Manual de Treinamento CONCEITOS E TECNOLOGIAS QUE VISAM A AUMENTAR O CONTROLE DE PRAGAS E DOENÇAS DE BAIXEIRO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Manual de Treinamento CONCEITOS E TECNOLOGIAS QUE VISAM A AUMENTAR O CONTROLE DE PRAGAS E DOENÇAS DE BAIXEIRO"

Transcrição

1 CONCEITOS E TECNOLOGIAS QUE VISAM A AUMENTAR O CONTROLE DE PRAGAS E DOENÇAS DE BAIXEIRO EDIÇÃO Nº 01/2014 Código: 0416-tp Manual de Treinamento Máquinas Agrícolas Jacto Rua Dr. Luiz Miranda, Pompéia - SP - Brasil Tel.: (14) Fax: (14)

2 .

3 Índice 1. Introdução Bicos de Pulverização Classes de gotas Cobertura Penetração Sistema Vortex Pontos de regulagem do vortex Rotação Velocidade do ar Vantagens de utilizar o sistema Redução da Deriva Possibilidade de uso de maiores velocidades Redução de volume Aplicações com vento ambiente desfavorável Rendimento operacional

4

5 1. Introdução A busca por aplicações de agroquímicos mais eficientes e seguras tem norteado a principal linha de pesquisas do setor, bicos de pulverização, sistema vortex, adjuvantes, entre outras, são alternativas que se apresentam como opções viáveis na busca por qualidade e uso racional dos recursos. O uso intensivo das áreas de produção, a busca incessante do aumento da produtividade, e o aumento no número de aplicações têm contribuído para o aparecimento de problemas de difícil controle como ferrugem asiática, mofo branco e recentemente o ataque intenso de lagartas do gênero helicoverpa. Todos esses problemas têm como principal característica o difícil controle devido ao local em que se localizam, baixeiros, face inferior das folhas e pontos de difícil acesso, fazem com que o acerto do alvo biológico se torne muito complicado, a seguir apresentaremos quais técnicas podem ser utilizadas para melhoraria dessa atividade. Fonte ANDEF: Associação Nacional de Defesa Vegetal 5

6 2. Bicos de Pulverização 2.1. Classes de gotas A gota formada por um bico de pulverização carrega consigo todo um planejamento que visa ao controle de um problema seja ele fungo, praga ou planta daninha. A estruturação desse planejamento deve ser exaustivamente estudada, levando em conta as características do problema a ser tratado e o ambiente em que se encontra. A escolha correta da gota é o ponto chave para o sucesso da aplicação. Uma das principais diferenças existentes entre os modelos de bicos de pulverização está no tamanho da gota gerada. Para cada família de bicos uma característica de classe de gota é atribuída a ele, essa variação se faz necessária devido aos diferentes problemas encontrados no campo, diferentes tipos de culturas tratadas, condições climáticas diferentes e principalmente o tipo de agroquímico objetivando o controle de diferentes problemas. Os modelos de bicos apresentam classes de gotas que variam de muito fina a extremamente grossa, passando por fina, média, grossa e muito grossa, podendo ser variáveis dentro de um mesmo modelo através da variação de pressão. A classe de gota escolhida para o momento de aplicação se faz extremamente importante para a melhoria da qualidade, redução no risco de deriva, evaporação, cobertura e penetração, fatores que estão interligados diretamente a classe de gotas. Seguem exemplos de modelos de bicos e suas respectivas classe de gota. Modelo ATR Gota: Muito Fina Modelo API Gota: Fina Modelo ADI Gota: Média Modelo JAP Gota: Grossa Modelo CVI Gota: Muito Grossa Modelo TVI Gota: Extremamente Grossa 6

7 2. Bicos de Pulverização 2.2. Cobertura Cobertura refere-se a quantidade de gotas depositadas em uma determinada área no momento da aplicação. Para cada tipo de produto utilizado, recomenda-se uma quantidade mínima de gotas por cm², conforme tabela 1: Tabela 1: Quantidade de gotas/cm² em função do tipo de agroquímico utilizado. Produto Gotas/cm 2 Tamanho de gotas Inseticida Sistêmico 20 a 30 média/grossa Inseticida de Contato 50 a 70 fina/média Herbicida: Pré-Emergente 20 a 30 média/grossa a grossa/muito grossa Herbicida: Pós-Emergente - Sistêmico 20 a 30 média/grossa a grossa/muito grossa Herbicida: Pós-Emergente - Contato 30 a 40 fina/média a média/grossa Fungicida - Sistêmico 50 a 70 fina/média Fungicida - Contato > 70 muito fina/fina Fatores como a quantidade de alvo a ser coberto, tamanho da gota, e a taxa de aplicação (l/ha) interferem diretamente na cobertura, sendo esse um dos parâmetros de qualidade mais utilizado e com maior praticidade de avaliação no campo. Considerando um mesmo volume de líquido a ser aplicado, na medida em que o tamanho das gotas é reduzido, resulta-se em um maior número delas por área, o que pode aumentar a cobertura sobre o alvo. Esta técnica permite utilizar uma determinada cobertura que satisfaça as necessidades de cada uma das aplicações, buscando a maior eficiência possível do produto aplicado, com o menor volume de líquido pulverizado, conforme representado na figura 1. Figura 1: cobertura em função da classe de gota e taxa de aplicação 7

8 2.3 Penetração A possibilidade de utilizar gotas mais finas com maior eficiência favorece a deposição sobre a cultura. Essas gotas mais finas, porém, necessitam da movimentação das folhas causada pelo ar para que penetrem no interior da cultura, que em estágios de desenvolvimento mais avançados, se tornam muito fechadas. Esta agitação das folhas faz a pulverização atingir todas as áreas, mesmo aquelas que ficam escondidas sob as plantas, eliminando assim o efeito guarda-chuva, eventual responsável pela baixa eficiência das aplicações, como mostra a figura 2. Figura 2: penetração das gotas em função de sua classe O quadro abaixo apresenta um resumo das diferentes classes de gotas e seu provável comportamento nas aplicações. 8

9 3. Sistema Vortex Outra tecnologia que tem como objetivo aumentar a penetração das gotas na massa foliar é o Sistema Vortex que faz com que a cultura possa captar mais gotas na face inferior das folhas provenientes da deflexão do ar pela superfície do solo, obtendo assim um melhor controle de insetos e fungos que se localizam na face inferior da folha, bem como das ervas daninhas que ficam protegidas por plantas maiores. Esta tecnologia na barra de pulverização é uma ferramenta utilizada para melhorar a qualidade das aplicações, sempre com o objetivo de aumentar a deposição dos produtos fitossanitários em locais de difícil acesso (baixeiro) onde as aplicações tradicionais podem ser deficiente. O sistema vortex tem por objetivo aumentar o rendimento operacional (menores volumes e reabastecimentos, maior velocidade de deslocamento e extensão dos horários de pulverização), reduzir a deriva (velocidade do vento da máquina é maior que o vento ambiente) e a exposição a esses produtos (SARTORI, 1997). 3.1 Pontos de regulagem do vortex A Figura 3: Regulador do ângulo de inclinação da canaleta de saída do ar. O sistema Vortex apresenta dois pontos de regulagem para ajustar a aplicação às características de enfolhamento da cultura: uma delas é a angulação da canaleta de saída de ar. Esse dispositivo é mostrado em detalhe na foto ao lado (A), figura 3. A recomendação para uso da angulação da canaleta de ar segue o critério apresentado na tabela 2: Tabela 2: Angulação da canaleta de ar Condição da cultura Início de desenvolvimento (Vê-se mais solo do que folhas) Desenvolvimento vegetativo intermediário (É possível ver o solo nas entrelinhas) Fonte: Centro P&D Jacto S/A Cultura bastante enfolhada (Não é possível ver o solo) Ângulo na canaleta de ar Não se recomenda o uso do vortex Utilizar angulações frontais de 0 a +30º Utilizar angulação de 0º (perpendicular) 9

