DEFINIÇÃO DE PRIORIDADES NA GESTÃO DA TECNOLOGIA DE APLICAÇÃO 1

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "DEFINIÇÃO DE PRIORIDADES NA GESTÃO DA TECNOLOGIA DE APLICAÇÃO 1"

Transcrição

1 DEFINIÇÃO DE PRIORIDADES NA GESTÃO DA TECNOLOGIA DE APLICAÇÃO 1 Ebert, L. C. 2 Silva Ferrer, P. G 3. Schlosser, J.F 4. 1 Trabalho de Pesquisa _UFSM 2 Curso de Agronomia da Universidade Federal de Santa Maria (UFSM), Santa Maria, RS, Brasil 3 Doutorado em Engenharia Agrícola da Universidade Federal de Santa Maria (UFSM), Santa Maria, RS, Brasil 4 Professor Titular do Departamento de Engenharia Rural da Universidade Federal de Santa Maria (UFSM), Santa Maria, RS, Brasil RESUMO As deficiências de planejamento da aplicação de agrotóxicos pode a tornar insustentável, aumentando o potencial de risco ambiental e diminuindo o retorno econômico dos tratamentos. Devido à grande complexidade dos fatores que influenciam o estudo da eficiência da tecnologia de aplicação, torna-se relevante a identificação dos fatores considerados prioridades em tecnologia de aplicação. Este trabalho objetivou definir as prioridades em gestão da tecnologia de aplicação. Uma enquete foi proposta a uma 52 produtores rurais da Região Quarta Colônia da Imigração italiana do Rio Grande do Sul. Foi aplicada a metodologia de matriz de Mudge para determinar o grau de importância dos fatores identificados na enquete. Após, os fatores foram ordenados, definindo as prioridades na gestão da tecnologia de aplicação. As variáveis relacionadas com aspectos operacionais dos pulverizadores demonstraram ordem intermediária de prioridade, menor do que os aspectos ambientais e de saúde, porém, superiores aos fatores de avaliação e eficiência. Palavras-chave: Fatores de Influência, aplicação de agrotóxicos, mecanização agrícola. 1. INTRODUÇÃO Os agrotóxicos, embora desempenhem papel de fundamental importância dentro do sistema de produção agrícola vigente, têm sido alvo de crescente preocupação por parte dos diversos segmentos da sociedade em virtude de seu potencial de risco ambiental (Barcellos et al., 1998). A evolução da agricultura ocorreu de forma a depender quase exclusivamente da aplicação de agrotóxicos para proteção das culturas, tendo em vista que são valorizados pela sua uniforme e rápida eficiência, facilidade de aplicação e transporte, e ainda, vida relativamente longa. Por definição, a tecnologia de aplicação não se resume ao ato de aplicar o produto, mas envolve também a interação de fatores, que buscam a máxima eficiência dos 1

2 tratamentos, economicidade, eficiência operacional, adequação de máquinas, menor contaminação ambiental e segurança do operador (MATTHEWS,1992). O objetivo da tecnologia de aplicação é colocar a quantidade certa de ingrediente ativo no alvo desejado, com a máxima eficiência e da maneira mais econômica possível, sem afetar o ambiente (Durigan, 1989). As máquinas de aplicação, por sua vez, são responsáveis por regular a forma e a distribuição de produto fitossanitário e, portanto, sua eficácia e riscos de contaminações. Estima-se que grande parte das falhas ocorridas durante as aplicações fitossanitárias podem estar associadas à falta de manutenção do equipamento ou a erros de regulagens e de calibração do maquinário utilizado, o que compromete o adequado desempenho destas máquinas e a eficiência da aplicação. Associado a esses fatores, o incorreto ou ausente planejamento da operação de aplicação de agrotóxicos pode tornar a aplicação insustentável, aumentando o potencial de risco ambiental e diminuindo o retorno econômico dos tratamentos. Geralmente, em casos envolvendo a eficácia da aplicação, a responsabilidade é dada ao produto (defensivo). Entretanto, ela pode estar no mau uso dos equipamentos de pulverização, que culmina em uma pulverização ineficiente e que irá apenas aumentar o custo da produção, sem benefício no controle de pragas, doenças e plantas infestantes. (Alvarenga 2010). Devido à grande complexidade de fatores que influenciam o estudo da eficiência e da eficácia da tecnologia de aplicação, torna-se relevante a identificação dos fatores considerados prioridades em tecnologia de aplicação de agrotóxicos no controle de pragas. Nesse contexto, uma definição do grau de importância dos fatores de influência pode auxiliar e trazer benefícios e/ou limitações no planejamento e gestão de pragas nas culturas, estabelecendo, critérios e variáveis fundamentais a considerar para uma tomada de decisão em controle fitossanitário. O objetivo desse trabalho foi definir as prioridades consideradas na gestão da tecnologia de aplicação de agrotóxicos nas propriedades agrícolas, determinando os fatores de influência e ordenando-os, de acordo com o respectivo nível de importância no uso das tecnologias de aplicação. 2. METODOLOGIA Este trabalho foi realizado no Núcleo de Ensaio de Máquinas Agrícolas (Nema) da Universidade Federal de Santa Maria, Santa Maria, RS, estando inserido em um projeto de Doutorado em Engenharia Agrícola, denominado Sistema de Apoio à Decisão em Tecnologia de Aplicação de Precisão (SISD-TAP) para a otimização da gestão de pragas 2

3 nas culturas. Os dados foram coletados a partir do trabalho da dissertação de mestrado de Casali (2012), onde uma enquete foi proposta a uma amostragem de 52 produtores rurais da Região Quarta Colônia da Imigração italiana do Rio Grande do Sul. Visando caracterizar a gestão agrícola das aplicações de agrotóxicos utilizada por esses agricultores nos últimos anos em relação à adoção e utilização de diferentes técnicas aplicação de defensivos agrícolas nas propriedades, foram estudadas dez questões de múltipla escolha propostas aos agricultores. Os temas abordados nas questões da enquete constam na tabela 1: Tabela 1: Fatores de influência em tecnologia de aplicação Fator 1. Freqüência da Inspeção 2. Calibração do pulverizador 3. Uso do manômetro 4. Procedimento de Regulagem 5. Seleção do volume aplicado 6. Recomendação do defensivo 7. Seleção dos Bicos 8. Danos ao ambiente 9. Riscos à Saúde/pessoas 10. Avaliação da Eficiência A cada escolha de resposta pelos agricultores foi atribuído um valor, sendo para a resposta ideal o valor 5, para uma resposta medianamente aceitável, 3 e para uma resposta não adequada o valor 1. Em seguida, foi efetuado o somatório do valor das respostas de acordo com a divisão de fatores, o que resultou num total de valor para cada um dos dez fatores, utilizado para comparação entre eles na metodologia de matriz de Mudge. Foi aplicada a metodologia de matriz de Mudge (Csillag, 1995; Bonin de Mello, 2005 e Machado dos Santos et al, 2008), para efetuar uma análise numérica funcional e comparar distintos fatores, em pares, de acordo com o grau de importância que um apresenta em relação ao outro. Após, de acordo com o grau de importância obtido no diagrama, os fatores foram ordenados por grau de importância, definindo as prioridades na gestão da tecnologia de aplicação de agrotóxicos nas propriedades agrícolas. 3

4 4. RESULTADOS E DISCUSSÕES As culturas exploradas pelos agricultores entrevistados consistiam basicamente em soja e arroz, com algumas explorações de milho e pastagem, em áreas de 12 até 2000 hectares, sendo que a maioria obtinha áreas em torno de 100 hectares. A tabela 2 apresenta o Diagrama de Mudge, que relaciona a influência dos fatores e o grau de importância destes em tecnologia de aplicação. As letras A, B e C representam respectivamente: mais importante que; medianamente mais importante que; menos importante que, sendo atribuídas a partir do somatório dos valores das respostas. Tabela 2: Diagrama de Mudge Fatores de Influência em Tecnologia de aplicação Fatores Soma % Rel. 1. Freqüência Inspeção 2B 1B 4A 5A 1C 1B 8A 9A 1B 9 6,87 2. Calibração pulverizador 2B 2B 5A 2B 2B 8A 9A 2C 19 14,50 3. Uso do manômetro 4A 5A 6A 3B 3C 9A 10A 14 10,69 4. Proced.de Regulagem 4B 4C 7B 8B 9B 4B 7 5,34 5. Seleção vol. aplicado 5C 7B 7C 7C 10B 16 12,21 6. Recomend. defensivo 7B 8A 9A 6B 8 6,11 7. Seleção doas Pontas 8A 8A 7B 12 9,16 8. Danos ao ambiente 8A 10A 28 21,37 9. Riscos Saúde/pessoas 10A 23 17, Avaliação da eficiência 18 13,74 A partir do diagrama, podem-se identificar as prioridades consideradas na gestão da tecnologia de aplicação, enumeradas em ordem de prioridade conforme a tabela 3. Tabela 3: Ordem de prioridade dos fatores de influência em tecnologia de aplicação Ordem de prioridade Fator % 1º Danos ao ambiente 21,37 2º Riscos à Saude/pessoas 17,56 3º Calibração do pulverizador 14,5 4º Avaliação da Eficiência 13,74 5º Selecão do volume aplicado 12,21 6º Uso do manômetro 10,69 7º Seleção das Pontas 9,16 8º Freqüência da Inspeção 6,87 9º Recomendacao do defensivo 6,11 10º Procedimento de Regulagem 5,34 4

