TECNOLOGIA DE APLICAÇÃO DE AGROTÓXICOS NA CITRICULTURA

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "TECNOLOGIA DE APLICAÇÃO DE AGROTÓXICOS NA CITRICULTURA"

Transcrição

1 TECNOLOGIA DE APLICAÇÃO DE AGROTÓXICOS NA CITRICULTURA HAMILTON HUMBERTO RAMOS Diretor Geral do Instituto Agronômico

2 TECNOLOGIA DE APLICAÇÃO DE PRODUTOS FITOSSANITÁRIOS Emprego de todos os conhecimentos científicos que proporcionem a correta colocação do produto biologicamente ativo no alvo Em quantidade necessária De forma econômica Com o mínimo de contaminação de outras áreas.

3 REGULAGEM X EFICÁCIA E CUSTO

4

5

6 CUSTO x BENEFÍCIO

7 FATORES QUE INTERFEREM NA PULVERIZAÇÃO Alvo Biológico praga ambiente produto momento máquina

8

9

10

11

12

13

14 FATORES QUE INTERFEREM NA PULVERIZAÇÃO Alvo Biológico Alvo Químico praga ambiente produto momento máquina

15 Dificuldade?

16

17 Evolução?

18 EVOLUÇÃO NO DIÂMETRO DOS FRUTOS (Mogi Guaçú SP, 2003) Característica da Amostra Dias Após a Pulverização Diâmetro mínimo (mm) 3,47 4,66 6,64 7,74 Diâmetro máximo (mm) 7,90 11,94 19,86 26,03 Diâmetro médio (mm) 5,45 8,09 12,01 15,04 Desvio padrão 0,87 1,39 2,61 3,60 Número de observações

19 REDUÇÃO NA QUANTIDADE DE COBRE EM FUNÇÃO DO TEMPO APÓS A APLICAÇÃO. (Mogi Guaçú SP, 2003) INSTITUTO 30,000 microlitros de calda 25, % 20,000 15,000 10, % 5,000 0, dias após a aplicação 9/200 9/150 9/100 7/200 7/150 7/100 5/200 5/150 5/100

20 FATORES QUE INTERFEREM NA PULVERIZAÇÃO praga ambiente produto momento máquina

21 INTERFERÊNCIA DA TEMPERATURA E UMIDADE RELATIVA DO AR T ( o C) UR (%) Ø Inicial (µm) Tempo até Extinção Dist. de Queda Tempo até Extinção Dist. de Queda 50 (MF) 100 (F) 200 (M) 14 s 12,7 cm 4 s 3,2 cm 57 s 6,7 m 16 s 1,8 m 227 s 81,7 m 65 s 21,0 m FONTE: Adaptado de MATUO, 1996.

22 INTERFERÊNCIA DO VENTO

23

24 FATORES QUE INTERFEREM NA PULVERIZAÇÃO praga ambiente produto momento máquina

25 COBERTURA DA PULVERIZAÇÃO

26

27 COBERTURA C VRK 15 AD 2 C =Cobertura (% da área) V = Volume de aplicação (L/ha) R = Taxa de recuperação (% do volume aplicado, captado pelo alvo) K = Fator de espalhamento de gotas A = Superfície vegetal existente no hectare D = Diâmetro de gotas

28

29

30 DESEMPENHO COMPARATIVO DE BICOS DE PULVERIZAÇÃO DE JATO CÔNICO CONJUNTO PONTA - DIFUSOR TIPO DO JATO PRESSÃO (psi) VAZÃO (l/min) DMV (µm) D4-23 VAZIO D1-31 CHEIO D2-31 CHEIO D4-25 VAZIO D6-25 VAZIO D5-45 VAZIO D3-35 CHEIO D4-56 CHEIO D10-45 VAZIO D6-56 CHEIO D4-45 VAZIO D8-25 VAZIO D5-35 CHEIO D6-56 CHEIO F M G MG

31 Gotas: 50, 100, 150, 200, 250 e 300 µm

32

33

34 EFICÁCIA DA PENETRAÇÃO DE GOTAS NA COPA DA LARANJEIRA - CHUMBINHO INSTITUTO

35

36 EFICÁCIA DA PENETRAÇÃO DE GOTAS NA COPA DA LARANJEIRA ½ DESENVI/o INSTITUTO

37

38 EFICÁCIA DA PENETRAÇÃO DE GOTAS NA COPA DA LARANJEIRA MAX DESENV/o INSTITUTO

39

40

41 Tamanho de gotas produzido por bicos da série J (Jacto) em diferentes pressões Pressão Tipo de Ponta (psi) J4-2 J4-3 J5-2 J5-3 J6-2 J6-3 DMV (µm) ,8 242,8 196,6 254,0 207,2 240, ,9 212,2 193,0 201,6 198,7 206, ,1 186,0 176,2 182,6 186,0 191, ,8 171,3 169,2 167,2 175,0 176, ,6 157,5 156,7 157,7 160,5 - x -

42

43

44

45

46

47

48 COBERTURA C VRK 15 AD 2 C =Cobertura (% da área) V = Volume de aplicação (L/ha) R = Taxa de recuperação (% do volume aplicado, captado pelo alvo) K = Fator de espalhamento de gotas A = Superfície vegetal existente no hectare D = Diâmetro de gotas

49

50

51

52

53

54

55

56

57

58

59

60

61

62

63 Avaliação da Cobertura

64

65

66

67

68

69

70

71 DEPOSIÇÃO DA CALDA

72

73

74

75 VOLUME DE PULVERIZAÇÃO x DEPOSIÇÃO DE CALDA Deposição Int.: 100 ml/m 3 Ext.: 40 ml/m 3 Frutos entre 26 e 58 mm Volume

76

77

78

79

80

81

82 Pó Molhável (PM) Suspensão Concentrada (SC) INSTITUTO Concentrado Emulsionável (CE) Pó Solúvel (PS) Solução Aquosa Concentrada (SAqC)

83 Mistura de Defensivos Sequência de mistura: Pós-Molháveis Grânulos Dispersíveis Suspensão Concentrada Concentrado Emulsionável Pó Solúvel Solução Aquosa Concentrada

84 FATORES QUE INTERFEREM NA PULVERIZAÇÃO Alvo Biológico Alvo Químico praga ambiente produto momento máquina

85

86 OBRIGADO A TODOS Dr HAMILTON HUMBERTO RAMOS Instituto Agronômico Centro APTA de Engenharia e Automação Caixa Postal 26 CEP Jundiaí SP Fone (11) Fax: (11)

