Tecnologia de Aplicação

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Tecnologia de Aplicação"

Transcrição

1 Tecnologia de Aplicação Rodolfo G. Chechetto Engenheiro Agrônomo

2 O que é Tecnologia de Aplicação? Conjunto de conhecimentos que integram informações sobre os produtos fitossanitários, suas formulações e adjuvantes, o processo de pulverização, os alvos e o ambiente, visando uma aplicação correta, segura e responsável, sempre respeitando as boas práticas agrícolas. Antuniassi, (2016).

3 Onde está a tecnologia?

4 Onde está a tecnologia? Na cabine Dentro do tanque Fora do tanque

5 Inovação tecnológica x desafios para a sustentabilidade

6 Os desafios da tecnologia de aplicação: Aumento da capacidade operacional;

7 Os desafios da tecnologia de aplicação: Aumento da capacidade operacional; Melhoria do desempenho fitossanitário;

8 Os desafios da tecnologia de aplicação: Aumento da capacidade operacional; Melhoria do desempenho fitossanitário; Controle de alvos difíceis;

9 Os desafios da tecnologia de aplicação: Aumento da capacidade operacional; Melhoria do desempenho fitossanitário; Controle de alvos difíceis; Convivência com polinizadores;

10 Os desafios da tecnologia de aplicação: Aumento da capacidade operacional; Melhoria do desempenho fitossanitário; Controle de alvos difíceis; Convivência com polinizadores; Manejo da resistência;

11 Os desafios da tecnologia de aplicação: Aumento da capacidade operacional; Melhoria do desempenho fitossanitário; Controle de alvos difíceis; Convivência com polinizadores; Manejo da resistência; Redução do impacto no ambiente;

12 Os desafios da tecnologia de aplicação: Aumento da capacidade operacional; Melhoria do desempenho fitossanitário; Controle de alvos difíceis; Convivência com polinizadores; Manejo da resistência; Redução do impacto no ambiente; Redução do risco de deriva.

13 Conceitos da tecnologia de aplicação

14 Conceitos Escolha da técnica Cobertura: C=15 V. R. K 2 A. D V = volume (L ha -1 ) R = taxa de recuperação K = fator de espalhamento A = superfície vegetal / ha D = diâmetro das gotas Fonte: Courshee, 1967.

15 Conceitos Técnica de aplicação Tamanho de gotas Volume de calda

16 Conceitos Técnica de aplicação Tamanho de gotas Volume de calda

17 Conceitos Técnica de aplicação Tamanho de gotas Volume de calda Cobertura Penetração Risco de deriva

18 Conceitos Técnica de aplicação Tamanho de gotas Volume de calda Cobertura Penetração Risco de deriva Tamanho de gota

19 Conceitos Técnica de aplicação Tamanho de gotas Volume de calda Cobertura Penetração Risco de deriva Tamanho de gota

20 Conceitos Técnica de aplicação Tamanho de gotas Volume de calda Cobertura Penetração Risco de deriva médias e grossas Finas Tamanho de gota

21 Fundamentos % Cobertura das folhas Cobertura, penetração e arquitetura dos alvos: Fonte: Antuniassi et al. (2004) Fonte: Antuniassi et al. (2004) Grossas Médias Finas Muito Finas Superior Médio Inferior

22 Conceitos Técnica de aplicação Tamanho de gotas Volume de calda Cobertura Penetração Risco de deriva Tamanho de gota

23 Conceitos Técnica de aplicação Tamanho de gotas Volume de calda Cobertura Penetração Risco de deriva Tamanho de gota Foto: Ulisses Rocha Antuniassi

24 Conceitos Técnica de aplicação Tamanho de gotas Volume de calda Cobertura Penetração Risco de deriva Deriva: Tamanho de gota Foto: Ulisses Rocha Antuniassi

25

26 Conceitos

27 Conceitos Técnica de aplicação Tamanho de gotas Volume de calda Deriva: Cobertura Penetração Risco de deriva A calda que não atinge o alvo desejado Tamanho de gota Foto: Ulisses Rocha Antuniassi

28 Conceitos Técnica de aplicação Tamanho de gotas Volume de calda (taxa de aplicação)

29 Conceitos Técnica de aplicação Tamanho de gotas Volume de calda (taxa de aplicação) Cobertura Eficiência operacional Volume de calda

30 Conceitos Técnica de aplicação Tamanho de gotas Volume de calda (taxa de aplicação) Cobertura Eficiência operacional Volume de calda

31 Conceitos Técnica de aplicação Tamanho de gotas Volume de calda (taxa de aplicação) Cobertura Eficiência operacional Volume de calda menor volume maior volume

32 Conceitos Técnica de aplicação Tamanho de gotas Volume de calda (taxa de aplicação) Cobertura Eficiência operacional Volume de calda

33 Conceitos Técnica de aplicação Tamanho de gotas Volume de calda (taxa de aplicação) Cobertura Eficiência operacional Volume de calda

34 O que está acontecendo com a taxa de aplicação hoje?

35 Redução da taxa de aplicação

36 Redução da taxa de aplicação Vantagens

37 Redução da taxa de aplicação Vantagens Melhoria de desempenho de alguns produtos; Maior rendimento operacional; Melhor controle fitossanitário (uso de gotas mais finas e melhor momento para aplicação); Potencial para redução de custos.

38 Redução da taxa de aplicação Desvantagens

39 Redução da taxa de aplicação Desvantagens Dificuldades na operação; Degradação da qualidade dos depósitos; Variabilidade da dose no campo; Problemas com misturas em tanque; Dependência das condições meteorológicas (gotas mais finas); Maior risco de deriva.

40 Redução da taxa de aplicação O ganho operacional não pode ocorrer às 100 L/ha 50 L/ha 50 L/ha Gota custas médiada qualidade Gota do média controle (resistência Gota fina e perda de tecnologia).

41 Desempenho Operacional vs Sustentabilidade na Aplicação

42 D.O. vs Sustentabilidade Desempenho operacional Maiores velocidades

43 D.O. vs Sustentabilidade Desempenho operacional Maiores velocidades Oscilação de barras (uniformidade); Altura das barras; Decréscimo de depósitos e variabilidade de deposição com aumento de velocidade; Aumento do risco de deriva.

44 Oscilação das barras

45 Ulisses Antuniassi - UNESP Evolução da tecnologia

46 Ulisses Antuniassi - UNESP Evolução da tecnologia

47 Ulisses Antuniassi - UNESP Evolução da tecnologia

48 Ulisses Antuniassi - UNESP Evolução da tecnologia

49 Ulisses Antuniassi - UNESP Evolução da tecnologia

50 Ulisses Antuniassi - UNESP Evolução da tecnologia

51 Ulisses Antuniassi - UNESP Evolução da tecnologia

52 Ulisses Antuniassi - UNESP Evolução da tecnologia

53 Ulisses Antuniassi - UNESP Evolução da tecnologia

54 Ulisses Antuniassi - UNESP Evolução da tecnologia

55 Ulisses Antuniassi - UNESP Evolução da tecnologia

56 Ulisses Antuniassi - UNESP Evolução da tecnologia

57 Ulisses Antuniassi - UNESP Evolução da tecnologia

58 Ulisses Antuniassi - UNESP Evolução da tecnologia

59 Ulisses Antuniassi - UNESP Evolução da tecnologia

60 Oscilação da barra?

61 D.O. vs Sustentabilidade Oscilação das barras oscilação (m) 1,5 1,2 0,9 0,6 0,3-0,3 0-0,6-0,9-1,2-1, tempo (s) Fonte: Agroefetiva (2016).

