Mecanização da Pulverização. Eng. Agr.Jairo da Costa Moro Máquinas Agrícolas Jacto S.A

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Mecanização da Pulverização. Eng. Agr.Jairo da Costa Moro Máquinas Agrícolas Jacto S.A"

Transcrição

1

2 Eng. Agr.Jairo da Costa Moro Máquinas Agrícolas Jacto S.A

3 Mercado de defensivos Agrícolas Brasil - O mercado brasileiro comercializou o valor total de US$12,25 bilhões em defensivos agrícolas. Fonte: - Hortifrutis são o terceiro maior mercado de defensivos do Brasil, ficando atrás apenas da soja e do algodão. Fonte: - Dentro dos Hortifrutis o tomate é o terceiro maior consumidor, depois do citros e batata. Fonte:

4 Fonte:

5 Cultivos Equipamentos Pragas Alvo clima Eng. Agr. Operador Produto

6 Pulverizador para cultura do tomate

7 Maçã Uva

8 Situação Atual - Nas pequenas propriedades trabalho realizado com lanças de pulverização.

9 Situação Atual - Propriedades maiores um grande número de adaptações para tentar atender as necessidades da pulverização do tomateiro.

10 Situação Atual

11 O desenvolvimento de equipamentos depende: Da necessidade do agricultor; Da quantificação da necessidade; Da rentabilidade da empresa;

12 Dificuldades no desenvolvimento de máquinas Forma de cultivo.

13 Caso de sucesso

14 Beneficíos da Mecanização da pulverização. Mecanização da pulverização e segurança do aplicador * Fontes: Casos de intoxicação = MS/FIOCRUZ/SINITOX e Volume de vendas = SINDAG

15

16 EPI : Equipamento de Proteção Individual

17 ASPECTOS LEGAIS LEI ( ) e Lei ( ) NORMAS REGULAMENTADORAS DO MIN. DO TRABALHO. N.R. 06: estabelece as obrigações do empregador em relação ao EPI. N.R. 28: fixa o valor das multas, por empregado, em UFIR. NORMAS REGULAMENTADORAS RURAIS N.R.R. 04: informa quais os EPI a serem utilizados. N.R.R. 05: dispõe sobre produtos químicos. PORTARIA MTb 17/01: Nova Redação às normas de segurança ao trabalhador rural

18 Mecanização da pulverização e operação negligente.

19 Mecanização da pulverização e conhecimento no campo. O que se deseja controlar: -Insetos em voo. -Insetos ou fungos nas plantas. Tipos de deriva: EXODERIVA, perdas para atmosfera. ENDODERIVA, perdas para solo -Plantas daninhas nas entrelinhas. ALVO QUÍMICO é o local onde deve ser colocado o defensivo agrícola.

20 Como melhorar a operação? Criar um ambiente favorável para o trabalho Capacitar os operadores

21 Mecanização da pulverização e manutenção do equipamento. Projeto IPP/Cerrado 37 pulverizadores % de equipamentos com problemas Manômetro inadequado 89,2 Erro na taxa de aplicação 67,6 Erro no cálculo da dose 0,0 Antigotejadores não funcionais 86,5 Falta de proteção de partes móveis 18,9 Mangueiras mal localizadas 13,5 Vazamentos 70,3 Mangueiras danificadas 8,1 Filtros 67,6 Espaçamento incorreto entre bicos 67,6 Pontas ruins 81,1 Fonte: Projeto IPP

22 Pressão - Bico Pressão Normal Pressão Baixa Pressão Alta

23

24 Mecanização da pulverização e condições ambientais. VENTO -Com vento a menos de 3 Km/h e mais que10km/h, não é recomendada a aplicação de defensivos agrícolas. UMIDADE RELATIVA DO AR -Para aplicação de defensivos a umidade relativa do ar recomendada é entre 50% e 90%. TEMPERATURA -Temperatura inferior a 30 graus C é ideal para aplicação

25 Condições Climáticas 10 km/h

26

27 Fonte: Mecanização da Pulverização Umidade relativa

28 Fonte: Mecanização da Pulverização Temperatura

29 Mecanização da pulverização e tecnologias - informações ao operador Sensor de Umidade e Temperatura - Umidade (%) - Temperatura ( C) Estação Meteorológica - Umidade (%) - Temperatura ( C) - Velocidade do Vento (Km/h) -Pressão atmosférica (milibar) - Ponto de Orvalho ( C)

30 Determinação da temperatura máxima e minima para pulverização Determinação da umidade máxima e minima para pulverização Informação disponível ao operador Determinação do vento máximo para pulverização A diminuição da pressão barométrica é um indicativo de aumento da probabilidade de precipitação A temperatura do ponto de orvalho se aproximando da temperatura ambiente aumenta a probabilidade de precipitação

31 Mecanização da pulverização e gestão das aplicações Internet

32 Mecanização da pulverização e qualidade da aplicação Volume de aplicação em l/ha Taxa de recuperação pelo alvo Cobertura C = 15 V R K 2 Fator de espalhamento -Cerosidade das folhas. A D -Calda de pulverização Courshee, Área foliar do cultivo Diâmetro das gotas - Gotas menores maior capacidade de penetração nos terços inferiores das plantas

33

34 Mecanização da pulverização e qualidade da aplicação Cobertura Volume de aplicação em l/ha Ramais de pulverização e nº de bicos pulverizando C = 15 V R K Taxa de recuperação pelo alvo 2 Modelo da ponta Fator de espalhamento -Cerosidade das folhas. A D -Calda de pulverização Courshee, Área foliar do cultivo Diâmetro das gotas - Gotas menores maior capacidade de penetração nos terços inferiores das plantas

35 Pulverizadores de barras tratorizados 3 pontos 400 litros 600 litros

36 Pulverizadores de barras tratorizados de arraste 18 / 21 / 24 metros 3000 litros

37 Turboatomizadores tratorizados 3 pontos - Arbus 200

38 Turboatomizadores tratorizados arraste - Arbus 2000

39 Mecanização da pulverização e qualidade da aplicação Volume de aplicação em l/ha Taxa de recuperação pelo alvo Cobertura Adequação de altura do equipamento C = 15 V R K A D 2 Fator de espalhamento -Cerosidade das folhas. -Calda de pulverização Courshee, Área foliar do cultivo Diâmetro das gotas - Gotas menores maior capacidade de penetração nos terços inferiores das plantas

40 Mecanização da pulverização e qualidade da aplicação Cobertura Volume de aplicação em l/ha C = 15 V R K Taxa de recuperação pelo alvo Direcionadores adequados as plantas a serem pulverizadas 2 Fator de espalhamento -Cerosidade das folhas. A D -Calda de pulverização Courshee, Área foliar do cultivo Diâmetro das gotas - Gotas menores maior capacidade de penetração nos terços inferiores das plantas

41 Mecanização da pulverização e qualidade da aplicação Volume de aplicação em l/ha Taxa de recuperação pelo alvo Cobertura Cerosidade e pilosidade da folha C = 15 V R K A D 2 Fator de espalhamento -Cerosidade das folhas. -Calda de pulverização Características da calda de pulverização Diâmetro das gotas Courshee, Área foliar do cultivo - Gotas menores maior capacidade de penetração nos terços inferiores das plantas

42 Mecanização da pulverização e qualidade da aplicação Volume de aplicação em l/ha Taxa de recuperação pelo alvo Cobertura C = 15 V R K A D 2 Fator de espalhamento CVI l/ha -Cerosidade das folhas. ADI l/ha -Calda de pulverização JHS l/ha Diâmetro das gotas Courshee, Área foliar do cultivo ATR 2,0 80 l/ha