5 Segundo a ANDEF (2010) quando se pensa em pulverização, deve-se ter em mente que fatores como o alvo a ser atingido, as características do produto utilizado, a máquina, o momento da aplicação e as condições ambientais não estarão agindo de forma isolada. A interação destes fatores é a responsável direta pela eficácia ou ineficácia do controle. Qualquer uma destas interações que for desconsiderada, ou equacionada de forma errônea, poderá ser a responsável pelo insucesso da operação. Os fatores relacionados que obtiveram o maior grau em importância de acordo com a matriz de Mudge, podendo ser considerados os dois primeiros em ordem de em tecnologia de aplicação, foram Danos ao ambiente e Riscos à Saúde/pessoas, respectivamente. Este resultado sugere que os agricultores da Quarta Colônia estão conscientizados quanto aos impactos da atividade de aplicação de agrotóxicos no ambiente e priorizam este fator em tecnologia de aplicação, assim como os efeitos indesejados para a saúde deles e dos demais envolvidos nas aplicações. De acordo com Dornelles (2008) as aplicações até podem produzir o efeito desejado, porém, de forma ineficiente, porque não se utilizou a melhor técnica ou devido à calibração insuficiente das máquinas Nesse sentido, foram consistentes as respostas dos produtores ao refletir como terceiro em ordem de prioridade o grau de importância atribuído à Calibração do pulverizador, sugerindo que na gestão de pragas é realizada alguma forma de planejamento, bem como, realizando ações para assegurar uma aplicação com um nível aceitável de segurança. Quanto ao fator Avaliação da Eficiência, apesar de ficar colocado como o quarto em ordem de prioridade, através das respostas do questionário pode-se observar que, quando efetuada a verificação da aplicação, na maioria dos casos, consistia apenas em constatação da eliminação do alvo, não sendo efetuada a contagem de número de gotas por área, que seria a recomendação de avaliação, havendo portanto, falhas nesse processo. A Selecão do volume aplicado foi definida como a quinta em ordem de prioridade através do estudo. Conforme a ANDEF (2010) o volume de pulverização a ser utilizado será sempre consequência da aplicação eficaz e nunca uma condição pré-estabelecida, pois depende de fatores tais como: o alvo desejado, o tipo de ponta utilizado, as condições climáticas, a arquitetura da planta e o tipo de produto a ser aplicado. Sendo assim, este fator deveria ser considerado de importante análise, entretanto, deve ser objetivado através dos demais fatores que compõe a aplicação. O fator Uso do manômetro que, segundo Dornelles (2008), é considerado uma das partes mais importantes dos pulverizadores e permite que a calibração final seja efetuada,foi listado apenas como o sexto em ordem de prioridade através deste questionário. Esta baixa atenção dada aos manômetros confirma o segundo lugar em reprovação, quando este mesmo autor realizou as inspeções técnicas de pulverizadores no Rio Grande do Sul. 5

6 O fator Seleção das Pontas foi colocado como apenas o sétimo em ordem de prioridade em tecnologia de aplicação. A ponta é o principal componente do pulverizador sendo responsável pela vazão, distribuição da calda e pela formação de gotas (COUTINHO & CORDEIRO, 2003), a distribuição de tamanho de gotas produzidas por pontas de pulverização precisam ser conhecidas para orientar os ajustes na aplicação em relação à deposição de cobertura e deriva e, consequentemente, a eficiência e eficácia dos os controles, sendo fundamental este fator na gestão de pragas, o que não foi verificado com o resultado do trabalho. Quanto à Freqüência da Inspeção, observou-se uma baixa adequação dos produtores, sendo atribuído um menor grau de importância e consequente tomando como o oitavo em prioridade em tecnologia de aplicação. Este panorama é preocupante, pois a baixa frequência de revisão do pulverizador, e consequente deficiência em manutenção do mesmo, podem comprometer a eficácia da aplicação e aumentar os riscos ambientais. Segundo Gil (2007), a inspeção periódica de pulverizadores é uma importante ferramenta para melhorar a tecnologia de aplicação de defensivos. A Recomendação do defensivo ficou com a penúltima colocação em ordem de prioridade no trabalho. Atualmente, com maior preocupação quanto à contaminação do ambiente com herbicidas e outros defensivos, torna-se essencial a tomada de decisão embasada em recomendações técnicas seguidas do acompanhamento e monitoramento das operações de pulverização. (SHIRATSUCCHI & FONTES, 2002). Nesse contexto, fica reforçada a baixa adequação dos produtores da região nesse fator. Conforme a ANDEF (2010) é muito comum os aplicadores ignorarem a regulagem e realizarem apenas a calibração, o que pode provocar perdas significativas de tempo e de produto. Situação encontrada através deste trabalho, onde o Procedimento de Regulagem foi relacionado como a última prioridade em tecnologia de aplicação. Situação que é previsível de acontecer devido à deficiente formação e instrução dos produtores neste aspeto técnico, além das falhas ou insuficiência de programas de extensão agrícola na área de conhecimento específica à tecnologia de aplicação. Pode se afirmar que na opinião dos produtores, os aspectos operacionais são considerados relevantes para a otimização das aplicações. Todavia, a maior preocupação ocorre com os problemas de contaminação e exposição aos defensivos utilizados na atividade. 5. CONCLUSÕES O estudo possibilitou definir as prioridades consideradas na gestão da tecnologia de aplicação de agrotóxicos nas propriedades agrícolas, determinando os fatores: Danos ao ambiente ; Riscos à Saúde/pessoas ; Calibração do pulverizador ; Avaliação da 6

7 eficiência ; Seleção do volume aplicado ; Uso do manômetro ; Seleção das Pontas ; Freqüência da Inspeção ; Recomendação do defensivo e Procedimento de Regulagem, neste ordem de prioridade. As variáveis relacionadas com aspectos operacionais dos pulverizadores demonstraram ordem intermediária de prioridade em gestão da tecnologia de aplicação de agrotóxicos nas propriedades agrícolas, menor do que os aspectos ambientais e de saúde, porém, superiores aos fatores agrupados à avaliação e à eficiência. Nesse contexto é possível concluir que a ordenação e a definição dos fatores de influência permite caracterizar a gestão agrícola da tecnologia de aplicação de agrotóxicos e, desta forma, auxilia no planejamento da gestão de pragas nas culturas, identificando os pontos críticos e estabelecendo critérios e variáveis fundamentais a considerar para uma tomada de decisão visando o adequado desempenho e a eficiência e sustentabilidade da aplicação. REFERÊNCIAS ALVARENGA, C. B. de; CUNHA, J. P. A. R. da. Aspectos qualitativos da avaliação de pulverizadores hidráulicos de barra na região de Uberlândia, Minas Gerais. Engenharia Agrícola, Jun 2010, vol.30, no.3, p ANDEF. Manual de tecnologia de aplicação/andef - Associação Nacional de Defesa Vegetal. -- Campinas. São Paulo: Linea Creativa, BARCELLOS, L. C.; CARVALHO, Y. C.; SILVA, A. L. Estudo sobre a penetração de gotas de pulverização no dossel da cultura da soja [Glycine max (L.) Merrill]. Eng. Agric., v. 6, n. 2, p , BONIN DE MELLO, J. A Uma metodologia para engenharia de requisitos para pequenas equipes de desenvolvimento de software. Rev. Ciências Empresariais da UNIPAR, Toledo, v.6, n.1, jan./jun. CASALI, A. L. Atendimento à NR-31 em propriedades rurais e acompanhamento das condições de uso das máquinas agrícolas utilizadas nos processos de pulverização na região central do estado do Rio grande do Sul. Santa Maria p. Dissertação (Mestrado em Engenharia Agrícola / Mecanização Agrícola) - Centro de Ciências Rurais, Universidade Federal de Santa Maria, Santa Maria, COUTINHO, P; CORDEIRO, C. M. A ponta de pulverização: cuidados na escolha. In: Encontro Técnico. Tecnologia de aplicação de defensivos agrícolas. COOPAVEL/COODETEC/BAYER. Crop Science. Cascavel, 2003, 122 p. CSILLAG, J.M. Análise do valor. 4.ed. São Paulo: Atlas, p. DORNELLES, M. E. de C. Inspeção Técnica de Pulverizadores Agrícolas no Estado do Rio Grande do Sul, Dissertação (Mestrado em Engenharia Agrícola) Universidade Federal de Santa 7

