabalho. Agradeço especialmente ao professor Francisco Luiz Corsi, por ter aceitado a orientação desta Iniciação Científica que originou esta monografia. Agradeço a coragem ao orientar-me neste projeto. Sabíamos desde o início que seria um desafio, já que é pouco estudado no país, contudo, com todo zelo e paciência orientou-me. Agradeço, sobretudo, pelo incentivo ao desenvolvimento e finalização deste e dos demais projetos. Ao professor Marcelo Fernandes de Oliveira. Para mim foi um grande conselheiro sobre inúmeros temas, principalmente, sobre a área acadêmica e os desafios e inflexões do futebol. À professora Cristina Soreanu Pecequilo, por mostrar á seus alunos a importância da pesquisa e do empenho. Agradeço pelo incentivo e liderança. Ao professor Luis Antonio Paulino, por ser tão zeloso com seus alunos e por dividir seu vasto conhecimento. Agradeço, sobretudo, sua participação em minha banca. Aos professores Rafael Salatini de Almeida e Angelita Matos Souza que dividiram seus respectivos conhecimentos e, desta forma, ajudaram-me a compreender a doce complexidade das Ciências Sociais em nosso curso. Ao meu pai-herói, Renato Vieira Lopes, que tanto se empenhou em me ajudar, e torceu pela finalização de todos os meus projetos realizados até esta data. Por seus ensinamentos cívicos, críticos e de boa fé para com o outro. Pelo batalhado esforço e incentivo para que pudéssemos trazer o diploma de volta pra casa, juntamente, com minha amada mãe, Sylvia Regina Valto Braz Lopes, quem me ensinou a não desistir. Pelo amor, paciência e elegância que conduziu os momentos difíceis. Á minha linda e divertida irmã, Maria Clara, por sempre acreditar em mim. Aos meus amados avôs, Maria Vieira Lopes (que não pôde esperar), Arlindo e Dirce Braz, exemplos de vida e de conduta que me esforço em seguir. Á jovem e promissora internacionalista, Camilla Silva Geraldello, que tem sido uma irmã mais nova, sua maturidade e liderança são apreciáveis. Agradeço pela amizade, companheirismo e incentivo aos meus projetos. 5

9 Barbara Regina Vieira Lopes À Jane Angélica Gulielmitti pela amizade e afetuoso companheirismo em todas as horas e ocasiões. Uma irmã!sempre compreensiva e zelosa. Tenho certeza que estudos sobre a Palestina estarão muito bem representados. Á Hevellyn Menezes Albres pela amizade e companheirismo. Estudiosa, é um exemplo acadêmico a ser seguido, seu nome estampará grandes pesquisas. Á Marina Camarinha, Vanessa Aparecida, Julia Figueiredo, Jéssica Rabelo, Andressa Roberta, Irís Rabelo Nunes. Amigas muito queridas das Ciências Sociais e Relações Internacionais que sempre estiveram dispostas a partilhar inúmeros momentos, sobretudo, pela amizade sincera oferecida. Aos demais amigos da V turma de Relações Internacionais da UNESP/Marília, pelo agradável convívio e inúmeros momentos divertidos. Também, aos professores da Faculdade de Filosofia e Ciências da UNESP/Marília pelos ensinamentos. E por fim, á minha linda e pequena Camila Leal Scherer, por me ensinar á amar, amando. Pela compreensão, dedicação imensurável á nós e, sobretudo, ao incentivo carinhoso em todos os momentos difíceis e fáceis que atravessei até hoje. 6

10 Políticas Públicas nos anos 90: um Panorama sobre o Incentivo no Setor Tecnológico... RESUMO Considerada a real importância do fator tecnologia como uma das bases condutoras de inserção mundial de um país, este projeto visa analisar as políticas públicas de incentivo ao ramo de Ciência e Tecnologia de Informação (C&T.I) durante o primeiro Governo de Fernando Henrique Cardoso ( ). Procuraremos discutir em que medida o Governo FHC, ao buscar uma nova inserção da Economia brasileira na Economia mundial, procurou implantar uma política de desenvolvimento tecnológico por meio da produção nacional de C&T.I. Discutiremos as políticas públicas para este setor e quais foram seus principais obstáculos, nos anos 90. PALAVRAS-CHAVE: Globalização. Neoliberalismo. Políticas Públicas. Desenvolvimento. Tecnologia de Informação. 7

11 Barbara Regina Vieira Lopes ABSTRACT Considered the real importance of technology as a factor of conductive bases worldwide insertion of a country, this project aims to analyze public policies to encourage the business of Information Science and Technology (S & T.I) during the first government of Fernando Henrique Cardoso ( ). We discuss to what extent the FHC government, by seeking a new insertion of the Brazilian economy in the world economy, sought to implement a policy of technological development by means of the national S & T.I. Discuss public policy in this area and what were your main obstacles in the 90s. Key-words: Globalization. Neoliberalism. Public Policy. Development. Information Technology. 8

12 Políticas Públicas nos anos 90: um Panorama sobre o Incentivo no Setor Tecnológico... SUMÁRIO Introdução...11 Primeiro Capítulo A crise de Bretton Woods e seus efeitos ( ) 1.1 Um panorama sobre a crise do sistema capitalista A reorganização do sistema e a ascensão da agenda neoliberal nos anos O significado da Globalização tecnológica A América Latina durante a década perdida ( )...27 Segundo Capítulo PNDs, autonomia nacional e os fracassados planos de combate á inflação ( ) 2.1 Linhas Gerais: O Milagre econômico (1973) II PND: Intervenção estatal na questão tecnológica A busca pela autonomia nacional na década de 70 e a lei da informática na década de A Lei do Software (1987): Breve apresentação Anos 80-90: Década perdida para o Brasil Estagnação político-econômica O lacônico Governo Collor ( ): Prelúdio Neoliberal A Nova lei de informática (1991)...59 Terceiro Capítulo Anos 90: Neoliberalismo e desenvolvimento tecnológico?( ) 3.1 Era Itamar Franco ( ): O eficaz Plano Real de FHC Ruptura político Econômica nos Governos Collor e Itamar: O Brasil adere ao Neoliberalismo Considerações sobre a continuidade e descontinuidades da Política de desenvolvimento tecnológico no Brasil ( )...79 Quarto Capítulo Estratégias para o desenvolvimento de C&T.I ( ) 4.1. Primeiro mandato de FHC ( ) Os ganhos e conseqüências do Plano: Um Balanço Estratégias de Desenvolvimento de FHC e a questão tecnológica...98 Considerações Finais Referências Anexos

13 Barbara Regina Vieira Lopes Num tempo, página infeliz da nossa história. Passagem desbotada na memória das nossas novas gerações. Dormia a nossa pátria mãe tão distraída, sem perceber que era subtraída em tenebrosas transações. Seus filhos erravam cegos pelo continente. Levavam pedras feito penitentes, erguendo estranhas catedrais. E um dia, afinal, tinham o direito a uma alegria fugaz, uma ofegante epidemia. Que se chamava Carnaval, o Carnaval, o Carnaval. Chico Buarque,

14 Políticas Públicas nos anos 90: um Panorama sobre o Incentivo no Setor Tecnológico... INTRODUÇÃO Esta monografia é resultado do relatório parcial apresentado à Fapesp 1 em maio deste ano. Em sua gênese, este trabalho procurou debater o mesmo tema, porém, periodizado na Era Cardoso ( ). Ultrapassaríamos os limites da presente monografia se discutíssemos, detalhadamente, seus dois mandatos, por isso, procuramos de uma maneira objetiva, contudo, bem articulada e rica em seus principais números e análises, debatermos apenas o período A razão acadêmica para focarmos o primeiro mandato e não a Era Cardoso ( ) como um todo, encontra-se na linearidade de FHC em manter uma determinada estratégia tecnológica em seus dois mandatos. Uma das diferenças que encontramos em relação aos dois períodos está concentrada em suas políticas macroeconômicas, excluindo o meio tecnológico de seu Governo. Além disso, as conjunturas externas (como a abertura dos mercados na periferia do sistema e o otimismo gerado pelo fim da Guerra-Fria) e a estabilização da Economia brasileira foram alguns dos pilares de sua política comercial e, consequentemente, do aumento de nossa vulnerabilidade externa, por isso, o primeiro mandato para nós é de fundamental importância. Este corresponde apenas ao primeiro mandato; sua fundamentação teórica, obrigatoriamente, necessitou: De uma discussão dos cenários da década de 80, uma compreensão das políticas do início dos anos 90 e, entendermos, quais foram os seus maiores obstáculos, para a afirmação das políticas de FHC. Nossa metodologia buscou contextualizar os antecedentes (internacional e nacional), para que pudéssemos compreender, em quais contextos foram tomadas medidas que proporcionaram nosso debate. Dividimos essa monografia em quatro partes. A primeira parte nos remete à crise do sistema internacional nos anos de Esta crise global afetou tanto os países centrais, como os periféricos. Nesta seção, apresentamos algumas das origens do fim do Sistema Bretton Woods e seus efeitos nos países centrais, principalmente, nos periféricos, com o foco na América Latina. Neste contexto, discutimos a busca pela reorganização do Sistema Internacional com a 1 Processo 2010/