10 3. Sistema Vortex 3.2 Rotação Outro ponto de regulagem é a rotação dos ventiladores que aumenta proporcionalmente a velocidade do ar na barra. Esse ajuste é feito para o caso dos equipamentos que contam com controlador eletrônico, no computador de aplicação, numa escala que varia de 0 a 10. Na figura 3 é mostrado o detalhe da tela de ajuste da rotação. Figura 3: Display de regulagem do sistema vortex Em outros equipamentos coo Falcon Vortex, Advance 2000 e 3000 Vortex e Advance BK, esse ajuste da velocidade do ar deve ser feito regulando-se a abertura de uma válvula que controla o fluxo de óleo do sistema hidráulico do ventilador e consequentemente a rotação dos ventiladores. Alguns tipos de válvula são mostrados nas figuras 4 e 5: Figuras 4 e 5: Válvulas reguladoras 3.3 Velocidade do ar A recomendação de uso da velocidade do ar para o Uniport Vortex segue o critério apresentado na tabela 3: Tabela 3: Velocidade do ar - Uniport Vortex Condição da cultura Início de desenvolvimento (Vê-se mais solo do que folhas) Desenvolvimento vegetativo intermediário (É possível ver o solo nas entrelinhas) Cultura bastante enfolhada (Não é possível ver o solo) Velocidade do ar (escala) Desligado 4 a 6 8 a 10 Fonte: Centro P&D Jacto S/A 10

11 3. Sistema Vortex Para o caso dos equipamentos que contam com regulagem manual do sistema vortex, a regulagem deve seguir o critério apresentado na tabela 4:. Tabela 4: Critérios para regulagem manual do sistema Vortex Máquina modelo Condição de enfolhamento Rotação (velocidade) Falcon vortex Advance 2000 vortex Advance 3000 Vortex BK 3024 Início de desenvolvimento vegetativo Desenvolvimento vegetativo intermediário Cultura com grande densidade foliar Início de desenvolvimento vegetativo Desenvolvimento vegetativo intermediário Cultura com grande densidade foliar Início de desenvolvimento vegetativo Desenvolvimento vegetativo intermediário Cultura com grande densidade foliar Início de desenvolvimento vegetativo Desenvolvimento vegetativo intermediário Cultura com grande densidade foliar Fonte: Adaptado a partir das conclusões de trabalhos referente a utilização do sistema Vortex. Desligado 1160 rpm (10 m/s) a 1740 rpm (16m/s) 2320 rpm (21m/s) a 2900 rpm (26 m/s) Desligado 1170 rpm (11 m/s) a 1755 rpm ( 17 m/s) 2340 rpm (22 m/s) a 2925 rpm (28 m/s) Desligado 1160 rpm (11 m/s) a 1740 (17 m/s) 2320 rpm (22 m/s) a 2900 rpm (28 m/s) Desligado 920 rpm (12 m/s) a 1380 rpm (18 m/s) 1840 rpm (24 m/s) a 2300 rpm (30 m/s) 11

12 3.4 Vantagens de utilizar o sistema Redução da Deriva Conceitualmente, todo produto que não atinge o alvo, através da ação do vento, escorrimento ou evaporação é visto como deriva. O sistema vortex forma uma barreira de ar fazendo com que o vento ambiente não consiga deslocar a massa de gotas pulverizada para áreas vizinhas. Cuidados na escolha da melhor configuração para o volume e velocidade de ar utilizados na aplicação são de extrema importância para o sucesso do sistema, verifique na tabela 4. Embora a utilização do sistema Vortex se configure em uma tecnologia que visa a aumentar a eficiência dos agroquímicos, alguns cuidados devem ser obedecidos para evitar possíveis problemas com a deriva, dentre eles o tamanho da gota ideal. Escolha do tamanho de gota ideal: Bicos que produzem gotas grossas ou extremamente grossas, apesar de contribuírem para redução de deriva pelo vento quando utilizadas em conjunto com o sistema vortex, podem aumentar o risco de escorrimento, devido a associação de maior peso da gotas e a utilização do sistema em altos níveis de velocidade e volume de ar, portanto, há casos onde o uso total da potência dos ventiladores não é indicado. Já as gotas extremamente finas devem ser utilizadas com umidade relativa superior a 70% devido a sua grande probabilidade da evaporação em dias com umidade relativa baixa. A assistência de ar na barra de pulverização gera uma cortina de ar que sai ao lado dos bicos, cerca de 90 km/h, impulsionando as gotas pulverizadas em direção ao alvo, abrindo uma janela de aplicação e reduzindo assim o efeito da ação convectiva. Fenômeno esse representado pela figura 6. Figura 6: Ação convectiva; vento ausente; temperatura elevada; Insolação alta. 12

13 3.4 Vantagens de utilizar o sistema Possibilidade de uso de velocidades maiores de caminhamento Em aplicações convencionais, o uso de altas velocidades pode aumentar a deriva. O uso de uma cortina de ar propicia melhor aproveitamento dessas gotas na pulverização, como podemos observar na tabela 5 abaixo, aumentando o aproveitamento do produto aplicado, reduzindo a contaminação do ambiente e do operador e melhorando consequentemente a eficiência da aplicação Redução de volume A diminuição da fração de perdas por deriva e a possibilidade de uso de gotas menores e de maior capacidade de cobertura favorecem a redução do volume de água para pulverização, aumento da capacidade operacional e conseqüentemente diminuição dos custos Aplicações com vento ambiente desfavorável Devido a cortina de ar, é possível a pulverização mesmo sob condições mais desfavoráveis de vento ambiente, quer seja por vento muito forte ou ausente, maximizando a qualidade da pulverização e aumentando a janela de aplicação Rendimento operacional A eficiência de uma operação de pulverização é muito dependente dos tempos perdidos por fatores diversos, com a utilização do sistema Vortex os fatores mais prejudiciais podem ser minimizados. Com a utilização do sistema é possível trabalhar com bicos de baixa vazão e gotas mais finas, desta forma, o volume de aplicação pode ser reduzido em relação ao sistema convencional para uma mesma cobertura. A possibilidade de trabalhar com menores volumes de água aumenta a produção diária do equipamento já que diminui o número de reabastecimentos necessários, facilitando a operação de pulverização. Veja na tabela abaixo uma análise para determinar área de domínio com Uniport Vortex levando em conta diferentes taxas de aplicação. 13

14 3. Sistema Vortex Tabela 5: análise para determinar área de domínio com Uniport Vortex levando em conta diferentes taxas de aplicação. Características Unidade Uniport Vortex 24m Uniport Vortex 24m Uniport Vortex 24m Volume aplicação l/ha Distância da fonte de abastecimento km 0,5 0,5 0,5 Vazão de enchimento l/min Velocidade de trabalho km/h Velocidade de translado km/h Parada por condições climáticas adversas h/dia Largura de trabalho m Volume do tanque litros Resultados Autonomia de 1 tanque min 20,8 41,7 83,3 Distância da autonomia do tanque km 6,3 12,5 25,0 Eficiência Operacional % 79,5% 87,9% 92,8% Capacidade diária h/dia Área de domínio ha

15 3. Sistema Vortex Outro fator que altera a eficiência da pulverização é a parada devido ao vento, quando o mesmo supera os valores recomendados para aplicação. Em uma pulverização convencional, quando o vento atinge cerca de 15 km/h deve-se parar o pulverizador, pois a qualidade da aplicação será comprometida. Em pulverizações com cortina de ar é possível pulverizar com vento acima de 15 km/h, sem que haja deriva significativa (fonte: Fundação ABC). Tabela 6: análise para determinar área de domínio com Uniport Vortex levando em conta diferentes taxas de aplicação. Características Unidade Uniport Uniport Uniport Star 24m Star 24m Star 24m Volume aplicação l/ha Distância da fonte de abastecimento km 0,5 0,5 0,5 Vazão de enchimento l/min Velocidade de trabalho km/h Velocidade de translado km/h Parada por condições climáticas adversas h/dia Largura de trabalho m Volume do tanque litros Resultados Autonomia de 1 tanque min 19,5 39,1 78,1 Distância da autonomia do tanque km 5,2 10,4 20,8 Eficiência operacional % 80,2% 88,4% 93,1% Capacidade diária h/dia Área de domínio ha ATENÇÃO! A definição dos parâmetros que serão adotados em uma aplicação é de extrema e fundamental importância para redução dos riscos que envolvem a atividade de aplicação de defensivos. Por isso, sempre consulte um profissional qualificado. 15

