Nebulizadores aplicam gotas menores que 50 mm.

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Nebulizadores aplicam gotas menores que 50 mm."

Transcrição

1 Universidade Estadual Paulista Faculdade de Ciências Agrárias e Veterinárias Curso : Agronomia Disciplina: Tratamento Fitossanitário Aula: Aplicação de Líquidos e Pulverizadores Os produtos fitossanitários podem chegar ao alvo por gravidade, pressão hidráulica (pulverizadores), fluxo de ar (atomizadores), mistos (pressão hidráulica + fluxo de ar), nebulização (quente e frio) e eletrostática. Os equipamentos para pulverização de líquidos podem ser divididos em três: Injetores aplicam um filete líquido sem fragmentação de gotas. Nebulizadores aplicam gotas menores que 50 mm. Pulverizadores aplicam gotas. Estes são os mais utilizados em operações agrícolas, e também podem ser classificados quando a forma de levar as gotas até o alvo, sendo divididos em dois grupos: Pulverizadores de jato lançado as gotas depois de lançadas pelos bicos, deverão chegar ao ar pela sua própria energia cinética. Pulverizadores de jato arrastado uma corrente de ar deverá arrastar a gota até o alvo. Os pulverizadores terrestres ainda podem ser classificados em autopropelidos (automotrizes), tratorizados montados (três pontos), tratorizados de arrasto, e também pulverizadores turbo-atomizadores. Pulverizadores Autopropelidos: Capacidade de carga: a litros; Barra de pulverização: 18 a 30 metros (espaçamento entre bicos 35 a 50 cm).

2 Pulverizadores tratorizados de arrasto: Capacidade de carga: a litros; Barra de pulverização: 16 a 24 metros (espaçamento entre bicos 35 a 50 cm). Pulverizadores tratorizados montados (três pontos): Capacidade de carga: 400 a 800 litros; Barra de pulverização: 14 a 18 metros (espaçamento entre bicos 35 a 50 cm). COMPONENTES BÁSICOS DOS PULVERIZADORES HIDRÁULICOS Os pulverizadores têm, de um modo geral, algumas partes em comum, sendo que todos apresentam pelo menos um tanque, uma fonte de energia para acionamento do líquido (pode até ser a gravidade) e um elemento que forma gotas. No entanto, para se ter controle sobre todas as condições operacionais, muitas outras partes e acessórios são necessários. Está demonstrado a seguir os componentes de circuitos hidráulicos com bombas centrífuga e de pistões (a qual será discutido cada item do circuito, por possuir um sistema mais utilizado em pulverizadores tratorizados).

3 Circuito hidráulico com bomba centrífuga Circuito hidráulico com bomba de pistões Manual Jacto

4 Componentes de um circuito hidráulico de um pulverizador convencional 1-tanque; 2-agitador; 3-registro; 4-filtro; 5-bomba; 6-câmara de compressão; 7-regulador de pressão; 8-manômetro; 9-registro de seções; 10-tubulação de retorno; 11-barra; 12-bicos 1 Tanque - é o componente responsável por armazenar a calda (água ou outro diluente mais o produto) que será pulverizada; 2 Agitador - Os sistemas de agitadores de tanque são muito importantes, principalmente para produtos que necessitam de uma boa agitação para permanecerem homogêneos na calda (por exemplo, os pós molháveis) e podem ser de dois tipos básicos: - Mecânicos, com uso de uma hélice acionada por um eixo da bomba (ou outro acionamento) dentro do tanque; - Hidráulicos, usando parte do sistema de retorno da bomba para agitação da calda. Em tanques maiores, para não necessitar de bombas muito grandes, são colocados sistemas de agitadores que usam o princípio de Venturi que proporcionam um deslocamento da calda de 3 e 5 vezes maior que o retorno normal da bomba (como na figura); 3 Registro - Essa peça, apesar de muito simples, é importante e, no campo, é muito comum encontrá-la em mau estado de funcionamento, ocasionando grande desperdício de produtos na limpeza de filtros ou na manutenção de outras partes do sistema quando o tanque está carregado; 4 Filtro - Esse é um componente fundamental no pulverizador e é responsável por quatro funções muito importantes: - Garantir maior uniformidade das aplicações, não permitindo que o entupimento de pontas venha a causar a distribuição desuniforme da calda; - Garantir maior capacidade operacional dos pulverizadores, diminuindo o tempo parado dos pulverizadores enquanto se desentope as pontas, tratando assim uma maior área por dia;

5 - Garantir segurança ao trabalhador durante o serviço, não expondo o trabalhador à tarefa de desentupir as pontas e entrando em maior contato com o produto químico, ficando o trabalhador apenas na operação de tratorista ou condutor do equipamento; - Garantir maior durabilidade das pontas, diminuindo as impurezas como areia e, assim, a abrasão nas pontas, além de garantir que o operador não venha a desentupir essas peças com objetos não recomendados; A- pré-bomba, B- de linha, C- auto-limpantes 5 Bomba - A função da bomba é pressionar a calda, colocando no sistema a energia que será usada para fazer a pulverização (energia potencial). Existem vários tipos de bomba, como bomba de pistão, de diafragma, de roletes, de engrenagens e centrífuga. No Brasil, para pulverizadores tratorizados, a esmagadora maioria das bombas ainda é de pistão. As bombas de pistão e pistão diafragma, são bombas de bombeamento positivo, o que permite succionar a calda do tanque; e têm uma curva de desempenho praticamente constante, dependente da rotação e da capacidade do conjunto de pistões ou diafragmas e independente da pressão de trabalho. Já as bombas centrífugas precisam trabalhar em posição mais baixa que a do tanque, pois não têm capacidade de sucção e sua curva de desempenho para volume deslocado cai à medida que aumenta a pressão. Essa diferença provoca problemas de restrição de aumento do volume de calda quando se precisa de maior pressão; 6 Câmara de compressão - O regime de trabalho das bombas de pistão e diafragma geram pontos de mais alta pressão (compressão do pistão) e de menor pressão (admissão da calda), ocasionando variações de pressão no sistema e, por isso, uma pulsação nas pontas. Com a função de eliminar as pulsações oriundas dessas bombas, é

6 instalado no circuito, após a bomba, na linha de pressão, uma câmara que é um compartimento parcialmente cheio de ar. Como o ar é mais elástico e aceita melhor a compressão, no momento de aumento de pressão, o ar se retrai e absorve o aumento da pressão, quando a pressão reduz, o ar se expande, devolvendo ao sistema a pressão acumulada; mantendo assim a pressão mais uniforme no sistema. Essa câmara é muito importante nas bombas de 2 pistões. Para bombas de ação contínua, como as bombas centrífugas, não é necessária essa câmara. Para bombas de vários pistões a câmara também é dispensável; 7 Regulador de pressão - Eliminada uma possível pulsação, a calda entra no regulador de pressão (Figura 6). O regulador, basicamente, é um divisor de volume. Nas bombas de pistão ou diafragma esse regulador deverá sempre ser de mola, garantindo que, ao fechar as saídas para os bicos, o volume deslocado para as pontas possa retornar pelo regulador, forçando a mola a abrir maior passagem de retorno, funcionando, assim, como uma válvula de segurança ou alívio. Nas bombas centrífugas o regulador pode ser de estrangulamento, pois em caso de fechamento das seções da barra, a bomba deslocará menor volume de calda com o aumento da pressão. Regulador de pressão de mola 8 Manômetro - É uma peça muito importante, pois tem a função de medir a energia usada pelo sistema para pulverizar. O manômetro comum traz escala em lb/pol.2 e kg/cm2; 9 Registro de Seções - Depois do regulador de pressão e manômetro, deve haver um registro, que o operador comanda para abrir ou fechar a passagem do líquido para os bicos. O número de válvulas pode variar de acordo com o número de seções de barra do pulverizador

