14. CULTIVO MECÂNICO. Cultivo é o conjunto de operações após a instalação e durante o desenvolvimento da cultura. Podem ser:

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "14. CULTIVO MECÂNICO. Cultivo é o conjunto de operações após a instalação e durante o desenvolvimento da cultura. Podem ser:"

Transcrição

1 CULTIVO MECÂNICO Cultivo é o conjunto de operações após a instalação e durante o desenvolvimento da cultura. Podem ser: Mecânicos; Químicos; Chamas. Os cultivadores mecânicos são usados para uma movimentação superficial do solo com a finalidade de: Escarificar restos culturais; Misturar fertilizantes e corretivos com o solo; Controle de plantas daninhas; Etc. Os cultivadores mecânicos visam substituir o trabalho braçal na realização da capina, possibilitando a execução dessas operações com menor esforço físico do homem e aumentando o rendimento. (tração animal = 8 pessoas para o cultivo manual) (tração mecânica = 80 pessoas para cultivo manual) Tipos de Cultivadores Mecânicos Tração animal

2 18 Partes principais: 1- Chassi; - Roda de apoio; 3- Haste; 4- Enxada; 5- Rabiças. Tração mecânica Partes principais: 1- Chassi; - Barra porta ferramentas; 3- Haste; 4- Enxada Tipos de Enxadas As enxadas existentes possuem vários formatos em função da finalidade para qual são utilizadas. Abaixo são indicadas alguns dos principais tipos de enxadas existentes: Escarificadora: Usadas para romper a camada superficial do solo e controle de plantas daninhas (cinzel e ponta de lança). Estirpadora: Usadas no controle de plantas daninhas (asa de andorinha e bico de pato). Sulcadora: Usadas para abrir sulcos de irrigação ou plantio (enxada sulcadora). Removedora: Usadas para movimentar o solo em direção ao pé da planta (enxada meia asa).

3 19 Enxada bico de pato Enxada asa de andorinha e cinzel Tipos de Hastes As hastes, onde são presas as enxadas nos cultivadores podem ser: Rígidas Flexíveis Vantagens: transposição de obstáculos; Desvantagem: desuniformidade na profundidade de corte. Tipos de hastes

4 APLICAÇÃO DE DEFENSIVOS AGRÍCOLAS A aplicação de defensivos tem como objetivo o controle econômico de insetos, doenças e plantas daninhas. Esse controle é feito por meio da distribuição uniforme e exata do produto Tipos de Aplicadores de Defensivos Pulverizadores São equipamentos que fragmentam o líquido em gotas com diâmetro maiores que 150 microns (1 μm = 0,001 mm). Esta fragmentação é feita por meio da ação da pressão hidráulica proveniente de uma bomba hidráulica. Os pulverizadores podem ser: Pulverizador costal manual Recomendados para pequenas áreas e são constituídos por um pequeno depósito e uma bomba de pistão acionada pelo operador por meio de uma alavanca. Pode ser usado em uso doméstico para aplicação de inseticidas em plantas e animais. Pulverizador costal manual Pulverizador de tração animal Assim como os pulverizadores manuais, os pulverizadores de tração animal são recomendados para pequenas áreas com a vantagem de diminuição do esforço físico do homem além do maior rendimento.

5 131 Pulverizador de tração animal Pulverizador tratorizado de barras São usados em grandes áreas e são os tipos mais comuns na agricultura moderna. Pulverizador tratorizado de barras Constituição básica:

6 13 Pulverizador aéreo Os pulverizadores aéreos somam quase um quarto da pulverização de lavouras de grãos (soja, algodão, milho, arroz, feijão e trigo), além de cana de açúcar e laranja, é feita por aviões no Brasil. O país tem a segunda maior frota de aeronaves agrícolas do mundo, 1,9 mil unidades, ficando atrás apenas dos Estados Unidos, que têm cerca de cinco mil aeronaves. Vantagens proporcionadas pelas aeronaves agrícolas: Rapidez ou rendimento da aplicação; Não amassamento das culturas (perdas); Dificulta a disseminação de pragas e doenças de uma parte à outra da lavoura, pois o avião não entra em nenhuma hora em contato com a cultura. OBS: Um avião médio, tipo IPANEMA, operando com sua carga operacional de 500 litros (carga máxima operacional total de 700 litros) pulverizando um volume de 15 litros/hectare (BVO) ou 50 litros/hectare (citros), poderá apresentar um rendimento aproximado de 100 ha e 50 ha por hora respectivamente. Pulverizador aéreo agrícola Atomizadores São considerados atomizadores os aplicadores de defensivos que promovem uma fragmentação do líquido em gotas com diâmetro entre 50 a 150 microns. Os principais atomizadores são:

7 133 Atomizador do tipo canhão São usados geralmente em culturas anuais, permitindo a aplicação de defensivo numa faixa de 30 a 40 metros de largura. Seu uso não é indicado em condições de vento (deriva das gotas), baixa umidade do ar, dentre outros. Atomizador do tipo canhão Atomizador do tipo cortina de ar São alternativas viáveis para a aplicação de defensivos em culturas perenes. Utilizam dispositivos que fragmentam o líquido em gotas do tipo bicos pneumáticos, distribuídos ao longo de um conduto em forma de arco, e um ventilador axial. Atomizador do tipo cortina de ar

8 Bicos Hidráulicos São dispositivos usados nos pulverizadores para subdivisão do líquido em gotas Partes constituintes Tipos mais comuns de pontas de pulverização Bicos jato plano (tipo leque) As gotas são distribuídas num único plano. Usado em superfícies planas. Pressão de pulverização de 4 bar. Usados principalmente na aplicação de herbicidas. Bico jato plano Cone vazio (oco) São usados em alvos tridimensionais para inseticidas, fungicidas e dessecantes. Pressão de 8 bar. Cone cheio São usados em plantas para herbicidas sistêmicos. Pressão de 1 3 bar.

9 135 Cone cheio Cone vazio Espuma (ou borbulhante com injeção de ar) Gotas maiores com bolhas de ar, menor deriva, aplicado diretamente na planta para herbicidas sistêmicos. Pressão de pulverização 4 bar. Bico com aspirador de ar Gotas grossas com bolhas de ar Defletor (ou de impacto) Maior ângulo de abertura do jato, mesmo a pequenas distâncias, consegue se uma boa cobertura para herbicidas sistêmicos. Pressão de trabalho 0,7 3 bar. Bico defletor

10 Classificação dos bicos Identificação pelas cores Vazão Pressão Cor Laranja Verde Amarelo Azul Vermelho Marrom Cinza Branco L min -1 3 bar 0,0 0,60 0,80 1,0 1,60,00,50 3,10 Gal min psi 0,10 0,15 0,0 0,30 0,40 0,50 0,60 0,80 Identificação no bico (1 galão = 3,785 l) (1 lbf/pol² = 1 psi) (1 psi = 0,0689 bar) Calibração dos Aplicadores de Defensivos Volume de pulverização (Q) Quantidade de mistura ou calda (água + produto) expressa geralmente em (litros/hectare). Depende: Tipo de equipamento; Tipo de produto químico; Estágio de desenvolvimento da cultura; Formulação do produto químico; Condições climáticas. q 600 Q v f

11 137 onde: Q = volume de pulverização (l/ha) q = vazão por bico ou do total de bicos (l/min) v = velocidade de trabalho (km/h) f = faixa de pulverização por bico ou do total de bicos (m) Ct D Pr Q onde: Pr = quantidade de produto químico por tanque (kg ou l) Ct = capacidade do tanque (l) D = dosagem do defensivo (kg/ha ou l/ha) Q = volume de pulverização (l/ha) Faixa de pulverização (f) Largura de faixa tratada por bico a cada passada do pulverizador medida no solo. Pulverizador costal: A faixa de pulverização por bico é igual aos espaçamentos entre duas passadas sucessivas em metros. Para o caso de culturas anuais, a faixa de pulverização é igual a largura tratada pelo bico. No caso de culturas perenes, a faixa de pulverização é igual à metade do espaço entre as linhas da cultura em metros. Pulverizador de barras: A faixa de pulverização por bico é igual a distância entre os bicos montados na barra do pulverizador Métodos práticos para calibração dos aplicadores de defensivos Pulverizador costal manual Marque uma área de 100 m² (quadrado de 10 x 10 m);

