Seleção de Pontas de Pulverização

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Seleção de Pontas de Pulverização"

Transcrição

1 JORNADAS DE ACTUALIZACIÓN EN TECNOLOGÍAS DE APLICACIÓN EN CULTIVOS EXTENSIVOS Seleção de Pontas de Pulverização Otavio J. G. Abi Saab Prof. Mecanização Agrícola Universidade Estadual de Londrina Estado do Paraná - Brasil

2 Pulverização e Aplicação Pulverização: Processo de divisão de um líquido em gotas Aplicação: Colocação das gotas num local determinado

3 Tecnologia de Aplicação Pulverização; Trajeto (transporte); Penetração no dossel (interior) da planta; Deriva. Contato (impacto); Espalhamento; Molhamento; Retenção; Evaporação; Penetração; Absorção; Translocação; Efeito.

4 Pontas de Pulverização O que são e para que servem? Componente mais importante do pulverizador; Responsável pela formação das gotas; Define a vazão e, portanto, a taxa de aplicação (L/ha); Qualidade do espectro de gotas (tamanho, uniformidade e número).

5 Pontas de Pulverização Características da pulverização Tamanho da gota (DMV, DMN); Qualidade do espectro de gotas (DMV/DMN e AR); % de gotas com maior risco de deriva.

6 Pontas de Pulverização Características da pulverização Pressão Pressão Pressão Pressão Vazão (L/ha) Tamanho gota (DMV) Cobertura Deriva??

7 Pontas de Pulverização De maneira geral: Gotas menores maior cobertura; Jato cônico (bico cone) Gotas maiores maior deposição. Jato plano (bico leque) Spraying Systems

8 Pontas de Pulverização Bico e Ponta PONTA CORPO SIMPLES CORPO MÚLTIPLO PARTES DE UM BICO Spraying Systems

9 Pontas de Pulverização Bico e Ponta FILTRO CORPO SIMPLES CORPO MÚLTIPLO PARTES DE UM BICO Spraying Systems

10 Pontas de Pulverização Filtros Inquima

11 Pontas de Pulverização Filtros Inquima

12 Pontas de Pulverização Filtros Inquima

13 Pontas de Pulverização Bico e Ponta PONTA CORPO SIMPLES CORPO MÚLTIPLO PARTES DE UM BICO Spraying Systems

14 Pontas de Pulverização Identificação Spraying Systems

15 Pontas de Pulverização Material/Durabilidade Andef

16 Pontas de Pulverização Desgaste Novo Normal Anormal Spraying Systems

17 Jato cônico: Pontas de Pulverização

18 Pontas de Pulverização Jato cônico: Cheio: Vazio: Spraying Systems

19 Pontas de Pulverização Jato cônico: Ponta: Difusor: Spraying Systems

20 Pontas de Pulverização Jato cônico: Padrão de distribuição Andef

21 Pontas de Pulverização Jato cônico: Padrão de distribuição: Boller 2011, adaptado de Sprayng Systems

22 Pontas de Pulverização Jato cônico: Altas pressões de trabalho; Vazões elevadas; Alta demanda de energia; Maior manutenção; Gotas com elevado risco de deriva (finas e muito finas).

23 Pontas de Pulverização Em geral, pontas de jato cônico não são adequadas para aplicação SEM assistência de ar! Abi-Saab, 2014

24 Jato plano: Seleção de pontas

25 Jato plano: FMC Spraying Systems

26 Jato plano de faixa estendida Spraying Systems

27 Jato plano pré-orifício Spraying Systems

28 Jato plano defletor (impacto) Spraying Systems FMC

29 Jato plano com indução de ar Spraying Systems

30 Jato plano com indução de ar Venturi I Venturi II Injection of air Spray liquid Air Mota, agrotop GmbH, D Obertraubling, Germany.

31 Combinações de diferentes tipos

32 Jato cônico com indução de ar (Boller, 2011)

33 Jato plano duplo Spraying Systems

34 Jato plano defletor duplo (Boller, 2011) Spraying Systems

35 Jato plano duplo com pré-orifício (Boller, 2011) Spraying Systems

36 Jato plano defletor duplo com indução de ar (Boller, 2011) Spraying Systems

37 Capas duplas (Boller, 2011) Spraying Systems

38 Direcionamento do jato plano (Boller, 2011)

39 Como selecionar a ponta adequada? Qual é a vazão? Espaçamento entre bicos; Velocidade de trabalho; Taxa de aplicação. Qual é o tamanho da gota? Alvo; Modo de ação do produto.

40 Código de cores VAZÃO Exemplo: 1 L/min Tamanho da Ponta Cor ISO 01 Laranja 015 Verde 02 Amarelo 025 Lilás 03 Azul 04 Vermelho 05 Marrom 06 Cinza 08 Branco 10 Azul Claro 15 Verde Claro

41

42 Tipo de ponta X tamanho de gota TwinJet XR TeeJet DG TeeJet Turbo TeeJet AI TeeJet AUMENTO NO TAMANHO DE GOTAS AUMENTO EM PENETRAÇÃO E COBERTURA DIMINUIÇÃO NO POTENCIAL DE DERIVA Spraying Systems

43 (Coopavel) Seleção de pontas

44 Ponta: Leque gotas médias Fonte: Adegas, Embrapa Soja, 2004

45 Ponta: Leque gotas finas Fonte: Adegas, Embrapa Soja, 2004

46 Vazão e tamanho de gota vazão (pressão) bar 1 1,5 2 2,5 3 3,5 4 XR ,23 0,28 0,32 0,36 0,43 0,43 0,46 XR ,34 0,42 0,48 0,54 0,64 0,64 0,68 XR ,46 0,56 0,64 0,72 0,85 0,85 0,91 XR ,68 0,84 0,97 1,08 1,28 1,28 1,37 XR ,91 1,12 1,29 1,58 1,71 1,71 1,82 XR ,14 1,39 1,61 1,97 2,13 2,13 2,28 XR ,37 1,67 1,93 2,37 2,56 2,56 2,74 XR ,82 2,23 2,58 3,16 3,14 3,14 3,65 muito fina fina média grossa muito grossa extremamente grossa

47 Manuais dos fabricantes Spraying Systems

48 Manuais dos fabricantes Spraying Systems

49 Manuais dos fabricantes Jacto

50 Tipo de ponta X tamanho de gota TwinJet XR TeeJet DG TeeJet Turbo TeeJet AI TeeJet AUMENTO NO TAMANHO DE GOTAS AUMENTO EM PENETRAÇÃO E COBERTURA DIMINUIÇÃO NO POTENCIAL DE DERIVA Spraying Systems

51 Manuais dos fabricantes Spraying Systems

52 Manuais dos fabricantes Spraying Systems

53 - aplicativos

54 - aplicativos

55 - aplicativos

56 - aplicativos

57 - aplicativos

58 - aplicativos

59 - aplicativos

60 Exemplo: Cultura: SOJA Equipamento: Distância entre bicos: 50 cm; Velocidade de trabalho: 12 km/h (Boller, 2011)

61 Exemplo: Controle plantas daninhas Produto: Glifosato Dose: 1,0 a 1,5 L/ha Taxa de aplicação: 100 a 200 L/ha (150) Tamanho de gota: 20 a 40 lb/pol 2 (?) Vazão calculada: 1,5 L/min (04 Vermelha) Ponta(s) selecionada(s): Spraying Systems

62 Exemplo: Controle lagartas: Produto: Benzoiluréia e piretróide Dose: 0,1 a 0,12 L/ha Taxa de aplicação: 150 a 200 L/ha (175) Tamanho de gota: média a grossas Vazão calculada: 1,75 L/min (04 Vermelha) Ponta(s) selecionada(s): Spraying Systems

63 Exemplo: Controle ferrugem Produto: estrobilurina + triazol + óleo mineral Dose: 0,5 a 0,6 L/ha Taxa de aplicação: 200 a 300 L/ha (250) Tamanho de gota: 100 a 200 u (70 a 100 gotas/cm 2 ) Vazão calculada: 2,5 L/min (05 Marron) Ponta(s) selecionada(s): Spraying Systems

64 Exemplo: SOJA Controle plantas daninhas E lagartas E ferrugem: Produtos: Glifosato E benzoiluréia + piretróide E estrobilurina + triazol Taxas de aplicação: 100 a 300 L/ha (200); Tamanho de gota:???? Ponta(s) selecionada(s):???????