7 10 Tubulação de retorno Serve de desvio para o retorno do líquido ao tanque; 11 Barra - As barras de pulverização contêm os bicos. O comprimento da barra varia conforme o modelo do pulverizador. Quanto mais comprida a barra, mais larga será a faixa de tratamento e, portanto, maior a capacidade operacional do equipamento. Entretanto, quanto mais comprida a barra, maior será a oscilação da mesma e a deposição poderá ser mais heterogênea; 12 Bicos de pulverização - O bico de pulverização é todo o conjunto e suas estruturas de fixação na barra como: corpo, porca, ponta, etc. Os bicos se acham posicionados na barra em distâncias uniformes, fixados por diferentes sistemas; Partes dos bicos como: engate rápido, corpos múltiplos com antigotejo, corpo, filtro de bico, capa, abraçadeira REFERÊNCIA MATUO, T. Técnicas de aplicação de defensivos. Jaboticabal: Funep, 139 p., 1990.

APLICAÇÃO DE DEFENSIVOS AGRÍCOLAS. Professor : Nailton Rodrigues de Castro Disciplina : Máquinas Agrícolas

APLICAÇÃO DE DEFENSIVOS AGRÍCOLAS. Professor : Nailton Rodrigues de Castro Disciplina : Máquinas Agrícolas APLICAÇÃO DE DEFENSIVOS AGRÍCOLAS Professor : Nailton Rodrigues de Castro Disciplina : Máquinas Agrícolas INTRODUÇÃO É a aplicação uniforme de um defensivo agrícola na forma líquida, utilizando a energia

Leia mais

LINHA ADVANCE. Rua Dr. Luiz Miranda, Pompeia - SP - Tel. (14) Fax. (14)

LINHA ADVANCE. Rua Dr. Luiz Miranda, Pompeia - SP - Tel. (14) Fax. (14) Rua Dr. Luiz Miranda, 1650 17580000 Pompeia SP Tel. (14) 3405 2100 Fax. (14) 3452 1916 Email: vendas@jacto.com.br PROTEJA O MEIO AMBIENTE. AO INUTILIZAR ESTE FOLHETO, NÃO JOGUE EM VIAS PÚBLICAS. www.jacto.com.br

Leia mais

ARBUS Rua Dr. Luiz Miranda, Pompeia - SP - Tel. (14) Fax. (14)

ARBUS Rua Dr. Luiz Miranda, Pompeia - SP - Tel. (14) Fax. (14) Rua Dr. Luiz Miranda, 1650-17580-000 - Pompeia - SP - Tel. (14) 3405 2100 - Fax. (14) 3452 1916 - E-mail: vendas@jacto.com.br PROTEJA O MEIO AMBIENTE. AO INUTILIZAR ESTE FOLHETO, NÃO JOGUE EM VIAS PÚBLICAS.

Leia mais

Bombas Hidráulicas. Nelson R. Amanthea. Jun2008

Bombas Hidráulicas. Nelson R. Amanthea. Jun2008 Bombas Hidráulicas Nelson R. Amanthea Jun2008 Objetivos Introdução Máquinas Hidráulicas Bombas Hidráulicas Recalque Sistemas de Bombeamento Denominação o Deslocamento Direto o Cinéticas Bombas Centrífugas

Leia mais

LINHA JATÃO 3 PONTOS. Rua Dr. Luiz Miranda, Pompeia - SP - Tel. (14) Fax. (14)

LINHA JATÃO 3 PONTOS. Rua Dr. Luiz Miranda, Pompeia - SP - Tel. (14) Fax. (14) Rua Dr. Luiz Miranda, 1650-17580-000 - Pompeia - SP - Tel. (14) 3405 2100 - Fax. (14) 3452 1916 - E-mail: vendas@jacto.com.br PROTEJA O MEIO AMBIENTE. AO INUTILIZAR ESTE FOLHETO, NÃO JOGUE EM VIAS PÚBLICAS.

Leia mais

GLADIADOR Melhor relação peso/potência da categoria

GLADIADOR Melhor relação peso/potência da categoria GLADIADOR 2300 Melhor relação peso/potência da categoria Catálogo virtual Português Ago/2016 GLADIADOR 2300 O pulverizador autopropelido Gladiador 2300 apresenta grande autonomia de trabalho, possibilitando

Leia mais

INSTALAÇÕES PREDIAIS DE ÁGUA FRIA - DETALHES

INSTALAÇÕES PREDIAIS DE ÁGUA FRIA - DETALHES INSTALAÇÕES PREDIAIS DE ÁGUA FRIA - DETALHES 1. ALTURA DE SUCÇÃO (AS) - Desnível geométrico (altura em metros), entre o nível dinâmico da captação e o bocal de sucção da bomba. 2. ALTURA DE RECALQUE (AR)

Leia mais

Sistema Resistivo Diagrama de funcionamento Legendas

Sistema Resistivo Diagrama de funcionamento Legendas Sistema Resistivo Os sistemas tipo Resistivo podem ser empregados em máquinas de pequeno e médio porte que necessitem de uma lubrificação a óleo dosada e freqüente. Uma bomba de acionamento manual ou elétrico

Leia mais

Tecnologia de Aplicação de Agroquímicos no Cafeeiro. Autor: Luís César Pio

Tecnologia de Aplicação de Agroquímicos no Cafeeiro. Autor: Luís César Pio Tecnologia de Aplicação de Agroquímicos no Cafeeiro Autor: Luís César Pio Prezado colega, Catanduva, 9 de novembro de 2012. Para VOCÊ, que participou do encontro de capacitação técnica e que é integrante

Leia mais

Conservação de Energia

Conservação de Energia Lei de Pascal F = Força A = Área P = Pressão 1. Suponhamos uma garrafa cheia de um líquido, o qual é, praticamente, incompressível 2. Se aplicarmos uma força de 10kgf numa rolha de 1 cm 2 de área 3. o

Leia mais

DEFENSIVO AGRÍCOLA. Jefferson Horn Kunz. [Digite texto]

DEFENSIVO AGRÍCOLA. Jefferson Horn Kunz. [Digite texto] 2013.2 DEFENSIVO AGRÍCOLA Jefferson Horn Kunz [Digite texto] 2 TECNOLOGIA DE APLICAÇÃO DOS DEFENSIVOS E EQUIPAMENTOS Introdução Tecnologia consiste na aplicação dos conhecimentos científicos a um determinado

