SANTOS, B. S. Os processos da globalização In SANTOS, B. S. (org) (2001), Globalização Fatalidade ou utopia, Porto, Edições Afrontamento, pp.

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "SANTOS, B. S. Os processos da globalização In SANTOS, B. S. (org) (2001), Globalização Fatalidade ou utopia, Porto, Edições Afrontamento, pp."

Transcrição

1 SANTOS, B. S. Os processos da globalização In SANTOS, B. S. (org) (2001), Globalização Fatalidade ou utopia, Porto, Edições Afrontamento, pp º Ano ASE Sociologia do Desenvolvimento e da Mudança Social Professor Nuno Carvalho Ana R. Santos Catarina Fernandes Susana Santos Adriana Gomes

2 1.Globalização : GIDDENS: «Intensificação de relações sociais mundiais que unem localidades distantes de tal modo que os acontecimentos locais são condicionados por eventos que acontecem a muitas milhas de distância e vice-versa.» GRUPO DE LISBOA : «É uma fase posterior à internacionalização e à multinacionalização anuncia o fim do sistema nacional enquanto núcleo central das actividades e estratégias humanas organizadas» (1994)

3 Globalização: Fenómeno multifacetado com consequências sociais, políticas, culturais, religiosas e jurídicas que se relacionam de forma complexa. Grupos sociais, estados e interesses hegemónicos Gera conflitos Grupos sociais, estados e interesses subalternos Globalização hegemónica (consenso de Washington) Globalização contrahegemónicaa

4 2.Globalização Económica e Neoliberalismo

5 Neoliberalismo : «Conjunto de ideias políticas e económicas capitalistas que defende a não participação do estado na economia.» ( Friedman, 1970)

6 Nova Economia Mundial Dominada pelo sistema financeiro e pelo investimento; Baixos custos de transporte; Revolução nas tecnologias de comunicação e informação; Emergência de 3 grandes capitalismos transnacionais: Americano Japonês Europeu

7 Transformações nas politicas económicas nacionais Economias nacionais abrem-se ao mercado mundial; Preços locais adequam-se a preços internacionais; O sector empresarial do Estado deve se privatizado; A regulação do Estado na economia deve ser mínima;...

8 Mudanças as na Economia Mundial Geografia Estreitamento para eixo Este-Leste; Investimento estrangeiro directo dirige-se para Leste, Sul e Sudeste Asiático; Institucionais: Ascendência da Banca e dos serviços internacionais (empresas multinacionais, mercados financeiros globais, blocos comerciais transnacionais); Concentração do poder económico nas multinacionais.

9 3. Globalização social e desigualdades

10 Classe? Becker e Sklar Membros de um determinado grupo partilham uma situação comum de privilégio socioeconómico e um interesse comum de classe nas relações de poder político e o controlo social que são intrínsecas ao modo de produção capitalista.

11 Novo sistema de classes Classe alta/burguesia: Elite empresarial, directores de empresas, altos funcionários do Estado, lideres políticos e profissionais influentes (Ramo Local) ; Gestores das empresas multinacionais, e dirigentes das instituições internacionais (Ramo Internacional).

12 Evans: Novo modelo é injusto porque a restribuição da massa da população para a burguesia estatal, as multinacionais e o capital local impossibilita restribuição de rendimentos

13 Desigualdades (exemplos) Países pobres 85,2% da população mundial 21,5% do rendimento mundial; Países ricos 14,8% da população mundial 78,5% do rendimento mundial; Quinto país mais rico concentra 79% dos utilizadores da internet; 1% das famílias norte-americanas detinha 40% da riqueza e as 20% mais ricas detinha 80% da riqueza do país; Países pobres 90% das doenças 10 % dos recursos gastos na saúde (globalmente).

14 Consenso neoliberal entre países ricos e países centrais é imposto aos países periféricos e semiperiféricos através do controlo da dívida externa pelo Fundo Monetário Internacional e pelo Banco Mundial Globalização da pobreza

15 África Subsariana Entre 1980 e 1995: Aumento da divida externa, no valor de milhões de dólares Aumento em percentagem do PIB (50,7%) Aumento da percentagem de exportações (150%) No final do séc. XX a África pagava 1,31 dólares de divida externa por cada dólar de ajuda internacional que recebida

16 4. Globalização politica e o estado-na nação

17 Divisão internacional do trabalho + Economia publica pró mercado = Mudanças no sistema interestatal 1. Estados Hegemónicos diminuíram a autonomia política e a soberania efectiva dos Estados periféricos e semiperiféricos 2. Estado-nação perde a sua centralidade 3. Acentuaram-se os acordos políticos interestatais (ex: União Europeia)

18 Contexto internacional Influencia a regulação jurídica da economia Modelização e Unificação do direito económico Normalização e Uniformização (ex: UNIDROIT)

19 Globalização fenómeno novo Amplo e vasto, que cobre um campo muito grande de intervenção estatal e que requer mudanças drásticas no padrão de intervenção Enfraquecimento dos poderes do estado Pressão sobre os estados é monolítica (Consenso de Washington) Assimetrias entre os Estados Centrais e Estados periféricos e semi-periféricos/norte e Sul; São as mais dramáticas de sempre; Pressão apoiada por 1 coligação transnacional (empresas multinacionais, agencias financeiras internacionais e outros actores transnacionais privados).

20 3 tendências na transformação do poder do Estado Desnacionalização do Estado Internacinalização do Estado nacional Des-estatização dos Regimes políticos

21 3 componentes do Consenso de Washington Consenso do Estado fraco Consenso da democracia liberal Convergência entre liberdade política e liberdade económica Consenso do primado do direito e do sistema judicial Procura vincular a globalização política à globalização económica Reclama um novo quadro legal que que seja adequado à liberalização dos mercados, dos investimentos e do sistema financeiro

22 Poder da institucionalidade transnacional (instituições politicas internacionais, agências financeiras multilaterais, blocos político-económicos). Levou à emergência da possibilidade de um Governo Global.

que implica a redescoberta ou a invenção de actividades produtivas de proximidade. Esta posição tem-se traduzido na identificação, criação e promoção

que implica a redescoberta ou a invenção de actividades produtivas de proximidade. Esta posição tem-se traduzido na identificação, criação e promoção Globalização Segundo Giddens, globalização é a intensificação de relações sociais mundiais que unem localidades distantes de tal modo que os acontecimentos locais são condicionados por eventos que acontecem

