Pulverizadores: Mecanização da cultura do Cacau. Máquinas Agrícolas Jacto S/A Pompéia -SP. Eng. Agr. Walter W Mosquini Planejamento de Produto

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Pulverizadores: Mecanização da cultura do Cacau. Máquinas Agrícolas Jacto S/A Pompéia -SP. Eng. Agr. Walter W Mosquini Planejamento de Produto"

Transcrição

1 Pulverizadores: Mecanização da cultura do Cacau Máquinas Agrícolas Jacto S/A Pompéia -SP Eng. Agr. Walter W Mosquini Planejamento de Produto

2 Informações Foi fundada em 1948; Todas as unidades produtivas estão sediadas no município de Pompéia, onde ocupam uma área de 150 mil metros quadrados; Possui um Centro de Pesquisa e Desenvolvimento de alta tecnologia.

3 Mais de meio século de história voltada para a agricultura, desenvolvendo equipamentos inovadores e de alta tecnologia, líder de mercado na área de pulverizadores e com um complexo industrial de primeiro mundo. Esta é a Jacto. Empresa fundada pelo Sr. Shunji Nishimura, imigrante japonês, que compõe um Grupo empresarial fortíssimo e extremamente diversificado.

4 Fatores que podem contribuir para aumento da eficiência dos cultivos Tecnologias sustentáveis Irrigação; Adubação ; Espaçamento de plantio; Colheita. Meio ambiente; Tratamento Fitossanitário /Pulverização

5 Porque e para que mecanizar? Aumentar produtividade; Ser mais competitivo Reduzir custo de produção; Aumentar rentabilidade do negócio; Redução na disponibilidade de mão-de-obra;

6 Premissas importantes para mecanização - Pulverização Sistemas de cultivo : Topografia; Espaçamento de Plantio; Densidade de Plantas; Altura e formato das plantas; Mudança cultural; Quebra de paradigmas;

7 Alvo Biológico Entendendo o problema... -PARTE SUPERIOR - DE CIMA -RAMOS -DE BAIXO -FLÔRES -FRUTOS -MENOR COBERTURA

8 Jato Transportado Transporte das Gotas Tamanho de gota; Energia auxiliar; Distância do alvo; cuidados com evaporação uso do ar;

9 Qual a melhor opção?

10 Quais variáveis temos: Capacidade do tanque; Ventilador; Formato do defletor; Ramal de pulverização; Pontas (Bicos) de pulverização.

11 Quais variáveis temos: Capacidade do tanque Opções : 200 a 4000 litros ; Formato dos tanques;

12 Quais variáveis temos: Ventilador Diâmetro ; Volume de ar; Velocidade de ar; Consumo de potência ; Posicionamento.

13 Quais variáveis temos: Ventilador : Características Volume Velocidade Rotação Consumo de de ar (m 3 /s) do ar (km/h) (rpm) potência (CV) ARBUS 2000/725 Café 9, ,5 ARBUS 2000/850 Golden 14, ,7 ARBUS SUPER EXPORT ARBUS 2000 Cerrado

14 Quais variáveis temos: Ventilador : Posição

15 Quais variáveis temos: Formato do defletor Função - Distribuição do ar gerado pelo ventilador Direcionamento do fluxo de ar Homogeneidade na distribuição

16 Quais variáveis temos: Ramal de pulverização

17 Quais variáveis temos: Ramal de pulverização ARBUS Café ARBUS Golden ARBUS 2000 SUPER EXPORT ARBUS 2000 Cerrado RAMAL 8 REGULAVEL -16 BICOS RAMAL 12 REGULAVEL -24 BICOS RAMAL 19 REGULAVEL 38 BICOS/Ramal 18 PB ANTI GOTEJO 72 BICOS RAMAL 19 REGULAVEL 38 BICOS

18 Quais variáveis temos: Pontas (Bicos) de pulverização

19 Segurança NR 31 Texto da NR 31 item 12.4: As proteções devem ser fornecidas pelo fabricante como parte integrante das máquinas e equipamentos, não podendo ser consideradas como item opcional. As transmissões de força, as partes móveis e os componentes móveis acessórios ou interligados a elas, acessíveis ou expostos devem ser dotadas de proteções fixas, ou móveis com dispositivos de intertravamento, impedindo o acesso por todos os lados. Considera-se proteção como parte da maquina especificamente utilizada para prover segurança por meio de barreira física classificadas em: Proteção fixa: "é aquela que deve ser mantida em sua posição, isto é, fechada, de maneira permanente ou por meio de elementosdefixação, que só permitam sua remoção ou abertura com o uso de ferramentas específicas; As proteções, para serem consideradas adequadas, devem ser projetadas e construídas de modo a atender aos seguintes requisitos: a) cumprir suas funções apropriadamente durante a vida útil da máquina ou possibilitar a reposição de partes deterioradas ou danificadas; b) ser constituídas de material resistente e adequado à contenção de projeção de peças, materiais e partículas; c) estar firmemente fixadas e garantir estabilidade e resistência mecânica compatíveis com os esforços requeridos; d) não criar pontos de esmagamento ou agarramento com partes da máquina ou com outras proteções; e) não ter extremidades e arestas cortantes ou outras saliências perigosas; f) resistir a intempéries; g) impedir a burla; h) proporcionar condições de higiene e limpeza; i) não permitir o contato com a zona de perigo; j) ter seus dispositivos de segurança eletromecânicos ou eletrônicos, utilizados para bloqueio de funcionamento de partes móveisperigosas da máquina, protegidos adequadamente contra sujidade, poeira e corrosão; k) não acarretar riscos adicionais. Quando a proteção for construída de material descontinuo, as dimensões das aberturas, devem obedecer a NBRNM-ISO13852 Segurança de Máquinas-Distâncias de segurança para impedir o acesso a zonas de perigo pelos membros superiores.

20 NR 31

21 NR 31

22 NR 31

23 NR 31

24 NR 31

25 OBRIGADO!!! Eng. Agr. Walter Wagner Mosquini Máquinas Agrícolas Jacto S/A

ARBUS Rua Dr. Luiz Miranda, Pompeia - SP - Tel. (14) Fax. (14)

ARBUS Rua Dr. Luiz Miranda, Pompeia - SP - Tel. (14) Fax. (14) Rua Dr. Luiz Miranda, 1650-17580-000 - Pompeia - SP - Tel. (14) 3405 2100 - Fax. (14) 3452 1916 - E-mail: vendas@jacto.com.br PROTEJA O MEIO AMBIENTE. AO INUTILIZAR ESTE FOLHETO, NÃO JOGUE EM VIAS PÚBLICAS.

