Seleção de Pontas de Pulverização

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Seleção de Pontas de Pulverização"

Transcrição

1 JORNADAS DE ACTUALIZACIÓN EN TECNOLOGÍAS DE APLICACIÓN EN CULTIVOS EXTENSIVOS Seleção de Pontas de Pulverização Otavio J. G. Abi Saab Prof. Mecanização Agrícola Universidade Estadual de Londrina Estado do Paraná - Brasil

2 Pulverização e Aplicação Pulverização: Processo de divisão de um líquido em gotas Aplicação: Colocação das gotas num local determinado

3 Tecnologia de Aplicação Pulverização; Trajeto (transporte); Penetração no dossel (interior) da planta; Deriva. Contato (impacto); Espalhamento; Molhamento; Retenção; Evaporação; Penetração; Absorção; Translocação; Efeito.

4 Pontas de Pulverização O que são e para que servem? Componente mais importante do pulverizador; Responsável pela formação das gotas; Define a vazão e, portanto, a taxa de aplicação (L/ha); Qualidade do espectro de gotas (tamanho, uniformidade e número).

5 Pontas de Pulverização Características da pulverização Tamanho da gota (DMV, DMN); Qualidade do espectro de gotas (DMV/DMN e AR); % de gotas com maior risco de deriva.

6 Pontas de Pulverização Características da pulverização Pressão Pressão Pressão Pressão Vazão (L/ha) Tamanho gota (DMV) Cobertura Deriva??

7 Pontas de Pulverização De maneira geral: Gotas menores maior cobertura; Jato cônico (bico cone) Gotas maiores maior deposição. Jato plano (bico leque) Spraying Systems

8 Pontas de Pulverização Bico e Ponta PONTA CORPO SIMPLES CORPO MÚLTIPLO PARTES DE UM BICO Spraying Systems

9 Pontas de Pulverização Bico e Ponta FILTRO CORPO SIMPLES CORPO MÚLTIPLO PARTES DE UM BICO Spraying Systems

10 Pontas de Pulverização Filtros Inquima

11 Pontas de Pulverização Filtros Inquima

12 Pontas de Pulverização Filtros Inquima

13 Pontas de Pulverização Bico e Ponta PONTA CORPO SIMPLES CORPO MÚLTIPLO PARTES DE UM BICO Spraying Systems

14 Pontas de Pulverização Identificação Spraying Systems

15 Pontas de Pulverização Material/Durabilidade Andef

16 Pontas de Pulverização Desgaste Novo Normal Anormal Spraying Systems

17 Jato cônico: Pontas de Pulverização

18 Pontas de Pulverização Jato cônico: Cheio: Vazio: Spraying Systems

19 Pontas de Pulverização Jato cônico: Ponta: Difusor: Spraying Systems

20 Pontas de Pulverização Jato cônico: Padrão de distribuição Andef

21 Pontas de Pulverização Jato cônico: Padrão de distribuição: Boller 2011, adaptado de Sprayng Systems

22 Pontas de Pulverização Jato cônico: Altas pressões de trabalho; Vazões elevadas; Alta demanda de energia; Maior manutenção; Gotas com elevado risco de deriva (finas e muito finas).

23 Pontas de Pulverização Em geral, pontas de jato cônico não são adequadas para aplicação SEM assistência de ar! Abi-Saab, 2014

24 Jato plano: Seleção de pontas

25 Jato plano: FMC Spraying Systems

26 Jato plano de faixa estendida Spraying Systems

27 Jato plano pré-orifício Spraying Systems

28 Jato plano defletor (impacto) Spraying Systems FMC

29 Jato plano com indução de ar Spraying Systems

30 Jato plano com indução de ar Venturi I Venturi II Injection of air Spray liquid Air Mota, agrotop GmbH, D Obertraubling, Germany.

31 Combinações de diferentes tipos

32 Jato cônico com indução de ar (Boller, 2011)

33 Jato plano duplo Spraying Systems

34 Jato plano defletor duplo (Boller, 2011) Spraying Systems

35 Jato plano duplo com pré-orifício (Boller, 2011) Spraying Systems

36 Jato plano defletor duplo com indução de ar (Boller, 2011) Spraying Systems

37 Capas duplas (Boller, 2011) Spraying Systems

38 Direcionamento do jato plano (Boller, 2011)

39 Como selecionar a ponta adequada? Qual é a vazão? Espaçamento entre bicos; Velocidade de trabalho; Taxa de aplicação. Qual é o tamanho da gota? Alvo; Modo de ação do produto.

40 Código de cores VAZÃO Exemplo: 1 L/min Tamanho da Ponta Cor ISO 01 Laranja 015 Verde 02 Amarelo 025 Lilás 03 Azul 04 Vermelho 05 Marrom 06 Cinza 08 Branco 10 Azul Claro 15 Verde Claro

41

42 Tipo de ponta X tamanho de gota TwinJet XR TeeJet DG TeeJet Turbo TeeJet AI TeeJet AUMENTO NO TAMANHO DE GOTAS AUMENTO EM PENETRAÇÃO E COBERTURA DIMINUIÇÃO NO POTENCIAL DE DERIVA Spraying Systems

43 (Coopavel) Seleção de pontas

44 Ponta: Leque gotas médias Fonte: Adegas, Embrapa Soja, 2004

45 Ponta: Leque gotas finas Fonte: Adegas, Embrapa Soja, 2004

46 Vazão e tamanho de gota vazão (pressão) bar 1 1,5 2 2,5 3 3,5 4 XR ,23 0,28 0,32 0,36 0,43 0,43 0,46 XR ,34 0,42 0,48 0,54 0,64 0,64 0,68 XR ,46 0,56 0,64 0,72 0,85 0,85 0,91 XR ,68 0,84 0,97 1,08 1,28 1,28 1,37 XR ,91 1,12 1,29 1,58 1,71 1,71 1,82 XR ,14 1,39 1,61 1,97 2,13 2,13 2,28 XR ,37 1,67 1,93 2,37 2,56 2,56 2,74 XR ,82 2,23 2,58 3,16 3,14 3,14 3,65 muito fina fina média grossa muito grossa extremamente grossa

47 Manuais dos fabricantes Spraying Systems

48 Manuais dos fabricantes Spraying Systems

49 Manuais dos fabricantes Jacto

50 Tipo de ponta X tamanho de gota TwinJet XR TeeJet DG TeeJet Turbo TeeJet AI TeeJet AUMENTO NO TAMANHO DE GOTAS AUMENTO EM PENETRAÇÃO E COBERTURA DIMINUIÇÃO NO POTENCIAL DE DERIVA Spraying Systems

51 Manuais dos fabricantes Spraying Systems

52 Manuais dos fabricantes Spraying Systems

53 - aplicativos

54 - aplicativos

55 - aplicativos

56 - aplicativos

57 - aplicativos

58 - aplicativos

59 - aplicativos

60 Exemplo: Cultura: SOJA Equipamento: Distância entre bicos: 50 cm; Velocidade de trabalho: 12 km/h (Boller, 2011)

61 Exemplo: Controle plantas daninhas Produto: Glifosato Dose: 1,0 a 1,5 L/ha Taxa de aplicação: 100 a 200 L/ha (150) Tamanho de gota: 20 a 40 lb/pol 2 (?) Vazão calculada: 1,5 L/min (04 Vermelha) Ponta(s) selecionada(s): Spraying Systems

62 Exemplo: Controle lagartas: Produto: Benzoiluréia e piretróide Dose: 0,1 a 0,12 L/ha Taxa de aplicação: 150 a 200 L/ha (175) Tamanho de gota: média a grossas Vazão calculada: 1,75 L/min (04 Vermelha) Ponta(s) selecionada(s): Spraying Systems

63 Exemplo: Controle ferrugem Produto: estrobilurina + triazol + óleo mineral Dose: 0,5 a 0,6 L/ha Taxa de aplicação: 200 a 300 L/ha (250) Tamanho de gota: 100 a 200 u (70 a 100 gotas/cm 2 ) Vazão calculada: 2,5 L/min (05 Marron) Ponta(s) selecionada(s): Spraying Systems

64 Exemplo: SOJA Controle plantas daninhas E lagartas E ferrugem: Produtos: Glifosato E benzoiluréia + piretróide E estrobilurina + triazol Taxas de aplicação: 100 a 300 L/ha (200); Tamanho de gota:???? Ponta(s) selecionada(s):???????