Leia mais

PREPARATÓRIO ENADE 2015 FACULDADE DOIS DE JULHO

PREPARATÓRIO ENADE 2015 FACULDADE DOIS DE JULHO E N A PREPARATÓRIO ENADE 2015 FACULDADE DOIS DE JULHO CURSO DE FORMAÇÃO GERAL TEMA 3: CRISE FINANCEIRA E GLOBALIZAÇÃO D E CURSO DE ADMINISTRAÇÃO E DIREITO 1 O FUTURO DA DEMOCRACIA Boaventura de Souza Santos

Leia mais

A 376394. PORTUGAL: As Relações Ibéricas no Âmbito da Globalização e Liberalização dos Mercados

A 376394. PORTUGAL: As Relações Ibéricas no Âmbito da Globalização e Liberalização dos Mercados A 376394 PORTUGAL: As Relações Ibéricas no Âmbito da Globalização e Liberalização dos Mercados ÍNDICE NOTA DE ENQUADRAMENTO 9 PREFÁCIO 11 INTRODUÇÃO A A escolha do tema 17 B - Objectivos e metodologia

Leia mais

ORIENTE MÉDIO. Prof: Marcio Santos ENEM 2009 Ciências Humanas Aula II. Jerusalém Muro das Lamentações e Cúpula da Rocha

ORIENTE MÉDIO. Prof: Marcio Santos ENEM 2009 Ciências Humanas Aula II. Jerusalém Muro das Lamentações e Cúpula da Rocha Prof: Marcio Santos ENEM 2009 Ciências Humanas Aula II ORIENTE MÉDIO -Região marcada por vários conflitos étnicos, políticos e religiosos. -Costuma-se considerar 18 países como pertencentes ao Oriente

Leia mais

Ensino Fundamental II

Ensino Fundamental II Ensino Fundamental II Valor do trabalho: 2.0 Nota: Data: /dezembro/2014 Professora: Angela Disciplina: Geografia Nome: n o : Ano: 8º Trabalho de Recuperação Final de Geografia ORIENTAÇÕES: Leia atentamente

Leia mais

FÓRUM DE PESQUISA CIES 2009. Olhares sociológicos sobre o emprego: relações laborais, empresas e profissões 18 de Dezembro de 2009

FÓRUM DE PESQUISA CIES 2009. Olhares sociológicos sobre o emprego: relações laborais, empresas e profissões 18 de Dezembro de 2009 FÓRUM DE PESQUISA CIES 2009 Olhares sociológicos sobre o emprego: relações laborais, empresas e profissões 18 de Dezembro de 2009 EMPRESAS E INOVAÇÃO Luísa Oliveira luisa.oliveira@iscte.pt Luísa Veloso

Leia mais

DISCIPLINA: INTRODUÇÃO AO ESTUDO DAS RELAÇÕES INTERNACIONAIS

DISCIPLINA: INTRODUÇÃO AO ESTUDO DAS RELAÇÕES INTERNACIONAIS 7.PROJETO PEDAGÓGICO 1º SEMESTRE DISCIPLINA: INTRODUÇÃO À ECONOMIA EMENTA: Conceitos Fundamentais; Principais Escolas do Pensamento; Sistema Econômico; Noções de Microeconomia; Noções de Macroeconomia;

Leia mais

SOCIOLOGIA - 2 o ANO MÓDULO 05 O MODELO CAPITALISTA BRASILEIRO E A NOVA ORDEM INTERNACIONAL

SOCIOLOGIA - 2 o ANO MÓDULO 05 O MODELO CAPITALISTA BRASILEIRO E A NOVA ORDEM INTERNACIONAL SOCIOLOGIA - 2 o ANO MÓDULO 05 O MODELO CAPITALISTA BRASILEIRO E A NOVA ORDEM INTERNACIONAL Como pode cair no enem Leia o trecho abaixo e responda: A propriedade do rei suas terras e seus tesouros se

Leia mais

ESTRUTURA CURRICULAR

ESTRUTURA CURRICULAR ESTRUTURA CURRICULAR Referência: 2015 Curso: Bacharelado em Relações Internacionais DURAÇÃO IDEAL: 08 SEMESTRES 1 o semestre Aula Trabalho Semestral Anual DFD0125 Instituições de Direito EAE0110 Fundamentos

Leia mais

Colégio São Paulo Geografia Prof. Eder Rubens - 2013

Colégio São Paulo Geografia Prof. Eder Rubens - 2013 Colégio São Paulo Geografia Prof. Eder Rubens - 2013 CAP. 02 A Dinâmica dos espaços da Globalização. (9º ano) *Estudaremos a difusão do modo capitalista de produção, ou seja, do modo de produzir bens e

Leia mais

ESTUDO DE CASO MÓDULO XI. Sistema Monetário Internacional. Padrão Ouro 1870 1914

ESTUDO DE CASO MÓDULO XI. Sistema Monetário Internacional. Padrão Ouro 1870 1914 ESTUDO DE CASO MÓDULO XI Sistema Monetário Internacional Padrão Ouro 1870 1914 Durante muito tempo o ouro desempenhou o papel de moeda internacional, principalmente por sua aceitabilidade e confiança.

Leia mais

AS ORIGENS DO SUBDESENVOLVIMENTO

AS ORIGENS DO SUBDESENVOLVIMENTO AS ORIGENS DO SUBDESENVOLVIMENTO 1. A TEORIA LIBERAL Os Países pobres são pobres porque não atingiram ainda a eficiência produtiva e o equilíbrio econômico necessário à manutenção de um ciclo de prosperidade

Leia mais

I. INTRODUÇÃO. 1. Questões de Defesa e Segurança em Geografia?

I. INTRODUÇÃO. 1. Questões de Defesa e Segurança em Geografia? I. INTRODUÇÃO O fim da Ordem Bipolar, a partir do esfacelamento do Bloco Soviético em 1991, e o avanço do processo de globalização 1 pareciam conduzir o sistema internacional em direção à construção de

Leia mais

FORMAÇÃO DO TERRITORIO BRASILEIRO. Prof. Israel Frois

FORMAÇÃO DO TERRITORIO BRASILEIRO. Prof. Israel Frois FORMAÇÃO DO TERRITORIO BRASILEIRO Prof. Israel Frois SÉCULO XV Território desconhecido; Era habitado por ameríndios ; Natureza praticamente intocada Riqueza imediata: Pau-Brasil (Mata Atlântica) Seus limites

