TECNOLOGIA DE APLICAÇÃO DE AGROTÓXICOS NA CITRICULTURA

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "TECNOLOGIA DE APLICAÇÃO DE AGROTÓXICOS NA CITRICULTURA"

Transcrição

1 TECNOLOGIA DE APLICAÇÃO DE AGROTÓXICOS NA CITRICULTURA HAMILTON HUMBERTO RAMOS Diretor Geral do Instituto Agronômico

2 TECNOLOGIA DE APLICAÇÃO DE PRODUTOS FITOSSANITÁRIOS Emprego de todos os conhecimentos científicos que proporcionem a correta colocação do produto biologicamente ativo no alvo Em quantidade necessária De forma econômica Com o mínimo de contaminação de outras áreas.

3 REGULAGEM X EFICÁCIA E CUSTO

4

5

6 CUSTO x BENEFÍCIO

7 FATORES QUE INTERFEREM NA PULVERIZAÇÃO Alvo Biológico praga ambiente produto momento máquina

8

9

10

11

12

13

14 FATORES QUE INTERFEREM NA PULVERIZAÇÃO Alvo Biológico Alvo Químico praga ambiente produto momento máquina

15 Dificuldade?

16

17 Evolução?

18 EVOLUÇÃO NO DIÂMETRO DOS FRUTOS (Mogi Guaçú SP, 2003) Característica da Amostra Dias Após a Pulverização Diâmetro mínimo (mm) 3,47 4,66 6,64 7,74 Diâmetro máximo (mm) 7,90 11,94 19,86 26,03 Diâmetro médio (mm) 5,45 8,09 12,01 15,04 Desvio padrão 0,87 1,39 2,61 3,60 Número de observações

19 REDUÇÃO NA QUANTIDADE DE COBRE EM FUNÇÃO DO TEMPO APÓS A APLICAÇÃO. (Mogi Guaçú SP, 2003) INSTITUTO 30,000 microlitros de calda 25, % 20,000 15,000 10, % 5,000 0, dias após a aplicação 9/200 9/150 9/100 7/200 7/150 7/100 5/200 5/150 5/100

20 FATORES QUE INTERFEREM NA PULVERIZAÇÃO praga ambiente produto momento máquina

21 INTERFERÊNCIA DA TEMPERATURA E UMIDADE RELATIVA DO AR T ( o C) UR (%) Ø Inicial (µm) Tempo até Extinção Dist. de Queda Tempo até Extinção Dist. de Queda 50 (MF) 100 (F) 200 (M) 14 s 12,7 cm 4 s 3,2 cm 57 s 6,7 m 16 s 1,8 m 227 s 81,7 m 65 s 21,0 m FONTE: Adaptado de MATUO, 1996.

22 INTERFERÊNCIA DO VENTO

23

24 FATORES QUE INTERFEREM NA PULVERIZAÇÃO praga ambiente produto momento máquina

25 COBERTURA DA PULVERIZAÇÃO

26

27 COBERTURA C VRK 15 AD 2 C =Cobertura (% da área) V = Volume de aplicação (L/ha) R = Taxa de recuperação (% do volume aplicado, captado pelo alvo) K = Fator de espalhamento de gotas A = Superfície vegetal existente no hectare D = Diâmetro de gotas

28

29

30 DESEMPENHO COMPARATIVO DE BICOS DE PULVERIZAÇÃO DE JATO CÔNICO CONJUNTO PONTA - DIFUSOR TIPO DO JATO PRESSÃO (psi) VAZÃO (l/min) DMV (µm) D4-23 VAZIO D1-31 CHEIO D2-31 CHEIO D4-25 VAZIO D6-25 VAZIO D5-45 VAZIO D3-35 CHEIO D4-56 CHEIO D10-45 VAZIO D6-56 CHEIO D4-45 VAZIO D8-25 VAZIO D5-35 CHEIO D6-56 CHEIO F M G MG

31 Gotas: 50, 100, 150, 200, 250 e 300 µm

32

33

34 EFICÁCIA DA PENETRAÇÃO DE GOTAS NA COPA DA LARANJEIRA - CHUMBINHO INSTITUTO

35

36 EFICÁCIA DA PENETRAÇÃO DE GOTAS NA COPA DA LARANJEIRA ½ DESENVI/o INSTITUTO

37

38 EFICÁCIA DA PENETRAÇÃO DE GOTAS NA COPA DA LARANJEIRA MAX DESENV/o INSTITUTO

39

40

41 Tamanho de gotas produzido por bicos da série J (Jacto) em diferentes pressões Pressão Tipo de Ponta (psi) J4-2 J4-3 J5-2 J5-3 J6-2 J6-3 DMV (µm) ,8 242,8 196,6 254,0 207,2 240, ,9 212,2 193,0 201,6 198,7 206, ,1 186,0 176,2 182,6 186,0 191, ,8 171,3 169,2 167,2 175,0 176, ,6 157,5 156,7 157,7 160,5 - x -

42

43

44

45

46

47

48 COBERTURA C VRK 15 AD 2 C =Cobertura (% da área) V = Volume de aplicação (L/ha) R = Taxa de recuperação (% do volume aplicado, captado pelo alvo) K = Fator de espalhamento de gotas A = Superfície vegetal existente no hectare D = Diâmetro de gotas

49

50

51

52

53

54

55

56

57

58

59

60

61

62

63 Avaliação da Cobertura

64

65

66

67

68

69

70

71 DEPOSIÇÃO DA CALDA

72

73

74

75 VOLUME DE PULVERIZAÇÃO x DEPOSIÇÃO DE CALDA Deposição Int.: 100 ml/m 3 Ext.: 40 ml/m 3 Frutos entre 26 e 58 mm Volume

76

77

78

79

80

81

82 Pó Molhável (PM) Suspensão Concentrada (SC) INSTITUTO Concentrado Emulsionável (CE) Pó Solúvel (PS) Solução Aquosa Concentrada (SAqC)

83 Mistura de Defensivos Sequência de mistura: Pós-Molháveis Grânulos Dispersíveis Suspensão Concentrada Concentrado Emulsionável Pó Solúvel Solução Aquosa Concentrada

84 FATORES QUE INTERFEREM NA PULVERIZAÇÃO Alvo Biológico Alvo Químico praga ambiente produto momento máquina

85

86 OBRIGADO A TODOS Dr HAMILTON HUMBERTO RAMOS Instituto Agronômico Centro APTA de Engenharia e Automação Caixa Postal 26 CEP Jundiaí SP Fone (11) Fax: (11)

TECNOLOGIA DE APLICAÇÃO DE HERBICIDAS

TECNOLOGIA DE APLICAÇÃO DE HERBICIDAS TECNOLOGIA DE APLICAÇÃO DE HERBICIDAS Emprego de todos os conhecimentos científicos que proporcionem a correta colocação do produto biologicamente ativo no alvo, em quantidade necessária, de forma econômica,

