John Deere Training. Guia do Aluno. Pulverização Fundamento - Português CSP-20-SN2GCQAP Maio, 2009

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "John Deere Training. Guia do Aluno. Pulverização Fundamento - Português CSP-20-SN2GCQAP Maio, 2009"

Transcrição

1 John Deere Training Guia do Aluno CSP-20-SN2GCQAP Maio, 2009 Copyright 2009 Deere & Company Este material é de propriedade da Deere & Company. O uso, divulgação e/ou reprodução não especificamente autorizado pela Deere & Company está proibido. Todas as informações, ilustração e especificações contidas neste manual baseiam-se nas informações mais recentes disponíveis na ocasião da publicação. Está reservado o direito de fazer alterações em qualquer momento sem aviso. IMPRESSO NO BRASIL

2

3 Índice I. Treinamento... 4 A. Objetivos... 4 B. Material necessário... 4 C. Conteúdos... 4 D. Métodos... 4 E. Comentário geral... 4 F. Pré-requisitos do estudante... 4 II. Esboço dos Procedimentos Específicos... 5 Maio, 2009 CSP-20-SN2GCQAP 3

4 A. Objetivos I. Treinamento O objetivo deste curso é dar aos alunos as ferramentas que estes necessitam para ajudar clientes a tomar melhores decisões relativas à pulverização. B. Material necessário Nenhum C. Conteúdo 1. Conceitos de tecnologia de aplicação 2. DMV 3. Classes de tamanho de gotas 4. Deriva 5. Penetração 6. Influência do clima nas aplicações 7. Monitoramento climático 8. Distribuição da pulverização 9. Tipos básicos de pontas de pulverização e modelos da linha JD correspondentes D. Métodos Distance Learning Classroom (DLC) com duração aproximada de 02 horas. E. Comentário geral Durante o curso serão realizadas algumas atividades de interação e dinâmicas como parte das atividades práticas e com o objetivo de avaliar o conhecimento do aluno. F. Pré-requisitos do estudante Nenhum Maio, 2009 CSP-20-SN2GCQAP 4

5 Pulverização- Fundamentos- Português Maio Objetivos deste módulo 1 Introduzir o conhecimento básico sobre tecnologia de aplicação 2 Mostrar os conceitos que serão utilizados na escolha e recomendação de pontas 3 Apresentar os tipos básicos de pontas de pulverização, e os modelos de pontas da linha SprayParts correspondentes 2 Fundamentos de aplicação de defensivos Problema fitossanitário Qualquer doença, praga ou erva daninha que possa comprometer a sanidade, a produtividade e o resultado financeiro da lavoura 3 Maio, 2009 CSP-20-SN2GCQAP 5

6 Tratamento fitossanitário Medida tomada para prevenir ou controlar o problema fitossanitário, consistindo em: - Manejo e Tratos culturais ou - Aplicação de Defensivos 4 Defensivos agrícolas Produtos químicos ou biológicos que têm a finalidade de controlar os problemas fitossanitários. Tipos de defensivos Inseticidas Acaricidas Nematicidas Fungicidas Herbicidas Outros 5 Modo de aplicação dos defensivos Pré Plantio incorporado Pré emergente Pós emergente 6 Maio, 2009 CSP-20-SN2GCQAP 6

7 Modo de aplicação dos defensivos Aplicação em área Total Aplicação dirigida Aplicação em faixas 7 Modo de aplicação dos defensivos Aplicação em área total 8 Modo de aplicação dos defensivos Aplicação dirigida Inseticida / fungicida no milho 9 Maio, 2009 CSP-20-SN2GCQAP 7

8 Modo de aplicação dos defensivos Aplicação em faixas Herbicida no algodão 10 Modo de aplicação dos defensivos Aplicação dirigida Herbicida em algodão 11 Modo de ação dos defensivos Contato Não se movimenta na circulação da planta Somente age no local onde foi aplicado Sistêmico É absorvido Circula pela planta Age mesmo onde não foi aplicado. Circulação do produto sistêmico 12 Maio, 2009 CSP-20-SN2GCQAP 8

9 Modo de translocação dos defensivos sistêmicos Translocação acropetal Das partes inferiores para as superiores - Apenas sobem -Não descem Ex.: Fungicidas Triazóis Translocação acropetal 13 Modo de translocação dos defensivos sistêmicos Translocação basipetal Das partes superiores para as partes inferiores - Apenas descem - Não sobem Ex.: Herbicida Glifosato Translocação basipetal 14 Modo de translocação x Necessidade de penetração Defensivos de translocação acropetal: - Gotas menores melhor penetração -Maior risco deriva Defensivos de translocação basipetal: - Gotas maiores - Penetração não é limitante - Menor risco deriva 15 Maio, 2009 CSP-20-SN2GCQAP 9

10 Cobertura do alvo = Gotas/cm2 ou Percentagem de área coberta Avaliação Papel Sensível a água O papel é amarelo, e onde caem as gotas ele se torna azul escuro Papel Sensível 16 Modo de ação x Cobertura necessária Defensivos de contato Exigem maior cobertura: acima de 50 gotas/cm Defensivos sistêmicos Pode ser aplicado com menor cobertura: acima de 25 gotas/cm. (1 cm 2 ) (1 cm 2 ) 17 Pulverização É um processo mecânico que visa quebrar um grande volume de líquido em um grande número de partículas de pequeno volume (Gotas) 18 Maio, 2009 CSP-20-SN2GCQAP 10

11 Por que se pulveriza? - Com o mesmo volume de líquido - Maior área da superfície tratada - Maior eficiência na distribuição do produto 19 Aplicação de defensivo Fazer o defensivo atingir o alvo na quantidade necessária, bem distribuído neste alvo e com o mínimo possível de perdas no processo Aplicação de defensivo Aplicação técnica Gotas de tamanho adequado Bem distribuídas Condições climáticas adequadas Boa penetração Boa cobertura 21 Maio, 2009 CSP-20-SN2GCQAP 11

12 Lembre-se Aplicação Técnica Escolha correta da ponta e pressão Tamanho de gotas adequado - Ao defensivo - A situação da lavoura - Ao clima. 22 Lembre-se Aplicação técnica Pulverizador Regulagem e Calibração frequente resultado esperado 23 O Timming das aplicações e sua importância Timming = Momento ideal para se aplicar o defensivo Ervas daninhas Insetos Fungos se multiplicam Atraso no controle = prejuízo 24 Maio, 2009 CSP-20-SN2GCQAP 12

13 Rendimento operacional efetivo O rendimento operacional de uma máquina = ha/h Função de: Velocidade de trabalho Largura da Barra Tempo de manobras Tempo de abastecimento Tempo de deslocamento até o local de abastecimento (Nesse aspecto, o pulverizadores 4630 e estão muito bem colocados) 25 Rendimento operacional efetivo x Timming Maior rendimento = aplicação mais rápida Aplicação mais rápida = melhor controle (Trata-se de um grande argumento de vendas para os nossos pulverizadores!) 26 Tópicos abordados até o momento - Problema Fitossanitário - Tratamento Fitossanitário - Defensivos Agrícolas - Tamanho de Gotas e Cobertura Exigidas - Pulverização x Aplicação de Defensivo - Timming das Aplicações - Rendimento Operacional do Pulverizador 27 Maio, 2009 CSP-20-SN2GCQAP 13

14 Dúvidas? 28 Tamanho de gotas Um Micrômetro ( m) = um milésimo de milímetro. Um fio de cabelo: ø = ±100 m Medição: Laboratório e raio laser PMS- Particle Measuring Systems Droplet shadow imaging 29 Tamanho de gotas Tamanho comparativo Tamanho Tamanho relativo Pulverização Classe gotas Ponta de agulha 25 µm Neblina Muito fina Cabelo Humano 100 µm Nevoa fina Fina Linha de costura 150 µm Chuva fina Fina Grampo 420 µm Chuva leve Muito Grossa 30 Maio, 2009 CSP-20-SN2GCQAP 14

15 Tamanho de gotas Pulverização as gotas são desuniformes Em cada medição determinam-se os vários tamanhos 31 Tamanho de gotas É importante entender DMV ou DV0,5 PRD 32 DMV OU DV0,5 = Diâmetro Mediano Volumétrico, ou Diâmetro 50% Volumétrico µm = 1 lt 0,5 LT 1/2 lt DMV OU DV0,5 0,5 LT 1/2 lt 33 Maio, 2009 CSP-20-SN2GCQAP 15

16 DMV ou DV0,5 = Diâmetro Mediano Volumétrico, ou Diâmetro 50% Volumétrico Metade do volume: gotas > DMV = DMV Metade do volume: gotas < DMV 34 PRD = Potencial de Risco de Deriva = percentual do volume pulverizado com gotas inferiores a 150 m Podemos comparar: - Diferentes pontas na mesma pressão - Diferentes pressões na mesma ponta 35 Provavelmente nesta hora já tem vários aí se perguntando Puxa vida! Tamanho de gotas O QUE EU TENHO A VER COM ISSO?? 36 Maio, 2009 CSP-20-SN2GCQAP 16

17 Calma Tamanho de gotas é essencial para a escolha e recomendação de pontas que faremos para nossos clientes. Ah bom 37 Classes de tamanho de gotas Quadro Resumo CLASSE DA PULVERIZAÇÃO SIMBOLO COR DMV APROXIMADO PRD APROXIMADO Muito fina MF <100 >57% Fina F % Média M ,7-20 Grossa G ,9-5,6 Muito Grossa MG <2,9 Extremamente Grossa EG > Classes de tamanho de gotas Exemplos de visualizações no papel sensível GOTAS MUITO GROSSAS GOTAS GROSSAS GOTAS MÉDIAS GOTAS FINAS GOTAS MUITO FINAS 39 Maio, 2009 CSP-20-SN2GCQAP 17