Leia mais

Pobreza e responsabilidade social na era da globalização

Pobreza e responsabilidade social na era da globalização ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA DE SOCIOLOGIA Dinâmicas Actuais da Pobreza e da Exclusão Social. Conceptualizações, politicas e intervenções Lisboa, Fundação Calouste Gulbenkian 25 de Novembro de 2010 Pobreza e

Leia mais

Os BRICS no capitalismo transnacional

Os BRICS no capitalismo transnacional Os BRICS no capitalismo transnacional William Robinson O s BRICS (Brasil, Rússia, Índia, China e África do Sul) são países considerados, pelos sistemas mundiais e por vários analistas, como estados ou

Leia mais

Roteiro de Estudos. 2 trimestre - 2015 Disciplina: Geografia 2ª série

Roteiro de Estudos. 2 trimestre - 2015 Disciplina: Geografia 2ª série Roteiro de Estudos 2 trimestre - 2015 Disciplina: Geografia 2ª série Professor: Eduardo O que devo saber: Globalização, comércio mundial e blocos econômicos. O Comércio Global. O protecionismo. O comércio

Leia mais

Se há algumas décadas atrás uma catástrofe ocorrida num outro canto do mundo em pouco nos afectaria, hoje em dia, o caso muda de figura.

Se há algumas décadas atrás uma catástrofe ocorrida num outro canto do mundo em pouco nos afectaria, hoje em dia, o caso muda de figura. Globalização A globalização está a criar novas ameaças! A globalização oferece grandes oportunidades para o progresso humano! Estas e outras opiniões cruzam-se todos os dias nos media. Onde está a razão?

Leia mais

UNIVERSIDADE PÚBLICA: O SENTIDO DA NOSSA LUTA. Ivo Tonet

UNIVERSIDADE PÚBLICA: O SENTIDO DA NOSSA LUTA. Ivo Tonet 1 UNIVERSIDADE PÚBLICA: O SENTIDO DA NOSSA LUTA Ivo Tonet Introdução Para melhor orientar e sustentar a nossa luta, é importante compreender as dimensões mais gerais em que ela se situa. A convicção, gerada

Leia mais

TEMA: CONTRASTES DE DESENVOLVIMENTO. 1ª parte -Países desenvolvidos vs Países em desenvolvimento

TEMA: CONTRASTES DE DESENVOLVIMENTO. 1ª parte -Países desenvolvidos vs Países em desenvolvimento TEMA: CONTRASTES DE DESENVOLVIMENTO 1ª parte -Países desenvolvidos vs Países em desenvolvimento Questões de partida 1. Podemos medir os níveis de Desenvolvimento? Como? 2. Como se distribuem os valores

Leia mais

1º FÓRUM UNIÃO DE EXPORTADORES CPLP 26 E 27 DE JUNHO DE 2015 CENTRO DE CONGRESSOS DE LISBOA. JUNTOS IREMOS LONGE www.uecplp.org

1º FÓRUM UNIÃO DE EXPORTADORES CPLP 26 E 27 DE JUNHO DE 2015 CENTRO DE CONGRESSOS DE LISBOA. JUNTOS IREMOS LONGE www.uecplp.org 1º FÓRUM UNIÃO DE EXPORTADORES CPLP 26 E 27 DE JUNHO DE 2015 CENTRO DE CONGRESSOS DE LISBOA JUNTOS IREMOS LONGE www.uecplp.org CONCEITO Realização do 1º Fórum União de Exportadores CPLP (UE-CPLP) que integra:

Leia mais

Seminário Ibero-americano e Lusófono de Jovens Líderes Inovação, Emprego e Empreendedorismo

Seminário Ibero-americano e Lusófono de Jovens Líderes Inovação, Emprego e Empreendedorismo Seminário Ibero-americano e Lusófono de Jovens Líderes Inovação, Emprego e Empreendedorismo 13 de Maio de 2013 Lisboa, Auditório da Direção Regional do IPDJ Intervenção Secretário Executivo da CPLP, Isaac

Leia mais

Reforma do Estado. Pressões para Reforma do Estado: internas (forças conservadoras) e externas (organismos multilaterais).

Reforma do Estado. Pressões para Reforma do Estado: internas (forças conservadoras) e externas (organismos multilaterais). Reforma do Estado Pressões para Reforma do Estado: internas (forças conservadoras) e externas (organismos multilaterais). Redefinição da natureza, do alcance e dos limites à intervenção estatal. Preocupação

Leia mais

REDE LUTA CONTRA POBREZA URBANA RLCPU PLANO ESTRATÉGICO,2015-2017

REDE LUTA CONTRA POBREZA URBANA RLCPU PLANO ESTRATÉGICO,2015-2017 REDE LUTA CONTRA POBREZA URBANA RLCPU PLANO ESTRATÉGICO,2015-2017 Adão Augusto, Consultor 12-02-2015 1. Contextualização. Os projectos sociais fazem parte de um sistema complexo de relações que envolvem

Leia mais

COMÉRCIO EXTERIOR. Causas da dívida Empréstimos internacionais para projetar e manter grandes obras. Aquisição de tecnologia e maquinário moderno.

COMÉRCIO EXTERIOR. Causas da dívida Empréstimos internacionais para projetar e manter grandes obras. Aquisição de tecnologia e maquinário moderno. 1. ASPECTOS GERAIS Comércio é um conceito que possui como significado prático, trocas, venda e compra de determinado produto. No início do desenvolvimento econômico, o comércio era efetuado através da

Leia mais

1) a) Caracterize a Nova Ordem Econômica Mundial;

1) a) Caracterize a Nova Ordem Econômica Mundial; 1) a) Caracterize a Nova Ordem Econômica Mundial; A Nova Ordem Econômica Mundial insere-se no período do Capitalismo Financeiro e a doutrina econômica vigente é o Neoliberalismo. Essa Nova Ordem caracteriza-se

Leia mais

Pós-Graduação. Mercados Internacionais e Diplomacia Económica. 1ª Edição

Pós-Graduação. Mercados Internacionais e Diplomacia Económica. 1ª Edição Pós-Graduação Mercados Internacionais e Diplomacia Económica 1ª Edição 2011/2012 Mercados Internacionais e Diplomacia Económica Coordenação Científica Prof. Doutor Joaquim Ramos Silva Prof. Doutor Manuel