65 Situação 1: Uma aplicação específica para cada produto; PERFEITO!!! Herbicida: Taxa de aplicação: 150 L/ha Ponta: Inseticida: Taxa de aplicação: 175 L/ha Ponta: Fungicida: Taxa de aplicação: 250 L/ha Ponta: PERFEITO? Spraying Systems

66 Situação 2: Aplicação para cada produto, mas com somente 2 tipos de pontas; MUITO BOM! Herbicida: Taxa de aplicação: 150 L/ha Ponta: Inseticida: Taxa de aplicação: 175 L/ha Ponta: Fungicida: Taxa de aplicação: 250 L/ha Ponta: Spraying Systems

67 Situação 3: Aplicação para cada produto, mas com somente 1 tipo de ponta (2 REGULAGENS); BOM! Herbicida: Taxa de aplicação: 150 L/ha Ponta: Inseticida: Taxa de aplicação: 150 L/ha Ponta: Fungicida: Taxa de aplicação: 250 L/ha Ponta: Spraying Systems

68 Situação 4: Mesma aplicação para cada produto, com somente 1 tipo de ponta e regulagem; Herbicida: Taxa de aplicação: 200 L/ha Ponta: Inseticida: Taxa de aplicação: 200 L/ha Ponta: Fungicida: Taxa de aplicação: 200 L/ha Ponta: Spraying Systems

69 Spraying Systems Seleção de pontas Situação 5: Mesma aplicação para todos os produtos, obviamente com somente 1 tipo de ponta e regulagem; Herbicida: Taxa de aplicação: 200 L/ha Ponta: Inseticida: Taxa de aplicação: 200 L/ha Ponta: Fungicida: Taxa de aplicação: 200 L/ha Ponta: Ponta(s) selecionada(s):???????

70 Cultura; Fase; Problema(s) ; Recomendação: Produto(s); Dosagem; Taxa de aplicação; Tamanho das gotas; Equipamento: Regulagem; Velocidade; Vazão; Pontas; Calibração; Aplicação: Fatores meteorológicos; MOMENTO Etc. Seleção de pontas

71 Trabalhar de mãos dadas com o produtor; Relacionar todos os produtos e recomendações: Alvo; Taxa de aplicação (vazão); Tamanho de gota. Relacionar os produtos e recomendações de cada aplicação: Definir alvo prioritário! Selecionar a(s) ponta(s).

72 JORNADAS DE ACTUALIZACIÓN EN TECNOLOGÍAS DE APLICACIÓN EN CULTIVOS EXTENSIVOS Obrigado!

TECNOLOGIA DE APLICAÇÃO DE HERBICIDAS

TECNOLOGIA DE APLICAÇÃO DE HERBICIDAS TECNOLOGIA DE APLICAÇÃO DE HERBICIDAS Emprego de todos os conhecimentos científicos que proporcionem a correta colocação do produto biologicamente ativo no alvo, em quantidade necessária, de forma econômica,

Leia mais

Mecanização da Pulverização. Eng. Agr.Jairo da Costa Moro Máquinas Agrícolas Jacto S.A

Mecanização da Pulverização. Eng. Agr.Jairo da Costa Moro Máquinas Agrícolas Jacto S.A Eng. Agr.Jairo da Costa Moro Máquinas Agrícolas Jacto S.A Mercado de defensivos Agrícolas 2014 - Brasil - O mercado brasileiro comercializou o valor total de US$12,25 bilhões em defensivos agrícolas. Fonte:

Leia mais

Manual de Treinamento CONCEITOS E TECNOLOGIAS QUE VISAM A AUMENTAR O CONTROLE DE PRAGAS E DOENÇAS DE BAIXEIRO

Manual de Treinamento CONCEITOS E TECNOLOGIAS QUE VISAM A AUMENTAR O CONTROLE DE PRAGAS E DOENÇAS DE BAIXEIRO CONCEITOS E TECNOLOGIAS QUE VISAM A AUMENTAR O CONTROLE DE PRAGAS E DOENÇAS DE BAIXEIRO EDIÇÃO Nº 01/2014 Código: 0416-tp Manual de Treinamento Máquinas Agrícolas Jacto Rua Dr. Luiz Miranda, 1650 17580-000

Leia mais

UNITRI. Mecânica e Mecanização Agrícola QUINTA AULA DE MECANIZAÇÃO AGRÍCOLA APLICAÇÃO DE DEFENSIVOS

UNITRI. Mecânica e Mecanização Agrícola QUINTA AULA DE MECANIZAÇÃO AGRÍCOLA APLICAÇÃO DE DEFENSIVOS UNITRI Mecânica e Mecanização Agrícola QUINTA AULA DE MECANIZAÇÃO AGRÍCOLA APLICAÇÃO DE DEFENSIVOS Conceito: Entende-se como "Tecnologia de Aplicação de Produtos Fitossanitários" o emprego de todos os

Leia mais

John Deere Training. Guia do Aluno. Pulverização Fundamento - Português CSP-20-SN2GCQAP Maio, 2009

John Deere Training. Guia do Aluno. Pulverização Fundamento - Português CSP-20-SN2GCQAP Maio, 2009 John Deere Training Guia do Aluno CSP-20-SN2GCQAP Maio, 2009 Copyright 2009 Deere & Company Este material é de propriedade da Deere & Company. O uso, divulgação e/ou reprodução não especificamente autorizado

Leia mais

Guia de Seleção de Bicos para Área Total

Guia de Seleção de Bicos para Área Total Guia de Seleção de Bicos para Área Total HERBICIDAS FUNGICIDAS PÓS-EMERGÊNCIA APLICAÇÃO DE SOLO em pressões abaixo de 2 bar (30 PSI) em pressões abaixo de 2 bar (30 PSI) Consulte a página 11 em pressões

Leia mais

Comunicado Técnico 09

Comunicado Técnico 09 Comunicado Técnico 09 ISSN 2177-854X Maio. 2011 Uberaba - MG Regulagem de Pulverizadores Agrícolas de Barras Responsável: Paulo Roberto Pala Martinelli E-mail: prpmartinelli@yahoo.com.br Engenheiro Agrônomo;

Leia mais

INSPEÇÃO PERIÓDICA DE PULVERIZADORES NA REGIÃO DO ALTO VALE DO ITAJAÍ

INSPEÇÃO PERIÓDICA DE PULVERIZADORES NA REGIÃO DO ALTO VALE DO ITAJAÍ INSPEÇÃO PERIÓDICA DE PULVERIZADORES NA REGIÃO DO ALTO VALE DO ITAJAÍ Lucas Renan EFFTING 1 ; João Pedro Fossa BERNARDY 2 ; Leonardo DÜSTERHOFT 3 ; Fabrício Campos MASIERO 4, Ricardo Kozoroski VEIGA 5

Leia mais

ARBUS Rua Dr. Luiz Miranda, Pompeia - SP - Tel. (14) Fax. (14)

ARBUS Rua Dr. Luiz Miranda, Pompeia - SP - Tel. (14) Fax. (14) Rua Dr. Luiz Miranda, 1650-17580-000 - Pompeia - SP - Tel. (14) 3405 2100 - Fax. (14) 3452 1916 - E-mail: vendas@jacto.com.br PROTEJA O MEIO AMBIENTE. AO INUTILIZAR ESTE FOLHETO, NÃO JOGUE EM VIAS PÚBLICAS.