Leia mais

LINHA JATÃO 3 PONTOS. Rua Dr. Luiz Miranda, Pompeia - SP - Tel. (14) Fax. (14)

LINHA JATÃO 3 PONTOS. Rua Dr. Luiz Miranda, Pompeia - SP - Tel. (14) Fax. (14) Rua Dr. Luiz Miranda, 1650-17580-000 - Pompeia - SP - Tel. (14) 3405 2100 - Fax. (14) 3452 1916 - E-mail: vendas@jacto.com.br PROTEJA O MEIO AMBIENTE. AO INUTILIZAR ESTE FOLHETO, NÃO JOGUE EM VIAS PÚBLICAS.

Leia mais

ARBUS 2000 TP. Rua Dr. Luiz Miranda, Pompeia - SP - Tel. (14) Fax. (14) www. jacto.com.br

ARBUS 2000 TP. Rua Dr. Luiz Miranda, Pompeia - SP - Tel. (14) Fax. (14) www. jacto.com.br Rua Dr. Luiz Miranda, 1650-17580-000 - Pompeia - SP - Tel. (14) 3405 2100 - Fax. (14) 3452 1916 - www. jacto.com.br PROTEJA O MEIO AMBIENTE. AO INUTILIZAR ESTE FOLHETO, NÃO JOGUE EM VIAS PÚBLICAS. Imagens

Leia mais

NR 12 - SEGURANÇA NO TRABALHO EM MÁQUINAS E EQUIPAMENTOS

NR 12 - SEGURANÇA NO TRABALHO EM MÁQUINAS E EQUIPAMENTOS NR 12 - SEGURANÇA NO TRABALHO EM MÁQUINAS E EQUIPAMENTOS Instalações e Dispositivos Elétricos Dispositivos de Partida, Acionamento e Parada Dispositivos de Parada de Emergência Clarice I. Lorenzi Eng.

Leia mais

TECNOLOGIA DE APLICAÇÃO DE HERBICIDAS

TECNOLOGIA DE APLICAÇÃO DE HERBICIDAS TECNOLOGIA DE APLICAÇÃO DE HERBICIDAS Emprego de todos os conhecimentos científicos que proporcionem a correta colocação do produto biologicamente ativo no alvo, em quantidade necessária, de forma econômica,

Leia mais

Mecanização da Pulverização. Eng. Agr.Jairo da Costa Moro Máquinas Agrícolas Jacto S.A

Mecanização da Pulverização. Eng. Agr.Jairo da Costa Moro Máquinas Agrícolas Jacto S.A Eng. Agr.Jairo da Costa Moro Máquinas Agrícolas Jacto S.A Mercado de defensivos Agrícolas 2014 - Brasil - O mercado brasileiro comercializou o valor total de US$12,25 bilhões em defensivos agrícolas. Fonte:

Leia mais

TECNOLOGIA DE APLICAÇÃO DE AGROTÓXICOS

TECNOLOGIA DE APLICAÇÃO DE AGROTÓXICOS Definição: Ciência multidisciplinar Disciplina: Fitopatologia Agrícola TECNOLOGIA DE APLICAÇÃO DE AGROTÓXICOS Objetivos: Destinada às pesquisas de equipamentos Processos e obtenção de resultados mais eficientes

Leia mais

Conhecendo a NR-12 e Suas Obrigatoriedades

Conhecendo a NR-12 e Suas Obrigatoriedades Conhecendo a NR-12 e Suas Obrigatoriedades CLT Consolidação das Leis do Trabalho É de obrigação legal para os empregadores a Lei nº 6.514, de 22 de dezembro de 1977 relativa a segurança e medicina do trabalho

Leia mais

T-802XXX. Carga Minima (Kg) Deflexão / mm

T-802XXX. Carga Minima (Kg) Deflexão / mm 10.17 APOIOS ANTIVIBRÁTEIS T-802XXX Suportes de teto tg & tm geral: As séries TG e TM são concebidas para evitar a transmissão de vibrações de unidades de ar condicionado e de qualquer outro equipamento

Leia mais

ELEVADORES MECAN PARA MATERIAIS OU PASSAGEIROS

ELEVADORES MECAN PARA MATERIAIS OU PASSAGEIROS ELEVADOR UM SISTEMA MECAN DE ELEVADOR E CABINA FECHADA OU SEMIFECHADA PARA O TRANSPORTE DE PASSAGEIROS OU MATERIAIS EM CANTEIRO DE OBRAS EQUIPADO COM FREIO DE SEGURANÇA AUTOMÁTICO E MANUAL TIPO CUNHA ELEVADORES

Leia mais

Título: Equipamento para decapagem interior de tubos

Título: Equipamento para decapagem interior de tubos VITALIANO J. COSTA, LDA. e q u i p a m e n t o s de p i n t u r a Aceiro das Boiças Qta. da Torre Cabanas 2950-635 PALMELA Tel. Geral : 212 888 050 Fax : 212 888 059 Tel. Encomendas : 212 888 051 e-mail:

Leia mais

ANEXO IX INJETORA DE MATERIAIS PLÁSTICOS

ANEXO IX INJETORA DE MATERIAIS PLÁSTICOS ANEXO IX INJETORA DE MATERIAIS PLÁSTICOS 1. Para fins de aplicação deste Anexo considera-se injetora a máquina utilizada para a fabricação descontínua de produtos moldados, por meio de injeção de material

Leia mais

ASPECTOS BÁSICOS DA NR-12. Bruno Caruso Bilbao Adad

ASPECTOS BÁSICOS DA NR-12. Bruno Caruso Bilbao Adad ASPECTOS BÁSICOS DA NR-12 Bruno Caruso Bilbao Adad Publicação D.O.U. Portaria GM n.º 3.214, de 08 de junho de 1978 06/07/78 Atualizações D.O.U. Portaria SSST n.º 12, de 06 de junho de 1983 14/06/83 Portaria

Leia mais

LINHA CONDOR. Rua Dr. Luiz Miranda, Pompeia - SP - Tel. (14) Fax. (14)

LINHA CONDOR. Rua Dr. Luiz Miranda, Pompeia - SP - Tel. (14) Fax. (14) Rua Dr. Luiz Miranda, 1650 17580000 Pompeia SP Tel. (14) 3405 2100 Fax. (14) 3452 1916 Email: vendas@jacto.com.br PROTEJA O MEIO AMBIENTE. AO INUTILIZAR ESTE FOLHETO, NÃO JOGUE EM VIAS PÚBLICAS. www.jacto.com.br