12 138 Encha o tanque e pulverize a área; O operador deverá manter um ritmo constante de bombeamento e de deslocamento (marcha); Complete o tanque e meça o volume gasto em litros. Para medidas precisas o pulverizador deve estar na mesma posição antes e depois de operação; Calcule o volume de pulverização em litros/ha. v( l) ( m Q( l / ha) Área( m ) / ha) onde: v = volume gasto em litros; Q = volume de pulverização em litros por hectare. OBS: Caso o volume encontrado não seja o desejado, substitua o bico por um de maior ou menor vazão, ou altere o ritmo de bombeamento e marcha Pulverizador de barras Marque um percurso de 30 a 50 metros no terreno a ser tratado; Escolha a marcha de trabalho, a velocidade deverá ser de 4 a 6 km/h; Ligue a tomada de força; Acelere o motor até a rotação correspondente a 540 rpm na tomada de força; Inicie o movimento do trator no mínimo 5 metros antes do ponto marcado; Anote o tempo que o trator gasta para percorrer o percurso;

13 139 Em terrenos de topografia irregular, repita a operação várias vezes e tire a média; Com o trator parado na aceleração utilizada para percorrer o percurso, abra os bicos e regule a pressão de acordo com a recomendada para os diferentes tipos de bicos; Colete o volume do bico no tempo igual ao gasto para percorrer o percurso; Repita essa operação em diversos bicos para obter uma média do volume; Calcule o volume aplicado, utilizando a fórmula: q 600 Q v f Área f 30 ou 50m logo, tem-se: volume coletado f x 30 ou 50 m Q m² Correções necessárias Volume de aplicação abaixo do desejado Aumente a pressão nos bicos; Diminua a velocidade de deslocamento; Troque os bicos por bicos de maior vazão.

14 140 Volume de aplicação acima do desejado Diminua a pressão nos bicos; Aumente a velocidade de deslocamento; Troque os bicos por bicos de menor vazão. Etapas: Seleção de pontas de pulverização a. Definir o tamanho da gota Produto; Condições climáticas; Alvo. b. Definir a vazão da ponta q600 QV f Q q V f 600 c. Consultar tabelas e escolher a ponta V1 P 1 d. Corrigir a pressão, se necessário V P onde: V 1 = vazão desejada (L min -1 ); P 1 = pressão de trabalho desejada (bar); V = vazão verificada na tabela (L min -1 ); P = pressão de trabalho verificada na tabela (bar). OBS: O aumento da pressão de trabalho não deve fazer com que as gotas extrapolem a classe de tamanho já definida na etapa 1.

15 Exercícios resolvidos a) Deseja-se realizar a pulverização de 0,5 ha de uma cultura de batatas, a qual está infestada com o fungo Alternaria solani (pinta preta). Para esta operação será utilizado um pulverizador costal manual com tanque de capacidade de 15 litros e dosagem de 3,0 l/ha do fungicida sistêmico de contato Blason 480 SC. Determine o número de reabastecimentos do tanque bem como a diluição do produto necessária a cada reabastecimento sabendo que o operador aplica,5 litros em uma área de 100 m². Volume de pulverização v( l) ( m / ha), Q( l / ha) Q 50 Área( m ) 100 l ha Número de reabastecimentos 100 m então: m,5 l Vt ( l), logo, Vt l Vt 15 l Nr 8, 33 Ct 15 l reabastecimentos Quantidade de produto por tanque Ct( l) D( kg/ ha ou l / ha) 153 Pr( kg ou l) Pr 0, 18 Q( l / ha) 50 litros b) Deseja-se realizar a pulverização de 10 ha de uma cultura. Para esta operação será utilizado um pulverizador tratorizado de barra com 0 bicos de espaçamento 0,5 m entre eles, tanque de capacidade de 500 litros e dosagem de 1,0 l/ha do inseticida concentrado emulsionável Polytrin 400/40 CE (400 l/ha AV). Determine o número de reabastecimentos do tanque, a diluição do produto necessária a cada reabastecimento, largura da aplicação, área coberta no teste e vazão por bico na área do teste sabendo que o conjunto percorre 50 m em 36 segundos.

16 14 Número de reabastecimentos 1 ha 400 l 10 ha Vt ( l) logo, Vt l então: l Nr l reabastecimentos Pr Quantidade de produto por tanque Ct( l) D( kg/ ha ou l / ha) 5001 ( kg ou l) Pr 1, 5 Q( l / ha) 400 litros Largura de aplicação LA nº de bicos espaçamento LA 00,50 10 m Área coberta no teste Área LA percurso Área m 50 m X m Velocidade 36 s 1 50 logo, X 1, 39 1 s 36 Velocidade ( km/ h) velocidade( m/ s) 3,6 V 1,393,6 5 km/ h m Vazão por bico q( l / min) 600 q ,50 Q( l / ha) 400 q 1,67 l / min V ( km/ h) f ( m) 50, Seleção de pontas de pulverização Consultando tabelas de pontas encontramos a seguinte situação: Malha 50 Pressão (lbf/pol²) Vazão (L/min) 0 1, ,4 40 1, ,79

17 143 De acordo com a vazão calculada de cada bico, podemos usar essa ponta usando a pressão em torno de 40 lbf/pol². V 1 P 1 1 Corrigindo a pressão para vazão calculada: V P P 6,68 1,67 1,58 P 40 P 1 1 6,68 1,67 40 P1 1,58 P 44,69 lbf / pol 1

11. CULTIVO MECÂNICO. Cultivo é o conjunto de operações após a instalação e durante o desenvolvimento da cultura. Podem ser:

11. CULTIVO MECÂNICO. Cultivo é o conjunto de operações após a instalação e durante o desenvolvimento da cultura. Podem ser: . CULTIVO MECÂNICO Cultivo é o conjunto de operações após a instalação e durante o desenvolvimento da cultura. Podem ser: Mecânicos; Químicos; Chamas. Os cultivadores mecânicos são usados para uma movimentação

Leia mais

APLICAÇÃO DE DEFENSIVOS AGRÍCOLAS. Professor : Nailton Rodrigues de Castro Disciplina : Máquinas Agrícolas

APLICAÇÃO DE DEFENSIVOS AGRÍCOLAS. Professor : Nailton Rodrigues de Castro Disciplina : Máquinas Agrícolas APLICAÇÃO DE DEFENSIVOS AGRÍCOLAS Professor : Nailton Rodrigues de Castro Disciplina : Máquinas Agrícolas INTRODUÇÃO É a aplicação uniforme de um defensivo agrícola na forma líquida, utilizando a energia

Leia mais

Comunicado Técnico 09

Comunicado Técnico 09 Comunicado Técnico 09 ISSN 2177-854X Maio. 2011 Uberaba - MG Regulagem de Pulverizadores Agrícolas de Barras Responsável: Paulo Roberto Pala Martinelli E-mail: prpmartinelli@yahoo.com.br Engenheiro Agrônomo;

Leia mais

Experimentação com herbicidas

Experimentação com herbicidas Eperimentação com herbicidas Princípio do delineamento eperimental: Delineamento eperimental mais simples possível desde que satisfaça coerência estatística e atenda os objetivos pretendido O objetivo

Leia mais

TECNOLOGIA DE APLICAÇÃO DE AGROTÓXICOS

TECNOLOGIA DE APLICAÇÃO DE AGROTÓXICOS Definição: Ciência multidisciplinar Disciplina: Fitopatologia Agrícola TECNOLOGIA DE APLICAÇÃO DE AGROTÓXICOS Objetivos: Destinada às pesquisas de equipamentos Processos e obtenção de resultados mais eficientes

Leia mais

Mecanização da Pulverização. Eng. Agr.Jairo da Costa Moro Máquinas Agrícolas Jacto S.A

Mecanização da Pulverização. Eng. Agr.Jairo da Costa Moro Máquinas Agrícolas Jacto S.A Eng. Agr.Jairo da Costa Moro Máquinas Agrícolas Jacto S.A Mercado de defensivos Agrícolas 2014 - Brasil - O mercado brasileiro comercializou o valor total de US$12,25 bilhões em defensivos agrícolas. Fonte:

Leia mais

Seleção de Pontas de Pulverização

Seleção de Pontas de Pulverização JORNADAS DE ACTUALIZACIÓN EN TECNOLOGÍAS DE APLICACIÓN EN CULTIVOS EXTENSIVOS Seleção de Pontas de Pulverização Otavio J. G. Abi Saab Prof. Mecanização Agrícola Universidade Estadual de Londrina Estado

Leia mais

O QUE É UMA PULVERIZAÇÃO?