65 Situação 1: Uma aplicação específica para cada produto; PERFEITO!!! Herbicida: Taxa de aplicação: 150 L/ha Ponta: Inseticida: Taxa de aplicação: 175 L/ha Ponta: Fungicida: Taxa de aplicação: 250 L/ha Ponta: PERFEITO? Spraying Systems

66 Situação 2: Aplicação para cada produto, mas com somente 2 tipos de pontas; MUITO BOM! Herbicida: Taxa de aplicação: 150 L/ha Ponta: Inseticida: Taxa de aplicação: 175 L/ha Ponta: Fungicida: Taxa de aplicação: 250 L/ha Ponta: Spraying Systems

67 Situação 3: Aplicação para cada produto, mas com somente 1 tipo de ponta (2 REGULAGENS); BOM! Herbicida: Taxa de aplicação: 150 L/ha Ponta: Inseticida: Taxa de aplicação: 150 L/ha Ponta: Fungicida: Taxa de aplicação: 250 L/ha Ponta: Spraying Systems

68 Situação 4: Mesma aplicação para cada produto, com somente 1 tipo de ponta e regulagem; Herbicida: Taxa de aplicação: 200 L/ha Ponta: Inseticida: Taxa de aplicação: 200 L/ha Ponta: Fungicida: Taxa de aplicação: 200 L/ha Ponta: Spraying Systems

69 Spraying Systems Seleção de pontas Situação 5: Mesma aplicação para todos os produtos, obviamente com somente 1 tipo de ponta e regulagem; Herbicida: Taxa de aplicação: 200 L/ha Ponta: Inseticida: Taxa de aplicação: 200 L/ha Ponta: Fungicida: Taxa de aplicação: 200 L/ha Ponta: Ponta(s) selecionada(s):???????

70 Cultura; Fase; Problema(s) ; Recomendação: Produto(s); Dosagem; Taxa de aplicação; Tamanho das gotas; Equipamento: Regulagem; Velocidade; Vazão; Pontas; Calibração; Aplicação: Fatores meteorológicos; MOMENTO Etc. Seleção de pontas

71 Trabalhar de mãos dadas com o produtor; Relacionar todos os produtos e recomendações: Alvo; Taxa de aplicação (vazão); Tamanho de gota. Relacionar os produtos e recomendações de cada aplicação: Definir alvo prioritário! Selecionar a(s) ponta(s).

72 JORNADAS DE ACTUALIZACIÓN EN TECNOLOGÍAS DE APLICACIÓN EN CULTIVOS EXTENSIVOS Obrigado!

O QUE É UMA PULVERIZAÇÃO?

O QUE É UMA PULVERIZAÇÃO? TECNOLOGIA DE APLICAÇÃO DE HERBICIDAS Emprego de todos os conhecimentos científicos que proporcionem a correta colocação do produto biologicamente ativo no alvo, em quantidade necessária, de forma econômica,

Leia mais

TECNOLOGIA DE APLICAÇÃO DE HERBICIDAS

TECNOLOGIA DE APLICAÇÃO DE HERBICIDAS TECNOLOGIA DE APLICAÇÃO DE HERBICIDAS Emprego de todos os conhecimentos científicos que proporcionem a correta colocação do produto biologicamente ativo no alvo, em quantidade necessária, de forma econômica,

Leia mais

TECNOLOGIA DE APLICAÇÃO DE HERBICIDAS

TECNOLOGIA DE APLICAÇÃO DE HERBICIDAS TECNOLOGIA DE APLICAÇÃO DE HERBICIDAS Emprego de todos os conhecimentos científicos que proporcionem a correta colocação do produto biologicamente ativo no alvo, em quantidade necessária, de forma econômica,

Leia mais

Mecanização da Pulverização. Eng. Agr.Jairo da Costa Moro Máquinas Agrícolas Jacto S.A

Mecanização da Pulverização. Eng. Agr.Jairo da Costa Moro Máquinas Agrícolas Jacto S.A Eng. Agr.Jairo da Costa Moro Máquinas Agrícolas Jacto S.A Mercado de defensivos Agrícolas 2014 - Brasil - O mercado brasileiro comercializou o valor total de US$12,25 bilhões em defensivos agrícolas. Fonte:

Leia mais

- Métodos de avaliação das aplicações de fitossanitários - Avanços tecnológicos para a agricultura e florestas

- Métodos de avaliação das aplicações de fitossanitários - Avanços tecnológicos para a agricultura e florestas JORNADAS DE ACTUALIZACIÓN EN TECNOLOGÍAS DE APLICACIÓN EN CULTIVOS EXTENSIVOS - Métodos de avaliação das aplicações de fitossanitários - Avanços tecnológicos para a agricultura e florestas Otavio J. G.

Leia mais

APLICAÇÃO DE DEFENSIVOS AGRÍCOLAS. Professor : Nailton Rodrigues de Castro Disciplina : Máquinas Agrícolas

APLICAÇÃO DE DEFENSIVOS AGRÍCOLAS. Professor : Nailton Rodrigues de Castro Disciplina : Máquinas Agrícolas APLICAÇÃO DE DEFENSIVOS AGRÍCOLAS Professor : Nailton Rodrigues de Castro Disciplina : Máquinas Agrícolas INTRODUÇÃO É a aplicação uniforme de um defensivo agrícola na forma líquida, utilizando a energia

Leia mais

TECNOLOGIA DE APLICAÇÃO DE AGROTÓXICOS NA CITRICULTURA

TECNOLOGIA DE APLICAÇÃO DE AGROTÓXICOS NA CITRICULTURA TECNOLOGIA DE APLICAÇÃO DE AGROTÓXICOS NA CITRICULTURA HAMILTON HUMBERTO RAMOS Diretor Geral do Instituto Agronômico TECNOLOGIA DE APLICAÇÃO DE PRODUTOS FITOSSANITÁRIOS Emprego de todos os conhecimentos

Leia mais

Manual de Treinamento CONCEITOS E TECNOLOGIAS QUE VISAM A AUMENTAR O CONTROLE DE PRAGAS E DOENÇAS DE BAIXEIRO

Manual de Treinamento CONCEITOS E TECNOLOGIAS QUE VISAM A AUMENTAR O CONTROLE DE PRAGAS E DOENÇAS DE BAIXEIRO CONCEITOS E TECNOLOGIAS QUE VISAM A AUMENTAR O CONTROLE DE PRAGAS E DOENÇAS DE BAIXEIRO EDIÇÃO Nº 01/2014 Código: 0416-tp Manual de Treinamento Máquinas Agrícolas Jacto Rua Dr. Luiz Miranda, 1650 17580-000

Leia mais

UNITRI. Mecânica e Mecanização Agrícola QUINTA AULA DE MECANIZAÇÃO AGRÍCOLA APLICAÇÃO DE DEFENSIVOS

UNITRI. Mecânica e Mecanização Agrícola QUINTA AULA DE MECANIZAÇÃO AGRÍCOLA APLICAÇÃO DE DEFENSIVOS UNITRI Mecânica e Mecanização Agrícola QUINTA AULA DE MECANIZAÇÃO AGRÍCOLA APLICAÇÃO DE DEFENSIVOS Conceito: Entende-se como "Tecnologia de Aplicação de Produtos Fitossanitários" o emprego de todos os

Leia mais

Energia Hidráulica. Líquido é pressionado contra pequeno orifício (ponta) e é pulverizado e transportado. Concorrentes em termos de energia

Energia Hidráulica. Líquido é pressionado contra pequeno orifício (ponta) e é pulverizado e transportado. Concorrentes em termos de energia PONTAS HIDRÁULICAS Energia Hidráulica Líquido é pressionado contra pequeno orifício (ponta) e é pulverizado e transportado Pulverização e transporte Concorrentes em termos de energia Maior energia = menor

Leia mais

11. CULTIVO MECÂNICO. Cultivo é o conjunto de operações após a instalação e durante o desenvolvimento da cultura. Podem ser:

11. CULTIVO MECÂNICO. Cultivo é o conjunto de operações após a instalação e durante o desenvolvimento da cultura. Podem ser: . CULTIVO MECÂNICO Cultivo é o conjunto de operações após a instalação e durante o desenvolvimento da cultura. Podem ser: Mecânicos; Químicos; Chamas. Os cultivadores mecânicos são usados para uma movimentação