Leia mais

Experimentação com herbicidas

Experimentação com herbicidas Eperimentação com herbicidas Princípio do delineamento eperimental: Delineamento eperimental mais simples possível desde que satisfaça coerência estatística e atenda os objetivos pretendido O objetivo

Leia mais

TECNOLOGIA DE APLICAÇÃO DE AGROTÓXICOS

TECNOLOGIA DE APLICAÇÃO DE AGROTÓXICOS Definição: Ciência multidisciplinar Disciplina: Fitopatologia Agrícola TECNOLOGIA DE APLICAÇÃO DE AGROTÓXICOS Objetivos: Destinada às pesquisas de equipamentos Processos e obtenção de resultados mais eficientes

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DE UMA BARRA DE PULVERIZAÇÃO PARA APLICAÇÃO DE HERBICIDA EM DESSECAÇÃO DE SOQUEIRA CANA-DE-AÇÚCAR E PASTAGENS

DESENVOLVIMENTO DE UMA BARRA DE PULVERIZAÇÃO PARA APLICAÇÃO DE HERBICIDA EM DESSECAÇÃO DE SOQUEIRA CANA-DE-AÇÚCAR E PASTAGENS 47 DESENVOLVIMENTO DE UMA BARRA DE PULVERIZAÇÃO PARA APLICAÇÃO DE HERBICIDA EM DESSECAÇÃO DE SOQUEIRA CANA-DE-AÇÚCAR E PASTAGENS AMO, Fernando Colombo de 1 PEREIRA, Flávio José de Sousa 2 GADANHA JÚNIOR,

Leia mais

FiberMax. Mais que um detalhe: uma genética de fibra.

FiberMax. Mais que um detalhe: uma genética de fibra. FiberMax. Mais que um detalhe: uma genética de fibra. Requisitos para o cultivo de algodoeiro GlyTol LibertyLink, além de boas práticas de manejo integrado de plantas daninhas. Cap 1: Descrição do Produto

Leia mais

Indicações Registradas

Indicações Registradas Marca Comercial Titular do Registro Nº Registro MAPA Topik 240 EC SYNGENTA PROTEÇÃO DE CULTIVOS LTDA. - 1506.744.463/0001-90 Classe Herbicida Ingrediente Ativo (I.A.) Clodinafope-Propargil Nome Químico

Leia mais

6.4 CONTROLE DE PLANTAS DANINHAS

6.4 CONTROLE DE PLANTAS DANINHAS 6.4 CONTROLE DE PLANTAS DANINHAS Prejuízos: -Competição por água; -Competição por luz; -Competição por nutrientes; -Hospedeiros de pragas e doenças; -Interferência na operação de colheita. Período de competição:

Leia mais

ARBUS 2000 TP. Rua Dr. Luiz Miranda, Pompeia - SP - Tel. (14) Fax. (14) www. jacto.com.br

ARBUS 2000 TP. Rua Dr. Luiz Miranda, Pompeia - SP - Tel. (14) Fax. (14) www. jacto.com.br Rua Dr. Luiz Miranda, 1650-17580-000 - Pompeia - SP - Tel. (14) 3405 2100 - Fax. (14) 3452 1916 - www. jacto.com.br PROTEJA O MEIO AMBIENTE. AO INUTILIZAR ESTE FOLHETO, NÃO JOGUE EM VIAS PÚBLICAS. Imagens

Leia mais

Características dos adjuvantes da Evonik

Características dos adjuvantes da Evonik Características dos adjuvantes da Evonik Adjuvantes para misturas de tanque: S 240 S 233 Vibrant Advance Union S 240 (Superespalhante) Surfactantes à base de trisiloxano Química que promove tensão superficial

Leia mais

Prof. Dr. Casimiro Dias Gadanha Jr. DER/ESALQ/USP

Prof. Dr. Casimiro Dias Gadanha Jr. DER/ESALQ/USP LER 432 Máquinas e Implementos Agrícolas TÓPICO: Máquinas para Aplicação de Produtos Fitossanitários Prof. Dr. Casimiro Dias Gadanha Jr. DER/ESALQ/USP AGROTÓXICO Sinônimos: Produto Fitossanitário Pesticida

Leia mais

EFEITO DA PRESSÃO DE TRABALHO E DE MODELOS DE PONTAS DE PULVERIZAÇÃO SOBRE A EFICIÊNCIA DE HERBICIDA DE CONTATO EM SOJA

EFEITO DA PRESSÃO DE TRABALHO E DE MODELOS DE PONTAS DE PULVERIZAÇÃO SOBRE A EFICIÊNCIA DE HERBICIDA DE CONTATO EM SOJA EFEITO DA PRESSÃO DE TRABALHO E DE MODELOS DE PONTAS DE PULVERIZAÇÃO SOBRE A EFICIÊNCIA DE HERBICIDA DE CONTATO EM SOJA WALTER BOLLER 1, MARCOS MACHRY 2 RESUMO: Nos últimos anos, nas aplicações de herbicidas

Leia mais

ATIVIDADE : TESTES DE DEPOSIÇÃO

ATIVIDADE : TESTES DE DEPOSIÇÃO SINDAG CONGRESSO REGIONAL DE AVIAÇÃO AGRÍCOLA / SUL CACHOEIRA DO SUL, RS 7 a 9 DE JUNHO DE 2007 ATIVIDADE : TESTES DE DEPOSIÇÃO RELATÓRIO www.agrotec.etc.br www.sindag.org.br www.congressosindag.com.br

Leia mais

27/11/2015. Boas práticas: os desafios da tecnologia de aplicação. Tecnologia de aplicação x ambiente. Ulisses Rocha Antuniassi

27/11/2015. Boas práticas: os desafios da tecnologia de aplicação. Tecnologia de aplicação x ambiente. Ulisses Rocha Antuniassi Boas práticas: os desafios da tecnologia de aplicação Ulisses Rocha Antuniassi FCA/UNESP - Botucatu/SP ulisses@fca.unesp.br Apresentação UNESP: FCA: DEnR: NTA: NEMPA: Universidade Estadual Paulista Faculdade

Leia mais

PADRÕES DE DISTRIBUIÇÃO VOLUMÉTRICA DE PONTAS DE PULVERIZAÇÃO DE JATO PLANO 11002, COM E SEM INDUÇÃO DE AR, SOB DIFERENTES ESPAÇAMENTOS E ALTURAS

PADRÕES DE DISTRIBUIÇÃO VOLUMÉTRICA DE PONTAS DE PULVERIZAÇÃO DE JATO PLANO 11002, COM E SEM INDUÇÃO DE AR, SOB DIFERENTES ESPAÇAMENTOS E ALTURAS PADRÕES DE DISTRIBUIÇÃO VOLUMÉTRICA DE PONTAS DE PULVERIZAÇÃO DE JATO PLANO 11002, COM E SEM INDUÇÃO DE AR, SOB DIFERENTES ESPAÇAMENTOS E ALTURAS FERNANDO C. BAUER 1, CARLOS G. RAETANO 2, FRANCISCO DE

Leia mais

DISTRIBUIÇÃO VOLUMÉTRICA E ESPECTRO DE GOTAS DE PONTAS DE PULVERIZAÇÃO DE JATO CÔNICO VAZIO

DISTRIBUIÇÃO VOLUMÉTRICA E ESPECTRO DE GOTAS DE PONTAS DE PULVERIZAÇÃO DE JATO CÔNICO VAZIO DISTRIBUIÇÃO VOLUMÉTRICA E ESPECTRO DE GOTAS DE PONTAS DE PULVERIZAÇÃO DE JATO CÔNICO VAZIO Elivânia Maria Sousa NASCIMENTO (1); Francisco Alexandre de Lima SALES (2); Weberte Alan SOMBRA (3); Igor Martins