Tecnologia de Aplicação

Tecnologia de Aplicação Tecnologia de Aplicação Rodolfo G. Chechetto Engenheiro Agrônomo O que é Tecnologia de Aplicação? Conjunto de conhecimentos que integram informações sobre os produtos fitossanitários, suas formulações

Leia mais

Seleção de Pontas de Pulverização

Seleção de Pontas de Pulverização JORNADAS DE ACTUALIZACIÓN EN TECNOLOGÍAS DE APLICACIÓN EN CULTIVOS EXTENSIVOS Seleção de Pontas de Pulverização Otavio J. G. Abi Saab Prof. Mecanização Agrícola Universidade Estadual de Londrina Estado

Leia mais

APLICAÇÃO DE DEFENSIVOS AGRÍCOLAS. Professor : Nailton Rodrigues de Castro Disciplina : Máquinas Agrícolas

APLICAÇÃO DE DEFENSIVOS AGRÍCOLAS. Professor : Nailton Rodrigues de Castro Disciplina : Máquinas Agrícolas APLICAÇÃO DE DEFENSIVOS AGRÍCOLAS Professor : Nailton Rodrigues de Castro Disciplina : Máquinas Agrícolas INTRODUÇÃO É a aplicação uniforme de um defensivo agrícola na forma líquida, utilizando a energia

Leia mais

Eng.º Agr.º José Maria Fernandes dos Santos

Eng.º Agr.º José Maria Fernandes dos Santos PONTOS CRÍTICOS NA APLICAÇÃO DE DEFENSIVOS Eng.º Agr.º José Maria Fernandes dos Santos Pesquisador Científico Laboratório de Proteção e Clínica Vegetal E-mail: santosjmf@biologico.sp.gov.br Fone/Fax: (11)

Leia mais

Treinamento. Arbus 400 Golden

Treinamento. Arbus 400 Golden Arbus 400 Golden Treinamento Arbus 400 Golden Prof. Brandão - Operação - Manutenção - Regulagem da pulverização Arbus 400 Golden Arbus 400 Maçã 33 Apresentação da máquina Tanque de Defensivos Aplicação

Leia mais

QUALIDADE EM TECNOLOGIA DE APLICAÇÃO DE DEFENSIVOS

QUALIDADE EM TECNOLOGIA DE APLICAÇÃO DE DEFENSIVOS 1 QUALIDADE EM TECNOLOGIA DE APLICAÇÃO DE DEFENSIVOS Prof. Dr. Ulisses Rocha Antuniassi FCA/UNESP Caixa Postal 237-18603-970 - Botucatu/SP - Fone: (14) 96711604 ulisses@fca.unesp.br 1. Conceitos básicos

Leia mais

Tecnologia de aplicação de Agrotóxicos

Tecnologia de aplicação de Agrotóxicos Tecnologia de aplicação de Agrotóxicos Engº. Agrº. M. Sc. Aldemir Chaim Laboratório de Tecnologia de Aplicação de Agrotóxicos Embrapa Meio Ambiente História da aplicação de defensivos Equipamento de aplicação

Leia mais

Valores Corporativos DuPont

Valores Corporativos DuPont Visão DuPont Ser a Companhia científica mais dinâmica do mundo, criando soluções sustentáveis, melhores, mais seguras, mais saudáveis para as pessoas em qualquer lugar Valores Corporativos DuPont Segurança

Leia mais

SCHRODER CONSULTORIA

SCHRODER CONSULTORIA RELATÓRIO TÉCNICO Empresa Contratante: GOTA Indústria e Comércio Ltda. Execução: - CNPJ 7.839.686/1-58 EFEITO DO ÓLEO VEGETAL AGR ÓLEO NA EFICIÊNCIA DE HERBICIDAS E VOLUME DE CALDA APLICADA POR VIA AÉREA

Leia mais

ANÁLISE DE APLICATIVOS PARA REGULAGEM E CALIBRAÇÃO DE PULVERIZADORES NA CULTURA DA VIDEIRA

ANÁLISE DE APLICATIVOS PARA REGULAGEM E CALIBRAÇÃO DE PULVERIZADORES NA CULTURA DA VIDEIRA ANÁLISE DE APLICATIVOS PARA REGULAGEM E CALIBRAÇÃO DE PULVERIZADORES NA CULTURA DA VIDEIRA PILETTI, P.L.²; FEIL, G.²; ZIMMERMANN, L.C.³; LUCCA FILHO, Z²; MACHADO, O. D. da C.¹ RESUMO Os agricultores encontram

Leia mais

CNPJ (MF) / Inscr. Estadual SOPRADOR TSUKI 50

CNPJ (MF) / Inscr. Estadual SOPRADOR TSUKI 50 CNPJ (MF) 09.536.339/0001-81 Inscr. Estadual 286.287.100.114 SOPRADOR TSUKI 50 Shopping em São Bernardo do Campo - SP Indicação: NÉVOA, VAPOR E PÓ FINO EM SUSPENSÃO. ÁREAS COM PÉ DIRETO BAIXO (IDEAL PARA

Leia mais

Sumário. Conceitos. Extremos clássicos. Conceitos. TR Tecnologia dos Revestimentos

Sumário. Conceitos. Extremos clássicos. Conceitos. TR Tecnologia dos Revestimentos PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA CIVIL TR Tecnologia dos Revestimentos Aula 9 Reologia: conceitos básicos Sumário Conceitos Deformação em um sólido ideal Deformação em um fluido ideal Comportamento

Leia mais

Preparação de ar comprimido Unidades de manutenção e componentes Série PR1. Catálogo impresso

Preparação de ar comprimido Unidades de manutenção e componentes Série PR1. Catálogo impresso Série PR1 Catálogo impresso 2 Série PR1 G 1/4 Qn= 380 l/min acionamento: mecânico 4 G 1/4 Qn= 480 l/min acionamento: mecânico 7 G 1/4 Qn= 450-1000 l/min acionamento: mecânico 10 G 1/4 - G 1/2 Qn= 2200-6500

Leia mais

7. Manejo de pragas. compreende as principais causadoras de danos na citricultura do Rio Grande do Sul. Mosca-das-frutas sul-americana

7. Manejo de pragas. compreende as principais causadoras de danos na citricultura do Rio Grande do Sul. Mosca-das-frutas sul-americana Tecnologias para Produção de Citros na Propriedade de Base Familiar 63 7. Manejo de pragas Dori Edson Nava A cultura dos citros possui no Brasil mais de 50 espécies de artrópodes-praga, das quais pelo