Leia mais

John Deere Training. Guia do Aluno. Pulverização Fundamento - Português CSP-20-SN2GCQAP Maio, 2009

John Deere Training. Guia do Aluno. Pulverização Fundamento - Português CSP-20-SN2GCQAP Maio, 2009 John Deere Training Guia do Aluno CSP-20-SN2GCQAP Maio, 2009 Copyright 2009 Deere & Company Este material é de propriedade da Deere & Company. O uso, divulgação e/ou reprodução não especificamente autorizado

Leia mais

Guia de Seleção de Bicos para Área Total

Guia de Seleção de Bicos para Área Total Guia de Seleção de Bicos para Área Total HERBICIDAS FUNGICIDAS PÓS-EMERGÊNCIA APLICAÇÃO DE SOLO em pressões abaixo de 2 bar (30 PSI) em pressões abaixo de 2 bar (30 PSI) Consulte a página 11 em pressões

Leia mais

14. CULTIVO MECÂNICO. Cultivo é o conjunto de operações após a instalação e durante o desenvolvimento da cultura. Podem ser:

14. CULTIVO MECÂNICO. Cultivo é o conjunto de operações após a instalação e durante o desenvolvimento da cultura. Podem ser: 17 14. CULTIVO MECÂNICO Cultivo é o conjunto de operações após a instalação e durante o desenvolvimento da cultura. Podem ser: Mecânicos; Químicos; Chamas. Os cultivadores mecânicos são usados para uma

Leia mais

Aplicador. Alvo. Momento. Equipamento. Produto. Máquina TECNOLOGIA DE APLICAÇÃO DE HERBICIDAS. Fatores que interferem na tecnologia de aplicação

Aplicador. Alvo. Momento. Equipamento. Produto. Máquina TECNOLOGIA DE APLICAÇÃO DE HERBICIDAS. Fatores que interferem na tecnologia de aplicação TECNOLOGIA DE APLICAÇÃO DE HERBICIDAS Fatores que interferem na tecnologia de aplicação Alvo Momento Emprego de todos os conhecimentos científicos que proporcionem a correta colocação do produto biologicamente

Leia mais

Alex Soares Igno6. Alex Soares Igno5 Maracaju/MS

Alex Soares Igno6. Alex Soares Igno5 Maracaju/MS RTV RTV Maracaju Inquima MS Alex Soares Igno6 Alex Soares Igno5 Maracaju/MS Uma Parceria Faz. Rego D Água Proprietário: Flavio Viecili Cidade: Jardim - MS Execução e Acompanhamento Aplicador Adilson Eng.

Leia mais

Tecnologia de Aplicação

Tecnologia de Aplicação Tecnologia de Aplicação Rodolfo G. Chechetto Engenheiro Agrônomo O que é Tecnologia de Aplicação? Conjunto de conhecimentos que integram informações sobre os produtos fitossanitários, suas formulações

Leia mais

Palavras-chaves: uniformidade de distribuição, ângulo e espectro de gotas.

Palavras-chaves: uniformidade de distribuição, ângulo e espectro de gotas. CARACTERÍSTICAS TÉCNICAS DE PONTA DE PULVERIZAÇÃO DE JATO PLANO COM INDUÇÃO DE AR JOSUÉ GOMES DELMOND 1, ELTON FIALHO DOS REIS 2 1 Engenheiro Agrícola, Graduando, UEG/Anápolis GO, Bolsista do CNPQ Brasil.

Leia mais

Comunicado Técnico 09

Comunicado Técnico 09 Comunicado Técnico 09 ISSN 2177-854X Maio. 2011 Uberaba - MG Regulagem de Pulverizadores Agrícolas de Barras Responsável: Paulo Roberto Pala Martinelli E-mail: prpmartinelli@yahoo.com.br Engenheiro Agrônomo;

Leia mais

MANUAL PULVERIZADOR HIDRÁULICO TRAVICAR.

MANUAL PULVERIZADOR HIDRÁULICO TRAVICAR. MANUAL PULVERIZADOR HIDRÁULICO TRAVICAR. PULVERIZADORES ESPECIFICAÇÕES O pulverizador jato cônico TRAVICAR é fabricado em bronze de alta qualidade, utiliza vedação em borracha nitrílica, material resistente

Leia mais

Índice. COMAM_POCKET 5/3/07 11:16 AM Page 3

Índice. COMAM_POCKET 5/3/07 11:16 AM Page 3 COMAM_POCKET 5/3/07 11:16 AM Page 3 Índice Lançamento : Ponta Guardian...1 Bombas Hypro......2-9 Selecionando a bomba certa...3 Bombas de Rolete...4-6 Super Rotor......7 Bombas Centrífugas...8-9 Pontas

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DE UMA BARRA DE PULVERIZAÇÃO PARA APLICAÇÃO DE HERBICIDA EM DESSECAÇÃO DE SOQUEIRA CANA-DE-AÇÚCAR E PASTAGENS

DESENVOLVIMENTO DE UMA BARRA DE PULVERIZAÇÃO PARA APLICAÇÃO DE HERBICIDA EM DESSECAÇÃO DE SOQUEIRA CANA-DE-AÇÚCAR E PASTAGENS 47 DESENVOLVIMENTO DE UMA BARRA DE PULVERIZAÇÃO PARA APLICAÇÃO DE HERBICIDA EM DESSECAÇÃO DE SOQUEIRA CANA-DE-AÇÚCAR E PASTAGENS AMO, Fernando Colombo de 1 PEREIRA, Flávio José de Sousa 2 GADANHA JÚNIOR,

Leia mais

EFEITO DA PRESSÃO DE TRABALHO E DE MODELOS DE PONTAS DE PULVERIZAÇÃO SOBRE A EFICIÊNCIA DE HERBICIDA DE CONTATO EM SOJA

EFEITO DA PRESSÃO DE TRABALHO E DE MODELOS DE PONTAS DE PULVERIZAÇÃO SOBRE A EFICIÊNCIA DE HERBICIDA DE CONTATO EM SOJA EFEITO DA PRESSÃO DE TRABALHO E DE MODELOS DE PONTAS DE PULVERIZAÇÃO SOBRE A EFICIÊNCIA DE HERBICIDA DE CONTATO EM SOJA WALTER BOLLER 1, MARCOS MACHRY 2 RESUMO: Nos últimos anos, nas aplicações de herbicidas

Leia mais

Experimentação com herbicidas

Experimentação com herbicidas Eperimentação com herbicidas Princípio do delineamento eperimental: Delineamento eperimental mais simples possível desde que satisfaça coerência estatística e atenda os objetivos pretendido O objetivo

Leia mais

ARBUS Rua Dr. Luiz Miranda, Pompeia - SP - Tel. (14) Fax. (14)

ARBUS Rua Dr. Luiz Miranda, Pompeia - SP - Tel. (14) Fax. (14) Rua Dr. Luiz Miranda, 1650-17580-000 - Pompeia - SP - Tel. (14) 3405 2100 - Fax. (14) 3452 1916 - E-mail: vendas@jacto.com.br PROTEJA O MEIO AMBIENTE. AO INUTILIZAR ESTE FOLHETO, NÃO JOGUE EM VIAS PÚBLICAS.