Leia mais

AS ONG(D) E A CRISE DO ESTADO SOBERANO

AS ONG(D) E A CRISE DO ESTADO SOBERANO A 350404 Rui Pedro Paula de Matos AS ONG(D) E A CRISE DO ESTADO SOBERANO UM ESTUDO DE CIÊNCIA POLÍTICA E RELAÇÕES INTERNACIONAIS COLECÇÃO TESES Universidade Lusíada Editora Lisboa 2001 As ONGD e a crise

Leia mais

Aumenta a desigualdade mundial, apesar do crescimento econômico

Aumenta a desigualdade mundial, apesar do crescimento econômico Aumenta a desigualdade mundial, apesar do crescimento econômico Análise Segurança / Economia e Comércio / Desenvolvimento Bárbara Gomes Lamas 22 de setembro de 2005 Aumenta a desigualdade mundial, apesar

Leia mais

APRESENTAÇÃO DO LIVRO SALÁRIOS, DISTRIBUIÇÃO DO RENDIMENTO E CRESCIMENTO EQUITATIVO

APRESENTAÇÃO DO LIVRO SALÁRIOS, DISTRIBUIÇÃO DO RENDIMENTO E CRESCIMENTO EQUITATIVO APRESENTAÇÃO DO LIVRO SALÁRIOS, DISTRIBUIÇÃO DO RENDIMENTO E CRESCIMENTO EQUITATIVO Alves da Rocha GENÉRICO O Papa Francisco recentemente escreveu no Twitter do Romano Pontífice que a desigualdade é a

Leia mais

GLOBALIZAÇÃO FINANCEIRA E GLOBALIZAÇÃO PRODUTIVA

GLOBALIZAÇÃO FINANCEIRA E GLOBALIZAÇÃO PRODUTIVA GLOBALIZAÇÃO FINANCEIRA E GLOBALIZAÇÃO PRODUTIVA GLOBALIZAÇÃO FINANCEIRA Interação de três processos distintos: expansão extraordinária dos fluxos financeiros. Acirramento da concorrência nos mercados

Leia mais

VII Semana de Relações Internacionais

VII Semana de Relações Internacionais VII Semana de Relações Internacionais Sociologia da Globalização Um olhar local sobre um fenômeno global Introdução A Semana de Relações Internacionais é um evento promovido por estudantes, através do

Leia mais

PROJETO MUTAÇÕES: Cada um na sua, mas todos ligados em rede O mundo e o planeta Urbanização e cidades Globalização: o mundo em toda parte

PROJETO MUTAÇÕES: Cada um na sua, mas todos ligados em rede O mundo e o planeta Urbanização e cidades Globalização: o mundo em toda parte PROJETO MUTAÇÕES: O início do século XXI impressiona não apenas pelo volume das mudanças que se efetivaram em todos os campos da ação humana, mas também na velocidade com que elas têm se processado. Em

Leia mais

PROGRAMAS DAS UNIDADES CURRICULARES. Análise de Informação Económica para a Economia Portuguesa

PROGRAMAS DAS UNIDADES CURRICULARES. Análise de Informação Económica para a Economia Portuguesa MESTRADO EM ECONOMIA PORTUGUESA E INTEGRAÇÃO INTERNACIONAL PROGRAMAS DAS UNIDADES CURRICULARES UNIDADES CURRICULARES OBRIGATÓRIAS Análise de Informação Económica para a Economia Portuguesa 1. Identificação

Leia mais

Mestrados ENSINO PÚBLICO. 1. ISCTE Instituto Universitário de Lisboa

Mestrados ENSINO PÚBLICO. 1. ISCTE Instituto Universitário de Lisboa Mestrados ENSINO PÚBLICO 1. ISCTE Instituto Universitário de Lisboa Mestrado em Ciência Política O mestrado em Ciência Política tem a duração de dois anos, correspondentes à obtenção 120 créditos ECTS,

Leia mais

COLÉGIO XIX DE MARÇO excelência em educação

COLÉGIO XIX DE MARÇO excelência em educação COLÉGIO XIX DE MARÇO excelência em educação 2ª PROVA PARCIAL DE GEOGRAFIA Aluno(a): Nº Ano: 8º Turma: Data: 04/06/2011 Nota: Professor: Edvaldo Valor da Prova: 40 pontos Assinatura do responsável: Orientações

Leia mais

Choques Desequilibram a Economia Global

Choques Desequilibram a Economia Global Choques Desequilibram a Economia Global Uma série de choques reduziu o ritmo da recuperação econômica global em 2011. As economias emergentes como um todo se saíram bem melhor do que as economias avançadas,

Leia mais

Reforma gerencial do Estado, teoria política e ensino da administração pública

Reforma gerencial do Estado, teoria política e ensino da administração pública Artigo Especial Reforma gerencial do Estado, teoria política e ensino da administração pública Luiz Carlos Bresser-Pereira 1 1 Fundação Getúlio Vargas. Ministro da Fazenda (1987). Ministro da Administração

Leia mais

ATIVIDADES ONLINE 9º ANO 3

ATIVIDADES ONLINE 9º ANO 3 ATIVIDADES ONLINE 9º ANO 3 1) O Conselho de Segurança da ONU pode aprovar deliberações obrigatórias para todos os paísesmembros, inclusive a de intervenção militar, como ilustra a reportagem. Ele é composto

Leia mais

GLOBALIZAÇÃO. BLOG: www.boscotorres.com.br EMAIL: bosco.torres@hotmail.com. 3. Globalização 1

GLOBALIZAÇÃO. BLOG: www.boscotorres.com.br EMAIL: bosco.torres@hotmail.com. 3. Globalização 1 GLOBALIZAÇÃO CURSO: Administração DISCIPLINA: Comércio Exterior FONTE: DIAS, Reinaldo. RODRIGUES, Waldemar. Comércio Exterior Teoria e Gestão. Atlas. São Paulo: 2004. 3. Globalização 1 SUMÁRIO Globalização

Leia mais

FRANCISCO MANTERO - PWC - CPLP 23/01/2013. 1. Título "Opções de financiamento para a CPLP" não é meu.