Leia mais

Recuperação do abrasivo: O abrasivo durante o jateamento, deposita-se no

Recuperação do abrasivo: O abrasivo durante o jateamento, deposita-se no GABINETE DE JATEAMENTO Princípios de funcionamento: A máquina de jato é pressurizada através da vávula pedal (comando), forçando o abrasivo a misturar-se com o ar comprimido, expelindo-o pelo bico de jato

Leia mais

Aspectos técnicos da Pulverização aérea

Aspectos técnicos da Pulverização aérea Aspectos técnicos da Pulverização aérea a Semana da Citricultura 06 a 10 de junho de 2011. Eng. Agr. Yasuzo Ozeki Celular > (11) 9629-919 Telef.Fixo > (11) 021-415 E-mail > yasuzo@uol.com.br Princípios

Leia mais

Energia Hidráulica. Líquido é pressionado contra pequeno orifício (ponta) e é pulverizado e transportado. Concorrentes em termos de energia

Energia Hidráulica. Líquido é pressionado contra pequeno orifício (ponta) e é pulverizado e transportado. Concorrentes em termos de energia PONTAS HIDRÁULICAS Energia Hidráulica Líquido é pressionado contra pequeno orifício (ponta) e é pulverizado e transportado Pulverização e transporte Concorrentes em termos de energia Maior energia = menor

Leia mais

MANEJO DA IRRIGAÇÃO DOS CITROS PARA

MANEJO DA IRRIGAÇÃO DOS CITROS PARA MANEJO DA IRRIGAÇÃO DOS CITROS PARA PRODUÇÃO DE MUDAS Engº Agrº, Dr. Flávio Bussmeyer Arruda PqC Instituto Agronômico, IAC V Simpósio de Citricultura Irrigada Bebedouro, SP 3 a 4 de outubro de 2007 Colaboradores:

Leia mais

Nebulizadores aplicam gotas menores que 50 mm.

Nebulizadores aplicam gotas menores que 50 mm. Universidade Estadual Paulista Faculdade de Ciências Agrárias e Veterinárias Curso : Agronomia Disciplina: Tratamento Fitossanitário Aula: Aplicação de Líquidos e Pulverizadores Os produtos fitossanitários

Leia mais

PROGRAMA CAS CERTIFICAÇÃO AEROAGRÍCOLA SUSTENTÁVEL

PROGRAMA CAS CERTIFICAÇÃO AEROAGRÍCOLA SUSTENTÁVEL PROGRAMA CAS CERTIFICAÇÃO AEROAGRÍCOLA SUSTENTÁVEL Prof. Dr. João Paulo Rodrigues da Cunha jpcunha@iciag.ufu.br Universidade Federal de Uberlândia Instituto de Ciências Agrárias Sumário A aviação agrícola

Leia mais

Pulverizadores: Mecanização da cultura do Cacau. Máquinas Agrícolas Jacto S/A Pompéia -SP. Eng. Agr. Walter W Mosquini Planejamento de Produto

Pulverizadores: Mecanização da cultura do Cacau. Máquinas Agrícolas Jacto S/A Pompéia -SP. Eng. Agr. Walter W Mosquini Planejamento de Produto Pulverizadores: Mecanização da cultura do Cacau Máquinas Agrícolas Jacto S/A Pompéia -SP Eng. Agr. Walter W Mosquini Planejamento de Produto Informações Foi fundada em 1948; Todas as unidades produtivas

Leia mais

EXERCÍCIO DE FIXAÇÃO

EXERCÍCIO DE FIXAÇÃO EXERCÍCIO DE FIXAÇÃO 1. Um agricultor relata que não está tendo controle satisfatório na aplicação de um herbicida. Afirma estar aplicando conforme recomendação do fabricante do produto (x litros p.c./ha

Leia mais

UM PULVERIZADOR BEM REGULADO E CALIBRADO É A CERTEZA DE UMA APLICAÇÃO EFICIENTE E SEGURA!!

UM PULVERIZADOR BEM REGULADO E CALIBRADO É A CERTEZA DE UMA APLICAÇÃO EFICIENTE E SEGURA!! DE PULVERIZADORES AGRÍCOLAS Este material faz parte da apostila do Curso de Tecnologia de Aplicação da Comam Ltda Carlos Alberto Magalhães Cordeiro Paulo Otavio Coutinho Fabiano de Matino Motta Engs Agrônomos

Leia mais

APLICAÇÃO DA TÉCNICA DE TERMOGRAFIA ATIVA NA INSPEÇÃO NÃO-DESTRUTIVA DE TAMBORES DE REJEITO NUCLEAR

APLICAÇÃO DA TÉCNICA DE TERMOGRAFIA ATIVA NA INSPEÇÃO NÃO-DESTRUTIVA DE TAMBORES DE REJEITO NUCLEAR APLICAÇÃO DA TÉCNICA DE TERMOGRAFIA ATIVA NA INSPEÇÃO NÃO-DESTRUTIVA DE TAMBORES DE REJEITO NUCLEAR Aluno: Igor Szczerb Orientador: Marcos Venicius Soares Pereira Introdução A termografia ativa é um método

Leia mais

Hidráulica e Pneumática. Prof. Fagner Ferraz

Hidráulica e Pneumática. Prof. Fagner Ferraz Hidráulica e Pneumática Prof. Fagner Ferraz O que você entende por hidráulica? Pra que serve? Onde se aplica? 2 O termo Hidráulica derivou-se da raiz grega Hidro (água). Entendem-se por Hidráulica todas

Leia mais

Plano de Trabalho Docente Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2014 Ensino Técnico Etec Etec: Professora Nair Luccas Ribeiro - Sala Descentralizada Ass. Santa Rosa Código: 156 Município: Teodoro Sampaio - SP Eixo Tecnológico: Recursos Naturais

Leia mais

Produtos Diamantados. Fácil utilização: Produzidos a partir de químicos de alta pureza - de utilização segura e amigos do ambiente.

Produtos Diamantados. Fácil utilização: Produzidos a partir de químicos de alta pureza - de utilização segura e amigos do ambiente. Uma vasta gama de produtos de base e especiais diamantados concebidos e produzidos em laboratórios de grande controlo de qualidade. Cada produto Kemet é uma mistura especial diamantada de pó de diamante

Leia mais

PRODUÇÃO DIÁRIA DOS PULVERIZADORES DE BARRAS

PRODUÇÃO DIÁRIA DOS PULVERIZADORES DE BARRAS PRODUÇÃO DIÁRIA DOS PULVERIZADORES DE BARRAS Versão em Português - MP-00 MÁQUINAS AGRÍCOLAS JACTO S.A. Rua Dr. Luiz Miranda, 170-000 - Pompéia - SP - Brasil Tel.: (0XX1) -111 - Fax: (0XX1) -191 E-mail:

Leia mais

Preparação de Amostras para MET em Ciência dos Materiais

Preparação de Amostras para MET em Ciência dos Materiais Preparação de Amostras para MET em Ciência dos Materiais I Escola de Microscopia Eletrônica de Transmissão do CBPF/LABNANO Junho/2008 Ana Luiza Rocha Sumário 1. Condições de uma amostra adequada para MET

Leia mais

FUNCIONAL E DE FÁCIL UTILIZAÇÃO. Seja o fluxo de ar como o fluxo de óleo, podem ser individualmente ajustados em cada módulo.