Leia mais

27/11/2015. Boas práticas: os desafios da tecnologia de aplicação. Tecnologia de aplicação x ambiente. Ulisses Rocha Antuniassi

27/11/2015. Boas práticas: os desafios da tecnologia de aplicação. Tecnologia de aplicação x ambiente. Ulisses Rocha Antuniassi Boas práticas: os desafios da tecnologia de aplicação Ulisses Rocha Antuniassi FCA/UNESP - Botucatu/SP ulisses@fca.unesp.br Apresentação UNESP: FCA: DEnR: NTA: NEMPA: Universidade Estadual Paulista Faculdade

Leia mais

Lista de verificação baseada na norma regulamentadora NR-12 para aplicação em silos armazenadores de grãos

Lista de verificação baseada na norma regulamentadora NR-12 para aplicação em silos armazenadores de grãos Lista de verificação baseada na norma regulamentadora NR-12 para aplicação em silos armazenadores de grãos Gislaine Iastiaque Martins 1, Marcia Fernanda Deminski 2, Marta Mitiko Kubota Siqueira 3, Carlos

Leia mais

EQUIPAMENTOS PARA MISTURA E PROCESSAMENTO DO CORAÇÃO DA EUROPA

EQUIPAMENTOS PARA MISTURA E PROCESSAMENTO DO CORAÇÃO DA EUROPA EMA Austria GMBH EQUIPAMENTOS PARA MISTURA E PROCESSAMENTO DO CORAÇÃO DA EUROPA Misturador de arado de alto desempenho Mixema Intense O Mixema Intense é um dos tipos mais eficientes de misturador para

Leia mais

Manual de Treinamento CONCEITOS E TECNOLOGIAS QUE VISAM A AUMENTAR O CONTROLE DE PRAGAS E DOENÇAS DE BAIXEIRO

Manual de Treinamento CONCEITOS E TECNOLOGIAS QUE VISAM A AUMENTAR O CONTROLE DE PRAGAS E DOENÇAS DE BAIXEIRO CONCEITOS E TECNOLOGIAS QUE VISAM A AUMENTAR O CONTROLE DE PRAGAS E DOENÇAS DE BAIXEIRO EDIÇÃO Nº 01/2014 Código: 0416-tp Manual de Treinamento Máquinas Agrícolas Jacto Rua Dr. Luiz Miranda, 1650 17580-000

Leia mais

Comunicado Técnico 09

Comunicado Técnico 09 Comunicado Técnico 09 ISSN 2177-854X Maio. 2011 Uberaba - MG Regulagem de Pulverizadores Agrícolas de Barras Responsável: Paulo Roberto Pala Martinelli E-mail: prpmartinelli@yahoo.com.br Engenheiro Agrônomo;

Leia mais

UNIPORT 3000 NPK. Rua Dr. Luiz Miranda, Pompeia - SP - Tel. (14) Fax. (14)

UNIPORT 3000 NPK. Rua Dr. Luiz Miranda, Pompeia - SP - Tel. (14) Fax. (14) Rua Dr. Luiz Miranda, 1650-17580-000 - Pompeia - SP - Tel. (14) 3405 2100 - Fax. (14) 3452 1916 - E-mail: vendas@jacto.com.br PROTEJA O MEIO AMBIENTE. AO INUTILIZAR ESTE FOLHETO, NÃO JOGUE EM VIAS PÚBLICAS.

Leia mais

Telemetria em Pulverização Pedro Estevão Bastos Abimaq

Telemetria em Pulverização Pedro Estevão Bastos Abimaq Telemetria em Pulverização Pedro Estevão Bastos Abimaq ABIMAQ Associação Brasileira da Indústria de Máquinas CSMIA Câmara Setorial de Máquinas e Implementos Agrícolas 360 empresas 48.000 empregos R$ 11

Leia mais

Máquinas e Equipamentos NR - 12

Máquinas e Equipamentos NR - 12 Máquinas e Equipamentos NR - 12 Publicação - Portaria GM N. 3.214, de 08 de julho de 1978 06/07/78. Atualizações - Portaria SIT N. 197, de 17 de dezembro de 2010 24/12/10. Entra em vigor - 01 de julho

Leia mais

INSPEÇÃO PERIÓDICA DE PULVERIZADORES NA REGIÃO DO ALTO VALE DO ITAJAÍ

INSPEÇÃO PERIÓDICA DE PULVERIZADORES NA REGIÃO DO ALTO VALE DO ITAJAÍ INSPEÇÃO PERIÓDICA DE PULVERIZADORES NA REGIÃO DO ALTO VALE DO ITAJAÍ Lucas Renan EFFTING 1 ; João Pedro Fossa BERNARDY 2 ; Leonardo DÜSTERHOFT 3 ; Fabrício Campos MASIERO 4, Ricardo Kozoroski VEIGA 5

Leia mais

SUA PRODUTIVIDADE GANHA FORÇA COM A SANTAL.

SUA PRODUTIVIDADE GANHA FORÇA COM A SANTAL. SANTAL.COM.BR TRADIÇÃO DE ALTO DESEMPENHO. SUA PRODUTIVIDADE GANHA FORÇA COM A SANTAL. TECNOLOGIA RESULTADO COMPROVADO NO SETOR SUCROALCOOLEIRO. A Plantadora Santal PDM2 é mais um exemplo do espírito inovador

Leia mais

Planejamento e Instalação de Pomares

Planejamento e Instalação de Pomares Universidade Federal do Vale do São Francisco Campus de Ciências Agrárias Curso de Engenharia Agronômica Disciplina: Fruticultura I Planejamento e Instalação de Pomares Docente responsável: Prof. Dr. Ítalo

Leia mais

Mecanização Agrícola Manejo de Culturas de Cobertura

Mecanização Agrícola Manejo de Culturas de Cobertura Mecanização Agrícola Manejo de Culturas de Cobertura MANEJO DA VEGETAÇÃO E DE RESTOS CULTURAIS INTRODUÇÃO - Preparos Conservacionistas Objetivos: Superfície coberta máximo de tempo possível Uniformidade

Leia mais

PetroCabos - Líder em Equipamentos de Segurança NR-12

PetroCabos - Líder em Equipamentos de Segurança NR-12 PetroCabos - Líder em Equipamentos de Segurança NR-12 A PetroCabos é fabricante de Cabos e Malhas de Segurança (conforme NR-12), Camisas de Puxamento para Cabos e Condutores, e ainda, de Flutuadores para