18 Classes de tamanho de gotas Exemplos de visualizações no papel sensível GOTAS MUITO FINAS GOTAS FINAS GOTAS MÉDIAS GOTAS GROSSAS GOTAS MUITO GROSSAS 40 Classes de tamanho de gotas Catálogo de Pontas de Pulverização Tipos de pontas Quadros de Classes de gotas x pressão 41 Classes de tamanho de gotas Quadro: Classes de gotas da ponta UL 120º PSULA (Catálogo Spraymaster pag.12) 42 Maio, 2009 CSP-20-SN2GCQAP 18

19 Classes de tamanho de gotas PSERI 110º Jato Leque Plano Afilado ERI 1001 ERI ERI 1002 ERI 1003 ERI 1004 ERI 1005 ERI 1006 ERI 1008 ERI ERI (Adaptado do Guia de Bolso para Pulverização Agricola Hypro) 43 Revisão tópicos abordados até o momento Tamanho de gotas - DMV - PRD - Classes de gotas - Quadros de classes de Gotas 44 Dúvidas? 45 Maio, 2009 CSP-20-SN2GCQAP 19

20 Influência do clima nas pulverizações Temperatura, vento e umidade relativa influenciam na evaporação das gotas Deriva das gotas Quantidade de gotas no alvo Tamanho de gotas no alvo Penetração das gotas no alvo 46 Influência do clima nas pulverizações Tempo de Vida e Distância de Queda das Gotas em Duas Situações Climáticas Tamanho das Gotas Tamanho Relativo Diâmetro inicial Temperatura = 20 C Umidade Relativa = 80% Tempo até extinção Condições Ambientais Distância de queda Temperatura = 30 C Umidade Relativa = 50% Tempo até extinção Distância de queda 50 µm 12,5 seg 0,13 m 3,5 seg 0,032 m 100 µm 50,0 seg 6,7 m 16 seg 1,8 m 200 µm 200,00 seg 81,7 m 65,9 seg 21,0 m 47 Influência do clima nas pulverizações Baixa temperatura Alta umidade Alta temperatura Baixa umidade do ar Vento Vento Desaparecem 48 Maio, 2009 CSP-20-SN2GCQAP 20

21 Influência do clima nas pulverizações Teste em campo Altura da barra x Cobertura do alvo Maior altura Maior perda por evaporação 49 Influência do clima nas pulverizações Evaporaçao das gotas!! 50 l/ha a 6 km/h Pressão 4 BAR Altura da barra: 70 cm do alvo 50 l/ha a 6 km/h Pressão 4 BAR Altura da barra: 120 cm do alvo 50 Influência do clima nas pulverizações Temperatura x Horário do dia 51 Maio, 2009 CSP-20-SN2GCQAP 21

22 Influência do clima nas pulverizações Umidade Relativa x Horário do dia 52 Influência do clima nas pulverizações Velocidade de Vento x Horário do dia 53 Condições climáticas x Horário de aplicações SEGURA NÃO RECOMENDADO SEGURA 54 Maio, 2009 CSP-20-SN2GCQAP 22

23 Monitoramento climático Kestrel 4500 Armazena e transfere os dados geração de gráficos Kestrel Monitoramento climático Outros modelos de estações climáticas portáteis 56 Monitoramento climático Reduz as perdas por deriva e evaporação nas aplicações Kestrel 4500 Evite aplicações se: TEMPERATURA 30 ºC UMIDADE DO AR 50 % Kestrel Maio, 2009 CSP-20-SN2GCQAP 23

24 Inversão térmica O que é? Fenômeno climático caracterizado por - Ausência de ventos - Ausência de troca entre as camadas de ar 58 Inversão térmica Qual o problema da inversão térmica? - Asgotasnãodescem e não penetram na lavoura - Risco elevado de deriva para áreas vizinhas 59 Inversão térmica Como identificar? - Se hover ausência de ventos faça uma fumaça e observe o comportamento. - Se a fumaça deitar formando uma camada horizontal indica a ocorrência de inversão não pulverize Própria Imprópria 60 Maio, 2009 CSP-20-SN2GCQAP 24

25 Deriva = Movimento do produto para fora doalvonomomentodaaplicação 61 Deriva Pontas mal escolhidas para a velocidade do trabalho pressão em excesso Deriva em excesso 62 Deriva Deriva na aplicação de herbicidas Por que se preocupar - Reduz o controle da praga - Desperdício do produto químico - Danos a culturas vizinhas - Demandas na justiça - Elevação nos custos de produção - Maiores Ventos?? (Horário) - Impacto ambiental - Qualidade da água e do ar - Imagem negativa de defensivos pela população - Pulverização próximas á áreas populosas 63 Maio, 2009 CSP-20-SN2GCQAP 25

26 Distribuição sob a barra Boa aplicação Tamanho correto de gotas Horário adequado Aplicação uniforme sob a barra 64 Distribuição sob a barra Distribuição uniforme das gotas Controle uniforme da praga/doença ou erva daninha. Distribuição desuniforme das gotas Falhas no controle Reinfestação rápida da praga, doença ou erva daninha. 65 Distribuição sob a barra Mesa de checagem de distribuição Possui 20 canaletas de 5 cm de largura Deita-se a mesa sob a barra Levanta-se a mesa Visualiza-se ou anota-se a distribuição 66 Maio, 2009 CSP-20-SN2GCQAP 26

27 Distribuição sob a barra Distribuição individual Ponta de jato leque acúmulo no centro Distribuição Individual 67 Distribuição sob a barra Cruzamento adequado entre os leques Uniformização da distribuição 68 Distribuição sob a barra Altura ótima de pulverização Cruzamento de 50% nos leques Alvo 50% Sobreposição 69 Maio, 2009 CSP-20-SN2GCQAP 27

28 Distribuição sob a barra Cruzamento adequado dos leques Ângulo dos leques Espaçamento entre pontas Altura correta da barra Maior ângulo menor altura Maior espaçamento Maior altura 70 Distribuição sob a barra Angulos dos leques: 80, 110 ou 120 graus. Maior ângulo: Maior cruzamento Aceita menores alturas Pontas 80º, E = 50 cm Pontas 110º, E = 50 cm 71 Distribuição sob a barra Pontas 110 Relação E H 1 E Pontas LD 1002 (110 ) 50 cm entre bicos altura da barra 50 cm H 72 Maio, 2009 CSP-20-SN2GCQAP 28

29 Distribuição sob a barra Alturas Ótimas x Espaçamento entre Pontas e Ângulo dos leques (Catálogo Spraymaster, pág. 36) 73 Coeficiente de variação da distribuição sob a barra CV = Coeficiente de variação CV = zero Distribuição perfeita Padrões mínimos: Europa:Máximo 9% (em laboratório)*¹ Brasil: Máximo 15% (no campo) *² Ideal: < 10% *1 Norma da BBA Alemanha *2 Sugestão da COMAM 74 Distribuição sob a barra Boa distribuição - Boa relação espaça_ mento e altura. - Pontas novas - Pouca oscilação da barra Distribuição Irregular - Barra muito baixa - Espaçamento entre bicos variados -Pontas desgastadas Distribuição muito irregular - Pontas diferentes - Pontas danificadas - Grandes oscilações na altura da barra 75 Maio, 2009 CSP-20-SN2GCQAP 29

30 Influência do volume de aplicação no rendimento operacional Volume de aplicação: L/ha aplicados na pulverização Quais os volumes de aplicação mais utilizados? Centro-oeste: 80 a 300 l/ha Fungicidas e inseticidas na soja 100 a 200 l/ha Dessecação com Glifosato 60 a 100 l/ha Inseticidas (milho adulto) 200 a 300 l/ha Inseticidas no algodão 60 a 150 l/ha 76 Riscos e benefícios do sistema de baixa vazão Menor o volume de aplicação maior rendimento operacional Exemplo: em 1000 ha, tanque de 2000 lts 100 l/ha reabastece a cada 20 ha 50 abastecimentos 200 l/ha reabastece a cada 10 ha 100 abastecimentos 77 Riscos e benefícios do sistema de baixa vazão Porque não se trabalha sempre com as menores vazões, 60 ou 100 l/ha por exemplo? Menores vazões menores tamanhos de gotas. Menores tamanhos de gotas: Maior risco de perdas por deriva e evaporação das gotas, Necessidade de maior cuidado com as condições climáticas durante as aplicações. 78 Maio, 2009 CSP-20-SN2GCQAP 30

31 Revisão tópicos abordados até o momento - Influência do clima nas pulverizações - Inversão térmica - Distribuição sob a barra - Volume de aplicação x Rendimento operacional 79 Dúvidas? 80 Pontas de pulverização 81 Maio, 2009 CSP-20-SN2GCQAP 31

32 Pontas de pulverização Iremos tratar aqui das pontas hidráulicas, isto é, que utilizam a pressão do líquido para realizar a quebra das gotas. Essas pontas podem ser classificados quanto a forma do jato em: Pontas de jato cônico Pontas de Jato Leque Cone Cheio Cone Vazio Defletoras Leque comum 82 Diferença entre ponta e bico de pulverização Corpo de bico Bico Filtro Anel de vedação Ponta Capa 83 Corpos de bico Dois padrões Barra Úmida Barra Seca 84 Maio, 2009 CSP-20-SN2GCQAP 32