O QUE É UMA PULVERIZAÇÃO? TECNOLOGIA DE APLICAÇÃO DE HERBICIDAS Emprego de todos os conhecimentos científicos que proporcionem a correta colocação do produto biologicamente ativo no alvo, em quantidade necessária, de forma econômica,

Leia mais

TECNOLOGIA DE APLICAÇÃO DE HERBICIDAS

TECNOLOGIA DE APLICAÇÃO DE HERBICIDAS TECNOLOGIA DE APLICAÇÃO DE HERBICIDAS Emprego de todos os conhecimentos científicos que proporcionem a correta colocação do produto biologicamente ativo no alvo, em quantidade necessária, de forma econômica,

Leia mais

EXERCÍCIO DE FIXAÇÃO

EXERCÍCIO DE FIXAÇÃO EXERCÍCIO DE FIXAÇÃO 1. Um agricultor relata que não está tendo controle satisfatório na aplicação de um herbicida. Afirma estar aplicando conforme recomendação do fabricante do produto (x litros p.c./ha

Leia mais

10. MÁQUINAS PARA SEMEADURA E PLANTIO

10. MÁQUINAS PARA SEMEADURA E PLANTIO 10. MÁQUINAS PARA SEMEADURA E PLANTIO São sistemas mecânicos responsáveis pela deposição de órgãos vegetativos no solo. A forma de deposição desses órgãos vegetativos são definidas como: Semeadoras. Depositam

Leia mais

9 IRRIGAÇÃO POR ASPERSÃO CONVENCIONAL

9 IRRIGAÇÃO POR ASPERSÃO CONVENCIONAL 9 IRRIGAÇÃO POR ASPERSÃO CONVENCIONAL 9.1 TIPOS DE SISTEMAS FIXOS PERMANENTES FIXOS TEMPORÁRIOS SEMIFÍXOS PORTÁTEIS 9.2 VANTAGENS, LIMITAÇÕES E PESRPECTIVAS VANTAGENS Dispensa sistematização ou uniformização

Leia mais

Manual de Treinamento CONCEITOS E TECNOLOGIAS QUE VISAM A AUMENTAR O CONTROLE DE PRAGAS E DOENÇAS DE BAIXEIRO

Manual de Treinamento CONCEITOS E TECNOLOGIAS QUE VISAM A AUMENTAR O CONTROLE DE PRAGAS E DOENÇAS DE BAIXEIRO CONCEITOS E TECNOLOGIAS QUE VISAM A AUMENTAR O CONTROLE DE PRAGAS E DOENÇAS DE BAIXEIRO EDIÇÃO Nº 01/2014 Código: 0416-tp Manual de Treinamento Máquinas Agrícolas Jacto Rua Dr. Luiz Miranda, 1650 17580-000

Leia mais

O plantio compreende a colocação do órgão da planta no solo, de tal forma que ele tenha condição de germinar.

O plantio compreende a colocação do órgão da planta no solo, de tal forma que ele tenha condição de germinar. SEMEADORAS 1 O plantio compreende a colocação do órgão da planta no solo, de tal forma que ele tenha condição de germinar. O órgão da planta utilizado para sua propagação pode ser: semente, tubérculo,

Leia mais

LINHA ADVANCE. Rua Dr. Luiz Miranda, Pompeia - SP - Tel. (14) Fax. (14)

LINHA ADVANCE. Rua Dr. Luiz Miranda, Pompeia - SP - Tel. (14) Fax. (14) Rua Dr. Luiz Miranda, 1650 17580000 Pompeia SP Tel. (14) 3405 2100 Fax. (14) 3452 1916 Email: vendas@jacto.com.br PROTEJA O MEIO AMBIENTE. AO INUTILIZAR ESTE FOLHETO, NÃO JOGUE EM VIAS PÚBLICAS. www.jacto.com.br

Leia mais

UNITRI. Mecânica e Mecanização Agrícola QUINTA AULA DE MECANIZAÇÃO AGRÍCOLA APLICAÇÃO DE DEFENSIVOS

UNITRI. Mecânica e Mecanização Agrícola QUINTA AULA DE MECANIZAÇÃO AGRÍCOLA APLICAÇÃO DE DEFENSIVOS UNITRI Mecânica e Mecanização Agrícola QUINTA AULA DE MECANIZAÇÃO AGRÍCOLA APLICAÇÃO DE DEFENSIVOS Conceito: Entende-se como "Tecnologia de Aplicação de Produtos Fitossanitários" o emprego de todos os

Leia mais

ARBUS Rua Dr. Luiz Miranda, Pompeia - SP - Tel. (14) Fax. (14)

ARBUS Rua Dr. Luiz Miranda, Pompeia - SP - Tel. (14) Fax. (14) Rua Dr. Luiz Miranda, 1650-17580-000 - Pompeia - SP - Tel. (14) 3405 2100 - Fax. (14) 3452 1916 - E-mail: vendas@jacto.com.br PROTEJA O MEIO AMBIENTE. AO INUTILIZAR ESTE FOLHETO, NÃO JOGUE EM VIAS PÚBLICAS.

Leia mais

Nebulizadores aplicam gotas menores que 50 mm.

Nebulizadores aplicam gotas menores que 50 mm. Universidade Estadual Paulista Faculdade de Ciências Agrárias e Veterinárias Curso : Agronomia Disciplina: Tratamento Fitossanitário Aula: Aplicação de Líquidos e Pulverizadores Os produtos fitossanitários

Leia mais

Prof. Dr. Casimiro Dias Gadanha Jr. DER/ESALQ/USP

Prof. Dr. Casimiro Dias Gadanha Jr. DER/ESALQ/USP LER 432 Máquinas e Implementos Agrícolas TÓPICO: Máquinas para Aplicação de Produtos Fitossanitários Prof. Dr. Casimiro Dias Gadanha Jr. DER/ESALQ/USP AGROTÓXICO Sinônimos: Produto Fitossanitário Pesticida

Leia mais

13. MÁQUINAS PARA SEMEADURA E PLANTIO

13. MÁQUINAS PARA SEMEADURA E PLANTIO 106 13. MÁQUINAS PARA SEMEADURA E PLANTIO São sistemas mecânicos responsáveis pela deposição de órgãos vegetativos no solo. A forma de deposição desses órgãos vegetativos são definidas como: Semeadoras.