Leia mais

Aplicação dos Anexos VI e VII da NR 12 em Minas Gerais

Aplicação dos Anexos VI e VII da NR 12 em Minas Gerais REUNIÃO TÉCNICA - 04/09/2013 Aplicação dos Anexos VI e VII da NR 12 em Minas Gerais Marcos Ribeiro Botelho Auditor-Fiscal do Trabalho SRTE/MG Uberaba/MG Paralelo entre as duas NR-12 Antiga NR-12 NR-12

Leia mais

Estratégias de colheita e beneficiamento para fibra de alta qualidade Engº Agrônomo Édio Brunetta Dir. Agroindustrial Grupo Itaquerê

Estratégias de colheita e beneficiamento para fibra de alta qualidade Engº Agrônomo Édio Brunetta Dir. Agroindustrial Grupo Itaquerê Estratégias de colheita e beneficiamento para fibra de alta qualidade Engº Agrônomo Édio Brunetta Dir. Agroindustrial Grupo Itaquerê Introdução: A qualidade da fibra do algodão é influenciada direta e

Leia mais

Chuveiro e lava-olhos de emergência: Equipamentos imprescindíveis para o manuseio de produtos químicos

Chuveiro e lava-olhos de emergência: Equipamentos imprescindíveis para o manuseio de produtos químicos Chuveiro e lava-olhos de emergência: Equipamentos imprescindíveis para o manuseio de produtos químicos Esses equipamentos são destinados a eliminar ou minimizar os danos causados por acidentes nos olhos

Leia mais

UNIPORT STAR

UNIPORT STAR Rua Dr. Luiz Miranda, 1650-17580-000 - Pompeia - SP - Tel. (14) 3405 2100 - E-mail: vendas@jacto.com.br www. jacto.com.br PROTEJA O MEIO AMBIENTE. AO INUTILIZAR ESTE FOLHETO, NÃO JOGUE EM VIAS PÚBLICAS.

Leia mais

Misturadores de concreto

Misturadores de concreto Misturadores de concreto Misturadores de concreto Liebherr Para quem produz concreto pré-misturado, existe um misturador Liebherr adequado para cada tarefa. Quase cinquenta anos de experiência em tecnologia

Leia mais

Sistemas de Filtragem e Fertirrigação

Sistemas de Filtragem e Fertirrigação Sistemas de Filtragem e Fertirrigação Irrigação Localizada Filtros uma medida eficaz na redução de bloqueios físicos dos emissores; escolha dos filtros deve ser realizada de acordo com o tipo de emissor

Leia mais

SEGURANÇA COM ESCADAS, RAMPAS E PASSARELAS NA CONSTRUÇÃO CIVIL. Juarez Sabino da Silva Junior Técnico de Segurança do Trabalho

SEGURANÇA COM ESCADAS, RAMPAS E PASSARELAS NA CONSTRUÇÃO CIVIL. Juarez Sabino da Silva Junior Técnico de Segurança do Trabalho SEGURANÇA COM ESCADAS, RAMPAS E PASSARELAS NA CONSTRUÇÃO CIVIL Juarez Sabino da Silva Junior Técnico de Segurança do Trabalho REGRAS DE SEGURANÇA A madeira a ser usada para construção de escadas, rampas

Leia mais

Rainforest Alliance Certified TM Relatório de Auditoria. Fazenda Pinhal e Santo Antonio. Resumo Público 08/02/ /01/ /12/ /12/2016

Rainforest Alliance Certified TM Relatório de Auditoria. Fazenda Pinhal e Santo Antonio. Resumo Público 08/02/ /01/ /12/ /12/2016 Rainforest Alliance Certified TM Relatório de Auditoria Resumo Público Fazenda Pinhal e Santo Antonio Produto(s) da fazenda: Café Arábica Imaflora Instituto de Manejo e Certificação Florestal e Agrícola

Leia mais

MOVIMENTO E DINAMISMO

MOVIMENTO E DINAMISMO SOBRE O GRUPO REDUTEP ACIONAMENTOS REDUTEP INTEGRADORA MOVIMENTO E DINAMISMO www.redutep.com.br O GRUPO Redutep Soluções Industriais A divisão Acionamentos oferece os mais variados produtos e acessórios

Leia mais

PRIMA SUPER e CERES SUPER. Grandes semeadoras para culturas de inverno

PRIMA SUPER e CERES SUPER. Grandes semeadoras para culturas de inverno PRIMA SUPER e CERES SUPER Grandes semeadoras para culturas de inverno Catálogo Português Abr/2016 PRIMA SUPER A Prima Super é uma semeadora para culturas de inverno. Sua principal característica é a uniformidade

Leia mais

TORNEIRO MECÂNICO TECNOLOGIA

TORNEIRO MECÂNICO TECNOLOGIA TORNEIRO MECÂNICO TECNOLOGIA TORNO MEC. HORIZONTAL (NOMENCL./CARACT./ACESSÓRIOS) DEFINIÇÃO: É a máquina-ferramenta usada para trabalhos de torneamento, principalmente de metais que, através da realização

Leia mais

CATÁLOGO DE PRODUTOS ACOPLÁVEIS

CATÁLOGO DE PRODUTOS ACOPLÁVEIS CATÁLOGO DE PRODUTOS ACOPLÁVEIS Arado Subsolador IMASA - ASI O Arado Subsolador IMASA - ASI foi projetado para descompactar a camada superficial do solo, reduzindo erosões, facilitando a absorção da água

Leia mais

Sustentabilidade dos Solos de Cerrado e Tráfico de Máquinas

Sustentabilidade dos Solos de Cerrado e Tráfico de Máquinas Sustentabilidade dos Solos de Cerrado e Tráfico de Máquinas Prof. Kléber Pereira Lanças FCA/UNESP Botucatu/SP GRUPO DE PESQUISA: Dr. Reginaldo Barbosa da Silva Doutorando Flávio José de Sousa Pereira Doutorando

Leia mais

Do Plantio a Colheita. sua máquina. de trabalho.

Do Plantio a Colheita. sua máquina. de trabalho. SOLUÇÕES CANAVIEIRAS Do Plantio a Colheita sua máquina. de trabalho. Tratores A Valtra possui uma linha completa de tratores para todas as fases do cultivo de cana-de-açúcar. Simples de operar, as máquinas

Leia mais

6º Encontro Regional dos Produtores de Maracujá Núcleo Rural Pipiripau Planaltina-DF

6º Encontro Regional dos Produtores de Maracujá Núcleo Rural Pipiripau Planaltina-DF Secretaria de Estado de Agricultura e Desenvolvimento Rural do DF - SEAGRI 6º Encontro Regional dos Produtores de Maracujá Núcleo Rural Pipiripau Planaltina-DF BOAS PRÁTICAS AGRÍCOLAS NA PRODUÇÃO DE MARACUJÁ

Leia mais

Novos tratores Farmall série a. O multitarefas perfeito para você.