FRANCISCO MANTERO - PWC - CPLP 23/01/2013. 1. Título Opções de financiamento para a CPLP não é meu. FRANCISCO MANTERO - PWC - CPLP 23/01/2013 1. Título "Opções de financiamento para a CPLP" não é meu. Poderia dar ideia que há opções de financiamento específicas para a CPLP em si mesma e para os Estados

Leia mais

6º Congresso Nacional da Administração Pública

6º Congresso Nacional da Administração Pública 6º Congresso Nacional da Administração Pública João Proença 30/10/08 Desenvolvimento e Competitividade: O Papel da Administração Pública A competitividade é um factor-chave para a melhoria das condições

Leia mais

Investir na Saúde em África

Investir na Saúde em África Harmonização da Saúde em África Investir na Saúde em África Cenário para Reforçar os Sistemas na Procura de Melhores Produtos da Saúde Resumo Porquê um cenário de investimento em África? Investir nos sistemas

Leia mais

PAÍSES EMERGENTES: OS BRICS

PAÍSES EMERGENTES: OS BRICS Aula5 PAÍSES EMERGENTES: OS BRICS META Entender as novas organizações políticas e econômicas dos países que ao mesmo tempo não integram os G-7, e não são países tão pobres assim. Completando-se também

Leia mais

Intervenção do Secretário Executivo da. Comunidade dos Países de Língua Portuguesa (CPLP) Embaixador Murade Murargy

Intervenção do Secretário Executivo da. Comunidade dos Países de Língua Portuguesa (CPLP) Embaixador Murade Murargy Conferência 1º Fórum União de Exportadores CPLP CPLP: Comunidade de povos abrangente auto-sustentável Lisboa, 26 e 27 de junho de 2015 Sessão de Encerramento 27 de junho de 2015 Intervenção do Secretário

Leia mais

GEOPOLÍTICA DO CONHECIMENTO E INTERNACIONALIZAÇÃO DA EDUCAÇÃO SUPERIOR NO BRASIL: COMO CONSOLIDAR UMA INTERNACIONALIZAÇÃO ATIVA?

GEOPOLÍTICA DO CONHECIMENTO E INTERNACIONALIZAÇÃO DA EDUCAÇÃO SUPERIOR NO BRASIL: COMO CONSOLIDAR UMA INTERNACIONALIZAÇÃO ATIVA? GEOPOLÍTICA DO CONHECIMENTO E INTERNACIONALIZAÇÃO DA EDUCAÇÃO SUPERIOR NO BRASIL: COMO CONSOLIDAR UMA INTERNACIONALIZAÇÃO ATIVA? F A B I O B E T I O L I C O N T E L D E P T O. D E G E O G R A F I A F F

Leia mais

RESPONSABILIDADE SOCIAL EM PORTUGAL REALIDADE OU FICÇÃO?

RESPONSABILIDADE SOCIAL EM PORTUGAL REALIDADE OU FICÇÃO? RESPONSABILIDADE SOCIAL EM PORTUGAL REALIDADE OU FICÇÃO? O mundo sindical tem tido várias reacções a este conceito, nem sempre favoráveis, sendo certo que deve haver consciência de que uma certa medida

Leia mais

AMBIENTE ECONÔMICO GLOBAL MÓDULO 5

AMBIENTE ECONÔMICO GLOBAL MÓDULO 5 AMBIENTE ECONÔMICO GLOBAL MÓDULO 5 Índice 1. A globalização: variáveis relacionadas ao sucesso e ao fracasso do modelo...3 1.1 Obstáculos à globalização... 3 2 1. A GLOBALIZAÇÃO: VARIÁVEIS RELACIONADAS

Leia mais

Capitalismo na China é negócio de Estado e no Brasil é negócio de governo*

Capitalismo na China é negócio de Estado e no Brasil é negócio de governo* Capitalismo na China é negócio de Estado e no Brasil é negócio de governo* Carlos Sidnei Coutinho** Cenário Mundial na primeira década do século XXI Os Estados soberanos se destacam como garantidores,

Leia mais

América Latina: Herança Colonial e Diversidade Cultural. Capítulo 38

América Latina: Herança Colonial e Diversidade Cultural. Capítulo 38 América Latina: Herança Colonial e Diversidade Cultural Capítulo 38 Expansão marítima européia; Mercantilismo (capitalismo comercial); Tratado de Tordesilhas (limites coloniais entre Portugal e Espanha):

Leia mais

www.aliancaprevestibular.com

www.aliancaprevestibular.com Professor Renato Soares Disciplina Geografia Lista nº Assuntos Globalização e etapas do capitalismo 1) (UPE) A combinação de dispersão espacial e integração global criou novo papel estratégico para as

Leia mais

O que é globalização

O que é globalização O que é globalização - Fase atual de expansão do capitalismo, fruto do avanço tecnológico em diversos setores da economia e da modernização dos sistemas de comunicação e transportes. - É responsável pela

Leia mais

AEDB CURSO DE ADMINISTRAÇÃO AULA 1 GESTÃO DE NEGÓCIOS INTERNACIONAIS

AEDB CURSO DE ADMINISTRAÇÃO AULA 1 GESTÃO DE NEGÓCIOS INTERNACIONAIS AEDB CURSO DE ADMINISTRAÇÃO AULA 1 GESTÃO DE NEGÓCIOS INTERNACIONAIS * NEGÓCIOS INTERNACIONAIS: Definição: Por negócios internacionais entende-se todo negócio realizado além das fronteiras de um país.

Leia mais

A PARADIPLOMACIA: CONCEITO E INSERÇÃO DO PROFISSIONAL DE RELAÇÕES INTERNACIONAIS

A PARADIPLOMACIA: CONCEITO E INSERÇÃO DO PROFISSIONAL DE RELAÇÕES INTERNACIONAIS A PARADIPLOMACIA: CONCEITO E INSERÇÃO DO PROFISSIONAL DE RELAÇÕES INTERNACIONAIS Ana Carolina Rosso de Oliveira Bacharel em Relações Internacionais pela Faculdades Anglo-Americano, Foz do Iguaçu/PR Resumo:

Leia mais

Mudanças Socioespaciais em um Mundo Globalizado

Mudanças Socioespaciais em um Mundo Globalizado Mudanças Socioespaciais em um Mundo Globalizado Colégio Salesiano São José 8º ano Geografia Professor: Juliano Mudanças no Espaço Geográfico Como ocorrem essas mudanças: Formas; Funções; Fluxos; Modos

Leia mais

DESENCADEANDO O EMPREENDEDORISMO

DESENCADEANDO O EMPREENDEDORISMO DESENCADEANDO O EMPREENDEDORISMO O Poder das Empresas ao Serviço dos Pobres 1 Apresentação de: Emílio Moreso Grioñ Luanda, 04 de Maio de 2005 INTRODUÇÃO PARTE I -Considerações Preliminares Os Objectivos