Leia mais

EQUIPAMENTOS E TÉCNICAS DE APLICAÇÃO DE PRODUTOS FITOSSANITÁRIOS NA CULTURA DA CANA-DE-AÇÚCAR

EQUIPAMENTOS E TÉCNICAS DE APLICAÇÃO DE PRODUTOS FITOSSANITÁRIOS NA CULTURA DA CANA-DE-AÇÚCAR EQUIPAMENTOS E TÉCNICAS DE APLICAÇÃO DE PRODUTOS FITOSSANITÁRIOS NA CULTURA DA CANA-DE-AÇÚCAR HAMILTON HUMBERTO RAMOS Pesquisador Científico VI Centro APTA de Engenharia e Automação Instituto Agronômico

Leia mais

UNIFORMIDADE DE DISTRIBUIÇÃO VOLUMÉTRICA DE PONTAS DE PULVERIZAÇÃO EM FUNÇÃO DA PRESSÃO DE TRABALHO E ALTURA DA BARRA

UNIFORMIDADE DE DISTRIBUIÇÃO VOLUMÉTRICA DE PONTAS DE PULVERIZAÇÃO EM FUNÇÃO DA PRESSÃO DE TRABALHO E ALTURA DA BARRA Original Article 5 UNIFORMIDADE DE DISTRIBUIÇÃO VOLUMÉTRICA DE PONTAS DE PULVERIZAÇÃO EM FUNÇÃO DA PRESSÃO DE TRABALHO E ALTURA DA BARRA VOLUMETRIC DISTRIBUTION UNIFORMITY OF SPRAY NOZZLES UNDER DIFFERENT

Leia mais

RENDIMENTO OPERACIONAL DE UM PULVERIZADOR DE BARRAS EM DIFERENTES PRESSÕES DE SERVIÇO E VELOCIDADE

RENDIMENTO OPERACIONAL DE UM PULVERIZADOR DE BARRAS EM DIFERENTES PRESSÕES DE SERVIÇO E VELOCIDADE RENDIMENTO OPERACIONAL DE UM PULVERIZADOR DE BARRAS EM DIFERENTES PRESSÕES DE SERVIÇO E VELOCIDADE Kristhiano Chagas ¹, Francisco Castro Rocha Neto ¹, José de Oliveira Rodrigues ¹, Alex Favaro Nascimento

Leia mais

Verde e amarelo: uma marca segura. Filtros para bombas de vácuo

Verde e amarelo: uma marca segura. Filtros para bombas de vácuo Verde e amarelo: uma marca segura Filtros para bombas de vácuo Assistência é confiança! Uma gama de filtros para qualquer bomba de vácuo Separadores de óleo do ar Filtros de ar Filtros de óleo Uma boa

Leia mais

4º DIA DE CAMPO SODEPAC Tratos Culturais para Qualidade da Sementeira. Fazenda Quizenga

4º DIA DE CAMPO SODEPAC Tratos Culturais para Qualidade da Sementeira. Fazenda Quizenga 4º DIA DE CAMPO SODEPAC Tratos Culturais para Qualidade da Sementeira Fazenda Quizenga Sistematização da área Conservam a cobertura vegetal do solo É essencial para correcções de áreas íngremes Conservar

Leia mais

AVALIAÇÃO DA VAZÃO INICIAL DE BICOS PULVERIZADORES. Luiz Atilio PADOVAN Faculdade de Agronomia e Engenharia Florestal - Garça, SP

AVALIAÇÃO DA VAZÃO INICIAL DE BICOS PULVERIZADORES. Luiz Atilio PADOVAN Faculdade de Agronomia e Engenharia Florestal - Garça, SP REVISTA CIENTÍFICA ELETRÔNICA DE AGRONOMIA ISSN 1677-0293 PERIODICIDADE SEMESTRAL ANO III EDIÇÃO NÚMERO 5 JUNHO DE 2004 -------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Leia mais

Destruição Química da Soqueira do Algodão no Mato Grosso.

Destruição Química da Soqueira do Algodão no Mato Grosso. Destruição Química da Soqueira do Algodão no Mato Grosso. Edson R. de Andrade Junior (Pequisador IMAmt edsonjunior@imamt.com.br) Resumo O objetivo deste trabalho foi avaliar a eficiência de herbicidas

Leia mais

Agricultura II. Máquinas de aplicação de fito-fármacos

Agricultura II. Máquinas de aplicação de fito-fármacos Agricultura II Máquinas de aplicação de fito-fármacos As quantidades de fito-fármaco fungicidas, insecticidas, herbicidas (doses) podem ser dadas em: - kg ou L / hl - culturas arbustivas e arbóreas -kg

Leia mais

Fórmulas Úteis para Aplicações em Rodovias. l/km = 60 x l/min l/min = l/lkm x km/hr Km/hr 60 l/lkm = Liters per Lane Kilometer

Fórmulas Úteis para Aplicações em Rodovias. l/km = 60 x l/min l/min = l/lkm x km/hr Km/hr 60 l/lkm = Liters per Lane Kilometer Informações Técnicas Fórmulas Úteis l/min l/ha x km/h x W = (por Bico) 60.000 l/ha = l/min Litros por Minuto 60.000 x l/min (por Bico) km/h x W l/ha Litros por Hectare km/h Quilômetros por Hora W Espaçamento

Leia mais

JARDIM. PULVERIZADORES 0,5 Litros WT ,9 Litros C-9. PULVERIZADORES PRESSÃO 1,5 Litros G1500 PULVERIZADORES

JARDIM. PULVERIZADORES 0,5 Litros WT ,9 Litros C-9. PULVERIZADORES PRESSÃO 1,5 Litros G1500 PULVERIZADORES 0,5 Litros WT-2056-2 Peso: 56g Ø bocal: 22mm Cx.: 50 un. Cod.: 180 050 001 050 0,9 Litros C-9 Peso: 83g Ø bocal: 22mm Cx.: 50 un. Cod.: 180 050 001 090 - Pulverizadores de cores sortidas com bomba de pistão

Leia mais

Lápis para Desenho 3 Carrés para Desenho 6 Esfuminho 9 Borracha Miolo de Pão 9 Spray Fixativo 9

Lápis para Desenho 3 Carrés para Desenho 6 Esfuminho 9 Borracha Miolo de Pão 9 Spray Fixativo 9 Lápis para Desenho 3 Carrés para Desenho 6 Esfuminho 9 Borracha Miolo de Pão 9 Spray Fixativo 9 LÁPIS PARA DESENHO CONTÉ CARVÃO MINERAL Permite traços finos e brilhantes, menos densos e menos grossos que

Leia mais

Orientações sobre o controle químico de doenças fúngicas para o milho

Orientações sobre o controle químico de doenças fúngicas para o milho INFORME TÉCNICO APROSOJA Nº 112/2016 09 de março de 2016 Orientações sobre o controle químico de doenças fúngicas para o milho Considerando o pleno desenvolvimento da Safra 2016 de milho, a Associação

Leia mais

Uso de baixo volume oleoso e assistência de ar no controle de plantas daninhas. Use of low volume in oil and air assistance in weed control

Uso de baixo volume oleoso e assistência de ar no controle de plantas daninhas. Use of low volume in oil and air assistance in weed control Uso de baixo volume oleoso e assistência de ar no controle de plantas daninhas Use of low volume in oil and air assistance in weed control Emerson da Silva Teixeira 1* ; Jethro Barros Osipe 1 ; Ulisses

Leia mais

ISSN:

ISSN: 11 ISSN: 2316-4093 Comparação de pulverização de baixa (60 L ha -1 ) com alta vazão (170 L ha -1 ) em pulverização de barras Marciane Braun 1, Tania Claudia Pintro 1, Vanderlei Artur Bier 1, Marcio Furlan

Leia mais

COBERTURA DA CULTURA DA SOJA PELA CALDA FUNGICIDA EM FUNÇÃO DE PONTAS DE PULVERIZAÇÃO E VOLUMES DE APLICAÇÃO 1

COBERTURA DA CULTURA DA SOJA PELA CALDA FUNGICIDA EM FUNÇÃO DE PONTAS DE PULVERIZAÇÃO E VOLUMES DE APLICAÇÃO 1 Scientia Agraria ISSN 9-2 (printed) and 983-2443 (on-line) ROMÁN, R.A.A. et al. Cobertura da cultura da soja pela calda fungicida... COBERTURA DA CULTURA DA SOJA PELA CALDA FUNGICIDA EM FUNÇÃO DE PONTAS