FUNCIONAL E DE FÁCIL UTILIZAÇÃO. Seja o fluxo de ar como o fluxo de óleo, podem ser individualmente ajustados em cada módulo. CARACTERÍSTICAS VAZÃO CONSTANTE MESMO COM A VARIAÇÃO DA PRESSÃO NA ENTRADA E NA SAÍDA. CONTROLE INDEPENDENTE EM CADA MÓDULO A VÁLVULA DE EQUALIZAÇÃO DE PRESSÃO É CAPAZ DE MANTER UM FLUXO CONSTANTE DE ÓLEO,

Leia mais

GLADIADOR Melhor relação peso/potência da categoria

GLADIADOR Melhor relação peso/potência da categoria GLADIADOR 2300 Melhor relação peso/potência da categoria Catálogo virtual Português Ago/2016 GLADIADOR 2300 O pulverizador autopropelido Gladiador 2300 apresenta grande autonomia de trabalho, possibilitando

Leia mais

Gafisa Construtora - Rio de Janeiro

Gafisa Construtora - Rio de Janeiro Injeções de Consolidação Obra Executada Impermeabilização abaixo da parede Diafragma Gafisa Construtora - Rio de Janeiro Sumário da obra: Na área acima havia um prédio que foi demolido, cujo local está

Leia mais

FORMULAÇÃO DOS PRODUTOS FITOSSANITÁRIOS

FORMULAÇÃO DOS PRODUTOS FITOSSANITÁRIOS FORMULAÇÃO DOS PRODUTOS FITOSSANITÁRIOS raetano@fca.unesp.br DPV DEFESA FITOSSANITÁRIA FCA/UNESP CAMPUS DE BOTUCATU DEFINIÇÃO FORMULAR: TORNAR O PRODUTO NA FORMA MAIS ADEQUADA PARA USO COMPOSIÇÃO DE UM

Leia mais

Na figura 15 está apresentado um esquema da metodologia para a determinação de mercúrio total em tecidos da biota aquática.

Na figura 15 está apresentado um esquema da metodologia para a determinação de mercúrio total em tecidos da biota aquática. 44 5 PARTE EXPERIMENTAL 5.1 Biota Todas as amostras foram liofilizadas (processo de secagem da amostra baseado no fenômeno da sublimação). Este processo apresenta as vantagens de manter a estrutura do

Leia mais

BT 0023 BOLETIM TÉCNICO RESINA HEC 010_ENDURECEDOR HEH

BT 0023 BOLETIM TÉCNICO RESINA HEC 010_ENDURECEDOR HEH BT 0023 BOLETIM TÉCNICO RESINA HEC 010_ENDURECEDOR HEH 2000 Elaborador: Verificadores: Aprovador: Resina HEC 010_Endurecedor HEH 2000 Resina epóxi para laminação

Leia mais

CADERNO DE CAMPO. Produção Integrada de Manga PI-Manga. Informações da Parcela Seção 2. Número de Registro do Produtor/Empresa no CNPE:

CADERNO DE CAMPO. Produção Integrada de Manga PI-Manga. Informações da Parcela Seção 2. Número de Registro do Produtor/Empresa no CNPE: Produção Integrada de Manga PI-Manga CADERNO DE CAMPO Informações da Parcela Seção 2 Número de Registro do Produtor/Empresa no CNPE: Produtor/Empresa: Endereço: Município: Estado: Telefone: ( ) Fax:( )

Leia mais

Ribbon Cera 5550I e 5550E

Ribbon Cera 5550I e 5550E 3 Ribbon Cera 5550I e 5550E Dados Técnicos Janeiro/2008 Substitui: data anterior Descrição do Produto O Ribbon de Cera Scotch 5550I e 5550E para impressão por termo-transferência são designados para impressão

Leia mais

GRANDE DURABILIDADE, MAIS PRODUTIVIDADE: LÂMINAS LUTZ PARA A FABRICAÇÃO DE TAPETES E TECIDOS

GRANDE DURABILIDADE, MAIS PRODUTIVIDADE: LÂMINAS LUTZ PARA A FABRICAÇÃO DE TAPETES E TECIDOS TEARES DUPLOS Amostra de sortimento outros modelos sob consulta GRANDE DURABILIDADE, MAIS PRODUTIVIDADE: LÂMINAS LUTZ PARA A FABRICAÇÃO DE TAPETES E TECIDOS LÂMINAS ESPECIAIS PELÍCULA FIBRAS QUÍMICAS E

Leia mais

Data Loggers de Temperatura e Umidade USB, Wireless & WEB

Data Loggers de Temperatura e Umidade USB, Wireless & WEB Data Loggers de Temperatura e Umidade, Wireless & WEB A Empresa Accuracy Measurement Beyond Nós somos a MaxiTrack A Maxitrack é especializada no desenvolvimento de soluções para medição, controle e fornecimento

Leia mais

JM2960PD EX - vista lateral UNIDADE DE DISCO DE CORTE ABAIXO DA MÁQUINA E UNIDADE DE ADUBO

JM2960PD EX - vista lateral UNIDADE DE DISCO DE CORTE ABAIXO DA MÁQUINA E UNIDADE DE ADUBO PLANTADORA ADUBADORA PIVOTADA JM2860-PD MG JM2960-PD EX ENXUTA Plantadora Adubadora JM2860PD ENXUTA MG, fornecida com chassi de 08 e 10 linhas. Plantadora Adubadora JM2960PD ENXUTA EX, fornecida com chassi

Leia mais

Calibração de deposição de agrotóxicos e bioinseticidas

Calibração de deposição de agrotóxicos e bioinseticidas Calibração de deposição de agrotóxicos e bioinseticidas A aplicação de produtos químicos ou biológicos para controle de pragas pode ser feita com tratores equipados com pulverizadores de barra com bicos

Leia mais

DEFENSIVO AGRÍCOLA. Jefferson Horn Kunz. [Digite texto]

