- BLOCO III.1 - Máquinas de Aplicação-

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "- BLOCO III.1 - Máquinas de Aplicação-"

Transcrição

1 DISTRIBUIÇÃO, COMERCIALIZAÇÃO E APLICAÇÃO DE PRODUTOS FITOFARMACÊUTICOS - BLOCO III.1 - Máquinas de Aplicação- Formador: João Teixeira

2 Tipos de máquinas de tratamento e proteção de plantas classificação: Quanto ao sistema de deslocação ou transporte: Pulverizadores manuais; Pulverizadores de bandoleira; Pulverizadores de dorso; Pulverizadores em carrinho de mão ou padiola;

3 Pulverizadores suspensos; Pulverizadores rebocados; Pulverizadores autopropulsores;

4 Classificação dos equipamentos: Quanto ao volume de calda a aplicar: Alto volume débito de 700 a 1000 litros por ha (Pulverizadores de jato projetado); Médio volume débito de 200 a 700 litros por Ha em culturas herbáceas e 500 a 1000 litros por Ha em culturas arbóreas (Pulverizadores de jato transportado); Baixo Volume débito de 50 a 200 litros por Ha em culturas herbáceas e 200 a 500 litros por Ha em culturas arbóreas (Pulverizador pneumático). Muito baixo volume 5 a 20 litros por Ha (pulverizadores centrífugos) Ultra baixo volume menos de 5 litros por Ha (pulverizador centrífugo e nebulizadores).

5 Classificação dos equipamentos: Quanto ao funcionamento: Polvilhadores: São equipamentos que não utilizam água, somente uma corrente de ar responsável pela dispersão de um pó (polvilhação). Polvilhador montado aos 3 pontos do hidráulico do trator Polvilhador de dorso

6 Classificação dos equipamentos: Pulverizadores de pressão hidráulica de jato projetado: É o pulverizador mais comum em Portugal; A pulverização realiza-se por meio da sujeição do líquido à pressão exercida por uma bomba; A pressão é exercida na calda que é, em seguida obrigada a passar nos orifícios calibrados dos bicos de pulverização.

7 Pulverizadores de pressão hidráulica de jato projetado: Barra celeste Pulverizador de dorso Motorizado Carrinho de mão ou padiola

8 Pulverizadores de pressão hidráulica de jato projetado:

9 Pulverizadores de pressão hidráulica de jato projetado: Vantagens: São os que os agricultores melhor conhecem pelo que, para eles, beneficiam antecipadamente de um juízo favorável; Com estes pulverizadores podem-se utilizar todos os produtos sob a forma liquida, como exemplo podemos citar a possibilidade de efetuar aplicações de herbicidas sem que haja grande risco de arrastamento pelo vento, adubos líquidos, etc.; Podem realizar-se alguns tratamentos de Inverno em fruteiras; São os aparelhos que requerem menor energia motriz; São os mais baratos.

10 Inconvenientes: Não é possível obter uma finura de pulverização elevada, pelo que e necessário utilizar grandes quantidades de liquido o que, por sua vez, tem as seguintes consequências: Reabastecimento frequente dos aparelhos, o que atrasa as intervenções; Necessidade de organizar racionalmente o abastecimento de água associado, nalguns casos, à dificuldade de consegui-la nos volumes necessários; Tendência para procurar aparelhos de grande capacidade o que os torna mais pesados, com todos os inconvenientes daí resultantes. A penetração da calda ate ao interior da folhagem e deficiente; As gotículas perdem a energia cinética no ar com bastante rapidez, o que dá origem, com frequência, ao insuficiente alcance do tratamento.

11 Classificação dos equipamentos: Pulverizador de pressão hidráulica de jato transportado: O transporte das gotículas é assegurado por uma corrente de ar, que, quando passa no interior da vegetação, perde velocidade permitindo a deposição da calda; As gotículas no interior da corrente de ar têm menos tendência para se evaporarem e esta permite agitar a massa vegetal facilitando a penetração das gotas para o interior da copa; As gotículas nestes pulverizadores podem ser menores que as obtidas no jato projetado, pois o seu transporte depende fundamentalmente das correntes de ar, sendo o seu alcance superior ao obtido por jato projetado, permitindo assim fazer tratamentos à distância.

12 Pulverizador de pressão hidráulica de jato transportado: Aspiração inversa

13 Vantagens: Pulverizador de pressão hidráulica de jato transportado As da pulverização a pressão no que se refere à possibilidade de utilização de qualquer produto, seja qual for o tipo, assim como a de realizar, por lavagem, os tratamentos de Inverno em fruteiras; As da pulverização pneumática no que concerne à ação da agitação da folhagem, o que favorece a penetração da calda e a possibilidade de melhorar bastante o alcance do jato.

14 Inconvenientes: Pulverizador de pressão hidráulica de jato transportado Os da pulverização à pressão no que se refere, principalmente, à insuficiente finura das gotas com as consequências daí resultantes; Os da pulverização pneumática, principalmente o preço, a energia absorvida e, por vezes, o efeito demasiado grande do fluxo de ar sobre as plantas.

15 Classificação dos equipamentos: Pulverizadores pneumáticos: Não tem bomba ou então a bomba existente é de baixa pressão. Tanto a divisão da calda como o transporte é realizado por ação da corrente de ar gerado por uma turbina que impele para o tubo direcional. Este tipo de pulverizadores não tem bicos de pulverização, tem quanto muito, bicos injetores.

16 Pulverizadores pneumáticos:

17 Pulverizadores pneumáticos:

18 Pulverizadores pneumáticos: Vantagens: A finura de pulverização é muito maior do que com os pulverizadores de pressão, visto que o diâmetro médio das gotas é da ordem dos 100 microns; isto permite obter resultados excelentes, com volumes por hectare menores. Pelo motivo anterior podem-se utilizar aparelhos mais pequenos conservando uma autonomia de trabalho igual ou superior, o que permite reduzir o numero de operações de enchimento do deposito e, por isso, melhorar a rapidez do tratamento utilizando equipamentos mais ligeiros e adequados a terrenos encharcados, necessitando de uma forca de tração menor; Devido à finura das partículas liquidas as perdas por escorrimento, nas partes aéreas, são menos importantes;

19 Pulverizadores pneumáticos: Devido à agitação que o fluxo de ar provoca, a penetração da calda na massa vegetal é muito melhor, encontrando-se praticamente a mesma quantidade de produto em ambas as páginas das folhas, apesar da eficácia dos fitofármacos depender da sua distribuição na página inferior. Alem disso também é muito mais elevado o número de pontos de impacto por cm2, o que favorece extraordinariamente a obtenção da máxima eficácia nos tratamentos com fungicidas; O alcance do jato projetado e muito superior, visto que as gotas são realmente transportadas por fluxo de ar, o que origina uma espécie de brecha ou abertura no ar atmosférico.

20 Pulverizadores pneumáticos: Inconvenientes: A aplicação de produtos bastante concentrados não podem formar uma calda demasiado espessa a fim de não dificultar a sua saída. Não podem existir partículas demasiado grossas, já que as gotas, tão finas, seriam incapazes de as transportar; além disso, os produtos que se utilizam não podem ter demasiada toxidade para o homem e outros animais porque ela aumentaria com a finura de pulverização. Há o perigo de originarem danos a outras culturas quando os produtos são arrastados pelo vento; A energia absorvida para a realização da pulverização é sensivelmente maior que a requerida pelos aparelhos de pressão mas, em troca, já assinalámos a penetração do jato que na maioria dos casos se consegue; O preço de custo é elevado;

21 Pulverizadores pneumáticos: Alguns aparelhos, que trabalham à pressão atmosférica do líquido e possuem vários bicos de pulverização, apresentam diferenças notáveis no caudal de cada um deles, motivadas por dificuldades no fluxo de líquido, que podem ser de grandeza diversa; Em pulverizações de grande alcance é, por vezes, necessário utilizar aditivos especiais para limitar a rapidez da evaporação durante o trajeto pelo ar.