Leia mais

JARDIM ESCOLA MUNDO INFANTIL

JARDIM ESCOLA MUNDO INFANTIL 1º ANO 1 caderno meia pauta com 50 folhas, encapado com papel glacê ou contact de cor vermelha. 1 pasta fina, pequena, azul, de plástico, com elástico. 2 cadernos horizontais pequenos com 60 folhas, CAPA

Leia mais

ANEXO II PRÉ TESTE

ANEXO II PRÉ TESTE ANEXO II PRÉ TESTE - 27 - PRÉ TESTE PROPRIETÁRIO CODIGO: - NOME: RG: CPF: ESTADO CIVIL: IDADE: SITUAÇÃO: Proprietário Arrendatário Meeiro Outra NOME DA ESPOSA: IDADE: Nº FILHOS: ENDEREÇO DA PROPRIEDADE:

Leia mais

Mecanização Agrícola Manejo de Culturas de Cobertura

Mecanização Agrícola Manejo de Culturas de Cobertura Mecanização Agrícola Manejo de Culturas de Cobertura MANEJO DA VEGETAÇÃO E DE RESTOS CULTURAIS INTRODUÇÃO - Preparos Conservacionistas Objetivos: Superfície coberta máximo de tempo possível Uniformidade

Leia mais

LEVANTAMENTO DO USO DE TECNOLOGIAS EM LAVOURAS DE TRIGO TECNICAMENTE ASSISTIDAS NO PARANÁ. Claudia De Mori

LEVANTAMENTO DO USO DE TECNOLOGIAS EM LAVOURAS DE TRIGO TECNICAMENTE ASSISTIDAS NO PARANÁ. Claudia De Mori LEVANTAMENTO DO USO DE TECNOLOGIAS EM LAVOURAS DE TRIGO TECNICAMENTE ASSISTIDAS NO PARANÁ Claudia De Mori HISTÓRICO com a colaboração de profissionais de cooperativas e de empresas de assistência técnica,

Leia mais

AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO DE BICOS PARA APLICAÇÃO DE HERBICIDAS 1

AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO DE BICOS PARA APLICAÇÃO DE HERBICIDAS 1 AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO DE BICOS PARA APLICAÇÃO DE HERBICIDAS 1 DILERMANDO PERECIN, VALDEMIR A. PERESSIN 3, TOMOMASSAMATUO, BENEDITO A. BRAZ 5, LUIS C. PIO RESUMO A avaliação do desempenho de barras de

Leia mais

LINHA CONDOR. Rua Dr. Luiz Miranda, Pompeia - SP - Tel. (14) Fax. (14)

LINHA CONDOR. Rua Dr. Luiz Miranda, Pompeia - SP - Tel. (14) Fax. (14) Rua Dr. Luiz Miranda, 1650 17580000 Pompeia SP Tel. (14) 3405 2100 Fax. (14) 3452 1916 Email: vendas@jacto.com.br PROTEJA O MEIO AMBIENTE. AO INUTILIZAR ESTE FOLHETO, NÃO JOGUE EM VIAS PÚBLICAS. www.jacto.com.br

Leia mais

O segredo do sucesso é a combinação

O segredo do sucesso é a combinação O segredo do sucesso é a combinação Sistema de Combinação de Híbridos: segurança e estabilidade, ano após ano A partir desta safra, o Sistema de Combinação de Híbridos Pioneer na sua lavoura está ainda

Leia mais

DENSIDADE DE SEMEADURA E POPULAÇÃO INICIAL DE PLANTAS PARA CULTIVARES DE TRIGO EM AMBIENTES DISTINTOS DO PARANÁ

DENSIDADE DE SEMEADURA E POPULAÇÃO INICIAL DE PLANTAS PARA CULTIVARES DE TRIGO EM AMBIENTES DISTINTOS DO PARANÁ DENSIDADE DE SEMEADURA E POPULAÇÃO INICIAL DE PLANTAS PARA CULTIVARES DE TRIGO EM AMBIENTES DISTINTOS DO PARANÁ José Salvador Simoneti Foloni 1*, Manoel Carlos Bassoi 1, Luis César Vieira Tavares 1, Larissa

Leia mais

UNIFORMIDADE DE DISTRIBUIÇÃO VOLUMÉTRICA DE PONTAS DE PULVERIZAÇÃO DE JATO PLANO DUPLO COM INDUÇÃO DE AR 1

UNIFORMIDADE DE DISTRIBUIÇÃO VOLUMÉTRICA DE PONTAS DE PULVERIZAÇÃO DE JATO PLANO DUPLO COM INDUÇÃO DE AR 1 Pesquisa Agropecuária Tropical, 3 (1): 1-, 1 UNIFORMIDADE DE DISTRIBUIÇÃO VOLUMÉTRICA DE PONTAS DE PULVERIZAÇÃO DE JATO PLANO DUPLO COM INDUÇÃO DE AR 1 João Paulo Arantes Rodrigues da Cunha e Renato Adriane

Leia mais

Efeito de diferentes vazões e adjuvantes na pulverização aérea e terrestre da cultura do milho

Efeito de diferentes vazões e adjuvantes na pulverização aérea e terrestre da cultura do milho Resumo O experimento foi conduzido na safra agrícola 2007/2008 no município de Carambeí (PR) Brasil, Latitude 24 55 04 S, Longitude 50 05 50 O. O objetivo da pesquisa foi avaliar o efeito de diferentes

Leia mais

TÉCNICAS PARA APLICAÇÕES DO ROUNDUP EM ÁREAS FLORESTAIS DANIEL CAMPOSILVAN INDÚSTRIAS MONSANTO S/A RUA PAES LEME, SÃO PAULO-SP

TÉCNICAS PARA APLICAÇÕES DO ROUNDUP EM ÁREAS FLORESTAIS DANIEL CAMPOSILVAN INDÚSTRIAS MONSANTO S/A RUA PAES LEME, SÃO PAULO-SP TÉCNICAS PARA APLICAÇÕES DO ROUNDUP EM ÁREAS FLORESTAIS RESUMO DANIEL CAMPOSILVAN INDÚSTRIAS MONSANTO S/A RUA PAES LEME, 524 05424 - SÃO PAULO-SP O uso do herbicida ROUNDUP em áreas florestais vem se tornando

Leia mais

SOLICITAÇÃO DE COTAÇÃO PARA COMPRAS MATERIAL / SERVIÇOS

SOLICITAÇÃO DE COTAÇÃO PARA COMPRAS MATERIAL / SERVIÇOS MATERIAL DE PAPELARIA E ESCRITÓRIO Empresa vencedora: J.B PAPELARIA COM. LTDA GES DISTR. DE PAPELARIA LTDA 13 A INFORMÁTICA E MAT. DE ESCRITÓRIO LTDA Nº do pedido: 0916/18 0916/19 0916/20 SOLICITAÇÃO DE

Leia mais

BD 60/95 RS. Modo economico. Dimensões compactas. Extremamente compacto. Carro de bateria opcional

BD 60/95 RS. Modo economico. Dimensões compactas. Extremamente compacto. Carro de bateria opcional Lavadora e secadora de pisos com operador em pé. Combina a manobrabilidade das máquinas de operador pedestre com a velocidade de trabalho das máquinas com operador à bordo. 1 2 3 4 1 2 Modo economico Economiza

Leia mais

Desafios do setor de florestas plantadas para o manejo de plantas daninhas. José Eduardo Petrilli Mendes Fibria S.A. Proteção Florestal

Desafios do setor de florestas plantadas para o manejo de plantas daninhas. José Eduardo Petrilli Mendes Fibria S.A. Proteção Florestal Desafios do setor de florestas plantadas para o manejo de plantas daninhas José Eduardo Petrilli Mendes Fibria S.A. Proteção Florestal Roteiro A Fibria O setor de florestas plantadas Área de expansão Prejuízos

