Manual de Treinamento CONCEITOS E TECNOLOGIAS QUE VISAM A AUMENTAR O CONTROLE DE PRAGAS E DOENÇAS DE BAIXEIRO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Manual de Treinamento CONCEITOS E TECNOLOGIAS QUE VISAM A AUMENTAR O CONTROLE DE PRAGAS E DOENÇAS DE BAIXEIRO"

Transcrição

1 CONCEITOS E TECNOLOGIAS QUE VISAM A AUMENTAR O CONTROLE DE PRAGAS E DOENÇAS DE BAIXEIRO EDIÇÃO Nº 01/2014 Código: 0416-tp Manual de Treinamento Máquinas Agrícolas Jacto Rua Dr. Luiz Miranda, Pompéia - SP - Brasil Tel.: (14) Fax: (14)

2 .

3 Índice 1. Introdução Bicos de Pulverização Classes de gotas Cobertura Penetração Sistema Vortex Pontos de regulagem do vortex Rotação Velocidade do ar Vantagens de utilizar o sistema Redução da Deriva Possibilidade de uso de maiores velocidades Redução de volume Aplicações com vento ambiente desfavorável Rendimento operacional

4

5 1. Introdução A busca por aplicações de agroquímicos mais eficientes e seguras tem norteado a principal linha de pesquisas do setor, bicos de pulverização, sistema vortex, adjuvantes, entre outras, são alternativas que se apresentam como opções viáveis na busca por qualidade e uso racional dos recursos. O uso intensivo das áreas de produção, a busca incessante do aumento da produtividade, e o aumento no número de aplicações têm contribuído para o aparecimento de problemas de difícil controle como ferrugem asiática, mofo branco e recentemente o ataque intenso de lagartas do gênero helicoverpa. Todos esses problemas têm como principal característica o difícil controle devido ao local em que se localizam, baixeiros, face inferior das folhas e pontos de difícil acesso, fazem com que o acerto do alvo biológico se torne muito complicado, a seguir apresentaremos quais técnicas podem ser utilizadas para melhoraria dessa atividade. Fonte ANDEF: Associação Nacional de Defesa Vegetal 5

6 2. Bicos de Pulverização 2.1. Classes de gotas A gota formada por um bico de pulverização carrega consigo todo um planejamento que visa ao controle de um problema seja ele fungo, praga ou planta daninha. A estruturação desse planejamento deve ser exaustivamente estudada, levando em conta as características do problema a ser tratado e o ambiente em que se encontra. A escolha correta da gota é o ponto chave para o sucesso da aplicação. Uma das principais diferenças existentes entre os modelos de bicos de pulverização está no tamanho da gota gerada. Para cada família de bicos uma característica de classe de gota é atribuída a ele, essa variação se faz necessária devido aos diferentes problemas encontrados no campo, diferentes tipos de culturas tratadas, condições climáticas diferentes e principalmente o tipo de agroquímico objetivando o controle de diferentes problemas. Os modelos de bicos apresentam classes de gotas que variam de muito fina a extremamente grossa, passando por fina, média, grossa e muito grossa, podendo ser variáveis dentro de um mesmo modelo através da variação de pressão. A classe de gota escolhida para o momento de aplicação se faz extremamente importante para a melhoria da qualidade, redução no risco de deriva, evaporação, cobertura e penetração, fatores que estão interligados diretamente a classe de gotas. Seguem exemplos de modelos de bicos e suas respectivas classe de gota. Modelo ATR Gota: Muito Fina Modelo API Gota: Fina Modelo ADI Gota: Média Modelo JAP Gota: Grossa Modelo CVI Gota: Muito Grossa Modelo TVI Gota: Extremamente Grossa 6

7 2. Bicos de Pulverização 2.2. Cobertura Cobertura refere-se a quantidade de gotas depositadas em uma determinada área no momento da aplicação. Para cada tipo de produto utilizado, recomenda-se uma quantidade mínima de gotas por cm², conforme tabela 1: Tabela 1: Quantidade de gotas/cm² em função do tipo de agroquímico utilizado. Produto Gotas/cm 2 Tamanho de gotas Inseticida Sistêmico 20 a 30 média/grossa Inseticida de Contato 50 a 70 fina/média Herbicida: Pré-Emergente 20 a 30 média/grossa a grossa/muito grossa Herbicida: Pós-Emergente - Sistêmico 20 a 30 média/grossa a grossa/muito grossa Herbicida: Pós-Emergente - Contato 30 a 40 fina/média a média/grossa Fungicida - Sistêmico 50 a 70 fina/média Fungicida - Contato > 70 muito fina/fina Fatores como a quantidade de alvo a ser coberto, tamanho da gota, e a taxa de aplicação (l/ha) interferem diretamente na cobertura, sendo esse um dos parâmetros de qualidade mais utilizado e com maior praticidade de avaliação no campo. Considerando um mesmo volume de líquido a ser aplicado, na medida em que o tamanho das gotas é reduzido, resulta-se em um maior número delas por área, o que pode aumentar a cobertura sobre o alvo. Esta técnica permite utilizar uma determinada cobertura que satisfaça as necessidades de cada uma das aplicações, buscando a maior eficiência possível do produto aplicado, com o menor volume de líquido pulverizado, conforme representado na figura 1. Figura 1: cobertura em função da classe de gota e taxa de aplicação 7

8 2.3 Penetração A possibilidade de utilizar gotas mais finas com maior eficiência favorece a deposição sobre a cultura. Essas gotas mais finas, porém, necessitam da movimentação das folhas causada pelo ar para que penetrem no interior da cultura, que em estágios de desenvolvimento mais avançados, se tornam muito fechadas. Esta agitação das folhas faz a pulverização atingir todas as áreas, mesmo aquelas que ficam escondidas sob as plantas, eliminando assim o efeito guarda-chuva, eventual responsável pela baixa eficiência das aplicações, como mostra a figura 2. Figura 2: penetração das gotas em função de sua classe O quadro abaixo apresenta um resumo das diferentes classes de gotas e seu provável comportamento nas aplicações. 8

9 3. Sistema Vortex Outra tecnologia que tem como objetivo aumentar a penetração das gotas na massa foliar é o Sistema Vortex que faz com que a cultura possa captar mais gotas na face inferior das folhas provenientes da deflexão do ar pela superfície do solo, obtendo assim um melhor controle de insetos e fungos que se localizam na face inferior da folha, bem como das ervas daninhas que ficam protegidas por plantas maiores. Esta tecnologia na barra de pulverização é uma ferramenta utilizada para melhorar a qualidade das aplicações, sempre com o objetivo de aumentar a deposição dos produtos fitossanitários em locais de difícil acesso (baixeiro) onde as aplicações tradicionais podem ser deficiente. O sistema vortex tem por objetivo aumentar o rendimento operacional (menores volumes e reabastecimentos, maior velocidade de deslocamento e extensão dos horários de pulverização), reduzir a deriva (velocidade do vento da máquina é maior que o vento ambiente) e a exposição a esses produtos (SARTORI, 1997). 3.1 Pontos de regulagem do vortex A Figura 3: Regulador do ângulo de inclinação da canaleta de saída do ar. O sistema Vortex apresenta dois pontos de regulagem para ajustar a aplicação às características de enfolhamento da cultura: uma delas é a angulação da canaleta de saída de ar. Esse dispositivo é mostrado em detalhe na foto ao lado (A), figura 3. A recomendação para uso da angulação da canaleta de ar segue o critério apresentado na tabela 2: Tabela 2: Angulação da canaleta de ar Condição da cultura Início de desenvolvimento (Vê-se mais solo do que folhas) Desenvolvimento vegetativo intermediário (É possível ver o solo nas entrelinhas) Fonte: Centro P&D Jacto S/A Cultura bastante enfolhada (Não é possível ver o solo) Ângulo na canaleta de ar Não se recomenda o uso do vortex Utilizar angulações frontais de 0 a +30º Utilizar angulação de 0º (perpendicular) 9