Novos tratores Farmall série a. O multitarefas perfeito para você. tratores farmall Novos tratores Farmall série a. O multitarefas perfeito para você. Os novos tratores Farmall série A foram projetados para os mais diversos trabalhos tanto na agricultura como na pecuária.

Leia mais

Filtros de cartuchofmc

Filtros de cartuchofmc Filtros de cartuchofc Design Cartuchos standard em poliéster CA100: no máx. 10 g/m 3 de poeira fina ou grossa. Cartucho em celulose CA175: no máx. 1 g/ m 3 de fumos frios. Temperatura de funcionamento

Leia mais

VIABILIDADE FITOTÉCNICA DO ALGODÃO ADENSADO. Valdinei Sofiatti Pesquisador da Embrapa Algodão

VIABILIDADE FITOTÉCNICA DO ALGODÃO ADENSADO. Valdinei Sofiatti Pesquisador da Embrapa Algodão VIABILIDADE FITOTÉCNICA DO ALGODÃO ADENSADO Valdinei Sofiatti Pesquisador da Embrapa Algodão O sistema de cultivo adensado Consiste no plantio de algodão em fileiras com espaçamentos menores de 0,76 metros

Leia mais

Florestas Dedicadas: Maior Termelétrica a partir de Biomassa da LATAM

Florestas Dedicadas: Maior Termelétrica a partir de Biomassa da LATAM Florestas Dedicadas: Maior Termelétrica a partir de Biomassa da LATAM Marco Tuoto mtuoto@treeflorestal.com.br Preparado para: Simpósio Internacional BIO.COMBRASIL Biomassa Sólida, Tecnologias e Negócios

Leia mais

Amassadura. Amassadura. Manual. Mecânica Equipamentos chamados betoneiras. Amassadura: Levar todos os componentes do betão a formar um todo homogéneo

Amassadura. Amassadura. Manual. Mecânica Equipamentos chamados betoneiras. Amassadura: Levar todos os componentes do betão a formar um todo homogéneo Amassadura Amassadura Levar todos os componentes do betão a formar um todo homogéneo Amassadura: Manual (fora de uso; só mesmo para quantidades muito pequenas) Mecânica Equipamentos chamados betoneiras

Leia mais

Medidor de vazão Tipo Roda d água Série SPX

Medidor de vazão Tipo Roda d água Série SPX Medidor de vazão Tipo Roda d água Série SPX MANUAL DE INSTRUÇÕES E INSTALAÇÃO ÍNDICE. Características Gerais pag. 0. Princípios de Funcionamento pag. 0. Características Técnicas pag. 0 4. Módulos Eletrônicos

Leia mais

LIQUIDIFICADOR INDUSTRIAL

LIQUIDIFICADOR INDUSTRIAL Manual de Instruções e Certificado de Garantia LIQUIDIFICADOR INDUSTRIAL Sumário 1 - Introdução 1.1 - Segurança 1.2 - Principais Componentes 1.3 - Características Técnicas 2 - Instalação e Pré-Operação

Leia mais

JARDIM. PULVERIZADORES 0,5 Litros WT ,9 Litros C-9. PULVERIZADORES PRESSÃO 1,5 Litros G1500 PULVERIZADORES

JARDIM. PULVERIZADORES 0,5 Litros WT ,9 Litros C-9. PULVERIZADORES PRESSÃO 1,5 Litros G1500 PULVERIZADORES 0,5 Litros WT-2056-2 Peso: 56g Ø bocal: 22mm Cx.: 50 un. Cod.: 180 050 001 050 0,9 Litros C-9 Peso: 83g Ø bocal: 22mm Cx.: 50 un. Cod.: 180 050 001 090 - Pulverizadores de cores sortidas com bomba de pistão

Leia mais

Pulverização Aérea CARTILHA EXPLICATIVA

Pulverização Aérea CARTILHA EXPLICATIVA Pulverização Aérea CARTILHA EXPLICATIVA 1 A modernização da agricultura mundial O crescimento na demanda mundial de alimentos trouxe um novo desafio para a agricultura. A necessidade de evoluir na produtividade

Leia mais

ESALQ. Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz Universidade de São Paulo. Prof. Dr. Walter F. Molina Jr Depto de Eng. de Biossistemas 2011

ESALQ. Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz Universidade de São Paulo. Prof. Dr. Walter F. Molina Jr Depto de Eng. de Biossistemas 2011 ESALQ Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz Universidade de São Paulo Prof. Dr. Walter F. Molina Jr Depto de Eng. de Biossistemas 2011 MOTORES EÓLICOS 1. PRINCÍPIO DE FUNCIONAMENTO. O QUE É VENTO?

Leia mais

SISTEMAS TÉRMICOS DE POTÊNCIA

SISTEMAS TÉRMICOS DE POTÊNCIA SISTEMAS TÉRMICOS DE POTÊNCIA PROF. RAMÓN SILVA Engenharia de Energia Dourados MS - 2013 GRUPOS MOTOGERADORES - OPERAÇÃO GMG MODOS DE OPERAÇÃO O modo de operação do GMG pode afetar certas características

Leia mais

ESALQ. Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz Universidade de São Paulo. Prof. Dr. Walter F. Molina Jr Depto de Eng. de Biossistemas 2015

ESALQ. Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz Universidade de São Paulo. Prof. Dr. Walter F. Molina Jr Depto de Eng. de Biossistemas 2015 ESALQ Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz Universidade de São Paulo Prof. Dr. Walter F. Molina Jr Depto de Eng. de Biossistemas 2015 www.ler.esalq.usp.br/molina.htm Walter Molina: wfmolina@usp.br

Leia mais

ISO 9001:2000 Certificate Nº FM37608 INJETORAS MANUAL DE SEGURANÇA

ISO 9001:2000 Certificate Nº FM37608 INJETORAS MANUAL DE SEGURANÇA ISO 9001:2000 Certificate Nº FM37608 INJETORAS MANUAL DE SEGURANÇA ISO 9001:2008 capítulo 3 segurança e procedimentos Seção Conteúdo Pag. 3.1 3.2 3.3 3.4 3.5 3.6 Segurança Geral Sinais de aviso Placas

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA MESA DE HALL PÚBLICO MHP 02 ERG REVOGA: REVOGA DESENHO: DT-498/3 CÓDIGO ERP: ORGÃO DEMANDANTE: DERAT