Leia mais

Soluções Amanco Linha Agrícola

Soluções Amanco Linha Agrícola Linha Agrícola ÍNDICE Caderno 1 Soluções Amanco para Irrigação em PVC Linha Móvel ERR 1 Linha Fixa PN 40 e PN 80 9 Linha Fixa DEFOFORT JERI PN 60, PN 80 e PN 125 15 Linha Agropecuária 21 Drenofort para

Leia mais

Instruções de montagem

Instruções de montagem Instruções de montagem Indicações importantes relativas às instruções de montagem VOSS O desempenho e a segurança mais elevados possíveis no funcionamento dos produtos VOSS só serão obtidos se forem cumpridas

Leia mais

Processos e métodos de proteção fitossanitária e de aplicação de produtos fitofarmacêuticos

Processos e métodos de proteção fitossanitária e de aplicação de produtos fitofarmacêuticos Processos e métodos de proteção fitossanitária e de aplicação de produtos fitofarmacêuticos Curso de formação para operadores e técnicos agrícolas Fernando A. Santos fsantos@utad.pt http://home.utad.pt/~fsantos

Leia mais

TÉCNICA CULTURAL PARA PRODUÇÃO DE SEMENTES

TÉCNICA CULTURAL PARA PRODUÇÃO DE SEMENTES 1 TÉCNICA CULTURAL PARA PRODUÇÃO DE SEMENTES 1. Introdução Silvio Moure Cicero Instalação de campos de produção de sementes requer planejamento muito criterioso: diferentes espécies requerem técnicas especiais;

Leia mais

Fundamentos e Práticas de Aplicação de Agroquímicos na Produção Integrada de Maçã

Fundamentos e Práticas de Aplicação de Agroquímicos na Produção Integrada de Maçã Fundamentos e Práticas de Aplicação de Agroquímicos na Produção Integrada de Maçã Reinhard Krueger Rosa Maria Valdebenito Sanhueza Adalecio Kovaleski Técnicas adequadas para a aplicação de pesticidas são

Leia mais

É a parte da Física que se ocupa da dinâmica e dos fenômenos físicos relacionados com os gases ou vácuos. É também o estudo da conservação da energia

É a parte da Física que se ocupa da dinâmica e dos fenômenos físicos relacionados com os gases ou vácuos. É também o estudo da conservação da energia Fagner Ferraz É a parte da Física que se ocupa da dinâmica e dos fenômenos físicos relacionados com os gases ou vácuos. É também o estudo da conservação da energia pneumática em energia mecânica, através

Leia mais

BOAS PRÁTICAS DE APLICAÇÃO

BOAS PRÁTICAS DE APLICAÇÃO MANUAL DE BOAS PRÁTICAS DE APLICAÇÃO DE PRODUTOS FITOSSANITÁRIOS COGAP COMITÊ DE BOAS PRÁTICAS AGRÍCOLAS ASSOCIAÇÃO NACIONAL DE DEFESA VEGETAL ANDEF Rua Capitão Antônio Rosa, 376, 13º andar 01443-010 -

Leia mais

Instruções de montagem

Instruções de montagem Instruções de montagem Indicações importantes relativas às instruções de montagem VOSS O desempenho e a segurança mais elevados possíveis no funcionamento dos produtos VOSS só serão obtidos se forem cumpridas

Leia mais

CONJUNTOS MINI ASPERSÃO: - RONDO XL - MÉDIO RONDO - POSIÇÃO INVERTIDA - MINI SPRAY ( MF ) - MINI ASPERSOR ( MR ) - ASPERSORES DE IMPACTO

CONJUNTOS MINI ASPERSÃO: - RONDO XL - MÉDIO RONDO - POSIÇÃO INVERTIDA - MINI SPRAY ( MF ) - MINI ASPERSOR ( MR ) - ASPERSORES DE IMPACTO REGA POR CONJUNTOS MINI : - RONDO XL - MÉDIO RONDO - POSIÇÃO INVERTIDA - MINI SPRAY ( MF ) - MINI ASPERSOR ( MR ) - ASPERSORES DE IMPACTO NEBULIZADORES NEBULIZADOR - 1 EMISSOR NEBULIZADOR - 4 EMISSORES

Leia mais

UTILIZAÇÃO DE PULVERIZADORES CENTRÍFUGOS DE JACTO TRANSPORTADO NA CULTURA DA VINHA INTRODUÇÃO

UTILIZAÇÃO DE PULVERIZADORES CENTRÍFUGOS DE JACTO TRANSPORTADO NA CULTURA DA VINHA INTRODUÇÃO UTILIZAÇÃO DE PULVERIZADORES CENTRÍFUGOS DE JACTO TRANSPORTADO NA CULTURA DA VINHA INTRODUÇÃO Reduzir o débito a aplicar nos tratamentos da cultura da vinha, sem por em causa a sua eficácia, é um dos principais

Leia mais

Características da cor

Características da cor Características da cor Qualquer cor particular pode ser obtida a partir da combinação de VERMELHO AZUL VERDE (Primárias aditivas) (no caso de transmissão) Isto é, uma fonte de luz vermelha, uma fonte de

Leia mais

16 EFEITO DA APLICAÇÃO DO FERTILIZANTE FARTURE

16 EFEITO DA APLICAÇÃO DO FERTILIZANTE FARTURE 16 EFEITO DA APLICAÇÃO DO FERTILIZANTE FARTURE EM RELAÇÃO AO FORMULADO PADRÃO O objetivo deste trabalho foi avaliar o desempenho do fertilizante Farture (00-12-12) em diferentes dosagens em relação ao

Leia mais

FUNDAÇÃO DE APOIO A PESQUISA, ENSINO E EXTENSÃO - FUNEP

FUNDAÇÃO DE APOIO A PESQUISA, ENSINO E EXTENSÃO - FUNEP UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA FACULDADE DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS E VETERINÁRIAS CAMPUS DE JABOTICABAL Página 1 de 5 RELATÓRIO DE ANÁLISE CARACTERIZAÇÃO DE GOTAS PRODUZIDAS POR BICO DE PULVERIZAÇÃO EM DIFERENTES

Leia mais

NBR 8403 Aplicação de linhas em desenhos - Tipos de linhas - Larguras das linhas

NBR 8403 Aplicação de linhas em desenhos - Tipos de linhas - Larguras das linhas ABNT-Associação Brasileira de Normas Técnicas MAR 1984 NBR 8403 Aplicação de linhas em desenhos - Tipos de linhas - Larguras das linhas Sede: Rio de Janeiro Av. Treze de Maio, 13-28º andar CEP 20003-900

Leia mais

IX WORKSHOP GTAC TECNOLOGIA E SUSTENTABILIDADE PARA A CITRICULTURA BEBEDOURO, 10 DE MAIO DE 2012

IX WORKSHOP GTAC TECNOLOGIA E SUSTENTABILIDADE PARA A CITRICULTURA BEBEDOURO, 10 DE MAIO DE 2012 IX WORKSHOP GTAC TECNOLOGIA E SUSTENTABILIDADE PARA A CITRICULTURA BEBEDOURO, 10 DE MAIO DE 2012 ANTONIO DE GOES Departamento de Fitossanidade UNESP Universidade Estadual Paulista JABOTICABAL - SP IX WORKSHOP

Leia mais

Monitoramento da Resistência de Ramularia areola a Fungicidas. Fabiano J. Perina Jackson A. Tavares Júlio C. Bogiani Nelson D.