62 D.O. vs Sustentabilidade Oscilação das barras tempo (s) ,5-1,2-0,9-0,6-0,3 0 0,3 0,6 0,9 1,2 1,5 oscilação (m) Fonte: Agroefetiva (2016).

63 Oscilação x variabilidade da dose

64 Largura (m) Dose (%) D.O. vs Sustentabilidade Dose % Planejada 100 Máxima 116 Mínima 63 Média 87 Oscilação das barras Deslocamento em área plana Comprimento (m) Fonte: AgroEfetiva (2016).

65 Largura (m) Dose (%) D.O. vs Sustentabilidade Dose % Planejada 100 Máxima 122 Mínima 39 Média 86 Oscilação das barras Atravessando um terraço Comprimento (m) Fonte: AgroEfetiva (2016).

66 Deposição (%) Deposição (%) D.O. vs Sustentabilidade Velocidade 23 km h km h CV (%) 26 km/h 23 km/h Fonte: AgroEfetiva (2016).

67 Condições meteorológicas Condições ideais: Temperatura: < 30 C Umidade relativa > 50% Vento médio: entre 3 e 10 km h -1

68 Inovação tecnológica x desafios Os desafios da tecnologia de aplicação: Desempenho Segurança

69 Rodolfo G. Chechetto

27/11/2015. Boas práticas: os desafios da tecnologia de aplicação. Tecnologia de aplicação x ambiente. Ulisses Rocha Antuniassi

27/11/2015. Boas práticas: os desafios da tecnologia de aplicação. Tecnologia de aplicação x ambiente. Ulisses Rocha Antuniassi Boas práticas: os desafios da tecnologia de aplicação Ulisses Rocha Antuniassi FCA/UNESP - Botucatu/SP ulisses@fca.unesp.br Apresentação UNESP: FCA: DEnR: NTA: NEMPA: Universidade Estadual Paulista Faculdade

Leia mais

PROGRAMA CAS CERTIFICAÇÃO AEROAGRÍCOLA SUSTENTÁVEL

PROGRAMA CAS CERTIFICAÇÃO AEROAGRÍCOLA SUSTENTÁVEL PROGRAMA CAS CERTIFICAÇÃO AEROAGRÍCOLA SUSTENTÁVEL Prof. Dr. João Paulo Rodrigues da Cunha jpcunha@iciag.ufu.br Universidade Federal de Uberlândia Instituto de Ciências Agrárias Sumário A aviação agrícola

Leia mais

TECNOLOGIA DE APLICAÇÃO DE AGROTÓXICOS NA CITRICULTURA

TECNOLOGIA DE APLICAÇÃO DE AGROTÓXICOS NA CITRICULTURA TECNOLOGIA DE APLICAÇÃO DE AGROTÓXICOS NA CITRICULTURA HAMILTON HUMBERTO RAMOS Diretor Geral do Instituto Agronômico TECNOLOGIA DE APLICAÇÃO DE PRODUTOS FITOSSANITÁRIOS Emprego de todos os conhecimentos

Leia mais

Mecanização da Pulverização. Eng. Agr.Jairo da Costa Moro Máquinas Agrícolas Jacto S.A

Mecanização da Pulverização. Eng. Agr.Jairo da Costa Moro Máquinas Agrícolas Jacto S.A Eng. Agr.Jairo da Costa Moro Máquinas Agrícolas Jacto S.A Mercado de defensivos Agrícolas 2014 - Brasil - O mercado brasileiro comercializou o valor total de US$12,25 bilhões em defensivos agrícolas. Fonte:

Leia mais

Seleção de Pontas de Pulverização

Seleção de Pontas de Pulverização JORNADAS DE ACTUALIZACIÓN EN TECNOLOGÍAS DE APLICACIÓN EN CULTIVOS EXTENSIVOS Seleção de Pontas de Pulverização Otavio J. G. Abi Saab Prof. Mecanização Agrícola Universidade Estadual de Londrina Estado

Leia mais

Fundação de Estudos e Pesquisas Agrícolas e Florestais

Fundação de Estudos e Pesquisas Agrícolas e Florestais Fone (14) 3811-7127 - Tel/Fax: (14) 3882-6300 e-mail: fepaf@fca.unesp.br 1 PROTOCOLO DE PESQUISA APLICAÇÃO AÉREA PARA CONTROLE DE FERRUGEM DA SOJA NO MATO GROSSO FCA/UNESP - BOTUCATU/SP FUNDAÇÃO MATO GROSSO

Leia mais

LINHA JATÃO 3 PONTOS. Rua Dr. Luiz Miranda, Pompeia - SP - Tel. (14) Fax. (14)

LINHA JATÃO 3 PONTOS. Rua Dr. Luiz Miranda, Pompeia - SP - Tel. (14) Fax. (14) Rua Dr. Luiz Miranda, 1650-17580-000 - Pompeia - SP - Tel. (14) 3405 2100 - Fax. (14) 3452 1916 - E-mail: vendas@jacto.com.br PROTEJA O MEIO AMBIENTE. AO INUTILIZAR ESTE FOLHETO, NÃO JOGUE EM VIAS PÚBLICAS.

Leia mais

TECNOLOGIA DE APLICAÇÃO DE HERBICIDAS

TECNOLOGIA DE APLICAÇÃO DE HERBICIDAS TECNOLOGIA DE APLICAÇÃO DE HERBICIDAS Emprego de todos os conhecimentos científicos que proporcionem a correta colocação do produto biologicamente ativo no alvo, em quantidade necessária, de forma econômica,

Leia mais

- Métodos de avaliação das aplicações de fitossanitários - Avanços tecnológicos para a agricultura e florestas

- Métodos de avaliação das aplicações de fitossanitários - Avanços tecnológicos para a agricultura e florestas JORNADAS DE ACTUALIZACIÓN EN TECNOLOGÍAS DE APLICACIÓN EN CULTIVOS EXTENSIVOS - Métodos de avaliação das aplicações de fitossanitários - Avanços tecnológicos para a agricultura e florestas Otavio J. G.

Leia mais

ARBUS Rua Dr. Luiz Miranda, Pompeia - SP - Tel. (14) Fax. (14)

ARBUS Rua Dr. Luiz Miranda, Pompeia - SP - Tel. (14) Fax. (14) Rua Dr. Luiz Miranda, 1650-17580-000 - Pompeia - SP - Tel. (14) 3405 2100 - Fax. (14) 3452 1916 - E-mail: vendas@jacto.com.br PROTEJA O MEIO AMBIENTE. AO INUTILIZAR ESTE FOLHETO, NÃO JOGUE EM VIAS PÚBLICAS.