8 Maria, Santa Maria, DURIGAN, J. C. Comportamento de herbicidas no ambiente. In: Seminário técnico sobre plantas daninhas e o uso de herbicidas em reflorestamento, 1989, Rio de Janeiro. Anais. Rio de Janeiro: SBS/ABRACAV/SIF, GIL, E. Inspection of sprayers in use: a European sustainable strategy to reduce pesticide use in fruit crops. Applied Engineering in Agriculture, St. Joseph, v.23, n.1, p.49-56, MACHADO DOS SANTOS, P., SCHLOSSER, J. F., ROMANO, L. N., ROZIN, D., TURATTI,J. da C., WITTER, M Prioridades de requisitos para projeto de postos de operação de tratores quanto à ergonomia e segurança. Pesquisa agropecuária brasileira. Brasília, v.43, n.7, p , jul. MATTHEWS, G. A. Pesticide application methods. 2nd ed. London: Longman, p. SHIRATSUCCHI, L. S.; FONTES, J. R. A. Tecnologia de Aplicação de Herbicidas. EMBRAPA Cerrados. Documentos, Planaltina,

REVISTA CIENTÍFICA ELETRÔNICA DE AGRONOMIA ISSN: ANÁLISE E AVALIAÇÃO DA TECNOLOGIA DE APLICAÇÃO DE DEFENSIVO AGRÍCOLA NA CULTURA DA LICHIA

REVISTA CIENTÍFICA ELETRÔNICA DE AGRONOMIA ISSN: ANÁLISE E AVALIAÇÃO DA TECNOLOGIA DE APLICAÇÃO DE DEFENSIVO AGRÍCOLA NA CULTURA DA LICHIA REVISTA CIENTÍFICA ELETRÔNICA DE AGRONOMIA ISSN: 1677-0293 Número 27 Julho de 2015 Periódico Semestral ANÁLISE E AVALIAÇÃO DA TECNOLOGIA DE APLICAÇÃO DE DEFENSIVO AGRÍCOLA NA CULTURA DA LICHIA Jéssica

Leia mais

INSPEÇÃO PERIÓDICA DE PULVERIZADORES NA REGIÃO DO ALTO VALE DO ITAJAÍ

INSPEÇÃO PERIÓDICA DE PULVERIZADORES NA REGIÃO DO ALTO VALE DO ITAJAÍ INSPEÇÃO PERIÓDICA DE PULVERIZADORES NA REGIÃO DO ALTO VALE DO ITAJAÍ Lucas Renan EFFTING 1 ; João Pedro Fossa BERNARDY 2 ; Leonardo DÜSTERHOFT 3 ; Fabrício Campos MASIERO 4, Ricardo Kozoroski VEIGA 5

Leia mais

Comunicado Técnico 09

Comunicado Técnico 09 Comunicado Técnico 09 ISSN 2177-854X Maio. 2011 Uberaba - MG Regulagem de Pulverizadores Agrícolas de Barras Responsável: Paulo Roberto Pala Martinelli E-mail: prpmartinelli@yahoo.com.br Engenheiro Agrônomo;

Leia mais

Technical and operational evaluations of sprayer bar in Pato Branco PR.

Technical and operational evaluations of sprayer bar in Pato Branco PR. 144 ISSN: 2316-4093 Avaliação técnica-operacional de pulverizadores de barras na região de Pato Branco - PR Gabrielli Fiorentin Dedordi 1, Alcir José Modolo 1, Ricardo Carnieletto 1, Rudi Otto Dams 1,

Leia mais

Mecanização da Pulverização. Eng. Agr.Jairo da Costa Moro Máquinas Agrícolas Jacto S.A

Mecanização da Pulverização. Eng. Agr.Jairo da Costa Moro Máquinas Agrícolas Jacto S.A Eng. Agr.Jairo da Costa Moro Máquinas Agrícolas Jacto S.A Mercado de defensivos Agrícolas 2014 - Brasil - O mercado brasileiro comercializou o valor total de US$12,25 bilhões em defensivos agrícolas. Fonte:

Leia mais

APLICAÇÃO DE DEFENSIVOS AGRÍCOLAS. Professor : Nailton Rodrigues de Castro Disciplina : Máquinas Agrícolas

APLICAÇÃO DE DEFENSIVOS AGRÍCOLAS. Professor : Nailton Rodrigues de Castro Disciplina : Máquinas Agrícolas APLICAÇÃO DE DEFENSIVOS AGRÍCOLAS Professor : Nailton Rodrigues de Castro Disciplina : Máquinas Agrícolas INTRODUÇÃO É a aplicação uniforme de um defensivo agrícola na forma líquida, utilizando a energia

Leia mais

Seleção de Pontas de Pulverização

Seleção de Pontas de Pulverização JORNADAS DE ACTUALIZACIÓN EN TECNOLOGÍAS DE APLICACIÓN EN CULTIVOS EXTENSIVOS Seleção de Pontas de Pulverização Otavio J. G. Abi Saab Prof. Mecanização Agrícola Universidade Estadual de Londrina Estado

Leia mais

PROGRAMA CAS CERTIFICAÇÃO AEROAGRÍCOLA SUSTENTÁVEL

PROGRAMA CAS CERTIFICAÇÃO AEROAGRÍCOLA SUSTENTÁVEL PROGRAMA CAS CERTIFICAÇÃO AEROAGRÍCOLA SUSTENTÁVEL Prof. Dr. João Paulo Rodrigues da Cunha jpcunha@iciag.ufu.br Universidade Federal de Uberlândia Instituto de Ciências Agrárias Sumário A aviação agrícola

Leia mais

TECNOLOGIA DE APLICAÇÃO DE AGROTÓXICOS NA CITRICULTURA

TECNOLOGIA DE APLICAÇÃO DE AGROTÓXICOS NA CITRICULTURA TECNOLOGIA DE APLICAÇÃO DE AGROTÓXICOS NA CITRICULTURA HAMILTON HUMBERTO RAMOS Diretor Geral do Instituto Agronômico TECNOLOGIA DE APLICAÇÃO DE PRODUTOS FITOSSANITÁRIOS Emprego de todos os conhecimentos

Leia mais

ANÁLISE DE APLICATIVOS PARA REGULAGEM E CALIBRAÇÃO DE PULVERIZADORES NA CULTURA DA VIDEIRA

ANÁLISE DE APLICATIVOS PARA REGULAGEM E CALIBRAÇÃO DE PULVERIZADORES NA CULTURA DA VIDEIRA ANÁLISE DE APLICATIVOS PARA REGULAGEM E CALIBRAÇÃO DE PULVERIZADORES NA CULTURA DA VIDEIRA PILETTI, P.L.²; FEIL, G.²; ZIMMERMANN, L.C.³; LUCCA FILHO, Z²; MACHADO, O. D. da C.¹ RESUMO Os agricultores encontram

Leia mais

ADOÇÃO DE MELHORES PRÁTICAS AGRONÔMICAS

ADOÇÃO DE MELHORES PRÁTICAS AGRONÔMICAS ADOÇÃO DE MELHORES PRÁTICAS AGRONÔMICAS O QUE SÃO AS MELHORES PRÁTICAS AGRONÔMICAS? POSICIONAMENTO TÉCNICO COERENTE E CONSISTENTE Dessecação antecipada e uso de inseticidas para manejo de pragas residentes

Leia mais

MELHORIAS NA UTILIZAÇÃO DE PRODUTOS FITOSSANITÁRIOS NA EMBRAPA SOJA

MELHORIAS NA UTILIZAÇÃO DE PRODUTOS FITOSSANITÁRIOS NA EMBRAPA SOJA M in isté rio d a A g ric u ltu ra P e cu á ria e A b a st e cim e n to MELHORIAS NA UTILIZAÇÃO DE PRODUTOS FITOSSANITÁRIOS NA EMBRAPA SOJA ALEXANDRE BRIGHENTI Embrapa Soja Londrina PR brighent@cnpso.embrapa.br

Leia mais

Definição / Abordagem de Processos

Definição / Abordagem de Processos Definição / Abordagem de Processos Ao longo da história dos processos produtivos e administrativos, as organizações têm crescido em tamanho, complexidade e requisitos. Para assegurar a qualidade, a eficácia

