27/11/2015. Boas práticas: os desafios da tecnologia de aplicação. Tecnologia de aplicação x ambiente. Ulisses Rocha Antuniassi

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "27/11/2015. Boas práticas: os desafios da tecnologia de aplicação. Tecnologia de aplicação x ambiente. Ulisses Rocha Antuniassi"

Transcrição

1 Boas práticas: os desafios da tecnologia de aplicação Ulisses Rocha Antuniassi FCA/UNESP - Botucatu/SP Apresentação UNESP: FCA: DEnR: NTA: NEMPA: Universidade Estadual Paulista Faculdade de Ciências Agronômicas Departamento de Engenharia Rural Núcleo de Tecnologia Aeroagrícola Núcleo de Ensaio de Máquinas e Pneus Agroflorestais Nome Ulisses do Antuniassi Palestrante - UNESP Tecnologia de aplicação x ambiente 1

2 Tecnologia de aplicação x ambiente Há muita pressão na tecnologia de aplicação: Aumento da capacidade operacional; Melhoria do desempenho fitossanitário; Controle de alvos difíceis; Redução do impacto no ambiente; Redução do risco de deriva; Manejo da resistência. Tecnologia de aplicação x ambiente Tecnologia de aplicação x ambiente Todas estas demandas dependem: Tamanho das gotas; Volume de calda (taxa de aplicação). Tecnologia de aplicação x ambiente Tamanho de gotas e Volume de calda Devem ser definidos em conjunto, primariamente de acordo com os seguintes parâmetros: Necessidade de cobertura e penetração das gotas; Condições climáticas; Risco de perdas e deriva. Tecnologia de aplicação x ambiente 2

3 Tamanho de gotas e Volume de calda Tecnologia de aplicação x ambiente São os parâmetros que definem a performance da técnica: Desempenho; Segurança ambiental. Pulverização: sucesso x erro Sucesso x erro Pulverização: sucesso x erro A chance de sucesso é inversamente proporcional à quantidade de erros. Por isso, é importante destacar: Questão unânime: adequação da tecnologia de aplicação às condições climáticas; Logística: dimensionamento adequado dos pulverizadores; Pulverização em situações extremas: - Volumes de calda extremamente baixos - Altas velocidades Resultado: maior probabilidade de erros, variabilidade de doses no campo, falhas de controle e deriva; 3

4 Desempenho operacional x Qualidade na aplicação Desempenho operacional: Dimensionamento da capacidade de trabalho Desempenho operacional Ajuste correto: capacidade operacional x tamanho das áreas; Janelas de aplicação x condições climáticas; Horários com orvalho; Planejamento operacional: abastecimento e disponibilidade das equipes no campo. Deficiência de dimensionamento = potencial de falhas na aplicação Desempenho operacional: FAIXA ÚTIL DE TRABALHO Altura de voo e posição do vento; A faixa depende de diversos fatores, mas os operadores normalmente usam faixas pré-determinadas para simplificar a operação; Faixas muito grandes = maior risco de falhas e deriva. Vento Desempenho operacional menor maior Foto: Tiago V. Camargo Foto: Ulisses Antuniassi 4

5 Estratégias na aplicação Fundamentos Qual é a estratégia da aplicação? C = Cobertura do alvo (%) VRK C 15 AD 2 { { V = Volume de aplicação (L/ha) R = Taxa de recuperação (%) K = Fator de espalhamento de gotas A = Área foliar D = Diâmetro das gotas Fundamentos Qual é a estratégia da aplicação? Redução de volume de calda C = Cobertura do alvo (%) VRK C 15 AD 2 { { V = Volume de aplicação (L/ha) R = Taxa de recuperação (%) K = Fator de espalhamento de gotas A = Área foliar D = Diâmetro das gotas 5

6 Fundamentos Qual é a estratégia da aplicação? Redução do risco de deriva C = Cobertura do alvo (%) VRK C 15 AD 2 { { V = Volume de aplicação (L/ha) R = Taxa de recuperação (%) K = Fator de espalhamento de gotas A = Área foliar D = Diâmetro das gotas Fundamentos Qual é a estratégia da aplicação? Maior cobertura e penetração das gotas C = Cobertura do alvo (%) VRK C 15 AD 2 { { V = Volume de aplicação (L/ha) R = Taxa de recuperação (%) K = Fator de espalhamento de gotas A = Área foliar D = Diâmetro das gotas Volume de calda (taxa de aplicação) 6

7 Volume de calda Técnica de aplicação aérea Volume de aplicação (L/ha) Alto volume AV Baixo volume BV Ultra baixo volume - UBV < 5 Nome Ulisses do Antuniassi Palestrante - UNESP Volume de calda no terrestre: qual deve ser o volume? Volume de calda Foto: J P A R Cunha Nome Ulisses do Antuniassi Palestrante - UNESP Fotos: Unesp Volume de calda Redução do volume de calda: Vantagens: Melhoria de desempenho de alguns produtos (ex.: glifosate); Maior rendimento operacional; Melhor controle fitossanitário (uso de gotas mais finas e melhor momento para aplicação); Potencial para redução de custos. Nome Ulisses do Antuniassi Palestrante - UNESP 7

8 Volume de calda Redução do volume de calda: Desvantagens: Dificuldades na operação; Degradação da qualidade dos depósitos (por excesso de velocidade e oscilação das barras); Um fator importante para a questão da resistência é a variabilidade da dose no campo; Problemas com misturas de tanque; Dependência das condições climáticas (gotas mais finas); Maior risco de deriva. Nome Ulisses do Antuniassi Palestrante - UNESP Perdas e deriva Deriva A DERIVA depende de diversos fatores: Espectro de gotas (técnica de geração das gotas); Condições climáticas (velocidade do vento, umidade e temperatura do ar) Condições operacionais (velocidade, altura da pulverização, etc.); Composição da calda (concentração de defensivos e adjuvantes na calda); Tamanho da área aplicada ou tempo de aplicação (a deriva é cumulativa). 8

9 Deriva Deriva: definições Endoderiva: perda para dentro da cultura; Exoderiva: perda para fora da cultura; Evaporação: perda de gotas pequenas (baixa umidade e alta temperatura do ar); Inversão térmica: estabilidade da atmosfera com ar frio parado (gotas pequenas não depositam); Correntes convectivas: ar quente ascendente nos horários mais quentes (gotas pequenas não depositam). Deriva Tecnologia de aplicação e as condições climáticas As aplicações devem ocorrer com umidade relativa superior a 50%; A temperatura ambiente deve ser menor do que 30 o C; As aplicações devem ser realizadas com velocidade do vento entre 3 e 10 km/h; Os valores a serem considerados são as médias durante os tiros de aplicação; Deve-se cuidar para que, na média, as condições estejam dentro dos limites; O bom senso deve prevalecer na delimitação das variações admissíveis. Técnicas de Redução de Deriva (TRD) 9

10 Técnicas de redução de deriva (TRD) Técnica de redução de deriva (TRD): Combinação de elementos que visa reduzir o risco de deriva em uma aplicação. Exemplo, adoção de uma TÉCNICA DE GERAÇÃO DE GOTAS que ofereça deriva reduzida em conjunto com ADJUVANTES ou FORMULAÇÕES com potencial para reduzir as perdas, fazendo a aplicação nas CONDIÇÕES CLIMÁTICAS mais seguras. Contexto atual da aplicação aérea: sustentabilidade e responsabilidade Sustentabilidade e responsabilidade Certificação Um programa de certificação é demanda antiga do setor aeroagrícola; Certificação = sustentabilidade = responsabilidade Incentivo às boas práticas na aplicação aérea; É necessário garantir à sociedade que a aplicação aérea pode ser feita com segurança ambiental; Há grande risco de restrições à aplicação aérea; Há grande risco de restrições aos produtos nos processos de reavaliação e registro. 10