22 Classificação dos equipamentos: Pulverizador centrifugo: Muito menos usado, permitindo pulverizações em ultra-baixovolume. As partículas de calda obtidas com este tipo de distribuição são extremamente pequenas. Adequando-se favoravelmente ao uso de muito menores quantidades de calda, utiliza-se em aplicações localizadas de herbicidas, entre outras finalidades especiais.

23 Pulverizador centrifugo:

24 Classificação dos equipamentos: Nebulizadores: São equipamentos térmicos que criam gotas tipo nuvem; Estes equipamentos podem funcionar a quente ou a frio e utilizamse principalmente em espaços confinados (estufas).

25 Nebulizadores:

26 Resumo:

27 Constituição genérica de um pulverizador por pressão hidráulica: Reservatório ou depósito; Bomba; Filtros; Regulador de pressão e distribuidor; Agitador; Bicos de pulverização; Barra de pulverização.

28 Depósito: Este elemento destina-se a conter a calda, podendo ser fabricado em diferentes materiais, embora, hoje em dia, sejam principalmente em plástico. Os depósitos devem ter como principais características a ausência de esquinas, para facilitar a sua limpeza e evitar acumulações de calda, a facilidade de enchimento e limpeza, superfície interior lisa, para impedir a aderência dos produtos, o comando para abertura do orifício para remoção da calda não utilizada de fácil acesso, etc.

29 Depósito:

30 Bomba: É, sem dúvida, um dos órgãos mais importantes dos pulverizadores, pois permite conferir à calda a pressão necessária à sua pulverização; O débito destas bombas é, quando a agitação é hidráulica, superior ao débito dos bicos para que alguma da calda retorne ao depósito; Deverá trabalhar sempre entre as 480 e 540 rpm, caso contrário ocorre um maior desgaste devido ao maior esforço da bomba. São vulgarmente de embolo, membrana ou centrífuga.

31 Bomba:

32 Filtros: Os filtros tem por missão eliminar todos os corpos estranhos, contidos na calda, que possam ocasionar um mau funcionamento e/ou danificação dos órgãos do pulverizador. Estes são: Enchimento; Aspiração; Bicos. Filtro dos bicos

33 Regulador de pressão e distribuidor: O regulador de pressão permite fazer variar a pressão, dentro de certos limites, para que seja possível variar o débito e as características da pulverização; É este um dos elemento que condiciona a quantidade de calda que vem para o exterior, fazendo com que a restante, debitada pela bomba, seja conduzida para o reservatório; Junto do regulador encontra-se um manómetro que indica a pressão de funcionamento. O distribuidor é um elemento formado por uma ou mais torneiras, que permite conduzir a calda para diferentes sectores das rampas de pulverização, ou para o reservatório.

34 Regulador de pressão e distribuidor:

35 Agitadores: Os agitadores têm a função de homogeneizar a calda dentro do depósito. Podem ser de três tipos: Mecânicos; Pneumáticos; Hidráulicos.

36 Bicos de pulverização: Os bicos de pulverização são as peças que se encontram no fim do circuito do líquido e que permitem, devido ao pequeno diâmetro do orifício das suas pastilhas, a sua pulverização. Geralmente as pastilhas são facilmente intermutáveis, para que, pela sua substituição, seja fácil regular o débito.

37 Bicos de pulverização: Principais tipos de bicos: Bicos cónicos ou de turbulência ; Bicos de fenda; Bicos defletores ou de espelho.

38 Bicos de pulverização: Bicos cónicos ou de turbulência: São os mais indicados para fungicidas e inseticidas; Vêm montados em pistolas/jato projetado/transportado e barras; Os orifícios das pastilhas variam entre 0,5mm a 2mm de diâmetro; O jato sai sob a forma de um cone cheio ou vazio.

39 Bicos de pulverização: O bico de pulverização cónica vazia está equipado com um difusor. De modo a formar um modelo de pulverização cónica com uma concavidade central. Pressão normal: 2,5 15,0 bar.

40 Bicos de pulverização: Bicos de fenda: Os bicos de fenda ou de jato em leque, são caracterizados por o orifício ter uma secção retangular que faz com que o jato daí resultante tenha a forma de um leque ou pincel; A pulverização resultante da utilização destes bicos é mais grosseira que com os bicos anteriores sendo aconselháveis para aplicação de herbicidas;

41 Bicos de pulverização: Contudo em aplicações ao solo e horticultura também são utilizados para inseticidas e fungicidas; A baixa pressão este bico produz gotas de maior dimensão, sendo portanto menos sensível à ação do vento. Pressão normal: 1,5 15,0 bar. O ângulo de abertura dos bicos de fenda podem ser de 110º, 80º ou 60º.

42 Bicos de pulverização: São equipados em barras ou lanças.

43 Bicos de pulverização: Bicos defletores ou de espelho: O bico de espelho tem, logo a seguir ao orifício de saída, um deflector que faz com que o filete líquido choque com ele provocando a sua pulverização; O jato resultante deste impacto tem um grande ângulo de abertura e uma fraca espessura. A pulverização é grosseira, pelo que o seu domínio de aplicação se limita a herbicidas e adubos líquidos. A pressão de pulverização é idêntica ao dos bicos de fenda.

44 Bicos de pulverização:

45 Bicos anti gotejo: Bicos de pulverização: Este bico possui no seu interior uma válvula, geralmente constituída por uma mola e uma esfera ou membrana, que fecha imediatamente após a quebra de pressão na rampa de pulverização. Evita assim que os bicos de pulverização fiquem a pingar para o solo sempre que a rampa de pulverização não se encontre em uso. Tem também a vantagens de um início mais rápido quando se inicia a pulverização.

46 Bicos de pulverização:

47 Bicos de pulverização: Bicos anti-deriva: Os bicos anti-deriva formam borbulhas com ar que são maiores comparando com as gotas de bicos comuns. Se estas borbulhas com ar batem em alguma superfície, por exemplo uma folha, a borbulha rebenta em várias gotas menores, garantindo uma melhor distribuição superficial, comparando com bicos/gotas comuns sob as mesmas condições.

48 Bicos de pulverização:

49 Bicos de pulverização:

50 Bicos de pulverização:

51 Bicos de pulverização:

52 Barras de pulverização com bico de fenda: Um bico de fenda em boas condições de funcionamento faz uma distribuição correta em cerca de 50 % do jato, na sua parte central e os restantes 50 % são distribuídos para os lados, em cerca de 25 % para cada um. Daqui resulta que em trabalho com uma rampa de pulverização, por exemplo, há que a levantar de modo a que os jatos dos bicos contíguos se sobreponham 25 %. Se apenas se tocarem fica uma zona mal coberta; daqui se conclui que a sobreposição necessária entre os jatos está dependente de: Distancia entre bicos; Altura da rampa ao solo; Uniformidade do jato; Pressão de trabalho.

53 Barras de pulverização com bico de fenda: Para assegurar uma pulverização correta é importante que a barra de pulverização não ultrapasse as distâncias que se seguem, do chão ou da colheita: 30 (35) cm com bicos cm com bicos cm com bicos 65

54 Barras de pulverização com bico de jato cónico: Se a barra estiver equipada com bicos de pulverização cónica, a distância deve ser escolhida de maneira a garantir a interseção do liquido de pulverização no topo da cultura ou seja a cerca de 60 cm do solo. Como a pulverização dos bicos cónicos é uniforme em toda a largura de trabalho, assim, quando estes se encontram instalados numa barra não deverá existir sobreposição entre eles.

