O QUE É UMA PULVERIZAÇÃO?

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "O QUE É UMA PULVERIZAÇÃO?"

Transcrição

1 TECNOLOGIA DE APLICAÇÃO DE HERBICIDAS Emprego de todos os conhecimentos científicos que proporcionem a correta colocação do produto biologicamente ativo no alvo, em quantidade necessária, de forma econômica, com o mínimo de contaminação de outras áreas. (Matuo, 1998) O QUE É UMA PULVERIZAÇÃO? Um processo mecânico que visa quebrar um grande volume de líquido em um grande número de gotas de pequeno volume GRANDE VOLUME GOTAS DE PEQUENO VOLUME 1

2 Quais são os objetivos em uma boa pulverização? ACERTAR O ALVO COM BOA DISTRIBUIÇÃO Quais são os objetivos em uma pulverização? COM BOA DISTRIBUIÇÃO COM MENOR DERIVA POSSÍVEL 2

3 Fatores que interferem na tecnologia de aplicação Alvo Momento Equipamento Aplicador Produto Máquina 3

4 Fatores que influem na escolha de uma ponta de pulverização Classe do produto Temperatura Umidade Vento Alvo Produto de contato Maior quantidade de gotas/cm² 30 a 40 gotas/cm 2 Produto sistêmico Menor quantidade de gotas/cm² 20 a 30 gotas/cm 2 DMV= 200µm DMV= 300µm DMV= 400µm 40 L/ha 40 L/ha 40 L/ha 258 gotas/cm 2 76 gotas/cm 2 32 gotas/cm 2 Qual o tamanho ideal de gotas para uma pulverização? Tamanho ótimo de uma gota (fundamento) Inseticidas e Fungicidas Maximizar cobertura baseados em óleo µm baseados em água µm Insetos voadores - < 50 µm Herbicidas Minimizar a deriva melhor cobertura - pós-contato µm ausência de deriva pré, ppi e pós-sistêmico - > 300 µm 4

5 Caracterização do tamanho de gotas produzidas por uma ponta de pulverização Considere uma população de 100 gotas ordenadas pelo diâmetro Diâmetro médio volumétrico Diâmetro médio numérico Diâmetro médio volumétrico - DMV Diâmetro médio numérico - DMN VISUALIZAÇÃO DE GOTAS DE TAMANHOS DIFERENTES PONTA XR PONTA AI

6 Gotas > 400 µm µm Gotas < 200 µm 6

7 Comportamento de deriva e evaporação de gotas de diferentes tamanhos º C U.R. 55% Gotas desaparecem ( m ) Movimento lateral da gota com vento de 1,6 km/h Definição do horário de aplicação Umidade relativa do ar Temperatura Vento SEGURA NÃO RECOMENDADA SEGURA 7

8 A influência das Condições Ambientais Tempo de vida e distância de queda das gotas, em diferentes tamanhos, sob duas condições ambientais Condições Ambientais Temperatura = 20 o C (T seco T úmido) = 2,2 o C Umidade Relativa = 80 % Temperatura = 30,0 o C (T seco T úmido) = 7,7 o C Umidade Relativa = 50 % Diâmetro inicial (µm) Tempo até extinção (s) Distância de queda (m) Tempo de extinção (s) Distância de queda (m) 50 12,5 0,13 3,5 0,032 16, ,0 6,70 6,7 1, ,0 81,70 81,7 21,0 65,0 Influência da temperatura e umidade relativa do ar TF 3-2 BAR 7:00 TF 3-2 BAR 11:00 8

9 Classificação do tamanho de gotas 9

10 Classificação do tamanho de gotas Classificação do tamanho de gotas 10

11 Classificação do tamanho de gotas Pontas de Pulverização Gotas < 100 µ contribuem para deriva Classificação das pontas quanto às gotas: gotas finas (pós-emergentes maior cobertura superfície foliar principalmente os de contato) gotas médias (mais comuns na agricultura) gotas grossas (reduz volatilização) Aspecto importante é observar se o bico produz diferentes tipos de tamanho de gota a diferentes pressões 11

12 Constituintes de um bico de pulverização Determina a Vazão Distribui a Pulverização Produz as Gotas CORPO FILTRO ANEL DE VEDAÇÃO PONTA 30/08/2012 CAPA Nomenclatura de pontas de jato plano 12

13 Nomenclatura de pontas de jato plano Tipo Marca (fabricante) ângulo Vazão = galões/min. a 40 lbs/pol² VS V - Material = VisioFlo (código de cores) S Still (aço inox) Classificação quanto a forma do jato Cônicos Cone cheio Cone vazio XR TT Leques AI AI UB Jato Plano TF VS Descentrado Pontas Afiladas Jato planto Defletor 13

14 AI AI E Jato elíptico Jato uniforme Sobreposição Uniformidade PONTA DE JATO PLANO DE USO AMPLIADO XR Cobertura uniforme a baixas pressões Gotas menores a pressões altas para maior cobertura Espaçamentos entre os bicos: 50 cm Pressão de pulverização: 1-4 bar PPI, pré e pós-sistêmico (baixa pressão) e pós de contato (alta pressão) 14

15 PONTA DE PULVERIZAÇÃO DE JATO CÔNICO CHEIO DE GRANDE ÂNGULO FL Cobertura uniforme ao longo da barra Espaçamento entre os bicos cm Pressão de pulverização 1 a 3 bar Pré, ppi e pós-sistêmico Gotas grandes para menos deriva PONTA DE PULVERIZAÇÃO DE JATO PLANO COM INDUÇÃO DE AR AI Orifício de entrada de ar Gotas grandes cheias de ar, menor deriva Cobertura uniforme para pulverização em área total Espaçamento entre os bicos - 50 cm Pressão de pulverização 3-8 bar Ppi, pré, pós-sistêmico 15

16 PONTA DE PULVERIZAÇÃO DE JATO PLANO DUPLO COMUM (Twinjet) TJ Dois orifícios de saída na ponta Gotas menores para maior cobertura Penetração em resíduos de cultivos ou em folhagens densas Espaçamento entre os bicos - 50 cm Pressão de pulverização: 2-4 bar pós de contato Distribuição das Pontas Twinjet x Conejet Twinjet Conejet espaçamento Acúmulo no cruzamento Alto C.V. Baixo C.V. 16

17 Ponta ULD (HYPRO) ULD Ultra Low Drift Hypro Co. Duplo orifício de entrada de líquido alta velocidade do líquido melhor indução do ar redução de gotas deriváveis Baixa deriva Alta deriva Limite da aplicação Deriva 17

18 Ponta XT (HYPRO) Boa uniformidade de distribuição Baixo potencial de deriva gotas grossas Final da barra aumentar faixa de aplicação Florestas e rodo-ferrovias Herbicidas pré e pós-sistêmicossistêmicos PONTAS XT Pressão: 5 bar Altura: 1,3 m Faixa de aplicação 8 m 18

19 PONTAS XT PONTAS XT 19

20 Necessidade de adição de anti-espumante Bico entupido 20

21 Bico entupido Bico com vazamento 21

22 Bico com problema de vedação Filtro com necessidade de limpeza 22

23 Filtro sujo Limpeza de filtro 23

24 Exercício Prático PEQUENO PRODUTOR Arbus bicos - JA 2 Foco: Ferrugem Espaçamento do Cafeeiro: 3 m Velocidade de aplicação: 6 km/h Vazão de 0,75 L/min Volume de Calda? Exercício Prático GRANDE PRODUTOR Arbus bicos - JA 3 Foco: Broca-do-café Espaçamento do Cafeeiro: 3 m Velocidade de aplicação: 6 km/h Vazão: 1,31 L / min Volume de Calda? 24