Leia mais

Tecnologia de Aplicação

Tecnologia de Aplicação Tecnologia de Aplicação Rodolfo G. Chechetto Engenheiro Agrônomo O que é Tecnologia de Aplicação? Conjunto de conhecimentos que integram informações sobre os produtos fitossanitários, suas formulações

Leia mais

Seleção de Pontas de Pulverização

Seleção de Pontas de Pulverização JORNADAS DE ACTUALIZACIÓN EN TECNOLOGÍAS DE APLICACIÓN EN CULTIVOS EXTENSIVOS Seleção de Pontas de Pulverização Otavio J. G. Abi Saab Prof. Mecanização Agrícola Universidade Estadual de Londrina Estado

Leia mais

TECNOLOGIA DE APLICAÇÃO DE HERBICIDAS

TECNOLOGIA DE APLICAÇÃO DE HERBICIDAS TECNOLOGIA DE APLICAÇÃO DE HERBICIDAS Emprego de todos os conhecimentos científicos que proporcionem a correta colocação do produto biologicamente ativo no alvo, em quantidade necessária, de forma econômica,

Leia mais

Mecanização da Pulverização. Eng. Agr.Jairo da Costa Moro Máquinas Agrícolas Jacto S.A

Mecanização da Pulverização. Eng. Agr.Jairo da Costa Moro Máquinas Agrícolas Jacto S.A Eng. Agr.Jairo da Costa Moro Máquinas Agrícolas Jacto S.A Mercado de defensivos Agrícolas 2014 - Brasil - O mercado brasileiro comercializou o valor total de US$12,25 bilhões em defensivos agrícolas. Fonte:

Leia mais

MISTURAS EM TANQUE COM PRODUTOS FITOSSANITÁRIOS. FCA/UNESP CAMPUS DE BOTUCATU, SP (14) Ramal 207

MISTURAS EM TANQUE COM PRODUTOS FITOSSANITÁRIOS. FCA/UNESP CAMPUS DE BOTUCATU, SP (14) Ramal 207 MISTURAS EM TANQUE COM PRODUTOS FITOSSANITÁRIOS raetano@fca.unesp.br FCA/UNESP CAMPUS DE BOTUCATU, SP (14) 3811-7167 Ramal 207 FORMULAÇÃO DOS PRODUTOS FORMULAÇÃO: FITOSSANITÁRIOS ÃO: Tornar o produto na

Leia mais

Comunicado Técnico 09

Comunicado Técnico 09 Comunicado Técnico 09 ISSN 2177-854X Maio. 2011 Uberaba - MG Regulagem de Pulverizadores Agrícolas de Barras Responsável: Paulo Roberto Pala Martinelli E-mail: prpmartinelli@yahoo.com.br Engenheiro Agrônomo;

Leia mais

UNITRI. Mecânica e Mecanização Agrícola QUINTA AULA DE MECANIZAÇÃO AGRÍCOLA APLICAÇÃO DE DEFENSIVOS

UNITRI. Mecânica e Mecanização Agrícola QUINTA AULA DE MECANIZAÇÃO AGRÍCOLA APLICAÇÃO DE DEFENSIVOS UNITRI Mecânica e Mecanização Agrícola QUINTA AULA DE MECANIZAÇÃO AGRÍCOLA APLICAÇÃO DE DEFENSIVOS Conceito: Entende-se como "Tecnologia de Aplicação de Produtos Fitossanitários" o emprego de todos os

Leia mais

Prof. Dr. Casimiro Dias Gadanha Jr. DER/ESALQ/USP

Prof. Dr. Casimiro Dias Gadanha Jr. DER/ESALQ/USP LER 432 Máquinas e Implementos Agrícolas TÓPICO: Máquinas para Aplicação de Produtos Fitossanitários Prof. Dr. Casimiro Dias Gadanha Jr. DER/ESALQ/USP AGROTÓXICO Sinônimos: Produto Fitossanitário Pesticida

Leia mais

TECNOLOGIA DE APLICAÇÃO DE AGROTÓXICOS

TECNOLOGIA DE APLICAÇÃO DE AGROTÓXICOS Definição: Ciência multidisciplinar Disciplina: Fitopatologia Agrícola TECNOLOGIA DE APLICAÇÃO DE AGROTÓXICOS Objetivos: Destinada às pesquisas de equipamentos Processos e obtenção de resultados mais eficientes

Leia mais

27/11/2015. Boas práticas: os desafios da tecnologia de aplicação. Tecnologia de aplicação x ambiente. Ulisses Rocha Antuniassi

27/11/2015. Boas práticas: os desafios da tecnologia de aplicação. Tecnologia de aplicação x ambiente. Ulisses Rocha Antuniassi Boas práticas: os desafios da tecnologia de aplicação Ulisses Rocha Antuniassi FCA/UNESP - Botucatu/SP ulisses@fca.unesp.br Apresentação UNESP: FCA: DEnR: NTA: NEMPA: Universidade Estadual Paulista Faculdade

Leia mais

Eng.º Agr.º José Maria Fernandes dos Santos

Eng.º Agr.º José Maria Fernandes dos Santos PONTOS CRÍTICOS NA APLICAÇÃO DE DEFENSIVOS Eng.º Agr.º José Maria Fernandes dos Santos Pesquisador Científico Laboratório de Proteção e Clínica Vegetal E-mail: santosjmf@biologico.sp.gov.br Fone/Fax: (11)

Leia mais

Treinamento. Arbus 400 Golden

Treinamento. Arbus 400 Golden Arbus 400 Golden Treinamento Arbus 400 Golden Prof. Brandão - Operação - Manutenção - Regulagem da pulverização Arbus 400 Golden Arbus 400 Maçã 33 Apresentação da máquina Tanque de Defensivos Aplicação

Leia mais

Tecnologia de aplicação de Agrotóxicos

Tecnologia de aplicação de Agrotóxicos Tecnologia de aplicação de Agrotóxicos Engº. Agrº. M. Sc. Aldemir Chaim Laboratório de Tecnologia de Aplicação de Agrotóxicos Embrapa Meio Ambiente História da aplicação de defensivos Equipamento de aplicação

Leia mais

Manual de Treinamento CONCEITOS E TECNOLOGIAS QUE VISAM A AUMENTAR O CONTROLE DE PRAGAS E DOENÇAS DE BAIXEIRO

Manual de Treinamento CONCEITOS E TECNOLOGIAS QUE VISAM A AUMENTAR O CONTROLE DE PRAGAS E DOENÇAS DE BAIXEIRO CONCEITOS E TECNOLOGIAS QUE VISAM A AUMENTAR O CONTROLE DE PRAGAS E DOENÇAS DE BAIXEIRO EDIÇÃO Nº 01/2014 Código: 0416-tp Manual de Treinamento Máquinas Agrícolas Jacto Rua Dr. Luiz Miranda, 1650 17580-000