Monitoramento da Resistência de Ramularia areola a Fungicidas. Fabiano J. Perina Jackson A. Tavares Júlio C. Bogiani Nelson D. Monitoramento da Resistência de Ramularia areola a Fungicidas Fabiano J. Perina Jackson A. Tavares Júlio C. Bogiani Nelson D. Suassuna Safras 13/14 e 14/15 Levantamentos Controle de Ramulária - Severidade

Leia mais

HERBICIDE DISTRIBUTION BY SPRAYING NOZZLES USED IN EUCALYPTUS REFORESTATION AREAS

HERBICIDE DISTRIBUTION BY SPRAYING NOZZLES USED IN EUCALYPTUS REFORESTATION AREAS DISTRIBUIÇÃO DA CALDA HERBICIDA POR PONTAS DE PULVERIZAÇÃO AGRÍCOLA UTILIZADAS EM ÁREAS DE REFLORESTAMENTO COM EUCALIPTO MARCELO DA C. FERREIRA 1, JOSÉ R. G. DI OLIVEIRA 2, IVAN R. P. DA S. DAL PIETRO

Leia mais

Processo, Consumíveis, Técnicas e Parâmetros, Defeitos e Causas

Processo, Consumíveis, Técnicas e Parâmetros, Defeitos e Causas INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE SANTA CATARINA Processo, Consumíveis, Técnicas e Parâmetros, Defeitos e Causas Professor: Anderson Luís Garcia Correia Unidade Curricular de Processos

Leia mais

ANÁLISE DA DISTRIBUIÇÃO VOLUMÉTRICA DE PONTAS DE PULVERIZAÇÃO HIDRÁULICAS DE JATO PLANO

ANÁLISE DA DISTRIBUIÇÃO VOLUMÉTRICA DE PONTAS DE PULVERIZAÇÃO HIDRÁULICAS DE JATO PLANO 233 ANÁLISE DA DISTRIBUIÇÃO VOLUMÉTRICA DE PONTAS VOLUMETRIC DISTRIBUTION ANALYSIS OF FLAT FAN HYDRAULIC SPRAY NOZZLES JOÃO PAULO ARANTES RODRIGUES DA CUNHA* RESUMO O padrão de deposição volumétrica é

Leia mais

Catalogo de Produtos 2016

Catalogo de Produtos 2016 Conheça nossa Linha Catalogo de Produtos 2016 NOSSA COR SUA ARTE! www.coriarte.com.br 01 PAREDES,TETOS Acrílico Premium Acetinado, Semi-Brilho Excelente qualidade e cobertura, ótimo rendimento, fino acabamento

Leia mais

APRESENTAÇÃO DO CASE DA REGIÃO

APRESENTAÇÃO DO CASE DA REGIÃO APRESENTAÇÃO DO CASE DA REGIÃO SUL Leandro Sartoreli Ricci Mamborê - PR 2010/2011 Produtividade: 6.027 kg/ha (100,5 sc/ha) - Variedade SYN 3358 (Variedade com folhas lanceoladas e alta resistência ao acamamento)

Leia mais

Departamento de Compras - Santa Marcelina Cultura - Tel: (11)

Departamento de Compras - Santa Marcelina Cultura - Tel: (11) SOLICITAÇÃO DE COTAÇÃO PARA COMPRAS MATERIAL / SERVIÇOS Em conformidade com o Regulamento de Compras e Contratações de Obras e Serviços da ASSOCIAÇÃO DE CULTURA, EDUCAÇÃO E ASSITÊNCIA SOCIAL SANTA MARCELINA

Leia mais

Cecílio Garcia Maldonado fundador (In memoriam)

Cecílio Garcia Maldonado fundador (In memoriam) Cecílio Garcia Maldonado fundador (In memoriam) INTRODUÇÃO Acompanhando a evolução de mercado, apresentamos a linha completa de produtos para irrigação da Agropolo, uma ótima oportunidade de saber mais

Leia mais

Aplicação Aérea com Taxas Constantes e Variáveis Eduardo Cordeiro de Araújo 1

Aplicação Aérea com Taxas Constantes e Variáveis Eduardo Cordeiro de Araújo 1 Aplicação Aérea com Taxas Constantes e Variáveis Eduardo Cordeiro de Araújo 1 1.Introdução A aplicação aérea se caracteriza pela grande velocidade de deslocamento do veículo aplicador. Os aviões envolvidos

Leia mais

LINHA JATÃO 3 PONTOS. Rua Dr. Luiz Miranda, Pompeia - SP - Tel. (14) Fax. (14)

LINHA JATÃO 3 PONTOS. Rua Dr. Luiz Miranda, Pompeia - SP - Tel. (14) Fax. (14) Rua Dr. Luiz Miranda, 1650-17580-000 - Pompeia - SP - Tel. (14) 3405 2100 - Fax. (14) 3452 1916 - E-mail: vendas@jacto.com.br PROTEJA O MEIO AMBIENTE. AO INUTILIZAR ESTE FOLHETO, NÃO JOGUE EM VIAS PÚBLICAS.

Leia mais

MÓVEL PRESSÃO. Transmissão com embraiagem. Saida. Retorno. Regulador Pressão. jacto regulável e posicionável. bomba. Piston.2E C.C

MÓVEL PRESSÃO. Transmissão com embraiagem. Saida. Retorno. Regulador Pressão. jacto regulável e posicionável. bomba. Piston.2E C.C Mar c a Válvulas Pist o ns P res s ão 2 2.01 Grupo Pressão 2017.20-ST MÓVEL PRESSÃO R Peso Kg. 6,4 Caudal L/min 12 Carburador Diafragma Pressão kg/cm2 15 Aspiração M 10 Mistura 1:25 10 metros mangueira

Leia mais

Controle de Euphorbia heterophylla com mesotrione e óleos para diferentes pontas de pulverização 1

Controle de Euphorbia heterophylla com mesotrione e óleos para diferentes pontas de pulverização 1 Revista Brasileira de Herbicidas, v.10, n.3, p.266-276, set./dez. 2011 (ISSN 2236-1065) www.rbherbicidas.com.br Controle de Euphorbia heterophylla com mesotrione e óleos para diferentes pontas de pulverização

Leia mais

Pulverizador Agrícola Manual

Pulverizador Agrícola Manual R Pulverizador Agrícola Manual Fone: (42) 3522-2789 3522-1819 3523-7926 Rua Prefeito Alfredo Metzler, 480 - CEP 89400-000 - Porto União - SC Site: www.knapik.com.br E-mail: knapik@knapik.com.br vendas@knapik.com.br

Leia mais

Interação entre pressão e tamanho de gota por instrumentação eletrônica em pulverizador pressurizado por CO 2

Interação entre pressão e tamanho de gota por instrumentação eletrônica em pulverizador pressurizado por CO 2 Interação entre pressão e tamanho de gota por instrumentação eletrônica em pulverizador pressurizado por CO 2 1 Raul Rodolfo Francischetti Gabriel 2, Fábio Henrique Rojo Baio 2 ABSTRACT Interaction between

Leia mais

BOAS PRÁTICAS DE APLICAÇÃO DE PRODUTOS FITOSSANiTÁRIOS. E A PROTEçÃO DOS RECURSOS HÍDRICOS, DA FLORA E DA FAUNA

BOAS PRÁTICAS DE APLICAÇÃO DE PRODUTOS FITOSSANiTÁRIOS. E A PROTEçÃO DOS RECURSOS HÍDRICOS, DA FLORA E DA FAUNA BOAS PRÁTICAS DE APLICAÇÃO DE PRODUTOS FITOSSANiTÁRIOS E A PROTEçÃO DOS RECURSOS HÍDRICOS, DA FLORA E DA FAUNA BOAS PRÁTICAS DE APLICAÇÃO DE PRODUTOS FITOSSANITÁRIOS E A PROTEçÃO DOS RECURSOS HÍDRICOS,

Leia mais

A agricultura: Atividade económica do setor primário; A palavra agricultura significa a cultura do campo;

A agricultura: Atividade económica do setor primário; A palavra agricultura significa a cultura do campo; A agricultura A agricultura: Atividade económica do setor primário; A palavra agricultura significa a cultura do campo; Paisagem agrária: É a forma de cultivo e a divisão dos campos; É condicionada por

Leia mais

Sérgio Ferreira de Paula Silva

Sérgio Ferreira de Paula Silva Instalações Elétricas 1 Projeto de Instalações Elétricas Projetar uma instalação elétrica para qualquer tipo de prédio ou local consiste essencialmente em selecionar, dimensionar e localizar, de maneira

Leia mais

Duvek Duvek 2000 MACACÃO.