Leia mais

Sistemas de Pressurização Série TAP - Tanques de Pressão

Sistemas de Pressurização Série TAP - Tanques de Pressão Sistemas de Pressurização Série TAP - Tanques de Pressão Menor consumoo de energia TAP-20 C TAP-35 C TAP-20 A TAP-35 A Sistema com tanque de pressão, ideal para residências de até 2 banheiros. Aplicações

Leia mais

BOMBAS. Bombas CLASSIFICAÇÃO BOMBAS ALTERNATIVAS APLICAÇÕES 06/04/2011 BOMBAS DE DESLOCAMENTO POSITIVO

BOMBAS. Bombas CLASSIFICAÇÃO BOMBAS ALTERNATIVAS APLICAÇÕES 06/04/2011 BOMBAS DE DESLOCAMENTO POSITIVO BOMBAS Bombas Para deslocar um fluido ou mantê-lo em escoamento é necessário adicionarmos energia, o equipamento capaz de fornecer essa energia ao escoamento do fluido é denominamos de Bomba. CLASSIFICAÇÃO

Leia mais

EX TARIFÁRIO BOMBA HIDRÁULICA VOLUMÉTRICA ALTERNATIVA DE PISTÕES AXIAIS NCM:

EX TARIFÁRIO BOMBA HIDRÁULICA VOLUMÉTRICA ALTERNATIVA DE PISTÕES AXIAIS NCM: EX TARIFÁRIO BOMBA HIDRÁULICA VOLUMÉTRICA ALTERNATIVA DE PISTÕES AXIAIS NCM: 8413.50.10 INFORMAÇÕES ADICIONAIS 1. Montadora (repetir informação da Planilha de pleitos em excel): Komatsu 2. n Item (repetir

Leia mais

Transmissão hidráulica de força e energia

Transmissão hidráulica de força e energia Líquidos Transmissão de força Intensificador de pressão Pressão em uma coluna de fluido Velocidade e vazão Tipos de fluxo Geração de calor Diferencial de pressão Transmissão Hidráulica de Força e Energia

Leia mais

TÍTULO: DESENVOLVIMENTO DE UM KIT DIDÁTICO DE PERDA DE CARGA CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: ENGENHARIAS E ARQUITETURA SUBÁREA: ENGENHARIAS

TÍTULO: DESENVOLVIMENTO DE UM KIT DIDÁTICO DE PERDA DE CARGA CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: ENGENHARIAS E ARQUITETURA SUBÁREA: ENGENHARIAS TÍTULO: DESENVOLVIMENTO DE UM KIT DIDÁTICO DE PERDA DE CARGA CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: ENGENHARIAS E ARQUITETURA SUBÁREA: ENGENHARIAS INSTITUIÇÃO: FACULDADE DE ENGENHARIA DE SOROCABA AUTOR(ES): RAPHAEL

Leia mais

Mecanização da Pulverização. Eng. Agr.Jairo da Costa Moro Máquinas Agrícolas Jacto S.A

Mecanização da Pulverização. Eng. Agr.Jairo da Costa Moro Máquinas Agrícolas Jacto S.A Eng. Agr.Jairo da Costa Moro Máquinas Agrícolas Jacto S.A Mercado de defensivos Agrícolas 2014 - Brasil - O mercado brasileiro comercializou o valor total de US$12,25 bilhões em defensivos agrícolas. Fonte:

Leia mais

Capítulo 4 Equação da energia para escoamento permanente

Capítulo 4 Equação da energia para escoamento permanente Capítulo 4 Equação da energia para escoamento permanente ME4310 e MN5310 23/09/2009 OBJETIVO DA AULA DE HOJE: RESOLVER O EXERCÍCIO A SEGUIR: Determine a carga mecânica total na seção x do escoamento representada

Leia mais

AUTOMATISMOS COMANDOS HIDRÁULICOS. APLICAÇÕES AUTOMATISMOS HIDRÁULICOS: 1- Comando por distribuidor de carretel 2- Comando por distribuidor rotativo

AUTOMATISMOS COMANDOS HIDRÁULICOS. APLICAÇÕES AUTOMATISMOS HIDRÁULICOS: 1- Comando por distribuidor de carretel 2- Comando por distribuidor rotativo AUTOMATISMOS COMANDOS HIDRÁULICOS APLICAÇÕES AUTOMATISMOS HIDRÁULICOS: 1- Comando por distribuidor de carretel 2- Comando por distribuidor rotativo Aplicação 1: aperto em máquinaferramenta Queremos apertar

Leia mais

Atuadores Pneumáticos Rotativos

Atuadores Pneumáticos Rotativos UNIFEI EME610 - Sistemas Hidropneumáticos Pneumática 2 Atuadores Pneumáticos Rotativos Aula 9 Prof. José Hamilton Chaves Gorgulho Júnior https://www.youtube.com/watch?v=-65-t7st6tw Atuadores oscilantes

Leia mais

FUNDAÇÃO DE APOIO A PESQUISA, ENSINO E EXTENSÃO - FUNEP

FUNDAÇÃO DE APOIO A PESQUISA, ENSINO E EXTENSÃO - FUNEP UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA FACULDADE DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS E VETERINÁRIAS CAMPUS DE JABOTICABAL Página 1 de 5 RELATÓRIO DE ANÁLISE CARACTERIZAÇÃO DE GOTAS PRODUZIDAS POR BICO DE PULVERIZAÇÃO EM DIFERENTES

Leia mais

Seção E Bicos de Pulverização Fina

Seção E Bicos de Pulverização Fina Seção E s de Visão Geral Nossos bicos atomizadores de pulverização hidráulica fina estão disponíveis em duas versões. s Padrão: bicos roscados tradicionais de metal. s de Rápida: consistindo de um corpo

Leia mais

CATÁLOGO TÉCNICO VÁLVULAS LINHAS

CATÁLOGO TÉCNICO VÁLVULAS LINHAS CATÁLOGO TÉCNICO VÁLVULAS LINHAS AUTOMÁTICA DE ESCAPE DE AR (ESCO MASTER) RETENÇÃO ANTIGOLPE DE ARÍETE (ESCO MASTER) RETENÇÃO DE FECHAMENTO RÁPIDO ANTIGOLPE DE ARÍETE (PM) SIGMMA ESCO BOMBAS Sigmma Indústria

Leia mais

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO ENGENHARIA QUÍMICA LOQ4085 OPERAÇÕES UNITÁRIAS I

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO ENGENHARIA QUÍMICA LOQ4085 OPERAÇÕES UNITÁRIAS I UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO ENGENHARIA QUÍMICA LOQ4085 OPERAÇÕES UNITÁRIAS I Profa. Lívia Chaguri E-mail: lchaguri@usp.br Conteúdo Bombas Parte 1 - Introdução - Classificação - Bombas sanitárias - Condições

Leia mais

Motor de Pistões Radiais V JMDG Baixa rotação e alto torque

Motor de Pistões Radiais V JMDG Baixa rotação e alto torque Motor de Pistões Radiais V JMDG Baixa rotação e alto torque Introdução São motores de baixa rotação e altíssimo torque e que podem ser aplicados em várias áreas que exigem estas características. Podem