Leia mais

Aspectos técnicos da Pulverização aérea

Aspectos técnicos da Pulverização aérea Aspectos técnicos da Pulverização aérea a Semana da Citricultura 06 a 10 de junho de 2011. Eng. Agr. Yasuzo Ozeki Celular > (11) 9629-919 Telef.Fixo > (11) 021-415 E-mail > yasuzo@uol.com.br Princípios

Leia mais

Eng.º Agr.º José Maria Fernandes dos Santos

Eng.º Agr.º José Maria Fernandes dos Santos PONTOS CRÍTICOS NA APLICAÇÃO DE DEFENSIVOS Eng.º Agr.º José Maria Fernandes dos Santos Pesquisador Científico Laboratório de Proteção e Clínica Vegetal E-mail: santosjmf@biologico.sp.gov.br Fone/Fax: (11)

Leia mais

SCHRODER CONSULTORIA

SCHRODER CONSULTORIA RELATÓRIO TÉCNICO Empresa Contratante: GOTA Indústria e Comércio Ltda. Execução: - CNPJ 7.839.686/1-58 EFEITO DO ÓLEO VEGETAL AGR ÓLEO NA EFICIÊNCIA DE HERBICIDAS E VOLUME DE CALDA APLICADA POR VIA AÉREA

Leia mais

Telemetria em Pulverização Pedro Estevão Bastos Abimaq

Telemetria em Pulverização Pedro Estevão Bastos Abimaq Telemetria em Pulverização Pedro Estevão Bastos Abimaq ABIMAQ Associação Brasileira da Indústria de Máquinas CSMIA Câmara Setorial de Máquinas e Implementos Agrícolas 360 empresas 48.000 empregos R$ 11

Leia mais

Aplicação Aérea com Taxas Constantes e Variáveis Eduardo Cordeiro de Araújo 1

Aplicação Aérea com Taxas Constantes e Variáveis Eduardo Cordeiro de Araújo 1 Aplicação Aérea com Taxas Constantes e Variáveis Eduardo Cordeiro de Araújo 1 1.Introdução A aplicação aérea se caracteriza pela grande velocidade de deslocamento do veículo aplicador. Os aviões envolvidos

Leia mais

DERIVA EM APLICAÇÕES AÉREAS DE PRODUTOS LÍQUIDOS Perguntas mais freqüentes

DERIVA EM APLICAÇÕES AÉREAS DE PRODUTOS LÍQUIDOS Perguntas mais freqüentes DERIVA EM APLICAÇÕES AÉREAS DE PRODUTOS LÍQUIDOS Perguntas mais freqüentes 1. O que é DERIVA? DERIVA é o deslocamento horizontal que sofrem as gotas desde o seu ponto de lançamento até atingirem o seu

Leia mais

Pulverizadores: Mecanização da cultura do Cacau. Máquinas Agrícolas Jacto S/A Pompéia -SP. Eng. Agr. Walter W Mosquini Planejamento de Produto

Pulverizadores: Mecanização da cultura do Cacau. Máquinas Agrícolas Jacto S/A Pompéia -SP. Eng. Agr. Walter W Mosquini Planejamento de Produto Pulverizadores: Mecanização da cultura do Cacau Máquinas Agrícolas Jacto S/A Pompéia -SP Eng. Agr. Walter W Mosquini Planejamento de Produto Informações Foi fundada em 1948; Todas as unidades produtivas

Leia mais

Backings Cerâmicos e suas aplicações

Backings Cerâmicos e suas aplicações Backings Cerâmicos e suas aplicações voestalpine Böhler Welding Backings Cerâmicos e suas aplicações Os backings cerâmicos são produzidos com cerâmica resistente a altas temperaturas, a partir da combinação

Leia mais

Tecnologia de aplicação de Agrotóxicos

Tecnologia de aplicação de Agrotóxicos Tecnologia de aplicação de Agrotóxicos Engº. Agrº. M. Sc. Aldemir Chaim Laboratório de Tecnologia de Aplicação de Agrotóxicos Embrapa Meio Ambiente História da aplicação de defensivos Equipamento de aplicação

Leia mais

FCA/UNESP - Botucatu/SP ulisses@fca.unesp.br

FCA/UNESP - Botucatu/SP ulisses@fca.unesp.br Tecnologia de aplicação de defensivos Ulisses Rocha Antuniassi FCA/UNESP - Botucatu/SP ulisses@fca.unesp.br Qualidade e manutenção de pulverizadores PROJETO IPP: resultados no MT Projeto IPP/Cerrado 37

Leia mais

Desiro Mainline. A nova geração de Trens Regionais da Siemens. Março de Transportation Systems. pagina 1

Desiro Mainline. A nova geração de Trens Regionais da Siemens. Março de Transportation Systems. pagina 1 Desiro Mainline Transportation Março de 2006 A nova geração de Trens Regionais da Siemens pagina 1 Soluções para todas as demandas Pass. p.h.p.s. 100,000 Capacidade de transporte dos diversos sistemas,

Leia mais

Nebulizadores aplicam gotas menores que 50 mm.

Nebulizadores aplicam gotas menores que 50 mm. Universidade Estadual Paulista Faculdade de Ciências Agrárias e Veterinárias Curso : Agronomia Disciplina: Tratamento Fitossanitário Aula: Aplicação de Líquidos e Pulverizadores Os produtos fitossanitários

Leia mais

ET18. ET18 - A evolução no seu mundo de trabalho.

ET18. ET18 - A evolução no seu mundo de trabalho. ET18 Escavadoras de Esteiras de Projeção Convencional ET18 - A evolução no seu mundo de trabalho. Com a nova geração de modelos na classe de 1,7 até 2,4 t a Wacker Neuson impõe marcos nas escavadoras compactas.

Leia mais

ET18 Escavadoras de esteiras de projeção convencional

ET18 Escavadoras de esteiras de projeção convencional ET18 Escavadoras de esteiras de projeção convencional ET18 - A evolução no seu mundo de trabalho. Com a nova geração de modelos na classe de 1,7 até 2,4 t a Wacker Neuson impõe marcos nas escavadoras compactas.