11 Introdução Introdução O CAS é um programa de certificação voluntária Gestão Realização: FEPAF (fundação sem fins lucrativos); Coordenação: UNESP, UFLA e UFU; Apoio institucional: ANDEF e SINDAG; Financiamento 100% privado: Taxas de certificação (pagas pelas empresas certificadas) Apoio financeiro da ANDEF. 11

12 Introdução Principal objetivo do programa de certificação: Capacitação e a qualificação do setor aeroagrícola (empresas de prestação de serviços e operadores privados); Enfoques primários: Responsabilidade e sustentabilidade das operações; Melhorias na qualidade das pulverizações; Redução de riscos de impacto ambiental das aplicações (o grande questionamento é a deriva). Instâncias de certificação Instâncias de certificação O sistema de certificação é dividido em etapas (níveis a serem alcançados): CAS Nível I: Certificação legal da operação CAS Nível II: Certificação da qualificação tecnológica da empresa CAS Nível III: Certificação da conformidade de equipamentos, instalações e procedimentos 12

13 Nível I: Certificação legal da operação Requisitos Detalhamento do Nível I Requisitos (documentos dentro do prazo de validade): Documentação de legalização, licenças e qualificação: Empresa (ou proprietário das aeronaves); Aeronaves; Pilotos; Técnicos responsáveis (Eng. Agrônomo e Téc. Agr. Executor) Processo online: Nível II: Certificação da qualificação tecnológica da empresa Cursos de capacitação 13

14 Detalhamento do Nível II Nível II: Certificação da qualificação tecnológica da empresa. Curso: Qualidade técnica e responsabilidade ambiental na aplicação aérea ; Único curso de imersão em tecnologia de aplicação aérea; Somente representantes das empresas certificadas podem participar do curso; Dois módulos, com total de 16 h: Módulo 1: Qualidade da tecnologia de aplicação; Módulo 2: Planejamento e responsabilidade ambiental. Nível III: Certificação da conformidade de equipamentos, instalações e procedimentos Auditoria de boas práticas Requisitos Requisitos para o CAS Nível III (auditoria de boas práticas): Detalhamento do Nível III 1. Certificados nos Níveis I e II; 2. Instalações e equipamentos que permitam aplicações com qualidade e em conformidade com a legislação vigente: Pátio de descontaminação; Sistema de abastecimento; Equipamentos de pulverização. 14

15 Detalhamento do Nível III 3. Possuir sistemas de navegação, controle eletrônico, registro e rastreamento que possibilitem: Monitoramento e registro das aplicações com informações técnicas (volume de calda, altura voo, condições climáticas no local, etc.); Geração de mapas em formato KML (formatos compatíveis com Google Earth): - Caracterização do entorno; - Posicionamento das faixas de segurança; - Conformidade das práticas. Detalhamento do Nível III 4. Realizar todos os procedimentos de planejamento e execução das aplicações em conformidade com a legislação e os critérios de Boas Práticas: Demarcação nas ordens de serviço: - Direção predominante do vento; - Informações climáticas atualizadas no dia da aplicação; - Faixas de segurança. Detalhamento do Nível III Análise dos riscos de deriva e dos possíveis alvos de deriva nas áreas de entorno; Registro das ações quanto aos sistemas de alerta para as áreas de risco; Manutenção do banco de dados pelo período mínimo de 12 meses: Registros do planejamento da operação; Relatórios de execução; Mapas; Análises de risco. 15

16 Detalhamento do Nível III Requerimentos para 2017: Rastreamento das aeronaves por GPS; Acionamento automatizado das barras: contenção da aplicação nas faixas de segurança e nas áreas de restrição. RESULTADOS (Novembro/2015) Resultados Total de 232 empresas de aviação agrícola no Brasil Números do CAS em novembro de 2015: Total de 79 empresas certificadas CAS (34% do mercado nacional); 29 prestadoras de serviços CAS Nível I; 43 prestadoras de serviços e 1 operador privado CAS Nível II; 6 prestadoras de serviços CAS Nível III. Apoio importante do setor de cana: as usinas dão preferência para empresas certificadas Mercado certificado: SP (55%) e GO (60%). 16

17 Resultados Resultados Resultados 17

18 Obrigado! Ulisses R. Antuniassi - FCA/UNESP - Botucatu/SP (14)

PROGRAMA CAS CERTIFICAÇÃO AEROAGRÍCOLA SUSTENTÁVEL

PROGRAMA CAS CERTIFICAÇÃO AEROAGRÍCOLA SUSTENTÁVEL PROGRAMA CAS CERTIFICAÇÃO AEROAGRÍCOLA SUSTENTÁVEL Prof. Dr. João Paulo Rodrigues da Cunha jpcunha@iciag.ufu.br Universidade Federal de Uberlândia Instituto de Ciências Agrárias Sumário A aviação agrícola

Leia mais

Tecnologia de Aplicação

Tecnologia de Aplicação Tecnologia de Aplicação Rodolfo G. Chechetto Engenheiro Agrônomo O que é Tecnologia de Aplicação? Conjunto de conhecimentos que integram informações sobre os produtos fitossanitários, suas formulações

Leia mais

PROGRAMA CAS CERTIFICAÇÃO AEROAGRÍCOLA SUSTENTÁVEL

PROGRAMA CAS CERTIFICAÇÃO AEROAGRÍCOLA SUSTENTÁVEL PROGRAMA CAS CERTIFICAÇÃO AEROAGRÍCOLA SUSTENTÁVEL Ulisses Rocha Antuniassi FCA/UNESP - Botucatu/SP ulisses@fca.unesp.br www.cas-online.org.br Equipe: Prof. Dr. Ulisses R. Antuniassi FCA/UNESP - Botucatu/SP

Leia mais

Fundação de Estudos e Pesquisas Agrícolas e Florestais

Fundação de Estudos e Pesquisas Agrícolas e Florestais 1 PROGRAMA CAS: CERTIFICAÇÃO AEROAGRÍCOLA SUSTENTÁVEL Categorias "PARTICIPANTE" e "CERTIFICADA" REGULAMENTO (Versão 2, publicada em agosto de 2017) 1. Histórico A FEPAF (Fundação de Estudos e Pesquisas

Leia mais

Tecnologia de Aplicação Defensivos Agrícolas

Tecnologia de Aplicação Defensivos Agrícolas Tecnologia de Aplicação Defensivos Agrícolas Disciplina: Tecnologia de Aplicação de Defensivos Agrícolas Faculdade de Engenharia Agronômica UniSALESIANO - LINS SP Prof. Harumi Hamamura harumi.lins.cati@gmail.com

Leia mais

Fundação de Estudos e Pesquisas Agrícolas e Florestais

Fundação de Estudos e Pesquisas Agrícolas e Florestais 1 PROGRAMA CAS: CERTIFICAÇÃO AEROAGRÍCOLA SUSTENTÁVEL 1. Introdução CAS Nível I REGULAMENTO A FEPAF (Fundação de Estudos e Pesquisas ), com apoio da ANDEF (Associação Nacional de Defesa Vegetal), do SINDAG

Leia mais

Mecanização da Pulverização. Eng. Agr.Jairo da Costa Moro Máquinas Agrícolas Jacto S.A

Mecanização da Pulverização. Eng. Agr.Jairo da Costa Moro Máquinas Agrícolas Jacto S.A Eng. Agr.Jairo da Costa Moro Máquinas Agrícolas Jacto S.A Mercado de defensivos Agrícolas 2014 - Brasil - O mercado brasileiro comercializou o valor total de US$12,25 bilhões em defensivos agrícolas. Fonte:

Leia mais

TECNOLOGIA DE APLICAÇÃO EM UBV e BVO. Marcelo Caires

TECNOLOGIA DE APLICAÇÃO EM UBV e BVO. Marcelo Caires TECNOLOGIA DE APLICAÇÃO EM UBV e BVO Uso de micro gotas oleosas para o controle do bicudo Marcelo Caires Técnico em Agropecuária INSERÇÃO DE EQUIPAMENTOS TECNOLÓGICOS Instrumentos para o auxílio nas aplicações

Leia mais

Aplicação aérea - fungicida: flutriafol (Impact 125 SC) Equipe de trabalho:

Aplicação aérea - fungicida: flutriafol (Impact 125 SC) Equipe de trabalho: Tecnologias para aplicação aérea Aplicação aérea - fungicida: flutriafol (Impact 125 SC) Equipe de trabalho: Ulisses R. Antuniassi Fabiano Siqueri Edivaldo D. Velini Anderson L. Cavenaghi Zulema N. Figueiredo

Leia mais

Como Aplicar. 1. Armazenagem. 2. Compatibilidade. 3. Veritas é complementar. 4. Tipos de solo

Como Aplicar. 1. Armazenagem. 2. Compatibilidade. 3. Veritas é complementar. 4. Tipos de solo 1. Armazenagem Após adquirir o produto, armazene as embalagens de 20L em local fresco e protegido do sol. Não temos nenhum reporte desde o lançamento do produto de problemas relacionados a perda de qualidade,

Leia mais

TECNOLOGIA DE APLICAÇÃO DE AGROTÓXICOS NA CITRICULTURA

TECNOLOGIA DE APLICAÇÃO DE AGROTÓXICOS NA CITRICULTURA TECNOLOGIA DE APLICAÇÃO DE AGROTÓXICOS NA CITRICULTURA HAMILTON HUMBERTO RAMOS Diretor Geral do Instituto Agronômico TECNOLOGIA DE APLICAÇÃO DE PRODUTOS FITOSSANITÁRIOS Emprego de todos os conhecimentos

Leia mais

AVALIAÇÃO TÉCNICA DO SISTEMA ELETROSTÁTICO SPE SCHRODER CONSULTORIA

AVALIAÇÃO TÉCNICA DO SISTEMA ELETROSTÁTICO SPE SCHRODER CONSULTORIA AVALIAÇÃO TÉCNICA DO SISTEMA ELETROSTÁTICO SPE SCHRODER CONSULTORIA EMPRESAS PARCEIRAS NO PROJETO: FERSOL AVIAÇÃO AGRÍCOLA MOSTARDAS AVIAÇÃO AGRÍCOLA ABRIL/MAIO/2016 Antecedentes Schroder & Eletrostático

Leia mais

Tecnologia de Aplicação de Defensivos Agrícolas

Tecnologia de Aplicação de Defensivos Agrícolas INFORMATIVO DE DESENVOLVIMENTO TECNOLÓGICO ANO 3 NÚMERO 9 Setembro 2014 Tecnologia de Aplicação de Defensivos Agrícolas Introdução A correta aplicação de defensivos agrícolas exige uma série de conhecimentos

Leia mais

BOAS PRÁTICAS AGRÍCOLAS O CICLO DA AGRICULTURA PARA A VIDA. Soluções para um Mundo em Crescimento

BOAS PRÁTICAS AGRÍCOLAS O CICLO DA AGRICULTURA PARA A VIDA. Soluções para um Mundo em Crescimento BOAS PRÁTICAS AGRÍCOLAS O CICLO DA AGRICULTURA PARA A VIDA Soluções para um Mundo em Crescimento 02 BOAS PRÁTICAS AGRÍCOLAS: O CICLO DA AGRICULTURA PARA A VIDA Unir e beneficiar agricultores, comunidade

Leia mais

Pulverização Aérea CARTILHA EXPLICATIVA

Pulverização Aérea CARTILHA EXPLICATIVA Pulverização Aérea CARTILHA EXPLICATIVA 1 A modernização da agricultura mundial O crescimento na demanda mundial de alimentos trouxe um novo desafio para a agricultura. A necessidade de evoluir na produtividade

Leia mais

Fundação de Estudos e Pesquisas Agrícolas e Florestais

Fundação de Estudos e Pesquisas Agrícolas e Florestais 1 PROGRAMA CAS: CERTIFICAÇÃO AEROAGRÍCOLA SUSTENTÁVEL 1. Introdução CAS Níveis I, II e III REGULAMENTO A FEPAF (Fundação de Estudos e Pesquisas ), com apoio da ANDEF (Associação Nacional de Defesa Vegetal),

Leia mais

MAPS TELEMETRIA PULVERIZAÇÃO

MAPS TELEMETRIA PULVERIZAÇÃO Rua Dr. Luiz Miranda, 1650-17580-000 - Pompeia - SP - Tel. (14) 3405 2100 - E-mail: helpdesk@ jacto.com.br PROTEJA O MEIO AMBIENTE. AO INUTILIZAR ESTE FOLHETO, NÃO JOGUE EM VIAS PÚBLICAS. OTMIS MAPS TELEMETRIA

Leia mais

Influências das Pontas de Pulverização, Pressão de Trabalho e Condições Climáticas nas Aplicações de Defensivos

Influências das Pontas de Pulverização, Pressão de Trabalho e Condições Climáticas nas Aplicações de Defensivos Tecnologia e Produção: Soja e Milho / Influências das Pontas de Pulverização, Pressão de Trabalho e Condições Climáticas nas Aplicações de Defensivos Paulo O. Coutinho Ricardo Barros.. Introdução A Fundação

Leia mais

Weber G. Valério 16º Herbishow A EVOLUÇÃO DOS HERBICIDAS. Ribeirão Preto / Maio-2017

Weber G. Valério 16º Herbishow A EVOLUÇÃO DOS HERBICIDAS. Ribeirão Preto / Maio-2017 Weber G. Valério 16º Herbishow A EVOLUÇÃO DOS HERBICIDAS Ribeirão Preto / Maio-2017 Fatores que interferem na eficiência das aplicações e consequentemente na eficácia dos resultados (controle e seletividade)

Leia mais

Manual de Treinamento CONCEITOS E TECNOLOGIAS QUE VISAM A AUMENTAR O CONTROLE DE PRAGAS E DOENÇAS DE BAIXEIRO

Manual de Treinamento CONCEITOS E TECNOLOGIAS QUE VISAM A AUMENTAR O CONTROLE DE PRAGAS E DOENÇAS DE BAIXEIRO CONCEITOS E TECNOLOGIAS QUE VISAM A AUMENTAR O CONTROLE DE PRAGAS E DOENÇAS DE BAIXEIRO EDIÇÃO Nº 01/2014 Código: 0416-tp Manual de Treinamento Máquinas Agrícolas Jacto Rua Dr. Luiz Miranda, 1650 17580-000

Leia mais

Pulverizadores: Mecanização da cultura do Cacau. Máquinas Agrícolas Jacto S/A Pompéia -SP. Eng. Agr. Walter W Mosquini Planejamento de Produto

Pulverizadores: Mecanização da cultura do Cacau. Máquinas Agrícolas Jacto S/A Pompéia -SP. Eng. Agr. Walter W Mosquini Planejamento de Produto Pulverizadores: Mecanização da cultura do Cacau Máquinas Agrícolas Jacto S/A Pompéia -SP Eng. Agr. Walter W Mosquini Planejamento de Produto Informações Foi fundada em 1948; Todas as unidades produtivas

Leia mais

Telemetria em Pulverização Pedro Estevão Bastos Abimaq

Telemetria em Pulverização Pedro Estevão Bastos Abimaq Telemetria em Pulverização Pedro Estevão Bastos Abimaq ABIMAQ Associação Brasileira da Indústria de Máquinas CSMIA Câmara Setorial de Máquinas e Implementos Agrícolas 360 empresas 48.000 empregos R$ 11

Leia mais

Alex Soares Igno6. Alex Soares Igno5 Maracaju/MS

Alex Soares Igno6. Alex Soares Igno5 Maracaju/MS RTV RTV Maracaju Inquima MS Alex Soares Igno6 Alex Soares Igno5 Maracaju/MS Uma Parceria Faz. Rego D Água Proprietário: Flavio Viecili Cidade: Jardim - MS Execução e Acompanhamento Aplicador Adilson Eng.