55 Barras de pulverização com bico de jato cónico:

56 Critérios para escolha do equipamento de aplicação de produto fitofarmacêutico Fatores que influenciam a escolha: Cultura: Tipo; Estado de desenvolvimento; Compasso; Altura; Alvo a tratar Condições climatéricas;

57 Critérios para escolha do equipamento de aplicação de produto fitofarmacêutico Área a tratar; Formulação do produto fitofarmacêutico; O inimigo.

Agricultura II. Máquinas de aplicação de fito-fármacos

Agricultura II. Máquinas de aplicação de fito-fármacos Agricultura II Máquinas de aplicação de fito-fármacos As quantidades de fito-fármaco fungicidas, insecticidas, herbicidas (doses) podem ser dadas em: - kg ou L / hl - culturas arbustivas e arbóreas -kg

Leia mais

APLICAÇÃO DE DEFENSIVOS AGRÍCOLAS. Professor : Nailton Rodrigues de Castro Disciplina : Máquinas Agrícolas

APLICAÇÃO DE DEFENSIVOS AGRÍCOLAS. Professor : Nailton Rodrigues de Castro Disciplina : Máquinas Agrícolas APLICAÇÃO DE DEFENSIVOS AGRÍCOLAS Professor : Nailton Rodrigues de Castro Disciplina : Máquinas Agrícolas INTRODUÇÃO É a aplicação uniforme de um defensivo agrícola na forma líquida, utilizando a energia

Leia mais

Nebulizadores aplicam gotas menores que 50 mm.

Nebulizadores aplicam gotas menores que 50 mm. Universidade Estadual Paulista Faculdade de Ciências Agrárias e Veterinárias Curso : Agronomia Disciplina: Tratamento Fitossanitário Aula: Aplicação de Líquidos e Pulverizadores Os produtos fitossanitários

Leia mais

O QUE É UMA PULVERIZAÇÃO?

O QUE É UMA PULVERIZAÇÃO? TECNOLOGIA DE APLICAÇÃO DE HERBICIDAS Emprego de todos os conhecimentos científicos que proporcionem a correta colocação do produto biologicamente ativo no alvo, em quantidade necessária, de forma econômica,

Leia mais

Processos e métodos de proteção fitossanitária e de aplicação de produtos fitofarmacêuticos

Processos e métodos de proteção fitossanitária e de aplicação de produtos fitofarmacêuticos Processos e métodos de proteção fitossanitária e de aplicação de produtos fitofarmacêuticos Curso de formação para operadores e técnicos agrícolas Fernando A. Santos fsantos@utad.pt http://home.utad.pt/~fsantos

Leia mais

TECNOLOGIA DE APLICAÇÃO DE HERBICIDAS

TECNOLOGIA DE APLICAÇÃO DE HERBICIDAS TECNOLOGIA DE APLICAÇÃO DE HERBICIDAS Emprego de todos os conhecimentos científicos que proporcionem a correta colocação do produto biologicamente ativo no alvo, em quantidade necessária, de forma econômica,

Leia mais

EQUIPAMENTOS PARA TRATAMENTO DE CULTURAS 1996

EQUIPAMENTOS PARA TRATAMENTO DE CULTURAS 1996 EQUIPAMENTOS PARA TRATAMENTO DE CULTURAS 1996 1 ÍNDICE INTRODUÇÃO... 1 1- Os produtos fitossanitários... 1 2- Condições do meio que mais condicionam a realização dos tratamentos... 2 3- Meios terrestres

Leia mais

Seleção de Pontas de Pulverização

Seleção de Pontas de Pulverização JORNADAS DE ACTUALIZACIÓN EN TECNOLOGÍAS DE APLICACIÓN EN CULTIVOS EXTENSIVOS Seleção de Pontas de Pulverização Otavio J. G. Abi Saab Prof. Mecanização Agrícola Universidade Estadual de Londrina Estado

Leia mais

TECNOLOGIA DE APLICAÇÃO DE HERBICIDAS

TECNOLOGIA DE APLICAÇÃO DE HERBICIDAS TECNOLOGIA DE APLICAÇÃO DE HERBICIDAS Emprego de todos os conhecimentos científicos que proporcionem a correta colocação do produto biologicamente ativo no alvo, em quantidade necessária, de forma econômica,

Leia mais

UTILIZAÇÃO DE PULVERIZADORES CENTRÍFUGOS DE JACTO TRANSPORTADO NA CULTURA DA VINHA INTRODUÇÃO

UTILIZAÇÃO DE PULVERIZADORES CENTRÍFUGOS DE JACTO TRANSPORTADO NA CULTURA DA VINHA INTRODUÇÃO UTILIZAÇÃO DE PULVERIZADORES CENTRÍFUGOS DE JACTO TRANSPORTADO NA CULTURA DA VINHA INTRODUÇÃO Reduzir o débito a aplicar nos tratamentos da cultura da vinha, sem por em causa a sua eficácia, é um dos principais

Leia mais

MÁQUINAS DE LAVAR PISTOLAS INFRA-VERMELHOS

MÁQUINAS DE LAVAR PISTOLAS INFRA-VERMELHOS MÁQUINAS DE LAVAR PISTOLAS INFRA-VERMELHOS MÁQUINA DE LAVAR PISTOLAS AUTOMÁTICAS 180 CX 2110560 unid./caixa 1 3.440,00 74 kg cm 71x 69x150h cm 50x30x32h 15 cm Pneumático min: 6 - máx. 10 bar A máquina

Leia mais

9 IRRIGAÇÃO POR ASPERSÃO CONVENCIONAL

9 IRRIGAÇÃO POR ASPERSÃO CONVENCIONAL 9 IRRIGAÇÃO POR ASPERSÃO CONVENCIONAL 9.1 TIPOS DE SISTEMAS FIXOS PERMANENTES FIXOS TEMPORÁRIOS SEMIFÍXOS PORTÁTEIS 9.2 VANTAGENS, LIMITAÇÕES E PESRPECTIVAS VANTAGENS Dispensa sistematização ou uniformização

Leia mais

ARBUS Rua Dr. Luiz Miranda, Pompeia - SP - Tel. (14) Fax. (14)

ARBUS Rua Dr. Luiz Miranda, Pompeia - SP - Tel. (14) Fax. (14) Rua Dr. Luiz Miranda, 1650-17580-000 - Pompeia - SP - Tel. (14) 3405 2100 - Fax. (14) 3452 1916 - E-mail: vendas@jacto.com.br PROTEJA O MEIO AMBIENTE. AO INUTILIZAR ESTE FOLHETO, NÃO JOGUE EM VIAS PÚBLICAS.

Leia mais

ARBUS 2000 TP. Rua Dr. Luiz Miranda, Pompeia - SP - Tel. (14) Fax. (14) www. jacto.com.br

ARBUS 2000 TP. Rua Dr. Luiz Miranda, Pompeia - SP - Tel. (14) Fax. (14) www. jacto.com.br Rua Dr. Luiz Miranda, 1650-17580-000 - Pompeia - SP - Tel. (14) 3405 2100 - Fax. (14) 3452 1916 - www. jacto.com.br PROTEJA O MEIO AMBIENTE. AO INUTILIZAR ESTE FOLHETO, NÃO JOGUE EM VIAS PÚBLICAS. Imagens

Leia mais

MANUAL PULVERIZADOR HIDRÁULICO TRAVICAR.

MANUAL PULVERIZADOR HIDRÁULICO TRAVICAR. MANUAL PULVERIZADOR HIDRÁULICO TRAVICAR. PULVERIZADORES ESPECIFICAÇÕES O pulverizador jato cônico TRAVICAR é fabricado em bronze de alta qualidade, utiliza vedação em borracha nitrílica, material resistente

Leia mais

LINHA JATÃO 3 PONTOS. Rua Dr. Luiz Miranda, Pompeia - SP - Tel. (14) Fax. (14)

LINHA JATÃO 3 PONTOS. Rua Dr. Luiz Miranda, Pompeia - SP - Tel. (14) Fax. (14) Rua Dr. Luiz Miranda, 1650-17580-000 - Pompeia - SP - Tel. (14) 3405 2100 - Fax. (14) 3452 1916 - E-mail: vendas@jacto.com.br PROTEJA O MEIO AMBIENTE. AO INUTILIZAR ESTE FOLHETO, NÃO JOGUE EM VIAS PÚBLICAS.