Mecanização da Pulverização. Eng. Agr.Jairo da Costa Moro Máquinas Agrícolas Jacto S.A

Mecanização da Pulverização. Eng. Agr.Jairo da Costa Moro Máquinas Agrícolas Jacto S.A Eng. Agr.Jairo da Costa Moro Máquinas Agrícolas Jacto S.A Mercado de defensivos Agrícolas 2014 - Brasil - O mercado brasileiro comercializou o valor total de US$12,25 bilhões em defensivos agrícolas. Fonte:

Leia mais

ARBUS Rua Dr. Luiz Miranda, Pompeia - SP - Tel. (14) Fax. (14)

ARBUS Rua Dr. Luiz Miranda, Pompeia - SP - Tel. (14) Fax. (14) Rua Dr. Luiz Miranda, 1650-17580-000 - Pompeia - SP - Tel. (14) 3405 2100 - Fax. (14) 3452 1916 - E-mail: vendas@jacto.com.br PROTEJA O MEIO AMBIENTE. AO INUTILIZAR ESTE FOLHETO, NÃO JOGUE EM VIAS PÚBLICAS.

Leia mais

APLICAÇÃO DE DEFENSIVOS AGRÍCOLAS. Professor : Nailton Rodrigues de Castro Disciplina : Máquinas Agrícolas

APLICAÇÃO DE DEFENSIVOS AGRÍCOLAS. Professor : Nailton Rodrigues de Castro Disciplina : Máquinas Agrícolas APLICAÇÃO DE DEFENSIVOS AGRÍCOLAS Professor : Nailton Rodrigues de Castro Disciplina : Máquinas Agrícolas INTRODUÇÃO É a aplicação uniforme de um defensivo agrícola na forma líquida, utilizando a energia

Leia mais

Tecnologia de Aplicação Defensivos Agrícolas

Tecnologia de Aplicação Defensivos Agrícolas Tecnologia de Aplicação Defensivos Agrícolas Disciplina: Tecnologia de Aplicação de Defensivos Agrícolas Faculdade de Engenharia Agronômica UniSALESIANO - LINS SP Prof. Harumi Hamamura harumi.lins.cati@gmail.com

Leia mais

O QUE É UMA PULVERIZAÇÃO?

O QUE É UMA PULVERIZAÇÃO? TECNOLOGIA DE APLICAÇÃO DE HERBICIDAS Emprego de todos os conhecimentos científicos que proporcionem a correta colocação do produto biologicamente ativo no alvo, em quantidade necessária, de forma econômica,

Leia mais

LINHA CONDOR. Rua Dr. Luiz Miranda, Pompeia - SP - Tel. (14) Fax. (14)

LINHA CONDOR. Rua Dr. Luiz Miranda, Pompeia - SP - Tel. (14) Fax. (14) Rua Dr. Luiz Miranda, 1650 17580000 Pompeia SP Tel. (14) 3405 2100 Fax. (14) 3452 1916 Email: vendas@jacto.com.br PROTEJA O MEIO AMBIENTE. AO INUTILIZAR ESTE FOLHETO, NÃO JOGUE EM VIAS PÚBLICAS. www.jacto.com.br

Leia mais

TECNOLOGIA DE APLICAÇÃO DE HERBICIDAS

TECNOLOGIA DE APLICAÇÃO DE HERBICIDAS TECNOLOGIA DE APLICAÇÃO DE HERBICIDAS Emprego de todos os conhecimentos científicos que proporcionem a correta colocação do produto biologicamente ativo no alvo, em quantidade necessária, de forma econômica,

Leia mais

Seleção de Pontas de Pulverização

Seleção de Pontas de Pulverização JORNADAS DE ACTUALIZACIÓN EN TECNOLOGÍAS DE APLICACIÓN EN CULTIVOS EXTENSIVOS Seleção de Pontas de Pulverização Otavio J. G. Abi Saab Prof. Mecanização Agrícola Universidade Estadual de Londrina Estado

Leia mais

11. CULTIVO MECÂNICO. Cultivo é o conjunto de operações após a instalação e durante o desenvolvimento da cultura. Podem ser:

11. CULTIVO MECÂNICO. Cultivo é o conjunto de operações após a instalação e durante o desenvolvimento da cultura. Podem ser: . CULTIVO MECÂNICO Cultivo é o conjunto de operações após a instalação e durante o desenvolvimento da cultura. Podem ser: Mecânicos; Químicos; Chamas. Os cultivadores mecânicos são usados para uma movimentação

Leia mais

Tecnologia de Aplicação

Tecnologia de Aplicação Tecnologia de Aplicação Rodolfo G. Chechetto Engenheiro Agrônomo O que é Tecnologia de Aplicação? Conjunto de conhecimentos que integram informações sobre os produtos fitossanitários, suas formulações

Leia mais

LINHA JATÃO 3 PONTOS. Rua Dr. Luiz Miranda, Pompeia - SP - Tel. (14) Fax. (14)

LINHA JATÃO 3 PONTOS. Rua Dr. Luiz Miranda, Pompeia - SP - Tel. (14) Fax. (14) Rua Dr. Luiz Miranda, 1650-17580-000 - Pompeia - SP - Tel. (14) 3405 2100 - Fax. (14) 3452 1916 - E-mail: vendas@jacto.com.br PROTEJA O MEIO AMBIENTE. AO INUTILIZAR ESTE FOLHETO, NÃO JOGUE EM VIAS PÚBLICAS.

Leia mais

Comunicado Técnico 09

Comunicado Técnico 09 Comunicado Técnico 09 ISSN 2177-854X Maio. 2011 Uberaba - MG Regulagem de Pulverizadores Agrícolas de Barras Responsável: Paulo Roberto Pala Martinelli E-mail: prpmartinelli@yahoo.com.br Engenheiro Agrônomo;

Leia mais

LINHA ADVANCE. Rua Dr. Luiz Miranda, Pompeia - SP - Tel. (14) Fax. (14)

LINHA ADVANCE. Rua Dr. Luiz Miranda, Pompeia - SP - Tel. (14) Fax. (14) Rua Dr. Luiz Miranda, 1650 17580000 Pompeia SP Tel. (14) 3405 2100 Fax. (14) 3452 1916 Email: vendas@jacto.com.br PROTEJA O MEIO AMBIENTE. AO INUTILIZAR ESTE FOLHETO, NÃO JOGUE EM VIAS PÚBLICAS. www.jacto.com.br

Leia mais

ARBUS 2000 TP. Rua Dr. Luiz Miranda, Pompeia - SP - Tel. (14) Fax. (14) www. jacto.com.br

ARBUS 2000 TP. Rua Dr. Luiz Miranda, Pompeia - SP - Tel. (14) Fax. (14) www. jacto.com.br Rua Dr. Luiz Miranda, 1650-17580-000 - Pompeia - SP - Tel. (14) 3405 2100 - Fax. (14) 3452 1916 - www. jacto.com.br PROTEJA O MEIO AMBIENTE. AO INUTILIZAR ESTE FOLHETO, NÃO JOGUE EM VIAS PÚBLICAS. Imagens

Leia mais

MAPS TELEMETRIA PULVERIZAÇÃO

MAPS TELEMETRIA PULVERIZAÇÃO Rua Dr. Luiz Miranda, 1650-17580-000 - Pompeia - SP - Tel. (14) 3405 2100 - E-mail: helpdesk@ jacto.com.br PROTEJA O MEIO AMBIENTE. AO INUTILIZAR ESTE FOLHETO, NÃO JOGUE EM VIAS PÚBLICAS. OTMIS MAPS TELEMETRIA