Leia mais

Alex Soares Ignoti. Alex Soares Ignoti Maracaju/MS

Alex Soares Ignoti. Alex Soares Ignoti Maracaju/MS RTV RTV Maracaju Inquima MS Alex Soares Ignoti Alex Soares Ignoti Maracaju/MS Uma Parceria Proprietário: Lucio Basso Sidrolândia - MS Execução e Acompanhamento Aplicador Radames ATV Inquima em Treinamento

Leia mais

Fundação de Estudos e Pesquisas Agrícolas e Florestais

Fundação de Estudos e Pesquisas Agrícolas e Florestais 1 PROGRAMA CAS: CERTIFICAÇÃO AEROAGRÍCOLA SUSTENTÁVEL CIRCULAR CAS 01/2015 INFORMAÇÕES GERAIS SOBRE OS PROCEDIMENTOS PARA OBTENÇÃO DO CAS Nível III O CAS Nível III (Certificação da conformidade de equipamentos,

Leia mais

Telemetria em Pulverização

Telemetria em Pulverização Soluções Jacto em Agricultura de Precisão Telemetria em Pulverização Alan Leite - Especialista de Produtos Preceitos OtmisNet Sistema de Gerenciamento de Informações Agrícolas Todas as informações geradas

Leia mais

Desafio entre quantidade de área tratada e qualidade das aplicaçõesem MILHO

Desafio entre quantidade de área tratada e qualidade das aplicaçõesem MILHO Desafio entre quantidade de área tratada e qualidade das aplicaçõesem MILHO I Encontro Nacional de Milho Uberlândia MG Eng. Agr. Luís César Pio Diretor Herbicat 16/12/2016 Palestra Essa palestra será disponibilizada

Leia mais

Fundação de Estudos e Pesquisas Agrícolas e Florestais

Fundação de Estudos e Pesquisas Agrícolas e Florestais Fone (14) 3811-7127 - Tel/Fax: (14) 3882-6300 e-mail: fepaf@fca.unesp.br 1 PROTOCOLO DE PESQUISA APLICAÇÃO AÉREA PARA CONTROLE DE FERRUGEM DA SOJA NO MATO GROSSO FCA/UNESP - BOTUCATU/SP FUNDAÇÃO MATO GROSSO

Leia mais

O QUE É UMA PULVERIZAÇÃO?

O QUE É UMA PULVERIZAÇÃO? TECNOLOGIA DE APLICAÇÃO DE HERBICIDAS Emprego de todos os conhecimentos científicos que proporcionem a correta colocação do produto biologicamente ativo no alvo, em quantidade necessária, de forma econômica,

Leia mais

Altitude 840 m Precipitação mm Temperatura 13 a 28 o C

Altitude 840 m Precipitação mm Temperatura 13 a 28 o C Altitude 840 m Precipitação 1.800 mm Temperatura 13 a 28 o C EQUIPE DE PESQUISA 03 Eng. Agr. Dr. 02 Eng. Agr. MS. 05 Eng. Agr. 02 Técnicos. 08 Auxiliares de Pesquisa. 20 Estagiários. CAMPO DE PROVA DA

Leia mais

Aspectos técnicos da Pulverização aérea

Aspectos técnicos da Pulverização aérea Aspectos técnicos da Pulverização aérea a Semana da Citricultura 06 a 10 de junho de 2011. Eng. Agr. Yasuzo Ozeki Celular > (11) 9629-919 Telef.Fixo > (11) 021-415 E-mail > yasuzo@uol.com.br Princípios

Leia mais

Prof. Dr. Casimiro Dias Gadanha Jr. DER/ESALQ/USP

Prof. Dr. Casimiro Dias Gadanha Jr. DER/ESALQ/USP LER 432 Máquinas e Implementos Agrícolas TÓPICO: Máquinas para Aplicação de Produtos Fitossanitários Prof. Dr. Casimiro Dias Gadanha Jr. DER/ESALQ/USP AGROTÓXICO Sinônimos: Produto Fitossanitário Pesticida

Leia mais

EFICIÊNCIA DAS TECNOLOGIAS DE APLICAÇÃO No Controle do Bicudo do Algodoeiro. Marcos Vilela de M. Monteiro

EFICIÊNCIA DAS TECNOLOGIAS DE APLICAÇÃO No Controle do Bicudo do Algodoeiro. Marcos Vilela de M. Monteiro EFICIÊNCIA DAS TECNOLOGIAS DE APLICAÇÃO No Controle do Bicudo do Algodoeiro Marcos Vilela de M. Monteiro Milhões de Hectares 4 3,5 3 2,5 2 1,5 1 0,5 0 BICUDO (Anthonomus grandis) Principal Praga do Algodoeiro

Leia mais

Introdução. Importância. Operações. Principais culturas: 25/06/2015. Outras operações: Controle e combate de incêndios florestais em áreas de cultivo

Introdução. Importância. Operações. Principais culturas: 25/06/2015. Outras operações: Controle e combate de incêndios florestais em áreas de cultivo Introdução A Aviação Agrícola é um serviço especializado, regulamentado pelo Ministério da Agricultura e pelo Ministério da Aeronáutica; Registro de produtos; Atividade que deve obedecer as normas dos

Leia mais

SCHRODER CONSULTORIA

SCHRODER CONSULTORIA RELATÓRIO TÉCNICO EFEITO DO ÓLEO VEGETAL AGR ÓLEO NA EFICIÊNCIA DO HERBICIDA 2,4-D APLICADO POR VIA AÉREA EM ARROZ IRRIGADO INTRODUÇÃO O herbicida 2,4-D é utilizado há muitos anos para controle de diversas

Leia mais

IMPORTÂNCIA DO DIÂMETRO DAS GOTAS DE PULVERIZAÇÃO NA DERIVA DE DEFENSIVOS AGRÍCOLAS EM APLICAÇÃO AÉREA

IMPORTÂNCIA DO DIÂMETRO DAS GOTAS DE PULVERIZAÇÃO NA DERIVA DE DEFENSIVOS AGRÍCOLAS EM APLICAÇÃO AÉREA PLANTA DANINHA II(1): 33-39, 1979 IMPORTÂNCIA DO DIÂMETRO DAS GOTAS DE PULVERIZAÇÃO NA DERIVA DE DEFENSIVOS AGRÍCOLAS EM APLICAÇÃO AÉREA L.S.P. Cruz*; A. McCracken** e Y. Ozeki*** * Pesq. Científico, Instituto

Leia mais

INFLUÊNCIA DA ADIÇÃO DE UM ADJUVANTE À CALDA DE PULVERIZAÇÃO AÉREA SOBRE A FAIXA DE DEPOSIÇÃO TOTAL

INFLUÊNCIA DA ADIÇÃO DE UM ADJUVANTE À CALDA DE PULVERIZAÇÃO AÉREA SOBRE A FAIXA DE DEPOSIÇÃO TOTAL ISBN 978-85-61091-05-7 Encontro Internacional de Produção Científica Cesumar 27 a 30 de outubro de 2009 INFLUÊNCIA DA ADIÇÃO DE UM ADJUVANTE À CALDA DE PULVERIZAÇÃO AÉREA SOBRE A FAIXA DE DEPOSIÇÃO TOTAL

Leia mais

ARBUS Rua Dr. Luiz Miranda, Pompeia - SP - Tel. (14) Fax. (14)

ARBUS Rua Dr. Luiz Miranda, Pompeia - SP - Tel. (14) Fax. (14) Rua Dr. Luiz Miranda, 1650-17580-000 - Pompeia - SP - Tel. (14) 3405 2100 - Fax. (14) 3452 1916 - E-mail: vendas@jacto.com.br PROTEJA O MEIO AMBIENTE. AO INUTILIZAR ESTE FOLHETO, NÃO JOGUE EM VIAS PÚBLICAS.