25 Exercício Prático GRANDE PRODUTOR Thiodan CE Endossulfan a 350 g/l Dose: 2 L/ha Quanto diluir no pulverizador? Qual o tempo para recarga do pulverizador? O café certamente deixa o político mais sábio, e faz com que ele veja através das coisas com olhos semiabertos Alexandre Pope 25

TECNOLOGIA DE APLICAÇÃO DE HERBICIDAS

TECNOLOGIA DE APLICAÇÃO DE HERBICIDAS TECNOLOGIA DE APLICAÇÃO DE HERBICIDAS Emprego de todos os conhecimentos científicos que proporcionem a correta colocação do produto biologicamente ativo no alvo, em quantidade necessária, de forma econômica,

Leia mais

TECNOLOGIA DE APLICAÇÃO DE HERBICIDAS

TECNOLOGIA DE APLICAÇÃO DE HERBICIDAS TECNOLOGIA DE APLICAÇÃO DE HERBICIDAS Emprego de todos os conhecimentos científicos que proporcionem a correta colocação do produto biologicamente ativo no alvo, em quantidade necessária, de forma econômica,

Leia mais

TREINAMENTO EM TECNOLOGIA DE APLICAÇÃO

TREINAMENTO EM TECNOLOGIA DE APLICAÇÃO TREINAMENTO EM TECNOLOGIA DE APLICAÇÃO PROGRAMAÇÃO HISTÓRICO CONCEITOS CONHECENDO A PULVERIZAÇÃO CONHECENDO O PULVERIZADOR CALIBRANDO O PULVERIZADOR HISTÓRICO Pulverização ou Aplicação? Pulverização: processo

Leia mais

Seleção de Pontas de Pulverização

Seleção de Pontas de Pulverização JORNADAS DE ACTUALIZACIÓN EN TECNOLOGÍAS DE APLICACIÓN EN CULTIVOS EXTENSIVOS Seleção de Pontas de Pulverização Otavio J. G. Abi Saab Prof. Mecanização Agrícola Universidade Estadual de Londrina Estado

Leia mais

Aplicador. Alvo. Momento. Equipamento. Produto. Máquina TECNOLOGIA DE APLICAÇÃO DE HERBICIDAS. Fatores que interferem na tecnologia de aplicação

Aplicador. Alvo. Momento. Equipamento. Produto. Máquina TECNOLOGIA DE APLICAÇÃO DE HERBICIDAS. Fatores que interferem na tecnologia de aplicação TECNOLOGIA DE APLICAÇÃO DE HERBICIDAS Fatores que interferem na tecnologia de aplicação Alvo Momento Emprego de todos os conhecimentos científicos que proporcionem a correta colocação do produto biologicamente

Leia mais

APLICAÇÃO DE DEFENSIVOS AGRÍCOLAS. Professor : Nailton Rodrigues de Castro Disciplina : Máquinas Agrícolas

APLICAÇÃO DE DEFENSIVOS AGRÍCOLAS. Professor : Nailton Rodrigues de Castro Disciplina : Máquinas Agrícolas APLICAÇÃO DE DEFENSIVOS AGRÍCOLAS Professor : Nailton Rodrigues de Castro Disciplina : Máquinas Agrícolas INTRODUÇÃO É a aplicação uniforme de um defensivo agrícola na forma líquida, utilizando a energia

Leia mais

TECNOLOGIA DE APLICAÇÃO DE AGROTÓXICOS NA CITRICULTURA

TECNOLOGIA DE APLICAÇÃO DE AGROTÓXICOS NA CITRICULTURA TECNOLOGIA DE APLICAÇÃO DE AGROTÓXICOS NA CITRICULTURA HAMILTON HUMBERTO RAMOS Diretor Geral do Instituto Agronômico TECNOLOGIA DE APLICAÇÃO DE PRODUTOS FITOSSANITÁRIOS Emprego de todos os conhecimentos

Leia mais

Alex Soares Ignoti. Alex Soares Ignoti Maracaju/MS

Alex Soares Ignoti. Alex Soares Ignoti Maracaju/MS RTV RTV Maracaju Inquima MS Alex Soares Ignoti Alex Soares Ignoti Maracaju/MS Uma Parceria Proprietário: Lucio Basso Sidrolândia - MS Execução e Acompanhamento Aplicador Radames ATV Inquima em Treinamento

Leia mais

Catálogo 51A-PT.

Catálogo 51A-PT. Catálogo 51A-PT Líderes em componentes de aplicação de precisão, tecnologia de sistemas de controle e gerenciamento de dados de aplicação. www.teejet.com ÍNDICE Guia de Seleção Guia de Seleção de Bicos

Leia mais

Tecnologia de Aplicação de Defensivos Agrícolas

Tecnologia de Aplicação de Defensivos Agrícolas INFORMATIVO DE DESENVOLVIMENTO TECNOLÓGICO ANO 3 NÚMERO 9 Setembro 2014 Tecnologia de Aplicação de Defensivos Agrícolas Introdução A correta aplicação de defensivos agrícolas exige uma série de conhecimentos

Leia mais

Mecanização da Pulverização. Eng. Agr.Jairo da Costa Moro Máquinas Agrícolas Jacto S.A

Mecanização da Pulverização. Eng. Agr.Jairo da Costa Moro Máquinas Agrícolas Jacto S.A Eng. Agr.Jairo da Costa Moro Máquinas Agrícolas Jacto S.A Mercado de defensivos Agrícolas 2014 - Brasil - O mercado brasileiro comercializou o valor total de US$12,25 bilhões em defensivos agrícolas. Fonte:

Leia mais

Influências das Pontas de Pulverização, Pressão de Trabalho e Condições Climáticas nas Aplicações de Defensivos

Influências das Pontas de Pulverização, Pressão de Trabalho e Condições Climáticas nas Aplicações de Defensivos Tecnologia e Produção: Soja e Milho / Influências das Pontas de Pulverização, Pressão de Trabalho e Condições Climáticas nas Aplicações de Defensivos Paulo O. Coutinho Ricardo Barros.. Introdução A Fundação

Leia mais

Técnicas de aplicação de defensivos *

Técnicas de aplicação de defensivos * Técnicas de aplicação de defensivos * 1. Introdução A aplicação de defensivos agrícolas é efetuada utilizando equipamentos que devem dividir a calda e distribuí-la homogeneamente, sob a forma de finas

Leia mais

ESPAÇAMENTO ENTRE PONTAS TT NA BARRA DO PULVERIZADOR COM DIFERENTES PRESSÕES E ADJUVANTES NA CALDA 1

ESPAÇAMENTO ENTRE PONTAS TT NA BARRA DO PULVERIZADOR COM DIFERENTES PRESSÕES E ADJUVANTES NA CALDA 1 ESPAÇAMENTO ENTRE PONTAS TT 113 NA BARRA DO PULVERIZADOR COM DIFERENTES PRESSÕES E ADJUVANTES NA CALDA 1 Jose Rodolfo Guimarães di Oliveira (UNESP / joserodolfoguimaraes@yahoo.com.br), Marcos Fabiano Camillo