Leia mais

Aplicador. Alvo. Momento. Equipamento. Produto. Máquina TECNOLOGIA DE APLICAÇÃO DE HERBICIDAS. Fatores que interferem na tecnologia de aplicação

Aplicador. Alvo. Momento. Equipamento. Produto. Máquina TECNOLOGIA DE APLICAÇÃO DE HERBICIDAS. Fatores que interferem na tecnologia de aplicação TECNOLOGIA DE APLICAÇÃO DE HERBICIDAS Fatores que interferem na tecnologia de aplicação Alvo Momento Emprego de todos os conhecimentos científicos que proporcionem a correta colocação do produto biologicamente

Leia mais

LINHA JATÃO 3 PONTOS. Rua Dr. Luiz Miranda, Pompeia - SP - Tel. (14) Fax. (14)

LINHA JATÃO 3 PONTOS. Rua Dr. Luiz Miranda, Pompeia - SP - Tel. (14) Fax. (14) Rua Dr. Luiz Miranda, 1650-17580-000 - Pompeia - SP - Tel. (14) 3405 2100 - Fax. (14) 3452 1916 - E-mail: vendas@jacto.com.br PROTEJA O MEIO AMBIENTE. AO INUTILIZAR ESTE FOLHETO, NÃO JOGUE EM VIAS PÚBLICAS.

Leia mais

EQUIPAMENTOS E TÉCNICAS DE APLICAÇÃO DE PRODUTOS FITOSSANITÁRIOS NA CULTURA DA CANA-DE-AÇÚCAR

EQUIPAMENTOS E TÉCNICAS DE APLICAÇÃO DE PRODUTOS FITOSSANITÁRIOS NA CULTURA DA CANA-DE-AÇÚCAR EQUIPAMENTOS E TÉCNICAS DE APLICAÇÃO DE PRODUTOS FITOSSANITÁRIOS NA CULTURA DA CANA-DE-AÇÚCAR HAMILTON HUMBERTO RAMOS Pesquisador Científico VI Centro APTA de Engenharia e Automação Instituto Agronômico

Leia mais

Pulverização Aérea CARTILHA EXPLICATIVA

Pulverização Aérea CARTILHA EXPLICATIVA Pulverização Aérea CARTILHA EXPLICATIVA 1 A modernização da agricultura mundial O crescimento na demanda mundial de alimentos trouxe um novo desafio para a agricultura. A necessidade de evoluir na produtividade

Leia mais

QUALIDADE EM TECNOLOGIA DE APLICAÇÃO DE DEFENSIVOS

QUALIDADE EM TECNOLOGIA DE APLICAÇÃO DE DEFENSIVOS 1 QUALIDADE EM TECNOLOGIA DE APLICAÇÃO DE DEFENSIVOS Prof. Dr. Ulisses Rocha Antuniassi FCA/UNESP Caixa Postal 237-18603-970 - Botucatu/SP - Fone: (14) 96711604 ulisses@fca.unesp.br 1. Conceitos básicos

Leia mais

LINHA ADVANCE. Rua Dr. Luiz Miranda, Pompeia - SP - Tel. (14) Fax. (14)

LINHA ADVANCE. Rua Dr. Luiz Miranda, Pompeia - SP - Tel. (14) Fax. (14) Rua Dr. Luiz Miranda, 1650 17580000 Pompeia SP Tel. (14) 3405 2100 Fax. (14) 3452 1916 Email: vendas@jacto.com.br PROTEJA O MEIO AMBIENTE. AO INUTILIZAR ESTE FOLHETO, NÃO JOGUE EM VIAS PÚBLICAS. www.jacto.com.br

Leia mais

APLICAÇÃO DE DEFENSIVOS AGRÍCOLAS. Professor : Nailton Rodrigues de Castro Disciplina : Máquinas Agrícolas

APLICAÇÃO DE DEFENSIVOS AGRÍCOLAS. Professor : Nailton Rodrigues de Castro Disciplina : Máquinas Agrícolas APLICAÇÃO DE DEFENSIVOS AGRÍCOLAS Professor : Nailton Rodrigues de Castro Disciplina : Máquinas Agrícolas INTRODUÇÃO É a aplicação uniforme de um defensivo agrícola na forma líquida, utilizando a energia

Leia mais

ARBUS Rua Dr. Luiz Miranda, Pompeia - SP - Tel. (14) Fax. (14)

ARBUS Rua Dr. Luiz Miranda, Pompeia - SP - Tel. (14) Fax. (14) Rua Dr. Luiz Miranda, 1650-17580-000 - Pompeia - SP - Tel. (14) 3405 2100 - Fax. (14) 3452 1916 - E-mail: vendas@jacto.com.br PROTEJA O MEIO AMBIENTE. AO INUTILIZAR ESTE FOLHETO, NÃO JOGUE EM VIAS PÚBLICAS.

Leia mais

SCHRODER CONSULTORIA

SCHRODER CONSULTORIA RELATÓRIO TÉCNICO Empresa Contratante: GOTA Indústria e Comércio Ltda. Execução: - CNPJ 7.839.686/1-58 EFEITO DO ÓLEO VEGETAL AGR ÓLEO NA EFICIÊNCIA DE HERBICIDAS E VOLUME DE CALDA APLICADA POR VIA AÉREA

Leia mais

Nebulizadores aplicam gotas menores que 50 mm.

Nebulizadores aplicam gotas menores que 50 mm. Universidade Estadual Paulista Faculdade de Ciências Agrárias e Veterinárias Curso : Agronomia Disciplina: Tratamento Fitossanitário Aula: Aplicação de Líquidos e Pulverizadores Os produtos fitossanitários

Leia mais

ARBUS 2000 TP. Rua Dr. Luiz Miranda, Pompeia - SP - Tel. (14) Fax. (14) www. jacto.com.br

ARBUS 2000 TP. Rua Dr. Luiz Miranda, Pompeia - SP - Tel. (14) Fax. (14) www. jacto.com.br Rua Dr. Luiz Miranda, 1650-17580-000 - Pompeia - SP - Tel. (14) 3405 2100 - Fax. (14) 3452 1916 - www. jacto.com.br PROTEJA O MEIO AMBIENTE. AO INUTILIZAR ESTE FOLHETO, NÃO JOGUE EM VIAS PÚBLICAS. Imagens

Leia mais

Agricultura II. Máquinas de aplicação de fito-fármacos

Agricultura II. Máquinas de aplicação de fito-fármacos Agricultura II Máquinas de aplicação de fito-fármacos As quantidades de fito-fármaco fungicidas, insecticidas, herbicidas (doses) podem ser dadas em: - kg ou L / hl - culturas arbustivas e arbóreas -kg

Leia mais

Aspectos técnicos da Pulverização aérea

Aspectos técnicos da Pulverização aérea Aspectos técnicos da Pulverização aérea a Semana da Citricultura 06 a 10 de junho de 2011. Eng. Agr. Yasuzo Ozeki Celular > (11) 9629-919 Telef.Fixo > (11) 021-415 E-mail > yasuzo@uol.com.br Princípios