43 Tecnologia nas Pontas de Pulverização Pontas de Jato Cônico marcaram o inicio das pontas hidráulicas. -Gotas Finas a muito finas Pontas de Jato Plano padrão - Distribuição uniforme ao longo da barra de pulverização Pontas de Jato Plano Padrão com Préorifício Desenvolvimento para suprir a necessidade de uma ponta antideriva. - Gotas médias Pontas de Jato Plano padrão com indução de ar. Gotas grossas protegem contra o risco de deriva. Pontas de Jato Plano padrão com indução de ar. Compactas e trabalhos a baixa pressão

44 Orientação na escolha da ponta de pulverização.

45 JACTO CVI Compact Venturi ISO Dados Técnicos Formato do Jato: Leque Plano Padrão Ângulo de Aplicação: 110 Identificação de Vazão: Pela Cor (Norma ISO) Material de Fabricação: Cerâmica Escala de Pressão: 20 a 60 lbf/pol² Diâmetro de Gota (DMV) Modelo Pressão (lbf/pol²) CVI VC VC VC C CVI VC VC VC C CVI VC VC VC C CVI VC VC VC C CVI VC VC VC VC CVI VC VC VC VC

46 JACTO ATR Alumina Turbulence ISO Dados Técnicos Formato do Jato: Cone Ângulo de Aplicação: 80 Identificação de Vazão: Pela Cor do bico Material de Fabricação: Cerâmica Escala de Pressão: 60 a 300 lbf/pol² Diâmetro de Gota (DMV) Modelo Pressão (lbf/pol²) ATR 0,5 VF VF VF VF VF ATR 1,0 VF VF VF VF VF ATR 1,5 VF VF VF VF VF ATR 2,0 F VF VF VF VF ATR 3,0 F VF VF VF VF ATR 4,0 F F VF VF VF ATR 4,5 F F F VF VF ATR 5,0 F F F VF VF ATR 6,0 F F F F VF ATR 7,0 M M F F F

47 JACTO DISC CORE JACTO DISC & CORE Dados Técnicos Formato do Jato: Cone Cheio e Vazio. Ângulo de Aplicação: 17 a 100 Identificação de Vazão: Pelo número do bico Material de Fabricação: Cerâmica Escala de Pressão: 60 a 300 lbf/pol²

48 Tendências futuras na mecanização da pulverização

49 Controladores Eletrônicos de vazão Atualmente as tecnologias disponíveis nos pulverizadores permite de forma fácil, sem a necessidade de novas calibrações alterar volumes de pulverização. X Controladores de pulverização utilizam a pressão de pulverização para controlar o volume de aplicação, com alterações de velocidade de trabalho e/ou volume de aplicação a pressão de trabalho é alterada automaticamente. Elimina a operação de calibrar a máquina.

50 Assitência de ar na barra ( sistema Vortex ) Falcon AM 14 vortex Uniport 3000 vortex BK 3024 vortex

51 Otmis Maps Telemetria Acompanhamento das máquinas no campo, gerenciamento de dados e otimização do uso dos pulverizadores.

52 Tecnologias Autônomas.

53 Rastreabilidade, Exigências e Rentabilidade.

54 Obrigado. MARKETING/TREINAMENTO Jacto/Divisão Agrícola (14) r: Site: Direitos autorais reservados a Máquinas Agrícolas Jacto S/A. As informações contidas neste documento estão sujeitas a alterações e complementações sem prévio aviso. Os valores (preços) inseridos neste material são didáticos, com intuito de auxiliar nos comparativos, não tendo nenhum valor comercial. Jairo Moro (14)

Seleção de Pontas de Pulverização

Seleção de Pontas de Pulverização JORNADAS DE ACTUALIZACIÓN EN TECNOLOGÍAS DE APLICACIÓN EN CULTIVOS EXTENSIVOS Seleção de Pontas de Pulverização Otavio J. G. Abi Saab Prof. Mecanização Agrícola Universidade Estadual de Londrina Estado

Leia mais

APLICAÇÃO DE DEFENSIVOS AGRÍCOLAS. Professor : Nailton Rodrigues de Castro Disciplina : Máquinas Agrícolas

APLICAÇÃO DE DEFENSIVOS AGRÍCOLAS. Professor : Nailton Rodrigues de Castro Disciplina : Máquinas Agrícolas APLICAÇÃO DE DEFENSIVOS AGRÍCOLAS Professor : Nailton Rodrigues de Castro Disciplina : Máquinas Agrícolas INTRODUÇÃO É a aplicação uniforme de um defensivo agrícola na forma líquida, utilizando a energia

Leia mais

TECNOLOGIA DE APLICAÇÃO DE HERBICIDAS

TECNOLOGIA DE APLICAÇÃO DE HERBICIDAS TECNOLOGIA DE APLICAÇÃO DE HERBICIDAS Emprego de todos os conhecimentos científicos que proporcionem a correta colocação do produto biologicamente ativo no alvo, em quantidade necessária, de forma econômica,

Leia mais

TECNOLOGIA DE APLICAÇÃO DE HERBICIDAS

TECNOLOGIA DE APLICAÇÃO DE HERBICIDAS TECNOLOGIA DE APLICAÇÃO DE HERBICIDAS Emprego de todos os conhecimentos científicos que proporcionem a correta colocação do produto biologicamente ativo no alvo, em quantidade necessária, de forma econômica,

Leia mais

Manual de Treinamento CONCEITOS E TECNOLOGIAS QUE VISAM A AUMENTAR O CONTROLE DE PRAGAS E DOENÇAS DE BAIXEIRO

Manual de Treinamento CONCEITOS E TECNOLOGIAS QUE VISAM A AUMENTAR O CONTROLE DE PRAGAS E DOENÇAS DE BAIXEIRO CONCEITOS E TECNOLOGIAS QUE VISAM A AUMENTAR O CONTROLE DE PRAGAS E DOENÇAS DE BAIXEIRO EDIÇÃO Nº 01/2014 Código: 0416-tp Manual de Treinamento Máquinas Agrícolas Jacto Rua Dr. Luiz Miranda, 1650 17580-000

Leia mais

Comunicado Técnico 09

Comunicado Técnico 09 Comunicado Técnico 09 ISSN 2177-854X Maio. 2011 Uberaba - MG Regulagem de Pulverizadores Agrícolas de Barras Responsável: Paulo Roberto Pala Martinelli E-mail: prpmartinelli@yahoo.com.br Engenheiro Agrônomo;

Leia mais

27/11/2015. Boas práticas: os desafios da tecnologia de aplicação. Tecnologia de aplicação x ambiente. Ulisses Rocha Antuniassi

27/11/2015. Boas práticas: os desafios da tecnologia de aplicação. Tecnologia de aplicação x ambiente. Ulisses Rocha Antuniassi Boas práticas: os desafios da tecnologia de aplicação Ulisses Rocha Antuniassi FCA/UNESP - Botucatu/SP ulisses@fca.unesp.br Apresentação UNESP: FCA: DEnR: NTA: NEMPA: Universidade Estadual Paulista Faculdade

Leia mais

Tecnologia de Aplicação

Tecnologia de Aplicação Tecnologia de Aplicação Rodolfo G. Chechetto Engenheiro Agrônomo O que é Tecnologia de Aplicação? Conjunto de conhecimentos que integram informações sobre os produtos fitossanitários, suas formulações