15 Barbara Regina Vieira Lopes alternativa neoliberal que, juntamente, com a globalização tecnológica, tornou-se um dos principais instrumentos para a reestruturação da economia capitalista. A Segunda parte nos dá o cenário pelo qual passou a economia brasileira entre Analisamos desde a época do Milagre econômico e o otimismo dos anseios de Brasil potência, até o Governo Itamar Franco, quando a economia beirava a hiperinflação (95% ao mês), antes da inserção do Plano Real na Economia. Neste período, consideráveis tentativas de redefinição da política industrial brasileira foram criadas, no que se refere ao âmbito tecnológico, porém, mantiveram seus insucessos por diversos fatores, os quais foram, cuidadosamente, analisados. A terceira parte retrata o Brasil, economicamente, estabilizado. As medidas tomadas para essa conquista, as etapas, e por fim, um balanço de ganhos e perdas que comprometeram ou impulsionaram a economia do país com a inserção do Plano Real na Economia brasileira. Com FHC empossado, uma inflação de 3% a.m e uma moeda estabilizada, nós apresentamos algumas considerações sobre a continuidade e descontinuidades da Política de desenvolvimento tecnológico no Brasil ( ). A quarta parte discute qual foi a estratégia de Governo de FHC para a definição de uma política industrial (de C&T.I) mais competitiva e agressiva, em relação á inserção brasileira na arena internacional. Se havia alguma Política Tecnológica, como esta foi elaborada? Quais foram seus obstáculos e seus resultados? E por fim, apresentamos, ao término desta seção nossas conclusões acerca deste tema. A quinta parte apresenta nossas conclusões, encerrando esta monografia. 12

16 Políticas Públicas nos anos 90: um Panorama sobre o Incentivo no Setor Tecnológico... Primeiro Capítulo A crise internacional e seus efeitos ( ) A história dos vinte anos após 1973 é a de um mundo que perdeu suas referências e resvalou para a instabilidade e a crise. E, no entanto, até a década de 1980 não estava claro como as fundações da Era de Ouro haviam desmoronado irrecuperavelmente. 2 (HOBSBAWM, 1994, p ). 2 HOBSBAWM, Eric. A Era dos extremos: O breve século XX São Paulo: Companhia das Letras,

17 Barbara Regina Vieira Lopes 1.1 UM PANORAMA SOBRE A CRISE DO SISTEMA CAPITALISTA Após a Segunda Guerra Mundial ( ), a configuração da nova Ordem político-econômica internacional, trouxe uma época de intensa prosperidade ás economias capitalista. Muitos autores conceituados, como Hirst e Thompson (1998), denominam o período de de boom do capitalismo ; Hobsbawn (1992), de idade de ouro do capitalismo ; e Chesnais (1996), dos trinta anos gloriosos do capitalismo. Este momento também foi marcado pela disputa de duas diferentes potências globais: Estados Unidos (EUA) versus União das Repúblicas Socialistas Soviéticas (URSS). Estas potências possuíam dois distintos projetos que pleiteavam entre si, a hegemonia do sistema mundial, no conflito conhecido como Guerra Fria ( ). Tal duelo apresentava um mundo dividido entre duas ideologias: O capitalismo e o socialismo, respectivamente. Esta disputa baseava-se em diferentes modos de produção e comportamentos Estatais. Em meio a este cenário, emergia no sistema global, outros atores, tais como, as Organizações Multilaterais, que acirravam o debate destas duas forças. Um dos objetivos centrais dessas Organizações era coordenar o diálogo internacional. Para esta melhor coordenação (e regulamentação econômica) entre os países, criou-se o Sistema Bretton Woods 3, que pleiteava promover um melhor funcionamento das relações econômicas entre os Estados do Bloco Ocidental. Para seus autores, Bretton Woods tinha o propósito de reconstruir a Ordem Econômica internacional, pois, temia-se que a desorganização econômica decorrente do período de guerra levasse as nações a novos conflitos. Desta forma, era de vital importância que fosse criada uma instituição que contribuísse para a estabilidade econômica mundial. As reformas ali debatidas deveriam promover a expansão do comércio entre as nações e colocar seu desenvolvimento a salvo de agitações financeiras, ou seja: 3 A fim de reconstruir o sistema capitalista no Pós-segunda Guerra, os 55 países aliados reuniram-se nas Conferências de Bretton Woods (julho, 1944), em New Hampshire (EUA), onde foi definido o Sistema Bretton Woods de gerenciamento econômico internacional, propondo regras para as relações comerciais e financeiras entre os países capitalistas. O mundo acabava de sair de uma Grande Guerra, a Europa estava destruída, e os EUA ainda sentiam os efeitos da Grande Depressão (1929). Após muitas discussões na conferência, e posições de distintos projetos de um lado o inglês Keynes e do outro, o americano White as propostas de origem norte-americana prevaleceram, no final da Conferência, o clima de otimismo e esperança dominou as discussões acerca do assunto, e por trás de tais sentimentos, os resultados das disputas entre os diferentes projetos demonstraram, claramente, a hegemonia norte-americana na Nova Ordem ali estabelecida. 14

18 Políticas Públicas nos anos 90: um Panorama sobre o Incentivo no Setor Tecnológico... Tratava-se, também, de erigir um ambiente econômico internacional destinado a propiciar um amplo raio de manobra para as políticas nacionais de desenvolvimento, industrialização e progresso social. (BELLUZZO, 2005, p. 226). Contudo, a fase áurea do capitalismo, como todo ciclo econômico, não permaneceu ascendente por muito tempo. Ao final dos anos 60, os múltiplos fatores que colocariam em xeque a estabilidade do Sistema Internacional já poderiam ser sentidos. Tais determinantes a concorrência internacional, a crise energética, a industrialização da periferia, os movimentos de contestação social, a perda dos lucros sob o modo de regulação fordista, entre outros originariam uma crise estrutural na Ordem vigente. A concorrência Internacional japonesa e de um seleto grupo de países europeus, principalmente, a produção alemã, afetou diretamente a Economia estadunidense. Paralelamente, a URSS, nos campos político e militar faria frente ao modelo liderado pela nação norte-americana. Beluzzo (2005, p. 227, grifos nossos) ressalta que: A rápida recuperação das economias européias e o espetacular crescimento do Japão foram causas importantes do progressivo desgaste das regras monetárias e cambiais concertadas em Bretton Woods. A concorrência comercial das renovadas economias industrializadas da Europa e do Japão e o fluxo continuado de investimentos americanos diretos para o resto do mundo, além dos gastos da Guerra Fria, determinaram desde o final dos anos 1950, a ampliação do déficit do balanço de pagamentos americano e a acumulação de dólares nos bancos centrais da Europa e do Japão. A invasão de produtos japoneses e europeus (de boa qualidade e de baixos custos) na economia americana demonstrou uma alta capacidade econômica e produtiva destes países, acirrando o aumento da concorrência internacional. Além de haver esta concorrência, no campo econômico; na esfera ideológica, os EUA estavam no ápice do confronto da Guerra Fria quando se iniciou a Guerra do Vietnã ( ). Uma possível vitória sobre os vietnamitas provocaria sua máxima expressão sobre os demais países no sistema internacional, principalmente, sobre a URSS. Entretanto, a derrota estadunidense colocou em dúvida a posição hegemônica norte americana. Paralelamente, temos a crise energética manifestada pelas crises do petróleo de 1973 e Tais conjunturas fizeram com que seus patamares de preços aumentassem de uma maneira significativa, colocando em risco o abastecimento da fonte primária de 15