Leia mais

Tecnologia de Aplicação de Defensivos Agrícolas

Tecnologia de Aplicação de Defensivos Agrícolas INFORMATIVO DE DESENVOLVIMENTO TECNOLÓGICO ANO 3 NÚMERO 9 Setembro 2014 Tecnologia de Aplicação de Defensivos Agrícolas Introdução A correta aplicação de defensivos agrícolas exige uma série de conhecimentos

Leia mais

Aplicação de fitossanitário requer tecnologia específica

Aplicação de fitossanitário requer tecnologia específica Eficácia Aplicação de fitossanitário requer tecnologia específica Casimiro Dias Gadanha Junior e Marcos Vilela de Magalhães Monteiro* ACERVO FUNDAÇÃO MT Pulverização foliar terrestre em lavoura de soja

Leia mais

Alex Soares Ignoti. Alex Soares Ignoti Maracaju/MS

Alex Soares Ignoti. Alex Soares Ignoti Maracaju/MS RTV RTV Maracaju Inquima MS Alex Soares Ignoti Alex Soares Ignoti Maracaju/MS Uma Parceria Proprietário: Lucio Basso Sidrolândia - MS Execução e Acompanhamento Aplicador Radames ATV Inquima em Treinamento

Leia mais

14. CULTIVO MECÂNICO. Cultivo é o conjunto de operações após a instalação e durante o desenvolvimento da cultura. Podem ser:

14. CULTIVO MECÂNICO. Cultivo é o conjunto de operações após a instalação e durante o desenvolvimento da cultura. Podem ser: 17 14. CULTIVO MECÂNICO Cultivo é o conjunto de operações após a instalação e durante o desenvolvimento da cultura. Podem ser: Mecânicos; Químicos; Chamas. Os cultivadores mecânicos são usados para uma

Leia mais

Calibração Pulverizador de barras

Calibração Pulverizador de barras Calibração Pulverizador de barras INÍCIO ANALISAR pulverizador e corrigir Medir a VELOCIDADE do tractor Medir DÉBITO dos BICOS Usar apenas água na calibragem do pulverizador Calcular DÉBITO por ha PULVERIZAR

Leia mais

Influências das Pontas de Pulverização, Pressão de Trabalho e Condições Climáticas nas Aplicações de Defensivos

Influências das Pontas de Pulverização, Pressão de Trabalho e Condições Climáticas nas Aplicações de Defensivos Tecnologia e Produção: Soja e Milho / Influências das Pontas de Pulverização, Pressão de Trabalho e Condições Climáticas nas Aplicações de Defensivos Paulo O. Coutinho Ricardo Barros.. Introdução A Fundação

Leia mais

Princípios básicos da aplicação de agrotóxicos

Princípios básicos da aplicação de agrotóxicos Defensivos Princípios básicos da aplicação de agrotóxicos José Maria Fernandes dos Santos* Luiz Henrique carvalho/iac Controle de pragas com o uso de aeronaves agrícolas exige cuidados, pois efeitos aerodinâmicos

Leia mais

Pulverizadores: Mecanização da cultura do Cacau. Máquinas Agrícolas Jacto S/A Pompéia -SP. Eng. Agr. Walter W Mosquini Planejamento de Produto

Pulverizadores: Mecanização da cultura do Cacau. Máquinas Agrícolas Jacto S/A Pompéia -SP. Eng. Agr. Walter W Mosquini Planejamento de Produto Pulverizadores: Mecanização da cultura do Cacau Máquinas Agrícolas Jacto S/A Pompéia -SP Eng. Agr. Walter W Mosquini Planejamento de Produto Informações Foi fundada em 1948; Todas as unidades produtivas

Leia mais

6.4 CONTROLE DE PLANTAS DANINHAS

6.4 CONTROLE DE PLANTAS DANINHAS 6.4 CONTROLE DE PLANTAS DANINHAS Prejuízos: -Competição por água; -Competição por luz; -Competição por nutrientes; -Hospedeiros de pragas e doenças; -Interferência na operação de colheita. Período de competição:

Leia mais

TECNOLOGIA DE APLICAÇÃO EM UBV e BVO. Marcelo Caires

TECNOLOGIA DE APLICAÇÃO EM UBV e BVO. Marcelo Caires TECNOLOGIA DE APLICAÇÃO EM UBV e BVO Uso de micro gotas oleosas para o controle do bicudo Marcelo Caires Técnico em Agropecuária INSERÇÃO DE EQUIPAMENTOS TECNOLÓGICOS Instrumentos para o auxílio nas aplicações

Leia mais

TECNOLOGIA DE APLICAÇÃO DE AGROTÓXICOS NA CITRICULTURA

TECNOLOGIA DE APLICAÇÃO DE AGROTÓXICOS NA CITRICULTURA TECNOLOGIA DE APLICAÇÃO DE AGROTÓXICOS NA CITRICULTURA HAMILTON HUMBERTO RAMOS Diretor Geral do Instituto Agronômico TECNOLOGIA DE APLICAÇÃO DE PRODUTOS FITOSSANITÁRIOS Emprego de todos os conhecimentos

Leia mais

Fundamentos da Agricultura de Precisão

Fundamentos da Agricultura de Precisão Fundamentos da Agricultura de Precisão O que é Agricultura de Precisão (AP)? Consideração da variabilidade espacial e temporal dos atributos relativos à cultura (solo, sanidade, ataque de pragas, produtividade,

Leia mais

ARBUS 1500 DIAMOND. Rua Dr. Luiz Miranda, Pompéia - SP - Tel. (14) Fax. (14)

ARBUS 1500 DIAMOND. Rua Dr. Luiz Miranda, Pompéia - SP - Tel. (14) Fax. (14) Rua Dr. Luiz Miranda, 1650-17580-000 - Pompéia - SP - Tel. (14) 3405 2100 - Fax. (14) 3452 1916 - E-mail: vendas@jacto.com.br www.jacto.com.br A Jacto se reserva o direito de promover modi cações em seus

Leia mais

TECNOLOGIA DE APLICAÇÃO DE AGROTÓXICOS

TECNOLOGIA DE APLICAÇÃO DE AGROTÓXICOS Definição: Ciência multidisciplinar Disciplina: Fitopatologia Agrícola TECNOLOGIA DE APLICAÇÃO DE AGROTÓXICOS Objetivos: Destinada às pesquisas de equipamentos Processos e obtenção de resultados mais eficientes

Leia mais

UNIVERSIDADE DE PASSO FUNDO FACULDADE DE AGRONOMIA E MEDICINA VETERINÁRIA PROGRAMA DE PÓS GRADUAÇÃO EM AGRONOMIA DEISE ISABEL DA COSTA WALTER BOLLER

UNIVERSIDADE DE PASSO FUNDO FACULDADE DE AGRONOMIA E MEDICINA VETERINÁRIA PROGRAMA DE PÓS GRADUAÇÃO EM AGRONOMIA DEISE ISABEL DA COSTA WALTER BOLLER UNIVERSIDADE DE PASSO FUNDO FACULDADE DE AGRONOMIA E MEDICINA VETERINÁRIA PROGRAMA DE PÓS GRADUAÇÃO EM AGRONOMIA Aplicação de fungicida em soja com atomizador rotativo de discos, operado com cinco velocidades

Leia mais

TECNOLOGIA DE APLICAÇÃO DE HERBICIDAS

TECNOLOGIA DE APLICAÇÃO DE HERBICIDAS TECNOLOGIA DE APLICAÇÃO DE HERBICIDAS Emprego de todos os conhecimentos científicos que proporcionem a correta colocação do produto biologicamente ativo no alvo, em quantidade necessária, de forma econômica,

Leia mais

KTR Rua Dr. Luiz Miranda, Pompeia - SP - Tel. (14) Fax. (14)

KTR Rua Dr. Luiz Miranda, Pompeia - SP - Tel. (14) Fax. (14) Rua Dr. Luiz Miranda, 1650-17580-000 - Pompeia - SP - Tel. (14) 3405 2100 - Fax. (14) 3452 1916 - E-mail: vendas@jacto.com.br PROTEJA O MEIO AMBIENTE. AO INUTILIZAR ESTE FOLHETO, NÃO JOGUE EM VIAS PÚBLICAS.