Leia mais

6.4 CONTROLE DE PLANTAS DANINHAS

6.4 CONTROLE DE PLANTAS DANINHAS 6.4 CONTROLE DE PLANTAS DANINHAS Prejuízos: -Competição por água; -Competição por luz; -Competição por nutrientes; -Hospedeiros de pragas e doenças; -Interferência na operação de colheita. Período de competição:

Leia mais

TECNOLOGIA DE APLICAÇÃO DE HERBICIDAS

TECNOLOGIA DE APLICAÇÃO DE HERBICIDAS TECNOLOGIA DE APLICAÇÃO DE HERBICIDAS Emprego de todos os conhecimentos científicos que proporcionem a correta colocação do produto biologicamente ativo no alvo, em quantidade necessária, de forma econômica,

Leia mais

ARBUS 2000 TP. Rua Dr. Luiz Miranda, Pompeia - SP - Tel. (14) Fax. (14) www. jacto.com.br

ARBUS 2000 TP. Rua Dr. Luiz Miranda, Pompeia - SP - Tel. (14) Fax. (14) www. jacto.com.br Rua Dr. Luiz Miranda, 1650-17580-000 - Pompeia - SP - Tel. (14) 3405 2100 - Fax. (14) 3452 1916 - www. jacto.com.br PROTEJA O MEIO AMBIENTE. AO INUTILIZAR ESTE FOLHETO, NÃO JOGUE EM VIAS PÚBLICAS. Imagens

Leia mais

Treinamento. Arbus 400 Golden

Treinamento. Arbus 400 Golden Arbus 400 Golden Treinamento Arbus 400 Golden Prof. Brandão - Operação - Manutenção - Regulagem da pulverização Arbus 400 Golden Arbus 400 Maçã 33 Apresentação da máquina Tanque de Defensivos Aplicação

Leia mais

LINHA JATÃO 3 PONTOS. Rua Dr. Luiz Miranda, Pompeia - SP - Tel. (14) Fax. (14)

LINHA JATÃO 3 PONTOS. Rua Dr. Luiz Miranda, Pompeia - SP - Tel. (14) Fax. (14) Rua Dr. Luiz Miranda, 1650-17580-000 - Pompeia - SP - Tel. (14) 3405 2100 - Fax. (14) 3452 1916 - E-mail: vendas@jacto.com.br PROTEJA O MEIO AMBIENTE. AO INUTILIZAR ESTE FOLHETO, NÃO JOGUE EM VIAS PÚBLICAS.

Leia mais

LINHA CONDOR. Rua Dr. Luiz Miranda, Pompeia - SP - Tel. (14) Fax. (14)

LINHA CONDOR. Rua Dr. Luiz Miranda, Pompeia - SP - Tel. (14) Fax. (14) Rua Dr. Luiz Miranda, 1650 17580000 Pompeia SP Tel. (14) 3405 2100 Fax. (14) 3452 1916 Email: vendas@jacto.com.br PROTEJA O MEIO AMBIENTE. AO INUTILIZAR ESTE FOLHETO, NÃO JOGUE EM VIAS PÚBLICAS. www.jacto.com.br

Leia mais

TECNOLOGIA DE APLICAÇÃO DE AGROTÓXICOS NA CITRICULTURA

TECNOLOGIA DE APLICAÇÃO DE AGROTÓXICOS NA CITRICULTURA TECNOLOGIA DE APLICAÇÃO DE AGROTÓXICOS NA CITRICULTURA HAMILTON HUMBERTO RAMOS Diretor Geral do Instituto Agronômico TECNOLOGIA DE APLICAÇÃO DE PRODUTOS FITOSSANITÁRIOS Emprego de todos os conhecimentos

Leia mais

Tecnologia de Aplicação

Tecnologia de Aplicação Tecnologia de Aplicação Rodolfo G. Chechetto Engenheiro Agrônomo O que é Tecnologia de Aplicação? Conjunto de conhecimentos que integram informações sobre os produtos fitossanitários, suas formulações

Leia mais

Aplicação Aérea com Taxas Constantes e Variáveis Eduardo Cordeiro de Araújo 1

Aplicação Aérea com Taxas Constantes e Variáveis Eduardo Cordeiro de Araújo 1 Aplicação Aérea com Taxas Constantes e Variáveis Eduardo Cordeiro de Araújo 1 1.Introdução A aplicação aérea se caracteriza pela grande velocidade de deslocamento do veículo aplicador. Os aviões envolvidos

Leia mais

SUA PRODUTIVIDADE GANHA FORÇA COM A SANTAL.

SUA PRODUTIVIDADE GANHA FORÇA COM A SANTAL. SANTAL.COM.BR TRADIÇÃO DE ALTO DESEMPENHO. SUA PRODUTIVIDADE GANHA FORÇA COM A SANTAL. TECNOLOGIA RESULTADO COMPROVADO NO SETOR SUCROALCOOLEIRO. A Plantadora Santal PDM2 é mais um exemplo do espírito inovador

Leia mais

Indicações Registradas

Indicações Registradas Marca Comercial Titular do Registro Nº Registro MAPA Topik 240 EC SYNGENTA PROTEÇÃO DE CULTIVOS LTDA. - 1506.744.463/0001-90 Classe Herbicida Ingrediente Ativo (I.A.) Clodinafope-Propargil Nome Químico

Leia mais

Pulverizador Autopropelido STRONGER be strong, be KUHN

Pulverizador Autopropelido STRONGER be strong, be KUHN Pulverizador Autopropelido STRONGER 3000 www.kuhn.com be strong, be KUHN REEL STRONGER COMMERCIAL 3030 3036 3040 PERFEITA APLICAÇÃO, MAIOR BARRA DE PULVERIZAÇÃO, MENOR CONSUMO Pensou em tecnologia, pensou

Leia mais

Mecânica dos Fluidos. Aula 18 Exercícios Complementares. Prof. MSc. Luiz Eduardo Miranda J. Rodrigues

Mecânica dos Fluidos. Aula 18 Exercícios Complementares. Prof. MSc. Luiz Eduardo Miranda J. Rodrigues Aula 18 Exercícios Complementares Tópicos Abordados Nesta Aula. Exercícios Complementares. 1) A massa específica de uma determinada substância é igual a 900kg/m³, determine o volume ocupado por uma massa

Leia mais

5.9 Controle de Pragas e Doenças

5.9 Controle de Pragas e Doenças 5.9 Controle de Pragas e Doenças 1 5.9.1 Medidas gerais de controle de pragas 2 a) Métodos Legislativos -Realizado pelo serviço de vigilância sanitária; - Consiste na fiscalização de portos, aeroportos,

Leia mais

GLADIADOR Melhor relação peso/potência da categoria

GLADIADOR Melhor relação peso/potência da categoria GLADIADOR 2300 Melhor relação peso/potência da categoria Catálogo virtual Português Ago/2016 GLADIADOR 2300 O pulverizador autopropelido Gladiador 2300 apresenta grande autonomia de trabalho, possibilitando

Leia mais

ATOMIZADOR ROTATIVO TELA

ATOMIZADOR ROTATIVO TELA ATOMIZADOR ROTATIVO TELA sumário INFORMAÇÕES imagem do produto modelos posicionamentos montagem e desmontagem CALIBRAÇÃO MANUTENÇÃO INSTALAÇÃO 04 05 06 07 08 10 17 18 INFORMAÇÕES O Atomizador Travicar

Leia mais

Guia de Seleção de Bicos para Área Total

Guia de Seleção de Bicos para Área Total Guia de Seleção de Bicos para Área Total HERBICIDAS FUNGICIDAS PÓS-EMERGÊNCIA APLICAÇÃO DE SOLO em pressões abaixo de 2 bar (30 PSI) em pressões abaixo de 2 bar (30 PSI) Consulte a página 11 em pressões

Leia mais

HiTech COMPACT Plantadora Adubadora *FOTO MERAMENTE ILUSTRATIVA.