Leia mais

FUNDAÇÃO DE APOIO A PESQUISA, ENSINO E EXTENSÃO - FUNEP

FUNDAÇÃO DE APOIO A PESQUISA, ENSINO E EXTENSÃO - FUNEP UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA FACULDADE DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS E VETERINÁRIAS CAMPUS DE JABOTICABAL Página 1 de 5 RELATÓRIO DE ANÁLISE CARACTERIZAÇÃO DE GOTAS PRODUZIDAS POR BICO DE PULVERIZAÇÃO EM DIFERENTES

Leia mais

EXERCÍCIO DE FIXAÇÃO

EXERCÍCIO DE FIXAÇÃO EXERCÍCIO DE FIXAÇÃO 1. Um agricultor relata que não está tendo controle satisfatório na aplicação de um herbicida. Afirma estar aplicando conforme recomendação do fabricante do produto (x litros p.c./ha

Leia mais

John Deere Training. Guia do Aluno. Pulverização Fundamento - Português CSP-20-SN2GCQAP Maio, 2009

John Deere Training. Guia do Aluno. Pulverização Fundamento - Português CSP-20-SN2GCQAP Maio, 2009 John Deere Training Guia do Aluno CSP-20-SN2GCQAP Maio, 2009 Copyright 2009 Deere & Company Este material é de propriedade da Deere & Company. O uso, divulgação e/ou reprodução não especificamente autorizado

Leia mais

Filtros e Acessórios para Sistemas Hidráulicos

Filtros e Acessórios para Sistemas Hidráulicos Filtros e Acessórios para Sistemas Hidráulicos Índice Introdução... Página 3 Filtros de Respiro... Página 4 Filtros de Sucção... Página 10 Filtros de Retorno para Tanque... Página 14 Filtros de Retorno

Leia mais

Energia Hidráulica. Líquido é pressionado contra pequeno orifício (ponta) e é pulverizado e transportado. Concorrentes em termos de energia

Energia Hidráulica. Líquido é pressionado contra pequeno orifício (ponta) e é pulverizado e transportado. Concorrentes em termos de energia PONTAS HIDRÁULICAS Energia Hidráulica Líquido é pressionado contra pequeno orifício (ponta) e é pulverizado e transportado Pulverização e transporte Concorrentes em termos de energia Maior energia = menor

Leia mais

ANÁLISE DE APLICATIVOS PARA REGULAGEM E CALIBRAÇÃO DE PULVERIZADORES NA CULTURA DA VIDEIRA

ANÁLISE DE APLICATIVOS PARA REGULAGEM E CALIBRAÇÃO DE PULVERIZADORES NA CULTURA DA VIDEIRA ANÁLISE DE APLICATIVOS PARA REGULAGEM E CALIBRAÇÃO DE PULVERIZADORES NA CULTURA DA VIDEIRA PILETTI, P.L.²; FEIL, G.²; ZIMMERMANN, L.C.³; LUCCA FILHO, Z²; MACHADO, O. D. da C.¹ RESUMO Os agricultores encontram

Leia mais

Recuperação do abrasivo: O abrasivo durante o jateamento, deposita-se no

Recuperação do abrasivo: O abrasivo durante o jateamento, deposita-se no GABINETE DE JATEAMENTO Princípios de funcionamento: A máquina de jato é pressurizada através da vávula pedal (comando), forçando o abrasivo a misturar-se com o ar comprimido, expelindo-o pelo bico de jato

Leia mais

UM PULVERIZADOR BEM REGULADO E CALIBRADO É A CERTEZA DE UMA APLICAÇÃO EFICIENTE E SEGURA!!

UM PULVERIZADOR BEM REGULADO E CALIBRADO É A CERTEZA DE UMA APLICAÇÃO EFICIENTE E SEGURA!! DE PULVERIZADORES AGRÍCOLAS Este material faz parte da apostila do Curso de Tecnologia de Aplicação da Comam Ltda Carlos Alberto Magalhães Cordeiro Paulo Otavio Coutinho Fabiano de Matino Motta Engs Agrônomos

Leia mais

PRODUÇÃO DIÁRIA DOS PULVERIZADORES DE BARRAS

PRODUÇÃO DIÁRIA DOS PULVERIZADORES DE BARRAS PRODUÇÃO DIÁRIA DOS PULVERIZADORES DE BARRAS Versão em Português - MP-00 MÁQUINAS AGRÍCOLAS JACTO S.A. Rua Dr. Luiz Miranda, 170-000 - Pompéia - SP - Brasil Tel.: (0XX1) -111 - Fax: (0XX1) -191 E-mail:

Leia mais

Indicações Registradas

Indicações Registradas Marca Comercial Titular do Registro Nº Registro MAPA Topik 240 EC SYNGENTA PROTEÇÃO DE CULTIVOS LTDA. - 1506.744.463/0001-90 Classe Herbicida Ingrediente Ativo (I.A.) Clodinafope-Propargil Nome Químico

Leia mais

CNPJ (MF) / Inscr. Estadual SOPRADOR TSUKI 50

CNPJ (MF) / Inscr. Estadual SOPRADOR TSUKI 50 CNPJ (MF) 09.536.339/0001-81 Inscr. Estadual 286.287.100.114 SOPRADOR TSUKI 50 Shopping em São Bernardo do Campo - SP Indicação: NÉVOA, VAPOR E PÓ FINO EM SUSPENSÃO. ÁREAS COM PÉ DIRETO BAIXO (IDEAL PARA

Leia mais

Produtos para Cultivo Celular

Produtos para Cultivo Celular Produtos para Cultivo Celular CULTIVO CELULAR Através da técnica de cultivo celular, células animais ou vegetais são mantidas vivas em crescimento fora do seu tecido original, em condições controladas.

Leia mais

Como controlar a pinta preta com redução de custos

Como controlar a pinta preta com redução de custos 36ª Semana da Citricultura Cordeirópolis, 04 de junho de 2014 Como controlar a pinta preta com redução de custos Dr. Geraldo J. Silva Junior Pesquisador Dpto de Pesquisa e Desenvolvimento G. J. Silva Junior

Leia mais

7. Manejo de pragas. compreende as principais causadoras de danos na citricultura do Rio Grande do Sul. Mosca-das-frutas sul-americana

7. Manejo de pragas. compreende as principais causadoras de danos na citricultura do Rio Grande do Sul. Mosca-das-frutas sul-americana Tecnologias para Produção de Citros na Propriedade de Base Familiar 63 7. Manejo de pragas Dori Edson Nava A cultura dos citros possui no Brasil mais de 50 espécies de artrópodes-praga, das quais pelo