Leia mais

MOTOR 4 LD 2500 / 4 LDG 2500

MOTOR 4 LD 2500 / 4 LDG 2500 MOTOR LD 500 / LDG 500 ÍNDICE A 5 6 Bloco do Motor Carcaça Tampa do Motor LD 500 Tampa do Motor LDG 500 Cabeçote Tampa do Cabeçote Conjunto Pistão LD 500 6A Conjunto Pistão LDG 500 7 8 9 0 5 6 7 8 9 0

Leia mais

2. Classificação, Descrição e Elementos Construtivos. 2.1 Definição e Classificação de Máquinas de Fluido

2. Classificação, Descrição e Elementos Construtivos. 2.1 Definição e Classificação de Máquinas de Fluido 2. Classificação, Descrição e Elementos Construtivos 2.1 Definição e Classificação de Máquinas de Fluido Uma máquina pode ser definida como um transformador de energia. Nas máquinas de fluido ocorre a

Leia mais

Pulverizador Agrícola Manual

Pulverizador Agrícola Manual R Pulverizador Agrícola Manual Fone: (42) 3522-2789 3522-1819 3523-7926 Rua Prefeito Alfredo Metzler, 480 - CEP 89400-000 - Porto União - SC Site: www.knapik.com.br E-mail: knapik@knapik.com.br vendas@knapik.com.br

Leia mais

Motobombas. Diesel. BFD 6" - Ferro Fundido BFD 8" - Ferro Fundido

Motobombas. Diesel. BFD 6 - Ferro Fundido BFD 8 - Ferro Fundido Motobombas Diesel BFD 6" - Ferro Fundido BFD 8" - Ferro Fundido 1 - Motobomba BFDE 6", BFDE 8" Sua aplicação básica está na captação de água de rio e lagos. Utilizado quando é necessário uma transferência

Leia mais

Mecânica dos Fluidos I

Mecânica dos Fluidos I Mecânica dos Fluidos I Aula prática 1 EXERCÍCIO 1 Em Mecânica dos Fluidos é muito frequente que interesse medir a diferença entre duas pressões. Os manómetros de tubos em U, que são um dos modelos mais

Leia mais

Dosador de cloro gás

Dosador de cloro gás Dosador de cloro gás : A ÚTIL/TETIS consolidou seu nome através da qualidade de seus equipamentos para saneamento e dosagem de produtos químicos. Órgãos públicos, federais, estaduais e municipais além

Leia mais

Motor Isuzu. Manual de peças

Motor Isuzu. Manual de peças Motor Isuzu Manual de peças MOTOR ISUZO ÍNDICE 01 02 03 04 05 06 07 08 09 10 11 12 13 14 15 16 17 18 19 20 21 Conjunto Tampa de Válvula Conjunto Cabeçote Completo Bloco e Camisa Sistema do Motor Cárter

Leia mais

Preparação para Ar Comprimido - Série 14

Preparação para Ar Comprimido - Série 14 Catálogo 1001-8 R Informações técnicas Série 14 reparação para r Comprimido - Série 14 Características técnicas Conexão 1/4 T ou S Vazão (l/min) Vide codificação Faixa de temperatura 0 C a 52 C 150 psi

Leia mais

TECNOLOGIA DE APLICAÇÃO DE HERBICIDAS

TECNOLOGIA DE APLICAÇÃO DE HERBICIDAS TECNOLOGIA DE APLICAÇÃO DE HERBICIDAS Emprego de todos os conhecimentos científicos que proporcionem a correta colocação do produto biologicamente ativo no alvo, em quantidade necessária, de forma econômica,

Leia mais

SIMPLES E FACIL DE ENTENDER ESSE PROCESSO DE ARREFECIMENTO

SIMPLES E FACIL DE ENTENDER ESSE PROCESSO DE ARREFECIMENTO Acompanhe neste tópico as dicas de manutenção e revisão do sistema de arrefecimento. Manter o motor na temperatura ideal de funcionamento é tarefa que, se não cumprida rigorosamente, pode trazer sérios

Leia mais

MÓVEL PRESSÃO. Transmissão com embraiagem. Saida. Retorno. Regulador Pressão. jacto regulável e posicionável. bomba. Piston.2E C.C

MÓVEL PRESSÃO. Transmissão com embraiagem. Saida. Retorno. Regulador Pressão. jacto regulável e posicionável. bomba. Piston.2E C.C Mar c a Válvulas Pist o ns P res s ão 2 2.01 24.0.16 Grupo Pressão 2016.20-ST MÓVEL PRESSÃO R Peso Kg. 6,4 Caudal L/min 12 Carburador Diafragma Pressão kg/cm2 15 Aspiração M 10 Mistura 1:25 10 metros mangueira

Leia mais

Catálogo de Peças KO 400/600/800 IH 08/10 E EM "X" PULVERIZADOR KO 400/600/800 BARRAS IH 08/10 E EM X ÍNDICE - 1

Catálogo de Peças KO 400/600/800 IH 08/10 E EM X PULVERIZADOR KO 400/600/800 BARRAS IH 08/10 E EM X ÍNDICE - 1 PULVERIZADOR KO 400/600/800 BARRAS IH / E EM X ÍNDICE DO PRODUTO PÁGINA DO PRODUTO PÁGINA Adesivos... Agitador hidraulico nº 1... Barra de pulverização IH 8 e IH mangueira... Barra IH // em X... Bico duplex

Leia mais

Pressostatos de ar e água CS

Pressostatos de ar e água CS Ficha técnica Pressostatos de ar e água CS Os pressostatos CS possuem ajuste de faixa, ajustável, e um contato integrado de três polos operado por pressão. Sua posição de contato depende da pressão no

Leia mais

Nota: Campus JK. TMFA Termodinâmica Aplicada

Nota: Campus JK. TMFA Termodinâmica Aplicada TMFA Termodinâmica Aplicada 1) Considere a central de potência simples mostrada na figura a seguir. O fluido de trabalho utilizado no ciclo é água e conhece-se os seguintes dados operacionais: Localização

Leia mais

Seleção de Pontas de Pulverização

Seleção de Pontas de Pulverização JORNADAS DE ACTUALIZACIÓN EN TECNOLOGÍAS DE APLICACIÓN EN CULTIVOS EXTENSIVOS Seleção de Pontas de Pulverização Otavio J. G. Abi Saab Prof. Mecanização Agrícola Universidade Estadual de Londrina Estado

Leia mais

Introdução. Apresentação. Características da hidráulica. Evolução dos sistemas hidráulicos. Sistema hidráulico. Circuito hidráulico básico

Introdução. Apresentação. Características da hidráulica. Evolução dos sistemas hidráulicos. Sistema hidráulico. Circuito hidráulico básico Apresentação Características da hidráulica Evolução dos sistemas hidráulicos Sistema hidráulico Circuito hidráulico básico Unidade hidráulica Apresentação Com a constante evolução tecnológica há no mercado

Leia mais

MANUAL DE FUNCIONAMENTO DOS FILTROS LIMPA TANQUE SULFILTROS

MANUAL DE FUNCIONAMENTO DOS FILTROS LIMPA TANQUE SULFILTROS MANUAL DE FUNCIONAMENTO DOS FILTROS LIMPA TANQUE SULFILTROS 1. INTRODUÇÃO Este manual contém todas informações necessárias para a correta instalação, operação e manutenção dos Filtros Prensa SULFILTROS.