33 Unidades de pressão PSI Sistema Inglês de medidas = Pounds per Square Inch (=Libras força/polegada quadrada). No Brasil = Libras (popular) ou BAR Sistema Internacional de Medidas 1,0 BAR = 14,5 PSI (Libras força/pol²) 1 BAR = 100 KPAS 85 Unidades de volume e vazão Unidades de volume Litros (sistema internacional) Galão (sistema americano) 1,0 Galão = 3,785 Litros Unidades de vazão Litros por minuto (l/min ou lpm) Galões por minuto (gal/min ou gpm) 86 Sistema de pulverização John Deere Tanque água limpa Tanque solução Fluxômetro Válvulas de Seções Agitador es Conjunto de Bicos Monitor GS2 Bomba de Pulverização 87 Maio, 2009 CSP-20-SN2GCQAP 33

34 Nomenclatura das pontas de pulverização Modelo Marca (fabricante) Vazão = galões/min a 40 PSI Ângulo em graus 88 Cores das pontas e a norma ISO Cor da ponta leque vazão da ponta Jato cônico: em adoção COR DA PONTA Vazão a 3 BAR em l/min (Sistema Internacional) Vazão a 40 PSI em Gal/min (Sistema Americano) LARANJA 0,39 l/min 0,1 gal/min VERDE 0,59 l/min 0,15 gal/min AMARELO 0,79 l/min 0,2 gal/min AZUL 1,18 l/min 0,3 gal/min VERMELHO 1,58 l/min 0,4 gal/min MARROM MARRON 1,97 l/min 0,5 gal/min CINZA 2,37 l/min 0,6 gal/min BRANCO 3,16 l/min 0,8 gal/min 89 John Deere Spray Parts Nova Nomenclatura Nova impressão nas capas de engate rápido PS = Precision Spray LDA = Low Drift Air Q = Conjunto capa+anel +filtro +ponta 10 = Ângulo de 110º 05 = Vazão 05 (0.5 galões /min a 40 PSI) 90 Pulverização-Fundamentos-Português Maio 2009 Maio, 2009 CSP-20-SN2GCQAP 34

35 NOVO RÓTULO DAS EMBALAGENS ZONA 1 Informações básicas do produto Nome do produto Taxa de aplicação e pressão Ângulo de Pulverização Quantidade, código, data, rastreabilidade, outros ZONA 2 Padrões de Aplicação Jato Plano de beiradas afiladas Jato plano uniforme Cone vazio ZONA 3 Indicações de uso Controle de Plantas daninhas Aplicações de fertilizantes Controle de Doenças Jato sólido Controle de Insetos ZONA 4a Característica do produto Leque duplo ZONA 4b Característica do produto Jato com indução de ar ZONA 5 Classes de tamanho de gotas ( Norma ASBE S572) a 3 bar de pressão: Os ícones representam as categorias de tamanho de gotas 91 Pulverização-Fundamentos-Português Maio 2009 ( Qualidade da Pulverização):Muito Fina, fina, média, grossa,muito grossa e extremamente grossa ZONA 6 Mais informações Para detalhes e treinamento consulte o web site Matérias primas dos bicos Corpos de bico, capas e filtros - Nylon (mais resistente) - Poliacetal - Polipropileno (menos resistente) Anéis de vedação e membranas do sistema antigotejo - Viton (borracha com alta resistência a corrosão) - EPDM (borracha comum) 92 Durabilidade das pontas de pulverização Função de - Material da ponta - Pressão de trabalho - Limpeza e manutenção - Qualidade e Tecnologia 93 Maio, 2009 CSP-20-SN2GCQAP 35

36 Materias primas dos bicos Pontas de pulverização - Cerâmica - Poliacetal - PVDF (ácido resistente) - Aço Inox - Latão 94 Durabilidade das pontas de pulverização Aumento de Vazão após 50 horas de Ensaio % de aumento da vazão Latão 26% Aço Inoxidável 15% PVDF 12% Poliacetal 8% Cerâmica 5% Tempo ( horas ) Fonte: SGS Inglaterra Saint Gobain AC Material Caolin 2,5% em água Pressão: 2,8 bar 95 Durabilidade das pontas de pulverização Aumento de Vazão após 40 horas de Ensaio Termoplastico Cerâmica Poliacetal Aço Inox Zytel Latão Produto: Atrazina Pressão : 40 lbs/pol² Fonte: Robert Wolf Kansas State University USA Maio, 2009 CSP-20-SN2GCQAP 36

37 Tipos básicos de pontas de pulverização Leque sem pré-orifício Leque com pré-orifício Leque com indução de ar Defletora sem pré-orifício Defletora com pré-orifício Defletora com indução de ar Cone Vazio Cone cheio 97 Principais tipos de pontas de pulverização Ponta de jato leque sem pré-orifício Gotas muito finas a médias Mais deriva 98 Principais tipos de pontas de pulverização Ponta de jato leque sem pré-orifício Hypro/JD ERI ER F Jacto API AXI UF SF Magno POLIACETAL 99 Maio, 2009 CSP-20-SN2GCQAP 37

38 Principais tipos de pontas de pulverização Ponta de jato leque com pré-orifício Pontas anti-deriva Gotas médias a grossas Menos deriva do que pontas sem pré-orificio Função do pré orifício Reduzir pressão Aumentar tamanho das gotas Pré-orifício 100 Principais tipos de pontas de pulverização Pontas de jato leque com pré-orifício John Deere LD LDX - GUARDIAN Jacto ADI LD Magno ADGA AD 101 Principais tipos de pontas de pulverização Ponta de jato leque com indução de ar Gotas médias a extremamente grossas Menos deriva do que as pontas com pré-orifício Também possuem pré-orifício Bolhas de ar nas gotas Função do venturi 102 Maio, 2009 CSP-20-SN2GCQAP 38

39 Principais tipos de pontas de pulverização Ponta de jato leque com indução de ar Pré-orifício Orifício de entrada do líquido Orifícios de entrada de ar Venturi Câmara de turbulência Orifício de Saída 103 Principais tipos de pontas de pulverização Pontas de jato leque com indução de ar Hypro/JD LDA ULA TAQ Jacto AVI TWIN AVI BJ Magno AD-IA AD-IA D Teejet AI TTI 104 Principais tipos de pontas de pulverização Ponta defletora sem pré-orifício Leque mais aberto Pouco entupimento Funcionam bem sob baixas pressões PONTA DEFLETORA COM PRÉ- ORIFÍCIO DT Gotas muito grossas a extremamente grossas Distribuição muito uniforme. TF 105 Maio, 2009 CSP-20-SN2GCQAP 39

40 Principais Tipos de Pontas de Pulverização PONTA DEFLETORA COM INDUÇÃO DE AR TTI Exigem mais pressão Leque mais aberto Pouco entupimento Gotas extremamente grossas Risco de cobertura deficiente 106 Principais tipos de pontas de pulverização Pontas de jato cônico vazio Gotas finas a muito finas Problemas na distribuição Elevado risco de deriva Aplicações dirigidas Lanças em pulverizadores costais e pistolas, e em turbopulverizadores Baixas vazões em barras HC 107 Principais tipos de pontas de pulverização Pontas de jato leque com indução de ar Hypro/JD John Deere HC Jacto JA HC DISC & CORE Magno MAG KLC DCCP Ponta Difusor 108 Maio, 2009 CSP-20-SN2GCQAP 40

41 Principais tipos de pontas de pulverização Pontas de jato cônico cheio Gotas maiores que cone vazio Menos deriva Problemas na destribuição Aplicações dirigidas Lanças em pulverizadores costais e pistolas, e em turbopulverizadores 109 Pontas de Pulverização JOHN DEERE Tipo de Ponta MODELOS Leque Simples ERI ER F Leque com Préorifício LD LDX - GUARDIAN Leque com Indução de ar LDA ULA TAQ TAQ 110 Pulverização-Fundamentos-Português Maio 2009 Revisão tópicos abordados até o momento - Unidades de medidas - Bico x Ponta - Nomenclatura - Norma ISO Matérias primas x durabilidade - Tipos básicos de pontas 111 Maio, 2009 CSP-20-SN2GCQAP 41

42 Dúvidas? 112 Vazão necessária na ponta de pulverização l/min = _l/ha x km/h x E(m)_ 600 l/min = Vazão necessária na ponta l/ha = Volume de aplicação desejado Km/h = Velocidade de deslocamento E = Espaçamento entre pontas em metros 113 Influência da pressão na qualidade da aplicação Vazão necessária na ponta de pulverização Maior velocidade : Maior vazão Maior espaçamento entre pontas: Maior vazão Maior volume de aplicação : Maior vazão 114 Maio, 2009 CSP-20-SN2GCQAP 42

43 Correlação entre Vazão e Pressão Maior vazão exige maior pressão Para dobrar a vazão 4 X a pressão! + 20% na Vazão + 44 % na pressão! 115 Correlação entre Velocidade x Pressão No JD 4730 e outros autopropelidos com controlador eletrônico de vazão Um aumento de 20% na velocidade 44% a mais na pressão!! 116 Correlação entre Pressão e Tamanho de gotas Maior pressão Menores gotas Maior deriva 117 Maio, 2009 CSP-20-SN2GCQAP 43

44 Velocidade x Pressão x Tamanho de gotas 120 L/ha Velocid. Pressão Ponta LDX 2002 Ponta LD km/h 1,7 BAR 8 km/h 3,0 BAR 10 km/h 4,7 BAR 12 km/h 6,7 BAR 118 Dúvidas? 119 Maio, 2009 CSP-20-SN2GCQAP 44

TECNOLOGIA DE APLICAÇÃO DE HERBICIDAS

TECNOLOGIA DE APLICAÇÃO DE HERBICIDAS TECNOLOGIA DE APLICAÇÃO DE HERBICIDAS Emprego de todos os conhecimentos científicos que proporcionem a correta colocação do produto biologicamente ativo no alvo, em quantidade necessária, de forma econômica,

Leia mais

O QUE É UMA PULVERIZAÇÃO?