Leia mais

TECNOLOGIA DE APLICAÇÃO DE FUNGICIDAS PARA O CONTROLE DA FERRUGEM-DA-SOJADA-SOJA

TECNOLOGIA DE APLICAÇÃO DE FUNGICIDAS PARA O CONTROLE DA FERRUGEM-DA-SOJADA-SOJA TECNOLOGIA DE APLICAÇÃO DE FUNGICIDAS PARA O CONTROLE DA FERRUGEM-DA-SOJADA-SOJA Fernando Storniolo Adegas Embrapa Soja Ministério da Agricultura Pecuária e Abastecimento Manejo da Ferrugem Identificação

Leia mais

APLICAÇÃO DE DEFENSIVOS AGRÍCOLAS. Professor : Nailton Rodrigues de Castro Disciplina : Máquinas Agrícolas

APLICAÇÃO DE DEFENSIVOS AGRÍCOLAS. Professor : Nailton Rodrigues de Castro Disciplina : Máquinas Agrícolas APLICAÇÃO DE DEFENSIVOS AGRÍCOLAS Professor : Nailton Rodrigues de Castro Disciplina : Máquinas Agrícolas INTRODUÇÃO É a aplicação uniforme de um defensivo agrícola na forma líquida, utilizando a energia

Leia mais

LINHA ADVANCE. Rua Dr. Luiz Miranda, Pompeia - SP - Tel. (14) Fax. (14)

LINHA ADVANCE. Rua Dr. Luiz Miranda, Pompeia - SP - Tel. (14) Fax. (14) Rua Dr. Luiz Miranda, 1650 17580000 Pompeia SP Tel. (14) 3405 2100 Fax. (14) 3452 1916 Email: vendas@jacto.com.br PROTEJA O MEIO AMBIENTE. AO INUTILIZAR ESTE FOLHETO, NÃO JOGUE EM VIAS PÚBLICAS. www.jacto.com.br

Leia mais

MELHORIAS NA UTILIZAÇÃO DE PRODUTOS FITOSSANITÁRIOS NA EMBRAPA SOJA

MELHORIAS NA UTILIZAÇÃO DE PRODUTOS FITOSSANITÁRIOS NA EMBRAPA SOJA M in isté rio d a A g ric u ltu ra P e cu á ria e A b a st e cim e n to MELHORIAS NA UTILIZAÇÃO DE PRODUTOS FITOSSANITÁRIOS NA EMBRAPA SOJA ALEXANDRE BRIGHENTI Embrapa Soja Londrina PR brighent@cnpso.embrapa.br

Leia mais

QUALIDADE EM TECNOLOGIA DE APLICAÇÃO DE DEFENSIVOS

QUALIDADE EM TECNOLOGIA DE APLICAÇÃO DE DEFENSIVOS 1 QUALIDADE EM TECNOLOGIA DE APLICAÇÃO DE DEFENSIVOS Prof. Dr. Ulisses Rocha Antuniassi FCA/UNESP Caixa Postal 237-18603-970 - Botucatu/SP - Fone: (14) 96711604 ulisses@fca.unesp.br 1. Conceitos básicos

Leia mais

Introdução. A importância da compreensão dos fenômenos meteorologicos Grande volume de dados

Introdução. A importância da compreensão dos fenômenos meteorologicos Grande volume de dados Introdução A importância da compreensão dos fenômenos meteorologicos Grande volume de dados Estações meteorológicas Imagens de satélite Radar Aeronaves, navios e bóias oceânicas Necessidade de rapidez

Leia mais

1 Computação (2.º Semestre): Documentos para consulta no exame N.º. Nome completo: Curso: Foto:

1 Computação (2.º Semestre): Documentos para consulta no exame N.º. Nome completo: Curso: Foto: 1 N.º Nome completo: Curso: Foto: 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13 14 15 16 17 18 19 20 21 22 23 24 25 26 27 28 29 30 31 32 33 34 35 36 37 38 39 40 41 42 43 44 45 46 47 48 49 50 51 52 53 54 55 56 57 58 59 60

Leia mais

Pulverização Aérea CARTILHA EXPLICATIVA

Pulverização Aérea CARTILHA EXPLICATIVA Pulverização Aérea CARTILHA EXPLICATIVA 1 A modernização da agricultura mundial O crescimento na demanda mundial de alimentos trouxe um novo desafio para a agricultura. A necessidade de evoluir na produtividade

Leia mais

Plano de Curso Tecnologia em rolo compactador

Plano de Curso Tecnologia em rolo compactador PLANO DE CURSO MSOBRTECRC PAG1 Plano de Curso Tecnologia em rolo compactador Justificativa do curso Compactação é o processo em que uma tensão aplicada a um solo proporciona aumento da densidade do solo,

Leia mais

Mecanização Agrícola Manejo de Culturas de Cobertura

Mecanização Agrícola Manejo de Culturas de Cobertura Mecanização Agrícola Manejo de Culturas de Cobertura MANEJO DA VEGETAÇÃO E DE RESTOS CULTURAIS INTRODUÇÃO - Preparos Conservacionistas Objetivos: Superfície coberta máximo de tempo possível Uniformidade

Leia mais

Hidráulica e Pneumática. Prof. Fagner Ferraz

Hidráulica e Pneumática. Prof. Fagner Ferraz Hidráulica e Pneumática Prof. Fagner Ferraz O que você entende por hidráulica? Pra que serve? Onde se aplica? 2 O termo Hidráulica derivou-se da raiz grega Hidro (água). Entendem-se por Hidráulica todas

Leia mais

REDUÇÃO DE DERIVA DE HERBICIDAS COM USO DE ADJUVANTE E DIFERENTES PONTAS DE PULVERIZAÇÃO

REDUÇÃO DE DERIVA DE HERBICIDAS COM USO DE ADJUVANTE E DIFERENTES PONTAS DE PULVERIZAÇÃO REDUÇÃO DE DERIVA DE HERBICIDAS COM USO DE ADJUVANTE E DIFERENTES PONTAS DE PULVERIZAÇÃO Taffaréu Oliveira Agostineti (PIBIC/CNPq), Marco Antonio Gandolfo (Orientador), e-mail: agostineti@outlook.com Universidade

Leia mais

Comportamento e Destino Ambiental de. Produtos Fitossanitários 18/09/2015. Produtos Fitossanitários

Comportamento e Destino Ambiental de. Produtos Fitossanitários 18/09/2015. Produtos Fitossanitários 2015 Comportamento e Destino Ambiental de Produtos Fitossanitários Claudio Spadotto, Ph.D. Pesquisador da Embrapa Gerente Geral da Embrapa Gestão Territorial Membro do Conselho Científico para Agricultura

Leia mais

TECNOLOGIAS PARA COMPACTAÇÃO ASFÁLTICA

TECNOLOGIAS PARA COMPACTAÇÃO ASFÁLTICA TECNOLOGIAS PARA COMPACTAÇÃO ASFÁLTICA Eng. Juliano Gewehr Especialista de Produtos e Engenharia de Aplicação 6 de Abril de 2016 GRUPO WIRTGEN Equipamentos e tecnologias para todo o processo de construção,

Leia mais

TECNOLOGIA DE APLICAÇÃO DE PRODUTOS FITOSSANITÁRIOS

TECNOLOGIA DE APLICAÇÃO DE PRODUTOS FITOSSANITÁRIOS TECNOLOGIA DE APLICAÇÃO DE PRODUTOS FITOSSANITÁRIOS Eng Agr MS.c. Henrique B N Campos Consultor Sabri em Tecnologia de Aplicação ADVERTÊNCIA Todas as opiniões e recomendações presentes neste material são

Leia mais

Indicações Registradas

Indicações Registradas Marca Comercial Titular do Registro Nº Registro MAPA Topik 240 EC SYNGENTA PROTEÇÃO DE CULTIVOS LTDA. - 1506.744.463/0001-90 Classe Herbicida Ingrediente Ativo (I.A.) Clodinafope-Propargil Nome Químico