HiTech COMPACT Plantadora Adubadora *FOTO MERAMENTE ILUSTRATIVA. HiTech COMPACT Plantadora Adubadora *FOTO MERAMENTE ILUSTRATIVA. Duas opções no sistema de articulação da linha da semente PANTOGRÁFICA Linha da semente com sistema pantográfico dotado de amplo curso de

Leia mais

CX470B. Número de roletes Roletes superiores (cada esteira) 2 Roletes inferiores (cada esteira) 9 Número de sapatas Garras triplas cada lado 50

CX470B. Número de roletes Roletes superiores (cada esteira) 2 Roletes inferiores (cada esteira) 9 Número de sapatas Garras triplas cada lado 50 CX470B ESCAVADEIRA HIDRÁULICA CERTIFICADA TIER III motor Modelo Isuzu AH-6UZ1XYSS, com certificação Tier lll Tipo 4 tempos, turboalimentado Cilindros 6 Diâmetro/Curso 120 x 145 mm Cilindrada 9,8 l (9.839

Leia mais

Calibração de deposição de agrotóxicos e bioinseticidas. Aldemir Chaim, pesquisador da Embrapa Meio Ambiente

Calibração de deposição de agrotóxicos e bioinseticidas. Aldemir Chaim, pesquisador da Embrapa Meio Ambiente Calibração de deposição de agrotóxicos e bioinseticidas Aldemir Chaim, pesquisador da Embrapa Meio Ambiente A aplicação de produtos químicos ou biológicos para controle de pragas pode ser feita com tratores

Leia mais

Pulverizadores costais manuais. Prof.: Brandão

Pulverizadores costais manuais. Prof.: Brandão Pulverizadores costais manuais Prof.: Brandão PULVERIZADORES COSTAIS Operação Manutenção Regulagem da pulverização PJH O QUE É UM PULVERIZADOR COSTAL MANUAL? - Os pulverizadores Costais Manuais são equipamentos

Leia mais

UNIPORT 3000 NPK. Rua Dr. Luiz Miranda, Pompeia - SP - Tel. (14) Fax. (14)

UNIPORT 3000 NPK. Rua Dr. Luiz Miranda, Pompeia - SP - Tel. (14) Fax. (14) Rua Dr. Luiz Miranda, 1650-17580-000 - Pompeia - SP - Tel. (14) 3405 2100 - Fax. (14) 3452 1916 - E-mail: vendas@jacto.com.br PROTEJA O MEIO AMBIENTE. AO INUTILIZAR ESTE FOLHETO, NÃO JOGUE EM VIAS PÚBLICAS.

Leia mais

TÉCNICAS PARA APLICAÇÕES DO ROUNDUP EM ÁREAS FLORESTAIS DANIEL CAMPOSILVAN INDÚSTRIAS MONSANTO S/A RUA PAES LEME, SÃO PAULO-SP

TÉCNICAS PARA APLICAÇÕES DO ROUNDUP EM ÁREAS FLORESTAIS DANIEL CAMPOSILVAN INDÚSTRIAS MONSANTO S/A RUA PAES LEME, SÃO PAULO-SP TÉCNICAS PARA APLICAÇÕES DO ROUNDUP EM ÁREAS FLORESTAIS RESUMO DANIEL CAMPOSILVAN INDÚSTRIAS MONSANTO S/A RUA PAES LEME, 524 05424 - SÃO PAULO-SP O uso do herbicida ROUNDUP em áreas florestais vem se tornando

Leia mais

Eng.º Agr.º José Maria Fernandes dos Santos

Eng.º Agr.º José Maria Fernandes dos Santos PONTOS CRÍTICOS NA APLICAÇÃO DE DEFENSIVOS Eng.º Agr.º José Maria Fernandes dos Santos Pesquisador Científico Laboratório de Proteção e Clínica Vegetal E-mail: santosjmf@biologico.sp.gov.br Fone/Fax: (11)

Leia mais

Implantação e Manejo Florestal

Implantação e Manejo Florestal 8º. Curso de Atualização em Eucaliptocultura Implantação e Manejo Florestal Eng o. João Carlos T. Mendes jctmende@esalq.usp.br Departamento de Ciências Florestais Estação Experimental de Itatinga Outubro/2008

Leia mais

4º DIA DE CAMPO SODEPAC Tratos Culturais para Qualidade da Sementeira. Fazenda Quizenga

4º DIA DE CAMPO SODEPAC Tratos Culturais para Qualidade da Sementeira. Fazenda Quizenga 4º DIA DE CAMPO SODEPAC Tratos Culturais para Qualidade da Sementeira Fazenda Quizenga Sistematização da área Conservam a cobertura vegetal do solo É essencial para correcções de áreas íngremes Conservar

Leia mais

Agricultura II. Máquinas de aplicação de fito-fármacos

Agricultura II. Máquinas de aplicação de fito-fármacos Agricultura II Máquinas de aplicação de fito-fármacos As quantidades de fito-fármaco fungicidas, insecticidas, herbicidas (doses) podem ser dadas em: - kg ou L / hl - culturas arbustivas e arbóreas -kg

Leia mais

Mecanização Agrícola Manejo de Culturas de Cobertura

Mecanização Agrícola Manejo de Culturas de Cobertura Mecanização Agrícola Manejo de Culturas de Cobertura MANEJO DA VEGETAÇÃO E DE RESTOS CULTURAIS INTRODUÇÃO - Preparos Conservacionistas Objetivos: Superfície coberta máximo de tempo possível Uniformidade

Leia mais

ATIVIDADE : TESTES DE DEPOSIÇÃO

ATIVIDADE : TESTES DE DEPOSIÇÃO SINDAG CONGRESSO REGIONAL DE AVIAÇÃO AGRÍCOLA / SUL CACHOEIRA DO SUL, RS 7 a 9 DE JUNHO DE 2007 ATIVIDADE : TESTES DE DEPOSIÇÃO RELATÓRIO www.agrotec.etc.br www.sindag.org.br www.congressosindag.com.br

Leia mais

Marca 100% brasileira, que está no mercado há mais de. 30 anos. Atua no segmento de tratores e equipamentos

Marca 100% brasileira, que está no mercado há mais de. 30 anos. Atua no segmento de tratores e equipamentos A TRAMONTINI Marca 100% brasileira, que está no mercado há mais de 30 anos. Atua no segmento de tratores e equipamentos agrícolas, motores, grupo de geradores, motobombas e reversores marítimos. Todos

Leia mais

Escavadeiras compactas Robex 16-9 robex 27z-9 Robex 35z-9 Equipadas com motor Tier IV

Escavadeiras compactas Robex 16-9 robex 27z-9 Robex 35z-9 Equipadas com motor Tier IV Escavadeiras compactas Robex 16-9 robex 27z-9 Robex 35z-9 Equipadas com motor Tier IV R16Z-9 DeseMPenho e Precisão Novas tecnologias para maximizar o desempenho e a precisão, possibilitam suavidade, rapidez

Leia mais

REVISTA CIENTÍFICA ELETRÔNICA DE AGRONOMIA ISSN: ANÁLISE E AVALIAÇÃO DA TECNOLOGIA DE APLICAÇÃO DE DEFENSIVO AGRÍCOLA NA CULTURA DA LICHIA

REVISTA CIENTÍFICA ELETRÔNICA DE AGRONOMIA ISSN: ANÁLISE E AVALIAÇÃO DA TECNOLOGIA DE APLICAÇÃO DE DEFENSIVO AGRÍCOLA NA CULTURA DA LICHIA REVISTA CIENTÍFICA ELETRÔNICA DE AGRONOMIA ISSN: 1677-0293 Número 27 Julho de 2015 Periódico Semestral ANÁLISE E AVALIAÇÃO DA TECNOLOGIA DE APLICAÇÃO DE DEFENSIVO AGRÍCOLA NA CULTURA DA LICHIA Jéssica

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DE MATO GROSSO SECRETARIA DE ESTADO DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MATO GROSSO CAMPUS DE NOVA XAVANTINA

GOVERNO DO ESTADO DE MATO GROSSO SECRETARIA DE ESTADO DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MATO GROSSO CAMPUS DE NOVA XAVANTINA GOVERNO DO ESTADO DE MATO GROSSO SECRETARIA DE ESTADO DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MATO GROSSO CAMPUS DE NOVA XAVANTINA Acadêmico (a) Disciplina: Máquinas Agrícolas Professor: Ms.