DEFENSIVO AGRÍCOLA. Jefferson Horn Kunz. [Digite texto] 2013.2 DEFENSIVO AGRÍCOLA Jefferson Horn Kunz [Digite texto] 2 TECNOLOGIA DE APLICAÇÃO DOS DEFENSIVOS E EQUIPAMENTOS Introdução Tecnologia consiste na aplicação dos conhecimentos científicos a um determinado

Leia mais

ACUMULADORES DE ÁGUA FRESCA FS/1R

ACUMULADORES DE ÁGUA FRESCA FS/1R DESCRIÇÃO DO PRODUTO FS/1R Acumulador solar de água fresca com um registo Acumulador combinado simples em aço (S 235 JR), para o modo de aquecimento e a preparação da água de serviço, em conjunto com uma

Leia mais

MELHORIAS NA UTILIZAÇÃO DE PRODUTOS FITOSSANITÁRIOS NA EMBRAPA SOJA

MELHORIAS NA UTILIZAÇÃO DE PRODUTOS FITOSSANITÁRIOS NA EMBRAPA SOJA M in isté rio d a A g ric u ltu ra P e cu á ria e A b a st e cim e n to MELHORIAS NA UTILIZAÇÃO DE PRODUTOS FITOSSANITÁRIOS NA EMBRAPA SOJA ALEXANDRE BRIGHENTI Embrapa Soja Londrina PR brighent@cnpso.embrapa.br

Leia mais

Manejo do Percevejo Bronzeado nas Áreas da Plantar

Manejo do Percevejo Bronzeado nas Áreas da Plantar ISimpósio Sobre Pragas da Cultura do Eucalipto Diretoria Técnica Departamento de Pesquisa & Desenvolvimento Florestal Proteção Florestal Manejo do Percevejo Bronzeado nas Áreas da Plantar Maio 2014 ISimpósio

Leia mais

Tipos de filtros. Teoria da Filtração. Tipos de filtros. Tipos de filtros

Tipos de filtros. Teoria da Filtração. Tipos de filtros. Tipos de filtros Filtração é uma operação unitária que tem por objetivo a separação mecânica de um sólido de um fluido, seja este fluido um líquido ou gás. Suspensão Filtração Resíduo, torta ou bolo Meio Filtrante permeável

Leia mais

PHENOTAN M Madeira Compensada

PHENOTAN M Madeira Compensada PHENTAN M Madeira Compensada PHENTAN M é uma resina modificada quimicamente, de origem vegetal, destinada à colagem de madeira compensada, especialmente aquelas que exigem resistência à água. CNSTITUIÇÃ

Leia mais

DERIVA EM APLICAÇÕES AÉREAS DE PRODUTOS LÍQUIDOS Perguntas mais freqüentes

DERIVA EM APLICAÇÕES AÉREAS DE PRODUTOS LÍQUIDOS Perguntas mais freqüentes DERIVA EM APLICAÇÕES AÉREAS DE PRODUTOS LÍQUIDOS Perguntas mais freqüentes 1. O que é DERIVA? DERIVA é o deslocamento horizontal que sofrem as gotas desde o seu ponto de lançamento até atingirem o seu

Leia mais

E-mail: vendas@bratal.com.br

E-mail: vendas@bratal.com.br CENTRAL DE VENDAS Consulte-nos pelo fone/fax : (19) 341.0081 E-mail: vendas@bratal.com.br 603 - Tubos 01 ESCOLHA ADEQUADA DA TUBULAÇÃO.... 1 DIAGRAMA TEÓRICO PARA CÁLCULO DE TUBULAÇÕES...........................

Leia mais

BELEZA E REQUINTE A SERVIÇO DA SUA SEGURANÇA

BELEZA E REQUINTE A SERVIÇO DA SUA SEGURANÇA Catálogo BELEZA E REQUINTE A SERVIÇO DA SUA SEGURANÇA Líder no fornecimento de materiais elétricos para usos residencial, comercial e industrial, a Steck possui mais de 45 linhas de produtos de acordo

Leia mais

FORMULÁRIO. Mestrado Integrado em Engenharia Metalúrgica e de Materiais

FORMULÁRIO. Mestrado Integrado em Engenharia Metalúrgica e de Materiais FORMULÁRIO 1. Estabelecimento de ensino: 2. Unidade orgânica (faculdade, escola, instituto, etc.): 3. Curso: 4. Grau ou diploma: Mestre 5. Área científica predominante do curso: Engenharia de Materiais.

Leia mais

Avaliação do teor médio em cafeína do café expresso consumido em Portugal

Avaliação do teor médio em cafeína do café expresso consumido em Portugal Avaliação do teor médio em cafeína do café expresso consumido em Portugal (canal HORECA) Relatório final FFUP, Serviço de Bromatologia Junho de 2008 Objectivo Em resposta a uma solicitação da AICC, pretendeu-se

Leia mais

OS MÉTODOS DE IRRIGAÇÃO

OS MÉTODOS DE IRRIGAÇÃO OS MÉTODOS DE IRRIGAÇÃO ASPERSÃO Convencionais Mecanizados MICROIRRIGAÇÃO Gotejamento Microaspersão SUPERFÍCIE Sulcos Faixas Inundação QUAL O MELHOR SISTEMA DE IRRIGAÇÃO? Não existe um único sistema de

Leia mais

II ENCONTRO DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA AVALIAÇÃO DOS MATERIAIS UTILIZADOS NO ASSENTAMENTO DE BLOCOS CERÂMICOS

II ENCONTRO DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA AVALIAÇÃO DOS MATERIAIS UTILIZADOS NO ASSENTAMENTO DE BLOCOS CERÂMICOS II ENCONTRO DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA AVALIAÇÃO DOS MATERIAIS UTILIZADOS NO ASSENTAMENTO DE BLOCOS CERÂMICOS André C. H. 1 Gerson P. dos Santos ¹ Jonas R.¹ Laedson R.¹ Lauro H.¹ Deusilene Vieira² 1. INTRODUÇÃO

Leia mais

TECNOLOGIA DE APLICAÇÃO DE DEFENSIVOS

TECNOLOGIA DE APLICAÇÃO DE DEFENSIVOS TECNOLOGIA DE APLICAÇÃO DE DEFENSIVOS Prof. Dr. Ulisses Rocha Antuniassi FCA/UNESP - Botucatu/SP R. José Barbosa de Barros, 1780 - Botucatu/SP CEP 18610-307 - Fone: (14) 3811-7165 ulisses@fca.unesp.br

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO SEMI-ÁRIDO PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM FITOTECNIA

UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO SEMI-ÁRIDO PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM FITOTECNIA UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO SEMI-ÁRIDO PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM FITOTECNIA COMPONENTES CURRÍCULARES Código Nome Nível de Ensino 1 FTC0001 AGROECOLOGIA STRICTO

Leia mais

FONTES DE ENERGIA FONTES DE ENERGIA

FONTES DE ENERGIA FONTES DE ENERGIA FONTES DE ENERGIA A soldagem por fusão é realizada pela aplicação de energia localizada em uma parte da junta de forma a conseguir a sua fusão localizada, de preferência afetando termicamente ao mínimo

Leia mais

RD K 80 ½ - Aprovado UL

RD K 80 ½ - Aprovado UL Sprinklers Chuveiros Automáticos Fechados RD K 80 ½ - Aprovado UL Descrição do Produto Os sprinklers modelo RD são chuveiros automáticos fechados, acionados por uma ampola de vidro, que é um elemento termo

Leia mais

DEPOSIÇÃO DA CALDA DE PULVERIZAÇÃO NA CULTURA DA SOJA EM FUNÇÃO DO TIPO DE PONTA E DO VOLUME APLICADO

DEPOSIÇÃO DA CALDA DE PULVERIZAÇÃO NA CULTURA DA SOJA EM FUNÇÃO DO TIPO DE PONTA E DO VOLUME APLICADO UNIOESTE UNIVERSIDADE ESTADUAL DO OESTE DO PARANÁ CAMPUS DE MARECHAL CÂNDIDO RONDON CENTRO DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM AGRONOMIA NÍVEL MESTRADO MICHELE ALESSANDRA HARTMANN SCHMIDT

Leia mais

VISÃO: Ser reconhecida pela participação e trabalhos realizados nos processos que possibilitam economia de óleos e preservação ambiental.

VISÃO: Ser reconhecida pela participação e trabalhos realizados nos processos que possibilitam economia de óleos e preservação ambiental. APRESENTAÇÃO 1. QUEM SOMOS A CTF do Brasil é uma empresa com sólidos conhecimentos em tecnologia de microfiltragem de óleos industriais, cujo portfólio de serviços tem respaldo na experiência de sua diretoria,

Leia mais

ENSAIO DE PENETRAÇÃO DA IMPRIMADURA

ENSAIO DE PENETRAÇÃO DA IMPRIMADURA Métodos de Ensaios: Penetração da Imprimadura ENSAIO DE PENETRAÇÃO DA IMPRIMADURA 1. OBJETIVO Este ensaio tem como objetivo determinar, em laboratório, a quantidade e tipo de imprimadura betuminosa adequada

Leia mais

Nome do produto: BIOAGLOPAR

Nome do produto: BIOAGLOPAR Data da última revisão: 09/02/2011 Pagina 1/5 1. Identificação do produto e da empresa Nome do produto: Bioaglopar NCM: 3905.21.00 - Código interno de identificação do produto: 1.3.2.002 - Nome da empresa:

Leia mais

14/05/2011. Gengis Khan (65), 1162 18/08/1227

14/05/2011. Gengis Khan (65), 1162 18/08/1227 UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA Campus de Jaboticabal Depto. Fitossanidade Gengis Khan (65), 1162 18/08/1227 TECNOLOGIA DE APLICAÇÃO DE PRODUTOS FITOSSANITÁRIOS kipédia Fonte: Wik Prof. Dr. Marcelo da Costa

Leia mais

ARMATUREN sem espaço morto e livre de manutenção

ARMATUREN sem espaço morto e livre de manutenção TIPO RH / RH-S e RH-A Válvula macho para controle DN 15-600 / PN 10-40 NPS ½ - 24 / classe 150 ARMATUREN sem espaço morto e livre de manutenção 8.1 Valores de KVS personalizados Características individuais

Leia mais

Informações do sistema

Informações do sistema RELAÇÃO ENTRE RESERVATÓRIOS E COLETOR SOLAR Informações do sistema Volume do Reservatório (l) RR AP 400 500 600 Região I 4,00 5,01 6,01 Região II 4,37 5,45 6,55 Região III 4,81 6,01 7,21 Região IV 6,86

Leia mais

0646 AEX 01/12 Pág. 1 de 7

0646 AEX 01/12 Pág. 1 de 7 Pág. 1 de 7, Este relatório atende aos requisitos de acreditação da Cgcre, que avaliou a competência do Laboratório Engenheiro Responsável Gerente Técnico do Laboratório Laboratório...: TÜV RHEINLAND DO

Leia mais

- Métodos de avaliação das aplicações de fitossanitários - Avanços tecnológicos para a agricultura e florestas

- Métodos de avaliação das aplicações de fitossanitários - Avanços tecnológicos para a agricultura e florestas JORNADAS DE ACTUALIZACIÓN EN TECNOLOGÍAS DE APLICACIÓN EN CULTIVOS EXTENSIVOS - Métodos de avaliação das aplicações de fitossanitários - Avanços tecnológicos para a agricultura e florestas Otavio J. G.

Leia mais

n. 9 - setembro - 2007

n. 9 - setembro - 2007 n. 9 - setembro - 2007 ISSN 0103-4413 Empresa de Pesquisa Agropecuária de Minas Gerais Av. José Cândido da Silveira, 1.647 - Cidade Nova - 31170-000 Belo Horizonte - MG - site: www.epamig.br - e-mail:

Leia mais

Medidor de Umidade/Moisture sem Pino com Memória + Termômetro IV

Medidor de Umidade/Moisture sem Pino com Memória + Termômetro IV GUIA DO USUÁRIO Medidor de Umidade/Moisture sem Pino com Memória + Termômetro IV Modelo MO295 mbar GPP RH% 01 MEM STORE MO295 Introdução Parabéns por sua compra do Medidor de Umidade/Moisture Sem Pino

Leia mais

Declaração de Conformidade N.º 2007/00/02

Declaração de Conformidade N.º 2007/00/02 1 de 5 Declaração de Conformidade N.º Produtor Gabelex Morada: Monte Largo Aldão Apartado 113 Código Postal: 4801-910 Guimarães Telefone: (+351) 253 424 540 Fax: (+351) 253 414 804 Website: www.gabelex.pt

Leia mais

APLICAÇÃO CORRETA: EFICIÊNCIA, PRODUTIVIDADE E BAIXO CUSTO EM CULTURAS AGRÍCOLAS. José Maria Fernandes dos Santos

APLICAÇÃO CORRETA: EFICIÊNCIA, PRODUTIVIDADE E BAIXO CUSTO EM CULTURAS AGRÍCOLAS. José Maria Fernandes dos Santos APLICAÇÃO CORRETA: EFICIÊNCIA, PRODUTIVIDADE E BAIXO CUSTO EM CULTURAS AGRÍCOLAS. José Maria Fernandes dos Santos Instituto Biológico, Centro de Pesquisa e Desenvolvimento de Sanidade Vegetal. Av. Cons.