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA MESA DE HALL PÚBLICO MHP 02 ERG REVOGA: REVOGA DESENHO: DT-498/3 CÓDIGO ERP: ORGÃO DEMANDANTE: DERAT EMPRESA BRASILEIRA DE CORREIOS E TELÉGRAFOS ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA MESA DE HALL PÚBLICO MHP 02 ERG NÚMERO: 122010 DESENHO: DT-498/4 EMISSÃO: FEV/2012 VALIDADE: FEV/2017 REVOGA: 082027 REVOGA DESENHO: DT-498/3

Leia mais

MANUAL DO CONSUMIDOR VENTILADOR DE TETO

MANUAL DO CONSUMIDOR VENTILADOR DE TETO VENTILADOR DE TETO MODELOS: SUNNY, SUNNY CONTR FHARO Obrigado por adquirir o. Antes de utilizar o seu produto leia atentamente este manual de instruções. Após a leitura guarde-o em local seguro para consultas

Leia mais

6.4 CONTROLE DE PLANTAS DANINHAS

6.4 CONTROLE DE PLANTAS DANINHAS 6.4 CONTROLE DE PLANTAS DANINHAS Prejuízos: -Competição por água; -Competição por luz; -Competição por nutrientes; -Hospedeiros de pragas e doenças; -Interferência na operação de colheita. Período de competição:

Leia mais

Instituto Superior de Tecnologia de Paracambi. NR 8 e NR-10. Professora: Raquel Simas Pereira Teixeira

Instituto Superior de Tecnologia de Paracambi. NR 8 e NR-10. Professora: Raquel Simas Pereira Teixeira Instituto Superior de Tecnologia de Paracambi NR 8 e NR-10 Professora: Raquel Simas Pereira Teixeira NR-8 Edificações Dispõe sobre os requisitos técnicos mínimos que devem ser observados nas edificações

Leia mais

6.2 ACESSOS - Condições gerais

6.2 ACESSOS - Condições gerais 6.2 ACESSOS - Condições gerais 6.2.1 Nas edificações e equipamentos urbanos todas as entradas devem ser acessíveis, bem como as rotas de interligação às principais funções do edifício. 6.2.2 Na adaptação

Leia mais

Manual de Instruções e Certificado de Garantia CORTADOR DE FRIOS 200 MM

Manual de Instruções e Certificado de Garantia CORTADOR DE FRIOS 200 MM Manual de Instruções e Certificado de Garantia CORTADOR DE FRIOS 200 MM Sumário 1 - Introdução 1.1 - Segurança 1.2 - Principais Componentes 1.3 - Características Técnicas 2 - Instalação e Pré-Operação

Leia mais

Prensas Excêntricas ncp

Prensas Excêntricas ncp Prensas Excêntricas ncp PRENSA EXCÊNTRICA TIPO C DE BIELA SIMPLES NCP-2 NCP-3 NCP-4 NCP-60 NCP-80 NCP-110 NCP-160 NCP-200 NCP-260 A 2.274 2.462 2.622 2.974 3.061 3.234 3.47 4.080 4.36 B 700 80 890 910

Leia mais

TÉCNICA CULTURAL PARA PRODUÇÃO DE SEMENTES

TÉCNICA CULTURAL PARA PRODUÇÃO DE SEMENTES 1 TÉCNICA CULTURAL PARA PRODUÇÃO DE SEMENTES 1. Introdução Silvio Moure Cicero Instalação de campos de produção de sementes requer planejamento muito criterioso: diferentes espécies requerem técnicas especiais;

Leia mais

Manual e Especificação Técnica

Manual e Especificação Técnica Telhados verdes e jardins elevados Manual e Especificação Técnica Sistema Telhado Verde SkyGarden Bioma Cerrado O sistema de telhado verde da SkyGarden é o resultado de décadas de pesquisas no Japão, em

Leia mais

TRATOR DE ESTEIRAS 1150L / 1650L / 2050M

TRATOR DE ESTEIRAS 1150L / 1650L / 2050M TRATOR DE ESTEIRAS 1150L / 1650L / 2050M PERFECT IN EVERY MISSION casece.com.br experts for the real world since 1842. TONELADAS DE MAIS PRODUTIVIDADE. Mais força. Mais eficiência. Maior facilidade de

Leia mais

Agentes causadores. Mecanização agrícola. Compactação sob as rodas dos veículos distribuição de pressão no solo.

Agentes causadores. Mecanização agrícola. Compactação sob as rodas dos veículos distribuição de pressão no solo. Agentes causadores Mecanização agrícola Compactação sob as rodas dos veículos distribuição de pressão no solo. Peso do veículo que determinará o total da força exercida Tamanho da área de contato entre

Leia mais

BOMBAS VELOCIDADE VARIÁVEL. Gamas Bombas

BOMBAS VELOCIDADE VARIÁVEL. Gamas Bombas BOMBAS BOMBAS VELOCIDADE VARIÁVEL Super Pump VS Tristar VST Intelliflo Davey Gamas Bombas VANTAGENS Ao contrário de uma bomba de velocidade normal, a bomba de velocidade variável ajusta a sua velocidade

Leia mais

Especificação Técnica de Projeto Nº 008

Especificação Técnica de Projeto Nº 008 SERVIÇO AUTÔNOMO DE ÁGUA E ESGOTO DE SOROCABA ETP 008 Especificação Técnica de Projeto Nº 008 ÍNDICE 1. OBJETIVO... 2 2. REFERÊNCIAS NORMATIVAS... 2 3. CARACTERÍSTICAS GERAIS... 2 4. CAMPO DE APLICAÇÃO...

Leia mais

NEW HOLLAND T7 T7 ExiTus

NEW HOLLAND T7 T7 ExiTus NEW HOLLAND T7 T7 exitus 2 3 ROBUSTEZ PARA UM ALTO RENDIMENTO NA SUA LAVOURA. Reconhecida pelos agricultores como uma linha de tratores que une eficiência, capacidade produtiva, alta tecnologia, conforto

Leia mais

Normas. Proteção da cabeça:

Normas. Proteção da cabeça: Normas Proteção da cabeça: Norma EN397 - Capacetes de proteção para a indústria A norma EN 397, que diz respeito aos capacetes de proteção para a indústria, exige em termos de marcação as indicações seguintes:

Leia mais

GlideLoc Sistemas de trilho para acesso seguro em escadas

GlideLoc Sistemas de trilho para acesso seguro em escadas GlideLoc Sistemas de trilho para acesso seguro em escadas FAQ Perguntas Mais Frequentes P1: O que são os kits GlideLoc para acesso seguro em escadas? R1: GlideLoc trata-se de de um sistema de linha de