Leia mais

AUTORIZAÇÃO EXCECIONAL DE EMERGÊNCIA Nº 2016/07. Data da Autorização

AUTORIZAÇÃO EXCECIONAL DE EMERGÊNCIA Nº 2016/07. Data da Autorização AUTORIZAÇÃO EXCECIONAL DE EMERGÊNCIA Nº 2016/07 Data da Autorização -14.04.2016 PRODUTO: Pedido de autorização excecional ao abrigo do Art.º 53 do Regulamento (CE) nº 1107/2009, de 21 de outubro para utilização

Leia mais

AR FUSION. Brasil. Pneumática. Resfriador de painel Tubo VORTEX SÉRIE VRP AR FUSION. Pneumática. VRP9-01 pressão de trab. 07bar

AR FUSION. Brasil. Pneumática. Resfriador de painel Tubo VORTEX SÉRIE VRP AR FUSION. Pneumática. VRP9-01 pressão de trab. 07bar Resfriador de painel Tubo VORTEX SÉRIE VRP VRP9-01 pressão de trab. 07bar WWW.ARFUSION.COM.BR Resfriador de painel VORTEX Os Resfriadores com Ar Comprimido - Vortex são destinados à aplicações especiais

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DE UMA BARRA DE PULVERIZAÇÃO PARA APLICAÇÃO DE HERBICIDA EM DESSECAÇÃO DE SOQUEIRA CANA-DE-AÇÚCAR E PASTAGENS

DESENVOLVIMENTO DE UMA BARRA DE PULVERIZAÇÃO PARA APLICAÇÃO DE HERBICIDA EM DESSECAÇÃO DE SOQUEIRA CANA-DE-AÇÚCAR E PASTAGENS 47 DESENVOLVIMENTO DE UMA BARRA DE PULVERIZAÇÃO PARA APLICAÇÃO DE HERBICIDA EM DESSECAÇÃO DE SOQUEIRA CANA-DE-AÇÚCAR E PASTAGENS AMO, Fernando Colombo de 1 PEREIRA, Flávio José de Sousa 2 GADANHA JÚNIOR,

Leia mais

Mangueiras Perfis Técnicos

Mangueiras Perfis Técnicos Produtos de Qualidade Mangueiras Perfis Técnicos Mangueiras Apresentação NASHA, fundada em 1990, possui ex- tubos e perfis técnicos extrudados em PVC periência no mercado industrial e neste perío- (policloreto

Leia mais

E-mail: vendas@bratal.com.br

E-mail: vendas@bratal.com.br CENTRAL DE VENDAS Consulte-nos pelo fone/fax : (19) 341.0081 E-mail: vendas@bratal.com.br 603 - Tubos 01 ESCOLHA ADEQUADA DA TUBULAÇÃO.... 1 DIAGRAMA TEÓRICO PARA CÁLCULO DE TUBULAÇÕES...........................

Leia mais

ATIVIDADE : TESTES DE DEPOSIÇÃO

ATIVIDADE : TESTES DE DEPOSIÇÃO SINDAG CONGRESSO REGIONAL DE AVIAÇÃO AGRÍCOLA / SUL CACHOEIRA DO SUL, RS 7 a 9 DE JUNHO DE 2007 ATIVIDADE : TESTES DE DEPOSIÇÃO RELATÓRIO www.agrotec.etc.br www.sindag.org.br www.congressosindag.com.br

Leia mais

MÓVEL PRESSÃO. Transmissão com embraiagem. Saida. Retorno. Regulador Pressão. jacto regulável e posicionável. bomba. Piston.2E C.C

MÓVEL PRESSÃO. Transmissão com embraiagem. Saida. Retorno. Regulador Pressão. jacto regulável e posicionável. bomba. Piston.2E C.C Mar c a Válvulas Pist o ns P res s ão 2 2.01 Grupo Pressão 2017.20-ST MÓVEL PRESSÃO R Peso Kg. 6,4 Caudal L/min 12 Carburador Diafragma Pressão kg/cm2 15 Aspiração M 10 Mistura 1:25 10 metros mangueira

Leia mais

Prescrição e Aplicação de Produtos Fitofarmacêuticos

Prescrição e Aplicação de Produtos Fitofarmacêuticos Colégio de Engenharia Agronómica O ACTO DE ENGENHARIA AGRONÓMICA Ordem dos Engenheiros 6 de Janeiro de 2006 O Acto de Engenharia Agronómica Prescrição e Aplicação de Produtos Fitofarmacêuticos Paulo Cruz

Leia mais

Preparação de ar comprimido Unidades de manutenção e componentes Série PR1. Catálogo impresso

Preparação de ar comprimido Unidades de manutenção e componentes Série PR1. Catálogo impresso Série PR1 Catálogo impresso 2 Série PR1 G 1/4 Qn= 380 l/min acionamento: mecânico 4 G 1/4 Qn= 480 l/min acionamento: mecânico 7 G 1/4 Qn= 450-1000 l/min acionamento: mecânico 10 G 1/4 - G 1/2 Qn= 2200-6500

Leia mais

ISSN:

ISSN: 11 ISSN: 2316-4093 Comparação de pulverização de baixa (60 L ha -1 ) com alta vazão (170 L ha -1 ) em pulverização de barras Marciane Braun 1, Tania Claudia Pintro 1, Vanderlei Artur Bier 1, Marcio Furlan

Leia mais

INSPEÇÃO PERIÓDICA DE PULVERIZADORES NA REGIÃO DO ALTO VALE DO ITAJAÍ

INSPEÇÃO PERIÓDICA DE PULVERIZADORES NA REGIÃO DO ALTO VALE DO ITAJAÍ INSPEÇÃO PERIÓDICA DE PULVERIZADORES NA REGIÃO DO ALTO VALE DO ITAJAÍ Lucas Renan EFFTING 1 ; João Pedro Fossa BERNARDY 2 ; Leonardo DÜSTERHOFT 3 ; Fabrício Campos MASIERO 4, Ricardo Kozoroski VEIGA 5

Leia mais

DEPOSIÇÃO DE CALDA DE DIFERENTES FUNGICIDAS PROPORCIONADA POR PULVERIZADORES DE PRESSÃO CONSTANTE (CO 2 ) E COM BICO ROTATIVO, EM ALGODÃO.