Leia mais

PULVERIZADORES SUSPENSOS

PULVERIZADORES SUSPENSOS PULVERIZADORES SUSPENSOS EQUIPAMENTO DA SÉRIE SUSPENSA Chassis Mecano-soldado em aço de alta resistência Grenalhado e pintado com secagem em forno para uma longa duração Engate de cavilhas (salvo nos modelos

Leia mais

11. CULTIVO MECÂNICO. Cultivo é o conjunto de operações após a instalação e durante o desenvolvimento da cultura. Podem ser:

11. CULTIVO MECÂNICO. Cultivo é o conjunto de operações após a instalação e durante o desenvolvimento da cultura. Podem ser: . CULTIVO MECÂNICO Cultivo é o conjunto de operações após a instalação e durante o desenvolvimento da cultura. Podem ser: Mecânicos; Químicos; Chamas. Os cultivadores mecânicos são usados para uma movimentação

Leia mais

Departamento de Fitotecnia e Engenharia Rural UNIVERSIDADE DE TRÁS-OS-MONTES E ALTO DOURO

Departamento de Fitotecnia e Engenharia Rural UNIVERSIDADE DE TRÁS-OS-MONTES E ALTO DOURO JORNADAS TÉCNICAS - Protecção Fitossanitária Optimização do uso de máquinas e manutenção do equipamento Fernando A. Santos www.utad.pt/~fsantos Protecção Fitossanitária «... São vários os factores que

Leia mais

CURSO DE PRODUÇÃO INTEGRADA DA VINHA (módulo - equipamentos de protecção)

CURSO DE PRODUÇÃO INTEGRADA DA VINHA (módulo - equipamentos de protecção) CURSO DE PRODUÇÃO INTEGRADA DA VINHA (módulo - equipamentos de protecção) Curso de formação organizado por: Alto Fuste - Consultadoria e Gestão Agrária, Lda Fernando A. Santos www.utad.pt/~fsantos EQUIPAMENTOS

Leia mais

PULVERIZADORES SUSPENSOS (Mod. ST Baixa pressão)

PULVERIZADORES SUSPENSOS (Mod. ST Baixa pressão) PULVERIZADORES SUSPENSOS (Mod. ST Baixa pressão) EQUIPAMENTO TANDARD: Chassis em tubo estrutural de aço (200 a 500 L) Chassis em chapa quinada de aço a partir de 600 L Pintura polietileno Depósito fabricado

Leia mais

LINHA CONDOR. Rua Dr. Luiz Miranda, Pompeia - SP - Tel. (14) Fax. (14)

LINHA CONDOR. Rua Dr. Luiz Miranda, Pompeia - SP - Tel. (14) Fax. (14) Rua Dr. Luiz Miranda, 1650 17580000 Pompeia SP Tel. (14) 3405 2100 Fax. (14) 3452 1916 Email: vendas@jacto.com.br PROTEJA O MEIO AMBIENTE. AO INUTILIZAR ESTE FOLHETO, NÃO JOGUE EM VIAS PÚBLICAS. www.jacto.com.br

Leia mais

Título: Equipamento para decapagem interior de tubos

Título: Equipamento para decapagem interior de tubos VITALIANO J. COSTA, LDA. e q u i p a m e n t o s de p i n t u r a Aceiro das Boiças Qta. da Torre Cabanas 2950-635 PALMELA Tel. Geral : 212 888 050 Fax : 212 888 059 Tel. Encomendas : 212 888 051 e-mail:

Leia mais

FILTRO PRENSA DE VIGA SUPERIOR GHT 4X4

FILTRO PRENSA DE VIGA SUPERIOR GHT 4X4 BILFINGER WATER TECHNOLOGIES FILTRO PRENSA DE VIGA SUPERIOR GHT 4X4 TECNOLOGIA DE SEPARAÇÃO SÓLIDO-LÍQUIDO PARA PROCESSOS INDUSTRIAIS GHT 4X4 - Filtro prensa de tração integral de alta confiabilidade e

Leia mais

TRATAMENTOS FITOSSANITÁRIOS NA CULTURA DA VINHA (módulo - equipamentos de protecção)

TRATAMENTOS FITOSSANITÁRIOS NA CULTURA DA VINHA (módulo - equipamentos de protecção) TRATAMENTOS FITOSSANITÁRIOS NA CULTURA DA VINHA (módulo - equipamentos de protecção) Acção de formação organizado por: Sociedade de Vinhos Borges, S.A. Fernando A. Santos www.utad.pt/~fsantos EQUIPAMENTOS

Leia mais

Paulo Moisés Almeida da Costa. As Máquinas Primárias

Paulo Moisés Almeida da Costa. As Máquinas Primárias Almeida da Costa As Máquinas Primárias Escola Superior de Tecnologia de Viseu - 1999 Estes pequenos apontamentos destinam-se a auxiliar os alunos no estudo das máquinas primárias utilizadas nos aproveitamentos

Leia mais

Sistemas de Filtragem e Fertirrigação

Sistemas de Filtragem e Fertirrigação Sistemas de Filtragem e Fertirrigação Irrigação Localizada Filtros uma medida eficaz na redução de bloqueios físicos dos emissores; escolha dos filtros deve ser realizada de acordo com o tipo de emissor

Leia mais

Amassadura do betão preparado em central distribuidora

Amassadura do betão preparado em central distribuidora Amassadura do betão preparado em central distribuidora Pode ser amassado: a) Completamente amassado na central, donde passa por um camião transportador que o mantém em agitação a fim de evitar a segregação.

Leia mais

INSTALAÇÕES PREDIAIS DE ÁGUA FRIA - DETALHES

INSTALAÇÕES PREDIAIS DE ÁGUA FRIA - DETALHES INSTALAÇÕES PREDIAIS DE ÁGUA FRIA - DETALHES 1. ALTURA DE SUCÇÃO (AS) - Desnível geométrico (altura em metros), entre o nível dinâmico da captação e o bocal de sucção da bomba. 2. ALTURA DE RECALQUE (AR)

Leia mais

Disciplina: Projeto de Ferramentais I

Disciplina: Projeto de Ferramentais I Aula 04: Processos de Fundição em Moldes Metálicos por Gravidade (Coquilhas) 01: Introdução - Características do processo - Etapas envolvidas. - Fatores econômicos e tecnológicos - Ligas empregadas 02:

Leia mais

A ÁGUA É UM RECURSO ESCASSO E FUNDAMENTAL PARA A AGRICULTURA NUMA AGRICULTURA SUSTENTÁVEL É FUNDAMENTAL REDUZIR O RISCO DE POLUIÇÃO DA ÁGUA

A ÁGUA É UM RECURSO ESCASSO E FUNDAMENTAL PARA A AGRICULTURA NUMA AGRICULTURA SUSTENTÁVEL É FUNDAMENTAL REDUZIR O RISCO DE POLUIÇÃO DA ÁGUA 1 A ÁGUA É UM RECURSO ESCASSO E FUNDAMENTAL PARA A AGRICULTURA NUMA AGRICULTURA SUSTENTÁVEL É FUNDAMENTAL REDUZIR O RISCO DE POLUIÇÃO DA ÁGUA OS PRODUTOS FITOFARMACÊUTICOS SÃO FUNDAMENTAIS PARA A PRODUÇÃO