19 Barbara Regina Vieira Lopes energia da produção capitalista. O impacto do aumento dos preços e da falta de abastecimento atingiu todos os países, principalmente, os EUA. Agravando a situação de desgaste político-econômico, eclodiam os movimentos de contestação social, tais como: o de cunho sindical, que pleiteava o aumento salarial, impedindo que os grandes capitalistas recompusessem a lucratividade por meio do arrocho salarial; e os de cunho anticapitalistas, que por meio do cenário de instabilidade e crises, abriram-se precedentes para diversos tipos de reivindicações. Movimentos alternativos a esquerda tradicional floresciam nos países europeus; era um momento de luta pelo interesse das minorias específicas 4. Como destaca Fiori (1999, p apud CORSI, 2002, p. 15): Na periferia, os EUA foram derrotados no Vietnã e os movimentos nacionalistas e de esquerda pareciam tomar conta da região. Os produtores de petróleo, como desdobramento da Guerra do Yom Kippur, impuseram um choque nos preços do produto, eliminando um dos pilares que sustentaram a fase áurea de crescimento econômico capitalista. A partir destas determinantes, podemos concluir que a década de 70 foi marcada pelo esgotamento de um longo ciclo de prosperidade do capitalismo. Como enfatizou Carneiro (2002, p. 48): Os principais indicadores econômicos revelam a exaustão do dinamismo desse padrão pela desaceleração do crescimento do produto nos principais países industrializados, pela conseqüente perda de dinamismo do comércio mundial e pelo aumento da inflação, simultaneamente á elevação das taxas de juros. Tabela 1 Indicadores da Economia Mundial de (% a.a) Indicadores A década de 1960 foi marcada por grandes acontecimentos, que culminaram em movimentos de caráter revolucionário de contestação da Ordem social, econômica e política vigente. Neste contexto, podemos ressaltar: O assassinato de Martin Luther King, em 4 de abril de 1968, que reascendeu o debate étnico nos EUA; os protestos, sobretudo, estudantis, contra a Guerra do Vietnã e regimes autoritários; os movimentos nacionalistas e, por fim, feministas, que enfatizava a igualdade de gênero.como citado por Corsi (2002, p. 15), entre meados dos anos 1960 e meados dos anos 1970, aprofundou-se o conflito social na Europa, com o avanço das forças de esquerda. Os EUA também foram varridos por fortes movimentos de contestação social. Florescia uma cultura anticapitalista. Surgiram vários movimentos sociais setoriais, alternativos aos burocratizados movimentos da esquerda tradicional, que lutavam pelos interesses de minorias específicas. Contudo, mesmo que alguns movimentos setoriais, como o movimento feminista, tivessem alcançado expressivas vitórias, Corsi (2002) ressalta que no embate com os trabalhadores, dadas as circunstâncias sociais, políticas, culturais e econômicas do momento, os setores capitalistas acabaram levando a melhor e fizeram prevalecer os seus interesses. Os grandes capitalistas, associados principalmente aos governos conservadores dos EUA, da Grã-Bretanha e da Alemanha, buscaram reorganizar o sistema para enfrentar a contestação social, o avanço do socialismo soviético e a crise econômica. 16

20 Políticas Públicas nos anos 90: um Panorama sobre o Incentivo no Setor Tecnológico... PIB Total 4,2 5,3 3,6 Comércio mundial ¹ 6,5 8,3 5,2 Taxas de juros (Longo Prazo)² Nominais 3,7 5,1 8,2 Reais 1,2 2,4 0,3 Índice de Preços (IPC)² 2,5 2,7 7,9 Fontes: Maddison (1989), World Bank (1991) e Unctad (1993) apud Konzul Wright (1997) para PIB e Comécio; Homer & Sylla (1191), apud Ciocca & Nardozzi (1996) para Juros e Preços. (1) Exportações; (2) Medias ponderadas para Estados Unidos, Reino Unido, Alemanha e França Apud Carneiro 2002, p.48; A crise estrutural do capitalismo nos anos 70 foi fruto da sobreposição de várias crises, a saber: A crise de produção, a crise energética, a crise do sistema financeiro internacional e paralelamente a estas, houve em certos aspectos, uma crise de hegemonia americana por conta da situação delicada por qual passava sua Economia e moeda, além da surpreendente derrota na Guerra do Vietnã, como anteriormente mencionado. Todos estes elementos citados demonstraram que o fim da Era de prosperidade do capitalismo havia chegado. É neste contexto que reascendia o debate sobre a ordem econômica, e como ela deveria ser conduzida. Dada as circunstâncias (políticas, econômicas, sociais e culturais), os setores capitalistas necessitavam reorganizar o Sistema; os Estados de maior poder na arena internacional, principalmente, os Estados Unidos, a Grã Bretanha e a Alemanha, tentaram conter tanto o avanço do socialismo russo, como a crise econômica, por meio da única alternativa passível de execução: A refundação da base do sistema produtivo capitalista. O neoliberalismo era uma alternativa a ser aplicada. 17

21 Barbara Regina Vieira Lopes 1.2 A REORGANIZAÇÃO DO SISTEMA E A ASCENSÃO DA AGENDA NEOLIBERAL A liberação financeira é algo como o fogo. É bom ter, mas você pode queimar toda a sua casa. Jagdish Bhagwaiti Ex-diretor do Gatt Para enfrentar o problemático cenário dos anos 70, houve uma mudança de postura dos EUA. Para alguns autores, as transformações propostas pela nação hegemônica para reestruturar o sistema acarretaram, entre muitos elementos, no início ou na aceleração do processo de globalização. Segundo outros, a nova postura adotada mudaria as estruturas política e econômica das economias nacionais, resultando em uma nova concepção de economia internacional, causada pela Globalização. Como explicou Corsi e Alves (2002, p. 8): A globalização, como nova fase do capital, é resultado tanto da tendência à internacionalização do capitalismo, quanto da crise estrutural do capital, aberta no final dos anos 1960, marcada por intensa luta de classes. A resposta que o capital deu ao avanço do socialismo, à crítica da cultura burguesa, à redução das taxas de lucro, à crise da hegemonia norte-americana, e ao avanço das forças de esquerda no centro e na periferia do sistema, geraram as condições para um complexo de reestruturações em várias dimensões produtivas, econômico-financeira, política e inclusive, cultural que desembocaram na mundialização do capital. O fenômeno da globalização nas últimas três décadas foi determinado pelas políticas de liberalização e desregulamentação que foram incorporadas as Economias centrais e periféricas, que teve como marco, a eleição de Margareth Thatcher em 1979 na Inglaterra e, posteriormente, coligada pelo republicano Ronald Reagan, nos Estados Unidos, em Como cita Pires (2010, p. 223): As idéias que inspiraram os conservadores britânicos são aquelas das conhecidas escolas Austríacas e de Chicago, cujos maiores expoentes foram Friedrich A. Hayek e Milton Friedman. De forma geral, as idéias por eles preconizadas defendiam o extremo laissezfaire. Friedman (1985), em Capitalismo e liberdade, defendia o completo afastamento do Estado da esfera econômica também da assistência social. Era contrário ao Imposto progressivo, ao imposto sobre as sociedades anônimas, a educação e a previdência pública, à regulamentação governamental, ás empresas públicas, aos parques nacionais etc. O Estado deveria preocupar-se apenas com a defesa nacional e em garantir o direito de propriedade e o cumprimento dos contratos. 18

22 Políticas Públicas nos anos 90: um Panorama sobre o Incentivo no Setor Tecnológico... Para Chesnais (1996), a Mundialização do Capital, é uma forma de organização da Economia Internacional, que tem como uma das principais características, novas formas de atuação nas empresas industriais e dos grupos financeiros. Estas transformações são, sobretudo, facilitadas ou resultantes de mudanças no pensamento político, organização do Estado Nacional e de reestruturação produtiva: A expressão mundialização do capital é a que corresponde mais exatamente à substituição do termo inglês globalização, que se traduz a capacidade estratégica de todo grande grupo oligopolista, voltado para a produção manufatureira ou para as principais atividades de serviços, de adotar por conta própria, um enfoque de condutas globais. (CHESNAIS, 1996, p. 17). A globalização econômica assume feições neoliberais, e de acordo com Chesnais (1996, p. 29) ela inclui também a globalização financeira, que não pode ser abstraída da lista de forças às quais deve ser imposta a adaptação (ou ajuste estrutural) dos mais fracos e desguarnecidos Como citado por Chesnais (1996, p. 26) A globalização mudou a importância relativa dos fatores causadores de interdependência. A internacionalização é dominada pelo investimento internacional do que pelo comércio exterior e, portanto molda as estruturas que predominam na produção e no intercâmbio de bens e serviços. Os fluxos de intercâmbio intracorporativo adquiriram importância cada vez maior. Paul Singer (2002, apud GONÇALVES, 2003, p. 32) ressalta que o sistema financeiro movimentaria bilhões de dólares, diariamente, e esta maior volatilidade dos capitais internacionais aumentaria, substancialmente, os riscos de crises econômicas: A liberalização e a desregulamentação representam maior liberdade para os fluxos internacionais de capitais. Isso, juntamente com os novos instrumentos financeiros e as inovações tecnológicas, tem significado maior volatilidade dos fluxos financeiros internacionais. Não existe uma definição única deste processo que contenha toda a abrangência do fenômeno. Há inúmeras tentativas de definições a partir de autores já citados. Ainda, segundo outros, como Robert Solomon (2001, p. 11) diz que tal conceito são apenas transações internacionais crescentes de todos os tipos. Tal revolução da informação fez do mundo um lugar menor, ou até mesmo para Hirst e Thompson (1998, p. 20), afirmam que a Globalização é mito conveniente a um mundo sem ilusões, mas também é um mundo que rouba a esperança. 19

ESTUDO DE CASO MÓDULO XI. Sistema Monetário Internacional. Padrão Ouro 1870 1914

ESTUDO DE CASO MÓDULO XI. Sistema Monetário Internacional. Padrão Ouro 1870 1914 ESTUDO DE CASO MÓDULO XI Sistema Monetário Internacional Padrão Ouro 1870 1914 Durante muito tempo o ouro desempenhou o papel de moeda internacional, principalmente por sua aceitabilidade e confiança.