10 3. Sistema Vortex 3.2 Rotação Outro ponto de regulagem é a rotação dos ventiladores que aumenta proporcionalmente a velocidade do ar na barra. Esse ajuste é feito para o caso dos equipamentos que contam com controlador eletrônico, no computador de aplicação, numa escala que varia de 0 a 10. Na figura 3 é mostrado o detalhe da tela de ajuste da rotação. Figura 3: Display de regulagem do sistema vortex Em outros equipamentos coo Falcon Vortex, Advance 2000 e 3000 Vortex e Advance BK, esse ajuste da velocidade do ar deve ser feito regulando-se a abertura de uma válvula que controla o fluxo de óleo do sistema hidráulico do ventilador e consequentemente a rotação dos ventiladores. Alguns tipos de válvula são mostrados nas figuras 4 e 5: Figuras 4 e 5: Válvulas reguladoras 3.3 Velocidade do ar A recomendação de uso da velocidade do ar para o Uniport Vortex segue o critério apresentado na tabela 3: Tabela 3: Velocidade do ar - Uniport Vortex Condição da cultura Início de desenvolvimento (Vê-se mais solo do que folhas) Desenvolvimento vegetativo intermediário (É possível ver o solo nas entrelinhas) Cultura bastante enfolhada (Não é possível ver o solo) Velocidade do ar (escala) Desligado 4 a 6 8 a 10 Fonte: Centro P&D Jacto S/A 10

11 3. Sistema Vortex Para o caso dos equipamentos que contam com regulagem manual do sistema vortex, a regulagem deve seguir o critério apresentado na tabela 4:. Tabela 4: Critérios para regulagem manual do sistema Vortex Máquina modelo Condição de enfolhamento Rotação (velocidade) Falcon vortex Advance 2000 vortex Advance 3000 Vortex BK 3024 Início de desenvolvimento vegetativo Desenvolvimento vegetativo intermediário Cultura com grande densidade foliar Início de desenvolvimento vegetativo Desenvolvimento vegetativo intermediário Cultura com grande densidade foliar Início de desenvolvimento vegetativo Desenvolvimento vegetativo intermediário Cultura com grande densidade foliar Início de desenvolvimento vegetativo Desenvolvimento vegetativo intermediário Cultura com grande densidade foliar Fonte: Adaptado a partir das conclusões de trabalhos referente a utilização do sistema Vortex. Desligado 1160 rpm (10 m/s) a 1740 rpm (16m/s) 2320 rpm (21m/s) a 2900 rpm (26 m/s) Desligado 1170 rpm (11 m/s) a 1755 rpm ( 17 m/s) 2340 rpm (22 m/s) a 2925 rpm (28 m/s) Desligado 1160 rpm (11 m/s) a 1740 (17 m/s) 2320 rpm (22 m/s) a 2900 rpm (28 m/s) Desligado 920 rpm (12 m/s) a 1380 rpm (18 m/s) 1840 rpm (24 m/s) a 2300 rpm (30 m/s) 11

12 3.4 Vantagens de utilizar o sistema Redução da Deriva Conceitualmente, todo produto que não atinge o alvo, através da ação do vento, escorrimento ou evaporação é visto como deriva. O sistema vortex forma uma barreira de ar fazendo com que o vento ambiente não consiga deslocar a massa de gotas pulverizada para áreas vizinhas. Cuidados na escolha da melhor configuração para o volume e velocidade de ar utilizados na aplicação são de extrema importância para o sucesso do sistema, verifique na tabela 4. Embora a utilização do sistema Vortex se configure em uma tecnologia que visa a aumentar a eficiência dos agroquímicos, alguns cuidados devem ser obedecidos para evitar possíveis problemas com a deriva, dentre eles o tamanho da gota ideal. Escolha do tamanho de gota ideal: Bicos que produzem gotas grossas ou extremamente grossas, apesar de contribuírem para redução de deriva pelo vento quando utilizadas em conjunto com o sistema vortex, podem aumentar o risco de escorrimento, devido a associação de maior peso da gotas e a utilização do sistema em altos níveis de velocidade e volume de ar, portanto, há casos onde o uso total da potência dos ventiladores não é indicado. Já as gotas extremamente finas devem ser utilizadas com umidade relativa superior a 70% devido a sua grande probabilidade da evaporação em dias com umidade relativa baixa. A assistência de ar na barra de pulverização gera uma cortina de ar que sai ao lado dos bicos, cerca de 90 km/h, impulsionando as gotas pulverizadas em direção ao alvo, abrindo uma janela de aplicação e reduzindo assim o efeito da ação convectiva. Fenômeno esse representado pela figura 6. Figura 6: Ação convectiva; vento ausente; temperatura elevada; Insolação alta. 12

13 3.4 Vantagens de utilizar o sistema Possibilidade de uso de velocidades maiores de caminhamento Em aplicações convencionais, o uso de altas velocidades pode aumentar a deriva. O uso de uma cortina de ar propicia melhor aproveitamento dessas gotas na pulverização, como podemos observar na tabela 5 abaixo, aumentando o aproveitamento do produto aplicado, reduzindo a contaminação do ambiente e do operador e melhorando consequentemente a eficiência da aplicação Redução de volume A diminuição da fração de perdas por deriva e a possibilidade de uso de gotas menores e de maior capacidade de cobertura favorecem a redução do volume de água para pulverização, aumento da capacidade operacional e conseqüentemente diminuição dos custos Aplicações com vento ambiente desfavorável Devido a cortina de ar, é possível a pulverização mesmo sob condições mais desfavoráveis de vento ambiente, quer seja por vento muito forte ou ausente, maximizando a qualidade da pulverização e aumentando a janela de aplicação Rendimento operacional A eficiência de uma operação de pulverização é muito dependente dos tempos perdidos por fatores diversos, com a utilização do sistema Vortex os fatores mais prejudiciais podem ser minimizados. Com a utilização do sistema é possível trabalhar com bicos de baixa vazão e gotas mais finas, desta forma, o volume de aplicação pode ser reduzido em relação ao sistema convencional para uma mesma cobertura. A possibilidade de trabalhar com menores volumes de água aumenta a produção diária do equipamento já que diminui o número de reabastecimentos necessários, facilitando a operação de pulverização. Veja na tabela abaixo uma análise para determinar área de domínio com Uniport Vortex levando em conta diferentes taxas de aplicação. 13

14 3. Sistema Vortex Tabela 5: análise para determinar área de domínio com Uniport Vortex levando em conta diferentes taxas de aplicação. Características Unidade Uniport Vortex 24m Uniport Vortex 24m Uniport Vortex 24m Volume aplicação l/ha Distância da fonte de abastecimento km 0,5 0,5 0,5 Vazão de enchimento l/min Velocidade de trabalho km/h Velocidade de translado km/h Parada por condições climáticas adversas h/dia Largura de trabalho m Volume do tanque litros Resultados Autonomia de 1 tanque min 20,8 41,7 83,3 Distância da autonomia do tanque km 6,3 12,5 25,0 Eficiência Operacional % 79,5% 87,9% 92,8% Capacidade diária h/dia Área de domínio ha

15 3. Sistema Vortex Outro fator que altera a eficiência da pulverização é a parada devido ao vento, quando o mesmo supera os valores recomendados para aplicação. Em uma pulverização convencional, quando o vento atinge cerca de 15 km/h deve-se parar o pulverizador, pois a qualidade da aplicação será comprometida. Em pulverizações com cortina de ar é possível pulverizar com vento acima de 15 km/h, sem que haja deriva significativa (fonte: Fundação ABC). Tabela 6: análise para determinar área de domínio com Uniport Vortex levando em conta diferentes taxas de aplicação. Características Unidade Uniport Uniport Uniport Star 24m Star 24m Star 24m Volume aplicação l/ha Distância da fonte de abastecimento km 0,5 0,5 0,5 Vazão de enchimento l/min Velocidade de trabalho km/h Velocidade de translado km/h Parada por condições climáticas adversas h/dia Largura de trabalho m Volume do tanque litros Resultados Autonomia de 1 tanque min 19,5 39,1 78,1 Distância da autonomia do tanque km 5,2 10,4 20,8 Eficiência operacional % 80,2% 88,4% 93,1% Capacidade diária h/dia Área de domínio ha ATENÇÃO! A definição dos parâmetros que serão adotados em uma aplicação é de extrema e fundamental importância para redução dos riscos que envolvem a atividade de aplicação de defensivos. Por isso, sempre consulte um profissional qualificado. 15