Leia mais

27/11/2015. Boas práticas: os desafios da tecnologia de aplicação. Tecnologia de aplicação x ambiente. Ulisses Rocha Antuniassi

27/11/2015. Boas práticas: os desafios da tecnologia de aplicação. Tecnologia de aplicação x ambiente. Ulisses Rocha Antuniassi Boas práticas: os desafios da tecnologia de aplicação Ulisses Rocha Antuniassi FCA/UNESP - Botucatu/SP ulisses@fca.unesp.br Apresentação UNESP: FCA: DEnR: NTA: NEMPA: Universidade Estadual Paulista Faculdade

Leia mais

Como Aplicar. 1. Armazenagem. 2. Compatibilidade. 3. Veritas é complementar. 4. Tipos de solo

Como Aplicar. 1. Armazenagem. 2. Compatibilidade. 3. Veritas é complementar. 4. Tipos de solo 1. Armazenagem Após adquirir o produto, armazene as embalagens de 20L em local fresco e protegido do sol. Não temos nenhum reporte desde o lançamento do produto de problemas relacionados a perda de qualidade,

Leia mais

GLADIADOR Melhor relação peso/potência da categoria

GLADIADOR Melhor relação peso/potência da categoria GLADIADOR 2300 Melhor relação peso/potência da categoria Catálogo virtual Português Ago/2016 GLADIADOR 2300 O pulverizador autopropelido Gladiador 2300 apresenta grande autonomia de trabalho, possibilitando

Leia mais

Inseticida/acaricida de contato e ingestão do grupo químico benzoiluréia

Inseticida/acaricida de contato e ingestão do grupo químico benzoiluréia Composição 1-[4-(2-chloro-α,α,α-trifluoro-p-tolyloxy)-2-fluorophenyl]-3-(2,6-difluorobenzoyl) urea (FLUFENOXUROM)... 100 g/l (10,0% m/v) Ingredientes Inertes... 878 g/l (87,8% m/v) Classe Inseticida/acaricida

Leia mais

UNITRI. Mecânica e Mecanização Agrícola QUINTA AULA DE MECANIZAÇÃO AGRÍCOLA APLICAÇÃO DE DEFENSIVOS

UNITRI. Mecânica e Mecanização Agrícola QUINTA AULA DE MECANIZAÇÃO AGRÍCOLA APLICAÇÃO DE DEFENSIVOS UNITRI Mecânica e Mecanização Agrícola QUINTA AULA DE MECANIZAÇÃO AGRÍCOLA APLICAÇÃO DE DEFENSIVOS Conceito: Entende-se como "Tecnologia de Aplicação de Produtos Fitossanitários" o emprego de todos os

Leia mais

Alex Soares Ignoti. Alex Soares Ignoti Maracaju/MS

Alex Soares Ignoti. Alex Soares Ignoti Maracaju/MS RTV RTV Maracaju Inquima MS Alex Soares Ignoti Alex Soares Ignoti Maracaju/MS Uma Parceria Proprietário: Charles Pagnoncelli Maracajú - MS Execução e Acompanhamento Aplicador Paraguaio RTV Inquima Alex

Leia mais

Telemetria em Pulverização Pedro Estevão Bastos Abimaq

Telemetria em Pulverização Pedro Estevão Bastos Abimaq Telemetria em Pulverização Pedro Estevão Bastos Abimaq ABIMAQ Associação Brasileira da Indústria de Máquinas CSMIA Câmara Setorial de Máquinas e Implementos Agrícolas 360 empresas 48.000 empregos R$ 11

Leia mais

Weber G. Valério 16º Herbishow A EVOLUÇÃO DOS HERBICIDAS. Ribeirão Preto / Maio-2017

Weber G. Valério 16º Herbishow A EVOLUÇÃO DOS HERBICIDAS. Ribeirão Preto / Maio-2017 Weber G. Valério 16º Herbishow A EVOLUÇÃO DOS HERBICIDAS Ribeirão Preto / Maio-2017 Fatores que interferem na eficiência das aplicações e consequentemente na eficácia dos resultados (controle e seletividade)

Leia mais

AJUDANDO VOCÊ A PULVERIZAR MELHOR MAIS INTELIGENTE MAIS RÁPIDO MAIS SEGURO

AJUDANDO VOCÊ A PULVERIZAR MELHOR MAIS INTELIGENTE MAIS RÁPIDO MAIS SEGURO AJUDANDO VOCÊ A PULVERIZAR MELHOR MAIS INTELIGENTE MAIS RÁPIDO MAIS SEGURO M M M AIS INTELIGENTE BICOS DE PULVERIZAÇÃO PROSTOP-E FORCEFIELD AIS RÁPIDO DUO REACT CLEANLOAD MAX AIS SEGURO EXPRESS BOOM EXPRESS

Leia mais

Catálogo Sistema de Pulverização Eletrostático

Catálogo Sistema de Pulverização Eletrostático Catálogo Sistema de Pulverização Eletrostático anotações ELETROSTÁTICO ELETROSTÁTICO ELETROSTÁTICO Informações técnicas do produto Por que a pulverização eletrostática é tão eficaz? Antes de responder

Leia mais

SEMEADORA-ADUBADORA. Prof. Dr. Carlos Eduardo Angeli Furlani

SEMEADORA-ADUBADORA. Prof. Dr. Carlos Eduardo Angeli Furlani SEMEADORA-ADUBADORA 1 Qual a cultura? Qual o adubo? 2 Qual o tamanho/formato da semente? Qual a quantidade de sementes/hectare? Qual a quantidade de plantas/hectare? Quando? 3 revolvimento mínimo do solo

Leia mais

Agricultura II. Máquinas de aplicação de fito-fármacos

Agricultura II. Máquinas de aplicação de fito-fármacos Agricultura II Máquinas de aplicação de fito-fármacos As quantidades de fito-fármaco fungicidas, insecticidas, herbicidas (doses) podem ser dadas em: - kg ou L / hl - culturas arbustivas e arbóreas -kg

Leia mais

MECANIZAÇÃO AGRÍCOLA Capacidade de Campo (Cc)

MECANIZAÇÃO AGRÍCOLA Capacidade de Campo (Cc) Capacidade de Campo (Cc) Aplicada as máquinas e implementos que para executarem uma operação necessitam deslocar-se no campo cobrindo uma determinada área. Área trabalhada Cc= Unidade de tempo CONCEITOS:

Leia mais

Telemetria em Pulverização

Telemetria em Pulverização Soluções Jacto em Agricultura de Precisão Telemetria em Pulverização Alan Leite - Especialista de Produtos Preceitos OtmisNet Sistema de Gerenciamento de Informações Agrícolas Todas as informações geradas

Leia mais

PRODUÇÃO DIÁRIA DOS PULVERIZADORES DE BARRAS

PRODUÇÃO DIÁRIA DOS PULVERIZADORES DE BARRAS PRODUÇÃO DIÁRIA DOS PULVERIZADORES DE BARRAS Versão em Português - MP-00 MÁQUINAS AGRÍCOLAS JACTO S.A. Rua Dr. Luiz Miranda, 170-000 - Pompéia - SP - Brasil Tel.: (0XX1) -111 - Fax: (0XX1) -191 E-mail:

Leia mais

UNIPORT 3000 NPK. Rua Dr. Luiz Miranda, Pompeia - SP - Tel. (14) Fax. (14)

UNIPORT 3000 NPK. Rua Dr. Luiz Miranda, Pompeia - SP - Tel. (14) Fax. (14) Rua Dr. Luiz Miranda, 1650-17580-000 - Pompeia - SP - Tel. (14) 3405 2100 - Fax. (14) 3452 1916 - E-mail: vendas@jacto.com.br PROTEJA O MEIO AMBIENTE. AO INUTILIZAR ESTE FOLHETO, NÃO JOGUE EM VIAS PÚBLICAS.