Leia mais

Comunicado Técnico 09

Comunicado Técnico 09 Comunicado Técnico 09 ISSN 2177-854X Maio. 2011 Uberaba - MG Regulagem de Pulverizadores Agrícolas de Barras Responsável: Paulo Roberto Pala Martinelli E-mail: prpmartinelli@yahoo.com.br Engenheiro Agrônomo;

Leia mais

Seleção de Pontas de Pulverização

Seleção de Pontas de Pulverização JORNADAS DE ACTUALIZACIÓN EN TECNOLOGÍAS DE APLICACIÓN EN CULTIVOS EXTENSIVOS Seleção de Pontas de Pulverização Otavio J. G. Abi Saab Prof. Mecanização Agrícola Universidade Estadual de Londrina Estado

Leia mais

Fundação de Estudos e Pesquisas Agrícolas e Florestais

Fundação de Estudos e Pesquisas Agrícolas e Florestais 1 PROGRAMA CAS: CERTIFICAÇÃO AEROAGRÍCOLA SUSTENTÁVEL 1. Introdução CAS Níveis I e II REGULAMENTO A FEPAF (Fundação de Estudos e Pesquisas ), com apoio da ANDEF (Associação Nacional de Defesa Vegetal),

Leia mais

Inseticida/acaricida de contato e ingestão do grupo químico benzoiluréia

Inseticida/acaricida de contato e ingestão do grupo químico benzoiluréia Composição 1-[4-(2-chloro-α,α,α-trifluoro-p-tolyloxy)-2-fluorophenyl]-3-(2,6-difluorobenzoyl) urea (FLUFENOXUROM)... 100 g/l (10,0% m/v) Ingredientes Inertes... 878 g/l (87,8% m/v) Classe Inseticida/acaricida

Leia mais

Inseticida de contato e adjuvante / espalhante adesivo, do grupo químico hidrocarbonetos alifáticos PRAGAS. Cochonilha-cabeça-deprego

Inseticida de contato e adjuvante / espalhante adesivo, do grupo químico hidrocarbonetos alifáticos PRAGAS. Cochonilha-cabeça-deprego Composição: Mistura de hidrocarbonetos parafínicos, ciclo parafínicos e aromáticos saturados e insaturados provenientes da destilação do petróleo (ÓLEO MINERAL)...800 ml/l (80% v/v) Ingredientes inertes...200

Leia mais

TECNOLOGIA DE APLICAÇÃO DE HERBICIDAS

TECNOLOGIA DE APLICAÇÃO DE HERBICIDAS TECNOLOGIA DE APLICAÇÃO DE HERBICIDAS Emprego de todos os conhecimentos científicos que proporcionem a correta colocação do produto biologicamente ativo no alvo, em quantidade necessária, de forma econômica,

Leia mais

Qualidade Ambiental ABNT. PROGRAMA ABNT DE ROTULAGEM AMBIENTAL - O Rótulo Colibri. Guy Ladvocat

Qualidade Ambiental ABNT. PROGRAMA ABNT DE ROTULAGEM AMBIENTAL - O Rótulo Colibri. Guy Ladvocat Qualidade Ambiental ABNT PROGRAMA ABNT DE ROTULAGEM AMBIENTAL - O Rótulo Colibri Guy Ladvocat ABNT Fundação em 1940; Entidade privada, sem fins lucrativos e considerada de utilidade pública; Único fórum

Leia mais

Sustentabilidade dos Solos de Cerrado e Tráfico de Máquinas

Sustentabilidade dos Solos de Cerrado e Tráfico de Máquinas Sustentabilidade dos Solos de Cerrado e Tráfico de Máquinas Prof. Kléber Pereira Lanças FCA/UNESP Botucatu/SP GRUPO DE PESQUISA: Dr. Reginaldo Barbosa da Silva Doutorando Flávio José de Sousa Pereira Doutorando

Leia mais

TECNOLOGIA DE APLICAÇÃO DE AGROTÓXICOS

TECNOLOGIA DE APLICAÇÃO DE AGROTÓXICOS Definição: Ciência multidisciplinar Disciplina: Fitopatologia Agrícola TECNOLOGIA DE APLICAÇÃO DE AGROTÓXICOS Objetivos: Destinada às pesquisas de equipamentos Processos e obtenção de resultados mais eficientes

Leia mais

Catálogo Sistema de Pulverização Eletrostático

Catálogo Sistema de Pulverização Eletrostático Catálogo Sistema de Pulverização Eletrostático anotações ELETROSTÁTICO ELETROSTÁTICO ELETROSTÁTICO Informações técnicas do produto Por que a pulverização eletrostática é tão eficaz? Antes de responder

Leia mais

METEOROLOGIA MÓDULO 2. Aula 2

METEOROLOGIA MÓDULO 2. Aula 2 METEOROLOGIA MÓDULO 2 Aula 2 Professor: Alexandre Rodrigues Silva www.aerocurso.com ALTITUDE DEVIDO AO FUNCIONAMENTO DO ALTÍMETRO E AS DIFERENTES PRESSÕES DE REFERENCIA, SE ENTENDE POR ALTITUDE A DISTANCIA

Leia mais

Reduzir a deriva para manter os produtos fitofarmacêuticos no seu campo

Reduzir a deriva para manter os produtos fitofarmacêuticos no seu campo BOAS PRÁTICAS PARA UMA PULVERIZAÇÃO SEGURA E EFICAZ Reduzir a deriva para manter os produtos fitofarmacêuticos no seu campo Este pequeno folheto apresenta alguns conselhos sobre as melhores práticas para

Leia mais

Desafios do setor de florestas plantadas para o manejo de plantas daninhas. José Eduardo Petrilli Mendes Fibria S.A. Proteção Florestal

Desafios do setor de florestas plantadas para o manejo de plantas daninhas. José Eduardo Petrilli Mendes Fibria S.A. Proteção Florestal Desafios do setor de florestas plantadas para o manejo de plantas daninhas José Eduardo Petrilli Mendes Fibria S.A. Proteção Florestal Roteiro A Fibria O setor de florestas plantadas Área de expansão Prejuízos

Leia mais

LINHA ADVANCE. Rua Dr. Luiz Miranda, Pompeia - SP - Tel. (14) Fax. (14)

LINHA ADVANCE. Rua Dr. Luiz Miranda, Pompeia - SP - Tel. (14) Fax. (14) Rua Dr. Luiz Miranda, 1650 17580000 Pompeia SP Tel. (14) 3405 2100 Fax. (14) 3452 1916 Email: vendas@jacto.com.br PROTEJA O MEIO AMBIENTE. AO INUTILIZAR ESTE FOLHETO, NÃO JOGUE EM VIAS PÚBLICAS. www.jacto.com.br

Leia mais

NRM - Normas Regulamentadoras da Mineração - Especificidade na Indústria de Areia e Brita NRM 02. Lavra a Céu Aberto

NRM - Normas Regulamentadoras da Mineração - Especificidade na Indústria de Areia e Brita NRM 02. Lavra a Céu Aberto NRM - Normas Regulamentadoras da Mineração - Especificidade na Indústria de Areia e Brita NRM 02 Lavra a Céu Aberto Introdução NRM 02 2.1 Generalidades 2.2 Bancadas e Taludes 2.3 Controle Topográficos

Leia mais

Vantagens do registro de produtos biológicos de controle de pragas. Exigências legais do MAPA. Jaguariúna SP junho de 2009