TECNOLOGIA DE APLICAÇÃO DE HERBICIDAS

TECNOLOGIA DE APLICAÇÃO DE HERBICIDAS TECNOLOGIA DE APLICAÇÃO DE HERBICIDAS Emprego de todos os conhecimentos científicos que proporcionem a correta colocação do produto biologicamente ativo no alvo, em quantidade necessária, de forma econômica,

Leia mais

ARBUS Rua Dr. Luiz Miranda, Pompeia - SP - Tel. (14) Fax. (14)

ARBUS Rua Dr. Luiz Miranda, Pompeia - SP - Tel. (14) Fax. (14) Rua Dr. Luiz Miranda, 1650-17580-000 - Pompeia - SP - Tel. (14) 3405 2100 - Fax. (14) 3452 1916 - E-mail: vendas@jacto.com.br PROTEJA O MEIO AMBIENTE. AO INUTILIZAR ESTE FOLHETO, NÃO JOGUE EM VIAS PÚBLICAS.

Leia mais

APLICAÇÃO DE DEFENSIVOS AGRÍCOLAS. Professor : Nailton Rodrigues de Castro Disciplina : Máquinas Agrícolas

APLICAÇÃO DE DEFENSIVOS AGRÍCOLAS. Professor : Nailton Rodrigues de Castro Disciplina : Máquinas Agrícolas APLICAÇÃO DE DEFENSIVOS AGRÍCOLAS Professor : Nailton Rodrigues de Castro Disciplina : Máquinas Agrícolas INTRODUÇÃO É a aplicação uniforme de um defensivo agrícola na forma líquida, utilizando a energia

Leia mais

LINHA CONDOR. Rua Dr. Luiz Miranda, Pompeia - SP - Tel. (14) Fax. (14)

LINHA CONDOR. Rua Dr. Luiz Miranda, Pompeia - SP - Tel. (14) Fax. (14) Rua Dr. Luiz Miranda, 1650 17580000 Pompeia SP Tel. (14) 3405 2100 Fax. (14) 3452 1916 Email: vendas@jacto.com.br PROTEJA O MEIO AMBIENTE. AO INUTILIZAR ESTE FOLHETO, NÃO JOGUE EM VIAS PÚBLICAS. www.jacto.com.br

Leia mais

Mecanização da Pulverização. Eng. Agr.Jairo da Costa Moro Máquinas Agrícolas Jacto S.A

Mecanização da Pulverização. Eng. Agr.Jairo da Costa Moro Máquinas Agrícolas Jacto S.A Eng. Agr.Jairo da Costa Moro Máquinas Agrícolas Jacto S.A Mercado de defensivos Agrícolas 2014 - Brasil - O mercado brasileiro comercializou o valor total de US$12,25 bilhões em defensivos agrícolas. Fonte:

Leia mais

Seleção de Pontas de Pulverização

Seleção de Pontas de Pulverização JORNADAS DE ACTUALIZACIÓN EN TECNOLOGÍAS DE APLICACIÓN EN CULTIVOS EXTENSIVOS Seleção de Pontas de Pulverização Otavio J. G. Abi Saab Prof. Mecanização Agrícola Universidade Estadual de Londrina Estado

Leia mais

LINHA JATÃO 3 PONTOS. Rua Dr. Luiz Miranda, Pompeia - SP - Tel. (14) Fax. (14)

LINHA JATÃO 3 PONTOS. Rua Dr. Luiz Miranda, Pompeia - SP - Tel. (14) Fax. (14) Rua Dr. Luiz Miranda, 1650-17580-000 - Pompeia - SP - Tel. (14) 3405 2100 - Fax. (14) 3452 1916 - E-mail: vendas@jacto.com.br PROTEJA O MEIO AMBIENTE. AO INUTILIZAR ESTE FOLHETO, NÃO JOGUE EM VIAS PÚBLICAS.

Leia mais

Comunicado Técnico 09

Comunicado Técnico 09 Comunicado Técnico 09 ISSN 2177-854X Maio. 2011 Uberaba - MG Regulagem de Pulverizadores Agrícolas de Barras Responsável: Paulo Roberto Pala Martinelli E-mail: prpmartinelli@yahoo.com.br Engenheiro Agrônomo;

Leia mais

Tecnologia de Aplicação

Tecnologia de Aplicação Tecnologia de Aplicação Rodolfo G. Chechetto Engenheiro Agrônomo O que é Tecnologia de Aplicação? Conjunto de conhecimentos que integram informações sobre os produtos fitossanitários, suas formulações

Leia mais

ARBUS 2000 TP. Rua Dr. Luiz Miranda, Pompeia - SP - Tel. (14) Fax. (14) www. jacto.com.br

ARBUS 2000 TP. Rua Dr. Luiz Miranda, Pompeia - SP - Tel. (14) Fax. (14) www. jacto.com.br Rua Dr. Luiz Miranda, 1650-17580-000 - Pompeia - SP - Tel. (14) 3405 2100 - Fax. (14) 3452 1916 - www. jacto.com.br PROTEJA O MEIO AMBIENTE. AO INUTILIZAR ESTE FOLHETO, NÃO JOGUE EM VIAS PÚBLICAS. Imagens

Leia mais

LINHA ADVANCE. Rua Dr. Luiz Miranda, Pompeia - SP - Tel. (14) Fax. (14)

LINHA ADVANCE. Rua Dr. Luiz Miranda, Pompeia - SP - Tel. (14) Fax. (14) Rua Dr. Luiz Miranda, 1650 17580000 Pompeia SP Tel. (14) 3405 2100 Fax. (14) 3452 1916 Email: vendas@jacto.com.br PROTEJA O MEIO AMBIENTE. AO INUTILIZAR ESTE FOLHETO, NÃO JOGUE EM VIAS PÚBLICAS. www.jacto.com.br

Leia mais

6.4 CONTROLE DE PLANTAS DANINHAS

6.4 CONTROLE DE PLANTAS DANINHAS 6.4 CONTROLE DE PLANTAS DANINHAS Prejuízos: -Competição por água; -Competição por luz; -Competição por nutrientes; -Hospedeiros de pragas e doenças; -Interferência na operação de colheita. Período de competição:

Leia mais

Pulverizadores: Mecanização da cultura do Cacau. Máquinas Agrícolas Jacto S/A Pompéia -SP. Eng. Agr. Walter W Mosquini Planejamento de Produto

Pulverizadores: Mecanização da cultura do Cacau. Máquinas Agrícolas Jacto S/A Pompéia -SP. Eng. Agr. Walter W Mosquini Planejamento de Produto Pulverizadores: Mecanização da cultura do Cacau Máquinas Agrícolas Jacto S/A Pompéia -SP Eng. Agr. Walter W Mosquini Planejamento de Produto Informações Foi fundada em 1948; Todas as unidades produtivas

Leia mais

TECNOLOGIA DE APLICAÇÃO DE AGROTÓXICOS NA CITRICULTURA

TECNOLOGIA DE APLICAÇÃO DE AGROTÓXICOS NA CITRICULTURA TECNOLOGIA DE APLICAÇÃO DE AGROTÓXICOS NA CITRICULTURA HAMILTON HUMBERTO RAMOS Diretor Geral do Instituto Agronômico TECNOLOGIA DE APLICAÇÃO DE PRODUTOS FITOSSANITÁRIOS Emprego de todos os conhecimentos

Leia mais

27/11/2015. Boas práticas: os desafios da tecnologia de aplicação. Tecnologia de aplicação x ambiente. Ulisses Rocha Antuniassi