Leia mais

INSPEÇÃO PERIÓDICA DE PULVERIZADORES NA REGIÃO DO ALTO VALE DO ITAJAÍ

INSPEÇÃO PERIÓDICA DE PULVERIZADORES NA REGIÃO DO ALTO VALE DO ITAJAÍ INSPEÇÃO PERIÓDICA DE PULVERIZADORES NA REGIÃO DO ALTO VALE DO ITAJAÍ Lucas Renan EFFTING 1 ; João Pedro Fossa BERNARDY 2 ; Leonardo DÜSTERHOFT 3 ; Fabrício Campos MASIERO 4, Ricardo Kozoroski VEIGA 5

Leia mais

TECNOLOGIA DE APLICAÇÃO DE AGROTÓXICOS

TECNOLOGIA DE APLICAÇÃO DE AGROTÓXICOS Definição: Ciência multidisciplinar Disciplina: Fitopatologia Agrícola TECNOLOGIA DE APLICAÇÃO DE AGROTÓXICOS Objetivos: Destinada às pesquisas de equipamentos Processos e obtenção de resultados mais eficientes

Leia mais

Indicações Registradas

Indicações Registradas Marca Comercial Titular do Registro Nº Registro MAPA Topik 240 EC SYNGENTA PROTEÇÃO DE CULTIVOS LTDA. - 1506.744.463/0001-90 Classe Herbicida Ingrediente Ativo (I.A.) Clodinafope-Propargil Nome Químico

Leia mais

6.4 CONTROLE DE PLANTAS DANINHAS

6.4 CONTROLE DE PLANTAS DANINHAS 6.4 CONTROLE DE PLANTAS DANINHAS Prejuízos: -Competição por água; -Competição por luz; -Competição por nutrientes; -Hospedeiros de pragas e doenças; -Interferência na operação de colheita. Período de competição:

Leia mais

Pulverizadores: Mecanização da cultura do Cacau. Máquinas Agrícolas Jacto S/A Pompéia -SP. Eng. Agr. Walter W Mosquini Planejamento de Produto

Pulverizadores: Mecanização da cultura do Cacau. Máquinas Agrícolas Jacto S/A Pompéia -SP. Eng. Agr. Walter W Mosquini Planejamento de Produto Pulverizadores: Mecanização da cultura do Cacau Máquinas Agrícolas Jacto S/A Pompéia -SP Eng. Agr. Walter W Mosquini Planejamento de Produto Informações Foi fundada em 1948; Todas as unidades produtivas

Leia mais

TECNOLOGIA DE APLICAÇÃO DE FUNGICIDAS PARA O CONTROLE DA FERRUGEM-DA-SOJADA-SOJA

TECNOLOGIA DE APLICAÇÃO DE FUNGICIDAS PARA O CONTROLE DA FERRUGEM-DA-SOJADA-SOJA TECNOLOGIA DE APLICAÇÃO DE FUNGICIDAS PARA O CONTROLE DA FERRUGEM-DA-SOJADA-SOJA Fernando Storniolo Adegas Embrapa Soja Ministério da Agricultura Pecuária e Abastecimento Manejo da Ferrugem Identificação

Leia mais

9 IRRIGAÇÃO POR ASPERSÃO CONVENCIONAL

9 IRRIGAÇÃO POR ASPERSÃO CONVENCIONAL 9 IRRIGAÇÃO POR ASPERSÃO CONVENCIONAL 9.1 TIPOS DE SISTEMAS FIXOS PERMANENTES FIXOS TEMPORÁRIOS SEMIFÍXOS PORTÁTEIS 9.2 VANTAGENS, LIMITAÇÕES E PESRPECTIVAS VANTAGENS Dispensa sistematização ou uniformização

Leia mais

EXERCÍCIOS SEMEADOR/ADUBADORA:

EXERCÍCIOS SEMEADOR/ADUBADORA: EGR 1003 MÁQUINAS E IMPLEMENTOS AGRÍCOLAS Monitora Guidiane Moro - Exercícios 1 EXERCÍCIOS SEMEADOR/ADUBADORA: 1 Um agricultor deseja cultivar 500 ha. Sabe-se que a densidade de semeadura recomendada é

Leia mais

Características dos adjuvantes da Evonik

Características dos adjuvantes da Evonik Características dos adjuvantes da Evonik Adjuvantes para misturas de tanque: S 240 S 233 Vibrant Advance Union S 240 (Superespalhante) Surfactantes à base de trisiloxano Química que promove tensão superficial

Leia mais

Energia para pulverização

Energia para pulverização BICOS DE PULVERIZAÇÃO ALTO VOLUME GOTAS PEQUENAS Energia para pulverização Diferentes Tipos de Bicos Classificação em função da energia gerada para pulverização a) Centrífuga b) Pneumática c) Eletrostática

Leia mais

Efeito do volume de calda, adjuvante e horário de aplicação sobre a eficiência de controle de percevejos em soja.

Efeito do volume de calda, adjuvante e horário de aplicação sobre a eficiência de controle de percevejos em soja. 11 Efeito do volume de calda, adjuvante e horário de aplicação sobre a eficiência de controle de percevejos em soja. FERRARI, F. 1 ; ROGGIA, S. 2 ; FELIX, L.F. 3 1 Centro Universitário Filadélfia; 2 Embrapa

Leia mais

PADRÃO DE DISTRIBUIÇÃO DA CALDA PRODUZIDA PELA PONTA DE PULVERIZAÇÃO DO TIPO JATO PLANO (8002) EM FUNÇÃO DO ESPAÇAMENTO ENTRE BICOS 1

PADRÃO DE DISTRIBUIÇÃO DA CALDA PRODUZIDA PELA PONTA DE PULVERIZAÇÃO DO TIPO JATO PLANO (8002) EM FUNÇÃO DO ESPAÇAMENTO ENTRE BICOS 1 457 PADRÃO DE DISTRIBUIÇÃO DA CALDA PRODUZIDA PELA PONTA DE PULVERIZAÇÃO DO TIPO JATO PLANO (82) EM FUNÇÃO DO ESPAÇAMENTO ENTRE BICOS 1 Spray Distribution Pattern of Flat Fan Tip (82) at Different Spacing

Leia mais

ARBUS 2000 TP. Rua Dr. Luiz Miranda, Pompeia - SP - Tel. (14) Fax. (14) www. jacto.com.br

ARBUS 2000 TP. Rua Dr. Luiz Miranda, Pompeia - SP - Tel. (14) Fax. (14) www. jacto.com.br Rua Dr. Luiz Miranda, 1650-17580-000 - Pompeia - SP - Tel. (14) 3405 2100 - Fax. (14) 3452 1916 - www. jacto.com.br PROTEJA O MEIO AMBIENTE. AO INUTILIZAR ESTE FOLHETO, NÃO JOGUE EM VIAS PÚBLICAS. Imagens

Leia mais

- BLOCO III.1 - Máquinas de Aplicação-

- BLOCO III.1 - Máquinas de Aplicação- DISTRIBUIÇÃO, COMERCIALIZAÇÃO E APLICAÇÃO DE PRODUTOS FITOFARMACÊUTICOS - BLOCO III.1 - Máquinas de Aplicação- Formador: João Teixeira Tipos de máquinas de tratamento e proteção de plantas classificação:

Leia mais

Tecnologia de Aplicação de Agroquímicos no Cafeeiro. Autor: Luís César Pio

Tecnologia de Aplicação de Agroquímicos no Cafeeiro. Autor: Luís César Pio Tecnologia de Aplicação de Agroquímicos no Cafeeiro Autor: Luís César Pio Prezado colega, Catanduva, 9 de novembro de 2012. Para VOCÊ, que participou do encontro de capacitação técnica e que é integrante

Leia mais

EQUIPAMENTOS E TÉCNICAS DE APLICAÇÃO DE PRODUTOS FITOSSANITÁRIOS NA CULTURA DA CANA-DE-AÇÚCAR

EQUIPAMENTOS E TÉCNICAS DE APLICAÇÃO DE PRODUTOS FITOSSANITÁRIOS NA CULTURA DA CANA-DE-AÇÚCAR EQUIPAMENTOS E TÉCNICAS DE APLICAÇÃO DE PRODUTOS FITOSSANITÁRIOS NA CULTURA DA CANA-DE-AÇÚCAR HAMILTON HUMBERTO RAMOS Pesquisador Científico VI Centro APTA de Engenharia e Automação Instituto Agronômico

Leia mais

FiberMax. Mais que um detalhe: uma genética de fibra.