Vantagens do registro de produtos biológicos de controle de pragas. Exigências legais do MAPA. Jaguariúna SP junho de 2009 Vantagens do registro de produtos biológicos de controle de pragas Exigências legais do MAPA Jaguariúna SP junho de 2009 REGULAMENTAÇÃO Histórico da Legislação 1934: Decreto que aprova o Regulamento de

Leia mais

Logística da Cadeia do Frio

Logística da Cadeia do Frio FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAI ROBERTO SIMONSEN PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU EMENTAS DAS DISCIPLINAS Logística da Cadeia do Frio Eixo Tecnológico: Gestão e Negócios Modalidade: Presencial São Paulo - 2017 2

Leia mais

A POLÍTICA DE AGROTÓXICOS NO ESTADO DO CEARÁ AÇÕES E DESAFIOS

A POLÍTICA DE AGROTÓXICOS NO ESTADO DO CEARÁ AÇÕES E DESAFIOS A POLÍTICA DE AGROTÓXICOS NO ESTADO DO CEARÁ AÇÕES E DESAFIOS Petrolina Pernambuco 09 a 11/04/2013 MARCOS TEMÁTICOS 1. Plano Estadual de Ação Conjunta em Agrotóxicos 2. Marco Legal: Revisão da Lei Estadual

Leia mais

LINHA CONDOR. Rua Dr. Luiz Miranda, Pompeia - SP - Tel. (14) Fax. (14)

LINHA CONDOR. Rua Dr. Luiz Miranda, Pompeia - SP - Tel. (14) Fax. (14) Rua Dr. Luiz Miranda, 1650 17580000 Pompeia SP Tel. (14) 3405 2100 Fax. (14) 3452 1916 Email: vendas@jacto.com.br PROTEJA O MEIO AMBIENTE. AO INUTILIZAR ESTE FOLHETO, NÃO JOGUE EM VIAS PÚBLICAS. www.jacto.com.br

Leia mais

- Métodos de avaliação das aplicações de fitossanitários - Avanços tecnológicos para a agricultura e florestas

- Métodos de avaliação das aplicações de fitossanitários - Avanços tecnológicos para a agricultura e florestas JORNADAS DE ACTUALIZACIÓN EN TECNOLOGÍAS DE APLICACIÓN EN CULTIVOS EXTENSIVOS - Métodos de avaliação das aplicações de fitossanitários - Avanços tecnológicos para a agricultura e florestas Otavio J. G.

Leia mais

Nebulizadores aplicam gotas menores que 50 mm.

Nebulizadores aplicam gotas menores que 50 mm. Universidade Estadual Paulista Faculdade de Ciências Agrárias e Veterinárias Curso : Agronomia Disciplina: Tratamento Fitossanitário Aula: Aplicação de Líquidos e Pulverizadores Os produtos fitossanitários

Leia mais

Feksa, H. 1, Antoniazzi, N. 1, Domit, R. P. 2, Duhatschek, B. 3. Guarapuava PR. Palavras-chave: aviação agrícola, fungicida, rendimento, FAPA OBJETIVO

Feksa, H. 1, Antoniazzi, N. 1, Domit, R. P. 2, Duhatschek, B. 3. Guarapuava PR. Palavras-chave: aviação agrícola, fungicida, rendimento, FAPA OBJETIVO Aviação Agrícola com Tecnologia BVO versus Fungicida visando o Controle de Diplodia macrospora e Cercospora zeae-maydis, nos Híbridos DKB 214/DKB 215 na Região de Guarapuava/PR. FAPA - Cooperativa Agrária

Leia mais

Indicações Registradas

Indicações Registradas Marca Comercial Titular do Registro Nº Registro MAPA Topik 240 EC SYNGENTA PROTEÇÃO DE CULTIVOS LTDA. - 1506.744.463/0001-90 Classe Herbicida Ingrediente Ativo (I.A.) Clodinafope-Propargil Nome Químico

Leia mais

Programa Plante Árvore. Instituto Brasileiro de Florestas - IBF

Programa Plante Árvore. Instituto Brasileiro de Florestas - IBF Programa Plante Árvore Instituto Brasileiro de Florestas - IBF O que é? O Programa Plante Árvore é uma ação voluntária do Instituto Brasileiro de Florestas IBF que consiste no cadastro de proprietários

Leia mais

RELATÓRIO DE AÇÕES DE AQUISIÇÃO DE MÃO DE OBRA, PRODUTOS E SERVIÇOS NO MUNICÍPIO DE MINEIROS GO

RELATÓRIO DE AÇÕES DE AQUISIÇÃO DE MÃO DE OBRA, PRODUTOS E SERVIÇOS NO MUNICÍPIO DE MINEIROS GO RELATÓRIO DE AÇÕES DE AQUISIÇÃO DE MÃO DE OBRA, PRODUTOS E SERVIÇOS NO MUNICÍPIO DE MINEIROS GO Agosto, 2016. ÍNDICE 1. Apresentação... 3 2. Empreendedor... 3 3. Ações de aquisição de mão de obra, produtos

Leia mais

UNIVERSIDADE DE PASSO FUNDO FACULDADE DE AGRONOMIA E MEDICINA VETERINÁRIA PROGRAMA DE PÓS GRADUAÇÃO EM AGRONOMIA DEISE ISABEL DA COSTA WALTER BOLLER

UNIVERSIDADE DE PASSO FUNDO FACULDADE DE AGRONOMIA E MEDICINA VETERINÁRIA PROGRAMA DE PÓS GRADUAÇÃO EM AGRONOMIA DEISE ISABEL DA COSTA WALTER BOLLER UNIVERSIDADE DE PASSO FUNDO FACULDADE DE AGRONOMIA E MEDICINA VETERINÁRIA PROGRAMA DE PÓS GRADUAÇÃO EM AGRONOMIA Aplicação de fungicida em soja com atomizador rotativo de discos, operado com cinco velocidades

Leia mais

ÍNDICE FUNDAMENTAÇÃO 3 3. INFORMAÇÕES 3 4. DOCUMENTAÇÃO NECESSÁRIA E 4 5. GRÁFICO DE INFORMAÇÕES

ÍNDICE FUNDAMENTAÇÃO 3 3. INFORMAÇÕES 3 4. DOCUMENTAÇÃO NECESSÁRIA E 4 5. GRÁFICO DE INFORMAÇÕES ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO... Pág. 3 2. FUNDAMENTAÇÃO LEGAL... Pág. 3 3. INFORMAÇÕES TÉCNICAS... Pág. 3 4. DOCUMENTAÇÃO NECESSÁRIA E COMPROBATÓRIA... Pág. 4 5. GRÁFICO DE ISOPLETAS... Pág.5 6. CONCLUSÃO... Pág.5

Leia mais

Manual de Operação Atomizador Costal. * Rev.4

Manual de Operação Atomizador Costal. * Rev.4 * Rev.4 Manual de Operação Atomizador Costal Por que a pulverização eletrostá ca é tão eficaz? Antes de responder essa pergunta, iremos lhe fornecer alguns dados e você mesmo será capaz de respondê-la.