27/11/2015. Boas práticas: os desafios da tecnologia de aplicação. Tecnologia de aplicação x ambiente. Ulisses Rocha Antuniassi Boas práticas: os desafios da tecnologia de aplicação Ulisses Rocha Antuniassi FCA/UNESP - Botucatu/SP ulisses@fca.unesp.br Apresentação UNESP: FCA: DEnR: NTA: NEMPA: Universidade Estadual Paulista Faculdade

Leia mais

GLADIADOR Melhor relação peso/potência da categoria

GLADIADOR Melhor relação peso/potência da categoria GLADIADOR 2300 Melhor relação peso/potência da categoria Catálogo virtual Português Ago/2016 GLADIADOR 2300 O pulverizador autopropelido Gladiador 2300 apresenta grande autonomia de trabalho, possibilitando

Leia mais

KTR Rua Dr. Luiz Miranda, Pompeia - SP - Tel. (14) Fax. (14)

KTR Rua Dr. Luiz Miranda, Pompeia - SP - Tel. (14) Fax. (14) Rua Dr. Luiz Miranda, 1650-17580-000 - Pompeia - SP - Tel. (14) 3405 2100 - Fax. (14) 3452 1916 - E-mail: vendas@jacto.com.br PROTEJA O MEIO AMBIENTE. AO INUTILIZAR ESTE FOLHETO, NÃO JOGUE EM VIAS PÚBLICAS.

Leia mais

Telemetria em Pulverização Pedro Estevão Bastos Abimaq

Telemetria em Pulverização Pedro Estevão Bastos Abimaq Telemetria em Pulverização Pedro Estevão Bastos Abimaq ABIMAQ Associação Brasileira da Indústria de Máquinas CSMIA Câmara Setorial de Máquinas e Implementos Agrícolas 360 empresas 48.000 empregos R$ 11

Leia mais

TECNOLOGIA DE APLICAÇÃO DE AGROTÓXICOS

TECNOLOGIA DE APLICAÇÃO DE AGROTÓXICOS Definição: Ciência multidisciplinar Disciplina: Fitopatologia Agrícola TECNOLOGIA DE APLICAÇÃO DE AGROTÓXICOS Objetivos: Destinada às pesquisas de equipamentos Processos e obtenção de resultados mais eficientes

Leia mais

9 IRRIGAÇÃO POR ASPERSÃO CONVENCIONAL

9 IRRIGAÇÃO POR ASPERSÃO CONVENCIONAL 9 IRRIGAÇÃO POR ASPERSÃO CONVENCIONAL 9.1 TIPOS DE SISTEMAS FIXOS PERMANENTES FIXOS TEMPORÁRIOS SEMIFÍXOS PORTÁTEIS 9.2 VANTAGENS, LIMITAÇÕES E PESRPECTIVAS VANTAGENS Dispensa sistematização ou uniformização

Leia mais

UNITRI. Mecânica e Mecanização Agrícola QUINTA AULA DE MECANIZAÇÃO AGRÍCOLA APLICAÇÃO DE DEFENSIVOS

UNITRI. Mecânica e Mecanização Agrícola QUINTA AULA DE MECANIZAÇÃO AGRÍCOLA APLICAÇÃO DE DEFENSIVOS UNITRI Mecânica e Mecanização Agrícola QUINTA AULA DE MECANIZAÇÃO AGRÍCOLA APLICAÇÃO DE DEFENSIVOS Conceito: Entende-se como "Tecnologia de Aplicação de Produtos Fitossanitários" o emprego de todos os

Leia mais

Agricultura II. Máquinas de aplicação de fito-fármacos

Agricultura II. Máquinas de aplicação de fito-fármacos Agricultura II Máquinas de aplicação de fito-fármacos As quantidades de fito-fármaco fungicidas, insecticidas, herbicidas (doses) podem ser dadas em: - kg ou L / hl - culturas arbustivas e arbóreas -kg

Leia mais

FiberMax. Mais que um detalhe: uma genética de fibra.

FiberMax. Mais que um detalhe: uma genética de fibra. FiberMax. Mais que um detalhe: uma genética de fibra. Requisitos para o cultivo de algodoeiro GlyTol LibertyLink, além de boas práticas de manejo integrado de plantas daninhas. Cap 1: Descrição do Produto

Leia mais

TECNOLOGIA DE APLICAÇÃO DE HERBICIDAS

TECNOLOGIA DE APLICAÇÃO DE HERBICIDAS TECNOLOGIA DE APLICAÇÃO DE HERBICIDAS Emprego de todos os conhecimentos científicos que proporcionem a correta colocação do produto biologicamente ativo no alvo, em quantidade necessária, de forma econômica,

Leia mais

Condensadores. Principais Tipos. Resfriados a ar sistema de ar condicionado e refrigeração comercial

Condensadores. Principais Tipos. Resfriados a ar sistema de ar condicionado e refrigeração comercial Condensadores Principais Tipos Resfriados a ar sistema de ar condicionado e refrigeração comercial Condensadores Resfriados a água sistema de ar condicionado e refrigeração comercial Trocador casco e tubo

Leia mais

PROGRAMA CAS CERTIFICAÇÃO AEROAGRÍCOLA SUSTENTÁVEL

PROGRAMA CAS CERTIFICAÇÃO AEROAGRÍCOLA SUSTENTÁVEL PROGRAMA CAS CERTIFICAÇÃO AEROAGRÍCOLA SUSTENTÁVEL Prof. Dr. João Paulo Rodrigues da Cunha jpcunha@iciag.ufu.br Universidade Federal de Uberlândia Instituto de Ciências Agrárias Sumário A aviação agrícola

Leia mais

Prof. Dr. Casimiro Dias Gadanha Jr. DER/ESALQ/USP

Prof. Dr. Casimiro Dias Gadanha Jr. DER/ESALQ/USP LER 432 Máquinas e Implementos Agrícolas TÓPICO: Máquinas para Aplicação de Produtos Fitossanitários Prof. Dr. Casimiro Dias Gadanha Jr. DER/ESALQ/USP AGROTÓXICO Sinônimos: Produto Fitossanitário Pesticida

Leia mais

Fatores que influenciam na perda de peso em uma câmara de resfriamento de carcaça.

Fatores que influenciam na perda de peso em uma câmara de resfriamento de carcaça. Fatores que influenciam na perda de peso em uma câmara de resfriamento de carcaça. A perda de peso ou perda de umidade em uma carcaça dentro de uma câmara de resfriamento ocorre por duas situações: 1.

Leia mais

INSPEÇÃO PERIÓDICA DE PULVERIZADORES NA REGIÃO DO ALTO VALE DO ITAJAÍ

INSPEÇÃO PERIÓDICA DE PULVERIZADORES NA REGIÃO DO ALTO VALE DO ITAJAÍ INSPEÇÃO PERIÓDICA DE PULVERIZADORES NA REGIÃO DO ALTO VALE DO ITAJAÍ Lucas Renan EFFTING 1 ; João Pedro Fossa BERNARDY 2 ; Leonardo DÜSTERHOFT 3 ; Fabrício Campos MASIERO 4, Ricardo Kozoroski VEIGA 5

Leia mais

UNIPORT 3000 NPK. Rua Dr. Luiz Miranda, Pompeia - SP - Tel. (14) Fax. (14)

UNIPORT 3000 NPK. Rua Dr. Luiz Miranda, Pompeia - SP - Tel. (14) Fax. (14) Rua Dr. Luiz Miranda, 1650-17580-000 - Pompeia - SP - Tel. (14) 3405 2100 - Fax. (14) 3452 1916 - E-mail: vendas@jacto.com.br PROTEJA O MEIO AMBIENTE. AO INUTILIZAR ESTE FOLHETO, NÃO JOGUE EM VIAS PÚBLICAS.