DEPOSIÇÃO DE CALDA DE DIFERENTES FUNGICIDAS PROPORCIONADA POR PULVERIZADORES DE PRESSÃO CONSTANTE (CO 2 ) E COM BICO ROTATIVO, EM ALGODÃO. DEPOSIÇÃO DE CALDA DE DIFERENTES FUNGICIDAS PROPORCIONADA POR PULVERIZADORES DE PRESSÃO CONSTANTE (CO 2 ) E COM BICO ROTATIVO, EM ALGODÃO. Cristina Abi Rached Iost (Unesp Jaboticabal / cristinaiost@hotmail.com),

Leia mais

Valores Corporativos DuPont

Valores Corporativos DuPont Visão DuPont Ser a Companhia científica mais dinâmica do mundo, criando soluções sustentáveis, melhores, mais seguras, mais saudáveis para as pessoas em qualquer lugar Valores Corporativos DuPont Segurança

Leia mais

5. Conclusões e Perspectivas

5. Conclusões e Perspectivas 5. Conclusões e Perspectivas Neste estudo experimental foram apresentados resultados da caracterização de chamas turbulentas não pré-misturadas de spray de etanol e ar. Para realização deste estudo foi

Leia mais

Poços de proteção. Aplicações. Características especiais. Descrição

Poços de proteção. Aplicações. Características especiais. Descrição Poços de proteção Poço de proteção flangeado (usinado de barra) Modelo TW10-F, construção com solda de penetração total Modelos TW10-P e TW10-R, com solda de penetração parcial WIKA folha de dados TW 95.10

Leia mais

Informações do sistema

Informações do sistema RELAÇÃO ENTRE RESERVATÓRIOS E COLETOR SOLAR Informações do sistema Volume do Reservatório (l) RR AP 400 500 600 Região I 4,00 5,01 6,01 Região II 4,37 5,45 6,55 Região III 4,81 6,01 7,21 Região IV 6,86

Leia mais

Pontas de pulverização e eletrificação das gotas na deposição da calda em plantas de crisântemo

Pontas de pulverização e eletrificação das gotas na deposição da calda em plantas de crisântemo Pontas de pulverização e eletrificação das gotas 479 Pontas de pulverização e eletrificação das gotas na deposição da calda em plantas de crisântemo Marina Elisei Serra (1), Aldemir Chaim (2) e Carlos

Leia mais

Nome do produto: BIOAGLOPAR

Nome do produto: BIOAGLOPAR Data da última revisão: 09/02/2011 Pagina 1/5 1. Identificação do produto e da empresa Nome do produto: Bioaglopar NCM: 3905.21.00 - Código interno de identificação do produto: 1.3.2.002 - Nome da empresa:

Leia mais

VISÃO: Ser reconhecida pela participação e trabalhos realizados nos processos que possibilitam economia de óleos e preservação ambiental.

VISÃO: Ser reconhecida pela participação e trabalhos realizados nos processos que possibilitam economia de óleos e preservação ambiental. APRESENTAÇÃO 1. QUEM SOMOS A CTF do Brasil é uma empresa com sólidos conhecimentos em tecnologia de microfiltragem de óleos industriais, cujo portfólio de serviços tem respaldo na experiência de sua diretoria,

Leia mais

JARDIM. PULVERIZADORES 0,5 Litros WT ,9 Litros C-9. PULVERIZADORES PRESSÃO 1,5 Litros G1500 PULVERIZADORES

JARDIM. PULVERIZADORES 0,5 Litros WT ,9 Litros C-9. PULVERIZADORES PRESSÃO 1,5 Litros G1500 PULVERIZADORES 0,5 Litros WT-2056-2 Peso: 56g Ø bocal: 22mm Cx.: 50 un. Cod.: 180 050 001 050 0,9 Litros C-9 Peso: 83g Ø bocal: 22mm Cx.: 50 un. Cod.: 180 050 001 090 - Pulverizadores de cores sortidas com bomba de pistão

Leia mais

Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária. Embrapa Agroindústria Tropical. Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento.

Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária. Embrapa Agroindústria Tropical. Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento. ISSN 1677-1915 Dezembro, 2006 Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária Embrapa Agroindústria Tropical Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento Documentos 102 Tecnologia de Aplicação de Defensivos

Leia mais

FORMULAÇÃO DOS PRODUTOS FITOSSANITÁRIOS

FORMULAÇÃO DOS PRODUTOS FITOSSANITÁRIOS FORMULAÇÃO DOS PRODUTOS FITOSSANITÁRIOS raetano@fca.unesp.br DPV DEFESA FITOSSANITÁRIA FCA/UNESP CAMPUS DE BOTUCATU DEFINIÇÃO FORMULAR: TORNAR O PRODUTO NA FORMA MAIS ADEQUADA PARA USO COMPOSIÇÃO DE UM

Leia mais

ESTUDO DA ESTABILIDADE FÍSICA DE CALDAS DE PULVERIZAÇÃO PARA APLICAÇÃO DE AGROTÓXICOS EM BAIXO VOLUME OLEOSO (BVO ) NA CULTURA DO ALGODOEIRO*

ESTUDO DA ESTABILIDADE FÍSICA DE CALDAS DE PULVERIZAÇÃO PARA APLICAÇÃO DE AGROTÓXICOS EM BAIXO VOLUME OLEOSO (BVO ) NA CULTURA DO ALGODOEIRO* ESTUDO DA ESTABILIDADE FÍSICA DE CALDAS DE PULVERIZAÇÃO PARA APLICAÇÃO DE AGROTÓXICOS EM BAIXO VOLUME OLEOSO (BVO ) NA CULTURA DO ALGODOEIRO* Casimiro Dias Gadanha Júnior (DER/ESALQ/USP/cdgadanh@esalq.usp.br),

Leia mais

DEFENSIVO AGRÍCOLA. Jefferson Horn Kunz. [Digite texto]

DEFENSIVO AGRÍCOLA. Jefferson Horn Kunz. [Digite texto] 2013.2 DEFENSIVO AGRÍCOLA Jefferson Horn Kunz [Digite texto] 2 TECNOLOGIA DE APLICAÇÃO DOS DEFENSIVOS E EQUIPAMENTOS Introdução Tecnologia consiste na aplicação dos conhecimentos científicos a um determinado

Leia mais

ANÁLISE DA EVOLUÇÃO DA TECNOLOGIA DE APLICAÇÃO DE PRODUTOS FITOSSANITÁRIOS

ANÁLISE DA EVOLUÇÃO DA TECNOLOGIA DE APLICAÇÃO DE PRODUTOS FITOSSANITÁRIOS XXX ENCONTRO NACIONAL DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO Maturidade e desafios da Engenharia de Produção: competitividade das empresas, condições de trabalho, meio ambiente. São Carlos, SP, Brasil, 12 a15 de outubro

Leia mais

DERIVA EM APLICAÇÕES AÉREAS DE PRODUTOS LÍQUIDOS Perguntas mais freqüentes

DERIVA EM APLICAÇÕES AÉREAS DE PRODUTOS LÍQUIDOS Perguntas mais freqüentes DERIVA EM APLICAÇÕES AÉREAS DE PRODUTOS LÍQUIDOS Perguntas mais freqüentes 1. O que é DERIVA? DERIVA é o deslocamento horizontal que sofrem as gotas desde o seu ponto de lançamento até atingirem o seu

Leia mais

Comparativo técnico entre equipamentos Mamute e Concorrentes

Comparativo técnico entre equipamentos Mamute e Concorrentes Comparativo técnico entre equipamentos Mamute e Concorrentes Lav Concorrente - Porta Externa Dimensões: 610 x 770 mm Lav Concorrente - Porta externa aberta ver diferença entre a porta interna e externa