Leia mais

Transmissão hidráulica de força e energia

Transmissão hidráulica de força e energia Líquidos Transmissão de força Intensificador de pressão Pressão em uma coluna de fluido Velocidade e vazão Tipos de fluxo Geração de calor Diferencial de pressão Transmissão Hidráulica de Força e Energia

Leia mais

Pulverizadores: Mecanização da cultura do Cacau. Máquinas Agrícolas Jacto S/A Pompéia -SP. Eng. Agr. Walter W Mosquini Planejamento de Produto

Pulverizadores: Mecanização da cultura do Cacau. Máquinas Agrícolas Jacto S/A Pompéia -SP. Eng. Agr. Walter W Mosquini Planejamento de Produto Pulverizadores: Mecanização da cultura do Cacau Máquinas Agrícolas Jacto S/A Pompéia -SP Eng. Agr. Walter W Mosquini Planejamento de Produto Informações Foi fundada em 1948; Todas as unidades produtivas

Leia mais

TÉCNICAS PARA APLICAÇÕES DO ROUNDUP EM ÁREAS FLORESTAIS DANIEL CAMPOSILVAN INDÚSTRIAS MONSANTO S/A RUA PAES LEME, SÃO PAULO-SP

TÉCNICAS PARA APLICAÇÕES DO ROUNDUP EM ÁREAS FLORESTAIS DANIEL CAMPOSILVAN INDÚSTRIAS MONSANTO S/A RUA PAES LEME, SÃO PAULO-SP TÉCNICAS PARA APLICAÇÕES DO ROUNDUP EM ÁREAS FLORESTAIS RESUMO DANIEL CAMPOSILVAN INDÚSTRIAS MONSANTO S/A RUA PAES LEME, 524 05424 - SÃO PAULO-SP O uso do herbicida ROUNDUP em áreas florestais vem se tornando

Leia mais

LINHA ADVANCE. Rua Dr. Luiz Miranda, Pompeia - SP - Tel. (14) Fax. (14)

LINHA ADVANCE. Rua Dr. Luiz Miranda, Pompeia - SP - Tel. (14) Fax. (14) Rua Dr. Luiz Miranda, 1650 17580000 Pompeia SP Tel. (14) 3405 2100 Fax. (14) 3452 1916 Email: vendas@jacto.com.br PROTEJA O MEIO AMBIENTE. AO INUTILIZAR ESTE FOLHETO, NÃO JOGUE EM VIAS PÚBLICAS. www.jacto.com.br

Leia mais

Motores Térmicos. 8º Semestre 4º ano

Motores Térmicos. 8º Semestre 4º ano Motores Térmicos 8º Semestre 4º ano Aula 17 - Formação da Mistura nos Motores Diesel Introdução Estágios da combustão em motores Diesel Requisitos do Sistema de Injecção Elementos do Sistema de Alimentação

Leia mais

IRRIGAÇÃO PARA PAREDES VERDES E VASOS.

IRRIGAÇÃO PARA PAREDES VERDES E VASOS. IRRIGAÇÃO PARA PAREDES VERDES E VASOS. A Irrigação para Parades Verdes ou paredes vivas tem quer ser obrigatoriamente irrigação de baixo volume. Ainda não conhecido por muitas empresas de irrigação, paisagistas

Leia mais

14. CULTIVO MECÂNICO. Cultivo é o conjunto de operações após a instalação e durante o desenvolvimento da cultura. Podem ser:

14. CULTIVO MECÂNICO. Cultivo é o conjunto de operações após a instalação e durante o desenvolvimento da cultura. Podem ser: 17 14. CULTIVO MECÂNICO Cultivo é o conjunto de operações após a instalação e durante o desenvolvimento da cultura. Podem ser: Mecânicos; Químicos; Chamas. Os cultivadores mecânicos são usados para uma

Leia mais

Processo por pontos, por costura, por projeção, de topo, Aplicações, Vantagens e Desvantagens

Processo por pontos, por costura, por projeção, de topo, Aplicações, Vantagens e Desvantagens INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE SANTA CATARINA Processo por pontos, por costura, por projeção, de topo, Aplicações, Vantagens e Desvantagens Professor: Anderson Luís Garcia Correia

Leia mais

Manual de Treinamento CONCEITOS E TECNOLOGIAS QUE VISAM A AUMENTAR O CONTROLE DE PRAGAS E DOENÇAS DE BAIXEIRO

Manual de Treinamento CONCEITOS E TECNOLOGIAS QUE VISAM A AUMENTAR O CONTROLE DE PRAGAS E DOENÇAS DE BAIXEIRO CONCEITOS E TECNOLOGIAS QUE VISAM A AUMENTAR O CONTROLE DE PRAGAS E DOENÇAS DE BAIXEIRO EDIÇÃO Nº 01/2014 Código: 0416-tp Manual de Treinamento Máquinas Agrícolas Jacto Rua Dr. Luiz Miranda, 1650 17580-000

Leia mais

Guia de Seleção de Bicos para Área Total

Guia de Seleção de Bicos para Área Total Guia de Seleção de Bicos para Área Total HERBICIDAS FUNGICIDAS PÓS-EMERGÊNCIA APLICAÇÃO DE SOLO em pressões abaixo de 2 bar (30 PSI) em pressões abaixo de 2 bar (30 PSI) Consulte a página 11 em pressões

Leia mais

Gestão dos solos em viticultura de encosta

Gestão dos solos em viticultura de encosta Workshop Gestão dos solos em viticultura de encosta Pinhão, 28 de outubro de 2013 Sérgio Vieira Inicio de atividade no ano de 2005 Localizada na Zona Industrial de Vila Real Atua na comercialização de

Leia mais

Transporte. Tipo de obra Sistema de transporte Trabalhabilidade

Transporte. Tipo de obra Sistema de transporte Trabalhabilidade Transporte Transporte Tipo de obra Sistema de transporte Trabalhabilidade Condição fundamental: Não provocar segregação Deve também ser suficientemente rápido para que o betão não perca trabalhabilidade

Leia mais

Introdução: Injeção de Metais

Introdução: Injeção de Metais Introdução: Injeção de Metais Injeção é o processo metal-mecânico no qual o metal fundido é, sob pressão, forçado a entrar na cavidade esculpida de uma matriz, preenchendo-a e formando a peça desejada.

Leia mais

ATOMIZADOR ROTATIVO TELA

ATOMIZADOR ROTATIVO TELA ATOMIZADOR ROTATIVO TELA sumário INFORMAÇÕES imagem do produto modelos posicionamentos montagem e desmontagem CALIBRAÇÃO MANUTENÇÃO INSTALAÇÃO 04 05 06 07 08 10 17 18 INFORMAÇÕES O Atomizador Travicar

Leia mais

1 Boas Práticas de Utilização 1.1 Normas de Qualidade Higiene e Ambiente - Água

1 Boas Práticas de Utilização 1.1 Normas de Qualidade Higiene e Ambiente - Água 2 Conteúdos 1 Boas Práticas de Utilização... 1.1 Normas de Qualidade Higiene e Ambiente - Água... 1.2 Normas de Segurança... 1.3 Recomendações de Ergonomia... 1.4 Normas de Utilização... 2 Resolução de

Leia mais

Comunicado Técnico 09

Comunicado Técnico 09 Comunicado Técnico 09 ISSN 2177-854X Maio. 2011 Uberaba - MG Regulagem de Pulverizadores Agrícolas de Barras Responsável: Paulo Roberto Pala Martinelli E-mail: prpmartinelli@yahoo.com.br Engenheiro Agrônomo;

Leia mais

TECNOLOGIA DE APLICAÇÃO DE AGROTÓXICOS

TECNOLOGIA DE APLICAÇÃO DE AGROTÓXICOS Definição: Ciência multidisciplinar Disciplina: Fitopatologia Agrícola TECNOLOGIA DE APLICAÇÃO DE AGROTÓXICOS Objetivos: Destinada às pesquisas de equipamentos Processos e obtenção de resultados mais eficientes