Leia mais

Paulo Moisés Almeida da Costa. As Máquinas Primárias

Paulo Moisés Almeida da Costa. As Máquinas Primárias Almeida da Costa As Máquinas Primárias Escola Superior de Tecnologia de Viseu - 1999 Estes pequenos apontamentos destinam-se a auxiliar os alunos no estudo das máquinas primárias utilizadas nos aproveitamentos

Leia mais

MSK FILTRO COALESCENTE

MSK FILTRO COALESCENTE FILTRO COALESCENTE MSK 1 - INTRODUÇÃO 1.1. - FINALIDADE DESTE MANUAL Este manual proporciona informações de funcionamento, instalação, operação e manutenção dos filtros MS-série K. Leia este manual atentamente

Leia mais

Figura 1. Combustão externa: calor é produzido fora do motor em caldeiras.

Figura 1. Combustão externa: calor é produzido fora do motor em caldeiras. UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO RIO DE JANEIRO IT Departamento de Engenharia ÁREA DE MÁQUINAS E ENERGIA NA AGRICULTURA IT 154- MOTORES E TRATORES INTRODUÇÃO CONSTITUIÇÃO DOS MOTORES Carlos Alberto Alves

Leia mais

Ensaio de Bombas Centrífugas

Ensaio de Bombas Centrífugas Ensaio de Bombas Centrífugas 1. NORMAS DE ENSAIO Os ensaios de desempenho e de cavitação para bombas hidráulicas de fluxo (centrífugas, axiais e mistas), de classe C (bombas de utilização corrente) são

Leia mais

Catálogo ZF - Veicular DEZ-2008 Figura Transmissão: 16S 2280 TO Iveco Nº ZF:

Catálogo ZF - Veicular DEZ-2008 Figura Transmissão: 16S 2280 TO Iveco Nº ZF: Figura 1 01.630.010 01.630.020 01.600 01.510 01.620 01.340 01.310 2 01.030 1 Carcaça 1316 201 110 01.140 4 Pino cilindrico 0731 201 563 01.200.010 1 Bujão 0636 304 049 01.200.020 1 Anel de vedação 0730

Leia mais

INSTRUMENTAÇÃO EM PROCESSOS INDUSTRIAIS

INSTRUMENTAÇÃO EM PROCESSOS INDUSTRIAIS INSTRUMENTAÇÃO EM PROCESSOS INDUSTRIAIS Válvulas de controle (funções, componentes, tipos e aplicações) Patrícia Lins de Paula 25/03/2012 154 VÁLVULAS São dispositivos destinados a estabelecer, controlar

Leia mais

É a parte da Física que se ocupa da dinâmica e dos fenômenos físicos relacionados com os gases ou vácuos. É também o estudo da conservação da energia

É a parte da Física que se ocupa da dinâmica e dos fenômenos físicos relacionados com os gases ou vácuos. É também o estudo da conservação da energia Fagner Ferraz É a parte da Física que se ocupa da dinâmica e dos fenômenos físicos relacionados com os gases ou vácuos. É também o estudo da conservação da energia pneumática em energia mecânica, através

Leia mais

Informações gerais sobre o sistema pneumático

Informações gerais sobre o sistema pneumático Definições É importante lembrar as seguintes definições e conceitos ao trabalhar no sistema pneumático do veículo: Reservatório de ar comprimido Um reservatório pressurizado contendo ar comprimido. Ele

Leia mais

Recolha de Lixo KO

Recolha de Lixo KO Recolha de Lixo KO45011 Principais benefícios: Simplicidade e confiabilidade na operação e manutenção; Contentores abertos, removíveis e grande capacidade volumétrica; Possibilidade de recolha de todos

Leia mais

MANUAL FILTRO PRENSA SULFILTROS

MANUAL FILTRO PRENSA SULFILTROS 1. INTRODUÇÃO MANUAL FILTRO PRENSA SULFILTROS O objetivo deste manual é disponibilizar todas as informações necessárias para a instalação, operação e manutenção dos filtros prensa da SULFILTROS, assim

Leia mais

MOTOR 3 LD 1500 / 3 LDG 1500

MOTOR 3 LD 1500 / 3 LDG 1500 MOTOR LD 00 / LDG 00 ÍNDICE 7 8 9 0 7 8 9 0 7 Bloco do Motor Tampa do Comando Cabeçote Tampa do Cabeçote Conjunto Pistão Virabrequim Comando de Válvulas Trem de Engrenagens Admissão Escapamento Carter

Leia mais

HIDRÁULICA 2/7/2007 1

HIDRÁULICA 2/7/2007 1 HIDRÁULICA 1 Introdução Vem se destacando e ganhando espaço como um meio de transmissão de energia nos mais variados segmentos do mercado. Áreas de automatização foram possíveis com a introdução da hidráulica

Leia mais

06/ REV. 2. imagem meramente ilustrativa SOMENTE PARA USO DOMÉSTICO. Manual de Instruções

06/ REV. 2. imagem meramente ilustrativa SOMENTE PARA USO DOMÉSTICO. Manual de Instruções 06/11 705-09-05 775361 REV. 2 imagem meramente ilustrativa SOMENTE PARA USO DOMÉSTICO Manual de Instruções INTRODUÇÃO Parabéns pela escolha do Ventilador Coluna Turbo 40 Inox. Para garantir o melhor desempenho

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE ITATIBA DO SUL AV. ANTONILO ANGELO TOZZO, ITATIBA DO SUL - RS

PREFEITURA MUNICIPAL DE ITATIBA DO SUL AV. ANTONILO ANGELO TOZZO, ITATIBA DO SUL - RS Objetivo:Pregão Presencial - AQUISIÇÃO DE EQUIPAMENTOS AGRÍCOLAS TIPO PULVERIZADOR, GRAMPO LIMPADOR, ROÇADEIRA HIDRÁULICA E DISTRIBUIDOR DE Objeto:AQUISIÇÃO DE EQUIPAMENTOS AGRÍCOLAS TIPO PULVERIZADOR,

Leia mais

Laboratório de Hidráulica. Prof. Dr. Emílio Carlos Nelli Silva Prof. Dr. Rafael Traldi Moura MSc. Ruben Andres Salas

Laboratório de Hidráulica. Prof. Dr. Emílio Carlos Nelli Silva Prof. Dr. Rafael Traldi Moura MSc. Ruben Andres Salas Laboratório de Hidráulica Prof. Dr. Emílio Carlos Nelli Silva Prof. Dr. Rafael Traldi Moura MSc. Ruben Andres Salas Objetivo e Considerações Objetivos: O laboratório tem por principal objetivo revisar

Leia mais

Roteiro - Aula Prática Perda de carga:

Roteiro - Aula Prática Perda de carga: Laboratório de Hidráulica - Aula Prática de Perda de Carga 1 Roteiro - Aula Prática Perda de carga: 1. Objetivo do experimento: Estudo de perda de carga distribuída e localizada. Medição de velocidade