Leia mais

III- TIPOS DE FORMULAÇÕES DE AGROTÓXICOS

III- TIPOS DE FORMULAÇÕES DE AGROTÓXICOS III- TIPOS DE FORMULAÇÕES DE AGROTÓXICOS Ingrediente ativo x inerte Ingrediente ativo (i.a.) Composto com atividade biológica Geralmente insolúvel em água Ingrediente inerte Outros componentes (cargas,

Leia mais

Raffaello Branco Racing TINTA ANTIVEGETATIVA BRANCA DE AUTO-POLIMENTO E HIDROFILICA

Raffaello Branco Racing TINTA ANTIVEGETATIVA BRANCA DE AUTO-POLIMENTO E HIDROFILICA Branco Racing TINTA ANTIVEGETATIVA BRANCA DE AUTO-POLIMENTO E HIDROFILICA Código: N6430.153 - REDUÇÃO DO ATRITO - TINTA BRANCA PERMANENTE - NATUREZA HIDROFÍLICA - ADEQUADA PARA QUALQUER TIPO DE CASCO -

Leia mais

Controle! 23/09/2016. Métodos de Aplicação de Agrotóxicos. Agrupar Via sólida Via líquida Via gasosa

Controle! 23/09/2016. Métodos de Aplicação de Agrotóxicos. Agrupar Via sólida Via líquida Via gasosa UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA Campus de Jaboticabal Depto. Fitossanidade V Semana Acadêmica das Ciências Agrárias Minicurso: Tecnologia de Aplicação de Produtos Fitossanitários Classificação de Métodos

Leia mais

Função Exponencial e Logaritmica

Função Exponencial e Logaritmica QUESTÕES. (UFRJ) Dados a e b números reais positivos, b 0, define-se logaritmo de a na base b como o número real x tal que b x = a, ou seja,. Para, um número real x log positivo, a tabela ao lado fornece

Leia mais

DISCIPLINAS DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM IRRIGAÇÃO NO CERRADO - PPGIC DISCIPLINAS CRÉDITOS CH MATRIZ CURRICULAR CARACTERÍSTICA

DISCIPLINAS DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM IRRIGAÇÃO NO CERRADO - PPGIC DISCIPLINAS CRÉDITOS CH MATRIZ CURRICULAR CARACTERÍSTICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA GOIANO GERÊNCIA DE PÓSGRADUAÇÃO, PESQUISA E INOVAÇÃO PROGRAMA DE PÓSGRADUAÇÃO EM IRRIGAÇÃO NO CERRADO DISCIPLINAS DO PROGRAMA DE PÓSGRADUAÇÃO EM IRRIGAÇÃO

Leia mais

LEIA COM ATENÇÃO ANTES DE PREENCHER A RECEITA AGRONÔMICA

LEIA COM ATENÇÃO ANTES DE PREENCHER A RECEITA AGRONÔMICA LEIA COM ATENÇÃO ANTES DE PREENCHER A RECEITA AGRONÔMICA 1. A distribuição do Receituário Agronômico 1 ART, conforme modelo determinado pela Câmara de Agronomia, é efetuada pelo CREA-BA, através de sua

Leia mais

*Módulo 1 - IDENTIFICAÇÃO

*Módulo 1 - IDENTIFICAÇÃO 24 - REBAIXAMENTO DE NÍVEL DE ÁGUA SUBTERRÂNEA (para obras civis) Definição: O rebaixamento de nível de água é um procedimento que tem por objetivo manter o nível d água em uma determinada cota que permita

Leia mais

Instruções de aplicação da Pedra Natural

Instruções de aplicação da Pedra Natural Instruções de aplicação da Pedra Natural 1. É importante a correcta escolha das ferramentas e dos utensílios para a aplicação: máquina radial ou mesa de corte com água com disco de diamante, plano dentado,

Leia mais

CONTROLE AUTOMATIZADO DA IRRIGAÇÃO UTILIZANDO UM CONTROLADOR LÓGICO PROGRAMÁVEL ASSOCIADO A UM INVERSOR DE FREQUÊNCIA

CONTROLE AUTOMATIZADO DA IRRIGAÇÃO UTILIZANDO UM CONTROLADOR LÓGICO PROGRAMÁVEL ASSOCIADO A UM INVERSOR DE FREQUÊNCIA UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ CENTRO DE CIENCIAS AGRÁRIAS DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA AGRÍCOLA LEMA LABORATÓRIO DE ELETRÔNICA E CONTROLE AUTOMATIZADO DA IRRIGAÇÃO UTILIZANDO UM CONTROLADOR LÓGICO PROGRAMÁVEL

Leia mais

IMPACTOS AMBIENTAIS URBANOS O Caos Ambiental das Cidades Brasileiras

IMPACTOS AMBIENTAIS URBANOS O Caos Ambiental das Cidades Brasileiras IMPACTOS AMBIENTAIS URBANOS O Caos Ambiental das Cidades Brasileiras PROF.: ROBERT OLIVEIRA robertgeografia@gmail.com POLUIÇÃO ATMOSFÉRICA: INVERSÃO TÉRMICA E SMOG PROF.: ROBERT OLIVEIRA robertgeografia@gmail.com

Leia mais

SISTEMA DE ISOLAMENTO TÉRMICO PELO EXTERIOR

SISTEMA DE ISOLAMENTO TÉRMICO PELO EXTERIOR SISTEMA DE ISOLAMENTO TÉRMICO PELO EXTERIOR Características Sistema de isolamento térmico pelo exterior é um sistema de isolamento de paredes pelo exterior de edifícios existentes e construção nova, composto

Leia mais

PRODUÇÃO DE PALHADA E COLMOS DE VARIEDADES DE CANA-DE-AÇÚCAR

PRODUÇÃO DE PALHADA E COLMOS DE VARIEDADES DE CANA-DE-AÇÚCAR PRODUÇÃO DE PALHADA E COLMOS DE VARIEDADES DE CANA-DE-AÇÚCAR Mônica Sartori de Camargo Eng. Agr., Dr., PqC do Polo Regional Centro Sul/APTA mscamargo@apta.sp.gov.br André César Vitti Eng. Agr., Dr., PqC