Leia mais

Guerra fria (o espaço mundial)

Guerra fria (o espaço mundial) Guerra fria (o espaço mundial) Com a queda dos impérios coloniais, duas grandes potências se originavam deixando o mundo com uma nova ordem tanto na parte política quanto na econômica, era os Estados Unidos

Leia mais

Ensino Fundamental II

Ensino Fundamental II Ensino Fundamental II Valor do trabalho: 2.0 Nota: Data: /dezembro/2014 Professora: Angela Disciplina: Geografia Nome: n o : Ano: 8º Trabalho de Recuperação Final de Geografia ORIENTAÇÕES: Leia atentamente

Leia mais

GLOBALIZAÇÃO FINANCEIRA E GLOBALIZAÇÃO PRODUTIVA

GLOBALIZAÇÃO FINANCEIRA E GLOBALIZAÇÃO PRODUTIVA GLOBALIZAÇÃO FINANCEIRA E GLOBALIZAÇÃO PRODUTIVA GLOBALIZAÇÃO FINANCEIRA Interação de três processos distintos: expansão extraordinária dos fluxos financeiros. Acirramento da concorrência nos mercados

Leia mais

MACROECONOMIA DA ESTAGNAÇÃO

MACROECONOMIA DA ESTAGNAÇÃO MACROECONOMIA DA ESTAGNAÇÃO Fernando Ferrari Filho Resenha do livro Macroeconomia da Estagnação: crítica da ortodoxia convencional no Brasil pós- 1994, de Luiz Carlos Bresser Pereira, Editora 34, São Paulo,

Leia mais

COMÉRCIO EXTERIOR. Causas da dívida Empréstimos internacionais para projetar e manter grandes obras. Aquisição de tecnologia e maquinário moderno.

COMÉRCIO EXTERIOR. Causas da dívida Empréstimos internacionais para projetar e manter grandes obras. Aquisição de tecnologia e maquinário moderno. 1. ASPECTOS GERAIS Comércio é um conceito que possui como significado prático, trocas, venda e compra de determinado produto. No início do desenvolvimento econômico, o comércio era efetuado através da

Leia mais

Após a década de 1990, várias pessoas em todo o mundo mantêm hábito de consumo semelhantes.

Após a década de 1990, várias pessoas em todo o mundo mantêm hábito de consumo semelhantes. A ECONOMIA GLOBAL Após a década de 1990, várias pessoas em todo o mundo mantêm hábito de consumo semelhantes. O século XX marcou o momento em que hábitos culturais, passaram a ser ditados pelas grandes

Leia mais

CASO 7 A evolução do balanço de pagamentos brasileiro no período do Real

CASO 7 A evolução do balanço de pagamentos brasileiro no período do Real CASO 7 A evolução do balanço de pagamentos brasileiro no período do Real Capítulo utilizado: cap. 13 Conceitos abordados Comércio internacional, balanço de pagamentos, taxa de câmbio nominal e real, efeitos

Leia mais

A Redução do Fluxo de Investimento Estrangeiro Direto e as Implicações para o Brasil

A Redução do Fluxo de Investimento Estrangeiro Direto e as Implicações para o Brasil A Redução do Fluxo de Investimento Estrangeiro Direto e as Implicações para o Brasil Análise Economia e Comércio Bernardo Erhardt de Andrade Guaracy 30 de outubro de 2003 A Redução do Fluxo de Investimento

Leia mais

SANTOS, B. S. Os processos da globalização In SANTOS, B. S. (org) (2001), Globalização Fatalidade ou utopia, Porto, Edições Afrontamento, pp.

SANTOS, B. S. Os processos da globalização In SANTOS, B. S. (org) (2001), Globalização Fatalidade ou utopia, Porto, Edições Afrontamento, pp. SANTOS, B. S. Os processos da globalização In SANTOS, B. S. (org) (2001), Globalização Fatalidade ou utopia, Porto, Edições Afrontamento, pp. 31-50 2º Ano ASE Sociologia do Desenvolvimento e da Mudança

Leia mais

O PLANO DE METAS DO GOVERNO DE JUCELINO KUBITSCHEK

O PLANO DE METAS DO GOVERNO DE JUCELINO KUBITSCHEK O PLANO DE METAS DO GOVERNO DE JUCELINO KUBITSCHEK O desenvolvimento autônomo com forte base industrial, que constituiu o núcleo da proposta econômica desde a Revolução de 1930 praticamente esgotou suas

Leia mais

Colégio São Paulo Geografia Prof. Eder Rubens - 2013

Colégio São Paulo Geografia Prof. Eder Rubens - 2013 Colégio São Paulo Geografia Prof. Eder Rubens - 2013 CAP. 02 A Dinâmica dos espaços da Globalização. (9º ano) *Estudaremos a difusão do modo capitalista de produção, ou seja, do modo de produzir bens e

Leia mais

DISCIPLINA: INTRODUÇÃO AO ESTUDO DAS RELAÇÕES INTERNACIONAIS

DISCIPLINA: INTRODUÇÃO AO ESTUDO DAS RELAÇÕES INTERNACIONAIS 7.PROJETO PEDAGÓGICO 1º SEMESTRE DISCIPLINA: INTRODUÇÃO À ECONOMIA EMENTA: Conceitos Fundamentais; Principais Escolas do Pensamento; Sistema Econômico; Noções de Microeconomia; Noções de Macroeconomia;

Leia mais

IGC Mozambique. A Dinâmica Recente da Economia Internacional e os Desafios para Moçambique

IGC Mozambique. A Dinâmica Recente da Economia Internacional e os Desafios para Moçambique IGC Mozambique A Dinâmica Recente da Economia Internacional e os Desafios para Moçambique 09 de Março de 2012 1 Introdução Uma visão retrospectiva mostra uma década que já aponta a grande clivagem da economia

Leia mais

O sucesso do Plano Real na economia brasileira RESUMO

O sucesso do Plano Real na economia brasileira RESUMO 1 O sucesso do Plano Real na economia brasileira Denis de Paula * RESUMO Esse artigo tem por objetivo evidenciar a busca pelo controle inflacionário no final da década de 1980 e início da década de 1990,

Leia mais

Crise financeira internacional: Natureza e impacto 1. Marcelo Carcanholo 2 Eduardo Pinto 3 Luiz Filgueiras 4 Reinaldo Gonçalves 5

Crise financeira internacional: Natureza e impacto 1. Marcelo Carcanholo 2 Eduardo Pinto 3 Luiz Filgueiras 4 Reinaldo Gonçalves 5 Crise financeira internacional: Natureza e impacto 1 Marcelo Carcanholo 2 Eduardo Pinto 3 Luiz Filgueiras 4 Reinaldo Gonçalves 5 Introdução No início de 2007 surgiram os primeiros sinais de uma aguda crise

Leia mais

A Ameaça Inflacionária no Mundo Emergente

A Ameaça Inflacionária no Mundo Emergente BRICS Monitor A Ameaça Inflacionária no Mundo Emergente Agosto de 2011 Núcleo de Análises de Economia e Política dos Países BRICS BRICS Policy Center / Centro de Estudos e Pesquisa BRICS BRICS Monitor

Leia mais

GEOGRAFIA - 3 o ANO MÓDULO 12 O BRASIL NEOLIBERAL E OS DESAFIOS PARA O SÉCULO XXI

GEOGRAFIA - 3 o ANO MÓDULO 12 O BRASIL NEOLIBERAL E OS DESAFIOS PARA O SÉCULO XXI GEOGRAFIA - 3 o ANO MÓDULO 12 O BRASIL NEOLIBERAL E OS DESAFIOS PARA O SÉCULO XXI Como pode cair no enem A desconcentração industrial verificada no Brasil, na última década, decorre, entre outros fatores,

Leia mais

CONTEXTO HISTORICO E GEOPOLITICO ATUAL. Ciências Humanas e suas tecnologias R O C H A

CONTEXTO HISTORICO E GEOPOLITICO ATUAL. Ciências Humanas e suas tecnologias R O C H A CONTEXTO HISTORICO E GEOPOLITICO ATUAL Ciências Humanas e suas tecnologias R O C H A O capitalismo teve origem na Europa, nos séculos XV e XVI, e se expandiu para outros lugares do mundo ( Ásia, África,