Leia mais

OS TRANSGÊNICOS E OS IMPACTOS AMBIENTAIS

OS TRANSGÊNICOS E OS IMPACTOS AMBIENTAIS OS TRANSGÊNICOS E OS IMPACTOS AMBIENTAIS Adolf Hitler Cardoso de Araújo (1) Universidade Estadual da Paraíba, adolf_araujo@hotmail.com INTRODUÇÃO Com os diversos avanços biotecnológicos como a engenharia

Leia mais

ISO 9001: Abordagem de processo

ISO 9001: Abordagem de processo ISO 9001:2008 0.2. Abordagem de processo Apesar dos requisitos da ISO 9001 propriamente ditos só começarem no item 4 da norma, o item 0.2 Abordagem de processo, é uma exigência básica para a aplicação

Leia mais

Prof. Dr. Casimiro Dias Gadanha Jr. DER/ESALQ/USP

Prof. Dr. Casimiro Dias Gadanha Jr. DER/ESALQ/USP LER 432 Máquinas e Implementos Agrícolas TÓPICO: Máquinas para Aplicação de Produtos Fitossanitários Prof. Dr. Casimiro Dias Gadanha Jr. DER/ESALQ/USP AGROTÓXICO Sinônimos: Produto Fitossanitário Pesticida

Leia mais

ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DO RISCO OPERACIONAL

ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DO RISCO OPERACIONAL ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DO RISCO OPERACIONAL I. INTRODUÇÃO: O Risco Operacional pode ser entendido como a possibilidade de ocorrência de perdas resultantes de falhas, deficiência ou inadequação de processos

Leia mais

Pulverização Aérea CARTILHA EXPLICATIVA

Pulverização Aérea CARTILHA EXPLICATIVA Pulverização Aérea CARTILHA EXPLICATIVA 1 A modernização da agricultura mundial O crescimento na demanda mundial de alimentos trouxe um novo desafio para a agricultura. A necessidade de evoluir na produtividade

Leia mais

PROCEDIMENTO DA QUALIDADE

PROCEDIMENTO DA QUALIDADE Pág.: 1 de 6 1. OBJETIVO Estabelecer procedimentos para identificação de não-conformidades, assim como a implantação de ação corretiva e ação preventiva, a fim de eliminar as causas das não-conformidades

Leia mais

6.4 CONTROLE DE PLANTAS DANINHAS

6.4 CONTROLE DE PLANTAS DANINHAS 6.4 CONTROLE DE PLANTAS DANINHAS Prejuízos: -Competição por água; -Competição por luz; -Competição por nutrientes; -Hospedeiros de pragas e doenças; -Interferência na operação de colheita. Período de competição:

Leia mais

Palavras-chaves: uniformidade de distribuição, ângulo e espectro de gotas.

Palavras-chaves: uniformidade de distribuição, ângulo e espectro de gotas. CARACTERÍSTICAS TÉCNICAS DE PONTA DE PULVERIZAÇÃO DE JATO PLANO COM INDUÇÃO DE AR JOSUÉ GOMES DELMOND 1, ELTON FIALHO DOS REIS 2 1 Engenheiro Agrícola, Graduando, UEG/Anápolis GO, Bolsista do CNPQ Brasil.

Leia mais

Unidade I ESTATÍSTICA. Prof. Celso Ribeiro Campos

Unidade I ESTATÍSTICA. Prof. Celso Ribeiro Campos Unidade I ESTATÍSTICA Prof. Celso Ribeiro Campos Visão geral da estatística Estatística: Conjunto de métodos e processos destinados a permitir o entendimento de um universo submetido a certas condições

Leia mais

Manual de Treinamento CONCEITOS E TECNOLOGIAS QUE VISAM A AUMENTAR O CONTROLE DE PRAGAS E DOENÇAS DE BAIXEIRO

Manual de Treinamento CONCEITOS E TECNOLOGIAS QUE VISAM A AUMENTAR O CONTROLE DE PRAGAS E DOENÇAS DE BAIXEIRO CONCEITOS E TECNOLOGIAS QUE VISAM A AUMENTAR O CONTROLE DE PRAGAS E DOENÇAS DE BAIXEIRO EDIÇÃO Nº 01/2014 Código: 0416-tp Manual de Treinamento Máquinas Agrícolas Jacto Rua Dr. Luiz Miranda, 1650 17580-000

Leia mais

CONTROLE ESTATÍSTICO DE PROCESSOS

CONTROLE ESTATÍSTICO DE PROCESSOS Ferramentas da Qualidade CONTROLE ESTATÍSTICO DE PROCESSOS CONTROLE ESTATÍSTICO DE PROCESSOS (2/4) HISTOGRAMA: O QUE É E PARA QUE SERVE CONSTRUÇÃO DE HISTOGRAMAS EXERCÍCIOS Utilização de histogramas 2

Leia mais

TECNOLOGIA DE APLICAÇÃO DE AGROTÓXICOS

TECNOLOGIA DE APLICAÇÃO DE AGROTÓXICOS Definição: Ciência multidisciplinar Disciplina: Fitopatologia Agrícola TECNOLOGIA DE APLICAÇÃO DE AGROTÓXICOS Objetivos: Destinada às pesquisas de equipamentos Processos e obtenção de resultados mais eficientes

Leia mais

MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO. GABINETE DO MINISTRO INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 2, DE 29 DE JANEIRO DE 2007.

MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO. GABINETE DO MINISTRO INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 2, DE 29 DE JANEIRO DE 2007. MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO. GABINETE DO MINISTRO INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 2, DE 29 DE JANEIRO DE 2007. O MINISTRO DE ESTADO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO, no uso da atribuição

Leia mais

CONSERVAÇÃO DE AMENDOIM (Arachis hypogaea L.) A LONGO PRAZO. Introdução

CONSERVAÇÃO DE AMENDOIM (Arachis hypogaea L.) A LONGO PRAZO. Introdução ISSN1516-4349 CONSERVAÇÃO DE AMENDOIM (Arachis hypogaea L.) A LONGO PRAZO Introdução O amendoim (Arachis hypogaea L), originário da América do Sul, é uma fonte importante de proteína para dieta do povo

Leia mais

EFEITO DA DERIVA DE HERBICIDAS NO DESENVOLVIMENTO E NA PRODUÇÃO DE MILHO

EFEITO DA DERIVA DE HERBICIDAS NO DESENVOLVIMENTO E NA PRODUÇÃO DE MILHO 10611 CNPNS 2000 ex. 2 FL- 10611 a ISSN 0101-5605 r' Ministério da Agricultura eflaabastecimento Número 21, Dezembro12000 EFEITO DA DERIVA DE HERBICIDAS NO DESENVOLVIMENTO E NA PRODUÇÃO DE MILHO Paulo

Leia mais

6º Encontro Regional dos Produtores de Maracujá Núcleo Rural Pipiripau Planaltina-DF

6º Encontro Regional dos Produtores de Maracujá Núcleo Rural Pipiripau Planaltina-DF Secretaria de Estado de Agricultura e Desenvolvimento Rural do DF - SEAGRI 6º Encontro Regional dos Produtores de Maracujá Núcleo Rural Pipiripau Planaltina-DF BOAS PRÁTICAS AGRÍCOLAS NA PRODUÇÃO DE MARACUJÁ

Leia mais

Introdução a Teste de Software

Introdução a Teste de Software Universidade Católica de Pelotas Tecnólogo em Análise e Desenvolvimento de Sistemas Disciplina de Qualidade de Software Introdução a Teste de Software Prof. Luthiano Venecian 1 Conceitos Teste de software

Leia mais

INSPEÇÃO PERIÓDICA DE PULVERIZADORES NA REGIÃO CENTRO-SUL DO ESTADO DO PARANÁ PERIODIC INSPECTION OF SPRAYERS IN THE CENTRAL SOUTHERN STATE OF PARANÁ

INSPEÇÃO PERIÓDICA DE PULVERIZADORES NA REGIÃO CENTRO-SUL DO ESTADO DO PARANÁ PERIODIC INSPECTION OF SPRAYERS IN THE CENTRAL SOUTHERN STATE OF PARANÁ INSPEÇÃO PERIÓDICA DE PULVERIZADORES NA REGIÃO CENTRO-SUL DO ESTADO DO PARANÁ Étore Francisco Reynaldo 1, Thiago Martins Machado 2* RESUMO: O pulverizador na propriedade agrícola é uma das máquinas mais

Leia mais

ESTRATÉGIAS DE MANEJO DE PLANTAS DANINHAS COM PERDA DE SENSIBILIDADE AO GLYPHOSATE NA CULTURA DO MILHO RR

ESTRATÉGIAS DE MANEJO DE PLANTAS DANINHAS COM PERDA DE SENSIBILIDADE AO GLYPHOSATE NA CULTURA DO MILHO RR ESTRATÉGIAS DE MANEJO DE PLANTAS DANINHAS COM PERDA DE SENSIBILIDADE AO GLYPHOSATE NA CULTURA DO MILHO RR MORAIS, H. A. (Test Agro, Rio Verde/GO henrique.morais@terra.com.br), CABRAL, R. S. (UniRV Universidade

Leia mais

O QUE É UMA PULVERIZAÇÃO?