Leia mais

AULA DO CAP. 15-2ª Parte Fluidos Ideais em Movimento DANIEL BERNOULLI ( )

AULA DO CAP. 15-2ª Parte Fluidos Ideais em Movimento DANIEL BERNOULLI ( ) AULA DO CAP. 15-2ª Parte Fluidos Ideais em Movimento DANIEL BERNOULLI (1700-1782) Radicada em Basiléia, Suíça, a família Bernoulli (ou Bernouilli) tem um papel de destaque nos meios científicos dos séculos

Leia mais

Manual Filtros SFMC 150/400/1000

Manual Filtros SFMC 150/400/1000 Manual Filtros SFMC 150/400/1000 Filtro Micrônico e Coalescente, com capacidade de retenção de sólidos de 5 micra e separação de água com eficiência de 99,5% e vazão de 150 ou 400 litros por minuto. Composto

Leia mais

CATÁLOGO TÉCNICO DE PRODUTO

CATÁLOGO TÉCNICO DE PRODUTO Equipamento de teste de pressão da bomba de combustível de veículos com injeção eletrônica O TVP s são equipamento para teste de pressão da bomba elétrica de combustível dos veículos com injeção eletrônica,

Leia mais

HiTech COMPACT Plantadora Adubadora *FOTO MERAMENTE ILUSTRATIVA.

HiTech COMPACT Plantadora Adubadora *FOTO MERAMENTE ILUSTRATIVA. HiTech COMPACT Plantadora Adubadora *FOTO MERAMENTE ILUSTRATIVA. Duas opções no sistema de articulação da linha da semente PANTOGRÁFICA Linha da semente com sistema pantográfico dotado de amplo curso de

Leia mais

Manual de Instruções TORVEL. Série CPT. Manual de Instruções CORTADOR DE PORCAS TORVEL

Manual de Instruções TORVEL. Série CPT. Manual de Instruções CORTADOR DE PORCAS TORVEL Manual de Instruções 1 Índice 1. Considerações Gerais...3 2. A Segurança em Foco...3 e 4 3. Descrição do Produto...5 e 6 4. Utilização do...7 5. Lista de Peças...7 e 8 2 1.0 Considerações Gerais 1.1 Instruções

Leia mais

MD-40 / MD-50 AGA-TEC. Medidor de Vazão - Produtos Químicos

MD-40 / MD-50 AGA-TEC. Medidor de Vazão - Produtos Químicos MD-40 / MD-50 INDÚSTRIA, COMÉRCIO E MANUTENÇÃO LTDA. Os medidores de vazão são projetados para um controle preciso dos volumes de líquidos. Os medidores de vazão são de deslocamento positivo através de

Leia mais

Hidráulica Geral (ESA024A)

Hidráulica Geral (ESA024A) Departamento de Engenharia Sanitária e Ambiental Hidráulica Geral (ESA04A) º semestre 01 Terças de 10 às 1 h Quntas de 08 às 10h Golpe de Aríete Conceito -Denomina-se golpe de aríete ou transiente hidráulico

Leia mais

Anexo 2 TABELA DE PREÇOS DE PEÇAS DE RECUPERAÇÃO DE INJEÇÕES DE DIESEL

Anexo 2 TABELA DE PREÇOS DE PEÇAS DE RECUPERAÇÃO DE INJEÇÕES DE DIESEL Anexo 2 TABELA DE PREÇOS DE PEÇAS DE RECUPERAÇÃO DE INJEÇÕES DE DIESEL BOSCH Referência Descrição da peça Valor 0261230081 SENSOR DE PRESSÃO 241,31 0281002118 VÁLVULA MAGNÉTICA 1.740,72 0281002149 VÁLVULA

Leia mais

NEW HOLLAND DEfENsOr sp2500

NEW HOLLAND DEfENsOr sp2500 NEW HOLLAND Defensor SP2500 2 3 Defensor SP2500. O mais novo pulverizador da família New Holland A New Holland sempre esteve ao lado do produtor. Desde que se instalou no Brasil, seus técnicos vão a campo

Leia mais

Pulverizadores costais manuais. Prof.: Brandão

Pulverizadores costais manuais. Prof.: Brandão Pulverizadores costais manuais Prof.: Brandão PULVERIZADORES COSTAIS Operação Manutenção Regulagem da pulverização PJH O QUE É UM PULVERIZADOR COSTAL MANUAL? - Os pulverizadores Costais Manuais são equipamentos

Leia mais

BOMBA PRESSURIZADORA MANUAL DE SERVIÇO PB-088MA, 088JA PB-135MA, 135JA PB-S250MA, S250JA PB-350MA, 350JA MODELO

BOMBA PRESSURIZADORA MANUAL DE SERVIÇO PB-088MA, 088JA PB-135MA, 135JA PB-S250MA, S250JA PB-350MA, 350JA MODELO BOMBA PRESSURIZADORA MANUAL DE SERVIÇO MODELO PB-088MA, 088JA PB-135MA, 135JA PB-S250MA, S250JA PB-350MA, 350JA Leia atentamente este manual antes de instalar ou operar o equipamento para assegurar uma

Leia mais

Manual de Instalação do Conjunto de Pressão

Manual de Instalação do Conjunto de Pressão Pág. 0-900 / www.polibol.com.br DIAGRAMA PRINCIPAL MONOFÁSICO - BIFÁSICO 7/V 0HZ - 0/0V 0HZ DIAGRAMA DE COMANDO DIAGRAMA PRINCIPAL TRIFÁSICO 0/0 0HZ DIAGRAMA DE COMANDO N R S A C 0V - 0HZ B N R S T A C

Leia mais

Controle! 23/09/2016. Métodos de Aplicação de Agrotóxicos. Agrupar Via sólida Via líquida Via gasosa

Controle! 23/09/2016. Métodos de Aplicação de Agrotóxicos. Agrupar Via sólida Via líquida Via gasosa UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA Campus de Jaboticabal Depto. Fitossanidade V Semana Acadêmica das Ciências Agrárias Minicurso: Tecnologia de Aplicação de Produtos Fitossanitários Classificação de Métodos

Leia mais

PARTE II REGRAS PARA CONSTRUÇÃO E CLASSIFICAÇÃO DE NAVIOS IDENTIFICADOS POR SUAS MISSÕES TÍTULO 32 PETROLEIROS CAPÍTULOS ABORDAGEM

PARTE II REGRAS PARA CONSTRUÇÃO E CLASSIFICAÇÃO DE NAVIOS IDENTIFICADOS POR SUAS MISSÕES TÍTULO 32 PETROLEIROS CAPÍTULOS ABORDAGEM PARTE II REGRAS PARA CONSTRUÇÃO E CLASSIFICAÇÃO DE NAVIOS IDENTIFICADOS POR SUAS MISSÕES TÍTULO 32 PETROLEIROS SEÇÃO 5 MOTORES E MECÂNICA CAPÍTULOS A B C D E F G H I T ABORDAGEM DOCUMENTAÇÃO TÉCNICA MATERIAIS

Leia mais

É a parte da Física que se ocupa da dinâmica e dos fenômenos físicos relacionados com os gases ou vácuos. É também o estudo da conservação da energia

É a parte da Física que se ocupa da dinâmica e dos fenômenos físicos relacionados com os gases ou vácuos. É também o estudo da conservação da energia Fagner Ferraz É a parte da Física que se ocupa da dinâmica e dos fenômenos físicos relacionados com os gases ou vácuos. É também o estudo da conservação da energia pneumática em energia mecânica, através

Leia mais

Catálogo de Peças KO 600 PEC - 1 PULVERIZADOR KO 600 PECUÁRIA ÍNDICE. Adesivos... Lista de peças... Barra Pecuaria Completa... Lista de peças...