Duvek Duvek 2000 MACACÃO. Duvek 1000 Material: 100% polipropileno não texturizado, sem revestimento, gramatura 45 Características: Os macacões DUVEK 1000 são utilizados para proteger o usuário contra todos os tipos de partículas

Leia mais

FABRICAÇÃO DO TISSUE. Apresentado por Célio Furquim

FABRICAÇÃO DO TISSUE. Apresentado por Célio Furquim PULVERIZAÇÃO NA FABRICAÇÃO DO TISSUE Apresentado por Célio Furquim Manutenção & Vida Útil do Bico de Pulverização MANUTENÇÃO DOS BICOS Overview Bicos requerem inspeções periódicas Da mesma forma que qualquer

Leia mais

DIPEL 12 X1 CULTURA PRAGAS CONTROLADORAS DOSES N DE APLICAÇÕES. Nome comum Nome científico. Ingrediente ativo DIPEL ALAMO

DIPEL 12 X1 CULTURA PRAGAS CONTROLADORAS DOSES N DE APLICAÇÕES. Nome comum Nome científico. Ingrediente ativo DIPEL ALAMO DIPEL 12 X1 Detalhes do produto Promove o controle biológico de lepidópteros (lagartas e traças) em vinha, hortícolas e floresta. Atua por ingestão, provocando a paralisia geral dos insetos, que deixam

Leia mais

IRRIGAÇÃO POR SULCOS Pa P t a r t i r c i ia i A n A g n é g li l c i a c A l A v l e v s s Ma M rq r u q e u s

IRRIGAÇÃO POR SULCOS Pa P t a r t i r c i ia i A n A g n é g li l c i a c A l A v l e v s s Ma M rq r u q e u s IRRIGAÇÃO POR SULCOS Patricia Angélica Alves Marques 1. DEFINIÇÃO A irrigação por sulcos é um método que consiste na distribuição de água através de pequenos canais (os sulcos), paralelos às fileiras de

Leia mais

Bicos de Jateamento JATEAMENTO INTERNO DE TUBOS HOLLOBLAST 1/2. BICO DE CERÂMICA.

Bicos de Jateamento JATEAMENTO INTERNO DE TUBOS HOLLOBLAST 1/2. BICO DE CERÂMICA. BICO DE JATEAMENTO INTERNO DE TUBO PANBLAST (BAC-BA-0170-00). JATEAMENTO INTERNO DE TUBOS HOLLOBLAST 1/2. BICO INJETOR. BICOS VENTURI LONGO. BICO DE CERÂMICA. BICO DE METAL DURO. BICOS DE JATEAMENTO Os

Leia mais

PULVERIZADORES SUSPENSOS (Mod. ST Baixa pressão)

PULVERIZADORES SUSPENSOS (Mod. ST Baixa pressão) PULVERIZADORES SUSPENSOS (Mod. ST Baixa pressão) EQUIPAMENTO TANDARD: Chassis em tubo estrutural de aço (200 a 500 L) Chassis em chapa quinada de aço a partir de 600 L Pintura polietileno Depósito fabricado

Leia mais

Agentes causadores. Mecanização agrícola. Compactação sob as rodas dos veículos distribuição de pressão no solo.

Agentes causadores. Mecanização agrícola. Compactação sob as rodas dos veículos distribuição de pressão no solo. Agentes causadores Mecanização agrícola Compactação sob as rodas dos veículos distribuição de pressão no solo. Peso do veículo que determinará o total da força exercida Tamanho da área de contato entre

Leia mais

Soldagem Mecanizada de Tanques de Estocagem com Alta Produtividade

Soldagem Mecanizada de Tanques de Estocagem com Alta Produtividade Soldagem Mecanizada de Tanques de Estocagem com Alta Produtividade Maio 2016 1 Documento Confidencial da White Martins Objetivo Apresentar tecnologias que possibilitam aumento de produtividade e/ou ganhos

Leia mais

Empilhador com motor de combustão ton

Empilhador com motor de combustão ton Empilhador com motor de combustão 1.5-3.5 ton www.toyota-forklifts.eu Empilhador com motor de combustão 1.5-1.75 ton Especificação para empilhadores industriais 02-8FGF15 02-8FDF15 02-8FGF18 02-8FDF18

Leia mais

Acta Scientiarum. Agronomy ISSN: Universidade Estadual de Maringá Brasil

Acta Scientiarum. Agronomy ISSN: Universidade Estadual de Maringá Brasil Acta Scientiarum. Agronomy ISSN: 1679-9275 eduem@uem.br Universidade Estadual de Maringá Brasil Modernel da Silveira, João Cleber; Filho, Antonio Gabriel; Pereira, Joaquim Odilon; de Lima Silva, Suedêmio;

Leia mais

TRADUÇÃO DO DOCUMENTO ORIGINAL

TRADUÇÃO DO DOCUMENTO ORIGINAL l AIRMIX Xcite CARACTERÍSTICAS TÉCNICAS TRADUÇÃO DO DOCUMENTO ORIGINAL IMPORTANTE: Ler atentamente todos os documentos antes do armazenamento, instalação ou começar a utilizar o material em questão (para

Leia mais

Sementes de. A Linha de Sementes de Soja Dow AgroSciences avança sem parar. Com um portifólio adaptado para as principais regiões do país e variedades

Sementes de. A Linha de Sementes de Soja Dow AgroSciences avança sem parar. Com um portifólio adaptado para as principais regiões do país e variedades Sementes de SOJA A Linha de Sementes de Soja Dow AgroSciences avança sem parar. Com um portifólio adaptado para as principais regiões do país e variedades de alto potencial produtivo, os produtores têm

Leia mais

CUSTO DE PRODUÇÃO DE GRÃOS EM CASTRO-PR

CUSTO DE PRODUÇÃO DE GRÃOS EM CASTRO-PR CUSTO DE PRODUÇÃO DE GRÃOS EM CASTRO-PR Foi realizado no dia 09 de julho de 2012 em Castro (PR), o painel de custos de produção de grãos. A pesquisa faz parte do Projeto Campo Futuro da Confederação da

Leia mais

COLÉGIO NOVO ANGLO DE JABOTICABAL (QUÍMICA) PROFESSOR: JOÃO MEDEIROS

COLÉGIO NOVO ANGLO DE JABOTICABAL (QUÍMICA) PROFESSOR: JOÃO MEDEIROS COLÉGIO NOVO ANGLO DE JABOTICABAL (QUÍMICA) PROCESSOS DE SEPARAÇÃO DE MISTURAS PROFESSOR: JOÃO MEDEIROS 2012 Natureza É raro encontrarmos substâncias puras, normalmente encontramos misturas de substâncias.

Leia mais

DEPOSIÇÃO DE CALDA DE DIFERENTES FUNGICIDAS PROPORCIONADA POR PULVERIZADORES DE PRESSÃO CONSTANTE (CO 2 ) E COM BICO ROTATIVO, EM ALGODÃO.

DEPOSIÇÃO DE CALDA DE DIFERENTES FUNGICIDAS PROPORCIONADA POR PULVERIZADORES DE PRESSÃO CONSTANTE (CO 2 ) E COM BICO ROTATIVO, EM ALGODÃO. DEPOSIÇÃO DE CALDA DE DIFERENTES FUNGICIDAS PROPORCIONADA POR PULVERIZADORES DE PRESSÃO CONSTANTE (CO 2 ) E COM BICO ROTATIVO, EM ALGODÃO. Cristina Abi Rached Iost (Unesp Jaboticabal / cristinaiost@hotmail.com),

Leia mais