Leia mais

John Deere Training. Guia do Aluno. Pulverização Fundamento - Português CSP-20-SN2GCQAP Maio, 2009

John Deere Training. Guia do Aluno. Pulverização Fundamento - Português CSP-20-SN2GCQAP Maio, 2009 John Deere Training Guia do Aluno CSP-20-SN2GCQAP Maio, 2009 Copyright 2009 Deere & Company Este material é de propriedade da Deere & Company. O uso, divulgação e/ou reprodução não especificamente autorizado

Leia mais

11. CULTIVO MECÂNICO. Cultivo é o conjunto de operações após a instalação e durante o desenvolvimento da cultura. Podem ser:

11. CULTIVO MECÂNICO. Cultivo é o conjunto de operações após a instalação e durante o desenvolvimento da cultura. Podem ser: . CULTIVO MECÂNICO Cultivo é o conjunto de operações após a instalação e durante o desenvolvimento da cultura. Podem ser: Mecânicos; Químicos; Chamas. Os cultivadores mecânicos são usados para uma movimentação

Leia mais

Guia de Seleção de Bicos para Área Total

Guia de Seleção de Bicos para Área Total Guia de Seleção de Bicos para Área Total HERBICIDAS FUNGICIDAS PÓS-EMERGÊNCIA APLICAÇÃO DE SOLO em pressões abaixo de 2 bar (30 PSI) em pressões abaixo de 2 bar (30 PSI) Consulte a página 11 em pressões

Leia mais

Alex Soares Ignoti. Alex Soares Ignoti Maracaju/MS

Alex Soares Ignoti. Alex Soares Ignoti Maracaju/MS RTV RTV Maracaju Inquima MS Alex Soares Ignoti Alex Soares Ignoti Maracaju/MS Uma Parceria Propriedade Faz. Água Amarela Proprietário: Danilo Kudiess Cidade: Maracajú/MS Execução e Acompanhamento Aplicador

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA Campus de Jaboticabal Depto. Fitossanidade TECNOLOGIA DE APLICAÇÃO DE PRODUTOS FITOSSANITÁRIOS

UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA Campus de Jaboticabal Depto. Fitossanidade TECNOLOGIA DE APLICAÇÃO DE PRODUTOS FITOSSANITÁRIOS UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA Campus de Jaboticabal Depto. Fitossanidade Núcleo de Estudos e Desenvolvimento em Tecnologia de Aplicação TECNOLOGIA DE APLICAÇÃO DE PRODUTOS FITOSSANITÁRIOS Aplicação de

Leia mais

Comunicado Técnico 09

Comunicado Técnico 09 Comunicado Técnico 09 ISSN 2177-854X Maio. 2011 Uberaba - MG Regulagem de Pulverizadores Agrícolas de Barras Responsável: Paulo Roberto Pala Martinelli E-mail: prpmartinelli@yahoo.com.br Engenheiro Agrônomo;

Leia mais

Manual de Treinamento CONCEITOS E TECNOLOGIAS QUE VISAM A AUMENTAR O CONTROLE DE PRAGAS E DOENÇAS DE BAIXEIRO

Manual de Treinamento CONCEITOS E TECNOLOGIAS QUE VISAM A AUMENTAR O CONTROLE DE PRAGAS E DOENÇAS DE BAIXEIRO CONCEITOS E TECNOLOGIAS QUE VISAM A AUMENTAR O CONTROLE DE PRAGAS E DOENÇAS DE BAIXEIRO EDIÇÃO Nº 01/2014 Código: 0416-tp Manual de Treinamento Máquinas Agrícolas Jacto Rua Dr. Luiz Miranda, 1650 17580-000

Leia mais

Tecnologia de Aplicação Defensivos Agrícolas

Tecnologia de Aplicação Defensivos Agrícolas Tecnologia de Aplicação Defensivos Agrícolas Disciplina: Tecnologia de Aplicação de Defensivos Agrícolas Faculdade de Engenharia Agronômica UniSALESIANO - LINS SP Prof. Harumi Hamamura harumi.lins.cati@gmail.com

Leia mais

Introdução. Importância. Operações. Principais culturas: 25/06/2015. Outras operações: Controle e combate de incêndios florestais em áreas de cultivo

Introdução. Importância. Operações. Principais culturas: 25/06/2015. Outras operações: Controle e combate de incêndios florestais em áreas de cultivo Introdução A Aviação Agrícola é um serviço especializado, regulamentado pelo Ministério da Agricultura e pelo Ministério da Aeronáutica; Registro de produtos; Atividade que deve obedecer as normas dos

Leia mais

Tecnologia de Aplicação

Tecnologia de Aplicação Tecnologia de Aplicação Rodolfo G. Chechetto Engenheiro Agrônomo O que é Tecnologia de Aplicação? Conjunto de conhecimentos que integram informações sobre os produtos fitossanitários, suas formulações

Leia mais

Circular. Técnica. Tecnologia para aplicação de produtos fitossanitários em videira. Introdução. Efeito do ambiente na pulverização.

Circular. Técnica. Tecnologia para aplicação de produtos fitossanitários em videira. Introdução. Efeito do ambiente na pulverização. ISSN 1808-6810 73?? Circular Técnica Bento Gonçalves, RS Abril, 2007 Autores Reginaldo Teodoro de Souza Eng. Agrônomo Embrapa Uva e Vinho, Estação Experimental de Viticultura Tropical, Caixa Postal 241,

Leia mais

EXERCÍCIOS SEMEADOR/ADUBADORA:

EXERCÍCIOS SEMEADOR/ADUBADORA: EGR 1003 MÁQUINAS E IMPLEMENTOS AGRÍCOLAS Monitora Guidiane Moro - Exercícios 1 EXERCÍCIOS SEMEADOR/ADUBADORA: 1 Um agricultor deseja cultivar 500 ha. Sabe-se que a densidade de semeadura recomendada é

Leia mais

MANUAL PULVERIZADOR HIDRÁULICO TRAVICAR.

MANUAL PULVERIZADOR HIDRÁULICO TRAVICAR. MANUAL PULVERIZADOR HIDRÁULICO TRAVICAR. PULVERIZADORES ESPECIFICAÇÕES O pulverizador jato cônico TRAVICAR é fabricado em bronze de alta qualidade, utiliza vedação em borracha nitrílica, material resistente

Leia mais

Energia Hidráulica. Líquido é pressionado contra pequeno orifício (ponta) e é pulverizado e transportado. Concorrentes em termos de energia

Energia Hidráulica. Líquido é pressionado contra pequeno orifício (ponta) e é pulverizado e transportado. Concorrentes em termos de energia PONTAS HIDRÁULICAS Energia Hidráulica Líquido é pressionado contra pequeno orifício (ponta) e é pulverizado e transportado Pulverização e transporte Concorrentes em termos de energia Maior energia = menor

Leia mais

Alex Soares Igno6. Alex Soares Igno5 Maracaju/MS

Alex Soares Igno6. Alex Soares Igno5 Maracaju/MS RTV RTV Maracaju Inquima MS Alex Soares Igno6 Alex Soares Igno5 Maracaju/MS Uma Parceria Faz. Rego D Água Proprietário: Flavio Viecili Cidade: Jardim - MS Execução e Acompanhamento Aplicador Adilson Eng.