Leia mais

DISTRIBUIDORES DE FERTILIZANTES E CORRETIVOS

DISTRIBUIDORES DE FERTILIZANTES E CORRETIVOS DISTRIBUIDORES DE FERTILIZANTES E CORRETIVOS -CORRETIVOS: - Definição INTRODUÇÃO -FERTILIZANTES: - Definição -MAIS UTILIZADOS - Exemplos: 2- APLICADORES DE CORRETIVOS 2.1 PRÉ REQUISITOS - Dose de aplicação

Leia mais

A nova linha T6 da New Holland chegou para ajudar você a ir mais longe. Reunindo força, rendimento e desempenho com tecnologia e um design moderno e

A nova linha T6 da New Holland chegou para ajudar você a ir mais longe. Reunindo força, rendimento e desempenho com tecnologia e um design moderno e New Holland T6 T6 2 3 NOVA LINHA T6. FORÇA E ROBUSTEZ PARA SUA LAVOURA. DESIGN E PRODUTIVIDADE PARA VOCÊ. A nova linha T6 da New Holland chegou para ajudar você a ir mais longe. Reunindo força, rendimento

Leia mais

JARDIM. PULVERIZADORES 0,5 Litros WT ,9 Litros C-9. PULVERIZADORES PRESSÃO 1,5 Litros G1500 PULVERIZADORES

JARDIM. PULVERIZADORES 0,5 Litros WT ,9 Litros C-9. PULVERIZADORES PRESSÃO 1,5 Litros G1500 PULVERIZADORES 0,5 Litros WT-2056-2 Peso: 56g Ø bocal: 22mm Cx.: 50 un. Cod.: 180 050 001 050 0,9 Litros C-9 Peso: 83g Ø bocal: 22mm Cx.: 50 un. Cod.: 180 050 001 090 - Pulverizadores de cores sortidas com bomba de pistão

Leia mais

TECNOLOGIA WG. Tecnologia de formulação WG desenvolvida pela Syngenta para a aplicação liquida no solo de fungicida e inseticida em lavouras de Café.

TECNOLOGIA WG. Tecnologia de formulação WG desenvolvida pela Syngenta para a aplicação liquida no solo de fungicida e inseticida em lavouras de Café. TECNOLOGIA WG Tecnologia de formulação WG desenvolvida pela Syngenta para a aplicação liquida no solo de fungicida e inseticida em lavouras de Café. APLICAÇÃO LÍQUIDA: HISTÓRICO Facilidade aplicação e

Leia mais

Energia para pulverização

Energia para pulverização BICOS DE PULVERIZAÇÃO ALTO VOLUME GOTAS PEQUENAS Energia para pulverização Diferentes Tipos de Bicos Classificação em função da energia gerada para pulverização a) Centrífuga b) Pneumática c) Eletrostática

Leia mais

MÁQUINAS PARA PREPARO DO SOLO PARTE I

MÁQUINAS PARA PREPARO DO SOLO PARTE I Departamento de Engenharia de Biossistemas ESALQ/USP MÁQUINAS PARA PREPARO DO SOLO PARTE I LEB0432 Máquinas e Implementos Agrícolas Prof. Leandro M. Gimenez 2016 159 EFICIÊNCIA EM TRAÇÃO E DEMANDA DE ENERGIA

Leia mais

Semeadoras agrícolas. Distribuição das sementes

Semeadoras agrícolas. Distribuição das sementes Universidade Estadual do Norte Fluminense Darcy Ribeiro Centro de Ciências e Tecnologias Agropecuárias - Laboratório de Engenharia Agrícola EAG 03305 Mecanização Agrícola Prof. Ricardo Ferreira Garcia

Leia mais

PRIMA SUPER e CERES SUPER. Grandes semeadoras para culturas de inverno

PRIMA SUPER e CERES SUPER. Grandes semeadoras para culturas de inverno PRIMA SUPER e CERES SUPER Grandes semeadoras para culturas de inverno Catálogo Português Abr/2016 PRIMA SUPER A Prima Super é uma semeadora para culturas de inverno. Sua principal característica é a uniformidade

Leia mais

- BLOCO III.1 - Máquinas de Aplicação-

- BLOCO III.1 - Máquinas de Aplicação- DISTRIBUIÇÃO, COMERCIALIZAÇÃO E APLICAÇÃO DE PRODUTOS FITOFARMACÊUTICOS - BLOCO III.1 - Máquinas de Aplicação- Formador: João Teixeira Tipos de máquinas de tratamento e proteção de plantas classificação:

Leia mais

DominiSolo. Empresa. A importância dos aminoácidos na agricultura. Matérias-primas DominiSolo para os fabricantes de fertilizantes

DominiSolo. Empresa. A importância dos aminoácidos na agricultura. Matérias-primas DominiSolo para os fabricantes de fertilizantes DominiSolo Empresa A DominiSolo é uma empresa dedicada à pesquisa, industrialização e comercialização de inovações no mercado de fertilizantes. Está localizada no norte do Estado do Paraná, no município

Leia mais

Manual do Operador. BOMBAS DE PULVERIZAÇÃO COM PISTÃO PS 22 EI e PS 30 EI

Manual do Operador. BOMBAS DE PULVERIZAÇÃO COM PISTÃO PS 22 EI e PS 30 EI Manual do Operador BOMBAS DE PULVERIZAÇÃO COM PISTÃO PS 22 EI e PS 30 EI CUIDADO PERIGO A utilização imprópria do equipamento assim como a não observância das normas de segurança, pode resultar em ferimentos

Leia mais

SCHRODER CONSULTORIA

SCHRODER CONSULTORIA RELATÓRIO TÉCNICO Empresa Contratante: GOTA Indústria e Comércio Ltda. Execução: - CNPJ 7.839.686/1-58 EFEITO DO ÓLEO VEGETAL AGR ÓLEO NA EFICIÊNCIA DE HERBICIDAS E VOLUME DE CALDA APLICADA POR VIA AÉREA

Leia mais

Inseticida de contato e adjuvante / espalhante adesivo, do grupo químico hidrocarbonetos alifáticos PRAGAS. Cochonilha-cabeça-deprego

Inseticida de contato e adjuvante / espalhante adesivo, do grupo químico hidrocarbonetos alifáticos PRAGAS. Cochonilha-cabeça-deprego Composição: Mistura de hidrocarbonetos parafínicos, ciclo parafínicos e aromáticos saturados e insaturados provenientes da destilação do petróleo (ÓLEO MINERAL)...800 ml/l (80% v/v) Ingredientes inertes...200

Leia mais

AVALIAÇÃO DE REGULAGENS EM DISTRIBUÍDORES DE CORRETIVOS E FERTILIZANTES DO TIPO PENDULAR

AVALIAÇÃO DE REGULAGENS EM DISTRIBUÍDORES DE CORRETIVOS E FERTILIZANTES DO TIPO PENDULAR AVALIAÇÃO DE REGULAGENS EM DISTRIBUÍDORES DE CORRETIVOS E FERTILIZANTES DO TIPO PENDULAR Leonardo DÜSTERHÖFT ; João Pedro Fossa BERNARDY ; Lucas Renan EFFTING ; Fabrício Campos MASIEIRO ; Ricardo Kozoroski

Leia mais

INSPEÇÃO PERIÓDICA DE PULVERIZADORES NA REGIÃO DO ALTO VALE DO ITAJAÍ

INSPEÇÃO PERIÓDICA DE PULVERIZADORES NA REGIÃO DO ALTO VALE DO ITAJAÍ INSPEÇÃO PERIÓDICA DE PULVERIZADORES NA REGIÃO DO ALTO VALE DO ITAJAÍ Lucas Renan EFFTING 1 ; João Pedro Fossa BERNARDY 2 ; Leonardo DÜSTERHOFT 3 ; Fabrício Campos MASIERO 4, Ricardo Kozoroski VEIGA 5