Leia mais

9 IRRIGAÇÃO POR ASPERSÃO CONVENCIONAL

9 IRRIGAÇÃO POR ASPERSÃO CONVENCIONAL 9 IRRIGAÇÃO POR ASPERSÃO CONVENCIONAL 9.1 TIPOS DE SISTEMAS FIXOS PERMANENTES FIXOS TEMPORÁRIOS SEMIFÍXOS PORTÁTEIS 9.2 VANTAGENS, LIMITAÇÕES E PESRPECTIVAS VANTAGENS Dispensa sistematização ou uniformização

Leia mais

Características dos adjuvantes da Evonik

Características dos adjuvantes da Evonik Características dos adjuvantes da Evonik Adjuvantes para misturas de tanque: S 240 S 233 Vibrant Advance Union S 240 (Superespalhante) Surfactantes à base de trisiloxano Química que promove tensão superficial

Leia mais

Alex Soares Igno6. Alex Soares Igno5 Maracaju/MS

Alex Soares Igno6. Alex Soares Igno5 Maracaju/MS RTV RTV Maracaju Inquima MS Alex Soares Igno6 Alex Soares Igno5 Maracaju/MS Uma Parceria Faz. Rego D Água Proprietário: Flavio Viecili Cidade: Jardim - MS Execução e Acompanhamento Aplicador Adilson Eng.

Leia mais

Inseticida de contato e adjuvante / espalhante adesivo, do grupo químico hidrocarbonetos alifáticos PRAGAS. Cochonilha-cabeça-deprego

Inseticida de contato e adjuvante / espalhante adesivo, do grupo químico hidrocarbonetos alifáticos PRAGAS. Cochonilha-cabeça-deprego Composição: Mistura de hidrocarbonetos parafínicos, ciclo parafínicos e aromáticos saturados e insaturados provenientes da destilação do petróleo (ÓLEO MINERAL)...800 ml/l (80% v/v) Ingredientes inertes...200

Leia mais

Reduzir a deriva para manter os produtos fitofarmacêuticos no seu campo

Reduzir a deriva para manter os produtos fitofarmacêuticos no seu campo BOAS PRÁTICAS PARA UMA PULVERIZAÇÃO SEGURA E EFICAZ Reduzir a deriva para manter os produtos fitofarmacêuticos no seu campo Este pequeno folheto apresenta alguns conselhos sobre as melhores práticas para

Leia mais

DD25B. COMPACTADORES DE DOIS CILINDROS VOLVO 2.6 t 18.5 kw

DD25B. COMPACTADORES DE DOIS CILINDROS VOLVO 2.6 t 18.5 kw DD25B COMPACTADORES DE DOIS CILINDROS VOLVO 2.6 t 18.5 kw Visibilidade de 360 Com um assento deslizante posicionado de forma ideal, suportes angulados do cilindro e um projeto de capô inclinado, o DD25B

Leia mais

PROGRAMA CAS CERTIFICAÇÃO AEROAGRÍCOLA SUSTENTÁVEL

PROGRAMA CAS CERTIFICAÇÃO AEROAGRÍCOLA SUSTENTÁVEL PROGRAMA CAS CERTIFICAÇÃO AEROAGRÍCOLA SUSTENTÁVEL Prof. Dr. João Paulo Rodrigues da Cunha jpcunha@iciag.ufu.br Universidade Federal de Uberlândia Instituto de Ciências Agrárias Sumário A aviação agrícola

Leia mais

Nebulizadores aplicam gotas menores que 50 mm.

Nebulizadores aplicam gotas menores que 50 mm. Universidade Estadual Paulista Faculdade de Ciências Agrárias e Veterinárias Curso : Agronomia Disciplina: Tratamento Fitossanitário Aula: Aplicação de Líquidos e Pulverizadores Os produtos fitossanitários

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA Campus de Jaboticabal Depto. Fitossanidade TECNOLOGIA DE APLICAÇÃO DE PRODUTOS FITOSSANITÁRIOS

UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA Campus de Jaboticabal Depto. Fitossanidade TECNOLOGIA DE APLICAÇÃO DE PRODUTOS FITOSSANITÁRIOS UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA Campus de Jaboticabal Depto. Fitossanidade Núcleo de Estudos e Desenvolvimento em Tecnologia de Aplicação TECNOLOGIA DE APLICAÇÃO DE PRODUTOS FITOSSANITÁRIOS Aplicação de

Leia mais

UNIPORT STAR

UNIPORT STAR Rua Dr. Luiz Miranda, 1650-17580-000 - Pompeia - SP - Tel. (14) 3405 2100 - Fax. (14) 3452 1916 - E-mail: vendas@jacto.com.br PROTEJA O MEIO AMBIENTE. AO INUTILIZAR ESTE FOLHETO, NÃO JOGUE EM VIAS PÚBLICAS.

Leia mais

SCHRODER CONSULTORIA

SCHRODER CONSULTORIA RELATÓRIO TÉCNICO EFEITO DO ÓLEO VEGETAL AGR ÓLEO NA EFICIÊNCIA DO HERBICIDA 2,4-D APLICADO POR VIA AÉREA EM ARROZ IRRIGADO INTRODUÇÃO O herbicida 2,4-D é utilizado há muitos anos para controle de diversas

Leia mais

Experimentação com herbicidas

Experimentação com herbicidas Eperimentação com herbicidas Princípio do delineamento eperimental: Delineamento eperimental mais simples possível desde que satisfaça coerência estatística e atenda os objetivos pretendido O objetivo

Leia mais

Boas Práticas Agrícolas no MS. Eng. Agrônomo Rubem Cesar Staudt. Astecplan Ltda

Boas Práticas Agrícolas no MS. Eng. Agrônomo Rubem Cesar Staudt. Astecplan Ltda Boas Práticas Agrícolas no MS Eng. Agrônomo Rubem Cesar Staudt Astecplan Ltda Atua desde 1997, na região dos Chapadões MS e GO; Atende áreas no MS ( Sede ), GO e MT; Foco em algodão, soja e milho; Área

Leia mais

Calibração de deposição de agrotóxicos e bioinseticidas. Aldemir Chaim, pesquisador da Embrapa Meio Ambiente

Calibração de deposição de agrotóxicos e bioinseticidas. Aldemir Chaim, pesquisador da Embrapa Meio Ambiente Calibração de deposição de agrotóxicos e bioinseticidas Aldemir Chaim, pesquisador da Embrapa Meio Ambiente A aplicação de produtos químicos ou biológicos para controle de pragas pode ser feita com tratores

Leia mais

Agentes causadores. Mecanização agrícola. Compactação sob as rodas dos veículos distribuição de pressão no solo.

Agentes causadores. Mecanização agrícola. Compactação sob as rodas dos veículos distribuição de pressão no solo. Agentes causadores Mecanização agrícola Compactação sob as rodas dos veículos distribuição de pressão no solo. Peso do veículo que determinará o total da força exercida Tamanho da área de contato entre

Leia mais

Prof. Dr. Casimiro Dias Gadanha Jr. DER/ESALQ/USP

Prof. Dr. Casimiro Dias Gadanha Jr. DER/ESALQ/USP LER 432 Máquinas e Implementos Agrícolas TÓPICO: Máquinas para Aplicação de Produtos Fitossanitários Prof. Dr. Casimiro Dias Gadanha Jr. DER/ESALQ/USP AGROTÓXICO Sinônimos: Produto Fitossanitário Pesticida

Leia mais

FiberMax. Mais que um detalhe: uma genética de fibra.

FiberMax. Mais que um detalhe: uma genética de fibra. FiberMax. Mais que um detalhe: uma genética de fibra. Requisitos para o cultivo de algodoeiro GlyTol LibertyLink, além de boas práticas de manejo integrado de plantas daninhas. Cap 1: Descrição do Produto

Leia mais

UNIPORT STAR

UNIPORT STAR Rua Dr. Luiz Miranda, 1650-17580-000 - Pompeia - SP - Tel. (14) 3405 2100 - E-mail: vendas@jacto.com.br www. jacto.com.br PROTEJA O MEIO AMBIENTE. AO INUTILIZAR ESTE FOLHETO, NÃO JOGUE EM VIAS PÚBLICAS.