O QUE É UMA PULVERIZAÇÃO? TECNOLOGIA DE APLICAÇÃO DE HERBICIDAS Emprego de todos os conhecimentos científicos que proporcionem a correta colocação do produto biologicamente ativo no alvo, em quantidade necessária, de forma econômica,

Leia mais

Ergonomia e SegurançA MáquinaS Agrícolas. Departamento de Engenharia de Biossistemas LEB Mecânica e Máquinas Motoras 2014

Ergonomia e SegurançA MáquinaS Agrícolas. Departamento de Engenharia de Biossistemas LEB Mecânica e Máquinas Motoras 2014 Ergonomia e SegurançA MáquinaS Agrícolas Departamento de Engenharia de Biossistemas LEB 0332- Mecânica e Máquinas Motoras 2014 ERGONOMIA A palavra Ergonomia deriva do grego Ergon [trabalho] e nomos [normas,

Leia mais

Efeito de pontas de pulverização na deposição da calda no feijoeiro Effect of spray nozzles on bean plants deposition

Efeito de pontas de pulverização na deposição da calda no feijoeiro Effect of spray nozzles on bean plants deposition Efeito de pontas de pulverização na deposição da calda no feijoeiro Effect of spray nozzles on bean plants deposition Matheus Arthur Góes Lôbo Farias¹*; Neli Cristina Belmiro dos Santos 2 ; Rafael Simões

Leia mais

TÉCNICAS DE RACIONALIZAÇÃO DE PROCESSOS

TÉCNICAS DE RACIONALIZAÇÃO DE PROCESSOS TÉCNICAS DE RACIONALIZAÇÃO DE PROCESSOS MÓDULO 4 Os Diferentes Tipos e Padrões de Fluxogramas Há muitos tipos diferentes de fluxograma, cada um com sua aplicação específica. A seguir apresentaremos os

Leia mais

X Encontro de Extensão

X Encontro de Extensão 5CFTDAPOUT01 CONSCIENTIZAÇÃO SOBRE O USO E CONSERVAÇÃO DE INIMIGOS NATURAIS NO CURIMATAÚ PARAIBANO Flávia Queiroz de Oliveira (2); José Bruno Malaquias (2); Luiz Leonardo Ferreira (2); Thiago de Souza

Leia mais

A FALTA DE CHUVAS E AS DIFICULDADES PARA OS PEQUENOS AGRICULTORES DO SEMI-ÁRIDO ALIMENTAREM OS ANIMAIS NA SECA

A FALTA DE CHUVAS E AS DIFICULDADES PARA OS PEQUENOS AGRICULTORES DO SEMI-ÁRIDO ALIMENTAREM OS ANIMAIS NA SECA A FALTA DE CHUVAS E AS DIFICULDADES PARA OS PEQUENOS AGRICULTORES DO SEMI-ÁRIDO ALIMENTAREM OS ANIMAIS NA SECA Nilton de Brito Cavalcanti, Geraldo Milanez de Resende, Luiza Teixeira de Lima Brito. Embrapa

Leia mais

O que são custos de transformação?

O que são custos de transformação? O que são custos de transformação? A forma encontrada pelo método UEP para analisar os custos da empresa é através da simplificação do modelo de cálculo da produção do período determinando uma unidade

Leia mais

capacitação melhorar a gestão seu negócio.

capacitação melhorar a gestão seu negócio. GRÃOS 2013 CONCEITO Projeto de cunho social para promover a capacitação de profissionais do agronegócio visando melhorar a gestão de suas atividades e ganhos em seu negócio. CAUSA Inclusão à educação através

Leia mais

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO GEOGRÁFICA (II)

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO GEOGRÁFICA (II) UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO ESCOLA SUPERIOR DE AGRICULTURA LUIZ DE QUEIROZ DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA DE BIOSSISTEMAS DISCIPLINA: LEB450 TOPOGRAFIA E GEOPROCESSAMENTO II PROF. DR. CARLOS ALBERTO VETTORAZZI

Leia mais

TECNOLOGIA DE APLICAÇÃO DE HERBICIDAS

TECNOLOGIA DE APLICAÇÃO DE HERBICIDAS TECNOLOGIA DE APLICAÇÃO DE HERBICIDAS Emprego de todos os conhecimentos científicos que proporcionem a correta colocação do produto biologicamente ativo no alvo, em quantidade necessária, de forma econômica,

Leia mais

Organização da informação sobre o método de coordenação da qualidade na cadeia de processamento mínimo da alface americana

Organização da informação sobre o método de coordenação da qualidade na cadeia de processamento mínimo da alface americana Organização da informação sobre o método de coordenação da qualidade na cadeia de processamento mínimo da alface americana Kátia Cristina Suzigan 1 Adriana Delfino dos Santos 2 Introdução Embora o mercado

Leia mais

VALIDAÇÃO PARA O SETOR COSMÉTICOS. Rita Bacoccini Diretora Técnica de Saúde I GT Cosméticos DITEP Maio/2016

VALIDAÇÃO PARA O SETOR COSMÉTICOS. Rita Bacoccini Diretora Técnica de Saúde I GT Cosméticos DITEP Maio/2016 PARA O SETOR COSMÉTICOS REGULAÇÃO SANITÁRIA Rita Bacoccini Diretora Técnica de Saúde I GT Cosméticos DITEP Maio/2016 QUALQUER ASPECTO DA OPERAÇÃO QUE POSSA AFETAR A QUALIDADE DO PRODUTO, DIRETA OU INDIRETAMENTE,

Leia mais

1. Introdução. 1.1.Objetivo

1. Introdução. 1.1.Objetivo 1. Introdução 1.1.Objetivo O objetivo desta dissertação é desenvolver um sistema de controle por aprendizado acelerado e Neuro-Fuzzy baseado em técnicas de inteligência computacional para sistemas servo-hidráulicos

Leia mais

Segundo Ivatury (2006), uma consolidação do fenômeno mobile banking pode desempenhar um papel significativo em termos econômicos e sociais, ou seja,

Segundo Ivatury (2006), uma consolidação do fenômeno mobile banking pode desempenhar um papel significativo em termos econômicos e sociais, ou seja, 1 Introdução O presente estudo tem como objetivo oferecer uma análise do efeito da confiança na intenção de uso do mobile banking no contexto brasileiro, especificamente entre usuários da cidade do Rio

Leia mais

Normas ISO:

Normas ISO: Universidade Católica de Pelotas Tecnólogo em Análise e Desenvolvimento de Sistemas Disciplina de Qualidade de Software Normas ISO: 12207 15504 Prof. Luthiano Venecian 1 ISO 12207 Conceito Processos Fundamentais

Leia mais

Telemetria em Pulverização Pedro Estevão Bastos Abimaq

Telemetria em Pulverização Pedro Estevão Bastos Abimaq Telemetria em Pulverização Pedro Estevão Bastos Abimaq ABIMAQ Associação Brasileira da Indústria de Máquinas CSMIA Câmara Setorial de Máquinas e Implementos Agrícolas 360 empresas 48.000 empregos R$ 11

Leia mais

SEMINÁRIO GESTÃO DO USO DA ENERGIA ELÉTRICA NO SANEAMENTO

SEMINÁRIO GESTÃO DO USO DA ENERGIA ELÉTRICA NO SANEAMENTO AESBE ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DAS EMPRESAS ESTADUAIS DE SANEAMENTO SEMINÁRIO GESTÃO DO USO DA ENERGIA ELÉTRICA NO SANEAMENTO Tipologias de projeto Rio de Janeiro Março / 2013 Airton S. Gomes - Consultor

Leia mais

Módulo 5. Tecnologia de aplicação

Módulo 5. Tecnologia de aplicação Módulo 5 Tecnologia de aplicação Tecnologia de Aplicação Aldemir Chaim Embrapa Meio Ambiente Fernando Adegas Embrapa Soja Luiz Guilherme Rebello Wadt Embrapa Meio Ambiente Roberto Teixeira Alves Embrapa

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DE UMA BARRA DE PULVERIZAÇÃO PARA APLICAÇÃO DE HERBICIDA EM DESSECAÇÃO DE SOQUEIRA CANA-DE-AÇÚCAR E PASTAGENS

DESENVOLVIMENTO DE UMA BARRA DE PULVERIZAÇÃO PARA APLICAÇÃO DE HERBICIDA EM DESSECAÇÃO DE SOQUEIRA CANA-DE-AÇÚCAR E PASTAGENS 47 DESENVOLVIMENTO DE UMA BARRA DE PULVERIZAÇÃO PARA APLICAÇÃO DE HERBICIDA EM DESSECAÇÃO DE SOQUEIRA CANA-DE-AÇÚCAR E PASTAGENS AMO, Fernando Colombo de 1 PEREIRA, Flávio José de Sousa 2 GADANHA JÚNIOR,