FiberMax. Mais que um detalhe: uma genética de fibra. FiberMax. Mais que um detalhe: uma genética de fibra. Requisitos para o cultivo de algodoeiro GlyTol LibertyLink, além de boas práticas de manejo integrado de plantas daninhas. Cap 1: Descrição do Produto

Leia mais

PADRÕES DE DISTRIBUIÇÃO VOLUMÉTRICA DE PONTAS DE PULVERIZAÇÃO DE JATO PLANO 11002, COM E SEM INDUÇÃO DE AR, SOB DIFERENTES ESPAÇAMENTOS E ALTURAS

PADRÕES DE DISTRIBUIÇÃO VOLUMÉTRICA DE PONTAS DE PULVERIZAÇÃO DE JATO PLANO 11002, COM E SEM INDUÇÃO DE AR, SOB DIFERENTES ESPAÇAMENTOS E ALTURAS PADRÕES DE DISTRIBUIÇÃO VOLUMÉTRICA DE PONTAS DE PULVERIZAÇÃO DE JATO PLANO 11002, COM E SEM INDUÇÃO DE AR, SOB DIFERENTES ESPAÇAMENTOS E ALTURAS FERNANDO C. BAUER 1, CARLOS G. RAETANO 2, FRANCISCO DE

Leia mais

DISTRIBUIÇÃO VOLUMÉTRICA E ESPECTRO DE GOTAS DE PONTAS DE PULVERIZAÇÃO DE JATO CÔNICO VAZIO

DISTRIBUIÇÃO VOLUMÉTRICA E ESPECTRO DE GOTAS DE PONTAS DE PULVERIZAÇÃO DE JATO CÔNICO VAZIO DISTRIBUIÇÃO VOLUMÉTRICA E ESPECTRO DE GOTAS DE PONTAS DE PULVERIZAÇÃO DE JATO CÔNICO VAZIO Elivânia Maria Sousa NASCIMENTO (1); Francisco Alexandre de Lima SALES (2); Weberte Alan SOMBRA (3); Igor Martins

Leia mais

TECNOLOGIA WG. Tecnologia de formulação WG desenvolvida pela Syngenta para a aplicação liquida no solo de fungicida e inseticida em lavouras de Café.

TECNOLOGIA WG. Tecnologia de formulação WG desenvolvida pela Syngenta para a aplicação liquida no solo de fungicida e inseticida em lavouras de Café. TECNOLOGIA WG Tecnologia de formulação WG desenvolvida pela Syngenta para a aplicação liquida no solo de fungicida e inseticida em lavouras de Café. APLICAÇÃO LÍQUIDA: HISTÓRICO Facilidade aplicação e

Leia mais

Eng.º Agr.º José Maria Fernandes dos Santos

Eng.º Agr.º José Maria Fernandes dos Santos PONTOS CRÍTICOS NA APLICAÇÃO DE DEFENSIVOS Eng.º Agr.º José Maria Fernandes dos Santos Pesquisador Científico Laboratório de Proteção e Clínica Vegetal E-mail: santosjmf@biologico.sp.gov.br Fone/Fax: (11)

Leia mais

Nebulizadores aplicam gotas menores que 50 mm.

Nebulizadores aplicam gotas menores que 50 mm. Universidade Estadual Paulista Faculdade de Ciências Agrárias e Veterinárias Curso : Agronomia Disciplina: Tratamento Fitossanitário Aula: Aplicação de Líquidos e Pulverizadores Os produtos fitossanitários

Leia mais

Prof. Dr. Casimiro Dias Gadanha Jr. DER/ESALQ/USP

Prof. Dr. Casimiro Dias Gadanha Jr. DER/ESALQ/USP LER 432 Máquinas e Implementos Agrícolas TÓPICO: Máquinas para Aplicação de Produtos Fitossanitários Prof. Dr. Casimiro Dias Gadanha Jr. DER/ESALQ/USP AGROTÓXICO Sinônimos: Produto Fitossanitário Pesticida

Leia mais

06 AVALIAÇÃO DA EFICIÊNCIA DE FUNGICIDA COM

06 AVALIAÇÃO DA EFICIÊNCIA DE FUNGICIDA COM 06 AVALIAÇÃO DA EFICIÊNCIA DE FUNGICIDA COM ADIÇÃO DE FERTIADITIVO PARA O CONTROLE DE FERRUGEM-ASIÁTICA NA CULTURA DA SOJA OBJETIVO Este trabalho tem como objetivo avaliar a eficiência de fungicida com

Leia mais

Calibração de deposição de agrotóxicos e bioinseticidas. Aldemir Chaim, pesquisador da Embrapa Meio Ambiente

Calibração de deposição de agrotóxicos e bioinseticidas. Aldemir Chaim, pesquisador da Embrapa Meio Ambiente Calibração de deposição de agrotóxicos e bioinseticidas Aldemir Chaim, pesquisador da Embrapa Meio Ambiente A aplicação de produtos químicos ou biológicos para controle de pragas pode ser feita com tratores

Leia mais

Módulo 5. Tecnologia de aplicação

Módulo 5. Tecnologia de aplicação Módulo 5 Tecnologia de aplicação Tecnologia de Aplicação Aldemir Chaim Embrapa Meio Ambiente Fernando Adegas Embrapa Soja Luiz Guilherme Rebello Wadt Embrapa Meio Ambiente Roberto Teixeira Alves Embrapa

Leia mais

RENDIMENTO OPERACIONAL DE UM PULVERIZADOR DE BARRAS EM DIFERENTES PRESSÕES DE SERVIÇO E VELOCIDADE

RENDIMENTO OPERACIONAL DE UM PULVERIZADOR DE BARRAS EM DIFERENTES PRESSÕES DE SERVIÇO E VELOCIDADE RENDIMENTO OPERACIONAL DE UM PULVERIZADOR DE BARRAS EM DIFERENTES PRESSÕES DE SERVIÇO E VELOCIDADE Kristhiano Chagas ¹, Francisco Castro Rocha Neto ¹, José de Oliveira Rodrigues ¹, Alex Favaro Nascimento

Leia mais

27/11/2015. Boas práticas: os desafios da tecnologia de aplicação. Tecnologia de aplicação x ambiente. Ulisses Rocha Antuniassi

27/11/2015. Boas práticas: os desafios da tecnologia de aplicação. Tecnologia de aplicação x ambiente. Ulisses Rocha Antuniassi Boas práticas: os desafios da tecnologia de aplicação Ulisses Rocha Antuniassi FCA/UNESP - Botucatu/SP ulisses@fca.unesp.br Apresentação UNESP: FCA: DEnR: NTA: NEMPA: Universidade Estadual Paulista Faculdade

Leia mais

UNIFORMIDADE DE DISTRIBUIÇÃO VOLUMÉTRICA DE PONTAS DE PULVERIZAÇÃO EM FUNÇÃO DA PRESSÃO DE TRABALHO E ALTURA DA BARRA

UNIFORMIDADE DE DISTRIBUIÇÃO VOLUMÉTRICA DE PONTAS DE PULVERIZAÇÃO EM FUNÇÃO DA PRESSÃO DE TRABALHO E ALTURA DA BARRA Original Article 5 UNIFORMIDADE DE DISTRIBUIÇÃO VOLUMÉTRICA DE PONTAS DE PULVERIZAÇÃO EM FUNÇÃO DA PRESSÃO DE TRABALHO E ALTURA DA BARRA VOLUMETRIC DISTRIBUTION UNIFORMITY OF SPRAY NOZZLES UNDER DIFFERENT

Leia mais

DEPOSIÇÃO DE CALDA FUNGICIDA APLICADA NA CULTURA DA SOJA, EM FUNÇÃO DE PONTA DE PULVERIZAÇÃO E DE VOLUME DE CALDA

DEPOSIÇÃO DE CALDA FUNGICIDA APLICADA NA CULTURA DA SOJA, EM FUNÇÃO DE PONTA DE PULVERIZAÇÃO E DE VOLUME DE CALDA DEPOSIÇÃO DE CALDA FUNGICIDA APLICADA NA CULTURA DA SOJA, EM FUNÇÃO DE PONTA DE PULVERIZAÇÃO E DE VOLUME DE CALDA Roberto de Oliveira Santos 1,4 ; João Paulo Arantes Rodrigues da Cunha 3,4 ; Elton Fialho

Leia mais

QUALIDADE EM TECNOLOGIA DE APLICAÇÃO DE DEFENSIVOS

QUALIDADE EM TECNOLOGIA DE APLICAÇÃO DE DEFENSIVOS 1 QUALIDADE EM TECNOLOGIA DE APLICAÇÃO DE DEFENSIVOS Prof. Dr. Ulisses Rocha Antuniassi FCA/UNESP Caixa Postal 237-18603-970 - Botucatu/SP - Fone: (14) 96711604 ulisses@fca.unesp.br 1. Conceitos básicos