Leia mais

Hidráulica e Pneumática. Prof. Fagner Ferraz

Hidráulica e Pneumática. Prof. Fagner Ferraz Hidráulica e Pneumática Prof. Fagner Ferraz O que você entende por hidráulica? Pra que serve? Onde se aplica? 2 O termo Hidráulica derivou-se da raiz grega Hidro (água). Entendem-se por Hidráulica todas

Leia mais

DERIVA EM APLICAÇÕES AÉREAS DE PRODUTOS LÍQUIDOS Perguntas mais freqüentes

DERIVA EM APLICAÇÕES AÉREAS DE PRODUTOS LÍQUIDOS Perguntas mais freqüentes DERIVA EM APLICAÇÕES AÉREAS DE PRODUTOS LÍQUIDOS Perguntas mais freqüentes 1. O que é DERIVA? DERIVA é o deslocamento horizontal que sofrem as gotas desde o seu ponto de lançamento até atingirem o seu

Leia mais

Pulverizadores: Mecanização da cultura do Cacau. Máquinas Agrícolas Jacto S/A Pompéia -SP. Eng. Agr. Walter W Mosquini Planejamento de Produto

Pulverizadores: Mecanização da cultura do Cacau. Máquinas Agrícolas Jacto S/A Pompéia -SP. Eng. Agr. Walter W Mosquini Planejamento de Produto Pulverizadores: Mecanização da cultura do Cacau Máquinas Agrícolas Jacto S/A Pompéia -SP Eng. Agr. Walter W Mosquini Planejamento de Produto Informações Foi fundada em 1948; Todas as unidades produtivas

Leia mais

Atuadores em Robótica

Atuadores em Robótica Atuadores em Robótica Profa. Michelle Mendes Santos michelle@cpdee.ufmg.br Atuadores Indicadores Em robótica muitas vezes é necessário sinalizar um acontecimento ou situação importante. Essa sinalização

Leia mais

UM PULVERIZADOR BEM REGULADO E CALIBRADO É A CERTEZA DE UMA APLICAÇÃO EFICIENTE E SEGURA!!

UM PULVERIZADOR BEM REGULADO E CALIBRADO É A CERTEZA DE UMA APLICAÇÃO EFICIENTE E SEGURA!! DE PULVERIZADORES AGRÍCOLAS Este material faz parte da apostila do Curso de Tecnologia de Aplicação da Comam Ltda Carlos Alberto Magalhães Cordeiro Paulo Otavio Coutinho Fabiano de Matino Motta Engs Agrônomos

Leia mais

SELEÇÃO E CUIDADOS COM AS RAQUETES

SELEÇÃO E CUIDADOS COM AS RAQUETES P A L PALMA GIGANTE PALMA MIÚDA PALMA MIÚDA P A L PALMA REDONDA SELEÇÃO E CUIDADOS COM AS RAQUETES PLANTAS MATRIZES SELEÇÃO DAS RAQUETES SELEÇÃO DAS RAQUETES SELEÇÃO DAS RAQUETES P A L CURA CURA CURA CURA

Leia mais

Cálculo do dano do amassamento, na cultura do trigo, pelo rodado do equipamento na primeira aplicação de defensivos

Cálculo do dano do amassamento, na cultura do trigo, pelo rodado do equipamento na primeira aplicação de defensivos Cálculo do dano do amassamento, na cultura do trigo, pelo rodado do equipamento na primeira aplicação de defensivos Erlei Melo Reis e Mateus Zanatta Agrosservice Pesquisa e consultoria agrícola, Passo

Leia mais

Tecnologia de Aplicação de Agroquímicos no Cafeeiro. Autor: Luís César Pio

Tecnologia de Aplicação de Agroquímicos no Cafeeiro. Autor: Luís César Pio Tecnologia de Aplicação de Agroquímicos no Cafeeiro Autor: Luís César Pio Prezado colega, Catanduva, 9 de novembro de 2012. Para VOCÊ, que participou do encontro de capacitação técnica e que é integrante

Leia mais

OS MÉTODOS DE IRRIGAÇÃO

OS MÉTODOS DE IRRIGAÇÃO OS MÉTODOS DE IRRIGAÇÃO ASPERSÃO Convencionais Mecanizados MICROIRRIGAÇÃO Gotejamento Microaspersão SUPERFÍCIE Sulcos Faixas Inundação QUAL O MELHOR SISTEMA DE IRRIGAÇÃO? Não existe um único sistema de

Leia mais

Energia Hidráulica. Líquido é pressionado contra pequeno orifício (ponta) e é pulverizado e transportado. Concorrentes em termos de energia

Energia Hidráulica. Líquido é pressionado contra pequeno orifício (ponta) e é pulverizado e transportado. Concorrentes em termos de energia PONTAS HIDRÁULICAS Energia Hidráulica Líquido é pressionado contra pequeno orifício (ponta) e é pulverizado e transportado Pulverização e transporte Concorrentes em termos de energia Maior energia = menor

Leia mais

Programa de Pós-Graduação em Ciências Agrárias Mestradoe Doutorado

Programa de Pós-Graduação em Ciências Agrárias Mestradoe Doutorado UNIVERSIDADE FEDERAL DO RECÔNCAVO DA BAHIA Centro de Ciências Agrárias, Ambientais e Biológicas NEAS - Núcleo de Engenharia de Água e Solo Campus Universitário de Cruz das Almas, Bahia Programa de Pós-Graduação

Leia mais

Pulverizador Agrícola Manual

Pulverizador Agrícola Manual R Pulverizador Agrícola Manual Fone: (42) 3522-2789 3522-1819 3523-7926 Rua Prefeito Alfredo Metzler, 480 - CEP 89400-000 - Porto União - SC Site: www.knapik.com.br E-mail: knapik@knapik.com.br vendas@knapik.com.br

Leia mais

Manejo do solo AGRICULTURA GERAL ESCOLHA DO LOCAL ESCOLHA DO LOCAL ESCOLHA DO LOCAL LIMPEZA DA ÁREA POMBAL PB

Manejo do solo AGRICULTURA GERAL ESCOLHA DO LOCAL ESCOLHA DO LOCAL ESCOLHA DO LOCAL LIMPEZA DA ÁREA POMBAL PB AGRICULTURA GERAL Manejo do solo POMBAL PB ESCOLHA DO LOCAL - Mercado Quem vai comprar ou consumir o nosso produto? Proximidade e tamanho do meu centro consumidor ou indústria Quanto devo produzir? - Logística

Leia mais

Métodos de Controle de Plantas Daninhas

Métodos de Controle de Plantas Daninhas UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA UDESC Centro de Ciências Agroveterinárias CAV, Lages SC Departamento de Agronomia BMPDA54 Biologia e Manejo de Plantas Daninhas Métodos de Controle de Plantas Daninhas

Leia mais

hitech plantadadora adubadora *FOTO MERAMENTE ILUSTRATIVA.

hitech plantadadora adubadora *FOTO MERAMENTE ILUSTRATIVA. hitech plantadadora adubadora *FOTO MERAMENTE ILUSTRATIVA. Câmbio Caixa de câmbio de fácil acesso para regulagem da dosagem de fertilizante e semente por meio de grupo de rodas dentadas e correntes, possibilitando

Leia mais

Escovas Bristle 6 Scotch-Brite Industrial Dados Técnicos Fevereiro / 2004

Escovas Bristle 6 Scotch-Brite Industrial Dados Técnicos Fevereiro / 2004 3 Escovas Bristle 6 Scotch-Brite Industrial Dados Técnicos Fevereiro / 2004 Substitui Fevereiro/2003 Página 1 de 7 Introdução: Os Produtos Bristle são abrasivos tridimensionais moldados na forma de discos