Leia mais

Mecânica dos Fluidos I

Mecânica dos Fluidos I Mecânica dos Fluidos I Aula prática 1 EXERCÍCIO 1 Em Mecânica dos Fluidos é muito frequente que interesse medir a diferença entre duas pressões. Os manómetros de tubos em U, que são um dos modelos mais

Leia mais

Manual instruções bomba submersível poço

Manual instruções bomba submersível poço Manual instruções bomba submersível poço Bomba Submersível Poço 1. Recomendações Antes de proceder à instalação, leia atentamente o conteúdo deste manual. Ele pretende fornecer toda a informação necessária

Leia mais

Dimensionamento de Colunas

Dimensionamento de Colunas Dimensionamento de Colunas Coluna de Pratos Prof. Universidade Federal do Pampa BA310 Curso de Engenharia Química Campus Bagé 27 de setembro de 2016 Colunas de Pratos 1 / 30 Introdução Colunas de Pratos

Leia mais

Mecanização da Pulverização. Eng. Agr.Jairo da Costa Moro Máquinas Agrícolas Jacto S.A

Mecanização da Pulverização. Eng. Agr.Jairo da Costa Moro Máquinas Agrícolas Jacto S.A Eng. Agr.Jairo da Costa Moro Máquinas Agrícolas Jacto S.A Mercado de defensivos Agrícolas 2014 - Brasil - O mercado brasileiro comercializou o valor total de US$12,25 bilhões em defensivos agrícolas. Fonte:

Leia mais

HIDRÁULICA 2/7/2007 1

HIDRÁULICA 2/7/2007 1 HIDRÁULICA 1 Introdução Vem se destacando e ganhando espaço como um meio de transmissão de energia nos mais variados segmentos do mercado. Áreas de automatização foram possíveis com a introdução da hidráulica

Leia mais

Controle! 23/09/2016. Métodos de Aplicação de Agrotóxicos. Agrupar Via sólida Via líquida Via gasosa

Controle! 23/09/2016. Métodos de Aplicação de Agrotóxicos. Agrupar Via sólida Via líquida Via gasosa UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA Campus de Jaboticabal Depto. Fitossanidade V Semana Acadêmica das Ciências Agrárias Minicurso: Tecnologia de Aplicação de Produtos Fitossanitários Classificação de Métodos

Leia mais

TECNOLOGIA DE APLICAÇÃO DE AGROTÓXICOS NA CITRICULTURA

TECNOLOGIA DE APLICAÇÃO DE AGROTÓXICOS NA CITRICULTURA TECNOLOGIA DE APLICAÇÃO DE AGROTÓXICOS NA CITRICULTURA HAMILTON HUMBERTO RAMOS Diretor Geral do Instituto Agronômico TECNOLOGIA DE APLICAÇÃO DE PRODUTOS FITOSSANITÁRIOS Emprego de todos os conhecimentos

Leia mais

Prof. Dr. Casimiro Dias Gadanha Jr. DER/ESALQ/USP

Prof. Dr. Casimiro Dias Gadanha Jr. DER/ESALQ/USP LER 432 Máquinas e Implementos Agrícolas TÓPICO: Máquinas para Aplicação de Produtos Fitossanitários Prof. Dr. Casimiro Dias Gadanha Jr. DER/ESALQ/USP AGROTÓXICO Sinônimos: Produto Fitossanitário Pesticida

Leia mais

GLADIADOR Melhor relação peso/potência da categoria

GLADIADOR Melhor relação peso/potência da categoria GLADIADOR 2300 Melhor relação peso/potência da categoria Catálogo virtual Português Ago/2016 GLADIADOR 2300 O pulverizador autopropelido Gladiador 2300 apresenta grande autonomia de trabalho, possibilitando

Leia mais

MÁQUINAS E EQUIPAMENTOS

MÁQUINAS E EQUIPAMENTOS MÁQUINAS E EQUIPAMENTOS AULA 01 - APRESENTAÇÃO Mundi - Centro de Formação Técnica Unidade Vitória da Conquista BA Curso Técnico de Edificações APRESENTAÇÃO Philipe do Prado Santos - contato@philipeprado.eng.br

Leia mais

Aula 03. Dimensionamento da Tubulação de Distribuição de Ar Comprimido

Aula 03. Dimensionamento da Tubulação de Distribuição de Ar Comprimido Aula 03 Dimensionamento da Tubulação de Distribuição de Ar Comprimido 1 - Introdução A rede de distribuição de ar comprimido compreende todas as tubulações que saem do reservatório, passando pelo secador

Leia mais

Lashing & Lifiting. Ferramentas tensionadoras

Lashing & Lifiting. Ferramentas tensionadoras Lashing & Lifiting Ferramentas tensionadoras FN-114T (Peça No. 008810) A FN tem uma faca de corte embutida. Como as fitas estão separadas durante o tensionamento, é possível usar tal ferramenta em fitas

Leia mais

AUTO-COMPACTADOR BASCULANTE

AUTO-COMPACTADOR BASCULANTE AUTO-COMPACTADOR BASCULANTE GENERALIDADES A nossa gama extensiva de produtos de primeira qualidade não só oferece uma solução individual, mas uma forma de soluções completas de sistemas. O Grupo-MOFIL

Leia mais

Pulverizador Autopropelido STRONGER be strong, be KUHN

Pulverizador Autopropelido STRONGER be strong, be KUHN Pulverizador Autopropelido STRONGER 3000 www.kuhn.com be strong, be KUHN REEL STRONGER COMMERCIAL 3030 3036 3040 PERFEITA APLICAÇÃO, MAIOR BARRA DE PULVERIZAÇÃO, MENOR CONSUMO Pensou em tecnologia, pensou

Leia mais

Inseticida de contato e adjuvante / espalhante adesivo, do grupo químico hidrocarbonetos alifáticos PRAGAS. Cochonilha-cabeça-deprego

Inseticida de contato e adjuvante / espalhante adesivo, do grupo químico hidrocarbonetos alifáticos PRAGAS. Cochonilha-cabeça-deprego Composição: Mistura de hidrocarbonetos parafínicos, ciclo parafínicos e aromáticos saturados e insaturados provenientes da destilação do petróleo (ÓLEO MINERAL)...800 ml/l (80% v/v) Ingredientes inertes...200

Leia mais

SACA POLIAS TORVEL MODELO: SPT

SACA POLIAS TORVEL MODELO: SPT MODELO: SPT - 1000 SPT-1000 1 Índice 1.0. Considerações Gerais...3 1.1. Instruções de Recebimento...3 1.2. A segurança em Foco...3 2.1. Dados Técnicos...4 2.2. Descrição do Produto...5 2.3. Composição

Leia mais

INFORMATIVO CORRENTE COROA E SABRE

INFORMATIVO CORRENTE COROA E SABRE INFORMATIVO BOLETIM 15 /13 ASSISTÊNCIA TÉCNICA FOLHAS: 06 ASSUNTO CORRENTE COROA E SABRE MOTIVO: Informar e orientar o consumidor sobre a composição e função das peças do conjunto de corte de uma motosserra.

Leia mais

3. Máquinas Agrícolas

3. Máquinas Agrícolas 3.2. Máquinas de distribuição Trabalho: distribuem produtos à superfície do terreno (por vezes enterrado) Tipos de máquinas de distribuição distribuidores de estrume sólido distribuidores de estrume líquido

Leia mais

RECOMENDAÇÕES NA INSTALAÇÃO DE BOMBAS MARRUCCI EM CIRCUITO HIDRÁULICO COM CILINDROS SOB A CAÇAMBA BAIXA PRESSÃO

RECOMENDAÇÕES NA INSTALAÇÃO DE BOMBAS MARRUCCI EM CIRCUITO HIDRÁULICO COM CILINDROS SOB A CAÇAMBA BAIXA PRESSÃO INFORMATIVO TÉCNICO N 017/09 INFORMATIVO TÉCNICO RECOMENDAÇÕES NA INSTALAÇÃO DE BOMBAS MARRUCCI EM CIRCUITO HIDRÁULICO COM CILINDROS SOB A CAÇAMBA BAIXA PRESSÃO ------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------INDÚSTRIAS

Leia mais

BOMBAS. Definições. ALTURA DE SUCÇÃO (H S ) - Desnível geométrico (altura em metros), entre o nível dinâmico da captação e o bocal de sucção da bomba.