Leia mais

Telemetria na Pulverização: Benefícios e Desafios

Telemetria na Pulverização: Benefícios e Desafios Telemetria na Pulverização: Benefícios e Desafios Sinop, Nov/2015 Telemetria é uma tecnologia que permite a medição e comunicação de informações de interesse do operador ou desenvolvedor de sistemas. A

Leia mais

SCHRODER CONSULTORIA

SCHRODER CONSULTORIA RELATÓRIO TÉCNICO Empresa Contratante: GOTA Indústria e Comércio Ltda. Execução: - CNPJ 7.839.686/1-58 EFEITO DO ÓLEO VEGETAL AGR ÓLEO NA EFICIÊNCIA DE HERBICIDAS E VOLUME DE CALDA APLICADA POR VIA AÉREA

Leia mais

Operador Econômico Autorizado - OEA

Operador Econômico Autorizado - OEA Operador Econômico Autorizado - OEA O que é o OEA? O Programa Brasileiro de OEA consiste na certificação dos intervenientes em operações de comércio exterior envolvido na movimentação internacional de

Leia mais

ATIVIDADE : TESTES DE DEPOSIÇÃO

ATIVIDADE : TESTES DE DEPOSIÇÃO SINDAG CONGRESSO REGIONAL DE AVIAÇÃO AGRÍCOLA / SUL CACHOEIRA DO SUL, RS 7 a 9 DE JUNHO DE 2007 ATIVIDADE : TESTES DE DEPOSIÇÃO RELATÓRIO www.agrotec.etc.br www.sindag.org.br www.congressosindag.com.br

Leia mais

Vasos de Pressão. Desenvolvimento do projeto e da construção dos vasos de pressão

Vasos de Pressão. Desenvolvimento do projeto e da construção dos vasos de pressão Vasos de Pressão Desenvolvimento do projeto e da construção dos vasos de pressão Etapas do Projeto e Construção Gestão de Projetos Etapas sugeridas, na sequência: Definição dos dados gerais de projeto

Leia mais

TECNOLOGIA DE APLICAÇÃO DE HERBICIDAS

TECNOLOGIA DE APLICAÇÃO DE HERBICIDAS TECNOLOGIA DE APLICAÇÃO DE HERBICIDAS Emprego de todos os conhecimentos científicos que proporcionem a correta colocação do produto biologicamente ativo no alvo, em quantidade necessária, de forma econômica,

Leia mais

CURSO DE PRODUÇÃO DE CACHAÇA DE ALAMBIQUE

CURSO DE PRODUÇÃO DE CACHAÇA DE ALAMBIQUE CURSO DE PRODUÇÃO DE CACHAÇA DE ALAMBIQUE O curso tem por objetivo capacitar os alunos para trabalhar e gerenciar processos de produção de cachaça de alambique, com ênfase na qualidade química e sensorial

Leia mais

Soluções Corporativas Eduardo Pitombo

Soluções Corporativas Eduardo Pitombo Soluções Corporativas Eduardo Pitombo Nossa Missão Desenvolver soluções de educação customizadas para empresas públicas e privadas, que contribuam diretamente para a melhoria das competências de seus funcionários

Leia mais

Equipamentos e Técnicas de Pré, Pós-Aquecimento e Tratamento Térmico

Equipamentos e Técnicas de Pré, Pós-Aquecimento e Tratamento Térmico Equipamentos e Técnicas de Pré, Pós-Aquecimento e Tratamento Térmico Neste texto são apresentadas as técnicas e equipamentos utilizados nos processos de pré e pós-aquecimento e no tratamento térmico. São

Leia mais

Utilidades Industriais. Adilson Pences Gerente Técnico Comercial - Caldeiras

Utilidades Industriais. Adilson Pences Gerente Técnico Comercial - Caldeiras Utilidades Industriais Adilson Pences Gerente Técnico Comercial - Caldeiras Fornecedor de Soluções Otimizações / REVAMP; Reformas / Adaptações; Peças de reposição; Serviços: Desenvolvimento de projetos

Leia mais

PROCEDIMENTO TÉCNICO PT- REG 037 OBRAS E MANUTENÇÃO DE REDES DE MÉDIA E BAIXA TENSÃO GM: LELE05

PROCEDIMENTO TÉCNICO PT- REG 037 OBRAS E MANUTENÇÃO DE REDES DE MÉDIA E BAIXA TENSÃO GM: LELE05 PROCEDIMENTO TÉCNICO PT- REG 037 OBRAS E MANUTENÇÃO DE REDES DE MÉDIA E BAIXA TENSÃO GM: LELE05 Página 2 de 11 ÍNDICE CONTROLE DE VERSÕES... 3 1 OBJETO... 4 2 ALCANCE... 4 3 CRITÉRIOS E REQUISITOS PARA

Leia mais

ANEXO III. Disciplina Cr Ementa Início Fim

ANEXO III. Disciplina Cr Ementa Início Fim ANEXO III Quadro de Disciplinas Especiais ou Unidades de Especiais Pós-Graduação Lato Sensu - UnisulVirtual e seus Respectivos Valores Semestre 017.1 B UA No. De turma 180 181 Disciplina Cr Ementa Início

Leia mais

Implantação e Manejo Florestal

Implantação e Manejo Florestal 8º. Curso de Atualização em Eucaliptocultura Implantação e Manejo Florestal Eng o. João Carlos T. Mendes jctmende@esalq.usp.br Departamento de Ciências Florestais Estação Experimental de Itatinga Outubro/2008

Leia mais

SOBREVIVÊNCIA DA AVIAÇÃO LEVE NO BRASIL

SOBREVIVÊNCIA DA AVIAÇÃO LEVE NO BRASIL FUNDAÇÃO Criada em 11 de novembro de 2.015, pelo Cmte. Augusto F. Costa, piloto esportivo, comercial de mono e multimotores VFR e IFR, e médico e membro do conselho consultivo da ANAC, após a morte do

Leia mais

Sumário. PARTE 1 Gestão logística da cadeia de suprimentos. Capítulo 2. Capítulo 1

Sumário. PARTE 1 Gestão logística da cadeia de suprimentos. Capítulo 2. Capítulo 1 Sumário PARTE 1 Gestão logística da cadeia de suprimentos Capítulo 1 Cadeias de suprimentos no século xxi... 2 A revolução da cadeia de suprimentos... 4 Integração gera valor... 6 Modelo geral de cadeia

Leia mais

RESUMO DA CHAMADA PÚBLICA MCTI/SECIS/FINEP/FNDCT - VIVER SEM LIMITE 01/2015

RESUMO DA CHAMADA PÚBLICA MCTI/SECIS/FINEP/FNDCT - VIVER SEM LIMITE 01/2015 RESUMO DA CHAMADA PÚBLICA MCTI/SECIS/FINEP/FNDCT - VIVER SEM LIMITE 01/2015 Salvador Out/2015 1. OBJETIVO Selecionar propostas para apoio financeiro a projetos de pesquisa, desenvolvimento tecnológico

Leia mais

GESTÃO DO PROCESSO DE PROJETOS Sistemas Prediais: (Instalações Elétricas e Hidrossanitárias)

GESTÃO DO PROCESSO DE PROJETOS Sistemas Prediais: (Instalações Elétricas e Hidrossanitárias) GESTÃO DO PROCESSO DE PROJETOS Sistemas Prediais: (Instalações Elétricas e Hidrossanitárias) AGENDA 1 2 3 Apresentação Palestrante Informações necessárias no projeto Sistemas Prediais: Especialidades 4

Leia mais

- Novo RUE: Resolução nº 671/2016 (DOU 07/11/16) Facilidade de acesso ao espectro: maior ocupação do espectro e aumento do número de prestadoras

- Novo RUE: Resolução nº 671/2016 (DOU 07/11/16) Facilidade de acesso ao espectro: maior ocupação do espectro e aumento do número de prestadoras 1 - Novo RUE: Resolução nº 671/2016 (DOU 07/11/16) Facilidade de acesso ao espectro: maior ocupação do espectro e aumento do número de prestadoras Simplificação do pedido de autorização de uso de RF (documentação)

Leia mais

APRESENTAÇÃO DO PALESTRANTE

APRESENTAÇÃO DO PALESTRANTE APRESENTAÇÃO DO PALESTRANTE MINICURRÍCULO Engenheira Civil, UEFS (2006) Especialista em Engenharia da Qualidade, UFBA (2007) Mestranda em Gestão e Tecnologia Industrial GETEC, SENAI CIMATEC Tem experiência

Leia mais

Missão. Visão. Objetivos Estratégicos (OE)

Missão. Visão. Objetivos Estratégicos (OE) Identidade Organizacional - Acesso à informação - IBAMA - Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos R O Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama) é uma autarquia

Leia mais

Processo de desenvolvimento de fórmulas enterais. Desde o fornecedor de matéria-prima até o produto final

Processo de desenvolvimento de fórmulas enterais. Desde o fornecedor de matéria-prima até o produto final Processo de desenvolvimento de fórmulas enterais Desde o fornecedor de matéria-prima até o produto final Apresentação Noemi Mau Donizeti Cezari Bióloga, 40 anos de atividades de R&D na Indústria de Alimentos,

Leia mais

1. PÁTIO DE LAVAGEM 2. RESERVATÓRIO DE DECANTAÇÃO 3. CONJUNTO MOTOBOMBA 4. OZONIZADOR (1g de ozônio/hora) 5. RESERVATORIO DE OXIDAÇÃO (500 L PVC) 6.