Leia mais

Maior Segurança e Produtividade em suas Operações

Maior Segurança e Produtividade em suas Operações Maior Segurança e Produtividade em suas Operações Sejam manuais ou automatizadas, operações de corte a plasma emitem radiação e gases que apresentam riscos ao meio ambiente, saúde e segurança dos trabalhadores

Leia mais

PRODUÇÃO DIÁRIA DOS PULVERIZADORES DE BARRAS

PRODUÇÃO DIÁRIA DOS PULVERIZADORES DE BARRAS PRODUÇÃO DIÁRIA DOS PULVERIZADORES DE BARRAS Versão em Português - MP-00 MÁQUINAS AGRÍCOLAS JACTO S.A. Rua Dr. Luiz Miranda, 170-000 - Pompéia - SP - Brasil Tel.: (0XX1) -111 - Fax: (0XX1) -191 E-mail:

Leia mais

Características dos adjuvantes da Evonik

Características dos adjuvantes da Evonik Características dos adjuvantes da Evonik Adjuvantes para misturas de tanque: S 240 S 233 Vibrant Advance Union S 240 (Superespalhante) Surfactantes à base de trisiloxano Química que promove tensão superficial

Leia mais

Agentes causadores. Mecanização agrícola. Compactação sob as rodas dos veículos distribuição de pressão no solo.

Agentes causadores. Mecanização agrícola. Compactação sob as rodas dos veículos distribuição de pressão no solo. Agentes causadores Mecanização agrícola Compactação sob as rodas dos veículos distribuição de pressão no solo. Peso do veículo que determinará o total da força exercida Tamanho da área de contato entre

Leia mais

DD25B. COMPACTADORES DE DOIS CILINDROS VOLVO 2.6 t 18.5 kw

DD25B. COMPACTADORES DE DOIS CILINDROS VOLVO 2.6 t 18.5 kw DD25B COMPACTADORES DE DOIS CILINDROS VOLVO 2.6 t 18.5 kw Visibilidade de 360 Com um assento deslizante posicionado de forma ideal, suportes angulados do cilindro e um projeto de capô inclinado, o DD25B

Leia mais

Nebulizadores aplicam gotas menores que 50 mm.

Nebulizadores aplicam gotas menores que 50 mm. Universidade Estadual Paulista Faculdade de Ciências Agrárias e Veterinárias Curso : Agronomia Disciplina: Tratamento Fitossanitário Aula: Aplicação de Líquidos e Pulverizadores Os produtos fitossanitários

Leia mais

LISTA DE EXERCÍCIOS Máquinas Hidráulicas

LISTA DE EXERCÍCIOS Máquinas Hidráulicas LISTA DE EXERCÍCIOS Máquinas Hidráulicas 1- Água escoa em uma tubulação de 50 mm de diâmetro a uma vazão de 5 L/s. Determine o número de Reynolds nestas condições, informe se o escoamento é laminar ou

Leia mais

PRIMA SUPER e CERES SUPER. Grandes semeadoras para culturas de inverno

PRIMA SUPER e CERES SUPER. Grandes semeadoras para culturas de inverno PRIMA SUPER e CERES SUPER Grandes semeadoras para culturas de inverno Catálogo Português Abr/2016 PRIMA SUPER A Prima Super é uma semeadora para culturas de inverno. Sua principal característica é a uniformidade

Leia mais

Experimentação com herbicidas

Experimentação com herbicidas Eperimentação com herbicidas Princípio do delineamento eperimental: Delineamento eperimental mais simples possível desde que satisfaça coerência estatística e atenda os objetivos pretendido O objetivo

Leia mais

TÉCNICAS PARA APLICAÇÕES DO ROUNDUP EM ÁREAS FLORESTAIS DANIEL CAMPOSILVAN INDÚSTRIAS MONSANTO S/A RUA PAES LEME, SÃO PAULO-SP

TÉCNICAS PARA APLICAÇÕES DO ROUNDUP EM ÁREAS FLORESTAIS DANIEL CAMPOSILVAN INDÚSTRIAS MONSANTO S/A RUA PAES LEME, SÃO PAULO-SP TÉCNICAS PARA APLICAÇÕES DO ROUNDUP EM ÁREAS FLORESTAIS RESUMO DANIEL CAMPOSILVAN INDÚSTRIAS MONSANTO S/A RUA PAES LEME, 524 05424 - SÃO PAULO-SP O uso do herbicida ROUNDUP em áreas florestais vem se tornando

Leia mais

CATÁLOGO DE PRODUTOS ACOPLÁVEIS

CATÁLOGO DE PRODUTOS ACOPLÁVEIS CATÁLOGO DE PRODUTOS ACOPLÁVEIS Arado Subsolador IMASA - ASI O Arado Subsolador IMASA - ASI foi projetado para descompactar a camada superficial do solo, reduzindo erosões, facilitando a absorção da água

Leia mais

UNIPORT STAR

UNIPORT STAR Rua Dr. Luiz Miranda, 1650-17580-000 - Pompeia - SP - Tel. (14) 3405 2100 - E-mail: vendas@jacto.com.br www. jacto.com.br PROTEJA O MEIO AMBIENTE. AO INUTILIZAR ESTE FOLHETO, NÃO JOGUE EM VIAS PÚBLICAS.

Leia mais

Núcleo 1 Chapadão do Sul

Núcleo 1 Chapadão do Sul Ano II 15 de abril de 2013. Relatório semanal de 08 a 15 de abril de 2013. Núcleo 1 Chapadão do Sul Eng. Agr. Danilo Suniga de Moraes Semana com períodos diurno nublado e com precipitações na maior parte

Leia mais

Título: Equipamento para decapagem interior de tubos

Título: Equipamento para decapagem interior de tubos VITALIANO J. COSTA, LDA. e q u i p a m e n t o s de p i n t u r a Aceiro das Boiças Qta. da Torre Cabanas 2950-635 PALMELA Tel. Geral : 212 888 050 Fax : 212 888 059 Tel. Encomendas : 212 888 051 e-mail:

Leia mais

REVISTA CIENTÍFICA ELETRÔNICA DE AGRONOMIA ISSN: ANÁLISE E AVALIAÇÃO DA TECNOLOGIA DE APLICAÇÃO DE DEFENSIVO AGRÍCOLA NA CULTURA DA LICHIA

REVISTA CIENTÍFICA ELETRÔNICA DE AGRONOMIA ISSN: ANÁLISE E AVALIAÇÃO DA TECNOLOGIA DE APLICAÇÃO DE DEFENSIVO AGRÍCOLA NA CULTURA DA LICHIA REVISTA CIENTÍFICA ELETRÔNICA DE AGRONOMIA ISSN: 1677-0293 Número 27 Julho de 2015 Periódico Semestral ANÁLISE E AVALIAÇÃO DA TECNOLOGIA DE APLICAÇÃO DE DEFENSIVO AGRÍCOLA NA CULTURA DA LICHIA Jéssica

Leia mais

FT500 SFI / FT500LITE SFI. Função Boost Controller Integrado. Manual de Instalação e Operação 1

FT500 SFI / FT500LITE SFI. Função Boost Controller Integrado. Manual de Instalação e Operação 1 FT00 SFI / FT00LITE SFI Função Boost Controller Integrado Manual de Instalação e Operação FT00 SFI / FT00LITE SFI Adendo BoostController 9. BoostController Diagrama com bicos injetores A função de controle

Leia mais

AR FUSION. Brasil. Pneumática. Resfriador de painel Tubo VORTEX SÉRIE VRP AR FUSION. Pneumática. VRP9-01 pressão de trab. 07bar

AR FUSION. Brasil. Pneumática. Resfriador de painel Tubo VORTEX SÉRIE VRP AR FUSION. Pneumática. VRP9-01 pressão de trab. 07bar Resfriador de painel Tubo VORTEX SÉRIE VRP VRP9-01 pressão de trab. 07bar WWW.ARFUSION.COM.BR Resfriador de painel VORTEX Os Resfriadores com Ar Comprimido - Vortex são destinados à aplicações especiais

Leia mais

NÚCLEO DE ENGENHARIA DE ÁGUA E SOLO

NÚCLEO DE ENGENHARIA DE ÁGUA E SOLO UNIVERSIDADE FEDERAL DO RECÔNCAVO DA BAHIA Centro de Ciências Agrárias, Biológicas e Ambientais NÚCLEO DE ENGENHARIA DE ÁGUA E SOLO Vital Pedro da Silva Paz vpspaz@ufba.br Francisco A. C. Pereira pereiras@ufba.br

Leia mais

Tecnologia de Aplicação de Agroquímicos no Cafeeiro. Autor: Luís César Pio

Tecnologia de Aplicação de Agroquímicos no Cafeeiro. Autor: Luís César Pio Tecnologia de Aplicação de Agroquímicos no Cafeeiro Autor: Luís César Pio Prezado colega, Catanduva, 9 de novembro de 2012. Para VOCÊ, que participou do encontro de capacitação técnica e que é integrante

Leia mais

Qualidade em Instalações de Aquecimento Solar. Boas práticas.