Leia mais

POLÍTICA DE RISCO OPERACIONAL DOS FUNDOS E CARTEIRAS GERIDOS PELO SICREDI

POLÍTICA DE RISCO OPERACIONAL DOS FUNDOS E CARTEIRAS GERIDOS PELO SICREDI POLÍTICA DE RISCO OPERACIONAL DOS FUNDOS E CARTEIRAS GERIDOS PELO SICREDI Versão: outubro/2016 1. OBJETIVO Em concordância com as diretrizes da Política de Gerenciamento de Riscos dos Fundos e Carteiras

Leia mais

Utilização de testes de comparações múltiplas na análise de experimentos unifatoriais com tratamentos quantitativos

Utilização de testes de comparações múltiplas na análise de experimentos unifatoriais com tratamentos quantitativos Utilização de testes de comparações múltiplas na análise de experimentos unifatoriais com tratamentos quantitativos Josiane Rodrigues 1 Sônia Maria De Stefano Piedade 1 1 Introdução O objetivo de experimentos

Leia mais

ESTUDO DO PROGRESSO GENÉTICO NA POPULAÇÃO UFG- SAMAMBAIA, SUBMETIDA A DIFERENTES MÉTODOS DE SELEÇÃO.

ESTUDO DO PROGRESSO GENÉTICO NA POPULAÇÃO UFG- SAMAMBAIA, SUBMETIDA A DIFERENTES MÉTODOS DE SELEÇÃO. ESTUDO DO PROGRESSO GENÉTICO NA POPULAÇÃO UFG- SAMAMBAIA, SUBMETIDA A DIFERENTES MÉTODOS DE SELEÇÃO RAMOS, Michele Ribeiro 1 ; BRASIL, Edward Madureira 2 Palavras-chave: progresso genético, métodos de

Leia mais

Conceitosintrodutórios Planejamentode Experimentos. Prof. Dr. Fernando Luiz Pereira de Oliveira Sala1 ICEB I DEMAT

Conceitosintrodutórios Planejamentode Experimentos. Prof. Dr. Fernando Luiz Pereira de Oliveira Sala1 ICEB I DEMAT Conceitosintrodutórios Planejamentode Experimentos Prof. Dr. Fernando Luiz Pereira de Oliveira Sala1 ICEB I DEMAT Email: fernandoest@ig.com.br Um planejamento de experimentos consiste em um teste ou umas

Leia mais

Segurança e Auditoria de Sistemas

Segurança e Auditoria de Sistemas Segurança e Auditoria de Sistemas ABNT NBR ISO/IEC 27002 0. Introdução 1 Roteiro Definição Justificativa Fontes de Requisitos Análise/Avaliação de Riscos Seleção de Controles Ponto de Partida Fatores Críticos

Leia mais

Departamento do Agronegócio Segurança Alimentar: O Desafio de Abastecer o Mundo com Sustentabilidade

Departamento do Agronegócio Segurança Alimentar: O Desafio de Abastecer o Mundo com Sustentabilidade Segurança Alimentar: O Desafio de Abastecer o Mundo com Sustentabilidade O Mundo atravessa um período de aumento expressivo do consumo de alimentos, impulsionado pela melhora da renda das famílias dos

Leia mais

COMPARATIVO DE LUCRATIVIDADE ENTRE O PLANTIO DE MILHO SEQUEIRO/SOJA E O ARRENDAMENTO DA ÁREA

COMPARATIVO DE LUCRATIVIDADE ENTRE O PLANTIO DE MILHO SEQUEIRO/SOJA E O ARRENDAMENTO DA ÁREA COMPARATIVO DE LUCRATIVIDADE ENTRE O PLANTIO DE MILHO SEQUEIRO/SOJA E O ARRENDAMENTO DA ÁREA Mariana S. de Proença 1, Leonel J. Ribeiro 2, Maria C. Ferrari 3, Flavia C. Cavalini 4 1 Graduanda em Agronegócio,

Leia mais

RESOLUÇÃO N Parágrafo 2º São de responsabilidade da diretoria da instituição:

RESOLUÇÃO N Parágrafo 2º São de responsabilidade da diretoria da instituição: RESOLUÇÃO N 2554 Dispõe sobre a implantação e implemenação de sistema de controles internos. O BANCO CENTRAL DO BRASIL, na forma do art. 9º da Lei nº 4.595, de 31.12.64, torna público que o CONSELHO MONETÁRIO

Leia mais

Lauro Charlet Pereira Francisco Lombardi Neto - IAC Marta Regina Lopes Tocchetto - UFSM Jaguariúna, 2006.

Lauro Charlet Pereira Francisco Lombardi Neto - IAC Marta Regina Lopes Tocchetto - UFSM Jaguariúna, 2006. APTIDÃO AGRÍCOLA COMO SUBSÍDIO AO USO AGROECOLÓGICO DAS TERRAS Lauro Charlet Pereira Francisco Lombardi Neto - IAC Marta Regina Lopes Tocchetto - UFSM Jaguariúna, 2006. RESUMO: O principal objetivo deste

Leia mais

ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCO OPERACIONAL

ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCO OPERACIONAL ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCO OPERACIONAL A Um Investimentos S/A CTVM atendendo às disposições da Resolução CMN 3.380/06 demonstra através deste relatório a sua estrutura do gerenciamento de risco

Leia mais

MISTURAS DE DEFENSIVOS

MISTURAS DE DEFENSIVOS MISTURAS DE DEFENSIVOS AGRÍCOLAS EM TANQUE Ac. Albert Kenji Hirose Ac. André Hiroshi Kobayashi Ac. Fausto Nimer Terrabuio Ac. Gustavo Takeshi Hacimoto INTRODUÇÃO Misturas em tanque associações de dois

Leia mais

TÍTULO: O CICLO PDCA IMPLANTADO NA REDUÇÃO DE TROCA DE FUSO ESFÉRICO DE UM CENTRO DE USINAGEM CNC HORIZONTAL

TÍTULO: O CICLO PDCA IMPLANTADO NA REDUÇÃO DE TROCA DE FUSO ESFÉRICO DE UM CENTRO DE USINAGEM CNC HORIZONTAL 16 TÍTULO: O CICLO PDCA IMPLANTADO NA REDUÇÃO DE TROCA DE FUSO ESFÉRICO DE UM CENTRO DE USINAGEM CNC HORIZONTAL CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: ENGENHARIAS E ARQUITETURA SUBÁREA: ENGENHARIAS INSTITUIÇÃO: FACULDADE

Leia mais

Programa de Desenvolvimento Rural do Continente para

Programa de Desenvolvimento Rural do Continente para Programa de Desenvolvimento Rural do Continente para 2014-2020 Medida 6 GESTÃO DO RISCO E RESTABELECIMENTO DO POTENCIAL PRODUTIVO Ação 6.2 PREVENÇÃO E RESTABELECIMENTO DO POTENCIAL PRODUTIVO Enquadramento

Leia mais

A avaliação de projetos pelo públicoalvo: um estudo exploratório de uma instituição universitária. Marilda Angioni

A avaliação de projetos pelo públicoalvo: um estudo exploratório de uma instituição universitária. Marilda Angioni A avaliação de projetos pelo públicoalvo: um estudo exploratório de uma instituição universitária Marilda Angioni Roteiro Avaliação Universidade Extensão Universitária Delimitação do Estudo Resultados

Leia mais

É POSSÍVEL TER SUCESSO NA PRODUÇÃO DO ALGODÃO NÃO BT? Eng.º Agr.º Ezelino Carvalho GBCA / EQUIPE Consultoria Agronômica

É POSSÍVEL TER SUCESSO NA PRODUÇÃO DO ALGODÃO NÃO BT? Eng.º Agr.º Ezelino Carvalho GBCA / EQUIPE Consultoria Agronômica É POSSÍVEL TER SUCESSO NA PRODUÇÃO DO ALGODÃO NÃO BT? Eng.º Agr.º Ezelino Carvalho GBCA / EQUIPE Consultoria Agronômica 10º Congresso Brasileiro de Algodão Foz do Iguaçu - PR, Setembro/2015 OBJETIVOS Discutir

Leia mais

Cálculo do dano do amassamento, na cultura do trigo, pelo rodado do equipamento na primeira aplicação de defensivos

Cálculo do dano do amassamento, na cultura do trigo, pelo rodado do equipamento na primeira aplicação de defensivos Cálculo do dano do amassamento, na cultura do trigo, pelo rodado do equipamento na primeira aplicação de defensivos Erlei Melo Reis e Mateus Zanatta Agrosservice Pesquisa e consultoria agrícola, Passo