Leia mais

Tecnologia de Aplicação de Agroquímicos no Cafeeiro. Autor: Luís César Pio

Tecnologia de Aplicação de Agroquímicos no Cafeeiro. Autor: Luís César Pio Tecnologia de Aplicação de Agroquímicos no Cafeeiro Autor: Luís César Pio Prezado colega, Catanduva, 9 de novembro de 2012. Para VOCÊ, que participou do encontro de capacitação técnica e que é integrante

Leia mais

Calibração de deposição de agrotóxicos e bioinseticidas. Aldemir Chaim, pesquisador da Embrapa Meio Ambiente

Calibração de deposição de agrotóxicos e bioinseticidas. Aldemir Chaim, pesquisador da Embrapa Meio Ambiente Calibração de deposição de agrotóxicos e bioinseticidas Aldemir Chaim, pesquisador da Embrapa Meio Ambiente A aplicação de produtos químicos ou biológicos para controle de pragas pode ser feita com tratores

Leia mais

Desafios do setor de florestas plantadas para o manejo de plantas daninhas. José Eduardo Petrilli Mendes Fibria S.A. Proteção Florestal

Desafios do setor de florestas plantadas para o manejo de plantas daninhas. José Eduardo Petrilli Mendes Fibria S.A. Proteção Florestal Desafios do setor de florestas plantadas para o manejo de plantas daninhas José Eduardo Petrilli Mendes Fibria S.A. Proteção Florestal Roteiro A Fibria O setor de florestas plantadas Área de expansão Prejuízos

Leia mais

MANEJO DA IRRIGAÇÃO DOS CITROS PARA

MANEJO DA IRRIGAÇÃO DOS CITROS PARA MANEJO DA IRRIGAÇÃO DOS CITROS PARA PRODUÇÃO DE MUDAS Engº Agrº, Dr. Flávio Bussmeyer Arruda PqC Instituto Agronômico, IAC V Simpósio de Citricultura Irrigada Bebedouro, SP 3 a 4 de outubro de 2007 Colaboradores:

Leia mais

Tipo... Posição de trabalho... Temperaturas... Poder filtrante. Pressão de trabalho : 0,5...8 bar

Tipo... Posição de trabalho... Temperaturas... Poder filtrante. Pressão de trabalho : 0,5...8 bar Unidades FR+L Série QBM0 Capacidade de óleo... Óleos recomendados.. Acessórios e reposições... Unidades FRL de tratamento do ar, filtro regulador mais lubrificador, com corpos e copos plásticos (conexões

Leia mais

Preparação de Amostras para MET em Ciência dos Materiais

Preparação de Amostras para MET em Ciência dos Materiais Preparação de Amostras para MET em Ciência dos Materiais I Escola de Microscopia Eletrônica de Transmissão do CBPF/LABNANO Junho/2008 Ana Luiza Rocha Sumário 1. Condições de uma amostra adequada para MET

Leia mais

Otimização do Uso da Água na Agricultura Irrigada

Otimização do Uso da Água na Agricultura Irrigada São Mateus, ES 02 de setembro de 2016 Otimização do Uso da Água na Agricultura Irrigada Prof. Ds. Robson Bonomo Programa de Pós-graduação em Agricultura Tropical Departamento de Ciências Agrárias e Biológicas

Leia mais

Insumos Naturais: conceitos de registro e controle de qualidade. Luís Eduardo Pacifici Rangel Coordenação-Geral de Agrotóxicos e Afins

Insumos Naturais: conceitos de registro e controle de qualidade. Luís Eduardo Pacifici Rangel Coordenação-Geral de Agrotóxicos e Afins Insumos Naturais: conceitos de registro e controle de qualidade. Luís Eduardo Pacifici Rangel Coordenação-Geral de Agrotóxicos e Afins A Origem do Controle Parte do processo evolutivo da agricultura. Primeiros

Leia mais

MANEJO DE IRRIGAÇÃO REGINA CÉLIA DE MATOS PIRES FLÁVIO B. ARRUDA. Instituto Agronômico (IAC) Bebedouro 2003

MANEJO DE IRRIGAÇÃO REGINA CÉLIA DE MATOS PIRES FLÁVIO B. ARRUDA. Instituto Agronômico (IAC) Bebedouro 2003 I SIMPÓSIO SIO DE CITRICULTURA IRRIGADA MANEJO DE IRRIGAÇÃO REGINA CÉLIA DE MATOS PIRES FLÁVIO B. ARRUDA Instituto Agronômico (IAC) Bebedouro 2003 MANEJO DAS IRRIGAÇÕES - Maximizar a produção e a qualidade,

Leia mais

Pulverizadores: Mecanização da cultura do Cacau. Máquinas Agrícolas Jacto S/A Pompéia -SP. Eng. Agr. Walter W Mosquini Planejamento de Produto

Pulverizadores: Mecanização da cultura do Cacau. Máquinas Agrícolas Jacto S/A Pompéia -SP. Eng. Agr. Walter W Mosquini Planejamento de Produto Pulverizadores: Mecanização da cultura do Cacau Máquinas Agrícolas Jacto S/A Pompéia -SP Eng. Agr. Walter W Mosquini Planejamento de Produto Informações Foi fundada em 1948; Todas as unidades produtivas

Leia mais

Na figura 15 está apresentado um esquema da metodologia para a determinação de mercúrio total em tecidos da biota aquática.

Na figura 15 está apresentado um esquema da metodologia para a determinação de mercúrio total em tecidos da biota aquática. 44 5 PARTE EXPERIMENTAL 5.1 Biota Todas as amostras foram liofilizadas (processo de secagem da amostra baseado no fenômeno da sublimação). Este processo apresenta as vantagens de manter a estrutura do

Leia mais

Tipo Sigla Descrição resumida

Tipo Sigla Descrição resumida 1. Introdução O Laboratório de Apoio ao Desenvolvimento de Mercado (LADM) tem como principal função apoiar a Servatis S.A., empresa da qual é parte integrante, no que se refere ao desenvolvimento de produtos

Leia mais

Experimentação com herbicidas

Experimentação com herbicidas Eperimentação com herbicidas Princípio do delineamento eperimental: Delineamento eperimental mais simples possível desde que satisfaça coerência estatística e atenda os objetivos pretendido O objetivo

Leia mais

GLADIADOR Melhor relação peso/potência da categoria

GLADIADOR Melhor relação peso/potência da categoria GLADIADOR 2300 Melhor relação peso/potência da categoria Catálogo virtual Português Ago/2016 GLADIADOR 2300 O pulverizador autopropelido Gladiador 2300 apresenta grande autonomia de trabalho, possibilitando

Leia mais

PENETRÔMETRO DE IMPACTO

PENETRÔMETRO DE IMPACTO MANUAL DE INSTRUÇÕES PENETRÔMETRO DE IMPACTO TERMOS DE GARANTIA Este aparelho é garantido contra possíveis defeitos de fabricação ou danos, que se verificar por uso correto do equipamento, no período de