Leia mais

ATIVIDADE : TESTES DE DEPOSIÇÃO

ATIVIDADE : TESTES DE DEPOSIÇÃO SINDAG CONGRESSO REGIONAL DE AVIAÇÃO AGRÍCOLA / SUL CACHOEIRA DO SUL, RS 7 a 9 DE JUNHO DE 2007 ATIVIDADE : TESTES DE DEPOSIÇÃO RELATÓRIO www.agrotec.etc.br www.sindag.org.br www.congressosindag.com.br

Leia mais

Pontas de Pulverização de Jato Plano de Ângulo Grande

Pontas de Pulverização de Jato Plano de Ângulo Grande Pontas de de Jato Plano de Ângulo Grande Consulte o guia de seleção nas páginas 2 e para obter as aplicações típicas recomendadas para o Turbo TeeJet. n Jato de pulverização plano de ângulo grande e extremidades

Leia mais

Efeito de pontas de pulverização na deposição da calda no feijoeiro Effect of spray nozzles on bean plants deposition

Efeito de pontas de pulverização na deposição da calda no feijoeiro Effect of spray nozzles on bean plants deposition Efeito de pontas de pulverização na deposição da calda no feijoeiro Effect of spray nozzles on bean plants deposition Matheus Arthur Góes Lôbo Farias¹*; Neli Cristina Belmiro dos Santos 2 ; Rafael Simões

Leia mais

ATOMIZADOR AU5000LD. Kit de Conversão para Atomizadores AU5000 (LD = "BAIXA DERIVA")

ATOMIZADOR AU5000LD. Kit de Conversão para Atomizadores AU5000 (LD = BAIXA DERIVA) ATOMIZADOR AU5000LD Kit de Conversão para Atomizadores AU5000 (LD = "BAIXA DERIVA") 1. Introdução O atomizador Micronair AU5000LD é projetado especificamente para a aplicação aérea de proteção à lavoura,

Leia mais

Campeão da Região Sudeste. (Produtor) (Consultor) (Estudo de caso) (Relator)

Campeão da Região Sudeste. (Produtor) (Consultor) (Estudo de caso) (Relator) Campeão da Região Sudeste (Produtor) (Consultor) (Estudo de caso) (Relator) Produtor: Ivaldo Lemes da Costa Consultor: Cleber Longhin Cultura: SOJA Propriedade Agrícola: Sítio Matarazzo Município: Itapetininga/SP

Leia mais

SEMEADORA-ADUBADORA. Prof. Dr. Carlos Eduardo Angeli Furlani

SEMEADORA-ADUBADORA. Prof. Dr. Carlos Eduardo Angeli Furlani SEMEADORA-ADUBADORA 1 Qual a cultura? Qual o adubo? 2 Qual o tamanho/formato da semente? Qual a quantidade de sementes/hectare? Qual a quantidade de plantas/hectare? Quando? 3 revolvimento mínimo do solo

Leia mais

UM PULVERIZADOR BEM REGULADO E CALIBRADO É A CERTEZA DE UMA APLICAÇÃO EFICIENTE E SEGURA!!

UM PULVERIZADOR BEM REGULADO E CALIBRADO É A CERTEZA DE UMA APLICAÇÃO EFICIENTE E SEGURA!! DE PULVERIZADORES AGRÍCOLAS Este material faz parte da apostila do Curso de Tecnologia de Aplicação da Comam Ltda Carlos Alberto Magalhães Cordeiro Paulo Otavio Coutinho Fabiano de Matino Motta Engs Agrônomos

Leia mais

Destruição Química da Soqueira do Algodão no Mato Grosso.

Destruição Química da Soqueira do Algodão no Mato Grosso. Destruição Química da Soqueira do Algodão no Mato Grosso. Edson R. de Andrade Junior (Pequisador IMAmt edsonjunior@imamt.com.br) Resumo O objetivo deste trabalho foi avaliar a eficiência de herbicidas

Leia mais

AVALIAÇÃO DA VAZÃO INICIAL DE BICOS PULVERIZADORES. Luiz Atilio PADOVAN Faculdade de Agronomia e Engenharia Florestal - Garça, SP

AVALIAÇÃO DA VAZÃO INICIAL DE BICOS PULVERIZADORES. Luiz Atilio PADOVAN Faculdade de Agronomia e Engenharia Florestal - Garça, SP REVISTA CIENTÍFICA ELETRÔNICA DE AGRONOMIA ISSN 1677-0293 PERIODICIDADE SEMESTRAL ANO III EDIÇÃO NÚMERO 5 JUNHO DE 2004 -------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Leia mais

UNIFORMIDADE DE DISTRIBUIÇÃO VOLUMÉTRICA DE PONTAS DE PULVERIZAÇÃO

UNIFORMIDADE DE DISTRIBUIÇÃO VOLUMÉTRICA DE PONTAS DE PULVERIZAÇÃO CONVÊNIOS CNPq/UFU & FAPEMIG/UFU Universidade Federal de Uberlândia Pró-Reitoria de Pesquisa e Pós-Graduação DIRETORIA DE PESQUISA COMISSÃO INSTITUCIONAL DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA UFU 3 anos UNIFORMIDADE

Leia mais

ISSN:

ISSN: 11 ISSN: 2316-4093 Comparação de pulverização de baixa (60 L ha -1 ) com alta vazão (170 L ha -1 ) em pulverização de barras Marciane Braun 1, Tania Claudia Pintro 1, Vanderlei Artur Bier 1, Marcio Furlan

Leia mais

SCHRODER CONSULTORIA

SCHRODER CONSULTORIA RELATÓRIO TÉCNICO Empresa Contratante: GOTA Indústria e Comércio Ltda. Execução: - CNPJ 7.839.686/1-58 EFEITO DO ÓLEO VEGETAL AGR ÓLEO NA EFICIÊNCIA DE HERBICIDAS E VOLUME DE CALDA APLICADA POR VIA AÉREA

Leia mais

A proteção das culturas agricolas é nosso assunto

A proteção das culturas agricolas é nosso assunto A proteção das culturas agricolas é nosso assunto Bicos anti-deriva e acessórios para a aplicação de agroquímicos AirMix e TurboDrop um sucesso mundial Bicos anti-deriva Bicos com indução de ar Desde sua

Leia mais

AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO DE BICOS PARA APLICAÇÃO DE HERBICIDAS 1

AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO DE BICOS PARA APLICAÇÃO DE HERBICIDAS 1 AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO DE BICOS PARA APLICAÇÃO DE HERBICIDAS 1 DILERMANDO PERECIN, VALDEMIR A. PERESSIN 3, TOMOMASSAMATUO, BENEDITO A. BRAZ 5, LUIS C. PIO RESUMO A avaliação do desempenho de barras de

Leia mais

UTILIZAÇÃO DO GLIFOSATO ATANOR NO MANEJO DAS PASTAGENS PARA O PLANTIO DIRETO DA SOJA (Glycine Max L.) EM SISTEMA INTEGRAÇÃO LAVOURA-PECUARIA

UTILIZAÇÃO DO GLIFOSATO ATANOR NO MANEJO DAS PASTAGENS PARA O PLANTIO DIRETO DA SOJA (Glycine Max L.) EM SISTEMA INTEGRAÇÃO LAVOURA-PECUARIA UTILIZAÇÃO DO GLIFOSATO ATANOR NO MANEJO DAS PASTAGENS PARA O PLANTIO DIRETO DA SOJA (Glycine Max L.) EM SISTEMA INTEGRAÇÃO LAVOURA-PECUARIA MARINHO, J. F. (UNICAMP, Campinas/SP - fabris.j@gmail.com, FOLONI,

Leia mais

Fórmulas Úteis para Aplicações em Rodovias. l/km = 60 x l/min l/min = l/lkm x km/hr Km/hr 60 l/lkm = Liters per Lane Kilometer

Fórmulas Úteis para Aplicações em Rodovias. l/km = 60 x l/min l/min = l/lkm x km/hr Km/hr 60 l/lkm = Liters per Lane Kilometer Informações Técnicas Fórmulas Úteis l/min l/ha x km/h x W = (por Bico) 60.000 l/ha = l/min Litros por Minuto 60.000 x l/min (por Bico) km/h x W l/ha Litros por Hectare km/h Quilômetros por Hora W Espaçamento