Leia mais

Plano de Trabalho Docente Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente Ensino Técnico Etec Dr. José Luiz Viana Coutinho Plano de Trabalho Docente 2014 Ensino Técnico Etec ETEC Dr. José Luiz Viana Coutinho Município: Jales Município: Jales Eixo Tecnológico: Recursos Naturais Componente Curricular:

Leia mais

PERCEPÇÃO DOS ALUNOS DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO ACERCA DA PROFISSÃO E DO CURSO: EVIDÊNCIAS A PARTIR DO CASO DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS

PERCEPÇÃO DOS ALUNOS DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO ACERCA DA PROFISSÃO E DO CURSO: EVIDÊNCIAS A PARTIR DO CASO DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS PERCEPÇÃO DOS ALUNOS DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO ACERCA DA PROFISSÃO E DO CURSO: EVIDÊNCIAS A PARTIR DO CASO DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS Yan Souza Andrade (UFMG) yansandrade1462@yahoo.com Maria

Leia mais

Emergências e Gerenciamento de Riscos

Emergências e Gerenciamento de Riscos CONCURSO PETROBRAS PROFISSIONAL DE MEIO AMBIENTE JÚNIOR ENGENHEIRO(A) DE MEIO AMBIENTE JÚNIOR PROFISSIONAL JÚNIOR - ENG. DE MEIO AMBIENTE Emergências e Gerenciamento de Riscos Questões Resolvidas QUESTÕES

Leia mais

PADRÃO DE DISTRIBUIÇÃO DA CALDA PRODUZIDA PELA PONTA DE PULVERIZAÇÃO DO TIPO JATO PLANO (8002) EM FUNÇÃO DO ESPAÇAMENTO ENTRE BICOS 1

PADRÃO DE DISTRIBUIÇÃO DA CALDA PRODUZIDA PELA PONTA DE PULVERIZAÇÃO DO TIPO JATO PLANO (8002) EM FUNÇÃO DO ESPAÇAMENTO ENTRE BICOS 1 457 PADRÃO DE DISTRIBUIÇÃO DA CALDA PRODUZIDA PELA PONTA DE PULVERIZAÇÃO DO TIPO JATO PLANO (82) EM FUNÇÃO DO ESPAÇAMENTO ENTRE BICOS 1 Spray Distribution Pattern of Flat Fan Tip (82) at Different Spacing

Leia mais

MÉTODOS DE MANEJO DA IRRIGAÇÃO NO CULTIVO DA ALFACE AMERICANA

MÉTODOS DE MANEJO DA IRRIGAÇÃO NO CULTIVO DA ALFACE AMERICANA MÉTODOS DE MANEJO DA IRRIGAÇÃO NO CULTIVO DA ALFACE AMERICANA VIEIRA, T.A. 1 ; SANTANA, M.J. 2 ; BIULCHI, P.A. 2 ; VASCONCELOS, R.F. 3 1 Estudante de Agronomia do CEFET Uberaba MG, bolsista FAPEMIG, e-mail:

Leia mais

Tecnologia de Aplicação

Tecnologia de Aplicação Tecnologia de Aplicação Rodolfo G. Chechetto Engenheiro Agrônomo O que é Tecnologia de Aplicação? Conjunto de conhecimentos que integram informações sobre os produtos fitossanitários, suas formulações

Leia mais

Modelo Geral do SIG 18/11/2014. Componentes, condicionantes, níveis de influência e abrangência do SIG

Modelo Geral do SIG 18/11/2014. Componentes, condicionantes, níveis de influência e abrangência do SIG Prof. William C. Rodrigues Copyright 2014. Todos direitos reservados. Componentes, condicionantes, níveis de influência e abrangência do SIG Modelo Geral do SIG Planejamentos Fator Humano SIG Estrutura

Leia mais

SEMEADORA-ADUBADORA. Prof. Dr. Carlos Eduardo Angeli Furlani

SEMEADORA-ADUBADORA. Prof. Dr. Carlos Eduardo Angeli Furlani SEMEADORA-ADUBADORA 1 Qual a cultura? Qual o adubo? 2 Qual o tamanho/formato da semente? Qual a quantidade de sementes/hectare? Qual a quantidade de plantas/hectare? Quando? 3 revolvimento mínimo do solo

Leia mais

1. INTRODUÇÃO AO PLANEJAMENTO DE EXPERIMENTOS

1. INTRODUÇÃO AO PLANEJAMENTO DE EXPERIMENTOS 1. INTRODUÇÃO AO PLANEJAMENTO DE EXPERIMENTOS A metodologia conhecida como projeto de experimentos foi introduzida por Fischer em 1935 e inicialmente aplicada a experimentos de agricultura. Posteriormente,

Leia mais

23/09/2016. UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA Campus de Jaboticabal. UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA Campus de Jaboticabal

23/09/2016. UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA Campus de Jaboticabal. UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA Campus de Jaboticabal UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA Campus de Jaboticabal Depto. Fitossanidade TRATAMENTO FITOSSANITÁRIO Frutif & Calibr Desempenho Operacional Prof. Dr. Marcelo da Costa Ferreira mdacosta@fcav.unesp.br JUNHO

Leia mais

Estrutura de Gerenciamento do Risco Operacional Base: Setembro/2015

Estrutura de Gerenciamento do Risco Operacional Base: Setembro/2015 Estrutura de Gerenciamento do Risco Operacional Base: Setembro/2015 ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DO RISCO OPERACIONAL DEFINIÇÃO O BMB entende que uma gestão apropriada do risco operacional é importante,

Leia mais

RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO DA SATISFAÇÃO DOS MUNICIPES. Câmara Municipal de Mogadouro

RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO DA SATISFAÇÃO DOS MUNICIPES. Câmara Municipal de Mogadouro RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO DA SATISFAÇÃO DOS MUNICIPES Câmara Municipal de Mogadouro ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO... 2 2. A IMPORTÂNCIA DE MEDIR A SATISFAÇÃO DOS CLIENTES... 2 3. OBJETIVOS... 2 4. METODOLOGIA... 2

Leia mais

APLICAÇÃO DA NORMA NR-10 NO INSTITUTO MINEIRO DE AGROPECUÁRIA. Graduando em Engenharia Elétrica - Centro Universitário de Patos de Minas - UNIPAM.

APLICAÇÃO DA NORMA NR-10 NO INSTITUTO MINEIRO DE AGROPECUÁRIA. Graduando em Engenharia Elétrica - Centro Universitário de Patos de Minas - UNIPAM. APLICAÇÃO DA NORMA NR-10 NO INSTITUTO MINEIRO DE AGROPECUÁRIA Raiane Carolina Teixeira de Oliveira (1) ; Lívia Melo Lintz (2), Matheus Augusto Santana (3), Luiz Felipe Ferreira Prados (4), Fábio de Brito

Leia mais

Acordo de Acionistas NORMA DE da CPFL Energia S.A. ENGAJAMENTO

Acordo de Acionistas NORMA DE da CPFL Energia S.A. ENGAJAMENTO Acordo de Acionistas NORMA DE da CPFL Energia S.A. ENGAJAMENTO Atual DE Denominação PÚBLICOS Social DE da Draft II Participações INTERESSE S.A. Sumário Introdução 3 Objetivo da Norma 4 Conceitos básicos

Leia mais

Sistema de Gestão Ambiental

Sistema de Gestão Ambiental Sistema de Gestão Ambiental Universidade Federal do Espírito Santo UFES Centro Tecnológico Curso de Especialização em Gestão Ambiental Professora Flavia Nogueira Zanoni MSc em Controle de Poluição Ambiental

Leia mais

27/11/2015. Boas práticas: os desafios da tecnologia de aplicação. Tecnologia de aplicação x ambiente. Ulisses Rocha Antuniassi

27/11/2015. Boas práticas: os desafios da tecnologia de aplicação. Tecnologia de aplicação x ambiente. Ulisses Rocha Antuniassi Boas práticas: os desafios da tecnologia de aplicação Ulisses Rocha Antuniassi FCA/UNESP - Botucatu/SP ulisses@fca.unesp.br Apresentação UNESP: FCA: DEnR: NTA: NEMPA: Universidade Estadual Paulista Faculdade

Leia mais

PROGRAMA DE DISCIPLINA

PROGRAMA DE DISCIPLINA PROGRAMA DE DISCIPLINA Disciplina: Produção e Tecnologia de Sementes Código da Disciplina: AGR 271 Curso: Agronomia Semestre de oferta da disciplina: 6 Faculdade responsável: Agronomia Programa em vigência