Leia mais

HPS850. Sensor de Efeito Hall. Apresentação. Superfície Sensora. Dados Técnicos. Distância Sensora (S) Princípio de Funcionamento

HPS850. Sensor de Efeito Hall. Apresentação. Superfície Sensora. Dados Técnicos. Distância Sensora (S) Princípio de Funcionamento Apresentação O HPS 850 é um dispositivo utilizado para detecção de campos magnéticos. Utiliza um transistor de efeito hall como elemento sensor que lhe confere um alto grau de robustez e vida útil, uma

Leia mais

ABSORÇÃO FOLIAR. Prof. Josinaldo Lopes Araujo. Plantas cultivadas dividem-se em: Folhas Caule Raízes

ABSORÇÃO FOLIAR. Prof. Josinaldo Lopes Araujo. Plantas cultivadas dividem-se em: Folhas Caule Raízes ABSORÇÃO FOLIAR Prof. Josinaldo Lopes Araujo 1 INTRODUÇÃO Plantas cultivadas dividem-se em: Folhas Caule Raízes Cada parte tem uma função definida As folhas absorvem água e nutrientes Porque essa capacidade?

Leia mais

NEW JAPAN INDÚSTRIA METALÚRGICA LTDA. Aspiradores, Coletores e Exaustores Industriais CNPJ (MF) 62.375.274/0001-12 Inscr. Estadual 286.050.643-118 MODELO MINI COLETOR TIPO METAL Indicação: FUMAÇA (SOLDA)

Leia mais

CNPJ (MF) / Inscr. Estadual EXAUSTOR CENTRÍFUGO

CNPJ (MF) / Inscr. Estadual EXAUSTOR CENTRÍFUGO CNPJ (MF) 09.536.339/0001-81 Inscr. Estadual 286.287.100.114 EXAUSTOR CENTRÍFUGO Motor: WEG ALTO RENDIMENTO, ALTA ROTAÇÃO (2 PÓLOS). 220 / 380 / 440 V TRIFÁSICO, 60HZ. PROTEÇÃO IP55, BLINDADO. Características:

Leia mais

Seção E Bicos de Pulverização Fina

Seção E Bicos de Pulverização Fina Seção E s de Visão Geral Nossos bicos atomizadores de pulverização hidráulica fina estão disponíveis em duas versões. s Padrão: bicos roscados tradicionais de metal. s de Rápida: consistindo de um corpo

Leia mais

Energia para pulverização

Energia para pulverização BICOS DE PULVERIZAÇÃO ALTO VOLUME GOTAS PEQUENAS Energia para pulverização Diferentes Tipos de Bicos Classificação em função da energia gerada para pulverização a) Centrífuga b) Pneumática c) Eletrostática

Leia mais

PROCESSOS AVANÇADOS DE USINAGEM

PROCESSOS AVANÇADOS DE USINAGEM PROCESSOS AVANÇADOS DE USINAGEM E FABRICAÇÃO DE PEÇAS DE PLÁSTICO Prof. Lopes INCLUEM PROCESSOS DE REMOÇÃO DE MATERIAL : QUÍMICOS ELÉTRICOS TÉRMICOS MECÂNICOS Usinagem Química Filme Usinagem Quimica

Leia mais

Insecticida eficaz desde o início. Único, pelo seu efeito ovicida

Insecticida eficaz desde o início. Único, pelo seu efeito ovicida Insecticida eficaz desde o início Único, pelo seu efeito ovicida em Macieira... Inseticida regulador de crescimento, com ação ovicida, para controlo das principais pragas das fruteiras, em particular:

Leia mais

Tratamento Térmico de Resíduos. Uma Opção para a Destinação do Resíduo: Tratamento Térmico

Tratamento Térmico de Resíduos. Uma Opção para a Destinação do Resíduo: Tratamento Térmico Uma Opção para a Destinação do Resíduo: Tratamento Térmico Florianópolis, 21 de outubro de 2013 Assuntos: Plano de Consultoria do Teste de Queima; Diagnóstico Inicial; Plano do Teste de Queima; Plano de

Leia mais

Observação: Telhados verdes ou com vedados com Betumem podem causar a coloração da água.

Observação: Telhados verdes ou com vedados com Betumem podem causar a coloração da água. A melhor qualidade de água O filtro de água de chuva PURAIN cuida da qualidade da água da sua cisterna. Os filtros PURAIN são destinados à filtração da água da chuva, coletada de telhados cerâmicos, metálicos,

Leia mais

Equipamento de Protecção Individual (EPI s) na Utilização de Produtos Fitofarmacêuticos

Equipamento de Protecção Individual (EPI s) na Utilização de Produtos Fitofarmacêuticos Equipamento de Protecção Individual (EPI s) na Utilização de Produtos Fitofarmacêuticos Equipamento de Protecção Individual (EPI s) EPI s dispositivos destinados a ser utilizados por uma pessoa para reduzir

Leia mais

PLANO DE ESTUDOS DE CIÊNCIAS NATURAIS - 7.º ANO

PLANO DE ESTUDOS DE CIÊNCIAS NATURAIS - 7.º ANO DE CIÊNCIAS NATURAIS - 7.º ANO Ano Letivo 2014 2015 PERFIL DO ALUNO No domínio da Terra em transformação o aluno deve ser capaz de: Compreender a diversidade das paisagens geológicas (meta 1); Compreender

Leia mais

Secador e Filtros para Ar e Gases

Secador e Filtros para Ar e Gases Secador e Filtros para Ar e Gases Garantia de ar comprimido puro e seco, ampliação da capacidade produtiva e melhoria da qualidade do ar na linha de produção. Série H Internacional A Série H Internacional,

Leia mais

FILTROS DE AR 08/01/2004 HDA ACESSÓRIOS E EQUIPAMENTOS LTDA SP

FILTROS DE AR 08/01/2004 HDA ACESSÓRIOS E EQUIPAMENTOS LTDA SP FILTROS DE AR HDA ACESSÓRIOS E EQUIPAMENTOS LTDA - Rua ento Vieira, 2 - São Paulo - SP Fone: 11-69142522 Fax: 11-69147723 - e-mail: hda@hdanet.com.br - www.hdanet.com.br 08/01/2004 Aplicação Uma das maiores

Leia mais

Pré-tratamento de água de purga de torre para o processo de osmose inversa

Pré-tratamento de água de purga de torre para o processo de osmose inversa X Workshop sobre Gestão e Reúso de Água na Indústria Prétratamento de água de Fabiana Valéria da Fonseca (Escola de QuímicaUFRJ) R.Suhett; V.M.J. Santiago; Bispo, D.; C.P. Borges 1 Características da Purga

Leia mais