O QUE É UMA PULVERIZAÇÃO? TECNOLOGIA DE APLICAÇÃO DE HERBICIDAS Emprego de todos os conhecimentos científicos que proporcionem a correta colocação do produto biologicamente ativo no alvo, em quantidade necessária, de forma econômica,

Leia mais

Seleção de Pontas de Pulverização

Seleção de Pontas de Pulverização JORNADAS DE ACTUALIZACIÓN EN TECNOLOGÍAS DE APLICACIÓN EN CULTIVOS EXTENSIVOS Seleção de Pontas de Pulverização Otavio J. G. Abi Saab Prof. Mecanização Agrícola Universidade Estadual de Londrina Estado

Leia mais

TECNOLOGIA DE APLICAÇÃO DE HERBICIDAS

TECNOLOGIA DE APLICAÇÃO DE HERBICIDAS TECNOLOGIA DE APLICAÇÃO DE HERBICIDAS Emprego de todos os conhecimentos científicos que proporcionem a correta colocação do produto biologicamente ativo no alvo, em quantidade necessária, de forma econômica,

Leia mais

APLICAÇÃO DE DEFENSIVOS AGRÍCOLAS. Professor : Nailton Rodrigues de Castro Disciplina : Máquinas Agrícolas

APLICAÇÃO DE DEFENSIVOS AGRÍCOLAS. Professor : Nailton Rodrigues de Castro Disciplina : Máquinas Agrícolas APLICAÇÃO DE DEFENSIVOS AGRÍCOLAS Professor : Nailton Rodrigues de Castro Disciplina : Máquinas Agrícolas INTRODUÇÃO É a aplicação uniforme de um defensivo agrícola na forma líquida, utilizando a energia

Leia mais

Influências das Pontas de Pulverização, Pressão de Trabalho e Condições Climáticas nas Aplicações de Defensivos

Influências das Pontas de Pulverização, Pressão de Trabalho e Condições Climáticas nas Aplicações de Defensivos Tecnologia e Produção: Soja e Milho / Influências das Pontas de Pulverização, Pressão de Trabalho e Condições Climáticas nas Aplicações de Defensivos Paulo O. Coutinho Ricardo Barros.. Introdução A Fundação

Leia mais

Mecanização da Pulverização. Eng. Agr.Jairo da Costa Moro Máquinas Agrícolas Jacto S.A

Mecanização da Pulverização. Eng. Agr.Jairo da Costa Moro Máquinas Agrícolas Jacto S.A Eng. Agr.Jairo da Costa Moro Máquinas Agrícolas Jacto S.A Mercado de defensivos Agrícolas 2014 - Brasil - O mercado brasileiro comercializou o valor total de US$12,25 bilhões em defensivos agrícolas. Fonte:

Leia mais

Tecnologia de Aplicação de Defensivos Agrícolas

Tecnologia de Aplicação de Defensivos Agrícolas INFORMATIVO DE DESENVOLVIMENTO TECNOLÓGICO ANO 3 NÚMERO 9 Setembro 2014 Tecnologia de Aplicação de Defensivos Agrícolas Introdução A correta aplicação de defensivos agrícolas exige uma série de conhecimentos

Leia mais

Energia Hidráulica. Líquido é pressionado contra pequeno orifício (ponta) e é pulverizado e transportado. Concorrentes em termos de energia

Energia Hidráulica. Líquido é pressionado contra pequeno orifício (ponta) e é pulverizado e transportado. Concorrentes em termos de energia PONTAS HIDRÁULICAS Energia Hidráulica Líquido é pressionado contra pequeno orifício (ponta) e é pulverizado e transportado Pulverização e transporte Concorrentes em termos de energia Maior energia = menor

Leia mais

Tecnologia de Aplicação Defensivos Agrícolas

Tecnologia de Aplicação Defensivos Agrícolas Tecnologia de Aplicação Defensivos Agrícolas Disciplina: Tecnologia de Aplicação de Defensivos Agrícolas Faculdade de Engenharia Agronômica UniSALESIANO - LINS SP Prof. Harumi Hamamura harumi.lins.cati@gmail.com

Leia mais

11. CULTIVO MECÂNICO. Cultivo é o conjunto de operações após a instalação e durante o desenvolvimento da cultura. Podem ser:

11. CULTIVO MECÂNICO. Cultivo é o conjunto de operações após a instalação e durante o desenvolvimento da cultura. Podem ser: . CULTIVO MECÂNICO Cultivo é o conjunto de operações após a instalação e durante o desenvolvimento da cultura. Podem ser: Mecânicos; Químicos; Chamas. Os cultivadores mecânicos são usados para uma movimentação

Leia mais

TECNOLOGIA DE APLICAÇÃO DE AGROTÓXICOS NA CITRICULTURA

TECNOLOGIA DE APLICAÇÃO DE AGROTÓXICOS NA CITRICULTURA TECNOLOGIA DE APLICAÇÃO DE AGROTÓXICOS NA CITRICULTURA HAMILTON HUMBERTO RAMOS Diretor Geral do Instituto Agronômico TECNOLOGIA DE APLICAÇÃO DE PRODUTOS FITOSSANITÁRIOS Emprego de todos os conhecimentos

Leia mais

14. CULTIVO MECÂNICO. Cultivo é o conjunto de operações após a instalação e durante o desenvolvimento da cultura. Podem ser:

14. CULTIVO MECÂNICO. Cultivo é o conjunto de operações após a instalação e durante o desenvolvimento da cultura. Podem ser: 17 14. CULTIVO MECÂNICO Cultivo é o conjunto de operações após a instalação e durante o desenvolvimento da cultura. Podem ser: Mecânicos; Químicos; Chamas. Os cultivadores mecânicos são usados para uma

Leia mais

ARBUS Rua Dr. Luiz Miranda, Pompeia - SP - Tel. (14) Fax. (14)

ARBUS Rua Dr. Luiz Miranda, Pompeia - SP - Tel. (14) Fax. (14) Rua Dr. Luiz Miranda, 1650-17580-000 - Pompeia - SP - Tel. (14) 3405 2100 - Fax. (14) 3452 1916 - E-mail: vendas@jacto.com.br PROTEJA O MEIO AMBIENTE. AO INUTILIZAR ESTE FOLHETO, NÃO JOGUE EM VIAS PÚBLICAS.

Leia mais

MANUAL PULVERIZADOR HIDRÁULICO TRAVICAR.

MANUAL PULVERIZADOR HIDRÁULICO TRAVICAR. MANUAL PULVERIZADOR HIDRÁULICO TRAVICAR. PULVERIZADORES ESPECIFICAÇÕES O pulverizador jato cônico TRAVICAR é fabricado em bronze de alta qualidade, utiliza vedação em borracha nitrílica, material resistente

Leia mais

Alex Soares Ignoti. Alex Soares Ignoti Maracaju/MS

Alex Soares Ignoti. Alex Soares Ignoti Maracaju/MS RTV RTV Maracaju Inquima MS Alex Soares Ignoti Alex Soares Ignoti Maracaju/MS Uma Parceria Proprietário: Lucio Basso Sidrolândia - MS Execução e Acompanhamento Aplicador Radames ATV Inquima em Treinamento

Leia mais

Manual de Treinamento CONCEITOS E TECNOLOGIAS QUE VISAM A AUMENTAR O CONTROLE DE PRAGAS E DOENÇAS DE BAIXEIRO

Manual de Treinamento CONCEITOS E TECNOLOGIAS QUE VISAM A AUMENTAR O CONTROLE DE PRAGAS E DOENÇAS DE BAIXEIRO CONCEITOS E TECNOLOGIAS QUE VISAM A AUMENTAR O CONTROLE DE PRAGAS E DOENÇAS DE BAIXEIRO EDIÇÃO Nº 01/2014 Código: 0416-tp Manual de Treinamento Máquinas Agrícolas Jacto Rua Dr. Luiz Miranda, 1650 17580-000

Leia mais

TECNOLOGIA DE APLICAÇÃO EM UBV e BVO. Marcelo Caires

TECNOLOGIA DE APLICAÇÃO EM UBV e BVO. Marcelo Caires TECNOLOGIA DE APLICAÇÃO EM UBV e BVO Uso de micro gotas oleosas para o controle do bicudo Marcelo Caires Técnico em Agropecuária INSERÇÃO DE EQUIPAMENTOS TECNOLÓGICOS Instrumentos para o auxílio nas aplicações

Leia mais

Comunicado Técnico 09

Comunicado Técnico 09 Comunicado Técnico 09 ISSN 2177-854X Maio. 2011 Uberaba - MG Regulagem de Pulverizadores Agrícolas de Barras Responsável: Paulo Roberto Pala Martinelli E-mail: prpmartinelli@yahoo.com.br Engenheiro Agrônomo;