Leia mais

TECNOLOGIA DE APLICAÇÃO DE AGROTÓXICOS NA CITRICULTURA

TECNOLOGIA DE APLICAÇÃO DE AGROTÓXICOS NA CITRICULTURA TECNOLOGIA DE APLICAÇÃO DE AGROTÓXICOS NA CITRICULTURA HAMILTON HUMBERTO RAMOS Diretor Geral do Instituto Agronômico TECNOLOGIA DE APLICAÇÃO DE PRODUTOS FITOSSANITÁRIOS Emprego de todos os conhecimentos

Leia mais

Pulverizadores: Mecanização da cultura do Cacau. Máquinas Agrícolas Jacto S/A Pompéia -SP. Eng. Agr. Walter W Mosquini Planejamento de Produto

Pulverizadores: Mecanização da cultura do Cacau. Máquinas Agrícolas Jacto S/A Pompéia -SP. Eng. Agr. Walter W Mosquini Planejamento de Produto Pulverizadores: Mecanização da cultura do Cacau Máquinas Agrícolas Jacto S/A Pompéia -SP Eng. Agr. Walter W Mosquini Planejamento de Produto Informações Foi fundada em 1948; Todas as unidades produtivas

Leia mais

UNITRI. Mecânica e Mecanização Agrícola QUINTA AULA DE MECANIZAÇÃO AGRÍCOLA APLICAÇÃO DE DEFENSIVOS

UNITRI. Mecânica e Mecanização Agrícola QUINTA AULA DE MECANIZAÇÃO AGRÍCOLA APLICAÇÃO DE DEFENSIVOS UNITRI Mecânica e Mecanização Agrícola QUINTA AULA DE MECANIZAÇÃO AGRÍCOLA APLICAÇÃO DE DEFENSIVOS Conceito: Entende-se como "Tecnologia de Aplicação de Produtos Fitossanitários" o emprego de todos os

Leia mais

ARBUS Rua Dr. Luiz Miranda, Pompeia - SP - Tel. (14) Fax. (14)

ARBUS Rua Dr. Luiz Miranda, Pompeia - SP - Tel. (14) Fax. (14) Rua Dr. Luiz Miranda, 1650-17580-000 - Pompeia - SP - Tel. (14) 3405 2100 - Fax. (14) 3452 1916 - E-mail: vendas@jacto.com.br PROTEJA O MEIO AMBIENTE. AO INUTILIZAR ESTE FOLHETO, NÃO JOGUE EM VIAS PÚBLICAS.

Leia mais

LINHA ADVANCE. Rua Dr. Luiz Miranda, Pompeia - SP - Tel. (14) Fax. (14)

LINHA ADVANCE. Rua Dr. Luiz Miranda, Pompeia - SP - Tel. (14) Fax. (14) Rua Dr. Luiz Miranda, 1650 17580000 Pompeia SP Tel. (14) 3405 2100 Fax. (14) 3452 1916 Email: vendas@jacto.com.br PROTEJA O MEIO AMBIENTE. AO INUTILIZAR ESTE FOLHETO, NÃO JOGUE EM VIAS PÚBLICAS. www.jacto.com.br

Leia mais

Eng.º Agr.º José Maria Fernandes dos Santos

Eng.º Agr.º José Maria Fernandes dos Santos PONTOS CRÍTICOS NA APLICAÇÃO DE DEFENSIVOS Eng.º Agr.º José Maria Fernandes dos Santos Pesquisador Científico Laboratório de Proteção e Clínica Vegetal E-mail: santosjmf@biologico.sp.gov.br Fone/Fax: (11)

Leia mais

Nebulizadores aplicam gotas menores que 50 mm.

Nebulizadores aplicam gotas menores que 50 mm. Universidade Estadual Paulista Faculdade de Ciências Agrárias e Veterinárias Curso : Agronomia Disciplina: Tratamento Fitossanitário Aula: Aplicação de Líquidos e Pulverizadores Os produtos fitossanitários

Leia mais

INSPEÇÃO PERIÓDICA DE PULVERIZADORES NA REGIÃO DO ALTO VALE DO ITAJAÍ

INSPEÇÃO PERIÓDICA DE PULVERIZADORES NA REGIÃO DO ALTO VALE DO ITAJAÍ INSPEÇÃO PERIÓDICA DE PULVERIZADORES NA REGIÃO DO ALTO VALE DO ITAJAÍ Lucas Renan EFFTING 1 ; João Pedro Fossa BERNARDY 2 ; Leonardo DÜSTERHOFT 3 ; Fabrício Campos MASIERO 4, Ricardo Kozoroski VEIGA 5

Leia mais

PROGRAMA CAS CERTIFICAÇÃO AEROAGRÍCOLA SUSTENTÁVEL

PROGRAMA CAS CERTIFICAÇÃO AEROAGRÍCOLA SUSTENTÁVEL PROGRAMA CAS CERTIFICAÇÃO AEROAGRÍCOLA SUSTENTÁVEL Prof. Dr. João Paulo Rodrigues da Cunha jpcunha@iciag.ufu.br Universidade Federal de Uberlândia Instituto de Ciências Agrárias Sumário A aviação agrícola

Leia mais

LINHA JATÃO 3 PONTOS. Rua Dr. Luiz Miranda, Pompeia - SP - Tel. (14) Fax. (14)

LINHA JATÃO 3 PONTOS. Rua Dr. Luiz Miranda, Pompeia - SP - Tel. (14) Fax. (14) Rua Dr. Luiz Miranda, 1650-17580-000 - Pompeia - SP - Tel. (14) 3405 2100 - Fax. (14) 3452 1916 - E-mail: vendas@jacto.com.br PROTEJA O MEIO AMBIENTE. AO INUTILIZAR ESTE FOLHETO, NÃO JOGUE EM VIAS PÚBLICAS.

Leia mais

TECNOLOGIA DE APLICAÇÃO DE AGROTÓXICOS

TECNOLOGIA DE APLICAÇÃO DE AGROTÓXICOS Definição: Ciência multidisciplinar Disciplina: Fitopatologia Agrícola TECNOLOGIA DE APLICAÇÃO DE AGROTÓXICOS Objetivos: Destinada às pesquisas de equipamentos Processos e obtenção de resultados mais eficientes

Leia mais

LINHA CONDOR. Rua Dr. Luiz Miranda, Pompeia - SP - Tel. (14) Fax. (14)

LINHA CONDOR. Rua Dr. Luiz Miranda, Pompeia - SP - Tel. (14) Fax. (14) Rua Dr. Luiz Miranda, 1650 17580000 Pompeia SP Tel. (14) 3405 2100 Fax. (14) 3452 1916 Email: vendas@jacto.com.br PROTEJA O MEIO AMBIENTE. AO INUTILIZAR ESTE FOLHETO, NÃO JOGUE EM VIAS PÚBLICAS. www.jacto.com.br

Leia mais

ARBUS 2000 TP. Rua Dr. Luiz Miranda, Pompeia - SP - Tel. (14) Fax. (14) www. jacto.com.br

ARBUS 2000 TP. Rua Dr. Luiz Miranda, Pompeia - SP - Tel. (14) Fax. (14) www. jacto.com.br Rua Dr. Luiz Miranda, 1650-17580-000 - Pompeia - SP - Tel. (14) 3405 2100 - Fax. (14) 3452 1916 - www. jacto.com.br PROTEJA O MEIO AMBIENTE. AO INUTILIZAR ESTE FOLHETO, NÃO JOGUE EM VIAS PÚBLICAS. Imagens

Leia mais

Módulo 5. Tecnologia de aplicação

Módulo 5. Tecnologia de aplicação Módulo 5 Tecnologia de aplicação Tecnologia de Aplicação Aldemir Chaim Embrapa Meio Ambiente Fernando Adegas Embrapa Soja Luiz Guilherme Rebello Wadt Embrapa Meio Ambiente Roberto Teixeira Alves Embrapa