Leia mais

MANUAL DE INSTRUÇÕES MÁQUINA PARA TRATAMENTO DE CEREAIS TN-70

MANUAL DE INSTRUÇÕES MÁQUINA PARA TRATAMENTO DE CEREAIS TN-70 MANUAL DE INSTRUÇÕES MÁQUINA PARA TRATAMENTO DE CEREAIS TN-70 INTRODUÇÃO A MAKNINJA é uma máquina criada para melhorar e proteger os cereais no plantio de várias culturas, com os mesmos tratados a planta

Leia mais

SOLUÇÕES TÉCNICAS, CUSTO E QUALIDADE

SOLUÇÕES TÉCNICAS, CUSTO E QUALIDADE VISÃO GLOBAL CONSULTORIA EM GESTÃO INDUSTRIAL; ADEQUAÇÕES AS NORMAS REGULAMENTADORAS; CONSULTORIA INDUSTRIAL RELAÇÃO SINDICAL E COM O M.T.E. GESTÃO DE PESSOAS EFICIÊNCIA PRODUTIVIDADE ORGANIZAÇÃO PRODUÇÃO

Leia mais

FiberMax. Mais que um detalhe: uma genética de fibra.

FiberMax. Mais que um detalhe: uma genética de fibra. FiberMax. Mais que um detalhe: uma genética de fibra. Requisitos para o cultivo de algodoeiro GlyTol LibertyLink, além de boas práticas de manejo integrado de plantas daninhas. Cap 1: Descrição do Produto

Leia mais

Segurança de Máquinas e Equipamentos NR12

Segurança de Máquinas e Equipamentos NR12 Segurança de Máquinas e Equipamentos NR12 www.eteck.com.br -1- As zonas de perigo das máquinas e equipamentos devem possuir sistemas de segurança, caracterizados por proteções fixas, proteções móveis e

Leia mais

Treinamento Porta Social

Treinamento Porta Social Treinamento Porta Social Leia o manual antes de instalar o automatizador. O uso correto do automatizador prolonga sua vida útil e evita acidentes. Guarde este manual para futuras consultas. ÌNDICE Advertências...2

Leia mais

Características e Desempenho Produtivo de Cultivares de Arroz de Terras Altas Recomendadas para Roraima

Características e Desempenho Produtivo de Cultivares de Arroz de Terras Altas Recomendadas para Roraima Características e Desempenho Produtivo de Cultivares de Arroz de Terras Altas Recomendadas para Roraima Antonio Carlos Centeno Cordeiro. Eng. Agr. Dr. Pesquisador da Embrapa Roraima Em Roraima, o cultivo

Leia mais

Acesse:

Acesse: Segurando as pontas As operações de tornear superfícies cilíndricas ou cônicas, embora simples e bastante comuns, às vezes apresentam algumas dificuldades. É o que acontece, por exemplo, com peças longas

Leia mais

Tudo Sobre Agulhas. Tudo Sobre Agulhas

Tudo Sobre Agulhas. Tudo Sobre Agulhas Tudo Sobre Agulhas Os sistemas de agulhas podem ser adotados em situações como o uso de tecidos específicos, novo maquinário ou aumento da velocidade da máquina. Um guia sobre agulhas de máquinas de costura.

Leia mais

PLANTAR PINUS É UM BOM NEGÓCIO?

PLANTAR PINUS É UM BOM NEGÓCIO? PLANTAR PINUS É UM BOM NEGÓCIO? II SEMINÁRIO DA CADEIA PRODUTIVA DA MADEIRA Eng. Ftal. Flavio Sérgio Mendes Lages, 22 de Setembro de 2005 SIM, PLANTAR PINUS É UM BOM NEGÓCIO. Quais as premissas que foram

Leia mais

SMART ASSET CONTROL SOLUTION OTIMIZANDO A UTILIZAÇÃO DE ATIVOS MÓVEIS PARA MELHORES RESULTADOS

SMART ASSET CONTROL SOLUTION OTIMIZANDO A UTILIZAÇÃO DE ATIVOS MÓVEIS PARA MELHORES RESULTADOS BROCHURE VENTURES SMART ASSET CONTROL SOLUTION OTIMIZANDO A UTILIZAÇÃO DE ATIVOS MÓVEIS PARA MELHORES RESULTADOS O DESAFIO DO CONTROLE DE EQUIPAMENTOS MÓVEIS Com o desafio econômico atual e a alta concorrência,

Leia mais

INOVAÇÕES/AVANÇOS TECNOLÓGICOS NA PRODUÇÃO FLORESTAL

INOVAÇÕES/AVANÇOS TECNOLÓGICOS NA PRODUÇÃO FLORESTAL III Congresso Brasileiro de Eucalipto - Vitória ES CEDAGRO INOVAÇÕES/AVANÇOS TECNOLÓGICOS NA PRODUÇÃO FLORESTAL Edmilson Bitti Loureiro Desenvolvimento Operacional Florestal Setembro de 2015 Copyright

Leia mais

MÁQUINAS DE LAVAR PISTOLAS INFRA-VERMELHOS

MÁQUINAS DE LAVAR PISTOLAS INFRA-VERMELHOS MÁQUINAS DE LAVAR PISTOLAS INFRA-VERMELHOS MÁQUINA DE LAVAR PISTOLAS AUTOMÁTICAS 180 CX 2110560 unid./caixa 1 3.440,00 74 kg cm 71x 69x150h cm 50x30x32h 15 cm Pneumático min: 6 - máx. 10 bar A máquina

Leia mais

GUIA DO USUÁRIO AQUECEDOR INDUTIVO NACHI [N-SOLUTIONS] DEPARTARTAMENTO DE ENGENHARIA DE APLICAÇÃO

GUIA DO USUÁRIO AQUECEDOR INDUTIVO NACHI [N-SOLUTIONS] DEPARTARTAMENTO DE ENGENHARIA DE APLICAÇÃO GUIA DO USUÁRIO [N-SOLUTIONS] AQUECEDOR INDUTIVO NACHI CONTEÚDO 1 INTRODUÇÃO 2 CARACTERÍSTICAS TÉCNICAS 3 DESCRIÇÃO DOS COMPONETES 4 PRINCÍPIOS DE FUNCIONAMENTO 5 UTILIZANDO O N- WARMER INTRODUÇÃO O AQUECEDOR

Leia mais

Manual do Proprietário. Batedeira planetaria BTI 18/ BT I36

Manual do Proprietário. Batedeira planetaria BTI 18/ BT I36 Manual do Proprietário Batedeira planetaria BTI 18/ BT I36 Índice 1- Apresentação. 2- Instalação e Instruções. 3- Operação. 4- Limpeza. 5- Manutenção. 6- Possíveis Problemas e Soluções. 7- Esquema Elétrico.