Leia mais

Universidade Eduardo Mondlane Faculdade de Economia

Universidade Eduardo Mondlane Faculdade de Economia Universidade Eduardo Mondlane Faculdade de Economia ECONOMIA INDUSTRIAL Aula 01 e 02: 04/03/2008 e 06/03/2008 Docentes: Carlos Nuno Castel-Branco; Carlos Vicente; Nelsa Massingue. Conceito de Industrialização

Leia mais

ECEME 12 de junho de 2013 XII Ciclo de Estudos Estratégicos Geopolítica Internacional até o fim da Guerra Fria

ECEME 12 de junho de 2013 XII Ciclo de Estudos Estratégicos Geopolítica Internacional até o fim da Guerra Fria ECEME 12 de junho de 2013 XII Ciclo de Estudos Estratégicos Geopolítica Internacional até o fim da Guerra Fria Professor Doutor GUILHERME SANDOVAL GÓES Chefe da Divisão de Assuntos Geopolíticos e de Relações

Leia mais

Breve síntese sobre os mecanismos financeiros de apoio à internacionalização e cooperação

Breve síntese sobre os mecanismos financeiros de apoio à internacionalização e cooperação Breve síntese sobre os mecanismos financeiros de apoio à internacionalização e cooperação 1 Incentivos financeiros à internacionalização Em 2010 os incentivos financeiros à internacionalização, não considerando

Leia mais

Em Crise Profunda no Mercado Interno. Em Expansão Acelerada nos Mercados Externos

Em Crise Profunda no Mercado Interno. Em Expansão Acelerada nos Mercados Externos 2ª JORNADAS DA ESPECIALIZAÇÃO EM DIREÇÃO E GESTÃO DA CONSTRUÇÃO ENGENHARIA CIVIL OS NOVOS DESAFIOS O PAPEL DA CONSTRUÇÃO NO FUTURO Índice: Onde Estamos Europa 2020 e Crescimento da Construção em Portugal

Leia mais

Investimento internacional. Fluxos de capitais e reservas internacionais

Investimento internacional. Fluxos de capitais e reservas internacionais Investimento internacional Fluxos de capitais e reservas internacionais Movimento internacional de fatores Determinantes da migração internacional: diferencial de salários; possibilidades e condições do

Leia mais

Programas. cabo verde. Angola. portugal. s.tomé e príncipe. Fundación Universitaria San Pablo CEU

Programas. cabo verde. Angola. portugal. s.tomé e príncipe. Fundación Universitaria San Pablo CEU Programas de MESTRADO Online MBA Master in Business Administration Mestrado em Direcção de Empresas Mestrado em Direcção de Marketing e Vendas Mestrado em Direcção Financeira Mestrado em Comércio Internacional

Leia mais

PLANOESTRATÉGICO DO DESENVOLVIMENTOECONÓMICOLOCAL DE S. JOÃO DA MADEIRA. Plano da sessão

PLANOESTRATÉGICO DO DESENVOLVIMENTOECONÓMICOLOCAL DE S. JOÃO DA MADEIRA. Plano da sessão plano estratégico del desenvolvimento económico local PLANOESTRATÉGICO DO DESENVOLVIMENTOECONÓMICOLOCAL ECONÓMICO LOCAL DE S. JOÃO DA MADEIRA Equipa técnica: Assessor: João Pedro Guimarães Colaboradores:

Leia mais

MASTER EM DIRECÇÃO DE COMÉRCIO INTERNACIONAL E DE MARKETING OBJECTIVOS DO PROGRAMA A Escola de Negócios EUDEM apresenta o seu programa MCIM - Master em Direcção de Comércio Internacional e de Marketing,

Leia mais

Mercados informação de negócios

Mercados informação de negócios Mercados informação de negócios Grécia Oportunidades e Dificuldades do Mercado Março 2011 Índice 1. Oportunidades 3 1.1. Comércio 3 1.2. Investimento de Portugal na Grécia 3 1.3. Investimento da Grécia

Leia mais

Porosidade da economia e desafios da apropriação, mobilização e utilização do excedente

Porosidade da economia e desafios da apropriação, mobilização e utilização do excedente Porosidade da economia e desafios da apropriação, mobilização e utilização do excedente Carlos Nuno Castel-Branco carlos.castel-branco@iese.ac.mz www.iese.ac.mz Seminário sobre Economia extractiva, acesso

Leia mais

A UNIÃO EUROPEIA E OS ESTADOS NACIONAIS

A UNIÃO EUROPEIA E OS ESTADOS NACIONAIS A UNIÃO EUROPEIA E OS ESTADOS NACIONAIS EM BUSCA DO PARADIGMA DO ESTADO PÓS-NACIONAL A 364694 CELTA EDITORA OEIRAS / 2002 ÍNDICE índice de figuras e quadros vii INTRODUÇÃO 1 TRADIÇÕES E CONTRADIÇÕES DA

Leia mais

O CAPITALISMO E A DIVISÃO INTERNACIONAL DO TRABALHO (DIT)

O CAPITALISMO E A DIVISÃO INTERNACIONAL DO TRABALHO (DIT) O CAPITALISMO E A DIVISÃO INTERNACIONAL DO TRABALHO (DIT) O capitalismo teve origem na Europa, entre os séculos XIII e XIV, com o renascimento urbano e comercial e o surgimento de uma nova classe social:

Leia mais

Desenvolvimento econômico e social no Brasil e a qualificação profissional num mundo globalizado

Desenvolvimento econômico e social no Brasil e a qualificação profissional num mundo globalizado Desenvolvimento econômico e social no Brasil e a qualificação profissional num mundo globalizado Edson Tomaz de Aquino 1 Resumo: Este artigo apresenta uma reflexão sobre os desafios do Brasil em competir

Leia mais

O PAPEL DAS UNIVERSIDADES E A INVESTIGAÇÃO SOBRE DIPLOMACIA ECONÓMICA. Joaquim Ramos Silva Socius/ISEG jrsilva@iseg.utl.pt

O PAPEL DAS UNIVERSIDADES E A INVESTIGAÇÃO SOBRE DIPLOMACIA ECONÓMICA. Joaquim Ramos Silva Socius/ISEG jrsilva@iseg.utl.pt O PAPEL DAS UNIVERSIDADES E A INVESTIGAÇÃO SOBRE DIPLOMACIA ECONÓMICA Joaquim Ramos Silva Socius/ISEG jrsilva@iseg.utl.pt PRINCIPAIS TÓPICOS A emergência da Diplomacia Económica e suas razões As mudanças