Leia mais

AVALIAÇÃO TÉCNICA DO SISTEMA ELETROSTÁTICO SPE SCHRODER CONSULTORIA

AVALIAÇÃO TÉCNICA DO SISTEMA ELETROSTÁTICO SPE SCHRODER CONSULTORIA AVALIAÇÃO TÉCNICA DO SISTEMA ELETROSTÁTICO SPE SCHRODER CONSULTORIA EMPRESAS PARCEIRAS NO PROJETO: FERSOL AVIAÇÃO AGRÍCOLA MOSTARDAS AVIAÇÃO AGRÍCOLA ABRIL/MAIO/2016 Antecedentes Schroder & Eletrostático

Leia mais

Uso de baixo volume oleoso e assistência de ar no controle de plantas daninhas. Use of low volume in oil and air assistance in weed control

Uso de baixo volume oleoso e assistência de ar no controle de plantas daninhas. Use of low volume in oil and air assistance in weed control Uso de baixo volume oleoso e assistência de ar no controle de plantas daninhas Use of low volume in oil and air assistance in weed control Emerson da Silva Teixeira 1* ; Jethro Barros Osipe 1 ; Ulisses

Leia mais

Influência da Safrinha na Eficiência de Produção do Milho no Brasil

Influência da Safrinha na Eficiência de Produção do Milho no Brasil XXX CONGRESSO NACIONAL DE MILHO E SORGO SALVADOR 5 DE AGOSTO DE 2014 Influência da Safrinha na Eficiência de Produção do Milho no Brasil Aildson Pereira Duarte Instituto Agronômico, Campinas (IAC) Influência

Leia mais

4º DIA DE CAMPO SODEPAC Tratos Culturais para Qualidade da Sementeira. Fazenda Quizenga

4º DIA DE CAMPO SODEPAC Tratos Culturais para Qualidade da Sementeira. Fazenda Quizenga 4º DIA DE CAMPO SODEPAC Tratos Culturais para Qualidade da Sementeira Fazenda Quizenga Sistematização da área Conservam a cobertura vegetal do solo É essencial para correcções de áreas íngremes Conservar

Leia mais

COBERTURA DA CULTURA DA SOJA PELA CALDA FUNGICIDA EM FUNÇÃO DE PONTAS DE PULVERIZAÇÃO E VOLUMES DE APLICAÇÃO 1

COBERTURA DA CULTURA DA SOJA PELA CALDA FUNGICIDA EM FUNÇÃO DE PONTAS DE PULVERIZAÇÃO E VOLUMES DE APLICAÇÃO 1 Scientia Agraria ISSN 9-2 (printed) and 983-2443 (on-line) ROMÁN, R.A.A. et al. Cobertura da cultura da soja pela calda fungicida... COBERTURA DA CULTURA DA SOJA PELA CALDA FUNGICIDA EM FUNÇÃO DE PONTAS

Leia mais

Inseticida de contato e adjuvante / espalhante adesivo, do grupo químico hidrocarbonetos alifáticos PRAGAS. Cochonilha-cabeça-deprego

Inseticida de contato e adjuvante / espalhante adesivo, do grupo químico hidrocarbonetos alifáticos PRAGAS. Cochonilha-cabeça-deprego Composição: Mistura de hidrocarbonetos parafínicos, ciclo parafínicos e aromáticos saturados e insaturados provenientes da destilação do petróleo (ÓLEO MINERAL)...800 ml/l (80% v/v) Ingredientes inertes...200

Leia mais

DEPOSIÇÃO DA CALDA DE PULVERIZAÇÃO NA CULTURA DA SOJA EM FUNÇÃO DO TIPO DE PONTA E DO VOLUME APLICADO

DEPOSIÇÃO DA CALDA DE PULVERIZAÇÃO NA CULTURA DA SOJA EM FUNÇÃO DO TIPO DE PONTA E DO VOLUME APLICADO UNIOESTE UNIVERSIDADE ESTADUAL DO OESTE DO PARANÁ CAMPUS DE MARECHAL CÂNDIDO RONDON CENTRO DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM AGRONOMIA NÍVEL MESTRADO MICHELE ALESSANDRA HARTMANN SCHMIDT

Leia mais

TECNOLOGIA DE APLICAÇÃO DE DEFENSIVOS

TECNOLOGIA DE APLICAÇÃO DE DEFENSIVOS TECNOLOGIA DE APLICAÇÃO DE DEFENSIVOS Prof. Dr. Ulisses Rocha Antuniassi FCA/UNESP - Botucatu/SP R. José Barbosa de Barros, 1780 - Botucatu/SP CEP 18610-307 - Fone: (14) 3811-7165 ulisses@fca.unesp.br

Leia mais

Avaliação da uniformidade de distribuição volumétrica de bicos hidráulicos em pulverizador com assistência de ar

Avaliação da uniformidade de distribuição volumétrica de bicos hidráulicos em pulverizador com assistência de ar Avaliação da uniformidade de distribuição volumétrica de bicos hidráulicos em pulverizador com assistência de ar Murilo Mesquita Baesso 1 ; Ronaldo Goulart Junior 2 ; Mauri Martins Teixeira 3 ; Francelino

Leia mais

CONTROLE QUÍMICO DO PERCEVEJO Piezodorus guildinii (Westw.) NA CULTURA DA SOJA

CONTROLE QUÍMICO DO PERCEVEJO Piezodorus guildinii (Westw.) NA CULTURA DA SOJA CONTROLE QUÍMICO DO PERCEVEJO Piezodorus guildinii (Westw.) NA CULTURA DA SOJA Fernando Alves de Albuquerque Luciana Maestro Borges Carlos Alberto Bastos Andrade RESUMO: O presente ensaio foi realizado

Leia mais

O segredo do sucesso é a combinação

O segredo do sucesso é a combinação O segredo do sucesso é a combinação Sistema de Combinação de Híbridos: segurança e estabilidade, ano após ano A partir desta safra, o Sistema de Combinação de Híbridos Pioneer na sua lavoura está ainda

Leia mais

DEPOSIÇÃO DE GOTAS NO DOSSEL DA SOJA POR DIFERENTES PONTAS DE PULVERIZAÇÃO HIDRÁULICA E PRESSÕES DE TRABALHO 1

DEPOSIÇÃO DE GOTAS NO DOSSEL DA SOJA POR DIFERENTES PONTAS DE PULVERIZAÇÃO HIDRÁULICA E PRESSÕES DE TRABALHO 1 DEPOSIÇÃO DE GOTAS NO DOSSEL DA SOJA POR DIFERENTES PONTAS DE PULVERIZAÇÃO HIDRÁULICA E PRESSÕES DE TRABALHO 1 Rafael Gomes Viana 2, Lino Roberto Ferreira 3, Mauri Martins Teixeira 4, Paulo Roberto Cecon

Leia mais

MELHORIAS NA UTILIZAÇÃO DE PRODUTOS FITOSSANITÁRIOS NA EMBRAPA SOJA

MELHORIAS NA UTILIZAÇÃO DE PRODUTOS FITOSSANITÁRIOS NA EMBRAPA SOJA M in isté rio d a A g ric u ltu ra P e cu á ria e A b a st e cim e n to MELHORIAS NA UTILIZAÇÃO DE PRODUTOS FITOSSANITÁRIOS NA EMBRAPA SOJA ALEXANDRE BRIGHENTI Embrapa Soja Londrina PR brighent@cnpso.embrapa.br

Leia mais

JARDIM. PULVERIZADORES 0,5 Litros WT ,9 Litros C-9. PULVERIZADORES PRESSÃO 1,5 Litros G1500 PULVERIZADORES

JARDIM. PULVERIZADORES 0,5 Litros WT ,9 Litros C-9. PULVERIZADORES PRESSÃO 1,5 Litros G1500 PULVERIZADORES 0,5 Litros WT-2056-2 Peso: 56g Ø bocal: 22mm Cx.: 50 un. Cod.: 180 050 001 050 0,9 Litros C-9 Peso: 83g Ø bocal: 22mm Cx.: 50 un. Cod.: 180 050 001 090 - Pulverizadores de cores sortidas com bomba de pistão