Catálogo de Peças KO 600 PEC - 1 PULVERIZADOR KO 600 PECUÁRIA ÍNDICE. Adesivos... Lista de peças... Barra Pecuaria Completa... Lista de peças... PULVERIZADOR KO 600 PECUÁRIA ÍNDICE DO PRODUTO Adesivos... Barra Pecuaria Completa... Bico simples para mangueira... Bomba 3PH 65 c. rubia... Comando Master 3 vias... Filtro de sucção... Lança KO 600 pecuária

Leia mais

TUBULAÇÕES INDUSTRIAS AULA 4 Prof. Clélio AULA 4. Volume I do Livro Texto CONTEÚDO: Capítulo 7. Purgadores de Vapor, Separadores Diversos e Filtros.

TUBULAÇÕES INDUSTRIAS AULA 4 Prof. Clélio AULA 4. Volume I do Livro Texto CONTEÚDO: Capítulo 7. Purgadores de Vapor, Separadores Diversos e Filtros. AULA 4 Volume I do Livro Texto CONTEÚDO: Capítulo 7 Purgadores de Vapor, Separadores Diversos e Filtros. 1 LINHAS DE VAPOR Nas linhas de vapor sempre haverá água líquida (condensado) resultante da condensação

Leia mais

reciclagem a frio KMA 220

reciclagem a frio KMA 220 Technische Especificação Daten Técnica Kaltfräse Usina misturadora W 200 móvel de reciclagem a frio KMA 220 Especificação Técnica Usina misturadora móvel de reciclagem a frio KMA 220 Capacidade da usina

Leia mais

Pulverizadores: Mecanização da cultura do Cacau. Máquinas Agrícolas Jacto S/A Pompéia -SP. Eng. Agr. Walter W Mosquini Planejamento de Produto

Pulverizadores: Mecanização da cultura do Cacau. Máquinas Agrícolas Jacto S/A Pompéia -SP. Eng. Agr. Walter W Mosquini Planejamento de Produto Pulverizadores: Mecanização da cultura do Cacau Máquinas Agrícolas Jacto S/A Pompéia -SP Eng. Agr. Walter W Mosquini Planejamento de Produto Informações Foi fundada em 1948; Todas as unidades produtivas

Leia mais

ENGENHARIA DE CONTROLE E AUTOMAÇÃO Oficina Mecânica para Automação - OMA

ENGENHARIA DE CONTROLE E AUTOMAÇÃO Oficina Mecânica para Automação - OMA II. AJUSTE & TOLERÂNCIA: Livro recomendado: Tolerâncias, Ajustes, Desvios e Análise de Dimençôes. Autores: Osvaldo Luiz Agostinho; Antonio Carlos dos Santos Rodrigues e Joâo Lirani. Editora Edgard Blucher

Leia mais

Hidráulica Geral (ESA024A)

Hidráulica Geral (ESA024A) Departamento de Engenharia Sanitária e Ambiental Hidráulica Geral (ESA024A) 2º semestre 2011 Terças de 10 às 12 h Quintas de 08 às 10h Problema IV.1 Conhecendo-se as características da bomba descrita a

Leia mais

Pos Código Descrição Q/M*

Pos Código Descrição Q/M* Motor de Popa BM2T-3.6 01 Alavanca de marcha 1 19800230 Alavanca de marcha 1 2 19800240 Braço da Alavanca 1 3 10109223 Parafuso M4x12 1 4 10100230 Contra-pino 1 5 19800250 Haste da marcha 1 6 19300400

Leia mais

TECNOLOGIA DE APLICAÇÃO DE AGROTÓXICOS NA CITRICULTURA

TECNOLOGIA DE APLICAÇÃO DE AGROTÓXICOS NA CITRICULTURA TECNOLOGIA DE APLICAÇÃO DE AGROTÓXICOS NA CITRICULTURA HAMILTON HUMBERTO RAMOS Diretor Geral do Instituto Agronômico TECNOLOGIA DE APLICAÇÃO DE PRODUTOS FITOSSANITÁRIOS Emprego de todos os conhecimentos

Leia mais

Reguladores Automotores. Válvula Redutora de Pressão Tipo 2333 com válvula piloto Válvula Estabilizadora de Pressão Tipo 2335 com válvula piloto

Reguladores Automotores. Válvula Redutora de Pressão Tipo 2333 com válvula piloto Válvula Estabilizadora de Pressão Tipo 2335 com válvula piloto Reguladores Automotores Piloto operado pelo fluido Válvula Redutora de Pressão Tipo 2333 com válvula piloto Válvula Estabilizadora de Pressão Tipo 2335 com válvula piloto Aplicação Reguladores de pressão

Leia mais

Consultoria em Irrigação e Fertirrigação. 3ª Reunião do GIC. Ribeirão Preto-SP, 18 de Setembro de 2012

Consultoria em Irrigação e Fertirrigação. 3ª Reunião do GIC. Ribeirão Preto-SP, 18 de Setembro de 2012 3ª Reunião do GIC Ribeirão Preto-SP, 18 de Setembro de 2012 Acionamento de motores elétricos em sistemas de irrigação via Inversor de Frequência e Qualidade na Aplicação e Operação de Sistema Carretel

Leia mais

Motores Térmicos. 8º Semestre 4º ano

Motores Térmicos. 8º Semestre 4º ano Motores Térmicos 8º Semestre 4º ano Aula 17 - Formação da Mistura nos Motores Diesel Introdução Estágios da combustão em motores Diesel Requisitos do Sistema de Injecção Elementos do Sistema de Alimentação

Leia mais

1 Circuitos Pneumáticos

1 Circuitos Pneumáticos 1 Circuitos Pneumáticos Os circuitos pneumáticos são divididos em várias partes distintas e, em cada uma destas divisões, elementos pneumáticos específicos estão posicionados. Estes elementos estão agrupados

Leia mais

Coletor solar (EA0031/EA0023) Manual de instruções. Manual de instruções. Coletor Solar EA0031/EA0023

Coletor solar (EA0031/EA0023) Manual de instruções. Manual de instruções. Coletor Solar EA0031/EA0023 Manual de instruções Coletor Solar EA0031/EA0023 Índice 1. Especificações técnicas... 3 2. Cuidados... 3 3. Tubo do Coletor Solar... 4 3.1. Componentes... 4 3.2. Parâmetros... 5 4. Coletor Solar... 5 5.