Leia mais

Negócios Internacionais

Negócios Internacionais International Business 10e Daniels/Radebaugh/Sullivan Negócios Internacionais Capítulo 1 Negócios Internacionais: Fundamentos 2004 Prentice Hall, Inc 1-1 Objectivos do Capítulo Definir negócios internacionais

Leia mais

10/10/2013. Associação Nacional de Negócios Cooperativos

10/10/2013. Associação Nacional de Negócios Cooperativos Organização & agregação de agricultores 3. o Fórum Consultivo Organização Internacional do Café Belo Horizonte, Brasil 10 de setembro de 2013 Associação Nacional de Negócios Cooperativos CLUSA International

Leia mais

PERSPETIVAS SOCIAIS EMPREGO

PERSPETIVAS SOCIAIS EMPREGO sumário executivo Organização Internacional do Trabalho PERSPETIVAS SOCIAIS E DE EMPREGO NO MUNDO Mudança nas modalidades do emprego 2 015 perspetivas sociais e de emprego no mundo Mudança nas modalidades

Leia mais

GLOBALIZAÇÃO DEFINIÇÃO

GLOBALIZAÇÃO DEFINIÇÃO DEFINIÇÃO O termo globalização surgiu no início dos anos 80, nas grandes escolas de administração de empresas dos Estados Unidos (Harvard, Columbia, Stanford, etc.), como referência às oportunidades de

Leia mais

Após a década de 1990, várias pessoas em todo o mundo mantêm hábito de consumo semelhantes.

Após a década de 1990, várias pessoas em todo o mundo mantêm hábito de consumo semelhantes. A ECONOMIA GLOBAL Após a década de 1990, várias pessoas em todo o mundo mantêm hábito de consumo semelhantes. O século XX marcou o momento em que hábitos culturais, passaram a ser ditados pelas grandes

Leia mais

Questão 1. Resposta A. Resposta B

Questão 1. Resposta A. Resposta B Questão 1 Ao longo do século XX, as cidades norte-americanas se organizaram espacialmente de um modo original: a partir do Central Business District (CBD), elas se estruturaram em circunferências concêntricas

Leia mais

Internacionalização de empresas: experiências internacionais selecionadas. São Paulo, 14 de junho de 2012

Internacionalização de empresas: experiências internacionais selecionadas. São Paulo, 14 de junho de 2012 experiências internacionais selecionadas São Paulo, 14 de junho de 2012 experiências internacionais selecionadas Estudo realizado em parceria com a Sociedade Brasileira de Estudos de Empresas Transnacionais

Leia mais

GABARITO PRÉ-VESTIBULAR

GABARITO PRÉ-VESTIBULAR LINGUAGENS 01. C 02. D 03. C 04. B 05. C 06. C 07. * 08. B 09. A 10. D 11. B 12. A 13. D 14. B 15. D LÍNGUA ESTRANGEIRA 16. D 17. A 18. D 19. B 20. B 21. D MATEMÁTICA 22. D 23. C De acordo com as informações,

Leia mais

A economia global e a organização do espaço

A economia global e a organização do espaço littleny/ Shutterstock ssguy/ Shutterstock A economia global e a organização do espaço Xangai, China Las Vegas, EUA Alain Lacroix/ Dreamstime.com Empresas multinacionais e economia global A revolução tecnocientífica,

Leia mais

Ano Lectivo 2010/2011 MATRIZ DA PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA

Ano Lectivo 2010/2011 MATRIZ DA PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA Escola Básica e Secundária de Velas Ano Lectivo 2010/2011 MATRIZ DA PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA Ao abrigo do Decreto-Lei N.º74/2004, de 26 de Março com as alterações introduzidas pelo Decreto-Lei

Leia mais

Formação em Protecção Social

Formação em Protecção Social Formação em Protecção Social Sessão 3 A dimensão económica da PS e a relação com outras áreas da política Bilene, Moçambique, 5, 6 e 7 de Maio de 2010 A importância do investimento Ao nível da intervenção

Leia mais

Desenvolvimento e Desigualdades: cenários e perspectivas para a saúde no mundo

Desenvolvimento e Desigualdades: cenários e perspectivas para a saúde no mundo Ciclo de Debates sobre Bioética, Diplomacia e Saúde Pública Desenvolvimento e Desigualdades: cenários e perspectivas para a saúde no mundo Samira Santana de Almeida 1 RELATÓRIO 1. Apresentação O presente

Leia mais

Organizações portuguesas lançam rede temática para a soberania e segurança alimentar

Organizações portuguesas lançam rede temática para a soberania e segurança alimentar Rede Portuguesa pela Soberania e Segurança Alimentar e Nutricional Organizações portuguesas lançam rede temática para a soberania e segurança alimentar Coimbra, 16 de Abril de 2012 Preocupados com as políticas

Leia mais

LANÇAMENTO DA PLATAFORMA IDS MESA 3 DESAFIOS DO DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO E AS RELAÇÕES INTERNACIONAIS

LANÇAMENTO DA PLATAFORMA IDS MESA 3 DESAFIOS DO DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO E AS RELAÇÕES INTERNACIONAIS LANÇAMENTO DA PLATAFORMA IDS MESA 3 DESAFIOS DO DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO E AS RELAÇÕES INTERNACIONAIS Local: Sala Crisantempo Data : 12/12/2014 Horário: 9h30 às 13h30 Expositores: Eduardo Viola - Professor

Leia mais

MINISTÉRIO DAS FINANÇAS

MINISTÉRIO DAS FINANÇAS XXI Encontro de Lisboa entre as Delegações dos Bancos Centrais dos Países de Língua Oficial Portuguesa à Assembleia Anual do FMI/BM Banco de Portugal 19 de Setembro de 2011 Intervenção do Ministro de Estado

Leia mais

Espaço Geográfico (Tempo e Lugar)

Espaço Geográfico (Tempo e Lugar) Espaço Geográfico (Tempo e Lugar) Somos parte de uma sociedade, que (re)produz, consome e vive em uma determinada porção do planeta, que já passou por muitas transformações, trata-se de seu lugar, relacionando-se