Leia mais

PLANTADOR DE BATATAS SEMI-MONTADO 4 CARREIRAS SK-4

PLANTADOR DE BATATAS SEMI-MONTADO 4 CARREIRAS SK-4 PLANTADOR DE BATATAS SEMIMONTADO 4 CARREIRAS SK4 Plantador de batatas semimontado, destinado à plantação de tubérculos e sementes de batata em corredores de 70,75, 90 cm, e em simultâneo faz a desinfeção

Leia mais

4º DIA DE CAMPO SODEPAC Tratos Culturais para Qualidade da Sementeira. Fazenda Quizenga

4º DIA DE CAMPO SODEPAC Tratos Culturais para Qualidade da Sementeira. Fazenda Quizenga 4º DIA DE CAMPO SODEPAC Tratos Culturais para Qualidade da Sementeira Fazenda Quizenga Sistematização da área Conservam a cobertura vegetal do solo É essencial para correcções de áreas íngremes Conservar

Leia mais

OS MÉTODOS DE IRRIGAÇÃO

OS MÉTODOS DE IRRIGAÇÃO OS MÉTODOS DE IRRIGAÇÃO ASPERSÃO Convencionais Mecanizados MICROIRRIGAÇÃO Gotejamento Microaspersão SUPERFÍCIE Sulcos Faixas Inundação QUAL O MELHOR SISTEMA DE IRRIGAÇÃO? Não existe um único sistema de

Leia mais

300 a 500 Cana-deaçúcar Diatraea saccharalis Broca-da-cana 100 a 150-300. - 50 Maçã. da-folha

300 a 500 Cana-deaçúcar Diatraea saccharalis Broca-da-cana 100 a 150-300. - 50 Maçã. da-folha COMPOSIÇÃO: Novalurom 100 g/l CLASSE: Inseticida GRUPO QUÍMICO: Benzoilureia TIPO DE FORMULAÇÃO: Concentrado Emulsionável (EC) CLASSIFICAÇÃO TOXICOLÓGICA I - EXTREMAMENTE TÓXICO INSTRUÇÕES DE USO: O RIMON

Leia mais

GLADIADOR Melhor relação peso/potência da categoria

GLADIADOR Melhor relação peso/potência da categoria GLADIADOR 2300 Melhor relação peso/potência da categoria Catálogo virtual Português Ago/2016 GLADIADOR 2300 O pulverizador autopropelido Gladiador 2300 apresenta grande autonomia de trabalho, possibilitando

Leia mais

Manejo da lavoura para altas produtividades com base na agricultura de precisão. Telmo Amado

Manejo da lavoura para altas produtividades com base na agricultura de precisão. Telmo Amado Manejo da lavoura para altas produtividades com base na agricultura de precisão Telmo Amado Situação atual. Eficiência de Uso < 50% N e K, e < 30% de P Eficiência do uso da água Potencial genético subutilizado

Leia mais

FORD C-MAX + FORD GRAND C-MAX CMAX_Main_Cover_2014_V3.indd 1-3 23/08/2013 10:01:48

FORD C-MAX + FORD GRAND C-MAX CMAX_Main_Cover_2014_V3.indd 1-3 23/08/2013 10:01:48 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 12,999,976 km 9,136,765 km 1,276,765 km 499,892 km 245,066 km 112,907 km 36,765 km 24,159 km 7899 km 2408 km 76 km 12 14 16 9 10 1 8 12 7 3 1 6 2 5 4 3 11 18 20 21 22 23 24 26 28 30

Leia mais

FATORES DE FORMAÇÃO DO SOLO

FATORES DE FORMAÇÃO DO SOLO FATORES DE FORMAÇÃO DO SOLO DEFINIÇÕES DE SOLO Geólogo: Camada de materiais inconsolidados Engenheiro de Minas: material solto sobre o minério que precisa ser removido Engenheiro Civil: matéria-prima para

Leia mais

Processo, Consumíveis, Técnicas e Parâmetros, Defeitos e Causas

Processo, Consumíveis, Técnicas e Parâmetros, Defeitos e Causas INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE SANTA CATARINA Processo, Consumíveis, Técnicas e Parâmetros, Defeitos e Causas Professor: Anderson Luís Garcia Correia Unidade Curricular de Processos

Leia mais

MANEJO DA IRRIGAÇÃO DOS CITROS PARA

MANEJO DA IRRIGAÇÃO DOS CITROS PARA MANEJO DA IRRIGAÇÃO DOS CITROS PARA PRODUÇÃO DE MUDAS Engº Agrº, Dr. Flávio Bussmeyer Arruda PqC Instituto Agronômico, IAC V Simpósio de Citricultura Irrigada Bebedouro, SP 3 a 4 de outubro de 2007 Colaboradores:

Leia mais

Engenharia Química e do Meio Ambiente

Engenharia Química e do Meio Ambiente Engenharia Química e do Meio Ambiente TCC em Re-vista 2010 59 SILVA, Marcelo Henrique da 10. Modelagem e simulação do escoamento em ciclone pelo uso da mecânica dos fluidos computacional. 2010. 56 f.

Leia mais

Este documento contém 7 páginas e só pode ser reproduzido com autorização formal prévia do IBEC. Docto. n. DMT015 Rev. 3.

Este documento contém 7 páginas e só pode ser reproduzido com autorização formal prévia do IBEC. Docto. n. DMT015 Rev. 3. LABORATÓRIO CLIMÁTICO Doc Path: Z:\Qualidade\6 - Registros SQ\Rg012_Documentos\DMT - Doctos treinamento\dmt015 - Apresentação Lab Climatico\DMT015r3-0_Apresentacao_CLIM (TCL001).doc Este documento contém

Leia mais

Aula 10 - Laminação. Para ter acesso a esse material acesse:

Aula 10 - Laminação. Para ter acesso a esse material acesse: Aula 10 - Laminação Para ter acesso a esse material acesse: http://professores.chapeco.ifsc.edu.br/keli Classificação Processos de Fabricação Processos de Fabricação Com remoção de cavaco Sem remoção de

Leia mais

Controle! 23/09/2016. Métodos de Aplicação de Agrotóxicos. Agrupar Via sólida Via líquida Via gasosa

Controle! 23/09/2016. Métodos de Aplicação de Agrotóxicos. Agrupar Via sólida Via líquida Via gasosa UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA Campus de Jaboticabal Depto. Fitossanidade V Semana Acadêmica das Ciências Agrárias Minicurso: Tecnologia de Aplicação de Produtos Fitossanitários Classificação de Métodos

Leia mais

Fatores que influenciam na perda de peso em uma câmara de resfriamento de carcaça.

Fatores que influenciam na perda de peso em uma câmara de resfriamento de carcaça. Fatores que influenciam na perda de peso em uma câmara de resfriamento de carcaça. A perda de peso ou perda de umidade em uma carcaça dentro de uma câmara de resfriamento ocorre por duas situações: 1.