Leia mais

Lista de Exercícios Solução em Sala

Lista de Exercícios Solução em Sala Lista de Exercícios Solução em Sala 1) Um conjunto pistão-cilindro área de seção transversal igual a 0,01 m². A massa do pistão é 101 kg e ele está apoiado nos batentes mostrado na figura. Se a pressão

Leia mais

MULTICILINDROS BFDE 380 BFDE 385 BFDE 480 BFDE 485

MULTICILINDROS BFDE 380 BFDE 385 BFDE 480 BFDE 485 MULTICILINDROS 0 0 MOTOR DIESEL -.a.b.a.b.c.a.b.a.b.a.b.c.d.a.b.c.d.a.b.c.a.b.c.d 0.a 0.b 0 0 0 PEÇA (BLOCO DO MOTOR) Parafuso Do Cabeçote Parafuso Do Cabeçote Junta Do Cabeçote Junta Do Cabeçote Junta

Leia mais

ENERGIA HIDRÁULICA MÁQUINA DE FLUXO ENERGIA MECÂNICA

ENERGIA HIDRÁULICA MÁQUINA DE FLUXO ENERGIA MECÂNICA ª EXPERIÊNCIA - ESTUDO DAS BOMBAS APLICAÇÃO DA ANÁLISE DIMENSIONAL E DA TEORIA DA SEMELHANÇA 1 INTRODUÇÃO AO ESTUDO DAS MÁQUINAS DE FLUXO ( BOMBAS, TURBINAS, COMPRESSORES, VENTILADORES) As máquinas que

Leia mais

1.1. Motor de Combustão interna a) Motor de combustão de 4 tempos, com pistões em linha ou em V, a álcool e/ou gasolina, com

1.1. Motor de Combustão interna a) Motor de combustão de 4 tempos, com pistões em linha ou em V, a álcool e/ou gasolina, com Ao Governo do Estado de Roraima Secretaria de Estado da Saúde SESAU Gerencia Especial de Cotação GEC LOGO MARCA DA EMPRESA COTAÇÃO DE PREÇOS PROCESSO N CARIMBO ITEM ESPECIFICAÇÃO UND. QUANT. V. UNT. V.

Leia mais

Aplicações Industriais do Vent Captor

Aplicações Industriais do Vent Captor Sistemas de Arrefecimento Climatização Aplicações Industriais do Vent Captor Monitorizando o Fluxo de Ar no avião (ECS) é um ponto crítico para assegurar o adequado arrefecimento de zonas críticas, tal

Leia mais

Curvadores e Flangeadores

Curvadores e Flangeadores es Tipos es Serviço Pesado de Catraca Triplo es de Conduíte Parede Grossa Parede Fina Número de s 9 (). / 6 / 7 8 ¼ ¼ Pág. Hidráulico 7.4 Alargador de Tubos Flangeadores Flangeadores de Concepção Avançada

Leia mais

ABRANDADOR DE ÁGUA. Materiais Utilizados

ABRANDADOR DE ÁGUA. Materiais Utilizados ABRANDADOR DE ÁGUA Com a finalidade de prevenir obstruções das tubulações, válvulas e manter a eficiência da troca térmica em equipamentos como a Caldeira, se faz necessário o uso da água abrandada. O

Leia mais

Órgãos de manobra e controlo. Tipos, função e localização. Válvulas de seccionamento. Ventosas. Válvulas de descarga.

Órgãos de manobra e controlo. Tipos, função e localização. Válvulas de seccionamento. Ventosas. Válvulas de descarga. DISCIPLINA DE SANEAMENTO AULA 8 / SUMÁRIO AULA 8 ÓRGÃOS E ACESSÓRIOS Órgãos de manobra e controlo. Tipos, função e localização. Válvulas de seccionamento. Ventosas. Válvulas de descarga. SANEAMENTO / FEVEREIRO

Leia mais

Manual do Proprietário. Batedeira planetaria BTI 18/ BT I36

Manual do Proprietário. Batedeira planetaria BTI 18/ BT I36 Manual do Proprietário Batedeira planetaria BTI 18/ BT I36 Índice 1- Apresentação. 2- Instalação e Instruções. 3- Operação. 4- Limpeza. 5- Manutenção. 6- Possíveis Problemas e Soluções. 7- Esquema Elétrico.

Leia mais

7 TORRES DE RESFRIAMENTO E CONDENSADORES EVAPORATIVOS

7 TORRES DE RESFRIAMENTO E CONDENSADORES EVAPORATIVOS 91 7 TORRES DE RESFRIAMENTO E CONDENSADORES EVAPORATIVOS A maioria dos equipamentos dos sistemas de refrigeração rejeita calor para a atmosfera. Embora existam aplicações onde o calor rejeitado do ciclo

Leia mais

MÁQUINAS DE LAVAR PISTOLAS INFRA-VERMELHOS

MÁQUINAS DE LAVAR PISTOLAS INFRA-VERMELHOS MÁQUINAS DE LAVAR PISTOLAS INFRA-VERMELHOS MÁQUINA DE LAVAR PISTOLAS AUTOMÁTICAS 180 CX 2110560 unid./caixa 1 3.440,00 74 kg cm 71x 69x150h cm 50x30x32h 15 cm Pneumático min: 6 - máx. 10 bar A máquina

Leia mais

MANUAL DE PEÇAS MOTOR QUANCHAI QC385D

MANUAL DE PEÇAS MOTOR QUANCHAI QC385D MANUAL DE PEÇAS MOTOR QUANCHAI QC385D (TORRE DE ILUMINAÇÃO RPLT6000) 1 2 01 120001001 Junta do volante 1 02 120001002 Bucha 1 03 120001003 Parafuso 2 04 120001004 Arruela 2 05 120001005 Arruela 2 06 120001006

Leia mais

Recuperação do abrasivo: O abrasivo durante o jateamento, deposita-se no

Recuperação do abrasivo: O abrasivo durante o jateamento, deposita-se no GABINETE DE JATEAMENTO Princípios de funcionamento: A máquina de jato é pressurizada através da vávula pedal (comando), forçando o abrasivo a misturar-se com o ar comprimido, expelindo-o pelo bico de jato

Leia mais

ATUADORES ROTATIVOS CAPÍTULO 1.3 INTRODUÇÃO PAG. 1.3/02 ATUADOR ROTATIVO, SÉRIE R1 PAG. 1.3/06 ATUADOR ROTATIVO, SÉRIE R2 PAG. 1.

ATUADORES ROTATIVOS CAPÍTULO 1.3 INTRODUÇÃO PAG. 1.3/02 ATUADOR ROTATIVO, SÉRIE R1 PAG. 1.3/06 ATUADOR ROTATIVO, SÉRIE R2 PAG. 1. ATUADORES ROTATIVOS CAPÍTUO.3 INTRODUÇÃO PAG..3/0 ATUADOR ROTATIVO, SÉRIE R PAG..3/06 ATUADOR ROTATIVO, SÉRIE R PAG..3/09 ATUADOR ROTATIVO, SÉRIE R3 PAG..3/3 MESA GIRATÓRIA, SÉRIE R4 PAG..3/8.3/0 P N E

Leia mais