Leia mais

A ÁREA DE PRÁTICA DE DIREITO PÚBLICO DA ABBC

A ÁREA DE PRÁTICA DE DIREITO PÚBLICO DA ABBC ABBC A atuação da ABBC assenta na independência, no profissionalismo e na competência técnica dos seus advogados e colaboradores, com o escrupuloso respeito das regras deontológicas que presidem ao exercício

Leia mais

A importância da internacionalização no desenvolvimento de base tecnológica e industrial de defesa nacional

A importância da internacionalização no desenvolvimento de base tecnológica e industrial de defesa nacional A importância da internacionalização no desenvolvimento de base tecnológica e industrial de defesa nacional Lisboa, 25 de Janeiro de 2013 A crescente influência dos Estados nas economias emergentes. A

Leia mais

Cooperação Internacional no Âmbito das Nações Unidas: solidariedade versus interesses nacionais

Cooperação Internacional no Âmbito das Nações Unidas: solidariedade versus interesses nacionais Ciclo de Debates sobre Bioética, Diplomacia e Saúde Pública Cooperação Internacional no Âmbito das Nações Unidas: solidariedade versus interesses nacionais RELATÓRIO Samira Santana de Almeida 1 1. Apresentação

Leia mais

O processo de concentração e centralização do capital

O processo de concentração e centralização do capital O processo de concentração e centralização do capital Pedro Carvalho* «Algumas dezenas de milhares de grandes empresas são tudo, os milhões de pequenas empresas não são nada», afirmava Lénine no seu livro

Leia mais

no Sistema Financeiro Carlos David Duarte de Almeida Vice-Presidente do Conselho de Administração

no Sistema Financeiro Carlos David Duarte de Almeida Vice-Presidente do Conselho de Administração As consequências do Orçamento Estado 2010 no Sistema Financeiro Carlos David Duarte de Almeida Vice-Presidente do Conselho de Administração As consequências do OE 2010 no Sistema Financeiro Indice 1. O

Leia mais

PROGRAMA DE CAPACITAÇÃO EM GESTÃO DA RESPONSABILIDADE SOCIAL EMPRESARIAL E DESENVOLVIMENTO PETROBRÁS UNIVERSIDADE COORPORATIVA OFICINA2

PROGRAMA DE CAPACITAÇÃO EM GESTÃO DA RESPONSABILIDADE SOCIAL EMPRESARIAL E DESENVOLVIMENTO PETROBRÁS UNIVERSIDADE COORPORATIVA OFICINA2 PROGRAMA DE CAPACITAÇÃO EM GESTÃO DA RESPONSABILIDADE SOCIAL EMPRESARIAL E DESENVOLVIMENTO PETROBRÁS UNIVERSIDADE COORPORATIVA OFICINA2 ESTRATÉGIAS E INSTRUMENTOS DE RESPONSABILIDADE SOCIAL AMBIENTAL E

Leia mais

CARTA DAS ONGD EUROPEIAS

CARTA DAS ONGD EUROPEIAS CARTA DAS ONGD EUROPEIAS Princípios Básicos do Desenvolvimento e da Ajuda Humanitária das ONGD da União Europeia O Comité de Liaison das ONG de Desenvolvimento da UE O Comité de Liaison ONGD-UE representa,

Leia mais

Mestrados ENSINO PÚBLICO. 1-ISCTE Instituto Universitário de Lisboa

Mestrados ENSINO PÚBLICO. 1-ISCTE Instituto Universitário de Lisboa Mestrados ENSINO PÚBLICO 1-ISCTE Instituto Universitário de Lisboa *Mestrado em Ciência Política O mestrado em Ciência Política tem a duração de dois anos, correspondentes à obtenção 120 créditos ECTS,

Leia mais

A FORMAÇÃO DA COMUNIDADE INTERNACIONAL FRENTE AO FENÔMENO DA GLOBALIZAÇÃO DO MODELO NORTE-AMERICANO

A FORMAÇÃO DA COMUNIDADE INTERNACIONAL FRENTE AO FENÔMENO DA GLOBALIZAÇÃO DO MODELO NORTE-AMERICANO A FORMAÇÃO DA COMUNIDADE INTERNACIONAL FRENTE AO FENÔMENO DA GLOBALIZAÇÃO DO MODELO NORTE-AMERICANO Carlos Antônio Petter Bomfá 1 RESUMO: A globalização tem se tornado um elemento de identificação de uma

Leia mais

Trabalhar as regiões

Trabalhar as regiões A U A UL LA Trabalhar as regiões Nesta aula, vamos aprender como a organi- zação espacial das atividades econômicas contribui para diferenciar o espaço geográfico em regiões. Vamos verificar que a integração

Leia mais

MESTRADO EM ECONOMIA PORTUGUESA E INTEGRAÇÃO INTERNACIONAL PROGRAMAS DAS UNIDADES CURRICULARES

MESTRADO EM ECONOMIA PORTUGUESA E INTEGRAÇÃO INTERNACIONAL PROGRAMAS DAS UNIDADES CURRICULARES MESTRADO EM ECONOMIA PORTUGUESA E INTEGRAÇÃO INTERNACIONAL UNIDADES CURRICULARES OBRIGATÓRIAS PROGRAMAS DAS UNIDADES CURRICULARES Análise de Informação Económica para a Economia Portuguesa 1. Identificação

Leia mais

Economia solidária e estratégias para o desenvolvimento do comércio justo

Economia solidária e estratégias para o desenvolvimento do comércio justo Economia solidária e estratégias para o desenvolvimento do comércio justo Rosemary Gomes FASE/FBES/FACES/RIPESS rgomes@fase.org.br Economia solidária : elementos para uma definição Atividades econômicas

Leia mais

Instituto Politécnico de Santarém Gabinete de Mobilidade e Cooperação Internacional Documento de orientação estratégica

Instituto Politécnico de Santarém Gabinete de Mobilidade e Cooperação Internacional Documento de orientação estratégica Instituto Politécnico de Santarém Gabinete de Mobilidade e Cooperação Internacional Documento de orientação estratégica 1. Introdução Assume-se que a internacionalização do IPSantarém não deve consistir

Leia mais

Agenda Comum para uma Agricultura Sustentável

Agenda Comum para uma Agricultura Sustentável Agenda Comum para uma Agricultura Sustentável Contribuições das Federações de Pequenos Agricultores da Comunidade dos Países de Língua Portuguesa (CPLP) (Angola, Brasil, Cabo Verde, Guiné-Bissau, Moçambique,

Leia mais