Leia mais

TECNOLOGIA DE APLICAÇÃO DE FUNGICIDAS PARA O CONTROLE DA FERRUGEM-DA-SOJADA-SOJA

TECNOLOGIA DE APLICAÇÃO DE FUNGICIDAS PARA O CONTROLE DA FERRUGEM-DA-SOJADA-SOJA TECNOLOGIA DE APLICAÇÃO DE FUNGICIDAS PARA O CONTROLE DA FERRUGEM-DA-SOJADA-SOJA Fernando Storniolo Adegas Embrapa Soja Ministério da Agricultura Pecuária e Abastecimento Manejo da Ferrugem Identificação

Leia mais

Tecnologia de aplicação de Agrotóxicos

Tecnologia de aplicação de Agrotóxicos Tecnologia de aplicação de Agrotóxicos Engº. Agrº. M. Sc. Aldemir Chaim Laboratório de Tecnologia de Aplicação de Agrotóxicos Embrapa Meio Ambiente História da aplicação de defensivos Equipamento de aplicação

Leia mais

UNIPORT 3000 NPK. Rua Dr. Luiz Miranda, Pompeia - SP - Tel. (14) Fax. (14)

UNIPORT 3000 NPK. Rua Dr. Luiz Miranda, Pompeia - SP - Tel. (14) Fax. (14) Rua Dr. Luiz Miranda, 1650-17580-000 - Pompeia - SP - Tel. (14) 3405 2100 - Fax. (14) 3452 1916 - E-mail: vendas@jacto.com.br PROTEJA O MEIO AMBIENTE. AO INUTILIZAR ESTE FOLHETO, NÃO JOGUE EM VIAS PÚBLICAS.

Leia mais

Indicações Registradas

Indicações Registradas Marca Comercial Titular do Registro Nº Registro MAPA Topik 240 EC SYNGENTA PROTEÇÃO DE CULTIVOS LTDA. - 1506.744.463/0001-90 Classe Herbicida Ingrediente Ativo (I.A.) Clodinafope-Propargil Nome Químico

Leia mais

TECNOLOGIA DE APLICAÇÃO DE PRODUTOS FITOSSANITÁRIOS

TECNOLOGIA DE APLICAÇÃO DE PRODUTOS FITOSSANITÁRIOS TECNOLOGIA DE APLICAÇÃO DE PRODUTOS FITOSSANITÁRIOS Eng Agr MS.c. Henrique B N Campos Consultor Sabri em Tecnologia de Aplicação ADVERTÊNCIA Todas as opiniões e recomendações presentes neste material são

Leia mais

- Métodos de avaliação das aplicações de fitossanitários - Avanços tecnológicos para a agricultura e florestas

- Métodos de avaliação das aplicações de fitossanitários - Avanços tecnológicos para a agricultura e florestas JORNADAS DE ACTUALIZACIÓN EN TECNOLOGÍAS DE APLICACIÓN EN CULTIVOS EXTENSIVOS - Métodos de avaliação das aplicações de fitossanitários - Avanços tecnológicos para a agricultura e florestas Otavio J. G.

Leia mais

Experimentação com herbicidas

Experimentação com herbicidas Eperimentação com herbicidas Princípio do delineamento eperimental: Delineamento eperimental mais simples possível desde que satisfaça coerência estatística e atenda os objetivos pretendido O objetivo

Leia mais

Prof. Dr. Casimiro Dias Gadanha Jr. DER/ESALQ/USP

Prof. Dr. Casimiro Dias Gadanha Jr. DER/ESALQ/USP LER 432 Máquinas e Implementos Agrícolas TÓPICO: Máquinas para Aplicação de Produtos Fitossanitários Prof. Dr. Casimiro Dias Gadanha Jr. DER/ESALQ/USP AGROTÓXICO Sinônimos: Produto Fitossanitário Pesticida

Leia mais

Treinamento. Arbus 400 Golden

Treinamento. Arbus 400 Golden Arbus 400 Golden Treinamento Arbus 400 Golden Prof. Brandão - Operação - Manutenção - Regulagem da pulverização Arbus 400 Golden Arbus 400 Maçã 33 Apresentação da máquina Tanque de Defensivos Aplicação

Leia mais

Telemetria em Pulverização Pedro Estevão Bastos Abimaq

Telemetria em Pulverização Pedro Estevão Bastos Abimaq Telemetria em Pulverização Pedro Estevão Bastos Abimaq ABIMAQ Associação Brasileira da Indústria de Máquinas CSMIA Câmara Setorial de Máquinas e Implementos Agrícolas 360 empresas 48.000 empregos R$ 11

Leia mais

John Deere Training. Guia do Aluno. Pulverização Fundamento - Português CSP-20-SN2GCQAP Maio, 2009

John Deere Training. Guia do Aluno. Pulverização Fundamento - Português CSP-20-SN2GCQAP Maio, 2009 John Deere Training Guia do Aluno CSP-20-SN2GCQAP Maio, 2009 Copyright 2009 Deere & Company Este material é de propriedade da Deere & Company. O uso, divulgação e/ou reprodução não especificamente autorizado

Leia mais

UNIPORT STAR

UNIPORT STAR Rua Dr. Luiz Miranda, 1650-17580-000 - Pompeia - SP - Tel. (14) 3405 2100 - E-mail: vendas@jacto.com.br www. jacto.com.br PROTEJA O MEIO AMBIENTE. AO INUTILIZAR ESTE FOLHETO, NÃO JOGUE EM VIAS PÚBLICAS.

Leia mais

Otimização do Uso da Água na Agricultura Irrigada

Otimização do Uso da Água na Agricultura Irrigada São Mateus, ES 02 de setembro de 2016 Otimização do Uso da Água na Agricultura Irrigada Prof. Ds. Robson Bonomo Programa de Pós-graduação em Agricultura Tropical Departamento de Ciências Agrárias e Biológicas

Leia mais

6.4 CONTROLE DE PLANTAS DANINHAS

6.4 CONTROLE DE PLANTAS DANINHAS 6.4 CONTROLE DE PLANTAS DANINHAS Prejuízos: -Competição por água; -Competição por luz; -Competição por nutrientes; -Hospedeiros de pragas e doenças; -Interferência na operação de colheita. Período de competição:

Leia mais

Conhecendo a NR-12 e Suas Obrigatoriedades

Conhecendo a NR-12 e Suas Obrigatoriedades Conhecendo a NR-12 e Suas Obrigatoriedades CLT Consolidação das Leis do Trabalho É de obrigação legal para os empregadores a Lei nº 6.514, de 22 de dezembro de 1977 relativa a segurança e medicina do trabalho

Leia mais

Energia Hidráulica. Líquido é pressionado contra pequeno orifício (ponta) e é pulverizado e transportado. Concorrentes em termos de energia

Energia Hidráulica. Líquido é pressionado contra pequeno orifício (ponta) e é pulverizado e transportado. Concorrentes em termos de energia PONTAS HIDRÁULICAS Energia Hidráulica Líquido é pressionado contra pequeno orifício (ponta) e é pulverizado e transportado Pulverização e transporte Concorrentes em termos de energia Maior energia = menor

Leia mais

TÉCNICAS PARA APLICAÇÕES DO ROUNDUP EM ÁREAS FLORESTAIS DANIEL CAMPOSILVAN INDÚSTRIAS MONSANTO S/A RUA PAES LEME, SÃO PAULO-SP