Leia mais

AJUDANDO VOCÊ A PULVERIZAR MELHOR MAIS INTELIGENTE MAIS RÁPIDO MAIS SEGURO

AJUDANDO VOCÊ A PULVERIZAR MELHOR MAIS INTELIGENTE MAIS RÁPIDO MAIS SEGURO AJUDANDO VOCÊ A PULVERIZAR MELHOR MAIS INTELIGENTE MAIS RÁPIDO MAIS SEGURO M M M AIS INTELIGENTE BICOS DE PULVERIZAÇÃO PROSTOP-E FORCEFIELD AIS RÁPIDO DUO REACT CLEANLOAD MAX AIS SEGURO EXPRESS BOOM EXPRESS

Leia mais

Guia de Controlador para Bicos Descentrados HYPRO

Guia de Controlador para Bicos Descentrados HYPRO Guia de Controlador para Bicos Descentrados HYPRO Como montar seu bico de final de barra: Guia Passo a Passo para tubulação da barra de 1 e 3/8 W W W.HYPROSPR AY TIPS.COM Introdução O objetivo desse guia

Leia mais

LINHA ADVANCE. Rua Dr. Luiz Miranda, Pompeia - SP - Tel. (14) Fax. (14)

LINHA ADVANCE. Rua Dr. Luiz Miranda, Pompeia - SP - Tel. (14) Fax. (14) Rua Dr. Luiz Miranda, 1650 17580000 Pompeia SP Tel. (14) 3405 2100 Fax. (14) 3452 1916 Email: vendas@jacto.com.br PROTEJA O MEIO AMBIENTE. AO INUTILIZAR ESTE FOLHETO, NÃO JOGUE EM VIAS PÚBLICAS. www.jacto.com.br

Leia mais

500ml de defensivo para cada 5 Litros de água

500ml de defensivo para cada 5 Litros de água PULVERIZADORES Pulverizador Manual à Pilhas Pulverizador manual à Pilhas (UBV) O pulverizador PULVIMAT é ideal para a aplicação de produtos fito sanitários especialmente herbicida, com o método U.B.V.

Leia mais

Energia para pulverização

Energia para pulverização BICOS DE PULVERIZAÇÃO ALTO VOLUME GOTAS PEQUENAS Energia para pulverização Diferentes Tipos de Bicos Classificação em função da energia gerada para pulverização a) Centrífuga b) Pneumática c) Eletrostática

Leia mais

ARBUS 2000 TP. Rua Dr. Luiz Miranda, Pompeia - SP - Tel. (14) Fax. (14) www. jacto.com.br

ARBUS 2000 TP. Rua Dr. Luiz Miranda, Pompeia - SP - Tel. (14) Fax. (14) www. jacto.com.br Rua Dr. Luiz Miranda, 1650-17580-000 - Pompeia - SP - Tel. (14) 3405 2100 - Fax. (14) 3452 1916 - www. jacto.com.br PROTEJA O MEIO AMBIENTE. AO INUTILIZAR ESTE FOLHETO, NÃO JOGUE EM VIAS PÚBLICAS. Imagens

Leia mais

Catálogo Sistema de Pulverização Eletrostático

Catálogo Sistema de Pulverização Eletrostático Catálogo Sistema de Pulverização Eletrostático anotações ELETROSTÁTICO ELETROSTÁTICO ELETROSTÁTICO Informações técnicas do produto Por que a pulverização eletrostática é tão eficaz? Antes de responder

Leia mais

Guia de Seleção de Bicos para Área Total

Guia de Seleção de Bicos para Área Total Guia de Seleção de Bicos para Área Total HERBICIDAS FUNGICIDAS PÓS-EMERGÊNCIA APLICAÇÃO DE SOLO em pressões abaixo de 2 bar (30 PSI) em pressões abaixo de 2 bar (30 PSI) Consulte a página 11 em pressões

Leia mais

Introdução. Importância. Operações. Principais culturas: 25/06/2015. Outras operações: Controle e combate de incêndios florestais em áreas de cultivo

Introdução. Importância. Operações. Principais culturas: 25/06/2015. Outras operações: Controle e combate de incêndios florestais em áreas de cultivo Introdução A Aviação Agrícola é um serviço especializado, regulamentado pelo Ministério da Agricultura e pelo Ministério da Aeronáutica; Registro de produtos; Atividade que deve obedecer as normas dos

Leia mais

LINHA JATÃO 3 PONTOS. Rua Dr. Luiz Miranda, Pompeia - SP - Tel. (14) Fax. (14)

LINHA JATÃO 3 PONTOS. Rua Dr. Luiz Miranda, Pompeia - SP - Tel. (14) Fax. (14) Rua Dr. Luiz Miranda, 1650-17580-000 - Pompeia - SP - Tel. (14) 3405 2100 - Fax. (14) 3452 1916 - E-mail: vendas@jacto.com.br PROTEJA O MEIO AMBIENTE. AO INUTILIZAR ESTE FOLHETO, NÃO JOGUE EM VIAS PÚBLICAS.

Leia mais

UM PULVERIZADOR BEM REGULADO E CALIBRADO É A CERTEZA DE UMA APLICAÇÃO EFICIENTE E SEGURA!!

UM PULVERIZADOR BEM REGULADO E CALIBRADO É A CERTEZA DE UMA APLICAÇÃO EFICIENTE E SEGURA!! DE PULVERIZADORES AGRÍCOLAS Este material faz parte da apostila do Curso de Tecnologia de Aplicação da Comam Ltda Carlos Alberto Magalhães Cordeiro Paulo Otavio Coutinho Fabiano de Matino Motta Engs Agrônomos

Leia mais

Nebulizadores aplicam gotas menores que 50 mm.

Nebulizadores aplicam gotas menores que 50 mm. Universidade Estadual Paulista Faculdade de Ciências Agrárias e Veterinárias Curso : Agronomia Disciplina: Tratamento Fitossanitário Aula: Aplicação de Líquidos e Pulverizadores Os produtos fitossanitários

Leia mais

LINHA CONDOR. Rua Dr. Luiz Miranda, Pompeia - SP - Tel. (14) Fax. (14)

LINHA CONDOR. Rua Dr. Luiz Miranda, Pompeia - SP - Tel. (14) Fax. (14) Rua Dr. Luiz Miranda, 1650 17580000 Pompeia SP Tel. (14) 3405 2100 Fax. (14) 3452 1916 Email: vendas@jacto.com.br PROTEJA O MEIO AMBIENTE. AO INUTILIZAR ESTE FOLHETO, NÃO JOGUE EM VIAS PÚBLICAS. www.jacto.com.br

Leia mais

Pulverizadores: Mecanização da cultura do Cacau. Máquinas Agrícolas Jacto S/A Pompéia -SP. Eng. Agr. Walter W Mosquini Planejamento de Produto

Pulverizadores: Mecanização da cultura do Cacau. Máquinas Agrícolas Jacto S/A Pompéia -SP. Eng. Agr. Walter W Mosquini Planejamento de Produto Pulverizadores: Mecanização da cultura do Cacau Máquinas Agrícolas Jacto S/A Pompéia -SP Eng. Agr. Walter W Mosquini Planejamento de Produto Informações Foi fundada em 1948; Todas as unidades produtivas

Leia mais

Treinamento. Arbus 400 Golden

Treinamento. Arbus 400 Golden Arbus 400 Golden Treinamento Arbus 400 Golden Prof. Brandão - Operação - Manutenção - Regulagem da pulverização Arbus 400 Golden Arbus 400 Maçã 33 Apresentação da máquina Tanque de Defensivos Aplicação

Leia mais

Índice. COMAM_POCKET 5/3/07 11:16 AM Page 3

Índice. COMAM_POCKET 5/3/07 11:16 AM Page 3 COMAM_POCKET 5/3/07 11:16 AM Page 3 Índice Lançamento : Ponta Guardian...1 Bombas Hypro......2-9 Selecionando a bomba certa...3 Bombas de Rolete...4-6 Super Rotor......7 Bombas Centrífugas...8-9 Pontas

Leia mais

Cecílio Garcia Maldonado fundador (In memoriam)

Cecílio Garcia Maldonado fundador (In memoriam) Cecílio Garcia Maldonado fundador (In memoriam) INTRODUÇÃO Acompanhando a evolução de mercado, apresentamos a linha completa de produtos para irrigação da Agropolo, uma ótima oportunidade de saber mais

Leia mais

Tecnologia de Aplicação

Tecnologia de Aplicação Tecnologia de Aplicação Rodolfo G. Chechetto Engenheiro Agrônomo O que é Tecnologia de Aplicação? Conjunto de conhecimentos que integram informações sobre os produtos fitossanitários, suas formulações

Leia mais

Calibração Pulverizador de barras

Calibração Pulverizador de barras Calibração Pulverizador de barras INÍCIO ANALISAR pulverizador e corrigir Medir a VELOCIDADE do tractor Medir DÉBITO dos BICOS Usar apenas água na calibragem do pulverizador Calcular DÉBITO por ha PULVERIZAR

Leia mais

UNITRI. Mecânica e Mecanização Agrícola QUINTA AULA DE MECANIZAÇÃO AGRÍCOLA APLICAÇÃO DE DEFENSIVOS

UNITRI. Mecânica e Mecanização Agrícola QUINTA AULA DE MECANIZAÇÃO AGRÍCOLA APLICAÇÃO DE DEFENSIVOS UNITRI Mecânica e Mecanização Agrícola QUINTA AULA DE MECANIZAÇÃO AGRÍCOLA APLICAÇÃO DE DEFENSIVOS Conceito: Entende-se como "Tecnologia de Aplicação de Produtos Fitossanitários" o emprego de todos os

Leia mais

TECNOLOGIA DE APLICAÇÃO DE AGROTÓXICOS

TECNOLOGIA DE APLICAÇÃO DE AGROTÓXICOS Definição: Ciência multidisciplinar Disciplina: Fitopatologia Agrícola TECNOLOGIA DE APLICAÇÃO DE AGROTÓXICOS Objetivos: Destinada às pesquisas de equipamentos Processos e obtenção de resultados mais eficientes

Leia mais

ARBUS 1500 DIAMOND. Rua Dr. Luiz Miranda, Pompéia - SP - Tel. (14) Fax. (14)

ARBUS 1500 DIAMOND. Rua Dr. Luiz Miranda, Pompéia - SP - Tel. (14) Fax. (14) Rua Dr. Luiz Miranda, 1650-17580-000 - Pompéia - SP - Tel. (14) 3405 2100 - Fax. (14) 3452 1916 - E-mail: vendas@jacto.com.br www.jacto.com.br A Jacto se reserva o direito de promover modi cações em seus

Leia mais

Palavras-chaves: uniformidade de distribuição, ângulo e espectro de gotas.