Leia mais

Emilio Botín: O objetivo é nos tornarmos o banco privado número um do Brasil

Emilio Botín: O objetivo é nos tornarmos o banco privado número um do Brasil Nota de Imprensa Emilio Botín: O objetivo é nos tornarmos o banco privado número um do Brasil Presidente mundial do Banco Santander apresenta em São Paulo o Plano Estratégico 2008-2010 para o A integração

Leia mais

Choques Desequilibram a Economia Global

Choques Desequilibram a Economia Global Choques Desequilibram a Economia Global Uma série de choques reduziu o ritmo da recuperação econômica global em 2011. As economias emergentes como um todo se saíram bem melhor do que as economias avançadas,

Leia mais

Evolução Recente dos Preços dos Alimentos e Combustíveis e suas Implicações

Evolução Recente dos Preços dos Alimentos e Combustíveis e suas Implicações 1 ASSESSORIA EM FINANÇAS PÚBLICAS E ECONOMIA PSDB/ITV NOTA PARA DEBATE INTERNO (não reflete necessariamente a posição das instituições) N : 153/2008 Data: 27.08.08 Versão: 1 Tema: Título: Macroeconomia

Leia mais

Congresso Brasileiro de Inovação da Indústria São Paulo, 13 e 14 de maio de 2015

Congresso Brasileiro de Inovação da Indústria São Paulo, 13 e 14 de maio de 2015 Congresso Brasileiro de Inovação da Indústria São Paulo, 13 e 14 de maio de 2015 INOVAR É FAZER Manifesto da MEI ao Fortalecimento da Inovação no Brasil Para nós empresários Inovar é Fazer diferente, Inovar

Leia mais

Aspectos recentes do Comércio Exterior Brasileiro

Aspectos recentes do Comércio Exterior Brasileiro Aspectos recentes do Comércio Exterior Brasileiro Análise Economia e Comércio / Integração Regional Jéssica Naime 09 de setembro de 2005 Aspectos recentes do Comércio Exterior Brasileiro Análise Economia

Leia mais

Prof. José Luis Oreiro Instituto de Economia UFRJ Pesquisador Nível I do CNPq.

Prof. José Luis Oreiro Instituto de Economia UFRJ Pesquisador Nível I do CNPq. Prof. José Luis Oreiro Instituto de Economia UFRJ Pesquisador Nível I do CNPq. Frenkel, R. (2002). Capital Market Liberalization and Economic Performance in Latin America As reformas financeiras da América

Leia mais

O processo de abertura comercial da China: impactos e perspectivas

O processo de abertura comercial da China: impactos e perspectivas O processo de abertura comercial da China: impactos e perspectivas Análise Economia e Comércio / Desenvolvimento Carolina Dantas Nogueira 20 de abril de 2006 O processo de abertura comercial da China:

Leia mais

O investimento público e o desenvolvimento econômico do Brasil

O investimento público e o desenvolvimento econômico do Brasil CRISTINA FRÓES DE BORJA REIS (*) O investimento público e o desenvolvimento econômico do Brasil Esse artigo apresenta as relações entre investimento público e desenvolvimento econômico no Brasil entre

Leia mais

A ascensão dos subdesenvolvidos. Geografia Professor Daniel Nogueira

A ascensão dos subdesenvolvidos. Geografia Professor Daniel Nogueira GE GRAFIA A ascensão dos subdesenvolvidos Geografia Professor Daniel Nogueira Os grupos econômicos são grupos de países com comportamento econômico específico. Geralmente economias com aspectos semelhantes.

Leia mais

O Mundo em 2030: Desafios para o Brasil

O Mundo em 2030: Desafios para o Brasil O Mundo em 2030: Desafios para o Brasil Davi Almeida e Rodrigo Ventura Macroplan - Prospectiva, Estratégia & Gestão Artigo Publicado em: Sidney Rezende Notícias - www.srzd.com Junho de 2007 Após duas décadas

Leia mais

AS PERSPECTIVAS DA ECONOMIA CRIATIVA NO BRASIL PARA GERAÇÃO DE EMPREGO E RENDA

AS PERSPECTIVAS DA ECONOMIA CRIATIVA NO BRASIL PARA GERAÇÃO DE EMPREGO E RENDA AS PERSPECTIVAS DA ECONOMIA CRIATIVA NO BRASIL PARA GERAÇÃO DE EMPREGO E RENDA Miranda Aparecida de Camargo luckcamargo@hotmail.com Acadêmico do Curso de Ciências Econômicas/UNICENTRO Luana Sokoloski sokoloski@outlook.com

Leia mais

O comportamento pós-crise financeira das taxas de câmbio no Brasil, China, Índia e Europa

O comportamento pós-crise financeira das taxas de câmbio no Brasil, China, Índia e Europa O comportamento pós-crise financeira das taxas de câmbio no Brasil, China, Índia e Europa Guilherme R. S. Souza e Silva * RESUMO - O presente artigo apresenta e discute o comportamento das taxas de câmbio

Leia mais

Cadernos ASLEGIS. ISSN 1677-9010 / www.aslegis.org.br. http://bd.camara.leg.br

Cadernos ASLEGIS. ISSN 1677-9010 / www.aslegis.org.br. http://bd.camara.leg.br ASSOCIAÇÃO DOS CONSULTORES LEGISLATIVOS E DE ORÇAMENTO E FISCALIZAÇÃO FINANCEIRA DA CÂMARA DOS DEPUTADOS Cadernos ASLEGIS ISSN 1677-9010 / www.aslegis.org.br http://bd.camara.leg.br Glohalização das finanças:

Leia mais

O PAPEL DA AGRICULTURA. Affonso Celso Pastore

O PAPEL DA AGRICULTURA. Affonso Celso Pastore O PAPEL DA AGRICULTURA Affonso Celso Pastore 1 1 Uma fotografia do setor agrícola tirada em torno de 195/196 Entre 195 e 196 o Brasil era um exportador de produtos agrícolas com concentração em algumas

Leia mais

A despeito dos diversos estímulos monetários e fiscais, economia chinesa segue desacelerando

A despeito dos diversos estímulos monetários e fiscais, economia chinesa segue desacelerando INFORMATIVO n.º 42 NOVEMBRO de 2015 A despeito dos diversos estímulos monetários e fiscais, economia chinesa segue desacelerando Fabiana D Atri - Economista Coordenadora do Departamento de Pesquisas e

Leia mais

Aula 10.1. Avaliação da Unidade II Pontuação: 7,5 pontos

Aula 10.1. Avaliação da Unidade II Pontuação: 7,5 pontos Aula 10.1 Avaliação da Unidade II Pontuação: 7,5 pontos 1ª QUESTÃO (1,0) Em seu discurso de despedida do Senado, em dezembro de 1994, o presidente Fernando Henrique Cardoso anunciou o fim da Era Vargas,

Leia mais

Por uma nova etapa da cooperação econômica Brasil - Japão Câmara de Comércio e Indústria Japonesa do Brasil São Paulo, 11 de Julho de 2014

Por uma nova etapa da cooperação econômica Brasil - Japão Câmara de Comércio e Indústria Japonesa do Brasil São Paulo, 11 de Julho de 2014 1 Por uma nova etapa da cooperação econômica Brasil - Japão Câmara de Comércio e Indústria Japonesa do Brasil São Paulo, 11 de Julho de 2014 Brasil: Fundamentos Macroeconômicos (1) Reservas International

Leia mais

Investimento internacional. Fluxos de capitais e reservas internacionais

Investimento internacional. Fluxos de capitais e reservas internacionais Investimento internacional Fluxos de capitais e reservas internacionais Movimento internacional de fatores Determinantes da migração internacional: diferencial de salários; possibilidades e condições do

Leia mais

Desafios para a Indústria Eletroeletrônica

Desafios para a Indústria Eletroeletrônica Desafios para a Indústria Eletroeletrônica 95 O texto aponta as características das áreas da indústria eletroeletrônica no país e os desafios que este setor tem enfrentado ao longo das últimas décadas.