Leia mais

ALTA PERFORMANCE PARA MELHOR DESENVOLVIMENTO DE SUAS PLANTAS! FILME PLÁSTICO FOTOSSELETIVO

ALTA PERFORMANCE PARA MELHOR DESENVOLVIMENTO DE SUAS PLANTAS! FILME PLÁSTICO FOTOSSELETIVO ALTA PERFORMANCE PARA MELHOR DESENVOLVIMENTO DE SUAS PLANTAS! FILME PLÁSTICO FOTOSSELETIVO PRINCIPAIS BENEFÍCIOS O SUNCOVER AV BLUE é um filme de polietileno com tecnologia avançada fabricado em multicamadas

Leia mais

05 AVALIAÇÃO DA EFICIÊNCIA DOS PRINCIPAIS

05 AVALIAÇÃO DA EFICIÊNCIA DOS PRINCIPAIS 05 AVALIAÇÃO DA EFICIÊNCIA DOS PRINCIPAIS FUNGICIDAS PARA O CONTROLE DE DOENÇAS NA CULTURA DA SOJA EM DUAS EPOCAS DE SEMEADURA OBJETIVO Este trabalho tem como objetivo avaliar a eficiência dos principais

Leia mais

JOSÉ LUÍS AGUIAR FIGUEIREDO ANÁLISE DA APLICAÇÃO DE INSETICIDA NO CONTROLE DE MOSCA- BRANCA EM BERINJELA

JOSÉ LUÍS AGUIAR FIGUEIREDO ANÁLISE DA APLICAÇÃO DE INSETICIDA NO CONTROLE DE MOSCA- BRANCA EM BERINJELA JOSÉ LUÍS AGUIAR FIGUEIREDO ANÁLISE DA APLICAÇÃO DE INSETICIDA NO CONTROLE DE MOSCA- BRANCA EM BERINJELA Tese apresentada à Universidade Federal de Viçosa, como parte das exigências do Programa de Pósgraduação

Leia mais

VOLUMES DE CALDA E PONTAS DE PULVERIZAÇÃO NO CONTROLE QUÍMICO DE Spodoptera frugiperda NA CULTURA DO SORGO FORRAGEIRO

VOLUMES DE CALDA E PONTAS DE PULVERIZAÇÃO NO CONTROLE QUÍMICO DE Spodoptera frugiperda NA CULTURA DO SORGO FORRAGEIRO VOLUMES DE CALDA E PONTAS DE PULVERIZAÇÃO NO CONTROLE QUÍMICO DE Spodoptera frugiperda NA CULTURA DO SORGO FORRAGEIRO JOÃO P. A. R. DA CUNHA 1, ADEMILSON D. DA SILVA JÚNIOR 2 RESUMO: No manejo de Spodoptera

Leia mais

Agricultura II. Máquinas de aplicação de fito-fármacos

Agricultura II. Máquinas de aplicação de fito-fármacos Agricultura II Máquinas de aplicação de fito-fármacos As quantidades de fito-fármaco fungicidas, insecticidas, herbicidas (doses) podem ser dadas em: - kg ou L / hl - culturas arbustivas e arbóreas -kg

Leia mais

Catálogo 51-PT. www.teejet.com

Catálogo 51-PT. www.teejet.com Catálogo 51-PT Líderes em componentes de aplicação de precisão, tecnologia de sistemas de controle e gerenciamento de dados de aplicação. www.teejet.com Índice Guia de Seleção Guia de Seleção de Bicos

Leia mais

LINHA ADVANCE. Rua Dr. Luiz Miranda, Pompeia - SP - Tel. (14) Fax. (14)

LINHA ADVANCE. Rua Dr. Luiz Miranda, Pompeia - SP - Tel. (14) Fax. (14) Rua Dr. Luiz Miranda, 1650 17580000 Pompeia SP Tel. (14) 3405 2100 Fax. (14) 3452 1916 Email: vendas@jacto.com.br PROTEJA O MEIO AMBIENTE. AO INUTILIZAR ESTE FOLHETO, NÃO JOGUE EM VIAS PÚBLICAS. www.jacto.com.br

Leia mais

CULTIVARES DE SOJA NA REGIÃO NORTE DO ESTADO DE SÃO PAULO

CULTIVARES DE SOJA NA REGIÃO NORTE DO ESTADO DE SÃO PAULO ENCONTRO REGIONAL SOBRE TECNOLOGIAS DE PRODUÇÃO DE MILHO E SOJA 61 CULTIVARES DE SOJA NA REGIÃO NORTE DO ESTADO DE SÃO PAULO LOPES, L.G. 1 CLEMENTE FILHO, A. 1 UNÊDA-TREVISOLI, S.H. 2 RECO, P.C. 3 BARBARO,

Leia mais

PONTAS DE PULVERIZAÇÃO E HORARIOS DE APLICAÇÃO NA DEPOSIÇÃO DE CALDA FUNGICIDA E NO CONTROLE DA FERRUGEM ASIÁTICA DA SOJA

PONTAS DE PULVERIZAÇÃO E HORARIOS DE APLICAÇÃO NA DEPOSIÇÃO DE CALDA FUNGICIDA E NO CONTROLE DA FERRUGEM ASIÁTICA DA SOJA UNIVERSIDADE FEDERAL DA GRANDE DOURADOS PONTAS DE PULVERIZAÇÃO E HORARIOS DE APLICAÇÃO NA DEPOSIÇÃO DE CALDA FUNGICIDA E NO CONTROLE DA FERRUGEM ASIÁTICA DA SOJA JACKELINE MATOS DO NASCIMENTO DOURADOS

Leia mais

ANEXO II PRÉ TESTE

ANEXO II PRÉ TESTE ANEXO II PRÉ TESTE - 27 - PRÉ TESTE PROPRIETÁRIO CODIGO: - NOME: RG: CPF: ESTADO CIVIL: IDADE: SITUAÇÃO: Proprietário Arrendatário Meeiro Outra NOME DA ESPOSA: IDADE: Nº FILHOS: ENDEREÇO DA PROPRIEDADE:

Leia mais

UNIFORMIDADE DE DISTRIBUIÇÃO VOLUMÉTRICA DE PONTAS DE PULVERIZAÇÃO DE JATO PLANO DUPLO COM INDUÇÃO DE AR 1

UNIFORMIDADE DE DISTRIBUIÇÃO VOLUMÉTRICA DE PONTAS DE PULVERIZAÇÃO DE JATO PLANO DUPLO COM INDUÇÃO DE AR 1 Pesquisa Agropecuária Tropical, 3 (1): 1-, 1 UNIFORMIDADE DE DISTRIBUIÇÃO VOLUMÉTRICA DE PONTAS DE PULVERIZAÇÃO DE JATO PLANO DUPLO COM INDUÇÃO DE AR 1 João Paulo Arantes Rodrigues da Cunha e Renato Adriane

Leia mais

AVALIAÇÃO DA QUALIDADE E EFICÁCIA DE PULVERIZAÇÃO

AVALIAÇÃO DA QUALIDADE E EFICÁCIA DE PULVERIZAÇÃO AVALIAÇÃO DA QUALIDADE E EFICÁCIA DE PULVERIZAÇÃO DE UM HERBICIDA SISTÊMICO COM USO DE SOFTWARE PARA ANÁLISE DE CARTÕES HIDROSSENSÍVEIS Luiz Cláudio Garcia Email: lgarcia@uepg.br Vínculo: Acadêmico de

Leia mais

COMPARAÇÃO DE BICOS DE PULVERIZAÇÃO NA DESSECAÇÃO DO MILHETO (Pennisetum americanum) 1

COMPARAÇÃO DE BICOS DE PULVERIZAÇÃO NA DESSECAÇÃO DO MILHETO (Pennisetum americanum) 1 Pesquisa Agropecuária Tropical, 30(1): 65-70, jan./jun. 2000 65 COMPARAÇÃO DE BICOS DE PULVERIZAÇÃO NA DESSECAÇÃO DO MILHETO (Pennisetum americanum) 1 Gislene Auxiliadora Ferreira 2, José Nunes Júnior

Leia mais

Maquinas Termicas - Fornalha

Maquinas Termicas - Fornalha Máquinas Térmicas: Fornalhas Combustão 1 Fornalha Converte energia química do combustível em energia térmica. De acordo com o tipo e a qualidade do combustível disponível, a queima pode ser em suspensão,

Leia mais