TÉCNICAS PARA APLICAÇÕES DO ROUNDUP EM ÁREAS FLORESTAIS DANIEL CAMPOSILVAN INDÚSTRIAS MONSANTO S/A RUA PAES LEME, SÃO PAULO-SP TÉCNICAS PARA APLICAÇÕES DO ROUNDUP EM ÁREAS FLORESTAIS RESUMO DANIEL CAMPOSILVAN INDÚSTRIAS MONSANTO S/A RUA PAES LEME, 524 05424 - SÃO PAULO-SP O uso do herbicida ROUNDUP em áreas florestais vem se tornando

Leia mais

Aspectos técnicos da Pulverização aérea

Aspectos técnicos da Pulverização aérea Aspectos técnicos da Pulverização aérea a Semana da Citricultura 06 a 10 de junho de 2011. Eng. Agr. Yasuzo Ozeki Celular > (11) 9629-919 Telef.Fixo > (11) 021-415 E-mail > yasuzo@uol.com.br Princípios

Leia mais

ATIVIDADE : TESTES DE DEPOSIÇÃO

ATIVIDADE : TESTES DE DEPOSIÇÃO SINDAG CONGRESSO REGIONAL DE AVIAÇÃO AGRÍCOLA / SUL CACHOEIRA DO SUL, RS 7 a 9 DE JUNHO DE 2007 ATIVIDADE : TESTES DE DEPOSIÇÃO RELATÓRIO www.agrotec.etc.br www.sindag.org.br www.congressosindag.com.br

Leia mais

FUNDAÇÃO DE APOIO A PESQUISA, ENSINO E EXTENSÃO - FUNEP

FUNDAÇÃO DE APOIO A PESQUISA, ENSINO E EXTENSÃO - FUNEP UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA FACULDADE DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS E VETERINÁRIAS CAMPUS DE JABOTICABAL Página 1 de 5 RELATÓRIO DE ANÁLISE CARACTERIZAÇÃO DE GOTAS PRODUZIDAS POR BICO DE PULVERIZAÇÃO EM DIFERENTES

Leia mais

Seção E Bicos de Pulverização Fina

Seção E Bicos de Pulverização Fina Seção E s de Visão Geral Nossos bicos atomizadores de pulverização hidráulica fina estão disponíveis em duas versões. s Padrão: bicos roscados tradicionais de metal. s de Rápida: consistindo de um corpo

Leia mais

Tecnologia de Aplicação de Agroquímicos no Cafeeiro. Autor: Luís César Pio

Tecnologia de Aplicação de Agroquímicos no Cafeeiro. Autor: Luís César Pio Tecnologia de Aplicação de Agroquímicos no Cafeeiro Autor: Luís César Pio Prezado colega, Catanduva, 9 de novembro de 2012. Para VOCÊ, que participou do encontro de capacitação técnica e que é integrante

Leia mais

DERIVA EM APLICAÇÕES AÉREAS DE PRODUTOS LÍQUIDOS Perguntas mais freqüentes

DERIVA EM APLICAÇÕES AÉREAS DE PRODUTOS LÍQUIDOS Perguntas mais freqüentes DERIVA EM APLICAÇÕES AÉREAS DE PRODUTOS LÍQUIDOS Perguntas mais freqüentes 1. O que é DERIVA? DERIVA é o deslocamento horizontal que sofrem as gotas desde o seu ponto de lançamento até atingirem o seu

Leia mais

PRIMA SUPER e CERES SUPER. Grandes semeadoras para culturas de inverno

PRIMA SUPER e CERES SUPER. Grandes semeadoras para culturas de inverno PRIMA SUPER e CERES SUPER Grandes semeadoras para culturas de inverno Catálogo Português Abr/2016 PRIMA SUPER A Prima Super é uma semeadora para culturas de inverno. Sua principal característica é a uniformidade

Leia mais

GLADIADOR Melhor relação peso/potência da categoria

GLADIADOR Melhor relação peso/potência da categoria GLADIADOR 2300 Melhor relação peso/potência da categoria Catálogo virtual Português Ago/2016 GLADIADOR 2300 O pulverizador autopropelido Gladiador 2300 apresenta grande autonomia de trabalho, possibilitando

Leia mais

PRODUÇÃO DIÁRIA DOS PULVERIZADORES DE BARRAS

PRODUÇÃO DIÁRIA DOS PULVERIZADORES DE BARRAS PRODUÇÃO DIÁRIA DOS PULVERIZADORES DE BARRAS Versão em Português - MP-00 MÁQUINAS AGRÍCOLAS JACTO S.A. Rua Dr. Luiz Miranda, 170-000 - Pompéia - SP - Brasil Tel.: (0XX1) -111 - Fax: (0XX1) -191 E-mail:

Leia mais

BOAS PRÁTICAS DE APLICAÇÃO

BOAS PRÁTICAS DE APLICAÇÃO MANUAL DE BOAS PRÁTICAS DE APLICAÇÃO DE PRODUTOS FITOSSANITÁRIOS COGAP COMITÊ DE BOAS PRÁTICAS AGRÍCOLAS ASSOCIAÇÃO NACIONAL DE DEFESA VEGETAL ANDEF Rua Capitão Antônio Rosa, 376, 13º andar 01443-010 -

Leia mais

Pulverizador Agrícola Manual

Pulverizador Agrícola Manual R Pulverizador Agrícola Manual Fone: (42) 3522-2789 3522-1819 3523-7926 Rua Prefeito Alfredo Metzler, 480 - CEP 89400-000 - Porto União - SC Site: www.knapik.com.br E-mail: knapik@knapik.com.br vendas@knapik.com.br

Leia mais

NR-12 aplicada à máquinas da linha amarela. Marcus C. Lacerda Engenheiro Mecânico e Sócio-diretor OPERACTION

NR-12 aplicada à máquinas da linha amarela. Marcus C. Lacerda Engenheiro Mecânico e Sócio-diretor OPERACTION NR-12 aplicada à máquinas da linha amarela Marcus C. Lacerda Engenheiro Mecânico e Sócio-diretor OPERACTION Mercado de Máquinas Pesadas - Brasil (Estimativa) Retroescavadeiras Pás carregadeiras Escavadeiras

Leia mais

BOAS PRÁTICAS DE APLICAÇÃO DE PRODUTOS FITOSSANiTÁRIOS. E A PROTEçÃO DOS RECURSOS HÍDRICOS, DA FLORA E DA FAUNA

BOAS PRÁTICAS DE APLICAÇÃO DE PRODUTOS FITOSSANiTÁRIOS. E A PROTEçÃO DOS RECURSOS HÍDRICOS, DA FLORA E DA FAUNA BOAS PRÁTICAS DE APLICAÇÃO DE PRODUTOS FITOSSANiTÁRIOS E A PROTEçÃO DOS RECURSOS HÍDRICOS, DA FLORA E DA FAUNA BOAS PRÁTICAS DE APLICAÇÃO DE PRODUTOS FITOSSANITÁRIOS E A PROTEçÃO DOS RECURSOS HÍDRICOS,

Leia mais

ni.com Teste de Sistema de Controle para Aplicação de Defensivos com Aeronaves Agrícolas usando Simulador de GPS NI

ni.com Teste de Sistema de Controle para Aplicação de Defensivos com Aeronaves Agrícolas usando Simulador de GPS NI Teste de Sistema de Controle para Aplicação de Defensivos com Aeronaves Agrícolas usando Simulador de GPS NI NCB: A EMPRESA INTRODUÇÃO DEFINIÇAO DO PROBLEMA MATERIAIS E MÉTODOS RESULTADOS CONCLUSÕES 3