Leia mais

Unidade 6: O Leste e o Sudeste Asiático

Unidade 6: O Leste e o Sudeste Asiático Unidade 6: O Leste e o Sudeste Asiático Capítulo 1: Japão - Capítulo 2: China - Capítulo 4: Tigres Asiáticos Apresentação elaborada pelos alunos do 9º Ano C Monte Fuji - Japão Muralha da China Hong Kong

Leia mais

Bom dia, Senhoras e Senhores. Introdução

Bom dia, Senhoras e Senhores. Introdução Bom dia, Senhoras e Senhores Introdução Gostaria de começar por agradecer o amável convite que o Gabinete do Parlamento Europeu em Lisboa me dirigiu para participar neste debate e felicitar os organizadores

Leia mais

O País que Queremos Ser Os fatores de competitividade e o Plano Brasil Maior

O País que Queremos Ser Os fatores de competitividade e o Plano Brasil Maior O País que Queremos Ser Os fatores de competitividade e o Plano Brasil Maior Alessandro Golombiewski Teixeira Secretário-Executivo São Paulo, agosto de 2012 Introdução 1 Contexto Econômico Internacional;

Leia mais

O Desafio do Aumento da Produtividade na Indústria para Conquistar um Mercado Global

O Desafio do Aumento da Produtividade na Indústria para Conquistar um Mercado Global O Desafio do Aumento da Produtividade na Indústria para Conquistar um Mercado Global Jorge A r bache U n i v e r s i d a d e d e B r a s í l i a S E M P E X 2 0 1 4 M a c e i ó, 2 2 / 5 / 2 0 1 4 0,45

Leia mais

Relato - Do Fordismo/Keynesiano ao Toyotismo/Neoliberal

Relato - Do Fordismo/Keynesiano ao Toyotismo/Neoliberal Relato - Do Fordismo/Keynesiano ao Toyotismo/Neoliberal Segundo diferentes autores, como ANTUNES (1999), HARVEY (2001), GOUNET (1999), KURZ (1996) entre outros, vivemos, atualmente, o chamado desemprego

Leia mais

A REORIENTAÇÃO DO DESENVOLVIMENTO INDUSTRIAL BRASILEIRO IBGC 26/3/2015

A REORIENTAÇÃO DO DESENVOLVIMENTO INDUSTRIAL BRASILEIRO IBGC 26/3/2015 A REORIENTAÇÃO DO DESENVOLVIMENTO INDUSTRIAL BRASILEIRO IBGC 26/3/2015 1 A Situação Industrial A etapa muito negativa que a indústria brasileira está atravessando vem desde a crise mundial. A produção

Leia mais

A indústria de máquinas-ferramenta. Mauro Thomaz de Oliveira Gomes, Mary Lessa Alvim Ayres, Geraldo Andrade da Silva Filho

A indústria de máquinas-ferramenta. Mauro Thomaz de Oliveira Gomes, Mary Lessa Alvim Ayres, Geraldo Andrade da Silva Filho A indústria de máquinas-ferramenta Mauro Thomaz de Oliveira Gomes, Mary Lessa Alvim Ayres, Geraldo Andrade da Silva Filho FERRAMENTA Mauro Thomaz de Oliveira Gomes Mary Lessa Alvim Ayres Geraldo Andrade

Leia mais

Palestra: Macroeconomia e Cenários. Prof. Antônio Lanzana 2012

Palestra: Macroeconomia e Cenários. Prof. Antônio Lanzana 2012 Palestra: Macroeconomia e Cenários Prof. Antônio Lanzana 2012 ECONOMIA MUNDIAL E BRASILEIRA SITUAÇÃO ATUAL E CENÁRIOS SUMÁRIO I. Cenário Econômico Mundial II. Cenário Econômico Brasileiro III. Potencial

Leia mais

A Importância dos Fundos de Investimento no Financiamento do Governo

A Importância dos Fundos de Investimento no Financiamento do Governo A Importância dos Fundos de Investimento no Financiamento do Governo A importância dos Fundos de Investimento no Financiamento do Governo Prof. William Eid Junior Professor Titular Coordenador do GV CEF

Leia mais

Ambiente de Negócios e Reformas Institucionais no Brasil

Ambiente de Negócios e Reformas Institucionais no Brasil Ambiente de Negócios e Reformas Institucionais no Brasil Fernando Veloso IBRE/FGV Book Launch of Surmounting the Middle Income Trap: The Main Issues for Brazil (IBRE/FGV e ILAS/CASS) Beijing, 6 de Maio

Leia mais

Futebol alemão X Futebol brasileiro

Futebol alemão X Futebol brasileiro Futebol alemão X Futebol brasileiro Um fez sua revolução. Outro nem começou! Novembro de 2015 A revolução na Alemanha Eliminação precoce na Eurocopa de 2000 impulsionou as mudanças. Plano de longo prazo

Leia mais

AS ORIGENS DO SUBDESENVOLVIMENTO

AS ORIGENS DO SUBDESENVOLVIMENTO AS ORIGENS DO SUBDESENVOLVIMENTO 1. A TEORIA LIBERAL Os Países pobres são pobres porque não atingiram ainda a eficiência produtiva e o equilíbrio econômico necessário à manutenção de um ciclo de prosperidade

Leia mais

Fernanda de Paula Ramos Conte Lílian Santos Marques Severino RESUMO:

Fernanda de Paula Ramos Conte Lílian Santos Marques Severino RESUMO: O Brasil e suas políticas sociais: características e consequências para com o desenvolvimento do país e para os agrupamentos sociais de nível de renda mais baixo nas duas últimas décadas RESUMO: Fernanda

Leia mais

ECONOMIA BRASILEIRA DESEMPENHO RECENTE E CENÁRIOS PARA 2015. Prof. Antonio Lanzana Dezembro/2014

ECONOMIA BRASILEIRA DESEMPENHO RECENTE E CENÁRIOS PARA 2015. Prof. Antonio Lanzana Dezembro/2014 ECONOMIA BRASILEIRA DESEMPENHO RECENTE E CENÁRIOS PARA 2015 Prof. Antonio Lanzana Dezembro/2014 SUMÁRIO 1. Economia Mundial e Impactos sobre o Brasil 2. A Economia Brasileira Atual 2.1. Desempenho Recente

Leia mais

Exercícios sobre Tigres Asiáticos

Exercícios sobre Tigres Asiáticos Exercícios sobre Tigres Asiáticos Material de apoio do Extensivo 1. (UNITAU) Apesar das críticas, nos últimos tempos, alguns países superaram o subdesenvolvimento. São os NIC (Newly Industrialized Countries),

Leia mais

Cenário Econômico para 2014

Cenário Econômico para 2014 Cenário Econômico para 2014 Silvia Matos 18 de Novembro de 2013 Novembro de 2013 Cenário Externo As incertezas com relação ao cenário externo em 2014 são muito elevadas Do ponto de vista de crescimento,

Leia mais

PROGRAMA DE AÇÃO ECONÔMICA DO GOVERNO (PAEG): DO MILAGRE ECONÔMICO AO FIM DO SONHO 1

PROGRAMA DE AÇÃO ECONÔMICA DO GOVERNO (PAEG): DO MILAGRE ECONÔMICO AO FIM DO SONHO 1 PROGRAMA DE AÇÃO ECONÔMICA DO GOVERNO (PAEG): DO MILAGRE ECONÔMICO AO FIM DO SONHO 1 Introdução Márcio Kerecki Miguel dos Santos 2 O Brasil novo que se inicia depois da crise de 1929 e da tomada do poder

Leia mais

INTEGRAÇÃO DO CONE SUL: A INSERÇÃO REGIONAL NA ORDEM GLOBAL 2

INTEGRAÇÃO DO CONE SUL: A INSERÇÃO REGIONAL NA ORDEM GLOBAL 2 INTEGRAÇÃO DO CONE SUL: A INSERÇÃO REGIONAL NA ORDEM GLOBAL 2 INTEGRAÇÃO DO CONE SUL: A INSERÇÃO REGIONAL NA ORDEM GLOBAL HAROLDO LOGUERCIO CARVALHO * A nova ordem internacional que emergiu com o fim da

Leia mais

Reforma gerencial do Estado, teoria política e ensino da administração pública

Reforma gerencial do Estado, teoria política e ensino da administração pública Artigo Especial Reforma gerencial do Estado, teoria política e ensino da administração pública Luiz Carlos Bresser-Pereira 1 1 Fundação Getúlio Vargas. Ministro da Fazenda (1987). Ministro da Administração

Leia mais

Sessão 3: Envolvendo empregadores e sindicatos

Sessão 3: Envolvendo empregadores e sindicatos Sessão 3: Envolvendo empregadores e sindicatos Senhor Ministro Chris Alexander, Senhoras e senhores, Primeiramente, gostaria cumprimentar a Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE)

Leia mais

A ASSOCIAÇÃO DAS NAÇÕES DO SUDESTE ASIÁTICO E SEU AMBIENTE DE NEGÓCIOS

A ASSOCIAÇÃO DAS NAÇÕES DO SUDESTE ASIÁTICO E SEU AMBIENTE DE NEGÓCIOS www.observatorioasiapacifico.org A ASSOCIAÇÃO DAS NAÇÕES DO SUDESTE ASIÁTICO E SEU AMBIENTE DE NEGÓCIOS Ignacio Bartesaghi 1 O debate na América Latina costuma focar-se no sucesso ou no fracasso dos processos