Leia mais

Manejo da adubação nitrogenada na cultura do milho

Manejo da adubação nitrogenada na cultura do milho Manejo da adubação nitrogenada na cultura do milho Atualmente, pode-se dizer que um dos aspectos mais importantes no manejo da adubação nitrogenada na cultura do milho refere-se à época de aplicação e

Leia mais

COPETAP - OPERADOR EM CONFIGURAÇÃO DE EQUIPAMENTOS NA AGRICULTURA DE PRECISÃO

COPETAP - OPERADOR EM CONFIGURAÇÃO DE EQUIPAMENTOS NA AGRICULTURA DE PRECISÃO INSTITUTO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO PROFESSOR ISAÍAS EIXO AGROPECUÁRIA E AGROECOLOGIA COPETAP - OPERADOR EM CONFIGURAÇÃO DE EQUIPAMENTOS NA AGRICULTURA DE PRECISÃO AUTOR VALDIR CRUZ TRINDADE JUNIOR PROFESSORA

Leia mais

Gerência de Projetos e Qualidade de Software. Prof. Walter Gima

Gerência de Projetos e Qualidade de Software. Prof. Walter Gima Gerência de Projetos e Qualidade de Software Prof. Walter Gima 1 OBJETIVOS O que é Qualidade Entender o ciclo PDCA Apresentar técnicas para garantir a qualidade de software Apresentar ferramentas para

Leia mais

INTRODUÇÃO INTRODUÇÃO INTRODUÇÃO ISO 9001 ISO /03/2015 QUALIDADE! GERENCIAMENTO DE PROJETOS GESTÃO DE QUALIDADE

INTRODUÇÃO INTRODUÇÃO INTRODUÇÃO ISO 9001 ISO /03/2015 QUALIDADE! GERENCIAMENTO DE PROJETOS GESTÃO DE QUALIDADE UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ DEPARTAMENTO DE CONSTRUÇÃO CIVIL INTRODUÇÃO 2 GERENCIAMENTO DE PROJETOS Prof.: Heloisa Campos COMPETITIVIDADE NA CONSTRUÇÃO CIVIL SATISFAÇÃO DOS CLIENTES! INTRODUÇÃO INTRODUÇÃO

Leia mais

Disciplina: Processos Organizacionais Líder da Disciplina: Rosely Gaeta NOTA DE AULA 05 FERRAMENTAS E MÉTODOS PARA A RACIONALIZAÇÃO DOS PROCESSOS

Disciplina: Processos Organizacionais Líder da Disciplina: Rosely Gaeta NOTA DE AULA 05 FERRAMENTAS E MÉTODOS PARA A RACIONALIZAÇÃO DOS PROCESSOS Disciplina: Processos Organizacionais Líder da Disciplina: Rosely Gaeta NOTA DE AULA 05 FERRAMENTAS E MÉTODOS PARA A RACIONALIZAÇÃO DOS PROCESSOS 4 Técnicas de Apoio à Melhoria de processo: As Sete Ferramentas

Leia mais

Efeito do inseticida Lorsban na supressão de Spodoptera frugiperda (Smith, 1797) (Lepidoptera: Noctuidae) na cultura do milho.

Efeito do inseticida Lorsban na supressão de Spodoptera frugiperda (Smith, 1797) (Lepidoptera: Noctuidae) na cultura do milho. Efeito do inseticida Lorsban na supressão de Spodoptera frugiperda (Smith, 1797) (Lepidoptera: Noctuidae) na cultura do milho. Previous Top Next 1MARIA DE L. C. FIGUEIREDO, 2 ANGÉLICA M. PENTEADO-DIAS

Leia mais

AUTOMAÇÃO DE ESTUFAS AGRÍCOLAS. 1. Introdução. 2. Estufas Agrícolas. Automação de estufas agrícolas. Ronaldo Tadeu Murguero Junior

AUTOMAÇÃO DE ESTUFAS AGRÍCOLAS. 1. Introdução. 2. Estufas Agrícolas. Automação de estufas agrícolas. Ronaldo Tadeu Murguero Junior AUTOMAÇÃO DE ESTUFAS AGRÍCOLAS Ronaldo Tadeu Murguero Junior 1. Introdução A utilização de estufas no plantio vem crescendo a cada ano, pois através da utilização de estufas consegue-se ter um controle

Leia mais

Inseticida de contato e adjuvante / espalhante adesivo, do grupo químico hidrocarbonetos alifáticos PRAGAS. Cochonilha-cabeça-deprego

Inseticida de contato e adjuvante / espalhante adesivo, do grupo químico hidrocarbonetos alifáticos PRAGAS. Cochonilha-cabeça-deprego Composição: Mistura de hidrocarbonetos parafínicos, ciclo parafínicos e aromáticos saturados e insaturados provenientes da destilação do petróleo (ÓLEO MINERAL)...800 ml/l (80% v/v) Ingredientes inertes...200

Leia mais

COMPARAÇÃO DE BICOS DE PULVERIZAÇÃO NA DESSECAÇÃO DO MILHETO (Pennisetum americanum) 1

COMPARAÇÃO DE BICOS DE PULVERIZAÇÃO NA DESSECAÇÃO DO MILHETO (Pennisetum americanum) 1 Pesquisa Agropecuária Tropical, 30(1): 65-70, jan./jun. 2000 65 COMPARAÇÃO DE BICOS DE PULVERIZAÇÃO NA DESSECAÇÃO DO MILHETO (Pennisetum americanum) 1 Gislene Auxiliadora Ferreira 2, José Nunes Júnior

Leia mais

SISTEMA FEDERAL DE INSPEÇÃO DO TRABALHO

SISTEMA FEDERAL DE INSPEÇÃO DO TRABALHO SISTEMA FEDERAL DE INSPEÇÃO DO TRABALHO ANÁLISE DE ACIDENTE DE TRABALHO Máquina Injetora de Plástico Fabricação de artefatos de material plástico Objetivo A análise de acidente de trabalho ocorrido nas

Leia mais

Avaliação da uniformidade de distribuição volumétrica de bicos hidráulicos em pulverizador com assistência de ar

Avaliação da uniformidade de distribuição volumétrica de bicos hidráulicos em pulverizador com assistência de ar Avaliação da uniformidade de distribuição volumétrica de bicos hidráulicos em pulverizador com assistência de ar Murilo Mesquita Baesso 1 ; Ronaldo Goulart Junior 2 ; Mauri Martins Teixeira 3 ; Francelino

Leia mais

CONCEITUAÇÃO DE VIGOR DE SEMENTES EM SEUS MÚLTIPLOS ASPECTOS. Julio Marcos Filho Tecnologia de Sementes Depto. Produção Vegetal USP/ESALQ

CONCEITUAÇÃO DE VIGOR DE SEMENTES EM SEUS MÚLTIPLOS ASPECTOS. Julio Marcos Filho Tecnologia de Sementes Depto. Produção Vegetal USP/ESALQ CONCEITUAÇÃO DE VIGOR DE SEMENTES EM SEUS MÚLTIPLOS ASPECTOS Julio Marcos Filho Tecnologia de Sementes Depto. Produção Vegetal USP/ESALQ Definição x Conceito A palavra CONCEITO tem vários significados

Leia mais

Unidade II TÉCNICAS DE RACIONALIZAÇÃO. Prof. Me. Livaldo dos Santos

Unidade II TÉCNICAS DE RACIONALIZAÇÃO. Prof. Me. Livaldo dos Santos Unidade II TÉCNICAS DE RACIONALIZAÇÃO DE PROCESSOS Prof. Me. Livaldo dos Santos Objetivos Ferramentas para análise dos processos Etapas do Processo de Racionalização Outras técnicas de apoio à melhoria

Leia mais

GUIA PRÁTICO PARA A UTILIZAÇÃO DE TABELAS DE ENTALPIA

GUIA PRÁTICO PARA A UTILIZAÇÃO DE TABELAS DE ENTALPIA GUIA PRÁTICO PARA A UTILIZAÇÃO DE TABELAS DE ENTALPIA Marília Lessa de Vasconcelos Queiroz, José Antonio Delfino Barbosa Filho, Frederico Márcio Corrêa Vieira Núcleo de Estudos em Ambiência Agrícola e

Leia mais

GESTÃO DA MANUTENÇÃO

GESTÃO DA MANUTENÇÃO Curso: Engenharia de Produção Disciplina: GESTÃO DA MANUTENÇÃO Prof. Eduardo Morais 1 O QUE É MANUTENÇÃO? Manutenção é o termo usado para abordar a forma pela qual as organizações tentam evitar as falhas

Leia mais

Política de Auditoria Interna

Política de Auditoria Interna Política de Auditoria Interna 22 de outubro 2013 Define a missão, a independência, a objetividade, as responsabilidades e regulamenta a função da auditoria interna. ÍNDICE 1. OBJETIVO... 3 2. PÚBLICO ALVO...

Leia mais