Qualidade em Instalações de Aquecimento Solar. Boas práticas. Qualidade em Instalações de Aquecimento Solar Boas práticas O sistema de aquecimento solar e seus componentes O que é sistema de aquecimento solar (SAS) A ABNT (Associação Brasileira de Normas Técnicas)

Leia mais

ADOÇÃO DE MELHORES PRÁTICAS AGRONÔMICAS

ADOÇÃO DE MELHORES PRÁTICAS AGRONÔMICAS ADOÇÃO DE MELHORES PRÁTICAS AGRONÔMICAS O QUE SÃO AS MELHORES PRÁTICAS AGRONÔMICAS? POSICIONAMENTO TÉCNICO COERENTE E CONSISTENTE Dessecação antecipada e uso de inseticidas para manejo de pragas residentes

Leia mais

UTILIZAÇÃO DE PULVERIZADORES CENTRÍFUGOS DE JACTO TRANSPORTADO NA CULTURA DA VINHA INTRODUÇÃO

UTILIZAÇÃO DE PULVERIZADORES CENTRÍFUGOS DE JACTO TRANSPORTADO NA CULTURA DA VINHA INTRODUÇÃO UTILIZAÇÃO DE PULVERIZADORES CENTRÍFUGOS DE JACTO TRANSPORTADO NA CULTURA DA VINHA INTRODUÇÃO Reduzir o débito a aplicar nos tratamentos da cultura da vinha, sem por em causa a sua eficácia, é um dos principais

Leia mais

1O que é. A adubação verde é uma prática agrícola utilizada há

1O que é. A adubação verde é uma prática agrícola utilizada há Milton Parron Padovan Rogério Ferreira da Silva Adubação Verde - Opções para Outono/Inverno, Primavera/Verão e Espécies Perenes 1O que é. A adubação verde é uma prática agrícola utilizada há milhares de

Leia mais

IRGA 424 OPÇÃO DE PRODUTIVIDADE

IRGA 424 OPÇÃO DE PRODUTIVIDADE IRGA 424 OPÇÃO DE PRODUTIVIDADE A IRGA 424 apresenta como diferencial o alto potencial produtivo, responde muito bem ao manejo e às altas adubações. Origem: cruzamento IRGA 370-42-1-1F-B5/BR IRGA 410//IRGA

Leia mais

Calibração de deposição de agrotóxicos e bioinseticidas. Aldemir Chaim, pesquisador da Embrapa Meio Ambiente

Calibração de deposição de agrotóxicos e bioinseticidas. Aldemir Chaim, pesquisador da Embrapa Meio Ambiente Calibração de deposição de agrotóxicos e bioinseticidas Aldemir Chaim, pesquisador da Embrapa Meio Ambiente A aplicação de produtos químicos ou biológicos para controle de pragas pode ser feita com tratores

Leia mais

TECNOLOGIA EM CONSTRUÇÃO DE EDIFÍCIOS. Estratégias por TRY e Normais Climatológicas. M.Sc. Arq. Elena M. D. Oliveira

TECNOLOGIA EM CONSTRUÇÃO DE EDIFÍCIOS. Estratégias por TRY e Normais Climatológicas. M.Sc. Arq. Elena M. D. Oliveira TECNOLOGIA EM CONSTRUÇÃO DE EDIFÍCIOS ARQUITETURA BIOCLIMÁTICA Estratégias por TRY e Normais Climatológicas M.Sc. Arq. Elena M. D. Oliveira CARTA PSICROMÉTRICA CARTA BIOCLIMÁTICA CARTA BIOCLIMÁTICA CARTA

Leia mais

NEW HOLLAND TT TT384O

NEW HOLLAND TT TT384O NEW HOLLAND TT TT384O 2 3 PERFEITO PARA A SUA LAVOURA, DO TAMANHO DA SUA NECESSIDADE. O TT384O foi projetado para atender às suas necessidades mais específicas no campo. Com 55 cavalos, ele é robusto,

Leia mais

Treinamento. Arbus 400 Golden

Treinamento. Arbus 400 Golden Arbus 400 Golden Treinamento Arbus 400 Golden Prof. Brandão - Operação - Manutenção - Regulagem da pulverização Arbus 400 Golden Arbus 400 Maçã 33 Apresentação da máquina Tanque de Defensivos Aplicação

Leia mais

4º DIA DE CAMPO SODEPAC Tratos Culturais para Qualidade da Sementeira. Fazenda Quizenga

4º DIA DE CAMPO SODEPAC Tratos Culturais para Qualidade da Sementeira. Fazenda Quizenga 4º DIA DE CAMPO SODEPAC Tratos Culturais para Qualidade da Sementeira Fazenda Quizenga Sistematização da área Conservam a cobertura vegetal do solo É essencial para correcções de áreas íngremes Conservar

Leia mais

IT AGRICULTURA IRRIGADA

IT AGRICULTURA IRRIGADA 4 Manejo da irrigação 4.1 Introdução A água é fator limitante para o desenvolvimento agrícola, sendo que tanto a falta ou excesso afetam o crescimento, a sanidade e a produção das plantas. O manejo racional

Leia mais

7 Consórcio. Dino Magalhães Soares Tomás de Aquino Portes

7 Consórcio. Dino Magalhães Soares Tomás de Aquino Portes 7 Consórcio Dino Magalhães Soares Tomás de Aquino Portes 153 Desde quando o consórcio é utilizado no Brasil? O cultivo em consórcio é empregado, na prática, no Brasil, há muito tempo, mas, só a partir

Leia mais

Para se planejar o processo de fabricação da peça é necessário conhecer em detalhes as suas características, como:

Para se planejar o processo de fabricação da peça é necessário conhecer em detalhes as suas características, como: Usinagem de peças a partir de blanks em tornos automáticos CNC Este artigo tem por objetivo apresentar as maneiras de se produzir peças torneadas em série e de forma automática através da utilização de

Leia mais

John Deere Training. Guia do Aluno. Pulverização Fundamento - Português CSP-20-SN2GCQAP Maio, 2009

John Deere Training. Guia do Aluno. Pulverização Fundamento - Português CSP-20-SN2GCQAP Maio, 2009 John Deere Training Guia do Aluno CSP-20-SN2GCQAP Maio, 2009 Copyright 2009 Deere & Company Este material é de propriedade da Deere & Company. O uso, divulgação e/ou reprodução não especificamente autorizado

Leia mais

PK EH. Lifetime excellence

PK EH. Lifetime excellence PK 63002-EH Lifetime excellence TECNOLOGIA, ALTO DESEMPENHO E EFICIÊNCIA COM GRANDES ALCANCES VERTICAIS E HORIZONTAIS MAIOR EFICIêNCIA DEVIDO AO SISTEMA DE GIRO INFINITO A FERRAMENTA IDEAL MAIOR VERSATILIDADE

Leia mais

MELHORIAS NA UTILIZAÇÃO DE PRODUTOS FITOSSANITÁRIOS NA EMBRAPA SOJA

MELHORIAS NA UTILIZAÇÃO DE PRODUTOS FITOSSANITÁRIOS NA EMBRAPA SOJA M in isté rio d a A g ric u ltu ra P e cu á ria e A b a st e cim e n to MELHORIAS NA UTILIZAÇÃO DE PRODUTOS FITOSSANITÁRIOS NA EMBRAPA SOJA ALEXANDRE BRIGHENTI Embrapa Soja Londrina PR brighent@cnpso.embrapa.br