Leia mais

PHENOTAN M Madeira Compensada

PHENOTAN M Madeira Compensada PHENTAN M Madeira Compensada PHENTAN M é uma resina modificada quimicamente, de origem vegetal, destinada à colagem de madeira compensada, especialmente aquelas que exigem resistência à água. CNSTITUIÇÃ

Leia mais

Valores Corporativos DuPont

Valores Corporativos DuPont Visão DuPont Ser a Companhia científica mais dinâmica do mundo, criando soluções sustentáveis, melhores, mais seguras, mais saudáveis para as pessoas em qualquer lugar Valores Corporativos DuPont Segurança

Leia mais

USO DE PRODUTOS ADJUVANTES EM APLICAÇÕES AÉREAS E TERRESTRES DE INSETICIDAS NO CONTROLE DO BICUDO DO ALGODOEIRO 1

USO DE PRODUTOS ADJUVANTES EM APLICAÇÕES AÉREAS E TERRESTRES DE INSETICIDAS NO CONTROLE DO BICUDO DO ALGODOEIRO 1 USO DE PRODUTOS ADJUVANTES EM APLICAÇÕES AÉREAS E TERRESTRES DE INSETICIDAS NO CONTROLE DO BICUDO DO ALGODOEIRO 1 José Ednilson Miranda (Embrapa Algodão / miranda@cnpa.embrapa.br), Paulo Cesar Bettini

Leia mais

6 Práticas Culturais

6 Práticas Culturais CULTURA DO ARROZ 6 Práticas Culturais A produção de arroz no Brasil é feita em dois grandes sistemas: - Terras altas - Várzeas Incluindo diversas modalidades de cultivo. Cultivo irrigado com irrigação

Leia mais

Manejo de pragas da cana-de-açúcar ao longo do ciclo de produção

Manejo de pragas da cana-de-açúcar ao longo do ciclo de produção Manejo de pragas da cana-de-açúcar ao longo do ciclo de produção Eng. Agr. Jesus Carmo Desenvolvimento Tecnico de Mercado Cana-de-Açúcar Syngenta jesus.carmo@syngenta.com O atual cenário Os desafios no

Leia mais

CONFORTO AMBIENTAL Nosso papel na sustentabilidade

CONFORTO AMBIENTAL Nosso papel na sustentabilidade CONFORTO AMBIENTAL Nosso papel na sustentabilidade Parte 1 - Conforto higrotérmico dirigido à concepção arquitetônica (continuação) Arq. Cláudia Barroso-Krause, D.Sc. DTC PROARQ FAU/UFRJ Roteiro O conforto,

Leia mais

PRODUÇÃO DIÁRIA DOS PULVERIZADORES DE BARRAS

PRODUÇÃO DIÁRIA DOS PULVERIZADORES DE BARRAS PRODUÇÃO DIÁRIA DOS PULVERIZADORES DE BARRAS Versão em Português - MP-00 MÁQUINAS AGRÍCOLAS JACTO S.A. Rua Dr. Luiz Miranda, 170-000 - Pompéia - SP - Brasil Tel.: (0XX1) -111 - Fax: (0XX1) -191 E-mail:

Leia mais

Fontes de energia - Usinas PROF.: JAQUELINE PIRES

Fontes de energia - Usinas PROF.: JAQUELINE PIRES Fontes de energia - Usinas PROF.: JAQUELINE PIRES Usinas termoelétricas ( U = 0) Convertem energia térmica em energia elétrica Vantagens de uma usina termoelétrica A curto prazo, pode fornecer energia

Leia mais

IMPLANTAÇÃO DE PERFURATRIZ HIDRÁULICA NO ALTO FORNO 2 DA CST-ARCELOR BRASIL

IMPLANTAÇÃO DE PERFURATRIZ HIDRÁULICA NO ALTO FORNO 2 DA CST-ARCELOR BRASIL IMPLANTAÇÃO DE PERFURATRIZ HIDRÁULICA NO ALTO FORNO 2 DA CST-ARCELOR BRASIL Leonardo da Cunha Andrade (1) Márcio Azevedo de Oliveira (2) Paulo Roberto M. Junior (3) Diego Rodrigues Freire (4) Célio Geraldo

Leia mais

BOAS PRÁTICAS DE APLICAÇÃO DE PRODUTOS FITOSSANiTÁRIOS. E A PROTEçÃO DOS RECURSOS HÍDRICOS, DA FLORA E DA FAUNA

BOAS PRÁTICAS DE APLICAÇÃO DE PRODUTOS FITOSSANiTÁRIOS. E A PROTEçÃO DOS RECURSOS HÍDRICOS, DA FLORA E DA FAUNA BOAS PRÁTICAS DE APLICAÇÃO DE PRODUTOS FITOSSANiTÁRIOS E A PROTEçÃO DOS RECURSOS HÍDRICOS, DA FLORA E DA FAUNA BOAS PRÁTICAS DE APLICAÇÃO DE PRODUTOS FITOSSANITÁRIOS E A PROTEçÃO DOS RECURSOS HÍDRICOS,

Leia mais

UNIPORT 3000 NPK. Rua Dr. Luiz Miranda, Pompeia - SP - Tel. (14) Fax. (14)

UNIPORT 3000 NPK. Rua Dr. Luiz Miranda, Pompeia - SP - Tel. (14) Fax. (14) Rua Dr. Luiz Miranda, 1650-17580-000 - Pompeia - SP - Tel. (14) 3405 2100 - Fax. (14) 3452 1916 - E-mail: vendas@jacto.com.br PROTEJA O MEIO AMBIENTE. AO INUTILIZAR ESTE FOLHETO, NÃO JOGUE EM VIAS PÚBLICAS.

Leia mais

Diretrizes de Projeto de Revestimento de Fachadas com Argamassa

Diretrizes de Projeto de Revestimento de Fachadas com Argamassa Diretrizes de Projeto de Revestimento de Fachadas com Argamassa 6. Procedimento de Execução Elaboração Estruturas de Concreto e Revestimentos de Argamassa 92 Instruções para a contratação de mão-de-obra

Leia mais

Nesta aula. Fundamentos de Dinâmica Veicular Aula 02 Características dos Pneus

Nesta aula. Fundamentos de Dinâmica Veicular Aula 02 Características dos Pneus Fundamentos de Dinâmica Veicular Aula 02 Características dos Pneus Realização: Parceria: Nesta aula Construção Designação Mecanismo da geração de força Propriedades trativas Fórmula de Pacejka Construção

Leia mais

IX WORKSHOP GTAC TECNOLOGIA E SUSTENTABILIDADE PARA A CITRICULTURA BEBEDOURO, 10 DE MAIO DE 2012

IX WORKSHOP GTAC TECNOLOGIA E SUSTENTABILIDADE PARA A CITRICULTURA BEBEDOURO, 10 DE MAIO DE 2012 IX WORKSHOP GTAC TECNOLOGIA E SUSTENTABILIDADE PARA A CITRICULTURA BEBEDOURO, 10 DE MAIO DE 2012 ANTONIO DE GOES Departamento de Fitossanidade UNESP Universidade Estadual Paulista JABOTICABAL - SP IX WORKSHOP

Leia mais

Treinamento. Arbus 400 Golden

Treinamento. Arbus 400 Golden Arbus 400 Golden Treinamento Arbus 400 Golden Prof. Brandão - Operação - Manutenção - Regulagem da pulverização Arbus 400 Golden Arbus 400 Maçã 33 Apresentação da máquina Tanque de Defensivos Aplicação

Leia mais

10º ANO FÍSICA - Módulo Inicial Situação energética Mundial e degradação de energia

10º ANO FÍSICA - Módulo Inicial Situação energética Mundial e degradação de energia 10º ANO FÍSICA - Módulo Inicial Situação energética Mundial e degradação de energia PROBLEMAS ENERGÉTICOS DA ACTUALIDADE O avanço científico e tecnológico da nossa sociedade provocou o aumento acelerado

Leia mais

MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO. GABINETE DO MINISTRO INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 2, DE 29 DE JANEIRO DE 2007.

MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO. GABINETE DO MINISTRO INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 2, DE 29 DE JANEIRO DE 2007. MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO. GABINETE DO MINISTRO INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 2, DE 29 DE JANEIRO DE 2007. O MINISTRO DE ESTADO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO, no uso da atribuição

Leia mais

O papel estratégico dos solos arenosos para o futuro da agropecuária brasileira

O papel estratégico dos solos arenosos para o futuro da agropecuária brasileira O papel estratégico dos solos arenosos para o futuro da agropecuária brasileira Prof. Dr. José Marques Júnior Diretor do Núcleo de SP Papel estratégico do Solo para o Futuro do Brasil Como Promover a conversão

Leia mais

Hyundai celebra a abertura da Primeira Linha Mundial de Produção em Série de veículos com Pilha de Combustível a Hidrogénio (Fuel Cell) Emissões Zero

Hyundai celebra a abertura da Primeira Linha Mundial de Produção em Série de veículos com Pilha de Combustível a Hidrogénio (Fuel Cell) Emissões Zero Hyundai celebra a abertura da Primeira Linha Mundial de Produção em Série de veículos com Pilha de Combustível a Hidrogénio (Fuel Cell) Emissões Zero A Hyundai produz o primeiro ix35 com pilha de combustível

Leia mais

ET90. Potência e eficácia: ET90

ET90. Potência e eficácia: ET90 ET90 Escavadoras de Esteiras de Projeção Convencional Potência e eficácia: ET90 O consumo de combustível do ET90 é de até 30% menos do que os modelos comparáveis - o que reduz significativamente os custos

Leia mais

BOMBAS. Bombas CLASSIFICAÇÃO BOMBAS ALTERNATIVAS APLICAÇÕES 06/04/2011 BOMBAS DE DESLOCAMENTO POSITIVO

BOMBAS. Bombas CLASSIFICAÇÃO BOMBAS ALTERNATIVAS APLICAÇÕES 06/04/2011 BOMBAS DE DESLOCAMENTO POSITIVO BOMBAS Bombas Para deslocar um fluido ou mantê-lo em escoamento é necessário adicionarmos energia, o equipamento capaz de fornecer essa energia ao escoamento do fluido é denominamos de Bomba. CLASSIFICAÇÃO

Leia mais

Preparação de Amostras para MET em Ciência dos Materiais

Preparação de Amostras para MET em Ciência dos Materiais Preparação de Amostras para MET em Ciência dos Materiais I Escola de Microscopia Eletrônica de Transmissão do CBPF/LABNANO Junho/2008 Ana Luiza Rocha Sumário 1. Condições de uma amostra adequada para MET

Leia mais

1. conhecimento. O processo de secagem é necessário como pré-tratamento de outros processos. Bloco desidratado (teor de água: 80%)

1. conhecimento. O processo de secagem é necessário como pré-tratamento de outros processos. Bloco desidratado (teor de água: 80%) 1. conhecimento O processo de secagem é necessário como pré-tratamento de outros processos Lodos concentrados (teor de água> 95%) Desidratação física Bloco desidratado (teor de água: 80%) Processo de secagem

Leia mais

CONTROLE DA QUALIDADE NO FIO

CONTROLE DA QUALIDADE NO FIO CONTROLE DA QUALIDADE NO FIO Principais controles no fio: Título, Torção, Regularidade, Resistência e alongamento, Defeitos pouco freqüentes, Aparência, Atrito. Título do fio tex peso em gramas para 1000

Leia mais

Qualidade em Instalações de Aquecimento Solar. Boas práticas.

Qualidade em Instalações de Aquecimento Solar. Boas práticas. Qualidade em Instalações de Aquecimento Solar Boas práticas O sistema de aquecimento solar e seus componentes O que é sistema de aquecimento solar (SAS) A ABNT (Associação Brasileira de Normas Técnicas)

Leia mais

GUIA DE SOLUÇÕES PARA SOLDAGEM COM ELETRODOS REVESTIDOS

GUIA DE SOLUÇÕES PARA SOLDAGEM COM ELETRODOS REVESTIDOS www.gerdau.com.br GUIA DE SOLUÇÕES PARA SOLDAGEM COM ELETRODOS REVESTIDOS VENDAS SÃO PAULO Tel. (11) 3094-6500 Fax (11) 3094-6303 e-mail: atendimentogerdau.sp@gerdau.com.br NORTE / NORDESTE Pernambuco

Leia mais

Forno-fornalha para queima dos gases da carbonização

Forno-fornalha para queima dos gases da carbonização Forno-fornalha para queima dos gases da carbonização Prof.ª Angélica de Cássia Oliveira Carneiro DEF UFV Setembro 2011 Visando atender a demanda dos pequenos produtores por tecnologias mais eficientes,

Leia mais

Produção de Folhosas sem desperdício de água. Palestra 2 Tecnologia de Cultivo e Gotejamento. Regina Célia de Matos Pires -

Produção de Folhosas sem desperdício de água. Palestra 2 Tecnologia de Cultivo e Gotejamento. Regina Célia de Matos Pires - Produção de Folhosas sem desperdício de água Palestra 2 Tecnologia de Cultivo e Gotejamento Regina Célia de Matos Pires - IAC Campinas, 10 agosto de 2016 Economia de água - importância População mundial

Leia mais

Nova tecnologia em fresamento Soluções em Fresamento

Nova tecnologia em fresamento Soluções em Fresamento Fresamento Dupla face, Inserto de 6 arestas, cabeçote 90 com baixo esforço de corte Nova tecnologia em fresamento Soluções em Fresamento 6 vantagens competitivas para alta eficiência em fresamento Maior

Leia mais

ISSN:

ISSN: 11 ISSN: 2316-4093 Comparação de pulverização de baixa (60 L ha -1 ) com alta vazão (170 L ha -1 ) em pulverização de barras Marciane Braun 1, Tania Claudia Pintro 1, Vanderlei Artur Bier 1, Marcio Furlan

Leia mais

AVALIAÇÃO DA QUALIDADE E EFICÁCIA DE PULVERIZAÇÃO

AVALIAÇÃO DA QUALIDADE E EFICÁCIA DE PULVERIZAÇÃO AVALIAÇÃO DA QUALIDADE E EFICÁCIA DE PULVERIZAÇÃO DE UM HERBICIDA SISTÊMICO COM USO DE SOFTWARE PARA ANÁLISE DE CARTÕES HIDROSSENSÍVEIS Luiz Cláudio Garcia Email: lgarcia@uepg.br Vínculo: Acadêmico de