Leia mais

Tecnologia de aplicação

Tecnologia de aplicação O que é tecnologia afinal?? O que é tecnologia afinal? 1. Chip numa vaca para armazenar dados de rastreabilidade 2. Automação das operações de ordenha 3. Uso de adjuvantes siliconados na formulação de

Leia mais

Correção da acidez subsuperficial no plantio direto pela aplicação de calcário na superfície e uso de plantas de cobertura e adubação verde

Correção da acidez subsuperficial no plantio direto pela aplicação de calcário na superfície e uso de plantas de cobertura e adubação verde Correção da acidez subsuperficial no plantio direto pela aplicação de calcário na superfície e uso de plantas de cobertura e adubação verde Julio Cezar Franchini Eleno Torres Luiz Gustavo Garbelini Mario

Leia mais

HÉRCULES e Precisão e alto rendimento na distribuição de corretivos e fertilizantes

HÉRCULES e Precisão e alto rendimento na distribuição de corretivos e fertilizantes HÉRCULES 10000 e 24000 Precisão e alto rendimento na distribuição de corretivos e fertilizantes Catálogo virtual Português Mar/2016 HÉRCULES DE ARRASTO Os Hércules de arrasto são ideais para a distribuição

Leia mais

MANUAL PULVERIZADOR HIDRÁULICO TRAVICAR.

MANUAL PULVERIZADOR HIDRÁULICO TRAVICAR. MANUAL PULVERIZADOR HIDRÁULICO TRAVICAR. PULVERIZADORES ESPECIFICAÇÕES O pulverizador jato cônico TRAVICAR é fabricado em bronze de alta qualidade, utiliza vedação em borracha nitrílica, material resistente

Leia mais

JM2960PD EX - vista lateral UNIDADE DE DISCO DE CORTE ABAIXO DA MÁQUINA E UNIDADE DE ADUBO

JM2960PD EX - vista lateral UNIDADE DE DISCO DE CORTE ABAIXO DA MÁQUINA E UNIDADE DE ADUBO PLANTADORA ADUBADORA PIVOTADA JM2860-PD MG JM2960-PD EX ENXUTA Plantadora Adubadora JM2860PD ENXUTA MG, fornecida com chassi de 08 e 10 linhas. Plantadora Adubadora JM2960PD ENXUTA EX, fornecida com chassi

Leia mais

PLANTADEIRA EASY RISER 2200

PLANTADEIRA EASY RISER 2200 PLANTADEIRA EASY RISER 2200 A Case IH desenvolveu para o mercado brasileiro uma nova família de plantadeiras, a Easy Riser 2200. Seguindo o conceito mundial Agronomic Design, da Case IH, a nova plantadeira

Leia mais

Colheita e armazenamento

Colheita e armazenamento 1 de 5 10/16/aaaa 11:19 Culturas A Cultura do Arroz Irrigado Nome Cultura do arroz irrigado Produto Informação Tecnológica Data Maio -2000 Preço - Linha Culturas Informações resumidas Resenha sobre a cultura

Leia mais

7 Consórcio. Dino Magalhães Soares Tomás de Aquino Portes

7 Consórcio. Dino Magalhães Soares Tomás de Aquino Portes 7 Consórcio Dino Magalhães Soares Tomás de Aquino Portes 153 Desde quando o consórcio é utilizado no Brasil? O cultivo em consórcio é empregado, na prática, no Brasil, há muito tempo, mas, só a partir

Leia mais

PROGRAMA CAS CERTIFICAÇÃO AEROAGRÍCOLA SUSTENTÁVEL

PROGRAMA CAS CERTIFICAÇÃO AEROAGRÍCOLA SUSTENTÁVEL PROGRAMA CAS CERTIFICAÇÃO AEROAGRÍCOLA SUSTENTÁVEL Prof. Dr. João Paulo Rodrigues da Cunha jpcunha@iciag.ufu.br Universidade Federal de Uberlândia Instituto de Ciências Agrárias Sumário A aviação agrícola

Leia mais

Consultoria em Irrigação e Fertirrigação. 3ª Reunião do GIC. Ribeirão Preto-SP, 18 de Setembro de 2012

Consultoria em Irrigação e Fertirrigação. 3ª Reunião do GIC. Ribeirão Preto-SP, 18 de Setembro de 2012 3ª Reunião do GIC Ribeirão Preto-SP, 18 de Setembro de 2012 Acionamento de motores elétricos em sistemas de irrigação via Inversor de Frequência e Qualidade na Aplicação e Operação de Sistema Carretel

Leia mais

6 Práticas Culturais

6 Práticas Culturais CULTURA DO ARROZ 6 Práticas Culturais A produção de arroz no Brasil é feita em dois grandes sistemas: - Terras altas - Várzeas Incluindo diversas modalidades de cultivo. Cultivo irrigado com irrigação

Leia mais

ENGENHARIA FLORESTAL MECÂNICA TÉCNICA. CONSIDERAÇÕES GERAIS SOBRE TEORIA DE TRACÇÃO Exercicios de aplicação

ENGENHARIA FLORESTAL MECÂNICA TÉCNICA. CONSIDERAÇÕES GERAIS SOBRE TEORIA DE TRACÇÃO Exercicios de aplicação ENGENHARIA FLORESTAL MECÂNICA TÉCNICA CONSIDERAÇÕES GERAIS SOBRE TEORIA DE TRACÇÃO Exercicios de aplicação I 1- Um tractor exerce uma força de tracção à barra de 15 kn à velocidade de 2 m/s. Qual a potência

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DE UMA BARRA DE PULVERIZAÇÃO PARA APLICAÇÃO DE HERBICIDA EM DESSECAÇÃO DE SOQUEIRA CANA-DE-AÇÚCAR E PASTAGENS

DESENVOLVIMENTO DE UMA BARRA DE PULVERIZAÇÃO PARA APLICAÇÃO DE HERBICIDA EM DESSECAÇÃO DE SOQUEIRA CANA-DE-AÇÚCAR E PASTAGENS 47 DESENVOLVIMENTO DE UMA BARRA DE PULVERIZAÇÃO PARA APLICAÇÃO DE HERBICIDA EM DESSECAÇÃO DE SOQUEIRA CANA-DE-AÇÚCAR E PASTAGENS AMO, Fernando Colombo de 1 PEREIRA, Flávio José de Sousa 2 GADANHA JÚNIOR,

Leia mais

Novos tratores Farmall série a. O multitarefas perfeito para você.

Novos tratores Farmall série a. O multitarefas perfeito para você. tratores farmall Novos tratores Farmall série a. O multitarefas perfeito para você. Os novos tratores Farmall série A foram projetados para os mais diversos trabalhos tanto na agricultura como na pecuária.

Leia mais

ri) (õ) TRAÇAO ANIMAL VANTAGENS DO USO NA PEQUENA PROPRIEDADE FD-080 _---FD-080--~---- PORTO VELHO - RO

ri) (õ) TRAÇAO ANIMAL VANTAGENS DO USO NA PEQUENA PROPRIEDADE FD-080 _---FD-080--~---- PORTO VELHO - RO FD-080 (õ) ri) MlNlST~RIG REFORMA I EMPRESA E EMBRAPA CEN1RODl CPAF-Rond 1993 _---FD-080--~---- - TRAÇAO ANIMAL VANTAGENS DO USO NA PEQUENA PROPRIEDADE PORTO VELHO - RO 1993 ENERGIA ANIMAL APLICADA NA

Leia mais

UNIPORT STAR

UNIPORT STAR Rua Dr. Luiz Miranda, 1650-17580-000 - Pompeia - SP - Tel. (14) 3405 2100 - E-mail: vendas@jacto.com.br www. jacto.com.br PROTEJA O MEIO AMBIENTE. AO INUTILIZAR ESTE FOLHETO, NÃO JOGUE EM VIAS PÚBLICAS.

Leia mais