Palavras-chaves: uniformidade de distribuição, ângulo e espectro de gotas. CARACTERÍSTICAS TÉCNICAS DE PONTA DE PULVERIZAÇÃO DE JATO PLANO COM INDUÇÃO DE AR JOSUÉ GOMES DELMOND 1, ELTON FIALHO DOS REIS 2 1 Engenheiro Agrícola, Graduando, UEG/Anápolis GO, Bolsista do CNPQ Brasil.

Leia mais

Alex Soares Igno6. Alex Soares Igno5 Maracaju/MS

Alex Soares Igno6. Alex Soares Igno5 Maracaju/MS RTV RTV Maracaju Inquima MS Alex Soares Igno6 Alex Soares Igno5 Maracaju/MS Uma Parceria Faz. Rego D Água Proprietário: Flavio Viecili Cidade: Jardim - MS Execução e Acompanhamento Aplicador Adilson Eng.

Leia mais

Como Aplicar. 1. Armazenagem. 2. Compatibilidade. 3. Veritas é complementar. 4. Tipos de solo

Como Aplicar. 1. Armazenagem. 2. Compatibilidade. 3. Veritas é complementar. 4. Tipos de solo 1. Armazenagem Após adquirir o produto, armazene as embalagens de 20L em local fresco e protegido do sol. Não temos nenhum reporte desde o lançamento do produto de problemas relacionados a perda de qualidade,

Leia mais

TECNOLOGIA DE APLICAÇÃO DE FUNGICIDAS PARA O CONTROLE DA FERRUGEM-DA-SOJADA-SOJA

TECNOLOGIA DE APLICAÇÃO DE FUNGICIDAS PARA O CONTROLE DA FERRUGEM-DA-SOJADA-SOJA TECNOLOGIA DE APLICAÇÃO DE FUNGICIDAS PARA O CONTROLE DA FERRUGEM-DA-SOJADA-SOJA Fernando Storniolo Adegas Embrapa Soja Ministério da Agricultura Pecuária e Abastecimento Manejo da Ferrugem Identificação

Leia mais

6.4 CONTROLE DE PLANTAS DANINHAS

6.4 CONTROLE DE PLANTAS DANINHAS 6.4 CONTROLE DE PLANTAS DANINHAS Prejuízos: -Competição por água; -Competição por luz; -Competição por nutrientes; -Hospedeiros de pragas e doenças; -Interferência na operação de colheita. Período de competição:

Leia mais

9 IRRIGAÇÃO POR ASPERSÃO CONVENCIONAL

9 IRRIGAÇÃO POR ASPERSÃO CONVENCIONAL 9 IRRIGAÇÃO POR ASPERSÃO CONVENCIONAL 9.1 TIPOS DE SISTEMAS FIXOS PERMANENTES FIXOS TEMPORÁRIOS SEMIFÍXOS PORTÁTEIS 9.2 VANTAGENS, LIMITAÇÕES E PESRPECTIVAS VANTAGENS Dispensa sistematização ou uniformização

Leia mais

E-book Curso de Airless

E-book Curso de Airless E-book Curso de Airless www.azevedotintas.com (19) 3802-1723 Desenvolvido por Izabel Bordotti Pintura Airless Assim a pintura Airless é um método de pintura, em que a tinta é pulverizada através de um

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DE UMA BARRA DE PULVERIZAÇÃO PARA APLICAÇÃO DE HERBICIDA EM DESSECAÇÃO DE SOQUEIRA CANA-DE-AÇÚCAR E PASTAGENS

DESENVOLVIMENTO DE UMA BARRA DE PULVERIZAÇÃO PARA APLICAÇÃO DE HERBICIDA EM DESSECAÇÃO DE SOQUEIRA CANA-DE-AÇÚCAR E PASTAGENS 47 DESENVOLVIMENTO DE UMA BARRA DE PULVERIZAÇÃO PARA APLICAÇÃO DE HERBICIDA EM DESSECAÇÃO DE SOQUEIRA CANA-DE-AÇÚCAR E PASTAGENS AMO, Fernando Colombo de 1 PEREIRA, Flávio José de Sousa 2 GADANHA JÚNIOR,

Leia mais

Fundamentos da Agricultura de Precisão

Fundamentos da Agricultura de Precisão Fundamentos da Agricultura de Precisão O que é Agricultura de Precisão (AP)? Consideração da variabilidade espacial e temporal dos atributos relativos à cultura (solo, sanidade, ataque de pragas, produtividade,

Leia mais

Aplicador. Alvo. Momento. Equipamento. Produto. Máquina TECNOLOGIA DE APLICAÇÃO DE HERBICIDAS. Fatores que interferem na tecnologia de aplicação

Aplicador. Alvo. Momento. Equipamento. Produto. Máquina TECNOLOGIA DE APLICAÇÃO DE HERBICIDAS. Fatores que interferem na tecnologia de aplicação TECNOLOGIA DE APLICAÇÃO DE HERBICIDAS Fatores que interferem na tecnologia de aplicação Alvo Momento Emprego de todos os conhecimentos científicos que proporcionem a correta colocação do produto biologicamente

Leia mais

Eng.º Agr.º José Maria Fernandes dos Santos

Eng.º Agr.º José Maria Fernandes dos Santos PONTOS CRÍTICOS NA APLICAÇÃO DE DEFENSIVOS Eng.º Agr.º José Maria Fernandes dos Santos Pesquisador Científico Laboratório de Proteção e Clínica Vegetal E-mail: santosjmf@biologico.sp.gov.br Fone/Fax: (11)

Leia mais

IMPORTÂNCIA DO DIÂMETRO DAS GOTAS DE PULVERIZAÇÃO NA DERIVA DE DEFENSIVOS AGRÍCOLAS EM APLICAÇÃO AÉREA

IMPORTÂNCIA DO DIÂMETRO DAS GOTAS DE PULVERIZAÇÃO NA DERIVA DE DEFENSIVOS AGRÍCOLAS EM APLICAÇÃO AÉREA PLANTA DANINHA II(1): 33-39, 1979 IMPORTÂNCIA DO DIÂMETRO DAS GOTAS DE PULVERIZAÇÃO NA DERIVA DE DEFENSIVOS AGRÍCOLAS EM APLICAÇÃO AÉREA L.S.P. Cruz*; A. McCracken** e Y. Ozeki*** * Pesq. Científico, Instituto

Leia mais

Prof. Dr. Casimiro Dias Gadanha Jr. DER/ESALQ/USP

Prof. Dr. Casimiro Dias Gadanha Jr. DER/ESALQ/USP LER 432 Máquinas e Implementos Agrícolas TÓPICO: Máquinas para Aplicação de Produtos Fitossanitários Prof. Dr. Casimiro Dias Gadanha Jr. DER/ESALQ/USP AGROTÓXICO Sinônimos: Produto Fitossanitário Pesticida

Leia mais

JARDIM. PULVERIZADORES 0,5 Litros WT ,9 Litros C-9. PULVERIZADORES PRESSÃO 1,5 Litros G1500 PULVERIZADORES

JARDIM. PULVERIZADORES 0,5 Litros WT ,9 Litros C-9. PULVERIZADORES PRESSÃO 1,5 Litros G1500 PULVERIZADORES 0,5 Litros WT-2056-2 Peso: 56g Ø bocal: 22mm Cx.: 50 un. Cod.: 180 050 001 050 0,9 Litros C-9 Peso: 83g Ø bocal: 22mm Cx.: 50 un. Cod.: 180 050 001 090 - Pulverizadores de cores sortidas com bomba de pistão

Leia mais

Reduzir a deriva para manter os produtos fitofarmacêuticos no seu campo

Reduzir a deriva para manter os produtos fitofarmacêuticos no seu campo BOAS PRÁTICAS PARA UMA PULVERIZAÇÃO SEGURA E EFICAZ Reduzir a deriva para manter os produtos fitofarmacêuticos no seu campo Este pequeno folheto apresenta alguns conselhos sobre as melhores práticas para

Leia mais

Pulverizadores costais manuais. Prof.: Brandão

Pulverizadores costais manuais. Prof.: Brandão Pulverizadores costais manuais Prof.: Brandão PULVERIZADORES COSTAIS Operação Manutenção Regulagem da pulverização PJH O QUE É UM PULVERIZADOR COSTAL MANUAL? - Os pulverizadores Costais Manuais são equipamentos

Leia mais

PROTEÇÃO SUPERIOR DE SELO MOLHADO para as Condições de Pulverização Mais Exigentes

PROTEÇÃO SUPERIOR DE SELO MOLHADO para as Condições de Pulverização Mais Exigentes HYPRO FORCEFIELD PROTEÇÃO SUPERIOR DE SELO MOLHADO para as Condições de Pulverização Mais Exigentes I WWW.HYPROPUMPS.COM Bombas Centrífugas ForceField HYPRO Série 9310 Proteção Superior de Selo Molhado

Leia mais

EXERCÍCIOS SEMEADOR/ADUBADORA:

EXERCÍCIOS SEMEADOR/ADUBADORA: EGR 1003 MÁQUINAS E IMPLEMENTOS AGRÍCOLAS Monitora Guidiane Moro - Exercícios 1 EXERCÍCIOS SEMEADOR/ADUBADORA: 1 Um agricultor deseja cultivar 500 ha. Sabe-se que a densidade de semeadura recomendada é

Leia mais

INSPEÇÃO PERIÓDICA DE PULVERIZADORES NA REGIÃO DO ALTO VALE DO ITAJAÍ

INSPEÇÃO PERIÓDICA DE PULVERIZADORES NA REGIÃO DO ALTO VALE DO ITAJAÍ INSPEÇÃO PERIÓDICA DE PULVERIZADORES NA REGIÃO DO ALTO VALE DO ITAJAÍ Lucas Renan EFFTING 1 ; João Pedro Fossa BERNARDY 2 ; Leonardo DÜSTERHOFT 3 ; Fabrício Campos MASIERO 4, Ricardo Kozoroski VEIGA 5

Leia mais

Evidence 700WG Proteção eficáz para seu eucalipto.