Leia mais

Aplicação de fitossanitário requer tecnologia específica

Aplicação de fitossanitário requer tecnologia específica Eficácia Aplicação de fitossanitário requer tecnologia específica Casimiro Dias Gadanha Junior e Marcos Vilela de Magalhães Monteiro* ACERVO FUNDAÇÃO MT Pulverização foliar terrestre em lavoura de soja

Leia mais

Índice. COMAM_POCKET 5/3/07 11:16 AM Page 3

Índice. COMAM_POCKET 5/3/07 11:16 AM Page 3 COMAM_POCKET 5/3/07 11:16 AM Page 3 Índice Lançamento : Ponta Guardian...1 Bombas Hypro......2-9 Selecionando a bomba certa...3 Bombas de Rolete...4-6 Super Rotor......7 Bombas Centrífugas...8-9 Pontas

Leia mais

Inseticida/acaricida de contato e ingestão do grupo químico benzoiluréia

Inseticida/acaricida de contato e ingestão do grupo químico benzoiluréia Composição 1-[4-(2-chloro-α,α,α-trifluoro-p-tolyloxy)-2-fluorophenyl]-3-(2,6-difluorobenzoyl) urea (FLUFENOXUROM)... 100 g/l (10,0% m/v) Ingredientes Inertes... 878 g/l (87,8% m/v) Classe Inseticida/acaricida

Leia mais

AJUDANDO VOCÊ A PULVERIZAR MELHOR MAIS INTELIGENTE MAIS RÁPIDO MAIS SEGURO

AJUDANDO VOCÊ A PULVERIZAR MELHOR MAIS INTELIGENTE MAIS RÁPIDO MAIS SEGURO AJUDANDO VOCÊ A PULVERIZAR MELHOR MAIS INTELIGENTE MAIS RÁPIDO MAIS SEGURO M M M AIS INTELIGENTE BICOS DE PULVERIZAÇÃO PROSTOP-E FORCEFIELD AIS RÁPIDO DUO REACT CLEANLOAD MAX AIS SEGURO EXPRESS BOOM EXPRESS

Leia mais

14. CULTIVO MECÂNICO. Cultivo é o conjunto de operações após a instalação e durante o desenvolvimento da cultura. Podem ser:

14. CULTIVO MECÂNICO. Cultivo é o conjunto de operações após a instalação e durante o desenvolvimento da cultura. Podem ser: 17 14. CULTIVO MECÂNICO Cultivo é o conjunto de operações após a instalação e durante o desenvolvimento da cultura. Podem ser: Mecânicos; Químicos; Chamas. Os cultivadores mecânicos são usados para uma

Leia mais

IMPERADOR Versão compacta do primeiro e único pulverizador autopropelido com barras centrais do mundo

IMPERADOR Versão compacta do primeiro e único pulverizador autopropelido com barras centrais do mundo IMPERADOR 2650 Versão compacta do primeiro e único pulverizador autopropelido com barras centrais do mundo Catálogo virtual Português Mai/2016 IMPERADOR 2650 O Imperador 2650 é a versão compacta do primeiro

Leia mais

Pulverizadores: Mecanização da cultura do Cacau. Máquinas Agrícolas Jacto S/A Pompéia -SP. Eng. Agr. Walter W Mosquini Planejamento de Produto

Pulverizadores: Mecanização da cultura do Cacau. Máquinas Agrícolas Jacto S/A Pompéia -SP. Eng. Agr. Walter W Mosquini Planejamento de Produto Pulverizadores: Mecanização da cultura do Cacau Máquinas Agrícolas Jacto S/A Pompéia -SP Eng. Agr. Walter W Mosquini Planejamento de Produto Informações Foi fundada em 1948; Todas as unidades produtivas

Leia mais

ARBUS Rua Dr. Luiz Miranda, Pompeia - SP - Tel. (14) Fax. (14)

ARBUS Rua Dr. Luiz Miranda, Pompeia - SP - Tel. (14) Fax. (14) Rua Dr. Luiz Miranda, 1650-17580-000 - Pompeia - SP - Tel. (14) 3405 2100 - Fax. (14) 3452 1916 - E-mail: vendas@jacto.com.br PROTEJA O MEIO AMBIENTE. AO INUTILIZAR ESTE FOLHETO, NÃO JOGUE EM VIAS PÚBLICAS.

Leia mais

Weber G. Valério 16º Herbishow A EVOLUÇÃO DOS HERBICIDAS. Ribeirão Preto / Maio-2017

Weber G. Valério 16º Herbishow A EVOLUÇÃO DOS HERBICIDAS. Ribeirão Preto / Maio-2017 Weber G. Valério 16º Herbishow A EVOLUÇÃO DOS HERBICIDAS Ribeirão Preto / Maio-2017 Fatores que interferem na eficiência das aplicações e consequentemente na eficácia dos resultados (controle e seletividade)

Leia mais

Catálogo Sistema de Pulverização Eletrostático

Catálogo Sistema de Pulverização Eletrostático Catálogo Sistema de Pulverização Eletrostático anotações ELETROSTÁTICO ELETROSTÁTICO ELETROSTÁTICO Informações técnicas do produto Por que a pulverização eletrostática é tão eficaz? Antes de responder

Leia mais

Calibração Pulverizador de barras

Calibração Pulverizador de barras Calibração Pulverizador de barras INÍCIO ANALISAR pulverizador e corrigir Medir a VELOCIDADE do tractor Medir DÉBITO dos BICOS Usar apenas água na calibragem do pulverizador Calcular DÉBITO por ha PULVERIZAR

Leia mais

Alex Soares Ignoti. Alex Soares Ignoti Maracaju/MS

Alex Soares Ignoti. Alex Soares Ignoti Maracaju/MS RTV RTV Maracaju Inquima MS Alex Soares Ignoti Alex Soares Ignoti Maracaju/MS Uma Parceria Proprietário: Charles Pagnoncelli Maracajú - MS Execução e Acompanhamento Aplicador Paraguaio RTV Inquima Alex

Leia mais

UNIVERSIDADE DE PASSO FUNDO FACULDADE DE AGRONOMIA E MEDICINA VETERINÁRIA PROGRAMA DE PÓS GRADUAÇÃO EM AGRONOMIA DEISE ISABEL DA COSTA WALTER BOLLER

UNIVERSIDADE DE PASSO FUNDO FACULDADE DE AGRONOMIA E MEDICINA VETERINÁRIA PROGRAMA DE PÓS GRADUAÇÃO EM AGRONOMIA DEISE ISABEL DA COSTA WALTER BOLLER UNIVERSIDADE DE PASSO FUNDO FACULDADE DE AGRONOMIA E MEDICINA VETERINÁRIA PROGRAMA DE PÓS GRADUAÇÃO EM AGRONOMIA Aplicação de fungicida em soja com atomizador rotativo de discos, operado com cinco velocidades

Leia mais

Princípios básicos da aplicação de agrotóxicos

Princípios básicos da aplicação de agrotóxicos Defensivos Princípios básicos da aplicação de agrotóxicos José Maria Fernandes dos Santos* Luiz Henrique carvalho/iac Controle de pragas com o uso de aeronaves agrícolas exige cuidados, pois efeitos aerodinâmicos

Leia mais

- BLOCO III.1 - Máquinas de Aplicação-

- BLOCO III.1 - Máquinas de Aplicação- DISTRIBUIÇÃO, COMERCIALIZAÇÃO E APLICAÇÃO DE PRODUTOS FITOFARMACÊUTICOS - BLOCO III.1 - Máquinas de Aplicação- Formador: João Teixeira Tipos de máquinas de tratamento e proteção de plantas classificação:

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DE UMA BARRA DE PULVERIZAÇÃO PARA APLICAÇÃO DE HERBICIDA EM DESSECAÇÃO DE SOQUEIRA CANA-DE-AÇÚCAR E PASTAGENS

DESENVOLVIMENTO DE UMA BARRA DE PULVERIZAÇÃO PARA APLICAÇÃO DE HERBICIDA EM DESSECAÇÃO DE SOQUEIRA CANA-DE-AÇÚCAR E PASTAGENS 47 DESENVOLVIMENTO DE UMA BARRA DE PULVERIZAÇÃO PARA APLICAÇÃO DE HERBICIDA EM DESSECAÇÃO DE SOQUEIRA CANA-DE-AÇÚCAR E PASTAGENS AMO, Fernando Colombo de 1 PEREIRA, Flávio José de Sousa 2 GADANHA JÚNIOR,

Leia mais

UNITRI. Mecânica e Mecanização Agrícola QUINTA AULA DE MECANIZAÇÃO AGRÍCOLA APLICAÇÃO DE DEFENSIVOS

UNITRI. Mecânica e Mecanização Agrícola QUINTA AULA DE MECANIZAÇÃO AGRÍCOLA APLICAÇÃO DE DEFENSIVOS UNITRI Mecânica e Mecanização Agrícola QUINTA AULA DE MECANIZAÇÃO AGRÍCOLA APLICAÇÃO DE DEFENSIVOS Conceito: Entende-se como "Tecnologia de Aplicação de Produtos Fitossanitários" o emprego de todos os

Leia mais

HYPRO SHURFLO GUIA DE BOLSO

HYPRO SHURFLO GUIA DE BOLSO HYPRO SHURFLO GUIA DE BOLSO A Os bicos de pulverização são produzidos na fábrica da Pentair em Cambridge, Reino Unido, há 60 anos, inicialmente com o nome Lurmark, e agora com a marca HYPRO. A Pentair

Leia mais

Palavras-chaves: uniformidade de distribuição, ângulo e espectro de gotas.

Palavras-chaves: uniformidade de distribuição, ângulo e espectro de gotas. CARACTERÍSTICAS TÉCNICAS DE PONTA DE PULVERIZAÇÃO DE JATO PLANO COM INDUÇÃO DE AR JOSUÉ GOMES DELMOND 1, ELTON FIALHO DOS REIS 2 1 Engenheiro Agrícola, Graduando, UEG/Anápolis GO, Bolsista do CNPQ Brasil.

Leia mais

SCHRODER CONSULTORIA

SCHRODER CONSULTORIA RELATÓRIO TÉCNICO EFEITO DO ÓLEO VEGETAL AGR ÓLEO NA EFICIÊNCIA DO HERBICIDA 2,4-D APLICADO POR VIA AÉREA EM ARROZ IRRIGADO INTRODUÇÃO O herbicida 2,4-D é utilizado há muitos anos para controle de diversas

Leia mais

9 IRRIGAÇÃO POR ASPERSÃO CONVENCIONAL

9 IRRIGAÇÃO POR ASPERSÃO CONVENCIONAL 9 IRRIGAÇÃO POR ASPERSÃO CONVENCIONAL 9.1 TIPOS DE SISTEMAS FIXOS PERMANENTES FIXOS TEMPORÁRIOS SEMIFÍXOS PORTÁTEIS 9.2 VANTAGENS, LIMITAÇÕES E PESRPECTIVAS VANTAGENS Dispensa sistematização ou uniformização

Leia mais

IMPORTÂNCIA DO DIÂMETRO DAS GOTAS DE PULVERIZAÇÃO NA DERIVA DE DEFENSIVOS AGRÍCOLAS EM APLICAÇÃO AÉREA

IMPORTÂNCIA DO DIÂMETRO DAS GOTAS DE PULVERIZAÇÃO NA DERIVA DE DEFENSIVOS AGRÍCOLAS EM APLICAÇÃO AÉREA PLANTA DANINHA II(1): 33-39, 1979 IMPORTÂNCIA DO DIÂMETRO DAS GOTAS DE PULVERIZAÇÃO NA DERIVA DE DEFENSIVOS AGRÍCOLAS EM APLICAÇÃO AÉREA L.S.P. Cruz*; A. McCracken** e Y. Ozeki*** * Pesq. Científico, Instituto

Leia mais

Agricultura II. Máquinas de aplicação de fito-fármacos

Agricultura II. Máquinas de aplicação de fito-fármacos Agricultura II Máquinas de aplicação de fito-fármacos As quantidades de fito-fármaco fungicidas, insecticidas, herbicidas (doses) podem ser dadas em: - kg ou L / hl - culturas arbustivas e arbóreas -kg

Leia mais

TECNOLOGIA DE APLICAÇÃO EM UBV e BVO. Marcelo Caires

TECNOLOGIA DE APLICAÇÃO EM UBV e BVO. Marcelo Caires TECNOLOGIA DE APLICAÇÃO EM UBV e BVO Uso de micro gotas oleosas para o controle do bicudo Marcelo Caires Técnico em Agropecuária INSERÇÃO DE EQUIPAMENTOS TECNOLÓGICOS Instrumentos para o auxílio nas aplicações

Leia mais

Calibração Pulverizador Pomares

Calibração Pulverizador Pomares Calibração Pulverizador Pomares INÍCIO ANALISAR pulverizador e corrigir Medir a VELOCIDADE do tractor Medir DÉBITO dos BICOS Usar apenas água na calibração do pulverizador Calcular DÉBITO por ha PULVERIZAR

Leia mais

Como Aplicar. 1. Armazenagem. 2. Compatibilidade. 3. Veritas é complementar. 4. Tipos de solo

Como Aplicar. 1. Armazenagem. 2. Compatibilidade. 3. Veritas é complementar. 4. Tipos de solo 1. Armazenagem Após adquirir o produto, armazene as embalagens de 20L em local fresco e protegido do sol. Não temos nenhum reporte desde o lançamento do produto de problemas relacionados a perda de qualidade,

Leia mais

Tecnologia de Aplicação de Agroquímicos no Cafeeiro. Autor: Luís César Pio

Tecnologia de Aplicação de Agroquímicos no Cafeeiro. Autor: Luís César Pio Tecnologia de Aplicação de Agroquímicos no Cafeeiro Autor: Luís César Pio Prezado colega, Catanduva, 9 de novembro de 2012. Para VOCÊ, que participou do encontro de capacitação técnica e que é integrante

Leia mais

ARBUS 2000 TP. Rua Dr. Luiz Miranda, Pompeia - SP - Tel. (14) Fax. (14) www. jacto.com.br

ARBUS 2000 TP. Rua Dr. Luiz Miranda, Pompeia - SP - Tel. (14) Fax. (14) www. jacto.com.br Rua Dr. Luiz Miranda, 1650-17580-000 - Pompeia - SP - Tel. (14) 3405 2100 - Fax. (14) 3452 1916 - www. jacto.com.br PROTEJA O MEIO AMBIENTE. AO INUTILIZAR ESTE FOLHETO, NÃO JOGUE EM VIAS PÚBLICAS. Imagens