Leia mais

Pulverização Aérea CARTILHA EXPLICATIVA

Pulverização Aérea CARTILHA EXPLICATIVA Pulverização Aérea CARTILHA EXPLICATIVA 1 A modernização da agricultura mundial O crescimento na demanda mundial de alimentos trouxe um novo desafio para a agricultura. A necessidade de evoluir na produtividade

Leia mais

Aplicação Aérea com Taxas Constantes e Variáveis Eduardo Cordeiro de Araújo 1

Aplicação Aérea com Taxas Constantes e Variáveis Eduardo Cordeiro de Araújo 1 Aplicação Aérea com Taxas Constantes e Variáveis Eduardo Cordeiro de Araújo 1 1.Introdução A aplicação aérea se caracteriza pela grande velocidade de deslocamento do veículo aplicador. Os aviões envolvidos

Leia mais

KTR Rua Dr. Luiz Miranda, Pompeia - SP - Tel. (14) Fax. (14)

KTR Rua Dr. Luiz Miranda, Pompeia - SP - Tel. (14) Fax. (14) Rua Dr. Luiz Miranda, 1650-17580-000 - Pompeia - SP - Tel. (14) 3405 2100 - Fax. (14) 3452 1916 - E-mail: vendas@jacto.com.br PROTEJA O MEIO AMBIENTE. AO INUTILIZAR ESTE FOLHETO, NÃO JOGUE EM VIAS PÚBLICAS.

Leia mais

Manejo de Plantas Daninhas no Ambiente Florestal

Manejo de Plantas Daninhas no Ambiente Florestal Manejo de Plantas Daninhas no Ambiente Florestal Rodrigo Hakamada Veracel Celulose I Simpósio de Técnicas de Plantio e Manejo de Eucalyptus para Uso Múltiplo 25, 26 e 27 de Outubro de 2006 RESUMO Introdução

Leia mais

MÁQUINAS TÉRMICAS AT-101

MÁQUINAS TÉRMICAS AT-101 Universidade Federal do Paraná Curso de Engenharia Industrial Madeireira MÁQUINAS TÉRMICAS AT-101 Dr. Alan Sulato de Andrade alansulato@ufpr.br 1 : A 13º norma regulamentadora, estabelece todos os requisitos

Leia mais

4º DIA DE CAMPO SODEPAC Tratos Culturais para Qualidade da Sementeira. Fazenda Quizenga

4º DIA DE CAMPO SODEPAC Tratos Culturais para Qualidade da Sementeira. Fazenda Quizenga 4º DIA DE CAMPO SODEPAC Tratos Culturais para Qualidade da Sementeira Fazenda Quizenga Sistematização da área Conservam a cobertura vegetal do solo É essencial para correcções de áreas íngremes Conservar

Leia mais

MELHORIAS NA UTILIZAÇÃO DE PRODUTOS FITOSSANITÁRIOS NA EMBRAPA SOJA

MELHORIAS NA UTILIZAÇÃO DE PRODUTOS FITOSSANITÁRIOS NA EMBRAPA SOJA M in isté rio d a A g ric u ltu ra P e cu á ria e A b a st e cim e n to MELHORIAS NA UTILIZAÇÃO DE PRODUTOS FITOSSANITÁRIOS NA EMBRAPA SOJA ALEXANDRE BRIGHENTI Embrapa Soja Londrina PR brighent@cnpso.embrapa.br

Leia mais

O USO DE EQUIPAMENTOS DE PROTEÇÃO INDIVIDUAL NA APLICAÇÃO DE AGROTÓXICOS NA LAVOURA DE ARROZ IRRIGADO NO MUNICÍPIO DE GARUVA- SC

O USO DE EQUIPAMENTOS DE PROTEÇÃO INDIVIDUAL NA APLICAÇÃO DE AGROTÓXICOS NA LAVOURA DE ARROZ IRRIGADO NO MUNICÍPIO DE GARUVA- SC Belo Horizonte/MG 24 a 27/11/2014 O USO DE EQUIPAMENTOS DE PROTEÇÃO INDIVIDUAL NA APLICAÇÃO DE AGROTÓXICOS NA LAVOURA DE ARROZ IRRIGADO NO MUNICÍPIO DE GARUVA- SC Dione Nery Cavalcanti Benevenutti (*),

Leia mais

Agricultura II. Máquinas de aplicação de fito-fármacos

Agricultura II. Máquinas de aplicação de fito-fármacos Agricultura II Máquinas de aplicação de fito-fármacos As quantidades de fito-fármaco fungicidas, insecticidas, herbicidas (doses) podem ser dadas em: - kg ou L / hl - culturas arbustivas e arbóreas -kg

Leia mais

SCHRODER CONSULTORIA

SCHRODER CONSULTORIA RELATÓRIO TÉCNICO Empresa Contratante: GOTA Indústria e Comércio Ltda. Execução: - CNPJ 7.839.686/1-58 EFEITO DO ÓLEO VEGETAL AGR ÓLEO NA EFICIÊNCIA DE HERBICIDAS E VOLUME DE CALDA APLICADA POR VIA AÉREA

Leia mais

Comentários ao Documento de Regulamento de Autenticação, funcionamento e supervisão das entidades reconhecedoras de regantes

Comentários ao Documento de Regulamento de Autenticação, funcionamento e supervisão das entidades reconhecedoras de regantes 27 Abril 2015 Comentários ao Documento de Regulamento de Autenticação, funcionamento e supervisão das entidades reconhecedoras de regantes 1 O artº 1º não existe nº 1 nem nº 2 do artº 2º da Portaria, pelo

Leia mais

Projeto ITASONDA. Desenvolvimento de Balões de Sondagem. de Baixo Custo. para Medidas de Perfis Verticais. de Radiação na Atmosfera

Projeto ITASONDA. Desenvolvimento de Balões de Sondagem. de Baixo Custo. para Medidas de Perfis Verticais. de Radiação na Atmosfera Projeto ITASONDA Desenvolvimento de Balões de Sondagem de Baixo Custo para Medidas de Perfis Verticais de Radiação na Atmosfera Julho 2016 Resumo Balões de grande altitude são convencionalmente usados

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DE UMA BARRA DE PULVERIZAÇÃO PARA APLICAÇÃO DE HERBICIDA EM DESSECAÇÃO DE SOQUEIRA CANA-DE-AÇÚCAR E PASTAGENS

DESENVOLVIMENTO DE UMA BARRA DE PULVERIZAÇÃO PARA APLICAÇÃO DE HERBICIDA EM DESSECAÇÃO DE SOQUEIRA CANA-DE-AÇÚCAR E PASTAGENS 47 DESENVOLVIMENTO DE UMA BARRA DE PULVERIZAÇÃO PARA APLICAÇÃO DE HERBICIDA EM DESSECAÇÃO DE SOQUEIRA CANA-DE-AÇÚCAR E PASTAGENS AMO, Fernando Colombo de 1 PEREIRA, Flávio José de Sousa 2 GADANHA JÚNIOR,

Leia mais

unesp UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA FACULDADE DE CIÊNCIAS PLANO DE ENSINO Curso: Bacharelado em Meteorologia Departamento: Física

unesp UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA FACULDADE DE CIÊNCIAS PLANO DE ENSINO Curso: Bacharelado em Meteorologia Departamento: Física unesp UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA CÂMPUS UNIVERSITÁRIO DE BAURU FACULDADE DE CIÊNCIAS Curso: Bacharelado em Meteorologia Departamento: Física PLANO DE ENSINO IDENTIFICAÇÃO Código: Disciplina: Observações