Evidence 700WG Proteção eficáz para seu eucalipto. Evidence 700WG Proteção eficáz para seu eucalipto. TECNOLOGIA DE APLICAÇÃO APLICADA A SILVICULTURA Eng. Agr. Paulo Coutinho INTRODUÇÃO APLICAÇOES NA SILVICULTURA: DESSECAÇAO DE PREPARO DE ÁREA E DE MANUTENÇÃO

Leia mais

JARDIM PULVERIZADOR PRESSÃO - 0,550L PULVERIZADOR PRESSÃO - 1L

JARDIM PULVERIZADOR PRESSÃO - 0,550L PULVERIZADOR PRESSÃO - 1L PULVERIZADOR PRESSÃO - 0,550L OLD-32B - Pulverizadores de cores sortidas com bomba de pistão e bico regulável. Feitos em polietileno (matéria prima virgem), garantem alta resistência a impactos e corrosão.

Leia mais

Experimentação com herbicidas

Experimentação com herbicidas Eperimentação com herbicidas Princípio do delineamento eperimental: Delineamento eperimental mais simples possível desde que satisfaça coerência estatística e atenda os objetivos pretendido O objetivo

Leia mais

Manual de Operação Kit Canhão. *Kit Led

Manual de Operação Kit Canhão. *Kit Led *Kit Led Manual de Operação Kit Canhão Por que a pulverização eletrostáica é tão eficaz? Antes de responder essa pergunta, iremos lhe fornecer alguns dados e você mesmo será capaz de respondê-la. Qual

Leia mais

3.11. CALIBRAÇÃO DE AERONAVES AGRÍCOLAS

3.11. CALIBRAÇÃO DE AERONAVES AGRÍCOLAS 159 3.11. CALIBRAÇÃO DE AERONAVES AGRÍCOLAS Marcos Vilela de M. Monteiro De todas as tarefas do piloto agrícola, a calibração do avião é talvez a mais importante, porque o sucesso de uma aplicação depende

Leia mais

Pulverizador Autopropelido STRONGER be strong, be KUHN

Pulverizador Autopropelido STRONGER be strong, be KUHN Pulverizador Autopropelido STRONGER 3000 www.kuhn.com be strong, be KUHN REEL STRONGER COMMERCIAL 3030 3036 3040 PERFEITA APLICAÇÃO, MAIOR BARRA DE PULVERIZAÇÃO, MENOR CONSUMO Pensou em tecnologia, pensou

Leia mais

Pistolas de Pulverização

Pistolas de Pulverização Para pulverização localizada, pulverização de árvores, pulverização de animais e lavagem a alta pressão, com pressão de 2 a 55 bar (30 a 800 PSI) Para operar a pistola de pulverização, gira-se a manopla

Leia mais

SEMEADORA-ADUBADORA. Prof. Dr. Carlos Eduardo Angeli Furlani

SEMEADORA-ADUBADORA. Prof. Dr. Carlos Eduardo Angeli Furlani SEMEADORA-ADUBADORA 1 Qual a cultura? Qual o adubo? 2 Qual o tamanho/formato da semente? Qual a quantidade de sementes/hectare? Qual a quantidade de plantas/hectare? Quando? 3 revolvimento mínimo do solo

Leia mais

Válvula reguladora de vazão com conexão instantânea série limpa. Série AS-FPQ/AS-FPG

Válvula reguladora de vazão com conexão instantânea série limpa. Série AS-FPQ/AS-FPG Válvula reguladora de vazão com conexão instantânea série limpa Série -FPQ/-FPG RoHS Série -FPG D -FE Série -FPQ -FG -FP -FM -D -T P N V o azãa v e ra dla limp o d a gulo da sa e r s a vul ara u l á p

Leia mais

UNIVERSIDADE DE PASSO FUNDO FACULDADE DE AGRONOMIA E MEDICINA VETERINÁRIA PROGRAMA DE PÓS GRADUAÇÃO EM AGRONOMIA DEISE ISABEL DA COSTA WALTER BOLLER

UNIVERSIDADE DE PASSO FUNDO FACULDADE DE AGRONOMIA E MEDICINA VETERINÁRIA PROGRAMA DE PÓS GRADUAÇÃO EM AGRONOMIA DEISE ISABEL DA COSTA WALTER BOLLER UNIVERSIDADE DE PASSO FUNDO FACULDADE DE AGRONOMIA E MEDICINA VETERINÁRIA PROGRAMA DE PÓS GRADUAÇÃO EM AGRONOMIA Aplicação de fungicida em soja com atomizador rotativo de discos, operado com cinco velocidades

Leia mais

Seção E Bicos de Pulverização Fina

Seção E Bicos de Pulverização Fina Seção E s de Visão Geral Nossos bicos atomizadores de pulverização hidráulica fina estão disponíveis em duas versões. s Padrão: bicos roscados tradicionais de metal. s de Rápida: consistindo de um corpo

Leia mais

Inseticida/acaricida de contato e ingestão do grupo químico benzoiluréia

Inseticida/acaricida de contato e ingestão do grupo químico benzoiluréia Composição 1-[4-(2-chloro-α,α,α-trifluoro-p-tolyloxy)-2-fluorophenyl]-3-(2,6-difluorobenzoyl) urea (FLUFENOXUROM)... 100 g/l (10,0% m/v) Ingredientes Inertes... 878 g/l (87,8% m/v) Classe Inseticida/acaricida

Leia mais

E-WELD Soluções em Antirrepingo EFICIENCIA, SEGURANÇA E ECONÔMIA

E-WELD Soluções em Antirrepingo EFICIENCIA, SEGURANÇA E ECONÔMIA E-WELD Soluções em Antirrepingo EFICIENCIA, SEGURANÇA E ECONÔMIA 1 Por que usar antirrespingo? A remoção de respingos de solda que aderem as superfícies de metal exige a utilização de soluções abrasivas,

Leia mais

BOMBA DE ABASTECIMENTO ESTAÇÕES DE ABASTECIMENTO 9170-S BOMBA PARA ABASTECIMENTO 9171 ESTAÇÃO DE ABASTECIMENTO 9170 ESTAÇÃO DE ABASTECIMENTO

BOMBA DE ABASTECIMENTO ESTAÇÕES DE ABASTECIMENTO 9170-S BOMBA PARA ABASTECIMENTO 9171 ESTAÇÃO DE ABASTECIMENTO 9170 ESTAÇÃO DE ABASTECIMENTO AVIAÇÃO 122 Bomba de abastecimento 122 Estações de abastecimento 123 Medidor mecânico 123 Bicos manuais para abastecimento 124 Carretéis 126 Filtros 127 Mangueiras BOMBA DE 9170-S BOMBA PARA Para combustíveis

Leia mais

Soluçoes em irrigação

Soluçoes em irrigação Soluçoes em irrigação PULVERIZADOR ELETRICO 12 VOLTS Pulverizador Eletrico 12 Volts Flopi Kart - Com Bomba e Bateria Recarregável incluída. - Com carrinho; - Bateria Recarregável 12 volts 17 amp/hora;

Leia mais

Alex Soares Ignoti. Alex Soares Ignoti Maracaju/MS

Alex Soares Ignoti. Alex Soares Ignoti Maracaju/MS RTV RTV Maracaju Inquima MS Alex Soares Ignoti Alex Soares Ignoti Maracaju/MS Uma Parceria Proprietário: Charles Pagnoncelli Maracajú - MS Execução e Acompanhamento Aplicador Paraguaio RTV Inquima Alex

Leia mais

CONVERSÃO DE UNIDADES DE MEDIDAS

CONVERSÃO DE UNIDADES DE MEDIDAS leao.com.br 1 CONVERSÃO DE UNIDADES DE MEDIDAS Grandeza Para converter Para Obter Símbolo da unidade Multiplicar por Dividir por Símbolo da unidade Para Obter Para converter Comprimento Metros m 3,281

Leia mais

Agricultura II. Máquinas de aplicação de fito-fármacos

Agricultura II. Máquinas de aplicação de fito-fármacos Agricultura II Máquinas de aplicação de fito-fármacos As quantidades de fito-fármaco fungicidas, insecticidas, herbicidas (doses) podem ser dadas em: - kg ou L / hl - culturas arbustivas e arbóreas -kg