Leia mais

FUNDAMENTOS DE METEREOLOGIA ESCOLA NÁUTICA FABIO REIS. Prof. Fabio Reis INICIAR CLIK AQUI CURRÍCULO

FUNDAMENTOS DE METEREOLOGIA ESCOLA NÁUTICA FABIO REIS. Prof. Fabio Reis INICIAR CLIK AQUI CURRÍCULO FUNDAMENTOS DE METEREOLOGIA ESCOLA NÁUTICA FABIO REIS Prof. Fabio Reis CURRÍCULO INICIAR CLIK AQUI FUNDAMENTOS DE METEREOLOGIA ATMOSFERA E AQUECIMENTO DA TERRA ESCOLA NÁUTICA FABIO REIS VAPOR DE ÁGUA -

Leia mais

Influência da Safrinha na Eficiência de Produção do Milho no Brasil

Influência da Safrinha na Eficiência de Produção do Milho no Brasil XXX CONGRESSO NACIONAL DE MILHO E SORGO SALVADOR 5 DE AGOSTO DE 2014 Influência da Safrinha na Eficiência de Produção do Milho no Brasil Aildson Pereira Duarte Instituto Agronômico, Campinas (IAC) Influência

Leia mais

TC 071 PONTES E ESTRUTURAS ESPECIAIS II

TC 071 PONTES E ESTRUTURAS ESPECIAIS II TC 071 PONTES E ESTRUTURAS ESPECIAIS II 16ª AULA (19/10/2.010) MEZOESTRUTURA DE PONTES A mezoestrutura de ponte é a parte da estrutura (pilares) responsável por transmitir as cargas da superestrutura à

Leia mais

Cálculo do dano do amassamento, na cultura do trigo, pelo rodado do equipamento na primeira aplicação de defensivos

Cálculo do dano do amassamento, na cultura do trigo, pelo rodado do equipamento na primeira aplicação de defensivos Cálculo do dano do amassamento, na cultura do trigo, pelo rodado do equipamento na primeira aplicação de defensivos Erlei Melo Reis e Mateus Zanatta Agrosservice Pesquisa e consultoria agrícola, Passo

Leia mais

Desempenho Térmico de edificações Ventilação Natural

Desempenho Térmico de edificações Ventilação Natural Desempenho Térmico de edificações Ventilação Natural PROFESSOR Roberto Lamberts ECV 5161 UFSC FLORIANÓPOLIS + Importância + Ocorrência dos ventos + Implantação e orientação + Mecanismos + Diferenças de

Leia mais

ATIVIDADE : TESTES DE DEPOSIÇÃO

ATIVIDADE : TESTES DE DEPOSIÇÃO SINDAG CONGRESSO REGIONAL DE AVIAÇÃO AGRÍCOLA / SUL CACHOEIRA DO SUL, RS 7 a 9 DE JUNHO DE 2007 ATIVIDADE : TESTES DE DEPOSIÇÃO RELATÓRIO www.agrotec.etc.br www.sindag.org.br www.congressosindag.com.br

Leia mais

W = V x A. Desta forma, tendo dois valores de grandeza, poderemos calcular o terceiro.

W = V x A. Desta forma, tendo dois valores de grandeza, poderemos calcular o terceiro. Dimensionamento do Sistema Solar O dimensionamento do sistema solar é simples quando se aplica uma voltagem e alguns pontos de consumo. O conhecimento básico de alguns valores e grandezas são necessários

Leia mais

Escavadeiras compactas Robex 16-9 robex 27z-9 Robex 35z-9 Equipadas com motor Tier IV

Escavadeiras compactas Robex 16-9 robex 27z-9 Robex 35z-9 Equipadas com motor Tier IV Escavadeiras compactas Robex 16-9 robex 27z-9 Robex 35z-9 Equipadas com motor Tier IV R16Z-9 DeseMPenho e Precisão Novas tecnologias para maximizar o desempenho e a precisão, possibilitam suavidade, rapidez

Leia mais

4 O Modelo Termodinâmico da Turbina a Gás

4 O Modelo Termodinâmico da Turbina a Gás 4 O Modelo Termodinâmico da Turbina a Gás 4.1. Introdução Com o intuito de realizar o diagnóstico de falhas em turbinas a gás, são necessários muitos dados para a análise de falha dos componentes. O diagnóstico

Leia mais

Atuadores em Robótica

Atuadores em Robótica Atuadores em Robótica Profa. Michelle Mendes Santos michelle@cpdee.ufmg.br Atuadores Indicadores Em robótica muitas vezes é necessário sinalizar um acontecimento ou situação importante. Essa sinalização

Leia mais

MÁQUINAS PARA PREPARO DO SOLO PARTE I

MÁQUINAS PARA PREPARO DO SOLO PARTE I Departamento de Engenharia de Biossistemas ESALQ/USP MÁQUINAS PARA PREPARO DO SOLO PARTE I LEB0432 Máquinas e Implementos Agrícolas Prof. Leandro M. Gimenez 2016 159 EFICIÊNCIA EM TRAÇÃO E DEMANDA DE ENERGIA

Leia mais

Pulverização Aérea CARTILHA EXPLICATIVA

Pulverização Aérea CARTILHA EXPLICATIVA Pulverização Aérea CARTILHA EXPLICATIVA 1 A modernização da agricultura mundial O crescimento na demanda mundial de alimentos trouxe um novo desafio para a agricultura. A necessidade de evoluir na produtividade

Leia mais

6. Conclusões e recomendações

6. Conclusões e recomendações 87 6. Conclusões e recomendações É importante relembrar que o funcionamento do motor de um grupo gerador, para uma revolução de 1800 RPM, sempre irá atingir o seu melhor desempenho, pois é fabricado para

Leia mais

LINHA 2010 AERADORES E MISTURADORES

LINHA 2010 AERADORES E MISTURADORES LINHA 2010 AERADORES E MISTURADORES LINHA TORNADO Um novo conceito de Aeradores Submersos, projetado e desenvolvido pela engenharia da HIGRA, tem como finalidade atender aos cada vez mais exigentes requisitos

Leia mais

ESTRUTURAS ESPECIAIS DE CONTROLE

ESTRUTURAS ESPECIAIS DE CONTROLE Joinville Universidade do Estado de Santa Catarina - UDESC Centro de Ciências Tecnológicas CCT Departamento de Engenharia Elétrica Laboratório de Sistemas de Controle - I ESTRUTURAS ESPECIAIS DE CONTROLE

Leia mais

Lista de Exercícios Solução em Sala

Lista de Exercícios Solução em Sala Lista de Exercícios Solução em Sala 1) Um conjunto pistão-cilindro área de seção transversal igual a 0,01 m². A massa do pistão é 101 kg e ele está apoiado nos batentes mostrado na figura. Se a pressão

Leia mais

Saneamento Urbano TH419

Saneamento Urbano TH419 Universidade Federal do Paraná Arquitetura e Urbanismo Saneamento Urbano TH419 Aula 06 Declividade e estruturação viária Profª Heloise G. Knapik 1 Traçado de vias e Curvas de Nível Estrada em serra francesa

Leia mais

Water Cooled Motor refrigerado à água

Water Cooled Motor refrigerado à água Motores I Automação I Energia I Transmissão & Distribuição I Tintas Water Cooled Motor refrigerado à água Baixo nível de ruído Fácil manutenção Baixo custo operacional Motores Water Cooled Os motores refrigerados

Leia mais

UTILIZAR SEMPRE LUBRIFICADOR DE LINHA;

UTILIZAR SEMPRE LUBRIFICADOR DE LINHA; 1 de 10 1. AFIADORA MEGAMASTER A1P Características Principais: Consumo de ar comprimido: Rotação: Peso (sem mangueiras): Pressão de água: 40 pcm a 120 psi 20.000 rpm 1,00 Kg Mín. 1 bar / Máx. 4 bar Bitola