Leia mais

UTILIZAÇÃO DE PULVERIZADORES CENTRÍFUGOS DE JACTO TRANSPORTADO NA CULTURA DA VINHA INTRODUÇÃO

UTILIZAÇÃO DE PULVERIZADORES CENTRÍFUGOS DE JACTO TRANSPORTADO NA CULTURA DA VINHA INTRODUÇÃO UTILIZAÇÃO DE PULVERIZADORES CENTRÍFUGOS DE JACTO TRANSPORTADO NA CULTURA DA VINHA INTRODUÇÃO Reduzir o débito a aplicar nos tratamentos da cultura da vinha, sem por em causa a sua eficácia, é um dos principais

Leia mais

Maior Segurança e Produtividade em suas Operações

Maior Segurança e Produtividade em suas Operações Maior Segurança e Produtividade em suas Operações Sejam manuais ou automatizadas, operações de corte a plasma emitem radiação e gases que apresentam riscos ao meio ambiente, saúde e segurança dos trabalhadores

Leia mais

Engº Agrº MSc. Cesar Abel Krohling INCAPER Marechal Floriano-ES. Krohling, C. A.; Matiello, J. B.; Mendonça, P. L. P.

Engº Agrº MSc. Cesar Abel Krohling INCAPER Marechal Floriano-ES. Krohling, C. A.; Matiello, J. B.; Mendonça, P. L. P. Controle de doenças do cafeeiro via canhão atomizador com o uso de formulações fungicidas combinando Epoxiconazole, Pyraclostrobina e Carboxamida nas Montanhas do ES Krohling, C. A.; Matiello, J. B.; Mendonça,

Leia mais

Tecnologia de Aplicação de Agroquímicos no Cafeeiro. Autor: Luís César Pio

Tecnologia de Aplicação de Agroquímicos no Cafeeiro. Autor: Luís César Pio Tecnologia de Aplicação de Agroquímicos no Cafeeiro Autor: Luís César Pio Prezado colega, Catanduva, 9 de novembro de 2012. Para VOCÊ, que participou do encontro de capacitação técnica e que é integrante

Leia mais

ADOÇÃO DE MELHORES PRÁTICAS AGRONÔMICAS

ADOÇÃO DE MELHORES PRÁTICAS AGRONÔMICAS ADOÇÃO DE MELHORES PRÁTICAS AGRONÔMICAS O QUE SÃO AS MELHORES PRÁTICAS AGRONÔMICAS? POSICIONAMENTO TÉCNICO COERENTE E CONSISTENTE Dessecação antecipada e uso de inseticidas para manejo de pragas residentes

Leia mais

Sistemas de Pulverização de Antimicrobiano autojet

Sistemas de Pulverização de Antimicrobiano autojet Sistemas de Pulverização de Antimicrobiano autojet A APLICAÇÃO PRECISA DE AGENTES ANTIMICROBIANOS AJuda A GARANTIR A SEGURANÇA DE ProdutoS derivados DE CARNES E aves GARANTIR SEGURANÇA DOS ALIMENTOS, aumentar

Leia mais

TECNOLOGIA WG. Tecnologia de formulação WG desenvolvida pela Syngenta para a aplicação liquida no solo de fungicida e inseticida em lavouras de Café.

TECNOLOGIA WG. Tecnologia de formulação WG desenvolvida pela Syngenta para a aplicação liquida no solo de fungicida e inseticida em lavouras de Café. TECNOLOGIA WG Tecnologia de formulação WG desenvolvida pela Syngenta para a aplicação liquida no solo de fungicida e inseticida em lavouras de Café. APLICAÇÃO LÍQUIDA: HISTÓRICO Facilidade aplicação e

Leia mais

EXERCÍCIOS SEMEADOR/ADUBADORA:

EXERCÍCIOS SEMEADOR/ADUBADORA: EGR 1003 MÁQUINAS E IMPLEMENTOS AGRÍCOLAS Monitora Guidiane Moro - Exercícios 1 EXERCÍCIOS SEMEADOR/ADUBADORA: 1 Um agricultor deseja cultivar 500 ha. Sabe-se que a densidade de semeadura recomendada é

Leia mais

LCE 306 Meteorologia Agrícola. Importância Agroecológica dos Ventos. Aula # 13. Prof. Paulo Cesar Sentelhas Prof. Luiz Roberto Angelocci

LCE 306 Meteorologia Agrícola. Importância Agroecológica dos Ventos. Aula # 13. Prof. Paulo Cesar Sentelhas Prof. Luiz Roberto Angelocci LCE 306 Meteorologia Agrícola Prof. Paulo Cesar Sentelhas Prof. Luiz Roberto Angelocci Aula # 13 Importância Agroecológica dos Ventos Uso de Quebra-Ventos Naturais e Artificiais ESALQ/USP 2012 Os ventos

Leia mais

AVALIAÇÃO TÉCNICA DO SISTEMA ELETROSTÁTICO SPE SCHRODER CONSULTORIA

AVALIAÇÃO TÉCNICA DO SISTEMA ELETROSTÁTICO SPE SCHRODER CONSULTORIA AVALIAÇÃO TÉCNICA DO SISTEMA ELETROSTÁTICO SPE SCHRODER CONSULTORIA EMPRESAS PARCEIRAS NO PROJETO: FERSOL AVIAÇÃO AGRÍCOLA MOSTARDAS AVIAÇÃO AGRÍCOLA ABRIL/MAIO/2016 Antecedentes Schroder & Eletrostático

Leia mais

Importância do Manejo de Solos

Importância do Manejo de Solos CENTRO UNIVERSITÁRIO DO TRIÂNGULO IMPORTÂNCIA DO SOLO O seu uso adequado, além de garantir o suprimento de água para Importância do Manejo de Solos as culturas, criações e comunidades; previne a erosão

Leia mais

Fatores Importantes para o 05 Sucesso de uma Lavoura

Fatores Importantes para o 05 Sucesso de uma Lavoura Fatores Importantes para o 05 Sucesso de uma Lavoura Dirceu Luiz Broch Sidnei Kuster Ranno Carlos Pitol Ricardo Barros Antônio Reinaldo Schneid 1 2 3 4 5 5.1. Introdução À medida que aumenta o nível tecnológico

Leia mais

ASM-1 ASM-2 01 02 09 03 05 04 06 07 08 10 11 12 13 ASM-1 ASM-2 4 8 - Preparo da máquina. 8.1 - Acoplamento do varredor-arruador. O acoplamento do varredor-arruador ao trator é muito simples e basta

Leia mais

A FORÇA TOTALMENTE RENOVADA PONSSE BEAR

A FORÇA TOTALMENTE RENOVADA PONSSE BEAR A FORÇA TOTALMENTE RENOVADA PONSSE BEAR NOVO PONSSE BEAR POTÊNCIA, PRODUTIVIDADE E SATISFAÇÃO NO TRABALHO O PONSSE Bear completamente renovado é o genuíno rei da floresta. Representa o melhor desempenho,

Leia mais

Manual de Operação Atomizador Costal. * Rev.4

Manual de Operação Atomizador Costal. * Rev.4 * Rev.4 Manual de Operação Atomizador Costal Por que a pulverização eletrostá ca é tão eficaz? Antes de responder essa pergunta, iremos lhe fornecer alguns dados e você mesmo será capaz de respondê-la.