BOMBAS. Definições. ALTURA DE SUCÇÃO (H S ) - Desnível geométrico (altura em metros), entre o nível dinâmico da captação e o bocal de sucção da bomba. BOMBAS Definições ALTURA DE SUCÇÃO (H S ) - Desnível geométrico (altura em metros), entre o nível dinâmico da captação e o bocal de sucção da bomba. OBS.: Em bombas centrífugas normais, instaladas ao nível

Leia mais

AULAS 11 e 12 SISTEMAS DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA ÓRGÃOS DE MANOBRA E CONTROLO CÂMARAS DE PERDA DE CARGA, ESTAÇÕES ELEVATÓRIAS E SOBREPRESSORAS EXEMPLOS

AULAS 11 e 12 SISTEMAS DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA ÓRGÃOS DE MANOBRA E CONTROLO CÂMARAS DE PERDA DE CARGA, ESTAÇÕES ELEVATÓRIAS E SOBREPRESSORAS EXEMPLOS SANEAMENTO Aulas 11 e 12 - Sumário AULAS 11 e 12 ÓRGÃOS DE MANOBRA E CONTROLO Tipos, função e localização. Exemplos CÂMARAS DE PERDA DE CARGA, ESTAÇÕES ELEVATÓRIAS E SOBREPRESSORAS Disposições dos órgãos

Leia mais

PRINCÍPIO DE FUNCIONAMENTO O princípio de funcionamento da redutora de pressão baseia-se no equilíbrio de duas forças opostas.

PRINCÍPIO DE FUNCIONAMENTO O princípio de funcionamento da redutora de pressão baseia-se no equilíbrio de duas forças opostas. FOCO TÉCNICO REDUTORAS DE PRESSÃO A distribuição de água da rede pública é realizada com pressões elevadas e, muitas vezes, descontínuas. Esta pressão de entrada é, geralmente, demasiado elevada e variável

Leia mais

Sistema Resistivo Diagrama de funcionamento Legendas

Sistema Resistivo Diagrama de funcionamento Legendas Sistema Resistivo Os sistemas tipo Resistivo podem ser empregados em máquinas de pequeno e médio porte que necessitem de uma lubrificação a óleo dosada e freqüente. Uma bomba de acionamento manual ou elétrico

Leia mais

Informações gerais sobre o sistema pneumático

Informações gerais sobre o sistema pneumático Definições É importante lembrar as seguintes definições e conceitos ao trabalhar no sistema pneumático do veículo: Reservatório de ar comprimido Um reservatório pressurizado contendo ar comprimido. Ele

Leia mais

MÁQUINAS HIDRÁULICAS AULA 8 CAVITAÇÃO E NPSH

MÁQUINAS HIDRÁULICAS AULA 8 CAVITAÇÃO E NPSH MÁQUINAS HIDRÁULICAS AULA 8 CAVITAÇÃO E NPSH PROF.: KAIO DUTRA Bombas Injetoras: As bombas injetoras são utilizadas normalmente em poços, onde a altura de sucção é elevada, pois diferente das bombas centrífugas

Leia mais

SUA PRODUTIVIDADE GANHA FORÇA COM A SANTAL.

SUA PRODUTIVIDADE GANHA FORÇA COM A SANTAL. SANTAL.COM.BR TRADIÇÃO DE ALTO DESEMPENHO. SUA PRODUTIVIDADE GANHA FORÇA COM A SANTAL. TECNOLOGIA RESULTADO COMPROVADO NO SETOR SUCROALCOOLEIRO. A Plantadora Santal PDM2 é mais um exemplo do espírito inovador

Leia mais

Lista de materiais. 1 Carcaça 1. 2 Placas superior e inferior 2. 3 Molde 6. 4 Roletes de suporte 2. 5 Pinos dos roletes de suporte 2.

Lista de materiais. 1 Carcaça 1. 2 Placas superior e inferior 2. 3 Molde 6. 4 Roletes de suporte 2. 5 Pinos dos roletes de suporte 2. 0 Lista de materiais Código Descrição Unidades 1 Carcaça 1 2 Placas superior e inferior 2 3 Molde 6 4 Roletes de suporte 2 5 Pinos dos roletes de suporte 2 6 Alavanca 1 7 Bolsa de peças de reposição 1

Leia mais

Chuveiro e lava-olhos de emergência: Equipamentos imprescindíveis para o manuseio de produtos químicos

Chuveiro e lava-olhos de emergência: Equipamentos imprescindíveis para o manuseio de produtos químicos Chuveiro e lava-olhos de emergência: Equipamentos imprescindíveis para o manuseio de produtos químicos Esses equipamentos são destinados a eliminar ou minimizar os danos causados por acidentes nos olhos

Leia mais

LIMPADORES ROTATIVOS

LIMPADORES ROTATIVOS Proprietário e fabricante da marca francesa LIMPADORES ROTATIVOS Proprietário das marcas : C.F.C.A.I. SAS Route de Montgérain BP 4 60420 TRICOT (France) Tél. : + 33 (0)3 44 51 53 53 Fax : + 33 (0)3 44

Leia mais

Manual de Instruções TORVEL. Série CPT. Manual de Instruções CORTADOR DE PORCAS TORVEL

Manual de Instruções TORVEL. Série CPT. Manual de Instruções CORTADOR DE PORCAS TORVEL Manual de Instruções 1 Índice 1. Considerações Gerais...3 2. A Segurança em Foco...3 e 4 3. Descrição do Produto...5 e 6 4. Utilização do...7 5. Lista de Peças...7 e 8 2 1.0 Considerações Gerais 1.1 Instruções

Leia mais

TECNOLOGIA DE CONTROLE NUMÉRICO GEOMETRIA DA FERRAMENTA

TECNOLOGIA DE CONTROLE NUMÉRICO GEOMETRIA DA FERRAMENTA TECNOLOGIA DE CONTROLE NUMÉRICO GEOMETRIA DA GEOMETRIA DA A geometria da ferramenta influencia na: Formação do cavaco Saída do cavaco Forças de corte Desgaste da ferramenta Qualidade final da peça GEOMETRIA

Leia mais

DESMOLDANTES CARACTERÍSTICAS E MÉTODOS DE APLICAÇÕES

DESMOLDANTES CARACTERÍSTICAS E MÉTODOS DE APLICAÇÕES DESMOLDANTES CARACTERÍSTICAS E MÉTODOS DE APLICAÇÕES APRESENTAÇÃO A ACMOS DO BRASIL é uma empresa fabricante de desmoldantes e lubrificantes para as indústrias de borrachas. A fábrica está localizada em

Leia mais

Física I 2010/2011. Aula 18. Mecânica de Fluidos I

Física I 2010/2011. Aula 18. Mecânica de Fluidos I Física I 2010/2011 Aula 18 Mecânica de Fluidos I Sumário Capítulo 14: Fluidos 14-1 O que é um Fluido? 14-2 Densidade e Pressão 14-3 Fluidos em Repouso 14-4 A Medida da pressão 14-5 O Princípio de Pascal