1. PÁTIO DE LAVAGEM 2. RESERVATÓRIO DE DECANTAÇÃO 3. CONJUNTO MOTOBOMBA 4. OZONIZADOR (1g de ozônio/hora) 5. RESERVATORIO DE OXIDAÇÃO (500 L PVC) 6. Defensivos Agrícolas, Produtos Fitossanitários, Agrotóxicos ou Pesticidas? FCA / UNESP Campus de Botucatu DPV Defesa Fitossanitária raetano@fca.unesp.br TERMINOLOGIA Agrotóxicos: Lei dos Agrotóxicos 7.802/89

Leia mais

Convênio de Cooperação Técnica BID/ABES. Divulgação do Curso de Capacitação em Regulação. São Paulo, 31 de Março de 2016

Convênio de Cooperação Técnica BID/ABES. Divulgação do Curso de Capacitação em Regulação. São Paulo, 31 de Março de 2016 Convênio de Cooperação Técnica BID/ABES Divulgação do Curso de Capacitação em Regulação São Paulo, 31 de Março de 2016 Agenda 1. Introdução: porque um curso sobre regulação de saneamento 2. Sobre a Cooperação

Leia mais

DESCRIÇÃO DAS ATIVIDADES DOS CARGOS

DESCRIÇÃO DAS ATIVIDADES DOS CARGOS DENOMINAÇÃO DO CARGO: TÉCNICO EM AGROPECUÁRIA DESCRIÇÃO SUMÁRIA DO CARGO: Prestar assistência e consultoria técnicas, orientando diretamente produtores sobre produção agropecuária, comercialização e procedimentos

Leia mais

AVIÔNICOS AVANÇADOS PRO LINE FUSION. Voos mais fáceis, mais previsíveis. Adaptado à sua aeronave.

AVIÔNICOS AVANÇADOS PRO LINE FUSION. Voos mais fáceis, mais previsíveis. Adaptado à sua aeronave. AVIÔNICOS AVANÇADOS PRO LINE FUSION Voos mais fáceis, mais previsíveis. Adaptado à sua aeronave. Unindo todo o espectro de cabines de comando de turbopropulsores a jatos comerciais intercontinentais. Planejamento

Leia mais

UNITRI. Mecânica e Mecanização Agrícola QUINTA AULA DE MECANIZAÇÃO AGRÍCOLA APLICAÇÃO DE DEFENSIVOS

UNITRI. Mecânica e Mecanização Agrícola QUINTA AULA DE MECANIZAÇÃO AGRÍCOLA APLICAÇÃO DE DEFENSIVOS UNITRI Mecânica e Mecanização Agrícola QUINTA AULA DE MECANIZAÇÃO AGRÍCOLA APLICAÇÃO DE DEFENSIVOS Conceito: Entende-se como "Tecnologia de Aplicação de Produtos Fitossanitários" o emprego de todos os

Leia mais

Eng.º Agr.º José Maria Fernandes dos Santos

Eng.º Agr.º José Maria Fernandes dos Santos PONTOS CRÍTICOS NA APLICAÇÃO DE DEFENSIVOS Eng.º Agr.º José Maria Fernandes dos Santos Pesquisador Científico Laboratório de Proteção e Clínica Vegetal E-mail: santosjmf@biologico.sp.gov.br Fone/Fax: (11)

Leia mais

Sistema de Gestão Ambiental

Sistema de Gestão Ambiental CONSTRUINDO UM FUTURO MELHOR PRA VOCÊ Av. Portal do Lago, QD 09 Lts 01 a 28 Loteamento Portal do Lago, Caldas Novas (GO) CEP 75.690.000 Site: www.unicaldas.edu.br Telefones: UnU 1 (64) 3453 7880 e UnU

Leia mais

HORÁRIO - ENGENHARIA AEROESPACIAL 2º SEM. DE 2012

HORÁRIO - ENGENHARIA AEROESPACIAL 2º SEM. DE 2012 da Nome da HORÁRIO - ENGENHARIA AEROESPACIAL 2º SEM. DE 2012 1º PERÍODO ECN075 ECONOMIA PARA ENGENHARIA D 6ª 07:30 09:10 100 Produção 101406 1176 UNI007 INTRODUÇÃO À ENGENHARIA EA 2ª 14:55 17:50 40 3015

Leia mais

ni.com Teste de Sistema de Controle para Aplicação de Defensivos com Aeronaves Agrícolas usando Simulador de GPS NI

ni.com Teste de Sistema de Controle para Aplicação de Defensivos com Aeronaves Agrícolas usando Simulador de GPS NI Teste de Sistema de Controle para Aplicação de Defensivos com Aeronaves Agrícolas usando Simulador de GPS NI NCB: A EMPRESA INTRODUÇÃO DEFINIÇAO DO PROBLEMA MATERIAIS E MÉTODOS RESULTADOS CONCLUSÕES 3

Leia mais

6.4 CONTROLE DE PLANTAS DANINHAS

6.4 CONTROLE DE PLANTAS DANINHAS 6.4 CONTROLE DE PLANTAS DANINHAS Prejuízos: -Competição por água; -Competição por luz; -Competição por nutrientes; -Hospedeiros de pragas e doenças; -Interferência na operação de colheita. Período de competição:

Leia mais

Modelo de gestão ambiental para a suinocultura. Rodrigo S. Nicoloso Eng. Agrônomo, Dr. Núcleo Temático de Meio Ambiente Embrapa Suínos e Aves

Modelo de gestão ambiental para a suinocultura. Rodrigo S. Nicoloso Eng. Agrônomo, Dr. Núcleo Temático de Meio Ambiente Embrapa Suínos e Aves Modelo de gestão ambiental para a suinocultura Rodrigo S. Nicoloso Eng. Agrônomo, Dr. Núcleo Temático de Meio Ambiente Embrapa Suínos e Aves Conceito: balanço de nutrientes Fertilizantes (NPK) Propriedade

Leia mais

Submódulo 9.6. Acompanhamento e previsão meteorológica e climática

Submódulo 9.6. Acompanhamento e previsão meteorológica e climática Submódulo 9.6 Acompanhamento e previsão meteorológica e climática Rev. Nº. 2.0 2016.12 Motivo da revisão Versão decorrente da Audiência Pública nº 002/2011. Versão decorrente da Audiência Pública nº 020/2015.

Leia mais

Substituição do antigo RSECE (Regulamento dos Sistemas Energéticos de Climatização em Edifícios) (1)

Substituição do antigo RSECE (Regulamento dos Sistemas Energéticos de Climatização em Edifícios) (1) A energia é indispensável para o funcionamento da generalidade das empresas, e em particular para os edifícios de comércio e serviços, responsáveis por mais de 40% do consumo de energia final na Europa.

Leia mais