Leia mais

John Deere Training. Guia do Aluno. Pulverização Fundamento - Português CSP-20-SN2GCQAP Maio, 2009

John Deere Training. Guia do Aluno. Pulverização Fundamento - Português CSP-20-SN2GCQAP Maio, 2009 John Deere Training Guia do Aluno CSP-20-SN2GCQAP Maio, 2009 Copyright 2009 Deere & Company Este material é de propriedade da Deere & Company. O uso, divulgação e/ou reprodução não especificamente autorizado

Leia mais

Manual de Operação Kit Canhão. *Kit Led

Manual de Operação Kit Canhão. *Kit Led *Kit Led Manual de Operação Kit Canhão Por que a pulverização eletrostáica é tão eficaz? Antes de responder essa pergunta, iremos lhe fornecer alguns dados e você mesmo será capaz de respondê-la. Qual

Leia mais

Introdução. Importância. Operações. Principais culturas: 25/06/2015. Outras operações: Controle e combate de incêndios florestais em áreas de cultivo

Introdução. Importância. Operações. Principais culturas: 25/06/2015. Outras operações: Controle e combate de incêndios florestais em áreas de cultivo Introdução A Aviação Agrícola é um serviço especializado, regulamentado pelo Ministério da Agricultura e pelo Ministério da Aeronáutica; Registro de produtos; Atividade que deve obedecer as normas dos

Leia mais

Treinamento. Arbus 400 Golden

Treinamento. Arbus 400 Golden Arbus 400 Golden Treinamento Arbus 400 Golden Prof. Brandão - Operação - Manutenção - Regulagem da pulverização Arbus 400 Golden Arbus 400 Maçã 33 Apresentação da máquina Tanque de Defensivos Aplicação

Leia mais

'-:J. ffi [ffjtf:ff1][tjj~[uj-s~:(~fjt1jg-çj. ~ITr~m

'-:J. ffi [ffjtf:ff1][tjj~[uj-s~:(~fjt1jg-çj. ~ITr~m Ú~ f~1c0witjj~jfjillt~irjj1 '-:J ffi [ffjtf:ff1][tjj~[uj-s~:(~fjt1jg-çj ~ITr~m Os teores de boro (B) nos solos brasileiros são, geralmente, baixos e a falta desse micronutriente pode ocasionar o aparecimento

Leia mais

Fatores que influenciam na perda de peso em uma câmara de resfriamento de carcaça.

Fatores que influenciam na perda de peso em uma câmara de resfriamento de carcaça. Fatores que influenciam na perda de peso em uma câmara de resfriamento de carcaça. A perda de peso ou perda de umidade em uma carcaça dentro de uma câmara de resfriamento ocorre por duas situações: 1.

Leia mais

PRIMA SUPER e CERES SUPER. Grandes semeadoras para culturas de inverno

PRIMA SUPER e CERES SUPER. Grandes semeadoras para culturas de inverno PRIMA SUPER e CERES SUPER Grandes semeadoras para culturas de inverno Catálogo Português Abr/2016 PRIMA SUPER A Prima Super é uma semeadora para culturas de inverno. Sua principal característica é a uniformidade

Leia mais

FT500 SFI / FT500LITE SFI. Função Boost Controller Integrado. Manual de Instalação e Operação 1

FT500 SFI / FT500LITE SFI. Função Boost Controller Integrado. Manual de Instalação e Operação 1 FT00 SFI / FT00LITE SFI Função Boost Controller Integrado Manual de Instalação e Operação FT00 SFI / FT00LITE SFI Adendo BoostController 9. BoostController Diagrama com bicos injetores A função de controle

Leia mais

Condensadores. Principais Tipos. Resfriados a ar sistema de ar condicionado e refrigeração comercial

Condensadores. Principais Tipos. Resfriados a ar sistema de ar condicionado e refrigeração comercial Condensadores Principais Tipos Resfriados a ar sistema de ar condicionado e refrigeração comercial Condensadores Resfriados a água sistema de ar condicionado e refrigeração comercial Trocador casco e tubo

Leia mais

Telemetria na Pulverização: Benefícios e Desafios

Telemetria na Pulverização: Benefícios e Desafios Telemetria na Pulverização: Benefícios e Desafios Sinop, Nov/2015 Telemetria é uma tecnologia que permite a medição e comunicação de informações de interesse do operador ou desenvolvedor de sistemas. A

Leia mais

REGULADOR COMPACTO PARA TURBINAS HIDRÁULICAS VOITH HYDRO

REGULADOR COMPACTO PARA TURBINAS HIDRÁULICAS VOITH HYDRO GGH / 05 17 a 22 de Outubro de 1999 Foz do Iguaçu Paraná - Brasil GRUPO I GRUPO DE ESTUDO DE GERAÇÃO HIDRÁULICA (GGH) REGULADOR COMPACTO PARA TURBINAS HIDRÁULICAS José Cláudio Mazzoleni* Jorge Izukawa

Leia mais

Ciclo Hidrológico AUGUSTO HEINE

Ciclo Hidrológico AUGUSTO HEINE Ciclo Hidrológico AUGUSTO HEINE Infiltração de água no solo Processo pelo qual a água penetra no solo através de sua superfície. Fatores que afetam a infiltração Tipo de solo Umidade atual do solo Condutividade

Leia mais

Influência da Safrinha na Eficiência de Produção do Milho no Brasil

Influência da Safrinha na Eficiência de Produção do Milho no Brasil XXX CONGRESSO NACIONAL DE MILHO E SORGO SALVADOR 5 DE AGOSTO DE 2014 Influência da Safrinha na Eficiência de Produção do Milho no Brasil Aildson Pereira Duarte Instituto Agronômico, Campinas (IAC) Influência

Leia mais

Uso de baixo volume oleoso e assistência de ar no controle de plantas daninhas. Use of low volume in oil and air assistance in weed control

Uso de baixo volume oleoso e assistência de ar no controle de plantas daninhas. Use of low volume in oil and air assistance in weed control Uso de baixo volume oleoso e assistência de ar no controle de plantas daninhas Use of low volume in oil and air assistance in weed control Emerson da Silva Teixeira 1* ; Jethro Barros Osipe 1 ; Ulisses

Leia mais

PODRIDÃO FLORAL Medidas essenciais de controle

PODRIDÃO FLORAL Medidas essenciais de controle PODRIDÃO FLORAL Medidas essenciais de controle PODRIDÃO FLORAL A podridão floral, também conhecida como estrelinha é uma doença de ocorrência esporádica que pode se tornar uma epidemia severa em anos de

Leia mais

NÚCLEO DE ENGENHARIA DE ÁGUA E SOLO

NÚCLEO DE ENGENHARIA DE ÁGUA E SOLO UNIVERSIDADE FEDERAL DO RECÔNCAVO DA BAHIA Centro de Ciências Agrárias, Biológicas e Ambientais NÚCLEO DE ENGENHARIA DE ÁGUA E SOLO Vital Pedro da Silva Paz vpspaz@ufba.br Francisco A. C. Pereira pereiras@ufba.br

Leia mais

INFLUÊNCIA DA ADIÇÃO DE UM ADJUVANTE À CALDA DE PULVERIZAÇÃO AÉREA SOBRE A FAIXA DE DEPOSIÇÃO TOTAL

INFLUÊNCIA DA ADIÇÃO DE UM ADJUVANTE À CALDA DE PULVERIZAÇÃO AÉREA SOBRE A FAIXA DE DEPOSIÇÃO TOTAL ISBN 978-85-61091-05-7 Encontro Internacional de Produção Científica Cesumar 27 a 30 de outubro de 2009 INFLUÊNCIA DA ADIÇÃO DE UM ADJUVANTE À CALDA DE PULVERIZAÇÃO AÉREA SOBRE A FAIXA DE DEPOSIÇÃO TOTAL

Leia mais

EQUILÍBRIO OPERACIONAL EM TRATORES. Prof. Dr. CARLOS EDUARDO ANGELI FURLANI

EQUILÍBRIO OPERACIONAL EM TRATORES. Prof. Dr. CARLOS EDUARDO ANGELI FURLANI EQUILÍBRIO OPERACIONAL EM TRATORES Prof. Dr. CARLOS EDUARDO ANGELI FURLANI Trator Agrícola Converte potência do motor em trabalho útil para execução de operações agrícolas Trator Agrícola A capacidade

Leia mais

Núcleo 1 Chapadão do Sul

Núcleo 1 Chapadão do Sul Ano II 15 de abril de 2013. Relatório semanal de 08 a 15 de abril de 2013. Núcleo 1 Chapadão do Sul Eng. Agr. Danilo Suniga de Moraes Semana com períodos diurno nublado e com precipitações na maior parte

Leia mais