Leia mais

ALGUMAS SITUAÇÕES QUE PODEM PREJUDICAR A PULVERIZAÇÃO

ALGUMAS SITUAÇÕES QUE PODEM PREJUDICAR A PULVERIZAÇÃO Tópicos da aula Tecnologia de aplicação de herbicidas - 2 ALGUMAS SITUAÇÕES QUE PODEM PREJUDICAR A PULVERIZAÇÃO 1 Agumas situações que podem prejudicar a pulverização de herbicidas 2 - Segurança na aplicação

Leia mais

Pontas de Pulverização de Jato Plano de Ângulo Grande

Pontas de Pulverização de Jato Plano de Ângulo Grande Pontas de de Jato Plano de Ângulo Grande Consulte o guia de seleção nas páginas 2 e para obter as aplicações típicas recomendadas para o Turbo TeeJet. n Jato de pulverização plano de ângulo grande e extremidades

Leia mais

Eng.º Agr.º José Maria Fernandes dos Santos

Eng.º Agr.º José Maria Fernandes dos Santos PONTOS CRÍTICOS NA APLICAÇÃO DE DEFENSIVOS Eng.º Agr.º José Maria Fernandes dos Santos Pesquisador Científico Laboratório de Proteção e Clínica Vegetal E-mail: santosjmf@biologico.sp.gov.br Fone/Fax: (11)

Leia mais

Seção E Bicos de Pulverização Fina

Seção E Bicos de Pulverização Fina Seção E s de Visão Geral Nossos bicos atomizadores de pulverização hidráulica fina estão disponíveis em duas versões. s Padrão: bicos roscados tradicionais de metal. s de Rápida: consistindo de um corpo

Leia mais

Prof. Dr. Casimiro Dias Gadanha Jr. DER/ESALQ/USP

Prof. Dr. Casimiro Dias Gadanha Jr. DER/ESALQ/USP LER 432 Máquinas e Implementos Agrícolas TÓPICO: Máquinas para Aplicação de Produtos Fitossanitários Prof. Dr. Casimiro Dias Gadanha Jr. DER/ESALQ/USP AGROTÓXICO Sinônimos: Produto Fitossanitário Pesticida

Leia mais

TECNOLOGIA DE APLICAÇÃO DE AGROTÓXICOS

TECNOLOGIA DE APLICAÇÃO DE AGROTÓXICOS Definição: Ciência multidisciplinar Disciplina: Fitopatologia Agrícola TECNOLOGIA DE APLICAÇÃO DE AGROTÓXICOS Objetivos: Destinada às pesquisas de equipamentos Processos e obtenção de resultados mais eficientes

Leia mais

Ensaios efectuados com pulverizadores na vinha

Ensaios efectuados com pulverizadores na vinha Ensaios efectuados com pulverizadores na vinha Estudo e adaptação de um pulverizador de jacto transportado à cultura da vinha na Região Demarcada do Douro (1992-95) A- versão original B- versão alterada

Leia mais

Guia de Controlador para Bicos Descentrados HYPRO

Guia de Controlador para Bicos Descentrados HYPRO Guia de Controlador para Bicos Descentrados HYPRO Como montar seu bico de final de barra: Guia Passo a Passo para tubulação da barra de 1 e 3/8 W W W.HYPROSPR AY TIPS.COM Introdução O objetivo desse guia

Leia mais

TECNOLOGIA DE APLICAÇÃO DE PRODUTOS FITOSSANITÁRIOS

TECNOLOGIA DE APLICAÇÃO DE PRODUTOS FITOSSANITÁRIOS TECNOLOGIA DE APLICAÇÃO DE PRODUTOS FITOSSANITÁRIOS Eng Agr MS.c. Henrique B N Campos Consultor Sabri em Tecnologia de Aplicação ADVERTÊNCIA Todas as opiniões e recomendações presentes neste material são

Leia mais

Efeito de pontas de pulverização na deposição da calda no feijoeiro Effect of spray nozzles on bean plants deposition

Efeito de pontas de pulverização na deposição da calda no feijoeiro Effect of spray nozzles on bean plants deposition Efeito de pontas de pulverização na deposição da calda no feijoeiro Effect of spray nozzles on bean plants deposition Matheus Arthur Góes Lôbo Farias¹*; Neli Cristina Belmiro dos Santos 2 ; Rafael Simões

Leia mais

Fórmulas Úteis para Aplicações em Rodovias. l/km = 60 x l/min l/min = l/lkm x km/hr Km/hr 60 l/lkm = Liters per Lane Kilometer

Fórmulas Úteis para Aplicações em Rodovias. l/km = 60 x l/min l/min = l/lkm x km/hr Km/hr 60 l/lkm = Liters per Lane Kilometer Informações Técnicas Fórmulas Úteis l/min l/ha x km/h x W = (por Bico) 60.000 l/ha = l/min Litros por Minuto 60.000 x l/min (por Bico) km/h x W l/ha Litros por Hectare km/h Quilômetros por Hora W Espaçamento

Leia mais

PISTOLA DE PINTURA PP3

PISTOLA DE PINTURA PP3 PISTOLA DE PINTURA PP3 *Imagens meramente ilustrativas Manual de Instruções www.v8brasil.com.br 1. DADOS TÉCNICOS PISTOLA DE PINTURA PP3 Modelo: Bico: Pressão de trabalho: Consumo médio de ar: V8-PP3 1,4

Leia mais

FUNDAÇÃO DE APOIO A PESQUISA, ENSINO E EXTENSÃO - FUNEP

FUNDAÇÃO DE APOIO A PESQUISA, ENSINO E EXTENSÃO - FUNEP UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA FACULDADE DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS E VETERINÁRIAS CAMPUS DE JABOTICABAL Página 1 de 5 RELATÓRIO DE ANÁLISE CARACTERIZAÇÃO DE GOTAS PRODUZIDAS POR BICO DE PULVERIZAÇÃO EM DIFERENTES

Leia mais

TECNOLOGIA DE APLICAÇÃO DE FUNGICIDAS PARA O CONTROLE DA FERRUGEM-DA-SOJADA-SOJA

TECNOLOGIA DE APLICAÇÃO DE FUNGICIDAS PARA O CONTROLE DA FERRUGEM-DA-SOJADA-SOJA TECNOLOGIA DE APLICAÇÃO DE FUNGICIDAS PARA O CONTROLE DA FERRUGEM-DA-SOJADA-SOJA Fernando Storniolo Adegas Embrapa Soja Ministério da Agricultura Pecuária e Abastecimento Manejo da Ferrugem Identificação

Leia mais

6.4 CONTROLE DE PLANTAS DANINHAS

6.4 CONTROLE DE PLANTAS DANINHAS 6.4 CONTROLE DE PLANTAS DANINHAS Prejuízos: -Competição por água; -Competição por luz; -Competição por nutrientes; -Hospedeiros de pragas e doenças; -Interferência na operação de colheita. Período de competição:

Leia mais

EFEITO DA PRESSÃO DE TRABALHO SOBRE A EFICIÊNCIA DE DIFERENTES PONTAS DE PULVERIZAÇÃO NO MANEJO QUÍMICO DE PICÃO-PRETO (Bidens spp.) NA SOJA.