Leia mais

Indicações Registradas

Indicações Registradas Marca Comercial Titular do Registro Nº Registro MAPA Topik 240 EC SYNGENTA PROTEÇÃO DE CULTIVOS LTDA. - 1506.744.463/0001-90 Classe Herbicida Ingrediente Ativo (I.A.) Clodinafope-Propargil Nome Químico

Leia mais

Uso de baixo volume oleoso e assistência de ar no controle de plantas daninhas. Use of low volume in oil and air assistance in weed control

Uso de baixo volume oleoso e assistência de ar no controle de plantas daninhas. Use of low volume in oil and air assistance in weed control Uso de baixo volume oleoso e assistência de ar no controle de plantas daninhas Use of low volume in oil and air assistance in weed control Emerson da Silva Teixeira 1* ; Jethro Barros Osipe 1 ; Ulisses

Leia mais

7 TORRES DE RESFRIAMENTO E CONDENSADORES EVAPORATIVOS

7 TORRES DE RESFRIAMENTO E CONDENSADORES EVAPORATIVOS 91 7 TORRES DE RESFRIAMENTO E CONDENSADORES EVAPORATIVOS A maioria dos equipamentos dos sistemas de refrigeração rejeita calor para a atmosfera. Embora existam aplicações onde o calor rejeitado do ciclo

Leia mais

Cálculos envolvendo Atuadores Hidráulicos. Sistemas Hidropneumáticos I Hidráulica 04. Atuador hidráulico de dupla ação

Cálculos envolvendo Atuadores Hidráulicos. Sistemas Hidropneumáticos I Hidráulica 04. Atuador hidráulico de dupla ação UNIFEI Sistemas Hidropneumáticos I Hidráulica 04 Cálculos envolvendo tuadores Hidráulicos EME-26 ula 04 21-09-2009 Prof. José Hamilton Chaves Gorgulho Júnior tuador hidráulico de dupla ação tuador hidráulico

Leia mais

A ÁGUA É UM RECURSO ESCASSO E FUNDAMENTAL PARA A AGRICULTURA NUMA AGRICULTURA SUSTENTÁVEL É FUNDAMENTAL REDUZIR O RISCO DE POLUIÇÃO DA ÁGUA

A ÁGUA É UM RECURSO ESCASSO E FUNDAMENTAL PARA A AGRICULTURA NUMA AGRICULTURA SUSTENTÁVEL É FUNDAMENTAL REDUZIR O RISCO DE POLUIÇÃO DA ÁGUA 1 A ÁGUA É UM RECURSO ESCASSO E FUNDAMENTAL PARA A AGRICULTURA NUMA AGRICULTURA SUSTENTÁVEL É FUNDAMENTAL REDUZIR O RISCO DE POLUIÇÃO DA ÁGUA OS PRODUTOS FITOFARMACÊUTICOS SÃO FUNDAMENTAIS PARA A PRODUÇÃO

Leia mais

CUSTO DE PRODUÇÃO DE MILHO - SAFRA 2015/2016 MATO GROSSO - Janeiro/2015

CUSTO DE PRODUÇÃO DE MILHO - SAFRA 2015/2016 MATO GROSSO - Janeiro/2015 MATO GROSSO - Janeiro/2015 R$ 0,00 R$ 0,00 Nordeste Médio-Norte Oeste Centro-Sul Sudeste Mato Grosso 333.627 1.548.845 530.231 201.169 664.932 3.278.803 DESPESAS COM INSUMOS R$ 1.241,80 R$ 1.148,62 R$

Leia mais

CUSTO DE PRODUÇÃO DE MILHO - SAFRA 2016/2017 MATO GROSSO - Março/2016

CUSTO DE PRODUÇÃO DE MILHO - SAFRA 2016/2017 MATO GROSSO - Março/2016 MATO GROSSO - Março/2016 R$ 0,00 R$ 0,00 Nordeste Médio-Norte Oeste Centro-Sul Sudeste Mato Grosso 357.536 1.585.024 583.054 209.446 750.982 3.486.042 DESPESAS COM INSUMOS R$ 1.397,93 R$ 1.282,86 R$ 1.292,30

Leia mais

DIMENSIONAMENTO DE MÁQUINAS

DIMENSIONAMENTO DE MÁQUINAS DIMENSIONAMENTO DE MÁQUINAS Principais forças de atuação no movimento das máquinas Forças favoráveis: Esforço motor (E R ); Assistência de rampa. Forças desfavoráveis: Resistência de rampa; Resistência

Leia mais

Órgãos de Máquinas II

Órgãos de Máquinas II Órgãos de Máquinas II 3. Transmissões por Correntes Adaptado e adotado para a unidade curricular por José R. Gomes / Departamento de Engenharia Mecânica a partir do material de apoio pedagógico em Powerpoint

Leia mais

Manual do usuário. Misturador 20lts

Manual do usuário. Misturador 20lts Manual do usuário Misturador 20lts Data: 09/2016 Rev.:01 Montagem Índice Pág. 1-Montando para uso... 3 2-Mangueiras... 4 3- Especificações técnicas... 5 4-Colocando a lata de tinta... 6 5-Colocando em

Leia mais

Lançamento Soja marca Pioneer no Sul do Brasil. Ricardo B. Zottis Ger. Produto RS/SC

Lançamento Soja marca Pioneer no Sul do Brasil. Ricardo B. Zottis Ger. Produto RS/SC Lançamento Soja marca Pioneer no Sul do Brasil Ricardo B. Zottis Ger. Produto RS/SC Agenda 1. Histórico Soja marca Pioneer 2. Pesquisa Soja Brasil 3. Qualidade das Sementes DuPont Pioneer 4. Cultivares

Leia mais

ESTUDO DA VIABILIDADE ENERGÉTICA DE IMPLANTAÇÃO DE UMA USINA EÓLICA DE 100 KW PARA ABASTECER UMA COMUNIDADE RURAL ISOLADA 1

ESTUDO DA VIABILIDADE ENERGÉTICA DE IMPLANTAÇÃO DE UMA USINA EÓLICA DE 100 KW PARA ABASTECER UMA COMUNIDADE RURAL ISOLADA 1 ESTUDO DA VIABILIDADE ENERGÉTICA DE IMPLANTAÇÃO DE UMA USINA EÓLICA DE 100 KW PARA ABASTECER UMA COMUNIDADE RURAL ISOLADA 1 Felipe Alex Trennepohl 2, Leandro Becker Kehler 3. 1 Estudo realizado para a

Leia mais

CHEVROLET S10 CABINE SIMPLES 2.4 FLEXPOWER 2014

CHEVROLET S10 CABINE SIMPLES 2.4 FLEXPOWER 2014 CHEVROLET S10 CABINE SIMPLES 2.4 FLEXPOWER 2014 FICHA TÉCNICA Carroceria / motorização: Construção: Fabricação: Chevrolet S10 Cabine Simples Flexpower Picape, 2 ou 3 ocupantes (dependendo da versão), 2

Leia mais

New Holland TT. TT4o3o

New Holland TT. TT4o3o New Holland TT TT4o3o VERSATILIDADE PARA TRABALHAR EM TODOS OS CAMPOS. Ágil, potente e robusto. O TT4030 chegou para atuar em diversas frentes na sua lavoura. Ideal para as atividades que requerem força,

Leia mais

INSTALAÇÃO DE SISTEMAS DE AQUECIMENTO SOLAR

INSTALAÇÃO DE SISTEMAS DE AQUECIMENTO SOLAR INSTALAÇÃO DE SISTEMAS DE AQUECIMENTO SOLAR CONDIÇÕES PARA O FUNCIONAMENTO DO SISTEMA Caixa d' água fria Respiro OESTE Reservatório térmico Radiação solar Retorno para os coletores Consumo SUL 20 20 NORTE

Leia mais

ARBORICULTURA II. Manutenção do Solo 1ªParte

ARBORICULTURA II. Manutenção do Solo 1ªParte ARBORICULTURA II Manutenção do Solo 1ªParte 2004-2005 As técnicas de manutenção do solo Mobilização Solo sem vegetação Sem mobilização Herbicida total Orgânico Mulching Inerte Solo coberto Cobertura vegetal

Leia mais