Leia mais

Características dos adjuvantes da Evonik

Características dos adjuvantes da Evonik Características dos adjuvantes da Evonik Adjuvantes para misturas de tanque: S 240 S 233 Vibrant Advance Union S 240 (Superespalhante) Surfactantes à base de trisiloxano Química que promove tensão superficial

Leia mais

Calibração de deposição de agrotóxicos e bioinseticidas. Aldemir Chaim, pesquisador da Embrapa Meio Ambiente

Calibração de deposição de agrotóxicos e bioinseticidas. Aldemir Chaim, pesquisador da Embrapa Meio Ambiente Calibração de deposição de agrotóxicos e bioinseticidas Aldemir Chaim, pesquisador da Embrapa Meio Ambiente A aplicação de produtos químicos ou biológicos para controle de pragas pode ser feita com tratores

Leia mais

DIPEL 12 X1 CULTURA PRAGAS CONTROLADORAS DOSES N DE APLICAÇÕES. Nome comum Nome científico. Ingrediente ativo DIPEL ALAMO

DIPEL 12 X1 CULTURA PRAGAS CONTROLADORAS DOSES N DE APLICAÇÕES. Nome comum Nome científico. Ingrediente ativo DIPEL ALAMO DIPEL 12 X1 Detalhes do produto Promove o controle biológico de lepidópteros (lagartas e traças) em vinha, hortícolas e floresta. Atua por ingestão, provocando a paralisia geral dos insetos, que deixam

Leia mais

IRRIGAÇÃO LOCALIZADA. Valmir Netto Wegner EMATER/RS 06/2007

IRRIGAÇÃO LOCALIZADA. Valmir Netto Wegner EMATER/RS 06/2007 IRRIGAÇÃO LOCALIZADA Valmir Netto Wegner EMATER/RS 06/2007 IRRIGAÇÃO LOCALIZADA Métodos de irrigação onde a água é aplicada ao solo diretamente sobre a região radicular, em pequena intensidade, porém com

Leia mais

PROTEÇÃO DE CULTIVOS. Manejo de plantas daninhas IMPORTÂNCIA DA CORRETA APLICAÇÃO DO GLIFOSATO PARA O DESENVOLVIMENTO E A PRODUTIVIDADE DAS CULTURAS

PROTEÇÃO DE CULTIVOS. Manejo de plantas daninhas IMPORTÂNCIA DA CORRETA APLICAÇÃO DO GLIFOSATO PARA O DESENVOLVIMENTO E A PRODUTIVIDADE DAS CULTURAS Observar os corretos parâmetros para uma boa pulverização (utilizar pontas, filtros e volumes de calda e DMV de gota adequados para cada situação). A utilização do glifosato, desde a implantação das culturas

Leia mais

HAVER RADIMAT Aplicador Automático de Sacos

HAVER RADIMAT Aplicador Automático de Sacos Informação HAVER RADIMAT Aplicador Automático de Sacos RADIMAT - aplicador automático de sacos HAVER A tecnologia do aplicador de sacos HAVER é usada para uma ampla variedade de tipos de sacos O aplicador

Leia mais

EXERCÍCIO DE FIXAÇÃO

EXERCÍCIO DE FIXAÇÃO EXERCÍCIO DE FIXAÇÃO 1. Um agricultor relata que não está tendo controle satisfatório na aplicação de um herbicida. Afirma estar aplicando conforme recomendação do fabricante do produto (x litros p.c./ha

Leia mais

Sustentabilidade dos Solos de Cerrado e Tráfico de Máquinas

Sustentabilidade dos Solos de Cerrado e Tráfico de Máquinas Sustentabilidade dos Solos de Cerrado e Tráfico de Máquinas Prof. Kléber Pereira Lanças FCA/UNESP Botucatu/SP GRUPO DE PESQUISA: Dr. Reginaldo Barbosa da Silva Doutorando Flávio José de Sousa Pereira Doutorando

Leia mais

O plantio compreende a colocação do órgão da planta no solo, de tal forma que ele tenha condição de germinar.

O plantio compreende a colocação do órgão da planta no solo, de tal forma que ele tenha condição de germinar. SEMEADORAS 1 O plantio compreende a colocação do órgão da planta no solo, de tal forma que ele tenha condição de germinar. O órgão da planta utilizado para sua propagação pode ser: semente, tubérculo,

Leia mais

SISTEMAS DE INFORMAÇÕES GEOGRÁFICAS - SIG

SISTEMAS DE INFORMAÇÕES GEOGRÁFICAS - SIG SISTEMAS DE INFORMAÇÕES GEOGRÁFICAS - SIG Prof. Dr. Cristiano Zerbato Prof. Dr. David L. Rosalen Agricultura de Precisão CONCEITOS AGRICULTURA DE PRECISÃO (AP) PRECISION AGRICULTURE or PRECISION FARM (PRECISION

Leia mais

Introdução. A importância da compreensão dos fenômenos meteorologicos Grande volume de dados

Introdução. A importância da compreensão dos fenômenos meteorologicos Grande volume de dados Introdução A importância da compreensão dos fenômenos meteorologicos Grande volume de dados Estações meteorológicas Imagens de satélite Radar Aeronaves, navios e bóias oceânicas Necessidade de rapidez

Leia mais

SMART ASSET CONTROL SOLUTION OTIMIZANDO A UTILIZAÇÃO DE ATIVOS MÓVEIS PARA MELHORES RESULTADOS

SMART ASSET CONTROL SOLUTION OTIMIZANDO A UTILIZAÇÃO DE ATIVOS MÓVEIS PARA MELHORES RESULTADOS BROCHURE VENTURES SMART ASSET CONTROL SOLUTION OTIMIZANDO A UTILIZAÇÃO DE ATIVOS MÓVEIS PARA MELHORES RESULTADOS O DESAFIO DO CONTROLE DE EQUIPAMENTOS MÓVEIS Com o desafio econômico atual e a alta concorrência,

Leia mais

Colheita e armazenamento

Colheita e armazenamento 1 de 5 10/16/aaaa 11:19 Culturas A Cultura do Arroz Irrigado Nome Cultura do arroz irrigado Produto Informação Tecnológica Data Maio -2000 Preço - Linha Culturas Informações resumidas Resenha sobre a cultura

Leia mais

Energia para pulverização

Energia para pulverização BICOS DE PULVERIZAÇÃO ALTO VOLUME GOTAS PEQUENAS Energia para pulverização Diferentes Tipos de Bicos Classificação em função da energia gerada para pulverização a) Centrífuga b) Pneumática c) Eletrostática

Leia mais

Formação das precipitações

Formação das precipitações 6.1. Definição A precipitação consiste no produto da condensação atmosférica depositado no solo. As formas mais comuns de precipitação entre outras são a chuva, a neve, o granizo e o orvalho. Formação

Leia mais

MINISTÉRIO DO TRABALHO E EMPREGO GABINETE DO MINISTRO. PORTARIA N.º DE 09 DE DEZEMBRO DE 2013 (DOU de 11/12/2013 Seção I Pág.

MINISTÉRIO DO TRABALHO E EMPREGO GABINETE DO MINISTRO. PORTARIA N.º DE 09 DE DEZEMBRO DE 2013 (DOU de 11/12/2013 Seção I Pág. MINISTÉRIO DO TRABALHO E EMPREGO GABINETE DO MINISTRO PORTARIA N.º 1.896 DE 09 DE DEZEMBRO DE 2013 (DOU de 11/12/2013 Seção I Pág. 153) Altera a Norma Regulamentadora n.º 31. O MINISTRO DE ESTADO DO TRABALHO

Leia mais

FiberMax. Mais que um detalhe: uma genética de fibra.