Leia mais

NOTA CEMEC 03/2015 FATORES DA QUEDA DO INVESTIMENTO 2010-2014

NOTA CEMEC 03/2015 FATORES DA QUEDA DO INVESTIMENTO 2010-2014 NOTA CEMEC 03/2015 FATORES DA QUEDA DO INVESTIMENTO 2010-2014 Março 2015 1 NOTA CEMEC 03/2015 SUMÁRIO Os dados de Contas Nacionais atualizados até o terceiro trimestre de 2014 revelam a continuidade da

Leia mais

COLÉGIO XIX DE MARÇO excelência em educação

COLÉGIO XIX DE MARÇO excelência em educação COLÉGIO XIX DE MARÇO excelência em educação 2ª PROVA PARCIAL DE GEOGRAFIA Aluno(a): Nº Ano: 8º Turma: Data: 04/06/2011 Nota: Professor: Edvaldo Valor da Prova: 40 pontos Assinatura do responsável: Orientações

Leia mais

Perspectivas para o desenvolvimento brasileiro e a indústria de commodities minerais

Perspectivas para o desenvolvimento brasileiro e a indústria de commodities minerais Perspectivas para o desenvolvimento brasileiro e a indústria de commodities minerais João Carlos Ferraz BNDES 31 de agosto de 2008 Guia Contexto macroeconômico Políticas públicas Perpectivas do investimento

Leia mais

Resumo Aula-tema 05: Análise Comparativa do Desenvolvimento Econômico da Índia e da China

Resumo Aula-tema 05: Análise Comparativa do Desenvolvimento Econômico da Índia e da China Resumo Aula-tema 05: Análise Comparativa do Desenvolvimento Econômico da Índia e da China Esta aula tratará da análise comparativa do processo de desenvolvimento da China e da Índia, países que se tornaram

Leia mais

O PLANEJAMENTO ECONÔMICO E A ARTICULAÇÃO REGIONAL *

O PLANEJAMENTO ECONÔMICO E A ARTICULAÇÃO REGIONAL * O PLANEJAMENTO ECONÔMICO E A ARTICULAÇÃO REGIONAL * Lúcio Alcântara ** Durante o dia de hoje estaremos dando continuidade aos debates que vêm sendo realizados desde o início do governo Lula sobre a reestruturação

Leia mais

Associação Catarinense das Fundações Educacionais ACAFE PARECER DOS RECURSOS

Associação Catarinense das Fundações Educacionais ACAFE PARECER DOS RECURSOS 11) China, Japão e Índia são três dos principais países asiáticos. Sobre sua História, cultura e relações com o Ocidente, analise as afirmações a seguir. l A China passou por um forte processo de modernização

Leia mais

PANORAMA DA ECONOMIA RUSSA

PANORAMA DA ECONOMIA RUSSA PANORAMA DA ECONOMIA RUSSA A Federação da Rússia é o maior país do mundo, com 17 milhões de km2. O censo de 2001 revelou uma população de 142,9 milhões de habitantes, 74% dos quais vivendo nos centros

Leia mais

A importância dos Bancos de Desenvolvimento

A importância dos Bancos de Desenvolvimento MISSÃO PERMANENTE DA REPÚBLICA DE ANGOLA JUNTO AO OFÍCIO DAS NAÇÕES UNIDAS REPRESENTAÇÃO COMERCIAL GENEBRA - SUÍÇA NOTA DE TRABALHO A importância dos Bancos de Desenvolvimento G E NEBRA A OS 5 DE Segundo

Leia mais

Estudos sobre a Taxa de Câmbio no Brasil

Estudos sobre a Taxa de Câmbio no Brasil Estudos sobre a Taxa de Câmbio no Brasil Fevereiro/2014 A taxa de câmbio é um dos principais preços relativos da economia, com influência direta no desempenho macroeconômico do país e na composição de

Leia mais

Em resumo: Geopolítica é o estudo das relações entre os Estados na disputa pelo controle do poder e a capacidade de exercê-lo sobre os demais países.

Em resumo: Geopolítica é o estudo das relações entre os Estados na disputa pelo controle do poder e a capacidade de exercê-lo sobre os demais países. 21/10/2014 Em resumo: Geopolítica é o estudo das relações entre os Estados na disputa pelo controle do poder e a capacidade de exercê-lo sobre os demais países. O NASCIMENTO DA DISCIPLINA: Ratzel, no contexto

Leia mais

Gabarito oficial preliminar: História

Gabarito oficial preliminar: História 1) Questão 1 Segundo José Bonifácio, o fim do tráfico de escravos significaria uma ameaça à existência do governo porque Geraria uma crise econômica decorrente da diminuição da mão de obra disponível,

Leia mais

Plano Brasil Maior e o Comércio Exterior Políticas para Desenvolver a Competitividade

Plano Brasil Maior e o Comércio Exterior Políticas para Desenvolver a Competitividade Plano Brasil Maior e o Comércio Exterior Políticas para Desenvolver a Competitividade Alessandro Golombiewski Teixeira Secretário-Executivo do MDIC Rio de Janeiro, Agosto de 2011 Introdução 1 Contexto

Leia mais

GUERRA FRIA 1945 1991

GUERRA FRIA 1945 1991 GUERRA FRIA 1945 1991 Guerra Fria 1945-1991 Conceito: Conflitos políticos, ideológicos e militares (indiretos), que aconteceram no pós guerra entre as duas potências mundiais EUA e URSS entre 1945-1991.

Leia mais

VI Conferência Anpei: Inovação como Estratégia Competitiva

VI Conferência Anpei: Inovação como Estratégia Competitiva REVISTA DO BNDES, RIO DE JANEIRO, V. 13, N. 26, P. 303-308, DEZ. 2006 VI Conferência Anpei: Inovação como Estratégia Competitiva Data: 5 a 7 de junho de 2006 Local: Rio de Janeiro (RJ) Representante do

Leia mais

Exercícios Reorganização Política Internacional

Exercícios Reorganização Política Internacional Exercícios Reorganização Política Internacional 1. (Ufg 2013) Analise a charge a seguir. A charge refere-se a dois temas: o papel do Estado na economia e as relações de trabalho. A respeito desses temas,

Leia mais

Roteiro de Estudos. 2 trimestre - 2015 Disciplina: Geografia 2ª série

Roteiro de Estudos. 2 trimestre - 2015 Disciplina: Geografia 2ª série Roteiro de Estudos 2 trimestre - 2015 Disciplina: Geografia 2ª série Professor: Eduardo O que devo saber: Globalização, comércio mundial e blocos econômicos. O Comércio Global. O protecionismo. O comércio

Leia mais

Uma proposição de política cambial para a economia brasileira +

Uma proposição de política cambial para a economia brasileira + Uma proposição de política cambial para a economia brasileira + Fernando Ferrari Filho * e Luiz Fernando de Paula ** A recente crise financeira internacional mostrou que a estratégia nacional para lidar

Leia mais

FORMAÇÃO DO TERRITORIO BRASILEIRO. Prof. Israel Frois

FORMAÇÃO DO TERRITORIO BRASILEIRO. Prof. Israel Frois FORMAÇÃO DO TERRITORIO BRASILEIRO Prof. Israel Frois SÉCULO XV Território desconhecido; Era habitado por ameríndios ; Natureza praticamente intocada Riqueza imediata: Pau-Brasil (Mata Atlântica) Seus limites

Leia mais

Entrevista / Ricardo Amorim por Roberto Ferreira / Foto Victor Andrade

Entrevista / Ricardo Amorim por Roberto Ferreira / Foto Victor Andrade Entrevista / Ricardo Amorim por Roberto Ferreira / Foto Victor Andrade 28 r e v i s t a revenda construção entrevista_ed.indd 28 14/05/10 22:05 País rico e já estável era rricardo Amorim, economista formado

Leia mais

A Indústria da Propaganda

A Indústria da Propaganda A Indústria da Propaganda Aprendendo com o Passado Transformando o Presente Vivendo o Futuro Junho 2004 Um Pouco de História As Relações Macro-Econômicas e o Desenvolvimento da Propaganda no Brasil Anos

Leia mais

Conjuntura Global Dá uma Guinada Rumo ao Desenvolvimento

Conjuntura Global Dá uma Guinada Rumo ao Desenvolvimento Volume 11, Number 4 Fourth Quarter 2009 Conjuntura Global Dá uma Guinada Rumo ao Desenvolvimento As economias pelo mundo estão emergindo da recessão, embora em diferentes velocidades. As economias em desenvolvimento

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Coordenação de Biblioteca 36 Discurso por ocasião do jantar