EFEITO DA PRESSÃO DE TRABALHO SOBRE A EFICIÊNCIA DE DIFERENTES PONTAS DE PULVERIZAÇÃO NO MANEJO QUÍMICO DE PICÃO-PRETO (Bidens spp.) NA SOJA. 22 EFEITO DA PRESSÃO DE TRABALHO SOBRE A EFICIÊNCIA DE DIFERENTES PONTAS DE PULVERIZAÇÃO NO MANEJO QUÍMICO DE PICÃO-PRETO (Bidens spp.) NA SOJA. MARCOS MACHRY 1 WALTER BOLLER 2 RESUMO Atualmente, nas aplicações

Leia mais

Fórmulas Úteis para Aplicações em Rodovias. l/km = 60 x l/min l/min = l/lkm x km/hr Km/hr 60 l/lkm = Litros por Quilômetro de Faixa

Fórmulas Úteis para Aplicações em Rodovias. l/km = 60 x l/min l/min = l/lkm x km/hr Km/hr 60 l/lkm = Litros por Quilômetro de Faixa Informações Técnicas Fórmulas Úteis l/min l/ha x km/h x W = (por Bico) 60.000 l/ha = l/min Litros por Minuto 60.000 x l/min (por Bico) km/h x W l/ha Litros por Hectare km/h Quilômetros por Hora W Espaçamento

Leia mais

Evidence 700WG Proteção eficáz para seu eucalipto.

Evidence 700WG Proteção eficáz para seu eucalipto. Evidence 700WG Proteção eficáz para seu eucalipto. TECNOLOGIA DE APLICAÇÃO APLICADA A SILVICULTURA Eng. Agr. Paulo Coutinho INTRODUÇÃO APLICAÇOES NA SILVICULTURA: DESSECAÇAO DE PREPARO DE ÁREA E DE MANUTENÇÃO

Leia mais

Eliminação/Controle de plantas competidoras

Eliminação/Controle de plantas competidoras Universidade Tecnológica Federal do Paraná Campus Dois Vizinhos Engenharia Florestal Tratos e Métodos Silviculturais Eliminação/Controle de plantas competidoras Eng. Ftal. Dr. Prof. Eleandro José Brun

Leia mais

Indicações Registradas

Indicações Registradas Marca Comercial Titular do Registro Nº Registro MAPA Topik 240 EC SYNGENTA PROTEÇÃO DE CULTIVOS LTDA. - 1506.744.463/0001-90 Classe Herbicida Ingrediente Ativo (I.A.) Clodinafope-Propargil Nome Químico

Leia mais

DISTRIBUIÇÃO VOLUMÉTRICA DE PONTAS DE PULVERIZAÇÃO TURBO TEEJET EM DIFERENTES CONDIÇÕES OPERACIONAIS 1

DISTRIBUIÇÃO VOLUMÉTRICA DE PONTAS DE PULVERIZAÇÃO TURBO TEEJET EM DIFERENTES CONDIÇÕES OPERACIONAIS 1 11 DISTRIBUIÇÃO VOLUMÉTRICA DE PONTAS DE PULVERIZAÇÃO TURBO TEEJET 11 EM DIFERENTES CONDIÇÕES OPERACIONAIS 1 Distribution Pattern of Nozzle TT 11 under Different Operational Conditions FREITAS, F.C.L.,

Leia mais

Boas Práticas para redução. da Pulverização. e proteção da qualidade da água

Boas Práticas para redução. da Pulverização. e proteção da qualidade da água para redução do risco de Deriva da Pulverização e proteção da qualidade da água VOCÊ PODE AJUDAR A PROTEGER A NOSSA ÁGUA OBJETIVOS TOPPS TOPPS pretende reduzir a contaminação da água pelos produtos fitofarmacêuticos

Leia mais

MANUAL DE TECNOLOGIA DE APLICAÇÃO em citros

MANUAL DE TECNOLOGIA DE APLICAÇÃO em citros MANUAL DE TECNOLOGIA DE APLICAÇÃO em citros 2 FUNDECITRUS I MANUAL DE TECNOLOGIA DE APLICAÇÃO EM CITROS INTRODUÇÃO Na citricultura e na maioria dos sistemas de produção agrícola, o controle químico de

Leia mais

500ml de defensivo para cada 5 Litros de água

500ml de defensivo para cada 5 Litros de água PULVERIZADORES Pulverizador Manual à Pilhas Pulverizador manual à Pilhas (UBV) O pulverizador PULVIMAT é ideal para a aplicação de produtos fito sanitários especialmente herbicida, com o método U.B.V.

Leia mais

PISTOLA DE PINTURA HVLP 14

PISTOLA DE PINTURA HVLP 14 *Imagens meramente ilustrativas PISTOLA DE PINTURA HVLP 14 Manual de Instruções www.v8brasil.com.br 1. DADOS TÉCNICOS PISTOLA DE PINTURA HVLP14 Modelo Bico Pressão de trabalho Consumo de ar V8-PP-HVLP14

Leia mais

PADRÃO DE DISTRIBUIÇÃO DA CALDA PRODUZIDA PELA PONTA DE PULVERIZAÇÃO DO TIPO JATO PLANO (8002) EM FUNÇÃO DO ESPAÇAMENTO ENTRE BICOS 1

PADRÃO DE DISTRIBUIÇÃO DA CALDA PRODUZIDA PELA PONTA DE PULVERIZAÇÃO DO TIPO JATO PLANO (8002) EM FUNÇÃO DO ESPAÇAMENTO ENTRE BICOS 1 457 PADRÃO DE DISTRIBUIÇÃO DA CALDA PRODUZIDA PELA PONTA DE PULVERIZAÇÃO DO TIPO JATO PLANO (82) EM FUNÇÃO DO ESPAÇAMENTO ENTRE BICOS 1 Spray Distribution Pattern of Flat Fan Tip (82) at Different Spacing

Leia mais

- Métodos de avaliação das aplicações de fitossanitários - Avanços tecnológicos para a agricultura e florestas

- Métodos de avaliação das aplicações de fitossanitários - Avanços tecnológicos para a agricultura e florestas JORNADAS DE ACTUALIZACIÓN EN TECNOLOGÍAS DE APLICACIÓN EN CULTIVOS EXTENSIVOS - Métodos de avaliação das aplicações de fitossanitários - Avanços tecnológicos para a agricultura e florestas Otavio J. G.

Leia mais

Manual de Operação Kit Canhão. *Kit Led

Manual de Operação Kit Canhão. *Kit Led *Kit Led Manual de Operação Kit Canhão Por que a pulverização eletrostáica é tão eficaz? Antes de responder essa pergunta, iremos lhe fornecer alguns dados e você mesmo será capaz de respondê-la. Qual

Leia mais

Maquinas Termicas - Fornalha

Maquinas Termicas - Fornalha Máquinas Térmicas: Fornalhas Combustão 1 Fornalha Converte energia química do combustível em energia térmica. De acordo com o tipo e a qualidade do combustível disponível, a queima pode ser em suspensão,

Leia mais

ATOMIZADOR AU5000LD. Kit de Conversão para Atomizadores AU5000 (LD = "BAIXA DERIVA")

ATOMIZADOR AU5000LD. Kit de Conversão para Atomizadores AU5000 (LD = BAIXA DERIVA) ATOMIZADOR AU5000LD Kit de Conversão para Atomizadores AU5000 (LD = "BAIXA DERIVA") 1. Introdução O atomizador Micronair AU5000LD é projetado especificamente para a aplicação aérea de proteção à lavoura,