Leia mais

GREEN MACHINES SÉRIE 400 A MELHOR VARREDEIRA PARA O TRABALHO

GREEN MACHINES SÉRIE 400 A MELHOR VARREDEIRA PARA O TRABALHO GREEN MACHINES SÉRIE 400 A MELHOR VARREDEIRA PARA O TRABALHO Espere mais de sua varredeira com a versátil Série 400. Dos centros urbanos às áreas de universidades, parques nas cidades e zoológicos, esta

Leia mais

ARF/ARL VENTILADORES CENTRÍFUGOS TUBULARES

ARF/ARL VENTILADORES CENTRÍFUGOS TUBULARES ARF/ARL VENTILADORES CENTRÍFUGOS TUBULARES CARACTERÍSTICAS TÉCNICAS INTRODUÇÃO Bocais Os ventiladores centrífugos tubulares fabricados pela OTAM Responsáveis pela entrada suave do ar na aspiração do possuem

Leia mais

Shell Corena S4 R 46. Lubcenter Lubrificante sintético de alto desempenho para compressores de ar rotativos

Shell Corena S4 R 46. Lubcenter Lubrificante sintético de alto desempenho para compressores de ar rotativos Lubcenter 21 3297-2931 www.lubcenter.com Previous Name: Shell Corena AS Shell Corena S4 R 46 Technical Data Sheet Extra Vida útil Eficiência Melhorada Aplicações Severas Lubrificante sintético de alto

Leia mais

Mangueiras Perfis Técnicos

Mangueiras Perfis Técnicos Produtos de Qualidade Mangueiras Perfis Técnicos Mangueiras Apresentação NASHA, fundada em 1990, possui ex- tubos e perfis técnicos extrudados em PVC periência no mercado industrial e neste perío- (policloreto

Leia mais

MANUAL DO CONSUMIDOR VENTILADOR DE TETO

MANUAL DO CONSUMIDOR VENTILADOR DE TETO VENTILADOR DE TETO MODELO: Obrigado por adquirir o. Antes de utilizar o seu produto leia atentamente este manual de instruções. Após a leitura guarde-o em local seguro para consultas futuras. Este aparelho

Leia mais

Argamassas e Equipamentos

Argamassas e Equipamentos Componentes: Argamassas e Equipamentos Engº Fábio Campora Argamassa Equipamentos Logística de obra Equipe de aplicação Argamassa Definição Argamassa Mistura homogênea de agregados miúdos, aglomerantes

Leia mais

ÁGUA NA HORTICULTURA: NOVAS ATITUDES E USO SUSTENTÁVEL

ÁGUA NA HORTICULTURA: NOVAS ATITUDES E USO SUSTENTÁVEL 49º CONGRESSO BRASILEIRO DE OLERICULTURA ÁGUA NA HORTICULTURA: NOVAS ATITUDES E USO SUSTENTÁVEL José Geraldo Eugênio de França Diretor-Executivo Águas de Lindóia - SP Agosto/2009 OS DEZ MAIORES PROBLEMAS

Leia mais

CANOVA 300 / AUTOMEC 300

CANOVA 300 / AUTOMEC 300 FATIADORES DE FRIOS CANOVA 300 / AUTOMEC 300 Fatia com qualidade Queijos, embutidos, entre outros. Lâmina de 300 mm de diâmetro confeccionada em aço de longa durabilidade. A ador integrado de fácil uso;

Leia mais

EDITORA SENAI -SP. Introdução a Nanociência e Nanotecnologia. Tratamento Térmico dos Metais. Paulo Sergio de Freitas

EDITORA SENAI -SP. Introdução a Nanociência e Nanotecnologia. Tratamento Térmico dos Metais. Paulo Sergio de Freitas EDITORA SENAI -SP Introdução a Nanociência e Nanotecnologia Com o objetivo de proporcionar educação multidisciplinar a seus alunos de todos os níveis, nossas instituições implantaram o Programa SESI SENAI

Leia mais

PRODUTOS.

PRODUTOS. PRODUTOS www.psienergiatermica.com.br CENTRAL TERMOELÉTRICA Motor a Vapor com 3 potências disponíveis: 100, 200 e 300 CV, com alta capacidade de transformação do vapor, que garante geração de energia térmica

Leia mais

Tecnologia Eólica para Produção de Energia Eléctrica

Tecnologia Eólica para Produção de Energia Eléctrica Apresentação Tecnologia Eólica para Produção de Energia Eléctrica Mafalda Antunes mafaldaa@portugalmail.pt Departamento de Electrónica Industrial O que é a Energia Eólica? E A energia eólica, é a energia

Leia mais

1. Informações de segurança

1. Informações de segurança 1. Informações de segurança A operação segura desses produtos só pode ser garantida se forem devidamente instalados, comissionados, utilizados e mantidos por pessoal qualificado de acordo com as instruções

Leia mais

INFORMATIVO 09/2016. NOVAS ALTERAÇÕES NA NR 12 DOU de 02/05/2016

INFORMATIVO 09/2016. NOVAS ALTERAÇÕES NA NR 12 DOU de 02/05/2016 Data do boletim informativo Volume 1, Edição 1 Di INFORMATIVO 09/2016 NOVAS ALTERAÇÕES NA NR 12 DOU de 02/05/2016 O Ministério do Trabalho e Previdência Social, através da Portaria MTPS nº 509 de 29 de

Leia mais

Visão geral de usinas de força. Produtos e soluções para transmissão de potência em usinas de geração de energia

Visão geral de usinas de força. Produtos e soluções para transmissão de potência em usinas de geração de energia Visão geral de usinas de força Produtos e soluções para transmissão de potência em usinas de geração de energia Escolha a para adquirir produtos e soluções de serviços comprovados. Da especificação à instalação,

Leia mais

Energia das ondas. Introdução. Universidade Santa Cecília Faculdade de Engenharia Mecânica. Energia das ondas 02/24/2013

Energia das ondas. Introdução. Universidade Santa Cecília Faculdade de Engenharia Mecânica. Energia das ondas 02/24/2013 Universidade Santa Cecília Faculdade de Engenharia Mecânica Energia das ondas Energia das ondas Alfredo Ferrari Junior Filippo Lorenzini Gilmar dos Santos Correia Leandro Migliard Magalhães Lucas Monteiro

Leia mais