Leia mais

Bônus demográfico, crescimento econômico e redução da pobreza no Brasil

Bônus demográfico, crescimento econômico e redução da pobreza no Brasil Bônus demográfico, crescimento econômico e redução da pobreza no Brasil José Eustáquio Diniz Alves i As eleições de 2 nem começaram de fato, mas já existe uma grande quantidade de textos circulando na

Leia mais

ROSÁRIO MARQUES Internacionalizar para a Colômbia Encontro Empresarial GUIMARÃES 19/09/2014

ROSÁRIO MARQUES Internacionalizar para a Colômbia Encontro Empresarial GUIMARÃES 19/09/2014 ROSÁRIO MARQUES Internacionalizar para a Colômbia Encontro Empresarial GUIMARÃES 19/09/2014 REPÚBLICA DA COLÔMBIA POPULAÇÃO 48 Milhões SUPERFÍCIE 1.141.748 Km2 CAPITAL Bogotá 7,3 milhões PRINCIPAIS CIDADES

Leia mais

AS NOVAS TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO NUMA SOCIEDADE EM TRANSIÇÃO

AS NOVAS TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO NUMA SOCIEDADE EM TRANSIÇÃO AS NOVAS TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO NUMA SOCIEDADE EM TRANSIÇÃO AS NOVAS TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO NUMA SOCIEDADE EM TRANSIÇÃO MÁRCIA MARIA PALHARES (márcia.palhares@uniube.br) RACHEL INÊS DA SILVA (bcpt2@uniube.br)

Leia mais

UM ANO DEPOIS: PRESTAR CONTAS

UM ANO DEPOIS: PRESTAR CONTAS UM ANO DEPOIS: PRESTAR CONTAS Há um ano, o XIX Governo constitucional iniciou funções com o País submetido a um Programa de Ajustamento Financeiro e Económico (PAEF) tornado inevitável perante a iminência

Leia mais

Questão em foco: O ROI do Gerenciamento de Portfólio de Produto. O Guia para prever o retorno do investimento do PPM

Questão em foco: O ROI do Gerenciamento de Portfólio de Produto. O Guia para prever o retorno do investimento do PPM Questão em foco: O ROI do Gerenciamento de Portfólio de Produto O Guia para prever o retorno do investimento do PPM Tech-Clarity, Inc. 2008 Sumário Introdução à questão... 3 Cálculo dos benefícios do Gerenciamento

Leia mais

Investimento em infraestrutura: efeitos multiplicadores sobre o crescimento do PIB

Investimento em infraestrutura: efeitos multiplicadores sobre o crescimento do PIB Investimento em infraestrutura: efeitos multiplicadores sobre o crescimento do PIB Brasília (DF), 06 de outubro de 2015 1 Diretoria Estratégia da Marca Gerência de Assessoramento Econômico Economia Internacional

Leia mais

7.000 6.500 6.000 5.500 5.000 4.500 4.000 3.500 3.000 2.500 2.000 1.500 1.000 500 - -500-1.000 fev./2010. ago./2011. fev./2012. nov.

7.000 6.500 6.000 5.500 5.000 4.500 4.000 3.500 3.000 2.500 2.000 1.500 1.000 500 - -500-1.000 fev./2010. ago./2011. fev./2012. nov. 4 SETOR EXTERNO As contas externas tiveram mais um ano de relativa tranquilidade em 2012. O déficit em conta corrente ficou em 2,4% do Produto Interno Bruto (PIB), mostrando pequeno aumento em relação

Leia mais

A Mobilização Empresarial pela Inovação: 25/05/2011

A Mobilização Empresarial pela Inovação: 25/05/2011 A Mobilização Empresarial pela Inovação: Desafios da Inovação no Brasil Rafael Lucchesi Rafael Lucchesi 25/05/2011 CNI e vários líderes empresariais fizeram um balanço crítico da agenda empresarial em

Leia mais

RISCOS E OPORTUNIDADES PARA A INDÚSTRIA DE BENS DE CONSUMO. Junho de 2012

RISCOS E OPORTUNIDADES PARA A INDÚSTRIA DE BENS DE CONSUMO. Junho de 2012 RISCOS E OPORTUNIDADES PARA A INDÚSTRIA DE BENS DE CONSUMO Junho de 2012 Riscos e oportunidades para a indústria de bens de consumo A evolução dos últimos anos, do: Saldo da balança comercial da indústria

Leia mais

MANUAL DE INVESTIMENTOS

MANUAL DE INVESTIMENTOS IPEA - INSTITUTO DE PESQUISA ECONÔMICA APLICADA MANUAL DE INVESTIMENTOS PROPOSTA DE COLETA E CADRASTRAMENTO DE INFORMAÇÕES SOBRE INTENÇÕES DE INVESTIMENTOS EMPRESARIAIS (Segunda Versão) Luciana Acioly

Leia mais

UMA ANÁLISE DAS TENDÊNCIAS GLOBAIS PARA 2025: As Perspectivas de Novas Potências Econômicas Internacionais

UMA ANÁLISE DAS TENDÊNCIAS GLOBAIS PARA 2025: As Perspectivas de Novas Potências Econômicas Internacionais UMA ANÁLISE DAS TENDÊNCIAS GLOBAIS PARA 2025: As Perspectivas de Novas Potências Econômicas Internacionais Arielli Xavier de Lima 1, Vilma da Silva Santos 2, Paulo Cesar Ribeiro Quintairos 3, Edson Aparecida

Leia mais

Northern Telecom Ltd (Nortel). Isto devido ao seu atraso na substituição da tecnologia analógica pela digital.

Northern Telecom Ltd (Nortel). Isto devido ao seu atraso na substituição da tecnologia analógica pela digital. MOTOROLA A empresa alcançou um faturamento global da ordem de US$ $37.6 bilhões em 2000. É líder mundial em sistemas e serviços eletrônicos avançados. Atuando de maneira globalizada em 45 países, mais

Leia mais

POLÍTICA DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA

POLÍTICA DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA POLÍTICA DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA ESTEVÃO FREIRE estevao@eq.ufrj.br DEPARTAMENTO DE PROCESSOS ORGÂNICOS ESCOLA DE QUÍMICA - UFRJ Tópicos: Ciência, tecnologia e inovação; Transferência de tecnologia; Sistemas

Leia mais

GLOBALIZAÇÃO. O tema da redução da jornada de trabalho é, ainda hoje, uma questão envolta em polêmicas.

GLOBALIZAÇÃO. O tema da redução da jornada de trabalho é, ainda hoje, uma questão envolta em polêmicas. LISTA: 01 1ª série Ensino Médio Professor(a): B - Negão Turma: A ( ) / B ( ) Aluno(a): Segmento temático: GLOBALIZAÇÃO DIA: MÊS: 01 2016 QUESTÃO 01 03 (PUC-RIO-2012-1) O tema da redução da jornada de trabalho

Leia mais

Metodologia. Pesquisa Quantitativa Coleta de dados: Público Alvo: Amostra: 500 entrevistas realizadas. Campo: 16 a 29 de Setembro de 2010

Metodologia. Pesquisa Quantitativa Coleta de dados: Público Alvo: Amostra: 500 entrevistas realizadas. Campo: 16 a 29 de Setembro de 2010 Metodologia Pesquisa Quantitativa Coleta de dados: Através de e-survey - via web Público Alvo: Executivos de empresas associadas e não associadas à AMCHAM Amostra: 500 entrevistas realizadas Campo: 16

Leia mais

Unidade 6: América: contrastes no desenvolvimento

Unidade 6: América: contrastes no desenvolvimento Unidade 6: América: contrastes no desenvolvimento Capítulo 1: América: Um continente de Contrastes Capítulo 2: Estados Unidos e Canadá Apresentação elaborada pelos alunos do 8º Ano B Montanhas Rochosas

Leia mais

MINISTÉRIO DAS FINANÇAS

MINISTÉRIO DAS FINANÇAS XXI Encontro de Lisboa entre as Delegações dos Bancos Centrais dos Países de Língua Oficial Portuguesa à Assembleia Anual do FMI/BM Banco de Portugal 19 de Setembro de 2011 Intervenção do Ministro de Estado

Leia mais

O Mercado de Seguros no Brasil no Século XXI

O Mercado de Seguros no Brasil no Século XXI 18º Congresso Brasileiro dos Corretores de Seguros O Mercado de Seguros no Brasil no Século XXI Cenário econômico atual e perspectivas para nosso país Henrique Meirelles 16 de Outubro, 2013 1 Agenda Introdução

Leia mais

Cenários brasileiros de recursos hídricos para 2025 Antonio Eduardo Lanna

Cenários brasileiros de recursos hídricos para 2025 Antonio Eduardo Lanna Cenários brasileiros de recursos hídricos para 2025 Antonio Eduardo Lanna Uma brevíssima história do século passado, a cada 20 anos Fonte: George Friedman, Os próximos 100 anos. 2 Brevíssima história do

Leia mais