FiberMax. Mais que um detalhe: uma genética de fibra. FiberMax. Mais que um detalhe: uma genética de fibra. Requisitos para o cultivo de algodoeiro GlyTol LibertyLink, além de boas práticas de manejo integrado de plantas daninhas. Cap 1: Descrição do Produto

Leia mais

SUA PRODUTIVIDADE GANHA FORÇA COM A SANTAL.

SUA PRODUTIVIDADE GANHA FORÇA COM A SANTAL. SANTAL.COM.BR TRADIÇÃO DE ALTO DESEMPENHO. SUA PRODUTIVIDADE GANHA FORÇA COM A SANTAL. TECNOLOGIA RESULTADO COMPROVADO NO SETOR SUCROALCOOLEIRO. A Plantadora Santal PDM2 é mais um exemplo do espírito inovador

Leia mais

MÓVEL PRESSÃO. Transmissão com embraiagem. Saida. Retorno. Regulador Pressão. jacto regulável e posicionável. bomba. Piston.2E C.C

MÓVEL PRESSÃO. Transmissão com embraiagem. Saida. Retorno. Regulador Pressão. jacto regulável e posicionável. bomba. Piston.2E C.C Mar c a Válvulas Pist o ns P res s ão 2 2.01 Grupo Pressão 2017.20-ST MÓVEL PRESSÃO R Peso Kg. 6,4 Caudal L/min 12 Carburador Diafragma Pressão kg/cm2 15 Aspiração M 10 Mistura 1:25 10 metros mangueira

Leia mais

FABRICAÇÃO DO TISSUE. Apresentado por Célio Furquim

FABRICAÇÃO DO TISSUE. Apresentado por Célio Furquim PULVERIZAÇÃO NA FABRICAÇÃO DO TISSUE Apresentado por Célio Furquim Manutenção & Vida Útil do Bico de Pulverização MANUTENÇÃO DOS BICOS Overview Bicos requerem inspeções periódicas Da mesma forma que qualquer

Leia mais

METEOROLOGIA OBSERVACIONAL I ESTAÇÕES METEOROLÓGICAS

METEOROLOGIA OBSERVACIONAL I ESTAÇÕES METEOROLÓGICAS METEOROLOGIA OBSERVACIONAL I ESTAÇÕES METEOROLÓGICAS COMET Professor: A estação meteorológica é o local onde o observador faz a avaliação de um ou mais elementos meteorológicos que estão ocorrendo no momento

Leia mais

MODELO LP. Proporcionador de Linha de Alta Vazão. Descrição do Produto. Especificações. Informações Técnicas. Aplicação

MODELO LP. Proporcionador de Linha de Alta Vazão. Descrição do Produto. Especificações. Informações Técnicas. Aplicação Proporcionador de Linha de Alta Vazão MODELO LP Descrição do Produto Os Proporcionadores de Linha de Alta Vazão Modelo LP, também denominados edutores, são equipamentos simples e de baixo custo, para utilização

Leia mais

Recuperação do abrasivo: O abrasivo durante o jateamento, deposita-se no

Recuperação do abrasivo: O abrasivo durante o jateamento, deposita-se no GABINETE DE JATEAMENTO Princípios de funcionamento: A máquina de jato é pressurizada através da vávula pedal (comando), forçando o abrasivo a misturar-se com o ar comprimido, expelindo-o pelo bico de jato

Leia mais

PENETRÔMETRO DE IMPACTO

PENETRÔMETRO DE IMPACTO MANUAL DE INSTRUÇÕES PENETRÔMETRO DE IMPACTO TERMOS DE GARANTIA Este aparelho é garantido contra possíveis defeitos de fabricação ou danos, que se verificar por uso correto do equipamento, no período de

Leia mais

EQUIPAMENTOS E TÉCNICAS DE APLICAÇÃO DE PRODUTOS FITOSSANITÁRIOS NA CULTURA DA CANA-DE-AÇÚCAR

EQUIPAMENTOS E TÉCNICAS DE APLICAÇÃO DE PRODUTOS FITOSSANITÁRIOS NA CULTURA DA CANA-DE-AÇÚCAR EQUIPAMENTOS E TÉCNICAS DE APLICAÇÃO DE PRODUTOS FITOSSANITÁRIOS NA CULTURA DA CANA-DE-AÇÚCAR HAMILTON HUMBERTO RAMOS Pesquisador Científico VI Centro APTA de Engenharia e Automação Instituto Agronômico

Leia mais

HIGIENE E SEGURANÇA NO TRABALHO

HIGIENE E SEGURANÇA NO TRABALHO Higiene e Segurança no Trabalho Capítulo IV EQUIPAMENTO DE PROTEÇÃO INDIVIDUAL (NR-6), D.Sc. 1/29 Equipamento de Proteção Individual (EPI) 6.1 Para os fins de aplicação desta Norma Regulamentadora NR,

Leia mais

BERMAD Irrigação. Válvulas de Controle de Estações de Filtragem. Aplicações Típicas. Operação de Câmara

BERMAD Irrigação. Válvulas de Controle de Estações de Filtragem. Aplicações Típicas. Operação de Câmara NOVO Irrigação Coluna de Controle de Irrigação Estações de Filtragem Válvulas de Controle de Estações de Filtragem Uma das formas mais comuns de limpes elementos filtrantes de areia, cascalho, disco ou

Leia mais

Índice. COMAM_POCKET 5/3/07 11:16 AM Page 3

Índice. COMAM_POCKET 5/3/07 11:16 AM Page 3 COMAM_POCKET 5/3/07 11:16 AM Page 3 Índice Lançamento : Ponta Guardian...1 Bombas Hypro......2-9 Selecionando a bomba certa...3 Bombas de Rolete...4-6 Super Rotor......7 Bombas Centrífugas...8-9 Pontas

Leia mais

NR 28 - FISCALIZAÇÃO E PENALIDADES

NR 28 - FISCALIZAÇÃO E PENALIDADES NR 28 - FISCALIZAÇÃO E PENALIDADES Publicação Portaria GM n.º 3.214, de 08 de junho de 1978 06/07/78 Alterações/Atualizações D.O.U Portaria SSMT n.º 07, de 15 de março de 1983 18/03/83 Portaria SSMT n.º

Leia mais

Mapa de Risco da Empresa :

Mapa de Risco da Empresa : Mapa de Risco da Empresa : Questionário auxiliar para elaboração do Mapa de Riscos Objetivos: A - O objetivo deste questionário é de reunir as informações necessárias para estabelecer o diagnóstico da

Leia mais

QUALIDADE EM TECNOLOGIA DE APLICAÇÃO DE DEFENSIVOS

QUALIDADE EM TECNOLOGIA DE APLICAÇÃO DE DEFENSIVOS 1 QUALIDADE EM TECNOLOGIA DE APLICAÇÃO DE DEFENSIVOS Prof. Dr. Ulisses Rocha Antuniassi FCA/UNESP Caixa Postal 237-18603-970 - Botucatu/SP - Fone: (14) 96711604 ulisses@fca.unesp.br 1. Conceitos básicos

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO MARANHÃO CENTRO DE ESTUDOS SUPERIORES DE IMPERATRIZ

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO MARANHÃO CENTRO DE ESTUDOS SUPERIORES DE IMPERATRIZ UNIVERSIDADE ESTADUAL DO MARANHÃO CENTRO DE ESTUDOS SUPERIORES DE IMPERATRIZ Disciplina: 2E321 - METEOOROLOGIA E CLIMATOLOGIA CONCEITOS INICIAIS Professor: Luiz Carlos A. dos Santos Tempo atmosférico ou

Leia mais