Leia mais

INSPEÇÃO PERIÓDICA DE PULVERIZADORES NA REGIÃO DO ALTO VALE DO ITAJAÍ

INSPEÇÃO PERIÓDICA DE PULVERIZADORES NA REGIÃO DO ALTO VALE DO ITAJAÍ INSPEÇÃO PERIÓDICA DE PULVERIZADORES NA REGIÃO DO ALTO VALE DO ITAJAÍ Lucas Renan EFFTING 1 ; João Pedro Fossa BERNARDY 2 ; Leonardo DÜSTERHOFT 3 ; Fabrício Campos MASIERO 4, Ricardo Kozoroski VEIGA 5

Leia mais

QUALIDADE EM TECNOLOGIA DE APLICAÇÃO DE DEFENSIVOS

QUALIDADE EM TECNOLOGIA DE APLICAÇÃO DE DEFENSIVOS 1 QUALIDADE EM TECNOLOGIA DE APLICAÇÃO DE DEFENSIVOS Prof. Dr. Ulisses Rocha Antuniassi FCA/UNESP Caixa Postal 237-18603-970 - Botucatu/SP - Fone: (14) 96711604 ulisses@fca.unesp.br 1. Conceitos básicos

Leia mais

Fundamento de Lubrificação e Lubrificantes Aula 8 PROF. DENILSON J. VIANA

Fundamento de Lubrificação e Lubrificantes Aula 8 PROF. DENILSON J. VIANA Fundamento de Lubrificação e Lubrificantes Aula 8 PROF. DENILSON J. VIANA Graxas É um material sólido a semissólido, constituindo de um agente espessante (sabão metálico) disperso num lubrificante líquido

Leia mais

ARBUS 1500 DIAMOND. Rua Dr. Luiz Miranda, Pompéia - SP - Tel. (14) Fax. (14)

ARBUS 1500 DIAMOND. Rua Dr. Luiz Miranda, Pompéia - SP - Tel. (14) Fax. (14) Rua Dr. Luiz Miranda, 1650-17580-000 - Pompéia - SP - Tel. (14) 3405 2100 - Fax. (14) 3452 1916 - E-mail: vendas@jacto.com.br www.jacto.com.br A Jacto se reserva o direito de promover modi cações em seus

Leia mais

Aspectos técnicos da Pulverização aérea

Aspectos técnicos da Pulverização aérea Aspectos técnicos da Pulverização aérea a Semana da Citricultura 06 a 10 de junho de 2011. Eng. Agr. Yasuzo Ozeki Celular > (11) 9629-919 Telef.Fixo > (11) 021-415 E-mail > yasuzo@uol.com.br Princípios

Leia mais

ASPECTOS CRÍTICOS NA APLICAÇÃO DE DEFENSIVOS AGRÍCOLAS COM TURBO PULVERIZADORES.

ASPECTOS CRÍTICOS NA APLICAÇÃO DE DEFENSIVOS AGRÍCOLAS COM TURBO PULVERIZADORES. 1 ASPECTOS CRÍTICOS NA APLICAÇÃO DE DEFENSIVOS AGRÍCOLAS COM TURBO PULVERIZADORES. Eng.º Agr.º José Maria Fernandes dos Santos 1 Introdução: Atualmente a aplicação de defensivos agrícolas em culturas arbustivas

Leia mais

UM PULVERIZADOR BEM REGULADO E CALIBRADO É A CERTEZA DE UMA APLICAÇÃO EFICIENTE E SEGURA!!

UM PULVERIZADOR BEM REGULADO E CALIBRADO É A CERTEZA DE UMA APLICAÇÃO EFICIENTE E SEGURA!! DE PULVERIZADORES AGRÍCOLAS Este material faz parte da apostila do Curso de Tecnologia de Aplicação da Comam Ltda Carlos Alberto Magalhães Cordeiro Paulo Otavio Coutinho Fabiano de Matino Motta Engs Agrônomos

Leia mais

Padrão médio de distribuição volumétrica das pontas de pulverização TVI e ATR 1.0 em função da altura, pressão e espaçamento entre bicos.

Padrão médio de distribuição volumétrica das pontas de pulverização TVI e ATR 1.0 em função da altura, pressão e espaçamento entre bicos. Padrão médio de distribuição volumétrica das pontas de pulverização TVI 800075 e ATR 1.0 em função da altura, pressão e espaçamento entre bicos. MATEUS PROLO MASSOLA¹, VANDOIR HOLTZ² ¹ Graduando em Agronomia,

Leia mais

INFLUÊNCIA DO TEMPO DE PULVERIZAÇÃO COM APARELHO PNEUMÁTICO COSTAL, NA COBERTURA FOLIAR DO CAFEEIRO ( 1 )

INFLUÊNCIA DO TEMPO DE PULVERIZAÇÃO COM APARELHO PNEUMÁTICO COSTAL, NA COBERTURA FOLIAR DO CAFEEIRO ( 1 ) INFLUÊNCIA DO TEMPO DE PULVERIZAÇÃO COM APARELHO PNEUMÁTICO COSTAL, NA COBERTURA FOLIAR DO CAFEEIRO ( 1 ) BERNARDO LORENA NETO e HERMES GERALDO CORRÊA, Seção de Máquinas de Implantação de Culturas e Aplicadoras

Leia mais

Chuveiro e lava-olhos de emergência: Equipamentos imprescindíveis para o manuseio de produtos químicos

Chuveiro e lava-olhos de emergência: Equipamentos imprescindíveis para o manuseio de produtos químicos Chuveiro e lava-olhos de emergência: Equipamentos imprescindíveis para o manuseio de produtos químicos Esses equipamentos são destinados a eliminar ou minimizar os danos causados por acidentes nos olhos

Leia mais

ATIVIDADE : TESTES DE DEPOSIÇÃO

ATIVIDADE : TESTES DE DEPOSIÇÃO SINDAG CONGRESSO REGIONAL DE AVIAÇÃO AGRÍCOLA / SUL CACHOEIRA DO SUL, RS 7 a 9 DE JUNHO DE 2007 ATIVIDADE : TESTES DE DEPOSIÇÃO RELATÓRIO www.agrotec.etc.br www.sindag.org.br www.congressosindag.com.br

Leia mais

INFLUÊNCIA DA ADIÇÃO DE UM ADJUVANTE À CALDA DE PULVERIZAÇÃO AÉREA SOBRE A FAIXA DE DEPOSIÇÃO TOTAL

INFLUÊNCIA DA ADIÇÃO DE UM ADJUVANTE À CALDA DE PULVERIZAÇÃO AÉREA SOBRE A FAIXA DE DEPOSIÇÃO TOTAL ISBN 978-85-61091-05-7 Encontro Internacional de Produção Científica Cesumar 27 a 30 de outubro de 2009 INFLUÊNCIA DA ADIÇÃO DE UM ADJUVANTE À CALDA DE PULVERIZAÇÃO AÉREA SOBRE A FAIXA DE DEPOSIÇÃO TOTAL

Leia mais

JARDIM PULVERIZADOR PRESSÃO - 0,550L PULVERIZADOR PRESSÃO - 1L

JARDIM PULVERIZADOR PRESSÃO - 0,550L PULVERIZADOR PRESSÃO - 1L PULVERIZADOR PRESSÃO - 0,550L OLD-32B - Pulverizadores de cores sortidas com bomba de pistão e bico regulável. Feitos em polietileno (matéria prima virgem), garantem alta resistência a impactos e corrosão.

Leia mais