Leia mais

ARBORICULTURA II. Manutenção do Solo 1ªParte

ARBORICULTURA II. Manutenção do Solo 1ªParte ARBORICULTURA II Manutenção do Solo 1ªParte 2004-2005 As técnicas de manutenção do solo Mobilização Solo sem vegetação Sem mobilização Herbicida total Orgânico Mulching Inerte Solo coberto Cobertura vegetal

Leia mais

FUNDIÇÃO POR CENTRIFUGAÇÃO

FUNDIÇÃO POR CENTRIFUGAÇÃO FUNDIÇÃO POR CENTRIFUGAÇÃO Rscp/labats/demec/ufpr/2017 O processo de fabricação por centrifugação consiste em vazar-se metal líquido num molde dotado de movimento de rotação, de modo que a força centrífuga

Leia mais

Especificação Técnica do Alimentador de Fluxantes para Máquinas de Lingotamento Contínuo de Placas

Especificação Técnica do Alimentador de Fluxantes para Máquinas de Lingotamento Contínuo de Placas Especificação Técnica do Alimentador de Fluxantes para Máquinas de Lingotamento Contínuo de Placas 1.0. Especificação Técnica: 1.1. Descrição Funcional O alimentador de fluxantes, que é montado em um carro

Leia mais

ANÁLISE GRANULOMÉTRICA (Dispersão Total)

ANÁLISE GRANULOMÉTRICA (Dispersão Total) 12 ANÁLISE GRANULOMÉTRICA (Dispersão Total) 12.1 Método do densímetro 12.2.1 Princípio Baseia-se na sedimentação das partículas que compõem o solo. Após a adição de um dispersante químico, fixa-se um tempo

Leia mais

2. Classificação, Descrição e Elementos Construtivos. 2.1 Definição e Classificação de Máquinas de Fluido

2. Classificação, Descrição e Elementos Construtivos. 2.1 Definição e Classificação de Máquinas de Fluido 2. Classificação, Descrição e Elementos Construtivos 2.1 Definição e Classificação de Máquinas de Fluido Uma máquina pode ser definida como um transformador de energia. Nas máquinas de fluido ocorre a

Leia mais

T-802XXX. Carga Minima (Kg) Deflexão / mm

T-802XXX. Carga Minima (Kg) Deflexão / mm 10.17 APOIOS ANTIVIBRÁTEIS T-802XXX Suportes de teto tg & tm geral: As séries TG e TM são concebidas para evitar a transmissão de vibrações de unidades de ar condicionado e de qualquer outro equipamento

Leia mais

MACACOS E BOMBAS HIDRÁULICAS

MACACOS E BOMBAS HIDRÁULICAS MACACOS E BOMBAS HIDRÁULICAS Macacos e Bombas Hidráulicas Rolos Transportadores Escolha Produtos Normalizados. Os nossos equipamentos cumprem com as directivas da CE. Os Macacos e Bombas Hidráulicas apresentados

Leia mais

BALDES PARA GRAXA. Descrição

BALDES PARA GRAXA. Descrição BALDES PARA GRAXA Balde de Graxa Oval 18 kg Ref.: 1100 Balde manual de graxa com acionamento por alavanca, com recipiente oval construído em chapas metálicas, com capacidade de 18 kg, bomba em ferro fundido

Leia mais

FUNCIONAL E DE FÁCIL UTILIZAÇÃO. Seja o fluxo de ar como o fluxo de óleo, podem ser individualmente ajustados em cada módulo.

FUNCIONAL E DE FÁCIL UTILIZAÇÃO. Seja o fluxo de ar como o fluxo de óleo, podem ser individualmente ajustados em cada módulo. CARACTERÍSTICAS VAZÃO CONSTANTE MESMO COM A VARIAÇÃO DA PRESSÃO NA ENTRADA E NA SAÍDA. CONTROLE INDEPENDENTE EM CADA MÓDULO A VÁLVULA DE EQUALIZAÇÃO DE PRESSÃO É CAPAZ DE MANTER UM FLUXO CONSTANTE DE ÓLEO,

Leia mais

NEW HOLLAND TT TT384O

NEW HOLLAND TT TT384O NEW HOLLAND TT TT384O 2 3 PERFEITO PARA A SUA LAVOURA, DO TAMANHO DA SUA NECESSIDADE. O TT384O foi projetado para atender às suas necessidades mais específicas no campo. Com 55 cavalos, ele é robusto,

Leia mais

55. X X X X. XXX. líquido: 1 - glicerina 2 - seco

55. X X X X. XXX. líquido: 1 - glicerina 2 - seco Manômetros Balflex Os manômetros Balflex são utilizados para medição de pontos com pressão dinâmica, pulsação ou com vibrações elevadas, na hidráulica ou em compressores. A gama de manômetros Balflex é

Leia mais

Aço Inoxidável Ferrítico com 11% de Cromo para Construção Soldada. Columbus Stainless. Nome X2CrNil2. Elementos C Mn Si Cr Ni N P S

Aço Inoxidável Ferrítico com 11% de Cromo para Construção Soldada. Columbus Stainless. Nome X2CrNil2. Elementos C Mn Si Cr Ni N P S Aço Inoxidável Ferrítico com 11% de Cromo para Construção Soldada ArcelorMittal Inox Brasil S.A. Ugine S.A. Columbus Stainless P410D F12N 3CR12 * equivalência aproximada Designação Européia NF EN 10088-2

Leia mais

MANUAL DE INSTRUÇÕES MÁQUINA PARA TRATAMENTO DE CEREAIS TN-70

MANUAL DE INSTRUÇÕES MÁQUINA PARA TRATAMENTO DE CEREAIS TN-70 MANUAL DE INSTRUÇÕES MÁQUINA PARA TRATAMENTO DE CEREAIS TN-70 INTRODUÇÃO A MAKNINJA é uma máquina criada para melhorar e proteger os cereais no plantio de várias culturas, com os mesmos tratados a planta

Leia mais

Física II Eng. Química + Eng. Materiais

Física II Eng. Química + Eng. Materiais Física II Eng. Química + Eng. Materiais 1. Princípio de Pascal Uma pressão externa aplicada a um fluido confinado é transmitida igualmente a todos os pontos do fluido (desprezando o efeito da gravidade).

Leia mais

3 ESCOAMENTOS SOB PRESSÃO

3 ESCOAMENTOS SOB PRESSÃO 3 ESCOAMENTOS SOB PRESSÃO PROBLEMA 3.1 Dois reservatórios estão ligados por uma tubagem com os acidentes e a disposição indicados na figura. Proceda ao traçado qualitativo das linhas de energia e piezométrica

Leia mais

Metalúrgica do Eucalípto Nesprido - Viseu Tel /

Metalúrgica do Eucalípto Nesprido - Viseu Tel / www.metlor.com Caldeira a Pellets aqualuxo Informações de segurança Atenção: o interior da máquina pode atingir em funcionamento elevadas temperaturas que provocam queimaduras graves, manter crianças afastadas

Leia mais

New Holland TT TT384O

New Holland TT TT384O New Holland TT TT384O 2 3 Perfeito para a sua lavoura, do tamanho da sua necessidade. O TT384O foi projetado para atender às suas necessidades mais específicas no campo. Com 55 cavalos, ele é robusto,

Leia mais

pulverizadores dorsais de pressão retida

pulverizadores dorsais de pressão retida pulverizadores dorsais de pressão retida Super Green 12 Super Green 16 Capacidade total e útil: 12 e 16 litros respectivamente. Regulador de pressão (regulável a 1,5 bar-3 bar e passagem livre). Conexões

Leia mais

FUNDIÇÃO POR CENTRIFUGAÇÃO

FUNDIÇÃO POR CENTRIFUGAÇÃO FUNDIÇÃO POR CENTRIFUGAÇÃO O processo de fabricação por centrifugação consiste em vazar-se metal líquido num molde dotado de movimento de rotação, de modo que a força centrífuga origine uma pressão além

Leia mais