Leia mais

Determinação da Tensão Superficial de Soluções com Adjuvantes Surface Tension Solutions Determination by Adjuvants

Determinação da Tensão Superficial de Soluções com Adjuvantes Surface Tension Solutions Determination by Adjuvants Determinação da Tensão Superficial de Soluções com Adjuvantes Surface Tension Solutions Determination by Adjuvants Maurício Gomes Azevedo*¹; Pedro Hideki Omoto 1 ; Evandro Pereira Prado 2, Rafael Simões

Leia mais

Calibração de deposição de agrotóxicos e bioinseticidas

Calibração de deposição de agrotóxicos e bioinseticidas Calibração de deposição de agrotóxicos e bioinseticidas A aplicação de produtos químicos ou biológicos para controle de pragas pode ser feita com tratores equipados com pulverizadores de barra com bicos

Leia mais

Buscando uma melhor qualidade de pellet na fábrica de rações. João Costa Neto Guilherme Alves Costa

Buscando uma melhor qualidade de pellet na fábrica de rações. João Costa Neto Guilherme Alves Costa Buscando uma melhor qualidade de pellet na fábrica de rações João Costa Neto Guilherme Alves Costa Fórmulas PDI DGM e DPG Umidade Matrizes QUALIDADE DE PELLET Processo Gordura Condicionamento Vapor Temperatura

Leia mais

LINHA CONDOR. Rua Dr. Luiz Miranda, Pompeia - SP - Tel. (14) Fax. (14)

LINHA CONDOR. Rua Dr. Luiz Miranda, Pompeia - SP - Tel. (14) Fax. (14) Rua Dr. Luiz Miranda, 1650 17580000 Pompeia SP Tel. (14) 3405 2100 Fax. (14) 3452 1916 Email: vendas@jacto.com.br PROTEJA O MEIO AMBIENTE. AO INUTILIZAR ESTE FOLHETO, NÃO JOGUE EM VIAS PÚBLICAS. www.jacto.com.br

Leia mais

n. 9 - setembro - 2007

n. 9 - setembro - 2007 n. 9 - setembro - 2007 ISSN 0103-4413 Empresa de Pesquisa Agropecuária de Minas Gerais Av. José Cândido da Silveira, 1.647 - Cidade Nova - 31170-000 Belo Horizonte - MG - site: www.epamig.br - e-mail:

Leia mais

APLICAÇÃO CORRETA: EFICIÊNCIA, PRODUTIVIDADE E BAIXO CUSTO EM CULTURAS AGRÍCOLAS. José Maria Fernandes dos Santos

APLICAÇÃO CORRETA: EFICIÊNCIA, PRODUTIVIDADE E BAIXO CUSTO EM CULTURAS AGRÍCOLAS. José Maria Fernandes dos Santos APLICAÇÃO CORRETA: EFICIÊNCIA, PRODUTIVIDADE E BAIXO CUSTO EM CULTURAS AGRÍCOLAS. José Maria Fernandes dos Santos Instituto Biológico, Centro de Pesquisa e Desenvolvimento de Sanidade Vegetal. Av. Cons.

Leia mais

Sumário. Conceitos. Extremos clássicos. Conceitos. TR Tecnologia dos Revestimentos

Sumário. Conceitos. Extremos clássicos. Conceitos. TR Tecnologia dos Revestimentos PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA CIVIL TR Tecnologia dos Revestimentos Aula 9 Reologia: conceitos básicos Sumário Conceitos Deformação em um sólido ideal Deformação em um fluido ideal Comportamento

Leia mais

Características dos adjuvantes da Evonik

Características dos adjuvantes da Evonik Características dos adjuvantes da Evonik Adjuvantes para misturas de tanque: S 240 S 233 Vibrant Advance Union S 240 (Superespalhante) Surfactantes à base de trisiloxano Química que promove tensão superficial

Leia mais

Ficha de Informações de Segurança de Produto Químico

Ficha de Informações de Segurança de Produto Químico Ficha de Informações de Segurança de Produto Químico Nome do produto: KYARAD MR Page: (1 of 5) Data de elaboração: (04 /01 / 2006) Data de revisão: (16 / 08 / 2006) Número de Revisão: (01) ATENÇÃO: Leia

Leia mais

Função Exponencial e Logaritmica

Função Exponencial e Logaritmica QUESTÕES. (UFRJ) Dados a e b números reais positivos, b 0, define-se logaritmo de a na base b como o número real x tal que b x = a, ou seja,. Para, um número real x log positivo, a tabela ao lado fornece

Leia mais

TECNOLOGIA DE APLICAÇÃO DE DEFENSIVOS

TECNOLOGIA DE APLICAÇÃO DE DEFENSIVOS TECNOLOGIA DE APLICAÇÃO DE DEFENSIVOS Prof. Dr. Ulisses Rocha Antuniassi FCA/UNESP - Botucatu/SP R. José Barbosa de Barros, 1780 - Botucatu/SP CEP 18610-307 - Fone: (14) 3811-7165 ulisses@fca.unesp.br

Leia mais

JM2960PD EX - vista lateral UNIDADE DE DISCO DE CORTE ABAIXO DA MÁQUINA E UNIDADE DE ADUBO

JM2960PD EX - vista lateral UNIDADE DE DISCO DE CORTE ABAIXO DA MÁQUINA E UNIDADE DE ADUBO PLANTADORA ADUBADORA PIVOTADA JM2860-PD MG JM2960-PD EX ENXUTA Plantadora Adubadora JM2860PD ENXUTA MG, fornecida com chassi de 08 e 10 linhas. Plantadora Adubadora JM2960PD ENXUTA EX, fornecida com chassi

Leia mais

Conexões Tupy (11) Conexões BSP. Linha BSP - Conexões de Ferro Maleável aplicadas na condução de líquidos, gases e vapores

Conexões Tupy (11) Conexões BSP. Linha BSP - Conexões de Ferro Maleável aplicadas na condução de líquidos, gases e vapores 10 Conexões BSP As informações técnicas estão sujeitas a alterações sem aviso prévio de acordo com o fabricante. Conforme ABNT - NBR 6943, ISO 49 e EN 10242 Pressões de Teste Temperatura ºC à 120 à 300

Leia mais

UTILIZAÇÃO DE PULVERIZADORES CENTRÍFUGOS DE JACTO TRANSPORTADO NA CULTURA DA VINHA INTRODUÇÃO

UTILIZAÇÃO DE PULVERIZADORES CENTRÍFUGOS DE JACTO TRANSPORTADO NA CULTURA DA VINHA INTRODUÇÃO UTILIZAÇÃO DE PULVERIZADORES CENTRÍFUGOS DE JACTO TRANSPORTADO NA CULTURA DA VINHA INTRODUÇÃO Reduzir o débito a aplicar nos tratamentos da cultura da vinha, sem por em causa a sua eficácia, é um dos principais

Leia mais