Leia mais

HÉRCULES e Precisão e alto rendimento na distribuição de corretivos e fertilizantes

HÉRCULES e Precisão e alto rendimento na distribuição de corretivos e fertilizantes HÉRCULES 10000 e 24000 Precisão e alto rendimento na distribuição de corretivos e fertilizantes Catálogo virtual Português Mar/2016 HÉRCULES DE ARRASTO Os Hércules de arrasto são ideais para a distribuição

Leia mais

Características do fuso de esferas

Características do fuso de esferas Torque de acionamento de um terço do parafuso deslizante Com o fuso de esferas, esferas rolam entre o eixo parafuso e a castanha para alcançar uma alta eficiência. O torque de acionamento necessário é

Leia mais

ALTA PERFORMANCE PARA MELHOR DESENVOLVIMENTO DE SUAS PLANTAS! FILME PLÁSTICO FOTOSSELETIVO

ALTA PERFORMANCE PARA MELHOR DESENVOLVIMENTO DE SUAS PLANTAS! FILME PLÁSTICO FOTOSSELETIVO ALTA PERFORMANCE PARA MELHOR DESENVOLVIMENTO DE SUAS PLANTAS! FILME PLÁSTICO FOTOSSELETIVO PRINCIPAIS BENEFÍCIOS O SUNCOVER AV BLUE é um filme de polietileno com tecnologia avançada fabricado em multicamadas

Leia mais

PROGRAMA DE COOPERACIÓN TERRITORIAL DEL ESPACIO SUDOESTE EUROPEO

PROGRAMA DE COOPERACIÓN TERRITORIAL DEL ESPACIO SUDOESTE EUROPEO WINETech - SOE1/P1/E071 PROGRAMA DE COOPERACIÓN TERRITORIAL DEL ESPACIO SUDOESTE EUROPEO 2007-2013 MATRIZ CRUZADA DE OPORTUNIDADES DE COLABORAÇÃO CIENTÍFICO-TECNOLÓGICA (09/06/2011) Entregável E.5.1. 1.

Leia mais

Bateria Estacionária Bosch Eficiência e tecnologia em armazenagem de energia.

Bateria Estacionária Bosch Eficiência e tecnologia em armazenagem de energia. Bateria Estacionária Bosch Eficiência e tecnologia em armazenagem de energia. Baterias estacionárias Bosch As baterias estacionárias Bosch foram desenvolvidas para garantir o máximo desempenho e durabilidade

Leia mais

Discos CS e Rodas Laminadas CS Scotch-Brite Industrial

Discos CS e Rodas Laminadas CS Scotch-Brite Industrial 3 Discos CS e Rodas Laminadas CS Scotch-Brite Industrial Dados Técnicos Fevereiro/2004 Substitui: janeiro/2002 Página 1 de 6 Introdução: Os Discos CS e Rodas Laminadas CS (Clean N Strip) são originários

Leia mais

Oroplus FILMES PLASTICOS PARA COBERTURA DE VIDEIRAS

Oroplus FILMES PLASTICOS PARA COBERTURA DE VIDEIRAS Oroplus FILMES PLASTICOS PARA COBERTURA DE VIDEIRAS Oroplus Resistência Mecânica Proteção contra chuva e granizo Alta transmissão de luz Resistência aos raios ultravioletas Difusão de luz: Fotoseletividade:

Leia mais

MCA Logística Internacional Your Logistics Provider

MCA Logística Internacional Your Logistics Provider Anytime...Anywhere... Dry 20' 6.058 2.438 2.591 5.919 2.340 2.380 2.286 2.278 33 Pesos (kg) 24.000 2.800 21.920 Carga geral não perecível de alta relação peso/volume. Flat Rack 20' 6.058 2.438 2.591 5.702

Leia mais

UM PULVERIZADOR BEM REGULADO E CALIBRADO É A CERTEZA DE UMA APLICAÇÃO EFICIENTE E SEGURA!!

UM PULVERIZADOR BEM REGULADO E CALIBRADO É A CERTEZA DE UMA APLICAÇÃO EFICIENTE E SEGURA!! DE PULVERIZADORES AGRÍCOLAS Este material faz parte da apostila do Curso de Tecnologia de Aplicação da Comam Ltda Carlos Alberto Magalhães Cordeiro Paulo Otavio Coutinho Fabiano de Matino Motta Engs Agrônomos

Leia mais

TM-182 REFRIGERAÇÃO E CLIMATIZAÇÃO

TM-182 REFRIGERAÇÃO E CLIMATIZAÇÃO Universidade Federal do Paraná Setor de Tecnologia Departamento de Engenharia Mecânica TM-182 REFRIGERAÇÃO E CLIMATIZAÇÃO Prof. Dr. Rudmar Serafim Matos A distribuição de ar aos diversos ambientes a serem

Leia mais

APLICAÇÃO AÉREA E TERRESTRE: VANTAGENS E LIMITAÇÕES COMPARATIVAS.

APLICAÇÃO AÉREA E TERRESTRE: VANTAGENS E LIMITAÇÕES COMPARATIVAS. 1 APLICAÇÃO AÉREA E TERRESTRE: VANTAGENS E LIMITAÇÕES COMPARATIVAS. Introdução: José Maria F. dos Santos Eng.º Agr.º Pesq. Científico, Instituto Biológico, São Paulo-SP santosjmf@biologico.sp.gov.br O

Leia mais

Eficiência nas Moendas de Cana

Eficiência nas Moendas de Cana 10 14 / 08 / 2015 paulo@delfini.com.br + 55 19 98166-7000 Conceito de eficiência Capacidade de moagem Extração de açúcar Consumo específico de energia Custo operacional por tonelada processada Custo de

Leia mais

AULA 1 EROSÃO HÍDRICA E EÓLICA PARTE 2. Profᵃ. Drᵃ. Carolina Riviera Duarte Maluche Barettta carolmaluche@unochapeco.edu.br

AULA 1 EROSÃO HÍDRICA E EÓLICA PARTE 2. Profᵃ. Drᵃ. Carolina Riviera Duarte Maluche Barettta carolmaluche@unochapeco.edu.br AULA 1 EROSÃO HÍDRICA E EÓLICA PARTE 2 Profᵃ. Drᵃ. Carolina Riviera Duarte Maluche Barettta carolmaluche@unochapeco.edu.br EROSÃO HÍDRICA E EÓLICA EROSÃO HÍDRICA FATOR TOPOGRAFIA O relevo do solo exerce

Leia mais

PROGRAMA CAS CERTIFICAÇÃO AEROAGRÍCOLA SUSTENTÁVEL

PROGRAMA CAS CERTIFICAÇÃO AEROAGRÍCOLA SUSTENTÁVEL PROGRAMA CAS CERTIFICAÇÃO AEROAGRÍCOLA SUSTENTÁVEL Ulisses Rocha Antuniassi FCA/UNESP - Botucatu/SP ulisses@fca.unesp.br www.cas-online.org.br Equipe: Prof. Dr. Ulisses R. Antuniassi FCA/UNESP - Botucatu/SP

Leia mais