Leia mais

PISTOLA DE PINTURA PP3

PISTOLA DE PINTURA PP3 PISTOLA DE PINTURA PP3 *Imagens meramente ilustrativas Manual de Instruções www.v8brasil.com.br 1. DADOS TÉCNICOS PISTOLA DE PINTURA PP3 Modelo: Bico: Pressão de trabalho: Consumo médio de ar: V8-PP3 1,4

Leia mais

PISTOLA DE PINTURA HVLP10

PISTOLA DE PINTURA HVLP10 *Imagens meramente ilustrativas PISTOLA DE PINTURA HVLP10 Manual de Instruções 1. DADOS TÉCNICOS PISTOLA DE PINTURA HVLP10 Modelo Bico Pressão de trabalho Consumo de ar V8-HVLP10 1,4 mm 30-50 PSI 380

Leia mais

CERES MASTER e CERES. Plantio eficiente com melhor custo/benefício

CERES MASTER e CERES. Plantio eficiente com melhor custo/benefício CERES MASTER e CERES Plantio eficiente com melhor custo/benefício Catálogo virtual Português Abr/2016 CERES MASTER As semeadoras Ceres Master apresentam modelos com grande versatilidade, agilidade e excelente

Leia mais

ESGUICHO MANUAL (FLASH)

ESGUICHO MANUAL (FLASH) ESGUICHO MANUAL (FLASH) LEVES, DURÁVEIS E EXCELENTE RELAÇÃO CUSTO-BENEFÍCIO! Alavanca de abertura e fechamento Revestimento do bocal anti-impacto Conexão storz Neblina Jato sólido Empunhadura tipo pistola

Leia mais

Regulação do Pulverizador de Pressão de Jato Transportado

Regulação do Pulverizador de Pressão de Jato Transportado ESCOLA DE CIÊNCIAS E TECNOLOGIA DEPARTAMENTO DE FITOTECNIA Regulação do Pulverizador de Pressão de Jato Transportado Texto de apoio para as Unidades Curriculares de Sistemas e Tecnologias Agropecuários,

Leia mais

DERIVA EM APLICAÇÕES AÉREAS DE PRODUTOS LÍQUIDOS Perguntas mais freqüentes

DERIVA EM APLICAÇÕES AÉREAS DE PRODUTOS LÍQUIDOS Perguntas mais freqüentes DERIVA EM APLICAÇÕES AÉREAS DE PRODUTOS LÍQUIDOS Perguntas mais freqüentes 1. O que é DERIVA? DERIVA é o deslocamento horizontal que sofrem as gotas desde o seu ponto de lançamento até atingirem o seu

Leia mais

PISTOLA DE PINTURA HVLP8

PISTOLA DE PINTURA HVLP8 PISTOLA DE PINTURA HVLP8 *Imagens meramente ilustrativas Manual de Instruções 1. DADOS TÉCNICOS PISTOLA DE PINTURA HVLP8 Modelo: Bico: Pressão de trabalho: Consumo de ar: V8-HVLP8 1,4 mm 30-43 PSI 380

Leia mais

Válvulas Misturadoras de Vapor e Água Fria

Válvulas Misturadoras de Vapor e Água Fria Válvulas Misturadoras de Vapor e Água Fria FIT Nº Modelo Diâmetro Conexões Material do Pressão Máxima FI-C040 Dynafluid e /4" - " e. Rosqueadas 6,0 barg FI-C040 Dynafluid de e /4" - " e. FI-C0402 Watergun

Leia mais

Indicações Registradas

Indicações Registradas Marca Comercial Titular do Registro Nº Registro MAPA Topik 240 EC SYNGENTA PROTEÇÃO DE CULTIVOS LTDA. - 1506.744.463/0001-90 Classe Herbicida Ingrediente Ativo (I.A.) Clodinafope-Propargil Nome Químico

Leia mais

GLADIADOR Melhor relação peso/potência da categoria

GLADIADOR Melhor relação peso/potência da categoria GLADIADOR 2300 Melhor relação peso/potência da categoria Catálogo virtual Português Ago/2016 GLADIADOR 2300 O pulverizador autopropelido Gladiador 2300 apresenta grande autonomia de trabalho, possibilitando

Leia mais

Sistemas de Segurança de Bloqueio/Sinalização (Lockout/ Tagout)

Sistemas de Segurança de Bloqueio/Sinalização (Lockout/ Tagout) Sistemas de Segurança de Bloqueio/Sinalização (Lockout/ Tagout) Riscos Mecânicos Bloqueador Universal de Válvulas Sistema modular que permite o bloqueio de vários tipos e tamanhos de válvulas. Pode ser

Leia mais

Bombas e motores Bicos de pulverização Acessórios

Bombas e motores Bicos de pulverização Acessórios Índice Bombas e motores...1-128 Como selecionar a bomba certa... 2-10 Bombas centrífugas... 11-54 Vedações de bomba por carbeto de silício Life Guard...52 Adaptador de autoescorvação (SPA)...53 Acessórios

Leia mais

ATOMIZADOR ROTATIVO TELA

ATOMIZADOR ROTATIVO TELA ATOMIZADOR ROTATIVO TELA sumário INFORMAÇÕES imagem do produto modelos posicionamentos montagem e desmontagem CALIBRAÇÃO MANUTENÇÃO INSTALAÇÃO 04 05 06 07 08 10 17 18 INFORMAÇÕES O Atomizador Travicar

Leia mais

Lavagem copos standard - pequena

Lavagem copos standard - pequena A gama de máquinas de lavar Electrolux é produzida para os clientes com elevada procura em termos de eficiência, economia e ergonomia nas operações de lavagem. A gama de produtos engloba máquinas de lavar

Leia mais

Aspectos técnicos da Pulverização aérea

Aspectos técnicos da Pulverização aérea Aspectos técnicos da Pulverização aérea a Semana da Citricultura 06 a 10 de junho de 2011. Eng. Agr. Yasuzo Ozeki Celular > (11) 9629-919 Telef.Fixo > (11) 021-415 E-mail > yasuzo@uol.com.br Princípios

Leia mais

ý þ ü ü ü ü ý þ ü ÿ ý þ ü ü ü ü ü! þ " ÿ ÿ ý ý þ ü ü ÿ ü ý ü ÿ ý þ ý ü ÿ ÿ ý # $ % ÿ $ & þ ü þ ü þ ü ' þ ü þ ( ( ( O ) * +, -. / / 5 6

ý þ ü ü ü ü ý þ ü ÿ ý þ ü ü ü ü ü! þ  ÿ ÿ ý ý þ ü ü ÿ ü ý ü ÿ ý þ ý ü ÿ ÿ ý # $ % ÿ $ & þ ü þ ü þ ü ' þ ü þ ( ( ( O ) * +, -. / / 5 6 ! " # $ % & ' ( ) * +, -. /. 0 1 2 / 3 ' 4 / 3 5 5. 2 4 / 6-4 3 ) 7-3 2 3 0 4. 8 9 : ; < : > ; < :? @ A 8 > B C D E F G H I E J C K B L M N J < O P Q O P Q R S T S U V W X T X Y X Z [ S Y \ X ] T ^ \ _

Leia mais

FiberMax. Mais que um detalhe: uma genética de fibra.

FiberMax. Mais que um detalhe: uma genética de fibra. FiberMax. Mais que um detalhe: uma genética de fibra. Requisitos para o cultivo de algodoeiro GlyTol LibertyLink, além de boas práticas de manejo integrado de plantas daninhas. Cap 1: Descrição do Produto

Leia mais

Boas Práticas Agrícolas no MS. Eng. Agrônomo Rubem Cesar Staudt. Astecplan Ltda

Boas Práticas Agrícolas no MS. Eng. Agrônomo Rubem Cesar Staudt. Astecplan Ltda Boas Práticas Agrícolas no MS Eng. Agrônomo Rubem Cesar Staudt Astecplan Ltda Atua desde 1997, na região dos Chapadões MS e GO; Atende áreas no MS ( Sede ), GO e MT; Foco em algodão, soja e milho; Área

Leia mais

Chuveiro e lava-olhos de emergência: Equipamentos imprescindíveis para o manuseio de produtos químicos

Chuveiro e lava-olhos de emergência: Equipamentos imprescindíveis para o manuseio de produtos químicos Chuveiro e lava-olhos de emergência: Equipamentos imprescindíveis para o manuseio de produtos químicos Esses equipamentos são destinados a eliminar ou minimizar os danos causados por acidentes nos olhos

Leia mais

MICROPIPETAS E DOSADORES

MICROPIPETAS E DOSADORES MICROPIPETAS E DOSADORES MICROPIPETAS E DOSADORES A linha de Micropipetas e dosadores da Kasvi foi desenvolvida para proporcionar exatidão e precisão nas medições e transferências de amostras líquidas.

Leia mais

Tecnologia de aplicação de Agrotóxicos

Tecnologia de aplicação de Agrotóxicos Tecnologia de aplicação de Agrotóxicos Engº. Agrº. M. Sc. Aldemir Chaim Laboratório de Tecnologia de Aplicação de Agrotóxicos Embrapa Meio Ambiente História da aplicação de defensivos Equipamento de aplicação

Leia mais

Manual de Operação Avião Agrícola

Manual de Operação Avião Agrícola Manual de Operação Avião Agrícola Por que a pulverização eletrostá ca é tão eficaz? Antes de responder essa pergunta, iremos lhe fornecer alguns dados e você mesmo será capaz de respondêla. Qual a importância

Leia mais